Issuu on Google+


Revista

A

A OCULAR DA ANTROPOLOGIA GNÓSTICA

compreensão do Homem, Antropus, é acessível a qualquer indivíduo. Contudo, a História nos demonstra que poucos foram aqueles que lograram fazê-lo, sendo que milhares de milhões, a imensa maioria destes, movidos pelo fascínio da vida eventual, voltaram ao pó sem que tivessem encontrado a essência da experiência humana. Explorar a Natureza Humana não é questão de instrumental de laboratórios ou de definições formuladas a partir de meras observações submetidas à razão e à lógica. O Homem é dotado de faculdades e capacidades que lhe permitem conhecer os mundos, tanto o universo dos fenômenos externos a si, quanto seu mundo íntimo. Em relação a este segundo Mundo, o íntimo, psíquico ou interno, apenas alguns poucos conseguem reconhecer que nada sabem a seu respeito e sentem a necessidade de se autodescobrir. Caminho caracterizado pelas intensas experiências íntimas, invisíveis, inodoras, inaudíveis porém de tremenda realidade. Apenas existe uma via que conduz à intensa vivência da experiência humana. Esta é a Revolução da Consciência. A consciência submetida a todos os sabores e dissabores, silenciosos aos ouvidos das massas e tempestuosos ao íntimo, grita Sabedoria e Luz. Caberá ao Homem escutá-la e ingressar nas regiões das insondáveis percepções. Direção da AGEACAC Realização:


Gnosis

EXPEDIENTE DIREÇÃO GERAL: Vinícius Pires Dias Teixeira DIREÇÃO ADMINISTRATIVA: Daniel de Queiroz Barbosa DIRETOR EDITOR: Demian Reinhart DIREÇÃO DE ARTE: Pablo João da Costa Rafael Rizzato Ribeiro ARTE FINAL: Rafael Rizzato Ribeiro REVISÃO DE TEXTO: Simone Rocha de Queiroz COLABORADORES: Cleide Brandt Eduardo Garcia Ávila Lima Fábio Pimenta da Rocha Ivan Jesse Martins Karoly Vieira Jardim Ramos Raul Marcelo Oliveira Vinícius Audino

Revista Gnosis nº8 2º Semestre de 2012 Tiragem: 34.000 exemplares

Fale Conosco: Envie seu email com sugestões e críticas para: direcao@ageacac.org.br

Sumário Geral

4 6 8 10 14 16 18

A Monalisa de Leonardo da Vinci Quirologia, uma alternativa milenar de diagnóstico Fracos ou Fortes: O Dualismo Universal Os Mistérios da Antiga China Hercólubus

O Governo da Virtude Curso de Gnosis


ARTE

N

4

Revista

A Monalisa de Leonardo da Vinci

algo do real significado desta obra, que mais parece não estar ao alcance do pincel de um ser humano, e sim dos dotes que Deus concede a seus anjos. Nesta magistral e quase sobrenatural obra verificamos a expressão de um dos, senão o maior dos mistérios da criação: o ETERNO FEMININO.

ascido em 15 de abril de 1452, o renascentista italiano Leonardo da Vinci, foi considerado por muitos como o maior gênio da história. Da Vinci possuía, sem dúvida, uma inteligência formidável que o colocava A Mãe Universal muito à frente do seu tempo. Sigmund Freud se referindo a ele disse: “Ele foi um homem que Está claro a todas as luzes que Gioconda acordou cedo demais na escuridão, enquanto possui traços imensamente semelhantes aos do os outros continuavam a dormir”. seu autor, isso porque ela vem a ser a expressão Este ilustre gênio da humanidade possuía feminina contida na intimidade do mencionado uma multiplicidade de talentos e capacidades, gênio. Porém mais além de uma expressão inincompreensíveis para a mente humana. Ele se dividual, esta obra nos relata a existência de um desenvolveu como cientista, matemático, engeaspecto feminino gerador em cada expressão nheiro, inventor, anatomista, escultor, músico, de vida. Jamais poderíamos conceber a existênpintor, arquiteto, poeta, botânico, filósofo, etc. cia que qualquer forma criada, sem que tenha Suas criações, em todas estas áreas, estão dosido antes gerada. A mera lógica racional nos tadas de uma sabedoria quase insondável, de mostra que a gestação somente pode ocorrer uma inspiração infinita e de no ambiente do útero um véu de mistérios inquie- Sigmund Freud se referindo à Da feminino, portanto, a Vinci disse: “Ele foi um homem que Mãe é uma expressão tantes. Algumas obras artísticas acordou cedo demais na escuridão, universal, que está predeste grande mestre, que so- enquanto os outros continuavam a sente desde o aparentedormir”. breviveram ao tempo, estão mente insignificante até hoje dentre as mais imporo imensamente grande. tantes do mundo. Dentre estas sobre-humanas Os antigos povos das culturas milenares da criações, destaca-se A MONALISA ou A GIOCONhumanidade rendiam cultos e veneração à fiDA como também é conhecida, o quadro mais gura da Deusa Mãe do Mundo com diferentes famoso não somente no âmbito artístico, mas nomes e formas: Pacha Mama, Ísis, Réa, Diana, também o mais valioso do mundo. A MONALIMaia e tantos outros nomes mais. CompreenSA esconde por detrás do seu discreto sorriso diam os antigos povos que esta Mãe Divina é o e olhar penetrante um conhecimento, um tipo grande ventre universal onde se gestam todas as de mistério que muitos estudiosos quiseram formas de vida e todas as possibilidades da criaadentrar e compreender em sua totalidade, mas ção estão contidas nela. que realmente apenas estando em um estado A cada dia, novos mundos surgem para adorcontemplativo e pleno de inspiração podemos nar o espaço sideral. Estes corpos colossais nechegar a apreender em nossa natureza íntima


Gnosis cessitam, como todas as demais expressões de vida material, de um ventre que os possa gestar: o infinito e incompreensível espaço sideral vem a ser precisamente um útero gerador ou em outras palavras a Mãe Espaço.

