Issuu on Google+

PUB PUB

Câmara aposta na educação social Concelho, 4 A.G.M.

Entrevista com vice-presidente da câmara Rui Pereira

Perigo SEGURANÇA. Muro da quinta de Vale e Azevedo ameaça ruir a qualquer momento colocando em perigo a vida de centenas de pessoas. Concelho, 5

Piscina encerrada SOCIEDADE. Obra inaugurada em Massamá por Fernando Seara está ao abandono porque é preciso apoiar crianças carênciadas. Queluz, 12

Em risco de vida CORREIO ROSA. Mulher de Castelo Branco internada em estado grave no Hospital Amadora/Sintra.

Famosos, 15 PUB


26 de fevereiro de 2014

humano em Portugal

O

tráfico de seres humanos em Portugal é uma realidade e não há nada que o contrarie. Seguindo o lastro deixado pelo espírito esclavagista, é um negócio que prospera nestes dias, onde o capital impera e em que se travam duras batalhas para fazer valer os Direitos Humanos. Com base numa investigação que efectuei ao longo de três anos e recentemente divulgado pelo extinto Instituto de Estudos Estratégicos Internacionais, foi possível perceber a forma como se processa o tráfico humano, neste país de “brandos costumes”. Uma triste realidade a que o concelho de Sintra não escapa. Portugal é sobretudo um “país de trânsito” dos novos “escravos”, mas também é origem e destino de seres humanos traficados, constando entre as principais rotas identificadas naquele estudo. Estas rotas serão 37, sendo 12 delas diretas (Nigéria-Portugal, Portugal-Espanha, Tailândia Portugal, Bulgária-Portugal, Brasil-Portugal, Gana-Portugal) e 25 indiretas (nestes casos Espanha apresenta-se como o país predominante nas rotas que têm como destino Portugal). O tipo de rotas do tráfico de seres humanos está directamente ligado às vítimas, ou seja, no caso das rotas indirectas predomina a exploração sexual – sendo as vítimas exploradas em diferentes países -, já nas rotas diretas predomina a exploração laboral. O predomínio de vítimas do sexo feminino (80%) é evidente, enquanto os homens representam apenas 20%. Contudo, no que se refere à exploração laboral as contas invertem-se um pouco, sendo as vítimas do sexo masculino predominantes (59%). De sublinhar que o padrão de “recrutamento” das vítimas poderá estar a mudar, já que de acordo com alguns testemunhos, muitas são sem-abrigo que foram raptados, e que acabam por estar mais vulneráveis, dada a sua vivência em exclusão social. São muitos os meios a que os traficantes poderão recorrer para submeter pessoas vulneráveis à exploração sexual e/ou laboral. De um modo geral, as falsas promessas são comuns e mais usadas com as mulheres (por ex., engano e retenção de salários), já no caso dos homens a intensidade da coacção aumenta sendo usuais as ameaças à pessoa. A dimensão do fenómeno do tráfico humano em Portugal é superior ao que é sugerido pelas estatísticas oficiais, que apenas incluem uma parte dos casos sinalizados. Simplesmente assustador. E com o Governo a tapar o sol com uma peneira.

 CARLOS TOMÁS

Salta à vista...

A

Avenida 25 de Abril, em Massamá, dispõe de uma parte lateral que se encontra no mais completo abandono e que dispõe de uma vista privilegiada sobre parte do Cacém e de Oeiras (Fábrica da Pólvora). A verdade é que ninguém ainda pensou em como utilizar devidamente

De terra em terra...

DR

editorial  O drama do tráfico

A abrir

aquele espaço, rodeado de árvores e com possibilidade de ser rentabilizado em termos lúdicos. Curiosamente, e se calhar por ter uma vista tão bonita, alguém teve a brilhante ideia de ali deixar um “maple”. Com tamanho conforto, a vista é certamente outra coisa…

DR

2 Correio de Sintra

O Museu Arqueológico de São Miguel de Odrinhas está situado na freguesia de São João das Lampas

A

s visitas ao museu arqueológico são guiadas e incluem um percurso museológico pela exposição permanente, onde é possível visitar um conjunto de pedras tumulares, sarcófagos, estelas, altares e lintéis, desde a época Etrusca à Idade Moderna, com especial relevância para a colecção de lápides romanas epigrafadas, reconhecidamente uma

A frase...

das mais significativas da Península Ibérica, para além das exposições é possível visitar as ruínas de uma villa romana bem como a igreja consagrada a São Miguel, de origem medieval.O museu encontra-se, ainda, dotado de uma sala de exposições temporária, uma biblioteca pública especializada, um auditório, gabinetes de estudo, oficina de restauro e áreas de lazer.

