Issuu on Google+


Índice O Filho dos Bandidos da Máfia Capítulo Um Capítulo Dois Capítulo Três Capítulo Quatro Capítulo Cinco Capítulo Seis Capítulo Sete Capítulo Oito Capítulo Nove Capítulo Dez Capítulo Onze Capítulo Doze Capítulo Treze Capítulo Quatorze Capítulo Quinze Capítulo Dezesseis Capítulo Dezessete Capítulo Dezoito Capítulo Dezenove Capítulo Vinte Capítulo Vinte e Um


Capítulo Vinte e Dois Capítulo Vinte e Três Capítulo Vinte e Quatro Capítulo Vinte e Cinco Capítulo Vinte e Seis Capítulo Vinte e Sete Capítulo Vinte e Oito Capítulo Vinte e Nove Epílogo OUTRA HISTÓRIA QUE VOCÊ PODE GOSTAR Sequestrada Pelo Chefe da Máfia Capítulo Um Capítulo Dois Capítulo Três Capítulo Quatro Capítulo Cinco Capítulo Seis Capítulo Sete Capítulo Oito Capítulo Nove Capítulo Dez Capítulo Onze Capítulo Doze Capítulo Treze


Capítulo Quatorze Capítulo Quinze


O Filho dos Bandidos da Máfia: Um Romance da Máfia Por Bella Rose

Todos os Direitos Reservados. Copyright 2016-2017 Bella Rose.

CLIQUE AQUI

para se inscrever na minha newsletter e obter atualizações EXCLUSIVAS em todas as ofertas, segredos e novos lançamentos!


Capítulo Um O sangue fresco fez seu nariz se contorcer. A água estava fria em suas mãos. Ele observou o sangue misturar-se com a água e, em seguida, girar pela pia suja antes de gotejar pelo ralo. Quando o corpo fosse encontrado, não haveria dúvida alguma para ninguém que Antonin Mikhailovich tinha ganho seu status de Brigadeiro dentro da rede. Levantou o olhar para o pequeno espelho retangular acima da pia. O reflexo ondulado que o saudava parecia sombrio. Há muito tempo, ele desistira da noção de ser um playboy russo como alguns de seus primos. Eles poderiam ser parte da Bratva e nunca levantar um dedo. Antonin era diferente. Seu pai havia exigido isso. As cicatrizes em seu rosto atestavam sua natureza brutal, e ele estava orgulhoso de que estranhos muitas vezes davam um passo atrás em alarme quando Antonin se aproximava. Antonin fechou a torneira e pegou algumas toalhas de papel para secar as mãos. Haveria tempo para tirar o cheiro de sangue e de morte mais tarde. Por hora ele queria uma bebida. Se alguém encontrasse o corpo que tinha deixado no beco antes que ele tivesse partido, que assim fosse. Antonin não tinha medo de repercussões. A família Caglione era fraca. Seu número tinha diminuído mesmo quando o Bratva crescia forte. Assassinar seus subalternos tinha sido um favor a ele mesmo. Ele não estaria por perto para ver o Bratva limpar a sua família de crime fora do mapa. Virando-se, Antonin se afastou da porta. O bar estava lotado. Era um ponto de encontro popular, um que tinha sido calorosamente contestado pelo Bratva e os Cagliones simplesmente por causa de sua posição. Os Cagliones tinham se estabelecido aqui desde a Proibição, mas pelo que Antonin e o Bratva viam as coisas, era hora de mudar. Alguém tinha colocado um monte de quartos na jukebox. Rock soava dos alto-falantes, e várias pessoas tinham se levantado para começar a dançar no meio do bar. Antonin ignorou o


espetáculo e foi até o balcão pegar uma bebida. - Vodka! - gritou para o barman. Nino não seria rude com o homem que se dizia ser o mais novo Brigadeiro que a Bratva tinha visto em décadas. O esbelto garçom pegou uma garrafa de vodca da prateleira e deslizoua pela madeira lisa em direção a Antonin. Em seguida veio o copo. Antonin tomou um gole e atirouo de volta. Então ele se virou e andou de volta. Assim que se chegou ao bar, outras pessoas se afastaram. Ele gostava da sensação de poder, bem como o espaço que sua reputação e aparência lhe davam. Era provavelmente por isso que ele ficou sem palavras com o choque quando uma jovem mulher, que não podia ter mais do que 1’58cm de altura, apareceu ao lado dele e acenou para Nino. - Nino! - gritou ela. "Eu preciso de um cosmo, por favor. Estou morrendo aqui! " Antonin a observava fascinado. Ela continuou atirando-lhe olhares laterais, mas não se afastou nem ficou com medo. Ou ele estava perdendo o poder ou essa mulher era completamente louca. JULIET CAGLIONE encarava o badboy de canto do olho enquanto esperava que Nino servisse a bebida. O bar estava lotado demais essa noite. Ela era praticamente uma anã em comparação com a maioria das pessoas aqui. Literalmente, a única maneira de obter serviço era tirar proveito do espaço vazio do Sr. Assustador. O sujeito era tão perigoso que só a sua aura tinha lhe dado quase cinco metros de espaço ao seu redor. Ela se virou e olhou deliberadamente para o Sr. Assustador. - E como vai a sua noite? perguntou ela num tom casual. "Bem." Seu tom cortado não era tão divertido quanto o olhar de surpresa honesta em seu rosto. Será que ninguém nunca fala com ele? Ela meio que se perguntou se não era por isso que ele se vestia como um gângster total. Infelizmente para ele, Juliet estava acostumada com essa


postura dura e fria desde seus anos da criança. Ninguém na família Caglione havia crescido sem ser exposto a uma boa quantidade de violência e derramamento de sangue. Assim, esse estranho podia se portar de forma tão grossa como quisesse e ele ainda não ia assustar Juliet. "Você está sangrando", ela informou. Ele levantou a mão reflexivamente para o corte em sua bochecha direita. Seu rosto inteiro estava marcado, embora, de longe, o mais impressionante fosse a linha grossa que dividia seu olho direito. Ela ficou um pouco chocada por ele não ter um remendo de olho para combinar com sua fantasia de pirata. "Você quer um pano ou algo assim?", Perguntou, enquanto ele limpava o sangue com a mão. Ele resmungou em resposta. "Você sabe falar?" Juliet cutucou. Nino trouxe-lhe um cosmopolita com uma fatia de limão belamente torcida na borda do copo. Por alguma razão Nino parecia que ia engasgar quando a viu falando com o Sr. Assustador. Juliet deixou isso de lado por enquanto. Nino era um alarmista no melhor dos dias. Ela bebeu sua bebida e se apoiou contra o balcão. Ainda não terminara com o Sr. Assustador. "Por que você vem aqui se não vai se divertir?" "Com licença?" Suas sobrancelhas se arquearam. "Como você sabe que eu não estou me divertindo?" "Você parece entediado." Ela inclinou a cabeça, refletindo sua expressão. "Ou chateado. Não sei ao certo.” "Entediado ou chateado", ele repetiu. "Porque esses dois estados mentais acontecem frequentemente ao mesmo tempo." "Talvez você esteja entediado de estar chateado," ela sugeriu. "Pode acontecer. Oh! Talvez você esteja aqui por algum encontro romântico e você está tentando decidir se vai esperar um pouco mais na esperança de ela aparecer. " "Você sempre faz histórias ridículas sobre as pessoas que você conhece?", Ele disse irritado. Juliet encolheu os ombros. "Geralmente sim."


Ok, esse cara era gostoso. Quanto mais falava com ele, mais Juliet queria continuar conversando. Ele parecia que tinha sido mastigado e cuspido pela vida, claro. Mas ele também tinha o cabelo preto e bem sedoso. Batia em seus ombros e fez com que ela quisesse tocar apenas para descobrir se era tão suave quanto parecia. Sua tez morena era de um homem que gostava de estar lá fora. Então havia seu corpo. O sujeito gotejava poder e exalava o tipo de feromônios que fazia qualquer mulher tirar sua calcinha sem sequer perceber. Seu jeans preto e botas grossas eram sexy. Mas Juliet queria ver o que ele estava guardando por debaixo de suas roupas. Tinha a sensação de que era algo para ser saboreado. A MULHER estava olhando para ele como se ele fosse um pedaço de bolo e ela estava morrendo de fome. Antonin sentiu seu corpo começar a responder à óbvia amostra de atenção feminina. Ela era incrivelmente pequena e muito bonita. Seu cabelo era um castanho escuro exuberante, e seus olhos eram de cor azul-cobalto brilhante. Ela tinha o hábito de franzir os lábios de uma maneira que formava um biquinho adorável e pequeno. Seu cérebro criou uma imagem mental daqueles lábios envoltos em torno de seu pênis enquanto deslizava-o dentro e fora de sua boca. Uma sacudida em sua virilha o trouxe rugindo de volta ao momento. Ele a queria. Muito. No entanto, ela não era o tipo de mulher que ele teria algo rápido. Antonin preferia que suas mulheres fossem experientes e talvez até um pouco cansadas. Essas não reparavam nas cicatrizes que o cobriam da cabeça aos pés. Elas não se importavam que ele nunca fosse ligar para elas. Elas só queriam transar. Antonin sacudiu a cabeça. "Você deveria ir embora, garota." Ela não se mexeu. Ainda estava descansando contra o balcão como se possuísse o lugar. - E se eu não quiser seguir seu conselho? O que acontece? " Ela corajosamente colocou a palma da mão em seu peito. Ele assistiu, hipnotizado, enquanto deslizava para sua cintura. Seu pênis estava inchando. Ele podia ver a maldita coisa pressionando contra sua calça jeans. Seu olhar estava preso em sua virilha. Ela obviamente viu a resposta


dele. No entanto, Antonin não conseguia deixar de sentir como se estivesse prestes a aproveitar algo muito precioso. "Você não deveria brincar com fogo, garotinha," ele rosnou. Sua risada baixa e gutural elevou o cabelo na nuca. "Oh querido, sou eu quem tem os fósforos aqui. Não me diga para não me queimar. Acontece que gosto quando fico um pouco chamejada pelas chamas.” Ele observou sua boca formar as palavras e não podia parar o que aconteceu a seguir. Antonin agarrou a mão da mulher e empurrou-a pelo comprimento de seu corpo até que ela sentiu com suas mãos sua ereção latejante. Ela deu-lhe um aperto e ele estava feito. A EXCITAÇÃO E a antecipação estavam tirando o bom senso de Juliet. Na verdade, ela não tinha sido tão imprudente, nunca. Ela queria esse homem tanto que sua buceta estava molhada e doendo e ele nem sequer havia tocado nela! Ela sentiu seu pau latejar em sua mão e ficou maravilhada com o tamanho dele. Ela mal podia esperar para senti-lo preencher seus músculos internos enquanto ele metia em seu corpo e pedia mais. Sua mente começou a alimentar imagens de como seria envolver as pernas em torno de sua cintura e montá-lo até que ela atingisse o clímax. Ela precisava dele tanto agora que havia apenas uma resposta. Juliet levantou seu olhar e encontrou seus olhos escuros. "Você vai me foder?" Ela sussurrou. "Sem frescuras. Só você e eu e um pouco de sexo selvagem e bruto. Seus olhos se arregalaram um pouco, e então ele agarrou a parte de trás de sua cabeça e a envolveu em sua mão larga. Ela o viu abaixar a cabeça e fechou os olhos como resposta. Então seus lábios pressionaram contra os dela, e cada único nervo em seu corpo sentiu tudo de uma vez. Ele tinha um sabor magnífico, picante e quente. A maneira como ele movia sua boca contra a dela, usando sua língua e seus dentes para provocar e persuadir, dizia a ela que ele seria um amante estelar. Ela ficou na ponta dos pés e colocou os braços ao redor de seu pescoço. Seus seios pressionavam contra seu peito, e seus mamilos endureceram ao contato. Ela estava tão excitada


agora que poderia gozar com um único golpe de seus dedos através de sua vagina. Ele chupou a ponta de sua língua antes de puxar para trás e terminar o beijo. Juliet suspirou com satisfação e desejo. Ela pegou a mão dele e puxou-o para trás enquanto se dirigia para a parte de trás do bar. Depois dos banheiros e da cozinha, ela o levou para um depósito. Estava escuro aqui, com pouca luz suficiente para ver quaisquer detalhes de seu suposto amante. Havia duas linhas entre suas sobrancelhas escuras enquanto ele a fitava como se estivesse esperando que ela dissesse que era tudo uma piada. "Aqui?" "Você precisava de um hotel cinco estrelas?", Ela brincou. Ele pareceu surpreso. "Não." Juliet decidiu que o pobre homem precisava de algo para acreditar que ela estava falando sério. Ela não ia mudar de ideia no último segundo. Sem mais uma palavra, Juliet alcançou suas calças. Desceu o zíper e desabotoou. Segundos depois, ela pegou o duro comprimento quente de seu pênis em suas mãos. Afundando de joelhos, ela o colocou em sua boca e engoliu-o até a parte de trás de sua garganta. O grunhido primal de prazer a deixou ainda mais excitada. Finalmente ela tinha encontrado um cara que não tinha medo de tocá-la apenas porque ele estava preocupado em ofender seu pai ou seu avô, ou alguém de sua família ridícula.


Capítulo Dois QUANDO ANTONIN HAVIA imaginado o que os lábios dessa mulher poderiam parecer em torno de seu pênis, ele não tinha realmente a noção de que ele poderia sentir. Atordoado não era só o que estava sentindo agora. É claro que ele dificilmente poderia processar o que estava sentindo além da sensação deliciosa de sua língua girando ao redor da cabeça de seu pênis. Ele gentilmente tocou seu cabelo. Era tão suave quanto ele imaginava. Ela olhou fixamente para ele, aquele olhar azul brilhante fixo em seu rosto mesmo enquanto chupava seu pau e colocava as bolas em sua mão. Sua técnica era incrível. Ele nunca tinha sido completamente enfiado na boca de alguém. Cada vez que ela balançava a cabeça para cima e para baixo, sua língua deslizava contra a flange enrugada logo atrás da cabeça de seu pênis. A sensação enlouquecedora o levava perigosamente para perto do orgasmo, e ele não estava pronto para gozar. Antonin obrigou a acalmar-se. Ele estabilizou sua respiração e apertou os músculos até que ele recuperou o controle de seu desejo. Então ele gentilmente passou os dedos pelos cabelos dela. "Eu não estou pronto para gozar ainda, garota." Ele tinha a ideia de que chamá-la de "garota" era incrivelmente incongruente com a habilidade de sua boca em seu pênis. No entanto, parecia tão apropriado de outras maneiras. Ela deu um pequeno gemido e depois sugou duramente seu pênis. Antonin entrelaçou os dentes e usou a mão que tinha em seu cabelo para arrastá-la suavemente até seus pés. Ela soltou seu pau com um pequeno estalo. Ele a manteve perto de seu corpo, seu pau preso entre eles. Ela estava usando uma saia pequena e atrevida que terminava na metade da coxa. Ele colocou a mão sob o tecido e saboreou a sensação de sua coxa sedosa. "Por favor," ela sussurrou, movendo-se inquieta contra ele. Ele deixou seu polegar deslizar sob a pele sensível no interior de sua perna. "Por favor, o


que?" "Masturbe-me," ela sussurrou. "Me faça gozar." Ele exalou e usou uma mão para levantar a perna. Segurando-a contra seu quadril, ele usou a outra mão para mergulhar entre suas pernas. Sua calcinha estava encharcada. Afastando o pedaço de algodão e renda, ele afundou os dedos em seu buraco e escutou seu gemido com necessidade. Pressionando a palma de sua mão contra sua vagina, ele esfregou toda a área enquanto mantinha os dedos apenas tocando seus lábios internos. Com a perna contra o quadril, seu corpo estava aberto ao seu toque. Ele podia sentir o sangue subindo para a área. Seu clitóris estava inchado, e cada vez que ele a tocava, ela estremecia em resposta. Muito suavemente, ele deslizou um dedo longo em sua abertura. Seus músculos internos se apertaram em torno da intrusão e apertaram com força. Antonin gentilmente girou seu pulso e encontrou a maciez do músculo dentro de sua abertura. Quando ele começou a esfregar pôde sentir a tensão ondular em todo o seu corpo. Ela estava tão perto. Ele podia sentir.

JULIET IA morrer. Ela estava certa disso. Estava tão quente para esse homem que estava prestes a gozar em seus dedos, e ainda nem sabia o nome dele. Por alguma razão que parecia completamente irrelevante enquanto ela segurava seus quadris e sentia o primeiro toque do orgasmo rasgar seu corpo. Ela gritou quando o prazer transformou seus joelhos em geleia e fez com que seus olhos girassem para trás. Durante os espasmos, ele a segurou perto de seu corpo. Ela podia sentir o comprimento duro de seu pênis e não podia esperar para derreter nesse eixo espesso. O alcançando, ela acariciou-o com os dedos trêmulos e viu seus olhos se fecharem quando ele lutou para permanecer no controle. "Por favor," ela sussurrou novamente. "Eu preciso de seu pau." Ele rosnou algo em uma língua que ela não entendia. Depois, girou-a e empurrou-a contra uma pilha de caixotes. A madeira alfinetou suas mãos, mas ela não se importou. Ele ergueu sua


saia e gentilmente roçou as palmas das mãos sobre suas nádegas. Foi tão bom quando ele a tocou. Ela precisava dele muito. Ele começou a esfregar-se contra sua bunda. Seu pênis deslizou sexualmente contra ela. Ela arqueou as costas e curvou-se. Isso parecia seduzi-lo o suficiente para colocar a cabeça de seu enorme pênis contra sua abertura. Ela o sentiu lá e soube que seu corpo tinha que esticar para acomodá-lo. Ela não se importava. Quando ele começou a empurrar dentro dela, saboreou a queimadura da penetração. Pareceu levar uma eternidade para envolvê-lo completamente dentro de sua vagina. Ela estava aberta, a base de seu clitóris deslizando contra seu eixo grosso cada vez que ele empurrava mais fundo. Então suas mãos entrelaçaram seus quadris e ele começou a foder. Juliet nunca tinha experimentado algo parecido. Os golpes poderosos eram deliberados e satisfatórios. Ele voltaria apenas o suficiente para bater novamente mais uma vez. Seu ritmo começou a acelerar. O som de seus corpos se batendo encheu a sala. Podia sentir o perfume inebriante de sua pele e o cheiro de sexo enquanto seus corpos se misturavam. Era tão incrivelmente visceral, e ela não queria parar. Seu clímax começou a se desenrolar dentro de seu corpo. Ela enrolou seus dedos dentro de seus sapatos e arqueou as costas ainda mais para aumentar a fricção dentro de sua vagina. As sensações inundaram sua percepção até que não houvesse nada além desse homem aqui e agora. Ela sentiu seu pau latejar dentro dela. Ela sabia que ele estava perto de gozar. Sua respiração era errática, e seus impulsos cresciam mais e mais insistentes. Os dedos em seus quadris escavaram em sua carne, e sentiu como se gritasse com toda intensidade. ANTONIN NUNCA tinha experimentado algo assim antes em sua vida. Ela era tão pequena e tão perfeita. Sua vagina estava apertada e molhada. O calor era quase escaldante, e cada golpe trazia o atrito mais perfeito contra seu pênis. Sentiu-se cada vez mais perto. Ele sentiu sua vagina começar a tremer. Ela estava prestes a gozar, e ele sabia que uma vez que o fizesse ele não conseguiria segurar por mais tempo.


Ele segurou seus quadris ainda mais apertados e forçou seu corpo a permanecer quieto enquanto batia em sua buceta molhada. Seus fluídos molharam suas bolas. Nunca outra mulher estivera tão molhada para ele. O som impregnado de seu pênis penetrando-a repetidas vezes parecia ecoar em seus ouvidos. Era como se ele pudesse ser rei se ele tivesse essa mulher para foder. Então ela gritou. Sua vagina o apertou com tanta força que mal conseguiu se mover. Ele começou a empurrar em movimentos duros e erráticos até que finalmente estourou. Suas bolas se esticaram firmemente sob seu corpo, e ele sentiu seu pau latejar. Segundos depois ejaculou. Antonin convulsionou. Balbuciou frases em russo, Inglês, e até mesmo ucraniano. Ele amaldiçoou, implorou e suplicou enquanto se esvaziava completamente dentro de seu corpo acolhedor. Finalmente, quando ele estava completamente exausto, puxou seu pênis de sua vagina apertada. Suas mãos tremiam quando ele tentou colocar as calças. Ele tinha que se lembrar continuamente que estavam no depósito de um bar público. A qualquer momento alguém poderia entrar e criar uma cena. Ele estava no bar porque se sentiu confiante. Mas ele não podia esquecer que havia um corpo no beco atrás do edifício que poderia criar uma situação muito tensa se fosse encontrado. Ela suspirou e caiu contra as caixas. "Uau." "Uau?" Parecia bom, mas a resposta de uma palavra não era particularmente amável a seu ego. "Sim. Uau.” Ela se levantou e se virou. "Você me fodeu sem nem mesmo tirar minha calcinha!" Antonin ergueu uma sobrancelha. - E isso é importante por que? "É meio perverso", disse ela, seus olhos cintilantes. "E talvez um pouco impertinente também." Ele bufou. "Eu acho que ter relações sexuais em uma sala de armazenamento atrás de um bar é muito perverso." "Talvez." Ela acenou com a mão. "Mas hoje à noite vou voltar para casa e deitar na cama, e vou me tocar enquanto penso em ter você dentro de mim novamente".


Antonin ficou atordoado por sua afirmação sem vergonha. Ele também estava ligado. Tentou não parecer muito ansioso. "Talvez quando você pensar em mim esta noite", ele começou rudemente, "você pode imaginar que eu poderia querer devolver o favor usando minha língua entre suas pernas." "Oh Deus," ela sussurrou. Para o choque de Antonin, houve uma agitação entre as pernas que sugeriu que ele poderia realmente estar pronto para fazê-la gozar novamente em apenas alguns minutos mais.

Não foi suficiente e Juliet não sabia o porquê. Ela não era esse gatinha voraz. Ela não era tão insaciável assim. Não importava que ela desfrutasse de uma boa vida sexual saudável e não fosse tímida em relação a suas necessidades e desejos, geralmente não desistia da simples ideia de estar com um cara. Tinha que haver algo mais, algo concreto e relacional para ela realmente estar em alguém. Mas agora ela estava pronta para levar esse homem para casa com ela. "Precisamos sair daqui", disse ele. "Porque se não o fizermos, vou foder você de novo." Juliet riu. "Engraçado, mas eu estava tendo o mesmo pensamento. É tipo como se você fosse minha pedra de crack, e eu nem sei o seu nome!" Ele não respondeu, e ela começou a se perguntar se havia algo que ele deliberadamente não queria que ela soubesse sobre ele. Tomando sua mão, ele a levantou para seus lábios. O beijo deu um arrepio na espinha. Então ele saiu da sala de armazenamento enquanto a puxava para trás. O fato de que era uma inversão exata da maneira que eles tinham entrado lá não era problema para Juliet. Eles chegaram ao corredor de volta pelas casas de banho apenas a tempo de ser quase atropelado por um homem grande em uma jaqueta de couro preto. Na verdade, levou Juliet um momento para reconhecer Benny. Ele parecia positivamente em pânico. "Benny?" Juliet soltou a mão de seu amante para virar e olhar para Benny. "O que está errado?"


"Diga a Nino para ligar para esse cara!" Benny disse apressadamente. "É o seu pai, Julie. Ele está morto. Ele está deitado no beco, e não está respirando! " Horror afastou quaisquer outros pensamentos da cabeça de Juliet. Seu pai estava morto? Ele era o sub-chefe da família criminosa Caglione! Isso não podia ter acontecido. Seu pai era um homem perigoso por natureza. Como alguém conseguira matá-lo? - Onde? - perguntou a Benny. "Onde ele está?" "No beco!" Era tudo o que Benny podia dizer. Juliet correu para a porta dos fundos. Ela tropeçou no ar noturno respirando profundamente para evitar gritar. No entanto, ela podia sentir o cheiro de cobre amargo de sangue na brisa. Houve outro cheiro também. O doentio odor doce da morte permanecia no ar. Aproximou-se lentamente, já sabendo essencialmente o que encontraria. Ela caiu de joelhos ao lado do corpo sem vida de seu pai. Sua garganta tinha sido cortada. Havia tanto sangue. Piscinas dela congelavam no pavimento onde estava o corpo de seu pai. Juliet olhou para a macabra visão e se perguntou o que iria acontecer agora. Seu pai era o sub-chefe. Seu avô era o chefe. Mas Papa estava doente, e seu pai tinha sido aquele que estava pronto para entrar em seus sapatos. A família Caglione estava diminuindo. Havia apenas três capos e nenhum deles era capaz de tomar os passos de seu pai. Juliet pôs o rosto entre as mãos e chorou quando se perguntou o que ia acontecer com ela.


Capítulo Três ANTONIN FEZ O melhor para não pensar quando entrou na casa de seu pai. Não importava que o pai de Antonin fosse um Pakhan dentro da organização Bratva. Não adiantava nada para um filho que não lutava pelos ideais como todos os outros. Antonin andava como sempre fazia como se tivesse um chip no ombro do tamanho de Moscou. Era a única maneira de sobreviver em seu mundo. Qualquer sinal de fraqueza garantiria o julgamento dos outros membros da Bratva. Antonin viu um dos outros brigadeiros de seu pai descansando na sala de bilhar. Josef era um dos líderes mais velhos e confiáveis de seu pai. Josef tinha quase vinte homens trabalhando em sua unidade. Josef era também um dos espiões mais confiáveis de seu pai. Não havia dúvidas, na cabeça de Antonin, de que Josef já sabia que o subalterno dos Cagliones estava morto pela mão de Antonin. Não faria o homem mais velho feliz. Ele não tinha escondido sua intenção de um dia deixar alguém tomar o lugar de Mikhail como Pakhan. No corredor, pela sala de estar, e subindo as escadas para o escritório de seu pai, Antonin foi. Ele manteve sua mente centrada no prêmio. Dessa forma, ele não poderia consumar o fato de que a mulher mais perfeita do mundo era a filha de seu inimigo morto. A mulher que ele tinha fodido essa noite era uma Caglione! Esse fato tirou sua capacidade de descrevê-la. Não haveria nada entre eles. Não poderia haver. Além disso, uma vez que ela descobrisse quem ele era, ela iria odiá-lo de qualquer maneira. - Ah! Lá está você. Mikhail Alexandrovich levantou-se quando Antonin entrou em seu escritório. - Ouvi falar do que fez, meu filho. Ouvi nada mais nada menos de como você esperou seu inimigo e cortou sua garganta com sua própria faca! Parecia bárbaro se deleitar com esse tipo de violência, e ainda assim era como viviam. Antonin entrou no escritório de seu pai e caiu em uma cadeira. "Ele está morto. Consegui meu status de brigadeiro e, embora não possamos prever isso, os Caglione estão quase


derrotados.” "Bom!" Seu pai caminhou até um mapa da cidade pendurado na parede. "Esta área aqui é contestada." Seu pai indicou uma seção esboçada em vermelho. "De State Street ao porto, os Cagliones consideraram este seu território desde os dias da Proibição!" - Não mais - murmurou Antonin. "Charlie Caglione tem uma filha. Você sabia?" - Os italianos nunca seguiriam uma mulher - disse Mikhail com uma onda de desprezo. Josef matou o irmão mais velho da menina há anos. Ela está apenas no meio do século. Não tinha idade suficiente para tomar as rédeas de seu avô, ou mesmo para emitir ordens em seu nome. O velho nunca nomeou outro Consigliere depois que seu neto foi assassinado. Agora ele vai tentar. " "E se ele conseguir?" Antonin perguntou calmamente. "Pfft!" Seu pai zombou. "Ele vai tentar, mas é tarde demais para deter o fluxo de sangue. Charlie Caglione foi o último homem com qualquer capacidade de liderança. Agora a família vai cair, e vamos varrer e pegar as peças. " A maneira gananciosa com que Mikhail olhava para o território delineado em vermelho no mapa era o suficiente para dizer a Antonin que seu pai ordenaria alegremente o assassinato de qualquer um que estivesse em seu caminho. "Você já pensou em quem você vai nomear para o seu próprio grupo dos Vory v Zakone?" Mikhail esfregou as mãos. - A equipe de guerreiros de um brigadeiro é a espinha dorsal do Bratva. - Estou ciente - disse Antonin secamente. "Já tenho Aleksei e Dimitri." - Sim. - Mikhail estreitou os olhos em seu filho. "Seus amigos." Antonin levantou-se e preparou-se para deixar o escritório de seu pai. - Se me dá licença? Preciso falar com Aleksei sobre nossos planos para amanhã. - Quais planos? - perguntou Mikhail. Antonin olhou fixamente para seu pai, perguntando-se se ele realmente desejava investigar os negócios de Antonin. Era muito incomum e contrário ao que era esperado dentro do Bratva. Os


brigadeiros não se intrometiam no trabalho diário ou nos negócios de outro brigadeiro. Um pakhan só questionava um brigadeiro se suspeitava da lealdade do homem. Neste caso, Antonin estava chegando a suspeitar que Josef estivesse sussurrando no ouvido de Mikhail sobre a possibilidade de Antonin querer assumir a posição de seu pai. Antonin suspirou. "Estamos planejando uma invasão em um armazém de Caglione no distrito do porto. Há alguns bens lá em baixo que me interessam. Isso é tudo." "Muito bem", disse Mikhail com um aceno de cabeça. "Você pode ir." Antonin saiu do escritório de seu pai e retornou ao nível principal da casa. Ele se manteve nas sombras e aproximou-se da sala de bilhar da entrada secundária. Geralmente, apenas o pessoal da casa usava esse caminho e, apenas para levar comida e bebida aos homens. Isso significava que era perfeito para que Antonin tivesse alguns minutos para espionar Josef. "O filhote conseguiu ganhar o seu posto", disse alguém em voz alta. - Hush! - sibilou Josef. "As paredes têm orelhas neste lugar." "Você não tem medo de Antonin Mikhailovich?" Alguém perguntou. Josef andou em volta da mesa de bilhar. Ele marcou seu taco antes de jogar. Quando ele finalmente conseguiu tomar o tiro, as bolas rolaram rápidas em torno da mesa. Nenhuma caiu nos buracos. Então ele olhou em volta até que seu olhar se acomodou no esconderijo sombrio de Antonin. "Tenho todo o respeito no mundo pelo filho de Mikhail. Ele é um Brigadeiro da Bratva agora. Como tal, ele merece nosso respeito ", anunciou Josef. Houve um olhar compartilhado de confusão em torno da mesa de bilhar. Antonin não se incomodou em ouvir mais. Virou-se e voltou para o seu quarto. Ele não iria descobrir nada hoje. *** JULIET FINGIU sua expressão para que parecesse totalmente neutra. Ela não podia mostrar fraqueza. Agora não. Seu pai acabara de morrer. Sua mãe estava morta há anos. Seu avô era um velho doente que ainda pensava que ele poderia cuidar dos Cagliones da maneira que ele tinha


nos anos 70, quando as coisas tinham sido boas e as empresas estavam tendo um grande lucro. - Vovô - disse Juliet pacientemente. - Você não nomeou um Consigliere desde que Enzo foi morto. "Seu irmão não é um homem para ser casualmente substituído." Carlos Caglione olhou para sua neta. "Não pense em empurrar seu caminho para a liderança dessa família, jovem senhora!" "Vovô, eu não estou." Juliet não pôde evitar. Seus olhos se encheram de lágrimas. "Somos tão poucos. Estou simplesmente preocupada com o nosso futuro. " Seu avô bateu com o punho na pequena mesa redonda. Estremeceu e caiu. -“São esses malditos russos!” “- Que russos, vovô?” - implorou Juliet. "Do que você está falando?" Será que o velho estava ficando louco? "Seu pai foi assassinado pelos bastardos comunistas que estão tentando nos expulsar de nosso território". Seu avô parecia estar muito agitado para falar mais alto. Juliet tentou olhar a situação do ponto de vista de seu avô. O velho tinha estado no poder por décadas. Ele tinha visto seu território se encher de sangue novo. Alguns deles incluíam reformas de embelezamento da cidade que queriam derrubar seus armazéns e construir parques que não serviam para aumentar o "espaço verde". Alguns outros envolviam ver outros grupos étnicos se mudarem para a área e se tornarem muito bem-sucedidos. Talvez essa última exclamação sobre os russos fosse apenas parte dessa paranoia. Um homem entrou no escritório de seu avô. Ele curvou-se e então se endireitou e olhou diretamente para Juliet. "Sra. Juliet há um homem aqui da funerária. Ele precisa falar com você.” "Claro", ela murmurou. "Vô, voltarei em breve." Seu avô grunhiu como se ele não se importasse para onde ela estava indo. Juliet desejou que o velho reconhecesse que tinha capacidades de liderança. A família estava ficando aquém dos que tinham a capacidade de liderar. Com apenas três caras na família, eles já eram poucos. Essa última série de assassinatos estava aniquilando o que restava dos homens bons em sua família de


crime. Juliet parou de andar. Bons homens. Tinha havido uma série de assassinatos e "acidentes" que continuamente varriam homens bons. Talvez seu avô estivesse certo sobre outra família invadindo o território dos Caglione. Juliet sempre fora mantida à margem de tudo. Talvez fosse hora de sujar as mãos e descobrir o que realmente estava acontecendo antes que não houvesse nada para proteger. - Ah, Sra. Caglione - disse o diretor da casa funerária sombriamente. "Sinto muito pela sua perda. Seu pai tinha feito alguns arranjos já. Precisamos apenas finalizar os aspectos financeiros de seu serviço e sepultamento ". Juliet olhou para Peter Holcomb estranhamente. O homem não era apenas o diretor de funeral da comunidade italiana americana na cidade. Ele enterrou todos. Isso significava que ele sabia coisas que Juliet não sabia. “Sr. Holcomb” - disse Juliet em seu tom de voz mais doce. - Você e eu precisamos conversar. Sua testa franziu. "Temos?" Ela se sentou no balcão da cozinha e dobrou as mãos sobre o topo do pacote de funeral que ele tinha colocado no balcão. "Sim. Nós temos." - Sobre o quê, Sra. Caglione? "Sobre o que outras gangues, grupos ou famílias criminosas podem estar tentando tomar sobre o território de minha família", Juliet informou. Ele limpou a garganta, obviamente incômodo. Ele era um tipo tímido de homem com pele pálida e o olhar de um cadáver. Ela nunca tinha encontrado um agente funerário mais estereotipado em sua vida. Finalmente ele suspirou e sentou-se no lado oposto do balcão. "O maior rival da sua família é o Bratva, a máfia russa." "Bratva?" Ela provou a palavra desconhecida. Aparentemente, seu avô não estava louco ainda. "Irmandade". Holcomb deu de ombros. "Isso é como eles chamam a si mesmos."


A irmandade, é? Juliet tentou envolver sua mente em torno desse novo conceito. "É uma grande família?" "É difícil dizer," Holcomb foi vago. "Eu poderia sugerir em torno de dois ou três mil aqui nesta cidade, mas há filiais em todo o mundo. Alguns são amigáveis uns com os outros, alguns não são. " "Três mil!" Juliet engasgou. "Em uma única família?" "Não. Eles têm uma configuração hierárquica muito solta e ainda firme. "Holcomb parecia estar chegando perto do que interessava. "Os homens locais que estão tentando empurrar os Cagliones normalmente são de Moscou. Eu acredito que seu líder é um homem chamado Mikhail ". "E Mikhail matou meu pai?" Juliet quase engasgou com as palavras. Holcomb fez uma careta. Então, ele coçou o queixo e parecia desconfortável. "Eu não posso dizer com certeza. Para que um homem da Bratva se tornasse um brigadeiro "-Holcomb fez um gesto em direção a ela-" como o seu chefe, ele deve assassinar um membro superior de uma gangue rival ou familiar ". O cérebro de Juliet dificilmente poderia processar esse pensamento. Pode ser que era por isso que seu irmão tinha sido assassinado também? Eram esses homens que estavam criando uma reputação para si na sociedade Bratva assassinando os homens de sua família? Era absurdo! E ainda assim ela poderia reconhecer a violência absoluta do mundo em que sua família operava. Não era como se eles estivessem levantando morangos ou algo assim. Eles assassinavam, roubavam, e faziam bagunça como qualquer outra organização criminosa. "Já respondi a sua pergunta?" Holcomb queria saber. Ele olhou em seu relógio. "Eu realmente preciso voltar para a funerária." "Obrigado", Juliet disse-lhe em voz baixa. Ela pegou o talão de cheques da família de uma gaveta e começou a escrever um cheque para cobrir o custo de enterrar seu pai, um homem que tinha muito provavelmente morrido apenas para um russo chegar mais perto de governar o mundo.


Capítulo Quatro TRÊS MESES DEPOIS… "Mais uma vez eu estou frustrado, e o capital investido foi um desperdício!" Mikhail gritou em russo. O pekhan ritmou furioso de um lado para o outro em seu escritório com as mãos em suas costas. Antonin ficou com três outros brigadeiros. Todos eles se perguntaram qual cabeça ia rolar para este último revés. "Mikhail," Josef começou. "Os Cagliones deram tudo o que tinham para esse último empreendimento. As mercadorias são roubadas. Minhas fontes sugerem que há um comprador vindo essa noite para fazer a troca. Se acabarmos com esse negócio, eles estão ferrados. Problema resolvido." "Sério?" Mikhail se virou e rosnou para seu espião favorito. "Porque o que aprendemos nos últimos meses é que os Cagliones não colocam tudo o que têm em um negócio, ao contrário de nós. Eles parecem ser muito espertos para isso! Nós superamos eles e ainda assim não conseguimos derrubá-los! Por que isso?" Antonin tinha medo que soubesse exatamente por que o Bratva estava perdendo a batalha para um bando de mafiosos italianos teimosos. No entanto, ele estava hesitante para expressar seus medos se não estivesse certo. Nada que os Cagliones fizeram desde a morte de Charlie Caglione foi do seu modo habitual. Tinha de haver uma nova liderança. Alguém garrido, inteligente, e sem nada a perder e tudo a ganhar conseguiria facilmente enganar a Bratva por mais cautelosa que fosse. A única pessoa que se encaixava nessa descrição era Juliet. Mas não havia como Antonin permitir que alguém como Josef ir questionasse Juliet. Antonin não queria que nenhum de seus companheiros Bratva chegasse perto dela. "Antonin foi o único a matar Charlie Caglione!" Josef apontou para Antonin. "Talvez ele


devesse ter tomado mais cuidado com isso. Se houver algum outro subalterno poderoso pronto para intervir e assumir o poder, Antonin deveria ter previsto isso. " Ah! Agora isso. Essa devia ser a mais recente tentativa de Josef para jogar Antonin aos lobos proverbiais. Isso vinha acontecendo quase semanalmente. Na verdade Antonin estava surpreso que Josef não tinha se cansado dos problemas que Antonin estava causando e acabasse por esfaqueá-lo nas costas. Antonin nem mesmo se mexeu da parede em que estava inclinado por casualidade forçada. Ele deu a Josef, um olhar indolente preguiçoso e depois sorriu. "Pelo que me lembro, você foi o único a garantir-nos que não havia ninguém para se preocupar desde que você matou o filho de Charlie Caglione. Não havia ninguém capaz de substituí-lo. Eu acredito que sua referência era a inadequação de um herdeiro do sexo feminino para assumir qualquer tipo de posição de liderança dentro de uma família italiana ". Na verdade, foi o Pekhan que sugerira sobre a mulher estar despreparada e incapaz de tomar uma posição de liderança. Mas não havia nenhum ponto chamando Mikhail diretamente. Ele poderia ser o pai de Antonin, mas ele ainda era o líder e não gostava de ser desafiado. "Como você se atreve?" Josef movido para Antonin. Vários de seus caras começaram a vir pra cima, mas o brilho ameaçador de Antonin os parou. Josef tomou nota desta e parou seu avanço. "Talvez você fosse tolo para acreditar no que os outros dizem, em vez de buscar a informação por si mesmo. Você foi sempre uma criança mimada e preguiçosa. É apenas uma pena que todos nós temos que sofrer com suas falhas ". Antonin não respondeu. Josef nunca tinha sido tão corajoso antes. Normalmente, ele tentava minar das sombras, criando rivalidades mesquinhas e escolhendo apoiantes de Antonin individualmente. Josef raramente desafiava Antonin na frente de seu pai. Era estranho que o homem estivesse fazendo isso agora. O Pekhan levantou as mãos para parar a briga. Josef fechou a boca, e Antonin esperou para ver o que o velho faria. Qualquer que fosse a decisão, não era susceptível de ser a favor de


Antonin. Seu pai nunca tinha tornado as coisas fáceis para seu filho e suposto herdeiro. "Eu quero que esse lance termine hoje", Mikhail anunciado. Josef começou a falar, mas Mikhail olhou-o ao silêncio. "Antonin irá. Ele vai descobrir quem essa nova líder é, interromper o negócio, roubar o dinheiro, e voltar aqui para nos informar sobre o que ele descobriu. " Antonin preferia a pena de estoicismo por anos do que ter que aguentar a ordem ridícula que ele tinha acabado de receber. Além de estar sendo configurado para falhar. Ele deveria entrar em uma situação com nada mais do que um punhado de homens leais a ele, perturbar um acordo que ele não sabia quase nada, reunir informações sobre uma pessoa que pode ou não estar lá, e em seguida, roubar uma quantia em dinheiro que era quase certamente rigidamente vigiado. Seu pai poderia muito bem ter ordenado que Antonin trouxesse a lua em um prato com borsch. Josef estava sorrindo de orelha a orelha, como se tivesse acabado de acordar. Irritou Antonin ter seu inimigo tão obviamente favorecido nessa questão idiota. Por outro lado, talvez Antonin poderia encontrar uma maneira de conseguir isso e, finalmente calar Josef de uma vez por todas. Antonin deu de ombros, afetado. "Se isso é o que você quiser, eu o farei." "Ele mente!" Josef estalou. "Ele vai tentar te enganar. Eu sei isso!" "Como você pode saber disso?" Mikhail perguntou severamente. "Ele não pode mentir e dizer que tenha feito algo que ainda não fez." "Eu falei fora de hora", Josef disse rapidamente. "Mas, certamente, você pode ver que ele é excessivamente confiante." "Ele é meu filho", Mikhail disse duramente. "Se ele é tudo menos confiante, ele nunca iria mostrá-lo." Antonin bufou. Isso, pelo menos, estava certo. *** JULIET colocou a mão sobre o braço do carro e desejou que ela não se sentisse tão


enjoada. Não havia tempo para fraqueza agora. Ela tinha que ser forte se estava indo resolver esse lance todo. Não ajudava o fato de que essa questão era de importância vital para os interesses dos Caglione. Sua família não iria sobreviver muito mais tempo se desse tudo errado. No banco da frente do Lincoln, Giovanni se virou e deu um sorriso. "Você está pronta?" "Claro." Ela não poderia ter-lhe dado qualquer outra resposta, e ele sabia disso. Pelo menos Giovanni era leal. Ele tinha sido um dos melhores amigos de seu irmão. Agora ele era seu aliado enquanto tentava salvar os Caglione de sua própria estupidez. Juliet saiu do veículo e alisou a jaqueta justa de seu terno preto. Ela tinha optado por uma saia lápis preta, a fim de ressaltar a sua feminilidade, mas não havia muita frescura, cor, e muito pouco na forma de joias. Ela queria que esses armênios soubessem que ela estava falando sério. Dois caminhões cheios de produtos eletrônicos e equipamentos de informática de ponta não era um carregamento de armas, mas ainda era um monte de dinheiro. Ela tinha dois milhões de dólares em jogo aqui. "Lá vêm eles," Giovanni murmurou. Ele estava ao lado dela, as mãos cruzadas diante dele e uma expressão proibindo no rosto moreno. Giovanni era um bom homem e um grande torcedor, mas às vezes ela desejava que ele fosse um pouco mais intimidante e menos bonito. "Tem certeza que todos os homens estão no lugar?", Ela sussurrou. "Sim." Seu estômago se agitou com os nervos. Ela inconscientemente colocou a mão abaixo de seu abdômen antes de afastá-la. Ela precisava ter cuidado em mostrar qualquer tipo de fraqueza ou fragilidade. Ela não podia dar ao luxo de ser vista como nada além de um líder forte. Isso significava deixar seus problemas pessoais em algum lugar longe desse armazém estúpido. "Ah!" O líder armênio saiu de seu veículo e levantou as mãos para o alto enquanto se aproximava. "Você está ainda mais bonita do que os rumores sugeria,!" "E muito mais mortal." Ela puxou uma arma de 9 milímetros. "Agora. Você tem o dinheiro? "


"Você tem a mercadoria?" Ela se virou para acenar para Giovanni, e por apenas uma fração de segundo ela pensou ter visto um alto rosto familiar nas sombras do quarto. Em seguida, ela piscou e foi embora. Sem ouvir o soluço de Juliet, Giovanni caminhou até as carretas armazenadas dentro do armazém e abriu-as uma de cada vez. Ele balançou as portas abertas. "Você é bem-vindo para dar uma olhada", disse Juliet armênio em um tom suave. "Ou você pode tomar minha palavra e sair com sua mercadoria imediatamente." "Eu acho que vou levar a sua palavra", disse o armênio disse suavemente. "Eu sei onde te encontrar se eu ficar insatisfeito." "É verdade," ela concordou. "No entanto, eu sou contra a alternativa de ir a minha casa e exigir algum tipo de vingança. Meus homens são excepcionais nesse caso. " "Claro!" O armênio riu bastante e começou a gritar com seus homens em uma linguagem que Juliet não entendia. Em poucos minutos os trailers foram ligados a grandes caminhões a diesel do armênio. Ele entregou-lhe uma pasta, e o negócio foi feito. Juliet apertou os lábios para não sorrir. Não seria bom para mostrar a cara o quanto isso significava para ela. "Você não vai contar isso?" O armênio apontou para a mala. Ela levantou uma sobrancelha. "Se você tem um problema de contagem, os meus homens sabem onde encontrá-lo. Eles ficarão felizes em exigir a diferença em libras de carne se for necessário." O homem parecia satisfeito com sua aparente sede de sangue. Seus olhos escuros brilhavam de alegria. "Você é uma força a ser reconhecida, Juliet Caglione. Vou lembrar-me de você quando fizer negócios no futuro. " Juliet congelou no lugar. Ela viu o homem subir em um de seus caminhões a diesel. Os armênios saíram de cena, e o armazém ficou tranquilo. Finalmente, ela viu seus homens começarem a aparecer a partir de todos os espaços no interior do armazém. Ela soltou um enorme suspiro de


alívio. Foi tão tentador começar a saltar para cima e para baixo fazendo a dança feliz. Ela tinha feito isso! Ela tinha concluído um contrato de dois milhões de dólares que dava a sua família o dinheiro para gerir os seus negócios e empreendimentos com algum capital muito necessário. Esse dinheiro seria o início de uma nova era para os Cagliones. E em pouco tempo eles seriam forte o suficiente para tirar os russos fora de seu território. "Olá, Juliet." Aconteceu tão rápido que a cabeça de Juliet estava girando com choque e horror. Um segundo ela estava de pé ao lado de Giovanni. No próximo, suas costas foram pressionadas contra um peito duro masculino. O cheiro dele mexeu com ela, mas não de uma maneira ruim. Era de alguma forma familiar. Embora qualquer familiaridade tornou-se um ponto discutível, uma vez que ele estava pressionando uma faca em sua garganta. Giovanni entrou em ação. Ele levantou o cano de sua 9 milímetros e destinou-o a um ponto logo atrás e acima da cabeça de Juliet. "Deixe-a ir, seu bastardo russo!" "Eu acho que não." As palavras deleforam acompanhadas pela sensação de sua mão arrancando a maleta cheia de dinheiro fora de seu alcance. "Eu vou tomar isso e deixando sua linda amante bem longe." "Não mesmo!", Alguém gritou. Houve um tiro de aviso disparado, e Juliet gritou quando sentiu a bala voar tão perto de seu rosto que fez sua vibração do cabelo. "Merda!" O homem começou a praguejar em Inglês e terminou no que ela só poderia assumir que fosse russo. "Vocês realmente são tão dispostos a sacrificar tudo por dinheiro?" Ela não estava prestes a dizer-lhe que sim, seus homens seriam absolutamente capazes de sacrificá-la por dinheiro. Em vez disso, ela tentou uma abordagem diferente. "Por favor. Os meus homens têm ordens para trazer o dinheiro de volta. Eu não quero morrer. Estou grávida." O homem atrás dela congelou. A faca em sua garganta caiu no chão, e seus homens correram até ele. Juliet ficou de lado na briga. Ela se virou para ver quem era que tinha tentado


roubรก-la e viu-se olhando para o amante que ela nรฃo tinha sido capaz de esquecer. Ela sรณ o conhecera hรก algumas horas, mas nunca se esqueceria daquele rosto cheio de cicatrizes de batalha.


Capítulo Cinco A mulher estava mentindo. Ela tinha que estar. No entanto, Antonin teve que admitir para si mesmo que não tinha usado proteção quando ele tinha tido relações sexuais com ela. Tinha sido cerca de três meses desde aquela noite no bar. Ele não a vira desde . Ele não tinha tentado manter contato ou perguntar sobre como ela estava. Ela deveria ter sido nada para ele, e ainda assim ele teve a oportunidade de acabar com sua vida e tomar o dinheiro e ele não escolheu. Em vez disso, ele se permitiu ser feito de prisioneiro pelos Caglione para que ele pudesse descobrir um pouco mais sobre sua nova líder. "Seu pedaço de merda!" Alguém bateu em Antonin tão duro na cara que ele sentiu os dentes afrouxarem como sua separação do lábio. Ele sentiu gosto de sangue, mas se eles estavam tentando conseguir algo dele não iriam chegar a lugar nenhum desse jeito. Eles só estavam recebendo sangue no chão da limusine. Na verdade, o veículo estava cheio com quatro de seus homens e Juliet, e, claro, Antonin no chão. "Pare de bater nele." O tom de Juliet sugeriu que ela estava entediada. "O homem é um prisioneiro, mas isso não significa que temos que agir como animais pra cima ele." Um dos homens riu de Antonin. "Eu acho que devemos vender essa bunda. Algumas vezes ser fodido na bunda pode suaviza-lo ". "Você vai ser o primeiro?" A voz de Juliet estava gelada. "Porque você é o único que parece estar obcecado para com ele, para começar. Que tal você apenas fechar a boca antes de realmente me enojar e me forçar a agir de acordo com os meus sentimentos. " Antonin tinha que dar crédito onde era devido. A mulher era boa em colocar seus homens no lugar. Era algo que um monte de líderes mulheres tendiam a ter problemas. Gangues e famílias da máfia, muitas vezes tinha muitos mais homens no caminho para tornar mais fácil para uma mulher


dominar a coisa toda. Houve vaias ao redor da cabine da limusine enquanto os outros homens brincavam com seu companheiro. Finalmente, o veículo pareceu parar de se mover. As portas abriram e os homens saíram. Dois ficaram para trás para receber ordens de sua chefe. Ela estava olhando para Antonin. "Leve-o para o meu estudo. Quero ter uma conversa com nosso amigo, o ladrãozinho. Nesse meio tempo eu preciso falar com o chefe sobre o dinheiro. "Ela deu um tapinha na maleta cheia de dinheiro. O CÉREBRO DE JULIET estava girando em tantas direções diferentes que ela estava com medo que fosse explodir em lágrimas e perder o controle na frente de todos. Ela teve que ficar fora dos holofotes por um minuto e se recompor. Isso significava tirar essa peça russa de carne longe dela. Ele era muito perturbador para ela. Ela marchou até as escadas em direção ao escritório do avô com a pasta na mão. Ele iria colocar o dinheiro no cofre, e eles de repente veriam uma grande mudança nas coisas por aqui. Haveria dinheiro para fazer as coisas melhor e para ajudar as empresas a funcionarem mais suavemente. Não haveria mais corrupção e em torno de seu território. Ela iria arrumar tudo. "Vovô?" Ela calmamente entrou em seu escritório. Seu avô idoso e chefe da família Caglione estava dormindo em uma poltrona perto da janela da baía. Juliet suspirou. Ela não tinha certeza do que ela estava realmente esperando. Por tudo o que seu avô se recusou a entregar as rédeas da operação, ele era muito velho e cansado para estar assumindo este tipo de responsabilidade. Ela foi até o cofre e girou o dial. A combinação era a data de aniversário de seus avós. Sempre foi a mesma senha Ela abriu a porta com o mínimo de barulho possível e começou a descarregar a maleta com cuidado no cofre. "Quem é?" Seu avó gritou de repente. Juliet se inclinou para trás para que pudesse ver seu avô perto da porta do cofre. Ele pareceu relaxar quando a reconheceu. "É apenas Juliet, vovô. Eu tenho algum dinheiro e preciso


colocar no cofre. Isso é tudo." "O seu negócio foi bem sucedido hoje?" Seu avô perguntou numa voz arranhada preenchida com cansaço. Juliet suspirou. Às vezes ela se sentia tão sozinha. "Sim. Foi muito bem sucedido." "Você perdeu algum dos meus homens?" Ela apertou os dentes. Seus homens? Ugh!"Não, avô. Eles estão todos bem. Trouxemos para casa um prisioneiro russo." "Um russo?" Agora seu avô parecia um pouco mais acordado. "Onde você conseguiu um russo?" "Ele nos atacou e tentou pegar o dinheiro", explicou ela. Seu avô bufou. "Então eu espero que você coloque uma bala na cabeça dele e termine isso ." "Eu preciso ver o que posso tirar dele em primeiro lugar, vovô," Juliet disse a ele. "Você não acha que seria uma boa ideia interrogá-lo e ver que tipo de planos os russos têm? Eles estão tentando assumir o nosso território. Talvez possamos descobrir uma maneira de empurrá-los de volta ". "Mate todos eles," Vovô resmungou. "Essa é a única maneira. Esses bastardos russas vieram do seu país às dezenas. Isso me lembra de quando a nós emigramos da Sicília ". Ela considerou o comentário de seu avô. Talvez colocar uma bala naquele homem era a melhor maneira de lidar com ele. Mas ela precisava saber um pouco mais sobre ele em primeiro lugar. Especialmente desde que ele era o pai da criança que ainda não nascera. Portanto, esse era o escritório pessoal de Juliet Caglione? Antonin olhou em volta com interesse. Uma das razões que ele nunca se permitiu decorar, ou melhor, reivindicar qualquer espaço era a impossibilidade de fazê-lo sem dar muito do seu eu interior. Ele não podia dar ao luxo de mostrar fraqueza ou dar a outra pessoa uma maneira de se aproximar. Havia fotos de Juliet com membros de sua família. Era facilmente perceptível que a família


significava muito para aquela mulher. Antonin sabia sem precisar perguntar que o rapaz era seu irmão. O homem que Josef e sua tripulação tinham assassinado simplesmente porque ele era o Consigliere dos Caglione. Antonin constantemente ficava arrumando o laço de sua gravata enquanto olhava ao redor do escritório. Estava um pouco chocado que os homens lhe deixaram aqui sem qualquer supervisão. Na verdade, ele poderia ter saído e voltado do lugar umas três vezes até agora. No entanto, ele estava ali, porque queria respostas sobre Juliet. Isso significava que ele precisava ficar e ver o que ela tinha a dizer para si mesma. A porta se abriu e Juliet Caglione entrou na sala. Ela fechou a porta e ficou muito quieta, olhando para ele como se não conseguisse acreditar em seus olhos. Finalmente ela falou, mas não era o que ele esperava. "Qual o seu nome?" Ele piscou de surpresa. Não lhe ocorrera que ela não sabia, ao menos, o seu nome, ou seu lugar na família e suas conexões familiares e outros conhecidos. "Meu nome é Antonin." "Qual é o seu último nome, Antonin," ela pressionou. Ele inclinou a cabeça, estudando-a. Houve um espessamento em torno de sua cintura que talvez desse alguma credibilidade à possibilidade de ela estar grávida. "Meu nome é Antonin Mikhailovich." "Mikhailovich," ela murmurou. "Vocês, russos não têm nomes de família da mesma forma que nós temos. Então você é o filho de Mikhail. "Ela parou de falar e seu rosto ficou pálido. "Como Mikhail, o chefe da Bratva? Então você é filho de Mikhail? " Ele inclinou a cabeça, imaginando que pensamentos estavam correndo por sua cabeça. "Se você está pensando em algum esquema para arrumar um resgate para mim e acabar com a organização de meu pai fora do seu território, pode esquecer. Os laços familiares não vão me salvar. " "Aparentemente temos isso em comum", disse ela com um suspiro. "Então, basicamente, você está me dizendo que você é um refém inútil a menos que queiramos jogá-lo em algumas lutas


subterrâneas." Ela estava falando sério? lutas subterrâneas eram uma parte muito lucrativa de qualquer máfia criminosa, mas jogar alguém como ele no ringue seria idiota. Certamente ela estava mexendo com ele.