A Pacha Mama A perfumada terra, que consegue através de seus mágicos prodígios transformar uma quase insignificante semente em uma planta totalmente constituída, é a Pacha Mama dos Maias, ou seja, a Mãe Terra, uma expressão feminina que gesta a vida do reino vegetal. Assim mesmo, temos que todas as fêmeas da natureza são as responsáveis por gestar a vida. Todas, sem exceção, representam um aspecto da Mãe Divina que, sendo uma luz imortal, sacrifica a si mesma condicionando-se na forma perecível para que o milagre da vida aconteça. O Eterno Feminino, como princípio divino, é o próprio Amor incondicional. Dante Alighieri se referindo a Divina Mãe diz: “Em teu ventre se inflamou o amor, cujo calor fez germinar esta flor na paz eterna”. É dito nas mitologias e escrituras sagradas que antes da Mãe vem o Pai Universal, sendo esta um desdobramento Dele, em outras palavras, o aspecto feminino de Deus. Em sua obra “A Divina Comédia”, Dante inicia uma oração a ela dizendo:“Virgem Mãe, filha de teu filho”, e traduz os sentimentos do criador ao dizer: “Tu és aquela que enobreceu a natureza humana de tal forma, que seu criador não desdenhou fazer-se sua criatura”. De modo que tantas são as virtudes e dons do Feminino, que realmente só resta aos humanos retratá-la, adorá-la e ter a ela como a mais elevada aspiração, já que além de gerar a vida física, ela tem escondido em si o poder de gerar a vida espiritual, cuja expansão não tem limites. Leonardo Da Vinci, ao plasmar este formo-

so quadro da MONALISA, colocou diante dos olhos humanos um conjunto de mistérios relacionados ao Eterno Feminino. Que ao mesmo tempo em que estão expostos ante a nossa vista, estão velados para a nossa mente que de maneira alguma pode compreendê-los, uma vez que a verdadeira arte é de coração para coração e possui uma linguagem apropriada apenas para a consciência e não para o intelecto. A linguagem da arte é inteligível através da imaginação criadora, da intuição e da inspiração que faz inflamar nossos corações, abrindo nossa inteligência e capacidades ocultas. Esta obra fala mais que milhares de palavras e, ainda que esteja limitada aos quatro lados, é infinita em sua profundidade. Fala de amor, fala de mistérios, fala do caminho que temos que empreender em nossas vidas em busca da perfeição, fala da luz, de Deus, da beleza majestosa e da Mulher. Tudo está contido nela e ela está contida em tudo. A mais humilde e a mais alta das criaturas. Ser que colore e embeleza a criação. Ela é a flor do mais extasiante perfume, e por fim a energia que redime e realiza o coração humano, dando a ele sua nota vibratória e o tom original. A Monalisa ou Mãe Divina é adorada pelo próprio criador, que após havê-la gerado viu nela a mais sublime fonte de inspiração, amor e vida. Karoly V. Ramos 5


Revista

METAFÍSICA E MEDICINA

Quirologia,

uma alternativa milenar de diagnóstico Em razão da crescente busca por meios alternativos e naturais de se obter a cura, harmonizar, equilibrar o corpo e diagnosticar doenças, a cultura ocidental volta os olhos à sabedoria milenar quando ressurgem metodologias e sistemas cujos fundamentos e princípios não se sustentam no dogma científico que caracterizou os últimos séculos da cultura ocidental. Entre estas metodologias encontramos a Quirologia, do grego 'Quiro' = mão e 'Logia' = estudo, que sinteticamente pode ser definida como o diagnóstico realizado por meio de sinais que se apresentam nas mãos.

conhecidos médicos a propagar a Quirologia como forma de diagnóstico. Porém foi com o médico alemão Dr. Krumm-Heler, após a comprovação clínica dos diagnósticos durante anos, que surgiu a obra contemporânea mais completa publicada: o “Tratado de Quirologia Médica”.

Fundamentos da Quirologia

A Quirologia baseia-se na interpretação de toda uma série de sinais contidos em ambas as mãos, com o objetivo de adquirir conhecimento sobre a pessoa. É baseada numa série de características relacionadas como as linhas Origem da Quirologia e formatos das mãos. A leitura das mãos tem de A origem da Quirologia é desconhecida, “A medicina se fundamenta ser feita como um todo, por esta razão é necessabe-se que era utilizana natureza, a natureza é a sária uma interpretação da na China à cerca de cinco mil anos. As esca- medicina, e somente naquela tendo em conta as relavações de Nínive, ruínas devem os homens buscá-la. A ções entre as linhas e às margens do rio Tigre, natureza é o mestre do médi- sinais. Um erro comum é trazem provas irrefutá- co, já que ela é mais antiga do veis, preservadas no Mu- que ele e ela existe dentro e o de confundir Quirologia com Quiromancia. seu Britânico, datadas de fora do homem.” (Paracelso) O esclarecimento tem aproximadamente 2 600 sido dado desde o início anos A.C. do século, mas até hoje Na Antiga Grécia e poucos entenderam. Do grego 'Quiro' = mão e Roma, a Quirologia floresceu e foi tida em gran'Logia' = estudo, ou seja, o estudo ou conhecide estima. Homens célebres como Hipócrates, mento adquirido através das mãos, pouco tenPlatão, Aristóteles, Augusto e Júlio César pratido a ver com a popular Quiromancia - do grego caram e defenderam esta ciência e passaram 'Quiro' = mão e 'Mancia' = adivinhação, porpor hábeis quiromantes. tanto, adivinhação através das mãos. Na quiroNa Idade Média, Paracelso foi um dos mais 6


