Issuu on Google+

CHRISTINE FEEHAN

Traduzido e Revisado do Inglês e Espanhol por Fãs Revisoras: *Lunna *Rosangela *Helena Formatação e Revisão Final: *Rosangela Este Livro faz parte, da união de pessoas que gostam da leitura e o repasse, sem fins lucrativos, de fãs para fãs. A comercialização deste produto é estritamente proibida.


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

mn No momento que Charlotte Vintage entra em seu clube, o sangue de Tariq Asenguard é incendiado. O Cárpato antigo tinha perdido a esperança de encontrar sua companheira, mas agora ele vai fazer todo o possível para que Charlotte seja sua. O que Tariq não sabe é que Charlotte está usando ela mesma e sua melhor amiga como isca para tentar atrair os assassinos sanguinários, que já mataram o irmão e o mentor de Charlotte. Charlotte está familiarizada com Tariq. Não só ele é um dos solteiros mais ricos e o mais cobiçado da cidade, mas ele também é um colecionador conhecido de cavalos de carrossel antigos, que Charlotte restaura. Com sua paixão partilhada, Charlotte começa até a confiar nele com sua vida e com o desejo que ela não consegue mais controlar. Mas também torna-a vulnerável a uma maldição de séculos, que irá se unir a ela e Tariq em uma guerra contra os inimigos tanto de seres humanos e dos Cárpatos ...

2


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

Para Sheila Clover English. Obrigado por ser sempre tão boa amiga. Não importa se os tempos são bons ou especialmente ruins, você sempre esteve lá.

Para os meus leitores Certifique-se de ir para christinefeehan.com/members/ para se inscrever para a minha lista privada de anúncios de livros e baixar grátis o ebook de Dark Sobremesas. Junte-se a minha comunidade para obter notícias em primeira mão, discussões sobre livro, fazer perguntas, e conversar comigo. Por favor, fique à vontade para me enviar um e-mail em christine@christinefeehan.com Gostaria muito de ouvir de você.

AGRADECIMENTOS Em qualquer livro há muitas pessoas para agradecer. Neste caso, os suspeitos do costume: Domini, por sua pesquisa e ajuda; meu grupo de energia, que sempre tem certeza de que eu estou até ao romper da aurora trabalhando; e, claro, Brian Feehan, a quem posso chamar a qualquer momento e debater então não perco uma única hora. Obrigado a Chris Tong por sua ajuda com a língua quando não me lembro o que estou fazendo!

3


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

4


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

5


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

6


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

1mn Charlotte Vintage empurrou os cachos soltos de seu escuro cabelo castanho avermelhado para os ombros e inclinou-se para sua melhor amiga, Genevieve Marten. Dedos gelados de mal-estar continuamente se arrastavam por sua espinha. Não havia descanso, nem mesmo com uma bebida na frente dela e a batida da música. — Sabemos que nos seguiu até aqui, Genevieve, —ela sussurrou atrás de sua mão. Sussurrar no clube de dança com a música batucando um ritmo selvagem não era fácil, mas ela conseguiu. Elas tinham feito o que se propuseram a fazer, mas agora que tinham descoberto seus perseguidores, o que iriam fazer? — Temos de ter estado loucas em achar que poderíamos fazer isso, Genevieve. Porque nós não ganhamos nada em nos expor a este tipo de perigo. —Principalmente, não achava que deveria ter exposto Genevieve ao perigo. Pelo menos não quando elas estavam juntas. Não quando elas tinham uma criança de três anos para considerar. Ela deu uma olhada lenta pelo clube, tentando guardar cada detalhe. O Palace era o clube noturno mais quente na cidade. Todos que eram alguém o frequentavam. Ele tinha quatro andares, cada piso era lotado, assim como o subsolo. Homens tentavam chamar sua atenção continuamente. Ela não ia fingir que não notava que Genevieve era bonita, ou que ela não era ruim para os olhos, também. Juntas, chamavam a atenção onde quer que fossem, o que era uma coisa ruim.

7


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Estamos agindo como mulheres normais que querem se divertir, —Genevieve disse um pouco desafiadora. — Estou cansada de me esconder. Precisávamos sair de casa. Você precisava sair de casa. Você trabalha o tempo todo. Honestamente, Charlie, nós vamos envelhecer nos escondendo. Que bem isso tem feito para nós? Não estamos nem um pouco mais perto de descobrir quem está fazendo isso com a gente. — Eu não posso me dar ao luxo de ser uma isca, —Charlotte apontou. — E não gosto de você sendo uma também. Certamente não nós duas juntas quando temos que cuidar de Lourdes. Ela não pode perder todos em sua vida. Me esconder vai contra tudo em mim, mas tenho que pensar no que aconteceria com ela se eu estiver morta. Eles já assassinaram seu pai. Ela não tem mãe. Eu sou tudo que ela tem. —Quando Genevieve lhe enviou um olhar, ela rapidamente emendou, — nós somos tudo que ela tem. Charlotte não era de se esconder de um inimigo mais do que Genevieve. Elas se encontraram na França, estudando arte. Genevieve pintava, e era boa. Mais do que boa. Suas paisagens e retratos estavam começando a ser notados, procurados por colecionadores. Charlotte restaurava pinturas e esculturas antigas. Sua especialidade e maior paixão era restaurar carrosséis antigos. Genevieve era francesa. Ela era alta, com um longo cabelo escuro e brilhante e grandes olhos verdes. Não apenas verdes, mas o verde da floresta. Um verde surpreendente. Ela tinha a figura de uma modelo e, de fato, várias das principais agências tentaram convencê-la a assinar com eles. Ela era independentemente rica, tendo recebido heranças de seus pais e dos dois conjuntos de avós. A avó materna de Genevieve a tinha criado. Alguns meses antes, a avó sua última parente viva, tinha sido brutalmente assassinada. Algumas semanas depois, um homem com quem Genevieve tinha namorado foi

8


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 assassinado da mesma forma. Seu sangue tinha sido drenado de seu corpo, e sua garganta tinha sido arrancada. O mentor de Charlotte, o homem de quem ela foi aprendiz, foi assassinado uma semana depois disso. Por duas vezes, quando estavam juntas, as duas tinham percebido alguém tentando entrar em sua casa tarde da noite. Tinham bloqueado todas as janelas e portas, mas quem estava atrás delas tinha sido persistente, sacudindo as janelas, as pesadas portas, aterrorizando-as. A polícia tinha sido chamada. Dois oficiais foram encontrados mortos no pátio, com seu sangue drenado e suas gargantas arrancadas. Um par de semanas mais tarde, Charlotte recebeu a notícia de que seu irmão, seu único irmão, tinha sido encontrado morto, assassinado da mesma forma. Ele estava na Califórnia. Nos Estados Unidos. Longe da França. Longe dela. Ele deixou seu negócio e sua filha, de três anos de idade, Lourdes. A mãe de Lourdes tinha morrido no parto, deixando o irmão de Charlotte para criá-la. Agora era Charlotte. Genevieve tinha decidido vir com Charlotte para a Califórnia. Quem perseguia as duas estava nos Estados Unidos e Genevieve queria encontrá-lo. Genevieve colocou a mão sobre Charlotte. — Eu sei que Lourdes é a sua primeira prioridade. Ela é a minha também. Ela é uma menina bonita e, obviamente, traumatizada com o que viu. Seus pesadelos me acordam e eu nem estou na mesma casa que ela. Charlotte sabia que Genevieve não estava exagerando. Ela sempre soube quando Lourdes tinha pesadelos, mesmo que não estivesse com elas. Nesses momentos, ela sempre chamava para se certificar que a criança estava bem. Lourdes estava presente quando seu pai foi assassinado. O assassino tinha deixado a criança viva e sentada ao lado do pai morto. Ela tinha ficado sozinha em casa com o corpo por várias horas antes de ser encontrada por sua babá, Grace Parducci, uma mulher que tinha ido a escola com Charlotte.

9


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — A polícia não está nem perto de resolver os assassinatos, Charlie. Não aqui e nem na França. Lourdes está em perigo tanto quanto nós. Talvez mais. —Genevieve apoiou o queixo na palma da mão quando puxou sua cadeira mais perto de Charlotte, a fim de ser ouvida acima da música. — Eu pensei muito sobre isso e como tudo começou. O que fizemos para chamar a atenção desse louco. Charlotte assentiu. Ela esteve pensando sobre isso também. No que mais ela poderia pensar? Ambas tinham perdido cada membro da família com exceção da pequena Lourdes. Charlotte não queria perdê-la, e ultimamente, apesar de todas as precauções, ela não se sentia segura. Ninguém estava. Grace tinha relatado ser seguida e sentir como se alguém estivesse olhando para ela também. Charlotte sabia que havia uma parte dela que tinha vindo com Genevieve para a boate, em um esforço para desmascarar o assassino. Ela certamente estava preparada. Ela tinha armas. Várias. A maioria era pouco convencional, mas tinha. Ela sinceramente não sabia se as pessoas que a perseguiam eram os mesmos que tinham assassinado seu irmão, mas parecia provável. Charlotte não era o tipo de mulher que corria de seus inimigos e a perturbava pensar no assassino de seu irmão livre, e nele ou nela tentando aterrorizá-las. Não tentando, ela estava apavorada por Lourdes. Ela não tinha ideia do por que a menina tinha sido deixada viva, mas não queria correr nenhum risco com ela. Ir à casa noturna, era a chance de atrair o assassino sem pôr em perigo a menina. — Aquele estúpido Centro Psíquico a que fomos juntas, — Charlotte murmurou. — Ele me deu arrepios. Genevieve assentiu. — Exatamente. O Centro Morrison. Fomos por brincadeira, mas não foi nem um pouco divertido. Eles se interessaram de maneira muito rápida e começaram a fazer

10


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 perguntas muito pessoais. Quando saímos, eu achei que fomos seguidas. Charlotte tinha pensado o mesmo. O local de teste tinha sido um pequeno buraco, mas em uma área de alto trafego, por isso não tinha dado atenção a isso. Ambas muitas vezes disseram que eram psíquicas, e acharam que seria muito divertido entrar e testar-se, assim como ter as palmas das mãos lidas. Algo divertido para fazer. Isto acabou por não ser muito divertido. Charlotte olhou para os olhos verdes de Genevieve e viu a mesma dor que ela estava sentindo refletida lá. Quem diria que algo feito por capricho teria consequências tão terríveis? Foi assim com elas. Ambas pensavam do mesmo jeito, sabiam o que a outra estava pensando. — Desde que fomos lá, sinto que estamos sendo observadas, disse Genevieve. — E não de um jeito bom. Quando ainda estávamos na França, antes de vovó ser assassinada, dois homens me convidaram para sair e eu tive uma vibração realmente assustadora deles. Quando eles falaram simplesmente a imagem do centro de testes surgiu em minha mente e eu não podia deixar de associá-los a isso. Charlotte assentiu com compreensão. A mesma coisa tinha acontecido com ela mais de uma vez. E em seguida, os assassinatos aconteceram. Desde então, elas tinham sido muito mais cuidadosas. Nenhum encontro. Nenhum flerte. Sem estranhos em suas vidas. Charlotte assumiu os negócios na marcenaria do irmão, e fez um pouco de restauração, mas realmente não tinha trabalhado em seu próprio negócio por meses. Não desde que ela voltou para os Estados Unidos. — O que vamos fazer, Charlie? —Perguntou Genevieve. — Eu não posso viver assim por muito mais tempo. Eu sei que deveria ser grata por estar viva, por estarmos vivas, e não quero fazer

11


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 nada que possa pôr Lourdes em perigo, mas eu sinto como se estivesse sufocando. Charlotte sabia como ela se sentia. — Demos o primeiro passo ao vir aqui. Nós não estamos seguras sobre ele, Vi. Nós já atraímos muita atenção. Aqueles homens, que continuam nos convidando para dançar, eles emitem aquela vibração assustadora para mim. E você? Eles parecem familiares para você? Eu juro que já os vi antes. Eu acho que na França. Genevieve seguiu o olhar de Charlotte aos três homens que continuamente as convidavam para dançar e enviavam bebidas para sua mesa. Eles piscaram, flertaram e ficaram perto durante toda a noite. Eles eram bons dançarinos, tinham convidado outras mulheres e Charlotte tinha visto. Os três homens sabiam o que estavam fazendo na pista de dança. Os três tinham uma excepcional aparência. Pareciam homens que frequentavam o clube e pegavam sua quota de mulheres lá. Ainda assim, havia algo errado neles. — Eu também. Tem um chamado Vince, Vince Tidwell, me toca com um dedo cada vez que chega perto o suficiente. Ele apenas o arrasta sobre a minha pele. Em vez de me dar qualquer tipo de prazer, me dá arrepios, e a imagem do centro de testes logo vem a minha mente. Eu continuo dizendo a mim mesmo que os testes foram na França, por que eles realmente nos seguiriam até aqui? Mas estou bastante certa de que eles fizeram. — Então talvez nós devêssemos sair, esperar por eles lá fora e tentar segui-los, —Charlotte sugeriu. — Lourdes está segura hoje à noite. Eu chamei meia dúzia de vezes, e Grace me garantiu que tudo está tranquilo em frente à casa. Nós poderíamos segui-los hoje à noite e descobrir onde ficam e quem eles realmente são. Talvez nós descobríssemos o que eles querem de nós.

12


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Os vívidos olhos verdes de Genevieve se iluminaram. — Absolutamente. Eu preciso fazer alguma coisa para sentir que eu não estou sentada, só esperando que alguém venha me matar. Eu tenho que fazer algo para me salvar. Charlotte assentiu. Ela pensava diferente. Ela tinha Lourdes. Responsabilidades. Uma enorme responsabilidade. Ela sempre foi aventureira. Ela perseguiu seus sonhos de braços bem abertos, entrando de cabeça onde os outros tinham medo de ir. Ela não tinha ficado em casa com seu irmão. Ela trabalhou duro desde que era muito jovem para poder financiar sua viagem à França, onde ela sempre quis ir. Ela aprendeu francês cedo e trabalhou duro até que pudesse falar como uma nativa. Tinha deixado seu irmão para trás e voltou apenas para ajudá-lo quando sua esposa morreu. E então ela saiu novamente. — Egoísta, —ela murmurou em voz alta. — Eu sempre fui egoísta, fazendo as coisas que eu queria fazer. Eu quero ir atrás deles, também, Vi. Eu juro que quero. —Ela teve que colocar a boca perto do ouvido de Genevieve para ser ouvida sobre a música. Ela não era o tipo de mulher que se escondia em casa com as cobertas sobre a cabeça, mas qual a coisa certa a fazer? Ela sinceramente não sabia. — Lourdes estaria muito mais segura se nós descobríssemos algo, Charlie, —Genevieve apontou. Ela não estava dizendo nada que Charlotte já não tivesse dito a si mesma, mas Charlotte ainda não sabia se estava inventando desculpas para entrar em ação porque queria justificar a luta e empurrá-la pela garganta de seu inimigo. Charlotte se decidiu. Ela não podia simplesmente continuar se escondendo. Não estava em seu caráter e Genevieve estava certa, Lourdes precisava ter uma vida normal. Elas não podiam se manter fugindo e cobrindo seus rastros. — Vamos fazer, Vi. Nós podemos segui-los e

13


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 ver se podemos descobrir o que estão fazendo. Você não pode ir assim, apesar de tudo. Você chama muita atenção. Charlotte arriscou outro olhar rápido para os três homens. O chamado Daniel Forester parecia ser o líder. Seus dois amigos definitivamente o seguiam. Ele era alto, de boa aparência e sabia disso. Estava olhando para ela, mesmo quando dançava com outra mulher. A mulher olhava para ele com adoração absoluta, e ele estava ignorando-a para olhar para Charlie. Ela levantou uma sobrancelha para ele para que ele soubesse que ela achava que ele estava sendo rude. Ele sorriu como se partilhassem um segredo. — Ele é um idiota arrogante, —ela assobiou. — Como seus amigos. Jogadores. Todos os três, —disse Genevieve. — Eles sabem que tem uma boa aparência e as usam para pegar mulheres. Charlotte não poderia contradizê-la riu suavemente, tirando o olhar de Daniel para observar melhor seus amigos. Genevieve estava completamente maquiada e parecia uma modelo de passarela. — Sério? Estamos realmente ficando mal, Vi. Nós duas temos uma boa aparência e viemos aqui esperando um pouco de diversão. — Eu não sei do que você está falando, Charlie, —Genevieve protestou com altivez. — Eu sou assim o tempo todo. Acordo, assim. Charlotte soprou-lhe um beijo. — Na verdade, você está como quando acorda. Me deixa doente. — Uhm, lá vem eles. Estão trazendo bebidas. Vince e seu amigo Bruce atrás. Eles estão trazendo seu amigo Daniel também, —Genevieve baixou a voz até que Charlotte mal pôde entender o que ela estava dizendo. As mulheres estamparam os sorrisos enquanto os dois homens puxaram cadeiras e se sentaram em sua mesa sem perguntar.

14


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Eu sei que vocês devem estar sentindo nossa falta, —disse Bruce Van Hues. — Portanto, viemos trazendo presentes. —Ele colocou as bebidas na frente delas, sorrindo como se isso fosse convencêlas de que ele estava só brincando. — Definhando, —disse Charlotte. — Mal conseguia respirar sem você. Vince riu, cutucando Genevieve com o ombro antes de puxar sua cadeira para mais perto da dela, fazendo um show. Charlotte viu os olhos de Genevieve escurecerem de seus normais verdes esmeralda vívidos para uma floresta verde muito mais profundo, como musgo após a chuva. Esse sempre foi, um mau sinal de sua melhor amiga. Genevieve tinha pouca paciência. Ela ficava quente e selvagem, mas nunca durava muito tempo. Charlotte, no entanto, sabia guardar rancor. Ela não ficava feliz com isso, mas se fosse honesta, ela podia. Por muito tempo. Charlotte sabia que Vince estava realmente atraído por Genevieve. A maioria dos homens ficava. Ela era linda. Mas estava bastante certa de que os três homens as tinham seguido para o clube. Eles não as tinham achado apenas na multidão de mulheres. As mulheres. Muitas eram bonitas, e outras famintas, procurando levar alguém para casa. Genevieve e Charlotte tinham deixado claro várias vezes que não estavam lá para conexões casuais. Isso não os tinha dissuadido em nada. Daniel passeou, puxou a cadeira ao lado de Charlotte e se deixou cair nela. — Eu acho que eu tenho que cumprir o meu dever da noite. —Ele pegou a bebida na frente de Charlotte, sorriu e deu um gole. — Embora você não fez o seu, mulher. Você não dançou. Pense em toda a decepção que causou em tantos homens. Charlotte balançou a cabeça, dando um pequeno sorriso para ele. Ele realmente achava que era encantador. Ele empurrou a bebida para ela que deliberadamente colocou os dedos em torno do vidro, seus dedos

15


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 encontrando automaticamente os pontos exatos onde os dedos dele tocaram, e levou-o à boca derrubando um gole em sua garganta. Um abalo a atingiu como sempre acontecia quando ela se abria para uma conexão psíquica. Sua mente se abriu em um túnel e ela se viu no vazio, olhando para as memórias frescas dos homens que tinham tocado o vidro à sua frente. O barman em primeiro lugar. Seu toque estava lá. Ele estava preocupado com sua mãe e não tanto com seu pai. Ele queria um aumento e estava muito cansado de mulheres embriagadas chegando-se a ele. Desejou poder abertamente declarar que preferia homens, mas seu pai havia deixado claro que se ele fizesse isso, arruinaria sua família e ele seria repudiado. O barman desejou ter coragem de mandar seu pai ir para o inferno, e simplesmente se afastar de sua família em vez de viver uma mentira. Charlotte se sentiu mal pelo homem e arriscou uma olhada rápida na direção do bar. Havia muitos corpos dançando para ela ver o balcão, e ela sabia que estava adiando o inevitável, permitir-se ler as memórias de Daniel. Flashes rápidos de filmes de terror encheram sua visão. Uma estaca entrando no peito de um homem. Sangue em erupção, pulverizando como uma fonte. A vítima de olhos bem abertos, revelando choque e um sofrimento terrível. Daniel balançando um martelo para empurrar a estaca mais fundo. Vozes o incitando. Desgosto pela tarefa, mas determinação. Charlotte respirou fundo e soltou o vidro, pulando, derrubando sua cadeira ao longo do processo, quando se afastou da mesa. Não era um filme de terror. Era realidade. Ela não conseguiu respirar por um momento, não podia respirar. Não havia ar no ambiente. Ele tinha feito isso. Matou um ser humano enterrando uma estaca no coração do homem. Vince tinha estado lá. E Bruce. Ela reconheceu a voz. Ela estava ciente dos homens de pé, de Genevieve agarrando seu braço. Os dedos de Daniel em volta do seu pescoço, empurrando sua

16


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 cabeça para baixo, com medo que ela fosse desmaiar. Seu toque só piorou as coisas. Ela não recebia nada de seres humanos, apenas de objetos, mas imaginou que estava, observando-o martelar uma estaca no coração de um homem, torturá-lo enquanto ele estava consciente. A ideia fez a bile subir e ela colocou uma mão sobre sua boca. — Eu vou vomitar, —ela sussurrou. Genevieve pegou-a pela cintura e começou a se afastar de Daniel e dos outros, se dirigindo para os banheiros. — O que foi, Charlie? —Ela sussurrou. — O que você viu? — Ele matou um homem. —Charlotte sufocou as palavras. — Esta noite. Antes de chegarem aqui. Ele enfiou uma estaca no coração de um homem enquanto ele estava vivo. Acordado. Os outros dois estavam com ele. E então vieram aqui. Beber. Dançar. Rir. Genevieve parou na porta do banheiro feminino e olhou por cima do ombro. — Eles estão nos observando, Charlie. Vamos entrar, sair de vista. Charlotte assentiu. Ela tinha que se recompor. — Foi apenas o choque. Eles mataram um homem e, em seguida, vieram dançar. —Ela deixou Genevieve levá-la para o banheiro das mulheres. — Pegar mulheres. — Especificamente nós, —Genevieve apontou. — Sinto a vibração deles totalmente em nós. Sem outras mulheres. Eles certamente tinham escolha. Várias mulheres deixaram claro que estariam dispostas a ir para casa com eles esta noite, mas eles continuam ao nosso redor. —Ela olhou ao redor do banheiro e baixou a voz ainda mais. — Você acha que poderiam ser os assassinos de seu irmão e minha avó? Charlotte franziu o cenho e se obrigou a largar Genevieve. Seu estômago ainda estava agitado, mas ela tinha tudo sob controle agora. — Sinto muito, Vi, foi tão chocante. Eu deixei escapar antes de poder ver mais

17


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 alguma coisa. Eu não deveria, embora o assassinato fosse tão fresco que provavelmente teria coberto todo o resto. —Ela esfregou a boca e enviou a Genevieve, um sorriso irônico. — Eu entrei em pânico. Eu nunca fiz isso antes na vida. Isso só serve para mostrar o que acontece quando você tem uma criança. Você começa a ficar suave. — O que vamos fazer, Charlie? Charlotte respirou fundo e depois deu os ombros. — Nós vamos obter o máximo de informação possível no menor tempo possível, e depois vamos sair. Ver se eles nos seguem. Se eu puder descobrir a localização do corpo, posso fazer uma denúncia anônima para a polícia e dar seus nomes como os assassinos. — Você quer voltar para a mesa e sentar-se com eles? —Perguntou Genevieve, os olhos arregalados com o choque. Charlotte assentiu. — Não podemos deixar que percebam. Temos apenas que sair como se eu ficasse subitamente doente ou algo assim. Vou pensar em uma explicação. Genevieve respirou fundo e, em seguida, balançou a cabeça lentamente. — OK. Eu vou fazer isso, se puder. Mas vamos sair assim que possível. — Concordo. Nós vamos ter que sair na frente deles e, em seguida, encontrar uma maneira de prestar atenção para ver se eles tentam nos seguir para fora. Virar a mesa sobre eles vai ser perigoso, Vi. Se estão nos seguindo, então eles querem alguma coisa. O assassinato do homem tem que estar ligado. Genevieve engoliu em seco. — Será que você o reconheceu? Era alguém que conhecemos? Charlotte tentou se concentrar no homem assassinado. Ele tinha cerca de quarenta anos. Cabelo escuro. Seu rosto estava torcido de dor. Seus

18


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 olhos vivos de terror e em agonia excruciante. Ela iria ver aqueles olhos quando dormisse. Ela balançou a cabeça, tentando ainda controlar o tremor que corria por seu corpo. — Eu não sei. Ele parece vagamente familiar. É possível que ele estivesse na equipe de Matt. Meu irmão tinha um monte de empregados. Quando vendi a empresa, alguns deles foram demitidos e ficaram com raiva. Eu recebi um monte de ameaças. —Correu a mão pelo cabelo espesso. — Eu simplesmente não sei. Ele parecia ... apavorado. Com tanta dor. Eu não entendo o que eles estavam fazendo com ele. — Eles enfiavam uma estaca em seu coração? Quer dizer, como fazem com vampiros em filmes? —Genevieve perguntou. — Porque quando vovó e seu irmão foram assassinados, o sangue foi drenado de seus corpos e suas gargantas foram rasgadas. Alguém pode interpretar isso como ser morto por um vampiro. As sobrancelhas de Charlotte dispararam. — Agora estamos realmente saindo do reino da possibilidade e entrado em completa fantasia. — Eu não disse que existem vampiros, mas apenas que alguém maluco pode pensar que existem. —Genevieve suspirou. — Ok, eu admito, quando vi vovó, por um momento alimentei a ideia de que tais coisas existam. Charlotte colocou o braço em torno de sua amiga em um esforço para confortá-la. — Sinto muito, querida. Eu sei que isso foi horrível para você. Qualquer um teria pensado isso depois de vê-la assim. Vamos esperar que não exista qualquer coisa como um vampiro real lá fora, porque com a nossa sorte, estaria atrás de nós. —Ela tentou brincar um pouco, embora com a bile ainda formando um nó na garganta, ela não sentia a menor vontade de rir. Daniel, Vince e Bruce, os três homens bonitos que haviam passado a noite flertando com todas as mulheres do lugar e com Genevieve e ela em

19


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 particular, eram cruéis, monstros frios. Ela deu um passo em direção à porta. Genevieve pegou o braço dela. — Espere. Espere um minuto, Charlie, e deixe-me repensar isso. Eu sei que estava empurrando-a para sairmos de nosso esconderijo e tentar encontrar quem assassinou o seu irmão e minha avó, mas talvez eu esteja errada em nos tornar um alvo. Estes homens são claramente assassinos, e se você acha que eles não são os que mataram nossas famílias, então não devemos chamar a sua atenção mais do que já fizemos. Elas estavam no banheiro há muito tempo. — Nós não vamos. Isso é o que nós prometemos uma a outra, —Charlotte lembrou. — Nós nunca vamos ser livres se não descobrirmos quem assassinou aqueles que amávamos. Lourdes nunca vai ser livre. Você estava certa, Genevieve. Eu estava me escondendo. Ser responsável por uma criança me amoleceu, mas somos fortes. Nós podemos fazer isso. — Eles não vão fugir, não é? —Disse Genevieve, tentando colocar aço em sua voz. — Nós vamos descobrir quem levou nossas famílias, e nós vamos fazer isso juntas. Charlotte olhou para o belo rosto de sua amiga. Havia determinação lá. Medo, mas coragem. Ela assentiu com a cabeça. — Maldição nós o faremos. Vamos voltar lá e retomar o controle. Eles pensam que o tem, mas nós somos boas no que fazemos. Genevieve olhou para si mesma no espelho. — Charlie? —Ela hesitou. Os cílios longos velando os olhos. — E se há coisas como vampiros? E se esses homens estão os matando? Charlotte abriu a boca e depois fechou. Genevieve não merecia uma resposta irônica. Ela precisava pensar sobre o que dizer cuidadosamente. Logicamente. — Primeiro, mel, se houvessem vampiros, depois de todo esse tempo, o mundo não saberia sobre eles? E em segundo lugar, o homem

20


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 que morreu não era nenhum vampiro. Eu vi sua morte. Eu o vi. Eu o senti. Ele era tão humano como nós. Talvez eles acreditem que estão matando vampiros, mas eu não vejo como. E enfiar uma estaca no coração de alguém, vampiro ou humano, enquanto ele está vivo e consciente, é simplesmente sádico. Não podemos correr nenhum risco com estes homens. Temos que descobrir o que eles querem, e precisamos ter muito cuidado. Se eles nos marcaram, precisamos saber o porquê. Genevieve respirou fundo e assentiu. Ela tinha sido a única a insistir que parassem de se esconder e agissem como se estivessem vivas de novo, mas Charlotte era mais guerreira. Quando desceram para enfrentar o perigo, era Charlotte quem estava na frente. As duas voltaram para a mesa, se enfiando no meio da multidão. Os três homens as esperavam, os olhos examinando-as cuidadosamente quando elas se aproximaram. — Por que há sempre uma fila no banheiro das mulheres e não no dos homens? —perguntou Charlotte, e jogou-se na cadeira ao lado de Daniel. — Toda vez. É uma loucura e me tenta a marchar ao banheiro dos homens com um grupo de mulheres que pensam como eu. — O que aconteceu com você? —perguntou Daniel, ele parecia encantador. Solícito, preocupado mesmo. Mas não conseguia esconder o estado de alerta frio em seus olhos. A suspeita. Ela tinha que tocar o copo novamente sem uma reação. Charlotte piscou um sorriso envergonhado. Deliberadamente, ela avançou os dedos em direção ao vidro, de onde ele tinha bebido. — Eu sou violentamente alérgica a algo que eles colocaram em alguns dos cocktails. Eu deveria ter sido mais cuidadosa. —Ela colocou a palma da mão em torno do vidro onde achou que as impressões dele estavam e começou a puxá-la lentamente para ela.

21


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Muito mais preparada desta vez, quando o choque veio, ela o ultrapassou, buscando se aprofundar no túnel para encontrar mais memórias. Para ver se esses homens haviam assassinado seu irmão. Ela viu imagens de Daniel seguindo Genevieve e Grace em uma loja. Foi assim que ele encontrou sua casa. Os três homens haviam trocado de lugar com frequência, enquanto seguiam as duas mulheres para que ninguém percebesse, o que explicou como Genevieve, sempre tão cuidadosa, não tinha visto nada. Também explicou como eles tinham conseguido seguir Grace. No túnel, Charlotte descobriu que haviam outros dois assassinatos mais velhos, ambos cometidos com uma estaca no coração de um homem. Os três homens estavam presentes. Ela não sentia nada, só um sombrio ódio que emanava deles. Seu irmão não era uma das vítimas. Ainda assim, um dos assassinatos foi na França. Ela reconheceu os jardins, onde Daniel tinha estaqueado sua vítima. Os três homens eram assassinos em série. Os corpos não deveriam ter sido encontrados, ou os assassinatos estariam estampados em todas as imagináveis estações de notícias. Ela sabia que não poderia manter sua mão em torno do vidro muito mais tempo e manter seu sorriso envergonhado. Genevieve estava ansiosa, com o rosto pálido, seu olhar cuidadosamente evitando os três homens, mas centrando-se em Charlotte como se sua vida dependesse disso. Como se soubesse que os homens veriam seu desespero, Genevieve inclinou-se para Charlotte. — Tem certeza que não devemos ir? A última vez que você bebeu alguma coisa que te fez mal, eu tive que levá-la para o hospital. Charlotte estava muito orgulhosa dela. Genevieve podia estar aterrorizada, mas estava pensando o tempo todo. Ela foi perfeita em reforçar a explicação de Charlotte. Lentamente, ela largou o vidro, e o empurrou para o outro lado da mesa.

22


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Eu estou bem, Vi. Eu só tomei um golinho e soube imediatamente que algo estava errado. —Ela encolheu os ombros. — Eu deveria ter cuspido, mas não queria que Daniel pensasse que eu estava cuspindo em cima dele. Os homens riram, embora ela pudesse dizer que foi forçado. Ela não tinha certeza de que estavam comprando sua pequena charada. Ela se inclinou para trás em sua cadeira. Era hora de mudar de assunto e fazer um pouco de investigação. — Vi e eu nos conhecemos na França e somos grandes amigas desde então. Onde é que os três se conheceram? Vocês obviamente, são amigos há muito tempo. — Escola, —Vince respondeu imediatamente, voltando sua atenção para Genevieve. Ele passou o dedo do ombro nu até o pulso dela. — Escola de gramática. Eu amo esse sexy pequeno sotaque francês que você tem. Bruce assentiu e inclinou-se para Genevieve. — Há quanto tempo você está nos Estados Unidos? Charlotte estava grata pelo sotaque francês de Genevieve. Ele sempre conseguiu ser uma troca de conversa. Como distração, ele funcionou muito bem. — Nós nos conhecemos quando trabalhava em projetos de arte em Paris, —Genevieve contou, deliberadamente tirando a atenção de Charlotte. — Charlie era interna, aprendendo restauração de arte com alguns dos maiores do mundo, e eu estava pintando. Nós nos tornamos grandes amigas. Charlotte casualmente pegou o guardanapo na frente de Daniel, sobre o que ele tinha estado descansando a mão. Ela amassou-o devagar, dedo por dedo, arrastando-o na palma da mão como se estivesse distraída, sorrindo e acenando para indicar a introdução na França era um bom momento para os dois.

23


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Foi difícil manter o sorriso no lugar e ela agradeceu a oportunidade de mudar sua atenção de Daniel para Genevieve. Porque mesmo com o objeto sendo novo e fresco, em vez de mais velho, como seu talento preferia, ela estava pegando imagens suficientes para saber que Daniel e seus amigos estavam perseguindo Genevieve e ela por um longo tempo. E eles tinham estado definitivamente na França. Seu coração batia forte. Ela viu flashes do edifício onde ela tinha ido para testar suas habilidades psíquicas. Genevieve e ela tinham ido rindo, determinadas a se divertir. Nunca ocorreu a nenhuma que poderiam estar em perigo ou que o perigo iria segui-las e, eventualmente, ferir os que elas amavam. Daniel e Vince tinham seguido elas até o pequeno estúdio que elas alugavam juntas. Ela não os viu em qualquer lugar perto de onde a avó de Genevieve vivia, e não havia nem mesmo a mais fraca memória do corpo durante ou após a hora do crime. Ela não os viu perto de seu irmão ou sua casa, também. Respirando fundo, ela largou o guardanapo. Os três tinham estado na França, seguiram-nas a partir do Centro Morrison, onde Genevieve e Charlotte tinha feito o teste psíquico, e agora tinham seguido as duas mulheres para os Estados Unidos. Eles eram americanos, mas de onde, ela não sabia dizer. Ela estava frustrada com o fato de não obter uma informação clara, detalhada como fazia em objetos mais antigos. Vince continuou sua conversa com Genevieve, sobre sua pintura e o que ela gostava de pintar, oferecendo-se para ser o seu próximo modelo masculino se ela procurasse por um. Daniel e Bruce pareciam se concentrar nela, e Charlotte por um momento teve medo deles lhe perguntarem algo enquanto ela estava tentando reunir informações. — Você restaura arte? —Daniel perguntou, chegando mais perto dela, estendendo o braço ao longo das costas de sua cadeira, os dedos deslizando ao longo de sua pele nua, traçando as alças finas de sua blusa.

24


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Obrigou-se a não se afastar, e lhe dar um pequeno sorriso. — Sim. Especializei-me em restaurar cavalos de carrossel muito antigos, os carros de madeira e carrosséis inteiros. Posso restaurar carrosséis americanos, mas os que eu estou mais interessada são os da Europa. Não são muitas as chamadas para esse tipo de coisa para fora dos museus ou coleções particulares, e há ainda menos aqui nos Estados Unidos, mas é o meu primeiro amor. Daniel olhou intrigado, como a maioria das pessoas fazia. Ela não podia explicar-lhes porque gostava de tocar a madeira velha e sentindo cada sulco nela, cada entalhe. Ela adorava saber tudo o que havia para saber sobre o escultor, muito longe do mundo, mas tão familiar para ela, uma vez que ela tocava os entalhes da obra de arte. Ela riu de sua expressão. — Eu posso ver que você não entende. Os cavalos são únicos, cada um esculpido de forma diferente, alguns a mais de trezentos anos. Quão legal é isso? Eu trabalhei em um que foi esculpido durante a época medieval. Para os jovens cavaleiros se prepararem para um torneio de competições medievais, uma plataforma de giro foi utilizada com cavalos de madeira sem pernas para que eles pudessem praticar a sua habilidade. —Ela não podia evitar o entusiasmo que derramava em sua voz, apesar de a situação. Ela adorava a fato de que o carrossel pôde ser rastreado até o século XII, quando os árabes e turcos jogavam a cavalo com uma bola perfumada. Italianos e espanhóis haviam observado a competição e referiram-se ao jogo como "pequena guerra": Carosella, ou garosello. — Continue falando, —Daniel disse rispidamente. — Eu achei que era uma espécie de bobagem, mas é realmente interessante. — É? —Ela assentiu com a cabeça, o que a ajudou a evitar olhar diretamente para ele. Ela não queria parar de ver a imagem dele colocando uma estaca no coração de um homem. — Um francês teve a ideia de

25


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 construir um dispositivo com carros e cavalos esculpidos em suspensão por correntes de braços ligados a um poste central. Isto foi usado para treinar nobres na arte de arpoar anel. Senhoras e crianças adoraram o dispositivo tanto ou mais do que os nobres. —Ela olhou para Genevieve. A tensão estava começando a aparecer no rosto da amiga. Charlotte deu um pequeno suspiro exagerado. — Deveríamos ir. Temos de levantar cedo amanhã. Ela levantou-se antes que os homens pudessem protestar. Ela precisava tirar Genevieve de lá o mais rápido possível antes que mostrasse que estava apavorada. Charlotte tinha medo deles, mas estava determinada a descobrir o que estava acontecendo. O fato dos homens terem seguido elas da França, descoberto onde estavam hospedadas e as segui-las para o clube fazia com que Lourdes não estivesse segura de qualquer maneira. Elas tinham que mudar de tática. Elas precisavam parar de enterrar a cabeça na areia e descobrir o que as ameaçava e por quê. — Obrigado pelas bebidas. Encontramo-nos em outra hora, — disse Genevieve, dando-lhes um sorriso de um milhão de dólares. Ela levantou-se, dando um passo para trás quando Vince ficou em pé. Genevieve era alta, mas ele ainda se elevava sobre ela. — Dê-me seu celular. Deixe-me programar o meu número, — disse ele, todo charmoso. O olhar de Genevieve deslocou-se para Charlotte, e o aceno de Charlotte foi quase imperceptível. A última coisa que queria era que Daniel fosse perspicaz para perceber que elas estavam neles. Elas iriam desencorajá-los em primeiro lugar porque não estavam querendo pegar homens, então eles tinham que ir a seu favor. Os três homens eram muito bonitos e claramente usavam isso para conquistas fáceis. Duas vezes Charlotte tinha indicado a Daniel que ela não estava querendo ficar com ninguém e ele deveria procurar uma coisa certa. Ela achou, no início, que

26


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 ele estivesse interessado nela só porque ela apresentou um desafio. Agora ela sabia mais. Relutantemente Genevieve tirou seu telefone, mas em vez de entregálo, ela programou o número de Vince ela mesma. Charlotte pegou o braço dela quando passou, já em seu caminho para a porta. Ela levantou uma mão para os três, quando Daniel protestou, puxando o seu telefone. — Sério? —Charlotte sorriu e acenou. — Você tem uma miscelânea de mulheres quentes bajulando você. —Elas tinham que se mexer e mover-se rapidamente. Ela sabia que os homens as seguiriam, e isso significava desaparecer antes que eles chegassem lá fora. Elas teriam que chegar ao seu carro, sair do estacionamento e encontrar um lugar para se esconder, e depois esperar os homens saírem. — Eu não passei a noite toda sentado com elas, —Daniel protestou. — Talvez nós nos encontremos na próxima vez, —disse Charlotte e deliberadamente correu para a multidão, se dirigindo para a porta. — Vamos, Genevieve. Temos que pegar o carro e rápido. Nós não temos muito tempo. Genevieve assentiu, já buscando suas chaves em sua bolsa

27


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

2mn Havia várias maneiras de caçar uma presa. Tariq Asenguard olhou da varanda do último andar para a massa de pessoas abaixo dele. Ele e seu parceiro, Maksim Volkov, há muito tempo tinham convertido um Teatro Palaciano em um clube noturno para trazer multidões. Ele podia subir e olhar para baixo nos quatro andares de corpos girando abaixo dele. Ele mesmo tinha elaborado os planos da renovação, certificando-se de que o centro fosse aberto, assim podia se ver cada pista de dança e bar quando se olhava de cima para os andares abaixo. O arranjo era único, e os clientes adoravam e voltavam o mais rápido possível. O único lugar que ele não podia ver era o porão, que tinha sido renovado como um clube gótico subterrâneo. Os amantes do grunge e de vampiros saíam durante a noite para viver suas vidas da maneira que escolheram, e ser aceitos por outros como eles. Cada andar tinha um tipo diferente de música e atraia uma grande variedade de pessoas. Quanto mais diversificado, melhor para ele. E melhor sua caça. Ele podia ouvir os batimentos cardíacos e o sangue pulsando em suas veias, chamando por ele. Era fácil caçar nos confins do edifício, com tantos corpos embalados juntos. Ele poderia usar homens ou mulheres para o seu sustento quando tinha necessidade. Foi fácil o suficiente retratar a imagem do playboy da cidade com uma mulher em cada braço. Ele foi lentamente construindo essa reputação. Rico, solteirão, co-proprietário de uma das casas noturnas mais quentes da cidade. Mulheres juntavam-se a ele. Isso era exatamente

28


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 o que queria, quando teve a ideia. Ele tinha quatro outros clubes em várias cidades, e cada um tinha um sócio diferente, um que gerenciava o clube, enquanto ele estava em sua residência principal. O projeto com a abertura no centro das pistas de dança era ainda mais importante agora que sabia que seus maiores inimigos invadiram a cidade. Vampiros tinham ido para o subsolo. Estes não eram mortos-vivos antigos. Vampiros pensando, usando a tecnologia, planejando a guerra, sofisticados e organizados. Tariq poderia fazer uma varredura de mentes por notícias de assassinatos bizarros sinalizando a possibilidade de um vampiro por perto, por sumiço dos seres humanos na área a fim de criar um exército emergente. — Nada de novo? —Maksim veio por trás dele. Ele agarrou o balcão e se inclinou para observar a massa de corpos dançando em cada andar abaixo deles. — Não. Isso me preocupa mais do que se eu tivesse descoberto alguém contaminado. —Tariq inalou bruscamente. Franziu a testa. — Há um cheiro ... —Ele parou. — Suor, —disse Maksim com um sorriso irônico. Tariq não tinha senso de humor. Para ele, não havia uma profusão de cores quando olhou para os homens e mulheres dançando. Ele via apenas um cinza fosco. Não sentia ... nada. Ele vivia para caçar. Matar. Mesmo fazendo isso, ele sentia ... nada. Ele inalou novamente, e mais uma vez, estava lá. Aquele cheiro. Chamando por ele. Fazendo seu coração bater. Bombeando o sangue quente em suas veias. Debruçou-se mais sobre o balcão. — É indescritível. Fraco. Quase nada. O sorriso desapareceu do rosto áspero de Maksim. — Cheiro, Tariq? Vampiro? Não houve nenhuma dica de atividade, desde que descobrimos o esconderijo subterrâneo. Temos estado patrulhando ...

29


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Tariq sacudiu a cabeça. — Não, flores de laranjeira, baunilha e algo mais. É fraco, mas existe. Você não pode sentir? Em algum lugar ... —Ele parou de novo, procurando em cada andar individualmente, a fonte da fragrância extraordinária. Ele inalou novamente e sentiu o cheiro indescritível, puxando-o em seus pulmões. Imediatamente seu corpo reagiu por sua própria vontade, algo que nunca tinha acontecido. Uma agitação. Seu sangue esquentando. Grosso. Começando baixo e perverso. Ele se acalmou apenas como um predador poderia, deixando a maravilha de sentir passar sobre ele. Absorvendo o choque disso. Ele não sentia. Ele não podia sentir. Ele era um antigo e há muito tempo tinha perdido toda a capacidade de sentir qualquer coisa. Seu corpo não reagia a um perfume, a nada. E ainda … Maksim inalou profundamente. Ele balançou a cabeça lentamente. — Eu não posso dizer em que andar ela está. Uma mulher. —Ele estreitou os olhos, o olhar afiado em seu parceiro. — O interessante é que esse cheiro te intriga quando existem tantos. Por que se concentrar em apenas nesse? Tariq sabia a resposta, mas tinha medo de se expressar em voz alta após caçar por centenas de anos. A companheira dele. A mulher. Seu milagre pessoal. A fragrância não iria abandoná-lo. Ele tinha habilidades excepcionais de caça, comprovadas ao longo dos séculos, mas a mulher, um ser humano, conseguiu escapar dele uma vez e de novo. Mais de uma vez nestas últimas semanas, ele sentiu-a perto, uma ondulação no universo, a terra se movendo sob seus pés, ou o ar ao seu redor, de repente uma eletricidade viva, mas ela conseguiu escapar. Não desta vez, mulher. Eu peguei você agora. Ele inalou novamente ... e sabia com certeza. Aquele cheiro ... flores de laranjeira e baunilha continuou a escorregar por seu corpo, até seu sangue trovejar em seus ouvidos e correr quente em suas veias. Até que ele ficar obcecado em encontrar sua dona. Ele não sentia emoções como obsessão. Ele não sentia. Isso era impossível para um antigo homem dos

30


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Cárpatos, experimentar a emoção, a menos que ele encontrasse sua companheira. Até ouvir sua voz. — Ela está aqui. Neste clube. Agora mesmo. Eu sei que está. Minha companheira. —Ele disse em voz alta. Em reverência. Sabendo que era verdade. Ela estava lá, no edifício em algum lugar. Não havia outra explicação. Ele tinha que ouvir um sussurro de sua voz. Uma conversa entre todas as outras. Ela estava lá. Tão perto. A única mulher que ele procurou por séculos. A única mulher que iria restaurar cor à sua vida, terminar com seu mundo cinzento. Ela devolveria suas emoções perdidas após séculos de não sentir nada. Ele a tinha procurado nos longos e intermináveis anos, em todos os continentes, mas ela permaneceu uma incógnita. Por fim, ele estava perto dela, sentindo-a, sua alma, sua companheira, sua outra metade. Seus dedos agarraram o corrimão espesso, esculpido à mão, a enorme pressão deixando sulcos na madeira dura. Ele se inclinou para examinar os dançarinos espremidos sobre os diversos pisos. Sua paciência estava acabando. Ela estava desafiando-o. Ele sabia que ela sentiu suas chamadas. Como poderia não ter sentido? Ele sussurrou por ela noite após noite, palavras suaves para atraí-la. Ele permitiu que o ritmo da música pulsasse no ar, enviando uma teia de notas para levá-la de volta para ele, no entanto, ela evitou cada um de seus chamados. — Ela tem que estar perto, Tariq, —Maksim disse, juntando-se a ele no corrimão. Ele agarrou a madeira, enquanto, se inclinava para ouvir, como se pudesse encontrá-la na massa de corpos, que dançavam, bebiam e tinham numerosas conversas. Havia o tilintar de copos. O som das risadas, de brigas, de flertes, o sussurro dos amantes se agarrando no escuro. Ambos os homens tentaram ouvir uma só voz. A voz que restauraria a cor e a emoção na vida de Tariq. Ele esperou séculos por ela, e ela ainda escapava dele.

31


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ela podia estar em qualquer piso que iriam ouvir um sussurro. Ela poderia estar no subsolo. Eles podiam ouvir as conversas de lá também. Eles haviam projetado o clube para fazer os ocupantes se sentirem seguros. O clube subterrâneo tinha entradas e saídas separadas. A música era alta, o lugar escuro com azuis profundos e roxos que sombreavam a decoração do calabouço. Tariq não iria parar até que a tivesse em suas mãos. Ela não compreendia sobre ele. Ele era implacável e impiedoso como o mar revolto. Não havia como pará-lo uma vez que ele tinha sua presa em vista. Ele era Cárpato, caçador de vampiros, e tinha sobrevivido enquanto a maior parte de sua espécie sucumbiu à sedução do poder. Ele tinha feito seu dever para com o Príncipe e os humanos, mantendo as regiões atribuídas a ele limpas e seguras do fedor do mal. Depois de longos séculos, ele sabia que ela estava perto, mas ela permaneceu incógnita, fora de seu alcance. Ele tinha usado seus instintos de caça, afinados por séculos de estratégia, para encontrá-la. Ele afastouse da música estridente e do cheiro do sangue correndo quente nas veias e chamando por ele. Era uma tentação inebriante e ele lutou continuamente. Irritado com sua incapacidade de encontrá-la quando ela estava tão perto, ele queria rugir sua frustração para o céu noturno. Ele precisava de ar, precisava sair e respirar. Tariq praguejou suavemente na sua própria língua, movendo-se para trás do corrimão para as sombras mais profundas. Somente o fato de poder sentir a frustração significava que ela estava muito, muito perto, e ele podia ouvir sua voz, embora não pudesse reconhecê-la entre todas as outras vozes. Ele sabia que ela estava em algum lugar no prédio mesmo que fora de alcance, pelo fato de suas emoções há muito tempo desaparecidas, voltarem inesperadamente para interromper sua calma, seu pensamento lógico. Ela tinha que ter uma mente forte para frustrar seus muitos scans na

32


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 cidade em busca dela. Ela era muito forte para ser capaz de desafiar seus comandos. Ele era um ser poderoso, muito habituado a fazer tudo com uma quantidade mínima de esforço. Ele teve séculos sobrevivendo a batalhas, séculos de nenhuma emoção, nenhuma cor. Sempre os sussurros insidiosos da chamada do mal, tentando induzi-lo, mas ele tinha resistido por uma razão. Uma mulher. Uma única mulher. Sua companheira. A outra metade de sua alma. Só ela poderia restaurar seu mundo, sua vida como deveria ser. Há muito tempo tinha se resignado a seu destino, a resistência em um mundo cruel e sombrio até que a tentação do poder fosse muito forte. No entanto, agora, quando ele estava tão perto do fim, ele sentia a presença dela, uma onda de esperança em um mundo de vazio. — Mataias rastreou Vadim Malinov indo para o porto, —relatou Maksim. — Vadim sempre foi inteligente, mesmo em seus anos mais jovens. Agora, como um vampiro mestre com a lasca de Xavier, um dos magos mais poderosos que já nasceu nele, Vadim está provando ser um adversário perigoso. Eu não gosto dele ter ido para o porto. — Isso que dizer que ele saiu por mar? —Tariq fez uma pergunta. Sua mente deveria estar na caça ao vampiro mestre. Vadim era, sem dúvida, a maior ameaça para os Cárpatos e o mundo humano desde Xavier, o mago. Tariq estava muito distraído por essa fragrância. Agora que ele tinha apanhado o cheiro, sabia que tinha de voltar sua atenção para encontrar a proprietária. — Ela tem que estar em algum lugar no prédio. Era um grande edifício. Enorme. Cinco andares mais o porão, quatro deles usados para o clube e o quinto andar era seu espaço pessoal. O porão era um clube subterrâneo, então realmente, cinco andares. Quatro lados em cada um dos andares. Quatro pistas de dança em cada andar com mesas em torno das varandas interiores. Cada andar estava lotado quase à capacidade. Ainda assim, ele era Cárpato. Ele poderia cobrir um lote rapidamente.

33


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Vá, —disse Maksim. — Você não serve para mim, até encontrar essa mulher. Lojos e Mataias estão patrulhando esta noite e se houver qualquer indicação de que o exército de Vadim está trabalhando em nossa cidade natal, eles vão encontrar as provas. Tem estado muito tranquilo nestas últimas duas semanas. Vadim Malinov, um vampiro mestre único e talentoso, estava montando um exército de vampiros. Ele estava usando a mais recente tecnologia e até mesmo conseguindo recrutar seres humanos para fazer o seu lance. Não havia precedentes para o que Vadim tinha feito. Ele havia fugido das Montanhas dos Cárpatos, longe do Príncipe e os antigos caçadores de lá, para viajar para os Estados Unidos, onde claramente foi acumulando um exército contra Cárpatos e humanos. Ele tinha que ser interrompido. Tariq não esperou mais conversa. Ele se camuflou e flutuou de seu espaço pessoal para o quarto andar do clube. Salsa ressoava no ar. Contundente. A batida conduzia. Este andar tinha dança latina e a atmosfera refletia isso. Era sofisticado, moderno e extremamente popular. Corpos aterravam um contra o outro. As pistas de dança estavam sempre cheias de todos os níveis de dançarinos, de iniciantes a especialistas de competição. Ele andou pelas mesas sentindo o cheiro dos dançarinos. Procurando. Meticuloso. Ocorreu-lhe que se a sua mulher estivesse neste piso, ela estaria dançando com outro macho. Por que o predador nele se tornaria mais pronunciado com a ideia do corpo de sua companheira se esfregando contra o corpo de outro homem, se ela não estivesse perto? Se ele não tivesse ouvido sua voz, a mágica voz que iria mudar o seu mundo? Ela tinha que estar lá, o som chegou a ele por todas as conversas que se registravam como barulho que ele sintonizava em uma base diária. Porque ela tem que estar aqui, Maksim concordou, utilizando a ligação telepática entre eles.

34


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Onde está você? Ele sussurrou, enviando a pergunta para a noite. Quando não houve resposta, a frustração levantou a necessidade de violência. A pergunta se reuniu com o silêncio. O fato de que ele podia sentir frustração só provou a Tariq que ele tinha ouvido a voz de sua companheira. Ele tinha de tê-la encontrado e ouvido o som de sua voz, a fim de começar a sentir emoções. Eram emoções negativas e muito fracas, mas pelo menos ele estava reconhecendo que ela estava perto o suficiente para estar afetando-o. Alterando-o. Não para melhor. Ele tinha que ter ouvido sua voz misturada com todos os outros ruídos, as batidas das várias bandas, assim como as conversas em cada um dos andares. Agora ele tinha o cheiro dela, a fragrância maravilhosa e indescritível tinha de ser unicamente dela. Ele passou do quarto andar para o terceiro, tentando seguir o cheiro. Tentando ouvir o som de sua voz, que restauraria totalmente suas emoções e traria cor de volta à sua existência. Ele escolhia através da cacofonia de sons, ouvindo centenas de conversas, centenas de vozes, enquanto se movia rapidamente pelo terceiro andar. Ele tinha certeza de que ela estava se afastando dele, quase como se soubesse que estava sendo perseguida. Ele era um Cárpato antigo, suas emoções muito longe dele, mas ele sentiu um pouquinho de excitação. Um frisson de antecipação correu por sua espinha como a carícia de dedos. Leve. Quase. Um requintado toque. — Charlie restaura cavalos de carrossel antigos, —disse uma voz masculina. — Sabemos que ela tem um forte talento psíquico porque seu teste desligou as máquinas, mas seu dom parecia ser para coisas mais antigas. Antiguidades. Ela não poderia ter lido nada ao tocar um de nós ou qualquer objeto que tenhamos tocado. —Havia dúvida na voz. — Poderia? Tariq não tinha ideia de por que se concentrou naquela voz, mas a necessidade de ouvir a conversa era quase tão forte como a compulsão de

35


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 se mover por seu clube para encontrar sua mulher. Poderia "Charlie" ser essa mulher? O homem disse que tinha um dom psíquico. — Por que alguém iria querer restaurar cavalos quebrados de carrossel velhos, Daniel? Não são fabricados todos os dias? —O outro homem zombou, como se sentisse total desprezo por qualquer coisa antiga. Tariq era velho. Antigo de fato. Ele veio de séculos passados, e o pensamento deste homem falando que queria jogar fora parte da história incomodava. Em primeiro lugar porque se incomodar pelo parecer de um humano. Um estranho sem nenhuma consequência. No entanto, não só o assunto o intrigou, mas agora ele entendeu por que esta conversa, entre todos os outras, pegou na sua atenção. Ele caiu sobre o parapeito do terceiro andar e flutuou em direção ao térreo, onde sabia que a conversa estava acontecendo. — Sério, Bruce? De que diabos você está falando? Nós temos que sair daqui, segui-las e descobrir se ela sabe alguma coisa. Pare de falar besteira e termine sua bebida rápido ou leve-a com você, porque elas estão saindo. — Você só quer transar com ela, Daniel, —o chamado Bruce zombou. — Inferno, você estava todo excitado essa noite. Isso foi o que a assustou. E nós não podemos ser muito óbvios seguindoas. Temos de lhes dar tempo. Não é como se não soubéssemos onde elas vivem. O mundo de Tariq parou. O chão rolou debaixo de seus pés. Algo escuro e feio levantou-se para consumi-lo. Um homem se atreveu a tentar pegar o que lhe pertencia. Ele levou séculos procurando. Ele manteve Cárpatos e seres humanos igualmente seguros da exploração com sua honra por um fio. Ele tinha sofrido séculos de solidão implacável. Do nada. De um vazio cinza que era interminável.

36


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Suas presas se alongaram. A necessidade de violência atingiu-o como um golpe. As emoções eram difíceis de controlar quando vinham todas de uma vez. Esmagadoras. Séculos de disciplina salvaram o homem chamado Daniel. Tariq foi capaz de tomar uma respiração profunda e se forçar a retomar o controle. Nas luzes ofuscantes do bar, ele tinha que manter seus olhos semicerrados enquanto trabalhava no enfraquecimento da cor para que pudesse ver corretamente. O cheiro de sua mulher estava desaparecendo enquanto ele chegou rápido ao chão e começou a andar através da multidão densa para tentar alcançá-la. — Droga. Claro que quero transar com ela. O que você acha? Ela é linda, —disse Daniel. Tariq poderia dizer pela forma que a voz se misturava com a música e outras conversas que ele estava em movimento. Indo em direção a saída. — Como se você não quisesse a mesma coisa, Bruce, —Daniel continuou, o riso em sua voz. — Você a tocava em todas as oportunidades. Só para você saber, você não vai tê-la. — Nós sempre compartilhamos, —Bruce murmurou claramente irritado. — Sim, bem, mas não ela. Ela é especial, e eu vou recrutá-la. Levá-la a se juntar a nós. Você quer uma mulher, compartilhe sua amiga com Vince, —Daniel declarou. — De jeito nenhum, —Vince estalou. — Eu disse a vocês dois no momento em que pus os olhos sobre elas em Paris que Genevieve era minha e só minha. Eu não mudei de ideia. Tariq sentiu a ponta de seus dentes contra sua língua. O sangue corria quente em suas veias, mas o predador era tão frio como gelo. Eles estavam falando sobre a sua mulher sem respeito em suas vozes.

37


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Tariq estava quase sobre eles agora. Ele tinha achado a mesa onde os três homens e as duas mulheres tinham estado sentados juntos no bar. Tariq parou, seu coração começou a bater no ritmo da música. Sua boca ficou seca. Ele inalou profundamente. Ela tinha estado lá. Flores de laranja e baunilha. Ele seguiu a fragrância única, tecendo seu caminho por entre as mesas, correndo e empurrando a porta para seguir os três homens. Ele estava atrás deles. O cheiro dela não estava em nenhum dos três homens e que salvou suas vidas. Ela tinha estado em seu clube, provavelmente toda a noite. Com eles. A uma curta distância dele. Dançando com eles. Bebendo com eles. O fogo em seu sangue aumentou até que ele podia ouvir o rugido em seus ouvidos e senti-lo trovejando em suas veias. Estes homens tinham colocado as mãos sobre ela. Ele deu um passo para eles, chegando por trás deles em silêncio absoluto. Um vento. Não mais. Um redemoinho escuro no ar que poderia sugar a vida deles sem que eles nem mesmo soubessem antes de caírem mortos no chão. Tariq. Maksim novamente usou a ligação telepática entre eles. Ele já estava no andar de baixo, mas longe de Tariq, em direção as portas que davam para fora. Eu sinto um espaço em branco. Um fedor vem de fora cada vez que as portas são abertas. O morto-vivo está perto. Ele está caçando. Tariq levantou a cabeça em alerta. Ele tinha estado tão travado em sua presa que não tinha escaneado antes de pisar no lado de fora. Erros como esse poderiam custar sua vida. Não só a dele, mas as dos seres humanos e Cárpatos que ele tinha jurado proteger. Sentimentos não eram um trunfo para um caçador. Sua companheira estava em um estacionamento aberto ou uma garagem com um vampiro perto e três homens a perseguindo. É claro que ela iria chamar um vampiro para ela. Ela tinha de ser fisicamente dotada para ser sua companheira. Nenhum vampiro poderia resistir a essa atração. Você fica e protege os de dentro. Irei pelo morto-vivo. Já estou na rua.

38


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Tariq sussurrou um comando para os três homens que estava perseguindo, chegando por trás deles tão intimamente que poderia ter impulsionado os dentes em suas jugulares. Em vez disso, ele ordenou-lhes ir para suas casas imediatamente. Iria lidar com eles mais tarde, se encontrasse com eles, mas tinha de garantir que sua companheira e sua amiga Genevieve estavam seguras. Ele foi para o ar, voando acima da grande área de estacionamento e da garagem. Eram quatro andares. Sua companheira e sua amiga tinham viajado nesse sentido. Flor de laranjeira e baunilha deixaram um leve rastro e ele o seguiu. Enquanto fazia isso, estava ciente dos três homens entrando em seu carro, obedecendo a seu comando. Em seguida, ele entrou na garagem e indo rapidamente em direção ao segundo andar. Ele teve seu primeiro vislumbre das duas mulheres. A mais baixa pegou o braço da mais alta e deu um passo perto dela. — Espere, —ela assobiou suavemente. Seu mundo todo mudou num piscar de olhos. Em um instante. Foi tão rápido, tão dramático, que ele mal podia compreender, e muito menos se ajustar. A terra se moveu sob seus pés. O ar ao redor dele vibrou e tremeu, quase o jogando em aberto. Cores o cegaram. Sacudiram. Fizeram seu estômago dar uma guinada e seus olhos arderem. Ele nunca acreditou que cores poderiam ser tão vívidas. Na garagem, na calada da noite, com iluminação ruim, ele podia ver a mulher alta que tinha um longo cabelo escuro brilhante da cor de castanhas ricas. Seu cabelo caia como uma cascata pelas costas. Ela usava jeans azul escuro, uma camisa de um vermelho sangrento e sandálias azuis escuras com dez centímetros de salto. A outra mulher, a mulher dele, era pequena e cheia de curvas, com cabelo castanho escuro, que enrolava em todas as direções, selvagem e grosso que parecia macio e sedoso, tudo o que podia pensar era em enterrar as mãos nele. Essa era a sua mulher. Sua companheira. O milagre que ele procurou por longos séculos.

39


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ela usava um jeans azul claro, tão desbotado que eram quase brancos, e um top coral cintilante que agarrava suas curvas generosas. Ele se aproximou dela para inalar o aroma indescritível das flores de laranjeira e baunilha, levando a fragrância profundamente em seus pulmões. Seu mundo se inclinou por um momento enquanto a emoção escorria dentro dele. Forte. Sacudindo-o. Seu primeiro instinto foi o de agarrá-la e ir para o céu para tirá-la do caminho do mal. Ela estava em perigo. Muito real, perigo mortal. Um homem estava descansando contra o capô de um carro. Alto. Ombros largos. Vestindo jeans e uma camisa de colarinho branco com uma jaqueta esportiva. Seus tornozelos estavam cruzados, e ele observava as mulheres se aproximando do carro, sem tirar os olhos delas. Seu cabelo estava penteado para trás curto, cravado, como a última revista GQ. Sua atenção estava sobre as mulheres e ele não percebeu a pequena lufada de vento perturbando os detritos no chão. — Senhoras. —A voz era culta. O homem sorriu, revelando dentes brancos, uma leve insinuação de pontos acentuados, apenas parecidos com presas. Ele acenou para as mulheres com uma onda de seus dedos. O coração de Tariq bateu com força em seu peito antes dele respirar fundo e se forçou a afastar todo o sentimento de modo que apenas gelo corria em suas veias. Ele emergiu das sombras quando a mulher de cabelos escuros deu um passo em direção ao carro. A mulher mais baixa, Charlie, sua Charlie, segurou o braço da amiga. — Espere Genevieve, —ela ordenou suavemente e deu um passo para colocar-se na frente da outra mulher. Foi sutil. Isso era proteção, não havia dúvida do que ela estava fazendo, e apesar do fato de não poder mostrar qualquer emoção, sentiu orgulho dela. Ele podia sentir o medo dela, mas ela ainda se colocou na frente de alguém com quem ela obviamente se preocupava.

40


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Esse é o nosso carro, —disse ela, parando a uma curta distância do homem. Ela pensou que era seguro. Fora do alcance. Tariq sabia mais. Ele conhecia o monstro que ela enfrentava. O homem parecia apenas isso, um homem, mas ele não era humano. Ele era um dos vampiros mais evasivos que Tariq tinha perseguido através dos séculos. Ele era astuto, rápido e andava com os irmãos Malinov, cinco irmãos altamente inteligentes que muito cedo decidiram desistir de suas almas, se tornarem vampiros e tentarem destruir o Príncipe e todos os caçadores Cárpatos. Tariq ficou surpreso ao ver seu velho amigo de infância, ser agora um inimigo evasivo. Ele tinha usado o nome de Fridrick Astor, embora Tariq não tivesse nenhuma maneira de saber se ele ainda estava usando esse nome. Nomes significavam pouco para os Cárpatos ou para aqueles que tinham escolhido desistir de suas almas pelo frenesi da morte enquanto se alimentavam, tornando-se mortos-vivos. Fridrick tinha que saber Tariq e Maksim residiam ali, e era altamente incomum um vampiro caçar quando homens dos Cárpatos estavam tão abertamente vivendo na área. O vampiro se endireitou casualmente e alargou o sorriso. — Senhoras. Então, desculpem. —O sotaque alemão era perfeito, embora tivesse nascido e se criado nas Montanhas dos Cárpatos. Ele levantou uma sobrancelha. — Você está muito bonita hoje à noite. Sua voz tinha uma compulsão. Parecia atraente e macia. Persuasiva. Ele estava totalmente focado nas duas mulheres. Tariq sabia que Fridrick tinha absoluta confiança em sua capacidade de destruir qualquer ser humano que pudesse vir para o resgate as duas mulheres. A distância, Tariq podia ouvir o som de várias vozes de pessoas que deixavam o clube e voltavam para seus carros para ir para casa. Ele sabia que Fridrick os ouvia também, embora o vampiro não tirasse os olhos das mulheres.

41


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Charlie deu um passo para trás, forçando Genevieve a dar um passo atrás também. Ela manteve seu corpo firmemente colocado entre sua amiga e o estranho. — Eu já vi você antes. —Ela fez uma declaração. — Em Paris. Você estava em Paris. Tariq podia ouvir seu coração acelerar. Moveu-se lentamente, não querendo chamar a atenção de Fridrick. Ainda estava em forma de ar na garagem e não era fácil se permitir ficar a deriva entre Charlie e o vampiro. Era a primeira vez que ele podia se lembrar em toda a sua existência que ele provou do medo. Na verdade provou. Em sua língua. Rastejando por sua garganta para se estabelecer em nós apertados em sua barriga. Medo permeou sua pele, afundou-se profundamente em seus poros e em seus ossos. Ele sabia que sempre iria se lembrar deste momento. A forma do parque de estacionamento, o cheiro de óleo e gás, e o aroma de flores de laranjeira e baunilha misturadas com o odor de seu medo para sua companheira. Por um momento ele ficou paralisado, com medo de que poderia se mover rápido demais e afastar o morto-vivo com sua presença. Ou, ser muito lento para parar Fridrick antes do vampiro poder matá-la. Ele sempre teve total confiança em si mesmo como caçador de renome, mas desta vez, não era sua vida em jogo, era a dela. Seu milagre. A mulher que nasceu com a outra metade de sua alma. Ele não tinha escolha senão se fechar a toda a emoção. Ele esmaeceu a vibração das cores em torno dele e permitiu-se voltar a se concentrar na sensação de que lhe permitia funcionar. Fridrick sorriu para Charlie. O vampiro ouviu sua frequência cardíaca aumentar rapidamente também. — Paris foi bonito e muito ... produtivo. —Ele acenou com os dedos de novo, sua voz caindo outra oitava. — Venha para mim. —Tinha certeza do poder em sua voz agora, uma compulsão que não podia ser negada.

42


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Genevieve bateu as mãos sobre os ouvidos e balançou a cabeça. Charlie olhou o vampiro com ansiedade, mas não se moveu em direção a ele, como ele tinha ordenado, em vez disso, ela deu outro passo para trás, seu corpo colidindo com o de sua amiga, forçando Genevieve a recuar também. Tariq se aproximou, nada além de moléculas. O ar em torno deles estava muito quieto e não se atrevia a avisar o vampiro de sua presença. — Foi você que tentou entrar em nossa casa. Eu vi você por um momento. E então, novamente, fora do museu onde eu estava trabalhando. —A voz de Charlie era muito suave. Tremia um pouco, mas ignorou a compulsão na voz de Fridrick. Mais, era quase como se estivesse imune a ela. Genevieve sabia que a compulsão estava lá, e ela a combatia. Charlie nem sequer piscou ou sacudiu a cabeça para limpá-la. Em vez disso, havia uma nota beligerante adicionada a acusação. — Isso é verdade. Está provando ser muito resistente. Seu amigo foi ... tão fácil. Ao contrário de você, ele não mostrou muita resistência. — Você matou Ricard Beaudet. —Ela declarou isso como um fato. — Ah sim, o seu mentor. Ele era um pouco chorão. E aquele bigodinho ridículo de que ele era tão orgulhoso. Você não estava um pouco cansada de sua arrogância? Ele pensava tanto de si mesmo. Tariq reconheceu o nome, Ricard Beaudet. Ele deveria ficar chocado de saber que tinha escrito ao homem e que, naquela época sua companheira estava trabalhando para Beaudet. Ricard Beaudet foi considerado o principal mestre em restaurar cavalos de carrossel do mundo, e Tariq os colecionava. De alguma forma não estava surpreso que Charlotte já havia estado ligada a ele. Suas almas se chamavam.

43


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 O rosto de Charlie empalideceu enquanto observava Fridrick de perto, puxando uma respiração profunda. — Você matou o meu irmão, também? —Quando ele balançou a cabeça lentamente, ainda sorrindo, ela ficou muito quieta. — Por quê? Você estava em Paris. Por que você veio aos Estados Unidos e matou meu irmão? O que eu fiz para você querer matar todo mundo que me importa? — Nem todo mundo, minha querida. —Fridrick sacudiu a cabeça. — Deixei-lhe a filha. Eu sabia que você viria para proteger a criança. — Você matou meu irmão, para que eu viesse para os Estados Unidos? —Claramente a sua admissão era a última coisa ela esperava. Genevieve pego no jeans de Charlie e puxou-a um passo para trás quando parecia que a mulher de Tariq poderia se lançar em Fridrick. Apenas a maneira dela se inclinar para Fridrick em vez de fugir dele disse a Tariq muito sobre sua companheira. Ela tinha temperamento. Ela tinha coragem. Ela seria uma lutadora, não uma fugitiva. — O que você quer de nós? —Perguntou Genevieve. Fridrick se endireitou da preguiçosa pose que ele tinha, deslocando seu peso para seus pés, seu bonito comportamento descontraído mudando sutilmente. Instantaneamente Tariq se solidificou, como se tivesse saído das sombras, inclinando o corpo entre as mulheres, mas meio de frente para elas, bem como para Fridrick. Ele lançou um sorriso para todos. — Boa noite. Como estão todos esta noite? —Ele manteve sua voz amigável e aberta, a saudação do proprietário da boate a seus clientes. — Senhoras. —Ele inclinou-se ligeiramente em direção a elas, um gesto cortês do velho mundo, antes de voltar sua atenção para o morto-vivo. — Fridrick. É ... inesperado vê-lo aqui. —Seu tom dizia que o vampiro não era bem-vindo e tinha cometido um erro muito grande.

44


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Fridrick sorriu, aparentemente nem pouco intimidado. Tariq imediatamente digitalizou seus arredores. Fridrick nunca, sob nenhuma circunstância, entraria de bom grado em uma batalha com ele, a menos que não tivesse outra escolha, ou as probabilidades estivessem do seu lado. — Sr. Asenguard, —Charlotte murmurou. É claro que ela sabia seu nome, todos sabiam. Ele estava em revistas e, como dono do clube, muitas vezes foi fotografado em eventos de caridade, mas ainda assim Tariq gostou que ela soubesse quem ele era. Ela colocou uma mão em seu braço. Levemente. Ele sentiu seu toque ardente através do material de sua jaqueta e camisa. Através da pele direto aos tendões e aos ossos. Seus dedos se curvaram, exercendo uma sutil pressão. Ela o queria longe de Fridrick. No começo, ele não entendeu o que ela estava tentando fazer, e então lhe ocorreu que estava tentando protegê-lo. — Não é tão inesperado vê-lo Tariq, —Fridrick respondeu, confirmando os receios de Tariq que Fridrick acreditava que estava em posição de ganhar uma batalha real. Fridrick sabia que Tariq estava perto e não tinha se perturbado nem um pouco. Tariq precisava descobrir o que estava perdendo muito rápido. Cometer um erro poderia ser a diferença entre a vida e a morte de sua companheira. Ele usou o caminho telepático que tinha forjado com seu parceiro. Algo não está certo aqui, Maksim. Minha companheira e sua amiga, outra potencial companheira, estão sendo ameaçadas. Envie a chamada para qualquer um por perto vir rapidamente. Eu não quero avisá-lo que tenho reforços na área. Fridrick é um vampiro mestre e estou certo de que trouxe outros para ajudá-lo. Ao contrário, dos mortos-vivos, nunca houve ego entre os caçadores. Destruir o vampiro era apenas um trabalho, algo que eles faziam de qualquer forma possível.

45


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 O sorriso de Fridrick vacilou quando seu olhar caiu nos dedos de Charlie enrolados em torno do antebraço de Tariq. — Não é bom se agarrar a Tariq como se ele fosse o seu salvador Charlotte. Sim, eu sei o seu nome. —Seu olhar viajou a Genevieve, seu olhar insolente. — Você é para outro, então toque no playboy tudo o que quiser, mas, Charlotte, você precisa deixá-lo e vir para mim. — Fridrick, você não estaria ameaçando qualquer uma destas mulheres, não é? —Tariq manteve o tom suave. Até divertido. Durante todo o tempo ele usou todos os s sentidos para encontrar a verdadeira ameaça. Não era Fridrick. Em uma luta justa, as probabilidades seriam poucas, um cenário que Fridrick nunca aceitaria. — Senhoras, Fridrick às vezes esquece quem é. Ele gosta de pensar que é capaz de muito mais do que ele realmente é. Os dedos de Charlie começaram a escorregar de seu braço. Ela parecia muito alarmada. Naquele momento ele percebeu que ela iria escolher salvá-lo e a sua amiga, obedecendo a ordem de Fridrick. Ele virou a mão para pegar o pulso dela, deslizou a palma para baixo até que pudesse enfiar os dedos nos dela. A necessidade de confortá-la era uma compulsão que ele não poderia ignorar. Ele a puxou para mais perto dele. Encaixou-a sob seu ombro. Ele precisava de espaço para lutar, mas ela precisava de cuidados em primeiro lugar. Ele arqueou uma sobrancelha para Fridrick, permitindo que um leve sorriso de diversão curvasse seus lábios. Era importante enviar a mensagem certa. Fridrick entendeu o que estava dizendo silenciosamente porque seu sorriso arrogante hesitou por um momento e seu olhar se desviou primeiro à direita e depois à esquerda, como se para se assegurar que não estava sozinho. É claro que não estava sozinho. Fridrick era um vampiro mestre. Ele tinha séculos e era hábil em batalha, mas nunca iria enfrentar um caçador da habilidade de Tariq, sem auxílio.

46


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Tariq pegou o braço de Charlie e colocou-o ao redor de sua cintura. Para sua surpresa, ela não endureceu ou lutou com ele. Sua atenção estava em Fridrick. Ela não pareceu notar que estava agarrada a Tariq, e ele não se importava, em nada. Nada em sua vida foi tão bom como a forma como seu pequeno corpo dobrava pela força feita contra ele. Sua pele queimava através de suas roupas, afundava-se através de seus poros para queimar sobre seus ossos. Ele nunca se sentiu melhor em sua vida ou mais vivo. Talvez fosse a última coisa que precisava ao entrar em batalha com vários vampiros, mas permitiu-se esse breve momento para sentir. Para tê-la.

3mn O estômago de Charlotte fez uma cambalhota lenta. Ela conhecia Tariq Asenguard de vista. Como não poderia? Ele era considerado um dos solteiros mais cobiçados da cidade. Sua imagem estava em revistas e havia inúmeros artigos escritos sobre ele. Ele era lindo. Robusto, todo músculos, ombros largos, elegante mesmo com seu longo cabelo preso em um rabo de cavalo na nuca. Enrolado como uma comprida corda de um rico castanho, grosso em suas costas. Usava calça preta e uma jaqueta combinando com uma camisa azul. Seus olhos eram de um azul vibrante, agora tão escuros que pareciam quase pretos, e seus cílios eram longos. Ela sabia que não devia estar olhando o proprietário do clube quando o perigo estava bem na frente dele, ela deveria estar avisando-o. Mas o que

47


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 ela deveria dizer sem parecer uma lunática? O homem que enfrentavam tinha arrancado gargantas e bebido sangue? Que ele tinha matado a avó e o namorado de Genevieve em Paris? Que ele tinha matado seu próprio mentor lá também? Então ele tinha vindo para os Estados Unidos para assassinar seu irmão? Ela não podia imaginar o suave e sofisticado proprietário do clube noturno acreditando nela. Ele parecia muito elegante de saber sobre assassinos em série. Ela também reconheceu o seu nome pela carta que Ricard Beaudet tinha lido em voz alta para ela. Este homem colecionava cavalos de carrossel. Talvez fosse por isso que ela tinha escolhido ir ao seu clube. Ela subconscientemente escolheu, não porque ser o local mais quente na cidade, mas porque ela esperava conhecê-lo e conseguir uma olhada nos cobiçados cavalos pintados. Agora ela o deixou em perigo. E ela sabia que ele estava em perigo real. Fridrick estava totalmente focado nele, e não em qualquer uma das duas mulheres. As feições de Fridrick mudaram sutilmente, e não para melhor. Seus olhos pareciam vermelhos, injetados até. Seus dentes não pareciam tão brancos, e não havia o menor indício de nitidez quando ele esticou a boca obscenamente em um sorriso. Sua pele parecia diferente, muito mais pálida, e até mesmo suas unhas pareciam mais longas. — Vi, —ela sussurrou baixinho, "saia daqui." Pelo menos ela poderia conseguir que Genevieve saísse viva. Ela iria ficar e fazer o seu melhor para ajudar Tariq Asenguard a sobreviver—embora ela não tivesse ideia de como. Ela tinha ido para o clube de Asenguard e tinha levado o serial killer com ela. Era sua responsabilidade, não de Tariq. Ela queria correr de Fridrick, dizendo a si mesma que tinha Lourdes, mas algo a forçava a proteger Tariq. Ela precisava protegê-lo. — Não, Genevieve, —Tariq disse inesperadamente, mas sua voz era de comando. — Você fica perto de mim.

48


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Genevieve deteve seu movimento instantaneamente. — Como um bom pequeno animal de estimação, —Fridrick zombou. — Aprenda a obedecer de um mestre, embora Tariq seja o errado. Vá para longe dele. Você realmente não tem escolha. Tariq inalou e soube que estava certo o tempo todo. Fridrick não estava sozinho. Enquanto o vampiro mestre falava, os outros emergiram das sombras. Sete deles. Três dos sete eram claramente vampiros e não subordinados, não peões para serem sacrificados. Ele reconheceu três. Um era o irmão de Fridrick, Georg. Os outros dois eram primos dos irmãos Malinov, Dorin e Cornel Malinov. Cada vampiro tinha a reputação de serem extremamente cruéis. Os outros quatro eram um mistério para Tariq. Eles pareciam humanos a ele, mas mais. Melhorados de alguma forma, não fantoches. Ele sabia que Vadim tinha recrutado seres humanos, escória da sociedade que atacavam os outros. Seres humanos dispostos a ganhar dinheiro, sabendo que estavam alimentando vampiros e matando seus inimigos para eles. Estes homens eram diferentes. Humanos, ainda. Ele precisava descobrir exatamente o que eram e o uso que tinham para Vadim. Mais, ele precisava saber por que não tinha sido capaz de detectar a sombra do vampiro sobre eles. As experiências eram conduzidas sob a cidade. Havia um labirinto, outra cidade abaixo da parte superior, onde Vadim e seu irmão Sergey, conspiravam para ganhar poder. Caçadores Cárpatos os tinham expulsado, mas não tinham tido tempo de examinar o equipamento sofisticado deixado para trás. Eles estavam preocupados em seguir os dois vampiros mestres em um esforço para destruí-los, mas agora, ele percebeu, quaisquer que fossem os experimentos ocorrendo abaixo da cidade tinham rendido resultados. Os quatro homens que o enfrentavam eram uma experiência completamente nova. Ele não gostava de ter um elemento

49


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 desconhecido na mistura, quando a vida de duas mulheres, uma sua companheira, estavam na zona de batalha. Ele se endireitou, revirando os ombros levemente, derramando calma sobre ele. Era guerra então. Bem aqui. Agora. Seu cérebro já estava planejando, resolvendo o que fazer primeiro. Fridrick era o mais perigoso, mas ele não iria se comprometer com a batalha. Ele não iria querer um arranhão nele. Ele iria pelas mulheres, mas se as quisesse mortas, as teria matado muito antes de Tariq ter entrado em cena. — Fique atrás de mim, —Tariq advertiu Charlotte em voz baixa. Ele estava bem ciente que Fridrick poderia ouvir. Os quatro vampiros teriam ouvido seu comando suave, mas ninguém se moveria até que Fridrick desse a ordem. Ele queria Charlie longe dele, onde estivesse segura. No calor da batalha, ele não conseguia imaginar que um ou mais dos mortosvivos não iria perder o controle e sua necessidade de matar fosse substituir todas as ordens de seu mestre. Charlotte deu um passo para trás dele, mas ambas as mulheres imediatamente abriram suas pequenas bolsas e tiraram algo. Armas? Ele não podia ver. — Sr. Asenguard. A voz de Charlotte estava perfeitamente calma. Um choque para ele. Ele não esperava que ela permanecesse tão calma quando percebesse que estavam com problemas, mesmo não tendo ideia do que era Fridrick. Pela maneira que a mão dela foi para seu braço e apertou, uma advertência, ele sabia que ela estava consciente. — Você pode não lembrar, mas enviou uma carta para o homem que me treinou em Paris. Ricard Beaudet foi um mestre em restauração, particularmente dos mais antigos cavalos de carrossel na Europa. Seu tom era puramente de conversação e ele fez exatamente o que ela esperava, ela tinha desequilibrado Fridrick. Boa menina, ele sussurrou para

50


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 si mesmo. Adiar era bom. Maksim viria, assim como os outros. Ele tinha enviado um convite aos caçadores disponíveis para virem a San Diego quando ele e Maksim descobriram o covil de Vadim. Estariam a caminho e vindo rápido. Tariq só precisava de um pouco mais de tempo. Sua mulher era boa sob o fogo e talvez, apenas talvez, ela fornecesse esse tempo. — Claro que me lembro de Beaudet. Pedi-lhe para vir aos Estados Unidos e restaurar alguns cavalos que eu adquiri recentemente. —Ele jogou junto, mantendo a conversação em tom baixo, de modo que Fridrick e os outros tiveram que realmente parar para ouvir. — Nós nos correspondemos e mandei-lhe fotos da minha coleção e, eventualmente, uma passagem de avião, mas ele nunca veio. O olhar de Charlotte passou de Tariq para Fridrick e depois voltou novamente. — Ricard morreu, em Paris. Foi assassinado. A polícia não tem ideia de quem fez isso. Havia um serial killer à solta. Ele drenava a maior parte do sangue dos corpos e arrancava as gargantas de suas vítimas. Tariq ouvia a afeição pelo homem em sua voz. Tristeza por sua morte. O conhecimento de que Fridrick era o responsável. Seu instinto dizia para segurá-la. Consolá-la. Ele não podia fazer nada disso, porque precisava estar longe dela para dar combate aos quatro, bem como para mantê-la fora da linha de batalha quando os outros atacassem. O ar ficou pesado com a tensão. Fridrick se endireitou sutilmente, um movimento quase imperceptível, mas Tariq viu e deslizou alguns passos em direção a ele, mais para colocar distância entre Charlotte e ele próprio do que para começar a batalha. Charlie se moveu com ele, espelhando os seus passos, ficando perto dele. Ele vaiou um aviso para ela, seu olhar deslizando sobre ela brevemente antes de retornar ao Fridrick. A mulher estava se colocando em perigo se continuasse.

51


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Afaste-se dele, Charlotte, —Fridrick ordenou. A compulsão em sua voz era tão forte, que Genevieve bateu as duas mãos sobre os ouvidos, e deu um passo para trás de Tariq. — Agora. Charlotte riu suavemente. — Fridrick. Todos estes meses você teve tempo para me estudar. Você certamente me perseguiu tempo suficiente para saber que eu não sou o tipo de mulher que responde bem às ordens, especialmente de um homem que eu suspeito ter matado meu irmão. Porque no mundo você acha que eu faria qualquer coisa que você me mandou fazer? Sua voz? Eu não o ouço da maneira que Genevieve ouve. Para mim, soa falsa, nem um pouco convincente. Se você me queria com você, talvez você não devesse ter se gabado sobre Paris e o que você fez lá, ou sobre como você matou meu irmão e deixou minha sobrinha viva para eu retornar aos Estados Unidos. Os vampiros eram criaturas pálidas, Fridrick ficou ainda mais. Como se tivesse sentimentos. Como se a macia declaração de Charlotte não só o irritava, mas o embaraçava. Tariq tentou entender como isso poderia acontecer. Por que isso poderia acontecer. Algo muito maior do que qualquer Cárpato tinha considerado estava acontecendo, e ele sabia que ele e os outros caçadores tinham que descobrir rapidamente se sua espécie queria sobreviver. Claramente eles estavam sob um bem pensado e brilhantemente planejado ataque. Ele tinha que voltar pra dentro dos túneis e descobrir exatamente o que Vadim, seu irmão, Sergey e Fridrick tinham feito. — Fridrick. —Tariq disse que seu nome baixinho, tirando a atenção do vampiro de Charlotte. Ela não sabia que estava cutucando um ninho de vespas com uma vara. Com o canto do olho, ele podia ver que o pequeno exército de Fridrick se tornou inquieto, ansioso para ir em frente. Isso deu a Tariq uma ideia sobre a mente de Fridrick. Fridrick não tinha tanto controle sobre os seus

52


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 homens como ele pensava. E que disse a Tariq que a atenção de Fridrick estava centrada em Charlotte, e não na batalha. — Será que você realmente admitiu cometer um assassinato? Fridrick fez uma careta e mais uma vez olhou o grande parque de estacionamento como se isso lhe desse uma pista para qualquer armadilha que Tariq pudesse estar armando. Seu olhar voltou para Charlotte, sua aparência ainda bonita, mas sua pele estava vermelha e ele parecia agitado em vez de friamente no controle. Ele acenou com a mão, descartando o assunto. — Charlie, eu estou oferecendo-lhe uma última oportunidade de cooperar comigo. Se não o fizer, vai se arrepender a sua decisão. —A voz de Fridrick não era mais sedutora. Era dura e com raiva, traindo a tensão debaixo comportamento frio do vampiro. Antes que Charlotte pudesse responder, Maksim chegou. Em seus calcanhares estavam os trigêmeos, Mataias e seus irmãos Lojos e Tomás. Tariq ergueu a sobrancelha quando viu Tomás, e rapidamente escaneou suas feridas. Ele tinha sido muito ferido na última batalha e colocado na terra para se curar. Apenas duas semanas se passaram, e que não era tempo suficiente dada a gravidade dos ferimentos no caçador Cárpato. Tomás enviou-lhe um sorriso arrogante, os quatro espalhando-se por trás dele, de frente para os homens de Fridrick. Outro caçador emergiu das sombras. Tariq não tinha visto Dragomir Kozul, desde que tinham lutado juntos na Rússia. Os séculos não tinham sido gentis com ele. Poucos Cárpatos tinham cicatrizes, mas Dragomir parecia um mapa de cicatrizes. Sua face e pescoço tinham tatuagens que tinham sido esculpidas em sua pele, em vez de pintadas. Seus olhos eram ouro puro. Incomuns, ouro quase antigo. O homem era um gigante, mais alto e mais musculoso do que a maioria dos homens Cárpatos, ele parecia em forma, mas cada linha natural era funda, como se estivesse tão cansado do mundo, que tinha

53


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 esquecido como expressar qualquer emoção, mesmo quando entre os seres humanos. Dois outros caçadores entraram em posição ao lado dele. Um Tariq reconheceu como Afanasiv Balan, um caçador que, como Maksim, tinha sido um bom amigo para Tariq ao longo dos anos. Siv era extremamente perigoso, um homem poderoso de olhos incomuns que pareciam mudar entre azul e verde, ambas as cores vibrantes. Seu cabelo, em vez de preto, como a maioria dos Cárpatos era longo, espesso e muito loiro. Era uma raridade no mundo Cárpato e o destacava. Como Dragomir, ele raramente falava, mas era rápido para tomar atitudes. Tariq estava grato dele estar lá. O outro caçador era um que Tariq conhecia muito pouco. Ele tinha nascido alguns anos antes de Tariq ter deixado seu pai e sua mãe, quando ainda estava na casa dos trinta anos, para ir para o território Russo. Eles tinham compartilhado a infância, mas Tariq o conhecia apenas pela reputação agora. Ele parecia desgastado e sombrio, os olhos cinzentos, o cabelo preto preso com tiras de couro longas em uma trança grossa. Ele tinha uma cicatriz em sua têmpora esquerda curvada para o canto de seu olho. Ele era magro em comparação com caçadores como Dragomir ou Siv, sem um pingo de gordura. Seus músculos eram elegantes e poderosos, e se mexia com o deslizamento fluido de um predador. Seu nome era Nicu Dalca. Movia-se como o relâmpago, tão rápido quando lutava que se podia ver apenas um borrão de movimento. Tariq assentiu para ele, acolhendo-o para a próxima batalha. Ele esperava que não fosse ali, não com sua companheira e sua amiga tão próximas, mas agora, as probabilidades estavam a seu favor. Fridrick assobiou, seus dentes afiados se mostraram quando ele fez uma careta para Charlotte, focalizando sua atenção sobre ela. — Você deveria ter vindo para mim enquanto lhe dei a oportunidade, —ele rosnou, sua voz baixa. — Você vai se arrepender desta noite. Você vai aprender

54


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 realmente o que estar sozinha é. Eu estou farto de você. Você irá aprender o que é sofrer ... — Chega, —Tariq estalou, em seu tom de comando. Ainda assim, ao lado dele, Charlie tinha endurecido em alarme. Ela tinha uma sobrinha. Lembrou-se da conversa anterior. Fridrick tinha matado seu irmão mas deixou a sobrinha viva para atrair Charlie de volta aos Estados Unidos. Charlotte deu um passo para Fridrick, a cor sumindo de seu rosto. Tariq pegou o braço dela e na verdade, teve de agarrar o pulso dela para impedi-la de mover-se para o vampiro. Fridrick tinha encontrado sua fraqueza. O vampiro sorriu, parecendo realmente mal quando acenou com a mão para seus companheiros. Todos desapareceram nas sombras. Vários dos caçadores deslizaram atrás deles, silenciosos e mortais com um propósito que ninguém poderia confundir. — Sua sobrinha. —Tariq puxou Charlotte para a frente dele, necessitando tocá-la, mas também para distraí-la para que ela não prestasse atenção aos caçadores seguindo suas presas. Principalmente, precisava de informações imediatamente porque Fridrick iria retaliar. Pela primeira vez, Tariq observou a diferença de alturas. Ela tinha estado tão reta que ele realmente não tinha percebido o quanto ela era pequena. — Eu preciso saber onde ela está agora. Charlie hesitou, e ele não podia culpá-la. Ela não o conhecia. Deu-lhe uma pequena sacudida. — Olhe para mim. Agora. Olhe para mim. Seu olhar saltou para o dele. Se agarrou a ele. Ele se recusou a abrir mão do controle, uma vez que ele a tinha presa. — Você sabe quem eu sou. Você conhece a minha reputação. —E não era boa. A maioria das pessoas achava que ele era um playboy ou ligado ao crime organizado. — Eu posso mantê-la a salvo dele, mas ele vai por sua sobrinha. Meu povo tem que chegar lá primeiro. Onde ela está? —Ela não tinha sido suscetível a

55


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 compulsão de Fridrick, por isso duvidava que pudesse tomar suas memórias sem luta, e ele queria que ela confiasse nele. Os olhos dela procuraram os dele pelo que pareceu uma eternidade. Ele estava consciente de cada segundo que passava. De cada batida do coração dela. Os dois homens atrás dele estavam esperando pacientemente, imóveis como estátuas. Ela tinha a carta para seu mentor em Paris para se agarrar como prova de que ele era um homem de negócios e ele tinha deixado mais do que claro que Fridrick e ele eram inimigos. Ele soube o momento exato em que ela decidiu confiar nele. — Lorell Lane. Um rancho lá. Existe uma estrada de terra e só leva a uma propriedade. Ela está com uma amiga, Grace Parducci, sua babá. Grace não vai deixar ninguém levá-la, a menos que eles digam, ‘O carrossel gira em um círculo contínuo’. Fraco, mas que foi tudo o que pude lembrar. Seu nome é Lourdes, e ela tem apenas três anos. Maksim, Dragomir e Siv permaneceram com Tariq quando os outros saíram, depois de Fridrick e seus amigos. Fridrick sabia que os caçadores não iriam atacá-lo enquanto permanecessem na vizinhança do clube, havia muitas testemunhas. Ele tinha mandado os quatro bonecos humanos e um vampiro mestre ficarem para trás, mostrando-se, mantendo os caçadores ocupados guardando os seres humanos no clube. Com os caçadores defendendo os seres humanos, Fridrick e um dos primos Malinov poderiam caçar a sobrinha de Charlie. Maksim se moveu rápido, desaparecendo nas sombras antes de ir para o ar, voando para o rancho em forma de moléculas, um cometa veloz determinado a deter Fridrick. Dragomir o seguiu, um silencioso e terrível espectro brutal, mais selvagem do que homem. Ele era uma visão dos antigos Cárpatos, aqueles que nunca tocaram a sociedade, seres humanos ou a civilização. Eles existiam para caçar. A maioria estava muito longe do mundo, alguns tinham se isolado em um mosteiro no alto das

56


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Montanhas dos Cárpatos. Era impossível dizer se Dragomir era um dos monges, mas se fosse, ele era tão perigoso quanto ele parecia. Siv o seguia, silencioso e mortal como sempre foi, tão determinado como os outros dois caçadores em manter Grace e Lourdes a salvo de Fridrick. Ao fazer isso, eles estavam ajudando a salvar a companheira de Tariq, um dever sagrado para os homens Cárpatos. — Eles vão buscar sua sobrinha, —disse Tariq com absoluta confiança. Relutantemente, ele soltou seu braço. Ela era quente, macia e era incrível tocar sua pele. Ele tinha deixado a sensação afundar profundamente antes de estar ciente disso. — Como foi que você se envolveu com Fridrick? Ele é muito perigoso. — Estou bem ciente disso. Ele admitiu ter matado meu irmão. — Deixe-me levá-las à minha casa. Eu tenho várias casas em minha propriedade, e você é bem-vinda para ficar lá até que o perigo acabe. — Ainda fazendo o papel do dono de uma boate humana, Tariq tinha que fazer a oferta. — Você pode chamar a polícia e falar com eles, dizer-lhes o que Fridrick admitiu para você. Tenho seguranças em casa também. Há algumas famílias que vivem na propriedade. Crianças para sua sobrinha brincar. —Depois acrescentou a cereja do bolo. — Enquanto estiver lá, talvez você se disponha a dar uma olhada em minha coleção de carrosséis. Se você estiver interessada, pode trabalhar neles. Na carta, Monsieur Beaudet mencionou uma Charlotte Vintage como sua principal protegida. Na verdade, ele disse que você havia superado o mestre. Charlie olhou para ele em choque. — Ele disse o quê? — Eu tenho a carta na minha mesa. Eu me mantive dizendo que iria ligar para ele para descobrir o porquê do atraso, mas meu trabalho me manteve tão ocupado, que fui adiando. —Ele sabia que sua era explicação plausível, porque era a verdade. — Vem comigo, pelo menos pelo restante

57


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 da noite, até você se sentir segura e saber que sua sobrinha e a outra amiga estão bem. Ele deu um passo para trás, dando espaço, deixando-a decidir-se. Era difícil se abster de usar uma compulsão, quando normalmente seria tão fácil, mas não quis arriscar a fazendo ficar desconfortável. Ela já estava inclinada a aceitar o convite. — Eu acho que é uma grande ideia, —disse Genevieve. — Charlie, ele tem seguranças. Você viu seus homens. Eles intimidaram totalmente aquele psicótico. Eu não me sentia segura há meses. E depois que estive aqui, entre aqueles homens assustadores nos seguindo e Fridrick o assassino, eu poderia aproveitar pelo menos uma noite para dormir bem. Tariq se virou. — Que homens assustadores seguiram vocês? Os homens de Fridrick? —Daniel Forester, Vince Tidwell e Bruce Van Hues tinham conspirado em seu clube, mas ele tinha que fingir que não sabia. Genevieve sacudiu a cabeça. — Não. Como se não fosse ruim o suficiente ter um serial killer à solta, que admitiu estar em Paris e matado Ricard Beaudet, e estou certa de que ele não só o matou, mas a vovó e Eugene Beaumont também. Eu estava saindo com Eugene e ele morreu da mesma maneira que Monsieur Beaudet, vovó e irmão de Charlie. — Quais homens estão seguindo você? —Tariq olhou nos olhos de Charlie, forçando-a a olhar para ele. Ela tinha que lhe dizer tudo, para que parecesse que ele tinha conseguido todas as informações dela e Genevieve. Charlotte suspirou e jogou para trás os fios soltos de cabelo. Ele observou que sua mão estava tremendo. Só um pouco, mas estava. — Três homens. Eles estavam em Paris, também, mas não acho que eles tinham alguma coisa a ver com Fridrick. Fomos a um centro de testes psíquicos para nos divertir. Apenas uma espécie de piada, você sabe, como ler a palma de nossas mãos.

58


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Uma cor fraca varria seu rosto e pescoço e seu olhar se desviou do dele. Tariq percebeu que ela estava com medo dele pensar que ela era louca por acreditar em habilidades psíquicas, e estava dando desculpas. Ele balançou a cabeça, sua expressão sombria para mostrar a ela que ele a levava a sério. — Continue. — Nós duas supostamente fomos muito bem, e eles nos pediram para fazer mais alguns de seus testes. Nós concordamos num primeiro momento, mas eles foram tão insistentes, nos fizeram perguntas tão pessoais sobre coisas privadas que nenhuma de nós queria revelar. Em seguida, eles queriam nos separar. Estávamos em uma pequena sala nesse momento e ambas tivemos a sensação de que estávamos sendo observadas e registradas. Nós decidimos sair. Por alguns minutos, pareceu que eles não fossem nos deixar ir. Na verdade, tivemos de passar por um par de homens e brigar muito sobre isso. Genevieve assentiu. — Eles ficavam dizendo que estávamos cometendo um erro e que precisávamos terminar o teste com eles. Nós apenas agarramos uma a outra e corremos deles. Nos sentimos mais seguras, estávamos na rua com pessoas ao nosso redor, mas mesmo antes que chegarmos em casa, sabíamos que estávamos sendo seguidas. — Você viu estes três homens? —Tariq perguntou. Charlotte balançou a cabeça. — Não de imediato. Os vimos ali, no centro de testes, mas a distância. Nós nem sequer os reconhecemos quando os vimos a primeira vez em seu clube. — Estes homens que seguiram vocês estavam no meu clube? — Fingindo choque, ele deu um passo para longe delas como se fosse para o clube para arrastar os três homens fora. — Será que eles se aproximaram de vocês? — Hoje à noite sim, —disse Genevieve. — Eles flertaram e dançaram

59


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 com um monte de mulheres, mas se mantiveram em volta de nossa mesa, embora nós deixássemos claro que não estávamos no mercado. — E você está certa que estes homens são os mesmos que você viu em Paris? Charlie assentiu. — Absolutamente certa. — Em que hora do dia foi esse teste? Estava escuro? — Meio-dia, —disse Genevieve. — O que isso tem a ver com alguma coisa? — Fridrick gosta de sair à noite. Ele acha que a cobertura da escuridão irá evitar que todos vejam seus crimes. —Tariq olhou para o relógio. — Você vai voltar para a minha casa comigo? É para onde eles vão trazer sua amiga Grace e sua jovem sobrinha. Charlie olhou para Genevieve, que assentiu. — Nós vamos passar a noite, —ela concordou. — E obrigado pelo convite. Podemos falar sobre o resto amanhã, quando as coisas estiverem mais estáveis. Tariq não queria deixá-la, nem mesmo por um momento. Ele não sentia qualquer um dos vampiros próximo. Os caçadores estavam no rastro dos vampiros e dos quatro humanos que Fridrick tinha deixado para trás. Ser perseguido por caçadores Cárpatos iria mantê-los longe das duas mulheres, mas ele teria que deixar seu carro para trás, porque não queria correr nenhum risco com a segurança de sua companheira. — Maksim me trouxe. —Ele murmurou a mentira, desconfortável por dizer uma inverdade a sua companheira. Não deveria fazer, mas sabia que era necessário. Ela tinha todos os motivos para estar desconfiada de estranhos, e apesar de todas as intenções e propósitos, era o que ele era para ela. Ela não teve a mesma reação a ele que ele tinha com ela. Ela já era seu mundo. Não havia como voltar. Ele tinha procurado por séculos

60


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 até encontrá-la, e ela era tudo e mais do que ele jamais poderia ter esperado. Ele não iria perdê-la. Charlie respirou fundo, os olhos verdes se movendo sobre ele lentamente. — Então eu acho que você vai ter que vir com a gente. Ela sabia que ele estava mentindo. Seu coração estremeceu em seu peito. Orgulho de suas habilidades o sacudiu. Quem diria que uma mulher humana seria capaz de lê-lo tão facilmente? Ele enviou-lhe um sorriso rápido. — Eu acho que vou. Deixe-me apenas dar as chaves para o manobrista e dizer-lhe para ter certeza que o carro que eu vim ficará seguro aqui na garagem. Charlotte sorriu para ele, um sorriso genuíno pela primeira vez. Ela puxou o celular. — Eu tenho que ligar para Grace já e dizer-lhe para esperar seus amigos. Eu quero que ela traga algumas coisas para nós também. Genevieve chegou mais perto de Charlie, acrescentando a lista alguns itens para Grace trazer para ela. — E os homens que vão são realmente quentes, —as duas mulheres asseguraram a sua amiga. Tariq franziu a testa. — Você achou meus amigos quentes? —Seus olhos estavam em Charlie. Avaliando-a. Alguma coisa se mexeu dentro dele, algo que não era bom. Sua barriga apertou em vários nós duros. Charlie deu de ombros. — Eles tem uma boa aparência, Sr. Asenguard, é claro, que notamos. Isso fará Grace mais tranquila, que seus salvadores sejam caras quentes. — Me chame de Tariq. E me agradaria imensamente que você não achasse meus amigos "quentes." Estaria tudo bem você fazer essa avaliação para mim, mas não para eles. Genevieve riu.