Temos de tratar de aspetos muito importantes e essenciais para o desenvolvimento do concelho de Sintra, como a necessidade de requalificação da zona costeira”

Basílio Horta, presidente da Câmara Municipal de Sintra.


PUB


4 Correio de Sintra

26 de fevereiro de 2014

Autarquicas Concelho EDUCAÇÃO. O Correio de Sintra entrevistou Rui Pereira, vice-presidente da Câmara de Sintra, que fez revelações bombásticas. Segundo ele, a anterior gestão da autarquia, cujo responsável máximo era Fernando Seara, deixou escapar o dinheiro que o Estado tinha disponibilizado para obras em escolas.

DR

“A anterior gestão não cuidou das escolas”

Havia contratos-programa assinados entre a Câmara e o Ministério da Educação, alguns com mais de 10 anos, que nunca foram cumpridos pelo simples facto de a autarquia não ter feito a sua parte. Ou seja, nunca apresentou nem levou avante os projeto com os quais se tinha comprometido. Foi dinheiro que nunca saiu do Estado, por inoperância da autarquia. Quem está a pagar são os alunos de escolas que se encontram agora extremamente degradadas”, afirmou ao Correio de Sintra Rui Pereira. De acordo com o autarca, o problema é ainda maior nesta altura: “Face à contenção de verbas, o Governo, uma vez que o dinheiro disponibilizado para a renovação das escolas de Sintra não foi utilizado, simplesmente retirou do Orçamento de Estado os valores em causa. E estamos a falar de milhões de euros. Agora, este executivo camarário está a fazer todos os esforços para desbloquear a situação, mas a verdade é que não está a ser fácil.” Dar livros a mais crianças Rui Pereira revelou que a autarquia está também a rever o apoio que tem dado aos alunos do primeiro ciclo de ensino: “Neste momento damos Pub

O vice-presidente da Câmara de Sintra exige que o Governo assuma as suas responsabilidades

livros anualmente a todas as crianças e depois elas ficam com eles. Não é razoável. Os livros têm de ser propriedade da autarquia e de passar de uns alunos para outros. Se houver esta racionalização será possível começar a oferecer livros aos estudantes dos outros ciclos. Só assim, devido às dificuldades económicas, poderemos ajudar mais estudantes. Não se trata de tirar, mas sim de gerir melhor e apro-

coberturas de fibrocimento que contêm amianto, um material cancerígeno. Sobre este assunto, Rui Pereira é pragmático: “A Câmara está atenta a todas as situações e já foi feito um levantamento das escolas nessas circunstâncias. Felizmente, a maioria delas têm coberturas em fibrocimento mas sem amianto. Apenas existe uma empresa que usou esse material no concelho. Está devidamente identi-

demos foi para que as direções das escolas alertem quando verificarem que há telhas muito degradadas. Nesses casos, as telhas serão substi-

tude. Tem ainda primazia no Departamento de Turismo, nas divisões de Informática, bem como de Conservação e Manutenção de Edifícios Municipais. O autarca admite que a situação das escolas é preocupante: “Existem relatórios, alguns com mais de um ano, que apontam para um investimento de 100 milhões de euros para recupera os estabelecimentos de ensino do concelho. Todas as escolas estão com problemas e dos mais diversificados. Estamos a tentar resolver os problemas, mas, face aos valores envolvidos, isso só será possível caso o Ministério da Educação e da Ciência assuma as suas responsabilidade e volte a disponibilizar as verbas já previstas em vários contratos-programa. Uma coisa é ver-