SUA EXPRESSÃO SUSPEITA sugeriu que o homem não entenderia uma piada mesmo se o chutasse nas bolas. Juliet finalmente suspirou e sacudiu a cabeça. "Estou brincando. Você sabe? Como se eu estivesse apenas transando com você. " "Você já fez isso," ele disse a ela sem rodeios. "E, aparentemente, a experiência deixou uma marca duradoura." O sangue subiu ao rosto de Juliet a medida que sua fúria entrava em erupção. Ela tomou respirações profundas para evitar de perder o controle completamente. Como ele ousaria? Ele não tinha o direito de dizer algo tão grosseiro! Não era como se ela soubesse quem era ele naquela noite. Embora mesmo que ela soubesse, não poderia realmente dizer que isso a teria parado. Mesmo agora, o homem cheirava ao mesmo perfume de antes. Não sabia o que era, mas ela era mortalmente atraída por ele. Aquele cabelo escuro sedoso e aqueles olhos escuros a intrigavam. Ela queria colocar os braços em volta de seu pescoço e inalar o cheiro maravilhoso, e então o abaixar para um beijo longo e quente. Ele era sua droga viciante e ela queria experimentar novamente. Agora. Só que era não por isso que ela estava aqui, ou por que ele estava aqui, e ela precisava lembrar-se sobre isso. Sacudindo sua paixão ridícula, ela estreitou seu olhar para o homem que era seu cativo. "Nós tivemos um caso. Verdade. E sim. Estou grávida. Eu não vejo o que isso tem a ver com você ". "Esse é o meu filho", ele rosnou. "Você está carregando meu filho. E se você pensa que não significa nada, então é melhor pensar de novo. "


"Perdoe-me, mas você é o único que está de mãos atadas." Ela acenou para suas mãos. "Eu não acho que você está em posição de discutir." Ele exibiu as mãos lentamente para fora de trás das costas. "Que mãos atadas?" "Oh meu Deus!", Ela engasgou. Abrindo a boca para gritar por socorro, ela foi agarrada por um conjunto de braços maciços que se envolviam confortável em torno de seu corpo. Ele pressionou a mão sobre sua boca e segurou-a totalmente impotente contra seu corpo. Pior ainda, ela podia lembrar como era realmente ser tocada por esse homem. Ela conhecia seu corpo. Ela conhecia seu cheiro, e até mesmo o gosto do seu pau na boca. Ela o queria e não havia realmente nenhuma maneira de esconder isso. "Olhe para você", ele sussurrou em seu ouvido. "Você está tentando ser dura como pregos. E eu aposto que você é. Mas agora você não quer nada mais do que submeter-se a mim. Você amou cada segundo que aconteceu entre nós. Você me implorou por aquilo. Você chupou meu pau até que eu quase gozei em sua boca. Você me quer tanto quanto eu quero você. Por que vamos negar isso? Obviamente nós dois estão em rota de colisão. Eu acho que devemos ceder e ter nosso prazer nesse lance enquanto estamos aqui. "


Capítulo Seis Juliet estava caindo em chamas e estava indo rápido. O homem que ela tinha pensado manter como prisioneiro agora a fez uma refém. É claro que o maior problema era que ela queria isso. Ele moveu seu cabelo para o lado e começou a beijar seu pescoço. Seus lábios estavam tão enganosamente suaves. A maneira como ele a beijava e, em seguida, beliscava sua pele era inebriante. Sua pele ficou muito sensível, e cada toque de sua boca contra ela a levou a estremecer de prazer. Sua risada baixa lhe dava frio na espinha. Ela estremeceu em resposta, e ele passou a mão em torno de seu pescoço. De alguma forma o poder feroz dele era um tesão. O homem poderia quebrar seu pescoço em um movimento, mas ele não queria. Ela fechou os olhos e simplesmente se esqueceu de estar no controle. Ela deixou ser levada, e isso era tudo. "Eu gosto que você use saias", ele rugiu. Sua mão repousava em seu quadril e começou a puxar o tecido de sua saia lápis em direção à cintura. "Me dá um acesso fácil quando você está vestindo uma." Seus dedos escovavam sua perna nua. Em seguida, ele puxou o elástico de sua calcinha. "Mas tem que tirar essa calcinha." Com um toque de sua mão, sua calcinha se rasgou em dois. Juliet deu um pequeno suspiro. Em seguida, ele repetiu o processo com a outra mão. Ele avançou a saia para cima até que ele pudesse ter acesso a sua calcinha. Em seguida, ele rasgou o elástico e deixou que a roupa arruinada finalmente revelasse a visão dela por inteiro. Seus dedos suavemente puxaram seu cabelo púbico. Ela tentou mas não conseguiu reprimir um gemido. A sensação dele puxando o cabelo era intensa, inesperada. Como podia ser tão bom só de ser tocada assim? Seus lábios roçaram o lóbulo sensível de sua orelha. "Você está molhada para mim, Juliet?"


"Sim." Não havia porque negá-lo. Seus dedos estavam tão perto que ele ia saber em meros segundos de qualquer maneira. Ele mergulhou entre os lábios inferiores e enterrou os dedos em sua fenda úmida. "Deus, sim, você está!" A maneira como ele esfregou seu clitóris era enlouquecedor. Era como se ele soubesse exatamente o que iria fazê-la se contorcer. O sangue correu para sua virilha. Seu clitóris ficou inchado e quase doloroso ao toque. Ele suavemente girou em torno do exterior do mesmo. Então ele colocou a mão em sua fenda e esfregou as bordas externas. A pressão era deliciosa. Ela ganhou um pouco de atrito, e dentro de pouco tempo ela estava pronta para gozar. "Por favor," ela sussurrou. Ela tinha se agarrado a seus antebraços e estava cravando-o com as unhas. "Por favor, não me faça esperar mais." "Espere pelo quê?", Ele respondeu asperamente. "Diga-me o que você quer, menina." "Me faça gozar. Eu preciso gozar ", ela implorou. "Por favor?" A SENSAÇÃO de poder que Antonin teve ao ouvir Juliet implorar para gozar ultrapassou todas as outras sensações que ele tinha experimentado. Essa não era uma mulher fraca a procura de um homem para governar ela. Ela era um adversário digno em todos os sentidos. O fato de ela deixá-lo levá-la a esse estado de excitação era intoxicante. Ele pressionado contra o lado esquerdo do seu clitóris e deu-lhe um pouco de dificuldade. Ele sentiu o momento exato em que ela caiu sobre a borda do clímax. Ela deu um pequeno gemido, e seus olhos se fecharam. Seu corpo convulsionou e todos os músculos de sua vagina começaram a ondular com contrações que pareciam balançar todo o seu corpo. Ele assistiu maravilhado e se deleitava com a sensação de que ele estava indo se sentir de uma forma totalmente nova, muito em breve. Antonin olhou ao redor do escritório. Ele poderia ter inclinado-a sobre qualquer superfície plana, mas isso não era o que queria. Ele tomou-a por trás pela primeira vez. Ele queria ver a cara dela quando gozasse. Ele queria ver o prazer que ele a dava enquanto derramava seu


esperma em seu corpo. Colocando um braço sob seus joelhos, ele a pegou e levou-a para sua mesa. Mas em vez de coloca-la de quatro, ele a colocou deitada. A altura era perfeita. Ele tocou-lhe o queixo e a fez encontrar seu olhar. Havia algo um pouco confuso sobre a sua expressão. "Tire minhas calças da maneira que você fez antes", ele ordenou em um tom baixo. Ela se atrapalhou em sua cintura, mas não discutiu. E quando segurou sua ereção dura em sua mão quente, deu-lhe alguns golpes que quase o desfez em seguida, e ali. Nada nela era hesitante. Mesmo quando ela tocava-lhe, fazia isso de uma maneira que lhe dizia inequivocamente que ela queria dele. Sua saia ainda estava em sua cintura. Antonin encontrou seu caminho entre as pernas dela. Ele olhou para baixo e viu a ponta do seu pênis escovar seus pelos. Assistindo seu pênis passando em sua vagina era erótico. Se afastou apenas para ver o que ela faria. Um pouco de inspiração e um som plangente de seus lábios lhe assegurou que ela queria ele dentro dela tanto quanto ele queria estar lá. "Implore-me por isso", ele rosnou. "Diga-me que você quer que eu te foda." "Eu quero," ela gemeu. "Eu quero o seu pênis dentro de mim. Me fode, Antonin! " O som de seu nome o empurrou sobre a borda. Seu desejo tornou-se uma necessidade arranhanda que não passava. "Se abra para mim. Coloque meu pênis dentro de seu corpo ". Ela usou os dedos de uma mão para abrir seus lábios. Havia algo primal no ato de ver uma mulher tomar um homem dentro dela. Antonin estremeceu com desejo mal controlado. Suas dobras internas eram de uma cor rosa escuro e quente como sangue. O tecido brilhava com seus fluídos, e o som molhado de seu pênis pressionando sua maciez encheu a sala. Ele sentiu a primeira prensa de sua cabeça passando sua entrada como se ela o tivesse espremido pelo buraco de uma agulha. Ele gemeu. Ela estava tão quente no interior que quase queimava sua pele. Ele pegou seus quadris em suas mãos e começou a afundar lentamente dentro de seu corpo. Ela choramingou e colocar suas próprias mãos em seus ombros. Ele sentiu suas garras


nele enquanto se contorcia. Em seguida, ele estava completamente envolto em seu interior quente, e ele só tinha que fazer uma pausa longa o suficiente para evitar a necessidade de gozar. A pressão e fricção do pau enorme de Antonin foi suficiente para fazer Juliet gozar instantaneamente. Ela sentiu-se voar para a direita ao longo da borda com não mais do que um pequeno impulso de quadris de Antonin. Parecia tão bom! Então ele começou a bater dentro e fora dela em movimentos curtos e rápidos e Juliet se perguntou se ia morrer com seu prazer. Ela colocou as mãos em seus ombros e entregou-se totalmente à esmagadora posse de seu corpo. Ela abriu as pernas mais amplamente para acomodá-lo. Ele entrou mais profundo, e ela inclinou seus quadris para alterar o ângulo de sua entrada. Cada golpe enviava o longo comprimento de seu pênis à ponta de seu clitóris. O choque resultante era como um impulso elétrico que vibrava através de seu corpo e deixou sua respiração ofegante. Erguendo as pernas, ela envolveu-as em torno da cintura dele e puxou-o mais fundo dentro dela. Ele diminuiu o ritmo e começou a bater longamente, batidas que a deixavam praticamente chorando para que ele terminasse. Ela podia sentir o poder absoluto dele em cada movimento. Esse homem era uma rocha. Não apenas porque ele poderia jogar seu corpo tão lindamente e com tão pouco esforço, mas porque a sua força de vontade era tangível em tudo o que ele fazia. Calor líquido começou a descer na base de sua espinha. Ela sentiu seus músculos apertando dentro de seu canal. Sua vagina apertou-se em seu pinto até que o atrito criava tanto calor que ela pensou que poderia ser queimada até a morte. Então, de repente estalou como um elástico. Tudo implodiu e seu orgasmo atingiu como um trem de carga. "Oh Deus!", Ela gritou. "Antonin!" O nome veio automaticamente a seus lábios. Ela disse de novo e de novo enquanto gozava ondulante após onda de contrações intensas. Cada nervo em seu corpo estava em chamas. Então sentiu que ele empurrou duro e segurou-a tão perto quanto podia. Ela realmente sentiu o calor e seu molhado esperma ejaculando dentro do corpo dela. A sensação era incrível. Ela sentiu como se


o mundo inteiro tivesse parado de girar sobre seu eixo. Então, finalmente, tudo começou a diminuir, e ela podia respirar mais uma vez.

ANTONIN NÃO SABIA dizer exatamente o que houve entre ele e essa mulher. Ela não deveria ter passado de uma transa rápida e um bilhete para fora deste lugar. Ela, obviamente, sabia onde estava o dinheiro. No entanto, ele não queria deixá-la aqui sobre a mesa amarrada para que cada um de seus homens pudessem rir. Ele não iria permitir que ela fosse tratada dessa maneira. Ele sentia-se estranhamente preocupado com ela e não tinha ideia de como lidar com uma coisa dessas. Assim em vez de se afastar, ele a abraçou com sua bochecha descansando contra seu peito e os seus braços em torno dela. Ela deu um pequeno suspiro, e ele percebeu que suas pernas ainda estavam presas em torno dele e seu pau ainda estava enterrado nela. Que casal estranho eles eram. "Eu nunca quis engravidar", ela sussurrou. "Isso certamente não estava no plano. E eu absolutamente não tenho intenção de levá-lo a tribunal ou forçá-lo a fazer qualquer coisa para essa criança. Isso não é e nunca foi a minha intenção. De fato, se você não tivesse estado a ponto de acabar com a minha vida, embora eu não tivesse percebido que era você, eu não teria dito nada." Ele acreditava nela, embora não tivesse nenhuma razão para isso. "Você disse a alguém de sua organização?" "Meu amigo Giovanni sabe disso. Giovanni era o melhor amigo do meu irmão. Eu posso confiar nele. " Ele não gostava de pensar nela tão sozinha nessa situação. "Você já pensou sobre o que vai fazer quando não puder esconder mais?" "Ainda não." Ela suspirou. "Eu acho que eu estava mais preocupada em provar ser uma


Consigliere competente até então. Eu poderia dar um passo para trás, encontrar alguém competente para fazer algumas das coisas do dia-a-dia, e então tudo iria dar certo. " "Poderia acontecer dessa maneira", reconheceu. Seu riso amargo sugeriu que ela não era nada ingênua. "Certo. Pode funcionar dessa maneira. Só que nada na vida funciona de modo limpo e organizado. Geralmente é tudo um grande imprevisto, e eu passo anos tentando lidar com as consequências. " "Pelo menos você é realista", ele admitiu. "Mas você não está sozinha, Juliet. Eu quero ajudar você. Esse é meu filho, e eu estou disposto a assumir alguma responsabilide por isso. " "É mesmo?" Ela arqueou uma sobrancelha. Ele tentou outra referência. "Ele ou ela?" "Ela", ela disse suavemente. "Meu Deus, você já sabe?" Ele percebeu então que ele não tinha absolutamente nenhuma ideia do que esperar com uma gravidez. "Não sei nada sobre bebês." Ele reconsiderou sua declaração. "Ou ter bebês. Suponho que a única coisa que sei fazer é concebê-los ". Ela estava rindo dele, e ainda assim de alguma forma isso não o incomodava da maneira que normalmente teria feito. Não havia malícia em sua expressão. Seu sorriso era genuíno, e havia um brilho em seus olhos azuis que lhe dava coisas estranhas a sua barriga. Ninguém jamais o fez sentir-se como humano. Era algo que ele podia até mesmo ser capaz de se acostumar.


Capítulo Sete JULIET tinha um problema. Bem, na verdade, ela tinha vários problemas, mas a questão mais premente era que Antonin Mikhailovich era o pai de sua filha, e ela realmente não queria ver sangue e miolos salpicados pelas paredes do quarto da criança. Fechando a porta de seu escritório, esperava que pudesse fazer jus à promessa que tinha acabado de dar a Antonin. "Você está bem?" Juliet saltou, pressionando a palma da mão contra o peito e sentindo como se ela quase tivesse um ataque cardíaco. Ela virou-se para Giovanni. "Droga! Não me assuste desse jeito! Você quase me deu um ataque!" Giovanni fez uma careta. Ele levantou a cabeça e olhou para ela com demasiada intuição. Ele a conhecia muito bem. "Juliet, o que está acontecendo?" Seu tom era plano. "Nada." Ela sabia que tinha falado muito rapidamente. Na esperança de encobrir seu desconforto, ela começou a andar em direção ao escritório de seu avô. "Você está vindo comigo?" "Para o encontro com os caras?" Giovanni levantou as sobrancelhas. "Como o único membro desta família que não a considera totalmente dispensável, sim. Eu pensei que poderia sentar se eu puder. " "É claro que pode." Ela se levantou e endireitou as costas. Esse jeito arrogante a tinha mantido viva nesses últimos três meses. Certamente ela poderia usá-lo para intimidar os caras em não agir como idiotas. Só que eles seriam idiotas de qualquer maneira. Ou melhor, ela tinha os conhecido completamente atolados em décadas de tradição que os impediam de qualquer tipo de visão aberta. Era frustrante demais. "O que você está pensando?" Giovanni perguntou suavemente. "O prisioneiro ainda está em seu escritório?"


Ela pensou no "prisioneiro." Antonin fora vagamente amarrado e sentado em uma cadeira no centro de seu escritório como mais um artifício do que qualquer outra coisa. Ela o fez prometer ficar lá, mas não estava exatamente certa que podia confiar nele. O homem não era do tipo que sentava e deixava os outros cuidarem dos assuntos. Ele era um macho alfa clássico. Eles a rodeavam bastante. "Juliet?" Giovanni cutucou. Sua mão roçou seu ombro, e ela assustou um pouco com o contato. Ele não costumava tocá-la. Na verdade ninguém tocava. "Eu estou bem, Giovanni", assegurou ela. "O prisioneiro está em segurança no meu escritório, onde ninguém pode fazer nada estúpido." Ela se virou para olhar para o homem que tinha sido sua mão direita desde que ela começou sua campanha para salvar o império Caglione. "Você sabia que ele é o filho do patrão russo?" "Não." Ela acreditou nele, mas podia ver a mente de Giovanni trabalhando. "Ele me disse que se eu pretendesse usá-lo como garantia com sua família, eu poderia simplesmente matá-lo e nos livrar de todos os problemas." As sobrancelhas de Giovanni se uniram em um cenho franzido. "Então ele está alegando que seu pai não se importaria o suficiente para salvá-lo? Eu não acredito nisso. Especialmente se nós enviarmos ele em pedaços. Isso sempre facilita as coisas ". "Você não vai cortar ninguém pedaços!" O pânico que tomou Juliet deixou sua voz estridente. Apertando os lábios para reprimir qualquer protesto mais evidente, ela limpou sua garganta. "Precisamos ser humanos e realistas sobre isso. Quer dizer, o meu avô não me trocaria para um resgate de algumas centenas de dólares. " Giovanni pareceu sombrio quando se aproximaram do escritório do chefe. "Eu iria", ele disse a ela suavemente. "Eu pagaria milhões para você, Juliet."


ANTONIN não era o tipo de homem para se mentir e não fazer nada enquanto a luta acontecia em torno dele. A ideia de deixar uma mulher lutar suas batalhas era especialmente repugnante. Em seguida, havia a ligeira possibilidade de que alguém nessa casa sabia que ele era responsável pela morte do pai de Juliet. Ela podia fazer algo, e ele precisava estar pronto quando isso acontecesse. Ele tirou as cordas insignificantes de seus pulsos e se levantou. A solução óbvia para o problema dele era eliminar sua família por completo, trazê-la para o Bratva como sua esposa e mãe de seu filho, e simplesmente deixar todos os Caglione para trás. Ele tinha a sensação de que Juliet não ia gostar da primeira opção. Ele pressionou as costas para a parede ao lado da porta e prendeu a respiração para que pudesse ouvir qualquer coisa que pudesse estar acontecendo no corredor. O lugar estava silencioso como uma tumba. Era realmente um pouco assustador. Juliet tinha dito a ele que haveria uma reunião no escritório do chefe Caglione para falar sobre o futuro não só do negócio inteiro, mas da captura de Antonin. Ele precisava estar presente para essa reunião. A velha casa estava repleta de antiguidades, móveis de madeira escura, e quartos extremamente grandes. Antonin estendeu a mão para a maçaneta da porta e abriu-a da maneira mais silenciosa possível. Ele deixou cair a porta aberta e, em seguida, se agachou para fazer sua saída. Ele não queria correr nenhum risco de que alguém fosse vê-lo se escondendo para fora do escritório e decidisse dar um tiro antes que Antonin tivesse percebido. Felizmente, havia uma grade de fora do escritório que proporcionava alguma proteção, bem como uma linha limitada de visão para o que era o escritório do chefe. Havia homens agrupados no corredor fora do escritório. Juntamente com o tamanho da reunião e da localização central do escritório, Antonin percebeu que tinha encontrado seu alvo. Agora ele só precisava encontrar uma maneira de escutar sem ser visto. Agachado, ele descansou os antebraços nos joelhos e olhou para a construção da velha mansão. Havia aberturas na parte de cima das paredes. Os painéis de acesso não eram enormes,


mas eles estavam certamente disponíveis, e ele apostaria um bom dinheiro que eles ligavam todos os cômodos da casa.

JULIET DESEJOU que tivesse nascido homem. Foi engraçado, mas antes da morte de seu irmão ela nunca antes tinha sequer considerado seu gênero como uma desvantagem. Desde a morte de seu irmão mais velho, que tinha sido atormentado pelo fato de que ela era uma mulher. Se ela tivesse nascido um menino nunca teria tido que lutar tão duro para uma posição de liderança dentro da organização Caglione. Teria sido um dado que ela levaria uma vez que ela própria tinha provado. Neste ponto, ela poderia revelar-se e ninguém se importaria. Reggie o rato era o pior criminoso. Como Juliet tomou seu lugar no escritório de seu avô, Reggie sorriu e olhou para o pacote de três comparsas que tinha sido sua sombra constante desde o colegial. "Você trouxe o café, Juliet?" Ela observou s Reggie trocar olhares e gargalhadas com seus amigos. Então ela sorriu docemente. "Não, mas eu tenho algumas almofadas grandes na minha bolsa. Você precisa de algumas? " "Sua cadela!" Reggie ficou de pé. Ele apontou para ela sobre a mesa. "Você não consegue fazer piadas assim sobre os homens." "Pode sim, Reggie!" Um dos outros caras acenou para o rato. "Coloque sua bunda na cadeira, e parar de tentar provar a si mesmo contra ela. É patético." Reggie não gostava de ter sua masculinidade questionada por ela, muito menos sendo advertido por um outro homem que não era tecnicamente mais alto do que Reggie. Ele resmungou para seus companheiros, e Juliet colocou Reggie na lista de pessoas que certamente a queriam morta. "Todos vocês fiquem quietos!" Vovô poderia ser velho, mas ele ainda era Carlos Caglione, e Carlos ainda era o chefe da família. "Agora. Quem é que vai me dizer o que aconteceu com o negócio? "


"Nós temos o dinheiro!" Reggie gritou. "Ele saiu como um nó. Trocamos o produto com os armênios e boom! Havia uma mala cheia de dinheiro ". Do seu lugar logo atrás do ombro de Juliet, Giovanni bufou. "E você ainda tem alguma ideia do que aconteceu com esse dinheiro, Reggie? Ou será que você meio que perdeu ele em meio a todas as suas celebrações? " "Seu filho da puta!" Reggie se irritou. "Só porque você é escravo idiota dessa cadela não significa que o resto de nós também somos!" "Silêncio!" Carlos rosnou. Ele se virou para Giovanni. "Eu ia agradecer se você mantesse o seu conselho entre você e seu amigo." Então Carlos voltou-se para Reggie. "E eu sei que o negócio foi bem sucedido porque Juliet nos informou logo depois que aconteceu. Não só isso, mas também se encarregou de arrumar o dinheiro do seguro. " Reggie ficou sério. Ele olhou para a mesa e mexeu-se com uma faca que tinha na mão. - Eu não sabia disso. "Eu sei que você não fez isso!" Carlos disse friamente. "Você é governado por seu coração e não sua cabeça, e na maioria das vezes o seu coração está agindo irracionalmente". "Nós precisamos falar sobre o prisioneiro," um dos outros caras disse em voz alta. "Juliet está com ele preso em seu escritório, mas ele não pode ficar lá para sempre." Até onde Juliet sabia todos eles podiam esquecê-lo, mas isso não era provável. Ela limpou a garganta. "Eu falei com ele brevemente. Ele é o filho do chefe do Bratva, mas ele afirma que seu pai não correrá o risco de danos à sua organização apenas para libertá-lo. " "Isso é besteira!", Alguém gritou. "Família é família." "Sério?" Juliet disse sarcasticamente. "Porque enquanto estávamos naquele armazém, a maioria de vocês estavam mais do que dispostos a deixá-lo cortar minha garganta em vez de darlhe o dinheiro. Eu sou neta do chefe, certo? Como esse cara é diferente? "

ANTONIN RESPIROU fundo e, em seguida, saltou no ar, a fim de pegar a borda, cerca de


dez pés fora do chão. A madeira escura corria o comprimento de cada quarto e parecia conectálos todos como uma espécie de elemento arquitetônicos decorativos da casa. Puxando-se para cima da tira estreita de madeira, Antonin começou a caminhada difícil pelo corredor até o ponto onde o poço de ventilação podia ser acessado. Ele podia ouvir vozes altas em toda a vasta extensão da casa. O som deu-lhe um sentido de urgência elevada. Ele afundou rapidamente. Quando ele finalmente chegou a grade, ele percebeu que ela abria para fora e não para dentro. Ele amaldiçoou em russo enquanto abriu o eixo e colocou cuidadosamente o painel de lado. Com sorte, ninguém na casa olhou para cima. Se o fizessem, iriam notar um grande buraco na parede. Ele rapidamente entrou no eixo e arrastou seu corpo grande ao longo de seus antebraços. Era fácil serpentear ao longo da parte inferior lisa do sistema de ventilação de metal. Ele cheirava um pouco mofado, e havia uma tonelada de sujeira e detritos de anos de aquecimento e resfriamento. Fora isso, ele podia realmente ouvir os ecos do que estava acontecendo lá em baixo no escritório do chefe. Não demorou muito para percorrer a curta viagem através da casa. Havia vários outros corredores de ventilação, mas ele seguiu os sons da discussão até que chegou a um ponto onde podia ver através de uma grelha no chão. Ele ficou suspenso no eixo alto acima de uma mesa. Ele podia ver as mãos e notebooks, e ele também podia ouvir um monte de brigas. "Por que você está ouvindo uma mulher ?" Alguém estava muito irritado. Antonin assistiu a um ponto de mão enfaticamente em uma direção que deve ter sido para Juliet. Era tentador cair do teto e matar toda a liderança Caglione. Teria sido simples. Ele poderia ter terminado tudo isso antes mesmo de realmente começar. Exceto que Juliet iria provavelmente cortar minha cabeça antes de eu conseguir terminar o trabalho.


Capítulo Oito "TUDO BEM". JULIET DEU a cada homem na mesa um olhar muito firme, muito brando. "Vá em frente e envie algum tipo de pedido de resgate à Bratva." Juliet respirou e se forçou a olhar entediada. Isso não deveria importar e ela estava indo usar a estratégia "finja até que você faça isso" até que ela convencesse até mesmo a si mesma que não importava o que aconteceria com Antonin. Ela olhou seu avô bem nos olhos. "Na verdade, por que não enviamos uma nota para a Bratva dizendo-lhes que nós vamos mutilar e cortar o corpo de seu filho e deixá-lo em um lugar público se o Bratva não desocupar todo o território da Caglione imediatamente?" "Sim!" Reggie deu uma bomba de punho. "Esses babacas nunca vão saber quem os atingiu!" Juliet estreitou seu olhar para Reggie e deu-lhe um bufo zombador. "Então você acha que é uma boa ideia mostrar o quão desesperados nós estamos para a Bratva?" "O que?" Reggie parecia totalmente confuso. Em seguida, ele apontou para Juliet e olhou para Carlos. "O que essa cadela louca está falando?" "Eu estou falando sobre o fato de que se Antonin Mikhailovich está dizendo a verdade, estaríamos dando a Bratva informações demais sobre o quão desesperados estamos em readquirir nosso território." Ela enrolou o lábio para Reggie. "Eu estou dizendo que, para nos mostrar tanto nos faz parecer fracos ." Ela soltou aquilo por um momento. "É isso que você quer, Reggie? Você quer que a gente pareça fraco e desesperado? Plano brilhante. Queria tanto que você estivesse executando as coisas por aqui. " "Chega," Carlos ordenou. Às vezes, Juliet tinha muito esforço em conciliar o homem que estava sentado nessa mesa com o avô, que às vezes dormia na cadeira ao lado da janela de sacada. Carlos Caglione era um homem velho e cansado, mas ele era muito teimoso para desistir de seu manto da liderança. Essa escolha tinha sido trabalhável com seu irmão e pai em suas costas. Com apenas Carlos sobrando


para liderar os Cagliones, seu tempo estava se esgotando. Atrás dela, Juliet sentiu a pressão sutil da presença de Giovanni. Ele estava firme e sólido. A família dele tinha sido parte da famíla do crime Caglione por quase todas as gerações que os Cagliones tinham estado nos EUA. Tradição os contava que muitos bisavós de Giovanni e muitas bisavós de Juliet tinha chegado juntos no barco da Sicília. Às vezes, Juliet se perguntava se não seria sábio sugerir ao seu avô a nomeação de Giovanni para a posição de subchefe. Seu avô deu um suspiro pesado. "O que você sugere Juliet?" "Mais tempo." Ela engoliu em seco. Tudo dependia de sua necessidade de ter apenas um pouco mais de tempo. Ela não tinha ideia do que iria fazer com esse tempo, mas sabia que precisava. "Precisamos reunir informações sobre Antonin Mikhailovich. Precisamos ver como o Bratva reage ao seu desaparecimento. Uma vez que virmos a reação deles, vamos saber mais sobre o valor que ele traz a eles. " "E nesse meio tempo?" Um dos outros caras deu-lhe um olhar aguçado. "Você está pensando em segurar o refém em seu escritório?" "Se isso é o que é necessário para manter idiotas de molestarem ele", ela provocou, "então sim. Talvez eu o amarre à minha cama e me divirta da maneira que você selvagens, muitas vezes fazem com suas mulheres. Mais algumas sugestões por aqui? "Ela jogou uma mecha de cabelo solto por cima do ombro. "Ele é meu prisioneiro. Então eu vou decidir o que fazer com ele. Até sabermos mais, ele permanecerá onde está. " Houve resmungos, mas ninguém argumentou. Era um começo.

ANTONIN OLHOU ATRAVÉS da grelha e tentou descobrir quem estava sentado à mesa e que propósito ou posição realizava para os Caglione. A estrutura da máfia italiana era um pouco diferente da organização russa. Os caras pareciam ser algo como brigadeiros, mas eles eram muito mais críticos e vocais uns com os outros do que um brigadeiro jamais teria ousado. Brigadeiros não desafiavam uns aos outros de forma ostensiva. Havia rivalidades


mesquinhas e competição, mas as unidades sempre funcionavam com a melhoria do todos individualmente. Havia um homem em pé atrás de Juliet. Antonin se torceu no espaço apertado e tentou obter uma visão melhor do indivíduo que tinha ganho confiança o suficiente de Julieta para protegê-la em seu ponto cego. Quem quer que o bastardo fosse, Antonin era muito desconfiado por natureza para não pensar que não era muito provável que havia mais naquele relacionamento. Se Antonin ia dispor dos Cagliones e tomar Juliet como sua amante e, eventualmente, sua esposa, ele precisava de toda a concorrência bem fora do caminho. A sala começou a esvaziar. Antonin esperou pacientemente. Ele não tinha medo de que alguém fosse aparecer no escritório de Juliet. Ela tinha deixado muito claro para todos reunidos aqui que ela estava tomando conta do prisioneiro. Se alguém ia desafiá-la, a forma como esses animais se comportavam sugeriu que eles teriam feito bem aqui na frente de sua liderança, a fim de infligir o máximo insulto e danos. Finalmente, os únicos que permaneceram na sala foram Juliet, o homem que estava atrás dela, e seu avô. Antonin se perguntou da importância que Juliet fora concedida para o chefe da família. Dentro da estrutura Bratva não havia lugar para favoritismo óbvio como esse. "Vovô, não vamos ganhar nada deixando que aqueles tolos tentem usar Antonin Mikhailovich como isca." Juliet levantou-se e aproximou-se de seu avô. Em seguida, Antonin deu uma boa olhada no homem que tinha protegido suas costas durante a reunião. O italiano tinha boa aparência com o cabelo escuro ondulado e pele lisa que pareciam sugerir que ele nunca tinha visto uma faca em sua vida. Ele estava vestido impecavelmente e parecia usar um terno de milhões de dólares. Antonin não poderia evitar se sentir inseguro quando olhou para um homem cuja linguagem corporal sugeriu que ele queria ser muito mais a Juliet Caglione do que apenas seu amigo ou compatriota.


JULIET olhou para seu avô e desejou que ela pudesse fazê-lo ver o que ela fez. Seus caras foram mesquinhos e egoístas. Eles todos estavam preocupados demais consigo mesmos para colocar os interesses dos Caglione antes dos seus. "Vovô, por favor, confie em mim?" "Sir", Giovanni murmurou. "Juliet está certa. Charlie teria concordado com ela. " Carlos Caglione bufou e se levantou da cadeira. Ele caminhou até a mesa e serviu-se de uma bebida a partir da seleção disponível. "Quem é você, Giovanni Corleon, para me dizer o que meu filho teria pensado?" "Charlie era como um pai para mim." A voz de Giovanni eraapertada, e Juliet percebeu que seu amigo estava muito perto de perdê-la. "Quando ele morreu, eu perdi o pai que eu nunca tive. Deus sabe que eu perdi o meu verdadeiro pai antes de ter sequer a chance de conhecê-lo ". Carlos balançou a cabeça e tomou um gole de uísque. "Seu pai era um homem bom, Giovanni. Isso é verdade. Ele e meu Charlie eram melhores amigos como meninos. Você e meu neto também foram melhores amigos. Tem sido sempre assim entre as Corleones e os Cagliones. No entanto, eu não sei se estou confortável com os seus sentimentos em relação a minha neta." Carlos acenou com a taça em direção Giovanni. "O quê?" Juliet virou-se e olhou Giovanni em choque antes de voltar a encarar seu avô. Ela odiava que seu rosto estava ficando vermelho de vergonha. Não era o momento de agir como uma tola. "Giovanni e eu somos amigos. Ele é alguém que eu confiaria quando o resto de minha própria família iria me ver morta ou dada ao inimigo como um prêmio de guerra ". "Não seja tão dramática," seu avô bufou. Em seguida, o canto da boca torceu com diversão. Ele olhou para Giovanni e levantou uma sobrancelha. "Aparentemente você tem sido muito discreta. Ou talvez ela seja apenas distraída. Não é como se ela tivesse muita experiência na arte do amor ". "O que você está falando?" Juliet dificilmente poderia recuperar o fôlego suficiente para falar. "Giovanni, me ajude aqui." Mas ela virou-se para olhar para ele e recebeu apenas um olhar


vazio. O pânico começou a lhe deixar tonta. Ela realmente não tinha tempo para isso. Tinha que voltar para seu escritório. Antonin estava lá. Ele era o pai de seu filho. Ela estava carregando um bebê pelo amor de Deus! Ela não tinha tempo para mentiras idiotas sobre seu amigo quer um relacionamento que ela não podia lhe dar. "Eu estarei em meu escritório", ela murmurou. "Quando vocês dois terminarem de falar bobagem, você pode vir e me encontrar." "Juliet, espere!" Giovanni disse rapidamente. Ele estendeu a mão para seu braço, mas ela se afastou. "Não me toque agora." Ela balançou a cabeça para ele. "Eu nem sei quem você é agora."

ANTONIN não se surpreendeu ao ver Juliet andando para lá e para cá em seu escritório quando ele caiu pela abertura no teto. Ele bateu no chão em um agachamento e esperou que seus joelhos para parar de gritar antes que se levantasse. "Cara, contente de ver que você voltou para o lugar onde eu lhe disse para ficar quieto ." O tom de sarcasmo eriçou seus pelos, mas Antonin se obrigou a não reagir. Agora não era a hora. Em vez disso, ele decidiu deixa-la sem equilíbrio desde o início da conversa. "Quem é Giovanni Corleon, e o que ele significa para você?" "Por que você se importa?", Ela atirou de volta. "Ele era o melhor amigo do meu irmão antes de seus bastardos Bratva matarem ele!" Ela bateu em seu rosto, e Antonin percebeu que ela estava realmente chorando. Ele odiava lágrimas. Normalmente elas o deixavam muito irritado. Por alguma razão, as lágrimas de Juliet o afetaram de forma muito diferente. Ele sentiu um desejo inegável de fazê-la parar de chorar. Não apenas para vê-la cessar o choro, mas para fazê-la se sentir melhor de alguma forma real e duradoura. Era uma resposta desconcertante, e ele não sabia explicar isso. Não. O importante era Giovanni. "O homem parece ter muito mais do que sentimentos de


amizade por você." Antonin andava para frente e para trás em seu escritório. "Seria uma opção inteligente para você, considerando o tempo de sua associação com a família dele." "Opção inteligente?" Ela olhou para ele, obviamente, horrorizada com a sua insinuação. "Por quê você diria isso? Eu estou grávida de sua filha ! Por que você sugere que eu me prenda a outra pessoa? " Por que ia fazer isso? Não era como se ele fosse permitir que isso acontecesse. Na verdade Antonin experimentou um influxo imediato de pensamentos violentos, à tarde, só do simples pensamento de outro homem tocando Juliet. "Você está com ciúmes?", Perguntou ela em estado de choque. "Ah sério? Oh, isso é demais! Você. Com ciúmes? De quê? "Ela parecia quase histérica. "Se o homem tem algum interesse em mim, é provável que seja relacionado com o poder que ele pensa que poderia obter de se unir a minha família." Ela atirou à Antonin um olhar fulminante. "Caso você não tenha notado, estamos um pouco fracos na frente de liderança. Ou foi essa sua razão para se juntar à mim? Você queria uma chance de descobrir a fraqueza de minha família? Bem, acho que você encontrou. Basta ir e deixar-nos em paz, então ". Antonin não se preocupou em responder a essa alfinetada. Ele não ia a lugar nenhum, é claro. Neste ponto, ela não podia deixá-lo ir mais do que ele queria. "Você o ama? Você já o amou? Você o considera um possível pai para o seu filho antes mesmo de mim? " "Mais uma vez". Ela respirou fundo e levantou o queixo. Parecia tão agressiva e pronta para uma luta que ele desejaria tirar sua raiva com beijos. "Você ainda não me disse por que você se importa tanto com a minha relação com Giovanni."


Capítulo Nove TALVEZ JULIET FOSSE insensata em não ter medo de Antonin Mikhailovich neste momento. Para a maior parte era uma incógnita. Ele era grande e poderoso. Na verdade, ele pingava o tipo de poder masculino que fazia os outros homens tremer em suas botas. Quando ela olhou para ele e exigiu respostas, havia uma pequena parte de seu cérebro que se perguntou se ela estava provocando um homem que não iria tolerar confronto. Ela não sentia medo. Na verdade não. Não havia nenhuma dúvida em sua mente que Antonin tinha a capacidade da brutalidade completa dentro dele. Ela sabia que suas mãos tinham provavelmente acabado com a vida de muitos homens. No entanto, ela se sentia diferente dos outros para ele, e isso a excitava de maneiras que ela não podia explicar. Antonin estava respirando profundamente, seus ombros largos levantando a cada respiração. Quando ele finalmente falou, seu tom foi cuidadosamente medido. "Por que eu me importo sobre a natureza de seu relacionamento com Giovanni Corleon?" "Isso é o que eu perguntei", disse Juliet, nem sequer se preocupou em mudar o tom. O que estava errado com ela? Ela estava sentindo a necessidade de andar na linha com ele? Ela estava o testando? Ele inclinou a cabeça. "Você é uma mulher independente, Juliet. Eu entendi isso." Ele deu um passo mais perto. O movimento invadiu seu espaço de respiro até que ela não podia sentir o cheiro nada além de sua pele. O calor de sua pele brilhava sobre a dela e ela tremia, embora tentasse não demonstrar isso. O canto da boca curvou para cima, e sabia que ele sabia de sua resposta. "Independente?" Ela se forçou a ser leviana Ela não podia demonstrar medo agora. Fazer isso seria perder o chão que ela não podia se dar ao luxo de perder. "Eu tenho ansiado por independência toda a minha vida. Você tem alguma ideia do que é ser a princesa pequena em


uma família como essa? " "E você espera que eu acredite que eles te mantiveram trancada em uma torre de marfim?" Não havia dúvida o escárnio em suas palavras. "Eu não esperaria que você acreditasse em mim", ela começou. "Ou de entender. Tenho certeza de que você era o queridinho da vida de seus pais. " "Então você não sabe nada do Bratva", disse ele amargamente. "Talvez em algumas famílias seja dessa forma. Meu pai acredita que todo homem tem que provar a si mesmo a partir do zero, independentemente do acidente de seu nascimento. " "Então você tinha que lutar contra os valentões?" Ela acenou com a mão para indicar todas as suas cicatrizes. "Parece que você fez um bom trabalho, então." Eles se enfrentaram como adversários, e Juliet percebeu que isso não era o que ela queria. Com um suspiro, ela exalou longa e lentamente para expelir a tensão de seu corpo. Ela viu uma breve expressão de confusão cruzar suas feições.

QUE JOGO ELA estava jogando agora? Um segundo, ela estava suave e disposto, no outro ela estava dura e implacável. Antonin não poderia entender a situação, e isso estava começando a irritá-lo. Ele precisava de alguma forma quebrar sua desconfiança dele tempo suficiente para se livrar da liderança remanescente dos Caglione. Em seguida, os dois poderiam começar uma nova vida longe da influência negativa de sua família. Ele olhou em volta do escritório dela. Não passara despercebido para ele que havia certa dose de ironia envolvida em sua tentativa arrogante de ganhar a confiança dela só para assassinar aqueles que ela afirmava serem especiais. Ele simplesmente não estava convencido de que o bando sanguinário que ele tinha observado naquela reunião era de qualquer forma digno de sua preocupação. Antonin deliberadamente deu as costas e caminhou em direção à outra extremidade do escritório. Havia fotos no armário dela. Ele pegou um dos retratos e viu Juliet adolescente com o


pai e um homem que Antonin reconheceu vagamente como seu irmão. Os três estavam parados em um terraço com uma bela vista do oceano atrás deles. "Quando eu tinha dezesseis anos e meu irmão Enzo tinha dezenove, meu pai nos levou para a Itália." A voz de Juliet era suave, como se a memória fosse um de seus bens mais estimados. "Nós ficamos em uma praia na Sicília e vimos onde os nossos antepassados costumavam ir para pegar peixes todos os dias. Eram sua subsistência, mas eles queriam mais. "Ela tirou a foto das mãos dele e colocou de volta no armário. "Nessa viagem eu aprendi o que motivou meu pai e meu avô." Antonin podia muito bem entender aquela motivação. "Ter sucesso onde gerações de sua família falharam é algo incrível." Ele pensou por um momento. "Meus antepassados eram camponeses. Algumas das outras famílias do crime na Rússia começaram como a nobreza. Nós não. Nós focamos em atingir o topo durante a revolução. Histórias da família dizem que alguns dos jovens de nossa família eram guardas na Casa Impatiev onde a última família imperial foi mantida prisioneira no início do regime soviético. " "Então, talvez todos nós sejamos assassinos", disse ela sombriamente. "Às vezes eu não concordo com o que meu pai e meu avô e até mesmo Enzo queriam tanto. Ou talvez eu só não queira que o custo seja tão alto." Havia lágrimas em seus olhos. Ocorreu-lhe que essa mimada princesa italiana não tinha sido criada para essa vida. Ela tinha sido concebida para outras coisas. Seu objetivo era se casar e constituir uma família que se tornaria a próxima geração de Cagliones. No entanto, aqui estava ela tentando pegar o manto da liderança a fim de preservar o que restou daquele sonho que tinha começado em uma praia na Sicília. "Eu estava protegida como criança", ela admitiu calmamente. "Mas mesmo uma menina protegida em uma família da máfia sabe uma coisa ou duas sobre violência."

UMA BATIDA na porta do escritório fez Juliet congelar de pânico. Ela deveria ter mantido esse homem preso, e não discutindo suas andanças mentais existenciais com ele! Colocando uma


mão em seu ombro largo, ela empurrou-o de volta para a cadeira. "Rápido!", Ela pediu num sussurro rouco. "Sente-se e deixe-me amarrar suas mãos. Se você for pego vagando em volta do meu escritório, não vai ser bom para nós dois! " Ela estava agradecida que não precisasse realmente dominá-lo. Isso teria sido inútil, considerando que ele era três vezes o seu tamanho. Ele sentou-se e puxou as cordas em seus pulsos. Em seguida, como uma reflexão tardia ela pegou um saco de feltro preto e puxou-o sobre a sua cabeça. Os itens bárbaros estavam em um "saco de truques" de seu irmão, como ele costumava chamar. Juliet nunca tinha usado uma coisa dessas, mas agora era o momento para a improvisação. Houve uma segunda batida, mais insistente do que a primeira. "Juliet?" Era Giovanni. Ótimo. Ela correu para sua mesa e se sentou em sua cadeira. "Entre," ela chamou. Fazer o seu melhor para parecer como se tivesse vindo trabalhar desde que tinha deixado a reunião era um pouco estranho. Ela pegou papéis aleatórios em sua mesa, examinou-os, e em seguida, jogou-os fora. Parecia uma coisa razoável a fazer com seu tempo, considerando, quando ela se separara de Giovanni e seu avô, talvez vinte minutos atrás, ela agira como uma louca. Giovanni deu a Antonin um olhar significativo preenchido com veneno. "Por favor, deixe-me leva-lo para o porão. Temos uma área de espera lá em baixo é perfeita. " "Eu não confio em Reggie e seus amigos idiotas", disse ela sem olhar para cima de seu desktop. "E agora eu me pergunto se você veio aqui para me importunar sobre minha decisão em manter o russo aqui, ou por algo parecido." "Juliet", Giovanni disse em um tom de aviso. “Não seja assim.” "Ser como?" Ela estava realmente muito irritada com ele. "Você tem agido estranho ultimamente, e eu não quero entender o porquê. Pensei que você fosse meu amigo. Quando nos falamos há três meses atrás, você concordou em apoiar minhas decisões. O que mudou? " Giovanni olhou para Antonin. "Podemos, por favor, discutir isso em outro lugar?"


"Venha mais perto de minha mesa", sugeriu. "O homem tem um saco na cabeça. Eu não sei do que você tem medo. " Giovanni suspirou e se sentou na ponta da mesa. Ele olhou para ela, com lábios franzidos, e ela começou a realmente se preocupar que seu avô não tinha exagerado ou provocado impiedosamente quando acusara Giovanni de querer algo mais do que amizade com Juliet. "Vamos apenas dizer que esse não é o papel que eu esperava jogar quando disse que iria apoiá-la." Ele pegou a mão dela. Era desconfortável demais tê-lo segurando seus dedos, mas ele certamente não mostrava sinais de soltar. "Eu me importo muito com você, Juliet." ANTONIN estava tendo dificuldade em permanecer imóvel enquanto ouvia o lixo o italiano tentando conquistar Juliet. Antonin se mexeu na cadeira, fazendo-a ranger. Não seria nenhum esforço esmagar a pequena peça mobiliária como palitos de fósforo, soltar suas mãos, se livrar do saco, e matar esse tal de Giovanni com suas próprias mãos. "Eu estou grávida, Giovanni," Juliet lembrou o homem. "Eu estou carregando o bebê de outro homem, e você nem sequer sabe quem é o pai. Como você pode fazer promessas ridículas de amor ou carinho para mim quando você sabe que estaria oferecendo-se para criar uma criança de outro homem?" Antonin a ouviu levantar-se da cadeira e atravessar a sala. A partir dos barulhos que estava fazendo, ele julgou que ela estava andando impacientemente de um lado do quarto para o outro. "Eu não me importo, Juliet!" Giovanni assegurou. Antonin bufou, mas Juliet disse tão logo. "Não seja ridículo!", Ela retrucou. "Eu sei como você machos alfa funcionam. Você poderia dizer isso agora . Mas quando o bebê nascer, você seria o primeiro a estar constantemente desconfiado dele. Você iria olhar para cada homem que vimos, e iria tentar encontrar o pai do bebê. Isso o transformaria em um homem amargo ao longo do tempo, e eu não quero lidar com isso! Eu não posso fazer isso com você, e eu certamente não posso fazer isso meu filho! " Oh, era uma tortura sentar aqui e não fazer nada! Antonin grunhiu em agitação. Ele sabia


que Juliet ouvira, porque houve uma breve pausa em sua voz. "Quem é o pai, Juliet," Giovanni exigiu em voz baixa. "Por que você não diz? Eu não entendo por que o sigilo é necessário, em primeiro lugar. Você não sabe? Honestamente, é nessa situação que você se meteu? " "Me meti?" A indignação na voz de Juliet fez Antonin vacilar. "Então você acha que eu só transo com um cara diferente a cada noite, e, em seguida, se eu acabar grávida poderia haver vinte ou trinta possibilidades?" "Não." A palavra foi simples e curta, e o tom de Giovanni era firme. "Isso não é o que eu penso de você. É por isso que estou perguntando. Eu não entendo. " "É complicado", disse a ele, irritada. "Você não entende porque eu não posso te dizer. Eu não posso fazer você entender. Há coisas me mantendo longe do pai desse bebê que eu não posso falar. " "Ele é de outra família?" Giovanni perguntou em um tom abafado de horror. "Será que alguém se aproveitou de você?" "Não" Antonin praticamente podia ouvi-la revirando os olhos. "Por que você não pode simplesmente deixar isso pra lá?" "Porque você está usando esse bebê como uma razão para não me deixar te amar", Giovanni disse-lhe em voz baixa. "E eu quero acreditar que é a única coisa que está entre nós." Houve silêncio na sala, que ficou pesada. Antonin não respirava. Percebera naquele momento que tinha visto essa situação de todos os ângulos errados. Ele precisava repensar sua estratégia, e precisava fazer isso rápido. Caso contrário, ele ia perder as únicas coisas na vida que valiam a pena lutar.


Capítulo Dez Juliet estava ficando um pouco cansada de homens pensando que ela precisava deles para cuidar dela. Giovanni era um grande cara, mas ela não precisava dele para colocá-la no bolso e mantê-la segura do mundo. Ela tentou não ser óbvia ao olhar na direção de Antonin, mas seu olhar continuava vagando para a outra extremidade do seu escritório onde seu "prisioneiro" estava se mexendo irritado na cadeira. Ela iria considerar-se com sorte se ele não levantasse da cadeira e torcesse o pescoço do pobre Giovanni. "Giovanni", disse Juliet, tentando ser paciente. "Eu realmente aprecio tudo o que você me disse. Estou lisonjeada. Sério. Mas eu não-" Nossa, isso era difícil. "Eu não gosto de você dessa forma" ótimo. Agora ela soava como uma garotinha. Ela precisava que ele a levasse a sério. "Achei que você entendesse isso." "Entendo." O tom de Giovanni era frio como gelo. "E isso é uma coisa permanente. Você não está disposto a considerar outras opções ou esperar até depois que o bebê nascer e ver se as coisas mudam para você? " "Você era o melhor amigo de Enzo," Juliet disse suavemente. "Você sempre ocupará um lugar especial no meu coração por causa disso. Você cresceu com a gente. " "Você era uma pirralha", disse Giovanni com um sorriso. "Você nos seguia por toda parte." "Eu não tinha um monte de amigos." Ela lembrou com perfeita clareza. "As crianças na escola não poderiam vir aqui, porque seus pais sabiam um pouco demais sobre a nossa família." Giovanni deu de ombros. "Não havia razão para manter nada em segredo." "Não. Mas isso tornou as coisas difíceis para uma menina que só queria fazer parte de uma das panelinhas na escola particular cheia de meninas esnobes. " Ainda doía em Juliet lembrar o quão excluída ela tinha sido na escola. As filhas dos homens de seu pai tinha ido para a escola pública. Eles não gostavam muito dela de qualquer maneira. Ela


sempre se perguntou se tiveram sido pressionadas por seus pais para ignorá-la. Isso seria o suficiente para fazer qualquer garota adolescente parecer uma vadia. "Só sei que eu estou aqui por você, Juliet." Giovanni estendeu a mão e acariciou sua bochecha. "E quando você estiver pronta para me contar sobre o pai do bebê, estarei aqui para ouvir." Claro. Isso nunca iria acontecer. Especialmente se o pai do bebê se soltasse. Juliet podia sentir a ameaça rolar de Antonin para toda a sala. Giovanni precisava sair de seu escritório. Agora. "Se você me dá licença?" Juliet apontou para sua mesa. "Eu preciso trabalhar." "Claro." Giovanni virou e olhou para Antonin. "E quando você estiver pronta para colocá-lo em uma gaiola, me avise."

ANTONIN NUNCA ANTES quis tanto bater em alguém do jeito que queria nesse bastardo italiano. O cara certamente não sabia ouvir um não como resposta. Juliet não queria dizer a esse palhaço quem é o pai de seu filho? Antonin ficaria feliz em explicar. Logo antes de esmagar o rosto do homem. "Eu posso sentir sua agressividade daqui, sabe?" Antonin se acalmou. Não havia nenhum indício de medo ou malícia na voz de Juliet. Na verdade, ele poderia sentir um tom descontraído. Será que ela não estava sentada ali rindo dele? Não. Ele não podia suportar o pensamento de qualquer mulher zombando dele, e ela ia aprender isso ou sofrer com seu descontentamento. Girando seus pulsos, ele sentiu o plástico cortando. Ele não se importava. Torceu suas mãos e deu um puxão forte. Os laços estalaram, e ele estendeu a mão para o capuz cobrindo o rosto. Arrancou-o fora, levantou-se e virou para enfrentar Juliet Caglione. Qualquer coisa que ele queria dizer deixou sua mente. Havia grandes lágrimas brilhando em


seus olhos azuis e nenhum sorriso em seu rosto. Ela não estava rindo dele. E a parte mais desconcertante de tudo isso era como ela o afetava. Ele só queria deixa-la melhor. Diminuindo a distância entre eles, ele estendeu os braços. Ela se levantou e caminhou voluntariamente em seu abraço. Ele segurou-a contra seu peito e sentiu-se inteiro novamente. Que tipo de sentimento era isso para eles? Não havia certamente nenhuma maneira fácil para que eles se tornassem um casal. No entanto, ele queria ela e mais ninguém. "Qual o problema?", Ele sussurrou. Ele passou os dedos pelo cabelo macio emoldurando seu rosto. "Como posso ajudar?" "Por que os homens têm de fazer coisas estúpidas como essas?" Ela fez um gesto vago na direção da porta, que ele tomou como uma referência à declaração apaixonada de Giovanni. Antonin suspirou. Ele não podia acreditar que ele estava indo defender aquele pedaço de merda italiana. "Eu não o conheço da mesma forma que você, mas até onde sei eu não acredito que ele estivesse tentando usá-la para ganhar uma posição de poder em sua organização." "Você acha que tudo isso era real?" Ela se afastou e olhou para o rosto dele. Sua expressão era confusa. "Isso é bobagem!" "Não" Antonin deu um beijo em sua testa. "Você é uma mulher bonita. Ele é um homem. Talvez ele sente que o passado em comum criou uma ligação, e ele simplesmente quer que isso cresça. Quaisquer que sejam suas razões, ele parece realmente te amar ". "Eu não o amo", ela sussurrou. "Na noite em que te conheci eu senti como se você fosse diferente de qualquer outro homem que eu já tinha estado." "Oh?" Antonin sentiu uma onda de excitação sobre ele. Talvez sua paixão por essa mulher não fosse tão unilateral como ele temia. "Eu quero você," ela sussurrou. "Eu só não sei como vamos fazer."

A FUTILIDADE da situação era esmagadora. Juliet não conseguia ver uma saída. A família dele não seria susceptível a aceitá-la, a qualquer título, e a família dela já queria seu sangue


manchado no chão. "Vamos sair," ele sugeriu. "Sair?" Ela olhou para ele, perguntando do que diabos ele poderia estar falando. "O que nós faremos? Simplesmente entrar pela porta da frente e esperar meia dúzia de homens do meu avô e dois caras diferentes que consistentemente vigiam as escadas nos pegarem? " Antonin apontou para a janela. "Nós não vamos usar a porta." "Essa é uma janela do segundo andar." "E dai?" Um arrepio de excitação começou a crescer em Julieta. "Sério? Não há varanda. Eu particularmente não quero saber se consigo pular ou não. E esses arbustos no chão não são muito macios também. " Ele riu e pegou a mão dela. "Confie em mim." Ela observou não muito apreensiva quando ele empurrou a cortina e abriu as janelas do escritório. Os grandes painéis de vidro balançaram para fora, deixando entrar uma lufada de ar fresco. Ele saiu para o que era, presumivelmente, uma sacada, e então estendeu a mão. Juliet olhou para a grande palma calejada por vários segundos antes de decidir que se alguém podia mantê-la segura, era Antonin. Ela agarrou sua mão, e ele ajudou-a a sair. O ar rodou em torno de suas pernas e puxou as calças esticadas em torno de suas panturrilhas. Ela estremeceu quando o ar frio bateu em seu pescoço e bagunçou seu cabelo. "Está vendo?" Ele levantou os dedos aos lábios e beijou-os levemente. "Estamos muito bem. Vamos seguir essa sacada até o telhado, e então vamos subir. " "Você está louco!", Ela respirou. "Será que podemos realmente fazer isso?" Havia mais do que uma sugestão em sua expressão. Ele segurou-a firme e começou a caminhar com confiança na direção da parte do telhado onde duas alas da casa se encontravam. O antigo edifício tinha sido reformado há vários anos, mas a madeira ainda estava desgastada e coberta de musgo.


Levou menos tempo do que ela tinha imaginado para chegar ao ponto onde começaram a subir em direção ao teto. Ela sentiu um momento de pânico quando perguntou se eles iriam conseguir se equilibrar em um pequeno pico lá em cima, mas então ela viu a janela falsa que tinha sido adicionada à casa como um elemento arquitetônico. Não era realmente funcional, mas criava uma plataforma quase como um corrimão. Juliet observou Antonin começar a subir, seus movimentos fáceis e sem medo. Ela olhou para cima e viu o céu. O preto aveludado era salpicado de estrelas. Era tão bonito que ela esqueceu momentaneamente seus medos. "Vamos, querida", ele pediu. "Comece a subir. Eu estou bem aqui." Ela colocou as mãos sobre as telhas e começou a subir enquanto utilizava o conjunto dos telhados para apoiarseus pés e manter o equilíbrio. ANTONIN APRECIAVA muito uma mulher que não deixava seu medo ditar suas decisões. Quantas mulheres como Juliet estariam aqui em um telhado tarde da noite com ele escalando tudo como se fossem duas crianças? Ele pegou a mão dela para os últimos degraus e ajudou a firmar-se enquanto subia. Ele segurou no parapeito acima deles e deu-lhe um teste com o seu peso. Não era exatamente rocha sólida, mas pelo menos ele não iria ruir sob o peso. Foi primeiro e depois a ajudou a subir mais. Ela estava quente e vital em seus braços. Ele não soltou, mesmo quando seus pés estavam firmes na plataforma. "Eu não posso acreditar que estou aqui", ela sussurrou. "A vista é incrível!" "Veja como o brilho das luzes da cidade abafa as estrelas?", Ele murmurou. "Lembro-me de estar longe de Moscou visitando um tio que vivia no campo. O número de estrelas que eu vi no céu sobre sua fazenda era incontável. Havia tantas, era como se todo o céu estivesse coberto por elas ". "Algum dia eu gostaria de viver em um lugar onde eu possa ver as estrelas assim", Juliet sussurrou. "O brilho da cidade é agradável. Eu gosto de ver como esses arranha-céus realmente


altos quase escovam o céu, mas não é o mesmo que um céu cheio de estrelas. " Antonin gentilmente virou em seus braços para encará-la. Ele segurou seu rosto entre as mãos e beijou seus lábios. Ele beijou sua boca lentamente. Ela passou os braços em volta do pescoço e ficou na ponta dos pés para chegar mais perto. Ele sentiu seus lábios se renderem ao seu. Ela amoleceu contra ele. Seus mamilos se endureceram, e ele realmente pode senti-los pressionando contra seu peito. Empurrando sua língua em sua boca, disse-lhe sem palavras que ela pertencia somente a ele. Ele possuía com o seu beijo da mesma forma que tinha quando ele tinha deslizado seu pênis profundamente dentro de sua vagina antes. De repente, ela se afastou, respirando com dificuldade e pressionando a testa contra ele. "Você está me deixando tonta." "Bom." "O que vamos fazer, Antonin?" Havia um certo desespero em sua voz. "Minha família vai usálo para tentar obter algo de sua família. Eu não quero ver ninguém se machucar. " Ele se perguntou o que ela diria se soubesse que ele havia assassinado seu pai com suas mãos. Essa era a única variável que ele se viu incapaz de prever. Ele podia lidar com quase qualquer outra coisa, mas o momento em que ela olhasse para ele com ódio completo em seus olhos iria cortá-lo em dois. No entanto, ele não teria mudado suas ações. Seu pai tinha sido um membro de uma família criminosa. Ele sabia os riscos, e ele tinha pagado o preço. Era o modo como o mundo funcionava.