61


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 A sobrancelha de Charlie disparou. — Então, eu tenho sua permissão para achá-lo atraente? Ele assentiu solenemente, mantendo-se ao lado dela enquanto eles cobriam a curta distância até o carro dela. — Mais que atraente. Mais que quente. Existe essa coisa como mais? —Ele examinava continuamente para ter certeza que nenhum vampiro estava perto deles. Os quatro seres humanos estavam dentro de seu clube. Ele achou bom que Dragomir e Siv tivessem ido com Maksim para proteger a sobrinha de Charlotte de Fridrick. Ele não podia imaginar qualquer um deles em uma boate, nem confiar totalmente neles com todos aqueles batimentos cardíacos. Ambos estavam muito, muito perto do fim. Os do mosteiro nem sequer ouvia o sussurro da tentação de sentir. Nem mesmo isso. Colocar Dragomir na boate seria como colocar uma raposa em um galinheiro. Charlie riu, o som ecoando dentro dele, restaurando seu bom humor. Ela parecia meio sedutora. Ele gostava disso. — Se há algo que seja mais quente do que quente, é você Tariq, —ela assegurou. — Mas você já sabe disso. Você tem uma reputação como playboy. Oh, oh. Isso não era bom. — Eu tenho? Sério? Por causa de algumas fotos publicitárias e eventos de caridade que eu participo? Eu lhe asseguro, Charlotte, eu vivo tranquilo. Ela deslizou para o banco do motorista e Genevieve entrou no banco de trás, deixando o passageiro dianteiro para Tariq. — Você vive tranquilo? —Charlie repetiu. Seu tom era francamente descrente. Ela esperou para ligar o carro depois que ele colocou o cinto de segurança, algo que ele estava relutante em fazer, porque precisava se mover rápido se houvesse problemas. Ainda assim, esperava-se isso dele, ele vivia no mundo dos seres humanos há muito tempo e tinha aprendido a se encaixar.

62


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Sim, tranquilamente, —assegurou colocando o cinto em torno dele. Ela deu uma pequena fungada que soou como se não acreditasse nele. — Você tem uma boate. Ele franziu a testa, genuinamente confuso. — Eu tenho várias. — As mulheres se vestem com roupas sensuais, e vem para o clube procurando alguém para passar a noite. Você é quente. É rico. Você sabe manter uma conversa. As mulheres se jogam em você todas as noites. De maneira nenhuma você está vivendo tranquilamente. Ele pegou o tom subjacente que ela tinha. Ela estava se esforçando para conversar, mas ele ouviu a pequena mordida em sua voz. Ela estava muito mais interessada do que estava mostrando. — Vá para a esquerda, para a zona do lago. Maksim. Dragomir. Siv. Digam-me que tem a criança segura. Eles estavam demorando muito para pegar a garotinha. A menina de Charlotte. Se Fridrick conseguisse colocar as mãos sobre a criança, Charlie ficaria frenética. Ela faria qualquer coisa para recuperá-la, inclusive entregar-se para o vampiro sem hesitação. Ainda não. Ocupados no momento. A resposta de Maksim foi cortada. Tariq virou a cabeça para olhar pela janela. Ele esperava que os três caçadores chegassem lá antes de Fridrick. Se Maksim tivesse ido sozinho, estaria contra dois mestres vampiros, mas Dragomir e Siv estavam com ele. Para envolver os três antigos caçadores, Fridrick tinha que estar desesperado. O que ele disse? Genevieve era para outra pessoa. Charlotte era para Fridrick. Ele ficou muito quieto. Vadim Malinov tinha atraído duas mulheres para dentro dos túneis sob a cidade. Uma dessas mulheres, Blaze, era a companheira de Maksim. A outra era sua melhor amiga, Emeline. Vadim estava atrás de Emeline, mas eles também tinham tentado levar Blaze.

63


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Quando os caçadores tinham ido através dos túneis, descobriram que vários tipos de experimentos foram feitos. Também descobriram restos horríveis de várias mulheres em vários estágios de gravidez. Seria possível isso tudo girar em torno de vampiros querendo as mulheres para eles? Tentando produzir famílias? A ideia parecia tão absurda, tão completamente impossível que Tariq mal conseguia compreendê-la. Sangue de vampiro era ácido. Queimava, através do corpo. Nenhum bebê seria capaz de suportar esse tipo de dor. Os irmãos Malinov não eram como quaisquer outros vampiros. Eles foram homens brilhantes que haviam concebido um plano para derrubar o Príncipe dos Cárpatos e, em seguida, deliberadamente viraram mortos-vivos. Os cinco. Rapidamente se tornaram vampiros mestres, e sua reputação de crueldade e astúcia eram lendárias. A partir da evidência nos túneis abaixo, tentar ter filhos era exatamente o que Vadim estava fazendo. Então, se Emeline era para Vadim e Blaze para Sergey irmão de Vadim, e eles tinham resgatado as mulheres, isso significava que os mortos-vivos precisariam de mais duas mulheres para tomar seus lugares. — Fridrick disse que Genevieve era para outro, mas que você fosse para ele, não foi? —Ele murmurou, virando para Charlotte. Ela assentiu com a cabeça. — Sim. Ele deu a entender que Genevieve foi dada para alguém. —Um arrepio passou por ela. — Ele ia nos sequestrar, não ia? E dar Vi a alguém tão horrível como ele. — Mas Fridrick disse que era para ele, —reiterou, com a cabeça girando em torno do fato de que, se Fridrick estava envolvido, os vampiros deviam precisar de três mulheres, e não duas. Então, quem era a terceira mulher? Eles haviam resgatado Blaze e Emeline. — O que foi? —Perguntou Charlie. — Você está preocupado. Grace

64


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 não me mandou uma mensagem dizendo que já estão com os seguranças. Me diga o que está errado. Como poderia explicar? Ele não podia deixar escapar que havia vampiros na cidade, a não ser que ele quisesse vê-la correr gritando na noite. Ela pensaria que ele era louco, e até que a verdade aparecesse, seria tarde demais. Não havia nenhuma dúvida em sua mente que Fridrick faria outra armadilha para ela. — Fridrick anda com dois outros homens realmente desagradáveis. — Ele não tinha outra forma de explicar, e não queria dizer a ela mais mentiras. Ela pegou de qualquer maneira. — Se ele estava querendo pegala com a ideia de que você pertence a ele, deveria haver uma terceira mulher. Se Fridrick é desagradável e poderoso, e ele é, os outros dois são muito piores. Fridrick não estaria em posição para chamar-lhe de sua a menos que tivesse outra mulher para os outros dois primeiro. Houve um silêncio no carro. Charlie tamborilava os dedos no volante. — Então você acha eles já têm uma mulher? É isso que você está dizendo? Eles sequestraram alguém e estão segurando-a em algum lugar? Ele esfregou a ponta de seu nariz. — Isso é possível, mas ... —Ele parou. Vadim estava fugindo. Mataias tinha seguido ele até o porto. Ele se foi, e não tinha havido tempo para sequestrar outra mulher. Não havia nenhuma evidência mostrando que tinha conseguido sumir com mais ninguém. Ele tinha tomado Emeline e quase acabado com ela. Tinha sido uma sorte Val Zhestokly ter sido feito prisioneiro e torturado. Quando Blaze o havia liberado, ele conseguiu correr atrás de Emeline, permanecendo no rastro de Vadim para que o vampiro não tivesse a chance de ficar com ela. A fim de salvar a sua própria vida, Vadim teve que deixar Emeline para trás. — Possível, mas o que? —Charlie perguntou. Ele sentou-se muito reto, com o coração batendo com força no peito.

65


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ele provou o medo na boca, e não era medo por sua companheira, mas o medo de uma jovem que já tinha passado por muito. Eles tinham trazido Emeline dos túneis, sangrando e estranhamente silenciosa, em estado de choque. Vadim não tinha tido muito tempo com ela, mas tinha tido algum. Ele enviou um pequeno exército para retardar todos eles, os atrasando preciosos minutos para que pudesse ficar sozinho com ela. E ele ficou sozinho com ela. — Há uma jovem mulher em minha propriedade. Um dos amigos de Fridrick a teve brevemente, mas conseguimos recuperá-la, —disse ele, a insanidade perturbadora de seus pensamentos empurrando todo o resto fora de sua mente. — Se ela conta como sua mulher, então tudo faz sentido. —Fazia sentido, mas era horripilante. Nenhum deles tinha falado com Emeline. Ela retirou-se para a pequena casa e recusou-se a permitir que qualquer pessoa a ajudasse nem mesmo Blaze. Blaze ia vê-la diariamente, mas ela disse que Emeline não quis falar sobre o que aconteceu. Ela mantinha o quarto escuro e silencioso e não queria falar nem mesmo com um conselheiro. Tinha sido a apenas duas semanas, portanto, todos eles recuaram para lhe dar tempo para chegar a um acordo com o que quer que Vadim tivesse feito a ela. Todos sabiam que Vadim tinha trocado sangue com Emeline. Isso era horrível o suficiente. Isto permitiria a Vadim encontrá-la em qualquer lugar que ela estivesse. Ele poderia sussurrar para ela, mandar nela, ver através seus olhos a qualquer momento. Enquanto ela permanecesse na propriedade de Tariq, sob as salvaguardas combinadas de todos os caçadores, Vadim não poderia chegar até ela, ou roubar sua mente, mas se ela tivesse que sair ... Ele balançou a cabeça, não querendo pensar na ideia do destino de Emeline poder ser pior do que isso. Ela era uma mulher bonita, corajosa e doce. Ela tinha ido aos túneis para salvar as crianças, estranhas a ela, o tempo todo sabendo o que iria acontecer com ela. Ela tinha visto o seu

66


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 destino em sonhos e ainda assim tinha ido, determinada a manter as crianças fora das mãos de um vampiro extremamente cruel. — Tariq, —Charlie disse suavemente. — Você está muito longe. O que está errado? Você nos ajudou, vamos ajudá-lo. Ele olhou em volta. A estrada que leva a sua propriedade estava à frente deles. — À sua esquerda. A estrada que leva a minha propriedade. Faz fronteira com a propriedade de Maksim. Você tem a criança? Ele não sabia o que diria para Charlie se Maksim, Siv e Dragomir não fossem capazes de resgatar Lourdes e Grace. Ela está segura. Ambas estão. Siv está com Lourdes, e estou com a mulher enquanto ela guarda umas coisas. Ela não queria se separar, mas não teve escolha. Siv não conversa. Ele passou por trás de mim enquanto eu estava dando a ela o código, tirou a menina da cama dela e foi embora antes de Grace poder dizer uma única palavra. Ele não tem um osso civilizado no corpo. Dragomir foi atrás de Fridrick e seu irmão. Tariq queria sorrir por isso. Siv nunca tinha sido civilizado. Depois de séculos de batalhas, ele era provavelmente, ainda menos. Val era mais do que provavelmente da mesma forma. Val, Siv e Dragomir tinham sido torturados durante um longo período de tempo, não por Vadim, mas em circunstâncias ainda piores. Tariq tinha sido poupado desse destino. — Lourdes está segura, —ele anunciou em um tom baixo. — Como você sabe? —Charlie pegou o telefone celular. — Genevieve, entre em contato com Grace. Tenha certeza de que ambas estão seguras. — Você poderia dizer que eu tenho alguma habilidade psíquica em mim, —disse Tariq, dando-lhes um pequeno sorriso. O alívio de saber que a criança estava segura foi tremendo e vinha na esteira do que ele temia que os vampiros estavam fazendo. Seu sorriso desapareceu. Ele precisava falar com Emeline. Mais, todos eles seriam necessários para protegê-la, e

67


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 ter a certeza de que ela não deixaria a propriedade e a proteção das salvaguardas. — Elas saíram, —Genevieve confirmou, — mas Grace não está feliz de estarem separadas. Ela está dirigindo seu caminhão e vindo com Maksim. Ela diz que o amigo de Maksim é um idiota de primeira classe. — Graças a Deus, —disse Charlie. — Não sobre seu amigo que nos ajudou ser um idiota, mas que Lourdes e Grace estão seguras. —Ela deu um outro olhar para ele. — Você ainda está preocupado. — É apenas estranho que ambas estavam em Paris e também Emeline, a mulher que Vadim levou prisioneira para os túneis. Emeline fez o teste psíquico aqui nos Estados Unidos com Blaze, namorada de Maksim, e seu pai. Vocês duas fizeram a mesma coisa em Paris. Emeline deve ter estado lá ao mesmo tempo. Ela retornou recentemente quando o pai de Blaze foi assassinado. Charlie dirigiu até os portões duplos, altos, e se virou no banco para que pudesse olhar por cima do ombro para Genevieve. — Emeline é um nome incomum. Conhecemos uma menina chamada Emeline. Ela não se chamava assim, mas alguém disse esse nome e ela se virou. Ficou claro que era o seu nome. Ela nos confessou que tinha um perseguidor e estava escondida, usando outro nome. Nós saímos com ela por vários dias, e, em seguida, uma manhã ela se foi. Eu acho que tudo isso é uma gigante coincidência, grande demais. Tariq pensava assim também. Era Paris a ligação entre as três mulheres e Vadim? O Centro Psíquico? Ele sabia que sob o reinado Malinov, os computadores do centro psíquico tinham sido hackeados e todos os dados sobre as mulheres psíquicas tinham sido roubados. As portas duplas se abriram em direção a propriedade. Charlie passou o carro pelos portões e entrou lentamente.

68


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Eu acho que você está certa, —Tariq concordou, — mas não tenho ideia do que isso significa. Você conheceu Emeline antes ou depois do teste psíquico? — Depois, —disse Genevieve. — Cerca de três dias depois. Foi antes de vovó ser assassinada. Nossas vidas ficaram loucas depois disso. Nós mal podíamos deixar nossas casas entre os caras assustadores nos seguindo e um serial killer indo atrás de pessoas que amávamos. Eu honestamente esqueci de Emeline, e não percebi que ela estava com problemas. Você acha que ela é a mesma Emeline? — Se eu fosse um homem de apostas, —disse Tariq, — estaria disposto a colocar uma quantidade muito grande de dinheiro nisso.

4mn Uma brisa sutil saiu do lago e acariciou seu rosto, tocando-a com dedos frescos e espalhando seu cabelo. Charlotte se manteve muito quieta, seus braços em volta de sua cintura, com medo de suas pernas falharem. Agora que o perigo tinha passado, por hora, seu corpo entrou em um tipo de choque. Ela não queria que Tariq percebesse, então manteve o rosto virado enquanto estudava o seu entorno. No momento em que Tariq tinha dito a ela e, em seguida, Grace tinha confirmado que Lourdes estava segura, ela tinha relaxado de alívio. Ela

69


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 não tinha percebido o quanto estava segurando-se, aterrorizada pela criança e sabendo que nunca poderia chegar até ela rápido o suficiente. Tariq estava perto dela, perto o suficiente para que ela sentisse o calor de seu corpo, perto o suficiente para que ela se preocupasse em cair no chão a seus pés. Ela nunca desmaiou em sua vida, mas de repente ela se sentia terrivelmente fraca, braços e pernas, parecendo chumbo. Charlotte olhou para Genevieve, e viu que ela ainda estava sentada no carro. A porta do passageiro estava aberta e ela olhava para o lago, mas ela parecia pálida e tão fraca como Charlotte. O braço de Tariq circulou sua cintura, puxando seu corpo contra o dele, colocando-a a seu lado. — Perdoe-me, Charlotte, mas parece que você vai acabar no chão. Você passou por muita coisa hoje à noite, e você ainda precisa falar com a polícia. Eu não quero que você caia e se machuque. Ela não deviria fraquejar. Ela realmente não deveria. Ela disse a si mesma mais e mais para ser forte, que era forte, mas ao confrontar o assassino do irmão, um sofisticado assassino sorridente, ela não tinha percebido quanto medo ela realmente sentia. Fridrick mostrou seus dentes. No final, quase podia acreditar em vampiros. Sua sorridente boa aparência, de repente desapareceu. Ele parecia tão diferente, oleoso, seus olhos quase brilhantes e seus dentes ... Ela balançou a cabeça tentando limpar seus pensamentos. Vampiros. Ela estava muito cansada e assustada para pensar em tal coisa. Em seguida, aconteceu Tariq Asenguard. Era definitivamente o momento errado para ficar atraída por um homem, mas pela primeira vez em sua vida, ela tinha um interesse real em alguém, ela estava atraída física e intelectualmente. Tariq tinha colocado sua vida em risco por Genevieve e ela. Ele foi corajoso, e a última coisa que queria fazer era parecer fraca na frente dele.

70


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Eu não vou cair, —ela negou, mas não tinha certeza se era uma mentira ou não. Ela não podia parar os tremores do corpo. — Não, você não vai, —ele concordou com sua voz suave, muito, muito hipnotizante. — Porque eu tenho o meu braço em torno de você. Vê ali, à beira do lago? A pequena casa? —Ele esperou que ela acenasse com a cabeça antes de continuar. — Ela costumava ser a casa dos barcos, mas eu tenho um casal muito agradável vivendo ali. Donald e Mary Walton. Boas pessoas. Você vai gostar deles. Eu os conheci uma noite saindo do clube. Eu tinha saído a pé depois que o clube fechou porque não conseguia dormir. Eles estavam dormindo em seu carro e acordaram quando dois ladrões, empenhados em roubar-lhes a mão armada, tentando tirar o pouco que tinham, bateram no telhado do carro. Ouvi o barulho e fui em sua ajuda. Eles eram um casal agradável, apenas sem sorte. Ela olhou para seu rosto, um pouco chocada que o muito elegante Sr. Asenguard, proprietário de várias discotecas, podia falar sobre salvar um casal tão casualmente, como se não tivesse importância, só porque eles eram um casal encantador. — E você os convidou para viver em sua propriedade? —Ela não podia esconder o espanto em sua voz. Por que ele faria isso? Ela não conhecia uma única pessoa que fizesse algo parecido. — Sim. Eles precisavam de um lar. Eles são boas pessoas, Charlie. Ela não tinha certeza se havia uma sugestão de censura em sua voz, ou se ele não conseguiu ver que sua surpresa era porque as pessoas simplesmente não faziam esse tipo de coisa como regra, acolher completos estranhos. Ele agiu como se alguém o fizesse. — Donald tem um emprego agora. Ele é um condenado de um bom contador, mas sua antiga empresa se livrou dele, porque ele estava ficando mais velho e tem alguns problemas de saúde. Ele ajuda com meus livros de contabilidade e tem sido uma grande ajuda para meu contador, mas não tem de trabalhar o tempo inteiro e pode descansar quando sua doença

71


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 aparece. Agora ele ganha o suficiente para que paguem por alguns extras, e ajudam a cuidar das crianças. — Crianças? —Ela ecoou fracamente. Sua propriedade era bela e muito, muito cara. Cada detalhe era perfeito. O paisagismo, a mansão de três andares com cumeeiras e varandas. A arquitetura era vitoriana na sua mais impressionante forma. A casa tinha decks e enseadas correndo em várias direções, bem como generosas quantidades de gengibre. Uma grande torre octogonal com um íngreme telhado levantava-se do terceiro andar, formando um canto ornamentado da casa. Um grande e envolvente alpendre coberto com suportes ornamentais e fusos proporcionava uma tremenda vista do lago. As outras casas estavam a alguma distância da casa principal, mas todos eram réplicas menores da mansão maior. — Eu tenho quatro órfãos que vivem na propriedade. —Tariq voltouse para mostrar a casa que teria sido a guarita, uma casa para guarda-costas ou de funcionários. — Um menino e três meninas. Eles estavam vivendo nas ruas também. — Crianças? —Repetiu Genevieve, deslizando-se para fora do carro para ficar ao lado deles. — Eles não deveriam estar em alguma forma aos cuidados do governo? Por que estariam morando aqui? — Eu sou seu guardião oficial, ou serei em poucos dias, quando a papelada se resolver. Eles tem alguém muito perigoso atrás deles. Os homens com Fridrick mataram seus pais, embora não haja qualquer prova disso. Vadim e Fridrick seqüestraram as meninas. No momento em que fomos capazes de resgatá-los, uma das meninas tinha sido gravemente ferida e a bebê estava traumatizada. Felizmente eu tenho dinheiro suficiente para fornecer o melhor cuidado possível para eles. Eu também posso mantê-las seguras.

72


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Desta vez não havia erro. A voz de Tariq tinha mais que uma nota de censura, como se ele pensasse que talvez as duas fossem criticá-lo por ajudar as crianças e um par de desabrigados. — Eu acho que é maravilhoso, —Charlotte disse imediatamente, porque era a verdade estrita, ela achava que ele era maravilhoso. Quase bom demais para ser verdade. Ainda havia homens no mundo tão diferentes, que eram lindos, corteses e corajosos? Ela não podia acreditar no quanto estava atraída por esse homem. Era tão diferente dela, mas tudo sobre ele a atraía. Tariq parecia confuso, como se ela não estivesse fazendo sentido. — São crianças. Todos eles estão traumatizados, embora Danny nunca vá admitir que esteja. Ele tem quinze anos e já pensa em si mesmo como um homem. Eu tenho que ter muito cuidado para não pisar nessa característica de proteção ou em seu orgulho. Amélia tem quatorze, Liv tem dez e Bella tem três. Ela tem a idade certa para se tornar amiga de sua pequena Lourdes, eu espero. Mais e mais ela estava preparada para aceitar sua oferta de ficar e trabalhar em seus cavalos de carrossel. Ela não podia proteger Lourdes indefinidamente, não de Fridrick. E ainda havia o quebra-cabeça dos três homens que as estavam seguindo. Ela engasgou, apertando os dedos à boca, mordendo a ponta de seu dedo indicador quando ela pensava nas memórias que tinha puxado da mente de Daniel Forester. — O que foi sielamet1? —Ele pegou seu pulso com uma delicadeza enganosa, puxando até que ela o deixou remover os dedos de seus lábios. Ele puxou a mão ao peito, descansando a mão sobre o seu coração, cobrindo a mão dela com a sua própria e pressionando-a lá. — Você pensou em algo perturbador. ____________________ 1

sielamet – significa minha alma

73


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Charlotte não tinha ideia do que ele a tinha chamado, mas a maneira como ele disse, suave e baixo, sua voz uma carícia, deixou seu estômago fazendo um rolo lento, apesar de sua agitação. — Os três homens nos seguindo. Eu sei que isso parece loucura, mas eles são assassinos também. Genevieve e eu estávamos tentando descobrir mais sobre eles. Fomos para o clube com a ideia de atraí-los para campo aberto. — Você o quê? Ele interrompeu-a, e o ar de repente ficou grosso com o calor. Calor opressivo. Oh, oh. O homem lindo tinha temperamento afinal. Seus olhos, de um azul profundo, tinham ficado turbulentos, uma tempestade do mar fora de controle. De repente, ele parecia muito maior. Embora ele mantivesse aquele ar sofisticado, parecia mais uma capa quando ele era muito mais predatório. Charlotte umedeceu os lábios com a ponta da língua. Seu olhar caiu num pequeno gesto nervoso, e ela desejou ter sido mais cuidadosa. Ela estacionou o carro um pouco longe porque queria sair e ver sua propriedade. A cerca alta a tinha assustado um pouco e ela não queria saltar para qualquer compromisso, mas ela definitivamente precisava de um refúgio seguro para Lourdes. Pela primeira vez, ela estava realmente desconfortável. — Precisávamos atraí-los para fora, —disse Charlotte. — Estamos cansadas de ter medo o tempo todo, —Genevieve acrescentou, com a voz trêmula. O que disse a Charlotte, Genevieve viu o predador em Tariq também. Ela tentou dar um passo para trás, colocar distância entre eles, mas Tariq puxou-a para mais perto dele, inclinando a cabeça até que seus olhos focaram diretamente nos dela. As íris estavam escuras, largas, e ela podia

74


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 ver chamas queimando lá. De tão perto, ele ainda era lindo, talvez até mais, mas também era hipnotizante, um homem forte, com raiva, prendendo-a em seu tempestuoso olhar, turbulento. Ela conteve o fôlego bruscamente. Umedeceu os lábios secos com a ponta da língua. Tentou encontrar voz, apesar de sua garganta parecer ter se fechado. — Tariq. —Seu nome. Não seu sobrenome. Apenas o seu nome. Uma intimidade que não esperava ou queria, mas que iria usar, em voz baixa, um tremor que ela não tinha a intenção de usar. — Sielamet. Apenas isso. Outra língua, que ela não entendia, mas a maneira como ele disse, tão suavemente, de modo intimo, parecia uma carícia movendose sobre sua pele. — Por que você está com raiva? —Ela tinha que entender. Isso era importante. Extremamente importante. Ela não achava prudente, mas sua raiva era uma entidade tangível, viva, tão opressiva, que o ar em torno deles engrossou. — Você se colocou em perigo. —Uma acusação. Simples. Forte. Crua. Ela olhou para Genevieve, porque precisava desviar o olhar sem piscar, focado. Ele lembrava um grande lobo observando sua presa. Esperando uma oportunidade para saltar. Mas ele estava certo. Ela havia se colocado em perigo. Ela colocou Genevieve em perigo também. Elas não sabiam se os três homens estavam envolvidos no assassinato de seus amigos e familiares, mas sabiam que o que estavam fazendo era perigoso. Ela assentiu com a cabeça. — Sim. Isso é verdade. Eu fiz isso, mas não estávamos seguras. Lourdes não estava segura. Tínhamos que saber com o que estávamos lidando, e nós não sabíamos sobre Fridrick. Nós não tínhamos percebido que havia duas ameaças, não uma. Ótimo que escapamos.

75


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Seus dedos se apertaram em torno de seu pulso e ele apertou-lhe a mão com mais força contra seu peito. Tão firmemente que ela sentiu a batida do seu coração. Estranhamente, seu coração reagiu e lentamente pegou o mesmo ritmo até que ela pensou que os dois corações batiam juntos. Era um estranho fenômeno que seu cérebro ainda lutava por uma defesa, quando sua mente e seu corpo estavam totalmente sintonizados com ele. — Ótimo que escapamos? —Ele repetiu lentamente, cada palavra pronunciada laconicamente. — Fridrick poderia ter levado você. Você percebe o quão perigoso ele é? Você não teria sido capaz de detê-lo ou a seus homens de levá-la e acredite em mim, a vida teria se tornado um inferno para você. Ela não teve dúvidas disso por um momento. Ela sabia que ele as tinha salvado. Ele não tinha dito em tantas palavras, mas ela sabia, sem sombra de dúvida em sua mente que, se Tariq e seus intimidantes amigos não tivessem aparecido, ela e Genevieve, e muito provavelmente Lourdes, estariam em apuros. Com esse pensamento veio outro muito mais perturbador. Charlotte apertou os dedos contra o peito largo de Tariq, sentindo a ondulação dos músculos debaixo de sua camisa imaculada em resposta ao seu toque. — Como ele sabia onde Lourdes estava? —Ela inclinou a cabeça para que pudesse encontrar os olhos de Tariq novamente. O abalo foi difícil esconder. Era como se suas almas se conectassem e ele pudesse ver dentro ela. — Como ele poderia saber? — Ela está segura e estará aqui em breve, —Tariq lembrou muito suavemente. Ele fez uma carícia ao longo das costas da mão. — Respire sielamet, se esqueceu de respirar. Se não o fizer, terei para fazer isso por você. Seu olhar foi para a boca, e seu corpo inteiro queria convulsionar com o calor. Como ele fazia aquilo? Ela não respondia aos homens, não com

76


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 essa terrível necessidade, tão brutal que parecia varrê-la só com a voz ou o menor dos toques. Ela estava louca para estar tão completamente atraída por um homem, quando o perigo a cercava e cada movimento que fazia poderia estar colocando suas sobrinha e amiga no mesmo perigo. Deliberadamente, ela respirou, sentindo a ascensão e queda do peito sob a palma da mão dela. Sua respiração seguiu a dele da mesma forma que o seu batimento cardíaco seguia o dele. — Obrigado. Se eu não disse isso antes, estou dizendo agora, com enorme gratidão. Eu já estava com medo daquele homem horrível e de não poder ser capaz de me afastar dele, mas eu não tinha ideia de que ele não estava sozinho. Ele ficou com medo de você. —Ela fez a última declaração, querendo uma explicação. Se Fridrick era um assassino em série, capaz de arrancar gargantas e drenar sangue de corpos, o que era muito teatral para comentar, e ele tinha medo de Tariq, quem seria Tariq Asenguard? — Nós nos conhecemos há muito tempo. Eu já o cacei antes. Ele é astuto, cruel e disposto a sacrificar seus amigos, a fim de salvar sua própria pele. Ele me respeita, mas medo? Eu não sei se Fridrick é capaz de sentir o verdadeiro medo. Ele quer viver, e ele vai recuar se acreditar que as chances não estão a seu favor. Eu tinha amigos suficientes por perto, e quando apareceram, fizeram pender a balança contra ele. Ele não estava disposto a aceitar as probabilidades ou poderia ter havido um banho de sangue. Fridrick tinha medo de Tariq não importava como Tariq explicasse. Isso significava ... Tariq era extremamente perigoso, como todos os instintos que ela tinha gritaram. Ela não tinha certeza se porque ele era perigoso para o coração dela, talvez até mesmo a sua alma, e certamente, para o seu corpo, ele poderia possuir tudo. Ela estava certa que se cedesse ao desejo que sentia, ele iria possuí-la de corpo e alma.

77


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Charlotte olhou ao seu redor, para a alta cerca e as várias casas. — Emeline está aqui? De alguma forma, saber que a mulher que tinha conhecido em Paris estava vivendo na propriedade, bem como o casal e as crianças que ele tinha acolhido a faziam se sentir mais segura. — Sim. Ela está naquela pequena casa ali. —Ele indicou uma casa vitoriana de dois andares que parecia bonita, mesmo no meio da noite. Não haviam luzes acesas, mas eram mais de três da manhã. — Você não tem que ficar, Charlie, —ele disse suavemente. — Eu não estou te fazendo refém, apenas oferecendo a você um refúgio até isso acabar. Há outra casa para Genevieve, você e Lourdes, se desejar. Hoje à noite, as três estão convidadas a permanecer na casa principal ... —Ele se virou e gesticulou em direção à mansão. — Como você pode ver, há muito espaço. Na parte da manhã, você pode decidir se quer ficar mais tempo, eu posso mostrar-lhe outra casa. A propriedade de Maksim faz fronteira com a minha, e ele a protege bem. Meus amigos estão perto e vão ajudar a cuidar da segurança de todas as crianças, bem como de vocês duas e Emeline. Ele deixou cair sua mão e deu um passo atrás, dando-lhe espaço. Imediatamente ela sentiu frio. Solidão. Seu corpo tremia quando o medo a invadiu. Ele estava afastando tudo isso. Ela olhou para Genevieve, uma sobrancelha arqueada na pergunta. — O que você acha, Vi? — Eu quero ficar, Charlie, —Genevieve admitiu. — Estou cansada de ter medo o tempo todo. É bonito aqui, e se ficar, não posso imaginar Fridrick ou aqueles três colocando suas mãos em Lourdes ou em nós. Charlotte virou-se para Tariq. — Então nós agradecemos mais uma vez. Gostaríamos muito de aceitar a sua oferta de um lugar para ficar. —Ela não ia se comprometer a trabalhar para ele, mas tinha que admitir,

78


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 os cavalos de carrossel eram parte do prêmio. Principalmente, Tariq. Ainda assim, ficar perto dele seria um perigo em si mesmo. — Está resolvido então. Venham comigo, senhoras. Vou mostrar-lhes a casa, vocês podem escolher seus quartos e depois eu posso pedir à polícia para vir, se vocês quiserem falar com eles esta noite. Eu conheço um detetive e confio nele. Ele viria imediatamente se eu chamasse. —Ele deu um passo atrás para permitir que elas o seguissem. — Devo dizer-lhe que os três homens podem ter nos seguido até aqui, e eles são tão perigosos como Fridrick. Mataram também. Eu os vi cravar uma estaca no coração de um homem enquanto ele estava vivo. — Charlotte sentiu-se compelida a confessar. — Você tem que saber, se você nos permitir ficar aqui, esses homens podem ir atrás de você. Eu não sei o que eles querem ou porque nos seguiram de Paris, mas sei o que eles fizeram. O rosto de Tariq estava desprovido de qualquer expressão. Linhas estavam gravadas profundamente. Ele parecia forte e duro, mas ainda tão sofisticado como sempre. Charlotte tinha que saber como isso era possível. Deus, mas ele era lindo. — Conte-me sobre eles. — Um chama-se Daniel Forester. Quando você chamou aquele menino de Danny, me lembrei. Na maioria das vezes Daniel fez um grande escândalo sobre o seu nome e como não queria que ninguém o chamasse de Danny. Seus amigos implicavam um pouco sobre isso. Ele tinha dois amigos, Vince Tidwell e Bruce Van Hues, com ele. Vi-os bem na cena do crime. — Onde foi isso? Ela não podia dizer por suas feições de pedra, seus olhos frios ou sua voz estável, se ele acreditava mesmo nela. Ela não teria acreditado em alguém que lhe contando isso tão sem provas, especialmente depois do que

79


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 ela disse sobre Fridrick matando tantas pessoas. Felizmente, ele sabia sobre Fridrick e o havia "caçado". O que isso significava? Ela deveria ter perguntado quando teve chance. Era uma estranha palavra para usar, especialmente para o proprietário de uma casa noturna. Ela permaneceu em silêncio enquanto iam ao longo da passagem de pedra aos degraus que levavam ao alpendre envolvente. Não tinha explicado que ela "viu" Daniel Forester matar outro ser humano enfiando uma estaca em seu coração enquanto segurava um copo de coquetel em sua mão. Tariq e a polícia pensariam que ela era louca. — Eu não sei onde o assassinato ocorreu, mas não foi o único. —Isso ficou pior. Fridrick era um assassino em série, e ela estava dizendo a Tariq que havia dois assassinos em série distintos. Ela quase não se acreditou. — Você não sabe onde o assassinato ocorreu, mas você sabe que houve. Acho que você não estava lá quando isso realmente aconteceu. Será que alguém lhe disse sobre isso? — Claro que não, —Genevieve estalou, respondendo por ela. Defendendo-a. Deixando-a em mais problemas. — Às vezes, Charlie 'vê' as coisas. É um dom. Essa foi uma das razões pelas quais fomos ao teste psíquico. Pode ter sido por capricho, mas nós duas temos um par de dons muito reais. —Agora ela soava desafiadora. Ela olhou para Tariq, desafiando-o a discutir. — Então você não tem nada de concreto para contar à polícia sobre estes três homens. Tariq soou como se estivesse falando para si mesmo, não para elas. Ele não se opôs ou zombou de qualquer coisa que elas disseram, e que foi um alívio para Charlotte. Ela não tinha percebido até aquele momento que realmente não queria que Tariq Asenguard pensasse que ela era louca. Ele parecia estar levando-a a sério. Ele tinha admitido ter um dom ou dois próprios, então talvez isso contribuísse para acreditar nelas.

80


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Não, não realmente. Nem mesmo com Fridrick. Ele admitiu ter matado em Paris e, novamente, aqui, o irmão de Charlie, —Genevieve respondeu, — mas não há nenhuma prova. O melhor que podemos fazer é talvez empurrar a policia na direção certa. —Ela bocejou e rapidamente tentou esconder. — Eu sinto muito. Isso tudo é muito desgastante. — Deixe-me mostrar-lhe um quarto. Entre por sua livre e espontânea vontade. —Tariq abriu a porta para elas cortesmente, usando o charme do velho mundo para deixá-las passar primeiro. Charlotte olhou para ele bruscamente, hesitando enquanto Genevieve se dirigia para a porta antes que pudesse detê-la. Genevieve foi muito rápida, movendo-se rapidamente e olhando ao redor dela. Charlotte ficou fora da porta, sentindo a atração, o desejo de entrar. Um refúgio, e em algum lugar, nesta propriedade, estava o emprego de seus sonhos o de restaurar um muito, muito antigo cavalo de carrossel de madeira. Ela tinha visto as fotos, e desejou ir com Ricard Beaudet para ajudar a restaurá-los. Ela desejava pôr as mãos neles, sentir à vida em si, o tesouro de memórias bloqueado na madeira. — Posso olhar em volta? —Perguntou Genevieve. — Claro. Minha casa é sua. Você está convidada a escolher qualquer quarto no piso térreo. — Obrigado. Se eu achar um que goste, vou direto para a cama. Eu mal consigo ficar acordada. Se eu levantar antes de você, Charlie, eu cuido de Lourdes. — Obrigado, Vi. —Elas estavam se revezando em levantar com a menina, e Lourdes já amava Genevieve, então Charlotte estava grata pela ajuda. Tariq sorriu para Genevieve enquanto ela se movia mais fundo no corredor mal iluminado. — Ela é uma boa amiga.

81


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Sim, ela é. —Charlotte ainda hesitou fora da porta. — O que isso significa? 'Entre por sua livre e espontânea vontade?' —Ela não podia fazer seus pés se moverem, embora nenhum dano tivesse acontecido a Genevieve. — É um convite antigo transmitido através de gerações por minha família. Eu venho das Montanhas Cárpatos, e a família e amigos usam as formas mais antigas. Isso te incomoda? —Ele deu-lhe um pequeno arco cortês. Charlotte se sentiu um pouco tola pela objeção em entrar em sua casa quando ele praticamente salvou suas vidas. Ainda assim, havia relutância contrabalançando com a necessidade de entrar. Talvez fosse a necessidade em si. — Você pode perguntar a seu amigo quando Lourdes estará aqui? E Grace? — Ah, sim, Grace. Eu tinha esquecido sua outra amiga. Ela é dotada? Como você e Genevieve? Ele continuou a segurar a porta aberta, não mostrando qualquer impaciência. Charlotte não podia mais ver Genevieve. Ela desapareceu no interior da casa e podia ouvir os oohs e aahs. — Você não está me respondendo sobre Lourdes, —ela insistiu, recusando-se a se distrair. Ela estava começando a ter medo de novo, mas não sabia por quê. — Lourdes já chegou, e Grace está acompanhada de Maksim. Meu amigo Siv trouxe sua sobrinha sã e salva e ela está na cama dentro da casa. Deixe-me levá-la até ela. Ela queria ver por si mesma e quase entrou, mas no momento que ela colocou um pé sobre o limiar, ela sentiu uma curiosa sensação dolorosa em seu corpo. O chão se moveu debaixo dela, uma ondulação, assim como o início de um terremoto. Ela parou seu coração acelerando. Mais uma vez, Tariq não pareceu impaciente, nem tentou se aproximar dela. Se

82


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 qualquer coisa, ele se manteve uma distância maior do que ele já estava. Isso a fez sentir-se sozinha—desprovida. Suas emoções estavam por todo o lugar, fora de controle. Tinha de ser puro medo. Desde da dor que sentia por perder seu irmão. Ela apenas o sepultou quando percebeu que estavam novamente sendo seguidas e observadas, agora aqui nos Estados Unidos. À noite, duas vezes, tinha havido ruídos bizarros nas janelas e portas, assim como em Paris. Charlotte tinha chamado 911, mas o que havia para dizer? Ela estava assustada. Havia ruídos. Ela achou que alguém estava fora de sua casa. A patrulha oficial veio e não encontrou nada. — Sielamet, o que é? Deus. A voz dele. Derretia seu interior. Deixava seu estômago em uma montanha-russa e enviava dardos direto para seu sexo. Ele acalmava e incitava. Acariciava e afagava. Essa palavra que ele usava acentuava tudo. — O que isso significa? O nome que você me chamou? O sorriso dele tomou sua respiração, e ainda não tinha realmente iluminado seus olhos. — É um carinho antigo, difícil de explicar fora da minha língua nativa. Meu povo vem de uma região remota nas montanhas, e mantemos as formas antigas. Isso não tinha exatamente respondido sua pergunta. Ele tinha um jeito de fazer isso. Dizer-lhe absolutamente nada. Obrigou-se a dar o último passo para dentro. No momento em que seu pé esquerdo seguiu o direito e tocou o piso de madeira ela sentiu o mesmo deslocamento sob seus pés, como se seu mundo tivesse mudado para sempre. Ela permaneceu parada até a sensação passar, com medo, de que se ela dissesse qualquer coisa ele poderia pensar que ela era mais louca do que já parecia. — Qual o caminho para Lourdes? E seu amigo Siv ainda está

83


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 por aqui? —Ela olhou para trás, pela porta aberta. Não havia nenhum veículo estacionado ao lado de seu carro. Tariq fechou a porta com firmeza, mas ainda tranquilo, cortando sua visão para o exterior. Havia intrincados vitrais tecidos na porta, mas não dava para ver através deles. À luz fraca das arandelas na parede, podia ver a expressão de Tariq. Desta vez, o olhar em branco tinha sumido. O rosto dele poderia ter sido esculpido em pedra, mas seus olhos, no fundo, azul escuro, retratavam emoção. Ela poderia sentir um calor intenso de vibração através do ar. — Por que você pergunta por Siv? —Mais uma vez sua voz estava cortada, concisa, intensa e assustadora. Ela umedeceu os lábios com a ponta da língua de novo, tentando ganhar tempo, analisando tudo em sua cabeça, mas não entendendo porque a pergunta o perturbou. E ele estava chateado. — Eu perguntei por educação. Ele salvou minha sobrinha e eu queria agradecer-lhe. A tensão o abandonou instantaneamente. — Siv não é ... civilizado. Ele passa a maior parte de seu tempo sozinho, e não fala muito com ninguém, nem mesmo conosco que somos seus amigos. Ele teve a certeza que Lourdes estava segura e dormindo, em seguida, saiu. —Ele deu de ombros. — Essa é a sua maneira e nós o respeitamos. Ela não iria reclamar. Estar em torno de Tariq já era suficiente. Ela havia notado que todos os seus amigos tinham boa aparência, apesar de que alguns deles tinham muitas cicatrizes. Ela só tinha olhos para Tariq. Ela se descobriu puxando-o para seus pulmões. Por mais que tentasse não olhar para ele, não se conteve. Ela estava olhando, e não pôde deixar de notar a satisfação em seu rosto. Em seus olhos. Ele não parecia presunçoso, mas definitivamente estava mais do que satisfeito dela ter entrado em sua casa.

84


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ela parou abruptamente porque a vontade dentro de seu corpo não ia embora. Aumentava, e ela percebeu que tocá-lo havia se tornado uma compulsão. Estar perto dele. Ele estava apenas um passo atrás dela e ela estava ciente dele. De cada respiração. De seu perfume masculino. A forma como seus músculos ondulavam debaixo daquela camisa de seda fina. Ela tinha o estranho desejo para dar o único passo que os separava e passar sua mão sob a camisa dele para sentir os músculos em sua palma. Estranhamente, ela podia ouvir seu batimento cardíaco. O dela seguia o ritmo do dele com exatidão. Isso tinha acontecido antes, mas agora estava mais ciente disso do que nunca. Tariq deu um passo, vindo logo atrás, e apertou seu peito nas costas dela. Ela deveria se mover, colocar mais espaço entre eles, mas não podia. Seus pés se recusavam a cooperar com seu cérebro. Ela derreteu por dentro. Derreteu nele. Uma parte dela gritava que não era uma atitude profissional, e que ele tinha mulheres atirando-se nele o tempo todo. Ela era uma entre centenas, talvez milhares. Suas mãos pousaram em seus ombros. Mãos grandes. Fortes. Ela sentiu as palmas das mãos e dedos como uma marca pressionada em seus ossos. Ele inclinou a cabeça para que a boca dele ficasse contra seu ouvido. Tão perto que quando ele falou seus lábios roçaram sua pele. — Você não respirou em mais de um minuto. Por que, sielamet? Por que eu tenho que lembrá-la que você ainda precisa de ar? Oh Deus. Ela estava com problemas. Terríveis problemas. Ela não podia deixar de se inclinar para ele. De virar a cabeça, dando-lhe acesso ao seu pescoço. Impulsos elétricos corriam ao longo de sua pele, enquanto cada célula de seu corpo ansiava por ele. Como uma droga. A necessidade era tão forte que ela se pegou tremendo. Seu pulso batia em seu pescoço, e parecia ainda mais forte em seu clitóris. Ela sentiu seu sangue engrossar. Ele murmurou algo em seu ouvido e ela fechou os olhos. A linguagem era antiga. Ele havia dito. Uma única frase. Joŋesz éntölem, fél ku kuuluaak

85


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 sívam belsö. Parecia tão diferente. Ela sabia francês, mas essa língua era tão completamente diferente que ela não tinha ideia do que ele disse. Ela só sabia que quando ele proferiu essa frase com seu sotaque e sua voz baixa e sensual, ela quis mais. O mundo dela se estreitou até que houvesse apenas ele. Apenas Tariq Asenguard. Genevieve tinha ido para a cama, e não havia ninguém para salvá-la de si mesma e de seus impulsos temerários. Sua mão varreu o cabelo para o ombro esquerdo, deixando o lado direito nu. Ela sentiu a respiração dele enquanto seus braços se fechavam em torno de sua cintura e ele se moveu seu mais profundo nas sombras. Ela mal podia pensar de necessidade. Seu corpo era quente. Forte. Todo masculino, fazendo-a ciente das diferenças e quão frágil ela era em comparação a ele. Isso deveria tê-la assustado, mas em vez disso, uma emoção nova através dela. Ele sussurrou de novo, desta vez em uma mistura de sua língua e inglês. — Fél ku kuuluaak sívam belső. Eu esperei tanto tempo por você. Eu não posso esperar mais um minuto. Diga-me que não tenho. Dê isso para mim, sielamet. Ela lhe daria qualquer coisa quando ele usava essa voz. Ela descobriu que não podia falar, perdida em um mundo dos sonhos. Seu punho de repente estava em seus cabelos, puxando sua cabeça para trás um pouco mais, a picada de dor queimando através de seu corpo direto para o seu sexo, que ela apertou e contraiu, a deixando úmida e necessitada. A mão em seu cabelo a manteve com a cabeça para trás e para o lado para que seus lábios corressem pelo seu pescoço. Escaldante. Deixando seu corpo em chamas. Derretendo qualquer pensamento de resistência. A boca caiu sobre o pulso em seu pescoço. Seus dentes rasparam em uma sexy tentação. Ela queria que ele a beijasse lá. Ela queria que ele a mordesse. Apenas o pensamento de sua boca em sua pele, sua marca nela, aumentou a necessidade crescente.

86


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Te avio päläfertiilam. Éntölam kuulua, avio päläfertiilam. É minha companheira. Reclamo-te como minha companheira. Ele falou com firmeza, como se tomando um voto, mas sua voz era hipnotizadora, assim como sua boca movendo-se sobre seu pulso. Ela não sabia o que significavam suas palavras, mas ela gostava. Ela sabia que significava algo para ele, e tudo o que ela precisava, tudo que ela queria era manter essa boca se movendo sobre ela. Cada vez que seus dentes raspavam sobre seu pulso, seu sexo se apertava mais e choroava de necessidade. — Ted kuuluak, kacad, kojed. Élidamet andam. Pesämet andam. Uskolfertiilamet andam. Eu pertenço a você. Ofereço minha vida por você. Dou-te minha proteção. Dou-te minha lealdade. Suas pálpebras ficaram pesadas, mas ela forçou-as a se abrirem para olhar para seu rosto. Seus olhos brilhavam para ela, pequenas chamas pulando dentro das pupilas. Tão escuros. Tão misteriosos. Acenando para ela. Ela o queria. Era tão simples. Suas palavras pareciam atraí-la ainda mais para dele, como que por dizê-las, ele tivesse tecendo minúsculos fios entre eles, inquebráveis e sagrados. Olhando nos olhos dela, mantendo-a cativa, com a mão em seu cabelo e sua boca sobre seu pulso, ele continuou. — Sívamet andam. Sielamet andam. Ainamet andam. Sívamet kuuluak kaik että a ted. Ainaak olenszal sívambin. Seu coração estremeceu no peito com aquela declaração. Ela queria seu coração. Por um momento, a sua parte sã opôs-se a terrível necessidade dentro dela, mas ele continuou a traduzir para ela, e sua baixa voz hipnotizante, tão sombriamente sensual, roubando sua capacidade de pensar com clareza. Ela só podia querer. Só precisava. Só sentia sua respiração e sua boca e aqueles terríveis e maravilhosos dentes rasparem contra a sua pele, cada vez mais enviando ondas de choque direto para o seu sexo.

87


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Eu te dou o meu coração. Eu te dou minha alma. Eu te dou o meu corpo. Sielamet. Ela reconheceu essa palavra. Minha alma. Ele a chamava assim várias vezes. Ela queria seu coração e seu corpo. — Tomo em mim os teus, para guardá-los do mesmo modo. Sua vida será apreciada por mim sempre. Isso era tão bonito. Incrivelmente bonito. Tanto que as lágrimas turvavam sua visão. E então ele cravou os dentes no pescoço dela. Direto em seu batimento. A dor queimou por ela. O calor atacou como um chicote através de seu sangue, direto para seu núcleo. A tensão em seu corpo aumentou, até que ela estava balançando os quadris, impotente de necessidade. A palma da mão em concha estava sobre seu peito e ela sentiu seu toque na pele nua. Isso não fazia sentido, porque ela usava roupas ... não usava? Ela não podia pensar. Apenas sentir. Seu corpo era uma chama viva em uma necessidade brutal. — Por favor. —Ela sussurrou seu pedido, não querendo que ele parasse. Precisando de mais. Precisando dele. Ela sentia-se esvaziar sem ele. Desesperada por ele. Ainda em um sonho. Um obscuro, maravilhoso, bonito mundo de sonhos. Lá ela poderia fazer qualquer coisa, inclusive ter este homem bonito para si mesma. A ligação entre eles era real. Forte. Atraente. Seu corpo estava em chamas, os dedos dele encontraram seus mamilos, primeiro um, depois o outro, puxando e rolando, beliscando duro e, em seguida, acariciando gentilmente, mantendo-a fora de equilíbrio, de modo que só podia subir. As chamas queimavam fora de controle. Uma tempestade de desespero. Em seguida, a língua dele varreu a sua marca sobre ela, um carinho suave para combater a dor erótica de sua mordida. Ele virou-a para ele, guiando-a com a parte traseira da palma da mão em sua cabeça. Seu peito,

88


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 era incrível, o peito musculoso definido estava nu ao toque de seus lábios. Ele apertou-a enquanto uma mão subia entre eles. Seu dedo acariciou uma linha acima do coração e por um momento sua respiração ficou presa na garganta. Ela podia ver pequenas contas rubi lá. — Por você. Atreva-se a estar comigo, se atreva a entrar no meu mundo e ficar comigo. Eu esperei tanto tempo por você, sielamet. Sua alma. Ela adorava isso. Ela o deixou pressionar seu rosto no peito. Ela esfregou toda aquela pele quente. Sentiu sua força. Provou uma gota de rubi. Tinha gosto de ambrosia. Néctar. Uma poção inebriante, picante, feita apenas para ela. Uma vez que a língua tinha levado essa única gota para sua boca, criou um desejo. A mão dele apertou mais sua cabeça e fez o convite, para sua boca se alimentar dessas gotas. Suas mãos se moveram sobre o peito dele, deixando-as descer para encontrar o pesado pau, grosso, de modo perfeitamente ereto. Pronto para ela. Os dedos dela se fecharam em torno dele, o polegar deslizando através das gotículas, espalhando-as para que ela pudesse começar um deslize preguiçoso com seu punho enquanto a boca aceitava mais da sua oferta. Ele gemeu. Tão sexy. O corpo dela se apertou com a necessidade. Sua voz sussurrou para ela, não em voz alta, mas em sua mente, mais íntimo do que nunca. — Te élidet ainaak pide minan. Te avio päläfertiilam. Ainaak sívamet jutta oleny. Ainaak terád vigyázak. Sua vida será colocada acima da minha sempre. Você é minha companheira. Você está unida a mim por toda a eternidade. Você estará sempre aos meus cuidados.

89


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

5mn Charlotte gritou quando os dedos de Tariq a acariciaram por baixo, elevando sua necessidade além de qualquer coisa que ela já tivesse conhecido. Uma mão suavemente inseriu-se entre a boca e o peito, a outra puxou seu cabelo, forçando a cabeça para cima. Ele passou o dedo em toda a linha em seus definidos músculos e as gotas rubi desapareceram. Sua cabeça foi mantida em posição para que ela olhasse seus olhos ardentes. Ele parecia um puro predador. Macho puro. Suas mãos foram para suas bochechas e levantaram-na facilmente, seu olhar mantendo-a cativa, recusando-se a deixá-la olhar para longe dele. Deus. Deus. Aqueles olhos. Tão incríveis. A cor era como pedras preciosas, brilhante e pura. E, brilhavam com o poder, ou como agora, com a luxúria. Com posse. Ela adorava esse olhar. Nenhum homem jamais a olhou como se ela fosse a única mulher na terra. A única mulher que era seu início e fim. Ela mal podia respirar observando a expressão em seus olhos. Ele se concentrava unicamente nela, como se ela fosse o mundo. Ela queria olhar seus olhos por uma eternidade. Perdida. Cuidada. — Enrole suas pernas em volta da minha cintura e prenda seus tornozelos. Tariq emitiu a ordem em sua voz baixa, comandante. E ela não pôde resistir. Veludo macio. Um pouco áspero, mas asperamente sexy. Sua voz a fez tremer, deixando seu estômago em uma série de cambalhotas. Ela estava molhada, carente. Totalmente desesperada, e nesse momento teria feito qualquer coisa que ele pedisse.

90


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ela fez o que lhe foi dito, com as mãos em seus ombros, dedos apertando fundo. Suas mãos se moveram para os quadris dela, e ele apoiou-a contra uma mesa. Ela não tinha certeza de onde estava. Não era o hall. Ela estava em um corredor com ele? Por um momento, tentou olhar ao redor dela. O que ela estava fazendo? Onde ela estava? Onde estava todo mundo? — Charlotte. Ele sussurrou seu nome, baixo, comandando, e seu olhar saltou de volta ao seu. Ela teve a sensação de cair em seus olhos. Ele a hipnotizava com aquele olhar. Um feiticeiro escuro segurando-a prisioneira com a sua magia, e ela não queria escapar. Ela sentiu a madeira fria em sua pele aquecida, quando ele a deitou na mesa estreita, com o quadril inteiramente controlado por ele, tudo fugiu de sua cabeça novamente. Cada pensamento sumiu, havia apenas Tariq e seus incríveis olhos, sua voz e seu perfeito corpo lindo. — Eu não posso ser gentil, sielamet, não desta vez, mas vou fazer ser bom para você. Ela não se importou. Não poderia se importar. Ela precisava. Ansiava. Estava queimando sem ele. Ele tinha que se apressar. E ela lhe disse. Sussurrando. Suplicante. — Depressa. Você tem que estar dentro de mim. —Não havia nenhum outro lugar para ele estar. Ele pertencia a ela. Dentro dela. Aquela voz áspera, sexy, ele que utilizava apenas aumentava a necessidade. Adicionando uma terrível fome que a consumia. — Diga meu nome, —ele ordenou. Sua voz sussurrou sobre sua pele, causando arrepios. — Saiba quem é seu companheiro. Ela não tinha ideia do que era uma companheira, mas queria ser para ele. Ela queria ser qualquer coisa que ele quisesse. Seus mamilos estavam duros, os seios doloridos e inchados de necessidade. Lá no fundo a tensão crescia mais e mais.

91


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Eu sou seu homem. Diga, Charlotte Vintage. Diga que você pertence a mim e que eu pertenço a você. —Sua voz áspera caiu uma oitava, até que estava quase dura, mas ainda tinha um som sexy de veludo que desencadeou algo profundo dentro dela, uma necessidade, uma fome, de estar com ele. De fazer qualquer coisa por ele. De ser o que ele precisava. Ela teria dito qualquer coisa para tê-lo dentro dela, assim afirmar isso a ele não era difícil. Ela queria isso. Queria que ele fosse dela. — Por favor, depressa, Tariq. Eu pertenço a Tariq Asenguard, e ele definitivamente pertence a mim. —Ele lhe pertencia. Ela sentiu a verdade em cada respiração irregular que deu. Ele tomou-a com força. Brutalmente. Desesperado, enchendo-a, empurrando impiedosamente em meio aos apertados músculos escaldantes, rasgando a fina barreira para enchê-la com seu pau duro. A encheu completamente. Esticando-a. Queimando. A ardência quente da dor erótica pura e do prazer. Ouviu-se gritar e foi uma mistura de choque, dor e tanto prazer que ela não sabia que uma mulher podia sentir tal coisa. Cada terminação nervosa chiava com fogo puro. E então ele estava plantado nela. Profundo. Pulsando. Ela podia sentir seu batimento cardíaco através de seu pênis, nas paredes de sua vagina enquanto ele esperava, respirando, dando-lhe tempo para se adaptar. Ela não conseguia desviar o olhar de seu rosto, as linhas profundas gravadas, os planos e ângulos esculpidos em um rosto bonito e puramente masculino. Seu cabelo estava suado, selvagem mesmo, longo e escuro brilhante. Os olhos dele ardiam nos dela e ela viu um predador absoluto olhando para ela. Focado. Brutal. Dominante. Possessivo. Ele deveria têla assustado, mas havia algo mais em seus olhos, algo que a fez se sentir absolutamente segura com ele.

92


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ele a tinha marcado como sua, e ela sabia que ele quis dizer isso. Ela podia ver isso em seus olhos. Ela sentiu em seu toque. Tão possessivo. Ela nunca tinha feito nada parecido em sua vida. Nunca. Mas sabia que pertencia a ele, e precisava desesperadamente que ele se movesse. Se ele não fizesse, ela queimaria em chamas como uma Phoenix. Viraria cinzas. Mais nada. Tariq, observando o rosto dela, retirou-se e voltou profundo, ao mesmo tempo mantendo-a cativa a seu olhar, julgando sua reação ao movimento, e em seguida, parou ainda outra vez para dar tempo ao seu corpo para se adaptar a sua invasão. — Mais. —Ela sussurrou para ele. — Por favor, Tariq. Mais. — Mesmo quando insistiu, ela sabia que ele iria tomá-la sem piedade, e Deus a ajudasse, era o que ela queria, mesmo necessitava dele. Deu-lhe mais. Levando-a completamente. Suas mãos firmes em seus quadris, segurando-a no lugar enquanto ele entrava nela, uma e outra vez, sacudindo seu corpo com o impulso brutal. Seus seios balançavam em um convite com cada movimento duro. Raios pareciam chicotear por suas veias. A tensão dentro dela crescia mais e mais. Ela precisava de ... alguma coisa. — Tariq. —Ela disse seu nome. Baixo. Chamando-o quando não sabia o que fazer para aliviar a terrível queimadura que aumentava. Ele estava aumentando tanto que o medo deslizou por sua espinha. — Eu tenho você, sielamet, —assegurou, seus olhos queimando através dela. Ela sentia a marca de cada um de seus dedos em seus quadris. Com cada golpe, ele queimou seu nome dentro dela, profundamente dentro de seu corpo, até que ela se sentiu possuída por ele. Tomada por ele. Sua. — Olhos em mim, Charlotte, —ele comandou, sua voz sensualmente

93


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 baixa e rouca, a voz que a virou de dentro para fora. — Deixe-me ver em sua alma. Ela adorou a maneira como ele disse isso. Como se quisesse dizer cada palavra. Mais, quando olhou em seus olhos, sentiu-se ancorada. Segura. Seu mundo estreitou até que existisse apenas ele. Ela respirava-o em todos os fôlegos que tomava. Ele estava dentro de seu corpo, enchendo-a e esticando-a até que o calor era tão escaldante que ela teve medo de perder a cabeça. Ela se agarrou a seus braços, suas unhas como minúsculos punhais, marcando ombros e braços, tentando encontrar um apoio, quando cada golpe brutal enviava ondas de prazer através dela. No entanto, a tensão dentro dela se recusava a sair, apenas continuando a aumentar até ela achar que poderia enlouquecer. — Tariq. —Ela sussurrou seu nome, os quadris ao encontro dos dele, a cabeça sacudindo até mesmo enquanto olhava para ele, impotência em seus olhos. — Eu preciso ... —Ela não sabia. Alguma coisa. Ele tinha que fazer algo. Certo. Agora. — Eu sei, sielamet. Eu entendo você. Ele mexeu os quadris, arrastou seu corpo apenas algumas polegadas, mudando o ângulo, e então empurrou dentro dela, mais e mais, atingindo o ponto exato até que ela achou que o mundo estava explodindo ao seu redor. — Agora, Charlotte. Venha para mim agora. Seu corpo caiu sobre a borda de um precipício profundo, fragmentando, subindo. As ondulações não pararam, recusando-se a deixá-la, seu corpo não era dela, fora de seu controle, e ainda não parou, implacável, bombeando. Veludo sobre aço. Escaldante. Bonito. Perfeito. Assustador. Emocionante. — Mais uma vez, sielamet. —Foi pura demanda. Um comando. Seu

94


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 rosto definido em linhas implacáveis. Os olhos dele ardiam como fogo. Ele era lindo e terrível ao mesmo tempo. Como ela poderia ir novamente, o prazer consumindo-a, de novo? Ela sacudiu a cabeça, mas sabia que lhe daria qualquer coisa que ele quisesse. Tudo o que ele exigisse dela. Ela não podia se conter. Ele sempre seria sua única fraqueza. Sempre. Ela se soltou, desta vez seu orgasmo foi ainda mais poderoso, rasgando-a com uma força tremenda, irradiando de seu núcleo até as coxas e barriga, espalhando-se e movendo-se por seus peitos como um terremoto de proporções gigantescas. Ela ouviu seu gemido fino, os gritos suaves de seu nome, seu gemido enquanto o corpo dele tomou o seu. Ela sentiu os respingos quentes do jato após jato de sua pulsante semente dentro dela que ainda desencadearam outro forte tremor. Pelo que pareceu uma eternidade, ele estava sobre ela, suas pernas em volta dele, tornozelos presos no fundo das costas, seu pau enterrado profundamente dentro dela, seu olhar segurando o dela, dizendo-lhe sem palavras, da maneira como seu corpo tinha dito a ela, que ela pertencia a ele. Ela já estava tendo problemas para recuperar a respiração e esse olhar apenas tornava mais difícil. Ele se inclinou sobre ela, respirando com dificuldade, plantando um beijo em seu umbigo. O movimento desencadeou outra onda, desta vez menos vigorosa, mas não menos prazerosa. Sua boca varreu a caixa torácica debaixo de seus seios, acariciando com a língua, sugando primeiro um seio e depois o outro. Os dentes em seu mamilo esquerdo enviaram outro forte tremor através dela. Sua boca continuou subindo, para tomar posse de sua garganta. O queixo. Finalmente, seus lábios. Ele tomou sua boca tão impiedosamente como teve seu corpo. Reclamando-a. Ela se perdeu em seus beijos. Um depois de outro. Profundos. Duros. Molhados. Perfeitos. Durante todo o tempo seu pênis ficou dentro dela, não relaxando, não escapando,

95


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 esticando-a. Pulsando. Seu coração batendo lá. Batendo em seu peito contra os seios dela. Batendo em seu núcleo, enquanto pulsava e seu coração batia em torno de seu pênis. Ela tinha plena consciência de cada célula de seu corpo. Cada terminação nervosa. De cada polegada dela. E tudo pertencia a Tariq Asenguard. — Espere, sielamet. Mantenha seus tornozelos presos e ponha seus braços ao redor do meu pescoço. Mantenha o seu rosto apertado contra o meu ombro e feche os olhos para mim. Não havia nenhuma maneira de resistir à sua voz. Ela queria sempre agradá-lo, dar-lhe qualquer coisa que ele desejasse. Com os olhos fixos nos dele, ela derreteu em seu corpo, seus seios espremidos em seu peito quando ela passou os braços em volta do pescoço e trancou os dedos em sua nuca. Ela escondeu o rosto contra seu ombro e fechou os olhos, realmente sentindo a varredura de seus cílios contra a pele dele. Ela teve a sensação de movimento. Flutuando. Ela afastou, sentindo cada movimento de seu corpo através da sua ligação, seu pênis estirandoa, crescendo ainda mais espesso e mais duro enquanto a levava. Ele tinha que ser incrivelmente forte para fazer isso e ela queria ver para onde estavam indo, mas uma vez que fechou os olhos, ela não conseguia abrilos. Ela estava exausta. Desgastada de sua constante vigilância, tentando manter Lourdes segura ... — Lourdes. —Ela murmurou o nome de sua sobrinha e tentou voltar. Ela não tinha verificado a menina. Não tinha visto se seu maior tesouro, o presente que seu irmão deixou para ela, estava segura. — Abra seus olhos, sielamet, e veja-a. Seus cílios se sentiram como se pesassem uma tonelada. Ainda enrolada em torno do corpo de Tariq, ela abriu a olhos e viu sua sobrinha através de uma janela, como se estivesse fora do quarto olhando para dentro. Lourdes dormia tranquilamente, as cobertas puxadas sobre seu

96


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 pequeno corpo. Os cílios de Charlotte caíram, e em seguida os amantes estavam se movendo novamente. O ar frio não fez nada para esfriar seu corpo quente. Ela começou a se mover, não impotente, sobre seu pênis. Precisando dele mais uma vez. Ele não parecia se importar, no mínimo. Suas mãos em concha pegavam sua parte inferior e a levantaram, mostrando-lhe como montá-lo enquanto ele continuava se movendo. Ela manteve o rosto enterrado nele e não se preocupou em tentar abrir os olhos, ela só tinha o prazer dela, deslizando para cima e para baixo pela espessura coberta de veludo que parecia irradiar um calor mais quente do que uma fornalha. Então, ela estava de joelhos, curvada sobre a cama, e ele agarrou-a por trás, um braço ao redor de sua cintura, a outra puxando seus mamilos, primeiro um depois o outro, com a boca em seu pescoço enquanto entrava nela por trás. Seu corpo a manteve cativa, e ela adorou sentir seu peso sobre ela, sua boca chupando seu pescoço. Seus dentes raspando. Sua mordida. Os dentes afiados. A dor erótica. Ela jogou a cabeça para trás e para o lado para encorajá-lo a morder o outro lado de seu pescoço. Ele tinha mordido o lado direito, a garganta, e a parte de trás do pescoço dela, e ela queria cada parte sua reivindicada por ele. Ele obedeceu, seus quadris o tempo todo empurrando duro, uma máquina implacável, mais e mais, um inebriante passeio selvagem, que ela não queria que terminasse nunca. Mesmo quando ele se inclinou sobre ela, seu corpo forte e duro, prendendo-a contra o colchão, seu cabelo varrendo a pele nua e seus dentes mordendo-a, ela ouviu o murmúrio da voz dele a acariciando em sua mente. Suave. Terno. Em contrapartida a forma selvagem que seu corpo se movia para o dela. En évsatzak piwtäak tet. Tenho procurado através de séculos por você.

97


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ela não sabia como isso poderia ser verdade, mas adorava que ele dissesse isso, e pelo olhar em seu rosto, ele quis dizer isso. Para ele, esperar por ela pareceram séculos. Foi o mesmo para ela. Ela procurou em todo o mundo por algo que precisava desesperadamente e não tinha encontrado até agora. Seu corpo estava duro e quente, seu pau profundamente enterrado, empurrando através dos tecidos sensíveis para reclamá-la. Marcá-la. Era tão bonito, que ela sentiu as lágrimas brotando. Kužõ, ainaak évsatzak otti jelä että íla en wäkeva ködaba. Longos, intermináveis séculos para encontrar a luz que iria brilhar através da escuridão implacável. Com o fogo riscando seu corpo, e sua mão curvada em torno da nuca, segurando-a no lugar, ela mal conseguia ouvir as palavras. Elas estavam tanto em seus ouvidos como em sua mente. Por um momento ela quase veio à tona, a ansiedade perto, apesar do mel derretido movendo-se através de suas veias. Ašša moo pél. Não há necessidade de ter medo. Sua outra mão encontrou seu peito, os dedos beliscando o duro mamilo, puxando, rolando, enviando o relâmpago escaldante através de seu corpo até que ela ficou com falta de ar, gritando de necessidade, sabendo que ela não tinha nada a temer. Ela confiava nele com seu corpo, e ele estava fazendo coisas que ela nunca tinha imaginado. Én olenam teval it. Estou com você agora. Lágrimas se acumularam em suas pestanas. Ela se sentia tão sozinha, mesmo quando estava com sua melhor amiga. Até quando estava com seu irmão. Ela os amava e sabia que era amava, mas faltava algo ... até agora. Até Tariq. Pesäsz engemal. Fique comigo.

98


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ele estava se sentindo da mesma maneira? A terrível necessidade, tão brutal e tão bonita como os traços rígidos dele quando enterrou-se profundamente dentro dela. Será que ele precisava dela para completá-lo do jeito que ela fazia? O coração dela? A alma? O corpo dela? Olensz engemal. Fica comigo. Ela gritou enquanto suas mãos moviam-se sobre seu corpo possessivamente enquanto ele a tinha como um homem possuído. Ela sentiu um calor que se tornou um incêndio fora de controle. Ela queria estar com ele. Sempre. Para sempre. Ainaakä kaδasz engem jälleen. Nunca vá embora novamente. Sua voz parecia carícias de veludo contra sua pele. Cada palavra murmurada em sua língua, em uma língua antiga, era totalmente fascinante, hipnótica, uma voz que ela poderia ouvir por muito mais do que uma vida. Ela fechou os olhos e absorveu cada sensação. A boca em seu pescoço. Os dentes raspando contra sua pele. A voz sussurrando em sua cabeça. Os dedos puxando e revirando seus mamilos, beliscando para enviar raios de fogo direto para o seu clitóris. O braço, uma barra em sua cintura, a mão possessivamente em volta de sua cintura. A maneira como o corpo dele estava contra a dela. Bárbaro. Selvagem. Tomando posse. O poder dos quadris empurrando contra ela. Seu pênis, pesado. Grosso. Alargando-a. O calor ardente, formando um incêndio profundamente dentro dela. Seu corpo mais e mais apertado. Amarrando-a. Dando-lhe mais. Um delicioso arrepio de medo deslizou por sua espinha, enchendo-a de ansiedade, mas ela não queria que ele parasse. Ela precisava … — Tariq. —Ela sussurrou seu nome, que saiu como um sussurro. Ele tinha que fazer alguma coisa antes que ela se perdesse. — Pesäsz engemal. Fique comigo, —ele repetiu em inglês. Hiszasz engem

99


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 vigyáz tet. Confie em mim para cuidar de você. Kojasz engem pita temet džinõt t’śuva vni palj3. Deixe-me dar-lhe um pouco mais. Ele não estava pedindo. Ela sabia disso. Ele estava dizendo, mas ela queria tudo. Qualquer coisa. Ela precisava dar isso a ele. Sua voz, quando ele falava sua língua varria tudo, menos a necessidade de se dar a ele. De agradá-lo. Mesmo que ela estivesse com um pouco de medo. Ela achou que o medo só contribuía para a selvageria do passeio. Ela sentia a tensão se reunindo tão intensamente em seu mais profundo núcleo. — Eu tenho que deixar ir, —ela sussurrou, não querendo, mas realmente não achava que poderia parar e queria avisá-lo. — Aš. Ašša bur ször. Andsz éntölam palj3 t’śuva vni teval. Várasz. Não, ainda não. Me dê mais tempo contigo. Você vai esperar. —Uma ordem. Um comando. Não havia apelo em sua voz, só esse quieto, baixo, decreto implacável. Charlotte fechou os olhos e fincou os dedos nos lençóis de cetim, segurando com tudo o que tinha, quando ele tomou o controle completo de seu corpo. As mãos foram para seus quadris, prendendo-a, a mantendo imóvel enquanto entrava dentro dela com golpes duros, brutais, balançando o corpo dela, estirando-a até que ela sentiu como se o fogo estivesse além de todo controle e fosse levá-la, destruí-la completamente até que não houvesse Charlotte sem Tariq. Ela estava tão perto. Cada movimento do pau duro sobre seu feixe extremamente sensível de nervos a deixava ofegante, gritando, uma sensação tão extrema que ela sabia que ia jogá-la sobre a borda a qualquer segundo. Mas ela segurou. Tentou. Por ele. Ele murmurou no seu idioma. — Sivamet. Sielamet. Minden m8akam. Meu tudo. Seu coração. Sua alma. Sua tudo. Ela queria que isso fosse verdade, porque desde a primeira vez que ele sussurrou em sua língua e seus dentes

100


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 a tinham mordido de forma tão pecaminosamente erótica, ele tinha seu coração. Sua alma. Seu tudo. Não haveria um único momento em que ela fosse negar-lhe. Negar isso. Negar a ela. — Por favor. —Ela estava quase chorando agora. O prazer era demais. Ela estava subindo muito alto. Mas ela não se deixou ir. Não o deixaria. Ele queria, e ela poderia fazer isso por ele. — Não, sielamet, —ele sussurrou em seu ouvido. — Por nós. Eu faço isso para nós. Ela respirou. Ele bateu fundo, dobrando seus quadris para trás contra ele enquanto ela soluçou outra respiração irregular. — Agora, Charlotte. Dê esse milagre para mim agora. Ela não sabia se foi por ele lhe dar permissão, pela forma como o seu pau se arrastou sobre seu clitóris, ou a cabeça larga acariciando um ponto doce no fundo, ou se ela simplesmente não conseguia segurar mais um segundo, mas seu corpo se desfez. O orgasmo rugiu através dela. Tomoua completamente. Ela ouviu-se gritar. Longo. Um gemido de erotismo puro. As ondulações tornaram-se tremores e seu corpo parecia fragmentado. Desmoronou até não ter certeza de que poderia voltar a ser inteira, mas não importava. Não queria ser. Ela foi arremessada para o universo. Voando no espaço. Flutuando. A deriva. Ela sentiu a boca em seu ouvido. Seu pescoço. O lado do rosto. Beijos suaves. Ele virou-a. Ela estava ciente em algum nível do colchão firme contra suas costas. O corpo dele estirado ao lado dela. Uma perna arremessada sobre suas coxas, imobilizando-a como se mesmo assim quisesse abraçá-la. Um braço possessivo ao redor de sua caixa torácica, a palma cobrindo o peito. Com cada respiração ele estava lá, em seus pulmões.

101


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ainda assim, ela estava a deriva. Flutuando. As ondulações diminuindo em força, mas a felicidade não diminuindo em nada. Ela se aninhou. Seus lábios imediatamente encontraram os dela. — Odamasz it. Džinõt t’śuva vnirt. Tsak odamasz. Durma. Um pouco. Só durma. Não havia como negar-lhe. Não antes, quando seu corpo estava no dela e não agora, quando ela estava exausta e necessitada de sono. Ela deixou seus cílios caírem e se aconchegou contra ele. Tariq abraçou sua companheira tão firme quanto possível sem a perturbar. Ele queria saber o que ela sonhava. Ele queria estar dentro de seu corpo, e de sua mente. Ele queria saber todos os detalhes sobre ela. Ele tinha tido o cuidado de ser respeitoso e não tentou ler o que não foi oferecido, não enquanto ela estava acordada. Ela tinha algum tipo de barreira, um escudo que lhe permitia resistir a compulsão de Fridrick. Ela sabia que Fridrick estava tentando for��ar sua obediência. Ele não queria que ela o equiparasse com o morto-vivo. Ele tocou sua mente enquanto ela lentamente adormecia. Ela estava flutuando no subespaço. Feliz. As sensações de seu corpo ainda ocupavam sua mente ... junto com pensamentos sobre ele. De fazê-lo feliz. De ser sua mulher. Ele amava que ela quisesse isso. Ele queria fazê-la feliz. Ser seu homem. Para agradá-la. Ela teve uma reação estranha a sua língua, como se apenas o som mexesse com ela. Ele sabia que ela não conseguia entender o significado, mas cada vez que ele falou em sua língua ela tinha feito imediatamente tudo o que ele pediu. Ele a tinha ligado a ele, e isso significava que mesmo que ela tentasse fugir, ela não iria longe. Ela precisaria dele tanto quanto ele precisava dela. Ele tinha trocado sangue com ela. Ele poderia falar com ela mente para mente, uma ligação íntima apenas entre os dois, muito diferente da via comum que a maioria dos Cárpatos usava.

102


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Levaria três intercâmbios de sangue trazê-la plenamente em seu mundo, e ele estava tentado concluir a troca em uma noite inebriante. Ela tinha gosto de ... paraíso. Seu corpo era o paraíso. Um milagre que ele não esperava. Ele tinha tido a ideia das discotecas, a fim de atrair mulheres para ele, em um esforço para encontrar sua companheira, mas tinha desistido de qualquer esperança real de encontrá-la. A pesquisa dele tinha demorado demais. A tentação de tê-la imediatamente ao seu lado por toda a eternidade era forte, mas ele queria mais dela do que a simples obediência. Ele queria que ela o escolhesse. De alguma forma, ela já tinha. Ele não tinha embaçado sua mente completamente. Nem uma única vez. Nem mesmo durante a troca de sangue. Quando ele a pegou pela primeira vez em seus braços, ela tinha ido com ele por vontade própria. Ele criou uma ligeira névoa de fazer a primeira troca mais fácil para ela, mas ele não tinha tomado a sua vontade. Ela fez sem um pingo de relutância. Ela sentiu a atração entre eles quase tão fortemente como ele. Tariq acariciou a massa espessa de cabelo. Era macia. Lustrosa. Brilhante. Muito ondulada, como as ondulações da água sobre rochas em um rio. Ela era bonita. Suas curvas eram atraentes e ele não conseguia parar de acariciar seu corpo. Ele tinha que tocá-la. Tudo sobre ela o atraia. O cheiro dela. A forma dela. O som de sua voz. A forma como a sua mente centrava nele e ficava lá. Sua ânsia de agradá-lo. Ele beijou sua orelha. Traçou-a com a ponta da língua. Em seu sono, ela tremeu e se aproximou dele, virando a cabeça ligeiramente para oferecer-lhe um melhor acesso. — Você precisa de mim? —Ela perguntou suavemente, movendo seu corpo contra o dele. Sua respiração ficou presa na garganta. Ela estava exausta. Mais provavelmente dolorida, sentindo sua marca profundamente dentro dela, mas estava se oferecendo a ele, se ele precisasse dela. Ele sempre precisaria

103


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 dela. Sempre a quereria. Tão generosa sua mulher. Seu coração estremeceu no peito. — Odamasz engem. Sonhe comigo, —ele sussurrou, seus lábios em sua orelha. — Kutnisz engem teval minden ku että jutasz. Me leve com você onde quer que vá. Já tinha desejo por ela. Por seu sangue. Por seu corpo. Seu pênis tinha desenvolvido vontade própria, já estava cheio, grosso, pronto. Quase dolorido. Ele adorava a sensação de precisar dela fisicamente. Da fome de seu sangue. O sinal de um caçador Cárpato. Quando ele não estava mais em perigo de se tornar um morto-vivo, sempre buscando o prazer de matar. Quando a tentação se foi, substituída pela fome exclusiva por sua companheira. Ele ouviu-a respirar. Suave. Como sua voz. Aquela voz melódica parecia afundar direto em seus ossos, reclamando-o. Ele amava a coragem. Ele realmente amava que compartilhavam a paixão por velhas coisas. Especialmente cavalos de carrossel de madeira esculpida. Havia começado com seu aparecimento no mundo dos humanos. Uma vez que tinha conhecido, nunca abandonou. Ele gostava de viver entre eles. Gostava de muitos deles e tinha formado amizades ímpares, ele fingia sentir usando as emoções humanas em torno dele. E então, quanto mais tempo passou, e ele não pode nem mesmo fazer isso, lembrava através de memórias, suas ou os dos seres humanos ao seu redor. Ele não sentia nada a não ser um vazio onde seu coração e alma deveriam ter estado. Mais uma vez ele pressionou beijinhos no canto da boca, rastreando cada detalhe com a ponta da língua. Provando. Saboreando-a. Ela não se afastou, e ainda levantou a cabeça um pouco para ele. Uma oferta. A sensação que varreu através de seu corpo o sacudiu. A maneira que seu coração estremeceu no peito por aquele pequeno gesto que ela fez o chocou. Ela já tinha tomado posse, rápido assim. Ela o possuía. Tariq. Um caçador Cárpato. Ela o possuía.

104


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ele queria conhecer a criança. Ele gostava de crianças. Ele sempre tinha sido atraído por sua inocência e seu espanto. Lourdes seria sua, tal como era de Charlotte. As quatro crianças que ele tinha resgatado já eram "dele." Ele sabia que todos tinham dons psíquicos, mesmo o jovem Danny, um adolescente, tão corajoso que conscientemente desafiou vampiros em um esforço para manter suas irmãs em segurança. Eles eram dele. Ele esperava que Charlotte os considerasse como dela também. Ele pressionou mais beijos ao longo de seu queixo e, em seguida, a mordiscou. Ela murmurou e abaixou o queixo, a boca movendo-se contra o sua. Sua barriga fez um rolo lento e seu pau empurrou duro. — Tariq. —Ela murmurou o nome dele suavemente. — Você não pode dormir? —Ela não abriu os olhos, mas os lábios acariciaram os seus. — Estou saboreando cada momento com você. Guardando na memória. O início de nós. O início. Eu não quero perder um único segundo com você. Os lábios, contra os seus, se curvaram em um sorriso. Sua língua brincou ao longo da costura dos seus. — Homem tolo. Se é o começo de nós, então temos um longo tempo pela frente para saborear. Vá dormir. A manhã está chegando e Lourdes vai acordar e precisar de mim. Você vai ficar com muito sono e cansado para levantar e encontrá-la. Ela está esgotada também. Ela vai dormir. Ele respondeu mente a mente. Intimamente. A voz dele acariciando as paredes de sua mente. Acariciando. Transmitindo mais do que palavras. Ela sentiria sua fome por ela. Fome de todas as formas. Ele queria isso. Queria compartilhar com ela o quanto sua necessidade era grande. Como era sua paixão por ela. O desejo crescente nele. O desejo pelo sangue dela. Ela tinha que saber quando ela acordasse e o nevoeiro fosse embora, que ele nunca iria seguir em frente ou abandoná-la. Ele queria lhe dar esse conhecimento. Eu pertenço a você. Eu nasci só para você.

105


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ele tomou sua boca, uma mão segurando seu queixo, mantendo-a imóvel para sua invasão. Ele amava o gosto dela e nunca poderia obter o suficiente. Beijou-a uma e outra vez. Então, muitas vezes, e ainda assim não era o suficiente. Quando ele levantou a cabeça, ela colocou uma mão em seu peito, empurrando-o para o lençol de cetim enquanto se levantava sobre dele. Ele sentiu o impacto da cor viva de seus olhos. Seus olhos vagaram sobre seu rosto, e ele teve mais que prazer em vê-la mostrar uma pitada de posse e mais que um pouco de luxúria. — Você precisa de alguém para cuidar de você, Tariq. Essa declaração simples o sacudiu. Ela cuidava de todos. Ela tinha feito isso antes. Com Fridrick na garagem. Ela tentou protegê-lo. Ele não conseguia se lembrar disso acontecer. Ele tinha perdido a maior parte das memórias de sua família. Eles não tinham ficado com ele tempo suficiente para deixar muitas. Foi principalmente a comunidade Cárpata que o criou. Isso consistiu principalmente em treiná-lo. Sua memória mais estimada era a de observar seu pai transformando madeira em coisas bonitas para sua mãe. Ele usava suas mãos, e não sua mente, para fazer as coisas. Embora tivesse sido ridicularizado por alguns de seus pares, Tariq tinha escolhido fazer a mesma coisa. Charlotte beijou sua mandíbula e, em seguida, sua garganta. Ele não estava certo que seu coração poderia aguentar a maneira como ela movia seu corpo sobre o dele. Ela montou nele, pressionando seu núcleo quente na carne dele, marcando-o com o calor escaldante enquanto beijava seu peito. Sua língua lambeu o local onde ele tinha passado a unha, abrindo sua veia para ela. Quer mais, sielamet? Eu pertenço a você. Se você tem fome, eu forneço. Ele não conseguia parar a si mesmo, ele deslizou uma mão entre seus lábios e seu peito, alongando sua unha, para que ele pudesse lhe dar sua própria essência.

106


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 As pequenas gotas brotaram. Tentadoras. Seduzindo-a com seu perfume. Ela tinha que sentir sua fome, estava lá em sua mente quando ele falou com ela. Sua necessidade dela. Sua falta. Ele a desejava, e ele queria que tomasse um gole dele. Tirar o suficiente para uma troca. Ela lambeu as gotas rubi, com os olhos nos dele, e seu corpo reagiu. Ela era a epítome de uma bonita criatura sensual. Ela lambeu novamente e então deliberadamente se apegou a ele com a boca. Sugando. Tentando tirar mais. Durante todo o tempo o olhar dela ficou no dele. Ele conheceu o verdadeiro significado de sexy apenas olhando para ela. Seus quadris se moveram sobre ele, um slide de calor e fogo que ameaçava seu controle, mas quando ele pegou seus quadris para colocá-la sobre o seu pênis, ela se recusou a permitir. Ela repreendeu-o com os seus olhos, e ele imediatamente forçou suas mãos a parar, apenas apoiadas em seus quadris e esperar para ver o que ela queria. Quando ela tinha tomado o suficiente dele para uma segunda troca, ele enfiou a mão entre a boca e seu peito, fechando a laceração enquanto fazia isso. Ela lambeu a linha várias vezes e, em seguida, beijou-o lá. Sua boca caiu sobre seu mamilo, os dentes puxando delicadamente. Ele sentiu o fogo atirar uma flecha direto para seu pênis. Ele estendeu a mão para envolver seu punho em torno de sua espessura. Sua necessidade dela era brutal, mas ele se recusou a tomar o controle. Ele queria ver o que ela faria, o que ela tinha em mente. Seus beijos seguiam o caminho de cada músculo em seu abdômen quando ela deslizou para baixo por seu corpo, passando à direita de onde ele queria que ela chegasse. Em vez disso, ela encravou o corpo entre suas pernas, a boca encontrando seu umbigo e, em seguida, beliscando a pele logo abaixo. A respiração dela deixou seus pulmões acelerados quando estava na cabeça de seu pau. Quente. Úmida. Uma sensação que ele não poderia ter imaginado. Ela o lambeu enquanto ele se segurava firmemente. Lambeu

107


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 as gotas que vazavam lá, lambeu o topo da coroa sensível. Lambeu sob ele, atingindo um ponto que quase arrancou o topo de sua cabeça pelo enorme prazer. — Relaxe, Tariq. Deixe-me cuidar de você para variar. Você está tão tenso. —A advertência contra seu pênis, sua língua e lábios correndo ao longo e ao redor da cabeça grande, aveludada. Um dedo puxou sua mão e ele imediatamente pegou a dica. Ela não queria sua ajuda. Ele soltou e os dedos dela se enroscaram em torno de seu eixo, em direção à base. Ao mesmo tempo, a boca o tragava. Ele quase saiu da cama. Quente. Apertada. Ela o engoliu profundamente, sua língua ondulando em volta dele. Acariciando. Fazendo carinho. Massagem. A outra mão segurou seu saco, suavemente, e em seguida sua língua estava lá. Ela nunca tirou seu olhar do dele. Observá-la aumentava seu prazer. Ele amava o que ela estava fazendo. Ele sabia que era um presente. Ele sentiu, em sua mente, a maneira como ela apreciava lhe dar prazer, cuidar dele, arrancar a tensão dele. Sua boca voltou a trabalhar seu pênis e ele encontrou-se tendo problemas para respirar. Ele tinha estudado sobre sexo. Ele tinha tido séculos para pesquisar o assunto, todas as posições possíveis, maneiras de dar prazer a uma parceira ou ter seu prazer com ela. Ele tinha entrado na mente de homens e mulheres apenas para experimentar a sensação, mas ao longo dos séculos, ele tinha esquecido a memória do sentimento real. Agora ele sabia que era mil vezes mais potente. Suas bolas já estavam apertadas, sua semente fervendo e pronta para entrar em erupção como o mais violento dos vulcões. Ele amava o que ela estava fazendo, mas ele queria estar dentro dela. — Chega, —disse ele suavemente. — Escorregue por meu corpo. Eu quero você agora.

108


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ele observou os olhos quando deu a ordem. A suavidade lá. A maneira como ela relutantemente deslizou sua boca mais uma vez sobre ele, tomando-o profundamente, segurando-o lá enquanto sua língua fazia coisas incríveis para ele, e então deslizou para fora. Ela beijou a cabeça larga e lentamente se arrastou por seu corpo, uma sensual criatura pecadora, desejo e fome tão profundamente nele como nela. Ele pegou seus quadris e levantou-os. — Segure meu pau. Ela obedeceu, assim como ele sabia que faria. Ela gostava de agradálo, e ela o queria nela tanto quanto ele queria estar lá. Lentamente, ela desceu seu corpo sobre o dele, e encheu sua vagina. Ela era tão apertada. Tão quente. Ir devagar foi uma deliciosa tortura, porque seus músculos internos deram lugar relutantemente a sua invasão, fazendo-o sentir como se não pudesse realmente entrar dentro dela. Durante todo o tempo ele olhou seu rosto, necessitando ver sua expressão. O prazer absoluto, a curva de sua boca, a forma como a ponta de sua língua brincava com o lábio inferior. Seus seios balançando, chamando a atenção, e tudo junto com o desejo de um calor lento, ele queria o sangue dela. Ele precisava. — Monte-me lento, Charlotte. Mova-se para cima e para baixo como se estivesse em um cavalo de carrossel. Lentamente. Muito lentamente. Ele pegou um punhado de seu cabelo e puxou-a para baixo na direção dele. Sua boca se estabeleceu em seu peito, mamando duro, dentes e boca deixando marcas. Suas marcas. Ela fez o que ele ordenou, levantando o corpo até a cabeça de seu pau e, em seguida, lentamente começando a descida. Cada vez que ela fez isso, sentiu a deliciosa tortura do aperto, sua bainha de seda estrangulando-o, um atrito incrível. Sua boca vagou de volta até o seio e ele beijou ao longo dessa curva tentadora. Muito deliberadamente, seus olhos segurando os dela, ele deixou seus dentes se alongar e abriu a boca, apenas o suficiente para

109


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 revelar os punhais afiados. Ele mordeu com força e ela gozou, seu corpo instantaneamente apertando o dele, ordenhando-o com tal força não havia como resistir a ela. Ele tomou seu sangue, usando o ritmo da pulsação de seus corpos enquanto ela embalou a cabeça. Mais e mais, os seus orgasmos se enfureceram, recusando-se a para e enquanto ele tomava seu sangue para a segunda troca. Estava quente. Era sexy. Foi o momento mais maravilhoso, perfeito, que ele experimentou. Quando ele finalmente se forçou a parar, ela deixou-se cair sobre ele, seu corpo ainda ondulando em torno dele. Os tremores fortes começaram a diminuir e ele a acalmou com as mãos, acariciando suas costas e seu traseiro firme. Segurando-a em seus braços. Murmurando para ela em seu idioma. Exausta, ela caiu dormindo sobre ele, seu pênis ainda enterrado profundamente, com as pernas abertas em seus quadris, e a cabeça no seu ombro. Adorou aquele momento.

6mn Charlotte abriu os olhos com relutância. A cama estava se movendo o suficiente para torná-la um pouco ansiosa. Esta era a Califórnia e havia tremores. Ela virou a cabeça para encontrar Lourdes empurrando as cobertas para trás e puxando seu braço.

110


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Tiaaa, eu tenho que ir ao banheiro. Charlotte gemeu. Lourdes era muito autossuficiente quando ia ao banheiro. Ela fazia tudo sozinha até a parte da limpeza. Ela precisava de um pouco de ajuda com isso e para lavar as mãos. — Tudo bem, querida. Dê-me um minuto. —Normalmente, não havia um minuto, mas ela precisava se orientar. Antes de mais nada, fez o mais importante. Agarrou Lourdes, jogoua de costas e pressionou beijos por todo o rosto. Lourdes não tinha sequer protestado por acordar em um novo ambiente, um testemunho de quantas vezes elas se mudaram para ficar à frente do perigo. Lourdes colocou os braços em volta do pescoço de Charlotte e beijoua de volta, fazendo ruídos guturais e agindo ameaçadora. — Eu vou comer o seu rosto, tiaaa. Eu sou um monstro de neve. —Ela começou a beijar Charlotte por todo o queixo, olhos e bochechas até que ambas estavam rindo. Lourdes foi a primeira a pular da cama, querendo claramente que sua tia se mexesse. Obrigando-se a sentar, Charlotte gemeu quando seu corpo protestou ao menor movimento. Ela olhou ao redor do quarto. Era grande, com uma grande cama, uma cômoda e um armário em vez de um closet. Pesadas cortinas na janela bloqueavam qualquer luz do dia. Alguém tinha cuidadosamente colocado em uma luz noturna para Lourdes e não tinha sido ela. Ela não tinha pensado em nada, só em dormir … Seus olhos se arregalaram e ela afastou as cobertas e olhou para si mesma. Felizmente ela estava totalmente vestida. Bem, não eram suas roupas, mas ela estava vestida com uma longa camisola Vitoriana branca. Era bonita e parecia costurada a mão. Graças a Deus, seu sonho foi apenas isso, um sonho. Ela nunca tinha tido um sonho tão detalhado. Ou sexual. Ou gráfico. — Tiaaa, —Lourdes insistiu. — Pressa.

111


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Isso significava que elas tinham que se mexer. Charlotte não sabia onde era o banheiro, mas estava certa que Lourdes não teria sido colocada em um quarto se não estivesse perto de um banheiro. Ela levantou-se e sentiu dor em músculos que não sabia que existiam. Muita dor. Real. Em cada passo que dava havia um estiramento e queimava por dentro, ao longo de suas coxas. Seus seios estavam um pouco doloridos. Charlotte abriu a porta, pegou a mão de Lourdes e caminhou pelo corredor para o quarto mais próximo. Abrindo a porta, ficou aliviada ao descobrir um banheiro de bom tamanho com torneiras de ouro e uma banheira profunda. Lourdes correu pelo chão de azulejos até o vaso sanitário enquanto Charlie forçava cada pé para a frente, como uma mulher vai para a forca, até que ela ficou na frente do ornamentado espelho de corpo inteiro e olhou para si mesma. Para seu horror absoluto, haviam três grandes morangos, um de cada lado do pescoço e um na base de sua garganta. Ela fechou os olhos brevemente em um gemido de desespero. Ela parecia uma adolescente. Tinha círculos sob os olhos, mas sua pele estava brilhando. Seu cabelo, sempre grosso, parecia brilhante e, mesmo para ela, bonito, com ondas que caíam pelas costas. Ela estava ciente de cheiros. O perfume de rosas permeava o ar, e ela afastou-se do espelho para encontrar a fonte. Na longa pia havia um prato com pétalas e o cheiro vinha de lá. O prato era pintado mão e parecia uma antiguidade. Voltou-se para o espelho, olhou para Lourdes, que não lhe prestava qualquer atenção, e abaixou o decote de sua camisola até a elevação de seus seios. Claro, ela tinha marcas lá também. Havia até mesmo a sugestão de marcas de dentes junto com manchas de dedo e mais morangos. Ela cobriu o rosto, sentindo cor varrer seu pescoço para encher o rosto de vergonha pura. — Preciso de ajuda, tiaaa.

112


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ela respirou fundo e foi até sua sobrinha para ajudá-la. Lourdes tagarelou todo caminho de volta para o quarto dela e ficou feliz quando viu que suas roupas estavam todas ali, na cômoda, e como no armário. Havia roupas para Charlotte no armário também, e isso não a faria feliz a menos que Grace tivesse embalado algumas coisas para ela, mas as roupas não se pareciam com nada do que ela possuía. Também caras. Pareciam com suas coisas, mas não eram marcas que ela já tivesse usado. Ela apertou sua mão nos lábios trêmulos. Ela estava com a cabeça rodando. Homens como Tariq Asenguard tinham mulheres caindo a seus pés. Ele era bonito, misterioso, rico, sofisticado. Homens como ele não olhavam para garotas como ela. Ela não tinha nada para oferecer. Ela tinha tido sexo selvagem com ele. Ela lembrou a maneira como ele a fazia se sentir. Só pensar nisso enviou um espasmo através até seu núcleo. Pensar nele a deixava úmida. Carente. Charlotte respirou fundo. Ela não podia desfazer o que tinha acontecido. Aconteceu. Sua mão foi para a curva de seu peito, onde ela sentia dores. Onde a marca estava. Ela tinha que obter o controle e chegar a um plano. Pelo menos elas estavam todas seguras no momento. Ela não entendia por que seu olfato estava tão agudo, mas encontrou-se propositadamente tentando sentir o perfume de outras mulheres que poderiam ter vindo antes dela. Ela estava certa de que era apenas uma das muitas e ele provavelmente não iria nem mesmo lembrar o nome dela. — Tiaaa, eu estou com fome. —Lourdes puxou a camisola rendada. — Aposto que está, querida, —disse Charlotte. — Vamos encontrar a cozinha e pegar algo para você comer. —Ela não estava indo colocar qualquer uma dessas roupas até que ela tomasse um banho e aliviasse a dor entre suas pernas. Genevieve já estava na cozinha bebendo uma xícara de café. Ela estava linda. Serena. Como Genevieve era. Ela olhou para cima da

113


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 brilhante revista que estava lendo quando Charlotte entrou com Lourdes. Seu sorriso congelou quando seu olhar parou no pescoço de Charlotte. — Oh Meu Deus. —Saltando, ela contornou a mesa para varrer o cabelo de Charlotte. — Você é uma piranha. Você tem um colar em torno de seu pescoço. Garota, você transou com Tariq Asenguard, não é? O mais cobiçado celibatário da cidade. — Você não tem ideia, —Charlotte sussurrou, tentando motivar Genevieve a fazer o mesmo. Ela revirou seus olhos em direção a Lourdes e vaiou sua resposta em um tom muito baixo. — Eu fui totalmente piranha. Eu não podia parar. Ele é, fora dos gráficos, e eu não estou exagerando. — O aroma do café, geralmente algo que amava, a deixou um pouco enjoada. Ela apertou a mão no estômago para tranquilizar sua agitação. — O que é uma piranha? —Perguntou Lourdes, prestando claramente muita atenção. — Sua tia, —respondeu Genevieve. — Sua foto está ao lado da palavra no dicionário. — Vi! Pare. Lourdes, não é uma palavra bonita e não deveria ter sido usada. Estamos brincando, mas não é apropriado. —Charlotte fez uma careta para sua melhor amiga, arregalando os olhos para sinalizar que ela precisava se comportar. — Conte-me tudo, ou essa criança vai aprender muito, —Genevieve advertiu, puxando uma panela de onde estava pendurada sobre o corredor central. — Pegue o bacon e ovos na geladeira. Charlotte o fez, franzindo o nariz com o cheiro do bacon. Ela nunca tinha percebido que era tão forte, mesmo cru. — Eu não sei como aconteceu, Vi. Sério. Num momento eu entrei pela porta e no seguinte eu o estava beijando.

114


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Genevieve articulou a palavra piranha. Charlotte assentiu. — Com ele, totalmente. Eu mal posso andar esta manhã e estava esperando que você ficasse com Lourdes enquanto eu tomo um banho. —Mais do que qualquer coisa ela precisava inspecionar o resto do seu corpo procurando suas marcas. — Você mal consegue andar? —Genevieve ecoou. — Eu estou tão ciumenta. —Ela habilmente quebrou os ovos e chicoteou a mistura enquanto falava. O sorriso desapareceu de seu rosto enquanto realmente olhava Charlotte. — Brincadeiras à parte, você está bem? Charlotte tocou a ponta da língua no lábio inferior. Ela ainda podia senti-lo lá, prová-lo em sua boca. O bacon e café estavam fazendo-a sentirse seriamente doente. Se ela não escapasse em breve, iria realmente vomitar. Ela ficou imóvel. — Oh Meu Deus. Genevieve. —Ela bateu a palma da mão sobre a boca, como se isso pudesse manter os pensamentos na baía. Seus olhos se arregalaram em choque e ela sabia que estava mal. Ela deu um passo mais perto da amiga e baixou a voz ainda mais. — Eu tive relações sexuais desprotegida. O que está errado comigo? — O que está errado com ele? —Genevieve combateu. — Garota enfrente, você sempre esteve muito ocupada para homens e namoro, e a primeira vez que você decide fazer tinha que ser louco selvagem. Mas ele sabe mais. — Eu sei mais. —Charlotte se recusou a transferir a responsabilidade. — Eu não estava pensando. E esse bacon vai me fazer vomitar. Eu não estou brincando. Você vai olhar Lourdes apenas até que eu possa me arrumar? — Claro. Sem problemas. Vamos tomar café da manhã e, em seguida, explorar. — Mantenha-a longe do lago.

