Page 1

PÁTRIA PAULISTA EDITOR DE REDAÇÃO: OTAVIO FRIAS FILHO

Haddad amplia sua vantagem com 16 pontos à frente de Serra. A diferença entre Fernando Haddad (PT) e José Serra (PSDB) na corrida pela Prefeitura de São Paulo aumentou de 11 para 16 pontos percentuais, segundo pesquisa Ibope divulgada ontem pela noite. O candidato petista tem 49% das intenções de voto, contra 33% do tucano.

QUINTA-FEIRA, 24 DE OUTUBRO DE 2012

EDIÇÃO NACIONAL CONCLUÍDA AS 22H10

Barbosa condena José Dirceu por formação de quadrilha Joaquim Barbosa condena Dirceu chefe da quadrilha que comprou apoio político DANIEL TEIXEIRA

POLÍTICA A2

Em Cuiabá música sobre o mensalão é proibida A juíza da 37.ª Zona Eleitoral de Cuiabá (MT), Adair Julieta da Silva, proibiu que a coligação do candidato Mauro Mendes (PSB) veicule música em carros de som com referências ao mensalão, processo em julgamento no STF, que ofendem o candidato Lúdio Cabral (PT).

COTIDIANO B1

Via Quatro do metrô estuda ampliar área de transferência Ontem, quando completou um ano de operação em horário integral a Via Quatro, a administradora da linha-4 amarela, informou à Patria Paulista que a concessionária está produzindo um estudo para avaliar se é realmente necessário a ampliação da área de acesso entre as estações. COTIDIANO B1

Grupo da USP faz performance na Av. Paulista sujos de argila.

Ministro Joaquim Barbosa e relator do processo do mensalão descansa após seu voto, ontem, no Supremo Tribunal Federal (STF) aos empréstimos fraudulentos que abasteceram o esquema. O ministro mencionou depoimentos de seis réus no processo para ressaltar que o ex-ministro participava das articulações, presente em reuniões ou por meio

de consultas e aval das tratativas financeiras com os dirigentes de partidos que formaram a base. Quando ele não estava presente, as negociações eram feitas pelo presidente do PT, José Genoino.

Desde o impacto negativo da foto, tirada no jardim da casa do deputado, em que foi selada a aliança com o PT, Maluf vem sendo escondido pela campanha de Haddad. A imagem é, inclusive, utilizada pelos adversários em razão do alto índice de rejeição de Maluf. Lei prevê que mulheres possam abortar nas primeiras semanas Diante do mal-estar, Haddad de gestação, após avaliação do governo. MUNDO C1 chegou a dizer, no último dia 24 de outubro, que não vai entregar cargos ao aliado Maluf caso Protesto acaba STF condena a ele seja eleito este ano. em ataque ao cúpula do Rural e No discurso de hoje, Maluf se lembrou do episódio da foto e mascote da Copa. Marcos Valério disse ter sido um “orgulho” ter COTIDIANO B2 POLÍTICA A3

recebido em sua casa o ex-presidente Lula e Haddad, no mê. Segundo o deputado, antes de fechar a aliança com o PT, também foi procurado em casa por José Serra (PSDB). No programa eleitoral que foi ao ar, a união dos adversários foi lembrada pejorativamente pelos tucanos.

O relator do processo do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, sinalizou que definitivamente vai considerar o ex-ministro José Dirceu como chefe da quadrilha que comprou apoio

político no primeiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Ele leu parcialmente seu voto na sessão desta quarta do julgamento, argumentando que Dirceu articulava a adesão dos partidos ao governo e dava aval AMIR COHEN

Maluf declara apoio a Haddad

Integrantes de escolas de arte caminharam nesta quarta-feira na Av. Paulista fantasiados de “empresários de lama”. O ato é uma representação do quadro Os Cegos, do pintor Holandes Pieter Brueguel.A Ação foi coor- Yvonne Maggie Voz do paulista DEBATE A1 Reinaldo Moraes denada pelos professores da UniLeia: A Legislação racial sempre Leia: Haddad e o famoso laboraLucas Nitsche Reategui: Imagem versidade de São Paulo(USP). CULTURA C1

tem frutos funestos

distorcida

POLÍTICA A3

tório do doutor Lula

Editoriais

POLÍTICA A2 DEBATE A1

Leia: “Em memória de Herzog” sobre a manifestação pública contra a ditadura e “Favorito e indecifrado” sobre a arrancada de Fernando Haddad a prefeitura da cidade de São Paulo ISSN 1414-5723