Capítulo Onze JULIET ENFRENTARA seu avô e desejou que ela se sentisse um pouco menos tremula. Não seria útil se ele achava que ela tinha algo a esconder. Claro que ela estava escondendo alguma coisa, um monte de coisas, se a verdade fosse contada. Começando com o fato de que seu "prisioneiro" tinha passado a noite em seu quarto na noite passada. Antonin era tão bom em escalar a parte externa da casa que ele simplesmente saiu da janela do escritório e reapareceu dentro de seu quarto após a sua pequena excursão no último piso. "Você pediu para me ver?" Juliet perguntou a Carlos Caglione. Seu avô estava sentado em sua mesa. Ele olhou para cima e deu-lhe um sorriso superficial. Não era encorajador, no mínimo. "Eu já marquei um encontro com a Bratva." "Como?" Juliet tentou esconder seu pânico. Certamente isso não ia ser uma coisa ruim. Antonin estava dizendo a verdade. Ele tinha que estar. Algum membro da Bratva iria confirmar isso, e toda a farsa teria terminado. Exceto a parte onde os caras iriam querer matar Antonin apenas por esporte. Seu avô encarou ela. "Você deveria estar buscando informações, Juliet. Em vez disso eu descubro que o prisioneiro está simplesmente passando o tempo sentado em seu escritório. Explique-me como isso é produtivo? " "Eu estava fazendo-lhe perguntas." "E você não acha que ele vai mentir para você?" Ela arrastou uma resposta. "Foi apenas uma maneira inicial de descobrir por onde começar." "Bem, você pode começar por levar Giovanni e Reggie com você para ver um homem chamado Josef. Ele é um brigadeiro da Bratva, e está disposto a conversar. " Juliet não se preocupou em esconder seu desprezo. "Então ele é um traidor. Você acreditaria nas palavras de alguém que obviamente está tentando criar problemas para levar vantagem? "


"Como você disse." Carlos deu de ombros. "É apenas um jeito de começar." Ele acenou com desdém em sua direção. "Reúna seus homens e vá. Não me decepcione, Juliet. Eu tive bastante de sua atitude ridícula com esse prisioneiro ". "Como quiser", ela murmurou. "Oh, e Juliet?" A expressão de Carlos era ilegível. "Eu vou esperar ouvir a notícia de seu noivado com Giovanni, mais cedo ou mais tarde." "O quê?" Ela não conseguia esconder seu choque. "Ontem à noite você estava zombando dele por isso." "Mas é uma boa ideia", seu avô fundamentou. "Os Corleones são leais. Você precisa de um homem que executar as coisas para você, e eu confio na lealdade dele. Uma vez que você estiver casada posso elevá-lo como subchefe, e os Cagliones podem começar a reconstruir a nossa liderança. " Juliet engoliu. "Vou pensar sobre isso." "Juliet!", Ele disse bruscamente. "Isso não é um pedido." "Sim, senhor." Ela varreu fora de seu escritório e apertou os dentes para não bater a porta em agitação. Não era um pedido? Tudo bem. Ela nunca tinha sido muito boa em seguir ordens de qualquer forma.

ANTONIN ESTAVA insustentavelmente entediado. Sentou-se na cadeira no escritório de Julieta e fingiu ser um prisioneiro até que ele finalmente ouviu seus passos familiares no tapete do lado de fora. Em seguida, ela entrou no escritório e foi diretamente para sua mesa. Ele não tinha que ver sua mente para saber que algo tinha a tinha perturbado. Muito. "Quem é Josef?", Ela retrucou. Levantou-se, sem se importar com o barulho naquele momento. "Josef é um homem que nunca levou o juramento da família muito a sério." "O que isso quer dizer?" A voz dela estava presa como se ela estivesse com pressa.


"É um ladrão dentro da lei. O código é aquele que protege a irmandade da ganância individual e comportamento para levar vantagem. Josef quer liderar. Ele quer o meu lugar e, eventualmente, a posição do meu pai. " Antonin estava ficando com um mau pressentimento sobre isso. "Por que você está perguntando sobre Josef?" "Porque aparentemente o encontrarei em uma hora para falar sobre você." Ela puxou uma pistola semi-automática 9 milímetros de sua gaveta e empurrou-a em sua bolsa. "Ele vai supostamente nos dar informações sobre Bratva." O cérebro de Antonin girou em círculos. "Se ele vai dar informações aos Cagliones, então ele está nos traindo. Ele vai usar sua sociedade como seu esquadrão de ataque pessoal e, em seguida, dizimar o que restar depois que ele ganha o controle do Bratva ". "Fantástico", ela disse sarcasticamente. "Então, nós estamos ferrados." "Você não vai", disse ele categoricamente. "Você não tem escolha sobre isso." Ela olhou para ele e franziu os lábios. "Embora eu vá soltá-lo, porque tudo isso é apenas besteira. Se eu disser que você foi embora, eu não precisarei me preocupar com os meus homens tentando matá-lo mais tarde. " "O que mais aconteceu?" Antonin exigiu. Ele não sabia o porquê, mas tinha um sentimento muito forte de que ela estava lhe soltando por outra razão também. "Não há nenhum ponto em tudo isso." Ela acenou com a mão entre os dois como se estivesse indicando seu relacionamento. "Estamos condenados, Antonin. Você não pode ver isso? Nossas famílias nunca vão nos permitir estar juntos, e nenhum de nós está disposto a virar as costas para as nossas vidas. " "O que aconteceu?" Ele cruzou os braços e olhou para ela. "Há algo que você não está me dizendo." "Meu avô quer que eu me case com Giovanni." Ele podia ve-la engolindo pesado. "Eu não tenho escolha. E talvez seja melhor assim de qualquer maneira. Meu avô não sabe que estou grávida. Desta forma, ele só vai pensar que o bebê é de Giovanni. Vamos deixar isso pra lá, e


meu filho terá pelo menos um lugar legítimo aqui na minha família. " "É da minha criança que você está falando", ele rosnou. "Você não pode esperar que eu simplesmente fique de lado e deixe que algum bastardo italiano cuide do meu filho como seu próprio!" "Primeiro de tudo?" Ela caminhou em direção a ele com raiva, agarrando suas mãos e puxando os laços inúteis fora de seus pulsos. "É uma menina, lembra? Em segundo lugar, eu sou a única que está cuidando dela. Eu quem faço as escolhas. E eu não gosto de ser forçada. Então, saia pela janela, e volte para a sua vida. " *** NINGUÉM COMENTOU sobre o mau humor de Julieta, e ela estava feliz. Era muito provável que a primeira pessoa a comentar sobre seu humor teria sua cabeça estourada. Especialmente se fosse Reggie ou um de seus companheiros idiotas que decidiam fazer alguma piada sarcástica às custas dela. Juliet não estava no clima. Ela estava pronta para arrancar a cabeça de alguém e eviscerar seu corpo. Giovanni estava dirigindo. Juliet estava no banco do passageiro, e Reggie e seus homens estavam no banco de trás. Atrás deles estava outro veículo com o resto da comitiva de Regg. Aparentemente, o homem não poderia mijar com menos de três amigos presentes. "Então, onde estamos indo?" Reggie inclinou-se entre os dois bancos da frente. Ele cheirava a alho. O cheiro virou o estômago de Julieta e a deixou com fome. "Há um parque aqui em cima", respondeu Giovanni. "Nós vamos encontrar eles por aqui." "Alguém mais acha que é estúpido vir e pedir que um traidor passe informações honestas?" Juliet murmurou. Giovanni olhou para ela com surpresa. "Você sabe que é realmente uma má ideia questionar o chefe." "Sério? Então, você prefere receber ordens ridículas que não significam nada para o resto de sua vida? " Juliet se mexeu em seu assento e olhou para ele. Ele se mexia desconfortável, mas


ela não se importava. "Juliet, informantes são uma parte dessa vida", Giovanni assinalou. "Se esse cara Josef quer ser informante por algum dinheiro, quem somos nós para julgar se conseguirmos algumas boas informações dele?" "E se o seu plano inteiro for nos contar apenas o suficiente para nos tornar seus lacaios por algum tempo, em seguida, tomar o poder, uma vez que já enfraqueceu sua organização e, em seguida, voltar e nos esmagar? E ai, então? ", Ela rosnou. Do banco de trás, Reggie riu tanto que bufou. "Parece que você pensa demais sobre isso, princesa. Será que o seu namorado sugeriu tudo isso? " "Do que você está falando?" Ela virou-se para enfrentar Reggie e atirou um olhar pesado. "Às vezes as merdas que você diz tiram minha capacidade de entender." "Sério?" Havia algo presunçoso na expressão de Reggie que a deixou com um nó no estômago de medo. Ele sabia alguma coisa e Juliet tinha uma sensação de que ela não ia gostar. "Aqui estamos." Giovanni diminuiu a velocidade do carro e parou no meio-fio. "Danny, saia e olhe ao redor." "Por que eu?" O amigo de Reggie lamentou. "Eu estou aqui apenas para cuidar das costas de Reggie." Giovanni atirou a Danny um olhar que quase queimou o cara em seu assento. "Então, traga seu traseiro lá fora e assista as costas de Reggie." "Que seja," Danny resmungou. Ele saiu do carro e ficou nervoso na calçada. Juliet estava achando que a coisa do parque era besteira. Não havia como eles conversarem num parque . Na verdade todos estavam parados como idiotas. Isso significava que qualquer um olhando teria um motivo para suspeitar e lembrar deles.

ANTONIN pôs-se num bosque de árvores cerca de dez metros de distância do carro de


Julieta. Ele não podia acreditar que os Cagliones foram idiotas o suficiente para encontrar Josef em um parque. Certamente eles teriam sido um pouco mais cuidadosos se quisessem sobreviver a todos esses anos. O que trazia a questão, quem realmente queria mata-los aqui? Era Josef? Ou era alguém da própria organização deles? Em seguida, Antonin encontrou Josef. Ele estava atrás de um agrupamento de árvores que o escondia da vista dos Cagliones. Havia cinco outros homens com Josef. Eles estava todos juntos e era muito provável que estavam fazendo planos ou de assassinar todo o grupo, ou levar um refém. Antonin resmungou baixinho. Ele não podia deixar isso acontecer, o que significava que ele ia ter que manter a cabeça baixa e intervir sem ninguém perceber que ele estava lá. Agachado, ele esperou até que Josef deixasse o bando e se aproximou dos Cagliones. Josef levantou a mão em aparente saudação. Os homens que ele tinha deixado para trás começaram a se espalhar. Com um enorme suspiro de aborrecimento, Antonin planejou como se livrar deles. Não era particularmente difícil. Eles não estavam realmente tentando se esconder. Antonin encontrou Igor puxando uma arma com um silenciador de dentro de sua jaqueta. Ele se tornou o primeiro alvo de Antonin. Agarrando por trás do homem baixo de ombros largos, Antonin envolveu um braço em volta do pescoço de Igor e apertou-o até que ele desmaiasse. Soltando o homem no chão, Antonin foi em busca de seu próximo alvo. Ele rapidamente derrubou mais dois homens da mesma forma. Não podia imaginar o que deve ter feito Josef levar todos esses homens para apoiá-lo. Eles eram todos da sua unidade, mas como seu brigadeiro, Josef só devia leva-los em missões sancionadas pelo Pehkan para o bem de toda a organização. O último homem que Antonin encontrou estava agachado atrás de um conjunto de bancos. Infelizmente Denis foi bastante astuto e viu Antonin vindo. "Você! Pensei que você estivesse preso!" Denis disse em um sussurro rouco. "Josef chegou a negociar por você." "Isso é uma mentira", Antonin disse categoricamente. "Por que Josef veio?"


Denis levantou-se e curvou os lábios em Antonin. "É preciso que haja uma purga. Certamente, até você pode ver isso. Seu pai está velho e fraco ". "E Josef quer assumir", Antonin fornecido. "Então tente." Denis veio em direção Antonin. Antonin girou para o lado, pegou o homem em volta do pescoço, e quebrou a espinha com uma torção calculada de seu braço. Era muito ruim, mas ele não podia deixar esse homem contar a Josef que Antonin estava vivo. Havia muitos problemas que precisava lidar antes.


Capítulo Doze JULIET olhou para Josef e se perguntou por que ninguém mais parecia ver o que havia por trás de seu sorriso solícito. O cara era tão ingênuo que ela poderia ter raspado as besteiras de suas palavras com a ponta da unha. "Então você vê," Josef continuou, abrindo os braços diante dele, " minha lealdade ao meu Pehkan foi comprometida no momento que ele decretou que, para qualquer um dos nossos homens alcançar o status de brigadeiro, eles teriam que assassinar um membro de alto escalão de outra família do crime ". "Entendo." Giovanni estava balançando a cabeça. ele estava realmente acreditando nessa porcaria? Josef parecia estar sozinho, mas a pele de Julieta e o cabelo na parte de trás do pescoço a diziam que eles estavam sendo observados por pessoas que ela não podia ver. "E esse decreto," Juliet disse categoricamente. "Isso é algo novo?" "Bem, não exatamente." A máscara de Josef escorregou um pouco e Juliet pegou o seu olhar de escárnio. O homem não gostava dela mesmo . "Você não acha que eu deveria estar aqui, porque eu sou uma mulher," Juliet adivinhou. Então ela começou a rir. "Você está aqui porque você acha que vamos acreditar em como você sente que seu Pehkan é bárbaro, e ainda assim você está me julgando porque sou uma mulher e você é um porco sexista." "Silêncio!" Josef assobiou. Ele apontou para ela e, em seguida, olhou para Giovanni e Reggie. "Vocês dois conseguem aguentar que seu patrão coloque uma mulher na posição de liderança?" "Não" Reggie nem sequer hesitar. Apesar de ser um completo idiota, ele era honesto. Então, ele apontou na direção de Juliet. "Mas teus caras assassinaram nosso subchefe, e ela é o único


filho que restou". "Porque os seus homens assassinaram seu irmão mais velho," Giovanni terminou friamente. "Então, talvez, não importa se ela é um homem ou uma mulher. Sua atitude bárbara nos deixou com poucos homens na família Caglione." Giovanni deu um passo ameaçador na direção de Josef. "Na verdade, acho que é realmente estranho que você diga odiar esse costume, uma vez que você tinha que matar alguém, a fim de ganhar o seu status." "Sim", Reggie concordou. Ele parecia ter acabado de chegar a essa conclusão quando Giovanni apontou. "Quem você mataria?" Josef parecia desconfortável. "Isso é inútil." "Por que você não pega outra família?" Reggie não tinha terminado. Na verdade, ele tinha apenas começado. "Vá atrás dos O'Hennesseys ou o que quer que seja. O que você tem contra os italianos, afinal? " Juliet bufou. "Ele está aqui porque ele quer que matemos alguns de seus companheiros para ele." Ela cruzou os braços sobre o peito. "Então, minha pergunta é, o quanto você quer Antonin Mikhailovich? Porque eu realmente estou começando a acreditar que é por isso que você está aqui. Seu chefe não dá a mínima para seu filho, mas você dá. Porque se Antonin de alguma forma sobrevive e consegue a liderança, você vai tentar matar ele algum dia. E vamos ser honestos aqui, você não gosta de receber ordens de ninguém. " "Antonin não vale nada para nós, vivo ou morto." Josef deu um encolher de ombros descuidado. "Nós não fazemos resgate de nossos homens. Eles escapam e cumprem os seus objetivos, ou são deixados para se defenderem sozinhos." Juliet pegou a 9mm de sua bolsa e ajeitou o cartucho. "Então, se eu decidi levá-lo como refém agora, ninguém faria o resgate, né?" Josef franziu os lábios para ela. "Você supõe que eu estou aqui sozinho." "Oh, não", ela o corrigiu. "Eu não acho isso não." Na verdade, ela estava esperando que seus homens começassem a aparecer. "Embora eu gostaria de ver quem é que estamos lidando."


Josef assobiou. Eles esperaram. Nada aconteceu. Ele começou a ficar um pouco pálido. Juliet começou a rir silenciosamente. "Você acha que eles deixaram você aqui?", Sugeriu. Então, alguém começou a dar passos largos em direção a eles de um bosque de árvores uns dez metros distante. O coração de Juliet saltou em sua garganta. Ela deixou cair a arma ao lado dela e ficou boquiaberta. Sim. Ela tinha intencionalmente deixado a janela aberta. Mas ela esperava que Antonin fosse para casa. Ela não tinha previsto que ele fosse a seguir. "Que diabos?" Reggie rosnou. "Esse cara estava amarrado no escritório de Julieta. Eu vi ele!" "Aparentemente, ele escapou", Giovanni disse secamente. O olhar que ele deu a Juliet sugeriu que ele realmente não acreditava nisso. Josef parecia muito descontente. Na verdade, parecia que queria matar Antonin. "Antonin! Seu pai enviou-me para te libertar ". "Não minta", Antonin disse. "Você sabe que é um péssimo mentiroso, e isso é um insulto a nós". Antonin foi para cima de Josef e torceu o braço do homem por trás das costas. Ele olhou diretamente para Juliet, Giovanni, e Reggie. Os homens que Reggie tinha deixado ao redor do parque para ser seu apoio começaram a se aproximar. Engraçado, mas nenhum deles parecia inclinado a parar Antonin. Se o olhar em seu rosto cheio de cicatrizes de batalha não era suficiente para fazer alguém se render, a maneira descuidada que pegouJosef em suas mãos teria sido. Os homens de Reggie até mesmo colocaram as mãos para cima à medida que se aproximavam para mostrar que eles não representavam ameaça. Em seguida, Antonin olhou diretamente para Juliet. Giovanni puxou sua arma e apontou-a para a cabeça de Antonin. "Não me venha com uma desculpa. Fique longe dela. Leve o seu traidor e saia. Não queremos vê-lo aqui. " Antonin bufou. "É melhor você ter certeza do que diz antes de começar a me impor ordens." Então, sem outra palavra, ele virou e foi embora. Juliet observou-o ir com uma sensação de peso em seu estomago. Sua mão se desviou para sua barriga, e se perguntou se eles iam se encontrar algum dia. Ela não deveria se importar. Ela tinha sido condenada a casar-se com


Giovanni. Seu avô estava certo. Seria bom para os Cagliones. Ela precisava parar de pensar de forma egoísta e pensar em sua família. Antonin não era homem para ela, não importa o quanto ela podia querer que fosse o contrário. *** "Onde estão os meus homens?" Josef rosnou em russo, uma vez que eles estavam fora da linha de visão dos italianos. Antonin não respondeu. Então imaginou que não faria mal deixar Josef saber que ele os batera. "Os derrubei. A maioria deles ainda está vivo. Exceto Denis. Ele pensou que poderia me matar. Falhou." "Vocês animais!" Josef lutou, mas não conseguiu se libertar. "Como se atreve a interferir nos assuntos de outro brigadeiro? Isso é contra o código ". "O código?" Antonin suspirou. "Esse é o problema com homens como você, Josef. Você cita o código quando lhe convém e não está nem aí quando não te beneficia. Há cinco minutos atrás você estava preparado para acabar com o Bratva, a fim de matar a mim e ao meu pai. " "Não é minha culpa que você é estúpido demais para entender o meu plano." Josef caminhou em direção à van que Antonin podia ver estacionada há alguns metros. "Foi uma farsa." "Realmente." A van apareceu e Antonin olhou preocupado para o que podia ser uma ameaça de Josef ou seus comparsas. "E você acha mesmo que eu sou ingênuo o suficiente para acreditar nesse absurdo?" "Não quero saber no que você acredita, idiota," Josef assobiou. "O que eu sei é que meu pai não ficaria feliz em saber que você tentou me salvar, nem que ele iria gostar de você encontrando-se com os italianos para qualquer outra finalidade. Portanto, não importa o seu propósito, você está ferrado. "Antonin riu. "E nem sequer pensar em me dizer que eu deveria deixá-lo ir, porque eu preciso estar feliz que você ia me salvar." Josef não falou mais. Antonin jogou-o dentro da van. Quando Josef tentou se mexer em uma tentativa de deixar Antonin, Antonin agarrou o homem pelos tornozelos e arrastou-o de volta. Então


ele pegou um pedaço de corda e amarrou o traidor para que ele mal pudesse respirar, e muito menos se mexer. A viagem de volta para a sede Bratva foi rápida. Antonin sentiu os olhares dos outros brigadeiros em suas costas enquanto descarregava Josef da van e jogava-o sobre um dos ombros. A notícia se espalhou rapidamente, e Antonin não se surpreendeu ao ver o Pekhan no topo da escada quando ele entrou na casa pela porta da frente. Antonin tirou Josef do ombro e abaixou a cabeça para seu pai. "Qual é o significado disso?" O Pekhan soou bem sério. Josef era um dos favoritos dele. "Eu peguei Josef tentando fazer um acordo com os Cagliones", Antonin disse sem emoção. Ele não estava completamente certo que seu pai iria acreditar nele. O Pekhan deu de ombros. "Traga-o para o meu escritório, então, e vamos discutir o que aconteceu." Isso significava que o resto dos brigadeiros estaria presentes para o questionamento. Ótimo. Era basicamente um julgamento. Dimitri apareceu atrás Antonin e bateu-lhe no ombro. Era bom ter o seu amigo de confiança de volta. Depois que cresceram, eles já haviam trabalhado no mesmo desmanche depois da escola. Era uma das empresas de Mikhail, e os dois rapazes tinham passado horas gabando-se pelo que eles fariam uma vez que fizessem seus juramentos de Vory v Zakane . Dimitri tinha estado sempre lá para Antonin, mas desda vez não havia nada que Dimitri pudesse fazer além de dar o seu apoio moral. "Eu mal posso esperar para ouvir isso," Dimitri murmurou. "Não houve nada, além do fato de que foram capturados." "Então, ele sabia?" Antonin já tinha decidido que seu pai muito provavelmente sabia o que estava acontecendo dentro da mansão Caglione, mas ouvir a confirmação era como um chute no estômago. Dimitri resmungou. "Ele continuou dizendo a todos que você quer sair por conta própria ou ser mandado embora por nós."


Antonin não podia responder isso. Em vez disso arrancou Josef do chão e subiu as escadas para a reunião. Ou ele iria convencer o pai e ganhar de volta o respeito que tinha perdido, ou que ele estava condenado a ser um bode expiatório do Bratva. Antonin entrou no enorme escritório do Pekhan e colocado Josef no chão em frente dos homens reunidos. Josef estava lutando e xingando em russo e ucraniano, mas todos pareciam ignorá-lo. "Agora", o Pekhan disse, levantando de seu assento. "Todos nós ouvimos que você foram capturados quando você tentou pegar o dinheiro depois que s Cagliones fecharam o acordo com os armênios." "Sim", Antonin confirmou com um aceno de cabeça. "Fui levado pela filha do chefe atual. Juliet ". - Uma mulher? "Ela estava cercada por um bando de homens armados", explicou. "Além disso, eu queria saber por que os Cagliones estavam sendo conduzidos por uma mulher." "É justo." O Pekhan gesticulou para que continuasse. "Nós já matamos todos os homens da família", explicou Antonin. "Ela é a última Caglione. Eles estão em processo de tentar casá-la com um soldado leal, a fim de reconstruir o que perderam. " Havia sorrisos e acenos ao redor da mesa. Os brigadeiros estavam todos satisfeitos que Bratva estava tão perto de tirar o último dos Cagliones fde seu território. De alguma forma Antonin não sentiu a mesma sensação de satisfação. Seu filho cresceria nesse mundo de medo. Ele não gostava dessa ideia. "Eu nunca fui preso", Antonin disse seu pai. "Eu poderia ter fugido a qualquer momento. Eu estava simplesmente à espera. Então ouvi eles conversando no escritório da mulher. Eles disseram que um homem chamado Josef estava indo encontra-los para discutir o que o Bratva estaria disposto a dar-lhes em troca de mim. " "Você?" O olhar sombrio do Pekhan focou em Josef. "E o que estava disposto a oferecer?"


"Josef me queria morto", Antonin disse com firmeza. "Ele queria que os Cagliones prometessem a sua morte. E entรฃo ele concordou que iria partilharia o territรณrio, caso tomasse seu lugar como Pekhan ". "Desgraรงado!" Antonin observou o rosto de seu pai se contorcer de raiva. Depois, houve um momento de choque quando o Pekhan do Bratva encarou Antonin com o que sรณ poderia ser descrito como orgulho no rosto. Ele estava orgulhoso de Antonin. Era o suficiente para fazer um homem se perguntar se o mundo estava prestes a acabar.


Capítulo Treze "POR FAVOR, APENAS ME deixe falar", Giovanni insistiu em voz baixa. Juliet, Giovanni, e Reggie foram rapidamente se aproximando do escritório de seu avô. Carlos tinha pedido que eles fossem conversar com ele imediatamente após seu regresso da reunião com o representante do Bratva. Agora Juliet sentiu como se estivesse caminhando para seu fim, mas ela certamente não iria deixar alguém "falar." "Eu sou uma garota crescida," ela insistiu. "Eu não preciso de você tentando me proteger, principalmente de meu avô." "Sim", Reggie concordou com um sorriso. Ele foi arrogante a volta toda como se ele estivesse realmente ansioso para o que viria. "Se ela quer brincar com os cães grandes, então ela precisa estar disposta a tomar o remédio quando ela se der mal como todos nós." Giovanni franziu os lábios e lançou um olhar por cima do ombro do outro cara. "Cale a boca, Reggie." "Cale a boca você." Reggie olhou ofendido. "Não sou eu quem quer foder ela tão forte que vou levar até um tapinha nas costas por isso." Aconteceu tão rápido que Juliet deu um pequeno grito de surpresa. Giovanni se lançou para Reggie como se estivessem brigando na esquina. Um longo corrimão se estendia à sua direita, e a sala de estar e principais áreas de entretenimento da casa ficavam abaixo. O empurrão de Giovanni derrubou ele e Reggie no corrimão. O barulho da madeira se quebrando foi um pouco alto, uma vez que ecoou no teto e nas paredes. O chão começou a entrar em colapso sob o peso dos dois homens que estavam brigavando como adolescentes imbecis. Giovanni socou Reggie no estomago de novo. O ruído de seus punhos batendo contra as costelas de Reggie fez Juliet saltar. "Parem com isso!" Juliet gritou, sua voz estridente. "Parem!"


Reggie não estava mais rindo. Ele estava no chão de costas, com as mãos de Giovanni envolvidas em torno de sua garganta. Então, do nada, Danny e outros companheiros de Reggie apareceram. Agarraram Giovanni para longe de Reggie. Giovanni ainda estava lutando como um animal raivoso. Ele ofegava e rosnou algo ininteligível enquanto lutava para se libertar. "Já chega!" A voz de Carlos Caglione pôs um fim imediato na luta. Os caras de Reggie soltaram os braços de Giovanni, e Reggie lutou para se levantar do chão. Seu nariz estava jorrando sangue, e ele estava com os olhos roxos e um monte de costelas machucadas. Seus lábios divididos curvaram em um sorriso macabro enquanto olhava de Giovanni para Juliet. "Ela não quer você", ele disse, triunfante. "Pergunte a ela. Se você confiar que ela diga a verdade. " O coração de Juliet martelou contra o peito. Por que tudo tinha que ser tão complicado? Ela voltou a pensar naquela noite no bar, quando ela conheceu Antonin. Se soubesse que ele era problema? É isso que a tinha atraído com tanta força para ele? Ela respeitava sua força de vontade. Aquilo era algo que achava incrivelmente atraente. Mas não era bom que estivesse sempre brigando com os rapazes. E realmente, Antonin não era exatamente um bad boy. Ele era apenas da família errada. Se ele tivesse sido qualquer outra pessoa, isso não seria um problema. Mas ele fazia parte do Bratva e aqui eles estavam. Carlos olhou para Reggie. "Vá se limpar. Eu não vou deixar você pingar sangue por todo o meu tapete. "Então ele se virou para Juliet e Giovanni. "Eu quero falar com vocês dois agora ." "Sim, senhor." Giovanni abaixou a cabeça e seguiu Carlos em direção a seu escritório. Juliet levou alguns momentos mais para se recompor. Isso não ia ser bonito. Ela sabia disso, mas simplesmente não tinha o que dizer. Se ela admitisse que estava carregando uma criança que pertencia a um membro da Bratva, não sabia o que poderia acontecer. Ela não queria ser condenada a assassinar seu próprio bebê. Ela estava em seu quarto mês. Estava ficando cada vez mais difícil esconder sua condição de qualquer maneira.


Cerrando os dentes de determinação, ela marchou seu caminho para o escritório de seu avô preparando-se para defender ela e sua criança como precisasse para sobreviver. "Fiquei sabendo que o prisioneiro não é mais um prisioneiro," Carlos disse ao sentar em sua cadeira de couro. "O que eu não consigo decidir é se ele estava ou não intencionalmente solto, ou se fugira devido a incompetência". Juliet sentiu o olhar de Giovanni, mas recusou-se a olhar para ele. Seu avô tinha acabado de presenteá-la com uma situação muito desagradável. Ela seria ou uma traidora ou uma idiota. Ótima. Ela limpou a garganta e decidiu ser honesta. Algo como."Eu deixei Antonin Mikhailovich fugir," ela admitiu em uma voz clara. "Segurar o prisioneiro aqui não ia nos levar a qualquer lugar. O Bratva não valoriza seus homens da mesma maneira que nós. Na verdade, ele estava conseguindo mais informações sobre nós estando aqui em nossa casa do que poderíamos conseguir dele ". "Ela está certa", Giovanni disse rapidamente. "Sobre ele conseguir informações." Carlos se inclinou suavemente. "Giovanni Corleone, eu respeito sua opinião sobre a maioria das coisas, mas você está tão preocupado em proteger Juliet que a sua opinião nessa história é irrelevante." Giovanni fechou a boca com tanta força que Juliet ouviu seus dentes clique. Ela fez uma careta. "A única razão que Antonin fora capturado naquela noite no armazém foi porque eu o enganei. Eu disse a ele que eu estava grávida e que ele não poderia assassinar uma mulher grávida ". As sobrancelhas brancas espessas do avô dispararam. "E isso é verdade?" "Sobre a gravidez?" Juliet engoliu com apreensão. "Sim." "E quem é o pai?" A nota mortal na voz de Carlos enviou um calafrio na espinha. "Eu sou!" Giovanni disse desesperadamente. "É o meu filho, e é por isso que eu quero me casar com Juliet e reivindicar meus direitos como marido e pai de seu filho." ***


De todas as coisas que poderiam ter acontecido como um efeito colateral desta guerra ridícula com as Cagliones, Antonin nunca poderia ter previsto que iria de alguma forma ganhar o respeito de seu pai que ansiara por toda a sua vida. Mikhail levantou da mesa e aproximou-se de Antonin. Ele jogou os braços ao redor de seu filho e lhe deu um forte abraço. "Você trouxe honra para a família. Suas ações descobriram um traidor, e você descobriu uma fraqueza grave na família Caglione que nos permitirá finalmente conseguir esse território." Mikhail deu um tapa nas costas de Antonin. "Vamos tomar uma bebida para comemorar!" Um dos outros brigadeiros tirou uma garrafa de vodka e uma bandeja cheia de copos. Houve murmúrios excitados em russo ao redor da mesa. As bebidas foram postas. Os goles foram tomados. A atmosfera na sala tornou-se quase festiva, e ainda assim Antonin não poderia conseguir desfrutar de seu sucesso recente. Seus pensamentos voltavam-se para Juliet. "Diga-me, meu filho", disse Mikhail em voz alta. "Essa mulher é realmente o único membro da família Caglione restante com exceção do velho?" "Sim." Antonin tomou um gole e sentiu o líquido queimar a garganta. Ele se perguntou o que seu pai estava planejando. "Como é triste para o velho bastardo arrogante", Mikhail disse sarcasticamente. "Ele tinha uma família tão grande e poderosa." "Você o conhecia, então?" Antonin arriscou. Havia mais história do que Antonin poderia imaginar. Tinha a sensação de que esse ódio dos italiano era antigo. "Quando chegamos pela primeira vez nesta cidade," Mikhail começou, "lutamos para construir negócios. Imigrantes russos não eram bem recebidos, mas nós trabalhamos duro e prosperamos." O rosto vermelho de Mikhail tomou uma expressão escura de raiva. "Os italianos não nos deixaram em paz. Nos assediaram e ameaçaram. Roubaram nossos bens e mercadorias e se recusaram a nos permitir acesso a algumas partes da cidade ". "Eles se sentiram ameaçados", Antonin adivinhou. "Uma reação razoável dado suas


intenções." "O quê?" Mikhail virou o cenho para o filho. "Por que diz isso?" Antonin deu de ombros. "Eu não estou defendendo suas ações. Eu estou simplesmente dizendo que se a situação fosse invertida, você teria feito o mesmo ". Mikhail bufou. "Eu teria dizimado e os enviadode volta de onde vieram." "E agora?" Antonin perguntou. "O que você vai fazer?" Mikhail tomou outro gole. Os outros brigadeiros fizeram o mesmo. Houve um grito em russo que incomodou os ouvidos de Antonin. Em seguida, o pai olhou para ele. "Você vai voltar para aquela casa. Vai se infiltrar na casa dos italianos, e vai matar essa cadela em sua cama. O velho não tem nenhuma maneira de reconstruir sua família sem uma fêmea para procriar herdeiros. Ela vai morrer e eles vão cair. O Bratva vai finalmente ser vitorioso! " Um grito ondulou pela sala e os homens beberam. Eles continuaram a beber. Mais garrafas apareceram e a conversa ficou alta e arrastada. Antonin sentou-se em um canto de trás da sala perguntando como foi que o passatempo russa de beber sempre parecia produzir tal bravura. Ou melhor, não era bravura, mas uma série de decisões que eram tão ridiculamente ousadas que de alguma forma conseguiram ter sucesso. Antonin viu o pai celebrar algo que ainda não tinha acontecido e se perguntou oque aconteceria. Ele só tinha sido pedido para assassinar a mãe de sua filha que ainda não nascera. Ele obviamente não poderia fazer uma coisa dessas. Mas o decreto de Mikhail havia eliminado completamente qualquer possibilidade de que Antonin pudesse trazer Juliet para o Bratva como sua esposa. Mikhail nunca aceitaria um italiano em seu círculo familiar. Nem mesmo se toda a sua família estivesse morta e ela trouxesse seu território como dote. Mikhail tinha decidido que a única maneira de conseguir o que queria era através do assassinato. Antonin tinha medo que seu pai poderia estar certo. Antonin levantou e se espreguiçou. A sala estava cheia de homens do Bratva. No turbilhão de atividades e celebrações, Josef tinha sido esquecido. O homem ainda estava deitado no


chão. Ele havia sido expulso algumas vezes pelos bem-intencionados membros da família, e agora seu corpo estava escondido debaixo de uma mesa. Agachando ao lado de seu inimigo de longa data, Antonin olhou para o homem que teria matado todos eles para cumprir suas ambições. "Vou levá-lo lá embaixo para uma cela", explicou Antonin. "Eu não posso garantir o que vai acontecer quando eles ainda estiverem bêbados e lembrarem que você está aqui." "Foda-se!" Josef rosnou em russo. "Você não é nada para mim. Filho da puta! Seu pai nem sabe se você é mesmo seu filho. " "E ainda assim ele me assumiu" Antonin disse suavemente. "Se você quer me destruir com suas palavras, você precisa escolher outro tema. Esse lance de ser filho de sangue ou não deixou de me incomodar depois que me tornei um homem. Pelo que me lembro, você foi o único que constantemente ficava relembrando ". Josef riu. "Sua mãe dormiu com todos os homens do Bratva que cruzassem seu caminho! O que faz você pensar que a sua mulher não vai fazer o mesmo? " "Minha mulher?" Antonin levantou uma sobrancelha. "De que mulher você está falando?" "A vadia Caglione," Josef cuspiu. "Você acha que eu não te segui? Eu sei o que vocês dois são um para o outro. Eu sei que ela carrega seu filho. " "E você percebe que é muito tentador matá-lo pelo que você supostamente sabe?" Antonin rosnou. "Eu estou cansado e nossos homens estão bêbados demais para decidirem seu destino. Mas amanhã você vai morrer. Eu vou fazer isso. " Antonin arrancou o homem do chão e levou-o para fora da sala sem que os outros homens percebessem. Sim. Esperar até amanhã era o suficiente para decidir o destino de Josef.


Capítulo Quatorze Juliet estava em estado de choque. Pelo menos isso pareceu ser o que a impediu de falar e tentar decidir o próprio destino. Seu avô e Giovanni estavam falando em voz baixa, pois planejavam seu futuro sem se preocupar em pedir sua opinião sobre qualquer coisa. "Juliet?" Carlos inclinou-se atrás de Giovanni para vê-la melhor. "Você acha que você pode arranjar algum tipo de cerimônia de casamento em duas semanas? Parece ser o tempo ideal para todos nós ". "Ah, claro," ela disse sarcasticamente. "Já que eu não quero me casar, vou usar as minhas roupas normais e ficar na frente do juiz. Pense quanto dinheiro você vai economizar. " Carlos realmente riu. "Você sempre foi tão sarcástica, Juliet. Mas você está certa. Seria muito mais fácil simplesmente fazer o casamento civil. O que acha, Giovanni? " "Eu preferiria uma cerimônia real." Giovanni teve a coragem de virar e olhar para ela, e então lhe deu um sorriso suave. "Eu quero que todos saibam que eu vou casar com a mulher que amo." "Que bom que eu já te vi lutar", disse Carlos com uma gargalhada. "Porque você está agindo como uma mulher." "Ele está mesmo," Juliet concordou. "Na verdade, eu não consigo imaginar por que você arranjaria um casamento com um homem como esse." "Eu tolera o seu casamento com o homem que é pai de seu filho." Houve um aumento na voz de seu avô. "Precisamos de seus filhos para reconstruir a nossa família, Juliet. Você deveria estar satisfeita e orgulhosa por poder fazer isso pela sua família. " "Mas a outra parte que eu tenho feito", disse ela amargamente. "A parte onde coloquei negócios lucrativos, ganhei capital e protegi nosso território de outras famílias do crime, isso não conta."


"Lugar de mulher é em casa", Carlos insistiu. Aproximou-se de Giovanni e mais perto de Juliet. "Por que você nunca entende que não é coisa de mulher governar uma máfia?" "Porque essa ideia é antiquada e ridícula", ela disse-lhe docemente. "Você é um porco sexista. Você ambos são. E agora você está me usando para aumentar a família." Estava na ponta da língua que seu filho mais velho não era puro-sangue italiano, mas ela não queria balançar o barco. Pelo menos não agora. Iria deixá-los com seu planejamento e intrigas. Ela não tinha nenhuma dúvida de que em toda a cidade, os russos estavam fazendo o mesmo. Por que ninguém percebia que, se eles não podiam fazer qualquer tipo de acordo, eles acabariam por destruir uns aos outros até que não sobraria mais ninguém? "Eu vou me deitar." Ela anunciou, mas não esperava uma reação. Então, ela olhou diretamente para Giovanni. "Você não é bem-vindo no meu quarto. Entende?" Giovanni concordou com a cabeça, mas não falou nada. Juliet fechou a porta chateada por ouvir sobre noivas que de repente mal podem esperar pela noite de núpcias. Ela teve mais do que suficiente por uma noite. ***

ANTONIN se arrastou ao longo da borda da janela de Julieta. Se perguntou como os italianos poderiam ser tão negligentes com sua segurança a ponto de nunca notarem um homem rastejando ao longo do beiral de sua casa. Primeiro de tudo, a ignorância deles era a sua vantagem. Isso o deixava visitar Juliet quando quisesse. Em segundo lugar, quem era ele para falar sobre vigilância ou segurança? A maior parte da Bratva estava, neste momento desmaiada no escritório de seu pai depois de encher a cara de vodka na celebração de algo que ainda não tinha acontecido. Por fim, ele viu uma luz suave no quarto de Julieta. Antonin a observou andando do banheiro para o quarto. Ela usava um peignoir de renda fina. A cor marfim pálida da roupa era quase transparente. Ele sentiu seu corpo responder instantaneamente a visão sedutora dela.


Ela aproximou-se do espelho no canto de seu quarto. Ficando de perfil, olhou para si mesma. Ele percebeu que ela estava dando um olhar mais atento a curva do bebê em seu abdômen. Um tiro de prazer e orgulho chicoteou dentro dele. Essa mulher estava grávida. Ela era forte, implacável, e sexy demais. Querendo estar mais perto dela, puxou uma faca do bolso de trás e facilmente abriu a trava na sua janela. Segundos depois, ele estava de pé em seu quarto. Ela olhou para ele como se não estivesse surpresa. "Eu me perguntei quando você iria aparecer", ela murmurou. Antonin olhou novamente para a renda marfim que mal cobria seu corpo. "Eu não queria decepcioná-la." "Eles estão me fazendo casar com Giovanni." Ela virou-se para olhar para ele. Um surto de raiva quase lhe tirou o fôlego e, em seguida Antonin forçou-se a se acalmar. Seus olhos azuis estavam enormes e assustados. Algo sobre o jeito dela lhe fez imaginar certa fragilidade que ele nunca teria aplicado a essa mulher de qualquer forma. Ela havia sido abalada por esses eventos, e estava olhando para ele pedindo ajuda quer ela percebesse ou não. Ele abriu os braços e ela veio a ele de prontidão. A sensação de seu corpo macio contra seu peito era celestial. Então ele percebeu que ela estava chorando em silêncio contra seu ombro. Acariciou-lhe o cabelo longo e murmurou palavras sem sentido para ela em russo. "Eu não sei o que fazer," ela finalmente sussurrou. "Eu só quero estar com você. Como algo tão certo é tão errado? "

JULIET envolveu-se no abraço de Antonin e perguntou por que ela queria que ele melhorasse as coisas. Estava realmente pronta para desistir e lançar o seu destino nas mãos de outra pessoa? Em seguida, ele se afastou e olhou para seu rosto. Pressionando suas bochechas, ele a beijou muito suavemente. A excitação aumentou instantaneamente dentro dela, e ela se perguntou


como ele poderia transformá-la tão rapidamente. Era como se seu corpo estivesse completamente em sintonia com o seu. Ele colocou as mãos sobre a renda suave de seu peignoir. O calor dele era intoxicante. Ele continuou a beijá-la, movendo-a de volta para sua cama. Esticou-se contra seu corpo e se deleitou com a sensação de seu calor. Ela encontrou o fecho das calças com os dedos e desesperadamente desfez os botões e zíper. De repente era forte. Ela precisava dele. Agora. Não importava que seu avô e Giovanni estivessem no fundo do corredor. A porta estava trancada e ele estava aqui e a única coisa que ela queria era tê-lo dentro dela. Enfiando as calças para baixo de seus quadris, ficou feliz quando ele tirou a camisa sozinho. Ele estava cheio de cicatrizes da cabeça aos pés. Ela havia visto as do rosto. Seu peito estava ainda mais marcado. Ela passou os dedos sobre o que certamente eram facadas e até mesmo alguns buracos de bala. O músculo pesado debaixo de sua pele se contorceu e tremeu ao seu toque. Ela não sabia o que outras mulheres pensavam dessas cicatrizes. Para Juliet eram distintivos de honra que ele ganhara porque esse era um homem que não desistia ou se rendia. Ele chutou sua roupa para longe enquanto tirava as botas. Quando ficou nu, ela girou em torno dele até que o empurrou de volta na cama. Ela subiu e montou em sua cintura. Sua vagina estava quente e molhada. A maneira como ele olhou para ela a fez estremecer de prazer. Era como se ela fosse a única para ele. Não havia mais ninguém. Se sentiu especial e desejada e isso a deixava louca com luxúria. Passando as mãos sobre o peito, ela traçou as ranhuras individuais em seu abdômen até chegarem a seu pênis. Ele estava tão duro. Sua ereção levantara seu membro sobre o corpo e chamara atenção. Sua calcinha de renda estava encharcada. Deixando-se repousar suavemente sobre o seu eixo, ela montou sobre ele um pouco. Foi o suficiente para esfregar o tecido de sua calcinha contra seu clitóris inchado. Fechando os olhos, ela se concentrou sobre a intensa sensação de fricção, e em poucos segundos atingira seu primeiro orgasmo da noite.


ANTONIN ficou olhando JULIET gozando tão lindamente apenas de esfregar-se contra seu pau duro. Ele colocou as mãos na cintura e encorajou-a a se mover. Em seguida, ele torceu os dedos nas faixas elásticas estreitas em seus quadris e rasgou a calcinha. O tecido partiu, e ele puxou-o para longe. Ela gemeu quando o eixo de seu pênis tocou seu buraco molhado. Seu suco revestido sua ereção. A sensação era inebriante. Ele a puxou para mais perto, forçando-a a ajustar-se ao ritmo que ele estabeleceu. E quando a ponta do seu pênis pegou em sua abertura, ele não hesitou em mexer seus quadris e entrar em seu corpo em longo impulso. "Antonin!", Ela engasgou. Seus olhos se abriram e ela olhou para ele com espanto. Ele estava tão profundamente dentro dela. A posição a deixou totalmente exposta a ele. Ele tinha empurrado completamente até que todo o seu comprimento estivesse dentro de seu corpo. Ela se contorceu contra ele e, em seguida, suspirou de prazer. Ele a assistia enquanto tentava ajustar sua posição, a fim de deixar o pênis dele tocar os pontos sensíveis dentro dela. O atrito deixou-o quase dormente. Era tão bom estar com ela. Ela era feita para ele. Ele acariciou a curva de suas nádegas e saboreou a suavidade de sua pele. Seus seios saltavam suavemente com cada movimento de seus quadris. Ela estava montando como se sempre soubera exatamente como ele gostava. "Você sabe como eu gosto", ele rosnou. "Me fode, Juliet. Vai. Me faça gozar." Ela colocou as mãos sobre o peito para se apoiar. Ela empurrava com mais força contra seu pênis. Ele sentiu a ponta de seu clitóris tocar a cabeça do pênis dele e quase morreu de intenso prazer que isso a dava. O calor atravessou seus membros. Ele sentiu suas bolas apertarem entre as pernas enquanto se aproximava do ponto onde não seria mais capaz de segurar. Ele nunca tinha visto uma visão mais bela do que Juliet pulando em cima dele enquanto montava seu pênis para seu prazer. Ela jogou a cabeça para trás. Seus longos cabelos batiam em suas coxas. Seus mamilos se endureceram e incharam. Ele ergueu as mãos e acariciou a curva de


cada mama. Ela respirou fundo, e então ele sentiu a derreter contra ele enquanto gozava. "Antonin!", Ela gemeu. "Estou gozando. Estou gozando!" Sim ela estava. Ele nunca tinha visto ou sentido nada parecido. Ela tremeu e gemeu quando seu corpo inteiro convulsionou com a força de seu orgasmo. Ele segurou por um momento mais. Então, ele apertou os quadris e empurrou para cima, e então gozou. Seu clímax trovejava em suas veias. Esperma saiu de seu pênis, e jogava sua essência dentro do corpo dela. Era onde ele deveria estar. Essa era sua mulher, e de alguma forma ele faria com que ela sempre fosse. Juliet entrou em colapso em seu peito, pressionando sua bochecha contra seu peito ofegante. Ele colocou seus braços em volta dela e beijou o topo de sua cabeça. "Eu te amo", ele sussurrou. "E de alguma forma vou dar um jeito nisso."


Capítulo Quinze JULIET acordou alegre e desperta na manhã seguinte. Ele a amava. Antonin Mikhailovich a amava! Foi como um presente louco. Era como se alguém lhe tinha entregado a lua, e agora ela não sabia o que fazer com ele. Ainda havia tantas barreiras entre os dois que mal sabia por onde começar. No entanto, Antonin tinha dito que daria um jeito . Não que ela tivesse qualquer intenção de apenas sentar e esperar para que as coisas se ajeitassem. Ela estava indo "dar um jeito" também. Carlos apareceu na mesa do café. Ele se sentou e abriu o jornal, lendo o que era, provavelmente, a página de esportes. "Você parece muito feliz nessa manhã, Juliet." "Não mais do que o habitual", ela disse a ele rigidamente. A última coisa que ela precisava era que ele sugerisse que Giovanni era a causa de seu bom humor. Carlos ainda estava olhando para ela. "Você se sente bem?" "É claro", disse ela automaticamente. Então percebeu que ele estava se referindo a sua gravidez. Era estranho poder falar sobre isso como se existisse para ele desde sempre. "Estou de quase quatro meses." "Já?" Ele ergueu as sobrancelhas em surpresa. "Quando vamos saber se é um menino?" "É uma menina", disse a ele, observando seu rosto para ver reagiria. Houve uma decepção muito óbvia e imediata em sua expressão. "Oh, bem," ele disse com desdém. "Você é obviamente fértil. Você pode ter essa menina e, em seguida, preencher essa casa com meninos. Uma boa dúzia ou mais seria bom. " "Uma dúzia?" Juliet tentou se controlar para manter o pânico fora de sua voz. "Você está de brincadeira? Uma dúzia de bebês significaria que eu precisaria engravidar a cada momento da minha vida ". Ele apenas olhou para ela. Ela entendeu que sua expressão lhe dizia essencialmente que


uma mulher não tinha outro propósito na vida, então por que não ela poderiaestar grávida a cada momento? O homem era mesmo medieval! Será que ele não realmente não notava qualquer uma das outras realizações que ela tinha conseguido para a família nos últimos três meses desde a morte do pai? "Eu tenho um cérebro, você sabe," ela disse a ele rigidamente. "Eu posso fazer outras coisas além de ter crianças.” "Claro." Carlos deu de ombros. "Você precisa que essas características passem para seus filhos." Juliet não estava mais com fome. Ela levantou-se e olhou para o avô. "Eu estou começando a entender por que sua esposa e minha mãe decidiram ir em frente e morrer no parto." "Desculpe-me?" Ele parecia um pouco ofendido com tal assunto. Ela colocou as mãos nos quadris e olhou para ele. "Você sempre tratou as mulheres dessa família como objetos?" "Isso é um pouco rude", argumentou. "Só para você", ela disse a ele amargamente. "Eu vou ter uma dúzia de meninas. Elas vão comandar essa casa e tirar os homens daqui. Você me entendeu?" Sem esperar por uma resposta, ela virou-se e afastou-se. *** O Bratva geralmente não estava bem de manhã se a noite anterior tinha sido dominada por mais que algumas garrafas de vodka. Antonin estava feliz que o estado de ressaca dos outros brigadeiros significava que eles não estiveram fervilhando por toda a casa essa manhã. Eles provavelmente foram dormir em suas próprias camas, deixando-o em paz para comer o seu pequeno almoço solitário e silencioso. "Bom dia", Mikhail murmurou enquanto ele entrou na sala de jantar. Serviu-se de um pouco de café preto e, em seguida, sentou-se ao lado de Antonin. "Você desapareceu noite passada. Tinha outros planos? "


"Eu apareci na casa dos Caglione." Antonin não acrescentou que ele tinha passado a maior parte da noite na cama de Julieta Caglione, saindo apenas quando os primeiros raios de sol começaram a aparecer. "Bem pensado", seu pai concordou. "Você vai cuidar dela essa noite?" "Talvez." Antonin deu de ombros. "Ela está, aparentemente, noiva de um homem chamado Giovanni Corleone. Ele é um forte defensor dos Cagliones. Eu fico me perguntando se ele não seria um foco mais digno de nossas atenções. Ele tem a capacidade de cultivar novos líderes dentro da sociedade. Juliet não é nada mais do que uma garota. Por que devemos nos preocupar com uma mulher? " "Porque ela é um símbolo dentro da sociedade", Mikhail argumentou. "Porque ela é a última dos Caglione. Porque a família vai desmoronar quando ela se for. Confie em mim." "Com quem você tem falado?" Antonin recostou-se na cadeira. Ele olhou para seu pai e perguntou o que estava realmente acontecendo. "E nós precisamos discutir o que fazer com Josef." "Ah, isso." Mikhail acenou com a mão. "Ele foi exilado da cidade." "O quê?" Antonin olhou para seus pés. "Você o expulsou?" Mikhail levantou as sobrancelhas. "Existe uma razão especial que você duvide de minha decisão nisso?" "Josef é uma cobra esperando uma oportunidade para atacar. Essa não é a Rússia Imperial. Exilar um homem de uma cidade não tem nenhum efeito. Ele pode simplesmente voltar. Não é como se houvesse guardas que estariam a espera para expulsá-lo de volta para a Sibéria!" Antonin começou a andar em círculos energéticos em torno da mesa de café. Como poderia seu pai ser tão tolo! "Olhe os modos, fulho," Mikhail rosnou. Em seguida, Antonin virou-se para encarar seu pai. Talvez Mikhail não fosse estúpido. Talvez houvesse um propósito no que seu pai tinha feito e Antonin simplesmente não estava sabendo disso. Na verdade, toda essa situação cheirava a uma armadilha.


"Eu nunca questionei a sua lealdade, Antonin", Mikhail disse lentamente. "Mas ultimamente eu tenho começado a me perguntar se você realmente acredita que está acima do resto de nós." "Acima de vocês?" Antonin zombou. "E eu começo a me perguntar se eu não estou sendo usado como um peão em um jogo que eu não me ofereci para jogar." *** JULIET SENTOU em seu quarto e desejou que pudesse magicamente fechar os olhos e, em seguida, quando ela abrisse ela estaria em outro lugar. Houve uma batida suave na porta dela. "Juliet?" Agora ela realmente desejava que pudesse estar em qualquer lugar, menos aqui. "Vá embora, Giovanni." "Por favor, não faça isso. Nós precisamos conversar." Ela deu um suspiro pesado e destrancou a porta. Supôs que de certa forma ele estava certo. Eles não precisam conversar. Eles precisavam falar sobre o fato de que ela não ia se casar com ele. Nunca. Talvez ela tivesse considerado brevemente. Agora sabia que nunca ia dar certo. Ela adorava Antonin e ele a amava. Juliet não pertencia a Giovanni Corleon e nunca iria. Giovanni entrou no seu quarto e fechou a porta atrás dele. "Isso realmente não é apropriado," ela disse. "Devemos ir ao meu escritório." "Nós estamos noivos," ele lembrou a ela. "Até onde todos sabem, eu sou o pai do bebê que você está carregando. Eu acho que estar no seu quarto sem uma acompanhante é o menor dos problemas. " "Talvez se tivéssemos arrumado uma acompanhante adequada, eu não estaria grávida", ela brincou. Então ela ficou séria de repente. "Desculpa, isso foi de mau gosto. Só estou nervosa. "Em falar comigo?" Giovanni pareceu genuinamente surpreso. Ele se sentou em sua cadeira e cruzou as mãos no colo. "Nós nos conhecemos há anos. Você não tem de estar nervosa em falar comigo. " "Eu não posso me casar com você, Giovanni", ela disse de repente. Nossa, cara como foi bom


conseguir falar aquilo. "Eu estou apaixonada por outro homem." Giovanni acenou com a cabeça em direção a sua barriga. "O pai?" "Sim." "Você vai me dizer quem é?" "Antonin Mikhailovich." Giovanni não falou por alguns segundos. Juliet estava começando a pensar que ela tinha sido tola a verdade a seu velho amigo. Então, finalmente, Giovanni exalou um suspiro pesado. "Eu me perguntava por que parecia haver tanta química entre vocês dois." "Sério?" Ela estava realmente surpresa por esse comentário. "Isso e não havia absolutamente nenhuma linguagem corporal dele que parecesse ser uma ameaça para você", Giovanni meditou. "Mesmo no armazém quando ele estava segurando uma faca na sua garganta ele pareceu agir de uma forma estranha." Juliet suspirou. "Ele é um bom homem, Giovanni." "Ele é o inimigo, Juliet." Giovanni pareceu triste. "Como você pode considerar uma vida com ele? Ele é um membro da Bratva. Ele teve que matar um dos nossos homens, a fim de ganhar a sua posição. Você realmente já pensou nisso? Você já se perguntou se foi ele quem matou Enzo? Ou seu pai? " "Pare!" Juliet colocou as mãos sobre os ouvidos como uma criança. "Pare de dizer isso. Antonin não faria algo assim. " "Isso é uma ilusão, Juliet," Giovanni murmurou. "E no fundo você sabe que é." *** Houve apenas um lugar onde Antonin sabia que Josef podia aparecer, e era na casa dos Caglione. Não importa se tomasse o dia ou a noite inteira, Antonin ficaria escondido atrás de uma árvore fora da casa apenas para se certificar que Juliet estava em segurança. Apanhar Josef era o de menos. Eventualmente, o pequeno bastardo preguiçoso iria voltar. Ele estaria vendendo algo ou roubando, a fim de reintegrar-se de volta para o Bratva.