Gnosis logia a linha de pensamento é o estudo, e não a adivinhação. As linhas e forma da mão podem alterar-se ao longo da nossa vida, a relação entre as linhas da nossa mão e o nosso destino não é unilateral. Pelas nossas ações e vontade podemos modificar as nossas linhas, mas as nossas linhas influenciariam a nossa vida, ações e vontade. Cada dedo corresponde a um astro, que representa um estado de consciência através de minuciosa análise das características desses elementos como: o formato dos dedos, comprimento, textura, flexibilidade, assim como as linhas e os montes das mãos, entre outros; pode-se delinear aspectos referentes à personalidade, aptidões, caráter e natureza do indivíduo.

pessoa, sua personalidade, etc., e permite ao paciente entender, aceitar e até mesmo encontrar forças para buscar a cura ou melhoramento de sua situação. Este é o motivo da crescente procura por diagnósticos através da Quirologia, uma tendência que vem aumentando muito nos últimos tempos. As pessoas querem compreender a si mesmas por completo, não apenas receber tratamentos que entendam o organismo como uma máquina à qual as peças quebradas são simplesmente substituídas. “Tuas forças naturais, as que estão dentro de ti, serão as que curarão suas doenças.” Hipócrates Ivan Jessé Martins

Quirologia e a Saúde Um bom exemplo disso é a nossa saúde. Potencialmente podemos possuir bastante vitalidade e saúde, mas pelas nossas más ações e maus hábitos podemos danificá-la. Alguém que em potencial possua problemas de saúde, pode modificar a sua sina através de hábitos mais corretos, hábitos conscientes para melhorar essa mesma saúde. Em última análise, podemos dizer que o nosso destino está em nossas mãos. Fazendo um diagnóstico dos sinais da mão exemplificado ao lado, demonstra um organismo com probabilidades de contrair um câncer na região do útero (para casos na mulher), devido às ilhas, que são sinais negativos, no final da chamada “linha da vida”. A Quirologia vai além dos métodos de diagnóstico tradicionais, pois aprofunda a análise relacionando tudo o que ocorreu na vida da

7


PSICOLOGIA

Fracos ou Fortes:

Revista

O Dualismo Universal

É possível observar que tudo no universo pode ser submetido a uma análise dual. Há luz e trevas, o bem e o mal, as pessoas sempre se classificam em um grupo ou em outro, como certas ou erradas, como ricas ou pobres. A mente humana se caracteriza por trabalhar entre a tese e a antítese, está sempre ocupada em classificar as coisas e as pessoas, o perigo está na interpretação distorcida que cada indivíduo dá a estes dois lados. Raramente conseguem vislumbrar que são dois lados de uma mesma moeda, ou seja, a realidade é uma só, porém é possível sempre vê-la sob dois aspectos, que não são opostos, mas sim complementares. Partindo desse princípio temos que um indivíduo opta por ser forte ou fraco. O que vem a ser forte? Temos diversos estereótipos para designar uma pessoa forte: o super-herói, a pessoa rica que pode tudo (ou quase tudo), o guerreiro, entre outros. Estes são alguns dos clichês mais conhecidos de força.

O Poder da Escolha A psicologia gnóstica define que cada um tem a opção de ser forte ou fraco, é uma escolha feita frente a cada circunstância que a vida apresenta. Não se trata de atributos genótipos ou fenótipos, a verdadeira força vem de uma definição psicológica. É equivocada, em sua origem, a máxima de que o homem que domina aos demais é forte, de que aquele que impõe sua vontade a outrem é forte. A verdadeira força vem do domínio de si mesmo, do desenvolvimento de uma vontade férrea. Assim, forte é aquele que é capaz de 8

calar-se frente a um insulto ou uma agressão, que é capaz de não reacionar diante das contrariedades do diário viver, que desenvolve uma disciplina através de um trabalho psicológico sobre si mesmo de forma consciente. A fraqueza que muitos supõem ser de caráter meramente físico e perceptível a olho nu, se submetida a uma análise mais profunda, encontramos suas raízes no medo, na dependência psicológica, no sentimentalismo, etc. O fraco não é aquele que se submete à vontade do outro, mas sim aquele que não tem consciência do que se é, de onde se está, do que está fazendo: esta é a verdadeira fraqueza. Ela reside na mecanicidade, na falta de autoconhecimento e, consequentemente, autocontrole. O verdadeiro sábio é forte porque compreende todas as coisas do universo, sem a necessidade de mudar absolutamente nada, a não ser a si próprio. Todo aquele que se torna forte, consequentemente se torna livre, não pode mais ser manipulado pela mídia, pela política, pela economia, pela família, por amigos ou qualquer outro tipo de sistema. Talvez por isso insistam tanto em difundir um falso conceito do que é força, para que as massas permaneçam fracas e manipuláveis.