115


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Vou fazer. E Charlie, ninguém fica grávida na primeira vez. Charlotte desejava que fosse a verdade. Ela apertou a mão arfando, o estômago protestando novamente e começou a recuar para fora da sala. — Espere querida, eu fiz café e é um bom café, de descida suave. O melhor. Deixe-me te dar um copo. Charlotte balançou a cabeça virou-se e fugiu antes que vomitasse em todo chão. O que estava errado com ela que não tinha mostrado nada de bom senso ou disciplina? Ela praticamente se jogou para o homem desde o primeiro momento em que ele a tocou. Com certeza, ele sabia o que estava fazendo. Ninguém chegava a esse nível de habilidade, sem muita experiência, mas ainda assim, ela tinha suas regras. Ela não era um tipo de mulher de uma noite. Ela trancou a porta do banheiro e ligou as torneiras douradas. No pequeno, branco e antigo armário ela encontrou sais de banho e despejouos livremente na água quente. Que tipo de celibatário tinha sais de banho perfumados em seu banheiro de hóspedes? Aquele que recebia o tempo todo, isso era certo. Ela estava grata da fragrância não piorar a agitação em seu estômago; na verdade, ele parecia fazê-la um pouco melhor. Esperando a banheira encher, ela tirou a longa camisola e caminhou lentamente até o espelho para olhar seu corpo. Ela parecia diferente. Não apenas um pouco diferente, mas muito diferente. Seu corpo ainda era o mesmo. Tinha marcas e manchas sobre ela. Pequenas e grandes mordidas. Um arrepio passou por ela enquanto se lembrava de como cada uma dessas marcas tinham sido colocadas de modo deliberado. Ela adorou na noite passada. A noite toda. Ela queria que ele a marcasse. Ela tocou uma ao longo de sua coxa, e imediatamente sua vagina apertou de necessidade. Por ele. Tariq. Charlotte segurou seu seio, seu polegar deslizou sobre o mamilo, e imediatamente ela teve uma visão da boca sobre seu montículo suave. Em

116


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 seguida, as carícias de seus dedos, o calor de sua boca, a mordida erótica de seus dentes. Ela tocou o ponto exato onde os dentes rasparam e logo, o envio de um raio direto para o seu clitóris. A impressão era tão real que ficou úmida e seu corpo se sentiu vazio e necessitado de novo. Ela queria seu amante. Seu homem. Ela queria que ele pertencesse a ela exclusivamente. Homens como Tariq Asenguard se comprometiam com uma mulher quando tinham vários clubes e milhares de mulheres para escolher? Era altamente improvável. Ela tocou o morango escuro em seu seio. Duas pequenas feridas de dentes estavam lá, e mais uma vez as sensações a inundaram. Uma mordida de dor ressoou profundamente dentro dela. Ela engasgou quando sentiu a queimadura. A necessidade se transformando em uma tortura contínua. Ela nunca seria livre de sua fome por ele. A fragrância do sal de banho ajudou a acalmá-la quando queria chorar. Ela nunca seria a mesma, mas ainda queria ser? Será que ela desejava não tê-lo conhecido, passado uma longa, bonita, perfeita noite com ele? Afundando na água fumegante, ela tinha que admitir não teria trocado a experiência por nada. Nunca. Sempre. Ela sentiu-se amada e protegida. Segura com ele. Ela tinha confiado nele com seu corpo. Não apenas com seu corpo, ela percebeu, mas com a alma e talvez até mesmo seu coração. Era impossível se apaixonar por um homem que ela mal conhecia, mas por ter compartilhado tal intimidade sentiu-se ligada a ele de uma forma que nunca tinha se ligado a outro ser humano. A água acalmou seu corpo e ela fechou os olhos para saborear a sensação. Ela estava muito dolorida, mas cada movimento era um delicioso lembrete de sua posse. Ela puxou as pernas para cima e descansou a cabeça contra o topo de seus joelhos. Ela ainda estava cansada, quase em uma névoa, mas ela não podia se

117


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 permitir abusar de Genevieve e deixá-la tomar conta no primeiro dia de Lourdes no complexo Asenguard. Ela só precisava de uns minutos para se controlar. O que ela ia fazer? Ela dormiu com o patrão. Essencialmente, se ela aceitasse o trabalho de restauração de seus carrosséis, e ela queria muito o trabalho, muito, esse era o emprego de seus sonhos, ela não podia cometer o erro de dormir com o chefe. Claro que ela não tinha realmente aceitado o trabalho ainda. Mas aceitaria se já não tivesse estragado tudo. E se ele tivesse os cavalos de madeira que Ricard Beaudet lhe mostrara nas fotografias, ela tinha que aceitar o trabalho. Ricard ficou animado, acreditando que fossem alguns dos cavalos de carrossel mais antigos que existiam. Quando um colecionador nos Estados Unidos tinha conseguido tais tesouros, Ricard não sabia, mas tinha quase certeza de que eles eram autênticos. Se fossem, Charlotte queria ser a única a restaurar o seu esplendor ao mundo, mas ... seu chefe. Ela tinha se jogado em Tariq, e ainda o queria ... desesperadamente. — Quase desesperadamente, —corrigiu-se, não acreditando, sussurrando contra seus joelhos. Ele tinha beijado os joelhos. Ela acordara mais duas vezes, com ele adorando seu corpo. Não havia outra palavra para isso. Ele a tinha adorado. Lentamente. Fazendo-a derreter. Isso tinha sido tão bom quanto o selvagem, e tinha sido um monte de selvagem. Seu corpo estremeceu, lembrando-se do prazer que a boca e as mãos lhe deram, a forma como seu corpo esticou o dela, enchendo-a completamente, lançando-a para um mundo de puro sentimento, uma e outra vez. Os beijos. Ele a beijou como se fosse um homem faminto, faminto por ela. Então amou-a. Ele a tinha feito sentir como se fosse a única mulher na terra. A única mulher para ele. Ele poderia fazer isso e afastar-se dela na noite seguinte? Ela precisava saber. Ela tinha que acreditar que não era apenas um caso de uma noite para ele. Se ele pudesse agir assim, fazê-la se tornar algo

118


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 que nunca tinha imaginado, uma criatura puramente sexual, quando ela sabia que não era, então ele era o maior ator na face da terra. Charlotte suspirou. Ela não podia se esconder para sempre na banheira. A água estava maravilhosa em seu cansado corpo dolorido, e o nevoeiro estava começando a sumir. Ela olhou pela janela, que estava coberta com uma renda vitoriana transparente e admirou o lago. Arbustos estavam em toda parte, muito bem cuidados, mas um pouco selvagens. Tudo parecia ser um pouco selvagem na propriedade. Ela observou isso, mesmo quando tinha entrado tão tarde e estava escuro. Isso deveria ter lhe avisado. Sielamet, você está duvidando de mim? Você está arrependida de se dar para mim na noite passada? A noite toda? Você jurou que era minha. Eu acreditei em você e acordei feliz. Você não? Sua voz passeou em sua mente. Suave. Íntima. Atraente. Havia uma nota de mágoa? O coração dela apertou no peito com tanta força que ela apertou seu punho contra o peito. Ela nunca iria machucá-lo, nunca. Por nada. Acordei confusa e com um pouco de medo. Ela tentou pensar as palavras em sua mente. Tentou projetá-las a ele. Imediatamente sentiu a conexão entre eles crescer, como se tivesse aproveitando sua energia armazenada— ou sua mente era tão poderosa. Assustada? Com Fridrick? Os homens perseguindo você? Eles não podem chegar até aqui. As salvaguardas estão no lugar. As crianças que vivem aqui, bem como Emeline precisam ser vigiadas dia e noite. Eles escolheram ficar aqui, porque podemos protegê-los. Suas amigas—Grace, Genevieve—e você, bem como a pequena Lourdes são bem-vindas à mesma proteção, embora tenham me dito que Grace recusou. Charlotte não sabia. Ela não tinha verificado seu telefone e Grace devia ter mandado uma mensagem a respeito do porque que não queria

119


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 ficar. Ela não tinha família e tendia a ficar com Charlotte e Genevieve. Ela era mais jovem do que elas e tinha pego o trabalho de babá de Lourdes desde que o irmão de Charlotte tinha perdido sua esposa. Ela só tinha dezenove anos de idade. Charlotte podia facilmente saber que ela tinha medo dos que as perseguiam. Era verdade, mas não a razão por ela ter acordado com medo. Ela detestava mentir para ele. Duas vezes ela tentou deixá-lo acreditar que estava preocupada com a segurança, mas as palavras simplesmente não vinham. Eu não quero ser um caso de uma noite. Ela não tinha ideia de como falar telepaticamente com Tariq, mas parecia fácil. Certo. Eu nunca fiz nada parecido na minha vida e não quero que você pense ... Você acha que eu não sei disso? Eu estava com você na noite passada. Na sua mente. No fundo do seu corpo. Eu sei que você pertence somente a mim como eu pertenço somente a você. Os olhos dela se arregalaram com o choque. O que ele estava dizendo? Ele não podia estar sussurrando tão intimamente, o que sua mente tinha a impressão que ele estava dizendo. Ela umedeceu os lábios com a ponta da língua, seu coração batendo rápido era impossível já que ele era tão confiante, tão claramente experiente. Ela tinha visto fotos dele nos jornais, em revistas. Ele aparecia nas páginas da sociedade dos jornais. Ela estava interpretando mal o que ele estava dizendo. Não, é só você. Nunca houve outra, nem haverá. Somente você. Sua voz envolveu-a como um presente, macia e quente, abraçando-a intimamente. Ela sentiu sua mente na dela. Tão gentil. Queria acreditar que era a única, que o que ele dizia significava algo. Ela realmente não era uma mulher que poderia ficar com um homem e sair incólume. Ela conhecia a si mesma, desde a escola. Quando todos os seus amigos estavam desfrutando de um ou outro relacionamento, ela sentia aversão a

120


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 deixar os homens a tocarem. Ela achou que fosse uma questão de confiança, mas atirou-se em Tariq e não tinha sido cuidadosa. Ou inteligente. Ela tinha ido contra o seu próprio código. Eu não estou no controle da natalidade, Tariq. Eu juro que não estava tentando engravidar e prendê-lo. Eu só não lembrei disso, mas isso não é desculpa. Quero que você saiba, se algo acontecer, eu não vou te responsabilizar. É claro que sou responsável; seria o meu filho também. Não se preocupe tanto sobre isso. Eu saberia se você pudesse engravidar. O que isso significa? Como você poderia saber algo assim? Está ficando frio. Saia da banheira e se enxugue. Eu quero lhe mostrar os cavalos do carrossel que você vai trabalhar se aceitar o trabalho. Ela percebeu que estava ficando frio, tanto que ela estava tremendo e a água estava desconfortável. Ela podia sentir suas emoções, e sabia que ele podia sentir as dela, mas não podia senti-lo fisicamente, como ele poderia senti-la? Uma mão se estendeu por ela, e ela teve que abafar um pequeno grito quando Tariq alcançou a água fria rapidamente e puxou a tampa do ralo. — Eu estou nua, —ela anunciou, em uma acusação escandalizada. Ela sentiu falta de ar, e não estava chocada o quanto deveria ficar, nem deveria ter ficado tão feliz em vê-lo. Ela cobriu os seios com as mãos e se virou para olhar para ele por cima do ombro. Esse foi um grande erro. Ela mal era capaz de falar sobre o que queria quando ele estava longe dela e tinha tido pouco tempo para pensar sobre como agiu, mas no momento em que o viu, no momento em que o perfume dele encheu seus pulmões, a fome, afiada e terrível, tornou-se uma necessidade brutal. Seu sexo se apertou. Quente. O sangue em suas veias corria em uma onda de calor. Os seios dela estavam inchados e doloridos, a necessidade de sua boca, seu toque, batendo tão rápido e duro que lágrimas nadaram

121


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 em seus olhos. — O que você me fez? —Ela murmurou, ofuscada por sua falta de controle e a fome desconhecida para ela. Sua fome ou dele? Ela não podia dizer, ela estava sob seu feitiço. Ela podia ouvir seu coração sussurrar. O som estava em sua cabeça. Trovejando em seus ouvidos. Seu coração seguia o constante e ritmado batimento, e, em seguida, para seu horror, o pulsar começou forte e insistente entre suas pernas. Ela queria colocar a mão lá. Pressionar os dedos profundo para sentir a batida. Para amenizar a necessidade que ameaçava dominá-la. — O que você fez para mim? —Ela sussurrou novamente. Ele agachou-se ao lado da banheira, seus dedos sob o queixo dela, levantando seu rosto para ele. A ponta de seu polegar deslizou sobre sua pele, traçando sua mandíbula e enviando arrepios por sua espinha com cada deslizar. — O que é, sielamet? Diga-me porque você tem lágrimas em seus olhos e eu sinto sua angústia batendo em mim. Ele a puxou para fora da água, levantando-a sobre a borda da banheira de modo que ela estava de pé, nua e pingando entre seus braços. Ele parecia não ligar que ela estivesse contra o seu imaculado terno que tinha que ter custado milhares de dólares. Antes que ela pudesse se mover ou protestar, ele levantou os braços e os envolveu em torno de sua cintura, pressionando a cabeça contra seu peito e ao mesmo tempo, sua orelha direita sobre o coração. No momento em que os braços se fecharam, ela se sentia segura e protegida. Ela sentiu segura e uma parte dele. Ela fechou os olhos sobre o calor das lágrimas e deixou-o fazê-la se sentir segura o que não tinha pelo que parecia ser um tempo muito longo. — Eu sei, que para você, isso aconteceu rápido entre nós, Charlotte, —disse ele, sua mão se movendo por seu cabelo, os dedos deslizando

122


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 através da seda molhada, espalhando os fios e os penteando assim. — Isso não torna menos real. Era muito real. Muito bom para ser verdade. — Alguma vez você já se sentiu assim com qualquer outra pessoa? Porque eu não, Charlotte. Só você. No momento em que te vi, eu senti diferente. Eu vi o mundo de forma diferente. Tenho procurado por você, esperando que você estivesse lá fora em algum lugar, mas não acreditando que eu fosse encontrá-la. Você é a razão de eu possuir os clubes. Ela inclinou a cabeça para olhar para ele. Sentia-se sólida e muito quente. Estranhamente, ela estava quente, já não coberta de gotas de água. Mesmo o tremor tinha parado. Ele era mágico. O que ele a fazia sentir era mágico. — Beije-me outra vez, Tariq. Eu quero saber se sonhei com você me beijando ou se era real. Ele não hesitou. Ele inclinou a cabeça para a dela, seus lábios roçando os dela em um leve acariciar, mas ela sentiu o toque até os dedos dos pés. Seu coração apertou e, em seguida, seu sexo o fez. Seus punhos agarraram seu paletó perfeito. O segurou mais apertado, mais perto. Tentou tornar-se parte dele. Tão perto. Sua boca se moveu de novo sobre a dela. Suave. Persuadindo. Não como seus beijos possessivos da noite anterior, mas, mesmo assim, ele a possuía com eles. Apenas com a boca, sem o resto do corpo, ou o que ou quem ele era, o que era mais aterrorizante do que qualquer coisa que ela conhecesse, que o perigo de Fridrick e dos três homens a perseguindo. Essa era uma ameaça para seu coração. Para sua alma. Se ela o perdesse, se ele não fosse real, ela nunca superaria. Nunca. Ela sabia disso. Ela também sabia que já era tarde demais. — O que você fez para mim? —Ela perguntou uma terceira vez. Ele tinha roubado uma parte dela, e conseguiu se enrolar em torno de seu

123


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 coração e roubar sua alma até que ela não pôde dizer qual parte ainda era dela e qual agora pertencia a ele. Seu beijo persuasivo passou de suave a calor puro no espaço de um batimento cardíaco. Sua boca se abriu automaticamente sob a dele quando a língua corria ao longo de seus lábios exigindo entrar. Ela abriu para ele instantaneamente, assim como tinha dado a ele todo o resto. Imediatamente. Sem pensar. Não havia pensamento quando estava se derretendo nele. Suas mãos deslizavam pelas costas, parando na curva de sua parte inferior e indo mais baixo até que ele segurou sua bunda nua e trouxe-a na ponta dos pés para que seu montículo ficasse firmemente pressionado contra a protuberância dura grossa coberta pela calça. Seu beijo virou fogo puro caindo em sua garganta como lava, derretendo seu interior, envolvendo seu coração ... ele. Ela sabia que estava dando-se a ele e ele estava reclamando-a. Seu beijo disse isso. Era duro, possessivo e até mesmo exigente. Ela lhe deu ... tudo. Tudo o que era e sempre seria. Tudo o que ele exigiu e ainda mais. Ele levantou a cabeça, seus olhos escuros de desejo. Com paixão. Luxúria estava gravada nas linhas esculpidas, mas não havia gentileza lá e virou seu coração como nada mais poderia ter. — Você me pergunta o que eu fiz para você, e pergunto-lhe o que você fez para mim. Eu não consigo pensar em nada, só em você. Ela gostava disso. Não, ela adorava ouvir isso. Sua voz era uma teia de seda suave em que ela estava presa. Ele a envolveu com voz de seda e veludo, os braços fortes e seu corpo duro. Ele era segurança. Calor. Paraíso. Ele poderia dar-lhe tudo. Ela sabia apenas por beijá-lo. Seu corpo lembrou dele e o pediu. Ela tinha um gosto na boca, um afrodisíaco que dava uma fome que ela não entendia. Ele beijou o seu caminho até a garganta e sobre seu seio. Ela sentiu sua respiração naquele local, sobre a marca que ele deixou sobre ela. Seu

124


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 sexo se apertou novamente, uma necessidade tão profunda que ela mal podia respirar de desejo por ele. Suas mãos deslizaram ao redor de seu pescoço, puxando-o mais perto, enquanto a própria respiração engatou em sua garganta. O cabelo dele era grosso, suave, seus dedos o vasculharam, cerrou os punhos e balançou a cabeça, enquanto ele a mordia e a dor corria através dela como um chicote de seda, atingindo todas as terminações nervosas, enviando-a a um mundo de puro sentimento. Seus cílios caíam e ela o prendeu enquanto a boca se fixava naquele local, a língua movendo-se suavemente enquanto ele sugava. Sua língua deslizou sobre o pulso latejante enquanto beijava o caminho até seu peito nu, deixando-a dolorida, exigindo a carne profundamente em sua boca, pressionando, sacudindo, destruindo-a. Seu corpo fragmentado, se desfez, e ela só pode se agarrar a ele quando o orgasmo tomou-a com força. As mãos puxaram-lhe as pernas para que ela as envolvesse em torno dele, prendendo seus tornozelos no fim de suas costas. Ela tinha a sensação de flutuar. Quando ela estava com ele, não conseguia se orientar, e quando tentou levantar os cílios, não funcionou. Ela lutou por um momento para ser forte, para, pelo menos, ver para onde estavam indo. Ele não podia levá-la pelo corredor absolutamente nua. E se ele a levasse de volta ao quarto e Lourdes viesse ... — Olhe-me, sielamet. —Tariq sussurrou as palavras em seu ouvido, enquanto seu corpo duro entrava no dela. As mãos nos quadris a colocaram sobre ele, e ela o recebeu, seus músculos tensos relutantemente dando caminho a sua invasão. O ar abandonou seus pulmões em uma onda de choque. Ele era grande, empurrando através dobras macias, um intruso de aço que se arrastava ao longo do feixe de nervos e deixava seu corpo em chamas. Charlotte levantou os cílios instantaneamente, como se a seu comando, seu corpo de repente respondeu quando tudo o que realmente queria fazer

125


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 era sentir. Seus olhos brilharam. Tanto calor. Tanta paixão. Ela iria queimar para sempre em sua paixão, e ainda assim a eternidade não seria tempo suficiente. Seu olhar passou dele para o quarto familiar. Era o quarto, em que ela tinha estado com ele antes. Ela o reconheceu, embora houvesse mais arandelas iluminadas, permitindo-lhe ver mais detalhes. — Olhe-me, sielamet, —insistiu. Mais uma vez, seu olhar saltou para o seu rosto quando ele plantou um joelho na cama, facilmente baixando-a com um braço, provando sua força. Ele estava nu como ela, seu terno desaparecido e seu corpo duro e poderoso, todo músculos e pau. Ele não parou de se mover e cada impulso brutal sacudia seu corpo, deixando seus seios balançando e raios irradiando de seu próprio núcleo para todas as células nervosas de seu corpo, inflamando-as. Sua boca se moveu sobre o peito dele, enquanto as unhas marcavam as costas quando ele empurrava mais e a tensão selvagem crescia mais e mais. Ela precisava ... tanto. O gosto na boca se recusou a sair, fazendo-a ansiar por ele, como um terrível vício. Ela se aninhou nos músculos pesados, lambeu o local onde tinha deixado sua marca. As mãos a apertaram e ele gemeu baixinho. Ela teve a súbita vontade de mordê-lo, deixar sua marca sobre ele da forma como ele tinha feito. Antes que ela pudesse, a mão de repente estava em seu cabelo, empurrando a cabeça para trás, e seu olhar ardendo no dela. — Você sente isso? O que temos? —Ele não parava de se mover, empurrando duro, enterrando seu pênis mais e mais profundamente, como se quisesse ficar dentro dela durante todo o tempo. — Charlotte, sielamet, você tem que sentir isso. Você tem que saber que isso é real entre nós. O início de nós. Ela respirou. Não podia olhar para longe de seus olhos, tão escuros de

126


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 desejo e paixão. Um desejo cru e possessivo, mas muito mais. Quanto mais o olhava, mais sumia o pouco ar que ela tinha conseguido atrair. Ele olhava como se ela fosse a única mulher no mundo. Ninguém nunca tinha olhado para ela dessa maneira e a coisa era que ela acreditava nele. Era incrivelmente ingênuo e tolo acreditar em um sofisticado homem, muito rico, lindo e que era fotografado com inúmeras mulheres sobre seu braço, mas ela o fez. — Charlotte. —Ele puxou seu cabelo, um lembrete para lhe responder. Durante todo o tempo seu pênis bateu duro, sacudindo-a, enviando fogo e construindo um vulcão dentro dela tão grande que ela pensou que poderia implodir. — Você sente isso? — Sim. —Ela sussurrou a palavra, ela precisava escutar. — Sim, o quê? — Sim, eu sinto isso, —admitiu ela suavemente, porque era a verdade nua. — O início de você e de mim. Satisfação se gravou no rosto bonito, e suavizou o fogo em seus olhos. Ela não podia inclinar-se para beijá-lo, porque ele ainda tinha um punhado de seu cabelo. A picada afiada em seu couro cabeludo a deixou um pouco louca por ele. — Você é tão lindo. —Ela deu-lhe isso porque tinha que fazer. Ela tinha que lhe dizer. Não era apenas a sua aparência física, e sinceramente, nem por ser dotado muito além do normal, era o que ela encontrou em sua mente. Ele tinha uma veia protetora de um quilômetro de largura. Talvez mais. As crianças em sua propriedade, o velho casal, Emeline, mesmo seu parceiro e a esposa, todos eram família para ele. Ele tinha adicionado Genevieve e Lourdes a lista crescente, e especialmente a ela. Ela era sua prioridade número um, mas ele nunca iria deixar os outros abandonados.

127


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ela não podia ver além disso, mas essa característica, essa lealdade inabalável e instinto de proteção a atraía como nada mais podia. Então ela não podia pensar, não podia falar. Ele mudou o ângulo de seus quadris e a fricção foi requintada. Perfeito. — Comigo, —ele ordenou suavemente. Ela fez exatamente o que ele exigiu e não estava certa de que tinha algo a ver com a decisão. Era sua voz. O acúmulo de tensão foi insuportável. Querendo lhe agradar. Querendo que ele lhe desse muito prazer. Ao som do seu baixo comando, seu corpo se desfez, levando o dele. A queima foi intensa e inflexível. Ela gemeu seu nome quando o fogo varreu através dela, o olhar dela preso no seu. Ela viu e sentiu o prazer varrendo-o, pura felicidade, jogando os dois em um lugar que derivou em conjunto, uma espécie de paraíso que ela encontrou em seus olhos. Eles permaneceram juntos por algum tempo até que a realidade começou a invadir. Ela ouviu o som do riso de uma criança. A pequena Lourdes. Charlotte amava sua risada. O murmúrio da voz de Genevieve, macia, provocando, implorando-lhe para terminar de comer ou ela faria a criança lavar os pratos. Mais risos. Lourdes não vê-la. Mas ouvi-las significava que estavam perto da cozinha, e ela estava completamente nua. Mais, ela tinha tido sexo desprotegido novamente. — Não. —Era uma ordem. O punho apertado em seu cabelo. — Eu disse a você, você não vai engravidar. Eu estou limpo, e obviamente você também. Estamos juntos. Um novo começo. Eu não vou a lugar nenhum, então vamos desfrutar o que temos quando conseguirmos tê-lo. Lourdes já está perguntando por você, apesar de sua amiga estar tentando distraí-la. — Ah não. Eu tenho que me levantar. —Ela empurrou seu peito para movê-lo, mas era como tentar mover uma árvore. Ele não se moveu. Ela tentou desviar o olhar, mas ele balançou a cabeça.

128


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Você está fazendo de novo, tentando colocar distância entre nós para que possa pensar no que aconteceu. Não dessa vez. Estamos juntos. Nós. Estamos. Juntos. Você percebe que tem que superar o pânico cada vez que eu te tocar assim. — Eu sei. Eu faço. É só que eu não penso quando você está por perto. Meu cérebro não funciona. Eu senti que você me carregou, mas nós andamos pela casa comigo nua. Qualquer um poderia ter-nos visto. Lourdes poderia ter … — Eu não compartilho. Não. Nunca. Estamos no piso superior e ninguém me viu trazê-la. Eu sempre vou te proteger, Charlotte. De todas as formas. Eu tenho roupas aqui que você pode usar, mas primeiro eu preciso da verdade sobre o quão dolorida você está. Ela corou com isso. Claro que ela estava doída. Ele ainda estava dentro dela, estirando-a, embora ele estivesse apenas meio duro, mas seria embaraçoso dizer isso a ele. — Não embaraçoso. Fale comigo. Eu não quero tirar de você o que você não está disposta a me dar, mas em matéria de segurança e saúde, eu não tenho escolha. Ela não entendia, mas ele estava certo. Se o relacionamento entre eles fosse continuar, ela tinha que ser capaz de falar com ele sobre todos os assuntos, especialmente sexo. — Estou dolorida. Muito. Mas eu gosto de saber por quê. —Isso era verdade e ainda um pouco embaraçoso, mas ela conseguiu manter o seu olhar no dele. — Eu posso melhorar isso. Relutantemente, ele abriu o punho e deixou seu cabelo cair solto pelas costas. Ela não lembrava dele segurando-o, mas, ela não se lembrava dele levando-a até o terceiro andar. Ela tinha estado tão longe. Ele deslizou para fora dela e, em seguida, pressionou a palma da mão em seu monte. Por um momento houve um calor intenso. Ela jurava que sentia ele se movendo

129


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 nela. Não. Ele estava bem ali, sólido e real, mas quando olhou para os olhos, ele parecia ter se "retirado". E então ela piscou e ele estava de volta. — Ainda muito dolorida? Ela não estava. — Oh Meu Deus. Você tem o dom da cura. Não somente você é telepático, mas você na verdade, pode curar. — Um pouco, —admitiu. — Eu tenho um par de dons. Eu não sou tão bom em cura como um par de outros que conheço, mas ajudo. —Ele se afastou e se levantou, puxando-a com ele. — O banheiro é naquela porta se você deseja se limpar, e eu coloco roupa ali na cadeira para você. Você pode se vestir-se aqui. — De onde é que essas roupas vêm, Tariq? Porque eu não as comprei. —Ela tocou o sutiã listrado azul royal e a calcinha de renda correspondente. Ela nunca poderia pagar qualquer coisa como a lingerie que ele deu a ela. Os jeans eram suaves e se encaixaram como uma luva quando ela puxou-os sobre os quadris. A fina camiseta era um pouco mais apertada do que ela estava acostumada a usar, e enfatizava suas curvas enquanto chamava a atenção para sua caixa torácica estreita e a cintura pequena. Ela não queria salientar que, embora bonita, a camiseta era justa de uma maneira que estava certa que chamaria a atenção para os quadris e o bumbum. — Uma amiga é dona de uma boutique. Liguei para ela com os seus tamanhos noite passada. Estava preocupado com você voltando à sua casa, a fim de pegar mais roupas então pedi para entregar algumas no seu tamanho, no de Genevieve e no de Lourdes. Dessa forma, seus três perseguidores, bem como Fridrick não terão chance com vocês aqui. Eles não vão pensar em procurar você aqui. E você não entrando e saindo, muitas vezes, minimiza o perigo para todos os outros. Ela não tinha pensado nisso, trazer perigo para os outros que viviam lá. Ela não gostava muito dessa real possibilidade nem gostava de não ter

130


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 pensado nisso ela mesma. Ela realmente sentiu a cor sumir de seu rosto. — Talvez eu deva … — Não diga isso, —ele repreendeu, deslizando seu braço em volta da cintura dela. — Fridrick e Vadim estão atrás das crianças e Emeline. Por estar aqui, você não aumentou o perigo. E não, eu não estou lendo sua mente, mas sua expressão é transparente. Você não vai pagar as roupas, também. Foi minha decisão comprá-las. Eu não a consultei, de modo que eu pago. Ele beijou seu pescoço, e sinceramente, todo protesto morreu ali mesmo, com os lábios dele sobre ela. Ele tomou sua mão quando ela acabou de se vestir. Estranhamente, ela não tinha visto ele se arrumar, mas ele estava de volta em seu terno impecável quando eles desceram as escadas juntos.

7mn Bella era uma menina bonita, tão baixa quanto Lourdes, que tinha a desvantagem de ser uma Vintage no mais baixo percentual de altura, mas nem tanto para o peso. As duas meninas se tornaram instantaneamente as melhores amigas e agora estavam, cada uma agarrando-se firmemente a uma das mãos de Tariq Asenguard e tagarelando a mil por hora caçando trolls e zumbis pelo lago com as vozes muito animadas. Charlotte adorava isso para Lourdes. A criança tinha perdido seu pai e ido morar com a tia

131


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 e, em seguida, mudou-se uma e outra vez antes que elas pudessem criar raízes em qualquer lugar. A propriedade não poderia ser mais bonita. Para uma criança de três anos, as árvores, arbustos e flores juntamente com o brilhante azul do lago e as dependências de contos de fadas tinham de ser maravilha. Havia um pátio coberto com uma cozinha ao ar livre e cadeiras confortáveis, mas foi o antigo carrossel que chamou sua atenção. Era um carrossel do início da Herschell-Spillman Company nos Estados Unidos, e era incrível. Completamente restaurado. É claro que funcionava, e ela desejava correr e dar uma boa olhada nele, mas para sua surpresa, ela se encontrou dando prioridade a assistir Tariq e as duas crianças de três anos. — Oh meu Deus. Você está tão longe, isso não é divertido, —disse Genevieve. A nota de brincadeira em sua voz sumindo. — Sério querida, estou feliz por você. Eu estou. Mas você tem que ter cuidado. Ele é ... experiente, e você não. Você não deixa as pessoas entrarem. Especialmente os homens. Eu a conheço muito bem, e você é o tipo de mulher que dá seu coração completamente a um homem e se ele o quebrar, não tem conserto. Você o conhece a uma noite. Não deu tempo, e você está caindo muito rápido. Muito rápido. Você já quebrou cada uma de suas regras. Você não dorme com um homem casualmente, e você já dormiu com ele. Charlotte baixou a cabeça. Genevieve não estava dizendo nada que ela já não soubesse. Ela assentiu um par de vezes para indicar a sua amiga que ouvia e concordava. — Eu sei, —ela admitiu, e arriscou um rápido olhar para Tariq novamente. Ele tinha a cabeça virada, olhando para elas como se soubesse o que Genevieve estava dizendo. A expressão em seu rosto o fez parecer perigoso. Este é o início de nós.

132


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ela respirou fundo e apertou a mão contra o estômago, de repente revolto. Era uma declaração dentro de sua cabeça. Um decreto. Uma bandeira vermelha que na cabeça de uma mulher moderna se definiria como um perseguidor dominante dos livros didáticos. Sua voz era implacável. Ele lançou um olhar para Genevieve que francamente gelou Charlotte. Bella disse algo e ele imediatamente voltou sua atenção para a criança, agachando-se ao nível dela, circulando-a com o braço forte e acenando com a cabeça em algo que ela disse. — Claro que posso levá-la no barco, mas não esta noite, minha pequena Bellarina. O nome fez Bella cair na gargalhada, o que fez Lourdes rir. Charlotte queria isso para a criança. Ela era naturalmente otimista e feliz, mas os acontecimentos dos últimos meses tinham cobrado pedágio dela. — Pare de olhar para ele como se ele fosse a melhor coisa no mundo e comece a me ouvir, —Genevieve insistiu. Ela colocou a mão no braço de Charlotte. — Você está ficando louca. Nós conhecemos o homem na última noite sob circunstâncias extremas. Ele foi heróico e valente para nós. Ele ofereceu um lugar para ficar e eu tenho que dizer que as acomodações são perfeitas, e a segurança parece ótima, mas ainda assim, Charlie, só o conheci ontem. Eu não sei o que aconteceu depois que eu fui para a cama, mas aconteceu rápido o que significa que ele é um predador muito suave, com ênfase no muito. Por que você a deixa continuar? Você sabe que somos bons. Eu não sou o homem que ela afirma que eu sou. Mande-a parar. Charlotte arriscou outro olhar para ele. Ele não estava olhando para ela neste momento. Tinha levado as meninas ao pequeno playground na propriedade e estava empurrando-as nos balanços. Sua casa tinha tudo que eles poderiam ter necessidade—ou querer. Apesar de sua mandíbula dura e ele parecer perigoso, sua voz era gentil quando respondia a cada criança quando gritavam ordens para ele. Havia até mesmo uma nota de riso em

133


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 sua voz quando as meninas continuaram a gritar para ele empurrá-las mais alto. Ela suspirou. Ela teria que responder a ele e isso significava falar intimamente, pelo percurso estranho que ele, evidentemente, forjou entre eles. Ela sabia que cada vez que o usava ficava mais ligada a dele. Ela não entendia e quando estava separada dele, não fazia sentido para ela, mas a conexão entre eles era mais forte, e melhor do que qualquer coisa que ela já tinha compartilhado com alguém. Quando ele a tocava, abraçava, tudo fazia sentido, mas, em seguida, a lógica e o raciocínio rastejavam quando ele não estava ali. Tariq, o que posso dizer? Tudo o que ela diz é verdade. Ela é minha amiga e está tentando olhar por mim. Como minha amiga, ela deve me apontar essas coisas. Isso é o que os verdadeiros amigos fazem. Eles tentam evitar que caia muito duro. Você acredita que eu iria machucá-la? Partir seu coração? Sielamet, você é tudo para mim. Eu nunca iria prejudicá-la. É impossível para mim. Eu sei que aconteceu muito rápido para você acreditar fortemente nele ou em mim, mas você prometeu me dar uma chance. Ela estava em sua mente e havia algo ali, uma pitada de perigo, de advertência que ela não conseguia pegar, como se estivesse faltando uma peça muito importante do quebra-cabeça, mas era tão pequena que parecia inconsequente. Fosse o que fosse a deixou inquieta. Eu estou dando uma chance. Ainda estou aqui. Se eu não pretendesse nos dar uma chance, eu já teria arrumado Lourdes e ido embora. Ela não tinha para onde levar sua sobrinha que estivessem a salvo. Lugar nenhum. Elas tinham inimigos, e não tinha ideia do porque. Um serial killer e três perseguidores que circulavam escolhendo suas vítimas, então eles viravam assassinos em série. Eles acreditam em vampiros.

134


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Você está prestando atenção, Charlie? Porque temos que discutir isso, —Genevieve persistiu. Acompanhar as duas conversas era um pouco desorientador, mas o que Tariq disse fez sentido. Os três homens do clube escolhiam suas vítimas enquanto elas estavam vivas, como se isso fosse o único método de matá-las. Ela estremeceu e colocou os braços ao redor de si mesma. Ela deveria apresentá-los a Fridrick. Ele admitiu ter matado a avó de Genevieve e os outros em Paris, com uma bizarra forma de tirar o sangue e, em seguida, ido para os Estados Unidos e mataro o irmão de Charlotte. O que está acontecendo? Como ela poderia remover Lourdes da casa de Tariq quando era o único lugar até agora onde ela se sentia totalmente segura? — Charlie, —Genevieve estalou. — Eu estou dizendo, ele é um jogador. Isso é certo. Eu não queria dizer assim, mas você não vai ouvir. Ele vai encontrar outra mulher, esta noite, ou alguma outra noite, e trazêla para casa e fazê-la sentir como se fosse a única. Você não pode investir nele. Ele não tinha trazido outra mulher em sua casa. Seu sentido de cheiro se intensificou, se aguçou. Não havia nenhuma maneira dele poder ter removido a presença de uma mulher completamente, especialmente o cheiro dela. Ele tinha dito que nunca tinha trazido uma mulher lá e ela acreditou nele absolutamente. Ainda ... Genevieve não estava errada em dizer que ela estava investindo muito nele muito cedo. — Eu estou ouvindo você, Vi, estou, —disse Charlotte. — Mas já é tarde demais. Eu estou com ele não há como voltar atrás. Meu coração já está envolvido. Eu não sei por que ou como aconteceu tão rápido, mas eu vou assumir e ver o que acontece. Eu gostaria de tê-la perto como apoio não importa qual seja o resultado. Genevieve suspirou e, em seguida, olhou para cima para ver Tariq, agora ajudando as meninas no escorregador. — Ele é lindo, Charlie, eu

135


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 vou reconhecer isso. Se você estiver procurando sacanagem e dormir com alguém logo que o encontrar, ele é definitivamente o Top. Ele é uma espécie de ... delicioso. Charlotte começou a rir. — Não precisa exagerar. Não fique babando em cima do meu homem. — Ele definitivamente é digno de baba. Eu poderia fazer um monte de perversões com ele. — Bem, não. —Charlotte fingiu um olhar severo. — Você vai ter que encontrar outra pessoa para suas perversões. Não seria difícil para Genevieve. Ela era um ímã de homens. Tinha a surpreendido que Tariq não tinha sequer olhado para a amiga, quando todos os outros homens focavam em Genevieve em primeiro lugar. Sempre. Até a última noite, Tariq. Agradou-a perceber isso, porque só fazia a atenção de Tariq mais real. Desde o início, ele tinha olhado para Charlotte com o olhar que um homem dá a uma mulher que o atrai. Sielamet. A voz dele. Suave. Divertida. Acariciante. Ele poderia fazer tantas coisas com uma palavra falada em sua língua. Não há outra mulher. Não haverá nenhuma outra mulher. É você. Só você. Sempre você. Está sob meus cuidados e minha proteção. Eu vou amar você para sempre. Charlotte franziu o cenho. Ela tinha ouvido essas palavras antes. Ele sussurrou para ela, primeiro em sua língua e em seguida, na dela. A memória era nebulosa, mas bela. Ela sentiu seu cabelo contra a pele nua. Sentiu a boca movendo-se sobre ela. Beijando-a. Seguindo a curva de seu seio. Ela tocou a marca ele tinha deixado para trás, apenas a camiseta fina cobrindo a pele. A marca pulsava lá. Latejava. Necessitava. De repente, o gosto dele estava em sua boca e ela ansiava por ele.

136


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Quando ela olhou para cima, ele estava olhando para ela com olhos cobertos. Seu belo rosto estava muito sério. Ele parecia totalmente focado nela. O que foi, Charlotte? Não me lembro de toda a noite passada. Apenas partes dela. Pedaços de perfeição. O corpo dele movendo-se no dela. A sensação de sua boca em sua pele. Entre suas pernas. Seu gosto. As memórias enviando calor em espiral através dela. Você estava exausta, sielamet. Eu deveria ter tomado mais cuidado, mas não consegui resistir a você. E não quero que você resista a mim. Essa era a verdade e talvez não fosse uma boa ideia dar-lhe isso, mas ela não se conteve. Lourdes se virou e olhou para ela. Ela puxou a mão até Tariq deixá-la ir e, em seguida, ela abriu os braços e correu para Charlotte. — Tia, eu amo isso aqui. E eu amo Bella. Ela é minha melhor amiga. Charlotte não poderia ajudar, só se maravilhar com o quão perfeitamente Lourdes enunciou cada palavra. Não havia conversa de bebê. Seu pai tinha ligado para Charlotte constantemente com piadas sobre como Lourdes era verbal e precoce. Charlotte achava que era verdade. Não tinha sido coisa de seu irmão, Lourdes realmente era extremamente verbal e sua compreensão deixava Charlotte a distância. Ela pegou a menina e girou em torno dela. — Eu amo isso aqui, também, bebê. E Bella é a melhor. —O que ela poderia dizer? Era tudo verdade. — Podemos ficar? Eu quero ficar. Ela olhou para Genevieve, que tinha estado bastante imóvel, e depois para Tariq, que estava caminhando em direção a elas, Bella em seus ombros. Ele era alto e poderoso, e usava seu terno como um modelo.

137


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Perfeito. Ela havia se comprometido com ele. Parecia que, ela estava totalmente ligada a ele. Conectada. Você me deu sua palavra de que iria tentar. Que era um começo. Ela assentiu com a cabeça. Ela queria ficar com ele. Ela esperava por um futuro com ele. Aqui mesmo, neste incrível pedaço de propriedade. O rosto de Genevieve lhe disse que era cedo demais. Muito rápido. Mas que ela iria apoiar a decisão de Charlotte. — Sim, querida, eu acho que nós vamos ficar por um tempo. — Bella tem uma casa legal, um irmão e duas irmãs. Quando eu vou ter um irmão ou irmã? — Isso pode demorar um pouco, —Charlotte desconversou, corando por nenhuma razão. Se ia continuar a queimar no paraíso com Tariq, precisava ser responsável e entrar no controle de natalidade. Ela não se importaria de ter um bebê dele. Uma criança com os cabelos e olhos dele. Ela queria isso. Apenas não agora. Não quando o início era tão recente. Mas uma criança estaria com ela por muito tempo depois que ele a deixasse, uma voz sussurrou para ela. Ela sabia que o teria por um tempo. Talvez até mesmo um longo tempo, mas eventualmente, ele iria deixá-la e encontrar uma outra mulher. Uma que melhor lhe conviesse. Uma mulher como Genevieve. Alta. Magra. Cabelos lisos e glamorosos. Um rosto que qualquer fotógrafo cairia de joelhos em adoração. Eu prefiro pequena com muitas curvas suaves. Eu amo cabelo longo, selvagem, que vai durar para sempre e me mostra quanto selvagem minha mulher pode ser. Eu amo cada coisa a seu respeito, embora precisemos trabalhar um pouco sua confiança. Você é a minha mulher. Minha escolha. Eu sou seu homem. Sua escolha. Você nunca precisará se preocupar se eu vou deixá-la. Neste ponto, eu não tenho essa mesma segurança. Seu medo de que você pode estar cometendo um erro realmente me faz sentir fora de equilíbrio e vulnerável. Ambas emoções que eu nunca senti.

138


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ele chegou até ela, Bella em seus ombros, a criança acenando e gritando para Lourdes, seu rosto iluminado e feliz. Tariq sorriu para Lourdes. — Obrigado por ser uma boa amiga para Bella. Ela ficou muito triste por um tempo e agora você a fez feliz novamente. Veja ... —Ele gesticulou em direção a guarita onde o irmão de Bella, Danny, e suas duas irmãs, Amélia e Liv, tinham saído e iam em direção a eles. — Seu irmão e irmãs não podem acreditar que ela está rindo de novo. Nós pensamos, por um curto período de tempo, que tínhamos perdido isso. Lourdes franziu a testa, tentando entender o que ele disse. — Bella gosta de rir. Eu também. — Nós gostamos de ouvi-las rir, —assegurou ele. Lourdes, Genevieve e Charlotte tinham dormido durante todo o dia. Charlotte achava que tinha sido por ficarem acordadas a noite toda, mas as três crianças mais velhas que se aproximavam deles pareciam como se tivessem acabado de se levantar. Talvez porque Tariq fosse tão carismático quem estivesse em sua propriedade combinasse seus horários. Tariq pegou a mão dela quando os três irmãos chegaram. — Eu gostaria que vocês conhecessem Charlotte e Genevieve, uma boa amiga de Charlotte. Vocês já conheceram Lourdes esta noite. Danny, você comeu? Eu enviei o jantar para os quatro, mas Bella disse que ela não comeu. —A voz de Tariq era de homem a homem. Claramente Tariq considerava Danny como o chefe de sua família. O menino tinha quinze anos, as meninas eram mais jovens, então Charlotte ia dar a Tariq o momento, mas por que eles estavam vivendo em uma casa sozinhos? Por que não na casa principal com Tariq? Eles eram jovens demais para ficar sem supervisão. Ela ia tratar disso, logo que possível. Não era legal. — Tem sido difícil conseguir que Bella coma alguma coisa, Tariq, —

139


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 disse Danny, esfregando o polegar sobre a testa num gesto de aflição. — Ela tem estado tão quieta, e ainda está tendo sonhos muito ruins. — Não muitos, —Amélia acrescentou apressadamente quando Tariq franziu a testa. Ela tinha quatorze anos. — Mas só tem algumas semanas. Estou surpresa que com tudo o que ela passou não esteja muito pior. Tariq se voltou para Liv. A criança tinha dez anos, e ela estava muito pálida. Seus olhos estavam afundados e ela tinha ambos os braços, bem como parte de seu torso envolto em gaze. Ela parecia apavorada. Tariq se abaixou e, lentamente, estendeu a mão para o seu rosto. Seus olhos se arregalaram e seu corpo estremeceu. — Eu só vou tocar em você, csecsemõ2, apenas seu rosto. Você vai se sentir melhor. Lembra do meu toque, Liv? Ele faz você se sentir melhor e manda os pesadelos para longe. Ela assentiu, mas não tirou os olhos dele, todo o seu corpo trêmulo, como um selvagem animal encurralado e pronto para lutar, ou fugir. Charlotte quis pega-la em seus braços e segura-la perto. Era evidente que a criança estava terrivelmente traumatizada. Charlotte olhou para Danny. O olhar era velho demais para um menino de sua idade. Ele não estava pulando com energia acumulada, ou piadas idiotas, ele estava olhando sua irmã mais nova com uma expressão à beira das lágrimas. Ela voltou sua atenção para Amélia. Ela também não era uma adolescente comum. Ela era muito suave e quase uma mãe, perto de sua irmã mais nova, mantendo um olho em Bella, que ainda estava no ombro de Tariq. Fascinada, Charlotte assistiu a mão de Tariq no rosto de Liv, uma ____________________ 2

csecsemõ – significa bebê

140


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 pluma. Uma carícia suave. Ao mesmo tempo, ele fechou os olhos e ficou muito quieto. Quase podia sentir o calor que emanava dele, movendo-se através de seu corpo para o de Liv. Ela relaxou visivelmente. Algumas das terríveis tensões saindo de seu rosto. Seu corpo parou de tremer ainda sob seu toque. Claramente o dom de Tariq era muito maior do que ele tinha feito ela acreditar. Ele tinha jeito para trazer paz e cura para aqueles que necessitavam dela, e essas crianças claramente precisavam. Charlotte percebeu que as crianças, mesmo Bella, não fizeram nenhum som, enquanto a mão de Tariq estava em Liv. Mesmo Lourdes ficou em silêncio, algo que raramente acontecia. Genevieve observava a uma curta distância, sem se mover ou falar. Era como se Tariq tivesse todos eles sob feitiço, e foi fascinante vê-lo trabalhar sua magia de cura. Ela caiu mais duro por ele naquele momento. A maneira como ele foi tão gentil quando tocou as crianças ou falou com elas. Era a maneira como se agachou na frente de Bella e Lourdes, quando falou com elas. A maneira como mostrou paciência e interesse em tudo o que as duas meninas tinham a dizer. Ela admirou a maneira como ele falou com Danny, fazendo-o sentir como se estivesse no mesmo nível. Vigiando a família unida. — Melhor, csitri3? Liv assentiu. — Não queima tanto. — Você está dormindo? Charlotte amou o foco completo que ele deu a criança, e mais, ela amou que as outras crianças claramente estavam felizes dela receber sua atenção completa. Não pareciam ter ciúme ou qualquer disputa pela atenção de Tariq. ____________________ 3

csitri – significa pequena

141


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Um pouco. Eu leio. Obrigado pelo iPad. Ele ajuda quando não consigo dormir. Eu li os livros que você colocou lá para mim. — Boa menina. Eu quero que você durma também, por isso vamos ter outra sessão de cura. Eu vou trazer um conselheiro, alguém para que você possa falar com ... Liv suspirou e balançou a cabeça, dando um passo para trás. — Não. Não, Tariq. Eu não quero falar com ninguém. — Só você. Só você. Eu não posso falar sobre isso, a menos que você esteja lá para fazer tudo ir embora. O coração de Charlotte virou. É evidente que o trauma era muito, muito ruim. A criança precisava de ajuda, mas ela não achava que pressioná-la era o caminho a percorrer. Ela está apavorada, Tariq. Não a faça ir ainda. Ela precisa de você para ser sua rocha até que possa ter algum alívio. Ela não vai obter alívio sem falar com um profissional. O que aconteceu com ela? Fridrick e seus amigos aconteceram a ela. Eles tinham Amélia, Liv e Bella. Eles estavam mantendo-as no subterrâneo, fazendo experiências, torturas. Elas não eram as únicas. Um dos meus amigos estava preso também. Eu não posso começar a descrever o horror que eles passaram. Instintivamente, ela sabia que era por isso que as crianças estavam com ele e não em outros lares adotivos. O mais provável é que teriam sido separados, e mais ninguém ia entender o que eles tinham passado. Como posso ajudar? — Liv, esta é a tia de Lourdes, Charlotte. Como você, ela teve um encontro com um assassino. Ele levou seu irmão, pai de Lourdes, e a amiga

142


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Genevieve, —ele indicou a amiga de Charlotte, — perdeu sua avó e um namorado. Não é o mesmo, mas elas sabem o quão ruim pode ser. Charlotte, Genevieve e Lourdes vão ficar com a gente. Liv ficou em silêncio durante o que pareceu um longo momento e, em seguida, seus cílios levantaram e ela olhou Charlotte diretamente nos olhos. — É seguro aqui. Ele faz com que seja seguro. —Ela deu um passo mais perto de Tariq e colocou o braço em torno de sua perna. — Ele pode ajudá-la a dormir, e ele vai ajudar Lourdes. Os pesadelos de Bella não são tão ruins. Quando Liv circulou a perna de Tariq com o braço, Danny e Amélia engasgaram. É a primeira vez que ela me tocou voluntariamente. É um bom sinal. Pobre bebê. Você vai ter que me dizer exatamente o que aconteceu com ela. Minha amiga Grace, na verdade, estudou para ser uma psicóloga infantil. Ela não escolheu ficar, mas é possível que ela voltasse se eu pedisse. — Não está comendo, —Charlotte disse gentilmente, mantendo a atenção em Liv. Ela instantaneamente se preocupou com ela. Algo em seus olhos fez Charlotte ter medo por ela. Ela tinha apenas dez anos, mas parecia que tinha visto muito e não queria ver mais nada nunca mais. — Você está? Charlotte não tinha comido naquela noite, tampouco, e o pensamento em comida fez o estômago revirar. Ela apertou a mão e respirou fora a náusea. Liv olhou para Tariq e, em seguida, para o chão, balançando a cabeça. — Eu não posso. Comer me deixa doente. O olhar de Charlotte saltou para Tariq. Ela não vai aguentar se algo não for feito em breve, Tariq. Eu acho que ela está pensando ... Em se jogar no lago. Eu sei. Sou capaz de ler mentes, lembra?

143


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 O que você vai fazer? Alguma coisa tinha que ser feito para salvar a criança. Um hospital? Um bom médico pode ajudar. Não nisso. Quando estivermos sozinhos, eu te digo o que aconteceu com ela e como pretendo ajudá-la. Por enquanto, estou apenas dando pequenos impulsos. Mas eu preciso que ela coma. Ela precisa ganhar força. Todos eles precisam, os quatro. Nenhum deles está realmente comendo. Tentei afastar a lembrança do que aconteceu, mas todos são resistentes, especialmente Liv. — Às vezes me sinto doente quando penso sobre comida, também, —Charlotte admitiu. — Ainda assim, eu tenho que comer para ficar forte e cuidar de Lourdes. Bella, Amélia e Danny precisam que você seja forte. Liv sacudiu a cabeça. — Danny e Amélia podem cuidar de Bella. — Não sem você, —disse Amélia, pânico em sua voz. Todos sabiam. Charlotte olhou para Tariq. Estas crianças tinham conexões psíquicas. Eles tinham dons. Genevieve tinha. Tariq também. Lembrou-se de Emeline dizendo ter ido a testes em um centro psíquico nos Estados Unidos com a sua “irmã” Blaze. Ela, obviamente, também tinha dons. Tariq assentiu, encorajando-a a ligar os pontos. Todos os que vivem aqui tem algum dom? Mesmo o casal mais velho? Os Waltons? Ele balançou a cabeça novamente, seus olhos, observando-a. Durante todo o tempo ele acariciava o cabelo de Liv, murmurando suavemente a ela. A menina se agarrou apertado e Bella gritou e tentou levá-la para levála para um passeio de "Cavalinho". Charlotte olhou ao redor novamente. O lugar era belíssimo, pedra e verde, um oásis rodeado por uma cerca muito alta. Não era a cerca que mantinha perigo fora, ela estava certa disso. A primeira vista, era o que parecia, mas ela estava aprendendo a ver com mais do que os olhos. Ela

144


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 sentia uma onda de poder sempre que chegava perto da cerca. Ela olhou para Tariq novamente, levantando a sobrancelha em questão. Salvaguardas. Eu coloquei-as também ao longo do lago, bem assim se Liv ou qualquer uma das crianças chegar muito perto sem alguém perceber, e nós queremos olhos sobre eles em todos os momentos, então as salvaguardas entram em jogo e os afastam de lá. Ela não entendia completamente como isso iria funcionar. Um alarme? Qualquer um que tentar penetrar as salvaguardas encontrará um escudo e nós seremos alertados. Em torno dela, Genevieve e Lourdes conversavam com Danny e Amélia. Liv não olhava para ninguém com exceção de Tariq, com exceção ao ocasional olhar rápido para Charlotte. A menina deu uma respirada profunda. — Você é a namorada de Tariq? Imediatamente todos ficaram em silêncio e olharam para ela. Ela abriu a boca para responder em negativa. Ela realmente não sabia o que era para ele. Sua amante? O que ela se chamaria? — No meu país, com o meu povo, Charlotte seria chamada avio päläfertiilam, o que significa que é a minha companheira. Ela é mais do que uma namorada para mim. Muito mais. —Tariq pegou Bella com ambas as mãos e girou-a habilmente para o chão. Estava claro que ele tinha feito essa manobra mais de uma vez. — Isso quer dizer que você gosta dela ... muito? —Liv persistiu. — Sim, —respondeu Tariq. — Se ela não gostar de nós, nós teremos que sair? —Isso foi Danny, que evitou olhar para ela. A respiração de Charlotte ficou presa na garganta. Eles estavam todos preocupados em perder sua casa e Tariq, sua rede de segurança. Por causa dela. Ela balançou a cabeça.

145


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Primeiro, eu já gosto de todos vocês. Bella fez minha Lourdes rir e ser feliz novamente, algo que eu não poderia fazer por ela. Eu nunca iria querer que você perdesse sua casa, nem posso imaginar Tariq virando as costas para vocês por uma mulher. Se uma mulher lhe pedisse isso, ela não valeria nada para ele e espero que ele a deixasse imediatamente. Mais, se Tariq disse que vocês eram parte de sua família e lhe deu um lugar para viver sob sua proteção, ele nunca seria nada, que não fiel a vocês. Ela sabia com cada célula de seu corpo que essa era a verdade sobre o homem. Ela sentia coisas agora, especialmente com Tariq, como se estivessem conectados, ela o conhecia por dentro e por fora. Ele era um homem de palavra e extremamente leal. Ela queria que as crianças soubessem porque estava claro que eles precisavam estabilidade. Ela pretendia fazer a Tariq um monte de perguntas. — Realmente, Tariq? —Amélia pediu pela confirmação. As crianças ainda pareciam estar segurando a respiração coletivamente. Seu medo ecoava nela. Tariq deslizou o braço em volta de sua cintura, ainda tocando Liv, consolando-a com um afago da mão em seu cabelo, uma ação calmante que se destinava a mantê-la em paz. Ele puxou Charlotte até que ela estava sob seu ombro, a frente dela apertada contra o seu lado. Sem aviso, eles estavam todos conectados. Tariq com Liv, Tariq com Charlotte, Tariq era o elo de ligação entre eles. Imagens surgiram, tão terríveis, tão perturbadoras, que primeiro Charlotte não acreditou que pudesse ser real. Eram imagens de um filme de terror realmente horripilante. Um monstro, uma criatura curvada sobre Liv em uma pequena sala. Havia gaiolas naquela sala, gaiolas onde as crianças foram mantidas, onde um homem foi mantido, um homem cheio de sangue e torturado. Liv estava deitada no chão, e a coisa com olhos vermelhos e afiados dentes serrilhados rasgando seu pequeno corpo, arrancando pedaços de carne dela, tentando devorá-la viva.

146


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Isso não poderia ter acontecido. Não era real. Não a essa criança bonita de rosto pálido e ataduras por toda parte. Ela não tinha gritado. Nenhum som. Sua irmã mais velha estava presa em uma gaiola na outra sala e se o monstro não conseguisse Liv, ele iria atrás de Amélia. Bella estava em outra gaiola por perto, mas não perto o suficiente para as meninas tocarem-na. Liv estava apavorada, e sabia que seria comida viva, mas recusou-se a gritar. Ela não queria que o bebê soubesse que havia monstros que comiam meninas. O rosto do monstro estava distorcido. A pele de um lado parecia ter derretido e sua carne apenas caia. Um olho pendurado metade dentro e metade fora da cavidade. O que restava de seu cabelo caia em dreads4 úmidos. Ele tinha sangue de Liv em sua boca e queixo. Estava tão perto que ela podia ver carne em seus dentes. O estômago de Charlotte deu uma guinada. Isso era muito real. Tinha que ter acontecido. Havia muitos detalhes. Como se afastar? Tariq tinha mostrado a ela o que tinha acontecido, mostrado a ela o terrível dano que tinha sido feito a esta criança tanto física como psicologicamente. Como poderia ela se recuperar? Como poderia qualquer uma das crianças? Ela mal podia acreditar no que tinha visto. Ela não queria acreditar. A companheira de Maksim, Blaze, e Emeline entraram atrás delas. Ainda estavam um pouco distantes mas tentavam chegar a elas rapidamente. Danny teve a coragem de levar Blaze e Emeline para os túneis. Blaze lutou com uma marionete e Liv se liberou, correndo quando Blaze mandou. Foi muito difícil para Liv. Ela estava apavorada e machucada. Tinha perdido uma grande quantidade de sangue. O sangue da marionete era imundo, e no início, ela não permitiria que eu a ajudasse. Ela tinha uma infecção e eu não tive ____________________ 4

Dreads

147


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 escolha. Tentei construir um relacionamento primeiro, mas em matéria de segurança ou a saúde, eu tinha que fazer o que era necessário. O punho de Charlotte agarrou sua camisa. Ele era um bom homem. Ele tinha arrumado um monte de trabalho quando ele tinha dado uma casa para as crianças. A responsabilidade era enorme. Eles ainda precisam de pais, Tariq. Alguém para vigiá-los. Eles têm pais. Eu. E, eventualmente, você. Ela engasgou e, em seguida, enfiou a mão em sua boca para não gritar com ele. Está maluco? Eu só estou com Lourdes a algumas semanas, e não sei o que fazer com ela. Eu não tenho ideia do que estou fazendo. Eu não sei nada sobre crianças. Você será capaz de ler suas mentes. Ele parecia calmo e confiante, como se fosse normal esperar que sua amante assumisse quatro crianças traumatizadas. Você vai saber o que eles precisam. Ao contrário de você, eu não posso ler mentes. Isto é tão louco que eu nem sei o que dizer para você agora. — Você não nos quer? —Liv perguntou em voz alta. Charlotte ficou imóvel. Genevieve mais uma vez envolvia as crianças com conversas, como se soubesse que algo estava acontecendo entre Charlotte e Tariq. Com a pergunta de Liv, todas as vozes cessaram. — Claro que eu quero vocês, —Charlotte assegurou, sentindo-se presa. Ela queria filhos, mas estas crianças precisavam de muito mais ajuda do que ela jamais poderia lhes dar. — Eu não sou qualificada ... — Sim, você é, —disse Liv em voz muito velha para sua idade. — Quando Tariq nos liga, eu vejo sua mente, e você pode nos ajudar se você quiser.

148


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Charlotte não tinha ideia do que isso significava. Ela não tinha sido capaz de ajudar Lourdes, Genevieve ou mesmo ela. Como ela poderia ajudar as crianças traumatizadas a se recuperar de um pesadelo? Ela descansou a bochecha contra a caixa torácica de Tariq. Ele parecia tão seguro de si, tão certo que tinha uma maneira de ajudar as crianças. Se ele estava, ele precisava deixá-la entrar nele, porque ela estava se sentindo sobrecarregada. — Liv, —Tariq disse gentilmente. — Eu vou levar Charlotte para o porão, onde os cavalos de carrossel que precisam de restauração estão. Tudo vai ficar bem. Você pode aguentar outra noite? Liv assentiu. — Eu quero visitar Emeline. Ela ajuda. — Ela é escura por dentro, —Amélia protestou. — Isso não ajuda você, Liv. — Eu sou escura por dentro também, —disse Liv. — Não é do mesmo jeito que Emme, mas ela entende. Ninguém mais sente isso dentro de mim. — Eu faço, —disse Tariq, intermediando os irmãos. — Eu sinto. Eu sei que está lá, agachado, tentando engolir você. Eu sei que você está lutando tão duro como pode. Amélia, se Emeline ajuda a passar uma noite, você precisa deixá-la ir visitá-la. Amélia sacudiu a cabeça e deu um passo para sua irmã mais nova. Instantaneamente Liv transferiu seu agarre de Tariq para Amélia. — Vem comigo, então. Emeline pode gostar de companhia, —Liv convidou. — Eu tenho que olhar Bella, —disse Amélia. — Eu posso fazer isso, —Genevieve ofereceu. — Eu estou levando Lourdes de volta para o quintal enquanto Tariq fala de trabalho com Charlotte. Bella pode vir com a gente, se quiser.

149


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Danny? —Perguntou Amélia. Danny balançou a cabeça lentamente. — Vá com ela, Amélia. Vamos apenas ajudá-la cada noite de qualquer maneira que pudermos. Eu vou ajudar Genevieve com Bella e Lourdes. — Liv, —Tariq disse em sua voz suave e persuasivo, fascinante. — Você tem que comer. Eu ajudei, mas você precisa realmente tentar. Não será bom e você vai se sentir doente, mas vai ficar no seu estômago. Para eu poder ajudá-la, você tem que estar forte o suficiente. Você entende? Você sabe o que eu estou dizendo a você. Não pense que pode tomar o caminho mais fácil. Juntos, nós vamos passar por isso. Todos nós. Lágrimas nadaram nos olhos da criança, mas ela piscou-as e balançou a cabeça lentamente. — Eu vou comer. Só que não carne, Tariq. Posso tentar tomar o caldo. — Caldo, —disse ele. — Emeline terá algum em sua casa. Amélia vai dizer a ela que você vai comer esta noite. —Ele olhou nos olhos da criança até que ela concordou com a cabeça uma segunda vez, capitulando claramente, caindo sob seu feitiço como Charlotte fez. Tariq pegou a mão dela e a puxou, levando-a para longe do pequeno grupo. — Essa é a minha família. Meus filhos. — Tariq, o que no mundo que você vai fazer com eles? — Dar-lhes tempo para processar o que aconteceu com eles e fortalecêlos tanto quanto eu puder, antes de trazê-los plenamente para meu mundo. — Eu não entendo. —E ela não entendia mesmo. — Seu mundo? Eles já não estão nele? — As crianças ainda estão em perigo, assim como você, Lourdes e sua amiga Genevieve. Elas sabem isso, e também sabem que é mais seguro aqui do que em qualquer outro lugar. —Ele a levou na direção da casa.

150


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Eu não entendo nada disso, Tariq. O que está acontecendo entre nós, as crianças, por que aqueles terríveis homens estão nos perseguindo, Fridrick. —Ele não estava realmente respondendo suas perguntas. — Está acontecendo com você porque você tem dons. Genevieve tem dons. Lourdes também ou Fridrick a teria matado. — Ele disse que ela era a isca. — Você teria voltado para casa para o funeral do seu irmão independentemente. Ele sabia disso. Lourdes tem algum tipo de habilidade psíquica ou não estaria viva. Danny, Amélia, Liv e Bella também. Quaisquer que sejam suas razões, Fridrick e os outros com quem ele trabalha desejam adquirir esses dons de vocês. — Emeline? Pela primeira vez Tariq hesitou. — Emeline é complicado, —disse ele finalmente. — Ela tem um forte dom psíquico, e mais do que qualquer outro, ela está em apuros. É necessário ela ficar aqui para estar segura. Ela vai acolher amigos. Ela precisa deles. —Sua mão fez uma carícia por seu cabelo. — Eu acho que todos nós precisamos de você, Charlotte. Ela gostava da sensação dos dedos em seu cabelo, mas não aliviou seus medos. Ela não tinha ideia de como ajudar qualquer uma dessas pessoas traumatizadas, nem mesmo Lourdes. Nem mesmo a si mesma.

151


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

8mn Charlotte se assustou com a coleção de cavalos de carrossel no porão. Tariq Asenguard era um colecionador sério. A maioria era europeu, mas como o carrossel em seu pátio, haviam dois americanos. — Os museus não têm essas belas obras, —ela sussurrou reverentemente. — Tariq, onde você conseguiu estes? Ricard passou a vida inteira procurando apenas um dos cavalos originais esculpidos e usados para treinamento de nobres na arte de lançar anéis durante os torneios, e você tem quatro deles. — Eu sempre fui interessado em cavalos de carrossel, as origens e como evoluíram. Os primeiros carrosséis eram necessariamente diferentes dos de hoje, mas não menos intrigantes e divertidos, talvez até mais ainda. Tariq parecia distante, como se estivesse de volta no tempo cerca de trezentos anos antes. Charlotte virou para olhar seu rosto. É evidente que ele tinha pensado muito sobre o que havia acontecido. Parecia estar se lembrando, em vez de pensar sobre o como teria sido. — Nos primeiros cem anos, os turcos e árabes brincavam com um jogo, embora eles não estivessem realmente brincando. Eles eram muito sérios sobre esse jogo. Os italianos e espanhóis se referem ao jogo como "pequena guerra" e é daí que o termo Carosella veio. O carrossel nasceu lá, mas ninguém tinha uma pista de como iria evoluir, ou mesmo que as mulheres e crianças iriam gostar tanto dele. Eu amo que o carrossel tenha

152


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 surgido com a ideia de treinar homens para a guerra e acabou virando algo especial em que todos podem desfrutar e relaxar, —disse Tariq. Charlotte sempre adorou esse fato também. Ela foi atraída para a história do carrossel assim como Tariq. Eles tinham isso em comum. Ela amava a obra de arte individual com os cavalos de madeira entalhada. O detalhe, como se o artista tivesse tomado cuidado para fazer de cada peça algo especial, mesmo sabendo que os nobres em formação sobre ele poderiam nunca perceber. Esses homens eram artistas, homens expondo pequenos pedaços de suas almas enquanto trabalhavam. — Eu amo que você saiba disso, —Charlotte admitiu. — Eles não tinham ferramentas para trabalhar naquela época como temos agora, mas ainda assim, eram meticulosos em seu trabalho. Ricard tinha a teoria de que o mais antigo carrossel foi esculpido por um único homem. Dois no máximo. Os cavalos eram diferentes, mas a técnica, o cuidado e atenção ao detalhe, eram tão perfeitos que ele duvidava que mais do que um homem teria essa capacidade. — Eu teria gostado de conhecer Ricard Beaudet. Eu sempre gostei de nossa correspondência. Eu não gosto de falar ao telefone, então ele era obrigado a me escrever. Eu sentia como se tivéssemos muito em comum. —Ele olhou para ela. — Ele me falou sobre você. Estava muito orgulhoso de você e do trabalho que você fez. Ele disse que o aluno tinha ultrapassado o mestre em habilidade. Charlotte balançou a cabeça. — Ricard era muito modesto, mas era o melhor do mundo. Se você queria o carrossel restaurado direito, com a glória absoluta que já teve, você o chamava. — Que foi exatamente isso o que eu fiz. Sua reputação era impecável. Charlotte foi ao fundo da sala. O porão se estendia ao longo do comprimento da casa. Apesar de ser uma grande sala, havia várias meias paredes que faziam o espaço parecer um labirinto gigante. Cavalos de

153


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 carrossel de todas as épocas dominavam o ambiente, mas as meias paredes os separavam por idade. Havia um espaço de trabalho com todos os tipos de ferramentas e tintas. Ferramentas de esculpir. Tintas velhas feitas a partir de folhas e flores. Tudo que qualquer um que amava carrosséis poderia possivelmente querer ou utilizar. Charlotte olhou por cima do ombro para Tariq. — Você esculpe. Ele encolheu os ombros. — Acho que satisfaz algo em mim que eu não posso definir. Há uma espécie de paz na escultura. A ondulação das aparas de madeira, o bloco de madeira tomando forma, o detalhe. Eu sinto como se pudesse pegar um pedaço inanimado de madeira e trazê-lo à vida. Eu gosto. —Ele enviou-lhe um sorriso autodepreciativo. — Eu não posso dizer que sou bom no que faço, por isso não examine o meu trabalho muito de perto. Mas eu gosto de escultura. Charlotte amava a expressão em seu rosto. Ele era tão bonito, com seu longo, espesso, e muito escuro cabelo e seus preciosos olhos azuis. Lindo. Todo homem. Sofisticado. No entanto, sentava-se em seu porão, usando as mãos para criar algo bonito. Ele realmente amava os carrosséis assim como ela, podia ouvi-lo em sua voz. Ela gostava de ser capaz de insuflar a vida de volta para eles, e claramente ele gostava de criar a vida em si. — Eu dou nomes a eles, —ele deixou escapar, admitindo algo que ele claramente pensava ser louco. — Os mais velhos. Eu gosto de dar nomes a eles. — Porque eles parecem reais, —ela murmurou. — Isso é bonito. — É insano. Eu não deixo as crianças virem aqui, —disse ele, de repente, todo formal. Ela estava bastante certa de que ele estava envergonhado por sua admissão, mas isso o tornava ainda mais querido para ela. — Há muitas coisas em que poderiam se ferir. Minhas ferramentas, os

154


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 próprios cavalos. O mais velho ainda está embalado. —Ele indicou a seção mais próxima à sua estação de trabalho. — Eu comprei de um colecionador recentemente. Foi por ele que escrevi para Ricard. O colecionador, Paul Emery, tinha fotos dele, e alguma madeira deteriorouse, bem como a pintura original. Paul comprou os cavalos e o carro para sua filha. Ele, aparentemente, pendurou os quatro cavalos em sua varanda para ela e seus amigos usarem. Sua esposa morreu em um acidente de carro logo após a sua menina nascer, e ele alegou que estragou sua filha tanto quanto possível. Charlotte podia ver os quatro pacotes embrulhados com cuidado em plástico-bolha. Logo atrás deles haviam quatro maiores. Ela estava certa que eram os carros. Ela não podia esperar para abrir o plástico bolha e vêlos. As fotos indicavam ser um dos mais antigos cavalos de carrossel que existiam. — Sua menina ficou doente logo depois que ele comprou os cavalos para ela e, eventualmente, morreu. Os médicos não conseguiram descobrir o que estava errado. Emery estava morrendo quando falei com ele sobre os cavalos. Ele tinha insistido que qualquer potencial comprador deveria falar com ele antes da transação ser concluída. Ele acreditava haver algum tipo de maldição sobre os cavalos. Ele explicou que, ao longo dos últimos séculos, qualquer um que possuísse os cavalos e usasse-os, eventualmente sucumbia a alguma doença desconhecida. Ele queria me fazer tomar consciência da maldição antes de eu comprá-los. Ele tinha recebido o aviso e não acreditou, como, aparentemente, todos os colecionadores antes dele. Ela se virou e olhou para ele, fascinada. — Ele morreu? — Sim, da mesma doença de sua filha. Como os colecionadores antes dele e suas famílias. Aparentemente, qualquer um que possuiu os cavalos morreu de uma doença fulminante desconhecida, ou ... —Ele fez uma pausa, olhando seu rosto. — Ou foi assassinado da mesma forma que seu irmão e Ricard Beaudet.

155


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ela sentiu o vermelho em seu rosto. — Tariq. É verdade? —Um calafrio desceu por sua coluna e arrepios levantaram-se em seus braços. Ela podia ver por sua expressão que ele estava falando sério. — Tariq. — Ela sussurrou seu nome. — Isso é horrível. Quantos colecionadores ou proprietários ao longo dos anos foram assassinados? Você pode relevar uma doença, porque todo mundo fica exposto a germes, mas assassinados com a garganta arrancada e drenado de sangue? Faz com que tenha medo de possuir os cavalos? — Faz com que tenha medo de trabalhar com eles? —Ele perguntou. Ela respirou fundo, recebendo o perfume masculino dele em seus pulmões. Ele cheirava a floresta e especiarias. Uma combinação explosiva, mas não havia um único ingrediente que cheirasse a perigo. Não importa o quanto sofisticado e suave Tariq parecesse, ele poderia de repente parecer muito predatório. Quando seu olhar penetrou os vívidos olhos azuis, deixou-a muito consciente de que estava sozinha com ele e realmente não o conhecia muito bem. — Não, —ela sussurrou, ainda mais horrorizada consigo mesma do que com a maldição. — Isso me faz querer trabalhar com eles mais do que nunca. —Ela precisava tocá-los. Sentir a madeira sob a palma da mão. Na ponta dos dedos. Ela saberia tudo, veria tudo. Ela saberia por que as pessoas ficaram doentes. Entenderia por que algumas pessoas foram assassinadas e como. E iria saber por que Fridrick tinha escolhido matar seu irmão e a avó de Genevieve de forma semelhante. Tariq deu um passo para a seção dos quatro grandes objetos cobertos com plástico-bolha. — Estes são os quatro cavalos usados, e os pacotes atrás deles são os quatro carros. Neste carrossel em particular um cavalo vai entre cada carro. O carrossel tem um poste central com braços para que ele mantenha as correntes que prendem os cavalos e os carros. É claro que não há nenhuma plataforma. Isso não foi feito até muito mais tarde.

156


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Espere. —Ela pegou seu braço, a emoção passando por ela. — Você tem todas as peças deste carrossel? Cada uma delas? —Não podia ser verdade. — Eu não tentei montá-lo. Ele chegou há algumas semanas, enviado em partes separadas. Eu fiz um inventário de tudo o que entrou e verifiquei todas as peças. Eu não queria cometer erros com ele. As fotos que enviei para Ricard foram as tiradas por Paul Emery e ele as enviou a todos os colecionadores particulares. Eu quis comprá-lo e queria saber se havia uma chance de Ricard vir e fazer a restauração. — Ele queria, —Charlotte admitiu. — Por que Paul Emery não admitiu que tinha uma coisa tão rara? Por que não divulgou essa informação para o mundo? O carrossel, em função da sua condição, pode valer uma fortuna. Mais especificamente, ele definitivamente pertence a um museu para ficar em exibição para o mundo ver. É uma peça tão importante. Esta poderia ser a descoberta do século. Tariq sacudiu a cabeça. — É parte do acordo que cada proprietário tem feito ao comprar o carrossel. O novo proprietário deve jurar que não vai permitir a exposição ao público até que a maldição seja quebrada. Tenho a intenção de descobrir o que está acontecendo de errado, se é que realmente está, e fazer algo sobre isso, mas preciso de ajuda. Pensei que Ricard seria quem ia fazer isso, mas agora é você. Eu espero que você tenha dito a verdade quando disse que ficaria. — Eles acreditam tanto na maldição que não querem correr riscos com o público, —ela meditou. — É um objeto inanimado. Ele não pode ser responsável por doença ou morte. — A menos que abrigue alguns agentes patogênicos na superfície. A ponta da língua umedeceu os lábios enquanto pensava sobre isso. — Eu suponho que isso poderia acontecer, mas é improvável, certo? Você acredita nessa maldição? Realmente acredita nisso?

157


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Algo deu errado com certeza. Cada proprietário teve membros da família mortos, e sucumbiram à maldição. Eu fiz minha pesquisa antes da compra e tudo que Emery me disse é verdade. Cada proprietário e sua família teve uma estranha doença desconhecida ou foi assassinado. Eu queria a chance de resolver o quebra-cabeça. Ela notou que ele foi evasivo quanto a dizer se acreditava na maldição, mas isso não importava para ela. Ela tinha que tocar aquelas esculturas de madeira. Ela saberia a história delas, veria a vida daqueles que tinham montado neles, que tinham brincado sobre eles. Mais, ela iria conhecer intimamente os homens que os esculpiram, suas esperanças e sonhos, se tivesse sorte, ter um vislumbre de suas vidas durante o período de tempo em que trabalharam nos carros e cavalos. Ela estava desesperada para que o carrossel fosse autêntico, um dos primeiros já feitos. Cavalos ou homens viravam o carrossel enquanto os jovens nobres praticavam empurrando suas lanças através dos anéis em preparação para torneios. Em seguida, mestres de espada e lança ensinavam a batalha aos jovens usando o carrossel para práticas semelhantes. Mais tarde, houve rumores que as esposas e filhos se divertiam no carrossel e foi assim que ele lentamente evoluiu para o moderno carrossel. Ela poderia até descobrir se isso era verdade, apenas tocando as esculturas. Charlotte mal podia conter sua excitação. A "maldição" de uma doença soava tão parecida com a das pirâmides egípcias que ela estava cheia de curiosidade e sabia que provavelmente poderia encontrar as respostas sobre de quais doenças os proprietários anteriores realmente morreram. O que só agravaria a mística deste carrossel antigo. — Eu não quero que você toque em nada até que eu tenha a chance de fazer isso sozinho, —Tariq decretou em uma voz que dizia que ele estava falando sério.

158


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ela franziu o cenho e esfregou a têmpora, onde uma dor havia começado muito rápido. — Você acabou de tentar usar uma compulsão em mim? —Ela não pode evitar a nota de acusação em sua voz quando apertou o ponto latejante. — Se eu fiz, foi acidental. E eu provavelmente fiz. Estou acostumado a usar um pouco de compulsão nas crianças para mantê-las fora de perigo. É também uma ferramenta que eu uso com Liv para manter seus pesadelos longe. Infelizmente, não funciona em Emeline. Eu não posso ajudá-la, não importa o que eu tente. Foi a voz que o salvou. O arrependimento genuíno de não poder ajudar Emeline com seus pesadelos. Ela quase podia perdoá-lo. Quase. — O que aconteceu com Emeline? — Nós não sabemos exatamente. Ela não tem realmente falado desde que a resgatamos do chefe de Fridrick, Vadim. Ela foi para os túneis com Danny e Blaze para tentar pegar as meninas de volta. Enquanto estava lá, ela foi pega. Ela ficou em silêncio um momento sabendo que ele não estava lhe dando muita informação, mas ela não queria que ele a sobrecarregasse. Ela tinha o suficiente para se preocupar com Fridrick ameaçando Genevieve e Lourdes. Ela ergueu o queixo e encontrou seus vibrantes olhos azuis. Olhos em que uma mulher poderia se perder. Ela tinha se perdido mais de uma vez, então ela sabia. — Você usou compulsão em mim na noite passada? Os olhos azuis não vacilaram. Não piscaram. Ela os viu mudar. Aquele olhar gentil, doce que ele tinha, desapareceu, substituído por um tão predatório que ela deu um passo para trás e uma mão foi para a garganta defensivamente. — Ontem à noite foi bela. Cada momento único. Por que você iria

159


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 querer que fosse diferente? —Ele rebateu. Ele não parecia ferido ou arrependido. Tampouco parecia culpado ou inocente. Ele fez uma pergunta em um tom que ela não podia ler. — Eu agi fora de mim na noite passada. Você tem que saber que eu nunca estive com outro homem. Eu nunca deixei outros homens, me tocar. Nem uma única vez. O pensamento era ... abominável. No entanto, o momento em que você me tocou, respondi. — Detonou. — O quê? —Ela piscou. Seu tom foi mais legível, presunçosa satisfação. — Você detonou quando eu toquei você. Você me pertence e a nenhum outro homem. Eu. Depois de procurar você por tanto tempo, acredite em mim, sielamet, eu amei isso. Eu amei cada vez que eu fui a você, você não hesitou. Você me fez sentir extraordinário, e quando te beijei, você me olhou como se eu fosse o único homem no mundo. Eu quero ser isso para você. O único homem em seu mundo. Ela havia detonado quando ele a tocou e sabia que isso iria acontecer novamente. Toda vez. — Eu quero que você nunca use qualquer forma de compulsão em mim. Não. Nunca. —Ela declarou firmemente para que não houvesse nenhum erro. Ela faria tudo em seu poder para cuidar e agradar a esse homem, mas ela tinha que saber que ele iria respeitar seus limites e cuidar e agradar-lhe também. — Eu fiz o voto de cuidar de você e colocar sua felicidade acima da minha. É um voto irrevogável. Uma vez ditas, as palavras não podem ser desfeitas. Espere. Espere. Espere. Seu coração começou a martelar muito forte. Muito alto. Muito rápido. Ele havia dito um monte de coisas para ela em sua língua. Tinha sido sexy. Mas também haviam sido proferidas em uma

160


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 profunda e firme voz. O que ele disse? É minha companheira. Reclamo-te como minha companheira. Eu pertenço a você. Ela amou quando ele disse isso. Ela não tinha ideia do que era uma companheira, mas tinha soado quente e sexy quando ele lhe deu esse título. Uma mulher acima de todas as outras para ele. Foi por isso que ela aceitou, porque queria acreditar que era especial para ele. E queria desesperadamente lhe pertencer. Ela não era mulher de uma noite. Ela não se conectava. A intimidade significava alguma coisa para ela, assim como dar o presente de seu corpo a alguém. Ela não fazia julgamentos sobre os outros, mas para ela não funcionava dessa forma, mesmo quando ela desejava que sim. O que mais ele disse? Ele ficou ali, olhando para ela como um predador novamente. Esperando ela descobrir isso. — Diga. Em inglês. Tudo o que você disse ontem à noite, —ela ordenou suavemente. Ela não teria medo ou seria intimidada por ele, não importa quão grande ou perigoso ele parecesse. — Eu ofereço minha vida a você. Dou-lhe minha proteção. Dou-lhe minha lealdade. Eu te dou o meu coração. Eu lhe dou a minha alma. Eu lhe dou o meu corpo. Os olhos azuis nunca vacilaram. — E eu lhe dei todas essas coisas. Eu quis dizer cada palavra. Para mim, não há volta. Para você, não há nenhuma maneira de voltar, tampouco. Estamos unidos. Ela queria sacudir a cabeça, negar o que ele disse, mas ela era uma mulher inteligente, a maior parte do tempo, quando seus hormônios não a estavam governando, e em seguida, sentiu a força dele, os fios ligando-os juntos. Ela poderia ir embora fisicamente, mas sabia que iria sofrer por toda a vida se o fizesse. Ninguém mais iria satisfazê-la. Ela iria pensar nele dia e noite e precisar dele. Implorar por ele. — Havia mais. —Porque ela precisava saber.

161


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Seu olhar permaneceu absolutamente estável. — Eu levo em mim os teus, para guarda-los do mesmo modo. —Ele fez a declaração em uma voz, a que a derreteu. Que ela não podia resistir. Mas ela compreendeu. Ele não a estava tocando, fritando seu cérebro. Ela entendeu. Seu coração gaguejou. Ele tinha feito isso. De alguma forma, na noite entre seu toque, sua posse e seus votos, ele conseguiu a tomar e a manter seu corpo, coração e alma. Ela manteve o olhar no dele. — Sua vida será apreciada por mim sempre. Sua vida será sempre colocada acima da minha. Você é minha companheira. Você está unida a mim por toda a eternidade. Você estará sempre aos meus cuidados. Ela umedeceu os lábios com a ponta da língua. Ele deu um passo na direção dela e ela deu um passo atrás, levantando uma mão para afastá-lo. — Não. Pare. Tenho que pensar. Ele balançou a cabeça e caminhou em direção a ela. — Não há nada em que pensar. Esta decisão foi tomada ontem à noite e novamente esta noite. — Ele parecia implacável. Feroz. Destemido. Certo. Como ele poderia ter tanta certeza quando ela estava pirando? Ela tinha estado determinada até aquele momento em ele tinha empurrado em sua mente, tentando forçá-la a obedecê-lo. Foi um pequeno empurrão, mas ela pegou. Ela teve a mesma reação de quando alguém tentava manipulá-la. Suas ações na noite anterior e novamente esta noite tinha sido estranhas para ela. Ele não tinha exatamente negado a compulsão, embora ela não tivesse sentido ele usar sobre ela e ela teria ... não teria? Ele continuou chegando até que ela estava de costas contra a metade da parede, a mão que ela tinha esticado para afastá-lo direto contra seu peito. Ele capturou a mão e segurou-a firmemente contra ele, direto sobre seu coração. — Você sente, Charlotte? Você ouve isso? Meu coração batendo? Você sente o ritmo de seu coração? —Ele colocou a outra mão sobre o coração

162


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 dela, os dedos acariciando a curva de seu seio. — Não é justo, —ela sussurrou. — O que não é justo? — Me possuir com um toque. —Seu sussurro era quase inaudível e seu olhar deslizou dos olhos azuis até a mão cobrindo a dela em seu peito. — Você ainda não entendeu, sielamet. —Ele levantou o queixo dela com o polegar e o indicador. — Você me possui. Corpo e alma. Eu nunca iria prejudicá-la. Não sob quaisquer circunstâncias. Tudo o que você sente por mim, eu sinto ainda mais por você. Você faz meu corpo estar vivo. Você me deu tudo. Quando um homem não tem absolutamente nada, quando ele viveu muito tempo em um vazio cinza escuro e uma mulher traz com ela o calor da luz do sol e risos quando ele está frio, alegria e felicidade quando ele não tem nada, ele vai fazer qualquer coisa por ela. Qualquer coisa para fazê-la feliz. Você é essa mulher para mim. Quando ele dizia coisas como essa ela não poderia resistir a ele. Ela não queria resistir a ele. Ele a deixou saber que não estava sozinha em sua loucura. Ele estava tão fundo quanto ela. Ela poderia acreditar nele, e ela o fez. Não tinha havido nenhum doce romance, o conhecer um ao outro. Ela não sabia nada sobre ele, nada mais do que soube com um ocasional artigo de revista. Ainda assim, a sua instantânea aceitação e a estranha reação a ele a alarmou. Mesmo sua reação instantânea a ela, como se a tivesse conhecido desde sempre. — Eu não confio nisso, —ela admitiu. — Por que você? — Eu lhe disse o porquê. Para mim, eu soube imediatamente. É o jeito do meu povo e tem sido assim por séculos. Eu sei que não é o mesmo para você, mas também sei que você sente a conexão entre nós. Você tem estado na minha mente. Você saberia se eu estivesse mentindo para você.

163


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ela levantou uma sobrancelha. — Será que eu ...? —Seu olhar se desviou para os cavalos de carrossel embrulhados de forma segura. Ele estava lhe oferecendo um refúgio seguro para Lourdes, uma bela casa, não só para sua sobrinha e ela, mas também para Genevieve e até mesmo Grace se ela aceitasse. Ele estava oferecendo-se a ela. E um emprego. O trabalho que ela mais queria no mundo. — Você sabe, Charlotte, —ele disse suavemente. A forma como a sua voz soava dentro dela sempre a derretia. Sempre. Ele não tinha necessidade de tentar controlar a mente dela; sua voz controlava seu corpo. Talvez seu cérebro, também, porque ela achava difícil pensar claramente em torno dele. — Eu quero isso, Tariq, o que temos, que cresce entre nós, eu realmente quero. Eu aprecio cada coisa que você está me oferecendo. Eu particularmente aprecio que você interveio ontem à noite com Fridrick. Eu estava realmente assustada, e ficou claro que ele sabia onde Lourdes estava, embora eu pensasse que a tinha escondido com cuidado desta vez. Você e seus amigos a salvaram também. — Mas? Ele inclinou a cabeça para um lado e os olhos azul vibrante e puros, a estudaram com a atenção fixa que ele parecia ter. Lembrava um predador puro. Um delicioso arrepio passou pela sua espinha, e ocorreu-lhe que a pontada de medo aumentava a tentação que era Tariq Asenguard. Ele ficou lá, olhando lindo e sofisticado, um rico empresário com fama de ser extremamente inteligente e astuto. Ele poderia ser gentil. Seu toque trazia o paraíso. E então ele poderia olhar absolutamente perigoso, como fazia no momento. Ele estava esperando algo. Alerta. Vigilante. Ela sabia que se fizesse o movimento errado ele atacaria, mas como ou por que, ela não tinha certeza. Só sabia que a ameaça estava lá, demorando-se no ar. O tremor se

164


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 transformou em algo mais, o medo se tornando pânico. Ela descobriu que não podia respirar, não podia arrastar ar suficiente em seus pulmões. Ela também sabia que o ataque seria de uma forma que ela nunca seria capaz de resistir. — Pare com isso. —O comando foi uma chicotada. — Eu nunca te machucaria. Seria impossível para mim fazer uma coisa dessas. Impensável. Eu não vou deixar você ir, mas você não é uma prisioneira. Eu iria escolher usar a persuasão, e eu posso ser muito persuasivo quando algo é importante para mim. Você, Charlotte, é a pessoa mais importante no meu mundo. Ela umedeceu o lábio inferior com a ponta da língua, tentando ganhar tempo. Ela o queria, queria tudo o que ele estava oferecendo. O que ela não confiava era na terrível necessidade dentro dela, a fome dele era esmagadora. Ele era esmagador. Ele a fazia sentir coisas que nunca tinha imaginado em seus sonhos mais selvagens. — Eu não sou alguém que se dá bem com machos dominantes. —Era sua maneira de dizer-lhe que não era nem um pouco submissa. Ele comandou. Ele ordenou. Quando queria algo, ele conseguia, não havia nenhuma dúvida em sua mente. Não importa o que Tariq dissesse, ele era o puro macho alfa. — Eu não vou dizer que não tenho uma personalidade dominante, porque eu tenho. Dito isto, eu não quero uma mulher submissa. Quero uma mulher inteligente que pense por si mesma. Quero uma mulher forte para me ajudar a descobrir o que fazer com os enormes problemas que eu enfrento. Tenho que tomar decisões rápidas? Sim. Absolutamente. Eu quero que minha mulher seja capaz de fazer o mesmo. Você é essa mulher. Será sempre fácil? Nós temos cinco filhos para olhar. Cinco. Dois já são adolescentes. Todos eles estão traumatizados. Temos Fridrick e seus chefes com seu exército vindo atrás de Emeline, Genevieve e você. Temos também a ameaça dos três homens que a seguiram de Paris. Eu não preciso

165


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 de uma mulher submissa, Charlotte. Eu preciso de uma guerreira. Uma mulher que ande ao meu lado. Combata ao meu lado. De pé na frente das crianças comigo. Uma mulher sem medo de ouvir o que Emeline ou Liv precisam dizer, para ouvi-las e não se enrolar em uma bola de proteção quando a verdade monstruosa do que aconteceu com elas sair. Eu sei que essa mulher é você. Ela fechou os olhos e respirou fundo, sabendo que ia saltar do precipício. — Eu espero que você seja real, Tariq, porque uma vez que eu lhe dê tudo o que você está pedindo, eu nunca vou ser capaz de tê-lo de volta. —O coração, a alma dela. Ela se envolveu tão rápido que temia já estar perdida. A pequena última parte dela, que ele sabia que ela segurou, mas estava exigindo, lhe custaria tudo se a perdesse. — Eu já dei a você, sielamet. Tudo o que sou e sempre serei. Eu quis dizer cada palavra que disse para você. Eu me dei a você. Eu quero o mesmo de você. Venha para o meu mundo. Seja minha mulher. Ele sussurrou as palavras, mas ela ouviu cada uma claramente. Sua voz envolveu-a nos braços fortes. Sentia-se protegida e cuidada apenas com sua voz. Ele não a estava tocando e ainda assim ela sentiu seus braços em torno dela. Ela sempre o teria. Aquele homem. Em pé na frente dela, olhando para ela com aqueles incríveis olhos preciosos. Vendo apenas a ela. Ela respirou fundo, sabendo a verdade. Ela já estava perdida. Não importava se ela lhe desse o último pedacinho dela, ela já estava ligada a ele de uma forma que não podia explicar, e ela sabia que deixá-lo seria quase impossível. — Eu já sou sua mulher, —ela sussurrou. — Você está com medo? Ela assentiu com a cabeça, sem olhar para longe daquele olhar azul profundo. Ela não podia. Ele ainda não tinha piscado. Ainda olhava como

166


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 um predador. Perigoso. Ela estava de bom grado se entregando a um homem que estaria sempre na borda. — Não fique. Você está segura comigo. Ela acreditou nele. Mas ... — Estou segura de você? Ele olhou para ela por uma eternidade, mantendo-a cativa com apenas seus olhos e seu carisma. Um sorriso curvou a boca e penetrou em seus olhos, iluminando-os mais, transformando o azul em safira vibrante. — Não, sielamet. Eu quero comê-la viva. O seu gosto está para sempre em minha língua. A sensação de você em torno do meu pau, apertada e quente, sua pele, mais suave do que qualquer coisa que eu já senti, o cabelo selvagem, sua boca, toda você está marcada em minha mente, meus ossos, envolta em torno de meu coração. Você não está a salvo de mim e você nunca vai estar, mas você vai gostar do jeito de não estar segura. Eu posso te prometer isso. Ele soou mau. Tentador. Sexy. Seu sexo se apertou. Ficou úmido. Calor correu por suas veias. Ela não podia parar o sorriso lento e respondeu curvando sua própria boca. — Ok, então. Mostre-me no que eu vou estar trabalhando e me diga quanto você está pensando em me pagar. Eu só quero que você saiba que dormir com o chefe nunca é uma boa ideia. Vou ter que pensar muito sobre o que mais quero. Eu realmente amo cavalos de carrossel, de modo que você pode perder se eles forem o que eu acho que são. — Se isso for ser um problema, Charlotte, eu posso escrever em nosso contrato que o trabalho vem com algumas outras funções. Ela começou a rir. — Não se atreva. Basta abrir a embalagem para mim. Estou realmente atraída por ele. —Ela apontou para um cavalo de madeira envolto em plástico bolha e em um caixote. Ela desejava tocá-lo, sentir a madeira sob os dedos para que pudesse saber sobre todos os que já haviam tocado o cavalo. Uma vez que ela sentia o puxão, a intensa

167


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 atração, ela sabia que o objeto era muito antigo e tinha muito a dizer a ela. Madeira era o seu meio favorito. Parecia absorver muito mais do que substâncias artificiais. Tariq sorriu de novo, tomando sua respiração. Com seus passos fáceis, fluidos, ele parecia deslizar através dos vários pacotes embrulhados no chão até chegar ao que ela era obrigada a tocar. Ela estava perto. Prendendo a respiração. Antecipando. Não se atrevendo a ter esperança, mas esperando de qualquer maneira. Tariq teve cuidado com a embalagem, removendo uma tira de madeira para revelar mais plástico-bolha. Ela observou-o atentamente. Suas mãos mal pareciam tocar a madeira, e ele afrouxava as garras simplesmente puxando. Ela sabia que ele era forte, mas ele fez parecer fácil desmontar os caixotes. Ela estava bastante certa que poderia abrir os outros sem ajuda. — Tariq. Ambos viraram-se ao som de seu nome, mas Charlotte percebeu que ela não estava nem um pouco assustada. Ela ouviu e sentiu o cheiro do homem inclinando na parte superior do corpo e da cabeça para a escada do porão. Ela o reconheceu da noite anterior. Ele era alto, como Tariq, com cabelo escuro longo e, olhos frios como gelo e negros como a noite. Ele era bonito, mas como um menino mau, áspero, embora, como Tariq, ele usasse um terno. Onde Tariq parecia ter saído na capa da revista GQ, seu parceiro, Maksim Volkov, parecia ser capa de uma revista de motoqueiros. — Preciso de você por um momento. Não vai demorar muito. Tariq fez uma careta para ele, mas se endireitou, deixando o canto do cavalo espreitando Charlotte. Ela tentou não olhar para a madeira desbotada, mas era sedutor, acenando para ela, mil vozes sussurrantes só porque ela estava próxima.

168


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Eu já volto, —Tariq assegurou. — Espere por mim. Se há uma maldição sobre aquela coisa, prefiro que caia em mim do que em você. — Tão doce você, —ela murmurou, e deu um passo para mais perto do cavalo de carrossel. Tariq era doce, mas se houvesse realmente uma maldição, ela saberia no momento em que tocasse a madeira. — Quero dizer isso, sielamet, você não vai tocar essa coisa até que eu tenha tempo para examiná-lo. —Ele usou uma voz que não admitia discussão, aquela que dizia que estava no comando e todos pulavam para obedecê-lo. Ela assentiu com a cabeça, um pouco distraída, e quando Tariq subiu as escadas com Maksim, ela se aproximou do cavalo antigo. Os sussurros ficaram mais altos quando ela estendeu a mão e colocou-a cuidadosamente acima da madeira que espreitava para fora do envoltório. Imediatamente, ela ouviu o som de crianças rindo. Vozes murmurando baixinho. Puxandoa para aquele túnel do tempo que ela vivia para entrar. Para ver mundos perdidos. As pessoas já desaparecidas. Vislumbres do passado. Várias línguas. Francês. Húngaro. Italiano. Romeno. A língua que ela não entendia mas tinha ouvido falar recentemente, a que Tariq falou. Excitação era uma droga escura em suas veias. Isso poderia realmente ser, o achado de uma vida. Um verdadeiro cavalo esculpido há centenas de anos para o propósito expresso de treinamento de jovens para lançar espadas ou setas através de anéis com precisão. Ela seria capaz de estabelecer um cronograma exato. Ela saberia quando o cavalo tinha mudado de mãos, onde tinha sido, quais famílias tinham a propriedade dele e o país em que estavam. Ricard Beaudet tinha passado toda a sua carreira, mesmo a maior parte de sua vida, procurando por ele. Ela se aproximou o suficiente para bater no plástico bolha com o joelho, a mão trêmula enquanto ela lentamente baixava-a até que a madeira sussurrou contra sua mão. Acenando. Chamando-a. Aceitando-a. Pronta a desistir de todos os

169


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 segredos. Não havia como resistir a esse chamado. Ela colocou a mão suavemente sobre a madeira exposta, os dedos infalivelmente encontrando os sulcos da escultura. Em torno dela as paredes do porão brilharam e depois desapareceram. Tudo ficou escuro, mas ela não estava sozinha, as vozes estavam lá, chamando uma a outra em várias línguas. Felizes. Rindo. Soluçando. Angústia. Crianças. Adultos. Eles estavam ali com ela naquele lugar escuro. Ela estremeceu de frio, sentindo-se como sempre quando fazia contato com um objeto antigo. Era gelado até que ela conseguisse se conectar com um tempo e um lugar. Ela estava olhando agora para trás, tentando ignorar a atração hipnotizante e sedutora das vozes. Ela caçava através do tempo pelo escultor. Quanto mais se aproximava dele, mais ela podia sentir. Quanto mais o frio diminuía e ela sentia o calor. Calor. As vozes cresceram. Homens rindo. Falando juntos. Um homem, de costas para ela trabalhava com o bloco de madeira, a faca movendo-se macia, movimentos suaves, com as mãos acariciando a madeira com cuidado e amor. Os homens falavam a língua antiga de Tariq. Ela não conseguia entender o que eles estavam dizendo, mas ouvia as notas provocando risadas em suas vozes. Eles estavam dando ao escultor um momento difícil. Ela achou-os interessantes. Todos eram da mesma raça. Ombros largos, altos, longos cabelos negros, homens deslumbrantes com corpos musculosos que os diferenciavam facilmente. Dois deles praticavam uma luta de espadas, indo para o outro várias vezes, mas eles pareciam equilibrados, tanto que estavam envolvidos na conversa com os outros que se reuniam em torno do escultor. — Que parte do ‘Não toque nisso até eu verificá-lo’ você não entendeu? —Tariq rosnou por trás dela.

170


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Charlotte saltou, ainda no passado, um pouco desorientada. O escultor virou a cabeça e olhou diretamente para ela. Ele tinha os mesmos ombros largos dos outros. O mesmo cabelo preto longo. Os mesmos poderosos músculos ondulando sobre seu corpo alto. Mas seus olhos eram de um azul vívido. Azul intenso. Olhos que ela tinha visto quando ele a fez gozar em seus braços. Ela engasgou e puxou a mão, sentindo a picada de uma lasca morder o dedo quando ela o fez. Não poderia ser Tariq. Talvez um antepassado. Era por isso que ele colecionava cavalos de carrossel. Ele sabia que alguém em sua família tinha esculpido estes cavalos. Ela colocou o dedo na boca para acalmar a pequena ferida, olhando para o escultor. Ele olhou para ela, com o rosto totalmente exposto sob a luz da lua cheia. Ele era ... lindo. Não o havia confundido. Ele parecia não ter mais do que trinta ou trinta e cinco anos, exatamente como Tariq. Exatamente como Tariq porque era Tariq. Não era possível. Não fazia sentido. Mas ela absolutamente sabia que o homem que olhou para ela era o mesmo homem rosnando para ela, revelando o verdadeiro predador que realmente era.

9mn —

Oh Meu Deus. —Charlotte sussurrou cada palavra. Chocada.