Embora Antonin imaginasse se Josef realmente precisava voltar para o Bratva. Josef era o espião favorito de Mikhail e sempre tinha sido. E se essa coisa toda fosse um armadilha elaborada para testar a lealdade de Antonin e assassinar os outros membros da família Caglione ao mesmo tempo? Algo se moveu dentro do quarto de Julieta, e o olhar de Antonin seguiu imediatamente focado. Ele não podia correr o risco de que Josef, de alguma forma passar por ele e pela segurança frouxa dos Caglione. Josef sabia o quanto Juliet significava para Antonin, e ele não hesitaria em fazer algo, fosse dada a oportunidade. Não. Antonin cerrou os dentes. Giovanni estava andando dentro do quarto de Julieta. Antonin não apreciava a intimidade que o italiano tinha com Juliet. Ele não queria aquele homem em seu quarto. E ele certamente não apreciava o fato de que a família de Juliet estava tentando fazê-la se casar com ele. Antonin moveu-se da árvore para a casa. Cuidadosamente andando pelo galho grosso, ele se dirigiu para a borda que corria em torno de todo o exterior da casa velha. Poucos dias atrás, ele tinha atravessado essa borda com Juliet para que pudesse beijá-la no telhado sob o luar. Às vezes, questionava se alguma vez ele ganharia o direito de usar a porta da frente de sua casa. Agachou-se no parapeito e olhou para a janela. Ela fechara as cortinas. Se ela tivesse fechado intencionalmente para impedi-lo de ver? Por que ela fecharia as cortinas? Ela nunca pareceu ligar para isso antes. Antonin observou Giovanni se aproximar de Juliet. Ela o afastou. Antonin podia ouvir trechos da conversa. Ela estava lhe dizendo que ela amava alguém. Giovanni foi tranquilizá-la de que ela iria superar isso. Ele tomou-a nos braços e abraçou-a. Juliet estava chorando. Ela apertou o rosto no peito de Giovanni, e Antonin mal conseguia conter a raiva que ameaçava esfolar aquele cara. Essa era a sua mulher, a mulher que queria ser sua esposa. Ela estava grávida, a filha deles, e esse homem estava colocando as mãos em cima dela e tentando convencê-la de que ela não precisava ficar com Antonin. Isso tinha que parar. Agora.


Capítulo Dezesseis "Pare com isso, GIOVANNI." Juliet tentou ser firme, mas Giovanni continuou pressionando. Ela não sentia medo, mas era muito óbvio que ele não se importava de levar seus protestos a sério. Giovanni gentilmente tirou suas mãos e as removeu de seu peito. Ele entrelaçou os dedos com os dela e puxou-a ainda mais perto de seu corpo. "Vamos Juliet, sou eu. Você faz ideia do quanto eu gosto de você? Eu te amo." "Mas eu não te amo." Suas palavras ficaram presas em um soluço. "Não faça isso comigo! Eu lhe disse para me dar meu espaço. Eu lhe pedi para deixar o meu quarto. " "Eu não vou te deixar sozinha. Não essa noite. "Ele começou a recuar a para sua cama. "Vou manter minhas roupas. Mas eu vou te abraçar essa noite. " "Não. Giovanni, não." Ela podia imaginar o que aconteceria se Antonin voltasse de noite e esgueirasse através da janela. "Ela disse não." Giovanni girou. Ele empurrou Juliet para trás como se estivesse diante de uma ameaça. "Você não tem nada aqui." "Pelo contrário." Antonin desceu do parapeito da janela e deu um pulo. A expressão em seu rosto era mortal. Ele apontou para Giovanni. "Você está tocando a minha mulher. Ela lhe pediu para parar. " A respiração de Giovanni ficou irregular. O que Juliet podia ver de seu rosto mostrava uma expressão contorcida de raiva. "Ela não é sua mulher!" "Giovanni, por favor!" Juliet puxou-o pelo braço. "Quero Antonin aqui. Eu amo-o. Não seja assim.” Giovanni se virou para encará-la. Ele estava pálido enfrentado, e seus olhos escuros estavam cheios de dor. "Então é assim que vai ser? Eu vou me casar com você, e você vai deixar este


homem em nosso quarto todas as noites? " "Eu não vou me casar com você", ela disse-lhe em voz baixa. "Meu avô estava errado em prometer uma coisa dessas. Não sou uma donzela medieval. Ele pode me dar ordens durante todo o dia, mas eu não vou ouvir. Certamente você me conhece melhor do que isso. " "Eu poderia tê-lo matado." O olhar de Giovanni voltaram à presença grande e bastante ameaçadora de Antonin. "Eu poderia chamar os homens aqui e acabar com ele aqui mesmo no seu quarto." A expressão de Antonin sugeriu que Giovanni pode tentar, mas Juliet não queria violência, especialmente quando o derramamento de sangue realmente não mudaria nada. "Você poderia", ela concordou. "Mas eu nunca vou deixar de amá-lo. Se você matá-lo ou feri-lo você me machucar. E força-lo a brigar apenas vai machucar os homens daqui. Por que você faria isso?" Giovanni ficou boquiaberto com ela. "Então, eu deveria fingir que ele não está aqui, sair da sala e seguir meu caminho?" "Vá para casa", ela insistiu. "E sim. Você deveria sair daqui e cuidar da sua vida maldita. Se você tivesse me ouvido em primeiro lugar, você ainda seria um ignorante feliz. " ANTONIN NÃO ERA tolo o suficiente para acreditar que isso tinha acabado, mas por enquanto o homem estava indo embora. Antonin podia ver a renúncia no rosto de Giovanni. Ele tinha percebido que não havia razão para lutar uma batalha que não podia ganhar. O primeiro instinto de Antonin era levar Juliet embora desse lugar. No entanto, ele não tinha para onde levá-la e não era tolo o suficiente para acreditar que ela iria embora. Giovanni franziu os lábios, mas não disse mais nada. Ele encarou Antonin e depois despediuse através da porta do quarto. Juliet correu e trancou a porta. Antonin adorou a ideia de que uma fechadura de porta insignificante iria manter qualquer um fora. Ele meio que esperava ouvir as botas do homem lá fora. Se Antonin tivesse trocado de lugar com Giovanni, nada teria o afastado dessa mulher que amava. Nem mesmo seus protestos. Juliet se aproximou dele com um sorriso. "Você veio."


"Claro." "Há quanto tempo você estava assistindo?" Duas linhas apareceram entre as sobrancelhas. "Tempo suficiente para saber que ele não ia aceitar um não como resposta." Ele pegou suas mãos e puxou-a em seus braços. Segurá-la o fez sentir-se melhor. "Nós temos que descobrir o que fazer agora." "O que você quer dizer?" "Não podemos continuar assim." Ele exalou um longo suspiro e descansou o queixo no topo de sua cabeça. "Meu pai está planejando algo nas minhas costas. Eu não sei o que é ainda, mas ele afirma ter exilado Josef da cidade." Juliet se afastou e olhou para ele com uma expressão de incredulidade. "Ah sério? As pessoas fazem isso? E a pessoa exilada realmente fica longe? Não é como se houvesse um muro ao redor da cidade. Além disso, seu pai não é um rei ou um presidente ou qualquer coisa. Ele não tem nenhuma autoridade externa sobre seus próprios homens ". "Você não está me dizendo nada que eu já não saiba", Antonin disse secamente. Ela apertou o nariz contra seu peito. Estava frio. "Então, o que você está dizendo" sua voz foi abafada pela camisa "é que este suposto exílio é apenas uma punição idiota para fingir que Josef não está trabalhando para ele?" "Eu suspeito que sim." Antonin gentilmente cutucou-a para a cama. "Deite-se comigo. Eu só quero relaxar por um momento. " Ela subiu em sua cama e se aconchegou com sua bochecha descansando em suas mãos dobradas. A inocência que ela aparentava era enganosa. Ele adorava o contraste dela. Essa mulher poderia ser tão suave e disposta em um segundo e no próximo uma Hellcat que ficaria feliz em rasgar seus inimigos. Antonin subiu na cama ao lado dela e puxou-a em seus braços. Ela se aproximou e pegou sua mão. Quando ela gentilmente colocou a palma da mão para baixo em seu abdômen, ele teve o desejo profundo em proteger tudo o que era tão vitalmente importante para ele.


JULIET MAL CONSEGUIA manter os olhos abertos, mas havia coisas que ela precisava saber sobre príncipe encantado. Ela bocejou e então forçou seu cérebro a se concentrar em coisas importantes. "O que você quer para n��s?", Finalmente conseguiu perguntar. "O que você quer dizer?" Pelo menos não parecia como se ele estivesse realmente se esquivando da pergunta. Ela tentou ser mais clara sobre o que era realmente importante. "Nós estamos tendo um bebê. Você diz que me ama. O que você quer? Acho que eu nunca me vi fazendo a coisa da família tradicional, sabe? Não faço ideia de que rumo minha vida ia tomar. Às vezes eu não tinha certeza se eu iria conseguir fazer minhas próprias escolhas. Mas agora ... "Ela não terminou. Ele gentilmente acariciou o cabelo e, em seguida, tocou o rosto dela. Ele traçou a linha do nariz, maçãs do rosto, e em seguida, pressionou os dedos contra seus lábios. "Eu nunca me considerei vivendo uma vida familiar tradicional também." "Você quer uma?" Se ele dissesse não ela ia se magoar. Sabia disso. Sua risada baixa enviou uma profusão de calafrios por seu corpo. "Eu nunca pensei que era uma opção. Agora que estou tão perto sinto que quero lutar por isso. " "Às vezes eu fecho meus olhos e penso em uma pequena casa onde poderíamos criar nossa filha e talvez até mesmo ter algumas outras crianças, sabe?" "Uma dessas vidas normais loucas onde as pessoas se levantam de manhã, se beijam, tomam café da manhã, se beijam de novo, e, em seguida, vão para o trabalho?" Ele esfregou seu pescoço. "Eu comecei a pensar muito sobre isso." "Você acha que é possível?" "Eu acho que se queremos algo assim nós vamos ter que lutar por isso." Juliet tentou conciliar o que isso poderia significar. "Você quer dizer que vamos ter que deixar essa vida para trás?" "Não necessariamente."


Ela pensou no perigo inerente da vida criminosa. Pensou sobre a preocupação de alguém querendo seu território, ou no que as organizações podem estar competindo por um contrato ou acordo de negócios. Pensou em subornos e assassinatos a informantes. Ela até pensou na possibilidade da lei entrar e estragar tudo. "Qual o problema?", Ele sussurrou. "Você ficou tensa." Ela se agarrou a ele. "Essa vida é perigosa." "Toda vida é perigosa." "Eu não quero correr o risco de perdê-lo apenas por causa de um tiro perdido ou uma lâmina de faca deslocada." Juliet sabia que seu estado emocional não era exatamente consistente no momento. Mas o sentimento de pânico que estava passando era quase demais para suportar. "Prometa-me que não vou te perder." Não havia uma pitada de dúvida em sua voz. "Você não vai."

COMO ELE PODERIA prometer tal coisa quando não tinha nenhuma maneira de saber se era verdade ou não? Ele sentiu Juliet começar a relaxar e se perguntou se havia alguma coisa que ele poderia prometer a ela. Ele não podia dar-lhe o amanhã. Ele não tinha nem mesmo certeza de que haveria um amanhã. A única maneira de ter um futuro com Juliet era forçar suas famílias a reconhecerem a união. Eles teriam que trabalhar em conjunto, e isso ia precisar de nada menos do que um ato de Deus para ser possível. Antonin esperou que Juliet adormecesse. O quarto ainda estava iluminado pelo brilho ofuscante de seu abajur. Tirando-se cuidadosamente do abraço de Juliet, ele a colocou no colchão. Antonin deu um beijo em sua testa e se levantou da cama. Ele se cobriu com o cobertor e, em seguida, foi até a mesa para desligar a luz. Por mais que ele quissesse passar a noite com Juliet em seus braços, não seria nada bom se Giovanni aparecesse com homens no quarto, na esperança de pegar Antonin cochilando. Então, em vez de passar a noite na cama com sua amada, Antonin resolveu ficar em uma cadeira em frente


ao quarto. Escondido nas sombras, ele observava seu sono e se perguntou se isso seria seu destino. A noite se estendeu. Ele ouviu os sons da casa. Era óbvio que havia sempre algum tipo de atividade acontecendo aqui. Ele tinha observado o lugar mais de uma vez entre as árvores ou pelas janelas. Os caras tendiam a demorar-se sobre a casa comendo e bebendo e se embriagavam pelo resto da noite. Normalmente a parte mais silenciosa do dia parecia ser entre quatro e seis horas da manhã. Antonin tirou o sono dos seus olhos. Será que ele dormira? Sentia como se o tempo tivesse passado sem perceber. Ele ainda estava sentado na cadeira de canto do quarto de Julieta, mas algo o tinha acordado. Ele ajeitou a coluna e prestou atenção. Havia vozes abafadas e muito mais passos do que o habitual no corredor. A maior parte deles parecia estar concentrada fora do quarto de Carlos Caglione. A suspeita começou a crescer no estômago de Antonin. Havia apenas uma coisa que ele poderia pensar que poderia causar tanto rebuliço. Uma porta bateu. Antonin levantou-se e correu para o lado de Juliet. Se ajoelhou ao lado dela na cama e beijou seu rosto. "Querida, você tem que acordar." "Estou cansada", ela murmurou. "Vá embora." "Amor, você tem que olhar para mim." Antonin segurou seu rosto entre as mãos e beijou-lhe as pálpebras. "Eu acho que algo aconteceu com seu avô." Seus cílios tremularam e ele podia vê-la lutando para acordar. "Meu avô? O que você quer dizer?" "Tem muito barulho lá fora para seis da manhã," ele disse a ela rapidamente. "Eu preciso ir." "Fique", ela implorou. "Giovanni sabe que estou aqui." Viu-a perceber a verdade por seus traços sonolentos. "Ele vai culpá-lo." "Sim." "Vá." Ela praticamente empurrou-o para fora da cama. "Eu vou te ver em breve?" Ele a beijou levemente nos lábios. "Espero que sim."


DeixĂĄ-la por conta prĂłpria era um inferno, mas ela estava mais segura assim. Livrar-se dela nĂŁo seria parte do plano de Giovanni Corleone.


Capítulo Dezessete JULIET OBRIGOU-SE a permanecer imóvel na cama. Ela podia ouvir um barulho no corredor fora de seu quarto e sabia que Antonin estava certo. Era difícil acreditar que alguém como Giovanni, que tinha sido amigo e soldado leal aos Cagliones poderia estar por trás de algum tipo de esquema para ferir seu avô. No entanto, mesmo se algo natural tivesse acontecido com Carlos Caglione, Giovanni seria um tolo em não tirar proveito do fato de que Antonin estava perto e seria o bode expiatório perfeito. "Juliet!" Giovanni bateu em sua porta. "Juliet, abra a porta! Nos deixe entrar ou vamos quebra-la! " Ela mal tinha começado a sair da sua cama para fazer exatamente como ele pediu, quando a porta do quarto se abriu. Lascas de madeira voaram em todas as direções, e ela deu um grito de terror quando três homens enormes entraram sem dizer uma palavra. "Onde ele está?" Giovanni exigiu. "Eu sei que ele está aqui!" "Eu não sei do que você está falando." Juliet puxou as cobertas até o queixo para fingir modéstia. Então ela olhou para Giovanni. "Você pode olhar onde quiser, mas não há ninguém aqui além de mim." "Procurem no banheiro!" Giovanni gritou para os homens. Então ele se virou para ela. "Eu sei que ele estava aqui." "Ele saiu logo depois de você", ela mentiu. Não havia nenhum ponto em criar problemas. "Você realmente acha que ele seria assim tão fácil de pegar? Ele não queria me colocar em perigo. Então, logo que percebeu que eu estava segura, ele foi embora. "Ela olhou para Giovanni. "Você se importaria em me dizer o que está acontecendo? Você não pode simplesmente entrar aqui sem razão, Giovanni. Você nem sequer têm esse tipo de poder. " "Seu avô está morto." Giovanni não conseguiu olhar em seus olhos. "Alguém o sufocou em sua


cama." "O quê?" Juliet lutou para não chorar. "E você está procurando no meu quarto porque você acha que eu tenha algo a ver com isso? Seu desgraçado! Como se atreve? Saia. Saia. Saia! Todos vocês!" "Eu não suspeitar de você," Giovanni alterou-se. "É daquele bastardo do Bratva que eu suspeito." "Então você suspeita de mim", ela rosnou. "Porque ele nunca faria nada para me machucar, e isso me machucaria muito." Ela estreitou seu olhar para o homem que tinha considerado seu aliado mais próximo dentro da família. "Na verdade, talvez você devesse ser investigado!" Todos os homens fizeram uma pausa, olhando para Giovanni e depois para Julieta com diferentes graus de confusão em seus rostos. "Você é o único que tinha muito a ganhar com a morte de meu avô. Você pode me forçar a casar com você, e então você vai assumir tudo. " "Você acha que os caras vão aceitar isso?" Giovanni gritou. "Será que aquele homem virou sua mente contra nós?" "Eu não tenho que me virar contra você. Você se virou contra mim primeiro", ela gritou de volta para ele. "Você veio aqui, suspeitando de que eu estava abrigando alguém que poderia ter assassinado meu avô!" Juliet saiu da cama e pegou o roupão. Ela envolveu a roupa ao redor de seu corpo e apontou para os soldados Caglione ainda em seu quarto. "Saiam. Esse homem não tem controle sobre vocês. Nenhum. Eu sou a Consigliere da família Caglione. Se meu avô é realmente morreu, eu sou a única líder remanescente. Agora saiam para que eu possa me vestir. Digam a todos na casa para esperar no piso principal em quinze minutos para uma reunião ". Felizmente, sua palavra ainda tinha algum poder na casa. Ela não podia imaginar quais seriam seus próximos passos. Tinha que encontrar seu avô. Tinha que descobrir o que aconteceria com a casa e com os negócios. Seria um grande trabalho. Ela precisava entrar em contato com seu


advogado e ver como proceder para transferir a propriedade e tudo mais. E precisava descobrir quem havia assassinado seu avô, se tivesse havido um assassinato. Por que Giovanni tão certo que alguém estivesse envolvido? Será que ele tinha feito alguma coisa? O pensamento era absolutamente horrível só de imaginar. Levou apenas alguns minutos para colocar uma roupa decente e puxar o cabelo em um rabo de cavalo liso. Respirou fundo e abriu a porta do quarto. Sair para o corredor foi como pisar fora de um penhasco cheio de homens tentando descobrir o que fazer. Ela subiu as escadas para o primeiro andar e tomou seu lugar na frente da sala de estar. Havia cerca de cinquenta homens reunidos diante dela. Eles estavam em toda a sala e pelo corredor. Esses eram os soldados Caglione. Não havia tantos quantos antes, mas ainda eram um grupo forte. "Agora." Ela olhou diretamente para Giovanni. "O que você viu no quarto do meu avô, essa manhã?" "Eu o vi deitado morto no chão." "E você tentou encontrar seu pulso?", Ela esclareceu. Seria tão típico de ter seu avô deitado no chão depois de um acidente vascular cerebral ou algo assim, apenas para que alguém o levasse ao hospital. "Claro." Giovanni olhou ofendido. "Ele está em sua cama. Deixei-o lá e chamei o médico. Dr. Mills vai estar aqui a qualquer momento para verificar e emitir o certificado de óbito. " Ela levantou uma sobrancelha para Giovanni. "Você parece terrivelmente calmo sobre tudo isso." "Não havia nada que eu pudesse fazer." Giovanni encarou ela. "Havia um travesseiro ao seu lado, como se alguém o tivesse o sufocado." "E você tem um suspeito nesse suposto assassinato?" Juliet perguntou cuidadosamente. Giovanni encontrou seu olhar sem vacilar. "Antonin Mikhailovich." ***


BRATVA ESTAVA bagunçada como uma colmeia quando Antonin retornou. Sabia que algo grande tinha acontecido. Agarrou o ombro de um homem assim que ele entrou na casa, parando tempo suficiente para obter uma explicação. "O que aconteceu aqui?" Antonin exigiu. O soldado parecia atormentado. "Você não ouviu? O antigo chefe dos Cagliones está morto. " "E por que é que isso tem alguma coisa a ver com a gente?" Agora o soldado parecia irritado. "Nós estamos nos preparando e empurrando-os para fora do território de vez. A ordem veio de Mikhail essa manhã." "É claro", Antonin murmurou. Seu pai estava esperando por algo assim. Deveria ter sido bom se livrar de um rival. Infelizmente, isso não combinava em nada com os planos de Antonin. Ele começou a pensar muito rapidamente, formulando e descartando vários planos de ação diferentes antes de finalmente se decidir sobre a única coisa que poderia dar a Juliet um pouco de tempo para consolidar seu poder. Ela deveria estar confrontando Giovanni em frente à casa. Não havia nenhuma razão para fazê-la confrontar o Bratva também. Mikhail estava atrás de sua mesa quando Antonin se aproximou. O homem estava em sua essência, dando ordens e consultando um mapa do território antes de dar ainda mais ordens. Antonin caminhou até seu pai e colocou a mão em sua mesa. "Eu estou pedindo para você desistir Cagliones", Antonin disse calmamente. "Não faça nada ofensivo ou explorador sobre eles." "O quê?" Mikhail olhou para cima, seu rosto uma máscara de confusão. "Por que não podemos ir para a ofensiva agora? O líder deles está morto. Esse é o momento perfeito para empurrá-los fora de seu território e nos afirmarmos. " "Eu já fiz isso", Antonin disse seu pai. Claro que era em sua maioria uma mentira. Havia apenas um grão de verdade no que estava dizendo. "Eu já garanti o afeto de Juliet Caglione, que


é agora o único membro restante da família. A liderança cairá para ela, e através dela vai cair para mim. " "Garantiu o afeto?" A diversão na voz de seu pai ralou nos nervos de Antonin. "E como foi que você fez isso?" "Eu acho que é meio óbvio. "Antonin desviou da mesa de seu pai na direção da janela. Ele não podia olhar o homem no rosto, enquanto dizia essas palavras. "Ela está carregando meu filho. Eu acho que é essa a resposta que você precisa sobre o assunto. " "Então Josef estava certo", Mikhail ponderou. Antonin virou, franzindo a testa enquanto olhava para seu pai. O que era isso? "Qualquer coisa que Josef diz é uma mentira. O homem é um inútil. Acho que você consegue ver isso. Ou você também está cegado por seus próprios ciúmes e suspeitas? "Antonin apontou para seu pai. "Eu não quero a sua posição. Quero apenas o que eu tenho. " "Você será Pekhan dos Cagliones!" Mikhail gritou. "E você me diz que não está se voltando contra mim?" "Eu ainda sou seu brigadeiro", Antonin mordeu entre dentes. "Os Cagliones seria minha unidade, mas eu ainda sou leal a você. Por que isso não é suficiente? " "Porque você é leal a si mesmo em primeiro lugar!" Seu pai atirou de volta. Uma porta bateu atrás de Antonin. Ele girou para ver dois homens no comando de Josef aproximando-se dele. Ele manteve as mãos soltas e baixas. Seria uma coisa simples acabar com esses homens e sair com sua liberdade intacta. Ainda assim, ele não podia deixar para trás a ideia de que seu pai podia ver a razão. Mikhail podia ser persuadido a perceber que Josef não era leal ao Bratva. Pelo menos não a um Bratva dirigido por Mikhail. "Por que você acredita nisso?" Antonin perguntou a Mikhail. "O que eu fiz para lançar dúvidas sobre minha lealdade a você?" "Você escolheu essa cadela Caglione acima de sua fidelidade a mim e ao Bratva", Mikhail disse friamente. "Certamente você não acha que isso poderia ser ignorado."


"Diga-me como eu escolhi", Antonin rosnou. "Já cheguei a comprometer os interesses do Bratva? Fui trás sobre o juramento que fiz quando fui nomeado vor v Zakone ? Não! Você está permitindo que Josef sussurre em seu ouvido e conte mentiras. Ele está alimentando-se de sua paranoia e criando instabilidade dentro de nossas fileiras. Ele vem fazendo isso há anos! Por que você acha que ele era um bom espião para você? "Antonin estava falando rápido e baixo. Ele tinha que convencer seu pai. Tinha que tentar. "Ele não estava colocando um fim nas coisas que descobria. Ele estava criando agitação e, em seguida, entrando como um herói para lhe dar informações ilimitadas sobre todos os jogadores. Por que acha que ele estava tão bem informado? " Algo para trás a expressão de Mikhail acendeu. Talvez ele percebesse que seu filho estava dizendo a verdade. Talvez não. De qualquer maneira, já era tarde demais para Antonin. Vorsky e Sokolov agarraram os braços de Antonin e os torceram atrás das costas. Ele achou divertido que ambos atacaram ao mesmo tempo. Era evidente que eles esperavam que ele começasse a lutar, mas não o fez. Ele esperaria. Haveria um melhor momento para fazer o seu ponto. Por agora ele queria que seu pai percebesse que não era Antonin que estava tramando contra o Bratva. "Lembre-se desse momento", disse Antonin Mikhail. "Quando Josef esfaqueá-lo por trás, eu quero que você lembre que eu avisei que isso ia acontecer." "Levem-no", Mikhail disse imperiosamente. "Em seguida, mande Josef para mim. Nós precisamos ter uma pequena discussão sobre suas fontes de informação. " Antonin sacudiu a cabeça. Mikhail podia duvidar de Josef, mas ele não ia conseguia quebrar o hábito de ouvir o conselho venenoso do homem.


Capítulo Dezoito Havia uma onda de atividade na casa Caglione, os caras e seus homens estavam prontos para seguir Giovanni no que certamente seria a guerra de territórios. Nada que Juliet dissesse faria diferença. Os homens estavam procurando alguém para culpar, e Giovanni providenciara alguém. Na ausência de seu avô, ela poderia ter sido capaz de influenciá-los em seguir sua liderança. Mas isso só teria funcionado se tivesse conseguido o apoio de alguém como Giovanni. Sem ele atrás de Julieta, os caras estavam todos muito ansiosos para se mover em direção à morte. "Essa é uma má ideia, Giovanni", disse Juliet pelo que parecia ser a milionésima vez. "Eles vão esperar por você. Pior, nem sequer é provável que você vá ver Antonin. Você estará enfrentando centenas de seus homens. Por que você está fazendo isso?" Ela agarrou seu braço e girou em torno dele, mas ele já estava rosnando para ela. "Só porque você não pode ver a verdade de Antonin Mikhailovich não significa que o resto de nós não o veja pelo o que ele é. O homem é um gangster sanguinário. Olhe para ele! Ele está coberto de cicatrizes, porque ele tomou o sangue de centenas de homens. Agora, ele ajustou sua visão sobre os Cagliones, e você está disposta a entregar-lhe as rédeas como se isso não significasse nada! " "Você está errado!", Ela implorou. "Ele não é mais sanguinário do que você. Por que você não pode entender que estão todos sendo usados como peões neste jogo de poder ridículo? Vamos parar e pensar! Podemos ser mais forte se apenas ficarmos de fora disso. " "Você não passa de uma traidora", Giovanni cuspiu. "E quando eu voltar para casa, vou casar com você e assumir a liderança dos Cagliones eu mesmo." "Você não pode casar comigo sem o meu consentimento, Giovanni", ela disse-lhe calmamente. "Até você tem que entender a verdade. Eu nunca vou me casar com você. " "Você vai. Se isso significa salvar essa filha bastarda que você carrega, você vai. "Os olhos


escuros de Giovanni brilharam. "O que você acha que os homens diriam se soubessem que você estava carregando a filha do homem que assassinou seu chefe? Você acha que seria perdoada? Ou acha que eles iriam encontrar uma maneira de se livrar de sua filha na primeira oportunidade que surgisse? " Sentia-se quase tonta de medo. "Você não iria fazer isso!" "Se você quiser evitar que isso aconteça, é melhor você se preparar para se casar comigo. Eu vou mantê-la segura, mas você vai levar meu nome e prometer me amar e obedecer se quiser o privilégio de vida para si mesma e para a criança que carrega. " A injustiça de tudo aquilo a deixou sem fôlego. Com certeza o amigo de infância de seu irmão não era tão coração frio. No entanto, o homem que ela viu diante de si não era o Giovanni que conhecera toda a sua vida. Ele estava mais duro, diferente. Ela sabia no fundo de sua alma que não podia mais confiar nele. *** ANTONIN SENTOU-SE no chão com os joelhos dobrados e antebraços descansando em suas coxas. Ele tinha sido trancado em um armário de abastecimento no porão da casa de seu pai. Em torno dele o lugar estava estranhamente silencioso. Ele não era tolo. Sabia exatamente o que estava acontecendo. De alguma forma, Josef tinha atraído seu pai, os homens Bratva, e os Cagliones em uma guerra de territórios. No final do abate, seria fácil para um homem como Josef entrar e assumir. Em toda a confusão seu pai poderia ser facilmente eliminado. Com Antonin ordenadamente fora do caminho, não havia ninguém para impedir que isso acontecesse. A pergunta que Antonin não parava de pensar era se o chefe dos Cagliones tinha morrido de morte natural. Ele tinha sido morto por alguém como Giovanni que achava que ele estava de alguma forma fazendo o que era melhor para a família? Era difícil dizer. Apenas Giovanni sabia a resposta a essa pergunta, e a probabilidade de confessar seus pecados era nula. Antonin se levantou e começou a andar de uma extremidade do armário para o outro. Ele precisava ficar em movimento e manter-se solto, se estava indo suportar qualquer tipo de coisa que


estava por vir. Eventualmente homens como Josef e Giovanni cometeram erros. Eles subestimaram as pessoas ou superestimaram sua própria influência. Quando chegasse a hora, Antonin estaria esperando. A chave girou na fechadura. Antonin afastou-se da porta e preparou-se para receber seu destino, seja ele qual fosse. Seu único arrependimento seria que, se ele morresse, nunca seria capaz de ver sua filha quando nascesse. Estranho como coisas que nunca tinha antes pensado de repente se tornaram todo o foco de sua vida. "Olá, Antonin." Josef entrou no armário de armazenamento minúsculo com toda a pompa e circunstância de um herói conquistador. Seu sorriso arrogante fez Antonin querer plantar seu punho no rosto do homem. Josef acenou com a arma no ar. "Eu sei que essa arma aqui é a única coisa te impedindo de me atacar, por isso vou assegurar-lhe que esteja carregada e eu adoraria a desculpa de usá-la em você." "Eu não sou bom para você morto", Antonin resmungou. Josef bufou. "Você não é bom para mim vivo também." "Enquanto meu pai ainda estiver vivo, você não pode me matar," Antonin supôs. Josef sorriu. "E quando o seu pai morrer, eu posso fazer o que eu quiser." "Você pode tentar", Antonin concordou. "Eu pensei que você podia gostar de saber que, quando todos os Cagliones estiverem mortos, eu pretendo dar uma pequena festa para a sua nova Consigliere." "Toque-a e será a última coisa que você faz", Antonin rosnou. Josef simplesmente riu e saiu da prisão de Antonin. A porta se fechou, e Antonin estava sozinho mais uma vez. *** JULIET ANDOU rapidamente na cozinha do que de repente se tornou sua casa. Era tarde, e ela estava exausta. O diretor da funerária tinha acabado de sair. O homem e seus assistentes tinha finalmente chegado para levar o corpo de Carlos Caglione e prepará-lo para o enterro.


Agora o advogado sentara-se à mesa na cozinha bem iluminada, olhando para os papéis de seu avô. Em poucos segundos o homem sublinhava algo ou grunhia enquanto verificava um fato ou relia uma parte dos documentos legais que Carlos Caglione tinha deixado para trás. "Seu avô era muito específico, Juliet." O Sr. Luciano deu um sorriso simpático. "Ele veio para mim depois que seu pai faleceu e queria estar muito certo de que você não tivesse quaisquer problemas com as autoridades, se e quando ele morresse." Juliet não podia evitar. Ela deu um pequeno bufo e então suspirou. "O que você está dizendo sem realmente dizer é que o meu avô colocou todos os seus bens pessoais em meu nome depois da morte de meu pai porque ele queria evitar que qualquer um os tirasse de mim." O canto da boca do Sr. Luciano torceu em um meio sorriso hesitante. "Em uma maneira de falar. Sim." "Portanto, essa casa, a terra, todas as empresas, tudo." Ela ainda estava tentando envolver sua mente em torno de tudo. "Tudo pertence a mim." "Você e seus herdeiros." "Eu preciso que você me ajude com a minha vontade." Ela mordeu o lábio, bem consciente de que Luciano podia não ser totalmente confiável. "Tudo bem." Ele deu um documento genérico a partir de sua pasta e, em seguida, puxou uma página de assinatura. "E para quem quer deixar os seus pertences no caso de sua morte?" "Antonin Mikhailovich." Luciano recuou como se ela o tivesse atingido. "Você tem certeza?" "Ele é o pai da minha filha." Ela tocou sua barriga. "Quero que minha filha herde tudo. Mas se algo acontecer a mim, eu quero que Antonin fique com todos os direitos ". "Ele não é exatamente um homem fácil de matar", Luciano comentou. "Mas se algo acontecer a ambos vocês, quem você quer que cuide de sua filha?" Ela quase não podia acreditar que estava dizendo isso em voz alta. "Giovanni Corleone." "Isso faz mais sentido." Luciano balançou a cabeça enquanto escrevia. "Vou precisar de sua


assinatura aqui. Eu estou supondo que você queira língua padrão. Ou seja, você quer que isso seja algo que nenhum dos outros chefes, famílias, ou até mesmo seus próprios homens de alguma forma possam distorcer. " "Exatamente." Ela apertou as mãos sobre a barriga. "E eu não quero que Giovanni consiga desafiar Antonin em um tribunal." Luciano franziu a testa. Ele levantou a cabeça e deu-lhe um olhar muito estranho. "Você está preocupada com a sua segurança? Porque tenho que dizer que estou começando a achar que está. " "Estou preocupada com um monte de coisas", Juliet admitiu. "Vamos apenas dizer que eu quero estar preparada." Luciano deu de ombros. "Acho que eu não posso discutir sobre nisso." *** A NOITE DESFEZ-SE em crepúsculo quando Antonin ouviu alguém abrindo a porta da sua prisão improvisada. Desta vez era seu pai, que estava na porta. O sorriso no rosto de Mikhail sugeriu que o dia de "batalha" tinha sido bem sucedido. "Os Cagliones estão quebrados", Mikhail anunciado. "Sua tentativa de tomar a minha posição falhou." Antonin sacudiu a cabeça. "Eu nunca tive essa intenção. Quantos de nossos homens você sacrificou pela sua paranoia? Dez? Vinte?" "Perdemos quinze homens", Mikhail admitiu rigidamente. "Os Cagliones foram dizimados. Nós matamos todos, menos um de seus caras ". Era surreal ouvir isso. Seu pai estava falando como se fosse uma batalha em algum campo distante em vez de uma situação moderna, onde homens de verdade com famílias e responsabilidades tinham sido baleados ou esfaqueados enquanto lutavam por algo que provavelmente não tinham conhecimento real. "Então estão mortos", Antonin meditou. "Significando que você deixou-os em um estado ainda


pior do que antes, mas você também os deixou com raiva." "Como?" Antonin não se conteve. Ele começou a rir. Logo o som de sua risada ecoava em torno do armário de armazenamento como um grunhido perturbado. Ele podia ver que seu pai não entendera. Mikhail estava olhando como se estivesse com medo que seu filho estivesse totalmente perdendo a cabeça. "O que acontece quando os homens ficam com raiva?" Antonin perguntou a seu pai. "Será que eles simplesmente deitam e morrem em silêncio?" Antonin podia ver que as possibilidades estavam começando a se formar na mente de Mikhail. Seu pai pode ser propenso a paranoia, mas era um homem inteligente. "Certamente percebeu que acabou de dar aos Cagliones uma razão para nos odiar. Você realmente acha que eles vão apenas entregar o território? Você acredita que os homens que têm um chefe, sangram pela organização, sacrificam sua segurança, e colocam todo o seu tempo e recursos em um negócio simplesmente vão embora? Você disse que deixou um cara vivo. É Giovanni Corleone? " "Josef disse que ele era inútil", Mikhail respondeu devidamente. "Ele tinha feito acordos com Josef antes. Giovanni concordou em ceder o território ". "Giovanni mentiu ", Antonin rosnou. "Ele tem planos de se casar com a Caglione e reivindicar sua herança. Após o patrão ser removido, quem você acha que controla toda a propriedade dos Cagliones? Essa não é a Rússia. Os EUA têm leis que protegem propriedades. Você pode pensar que possui esse território ", Antonin disse ironicamente," mas se ela ainda detém os papeis, então você não é nada mais do que um invasor na melhor das hipóteses ". "Josef planejou isso," Mikhail disse com voz rouca. "Ele planejou tudo." Antonin não se incomodou em dizer "eu avisei." Teria sido ruim de ouvir, mas não inútil de qualquer maneira.


Capítulo Dezenove JULIET ACABARA de abrir a porta da cozinha para deixar o Sr. Luciano sair quando viu Giovanni caminhando pela calçada na direção dela. As luzes das portas da garagem jogaram um brilho laranja doentio sobre seus traços. O homem não parecia feliz. Juliet engoliu em nervosismo e tentou decidir o que deveria dizer. Sr. Luciano acenou com a cabeça para Giovanni. "Sr. Corleone, é bom vê-lo. " "O que você está fazendo aqui?" Giovanni intimidou. "Será que os abutres não podem esperar o corpo esfriar antes de vir em busca dos tesouros?" Juliet ficou boquiaberta. Não sabia o que faria Giovanni ser tão rude sem motivo aparente. "Giovanni! Sr. Luciano veio aqui a meu pedido por causa da propriedade de meu avô. Sinto muito, senhor. Tenha uma noite agradável. " Luciano deu a Giovanni um olhar avaliador antes de virar e oferecer a Juliet um sorriso agradável. "Claro. Vou ter esses papéis finalizados para você no prazo de vinte e quatro horas. " "Obrigado." Luciano virou-se para sair, mas Giovanni, aparentemente, não aceitara sua presença na casa. Giovanni pisou na cozinha e bateu a porta. Ele praticamente teve de empurrar Juliet fora do seu caminho, a fim de fechar a porta atrás de si. Marchando para o armário, tirou uma garrafa de uísque e um copo. Então, serviu a bebida para si. O homem parecia positivamente abatido. Juliet só desejava saber o estado de coisas, já que Giovanni parecia tão chateado. Se as coisas com o Bratva tinham saído como o planejado, Giovanni estaria em êxtase, certo? Portanto, esse comportamento sugeria que as coisas não estavam bem. Juliet estava feliz que começara a fazer arranjos para manter seu filho e sua herança das mãos de Giovanni. Pela primeira vez em sua vida ela realmente não tinha certeza que podia confiar nele para cuidar de seus interesses.


"O que esse cara estava fazendo aqui?" Giovanni finalmente exigiu. O olhar intenso que direcionara ao outro lado do balcão da cozinha não era apenas desrespeitoso. Ele estava agindo como se fosse o novo chefe. Talvez fosse hora de lembrar-lhe que ele não era. Especialmente se ele tivesse feito alguma coisa com a Bratva. "Pedi ao Sr. Luciano para vir, porque eu precisava ter certeza de que eu não ia perder esta casa e os negócios para ninguém após a morte de papai." Ela manteve a voz razoável e suave. Abrindo a geladeira, pegou uma jarra de suco e serviu de um copo. "O que quer dizer perder a casa e os negócios?" Giovanni argumentou. "Eles são propriedade dos Caglione." "Isso é verdade", ela concordou. "Embora porque eu sou a última Caglione, eles são minha propriedade." "O quê?" Giovanni bateu o copo com tanta força na bancada que ele quebrou. "Sua? Como assim são sua propriedade? " "Quem mais poderia possuí-los?", Ela quis saber. "Você perdeu completamente sua mente? É claro que é meu. Eu sou a herdeira do meu avô." Giovanni olhou para o relógio. "Não importa de qualquer maneira. O padre estará aqui em menos de meia hora. " "Desculpe-me?" Ela não tinha certeza que tinha ouvido errado. Ela tinha que ter entendido errado. "Vamos nos casar e eu vou ter o controle da propriedade Caglione." Ele fez soar como um acordo selado. "Você deve estar brincando." A maneira como ele olhou para ela fez sua pele arrepiar. "Não. Não é brincadeira. " "O que aconteceu com o Bratva?" Ela tentou pensar em outra coisa. Certamente esse casamento idiota que nunca ia acontecer não era a coisa mais importante agora. "Nós fomos abatidos", Giovanni disse calmamente. Ele caiu em uma banqueta e colocou a


cabeça entre as mãos. "Perdemos todos os caras. Reggie e sua tripulação foram primeiro antes mesmo de perceber o que estava acontecendo. " "Onde isso aconteceu?" Ela ficou horrorizada ao saber que este tipo de violência teve lugar no que parecia obscuridade. Ninguém notou ou chamou a polícia para parar? "Um dos grandes armazéns do centro. Onde fizemos acordo com os armênios." Giovanni deu de ombros. Então ele pegou a garrafa de uísque e começou a beber. Ele tomou vários goles antes de continuar a falar. "Foi uma merda completamente! Uma merda!" "Ok." Ela tentou manter a calma. "Tem algum dos nossos homens no hospital? Onde estão os corpos, Giovanni? Você não pode me dizer que deixou todos eles lá? " "A polícia estava chegando. Eu ouvi sirenes. "Ele soou quase em estado de choque ou algo assim. Sua voz estava calma, e parecia como se ele estivesse tendo dificuldade em acompanhar o que ele estava dizendo. Foi tudo muito confuso. "Eles estavam lá deitados." "Eles poderiam estar feridos, não mortos!" Ela estendeu a mão sobre o balcão e pegou a garrafa de sua mão. "Que tipo de homem deixa seus amigos lá fora para morrer e apenas foge?" Giovanni não fez comentários. Ele não se moveu. Só olhou fixamente para a mesa. Foi quando ela começou a perceber alguma coisa. Ele realmente não sabia o que tinha acontecido porque Giovanni Corleone tinha feito sido covarde, tinha fugido. "Você os deixou lá e fugiu", disse ela sombriamente. "Oh meu Deus, você apenas os deixou lá!" A enormidade da situação fez seu estômago doer. "Alguém voltou com você?" Ele deu de ombros, sua expressão mudou. "Eu não sei." "Você não sabe ?" Juliet cobriu a boca com as mãos. "Como você pode não saber? Se você dirigiu de volta para casa sozinho, então você estava sozinho, Giovanni. É bem simples. "Eu não poderia ajudá-los." Disse isso como se fosse algum tipo de desculpa. Ou talvez estivesse dizendo isso só porque sentiu como se ele deveria ter feito alguma coisa e agora estava aborrecido consigo mesmo. De qualquer maneira, ela estava decepcionada com ele. "Saia da minha casa", ela disse a ele friamente. "Saia e não volte."


Ele finalmente ergueu o olhar do balcão. Havia algo enlouquecido sobre sua expressão que lhe deu um frio na espinha. "Você não pode me mandar embora. Você vai ser minha esposa. Isso significa que esta é a minha casa ". *** TENTAR ENCONTRAR Josef em todo o caos restante após o confronto com os Cagliones provou ser inútil. Ninguém o tinha visto. Ninguém sabia onde ele estava. Metade dos homens nem sabia quem ele era. Em sua mente, Antonin perguntava como Juliet tinha encarado toda essa confusão. Era provável que um bom número de seus homens não tinha voltado para a casa. Não havia como dizer o que tinha acontecido com Giovanni. Será que Juliet ficaria bem com tudo isso? Ele teve de se contentar em saber que ela era uma mulher de recursos e uma líder em seu próprio direito. Certamente ela estaria bem. Soldados do Bratva consumiram todo o seu foco para o momento. Eles estavam em poucos homens. Seu pai ainda estava no andar de cima em seu escritório tentando conciliar o fato de que seu amigo de confiança lhe ferrou. Antonin era supostamente o encarregado de encontrar Josef e colocá-lo em um lugar onde ele não poderia causar mais problemas até que o Conselho pudesse julgá-lo. Dimitri encontrou Antonin em uma das garagens tentando ajudar um homem a tirar seu companheiro ferido de um carro. Dimitri pegou uma das pernas do homem ferido e jogou-o no ar. "Eu estive procurando por você em todos os lugares." "Eu estou caçando Josef. Eu continuo sendo interrompido ", explicou Antonin. "Você o viu neste banho de sangue ridículo?" "Ele não voltou." Dimitri puxou o homem ferido do chão e, finalmente, arremessou-o ao longo em seu ombro largo. "Ele entrou em outro veículo e deixou o local. Eu não reconheci o carro. Era um carro esportivo último modelo." "Então você acha que ele fugiu?" O humor de Antonin azedou enquanto considerava a ideia de que o bastardo poderia ter escorregado por entre os dedos.


"Você já teve a sensação de que essa rivalidade com os Cagliones foi mais uma distração do que qualquer outra coisa?" Dimitri apontou para a carnificina e os resultados ainda caóticos de uma briga intensa. Levaria, certamente, longos meses para que todos os seus homens se recuperassem. Para não falar da dor de cabeça que isso ia causar com a lei. "Na verdade, eu estive pensando que você está certo", Antonin disse irritado. "Josef estava puxando nossas cordas o tempo todo. Eu não acho que qualquer um de nós sabe o que seu jogo final realmente era. Quero dizer "-Antonin gesticulou para a bagunça " Olha isso! Não só estaríamos completamente despreparados se alguém viesse atrás de nós, mas nós chamaríamos muita atenção para nós mesmos também. " "Sim," Dimitri concordou. Eles finalmente colocaram o homem ferido nos braços de seus amigos, e ele foi levado para a casa para descansar. "Há sirenes por toda a cidade. Esconder-nos sempre funcionou no passado, mas no momento temos um perfil de risco e, provavelmente, estamos no topo de algumas das listas de mais procurados da cidade. " "Ok, então, obviamente, o jogo de Josef foi para nos prejudicar", Antonin fundamentou. "Para que efeito?" "Ele quer assumir, certo?" Dimitri meditou. "Então por que não fazer uma manobra completamente separada que nos atingiria quando estivéssemos fracos?" "Ele precisa de meu pai fora do caminho", Antonin fundamentado. Dimitri bufou e caiu contra a parede da garagem exterior. Ele estava obviamente cansado. "Você já esteve em seu caminho desde o início quando se trata de ferir seu pai. Você não pode acreditar em Josef. Você nunca acreditou. Ele sempre conseguiu manipular o seu pai, mas você nunca comprou suas mentiras. " "Foi tudo manobra e bom papo", Antonin resmungou. "Claro que eu não acreditei. Ele continuou planejando até porcaria ficar pior, em seguida, tentou concertar para fazer o meu pai achar que ele estava fazendo um favor a ele. Foi tudo uma farsa. " "Mas se ele quer a posição do seu pai," Dimitri cutucou, "qual é a melhor maneira de te


passar?" A coluna de Antonin endureceu até que ele ficou em linha reta como uma vareta. Havia apenas uma maneira infalível de incapacitá-lo, e envolvia Juliet. "Não", Antonin sussurrou. "Esse filho da puta não ousaria." "Não ousaria o quê?" "Juliet está grávida de minha filha", Antonin disse rapidamente. "Ela está sozinha e vulnerável agora que o Bratva acabou com os Caglione." Dimitri assobiou. "Eu não vou nem ficar chateado com você agora porque não faço ideia de quem é Juliet. Eu só vou pular para a parte em que você percebe que Josef provavelmente encontrou uma forma de chegar até ela." "Como?" Antonin começou a andar para trás e para frente na entrada. Em torno dele havia sons de homens rindo e gemendo enquanto ajudavam uns aos outros e comemoravam sua "vitória" de suas próprias maneiras. Antonin considerou todas as tentativas falhas de Giovanni em ganhar o controle de Juliet através de algum tipo de envolvimento romântico. Até mesmo seu avô estava incerto sobre o que fazer com Juliet. Em seguida, se casar com Giovanni fora considerado como uma boa maneira de consolidar a base de poder Caglione. Por quanto tempo eles seriam obrigados a fazer isso agora? "Eu tenho que ir para a mansão Caglione", ele rosnou. "Aquele desgraçado do Giovanni vai tentar entregá-la para Josef!" Dimitri virou-lhe um conjunto de chaves. "Eu ainda não tenho ideia de quem exatamente estamos falando. Vou esperar que em algum momento você vá me dizer o que está acontecendo. Nesse meio tempo, meu carro está estacionado do outro lado daquela confusão na calçada." Então Dimitri sorriu. Ele deu um tapinha nas costas de Antonin. "Você nunca parece me querer por perto, embora eu não saiba dizer o porquê. Eu suponho que você prefira se ferrar sozinho. Mas, como sempre, se você quebra-lo vai comprar outro. "


Capítulo Vinte Uma batida na porta da frente quebrou o silêncio desconfortável e extremamente tenso que havia sobre a cozinha. Juliet foi atender a porta. Ela estava tentando decidir exatamente como lidar com um homem delirante que parecia realmente acreditar que ela ia se casar com ele e de alguma forma-magicamente fazer todos os seus problemas desaparecerem. Ela pegou a alça e deixar que o balanço grande porta da frente aberta. Para seu horror, Padre Barelli estava de pé na soleira da porta. Ele ofereceu-lhe um sorriso, mas ela quase não conseguiu retribuir. "Padre", ela finalmente conseguiu balbuciar. "Eu acho que você está no lugar errado." "Não." A franziu a testa. "Giovanni me disse para encontrá-lo aqui." A expressão do padre ficou simpática. "Eu fiquei tão triste de ouvir sobre sua perda, minha querida. Seu avô tinha sido um dos meus paroquianos desde que ele era um jovem menino ". O relacionamento da máfia italiana com a igreja sempre foi um pouco mistificado para Juliet. Como ou por que Deus sancionava algumas das coisas que seu pai e seu avô tinham feito para outros homens? Como seus crimes poderiam ser perdoados a cada semana, quando não havia nenhuma intenção de mudar? Mas agora definitivamente não era o momento para uma discussão sobre dogmas ou teologia. "Eu aprecio seus pêsames", começou Juliet. De repente, Giovanni apareceu. Ele parecia mais do que um pouco maníaco na opinião de Juliet. Seus olhos escuros estavam arregalados e enlouquecidos. "Padre Barelli! Entre! Entre! Você trouxe os documentos especiais? " "Sim." O padre parecia um pouco confuso. Ele entrou na casa, e Giovanni fechou a porta atrás dele. Padre Barelli olhou de Giovanni para Juliet. "Você tem certeza de que isso tem que ser feito agora ?"


"É uma coisa legal", Giovanni disse rapidamente. "O advogado veio aqui para confirmar tudo." "Giovanni, não." Juliet plantou os pés no assoalho de madeira brilhante do foyer. "Isso é uma loucura." Agora Padre Barelli franziu a testa. "Eu pensei que você disse que Juliet queria que o casamento acontecesse imediatamente." "Sim, ele está mentindo", disse o padre. "Ele quer o casamento para que possa controlar a propriedade da minha família." "Ela é a última Caglione!", Disse Giovanni. Sua voz era mais do que desesperada. Ele parecia um pouco louco. "A liderança da família não pode ser passada para uma mulher!" "Liderança do quê?" Juliet se voltou para Giovanni e o empurrou para longe dela. "Você mandou todos eles para ser mortos ou presos! Eu ainda tenho que resolver tudo isso, e agora você quer que eu me case com você? Agora mesmo? Você só pode estar brincando! Eu não vou deixar você tocar nos negócios da minha família ou qualquer assunto financeiro. " O rosto de Padre Barelli ficou sombrio. Ele se virou para Giovanni, um olhar de censura no rosto. "Jovem, eu imaginei que você fosse melhor do que isso." "Ah é?" A voz de Giovanni subiu uma oitava enquanto ele pegou uma arma. Puxou o slide e apontou a arma para o padre. "Bem, realmente não importa o que você pensa. Você vai fazer o que eu disser ou eu será um inútil para mim! " *** A SEGURANÇA DOS CAGLIONE tinha sido sempre um pouco frouxa, mas Antonin nunca tinha visto a propriedade parecer tão deserta. Era como se não houvesse, literalmente, nenhum homem Caglione para patrulhar o perímetro de sua propriedade. Ele dirigiu a direita pelo portão da frente, pois estava aberto, e então estacionou atrás de um sedan escuro na garagem. Antonin saiu de seu veículo, ainda à espera de alguém para, pelo menos, desafiar sua abordagem. Não havia nada. O vento soprava através das árvores, e na escuridão era tudo


estava um pouco assustador. Seus instintos o diziam que isso era muito ruim, e ele sabia que estava caminhando para um grande problema. Arrastou-se rapidamente para as janelas que ofereciam uma vista do interior da sala de estar. Havia uma luz acesa, e ele, pelo menos, esperava ver Juliet. Era muito tarde, mas depois de tudo o que tinha acontecido, ele não achava que ela estaria na cama ainda. As vozes se tornaram perceptíveis antes que ele tivesse sequer pensado em se esconder nos arbustos fora das janelas. "Eu não vou fazer isso! Não me importa o que você faz com sua arma! " Isso era a voz de Juliet. A sensação de afundamento preencheu o estomago de Antonin quando ele levantou a cabeça apenas o suficiente para obter uma vista do interior da casa. Ele viu três figuras. Juliet estava em pé de frente para as janelas. Havia também dois homens. Ambos estavam de costas para Antonin, mas ele podia ver que apenas um deles estava armado. O outro parecia ser um padre. "Oh!" Juliet gritou. Ela estava apontando enfaticamente para um homem que Antonin soube imediatamente que era Giovanni. "Então você vai assassinar um padre porque me recuso a me casar com você? Você deve perceber em alguma parte do seu cérebro enlouquecido que esse casamento nunca seria legal. Nunca!" Antonin percebeu algo que Juliet não conseguiu. Uma vez que o padre abençoasse o casamento e o documento fosse assinado e arquivado, e se Juliet morresse antes que pudesse apresentar um protesto e uma investigação posterior, não importaria se ela tivesse sido forçada porque ninguém saberia. "Merda", Antonin murmurou. Ele tinha que chegar lá. Infelizmente, a porta da frente estava parecendo a melhor opção no momento. Ele poderia usar a surpresa de alguma forma para conseguir que Juliet saísse da sala viva. Isso era tudo o que importava. Saindo dos arbustos, Antonin marchou até a porta da frente. Ele tentou girar a maçaneta e


descobriu que estava destrancada. Dando uma respiração profunda, ele caminhou para a direita e deixou a porta bater atrás dele. JULIET nunca tinha ficado mais surpresa ou mais contente de ver ninguém antes em sua vida. Quando Antonin entrou na sala de estar, ela pensou que poderia realmente explodir em lágrimas. Ele parecia tão calmo e tão confiante. Como é que ele podia saber que isso ia dar certo? Sua confiança lhe deu coragem. Ela podia fazer isso. Mesmo que Giovanni tivesse perdido completamente a noção, isso não importava. "Olá, Giovanni", Antonin falou com forte sotaque Inglês. O sotaque russo em suas palavras foi a única coisa que sugeriu que ele reconhecia a tensão na sala e também estava nervoso. "Seu filho da puta!" Giovanni virou-se para enfrentar a grande porta de entrada que conduzia da sala para o hall de entrada. O cano de sua arma tremeu descontroladamente como se fosse acidentalmente disparar a coisa. "O que você está fazendo aqui?" Antonin gesticulou para Juliet. "Você está com a mãe de minha filha. Onde mais você sugere que eu esteja? " "Filha?" Padre Barelli pareceu como se ele estivesse a ponto de desmaiar. Esse novo fato praticamente fez o homem despencar. "Minha querida, você está grávida ?" "Sim." Juliet deu um aceno enfático. "E assim que todos pararem de tentar me matar ou me casar contra minha vontade, eu realmente gostaria de se casar com o pai do meu bebê." "Oh meu." Padre Barelli olhou com os olhos arregalados para o gigante homem que estava marcado da cabeça aos pés. "Esse é o pai?" Ele parecia duvidoso. "Sim, senhor", Antonin voltou educadamente. "Olá?" Giovanni agora estava acenando com a arma no ar. "Poderiam todos, por favor, prestar atenção no cara com a arma?" "Você pode colocar a arma no chão?" Juliet sugeriu. "Não vou me casar com você. Antonin provavelmente vai arrancar seus braços de seu corpo. E eu não acho que é uma boa ideia você atirar no Padre Barelli só porque ele lhe disse que não pode realizar uma cerimônia de casamento


com uma arma. " "O Vaticano realmente desaprova essas coisas," Padre Barelli disse ofegante. Era óbvio que o velho estava lutando para se recompor. Antonin ignorou Giovanni completamente e caminhou para Juliet. Ele se colocou entre ela e Giovanni e gentilmente puxou-a em seus braços. Ela aconchegou e inalou o cheiro familiar dele. Pela primeira vez desde que essa loucura começou ela acreditava que poderia dar certo. Em seguida, Giovanni olhou diretamente para Antonin e começou a rir. "Finalmente. Pensei que não ia morder a isca. " O coração de Juliet saltou em sua garganta. "Isca?" "Então você está trabalhando com Josef," Antonin disse calmamente. "Eu deveria ter adivinhado. Ele precisava de um bode expiatório, e aqui ele está." "Eu não sou nenhum bode!" Giovanni agarrou. "Ele e eu tínhamos interesses mútuos." "Realmente." Antonin fingiu uma risada. "E ele lhe disse isso?" "Não. Eu supus que tínhamos interesses mútuos. Quando ele me falou sobre o seu paradeiro." Giovanni parecia confuso. "Ou melhor, Carlos falou para Josef sobre você. Suponho que Josef era informante de Carlos.". "Josef não é informante de ninguém", Antonin replicou. "Você já tem os seus. Eu espero que você perceba que todo o negócio que fez com ele foi inútil e sem efeito, já que ele não precisa mais de você. " Juliet apertou o braço de Antonin. Ela tinha um mau pressentimento de que as coisas estavam prestes a piorar.

ANTONIN esperou e assistiu e não ficou desapontado quando alguns minutos depois Josef passeou pela casa. Ele tinha, obviamente, entrado pela cozinha. Ou tinha estado lá o tempo todo, embora isso realmente não importasse. As coisas estavam prestes a piorar. "Há quanto tempo!" Giovanni gritou.