Existem relatórios que apontam para um investimento de mais de 100 milhões de euros para recuperar as escolas” “Todas as escolas têm problemas e dos mais diversificados”, afirma Rui Pereira

veitar os recursos que temos de forma mais adequada aos interesses das pessoas. Na prática, é poupar dando utilidade ao que se compra, por forma a atingir mais pessoas.” Amianto preocupa Sintra é um dos concelhos onde existem escolas com

ficada e vamos, naturalmente, encetar todos os esforços para que aquelas coberturas sejam substituídas. Infelizmente, não temos capacidade financeira para mudar tudo. Mas saliento que aqueles materiais só são perigosos se estiverem em avançado estado de degradação. As indicações que

tuídas de imediato. O resto terá de ser feito de forma faseada e em conjunto com o Ministério da Educação. Escolas degradadas Rui Pereira, além de vice-presidente, é o vereador responsável pela Educação, Cultura, Desporto e Juven-

dade: fiquei muito surpreendido, pela negativa, com o atual panorama das escolas do concelho. Mas acredito que vamos melhorar desde que o Ministério da Educação assuma as suas responsabilidades e não mantenha a postura demissionária que tem revelado.” CARLOS TOMÁS


26 de fevereiro de 2014

5

Muro da quinta de Vale e Azevedo ameaça ruir DR

SEGURANÇA. Os moradores da aldeia do Penedo em Colares, estão praticamente isolados desde o temporal do passado dia 22 de Janeiro. Isto, porque um enorme paredão, pertencente ao advogado João Vale e Azevedo, ex-presidente do Benfica e atualmente a cumprir pena na prisão da Carregueira, ameaça ruir a qualquer momento.

O

s habitantes daquela localidade já entregaram um abaixo-assinado na Câmara de Sintra, mas o problema mantém-se. “Só podem estar à espera de uma tragédia. Se aquele morro desmoronar a estrada vai ficar cortada e Deus queira que não esteja ninguém a passar por ali na altura. Conhecendo este país como conheço, só quando aquilo cair é que serão tomadas medidas”, afirmou ao Correio de Sintra José Pereira, promotor do abaixo-assinado que foi entregue esta semana na autarquia.

O paredão sustém um morro que ameaça ruir a qualquer momento

A colapsar Segundo este munícipe, em Janeiro deste ano os técnicos da autarquia des-

cobriram que o muro da Quinta de Cima com cerca de seis metros de altura e 100 metros de

comprimento, propriedade da IMAVED, uma empresa detida pela família do advogado Vale e Azevedo, está em risco de ruir. Trata-se de uma infraestrutura que sustém um morro com enormes dimensões. A partir do dia 22 daquele mês a estrada foi fechada a veículos, mas os moradores locais continuam a percorrer a artéria, uma vez que se trata do único acesso pedonal à aldeia. Quem circula de carro tem de efetuar um desvio de cerca de sete quilómetros para poder ter acesso à aldeia. Abaixo-assinado No limite da paciência, os moradores decidiram fazer um abaixo-assinado com mais de 150 assinaturas que foi entregue esta semana no Gabinete de Apoio ao Munícipe da Câmara de Sintra. Cristina Azevedo, a esposa do advogado preso na Carregueira, está a par de todo o processo, mas argumenta que tem de ter uma autorização oficial da autarquia – já teve autorizações ver-

bais - para mandar efetuar uma intervenção no morro. A autarquia, por sua vez, vai empurrando o problema de gabinete para gabinete e não há quem assuma uma posição em relação ao caso. “Quem está a sofrer com tudo isto são os moradores locais, que vão apanhar os transportes públicos a um local onde lhes pode cair um morro em cima e os comerciantes da aldeia que perderam mais de 50% dos clientes”, salientou ao Correio de Sintra José Pereira, apelando para que quer a junta de freguesia local, quer a autarquia acabem “com o jogo de pingue-pongue e resolvam o problema”. O acesso à localidade permanece oficialmente vedado, embora os moradores locais já tenham desviado os blocos de cimento que a autarquia ali colocou após o temporal e a estrada esteja a ser utilizada por viaturas ligeiras, à revelia de todas as indicações de segurança aconselhadas pelas autoridades. C.T. PUB


6 Correio de Sintra

26 de fevereiro de 2014

Moradores vivem aterrorizados Câmara concretiza protocolo ambiental em bairro de Mem Martins O presidente da Câmara Municipal de Sintra, Basílio Horta, e o ministro do Ambiente, Jorge Moreira da Silva, assinaram esta semana um protocolo pioneiro em Portugal que visa a constituição de um Conselho Estratégico Ambiental (CEAS) em Sintra, presidido por Nunes Correia, ex ministro do Ambiente.