Sabendo. Tentando dizer a si mesma que era impossível. Ela não conseguia esquecer o homem de outro tempo agachado em frente ao bloco

171


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 de madeira, olhando para ela com seus belos olhos azuis, observando-a atentamente, totalmente focado nela como se realmente pudesse sentir a presença dela, vê-la. Tariq Asenguard tinha sido o escultor. Seu Tariq. O homem ao qual ela tinha dado seu corpo, coração e alma. Ela tinha confiado sua sobrinha e sua melhor amiga a ele. A garganta do irmão dela tinha sido arrancada. Seu sangue tinha sido drenado. Os três homens no bar, tinham enfiado uma estaca através do coração de um homem, eles tinham que ter acreditado que matavam um vampiro. Ela tocou a ondulação suave de seu seio. Sua marca. Bastava passar os dedos através do material fino de sua blusa e seu sexo apertava. Lembrando a sensação de sua mordida. A coisa mais erótica que já tinha experimentado. Ela tocou sua boca, lembrando-se de seu peito. — Oh Meu Deus. —Ela sussurrou uma segunda vez, sentindo-o na boca. Em sua língua. Quente. Picante. Inteiramente dela. Tudo para ela. As paredes em torno se curvaram. Ficaram escuras. Ela só podia ver aqueles olhos azuis observando-a sem piscar. Ela estremeceu, o frio se infiltrando em seu corpo. Ela levou a mão à garganta em defensiva, incapaz de desviar o olhar. De repente, estava de volta ao presente, olhando diretamente nos olhos de Tariq. Ele estava de pé perto dela, observando-a com cuidado. Charlotte se afastou dele, dando um passo para o lado para tentar obter um ângulo para a escada. — Você tomou meu sangue. —Ela soltou, assim como uma idiota de um filme de terror, não sendo legal e inteligente. — Isso é uma pergunta? Ele não parecia arrependido. Nem um pouco. Ela queria olhar para ele, mas estava muito assustada. — Sim. —A única palavra foi dita tão baixo que ela estava surpresa que saísse de sua boca.

172


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Sim, eu tomei seu sangue. Ela balançou a cabeça como se concordasse com ele. Ela deu mais um passo cauteloso em direção à escada, tentando manter distância entre ela e Tariq. Ele pareceu não se mover e a expressão em seu rosto nunca mudou, mas ele estava bloqueando sua fuga e seus olhos azuis eram mais predatórios do que nunca. — Charlotte, seu coração está batendo muito rápido. Respire fundo e ouça o meu coração. Deixe o seu desacelerar para o meu ritmo. Ela tinha feito isso antes. Seu coração tinha batido em sincronia absoluta com o dele. Ela achou que era sexy; agora achava que estava em apuros. Ela tentou mais um passo. Ela deliberadamente não piscou, não o deixou desviar o olhar, olhando-o o tempo todo para ver se ele se movia. Ele não o fez, mas mais uma vez estava em pé na frente dela, bloqueando sua rota de fuga. Se gritasse, ninguém iria ouvi-la. — O que é você? —Sua voz era baixa. Ela não podia esconder o medo. — O que eu não sou é um vampiro. Isso é o que você está pensando e não é verdade. Eu caço vampiros, mas eu sou Cárpato. A minha alma está intacta e eu nunca matei, enquanto me alimento. —Seu olhar não vacilou. Ela esfregou os braços frios, sua mente correndo, tentando descobrir seu próximo passo sem disparar a agressão dele. — O que você vai fazer comigo? — Eu já lhe disse isso. Nós já tivemos essa conversa, sielamet. Você se deu a mim, e fizemos nossos votos. Nossos votos. Ele tinha que estar se referindo às palavras que havia dito em sua língua nativa. Ele fez os votos por ambos. Um pouco histérica, ela tentou se imaginar dizendo a Genevieve sobre como ela acidentalmente dormiu com um vampiro. Ou um caçador de vampiros. Tanto faz. De qualquer maneira, ele parecia decidido a tomar seu sangue.

173


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Essa sou eu, —ela murmurou em voz alta. — Eu escolho o único homem que está na terra a séculos. Ele controla a mente e toma sangue de pessoas. — Charlotte. — Não faça isso. —Agora ela estava ficando com raiva. Ela podia sentir a onda de raiva como um vulcão dentro dela. — Você me seduziu e você tomou meu sangue. Não se preocupe em mentir para mim, porque eu sei que você está fazendo isso agora. — Eu não posso mentir para você. É impossível. Pare de procurar uma saída. Não há nenhuma. Você não pode fugir mim. Basta ficar e falar comigo. Ele queria comunicação? Ela lhe daria comunicação, embora ele não fosse gostar da maneira dela de falar. Ela se abaixou e puxou uma das ripas da caixa, em seguida, a levantou, descendo a ripa em sua cabeça. Ele não tentou parar o golpe, mas sua mão subiu para desviar e quebrá-la em pedaços. Durante o ataque, ele não mudou de expressão. Seus olhos escureceram. Tornou-se mais predatório do que nunca. Seu coração batia com força em seu peito e ela queria desesperadamente correr, mas seus pés pareciam paralisados. — Sielamet. —Ele expressou tanto com uma palavra. Era uma reprimenda. Gentil, mas ainda uma reprimenda. — Eu quero sair. —Ela levantou o queixo, querendo que ele visse que ela estava falando sério. Ela estava deixando sua propriedade, levando Lourdes e Genevieve com ela gostasse ele ou não. — Você não pode sair. Nossos votos foram ditos. Sua alma está ligada a minha por todos os tempos. Você não será capaz de sair sem prejudicar

174


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 a si mesma. Já sente a atração entre nós. Você não pode comer corretamente. Você não teve nada além de água esta noite. Ela pressionou os dedos contra seus lábios. Cada palavra que saia de sua boca era a verdade absoluta. Também era aterrorizante. — O que você fez comigo? — Eu estou trazendo você plenamente para o meu mundo. Seu coração gaguejou. Seu estômago deu uma cambalhota assustadora. A voz dele era implacável. Ela sabia que seu tom avisava para não discutir. Seu queixo subiu outra fração de polegada. — Que parte do "eu sou não o tipo submissa" você não entendeu? Ele suspirou. — Você pode lutar contra mim, sielamet, mas não vai fazer nenhum bem. Você sabe que eu posso te proteger de Fridrick e você sabe que eu vou. Eu sempre vou ficar na frente de vocês se houver uma ameaça. Não só de você, mas também de Lourdes. Tudo o que eu te disse antes, eu quis dizer. Você é minha mulher, e sua sobrinha, Danny e as meninas, são minha família. A guerra começou e quer você queira ou não, você está envolvida. Fridrick e seus mestres querem você. Eles estão atrás de Emeline, Liv, Amélia e Bella. Havia outras mulheres nos referidos túneis, mulheres que não se saíram muito bem. Nós os perseguimos, mas eles escaparam. Eles não podem ter ido muito longe, porque Fridrick nunca seria tão ousado sem um exército atrás dele. Ela balançou a cabeça. — Vou pegar Lourdes e sair. Eles não vão me encontrar. — Eles vão encontrá-la. Eles sempre vão te encontrar. Lourdes não é tão importante para eles como acredita. Se você não cooperar com eles, vão usá-la para se alimentar, ou dar-lhe a um de seus fantoches, como Liv. Sua expressão ainda não havia mudado. Ele ainda não tinha piscado. Agora ela sabia como um verdadeiro predador era. Inconscientemente

175


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 tentando proteger a si mesma envolveu a mão em sua garganta, cobrindoa. — Por que você tomou meu sangue se não é um vampiro? — Eu sou um Cárpato, uma raça antiga. Nós existimos do sangue, mas não matamos aqueles que usamos para nos alimentar. Nós somos cuidadosos. Respeitosos. Nossa presa nunca sabe que tomamos seu sangue. Ela estremeceu com a palavra presa. De alguma forma, ela sabia que ele deliberadamente estava sendo duro, cru, não enrolando o que ele era em palavras bonitas para enganá-la. — Parece que somos imortal, mas podemos ser mortos. Nós temos a longevidade e, algumas vezes, é mais uma maldição do que uma dádiva. Charlotte estudou seu rosto. Ele não tinha dado um passo em direção a ela. Ele não tinha tentado tocá-la. Ela sabia que se o fizesse, ele seria capaz de convencê-la de qualquer coisa. Isso teria feito muito mais fácil. Quando suas mãos ou boca estavam sobre ela, ela teria ido a lua e voltado com ele. Então por que ele não a tocou? Ela quase queria que ele a abraçasse, beijasse, a convencesse que ela não queria deixá-lo. Porque ela não queria. A ideia de ficar separada dele lhe fazia mal fisicamente. — Você não pode esperar que eu decida com calma e aceitando tudo isso. — Posso e faço. Você tem sentimentos genuínos por mim. Estou em sua mente, e para ser justo, a qualquer tempo, você pode estar na minha. —Ele acenou com a cabeça em direção as ferramentas ordenadamente dispostas sobre a mesa. — Eu suspeito que seu dom psíquico é forte, e que envolve leitura de antiguidades. Foi assim que você percebeu que sou muito mais velho do que pareço. Havia uma nota fraca de humor em seu tom? Se havia, ele não mostrava em seu rosto ou nos olhos. Seu olhar era tão atento como sempre. Sua expressão muito séria.

176


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Sim, eu vi você esculpindo o cavalo. Você estava cercado por seus amigos. Sua expressão mudou em seguida, e ela percebeu que desencadeou uma memória esquecida. Ele parecia triste. — Eles estavam me dando um tempo difícil. Os irmãos Malinov, todos os cinco, era tarde. Eles gostavam de discutir política. Eles nem sempre concordavam com nosso Príncipe e eles queriam debates acontecendo o tempo todo. Era cansativo, mas naquela noite, eles estavam apenas se divertindo. Fridrick estava lá também. A companheira do Príncipe estava perto de ter seu primeiro filho. Um filho. Ele seria o Príncipe um dia. Era um momento de grande alegria. Ela estudou seu rosto. — Por que a memória o deixa tão triste? —Ela sentia sua tristeza, sentia como um peso pressionado sobre ela. Ela teve o desejo inesperado de ir até ele e colocar os braços ao redor dele, consolálo. Ela forçou seus pés a ficar onde estavam. Toda essa revelação era muito assustadora até mesmo para considerar. Ela acreditava em cada palavra que ele disse a ela. — Aquela noite foi uma noite divertida, mas mais tarde, alguns anos depois, tudo virou. Terrível. Eu não dei o carrossel para o filho do Príncipe. Eu não tinha terminado. O trabalho ficou pelo caminho. Eu tive que correr atrás de vampiros, e a peça nunca foi terminada. Mais tarde, quando voltei a ele, foi quando tudo deu errado. Charlotte podia sentir sua angústia, embora não tivesse certeza do porquê. — Os Malinov tinham uma irmã, Ivory. Uma menina bonita. Todo mundo a amava, especialmente os irmãos, Ivory acabou por ser traída pelo filho mais velho do Príncipe, aquele para quem eu originalmente estava esculpindo o cavalo. Naquela época, houve distúrbios entre facções humanas e uma guerra explodiu. Chegou até nós e tivemos que escolher

177


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 um dos lados. Muitos dos meus, incluindo os Malinov, achavam que não deveríamos nos envolver nas guerras dos seres humanos. Eles os evitavam a não ser para se alimentar. — Como o gado para os seres humanos. Um pequeno tremor atravessou seu corpo pela forma como ele colocou isso. Tariq tinha se "alimentado" dela. Ela tocou a marca em seu seio, e a marca pulsava e latejava. No mesmo instante, como se conectado, seu sexo igualou a estranha batida, com fome. — Sielamet, eu não me 'alimentei' dessa forma de você. É erótico e íntimo com você. Fomos feitos para isso. Meu povo não considera as pessoas como gado. Pelo menos, a maioria não. Ela ignorou isso, não estava pronta para se envolver em uma batalha novamente. Além disso, ela estava curiosa. — Algo aconteceu com Ivory naquela noite? — Na primeira noite, quando estávamos nos divertindo, Ivory ainda não tinha nascido. Nem Draven, o Príncipe mais velho, mas eu acho que as coisas foram postas em movimento naquela noite. Os irmãos Malinov argumentaram com o Príncipe, querendo ficar fora dos problemas humanos. Quando ele não aceitou seu conselho, tornaram-se cada vez mais abertamente desafiadores ao longo dos anos. Eles abrandaram um pouco depois que Ivory nasceu, mas na noite que Ivory foi traída e foi dada como perdida para nós, os cinco irmãos escolheram virar vampiros. Ruslan, o mais velho, chamou os outros, e eles o seguiram direto para o inferno. E fizeram-no com um plano, com um propósito terrível. Nós estamos vendo os resultados desse plano aqui, nesta cidade, agora. — E o cavalo do carrossel? — Eu terminei de esculpi-lo mais tarde. Salvei a madeira e trabalhei com ele ao longo do tempo. A noite, que os Malinov tomaram a decisão de se tornarem mortos-vivos, eu o tinha acabado junto com os carros. Eu

178


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 estava treinando vários jovens e queria o carrossel para isso. Eu achava os homens que eu estava treinando muito jovens para a batalha, mas eu gostava deles. Eu tinha montado o carrossel, os cavalos e os carros estavam sendo pendurados quando Ruslan e seus irmãos vieram para tentar me recrutar para seu plano. — Para se tornar um vampiro? —Houve um pouco de chiado em sua voz. — Eles nem sequer sugeriram que estavam considerando uma coisa dessas. O que eles queriam fazer era pior ainda. Eles queriam matar o Príncipe e sua família inteira. Eles estavam arriscando cada Cárpato ao fazê-lo. Desta vez, a dor em sua voz foi demais para ela e ela deu alguns passos em direção a ele antes que pudesse se conter. A necessidade de confortá-lo era tão grande que se sentiu doente quando forçou-se a ficar congelada no lugar. Dar esses poucos passos tinha colocado ela mais perto, e agora, pela angústia em sua voz, ela podia sentir a dor irradiando como se tivesse sido guardada por muito tempo e agora a barragem emocional tinha desaparecido e tudo estava derramando dele. — Os Malinov sempre vieram com esquemas idiotas para derrubar o Príncipe, mas era principalmente para debate. Normalmente eles debatiam com os irmãos De La Cruz, mas era só conversa. Apenas isso. No começo eu pensei que não era grave, mas então eu pude ouvir a raiva e resolução em suas vozes. Eu sabia que eles queriam dizer aquilo. Eu sabia que eles planejavam assassinar toda a família Dubrinsky. Eles acreditavam que sua linha era suficiente forte para tomar o lugar da linha Dubrinsky. Algo na maneira como ele revelou a informação, a nota de incredulidade em sua voz, o absoluto choque que alguém pudesse pensar nisso, a fez perceber que havia muito mais história do que ele estava dizendo a ela. Algo era muito especial sobre a linhagem Dubrinsky para ele ter tal reação. Ele não acreditou por um momento que os Malinov

179


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 poderiam ter o lugar dos Dubrinsky, se eles fizessem isso, de alguma forma seria a queda de seu povo. — O que aconteceu? —Ela perguntou, quando ele ficou em silêncio. — Eles me deixaram muito zangado e eu nunca mais os vi como meus amigos. Como Cárpatos. Ivory, a menina que viveu e era querida, tinha desaparecido e eles viraram vampiros naquela noite. Todos eles. Deliberadamente. Eles não esperaram até que fosse tarde demais, até que não houvesse nenhuma esperança de encontrar companheiras e as memórias de amor e amizade estivessem totalmente desaparecidas. Ela levantou a cabeça e choque tomou conta dela, mil relâmpagos bateram todos de uma vez com o que escutou. Ela tinha ouvido essa palavra muitas vezes. Companheira. — Tariq, o que isso significa? A não esperança de encontrar uma companheira e as memórias totalmente desaparecidas. O que isso tem a ver com virar vampiro? Ele suspirou. — Os homens Cárpatos ao longo do tempo perdem a capacidade de ver em cores e sentir a emoção. Nós somos a metade escura da alma e sem luz para fornecer o caminho, nós afundamos mais e mais em um mundo cinzento sem nada. Nós caçamos o vampiro, mas é apenas a nossa honra que nos impede de nos unirmos a eles. Quando você não pode sentir nada, você olha para aquele momento em que você pode. Há um frenesi quando se toma sangue durante uma matança e existe a tentação de se sentir pelo menos isso. O sussurro da tentação vem a você noite após noite. Durante séculos. Implacável. Ela umedeceu os lábios repentinamente secos. Ele estava ferido e a fez doer. Ela não sabia se estava sentindo a dor dele ou se era a sua própria, mas sentiu claramente a perda de seus amigos. Se as coisas que Tariq disse a ela fossem verdades, ele tinha sofrido muito. — Como você sabe que ela é a pessoa certa? Seus olhos azuis vagaram sobre sua face. Havia posse lá. Emoção crua

180


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 e profunda a sacudiu. — Há apenas uma, Charlotte, ela detém a outra metade de sua alma. Ela pode estar em qualquer século. Nós achávamos que só as mulheres Cárpatos poderiam ser companheiras, e as nossas mulheres lentamente desapareceram até que nós tínhamos muito poucas, não havia nenhuma criança para nos trazer esperança. O Príncipe encontrou Raven, e ela era humana. Isso deu ao resto de nós a vontade de continuar quando nossa resistência estava acabando. — O que acontece quando você encontra sua companheira? Como você sabe que ela é a pessoa certa? Como você pode saber? —Porque ele acreditava que ela era dele, e ela acreditava que ele pertencia a ela. E isso era simplesmente louco. — Quando ouvi sua voz, eu comecei a sentir pela primeira vez em séculos. Emoções reais. Mais, eu pude ver em cores. Cores bonitas que eu não tinha visto em muito tempo, que eu tinha esquecido que existiam. Quando eu disse a você que não vejo outras mulheres, eu quis dizer isso. Meu pau reage somente a você. Apenas para você. Meu corpo nunca aceitaria outra mulher. É minha companheira. Minha única. Ela segurou suas palavras perto, tão perto que se afundaram em seu coração. Um pequeno tremor se arrastou por sua espinha. Ele vivia em um mundo que mal podia imaginar. — Eu vi você uma vez, —disse ele. — A muito tempo atrás. Quando eu estava esculpindo o cavalo. Me virei e vi você. Olhei diretamente para você. Eu sabia que você existia, e eu procurei por muito tempo. Eu não queria nem pensar que poderia não encontrá-la, mas o tempo passou e, eventualmente ... —Ele parou. Charlotte não poderia parar o pequeno suspiro que escapou. Ela levou os dedos aos lábios, pressionando duro para manter o choque do que ele tinha acabado de revelar. Tinha-a visto. Longe no tempo, a tinha visto quando ela entrou no túnel, puxada pelas memórias na madeira. Ela

181


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 colocou o dedo em sua boca e provou seu próprio sangue. Estremecendo, ela tirou o dedo e esfregou a ferida ao longo de sua coxa. — Você tem alguma ideia do quão bizarro e assustador tudo o que você me disse é? Eu só sei sobre vampiros através de filmes de terror e livros. Eles eram fictícios. Criaturas míticas para nos assustar no Halloween. Não reais. — Eles são muito reais, sielamet, e algo está acontecendo aqui que nós ainda não entendemos. Algo que envolve você, Genevieve e Emeline. Foram encontrados corpos debaixo da cidade, mulheres em várias fases de gravidez. Acreditamos que os Malinov estão tentando estabelecer seu próprio império. Se eles tentarem transformar uma mulher que não é psíquica ela vai enlouquecer. Uma mulher psíquica, no entanto, uma com fortes dons, pode lidar com a conversão. Charlotte realmente não gostou do som disso. — Conversão? —Sua voz saiu alta. Um tímido rangido. Ele balançou a cabeça, com os olhos em seu rosto. — Leva três intercâmbios de sangue trazer um ser humano dotado para nosso mundo. Ela fechou os olhos com força. Lembrando. A boca dele sobre ela. Sua boca nele. Aquele gosto estourando na boca, viciante, criando um terrível desejo. Suas palavras, tão gentis, tão amorosas, sua linguagem, seu modo sexy e intrigante. Isso estava se tornando cada vez mais real. Seu cérebro estava, finalmente, permitindo-lhe processar tudo o que ele tinha dito. Ele estava colocando todos os pedaços juntos para dar-lhe a imagem completa. Tariq Asenguard estava convertendo-a, e, eventualmente, ela seria a mãe de todas as crianças. — Eu vi o filme The Lost Boys5, —alertou a ele. — Eu não vi este filme. —Havia uma leve confusão, mas os olhos não vacilaram.

182


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ela deu um passo para trás de novo, mais uma vez, recuando. — Um filme ótimo. Engraçado e assustador. Um vampiro tentando montar sua própria família. — Isto não é um filme, Charlotte. Você é minha família. Minha companheira. As crianças são almas perdidas necessitadas de ajuda. Eu fui em seu auxílio, porque ao longo dos séculos, foi isso que eu fiz. O que eu sempre fiz. Eu acho os perdidos e cuido deles. Se isso não é o que você quer fazer, vou parar. Mas você é minha. Havia resolução nessas palavras, e estudando seu rosto, ela podia ver que havia pouca manobra em torno de sua declaração. Ele acreditava absolutamente nisso, e o mais assustador era, ela também. Ela deu outro passo para trás, sacudindo a cabeça. Era inacreditável. Fridrick assassinou o namorado e a avó de Genevieve. Assassinou Ricard Beaudet e, em seguida, o irmão de Charlotte. Tariq escreveu para Ricard, muita coincidência. Os três homens que as seguiram de Paris. Dar-se a um homem que ela não conhecia depois de anos não permitindo que ninguém a tocasse. O que havia de errado com ela que estava sendo arrastada por um caminho do qual não havia retorno? Ela não era esse tipo de mulher. Ela sempre foi forte e confiante, sua própria rocha. Independente. Muito, de acordo com o irmão dela. No entanto, um toque, um olhar, ou apenas a voz de Tariq a fazia querer agradá-lo. Querer lhe dar tudo, tudo o que quisesse. Portanto, não era ela. Ela não podia simplesmente acreditar em cada incrível palavra que saia de sua boca. Ela sabia, de tocar o cavalo do carrossel, que ele era antigo. Ela o viu, sentiu-o, até achou que o tinha visto olhando para ela. Agora ela sabia que ele tinha. ____________________ 5

The Lost Boys – Os Garotos Perdidos

183


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Eu fiz. Seu coração saltou, gaguejou e depois começou a bater. Ele tinha ouvido seus pensamentos. Ele estava dentro da mente dela. Ele podia ler seu plano de fuga quase antes de ela ter um. Pior, ele confirmou o que ela tinha suspeitado. — Esse momento foi o que me permitiu durar tanto tempo. Ficar com os seres humanos. Ter a ideia dos clubes. Eu sabia que você estava em algum lugar do mundo, embora tivesse me convencido que eu lhe inventei. Eu realmente não "vi" você tanto como eu senti sua presença. Tão forte. Eu senti a fragrância que é tão excepcionalmente você. Eu a senti no clube e sabia que estava perto. Ele inalou, tomando o cheiro dela, puxando-o profundamente em seus pulmões, os olhos vigilantes. Sabia que ao se mover ele estaria em cima dela. Ela só não sabia o que ele faria. — Quero pegar Lourdes e sair. —Ela tentou manter a voz firme. Era tarde demais para esconder o fato que ele tinha a apavorado totalmente. Ela precisava ficar longe dele. O sussurro da madeira do cavalo, agora chamando-a. Ela enfiou a ponta do seu dedo em sua boca de novo, chupando o ardor da lasca. Ela não estava lá. Ela achou que tinha penetrado a pele e quebrado, mas apenas fez uma pequena laceração, e agora apenas picava. Ela estava grata que não tinha que pescar um pedaço de madeira velha de seu dedo, uma coisa pequena, mas deu-lhe outra coisa para pensar. — Você se machucou? —Imediatamente ele estava alerta. — Não é nada. —Deus. Deus. A preocupação em sua voz. A sacudiu. Seus olhos tinham ficado suaves. Bonitos. Ele era o homem mais lindo em que já tinha posto os olhos. Todo dela. Oferecendo-lhe tudo. Ela realmente ia jogar isso fora? Ela deu outro passo para trás, longe da tentação. — Eu só espetei em uma lasca.

184


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Deixe-me ver. —Ele estendeu a mão para ela. O pânico se estabeleceu instantaneamente. Ele não podia tocá-la. Ela simplesmente não conseguia. Ela ia cair aos pedaços. Fundir. Dar-lhe tudo o que ele queria. Qualquer coisa. Ela tinha que ter cuidado, porque a cada passo que dava, ela poderia entrar mais profundamente em uma armadilha. Ela colocou a mão para trás e balançou a cabeça. — Não. —Ela foi decisiva. — Você fica aí e me deixa pensar sobre isso. Sei que você é capaz de controlar mentes. Eu sei o que os vampiros do cinema podem fazer, especialmente se tomaram o sangue da vítima. — Você não é uma vítima. É minha companheira, minha mulher, significa ser valorizada e protegida. Nunca uma vítima, Charlotte. A voz dele. Hipnotizante. Veludo. Acariciante. Se isso não era controlar a mente o que era? Ela sacudiu a cabeça, tentando tomar uma decisão quando se sentia mais como a proverbial presa encurralada. — Eu tenho liberdade de escolha? — Escolha em quê? Você tem todos os tipos de liberdade. Você é talentosa e se tornará ainda mais. Você não percebeu a diferença em seus sentidos? A sua audição? A sua visão? Sua capacidade de se mover? Cada sentido em você já é elevado. Você tem a liberdade de falar com sua mente, de tomar decisões, todas as coisas que o ser humano dá tanto valor. — Você está deixando de fora a minha decisão de ficar aqui, com você. Que tal? Ele inclinou a cabeça para um lado, ainda a estudando. — O mundo humano está muito preocupado com direitos e privilégios. Direito. Cárpatos são dever e honra. Responsabilidade. Nossas vidas são muito simples a esse respeito. Meu dever é com meu Príncipe e minha

185


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 companheira em primeiro lugar e, em seguida, com meu povo. Seu dever é o mesmo. Não há uma decisão para ser tomada. Isto é um fato. Você pode negar a verdade? Ela não podia. Ela não era Cárpato e não tinha sido levada para esse mundo, mas não podia negar que algo poderoso estava entre eles. A ligação ficava mais forte quanto mais ficasse em sua presença. — Não há saída para qualquer um de nós. Sem divórcio ou separação. Nós somos um, juntos ainda que divididos. Nós não podemos ser separados. Não confortavelmente e não por muito tempo. Você está dois terços em meu mundo. Você já está mudando. Ela balançou a cabeça. — Isso não está certo. Você não teve a minha permissão. — Eu não preciso de sua permissão. É seu dever. Ela levantou seu queixo, raiva varrendo através dela. — Não comece a ditar minha vida. Você não pode apenas me obrigar a aceitá-lo. Ele estava lá então. Bem na frente dela, seu corpo grudado ao dela, seu braço ao redor dela para evitar que caísse quando ele a levou rapidamente para trás. Tão rápido. Suas costas bateram na parede e ela foi enjaulada. Presa lá. — Você se deu a mim, Charlotte. Não há nenhuma volta. Eu te disse, o que eu faria não poderia ser desfeito. Os votos foram feitos. No meu mundo, nós somos marido e mulher. Nossa alma é uma novamente, minha escuridão para sua luz. Ela fez. Ela tinha feito isso. Ela sequer sabia que estava fazendo algo louco no momento. Alguma coisa importante. Ela balançou a cabeça. — Isso não. A troca de sangue. Eu não concordo com isso. — Você concordou em ser minha. Entrar no meu mundo. —Ele segurou seu queixo na palma da sua mão, forçando a cabeça para cima. — Não há como voltar atrás agora. É muito tarde para isso. Mesmo que

186


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 eu a deixasse ir, o que nunca vai acontecer, você não iria sobreviver e nem eu. Estamos amarrados. Seu polegar deslizou ao longo de sua bochecha, uma carícia suave que chegou no seu coração. Ela estava apavorada, mas ao mesmo tempo se sentiu segura no momento em que ele a tocou. Segura. Protegida. Pertencente. Ele era mágico. Ela sabia que nunca iria ter outro homem. Apenas Tariq. Era como se ela o conhecesse toda a sua vida. — Eu não sabia com o que estava concordando, —ela sussurrou, porque não havia nenhuma maneira de sua voz ser mais que um sussurro. — Eu não quero estar em um mundo onde eu tenha que olhar os seres humanos como presa. — Você não é uma predadora, sielamet. Você é a luz de minha escuridão. Você sempre será você, uma doce mulher corajosa iluminando o caminho de seu homem. — Você é um predador, —ela acusou. — Exatamente. Eu sempre serei um. Eu nasci para caçar e vou continuar a fazê-lo. Mas eu sempre estive no mundo dos humanos, atraído por eles, protegendo-os. Naquela noite, a noite em que os Malinov transformaram-se, eles voltaram determinados a acabar com toda a aldeia onde eu trabalhava treinando os jovens para a batalha. Fridrick e seu irmão estavam com eles. E dois outros. Foi um banho de sangue, Charlotte. Muitas pessoas morreram desnecessariamente porque eu me recusei a me juntar a eles. Eles precisavam que eu morresse. Eles queriam isso. Eu me tornei um dos seus piores inimigos naquela noite e eu os caço através dos séculos. Ela estremeceu com a palavra séculos, ela não podia entender. Séculos eram um longo, longo tempo. — Não fique tão assustada. Eu sempre estarei ao seu lado. Sempre. Você vai ser capaz de proteger Lourdes e os outros junto comigo. —Sua

187


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 boca se moveu sobre sua bochecha, beijinhos estalando contra sua pele. Tão macios. Tão convincentes. Sua língua brincou com a costura de sua boca. O corpo dele estava quente e duro, a mão sob o queixo segurando sua garganta de modo que sua pulsação estava na palma dele. — Estou absolutamente apavorada, —confessou. — Sielamet, eu sei que este é um salto de fé para você, mas nós podemos fazer isso. Você. Eu. Muito poucas pessoas podem ter o que podemos. Juntos. Eu tenho muito amor por você Charlotte. Tanto. E só vai crescer. Olhe em minha mente e você verá tudo o que você precisa acreditar. Eu estou pedindo para você dar esse salto e acreditar que eu vou pegar você. Deixe-me tê-la nesta vida e em todas as que estão por vir. Ele fez o seu pedido, seus lábios contra os dela, para que ela se sentisse cada palavra deslizando dentro dela. Indo profundo. Seu coração batia alto. Duro. Seguia o ritmo exato do dele. Ela ... queria ... ele. — O que acontece se eu concordar? — Eu tomo seu sangue para a terceira troca. Você toma o meu e vai passar pela conversão. Perguntei a Maksim o que acontece. Blaze passou por isso. Ele disse que foi difícil de assistir, terrível para ela. Ele também disse que se você aceitar, se souber com certeza que quer, não é tão ruim. Eu estarei com você tomando o máximo de dor e medo possível, mas, honestamente, vai ser duro. Ela contou cinco batimentos cardíacos. Respirou. Chamou ar em seus pulmões. — Você quer que eu faça isso? Sentir dor? Seu polegar deslizou sobre sua bochecha novamente, traçou sua alta maçã do rosto e, em seguida, mudou-se para pressionar o pequeno recuo em seu queixo. — Absolutamente não, sielamet. A última coisa que qualquer homem quer para a sua mulher é que ela sinta dor. Eu faria isso por você se pudesse. Eu vou ficar com você a cada momento, e tomar a dor tanto quanto o seu corpo me permitir, e no final, quando eu puder, vou

188


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 botar você para dormir, então você não vai sentir nada, mas, infelizmente, para trazê-la para o meu mundo, eu tenho que tirá-la do seu. Ela engoliu em seco, visões de filmes de terror crescendo. — Como um vampiro. —Uma mão deslizou até a parede e em seguida, ela circulou seu pulso com os dedos, ou tentou. Seus dedos não fechavam em torno do pulso então ela simplesmente enterrou os dedos e tentou puxar a mão de sua garganta. — Não como um vampiro. Você vai mentir para mim e me dizer que não foi erótico quando tomei seu sangue? Você participou, Charlotte. Você queria o que eu tinha para oferecer, porque você me reconheceu. Você sabe o que sou para você. Olhando em seus olhos, olhos que eram gemas azuis gêmeas, ela sabia que estava perdida. Ela era sua. Mas o que ele queria ... O que ele exigia era aterrorizante. Dar o quê e quem ela era para se tornar algo mais. Ela balançou a cabeça. — Eu não sou tão corajosa ou forte. Seus lábios lentamente se curvaram em um sorriso. Sua boca era bonita. Tentadora. Quando sorria era mais ainda. O sorriso subiu para aquecer o azul de seus olhos, transformando a chama mais quente e mais brilhante, deslumbrando-a. — A Charlotte, que estava disposta a enfrentar um assassino em série com uma lata de spray de pimenta que tinha na sua bolsa. Que deu um passo à frente de sua amiga Genevieve, e que tentou me proteger, um total estranho para você. Não me diga que não tem coragem. Só uma mulher de grande coragem faria as coisas que você fez. — Ou uma louca, —ela murmurou, incapaz de tirar o olhar daquela boca pecaminosa. Ele trouxe sua boca até a dela com deliciosa gentileza. Um pequeno pincelar. Um sussurro de carícia. Calor em espiral correu através dela instantaneamente, e ela precisava de mais. Ele lhe deu mais, sua língua provocou ao longo da costura de sua boca, e ela se abriu para ele,

189


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 precisando de seus beijos. Derretendo em seu corpo. Não havia como negar que ela pertencia a ele. Não quando ele a beijou. Não quando os braços a puxaram tão firmemente contra ele, quase esmagando-a, mas, ao mesmo tempo oferecendo sua proteção, seu abrigo. Fazendo-a se sentir preciosa e querida. E queria. Você ainda vai ser você, Charlotte. Você é incapaz de se tornar um vampiro. Nenhuma mulher da luz poderia fazê-lo. As palavras não importavam tanto quanto a emoção derramando dentro dela. Sua emoção. Intensa. Real. Dela. Ele era dela. Não importava que ele não fosse totalmente humano ou que ele vivesse em um mundo de violência. Ela vivia lá, também. Ela tinha perdido seu irmão e seu mentor. Genevieve tinha perdido um namorado e sua amada avó. Charlotte entrelaçou os dedos atrás do pescoço dele e segurou, beijando-o de volta. Dando-lhe tudo. Sim. Sua respiração engatou. Era uma decisão importante. Uma que ela sabia que não poderia voltar atrás e era terrível, mas ficar sem ele era ainda pior. Mas ainda não. Eu tenho que ter certeza que ainda posso cuidar de Lourdes. E eu ainda estou com muito, muito medo. Eu sou assim, ele admitiu. Fique comigo através da conversão. Não me abandone. Não importa o que aconteça, fique aberta para mim. Dê-me sua palavra, Charlotte. Eu preciso saber que você vai dar isso a mim. Ela puxou sua cabeça para trás e ele se inclinou para descansar sua testa contra a dela, seu olhar azul puxando-a para dentro. Procurando-a neste momento. Querendo que ela lhe desse tudo. Charlotte suspirou. — Será que vou morrer? — Vai sentir como se morresse, pelo que ouvi. Seus órgãos mudarão. Não é fácil, sielamet. Eu não posso afastar isso, não importa o quanto eu

190


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 quero ser capaz de fazer isso por você. Mas se você realmente fizer esta escolha, no seu coração, na sua cabeça, quando chegar o momento, será mais fácil aceitar. Deixar acontecer e não combatê-lo. Ela sabia que ele estava tentando tranquilizá-la, mas o desconhecido ainda era assustador. — Eu tenho que ir ver Lourdes. Deixei-a sozinha com Genevieve muito tempo. E nós temos que resolver onde Genevieve vai viver. — Por enquanto, ela pode viver nesta casa. Isso vai permitir que ela cuide de Lourdes durante o dia se tiver necessidade. Eventualmente, quando eu souber que Lourdes e as outras crianças podem aguentar, vamos trazê-los ao meu mundo. Elas vão estar muito mais seguras assim. Charlotte balançou a cabeça e tentou dar um passo para trás, mas a parede estava bem atrás dela. — Você não pode tomar essa decisão por elas. Elas têm que fazê-lo quando forem adultas. —Ela não estava certa do que "isso" implicava, mas era enorme. Mudar totalmente de espécie. Viver de forma diferente. Ela nem sequer sabia como era. Outro pensamento terrível lhe ocorreu. — Você não dorme em um caixão, não é? Porque eu não sou capaz de fazer isso. — Não. Mas nós não saímos no sol. Isso pode nos queimar. Podemos lidar com o início da manhã e o fim da tarde. A sensibilidade de cada Cárpato é diferente, mas como regra, não podemos tomar sol. Temos de dormir durante o dia, e nós estamos mais vulneráveis então. Eu acho que os seus três perseguidores de Paris são caçadores de vampiros e matam qualquer um de quem eles suspeitam, vampiro, Cárpato ou humano. Eles não estão ligados a Fridrick. — Como você sabe? — Eu sei. Podemos verificar mentes, e se um vampiro assumiu um ser humano e o transformou em seu fantoche ... —Ele parou de falar, seus olhos azuis se abrindo mais. — Os homens com Fridrick eram humanos.

191


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Eu não o senti, nem mesmo quando fiz a varredura de suas mentes, mas claramente eles estavam sob o controle de Fridrick. Ele deu um passo para trás, mantendo as mãos em seus ombros. — Nós temos que descobrir o que eles estavam fazendo nos túneis antes de expulsarmos todos. Maksim me disse que quando voltou para descobrir o que eles estavam fazendo com todas as suas experiências, tudo estava destruído. Todo o equipamento. As gaiolas. A sala de controle com os seus computadores. Tudo em escombros. Precisamos de informações ou estamos apenas adivinhando suas intenções, e agora tudo está perdido para nós. — Eu posso conseguir isso para você. Se há entulho lá embaixo, eu ainda posso "ver" para que foi usado, tocando o que sobrou, —disse Charlotte. — Eu venho fazendo esse tipo de coisa desde que eu era uma criança. Claro que na verdade nunca disse a ninguém, só a Genevieve e as pessoas no centro de testes psíquicos da França, mas percebi que tinha uma negação plausível se alguém descobrisse. Eu sou realmente boa no que faço. Tariq olhou para ela por um longo tempo, sua expressão era uma mistura de admiração, aprovação e orgulho. A maneira como ele olhou para ela a fazia se sentir quente por dentro. Ela daria muito para ver esse olhar em seu rosto muitas vezes. — Você estaria disposta a ir para os túneis e peneirar os quartos com a gente? Pode ser muito feio, sielamet. Você viu o que eles fizeram para Liv. Reviver a tortura dos outros pode mexer com você de várias maneiras. Ela colocou a mão em seu braço para detê-lo. — Eu não teria dito nada se não achasse que poderia lidar com isso. Eu toco antiguidades o tempo todo. Já vi tortura antes. Eu sei que pode ser feio, mas se isso ajudar a nos livrar de Fridrick e qualquer um dos seus amigos, vou ajudar de qualquer maneira que eu puder.

192


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Isso lhe rendeu outro beijo. Um longo. Um que ela poderia levar com ela quando ela entrasse em um covil de vampiros.

10mn Charlotte

colocou a ponta de seu dedo em sua boca. Aquilo

machucava. Não era ruim, apenas uma maçante e irritante dor. Ela olhou várias vezes de perto para ter certeza de que não havia uma lasca do cavalo do carrossel, mas não havia nada além de uma pequena mancha vermelha. Chupá-la não ajudava. De fato, no momento em que estava em sua boca, latejava irritantemente. Ela passou o resto da noite com Lourdes. Ela não estava nada cansada e nem sua sobrinha, ou qualquer uma das crianças. Todos eles haviam dormido durante o dia. Colocou Lourdes na cama, teve um amanhecer selvagem com Tariq e depois adormeceu na cama de Lourdes, apenas para acordar com Tariq em sua cama. Agora estava se dirigindo a um labirinto subterrâneo abaixo da cidade onde Fridrick e seu chefe, Vadim, tinham torturado homens, mulheres e crianças. — Isso é perigoso, não é? —Ela perguntou, mantendo a voz baixa. Ela estava cercada por amigos de Tariq. Mantiveram-na no centro e ela sabia que era deliberado, embora eles agissem casualmente, tanto que

193


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 a maioria dos homens a ignorou depois que acenaram para ela em cumprimento. Ela reconheceu seu parceiro, Maksim, e o chamado Dragomir da noite anterior. Dragomir era aterrorizante. Se ela não tivesse presa a Tariq, ela poderia ter fugido. Ele não tinha um osso suave em seu corpo. Se qualquer coisa, ele parecia uma máquina de matar. Ela tentou não olhar para ele. Ele usava o cabelo em uma trança longa, grossa que caía até a cintura. A cada polegada mais ou menos um fio de couro enrolava o cabelo de modo que a trança tinha aumentos intrigantes correndo pelas costas. Deveria fazê-lo parecer um pouco feminino, mas, na verdade, junto com seu duro olhar, parecia assustador. Havia os trigêmeos Lojos, Tomás e Mataias, todos com características duras e longos cabelos. De acordo com Tariq, Tomás esteve em uma batalha com vampiros, tinha sido gravemente ferido e deveria estar se curando, mas se juntou a eles de qualquer maneira, assim como ele tinha feito na garagem. Ela reconheceu Siv também. Ela tentou enviar-lhe um sorriso hesitante para lhe agradecer por ter resgatado Lourdes, mas não obteve resposta dele. Dragomir olhou para ela. — Ela não deve ir a aquele lugar de loucura. Ela é sensível, Tariq, muito sensível. —Ele falou como se ela não estivesse lá. — Ela pode nos dizer tudo o que estavam fazendo, e nós precisamos saber, —explicou Tariq. — Sem ela, não sabemos o que estamos enfrentando. — É perigoso. Só isso. A maneira como ele disse, sem emoção alguma, mas, ao mesmo tempo, como uma ordem, uma expectativa a ser obedecida, fez Charlotte se encolher. Ela percebeu imediatamente que diferente do Maksim e Tariq,

194


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 estes homens viviam em um mundo frio, cinzento sem nada. Ela não podia deixar de sentir um pouco de medo deles e ao mesmo tempo ter compaixão por eles. Dragomir não era de todo como Tariq. Ele não queria que sua mulher caminhasse ao lado dele no perigo. Ele não esperaria que ela entrasse em túneis e usasse seu dom, a fim de beneficiar a todos. Ele era mais velho que Tariq, embora ela não pudesse dizer quanto, só que o que quer que tivesse acontecido com ele o transformou em um ser muito perigoso. Ele não iria perguntar a sua companheira se ela queria vir para o seu mundo com ele. Ele simplesmente a levaria. Ela tinha a sensação de que Siv ia pelo mesmo caminho. — Espere, Charlotte, —Tariq disse suavemente, envolvendo os braços em volta dela e levantando-a facilmente para embalá-la contra seu peito. Ela não teve outra opção, senão colocar os braços em volta de seu pescoço e se segurar. Ela olhou em torno procurando um carro. Qualquer tipo de veículo. Eles não estavam nem perto do estacionamento. Genevieve e Lourdes tinham ido para cama, assim como Danny e suas irmãs. A luz de Emeline ainda estava ligada, mas não era mais que um farol fraco de luz, na noite muito escura no lado da propriedade longe do lago. Ela apertou seus dedos convulsivamente quando o chão começou a sumir, grata que ela brincou com Lourdes novamente antes de decidir ir com os homens aos túneis. A ideia parecia boa em seguida, ela não estava tão certa, mas viajar pelo céu talvez valesse a pena, afinal. — Tariq. —Ela respirou seu nome, querendo esconder os olhos, mas incapaz de fazê-lo, não quando podia olhar para a casa e para o lago de cima. Ele não hesitou ou vacilou. Nem os outros homens, ainda agrupados em um círculo apertado em torno dela. — É mais fácil e mais rápido ir de um lugar para o outro dessa maneira, —explicou.

195


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Que, portanto, não era uma explicação. Mas voar era incrivelmente perfeito. Ela abriu a boca para falar e o vento soprou cada palavra dela. Ela optou por usar o caminho mais íntimo. Será que vou ser capaz de fazer isso por mim mesma? Diversão masculina assumiu. Finalmente. Algo sobre o meu mundo que lhe agrada. Você me agrada. Voar realmente me agradou. Voar é possivelmente a coisa mais legal do mundo, uma vez que você passa o choque que alguém pode realmente voar. Ela iria voar muito no futuro. Diga-me por que Dragomir acha que é muito perigoso para mim ir com você. Porque, honestamente, se um homem daqueles estava preocupado, talvez ela devesse estar também. Tariq ficou em silêncio por tanto tempo que ela achou que ele não iria responder. Ela observou as casas e as luzes abaixo dela e, finalmente, olhou para seu rosto. Toda vez ela fazia isso, olhava completamente para ele, ele a deixava sem fôlego. Não era apenas a beleza, mas a profundidade do sentimento que ele tinha por ela. Seus olhos azuis vagaram pela face dela. Você é tão valente, Charlotte. Muito. A maioria dos machos Cárpatos, não quer que nenhum perigo toque suas companheiras. No entanto, cada companheira é diferente, com necessidades diferentes. Por exemplo, Blaze, companheira de Maksim, é uma guerreira por completo. Ela particularmente não quer ter que lutar contra vampiros, mas ela certamente quer saber como fazê-lo e tornar-se hábil nisso. Ela precisa disso. Então Maksim não pode fazer outra coisa a não ser prover o que ela precisa. E eu preciso fazer isso. Ela fez a declaração porque era a verdade. Ela não queria lutar contra vampiros, mas certamente ela queria saber como fazer. Ela queria se tornar a melhor lutadora possível. Ela não gostaria de ir ativamente a caça, mas queria poder se defender e as suas crianças, todas as crianças de mortos-vivos como deveria. Blaze teve uma boa ideia.

196


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Sim. Passei uma vida ou duas treinando jovens para a batalha. Falei sobre isso com Maksim e não há nenhum problema em ensinar você, Blaze e qualquer uma das outras mulheres aqui na propriedade que quiserem aprender. Você é muito progressivo. Ela não pode deixar de enterrar o rosto entre o pescoço e o ombro para poder beijá-lo atrás da orelha e puxar a sua orelha com os dentes. Preciso de um homem progressista. Quando entrar em situações perigosas, espero obediência imediata. Ela se encolheu. Lá se foi seu status progressivo. Tariq, realmente sou muito inteligente. Eu sei, sem você ou qualquer outra pessoa me dizendo, que você é muito mais equipado e experiente neste tipo de coisa que eu. É o seu mundo, não meu. Ele começou a falar e ela balançou a cabeça, sentindo os pensamentos dele se formando em sua mente. Não é meu mundo ainda, mas mesmo se eu estivesse totalmente nele, eu ainda espero que você assuma a liderança e mate os monstros. Eu não me importo de ajudar você de alguma maneira se eu puder, mas eu posso descobrir sozinha que não tenho a experiência que você tem. Ela não tentou esconder a atitude de sua voz. Ele achava que ela era louca? Ela não tinha problemas em fugir de uma briga. Ela cuidava de seus amigos, e apoiava seu homem. Iria cuidar totalmente de sua família, mas a ideia de que ele achava que ela seria tola o suficiente para tentar brigar com os Fridrick da vida se ela não tivesse que fazer isso era simplesmente louca. Eu lhe disse para não tocar os cavalos e você fez. OK. Ele tinha um ponto. Ela tinha feito isso. Foi um acidente, mas ainda assim, ela tinha feito isso. — Quando estou perto de coisas velhas, eu gosto de tocá-las. É uma compulsão. —Enquanto ela respondia, acariciava o rosto com as pontas dos dedos, esperando que ele risse. Eu posso ver que a minha mulher tem um monte de insolência nela.

197


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Pelo menos ela podia sentir sua diversão. Eu tenho que conviver com suas tendências mandonas. Lembra da parte sobre você me dar o que eu preciso? Eu preciso que você perca a veia mandona. Ela sentiu mais de sua diversão e gostou muito. Que floresceu em uma risada cheia, e ela absolutamente amou isso. Desceram do lado de fora de uma casa abandonada. — Há uma entrada aqui. Os túneis levam a uma pequena cidade subterrânea. Os irmãos Malinov se prepararam muito bem para isso. —Tariq colocou-a delicadamente na calçada rachada. — Eles compraram a maior parte das propriedades, e nós achamos que eles estão usando o porto para sair para o mar em barcos. Eles compram homens e mulheres das redes de tráfico e os levam para onde ninguém possa vê-los morrer. Um pequeno arrepio passou por Charlotte. — Era para isso que eles nos queriam? Para se alimentarem e nos matar? — Não, Charlotte. —Ele balançou a cabeça, seu olhar se movendo pensativo sobre o rosto dela. — Lá em baixo, espero que você vá encontrar a razão apenas tocando as gaiolas. Achamos que sabemos o que eles estão fazendo, mas precisamos ter certeza. Encontramos os corpos de várias mulheres jovens em várias fases de gravidez. Nós acreditamos que eles estão tentando encontrar mães para seus filhos. As mulheres têm de ser capazes de se tornarem companheiras. Maksim abriu o caminho para dentro dos túneis. Tariq o seguiu. Charlotte enfiou a mão no bolso de trás de Tariq, a fim de se sentir mais à vontade no labirinto com todas as voltas e reviravoltas. — Eles estão procurando por companheiras para que possam ter filhos? —Ela ecoou fracamente. Quem iria gostar de Fridrick como o pai de seus filhos? Essa era a pior coisa possível que podia imaginar. — É impossível para eles encontrar companheiras. Mesmo que elas ficassem na frente deles, eles optaram por desistir de suas almas. Eles não

198


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 podem uni-las a eles. Não, eles estão procurando por mulheres humanas com dons e fortes o suficiente para levar os seus filhos. Como é que isso é possível, eu não sei, mas é certo que eles estão tentando. Encontramos ... restos mortais. Nós removemos os corpos, mas não tínhamos chegado aos esqueletos e ossos. Esses ainda estão enterrados nos escombros. Charlotte sentiu um pequeno frisson de medo tomar-lhe a espinha. Ela não podia imaginar aquilo que alguém como Frederick faria a uma mulher, e de acordo com Tariq, ele não era o pior, nem o homem no comando. Ela realmente não queria estar por perto para encontrá-lo. Pararam ao lado de uma porta que estava quebrada e sustentada apenas por uma dobradiça. Depois dela, não havia nada além de sujeira, concreto e o que parecia aço retorcido. Tariq se voltou para ela, pôs as mãos sobre sua cintura e a empurrou dois passos para trás. — Fique aqui, Charlotte. Quero-a à vista em todos os momentos. Nós vamos limpar os escombros e depois você pode fazer a leitura durante o tempo que você puder. O que você me disser, vou passar cada palavra para os outros. Mas fique perto, não se afaste. Não ia a qualquer lugar. Este lugar lhe dava arrepios. As arandelas permaneciam no alto das paredes e Dragomir acenou com a mão em direção a elas para acende-las. Ela achou que não tornou os túneis melhores. Ela podia ver manchas de sangue nas paredes curvas aqui e ali, como se os corredores tivessem sido deliberadamente e artisticamente decorados dessa maneira. — Diga que entendeu, sielamet. Seu tom podia ser um chicote ou uma carícia. Esta era o chicote. Ele quis falar assim. Ela assentiu com a cabeça, porque mesmo sem a mão pairando em qualquer objeto, já, podia ouvir os sussurros. A agonia. A esperando pela morte. A oração pela morte. Ela engoliu a bílis e respirou profundo. Em seu primeiro teste de verdade, ela não ia vomitar em todo o

199


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 chão e provar para Tariq que Dragomir estava certo. Ela podia ser sensível, mas ainda era uma mulher com o poder de uma mulher, e não havia maneira de desistir antes mesmo de começar. Se houvesse alguma maneira de ajudar as mulheres que Vadim e Fridrick estavam torturando, ela faria qualquer coisa para salvá-las. — Querido, eu não saio deste ponto, —ela assegurou. Tariq estudou seu rosto, pareceu satisfeito e, em seguida, virou-se para a porta. Uma onda de sua mão o enviou flutuando para longe dela. Ele pressionou as palmas das mãos para baixo sobre a confusão de concreto e sujeira e, lentamente, levantou as mãos. Para sua surpresa, os detritos levantaram, deixando gaiolas meio amassadas, os restos de uma mesa e revelando uma outra porta além da primeira. No momento em que Tariq abriu a sala da frente, e foi para a segunda, removendo aquela porta, olhou por cima do ombro para ela, dando uma ordem silenciosa para não se mover. Ela olhou inquieta a seu redor. Estava tranquila. Os Cárpatos tinham se espalhado, indo para outros quartos, a fim de retirar os escombros, e trabalharam em silêncio absoluto. Eles se comunicavam telepaticamente por isso não havia necessidade de conversa. Por alguma razão, aquele ponto irritante em seu dedo pulsava dolorosamente e sem pensar ela enfiou o dedo ferido em sua boca.

Vá lá pra fora e espere. Agora. Não fale com ninguém. Você não está segura. Vá lá fora e espere. Agora. Não fale com ninguém. Você não está segura ... As palavras eram suaves. Insidiosas. Atraentes. Repetindo mais e mais como um laço em sua cabeça que ela não poderia se livrar. Um aviso? Seu próprio radar dizendo-lhe que ela estava em apuros? Ela balançou a cabeça para tentar limpar o som, mas ele persistiu, como um disco quebrado que ficou preso naquelas frases.

200


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Torcendo os dedos, ela tentou reconhecer a voz. Era um dos outros Cárpatos tentando entrar na cabeça dela? Não soava como eles. A voz não soava como alguém que ela conhecesse. Tariq. Ela desafiou a voz, a necessidade de se ancorar, e Tariq poderia fazer isso por ela. Bem aqui, sielamet. Entre, mas não toque em nada até que eu esteja com você. Eu estou na parede da extremidade trabalhando no segundo quarto. Eu posso ver você. Ela deu um pequeno suspiro de alívio. Não só a voz de Tariq acalmoua, ela sentiu uma brisa fresca que vinha de algum lugar, empurrando o ar viciado e o odor de sangue. Um pouco de vento não pode bloquear os sussurros cada vez mais altos. As vozes das crianças chorando por suas mães ou pais. Uma mulher chorando. Gritos de muitos, tanto adultos como crianças. Ela não tocou em nada e ainda assim as paredes de sua mente foram se afunilando. Pelo menos a voz se foi. A doce voz convincente, hedionda, tentando forçá-la a sair. Charlotte deu três passos para a câmara e estremeceu. Coisas vis tinha ocorrido neste quarto. Uma sala de tortura. Experimentos com seres humanos. Os gritos eram mais altos ali. A angústia mais forte. Ela mal conseguia respirar.

Você não está segura. Saia agora. Saia daí. Você não está segura. A voz estava de volta, sussurrando, não tão alto, mas não menos forte. Tariq. Ela tinha medo de dizer qualquer coisa em voz alta. Havia uma sensação de perigo, de castigo. Seu coração batia tão forte que parecia que ia explodir, e tudo o que ela queria era obedecer a essa voz, virar e correr, para sair desse lugar profano. O que é, sielamet? Ele deve ter ouvido alguma coisa na voz dela, porque voltou para a entrada, a porta que tinha mantido Liv de dez anos presa

201


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 com um monstro se alimentando dela. Os olhos azuis procuraram seu rosto e ele se aproximou. Ao mesmo tempo o seu calor bateu nela, expulsando o frio que ela nem sabia que tinha sentido de seus ossos. Ela se encontrou tremendo e estendeu a mão para ele. Ela precisava acreditar em algo, porque de repente percebeu que no mundo de Tariq viviam verdadeiros monstros. Atos horríveis eram feitos, e ele viveu sabendo disso em cada momento de sua existência. Ele caçou estas criaturas, seres capazes de cometer vários tipos de tortura nas crianças que o rodeavam. Tariq instantaneamente fechou os dedos em torno dela e puxou-a até que ela estava contra seu corpo, contra todo aquele calor e aço. Ele parecia invencível. Forte. Pela primeira vez, ela estava muito feliz dele ser um predador, e ela sabia que tinha que estar em ordem para encontrar e destruir monstros. Ela inalou-o, levando seu perfume em seus pulmões, colocando-se sob seu ombro, para que pudesse envolver os braços firmemente ao redor dele, segurando-o perto dela. O que foi, Charlotte? Sua voz era nada menos do que uma carícia. Ela adorava a maneira como ele podia acalmá-la com apenas aquela voz íntima acariciando através de sua mente como o toque de seus dedos sobre sua pele nua. Estou ouvindo alguém. Eu não toquei em nada, mas eu ouço uma voz me dizendo para sair, que não é seguro aqui. Eu não reconheço a voz, mas uma forte compulsão está ancorada na mesma. Ela estava muito perto dele para não sentir o empurrão em seu corpo. A tensão súbita nele. Ela estava ancorada em sua mente e sabia que ele não gostou nada do que ela disse. Na verdade, seu primeiro pensamento foi de total rejeição. Então cautela. Abra-se para mim, sielamet. Você é minha para cuidar. Cuidar. Proteger. Eu nunca machucaria você. Deixe-me estar em sua mente o tempo todo.

202


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ela não tinha percebido que tinha erguido barreiras. Ela não sabia como fazer o que ele pediu. Eu posso empurrar através delas, mas seria muito desconfortável. Você tem escudos naturais, que é porque a compulsão não funciona em você. Você a sente, mas não precisa agir, porque é quase impossível usar o controle da mente em você pela força dos escudos que você tem. É por isso que isto é bizarro. Ele não disse que não acreditava nela, mas ela poderia dizer que ele ficou chocado. Ela mordeu o lábio e apertou seu domínio sobre ele. Se você pode falar comigo assim, mente a mente, não podem todos os Cárpatos? Em um caminho comum. Se ele estivesse usando a via comum, todos os Cárpatos, incluindo eu, seriamos capaz de ouvir. Às vezes você pode se dirigir a um indivíduo, mas só no caso de trocarmos sangue. Eu estou na sua mente. Gostaria de ouvir. Ela umedeceu os lábios e deu outro olhar em volta para a câmara de tortura terrível. Algemas caídas na pilha de sujeira e concreto. Tariq tinha trazido os objetos para a superfície e, em alguns casos, como aconteceu com as gaiolas, ela reparou, sem tocá-los. Se ela não estivesse cercada pela evidência de tortura e não tivesse uma voz esquisita em sua cabeça tentando comandar, ela poderia achar a capacidade que Tariq tinha muito legal. Agora, ela só queria correr. Eu não gosto de seu mundo, Tariq. É assustador. Ainda assim, ela descansou a cabeça contra seu coração, deixando o batida constante acalmá-la. Como poderia esta voz estar falando comigo? Ele pode ouvir o que dizemos um ao outro? Tariq não respondeu de imediato. Ela sentiu o impulso ainda mais forte em sua mente e foi íntimo. Calor correu por suas veias. Seu corpo ficou mole contra o dele. Ela apertou o rosto contra ele e conscientemente tentou abrir sua mente para a dele, sabendo que ele iria ver tudo. Seus pensamentos. As dúvidas. Cada medo. Todo o desejo. Era tanto

203


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 humilhante como emocionante. Ele iria conhecê-la melhor do que ninguém. Eu amo quem você é, Charlotte. Cada coisa a seu respeito. As partes que fazem você ter medo de partilhar comigo, vou lidar com cuidado. Não vejo mais ninguém em sua mente, mas se eu ficar aqui com você e ele falar de novo, vou ser capaz de ouvir. Como ele pôde fazer isso? ela repetiu. Ansiedade a sacudiu. Ela não queria ninguém mais em sua mente. Tariq era diferente e ela aceitava sua presença, embora ela continuasse admoestando-se a organizar seus pensamentos. Ele teria que ter seu sangue ou de alguma forma ter o sangue dele em você. Você está comigo. Nenhum vampiro poderia entrar no composto. Existem salvaguardas lá. Fortes. Todos os caçadores Cárpatos teceram um escudo para proteger Emeline e as crianças de Vadim Malinov e seu irmão, Sergey. Vadim trocou sangue com Emeline e acreditamos que ele ou Sergey o fez com Bella e Liv. Mas você? Alívio a invadiu. Eu nunca estive perto de um desses dois vampiros. Até que você os mencionou, eu nunca tinha ouvido falar deles. Ela respirou fundo e olhou ao seu redor. Talvez eu tenha imaginado a voz, porque a dor e o sofrimento nesta sala é tão horrível que minha mente está jogando truques a fim de não desmoronar. Sua mão subiu para a parte de trás de sua cabeça, pressionando o rosto mais perto dele. Você não imaginou nada. Dragomir está correto em dizer que você é muito sensível. Eu deveria ter tomado cuidado com você, não permitido que você viesse aqui. Ela não gostava da palavra permitir. Ela só não gostou. O resto, bem, estava tudo bem, mas ... apague a palavra permitir do seu vocabulário. Instantaneamente diversão se espalhou por sua mente. Sou antiquado. Realmente antiquado.

204


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Eu sou uma mulher moderna e se você esteve em minha mente você sabe que sou. Eu carrego spray de pimenta na minha bolsa. Isso deve lhe dizer alguma coisa sobre mim. Ela me diz que você é forte o suficiente para fazer isso, e que você quer. Talvez quisesse ser um pouco mais forte. Ela olhou ao redor da sala, respirou fundo e, em seguida, se afastou de Tariq para colocar as duas mãos no topo da mesa. Gritos irromperam em sua mente. Ela estremeceu, mas segurou. Havia quatro vítimas perante ao homem. O homem Cárpato. Eles estavam felizes que foram capazes de capturá-lo. Eles perderam sete de seus melhores homens e precisaram de oito pessoas para pegá-lo, mas agora que eles o tinham, podiam drenar o sangue e mantê-lo fraco. Ele seria a base para os experimentos. Ela olhou para Tariq, com o coração batendo mais uma vez. — Eu ouço sua voz. A voz falando. Você ouviu isso? —ela sussurrou para ele, com medo de falar telepaticamente agora que tinha reconhecido que o homem encarregado de capturar um dos Cárpatos e torturá-lo ali naquela mesa e naquele quarto era o mesmo homem falando com ela. Tariq assentiu lentamente, um músculo empurrando ao longo de sua mandíbula. — Eu reconheço essa voz. Esse é Vadim Malinov falando. Ele é o único que dá as ordens para seus homens. Você está absolutamente certa de que é a mesma voz que ouviu antes? Ela assentiu com a cabeça e seguiu em frente, agora que ela tinha identificado a voz estranha em sua mente. — Quatro mulheres vieram antes do Cárpato capturado. — Quando você me disser o que aconteceu, use o caminho comum para que os outros possam ouvir também. Ela tinha esquecido que os outros podiam ouvi-la através de seu vínculo com Tariq. Ela assentiu com a cabeça. As quatro mulheres estiveram nessa mesa antes do caçador Cárpato. Elas foram

205


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 usadas em primeiro lugar para alimento; vários vampiros tomaram seu sangue em uma base regular e feriram as mulheres para a sua própria diversão. E então ... Ela parou. Ela odiava isso. Odiava o que foi feito para as mulheres e o que veio depois. Eles as estupraram e impregnaram deles. Cada um deles. Um por vez. Eles forçaram as mulheres a consumir uma mistura de sangue do Cárpato e do mais velho e mais forte dos vampiros. Um chamado Vadim. Ele quer as crianças, para que possam levantar-se com ele para assumir o controle da forragem humana como é seu direito. Seus joelhos tremiam. Ela temia cair. Tariq colocou seu braço ao redor dela para estabilizá-la. Ela pressionou mais perto dele, grata pelo apoio. Sentia cada uma das emoções dessas mulheres. O terror. O horror. A necessidade de lutar as abandonando. Submissão. Desespero. E então a dor. Muita dor. Os bebês. Ela sussurrou em sua mente. Compartilhando isso com todos eles. Os gritos dos nascituros quando no útero, em chamas, queimando, o ácido comendo-os de dentro para fora, da mesma maneira que corroía as mães. Suficiente, Tariq ordenou. Solte. Ela balançou a cabeça. Precisamos saber o que fizeram com o homem. O que eles queriam dele. O cabeça... vampiro... o que quer ... gosta de falar. Ele conversou com as mulheres constantemente, insultando-as, tornando-as conscientes que não eram nada para seus olhos, só veículos para transportar algo que ele queria. Ele falou quando as feria. Ele falou quando ele estuprou-as. Ele teria falado quando torturou o Cárpato. Tariq passou a mão pelo comprimento de seu cabelo. O Cárpato torturado é Val Zhestokly. Ele estava em má forma, quando Blaze o encontrou. Ela o libertou e Emeline deu-lhe sangue. Em troca,

206


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 ele caçou com a gente para tomá-la de Vadim. Ele está se curando no momento. Charlotte estremeceu com o pensamento do que Vadim queria fazer com Emeline. Mesmo estar perto do vampiro seria horrível, muito menos tê-lo a tocando, ou afundar seus dentes em você. Ela precisava visitar Emeline imediatamente e oferecer amizade se nada mais. Emeline precisava saber que ela tinha amigos, pessoas com quem ela poderia conversar. Ela apertou a mão na mesa, à direita de uma grande mancha de sangue seco. Ela sabia que era de Val. O homem tinha sofrido muito a pior tortura que as mulheres. Era como se Vadim e seus amigos estivessem tentando descobrir o quanto o caçador poderia suportar antes de morrer. Ou gritar. Ele nunca fez um som. Nem um único som. Os vampiros o cortaram sistematicamente quase em pedaços. Eles rasgaram sua carne, e ele não respondeu. Quem poderia fazer isso? A tortura continuou por mais de um ano, ela não poderia dizer quanto tempo, mas foi um tempo muito longo. Vadim ou outros vampiros o mantinham em sua prisão, mantendo-o com tão pouco sangue que seu corpo quase sucumbiu sozinho, mas eles sabiam como mantê-lo vivo. Eles usaram todos os dispositivos de tortura conhecida, antigos e modernos, para quebrá-lo. Ele parecia inquebrável. Charlotte peneirava através da história o mais rápido possível, ganhando uma inteiramente nova admiração pelos caçadores Cárpatos. Ela sentiu uma afinidade com Val agora que tinha compartilhado seu sofrimento. Ela não o conhecia. Ela nunca o tinha visto, não vivo e bem, apenas essa imagem desgastada pálida dele com as linhas desenhadas pesadamente em seu belo rosto. Seu corpo estava coberto de cicatrizes,

207


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 antigas e novas. Ele tinha a mesma tatuagem que ela avistou em Dragomir. Ela sabia que poderia encontrar a origem dela, se voltasse longe o suficiente, mas ela tinha que ir para a frente. Ela tinha que descobrir o porque da súbita onda de euforia de Vadim quando ela se aproximou das últimas semanas.

Você não está segura. Corre. Vá agora antes de morrer aí dentro. A voz, aquele terrível som doce, ela reconheceu. Sussurrando para ela. Ordenando-lhe. Ela sabia que ele tinha um objetivo e empurrou a compulsão para ela, porque a cabeça quase explodiu de dor e ao mesmo tempo, o corpo dela virou por sua própria vontade preparado para fugir. O braço de Tariq era uma barra em torno de sua caixa torácica, segurando-a com ele, seu hálito quente em seu ouvido. Esse é Vadim. Tenha cuidado quando você me responder, permaneça em nosso caminho. É diferente, uma sutil diferença apenas, por isso você deve ter cuidado. Você está certa de que você nunca esteve perto dele? Ela balançou a cabeça, mantendo os olhos bem fechados, com medo de olhar ao seu redor, com medo de que Tariq pudesse de repente a soltar e ela estaria enfrentando a ameaça sozinha. Vadim Malinov era uma ameaça muito pior que Fridrick. Ela sentia Fridrick no fundo. Ele tinha tomado o sangue do Cárpato algumas vezes e feito a sua parte em torturar, mas ninguém foi tão mal como Vadim, nem mesmo seu irmão, Sergey. Ele nunca me tocou. Olhe minhas memórias. Em minha mente. Ele não está lá. Eu não sabia que ele existia até que conheci você. Eu não sei como ele está fazendo isso. Kod alte hän. Tariq rosnou as palavras, sua voz um grunhido suave que enviou um arrepio através dela. O que isso significa? Ela inclinou a cabeça para olhar para ele, as mãos

208


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 ainda sobre a mesa, conectando os dois com Val Zhestokly e o sofrimento do Cárpato. Os olhos de Tariq tinham virado chamas azuis puras. — Isso significa 'Que a escuridão o amaldiçoe.' — Xingando em Cárpato não soa tão ruim quando xingado na linguagem moderna de hoje, mas acredite em mim, Charlotte, é. Ela acreditou nele, principalmente por causa da maneira como ele disse, o tom que ele usou. Ele não gostava que Vadim estivesse em sua cabeça e não conseguir descobrir como o vampiro tinha chegado lá. Mantenha-me segura enquanto eu descubro exatamente o que Vadim queria de Val. Ela não esperou Tariq concordar. Ela avançou o passado para apenas algumas semanas atrás. Ela tinha que chegar ao momento que ela precisava, e quando ela o fez, respirou fundo e permitiu que as paredes do túnel crescessem em torno dela, selando-a com as memórias solidificadas ali no sangue e madeira. Vadim se aproximou de Val, que estava acorrentado em uma pequena gaiola desconfortável como um animal. Claramente o vampiro estava zombando de alegria. Eu encontrei o caminho certo. As outras vão morrer em breve. Elas são muito fracas e não podem, possivelmente, levar meu filho, o único a destruir Mikhail e toda a sua linhagem. Mas esta, testou muito alto, e logo estará aqui nos Estados Unidos. Eu já coloquei as coisas em movimento, e descobri o quão importante você é para este projeto. Sabe o que isso significa, Val? Você tem alguma ideia? Vadim esperou, mas Val não se dignou a olhar para ele e muito menos responder. Vadim acenou com a mão para desbloquear a gaiola. Ele chegou com lentidão deliberada, querendo que sua vítima soubesse o que estava por vir.

209


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 O vampiro bateu duro e cruel, rasgando a garganta de Val, seus dentes afiados e enormes. Acorrentado e fraco por falta de sangue, por toda a tortura de chicotes e correntes e facas, Val não pode fazer qualquer coisa para proteger a si mesmo. Ele continuou silencioso, estoico, ignorando completamente a crueldade do assalto de Vadim. Vadim bebeu e, em seguida, empurrou o Cárpato longe dele, limpando o sangue em seus lábios com as costas da mão. Val não fez nenhuma tentativa para sentar-se, permanecendo caído contra as barras de sua jaula. Vadim olhou-o. Ela queima, não é? A fome. Ela corrói você até que você não consegue pensar em qualquer outra coisa. Essa necessidade. A todo momento ela está lá com você. Você teve sua chance de se juntar a nós, mas você foi demasiado estúpido para ver a realidade do que a linha Dubrinsky estava fazendo, tornando-se cada vez mais fraco. Draven deve ter-lhe mostrado isso. Val não fez nenhum reconhecimento da declaração de Vadim. O Cárpato apenas olhou para ele sem expressão alguma. Charlotte nunca tinha visto um homem tão devastado e rasgado, torturado, e ainda assim estoico. Ela sabia que ele sentia dor, porque ela a sentia através de sua conexão com ele. Quanto mais ela tocava cada cena do passado, mais ela entendia os jogadores, e o mundo de Tariq. Era violento e perigoso, assim como ele. Havia também algo incrivelmente bonito e heróico na forma como o Cárpato suportou sua prisão e tortura. Ela não podia deixar de admirar e respeitar o homem. Ela sabia que ele era muito similar em personalidade a Tariq. Ela tinha estado na mente de Tariq, e agora ela estava compartilhando as de Val e de Vadim.

210


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Vadim. Era a pessoa mais narcisista que tinha conhecido em sua vida. Ele era um megalomaníaco, sem uma dúvida acreditando que era mais esperto do que todo mundo. Ele queria poder e acreditava que merecia tê-lo. Ninguém era maior do que ele. Você sempre saberá que foi você, Zhestokly, que me ajudou a derrubar o Príncipe e sua linhagem. Você e seu sangue. Você vai viver um longo tempo sabendo que uma e outra vez eu vou usar seu sangue para matar meus inimigos e aumentar meu exército. A cara do vampiro em Val, a saliva acertando-o em cheio no rosto, mas o Cárpato não fez nenhum som, nenhum movimento. Ele sentou-se estoicamente na gaiola, dobrado, incapaz de se mover, seu coração fraco, mal tendo forças para bombear. Ela queria tocá-lo. Tranquilizá-lo que ele iria escapar. Que os outros tinham, de fato, vindo por ele. Volte para mim, Charlotte, Tariq sussurrou suavemente em sua mente. Mais uma vez as pequenas carícias com que ela estava se tornando rapidamente familiarizada. Charlotte balançou a cabeça. Ela estava tão perto de descobrir Vadim. Eles precisam saber todos os detalhes, a fim de derrotá-lo, porque alguém tinha que pará-lo. Alguém tinha de levantar-se para o monstro mentor e seu exército de seguidores vis. Você foi muito longe. Volte para mim. Havia uma sugestão de aço na voz, e seu primeiro impulso foi o de voltar para ele. Este lugar e época eram muito perigoso para permanecer. Tariq tinha notado sua presença quando ele estava esculpindo seu cavalo de carrossel. A atenção de Vadim estava totalmente focada em Val, mas a qualquer momento ele poderia sentir sua presença.

211


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Mais uma vez. Eu ainda não tenho tudo. Ela não esperou Tariq responder, porque ela sabia que ele iria exigir que ela voltasse. Ela mudou-se para a próxima cena, mais perto da linha do tempo presente. Ela escolheu o dia em que tinham resgatado Emeline na esperança que talvez pudesse revelar onde Vadim tinha ido e que o ele estava planejando. Os gritos de terror de uma criança atravessaram o ar. O riso do mal, um som que rivalizava com pregos em um quadro-negro. Ela ouviu o murmúrio da voz do Cárpato, pela primeira vez, acalmando a criança. Falando baixinho logo abaixo das vozes estridentes dos vampiros em torno dele. Para o horror de Charlotte, eles estavam o drenando todo. Ela reconheceu Fridrick e Vadim, mas haviam outros dois segurando copos nas numerosas feridas que derramavam sangue de sua vítima. A criança, que ela reconheceu como Liv, sentou-se quase no colo do Cárpato, ele tinha um forte braço enrolado em torno dela, a mão sobre seus olhos. Sua cabeça estava inclinada para baixo em seu ouvido enquanto ele sussurrava para ela. Seus gritos pararam abruptamente e ela balançou a cabeça mais e mais, afundando-se na proteção. Charlotte sabia que não havia nenhuma, não para a criança e certamente não para o caçador. Você está fraco, Val. Tão fraco. Se você morrer, não há esperança para essas mulheres. Estas crianças. Vadim virou-se para a porta aberta que dava para o outro quarto. Ele fez um gesto em direção a ela. Elas esperam a sua morte. Seu sangue irá alimentar todas elas e você será a ruína do seu Príncipe, o seu povo, e todos os seres humanos que temos a intenção de matar ou escravizar.

212


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Charlotte se virou para olhar e havia mais sete homens ali de pé, alguns sorrindo para a criança indefesa e o Cárpato enfraquecido. Os homens estavam observando enquanto os vampiros lambiam obscenamente o sangue. Ela reconheceu uma das faces. Ela tinha o visto antes, mas onde? Ele parecia inteiramente humano, assim como os outros. Não estavam pálidos, não tinham dentes afiados e manchados de sangue. Ela engasgou quando a lembrou. Este era Daniel e seus dois companheiros. Ela compartilhou seu conhecimento com Tariq e os outros. Eles estavam todos conectados através de Tariq. Os outros estavam na garagem com Fridrick, Tariq informou. Ela não tinha dado uma boa olhada neles. Claramente foram recrutados para o exército de Vadim. Ela precisava saber o que ele estava fazendo. Onde ele tinha ido. Eles precisavam de respostas. Charlotte tentou se aproximar de Vadim, para ver dentro de sua mente. O que ele estava fazendo com esses homens humanos? Eles não eram fantoches, comendo a carne das crianças, ou implorando por sangue do Cárpato, literalmente lambendo o chão para obter algumas gotas preciosos. Essas pessoas já tinham sido humanas, mas agora pareciam ser programados por Vadim e os outros para fazer seu lance. Psíquicos humanos. Do sexo masculino. Nós nunca prestamos atenção a eles. Vadim e Sergey devem ter estado os recrutando. Tariq informou os outros. Por que ele está dando-lhes o sangue do Cárpato? Dragomir perguntou. Charlotte estava ciente de que Tariq balançou a cabeça em frustração. Vadim aproximou-se de Val, e a criança estremeceu e virou o rosto para o sangramento do peito de Val.

213


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Depressa, me dê sua resposta agora, antes que seja tarde demais. Charlotte pegou as palavras, sussurradas de Val para Liv. Eu quero estar viva, Liv sussurrou, fechando os olhos e virando a cabeça para o lado para mostrar seu pescoço. Val afundou seus dentes no pescoço da menina e bebeu. Vadim deu um passo atrás, e deixou escapar um estridente riso. Eu sabia que você ia ver a razão. Fique vivo para os seus pequenos animais de estimação, Val. Veja como isso funciona para todos vocês. A voz desagradável zumbia, provocando o Cárpato enquanto o homem se alimentava. Charlotte não podia deixar de estar hipnotizada pela forma como Val segurava a criança. Cuidadosamente, quase ternamente quando ela sabia que ele não sentia nenhuma emoção. Ainda assim, pela criança, ele conseguiu fingir que sentia. Então se lembrou da súplica suave de Liv. Você não nos quer? A criança poderia mais do que provavelmente ler Val, mas ficou muito quieta, seu pescoço para um lado, permitindo-lhe tomar seu sangue. No momento que Val levantou a cabeça, ele ignorou os outros e usou uma unha longa para abrir seu peito. Ao mesmo tempo a criança virou o rosto para a oferta. Charlotte queria fechar os olhos. Ela não queria ver a forma como Liv tomava o sangue do Cárpato. Deveria ter sido um sacrilégio, mas em vez disso, ela achou incrivelmente bonito. Val tinha oferecido sua vida. Ele tentou fazê-la valiosa para Vadim, dando seu sangue a criança.

214


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

11mn Charlotte

queria desesperadamente fugir quando viu a

expressão no rosto de Vadim quando aproximou-se da gaiola em que Val e a criança estavam. Ele parecia ... mal ... maldade pura. Seu rosto estava uma máscara de fúria. Seus olhos brilhavam em um vermelho demônio. Sua boca bem apertada para revelar os dentes, manchados e afiados. Como ela poderia não ter notado isso antes? Como ela poderia não ter visto como um verdadeiro monstro parecia? Ela prendeu a respiração, empurrou o punho na boca para não gritar. Ou talvez ela devesse gritar. Ela poderia distraí-lo, talvez todos eles, e de alguma forma salvar a criança do que ela sabia que estava por vir. Você sabe que não pode. Volte para mim, Charlotte. Não há necessidade de ver o resto. Ela sabia que ele queria isso, porque quando tocava os ocupantes da memória deixada para trás no objeto, ela sentia o que eles fizeram. Ela não estava pronta para assumir quatro crianças traumatizadas, ela tinha as mãos cheias com Lourdes, mas Liv era incrivelmente corajosa. Não havia nenhuma maneira de ela poder abandonar aquela maravilhosa criança corajosa. Nunca. Obrigou-se a assistir em silêncio enquanto Vadim afundava suas garras no braço de Liv e puxava-a com força, arrastando-a para longe de Val. Liv começou a gritar. Sua boca se abriu e um

215


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 único lamento estridente aumentou, mas a criança cortou-a bruscamente, seu olhar mudando para o rosto de Val. Ele acenou para ela. O coração de Charlotte puxou com força no peito. Ela sentiu o calor e a coragem que Val enviou para Liv. Ele tinha se conectado com ela através do vínculo de sangue e ele tinha acabado de lhe garantir que iria fazer o seu melhor para ficar com ela ao longo de todo o calvário que ela estava enfrentando. Vadim arrastou-a para os outros dois vampiros. Sergey, seu irmão, esfaqueou a criança violentamente com um prego afiado, tirando sangue. Ele riu e lambeu o dedo, seus olhos em Val. Fridrick deu um chute em Liv enquanto ela lutava para ficar de pé quando Vadim continuava a arrastá-la pelos sete machos humanos em direção ao boneco que estava balançando e rosnando. Charlotte olhou para os rostos dos homens quando Vadim jogou a criança para o boneco como se ela fosse uma peça de lixo. A coisa parecia com um ser humano, mas não havia mais nada em sua mente, só um propósito. Vadim tinha programado o monstro para fazer o que ele mandasse, mas mais do que qualquer outra coisa, o desejo por carne e sangue o dirigia. O boneco pegou a criança pelos cabelos e arrastou-a para a sala seguinte. Nenhum dos homens fez um movimento para ajudar a criança, mas dois deles franziram a testa e ficaram olhando para ela, se deslocando desconfortavelmente. Eles não estavam totalmente satisfeitos com Vadim e seu novo regime. Ela focou sobre eles para que qualquer um dos Cárpatos que estava conectado se lembrassem de seus rostos.

216


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Eu não vou pedir de novo, Charlotte. Você está gelada e agitada. Você está muito longe. Volte para mim agora. Ela queria ir com ele, ela realmente queria, mas também queria tranquilizar Val que ele conseguiria sair da lá. Ela precisava fazer a mesma coisa por Liv. A criança tinha que saber que o resgate estava perto e que ela não iria morrer nas mãos desse fantoche horrível. Charlotte forçou seu corpo para a frente, deslizando por Vadim para chegar à jaula onde Val estava. Fridrick estava lá, rasgando sua carne com os horrívéis dentes, rosnando e engolindo sangue o mais rápido que podia. Charlotte estendeu a mão para Val. Ela nunca tinha pensado em tentar avisar alguém no passado que ela estava lá. Eram memórias. Irreais. Mas Tariq a tinha visto. Ele tinha virado a cabeça e, por um momento, ela sabia que ele estava ciente dela enquanto esculpia o cavalo de carrossel. Se ele pôde estar ciente, Val e Liv também poderiam. Ela se virou para o lado e fez-se tão pequena quanto possível, enquanto estendia o braço, os dedos envolvendo delicadamente o bíceps de Val. Sua carne parecia estranha. Fria. Gelada, como se ela estivesse em uma caverna de gelo e o frio permeou não só a atmosfera em torno dela, mas entrou nela, juntamente com todos os ocupantes. Dedos gelados se arrastaram por sua espinha. Muito, muito lentamente, Val virou a cabeça em sua direção, mas não fez nenhum som. Seus olhos, perfurando o frio, pretos como o gelo em uma tempestade violenta. Ela não sabia se ele a viu, mas ele sentiu a presença dela. Você vai sobreviver a isso. Ela usou o caminho comum que pegou da mente de Tariq. O mesmo acontecerá com a criança. Ela precisava dar-lhe essa garantia. A

217


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 sobrevivência de Liv era mais importante para ele do que sua própria. Ela não sabia porque, apenas que era. Instantaneamente, Vadim rugiu de raiva, e Fridrick renovou seu engolir frenético. Sergey se virou em torno rapidamente em um círculo, em busca de uma presença desconhecida. Ela deixou Val ir abruptamente, com medo de ter piorado as coisas para ele. Se eles tivessem a ouvido também? Claro. Foi um erro de principiante. O vampiro uma vez tinham sido Cárpatos. É claro que eles iriam ouvir o que disse nesse caminho particular. Ela sussurrou para ele. Derramou a verdade para ele. Agora, os monstros estavam alertados, não só de sua presença, mas também para o fato de que Val sobreviveria. Ela esperava que, eventualmente, pensassem que suas palavras sussurradas fossem falsas. Ela afastou-se da gaiola, com cuidando de não tocar qualquer coisa viva. Ela precisava chegar a Liv, assegurá-la, para ter certeza de que a criança sabia que seria salva. Entrando na sala ao lado, ela viu a criança no chão, o boneco medonho rasgando sua carne em um frenesi. Vadim, Fridrick e Sergey passaram correndo por ela, Fridrick quase batendo nela quando correu através da sala onde um monstro estava se alimentando de uma criança, para a segurança do labirinto de túneis. Os humanos os seguiram, os dois últimos olhando para baixo, diminuindo, como se pudessem intervir. A voz de Vadim cresceu. Rápido, eles estão vindo. Agora é a nossa chance de pegá-la. Mãos firmes a puxaram. Ela foi coberta por um abraço quente, um corpo rígido irradiando um calor que quase queimava sua pele. A boca dela esmagada sob ele. O túnel tinha ido embora e ela estava congelando,

218


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 tremendo incontrolavelmente, seu corpo gelado, seu interior tão frio que pareciam pingentes de gelo que poderiam destruí-la a qualquer momento. Levou um momento para perceber que Tariq estava apertando ela contra seu corpo. Seus braços a rodeavam e sua cabeça estava baixa para que ele pudesse sussurrar em seu ouvido, assegurando-lhe, falando baixinho como se não acreditasse que ela iria entender as palavras. Levou um momento para perceber que ela ainda não podia ouvi-lo porque parte ela ainda estava no frio passado escuro. Suas pernas mal a seguraram e ela se enterrou mais perto do calor do corpo de Tariq. Agarrando-se, quando ela não era uma mulher de se agarrar. Chorando quando não era uma mulher de fazer isso em qualquer lugar que alguém pudesse ver. Ela não conseguia parar os tremores terríveis e contínuos mais do que poderia parar as lágrimas. Tariq envolveu Charlotte em seus braços, abraçando-a, com o ouvido sobre o seu coração, enquanto o dele batia com medo por ela. Ele percebeu enquanto esperava ela voltar que de alguma forma ela realmente conseguia voltar ao passado, quando tocava um objeto. Ele sabia que a projeção astral era possível, mas realmente ir para um lugar específico no passado, ouvir e sentir o que estava acontecendo ao seu redor era muito perigoso. Ele nunca tinha ouvido falar de projeção astral levando o espírito de alguém ao passado. Instintivamente, ele sabia que ela não deveria interagir com as memórias que tinha acessado. Quanto mais ela ficava no passado, mais retraído e frio seu corpo tinha se tornado. Sentia a pele como gelo e ela estava quase sem respirar até que ele tinha chegado ao ponto em que ele se sentia desesperadamente aterrorizado por ela. Quando ele a pegou pelos braços e forçou a cabeça para cima, seus olhos estavam em branco, e que tinha sido a última gota. — Eu nunca deveria ter a colocado nisso. Lhe permitir colocar-se em tal posição. —Ele estava fazendo com ela, sua mulher, seu milagre,

219


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 acompanhá-lo em um mundo que seria aterrorizante para ela. Ele passara vidas nele. Séculos. Tomando o sangue para sobreviver, dormindo no chão, caçando o vampiro, tudo isso lhe era familiar. Nem um único aspecto de seu mundo era confortável para uma mulher do mundo moderno. Nem. Uma. Única. Coisa. Ela não se moveu, só aceitou o abrigo e conforto que ele ofereceu, com as mãos agarradas em sua camisa. — Você tinha que saber. Eu tinha que saber. A enormidade disto ... —Ela parou, respirou irregular em seus pulmões e mais rápida. — É tão irreal. Você viveu com este conhecimento, que você pode se tornar, um monstro como nenhum outro. O coração de Tariq gaguejou ao som de sua voz. Suave. Afligida. Em lágrimas, mas tentando escondê-las. Seu corpo tremia contra o dele, tremendo de forma contínua, provavelmente sem o seu conhecimento. Acariciando seu cabelo sedoso, ele segurou a parte de trás de sua cabeça e trouxe-a para ele. — Vir para o meu mundo significa lidar com vampiros e seus fantoches. Com sua crueldade. —Ele odiava o que estava fazendo para ela. Odiava que precisasse tanto dela que ia trazê-la para o seu mundo não importa como. Não importava que ela merecia outra coisa, um bom homem que iria adorar o chão que ela passasse. O pensamento cerrou seus dentes na borda. Ele apertou seus braços sobre ela. Ele tinha vivido com honra durante séculos. Em seu mundo, o macho nasceu impresso com as palavras rituais que amarravam sua companheira a ele por todo o tempo. Foi feito. Nada o mudaria. Não havia volta. — Eu sinto muito por isso, sielamet. Eu não sinto ter te encontrado, ou reivindicado você, mas lamento que você teve que ver e sentir as coisas que você viu. — Não fazia diferença para eles se fosse uma criança ou uma mulher ou um homem. —Charlotte continuou a sussurrar, como se dizendo em

220


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 voz alta, admitiria que vampiros existiam, fariam ainda mais real para ela. — Fridrick matou meu irmão e a avó de Genevieve. — Eu sei, —ele respondeu suavemente. Ele olhou em volta, para o teto desmoronando do túnel. — Eu sinto muito. —Sabendo que ela não seria capaz de separá-lo de seu mundo. Ele estava solidamente nele, independentemente das armadilhas dos seres humanos. O clube. As roupas dele. A maneira como ele deliberadamente vivia entre eles. O corpo de Charlotte ficou tenso, e ela inclinou a cabeça para olhar para ele. Para encontrar o seu olhar. Ele ficou um pouco chocado com o que viu lá. Lágrimas ainda nadavam em seus olhos, transformando a cor em um esmeralda profundo. Pequenas gotas se agarraram a seus longos cílios. Mas havia aço lá. Pura força. Ela não olhou para ele como uma mulher derrotada. Ela não olhou como se o culpasse por trazê-la para a loucura que era seu mundo. — Fridrick matou meu irmão e a avó de Genevieve, —ela repetiu. — Eu já estava em seu mundo, Tariq, só que não tinha ideia do que estava enfrentando. Eu estava em uma enorme desvantagem. Agora não estou mais. Agora eu tenho você e os outros, e desta vez, achei suas fraquezas. Todos os seus pontos fracos. Nunca me diga que você está arrependido por me trazer para o seu mundo. Eu já estava lá e você me salvou. Fridrick teria tomado Genevieve e eu na garagem se você e seus amigos não tivessem chegado. Ele não podia negar a verdade disso, mas ainda assim, ela o surpreendeu com sua aceitação. Para ele, o tempo era tão lento. Ele tinha procurado por ela por muito tempo, e ele soube o momento em que ela lhe deu de volta a luz de sua alma. Ele sabia que ela era seu tudo. Não era o mesmo para ela. Ela era humana e ele estava a trazendo rápido para seu mundo. Ele poderia dizer a si mesmo, e ela, que era para mantê-la segura, mas a verdade era muito diferente. Ele a queria para ele e queria garantir que

221


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 ela estava com ele. Ele não a queria na superfície enquanto ele estava no chão. Ele queria seu corpo pressionado perto do dele enquanto dormiam. Ele queria acordar com ela em seus braços. Agora, com sua pequena guerreira feroz olhando para ele, ele sabia que ela era forte o suficiente para aceitar as crianças que ele cuidava, bem como Emeline, Maria e Donald Walton. Seus motivos para trazê-la para seu mundo não importavam para ela. Ela tinha tomado sua decisão, e ela confiava nele com sua vida e a vida das duas pessoas que ela mais amava, Lourdes e Genevieve. — Temos que nos apressar e sair daqui, —ela murmurou baixinho. — Eu preciso ver o resto, mas eu quero ir rápido. Sinto-me ... —Ela parou, olhando ao seu redor, apreensão derramando dela. Ele não desapareceu totalmente. Sinto Vadim. Era sua voz falando em mim e agora eu sinto como se estivesse agachado dentro de mim, observando e esperando até eu cometer um erro. Ela se comunicava com ele em seu caminho mais íntimo, mas Tariq imediatamente transmitiu a mensagem para os outros que vasculhavam os escombros. Não há nenhuma necessidade dela ver essas mulheres mortas ou sentir o que foi feito a elas, disse Dragomir. Tem que haver um laço de sangue entre sua mulher e Vadim. Encontre a fonte, Tariq, ou ela vai tornar-se um passivo que não pode pagar. Tariq ficou muito quieto, o predador nele crescendo, garras aparecendo. A ameaça estava lá. Dragomir era antigo. Extremamente perigoso. Ele era um dos antigos, tão poderoso e mortal que tinha se trancado no mosteiro com outros como ele. Eles já não podiam estar no mundo e ter aqueles que os rodeavam seguros. Eles eram considerados um dos Cárpatos vivos mais perigosos, o que os fazia as criaturas mais perigosas sobre a face da terra.

222


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Dragomir e os outros acreditavam que era desonroso procurar o amanhecer, ou ceder aos intermináveis sussurros da tentação. Quando mesmo esses sussurros pararam e havia apenas um escuro vazio, eles sabiam que mais matanças os destruiriam. Eles não tinham nenhuma esperança, nem memórias, nada, só sua honra e força para impedi-los de matar qualquer coisa que se aproximasse deles. Dragomir era da velha escola, não utilizavam as formas modernas, e acreditavam que suas mulheres iriam onde seus homens as levassem. Ele tinha deixado o mosteiro recentemente porque havia uma esperança que sua companheira existisse e estivesse nos Estados Unidos, especialmente na Califórnia. Ele havia parado em seu caminho para o norte para ajudar Tariq quando saiu a chamada contra Vadim. Tariq não sabia mais se era uma coisa boa. Dragomir seria difícil de matar, mesmo com vários caçadores experientes próximos. Com o mais profundo respeito, Dragomir, você não pode dizer o que minha mulher pode ou não fazer. Não acho que precise ameaçá-la. Ele não poderia esconder a ameaça em sua voz. Ele iria lutar até a morte por sua companheira. Como faria eu. Ela é sua, o que a faz dela uma de nós. Ela é minha irmã, merecedora da minha proteção só por isso, mas com o que ela fez aqui esta noite, o que ela pretende fazer pelas crianças, respeito é parte disso também. Ela não deveria estar aqui para ver mulheres rasgadas e bebês sofrendo a cada momento de sua existência dentro do útero. Isto é ... além de qualquer coisa que eu já vi. Não é para os olhos de um empata. Eu concordo. Porque era verdade. Charlotte não deveria estar em qualquer lugar perto dos corpos que tinham sido encontrados amontoados como lixo em um dos quartos. Mulheres e natimortos, pilhas de ossos que remontavam de quando a cidade foi construída. Vadim tinha planejado sua aquisição com cuidado e paciência, duas características que nenhum vampiro tinha tido antes.

223


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Se Vadim está na mente de sua mulher, ele pode usar os olhos dela para espiar. Isso é um fato Tariq, e tem que ser tratado. Uma vez que ela esteja segura dentro do complexo, ele vai achar muito mais difícil chegar até ela com as salvaguardas no lugar. Isso também era verdade. Tariq olhou para o topo da cabeça de Charlotte. Seu cabelo era grosso e lustroso, pedindo-lhe para enterrar os dedos. Ele assim o fez, apertando a massa e puxando até que ela virou o rosto para ele. Ela sorriu para ele, dando-lhe tranquilidade, disposto a sair de uma vez. Distraidamente, ela trouxe o dedo a boca e chupou. Foi sexy e instantaneamente o corpo se agitou com fome, apesar do lugar inadequado. Ela fazia muito isso. Tariq ficou imóvel, tudo congelando com a lembrança dela levando o dedo a boca quando tinha acessado as memórias do cavalo do carrossel, memórias de Vadim e seus irmãos na noite em que tinham escolhido desistir de suas almas. Ele tinha estado esculpindo o cavalo de carrossel mais cedo e eles tinham estado com ele. Eles haviam saído, descoberto a notícia de sua irmã e voltado para recrutá-lo para a causa. Quando ele se recusou a ir, eles atacaram a aldeia, indo atrás de todos e cada um dos os seres humanos com quem Tariq tinha amizade. A sobrancelha de Charlotte subiu. — O quê? Ela voltou a ponta do seu dedo a boca, e desta vez ele pegou o pequeno estremecimento, como se estivesse machucando. Sua respiração deixou seus pulmões e ele algemou seu pulso e tirou a mão da boca, para sua inspeção. O dedo estava molhado da sucção sobre ele. Um hábito nervoso? Ou alguma outra razão? Ele virou o dedo por todos os ângulos. Um pouco vermelho na parte carnuda da almofada, mas nenhuma lesão visível, sem fissuras na pele. — Será que feriu este dedo? Ela manteve os olhos fixos nos dele. Sua Charlotte. Muito inteligente.

224


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Já pensando. Muito lentamente ela assentiu. — Eu enfiei uma lasca quando puxei minha mão do cavalo do carrossel. Ele fechou os olhos, a lembrança dela puxando a mão da madeira rápido, no momento em que tinha conectado com o passado e visto Tariq esculpindo o cavalo. Ela soube que era ele e ficou assustada. É claro que ela ficaria. Pessoas que amava tinham sido assassinados de uma maneira descrita em filmes de terror. Sabendo que ele tinha vivido séculos, ela tinha que ter pensado que era um vampiro, como Fridrick. — Você puxou a lasca? Você conseguiu isso? Ela franziu a testa e tentou puxar a mão, sacudindo a cabeça. — Quando eu olhei de novo, a lasca tinha sumido. — Que parte de não tocá-lo você não entendeu? Ele sabia que tinha uma raiva seu tom de voz, mas O Kod Belső— escuridão a levasse, ele disse a ela para não tocar naquela coisa. Ela puxou sua mão dele, estreitando os olhos. — Que parte do que eu sou uma mulher adulta e não preciso de ninguém me dizendo o que fazer você não entendeu? Sua mulher tinha atitude, mas ele sabia disso o tempo todo. Ela não podia ser selvagem e apaixonada cama e não ter atitude. Ainda assim, sua mulher não iria desafiá-lo quando fosse sobre segurança. Era totalmente inaceitável e sempre seria. Ele apertou seu controle sobre ela, puxando-a para cima, com o rosto perto do dele. Ele olhou nos olhos dela, querendo que ela soubesse que ele estava falando sério. Uh-oh. Charlotte deixou escapar o fôlego lentamente. Ela tinha acabado de ir contra o predador. O civilizado, sofisticado Tariq Asenguard, proprietário de vários clubes noturnos fabulosos e populares, tinha ido embora e em seu lugar estava algo completamente diferente. Ele estava realmente chateado com ela. Seu coração saltou e começou a bater

225


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 lentamente. Instintivamente, ela soube que não era sobre ela desafiar ele e tocar o cavalo de carrossel quando ele lhe disse que não, e era isso que a assustava muito mais do que seu terrível comportamento. Algo estava muito, muito errado, e que tinha a ver com aquele cavalo amaldiçoado. — Em todas as questões a ver com a sua segurança você vai me obedecer, —ele mordeu fora. Não era tempo de rir, então ela mordeu muito duro seu lábio inferior. Sério? Ele tinha usado a palavra obedecer. Ela não tinha sido muito boa em obedecer seus pais e certamente não seu irmão mais velho. Este não era o momento para informá-lo de que ela definitivamente tinha um problema com alguém pensando que era a figura autoritária. Tariq tinha embalado ela em uma falsa sensação de segurança. Ele parecia moderno e falava moderno, ao contrário de seu amigo homem das cavernas Dragomir, que era simplesmente assustador. Ela esmagaria a cabeça dele com algo duro se aquele Cárpato pertencesse a ela. Ela podia chutar Tariq nas canelas muito em breve se ele continuasse a atirar palavras como obedecer, mas ... Ele a puxou ainda mais perto, de modo que ela estava em seu dedo do pé, seu corpo apertado contra o dele e a polegadas do rosto muito bonito. Seu coração bateu forte em seu peito, mas no fundo ela sabia, ela sabia, com absoluta certeza que este homem nunca iria magoá-la. Nunca. Ele poderia falar tudo o que quisesse, mas ele não iria machucá-la. Então, por que ele estava tão assustado? Por que ele estava apavorado além de qualquer coisa que já tinha conhecido? Charlotte lançou os braços em volta do pescoço e inclinou-se para o pilar de força que ela sabia que ele era. Sentia-o sólido Ele era sólido. Uma pedra. Uma âncora. O mundo em que vivia era algo que ela não entendia. Ele parecia não ter nada, só o perigo. Ele mudou continuamente até que ela sentiu que ela estava em um carrossel que nunca parou de girar. O mundo se movia para cima e para baixo como os cavalos de carrossel e girava fora de controle, deixando-a

226


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 tonta. Mas Tariq nunca pareceu ser apanhado no efeito do mundo, ou mesmo do perigo. Ele era sólido. Real. Alguém para contar. — Ele está em mim por causa dessa lasca, não é? —Ela sussurrou. O terror que veio na esteira da realidade a sacudiu. Vadim, o vil, monstro horrível que torturava homens e poderia jogar meninas para criaturas carnívoras tão insensivelmente, estava dentro dela. No mesmo instante, a linguagem corporal de Tariq se alterou. Com seus braços, ele envolveu-a, deu abrigo a ela, a confortou, assim como ela sabia que ele faria. Sua boca roçou o topo de sua cabeça. — Nós vamos tirá-lo, sielamet, mas não é seguro aqui. Precisamos levá-la de volta para o composto. Dragomir estava certo quando disse que Vadim poderia usá-la para nos espionar, se não formos cuidadosos. Ela engasgou, seus dedos enrolando em sua camisa com força, juntando o material quando se agarrou a ele. — Eu não posso voltar para lá, onde Lourdes e as outras crianças estão. Ele não pode nunca colocar as mãos em Liv novamente. Ela não iria sobreviver a um segundo turno com ele intacta, Tariq. Você sabe disso. Ela mal pensa em como. —Se ela era um perigo para esses homens, os caçadores Cárpatos, então o que ela seria para as crianças? — O composto é protegido. Vadim comprometeu Emeline, tomando seu sangue. Ela tem que ficar dentro da cerca, onde podemos protegê-la dia e noite. Ele pode enviar um exército de bonecos para nós durante o dia, e agora, depois de ver esses machos humanos, sabemos que ele claramente tem outros também. Nós sabíamos que ele estava recrutando seres humanos para fazer o seu jogo, mas não como aqueles homens. Eles eram diferentes de algum modo. Só o fato de que ele lhes deu o sangue Cárpato e eles o queriam, algo que é muito errado. Durante as horas do dia, temos de confiar principalmente nas salvaguardas para manter o exército de Vadim fora.