Havia algo incrivelmente incomum sobre todo comportamento do homem. Antonin tinha passado muito tempo ouvindo e observando Giovanni Corleone, e ele não parecia nada estar tão propenso a esse comportamento errático e desesperado. Era como se houvesse um pedaço do quebra-cabeça que Antonin tivesse perdido. Sim, os Corleones tinham estado com os Cagliones desde o início, mas por que Giovanni agira como se toda a sua vida dependesse dessa associação? Especialmente quando ele havia ajudado Josef a derrubar toda a rede. A boca de Josef torceu em um falso sorriso. Com seu cavanhaque pontudo e o rosto estreito, ele parecia um vilão russo clássico ou um agente imperial. Antonin e Dimitri zombavam da aparência do homem. Nunca mais Antonin iria subestimar um adversário. Josef enviou um olhar fulminante na direção de Giovanni. "Eu não estou à sua disposição. Você ainda não percebeu isso? " "Nós tínhamos um acordo!" Giovanni girou a arma ao redor e apontou-a para Josef. Isso certamente teria sido uma resposta conveniente, mas Antonin não era tola o suficiente para acreditar que ia acontecer. Então Dimitri emergiu do outro lado do quarto, e Antonin sentiu o sangue em suas veias congelar. Seu amigo estava segurando uma arma e apontando-a para Juliet. "Agora," Dimitri disse com uma estranha sensação de confiança. "Você não pode se casar com a cadela se ela estiver morta. Então eu sugiro que você baixe sua arma e recue como um bom menino ". "O que está acontecendo?" Juliet sussurrou para Antonin. Ele fez uma careta e deu-lhe um pequeno aperto, onde ela estava segurando em torno de sua cintura. "Eu não faço ideia. Mas devo dizer que não é bom. " Dimitri olhou para Antonin e sorriu. "Eu tenho certeza que você está confuso. Você muito bem sido um passo atrás desde o início. Começando com o assassinato de Charlie Caglione. " "O que ele está falando?", Perguntou Juliet, sua voz quase um sussurro. Dimitri inclinou-se para Antonin e piscou para Juliet. "Será que o seu amante não lhe contou que foi ele quem matou seu pai? E com as próprias mãos, eu devo dizer. O nosso Antonin é


bastante eficiente quando se trata de matar. Nós simplesmente nunca esperávamos que ele corresse de volta para o bar e encontrasse você. Isso deixou as coisas mais interessantes no entanto. Vocês dois tinham uma química! " "Cale a boca, Dimitri," Antonin estalou. "Não há nenhuma razão para deixar isso pior do que já está." "Oh, mas vai ficar muito pior, Antonin," Dimitri prometeu.


Capítulo Vinte e Um Juliet não sabia como acreditar no que o estranho homem russo lhe contou sobre Antonin. Sim, ele era um assassino eficiente e implacável. Sim, ela já sabia que o Bratva exigia que seus brigadeiros matassem o líder de um clã rival, a fim de ganhar a sua posição dentro da organização. Aquelas coisas ela podia entender. Talvez fossem os pequenos detalhes que não podia conciliar. Ela se virou para Giovanni. "Você sabia." Ela apontou para ele e se perguntou se já tinha odiado tanto quanto o odiava neste momento. "Você mencionou algo sobre isso. Você insistiu em colocar essa ideia na minha cabeça, mas isso é porque você sabia . " "Eu suspeitava", Giovanni disse rapidamente. "Isso não é a mesma coisa!" "Isso não é a mesma coisa!" Juliet gritou. "Claro que é!" Incapaz de conter sua fúria por mais tempo, Juliet saiu de trás de Antonin e correu para Giovanni. Ela o atingiu como uma tonelada de tijolos e os dois saíram voando. Para seu crédito, ele tentou tirar o peso da sua queda. Ele virou de lado e a arma caiu de sua mão. Caiu no chão de madeira, e Juliet ouviu um clique sinistro. Em seguida, um tiro ecoou. O som era ensurdecedor no espaço perto da sala de estar. Juliet guinchou em estado de choque, e até Giovanni deu um grito. Mas nenhum de seus ruídos pôde abafar os gemidos de dor vindo de Padre Barelli. Juliet correu para longe de Giovanni, praticamente pisando nele. Seu pé bateu na arma e a fez atravessar a sala toda. Acabou sob o sofá, mas ela não tinha tempo de se preocupar com isso. Ela estava muito ocupada batendo Giovanni. O homem tentou se levantar diante de todo o tumulto. Os russos iam e voltavam, olhando para ela e, em seguida, para o padre. Juliet começou a bater em Giovanni com tudo o que ela tinha. "Você atirou no padre ! Você está indo para o inferno agora! Espere para ver!"


"Na verdade", disse o homem chamado Dimitri. Ele acenou com insolência para Juliet. "Eu acredito que foi você quem fez o padre se machucar." "Como se atreve?" Juliet virou para Dimitri. "Eu nunca iria atirar em um padre! Giovanni foi quem arrastou o pobre aqui para realizar um casamento que nunca iria acontecer. " Juliet pegou um cobertor do armário e correu para Padre Barelli. Felizmente o homem não parecia estar sangrando no chão. Ele estava pálido e com raiva e medo, mas ele ainda estava vivo. "Nós vamos tirar você dessa, Padre." Juliet olhou para os russos. "Deixem-me manda-lo para o hospital, por favor?" Dimitri e Josef olharam um para o outro, e então os dois deram ombros. Dimitri apontou para Antonin. "Era ele quem eu queria. O resto de vocês são inúteis. " "Ah é?" Juliet enrolou o lábio para Dimitri. "Bem, podem ficar com esse mentiroso assassino."

ANTONIN NUNCA esqueceria essas palavras enquanto vivesse. Se Juliet tinha realmente desistido de estar com ele, então ele não tinha mais nada a perder. Tudo tinha sido um jogo de qualquer maneira. Homens como ele não foram feitos para ter famílias e vidas normais. Embora ele ainda estivesse curioso para saber como Dimitri e Josef planejaram se livrar de Mikhail. Não era como se o pai de Antonin fosse velho e decrépito. Talvez um pouco paranoico e facilmente enganado por aqueles que confiava, mas não doente. Antonin esperou. Ele não fez nenhum movimento em direção ou longe de Dimitri. Ele queria ver se Juliet falava sério. Quando ela começou a ajudar o padre a se levantar, Antonin percebeu que ela não lhe dava atenção naquele momento. Juliet rosnou para Giovanni. "Levante sua bunda e me ajude!" Giovanni estava cautelosamente observando Dimitri e Josef. Quando nenhum deles fez qualquer tipo de movimento para Giovanni ou Juliet, Giovanni decidiu estar seguro para cumprir suas exigências. Antonin também suspeitou que o homem estivesse usando o sacerdote como uma


desculpa para sair de casa. Dizer que a noite não tinha saído como planejado seria um grande eufemismo. "Eu não posso acreditar que você basicamente sequestrou nosso padre!" Juliet brigou com Giovanni. "O que há de errado com você? É como se você tivesse ficado completamente estúpido e não voltasse ao normal. Pegue o outro braço, e por favor, não deixe ele bater a cabeça na porta. " Os dois deles ajudaram o padre idoso e saíram da sala de estar. Antonin não disse nada. Foi como uma facada em seu coração quando Juliet nem sequer olhou em sua direção. Ele sabia que a verdade acabaria por sair. Ele simplesmente não tinha pensado que isso iria acontecer de forma tão espetacular ou em um momento tão inesperado. A porta da frente bateu e poucos momentos depois Antonin ouviu o carro do padre. Bom. Pelo menos Juliet estava segura. Ela já havia se mostrado ser perfeitamente capaz de lidar com as merdas de Giovanni. Talvez ela ficasse melhor sem ele em sua vida. Antonin voltou sua atenção de volta ao seu ex-melhor amigo e seu inimigo de longa data. "Então?" Antonin cerrou os punhos ao seu lado. "E agora?" Dimitri olhou para Josef, mas parecia que Dimitri tinha se tornado o porta-voz dos dois homens. Era estranho. Antonin nunca teria pensado que os dois homens iriam trabalhar juntos em qualquer coisa. O que fez Josef convencer Dimitri a cooperar? *** "Eu te odeio", disse Juliet a Giovanni para milionésima vez. Padre Barelli fez um barulho no banco de trás. "Juliet, não é a vontade de Deus que odiemos ninguém. Isso nos envenena e escurece nossas vidas. Nesse momento em sua vida, especialmente, você deve tentar focar no que é bom e puro." "Obrigado, Padre", Giovanni disse com um toque de superioridade. Então, ele teve a coragem de sorrir para Juliet. "Tudo o que fiz foi por uma razão." Padre Barelli cheirou como se sentisse algo particularmente desagradável no carro. "Não


confunda minha advertência a Juliet como vantagem, Giovanni Corleone. Vai demorar muito antes que eu consiga te perdoar. Como se eu esperasse que você pedisse perdão. " "Hey!" Giovanni pareceu irritado. "Você não sabe como minha vida tem sido!" Juliet não podia acreditar que ele estava prestes a se fazer de vítima. "Oh, pobre criança!", Ela cantarolou. "Conte-me. O que tem sido tão terrível em sua vida que você decidiu que podia ser curado por tomar um padre como refém e tentar se casar com uma mulher contra a sua vontade? " "Aquela casa deve ser minha!" O carro virou violentamente na estrada quando Giovanni virou-se para olhar para Juliet. A violência súbita em seu tom de voz e linguagem corporal era assustador. O que tinha acontecido para deixa-lo tão amargo? "Você era o melhor amigo de Enzo," Juliet disse calmamente. "Minha família te tratou como família. Mesmo depois de meu irmão morrer, você foi sempre bem-vindo. Você era parte de nosso círculo. Eu não consigo entender por que você iria fazer algo assim! " "Porque você não conhece realmente o seu pai. Você nunca conheceu! "Giovanni insistiu. "Não." A palavra dura veio do Padre Barelli. Ocorreu a Juliet que Padre Barelli tinha sido sacerdote de Charlie Caglione também. Ele poderia saber algo que Juliet não sabia? Ela estava sentada ao lado do sacerdote segurando um pano contra o ferimento no ombro. Agora, olhava para ele com um novo olhar. O que ele não estava dizendo, e por que não contava logo? Giovanni deu um riso amargo. "Por que você não quer que eu diga alguma coisa, meu velho? Não é como se tivesse restado alguém para se ofender ". "Tem certeza?" Padre Barelli disse duramente. "Porque essa mulher que você diz amar seria magoada se contasse segredos que não são seus." "Ok", Juliet disse com raiva. "Se os dois de você sabem alguma coisa, digam logo. Essa merda enigmática é ridícula! " "Olhe os modos!" Giovanni provocou. "Você sabe quantas Ave-Marias vai ter que rezar por


usar essa palavra na frente de um padre?" "Cale a boca," Padre Barelli disse cansado. "Eu estou tão cansado de você, rapaz, eu estou tentado a atirar em você." Juliet virou com surpresa para o padre. Foi a primeira vez que tinha ouvido algo tão cruel de seus lábios. Em seguida, Giovanni sorriu para ela no espelho retrovisor. Era quase como olhar em um espelho e fazer caretas. "Seu pai era meu pai", disse ela alegremente. "O quê?" Seu cérebro se esforçou para entender. Em seguida, ele continuou. "Ai credo! Então, por que você iria tentar se casar comigo? " "Porque sua mãe era uma prostituta que engravidou de um dos soldados de seu marido," Giovanni informou. "Enzo e eu éramos herdeiros de seu pai, mas o homem te amava tanto que ele não queria envergonhá-la por deserdar você." *** A casa estava em silêncio quando Antonin entrou rodeado por Josef e Dimitri. Ele podia ver uma luz acesa no andar de cima e sabia que Mikhail ainda estaria acordado em uma noite como essa, quando tantas coisas tinham dado errado. O que restava para ser visto era o quanto a sorte lendária de seu pai iria resistir contra dois homens que se voltaram contra ele. Dimitri cutucou Antonin no lado com o cano de sua pistola. "Devemos?" "E se eu discordar?" Antonin perguntou em voz baixa. "Você já providenciou que os homens não ajudem meu pai. Por que eu preciso estar envolvido? " "Por que deveria o amado filho de Mikhail estar aqui?" Dimitri zombou. Josef bufou. "Você e Mikhail me adoecem. Ambos pensam que um odeiam o outro. Na verdade, eu sei que você respeita o seu pai. Você faria qualquer coisa por ele. E Mikhail? Ele te ama. Ele está orgulhoso de você e sua lista de realizações brutais. "Josef deu um enorme suspiro de aborrecimento. "Me deu muito trabalho fazer ele acreditar que você estava tentando tomar seu lugar."


"Por que você faria isso?" Antonin queria saber. "Você era o braço direito do meu pai. Você foi o brigadeiro que ele mais confiava. O que mais você poderia querer?" "Menino idiota", disse Josef com uma risada. "Eu quero tudo." "E o que é que você vai dar a Dimitri se você quer tudo?" Antonin perguntou, mas também pensou que poderia valer a pena colocar uma questão entre eles. "Tenho certeza que Dimitri não está fazendo isso por nada." "Dinheiro". Dimitri pareceu quase alegre. "Agora saia antes que eu atire em sua bunda." Antonin cambaleou até as escadas. Ele não fez silêncio. Na verdade, ele estava tentando fazer o máximo de barulho possível. Ele bateu contra a grade, pisou forte suas botas nas escadas, e xingou quando tropeçou nos degraus. Quando chegaram à entrada do escritório do pai, ela parecia estar deserta. Antonin deu um suspiro de alívio. Talvez isso fosse acabar com sua morte, afinal. Seu pai ainda estaria vivo para acabar com a vida inútil de Josef e se vingar pela morte de Antonin. "Larguem as armas e fiquem longe do meu filho", disse a voz de Mikhail atrás deles. "Você não quer fazer isso", Josef avisou. "Há dois de nós. Você não pode matar a nós dois, antes de colocarmos uma bala em seu cérebro. " "Não" Mikhail apontando a arma. "Mas eu posso matar pelo menos um de vocês e salvar o meu filho."


Capítulo Vinte e Dois DIMITRI IMEDIATAMENTE se acobertou atrás Antonin, mas as balas já tinha começado a voar pelo escritório de Mikhail. De canto do olho, Antonin viu Josef disparando a arma friamente, provavelmente na direção de Mikhail. Antonin não podia ver seu pai, mas por enquanto ele tinha que acreditar que o velho astuto poderia cuidar de si mesmo. "Seu filho da puta!" Mikhail gritou em russo. "Você me fez acreditar que meu filho era o traidor!" Josef não disse nada, esquivando-se atrás de um conjunto de estantes, como se pretendesse esperar até que Mikhail corresse para dentro da porta. Antonin se dirigiu para Josef, mas Dimitri pareceu um polvo segurando-o firmemente. Os braços e pernas do homem pareciam estar em toda parte. Antonin lutou. Toda vez que ele sentia a mão ou pé entrar em contato tocar algo, dava um soco ou pontapé. Dimitri grunhiu de dor, mas não soltou. Ele colocou seu corpo em torno de Antonin e segurou-o no chão. Momentaneamente impotente Antonin assistiu com horror seu pai entrar no quarto. Josef estava esperando por ele. Mikhail não tinha chance. No momento em que Josef tentou um tiro ele acertou. Sangue respingou no escritório quando a bala atravessou a cabeça de Mikhail. O sangue era horrível. Adrenalina percorreu o corpo de Antonin. Curvou-se para cima, levando Dimitri com ele. Seu ex-amigo grunhiu com o esforço de segurar. Em seguida, Antonin sentiu o cano de uma arma pressionar suas costas. Dimitri atirou e Antonin gemeu quando sentiu o baque de balas entrando em seu corpo. Estava perdendo os sentidos. Sua visão ficou turva e escura quando começou a desmaiar de dor extrema das balas em sua carne. "Demorou tanto tempo para matá-lo?" Josef zombou. "Eu lhe disse para atirar em sua cabeça quando chegamos lá em cima."


Dimitri deslocou o corpo de Antonin longe de seu e recuperou seus pés. Antonin observava, sua visão turva e onírica. Ele pairou em uma zona entre consciência e inconsciência, esperando outra bala atingir sua cabeça a qualquer momento. "Você sabe," Dimitri disse sarcasticamente: "Eu não acho tão fácil atirar em meus antigos amigos como você faz." Josef murmurou algo em russo sobre Dimitri ser uma mulher. Em seguida, os dois homens se viraram e parecia estar andando em direção à porta. Eles pararam ao lado de Mikhail, ambos olhando para o homem a quem eles supostamente deveriam ter sido leais. Dimitri cutucou o ombro de Mikhail com a ponta do pé. "Ele era um Pekhan de merda." "Eu vou ser melhor." Dimitri bufou. "É melhor ser. Ou este será você semana que vem. " Antonin tentou se mover, mas não conseguiu. Seu corpo tinha parado de receber ordens de seu cérebro. O mundo parecia à deriva e fora de foco, e então tudo ficou escuro. *** JULIET SENTOU paralisada na sala de tratamento do departamento de emergência do St. Mary. Padre Barelli estava deitado na cama de hospital diante dela. Eles já tinham mandado ele para fazer uma tomografia, e agora estavam esperando o médico decidir se houve qualquer dano interno que exigisse uma cirurgia. O padre tinha estado calmo desde a revelação completamente inadequada de Giovanni no carro. Juliet não tinha ideia de quanto tempo tinha passado quando finalmente despertou-se o suficiente para falar. "Você sabia?", Perguntou o padre. "Sim." "Ah, então agora você pode responder?" Juliet não conseguiu manter a amargura de seu tom. O quarto estava escuro. A enfermeira tinha deixado as luzes apagadas, e o sinal sonoro do monitor cardíaco abafou o murmúrio de vozes do outro lado da porta de vidro. Giovanni tinha


desaparecido quase tão rapidamente como haviam chegado. Juliet não se importava onde ele estava. Ele poderia ir até o necrotério e entrar em uma das geladeiras se quisesse. Padre Barelli suspirou. "Tecnicamente, uma vez que alguém é morto a coisa da confidencialidade pode ser um pouco flexível dependendo da situação." "Isso é conveniente." Juliet apontou para o padre. "Você me conhece desde sempre. Quem falou a verdade na confissão, minha mãe ou meu pai? Pelo menos eu estou supondo que é como você descobriu. " "Na verdade, foi o seu pai biológico," Padre Barelli admitiu. Fazer sua mente pensar nisso era quase impossível. Juliet balançou a cabeça, incapaz de conciliar a ideia de sua mãe sendo infiel a seu pai. "Porque ela faria isso? Ela amava o meu pai! " "Não." O tom de Padre Barelli foi inflexível. "Ela amava o seu pai biológico. Seu nome era Leo D'Onofrio. Ele era um homem feliz e alegre. Todo mundo amava Leo. Ele encantou sua mãe a partir do momento que se conheceram como estudantes. Mas sua mãe foi escolhida para se casar com um homem muito poderoso, e seus pais insistiram para que ela aceitasse. " "Então, meu pai conseguiu um emprego trabalhando para-" Oh, isso era tão confuso. "-meu pai?" "Leo já estava trabalhando para o Cagliones:" Padre Barelli informou. "Ele tinha trabalhado desde o colegial. Eu acreditei quando ele me disse que estava lutando contra a atração, mas ver sua mãe lentamente definhar porque ela amava um homem que não era seu marido era algo devastador. " "Então, depois de Enzo nascer, Mama percebi que ela tinha feito seu dever", Juliet disse estupidamente. "E Papa já estava traindo ela, uma vez que Enzo e Giovanni estavam quase na mesma idade." "Sim." Padre Barelli suspirou. "Foi tudo muito complicado, mas Charlie Caglione sabia que sua mulher estava apaixonada por outro homem." "O que aconteceu com Leo?" Juliet quase odiou ter perguntado. Ela estava com medo que


ela já sabia. "Ele foi morto em uma guerra de territórios." Padre Barelli estendeu a mão e deu um tapinha no joelho de Julieta. "Sua mãe não viveu muito mais tempo. Eu sempre me perguntei se ela morreu por ter seu coração partido ". Juliet pensou em seu próprio coração e o quanto isso doía, porque Antonin havia mentido para ela. Ele havia assassinado seu pai, um homem que, como se via, não era realmente seu pai, mas era o único pai que tinha conhecido. No entanto, Antonin só estava fazendo seu trabalho. Não era como Charlie Caglione não fosse semelhante a outros pais. Não era essa a vida que escolheram levar? "Se você ama esse homem:" Padre Barelli murmurou, "você precisa perdoá-lo antes de acabar o perdendo e ser incapaz de perdoar a si mesma." *** ANTONIN voltou com força total à consciência com dor o suficiente para fazê-lo desejar que estivesse morto. Ele rolou de costas para a barriga. Isso diminuiu um pouco o grave desconforto. Ele piscou enquanto tentava se lembrar do que tinha acontecido. Então ele viu o corpo de Mikhail deitado no chão. Usando seus antebraços, Antonin arrastou-se para o corpo de seu pai. Não havia dúvida de que o homem estava morto. Seus olhos abertos fixos eram provas suficientes disso. A visão de Mikhail trouxe todo o incidente correndo de volta. a traição de Dimitri e Josef, seu plano óbvio em assumir o Bratva, e o fato de que eles tinham virado Juliet contra ele. Não. Minhas ações fizeram isso. Foi essa noção horrível da situação que forçou Antonin a se levantar. Ele cambaleou, agarrando a uma estante de livros, a fim de permanecer na posição vertical. Ele não podia deixar as coisas com Juliet desse jeito. Ele não poderia viver em um mundo onde ela achava que ele não era nada mais do que o homem que havia assassinado seu pai. Tinha que haver uma maneira de fazer isso direito. Ele não poderia trazer de volta os mortos, mas ele poderia rastejar e implorar


seu perdão. Com um novo senso de determinação, Antonin começou a fazer seu caminho para fora do escritório e para o corredor. Os passos eram dolorosos, mas ele conseguiu cambalear sobre o piso. Ouviu vozes perto da cozinha. Houve murmúrios e até mesmo alguns gritos. Os sons o fizeram pensar nos outros homens que deveriam ter estado dentro da casa. Onde eles estavam? Mesmo após a reunião desastrosa com os Cagliones, deveria ter havido, pelo menos, uma dúzia ou mais dos Bratva largados pela casa. Em seguida, as vozes vindo da cozinha ficaram mais distintas. "Quem disse que você é o novo Pekhan, seu idiota arrogante?" "Acho que devemos deixá-lo estar no comando." Isso era Dimitri. Então mesmo que Josef tivesse eliminado o Pekhan e seu herdeiro, o Bratva não estava disposto a aceitá-lo como seu novo líder. Antonin sentiu-se fortalecido por saber disso. Ele se forçou a manter-se em pé, para colocar um pé na frente do outro enquanto entrava na cozinha. "Não dê ouvidos a ele!" Antonin gritou para os homens Bratva em torno da cozinha da casa do Pekhan morto. "Josef é um traidor, e Dimitri o ajudou. Meu pai foi assassinado por esses homens, e eles vão fazer o mesmo com vocês se confiarem neles! " As palavras de Antonin certamente tiveram efeito imediato. Os homens na cozinha subiram em direção a Dimitri e Josef, sua raiva crescendo cada vez mais à medida que se aproximavam. Antonin virou e foi mancando em direção à garagem onde ele podia pegar um carro. Havia mais de uma dezena de hospitais na área onde Juliet poderia ter levado o sacerdote, mas havia apenas dois hospitais católicos frequentados pela máfia italiana. Eles estavam ou no St. Vincent ou no St. Mary. Tinha uma chance de cinquenta por cento de acertar, mas tinha que tentar. Ele tinha que tentar fazer as coisas direito com ela. *** JULIET CONGELOU quando Giovanni voltou para dentro da sala de tratamento do padre. Ela ficara tão arrasada com a história de Padre Barelli que tinha se esquecido


completamente da presença de Giovanni no hospital. "Há uma capela aqui", Giovanni informou. "O capelão diz que pode nos casar." "Giovanni!" Juliet nem sequer tentou esconder sua exasperação. "Você pode, por favor, aceitar não como resposta?" "Eu não vou desistir da minha herança!" Giovanni gritou. "Não é sua." Juliet tentou ser muito simples e muito firme. "Sei que você era o filho biológico de Charlie Caglione, mas Charlie não chegou a possuir qualquer parte dessa propriedade. Tudo ficou em nome de Carlos. Quando Carlos morreu, Charlie teria herdado. "Ela engoliu em seco. Essa próxima parte realmente iria irritar Giovanni. "Sr. Luciano me disse que meu avô era muito específico ". "Sobre o que você está tagarelando? Todos eles tinham vontades. Quando Charlie morreu, então a vontade de Carlos deixou tudo a você. É meu! É tudo meu!" "Não" Juliet balançou a cabeça. "Você está errado. O dia depois que Charlie foi assassinado, Carlos fez um novo testamento. Ele me chamado especificamente como a herdeira ". Giovanni ficou boquiaberto com ela. Sua boca abriu e fechou, mas nada saiu. Ele pareceu estar algo entre chocado e chateado. Em seguida, ele apontou para ela. "Você fez alguma coisa. Você enganou aquele velho estúpido ". "Como?", Ela perguntou, erguendo a voz quando começou a se sentir como se ele nunca fosse desistir. "Como eu poderia enganar alguém quando eu não sabia de nada disso? Eu não sabia que meu avô fez um novo testamento. Eu só chamei Luciano depois que Carlos morreu porque queria garantir que as coisas fossem resolvidas para os negócios de sempre. Eu não percebi que eu era a única beneficiária ou que fui nomeada especificamente. Como eu poderia enganá-lo? " "Você usou seu charme feminino!" Giovanni gritou. "Ele queria que você se casasse comigo!" "É verdade," ela concordou. "Mas se a coisa herança estivesse em questão, ele teria refletido você como beneficiário. Ele não o fez. E eu não vou me casar com um homem que tinha uma arma


na minha cabeça e atirou em um padre! Eu nem acho que meu avô iria argumentar com isso! " A porta da sala de tratamento de repente abriu. Juliet parou de falar. Não havia necessidade de deixar as enfermeiras e os médicos saberem o quão disfuncional os Cagliones eram. Exceto que não era uma enfermeira ou médico que enfiou a cabeça para dentro do quarto. Dimitri deu um longo e lento sorriso que cheirava a más intenções. "Vocês falam tão alto que eu acho que todo o hospital já deve saber de tudo o que ocorreu. Mas tudo bem. Eu só estou aqui por causa de Juliet. O resto de vocês não precisam se preocupar. " Giovanni cerdas. "O que você quer com Juliet? Você disse que se tivesse Antonin, deixaria Juliet em paz ". "Sim," Dimitri disse sarcasticamente. "Isso foi antes de começarmos a ter um momento difícil enquanto matávamos Antonin. Nós vamos precisar de Juliet como uma apólice de seguro. Eu tenho certeza que você vai entender. "


Capítulo Vinte e Três A SALA INTEIRA pareceu paralisar e só havia espaço para curtas respirações. Padre Barelli apertou o botão para chamar a enfermeira, mas Juliet temia que isso fosse resultar em morte. Dimitri já tinha atirado em algumas pessoas e parecia estar em uma situação desesperadora. Isso não era nada de bom para qualquer um que o interrompesse. Em seguida, em uma explosão estranha de coragem, Giovanni lançou-se para Dimitri. Nos segundos pouco antes do impacto, ele olhou para Juliet. "Corra! Eu vou mantê-lo ocupado! " Dimitri grunhiu quando ele e Giovanni caíram no piso de cerâmica dura do departamento de emergência. Os dois homens estavam socando e chutando enquanto rolavam pelo chão. Era como se o mundo inteiro estivesse em câmera lenta. Juliet olhou para eles, tentando conciliar o que era provável que acontecesse a Giovanni quando Dimitri se levantasse. Então a voz cortada de Padre Barelli disse através de seu estado estático e nervoso. "Juliet, você tem que correr !" Ela saiu correndo da sala de tratamento sem olhar para trás. Se apressando através da cortina, ela bateu a porta de vidro e foi para a direita do grande corredor do hospital. A sessão de emergência estava em um quadrado com as salas de tratamento colocadas de acordo com o nível de triagem. Lançando-se pelo corredor, ela abriu caminho através de um conjunto de portas duplas para o corredor do hospital regular. No final do corredor, duas voltas à esquerda, e um lance de escadas depois, ela se abaixou em um quarto rotulado de "armazenamento." Andando sob o brilho ofuscante de uma única lâmpada em cima, ela tentou fazer o seu melhor para se esconder debaixo de uma prateleira de suspensão integral de jalecos hospitalares. Havia prateleiras cheias de gaze, fita e outros itens de tratamento variados. Ela só esperava que tivesse corrido longe o suficiente para despistar Dimitri.


Sua respiração era alta no pouco espaço de armazenamento. Não conseguiu deixar de pensar que alguém viria aqui para procurar suprimentos extras e achar que ela era uma clandestina ou uma intrusa. Com sorte, alguém iria vê-la e começar a gritar. Então Dimitri iria encontrá-la e seria o fim para Juliet e a vida minúscula que carregava em seu interior.

ANTONIN VIU JOSEF andando para trás e para frente na entrada da sala de emergência do hospital de St. Mary. Infelizmente para Antonin, ele tinha tentado St. Vincent primeiro. Como era possível que Josef e Dimitri tivessem se livrado daquela confusão na casa de Mikhail tão rapidamente era algo além do que Antonin podia entender. Ele deve ter tido muito tempo para procurar os dois hospitais católicos e ainda encontrar Juliet antes de Josef. Se Antonin acreditasse nessas coisas, teria pensado que alguém tinha colocado uma maldição sobre ele. Tudo o que ele fez, ultimamente parecia estar amaldiçoado. De repente Josef virou-se e entrou no hospital. O único pensamento na cabeça de Antonin era que Dimitri devia ter encontrado Juliet. Sem nem mesmo esperar para ver se era seguro, Antonin se apressou através das portas de correr. Ele tinha esquecido até aquele momento que estava sangrando com três ferimentos de bala nas costas. "Senhor!" Uma enfermeira aproximou-se de Antonin, logo que ele passou pela porta de entrada. "Senhor, venha comigo. Você está sangrando." A mulher virou-se para a recepção. "Diga ao Dr. Hammond que eu tenho uma ferida de bala com hemorragia." "Sim, senhora", disse o recepcionista rapidamente. "Eu já cadastrei ele." "Eu não preciso de tratamento", Antonin insistiu. A enfermeira já estava arrastando-o para uma sala de triagem. "Senhor, quem atirou em você?" Nesse momento, dois policiais armados vieram caminhando na extremidade do corredor. Josef estava entre os policiais e Antonin. Ele percebeu então como ele poderia tentar intervir em nome de Julieta.


"Aquele homem atirou em mim!" Antonin gritou, apontando para Josef. Josef até aquele momento nem mesmo percebeu que Antonin estava atrás dele. Agora, ele se virou e ficou pasmado, mas já era tarde demais. Os policiais reagiram com velocidade recorde. Eles agarraram os braços de Josef e o viraram de cara para a mesa. Um rápido movimento trouxe duas armas. Eles já estavam transportando Josef para a saída quando o recém auto-nomeado Pekhan do Bratva avistou Antonin. "Seu filho da puta!" Josef rosnou em russo. "Essas acusações não vão me prender, e então eu vou estar atrás de você novamente antes que você possa encontrar um lugar para esconder sua carcaça acabada!" "Vou estar esperando", Antonin respondeu. A enfermeira empurrou Antonin para baixo em uma maca e começou a sondar suas costas. "Apenas sente-se e se acalme. A polícia vai cuidar desse homem. Eles estarão de volta em apenas alguns minutos para preencher sua declaração. Até então você vai ficar parado. Precisamos tirar essas balas de você antes que tenha uma infecção. " "Há um paciente aqui, um padre", Antonin disse rapidamente. "Ele tem uma mulher com ele. Seu nome é Juliet Caglione. Preciso vê-la. Poderia, por favor, ver se ela está aqui? " A enfermeira deu-lhe um olhar avaliador. "Eu estou supondo que isso tem algo a ver com uma briga de amantes?" "De certa forma," ele se esquivou. Era muito complicado de explicar. A enfermeira deu-lhe um sorriso. "Acho que podemos dar um jeito. Eu odeio ver dois pombinhos brigando. Espere até que o Dr. Hammond chegue aqui, e eu vou tentar encontrá-la. Eu acho que só temos um padre aqui essa noite." Duas linhas apareceram na testa da enfermeira. "Pensando melhor, tem uma quantidade estranha de casos de ferimentos de bala essa noite." *** JULIET RECUSOU-SE a respirar. Ela podia ouvir passos muito definidos fora do armário de


armazenamento, e estava com muito medo de que soubesse exatamente a quem eles pertenciam. Parecia que ela esteve escondida por um milhão de anos, quando na realidade ela sabia que provavelmente apenas alguns minutos haviam se passado. "Oh Juliet, Juliet, onde está você, Juliet?" A voz sarcástica do lado de fora da porta fez o sangue gelar nas veias de Juliet. Era Dimitri. Ela teria reconhecido aquele tom sarcástico em qualquer lugar. Ele estava tão perto. Será que ele sabia onde ela estava, ou ele estava apenas esperando para ela cometer um erro? Ela estava xingando-se por ter sido tola o bastante para acabar presa em uma sala sem saídas. O que ela estava pensando? Ela procurou as possíveis armas. Havia todos os tipos de tubos, toalhas, casacos de laboratório, e outros suprimentos suaves de primeiros socorros. Ela se apressou e pegou uma seringa. Parecia uma arma tão insignificante contra um homem como Dimitri que provavelmente estaria armado com uma arma. Ainda assim, ela rasgou a embalagem de plástico e destampou a agulha. Era muito ruim não ter algo terrível como lixívia ou amônia que ela poderia injetarlhe. Como se ela tivesse tempo suficiente para fazer uma coisa dessas. Isso não era nenhum filme de ação. Essa era a vida real, e Juliet precisava de um plano rápido. A maçaneta da porta girou, e Juliet tentou ouvir o rugido em seus ouvidos. Ela ia passar mal. Isso era tudo o que havia a fazer. Ela pressionou a palma da sua mão esquerda sobre seu abdômen e segurou a seringa em sua mão direita. A porta começou a abrir. Ela viu um conjunto de sapatos. Talvez ela devesse apunhalar seus pés. Dessa forma, ela poderia apenas passar por cima dele e correr para fora da porta. "Eu sei que você está aqui, Juliet," Dimitri zombou. "Eu vi você chegar aqui. Você é muito lenta, sabia? " Ela recusou-se a morder a isca. Levantando seu braço, ela recuou e se preparou. O local, assim como a base da perna, onde a articulação do tornozelo estava era particularmente frágil. Ela tentaria ali.


"Não me faça arrastá-la daí, Juliet." Ele caminhava dentro do armário de armazenamento um pouco mais. Juliet atacou como uma cobra. Ela firmou a seringa tão forte quanto podia, pousando a agulha no ponto perfeito. Dimitri gemeu e caiu para trás, agarrando seu pé. Ele estava gritando e xingando, mas ela não ficaria por aqui para tentar descobrir que língua ele estava falando. Ela saltou como um velocista em um portão de partida. Ela arrastou-se ao longo do Dimitri, pisando intencionalmente em seu peito e braço. Ela estava quase chegando. O corredor estava livre, e havia um elevador aberta na outra extremidade. Em seguida, no último segundo, ela sentiu ele agarrar seu pé. Ela tentou tirar seu sapato, mas tropeçou e caiu esparramada. Segundos depois, ele estava em cima dela. "Você sua cadela estúpida!" Ele socou no centro de suas costas. "Por que você faria isso? Ow!" A dor de seu punho contra suas costas era insuportável. A agonia rasgou seus músculos, e ela gritou quando tudo abaixo da cintura ficaram momentaneamente dormentes. Ela não podia se mover. Ela não podia escapar. Ela estava à mercê de Dimitri, e o sorriso maligno em seu rosto lhe disse que ele sabia disso. *** Havia algo de errado no hospital, e Antonin não conseguia que ninguém lhe contasse o que estava acontecendo. Ele havia pedido à enfermeira para fazer contato com Juliet mais duas vezes, mas ela só ficava dizendo que teria de esperar. Agora, ele estava determinado a obter algumas respostas antes que perdesse completamente sua mente com preocupação. "Por favor", Antonin disse, agarrando manga da mulher. "Me diz o que se passa. Ela não é minha esposa, mas ela está carregando minha filha que ainda não nasceu e eu preciso saber que ela está segura. " "Oh Deus", a enfermeira sussurrou, os olhos enormes no rosto dela. "Essa mulher está grávida ?"


"O que aconteceu?" Antonin estalou. "Conte-me. Ela estava com um padre e um outro homem. " A enfermeira mordeu o lábio como se ela estivesse realmente sentindo a pressão de não expor algo que era aparentemente sigiloso, e sabendo que Antonin tinha o direito de saber o que estava acontecendo. "Alguém a atacou," ela admitiu suavemente. "Nós não sabemos o que aconteceu. Deve ter acontecido no momento em que os policiais foram prender o homem que atirou em você. Essa é a única forma de termos perdido algo assim. " "Eles estão bem?" Antonin estava quase com medo de perguntar. "O padre está vivo. Ele saiu ileso. "A enfermeira balançou a cabeça. "O outro cara estava morto. Sua garganta foi cortada. Parece que ele tentou parar o assaltante. Demos uma olhada parcial na cara em nossas câmeras de segurança. A polícia está procurando-o no hospital agora. " "Onde está minha mulher?", Disse Antonin, com a voz um pouco baixa. A enfermeira deu um encolher de ombro impotente. "Ela desapareceu. Isso é tudo que sabemos. Alguém viu uma mulher correndo pelo corredor, mas ninguém a encontrou. " "Ele está com ela", Antonin começou a se levantar. A enfermeira empurrou-o de volta para baixo. Ele levantou-se insistente. "Eu tenho que encontra-la. Você não entende." "Eles estão procurando agora", a enfermeira assegurou. "Eles vão encontrá-la. Temos que terminar a sutura. Você não pode correr com buracos em suas costas. " Antonin tentou ser o mais suave possível, mas ele empurrou a enfermeira de lado. "Você não entende. Ele vai matá-la se encontra-la só para me punir! "


Capítulo Vinte e Quatro JULIET PISCOU quando olhou em volta e tentou decifrar onde estava. Sentia a cabeça pesada, e seus pensamentos estavam lentos. Ela realmente não se lembrava de ter desmaiado, mas ela não se lembrava de deixar o hospital também. Se Dimitri tinha drogado ela e de alguma forma o danificado o cérebro de seu bebê, Juliet iria castrá-lo e dar suas bolas para os corvos. Ela tinha se esforçado muito para manter esse bebê para que algum traidor invejoso estragasse tudo agora. "Ah, você está acordads." O leve sotaque russo no Inglês muito bom de Dimitri sugeriu que ele era um homem bemeducado. Ela não podia imaginar o que ele teria a ganhar ao se juntar com alguém como Josef. Dimitri estava diante dela e inclinou a cabeça para um lado. Seus cabelos escuros na altura dos ombros emolduravam seu belo rosto, e seus olhos escuros eram insondáveis. "Você está se perguntando por que eu iria ficar ao lado de um homem como Josef, um traidor tão lamentável, não?" Juliet recuou surpresa. Ou o cara era um leitor de mente estelar ou sua culpa estava fazendo a tentação de confessar irresistível. "Você tem uma cara terrivelmente óbvia", Dimitri informou. "Eu não entendo como você deve comandar a família Caglione quando você não consegue nem mesmo esconder as coisas menores que atravessam sua mente particular." OK. Ela tinha mesmo desistido de saber das motivações do "pobre" homem. "É mesmo?", Ela disse sarcasticamente. "Sim." Ele fez um gesto com o dedo para indicar sua expressão facial. "Você está preocupada com a saúde do seu filho." Ele fez uma careta. "Eu não prejudico bebês. As drogas que lhe dei não eram tantas para interromper o fluxo de oxigênio através da placenta ".


Ela ia ter de repensar sua visão sobre esse cara. Ele não era apenas inteligente. Ele era astuto e muito bem preparado. Seja qual fosse vendetta que tinha contra Antonin, deveria ser considerável. "Você também está se perguntando sobre a história entre Antonin e eu," Dimitri informou. "Você vai descobrir em breve." "Ugh!", Ela rosnou. "Você pode parar ? É tão irritante quando alguém fica te observando e lhe dizendo no que você está pensando. " Suas sobrancelhas levantaram em aparente surpresa. "Perdi alguma coisa?" "Sim. O óbvio ", ela respondeu. "Coisas como, caramba, gostaria de saber onde estou. Gostaria de saber como eu posso soltar minhas mãos e encontrar uma arma. Pergunto-me quantas vezes eu vou ter que bater esse idiota na cabeça com um tubo de chumbo, e derrubá-lo inconsciente. Gostaria de saber quando ele vai calar a boca !"

ANTONIN QUASE riu alto quando ouviu a resposta sarcástica de Julieta sobre os jogos mentais de Dimitri. O velho amigo de Antonin parecia muito surpreso com a resposta da mulher à sua tentativa sutil de irritá-la. Dimitri sempre tinha jogado jogos como esse com as pessoas. Ele gostava de deixa-las sem equilíbrio e se considerava um juiz estelar de personalidade que era extremamente habilidoso em ler pensamentos e intenções das pessoas. A antiga garagem estava fria e preenchida com ruídos aleatórios de sedimentação maquinaria, pilhas de deslocamento de resíduos de metais e roedores correndo sobre o labirinto de peças de carros antigos. Antonin tinha parado um pouco pela porta lateral e imediatamente foi tomado por memórias do passado. Ele e Dimitri tinham conseguido seu primeiro emprego no Bratva nesse desmanche. Naquela época tinha sido uma operação movimentada. Agora funcionava mais como uma área de ferro-velho e eliminação. Isso, claro, significava que a unidade de reciclagem de carro ainda estava certamente em uso, mas não havia mais veículos roubados sendo preparados para embarque no exterior.


Antonin caminhou cuidadosamente em torno de pilhas de silenciadores, elevando-se pilhas de pneus velhos, e uma seleção de placas de trinta anos atrás. Quando ele finalmente alcançou o que era quase o centro da sala, ele prendeu a respiração e soltou uma maldição. Dimitri tinha colocado Juliet dentro do triturador de carro. Ela estava sentada em uma cadeira dobrável de metal velho em cima de uma plataforma que dobrava ao meio uma vez ativado a partir de um interruptor remoto que estava pendurado a dois passos de distância de onde Dimitri estava. Era o pior cenário possível. Se Antonin apressasse Dimitri, o traidor poderia apertar o botão e iniciar o processo de trituração antes que Antonin pudesse intervir. Ele seria preso tentando bater em Dimitri enquanto Juliet seria lentamente esmagada até a morte há menos de um metro de distância. Dimitri parou de repente. Ele estivera andando em um pequeno círculo, ficando ao lado do controle remoto. Agora, olhava para cima e inclinou a cabeça como se estivesse ouvindo. "Oh, Antonin!", Ele chamou. "Eu posso te escutar!" Antonin franziu a testa. Ele não tinha feito nenhum ruído. Na verdade, ele não ouvira nada, e historicamente a sua audição era muito melhor do que a de Dimitri. Isto não era nada bom. Havia mais alguém na garagem. "Ouvi você pisando desajeitado por aí, Antonin!" Dimitri gritou. "Apenas apareça antes que acabe derrubando uma pilha de algo pesado sobre si mesmo. Eu não posso ter você morto antes que possamos resolver a nossa pontuação." "E o resultado seria qual?" Josef emergiu do escritório do edifício no lado oposto da sala. Antonin apertou as mãos. Ele ouviu a respiração acentuadamente ofegante de Juliet e sabia que ela percebera o quão perigosa essa situação tinha acabado de se tornar. Josef estava totalmente focado em Dimitri. Não parecia haver qualquer outra coisa em sua mente que não a aparente traição do homem que ele tinha supostamente contratado para ajudá-lo no plano contra o Pekhan.


ISSO ESTAVA ficando fora de controle, e Juliet estava ficando sem ideias sobre como reverter a situação a seu favor. Ela supôs que algumas pessoas poderiam ter assumido que era bom que outro bandido tivesse aparecido em cena depois de ter supostamente sido traído por seu parceiro. Talvez os dois fossem lutar, matar uns aos outros, e salvar-lhe. O problema era que Juliet não tinha confiança de que Dimitri ia cair no papo de Josef. "O que você está fazendo?" Josef rosnou para Dimitri. Josef avançou e empurrou o outro homem longe do controle remoto pendente. "Esse não era o plano!" "Você se foi," Dimitri disse rapidamente. "Eu tive que improvisar." "Então, esse foi o seu plano", Josef adivinhou. "Eu ia ser deixado no hospital não importa o que ocorresse? Ou será que você pretendia me matar logo depois que matou Mikhail? " "Nada disso", Dimitri assegurou. "A reação dos homens após a morte de Mikhail desfez nosso plano. Você sabe disso." Juliet bufou em descrença. "Eu espero que você não esteja acreditando nisso", disse Josef. "Ele é um mentiroso. Ele apareceu no hospital, e não houve uma menção de você ou qualquer outra coisa. Ele já tinha um plano." "Cale a boca!" Dimitri começou em direção a ela, mas Josef disparou sua arma e a bala atingiu o chão bem na frente dos pés de Dimitri e pingou afastada. "O que você está fazendo?" Dimitri gritou. "Você poderia ter me matado!" "Isso teria sido um bônus," Josef disse sombriamente. "Você não sabia que eu estava no hospital?" "Não." "Você sabia que Antonin estava lá?" Josef exigiu triunfante. Agora o rosto de Dimitri parecia pálido. Era estranho já que ele aparentemente aceitara Antonin aparecendo aqui nessa garagem decrépita. O local devia significar algo para os dois. Mas a ideia de que Antonin estivesse tão perto por tanto tempo, aparentemente, irritou Dimitri. Então Josef voltou seu olhar em direção a Juliet e franziu os lábios em desgosto. "Seu


amante estúpido veio correndo para a sala de emergência e disse às autoridades que eu atirei nele. Eu fui realmente preso! " Juliet não podia deixar de achar engraçado e estranho que Josef ficara tão surpreso que poderia ser preso. "Você pensou que era imune a esse tipo de coisa?", Ela provocou. "Claro que você foi preso. Tenho certeza de que isso vai acontecer novamente. Isso é o que normalmente acontece com criminosos ! " "Diz a última descendente de uma família da máfia italiana, que tem sido responsável por mais assassinatos e acordos criminosos do que eu imaginava!" Josef gritou. "Você vai ser exterminada, Juliet Caglione, e o território de sua família acabará! Eu sou o Pekhan do Bratva aqui nessa cidade! Ela pertence a mim. Tudo pertence a mim!" "Você não está esquecendo de algo?" Dimitri perguntou secamente. "Você não conseguiu matar Antonin ainda. Lembra? Sem prova de sua morte, os homens nunca irão segui-lo. Eu acho que eles deixaram isso bastante claro hoje. " Juliet ergueu as sobrancelhas quando Josef teve o que pareceu um pouco de indignação na garagem. Ele amassou os punhos, deu um soco no ar, e fez uma pequena dança como se estivesse tão frustrado com Antonin que mal podia se conter. "Nossa," Juliet respirou. Ela olhou para Dimitri. "Ele é sempre assim, ou está tendo um ataque epiléptico?" "Não", Dimitri meditou. "É sempre assim."

A ESPERA ESTAVA deixando Antonin louco. No entanto, ele sabia que as coisas já estavam se resolvendo. Logo haveria um momento perfeito para ele sair das sombras e desafiar Josef e Dimitri. Se tivesse sorte, um deles iria matar o outro antes que isso acontecesse. "Desamarre-a e vamos deixar esse lugar", Josef exigiu. Ele imperiosamente acenou com a arma para Dimitri. "Precisamos voltar para casa e nos reunir." "Você está louco?" Dimitri ergueu as mãos em recusa. "Se voltarmos para a casa, os homens


vão rasgar você." "Eles não se atreveriam !" Josef argumentou. "Eu sou o novo Pekhan." Dimitri realmente revirou os olhos. "Você escuta alguma coisa ? Você não é o Pekhan ainda. Por regras de sucessão do Bratva, Antonin é o Pekhan. Ele é um pouco difícil de matar, se você ainda não percebeu. " Antonin inclinou-se em torno de uma pilha de o que parecia ser peças do motor. Ele precisava de uma distração, e talvez uma maneira de derrubar pelo menos um dos bandidos. Talvez ele pudesse desalojar uma pilha de metais pesados e atirá-la precisamente onde ele planejava. E talvez também pudesse voar para a lua e conseguir um prato de queijo. Apoiando o ombro contra um motor totalmente pendurado em um guincho, ele empurrou-o na pilha de peças e observou a reação em cadeia começar. A pilha de metais pesados oscilou e depois caiu. Uma a uma as peças caíam em direção a Dimitri e Josef, mas Antonin não esperou para ver o que aconteceria. Ele precisava de mais distração. Os silenciadores foram os próximos. Antonin derrubou todos em direção a Josef e Dimitri. Ele chutou os pneus, pegando-os e rolando-os na direção certa. Erguendo um em seu braço e usando todos os músculos de seu torso, ele atirou um pelo ar e finalmente pareceu atingir um alvo. O grunhido de dor de Josef disse a Antonin que esse era o momento que ele estava esperando. Correndo para o outro lado da garagem, Antonin entrou em cena a partir do mesmo ponto em que Josef tinha. Isso o deixava a frente dos homens. Embora quando saiu do lado da máquina de esmagamento de carro, Josef estava deitado no chão com vários pneus de bom tamanho empilhados contra suas pernas.


Capítulo Vinte e Cinco JULIET ASSISTIU em espanto enquanto toda a garagem parecia estar viva com peças do carro e pneus destruindo seus inimigos. Josef e Dimitri conseguiram escapar da maior parte dos detritos até que um pneu navegou através do ar e atingiu Josef em uma só tacada. Dimitri estava realmente rindo. Juliet não podia imaginar o que levaria o homem a rir em uma situação como essa. Ele era louco? Ele estava dançando, evitando pedaços de tubulação trançado de metal, peças de automóveis, e até mesmo pneus como se fosse tudo um grande jogo. Então Josef caiu e Dimitri começou a uivar de diversão. "Boa mira, Antonin!" Dimitri gritou. "Você acertou perfeitamente!" Então, como Juliet observava, Dimitri se dirigiu para o seu ex-parceiro do crime e parou sobre ele com uma expressão mista no rosto. Juliet não conseguia decidir se o homem odiava seu parceiro derrubado ou o respeitava. Então Dimitri ergueu o pé direito e bateu-o sobre a traqueia de Josef, e Julieta teve sua resposta. Josef fez um som de gargarejo horrível e ficou em silêncio. Enquanto Dimitri estava tão concentrado em eliminar a interferência de Josef, ele não notou Antonin caminhando para a cena da direção do escritório do edifício. "Olá, Dimitri," Antonin disse em um tom zombeteiro de voz. "Vamos ver como se faz em uma luta justa, sem o auxílio desses três balas que você colocar nas minhas costas." "Seu filho da puta!" Dimitri virou-se para enfrentar Antonin. "Por que você não morre? Ninguém quer você! Ninguém jamais quis você. Aproveite e vá! " O coração de Juliet pulou por Antonin. Como era terrível ouvir algo assim de um homem que uma vez fora confiável. Ela não entendia a extensão da história entre os dois homens, mas podia reconhecer que já tinham sido próximos. Seu respeito por Antonin cresceu quando ele não mostrou qualquer reação para as provocações e insultos. Na verdade, ele parecia tão forte como sempre,


como se nada conseguisse tirar sua armadura. "Já acabou?", Perguntou Antonin. Ele realmente parecia entediado. "Eu tenho estado um pouco cansado de sua lamentação pelos últimos, bem, pelos últimos dez anos ou mais." "O quê?" A voz de Dimitri aumentou em volume e oitava em uma palavra que quase soou como um grito indignado. "Do que você está falando? Eu não sou o único que tem reclamado. Oh, meu pai não me ama. Oh! Eu sinto muito que você teve que se esforçar para conseguir seu lugar! "Dimitri cuspiu. "Mas você tinha algum lugar para ir! Eu nunca ia ser nada, além de um de seus vory ." "E isso não era aceitável para você?" Antonin estava chegando mais perto de Dimitri. Juliet não podia decidir se era intencional ou apenas uma resposta para a conversa. "O que você queria? O que foi que pensou que merecia? Você acha que deve ser colocado acima de todos os outros? Eu o teria feito o meu brigadeiro, Dimitri. Você era meu amigo. Você era o único homem que eu confiava, acima de todos os outros ". "Acho que isso vai te ensinar a confiar." O olhar fulminante de Dimitri parecia empurrar Antonin com a mente.

ELE NÃO tinha a intenção de conquistar Dimitri. Na verdade, ele queria incitar Dimitri a vir para ele. No entanto, quando Antonin ouviu tais palavras de escárnio, ele não podia mais conter a maré de sua ira. Esse era seu amigo. Este foi o único homem que ele realmente confiava. Alexei era um bom soldado e um homem leal, mas ele não era Dimitri. Dimitri e Antonin tinha uma história que deveria ter significado alguma coisa. Antonin enfrentou Dimitri, os dois confrontando-se como um casal de cães de ferrovelho. Antonin tinha a vantagem da altura e talvez quase 30 quilos de puro músculo, mas Dimitri era rápido em seus pés e sabia o que Antonin ia fazer antes mesmo que ele fizesse. Eles lutaram, trocando alguns golpes, mas principalmente empurrando um ao outro. Antonin bateu em um monte de portas de carro que deslizou por todo o chão, fazendo um terreno traiçoeiro para tentar


lutar. Talvez a única boa notícia sobre a confusão era que ele iria abrandar o triturador de carro, se todo o piso estivesse coberto de detritos. Embora não fosse encurtar muito tempo se tivesse que usar essa máquina de morte. "Você sempre foi um moleque tão mimado!" Dimitri gritou. Ele recuou e deu um soco Antonin na cara repetidamente. Antonin finalmente soltou as mãos e pegou o punho de Dimitri. Ele apertou até que ouviu os ossos e articulações estalarem. "Você foi intitulado," disse a Dimitri. "Você sempre pensou que poderia ter o que não era o seu." "Seu pai te amava." Dimitri puxou sua mão ferida do aperto de Antonin e bateu as palmas das mãos sobre suas orelhas. A pressão forte e instantânea em sua cabeça fez Antonin tropeçar para trás. Então ele viu a expressão alegre de Dimitri o provocar como um touro. Ele pegou seu amigo na barriga e levantou-o direito do chão. Balançando seu corpo para cima no ar, Antonin levou Dimitri ao chão como uma boneca de pano. No último segundo, Dimitri conseguiu levantar. Ele chutou o estômago de Antonin, detendo efetivamente seu movimento e mandando-o para o outro lado da sala. Dimitri usou esse breve período de tempo para permanecer em pé, em um esforço para alcançar o controle remoto a partir de seu cabo. "Não!" Antonin rugiu. Ele se moveu rápido em direção a Juliet, mas Dimitri o cortou. Envolvendo seus braços ao redor da cintura de Antonin, Dimitri usadas próprio impulso de Antonin para manda-lo na direção errada. Os dois homens bateram em outra pilha de pneus e caíram em um emaranhado de braços, pernas, e borracha. Atrás dele Antonin podia ouvir o barulho do triturador de carro quando ele ligou e começou a se dobrar sobre si mesmo. Não havia tempo. Em minutos Juliet seria esmagada, e sua vida estaria terminada.


JULIET SENTIU o chão começa a se mover. Ela não tinha entendido a precariedade de sua situação até que viu uma seção de metal do início do chão dobrar para cima. Foi subindo e se dividindo em seções. As peças do carro e os pneus que haviam sido espalhados começaram a ir em direção a ela como se estivessem localizados para um propósito. "Oh Deus", ela murmurou. "Oh Deus. Isso é uma esteira! " Ela não sabia a terminologia, mas assistia televisão o suficiente para perceber que estava sentada em uma plataforma que poderia ser usada para esmagar carros em pequenos quadrados para reciclagem. Imediatamente procurando Antonin para conseguir ajuda, ela percebeu que ele estava impedido por Dimitri. Os dois ainda estavam na briga, mas agora, em vez de tentar bater em Antonin, Dimitri só estava o ocupando para impedi-lo de chegar a Juliet no tempo. Ela estava sozinha e precisava se mover rápido! Ela estava trabalhando nas amarras desde Dimitri tinha atado as mãos atrás das costas e a colocado nessa cadeira dobrável. Ela não tinha ido muito longe, mas agora a gravidade e a máquina estúpida estavam mandando onda após onda de possíveis armas e objetos cortantes diretamente para ela. Juliet se apressou, sentindo tudo no caminho a sua volta e peças de borracha até que quase cortou seu dedo fora com algo afiado. Pegando cautelosamente o que parecia ser uma longa chapa de metal, ela começou a serrar as cordas plásticas em seus pulsos. Sangue pingou de seus pulsos enquanto ela cortava sua pele aberta. Não havia tempo para se preocupar com isso, no entanto. Ela precisava ficar livre desses laços de plástico estúpidos antes que fosse esmagada em um pequeno quadrado para reciclagem. O plástico finalmente estalou e ela começou a se levantar. Infelizmente, toda a máquina transformara-se em várias seções retangulares longas. Pior ainda, as extremidades entraram em colapso com ela. O movimento enviou todos os tipos de lixo na direção a Juliet. Ela varreu seu caminho através de coisas que ela não poderia nem mesmo identificar e tentou escapar da máquina. Tinha afundado vários metros abaixo do nível do chão, porém, e ela não tinha certeza


de como sair. As extremidades se aproximaram. Ela finalmente conseguiu chegar ao topo da máquina, onde os painéis móveis encontravam o piso sólido. Ela pegou um pneu e colocou-o deitado debaixo dela. Os painéis laterais estavam tão perto que ela podia ter tocado eles. Subindo em cima do pneu, ela ouviu um barulho quando ele foi pressionado entre os painéis. A máquina recuava a uma velocidade superior. Fez um zumbido na tentativa de esmagar o pneu. Ela estava tão perto da morte que quase chorou de tensão. Arranhando o chão, ela procurou de alguma forma puxar-se para cima. Sua barriga arredondada fora pressionada contra a borda. O pneu estava prestes a cair. Em uma última jogada desesperada ela saltou para cima e colocar sua barriga no chão. Levantando as pernas, ela usou seus braços para arrastar-se para fora do caminho do mal. O piso raspou em seus braços enquanto ela sentiu os painéis de esmagamento engolir o pneu e fechar logo abaixo de suas pernas. Puxando as pernas para cima perto de seu torso, ela rolou em posição fetal e permaneceu no chão tentando recuperar o fôlego.