DR

SOCIEDADE.

CRIME. A história começa em maio de 2013 e dura até hoje. Um morador da Rua Coutinho Pais, no Bairro Coopalme, em Mem Martins, tem sido atacado por um gangue de jovens, sem que as autoridades intervenham.

A

Pub

O

objetivo deste Conselho Estratégico é garantir a cooperação de várias entidades que têm competência sobre matérias ambientais, desde recolha e tratamento do lixo, orla costeira, ordenamento do território e requalificação urbana. Esta nova estrutura permitirá uma maior articulação na apreciação de projetos entre o município e administração central, com o objetivo de acelerar os processos de licenciamento. Durante a iniciativa, o ministro do Ambiente saudou a criação do Conselho Estratégico Ambiental, adiantando que este é um organismo “orientado para a valorização” económica e ambiental que irá “contribuir para o processo decisório” das matérias ambientais no concelho. “Espero que o que está a ser feito possa ser replicado noutros concelhos. Dificilmente se encontraria outro concelho onde mais se justificasse.

A vida do senhor Santos, nos últimos meses, tem sido um verdadeiro “inferno”

Sintra terá dito nada poder fazer em relação ao sucedido e até terá feito pressão para que a queixa não fosse formalizada, alegando que tinham poucos agentes para uma zona muito populosa. Só quando várias pessoas foram à esquadra local apresentar queixa é que aquela foi aceite. Tragédia eminente “No dia 27 de Janeiro de 2014, dois miúdos (vistos ao longe por um vizinho) atiraram-lhe pela janela, não lhe acertando por poucos centímetros. Teve sorte pois a pedra que foi, se lhe batesse, tê-lo-ia matado. O senhor Santos lá chamou a PSP, que prontamente respondeu ao sucedido, dizendo-lhe que no dia seguinte lá estaria um agente da dita “Escola Segura”, para tomar conta da ocorrência, pois existiu

alguém que viu os indivíduos, ainda que ao longe. A pedra ficou intocável no chão onde caíra. Uma vez que a PSP não voltou no dia seguinte, este dirigiu-se à esquadra de Mem Martins para saber quando lá iriam e recebeu como resposta que “não sabiam do sucedido”, e que não tinham lá nenhum registo do ocorrido”, contou em carta aberta a que o Correio de Sintra teve acesso Carlos Agostinho, um vizinho do homem que anda a ser perseguido pelo bando. Apedrejavam o cão Segundo o Correio de Sintra apurou, até agora, nem a PSP nem o Ministério Público responderam ou interrogaram os moradores que formalizaram as denúncias. Na origem das agressões estará o apedrejamento por parte do gang ao cão do queixoso. CT

DR

vítima tem 90 anos e não sabe a quem recorrer, uma vez que já foram feitas denúncias ao Ministério Público, ao Comando Metropolitano de Lisboa da PSP e à própria Direção Nacional desta instituição. Mais grave, todos os moradores locais conhecem os autores dos ataques ao idoso e já os identificaram às autoridades. Mas tudo tem caído em saco roto e a vítima continua a temer pela vida. O ataque levado a cabo pelo gangue em 2013 foi testemunhado por vários residentes da rua, mas ninguém ousou falar: “Eles sabiam quem eram os envolvidos, pois tinham-nos visto a bombardear a casa do senhor com pedras da calçada e outras parecidas, principalmente à noite. Mas todos ali tiveram medo de os denunciar. Claro que ninguém quer levar pedradas na porta, portadas e janelas às tantas da noite e ter de andar a correr atrás deles, como outros vizinhos já fizeram. Isto é uma vergonha”, pode ler-se numa das denúncias feita à PSP por um morador local e à qual o Correio de Sintra teve acesso. De acordo com a mesma fonte, na altura, a PSP de