Gnosis

PSICOLOGIA

Tornar-se forte é algo que se dá pela emancipaO homem fraco é negligente, ele negligencia a ção da vontade, que só é possível mediante o prosi próprio com um comportamento displicente e cesso denominado de morte psicológica, que nada mecanicista; a partir da observação desse compormais é do que a eliminação dos defeitos que o ser tamento pode partir a uma reparação voluntária humano leva em seu interior, que são a causa de na sua conduta, à mudança. Para que não se retotanto sofrimento e de toda sua fraqueza. me o estado anterior de negligência é imprescindíAs civilizações antigas nos deixaram um legado vel uma decisão firme de permanecer forte. muito rico que exemplifica bem isso do que é ser Por exemplo, se a pessoa está acostumada a forte e fazer-se um triunfador. Na saga do Bhagamentir. Fazendo uma análise ela descobre que vad Gita, o guerreiro Arjuna tem de travar uma essa mentira é uma fraqueza, ela mente para ser grande batalha de vida ou morte contra seus próaceita pelos demais, ou seja, mente por medo da prios parentes (simbolismo daquilo que ele mais rejeição; ou mente para ganhar dinheiro – medo ama) para que possa fazer-se verdadeiramente de passar necessidades; ou mente para não ser forte. Esse grande exército contra o qual Arjuna humilhada – medo da humilhação, etc. Ao deluta, orientado por Krishna (simbolismo da constectar esse comportamento ela resolve que quer ciência do guerreiro), simboliza a multidão de fazer-se forte e vencer a mentira, portanto já deu defeitos psicológicos que prendem Arjuna à dura o primeiro passo, fez a escolha. O segundo passo rocha das paixões humanas, é efetuar a mudança e parar de causa primordial da sua fraTornar-se forte é algo que se dá mentir custe o que custar. Já queza. Segundo o Bhagavad pela emancipação da vontade, o terceiro passo, consiste em Gita, a verdadeira força resique só é possível mediante o manter esse comportamento e de em tornar-se senhor de si processo denominado de morte não voltar mais a mentir, aconmesmo. psicológica: a eliminação dos teça o que acontecer. defeitos que o ser humano leva Vale relembrar as célebres As três fases para o em seu interior. palavras de Sócrates, quando já Triunfo era um grande filósofo e mesAquele que se torna forte tre, para surpresa de seus discípulos exclamou: triunfa sobre sua natureza animal, triunfa sobre si “Só sei que nada sei”. Tal afirmação advém de próprio. O triunfo se reveste de três fases: uma compreensão profunda, de uma grande for- Escolha, taleza para se assumir como um indivíduo igno- Mudança e rante diante da imensidão do universo. Já não se - Decisão. incomoda em parecer fraco, pois para ele o dualisA escolha cabe a cada um, mo deixa de existir e tudo passa a ser um. Aprende de instante em instante, no dia a a utilizar o intelecto como uma ferramenta e não dia. É possível escolher entre ser como um fim em si mesmo. Fortalecer conceitos forte, disciplinado, ter uma conde nada vale na psicologia experimental gnóstica, duta reta, agindo contra os seus tudo se reduz à busca de conhecer-se e transforpróprios defeitos psicológicos mar-se, fazendo-se forte a alma, a dualidade conou ser fraco, dando vazão às verte-se em unidade. baixas paixões, medos, trauFábio Pimenta da Rocha mas, preconceitos, orgulho, ira, ódio, etc. 9


ANTROPOLOGIA

Entre os troncos culturais do mundo antigo, o Chinês chega aos dias atuais sustentado por raízes milenares de uma esplendorosa civilização. Dentre seus inumeráveis segredos - que residem num conhecimento fundamentado na sabedoria dos Mestres da Humanidade -, encontram-se a Caligrafia, suas realizações fantásticas no campo da estratégia bélica e organização política materializada na Muralha da China, a maior construção feita pela mão do homem; suas descobertas como a pólvora e a seda encantando aos olhos e ao tato por sua particularidade tão superior a qualquer tecido conhecido. Tratados de estratégia inigualados como os de Sun Tzu que até os dias atuais são estudados. Eles criaram a imprensa muito antes do ocidental Gutenberg “reinventá-la”. Criaram a bússola e também o papel. Isso sem falar nos seus valores sociais inquebrantáveis, sua rigorosa disciplina. Esses são os pontos óbvios e que qualquer pesquisa poderia nos fornecer, porém, quais são realmente os mistérios do povo chinês? Onde se fundamenta sua famosa longevidade, cultura e prosperidade?

10

Revista

A Escrita Chinesa A linguagem chinesa, como forma de expressão, indica valores e uma particular maneira de se expressar: é ideográfica, ou seja, as palavras representam idéias. Os valores intuitivos dos chineses estão expressos em toda a sua complexa cultura, a escrita ideográfica é portanto um exemplo onde a pessoa não lê uma idéia pronta, mas um conceito, e esse conceito tem relação com o nível de compreensão de quem lê, porém as interpretações e análises de sua escrita leva-os à profundas reflexões sobre a própria vida. O ideograma “An” significa Paz, mas que interessante é analisar sua estrutura: ele é dividido em dois radicais, a parte superior lembra-nos um telhado, representa “casa”, o radical inferior significa “mulher”; portanto, mulher em casa significa Paz. Pode parecer estranha a interpretação, mas além de uma visão machista (mulher em casa), como poderia interpretar a sociedade atual, percebemos um povo que reconhece o valor do feminino como base de todas as coisas, a sociedade chinesa é matriarcal por sua influência Taoísta. E o que é o Taoísmo? O Taoísmo é uma ciência esotérica, fundamentada nos ensinamentos dos Guias da Humanidade. Ensinou o homem a buscar o equi-


Gnosis líbrio com a natureza e o equilíbrio interior através do auto-conhecimento. Lao Tse, o velho mestre, entregou à humanidade o Tao Te Ching, uma obra extraordinária que descreve a Auto-realização humana através do uso frequente e equilibrado das duas forças que atuam em nosso mundo interior: Ying (feminino, suavidade, noite, lua) e Yang (masculino, dia, sol). O Taoísmo é profundamente alquímico e dele deriva uma ciência que conduziu vários orientais à longevidade: o Qi-Gong (um complexo sistema de exercícios respiratórios denominados pranayamas). Tendo impregnado a forma como os orientais se relacionam com a alimentação, com o próprio corpo e com a sua mente, os Taoístas foram mais além e estruturaram todas