ANTONIN NUNCA sentira um alívio tão grande em sua vida. Até o momento em que Juliet puxara as pernas dos painéis do triturador, ele tinha certeza que estava prestes a perder a única coisa que importava em sua vida. Mas agora ela estava segura, e ele estava livre para bater em Dimitri sem ter que se preocupar com o maldito controle remoto. Rolando de costas, Antonin esperou Dimitri tentar outro soco. O homem estava de pé, chutando Antonin. Agora Antonin agarrou o pé de Dimitri e puxou as pernas para que ele caísse. Ele caiu com força, xingando quando seu quadril bateu nas correias de aço expostas de um pneu. "Apenas morra!" Dimitri gritou. Ele lutou para rolar e continuar lutando. "Por que você simplesmente não desiste? Ninguém se preocupa com você. Você não passa de um sugador de recursos. O Bratva nunca vai segui-lo. Seu pai te odiava, e eles sabem disso! Mikhail nunca


respeitou você. Ele respeitava Josef. " Antonin recusou-se a responder. Não havia nenhuma razão para dar a Dimitri a satisfação de saber que suas palavras tinham o atingido. Antonin recuperou seus pés e tentou ignorar a dor que era lançada por seu corpo, exatamente no mesmo ritmo dos seus batimentos cardíacos. Ele levantou na frente de Dimitri, imaginando como ele esteve tão errado em confiar em alguém durante boa parte de sua vida. Será que ele esteve tão desesperado por aprovação que pudera deixar alguém passar batido por tanto tempo? "Você é um perdedor!" Dimitri uivou. Ele finalmente conseguiu se levantar. Ele agarrou Antonin, socando-o no intestino e fazendo-o dobrar-se. Antonin endireitou e bloqueou o próximo soco. Ele puxou os braços para cima e manteve as mãos na frente do rosto como um boxeador, enquanto Dimitri calculava a distância. Os golpes se tornaram tão frenéticos que ainda não eram fortes o suficiente para causar danos. "Apenas morra! Morra! Eu estou tão cansado de estar na sua sombra.” Dimitri continuou a atingi-lo. Em seguida, Antonin viu um movimento com o canto do olho. Seu cérebro registrou a presença de Juliet, e a viu arquear as mãos para trás. Ela estava segurando um pé de cabra, e seu alvo era Dimitri. "Será que você pode calar a boca?", Ela gritou quando golpeou os ombros de Dimitri na base do pescoço. Dimitri amassou, e caiu. Ela o golpeou novamente. "Eu juro. É como se você estivesse falando desde que veio para aquela sala de tratamento hospitalar, e você ainda não fechou a boca! " Dimitri finalmente ficou em silêncio. O pé de cabra ressoou no chão enquanto Juliet deixou-o cair. Em seguida, ela tombou para frente e se jogou nos braços de Antonin. Ele a segurou. Ele não queria pensar em como ficou chocado com o fato de que ela não parecia chateada com o que acontecera com seu pai. Talvez nada disso importasse agora.


Capítulo Vinte e Seis JULIET PRESSIONOU o rosto no peito de Antonin e inalou seu cheiro familiar. Ainda era ele, embora ela pudesse sentir o cheiro de sangue e talvez até mesmo o suor azedo de Dimitri se misturar. Ela estava tão contente de estar em seus braços. Agora não importava sobre seu pai ou o que Antonin tinha feito. A única coisa que importava era estar segura nos braços de Antonin. Assim que esse pensamento lhe passou pela cabeça ela sentiu alguém agarrá-la pelos ombros e puxa-la longe de Antonin. Juliet rangeu quando foi puxada para trás. Um braço uniu-se em volta de sua cintura como ferro, o aço frio de uma arma pressionada contra sua têmpora. Ela congelou em choque e medo. A expressão no rosto de Antonin não a deixou confiante. Havia quase uma expressão enojada de medo em seu rosto. Ele levantou as duas mãos e estendeu-as como se estivesse se rendendo. "Não a machuque. Por favor. Se eu sou o único que quer morto, então, mate-me e deixea ir. " "Os dois vão vir comigo." As palavras vieram de trás dela. Ela não podia ver o rosto, mas reconheceu a voz de Josef. Não era difícil dizer que o homem estava muito perto de explodir. Havia uma incrível quantidade de tensão em seu corpo onde ele fora pressionado contra o dela. Ele era como uma mola pressionada para cima e pronta para saltar. Ela estava com medo de se mover com receio que ele puxasse o gatilho. "Você não precisa de Julieta", Antonin insistiu. "Basta deixá-la aqui. Não há nenhuma razão para trazê-la junto. Eu juro." "Você está brincando comigo?" Josef perguntou, incrédulo. "Como Dimitri disse apenas alguns momentos atrás, por que você simplesmente não morre?" Josef fez uma pausa, como se esperasse uma resposta. "Porque se eu posso mata-lo, eu não sinto como se precisasse trazer sua mulher


conosco como uma apólice de seguro!" Josef já estava arrastando Juliet em direção ao escritório do edifício. Ela fazia força contra o chão de cimento com os pés, tentando forçá-lo de alguma forma a deixá-la como peso morto. Seus esforços só pareceram irritá-lo. Ele bateu nela com a coronha da arma, e ela gemeu de dor. Seu quadril latejava, e ficou instantaneamente inchado onde ele atingiu. "Pare com isso!" Josef gritou em seu ouvido. "Pare de tentar fugir!" A cabeça dela estava atordoada com o volume de suas palavras nervosas. Ela nunca ia fugir. Ele estava levando ambos para a casa de Mikhail para matá-los na frente de todos os homens Bratva de Antonin.

ANTONIN SEGUIDO JOSEF à distância. Ele sabia exatamente o que o idiota astuto estava planejando. Josef já estava empurrando Juliet no banco de trás de seu carro, amarrando-a de barriga para baixo para impedi-la de tentar lutar. Antonin podia ouvi-la se contorcendo, mas sabia que Josef não se importava em esperar por ele. Josef estava ligando o carro e dirigindo de volta para Mikhail. Antonin não tinha outra escolha senão segui-lo nessa armadilha. Por alguma razão, Antonin sentiu-se determinado. Nada disso importava. Mesmo quando chegasse à casa de seu pai e enfrentasse o Bratva e eles então se voltassem para ele, ele ainda tinha que tentar salvar Juliet. Ele observou Josef antes de entrar em seu carro e tentando pensar em qualquer tipo de plano que o fizesse de alguma forma ganhar tempo, uma vez que chegasse à casa de seu pai. Infelizmente, mesmo no momento em que ele parou no meio-fio em frente a casa onde crescera, ele não tinha ideia do que fazer. Ele só sabia que fugir não era uma opção. O carro de Josef estava na garagem. A porta da frente estava aberta. Antonin podia ouvir gritos de baixo nível e até mesmo alguns insultos lançados por Josef em russo. O cara estava andando em um lugar onde quase todas as pessoas ao redor queria vê-lo morto de alguma forma. Antonin saiu do carro e caminhou em linha reta até a porta da frente. Não havia como se esconder ou se arriscar. Ele não tinha um plano. Ele só sabia que estava indo salvar a mulher que


amava e a criança que ela carregava. "Olha o traidor!", Alguém gritou quando Antonin entrou no foyer. Havia tantas pessoas vagando! Era como se alguém tivesse marcado uma reunião com toda a organização. Vários homens acenaram para Antonin. Alguns outros olharam para ele. Ele não era necessariamente popular. Na verdade, dentro do Bratva ele era um dos brigadeiros mais jovens a ser nomeado, o que lhe dera respeito invejável em algumas áreas e muito ódio em outras. "Ele não é o traidor!" Isso veio de Alexei. Antonin nunca tinha ficado tão feliz em ver um rosto familiar. Alexei ofereceu um aceno de cabeça. "Antonin é herdeiro de Mikhail! O traidor é quem assassinou nosso Pekhan! Não dê ouvidos a Josef! Ele é o assassino! " Houve uma rodada de concordância dos homens reunidos na casa. Antonin ficou no centro do foyer e enfrentou Josef. Ele ainda tinha Juliet presa na frente dele como um escudo humano. "Não seja ridículo!" Josef rosnou. "Eu não matei o Pekhan. Dimitri fez!" "Eu não vi Dimitri fazer absolutamente nada", Alexei atirou de volta. "Mas eu te vi correndo como se seu cabelo estivesse em chamas depois de atirar no Pekhan!" Alexei apontou enfaticamente a Josef, obviamente tentando irritar os outros homens. "Aquele homem matou nosso líder! Ele atirou o Pekhan nas costas! "

JULIET ESTAVA tremendo de medo e raiva. Ela estava em meio ao que parecia uma matilha de lobos russos raivosos. Eles estavam todos gritando em russo ou em algum outro idioma que ela não conseguia entender. Ela pôde dizer que eles não acreditavam que Josef tinha muitos motivos altruístas, mas ela não sabia se eles iriam apaziguá-lo ou rasgá-lo inteiro. Estava ficando um pouco nervosa que fosse encarar o fogo cruzado. Então, olhou para Antonin. Era como se ele fosse o único ponto de calma no centro de uma tempestade de proporções épicas. Sua expressão era quase serena. Agarrou-se àquela visão e tentou se acalmar. Certamente ele tinha um plano, ou algo assim. "Basta!" Antonin rugiu.


A sala inteira ficou instantaneamente em silêncio. Era mais do que impressionante; aquilo mostrava algo. A única coisa que era quase certa era que os homens respeitavam Antonin de maneira que não respeitavam Josef e provavelmente nunca o fariam. Juliet sempre tinha entendido o grande poder de sucessão. Era a única razão pela qual uma mulher poderia ser um Consigliere da família Caglione. Juliet tinha ordenado a lealdade de seus homens por causa de seu laço de sangue com a família, não só onde nascera e de quem era filha. Esses homens deviam sua lealdade ao filho de Mikhail, não ao homem que tinha assassinado seu líder e tentado assumir enquanto a maioria dos homens ainda não tinha sabiam nem mesmo o que dizer. Juliet teve o estranho pensamento que era muito semelhante a Giovanni tentando assumir todo o império Caglione. De repente, ela chamou a atenção de Antonin e sorriu. Ele arqueou uma sobrancelha como se estivesse tentando descobrir o que ela estava prestes a fazer. Ela imaginou que o surpreender, nesse caso, provavelmente não era uma má ideia. "Eu queria dizer a todos vocês, homens, que o seu líder-Antonin Mikhailovich é um homem que já forneceu um herdeiro do Bratva." Houve uma onda de conversa entre os homens, mas eles pareciam ansiosos e não negativos. Ela continuou, apertando as mãos para o bebê em sua barriga. "Estou grávida, e Antonin é o pai. Nós dois temos a intenção de se casar, aumentar nossa família, e continua a fazer todos vocês prósperos aqui nessa cidade ". "Não dê ouvidos a ela!" Josef gritou, sua voz estridente. "Ela é uma Caglione! Ela é nosso inimigo! " "Os Cagliones não são seus inimigos!" Juliet argumentou. Ela armou sua voz para ser ouvida em todo o quarto. "Não há nenhuma razão pela qual nós não podemos todos ser próspero juntos! Queremos o que vocês querem. Queremos um bom negócio e policiais que olhar para o outro lado. Queremos viver com famílias saudáveis em um bairro onde conhecemos as pessoas ao nosso redor. Queremos lealdade e respeito e uma boa vida enquanto somos fiéis aos nossos juramentos e nossos líderes."


ANTONIN OUVIU as palavras de Juliet e sentiu como se seu coração fosse explodir de orgulho. Ele estendeu a mão, com a intenção de saudar essa mulher que era mais homem do que qualquer dos presentes podia se gabar. "Escutem ela!", Ele gritou. "Ela perdeu mais do que qualquer um de nós, e ainda assim está disposta a perdoar, a fim de ganhar prosperidade para ambos os lados!" Atrás dele Antonin ouviu Alexei expressando seu apoio. Os outros homens também gritaram até que todos na sala estavam torcendo por Antonin e Juliet. Atrás dela, Antonin podia ver Josef ficando cada vez mais agitado. Essa situação não estava tomando o rumo que ele esperava que fosse tomar. Seria apenas uma questão de tempo até que ele explodisse e perdeu a cabeça completamente. Josef de repente explodiu quase tanto quanto uma criança mimada. Ele abruptamente puxou Juliet pela sala e apontou a arma para Antonin. Agindo por reflexo, Antonin agarrou Juliet e puxou-a para a curva de seu corpo, virando as costas para Josef. Sua intenção era proteger Juliet. Ele sentiu a primeira bala atingir seu ombro enquanto Josef disparava sobre ele. Então depois não ouviu nada além da batalha de gritos irados de seus homens. O ombro de Antonin doía muito, primeiro porque Dimitri havia atirado nele três vezes apenas algumas horas atrás. E agora, porque a bala de Josef tinha rasgado seu ombro mais uma vez. Ele sentiu uma dor nova que muito provavelmente ia exigir cirurgia de algum tipo. De alguma forma, nada disso importava. Juliet estava a salvo em seus braços. Ele podia pressionar as palmas das mãos contra sua barriga e sentir o bebê movendo-se como se uma pequena mão ou pé estivessem cutucando ele. Estava segura. O bebê estava seguro. Todos estavam vivos. Então ele se levantou cautelosamente e olhou em volta. Os homens da Bratva deixaram bem claro sua decisão quanto à liderança de Josef. Em seus braços, ouviu Juliet engolir duro antes de dar pequenas engasgadas. "Não olhe." Ele virou a cabeça e apertou o rosto contra seu peito.


Sentiu-a estremecer. “Isso é normal?” "Eu diriaque Josef foi um pouco pior do que outros no passado, mas quando um homem tenta assumir e é rejeitado pelo Bratva, eles têm uma maneira de dizer-lhe que ele foi rejeitado que é extremamente permanente . " Claro permanente, neste caso, significava que os homens tinham acabado com Josef. Não havia nada além de uma casca sangrenta deitada no meio do chão. Querendo tirar Juliet longe da visão horrível, Antonin acompanhou-a até a parte traseira da casa. Alexei foi com eles, abrindo portas e verificando quartos como se tivesse nascido para ser o guarda pessoal de um Pehkan. Quando Antonin afundou em um sofá com Juliet em seus braços, Alexei franziu os lábios e deu a Antonin um olhar aguçado. "Eu acho que os dois de vocês podem querer ir até a delegacia de polícia local e dar uma olhada em suas celas." "O quê?" Foi Juliet que respondeu. "Por que você diria isso?" Alexei riu. "Josef pode ter exagerado na recente briga entre a Bratva e os Cagliones. Foi o líder Caglione quem chamou os policiais para seus próprios homens. Por alguma razão ele queria que eles fossem presos, mas tenho certeza de que eles gostariam de sair." Alexei pediu licença e Antonin olhou para o rosto de Juliet. "Eu acho que você acabou de receber um presente, meu amor." "Eu estou ferrada", ela sussurrou.


Capítulo Vinte e Sete DEPOIS DE OUVIR que poderia haver sobreviventes Caglione trancados na cadeia local, Juliet mal conseguia ficar parada. Convencer Antonin que eles precisavam ir agora tinha levado um pouco mais que alguns choramingos. Agora que estavam no carro, ela estava praticamente vibrando de empolgação. Ainda assim, quando chegaram ao estacionamento da prisão local, Antonin não saiu do veículo imediatamente. Em vez disso, ele se virou para ela e muito deliberadamente pegou sua mão. "Nós precisamos conversar por um momento, Juliet." "Agora?", Perguntou ela, impaciente. "Meus homens podem estar lá agora e você quer conversar?" "Querida, se os homens estão lá dentro, eles não estão indo a lugar algum. Nada vai acontecer. Eles estão apenas aborrecidos e irritados com o inconveniente de serem presos e ter isso adicionado ao seu histórico. " "Parece que você sabe", disse ela, desconfiada. Ele deu de ombros, dando-lhe um raro sorriso. "Querida, que homem do Bratva, especialmente um brigadeiro, não teve um ou dois desentendimentos com a lei?" "Um ou dois?" Juliet tinha a sensação de que ele estava falando de muito mais que um ou dois. "Quantas vezes você foi preso?" "Preso?" Ele parecia até estar contando em sua cabeça. "Eu não sei dizer. Dezenas eu acho." "Dezenas!" "Sim, mas eu só fui acusado seis vezes, e já cumpri pena duas vezes." "Cumpriu pena". Sabia que seus olhos devem ter girado como calotas, mas ela nunca tinha pensado sobre esse tipo de coisa sobre o homem que ela tinha inexplicavelmente e muito inesperadamente se apaixonado. "Eu acho que eu realmente nunca pensei sobre seu histórico de


crimes." "Porque não é importante", assegurou. "Eu fiz menos de um ano de sentença e nunca fiquei em uma grande penitenciária." "Então, o que você está dizendo é que esse lance de ser preso não é grande coisa para os meus rapazes", ela meditou. "Exatamente." Ela virou-se no carro e encarou-o através da consola central. "Então o que é que você quer conversar nesse lugar estranho?" "O fato de que eu matei o seu pai, e não chegamos realmente a falar sobre isso", ele disse calmamente. Juliet pensou sobre isso por um momento. "Não me leve a mal. Quando eu descobri isso, eu estava furiosa. Fiquei louca principalmente porque você não me disse e eu me senti boba. Mas sim. Eu estava com raiva. Ele era meu pai. Ou quase isso. Ele era o único pai que eu conheci, e fiquei triste em vê-lo morrer. " "Quase isso?" Antonin pegara a única coisa que ela tinha se esquecido de mencionar. "Eu vou chegar nisso em um segundo", assegurou ela. "Eu só quero te dizer que eu parei de ficar louca por você matar meu pai quando percebi que era um efeito colateral sério da vida que ele escolheu viver por conta própria. Se não fosse você, ou um membro russo da Bratva, teria sido alguém como Giovanni ". Até mesmo dizer aquele nome a fez parar e pensar por um momento. Que gigante bagunça Giovanni tinha deixado para trás. Ela contaria para os homens? Ou ia fingir que nada tinha mudado? Como isso era possível quando dentro de seu coração tudo tinha mudado? Ela já não via as coisas da mesma maneira que vinte e quatro horas atrás. Agora pensava sobre o casamento de seus pais, e percebera que sua mãe tinha muito provavelmente odiado seu pai. "Meu pai não era meu pai", ela disse suavemente. "Padre Barelli confirmou mais cedo, antes de Josef e Dimitri continuarem sua fúria louca em toda a cidade. O padre me disse que minha mãe


tinha se envolvido com outro homem antes de casar com meu pai. Aparentemente, seus pais queriam que ela se casasse com Charlie Caglione por causa de quem ele era. " "Então, ela se casou com o homem errado e se sentiu miserável", Antonin adivinhou. "Sim." Como ela poderia expressar adequadamente como isso tinha mudado as coisas para ela? "Giovanni era o verdadeiro filho de meu pai. Charlie teve Giovanni de alguma outra mulher ao mesmo tempo em que minha mãe engravidou de Enzo. Depois que meu pai teve dois herdeiros, minha mãe não viu nenhuma razão para ser fiel já que Charlie não era fiel a ela". Antonin estendeu a mão e acariciou sua bochecha. Ele colocou uma mecha de cabelo escuro atrás da orelha e tocou seu nariz. "Então ela realmente amava seu pai. Isso é um presente, meu amor. Você foi o produto de uma união de amor entre duas pessoas. Isso significa alguma coisa, sabe? " "Acho que eu nunca pensei nisso assim," Juliet sussurrou. Dizer aquilo dessa forma tinha dado a Juliet um presente. Até o momento ela tinha acreditado na possível traição, nunca pensando sobre o quão maravilhoso deve ter sido para sua mãe ter conhecido o verdadeiro amor de sua vida. Ela amava esse homem desde que era criança. Provavelmente lhe matara o fato de ter que se casar com outra pessoa. No entanto, ela carregou uma tocha para esse homem todos esses anos. Não importa que os dois tinham morrido. Eles tinha se amado em vida, e isso era o que importava. ANTONIN viu a linhas de tensão no rosto de Juliet suavizarem, e se sentiu melhor. Talvez houvesse algo sujo por trás da decisão da mãe de Juliet em ter um filho com um homem que não era seu marido. Talvez ela estivesse amarga porque Charlie Caglione tinha desejado um segundo herdeiro de outra mulher. Seja qual fosse o caso, não foi culpa de Julieta e ela não devia estar carregando esse peso seus ombros. "Tudo bem." Antonin apontou para o edifício. "Vamos entrar e resgatar seus caras?" Juliet estava balançando a cabeça, mas sua expressão era de repente incerta. "Eu sinto que eu não tenho ideia do que estou fazendo", explicou ela.


"E você deveria saber?" Ele estava tentando descobrir o que realmente a estava incomodando. Ele tinha descoberto com mulheres que nunca era realmente curto ou simples. "Bem, eu não deveria?" Ela estava realmente parecendo um pouco em pânico. "Eu sou a líder daqueles homens. Certo? Eu deveria saber como socorrê-los. Eu nem mesmo sei se tenho esse tipo de dinheiro na mão! E se forem dezenas de homens? " "OK. Então vamos apenas se acalmar antes que você surte e isso possa fazer mal para o bebê. "Antonin apontou para a porta. "Saia do carro. Esse é o primeiro passo." Ele saiu do veículo, e ela também. Então ela pegou sua mão e apertou com força. "Talvez eu esteja realmente com medo de que eles não ficarão felizes em me ver," ela admitiu em um sussurro. "E se eles disserem que preferem ficar na prisão a me reconhecer como sua nova chefe?" "Não", ele disse a ela imediatamente. "Eu não posso imaginar qualquer homem preferindo a prisão a qualquer outra coisa. "OK. Tudo bem." Ela balançou a cabeça em concordância. "Eu só estou sendo boba, não estou?" "Não se chame de boba", ele murmurou enquanto lhe deu um beijo no topo de sua cabeça. "Isso é um medo perfeitamente razoável e normal. Vai ficar tudo bem." Antonin não achou que tinha dito nada particularmente inspirador, e ainda assim pareceu ter efeito em Juliet. Ela endireitou a coluna e marcharam até os degraus e para dentro da delegacia. Ele seguiu alguns passos, preparado para encarar qualquer que fosse necessária. Felizmente ele não tinha que fazer muita coisa. "Meu nome é Juliet Caglione, e ouvi que você tem algum dos meus homens em sua prisão", informou ao sargento. "Quero que eles sejam liberados imediatamente." O sargento ergueu as sobrancelhas. "Deixe-me chamar o comandante. Eu acho que ele pode ter algumas perguntas para você. " Juliet esperou até que o sargento tinha desaparecido. Em seguida, ela sussurrou de volta a Antonin. "Isso é normal?"


"Sim." Antonin teria dito mais, mas um detetive apareceu. "Sou o detetive Blount da divisão de crime organizado." "Bom." Juliet apertou sua mão e, em seguida, deu-lhe um olhar aguçado. "Eu quero que meus homens sejam liberados. Eu não sei nem mesmo quem os trouxe ". O detetive coçou a parte de trás do pescoço. "Sim. Foi um evento estranho. Recebemos uma chamada de Giovanni Corleone que eles estavam brigando e precisavam ser pegos". "E você está ciente de que Giovanni Corleone está morto?" A expressão de Juliet teria enganado qualquer um menos Antonin. Ele sabia o quanto lhe custara falar sobre esse incidente. "Morto?" O detetive franziu a testa. "O que está acontecendo, Srta. Caglione?" "Vamos apenas dizer que o meu avô faleceu em seu sono há poucos dias, e isso criou uma situação em que o filho bastardo de meu pai decidiu tentar obter uma herança que não era para ele. Ele queria todos na cadeia, mesmo que meus caras sejam homens trabalhadores completamente inocentes, e ele estava disposto a mentir para fazê-lo. " "Então você está dizendo que os bandidos da máfia que tenho em trabalhadores, do que exatamente?" O detetive pareceu cético no melhor dos casos. "Bem, eu tenho vários encanadores em meu serviço", começou Juliet. "Oferecemos serviço de encanamento. Temos também alguns ferreiros, alguns engenheiros de gestão de resíduos, alguns pedreiros excepcionalmente talentosos, e um soldador. Como eu disse, depois de Giovanni ficou louco, eu não tenho nenhuma ideia de quem realmente está faltando e quem foi pego pela polícia. Eu posso lhe garantir que não estavam brigando. " "O boato era que os Cagliones estavam lutando com a Bratva para tomar o controle da cidade." O detetive certamente não estava facilitando. Antonin olhou para o homem e se perguntou o quanto podia dizer sem encrencar a si próprio e seus homens. Finalmente, ele limpou a garganta. "Eu sou Antonin Mikhailovich. Meu pai, Mikhail, foi assassinado por um associado mais cedo essa noite, o que me torna o novo Pekhan nessa cidade. Posso dizer-lhe que os Cagliones e o


Bratva não estão lutando. De fato,"Antonin estendeu a mão para Juliet " Juliet em breve será minha esposa, o que significa que a disputa entre as nossas organizações acabará ". "Droga." O detetive realmente assobiou. "O Bratva está se juntando com os Cagliones?" Antonin podia ver a confusão girando em sua cabeça. "Então, talvez a reviravolta nos últimos dias seja tudo devido as dores da reestruturação? É isso que você está me dizendo? " Juliet deu um aceno duro. "Exatamente. Detective, eu estou tão feliz que você entendeu. Então, já que não há acusações contra meus homens porque eles não estavam brigando, como você acabou de ouvir e o único homem que alegou que eles estavam brigando agora está morto, podemos simplesmente liberá-los e ir embora? " "Minha noiva está grávida", Antonin acrescentou, dando ao detetive só mais uma coisa para meditar em seu cérebro, obviamente bem ocupado. "Ela realmente precisa ir para casa descansar." "Grávida." O detetive Blount parecia pensar que repetir tudo o que eles disseram era ou necessário para ele processar tudo, ou para eles o levarem a sério. Ou talvez ele estivesse apenas em estado de choque. Era difícil dizer. Antonin tinha a sensação de que ele ia se divertir com esse detetive jovem e ansioso ao longo dos próximos anos. "Então?" Juliet perguntou. "Eu vou liberar seus homens agora," Detetive Blount disse fracamente. "Eu só precisa de alguns minutos para processar a papelada." "Obrigado." Juliet pegou a mão de Antonin e se virou para fora da delegacia. Ela certamente tinha cuidado de sua primeira crise como chefe dos Cagliones com tranquilidade.


Capítulo Vinte e Oito JULIET descansou a mão no parapeito da varanda e olhou para o horizonte da cidade. Parecia tão longe. As luzes vermelhas piscando no topo de edifícios altos misturados com o brilho das janelas de pedras preciosas, fez com que parecesse um conto de fadas. Era bom fugir, mas também era estranho estar tão longe de sua casa e de sua vida como uma Caglione. Ela sentiu Antonin antes de ouvir sua abordagem. Ele colocou seus braços em volta dela e puxou-a contra seu peito. "Você está com frio?", Ele perguntou em voz baixa. Colocando as mãos sobre as dele, ela deslizou para baixo em sua barriga onde o volume do bebê agora era visível. "Estou bem. Foi muito gentil da sua parte sugerir sair da cidade por uma noite, mas eu não consigo me lembrar da última vez que estive longe de casa. " "É essa a intenção", disse ele secamente. "Precisamos deixar as coisas esfriarem. Ambos temos homens que precisam de algum tempo para se reagrupar e curar depois de uma batalha tão prolongada que foi tão louca e imprevisível. Em poucos dias tudo vai se acalmar, e nós vamos voltar para a cidade." "E nesse meio tempo?" Ela se contorceu para encará-lo, levantando os braços e enrolando-os no pescoço. "Como é que vamos nos manter ocupado?" Os lábios de Antonin fizeram cócegas seu pescoço. "Consegue ver aquela Jacuzzi na outra extremidade do balcão?" "É um pouco difícil perder. Todo aquele vapor quente e tudo mais. "Ela deu um risinho irônico. "Mas as mulheres grávidas não devem usar uma jacuzzi. Algo sobre ferver o bebê ser ruim e etc". Era a sua vez de rir. "É por isso que eu deixei o nível bem baixo. A água está bem rasinha. Você pode entrar e eu vou mimá-la até que suas costas parem de doer." "Umm," ela murmurou. "Você é uma provocação! Nesse ponto, eu acho que eu quase preferia


trocar uma massagem nos pés por um orgasmo. " "Ok, isso é um desafio." Ele começou a acariciar seus pés. Juliet riu e mexeu os pés descalços enquanto suas pernas balançavam sobre o braço de Antonin. Ela adorava a maneira como ele poderia arrancá-la do chão como se ela não pesasse tanto quanto um bebê elefante no momento. Ele era tão poderoso. Seu corpo, mas também sua mente, era forte e constante. Este era um homem que podia confiar para estar lá com ela, não importa o quão difíceis as coisas se tornaram. Através do bem e do mal, ele nunca iria desistir.

ANTONIN SUAVEMENTE colocou Juliet no chão, ao lado da banheira de hidromassagem. Ele tirou seu manto e puxou-a. Quando ela estava nua, ele se ajoelhou diante dela e gentilmente beijou sua barriga. Ele colocou as mãos sobre a ondulação suave de seus quadris e deixar os lábios viajarem sobre o inchaço da sua gravidez e, em seguida, mais baixo. Sua respiração engatou e ela colocou a mão em sua cabeça. "Você cheira tão bem," ele disse a ela suavemente. "Você tem alguma ideia do quanto eu te quero?" "Você quer?" Ela parecia quase surpresa, e ele percebeu que sua confiança tinha tomado uma surra nos últimos dias. Talvez a única maneira de mostrar-lhe como ela estava desejável era lhe mostrar em primeira mão. Com isto em mente, ele enfiou a língua na fenda de sua vagina. Ela suspirou e recostou-se contra a lateral da banheira de hidromassagem. A posição inclinada da pélvis lhe deu um melhor acesso ao seu espaço. Antonin gentilmente tocou um de seus pontos, acariciando antes que levantasse uma de suas pernas e ajudasse-a a apoiar um pé em seu ombro. Então ele mergulhou entre seus lábios com a língua. Ele espalhou por se espaço e lambeu seu clitóris. Uma vez que ele descobriu o ponto sensível ao lado de seu clitóris, ele trabalhou levemente com seu lábio superior. Ele era gentil, mas insistente. Não demorou muito para ele sentir o jorro de seus sucos contra seu rosto pouco antes


dela atingir seu primeiro orgasmo. "Antonin! Oh meu Deus!" Ela choramingou e ele sentiu seus músculos internos se contraírem de prazer. Ele girou em sua abertura, enquanto seu corpo estremeceu e tremeu com a estimulação. O sabor dela era o paraíso erótico. Essa era a sua mulher, e ele nunca quis deixar o gosto desvanecer de sua língua. Gentilmente empurrando sua língua dentro da sua abertura apertada, ele lambeu-a de novo e sentiu-a trêmula em direção a outro orgasmo. "Oh Deus, Antonin, eu vou... Eu vou... Não pare!" Suas palavras se dissolveram em rosnados sensuais que vinham do fundo da garganta. Em seguida, seus quadris se sacudiram quando ela gozou uma segunda vez. Ele deixou-a montá-lo desta vez, recuando para que ele pudesse assistir e admirar as reluzentes dobras rosa de sua vagina durante seu clímax. Nada nunca tinha sido tão bonito como Juliet se desfazendo só para ele. Quando ele a viu relaxar, ele se levantou. "Hora de entrar na banheira," ele disse a ela suavemente. "Eu acho que não posso se mover." Antonin a levantou e deixou-a com muito cuidado na água morna suave. Sua ingestão prazerosa de ar foi suficiente para dizer-lhe que ele tinha ajustado a temperatura perfeitamente. Ela relaxou dentro da água, e ele saboreou a visão dela delineada no brilho vindo de luzes da Jacuzzi. "Você está usando muita roupa", ela reclamou. Antonin começou a tirar suas roupas, deixando-as no chão da varanda. "Então, por favor, deixe-me despir para você. Eu não quero que você fique descontente." "Eu vou estar mais satisfeita se você fuder esse lindo rabo aqui dentro", ela o informou.

JULIET NÃO TINHA certeza exatamente como funcionava, mas tinha lido em algum lugar que


o aumento dos hormônios em uma mulher grávida a deixava mais amorosa. No caso de Juliet, ela estava se sentindo totalmente excitada. Antonin tinha a feito gozar duas vezes já, e ela queria seu pênis dentro dela tanto que estava prestes a implorar. A água morna era gloriosa contra sua pele. Pela primeira vez ela não se sentia gorda ou desajeitada. Sentia-se sexy e desejável. E quando seu homem deslizou na água morna, ela não perdeu tempo em deslizar sua pele molhada perto do dele. "Deus, você está tão boa", ele rosnou. "Eu quero te foder tanto que eu acho que meu pau está prestes a explodir." Juliet riu, sentindo-se quase tonta de excitação. "Então me fode! Eu não sei o que você está esperando. " Ele segurou seus seios, gentilmente pressionando-os no nível da água e, em seguida, mergulhando sua boca abaixo da superfície para sugar cada mamilo. Ela engasgou com o inesperado prazer dessa sensação. A água estava morna, mas sua boca estava quente. Cada vez que ele chupava seu mamilo com seus lábios o ar frio endurecia ainda mais antes que ele chupasse de volta em sua boca. Finalmente suas mãos deslizavam para baixo de sua barriga para seu órgão. Ele mergulhou entre seus lábios inchados e gentilmente acariciou-a. Ela gemeu com prazer. Ele estava sentado em uma das cadeiras de hidromassagem, e ela meio que flutuando acima dele com as mãos ancoradas ao lado. A posição deixou-a abrir as pernas e ficar de um jeito que ambos gostavam. Ele brincou com seu clitóris e esfregou em pequenos círculos em torno dele com a ponta do seu dedo indicador. A pressão foi o suficiente para deixá-la selvagem. Ela sentiu uma alfinetada de calor que logo se espalhou em chamas quando os músculos de suas costas e bunda se contraíram e ela chegava tentadoramente perto do orgasmo. Era tão bom. Ela estava tão perto. E, em seguida, Antonin deslizou um dedo longo em sua vagina e ela imediatamente disparou ao clímax. Ela apertou as mãos ao redor da borda lisa da banheira de hidromassagem e fechou os


olhos enquanto seu corpo inteiro se deleitava com toque do dedo de Antonin. Ele torceu a mão, a ponta de seu dedo acariciou o macio músculo direito dentro de sua abertura. O toque intensificou seu orgasmo até que ela não podia mais conter seus gritos de prazer. "Eu estou gozando, amor!", Ela disse a ele. Sua voz dissolveu-se entre as palavras. Ela estava tão quente para ele que sabia que poderia gozar cem vezes mais, se quisesse. Ele pressionou a palma da mão contra seu montículo e enrolou o dedo contra seu osso pélvico. Ela estremeceu e gritou de entusiasmo. Seus quadris estavam girando, fazendo a água ondular. Ela enrolou os dedos dos pés e, em seguida, esticou-os as pernas penduradas na água. Estava tão bom que ela nunca queria que parasse.

ESTAVA TORTUANDO-A ter que esperar por ela. Ele não era arrogante o suficiente para realmente acreditar que seu pau ia cutucar o bebê, ou que de alguma forma ia feri-la se ele tivesse relações sexuais com ela. Mas Antonin queria tornar as coisas o mais confortáveis possível para sua mulher. Isso significava não machuca-la em seu peso frágil. Delicadamente colocando-a de lado na água quente, ele se levantou. Em seguida, ele ajudou Juliet a se apoiar de novo nos lados da banheira de hidromassagem. "Espere", ele disse a ela. "Vou pegá-la por trás. Vou fazer de um jeito bom, amor. Eu prometo." Sua metade superior estava fora da água, mas a sua metade inferior estava dentro. A sensação sedosa da água contra sua buceta quando ele abriu suas pernas era incrivelmente satisfatório. Ele brincou com ela por uns momentos. Ele empurrou dois dedos em sua abertura apertada e afastou-os para alarga-la. Ela gemeu e contraiu-se para ele pedindo por mais. E quando ele empurrou o duro comprimento de seu pênis contra sua bunda, ela gemeu como se fosse morrer se ele não a pegasse agora. Suas mãos tremiam e seu coração disparou quando ele abriu as nádegas e pulsou sua vagina lisa com seu pênis. Ele colocou a cabeça em seu buraco e começou a empurrar para


dentro. Antonin foi devagar, mas Juliet queria mais rápido. Ela empurrou seu traseiro para ele, forçando seu pênis a entrar mais rapidamente. Ele gemeu com a sensação deliciosa. Ele parecia o paraíso. E uma vez que estava completamente dentro dela, ele fez uma pausa para deleitar-se com a sensação. "Não!", Ela implorou. "Não pare! Continue batendo. Eu quero gozar. Faça-me gozar, Antonin! " "Como quiser", ele murmurou. Suas palavras o deixaram louco. Saindo devagar, ele bateu de volta de novo e de novo. O atrito era maravilhoso. Seu pênis latejava e ele sabia que ia gozar rapidamente. Suas bolas estremeceram apertadas entre as pernas. Ele estava totalmente ciente de tudo ao seu redor em um nível primal. A brisa fresca beijou sua pele aquecida. Viu-a eriçar o cabelo que Juliet tinha preso no topo de sua cabeça. Sua pele estava macia e quente, e escorregadia da água. Ele podia sentir o cheiro da fragrância leve de eucalipto saindo da água, mas não era tão forte quanto a pura feminilidade do almíscar de Juliet. Ele podia sentir os dois se misturarem. E era isso que finalmente o fez gozar. Ele queria tanto derramar seu esperma dentro de seu corpo e marcá-la mais uma vez como sua. Empurrando duro, ele segurou seus quadris em suas mãos e empurrou seu pênis tão profundo dentro de seu corpo quanto podia. Ela gritou. Jogando a cabeça para trás, ela gemeu quando gozou duro e rápido. Sua vagina molhou seu pênis, recebendo cada essência do corpo dele dentro dela. Não havia um momento mais perfeito do que aquele. E ele queria mais mil segundos assim.


Capítulo Vinte e Nove "Você vai ficar bem", Juliet disse suavemente. "Eu não posso acreditar que você está nervoso. Acho que seus homens deixaram bem claro quem eles queriam como Pekhan. " Antonin achou cativante ela lhe dar essa conversa motivadora. Também era um pouco difícil de explicar para uma líder hereditária como Juliet Caglione que o Bratva tinha regras muito claras e precisas de sucessão. Não era que Antonin duvidava de seu direito de liderar. Ele tinha sido o herdeiro de seu pai. Ele apenas sabia que essa era uma enorme responsabilidade. Não só isso, mas ele estava a ponto de convencer um grupo de homens que tinham sido ordenados para exterminar os italianos nos últimos dez anos que seu Pekhan estava se casando com o inimigo. Juliet olhou para a tela do seu celular. "Meus homens devem estar aqui a qualquer hora." "Não é estranho que o seu cara mais confiável foi um completo e constante idiota há apenas uma semana atrás?" Antonin perguntou a ela. Juliet abriu caminho para o Samovar. O restaurante de propriedade russa fora dos italianos há menos de um ano atrás. Juliet tinha esperança de que seus homens e os homens de Antonin estariam confortáveis neste ambiente. A aquisição russa do restaurante tinha sido amigável e não hostil. Os proprietários da máfia italiana anteriores simplesmente decidiram se aposentar e não tinham nenhum filho para assumir o negócio. Um homem careca e baixo na casa dos cinquenta se curvou quando Antonin entrou no segundo conjunto de portas de entrada que levavam até o restaurante. "Sr.Mikhailovich, você é bem-vindo aqui! Por favor, venha e sente-se. Sua sala de jantar privada está pronta. " "Obrigado, Ivan," Antonin disse graciosamente. "Muitos homens virão nos encontrar logo." "Alguns deles são italianos," Juliet informou Ivan. "E o meu sacerdote estará aqui também. Padre Barelli. Por favor, leve-o para a sala de jantar quando ele chegar." "Italianos?" As sobrancelhas de Ivan quase saltaram da testa como duas lagartas em fuga.


"Sim." Antonin suspirou. Ia ser assim por um tempo. Ele estava conformado com isso. "Italianos." Antonin acompanhou Juliet para a sala de jantar privada e descobriu que Alexei e a maioria de seus brigadeiros já estavam lá. Na verdade, havia um bom número de homens de Juliet também. Reggie estava entre eles. Reggie se aproximou de Juliet imediatamente, lançando olhares abertamente suspeitos pela sala. "Você tem certeza disso, chefe?" "Cem por cento." Ela deu um tapinha no peito com a palma da mão. "E se você estragar tudo, eu vou cortar suas bolas e dar aos meus cachorros." "Você não tem cachorros," Reggie lembrou. Ela sorriu. "Não, mas terei alguns." Reggie olhou com pena para Antonin. "Cara, eu sinto pena de você se irritá-la."

JULIET PODIA dizer pelo nível no tom de Reggie que ele estava brincando, mas viu que Antonin estava tentando decidir se ia ou não se ofender. Antonin não tinha tanta certeza de que Reggie foi a melhor escolha para seu alto escalão. Mas Reggie carregava a lealdade de vários dos membros importantes remanescentes da organização Caglione. Ele e Juliet precisavam um do outro, e ambos foram espertos o suficiente para perceber isso. "Você sabe", ela comentou com Reggie, "eu realmente não estou tão surpresa que você sobreviveu a todo o comportamento possessivo de Giovanni." "Por que?" "Você é como um rato", ela disse a ele. "Você sobrevive apenas para morder a próxima pessoa tola o suficiente para lhe dar uma esmola." "É por isso que você não está me dando nada?", Ele reclamou. "Exatamente." Eles ainda estavam rindo quando Padre Barelli chegou. Reggie ergueu as sobrancelhas em


choque. "Você convidou o padre? O que? Vamos assinar algum documento oficial sancionado pela igreja? " "Mais ou menos", Juliet acobertou. "Sente-se e fique quieto. Vai descobrir isso em breve ". Ela abraçou Padre Barelli. Ela estava tão feliz que o homem não estava pior do que a situação terrível que tinha passado tão pouco tempo atrás. Em seguida, o resto dos homens de Antonin acenou e se sentaram. Não passou despercebido que a sala foi dividida em linhas partidárias. O Bratva ocuparam um lado e os Cagliones o outro. Juliet estava triste que mais de seus homens não tinham sobrevivido para estar aqui. Antonin levantou as mãos. O Bratva se calou, e os Cagliones reviraram os olhos. "Agradeço a todos vocês de vir aqui esta noite. Tenho certeza que vocês estão tentando descobrir por que teríamos tal reunião considerando o sangue ruim entre nossas famílias. " Houve concordância por toda a sala em ambos os lados. Juliet percebeu que Padre Barelli parecia um pouco tenso. Ela tentou dar-lhe um sorriso encorajador. Isso ia dar certo. Tinha que dar. "A verdade é", Antonin continuou em voz alta, "nenhum dos lados vai beneficiar de mais conflito. Precisamos de tempo para reconstruir nossas fileiras e executar nossos negócios. Isso é sobre ganhar dinheiro e levar uma vida melhor, não gerar conflitos e lutas e olhar por cima dos ombros a cada segundo.". Outra rodada de comentários chicoteou pela sala, mas dessa vez eles estavam cautelosamente em apoio. Havia um monte de olhares surpresos e sussurros. Juliet nunca tinha estado mais orgulhosa de seu homem. Ele ficara tão preocupado que fosse estragar seu discurso, mas nunca houve um homem tão adequado para dar este tipo de discurso. Havia algo completamente genuíno sobre Antonin. Ele não dizia nada a menos que fosse verdade, e todos sabiam disso.

ANTONIN DESEJOU que se sentisse composto tanto quanto parecia. Se algo acontecesse e os homens começassem alguma discussão, como Pekhan ele tinha a responsabilidade de ouvir e levar


suas preocupações a sério. Mas ele não queria que seu dever como Pekhan entrasse em conflito com seu amor por Juliet e sua família. "Muitos dos meus homens conhecem Juliet Caglione. E, claro, os Cagliones a conhecem como a última herdeira de sua família e de seu chefe. "Antonin engoliu. Ele estava começando a ser vago. Era hora de apenas falar. "O que alguns de vocês não sabem é que Juliet e eu vamos ter um filho juntos." Não havia nenhuma maneira de interpretar com precisão tudo o que ele estava ouvindo ao redor da sala. Alguns positivos, outros negativos, alguns apenas confusos, mas nada abertamente desafiador ou perigoso. Antonin se abaixou e pegou a mão de Juliet. Ele levantou os dedos sobre os lábios e beijou sua mão. Ele a amava e teria caminhado através do fogo para ver seu sorriso, então ele podia fazer isso também e ia fazer dar certo. "Nós vamos ter uma filha", Antonin continuou. "Mas teremos filhos também. Nosso objetivo é reconstruir nossas vidas. Não apenas as nossas famílias, mas as suas também. Queremos suas famílias sejam nossas famílias e seus filhos sejam o futuro dessas organizações. Juntos, podemos fazer isso. Podemos reconstruir e podemos prosperar. Há espaço de sobra, e se nos unirmos nem mesmo os federais poderão nos derrubar." Sim. Aquilo eles entenderam claramente. Houve um rugido de aprovação. Então, alguém começou a bater palmas. Um conjunto de mãos se transformou em uma aclamação de pé, e logo a sala estava em alvoroço. Então Padre Barelli levantou-se e começou a andar para a frente da sala onde encontrou Antonin e Julieta. Juliet gritou para os homens se acalmarem. Antonin teve que admirar não apenas sua coragem, mas também o seu brilho. "Vocês todos precisam se acalmar! Haverá celebrações em um minuto, mas por enquanto todos vão testemunhar o nosso casamento. Nós estamos nos unindo, mas também as nossas famílias e nossas organizações. É isso que eu quero. E eu juro que vou quebrar cabeças se alguém estraga o dia do meu casamento! " Os Cagliones grunhiram de satisfação. Era óbvio que eles estavam mais do que um pouco


satisfeitos que sua pequena Juliet tinha se transformado em tal poder. Antonin não poderia culpálos. Seu lado resistente de menina era sexy demais e era uma de suas coisas favoritas sobre ela. Padre Barelli moveu-se para a posição, e Antonin pegou a mão de Juliet. Voltaram-se para enfrentar o sacerdote, e a sala ficou tão quieta que ele poderia ter ouvido um alfinete cair. Antonin sentiu a mão de Juliet apertar a sua. Ele gentilmente apertou-lhe de volta. Ela havia perguntado se ele queria uma cerimônia ortodoxa russa, mas o pobre Padre Barelli tinha sido importante na vida de Juliet que Antonin sentiu que ele merecia a tarefa de casá-los. A MENTE DE JULIET girou enquanto tentava prestar atenção à cerimónia. Ela continuou se distraindo com tudo o mais na sala. Não era apenas seu marido bonito. Ela ficava olhando em volta para os rostos familiares e não familiares. Ela viu como eles se entreolharam, e ela sabia que se sentiram apreensivos com essa mudança. No entanto, ela também notou que todos eles pareciam dispostos a tentar. Talvez tivesse havido muito derramamento de sangue recentemente. Não que Juliet estava com medo de sangue ou de ter de atingir algumas pessoas quando necessário. Ela estava tão consciente de que havia agora uma nova chance se reagrupar e reconstruir. Isso era agora e esse era o primeiro passo. "Você, Juliet Caglione" Padre Barelli começou ", aceita Antonin Mikhailovich como seu legítimo esposo? Você promete estar com ele na saúde e na doença, na riqueza ou na pobreza, enquanto os dois viverem? " Era estranho, mas Juliet e Antonin tinham tido um enorme esforço para ajustar os votos para fazê-los pessoalmente. Ambos concordaram que a saúde e a prosperidade era algo realizável. A renúncia aos outros era real. Ela já havia o informado que amputaria suas bolas se ele decidisse desviar, e Antonin percebeu porque esse era um ponto importante para ela. Era apenas uma das milhões de razões porque ela o amava tanto. "Eu faço", Juliet disse claramente. "Prometo também, ouvir suas opiniões com uma mente clara e justa, e nunca colocar minhas próprias preocupações pessoais acima da família como um todo." Isso também foi algo que eles haviam discutido. Ela viu acenos de aprovação dos homens


que fez entender que compreendiam e apreciavam seu gesto. Padre Barelli suspirou. Ele não tinha exatamente aprovado essa parte. Então ele virou-se para Antonin. "Você, Antonin Mikhailovich, aceita Juliet Caglione como sua legítima esposa? Você promete estar com ela na saúde e na doença, na riqueza ou na pobreza, enquanto os dois viverem? " "Sim." Antonin olhou para suas famílias reunidas. "E eu também prometo ouvir suas opiniões com uma mente clara e justa, e nunca colocar minhas próprias preocupações pessoais acima da família como um todo." "Então, pelo poder investido pelo Estado, o Vaticano, e Deus, eu vos declaro marido e mulher." Padre Barelli finalmente sorriu, e era um largo sorriso. "Agora você pode beijar a noiva!" Juliet lançou os braços em torno de seu novo marido, e ele não recuou. Antonin beijou a sem pensar. Seus dedos curvaram-se e um pé veio acima do chão enquanto ela quase caiu com o carinho e amor que podia sentir naquele beijo. Sim. Este ia definitivamente ser o início de algo novo e totalmente incrível. Ela não podia esperar para ver o que ia acontecer depois!


Epílogo CINCO ANOS DEPOIS… "Eu troquei a última fralda!" Reggie apontou para Alexei e depois fez um gesto vago para o bebê sentado no tapete persa grosso no escritório de Juliet. Alexei murmurou algo feio em russo. "Você não! Você descobriu um problema na cozinha que só você podia resolver e nunca mais voltou ". "Não, não" Reggie resmungou sombriamente. Juliet revirou os olhos e olhou para cima a partir do livro que estava reconciliando em seu laptop. "Hey!", Ela virou-se para os dois homens. "Olha, eu não me importo quem trocou a última fralda. Você me entendeu? Eu vou estar feliz em trocar essa eu mesma como fiz na última vez já que vocês dois são péssimas babás ". "Não!" Reggie argumentou. "Eu já entendi." Ele pegou o bebê do chão com surpreendente delicadeza e colocou a criança em seu quadril. Então ele fez uma cara de pateta, e o bebê balbuciou e riu com prazer. Reggie acariciou a criança de cabelo castanho claro. "Eu não posso deixar meu pequeno príncipe ficar com a bunda suja, não é mesmo?" Juliet observava com diversão quando o homem que ela tinha designado para ser seu subchefe saiu de seu escritório com Mikhail em seu quadril. Era realmente algo para se ver, e ainda assim, se Juliet realmente pensasse sobre isso, era exatamente como ela queria que as coisas terminassem. As casas do Bratva e os Cagliones estavam cheias. Claro, negócios eram negócios, e ainda havia um negócio criminoso muito lucrativo acontecendo. Juliet olhou para aquilo como parte da vida. Poderia ser moralmente ambíguo, mas Juliet descobriu que as organizações dirigidas por ela e por Antonin ainda eram mais honestas do que os federais. Alexei andou até a mesa. "Como você está se sentindo?" "Quer parar de me perguntar isso?" Juliet esfregou sua barriga muito grávida. "Não é como


se eu não estivesse acostumada com todo esse processo até agora, sabe? Esse é o bebê número três." O sorriso de Alexei lhe disse que ele não se ofendera nenhum pouco com sua resposta. "E eu estou certo que Antonin ia gostar de saber como está." "Isso é porque vocês são um bando de mulheres velhas!" Ela caiu para trás em sua cadeira confortável. "Quando Anastasia nasceu, eu pensei que eles iam fechar o hospital para evitar que vocês tentassem entrar na sala de parto." Ele estava rindo com aparente satisfação. "Eu vou admitir que o nascimento de Ana foi provavelmente um que provavelmente exageramos um pouco, mas você tem que admitir que foi o primeiro. A maioria de nós ainda não havia se casado. A sua gravidez foi a primeira que vimos realmente ". "E eu fiz todos vocês participarem, claro", Juliet concordou com um suspiro. "Ver dezenas de mafiosos fortões passarem por um treinamento CPR foi inestimável." "Sem mencionar as babás", Alexei disse sombriamente. "Sim, mas admita" Juliet desafiado. "Isso veio a calhar quando sua Maria começou a ter bebês." "Você está certa." Alexei parou por um momento, e então suspirou. "Você e Antonin fizeram algo que ninguém pensava ser possível, e todos nós agradecemos por isso." Ela tomou um fôlego para responder, mas foi cortada por um borrão de babados brancose-rosa. - Mamãe! "Olá, minha querida!" Juliet pegou sua pequena filha e abraçou com força. Antonin estava bem atrás de sua filha mais velha. O olhar que ele deu a Juliet fez estremecer por dentro. Ela jamais entenderia por que ele achava tão fisicamente irresistível quando estava grávida, mas ela sabia que era verdade. O homem estava praticamente ardente para ela. Era tentador dizer a Alexei para pegar Ana e sair. O sexo era estranho nos dias de hoje, mas Juliet e Antonin davam um jeito.


"Mamãe, olha para mim." Ana agarrou o rosto de Juliet e pressionou as palmas das mãos nas bochechas de sua mãe. Em seguida, ela forçou Juliet a se concentrar nela completamente. "Papai fez a coisa mais maravilhosa." "O que é isso?" Juliet quase odiava perguntar. Antonin era péssimo quando se tratava em dizer não para Ana. "Temos um filhote de cachorro !" Ana gritou. Ela começou a saltar batendo palmas. "Calma ai, princesa", Antonin disse rapidamente. Ele estendeu a mão e arrancou sua filha do colo de sua mãe. "Você vai machucar a cabeça de seu irmão mais novo pulando na barriga da mamãe assim." "Oops, eu esqueci." Ana olhou contrariada. "Eu fiquei tão animada com o cachorro, Mama! O nome dela é Flo, e ela é fofa e branquinha e tão bonita!" Antonin andou de um lado a outro, parecendo humilhado. "Você sempre disse que queria um cachorro." "Eu não tenho certeza que uma bola de pêlo branco fofa era o que eu tinha em mente quando disse que ia dar suas bolas para o cão, mas podemos lidar com isso mais tarde", Juliet disse ironicamente. "Flo?" "Ana escolheu", Antonin disse rapidamente. Juliet podia ver Alexei lutando para não morrer de rir no fundo. Na verdade, ele tinha suas mãos cobrindo a boca. Então Reggie voltou com Mikhail pelos pés. O bebê estava gritando de alegria e agitando os braços em seu tio. Antonin tirou seu filho do abraço de Reggie e beijou a testa do bebê. "Como está o meu pequeno príncipe?" Antonin murmurou carinhosamente. Qualquer irritação que Juliet podia ter sentido sobre ter um cachorro no meio de tantas crianças e mafiosos evaporou enquanto observava seu marido feliz com seu filho. Ela nunca poderia ter previsto o quão bom Antonin seria com crianças. O homem tinha o dom. Nenhuma mulher jamais havia sido tão atraída por um marido amoroso e companheiro. Ela o amava demais,


e sabia que, enquanto ele ainda era difícil de matar e sempre seria, ele também era indiscutivelmente dela. "Mama?" Ana lamentou. Sua fina voz era patética. "Você está brava? Será que vamos ter que devolver Flo? " - Não, querida. Você pode ficar com o cachorro, mas você vai ter que fazer Reggie ajuda a limpar depois. Mama tem coisas demais para limpar com os seus irmãos ". "Hey!" Reggie disse indignado. "Por que eu que fico com a tarefa?" "Porque é isso que sub-chefe significa", Juliet disse docemente. "E você faz a parte ruim." Reggie bufou, mas também piscou para Ana. "Por que você não me mostra a Flo? Podemos encontrar um lugar para ela dormir onde ela vai ficar confortável. " "Dãh!" Ana colocou as mãos nos seus pequenos quadris. "Na minha cama , tio Reg."

ANTONIN VIU sua filha sair com o sub-chefe de Juliet da sala enquanto tagarelava sobre o futuro de filhote de cachorro. Então ele voltou sua atenção para a esposa. Ela estava esfregando a barriga e parecendo desconfortável. Depois de duas gestações, ele sabia o que isso significava. Especialmente já que eles estavam tão perto do beber nascer. "Alexei", Antonin disse calmamente. "Traga o carro." Alexei olhou de seu Pekhan para Juliet. "Quer que eu chame o médico?" "Sim." "Antonin, você está exagerando", Juliet insistiu. "E você tem mais dores nas costas e uma barriga que coça", ele respondeu. Seu lábio inferior contraiu-se. "Talvez." "Então por que você não disse nada?" Antonin queria saber. "Você sabe tão bem quanto eu que significa que você só tem algumas horas antes do trabalho de parto." "Eu queria que fosse feito logo. Temos negócios para amanhã, e eu preciso que seja perfeito." Ela estava realmente fazendo beicinho. Era adorável." Eu sei que Reggie pode cuidar


disso. E eu sei que Alexei estará à disposição para ajudar, mas ainda assim. " Antonin mudou-se para o lado dela e com muito cuidado ergueu-a em seus braços. Seu gemido lhe disse que ela estava mais adiantada do que deixava transparecer. "Quanto tempo?", Disse ele, referindo-se as contrações. "Cerca de uma hora." "Quanto tempo entre?" "Talvez dez minutos." "Mulher, você vai me deixar louco", Antonin rosnou. Ela enrugou o nariz. "Só se você realmente me irritar." Ele riu. Ele amava seu humor, e ele amava o quão duro ela era. Agora, ele beijou a testa dela e abraçou-a enquanto a levava pela casa e pelas escadas até o carro. Eles passaram por vários dos homens no caminho para fora. O lugar estava cheio até o teto com os homens Caglione e Bratva. Suas mulheres eram frequentemente empregadas como governantas, cozinheiras e até mesmo babás. As crianças corriam desordenadamente pelos cômodos, e mais de um homem segurava um bebê em seus braços. Isso foi exatamente o que Antonin tinha sempre sonhado. Em toda a cidade, a base Bratva parecia exatamente da mesma maneira. Eles eram uma família e isso era um vínculo que podia suportar qualquer coisa. "Indo para o hospital?" Reggie apareceu com Ana. Houve uma bola de pelos branca contorcendo nos braços. "Sim." Antonin assentiu. "Há uma planilha em seu computador para o negócio de amanhã." Reggie sorriu. "Eu cuidarei disso. Eu me pergunto porque ela insistira em fingir que não estava em trabalho de parto ". Juliet olhou descontente. "Eu não gosto quando você fala sobre mim como se eu não estivesse aqui!" Então Reggie abaixou-se e beijou sua bochecha. "Bênçãos sobre você, Juliet Caglione. Todos nós estaremos esperando você nos trazer a próxima bola de fogo ".