Câmara e Governo unidos pelo ambiente

Concelho

Sintra é o concelho onde se pode aplicar este modelo experimental, tem valores naturais e paisagísticos muito importantes”, disse o ministro. De acordo com o presidente da Câmara Municipal de Sintra, a constituição do CEAS “é muito importante” pois permite a abertura de “um diálogo permanente entre todas as entidades que gerem o território”. “Iremos aqui tratar de aspetos muito importantes e essenciais para o desenvolvimento do concelho de Sintra, como a necessidade de requalificação da zona costeira, onde há muito por fazer, a necessidade de resolver o problema das Augi´s [Bairros de Génese Ilegal] ou a reabilitação urbana do centro histórico e alteração ao PDM”, disse Basílio Horta. No evento estiveram presentes o secretário de Estado do Ambiente, Paulo Lemos, e o secretário de Estado do Ordenamento do Território, Miguel de Castro Neto. O novo organismo junta entidades do Ministério do Ambiente (ICNF, Agência Portuguesa do Ambiente, IHRU, Parque Natural Sintra-Cascais, CCDRLVT) e da Câmara Municipal de Sintra (Divisão de Ambiente, SMAS, HPEM – Recolha de lixo, Conselho Estratégico Empresarial, Departamento de Solidariedade e Inovação Social).  CT


26 de fevereiro de 2014 Correio de Sintra

PUB

7


PUB


- Cacém O “monumento” de Agualva/Cacém

SEGURANÇA. Quem entra a pé, de carro ou comboio na União de Freguesias de Agualva/Mira Sintra e Cacém/São Marcos depara-se com um ex-libris em pleno monte: um prédio devoluto que ninguém sabe a quem pertence e que é usado por sem abrigo e toxicodependentes.

11

DR

Cacém Agualva

26 de fevereiro de 2014

A

infraestrutura está abandonada há mais de duas décadas, mas ninguém resolve o problema. “Nós temos medo de passar por ali. Agora abriram uma via pedonal que liga o Cacém a Massamá, mas é impensável eu ir andar naquela avenida depois das sete da tarde, porque tenho medo dos toxicodependentes, e não só, que vão para aquele prédio”, confessou, ao Correio de Sintra, Andreia Duarte, moradora na Avenida dos Bons Amigos, antiga freguesia de Agualva/Cacém, uma artéria que beneficia da nova ligação entre Agualva e Massamá: a Rua Dr. Francisco Sá Carneiro. Madalena Duarte é outra utente daquela rua, e também não esconde os seus temores: “Durante o dia não tenho medo de fazer as minhas caminhadas, mas assim que começa a escurecer não coloco lá os pés. Já foram assaltadas várias pessoas e a PSP de Massamá só

O “monumento” é usado por toxicodependentes e considerado um foco de insegurança

O morro está transformado em “Quinta Pedagógica”

está lá para multar os condutores. É uma vergonha.” . “Quinta pedagógica” A acrescentar ao prédio devoluto, há ainda o resto do monte, transformado numa autêntica “Quinta Pedagógica” de entrada livre, com plantações de couves, nabos, batatas e, ainda, com cavalos e vacas a pastar livremente. “Um dia destes fui fazer a minha caminhada e deparei-me com uma vaca na

uniões de freguesias. De acordo com fontes camarárias, os dois problemas, prédio em ruínas e gado a pastar livremente, são para já insolúveis, uma vez que se tratam de terrenos e propriedades privadas. A menos, como admitiu ao Correio de Sintra o presidente da União de Freguesias de Massamá/Monte Abraão, Pedro Brás, ali ocorra uma tragédia. “Nessa altura cai o Carmo e a Trindade”, ironizou o autarca, que sente de perto o problema. CT

estrada, O coitado do bicho meteu-se num canto da estrada e ficou ali uma data de tempo. Pelo que sei, existe no monte um acampamento de ciganos, escondido no meio das hortas, e serão eles que levam para ali os animais. É um risco para os condutores e para as pessoas que usam a avenida nas suas caminhadas. Alguém devia tomar medidas”, desabafou Celestina Silva, moradora na Avenida Aquilino Ribeiro, em Massamá, artéria que fica a escassos metros da fronteira entre as

GNR procura criminosos que prendeu CRIME. . Militares do Subdestacamento de Sintra detiveram, na noite do passado dia 18, três jovens, com idades compreendidas entre os 20 e os 24 anos, pela prática de vários roubos a postos de abastecimento de combustível no Cacém e em Sintra. Depois das detenções, foram postos em liberdade por ordem do Ministério Público.