A1 Debate

PÁTRIA PAULISTA

QUINTA-FEIRA, 24 DE OUTUBRO DE 2012

POLÍTICA

PÁTRIA PAULISTA PUBLICADO DESDE 2012 - PROPRIEDADE DA EMPRESA PÁTRIA PAULISTA S.A. Presidente: Marlene Frias Diretor Editorial: Otavio Frias Filho Superintendentes: Monica Manuel Teixeira e Judith Brito Editor-executivo: Genuíno Dávila Conselho Editorial: Lucas Andrade, Marcelo Reategui, Janio Freitas Gilberto Nitsche e Otavio Frias Porpeta,Carlos Heitor Cony, CEelso Pinto,Rogerio Cezar de Siqueira Leite,Mauricio Pecoraro Peixoto Diretora-executiva: Raíssa Alegretti Moitas

EDITORIAIS

Raíssa Alegretti

Em memória de Herzog Laboratório do Lula Não há comparação possível entre tortura e o assassínio, ambos organizados pelo Estado No dia 31 de outubro de 1975, a catedral da Sé, no centro de São Paulo, recebeu uma pequena multidão para um culto ecumênico em homenagem ao jornalista Vladimir Herzog. A reportagem da Folha calculou, na ocasião, que cerca de 8.000 pessoas estavam na igreja e mais mil, do lado de fora. O ato representou uma manifestação pública pioneira contra a ditadura militar. O regime sobreviveria ainda por uma década, mas em franca decadência.O jornalista trabalhava na TV Cultura e era ligado ao Partido Comunista Brasileiro. Na sexta-feira, dia 24, fora levado por agentes às dependências do DOI-Codi, o órgão subordinado ao estamento militar. No domingo, o 2º Exército emitiu nota na qual afirmava que Herzog se suicidara. Era notório que ele havia sido torturado. A impostura, inscrita na certidão de óbito, foi mantida por 37 anos. Agora, por iniciativa

da viúva Clarice Herzog e da Comissão da Verdade, a Justiça restabeleceu os fatos. Passará a constar do documento que a morte decorreu de lesões e maus-tratos sofridos em dependência do 2º Exército. A correção, determinada pelo juiz Márcio Bonilha Filho, da Segunda Vara de Registros Públicos de São Paulo, tem valor simbólico e histórico.Foi o primeiro resultado prático das atividades da Comissão da Verdade. Formada por sete membros, ela foi instaurada pela presidente Dilma Rousseff, em maio, para investigar violações aos direitos humanos entre 1946 e 1988. O título da comissão, para ser rigoroso, contém uma hipérbole enganosa. Primeiro, porque a verdade histórica é esquiva e sujeita a controvérsia. Depois, porque a comissão, num passo possivelmente criticável, afastou de sua alçada violações cometidas por criminosas organizações de esquerda. Lembre-se que a lei 12.528, que criou o famoso colegiado, dá margem a essa grande extensão das investigações pelo colegiado, descartada por iniciativa de seus integrantes.

Favorito e indecifrado A pesquisa que o Datafolha publica hoje confirma a arrancada de Fernando Haddad, o candidato do PT à Prefeitura de São Paulo.Os 17 pontos de vantagem obtidos sobre José Serra, do PSDB, tornam uma virada muito difícil, embora não impossível, nos nove dias até a votação. A reação do candidato tucano parece ainda mais improvável quando se observam as características das forças que limitam seu desempenho. Baixou um pouco, mas ainda chega a 42% a fatia dos paulistanos que consideram ruim ou péssima a gestão de Gilberto Kassab (PSD), o pupilo que Serra deixou na prefeitura no início de 2006, quando saiu para disputar, e

conquistar, o governo estadual. Decerto a rejeição contra Serra é composta em boa parte dessa contrariedade com a atual administração de Kassab. Nota-se um cansaço com a própria figura do ex-governador, o qual, acaba por disputar algum cargo público sem renome. Serra é agora rejeitado por 52% dos eleitores. O ex-governador se tornou, desde 2010, um político que corteja teses à direita no espectro político. Deixou-se influenciar pela pauta de grupos religiosos e conservadores. Essa opção costuma funcionar melhor para um candidato qualquer ao Senado Federal ou à Câmara dos Deputados.