"Cuide de Ana e Mikhail," ela disse a ele. "Minha esposa está a caminho. Ela vai ficar aqui comigo essa noite e se certificar de que eles estão bem. " Antonin sentiu Juliet relaxar. Seus filhos tinham tantas tias e tios que às vezes ele se perguntava se Ana e Mikhail sequer notavam quando ele e Juliet tinham desaparecido durante a noite. Não era nada ruim. Seus filhos eram amados e bem tratados, que era o que mais importava. Alexei estava com o carro à espera na parte inferior dos degraus da frente. Antonin subiu no banco de trás com Juliet, e eles partiram. O médico estava esperando na entrada da sala de emergência. No que pareceram minutos, eles foram abrigados em uma sala de parto confortável. Antonin ficou ao lado de Juliet, sua mão segurando enquanto ela lutava para trazer seu terceiro filho para o mundo. Ele assistia com admiração o suor escorrendo pelo rosto. Finalmente chegou a hora. O médico e uma enfermeira estavam perto, uma cortina cobrindo a parte inferior do corpo de Juliet quando ela empurrava com toda sua força. Antonin esperou, o coração batendo forte no peito. Não importava quantas vezes ele experimentasse medo ou excitação, esse momento sempre se destacaria em sua mente como o mais belo de todos. O choro de um bebê quebrou o ar. Antonin apertou a mão de Juliet e levou-a aos lábios. Ela caiu para trás contra os travesseiros e respirava com dificuldade quando finalmente relaxou. Então ela se virou para ele com lágrimas nos olhos. "Bem?", Ela sussurrou. O médico deu um largo sorriso por trás da máscara, os cantos dos olhos enrugando com alegria. "É mais um menino saudável. Quase cinco quilos! Eu diria que esse vai dar Mikhail uma disputa por dinheiro. Você já pensou em um nome? " Antonin olhou para sua linda esposa com seu cabelo escuro de suor úmido e olhos azuis brilhantes. "Charles", Antonin disse com firmeza. "Enzo", acrescentou Juliet. Antonin assentiu e, em seguida, terminou com, "Caglione."


Os médicos e enfermeiras acabaram com os testes de Apgar e envolveram o bebê em um cobertor quente. Antonin afundou em uma cadeira ao lado de Juliet e se inclinou para dar um beijo na testa. Ele a amava mais do que jamais poderia ter imaginado amar qualquer coisa. No entanto, cada vez que ele conhecia um dos seus filhos, pela primeira vez, ele percebia que havia muito a agradecer nesta vida. "Eu acho que esse pequeno pode mamar." Uma das enfermeiras colocou o bebê nos braços de Juliet e ajudou a organizar o seu avental de hospital para que ela pudesse amamentar. Juliet tocou na mãozinha perfeita de seu filho quando ele agarrou e começou a mamar como um profissional. "Ele é lindo." "Você é linda", Antonin respondeu. "Eu nunca percebi o quão vazia minha vida era até que você tropeçou nela, Juliet. Obrigado por tudo que você fez por mim. " Ela olhou para ele e ofereceu um sorriso. "Eu te amo, Antonin. Isso nunca vai mudar. Nem mesmo quando todos esses bebês tiverem crescido e formarem suas próprias famílias e estivermos velhos e grisalhos. " Ele tocou a cabeça de seu filho. "Para sempre." "Sempre", ela concordou.

O FIM

CLIQUE AQUI

para se inscrever na minha newsletter e obter atualizações


EXCLUSIVAS em todas as ofertas, segredos e novos lanรงamentos!


OUTRA HISTÓRIA QUE VOCÊ PODE GOSTAR Sequestrada Pelo Chefe da Máfia Por Bella Rose

Livro bônus completo incluso!

CLIQUE AQUI

para se inscrever na minha newsletter e obter atualizações


EXCLUSIVO em todas as ofertas, segredos e novas estreias!


Sequestrada Pelo Chefe da Máfia: Um Romance da Máfia Por Bella Rose

Todos os Direitos Reservados. Copyright 2016-2017 Bella Rose.

CLIQUE AQUI

para se inscrever na minha newsletter e obter atualizações EXCLUSIVO em todas as ofertas, segredos e novas estreias!


Capítulo Um Blair Edwards se concentrou em sua lista de verificação do voo. O ritmo do hangar na sede da Skye Aviation, em Nova York, proporcionou uma paisagem agradável enquanto ela checava a lista. Ela olhou para o relógio. Estava contente de ver que estava bem dentro do horário para a decolagem. O cliente do dia era Mikhail Romanov. Blair nunca o tinha encontrado antes, mas ele tinha uma reputação na empresa por ser sério demais, sem tolerância para as interrupções de sua agenda. "Ei, garota!" Blair olhou para cima para ver seu tripulante único sorrindo de orelha a orelha. Ethan era alegre e uma das pessoas favoritas de Blair em todo o mundo. "Ei, você!" Ela deu a ele um sorriso caloroso. "Você se divertiu na noite passada?" "Oh meu Deus! Você deveria ter vindo conosco, "Ethan cantou. Ele afundou dramaticamente contra o lado da porta do cockpit. Ethan era provavelmente uma das únicas pessoas vivas que podiam fazer com que o uniforme da Skye Aviation de calças marinhas e camisa branca com botões parecesse bom. Naturalmente, Ethan tinha adicionado uma boina fofa em sua cabeça loura, e sua postura elegante o fazia ficar bem em tudo. Blair sentiu-se desagradável e sem graça ao lado de seu amigo. "Você ouviu falar do vôo de ontem?" Ethan sussurrou. "Você sabe, aquele com aquela cantora pop?" Blair riu. "Você quer dizer, hipoteticamente, uma vez que a Skye Aviation tem a política mais estrita de confidencialidade sempre?" "Sim, exatamente!" Ethan balançou as sobrancelhas.


"Estou feliz por não ter sido no meu avião", disse Blair. "De longe prefiro os empresários estressados a esses artistas agitados." "Você faria!" Ethan suspirou. "Nós temos que tirá-la desse casco que você querendo se esconder. Quem sabe? Talvez encontremos algum belo empresário que se apaixone por você. Ele vai levá-lo para o seu felizes para sempre e ainda vou estar preso aqui. " "É melhor eu não pegar você tentando dar uma de cupido com nossos clientes." Ela sacudiu um dedo em seu rosto. "Dificilmente. A empresa mantém uma política tão rígida com a informação privada dos clientes. Eu duvido que eu consiga um número de telefone." Os dois riram até que Blair olhou para o relógio e percebeu que tinha que se mexer. "Não importa o que nossos clientes fazem ou quem são contanto que a cor de seu dinheiro for real. Essa é a política da empresa. "Isso vai nos ferrar um dia, só aguarde," Ethan disse sombriamente. "Basta olhar para o nosso passageiro de hoje." "Talvez eu possa lhe dar uma olhada se você está querendo uma inspeção." A voz masculina baixa fez o cabelo na parte de trás do pescoço de Blair ficar em pé. Ao lado dela, Ethan congelou. Seu rosto ficou vermelho quando ele se virou para encarar Mikhail Romanov. Ele estava inclinado casualmente contra a porta aberta que conduzia à escada e ao tarmac abaixo. O conhecido mafioso russo tinha bem mais que 1,82cm de altura e parecia que ele era descendente de várias gerações de atletas. Seus ombros e peitoral eram largos, e seu abdômen estava firme sob a camisa de vestido azul escuro. Ainda assim, não foi apenas a sua aparência física que lhe deixou sem ar. O brilho em seus olhos escuros era quase selvagem. Seu olhar passou por Ethan e desviou-se quase que imediatamente, mas quando se virou para olhar para Blair sentiu como se tivesse tirado cada peça de roupa em seu corpo. Seus olhos ardiam. Ela observou seus ombros subirem e descerem enquanto respirava e se


perguntou por que de repente sentiu como se tivessem experimentado uma queda de pressão da cabine. O canto de sua boca sensual apareceu e ela realmente corou. Não era um sorriso. Não poderia ser chamado assim, pois era muito atrevido. Então ela baixou o olhar, incapaz de encarálo por mais tempo. Ela sentiu-o olhar para seus seios e queria fazer algo ousado, mas não podia sequer abrir a boca para falar. O cheiro dele flutuou pelo pequeno espaço e ela sentiu seu interior estremecer enquanto ela inalava a mistura de sândalo forte e hortelã. Havia algo mais sob aqueles cheiros mansos, no entanto. Esse homem suava os feromônios alfa como se ele pudesse comandar qualquer sala que ele tivesse entrado, se quisesse. Ao lado dela, ela ouviu o grito abafado de Ethan. Sem dúvida, seu amigo estava prestes a desmaiar. Blair se ajeitou. Ela era a piloto dessa nave, maldição. Este não era o momento de agir como uma menina conhecendo meninos pela primeira vez. Blair limpou a garganta. - Não queremos desrespeitá-lo, Sr. Romanov. Meu colega e eu estávamos apenas discutindo a importância da política de confidencialidade da Skye Aviation. " - Entendo - murmurou ele. Romanov parecia desinteressado ou despreocupado. Era difícil dizer qual poderia ser. Afastou-se do batente da porta e dirigiu-se para a parte de trás do avião. "Meus sacos estão no fundo da escada, se você não se importa?" Virou-se sem mais uma palavra e entrou na cabine principal. Blair o viu sentar-se e acomodar-se na área da mesa. Seus ombros eram tão largos que ele teve que se encaixar no assento. Uma vez que ele pareceu satisfeito, se inclinou para trás e cruzou as mãos sobre a barriga. Ele parecia estar indo dormir. Aparentemente, ela e Ethan haviam sido esquecidos, o que não era problema. - Pegue suas malas - murmurou Blair. "Eu vou terminar os ajustes para que possamos tirar esse pássaro do chão." Ethan não precisava ser ordenado duas vezes. Blair voltou para a cabine e tentou respirar normalmente. Seu coração bateu contra suas


costelas e ela sentiu um formigamento estranho em sua pele como se ela tivesse experimentado algum tipo de choque elétrico. Naturalmente, encontrar Mikhail Romanov seria absolutamente como um choque. Ela sentou-se nos controles e se contorceu um pouco. Sua calcinha estava molhada. Apertando os lábios, ela tentou se convencer de que ter um homem olhando para ela como se quisesse a desembrulhar o que via e comer mordida por mordida não foi o motivo para se excitar. Infelizmente, sua vagina molhada, sugeria uma história completamente diferente. Romanov era perigoso, só porque desafiava seu autocontrole. *** Mikhail teve que segurar um sorriso enquanto pensava no olhar de horror da pequena piloto quando ela percebeu que suas fofocas haviam sido descobertas. Não se lembrava de ter voado com ela no leme antes. A Bratva - a organização russa do crime em solo dos EUA - usava a Skye Aviation para a maioria de seus vôos domésticos e até mesmo alguns internacionais. Com filiais em cinco cidades americanas diferentes, havia um monte de viagens acontecendo. O telefone de Mikhail tocou. Ele teria ignorado, mas era seu irmão mais novo, Ivan. "Da?" Mikhail manteve seu tom cortante e falou em russo. "Estou no avião, indo para Chicago. Isso pode esperar? " - Não. - Ivan parecia terrível, mesmo para Ivan. E o mais jovem Romanov era conhecido em todo o Bratva como o cara do juízo final. - Você foi dedurado por um informante dentro do FBI. "Quem?" Mikhail sentiu seu humor escurecer. Era a última coisa de que precisava. - Você sabe quem é esse cara? "Não, mas tem que ser alguém que joga em ambos os lados." Houve um som de teclas clicando no laptop de Ivan. O homem nunca ia a qualquer lugar sem um computador. - Você tem que controlar o avião. "Como é?" Mikhail tinha feito um monte de coisas dentro da organização Bratva para garantir o seu lugar no topo. Ser terrorista não estava na lista. - Você quer que eu sequestre meu próprio vôo fretado?


"Se é assim que você quer ver as coisas. Sim. Ivan ainda insistia. "Você precisa ir a Las Vegas. Eles estão esperando por você em Chicago com um mandado. Se você ficar lá em Nova York, eles só vão servir o mandado lá. - Vegas - disse Mikhail com um gemido. Quase conseguia ver Ivan acenando com a cabeça. - Nós temos Vegas. - Estou consciente - murmurou Mikhail. - E então para onde irei? Ou será que vou apostar até me apanharem lá? - Aleksei e eu nos encontraremos na Rússia dentro de uma semana - disse Ivan rapidamente. "É o único lugar que podemos ter certeza de segurança." - Moscou - concordou Mikhail. "Então, por que não posso ir para lá agora?" "Estamos tentando encontrar o agente." Ivan falou com alguém atrás dele. "Aleksei está trabalhando nisso agora." Mikhail sabia que seu irmão do meio gostava da perseguição, especialmente quando isso significava que poderia ser capaz de sujar as mãos. "Espero que nosso irmão não tenha a intenção de deixar um rastro de sangue sobre três continentes." - Só se for necessário obter as informações que queremos - disse Ivan, irreverente. "De qualquer forma.Vá para Las Vegas. De lá você precisa ficar esperto. Aleksei enviará alguém para ajudar com os papéis de viagem. - Diga a Aleksei que não cause problemas com a merda estranha que ele usa para falsificar as identidades - disse Mikhail irritado. "Vou torcer seu pescoço magro dessa vez." "Anotado" Ivan disse com uma risada. "Uma vez que você tomar o controle do avião me avise. Vou dar ao piloto novas coordenadas para voar.” "Tudo bem." Mikhail desligou o telefone e olhou ao seu redor com interesse renovado. A piloto não parecia uma amazona, mas isso não significava que ela não iria lutar se isso acontecesse. Ela era uma mulher extraordinariamente atraente, mesmo em seu uniforme de vôo da companhia. Ele não podia deixar de se perguntar como eram suas curvas sem o tecido monótono


escondendo-as. Seus olhos eram muito expressivos. A sua cor azul pálida combinava bem com o seu cabelo loiro avermelhado. Normalmente ele gostava de suas mulheres com cabelos longos, mas seus cabelos na altura do ombro eram igualmente deslumbrantes. Mikhail lembrou a si mesmo de que pretendia tomar esta mulher como refém, uma situação em que não importava se ela era atraente ou não. O outro tripulante guardou a bagagem de Mikhail com um mínimo de barulho e então se aproximou de Mikhail com um sorriso caloroso. O radar interno de Mikhail registrou o fato de que esse homem era certamente gay. Ele caminhava de forma um pouco pomposa e a maneira como seu olhar o observava apreciando o corpo de Mikhail era algo que não o deixava animado. - Meu nome é Ethan. Eu estarei servindo você em nome da Skye Aviation durante seu voo. Posso lhe dar alguma coisa antes de decolar, Sr. Romanov? O tom de Ethan teria sido mais adequado para um quarto. Mikhail suspirou. “- Só uma garrafa de água, por favor.” "Como quiser." Ethan desapareceu e voltou alguns momentos depois com a água. Ele colocou no suporte perto do cotovelo de Mikhail. "Seu piloto hoje é Blair Edwards. Novamente, meu nome é Ethan. Se você precisar de alguma coisa, nos avise." Mikhail teve a estranha ideia de que o pobre Ethan não tinha ideia do que ele estava oferecendo. Ou talvez Ethan achasse que Mikhail poderia estar interessado em se juntar ao clube de milhas. Embora Mikhail tivesse pouco interesse em outros homens, a ideia de dobrar o piloto sobre um assento e apreciar seu delicioso corpo pequeno a trinta mil pés acima do solo soouavabastante interessante. Infelizmente, Mikhail tinha outros planos. Ele começou a formular um plano em sua cabeça que o deixaria no controle do avião com um mínimo de barulho e sem derramamento de sangue. Quando ele finalmente fez seu pedido para mudar o plano de voo, ele poderia muito bem ter que fazer algo que iria transformar a vida da tripulação de cabeça para baixo. Porque informá-los de que eles iriam ajudá-lo a sequestrar


um avião da Skye Aviation para dar a volta ao mundo não era louco o suficiente. *** Blair olhou para cima enquanto Ethan voltava para a frente do avião. "Estamos prontos para decolar. Está tudo certo?" "Fora a completa falta de senso de humor ou qualquer outra qualidade humana básica naquele sujeito Romanov? Claro. Nós estamos prontos." Ethan parecia desapontado. "Você estava tentando dar em cimadele?" Blair realmente virou, as sobrancelhas levantadas em surpresa. - Tenho certeza de que ele é hétero. Não é? O suspiro abandonado de Ethan a fez rir. "Eu tenho certeza que você está certa, mas ele é tão quente! Eu pensei que se eu pudesse conseguir algo dele faria toda a viagem vale a pena. " Blair comunicou com a torre e obteve sua autorização. Ethan fechou a porta entre o cockpit e a cabine. Blair a trancou e sentiu a familiaridade de seu ambiente acalmar qualquer agitação restante. E por que ela se importava se Ethan desse em cima de seu passageiro? Só porque seu cérebro continuava tendo fantasias com ele não significava que ele pertencia a ela. Sua imaginação selvagem ia acabar colocando-a em apuros.


Capítulo Dois Blair se acomodou em seu assento. Ela sentiu o zumbido do jato enquanto disparava os motores e se preparava para entrar no trânsito no asfalto. Houve um ligeiro atraso na pista enquanto esperavam que o tráfego estivesse limpo. Quase esperava ouvir uma queixa de Romanov, mas ele não falou nada. Logo estaria no ar em uma viagem curta a Chicago e não veria nada além do céu azul ao seu redor. A decolagem foi exatamente como planejada. O jato poderoso levantou-se do chão e disparou pelo ar. Demorou apenas dez minutos para chegar a dez mil pés, e talvez outros vinte antes de estarem a uma altitude confortável. Blair absorveu o consolo de sua parte favorita do voo. Seus planos foram arquivados e aprovados pelas torres em Nova Iorque e Chicago. Ela havia se registrado com a Skye Aviation para dar-lhes uma ETA precisa, e agora ela não tinha nada a fazer senão manter um olho nos controles até chegar perto o suficiente de Chicago para desativar o recurso do piloto automático. Ela estava entretendo-se com a imagem mental de colocar os pés para cima e tomar uma cerveja enquanto deixava o avião voar quando houve um duro bater na porta do cockpit. Virando-se, ela olhou desconfiada para a porta. Era contra os regulamentos da FAA que Ethan entrasse. Ele sabia disso. Se ele precisava chamá-la, ele usaria o interfone como sempre fazia. Mais devagar, dessa vez dissolvendo em um barulho que fez o estômago de Blair roncar de medo. Levantou-se e caminhou lentamente até a porta. Havia uma janela redonda um pouco acima do nível dos olhos que lhe dava uma visão da cabine principal. Ela ficou na ponta dos pés para ver o que estava acontecendo. Com um pequeno rangido de angústia, ela caiu agachada e colocou as mãos em ambos os lados da cabeça. Apertando seus olhos fechados, ela quis que a visão sumisse.


O interfone estalava. - Blair abra a porta. Por favor? Ele vai atirar em mim. Blair convocou cada grama de seu treinamento e atormentou seu cérebro tentando recordar que política a companhia pedia nessa situação. Que merda. Isso era besteira. Ela sabia exatamente o que a política da empresa ordenava. Ela deveria manter a porta fechada, anotar o incidente, notificar as autoridades e pousar o avião onde quer que fosse ordenado, o que provavelmente a levaria de volta a Nova York. Se Ethan morresse no processo, isso seria considerado um dano colateral. A empresa faria qualquer coisa para evitar a perda da aeronave para um terrorista. O interfone estalou de novo. - Por favor, Blair? Podia ver os olhos arregalados de Ethan e sabia que ele estava assustado. Não é como se ele não estivesse bem consciente da política da empresa. Ele absolutamente sabia que ela devia voltar às costas para ele e deixá-lo para trás. Blair gemeu. Ele era seu melhor amigo. Ela não podia simplesmente deixá-lo assim. Com um suspiro pesado, destrancou a porta entre a cabine e o cockpit. Romanov imediatamente soltou Ethan. Seu amigo tropeçou para frente, descendo sobre um joelho ofegante. Blair se aproximou dele. Ela tocou o ombro de Ethan, tentando acalmá-lo. "Agora, a Sra. Edwards não é?" O tom de Romanov era estranhamente informal. "Eu preciso fazer algumas mudanças em nosso plano de voo." Blair não sabia o que dizer. Finalmente, seu cérebro retrocedeu e ela encontrou suas palavras. - Senhor, este é um voo fretado. Se você quisesse fazer mudanças no plano de voo, você poderia ter feito isso no chão com nada mais do que um telefonema. Não há necessidade de toda a violência e ameaças. Ethan e eu não temos nenhum interesse em seus negócios ou qualquer outra coisa. A Skye Aviation também não se importa. Você pode fazer o que quiser, mas qualquer mudança no plano de voo tem que ser aprovada pela FAA." O canto de sua boca se transformou em um leve sorriso. Ele acenou com a arma no ar. "Daí a arma, hmm?" Ele estava olhando para o telefone como se estivesse esperando alguma coisa.


"Oh." Blair percebeu então que aparentemente estavam fugindo de alguma agência governamental. Ao lado dela, Ethan ainda estava sem noção alguma. A boca de Mikhail se esticou em um sorriso que nunca atingiu seus olhos. - Você vai me levar para Las Vegas. "Perdão?" A palavra surgiu reflexivamente antes que Blair pudesse guarda-la de volta. "Remova o curso para Chicago e trace um novo para Las Vegas." A condescendência em sua voz conseguiu irritá-la, apesar das circunstâncias. "Eu entendo que você quer ir a Vegas em vez de Chicago," Blair começou, nem sequer tentando evitar o sarcasmo em sua voz. "Eu até entendo a parte onde você quer fazer isso sem apresentar um plano de voo com a FAA porque você está obviamente em fuga de alguma coisa. Mas o que você não percebe é que Las Vegas é um inferno muito mais distante de Nova York do que Chicago é." Ele olhou para ela como se pensasse que ela era uma idiota. "Obviamente." "Não temos combustível suficiente para chegar lá", disse Blair sem piscar. Isso não era estritamente verdade, mas seria próximo se ela tentasse chegar a Vegas com o que ela tinha. Ele pareceu um pouco surpreso. "Por que não?" "Porque os aviões são como carros em que alguns têm maior capacidade de combustível do que outros. Este é um pequeno avião. Não pode sequer armazenar tanto combustível.” Ela sorriu docemente. "Eu ficaria feliz em deixá-lo em Chicago e você pode alugar outro voo para Las Vegas". "Com certeza." Se ela não soubesse melhor, ela poderia ter pensado que ele estava realmente escondendo um sorriso. Ele grunhiu ao invés disso. "Então nós paramos em algum lugar para abastecer" "Não é assim tão simples." Ela lutou com sua paciência. - Assim que saímos do curso, vamos ser contatados pela torre mais próxima. Quando não responder e dar-lhes uma verdadeira razão para não manter o nosso plano de voo, eles vão nos considerar rogue. Assim que cairmos no chão em algum lugar, as autoridades estarão sobre nós. Dificilmente teríamos tempo suficiente para sair


do avião, muito menos para reabastecer. " "Então precisávamos de um avião maior." Ele parecia irritado. "Perfeito." "Sim. Então, posso ir para Chicago e esqueceremos que tudo isso aconteceu?" Blair estava praticamente desesperada. "Você sabe, essa atitude que você está fazendo não é no seu melhor interesse ao lidar comigo." Ele a pegou com um brilho que poderia ter descascado tinta. Blair estava imperturbável. "O que você vai fazer? Me matar? Quem pilotaria o avião? "Talvez eu só atire no seu amigo." Ele gesticulou para Ethan. "Nós não precisamos dele, certo?" Os olhos de Ethan agora eram enormes. Blair tentou manter a calma. "Ok, e uma vez que você o mata, estamos de volta ao mesmo impasse." "Exceto que ele vai estar com dor." Romanov deu de ombros. "É sua escolha, mas ele parece um bom rapaz. Eu odiaria apenas começar a fazer buracos nele até que você se canse de gritar e decida ser cooperativa. " Blair não pôde evitar. Sua boca se abriu em choque. Ethan estava choramingando. Não havia nenhuma maneira que ela pudesse dominar esse homem e tentar pegar sua arma. E ela certamente não podia permitir que ele começasse a disparar contra seu amigo. Fechando os olhos brevemente, se perguntou o quanto ia se arrepender dessa decisão. "Bem. Eu vou te ajudar. " "Bom." Seu telefone tocou. Ele verificou a tela e olhou para ela. - Vá para Omaha. "Onde?" Ela franziu o cenho. "Nebraska." Ele parecia irritado. "Há um minúsculo aeroporto fora de Omaha, não o aeroporto principal, mas um aeródromo menor onde haverá um caminhão de combustível esperando." "Não tenho certeza se quero saber como você sabe disso." Blair sentiu o estômago doente. Ele bufou. - Então não pergunte. Eu vou ter coordenadas para você em apenas alguns


momentos que irá dizer-lhe exatamente onde é o aeródromo. " - Sim, senhor - disse ela, rígida. Blair virou-se para voltar ao cockpit. Romanov a chamou. "Nem pense em fechar aquela porta. Se você fizer isso, seu amigo aqui vai pagar o preço. " *** Não deveria ter incomodado a Mikhail ameaçar o amigo da piloto apenas para obter sua ajuda. Por alguma razão, ele realmente se sentiu mal com isso. Mikhail lembrou-se que Blair Edwards era um enigma fascinante. Certamente ele pôde se dar um crédito ao encontrar um indivíduo que era impressionante por si próprio. Em sua carreira, ele viu crescentes agentes da máfia se desintegrarem por menos estresse do que Mikhail tinha acabado de provocar em Blair. Ela estava incrivelmente fria sob pressão, mas fiel a seu amigo. Esses eram traços admiráveis. Ela não era como a variedade usual de mulheres que ele procurava. Mikhail gravitava em direção às loiras com o cabelo até a cintura e pernas boas para apertar em torno de sua cintura durante o sexo. Blair era baixa, talvez 1,60 ou 1,65 de altura. Ela era curvilínea o suficiente, embora ele ainda se perguntasse como ela seria sob o uniforme da empresa. Mas o cabelo meio ruivo na altura dos ombros e os olhos azuis eram secundários no momento. Era sua mente que o fascinava. "Eu tenho que dar as coordenadas para a pista de pouso", murmurou Mikhail para Ethan. "Fique naquele assento ali mesmo e não se mova a não ser que eu diga para você". Ethan enfiou a cabeça no assento indicado e não se moveu. Ele não parecia ser o tipo heroico, o que era bom. Mikhail o deixou para trás e entrou no cockpit. Era estranho para ele com todas as luzes piscando, as alavancas e medidores. "Você não deveria estar aqui", Blair disse calmamente. "Eu faço um monte de coisas que eu não deveria." "Obviamente." Sua resposta foi fascinante. "A vida do seu amigo está em jogo e essa é a sua reação?"


- Sinto muito - disse ela, com os dentes cerrados. - Não quis ofender. Algo dentro do cockpit começou a gritar. Parecia um alarme enlouquecido. Blair disse algumas palavras concentrada antes de apertar uma série de botões que pareceram silenciar o barulho. Uma voz veio pelo rádio. "Delta, nove, nove, você está fora do curso. Redefinir posição 0-11-0. " Blair lançou lhe um olhar de lado. "Se eu não responder, estamos oficialmente em violação de cerca de uma dúzia ou maisde leis." "Não responda." Ele se perguntou o que ela vira em seu rosto naquele momento. Ele podia sentir a determinação, mas não estava necessariamente comprometido com essa linha de ação. Isso não era bom para um homem em sua posição. "Você tem certeza?" Oh sim, ela viu sua indecisão. Mikhail se forçou a ter certeza. "Sim. Tenho certeza." Ela apertou um botão e a conversa do rádio parou. - Para onde vamos? Mikhail pegou seu telefone. Ivan mandara para ele uma série de coordenadas. Ele ligou o telefone para que Blair pudesse ver os números. - Quem é Ivan? Ele suspeitou por seu olhar de desgosto que a pergunta surgira de uma tendência inerente à inquisitividade. Por alguma razão o incomodava que ela pensasse que ele a machucaria de alguma forma por ser curiosa. Esse cuidado todo não tinha espaço nessa situação. Mikhail se forçou a ser brusco. "Ivan é meu irmão mais novo." Falou por sobre o ombro quando voltou para a cabine e seu outro refém. Pelo menos aquele refém não o fascinava de uma maneira que colocasse pensamentos perigosos em sua cabeça.


Capítulo Três Blair verificou suas coordenadas e sentiu o coração pular em sua garganta. Todos eles iriam morrer e seria sua culpa. Ou de Mikhail Romanov. O homem apareceu na porta do cockpit. Tentou não notar a maneira leonina com que se movia cada movimento sinuoso uma visão tentadora de uma sexualidade inata que a fascinava. - Senti que o avião começar a descer - disse ele, em tom brando. - Já chegamos? Sua atitude fria ajudou a empurrar sua mente para longe da perturbadora linha de pensamento que estava perseguindo. Ela limpou a garganta e tentou não entrar em pânico. "Não há luz, nenhuma torre, e nada além dos meus olhos para me dizer onde estou". "Então?" Ela lançou um olhar de descrença sobre seu ombro. "Sinto muito, mas você está colocando muita fé em uma mulher que você nem conhece, e que tem uma porção de razões para querer você morto." "Mas você não quer que seu amigo morra", recordou ele. "Isso me deixa tão seguro quanto eu possa estar, dadas as circunstâncias." "O que no caso seria que eu não estou totalmente certa de que eu possa pousar esse avião." Blair olhou para a faixa enquanto alinhava sua abordagem. "Oh meu Deus, que merda! Você está me fazendo pousar em um pedaço de terra no meio do Nebraska? " "Você vai ficar bem." De alguma forma, a certeza em sua voz a afetou. Ele realmente tinha fé nela. "Como você sabe disso?" "Porque você inspira competência." Ele disse isso com um encolher de ombros. "Basta pousar o avião e esse desafio vai acabar." "Você faz parecer tão fácil," ela murmurou.


Confiando em seus instintos e no painel de instrumentos em sua frente, Blair escolheu um ponto no horizonte e começou a pousar o avião. O sol estava se pondo, mas o brilho estava atrás dela. Se precisasse, a chama da luz ajudaria a destacar os sinais da pista. Ela pôs as rodas de aterrissagem para baixo e esperou o melhor. Os motores choraram quando ela desacelerou e tentou controlar seu ângulo. A trajetória era boa. Sentiu um conjunto de rodas tocar o chão. Houve um sopro de pó por uma janela, e então o outro conjunto de rodas bateu. Blair lutou com o jugo de direção. Colocando os pés no chão e a bunda no assento, ela lutou com os controles e manteve o avião indo reto enquanto conseguia pousar. Seu coração batia tão rápido que, uma vez terminado, ela mal podia respirar, muito menos pensar. Uma sensação de exaltação a percorreu. Isso a fez sentir-se positivamente tonta. Ela tinha conseguido pousar um avião cegamente! Pilotos com o triplo de sua experiência teriam perdido o controle, mas ela tinha feito isso por conta própria sob um nível terrível de estresse. Infelizmente, não havia ninguém para compartilhar sua gloriosa conquista. Havia apenas um mafioso com uma expressão sardônica em seu rosto que inclinou a cabeça para um lado e encolheu os ombros como se nunca tivesse duvidado daquilo. "Excelente." Ele parecia quase entediado. "Eu consigo ver o caminhão de combustível. Você pode ir para lá ou devo mandar seu amigo lá fora para buscá-lo? " "O terreno é muito seco para este avião." Ela engoliu para trás uma estranha sensação de decepção. Será que ela realmente queria que ele estivesse orgulhoso do que ela tinha feito? "Então Ethan vai. As chaves devem estar no caminhão.” Ethan estalou a cabeça para dentro da cabine. "Não há tripulação no solo?" Ele parecia mistificado. "Eu não posso dirigir um caminhão de combustível!" "Sim, você pode", disse Blair com firmeza. "Você dirige seu carro o tempo todo." "E se for um deslocamento de vara?" Ele gemeu. Blair suspirou. - Seu carro é uma vara.


"Sim, mas isso é diferente", Ethan gemeu. Romanov parecia desapontado. - Chega disso. Você vai fazer isso ou sua amiga piloto vai sofrer as consequências do seu fracasso. " Ethan começou a olhá-lo, as sobrancelhas levantadas em surpresa. - Mas você precisa dela para pilotar o avião! - Não se não houver combustível - Romanov respondeu. Ethan virou-se e avançou para a cabine. Ele o ouviu abrir a porta e descer a escada até o chão. Um minuto depois eles puderam vê-lo da cabine do piloto enquanto ele percorria o caminho rumo ao caminhão de combustível. "Então é assim que você nos vê", ela pensou calmamente. "Nós só estamos vivos até que não sejamos mais úteis. Obrigado por deixar isso bem claro. " *** Mikhail não conseguia decidir por que o que ela dissera o incomodava tanto. Era verdade, não era? No momento em que ela e seu amigo fossem um fardo, ele não teria escolha a não ser livrar-se de sua presença. Era um triste fato de sua vida. Ethan aparentemente tinha conseguido lidar com o caminhão de combustível, porque a coisa estava cambaleando o seu caminho em direção a eles através da extensão enrugada de sujeira e grama. Mikhail começou a se perguntar se o homem iria bater o caminhão no avião e, de alguma forma, aterrá-los. "Eu vou ajudá-lo antes que ele destrua tanto o caminhão e o avião e tranque a todos nós aqui", Mikhail resmungou. "Como você quiser." Ela não olhou para ele. Em vez disso, ela verificou seus instrumentos e olhou para o valor de uma prancheta de itens da lista de verificação. Mikhail se perguntou se a rotina ajudaria a acalmar seus nervos. Ele supôs que não havia mal nenhum nisso, já que ela ainda era a única que poderia pilotar esse maldito avião até Las Vegas. Mikhail deixou Blair com seus murmúrios e saiu para ajudar Ethan a abastecer o avião.


"É tão fedido," Ethan disse com nojo. "Eu nunca vou tirar esse cheiro da minha roupa. Mas estou certo de que o Senhor mafioso alto e poderoso não se importa com isso.” - Não, não particularmente - concordou Mikhail. Era divertido ver o outro homem ficar pulando como se estivesse prestes a urinar. "Eu sinto muito! Você pode fazer menos barulho. Teria menos chance de ouvir algo de que não gostaria se fizer sua presença ser descoberta. - Talvez eu goste de me esgueirar e descobrir exatamente o que as pessoas pensam de mim - sugeriu Mikhail. "Há muito menos suposições dessa forma." "Oh." "Aqui." Mikhail colocou ambas as mãos na porta de combustível ao lado da asa da aeronave e virou-a. - Agora ponha a mangueira dentro. "Isso é o que ele disse," Ethan sussurrou. Mikhail quase cedeu ao desejo de girar os olhos. "Nada afeta sua libido?" "Não que eu saiba," Ethan disse bruscamente. "E realmente, a maneira que você acabou de colocar aquela coisa ... um, um ... esplêndido!" "Eu ameacei atirar em você e matar sua amiga," Mikhail o lembrou secamente. - Sim, mas você ainda não ameaçou estuprar. Se você fizer isso, posso me voluntariar? Ethan balançou as sobrancelhas. Mikhail nem sequer tinha as palavras para formular uma resposta. "Você é um tipo estranho de ser", ele finalmente disse. "Já me disseram isso." Ethan pareceu pensativo. "Se você fosse nos machucar, você já teria feito isso. Isso não significa que eu acredito que você não faria se fosse conveniente, mas eu não sinto que é realmente o melhor a se fazer agora.” Surpreendentemente, o homem era bastante astuto quando se tratava de determinar as motivações das pessoas. Interessante. Mikhail se perguntou se essa característica tinha sido desenvolvida depois de lidar com o desprezo e o julgamento das pessoas durante sua vida.


"Eu pediria no entanto", Ethan disse em um tom muito respeitoso. "Você poderia por favor não machucar Blair? Ela teve bastante violência e destruição em sua vida. " "É mesmo?" "Seus pais foram assassinados quando ela era adolescente", Ethan explicou. "Então sim." "Você está tentando humanizá-la para mim, para que eu sinta uma conexão que me torne incapaz de matá-la se a oportunidade ou necessidade surgir." Mikhail se divertiu com essa tática. ”Bem interessante, mas não necessário. Raramente assassino alguém hoje em dia.” "Você tem alguma ideia de como isso é sinistro para leigos como eu e Blair?" Ethan perguntou casualmente. "É realmente muito aterrorizante." "Bom." Mikhail olhou para o indicador no caminhão. “O avião está cheio?” "Eu acho que sim." Ethan olhou para a mangueira. "Você teria que perguntar a Blair." "Deixe-me ver com ela então." Mikhail virou-se para voltar a subir os degraus. "Fique aqui e não faça nada estúpido." Ethan deu uma rápida saudação. - Sim, senhor mafioso! Mikhail não comentou, principalmente porque sentia que seria inútil. Em vez disso, ele subiu na cabine do piloto mais uma vez. Blair estava sentada de costas para ele, seus cabelos caindo sobre os ombros e a linha de suas costas tão tensa quanto poderiam estar. "Será que o avião tem combustível suficiente para ir a Vegas?", Ele perguntou de repente. Ela inclinou a cabeça para um lado, presumivelmente para que ela pudesse ter um vislumbre dele sobre seu ombro. "Sim." "Então, nós estamos prontos para ir." "Eu gostaria de discutir algo antes", disse ela rapidamente. "Não vai demorar mais que um minuto." "Estou ouvindo." Ela girou em sua cadeira para encará-lo. Ele viu os ombros subirem e descerem com sua respiração profunda. "Eu gostaria de deixar Ethan aqui."


Mikhail levantou uma sobrancelha. "Isso é muito cruel, você não acha? Não há mais ninguém aqui e nenhum tipo de transporte ". "Ele tem um telefone. Ele pode ligar para o salvamento uma vez que tenhamos decolado." Ela olhou para fora das janelas do cockpit. "Considerando que estamos prestes a decolar no escuro, sem uma torre ou qualquer outra orientação, ele é provavelmente inteligente o suficiente para querer ficar no chão de qualquer maneira." "E se eu me recusar?" Ele não tinha intenção de recusa, mas ele se perguntou o que ela faria de qualquer maneira. "Então o seu voo não vai acontecer." Ela teimosamente cruzou os braços sobre o peito. "Se você deixar Ethan ir, eu vou cooperar." "Tudo bem, então." Mikhail assentiu. "Será que Ethan tem uma mala aqui no avião?" "Sim." Ela se levantou e pegou uma bagagem de um armário. "Isso pertence a ele." Mikhail pegou-a dela. "Excelente. Você pode começar a ajustar as coisas. Precisamos decolar logo. Vou falar com o seu amigo ". "Mas..." ela começou e depois sumiu. Voltando-se em torno de seus instrumentos, pareceu dobrar sobre si mesma um pouco. Mikhail caminhou de volta para a porta da cabine exterior. Ethan tinha acabado de colocar a mangueira de volta no caminhão de combustível. Mikhail jogou a bolsa no chão. Ethan olhou para cima quando então viu sua mala. Sua expressão ficou horrorizada. "O que você está fazendo?" Ethan perguntou, soando quase em pânico. Mikhail apontou para a mala. "Sua amiga comprou a sua liberdade. Ela disse para você usar o telefone celular que você tem escondido em sua roupa para pedir ajuda. Ligue para quem você acha que deveria, mas vou avisá-lo para ficar fora de minha cauda para que eu não me sinta ameaçado e tenha que eliminar alguém. " "Seu filho da puta!" Ethan gritou. "Você não vai machucá-la!" "Eu não vou." Mikhail realmente sorriu. "Eu tenho um sentimento estranho que eu o verei de


novo, embora eu nĂŁo possa imaginar o porquĂŞ."


Capítulo Quatro Mikhail poderia muito bem entender a tensão no rosto de Blair quando ela aumentava a velocidade do avião. Ele se perguntou se o que ela estava passando era semelhante à posição de liderança com a Bratva que estava sendo imposta a ele. Às vezes, a responsabilidade era uma coisa boa. Outras vezes não era nada disso. Ele estava sentado em seu assento de co-piloto. Até agora ela não parecia inclinada a reclamar sobre sua presença. Blair empurrou o acelerador e manteve o avião em movimento em direção à pista de pouso. Ela olhou para ele. "Eu nem consigo descrever o quão errada me sinto em fazer isso sem a ajuda de controle do tráfego aéreo. Eu não sei se há alguma coisa chegando, mas estamos decolando assim temos alguma esperança de que se alguém estiver vindo ou vai passar perto ou longe o suficiente para não corrermos o risco de uma terrível consequência." Houve um som de zumbido baixo do rádio e de conversa entre as torres. Mikhail se perguntou se ela mantinha o rádio ligado simplesmente por hábito. Então, de repente ele percebeu o que seu pequeno discurso estava sugerindo. "Quer dizer que há apenas um caminho dentro e fora da terra nessa pista. É isso que você quer dizer com todo esse lance de deixar alguém passar? " "Teoricamente, os aviões pousam em uma direção e decolam em outra para evitar a colisão, óbvio, mas sim. Poderíamos estar nos preparando para um curso intensivo. "Ela lançou lhe um olhar irônico. "Por quê? Está com medo? " "Nunca tive medo em um avião, eu não tenho certeza se posso responder a isso." Seu estômago caiu desagradavelmente a medida que eles dispararam pela pista. Sua expressão deve ter mostrado sua incerteza, porque ela fez uma careta. "Sim, desculpe por isso. Tivemos de pegar um pouco de velocidade, porque eu não tenho nenhuma maneira de ver realmente onde a pista termina. Nós seríamos arruinados se fossemos além do nosso limite de


decolagem ". "Escolha sensata", ele murmurou. "Acho que eu deveria ter perguntado se essa decolagem seria possível de onde nós estamos." "Francamente, eu não acho que você se importaria." Ela olhou para ele. "Você parece um pouco doente, Sr. Romanov. Há um saco para vomitar a sua direita." Ela disse aquilo tão normalmente que ele quase não entendeu o que ela quis dizer. "Por favor, não vomite sobre o painel." "Eu não vou vomitar." Mikhail não podia ajudá-lo. Ele estava indignado com a sugestão. "Você não acha que eu sou mais forte do que isso?" Agora ela estava rindo dele enquanto subiam para cima em uma trajetória insana. "Eu não sei. Você é? Eu nunca vi uma descrição de como é mafioso. Eu diria que o medo de ver sangue não entra na lista, mas talvez fobia de velocidade? " Ele abriu a boca para responder quando percebeu alguma coisa. "Você está me provocando." "Sim. Isso nunca aconteceu com você antes? " Mikhail bufou. "Não. Eu nunca fui provocado por uma piloto que virou minha refém, depois de roubar um avião ". "Isso soa muito estranho realmente." Blair estava verificando seus instrumentos. "Mas de volta à tarefa em mãos." "Sim?" Ele tentou se concentrar, mas continuava distraído por sua companhia fascinante. "Uma vez que chegarmos a Las Vegas, vamos ter um pouco de dificuldade tentando pousar essa coisa e apenas fugir. Assim, quaisquer ideias, recursos, ou outro tipo de ajuda que sua rede de gangsters puderem fornecer seria apreciada. "Seu tom era completamente realista. "Temos um plano em prática. Quando eu achar que for a hora, vou explicar tudo. Meu irmão Ivan é aquele que consegue todos esses detalhes ". Blair suspirou. "Eu espero que Ethan não entre em apuros por causa de mim. Se eu tiver


sorte, eles vão achar que ele era um refém que foi expulso." Houve alguns momentos de silêncio. Foi surpreendentemente confortável. Mikhail começou a relaxar. A eliminação de Ethan de alguma forma pareceu diminuir a tensão no cockpit. "Então, do que você está fugindo?", Perguntou Blair. "Já que estou aqui em cima como cumplice, acho que tenho o direito de saber." "Você não é cumplice. Você é uma refém. " "No minuto em que abri a porta do cockpit para salvar Ethan, eu perdi a capacidade de reivindicar isso. Eu violei o protocolo da empresa mais de uma dúzia de vezes", ela sombriamente informou. "Sua empresa teria preferido ter um de seus funcionários eviscerado?" Mikhail achou difícil de acreditar. "Sim. Seria melhor do que dar um controle terrorista de um avião dentro do espaço aéreo norte-americano. " "Oh. Eu posso ver a lógica de pensamento por trás disso ", Mikhail ponderou. "Embora ainda seja bastante duro esperar que os empregados que obviamente gostam uns dos outros fiquem quietos e vejam o assassinato de um de seus amigos." "Felizmente isso não acontece", assegurou ela. "Nunca. O que me traz de volta a minha pergunta. Por quê? Porque é que há sempre uma necessidade de violência ou de transportar uma arma e ter que usá-la? " Mikhail franziu os lábios. Ele estava cansado de tudo, mas principalmente dessa vida. Que não o deixava confiar seus sentimentos a alguém como Blair. "O FBI encontrou um informante que estava disposto a testemunhar contra mim e meus irmãos. O Bratva têm interesses comerciais em muitas cidades americanas, mas Chicago e Nova York são as nossas principais localidades nos EUA. " "Então, eu estou voando-o para Las Vegas porque você quer evitar ser preso?" Ela bufou com repugnância. "Você deveria ter alugado um carro. Isso teria sido muito mais fácil."


"Eu não sou um cidadão. Toda vez que eu alugo um carro, o FBI começa a matar no meu pescoço. "Mikhail apontou para o assento do co-piloto, precisando de uma mudança de assunto. "Por que você voar por conta?" "Cortes de orçamento." "Oh?" Ele riu. "Tivemos alguns cortes orçamentais recentemente também." "Isso soa ridículo, você sabe." Ela lhe deu um sorriso e aquilo quase tirou o ar de seus pulmões. Seus olhos e sua pele brilhavam com vitalidade. "Negócios são negócios, não importa de que lado da lei operam." Mikhail acenou com a mão. "Então por que não operam sobre o lado certo da lei e eliminam a necessidade de sequestrar um jato fretado?", Sugeriu. "É engraçado que você diga isso." Ele considerou suas palavras, relaxando para trás na cadeira confortável. "Eu quis mudar de lado, como eles dizem, por toda a minha vida adulta. Eu sou o filho mais velho de Sergei Romanov ". "Romanov", ela disse levemente. "O que? Como Anastasia Romanov e o último czar da Rússia? " "Vocês americanos são obcecados com essa história." Mikhail riu, surpreso ao perceber que ele estava realmente rindo sem qualquer pretensão. "E eu acho que se você traçou a nossa família de volta a esse ponto, então sim. Nós somos descendentes de czares da Rússia. " "Bem, se isso é quando sua família decidiu operar no lado errado da lei, acho que poderia ser perdoado." "Diga-me você está brincando." Ele olhou para ela, fascinada. "Eu estou." Ela olhou para ele. "E acho que é triste um homem adulto não poder escolher sua própria carreira." "A sua família sempre apoiou a sua decisão de ser um piloto?" Ele descobriu que ele estava imensamente curioso sobre sua vida privada.


"Minha família não apoiou nada. Eles foram mortos há muitos anos ". O jeito direto em seu tom deixou claro sobre como ela via sua situação. Mikhail decidiu não pressioná-la naquele momento. "Você pode pensar," ele começou lentamente, "que um homem adulto sempre pode escolher o que quer fazer. O que as pessoas muitas vezes esquecem é que, quando o homem ama e respeita sua família, apesar de suas falhas e deficiências, ele hesita em virar as costas para eles e seguir seus próprios interesses ". "Você acha que seria egoísta", ela adivinhou. "Talvez." Mikhail se levantou. "Eu estarei de volta em breve. Eu preciso fazer check-in com o meu irmão e obter nossas coordenadas e as instruções para a aterrisagem em Las Vegas. " *** Blair ficou maravilhado com o fato de que, quando ela queria que o tempo passasse rápido, ele parecia se arrastar. Mas em momentos como esses, onde ela não teria se importado se demorasse o dia inteiro para chegar a Vegas, o tempo passava despercebido. Eles contornaram o grande aeroporto de Vegas. Ela deu a volta em seu espaço aéreo, na esperança de que eles não chamassem atenção para si mesmos. Geralmente aviões privados eram vistos como nada mais do que um incômodo. Se ficassem fora do caminho dos voos comerciais maiores, ninguém ligaria. Mikhail preguiçosamente afundou no assento do copiloto. Seu jeito indiferente era muito irritante e intrigante para Blair. Toda a sua vida estava na balança e ainda assim ele agia como se essa fosse apenas mais uma viagem. "Essa é a informação que você precisa." Ele colocou um pedaço de papel em seus controles. Ela franziu o cenho. "Isso é um script?" "É." Ele ofereceu nada mais do que um breve aceno de cabeça. "Basta dizer exatamente o que está escrito e que vai pousar sem incidentes. Desvie-se e eles vão estar em cima de nós ". "Você está colocando uma enorme quantidade de confiança em mim", ela murmurou. "Eu poderia começar a gritar por ajuda e não haveria nada que pudesse fazer." A pista em que Blair estava na verdade pertencia a Skye Aviation. Ela deveria ter achado


aquilo muito preocupante já que Mikhail insinuara que suas conexões da máfia lhes tinha garantido uma maneira de conseguir pousar sem a aprovação da FAA. Não parecia que aquela noite teria muito tráfego, o que deixara Blair feliz. Durante o caminho, Blair avistou dois jatos menores reabastecendo, e um avião grande parado na pista, à espera de um piloto. Ela olhou para seu estranho copiloto. "Estamos ali. Eu vou dar a volta e começar a descer. Uma vez que atingir o chão provavelmente devemos ir o mais rápido possível. " Blair começou a aterrissar, um pouco surpresa que a torre não tinha a recebido ainda. No momento em que o pensamento passou por sua mente, seu rádio veio a vida. "Delta, nove, nove, nós não a temos programada para pousar aqui hoje." Blair leu as palavras no papel, tentando fazê-las sair naturais. "Eu sei disso, Torre, mas eu preciso reabastecer ou vamos cair." Blair cruzou os dedos. "Você sabe como é quando um cliente muda de ideia sobre o destino. É um avião fretado e a política da empresa diz que devemos ouvir o cliente ". "Com certeza, Delta, nove, nove. Você está liberada para o pouso. " "Obrigado, Torre." Ela deu um suspiro de alívio. Blair pensou que eles estariam bem até que pousaram. Assim que colocou as rodas para baixo, viu um enxame de veículos de emergência saindo de um hangar. Mikhail já estava em cima, furiosamente mandando mensagens em seu telefone. "O que é isso?", Ela perguntou. "Meu irmão diz que alguém sugeriu que tentaríamos usar essa pista para pousar." Mikhail fez uma careta. "Nós vamos ter que encontrar outra saída." A mente de Blair estava girando. Ela devia estar tentando escapar. Esse tinha sido seu plano o tempo todo. Agora, ela não tinha tanta certeza. Nesse ponto, ela tinha quebrado tantas regras que teria um tempo difícil tentando convencer as autoridades sobre sua inocência. Além disso, ela poderia realmente afirmar que Mikhail tinha segurado uma arma apontada para sua cabeça? Havia algo tão triste sobre ele quando a contara sobre seu desejo de fazer algo


diferente do que era esperado dele. Se as autoridades o pegassem agora, ele nunca teria a chance de tentar. Todo mundo merece a chance de fazer uma escolha. "Eu estou abortando o nosso destino." Ela rapidamente começou a acelerar em um esforço para obter o avião de volta no ar. Mikhail deu um breve aceno de cabeça. - E depois? "Avise seu irmão. Diga a ele que precisamos de um lugar alternativo para pousar." Ela nem sequer se preocupou em verificar seu tom. "Você e eu precisamos sair daqui antes que nos prendam."


Capítulo Cinco Blair levou o avião de volta para o céu, conseguindo evitar o comitê que os esperava no aeroporto. Foi um plano e tanto para manter tudo no lugar e equilibrar o avião novamente. Blair se perguntava sobre Ethan. Com sorte, ele tinha conseguido entrar em contato com as autoridades. Mikhail gentilmente tocou seu ombro. "Obrigado." "Não me agradeça ainda", ela aconselhou. "Nós não estamos no chão. E eu odeio dizer isso, mas parece provável que Ethan te dedurou. Eu não sei o quanto ele sabia sobre o seu plano de ir para Vegas, mas talvez isso é como eles descobriram onde nos encontrar. Se for esse o caso, poderíamos estar circulando no chão por um bom tempo e eles estariam todos lá, esperando por nós lá". Trocando mensagens no celular, ele parecia completamente sereno e quase entediado. Ela lembrou-se que ele era seu captor, não seu amigo. Ele não ia se importar com o que acontecesse a ela depois de tudo isso e Blair precisava se lembrar disso. Sua decisão de abortar o pouso estava parecendo cada vez pior a cada segundo. "Diga-me o que você está pensando", ele perguntou. "Sua expressão está tão pesada." "Bem. Você quer saber o que eu estou pensando? "Ela soprou uma corrente de ar em direção ao cabelo liso sobre seu rosto. "Estou cansada. Estou com fome. Estou farta de tentar pousar e decolar em circunstâncias ridículas. Eu não posso sequer conseguir decidir se você é um cara bom ou ruim, e isso está começando a me fazer questionar minha escolha. " "Eu não sou um cara ruim." "Mas isso é o que um cara ruim diria, não é?" Ela odiava o tom quase frenético em sua voz. "Eu estou nessa até meus cotovelos e queria que não estivesse. OK?" "Sinto muito que se sinta assim." Seu olhar era tão forte que ela teve que desviar. Ele deu uma risada sombria que deu-lhe um nó na barriga. "E que tal isso, Blair Edwards? Vou mantê-la


comigo até eu chegar a Rússia. Nesse ponto eu estarei seguro. Então eu a mandarei para casa como parte de um acordo com o FBI para libertar a minha refém. Isso deve garantir que o seu nome esteja limpo. " "Você faria isso?" "Eu acho que você mais do que conquistou essa ajuda de minha parte." Havia algo quase irônico em seu tom. "Eu a coloquei em uma posição de risco e você estava apenas tentando seguir o protocolo de sua empresa." Blair não pode evitar se perguntar se ele fizera isso muitas vezes. "Já teve muitos reféns, não é mesmo?" Ela tentou manter o tom de voz brando. "Não. Nunca. "Ele nem sequer se preocupou em fingir. "E considerando o quão incômodo isso foi, eu não farei isso de novo." *** Mikhail seguiu os passos de Blair e permaneceu em silêncio durante o resto do voo. Ivan ainda não tinha aparecido para dizer-lhes onde estavam indo, e isso preocupava Mikhail mais do que ele gostaria de admitir. "Ivan ainda não te mandou nenhuma mensagem?", Ela perguntou, depois de quinze minutos de silêncio contínuo. "Nós realmente precisamos pousar." "Seja paciente." Foi tudo o que ele pôde dizer. "Ivan vai aparecer logo." "Isso não ajuda." "Você é muito atrevida para alguém que ainda é uma refém." "Vá em frente e atire em mim", ela retrucou. "Atreva-se." "Corte o sarcasmo," ele rosnou. "Eu estava apenas tentando te deixar melhor." "Bem, não tente." "Onde você cresceu?", Ele perguntou. "Certamente que é uma pergunta inocente, não é?" "Chicago." Mikhail se perguntou como seus pais tinham sido mortos. Será que tinham sido assassinados


em um assalto? Mortos em um acidente de carro? Ele tinha a sensação de que suas mortes envolviam-se em um ato de violência sem sentido. Seu telefone vibrou, trazendo-o de volta ao presente. Ivan tinha enviado uma lista que ele não entendia. Ele mostrou a tela do celular para que Blair pudesse ver. "Isso faz algum sentido para você?" "Essas são coordenadas para uma pista de pouso fora de Las Vegas", explicou ela. "Pergunte ao seu irmão se há uma torre lá, ou se é deserta." Mikhail obedientemente transmitiu as perguntas. Ivan respondeu imediatamente e Mikhail passou a informação a Blair. "Ele diz que não há ATC, e que você fará o pouso sozinha. Ele terá um carro esperando, no entanto. " "Cara, isso deixa tudo melhor", ela murmurou. "Tem algum problema?" Mikhail franziu o cenho. "Porque se há algo errado, eu preciso saber imediatamente." "Essa é uma relação estranha que temos aqui", ela disse a ele. "Você percebe isso, né? Você tem a arma e o poder, e ainda assim você é totalmente dependente de mim. E não. Não há realmente um problema, exceto que você está colocando uma enorme quantidade de fé na minha capacidade de usar a minha instrumentação para nos pousar com segurança ". Ele encolheu os ombros. "Você parece ser uma piloto competente. Você lidou com isso como uma profissional na outra pista. " "Eu sou profissional. E ainda assim devo dizer-lhe que esse pouso me preocupa. " Mikhail considerou sua preocupação. Parecia razoável, mas ela tinha mostrado ser mais do que competente. "Você é honesta com sua preocupação. Eu gosto disso " "Você saberia se eu não estivesse sendo honesta?", Ela perguntou secamente. Mikhail então pensou. A mulher tinha um ponto muito válido. Ele supôs que apenas teria que confiar nela. Nesse ponto, não era como se ele tivesse outras opções. ***


As primeiras estrelas começaram a brilhar no céu deserto assim que Blair apontou o nariz do jato em direção ao chão e se preparava para pousar. Seu coração estava batendo contra as costelas e ela pensou que poderia realmente vomitar naquele momento. Sabia como pousar um avião sem a torre chamando todas as instruções, sem quaisquer luzes da pista, sem marcadores, e com nenhuma equipe de terra para raspar ela para fora da pista. Ela tinha feito isso há algumas horas naquela pista ridícula em Nebraska. Mas isso era completamente diferente. Estava escuro lá fora. Ela não tinha nada além de seus instrumentos para lhe dizer onde o chão estava. E pelo menos o outro lugar tinha espaço. Estava sujo, mas esse era bem pior! Era uma pista de terra. Nem mesmo plana. Ela só podia esperar que o peso da aeronave fosse o suficiente para eliminar quaisquer problemas de tração. Ela grunhiu enquanto lutava com os controles. Finalmente, ela sentiu as rodas tocarem, saltarem novamente, e depois deslizarem. Ela rapidamente começou a desacelerar. Não tendo nenhuma noção de quanto tempo a pista de pouso demandava, ela estava bastante ciente do perigo que aquele pequeno problema poderia representar. "Muito bem!" Mikhail cantou. "Esse tom de voz me faz acreditar que você estava um pouco mais nervoso do que quis aparentar", ela acusou. "E você deveria estar mesmo." Tentou fazer o avião ir parando aos poucos. "Porque nós quase morremos agora." "Eu acho que você não está dando crédito suficiente para suas habilidades com uma aeronave", ele jorrou. "Você está me deixando sem graça com toda essa positividade", disse a ele. "Que tal voltarmos ao tom de mafioso? Esse é mais realista. " Oh, ele não gostou nem um pouco daquilo! Seu rosto ficou sério imediatamente. "Recolha minhas malas e vamos andando." "Suas malas ?" Ela bufou em descrença. "Eu pareço com o pessoal do serviço de bagagem, Sr. Romanov?"