O

s três indivíduos foram surpreendidos quando desenvolviam atos preparatórios para efetuarem mais um roubo a uma gasolineira do concelho de Sintra, pelo que foram detidos. Foram ainda realizadas buscas domiciliárias às residências dos suspeitos e à viatura utilizada, tendo sido apreendidos telemóveis, gorros, duas golas polares utilizadas para ocultar o rosto, luvas, uma arma

branca e a viatura. Normalmente, dois dos suspeitos manietavam o funcionário do posto de abastecimento de combustível, com recurso a arma de fogo ou através de coação física. Após perpetrarem o roubo encetavam fuga, estando um terceiro elemento a aguardar por eles na viatura. Toda esta ação desenrolava-se em cerca de um minuto. Os jovens estão ainda referenciados por outros roubos com recurso a

arma de fogo e por tráfico estupefacientes. Os suspeitos foram detidos, constituídos arguidos e sujeitos a termo de identidade e residência, tendo sido notificados para comparecerem no Tribunal Judicial de Sintra, para primeiro interrogatório. Nenhum deles colocou os pés em tribunal e, agora, as autoridades andam à procura dos criminosos para os convocarem novamente para irem a tribunal….  CT PUB


12 Correio de Sintra

Queluz

26 de fevereiro de 2014

Opinião

Apoio a crianças fecha piscina em Massamá DR

SOCIEDADE. . Foi uma obra apresentada com pompa e circunstância por Fernando Seara, antigo presidente da Câmara Municipal de Sintra. Uma piscina para servir a populosa freguesia. Passados mais de dez anos permanece ao abandono. Vale a causa: está fechada porque os balneários serviram para acolher uma creche de apoio a crianças carenciadas.

“Cartão Comércio” e Parque radical A menos de 500 metros da piscina encerrada, mas já na freguesia de

Arranjar estradas danificadas pelas intempéries Piscina está fechada porque balneários foram transformados em creche DR

Foi um ‘presente’ que o Fernando Seara nos deixou. Gastaram-se milhares de euros na construção da piscina e, afinal, ela teve de ser fechada porque os balneários passaram a ser usados pela Casa Animada, uma associação que apoia, com a ajuda da Junta de Freguesia, crianças e jovens. Em conjunto, damos acolhimento a crianças carenciadas, apoio social aos pais, encaminhamento para ajuda alimentar, distribuição de roupa e apoio psicológico e terapia da fala, entre outras vertentes. A União de Juntas de Freguesia de Massamá/Monte Abraão não tem outro espaço para colocar as crianças. E elas são mais importantes do que quem quer apenas nadar. Enquanto não se encontrar uma solução, a piscina permanecerá fechada”, garantiu ao Correio de Sintra Pedro Oliveira Brás, o presidente da União de Juntas. O espaço onde funciona a Anima acolhe neste momento 70 crianças carenciadas residentes em Massamá. “Lamento que se trate de uma solução provisória que se arrasta desde 2005. Mas em primeiro lugar estão, obviamente, as crianças da freguesia”, salientou Pedro Brás.

para os cerca de 50 mil habitantes locais, comprometendo-se as empresas e lojas aderentes a dar um desconto substancial aos moradores da freguesia que apresentem aquele título. “Queremos, com esta iniciativa, dar um sinal claro de que a União de Freguesias está preocupada em apoiar as empresas e o comércio local”, explicou, ao Correio de Sintra, o autarca.  CT

