Page 1

Gazeta de Alagoas

B

| SEXTA-FEIRA, 30 DE SETEMBRO DE 2011 | Fotos: divulgação

ALÉM DO MEDO Perversidade e violência foram argumentos para a proibição do filme

Proibido no Brasil por decisão da Justiça Federal de Minas Gerais, A Serbian Film – Terror Sem Limites protagonizou uma verdadeira batalha em nome da liberdade artística no Brasil. Finalmente liberada, a produção sérvia deveria entrar em cartaz hoje no circuito nacional, caso ainda não tivesse outro obstáculo a enfrentar: o temor dos programadores. De todas as ‘praças’ interessadas no polêmico filme, surpreendentemente Maceió foi a única a bancar a ousadia: atração do Corujão Sesi/Ufal, o longa será exibido neste fim de semana na capital. A Gazeta ouviu os responsáveis pela estreia e, na edição de hoje, conta por que Alagoas verá A Serbian Film antes do resto do País | RAFHAEL BARBOSA Editor Interino de Cultura

Se seu objetivo ao realizar A Serbian Film – Terror Sem Limites era causar medo, pelo menos no Brasil o cineasta sueco Srdjan Spasojevic foi muito bem-sucedido. Desde que teve uma sessão cancelada durante o festival carioca de cinema fantástico RioFan, em julho, o longa-metragem de horror tem protagonizado sucessivas polêmicas e gerado acalorados debates. A razão da gritaria é seu conteúdo extremo. Nele, tabus sexuais como a pedofilia, o incesto e a necrofilia são explorados de maneira quase explícita para contar a história do protagonista, uma ator pornô decadente que é dopado e submetido a diversas perversidades por um cineasta doentio. Em reportagem publicada no dia 21 de agosto, a Gazeta mostrou a cronologia da confusão, que teve início em 18 de julho, após o cancelamento da exibição no RioFan pelo patrocinador

do evento, a Caixa Econômica Federal, e ganhou novos capítulos na sequência: primeiro, o filme foi alvo de uma liminar assinada pela Justiça carioca a pedido do DEM, que impediu uma sessão de pré-estreia no Rio. Depois, no dia 09 de agosto, atendendo a um pedido do Ministério Público Federal, a Justiça Federal de Minas Gerais vetou sua estreia, prevista inicialmente para 29 de agosto em todo o País. Após envolver críticos, cinéfilos, realizadores e exibidores numa verdadeira batalha em nome da liberdade artística no Brasil, passados os 30 dias do prazo imposto pelo MP mineiro “para que os órgãos competentes verifiquem a possível ocorrência de crime”, eis que A Serbian Film tem seu lançamento finalmente liberado e previsão de estreia no circuito brasileiro para hoje. Porém, a única sessão do filme agendada em território nacional acontecerá em Maceió, neste fim de semana, dentro da programação do Corujão Sesi/Ufal.

De tão surpreendente, a notícia foi destaque nacional ontem (29), com uma reportagem na versão on-line do jornal O Estado de São Paulo. Responsável pela distribuição do filme no País, Raffaele Petrini agora se vê diante de uma reação que vai de encontro às expectativas geradas pelo próprio mercado. Ao apostar num filme sem grandes méritos artísticos nem nomes de peso no elenco, ele foi pego de assalto pela imensa repercussão na mídia e o consequente assédio dos exibidores, entre eles até alguns complexos Multiplex. De repente, sua modesta distribuidora tinha nas mãos um dos filmes mais aguardados do ano. Agora, diante da frustração, ele só vê uma razão para que as 35 salas que demonstraram interesse em exibir o longa tenham recuado: o medo. “O filme estava bastante cotado, eu fui procurado por muitos programadores interessados. Mas, depois da proibição no Rio, eles deram para trás. Uns

justificaram que simplesmente não estavam mais interessados, outros que não queriam associar a marca dos patrocinadores ao conteúdo do filme e outros disseram que não tinham espaço no momento para colocar A Serbian Film em cartaz”, diz. “Eu tenho certeza de que isso aconteceu por medo de parte dos exibidores. Minha distribuidora lida com filmes de arte, e sei que a maioria dos cinemas com esse perfil são bancados por patrocinadores. Mas tivemos filmes com muito menos apelo comercial que conseguiram entrar em todas as capitais do País, como Que Mais Posso Querer e Saturno em Oposição, que inclusive também passaram no Cine Sesi”. Iniciativa que tem colocado Maceió no mapa do circuito nacional ao promover debates com cineastas renomados como Cláudio Assis, Luiz Fernando Carvalho e Cacá Diegues, o Corujão exibirá a cópia sem cortes do filme. Existem três versões de A Serbian Film: uma inglesa, com 98 minu-