227


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ela respirou. — Você dorme durante o dia. —Ela tinha que saber. Talvez ela soubesse o tempo todo. Ele disse a ela, mas ela realmente não tinha escutado. — Não por causa do trabalho na boate. Você tem que dormir durante o dia. Ele balançou a cabeça, seu olhar segurando a dela cativo. — Sim, vamos todos dormir durante o dia. Podemos estar acordados nas primeiras horas da manhã e após o sol se pôr, mas os efeitos do sol são devastadores sobre os Cárpatos. —Ele se moveu, levando-a com ele. — Temos que tirála destes túneis e voltar para casa. Eu convoquei os outros e vamos sair como um grupo. Você vai estar no centro. Era uma ordem, nada menos. Seu tom não tinha nenhum talvez. Era implacável. Ela ouviu o comando em sua voz, e ela não deu a mínima. Lutar pela independência era uma coisa quando sua vida e sanidade não estavam em jogo, mas quando ela tinha que confiar em seus pontos fortes, ela não ia discutir sobre o tom que ele usou. Era evidente que ele era um homem acostumado a dar ordens. Logo ela era extremamente grata pela sua capacidade de assumir o comando. Charlotte não queria dar um passo para fora dos túneis em aberto. Sentia-se extremamente vulnerável, mais do que ela já tinha sentido em sua vida. Ela tinha que confiar nesses homens, especialmente Tariq, para saber o que estavam fazendo. Suas faces sombrias lhe disse que ela estava em apuros. Eles esperavam uma emboscada. Por causa dela, Vadim sabia exatamente onde estavam. Ela virou-se mais e mais em sua mente enquanto caminhava no centro do grupo coeso através do último túnel, aquele que conduzia para fora. Se Vadim estava dentro dela e poderia encontrá-la e falar com ela, isso significava que funcionava de ambas as maneiras? Ela poderia localizá-lo? Rastrear o seu paradeiro para os Cárpatos? A ideia a fez se sentir menos como uma vítima e mais no controle. Ela precisava disso, para se sentir no controle.

228


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Um dos trigêmeos entrou na frente do grupo e levantou a mão. — Lojos, Tomás e eu podemos arrumar uma distração, enviá-la primeiro para desencadear qualquer armadilha que ele deixou para nós. Dê-nos alguns minutos, —disse Mataias. Ela gostou da forma como a liderança mudava entre os caçadores Cárpatos. Ninguém parecia ser considerado mais responsável do que qualquer outro, embora Dragomir fosse o homem mais assustador que ela já encontrou no seu caminho, ele rivalizava com Vadim e estava dizendo alguma coisa. Siv logo depois. Imediatamente, como se, de comum acordo, o resto do bando recuou para permitir que os três homens assumissem a liderança. — O resto de vocês construam uma salvaguarda em torno de Charlotte assim Vadim não pode ver sua mente. Tudo o que ele colocou nela, ter que achar, —disse Lojos. Charlotte abaixou a cabeça, envergonhada que ela era uma peça de traição para o monstruoso vampiro psicopata. Tariq puxou-a firmemente sob seu ombro e envolveu um braço ao redor dela assim se sentia confortada, enquanto ele e os outros homens começaram a cantar em sua língua e teceram algum tipo de barreira em sua mente. Ela sentiu-a subindo, um escudo espesso que bloqueou a posse de Vadim. Ela sabia que era temporário, que o vampiro poderia, eventualmente, encontrar um caminho através dela, mas para o momento, a fazia se sentir segura. — Mataias. —Lojos apontou para um pedaço de pedra que tinha saído da parede quando os vampiros tinham reduzido tudo na cidade subterrânea a escombros. — Isso vai funcionar para o nosso líder. Mataias balançou a cabeça e se agachou ao lado do grande pedaço de rocha azulada enquanto seus irmãos reuniram vários menores, mas sólidos pedaços em várias cores para alinhar atrás do pedaço azulado.

229


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Tomás encontrou uma rocha com gemas preciosas e acrescentou na pilha crescente em frente a Mataias. Lojos caminhou pelo túnel em busca de algo ao longo das paredes. Ele parou várias vezes para examinar as raízes e umas poucas plantas que cresciam teimosamente através das rachaduras na terra ou pedras que formavam os túneis. Ele parecia não ter pressa e nem os outros. Eles permaneceram em silêncio e vigilantes. Quando Lojos se abaixou e começou a puxar uma planta, Charlotte espiou Tariq, a fim de obter um bom olhar para o que Lojos estava fazendo. Ele levou a planta para as pedras e colocou um pouco em cima da cada pedra. Tomás acenou com a mão sobre a rocha com pedras preciosas embutidas nele e ela se partiu. As gemas foram colocadas em cada uma das pedras que Lojos tinha colocado pedaços da planta. Simultaneamente, os três homens deram um passo para trás como se saindo da sala de rochas. Ela prendeu a respiração, consciente que algo grande estava prestes a acontecer, mas não compreendendo o que os homens poderiam fazer com algumas rochas. Suas mãos começaram a tecer um intrincado padrão sobre as pedras. Como eles se movessem seus pulsos e mãos a um ritmo só eles ouviam, eles juntaram suas vozes. O tom foi lançado muito baixo. Tão baixo, que Charlotte sentiu a vibração da terra sob seus pés. Ela não tirava os olhos de cima das rochas. A maior se contraiu, como se sentindo as vibrações na terra. Sentia o canto através de seu corpo. Sacudindo-a. Fazendo-a tremer. As notas eram baixas, limpas e soltavam uma força tremenda. O som vibrou até que as pedras começaram a quebrar. Pequenas no início, em seguida, pedaços maiores até que começaram a tomar forma. Todo o tempo, os três homens cantavam, suas mãos nunca vacilando quando eles criavam o que foram se tornando rapidamente em vários dragões. Charlotte não podia acreditar no quão detalhada cada criatura era. O azul era grande, o seu corpo e rabo crescendo rápido. Todo de pedra, e

230


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 seus vários matizes deram-lhe uma aparência impressionante. As gemas eram os olhos. As pedras assumiram os rostos de dragões ferozes rapidamente. O comando nas vozes cresceu até que os túneis vibravam com as demandas. Uma vez que os dragões haviam tomado forma, uma vez que cada detalhe foi feito para a satisfação dos homens, o tom de comando mudou, tornou-se ainda mais exigente. Foi tão fascinante observar as rochas crescer em tamanho e assumir a forma e aparência dos dragões que ela não notou qualquer outra coisa até que ela ouviu Tariq soltar um silvo de aviso baixo entre os cerrados dentes. Assustada, ela olhou ao seu redor. Rochas nas paredes do túnel, bem como no terreno, pulavam longe ou cresciam em tamanho. Não foram apenas as rochas escolhidas que reagiram às notas que os três homens produziram. Ela percebeu que foi a combinação de suas vozes e mãos que formaram os dragões, mas na realidade as notas baixas balançaram as rochas e mudou as propriedades delas. O teto poderia cair sobre eles, ou a terra poderia se abrir se continuassem muito mais tempo. Como estava, havia várias rachaduras no chão, paredes e teto. Sujeira escorria em cima deles, mas Tariq acenou com a mão e parou. Ela notou que os outros caçadores Cárpatos estavam movendo suas mãos para as paredes, bem como acima e abaixo delas. Claramente eles estavam escorando as coisas. Abruptamente as vozes dos trigêmeos levantavam-se em perfeita harmonia, não mais tremendo o chão e as paredes do túnel como ela temia. Charlotte tinha dúvida do que eles escolheram, os três homens poderiam ter levado para baixo toda a cidade que estava acima. Eles tinham um dom notável, que ela não se importaria de ter. Isso a fez se perguntar se todas as formas estranhas de pedra em todo o mundo não tinha sido feito por eles e não o que os livros de história proclamavam. Fogo irrompeu através da rocha, através de rachaduras nos dragões brilhante laranja-vermelho. A rocha se fundiu. O canto deslizou em uma

231


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 harmonia mais suave e as barrigas de rocha dos dragões começou a esfriar, as rachaduras parando de brilhar, finalmente ficando escuras. As notas continuaram persuadindo. Ela observou os pequenos segmentos de plantas verdes desordenadas tremer em cada uma das costas dos dragões. Charlotte prendeu a respiração e reforçou seu domínio sobre a camisa de Tariq quando os segmentos verdes começaram a se transformar em finos cabelos. Cada cabelo individual flutuou acima do dragão onde a planta estava colocada. O canto foi de persuasão para comando puro aço e de repente, como se fossem lanças, as peças separadas se esticaram e bateram duro na pedra, tão duro que se enterraram profundamente. Cada dragão absorveu pelo menos cem cabelos separados da planta. Os três homens deixaram cair suas mãos e suas vozes ficaram imóveis. O túnel ficou tão quieto que Charlotte podia ouvir seu próprio coração. Ele tamborilou alto, mas mesmo isso não poderia distraí-la de olhar os dragões de pedra atentamente. O líder azul, tão detalhado agora que ela queria tocar suas escamas para ver se ele estava vivo. Atrás dele estavam quatro dragões menores, vermelho, verde, marrom e um alaranjado impressionante. Abruptamente e, simultaneamente, os três homens bateram palmas, uma única palavra saindo deles. O dragão azul estremeceu. Suas grandes asas se soltaram e, em seguida, se mexeu em um fôlego dentro e fora. Muito lentamente a cabeça virou primeiro para um lado e depois do outro. Sua cauda balançando. Os dragões ligeiramente menores começaram a se mover também, torcer seus pescoços e balançar a cabeça, respirando, até que o som do ar entrando e saindo de seus corpos encheu o túnel. — Oh meu Deus. Tariq, —ela sussurrou, pressionando a testa contra seu lado, sem tirar os olhos dos cinco dragões. — Isso é incrível. Um dom incrível. Ela estava tão fascinada que não tinha notado a passagem do

232


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 tempo e ficou chocada que tinha levado apenas alguns minutos para os três caçadores fazerem seus dragões de rocha e plantas. Tariq não respondeu com palavras, mas apertou seu braço ao redor dela de modo que sua frente estava trancada ao seu lado. O dragão azul deu um passo adiante, virou a cabeça em direção a Tomás, Mataias e Lojos, os olhos inteligentes, uma vez que ouviu os comandos que os três homens lhe deram. Os olhos brilhavam como pedras preciosas, olhou a entrada e começou a caminhar lentamente em direção à abertura. Os outros dragões o seguiam, um de cada vez. Os homens se moveram como um grupo por trás deles. Tariq virou-se e levantou-a em seus braços, seus brilhantes olhos azuis olhando diretamente nos dela. — Espere, sielamet. Nós vamos sair em forma de dragão. Mantenha sua mente o mais imóvel possível. Vadim vai tentar passar a barreira. Mantenha-se forte. Ele vai usar sua voz para tentar enganá-la e achar que ele sabe onde você está. Lembre-se, ele não pode chegar a Lourdes, não importa o que ele diga. Acredite em mim nisso. Confie em mim. Ela poderia se afogar em seus olhos. Poderia viver ali para sempre. Ela balançou a cabeça lentamente. Em quem mais ela iria confiar? Ela estava tão fora de seu elemento que não tinha a menor ideia do que fazer. Mesmo Genevieve, que tinha uma imaginação vívida, não acreditaria em nada disso. O último dos cinco dragões de pedra passou através da abertura e os outros saíram, Tariq e Charlotte com eles. Olhou em volta, quando se lançou para o ar, e não havia mais homens, só dragões em pleno vôo. Os dragões de pedra circularam os outros dragões como se fossem os caçadores Cárpatos protegendo os outros dragões quando eles surgiam. Uma vez que todos estavam no céu, o dragão azul assumiu a liderança com os outros o seguindo, em forma de V. Tariq, com Charlotte agarrada a ele, estava do lado esquerdo, dois dragões abaixo do dragão azul.

233


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 A formação era apertada quando eles explodiram no céu. De repente, o dragão azul, mergulhou soltando fogo com as mandíbulas abertas. Charlotte se inclinou no abraço do dragão negro, chocada que não só via suas escamas, mas as sentia. Seu homem, Tariq Asenguard, sofisticado proprietário de uma série de boates de sucesso, era um dragão negro compacto completo com asas e escamas. Quando olhou para seus próprios braços, ela era parte desse dragão, com as mesmas escamas pretas brilhantes. Uma ilusão. Oh Deus. Seu dragão de repente, mergulhou, com a boca, cuspindo chamas vermelhas. Todo o céu em torno dela explodiu em fogo e cor. Abaixo deles, um exército de vampiros, humanos melhorados e fantoches se espalhavam, tentando se proteger da pulverização do fogo dos dragões. As pessoas da cidade não vão ver isto? Estamos protegendo-os. A resposta sombria de Tariq foi concisa. Os vampiros apressadamente tentaram arrumar uma cobertura para os seres humanos de seu exército. Lanças assobiaram no ar. Uma atingiu o dragão de rocha laranja mas saltou, e quebrou a ponta. Quando o dragão negro mergulhou para pulverizar o seu fogo, ela percebeu que todos os dragões continuavam em direção ao composto. Eles mergulharam, e quando subiram, eles estavam voando através do céu para longe da emboscada que falhou.

Pare-os ou sua sobrinha morre. Eu a tenho. Lourdes. Ela grita por você, você não a ouve? Oh Deus. Ela podia. Ela podia ouvir os gritos quebrados da criança. Tudo nela respondeu. Ela precisava ir a Lourdes.

Venha sozinha. Mostre-me que dragão você monta. Caia dele e eu vou garantir que você viva. Se fizer isso, eu vou poupar esta criança. Caso contrário, sua morte será

234


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 longa e difícil. Ela vai sentir cada momento de dor antes de morrer. Ele faria isso. Vadim era um monstro, mas ... Sielamet. Tariq, sua voz calorosa. Tranquilizadora. Ele disse a ela que Lourdes estava segura e tinha que acreditar nele. Eu posso encontrá-lo. Seguir sua voz de volta. Ela queria fechar os olhos, mas não podia. Ela precisava encontrar Vadim. Vê-lo. Ela procurou o chão quando o dragão negro correu através do céu, deixando-a sem fôlego, e incapaz de ver uma única face abaixo dela. Mas aquela voz nela... em sua mente ... estava enchendo-a com dúvidas. Ela voltou sua atenção para aquela voz envolta em tanta doçura. Uma doçura pegajosa. Falsa. Com um persistente gosto residual. Doce virou amargo. Quase como cinzas. Deliberadamente, ela deixou-se ficar perdida no amargo cinza. Ela virou a cabeça e olhou para baixo em direção ao porto. Lá, Tariq. Naquele navio. Ele está lá, dirigindo tudo isto da segurança. O líder dos dragões fez um grande círculo, seus seguidores em formação apertada atrás dele, um círculo grande o suficiente para incluir o porto. No momento em que os vampiros no chão perceberam, eles se levantaram para o ar em defesa de Vadim. Choveu fogo, lanças de fogo, grandes parafusos que afundaram no convés do navio, bateram dos lados e entraram profundo, tão profundo que ela não podia ver as lanças, apenas os buracos gigantes. As lanças terríveis penetraram o navio em todas as direções, um feroz, ataque implacável enquanto os dragões mergulhavam baixo, pulverizando as plataformas até que o navio explodiu em uma bola de fogo. Ela ouviu o grito em sua cabeça, o grito de um louco, ainda mais insano pelas explosões de violência em torno dele. Uma enorme e escura sombra rosada parecia abranger a maior parte do céu. Imediatamente os

235


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 dragões foram atrás da sombra, soprando grandes colunas de fogo que atravessaram a sombra até que ela estava em frangalhos. Vampiros subiram, gritando, jogando-se nos dragões em um frenesi de fúria, tentando proteger Vadim enquanto ele corria pelo céu para longe da batalha. Charlotte vislumbrou Fridrick, não o bom homem que ela tinha visto na garagem, mas um ser vil, com olhos vermelhos incandescentes e dentes irregulares manchados de sangue. Ele se levantou rápido e cortou o pescoço do dragão que a carregava em seus braços. Aterrorizada, fechou os olhos, se curvando em Tariq. O corpo do dragão estremeceu. Ela sentia as grandes asas batendo no céu, o calor das chamas. Ela sabia que Fridrick tinha marcado um ponto, mas o dragão continuou voando. A batalha durou poucos minutos, mas ela percebeu que os dragões estavam voltando a formação, protegendo-a. Todos eles. Cada homem dos Cárpatos. Protegendo-a. Ela sentiu as lágrimas queimarem. O vento as arrancou, mas ela sabia que esses homens, independentemente de sua incapacidade de sentir emoção, a colocaram antes de sua própria segurança. Ela ouviu os gritos dos fantoches e seres humanos quando os dragões passaram, mas tudo era um borrão e os dragões ficaram em formação até chegarem em casa, Tariq e Charlotte no centro.

236


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

12mn Charlotte acordou com cada músculo de seu corpo dolorido. Os dragões podiam ter sido uma ilusão, mas montá-los tomou um pedágio em seu corpo. Ela não abriu os olhos, saboreando a sensação de estar a deriva, meio acordada e meio dormindo em um casulo quente. Ela tinha estado brutalmente cansada na noite anterior e mal podia ficar de pé quando chegaram ao composto. Tariq tinha sido ferido quando Fridrick atacou. Ela tinha visto o sangue em seu ombro e pescoço, mas ele simplesmente balançou a cabeça e disse-lhe que os outros eram curadores e que iriam cuidar dele. Ele sairia por alguns minutos e, em seguida, iria se juntar a ela. Ela esperava ter pesadelos, mas dormiu como os mortos. Ela tinha dado uma olhada em Lourdes, grata por Genevieve, haver colocado a sobrinha na cama para ela. A criança estava dormindo embora fosse de manhã cedo. Ela deixou um bilhete para Genevieve sem acordá-la se ela dormisse demais e então ela ficou de pé junto à cama de Lourdes, balançando, incapaz de pensar no que fazer a seguir. Tariq a tinha recolhida como se ela fosse uma pluma, embalando-a contra o peito, sussurrando-lhe para ir dormir. Ela fez exatamente isso com a sensação dos lábios escovando suas pálpebras. Agora ela estava pressionada contra alguém quente e sólido e ela se viu sorrindo, sabendo que era Tariq. Suas pernas estavam emaranhadas com as dele. Uma coxa estava por cima dela, e o braço era uma faixa em torno de sua cintura. Seus dedos se moviam ao longo de seu peito e

237


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 imediatamente ela se tornou ciente do fato de que não usava nada. Ela não queria abrir os olhos e encarar qualquer novo pesadelo que viesse; ela só queria ficar na cama com Tariq e deixar o resto do mundo fora. Deixou-se à deriva em uma névoa de sonolência e calor. Os dedos de Tariq acariciavam delicadamente sua carne, traçando padrões distraidamente em sua carne quente. Isto era ... preguiçoso. Agradável. Sexy. Ela precisava disso. Ela precisava simplesmente deitar em seus braços e sentir-se amada. Protegida. Segura. Os lábios roçaram sua têmpora, e ele mudou de posição, deslizando por cima dela, cobrindo-a. Seus quadris se encaixando perfeitamente no berço dela. Seu cabelo era uma queda castanho brilhante, flutuando sobre o ombro dela e seu peito esquerdo em um slide sensual. Seus olhos azuis eram quentes, quase safiras, como duas gemas olhando diretamente sua alma. O coração dela se contraiu, a barriga se suavizou. Seu útero se agitou e o seu sexo se apertou. A boca dele se moveu gentilmente sobre o rosto. Pequenos, beijos borboleta, como plumas, mas cada toque de seus lábios enviando pequenos tremores através dela. Uma mão dele foi para sua garganta, circulando-a para o coração dela bater na palma de sua mão. Ele manteve os olhos nela enquanto seus beijos foram para o queixo, seus dentes raspando com deliciosa gentileza. Sua mão se moveu de sua garganta para seu corpo, varrendo lentamente sobre os seios, o vale entre eles, para sua caixa torácica e, em seguida, sua barriga. Seu olhar nunca deixou o dela e ela viu. Em seus olhos. A reivindicação. A posse. A resolução, o amor cru. Ela não sabia como ele podia se sentir assim sobre ela, mas estava lá em seus olhos e os olhos não mentem. Ela sentiu lágrimas queimando. Pela primeira vez em sua vida, ela sentiu como se pertencesse. Como se ela tivesse voltado para casa. Ela viajou o mundo extensivamente, procurando... mas pelo que ela nunca teve certeza. Ela só sabia que nunca tinha encontrado, até aquele momento.

238


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ele circulou seu pênis com o punho. — Você está pronta para mim, sielamet? Ela assentiu com a cabeça, nunca tirando os olhos dos seus. Claro que ela estava pronta. Como ela poderia ser outra coisa, que não pronta para ele? Ela sentia como se tivesse sido feita para ele. Nascido para ele. A ampla coroa cutucou a entrada e seus músculos contraíram, querendo-o desesperadamente, precisando atraí-lo para dentro. Ele estava grosso e duro, veludo sobre aço, empurrando através de seus músculos tensos, fazendo-a ofegar, arquear as costas, levantar os quadris para encontrar sua invasão. Muito gentilmente, sem pressa, levantou primeiro a perna esquerda e envolveu-a em torno dele e, em seguida, a direita de modo que o abraçou com as pernas, enfiando os calcanhares em suas coxas. Ele pegou-lhe as duas mãos, enfiando os dedos nos dela e levantando os braços para os lados de sua cabeça, prendendo-as no colchão. Ele começou a se mover, lentamente no início, seu olhar queimando no dela. Ela sabia o que ele estava dizendo. Ele estava fazendo amor com ela. Adorando seu corpo com o dele. Tendo a certeza de que ela o ouviu e que sabia exatamente o que ele estava dizendo. Ele queria que ela olhasse em seus olhos para que pudesse ver o que ele sentia. Ele queria que ela estivesse em sua mente para que pudesse ver seus pensamentos, para que ela pudesse conhecê-lo intimamente e tão completamente quanto ele a conhecia. Com seu corpo bloqueado no dela, movendo-se lentamente para que o calor aumentasse mais e mais, olhar em seus olhos e saber que ele ia estar lá para sempre foi a coisa mais sensual, mais íntima que ela poderia querer para sempre. Deu-lhe isso e era tão bonito. O corpo dela seguiu cada movimento dele, por ele. Ao seu redor. À medida que a tensão crescia mais e mais, seus músculos se fecharam ao redor dele, construindo uma maravilhosa fricção de modo que cada vez

239


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 que ele se mexia dentro dela, raios de fogo queimavam os dois. Ela abriu a boca em um pequeno suspiro, movendo os quadris para encontrar os dele, apertando os dedos nos dele e o segurando com as pernas. — Tão perto, querido, —ela suspirou, sentindo o calor virar um incêndio fora de controle. — É isso, sielamet, —ele sussurrou. — Você é tão bonita quando me dá isso. —Ele se debruçou para a frente e tomou sua boca. A ação pressionou seu pênis direto em seu ponto mais sensível de modo que um relâmpago correu através dela. Ela engasgou, apertando as pernas, movendo-se com ele, pegando fogo, deixando a tempestade levá-la. — Minha, —ele sussurrou baixinho, olhando para ela, com os olhos ainda segurando os dela. — Amo isso mulher, quando lhe dou isso, mas te amo muito mais. Em seguida, ele estava batendo nela, profundo e duro, levando-a com ele de novo, de modo que quando ele se esvaziou dentro dela, ela caiu em um outro orgasmo forte, desta vez totalmente fora de controle, roubando sua respiração e enviando a consciência sensual para todas as terminações nervosas. Ela ficou deitada sob ele um longo tempo, envolta ao seu redor, em torno dele, amando estar tão perto. Ele não tinha tomado seu sangue, e uma parte dela tinha querido isso, mas ela sabia que ele queria completar a conversão e ela ainda não estava preparada para isso. Tariq a beijou suavemente e rolou, levando-a com ele de modo que ela ficou em cima. — Eu preciso de você em breve, Charlotte, —disse ele, confirmando que ainda estava em sua mente e podia ler seus pensamentos. — Eu sei. Eu quero isso também, mas tenho que ter a certeza de que tenho tudo no lugar para Lourdes e Genevieve. Sou a única família de Genevieve agora. Ele balançou a cabeça e colocou o cabelo atrás da orelha. — Eu vou

240


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 ser da família também. O mesmo acontecerá com Danny, Amélia, Liv e Bella. Ela já está com prática, tendo cuidado de Lourdes do jeito que faz. — Eu quero cuidar de Lourdes, —disse Charlotte, pressionando o rosto em seu pescoço. Ele era forte e quente. Definitivamente uma âncora em um mundo caótico. — Como é que vou fazer isso se eu vivo de noite e ela durante o dia? Eu sei que agora você está empurrando-a para dormir durante o dia, mas isso não pode continuar para sempre. — Lourdes não pode permanecer uma criança humana. Nenhuma das crianças pode, —Tariq explicou, sua voz suave. — Eles são psíquicos conhecidos. Os vampiros estão caçando psíquicos, até mesmo crianças. Temos Josef, um dos nossos especialistas em tecnologia, que vem para tentar obter informações dos computadores quebrados, e ele é jovem. Por jovem, quero dizer em idade Cárpata. Ele não será considerado adulto até que tenha cinquenta anos e ele está longe disso ainda. Vai ser bom para Danny conhecê-lo. Nós não pensamos muito sobre a conversão de homens porque existem muito poucas mulheres. Converter os homens é mais difícil. Eles têm de ser aceitos pelos antigos. Uma vez que Danny seja convertido, eu vou ter que levá-lo para a Romênia, nas Montanhas Cárpatos e a caverna dos guerreiros. Se eles não o aceitarem ... —Ele parou, balançando a cabeça. Ela levantou a cabeça. — O que isso significa? — Isso significa que há um monte de perguntas para as quais eu não tenho respostas. Estou consultando todos que eu conheço que poderiam me dar as chances da conversão de uma criança sem muito perigo. Eu sei que pode ser feito, mas não sem dor envolvida. Eu posso minimizá-la, mas não posso tirá-la. Expliquei a Amélia e Danny e eles entenderam. Ambos estão um pouco hesitantes, porque não querem que Liv sofra mais, e, claro, eles têm medo por Bella, assim como eu. —Ele suspirou. — E agora Lourdes. Antes de converter as crianças, eu tenho que ter essas respostas.

241


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Gostava que isso importava para ele. Mais e mais ela estava descobrindo que Tariq não saltava para qualquer coisa. Ele estudava um problema por todos os ângulos e encontrava soluções antes de fazer um movimento. — Eu não quero que Lourdes ou Bella sofram. Elas tem apenas três anos. Ele assentiu. — Muito jovens para isso estar acontecendo. Poderíamos tentar esperar, mas a cada dia que o que fazemos, Vadim pode estar planejando algo. Não podemos mantê-las presas aqui na propriedade para sempre. Cedo ou tarde, todos eles vão querer ir a lugares. — Se nós encontrarmos e matarmos Vadim, não vai resolver o problema? Ele acariciou a parte traseira de sua cabeça, os dedos enfiando através de seu cabelo. — Eu tenho caçado vampiros por séculos, sielamet. Há sempre um outro. Sempre. Agora, com a sua capacidade de se unir e usar a tecnologia moderna, a ameaça é maior do que nunca. Sua mão se moveu em círculos preguiçosos pelas costas até que seus dedos encontraram os recortes de covinhas nas bochechas de suas nádegas. — Há algo muito atraente sobre o seu traseiro, Charlie. Eu amo quando estou atrás de você, assistindo você se afastar de mim. Ela levantou a cabeça para olhar para ele. Seu sorriso era todo Tariq. Charme. Doçura. Tudo para ela. — Então, também gosto muito da sua frente. Eu não posso dizer o que é melhor. Seus seios ou seu bumbum. Eu já lhe dei um monte de contemplação. Ela não podia ajudar a si mesma. Ela riu suavemente e colocou seu rosto no ombro dele. A voz dele era tão preguiçosa como o toque de seus

242


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 dedos na pele dela. — Você tem tido um monte de tempo para a contemplação recentemente. Ele bateu em seu traseiro bruscamente. — Cuidado, mulher, —ele advertiu. Sua mão retomou aos seus padrões de lazer quando o calor se espalhou por ela, e ela teve que apertar o rosto contra a sua pele para abafar o riso. Ainda assim, o calor inflamou as terminações nervosas profundas, ela não sabia que existiam. O toque íntimo de seus dedos deslizando sobre ela só aumentou a necessidade. De repente, sem aviso, crescendo dentro dela. — Você sabe que eu tenho que me levantar e cuidar de Lourdes. Genevieve tem sido grande sobre isso, mas Lourdes é minha, e ela está em um lugar novo. Ela precisa saber que esta é sua casa e eu vou ser sua mãe. —Ela esfregou o queixo no peito dele, as mãos movendo-se sobre os lugares onde as feridas deveriam ter estado em seu ombro e pescoço, mas não estavam. Não havia nenhum sinal de qualquer laceração ou queimadura. Charlotte respirou fundo e decidiu ignorar o fato de que um homem podia ser curado durante a noite. Ela necessitava ser normal. — Lourdes teve trauma suficiente para durar uma vida inteira, e ela tem apenas três anos. Eu não posso imaginar com o que Bella e Liv e os outros estão tentando lidar. —Seus olhos se encontraram. — Você me conhece, não tenho absolutamente nenhuma experiência em lidar com crianças. Restauro arte Tariq. Eu não faço aconselhamento. Eu nem saberia por onde começar. — Cárpatos podem ler mentes. Você será capaz de ver seus piores medos e saberá o que dizer. Somos educados e respeitosos, e como regra, não invadimos, a não ser que a segurança ou a saúde esteja em jogo ou nos alimentemos e tenhamos que remover a memória, mas para lidar com estas crianças, nossos filhos, não acho que temos escolha.

243


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ela suspirou e tentou se afastar dele, mas seu braço apertou como uma banda de aço nas costas e a mão deslizou de sua parte inferior até tocar seu rosto, um escovar do polegar ao longo da costura entre sua bochecha e sua coxa. — Ainda não, sielamet. Vou saber quando as crianças acordarem. Agora temos esse momento sozinhos e eu preciso deles com você. Enfrentamos uma guerra longa. Vadim não vai ser fácil de encontrar, muito menos matar. — Ele trabalhou na noite passada. Nós o tiramos do navio. Se eu posso ouvi-lo, e você diz que ele pode me usar para ver o que está acontecendo em torno de mim ... — Não aqui. Enquanto você estiver nesta propriedade, as salvaguardas que já colocamos vão funcionar. Emeline e Liv também precisam delas. — Ainda assim, se ele pode me 'ver', então eu deveria ser capaz de vêlo. — Estamos removendo essa lasca esta noite. É perigoso demais brincar com algo assim. A lasca exerce poder. A lenda diz que o carrossel foi amaldiçoado. Os cavalos, os carros. Tudo. Os proprietários e seus filhos ou morreram e ninguém sabia por que, ou eles foram brutalmente assassinados com gargantas rasgada e sangue drenado. Agora sabemos porquê. Vadim fez algo para o carrossel, e ele tem que ser destruído. — Não! —Ela empurrou-o com ambas as mãos. — É um pedaço da história. Temos de remover tudo o que ele fez. Eu posso restaurá-lo corretamente. A mão de Tariq voltou a esfregar a pele nua. — Você não tem ideia de como Vadim e seu irmão Sergey, realmente são perigosos. Fridrick apresenta um perigo terrível, mas não é nada comparado àqueles dois. Você nunca terá chance com vampiros, especialmente dominar vampiros.

244


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Você os mata sem hesitação e você mantém o risco para si mesmo tão pequeno quanto possível. Temos vários caçadores experientes aqui. Eu emiti um alerta, e aqueles que estiverem na área estão vindo para cá, bem como vigiarão todos os portos. Nós sabemos que ele está se movendo em navios para o mar, a fim de nos impedir de rastreá-lo. — Como no mundo ele pode se alimentar se está no mar? Houve um pequeno silêncio. Seu olhar saltou para o dele. — Tariq? — Lojos e Tomás estiveram vigiando-o. Eles descobriram que ele se encontra com traficantes de humanos no mar. Navios os trazem para ele. Todos os corpos são eliminados antes mesmo de voltar para a costa. Ela fechou os olhos e caiu contra ele, envolvendo os braços em volta do pescoço. — Ele tem que ser parado, Tariq. — Eu sei, sielamet, mas isso vai levar tempo. Ele tem peões como Fridrick. Fridrick não é o único mestre vampiro sob seu comando. Eles serão sacrificados antes que nós consigamos chegar a Vadim. Ele deve deixar esta área, porque há muitos caçadores. Nós achamos que será capaz de dividir para conquistar. Mais uma vez os dedos desenharam pequenos padrões em sua bunda, e era maravilhoso. Ela precisava de seu toque íntimo quando estavam conversando sobre algo tão vil como Vadim Malinov. O pensamento de qualquer parte de um monstro como Vadim estar dentro dela era perturbador. Ela queria que ele se fosse e não queria por acaso dar-lhe um vislumbre das crianças nunca mais. — Eu sei o que você quer dizer sobre a lasca, mas Tariq, é uma maneira de rastreá-lo. O carrossel está em seu porão. Se eu o tocar posso encontrá-lo, agora que sei o que estou procurando. Tariq franziu a testa e a mão em sua bunda parou. — Isso pode funcionar, de acordo com certas circunstâncias, mas Charlotte, não se atreva a tentar sozinha. Eu quero dizer isso. Eu vou saber, e desta vez, as

245


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 consequências vão ser graves o suficiente para que você não me desobedeça novamente quando se tratar de assuntos de sua segurança. Ela apertou os dentes e todo seu corpo ficou rígido. O seu muito lindo homem, perfeito—não tão perfeito assim. — Não me ameace, Tariq. Não tenho cinco anos de idade, e apenas para sua informação, eu estive em sua mente e você nunca iria bater numa mulher ou criança. Eu acho que estou bastante segura de suas consequências. — Não é uma ameaça, Charlotte. Eu não faço ameaças. Sou muito mais moderno do que a maioria de meus irmãos, mas viver séculos entre os seres humanos não me fez humano. Eu sou um homem dos Cárpatos. Tem coisas minha que você terá que conviver, assim como existem coisas sobre você eu devo conviver. Quando trata de assuntos de sua segurança, tenha certeza, companheira, eu levo isso muito a sério. Quando eu digo para fazer alguma coisa, eu espero que isso seja feito. Você não tem que gostar, mas você tem que fazer. Mais uma vez ela tentou se afastar dele, mas ele a segurou no lugar. — Pare de lutar. É inútil e bastante tolo ficar irritada com algo que nenhum de nós pode mudar. Eu podia falar suavemente e você poderia gostar do som, mas tudo se resume à mesma coisa. Por quê é tão difícil tratar a sua segurança como sagrada? Será que nós não tratamos a segurança dos nossos filhos dessa maneira? Ou a segurança de Genevieve? Ou a de Emeline? Donald e de Maria? Devemos negligenciá-los, porque eles são mais velhos? Todos eles precisam de nossa proteção. Ela deixou escapar um suspiro de resignação. Ela estava discutindo semântica. Ele estava certo, mesmo que ela não quisesse admitir isso. Ela não tinha gostado dele dando o que soou como uma ordem. Ainda assim, ela tinha já tocado o cavalo do carrossel sem ele e estava enfrentando as consequências. Ele tinha razão ela tinha aprendido a lição sem ele ficar falando sobre isso.

246


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Tudo bem, —ela admitiu. — Você não tem que se preocupar. Você é o especialista em todos os assuntos sobre vampiros e semelhantes, então eu vou seguir as instruções ao pé da letra. Sua mão voltou a fazer pequenos padrões preguiçosos em sua pele, desta vez correndo até suas costas e movendo-se para os lados de modo que ele estava traçando suas costelas e o lado de seu seio. O sangue dela virou calor fundido e líquido se reuniu entre suas pernas. Ela achou incrível que ele podia fazer isso apenas com o toque dele. Seu coração pulsava entre suas pernas e batia em seu pescoço, então ela sentiu o calor de sua respiração. — Essa minha mulher é muito inteligente. Sua ideia pode funcionar, embora eu não goste de saber que você tem algo a ver com Vadim, mesmo remotamente. E nós teremos a certeza de não haver nenhuma maneira de outro pedaço entrar em sua pele. Eu vou remover esse agora. Eu vou ser calor, a luz branca que você vai sentir dentro de você. Fique imóvel para mim. Charlotte cedeu contra seu peito, deixando seu corpo macio, fundindo-se com o dele. Ela desejou que ele estivesse ainda profundamente dentro dela, mas pelo menos ele a rodeava com os braços e uma perna curvada em torno das coxas, como se soubesse que ela precisava ser embrulhada enquanto ele ia atrás da lasca de Vadim. Tariq não esperou. Ele não gostava da ideia de um vampiro mestre ter colocado uma amaldiçoada lasca dentro de sua mulher. Mais, se outros tinham morrido por que essa lasca estava dentro deles, ele tinha que ver o que acontecia. Até agora, ela não tinha mostrado qualquer sinal de doença. Ela estava linda para ele. Um pouco selvagem. Um pouco sexy. Perfeita. Sua pele não estava excepcionalmente quente, o que poderia ter indicado uma febre, o sinal de alerta humano de que algo não estava certo. Não havia nada para dizer a ele que havia algo extremamente perigoso nela.

247


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ele largou seu corpo como fazia seu povo, tornando-se espírito, sem ego, uma branca luz de cura que facilmente entrou no corpo dela. Ele verificou todos os órgãos atrás de danos. A lasca estava longe de ser encontrada em qualquer órgão vital. Havia uma diferença sutil em seu sangue. Muito sutil. No começo, ele quase não o percebeu, mas a ausência da lasca o preocupava, então ele foi ainda mais cuidadoso, determinado a descobri-la. Moveu-se através dela com cuidado, meticuloso, enviando pequenas ondas sonoras através de seu corpo para afrouxar o aperto da lasca em tudo o que se tinha anexado. Quando fez isso, viu várias células brancas de repente deslizar contra uma célula vermelha e engoli-la. Ele teve de repetir a cena em sua mente várias vezes para ter certeza de que ele tinha visto isso corretamente. Ele observou por mais alguns minutos mas nada mais aconteceu. Mais uma vez Tariq enviou pequenas ondas sonoras através de seu corpo, mantendo seu foco nos glóbulos brancos. Instantaneamente, a mesma coisa aconteceu. Alguns dos glóbulos brancos engoliam células vermelhas, efetivamente comiam-nas. Ao mesmo tempo, um pouco para a direita, ao longo de suas costelas algo se mexeu por um momento e depois se acomodou nos ossos. Ele prendeu a respiração. A lasca tinha se ligado ao osso e se tornou parte do esqueleto. Apenas a ponta permanecia. Ele ainda estava abrindo caminho para o interior do osso. Ele bateu rápido, usando o calor da luz de cura branco para cercar o pequeno pedaço da amaldiçoada madeira antiga, para segura-lo, tinha necessidade de destruí-lo rápido. A lasca não se mexeu. Ele não podia ver onde o osso começava e a lasca acabava. Apenas aquele pequeno pedaço minúsculo se mexendo para tentar ganhar distância do calor da luz branca. Ele soube imediatamente que não poderia removê-lo. A lasca havia se tornado parte dela e não seria destruída. Como não podia removê-la, ele teve de forjar uma armadura em torno dela forte o suficiente para que a

248


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 lasca não pudesse penetrar para fazer mais danos ao corpo. Talvez um dos seus maiores curadores pudesse fazer um milagre e removê-la. Infelizmente, só Dragomir estava perto. Dragomir era ... diferente. Não Cárpato. Não vampiro. Em algum lugar entre, talvez. Ninguém estava certo se podia confiar nele, incluindo Dragomir. Siv ... poderia, mas, novamente, ele era muito parecido com Dragomir. Parecia que não havia um curador talentoso na área. Todos eles poderiam conseguir, mas agora Tariq sabia, que não podia esperar mais. Ele tinha que chamar um curador mestre, mesmo que isso significasse que um precisava vir das Montanhas Cárpatos. Ele foi meticuloso em seu trabalho, tomando seu tempo, mas envolveu a costela em uma forte salvaguarda de ligação, tecendo-a com luz de cura, a lasca se encolheu longe. Ele tentou cavar mais fundo na costela para escapar da luz e, quando isso falhou, enrolou-se em torno da costela, deixando-se o mais plano possível, como uma cauda de peixe contra o osso. Tariq fez a gaiola mais forte, mais espessa, mergulhando a luz através das salvaguardas até ter certeza que a lasca não podia penetrar em qualquer lado e escapar. Quando ele ficou absolutamente certo, acrescentou várias camadas. Ele queria que ela ficasse segura. Só então ele saiu de seu corpo de volta para o seu próprio. Ele abriu os olhos e ela estava olhando para ele, uma pequena carranca no rosto. Sua mão alisou as linhas de seu rosto e, em seguida segurou sua mandíbula. — Você está tão pálido, querido. Isso prendeu você muito tempo. Ele não tinha percebido a passagem do tempo, mas olhando em seus olhos, percebeu que ficou contendo a lasca por algum tempo. Ele não tinha se alimentado, e deixar o corpo e tornar-se espírito puro tomava uma quantidade enorme de energia. — Diga-me o que você precisa, Tariq, —ela sussurrou, sua voz caindo uma oitava. Rouca. Sedutora. Uma flagrante tentação.

249


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Sua mulher tinha grandes instintos. Ele estendeu a mão, segurou a parte de trás de sua cabeça e puxou o rosto para ele, para sua boca poder levar a dela em um beijo longo e molhado. Duro. O que significava que ela acendeu como fazia por ele, levando-os a mais, queimando um pouco fora de controle. Ele beijou-a e apertou seu punho juntando seu cabelo, controlando a cabeça para mantê-la inclinada do jeito que ele queria para que pudesse beber dela. Ele beijou seu caminho pelo queixo, ao longo de sua mandíbula doce e para baixo ao pescoço para um ponto de pulso que o chamava como um farol. Ela sabia, o conhecimento estava em sua mente, e ela queria sua boca sobre ela. Seus dentes. Ele usou-os impiedosamente, raspando sua pele macia, marcando-a como sua. Ele adorava colocar sua marca sobre ela e sabia que era um traço de sua espécie. Possessivo com sua mulher. Precisando que os outros soubessem que ela pertencia a ele, era parte dele, a melhor parte. — Mantê-la segura, —ele murmurou contra seu pulso latejante. — Sempre mantê-la segura. —Sua mordida foi suave. Ele pegou a pele e puxou. — Sempre. —Ele enfatizou a palavra, era um comando, o tempo todo usando os dentes para coroar sua declaração. Charlotte suspirou, esticando o pescoço, como se pudesse fugir dos dentes afiados que a tinham presa, mas não se afastou, em vez disso arqueou seu corpo, pressionando os seios contra ele, enquanto relâmpagos pareciam ziguezaguear através de seu corpo direto para seu sexo. Ela amou quando ele usou os dentes. Ela nunca em sua vida considerou que poderia, mas foi a mais erótica sensação que teve quando ele a mordeu. Suave ou áspero, isso não importava. Seu rosnado baixo e rouco afirmando que iria mantê-la segura só alimentou o fogo nela. Ela queria seus dentes mesmo, necessitava. Ela prendeu a respiração. O momento parecia uma eternidade, a mistura perfeita de antecipação, necessidade e a fome final. Os lábios se moviam

250


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 em seu pescoço, sobre seu pulso, de modo que seu coração batia em sua boca. Seu sexo se apertou. Chorando. Queimando. Os dentes se afundaram profundamente e prazer surgiu no meio da dor, irradiando por todo seu corpo de modo que cada terminação nervosa estava viva e desesperada por ele. Ardente por ele. Um incêndio selvagem, fora de controle. A mão deslizou por suas costas para seu pescoço e, em seguida, seus dedos deslizaram em seu cabelo, levando-a ainda mais longe até que não houvesse uma dor distinta. Isso só aumentou o calor percorrendo suas veias. Ela sentiu a grossa e dura extensão dele pressionando firmemente contra seu estômago. A polegadas de onde ela precisava que ele estivesse. Seu núcleo pulsava. Seu sexo se contraia. Ela mexeu seu corpo delicadamente. Sutilmente. Deslizando para baixo apenas algumas polegadas. Tariq não relaxou o controle sobre seu cabelo, ou permitiu que a cabeça se movesse. A boca e os dentes agarrados ao seu pescoço. Ela sentia todo o caminho para sua alma. Essa conexão. Ainda a bela forma primitiva que eles se uniram. Ela ouviu seu próprio suspiro. Seu gemido. Ela parecia ... sensual. Ela se sentia sensual, algo que nunca tinha acontecido em toda a sua vida até Tariq. Ela colocou seu punho em torno do comprimento pesado dele e guiou-o para seu corpo, afundando-se em cima dele. A pesada ereção empurrou através das dobras sensíveis de seu corpo, quase dolorosamente. Ela perdeu o fôlego. Ele enviou ondas de construção de prazer puro de modo que ela sentiu a tensão crescendo por dentro. A boca dele se moveu de novo, a língua varrendo as marcas em seu pescoço para fechar as pequenas feridas. Uma vez, duas vezes, os dentes dele rasparam sobre a marca que tinha deixado e cada requintada passada fazia seu corpo banhar o eixo dele em fogo líquido. Suas mãos deslizaram para seus lados, seus seios, ao longo de sua caixa torácica, sua cintura, para parar sobre o alargamento de seus quadris.

251


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Mova-se, sielamet. Monte-me duro. Ela queria isso. Ela sentou-se lentamente e depois se inclinou para trás quando as mãos pressionaram sua barriga. — Coloque as palmas das mãos nas minhas coxas. Seus olhos estavam escuros com paixão. Com luxúria. Macios com tanta emoção que ela foi obrigada a puxar uma respiração ou seus pulmões teriam queimado cru. — Você é tão bonito, —ela sussurrou, incapaz para manter-se em silencio. Ele era lindo. Não apenas do lado de fora, e ele era. Era a maneira que ele era em sua mente. A maneira como ele era com as crianças. A maneira como ele não só queria proteger todos, mas precisava. Ele a observou se mover por algum tempo, com as mãos na cintura dela, no início e depois quando seu corpo entrou em uma espiral com tanta força que pensou que poderia não sobreviver, elas escorregaram para os seios. Seus dedos puxaram e rolaram os mamilos, e então ele estava sentado, mudando a posição profundamente dentro dela, seu pau queimando nas partes mais sensíveis dela, criando um incêndio fora de controle. O fogo tomou conta dela, consumindo-a, e levou-o com ela. Ela afundou-se nele, com o rosto em sua garganta, desesperada por ar, mas indiferente se algum dia voltaria a respirar. Tariq passou os braços em volta dela e segurou-a perto dele. Ela adorava a maneira como os dedos dele massageavam seu couro cabeludo. Durante muito tempo, o mundo ficou na baía e ela pôde apenas ficar a deriva naquele lugar que ele a enviou com seu corpo. Ele segurou-a por um longo tempo, mas eventualmente ela sentiu o corpo tenso. Nesse momento, ela apertou seu domínio sobre ele. — Eu não quero me mover, —ela protestou. — Aqueles três homens, os que seguiram vocês de Paris e estavam em meu clube na outra noite, estão aí fora na minha porta, escondendo-se em

252


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 vez de apenas chegar e pedir para falar comigo. Eu tenho que ir resolver isso, Charlotte. Ela suspirou. — Eu sabia que eles não iriam nos deixar em paz. Devo ir com você? Solidariedade e tudo isso? —Ela não levantou a cabeça, em vez disso, se aninhou em sua garganta e pressionou beijinhos até sua mandíbula. Ela não queria lidar com outro serial killer. Outro monstro. Ela queria, mesmo precisava ser normal. Lourdes. Genevieve. A vida fora de um mundo monstruoso. — Não, sielamet, você vai ficar o mais longe possível deles. Eles não podem dizer a diferença entre Cárpatos e vampiros e matam indiscriminadamente. Você, as crianças, Genevieve e Emeline estão todos em perigo. Eles poderiam representar um perigo para Donald e Maria também. Vou falar com eles e lhes dar um pequeno empurrão para nos deixar em paz. — Tenha cuidado, Tariq. Eles estavam no centro psíquico, e meu palpite é que eles têm algum tipo de habilidade. —Ela empurrou-se com resignação e a ação causou um tremor menor e uma ondulação por seu corpo. Charlotte suspirou e apertou suas coxas ao redor dos quadris dele, segurando-o com ela. — Eu sempre tenho cuidado, Charlotte. Eu escolhi viver entre os humanos a maioria dos meus anos de caça. Séculos. Eu sei como me encaixar facilmente. Sei também que alguns seres humanos têm poderes extraordinários. Alguns são as melhores pessoas que conheci, e outros são doentes e cruéis, quase tão ruins quanto o vampiro. Eu vi de tudo, e isso me fez cuidadoso. Vá cuidar das crianças e visitar Genevieve. Seja normal. Acomode-se. Vou ter que trazê-la totalmente para o meu mundo em breve, sielamet. Você vai definhar se não o fizer. Então, você precisa sentir que a sua decisão é a certa, a única para você. Ela já se sentia assim. Ela era mais viva com ele do que ela nunca tinha sido em sua vida. Ela sempre esteve em busca de algo, ela não sabia o que,

253


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 mas viajou o mundo para encontrar, só achou agora que estava aqui com Tariq. Uma família. Perigo. Paz. Felicidade. Tudo o que ela sempre quis estava aqui na cama com ela. — Há tantos outros caçadores aqui. Não é possível um deles falar com esses homens? —Ela sabia que ele era poderoso, mas ainda assim, ela tinha visto um homem com uma estaca em seu coração. Ele sorriu e acariciou a parte de trás de sua cabeça, os dedos enrolados em seu cabelo sedoso. — Os outros caçadores, além de Maksim, não tem companheiras para ancorá-los. Você pode imaginar Dragomir falando com esses homens, e vendo suas intenções? Ele iria matá-los imediatamente sem pensar nas consequências. Ele não vive com seres humanos, Charlotte, ele nunca o fez. Ele nunca foi civilizado. Só estar aqui é provavelmente muito difícil para ele. — Eu não posso imaginar o que ele faria com uma mulher. Ele é tão ... duro. — Ele é um caçador. Um predador. Ele sempre foi e sempre será. Lojos, Tomás e Mataias são selvagens. Val, o caçador que Vadim torturou, encontra-se debaixo da terra, se curando no solo. O alimentamos, e cuidamos de suas feridas, que são graves. Eles não gostam da ideia de uma outra ameaça à seus irmãos e eles também matariam os três caçadores de vampiros sem pensar nas consequências. — Então você está dizendo que é o único que pode lidar com eles. — Sim, sielamet, mas eu prometo ser cuidadoso. — E sobre a lasca? —Ela sabia que estava protelando, querendo ficar com ele, mas sinceramente, ela odiava a ideia de ter a lasca dentro dela, e Vadim pudesse ver o que ela estava fazendo ou não. — Estou chamando um Daratrazanoff. Essa linhagem é incomparável quando se trata de cura.

254


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Onde eles estão agora? —Significando quanto tempo levaria para um deles chegar lá. A ideia de que um pequeno pedaço de Vadim estivesse dentro dela a fazia sentir-se doente, especialmente agora que Tariq confirmava que estava ainda mais preocupado com isso do que ela. — Nas Montanhas dos Cárpatos. Sua respiração ficou presa nos pulmões. Se Tariq estava chamando um curador dos Cárpatos, ele estava muito preocupado com a lasca. Ela não fez nenhuma pergunta. Ela não queria as respostas. Ela queria ser normal. Ela queria visitar seus amigos e talvez ter uma xícara de chá sem ficar doente. Ela queria ouvir o som do riso. — Você está na minha mente, —ela sussurrou, inclinando-se mais uma vez para mover os lábios contra sua mandíbula. Ela amava a linha dura de sua mandíbula. Ele era bonito, lindo mesmo, era todo homem. A mandíbula indicava sua força, sua determinação. Ele sabia exatamente o que queria, o que ela precisava, e ele estava dando isso a ela. — Isso te incomoda? Eu tento ficar apenas na frente, não me intrometer, mas depois de tantos séculos sem você, procurando por você, acho que é difícil me separar completamente. Havia uma sugestão de vulnerabilidade em sua voz. Ela beijou o caminho de sua mandíbula para sua boca. Colocou os lábios bem em cima dos dele, e disse a verdade. — Eu amo que você esteja na minha mente. Eu não gostaria de ficar longe de você, também. Ele tomou sua boca no momento em que a última palavra foi pronunciada. Uma mão estava na parte de trás de sua cabeça, segurandoa com firmeza, a maneira como ele fazia isso sempre lhe trazia uma emoção. Sua boca se moveu levemente, porém, amorosamente, até mesmo em lazer, explorando e enredando a língua com a dela para acariciar. Ela amava beijá-lo. Ela poderia beijá-lo para sempre. Tomou seu tempo e ela adorava isso nele também. Ele tinha um lugar para estar, as pessoas para

255


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 proteger, mas ele ainda tomou seu tempo com ela como se ela importasse mais para ele que qualquer outra coisa. — Esta é a sua última noite como um ser humano, Charlotte. Era um decreto, não uma pergunta e seu coração puxou com força no peito. Ela muitas vezes foi embalada em uma falsa sensação de segurança, porque Tariq era doce para ela. Era razoável. Era sofisticado. Ele também era um predador como Dragomir, só que ele disfarçava melhor. Dragomir não se incomodava, enquanto Tariq sim. O fino véu de civilidade de Tariq poderia rasgar a qualquer momento. Ainda assim, Charlotte sabia que ela iria escolhê-lo a cada vez. Ele era o homem para ela. Nascido para ela. E ela nasceu para ele. Ela se inclinou e beijou-o novamente e, em seguida, lentamente deslizou fora de seu corpo. Ele não tinha que mudar para ela; ela o queria do jeito que ele era. — Ok, —ela concordou suavemente. Porque para ela, não havia outra escolha. — Eu vou estar pronta. —Ela queria ir ver Lourdes, conversar com Danny, Amélia, Liv e Bella. Ela queria visitar Genevieve e Emeline e talvez encontrar Blaze pela primeira vez. Ser normal em um mundo que não era dela mais. Ele estendeu a mão quando ela deslizou para fora da cama, sua mão segurando seu rosto, o polegar deslizando suavemente sobre os lábios dela. — Eu vou cuidar de você sempre, Charlotte. Você não vai se arrepender. Ela acreditava nele, mas isso não era o mais importante para ela. — Só se sinta sobre mim da maneira que faz agora. Sempre. — Isso cresce a cada dia. E vai continuar a crescer. Sua coragem em assumir Danny, Amélia, Liv e Bella me surpreende. — Você está levando Lourdes e Genevieve para mim. Ele assentiu e levantou, elevando-se sobre ela, acenando com a mão para limpar e vesti-la. Ela gostava de roupas macias, calça jeans vintage e

256


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 suéter cinza também suave. Ele tinha bom gosto para roupas casuais. O sutiã e calcinha dela eram de pura renda, mas o sutiã era de suporte, e suas botas eram de couro cinza com três babados de couro nas costas. Ela amou. — Você vai ser capaz de fazer isso mesmo, —ele disse, e inclinou-se para tomar sua boca. Quando se endireitou, estava vestido com suas roupas impecáveis e muito sofisticadas. — Vá se divertir. Não esqueça Emeline. Ela é nossa, também. — Eu não vou esquecer. Eu tenho a lasca de Vadim em mim e detesto isso. Ela ouve-o também. Pelo menos nós temos isso em comum, e em Paris, estávamos nos tornando boas amigas. Espero que isso vá contar para algo. Ela o beijou novamente, apenas uma pincelada dos lábios nos dele, mas foi o suficiente para reclamá-lo. Contar-lhe que ele pertencia a ela.

13mn Lourdes e Bella estavam na banheira brincando com patos de borracha quando ela entrou no banheiro. Charlotte nunca tinha visto tantos tipos de patos. Eles não eram os amarelos padrões que ela tinha quando criança. Estes eram vários personagens, e as meninas os amavam claramente. Elas tagarelavam juntas, rindo como velhas amigas, ou irmãs. Ela enviou um pequeno calor de gratidão a Tariq por pensar em brinquedos para as meninas.

257


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Elas já estão se ligando, —Genevieve sussurrou, sorvendo seu café. — Eu nunca pensei que seria tão louca por um par de meninas, mas adoro passar o tempo com elas. Fazem-me sentir ... — Normal, —Charlotte disse, com uma pequena risada. — Eu estava apenas dizendo a Tariq que eu precisava ser normal, e aqui é. Genevieve assentiu. — Eu não posso concordar mais com você. Você quer uma xícara de café? É o melhor café que eu já tomei. Pensar em beber café fez um rolo no estômago de Charlotte. Ela apertou a mão na barriga e sacudiu a cabeça. — Eu vou passar, mas obrigado. — Você e Tariq estão bem? — Melhor do que bem. Eu caí tão duro, tão rápido. Obrigado por cuidar das crianças enquanto estamos arrumando as coisas. Eu não posso te dizer o quanto eu aprecio o que você está fazendo por mim. — Eu quis. Depois de todas as coisas que você fez para mim, Charlie, isto é fácil. —Ela suspirou e colocou para baixo a caneca de café. — Eu não posso ficar aqui para sempre, mas tenho que admitir que estou com um pouco de medo de me arriscar sozinha. Charlotte ouviu o tremor na voz de Genevieve. Ela se inclinou em direção a ela. — Você quer sair? Genevieve sacudiu a cabeça. — Claro que não. Não é isso, mas eu não vou ser a quinta roda aqui. Esta é a sua família e você precisa de espaço para fazê-lo da sua maneira. Charlotte balançou a cabeça. — Você é minha família. Eu não tenho mais ninguém, Genevieve. Somos nós duas. Nós escolhemos uma a outra em Paris, muito antes de sua avó ser assassinada. Muito antes de meu irmão ser assassinado e tudo isto aconteceu para nós. Você é a minha família. Tariq sabe disso. Ele quer que fique. Você pode ter a sua própria

258


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 casa e, eventualmente, quando o perigo se for, viver a vida da maneira que você quiser, mas por hora fique aqui, escolha uma das casas para você. Genevieve olhou para longe, de volta as duas meninas. Três anos de idade, ambas tinham testemunhado uma brutal violência, vil. Elas cochichavam entre si, afundando os patos e observando-os pular de volta à superfície. Ambas riam quando os patinhos flutuavam e parecia que eles estavam nadando. — Eu quero fazer isso, Charlie, mais do que qualquer coisa. Eu quero ficar. Sinto-me segura aqui. Eu não tenho medo pela primeira vez em meses. Mas eu não quero chover no seu desfile. Você merece ser feliz e para formar uma família com Tariq ... — Pare, Vi. Sério, basta parar. Só porque eu achei Tariq e quero me unir a estas crianças não significa que eu não quero você na minha vida de uma maneira enorme. Vou precisar de ajuda, muita ajuda. Eu estou contando com você para isso. Eu não sei nada sobre crianças. Você já concordou em me ajudar com Lourdes. A única coisa que mudou é que temos mais quatro, duas das quais são adolescentes. Genevieve riu. — Isso é tudo o que mudou? Mais quatro crianças? Uma coisa pequena como essa não deveria nos parar. Charlotte se encontrou rindo. Riso real. Ela amava o fato de que era genuíno, que ela podia rir, apesar das circunstâncias. — OK. Talvez seja grande. — Tente enorme. Mas se você está certa que Tariq não vai pensar que eu estou apenas querendo viver as custas dele, eu vou ficar e ajudá-la. — Você tem o seu próprio dinheiro, Vi, —Charlotte lembrou com um pequeno sorriso. — Vou oferecer, mas posso garantir-lhe, ele não vai querer um centavo. Ele é o tipo do homem antigo, sabe, de outro século. Ele vai

259


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 querer pagar. Genevieve estava certa. Charlotte assentiu. — O que for preciso para mantê-la conosco, Vi. Eu não importo se ele quiser pagar a conta. Nós podemos ajudar quando a crise passar. Enquanto isso, é a minha vez de cuidar das crianças. Você vai escolher uma casa. Faça uma lista de tudo que você precisa para torná-la a sua casa. Você adora listas. Passeie. Veja a propriedade. Vou tentar visitar Emeline mais tarde, esta noite. E se você nos ver em sua varanda, passe por ali como se fosse casual e fale com ela, também, ok? Genevieve assentiu. — Eu vou, estou ansiosa para vê-la. —Ela estendeu a mão e empurrou o cabelo de Charlotte para estudar a marca em seu pescoço. — Você tem certeza do que está fazendo, Charlie? Ele não colocou-a sob algum feitiço, como nos filmes? Isso tudo é um território desconhecido para nós, e eu tenho que confessar, estou muito desconfortável sobre isso. — Eu sempre tive algum tipo de escudo, Vi, você sabe disso. Eu não reajo ao controle da mente. Foi o que nos salvou tanto em Paris quando Fridrick tentou nos fazer abrir a porta para deixá-lo entrar. Quero estar com Tariq por minha própria vontade, —ela assegurou. Genevieve assentiu. — Eu gosto dele. Eu gosto. É só que, estes homens são muito assustadores. Eles parecem tão lindos que qualquer mulher poderia simplesmente cair dura, mas debaixo dessa beleza, sério, Charlie, eles são muito perigosos, homens assustadores. Eu não sou como você. Eu sempre quis ser, mas eu não sou uma mulher guerreira. —Ela baixou os olhos, torcendo os dedos no colo. — Eu não pertenço a isto. Charlotte se inclinou para ela. — Sim, você faz. Você é forte, Vi. Nem todo mundo tem que ser um lutador. Você luta quando você precisa. Você iria defender qualquer uma dessas crianças, você sabe que faria. Você poderia defender-me, e a Tariq também. Você simplesmente não é a

260


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 melhor em defender-se e isso é bom. Nós estamos trabalhando nisso, lembra? — É estranho, mas eu tenho esse forte desejo de voltar para Paris, como se eu tivesse esquecido alguma coisa lá. Alguma coisa importante. — Não se atreva. Eu preciso de você aqui comigo. Eu estou fora de minha identidade. —Charlotte assistiu sua sobrinha e Bella brincar com os patos. Elas jogavam água e riam juntas e seu coração gaguejou no peito. Ela queria isso, para Lourdes, para todas as crianças. Ela queria para si mesma e Genevieve. As vidas delas foram viradas de cabeça para baixo, e Tariq estava tentando endireitá-las. Dar-lhes algo para se segurar. Uma família. Ela planejava segurar com as duas mãos. — Não me deixe, Vi. Fique e me ajude com essas crianças. Genevieve assentiu. — Eu gostaria de dizer que eu vou ficar porque eu sei que você precisa de mim, o que você faz. Ou porque essas crianças precisam de mim, o que eles fazem. Mas sei que estou aterrorizada demais para sair por conta própria. Eu não estou tão bem como deveria estar. Charlotte balançou a cabeça, seu sorriso sumindo. — Você é tão tola. Claro que você vai ficar porque as crianças e eu precisamos de você. Estou apavorada também. Nós seríamos idiotas se não estivéssemos. Então, vamos ficar juntas como sempre fizemos desde a primeira vez que nós escrevemos amigas a caneta na terceira série. Vá olhar as casas e escolher uma. Genevieve deu um sorriso pálido. — Nada como caçar uma casa na propriedade de outra pessoa. Deve ter alguns acres. Sabia? —Ela se levantou, abraçou Charlotte e foi para a banheira. — Tia Vi está saindo para passear e esticar as pernas. Você já jantou, e tia Charlie está aqui para brincar com você. Seja boazinha. —Ela se inclinou para roçar um beijo em cada cabeça molhada e, em seguida, deixou o grande banheiro, levando a caneca de café com ela.

261


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Charlotte assistiu as duas meninas brincar por algum tempo, aqueceu a água duas vezes antes de finalmente declarar que ambas tinham virado ameixas e tira-las para secar e vestir. Ela segurou as mãos de ambas as meninas quando as levou para o quintal. Pela primeira vez em muito tempo se sentiu comum, uma pessoa normal em sua rotina. Bella, de um lado, Lourdes, de outro, as duas meninas conversando e rindo. Sentia-se feliz. O carrossel ao ar livre era no centro do jardim, os cavalos e carros em uma profusão de cores sob o telhado do carrossel. Cada cavalo eram joia ornamentada, esculpidos em madeira. Charlotte reconhecia o trabalho como sendo o mesmo das partes mais velhas em casa. Era lindo, todo ele, incluindo a plataforma. Ela sabia que era um carrossel de trabalho e não podia esperar para montar um dos cavalos e sentir o que estava acontecendo com Tariq enquanto ele o estava esculpindo. Refletores iluminavam o quintal, lançando sombras em torno dos balanços e escorregadores. Era um sonho de criança, e havia novas adições a ele. Lourdes soltou um grito de excitação, largou a mão de Charlotte e correu para o dragão líder sentado no quintal. Havia cinco deles. O líder era maior e de pedra azul. Lourdes acariciou-o e passou o braço em torno de uma perna para abraçar o animal antes de usar a cauda para subir em suas costas. Bella foi para a direita passando os dragões verde e alaranjado, direto para o vermelho. Ela colocou os braços ao redor do pescoço de pedra vermelha e abraçou o dragão apertado. Como Lourdes, ela subiu da cauda para o pescoço para que ela pudesse fingir que o montava. Charlotte observou como as duas meninas se inclinavam para sussurrar segredos para as criaturas de pedra, encantadas com eles. — De onde eles vieram? —Perguntou Amélia, chegando por trás de Charlotte. Ela caminhava em silêncio, completamente à vontade no escuro e piscando um pouco quando veio para a luz poderosa dos refletores.

262


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Lojos, Tomás e Mataias os criaram de algumas pedras. Não são lindos? Amélia assentiu. Ela se dirigiu para o dragão alaranjado e acariciou sua cabeça. — Está sussurrando. —Ela sorriu, um sorriso de puro deleite. — Para mim. Ele está sussurrando para mim. Charlotte franziu o cenho. — Eu não posso ouvi-lo. O que ele está dizendo? Amélia rodeou o pescoço do dragão alaranjado com o braço e apertou a boca contra o ouvido. — Está me dizendo que eu estou segura com ele. Não consigo ouvir qualquer um dos outros dragões, mas Bella e Lourdes estão ambas falando com seus dragões. Eu acho que eles nos escolheram. Ou Lojos, Tomás e Mataias os criaram para nós. Tinha que ser isso. Lojos, Tomás e Mataias eram caçadores antigos. Eles não tinham encontrado suas companheiras, mas pensaram em dar para cada uma das crianças que viviam na propriedade o seu próprio dragão especial, dragões criados sob coação, quando uma batalha era iminente. Era mais do que pensar, mas nenhum deles podia sentir emoção pelas crianças. Qual era a explicação? Eles eram bons homens. Ela sabia disso. — Podem os dragões voar? —Charlotte olhou Lourdes e Bella com cautela. Os dragões tinham voado, mas eles ainda podiam? Certamente não com duas crianças de três anos em suas costas. Amélia franziu o cenho para ela. — Eles são feitos de pedra. — Isso é verdade, mas ainda assim, eles voaram antes. —Ela sussurrou de modo que as duas pequenas não podiam ouvir. — Os dragões nos defenderam quando fomos emboscados por Fridrick e alguns dos amigos do vampiro. Amélia tocou um longo corte na lateral do seu dragão. Ela ficou em

263


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 silêncio por um momento e então assentiu. — Então foi o que aconteceu aqui. Isso machuca. Sim, eles podem voar quando necessário. Nós só temos que dizer ... — Não diga em voz alta. Bella e Lourdes não pode estar voando ao redor em dragões. Não deixe que elas saibam como é feito. Para o seu crédito, Amélia não riu. — Elas, são uns pequenos demônios. Bella é tão inteligente, Charlie. Mesmo depois de tudo o que aconteceu, ela é a mais resistente de todos nós. No início, ela estava em uma gaiola, e o monstro ameaçava Liv com ela. Disse que iria comê-la viva. Na verdade, ele puxou-a da gaiola, mas ela escapou e a partir de então, ela continuou se movendo dentro dos túneis assim quando um vampiro ou fantoche tentava levá-la, ela simplesmente ia para outro lugar. Uma vez que ela soube que eles eram ruins, ela brincava de escondeesconde com eles. — Telecinese, —Charlotte adivinhou. Amélia assentiu. — Ela não deixaria Liv ou eu, embora ambas tentamos fazê-la ir para Danny. Nós acabamos o tornando um jogo, por isso, felizmente, ela não ficou tão traumatizada como poderia ter ficado. Liv foi pior, e eu não podia fazer nada para impedir. A culpa e a tristeza na voz de Amélia comeram Charlotte. Tocou seu coração. Tariq estava certo. As crianças precisavam de orientação. Alguém para amá-los. Para ajudá-los. — Que dom você tem? Amélia esfregou entre as orelhas de dragão e, em seguida, riscou as escamas descendo o gracioso pescoço. — Eu posso falar com os animais. — O que eles fizeram com você nos túneis, Amélia? —Charlotte manteve a voz baixa. Suave. Ninguém falou com Amélia ou sobre o que tinha acontecido com ela. Eles sabiam que Vadim tinha dado Liv para um

264


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 fantoche e que Emeline tinha sido tomada pelo vampiro mestre, mas o que aconteceu com Amélia permanecia um mistério e ela evidentemente não tinha falado sobre isso com ninguém. O sorriso de Amélia desapareceu, e ela encolheu os ombros. — Liv teve o pior, —ela murmurou. Charlotte se aproximou. — Seja o que for que Liv sofreu não diminui o que foi feito para você, querida, —ela aconselhou. — Eu odeio o que me aconteceu. Não é tão mau como o que aconteceu com Liv, mas ainda é meu. Eu tenho que viver com isso. Você tem que viver com o que esses monstros fizeram com você. Amélia se apertou em torno do dragão alaranjado como se reunindo coragem da pedra. Ela olhou para o quintal e depois de volta para as duas meninas que brincavam em seus dragões. — Este é um lugar tão maravilhoso para nós, —ela sussurrou. — Nós viviamos nas ruas depois que nossos pais morreram. Eles não iriam nos manter juntos em lares adotivos. Ninguém iria ficar com todos nós. Embora todo mundo quisesse Bella. Se não tivéssemos fugido, não teríamos sido capazes de ficar juntos. Mas se não tivéssemos feito isso ... —Ela parou, balançando a cabeça. — Amélia, —Charlotte disse suavemente. — Querida, é bom nunca pensar dessa forma. Nós tomamos as decisões que tomamos com base nas informações que temos no momento. Você fez o que achava certo. Como você poderia saber que existiam tais monstros no mundo? Eu não sabia. Eles mataram o namorado e a avó de Genevieve. Eles mataram meu mentor e meu irmão. E eu ainda não sabia, não realmente, não até que os vi por mim mesmo. Você não pode se culpar por algo que está fora de seu controle. Amélia olhou seu rosto por um longo tempo, tendo a confiança restabelecida. Charlotte queria envolver os braços ao redor da garota, mas tinha medo de ultrapassar os limites. Ela já estava pressionando a

265


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 adolescente a falar com ela quando ninguém mais tinha. Amélia tinha sido negligenciada por causa do dano óbvio para Liv e Emeline. — Ele vai se casar com você, não é? Tariq. —Disse Amélia. — Ou o que é o mesmo em seu mundo. Charlotte balançou a cabeça, na esperança de comprar-lhe algum crédito com a menina. Era importante ela se conectar emocionalmente com Amélia. Amélia precisava de cuidados. Ela claramente estava tentando ser crescida para suas irmãs, mas ela estava traumatizada também. Ela precisava ... Charlotte. — Quando nos casarmos, ou formos companheiros, como ele diz na cerimônia, espero que você aceite Lourdes e eu em sua família, como você faz com ele. Eu sei que ele pretende adotar todos vocês legalmente. — Ele nos falou sobre se tornar como ele. Totalmente Cárpato. Eu quero. Danny quer também, mas estamos preocupados por Liv e Bella, que é muito jovem e poderia ser prejudicada de alguma forma. —Ela mordeu o lábio com força. — Eu quero ser Cárpato porque quero aprender a ser uma caçadora, e assim como Danny. Eu não me importo se eles não gostam de mulheres indo atrás de vampiros. Vou fazê-lo, assim como Blaze. — Será que Blaze realmente caça vampiros? —Charlotte perguntou, cuidando para manter seu tom neutro. Ela não sabia o que Tariq pensaria da decisão. Não seria surpresa a ela se Blaze caçasse vampiros, dado o que Emeline tinha contado sobre Blaze quando elas estavam em Paris e o que Tariq tinha dito recentemente. Ainda assim, seria muito incomum para um ser humano ser capaz de aprender tão rapidamente como matar um vampiro com sucesso. Pelo que ela tinha visto, levaria anos de experiência. Os vampiros eram antigos e tinham um monte de experiência de batalha. Amélia deu de ombros. — Eu vou aprender, —ela repetiu teimosamente.

266


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Charlotte assentiu. — Eu acho que todas nós precisamos aprender, se vamos ou não caçá-los ativamente. Você é jovem, então você vai ter muito mais tempo do que o resto de nós. Pela primeira vez Amélia pareceu relaxar. Charlotte não tinha dito a ela que estava sendo tola ou estúpida, e pareceu que se importava com ela. Ela deu um sorriso hesitante. — Você vai ter que discutir com Tariq por nós. — Eu acho que eu vou fazer muito isso, —Charlotte concordou com um pequeno sorriso. — Ele é muito ... —Ela hesitou, procurando a palavra certa. — Antiquado em seu pensamento. Amélia assentiu. — Mas não como alguns dos outros. —Um arrepio percorreu seu corpo. — Eles são simplesmente bizarros. Charlotte não podia deixar de notar que Amélia continuamente acariciava o pescoço do dragão de pedra e o toque parecia acalmá-la. — Eles podem ser assustadores, —ela concordou. — Mas Amélia, você ainda precisa falar com alguém sobre o que aconteceu com você. Se não comigo, então deixe-me encontrar outra pessoa. Amélia sacudiu a cabeça. — Não mais ninguém. Eles pensariam que somos loucos. Você não pode, você sabe. Uma vez que você sabe sobre esse outro mundo, sobre os monstros que vivem com a gente, não há como voltar atrás e fingir, não é? — Foi isso que você tentou fazer? —Charlotte manteve os olhos sobre as meninas, mas elas continuavam a falar com seus dragões. Nem pareciam tentar que seus dragões voassem. Até agora, não tinham pensado nisso. — Sim, —Amélia admitiu. — Eu queria fingir que tudo isso não aconteceu. —Ela empurrou uma mão por seu cabelo grosso. — Mesmo com a minha imaginação, eu não pude controlar.

267


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Charlotte se aproximou da menina e colocou a mão no pescoço do dragão alaranjado. A pedra era quente, apesar da noite. Amélia parecia totalmente perdida e sozinha. Ela tinha quatorze anos de idade e tentava ser uma adulta para suas duas irmãs que tinham sofrido nas mãos de monstros. — Eu tentei fingir distância, bem, especialmente quando meu irmão foi assassinado de forma tão cruel. Lourdes estava lá. Mataram-no bem na frente dela. —Charlotte olhou para a menina que sussurrava para o dragão azul. — Ela não vai falar sobre isso, mas ela tem pesadelos. Ela mal me conhecia quando eu apareci para levá-la para casa comigo. Não temos parentes, e eles colocaram-na no atendimento de emergência até que eu vim por ela. Eles nem sequer permitiram que sua babá a levasse. Eu estava na Europa. —Ela hesitou e depois decidiu ser totalmente honesta. — Fridrick foi o vampiro que matou meu irmão. Ele disse que poupou Lourdes por que isso me faria voltar para os Estados Unidos. Eles queriam Genevieve e eu aqui. Amélia olhou para Lourdes, a compaixão em seu rosto. — Eu não sei o que fazer para ajudá-las. —Havia desespero em sua voz e gravado em seu rosto quando ela se voltou para Charlotte. Lágrimas brilhavam em seus olhos. — Eu não posso ajudá-las mais do que posso me ajudar. Charlotte chegou mais perto dela, e Amélia se transformou quando Charlotte puxou-a com força contra ela e segurou-a. Amélia explodiu em soluços tranquilos. — Eu não sei como ajudá-las, tampouco, Amélia, mas acho que somos mais fortes juntas do que separadas. Eu acho que se você e eu trabalharmos juntas, podemos, eventualmente, ajudar uma a outra e, em seguida, as crianças. Não havia nenhuma maneira de ficar lá durante a noite, segurando a adolescente chorosa, e não querer ser uma mãe para ela. Alguém precisava ajudar a todos. Ela não achava que estava qualificada para ser mãe, mas

268


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 ela era tudo o que tinham e estava determinada a ser o que eles precisavam. — Nós podemos fazer isso juntas, Amélia. Seja o que for que Tariq decida sobre todos nós, podemos fazer isso juntas. Você sabe que ele não vai nos deixar sozinhas. Ele encontrará uma maneira para que todos vocês fiquem seguros fora da propriedade, e, enquanto isso, nós podemos encontrar uma maneira de ajudar as nossas pequeninas. Amélia levantou a cabeça. — Você acha? Charlotte assentiu solenemente, porque ela quis dizer cada palavra e ela queria que Amélia visse a verdade. — Quando Tariq adotar todos vocês, eu também vou. Isso vai me fazer a mãe e ele o pai. Ele quer ter a certeza de que ninguém possa intervir e tirar qualquer um de vocês de nós. — Liv disse que não tinha certeza sobre você ser nossa mãe. Ela pode ler as pessoas, —Amélia disse cuidadosamente, claramente tentando encontrar as palavras certas, sem magoar Charlotte. Charlotte balançou a cabeça e fez pequenas carícias suaves no cabelo de Amélia. — Ela estava certa. No momento eu estava me acostumando com a ideia de estar com Tariq. Eu tinha acabado de ganhar Lourdes, e não estava fazendo um bom trabalho com uma criança traumatizada que mal me conhecia, e então ele disse que queria adotar os quatro. Eu não sabia se poderia ajudá-lo e isso me preocupou. Eu não queria tomar uma decisão emocional precipitada. Eu quero que vocês sejam saudáveis e felizes. Mas depois de pensar muito nisso, eu estou no mesmo mundo que você. Eu vi os monstros e o que eles fazem. Eu não sou uma conselheira qualificada, mas não preciso ser para ser sua mãe. Eu só preciso te amar e encontrar um caminho comum para que todos possamos nos conectar. Eu estou disposta a fazer isso. Eu quero fazer isso. Amélia suspirou e se inclinou mais perto, envolvendo os braços ao redor de Charlotte, segurando com força, tão firmemente que Charlotte sentiu que teria hematomas quase até os ossos.

269


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Ele me tocou. —Amélia sussurrou as palavras horríveis, pressionando a testa contra o pescoço de Charlotte. — Dentro. Você sabe. Lá em baixo. Por fora. Na minha pele. Ele colocou a mão na minha barriga e então ele arrancou minhas roupas sem tocá-las. Em um minuto eu tinha roupas e então eu estava nua na frente dele, aquele a quem chamavam Vadim. Ele era obviamente o líder. Seu irmão Sergey estava lá e um chamado Fridrick. Amélia sussurrou as palavras no ouvido de Charlotte, agarrando-se firmemente. — Não foi como o que fizeram com Liv, porque eles só morderam meu pescoço e meu... —Ela se afastou e tocou seu seio esquerdo. As lágrimas em seus cílios os deixaram espetados e molhados. Devastador. — Aqui. —Ela colocou a mão sobre o peito, estremecendo. — E então ele pegou sua mão e pressionou muito duro na minha barriga e colocou seu dedo em mim. Ele disse que eu não estava madura ainda, mas ficaria em breve. —Ela fechou os olhos e deitou a cabeça no o ombro de Charlotte. — Eles eram horríveis. Sorrindo. Eles disseram que alguém chamado Addler poderia me ter. Um pequeno tremor atravessou o corpo magro de Amélia e, em seguida, ela estava chorando novamente. Silenciosamente. Soluços que partiram o coração de Charlotte. Ela segurou a garota o mais próximo possível, sussurrando para ela, chegou a Tariq em sua mente. Ela queria ser capaz de acalmar Amélia sozinha, e sabia que Tariq estava com Danny tentando ajudá-lo a entender o que todos sabiam que tinha que ser feito com as crianças. Conversão. Charlotte não queria pensar muito sobre o último passo. Danny o tinha emboscado antes que ele pudesse chegar ao portão e insistiu em conversar. Addler é irmão de Fridrick. Há três deles. Fridrick é o mais velho, em seguida, Georg e por último Addler. Eles costumam viajar juntos. Os três escolheram desistir de suas almas e seguir Vadim Malinov. Eles estavam lá naquela noite, rasgando a

270


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 aldeia, matando inocentes tanto quanto possível só porque eu tinha amizade com eles e me recusei a me juntar aos Malinov em sua traição. Ela ouviu a culpa em sua voz. Ela não podia imaginar o que era como assistir a tantas pessoas inocentes caírem nas mãos de vampiros monstruosos simplesmente porque você escolheu essa aldeia para viver e trabalhar. — Há algo de errado com Amélia? —Liv veio atrás delas, com a voz trêmula quando viu sua irmã mais velha nos braços de Charlotte. Amélia começou a se afastar, às pressas tentando encobrir o fato de que estava chorando, mas Charlotte não deixou. — Ela está me contando sobre o que aconteceu com ela nos túneis. É difícil fazer isso, deixar-se lembrar e confiar em alguém o suficiente para dizer-lhe, mas também é muito valente. Ela vai ficar bem. Todos nós na verdade. Nós vamos passar por isso juntos. Enquanto ela estava falando, Liv colocou a mão na perna de Charlotte. Casualmente. Levemente. Ainda assim, Charlotte sabia que ela estava verificando a verdade. Lendo-a. Ela continuou a segurar Amélia e acariciou calmante seus cabelos, pelas costas, sussurrando suavemente como estava orgulhosa e que elas poderiam passar por isso. Elas poderiam ajudar aos outros juntas. E ela quis dizer cada palavra. Liv olhou para ela pela primeira vez com um olhar feroz, possessivo, e colocou os braços em volta da cintura de Charlotte, segurando a sua irmã e trancando-a contra Charlotte. — Você vai fazer isso, então. Você vai ser a nossa mãe. — Eu quero ser, —Charlotte concordou suavemente. — Eu acho que todos nós pertencemos um ao outro, não é? Liv assentiu. — E Emeline. Ela pertence a nós. Ela está quebrada, também.

271


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Charlotte deixou cair a mão no topo da cabeça de Liv. — Nós podemos todos estar um pouco quebrados, querida, mas juntos somos muito fortes e vamos ficar mais fortes à medida que nos conhecermos um ao outro. Nós podemos nos ajudar a passar por isso. E vamos passar por isso. — Você acredita, —disse Liv. — Amélia, ela realmente acredita nisso. Amélia conseguiu parar as lágrimas, e apoiou a testa contra o ombro de Charlotte por um momento antes de endireitar e dirigir um sorriso a sua irmã mais nova. — Eu sei que ela faz. E eu estou começando a acreditar nisso. — Que é isto? —Perguntou Liv, voltando-se para os dragões de rocha. — Eles se parecem com brinquedos. Eles são todos muito diferentes, não são? De onde é que eles vieram? —Ela disparou as perguntas rapidamente. Charlotte riu suavemente, ainda segurando Amélia. Elas não terminaram de falar, mas tiveram um bom começo. — Qual deles agrada a você? —Perguntou, se cada dragão feito pelos três caçadores Cárpatos tinha sido criado com uma destas crianças em mente. Isso seria ... incrível. Isso significaria que no meio da montagem de um plano para sair de uma situação perigosa, sabendo que eles estavam indo para a batalha, eles tinham pensado sobre as crianças e encontraram uma maneira de fazer com que cada dragão fosse significativo e atraente para elas. Ela adorava que um homem dos Cárpatos fizesse uma coisa dessas. Liv deixou Charlotte e Amélia e caminhou lentamente ao redor dos outros dragões. Ela colocou a mão em cada um deles. O dragão azul de Lourdes. O dragão vermelho de Bella. O dragão alaranjado de Amélia. A mão dela acariciou o marrom e depois se estabeleceu no verde. Ao mesmo tempo sua boca se abriu em um sorriso e ela empurrou o rosto perto da rocha, sussurrando. Charlotte deixou escapar o fôlego lentamente. Era exatamente o que Lojos, Tomás e Mataias tinham feito, criado um dragão de rocha para cada criança. As crianças não podiam deixar a propriedade,

272


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 e todos eles tinham, de suas próprias maneiras, sofrido a morte dos pais e os acontecimentos que se seguiram, mas isso tinha sido feito para eles. Algo incomum e bonito. Ela queria beijar cada um dos trigêmeos. Não haverá beijos para outros homens. Diversão tingia a voz de Tariq. Você sabia que eles fizeram isso para as crianças? Você devia ver seus rostos, Tariq, estes dragões são incríveis. Você não sabe da missa a metade. Nós vamos ter que vigiar Bella e Lourdes para ter certeza de que elas não saem voando. Mas elas têm proteção, bem como algo divertido e original para brincar. Ela virou Amélia para que ela pudesse ver suas irmãs e Lourdes brincando nos dragões de pedra, sussurrando para eles e, em seguida, rindo. — Olhe para os seus rostos, querida, —ela sussurrou baixinho, em reverência. Ela podia não saber como ajudar as crianças, mas ela não estava sozinha na tentativa. Todos os Cárpatos estavam dispostos a trabalhar para curá-los. Todas as crianças são sagradas para os Cárpatos, Charlotte. Cada criança pertence a todos nós. Nós as ajudamos a crescer e cuidamos delas. Elas são amadas por todos. Eu pensei que os caçadores não conseguiam sentir emoção. Ela sentiu sua hesitação quando ele tentou explicar, mas mesmo tocando suas memórias, ela nunca compreenderia perfeitamente. Com as crianças, há uma suavidade só delas. Não uma emoção, mas uma agitação, um eco talvez, do que tínhamos antes de perder a capacidade de sentir. Ela sentiu tristeza, a tristeza dele, dos caçadores que os protegiam, incapazes de ver em cores ou sentir as coisas que eles deveriam mesmo assim eles pensaram em ajudar as crianças que precisavam desesperadamente. — Veja, Amélia, olhe para o rosto de Liv, —ela reiterou. — Ela vai passar por isso. Nós todos, juntos. Ajude-me a ajudar

273


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 a todos. Fique com Tariq e eu. Podemos ser uma família. Não vai ser a que você tinha, ou aquela que eu tinha, mas vamos ficar bem juntos. Todos nós. Mesmo os caçadores que nos protegem. Vamos contá-los como da família, também. Amélia olhou para ela com uma pitada de riso nos olhos. — Mesmo os mais assustadores? Porque há um que ... —Ela parou e olhou em volta para se certificar de que ninguém mais estava perto. Deliberadamente Charlotte se aproximou. — Dragomir. Eu sei exatamente de quem você está falando. — Você não encontrou Val ainda, —disse Amélia. — Eu o vi uma vez nos túneis. Ele era tão assustador como Dragomir, embora Liv não pense assim. E a um que Tariq chama de Siv. Charlotte assentiu. — Eu tive essa impressão de todos, incluindo Tariq. —Ela parecia pegar um monte de pensamentos, mesmo quando não estava procurando por eles. Ela já estava alterada, mais no mundo de Tariq do que em seu próprio. Comida era abominável para ela, e como ela não podia comer ou beber nada, Tariq tinha que a ajudar. Não tinha sido fácil, ela tinha um escudo forte em sua mente, algo que ajudava quando os vampiros queriam controlá-la, mas um impedimento quando seu homem queria que ela comesse algo que ela não queria. — Você pode ajudar Emeline? —Perguntou Amélia. — Liv está tão preocupada com ela. Ela vai vê-la todo dia, e todos os dias chega em casa dizendo que ela está pior. Sinto-me melhor falando com você. —Seu olhar se deslocou para o chão. — Tocar você é como segurar uma âncora. Eu não sei por que estou tão pegajosa, eu não sou assim naturalmente. Você apenas parece tão real para mim. As coisas que você diz me dão esperança. — Eu vou tentar ajudá-la, Amélia, —disse Charlotte. — Eu quero ajudá-la. Eu não conheço Blaze, mas ela é família para Emeline e não foi

274


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 capaz de fazer qualquer coisa por ela, então não sei se vou ser capaz de qualquer coisa, mas eu prometo, querida, eu vou tentar. Elas estavam juntas, abraçadas, a mão de Amélia no dragão alaranjado, ambas observando as crianças mais novas que brincavam nas estátuas de pedra que eram muito mais do que pareciam. Charlotte tinha uma esmagadora sensação de tristeza. Estes eram seus filhos. Sua família agora. Eles estavam presos atrás de cercas altas, como prisioneiros, incapazes de ir a qualquer lugar ou ter amigos. Suas famílias haviam sido arrancadas. Tariq os colocava para dormir durante o dia, e eles tinham um casal mais velho olhando por eles no caso de Vadim enviar seres humanos ou fantoches pelas crianças durante o dia, quando ele não podia protegêlas. Era uma bela prisão, mas ainda era uma prisão. Ela tinha que ajudar Tariq a encontrar uma maneira de soltá-los. Nós vamos, Tariq sussurrou suavemente em sua mente. Charlotte estava completamente sintonizada com ele. Consciente dele com cada célula de seu corpo. A mente dela queria ficar na dele. Ela precisava do contato contínuo entre eles, tanto físico como mental. Felizmente, ele parecia precisar disso também. Ela adorava que eles podiam tocar a mente um do outro e saber que o outro estava vivo e bem. Ela precisava dessa garantia também. O que você está fazendo? Enviando Danny a você para que eu possa lidar com os intrusos. Eles criaram um par de lugares para nos espionar. Eu pretendo ter uma conversa com eles. Fique seguro, ela advertiu, incapaz de impedir a si mesma. Nós não podemos ficar sem você. Ela sentiu o toque de seus dedos ao longo de sua mandíbula, o toque de seus lábios nos dela. A sensação foi fraca, mas estava lá e foi o suficiente para tranquilizá-la.

275


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Danny caminhou em direção a ela. Ele era um jovem desengonçado, principalmente pernas e braços, mas com a promessa de um físico forte. Ele franziu um pouco a testa quando observou Amélia agarrada a Charlotte, seu rosto manchado de lágrimas. — Algo errado? —Ele perguntou enquanto se aproximava delas. Danny tinha quinze anos, quase dezesseis anos, e era extremamente protetor com suas irmãs. E ela já podia ver Tariq nele. A maneira como ele andava e se portava. As expressões. Os gestos de mão. O menino tinha uma grande adoração pelo herói. Ia demorar um pouco mais para aceitar Charlotte na vida deles. Ele viveu nas ruas tempo suficiente para aprender a não confiar facilmente. Ele estendeu a mão, agarrou o braço de Amélia e puxou-a sem jeito para ele. — O que há de errado? —Sua voz era uma réplica da de Tariq. A ordem. Um comando. Amélia deu de ombros. — Eu precisava falar com alguém, Danny. Charlotte me deixou falar. Ela apenas ouviu, isso é tudo. Nada demais. O que você e Tariq estavam falando que era tão importante que foi encontrar com ele sozinho? Eu odeio isso. Como se fosse ‘negócio de homens’ e eu não preciso saber o que está acontecendo. Danny sorriu para a irmã. — São negócios de homem, garotinha. Uma pilha de negócios de homens grandes. —O sorriso desapareceu, e ele pareceu muito mais velho do que seus anos de adolescência. — Neste caso, nós estávamos discutindo o que é preciso para uma conversão. Ele está preocupado com Liv. Ele não tem escolha com ela. Ela não pode viver metade em nosso mundo e metade no dele. Tem que ser em breve. Ela não está comendo ou bebendo o bastante. E ele teme que ela vai ... Amélia agarrou seu braço. — Eu sei. Eu sei. Ele disse como é? Danny hesitou. — Muita dor. Ele não quer, que Bella, Lourdes ou Liv

276


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 sintam, mas não pode evitar. Se elas forem convertidas, e Liv tem que ser, então elas vão sentir um monte de dor. — Danny, se ela for convertida, todos nós seremos. Esse era o nosso acordo, —disse Amélia. — Todos nós. Vamos ficar juntos, não importa o quê. —Ela olhou para Charlotte. — Ele está convertendo você. Você vai deixá-lo fazer o mesmo com Lourdes? Ela não sabia. O pensamento de Lourdes ter dor era mais do que podia suportar. Lourdes tinha três anos, a mesma idade de Bella. Até Tariq estava preocupado sobre como converter as crianças. Tudo o que ela poderia fazer era dizer a verdade. — Eu pretendo passar por isso em primeiro lugar. Então eu vou ter uma ideia melhor de se Lourdes pode lidar com isso. Tariq também está consultando com um par de curadores especialistas ou médicos. Eu não estou completamente certa do que são, mas ele quer ter todas as informações antes de tomar qualquer decisão. — Se Liv tiver que passar por isso, todos nós faremos, —Amélia disse teimosamente. — Todos nós. Se você for casar com Tariq e ser nossa mãe, então não pode deixar Lourdes atrás mais do que poderíamos deixar Bella. Charlotte olhou para Danny, vendo o conhecimento em seus olhos. Tariq não tinha escondido nada, e ele sabia exatamente como seria difícil para uma criança. Ela balançou a cabeça ligeiramente. Não podia discutir com Amélia certo, então? Ela precisava do normal, assim como tudo o que fizessem. — Danny, veja que dragões legais Lojos, Tomás e Mataias fizeram na noite passada, —disse ela, mudando de assunto, esperando que ele entendesse o recado. — Nós estávamos nos túneis e alguns vampiros e seus exércitos tentaram nos prender, e os três fizeram esses dragões de pedra. Isto foi a coisa mais legal que eu já vi. Os dragões realmente voaram. Amélia me disse que ela pôde ouvir o alaranjado sussurrando para ela. Claramente as outras meninas podem ouvir seus dragões também. Eu acho que o marrom é seu.

277


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Coloque sua mão sobre ele, Danny, —Amélia incentivou. Danny obedientemente se afastou de sua irmã e pôs a mão no pescoço do dragão marrom. No mesmo instante, seu rosto se iluminou. A preocupação o deixou. As linhas profundas suavizaram-se. Mais uma vez ele parecia um adolescente desengonçado. Tudo por causa dos três caçadores Cárpatos que não podiam ver cor e não sentiam emoção. Ainda assim, eles tomaram tempo para tentar encontrar uma maneira de ajudar a curar as crianças.

14mn Tariq caminhou direto até o portão pesado, ornamentado, abriu-o e saiu. Não hesitou enquanto descia a estrada que levava para longe de sua propriedade. As propriedades de ambos os lados da sua também pertenciam a Tariq. A de Maksim fazia fronteira com a dele, mas esta estrada levava direto para o complexo. Tinha que se usar uma entrada diferente para ir à casa de Maksim. Tariq teve sua privacidade assegurada e agora, três humanos espionavam a ele, sua mulher e seus filhos. Isso era totalmente inaceitável para ele. Se estes homens estivessem de alguma forma relacionados a Vadim, como os outros médiuns masculinos humanos, então eles iriam ser mortos. Ele planejava matá-los rapidamente e sumir com seus corpos. Não era tão difícil. Ele tinha feito pessoas desaparecerem por séculos.

278


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ele não hesitou ou fingiu que não sabia onde eles estavam escondidos. Ele andou em linha reta até o ponto cego que eles meticulosamente criaram para sua porta da frente e ficou de pé, mãos nos quadris, olhando para eles. — Posso fazer algo por vocês? E vocês podem se identificar e dizer para que revistas vocês estão trabalhando. —Era sempre melhor agir como se fossem paparazzi o perseguindo, o que, tecnicamente, eles muitas vezes o fizeram. Era a melhor desculpa para enfrentar qualquer um que o espionasse. Os três homens trocaram olhares inquietos, e, em seguida, seu óbvio líder avançou. Tariq tinha o marcado no clube como o único a vigiar. Daniel Forester, alto, mas não tão alto como ele, e que significava que ele tinha que levantar o olhar para ver o Cárpato. Ele provavelmente era considerado bonito para os padrões humanos, mas seu rosto estava corado de aborrecimento por ter sido pego. — Daniel Forester. Eu não trabalho para uma revista. —Ele virou-se para indicar os dois homens ao lado dele. — Estes são Vince Tidwell e Bruce Van Hues. Isso era verdade. — Isso me diz exatamente nada. Eu tenho família e amigos e eu mantenho a minha privacidade. Eu não gosto de alguém me espionando ... ou a eles. — Estamos preocupados com duas amigas nossas. Elas estavam em seu clube a duas noites atrás e parecem ter desaparecido. Elas foram vistas entrando em um carro com você. Tariq permaneceu em silêncio. Ele simplesmente olhou para eles. Forester não estava dizendo a verdade agora, ao contrário, ele estava misturando mentiras com a verdade. Eles tinham binóculos poderosos e tinham vislumbres de Genevieve e Charlotte com as crianças no playground.

279


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Tariq levantou uma sobrancelha para eles e cruzou os braços sobre o peito, esperando em silêncio. Ele não precisava tocar as suas mentes. Eles não suspeitavam que ele fosse um vampiro. Eles estavam correndo atrás de Charlotte e Genevieve. Daniel tentou segurar o olhar, mas teve que o desviar. Tariq era um predador e ele podia manter um olhar fixo, totalmente focado, sem pestanejar durante horas. Ele podia ficar absolutamente imóvel por horas quando necessário. Daniel Forester era um amador em comparação. Na verdade, Tariq se sentiu um pouco infantil jogando com os machos humanos quando eles não tinham nenhuma chance de ganhar, mas ao longo dos séculos, ele tinha aprendido os costumes, e o olhar baixo era um deles. — Tudo bem, não somos exatamente amigos, —Daniel admitiu, — mas nós estávamos cuidando das duas mulheres. Genevieve Marten, de Paris, e Charlotte Vintage daqui. Eu não sei como explicar o que está acontecendo, mas acredite, elas estão em apuros. Isso, pelo menos, era sincero. E a verdade absoluta. Genevieve e Charlotte estavam em mais problemas que qualquer uma delas percebeu. Como Emeline. E agora Amélia. Ele não tinha achado que Vadim tinha olhado para Amélia, mas depois do que a adolescente havia revelado a Charlotte, ficou claro que o vampiro estava interessado nela também. Interiormente ele suspirou. O número de mulheres que necessitam de proteção estava crescendo rapidamente. Ele tinha de encontrar uma maneira de manter todas a salvo do plano do mestre Malinov. Ele tinha enviado um aviso para as Montanhas dos Cárpatos, ao Príncipe, informando-o do que Vadim e seu irmão estavam tramando. Mais, ele tinha chamado os caçadores disponíveis, um curador, e com cada caçador vinham mais salvaguardas tecidas em torno da propriedade, bem como, abaixo e acima dela, a fim de manter a sua família segura. Ele sabia que Josef estava chegando, um homem dos Cárpatos mais jovem, ainda

280


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 uma criança por seus padrões, mas ele era bom com a tecnologia, algo em que todos os Cárpatos precisavam recuperar o atraso. Seu povo estava se reunindo, mas levaria tempo para ter sua defesa em uma posição sólida, suficiente para ele poder partir para a ofensiva ativamente, ir atrás de Vadim e erradicar todos e cada um de seus soldados. Eles precisavam saber mais sobre os psíquicos masculinos humanos que Vadim recrutou e por que eles não podiam ser detectados como as marionetes dos vampiros. Os homens nas memórias que Charlotte tinha acessado não pareciam inteiramente sob o controle de Vadim, agiam de forma independente dele. — Charlotte Vintage é a minha noiva, —anunciou ele, usando o termo humano em vez do Cárpato. — Ela está muito segura. Minha propriedade é vigiada e tem um sistema de segurança completo como você pode ver. —Ele acenou com a mão em direção ao muro alto. — Genevieve, sua amiga, também vai ficar comigo. Ela está segura também. Daniel abanou a cabeça e deu um passo mais perto. — Não, essa é a coisa. Nenhuma delas esta segura. Elas viraram ... alvo. Eu não posso explicar o que isso significa, mas eu estou dizendo que você possivelmente não pode mantê-las seguras. Os homens atrás delas são implacáveis. Poderosos. Eles podem ter todos, e eles vão levá-las. Estamos seguindo-as desde Paris, e alguém está sempre a observá-las. Mesmo agora, alguém está vigiando. No momento em que deixarem sua propriedade, ou talvez mesmo antes, estes homens estarão nelas. Foi um discurso inflamado. Daniel Forester estava com medo por Charlotte e Genevieve. Havia sem disfarçar um tremor em sua voz. Um medo genuíno. — Estou bem ciente do perigo para elas. Deparamo-nos com esses homens na outra noite no parque de estacionamento da garagem do clube. Felizmente, eu tinha vários homens da minha equipe de segurança comigo e eles decidiram tentar pegar as mulheres em outra noite.

281


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Daniel passou os dedos agitados pelo cabelo. — Você ainda não entendeu o quanto estes homens são perigosos. Eu não sei por que eles querem essas mulheres especificamente, mas eles matam para obtê-las. Eles são cruéis e ardilosos. Eles não vão parar. Você não pode pará-los. Tariq estudou o rosto do homem. A energia psíquica derramando dele. À sua maneira, Daniel Forester tinha poder. Este era o tipo de homem que Vadim teria escolhido recrutar para o seu exército humano. Ele decidiu lhe dar uma chance. — Eu vi a forma como estes homens assassinam. Arrancando gargantas, drenando suas vítimas de sangue. Você acredita que os homens atrás de Charlotte e Genevieve são vampiros, não é? Houve um pequeno silêncio. Daniel olhou para seus dois amigos, com o rosto vermelho escuro enquanto tentava descobrir se Tariq estava tirando sarro dele. — Vampiro? —Ele repetiu a palavra, tentando ganhar tempo. Tariq assentiu. — Esse é o ponto que você estava rodeando. Você acredita que os homens atrás de Charlotte e Genevieve são vampiros. O queixo de Daniel subiu. Seus ombros se endireitaram. Um músculo puxou em sua mandíbula. — Eles são vampiros. Você pode pensar que estou louco, mas eu vi o que eles fazem. Você não pode simplesmente parálos com uma cerca de segurança. —Havia um sorriso em sua voz. Daniel esperava que Tariq tirasse sarro dele, mas ele estava de pé e firme. Tariq deu-lhe pontos por isso. — Se você acredita que eles são vampiros, então certamente você deve ter considerado que, perto deles, há caçadores de vampiros. —Ele falou baixinho, plantando o pensamento cuidadosamente com o mais suave de empurrão. Tariq estava bem ciente da "sociedade", um grupo de humanos que caçavam vampiros. Estes homens e mulheres não podiam diferenciar entre Cárpatos e vampiros. Eles matavam todos que achavam que era um perigo

282


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 para eles ou para a sociedade. Muitas vezes, os mortos eram seres humanos, e não de outra espécie. Às vezes, quando em uma matança, eles conseguiam matar ou ferir algum Cárpato. Daniel franziu o cenho e esfregou as têmporas, como se até um empurrãozinho o incomodasse. — Eu nunca pensei sobre isso de uma forma ou de outra. Eu pertenço a um grupo, e é grande, com células em todos os países em todo o mundo, que caça vampiros. Você está se referindo aos caçadores que pertencem à sociedade? Tariq sacudiu a cabeça. — Os caçadores teriam de ser quase imortais, assim como um vampiro é. Eles teriam que seguir sua presa de um século a outro à procura dos mortos-vivos. Se fosse esse o caso, os caçadores, como você, que pertencem a uma sociedade que não sabe a diferença, atacaria e mataria os homens que dedicaram suas vidas a caça de vampiros. Daniel olhou para ele por um longo tempo. Ele limpou a garganta. — Você está dizendo que sabe que há outros caçadores lá fora? Tariq não respondeu à pergunta. Ao contrário, ele contornou a questão. — Eu estou dizendo que, se há um, deve haver o outro, e se você pertence à sociedade, você deve saber que determinado grupo, que começou com um bom propósito, não discrimina antes de escolher fazer uma matança. Ele tem uma má reputação. Daniel piscou várias vezes, tentando digerir o que Tariq estava dizendo. Tariq não esperou para ver se a sua pequena conversa fez algum bem. — Eu posso manter Charlotte e Genevieve mais seguras do que você. Vocês estão arriscando suas vidas tentando ir contra Fridrick e seus companheiros. Eles têm um pequeno exército e Fridrick não é o pior deles. Fique fora disso. — Eles mataram. Assassinatos brutais. Eles não vão parar até que alguém entre em cena. A lei não pode pegá-los. Ninguém iria acreditar em nós se lhes dissemos o que Fridrick é.