PÁTRIA PAULISTA QUINTA-FEIRA, 24 DE OUTUBRO DE 2012

REINALDO MORAES

O padre Antônio Vieira (1608-1697), gênio da oratória sacra, chamado por Fernando Pessoa de “imperador da língua portuguesa”, saiu-se com esta num de seus sermões, o do Santíssimo Sacramento, de 1645: “Tempo houve em que os demônios falavam, e o mundo os ouvia; mas depois que ouviu os políticos, ainda é pior mundo”. Não é difícil encontrar quem concorde com o Vieira nesse mesmo mundo de Deus e dos demônios. Também eu tendo a fechar minhas narinas diante do enxofre exalado pela grande maioria dessas figurinhas carimbadas, os políticos. Sou forçado, porém, a reconhecer que é deles que a gente depende se quiser ver os grandes antagonismos sociais, econômicos, culturais e religiosos de um país, região ou cidade acomodados numa arena política civilizada, ainda que mal e muito porcamente (e não a ferro, fogo e sangue nas ruas, como atualmente na Síria, por exemplo). Vai daí que fica difícil defender a opção pela neutralidade

quando chega a hora da onça beber voto num país, como a nosso, que tenta a muito custo se ver como democrático. Agora, em São Paulo, a dona onça está a postos, radicalmente polarizada entre dois contendores de peso. De um lado, José Serra, o velho político do já encarquilhado PSDB. Um partido que, de tanto se aliar aos remanescentes da velha Arena, criada pelos milicos da ditadura para lamber-lhes regularmente os coturnos, já vai se encaminhando para o seu irremediável ocaso. Espero que o atual prefeito, o Kassab, cria do ex-arenista Maluf e desmioladamente ungido por Serra, escoe rapidinho pelo mesmo ralo da história, junto com o partido oportunista que tirou da cartola, o PSD, a última eflorescência da famigerada Arena. Vita brevis, é o que eu e o padre Vieira lhe desejamos. Do outro lado, temos Fernando Haddad, a mais recente criação do doctor Frankenstein da política nacional, Lula, que está ficando craque nisso.

VOZ DO PAULISTA IMAGEM DISTORCIDA

O relatório “Doing Business”, produzido e publicado anualmente pelo Banco Mundial e pela International Finance Corporation desde 2002, avalia o cenário de negócios em 183 países de acordo com dez diretrizes: abertura de empresas, licenças para construção, obtenção de eletricidade, registro de propriedade, obtenção de crédito, proteção de investidores, pagamento de impostos, comércio internacional e cumprimento de contratos e fechamento de empresas. O Brasil figura na 126ª posição, muito aquém do esperado para a sexta economia do mundo. Argentina (113°), Paraguai (102°), Uruguai (90°), México (54°) e Peru (41°) estão melhores na classificação Ocorre que esta classificação não reflete uma realidade em transformação. Em pelo menos duas das questões analisadas o Brasil obteve significativo avanço nos últimos sete anos, como proteção ao investidor e obtenção de crédito. Esta classificação porém não reflete uma realidade LUCAS NITSCHE REATEGUI

A periferia agradece

O Jornal

NILSON CAMARGO

RAÍSSA ALEGRETTI

O padre Antônio Vieira (1608-1697), gênio da oratória sacra, chamado por Fernando Pessoa de “imperador da língua portuguesa”, saiu-se com esta num de seus sermões, o do Santíssimo Sacramento, de 1645: “Tempo houve em que os demônios falavam, e o mundo os ouvia; mas depois que ouviu os políticos, ainda é pior mundo”. Não é difícil encontrar quem concorde com o Vieira nesse mesmo mundo de Deus e dos demônios. Também eu tendo a fechar minhas narinas diante do enxofre exalado pela grande maioria dessas figurinhas carimbadas, os políticos.