"Conhecer os outros é inteligência, conhecer-se a si próprio é verdadeira sabedoria. Controlar os outros é força, controlar-se a si próprio é verdadeiro poder." Lao Tzé as suas práticas e conceitos dentro de um sistema religioso. Sim, o Taoísmo desenvolveu seus rituais, suas práticas, sua doutrina e seus ensinamentos. Como está fundamentado no símbolo Taiji (Ying/ Yiang) tendo seu significado literal como 'Tai' “o maior”, “o mais alto”, “supremo”, “absoluto”; e 'Chi' (ou Ji) significa, original e literalmente, a parte mais alta do telhado - “cumeeira”. Portanto o cume supremo de todo o conhecimento, o topo da Árvore Sephirótica segundo os kabalistas é Kether ou a possibilidade última de união com o Absoluto (com a Divindade) e isso só é possível indo muito além da dualidade, expressa claramente nas cores branca e negra do símbolo. O Taoísmo supriu a

Ideograma AN

necessidade de contemplação, de harmonia e de saúde que os chineses necessitavam, suavizando os ensinamentos extremamente práticos do Confucionismo, ensinamento magistral que floresceu de forma quase que subsequente ao Taoísmo.

O Confucionismo O Confucionismo é o resultado dos escritos e ensinamentos de Confúcio (Kung Fu Si). O significado do nome desse sábio já é digno de uma reflexão, Kung Fu = maestria, Si = mestre, portanto, Kung Fu Si = mestre dos mestres. Os ensinamentos abrangentes desse grande instrutor foram os mais amplos já disseminados entre os orientais, envolvendo aspectos de moral, ética, espiritualidade, gestão pública e muitos outros aspectos. Os livros escritos por seus discípulos foram amplamente estudados na China e até hoje influenciam grandemente o comportamento social dos chineses. Portanto esse homem superior, preconizado por Confúcio, necessitava ter atingido a Maestria da Vida. Confúcio pregava que cada um cumprisse com seu dever de forma correta. Também o condicionamento dos hábitos serviria para temperar a alma e evitar os excessos. Logo, a sua doutrina apregoava a criação de uma sociedade capaz, culturalmente instruída e disposta ao bem estar comum. 11


ANTROPOLOGIA

Revista ado na China é a verdadeira representação do homem Auto-realizado; eles afirmam que homens tornam-se Dragões, e isso ocorre quando esses homens conseguem “emplumar a serpente” (como nos ensina a sabedoria Maia). A realização concreta do símbolo de Hermes Trismegisto, o três vezes grande Deus Íbis de Thot, indica que o praticante dedicado dessa Ciência Oculta deve conduzir as suas energias criadoras, polarizadas no símbolo mágico das serpentes branca e negra, por determinadas “câmaras secretas” ao longo de um tortuoso Caminho cheio de espantosos perigos. Ao chegar no ápice desse trajeto, tendo conhecido as 33 câmaras ocultas, abrir-se-ão as asas ígneas, então esse homem transforma-se num Dragão de Sabedoria e deverá se sentar entre os imortais.

O homem para atingir esse ideal deveria Os Dragões Chineses ter os 5 atributos: Os Dragões Chineses dividem-se em vários - Ren= humanidade (altruísmo). tipos: Hua-Long ou o Dragão Amarelo é consi- Li= cortesia ritual. - Zhi= conhecimento ou sabedoria (Gnosis). derado entre os Chineses o mais sábio e velho dos Dragões. Tendo sua Ordem e seus Discípu- Xin= integridade. los, estudando e aplicando seus profundos en- Zhing= fidelidade. sinamentos. Esse é um ensinamento cósmico - Yi= justiça, retidão, honradez. Para que o homem pudesse realizar em si es- presente em todas as grandes culturas serpenses atributos deveria portanto subjugar a sua na- tinas. Vemos Quetzalcoatl como o Dragão dos astecas, a águia que tureza inferior, permitindo devora a serpente conque florescesse a superior "O coração do sábio, vertendo estes dois seatravés de Zhi (Sabedoria do res em um só; a Estrela tal como o espelho, Ser), tornando-se dessa forde Davi que une os dois ma, um Mestre. deve a tudo refletir, triângulos; o dragão Vemos nessa época atual sem todavia que morde a própria os chineses distantes de seus cauda e opera, num valores fundamentais. Agora macular-se". movimento circular e muito hábeis em questões contínuo, todo o propráticas como aspectos fiConfúcio cesso dinâmico e transnanceiros e suas relações formador da vida. “Meu fim é meu começo”, comerciais, seus símbolos e mitos ainda encondiz o Dragão nesse ato mágico de devorar-se e tram-se em profunda relação com a simbologia Arquetípica Iniciática. O Dragão (Long) tão cultu- cuspir-se, a representar a unidade indiferencia12


Gnosis da da vida, e seu caráter divino implícito na perfeição do círculo, o Oroboros dos Alquimistas. Este é o principal atributo do Homem, unir em um só corpo duas forças antagônicas, e harmonizá-las com o poder de sua Vontade. Assim vemos que uma parte substancial dos ensinamentos ocultos chineses tem relação com a antiga ciência alquímica, como nos confirma o capítulo 63 do Hua Hu Ching, antigo tratado atribuído a ensinamentos ocultos de Lao Si: “Simplifica teu comportamento, fixa a energia sexual elevando-a, integra o Ying e o Yang no corpo, na mente e no espírito, pratica a reflexão antes da ação, faz com que a tua Consciência seja uma com a lei pura e descobrirás a verdade.” Seus ensinamentos, portanto, não se restringiram aos aspectos alquímicos ou ligados à energia criadora, uma das grandes contribuições que os chineses concederam à humanidade foi o controle e o silêncio mental através do Cha’n.