283


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Eu estou dizendo para ficar feliz por ter sua vida. Você não quer estar no seu radar. Eles têm espiões, e eles estão vigiando minha propriedade. Se eu soube que você estava aqui, então eles sabem também. Saia da cidade e permaneça escondido por algum tempo. Fridrick não irá segui-lo, porque ele quer Charlotte e Genevieve. Por algum motivo insano, Tariq sentia afinidade com Daniel Forester. O homem sinceramente acreditava em sua causa e sua causa não era diferente da de Tariq. — Eu não posso simplesmente ir embora quando eu sei que o alvo são duas mulheres inocentes. —Daniel olhou ao redor e, em seguida, baixou a voz. — Eu acho que eles se infiltraram em nossas fileiras também. Alguns dos comandos que saem da sede não fazem qualquer sentido. Tariq parou no ato de se afastar deles. Ele tinha a intenção de ler seu propósito e, em seguida, deixá-los à própria sorte, mas Forester e seus amigos estavam tentando salvar a vida de Charlotte e merecia uma advertência ou dois. — Eles fizeram, —ele confirmou. — Você não pode confiar em ninguém neste momento. E você não pode matar um vampiro como nos filmes. O coração tem que ser removido e incinerado. Se você o acertar e não fizer isso, eles voltam novamente e novamente. — Como você sabe disso? —Daniel perguntou, a suspeita rastejando em seu tom. Tariq deu de ombros. — Eu gosto de investigação. Eu passo muito tempo acordado à noite por causa do clube. Se eu não posso dormir durante o dia, eu pesquiso qualquer coisa que me interesse. Lendas e mitos me interessam. Se eles podiam mentir, ele também, e sua mistura de verdade e ficção convenciam. Seu tom era perfeito para qualquer um ouvir e acreditar em tudo o que ele dissesse, sem um "empurrão" para levá-los a ouvir.

284


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Espere, —Daniel chamou quando Tariq se afastou deles e começou a caminhar de volta para o complexo. Tariq sacudiu a cabeça. — Eu estou tentando ajudá-lo, Forester. Se você opta por não escutar, os espiões de Fridrick irão informar a ele que você está aqui. Ele vai querer saber o porquê. Ele vai matar você no momento em que ele perceber que você não vai ajudá-lo a pegar as mulheres. E se ele capturar você e tentar usá-lo como isca torturando você, isso não vai lhe poupar também, porque Charlotte e Genevieve nunca vão saber. Vou ter certeza disso. Tariq odiaria. Ele tinha visto a tortura que os vampiros infligiam a suas vítimas. Quanto mais medo, mais adrenalina no sangue, maior a adrenalina que o vampiro recebe. Tariq odiaria ver isso acontecer com Forester e seus amigos, mas ele não conseguia salvar a todos, e Charlotte, Genevieve e seus filhos eram o mais importante para ele. O músculo na mandíbula de Daniel empurrou novamente. — Eu não quero que elas saibam, —ele concordou. — Eu faria o mesmo, não deixe que qualquer uma das mulheres saibam o que esta acontecendo, a fim de salvá-las. Mas fizemos um pacto. —Ele apontou na direção dos outros dois homens. Eles se aproximaram, olhando tão determinados como Daniel. — Nós não vamos permitir que esses monstros tenham qualquer uma dessas mulheres se nós pudermos ajudá-las. Tariq parou no ato de se afastar deles. Por um momento, ele fechou os olhos. Muitos outros machos humanos ao longo dos séculos tinham merecido seu respeito, e eles tinham morrido duro. Ele não queria ver estes homens ir por esse mesmo caminho. — Se você realmente quer me ajudar a protegê-las, então você tem que saber que qualquer conhecimento que você tenha de caçadores de vampiro deve ser removido de você e salvaguardas têm de ser postas em prática. Daniel começou a dizer algo, mas Tariq levantou a mão. — Você precisa pensar sobre o que isso pode significar. Vá embora daqui. Se você

285


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 ainda insistir que você realmente quer caçar vampiros e destruí-los, vá ao meu clube amanhã à noite. Nós vamos trabalhar em algo, mas sua resposta será permanente. Haverá um caminho sem volta de qualquer maneira. Agora vá, antes que os espiões de Fridrick relatem que vocês eram mais que paparazzis tentando obter uma fotografia de minha noiva. — Só mais uma coisa, Asenguard, disse Daniel. — Charlotte Vintage tem uma outra amiga, Grace. Ela fica muito com Genevieve e Charlotte. Ela não foi a Paris e nunca foi testada para habilidade psíquica, mas eles estão interessados em seu dom e eles têm estado olhando para ela. Nós não confiamos em qualquer um dos outros membros e temos que ficar juntos, a fim de estar a salvo. Tentamos olhar por ela, mas ela não torna isso fácil. Tariq estudou o homem por um longo momento. Grace tinha embalado algumas das coisas de Charlotte e de Genevieve levando-os para o complexo, mas saiu imediatamente. Ele não a tinha conhecido, e Maksim disse que estava muito distraída e queria sair logo que entregou as roupas e teve a certeza que Lourdes estava segura. Ele acenou para os três homens. — Eu vou olhar por ela. —Desta vez, ele se virou e afastou-se sem olhar para trás. Os três homens teriam que decidir por si mesmos, mas ele esperava que eles deixassem o estado e esquecessem tudo sobre caçar vampiros.

H h h Charlotte finalmente conseguiu apresentar-se ao casal de idosos que vivia na propriedade de Tariq. Donald e Mary eram claramente apaixonados. Eles estavam juntos a trinta anos e ainda se davam as mãos e trocavam segredos, olhares amorosos. Ela realmente gostou deles e ficou feliz em passar um tempo os conhecendo. Donald gostava de ajudar com os livros de Tariq, o que claramente, o fazia sentir como se tivesse um propósito, certificar-se de que ninguém trairia seu benfeitor. Mary gostava de cuidar das crianças. Ela tinha

286


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 começado a desenvolver uma boa amizade com elas. Tanto que Charlotte estava bastante certa que Tariq influenciou as crianças a aceitar o casal mais velho. As crianças ainda estavam fascinadas com seus dragões de pedra, quando os deixou com Donald e Mary e foi fazer uma visita a Emeline. Charlotte tinha encontrado Emeline em Paris, onde ela estava se escondendo. Tinha testemunhado um assassinato, ela contou, e estava escondida, porque estava sendo caçada. O pai de Blaze a tinha enviado para fora do país com uma nova identidade, que ela não gostava de usar. Ela tinha ficado com Genevieve e Charlotte por vários dias, e então ela tinha recebido a notícia de que o pai de Blaze tinha sido assassinado e ela correu de volta para os Estados Unidos para ajudar Blaze a encontrar os homens que o mataram. Charlotte realmente tinha sentido uma conexão com Emeline, assim como Genevieve. Emeline tinha vivido uma vida dura, mas ela era extremamente resistente e leal. Para ela, Blaze era da família, sua irmã. O pai de Blaze, Sean McGuire, tinha sido a única constante na vida de Emeline e ela era igualmente leal a ele. Quando Blaze precisou dela, apesar do perigo para si mesma, Emeline correu para casa, direto para a armadilha de Vadim. Charlotte entendia e respeitava lealdade e compromisso. A noite estava muito escura com poucas estrelas e uma pequena lua. As nuvens sobrecarregadas se mexiam rapidamente como se estivessem em um caldeirão gigante com uma fogueira abaixo dele. Ocasionalmente, ela podia ver relâmpagos correndo pelo céu, mas ainda estavam longe, por isso, quando o trovão soou, foi a distância. Ela adorava as tempestades e esperava que Emeline também. A casa em que Emeline vivia era uma das menores na vasta propriedade e a mais próxima a casa principal. Tariq tinha dado aquela casa para Emeline para que ele pudesse vigiá-la melhor. Era lindamente

287


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 decorada, parecia em design vitoriano e combinava com a casa maior, de Tariq. Charlotte em particular amou a varanda em toda a volta. A partir do extenso deck coberto, Emeline podia ver a água e qualquer tempestade que viesse sobre ele. Ela também tinha boa vista para o quintal para que ela pudesse ver as crianças brincarem e a parte mais arborizada da propriedade onde poderia encontrar alguma paz. Charlotte passou pelo pequeno portão na baixa cerca de ferro que designava o espaço pessoal de Emeline. O pátio estava coberto de massas de arbustos e flores, aparentemente crescendo selvagens ainda que muito cuidadosamente mantido. Ela subiu os degraus e bateu na porta, o tempo todo admirando o detalhe gingerbread6 em cada janela, bem como nos beirais. Charlotte ouviu um movimento na casa. Passos lentos e medidos, como se Emeline estivesse tendo problemas para andar. — Eu não estou me sentindo bem, —Emeline disse através da porta, confirmando o que Tariq tinha dito a ela, Emeline não estava vendo ninguém. — Emme, sou eu, Charlotte, de Paris. Nós nos conhecemos em Paris. Eu não me importo se você não está bem. Eu quero ver você. Nós podemos sentar em sua varanda, se você não me quer em sua casa. Eu sei que você confia em Liv e gosta de sua visita. Pode confiar em mim, também. Houve um pequeno silêncio. Charlotte estava certa que Emeline ia mandá-la embora tal como ela sempre fazia com os Cárpatos que a protegiam. Tariq disse que apenas Blaze e Liv foram autorizadas a entrar ____________________ 6

gingerbread – Pelo que entendi tem esse nome porque parecem as

casinhas de biscoito de Natal que eles fazem.

288


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 na casa, e Emeline considerava Blaze sua irmã. Muito lentamente, a porta se abriu e Emeline olhou para ela. Mesmo no meio da noite, ou talvez por causa dela, Emeline parecia extremamente pálida. Havia manchas escuras ao redor dos olhos. Ela parecia magra, necessitando de um médico de tão magra que estava. Ela usava um roupão solto sobre seus jeans e suéter. Mesmo com o manto e camisola, ela tremia continuamente. — Querida. —Charlotte queria puxá-la em seus braços, mas soube instintivamente que Emeline recuaria a qualquer contato real. — Vem sentar comigo. —Ela acenou na direção das cadeiras de balanço na varanda. Emeline hesitou, olhando com cuidado em torno do deck. O alto dos telhados, para o lago, ela procurou em torno da propriedade como ela pôde. A noite estava escura e parecia haver um leve brilho vermelho nos olhos de Emeline, muito parecido com os olhos de um gato no escuro. O tremor era contínuo, e Charlotte se perguntou se ela estava com dor, em vez de frio. Tomando uma respiração profunda, e estremecendo, Emeline saiu de sua casa e sentou no balanço mais próximo. — Perdoe-me por estar tão estranha. Eu só ... —Ela parou de falar, o tempo todo procurando o céu com suas escuras nuvens e a lua quase inexistente se escondendo. — Tariq disse que os vampiros não podem vir aqui. Eles não podem chegar até você. Blaze deve ter lhe contado isso. —Charlotte manteve sua voz suave, como se estivesse falando com Lourdes ou Bella. Emeline era de uma rara beleza. Ela era provavelmente a mulher mais linda que Charlotte já tinha visto, o que dizia alguma coisa, porque ela achava Genevieve realmente bela. Mesmo com o corpo tão magro e seu cabelo longo, ainda espesso, mas sem brilho, Emeline era extraordinária, mas algo estava claramente errado com ela. Ela precisava de um médico.

289


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Emeline acenou com a cabeça. — Tariq tem sido bom para mim. Ele disse isso. Charlotte sabia que Emeline nunca abriria a porta para qualquer um dos homens dos Cárpatos. Danny a tinha visitado duas vezes com Liv, e ela permitiu que ele entrasse na casa dela duas vezes, mas ele havia relatado que ela manteve móveis entre eles em todo o momento. — Querida, você precisa de um médico? Um conselheiro? Algo realmente ruim aconteceu com você e ... —Charlotte parou quando Emeline agarrou o manto mais apertado em torno dela e balançou a cabeça. — Não diga isso. Não diga nada sobre o que aconteceu. Eu não posso ainda. Sinto muito, Charlie, mas é muito cedo. Eu só preciso de tempo. Eu disse a Blaze que quando eu pudesse falar com ela sobre isso, eu o faria. Eu apenas não posso enfrentar ainda. A voz de Emeline balançou quase tanto quanto seu corpo o fez. Ela parecia em pânico, em ponto de sair, e Charlotte não teve coragem de continuar. Ela assentiu com a cabeça. — Está tudo bem, querida. Eu compreendo. Fridrick. —Ela fez uma pausa, porque Emeline, obviamente, reconheceu o nome. Quando Emeline não disse nada, ela continuou. — Fridrick matou meu irmão e avó de Genevieve bem como os outros que conhecíamos e nos preocupávamos. Se não fosse por Tariq ele teria conseguido sequestrar nós duas. Completo horror cruzou o rosto de Emeline. Ela estendeu a mão com os dedos trêmulos ao tocar o braço de Charlotte. — Você não pode deixálos colocar as mãos em você. —Ela se inclinou mais perto, sua voz caindo para um sussurro. — Você simplesmente não pode. O sangue deles é ácido. Ele queima, queima e nunca para. Ele sussurra para você. Ele irá deixá-la louca. O coração de Charlotte empurrou duro. — Você pode ouvi-lo agora?

290


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Emeline sacudiu a cabeça. — Só se eu adormecer. O que explicava os círculos escuros sob seus olhos. — Você contou a Blaze ou a Tariq? Eles teceram salvaguardas para protegê-la. Se as proteções não estão funcionando, ele precisa saber para construí-las mais fortes. Emeline apertou o manto em torno de seu corpo magro com dedos nervosos. — Eu não quero estar perto de qualquer um deles. No fim para tecer salvaguardas mais fortes, eu tenho que deixá-los entrar. Especialmente se ele estiver em minha mente, e ele está. Eu só não posso deixar outro entrar lá também. Ainda não. Eu prefiro não dormir a noite. Charlotte respirou fundo, orando por sabedoria. Ela não estava equipada para lidar com um trauma tão grave. Ela tinha um mau pressentimento sobre Emeline. — Você sabe que não é bom para você, Emme. Você vai ter que deixá-los ajudá-la. Já falou com Blaze sobre ouvilo em seu sono? Emeline sacudiu a cabeça. — Eu sei que vou ter que deixá-los perto de mim, os Cárpatos. Eles são tão poderosos. E eu posso senti-los, suas naturezas predatórias. Eles me assustam quase tanto como os vampiros me aterrorizam. —Ela respirou fundo, estremecendo. — Eu posso sentir suas naturezas. Eles são quase como vampiros. Eles não são os mesmos, mas são perigosos, Charlie. Muito perigosos. — Mas não para você. Não para às crianças. Você deveria ver os dragões de pedra que os trigêmeos fizeram para as crianças. Eles dariam suas vidas por você. —Ela ficou em silêncio por um momento, sabendo que não estava chegando a lugar nenhum. Emeline apenas balançou-se para trás e para frente, agarrando a abertura de seu manto com os dedos nervosos.

291


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Querida, —ela disse suavemente em sua voz mais persuasiva, — você sabe que você tem que deixá-los te ajudar. Você não pode continuar assim. — Eu sei. Eu só preciso de ... tempo. —O olhar de Emeline foi para o horizonte novamente. — Pelo menos me diga o que ele te diz. —Ela manteve o tom suave. As mãos de Emeline subiram, segurando o manto em torno dela com força contra seu pescoço como se para se proteger daqueles irregulares dentes serrilhados rasgando sua carne. Seu olhar freneticamente procurou o céu, como se fosse certo que Vadim desceria e a levaria embora. — Ele me diz que eu tenho que ir para ele. A admissão era tão baixa que no início Charlotte não achou que ela tinha falado, mas, em seguida, as palavras penetraram e ela tocou Tariq, precisando que ele ouvisse. — Ele me ordena. Me ameaça. — Com o que? — Liv. —Emeline engoliu com dificuldade e, em seguida, entrou em um espasmo de tosse. Ela engasgou com a respiração e balançou a cabeça várias vezes, balançando o corpo para trás e para frente. — Ele diz, que vai matar Liv se eu não for para ele. Ela parecia assombrada. Aterrorizada. Charlotte não podia deixar de se sentir um pouco aterrorizada por ela, nem evitar pesquisar os céus assim como Emeline tinha feito, ou chegar a Tariq, recebendo o calor e conforto de sua mente. Ambas estão seguras. Vadim não pode penetrar as salvaguardas. Como ele está chegando a ela enquanto ela dorme? Ela tentou não deixar soar como uma acusação, mas era. Não havia normal, nem mesmo quando ela tentava. Nunca haveria em seu mundo. Não era culpa dele, mas de

292


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 repente ela queria gritar onde ninguém poderia ouvi-la, exceto que Tariq sempre a ouviria. Seus dedos se curvaram ao redor dos braços de cadeira de balanço até que ficaram brancos. Ela odiava o que Vadim tinha feito a Emeline, e ela realmente não sabia a extensão do que isso era. Ela odiava o que ele tinha feito para Liv, e o que ele ainda estava fazendo a ambas. Isso a fez sentirse impotente e fora de controle, dois estados a que ela nunca tinha sido afeiçoada. — Isto é uma merda, Emme, —disse ela em voz alta. O que mais ela poderia dizer? Porque era. — O que você diz a ele? — Que se ele prejudicar Liv, ou forçá-la a prejudicar a si mesma, então eu vou me matar. —Emeline voltou os assombrados olhos em Charlotte. — Eu vou. E ele sabe disso. Até agora tem funcionado, mas posso dizer que ele está ficando impaciente comigo. Estou preocupada com Liv. Quero que Tariq a converta. Diga-lhe que ele tem de fazê-lo imediatamente. O tempo todo, Emeline sussurrava, mas cada palavra perfurava o coração de Charlotte. Ela queria abraçar Emeline apertado e mantê-la segura. Ela queria caçar Vadim e fazê-lo sofrer um longo tempo antes de morrer. Ou talvez apenas matá-lo rapidamente antes que ele a fritasse. — Eu vou, Emme, eu prometo. Vou contar-lhe tudo. Você sabe disso. Você tem Blaze. Você sabe o que é uma companheira. —Ela franziu a testa, de repente com medo. Vampiros podem ter companheiras? Poderia Emeline ser a companheira de Vadim? Houve um pequeno silêncio. Ela sabia que Tariq estava ouvindo cada palavra que Emeline dizia e estava quase tão aborrecido quanto ela, mas de uma forma diferente, mais predatória, assustadora. Ela sabia que ele iria insistir para Emeline permitir que os homens dos Cárpatos ajudassem em seu sono e Emeline ia resistir.

293


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Para se tornar um vampiro, um caçador Cárpato deve optar por desistir de sua alma. Nesse momento, ele está perdido, para nunca mais ser recuperado. Se por acaso ele achar sua outra metade, ele vai saber e sentir arrependimento por um momento, mas é passageiro, e ela estará em perigo terrível. Ele não pode matá-la ele mesmo, mas ele não a deixaria esquecer. Emeline não é a companheira de Vadim. Ela saberia e sofreria de forma diferente. Vadim tomou seu sangue e forçou-a a tomar o dele, assim como fez com Liv. Mas, eu acho que ele fez, pelo menos, duas trocas de sangue com Emeline. Se é assim, eu não sei como ela consegue viver com o ácido queimando-a. Ela se recusa a permitir que um Caçador a ajude. Ela precisa de ajuda. Ela está doente. Um vampiro mestre intercambiou sangue com ela, Charlotte. Tariq soou paciente, como se estivesse explicando as coisas para uma criança. Isso definitivamente deu a Charlotte um alvo para a raiva reprimida que ela não tinha nenhum lugar para colocar. Eu sei disso, ela sussurrou de volta, deixando-o ver a borda de seu temperamento. Sielamet, amada. Guardiã de minha alma. Sua voz era suave e intimista, acariciando-a e deixando-a do avesso. Eu sei que isso é difícil. Ver Emeline dessa forma e não ser capaz de ajudá-la é devastador, mas ela recusa a nossa ajuda. Devemos forçá-la? Devemos ser como Vadim? Tomando sua vontade? Apesar de ser para seu próprio bem? Estamos chegando perto de não ter nenhuma escolha, mas foi resolvido que lhe daríamos tempo para fazer a escolha por si mesma. Blaze tentou com ela. Amélia também. Estamos todos contando com você. Colocar esse fardo sobre seus ombros é errado, eu sei que é, mas estamos tentando salvar sua sanidade, bem como a sua vida. Ela ouviu a culpa e o remorso em sua voz. Ele detestava estar ali mais do que ela, mas estava chegando ao ponto em que forçaria Emeline a aceitar sua ajuda, e todos eles tinham medo de que se o fizessem, a perderiam. Charlotte temia que eles estivessem certos.

294


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Mantenha-a falando. Ela está dizendo a você mais do que disse a alguém. Maksim está enviando Blaze, e depois que ela chegar aí, eu vou dar-lhe alguns minutos e, em seguida, enviar Genevieve. Esperemos que a conversa termine bem. Ela vai se sentir rodeada por mulheres em que ela pode confiar. Ela sabia que ele estava fazendo o seu melhor, sentindo o caminho quando ela estava lá. — Emeline, Liv disse se ela pode ouvir vozes sussurrando? Charlotte sabia o que era isso. A voz de Vadim falando com ela, ordenando-lhe para sair dos túneis. Ela se sentiu violada de ele estar em sua mente e com medo de ele poder ser capaz de usá-la como espiã. A lasca ainda estava dentro dela. Enquanto ela estava na propriedade de Tariq achava que estava segura, mas talvez não estivesse. Ela conhecia aquela voz. A horrível, doce tentação. Ela estudou Emeline cuidadosamente. Não era apenas a voz. Ela estava com dor. Dor física. Emeline balançou a cabeça lentamente. — Se assim for, ela não me disse. Eu sei que ela não dorme a menos que Tariq a ajude. —Ela suspirou. — Maksim e Tariq tem feito muito pelas crianças e por mim. A carga sobre eles é quase insuportável. Eu não posso pensar como deve ser para eles tentar saber a coisa certa a fazer. Liv não pode permanecer neste mundo como está. Ela está conectada a Val e sente cada um de seus sofrimentos, embora ele bloqueie e esteja no chão. Eu não posso imaginar como vai ser quando ele estiver na superfície. Todas as crianças sofrem, mas o que eles devem fazer para aliviar isso? Devem trazê-las para o seu mundo? —Havia um fio de voz em Emeline, como se a última coisa que ela quisesse era estar no mundo dos Cárpatos. Charlotte respirou fundo e soltou o ar. Ela não estava inteiramente certa do que iria acontecer quando Tariq terminasse a transição com ela. Só sabia que seus sentidos estavam extremamente agudos e ela estava mais forte do que nunca. Ela não tinha ideia do que realmente implicava ser Cárpato. Possivelmente Emeline sabia muito mais do que ela. Ela

295


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 propositadamente não perguntou a Tariq muitos detalhes, querendo tempo para processar tudo antes de aceitar esse compromisso final. Ela tinha que ir com cuidado. — Não estão já eles nesse mundo, Emeline? —Charlotte perguntou gentilmente. Emeline pressionou ambas as mãos contra o estômago quando um tremor de dor atravessou seu rosto. Seu corpo se encolheu em si mesmo, fazendo-a parecer menor, mais fina do que nunca. — Sim, —ela sussurrou. — Eu acho que todos nós estamos. Charlotte podia vê-la facilmente no escuro, embora estivesse certa de que Emeline pensou ter se escondido. Cada respiração que ela dava era superficial. Um tremor ou chiado. Linhas estavam gravadas profundamente em torno da boca dela. Ela entrelaçou os dedos, ainda pressionando seu estômago como se estivesse ferido ou com cólicas. Ela torceu os dedos até que eles ficaram brancos, mas ela manteve o rosto tão imóvel quanto possível, como se elas estivessem falando sobre o tempo. — Você quer falar sobre isso? —Perguntou Charlotte. — Eu não sou Blaze, mas me preocupo com você. Eu tenho a voz de Vadim na minha cabeça também. Eu não posso saber o que é ser agredida por ele, não fisicamente, mas eu sei o quão horrível é a sensação de levar um pedaço dele dentro de mim e saber que ele pode usar isso para machucar os outros. Emeline balançou a cabeça lentamente. — Falar sobre ele me deixa doente. Eu não posso pensar sobre ele ou quero cortar minha própria garganta. —Ela tocou sua garganta com os dedos trêmulos, bem em cima da cicatriz irregular onde Vadim a tinha rasgado para chegar a seu sangue. O coração de Charlotte empurrou duro. Emeline não estava brincando. Claramente ela tinha pensado em fazer isso muitas e muitas vezes. Havia determinação em sua voz. Aço, mesmo.

296


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Mel. Não. —Charlotte manteve seu tom baixo. Firme. — Isso não é uma resposta, e você sabe disso. Se você fizer isso, você vai abandonar o resto de nós. Você deixará Liv. Ela precisa de você mais do que de qualquer um de nós. Estamos tentando com ela, mas ela não sente conexão com ninguém além de você. Emeline abaixou a cabeça e não respondeu. Charlotte sentiu que ela estava se debatendo. Ela pressionou os dedos em sua fronte ao perceber que tinha dor de cabeça. Instantaneamente Tariq estava lá, acalmando-a, tirando a pequena dor. Tranquilizando-a. Dando a ela algo que ela sabia que Emeline e as crianças necessitavam também. — Querida, você sabe o que tem que ser feito. Eu sei que você está com medo deles, mas você tem que permitir que um dos Cárpatos a cure o suficiente para impedir Vadim de chegar até você. Você precisa dormir. Você tem que ser capaz de comer. Você não pode deixá-lo vencer. — E se ele ataca Liv e não tenho maneira de me comunicar com ele? Emeline protestou. Ela sacudiu a cabeça. — Não posso correr esse risco. Se Tariq converter Liv e acabar com a capacidade de Vadim chegar até ela, então, e só então, eu vou considerar isso. — Blaze explicou o processo para você? Tariq me disse que ele está tentando falar com os curadores Cárpatos sobre a melhor forma de levar as crianças para o seu mundo. Emeline fechou os olhos com força e, em seguida, assentiu. Quando os cílios levantaram ela olhou para fora na escuridão, a dor gravada em seu rosto. — Ela disse que a dor era insuportável. Eu não quero isso para Liv, para você, para qualquer um, mas ela não vai aguentar se continuar do jeito que está. Eles tiraram muito dela, Charlie, tanto. Ela não pode esperar. Você tem que dizer isso a Tariq. Convencê-lo. Vai perdê-la se esperar muito mais tempo, e não vai ser para Vadim.

297


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — E você, Emme? Será que vamos perde-la? —Charlotte perguntou em voz baixa. Emeline continuou a olhar para a escuridão. — Eu estou tentando, Charlie. Eu sei que eles acham que não, mas eu tenho que trabalhar isso tudo na minha cabeça. Eu nunca fui uma mulher guerreira como Blaze ou você. Eu não sei como lutar com ele. Eu tenho que descobrir como fazer isso e chegar a um acordo com o que ele me fez. Uma vez que eu possa fazer isso, espero que eu possa viver com isso. Charlotte deixou o silêncio crescer entre elas, esperando que Emeline fosse continuar, mas ela não o fez. Finalmente, Charlotte tentou perguntar. — O que ele fez? Você precisa falar sobre isso, Emeline. Se não for comigo, então, pelo menos com Blaze. Se não com Blaze, Tariq pode chamar um conselheiro. Os Cárpatos devem ter alguém como nossos conselheiros. Emeline sacudiu a cabeça. Eu nunca poderia falar com estranhos. Não sobre ele. Eu mal posso falar com Blaze. —Ela enviou a Charlotte um leve sorriso, o primeiro, que não alcançou seus olhos. — Eu não sei por que você é a sortuda que começa a ouvir tudo isso. — Talvez porque você confie em mim, e você sabe que Vadim pode falar comigo também. Toquei um cavalo de carrossel em que ele colocou uma maldição de algum tipo e eu me feri com uma lasca. Não podemos tirá-la e é horrível saber que tenho uma parte dele dentro de mim. Emeline umedeceu os lábios inchados, secos. — Ele forçou seu sangue em mim. Queimou. Queimou todo o caminho até a garganta e por meu corpo. Meu coração e pulmões. Cada órgão do meu corpo. Ainda queima. Então, me obrigou a beber o sangue de um copo. —Sua voz falhou e ela balançou a cabeça. Lágrimas brilharam e várias ficaram em seus longos cílios. — Beber o sangue foi diferente, não tinha gosto de ácido, mas ainda era horrível, como ser pego no pior pesadelo possível.

298


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ela passou a palma da mão abaixo de sua garganta e, em seguida, apertou a mão contra seu estômago como se a dor estivesse lá mais uma vez. Charlotte se doeu por ela. Mais uma vez, tudo o que podia fazer era colocar os braços em volta de Emeline e apertá-la, mas Emeline tinha se encolhido em si mesma, fez-se muito menor e puxou o manto mais apertado ao seu redor, como se o material fino pudesse protegê-la de alguma forma. Eu odeio isso, Tariq. Eu odeio o vampiro. Ele destruiu sua vida. Destruiu. Ela está tão longe que eu não posso alcançá-la. Sielamet, você chegou mais perto de fazê-la falar do que qualquer outra pessoa. Você está indo bem. Você tem a capacidade de fazer as pessoas confortáveis e capazes de dizer coisas que elas não quiseram revelar a outra pessoa e não percebe. Ela o deixou envolvê-la em seu calor, desejando que pudesse fazer isso por Emeline. Ela tentou, enviando todo o calor e conforto que podia para a mulher. — O que mais ele fez, Emme? —Charlotte sondou delicadamente. Emeline sacudiu a cabeça, e lágrimas derramaram por seu rosto. — Eu não posso pensar em qualquer outra coisa. Eu não posso deixá-lo ser real. Eu só tenho que aceitar uma coisa de cada vez. Uma coisa. Algo mais vai me quebrar, Charlie. Ele é um monstro. Ele me tocou. Ele tomou meu sangue e me fez tomar o seu. Ele sussurra para mim, me ameaça. Ameaça as crianças. Eu tenho que ficar muito quieta e não pensar muito nisso para sobreviver. É isso que estou fazendo. Isso é o que você precisa dizer a eles. Eu estou sobrevivendo agora, e até que eu possa processar o que aconteceu comigo, eu não posso falar sobre isso. — Tudo bem, querida, eu entendo, mas você terá que permitir que um dos homens a ajude a dormir sem ouvir Vadim. Se você não deixar, isso vai deixá-la louca. Você tem medo deles? É Vadim que faz você ter medo

299


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 dos Cárpatos? —Ela perguntou delicadamente, sentindo como se estivesse em um campo minado. — Fazem-me nervosa, —Emeline admitiu. — Blaze é companheira de Maksim e eu sei que estou fazendo ela sofrer por não aceitá-lo. Eu vou. Eu realmente vou. Só não ainda. —Havia um apelo pelo entendimento em sua voz. Tão macio. Quase apagado. Seu olhar nunca deixou de buscar a noite, à procura de perigo, procurando uma ameaça. — Talvez quando Val acordar. Ele sabe o que Vadim fez com Liv, e ele a ajudou. Talvez eu possa aceitar a sua ajuda. Eu não sei. Charlotte não tinha ideia de quanto tempo levaria para o Cárpato se curar, mas se as suas feridas tinham sido tão ruins, podia demorar um pouco. Ela não tinha certeza se Emeline tinha esse tipo de tempo. Mais, ela estava certa que Emeline sabia e contava com isso. — Tariq tem os mais belos carrosséis em sua propriedade. Você já viu? Charlotte deliberadamente, mudou de assunto, querendo indicar a Emeline que ela podia relaxar. Não haveria mais conversa sobre Vadim. Sielamet. Foi uma ligeira repreensão. Ela está acabada. Eu tenho que deixá-la ir. Ela falou tanto quanto pode agora. Ela precisa de normalidade. Exatamente como eu. Emeline virou-se para olhar para ela. — Lembro-me que em Paris estava sempre falando de carrosséis e quanto os amava. — Eu estava aprendendo restauração com um mestre. Ele era o melhor do mundo. Tariq entrou em contato com ele pedindo-lhe para vir para os Estados Unidos para trabalhar em seus carrosséis. Ele tem um casal em sua casa que precisava de trabalho. — Ele não poderia apenas acenar a mão ou algo assim? —Perguntou Emeline.

300


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Eu estava tão ansiosa para restaurá-los que não tinha pensado nisso. Porque você não pôde apenas acenar com a mão? Foi você que os esculpiu. Tariq estava em sua mente. Sentiu-o quente e suave, cuidando dela, acariciando sua mente intimamente enquanto ela tentava manter Emeline envolvida na conversa ociosa, tentando dar-lhe o normal, mesmo que apenas por alguns momentos. Algo fica perdido na restauração. Eu tentei com um par de peças e não é o mesmo. Eu poderia esculpi-los novamente, mas então eles seriam feitos neste século e não meus primeiros trabalhos. Em qualquer caso, eu quero trabalhar com as mãos. Estou ansioso para aprender o processo de restauração. Os carrosséis significavam algo especial para ele. Ela podia ouvi-lo em sua voz. Ele não queria destruir o carrossel mais antigo mais do que ela, talvez menos, mas ele o faria porque era perigoso para qualquer um que tocasse. Ela precisava descobrir o porquê. Ela precisava acompanhar Vadim até onde quer que ele estivesse e precisava ter certeza de sua família crescente estava segura. Ela estava reivindicando as crianças, Genevieve e agora Emeline. Mesmo os caçadores que os protegiam, especialmente Lojos, Tomas e Mataias, que tinham sido inteligentes o bastante para fornecer os dragões de pedra para as crianças e Val, um caçador que ela nunca conheceu, mas que tinha tomado a tempo para salvar Liv e dar-lhe força em meio ao mal. — Aparentemente, acenar a mão não restaura a arte da mesma forma que os métodos que usamos. Quem poderia dizer que havia algo que um Cárpato não faz perfeitamente? Obteve o menor dos sorrisos de Emeline. — Eu ia te fazer chá, mas eu não estou muito firme. Vou dizer a Blaze para trazer o chá e algo leve para Emeline comer.

301


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Charlotte apertou uma mão em seu estômago. Tariq teria que ajudála a engolir o chá. Genevieve subiu as escadas da varanda, parecendo espetacular, como sempre fazia, um sorriso brilhante em seu rosto enquanto cumprimentou Emeline calorosamente. Genevieve afundou-se na cadeira de balanço do outro lado de Emeline e imediatamente trouxe Paris e os bons momentos que elas tiveram lá. Ela evitou falar de coisas como Cárpatos e vampiros. Ela era hábil porque era genuína em tudo o que fazia. Blaze se juntou a elas, trazendo um bule pequeno e vários copos, juntamente com uma bandeja de broinhas. Ela animou Emeline a beber o chá, mas apenas Genevieve pegou uma broinha. Precisamos de uma solução para isto rápido ou vamos perdê-la, disse Charlotte. Tariq ficou em silêncio por um momento, enquanto Charlotte e Genevieve eram apresentadas a Blaze. Eu concordo, sielamet. Estou trabalhando nisso. As quatro mulheres sentaram-se juntas até que o amanhecer estava rastejando na noite, lentamente se introduzindo no escuro e as primeiras horas da manhã raiando em cinza. Blaze ajudou Emeline a voltar para a cama, e Genevieve, bocejou e partiu. Só então Tariq veio para ela, envolvendo-a em seus braços e levando-a para sua cama na enorme casa vitoriana que iria ser sua casa.

302


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

15mn Os homens Cárpatos eram bonitos, não havia nenhuma dúvida sobre isso. Eles também eram perigosos e muito, muito assustadores. Charlotte deveria ter ficado impressionada ao ser cercada pelos altos, homens de ombros largos com seus longos cabelos escuros e rostos que pareciam esculpidos em pedra, e que poderiam ser modelos para alguns dos mais famosos escultores. Ela não estava impressionada. Absolutamente. Ela encontrou-se olhando para Tariq de uma forma totalmente diferente. Desde do momento em que o conheceu, ela pensava nele como Tariq Asenguard, o civilizado e sofisticado proprietário de uma série de boates extremamente bem sucedidas. Ele usava ternos exclusivos. Ele falava várias línguas e era bem educado. Ela nunca o associaria com os outros caçadores. Não até que o viu com eles. Não até que estavam aglomerados ao redor dela com olhos predatórios e impiedosas expressões. Ela tentou controlar seu coração para que não soasse como um trem desgovernado, mas era difícil. Ela encontrou-se estudando cada rosto. Eles tinham vindo para a sala de trabalho, em torno dela e do antigo carrossel que Tariq tinha montado no meio da sala. Era uma obra de arte. Um pedaço da história. Ela não tinha sido capaz de tirar os olhos dele, e havia algo nele que a fazia querer passar sua mão sobre um dos cavalos. Havia quatro cavalos e quatro carros. Cada um era esculpido a mão e pintado em cores feitas a partir de flores, cores muito difíceis de duplicar a menos que se soubesse exatamente o que estava fazendo. Os cavalos e

303


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 carros eram suspensos por correntes e, quando o carrossel fosse acionado, eles iriam balançar de modo que o piloto poderia enfiar a lança ou disparar sua flecha através de um pequeno anel para praticar suas habilidades de batalha. Ela tinha a louca vontade de se jogar sobre os cavalos antigos e tentar a sua sorte espetando o anel. O carrossel era lindo. Ele merecia ficar exposto para que todos pudessem vê-lo e apreciá-lo. Não havia nenhuma plataforma, apenas os cavalos, os carros e as correntes que iriam balançar quando o carrossel fosse puxado por homens ou cavalos em um círculo. A ideia de que o carrossel foi criado séculos antes e que homens e mulheres daquela época tinham sentado nesses mesmos cavalos e estado sobre os carros quando eles foram puxados, a fim de praticar com a flecha através de um anel ou enfiar uma lança através dele era esmagadora para ela. O carrossel conectava o presente ao passado. Dedos fortes algemaram seu pulso e ela olhou para cima, assustada. Os olhos de Tariq estavam nela, quase vermelhos, brilhantes. Seu coração saltou duro em seu peito. Definitivamente o predador. Ele estava focado nela. Exclusivamente, completamente sobre ela. Ela olhou ao seu redor para os outros homens. Lojos, Tomás e Mataias eram extraordinariamente bonitos, com sua altura, de ombros largos, corpos que gritavam força. Seus olhos brilhavam com o poder e eles pareciam ... perigosos. Ela prendeu a respiração quando o seu olhar se voltou para Dragomir. Ele era o mais assustador de todos, maior do que os outros, e todos eles eram grandes, com seus músculos duros e flamejantes olhos dourados, seus cabelos longos, que pareciam tão selvagem quanto ele, as tatuagens que corriam de seu pescoço para debaixo da camisa, ela sabia que as palavras esculpidas em seu corpo significavam algo para ele, algo de mau agouro para outros, talvez. Ele era claramente muito diferente dos outros. Ela

304


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 achava que nenhum deles relaxava em sua companhia, o que dizia muito. Tariq tinha dito isso a ela na noite anterior. Havia Maksim, companheiro de Blaze. Blaze tinha contado a Emeline, Genevieve e ela histórias muito engraçadas sobre ele, falando como se ele fosse o homem vivo mais doce, mas olhando para ele agora, Charlotte pensou que talvez ela tivesse exagerado na doçura. Havia um par de outros homens a quem ela ainda não tinha sido apresentada, mas eles pareciam tão sombrios e ameaçadores quanto os outros, e assim como Tariq estava sobre ela, assim estavam todos os caçadores reunidos na grande sala. A sala tinha sido grande. Agora parecia muito pequena e a maior parte do ar se foi. Ela olhou para trás, tentando ver a porta. Parecia muito longe e havia dois caçadores entre a saída e ela. Um era Siv, com os olhos incomuns que mudavam de azul para verde. Ele olhou para ela tão assustador que ela começou a tremer. Ele também parecia saber que ela queria correr. Sielamet. Pare. A voz de Tariq escovou intimamente em sua mente. Era um comando, mas também uma segurança. Sielamet. Minha alma. Ele a chamava assim o tempo todo. Ele sempre a fazia se sentir especial. Amava, mesmo. Estava em sua voz quando ele usava essa palavra, usava seu idioma. Ainda assim, o que ela realmente sabia além de que ele fazia seu corpo ganhar vida quando ninguém mais tinha conseguido? Respire. Você está segurando a respiração e assustando-se. Olhe para mim. Se o fizesse, ela estaria perdida. Ela sempre ficava perdida quando olhava para ele, mas se não o fizesse, ficariam aqui até ela fazer. Cercados pelos outros caçadores. Todos muito mais altos e mais fortes do que ela. Eles formaram paredes ao seu redor, sem saída.

305


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Charlotte forçou seu olhar no peito de Tariq e em sua garganta. Ela podia ver o morango fraco, a marca que sua boca havia colocado sobre ele anteriormente, quando ele a despertou na cama do andar de cima. Isso a fez corar, pensar que esses homens sabiam que ela tinha feito isso, que ela tinha ficado tão fora de controle e selvagem que tinha deixado sua marca nele. A mandíbula dele era forte, a mandíbula de um homem, e estranhamente sempre era um gatilho para a dela. No momento em que ela olhou para o queixo, seu corpo veio à vida. Rapidamente, seu olhar continuou até a boca, e ela quase gemeu em voz alta. Essa boca sempre lhe arrancava o fôlego. Tão bonita. Tão perfeita. Ele sabia como usar sua boca. Ela não ousou parar por aí. Deliberadamente, ela olhou para o aristocrático nariz. Você não está olhando para mim. Dê-me seus olhos, Charlotte. Você precisa respirar fundo e olhar para seu companheiro. Se ela respirasse, gostaria de ter seu cheiro em seus pulmões. Ela sabia disso. Se ela olhasse em seus olhos iria se afogar neles. Entregar-se a ele novamente ali cercada por estes predadores, sabendo que ele era um deles. Ela tinha pedido por isso, queria que ele permitisse que ela tentasse rastrear Vadim. Mesmo esta manhã, em sua cama, com ele esparramado sobre seu corpo, o pênis ainda profundamente dentro dela, ambos saciados por um breve momento, ela assegurou-lhe que poderia fazê-lo. Ela precisava para libertar as crianças e Emeline. Libertar-se de sua mácula. Parecia uma boa ideia então. Mas agora … Eu estava errada, Tariq. Ela se recusou a levantar o olhar para olhar em seus olhos. Eu não quero estar aqui. Charlotte. Olhe para mim agora. Ele não estava pedindo. Ele nunca tinha usado essa voz com ela. Nunca. Não havia nenhuma possibilidade de desobedecê-lo. Um tremor passou por seu corpo, mas ela levantou o olhar para ele. Seus olhos estavam lindos. Incomum. Azul meia-noite, brilhando como joias. Dando-

306


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 lhe mais, muito mais. Eles eram quentes, uma sensação de que ele raramente mostrava na frente dos outros, os sentimentos por ela. Era impossível não ver que ela pertencia a ele. Era amada por ele. Protegida por ele. Deu-lhe isso, e como sempre, assim como ela sabia que faria, ela acreditou. Agora respire para mim, sielamet, e vamos fazer se você ainda estiver disposta a fazê-lo. Tão íntimo o seu toque. A maneira como ele derramou em sua mente e encheu cada local solitário dentro dela. Ela se sentiu tão sozinha e diferente por tanto tempo, nunca se encaixando em qualquer lugar, até Tariq. Fosse qual fosse a atração entre eles, essa conexão, ela sabia, até mesmo em pé nesta sala cercada por predadores, que estava disposta a arriscar tudo por ele. Charlotte respirou. No momento em que ela o fez, Tariq se aproximou dela, seu braço se movimentando em sua cintura e puxou-a para o lado dele sob seu ombro largo, trancando-a com ele. Todo o tempo, seu cheiro no fundo, confortando-a como sempre. — Eu vou colocar minha mão no cavalo e verificá-lo antes de você tocá-lo, —disse Tariq. — Eu não quero nenhuma chance de outro pedaço poder entrar em seu corpo. O curador foi chamado, mas pode demorar algum tempo antes que ele possa vir. — Deixe-me, —disse Dragomir. Quando o Cárpato falou, Charlotte não pôde evitar o pequeno tremor que desceu por sua espinha. Ele falou calmamente, sua voz baixa, mas esse tom foi direto para o corpo e mente. Foi como se ele pudesse entrar dentro de uma pessoa, em sua pele e ossos e apenas assumir. Era assustador, sua voz era assustadora, mas muito, muito convincente. Ela não foi a única a sentir. Estes homens não se assustavam. Ela sabia. Nenhum deles, mas

307


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 todos eles olharam para Dragomir com respeito. Cautelosamente, mas com respeito. — É meu dever, —disse Tariq, sua voz igualmente baixa. Não pedindo. Só indicando. Dragomir sacudiu a cabeça. — Seu primeiro dever é o de garantir a saúde e a sobrevivência da sua companheira. A segurança dela. Se essa coisa maldita tem algum pedaço de Vadim e seus irmãos, então você não pode dar oportunidade de ser infectado. Os outros concordaram com a cabeça. Dragomir esperou, o que disse a Charlotte que ele foi igualmente respeitoso com Tariq. Tariq se afastou do carrossel, levando Charlotte com ele. Dragomir, sem hesitação, fechou sobre os cavalos e carros. Seu grande corpo ficou entre ela e o carrossel deliberadamente. Os outros caçadores pressionaram mais perto, como se, formando um anel protetor em torno dela. — As lascas de madeira entram no momento que você o toca, —Charlotte se atreveu a avisá-lo. Ele não olhou para ela. Nem mesmo um olhar. Antes, Charlotte achou os cavalos e carros bonitos, artísticos e históricos. Ela sentiu uma compulsão para tocá-los, para passar a mão sobre as linhas fluidas das crinas selvagens e o curso das costas lisas ao longo das caudas. Algo dentro dela tinha lhe pedido para ir em frente, para dar esse passo e tocar. Sentir. Sentar-se sobre eles. Ser parte da história. Agora, com os Cárpatos com ela, seu perigoso poder a defendendo, ela podia olhar para o carrossel e ver o seu valor histórico, sentir a força da beleza dos entalhes de centenas de anos, mas a necessidade de tocá-los não era tão forte. — Eu acho que tudo o que foi feito para este carrossel era para trazer a lasca para dentro de mim, —ela admitiu em voz alta. Instantaneamente ela desejou ter mantido a boca fechada e seus pensamentos para si mesma.

308


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Cada macho no quarto focou nela novamente. Ela tinha acabado de ser capaz de respirar, e agora que a concentração em um só objetivo estava de volta, a atenção estava mais uma vez sobre ela. — Eu senti, a necessidade de tocar a madeira quando eu estava perto, —continuou ela, porque realmente, agora que tinha iniciado, ele precisava falar. Proteger Dragomir e os outros. — Eu não sinto o desenho, —Dragomir assegurou. Ele passou a mão um pouco acima do cavalo e depois na carruagem ao lado dele, sacudindo a cabeça. — Há poder aqui. Sangue. Ele permaneceu totalmente inexpressivo. Seu tom de voz não revelava nada. Seus olhos estavam em branco e frios como se ele já não fosse um homem. Ele assustava Charlotte como o inferno, infelizmente, Fridrick fazia mais. Ela detestava se sentir assim sobre o caçador, mas ao contrário de Lojos, Tomás e Mataias, que eram tão inexpressivos como Dragomir, ela sentia que não havia redenção para Dragomir. Ele estava longe demais. Muito selvagem. Não vampiro exatamente, mas algo mais, algo que não era humano, não Cárpato, mas muito poderoso para seu próprio bem. — Você pode tocá-lo sem perigo? —Perguntou Tariq. Dragomir baixou a mão ao cavalo, passou a mão da cabeça para a cauda. — Este sangue se encolhe de mim. Ele se reúne profundamente dentro da madeira, onde tenta se esconder de mim, mas eu o sinto. — Você pode removê-lo? —Charlotte não conseguiu impedir a esperança em sua voz. Se pudesse, poderiam salvar o carrossel. Ele balançou a cabeça, esmagando suas esperanças. — Eu acredito que se você quiser tentar rastrear Vadim estará segura. Se todos nós tecermos salvaguardas manteremos o sangue no centro de cada um destes objetos. Não havia nenhuma dúvida em sua mente que Dragomir e os outros poderiam fazê-lo, se ele disse. Ele não a arriscaria. Não correria riscos com

309


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Tariq. Qualquer que fosse o código de honra que ele vivia, e era diferente do dos outros, isso era certo, ele acreditava em proteger companheiros. — É com você, Charlotte, —Tariq disse, dando-lhe a escolha. Ela adorou que ele a deixou escolher, e detestou-o também. Ela queria dar um passo até o carrossel, mostrar coragem, mas reviver o terrível momento em que Tariq percebeu que os irmãos Malinov tinham escolhido deliberadamente desistir de suas almas e atacaram a aldeia onde ele viva, matando pessoas que ele conhecia, seria terrível. Mas por Emeline. Por Liv. Por todos eles. Tinha que ser feito. Charlotte endireitou os ombros, deliberadamente, respirou fundo e puxou Tariq profundamente em seus pulmões por coragem. — Nós precisamos segui-lo. — Eu estarei com você, —disse Tariq com uma voz suave, tranquila, que sempre a surpreendia. Levava-a a algum outro lugar. A envolvia e mantinha segura. Ela não queria que ele fosse com ela. Ela não queria que ele tivesse que reviver seu passado terrível, alguns dos piores momentos de sua vida, Agora, ele seria capaz de sentir. Através dele, os outros. Ela causaria dor. Sem pensar, ela balançou a cabeça. — Não, deixe-me fazer isso sozinha. Ela deu um passo para o carrossel. Tariq entrou com ela, mantendo-a trancada ao lado dele, seu aperto inquebrável, o rosto, uma pedra. Seus olhos prenderam os dela e ele balançou a cabeça lentamente. Simultaneamente, Dragomir, Siv, Lojos, Tomás e Mataias rosnaram. Os outros dois também. Rosnaram. Como animais selvagens. Seu olhar saltou de Tariq a seus rostos. Maksim e os outros mais perto do carrossel, claramente não aprovando seu pedido. — Tudo bem. —Ela queria fingir que capitulou para apaziguá-los, mas sabia que realmente não tinha escolha. Eles não iriam permitir que ela fizesse isso sozinha.

310


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Você está pronta, sielamet? —Tariq perguntou, os lábios contra sua orelha, roçando de modo que ele estava beijando-a, enquanto perguntava a ela. Ela adorava isso nele, os pequenos gestos íntimos dele. Ela olhou para os homens, todos eles, mesmo Dragomir, e deixou de ter medo deles para sentir-se protegida. Eles eram predatórios, mas o perigo era para outra pessoa, nunca para ela. — Estou pronta. Tenho que me concentrar. Eu preciso ... —Ela tentou se afastar dele, mas seu braço a trancou no lugar, uma banda de aço em volta da cintura. — Não sem mim. Ela teve que repensar a forma como ia fazer isso. Se ela ia rastrear Vadim, ela tinha que fazê-lo delicadamente, sem pensar em Tariq ou no custo para ele. Ou para os outros. O toque dela teria de ser ultraleve. Ela fechou os olhos e bloqueou tudo, o pensamento no carrossel. Quantos anos tinha. O valor histórico. O quanto ela amava o passado e a oportunidade maravilhosa que seu dom lhe dava de visitar o passado e aprender sobre pessoas que tinham esculpido esses belos cavalos e carros para outros. Ela queria saber sobre esses escultores. O que eles pensavam e sentiam. O que eles gostavam em suas vidas. As pessoas que conheciam e por que fizeram o que fizeram em um tempo que era todo sobre sobrevivência. Ela afastou os pensamentos de conhecer Tariq. Ela queria a surpresa do que e de quem ele era então, não importando quem ele era agora, só o homem que esculpiu os objetos a serem utilizados para o carrossel. Ela manteve os olhos fechados para bloquear os homens se aglomerando próximos, e eles estavam contra ela agora, tocando-a. Uma mão sobre ela. Uma mão no carrossel. Cada um deles. Isso tornou muito mais difícil bloqueá-los. Ela sabia qual mão pertencia a qual o homem.

311


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Dragomir cheirava feral. Perigo irradiava dele em ondas. Os outros eram igualmente ferozes. Mesmo Tariq. Eram uma matilha de lobos à espera para rasgar em alguma coisa. Ferozes lutadores experientes. Ela estava cercada por eles, precisava de espaço, e sabia que não iriam recuar. Charlotte deixou escapar a respiração, exasperada. Tinha que arrumar uma maneira de contornar a seus instintos de proteção para que pudesse fazer seu trabalho. Ela pensou no porquê disso. A quem ajudaria. Pequena Liv. Vadim tinha feito das noites dela um inferno e a criança tinha apenas dez anos. Ela já tinha sofrido um inferno abaixo da cidade, onde insanidade reinava. Emeline. Ninguém, só Emeline conhecia os horrores do que ela tinha sofrido, e ainda sofria. Tariq. Ela focou nele. Como é que ele consegue ser tão forte? Tão compassivo? O que levaria um homem tão corajoso a enfrentar inimigo após inimigo durante séculos? Sem uma família, uma mulher para chamar de sua. Ela conseguia entender por que ele queria uma mulher para si, mas as crianças? Que homem iria assumir um fardo tão terrível como cinco crianças traumatizadas? Genevieve. Emeline. Os Waltons. Sua família estava crescendo, e todos eles, à sua maneira, estavam quebrados. Ela estendeu a mão para o cavalo de carrossel, a palma da mão pairando por um momento, sentindo a força da madeira antiga. Ouviu os gritos das crianças e seus pais. Risos. Soluços. Sussurros. Tantas histórias. Era necessário ir mais fundo, para encontrar o escultor. Ela pegou o seu cheiro. Ela o acharia em qualquer lugar. Masculino. Florestal. Primitivo. Ela seguiu o perfume fraco até que ouviu o som de sua voz. Você seguiria cegamente a Ruslan? O que está errado com você? Você sabe como esse plano é louco? A linha Dubrinsky é o vaso para o nosso passado e presente. O poder que mantém o nosso povo vivo. Você não pode substituir isso porque você não gosta do Príncipe.

312


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Você seguiria cegamente o Príncipe? Era a voz de Fridrick. Um sorriso de escárnio. Acabando com a sua família não vamos fazer nada além de nos livrar da má liderança. Devemos ser os governantes deste mundo. Em vez disso, somos mantidos como prisioneiros nestas montanhas ou forçados a caçar nossos irmãos. Nossas mulheres são escassas, e ainda assim ele nada faz. Ele protege o filho dele, Draven ... O nome foi proferido e até mesmo Tariq estremeceu, embora ela não tivesse ideia do que era Draven, só que o ódio por essa pessoa era coletivo. Ela via Tariq agora. Ele estava de pé no meio de vários homens, homens com quem ele tinha crescido. Homens que ele tinha chamado de amigos. Eles o cercaram, alguns com punhos altos. Seu rosto ficou vermelho. Dentes cerrados. Uma estranha luz vermelha nos olhos. Draven deveria ter sido derrubado há muito tempo. Qualquer outro com essa raia de insanidade, prejudicando nossas mulheres, traindo com vampiros, assassinando, teria sido perseguido e condenado a morte, mas ele se recusou a fazer qualquer coisa sobre isso e agora Ivory se foi para nós. Morta. Esse era Vadim. Ela reconheceu a voz. Tariq balançou a cabeça e correu uma mão pelo cabelo em agitação. Erros foram cometidos, mas a trama para assassinar nosso Príncipe, não só nosso Príncipe, mas sua companheira e as outras crianças, é loucura. Certamente você vê isso. Em qualquer outro momento, ela teria ficado e ouvido a história que acontecia. Era fascinante ter um vislumbre do mundo de Tariq. Do homem que ele tinha sido, conhecer seus amigos quando ele era um dissidente solitário. É evidente que ele levantou-se pelo que acreditava. Ainda assim, ela tinha que

313


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 descobrir o que Vadim tinha feito para os cavalos de carrossel e os carros. O que exigia um ajuste no cronograma. O frio já estava penetrando em seus ossos, um aviso que ela tinha aprendido a ouvir depois de viajar ao túnel. Tremendo, ela seguiu para a próxima noite. Não era seguro ficar muito tempo. O mundo estava em chamas. Havia um terrível brilho vermelho alaranjado, a fumaça era espessa, tão espessa que ela estava com medo de tomar um fôlego. Os sons de choro, de gritos, levantaram-se no vento, enquanto a fumaça rodava e as chamas estalavam. Ela vislumbrou Tariq lutando violentamente, ferozmente, seu corpo em constante movimento, mudando de uma forma para outra. Mexia-se com assombrosa velocidade e sua mão mergulhou no peito de um homem e arrancou o coração. Foi a coisa mais horrível que Charlotte já tinha visto. Ela se concentrou no carrossel. Os cavalos ficaram de lado, bonitos e coloridos, mas quando ela chegou mais perto pôde ver manchas de sangue sobre eles. Os carros estavam espalhados no chão, jogados lá por mãos invisíveis. Para seu horror, ela viu a perna de uma criança espreitando debaixo de um, manchas de sangue na panturrilha e no calcanhar. Outro cobria uma mulher, de bruços no solo, com os braços abertos. Havia rachaduras na madeira como se quem os jogou estivesse com muita raiva. Sua respiração ficou presa nos pulmões e ela se viu voltando involuntariamente. Reconheceu Fridrick, mas mau. Apenas um dia antes, ele tinha sido bonito e em forma. Agora ele apareceu torcido. Mal. Havia uma crueldade maníaca em seus olhos e os dentes pareceram mais nítidos e maiores. Suas unhas eram mais longas. O homem com ele tinha que ser Vadim. Ela o reconheceu pela cena anterior.

314


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Vadim jogou tudo que encontrava para fora do seu caminho. Dois homens correram para ele, com espadas. Charlotte queria gritar um aviso, mas permaneceu em silêncio. Esta era a história e ela tinha que ver a maneira como tinha acontecido. Vadim riu, o som malvado e frio. Ele bateu os dois braços contra as espadas, bloqueando as pás e enviando-as girando para longe, e então agarrou os dois homens pelas cabeças. Desvie o olhar. Isso era Tariq. Seu Tariq. Que estava com ela, observando de novo como a vila onde viveu e trabalhou foi destruída e as pessoas que ele amava foram brutalmente assassinadas. Ela fez o que ele pediu porque ele estava sofrendo. Ele precisava que ela desviasse o olhar. Encontrou-o na batalha, girando através dos atacantes, um homem solitário contra um exército de vampiros. Como você fez isto? Havia tantos. Eles eram recém-transformados. Eu não salvei muitos dos meus. Meu povo. O que ele estava dizendo. Não era verdade que ele não tivesse salvado muitos, já podia ver os vampiros recuando, matando como eles estavam, mas fugindo, não querendo se envolver com o caçador que os derrubava. O movimento de Vadim chamou sua atenção e ela voltou sua atenção para ele mais uma vez. Os dois homens que ele matou estavam jogados como bonecos quebrados e ele chutou seus corpos para fora do caminho. Um por um os seus irmãos se juntaram a ele. Então Fridrick e outros dois. Eles cortaram os pulsos e pingaram sangue coletivamente na madeira de cada cavalo e carruagem, uma mágia negra vomitando de suas bocas vingativas. Enquanto Tariq lutava contra o pequeno exército de recrutas, os irmãos Malinov contaminaram sua criação com o

315


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 sangue contaminado. Em seguida, Vadim estava sobre cada um dos cavalos e carros. Charlotte assistiu com horror quando uma pequena lasca foi arrancada dele e colocada em cada uma das esculturas. As sombras pareciam vivas, contorcendo-se como se tivessem dor, balançando como girinos. O sangue de Vadim foi gotejado sobre as coisas, e então cada um cuspiu, misturando sua saliva com sangue de Vadim. As pequenas, e sombrias criaturas vermiformes desesperadamente tentaram retornar ao seu criador, mas Vadim enviou as sombras profundamente na madeira. Uma dessas coisas estava dentro dela. Tinha entrado nela, e nem mesmo Tariq poderia removê-lo. Ela estremeceu, o frio agora em seus ossos e agora se sentia congelada. Não havia mais o que fazer, mais para compreender. Ela lutou para chegar perto de Vadim, embora a sua presença a repelisse. A batalha se desenrolava no fundo e ele ainda nem sequer tinha olhado para o exército que tinha criado e que Tariq destruía rápido. Vadim virou a cabeça e murmurou algo para Fridrick, que sorriu insanamente e assentiu. Primeiro Fridrick trouxe uma criança a Vadim, um jovem rapaz de não mais que dez anos. Vadim mal olhou para o garoto. Ele simplesmente pegou a criança e rasgou sua garganta. Sangue pulverizou sobre um cavalo. Vadim se moveu em um círculo certificando-se que o sangue bateu em cada um dos cavalos. Ele murmurou algumas palavras, enquanto o fazia. Mas ela só podia ver a criança morrer. Volte agora. Ela não podia. Havia algo mais. Algo que ela tinha perdido. Fridrick trouxe outra vítima de Vadim. Uma mulher agora. Ele

316


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 fez a mesma coisa sem poupar-lhe um olhar. Ele rasgou a garganta e pulverizou seu sangue pelos cavalos e carros. Desta vez, Charlotte não olhou para a mulher ou Vadim. Ela olhou para o sangue. A sombra se levantou e nadou através do sangue, levando com ela minúsculas células que nunca teria visto se tivesse olhado através dos olhos humanos. Ela estava olhando através de olhos que eram na maior parte dos Cárpatos. A sombra consumia as células vermelhas do sangue. Era assim que a maldição funcionava. A vítima da lasca iria murchar e morrer. Mas como a lasca se multiplicava? Como poderia haver mais de uma vítima por cavalo ou carruagem? Volte agora ou eu vou forçá-la a fazê-lo. Tariq já estava fazendo isso. Sentiu ele a puxando, puxando, mas ela mal ouvia sua voz. Gelo se formava em sua pele. Em seu cabelo. Ela o levava a seus pulmões até que teve que lutar por cada respiração que dava. Ali mesmo. Bem na frente dela. A doença debilitante. A lasca de alguma forma consumia as células vermelhas do sangue e nenhuma quantidade de transfusões poderia salvar a vítima uma vez que havia passado tempo suficiente. Vadim saberia instantaneamente aonde aquela vítima estava e que podia, em seu lazer, caso ele estivesse na área, encontrar e matar o homem, mulher ou criança. Mas como é que a lasca se multiplica? O que ele tinha feito para ter certeza que o ciclo se repetiria vítima após vítima? Tentou pensar sobre isso, mas seu cérebro estava mole. Separado. Ela estava fria. Gelada mesmo, mas não conseguia pensar no que fazer sobre isso. A lasca era totalmente Vadim, e mesmo assim poderia ser usada repetidamente. Como? Como ele tinha feito isso? Ela estremeceu, ouvindo uma chamada, uma que ela precisava responder, mas tinha esquecido como. A saliva, ela

317


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 murmurou. Algo que Vadim fez quando os outros misturaram a saliva com seu sangue. Doeu pensar, mas ela tinha que saber. Eles tinham de saber, mas agora ela não era positiva sobre quem eles eram. Ela estremeceu descontroladamente, tentando evocar a cena em sua mente, prestar atenção a Vadim, e não aos outros, eles cuspiram sobre os parasitas se contorcendo e saliva misturou com o sangue de Vadim. Seus lábios se moviam. Suas mãos acenando. Ela empurrou a memória em sua mente, para Tariq poder ver. Então os outros, quem quer que fossem, podiam ver. Doeu, mil pingentes esfaquearam seu cérebro, mas ela conseguiu. Tariq arrastou-a de volta através do túnel. Seu domínio era implacável, impossível de ignorar. Não tanto em seu corpo, Tariq tinha estado sempre com ela, seu braço uma faixa em torno de seu peito, mas sua mente. Ele tinha ordenado e agora estava forçando a obediência. Suas barreiras tinham caído. Todas elas. Era a única maneira de entrar nos túneis do tempo. A viagem de volta parecia mais longa do que nunca. Mais fria. Ela não achava que teria feito isso sozinha. Quando Charlotte encontrou-se, no presente, ela estava enrolada nos braços de Tariq, e cada um dos outros machos tinham uma mão sobre ela. A cabeça dela. Seus ombros. Ambas as pernas. Um circulou seu tornozelo. O terrível tremor de seu corpo fez seus dentes bater. Ela não podia parar. Estava consumida pelo frio. Em cada respiração que dava, chiava e lutava por ar. Seus pulmões trabalhavam e doíam. Muito. — Você não tem escolha, —Siv afirmou. Isso soou ameaçador. Charlotte tentou olhar para Tariq e questionar o que significava. Que escolha? Sobre o quê? Mas ela não podia pensar. Ela estava fria. Tão fria. E exausta. Suas pestanas baixas, pesadas por pingentes de gelo, ela estava certa. Ela pretendia dizer a Tariq para tirar o

318


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 gelo dela, que ela poderia se aquecer com ele em torno dela como um cobertor, mas o esforço era demais. — Sielamet, você não pode dormir, —disse Tariq. — Fique comigo. Fale comigo. Ela tinha a sensação de movimento e sabia que ele estava carregandoa, levando-a para algum lugar. Ela tentou virar a cabeça em seu ombro ainda mais fundo, mas seu corpo normalmente quente não estava quente. Ela só encontrou mais gelo. Mais do mesmo. — Salvaguarda, —ela sussurrou. — Ele usou a palavra salvaguarda. —Ela não sabia o que isso significava quando Tariq a tinha usado, mas agora ela sabia que Vadim tinha de alguma forma virado o jogo em cima dela. Enquanto ela o espionava, ela não tinha pensado que ele poderia ter salvaguardado a sua obra cruel de alguma forma. Não. Não. Não. Tariq sentiu o golpe como um soco terrível em seu intestino. Seu coração se deteve, parou de bater e depois tornou-se frenético. Sua respiração ficou presa na garganta, e ele não pôde controlar seu coração, que martelava em protesto. Isso não poderia estar acontecendo. Não depois de encontrá-la. Não depois de estar com ela. Rir com ela. Apaixonar-se pela mulher que ela era. Tariq esmagou seu corpo congelado contra o calor de seu. Ela estava desaparecendo muito rápido. Seus batimentos cardíacos muito lentos. — Maksim, Dragomir, qualquer um de vocês, pegou a trama que ele usou para as salvaguardas que ele ergueu em torno dos cavalos e carros pouco antes de remover todas as evidências de ter estado lá? —Tariq queria que cada homem se lembrasse. Ele não podia se dar ao luxo de errar. Ele tinha uma extraordinária memória quando se tratava de feitiços e tramas, mas isso era muito importante. Ele encontrou-se orando aos deuses que houvesse, a cada um que ele já tinha ouvido falar em sua longa vida. Não a leve. Se acontecesse, ele iria

319


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 segui-la. Ele nunca permitiria que ela viajasse para o desconhecido, sem ele, mas ... As crianças. Ela se mexeu. Em sua mente. Lerda. Não podia pensar. Isso era ruim, muito ruim. Sielamet. Segurem-se em mim. Segure-se para mim. Mantenha-se em minha mente. Fique comigo. Ele estava implorando. Correndo tão rápido que era um borrão, mas mantendo o espírito em sua mente. Ele podia ver que a cintilação era fraca e leve. Falava com esses deuses que não tinha certeza se existiam, mas implorando de qualquer maneira. Ele sabia que os outros seguiram-no quando ele a levou através do labirinto do porão. Eles estavam todos muito preocupados. Cada respiração que Charlotte tomava era difícil. Cada sopro que emergiu da sua boca era revestido com gelo, pequenas partículas que foram lentamente congelando seus pulmões. Mesmo o tremor que teve parou, e que era um sinal muito ruim. Ele não podia se dar ao luxo de esperar mais um minuto. Ele olhou para Maksim e acenou com a cabeça. Maksim decolou na frente dele, movendo-se através das paredes do porão até que ele veio para o parecia ser uma parede de concreto sólido. A palma voltada a laje sólida, ele sacudiu a mão à esquerda e o concreto deslizou revelando o escuro, rico barro. Minerais brilhavam ao longo do leito do solo. Ele foi espalhado completamente sob o porão, um reservatório rico cuidadosamente trazido dos mais ricos solos encontrados nos Estados Unidos. Este era um local de cura. Este era o lugar onde Tomás tinha ficado por duas semanas e tinha se recuperado. Ele tinha oferecido o mesmo para Val, mas o antigo tinha recusado e tinha ido para outro lugar na floresta para se curar. — Ninguém poderia ter previsto isso. —Dragomir praticamente rosnou.

320


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Os outros ecoaram o sentimento, absolvendo-o, mas isso realmente importava? Não havia absolvição. Ele tinha lhe permitido entrar em uma situação sozinha e desprotegida. Não havia nenhum sentimento bom sobre isso, só culpa, raiva ou medo. Terror. Estava lá. Agarrando-o pelo pescoço e esmagando-o sob o seu peso. Ele não podia perdê-la. Agora não. Fique comigo. Fique por mim. Eu preciso de você, Charlotte. Tariq acenou com a mão e abriu o solo, dando-se muito espaço. Ele flutuava, Charlotte embalada em seus braços, para o que parecia ser uma sepultura dupla, pelo menos, dois metros e meio de profundidade. Os minerais brilhavam quando as luzes fracas no forro do teto iluminavam o barro escuro. Sobre o pavimento acima do solo, os caçadores Cárpatos formavam um círculo em torno da abertura e começaram a cantar. Os movimentos das mãos e dos braços eram coordenados, revertendo o que Vadim tinha feito séculos antes. Charlotte tentou. Por ele. Ele sentiu. A elevação do seu espírito apenas brevemente. A menor das cintilações, e então sua luz se apagou. Tariq não perdeu tempo. Ele cravou os dentes no pescoço de Charlotte, o pulso que deveria ter tropeçado de medo, mas mal estava lá. Ele tomou seu sangue rápido. Ela não sentia a mordida ou o chupar, então ele não tentou amenizar os efeitos. Ele tomou só o suficiente para uma troca, observando-a o tempo inteiro. Suas pálpebras estavam tão frágeis, quase transparentes sob a névoa de gelo, os olhos movendo-se continuamente atrás deles. Seus cílios eram longos e grossos, encontrando-se em meias-luas gêmeas contra sua pele pálida. Ela estremeceu. Trabalhou para respirar. Chiou. Ele estendeu a mão para o seu espírito, enquanto ele bebia, em torno da pequena diminuição da luminosidade para que ela não pudesse escapar dele. Seu sangue não aqueceu o corpo dela como deveria. Ele tinha engaiolado a lasca, certificado de que não poderia se libertar, mas ela estava usando sua medula óssea como recurso para continuar a infectá-la.

321


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Entre a lasca e as salvaguardas, Charlotte estava em apuros. No momento em que ele tinha tomado sangue suficiente, ele varreu sua roupa e usou sua unha para fazer uma laceração sobre os músculos do peito. Imediatamente ele segurou a parte de trás da cabeça dela em sua mão e apertou a boca nas contas de rubi borbulhando. Beba, sielamet. Beba por nós dois. Ele empurrou um comando em sua voz, amaldiçoando ter permitido que ela ficasse muito tempo nos túneis. Ela não tinha noção da passagem do tempo lá, mas ele sabia que ela estava perto de seu limite. Ele não havia pensado que as salvaguardas antigas de Vadim, trabalhariam para destruíla. Sua boca mal se movia. Ele fez uma careta e apertou-a mais perto, levando sua mente a dela, indiferente naquele momento a que ele poderia ter que encará-la mais tarde, se ela se opusesse. Impiedosamente ele a forçou, mesmo quando seu corpo estava cansado demais para obedecer. Ela não tinha outra escolha senão fazer exatamente como ele ordenava. Sua boca começou a se mover contra ele, tirando o sangue vital que sustentaria sua vida e garantiria que nada iria levá-la dele. Sangue rico e quente que iria encher seus órgãos de calor e reformulá-los. Mudá-la. Transformá-la. Salva-la. Não deixe que seja tarde demais. Deixe-me tê-la. Enquanto ela se alimentava, ele removeu suas roupas com um simples aceno de mão e envolveu ambos no solo rico, enterrando tudo exceto suas cabeças, de forma que a terra pode fazer o seu trabalho e cuidar dela, a aquecer. Trazer de volta o calor para seu corpo congelado. Quando ele teve a certeza de que ela tinha tomado sangue suficiente para sua terceira troca, ele abraçou-a, usando o calor do próprio corpo, entrando no corpo dela com seu espírito para facilitar a capacidade do seu corpo de aumentar sua temperatura. Dentro dela, ele encontrou ... gelo. Ele estava de pé com ela, seus braços em volta dela. Os outros caçadores Cárpatos tinham estado

322


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 tocando-a, as mãos sobre ela, mas não podiam ir para onde ela foi. Tinha sido tão veloz. Sem aviso. Eles podiam ver o desenrolar dos acontecimentos em suas mentes, mas não estavam presentes e não podiam saber que Vadim havia tecido uma salvaguarda. As memórias na madeira levou Charlotte e eles de volta para onde eles nasceram. Essa viagem era perigosa, e se ela ficasse muito tempo, ela ficava sem a capacidade de manter-se aquecida. A salvaguarda era bastante simples, e agia sobre a fraqueza do destinatário. Já fria, Charlotte tornou-se congelada. Mais, o feitiço tecido agravava o efeito, torcendo os órgãos internos gelados em massas congeladas. Os cânticos dos homens dos Cárpatos se levantaram e Blaze se juntou a eles, ao lado de seu companheiro, Maksim, sua voz adicionando uma nota feminina as vozes mais profundas crescentes, em um esforço para salvar a companheira de Tariq. Val Zhestokly chegou, pálido e cambaleando um pouco, os sinais de tortura ainda muito evidentes em seu corpo. Ele não estava sozinho. Para horror de Tariq, Liv estava com ele, segurando sua mão. Em pé na extremidade do que a criança veria como uma sepultura. Tariq fechou os olhos. Isto ia ser ruim. Muito ruim.

323


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

16mn Dando um suspiro profundo, Tariq abriu os olhos para olhar a criança. — Csecsemõ, bebê, você não pode ficar aqui. Isso pode ficar muito, muito feio. — Eu não a teria trazido se a mensagem não fosse importante, ekam, meu irmão, —disse Val, sua voz rouca e sem qualquer emoção. Tariq suspirou. — Você entende que isso vai ser feio. Nós podemos perder Charlotte. Liv olhou para ele com seus olhos assombrados, sacudindo a cabeça. — Emeline disse para fazer exatamente o que você está pensando. Ela precisa de todos nós. Cada um de nós. Eu disse aos outros para ajudar. Emeline disse que é a única maneira de salvá-la, Tariq, e precisamos dela. Nós precisamos de você. Nenhum de nós vai sobreviver sem você. Ele gemeu baixinho, alisando o cabelo de Charlotte. — Não diga isso, Liv. Você tem Danny, suas irmãs e Emeline. Você tem Val. A ligação é forte entre vocês. Ele acordou com sua chamada. Um arrepio percorreu o corpo de Charlotte enquanto ela estava deitada como se estivesse morta. Um bloco de gelo em seus braços. Sem mais tremores. Seu espírito, meramente, uma luz bruxuleante, fraca que ele tinha cercado e evitado que descesse pela árvore da vida. Ele sussurrou para ela. Em sua mente. Em seu ouvido. Suavemente. Amorosamente. Deixando-a saber que ela não estava sozinha.

324


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Eu estarei sempre com você, sielamet. Guardiã da minha alma. Do meu coração. Onde você for vou lhe seguir. Uma careta vacilou sobre seu rosto. Seus olhos se moveram por trás das pálpebras. Uma pequena trepidação de sua cabeça. Crianças. Elas estavam em sua mente, a preocupação de que elas não poderiam viver sem ele. Eu não posso sobreviver a sua passagem com honra, Charlotte. Ele deu-lhe a dura verdade. Devo segui-la ou me tornar a mesma coisa que eu cacei por séculos. A desonra. Forçar seus companheiros caçadores de encontrá-lo e destruílo. Ele era um antigo. Experiente em batalha. Eles teriam problemas, e ele podia matá-los do mesmo jeito que eles poderiam matá-lo. A ideia ... Ele balançou a cabeça. Eu vou onde você for, sielamet. Sempre. — Tariq, podemos salvá-la, —Liv reiterou. — Eu sei que nós podemos. Emeline sabe das coisas. Ela mostrou para mim. Ela disse que você sabe o que fazer. Temos que nos unir. Uma mente. Todos nós. Nós podemos fazer isso. — Csecsemõ, ela deve passar pela conversão. É difícil. Eu não posso tirar a dor e ela está muito fraca. Não é bom para você estar aqui, para ver isso. Liv travou o queixo, seus dedos se envolveram em torno de mão de Val tão fortemente que ficaram brancos. — Eu sei, eu tenho dez anos. Eu sei disso, mas tenho dons, e eu vejo a verdade na mente de alguém quando eu os toco. Eu sei o que está em Emeline. Ela vê a realidade em sonhos e ela me disse. Ela me disse para correr e chamar Val. Ela disse para lhe dizer que você estava certo de chamar todo mundo mesmo que pareça errado. Ela disse que modéstia ou bravura não são importantes, apenas facilitar a conversão para ela. Você estava certo o tempo todo em seu pensamento para as crianças. Ela disse que todos os Cárpatos e eu precisávamos conectar nossas mentes com a sua. Charlie precisa estar no solo, assim como você a tem. Ela disse: — Segure-se a ela, Tariq. E então ela disse que

325


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 esta é a forma de converter os outros e eu, todos nós, e você é o único que sabia disso, que você está com medo de perder qualquer um de nós, mas tem que ser feito. Ele perdeu o controle de sua mulher e ela estava morrendo. Agora, ele tinha perdido o controle de sua filha. Pequena e brava Liv. Dez anos de idade. Ela já podia ouvir o caminho comum telepático que todos eles utilizavam. Ela era muito mais velha para sua idade e jovem demais para as coisas terríveis que aconteceram com ela. Coisas que não podia evitar. Ele tinha que confiar que Emeline soubesse o que estava falando. Ele tinha que acreditar que ela sabia. Nunca arriscaria Liv. Nunca. Ela estava tentando salvar a criança, bem como Charlotte, embora ele tivesse preferido que ela tivesse falado com ele ou com Amélia. Ele olhou para Maksim. Maksim levantou uma sobrancelha, mas Blaze balançou a cabeça várias vezes. — Emeline nunca diria para Liv vir aqui se não fosse importante, Tariq. Ele não entendia por que Liv tinha que ser uma testemunha, mas o corpo de Charlotte de repente se contorceu em seus braços e ele só podia pensar em salvá-la. O solo a impedia de se mover ou se debater, mas a onda de dor foi tão repentina, tão intensa, que ele estava certo que por sua própria vontade seu corpo teria enrolado em posição fetal. Ele a virou de lado, seus braços segurando-a contra ele, o solo a embalando hermeticamente para manter seu corpo frágil no lugar enquanto o sangue reformulava seus órgãos e se livrava das toxinas. Todos juntos, Tariq estava tentando pensar em uma maneira de ajudar as crianças em sua conversão. Ele tinha pensado, e descartado, várias ideias, mas sua mente continuava voltando para a ideia de todos os Cárpatos juntos auxiliando as crianças quando a conversão ocorresse. Eles eram muito mais poderosos como um todo. Ninguém tinha pensado em tentar.

326


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Um macho convertia sua companheira, e era um processo cansativo, difícil, e a maioria das mulheres iria achar censurável que qualquer outro a visse tão vulnerável. Nua, doente, na maioria dos casos em convulsão. Despida de toda a dignidade. Nenhuma mulher gostaria que alguém a visse assim e ninguém iria querer isso para ela. Ainda assim, a ideia, não importava quantas vezes ele a tinha abandonado, voltava para ele porque era lógica. Juntos, eles eram extremamente poderosos. Tariq faria qualquer coisa para poupar a dor em sua mulher. Mesmo sacrificar a sua dignidade. Agora, quando a vida dela estava em jogo, ele não tinha outra opção. Ele tinha que ter os outros lá, e se Emeline tinha sonhado que foi um sucesso porque os outros estavam presentes, então ele ia agarrar essa centelha de esperança e segurá-la. A dor se chocou contra o corpo de Charlotte, quase esmagando-a. Podia sentir através dela. Excruciante. Lhe roubando o fôlego. Da mente. Do foco. Por um momento ele vacilou. Como ela aguentaria isso? Como poderia algum deles? Uma criança de dez anos de idade, e muito menos uma criança de três anos de idade. O canto cresceu em volume e, em seguida, se derramou em Charlotte através dele, uma tábua de salvação como nenhuma outra. Tariq estava assumindo o máximo de dor possível para ela, e em torno do espírito dela ao mesmo tempo, para evitar que ela fosse muito longe deles. Os outros tomaram pequenas porções da dor dele até que houvessem deixado muito pouco para Charlotte suportar. Seu corpo se contorcia sob o ataque da conversão, mas o solo suavemente segurava-a junto a Tariq. Quando seu corpo expulsou as toxinas, a terra absorveu-as rapidamente e levou-as para longe dela, deixando-a limpa. Ainda assim, mesmo com o poder e esforços coordenados de todos os Cárpatos presentes, os cantos de cura e mesmo o inesperado impulso chocante de Liv, Danny e Amélia, Charlotte continuou a se desvanecer. Eles seguraram a dor dela, mas o pedágio em seu corpo por causa da

327


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 salvaguarda gelada de Vadim e a presença da lasca em seu corpo foi impossível neutralizar. Segurando-a para si, Tariq percebeu que não tinha escolha, tinha que fazer algo sobre a lasca. Vadim podia não ser capaz de ir atrás de suas células vermelhas no sangue, enjaulado como ele estava, mas a influência sutil estava lá. Essa influência estava matando seu corpo. Ela já estava escorregando para longe dele. Independentemente do perigo, ele tinha que correr o risco. Dragomir, ela ainda está desaparecendo. A lasca de Vadim permanece dentro dela. Eu acho que juntos podemos extraí-la. Eu aviso que ele vai lutar contra nós. Ele precisava que Dragomir soubesse que eles iam para a luta de suas vidas. Logo que a gaiola em torno da lasca fosse levantada, Vadim faria o seu pior. Ele sentiria que sua presa estava fraca e seria duro com tudo o que tivesse à sua disposição. Eliminar a lasca do corpo no meio da conversão era loucura, mas Tariq tinha que acreditar em seu instinto. Emeline o tinha lembrado disso, enviando sua mensagem através de Liv. É muito perigoso. Devemos esperar. Nós temos que fazer isso agora. Ele está atacando. Se não o pararmos ele vai ganhar esta batalha no final. Nós a convertemos com muito pouca dor, mas ela vai morrer. Ele colocou convicção em sua voz. Dentro da mente dele, ele sabia que falava a verdade. Ele era um curador bom o suficiente para sobreviver, mas não como Dragomir tinha a fama de ser. Tariq preferia ter esperado por um Daratrazanoff, de uma linha lendária de curadores, mas o tempo tinha acabado. Você segura a sua mulher com você. Inesperadamente foi Siv que interveio, um homem muito parecido com Dragomir. Ele também tinha estado no mosteiro, o lugar para onde os caçadores muito antigos recuaram quando tudo estava perdido para eles. Sem memórias. Sem emoção. Sem cor. Nem mesmo o sussurro da

328


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 tentação. Depois de séculos caçando vampiros, eles acreditavam que era covardia procurar o amanhecer, então se retiraram para o mosteiro para proteger seres humanos e Cárpatos igualmente. Siv era meio século mais velho que Dragomir, provavelmente o mesmo tempo de Val. Vou ajudar Dragomir enquanto você mantém o espírito dela em suas mãos. A oferta inesperada era humilhante a Tariq. Como qualquer outra pessoa, ele ficava inquieto na presença dos três caçadores lendários. Qualquer homem com a tatuagem do mosteiro era imprevisível e extremamente perigoso. Ele os acolheu como caçadores, como irmãos, mas os observava de perto. Vou acrescentar a minha força aos meus irmãos. Esse era Val. Vou protegê-los, enquanto a mulher de Maksim e os outros assumem a dor, disse Nicu. Aí estava. Solidariedade. O que significava ser Cárpato. Eles estavam longe das montanhas de seu nascimento. Longe de seu Príncipe e seu poder. Ainda assim, estavam juntos como sempre faziam em tempos de problemas. Protegendo suas mulheres e crianças. Eu vou passar a vocês as salvaguardas que seguram a gaiola tecida em torno da lasca. Tomem muito cuidado para que ela não ataque um de vocês, Tariq advertiu. Dragomir fez um som. Uma única nota de desgosto que falou muito. Ele havia conhecido a família Malinov, não Ruslan e seus irmãos, mas seus pais. É evidente que ele não pensou muito neles ou na ameaça que representavam, e que era o que mais preocupava Tariq. Se os do mosteiro, que ficaram isolados enquanto o mundo mudava tão drasticamente, enquanto os seus inimigos mudavam, subestimassem o perigo, eles poderiam cair. Tariq sabia que eles usavam o antigo método de compartilhamento de informações para recuperar o atraso sobre tudo o que tinham perdido ao longo do tempo. Todos os Cárpatos o faziam, mas os

329


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 meandros da tecnologia, das armas sofisticadas que os homens haviam desenvolvido, os sistemas de monitoramento, os perigos do telefones celulares e câmeras, tudo seria difícil para uma antigo entender em uma noite. Durante todo o tempo Tariq segurava Charlotte perto, sentindo os tremores e contorções de seu corpo, segurando a minguante luz com ele em sua cobertura de solo rico em minerais. Eu estou com você, sielamet. Tente não se afastar muito de mim. Você vai sentir os outros entrarem. A luz será poderosa. Eles estão indo para ajudá-la, para remover todos os vestígios de Vadim de você. Ele não queria que ela temesse os outros, e sabia que ela queria se livrar de qualquer parte de Vadim. Saber que eles estavam removendo a lasca dela podia ajudar a mantê-la com ele. Sua luz tinha movido polegadas para baixo, viajando longe de seu corpo, batendo contra o círculo que ele tinha criado para conte-la. Estou com você, ele sussurrou novamente. Suavemente. Intimamente. Em sua mente. Fique comigo, Charlotte. Conosco. Nós precisamos de você. Todos nós. Dragomir era tão poderoso que, quando entrou puro espírito, parecia uma invasão. Uma incorporação. Mais, seu espírito não era pura luz como todo o espírito de cura era. Tariq nunca tinha visto a um espírito tão devastado. Não era mais do que listras continuas. Mais marfim do que branco, e o marfim era manchado e desgastado. Siv entrou em seguida e como Dragomir, sua presença era pura dominância. Seu espírito já não era branco e sólido, mas uma mistura de faixas de luz prata e branca. Val foi o último a entrar. Sua entrada foi lenta e houve um breve lampejo de dor que ele não conseguiu impedir os outros de sentir enquanto ele saia de seu corpo para se tornar espírito. Como os dos outros dois do mosteiro, o espírito de Val era de uma cor diferente do esperado, mais um ouro antigo, não menos brilhante, mas manchado com estrias escuras que passavam através da luz.

330


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Tariq não tinha nada para fazer referência a cor desses espíritos, novamente, teve que ir com seu instinto e acreditar que os três estavam lá para ajudar Charlotte antes de tudo. Ele a puxou para mais perto dele e sentiu o calor que varria através de seu corpo, prestando atenção primeiro a todos os órgãos, se assegurando que seu corpo estava aceitando a conversão, em seguida, acelerando o processo. A três luzes, marfim, prata e ouro, se aproximaram da caixa torácica dela e da barreira que Tariq tinha construído em torno da lasca de Vadim. Marfim ficou no centro, totalmente de frente para a lasca, enquanto ouro foi para a esquerda e prata para a direita. Eles estudaram a situação com cuidado, e começaram a desvendar as salvaguardas de Tariq. As lascas atacam os glóbulos vermelhos, Tariq lembrou. Charlotte tinha enviado as informações pelo caminho comum, mas ele tinha visto antes, quando estava examinando o caminho destrutivo da lasca. Ele fez um verme mortal que viaja ao longo dos tempos. Eu já vi isso feito por um mago, mas nenhum dos Cárpatos já fez. A voz de Dragomir era leve, uma deferência ao corpo falhando de Charlotte. Esses vampiros estão misturados com magos. Esse era Siv. Ele também falou suavemente, incluindo Charlotte no caminho comum. Nós crescemos com o pai de Xavier. Ele sabia mais do que seu filho poderia saber, disse Val. A voz dele falhava muito pouco, mas o suficiente para Tariq perceber o que a experiência fora do corpo estava custando a ele. Seu nome era Alycrome. Enquanto ele tranquilizava Charlotte, Dragomir e os outros dois caçadores continuavam a derrubar as salvaguardas em torno da lasca. Ele não tinha problemas em ensinar aqueles de nós que gostávamos de aprender. Sentei-me em seu joelho quando eu não tinha mais do que quatro anos. Eu devia ter uns vinte anos quando ele nos mostrou a lasca e como colocá-las em outros.

331


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Siv assumiu, murmurando, todo o tempo que eles distribuíam luz de cura ao longo do corpo de Charlotte e ainda assim se mantinham pacientemente derrubando as camadas de salvaguardas. Alycrome nos disse que ninguém tinha o direito de assumir em detrimento de outro, a menos que fosse em legítima defesa, sobrevivência, ou para salvar a vida de outro. Colocar uma sombra de si mesmo em outro é uma forma de agressão. Uma forma de assumir essa pessoa e torná-la um fantoche. Os braços de Tariq puxaram Charlotte mais perto enquanto ela estremecia contra ele. Ele havia se perguntado como Vadim evitava que os psíquicos humanos fossem fantoches completos, não precisando de carne e sangue para sobreviver, mas ainda sob seu controle. Lascas. Vadim estava usando lascas de si mesmo, pequenas sanguessugas sombrias deslizando para dentro e se alimentando do anfitrião. Vadim podia controlar pensamentos sutilmente dessa forma. Quando queria que o anfitrião fizesse algo, era fácil para Vadim assumir o controle. Ele era inteligente o suficiente para oferecer a cada ser humano de seu exército que quer que o homem mais desejasse. Tariq enviou a informação aos outros, de modo que eles soubessem o que estavam enfrentando no exército humano de Vadim. A única coisa que se tem para lembrar sobre lascas, sisarke7, porém todos escolhem esquecer ao longo dos séculos, é o que fazem ao kuly8 é peje9 que é tão ignorante de como usá-lo, Dragomir continuou. Vadim nada mais é do que um verme, Charlotte, e você irá se livrar dele para sempre. Tariq falou suavemente, segurando a luz dela no círculo que ele ____________________ 7

sisarke – é pequena irmã.

8 9

kuly – é literalmente um verme, um demônio que devora almas.

peje – é queimar ou neste idioma seria fodido. Um termo muito ruim.

332


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 tinha feito para garantir que ela não escapasse. Ela já não estava lutando para se libertar, ela ficou muito quieta, permitindo que o sangue dele trabalhasse através dela, removendo todos os vestígios do ser humano que ela tinha sido e remodelando-a como Cárpato. Em alguns níveis ela estava consciente, muito consciente, dos espíritos dos homens dentro de seu corpo, ajudando a curá-la, enquanto eles trabalhavam, ela estava ouvindo, e ele estava ajudando a combater a dor e o medo de conversão. Alycrome dizia a todos aqueles que quisessem ouvir que cada lasca tirada do criador era um pedaço dele que se ia, diminuindo-o, disse Dragomir. Xavier não se importava em ouvir. Ele passou seu tempo aprendendo cada feitiço escuro sem aprender as repercussões deles. Ele pensava que estava acima das consequências. Ele se achava mais esperto do que seu pai. Esse era Siv. Ah. Agora eu vejo. O verme. Uma espinha de peixe causando tais problemas. Não se preocupe, sisarke, isto não será problema para seu companheiro e nós três. Entregue-se a ele, enquanto nós eliminamos este kuly. Tariq estava muito consciente da sombria lasca tentando se enterrar fundo na costela de Charlotte. Ele podia ver a cauda dela se contorcendo sob as poderosas luzes combinadas dos três antigos. Ele tinha perdido o ensinamento de Alycrome por alguns poucos anos. Xavier tinha subido como mago mestre após a morte de seu pai, e Tariq havia estudado com ele. Xavier certamente não tinha ensinado a qualquer um deles que o uso de uma lasca diminuiria o criador. Siv e Val se mexeram abruptamente, juntando-se a Dragomir, de modo que havia apenas um feixe poderoso, a energia dos três antigos concentradas em um sopro quente quando derramaram a luz sobre o verme. A cauda começou a fumegar. O verme bateu duro, para a frente e para trás, o osso agora era uma armadilha, em vez de um refúgio.

333


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Os três antigos se recusaram a parar, despejando energia branca, quente na cauda da lasca. Charlotte engasgou e arqueou as costas, meio sentada, a terra caindo ao redor deles como um chuveiro. Tariq cobriu seu rosto e colocou seu corpo em torno dela, cobrindo-a, segurando-a no lugar. Ela sente algo. Isso é Vadim atacando, disse Siv. Ele sente o calor. Esta lasca é parte dele. Queima. E queima em seu cérebro. A sombra empurrava para a frente, tentando penetrar mais profundamente no osso. Não podia se enterrar rápido o suficiente, por isso tentou recuar. A cauda começou a enrolar em cinzas enegrecidas. Frenética, o sombrio parasita atirou-se para o lado, colidindo com o osso mais e mais com duras rajadas curtas, de poder de ambos os lados. Um flash de dor disse a Tariq e os outros que formavam o círculo que Vadim tinha quebrado a costela, mas não perfurado através do osso para escapar como pretendia. — Ela não pode aguentar isso, —Blaze sussurrou em voz alta. — Ela está muito longe. —Ela colocou os dedos firmemente em torno de Liv e empurrou a cabeça da criança contra sua coxa. — Tariq, detenha-os. Se ele os detivesse, daria tempo para a lasca consumir as células vermelhas do sangue e, talvez, encontrar outro lugar para se instalar onde eles não pudessem encontrá-la. Charlotte detestava ter a coisa dentro dela. Eu estou com você, sielamet. Bem aqui. Eles estão destruindo a lasca, e ela está lutando. Fique comigo. Eu preciso de você aqui comigo. Ele murmurou as palavras em sua mente, mas mais, ele empurrou a sensação. Serviu-se de lá. Encheu-a com ele. Ela mexeu-se então, seu espírito se moveu contra o círculo que ele tinha formado, mas para sua surpresa, ele se mexeu para a frente, de volta para seu corpo e longe das sombras presas na árvore da vida.

334


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Remova-o. Eu não me importo sobre a dor. Tire-o de mim. Cada palavra era distinta. Fraca, mas distinta. Charlotte queria Vadim fora dela e deu seu consentimento para os três antigos fazerem o que era necessário. Ela se acomodou contra ele, seu espírito contra o seu. Fundindo-se com o seu. — Tariq, você tem que parar com isso, —Blaze reiterou. — Ela está muito fraca. Houve um momento de silêncio. Uma respiração. Uma inalação e exalação coletiva de modo que foi ouvida em todo o porão. Sua mulher, sua ordem, disse Dragomir. Contra ele, o corpo de Charlotte estremeceu de dor. Seus olhos se agitaram, cílios abrindo só um pouco. Havia um apelo lá. Mais, havia absoluta confiança. Tire-o dela. Agora. Tariq conhecia sua mulher. Ela era uma lutadora, uma mulher de coragem. Charlotte queria isso ainda mais do que ele. Vadim não tinha lugar no seu mundo, seu santuário. Charlotte se esforçou para superar a dor. Ela podia vê-la gravada no rosto de Tariq, e ela sabia era muito, muito ruim, muito pior do que sentia, e ela definitivamente sentia. Assim, com todos eles assumido a maior parte da dor, ela sabia que até as crianças poderiam aguentá-la o que lhe dava conforto. E se eles adicionassem mais Cárpatos, poderiam tomar ainda mais a dor de Bella e Lourdes? E Liv, Amélia e Danny? Porque eles tinham que ser convertidos. Ela sabia, com a mesma certeza de cada Cárpato no quarto. Em primeiro lugar, havia Liv. Ela estava ligada a todos eles através de Val. Ele tinha forjado um caminho para salvá-la, mas agora todos eles podiam ver o que tinha sido feito para ela. O fantoche rasgando em sua a carne com dentes selvagem. Os ruídos dele engolindo seu sangue. A

335


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 queimadura do sangue de Vadim quando ele forçou-a, o seu o horror e o terror de tomar o sangue do vampiro. À noite, durante o sono, se ela se atrevia a dormir, o vampiro vinha a ela e sussurrava demandas. Ele queria que ela matasse suas irmãs e irmão. Matasse Tariq. Ele disse a ela como matá-lo. Ele disse o que faria com ela se não lhe obedecesse. Não era de admirar que a criança parecia tão assombrada. Mais, se ele sussurrava esses comandos para Liv, o que estava exigindo de Emeline? O trauma estava cobrando seu pedágio em Liv. Ela planejava acabar com sua vida se Tariq não a convertesse. Ela estava convencida de que iria eventualmente, ficar louca e ferir sua família. Eu nunca vou deixar que isso aconteça, sielamet. Ela é vigiada dia e noite. Você tem que convertê-la. Assim. Com todo mundo ajudando. É por isso que Emeline queria ela aqui, então ela podia ver e sentir como é feito. Não havia outra explicação. Emeline podia ver o futuro através de seus sonhos. Se ela queria Liv aqui, era por um propósito singular, ela precisava ser convertida, e Emeline não queria que ela tivesse medo. Tariq era um homem tão bom. Não havia ego, e isso, ela decidiu, era o que fazia dele uma boa escolha para marido e pai. Ele não se importava com o que lhe foi creditado ou não. Ele não tinha que ser um herói, o que o fazia ser um a seus olhos. Ele permitiu os três antigos dentro dela, movendo-se através do corpo dela, e mais, em sua mente, a fim de trazerlhe paz. Para remover uma ameaça para ela. Ela o amava ainda mais por isso. Através de Charlotte, todos os presentes sentiram o ódio astuto de Vadim de todos os Cárpatos, mas em particular do Príncipe e sua família. Ele não se importava com mulheres ou crianças, apenas sobre como poderiam ser usados por ele. Ela pegou flashes dele rasgando várias pessoas, bebendo sangue, espirrando ao redor e empurrando-os fora de um navio. Ela sabia que os outros o fizeram também. Nada era sagrado para ele. Absolutamente nada e ainda ... todo o seu foco era o complexo

336


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Asenguard. Havia algo lá que ele queria e ele iria sacrificar cada um de seus soldados, seus peões, seu enorme exército para obtê-lo. Charlotte sentiu outra rajada de dor quando a lasca enterrada em sua costela mudou de tática. Agora que a costela estava quebrada, a coisa tinha mais espaço de manobra. Ele balançava de um lado para o outro sob a terrível explosão incessante de energia branca-quente. Obrigou-se a deitar o mais relaxada possível, puxando força dos braços de Tariq enquanto a lasca atacava. Foi um ataque, nada menos. Vadim queria obrigá-la a impedi-los. Ela estava tão determinada que o vampiro não iria conseguir o que queria. Eu estou apaixonada por você, Tariq. Ela precisava dizer a ele e agora parecia um bom momento. Doía-lhe o corpo como o inferno, e ela sabia que o dele também. Sentia muito mais dor do que ela e ela achou que deixá-lo saber o que significava para ela era uma boa maneira de dizer-lhe obrigado. Os braços de Tariq a apertaram e ele enterrou o rosto em sua nuca. Mais do que a vida, Charlotte. O próprio ar que eu respiro. Você é fél ku kuuluaak sívam belső, minha amada. Também é verdadeiramente e literalmente hän ku vigyáz sívamet és sielamet, guardiã do meu coração e alma. Quando ele falou em sua língua, com aquela voz linda, fascinante que ela amava, que sentia como amor, a lasca ficou muito quieta, como se estivesse paralisada. Imediatamente os três antigos bateram duro, explodindo-a com energia e a luz branca, quente. Charlotte sentiu o terrível flash, a queimadura ao longo de sua costela quebrada. Ela respirou fundo e soltou lentamente, tentando montar em cima da onda de dor. A lasca não poderia escapar a luz derramada sobre ela, através dela. Parecia como se alguém estivesse tomado uma tocha e colocado em sua costela, e ela sabia que Tariq assumiu a maior parte da dor, assim como, a protegeria de qualquer outra coisa terrível que viesse em sua direção. Assim como ele iria proteger seus filhos.

