Issuu on Google+

rafaela

figueiredo PORTFOLIO


Índice Trabalhos Acadêmicos Casa unifamiliar Vila Residencial Edifício Misto +praça pública Complexo Comunitário Porto Promenade Reestruturação Urbana do Jardim de Alah Trabalhos não-acadêmicos Sede Instituto Cervantes Terraço em Ipanema


Casa Unifamiliar Tipo Projeto acadêmico Localização Rio de Janeiro Programa Casa unifamiliar Equipe Rafaela Figueiredo Data 2008.1 O objetivo da proposta era executar uma residência unifamiliar em um terreno hipotético de 400m² (20 x 20 m). Diante disso o projeto caracterizou-se pela implantação em cruz, para proporcionar melhor ocupação do terreno e possibilidade de diferentes visadas. A diferença de alturas entre os volumes, propõe a valorização do corpo social da residência com iluminação zenital através do uso de dois sheds.


Vila Residencial Tipo Projeto acadêmico Localização Rio de Janeiro Programa Vila Residencial Equipe Rafaela Figueiredo Data 2008.1 Em um terreno linear na Tijuca, o objetivo era a concepção de uma vila residencial com três tipologias de casas: loft, dois e três quartos. A proposta surgiu a partir da criação de um espaço central de convivência bem marcado que unificasse os caminhos de circulação da vila. Esse caminho sinuoso percorre quase todo o comprimento do terreno e faz o elo com os espaços público e privado. O objetivo foi contemporaneizar a vila sem abrir mão de sua característica principal, as casas geminadas. Para isso, as casas foras reorganizadas, voltando-as para a praça central de modo a respeitar a direção do vento para que percorresse todo o interior do terreno permitindo o chamado efeito venturi.


Pátio Privativo Estacionamento

Guarita

Loft

Espelho d´água

Loft

Unidade com 3 Quartos

Unidades 2 quartos Praça Central Unidades 3 quartos Playground


Edifício Misto+praça pública Tipo Projeto acadêmico Localização Tijuca, Rio de Janeiro Programa Edificação multifamiliar de uso misto e praça pública Equipe Rafaela Figueiredo Data 2009.1 Estudo de fluxos no lote

Localizado em uma das principais ruas da Tijuca, o projeto buscou atender às necessidades dos vizinhos e futuros moradores observadas através de um diagnóstico do local. Considerado a poluição sonora na esquina da Rua Adolpho Motta e Av. Maracanã, como um dos principais problemas, optou-se por executar um projeto que pudesse provocar a sensação de alívio visual e auditivo aos transeuntes e moradores do bairro, o que gerou um maior afastamento em relação a Avenida Maracanã. O fato do lote estar próximo à Praça Saes Peña também fez com que a diagonal do terreno se tornasse um ponto forte como “atalho” em direção ao comércio da R. Conde de Bonfim e Saes Peña. Dessa forma surgiram dois conceitos orientadores do projeto : fluidez e interseção. Estes surgiram da preocupação em integrar a paisagem urbana, ao programa das lojas e da praça pública, trazendo o fluxo de pedestres da Av. Maracanã e da Adolpho Motta para dentro do terreno. Nos primeiros croquis, as setas em vermelho demonstram o atual fluxo de pedestre e as azuis, o novo percurso previsto. A intenção do projeto é realçar a esquina sem desrespeitar as linhas de força do terreno. Tendo em vista a existência de um ponto de interseção entre elas, delimitou-se as áreas de praça pública e condominial.

ventilação cruzada

Térreo

PUC/Mezzanino Lojas

1 3

2

4 Pavimento Tipo


Centro de Cultura, Saúde & Educação Tipo Projeto acadêmico Localização Jacarepaguá, Rio de Janeiro Programa Centro Cultural, Creche comunitária e Posto de saúde Equipe Rafaela Figueiredo e Renato Confort Data 2009.2 A ideia da volumetria do Complexo Multiuso é criar um módulo afim de estabelecer uma unidade ao conjunto de edifícios, facilitando sua percepção, como um único volume que se espalha pelo terreno . A modulação também facilita à execução do projeto, tanto estruturalmente quanto na composição das fachadas, com painéis de cores diferentes para evidenciar os diferentes tipos de usos. Por se tratar de um terreno inclinado a proposta modular demonstra-se mais uma vez eficaz, pois os módulos são facilmente conectados, criando eixos de circulação. Como os módulos estão em diferentes cotas de nível há um escalonamento na volumetria do Complexo, gerando um movimento, deixando-o permeável, visualmente e fisicamente, ou seja, não tornando o edifício em uma barreira no terreno, facilitando diversos tipos de acessos. Desta forma as lajes das coberturas são utilizadas como terraço-jardim, exceto no volume mais alto, cuja cobertura é composta por um telhado de duas águas, afim de captar as águas das chuvas e armazená-las em uma cisterna, abaixo do nível deste edifício. A implantação do Complexo facilita a ventilação, de forma que esse foi implantado longitudinalmente, respeitando a direção dos ventos, mais uma vez não sendo uma barreira. A ventilação interna dos edifício é cruzada, proporcionando um conforto térmico aos usuários deste Complexo. A circulação do Centro Comunitário e da Creche é periférica, pois facilita a ventilação cruzada, e voltada para a fachada norte, funcionando também como elemento de proteção solar aos ambientes e cômodos internos, exceto no Posto de Saúde, cuja circulação e central, porém há 3 eixos de circulação que proporciona uma ventilação cruzada.