O Budismo Cha’n O Budismo Cha’n, originário da China, deu todas as bases para que se desenvolvesse o Zen Budismo Japonês que estendeu suas influências a quase todos os ramos de desenvolvimento cultural no oriente: poesia, literatura, arranjos florais, arquitetura, resultando na futura perspectiva “minimalista”. Dentre todas as práticas para silenciar a mente, a principal desenvolvida por eles é a meditação com seus vigorosos Koans (pergunta sem resposta), na qual o objetivo não é apenas controlar a mente, mas sim subjugá-la completamente. Através do "calar a mente" poderiam atingir níveis superiores de consciência que eles definiam como a iluminação, (Samadhi para os hindus e Satori para os adeptos do Zen/Cha’n). Os discípulos diretos da linhagem espiritual de Sakyamuni sabiam que só poderiam expres-

sar uma sabedoria superior através de uma mente passiva e quieta, por isso trabalharam duramente. Essas técnicas foram se tornando abrangentes, e passaram à contemplação da natureza, onde o praticante retira o olhar racional e sente a paisagem. Lamentavelmente, os próprios chineses, nos dias atuais, esqueceram os fundamentos tão profundos de toda a sua grandiosa cultura e caíram rendidos de joelhos diante do materialismo. A Gnosis vem portanto revalorizar toda essa sabedoria e convida as consciências de todos aqueles que buscam a auto-superação a verificarem dentro desse ensinamento a Intuição de uma Linguagem de Ouro, a Harmonia do Tao, a Maestria da Vida através da Auto-Gnosis, conhecer a Verdadeira Aniquilação Budhista! Porque se no mundo físico não se encontra mais um interesse genuíno pela espiritualidade e sim apenas pelos valores financeiros, internamente uma trilha ainda está aberta e aguardando aqueles que sentem vibrar sua alma quando ouvem falar da sabedoria do Velho e Antigo Dragão Amarelo. Raul Marcelo Oliveira

Foto: Templo dedicado ao Dragão Amarelo na China 13


Revista

ASTROLOGIA

As Hercólubus Mudanças climáticas, catástrofes naturais, terremotos, maremotos, modificações nos campos magnéticos da Terra e do Sol, aproximação de uma nova era do gelo, inversão dos eixos do planeta... fome, pestes, guerras, violência... Sem dúvida um cenário apocalíptico, que infelizmente se vê cada dia mais comum nos noticiários. A humanidade, temendo o pior, prefere ignorar, acostumando-se com esse doloroso cenário, crendo ser normal o que lhe é comum. A ciência começa a reconhecer sinais que indicam uma mudança catastrófica iminente, que antes era prevista apenas pelos religiosos. Seria possível que todos esses fenômenos tenham uma causa comum? Busquemos a resposta como faziam os sábios da antiguidade, olhando para as estrelas. Os Maias, por exemplo, acreditavam que o Sol é um ser vivo que está em constante movimento e gira ao redor de Alcione, estrela maior da constelação das Plêiades, com uma órbita de aproximadamente 26.000 anos. Visto da Terra, devido ao fenômeno da precessão dos equinócios, o Sol parece percorrer as 12 Constelações Zodiacais, originando o fenômeno do Ano Sideral e da sucessão das Eras Astrológicas, quando ruíam-se impérios e surgiam e erguiam-se novas culturas impulsionados pelas forças mecânicas da Natureza. No Antigo Egito, durante a Era de Touro, adornaram seus templos com a figura do mesmo. Nas longas procissões cultuava-se ao Touro Sagrado Ápis, à Deusa Hator, com cabeça de 14 14

vaca. Sucessivamente surge a Era dos grandes Impérios impulsionados pela força combativa de Áries. Ergue-se a civilização Persa com a lendária escultura do Deus Mitra matando o Touro, sucedido pelo Império Macedônico e finalmente pelo Império Romano. Na decadência de Roma, muito mais tarde, chega a Era de Peixes e com ela o Cristianismo simbolizado pelo Peixe. Mais de 2000 anos se passaram, e eis que irrompe no horizonte a nova Aurora de Aquarius. Tal riqueza alegórica e simbólica fazia-se presente pois tais povos, vivendo em harmonia com a Natureza, compreendiam que a mesma, e o homem, são tremendamente influenciados pelas forças siderais.

A Influência dos Astros Podemos evidenciar, claramente, como os astros influenciam uns aos outros física, magnética, gravitacionalmente, e também metafísica ou psicológicamente. A Lua, por exemplo, influencia nas marés, no plantio, nas colheitas, na caça e pesca, no período fértil das fêmeas de todas as espécies, no crescimento, e também na psiquê humana. A Lua Minguante nos traz melancolia, a Cheia, euforia, etc... Assim como a Lua, todos os outros planetas e estrelas provocam sua influência uns nos ou-