tos, uma alemã, com 89, e a que será vista em Maceió, com seus 104 minutos integrais, graças a resistência de Raffaele em mutilar o longa. “Eu acredito na integridade artística da obra, o filme é uma reflexão, é sobre a violência, a crueza do mundo. Qualquer alteração mudaria seu significado”, argumenta. Para ele, a decisão do Cine Sesi se deve a “uma boa abertura mental e cultural, já que o formato da sessão leva em consideração o debate, e é o que o filme precisa, ele precisa ser visto e debatido”. Marcos Sampaio, coordenador do Cine Sesi e idealizador do Corujão, diz não temer a reação de setores conservadores da sociedade. “Fiquei surpreso em saber que A Serbian Film será exibido apenas em Maceió. Imaginava que algumas salas com perfil semelhante ao nosso também programariam o filme. Podemos discutir suas qualidades e defeitos, mas o fato é que estamos perdendo uma grande oportuni-

SINOPSES A Serbian Film – Terror Sem Limites Milos (Srdjan Todorovic) é um ator do cinema pornográfico que se afastou das câmeras para construir uma família. Enquanto passa por graves dificuldades econômicas, recebe uma proposta com cachê exorbitante para atuar num filme de arte, mas o que ele encontra é o horror. Na cilada, é levado a realizar uma produção exploratória, em um labirinto de sexo doentio, abuso infantil, torturas e jogos mortais. A Falta que nos Move Resultado de 13 horas contínuas de filmagem, as cenas acontecem dentro uma casa no Rio de Janeiro, onde cinco pessoas, personagens com o mesmo nome dos atores, se reúnem na véspera da noite de Natal no intuito de fazer um filme. Elas aguardam a chegada de

uma pessoa desconhecida, e não sabem nem mesmo se ela virá. O filme mistura elementos de teatro, cinema e reality show. Muitos dos diálogos são improvisados pelos atores, que são dirigidos por mensagens de texto via celular. Realidade e ficção se misturam no limite da tensão.

Medianeras – Buenos Aires na era do Amor Digital* No filme, vê-se em paralelo a vida de Martin (Javier Drolas) e Mariana (Pilar López), dois vizinhos que não se conhecem, mas possuem muita coisa em comum. Ele, um webdesigner com síndrome do pânico,

recém-separado e que só se locomove a pé. Ela é arquiteta, trabalha com decoração de vitrines, é fóbica, também recém-separada e adora procurar o Wally em livros. Eles andam pelos mesmos lugares, mas nunca se encontram e vivem lastimando a solidão. Paredes sem jane-

las que geralmente são acompanhadas de anúncios publicitários, as medianeras dão nome ao filme e são onde os protagonistas decidem abrir uma fresta na solidão e rigidez moderna. Um detalhe entre as metáforas. * Prêmio de Melhor Filme Latino e Júri Popular no Festival de Gramado 2011

dade de dizer não a qualquer tentativa de censura, venha de um patrocinador ou da cabeça de um juiz que nem chegou a ver o filme. Por mais que tenhamos uma sociedade conservadora, imagino que a violência cotidiana que também a atinge acaba por tornar a simples exibição de um filme algo menos relevante. Sinceramente, não tememos represálias, embora nunca saibamos o que se passa na cabeça de algumas pessoas”. Apesar de ter comprado a briga, Sampaio não deixou de tomar os cuidados necessários para que o público tenha total liberdade de ver ou não a polêmica obra, sem deixar de conferir as outras atrações do Corujão (veja a programação nesta página). A Serbian Film será exibido por último, às 04h da manhã. Outra medida foi, excepcionalmente, elevar a censura da sessão notívaga de 16 para 18 anos. Pensando na turma que não tem disposição para encarar a madruga, o Cine Sesi avisa que agendará em breve novas sessões do filme em outras mostras e eventos. A seguir, veja a programação completa do Corujão.

SERVIÇO O quê: Corujão Sesi/Ufal Onde e quando: No Cine Sesi, amanhã (01), a partir das 23h Classificação: 18 anos Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada), à venda a partir das 16h de hoje Mais informações: 3235-5191 e www.centroculturalsesi.com.br PROGRAMAÇÃO 23h15 A Falta que Nos Move 00h50 Debate com a diretora Christiane Jatahy 01h30 Intervalo 01h40 Medianeras – Buenos Aires na Era do Amor Digital 03h15 Show com a banda Duvet 04h00 A Serbian Film – Terror Sem Limites

Além do medo - Gazeta de Alagoas  

Proibido no Brasil por decisão da Justiça Federal de Minas Gerais, A Serbian Film – Terror Sem Limites protagonizou uma verdadeira batalha e...

Advertisement