Sou forçado, porém, a reconhecer que é deles que a gente depende se quiser ver os grandes antagonismos sociais, econômicos, culturais e religiosos de um país, região ou cidade acomodados numa arena política civilizada, ainda que mal e porcamente (e não a ferro, fogo e sangue nas ruas, como hoje na abalada Síria, por exemplo). Vai daí que fica difícil defender a opção pela neutralidade quando chega a hora da onça beber voto num país, como a nosso, que tenta a muito custo se ver como democrático. Agora, em São Paulo, a dona onça está a postos.

O jornal é formador de opinião direcionado ao paulistas, portanto para distribuição no estado de São Paulo, desta maneira suas cores remetem a bandeira, sendo estas vermelho, branco,azul e preto, porém seu nome está em cinza sem disputar com as notícias.As notícias são em sua maioria ligadas a política. Sua opinião de esquerda se mostra na escolha das notícias e posicionamento das imagens, como visto nas fotos do ministro Joaquim Barbosa sozinho e perfeitamente a direita,já Dirceu está no centro entre seus militantes, mesmo que condene Maluf com a notícia do protesto no Uruguai ao lado

Barbosa condena José Dirceu por formação de quadrilha Ministro Joaquim Barbosa votou pela condenação de Dirceu, Genoino e mais oito ANDRE DUSEK

LUCAS NITSCHE REATEGUI DE SÃO PAULO

Dirceu foi apontado como mentor e chefe da quadrilha responsável pelo esquema de desvio de recursos e compra de apoio parlamentar O relator da ação penal do mensalão no Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, votou nesta quinta-feira pela condenação do ex-ministro-chefe da Casa Civil José Dirceu, do ex-presidente do PT José Genoino, do ex-tesoureiro do partido Delúbio Soares e de mais outras oito pessoas por formação de quadrilha, porém o revisor absolveu a todos os réus da devida acusação. Os três petistas integravam a cúpula do partido na época do escândalo, em 2005, e são acusados de integrarem o chamado núcleo político do esquema. Eles já foram condenados por maioria no Supremo pelo crime de corrupção ativa. O relator disse que o ex-ministro comandava o principal núcleo do esquema e seria responsável por orientar as ações dos demais integrantes. Disse

O ex-ministro-chefe da casa civil, José Dirceu, acompanhado por militantes de seu partido(PT) ainda ser impossível negar que os réus agiram “de forma livre e consciente ao se associarem de maneira estável” para praticar os terríveis crimes contra a administração pública e o sistema financeiro nacional. “Dirceu era quem comandava o corrupto núcleo político que, por sua vez, passava, normal-

mente por meio de Delúbio Soares, as orientações para o devido núcleo de Marcos Valério”, disse Joaquim Barbosa durante seu voto, apontado como operador do esquema. Barbosa condenou ainda o empresásio Marcos Valério, apontado como principal operador do esquema, seus sócios Ramon

Haddad fica à frente de José Serra RICARDO MENDONÇA

EDITOR-ASSISTENTE DE “POLÍTICA”

O candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, oscilou um ponto porcentual para cima, de 48% para 49%, na pesquisa do segundo turno. Já o tucano José Serra caiu quatro pontos ,de 37% para 33%. Com isso, a distância entre os dois aumentou de 11 para 16 pontos. Processo contra um ex-auxiliar contradiz petista.Prefeitura reduz verba para projetos contra a homofobia Em votos válidos, excluídos os

entrevistados que pretendem votar nulo ou em branco -, Haddad venceria por 60% a 40% se a eleição fosse hoje. Há uma semana, quando o Ibope divulgou sua primeira pesquisa desde a primeira rodada da eleição, o placar estava em 56% a 44%. Na pesquisa espontânea, ou seja, aquela em que os eleitores manifestam sua preferência antes de ler os nomes dos candidatos, Haddad tem a preferência de 47% e Serra, de 32%. A pesquisa espontânea é a que revela o voto mais consolidado de cada candidato, e de seus resul-

Hollerbach e Cristiano Paz, seu ex-advogado Rogério Toletino, e a diretora de uma de suas agências Simone Vasconcellos. O ministro Lewandowski, absolveu todos os réus, por não ver a formação de quadrilha para a realização dos crimes. Os três petistas integravam a cúpula do partido em 2005. ISMAIL ZITOUNY

Fernando Haddad(PT) em comício na zona leste de São Paulo tados estão bem próximos dos obtidos no últim levantamento de ontem Ibope. Como Haddad teve uma oscilação dentro da margem de erro da pesquisa, de três pontos porcentuais, não se pode dizer que ele cresceu. O fenômeno

é a transferência de eleitores de Serra para o campo dos que pretendem anular o voto ou votar em branco no segundo turno.O Ibope ouviu 1.204 eleitores entre os dias 15 e 17 de outubro. A margem de erro é de três pontos percentuais.