337


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Eu não sei como lhe dizer em sua língua, o que soa sexy e bonito quando você fala comigo, mas você é o detentor do meu coração e alma, Tariq. Enquanto você me quiser, vou ser a sua mulher. Ela quis dizer cada palavra e, surpreendentemente, sua voz soou suave e amorosa. Não, era macia e amorosa. Tanto que ela ouviu Vadim gritar sua raiva e frustração. Ela sentiu seu medo e agradou a ela que o terrível monstro que achava ser imparável poderia conhecer o medo quando enfrentava os Cárpatos de frente. Ela se estendeu para Liv. Veja, bebê? Ele está com tanto medo de nós como temos tido dele. Ele está. Havia maravilha na mente de Liv. Choque. Conhecimento. Charlotte estava fraca demais para ir até ela. Ela nem sabia se poderia ficar de pé novamente, e o três antigos estavam profundamente dentro dela, determinados a livrá-la da lasca. Sob camadas de terra Charlotte estava nua. Ela não tinha ideia de quanto os outros tinham visto ... Sielamet. Apenas isso. Uma palavra. Mas com tanto significado. Agora era diversão masculina. Repreensão. Eu vou protegê-la sempre. Cárpatos não compartilham bem com os outros. Ela adorava que no meio da vida e da morte, a conversão, a luta para destruir um monstro grudado nela, Tariq era sempre a calma do olho da tempestade. Assim constante. Sua rocha. Ele lembrou de esconder seu corpo nu dos outros e era grata a ele. Grata que enquanto seu corpo expulsou todas as toxinas, ele a protegeu e a terra absorveu tudo, escondendo a confusão da visão dos outros. Ela achou estranho e simplesmente aceitou ser deitada na terra, utilizá-la como um cobertor, embalada hermeticamente ao redor dela. O conhecimento que eles estavam embalados na terra deveria ter feito seu coração bater em trepidação, mas sua mente estava muito ocupada com o fato de que ela poderia ter mais dessas terríveis queimaduras em suas

338


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 costelas. Isso e o fato de que as crianças mais velhas deveriam ser capazes de atravessar a conversão sem danos ou muita dor. Relaxe, Charlotte, Tariq aconselhou. Sua mão se moveu suavemente sobre as costas dela quando ele a puxou para ele, frente à frente. Ela não tinha percebido que estava tensa, lutando contra a dor, mas foi piorando, queimando sua costela até que ela queria gritar. Ela olhou para o rosto de Tariq. Estava inabalável. Sem expressão. Ela se moveu através de sua mente ... Não! Era uma ordem afiada. Ela sabia. Ele estava tomando mais do que sentia, enquanto os três antigos tentavam destruir a lasca. Vadim reagiu, atacando-a, tentando forçá-la a fazê-los parar. Mais uma vez, Tariq ficou solidamente entre ela e dor que teria sido demais para ela. Ela colocou as mãos sobre o peito, chocada de como a terra respondeu a seu movimento, quase antecipando o que ela queria. Sentia-se quente e encapsulada. Fechando os olhos, ela começou a respirar profundamente, lenta e progressivamente, usando sua respiração meditativa para ficar relaxada. Ela empurrou tudo para fora de sua mente, menos a lasca.

Você não vai me derrotar. Eu vou matar essas crianças na sua frente. O sangue de seu companheiro correrá como um rio por você quando eu permitir que Fridrick tome o que é seu por direito. O corpo de Tariq endureceu uma vez, o único sinal de que ele ouviu. Blaze e Liv fizeram um som de choque, de negação. Todos eles ouviram a voz sarcástica de Vadim. Dragomir, Siv e Val derramaram a luz branca, quente na lasca, ampliando a sua explosão para que não houvesse lugar para a pequena parasita se esconder. Eles tinham quebrado o osso quase além de reparo, mas Tariq tinha evitado que Charlotte sentisse o pior da dor e ela ainda

339


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 permanecia, recusando-se a pôr fim ao lento, tedioso trabalho de extrair a lasca sombria de Vadim de seu corpo. Nós vamos encontrá-lo e destruí-lo, peça por peça, Tariq respondeu. Sua voz não estava supondo, seu tom era certeza, como se fosse uma conclusão de que, eventualmente, Vadim seria pego e destruído. Charlotte não conseguia parar o tremor que corria por seu corpo quando o vampiro mestre retaliou contra ela, a lasca atolou-se em uma das muitas rachaduras e quebrava o osso. Vadim derramava força na lasca vingativa, com foco em machucá-la, querendo que ela gritasse aos antigos para parar. Seu corpo ficou tenso, apesar de seus comandos para relaxar. Todos os músculos apertados. Ela já estava exausta da viagem de volta através do túnel, cada polegada sua coberta de gelo, então a conversão, seus órgãos remodelando, o corpo passando a uma espécie diferente, e agora o mestre vampiro a golpeando, machucando-a, quebrando não só uma costela, mas conseguindo o esmagamento de duas outras. Não parem, ela implorou aos antigos. Não importa o que, não parem. Os três homens eram implacáveis, determinados e sem piedade. Sua luz combinada seguiu a sombra a todos os lugares que ia, a cada canto e recanto, recusando-se a permitir que ela saísse dos ossos de sua caixa torácica para o resto de seu corpo, onde poderia fazer ainda mais danos. Vadim sentia cada pedaço da dor da lasca. Cada queimadura. Cada vez mais o pequeno objeto virava cinzas. Enterrando-se o mais profundamente possível na costela de Charlotte, querendo mais vingança, sabendo que se os caçadores queriam matá-la, teriam que causar uma dor excruciante em Charlotte. Façam, Charlotte e Tariq mandaram simultaneamente. Os braços de Tariq apertaram ao redor dela e ele embalou-a perto dele, tentando protegê-la quando os antigos jogaram o que parecia ser um

340


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 maçarico em suas costelas. Ela suspirou e apertou a boca aberta contra peito de Tariq. Uma parede sólida. Seu coração batia um ritmo constante. Os Cárpatos em torno deles começaram um canto, repetiram a mesma coisa uma e outra. Muonìak te avoisz te. Muonìak te avoisz te. Muonìak te avoisz te. O que estão dizendo? Mesmo que ela pudesse ouvir o suspiro de dor em sua voz, isso não importava, ela precisava de algo para preencher sua mente e empurrar a dor. Eles obrigam a sombra a se revelar. Mostrar-se aos antigos. Ela soube o momento exato que Vadim percebeu que não poderia salvar qualquer porção da lasca que tinha sido retirada de seu corpo. A lasca foi à loucura, batendo mais e mais em suas costelas e depois sucumbindo ao terrível fogo concentrado. A energia branco-quente consumiu o último pedaço da sombra, transformando-a em cinzas até que ela se desintegrou sob o olhar atento dos antigos. Ela podia senti-los, o terrível pedágio que a luta tinha cobrado deles. Eles estavam fora de seus corpos, espírito puro, e ainda assim eles não recuavam. Eles foram para a cura de suas costelas quebradas e moveramse através do corpo dela, polegada por polegada para ter certeza de que não havia vestígio de Vadim e que todos os órgãos e células do seu corpo estavam curados. Os três antigos estavam tomados pelo cansaço quando voltaram para as suas formas. Eles a afundaram no solo rico, agachando-se como se para recuperar o fôlego, embora nenhum deles fizesse um som. — Val? —A voz de Liv tremeu, mas ela parecia muito valente. — Eu posso sentir que você está com fome. —Ela aproximou-se dele e penteou para trás o cabelo de seu pescoço. — Eu não pude ajudar Charlotte, não realmente, mas você pode ter meu sangue.

341


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Houve um silêncio no porão. Dragomir e Siv ambos se viraram para Liv e fizeram-lhe um pequeno arco de corte10 que embora ficassem mais parecidos com acenos, mas eram definitivamente gestos de respeito pela criança. Val passou o braço em torno de Liv. — Sisarke, você é incrivelmente generosa para oferecer tal precioso presente para mim. Eu estou com fome, isso é verdade. Quando se deixa o corpo se paga um pedágio. Ekam, meu irmão Lojos, ofereceu também e ele é muito maior do que você. Eu posso ter muito mais sangue dele sem feri-lo. Agradeço-lhe, sisarke. Val se levantou lentamente quando Lojos se aproximou, mantendo seu corpo entre o antigo caçador e a pequena menina. Estendendo seu pulso em direção a Val, Lojos acenou para a criança, que envolveu seu braço ao redor da perna de Val. — Saasz hän ku andam szabadon ekam, tome o que eu ofereço livremente, meu irmão. —Com uma unha ele cortou um longo corte profundo, em seu pulso. Val tomou a oferta e bebeu. Tomás ofereceu seu pulso para Siv com as mesmas palavras rituais e, sem hesitar, Mataias estendeu seu pulso para Dragomir. Foi Maksim que alimentou Tariq. Havia algo puro e bonito na forma como os Cárpatos cuidavam um do outro. Charlotte sabia que todos os Cárpatos estavam desconfortáveis na presença de Dragomir, Siv e Val, mas eles ajudavam sem um pensamento para a sua própria segurança e cuidavam de seus irmãos. Ela não sabia o que definia os três homens dos outros. Os trigêmeos eram predadores assustadores, isso era fácil o suficiente de ver, mas os três homens que tinham vindo em seu auxílio tinham outra coisa sobre eles que os definiam, algo que não era humano ou civilizado. Eles eram como animais, mas ardilosamente inteligentes e tão experientes na batalha que ____________________ 10

arco de corte – e um cumprimento feito por homens a Realeza. Um ligeiro abaixar de cabeça e olhos,

em respeito.

342


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 era assustador. Sielamet. Você deve descansar agora. Eles te curaram, mas você está exausta. Blaze vai ver a Liv e as outras crianças. Ela vai falar com Genevieve para ela cuidar de Lourdes por um par de noites. Quando você acordar, eu estarei com você. Esta era a parte mais difícil. Ela tinha aceitado a conversão e tudo o que vinha com ele. Ela abraçou ser Cárpato, mas ... havia isto. Dormir no solo. Ela teve que admitir, parecia reconfortante, mesmo calmante, mas não sobre o rosto. Lendo sua necessidade de um atraso de alguns momentos para que ela pudesse entrar em acordo em dormir no solo, Tariq mudou de assunto. — Emeline queria que Liv visse o que ela vai enfrentar. Ela também queria que ela tivesse confiança no fato de que os Cárpatos estariam lá para ela quando ela precisar deles. — Isso é verdade. —Charlotte se aconchegou mais perto dele. Ela estava cansada. Esgotada. Ela confiava nele para ter certeza de que não se sentiria como se estivesse enterrada viva. — Eu só queria saber como Emeline pode ter fé em nós para os outros, mas não para si mesma. — Eu acho que ela só precisa de tempo. —Charlotte beijou sua garganta e fechou os olhos. — Eu preciso dormir, Tariq. Só não me deixe acordar ainda sob o solo. — Claro, sielamet. Eu tenho você. Sempre.

343


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

17mn Sob o solo, no porão da enorme mansão vitoriana, os olhos de Tariq se abriram e ele mandou a terra abrir acima dele e tomou sua primeira respiração. Charlotte estava em seus braços, e quando ele agradeceu que ela estava dormindo, ela se mexeu. Seus olhos se abriram, e ele pode ver o pânico neles. Não posso me mover. É a paralisia da nossa espécie. O sol ainda está alto. Não podemos nos mover durante estas horas. Enquanto lhe dava essa explicação ele já estava avaliando a razão de ter sido acordado antes do sol cair. Seu coração foi à loucura. Sério, Tariq, não posso me mover. Tariq escaneava o complexo. Deixe seu coração seguir o ritmo do meu. Relaxe. Normalmente dormimos durante este tempo. Estou surpreso que você despertou. Ele não deveria ter se surpreendido. Ele devia ter esperado que alguma coisa a ver com as crianças chamaria sua atenção. Isso parou seu pânico. O que está errado? Por que eu acordei? Sinta o complexo acima de nós. Deixe a sua mente se expandir para abraçar tudo. Você pode olhar acima e seguir o complexo. Sempre quando você acordar, deve fazer isso. Isso permite que você sinta se um inimigo está próximo. Neste caso, você deve encontrar ... Liv. Ela está sozinha, andando longe de casa. O que ela esta fazendo? O medo penetrou a voz de Charlotte.

344


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 No fundo, ele teve que admitir, ele sentia o mesmo medo, mas se recusou a deixá-la ver ou sentir. Liv era frágil. Muito frágil. Ele temia que ela fosse prejudicar a si mesma. Ele deveria ter considerado a conversão dela na mesma noite que converteu Charlotte. Ele tinha estado tão preocupado que prejudicariam as crianças, que a dor seria demasiada grande para elas, mas tinham encontrado o caminho para fazê-lo. Ele só tinha dúvidas remanescentes. Eles eram crianças. Ainda … Ele tocou a mente de Liv. Ela estava dormindo. Ele não estava surpreso com isso, muitas vezes ela andou em seu sono. Eu vou te mostrar. Eu construí um centro de comando aqui, para o caso deste lugar ser atacado durante o dia quando eu não pudesse defendê-la também. Mas não posso me mover. Nem um músculo. Isso pode ser feito com paciência e prática. Eu tive muitos anos para descobrir como fazer isso. Eu tenho vivido no mundo humano há séculos. Eu tive que me adaptar as formas modernas e pensar em termos da guerra moderna. Ele acenou com a mão, sem mover seu braço e um console baixo apareceu, em seu lado direito. Lá em cima, algumas telas iluminadas com um brilho estranho. Todo o complexo, cada casa, as linhas da cerca, da costa, tudo isso apareceu nas várias telas. Liv caminhava lentamente, de forma constante, um pé na frente do outro, longe das casas e em direção ao portão. Donald. Mary. Liv está em pé novamente. Tariq enviou a chamada, certo que eles já estavam em movimento, preparados para as escapadas de Liv durante o dia. O casal estava sempre pronto para interceptá-la quando o sonambulismo a atacava e levá-la para a cama. Logo que ele enviou o alerta, Donald e Mary apareceram na tela, de mãos dadas como sempre faziam quando estavam juntos. Pegaram Liv assim que ela entrou em um dos corredores que Tariq tinha projetado e que estavam sempre erguidos durante o dia. Os corredores eram um

345


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 labirinto, e a cada poucos metros uma porta poderia cair, se necessário, para prender alguém dentro. Não era visível a olho nu, o labirinto foi feito para deixar quase impossível Liv ou qualquer uma das crianças vaguearem durante as horas do dia. Os corredores levavam em várias direções, mas porque eram invisíveis, eram muito difíceis de passar. Eles assistiram como Donald gentilmente colocou a mão no ombro de Liv e Mary a rodeou com um braço reconfortante, quando ela se curvou para falar com a criança. Alguns momentos depois, Liv gritou e sacudiu a cabeça repetidamente quando o casal firmemente a virou para a casa que dividia com seus irmão e irmãs. Eu deveria ser a única a consolá-la e colocá-la de volta na cama, Charlotte disse, com os olhos na tela. Eu odeio esse sentimento de desamparo. Tariq tinha tido séculos para aprender a suportar. Charlotte era nova perto dele e além de seu pânico inicial quando se viu paralisada, ela tinha controlado seu coração, mantendo o ritmo constante e sua respiração igual. Você não pode confiar apenas nas telas, sielamet. Expanda sua mente. Abranja o complexo. Esteja sempre ciente de seu entorno. Os olhos de Charlotte estavam colados à tela e no progresso que os Waltons faziam com Liv. Liv cedeu contra Donald, forçando-o a tomar a maior parte de seu peso. Ela tropeçou várias vezes como se ainda não estivesse totalmente acordada. Quando a câmera pegou seu rosto, lágrimas corriam em um fluxo constante. Como você pode suportar isso, Tariq? Deve ter sido um inferno logo que você trouxe as crianças. Isso era verdade. Ainda era um inferno. Como Charlotte, ele queria ir a Liv e confortá-la. O melhor que podia fazer era enviar calor em sua mente e acalmá-la antes de ajudar a mandá-la para dormir. Surpreendentemente, ele encontrou Val em sua mente, acalmando-a também. Sua inquietação

346


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 também o havia despertado. Tariq teria que analisar o fato de que uma criança inquieta podia despertar um poderoso, perigoso antigo, e ele iria tomar tempo para tentar acalmá-la. Isso era tão extraordinário que o incomodava. Ele não gostava de mistérios. Os primeiros dias depois que eles chegaram eram ruins, ele disse a Charlotte. Eu não sabia o que esperar deles, especialmente Liv ou Emeline. Emeline nunca sai de sua casa a não ser para se sentar em sua varanda, e isso é raro. Liv anda em seu sono quase todos os dias. Mary e Donald esperam por isso agora. Liv e Emeline estão com medo de dormir porque Vadim pode vir a elas enquanto estão inconscientes. Ele exige que Emeline vá a ele ou vai forçar Liv a prejudicar a si mesma. Tariq suspirou. Ele estava bem ciente de que, mesmo com as salvaguardas tecidas pelos esforços combinados de todos os Cárpatos, não podiam impedir Vadim de atacar dentro das duas fêmeas. O vampiro tinha tomado seu sangue, forçado Emeline a tomar o seu. Suas marionetes tinham rasgado Liv com seus dentes, espalhando o sangue do mestre como um vírus. Vadim visita Emeline em seu sono, e ele acessa Liv através dos sonhos de Emeline. Ele não tinha nenhuma maneira de parar isso. Não importava quanto tentaram tecer salvaguardas sobre as duas casas onde Liv e Emeline ficavam, Vadim ainda conseguia atacar enquanto dormiam. Mary tinha impedido Vadim em seus ataques a Liv com seu dom extraordinário. Ela cantava, e a melodia e a letra a acalmava e colocava a criança para dormir e, em seguida, a seguia em seus sonhos para que Vadim não fosse capaz de entrar. Perguntou a Liv se as canções de Mary ainda estavam ajudando, ela encolheu os ombros e balançou a cabeça e, em seguida, deu de ombros novamente. Ele tinha tocado sua mente para ver suas memórias. Vadim

347


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 era a maior parte de suas recordações, na verdade, ele estava lentamente retornando, como se ela realmente tivesse sido infectada por um vírus. Eu não deveria ter esperado, Charlotte. Eu estava com tanto medo de machucála pela conversão se agisse rápido, que não pensei que durante todo esse tempo, ela estava sofrendo, talvez desnecessariamente. Emeline não é minha. Não tenho a menor ideia do caminho certo a percorrer para ajudá-la. Ela precisa de tempo. A voz de Charlotte acalmou, mas ... Eu não tenho certeza de que ela tem tempo, se algum deles tem tempo. Nós temos que chegar a uma decisão sobre Liv e agir na próxima sublevação. O que lhe disse que ele ainda tinha dúvidas sobre a conversão da menina e o mal que poderia fazer a ela. Ele era um homem decidido. Ele estudava um problema por todos os ângulos e depois atacavao com confiança, mas eram crianças e ele era responsável por elas. Mais, ele se preocupava com elas. Se perdesse Liv na conversão, ele nunca perdoaria a si mesmo. Liv estava agora na cama, Mary cantando baixinho e Donald sentado no lado oposto, segurando a mão de Liv. Mesmo quando ela adormeceu, haviam lágrimas em seu rosto. Eu deveria estar lá com ela, Charlotte reiterou, e sua voz quebrou. Aquela pequena dor em sua voz fez seu coração doer. Sielamet. Não vai ser por muito mais tempo. Estamos construindo algo de bom aqui. Vou enviarlhe a voltar a dormir e quando acordar, podemos chamar os outros para ajudar na conversão de Liv. Era tudo o que podia lhe dar. Suas lágrimas partiam seu coração, assim como as de Liv. A única solução era trazer Liv plenamente em seu mundo. Não mudaria o que aconteceu, mas lhe daria outras ferramentas para lidar com o trauma, e Vadim não seria capaz de chegar até ela. Gostaria de deixar registrado que esta coisa de paralisia é para os pássaros. Sério, Tariq, o resto, até mesmo a coisa do sangue e de estar no chão, eu posso lidar,

348


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 mas não ser capaz de me mover é uma porcaria. Qualquer claustrofóbico pode ter um problema real com isso. Só Charlotte conseguia empurrar a dura realidade da vida e substituíla com suavidade e calor. Com diversão. Ela era perfeita para ele. Para as crianças. Para seus companheiros caçadores, aqueles de quem ela tinha um pouco de medo, mas ainda assim se preocupava, admirava e respeitava. Você percebe que é impossível não cair de amor por você. Ele deixou de olhar as telas e observou seu rosto. A suavidade. O jeito que ela olhava como se fosse chorar. É isso que eu sinto por você. Mary tem um belo dom. Ela pode cantar para Liv dormir. Se eu pudesse cantar, sielamet, gostaria de cantar para você dormir, mas eu não tenho esse dom. Ele sentiu seu sorriso, e o tocou em algum lugar dentro dele. Se fosse possível amar completamente uma mulher em um curto período de tempo, ele já fazia. Ele a conhecia intimamente, dentro e fora, e ela era tudo o que sempre tinha almejado. Durma agora, meu amor. Eu vou acordá-la no solo para que possa praticar a abrir e fechar a terra sobre você. Eu não estou certa que estou pronta para isso, Tariq, mas vou tentar. Lá estava novamente. Uma das mil razões. Assustava-a pensar sobre o fechamento do solo ao longo de cabeça, uma reação muito humana, mas ela estava disposta a dar-lhe uma tentativa. Por ele. Ele viu muito claramente. Mas não apenas por ele. Ela queria ser independente, e ela queria ser capaz de cuidar dos filhos dela. Ele acrescentou mais uma as já mil razões porque ele tinha caído duro, e colocou-a para dormir. Ele iria esperar até que estivesse certo que Liv estava adormecida e não precisava mais de ajuda. Sua maior preocupação era que ela prejudicasse a si mesma. Ele observou Donald e Mary

349


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 lentamente se levantarem e saírem do quarto de Liv, recuando de volta à sua pequena cabana. Eles viveram em seu carro tanto tempo que qualquer coisa maior do que a pequena cabana era assustador para eles. Eles se deram as mãos por todo o caminho de volta para sua casa, passeando em vez de se apressar. O sistema de câmeras era minucioso, permitindo-lhe ver cada polegada quadrada de seu complexo. Ele mesmo tinha projetado o sistema de defesa, trabalhando com Josef, um jovem Cárpato que ele considerava um gênio. Ele nunca tinha realmente conhecido Josef, mas se comunicavam regularmente através do computador e telefone celular. O menino tinha boas ideias, realmente um bom entendimento sobre tecnologia moderna e como ela podia ajudar a viver e trabalhar na cidade da maneira que Tariq fazia. Ele gostava do moleque e desejou que ele se mudasse para San Diego e ajudasse-o e aos outros caçadores a rastrear as mulheres do banco de dados de psíquicos. Cansado, ele deu uma última olhada em Liv para se assegurar de que estava bem e desligada do resto do dia. Ela parecia estar dormindo profundamente, e, em seguida, quando ele começou a desligar o sistema, ele viu seu corpo sacudir. Duro. Como uma convulsão. Ela se debatia na cama e, em seguida, sentou-se, sacudindo a cabeça mais e mais, enxugando o rosto com as mãos como se estivesse tentando remover algo de sua pele. Seu primeiro pensamento foi invocar o casal mais velho novamente para lidar com ela, mas quando Liv saiu da cama, ele viu que seus movimentos eram bruscos. Como os de uma marionete. Ou como se ela estivesse lutando pela liberdade. Ele tinha tomado seu sangue. Ele tinha tomado de todas as crianças. Isso lhe permitia conhecer seus pensamentos e o paradeiro em todos os momentos. Ele manteve-os a salvo, bem como mantinha os outros caçadores, Emeline e Blaze seguros.

350


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Tariq tocou sua mente gentilmente, sempre com o cuidado de ser respeitoso. Ninguém gostava de ter seus pensamentos monitorados, especialmente uma criança como Liv. No momento em que tocou sua mente, ele percebeu que ela estava dormindo, mas lutando contra um demônio invisível. O caos reinava. A necessidade de se levantar e ir era uma compulsão. Ela não sabia onde ir, mas queria ir para longe de seu irmão e irmãs porque ... Um rosnado baixo saiu de sua boca. Ela tinha sido dirigida para matar seu irmão. A mão dela tinha se enrolado em torno de uma faca de cozinha mais cedo, mas, ela conseguiu virar a lâmina em direção de seu próprio estômago e imediatamente a compulsão tinha ido embora, para ser substituída por uma mais forte. Ela não ia prejudicar a si mesma. Vadim. O que respondia à pergunta de por que Liv não queria dormir e de se o mestre vampiro poderia chegar a criança como fazia com Emeline. Eles pensaram que ela estava recebendo a voz de Vadim através dos sonhos de Emeline e que ele não podia lhe dar comandos. Liv tinha vagas e inquietas memórias de sonhos com o vampiro mestre durante suas horas de vigília. Ela não sabia que era ele dirigindo-a para cumprir suas ordens enquanto ela dormia. Ela só sabia que não queria dormir. Donald. Mary. Liv acordou de novo e eu acredito que ela está sonâmbula sob as ordens de Vadim. Vocês vão precisar interceptar e impedi-la de imediato. Liv estava em movimento, desta vez deixando a casa e afastando-se para o portão da frente. Ela olhou várias vezes e acenou com a cabeça, mas, em seguida, virou-se para a casa principal. Estava o exército de Vadim lá fora agora? Esperando Liv derrubar as salvaguardas? Ela poderia convidá-los, mas teria que passar através do labirinto invisível de corredores, e ele duvidava que ela pudesse fazê-lo. Em qualquer caso, Mary e Donald a parariam se ela se aproximasse. Ele sentiu a agitação em sua mente. Donald sair da sua cadeira confortável. Chamando Mary, que estava na cozinha fazendo algo para

351


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 comerem. Enquanto Liv tropeçava em direção à casa principal, ele viu Emeline sair de sua casa e ficar em sua varanda, olhando em volta com cautela como ela fazia cada vez que aparecia. À luz do sol, podia ver como estava pálida e magra. O trauma dela tinha cobrado seu pedágio. Ela era uma mulher bonita, de qualquer jeito, mas haviam círculos escuros sob seus olhos e ela estava tão magra que estremecia continuamente como se não pudesse regular sua temperatura corporal. Tariq praguejou baixinho em sua própria língua. Ele não era o companheiro de Emeline, mas se sentia responsável por ela. Mais, ele a admirava e respeitava assim como fazia Maksim, companheiro de Blaze. Ele ia ter que intervir em breve. Não importava que Emeline tinha pedido tempo, ela estava definhando na frente eles. Tal como acontecia com Liv, não teria escolha com Emeline. Liv desapareceu em sua casa. Ele não tinha ideia do que ela estava planejando fazer e isso o fez desconfortável, ela atravessou o corredor direto como se tivesse um propósito. Ela não parou às portas de Lourdes ou Genevieve, seguiu para a cozinha grande. Liv, acorde, querida. Você está sonâmbula. Ele foi suave, não querendo assustá-la, mas a cozinha significava facas. Se necessário, ele poderia ser forçado a remover uma arma de sua mão da distância onde ele estava, mas não seria fácil. Ela tropeçou, mas continuou andando, para a direita passando o bloco de facas no balcão, direto para a porta do porão. Agora ele estava realmente preocupado. O que ela poderia estar fazendo? Mais importante, o que Vadim queria? Liv. Ele usou mais força em seu comando. Acorde agora. O sol estava em seu ponto mais alto. Ele em seu mais fraco. Ele tinha desenhado o seu sistema de segurança para evitar que intrusos

352


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 prejudicassem os ocupantes do complexo. As redes de segurança que ele tinha para as crianças eram principalmente fora das casas. Donald, ela está na minha casa, na descida para o porão. Esteja preparado para uma batalha e proteja-se, se necessário. Diga a Mary para usar sua voz para neutralizar Vadim, mas você tem que acordá-la totalmente e, em seguida, mantê-la acordada. Como Charlotte, ele detestava estar impotente na terra, enquanto sua filha estava em problemas ele não podia chegar até ela. Já pensava em Liv e nos outros como seus filhos. Família dele. Ele precisava ser o único a ir a ela e mantê-la segura em seus braços quando ela era ameaçada. Ele ainda não entendia como Vadim poderia chegar a criança, apesar das garantias poderosas tecidas em torno do complexo. Deveria ser impossível para o vampiro tomar tão completamente a criança, então, como ... A memória veio a ele. De passagem, Maksim havia mencionado a ele que Blaze e Emeline eram muito, muito próximas e Emeline via coisas em seus sonhos. Tinha sonhado com os túneis sob a cidade, e com os vampiros e monstros ocupando o labirinto. Ela dividia os sonhos com Blaze literalmente. Blaze não tinha esse dom, Emeline sim, ainda noite após noite, Blaze sonhava o mesmo sonho, indo aos túneis para salvar as crianças, mais e mais até que as duas mulheres tinham aperfeiçoado suas habilidades em sonhos. Emeline tinha projetado seus sonhos em Blaze, sem perceber que estava fazendo. Ela estava próxima de Liv. Muito próxima. Liv ia vê-la todas as noites. Eles já sabiam que Emeline tinha projetado seus sonhos de Vadim para Liv, mas ela estava acordada em sua varanda. Seria possível que uma vez que Vadim teve o caminho para Liv, não precisava de Emeline para mantê-lo e agora tinha completo acesso à criança? Nos monitores viu Donald e Mary sair do seu pequeno quintal e atravessar o complexo em direção à casa, de mãos dadas, como de

353


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 costume. Ele empurrou um senso de urgência para eles, querendo os apressar. Ele tinha um mau pressentimento. Liv desceu os degraus de madeira e virou para longe de onde Charlotte e Tariq descansavam em direção à sala de trabalho onde os cavalos de carrossel desmontados estavam junto com todas as ferramentas e tintas. Ela foi direto para os pacotes que continham os cavalos e carros que Vadim tinha colocado o seu sangue. Liv! Acorde! Saia daí. Não toque os cavalos. Ele deu a ordem, empurrando e compulsão na mente da criança. Ainda assim, já era tarde demais. Ele soube no momento em que a viu entrar na sala de trabalho. Ela correu por todo o quarto e parou em frente aos cavalos amaldiçoados e carros. Enquanto ele lhe dava os comandos ela já estava se inclinando sobre o cavalo mais próximo, o que Charlotte tinha tocado mais recentemente, aquele onde Vadim tinha vomitado uma maldição de sangue sobre cada homem, mulher e criança que sentasse sobre ele. Liv agarrou o pescoço do cavalo e virou-se em sua sela, as pernas segurando os lados do cavalo. No momento em que ela estava na sela, a coisa subiu no ar, vivo, resistindo e bufando, girando sobre os outros cavalos e as carruagens. Instantaneamente, os cavalos saltaram para a vida, os carros explodindo em ação. Donald, leve Mary de volta para casa! Diga a Emeline para conseguir abrigo e permanecer lá. Tariq manteve seus olhos no monitor, sabendo que Fridrick, general de Vadim, tinha um exército esperando fora dos portões. Ele sentia-os agora, uma força poderosa. Ele apertou o botão vermelho no console com a ponta do dedo e, instantaneamente, uma voz veio para ele. — Trata-se de uma simulação?

354


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Não. —Levou um tremendo esforço usar a voz, mas ele tinha praticado para este dia. Ele sabia exatamente o que fazer. O pequeno exército de humanos, homens já treinados para lutar em guerras, homens que ele tinha treinado para lutar contra vampiros e fantoches, bem como outros monstros, estavam em alerta e agora eles tinham sido ativados. O tempo de resposta era de menos de seis minutos. Uma série de explosões atingiram o portão e paredes do complexo, mas as salvaguardas aguentaram. Um foguete tentou penetrar por cima, mas saltou a distância e explodiu sem causar danos. Liv girava no cavalo, como um carrossel girando loucamente fora de controle, os outros cavalos seguindo. Os carros se juntaram a eles. Liv levou-os através da casa, ainda girando tanto que a criança tinha de agarrar o pescoço do cavalo para ficar em sua parte traseira. Liv gritou. Ela claramente tinha acordado agora, mas era incapaz de sair do cavalo. Ela tentou, lutando descontroladamente, com terror em seu rosto. Ao lado dele, Charlotte se agitou, seus olhos abriram, horror já espalhando através dela. Liv. Sua voz era surpreendentemente calma. Ela usou a via através da mente de Tariq para chegar a criança. Segure e tente relaxar. Apenas segure. Ele está se movendo muito rápido para tentar saltar, querida. A calma na voz de Charlotte penetrou e Liv parou de gritar e se inclinou sobre o pescoço do cavalo, braços e joelhos apertados em torno da madeira quando o cavalo estourou fora da casa e em campo aberto. Tariq começou a pressionar os botões verdes no painel na ponta de seu dedo. Havia um banco deles. Um era para o quarto do Danny. Os outros eram para o quarto de Emeline, Amélia, Bella, Lourdes, Genevieve e dos Waltons. Entre em seu quarto, Emeline. Foi uma das poucas vezes que ele já tinha usado o caminho Cárpato para Emeline. Blaze e Maksim tinham

355


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 assegurado que existia para que ela pudesse se comunicar com todos eles, mas ela desprezava qualquer um em sua mente, por respeito, eles evitavam falar com ela telepaticamente. Emeline virou-se e correu de volta para dentro. Ele só podia esperar que ela fizesse como instruído. Donald, levou Mary para o quarto. Ele podia ver o casal de idosos correndo para a sua casa. Tinham lhe dito o que esperar se o complexo fosse atacado. Esta era a única maneira que ele tinha de protegê-los contra os seres humanos, os fantoches monstruosos de Fridrick e o exército que Vadim enviaria contra eles. Um dos botões verdes ativava o elevador que afundava cada quarto no chão, tornando-o um selado quarto do pânico que era inacessível a qualquer fonte externa. O chão cobria a abertura de modo que era impossível saber que o quarto estava no subsolo ou que havia um quarto. Josef tinha tido a ideia e, no momento, Tariq achou-a um pouco fantasiosa, mas era uma boa ideia e manteria os ocupantes do complexo seguros. Ele podia ver nos monitores como cada membro de sua família abandonava a superfície de modo que estavam no subsolo seguros e impossíveis de detectar. Os quartos eram selados com um bom fluxo de ar e instalações, até mesmo um banheiro, apenas no caso da estadia ser maior que o esperado. Danny e as meninas poderiam passar de quarto em quarto, eles eram todos ligados abaixo da superfície. No momento, ainda estavam dormindo pacificamente e sem saber. Genevieve e Lourdes tinham quartos conectados. Tal como as outras crianças, elas dormiam, o impulso que Tariq deu-lhes ainda as segurando. Donald e Mary estavam por conta própria. Ele viu que estavam a salvo sob a terra, mas não podia ver Emeline. Ele não tinha colocado câmeras em sua casa. Ela insistiu que não ficaria se ele o fizesse. Ele só poderia esperar que ela obedecesse a ordem e que estivesse com tanto medo de Vadim que ela não hesitasse.

356


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Seu olhar se voltou para Liv. O olhar de Charlotte nunca a tinha deixado. A criança estava mais calma, pois Tariq e Charlotte estavam em sua mente, ancorando-a, acalmando-a e, mais importante, mantendo Vadim e seus comandos à distância. Não havia nada a ser feito sobre os cavalos descontrolados. Tariq já podia sentir o acúmulo de energia quando os cavalos e carros giravam loucamente. Os cavalos estavam agora no centro do complexo e tinham formado um carrossel completo, e os carros agiam como se estivessem suspensos por correntes e giravam mais rápido e mais rápido para que Liv fosse jogada para fora do cavalo pela força centrífuga. Em torno deles as explosões continuavam, estourando fora das salvaguardas nenhuma penetrando a fortaleza que Tariq tinha criado. Liv agarrou-se ao cavalo quando ele balançou tão rápido e duro que parecia estar do seu lado, pois girava loucamente. No meio do carrossel, uma força escura começou a subir, uma nuvem, girando rápido. No centro e piscando na escuridão eram raias de fogo, um raio. Tariq praguejou. Vadim sempre preparado para tudo. Ele era super preparado. Era característico um de seus irmãos muitas vezes lhe dar um mau momento sobre isso, mas agora a preparação serviu-lhe bem. O que é isso? Charlotte parecia assustada. Não havia nenhuma maneira de salvar Liv. Ela não podia descer do cavalo, e Tariq sabia que uma explosão estava vindo, aquela que iria explodir através das salvaguardas a partir do interior e permitir que o exército de bonecos e seres humanos de Fridrick entrasse. Os outros estariam seguros, mas Liv ... Não. Ao lado dele, Charlotte tentou lutar. Se mover. Quando ela não pode olhou com horror para a tela, seu olhar colado lá, apesar das lágrimas vermelho-sangue correndo por seu rosto. Tariq. Ela sussurrou o nome em

357


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 sua mente. Uma conexão íntima. Um apelo. Tariq queria tranquilizá-la, mas ele não podia. A nuvem subiu, girando tão rápido quanto os cavalos. E então uma figura correndo pelo quintal, apareceu na tela, onde Tariq podia ver. Emeline. Ela não estava segura abaixo do solo, ela estava pulando, cronometrando exatamente seu salto, colocando sua vida em risco para pegar Liv pela cintura e arrancá-la do cavalo. A força do animal de madeira enviou-as voando pelo ar. Emeline dobrou Liv dentro dela e tentou pousar em uma bola de proteção. Ela bateu no chão duro. Muito duro. Emeline rolou como uma boneca de pano, com os braços estendidos, claramente inconsciente. Liv rolou, não tanto quanto Emeline, mas bateu no chão com força suficiente para ficar atordoada. Elas estão vivas. Ele soprou o conhecimento na mente de Charlotte. O alívio foi imenso, mas ele sabia o que estava por vir. Seus dedos avançaram para encontrar a mão de Charlotte para que ele pudesse os manter juntos. Amada, isso não vai ser bom. Respire. A explosão sacudiu o complexo. Provocou rachaduras profundas no solo e várias paredes nas casas racharam. Uma árvore gemeu e então lentamente tombou. Os carros e cavalos saíram voando. Um pousou em uma árvore. Um no meio dos dragões. Outro no parque infantil. Lascas de madeira tornaram-se flechas e lanças, esfaqueando o ar, procurando um alvo. Fique no chão, Liv, Tariq ordenou a criança. Ela se moveu, uma contorção de dor, mas suas mãos tinham ido para o chão para empurrar-se para cima. Ao comando de Tariq ela hesitou e olhou cautelosamente ao redor. Emeline estava absolutamente imóvel e ele podia ver uma trilha fina de sangue escorrendo por baixo de sua cabeça. Seu cabelo estava em torno dela, espesso e escuro, tão escuro que parecia quase azul. Estrias vermelhas finas se emaranhavam nos fios e embebiam

358


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 o solo. Os dedos de Charlotte apertaram em torno dele quando o exército de Fridrick entrou no complexo. Os seres humanos jogaram bombas nas casas. Vários lançaram granadas. Tariq reconheceu alguns dos humanos que tinham estado no túnel quando Charlotte tinha acessado as memórias de quando Liv tinha sido atirada para o boneco. Fantoches invadiram o complexo. Liv deixou escapar um pequeno grito e começou chorar. Fique tranquila, bebê, Charlotte aconselhou. Seus olhos freneticamente procuraram as telas. Fumaça estava enchendo o ar, o que tornava difícil para ver tudo. Sem aviso, o dragão azul no quintal ficou de pé, abriu as asas, e bateuas para que a fumaça fosse afastada. Charlotte teve um vislumbre de uma série de pequenas pedras artisticamente colocadas no jardim. Elas estavam apenas a alguns pés de Liv. Você pode ir até os pedregulhos, querida? Olhe para a esquerda atrás de você. Tem espaço suficiente para você escorregar entre eles. Se você ficar abaixada, Liv, eu posso protegê-la, Tariq acrescentou. Soluçando, e rastejando em suas mãos e joelhos, Liv atravessou correndo o espaço até a beira do jardim, onde as pedras estavam. Ela se apertou entre duas delas e ficou de barriga, puxando os joelhos sob ela em uma tentativa de imitar as rochas ao seu redor. Tariq imediatamente começou a tecer um escudo de proteção sobre ela. Não seria bom se ela se mexesse, mas desde que ela ficasse lá, era um manto de invisibilidade que os atacantes não podiam penetrar. Sua força de segurança iria chegar a qualquer minuto e, o caos iria realmente reinar. Emme não se moveu. Charlotte encheu sua mente com preocupação. Não havia nada que ele pudesse fazer por Emeline. Ela estava caída na borda do jardim, seu corpo de lado, braços abertos para fora, sangue em

359


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 um halo em volta da cabeça. Ela tinha salvado a vida de Liv. Liv não teria sobrevivido a explosão, mas não havia como dizer qual preço Emeline pagou por sua coragem. Uma e outra vez explosões atingiam as casas, enquanto os homens e fantoches marchavam através do complexo, determinados a destruir tudo. Tariq colocou salvaguardas em torno das casas, mantendo-as intactas. Sua última opção era trazer a água do lago para a terra. Ele havia criado um efeito tigela que lhe permitiria inundar toda a área cultivada, varrendo os soldados de Fridrick, mas com Liv e Emeline no caminho do perigo, ele não poderia fazer isso. O dragão azul foi para o ar com um grito de guerra, um rugido que sacudiu o ar. Atrás dele, os outros dragões foram para o céu, com as asas batendo forte o suficiente para limpar a fumaça, enquanto circulavam acima dos homens disparando contra eles. Um homem colocou um lançador de foguetes em seu ombro e mirou no dragão verde. O humano loiro ao lado dele pareceu tropeçar batendo nele, deixando-o fora de equilíbrio, chamando a atenção de Tariq. O foguete saiu muito à esquerda dos dragões. O homem com o foguete imediatamente empurrou o humano loiro que tinha tropeçado. O homem desajeitado levantou as mãos e encolheu os ombros, como se dissesse que estava arrependido, não era culpa dele. Tariq o reconheceu. Ele era um dos homens que havia sacudido a cabeça e franzido a testa quando Vadim tinha jogado Liv para o fantoche. Ele tinha evitado olhar para o vampiro mestre, mas tinha trocado um longo olhar com um homem de cabelos escuros no grupo. Tariq tentou encontrar o outro homem na multidão de soldados. A maioria tinha a sua atenção sobre os dragões circulando acima de suas cabeças. Não um dos homens de cabelos escuros, e não o Sr. desajeitado. Os dois separaram-se do grupo e correram ao redor dos bonecos em direção a réplica da mansão maior, a casa de Emeline.

360


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ele os perdeu de vista quando vários homens maiores, menos humano e mais fantoches assumiram a tela, os dois homens tinha ido adiante. Claramente, eles estavam em uma missão separada dos outros. Tariq percebeu que os soldados estavam causando tantos danos quanto possível no complexo, tentando explodir tudo e criando uma distração. Estes homens tinham a real missão. Dois vieram para a casa principal. Dois foram para a casa de Emeline, e os dois últimos para a casa onde as crianças se hospedaram. Eles estão atrás das mulheres. Emeline. Amélia e talvez Liv. Genevieve e você, Charlotte. Tudo isso é para pegar as mulheres. O resto é show para nos distrair, Tariq disse a ela. Você não pode deixá-los chegar até elas. Eles não podem chegar até elas. Apenas Liv e Emeline ainda estão em perigo. Até agora, ninguém viu Emeline deitada imóvel. Eles não estão esperando que ela estivesse fora em aberto assim. Há fumaça e caos. Mas eles vão encontrá-la. Ele sabia que iriam. Era apenas uma questão de tempo. Os dragões estão atacando. Ele ouviu preocupação em sua voz. Ela estava com medo que pudessem queimar Emeline ou Liv com seu fogo ardente. Não se mova, Liv. Fique muito quieta, mesmo que chegue perto de você. A criança estremeceu e chorou silenciosamente, seu punho encravado na boca. Tariq sabia que tinha que ser aterrorizante ver e ouvir os animais que tinham rasgado sua carne e tentaram comê-la viva. Assim que os dragões mergulharam, bocas abertas derramando fogo para varrer os bonecos e homens no complexo, a equipe de soldados de Tariq chegou. Eram um grupo pequeno, mas de elite, e levavam o equipamento certo para combater os bonecos macabros. Tariq tocou os dragões, pressionando-os a não prejudicar sua força de segurança ou Emeline e Liv.

361


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Os soldados de Fridrick foram obrigados a defender-se, presos entre os dragões e os recém-chegados. Os bonecos tinham sido programados pelo seu mestre e iriam lutar até a morte e além, se possível, a fim de levar a cabo as suas ordens. Os humanos se levantaram e lutaram também, algo que surpreendeu Tariq quando ele raramente era surpreendido por algo. O que lhe disse que cada um deles carregava uma lasca de Vadim, ou foram programados através do sangue. Ou ambos. Em qualquer caso, era uma dura batalha entre as duas forças. Tariq confiava em sua pequena mas muito hábil unidade de soldados, então voltou sua atenção para os seis gigantes. Os dois primeiros tinham chegado a casa das crianças. Eles não se preocuparam em tentar a maçaneta, eles simplesmente arrancaram a porta. Faíscas voaram em torno de seus punhos e os dois homens saltaram para trás, uivando. Duas marcas de punho estavam queimadas na madeira. Xingando, eles chutaram a porta várias vezes, mas tudo que fizeram foi queimar as solas de suas botas. Finalmente, um baixou a mão para a maçaneta da porta e a torceu. A porta se abriu para eles, porque Liv a tinha deixado desbloqueada. Os dois homens correram para dentro apenas para descobrir o edifício vazio. Eles derrubaram móveis, irritados que tinham perdido sua presa. Ao mesmo tempo, dois homens correram para a casa de Emeline e os outros dois para a casa de Tariq. Eles encontraram os edifícios vazios também. Furiosos, eles correram para fora. Os seis homens foram para o centro do complexo. Um virou a cabeça e franziu a testa. Todos os músculos do corpo de Tariq congelaram enquanto seguia o olhar do homem direto para Emeline deitada imóvel no chão. Tariq enviou o seu comando para os dragões e instantaneamente eles subiram e voaram para longe da pesada luta numa tentativa de interceptar os seis homens. Fogo choveu. Um dos seis gigantes se separou dos outros enquanto cinco deles enfrentaram o ataque dos dragões. Dois pegaram

362


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 fogo. Um caiu no chão, rolando para tentar apagar as chamas, enquanto o outro correu para o lago. Um tiroteio eclodiu e dois dos gigantes caíram, feridos, mas não mortos. O quinto homem tentou seguir seu parceiro, mas foi cortado quando Matt, o chefe da força de segurança de Tariq, atirou à queima-roupa no coração. Tariq voltou sua atenção para o último gigante, agora agachado ao lado de Emeline. Ele a agarrou pelo cabelo e levantou sua cabeça. Claramente ela ainda estava desacordada. Havia sangue no lado do rosto e sobre a rocha no chão ao lado dela. Ela bateu com muita força o que era uma grande preocupação, mas agora estava nas mãos do meio humano meio fantoche de Vadim. Quando ele se levantou, arrastando-a com ele, os dois machos humanos que haviam corrido para a casa de Emeline correram ao redor da varanda em direção a ele. Ao mesmo tempo, Liv deu um salto, gritando com o gigante, determinada a não deixar que ele levasse Emeline. — Não! Você não pode tê-la. Eu não vou deixar. —Ela gritou para o homem quando chegou a ele, socando e chutando-lhe a perna. Os dois psíquicos que Vadim tinha recrutado se separaram, um arrancando Emeline, dos braços do gigante, enquanto o outro atacava-o. Rosnando, o gigante deu um murro na testa do homem loiro. O homem caiu para trás como se tivesse sido atingido com uma marreta. Os soldados de Tariq estavam fechando o cerco e com os dragões acima deles, preparando-se para atacar o gigante. O parceiro do homem loiro tropeçou longe do enorme fantoche monstruoso, Emeline em seus braços. Rosnando, o gigante estendeu a mão, pegou Liv, virou-se e correu na direção dos portões, chamando os outros enquanto corria. Imediatamente o que restava dos soldados de Fridrick se fechou atrás dele, correndo em volta dele, atrasando os homens de Tariq para que o gigante pudesse escapar com seu prêmio.

363


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Charlotte gritou silenciosamente, mais e mais, lutando para se mover, para superar a terrível paralisia dos Cárpatos. De novo não. Ele não pode tê-la de novo, Tariq. Tenha calma, sielamet. Ele não vai matá-la. Ele vai usá-la como moeda de troca para obter Emeline, Genevieve e você. Nós vamos ser capazes de recuperá-la quando nos elevarmos. Cada caçador está bem ciente do que aconteceu e eles vão com a gente para trazê-la de volta. Mas ela nunca vai se recuperar. O trauma. Ela não estava segura. Mesmo aqui, ela não estava segura. Ela sempre achou que não estava e nunca vai se sentir segura novamente. Faremos o nosso melhor com ela, Charlotte. É tudo o que podemos fazer. Permita-me lhe enviar para dormir novamente. Não há nenhum ponto em ficar aqui incapaz de se mover com sua mente nesse caos e seu coração em agonia. Ele iria mandá-la dormir, não importa o quê. Ele não podia suportar o sofrimento de Charlotte. Com a mente aberta para ele agora, ela nunca pensou em levantar a barreira para proteger-se, mesmo que fosse tão automático com todos os outros. Ela respirou fundo e olhou para ele, pequenas faixas de lágrimas vermelhas por seu rosto. Ela assentiu e instantaneamente, ele a mandou de volta para dormir e, em seguida, virou-se para dirigir seu pequeno grupo de homens para a limpeza e ajudar Emeline. Ele queria os dois homens que haviam ajudado Emeline presos até que pudesse examiná-los e descobrir o que sabiam e por que tinham mudado de lado.

364


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

18mn Liv ainda está apavorada, Val sussurrou para Tariq na ligação entre eles duas horas antes do pôr-do-sol. Eu tenho prometido a ela que vou a ela, mas os bonecos estão deliberadamente provocando-a. Temo que ela vai tentar forçálos a matá-la. Tariq e Val tinham se revezado em ficar em sua mente, uma tarefa que tinha sido assustadora quando ambos estavam tão fracos. O gigante que Fridrick tinha colocado no comando do ataque à casa de Tariq parecia ser aquele que tinha levado Liv. Ele a protegeu de ser despedaçada e comida viva pelos bonecos insanos, mas não os impediu de assustar a criança, na verdade, ele parecia ter grande diversão com seu medo. Durante todo o dia, ele zombou, e garantiu aos bonecos na frente dela que faria Fridrick dar a menina para eles comerem. Ela diz que seu nome é Billy e que a levou para um armazém abandonado. Ela pode ouvir a água. Tariq forneceu a informação. Vou subir em meia hora. Em quanto tempo você pode se juntar a mim? Eu não posso sair até o sol se pôr. Você só terá Maksim de suporte até esse momento, disse Val com pesar. Tariq podia ouvir o cansaço em sua voz. Val tinha feito o último turno com Liv e ainda estava se curando de seu tempo com Vadim. Tortura tinha seus efeitos sobre o corpo, mesmo o de um Cárpato antigo. Tariq tinha programado a si mesmo para acordar bem antes do pôrdo-sol. Ele precisava de vantagens sobre Vadim e Fridrick. Os vampiros

365


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 não podiam se levantar antes do pôr-do-sol mesmo manipulando o tempo e as nuvens. Sua companheira, dava alguma proteção para ele. Ela trouxe a luz de volta a sua alma o que permitia a ele despertar a luz do dia e planejar sua batalha. Infelizmente, os outros caçadores não seriam capazes de ir com ele. Blaze e Charlotte virão com a gente. Tariq não queria sua companheira em qualquer lugar perto dos vampiros, especialmente Fridrick, mas ele sabia exatamente o que o morto-vivo faria. Fridrick ia insistir em uma troca. Liv por Emeline, Charlotte e Genevieve. Eles estão determinados a ter essas três mulheres. Charlotte vai saber isso e vai insistir em fazer a troca. Houve um silêncio atordoante. Você não pode permitir que sua companheira se coloque em tal perigo. Tariq suspirou. Val, Dragomir, Siv e Nicu raramente se misturavam com qualquer cultura ou sociedade de humanos. Eles caçavam em cidades às vezes, mas atacavam rápido e forte e saíam sem ter que interagir com os seres humanos. Ele tinha vivido com os seres humanos ao longo de sua longa existência. Ele estudou-os e estudou suas mulheres. Ele queria ser o melhor homem que pudesse para sua companheira, tentando aprender como o mundo em torno dele mudou. Ele sabia que as mulheres modernas frequentemente esperavam uma parceria, não uma ditadura. Blaze era uma dessas mulheres. Charlotte também. Ela queria tomar suas próprias decisões, e enquanto ele sentisse que poderia controlar o perigo para ela, estava mais do que disposto a dar a ela o que ela precisava. Ele queria uma parceira, alguém com ideias e opiniões próprias. Agora, com as crianças, ele entendia ainda mais essa necessidade nela. Charlotte vai fazer o que for preciso para ter Liv de volta. Vadim vai saber que não temos Emeline para lhe dar. Ela tem necessidade de ajuda médica. A minha equipe tem estado com ela e ela tem uma concussão. Blaze parecerá ser Genevieve.

366


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Novamente houve um silêncio. Val não estava feliz com a decisão. Isso são duas mulheres que não podemos perder. Se eles as matarem, vamos perder dois dos nossos guerreiros. Este é um momento ruim, Tariq. O inimigo tem crescido forte, enquanto temos sido complacentes. Eu nunca esperei que os irmãos Malinov acumulassem tais conhecimento e fossem capazes de ligar vampiros e seres humanos em sua guerra contra nós. Eles foram sempre inteligentes, Val. Sempre pensaram em maneiras de derrubar o Príncipe. Ninguém achou que eles queriam dizer as coisas que disseram. Nós pensamos que eles gostavam de debater. Até o momento ninguém sabia o que cada palavra significava e que tinham planejado o assassinato do Príncipe e toda a sua família, ficamos muito atrasados. Eles escolheram se tornar vampiros, e colocaram seus planos em movimento. Três foram destruídos. Outros, como Fridrick e seus irmãos, procuram tirar os lugares dos mortos, Tariq apontou, porque era verdade. Tão rápido quanto eles matavam os mortos-vivos, mais se levantavam. Fridrick é cruel, mas não tem a inteligência e a paciência dos Malinov. Há um grande cuidado em seu planejamento. Vadim se sentou como uma aranha inchada no meio de sua teia, puxando as cordas lentamente, para que ninguém o notasse até que ele estivesse pronto para nos desafiar. Ele está pronto, Val, e ele precisa de Emeline, Charlotte e Genevieve, a fim de realizar seus planos. Ele as marcou a meses atrás e tudo que ele fez foi para tê-las. Val inundou a via Cárpato com um parecer favorável. Nenhum vampiro iria ficar nas imediações com tantos caçadores reunidos em um só lugar a menos que não pudesse sair por algum motivo. Ele vai para o mar reagrupar, mas ele não foge. Essa é mais uma razão para manter sua companheira próxima. Tariq sabia que nunca iria convencer Val de que Charlotte deveria ser parte do resgate, então não havia nenhuma razão para continuar a tentar.

367


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Estava chegando a hora em que ele precisava levantar e planejar seu assalto ao armazém onde Liv estava presa. Durma enquanto você pode, Val. Quando você acordar, leve os outros com você. Alguém terá que ficar atrás para guardar Emeline, Genevieve e as crianças. Vou mantê-los dormindo, enquanto for capaz. No momento eles estão seguros em seus quartos dormindo sob compulsão, todos menos Emeline. Será feito, Val prometeu. Kulkesz arwa-arvoval, ekam. Caminhe com honra, meu irmão. Tariq repetiu o sentimento ao Cárpato em inglês. Ele quis dizer cada palavra. Val era um bom homem. Forte. Um caçador de elite. Ele tinha sofrido torturas além da imaginação e sobreviveu para ajudar uma criança pequena a passar por um pesadelo horrível. Ele tinha forjado um vínculo com Liv, um que Tariq não entendia totalmente. Val não podia sentir, ainda que esse vínculo fosse forte o suficiente para permitir que o antigo caçador despertasse de seu sono e tentasse acalmar a criança na luz do dia enquanto ela esperava que os vampiros decidissem seu destino. Tariq virou a cabeça devagar para olhar para a mulher deitada a seu lado. Muito gentilmente, usando as pontas dos dedos, ele empurrou para trás a queda espessa de cabelo do rosto. Esta noite eles enfrentariam uma batalha pela vida da criança. Possivelmente por sua alma. Liv nunca sobreviveria intacta sem a conversão. Se eles fizessem isso, as outras crianças insistiriam em segui-la para o mundo dos Cárpatos. Ele não teria escolha senão a conversão, assim como ele não tinha escolha, em permitir que Charlotte corresse o risco quando chegasse o momento. Eles eram pais. Não havia dúvida de que iriam arriscar tudo por seus filhos. Não importava que outros caçadores que ele respeitava pudessem não concordar com a decisão, que era deles para tomar. Acorde, amada, e vinde a mim. Me veja. A terra te curou e estás totalmente no meu mundo. Acorde agora.

368


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ele fez o solo estar aberto acima de suas cabeças e seus corpos limpos depois de seu repouso. Os cílios longos de Charlotte abriram e o impacto de seus belos olhos foi como um soco no seu intestino. Duro. Lá. Por um momento ela era toda dele, suave e carinhosa, um fantasma de um sorriso para ele. Então, ela estava presente, no momento, e a batalha a luz do dia e o sequestro de sua filha vieram à tona. — Liv, —ela sussurrou, sua garganta fechou em um caroço. — Tariq, ela está tão assustada. Eu posso senti-la através de você e ela está apavorada. Ela quer morrer. Ela está tentando descobrir uma maneira de provocá-los. Ele sabia que Charlotte era forte desde do momento em que pôs os olhos nela. Quando chegou a conhecê-la, e esteve em sua mente, a certeza tinha crescido. Quando ela despertou de seu sono na terra, porque Liv tinha estado sonambula, havia cimentado seu conhecimento. Agora, quando acordou, ela escaneou automaticamente sua mente, e viu cada detalhe do que tinha acontecido enquanto ela dormia. — Nós vamos pegá-la, sielamet. Sua primeira vez ao sol será doloroso. Vai sentir como se estivesse queimando. Você pode aguentar, Charlotte. Se não tivermos tudo no lugar antes de Fridrick levantar, poderemos perder nossa chance de recuperá-la. Charlotte assentiu imediatamente e permitiu que a ajudasse a sentar. — Diga-me o você precisa que eu faça. Não tinha havido nenhuma hesitação, e ele estava orgulhoso dela por isso. — Nós dois temos que nos alimentar. Nossa equipe de segurança ainda está aqui, guardando a propriedade. Eles estão na limpeza. Eu disse a eles para recolher cada pedaço dos cavalos do carrossel, vestindo luvas grossas, então não há chance de pegar uma lasca, colocá-los em sacos e levá-los para a sala de trabalho. Eu vou me assegurar que todas as peças estão contabilizadas até o mais ínfimo pedaço. Quando estiver certo, eu vou me alimentar e, em seguida, você vai.

369


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ela tocou a ponta da língua sobre os lábios, parecendo um pouco apreensiva, mas não protestou. — Estenda-se para ela novamente, Tariq. Deixe que ela saiba que nós dois estamos com ela. — Ela sabe, querida. —Ele foi o mais suave possível. — Ela está se segurando por um fio. Não podemos, nem queremos que alguém fique ciente que estamos nos comunicando com ela. Eles tem que pensar que não vamos estar em movimento até o anoitecer. — Você lhe assegurou todo o dia, —ela perguntou. Ele assentiu, reunindo-a em seus braços e escovando a boca suavemente sobre a dela enquanto flutuava para a superfície e, em seguida, fechou o solo atrás dele. — Nós fizemos. Val acordou também para me ajudar. Mas ela pediu silêncio para tentar se concentrar. Ela disse que tinha medo de trair o fato de que eu estava com ela. Ela estava muito perto de quebrar então eu disse a ela que ia lhe dar isso, mas iria ficar conectado com ela. Charlotte mordeu o lábio e assentiu com compreensão. Ela não gostou, mas Tariq sabia que ela entendeu. Tomou cada onça de coragem de Liv evitar chorar e gritar para eles irem para ela. Ela podia ver isso na mente da criança, assim como ele também podia. Ela também podia ver a pequena jaula em que ela estava, bem como os bonecos horripilantes que a rodeavam. Eles eram brutos com carne podre desprendendo. Dentes irregulares, serrilhados, manchados de sangue. Hálito fétido. Não mais humanos, com ânsia de sangue e carne, eles eram monstros além da imaginação de qualquer um, mais ainda de uma criança de dez anos de idade, sua filha. — Eu preciso chegar até ela, Tariq. Eu preciso. Eu mal posso respirar. Sentia-se da mesma maneira. Ele era frio e calmo, capaz de empurrar a emoção de lado, e, no entanto, com Liv tomada, seu intestino estava torcido em nós duros e seus pulmões se recusavam a cooperar. Sua filha.

370


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ele tinha prometido que ela estaria segura e eles a tinham levado uma segunda vez. Ele não tinha ideia do que isso faria com ela, mas estava bastante certo de que ela ficaria marcada para o resto da vida, não importando como eles melhorassem as coisas para ela. — Nós vamos pegá-la, —ele assegurou, deixando-a ver a verdade de sua declaração, a sua firme convicção, porque não poderia haver nenhum outro resultado. Eles tinham que pegar sua filha e trazê-la para casa, segura. Ele se vestiu enquanto a levou pela casa até a porta da frente. — Você vai precisar usar óculos de sol especial em todos os momentos, Charlotte. Não os tire até o pôr-do-sol. — O quê mais? — Você vai seguir as minhas instruções ao pé da letra, não importa o quanto você queira ir para Liv. Se você confia em mim, Charlotte, você vai ter que acreditar, então você precisa se lembrar, não importa o quão ruim pareça, eu vou levar Liv para longe deles. Ela o olhou diretamente nos olhos. — Absolutamente, Tariq. Eu não vou deixar você sozinho. — Pode ficar ruim. Sangrento. Seu impulso será o de fazer o que Fridrick lhe diz. Se as coisas forem mal, eles vão machucá-la na sua frente para lhe fazer ceder. Você tem que confiar em mim, mais do que nunca. Nosso trabalho é distrair e derrubar as salvaguardas. Os outros vão tirar os guardas e derrubar o exército. Val vai pegar Liv. Acredite nisso. Val vai pegar Liv. — O que for preciso. Eu posso ser forte por ela. Ele procurou sua mente e viu apenas aceitação. Ela iria ficar com ele. Fazer o que fosse necessário para trazer Liv para casa, mesmo que isso significasse vê-la sofrer.

371


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Estes homens que vieram nos ajudar são nossa segurança pessoal. Você vai vê-los em torno do clube quando formos lá, e eles vão estar treinando aqui. Nós precisamos deles para nos proteger durante o dia. Eles estão conscientes do que somos. Eu tomei seu sangue e conheço cada um deles seus corações e almas. Eles são bons homens, Charlotte, e hoje arriscaram suas vidas por nós. —Ele queria que ela ficasse confortável com eles. Eles sempre precisariam de uma força de segurança para ajudar em sua proteção durante as horas do dia. Ela assentiu com a cabeça. — E sobre os dois homens que ajudaram Emeline? Vi-os nos túneis. Você está preocupado com o que fazer com eles. Eles a ajudaram. —Ela fez uma declaração. Tariq podia ver que ela estava preocupada com o que ele poderia fazer para eles. — Sielamet, você é tipo, mulher compassiva, ao contrário de seu companheiro. Se eles nos ameaçarem de alguma forma, ou se Vadim ou Fridrick os plantaram aqui para tentar nos prejudicar, eles serão mortos. Não há como discutir esse ponto. Eu quero lhe dar a lua, tudo o que pedir, mas conceder-lhes misericórdia se eles forem nossos inimigos não é algo que possa ser feito. Ela levantou o queixo para ele, e ele descobriu que gostava desse pequeno gesto. Talvez ele gostasse de tudo sobre ela, especialmente agora, quando ambos estavam tão focados em ter Liv de volta. — Se eles forem inimigos ameaçando nossa família Tariq, o que você decidir fazer com eles é inteiramente com você. Não se preocupe que eu possa protestar. Eu vi o que essas pessoas fazem, e lembre-se, eu estava naquele túnel quando Vadim jogou Liv ao repugnante e vil fantoche e ninguém levantou um dedo para ajudá-la. Ele não iria assinalar que ninguém poderia tê-la ajudado e vivido. O túnel estava cheio de vampiros e fantoches. Não haveria nenhuma ajuda para um herói. Ele estava bastante certo de que os dois homens desprezaram o que estava acontecendo e tinham sabiamente esperado a

372


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 fim de maximizar suas chances de escapar e talvez dar ajuda quando pudessem. Ele não disse a Charlotte, embora ela pegasse seu pensamento, porque deu uma pequena fungada de aborrecimento. Escondendo um pequeno sorriso, ele respirou fundo, empurrou os óculos escuros feito sob medida em seu nariz, e abriu a porta. No mesmo instante mil agulhas perfuraram sua pele. Sua carne foi cauterizada até o osso, mesmo com suas longas mangas e luvas. A dor explodiu através dele e então ele a conteve, sintonizando sua mente com a de Charlotte. Ele ouviu seu suspiro, mas ela cortou a dor e tentou puxar sua mente da dele. — Não querida, você tem que me permitir ajudá-la com isso. —Nela, o sol parecia como se queimasse através de sua pele, levantando bolhas instantaneamente. Ele tinha a certeza de sua roupa cobria cada polegada de seu corpo, mas ainda assim, ela era queimada através do material pesado. — Tariq, não é mais do que era quando eu era criança e ficava nadando muito tempo na piscina, —ela assegurou. — Eu posso aguentar. Estou morrendo de fome, apesar de tudo. Tudo o que posso pensar é colocar minha boca em você. Ela disse isso para distraí-lo, esquecendo-se que ele estava entrincheirado em sua mente, independentemente dela tentar protegê-lo, jogando-o para fora. Não poderia esconder agora que eles eram companheiros e ela era totalmente Cárpato. Ele a conhecia por dentro e por fora como ela fazia com ele, ou seria, uma vez que ela perdesse a timidez em tocar sua mente. Ele pegou sua mão e permitiu a ela essa inverdade, porque ela pensou que iria poupá-lo e ele era necessário agora, quando sua filha estava em uma gaiola cercada por monstros. Ele a levou para Emeline primeiro. Quando cruzaram o complexo, ele acenou com a mão para reparar qualquer dano causado aos edifícios. Dentro, apesar dos foguetes e granadas, havia muito pouco dano, suas salvaguardas tinham funcionado.

373


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Os dragões estavam de volta ao parque infantil, alguns arranhões e golpes em suas escamas, mas nenhum dano real tinha sido feito a eles. Emeline estava em sua cama, com o rosto tão pálido que parecia quase translúcido. Maksim encostava-se na parede no canto mais distante. Um tornozelo estava cruzado sobre o outro e ele olhava para fora da janela, em vez de olhar para a mulher magra na cama. A cabeça de Emeline estava enfaixada e claramente Blaze ou Maksim tinha limpado ela ao jeito de seu povo, porque não havia qualquer evidência de sangue em qualquer lugar nela. Blaze sentou-se na borda do colchão e varreu o cabelo de Emeline do rosto com dedos suaves. — Eu te amo, Emme. Não fuja de mim, —ela murmurou baixinho, enquanto entravam no quarto. O olhar de Emeline saltou para o rosto de Tariq quando ele entrou, e ela parecia assustada. Ameaçada. Ele suspirou e sorriu para ela o mais suavemente possível. — Obrigado por salvar Liv, Emeline. Ela estaria morta se não tivesse arriscado tudo para salvá-la. —Ele queria que ela soubesse que não foi apenas sua vida, que ela tinha arriscado. Ela sabia que o exército de Fridrick estava lá para levá-la para Vadim e ainda assim, se lançou para salvar a vida de Liv. — Ela é minha também, —disse Emeline com a respiração ofegante. Ela chiou em cada respiração que tomou. Tariq sabia que ela não queria interferência, mas não poderia estar no mesmo quarto com ela e não a socorrer. Ele acenou com a mão para acalmar sua respiração, e aliviar a terrível sensação de aperto no peito. Antes que Emeline pudesse protestar, ele se inclinou para roçar um beijo na boca de Charlotte. — Desculpe-me, senhoras, eu devo me alimentar. Precisamos nos mover o mais rapidamente possível para colocar o nosso plano em ação.

374


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Você tem um plano? —O olhar de Emeline saltou para seu rosto novamente. Desta vez com um principio de esperança. — Nós temos. Vamos trazê-la para casa, Emeline, —Tariq assegurou. Ele empurrou o queixo para Maksim e os dois deixaram a casa juntos. — Quanto machucada ela está? — Ela não quis que Blaze a examinasse, mas o médico disse que ela tem uma concussão. Ela não nos permite usar nossas habilidades sobre ela. Ela não quer ter nada a ver com os Cárpatos, Tariq. Absolutamente nada, especialmente com os homens. Ela me tolera por causa de Blaze, mas ela fica desconfortável comigo no quarto. Eu pensei que iria ficar melhor, mas, na verdade, piorou. — Não faz tanto tempo desde que ela foi atacada, e provavelmente não ajudou que o exército de Fridrick penetrou nossas defesas e conseguiu levar Liv novamente. Não há nenhuma maneira dela se sentir segura agora. Maksim casualmente usou a sua unha alongada para cortar uma linha longa, no fundo de seu pulso. Ele ofereceu o sangue para Tariq distraído. Eles eram parceiros a um longo tempo e caçavam juntos com frequência. Isso significava que compartilhavam sangue e curavam as feridas um do outro. Nem pensou muito sobre isso, embora Maksim murmurasse as palavras rituais. — Saasz hän ku andam szabadon, tome o que eu ofereço livremente. — Você pode dispor disso? Temos que estar em força de combate total. Maksim assentiu. — Eu me alimentei duas vezes, primeiro para Blaze e, em seguida, novamente para mim. Nossa equipe de segurança foi muito cooperativa. Tariq inclinou a cabeça para o pulso de Maksim, aceitando sua resposta. Maksim sabia o que estava em jogo. Eles estavam longe das

375


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Montanhas dos Cárpatos e tiveram que criar seu próprio senso de família. Maksim e Blaze eram parte da família de Tariq assim como ele sabia que era parte da deles. Eles contavam um com o outro para proteger suas companheiras. Blaze era preciosa para eles. Ela tinha representado esperança para Tariq, outra razão para perdurar e não importava quanto tempo tivesse de suportar esse mundo cinza. Blaze era uma guerreira por completo, e Tariq achava interessante que Charlotte também. Charlotte não era hábil no combate, como Blaze, mas tinha o espírito e a coragem de um lutador. Ele nunca iria esquecer o momento na garagem em que ela tentou protegê-lo. Quando tinha tomado sangue suficiente para alimentar Charlotte, fechou a laceração no pulso de Maksim e deu um passo para trás, olhando ao redor do complexo. Sua primeira missão era ter certeza de que eles tinham cada lasca do carrossel. Ele não queria que houvesse qualquer erro. As crianças não podiam acidentalmente tropeçar em uma das sombras do mal de Vadim. Ele acenou com a mão enviando um turbilhão de vento através do pátio, um ímã para os estilhaços antigos de madeira. Sua equipe de segurança tinha pego os pedaços maiores, mas não havia nenhuma maneira deles obter cada lasca. Ele tinha que fazer isso. Ele enviou os detritos para o porão, onde o resto do carrossel estava à espera. — Os dois homens que auxiliaram Emeline, —ele se aventurou enquanto continuaram andando todo o complexo em direção à pequena guarita, para onde teriam sido levados os prisioneiros. — Ambos estavam no túnel quando Liv foi atirada para o boneco. — Eu me lembro, —disse Maksim. — Vividamente. Essa criança tem sofrido demais em sua curta vida. Quando se aproximaram da casa, o chefe da segurança, Matt Bennett, saiu para cumprimentá-los. Ele estava armado e parecia sombrio, mas Tariq tinha notado que o homem raramente sorria. — Senhor, nós

376


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 pegamos três outros prisioneiros agora a pouco. Eles afirmam que são amigos de vocês e tem informações que vocês necessitam. Tariq queria gemer em voz alta. Ele sabia exatamente quem eram aqueles homens. Idiotas. Tinham testemunhado o ataque? Mais do que provável. Ele sabia que não iriam deixá-lo sozinho. Ele lhes disse que não. Ele tinha dois dos soldados humanos de Vadim trancados, uma criança desaparecida e agora os três caçadores de vampiros. Ele suspirou e balançou a cabeça. — Obrigado por chegar aqui tão rapidamente. Matt assentiu. — Tentamos seguir a criança, mas a perdemos. A força principal envolveu a gente, permitindo-lhe escapar com ela. — Nós vamos buscá-la. Nesse meio tempo, eu preciso ver os três idiotas que não vão ficar longe dessa bagunça. Matt abriu o caminho para dentro. Maksim seguia Tariq. Ele precisava se alimentar novamente para ganhar força e tomar o sangue dos espiões parecia justo, embora o segurança não tivesse escrúpulos sobre o fornecimento para eles. Daniel Forester ficou de pé quando Tariq e Maksim entraram na sala. Vince Tidwell e Bruce Van Hues foram um pouco mais lentos para se levantar, e ambos olhavam Matt cautelosamente. Vince ostentava uma contusão em sua mandíbula, e Bruce tinha galos na testa e na cabeça. Daniel se moveu rigidamente, segurando suas costelas. — Nós precisamos falar com você, —Daniel disse, as palavras saindo rápidas de sua boca, — vimos quando um homem estourou através de seus portões carregando uma criança. Havia soldados e criaturas nojentas e seus homens envolvidos com eles. Vimos que o homem que carregava a criança estava escapulindo enquanto os outros lutavam, então nós o seguimos.

377


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Tariq sacudiu a cabeça. — Você não tem ideia do jogo que está jogando. —Ele queria esmagar os três, mas, por outro lado, não podia deixar de respeitar a sua coragem. Eles tinham visto os bonecos de Vadim e ainda assim eles seguiram um híbrido meio-humano muito intimidante, a fim de descobrir onde ele estava levando Liv. — Eu te disse, estamos empenhados em destruir essas coisas. Eles têm um exército que possivelmente não podem ser vampiros porque o sol iria matá-los. —Daniel fez uma declaração, mas, em seguida, franziu a testa. — Certo? Vampiros não podem sair no sol? — Não, eles não podem, —disse Tariq. — Mas vocês não são treinados para combater essas criaturas e, eventualmente, quando você vai contra um, você morre. Daniel gesticulou em direção a Matt. — Ele lutou contra eles. — Ele é treinado. —Tariq estava ciente do tempo passando. — Eu tenho que chegar a Liv. Você vai ficar aqui até eu voltar. Matt, mantenha um olho sobre eles. Eu quero que eles fiquem onde eu sei que estão seguros. — Você disse que se nós pensássemos sobre isso e decidisse ser certo, poderíamos ajudar. Nós decidimos. Nós temos algumas habilidades. Poderíamos ser ativos para você. Maksim sorriu enquanto se movia para Daniel. — Você realmente quer ver o que você estaria recebendo aqui dentro? Nós caçamos o vampiro, e a fim de fazer isso, temos de viver, século após século. Nós existimos da maneira que eles fazem. Do sangue. Dormindo no chão. Temos poderes que você não pode imaginar, assim como eles tem. E se você é um ativo com quem possamos contar, isso significa que você fornece sangue quando necessário. Daniel fez uma careta e se recusou a ceder. — Eu não tenho medo de você.

378


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Você deveria ter, —Maksim disse, e enganchou sua mão ao redor da parte de trás do pescoço de Daniel, puxando o homem para ele. Sem hesitar, cravou os dentes no pescoço de Daniel. Daniel não se moveu, mas seus dois amigos fizeram. Ambos correram para Maksim, que simplesmente levantou uma mão. Os dois homens pararam como se tivessem atingido uma barreira invisível. — Isso é com o que você vai ter que lidar, —disse Tariq. — Para onde é que eles levaram Liv? Respirando muito rápido e alto, Vince, com os olhos sobre Daniel e Maksim, o rosto pálido, tentou responder, mas gaguejou um pouco. — Armazém. Pelo porto. —Ele deu o endereço. Tariq deixou-os à misericórdia de Maksim. Maksim tomaria sangue de cada um deles, a fim de monitorá-los em todos os momentos. Se ele considerasse necessário, iria retirar suas memórias de todos os eventos que haviam acontecido. Se ele acreditasse que os três homens seriam úteis, ele iria entregá-los a Matt para treinamento. Se fossem bem sucedidos, Maksim e Tariq continuariam o treinamento até que eles fossem elite como Matt. Só então, Tariq os aprovaria para se juntar à luta. Tariq precisava visitar os dois humanos que haviam ajudado Emeline. Matt tinha-os sob guarda. Os dois soldados que guardavam os recrutas de Vadim acenaram para ele quando ele entrou na sala. Estes dois homens tinham servido em inúmeras missões para seu país. Eles nunca hesitaram, não importavam as probabilidades. Ele gostava deles. Ele não sabia disso até que Charlotte entrou em sua vida, mas lembrava-se dos dois homens porque eles foram excelentes para aprender como matar um vampiro. Como Matt, eles não mostraram nenhuma hesitação. Os dois psíquicos humanos de Vadim pareciam muito apreensivos e tentaram ficar de pé, mas falharam, devido às algemas em seus tornozelos.

379


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Seus nomes, —Tariq falou. Ele estava muito consciente da posição do sol. Ele estava tendo tudo certo. O loiro falou primeiro. — Ryan Jenkins. O homem de cabelos escuros saiu ao lado. — Andrew Wilson. — Digam-me por que eu deveria mantê-los vivos. —Tariq colocou-os na linha. Ele iria matá-los se houvesse o menor indício de que tinham vindo para espionar ou prejudicar sua família de qualquer forma. — Façam isso rápido, eu tenho uma criança para resgatar. — Você não pode entrar nesse armazém sem Fridrick derrubar as salvaguardas. É uma armadilha. Eles esperam que você vá. Eles têm um exército escondido lá, —Ryan disse apressadamente. — Você não pode simplesmente entrar e pegá-la. Tariq estava muito consciente desse fato. Ele simplesmente deu de ombros. — Até agora eu só estou ficando impaciente. Por quê vocês estavam trabalhando com Vadim? — Fridrick se aproximou de nós. Tínhamos feito alguns testes psíquicos no Centro Morrison aqui na cidade. Ele nos disse que tinha um trabalho para nós usando nossas habilidades particulares, —Ryan respondeu por ambos. — Ele nos levou a Vadim. O homem era muito suave e eu não gostei da configuração, especialmente quando ele começou a mexer com nossas mentes. Eu tenho uma espécie de escudo que impede a maioria dos ataques, mas ele conseguiu passar e nos obrigou a beber sangue. Não dele. Sangue de outro homem, de um prisioneiro. Então ele colocou algo em nós. Algo que funciona em nós dia e noite para cumprir suas ordens. Tariq manteve seu rosto inexpressivo. Mais lascas. Vadim não tinha ideia de que estava diminuindo seu poder inserindo pedaços de si mesmo nos outros.

380


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Ele recrutou pelo menos quinze psíquicos, todos do sexo masculino. Dois trabalham em seu clube. Ele disse que não poderia detectá-los, porque eles têm a cobertura do sangue do Cárpato seja o que for que ele colocou em nós. Não há maneira de ir contra ele, nem mesmo quando ele deixou esses monstros que ele criou ferir aquela criança. —Havia genuína repulsa e repugnância em sua voz. — Isso me fez doente, ficar lá e assistir aquela merda, saber se eu fizesse um movimento para impedi-los, esses monstros iriam me matar e eu não teria uma chance para salvá-la. Andrew assumiu. — Enquanto Vadim dorme, podemos tentar lutar com ele, mas ele é muito poderoso quando está acordado. Essa coisa dentro de nós não vai sair. É difícil lutar contra as compulsões. Tariq assentiu. — Vocês sabiam que eles estavam atrás de Emeline. Os dois homens assentiram. — Nós percebemos, quando eles chegaram aqui, nós tentamos os combater e talvez ter uma chance de impedi-los de tomar as mulheres. Ele quis que levássemos as quatro de volta para eles. Quatro. Emeline. Charlotte. Genevieve. E isso tinha que significar Amélia. Ela tinha apenas quatorze anos, mas Vadim e seu exército de vampiros não se preocupavam com a sua idade. Eles teriam a levado também. — Se não conseguíssemos obter as mulheres, deveríamos tomar qualquer uma das suas crianças. Fridrick disse que iriam barganhar com as mulheres, ele sabia que, uma vez que tivesse as crianças, as mulheres fariam qualquer coisa para obtê-las de volta, —Ryan continuou. — Você não pode deixá-las trocar-se por aquela criança. Eles vão matá-la de qualquer maneira. Não há como salvá-la. —Havia um genuíno arrependimento em sua voz.

381


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Andrew balançou a cabeça. — Essas coisas, o gigante que Vadim criou, eles são tão fortes que você não pode lutar contra eles. Matá-los é quase impossível. Deu-lhes seu sangue e o sangue do prisioneiro Cárpato. Vadim gosta de experimentos, e estes híbridos, como se refere a eles, estão virando máquinas. Eles não parecem ter nenhum sentimento. Eles são especialmente cruéis. Vadim tem pelo menos seis ou sete deles de guarda naquele armazém junto com não sei quantos desses monstros. Ele os alimenta de mulheres. Escravas que ele compra dos cartéis ou prostitutas que pega nas ruas. Ele lhes promete a imortalidade. É por isso que a maioria dos outros psíquicos não lutam com ele. Eles querem o seu poder. — Eles nunca vão conseguir, —disse Tariq. — Eles não vão viver por muito tempo. Fantoches morrem rápido, mas enquanto estão vivos, eles causam estragos onde quer que vão. — Você pode tirar tudo o que ele colocou em nós? —Perguntou Ryan. Ele balançou sua cabeça. — Eu só fui para uma entrevista e terminei seu prisioneiro. Você não tem ideia das coisas que eles fizeram. Os experimentos. As mulheres que já feriram e mataram. —Ele ergueu as mãos algemadas para os olhos e pressionou o as pontas dos dedos nas têmporas. — Eu não posso mais olhar para essas coisas. Eu não posso suportar. Eu já cheguei ao ponto de que se eles me matassem, eu não me importaria, não se eu tiver que continuar vendo as coisas doentes que fazem. Andrew assentiu. — Então, se você não pode tirá-lo de nós, você pode nos matar. Nós não vamos voltar, e no momento que Vadim acordar, ele vai vir atrás de nós. Tariq sabia que era verdade. Vadim saberia que os dois homens o traíram e ele iria fazê-los sofrer antes de matá-los. Ele os forçaria a fazer as mesmas coisas de que eles estavam tentando fugir. Tariq olhou sua mente. Os dois homens estavam dizendo a verdade. Ele ouviu a honestidade em suas vozes. Ele poderia tomar seu sangue mais

382


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 tarde, mas agora ele tinha uma mulher para alimentar. — Estou sem tempo agora. Eu tenho coisas para fazer, então para garantir sua segurança, eu estou mandando ambos para dormir. Vadim não será capaz de alcançálos. E quando ele acordar, vocês vão ser a última coisa em sua mente. Não sei se será possível remover as lascas, mas nós fizemos isso uma vez. Vamos tentar. Estarei de volta em poucos minutos. Ele se dissolveu na frente deles, se deslocando de modo que era uma corrente de moléculas. Charlotte. Venha para mim. O carrossel no quintal. Tinha sonhado em levá-la aquele carrossel. Era mágico. Ele o tinha projetado, esculpido os cavalos e acrescentou alguns toques exclusivos. Ele queria ver Charlotte nos cavalos, vestindo nada além de seu longo cabelo. Ela estava esperando por ele, sentada na carruagem dourada de raios de fogo correndo irregulares por seu lado. Ele podia ver a fome em seus olhos. A sentia bater nele enquanto se aproximava. Ela estava linda e um pouco frágil, seu olhar suave e quente, mas com uma tristeza que estaria sempre presente até que trouxessem sua criança para casa. — Sielamet. —Ele sussurrou o carinho suavemente quando a abraçou e puxou-a para seu peito. No momento em que a boca estava em sua pele nua seu corpo estremeceu de prazer. Os dentes afundaram profundamente em uma mordida erótica, conectando-os na forma íntima de sua espécie. Ele passou os braços em volta dela e jogou a cabeça para trás, saboreando a sensação de sua mulher contra ele. Pele à pele. Chocado, ele olhou e descobriu que ela já tinha aprendido a sumir com as roupas. Ao mesmo tempo sua mão subiu para o seio, enquanto ela se alimentava, seu polegar deslizava sobre o mamilo, um sussurro de respiração. Durante todo o tempo ele os protegeu de quaisquer olhos. Você me queria nua em seu carrossel.

383


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Eu queria, amada. Mas eu preciso de você nua no meu carrossel quando tiver tempo para fazer algo sobre isso. Eu sei. Eu só queria que você tivesse uma pequena pausa antes da guerra começar. Eu te amo, Tariq. Vamos buscar nossa filha de volta. Assim ela lambeu seu peito para selar a pequena evidência de seus dentes e vestiu a ambos. Ele não poderia reclamar de sua atenção aos detalhes. — Como é que você aprendeu como fazer isso tão rapidamente? Ela sorriu para ele. — Passei um tempo com Vi e ela é uma total fashionista, assim eu aprendi a ser uma também. Eu gosto de roupas. Eu gosto de suas roupas. Pedi a Blaze para me mostrar e ela fez. Não é difícil uma vez que você pega o jeito. Eu até consegui fazer Emeline dar um sorriso quando eu fiz pela primeira vez e cometi alguns erros. A voz da pequena criança fluiu em sua mente. Partida. Cheia de tristeza, e determinação. Tariq, informe o Danny, Amélia e Bella que eu os amo. Diga a Emme que sinto muito. E Val ... A voz de Liv cortou na cabeça dele e Tariq a agarrou acima. Não se atreva! Ele derramou cada gota de comando em sua voz. Nós estamos indo por você. Eu sabia que você viria. Eu não quero que mais ninguém morra por minha causa. Eu não suporto a voz na minha cabeça. Eu não posso viver sabendo que ele pode fazer eu machucar meu irmão ou irmãs. Ou Emeline. Ou você. Houve uma agitação em suas mentes. Val entrou. O poder entrou com ele. Você não vai fazer isso, Liv. Havia poder além da imaginação, um antigo que tinha sido forjado no fogo da dor, torturado além da concepção, um implacável predador brutal. Você é jovem demais para entender ainda, mas você segura minha honra em suas mãos. Você vai escolher a vida e vai aguentar até chegarmos a você. Você me compreende? Você não vai escolher a morte, porque quando você o fizer, você escolhe-a para mim também. Isso é totalmente inaceitável para mim. Viva por mim. Era uma ordem, nada menos.

384


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

19mn Pequenas ondas rodavam no porto, o som enganosamente suave. Morcegos mergulhavam no ar capturando insetos quando o sol começou a afundar lentamente na água agitada. O vento levantou-se quando o sol se pôs, trazendo manchas cinza ameaçadoras. Isso é obra de Fridrick. Tariq sabia o tempo todo que não estaria enfrentando Vadim. Vadim nunca se arriscaria contra o poder combinado dos caçadores Cárpatos. Ele enviaria peões em seu lugar. Não seu irmão Sergey, mas Fridrick e seu exército de vampiros recém-transformados, os bonecos e os híbridos. Fridrick teria um ou mais de seus irmãos com ele também. Tariq esperou. Inspirando. Expirando. Ele era um caçador, e paciência era tudo. Como você soube? Ele enviou a pergunta para Val. Um homem dos Cárpatos raramente sabia que uma fêmea era sua companheira antes que ela estivesse sexualmente madura. Só então, quando ouvisse a voz dela, faria a mudança em seu mundo. Tariq sabia que mesmo em sua tenra idade, se ela estivesse madura, Vadim não a teria jogado para longe. Val Zhestokly tinha se elevado por último. Todos os caçadores Cárpatos tinham. Tariq já tinha observado plenamente a área em torno do armazém e do porto e sabia exatamente a quantidade de guardas do lado de fora. Ele teve tempo para examinar as salvaguardas e sabia que precisaria de vários deles trabalhando juntos para derrubá-las e estariam sob ataque pesado. Isso não iria funcionar. Eles tinham que fazer Fridrick

385


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 derrubar as salvaguardas. Ele também tinha os números de quem estava dentro, a maioria do exército de Fridrick, através de Liv. Ela não tem idade. Ela não pode ter restaurado cores e emoções para você. Ele tentou não soar como um pai cauteloso e protetor, mas ele se sentia assim. Liv tinha passado por tanta coisa, e Val era ... bem, um dos que tinha se isolado no mosteiro, porque considerou a si mesmo não seguro para ficar em torno de outros. Ele tinha saído por sua própria vontade, e por suas próprias razões, e caído nas mãos de Vadim, onde tinha sido torturado durante um extenso período de tempo. Ele era um bom homem. Honroso. Um guerreiro de habilidades incríveis, mas muito duro para a Liv de Tariq. Val não a reclamaria até que ela tivesse idade, mas ainda assim seria jovem demais para ele. Ela seria sempre muito jovem para tal guerreiro endurecido. Ela é minha. Oito anos a partir de hoje eu vou tomá-la como minha companheira. Até esse dia, eu vou estar por perto para ajudá-lo a protegê-la. Havia certeza na voz de Val. Tariq suspirou e esfregou a ponta do seu nariz. Como se ele não tivesse problemas suficientes. Pergunto novamente porque ela é minha filha, como você sabe? Você não pode apenas reclamá-la. Houve um silêncio. Val tinha avisado e não ia discutir. Isso não traria nada de bom para seu futuro. Tariq suspirou novamente. Pelo menos Liv tinha escutado Val e havia parado em sua gaiola, já não tentava fazer os bonecos atacá-la. O vento levantou-se em um grito selvagem. Fridrick. Ele estava testando-os, vendo se havia alguma resposta a nota penetrante que tinha costurado no vento. Do seu lado direito, Maksim apenas parecia entediado. Blaze, parecendo exatamente como Genevieve, estava perto de Charlotte. As duas mulheres aninhadas na lateral do edifício, nas profundezas das sombras. Não fizeram um movimento quando o vento atravessou o estacionamento, chicoteando os detritos em um frenesi

386


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 selvagem, girando e jogando os papeis com tanta força que eles realmente grudaram em um poste de força a alguns pés deles. Os caçadores Cárpatos tranquilamente perseguiam os guardiões escondidos em torno dos armazéns. Nos telhados. Nos becos. Três itinerantes. Os trigêmeos chegaram primeiro, Tomás, Lojos e Mataias. Eles mataram os três itinerantes no complexo sujo de edifícios. Nicu estalou o pescoço de outros dois sobre os telhados em frente ao armazém onde estava Liv. Siv e Dragomir tinham varrido os becos entre os armazéns, matando os bonecos restantes e os híbridos que encontraram. Charlotte prendeu a respiração, torceu os dedos nervosamente. Se ela errasse isso, Liv iria morrer. Ela tinha que acreditar em Tariq, nos outros Cárpatos, e desempenhar o seu papel. Mais, ela tinha que acreditar nisso não importava o que acontecesse em torno deles, Val iria pegar Liv e levála para casa em segurança. Ela viu as folhas girando à direita do armazém. Elas levantaram e mexeram-se para a esquerda, então o vento as levantou. Seu estômago caiu. Ele está aqui. Eu o vejo, sielamet. Você não está sozinha. Mantenha o plano e fique perto de Blaze. Tariq tinha explicado cuidadosamente que se ela estivesse em perigo mortal, se os caçadores pensassem que a companheira de Tariq poderia ser morta, todos eles iriam vir em sua defesa, não na de Liv. Eles não podiam perder uma de suas mulheres. Perder Charlotte significava perder Tariq também. Mas Val tinha deixado cair sua bomba e as coisas mudaram. Ela sabia o que ele fez. Tempo pouco significava para os Cárpatos e saber que Liv estava no mundo fazia a espera por ela crescer e amadurecer plenamente muito mais fácil. Ele não pode sentir.

387


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ele tem que sentir alguma coisa ou não saberia. Ele não seria tão gentil e agiria sobre ela, protestou. Ela tinha que acreditar que Val pouparia Liv não importa do que. Todo o tempo intimamente ligada com Tariq, ela viu as folhas que girarem. No momento em que Fridrick se materializou junto a porta do armazém, ela deu um passo à vista, "Blaze como Genevieve " bem atrás dela. Fridrick virou-se, viu-as e cuidadosamente procurou por sua escolta. Charlotte balançou a cabeça. — Eu fui capaz de me elevar antes de Tariq e vim até aqui. Eu sabia onde vir porque dois de seus homens foram capturados e disseram que você tinha trazido Liv aqui. Eu estou pedindo para você permitir que eu troque de lugar. Genevieve está disposta também. "Genevieve" pressionou os dedos trêmulos contra a boca, mas não disse nada. Ela se moveu apenas um pouco, ainda um par de passos atrás de Charlotte, mas também à sua esquerda. Charlotte estava bem consciente que Blaze estava dando-se espaço para atacar se precisasse. Fridrick continuou a olhar em volta, examinando a área, à procura de qualquer coisa que pudesse lhe dizer que as mulheres eram isca. — Por que eu não apenas a levo sem libertar essa pirralha horrível? — Porque eu estou disposta a morrer e tenho uma faca na minha mão. O mesmo acontece com Genevieve. Eu posso me matar antes de fazê-lo por mim. Você tem que saber Tariq me converteu. Eu posso ser nova nisto, mas eu sou rápida. — Você iria matar seu companheiro também, —ressaltou. — Ela é uma menina. — Ela não é nada. —Desprezo estava escrito no rosto de Fridrick. — Alimento para os fantoches do mestre. Assim como muitas crianças, às vezes por diversão os colocamos no porão do navio e deixamos os bonecos

388


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 com eles. Tão divertido. Vou permitir que você assista o show, apenas por não vir para mim da primeira vez que eu disse a você para vir. — Nós não temos muito tempo, —disse Charlotte, com o queixo para cima. Ela não podia pensar sobre as crianças no porão de um navio gritando enquanto os fantoches eram soltos sobre elas. Ela simplesmente não podia. Neste momento, era tudo sobre Liv. — Tariq virá atrás de mim a qualquer momento. Eu não vou desistir de Amélia, e Emeline tem uma concussão. Ela não pode ser movida. Então, se você quiser fazer a troca, é por Vi e eu e tem que ser agora, antes que os caçadores venham. Eles virão, e uma vez que cheguem, você sabe que Tariq não vai negociar. Sou sua companheira. Ele não vai desistir de mim. Ela soou convincente. Muito convincente. Tariq estava orgulhoso dela. Ela parecia como esteve na garagem, uma mulher de coragem que não tinha ideia de quem ela estava atacando. Ela tratava Fridrick como trataria um macho humano ameaçando-a. Blaze, na forma de Genevieve, pairava atrás dela assim como Vi tinha feito na garagem. Fridrick sorriu para ela e acenou com um dedo longo. — Se você a quer venha até mim então. — Eu não vou me mover até que eu a veja, —Charlotte disse teimosamente. — Compulsão não funciona em mim e o tempo esta voando. Charlotte! O que é que você fez? Tariq soou como um companheiro com medo e indignado, que ficou para trás, porque não podia suportar o sol. Não se dê. Eu proíbo isso. Ele usou o vínculo telepático comum dos Cárpatos. Eu estou indo para você. Fique longe dele. Os cantos da boca de Fridrick alargaram-se, não tanto em um sorriso, embora estivesse certa que ele pensava estar sorrindo, mas parecia mais uma ferida aberta onde era sua boca, revelando os dentes. Ele não estava

389


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 incomodado com sua aparência e seus dentes não eram tão brancos como tinham sido na garagem do estacionamento. — Como é triste ver que o grande guerreiro não pode controlar sua mulher. —Ainda sorrindo, Fridrick começou a desfiar as salvaguardas do armazém. Suas mãos brilharam com assombrosa velocidade até que ele as removeu e abriu a porta. Ele se virou para chamar Charlotte e Genevieve para dentro. Tariq o atingiu, materializando diante de Fridrick, o punho batendo no peito do vampiro, dedos agarrando o coração seco. Fridrick gritou, sangue e saliva vomitando de sua boca. — Mate ela. Mate ela. —O vampiro gritou o comando, enquanto ele inclinou a cabeça para rasgar a carne de Tariq, tentando chegar a uma artéria antes que Tariq pudesse extrair seu coração. Val e Dragomir correram para o armazém, Siv e Nicu flanqueandoos. Os fantoches com eles. Dois dos gigantes se voltaram para a jaula onde Liv se amontoava, tornando-se tão pequena quanto possível. Vampiros menores apareceram, um após o outro, correndo para o armazém pela ordem de Fridrick. Blaze entrou em ação, seguindo os vampiros, Maksim se materializando a seu lado. O cheiro de enxofre encheu os pulmões de Charlotte. Foi medonho e picou seus olhos. Óleo de hissopo11, Charlotte. Eu preciso agora, derrame-o sobre mim. Rapidamente. A respiração de Charlotte ficou presa na garganta. Eu não tenho ideia do que é isso. Ela não sabia. Tariq estava calmo, mas ele claramente ____________________ 11

Óleo de hissopo – é uma planta bastante similar em aparência a outros membros da família da menta.

A planta e seu óleo volátil possuem aroma forte parecido com o odor característico da cânfora.

390


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 necessitava do óleo e rápido. Fridrick se contorceu, lutou, a socos e pontapés, mordendo, tentando evitar que a mão de Tariq extraísse seu coração. Finalmente, em desespero, ele pegou o braço de Tariq com as duas mãos e exerceu toda a sua força para evitar que o caçador retirasse seu coração. O chão tremeu. Dentro do armazém Charlotte podia ouvir gritos e maldições, sons de agonia e vitória, mas fora o ar estava pesado com o cheiro de asfalto queimado e todos os insetos tinham sumido. De repente, um pote de óleo estava a seus pés e ela olhou em volta para ver Dragomir caminhando em sua direção, um arco e flecha nas mãos. Ele parecia sombrio, até mesmo para ele. Ele lhe deu o arco e flecha também. — Despeje o óleo ao longo do seu homem e mergulhe suas flechas no pote. Se você puder cubra-se de óleo. Eles vão ser rápidos. Mais rápidos do que você pode imaginar, mas você é Cárpato. Isso faz de você rápida. Ela nunca tinha disparado um arco e flecha em sua vida, mas algo terrível estava chegando e ela precisava manter Tariq seguro. Enquanto ela jogava o pote de óleo sobre ele, o irmão de Fridrick, Georg saltou do telhado nas costas de Tariq. Dragomir estava sobre ele em segundos, movendo-se tão rápido que era um mero borrão. Instintivamente, ela jogou óleo sobre Dragomir e virou-se para enfrentar o que estava vindo para eles. O que é isso? Ela tinha que saber. Cães do inferno estão chegando. Cães do inferno? Ela não sabia o que eram, não realmente, mas não soava bem. O estômago dela caiu quando o chão tremeu como se um terremoto estivesse tentando agitar o asfalto. Você pode fazer isso, Charlotte, Tariq disse, calmo como sempre, como se ele não estivesse lutando por sua vida. O pote estará sempre cheio de óleo. Você

391


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 vai precisar dele. Aponte à frente deles e deixe-os correr para a seta. Vá por seus olhos, esse é o tiro que mata. Um tiro na garganta vai atrasá-los. Dragomir acrescentou o seu conselho. Não olhe diretamente em seus olhos. Não permita que seu sangue ou saliva lhe toque. Se você não tiver escolha, tenha certeza de que toca apenas onde o óleo cobre você. O antigo tinha Georg no chão e estava tentando extrair o coração do vampiro. Ela podia ver que ambos os vampiros tinham os punhos no peito dos caçadores e era uma luta para ver quem poderia tomar o coração em primeiro lugar. A visão a adoeceu. Embora ela não pudesse sentir a dor de Tariq, ela sabia que ele a sentia, porque ele estava bloqueando-a. O coração de Charlotte gaguejou quando o primeiro dos cães apareceu, vindo em sua direção com gigantescos pés com garras. Dentes enchiam a boca aberta e saliva pendurada em cordas venenosas. Olhos brilhavam em um terrível vermelho medonho, olhando apenas para Tariq. Atrás dele, mais dos animais de quatro tampa vinham em direção a eles. Um tinha três cabeças. Ela deu um passo em direção ao líder e levantou seu arco. Sua mão tremia. O conhecimento de como usar o arco estava em sua cabeça, empurrado lá pelos dois caçadores antigos. Respirando, ela soltou a flecha. Perdeu o olho do cão e se alojou no pescoço maciço. Imediatamente ela deixou uma segunda flecha ir, não olhando para os outros cães ou quão perto eles estavam dela. O cão estava quase em Tariq quando de repente gritou, deslizou até parar e cambaleou. Sua flecha o tinha atingido de verdade. A besta sacudiu-se e lentamente virou a cabeça em direção a ela. O tempo abrandou. Ela podia ouvir seu coração trovejando em seus ouvidos, rugindo tão alto que abafou todos os outros ruídos. A medida que o cão mudou de direção, pulando em sua direção, ela soltou a terceira flecha.