Gnosis tros, e é precisamente à uma delas, poderosíssima por sinal, que estariam associados grande parte dos fenômenos apocalípticos que citamos anteriormente. Madruk, Absinto, Nibiru, Barnard I, Hercólubus ... Distintos nomes e profecias tão similares. Um Gigante Vermelho, um Imponente Astro, cerca de 6x maior que Júpiter, o Pai de todos os Deuses Planetários de nosso Sistema Solar! Esse é o corpo celeste que está se aproximando rapidamente da órbita terrestre, supostamente tido como principal responsável por inúmeros distúrbios climáticos que vêm ocorrendo em nosso planeta, tais como terremotos, tsunamis, furacões, degelo dos pólos, El Niño , etc... Suposição ou não, o fato é que antropologicamente, inúmeros povos de distintas culturas citam este fenômeno em seus mitos e lendas. Ainda que não se possa afirmar que trata-se de um mesmo astro, as descrições nos con-

duzem à conclusão de que o Planeta Absinto (amargura), citado na Bíblia; o Nibíru e Marduk dos sumérios e babilônios; a Estrela Baal, entre os maias; “O Grande Rei do Terror” de Nostradamus; O Nêmesis de Isaac Asimov; a Anã Vermelha ou Rá de JJ Benitez são o mesmo Hercólubus dos gnósticos e espiritualistas. Todos concordam que este astro, em sua órbita, visita nosso sistema solar de tempos em tempos e sua chegada sempre anuncia terríveis acontecimentos, estando associada ao cumprimento das profecias apocalípticas de todos os povos. O Hercólubus não é nenhum cometa ou asteróide, nem uma estrela anã como alguns supõe, é um planeta que gira ao redor de seu Sol num sistema vizinho ao nosso, o qual era antigamente chamado Tylo, faz parte do grupo de Estrelas conhecido como Plêiades. Há alguns anos, o astrônomo chileno Carlos Muñoz Ferrada observou que um gigantesco “asteróide” estaria vindo em direção à Terra, e

1515


PSICOLOGIA

enviou um alerta ao Smithsonian Center (instituição americana de pesquisa astrofísica situada em Cambridge, Massachusetts). Desde então pesquisadores do mundo inteiro se mobilizaram para investigar detalhadamente a ameaçante descoberta. Porém quais seriam as consequências da aproximação de um planeta de tão colossais dimensões? A Mitologia de vários povos concorda, recordando 4 aproximações anteriores, em intervalos de aproximadamente 26.000 anos, todas elas ligadas a grandes cataclismos, mudanças climáticas e extinções. O antropólogo e filósofo contemporâneo Samael Aun Weor afirma que em sua última passagem, a tremenda força magnética do Gigante Vermelho desviou o eixo da Terra de seu estado atual, convertendo os pólos em equador e vice-versa, o que poderia inclusive ter invertido o sentido de sua rotação, o que se espera que se repita novamente.

A Trajetória do Gigante Vermelho A trajetória orbital de dito planeta, o aproximaria demasiadamente da órbita terrestre (em termos astronômicos, cerca de 500 UA), provocando um choque magnético por meio da ação de seu gigantesco campo gravitacional sobre nosso mundo, desencadeando efeitos em grande parte da crosta terrestre e consequentemente da humanidade. A princípio, sua aproximação alteraria o clima terrestre, intensificando fenômenos como “El Niño”, que consiste na elevação periódica das águas do Oceano Pacífico, mudando o clima terrestre, produzindo secas, inundações, fome, pragas, incêndios, epidemias, furacões em escalas mundiais. Com a progressiva aproximação deste gigantesco planeta, sua poderosa força magnética atrairia bruscamente o magma para a superfície, aumentando, 16 por exemplo, o contato entre o fogo do inte-

Revista rior da terra com a água dos oceanos, provocando o aumento em número e intensidade de terremotos, maremotos, erupções vulcânicas, etc., os quais alcançariam magnitudes nunca antes vistas pela humanidade atual. Em sua máxima aproximação, produziria um verdadeiro cataclismo, a revolução dos eixos da Terra: o equador se converteria em pólo e os pólos em equador. Os oceanos seriam expulsos violentamente de seus leitos, submergindo grande parte da terra firme do planeta. Além de todos esses cataclismos naturais, o que dizer do homem, o qual é uma máquina, movida por diversos impulsos interiores e exteriores, que em sua maioria desconhece. Como se comportaria sob a influência de tremendas forças siderais? Tais forças desencadeiam diversas reações psíquicas, que influenciam nossa forma de pensar, sentir e atuar. Os antigos industãos relacionam este período à Kali Yuga, época conhecida como Idade de Ferro, de perda dos valores morais, éticos e humanos, sempre associada às profecias apocalípticas do oriente e do ocidente. Todavia a Sabedoria Universal nos faz compreender a regência das Leis de Evolução e Involução. Raças e povos têm sua ascensão e queda. Os Mitos de várias culturas indicam que estaríamos vivendo um período de transição para uma Nova Era, momento em que nosso Sistema Solar sairá da noite para o amanhecer galáctico. O Apocalipse Bíblico o chama de Nova Jerusalém, período quando surge uma nova progênie humana, em novas terras e novas paisagens, iniciando um período áureo de uma nova humanidade. Estes são os “os Filhos do Sexto Sol”. (Mitologia Maia). Eduardo Garcia Ávila Lima


Gnosis

O Governo da Virtude

Vemos que a vida nos oferece vários eventos e oportunidades para que possamos ir aprendendo e desbravando nosso próprio interior e, no entanto, vivemos apenas em uma parte de nós mesmos, limitados de acordo com nossa psicologia. Em sua obra “A República”, Platão apresenta uma cidade ou país ideal, onde os governantes trabalham com a virtude, superam o egoísmo, paixões, desejos e ambições e são capazes de fazer da sabedoria a principal característica no exercício do poder. Sobressai interessante nesta obra, que influenciou e influencia a política das Nações e formação dos Estados ao longo do tempo, observar que Platão sugere a necessidade do governante aprender a governar previamente a si mesmo.