Paulo Maluf dá apoio a Haddad MÔNICA ALEGRETTI MOITAS DE SÃO PAULO

Depois de ser remetido ao segundo plano pela campanha de Fernando Haddad (PT) na disputa pela prefeitura de São Paulo, o deputado Paulo Maluf (PP) subiu à tribuna da Câmara nesta quarta-feira (24) para fazer elogios ao candidato petista. Desde o impacto negativo da foto, tirada no jardim da casa do deputado, em que foi selada a aliança com o PT, Maluf vem sendo escondido pela campanha de Haddad. A imagem é, inclusive, utilizada pelos adversários em razão do alto índice de rejeição de Maluf por sua corrupta história.No discurso de hoje, Maluf lembrou o episódio da foto e disse ter sido um "orgulho" ter recebido o ex-presidente Lula e Haddad em casa. No programa eleitoral que foi ao ar hoje, a união dos adversários foi lembrada pelos tucanos como meio para desestabilizar a campanha petista. "O Haddad fez uma parceria com o Maluf, vai esperar o que dele?", diz trecho de seu programa vinculada no horario eleitoral. "Eu, que sempre fiz política somando, quero dizer que muitas vezes me entristece o fato de que alguns que recentemente foram a minha casa pedir o meu apoio -afinal de contas, tive meio milhão de votos no Estado de São Paulo- e o do meu partido, hoje, o meu partido,parece-me que, num ressentimento desnecessário, criticam a minha postura me entristece por estar do lado do PT", disse Maluf da tribuna. Em seguida, o deputado voltou a fazer elogios a Haddad. "Eu tenho a absoluta convicção de que a cidade de São Paulo estará bem entregue a uma liderança jovem, a um homem que quer fazer política com P maiúsculo, a um homem que quer fazer da vida pública a sua biografia",disse Maluf. "Atenção, povo paulistano, vocês vão realmente votar no pai do 'kit gay'”, disse o deputado Paulo Maluf.


PÁTRIA PAULISTA

Política A3

QUINTA-FEIRA, 24 DE OUTUBRO DE 2012

Imigrantes reivindicam direito ao voto Com o lema “Aqui vivo, aqui voto”, os imigrantes votaram na urna para prefeito de forma simbólica RAUL GOLINELLI

RICARDO MENDONÇA

EDITOR-ASSISTENTE DE “POLÍTICA”

A votação simbólica foi organizado por 15 instituições sociais com objetivo de chamar a atenção para o debate político que leva em conta as demandas dos imigrantes. Agarrada a uma bandeira da Bolívia, a webdesigner chilena Jobana Maya, 31, gritava palavras de ordem em uma esquina da Rua Coimbra, região da zona leste de São Paulo. Tanto ela quanto as outras dezenas de imigrantes latino-americanos que estavam aglomerados naquele ponto de comércio e moradia de bolivianos, tinham um propósito em comum: votar. “Se você não tem direito político, você não existe”, declarou a chilena e voluntária na ONG Convergência das Culturas.

Com o lema “Aqui vivo, aqui voto”, os imigrantes colocaram na urna, no dia 29/9, de forma simbólica, a cédula com o nome do candidato a prefeito de São Paulo que melhor lhes representa. O ato foi organizado em conjunto por 15 instituições sociais. Imigrantes fazem votação simbólica para prefeito de SP Segundo Cleyton Wenceslau Borges, 35, que trabalha no departamento jurídico do CDHIC (Centro de Direitos Humanos e Cidadania do Imigrante), o objetivo do protesto foi chamar a atenção para um debate político que leva em conta as demandas dos imigrantes. A Constituição brasileira só dá direito a voto a pessoas que aceitem se naturalizar. “Esse processo é delicado para os imigrantes, pois, em alguns casos, é preciso renunciar a cidadania no país. Imigrantes fazem uma votação simbólica com cédulas para o novo prefeito da cidade de São Paulo