392


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 O cão puxou seus lábios para trás para revelar o gotejamento, os dentes enormes e afiados. Ela podia ver que seus caninos eram como os de um tigre dente de sabre idoso. O animal deu um passo tremendo para ela e, em seguida, caiu. Charlotte sabia que o tempo tinha abrandado para ela, mas enquanto ela estava se concentrando no líder, os outros quatro quase a alcançaram. Ela começou a atirar flechas tão rápido quanto era capaz. Outro cão derrapou até parar, estremeceu e caiu. Isso eram dois dos cinco. Um passou por ela e saltou em Dragomir, tentando ir por suas costas. Enquanto o cão estava no ar, ela jogou todo o balde de óleo de hissopo sobre a besta. Ao mesmo tempo a sua pele começou a fumar e ele caiu no chão. Bolhas gigantes apareceram em toda a traseira e laterais do cão. Ele caiu longe de Dragomir e se virou para ela. Charlotte atirou no olho, a flecha tremeu, não penetrando profundo o suficiente para ser um tiro mortal, mas, em seguida, ela teve que voltar-se para o que vinha para ela. Ela conseguiu dar um tiro antes do cão do inferno saltar levando-a para o chão. A respiração do cão era horrível. Ela desviou do fluxo de saliva venenosa e mergulhou a flecha profundo no olho do animal, usando cada pedaço de força que pôde reunir. Rolando, ela se levantou e correu em direção ao balde de óleo, querendo banhar-se. Antes que ela pudesse chegar lá, o último cão, o de três cabeças, saltou para Tariq, os olhos vermelhos brilhando com má intenção. Claramente dirigido por Fridrick, ele saltou nas costas de Tariq, rasgando sua carne com os dentes horríveis de uma cabeça enquanto as outras duas afundavam os dentes em seus braços. Ela não podia ver mais do que um de seus olhos. Ela correu para ele, atirando a flecha no olho que ela poderia chegar perto, mas a criatura hedionda nem sequer pestanejou. Ela tinha que tirá-lo de Tariq. Charlotte imaginou uma espada, uma espada longa, letal com a lâmina mais afiada que podia imaginar. O ajuste perfeito em sua mão

393


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 como se fosse feita para ela. Ela agarrou-a com as duas mãos e correu em auxílio de Tariq. Ele estava totalmente calmo, com intenção e focada em extrair o coração de Fridrick. Ele não tentou escapar dos dentes selvagens do cão, ou deixou transparecer que o gotejar venenoso em longos fios das três bocas queimavam direto aos seus ossos. Ela cortou o pescoço enorme da cabeça que estava atacando o braço de Tariq que estava lentamente tirando o coração do corpo de Fridrick. A cabeça caiu no chão, os olhos ferozes de repente focados nela. Respirando fundo, ela embainhou a espada e soltou duas flechas, diretamente nos olhos que a fitavam do chão. Um relâmpago bifurcado correu através do céu e entrelaçou as nuvens acima. Fridrick gritou quando Tariq puxou o coração de seu corpo e jogouo ao lado da cabeça decepada da besta. O cão do inferno entrou em um frenesi, rasgando Tariq para tentar matá-lo. Dragomir jogou o murcho coração de Georg, enegrecido ao lado do de seu irmão. Mesmo que o coração de Fridrick balançasse, e então deslizasse em direção a Fridrick quando o vampiro caiu no chão, um raio o atingiu rápido, incinerando os dois corações e a cabeça do cão. A segunda cabeça da besta no braço de Tariq levantou para deixar sair um uivo. A terceira cabeça pareceu não notar, os dentes ainda rasgando as costas de Tariq. Como Tariq estava coberto de óleo de hissopo, a pele do cão do inferno começou a arder e descamar. Bolhas cobriam a pele grossa, irregular. Tariq deu a volta com as mãos e pegou a enorme cabeça do animal e, girando, quebrou seu pescoço. Assustada, a criatura caiu de costas no chão. A cabeça inclinada desajeitadamente para um lado, a outra cabeça para baixo, olhos focados em sua vítima. O cão ficou de pé e começou a perseguir Tariq. O movimento chamou a atenção de Charlotte e ela virou-se para encontrar um cão a perseguindo. Uma flecha saía de um olho. Tinha a

394


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 cabeça inclinada para um lado e olhava para ela malêvolamente. Ela não tinha matado este, só o tornou muito, muito zangado. Charlotte recuou, tropeçou e caiu com força. Ela cortou o monstruoso cão com a espada, tirada um pouco sem jeito da bainha. A lâmina cortou a garganta maciça e sangue preto derramou no chão. Ao mesmo tempo o asfalto queimou e assobiou. Tudo aconteceu tão rápido que ela não teve tempo para ter medo. Ela tinha que se manter em movimento ou a coisa ia matá-la. Ela não conseguia se levantar. Seus pés deslizavam no azeite que foi espirrado no chão e ela não podia se equilibrar no asfalto. Então Dragomir estava lá, acertou o animal no olho com uma flecha e bateu um raio na carcaça antes mesmo dele atingir o chão. Ele puxou-a em seus pés e ambos se viraram para encontrar Tariq, rasgado, sangrento e triunfante, com o cão do inferno de três cabeças a seus pés.

H h h Val abriu caminho através da parede de bonecos. Fridrick iria sacrificá-los para impedir os caçadores de chegar a Liv antes do híbrido poder matá-la. Manteve o olhar colado à gaiola, onde a criança jazia enrolada em uma bola apertada, em posição fetal, com as mãos tapando os ouvidos e os olhos fechados. Havia sangue em suas roupas, em cima do ombro. Algum em seu cabelo. Um fluxo constante de lágrimas rastreava seu rosto, mas ela chorava silenciosamente. Ele bateu com o punho em um boneco e empurrou-o, sem se importar se o sangue era suficientemente de vampiro para que queimasse como ácido. Um híbrido tentou detê-lo, atrasá-lo, atacando-o com um facão. Ainda sem tirar os olhos de Liv, Val jogou a enorme parede de músculos e carne fora de seu caminho. O híbrido mais próximo da jaula já tinha arrancado a fechadura, quebrando-a e atirando-a de lado. O gigante

395


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 chegou com suas mãos enormes, segurou Liv e arrastou-a para fora da gaiola. Liv não lutou. Ela apertou os olhos fechados e ficou mole, enquanto o híbrido a sacudia como uma boneca de pano. Ele passou uma mão em torno de sua garganta, e, em seguida, Val estava sobre ele, agarrando a cabeça entre as mãos e quebrando o pescoço. Houve um estalo audível e ele pegou Liv antes dela cair. — Mantenha os olhos fechados, csecsemõ, —ele ordenou. — Pesäd te engemal. —Ele mudou para o inglês. — Você está segura comigo, kislány12. —Ele esmagou o corpo em seu peito e começou a fazer o seu caminho através a pesada luta em direção à porta. A grande mão manteve o rosto dela firmemente pressionada contra seu peito enquanto ele correu através do armazém para a porta em que Tariq e Dragomir tinham desaparecido. Em torno dele a batalha se enfureceu com a fúria feroz dos antigos Cárpatos. Vampiros menores apareceram e se posicionaram pelos caçadores Cárpatos, mas estavam fora de seu elemento e sabiam disso. Val não se preocupou em olhar para eles quando levou a criança para fora desse inferno e noite adentro. Chicotes de relâmpagos rasgavam o ar e atingiam o asfalto de novo e de novo enquanto Dragomir e Tariq limpavam o estacionamento dos cães do inferno, vampiros e sangue venenoso contaminado. Charlotte estava de lado, um arco pendurado no ombro e uma espada na mão. Ela parecia um pouco desgastada, óleo de hissopo sobre ela. Ela olhou para cima quando Val saiu do armazém com Liv em seus braços. Seu rosto se iluminou, o alívio suavizando suas feições. ____________________ 12

kislány – significa garotinha

396


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Val, você a tem. Tariq pegou Charlotte em seus braços enquanto ele e Dragomir cerravam fileiras atrás de Val. Eles a levaram para o céu, deixando a limpeza para os outros caçadores. Liv precisava de cuidados imediatamente. Eu não tive a chance de vê-la, Charlotte lamentou. Ela está escondendo o rosto contra Val. Eu não sei se eles a feriram fisicamente. Eles certamente a tinham prejudicado emocionalmente. Liv estava em seu limite. Ela parecia tão pequena e frágil ao lado do caçador com seus músculos duros, cicatrizes e tatuagens do mosteiro. Ainda assim, ele parecia gentil enquanto segurava a criança, tão suave quanto um homem como Val poderia ser. Val diz que tem alguns arranhões, mas principalmente eles a assustaram. Tariq podia ouvir Val sussurrando garantias para Liv em sua língua. Ele não ficaria de todo surpreso se Liv o entendesse. Ela parecia capaz de assimilar línguas rápido, um outro dom. Ela não lhe respondia, permanecendo tão silenciosa que o preocupava. Val não abrandou, mesmo no complexo. Ele levou Liv através da casa principal para o porão, onde o solo rico em minerais estava espalhado e muito profundo. Tariq fez uma pausa longa o suficiente para colocar Charlotte de pé e se certificar de trazer os quartos do pânico das outras crianças, os Waltons e Genevieve de volta à superfície. Se eles acordassem de seu sono, ele não queria que eles se assustassem. Charlotte seguiu Val até o porão e através do labirinto para o seu lugar de descanso. Tariq, sua intenção é alimentá-la. Eu não sei como pará-lo. Havia pânico na voz de Charlotte. Ele vai tomar sangue suficiente para uma troca. Tariq já estava descendo e foi em uma explosão de velocidade. Ele entrou no porão. Abaixo dele, Val mantinha Liv perto de seu peito,

397


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 embalando-a em seus braços. Ela parecia pequena e quebrada. Ele já tinha aberto uma laceração em seus músculos pesados e apertou a boca dela nas gotas de sangue. — Beba, csecsemõ. Tome o que ofereço. — O que você está fazendo? —Tariq exigiu. — Temos de ter a certeza que nenhum dano virá a ela antes de convertê-la. — Eu mantenho a minha palavra, Tariq, —disse Val sem olhar para ele. Ele afastou a seda emaranhada do cabelo de Liv. — Ela disse que iria viver, se eu prometesse convertê-la. Eu estou mantendo essa promessa. Essa é segunda troca de verdade. Quando eles voltarem para o complexo, meus irmãos irão se reunir e um de nós vai trazê-la plenamente a nosso mundo. Você é seu pai e é sua tarefa fazê-lo ou eu faço, mas será feito. — Era um decreto, nada menos. Tariq praguejou na língua deles. Ele não gostava de ser empurrado para a conversão de uma criança sem um curador por perto. Ele sabia que levaria um tempo antes de um dos Daratrazanoff chegar, e ele acreditava que tinha muito tempo. O pensamento de prejudicar as crianças o impedia de levá-las plenamente para seu mundo, embora soubesse que teria de fazêlo. Ele podia ser seu pai, mas uma companheira tinha precedência sobre isso. Era a decisão de Val, não dele, e ambos sabiam disso. — Val, ela tem dez anos de idade. — Ela tem uma centena, —disse Val. — Eu não posso sentir a menos que seja para cuidar dela, ainda não, mas está lá, apenas ao meu alcance. Eu soube da primeira vez que fiz a troca com ela nos túneis, mas eu estava tão longe que não reconheci nem mesmo para mim. É raro um Cárpato reconhecer sua companheira antes dela estar madura. Ele acariciou o cabelo dela com os dedos suaves enquanto a alimentava. Liv tomou seu sangue assim como quando eles tinham estado presos juntos em uma gaiola.

398


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Você percebe a complicação que isso é? —Tariq tinha complicações suficientes. — Liv é uma criança. Eu sou seu pai e protetor. — Agora ela tem dois protetores, —disse Val. Muito gentilmente ele inseriu seus dedos entre a boca de Liv e seu peito. — Chega, csecsemõ. Devo tomar o seu sangue. Você entende o que isso significa? Tariq franziu o cenho para o caçador, segurando a criança. Durante muito tempo ela não se moveu, e ele encontrou-se prendendo a respiração. Quando ele tentou tocar sua mente, Liv tinha desligado. Ela não pensava em nada além de que estava sendo convertida. Era a única coisa que ela pensava. Todo o seu ser focava nisso. Ele viu o movimento da cabeça, o menor dos acenos e depois inteiramente por conta própria, ela virou a cabeça para permitir a Val tomar seu sangue. Tariq era antes de tudo um Cárpato. Ele já tinha reivindicado Liv como sua filha. Ele não podia deixar de se orgulhar do fato de que ela já estava abraçando seu modo de vida. Ela queria matar a si mesma. Ela tinha estado tão perto dos bonecos os insultando, eles arrastando-a de sua gaiola para matá-la. Val tinha afirmado que não poderia sobreviver sem ela, e até mesmo em sua tenra idade, sem realmente saber muito sobre ser uma companheira, ela tinha sofrido aquelas horas esperando por eles para vir buscá-la. Ela confiava que eles a queriam. Tariq sabia que Val não sentia nada sexual por sua companheira, era impossível, mas ele protegeria com o último suspiro de seu corpo. Ele não iria deixá-la por muito tempo e isso significava que Tariq tinha outro caçador, um antigo para ajudar a proteger o complexo e sua família. — Ela é nossa, —Charlotte murmurou. — Ela pode, eventualmente, pertencer a Val, mas pelos próximos anos, ela é nossa. Chame os outros para nos ajudar. Você a converte, Tariq. Entre nós, podemos mantê-la segura. Tariq assentiu. Estava cansado da luta e das feridas que tinha sofrido.

399


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ele tinha se limpado e parou o sangramento de todas as lesões, mas ele precisava curá-las. Todos os Cárpatos estavam exaustos. A maioria tinha ferimentos, mas se Liv precisava disso agora, então isso seria feito. — Eu tenho que caçar, sielamet. Vou dizer a todos para fazer o mesmo e, em seguida, voltar aqui. Quando Val terminar, você toma conta de Liv enquanto ele caça. Todos nós precisamos ter a certeza de que estamos em nossa melhor condição. — E quanto a Danny e Amélia? Eles devem estar aqui? —Perguntou Charlotte. — Eles têm o direito de estar. Danny manteve a família unida depois que seus pais morreram, e eles acreditam que o que acontece a um acontece com todos eles. Eles deveriam estar aqui, mas eu não quero que eles testemunhem a conversão se algo der errado. Os outros caçadores ficariam desconfortáveis com eles aqui. É doente explicar isso a eles e porque é melhor se todo mundo estiver focado em Liv e não neles. — Eles vão entender. —Charlotte tocou seus lábios com os dedos delicados. — Eu acho que gosto dele, embora ele me assuste um pouco. —Ela assentiu com a cabeça em direção a Val. Tariq pegou sua mão e levou os dedos à boca. — Estou tão orgulhoso de você, Charlotte. Eu sei que você estava com medo, mas você lutou como uma profissional. Ficar de frente para aqueles cães não é fácil para um caçador Cárpato, quanto mais para um ser humano recém-convertido. — Eu não tive tempo para pensar ou teria desmaiado, —Charlotte admitiu com um pequeno riso. — Você ficou com o pior de tudo ao matar aquele horrível Fridrick. Você nunca hesitou, nem mesmo quando o cão começou a rasgar você. Ela não podia acreditar nele, coberto de óleo, os dentes venenosos rasgando-o, o ácido do sangue do vampiro queimando através de sua pele,

400


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 ele tinha mantido a calma e acabado de retirar o coração, não se importando o que acontecia para ele. — Será que você tirou todo o veneno? Ele assentiu. — Eu o fiz no momento que tirei aquela coisa do meu pé. O veneno de um cão do inferno é coisa desagradável. —Ele se inclinou para beijá-la. Sua Charlotte. Ele realmente não tinha tido tempo de lhe dizer o quanto a apreciava, o quanto ele a amava. Como tinha sido assustador para ele saber que ela estava de frente para os cães, e ainda assim ela tinha feito isso e manteve-os afastados em sua maior parte, de suas costas. Se ela não tivesse estado lá para ele, Fridrick poderia ter vencido essa batalha. — Vá, querido, —ela disse suavemente. — Quanto mais rápido você voltar, mais rápido poderemos ajudar Liv. Tariq teve tempo para beijá-la mais uma vez. Ela estava pálida, e precisava de sangue também. Ela ainda não era ciente de que quando você gasta muita energia você sempre caça depois para recuperá-la. Ele levou apenas meia hora para se reunir com Matt, se alimentar, e depois ir até Danny e Amélia e explicar o que tinha acontecido. Genevieve levou Bella e Lourdes para o quintal para estar com seus dragões, enquanto ele levou os dois filhos mais velhos com ele. Ele estava grato por Donald e Maria se juntarem a Genevieve com as duas meninas, tentando dar-lhes tantas experiências normais quanto possível quando suas vidas nunca mais seriam normais. Danny e Amélia esperaram por ele em casa, com medo de não serem capazes de fingir na frente das meninas.

H h h Os Cárpatos se reuniam mais uma vez acima do solo rico em minerais e, desta vez, a tensão era palpável. Tariq sentiu como se estivesse sendo esmagado sob o peso da responsabilidade. E se alguma coisa desse errado e Liv morresse, ele nunca iria superar a perda, e ele iria viver um tempo muito longo. A lembrança da ansiedade, esperança e confiança que ele viu

401


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 nos rostos de Danny e Amélia estaria gravada para sempre em sua mente. Eles nunca iriam aceitar tampouco, e possivelmente, nunca iriam perdoálo. Converter uma criança? Ele procurou em sua memória. Ele tinha séculos de idade e não conseguia se lembrar de ter sido feito. Ele sabia que devia ter sido, mas as crianças não eram dele. Charlotte enfiou os dedos nos dele e olhou para ele com olhos cheios de confiança e crença. Com solidariedade. É minha decisão, também, ela sussurrou em sua mente, enchendo-o com ela. Nós tomamos esta decisão juntos. Todos nós. Tem que ser feito, Tariq, todo mundo sabe que ela não vai sobreviver de outra forma. Esta é a sua única chance. Ao mesmo tempo um pouco do peso levantou. Ele não estava sozinho nesta decisão ou até mesmo fazendo isso. Eles flutuaram para o centro da cama rica do solo, onde Val embalava Liv em seu colo. Ele continuou a acariciar o cabelo para trás, com dedos suaves enquanto murmurava garantias para a criança. Tariq estendeu a mão para ela, e Val instantaneamente mudou ligeiramente o peso de Liv para ele. Seus olhos tinham estado fechados, mas quando os braços de Tariq entraram em torno dela, os cílios se agitaram e logo levantaram. Seu coração gaguejou. Sua pequena Liv estava quase desaparecida. Val e Charlotte estavam certos, se não fizessem agora, eles a perderiam. É isso que você quer, Liv? Entrar em nosso mundo totalmente? Ser nossa filha? Quando eu completar a conversão, você será nossa. De Charlotte e minha. Seu gesto era quase imperceptível, mas estava lá. Seu olhar deslocouse para Charlotte. Charlotte sorriu para dela. — Venha aqui, bebê, —ela sussurrou. — Eu vou te abraçar. Tariq e Val estarão aqui para mantê-la segura, e você vai sentir todos os outros, assim como eu fiz. Eles vão tirar a dor. Você vai se sentir uma parte de todos.

402


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Os lábios de Liv se separaram. Ela respirou. — Eu não estou com medo. — É claro que você não está, —disse Charlotte. — Você sabe que Emme estaria aqui, mas ela tem uma concussão, muito ruim, e não pode se levantar. Liv assentiu e se enrolou em Charlotte. Tariq inclinou a cabeça para o pequeno pescoço de Liv e tomou seu sangue sem esperar. Ela vivia em um mundo de pesadelo e não havia como tirá-la dele. Era muito mais seguro para ela estar onde ele poderia protegê-la em todos os momentos. Ele fez a troca e, em seguida, abriu a terra. Assim como fez com Charlotte, ele protegeu o corpo de Liv dos outros enquanto flutuava Charlotte e Liv com ele, cobrindo todos, menos suas cabeças. Ele ficou na sua cabeça e Val ficou do outro lado onde poderia segurar a mão dela. Seu corpo era pequeno e ela já estava mais do que a meio caminho para o seu mundo. Não demorou muito para o processo começar. Para Liv, era como se ela tivesse uma gripe forte. Para Tariq e Charlotte era assustador, doloroso e parecia durar para sempre. Val carregou o máximo de dor possível, e os outros Cárpatos assumiram o fardo também. Ainda assim, Liv sentiu cada onda de dor, gritou quando seu corpo expulsou as toxinas e começou a remodelar seus órgãos. Charlotte cantarolou baixinho para ela, balançando seu pequeno corpo sob o cobertor do solo. Val começou a cantar uma canção de ninar suavemente para ela em sua língua. — Tumtesz o wäke ku pitasz belső. Hiszasz sívadet. Én olenam gæidnod. Sas csecsemõm, kuńasz. Rauho joŋe ted. Umtesz o sívdobbanás ku olen lamt3ad belső. Gond-kumpadek ku kim te. Pesänak te, asti o jüti, kidüsz. Quando Val cantou, Tariq traduziu as palavras para Charlotte e Liv em suas mentes. Sinta a força que você mantém dentro de você. Confie no seu coração. Eu serei o seu guia. Calma, meu filho, feche seus olhos. A paz virá para

403


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 você. Sinta o ritmo dentro de mim. Ondas de amor que o cobrem, protegem até a noite que você se levante. Charlotte tinha lágrimas em seus olhos enquanto Val cantava para sua filha. Ela era a companheira de Tariq, totalmente em seu mundo, e esta era a primeira de seus filhos a segui-la para ele. A doçura na voz de Val, vinda de um endurecido guerreiro, cheio de cicatrizes, mexeu com ela, assim como o amor que sentia verter em Liv vindo da mente de Tariq. Ela ergueu o olhar apenas uma vez para Tariq e viu o amor lhe responder. O compromisso que ele precisava dela era que ela era sua e que iria ajudá-lo com essas crianças quebradas e os adultos danificados que ele chamava de família. — Está na hora. Posso mandá-la para dormir, —disse Tariq suavemente depois do que pareceu uma eternidade. Conversão em um adulto era ruim o suficiente, mas ver uma criança se contorcendo de dor, com dores de estômago e a convulsão que acompanhava a transição, era difícil, mesmo dividindo o peso da dor entre os Cárpatos. Charlotte beijou a testa de Liv e Tariq alisou os cabelos para trás quando ordenou que ela entrasse no sono reparador de sua espécie. Tariq queria esmagar a criança nele, mas se forçou a apenas continuar acariciando seus cabelos até que o medo terrível dentro dele diminuiu. Liv estava segura. Ela estava em seu mundo e esperava poder encontrar uma maneira de aliviar o trauma o suficiente para que ela podesse ser uma feliz, criança saudável novamente. Val arrastou seus dedos sobre a mão dela. — Ela é muito corajosa, mas eu sou grato que isso acabou e ela sobreviveu. Ela tem uma vontade de ferro, um dom. — Isso é verdade. Ela estava determinada a entrar em nosso mundo. Eu acho que não vai ser qualquer um a parar Liv uma vez que ela se recupere. —Tariq tinha suas dúvidas sobre Liv se recuperando, saúde, sim,

404


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 mas das coisas que aconteceram com ela, talvez não. Ainda assim, como Charlotte, faria todo o possível para ver Liv viver uma vida feliz e saudável. — Eu sou grato que acabou bem, mas nós não terminamos, —disse Tariq. — Nós temos que destruir cada lasca que Vadim colocou nos cavalos e carros do carrossel, que são oito, e nos dois psíquicos que estamos segurando como prisioneiros. — Precisamos nos alimentar depois disto, —disse Nicu. — Não podemos correr o risco das lascas de Vadim nos escaparem. Alguns de nós têm feridas que precisam de cuidados. —Ele olhou incisivamente para Tariq. Tariq assentiu, encolhendo-se um pouco com a ideia de Matt e seus homens sendo usados pelo antigos, especialmente aqueles do mosteiro. Ele manteve um olhar discreto sobre eles enquanto se alimentavam dos seguranças, bem como dos dois prisioneiros e dos três membros da sociedade. Apenas os guardas foram poupados, já que ninguém queria que eles fossem enfraquecidos. Dragomir cuidou de todos os feridos da batalha e então teve que tomar mais sangue. Tariq e Maksim ficaram em silêncio enquanto ele usava os três caçadores de vampiros, Daniel, Bruce e Vince, de novo. Tariq notou que ele não era gentil, nem era cruel, ele simplesmente não notava os três como importantes em seu mundo. Eles realmente nada mais eram para ele do que uma fonte de sustento. Tariq ficou grato quando Dragomir se juntou a todos os outros caçadores, se dirigindo para o outro lado do porão, onde o local de trabalho continha o carrossel amaldiçoado. — Com cada lasca destruída, mais do poder de Vadim será tirado dele. Esta é uma pequena vitória para nós. Vadim está no mar, sem saber que o que fazemos aqui vai começar a diminuir suas habilidades. Ele vai sentir

405


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 quando eu as destruír, mas eu duvido que ele vá perceber que tomamos uma atitude real contra ele, —afirmou Dragomir. — Se pudermos localizá-lo no mar, —disse Tariq, — pode ser o lugar ideal para destruí-lo. Menos bagunça para limpar na cidade. Lojos sacudiu a cabeça. — Vadim tem um bom sistema de detecção. Ele está no oceano e pode ver por quilômetros. Ele está correndo agora, com Fridrick e Georg destruídos, bem como metade de seus híbridos e a maioria de seus bonecos. Ele perdeu sete vampiros menores, peões para ele, mas ainda assim precisava deles. Esta foi uma vitória decisiva para nós, embora Vadim, Sergey e o irmão mais novo de Fridrick, Addler, permaneçam para construir um outro exército. — A título de curiosidade, —Maksim disse, — o que vamos fazer com nossos caçadores de vampiros residentes? Nada parece fazê-los desistir. Tomei seu sangue e eles ainda querem. Cada caçador tomou seu sangue, e eles não entraram em pânico ou protestaram. — Vamos entregá-los a Matt e sua equipe para treiná-los. Se Matt achar que eles servem, então nós vamos envolve-los. Pelo menos eles podem ser monitorados para que possamos mantê-los longe de problemas, —Tariq decidiu. Maksim assentiu. — Essa é uma boa ideia. Se tentarmos treiná-los nós mesmos, alguns dos outros caçadores podem optar por participar. Tariq levantou uma sobrancelha e os dois homens se entreolharam com sorrisos fracos. Era bom compartilhar um pouco de humor depois de um momento tão angustiante. Os Cárpatos reunidos, formando um círculo em torno do carrossel com as lascas. Eles teceram salvaguardas ao redor deles e do carrossel para evitar que as lascas escapassem. As salvaguardas eram fortes, fios entrelaçados por cada caçador em separado até que se misturavam com uma força impossível de penetrar. Eles nunca tinham derrubado um

406


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 vampiro mestre desta forma, destruindo-o por pedaços. Se Dragomir estava correto e o alto mago tinha dito que a auto fragmentação diminuía o poder, a esperança era de que a destruição das lascas de Vadim acabaria por prejudicar a sua força. Tariq ergueu a mão e moveu-a em um círculo, comandando carros e cavalos para recuperar todos os pedaços de madeira, bem como o sangue e lascas de sombra. Os cavalos se sacudiram e balançaram, mas não conseguiram escapar do poderoso comando. A poeira e detritos se deslocaram, rodaram e depois revestiram os vários cavalos e carros até que, quando se acomodaram, o carrossel estava completamente intacto. As correntes sacudiram, pairando sobre as peças de madeira e depois se ligando a eles, levantando-os para que eles pudessem girar fora do chão. Os Cárpatos começaram a cantar, suas vozes subindo, enchendo o porão de poder até que todo o carrossel estremeceu e balançou, encolhendo-se para escapar do assalto. Sangue começou a escorrer dos entalhes na madeira. Gotas corriam para os lados. Sombras escuras apareceram, várias delas, correndo como minúsculos parasitas em uma tentativa de fugir do ataque, movendo-se sobre os cavalos e carros de madeira, procurando ranhuras para se esconder, mas não havia maneira de se esconder do poder combinado dos antigos Cárpatos ordenando-lhes para mostrar-se. Relâmpagos em ziguezague voaram pela sala. Trovões sacudiram a casa, estourando dentro do porão. O carrossel começou a girar cada vez mais rápido, como tinha feito no quintal, mas os antigos reduziram sua velocidade, de modo que ele empurrou e lutou contra o poder. De repente, um relâmpago bifurcado, bateu duro nas oito peças, os quatro cavalos e quatro carros. Um grito medonho soou ensurdecedor nos confins do porão. O carrossel ficou escuro, com fumaça subindo e nela, o rosto de Vadim, girando no meio da fumaça, olhos arregalados com o choque, a boca aberta quando ele emitiu o grito. O rosto distorcido, alongado, oscilando na

407


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 fumaça e desaparecendo lentamente. Tudo enquanto sua voz gritava e gemia. Seus dentes se apertaram violentamente, mas não havia nada que ele pudesse fazer para parar o ataque implacável dos caçadores. As lascas enegrecidas, enrolaram-se e foram reduzidas a cinza. Os cavalos e carros continuaram até que havia apenas uma pilha de cinzas e silêncio. Matt entrou correndo, arma nos braços, seu rosto uma máscara sombria. — O que diabos está acontecendo? Os dois prisioneiros estão gritando, suas cabeças no chão, com as mãos sobre os ouvidos. A mulher, Emeline, está fazendo a mesma coisa. Eu tentei entrar lá para ver se poderia ajudá-la, mas ela não me permitiu entrar. Genevieve foi até ela. Tariq suspirou. — Nós vamos cuidar dela, Matt. Blaze. Eu preciso que você e Charlotte vão até Emeline agora. Eles não tinham considerado que qualquer pessoa com uma lasca dentro dela sentiria a perda, assim como Vadim. Isto fazia sentido. As lascas eram uma parte de Vadim, e quando alguma era destruída, os outros sentiam. E se Emeline confiasse mais neles, teria dito a eles. Ela tinha que ter sentido quando removeram a lasca de Charlotte. — Charlotte e Blaze vão ajudar Genevieve com Emeline, e nós vamos cuidar dos prisioneiros. Ele estava cansado. Todos eles estavam. Mas se livrar das lascas era essencial. Vadim iria retaliar. Ele tinha ficado quieto quando soube que os dois homens o haviam traído, e ele tinha que ter sabido instantaneamente, mas ele pensou que poderia usá-los de alguma maneira. — Os dois homens, Ryan, o louro, e Andrew, o de cabelo escuro, tinham que ter um escudo semelhante ao de Charlotte. —Tariq explicou quando seguiram Matt à guarita. — Permitia-lhes resistir um pouco ao comando de Vadim, assim como Charlotte foi capaz de resistir ao de Fridrick. Siv enviou-lhe um olhar frio de seus estranhos olhos água-marinha. Eles rodavam com cores constantemente, azul e verde, vibrantes. — Se ela

408


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 pode resistir aos comandos de um vampiro mestre, ela será capaz de resistir aos seus. Tariq não tinha planejado comandar Charlotte em muita coisa, menos no quarto. Jogar era divertido, mas na vida real, ele queria sua mulher para ficar ao lado dele. Ele queria que ela tivesse opiniões. Ele estava contando com seu conselho. Ele queria que ela fosse ao clube com ele e se tornasse parte do mundo que ele criou. Ele esperava que outros Cárpatos entrassem em seu mundo e, talvez, através de seu clube, encontrassem suas companheiras. Mais, ele estava trabalhando com Josef, o jovem que entendia de tecnologia, na base de dados que os Cárpatos tinham tirado do Centro Morrison, na esperança de alcançar as mulheres psíquicas antes de Vadim. Agora ele sabia que teria de descobrir algo a ver com os homens também. Ele ainda tinha dois trabalhando para Vadim despercebidos em seu clube e isso significava que tinha que encontrá-los. Ele esperava que Andrew e Ryan pudessem ajudar com isso, mas se não, ele estava confiante que Maksim e ele os achariam em breve. Ao todo, eles tinham ido razoavelmente bem. Eles mataram dois vampiros mestres, vários outros de menor importância e quase destruíram os bonecos e exército híbrido de Vadim sem perder qualquer um dos seus caçadores. Era só mais um dia qualquer da semana. Ryan e Andrew estavam deitados no chão, sangue escorrendo de seus ouvidos, mas ambos estavam conscientes quando os caçadores entraram na sala. Eles pareciam muito apreensivos. — Nós vamos remover as lascas de vocês, —Tariq assegurou. — Vocês vieram até aqui. Você vão ter que confiar em nós. Ambos os homens assentiram, o que adicionou mais dois à sua família sempre crescente.

409


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

20mn Charlotte deixou a boate com Blaze um pouco mais cedo. Ela queria ver as crianças antes de preparar sua surpresa para Tariq. Tinha passado quase uma semana da batalha com Fridrick e o exército de Vadim. Vadim tinha desaparecido. Mesmo procurando no mar, nenhum dos caçadores tinha sido capaz de segui-lo. Ainda assim, ela sentia que era a calmaria antes da tempestade. Ela pretendia aproveitar cada momento que eles tinham antes que as coisas explodissem em seus rostos. Tariq tinha explicado a ela que era a maneira Cárpato de viver. Mesmo que tivessem se livrado de Vadim agora, outro vampiro mestre tomaria seu lugar. Sempre haveriam mais vampiros. Lá sempre existiriam vampiros e como caçador, Tariq defenderia seres humanos e Cárpatos em seu território igualmente. Danny e Amélia tinham optado por esperar até que o curador chegasse das Montanhas dos Cárpatos antes de serem convertidos. Enquanto Bella e Lourdes tivessem que permanecer na superfície durante o dia, eles queriam assim, só para o caso, e nem Charlotte nem Tariq queriam a conversão de Bella ou Lourdes sem um curador poderoso presente. Charlotte amava os dois adolescentes ainda mais por insistirem em ficar com as pequenas. Charlotte olhou cuidadosamente em volta dela, escaneou as pessoas, os inimigos, qualquer um na vizinhança que pudesse testemunhar sua mudança. Ela tinha praticado mudar muitas vezes porque ela amava poder fazer. Amava poder voar. Amava que sempre podia tocar suas crianças e

410


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 saber que elas estavam seguras. Liv ainda estava se curando no chão. Charlotte, Tariq e Val se revezavam dando seu sangue, mas, em seguida, enviavam-lhe de volta para dormir. Charlotte não era tão boa nisso, como os outros dois, de modo que ela fazia e Tariq reforçava o comando. — Isso foi bom, Charlotte. Você fez a varredura muito bem, —disse Blaze. Charlotte enviou-lhe um sorriso rápido. — Eu amo ser Cárpato. Eu tenho trabalhado em Emeline, contando-lhe todos os benefícios. Ela parece interessada. Blaze trocou um sorriso com ela. — Estou feliz que ela está deixando você entrar em sua vida. — Ela é lenta. Ela não gosta que eu entre na casa dela. Ela gosta de sentar na varanda comigo, mas ela sempre sai quando eu a visito, que são todas as noites agora. Genevieve vem comigo na maioria das vezes. — Ela ainda está tendo dores de cabeça, —Blaze disse, com a voz expressando preocupação. Charlotte compreendia. Ela sabia que Emeline tinha as dores de cabeça, mas ela tinha indicado que Vadim a tinha deixado em paz desde o ataque ao complexo. Ninguém sabia se ele tinha desistido de tê-la, ou se estava muito longe para alcançá-la. Tariq não acreditava que Vadim iria desistir, mas como todos eles, por amor a Emeline, esperava que sim. — Eu sei. E as dores de cabeça são ruins. Quando a visitei antes de sairmos para o clube, ela estava em lágrimas. Pedi-lhe para permitir que Tariq ajudasse-a aliviando-a. Ela hesitou, mas depois concordou, o que é tão raro que eu quase caí. Eu estou esperando que isso signifique que ela está começando a aceitar Tariq e Maksim em sua vida como irmãos. Blaze assentiu. — Ela está definitivamente mais confortável com eles. Obrigado por ser tão gentil e paciente com ela. Eu a amo como uma irmã

411


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 e vê-la tão quebrada tem sido muito difícil, especialmente quando fui incapaz de fazer qualquer coisa sobre isso. Charlotte enviou-lhe um sorriso cúmplice. — Com você, Genevieve e eu, vamos trazê-la para o lado escuro. As duas riram juntas, e depois Charlotte fez uma de suas coisas favoritas. Colocou a imagem de uma coruja em sua cabeça, prestando atenção ao mais ínfimo pormenor, assim como Tariq lhe tinha ensinado. Ela não podia esperar para trabalhar com Liv na mudança. Ela sabia que a menina iria adorar. Estava ficando mais fácil quanto mais ela praticava e quando Liv estivesse acordada, ela planejava praticar tudo isso juntas. Nesse momento ela estava espalhando suas asas e saltando do telhado da casa noturna. Tariq, como uma regra, nunca teria a deixado ir sozinha, nem mesmo com Blaze, mas Maksim o persuadiu. Charlotte sabia que ele iria perceber que ela estava aprontando alguma coisa e não iria perder tempo para voltar para casa. As duas corujas fizeram o seu caminho através da noite para o complexo. Ela adorava voar e tomou a rota mais longa, voando sobre parte da cidade, olhando as luzes. Cidades poderiam ser bonitas, iluminadas como estavam. Então ela foi para o lago e a água brilhava sob a lua. Era frio, mas muito claro à noite e as estrelas estavam lá. Perfeito. Uma noite perfeita. Sua pequena coruja desceu na parte traseira do dragão verde de Liv e então ela estava sentando-se em sua parte traseira. Ela está bem. Ela sussurrou a garantia. A cor verde havia esmaecido sem a interação de Liv. Embora ela achasse estranho que um dragão de pedra ficasse preocupado ou triste sem a criança, ela acreditava que era assim. Ela virá em breve. Quando ela o fizer, espero que você cuide dela. Para atraí-la para seu mundo. Ela estava certa que quando Liv se levantasse, as coisas terríveis que tinham sido feitas para ela estariam piores do que nunca. Ela tinha sido retirada

412


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 da segurança de sua casa. O que seria necessário para fazê-la se sentir segura novamente? Como Tariq e Val, ela temia que a conversão não fosse suficiente para Liv ficar com eles. A criança tinha sido tão traumatizada que quando ela acordasse e tivesse que enfrentar o que tinha feito, permitido que o inimigo entrasse no complexo, iria se sentir mais culpada. Ela não era responsável, mas ela não veria dessa maneira. Charlotte precisava encontrar um conselheiro para as crianças, talvez um entre os Cárpatos. Então, Tariq daria seu consentimento sem reservas. Danny foi o primeiro a encontrá-la. Ele a tinha aceitado muito mais rápido do que o previsto. Ela estava certa que foi Amélia. Deu-lhe um sorriso rápido. — Bella e Lourdes vão pirar quando a verem. Lourdes quer que você as leve para um passeio sobre os dragões. Ela suspirou. É claro que as duas pequenas tinham percebido que os dragões podiam voar. Foi decretado em termos inequívocos por Tariq que elas não podiam voar sem um adulto. Genevieve não ficava confortável voando na parte de trás de um dragão de pedra e se recusou terminantemente a levar as duas meninas. — Você vai levá-las! —Danny fez a declaração, sorrindo para ela, sabendo que ela raramente recusava algo para as pequenas. Claramente ele queria voar também. — Vou chamar Amélia. Ela está com Genevieve nos balanços. Charlotte podia ouvir os gritos deliciados das duas meninas quando Amélia e Genevieve as empurravam nos balanços. Ela adorava aquele som. Normal. Tariq e Charlotte estavam tentando dar as crianças, tanto de normal quanto possível. Eles os deixaram ter um par de dias de folga de seus estudos e em seguida, de volta à sua rotina normal. — Você verificou Liv? —Danny perguntou quando se afastou dos dragões na direção do quintal.

413


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Claro. Ela está bem. Tariq disse que mais dois dias. Ele está sendo excessivamente cauteloso, mas estamos esperando que isso ajude a curar sua mente também. — Eu não posso esperar para vê-la. Amélia chorou quando achou que eu não estava vendo. Ela está preocupada com Liv. — Eu vou falar com ela, —Charlotte o tranquilizou. — Bella! Lourdes! Amélia! Charlotte está aqui. Nós vamos voar. —Ele gritou. Charlotte fez uma careta e trocou um sorriso com Blaze, que estava sentada no dragão alaranjado. — Ele é um menino, —ela explicou. Blaze concordou, seu sorriso alargando. — Eu percebi. As crianças vieram correndo, Genevieve se arrastando atrás delas em um ritmo muito mais calmo. — Quer voar conosco, Vi? —Perguntou Charlotte, deslizando do dragão verde para sentar-se no azul. Ela inclinou-se para ajudar Lourdes quando o dragão azul estendeu sua asa para a criança. Genevieve deu um bufo grosseiro e sacudiu a cabeça. Blaze estava sentada atrás de Bella no dragão vermelho. Bella continuamente acariciava o pescoço de seu dragão, falando aparentemente sem respirar. O dragão voltou sua cabeça para trás para se esfregar no colo de Bella. Ela riu e se inclinou para beijar a enorme cabeça em forma de cunha. Danny, saltou no dragão marrom, algo que ele claramente praticava, porque era muito bom nisso. Ainda assim, como as meninas, ele abraçou o pescoço do dragão com os braços e se inclinou para sussurrar na orelha do animal de pedra.

414


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Amélia foi graciosa quando seu dragão alaranjado educadamente estendeu sua asa para ela. Ela balançou a perna e, em seguida, esfregou e coçou as escamas de seu dragão preferencial. Venha voar conosco, Charlotte disse ao dragão verde. Quando ele não respondeu, ela jogou sua carta trunfo, usando sua voz mais firme. Você está desperdiçado sem Liv. Você precisa estar em excelente forma para carregá-la nas costas durante o vôo. Ela vai estar com você daqui a duas noites e eu acho que você pode estar muito fraco para carregá-la então. O dragão verde levantou a cabeça e olhou para ela. Ela tinha que manter um sorriso em seu rosto. Ela afastou-se da criatura e avisou para o dragão azul que eles estavam prontos. Imediatamente ele estendeu suas asas e as bateu ferozmente, indo para longe dos outros para ter espaço para decolar. Logo, estavam no ar e Lourdes estava rindo, se pressionando contra Charlotte. Os olhos da criança estavam brilhantes de admiração enquanto voavam sobre o lago e a água. Atrás deles vinham os outros, Blaze e Bella, Danny e Amélia. E o dragão verde sem cavaleiro. Eles passaram uma hora montando os dragões no céu, tomando cuidado de ficar longe de áreas povoadas, mas entre Blaze e Charlotte que os protegiam da visão de quaisquer observadores. Uma boa prática para você, disse Blaze. Você aprende muito rápido. Ela estava aprendendo a lutar também. Ela não queria enfrentar um vampiro, mas ela sabia que era inevitável, já que ela era companheira de um caçador e esta seria sua vida. Observar as crianças crescerem. Mantêlas seguras. Educá-las. Ensiná-las a lutar contra os vampiros. Ela adorava passar o tempo com as crianças. Esta noite ela os queria desgastados. Genevieve sabia sobre a surpresa para Tariq, embora não tivesse lhe dado detalhes. Ela corou, pensando em Genevieve revirando os olhos e abanando-se. Ela sabia. Mas como Danny e Amélia, ela estava disposta a ajudar.

415


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 As crianças estavam dentro da casa, e Genevieve e os dois adolescentes acharam jogos de tabuleiro, pizzas, lanches, e filmes. Os filmes eram todos em 3D, algo que Danny particularmente amava, então ele estava disposto a assistir a programas infantis de animação com Bella e Lourdes. Blaze foi visitar Emeline, e Charlotte foi até a casa principal. Ela sabia que Tariq faria uma visita a Liv antes de ir procurá-la, então ela parou na entrada do porão e deixou uma trilha de pétalas de rosa. Em todos os lugares que ela pisava ela deixava pétalas macias, vermelhas. Na porta ela tirou a blusa e assistiu o material ir para o chão e pousar em cima das pétalas. Algo sobre ver a forma como a blusa pousou nas pétalas de rosa apertou seus mamilos em antecipação. Ela podia senti-los, sensíveis, empurrando contra seu sutiã de renda a cada passo que dava. Ela pensou sobre isso durante toda a noite, preparou-se para isso, o que a fez queimar por ele a maior parte da tarde. Ela deu mais uns passos, e seus belos saltos agulhas stilettos estavam fora, primeiro um e depois de alguns passos o outro. Ela continuou andando pelo quintal, ao ar livre, sob todas aquelas belas estrelas. Blaze tinha lhe ensinado como se proteger e ela tinha praticado mais e mais para esta noite. Ela queria dar a Tariq algo especial. Ele nunca se esquivou da responsabilidade. Ele sempre deu tudo para ela na cama, nunca pedindo muito para si mesmo. Ele era mandão no quarto, mas era tudo para ela, para seu prazer. Ela queria dar-lhe esta noite. Mais pétalas de rosas, e desta vez seu jeans desembarcou no caminho. Outra sedução. Agora ela estava andando descalça em seu sutiã pêssego pálido combinando com a tanga. O fio dental já estava molhado. Apenas o pensamento de Tariq chegando a fez deslizar as mãos pelo corpo, seguindo o caminho que ele faria em primeiro lugar.

416


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Gostaria de ver a seus seios em primeiro lugar. Levante-os. Segure-os para mim. Ele estava lá, mas ela não podia vê-lo. Ela parou e olhou em volta. Faça o que eu digo, sielamet. Não pare de andar. Continue em seu caminho. Eu adoro vê-la andar e eu não posso esperar para ver o que vai fazer a seguir. Atrás dela? Na frente dela? Ela respirou fundo e foi em direção ao seu destino, mais uma vez, acenando com a mão para continuar o fluxo de pétalas de rosa. O sutiã aterrissou em uma pilha particularmente grossa de pétalas, mostrando o vermelho através dele. O ar da noite atingiu sua pele nua e seus mamilos pareciam estar em chamas. Cada passo aumentava a necessidade ardente entre suas pernas. Junte seus seios para mim. Ela nunca se sentiu mais sexy em sua vida. Amava aquela voz. Tão fascinante. A verdade era que ela faria qualquer coisa por ele. Ela queria lhe dar todas as coisas que ele queria. Queria ser sua mulher de todas as formas possíveis. Deslizou suas mãos pelo corpo até seus seios, fazendo o que ele pedia. Imaginá-lo na frente dela, observando enquanto ela levantava e os segurava para ele. Polegares sobre seus mamilos, Charlotte. Alise para frente e para trás, enquanto você continua andando. Ela estava muito feliz por ter libertado seus pés. Ela quase não o fez, porque era baixa apenas em suas calcinha e sutiã, e calçada ficava mais sexy mas ela podia ter tropeçado. Seu corpo estava em chamas. Em necessidade. Chorando por ele. Ela fez o que ele pediu e com cada roçar de seu polegar sobre seus sensíveis mamilos apertados, seu sexo se apertava em espasmos. Ela continuou andando e quando estava no grande deck, perto do carrossel, que Tariq tinha esculpido e montado, ela tirou sua calcinha,

417


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 deixando-a cair enquanto subiu na plataforma. Ela ouviu um barulho suave atrás dela, mas não hesitou, alcançou um cavalo de aparência selvagem e virou o dedo em um círculo para a plataforma começar a girar. Só então ela olhou sobre o ombro enquanto sentava na parte traseira do cavalo, mão no poste, seu cabelo fluindo quando o carrossel girava e a música começava a tocar. Ele estava na plataforma em seu terno cinza escuro, tão lindo que o coração dela bateu triplicado. A tanga descartada estava em sua mão e ele apertou-a no nariz, inalando seu aroma. Isso era tão sexy que ela quase caiu do cavalo, seu coração batendo e seu pulso batendo em dobro no seu clitóris inchado. Ela começou a escalar o poste, movendo-se com a música, deixandose levar, deixando seu corpo se mover sensualmente em uma promessa para ele. Ela fez um lento, deliberado e ondulante movimento, seus quadris empurrando para um lado e depois outro, seus seios balançando em um convite. Ela se entregou a ele. Só a ele. A dança particular era para o homem que amava. Em seguida, ele estava com ela, do lado oposto do poste, movendo-se no tempo da música, as mãos roçando seu corpo enquanto ela dançava para ele. Um toque. Os dedos passando ao longo de seu peito. A mão cobrindo seu montículo e escorregando para o lado. Uma carícia contra o interior de sua coxa. Suas roupas foram para o chão da plataforma, e ela subiu no poste, deslizou até o topo e virou de cabeça para baixo, lentamente, como uma cobra sensual começou sua descida. Deslizando pelo peito dele, ela sacudiu sua língua em seu enorme pau. Ele se esticou, alcançando sua boca. Ela aceitou a oferta e ouviu seu gemido. Lambendo e chupando, ela deixou o carrossel movê-la para cima e para baixo, a boca sobre ele em uma sucção apertada e, deslizando quase

418


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 imediatamente. A mão dele se moveu até a coxa, descansou lá, tão perto de sua entrada. Tão quente. Ele enchia a boca dela com veludo e aço. Seu gosto era viciante. Ela passou sua língua e levou-o mais profundo quando o cavalo a subia, de modo que ela quase tinha que engoli-lo para manter a boca sobre ele. Em seguida, o cavalo descia e ela afastava-se. A mão agarrou sua cabeça, os dedos apertados em seu cabelo. Ela adorava isso. Sua ordem silenciosa a fazia mais quente. Ela o levava tão profundo como era capaz, sentindo-o inchar, sentindo o calor de sua essência subindo. Ela bebeu-o, e em seguida, delicadamente o lambeu, não querendo que fosse o fim, mas amando que tinha dado isso a ele. Quando ela levantou a cabeça, seu coração gaguejou no peito. Ela estava olhando para o predador, o predador dela, e ele estava totalmente focado nela como se pudesse devorá-la. Seus olhos brilhavam, seu cabelo castanho fluía descontroladamente em torno dele. Ele a pegou, uma mão no poste, a única que os ancorava ao carrossel. Ela ainda estava de cabeça para baixo, e ele empurrou sua cabeça contra seu ainda duro pau enquanto ele puxava as pernas ao redor de seu pescoço para que seu montículo estivesse apertado contra sua boca. Os dedos da mão cavando o lado esquerdo de sua bunda. Ele a acariciou, e ela quase se desfez. Ela não tinha que se depilar, porque ele simplesmente tinha removido todos os seus pelos, não querendo qualquer barreira entre sua boca e seu prêmio. Ele usava a língua perversa em volta dela, tomando seu tempo, tratando-a como sua sobremesa favorita. Ele sabia exatamente o que estava fazendo e era tudo o que ela gostava. Ele era implacável, não permitindo que ela chegasse ao clímax, mas deixando-a por cima e mais até que, em desespero, ela agarrou sua ereção novamente, envolvendo seu pesado pau com a boca para não gritar e implorar. Seu gosto sempre a desfez, mas ele era tão mau que ela mal conseguia manter a sucção. O fogo cresceu até que ela pensou que poderia

419


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 simplesmente queimar. Em seguida, os dentes rasparam seu clitóris e seu corpo se dissolveu. Fragmentou. Jogou-a para o céu estrelado, onde flutuou em uma espécie de êxtase. Tão bom. Tão perfeito. Ele a pegou pela cintura com ambas as mãos e virou-a, de modo que ela ficou de frente para ele. Ele a ergueu sobre seu eixo pulsante, durante todo o tempo se equilibrando na parte traseira do cavalo enquanto subia e descia com a música, e o carrossel girava em um grande círculo preguiçoso. Ela sentiu a ampla cabeça do pau em sua entrada, e, em seguida, quando o cavalo do carrossel subiu, ele bateu duro dentro dela, enchendo-a. Foi brutal. Foi invasivo. Foi perfeito. Ele a levou com a batida da música. Cada batida enviando fogo através dela, se espalhando até que suas veias eram lava derretida e seu núcleo estava tão quente que parecia um vulcão. Ele enviou-lhe sobre a borda duas vezes, mas continuou até que ela achou que estava sensível demais para continuar. Ele não parou. Ela adorava que ele não o fez. Pare. Pela primeira vez ele perdeu o controle e foi selvagem e desinibido, levando-a brutalmente. Ainda assim ... ela foi tão longe, que estava com medo de entrar em combustão espontânea. Eu não posso aguentar. Você pode. Sinta-me dentro de você, onde eu pertenço. Como ela podia não senti-lo? Ele tinha seu corpo. A mente. O coração dela. Sua alma. Seu corpo pertencia a ele. Suas mãos tinham ido até seu traseiro, agora, levantando e empurrando, cada movimento mais forte que o anterior. Ainda assim, ele continuou e construiu de novo aquele terrível fogo maravilhoso que só ele poderia dar a ela. Sua respiração saia em soluços irregulares, no tempo da música, e então ele se inclinou e afundou os dentes em seu pescoço. Seu núcleo convulsionou em torno do pênis, ordenhando e apertando em demanda. Ele inchou, mais quente, maior. E então jato após jato a

420


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 semente escaldante a encheu enquanto seu corpo arrastava sua própria essência para ele. Seus orgasmos duraram o que lhe pareceu uma eternidade, balançando os dois juntos, Charlotte segurando-o com tudo o que tinha. Durante todo o tempo o carrossel rodando. — Eu te amo, Charlotte, —Tariq sussurrou em seu ouvido. Ele beijou seu pescoço, usando a língua para acalmar a picada onde ele tinha mordido. — Muito. — Eu também te amo. — Acho que vou precisar de uma surpresa como esta todos os dias. Ela esfregou o rosto contra seu peito e, em seguida, virou-se para o seu beijo. — Sou muito criativa, —ela disse quando ele levantou a cabeça. — Meu ganho. — Você sempre é criativo. —Ela se contorceu sobre seu pênis, lembrando de quando tinham acordado e ele a tinha colocado na cama, com os braços acima da cabeça e as pernas bem abertas. Uma vez em posição, ela não tinha sido capaz de se mover. Ele teve seu tempo com ela, e ela achou que nunca iria recuperar. — Que bom que ambos são. —Ele a beijou novamente. Ela enterrou os dedos em seu rico cabelo. — Eu amo isso, Tariq. Nossa vida estranha. Tirando vampiros e fantoches de lado, ser Cárpato é maravilhoso e estar com você é um presente sem comparação. Eu amo nossos filhos e nossa estranha família de antigos caçadores, Emeline, Genevieve, Maksim e Blaze. — Nós estamos bem juntos, —ele concordou. — Todos nós. Algum dia eu vou levá-la para as Montanhas dos Cárpatos para conhecer mais dos nossos, mas estamos construindo algo de bom aqui. Sempre haverá vampiros em nossas vidas, mas com a família que estamos construindo, teremos proteção também.

421


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 — Eu amo nossa vida, —reiterou. Ela teria tido vampiros em sua vida sem ele, e não teria se saído tão bem. Agora ela tinha as crianças. Ela era mãe de quatro meninas e um menino. Ela tinha mulheres em torno dela que importavam, era próxima de caçadores que juraram proteger todos elas. Perigosos homens assustadores, e poderosos, e ela descobriu que se preocupava com eles também. Ela gostava da estranha vida mais do que qualquer outra. — Eu te amo, —ela disse novamente, mostrando profundamente o que sentia. Ele a beijou e que foi a perfeição.

422


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

Personagens nesse Livro - Tariq Asenguard - Maksim Volkov - Blaze MacGuire - Emeline Sanchez (amiga/irmã de Blaze e psíquica) - Os trigêmeos: Mataias, Lojos e Tomás - Os Antigos, Dragomir Kozul (do mosterio), Afanasiv Balan ‘Siv’ (era do mosterio), Val Zhestokly (era do mosterio) e Nicu Dalca - Charlotte Vintage - Genevieve Marten (amiga de Charlotte e psíquica) - Grace Parducci (babá de Lourdes, e psíquica) - O Casal, Donald e Mary Walton (psíquicos)

As crianças psíquicas: Danny, Amélia, Liv e a bebê Bella. Lourdes, sobrinha da Charlotte

Os homens humanos e psíquicos: - Daniel Forester, Vince Tidwell e Bruce Van Hues (psíquicos) - Matt Bennet (não é psíquico) e o chefe da força de segurança pessoal de Tariq, uma ‘elite’ de homens treinados no combate contra os vampiros e fantoches. - Ryan Jenkins e Andrew Wilson (psíquicos)

423


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

Apéndice 1 Cânticos Curadores Cárpatos Para entender corretamente os cânticos curadores dos Cárpatos, requerem-se conhecimentos em várias áreas:

1. O ponto de vista dos Cárpatos sobre a cura. 2. O "Cântico Curador Menor" dos Cárpatos. 3. O "Grande Cântico Curador" dos Cárpatos. 4. A Estética Musical Cárpata. 5. Canção de Ninar. 6. A Canção de Curar a Terra. 7. A Técnica de Cantar Cárpata.

1. O ponto de vista dos Cárpatos sobre a Cura. Os Cárpatos são um povo nômade cujas origens geográficas podem ser traçadas em retrospectiva ao menos tão longe como as Montanhas Urales do Sul (perto dos estepes do Kazahstan de hoje em dia), no extremo

424


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 entre a Europa e Ásia (Por esta razão, os linguistas de hoje em dia chamam a seu idioma "proto-Uralico", sem saber que este é o idioma dos Cárpatos). Ao contrário da maior parte dos povos nômades, a vagabundagem dos Cárpatos não se devia à necessidade de encontrar novas terras de pasto quando as estações e o tempo mudavam ou a busca de melhor comércio. Em vez disso, os movimentos dos Cárpatos estavam provocados pelo grande propósito de encontrar um lugar que tivesse a terra correta, um terreno com o tipo de riqueza que realçaria enormemente seus poderes de rejuvenescimento. Com o passo dos séculos, emigraram para o oeste (faz uns seis mil anos) até que ao fim encontraram sua perfeita terra natal... seu "susu"... nas Montanhas dos Cárpatos, que é o longo arco que embalava as exuberantes planícies do reino da Hungria. (O reino da Hungria floresceu durante ao menos um milênio... fazendo do húngaro o idioma dominante da Concha Cárpato... Até que as terras do reino se dividiram em vários países depois da Primeira guerra mundial: Áustria, Checoslováquia, Romênia, Yugoslávia, Áustria, e a moderna Hungria). Outras pessoas do Sul dos Urales (que compartilhavam o idioma Cárpato, mas não eram Cárpatos) emigraram em diferentes direções. Alguns terminaram na Finlândia, o que explica por que o húngaro e finlandês moderno estão entre os descendentes contemporâneos do idioma ancestral Cárpato. Mesmo estando presos por sua escolha, a terra dos Cárpatos, a peregrinação continuou, enquanto procuravam no mundo as respostas que os capacitariam a manter e criasse sua descendência sem dificuldade. Por causa de suas origens geográficas, a visão dos Cárpatos da cura compartilha muito com a maior tradição euro-asiática do xamanismo.

425


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Provavelmente a mais próxima representação moderna dessa tradição está apoiada em Tuba (e se refere a ela como “Xamanismo Tuvianian”.), Ver o mapa.

A tradição euro-asiática... dos cárpatos aos xamãs siberianos... opinava que a enfermidade se originava na alma humana, e só posteriormente se manifestava como diversas condições físicas. Por conseguinte, a cura xamã, embora não descuidava o corpo, concentravase na alma e sua cura. As enfermidades mais estendidas se entendiam que eram causadas por "a partida da alma" em que toda ou alguma parte da alma da pessoa doente se afastou do corpo (aos reinos inferiores), ou tinha sido capturada ou possuída por um espírito malvado, ou ambas as coisas. Os Cárpatos pertencem a esta maior tradição xamanista euro-asiática e compartilham seus pontos de vista. Embora os próprios Cárpatos não sucumbiam à enfermidade, os curadores Cárpatos entendiam que os ferimentos mais profundos eram também acompanhados por uma "partida da alma" similar.

426


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Acompanhando o diagnóstico de "partida da alma" o xamã/curador estava portanto obrigado a fazer uma viagem espiritual aos mundos inferiores, para recuperar a alma. O xamã poderia ter que vencer tremendos desafios com o passar do caminho, particularmente lutar com o demônio e vampiro que havia possuído a alma de seu amigo. A "partida da alma" não requeria que uma pessoa estivesse inconsciente (embora esse certamente pode ser o caso também). Entendiase que uma pessoa ainda podia parecer estar consciente, mesmo falar e interatuar com outros, e ainda então ter perdido uma parte da alma. O curador ou xamã experimentado veria instantaneamente o problema não obstante, em sinais sutis que outros poderiam passar por cima: a atenção da pessoa vagando de vez. Então que, uma diminuição de seu entusiasmo pela vida, depressão crônica, uma redução no brilho de sua “aura", e coisas pelo estilo.

2. O Cântico Curador Menor dos Cárpatos. Kepä Sarna Pus (O "Cântico Curador Menor") é utilizado para ferimentos que são de natureza meramente física. O curador Cárpato abandona seu corpo e entra no corpo do Cárpato ferido para curar os ferimentos mortais de dentro e fora utilizando pura energia. Ele proclama "ofereço livremente, minha vida por sua vida", enquanto dá seu sangue ao Cárpato ferido. Porque os Cárpatos são da terra e unidos ao chão, são sanados pela terra de seu país natal. Sua saliva com frequência também é utilizada por seus poderes rejuvenescedores. Também é muito comum nos cânticos Cárpatos (para o menor e o maior), ser acompanhados pelo uso de ervas curadoras, aromas de velas

427


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Cárpatas, e cristais. Os cristais (quando são combinados com a empatia Cárpata, a conexão física com o universo inteiro) são utilizados para acumular energia positiva de seus arredores que depois se utiliza para acelerar a cura. Algumas vezes se utilizam covas como local para a cura. O cântico curador menor foi utilizado pelo Vikirnoff Von Shrieder e Colby Jansen para curar ao Rafael De La Cruz cujo coração tinha sido quase arrancado por um vampiro no livro titulado Segredo Sombrio.

Kepä Sarna Pus (O Cântico Curador Menor) O mesmo cântico é utilizado para todos os ferimentos físicos, "sivadaba" ("dentro de seu coração"), mudaria para referir-se a qualquer parte do corpo que esteja ferida.

Ku’nasz, nélkül sivdobbanás, nélkül fesztelen löyly. Jaz como dormido, sem pulsado de coração, sem respiração aérea

Ot élidamet andam szabadon élidadért. Ofereço livremente minha vida por sua vida.

O jelä sielam jǒrem ot ainamet és soŋe ot élidadet. Meu espírito de luz esquece meu corpo e entra em seu corpo.

428


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 O jelä sielam pukta kinn minden szelemeket belső. Meu espírito de luz envia todos os espíritos escuros de seu interior à fuga.

Pajńak o susu hanyet és o nyelv nyálamet sívadaba. Pressiono a terra de nossa terra natal e a saliva de minha língua em seu coração.

Vii, o verim soŋe o verid andam. Ao fim, dou-te meu sangue por seu sangue.

Para ouvir este cântico, visita: http://www.christinefeehan.com/members/

3. O Grande Cântico Curador dos Cárpatos. O mais conhecido... e mais dramático... dos cânticos curadores dos Cárpatos era En Sarna Pus ("O Grande Cântico Curador"). Este cântico estava reservava para recuperar a alma do Cárpato ferido ou inconsciente. Tipicamente um grupo de homens formariam um círculo ao redor do Cárpato ferido (para"lhe rodear com nossa cuidado e compaixão"), e começa o cântico. O xamã ou curador ou líder é o personagem principal

429


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 nesta cerimônia curativa. É ele quem em realidade faz a viagem espiritual ao mundo inferior, ajudado por seu clã. Seu propósito é dançar estaticamente, canto, tambores, e cântico, tudo enquanto visualiza (através das palavras do cântico, a viagem mesmo) , uma e outra vez… até o ponto no que o xamã, em transe, abandona seu corpo, e faz essa mesma viagem. (Certamente, a palavra "êxtase" provém do latim ex statis, que literalmente significa "fora do corpo.") Uma vantagem do curador Cárpato sobre muitos outros xamãs, é seu vínculo telepático com seu irmão perdido. A maior parte dos xamãs deve vagar na escuridão dos reinos inferiores, em busca de seu irmão perdido. Mas os curadores Cárpatos "ouvem" diretamente em sua mente a voz de seu irmão ferido lhe chamando, e isto pode atuar como um radiofaro direcional. Por esta razão, o cântico Curador tende a ter um êxito mais elevado que a maior parte das outras tradições deste tipo. Algo da geografia do "outro mundo" serve-nos para examinar, a fim de entender completamente as palavras de Grande Cântico Curador Cárpato. faz-se uma referência ao "Grande Árvore" (no Cárpato: En Puwe). Muitas tradições ancestrais, incluída a tradição Cárpata, entendem que os mundos... os mundos celestiais, nosso mundo, e dos reinos inferiores... estão pendurados em um grande polo, ou eixo, ou árvore. Aqui na terra, estamos colocados a meio caminho nesta árvore, sobre um de seus ramos. Portanto muitos textos antigos com frequência se referem ao mundo material como "terra meia", a meio caminho entre os céus e o inferno. Subindo a árvore chegaríamos aos mundos celestiais. Descendendo pela árvore até a raízes chegaríamos ao reino inferiores. O xamã era necessariamente um mestre em mover-se acima e abaixo pela Grande Árvore, às vezes sem ajuda, e às vezes assistido por (ou mesmo montado à garupa) um espírito guia animal. Em várias tradições, esta Grande Árvore é

430


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 conhecida de várias formas, o axis mundi (o "eixo dos mundos"), Ygddrasil (na mitologia nórdica), Mount Mem (o mundo sagrado da montanha da tradição tibetana), etc. O cosmos cristão com seu céu, purgatório/terra, e inferno, é também uma comparação válida. Mesmo se dá uma topografia similar na Divina Comédia de Dante. Dante é conduzido em uma primeira viagem ao inferno, para o centro da terra; depois para cima ao Monte Purgatório, que se assenta na superfície da terra diretamente oposto ao Jerusalém; depois mais para cima primeiro ao Éden, no alto do Monte Purgatório; e depois mais acima até o último céu. Na tradição xamanista, entende-se que o pequeno sempre reflete o grande; o pessoal sempre reflete o cósmico. Um movimento nas maiores dimensione do cosmos também coincide com um movimento interno. Por exemplo, o axis mundi do cosmos também corresponde ao espinho dorsal do indivíduo. As viagens acima e abaixo pelo axis mundi com frequência coincidem com o movimento das energias natural e espiritual (algumas vezes chamada kundalini ou shakti) no espinho dorsal do xamã ou místico.

En Sarna Pus (O Grande Cântico Curador) Neste cântico, ekä ("irmão") substituiria-se por "irmã", "pai", "mãe" dependendo da pessoa a ser curada.

Ot ekäm ainajanak hany, come. O corpo de meu irmão é um conglomerado de terra, próximo à morte.

431


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Me, ot ekäm kuntajanak, pirädak ekäm, gond és irgalom türe. Nós, o clã de meu irmão, rodeamos-lhe com nosso cuidado e compaixão.

O pus wäkenkek, ot oma sarnank, és ot pus fünk, álnak ekäm ainajanak, pitänak ekäm ainajanak elävä. Nossas energias curadoras, palavras ancestrais de magia, e ervas curativas benzemos o corpo de meu irmão, mantendo-o vivo.

Ot ekäm sielanak pälä. Ot omboce päläja juta alatt o jüti, kinta, és szelemek lamtijaknak. Mas a alma de meu irmão está somente pela metade. Sua outra metade vaga nos mundos inferiores.

Ot em mekemŋ amaŋ: kulkedak otti ot ekäm ombo’ce päläjanak Minha grande ação é esta: Viajo para encontrar a outra metade de meu irmão.

Rekatüre, saradak, tappadak, odam, kaŋa o numa waram, és avaa owe o lewl mahoz. Nós dançamos, nós cantamos, nós sonhamos estaticamente, para chamar a meu espírito pássaro, e abrir a porta ao outro mundo.

432


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ntak ou numa waram, és muzdulak, jomadak. Monto meu espírito pássaro e começamos a nos mover, estamos em caminho.

Piwtädak ot No Puwe tyvinak, ecidak alatt o jüti, kinta, és szelemek lamtijaknak. Seguindo o tronco da Grande Árvore, caímos nos mundos inferiores.

Fázak, fázak nó o’saro É frio, muito frio.

Juttadak ot ekäm ou akarataban, o'sívaban, és ou sielaban. Meu irmão e eu estamos unidos em mente, coração e alma.

Ot ekäm sielanak kaŋa engem A alma de meu irmão me chama

Kuledak és piwtädak ot ekäm Ouço e sigo seu rastro.

Sayedak és tuledak ot ekäm kulyanak Encontro o demônio que está devorando a alma de meu irmão

433


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Nenäm coro; ou kuly torodak. Furioso, luto com o demônio.

O kuly pel engem Tem medo de mim.

Lejkkadak o kaŋka salamaval. Golpeio sua garganta com um relâmpago

Molodak ot ainaja, komakamal. Rompo seu corpo com minhas mãos nuas.

Toya és molanâ. Esgota-se e cai em pedaços.

Hän cada. Foge.

Manedak ot ekäm sielanak. Resgato a alma de meu irmão.

434


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Aladak ot ekäm sielanak ou komamban. Elevo a alma de meu irmão no oco de minha mão.

Alŋdam ot ekäm numa waramra Subo a meu espírito pássaro.

Piwtädak ot En Puwe tyvijanak és sayedak jälleen ot elävä ainak majaknak. Seguindo a Grande Árvore para cima, voltamos para a terra da vida.

Ot ekäm elä jälleen. Meu irmão vive de novo.

Ot ekäm weńća jälleen. Está completo de novo.

Para ouvir este canto, visita: http://www.christinefeehan.com/members/

435


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 4. Estética Musical Cárpata Nas peças cantadas dos Cárpatos (como o "Lullaby" e "Som para curar a Terra"), você vai ouvir elementos que são compartilhados por muitas das tradições musicais da região geográfica Uralic, alguns dos quais ainda existem a partir da Europa Oriental (búlgaro, romeno, húngaro, croata, etc) para Romany ("ciganos"). Alguns destes elementos incluem:

• a rápida alternância entre modalidades principais e secundárias, incluindo uma mudança repentina (chamado de "terceiro Picardy") de menor para maior para acabar com um pedaço ou seção (como no final do "Lullaby"); • o uso do close (apertado) harmonias; • o uso de ritardi (retardando a peça) e Crescendi (aumento em volume) por breves períodos; • o uso de glissandos (slides) na tradição cantada; • o uso de trinados na tradição cantar (como na invocação final do "som para curar a terra"), semelhante ao Celtic, uma tradição de canto mais familiar para muitos de nós; • o uso de quintos paralelos (como na invocação final do "som para curar a terra”); • uso controlado de dissonância; • "chamada e resposta" canto (típico de muitas das tradições de canto do mundo);

436


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 • estender o comprimento de uma linha musical (pela adição de um par de barras) para aumentar o efeito dramático; • e muitos mais "Lullaby" e "som para curar a terra" ilustram duas formas bastante diferentes de música Carpathian (um pedaço, intimista e uma peça de ensemble energético), mas independentemente da sua forma, a música Carpathian está cheio de sentimento.

5. Canção de Ninar Essa música é cantada por mulheres, enquanto a criança ainda está no útero ou quando a ameaça de um aborto é aparente. O bebê pode ouvir a música enquanto está no interior da mãe, e a mãe pode se conectar com a criança telepaticamente também. A canção de ninar é para tranquilizar a criança, incentivar o bebê a continuar, tranquilizar a criança ou protegê-la com amor, mesmo de dentro até o nascimento. A última linha, literalmente, significa que o amor da mãe que protege seu filho até que a criança nasça ("ascensão"). Musicalmente, a canção cárpata "Lullaby" é em três uartos de tempo ("tempo de valsa"), assim como uma parcela significativa do mundo várias canções de ninar tradicionais (talvez a mais famosa seja "Lullaby Brahms"). O arranjo para voz solo é o contexto original: uma mãe cantando para seu filho, não acompanhada. O arranjo para coro e conjunto musical violino ilustra como até mesmo os mais simples são muitas vezes peças dos Cárpatos, e como facilmente se prestam aos contemporâneos arranjos instrumentais ou orquestrais. (A ampla gama de compositores contemporâneos, incluindo Dvořák e Smetana, se aproveitou de uma descoberta similar, de outros de música oriental tradicional europeia em seus poemas sinfônicos.).

437


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Odam-Sarna Kondak (Lullaby)

Tumtesz o wäke ku pitasz belső. Sinta a força que o mantém dentro.

Hiszasz sívadet. Én olenam gæidnod. Confie em seu coração. Eu serei seu guia.

Sas csecsemõm, kuńasz. Silêncio meu bebê, feche seus olhos.

Rauho joŋe ted. A paz virá para você.

Tumtesz o sívdobbanás ku olen lamt3ad belső. Sinta o ritmo dentro de mim.

Gond-kumpadek ku kim te. Ondas de amor cobrirão você.

Pesänak te, asti o jüti, kidüsz. Protegendo, até que noite chegue.

438


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 6. Canto de Cura da Terra Esta é a canção de cura da terra — que é usada pelas mulheres Cárpatas para curar o solo cheio de várias toxinas. As mulheres tomam posição sobre os quatro lados e chamam o universo para recorrer à energia da cura com amor e respeito. O solo de terra é seu lugar de descanso, o lugar onde se rejuvenesce, e devem torná-lo seguro não só para si, mas para seus filhos não nascidos, bem como para seus homens e crianças vivas. Este é um belo ritual realizado pelas mulheres em conjunto, levantando suas vozes em harmonia e convidando os minerais da terra e propriedades curativas para vir e ajudá-las a salvar seus filhos. Elas literalmente dançam e cantam para curar a terra numa cerimônia tão antiga quanto sua espécie. A dança e as notas da canção são ajustadas de acordo com as toxinas sentidas através dos pés descalços da curadora. Os pés são colocados num certo padrão e as mãos graciosamente tecem a magia de cura, enquanto a dança é executada. Elas devem ter um cuidado especial quando o solo é preparado para os bebês. Esta é uma cerimônia de amor e cura. Musicalmente, o ritual é dividido em várias seções:

• Primeiro verso: A seção "chamada e resposta", onde o líder canta a "chamada" do solo, e, em seguida, algumas ou todas as mulheres cantam a "resposta" na estreita harmonia estilo típico da tradição musical dos Cárpatos. A resposta repetida é uma invocação da fonte de energia para o ritual de cura: "Oh Mãe Natureza";

439


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 • Primeiro Coro: Esta seção será cheia de dança batendo palmas e outros meios utilizados para invocar e aumentar a energia em que o ritual é feito; • Segundo verso; • Segundo coro;

A invocação de encerramento: Nesta parte final, dois líderes da música, em estreita harmonia, tem toda a energia recolhida pelos padrões anteriores da canção/ritual e a focam inteiramente no propósito de cura. O que vai ouvir são gostos breves do que seria normalmente um ritual de muito mais tempo, em que o verso e peças são desenvolvidos e o coro repetido muitas vezes, fechado por uma interpretação única da invocação final.

Sarna Pusm O Maγet (Canção para Curar a Terra)

Primeiro verso Ai Emä Maγe, Oh, Mãe Natureza, Me sívadbin lańaak. Somos suas amadas filhas. Me tappadak, me pusmak o maγet. Dançamos para curar a terra.

440


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Me sarnadak, me pusmak o hanyet. Cantamos para curar a terra. Sielanket jutta tedet it, Unimo-nos a você agora, Sívank és akaratank és sielank juttanak. Nossos corações, mentes e espírito são somente um.

Segundo Verso Ai Emä maγe, Oh, Mãe Natureza Me sívadbin lańaak. Somos suas amadas filhas. Me andak arwadet emänked és me kaŋank o Prestamos homenagem à nossa Mãe e invocamos Põhi és Lõuna, Ida és Lääs. Norte e Sul, Leste e Oeste. Pide és aldyn és myös belső. Acima e abaixo e dentro também Gondank o maγenak pusm hän ku olen jama. Nosso amor a terra cura o que é preciso. Juttanak teval it, Juntamo-nos com você agora,

441


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Maγe maγeval. Terra para terra. O pirä elidak weńća. O círculo da vida está completo.

Para ouvir este canto, visite: http://www.christinefeehan.com/members/

7. Técnica de Canto Cárpato Tal como acontece com as suas técnicas de cura, a "técnica de canto" real dos Cárpatos tem muito em comum com as tradições xamânicas de outras estepes da Ásia Central. O principal modo de cantar era usando sons secundários com a garganta. Exemplos modernos dessa maneira de cantar ainda podem ser encontrados nas tradições da Mongólia, Tuvan e tibetano. Você pode encontrar um exemplo de áudio dos monges budistas tibetanos Gyuto cantando em: http://www.christinefeehan.com/carpathian_chanting/ Tal como acontece em Tuva, note no mapa a proximidade geográfica do Tibete ao Cazaquistão e sul dos Urais. A parte inicial do canto tibetano enfatiza a sincronização de todas as vozes em torno de um único tom, visando à cura de um "chakra" particular do corpo. Isso é típico da tradição

442


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 do canto Gyuto, mas não é uma parte significativa da tradição dos Cárpatos. No entanto, ele serve como um contraste interessante. A parte do exemplo do canto Gyuto que mais se assemelha ao estilo de cantar dos Cárpatos é o meio, onde os homens estão cantando as palavras juntas com muita força. O objetivo aqui não é gerar um "tom de cura", que afetará "chakra" em particular, mas sim para gerar energia, tanto quanto possível para o início do "fora do corpo", viagens e para combater as forças demoníacas que o curandeiro/viajante deve enfrentar e superar. As canções das mulheres dos Cárpatos (ilustrado pelo "Lullaby" e a "Canção para curar a terra") fazem parte da mesma música antiga tradição de cura e como o Canto de Cura e o canto do Grande caçador guerreiro. Você pode ouvir alguns dos instrumentos em ambos os cantos: o "canto de cura dos guerreiros" e a "Canção para curar a terra." Das mulheres. Além disso, eles compartilham o objetivo comum de gerar e dirigir poder. No entanto, as canções das mulheres são distintamente feminino. Uma diferença imediatamente perceptível é que, enquanto os homens falam de suas palavras na forma de um canto, as mulheres cantam músicas com melodias e harmonias, suavizando o desempenho global. Uma qualidade feminina, que cria é especialmente evidente. Proteção, uma qualidade feminina, que é especialmente evidente no "Lullaby".

443


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

Apéndice 2 O Idioma Cárpato Como todos os idiomas humanos, o idioma dos Cárpatos contém a riqueza e matiz que só pode vir de um longo histórico de utilização. No melhor dos casos só podem tocar levianamente alguns dos traços principais do idioma neste breve apêndice:

   

A História do Idioma Cárpato Gramática Cárpato e outras características do idioma. Exemplos do idioma Cárpato Um dicionário Cárpato muito abreviado.

1. A História do Idioma Cárpato. O idioma Cárpato de hoje em dia é essencialmente idêntico ao idioma Cárpato de faz milhares de anos. Uma língua "morta" como o latim de faz dois mil anos que evoluiu a um idioma moderno significativamente diferente (italiano) por causa de incontáveis gerações de falantes e grandes flutuações históricas. Em contraste, muitos dos falantes do Cárpato de milhares de anos estão ainda vivos. Sua presença... junto com o isolamento deliberado dos Cárpatos das demais forças maiores de

444


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 mudança no mundo, atuou (e continua atuando) como força estabilizadora. A cultura Cárpato também atuou como força estabilizadora. Por exemplo, as Palavras Rituais, os vários cânticos curadores (ver apêndice 1), e outros artefatos culturais foram passados durante séculos com grande fidelidade. Uma pequena exceção deveria ser tomada em conta: A extensão dos Cárpatos em várias regiões geográficas separadas conduziu a algumas dialetizações menores. Entretanto os vínculos telepáticos entre todos os Cárpatos (ao igual à volta regular de cada Cárpato a sua terra natal) assegurou que as diferenças entre dialetos sejam relativamente superficiais (ex: umas poucas novas palavras, diferenças menores na pronúncia, etc). Devido a mais profunda e interna linguagem de mentes as fórmulas permaneceram iguais por causa do uso contínuo através do espaço e o tempo. O idioma dos Cárpatos era (e ainda é) o proto-idioma para a família de idiomas dos Urales (ou Finno-Ugrian). Hoje em dia, os idiomas urales se falam no norte, este e centro da Europa e na Sibéria. Mais de vinte e três milhões de pessoas no mundo falam idiomas cujas origens podem ser rastreadas até o Cárpato. Magyar ou Hungria (ao redor de quarenta milhões de falantes, Finlândia (ao redor de cinco milhões) e Estoniana (ao redor de um milhão), arco dos três maiores descendentes contemporâneos deste proto-idioma. O único fator que une aos mais de vinte idiomas na família ural é que suas origens podem ser traçadas de volta a um protoidioma comum... o Cárpato... dividiu-se (faz ao redor de seis mil anos) nos vários idiomas da família ural. Da mesma forma, os idiomas europeus ao igual ao Inglês e o Francês, pertencem a bem conhecido família indoeuropeia e também provêm de um proto-idioma comum (um diferente ao Cárpato) A seguinte tabela proporciona um sentido para algumas das similitudes na família de idiomas.

445


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30

Nota: A Finnic/Cárpato "k" se corresponde com frequência com a "h" húngara. Igualmente a Finnic/Cárpato "p" com frequência corresponde a "f" húngara.

TABELA 1

446


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 2. Gramática Cárpato e outras características do idioma Idiomas. De uma vez um idioma ancestral é um idioma de pessoas que estão sobre a terra, os Cárpatos estão mais inclinados para o uso de idiomas construídos desde términos concretos, "terrestres", em vez de abstrações. Por exemplo, nossa moderna abstração "apreciar" é expressa mais concretamente no Cárpato como "manter no coração", o "mundo inferior" é, no Cárpato, "a terra de noite, névoa e fantasmas"; etc. Ordem de palavras. A ordem das palavras em uma frase está determinada não por róis de sintaxe (como sujeito, verbo e objeto), mas sim por fatores pragmáticos e propulsados pelo discurso. Exemplos: " Tied vagyok." ("Seu sou eu"); " Sívamet andam." ("Meu coração te dou") Aglutinação. O idioma Cárpato é aglutinativo; quer dizer, palavras mais longas som construídos de componentes menores. Um idioma aglutinador utiliza sufixos e prefixos que cujo significado é geralmente único, e que estão encadeados uns atrás de outros sem encontrar-se. No Cárpato, as palavras consistem tipicamente em uma raiz que é seguida por um ou mais sufixos. Por exemplo, "sívambam" deriva da raiz "sív" ("coração") seguida por "am" ("meu," convertendo-o em "meu coração"), seguido por "bam" ("ien," convertendo-o em "em meu coração"). Como pode imaginar, a aglutinação no Cárpato algumas vezes produz palavras muito longas, ou palavras que são difíceis de pronunciar. As vocais conseguem serem inseridas entre sufixos, para evitar que muitas consonantes apareçam em fila (que podem fazer a palavra impronunciável). Tipos essenciais. Como todos os idiomas, O Cárpato tem muitos tipos de essenciais, o mesmo substantivo será "soletrado" de forma diferente dependendo de seu rol na frase. Alguns dos tipos de substantivos incluem: nominative (quando o substantivo é o sujeito da frase), acusativo (quando o

447


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 substantivo é um objeto direto do verbo), dativo (objeto indireto), genital (ou possessivo), instrumental, final, supressivo, inesivo, elativo, terminativo e delativo. Utilizaremos o tipo possessivo (ou genital) como exemplo, para ilustrar como todos os tipos de substantivos no Cárpato acrescentam sufixos à raiz do substantivo. Então expressando posse no Cárpato... "minha companheira", "sua companheira", "sua companheira", etc... acrescenta um sufixo particular (tal como "am") à raiz do sufixo (" päläfertiil"), para produzir o possessivo (" päläfertiilam"—"minha companheira"). Que sufixo utilizar depende da pessoa ("meu", "teu", "dele", etc), e de se o substantivo terminar em consonante ou vogal. A seguinte tabela mostra os sufixos por substantivos em singular (não em plural", e também as similitudes dos sufixos utilizados no húngaro contemporâneo. (O húngaro é de fato um pouco mais complexo, no que também se requer "ritmo vocal", que sufixo utilizar também depende da última vogal do substantivo; portanto existem múltiplos eleições, onde o Cárpato só tem uma sozinha).

TABELA 2

448


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 O húngaro é de fato um pouco mais complexo, em que também precisa "vocal rimando": que acrescente como sufixo usar também depende do último vocal no substantivo; portanto os exames de escogencia múltiplo nas células debaixo, onde Carpathian só têm uma só escolha. Nota: Como se mencionou antes, as vocais com frequência se inserem entre a palavra e seu sufixo para evitar que muitas consonantes apareçam em uma fila (o que produziria uma palavra impronunciável). Por exemplo, na tabela de acima, todos os substantivos que terminam em um consonante som, seguidos por sufixos que começam com "a". Conjugação de verbos. Como em seus descendentes modernos (tanto o Finlandês como o Húngaro), o Cárpato tem muitos tempos verbais, muitos para descrever aqui. Concentraremo-nos na conjugação do presente. De novo, colocaremos o húngaro contemporâneo junto ao Cárpato, para remarcar as similitudes entre os dois. Ao igual a no caso dos substantivos possessivos, a conjugação de verbos se realiza acrescentando sufixos às raízes verbais:

TABELA 3

449


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ao igual a todos os idiomas, há muitos "verbos irregulares" no Cárpato, que não encaixam exatamente com este padrão. Mas a tabela é ainda então, uma guia útil para a maior parte dos verbos.

3. Exemplos do idioma Cárpato. Aqui estão alguns breves exemplos do Cárpato coloquial, utilizados nos livros Escuros.

Susu. Estou em casa. (Casa, local de nascimento)

Möért? Para que?

csitri Um pouco (pequena coisa, pequena menina)

ainaak enyém Para sempre minha

450


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 ainaak'sívamet juttapor Para sempre a meu coração conectada

sívamet Meu amor

Tet vigyázam Eu te amo

Sarna Rituaali (As Palavras Rituais) são um exemplo longo, e um exemplo de cântico em vez de Cárpato coloquial. Tome nota do uso recorrente de " andam" (Dou-te), para dar ao cântico musicalidade e força através da repetição.

Sarna Rituaali (As Palavras Rituais)

Te avio päläfertiilam. É minha companheira.

Éntölam kuulua, avio päläfertiilam. Reclamo-te como minha companheira.

451


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Ted kuulua, kacad, kojed. Pertenço a você.

Élidamet andam. Ofereço-te minha vida.

Pesämet andam. Dou-te meu amparo.

Uskolfertiilamet andam. Dou-te minha lealdade.

Sívamet andam. Dou-te meu coração.

Sielamet andam. Dou-te minha alma.

Ainamet andam. Dou-te meu corpo.

452


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Sívamet kuuluak kaik että a ted. Do mesmo modo tomo os teus para guarda-los do mesmo modo.

Ainaak olenszal sívambin. Sua vida será apreciada por mim para sempre.

Te élidet ainaak pide minan. Sua vida será colocada sobre a minha sempre.

Te avio päläfertiilam. É minha companheira.

Ainaak sívamet jutta oleny. Está unida a mim por toda a eternidade.

Ainaak terád vigyázak. Estará sempre aos meus cuidados.

Para ouvir estas palavras pronunciadas (e para mais sobre a pronúncia do Cárpato) por favor visite: http://www.christinefeehan.com/members/

453


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Sarna Kontakawk (Cântico dos Guerreiros) é outro exemplo mais da linguagem dos Cárpatos. O Conselho dos guerreiros ocorre nas profundezas da terra em uma câmara de cristais com magma mais abaixo, onde o vapor é natural e a sabedoria de seus ancestrais é clara e focada. Este é um lugar sagrado onde fazem juramentos de sangue a seu príncipe e povo, e afirmam seu código de honra como guerreiros e irmãos. É também onde nascem estratégias de batalha e as divergências são discutidas, bem como quaisquer preocupações que os guerreiros têm que desejam trazer para o Conselho e abrir para discussão.

Sarna Kontakawk (Cântico dos Guerreiros)

Veri isäakank—veri ekäakank. Sangue de nossos pais – sangue de nossos irmãos.

Veri olen elid. Sangue é vida.

Andak veri-elidet Karpatiiakank, és wäke-sarna ku meke arwa-arvo, irgalom, hän ku agba, és wäke kutni, ku manaak verival. Nós oferecemos nossa vida para o nosso povo, com um juramento de sangue de honra, misericórdia, integridade e resistência.

454


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 Verink sokta; verink kaη a terád. Nosso sangue se mistura e chama por você.

Akasz énak ku kaη a és juttasz kuntatak it. Preste atenção a nossa convocação e se junte a nós agora.

Para ouvir estas palavras pronunciadas (e para mais sobre a pronúncia do Cárpato) por favor visite: http://www.christinefeehan.com/members/

4. Um Dicionário Cárpato muito abreviado. Este dicionário Cárpato abreviado contém a maior parte das palavras do Cárpato utilizadas nos livros. É obvio, um dicionário Cárpato completo seria muito mais longo que um dicionário normal de um idioma inteiro.

Nota: Os substantivos Cárpatos e verbos de abaixo são raízes. Geralmente não aparecem somente, em forma "raiz" como abaixo. Em vez disso, normalmente aparece com sufixos (ex. "andam", "dou-te" em vez de só a raiz "and").

agba—ser conveniente ou adequado. ainaakfél—velho amigo.

455


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 ainaak—sempre aina—corpo ai—oh. akarat—mente, vontade aka—dar ouvidos, ouvir, escutar. ak— sufixo adicionado após um substantivo terminado em uma consoante para torná-lo plural. al∂—levantar, elevar alatt—através aldyn—embaixo. alte—abençoar, amaldiçoar. ál—benzer, pego and sielet, arwa-arvomet, és jelämet, kuulua huvémet ku feaj és ködet ainaak—trocar a honra, a alma e salvação por um prazer momento e a condenação sem fim. andasz éntölem irgalomet! —tenha misericórdia! and—dar arvo—valor, preço . arwa-arvo olen gæidnod, ekäm—a honra te guie, meu irmão ( saudação).

456


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 arwa-arvo olen isäntä, ekäm—a honra te mantenha, meu irmão ( saudação). arwa-arvo pile sívadet—a honra leve luz a seu coração ( saudação). arwa-arvod mäne me ködak— Você pode segurar sua honra, sombrio ( saudação). arwa-arvo—honra ( substantivo). arwa—louvor ( substantivo). ašša—não ( antes de um substantivo); não (com um verbo que não está no imperativo); não (com um adjetivo). aššatotello—desobediente. asti—até. avaa—abrir. a—verbo de negação ( prefix), não (advérbio). avio päläfertiil—companheiro . avio—casado/a. avoi—descobrir, revelar. belso—dentro. bur tule ekämet kuntamak—bom nos encontrar, irmão ( saudação). bur—bom, bem.

457


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 ćaδa— fugir, escapar. ćoro— fluir, correr como a chuva. csecsemõ—bebê ( substantivo). csitri— pequena. diutal—triunfo, vitória. eći— cair. ekä—irmão ekäm—meu irmão. ek— sufixo acrescentado depois de um substantivo terminado em consonante para fazê-lo plural. eläsz arwa-arvoval—você pode viver com honra ( saudação). eläsz jeläbam ainaak—longa vida na luz ( saudação). elä—viver. elävä ainak majaknak— terra da vida. elävä—vivo. elid—vida. Emä Maγe—Mãe Natureza. emäen—avó. emä—mãe ( substantivo). embε karmasz—por favor.

458


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 embε—se, quando emni hän ku köd alte—mulher amaldiçoada. emni kuηenak ku aššatotello—lunático desobediente. emnim—minha esposa, minha mulher. emni—esposa, mulher. én jutta félet és ekämet—Eu cumprimento um amigo e irmão ( saudação). én maγenak—Eu sou da terra. én oma maγeka—Eu sou tão velho como o tempo (literalmente: tão antiga como a terra). En Puwe—A Grande Árvore. Relacionada com a lenda de Ygddrasil, o axis mundi, Mount Meru, céu e inferno, etc. engem—sobre mim. en— grande, muitos én—eu. és—e ete—antes, na frente. että—que. fáz— sentir frio. fél ku kuuluaak sívam belső—amado.

459


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 fél ku vigyázak—queridos. feldolgaz—prepare. fél—companheiro, amigo. fertiil—fértil. fesztelen—aéreo. fü— ervas, erva. gæidno—estrada, caminho. gond— cuidar, preocupar-se. hän agba—é assim. hän ku agba—verdade. hän ku kaśwa o numamet—proprietário do céu. hän ku kuulua sívamet—guardião do meu coração. hän ku lejkka wäke-sarnat—traidor. hän ku meke pirämet—defensor. hän ku pesä—protetor hän ku piwtä—predador, caçador. hän ku saa kuć3aket—apanhador de estrelas. hän ku tappa—assassino, pessoa violenta ( substantivo). Mortal, violento ( adj. ).

460


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 hän ku tuulmahl elidet—vampiro ( literamente; assaltante de vida). hän ku vie elidet—vampiro ( literalmente; ladrão de vida). hän ku vigyáz sielamet—guardião da minha alma. hän ku vigyáz sívamet és sielamet—guardião do meu coração e da minha alma. hän ku—prefixo: quem, o que. Hän sívamak—amado. hän— ele, ela, isso hany—conglomerado de terra hisz—acreditar, confiar. ho—como. ida—leste. igazág—justiça. irgalom—compaixão, pena isä—pai ( substantivo) . isäntä—mestre da casa. it—agora jörem— esquecer, perder um caminho, cometer um engano. jälleen—de novo

461


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 jama—estar doente, infectado, ferido ou morrendo, perto da morte. jelä keje terád—o sol te queime ( xingamento cárpato). jelä—luz solar, dia, sol, luz joηesz arwa-arvoval—retorne com honra ( saudação). joηe—vir, retornar. joma—estar em caminho, ir juosz és eläsz—beba e viva ( saudação). juosz és olen ainaak sielamet jutta—beba e torne-se um comigo ( saudação) . juo—beber. juta—ir, vagar jüti—noite jutta—conectado, fixo (adj) estar conectado, encaixar (verbo) kać3—presente. kaηa—chamar, convidar, pedir, suplicar kaηk—traqueia, pomo de Adão, garganta kaśwa—a própria. kaca—amante kadi—juiz

462


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 kaik—todo kalma—cadáver, morte. karma—quer. Karpatii ku köd—mentiroso. Karpatii—Cárpato käsi—mão kaδa wäkeva óv o köd—firmes contra a escuridão ( saudação). kaδa—abandonar, sair, ficar keje—cozinhar, queimar kepä—menor, pequeno, fácil, pouco kessa ku toro—gato selvagem. kessa—gato. kessake—pequeno gato. kidü—acordar, surgir (verbo intransitivo). kim— para cobrir um objeto inteiro com algum tipo de cobertura. kinn—fora, sem kinta—névoa, neblina, fumaça kislány kuηenak minan—minha pequena lunática. kislány kuηenak—pequena lunática.

463


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 kislány—garotinha. köd alte hän—a escuridão te leve ( xingamento cárpato). köd elävä és köd nime kutni nimet—o mal vive e tem um nome. köd jutasz belső—e que a escuridão te leve (x ingamento cárpato). köd—nevoa, trevas, do mal ( substantivo); nebuloso, sombrio, mau ( adj. ). koje—homem, marido kolasz arwa-arvoval—você pode morrer com honra ( saudação). kola—morrer koma—mão vazia, mão nua, palma da mão, oco da mão kond—todos de uma família ou crianças de um clã. kont o sívanak—coração forte ( literamente: coração de guerreiro). kont—guerreiro k—sufixo acrescentado depois de um substantivo que termina em vocal para fazê-lo plural. kuć3ak! —estrelas! ( exclamação). kuć3—estrela. kuńa— ficar deitada como se estivesse dormindo. Fechar ou cobrir os olhos em um jogo de "cabra cega", morrer

464


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 kuηe—lua, mês. kuja—dia, sol. kule—escutar. kulke—ir ou viajar (por terra ou água) kulkesz arwa-arvoval, ekäm—caminhe com honra, meu irmão ( saudação). kulkesz arwaval—joηesz arwa arvoval—vá com gloria e retorne com honra ( saudação). kulke—ir o viajar (em terra ou água). kuly—verme intestinal, demônio que possui e devora almas. kumpa—onda ( substantivo). kunta—bando, clã, tribo, família kuras—espada, faca grande. kure—laço, gravata. kutenken—contudo. kutnisz ainaak—Enquanto você durar ( saudação). kutni—ser capaz de suportar, tomar. kuulua—pertencer, manter ku—que, o que. lańa—filha.

465


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 lääs—oeste. lamti—terra baixa, prado lamti ból jüti, kinta, ja szelem—o mundo inferior (literalmente: "o prado de noite, neblina e fantasmas")- greta, fissura, ruptura (essencial). lejkka—fresta, fissura, fenda ( substantivo). Cortar; golpear; atacar com força ( verb). lewl ma—o outro mundo (literalmente "terra espírito") Lewl ma incluindo lamti ból jüti, kinta, ja szelem: dos mortos, mas também inclui os mundos superiores En Puwe, a Grande Árvore. lewl—espírito liha—carne. lõuna—sul. löyly—respiração, vapor (relativo a lewl: "espírito") magköszun—obrigado. ma—terra, bosque mana—abusar; amaldiçoar; arruinar. mäne—resgatar, salvar maγe—solo; terra; território; lugar; natureza. meke—tarefa, trabalho (essencial) Fazer; fabricar; trabalhar (verbo)

466


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 me— nós mića emni kuηenak minan—minha linda lunática. mića—linda. minan—meu minden—todo (adj.) möért?—para que? (exclamativo) molanâ—derrubar-se molo— esmagar, romper em pedaços. mozdul—começar a mover, entrar em movimento muonìak te avoisz te — eu ordeno que se revele. muonì—apontar; ordenar; determinar; comandar. musta—memória. myös—também. nä—para, por. ηamaη— isso; este aqui, que, para alguém lá. nautish—desfrutar. nélkül—sem nenä—raiva. ńiη3—verme; larva.

467


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 nó— como, da mesma forma. numa—Deus, céu, parte de acima, mais alto (relativo à palavra inglesa "numinous") numatorkuld—trovão (literalmente: luta no céu). nyál—saliva; cuspe (essencial), (relativo a nyelv: "língua") nyelv—língua O ainaak jelä peje emnimet ŋama ŋ—O sol queima essa mulher para sempre ( xingamento cárpato). o jelä peje emnimet—O sol queime essa mulher ( xingamento cárpato). o jelä peje kaik hänkanak—O sol queime todos ( xingamento cárpato). o jelä peje terád, emni—O sol te queime, mulher ( xingamento cárpato). o jelä peje terád—O sol te queime ( xingamento cárpato). o jelä sielamak—Luz da minha alma. o köd belső—a escuridão te leve ( xingamento cárpato). odam-sarna kondak—canção de ninar ( literalmente: canção de ninar). odam—sonhar, dormir (verbo) olen—ser.

468


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 oma—velho, ancestral omas—em pé. omboće— outro, segundo (adj.) o—ele/ela (usado antes de um substantivo que começar com consoante). ot—ele/ela (utilizado antes de um substantivo que começa por vocal) otti—olhar, encontrar óv—proteger novamente. owe—porta päämoro—objetivo; alvo. pajna—pressionar päläfertiil—companheira ou esposa. pälä— metade, ao lado de päläfertiil—casal ou esposa palj3—mais. peje terád—Se queimar ( xingamento cárpato). peje—queimar. pél—ter medo, estar assustada pesä—ninho (literal); proteção (figurado) pesäd te engemal—você está segura comigo.

469


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 pesäsz jeläbam ainaak—Possa você permanecer muito tempo na luz (saudação) pide—sobre. pile—inflamar; iluminar. pirä—círculo, anel (essencial). Rodear, incluir (verbo) piros—vermelho. pitäam mustaakad sielpesäambam—Eu abraço suas memórias e as guardo em minha alma. pitäsz baszú, piwtäsz igazáget—Não vingança, somente justiça. pitä—guardar, manter piwtä—seguir poår—bocado; pedaço. põhi—norte. pukta—afastar, acossar, pôr em voo pus—saudável; cura. pusm—restaurar a saúde puwe—árvore; madeira. rambsolg—escravo. rauho—paz. reka—êxtase, transe

470


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 rituaali—ritual. sa4—chamar; nomear. saa—chegar, vir; tornar; obter, conseguir. saasz hän ku andam szabadon—Tome o que livremente ofereço. salama—relâmpago sarna kontakawk—Canto dos guerreiros. sarna—palavras, discurso, encantamento mágico (essencial) Cantar, cantarolar, celebrar (verbo) śaro— neve congelada. sa—nervo; tendão; cabo. sas—shhhhh ( para um criança ou bebê). saye—levar, vir, alcançar sieljelä isäntä—a pureza da alma triunfa. siel—alma sisar—irmã sív pide köd—o amor transcende o mal. sívad olen wäkeva, hän ku piwtä—Que seu coração fique forte, caçador ( saudação). sívam és sielam—meu coração e alma. sívamet—meu coração.

471


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 sívdobbanás—pulsar de coração (literal) ritmo (figurativo) sív—coração soηe —entrar, penetrar, compensar, substituir sokta—misturar; agitar ao redor. susu—lar, lugar de nascimento (essencial), a casa (adv.) szabadon—livremente szelem—fantasma taka—atrás; além. tappa—dançar, bater com o pé (verbo) Te kalma, te jama ńiη3kval, te apitäsz arwa-arvo— Você não é nada, apenas um cadáver andante de larvas infectadas, sem honra. Te magköszunam näη amaη kać3 taka arvo—Obrigado por este presente sem preço. ted—seu. terád keje—ser queimado ( xingamento cárpato). te—você. Tõdak pitäsz wäke bekimet mekesz kaiket—Sei que tem coragem para enfrentar qualquer coisa. tõdhän lõ kuraset agbapäämoroam—sabendo que a espada fiel voa para seu objetivo. tõdhän—conhecimento.

472


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 tõd—saber. toja—inclinar, romper toro—lutar. torosz wäkeval—Lute ferozmente ( saudação). totello—obedecer. tsak—somente. tuhanos löylyak türelamak saγe diutalet—mil respirações pacientes trazem a vitória. tuhanos—mil tule—conhecer tumte—sentir; tocar; tocar em. türe—cheio, satisfeito türelam agba kontsalamaval—paciência é a verdadeira arma do guerreiro. türelam—paciência. tyvi—raiz, base, tronco uskol—felizmente uskolfertiil—lealdade varolind—perigoso . veri ekäakank—sangue de nossos irmãos .

473


Dark Carousel - Série Os Cárpatos 30 veri isäakank—sangue de nossos pais . veri olen piros, ekäm—literalmente: o sangue é vermelho, meu irmão; figurativamente: encontrar sua companheira (Saudação) veriak ot en Karpatiiak— pelo sangue do Príncipe (literalmente: pelo sangue do grande Cárpato; xingamento cárpato). veri—sangue. veridet peje—que queime seu sangue ( xingamento cárpato). veri-elidet—sangue-vida . vigyáz—preocupar-se vii—último, ao fim, finalmente wäke beki—força, coragem. wäke kaδa—firmeza . wäke kutni—resistência . wäke—poder wäke-sarna—voto; maldição; bênção (literalmente: palavras de poder). wäkeva—poderoso . wara—pássaro, corvo weńća— completo, tudo. wete—água.

474