O Governo de si Mesmo Ampliando esta concepção para além da pessoa dos governantes, o governo de si mesmo garantiria a harmonia de todas as relações sociais, na medida em que consideraria este governo na capacidade de dirigir sabiamente a própria psicologia, pensamentos, sentimentos e emoções. A ideia de cidade da Obra de Platão nos faz lembrar, também, uma cidade ou país de tipo “psicológico”, como nos apresenta Samael Aun Weor, que paralelamente, percebemos que conhecemos apenas um pouco do local, da rua, do bairro, da cidade e do país em que vivemos, e certamente ocorre o mesmo com nosso mundo interior, com diversas áreas desconhecidas e obscuras dentro de nós mesmos. Refletindo, podem-se encontrar pessoas com grandes especialidades em determinados

assuntos e carentes de sabedoria prática, de modo que esta é uma grande necessidade para todas as áreas da vida, como a convivência, os relacionamentos, entre outras. Denota-se, dessa forma, que apenas uma formação intelectual não chega a ser suficiente para atingir uma sabedoria, já que isso vai além de um bom intelecto, ou seja, é uma expressão da consciência que se manifesta no viver do aqui e agora. Para isso, é imprescindível uma constante observação de si, para encontrar e corrigir as imperfeições psicológicas tais como a agressividade, impaciência, desordens, ciúmes e medos, desenvolvendo, como consequência de tal correção, as virtudes como compreensão, humildade, caridade, paz, alegria e amor. Um bom governo interior nos leva a obter uma sabedoria prática, a ter atitudes por meio de um bom senso, a ter habilidades de ação. Certamente isso resulta também de uma maior percepção dos eventos para que se possam ter decisões apropriadas. Portanto, num caminho de conquista de sabedoria, é indispensável buscar a verdade, não iludir-se, mas despertar, ser dono de sua vontade, ter a capacidade de discernimento para poder enxergar o que é mais adequado, sensato e equilibrado. Ao alcançar tamanho conhecimento e sabedoria, já não se possui uma cidade ou país psicológico, pois quando se elimina toda babilônia interior, surge a livre expressão do Ser, de seus potenciais psicológicos e divinos. Cleide Brandt

17


Revista

INSTITUCIONAL

Curso de Gnosis

Ciência e Cultura do Homem em Busca do Ser O termo grego GNOSIS refere-se à ciência, sabedoria, conhecimento oculto da Natureza, do Cosmos e do Homem. O mundo que percebemos é apenas uma fração muito pequena na Realidade da Natureza. Além dos fenômenos que podemos registrar com o uso dos sentidos, existe o oculto, o que está encoberto pelo Véu dos Mistérios, a Grande Realidade. Através da linha do tempo muitos homens e mulheres acessaram em seu interior este conhecimento, esta sabedoria e nos deixaram de herança muitos conhecimentos plasmados na linguagem filosófica dos Mitos, das Religiões, na Arte Régia da Natureza e na Ciência.

18

As Civilizações antigas brindam-nos, em suas obras sagradas, um grande legado acerca dos Mistérios da Morte, da Vida e do Cosmos; do conhecimento da Natureza Psíquica do Homem; das chaves do Despertar da Consciência; da ciência das Estrelas; da ciência de manejar as plantas, ervas e aromas para curar enfermos e realizar prodígios; apenas citando alguns aspectos da GNOSIS.

O Conhecimento Gnóstico Nos tempos atuais, como é muito natural, reúne-se entre os estudantes do Gnosticismo Universal a mais completa e elevada cultura, ou seja, a Arte, a Ciência, a Filosofia e a Religião mais exaltadas que já houveram na face da Terra, que conduz o indivíduo não apenas a apreensão dos Enigmas e Mistérios da Natureza, porém, acima de tudo, a uma didática perfeita e insuperável no sentido de que este regresse conscientemente ao Círculo da Humanidade Solar e alcance a Revolução de sua Consciência e, por conseguinte, sua Auto- realização. O Conhecimento Gnóstico nos ensina que a redenção e regeneração humana (Auto-realização) só são alcançadas através do autoconhecimento, ou seja, antes de tudo é preciso conhecer nossa verdadeira realidade. É importante que nos perguntemos: Eu realmente me conheço? O Ser Humano é consciente de quem é, de onde está e do real motivo de sua existência? Vamos fazer algumas reflexões acerca destas perguntas.


Gnosis

O Mundo Interior Se por um momento olharmos para nós mesmos, perceberemos que existe um Mundo interior povoado pelos nossos pensamentos, sentimentos, emoções, dúvidas, medos, rancores, etc. Conhecemos este mundo? Sabemos a origem de nossos pensamentos, medos, desejos? Alguma vez na vida já observamos algum pensamento ou emoção? Já inquirimos sua origem e o porquê de sua existência? Se tivéssemos plena consciência de nós mesmos será que a humanidade sofreria com a depressão? Será que haveria esta quantidade de enfermidades psicossomáticas e psíquicas? Será que haveria tantos conflitos internos?

Desta forma é possível concluir que cada um de nós vive em uma ínfima porção de si mesmo e percebe o mundo através desta ótica limitada. É urgente acender à Luz do Autoconhecimento para que possamos enxergar a nós mesmos e o que nos cerca de forma real e integral. Esta Organização oferece Cursos de Gnosis que nos auxiliam nesta jornada de autoconhecimento. Neste são entregues técnicas milenares e universais que nos possibilitarão uma melhor relação com nosso corpo, com o planeta, nossos semelhantes e, principalmente, conosco mesmo. Vinícius Audino

Conferências Públicas

Veja Algumas das Cidades onde a AGEACAC ministra conferências:

Porto Seguro - BA

Jundiaí - SP

Franco da Rocha - SP

Cursos Gratuitos • Veja alguns temas:

A Máquina Humana e o Bem-estar integral ► Alquimia Desvelada ► O Despertar da Consciência ► Desdobramento Astral ►

Mistérios da Vida e da Morte Personalidade, Essência e Ego ► Meditação ► ►



Revista Gnosis - 08