ESTUDOS DE VENTOS NOS EDIFÍCIOS NAS COTAS +25, +35 E +45m

ESTUDOS DE VENTOS NOS EDIFÍCIOS NAS COTAS +30 e +40m


Implantação


Posto de Saúde

Creche - 1° Pavimento

Creche - 2° Pavimento


Centro Comunitário - 1° Pavimento

N

Centro Comunitário - 2° Pavimento


Porto Promenade Tipo Projeto acadêmico Localização Rio de Janeiro Programa Reestruturação Urbana Equipe Diogo da Vinha | Erica Khoury | Rafaela Figueiredo | Renato Confort Data 2011.2 Com o desenvolvimento da atividade portuária no que se refere à modernização dos processos tecnológicos, a região compreendida entre os bairros do Santo Cristo, Saúde e Gamboa foi sendo esvaziada das atividades econômicas vinculadas ao porto por apresentar instalações ultrapassadas e ineficaz escoamento, devio ao trânsito rodoviário estabelecido nos arredores. É diante desse contexto que elaboramos uma proposta que tem por objetivo devolver à cidade um porto mais sensível às transformações do tecido urbano. A gênese do projeto visou tratar essa região do porto como uma espécie de reagente urbano, capaz de produzir transformações na realidade extra-Rodrigues Alves. Desta forma, equipamentos e espaços flexíveis foram estruturados ao longo do projeto como dispositivos equalizadores que uniformizam a frequência da cidade já consolidada com a área revitalizada em questão.

DISPOSITIVOS DE TRANSFORMAÇÃO

SUPERFÍCIES PASSIVAS

+

ÁREA DE INTERVENÇÃO

EIXOS

GRID: MEIA-QUADRA

GRID: MODULAÇÃO ENTRE-ARMAZÉNS E EIXOS DE VIAS

PERCURSOS PEDESTRES

MOBILIDADE MONORAIL COCLOVIA

MOBILIDADE BRT + TAXI VEÍCULO PARTICULAR

CAMADAS DE ATUAÇÃO CAMADA DE TRANSFORMAÇÃO CAMADA DE PRESERVAÇÃO CAMADA DE CONEXÃO URBANA

MASTER PLAN


Reestruturação Urbana do Jardim de Alah Tipo Projeto acadêmico (Trabalho Final de Graduação) Localização Rio de Janeiro Programa Reestruturação Urbana Equipe Rafaela Figueiredo Data 2012.2

PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA (APAC)

CANAL

Área resultante de sucessivos aterros, o Jardim de Alah ganhou a atual configuração em 1938, formando o conjunto de três praças - Grécia, Almirante Saldanha da Gama e Paul Claudel - que compõem o espaço público de transição entre os Bairros de Ipanema, Leblon e Lagoa, totalizando cerca de 650m de comprimento e 70-120m de largura. Essa tríplice fronteira, entre bairros tão homogêneos, ganha destaque por ser cortada por um curso hídrico, no caso, o Canal do Jardim de Alah, a principal ligação da Lagoa com o mar, responsável pela oxigenação da mesma. A eleição desta localidade como objeto de estudo se deve à sua complexidade física e social no qual está inserido, estabelecendo um espaço de transição que o torna especialmente importante para a estruturação deste território urbano. O projeto de reestruturação e de conexão do Jardim de Alah com o entorno, se justifica em inúmeros fatores, sendo eles: a insegurança, o abandono na conservação do espaço, a complexidade de relações sociais com a presença do Conjunto da Cruzada de São Sebastião no Leblon, a construção do Shopping Leblon - que possibilitou uma valorização dos imóveis do entorno, mas seu efeito magnetizador, não recuperou a vida no espaço público do Jardim de Alah-, a previsão da nova Estação de metrô e a proximidade com outros espaços públicos de melhor infra-estrutura como a Lagoa e as praias, que acabam suprimindo a utilização do Jardim de Alah. O objetivo da intervenção proposta é reintegrar o Jardim de Alah ao sistema de espaços livres da cidade considerando a sua potencialidade como eixo de comunicação de dois espaços de lazer de grande fluxo, criar uma infra-estrutura de apoio para o centro de bairro e melhorar a circulação na fronteira entre os bairros de Ipanema e Leblon.

EIXOS A POTENCIALIZAR

NOVAS TRAVESSIAS

PONTES

PASSAGEM SUBTERRÂNEA

QUIOSQUES E RESTAURANTES

EDIFÍCIO CULTURAL CRUZADA

ESCOLA PÚBLICA


Trabalhos não acadêmicos Sede Instituto Cervantes Terraço em Ipanema


Sede Instituto Cervantes Tipo Estágio Pontual Arquitetura Localização Botafogo, Rio de Janeiro Programa Nova sede do Instituto Cervantes Equipe Rafaela Figueiredo Data 2009.2 Participação e desenvolvimento do projeto de arquitetura para a nova sede do Instituto Cervantes em Botafogo, Rio de Janeiro com os Arquitetos Davino Pontual e Paulo Pires. Criação de um painel decorativo para o hall de entrada e no pavimento do Auditório que reforçasse o símbolo da Instituição. O projeto do painel se utilizou de um jogo com a modulação entre retângulos, quadrados e suas metades e que possuem espessuras diferentes, tornando o painel mais dinâmico. O símbolo do Instituto também foi destacado tendo como base a cor vermelha, presente na bandeira espanhola e na instituição.


Terraço em Ipanema Tipo Projeto Pessoal Localização ipanema, Rio de Janeiro Programa Reforma terraço em cobertura Equipe Rafaela Figueiredo Data 2008.1 Projeto paisagístico elaborado para o terraço de uma cobertura residencial em Ipanema.


Portfolio Arquitetura