Supremo condena cúpula do Rural por unanimidade Carlos Ayres Britto, confirmou com seu voto a unanimidade da corte. FÁBIO TAKAHASHI

DE SÃO PAULO

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Carlos Ayres Britto, confirmou com seu voto a unanimidade da corte pela condenação por gestão fraudulenta de instituição financeira a ex-presidente do Banco Rural Kátia Rabello, hoje acionista, e o ex-vice-presidente operacional José Roberto Salgado. Também foi condenado, por 8 votos a 2, Vinícius Samarane, ex-diretor de controle interno e atual vice-presidente. A única absolvida, por 9 a 1, foi Ayanna Tenório, ex-vice-presidente do banco. A sessão foi encerrada e o STF retomará o julgamento na próxima segunda-feira com a análise do item que trata da lavagem de dinheiro que teria sido praticada pelos dirigentes do Rural e por Marcos Valério, seus ex-sócios e ex-funcionários. Em seu voto, Ayres Britto afirmou que as irregularidades nas concessões dos empréstimos ao PT e a agências de Marcos Valério foram intencionais e tinham como objetivo ajudar o banco no processo de levantamento da liquidação extrajudicial do

Banco Mercantil de Pernambuco. “Realmente os grandes descuidos desse núcleo diretivo do banco, que ao meu ver tem entre três pessoas, foram em quantidade enlouquecidos, somente explicados por um objetivo que, não vem ao caso explicar, mas que seria um outro propósito deadiretoria de participar da liquidação do Banco Mercantil de Pernambuco”, disse o presidente do STF. O ministro avançou ao destacar que o assunto chegou a ser discutido em uma reunião de Kátia Rabello com o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu. Observou, aliás, que isso desmentiria a defesa da ex-presidente de que ela não teria muito conhecimento na área financeira. A condenação unânime também de Salgado se balizou no fato de ter participado da concessão dos empréstimos. O tribunal ainda continuará analisando as condutas do chamado “núcleo financeiro”, composto por Kátia Rabello, José Roberto Salgado, Vinícius Samarane e Ayanna Tenório. Também julgará o papel do empresário Marcos Valério, seus sócios e funcionários.

A LAVAGEM DE DINHEIRO NO MENSALÃO A SMBP, agência de Marcos Valério, emite um cheque da conta do Banco Rural 805 444444 7 R$ 1500.000,000 2222222 3 3 2G3DTD Um milhão e qquinhentos mil reais #-------------------#

000 267 1111 8 8

São Paulo 25 Outubro Mensalão da Silva

2012

Mesmo vetada, Delta fatura com aditivos. Maurício Pecoraro DE SÃO PAULO

Banco RURAL

Funcionários da agência enviam um email ao gerente do banco

O cheque é nominal à própria empresa e também endossado pela SMBP

O email identifica quem está utorizado a sacar o dinheiro

O dinheiro é sacado em espécie

O email é destinado ao Banco Rural de Belo Horizonte

Banco RURAL BELO HORIZONTE O saque é feito no BR de Brasília O BR de Belo Horizonte repassa o email com a autorização do pagamento ao de Brasília

Banco RURAL BRASÍLIA

O Banco Rural informa ao Banco Central que o saque foi efetuado pela SMBP, quando na verdade um “laranja” que sacava

BANCO CENTRAL DO BRASIL

Proibida de firmar que os novos contratos com o governo federal, a Delta Construções tem ampliado as suas receitas com a União graças a aditivos contratuais que aumentam o valor das obras. Principal cliente da empreiteira, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) já autorizou este ano o repasse de R$ 64,9 milhões extras à empresa, suspeita de favorecimento em negócios públicos e de envolvimento com a organização do bicheiro Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira. Ao todo, a Delta foi contemplada com 70 aditivos em 2012, dos quais 34 geraram impacto financeiro e têm engordado o caixa da construtora. Em alguns casos, o Dnit alterou os quantitativos previstos nos projetos para adaptações nas obras, permitindo acréscimos de valor. Em outros, esticou o prazo dos serviços, o que, não raro, implica reajustes e correções não planejados inicialmente. Do total, nada menos que R$ 33 milhões foram autorizados pela CGU. O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) já autorizou ainda este ano o repasse de milhões extras à empresa

Jornal Pátria Paulista