Parque Radical deverá ser inaugurado no mês de maio em Massamá Norte

Queluz/Belas, mais concretamente na alameda de Massamá Norte, está a nascer o “Parque Radical”, destinado também à população jovem de Massamá/Monte Abraão. “As duas uniões de freguesias partilham espaços que são quase comuns. A criação deste parque, destinado aos praticantes de “skate” e BTT, vai beneficiar milhares de jovens e

preencher de forma salutar os seus tempos livres. Deverá ser inaugurado já no mês de Maio”, revelou ao Correio de Sintra Rui Pereira, vice-presidente da Câmara Municipal. Em paralelo, e para dinamizar a freguesia, a União de Juntas vai lançar o “Cartão Comércio”. Segundo o presidente Pedro Brás, trata-se de um cartão que estará disponível

Massamá e Monte Abraão, como a generalidade das freguesias do concelho de Sintra, sofreram enormes danos em virtude das intempéries que se registaram neste inverno. A Câmara Municipal de Sintra decretou um plano de emergência, mas, segundo o nosso jornal apurou, limitado às verbas existentes. Assim, foram pedidas a todas as juntas que indicassem as cinco vias prioritárias para serem alvo de intervenção. Na União de Freguesias de Massamá/ Monte Abraão foram escolhidas as principais artérias de acesso ao IC-19, bastante afetadas pelos temporais.

Pub

NUNO GODINHO

Comprar, Vender ou Arrendar, Contacte-me. 10 anos de experiência no mercado imobiliário.

965 199 083

ngodinho@remax.pt | www.remax.pt/ngodinho

MUST

VERDADEIRO MUST, SOC. MED. IMOBILIÁRIA,LDA

AMI7532


Pub


14 Correio de Sintra

26 de fevereiro de 2014

DR

Lazer & Desporto

Pedro Abrunhosa e Comité promovem novo álbum A parceria Pedro Abrunhosa & Comité Caviar vai apresentar o álbum “Contramão”, no Centro Cultural Olga Cadaval, no próximo dia 1 de março, às 21h30, num evento que se espera venha a esgotar aquele espaço sintrense.

LAZER.

“ Real de Massamá promove rítmica de representação DESPORTO. O Real Sport Club de Massamá continua a crescer e a implementar novas modalidades. As últimas, segundo a revista oficial do clube, são a rítmica de representação e o Acrotramp, uma mistura de saltos de trampolim com acrobática.

N

este momento, cerca de uma centena de ginastas, diz o clube na sua revista oficial, integram as classes de rítmica de representação e o Acrotramp anda pelos mesmos números de praticantes. A ideia do clube, é transportar estas modalidades para fora dos pátios das escolas e “apostar em demonstrações, seja na rua, seja noutros países”. “O número de praticantes a frequentar as atividades de ginástica do Real Sport Club está a subir. A rítmica é um exemplo expresEmpresas e negócios

sivo. Temos quase 100 praticantes inscritos e regista-se uma procura enorme de novas alunas para integrar as classes”, revelou àquela publicação a professora Rita Carvalho, propulsora da modalidade no clube mais representativo da freguesia de Massamá/Monte Abraão, revelando um desejo: “Gostaria muito de representar o Real Sport Clube na Gymnaestrada de 2015, em Helsíquia (Finlândia). Acrotramp Outra modalidade em expansão naquela freguesia é o Acrotramp, uma mescla de acrobática com saltos em trampolim. A ideia, revelam os seus responsáveis, é “criar uma classe capaz de representar o clube ao mais alto nível”. Hugo Rodrigues, explica em que consiste esta modalidade: “Num conceito mais lato estamos a falar de ginás-

tica geral. O desafio que nos foi lançado foi o de criar uma boa classe de representação e acho que, neste ambiente de clube, faz muito mais sentido do que a perspetiva de competição, até porque as atuais condições não o permitem. Não estamos a falar só de trampolins ou de acrobática. Queremos fomentar uma aprendizagem mais abrangente.” Perder peso Além destas duas inovações, o Real Sport Club está também a impulsionar o Aerokick Fitness. Trata-se de uma modalidade que junta o Kikboxing com o Fitness. A ideia é criar uma receita para as pessoas perderem peso e melhorarem a sua condição física, ao mesmo tempo que aliviam o stresse diário. As aulas duram apenas 45 minutos, mas diz quem pratica que o tempo chega e sobra.  CT

DR

O Real Sport Clube de Massamá está a apostar em modalidades inovadoras

Para mim, um disco é cada vez mais um livro, uma narrativa contínua de histórias desencontradas que se reencontram na música que escrevo, de personagens, por vezes atormentadas, outras felizes, de sentimentos de perda ou de conquista que acabam por ser comuns a muitos de nós. Falo de mim através das vozes de outros e transponho-me para os outros usando a minha própria voz”, desabafa o conhecido cantor.

Preços de caviar E Pedro Abrunhosa apela à simplicidade: “Ao longo de todo este tempo, diria quase desde que me conheço enquanto músico, procurei melhorar a simplicidade daquilo que verdadeiramente me fascina: escrever canções. O que aí vem é apenas isso. A minha vida tornada palavra e harmonia. Se se encontrarem comigo neste trabalho, a minha tarefa estará cumprida e partirei para a estrada já com o próximo disco nas entranhas.” Os preços é que são pouco apelativos, uma vez que variam entre os 22 e os 20 euros, com descontos de dois euros para menores de 18 anos, maiores de 65 e grupos de mais de 10 pessoas. Mas o Pedro e o seu Comité prometem que, no concerto, irão fazer por merecer o caviar.

Pedro Abrunhosa apresenta o novo álbum no Olga Cadaval


26 de fevereiro de 2014

Correio rosa

Mulher de Castelo Branco em risco de vida

FAMOSOS. Segundo o Correio de Sintra

apurou junto de fontes hospitalares, Betty Grafstein, de 84 anos, mulher do conhecido marchand José Castelo Branco, foi levada para o hospital Amadora-Sintra depois de se ter sentido mal no passado domingo.

A

socialite ficou internada nos cuidados intensivos devido à “falta de oxigénio no sangue”, como confirmou publicamente o próprio José Castelo Branco. De acordo com o marido, Betty terá tido uma “pneumonia fortíssima e falta de oxigénio no sangue”, que a levaram a ficar internada nos cuidados intensivos do Amadora-Sintra, embora os problemas de saúde tenham começado no passado sábado. Internada de urgência José Castelo Branco disse que Betty teve que ser “internada de urgência” e que, de momento (terça-feira) se encontra em “estado muito crítico”. “É um horror! No sábado ela não se estava a sentir bem e veio cá uma médica a casa, que lhe receitou antibiótico. Como no domingo ela continuava a não estar bem, veio cá outra médica que lhe passou outros remédios. Como a Betty não conseguia respirar, chamámos os bombeiros e levaram-na de ambulância”, contou o jet set a vários órgãos de Comunicação Social. PUB

Tal como o marido, Betty sempre esteve envolvida em polémicas

No Carnaval Quando Betty Grafstein se sentiu mal, o marido encontrava-se a festejar o Carnaval antecipado em Estarreja, onde foi “rainha”, no passado domingo, tendo sido a figura maior do corso ali realizado e que contou com milhares de pessoas a assistir. Só nesse domingo à noite, quando regressou dos festejos, se terá apercebido do estado grave em que a mulher se encontrava, tendo acionado o 112. À hora de fecho da nossa edição Betty Grafstein permanecia em estado grave e com prognóstico considerado pelos médicos como “reservado”.

Humilde Aos 84 anos, Betty esconde um passado humilde e difícil que começou quando a atual mulher de José Castelo Branco era pequenina. Foi adotada por um casal que não conseguia ter filhos biológicos. Com apenas seis meses de vida, ganhou o apelido da família Larner e recebeu um lar em East Dulwich, nos subúrbios de Londres, mas sempre escondeu publicamente as origens simples do pai, Bertram Thomas Larner, que ganhava a vida como tipógrafo e da mãe, Dorothy Cordelia Cheney, que era dona-de-casa. Em Junho de 1924, Albert Grafstein, o falecido marido de Betty, o seu pai, Joseph, e o irmão, Max, foram detidos em Nova Iorque, acusados de contrabando de diamantes. O diário ‘The New York Times’ fez manchete com o resultado da ‘maior investigação do género efetuada pelo governo’.

15


PUB


Correio de sintra 72