"Ok, então isso foi uma escolha inadequada de palavras." Mikhail pareceu irritado. "Vou recolher minhas malas. Você pode pegar as suas. Vamos nos apressar. Eu preciso chegar a um hotel onde posso contatar totalmente meus irmãos para uma conferência." Levou apenas alguns minutos até que Blair saísse do avião e começasse a descarregar a sua bagagem do jato. Usou a lanterna de seu celular. Se ela tivesse sido esperta teria mandado mensagens às autoridades e lhes dito onde poderiam encontrar Mikhail. Pelo menos o cara viajou mais leve do que alguns dos outros clientes que Skye Aviação transportava para todo o país. Mikhail só tinha uma mala e duas bolsas, um das quais estava o seu computador. Ele empilhou suas malas em uma posição administrável e olhou para Blair. Tinha sua pequena mochila do pernoite jogada por cima do ombro. "Só isso?", Perguntou ele, parecendo surpreso. "Eu moro em Chicago. Era para eu estar em casa hoje à noite, então eu não trouxe nenhuma roupa comigo." Ela tentou não parecer muito acusatória. Ele não respondeu, caminhando na direção que ela imaginou estar o carro. Ela apenas o seguiu, porque não havia realmente nenhuma outra opção para ela nesse momento. "A máfia não domina boa parte de Vegas?" Blair se perguntou em voz alta. Ele assentiu. "Por que você acha que viemos aqui?" O crepúsculo estava desaparecendo e o céu negro inundando-se aos poucos com as alfinetadas brilhantes de mil estrelas. "Então eu posso seguramente assumir que esse jato vai desaparecer assim como o carro que está procurando apareceu? " "Se você está perguntando se essa pista é ou não usada como uma base regular por homens na minha linha de trabalho, a resposta seria sim." Seus dentes brilharam na luz do dia desaparecendo. Ele tinha um sorriso agradável, para um mafioso. *** Mikhail estava começando a pensar que Blair não conseguia decidir se gostava dele ou


não. É claro que era provavelmente uma reação racional à sua situação. "Você pensa em mim como um criminoso, não é?", Perguntou a ela. Ele estava realmente curioso para descobrir a resposta. “Você não é um criminoso?” "Aos olhos da maioria, acho que seria visto como um criminoso, apesar do fato de que eu raramente tenho contato com essa parte dos negócios da família." Ela apontou para o sedan parado discretamente nas sombras. "Parece o tipo de carro típico que um criminoso iria dirigir." Mikhail não tinha certeza por que, mas era muito importante para ela entender alguma coisa. Ele parou de andar e a encarou. "Com poucas exceções notáveis, a Bratva executa negócios mais legítimos do que os ilegítimos atualmente. Onde nós frequentemente arrumamos confusão com as autoridades dos EUA gira em torno da tributação ". "Ninguém gosta de impostos, Sr. Romanov. Pagamos, porque isso é a coisa legal a se fazer ", disse ela, irritada. Mikhail resmungou. "Os impostos são realmente apenas uma entidade que tenta roubar a partir de outra. Quem pode dizer qual organização está certa e qual está errada? É tudo na mesma, até onde sei ". "Você está me dizendo que sequestraram um avião, fizeram reféns, aterrissaram em uma pista deserta perto de Vegas, e estão tentando sair ilegalmente do país tudo porque você não paga seus malditos impostos?" Sua boca estava escancarada agora. Ele começou a caminhar em direção ao carro, mais uma vez. "É um pouco mais complicado do que isso." "Meu Deus! Isso é exatamente o que é!" Ela gritou como se estivesse quase caindo na gargalhada. "Eu não gosto de dar meu dinheiro para o governo dos EUA para que possam gastá-lo em programas ridículos que nem sequer me beneficiam, porque eu não sou um cidadão." Ele não


podia acreditar o quão ranzinza ele soara. Ele era quase petulante! Ela zombou. "Então volte para a Rússia." "O que?" "Vá fazer negócios na Rússia, se você não quer pagar impostos americanos", ela disse a ele. "Você veio aqui porque você gosta desse país, ou algo sobre ele. Você faz negócios aqui por uma razão. " Ela teve a audácia de colocar o dedo quase na cara dele. "Você tem que pagar para jogar, Sr. Romanov." "Isso é um absurdo", ele murmurou. Ele se atrapalhou sob o para-choque dianteiro até que seus dedos se fecharam ao redor da chave do veículo. Abriu a porta e apertou o botão para abrir a porta do passageiro. Abrindo a boca para pedir a Blair que entrasse, ficou um pouco surpreso quando ela entrou sem que ele pedisse. Com um suspiro, ele abriu o porta-malas e guardou sua bagagem. Finalmente, ele entrou no carro e fechou a porta. "Tenho que dizer Sr. Romanov", Blair falou lentamente em um tom petulante. "Não estou impressionada com a vida de máfia até agora. Meu carro em casa é muito mais agradável do que esse pedaço de lixo. Não só isso, mas eu não estou na corrida para a evasão fiscal para que eu possa desfrutar meu próprio apartamento e dormir na minha própria cama sem medo de ser presa. " "Pelo amor de..." Mikhail gemeu. "Você gosta de me provocar ou o que?" "Imensamente", disse ela com prazer.


Capítulo Seis Aparentemente, Blair tinha um desejo de morte que ela não tinha conhecimento porque não conseguia parar de cutucar Mikhail Romanov. Ele era como um alvo fácil. E a pior parte disso era o efeito colateral que isso estava causando em sua opinião sobre ele. Como ela poderia odiar ativamente um homem que poderia levar a provocação, ao mesmo tempo em que admitia que ele realmente não curtia tanto assim os negócios de violência e de fraudes da família? Ela ficou em silêncio todo o caminho até Vegas. As longas horas de tensão foram tomando seu controle. Assim, enquanto a cidade que nunca dorme continuava sua rotina de vinte e quatro horas, Blair desejava desesperadamente uma cama. As luzes piscando pareciam selar as costas de suas pálpebras em cores neon. Finalmente eles pararam embaixo do vestíbulo de um monólito imponente de um hotel e casino chamado A estrela vermelha. - Madame? Levou um momento para perceber que um manobrista tinha acabado de abrir a porta. Blair gemeu ao se levantar para fora veículo. Segundos depois, Mikhail tinha puxado sua mão na dobra de seu braço e estava levando-a através das portas da frente do hotel como se fosse o dono do lugar. "Sr. Romanov, como é bom vê-lo novamente." Não foi o recepcionista, mas sim o gerente do hotel, que os cumprimentou. Ele estendeu dois cartões-chave. "Sua suíte regular está pronta para você." "Obrigado." Mikhail deu um aceno leve com a cabeça e se dirigiram para o elevador. Uma vez lá dentro, ocorreu ao cérebro exausto de Blair que o gerente do hotel tinha dito especificamente uma suíte. Ela cutucou Mikhail nas costelas. "Eu quero o meu próprio quarto." "Não." Nem mesmo um argumento ou explicação? Ela apertou a mandíbula e preparada para


responder. "Não? Não sou uma mulher que você pegou por aí. Eu quero o meu próprio quarto e um pouco de privacidade." "Exatamente. Se você fosse uma mulher que eu tinha pego por aí eu gostaria de saber exatamente onde você estaria, porque eu estaria pagando-lhe para estar lá. "A voz culta de Mikhail fez esse insulto soar perfeitamente razoável. "Então você vai ficar comigo enquanto eu precisar ter certeza de que você não está correndo para alertar as autoridades sobre a minha localização". "Idiota," ela murmurou. Suas sobrancelhas subiram tanto que ela esperava que fossem saltar de sua testa. "Com o foi?" "Eu te chamei de idiota", ela esclareceu. "Principalmente porque o que você disse soa perfeitamente razoável, mas não menos desagradável para mim de qualquer maneira." "Eu não acho que eu posso discutir com isso." "Então estamos ambos na mesma página desagradável, não estamos?" Blair cruzou os braços e se recusou a olhar para ele. O elevador parou. Ela percebeu que eles estavam em um andar muito alto. Quando abriu, a única coisa que ela podia ver era o horizonte de Vegas espalhar-se abaixo deles como uma terra encantada. Era absolutamente impressionante. "O que você acha?", Ele perguntou. Blair deu um grunhido de desaprovação. "Eu acho que você está tentando me fazer voltar atrás no que eu disse sobre meu estilo de vida ser mais desejável do que o seu." *** Mikhail não ia dizer que ela estava certa, mas ela estava certa. O comentário dela sobre o carro de ínfima qualidade tinha picado seu orgulho mais do que esperava. Embora a vista de sua suíte de hotel tivesse sido um movimento não intencional para impressioná-la de sua parte. Aquela era sua suíte de costume.


Mikhail levou Blair para o quarto ao lado da sala de estar principal. "Você pode ter o quarto para si mesma. Eu raramente durmo de qualquer maneira. O banheiro é anexado. Por favor, sinta-se livre para relaxar como desejar. Tenho certeza que você deve estar exausta depois de um longo dia." "Obviamente." Ela parecia um pouco mal-humorada, mas em vez de parecer chata, achou-a encantadora. Era como se ele estivesse perdendo a cabeça. "Se você precisar de alguma coisa, não hesite em chamar o serviço de quarto." Ele decidiu falar o inevitável. "E o telefone não liga para fora do hotel sem a minha permissão. Peço desculpas se tem algum ente querido que você queira entrar em contato, mas é impossível no momento." "Eu só queria ver Ethan." A nota de preocupação na voz dela o preocupou. "Eu não tenho mais ninguém. Não é como se meu trabalho precisasse de ligações. Eles devem estar muito conscientes do que está acontecendo. Ou pelo menos o que eles pensam que está acontecendo. " Ela virou-se e foi para o quarto. No último segundo, ela olhou por cima do ombro. "Obrigado por deixar Ethan ir, e por não me machucar. Curiosamente, é muito digno de você ". "Seja bem-vinda." Seu telefone começou a tocar, eliminando a necessidade de castigar-se por se sentir assim condenado a um refém. Será que ele poderia realmente chamá-la de algo a mais? "O que você tem para mim, Ivan?", Disse Mikhail no telefone. Dirigiu-se para as janelas para olhar para fora. Por alguma razão, a visão do deserto escuro atrás do horizonte brilhante de Vegas sempre o acalmava. Ivan foi direto ao ponto. "Você precisa de um dia em Vegas enquanto nós conseguimos seu passaporte e os documentos." "Será que os contatos de Aleksei ainda vivem aqui na cidade?" Mikhail evitava nomes e lugares fora do que estava acostumado. "Sim. Ele vai encontrá-lo amanhã cedo. "Ivan fez uma pausa. "Você está planejando se


desfazer de seu refém?" "Não. Vou trazê-la comigo. " "Desculpe-me?" Ivan estalou. "Por que isso seria uma boa ideia?" "Para começar, as autoridades vão estar à procura de um único homem." "Ah, sim." A pausa sugeriu que Ivan estava considerando dizer mais. "Então, não é porque você se tornou estranhamente apaixonado por essa mulher?" "Não seja ridículo", Mikhail disse com firmeza. "É puramente prático." “Continue dizendo isso, irmão," Ivan disse-lhe severamente. "Você pode até começar a acreditar." *** Blair acordou lentamente, seu cérebro tentando descobrir onde ela estava. Dormira profundamente, e a única coisa que pôde pensar foi que ela deveria ter esquecido de ajustar o alarme, pois já estava bem claro lá fora. Então ela percebeu que estava vestindo apenas um roupão branco macio que não era dela. "Que diabos?" Alguém bateu na porta e ela se sentou na cama rapidamente. Esse não era o quarto dela. Não era nem mesmo seu apartamento. Ela estava em uma suíte no Red Star porque Mikhail Romanov tinha a feito refém ontem. Ou algo assim. "Blair?" A voz profunda de Romanov flutuou pela porta. "Sei que você não tem muita roupa ou qualquer item pessoal na mochila. Se você quiser, eu posso conseguir que uma assistente pessoal do hotel pegue algumas coisas para você. Só preciso obter algumas medidas. " Assistente pessoal? Blair saiu da cama e caminhou até a porta. Ela enrolou o manto firmemente ao redor da cintura e segurou-o na altura da garganta para cobrir tudo. Finalmente, ela sentiu-se decente o suficiente para abrir a porta. Mikhail deu alguns passos para trás. Havia uma mulher sorridente que estava bem na frente


da porta. "Oi. Eu sou Aubrey. Se eu puder apenas fazer-lhe algumas perguntas, nós podemos fazer isso tão rápido e indolor quanto possível. " "Okay?" Blair disparou Mikhail um olhar de suspeita antes de permitir que Aubrey entrasse no quarto. Aubrey foi bem apressada. Ela bateu palmas e começou imediatamente. "Oh meu, isso deve ser tão fácil! Você tem uma deliciosa coloração, você sabe disso? tons mais quentes, penso eu, com algumas joias jogadas em um toque de cor. "Aubrey puxou a fita de medição. "Aqui vamos nós. Ah sim. Tamanho oito, eu teria imaginado de qualquer maneira. Perfeito." Blair se sentia como uma boneca. Ela respondeu a algumas perguntas mais pertinentes sobre preferência de estilo e pensou que ela poderia ter dito sim, sim, e não, mas nada daquilo realmente importava. Aubrey tinha acabado e jurou que enviaria umas peças dentro de uma hora. "Blair?" Mikhail apareceu novamente. "Eu já pedi o café da manhã no terraço, se você quiser sair e comer um pouco enquanto esperamos a sua roupa ser entregue." "Eu não vou tomar café da manhã sem roupas!" Blair disse de volta através da porta fechada. Sua risada masculina enviou uma profusão de arrepios na espinha. "Então mantenha o seu robe bem amarrado e você não vai ficar nua. Eu acredito que a definição de nu é uma verdadeira falta de vestuário, e não simplesmente uma falta de roupa casual ". "Você consegue convencer as mulheres nesse assunto com frequência?" Blair gritou a pergunta. "Com bastante frequência." Seu estômago roncou insistentemente. Ela não conseguia sequer lembrar quando tinha comido uma refeição de verdade que não envolvesse uma máquina de venda automática no hangar. Realmente, se amarrasse o cinto do robe bem apertado e, em seguida, desse um nó, ela deve estar decente. Certo? "Tudo bem", ela relutantemente concordou. "Eu estou saindo." Ela imediatamente pensou em


seu amigo Ethan e caiu na gargalhada. "Ok, não sem roupas! Mas eu estou saindo do quarto." *** Mikhail não podia deixar de ficar encantado com aquela risada, mesmo se vinha de trás da porta fechada. Em seguida, Blair fez como disse e saiu do quarto e Mikhail quase engasgou com as palavras que ele estava tentando dizer. "O quê?", Ela perguntou duas linhas de expressão que apareceram entre as sobrancelhas. Você disse alguma coisa? "Não," ele disse rapidamente. "Venha, o terraço é por aqui." Ele liderou o caminho através da sala de estar para as amplas janelas com vista para o horizonte. Seus olhos voltavam –se para as longas pernas de Blair. O manto era bastante volumoso, mas ele ainda podia distinguir a forma atlética de seu corpo. Ela estava tensa em todos os lugares certos, redonda no quadril, e cheia no peito. Seu cabelo estava desgrenhado do sono e seus olhos pareciam enormes. Ela parecia como se tivesse acabado de acordar da cama de um amante. Ou talvez fosse apenas a imagem que sua mente estava pintando para ele. "Assistente pessoal, hmm?" Blair meditou. "Eu teria ficado bastante feliz com uma rápida viagem a uma loja de departamento barato, você sabe. Eu tento não gastar muito dinheiro com roupas já que eu passo a maior parte do tempo em meu uniforme ". Mikhail atravessou as portas francesas que conduziam ao terraço. Ele puxou uma cadeira e fez um gesto para que Blair sentasse. Ela parecia querer rir. Ele quis saber porque. "Você parece determinada a rir de minhas tentativas de cavalheirismo. Por quê?" O sorriso dela de repente sumira. "Você sabe, eu não tenho certeza. Mas é rude da minha parte. Eu sinto Muito. Eu aprecio todo o ato cavalheiro. " "Ele não é um ato," Mikhail disse rigidamente. "Mesmo se você fosse nada mais do que uma parceira de negócios, eu iria puxar uma cadeira para você, ou abrir uma porta, ou oferecer para ajudá-la a obter alguma roupa se você não tivesse nenhuma." Ele considerou o último. "Especialmente se eu tivesse sido a razão por você estar à deriva e sem bagagem."


Ela cuidadosamente pegou o guardanapo e colocou-o no colo. "Você sabe, é estranho. Eu ainda penso em você como um criminoso. No entanto, você está mais para um cavalheiro que qualquer outro homem que eu já conheci. " "Eu sinto muito por isso, Blair," Mikhail disse gentilmente. "Você merece o melhor, eu acho." Ela parecia desconfortável. Ele lutou para aliviar o clima. "Por favor, sinta-se livre para comer o que quiser. Eu não tinha certeza do que você preferia então eu tive que trazer um pouco de tudo ". "Como cada herói em filmes românticos, sempre", ela brincou. Mikhail sorriu. "Eu acho que mudar de criminoso para herói romântico é um bom progresso." Ela corou, e ele poderia dizer que ela estava à procura de terreno de conversação contínua. "Então me diga qual é o plano." "Igor deve estar aqui em breve para criar nossas novas identidades", disse Mikhail com um sorriso. Como ele esperava, aquilo imediatamente chamou sua atenção. *** Blair estava tentando entender tudo. Em primeiro lugar, ela não queria deixar que o charme de Mikhail a afetasse demais, e como na Terra ela conseguiria manter uma cara séria enquanto eles esperavam um cara chamado Igor? "Você realmente conhece um verdadeiro humano chamado Igor?", Ela perguntou. "Certamente." Seu tom era sério, mas havia um leve brilho de diversão em seus olhos escuros. "Na verdade, eu acredito que ele está aqui agora." "Como você sabe disso?" Blair não tinha ouvido nada. Mikhail pegou seu telefone. "Eu acabei de receber uma mensagem me avisando." "Você trapaceou!" "Eu não sabia de que havia um jogo em que éramos obrigados a seguir regras." Mikhail parecia estar realmente gostando dessa brincadeira. Foi inesperado, mas ele se sentiu bem da mesma forma. Se levantou da mesa. "Eu só vou ter uma conversa com Igor e você termine o seu


café da manhã." Blair comeu dois croissants, uma pilha de frutas frescas, um dinamarquês, e algum tipo de massa fina com queijo, que ela suspeitava que pudesse ser realmente russo. Através das portas francesas abertas, ela podia ouvir dois homens discutindo em voz baixa. Eles não estavam falando Inglês. Isso era certeza. Ela tem um vislumbre de um homem baixo vestindo uma camisa branca suja e calças cargo largas. Ele parecia desagradável. Na verdade, esse homem parecia mais com a cara de criminoso que ela esperava de um mafioso. Ou talvez ele parecesse um lacaio de um mafioso. Blair já não podia ter a certeza de quais eram suas percepções. Ela simplesmente sabia que estava perdendo a batalha e quase se entregando ao charme de Mikhail Romanov. Alguém bateu na porta da suíte. Segundos depois, Aubrey entrou no terraço com três assistentes e um barco cheio de roupas em um rack de rolamento. Era como ter a loja inteira direito em sua porta! "Você está pronta?" Aubrey perguntou com grande entusiasmo. Era fácil de ver que a mulher amava seu trabalho. "Você vai amar esses itens. Eu só sei isso!" "Me belisque", Blair disse com humor. Seis pares de jeans, sete blusas, uma caixa cheia de roupas íntimas, um pacote de meias e três pares de sapatos depois, Aubrey terminou de convencer Blair de que ela definitivamente precisava de um vestido de festa. Blair não tinha tanta certeza. "Onde é que eu uso essa coisa?" Blair queria saber. Aubrey olhou perplexa. "No casino? Sr. Romanov é um dos nossos grandes jogadores, você sabe." "Sim, mas é meio do dia!" Blair argumentou. "É Vegas, querida." O tom de Aubrey era blasé. "É sempre depois das cinco horas por aqui. Além disso, o Sr. Romanov está pagando a conta. Você deve aproveitar. Todo mundo aproveitaria. "


Esse comentário azedou Blair de uma forma que nada conseguiria fazer. Ela ergueu a mão, não querendo ser contrariada nesse caso. "Sem vestido de festa. É isso. " Aubrey parecia saber que havia falhado. "Tudo bem então. As senhoras e eu iremos colocar o resto desses itens no quarto ". "Obrigado." Blair virou-se na cadeira e pegou o café. Tomou um gole e tentou lembrar-se que aquela não era a vida real.


Capítulo Sete Mikhail sabia que ele não poderia estrangular Igor. Eles precisavam das habilidades desse homem e ele seria inútil para eles se estivesse incapacitado. Ainda assim, era tentador. "Igor, você poderia apenas fazer o seu trabalho?" Mikhail tentou ser paciente. "Você está sendo compensado muito bem." "Sim, mas isso é muito diferente fazer documentos falsos para um refém", Igor lamentou. "Isso significa que o risco é extra. Eu acho que deveria ganhar um dinheiro extra." "Você está recebendo dinheiro extra. Aleksei está pagando para o trabalho de ponta", Mikhail lembrou. "E você quer que ela seja sua esposa?" Igor parecia incerto. "E se ela te entrega na alfândega? Isso é muito tolo, Mikhail. " Mikhail estalou os dedos com tanta força que pensou que suas articulações poderia explodir com a raiva. Igor pareceu perceber que tinha exagerado. Começou a recuar em direção à porta. "Igor?" Mikhail disse expectativa. "Por volta das três horas da tarde. E eu quero estar em um voo para fora deste país à meia-noite." "Sim, senhor." Igor esfregou o nariz bulboso com as costas da mão. "Eu ainda acho que isso é uma má ideia." "Anotado", disse Mikhail com os dentes cerrados. Ele se virou e deu uma olhada ao redor da suíte. Só levou um momento para perceber que Aubrey e suas assistentes tinha deixado o conjunto de uma forma muito mais moderada do que tinham entrado. Ele se perguntou o que teria acontecido. Blair não era o tipo de ficar em pé e ser enfeitada como um poodle mimado. "Blair?", Ele gritou incapaz de encontrá-la. Sua voz falou do terraço. "Eu ainda estou aqui fora."


"Está tudo bem?" Mikhail se aproximou dela lentamente, perguntando o que tinha acontecido para fazer seu olhar tão sério. "Eu não vou ser como as outras mulheres que você teve até aqui", ela disse a ele com uma expressão solene no rosto. Ele se perguntou o que tinha trazido isso. "Eu raramente tenho um desfile de mulheres nesse hotel, e a natureza da nossa associação é tal que eu não posso imaginar você sendo como qualquer uma das poucas que eu trouxe aqui antes." "Foi Aubrey, que deixou escapar," Blair admitiu. "Ela me disse que você estava pagando a conta para que eu devesse fazer como todas as outras e tirar proveito." Mikhail não pôde evitar. Ele jogou a cabeça para trás e riu até que lágrimas começaram a descer. Ele deveria ter parado porque Blair estava olhando irritada. Infelizmente, o mal-entendido foi muito engraçado para não rir. "O quê?" Perguntou Blair. "Aubrey estava falando sobre minha irmã, Maria", explicou. "Maria adora o gosto de Aubrey e adora a ideia de fazer compras e ficar deitada da piscina aqui no hotel." O rosto de Blair ficou vermelho e ela saltou em seus pés. "Vou me vestir." Mikhail deixou-a ir. Nada mais importava no momento. Ele tinha acabado de se deliciar com aquela pontada de sentimento. Blair estava com ciúmes. Aparentemente, ela não era tão fria quanto gostaria de ser. *** Blair não tinha certeza do que pensar quando seu companheiro incomum sugeriu que fossem jogar para matar o tempo. O cassino era vibrante com o som ressoar dos caça-níqueis, o sinal sonoro elétrico dos consoles de jogos digitais, e os gemidos e gritos de centenas de pessoas que pareciam estar em toda parte. "Está tudo bem?", Perguntou Mikhail. Ele colocou a mão na parte inferior das costas e conduziu-a através de uma multidão de pessoas reunidas em torno de um caça niqueis.


"Eu estou bem", Blair disse rapidamente. Ela não queria soar como uma vara atolada na lama. "Eu só não estou acostumada a sair." "Sério?" Ele apontou para uma mesa de jogo. "Você gostaria de tentar?" "Eu nunca joguei", disse ela, em dúvida. Seu sorriso lhe deu um frio na barriga. "Então, permita-me apresentar-lhe esse passatempo." "Eu sinto que você está se oferecendo para me ajudar ao longo da estrada para o inferno." Ela olhou para a mesa, observando que o sinal dizia que o jogo era black jack. "Bobagem." Ele se inclinou até que seus lábios quase roçaram a ponta sensível de sua orelha. "Há muitas maneiras provocantes de fazer isso." "Eu não tenho dinheiro." Mesmo Blair podia ouvir a debilidade de seus protestos. "Não é um problema." Ele estalou os dedos e um funcionário do casino vestindo um smoking veio correndo com um recipiente de chips vermelhos e azuis. "Vamos nos sentar, não é?" "Não há mais ninguém na mesa." "Sem problemas. Você só tem que bater a casa." Ele puxou uma cadeira, indicando que ela deveria se sentar. Blair lambeu os lábios, tentando lutar contra o impulso de se juntar a ele. "Isso significa que estatisticamente minhas chances são terríveis." "A diversão está em tentar." "Suponho que não faria mal tentar." Ela nunca poderia ter imaginado o quanto uma escolha afetaria sua percepção de Mikhail. Ele era um professor incrivelmente paciente e uma pessoa agradável em estar perto. O ritmo do casino os distraiu do resto do mundo e descobriu que ela era capaz de relaxar o suficiente para simplesmente sentar e apreciar a si mesma. "Está vendo?" Ele apontou para a pilha crescente de chips diante dela. "Você é muito boa nisso." Ele apontou para sua própria pilha diminuindo. "Muito melhor do que eu." "Você está me deixando vencer", ela acusou com um sorriso. Levou um momento para


perceber que ela estava flertando. Ele se inclinou para mais perto. "Se eu deixar você ganhar talvez você vá gostar mais de mim." "Eu não tenho certeza se eu deveria gostar mais de você," ela disse a ele sem fôlego. Seus olhos eram tão bonitos. Suas profundezas brilhando a fez sentir-se quente e com friozinho na barriga. Fazia muito tempo desde que ela teve um amante, mas algo sobre Mikhail deu-lhe pensamentos impertinentes. "Eu acho que eu gosto bastante de você." Seus lábios estavam apenas a uma pequena distância. Ele cheirava muito tentador, como uma infusão de puro poder masculino que não se podia resistir. E quando ele se moveu ainda mais perto, percebeu que ela estava segurando a respiração. Blair ouviu um rugido em seus ouvidos e seu coração batia em um ritmo staccato no peito. "Eu vou te beijar", ele sussurrou. Ela não poderia ter resistido mesmo se quisesse. "Eu vou deixar que o faça". Seus lábios eram suaves. Ele tinha um gosto doce, como balas de menta e outra coisa que ela não conseguia identificar. Ele moveu sua boca contra a dela, fazendo-a delirar com não mais do que um beijo. Então a língua escorregou sobre o vinco entre os lábios. Ela separou-os de surpresa. Ele deliciava-se em sua boca e dominava seus sentidos. Em busca de uma âncora, ela estendeu a mão e agarrou seus braços. Suas unhas cravaram em sua camisa, mas ele não pareceu se importar. Ela pensou que poderia ficar em chamas ali mesmo na mesa. Tudo abaixo da cintura dela pulsava como a resposta faminta ao seu beijo a pegara completamente desprevenida. Blair estava ficando suada entre suas pernas e se contorcia em seu assento com uma necessidade inquieta. "Blair", ele murmurou contra seus lábios. "Sim?" "Eu quero você demais." Sua honestidade a deixou atrevida. "Eu quero você também."


"Por quê?" Ele realmente parecia surpreso. "Não tenho certeza. Talvez porque você não é o que parece? Você é um bom homem, Mikhail Romanov. Você só está vivendo em um mundo que não lhe dá muitas escolhas ". "Oh, você quer dizer toda a minha evasão fiscal?" Ele brincou. Ela apertou os lábios nos dele novamente, acabando com a conversa. "Vamos lá para cima antes que eu mude de ideia." O negociante limpou a garganta. Blair tinha esquecido que ele estava lá. O homem sorriu para eles. "Sr.Romanov, eu posso recolher suas fichas, já que você terminou? " Mikhail sorriu. "Eu realmente acho que terminamos mesmo por aqui, obrigado." Ele pegou sua mão e levantou-se. Blair sentiu um arrepio deslizar por sua espinha. Ela seguiu seus passos largos através do casino e para o elevador. Uma vez lá dentro, ele esmagou-a contra seu peito. Ela deu um pequeno gemido quando sua boca cobriu a dela em um beijo longo e quente. "As câmeras", disse ela com um suspiro. "Quem está olhando?" Ele deixou seus lábios viajarem para baixo de sua garganta onde seu pescoço encontrava os ombros. "Eu particularmente não me importo." Seus dentes beliscaram a pele sensível e Blair decidiu que ela não se importava tanto. Ela prendeu os dedos em seu cabelo escuro e puxou-o para mais perto. Pressionou seu corpo contra o dele. Ela estava em chamas com a excitação. Logo ela estaria implorando-lhe para deixá-la escarranchar suas pernas ao atrito.


.


Capítulo Oito Mikhail desistiu de ter auto-controle quando as portas do elevador se abriram. Ele colocou o braço por baixo das pernas de Blair e a pegou em seus braços. O porteiro encontrou-se com eles no hall de entrada, um olhar de surpresa em seu rosto. "Porta", Mikhail rosnou. O homem apressadamente cumpriu a ordem de Mikhail. Levando Blair até a suíte, Mikhail contornou a sala de estar ao quarto. A cama estava nitidamente arrumada. Ele não se importava. Deitou Blair no centro do colchão, subiu ao lado dela e tomou sua boca em outro beijo intenso. Ele amava como ela estava desesperada. Já estava rasgando o fecho da calça jeans e tentando tirar sua blusa. Mikhail riu quando ele a ajudou a se livrar de seu top. Uma vez que a extensão macia de seus seios estava à mostra, no entanto, ele esqueceu de todo o resto. Usando sua boca, ele chupou a carne macia exposta acima de seu sutiã. Não foi suficiente. Ele alcançou por debaixo e abriu o fecho para expor totalmente os seios. Ele gemeu ao ver. Seus mamilos eram de uma pálida perfeição rosada. Tomando um entre os lábios, ele puxou e chupou até que ela foi arqueando as costas e gritando de prazer. Ele passou as pontas dos dedos no outro mamilo. Traçando o contorno, ele rolou-o entre o polegar e o dedo indicador até que ele estavam duroa como diamantes. "Meu Deus, Mikhail, por favor?" Ela estava tentando tirar suas calças de brim. "Eu preciso que você me toque! Eu juro que eu poderia gozar agora mesmo! " Ele tirou furiosamente sua camisa, fazendo com que alguns dos botões estourassem no processo. Eles bateram na parede como pequenas bolinhas de ping-pong. Não importava. Blair já estava arqueando-se para fora da cama para deslizar seu jeans por suas pernas. Ele a ajudou a tirá-los.


"Você está sem calcinha?" Ele foi agradavelmente surpreso. Ela sorriu. "Eu odeio fio dental". Ele enterrou seu rosto entre seus pelos. "Eu acho que gosto muito disso." "Oh meu Deus!", Ela gemeu. "Você se sente tão bem!" O cheiro dela era envolvente. Mikhail delicadamente mergulhou entre os lábios inferiores e encontrou-a quente e molhada. A carne estava inchada e úmida de excitação. Estendeu-a aberta com os dedos e sentiu seu clitóris com a ponta da língua. Isso bastou para fazê-la gozar duro e rápido. Blair gritou e todos os músculos abaixo da cintura dela pareciam aproveitar. Ela teria apertado as pernas fechadas, mas seus ombros as seguraram. Ele lambeu-a de novo e sentiu-a estremecer com as contrações profundas de seu orgasmo. "Eu preciso estar dentro de você, Blair", ele resmungou. "Eu quero sentir todo o calor ao redor do meu pau." " Por favor", Ela implorou. Ele desabotoou as calças e as empurrou para baixo de suas pernas. Então, ele foi finalmente encontrando-se entre suas pernas abertas com o seu pau pressionado intimamente contra sua abertura. Os finos pelos fizeram cócegas seu eixo. Ele colocou as mãos em cada lado de seus ombros para não esmagá-la. Sondando sua abertura com a cabeça de seu pênis, ele sentiu como apertada e quente ela estava. Ele resmungou enquanto tentava ir devagar. Blair não estava pensando em nada disso. Ela enrolou as pernas em volta de sua cintura e puxou-o profundamente. Mikhail gemeu de prazer puro afundar as bolas profundamente em sua vagina quente. "Porra, você é muito gostosa!" Ele percebeu que ele estava falando em russo e disse-o novamente em Inglês. Ele não podia pensar quando ele estava tão viciado no prazer que encontrara entre suas pernas. Ela cravou seus ombros com as unhas e jogou a cabeça para trás contra o colchão. Ele


baixou os lábios para seu pescoço e beijou-a até que ela se contorceu e gritou com a sensação. O sabor dela permanecia em sua língua e ele sabia que não iria durar muito. Os músculos internos deliciosamente justos envolvidos em torno de seu pênis começaram a tremer à medida que ela chegava ao seu segundo orgasmo. Mikhail apoiou seu peso em seus joelhos e segurou seu traseiro em suas mãos. Ele empurrou duro, batendo no corpo acolhedor de Blair de novo e de novo. Seu clímax se desdobrou na base de sua espinha como uma coisa viva. Engasgou ao percebeu que já não podia controlar. Ele apertou os olhos fechados ao gozar dentro dela. Ele banhava seu ventre com seu esperma e sentia como se estivesse marcando-a como sua para sempre. Ela gritou seu nome ao gozar novamente. Seus fluídos molharam o que restava de seu membro. Seus pulmões pareciam como se pudessem entrar em colapso. Ele rolou para o lado para evitar o esmagamento e ela gemeu quando ele tirou o pênis de sua vagina . Os dois deitados de costas, respirando ofegantes enquanto o mundo a sua volta parecia voltar. Ele encontrou sua mão, entrelaçou os dedos com os dela e se perguntou por que sentiu como se precisasse tanto daquele contato. "Uau," ela disse suavemente. "Isso foi incrível." Mikhail não falou. Ele estava com medo que não pudesse colocar em palavras o que estava sentindo naquele momento. Em vez disso, ele a puxou para mais perto, incentivando-a a se aninhar em seu lado. "Para onde vamos depois de Vegas?", Ela sussurrou. Ele suspirou. O mundo real parecia muito distante. "Não tenho certeza. Nós provavelmente vamos viajar de avião comercial e fazer algumas paradas ". "Rio", ela sussurrou. "Devemos ir para o Rio." "Por quê?" "Eu sempre quis ir para o Rio." Ele pressionou um beijo em sua testa. "Então, para Rio iremos."


*** Blair apertou as mãos e tentou não parecer suspeita do que sentia. Ou talvez já estivesse bem visível. Ela não podia acreditar que eles estavam prestes a embarcar em um avião comercial usando identificação falsa. Isso era algo além de sua zona de conforto. "Relaxe", Mikhail murmurou. "Tudo vai ficar bem." "Nós estamos quebrando a lei." Mesmo enquanto dizia as palavras percebera como deveria parecer para alguém como ele. "Embora eu suponha que seja apenas mais um dia para você." "Eu raramente viajo sem os meus próprios documentos, de modo algum." Ele riu. "Esse não é um dia normal. E eu nunca tive isso de viajar como um casal feliz. Então, talvez essa seja uma oportunidade para nós dois apenas nos divertirmos? " "Nos divertirmos?" Ela olhou para ele, consternada ao ver a linha de segurança TSA vindo para a frente mais algumas polegadas. "Certamente." Ele apontou para um casal a alguns passos que estavam um em cima do outro. "Eles parecem estar tendo um bom momento. Talvez nós devêssemos imitá-los? " Ela bufou e agarrou seu braço. Olhando para ele, ela bateu os cílios furiosamente até que começou a rir. Em seguida, ele a envolveu com seus braços e a mergulhou em seu peito. Deu um beijo muito teatral em seus lábios, o que a deixou rindo como uma colegial ridícula. Alguém bateu no ombro de Blair. Ela virou-se surpresa ao ver uma pequena mulher velha sorrindo para ela. "Querida, eu só queria dizer que é uma bênção ver um jovem casal tão apaixonado nos dias de hoje." Blair se sentiu como um cervo nos faróis. Felizmente Mikhail reagiu mais rápido do que ela. Ele ofereceu a mulher um sorriso solícito. "Muito obrigado pelo elogio. Minha esposa e eu estamos noivos. Suponho que o verdadeiro teste será como estaremos daqui a 30 anos. " "É verdade." A velha assentiu sabiamente. Ela apontou para o homem de olhos vermelhos ao lado dela que parecia estar dormindo em pé e não estava prestando atenção em nada daquilo. "Meu Alfred e eu estamos juntos há sessenta e dois anos. Alguns são definitivamente


melhores que outros." "Uau." Blair dificilmente poderia imaginar como isso seria. A senhora voltou a cutucar seu marido, e Mikhail olhou para Blair com um sorriso caloroso. "Você pode imaginar uma coisa dessas?" "Sessenta e dois anos de casamento? Não mesmo "ela meditou. "Meus pais só estavam casados com cerca de vinte anos quando foram mortos." "Meu pai passou por seis esposas." Mikhail parecia mais exausto por este fato que com nojo. "Ele descartou-as quando elas não eram mais interessantes." "Quer dizer, jovens e bonitas?", Ela adivinhou. Ele fez uma careta. "Algo assim." "Quanto tempo ele ficou casado com sua mãe?", Ela perguntou. "Você tem irmãos, certo? Ivan e Aleksei? " "Você presta atenção né", ele murmurou. "Eu sou uma piloto," ela lembrou a ele. "Atenção aos detalhes meio que vem com a carreira." "Entendo." Ele tocou seu rosto com o dedo. "E sim. Eu tenho dois irmãos. Minha mãe faleceu quando Ivan tinha apenas seis anos. Foi quando meu pai começou a usar e descartar suas esposas ". "Que nojo! Todas essas madrastas. "Blair franziu o nariz. "Eu morei em uma casa compartilhada até que fiz dezoito anos e fui para a faculdade. Você provavelmente poderia dizer que foi bastante inspirador. Eu sabia que queria ser capaz de ser financeiramente independente e cuidar de mim mesma." "Você não tinha parentes para cuidar de você?" "Não." Ela deu de ombros. Ela odiava quando as pessoas sentiam pena dela, embora o interesse de Mikhail não parecesse ser pena. "É aí que Ethan e eu nos conhecemos realmente. Quando comecei a trabalhar para Skye Aviation, eu lhe arrumei um emprego. Ele estava tendo alguns problemas antes disso".


Os olhos de Mikhail brilhavam de alegria. "Eu posso imaginar isso." Houve alguns momentos de silêncio, e então ela podia senti-lo se preparando para fazer uma pergunta. A fila tinha avançado mais algumas polegadas até que ela era a próxima. Seu estômago começou a dar nó de pavor. "O que aconteceu com seus pais, Blair?" Mikhail perguntou suavemente. Estava nervosa. Ela poderia culpar isso que por sua resposta franca. "Eles foram mortos em uma explosão em Chicago. Eles tinham saído a noite em um pequeno restaurante no centro. Eu realmente não sei o que aconteceu. As autoridades chamaram simplesmente um ato de violência sem sentido. Eu tinha apenas dezesseis anos. Eles realmente não me contaram muito, e naquele momento eu não queria saber. " "E agora?", Ele cutucou. Ela virou-se para olhar para ele. Ele parecia tão segura e sólida. Esse era um homem com quem podia contar. Mesmo quando as coisas ficaram difíceis, ela teve a sensação de que Mikhail Romanov iria apenas ficar mais agressivo. "Você gostaria de saber?" Blair mordeu o lábio. Isso era algo que ela realmente nunca tinha sido capaz de responder. "Você poderia realmente descobrir isso para mim, não poderia? Quero dizer, você tem a capacidade de escavar em lugares que eu não posso. É isso que está dizendo?” "Sim." Ele acenou com a cabeça. "Eu faria isso por você. Você já fez tanto por mim, e mais do que mereço agindo como um completo idiota. " A risada foi inesperada, mas foi boa para deixar sair a tensão de uma forma positiva. "Como posso resistir a um homem que admite que ele está sendo um idiota?", Ela brincou. "Vou encontrar essa informação para você", ele anunciou. "Talvez faça com que você consiga encerrar isso." "Talvez sim." O agente TSA com uniforme azul acenou para Blair. "Próxima!" Para seu alívio interminável, Mikhail foi com ela. Ele manteve um braço levemente em torno


de sua cintura ao ver que não podia suportar ser separado dela por muito tempo. Entregando ao agente seus bilhetes e passaportes, Mikhail ofereceu ao homem um sorriso. "Obrigado." O cara deu-os de volta e acenou-os para a próxima linha disponível para que eles pudessem tirar os sapatos e jaquetas. "Ok, isso foi completamente decepcionante", disse Blair, sentindo-se estranhamente ranzinza. Mikhail levantou uma sobrancelha. "Você parece chateada com isso." "Eu fiquei toda nervosa por nada! Claro que estou chateada. "Ela cutucou. "Eu provavelmente deveria fazer uma cena só para obter alguma milhagem fora de toda essa angústia que senti por causa disso." Ele lhe deu um sorriso irônico. "Eu acho que não."


Capítulo Nove Mikhail olhou para Blair enquanto ela dormia no assento ao lado dele. O zumbido dos enormes motores a jato foi abafado por algumas conversas entre os outros passageiros. Para a maior parte era silenciosa. Eles estavam a bordo em seu caminho para o Rio de Janeiro. Ele não podia imaginar por que ela queria ir para lá entre tantos lugares, mas por agora não importava. Mandando uma rápida mensagem para Ivan, Mikhail contou a seu irmão onde eles estavam. A aeromoça deu-lhe um olhar alertante para deixá-lo saber que estava consciente de que ele estava quebrando as regras. Mikhail piscou para ela. Ele não se importava muito com regras. Ivan respondeu quase que imediatamente. Por que você ainda está com a mulher? O homem de Aleksei, Igor está querendo negociar e cobrando-nos três vezes o valor para os documentos. Mikhail não estava afim de explicar a coisa toda para seu irmão. Foi um bom investimento. Ninguém vai estar à procura de um casal. Onde você está indo? Ivan queria saber. Rio. Ele não teve de esperar muito para que seu irmão mais novo mandão respondesse. Aleksei e eu vamos estar voando para Moscou em três dias. Encontre-nos lá. Aleksei está trazendo Susanna. Isso deu Mikhail uma pausa. O FBI está envolvido? Ele fez questão de usar letras maiúsculas para deixar a importância da pergunta bem clara. Não oficialmente. Mikhail olhou novamente para a mulher dormindo ao lado dele. Faça arranjos para voar minha companheira, uma vez que chegarmos a Moscou, ordenou Ivan. Não houve resposta, mas Mikhail sabia que seu irmão faria o que lhe foi perguntado. Nesse meio tempo, Mikhail teria vários dias com essa linda companhia para desfrutar. Isso trouxe à mente


a promessa que Mikhail tinha feito na linha de segurança para descobrir o que tinha acontecido com os pais de Blair. Ele enviou um texto para Aleksei desta vez. Você pode pesquisar algo sobre explosões em restaurantes na área de Chicago cerca de vinte e cinco anos atrás? Houve uma breve pausa, mas Mikhail sabia que seu irmão nunca seria capaz de resistir a um mistério como este. Sim, mas por quê? Minha companhia de viagem perdeu os pais em uma explosão. O nome dela é Blair Edwards. Eu quero saber quem estava por trás desse incidente. Mikhail repente percebeu que havia outro mistério que ele estava jogando nos pés do seu irmão. O que é esta mulher para você? Aleksei queria saber. Mikhail suspirou. Ele estendeu a mão e colocou uma mecha de cabelo curto atrás da orelha de Blair. Então ele respondeu Aleksei com honestidade total. Eu não sei ainda. *** Blair entrou pela suíte de hotel elegante direto para a varanda. As ruas da cidade fervilhavam de atividade muito abaixo, mas, além disso, ela podia ver as areias brancas e mar azul. Ondas claras vinham e iam a um fluxo e refluxo que acalmou Blair em um nível primal. Acima de tudo, ela podia ver a estátua do Cristo elevando-se. "Você quis vir aqui." A voz quente de Mikhail veio atrás dela. "Você está satisfeita?" Ela respirou fundo o ar picante. "É incrível." "Lamento que nós tenhamos apenas uma noite para passar aqui." Ele gentilmente amassou seus ombros. "Vamos sair do hotel e dar uma olhada?" "Sim!" Uma onda de excitação ultrapassou Blair e ela lançou os braços impulsivamente ao redor do pescoço de Mikhail. "Muito obrigado por me trazer aqui!" Ele devolveu o abraço, gentilmente beijando seu rosto. "Um dia você vai ter que explicar por que você queria tanto vir aqui, mas eu não iria estragar a sua alegria por nada." Blair pegou a mão dele e praticamente o arrastou para o elevador. "Como você conseguiu


obter um quarto neste hotel? Estamos bem perto do centro de tudo. Está perfeito!" Ele apenas sorriu. Supôs que para as pessoas com grandes somas de dinheiro à disposição, não era nada achar um quarto no melhor hotel sem muita dificuldade. O elevador logo os deixou no hall de entrada e de lá começaram a caminhar pelo bairro do Centro. As ruas estreitas estavam lotadas de moradores e turistas. Mikhail manteve-a perto, e Blair logo percebeu que ele estava tentando andar de forma que até mesmo os bandidos mantessem distância. Ela deu um passo para trás e sorriu para ele. "Você está muito casual hoje." "Ninguém curte o Rio em um terno", brincou, apontando para seus shorts casuais e uma camiseta preta lisa. Ela assentiu com a cabeça para baixo em sua saia e camiseta. "Eu estou bem vestida também." "Eu ficaria muito feliz em comprar-lhe algum traje local." "Eu ia adorar!", Ela brincou. "Os moradores vestem uma tanga como se não houvesse nenhum outro biquíni para escolher." "Você está certo." A expressão dele ficou séria. "Eu seria preso quase que imediatamente por arrancar os olhos de qualquer homem que se atrevesse a olhar para sua bunda deliciosa." Ela esticou o pescoço em volta, tentando pegar um vislumbre da parte do corpo em questão. "Você gosta da minha bunda?" Ele puxou um sarongue vermelho-e-amarelo bem colorido do carrinho de um vendedor de rua. Envolveu-o em torno de sua cintura, habilmente apertando-o no quadril. "Você tem um traseiro que me deixa duro só de imaginar como é segurá-lo em minhas mãos." Sua barriga mexeu-se com seu tom sugestivo. Então ela pegou uma extremidade das franjas do sarongue."É lindo." "Seria ainda mais bonito se você não estivesse vestindo nada além dele." Deu ao vendedor uma moeda. - Venha. Há algo que eu quero que você veja. " ***


Blair olhou para os prédios coloridos do bairro da Lapa. Seu coração inchou quando ela percebeu onde Mikhail estava levando-a. Ele não podia ter ideia do que significava, mas talvez isso foi o que fez o gesto ainda mais precioso para ela. "Você está bem?" Ele perguntou. "Se você está cansada, podemos voltar para o hotel." "Não." Ela puxou sua mão. "Vamos por aqui." "Achei que você nunca tinha vindo aqui antes", disse Mikhail suspeitou. Blair olhou para frente. Ela imediatamente viu o lugar que havia esperado toda a sua vida para visitar. A cor vermelha brilhante das paredes de azulejos foi desencadeada por um milhão de cores diferentes incluídos na famosa Escadaria Selarón. Os 250 passos criados por um artista local eram um ícone e tanto no Rio, como a estátua do Cristo Redentor. Blair desceu rapidamente os degraus, abaixando-se em torno de outros turistas e moradores em sua busca para encontrar o ponto certo. Finalmente, ela descobriu as palavras Escadaria Selarón trabalhadas no mosaico. Ela parou e fechou os olhos. Foi por isso que ela tinha vindo. "Blair!" Mikhail finalmente a pegou e ela percebeu tardiamente que havia fugido de seu lado tamanha a excitação. "Por favor, nunca saia do meu lado dessa forma novamente. A cidade pode ser bonita, mas é perigosa também." "Sinto muito", disse ela mansamente. "Eu estava apenas empolgada, eu acho." "Que lugar é esse para você?" Ele olhou ao redor. "Todo mundo conhece a escada, mas eu nunca vi alguém tão feliz por causa dela." Ela respirou fundo. Parecia que ela estava prestes a confiar a ele um pedaço de sua alma. "Este é o lugar onde meu pai se levantou quando pediu minha mãe em casamento." Sua expressão se suavizou. O efeito em seu rosto era deslumbrante. Onde ele era bonito, o afrouxamento de sua mandíbula e da falta de tensão em torno de seus olhos o transformara em um herói sexy de algum romance. Respirando fundo, Blair ficou na ponta dos pés e colocou os braços ao redor do pescoço de Mikhail. Ela o beijou longa e lentamente, deixando seus lábios se moverem contra os seus com a


mais doce das intenções. Ele pareceu congelar ao contato suave. Ela se perguntou se isso era muito casto ou passivo para ele. Em seguida, ele passou os braços em volta da cintura e puxou-a mais perto da curva de seu corpo. Ele não aprofundou o beijo no entanto, deixando ela definir o ritmo. "Obrigado por compartilhar esse momento comigo", murmurou quando eles finalmente vieram à respirar. "Eu costumava pensar que de alguma forma, eu iria encontrar tempo para vir aqui", ela admitiu. "Eu sou um piloto, mas isso não significa que consiga voar para onde eu quero." "Escolhas, lembra?" Ele gentilmente segurou seu rosto e correu os polegares sobre o lábio inferior. "A vida é tudo sobre as escolhas que fazemos." *** Mikhail a levou a uma churrascaria para jantar, pois deve-se sempre visitar um restaurante ao estilo brasileiro, quando se está no Rio. Ele pagou a melhor mesa e gostou do olhar de êxtase no rosto de Blair quando os servidores começaram a trazer espetos de cortes de carne para sua mesa. "Você não tem medo de comer na frente de um homem," ele disse a ela em agradecimento. "Você não tem ideia de como isso é legal." Blair riu enquanto limpava a boca com um guardanapo de linho. "Isso deve ser uma reclamação que os homens têm sobre as mulheres independentemente da sua etnia ou país de origem." Mikhail bufou. "A maioria das mulheres russas comem tão pouco que temo que elas possam morrer de desnutrição." "Talvez o seu pai não devesse ter feito o hábito de enjoar delas se elas tivessem um pouco mais de carne em seus ossos", brincou ela. Ele colocou a mão em seu coração. "Como você pôde imaginar que eu seria como o meu pai nisso?" "Eu não sei o que você gosta", ela comentou. "Diga-me o tipo de mulheres que você


normalmente namora." Mikhail tomou um gole de vinho, sentou em sua cadeira e olhou para a mulher à sua frente. "Você percebe que você já me definiu como um idiota não importa como eu responda, certo?" "Não é assim." Ela colocou a mão em protesto. "Se eu prometo reconhecer que pedi para ouvir respostas, eu não posso ficar brava só porque você as deu para mim." Ele bufou. "Nenhuma mulher jamais disse isso." " Diga -me", ela persuadiu. "Ou eu vou lhe dizer." Ela limpou a garganta. "Você namorar mulheres russas, principalmente porque você gosta de mandar nelas, e que noiva discutiria com o grande futuro líder do Bratva? Então, todas elas são bonitas bailarinas de carreira que falam muito pouco Inglês e vão morrer no parto porque não têm quadris ". Mikhail não conseguiu parar a dor na barriga de tanto rir. De onde ela tirou essas noções? "Estereotipe muito?", Ele brincou. "Vamos. Conte-me." "Eu não namoro." Ele pensou sobre isso e decidiu ser brutalmente honesto. "Quando eu saio com uma mulher, é porque eu quero passar a noite com ela. Eu deixo minhas intenções claras e ela não tem ilusões sobre quaisquer segundos encontros". Ela inclinou a cabeça para um lado. "Então eu deveria esperar que você nunca me chame novamente quando o nosso negócio terminar em Moscou?" Mikhail olhou para sua expressão travessa e desejou que ele pudesse responder a essa pergunta. "Você é uma exceção para mim, Blair Edwards", admitiu. "Eu não posso dizer o que vai acontecer quando chegarmos a Moscou. Isso tudo é um território novo para mim. " O clima na mesa tinha ficado subitamente sério. Mikhail sentiu o peso começar a arrastá-lo para baixo. Então ele viu a boca de Blair transformar-se nos cantos. "Então o que você está dizendo é que eu tenho a chance de convencê-lo a dormir comigo de novo?"


Capítulo Dez Blair não conseguia decidir se ela estava fazendo uma decisão sábia ou não. Nunca tinha sido tão corajosa quanto dessa vez em sua vida pessoal, mas também nunca tinha conhecido alguém como Mikhail. Ela se virou e olhou para o banheiro luxuoso hotel. Mikhail tinha pedido licença para fazer uma chamada de telefone, e Blair não podia deixar passar a oportunidade de fazer o que equivaleria a um mergulho na banheira de imersão enorme no centro da sala. Ela arrastou seus dedos sobre as telhas de arenito suaves enquanto água quente caía na bacia redonda. Havia azulejos vermelhos, amarelos e azuis trabalhados com detalhes marrons que formavam um desenho fantástico de peixes no oceano. Ela limpou o vapor e respirou fundo o perfume de lavanda saindo da água. Entre as bolhas que derramavam sobre a borda da banheira e q vista para as luzes da cidade e do oceano escuro através das janelas largas, ela sentiu como se estivesse em um conto de fadas. Soltando seu manto, Blair entrou na água com um gemido de apreciação. Ela sentou-se e afundou-se até que a água subiu para o queixo. O cabelo que ela tinha tentado amarrar no topo de sua cabeça ficou molhado e descia ao longo de seu decote, mas ela não se importava. Havia algo incrivelmente sensual e gratificante sobre estar na água desse jeito. Uma voz pesada de homem deixou-a saber, que ela não estava mais sozinha. "Como uma ninfa do mar," Mikhail disse-lhe em voz baixa. "Você é requintada." "Você não pode ver nada", Blair ressaltou. "Não?" Ele se ajoelhou ao lado da banheira. Ela estava com medo de respirar quando ele se inclinou para frente apenas o suficiente para dar um leve beijo nos lábios. O toque provocante levou a inclinar-se para frente. Ela queria mais. Mikhail mordeu o lábio inferior e o deixou entre os seus, dando um grunhido que fez sua barriga apertar-se de desejo.


Depois se sentou nos calcanhares e tirou a camiseta. Sua boca ficou seca com a visão de todo aquele abdome e músculos contraídos por baixo. Seu sorriso safado sugeriu que ele sabia o efeito que tinha sobre ela e estava gostando. "Eu posso ver seus mamilos, sabia," ele murmurou. Blair olhou para baixo e percebeu que as bolhas tinha diminuído apenas o suficiente para deixar as pontas rosadas de cada seio na linha de água. Hipnotizada pela visão dele, viu como ele usou a ponta de um dedo para circundar cada mamilo, por sua vez. Eles ficaram apertados e duros enquanto ele os acariciava, até que finalmente ele pegou a ponta direita e apertou-a levemente entre o polegar e o dedo indicador. Ela gritou incapaz de manter silêncio. As sensações conflitantes de prazer e dor a deixou quase sem fôlego com desejo. Seus mamilos estavam latejando. No entanto, era uma boa sensação. Ele beliscou seu mamilo esquerdo da mesma forma e Blair gemeu de excitação. "Sua vagina está molhada com algo além de água?" Seu sussurro sugestivo fez corar. Mikhail passou a mão para baixo de sua barriga para a virilha. Ele enfiou os dedos em meio aos pelos púbicos e deu-lhes um puxão. Blair colocou os braços contra a borda da banheira e segurou com as duas mãos, enquanto ele acariciava a parte sensível entre suas pernas. Finalmente, ele se espalhou por seus lábios inferiores com os dedos e acariciou seu centro. Blair apoiou a cabeça contra a borda da banheira e fechou os olhos. Ela tentou respirar, mas o ar mantido ficou preso em seus pulmões. Era tão bom. Ela sentia seu clímax chegando rápido. A água criara um lubrificante liso, mas o atrito dos dedos movendo-se contra sua delicada parte era demais para resistir. Ela arqueou as costas e sentiu-se caindo ao orgasmo. "Mikhail!", Ela gemeu. "Eu estou quase gozando. Eu não posso ... " "Venha para mim, Blair", ele sussurrou. "Dê-me o que eu quero." Sua ordem erótica empurrou-a sobre a borda. Ela suspirou e tremeu, a água derramando sobre a borda da banheira quando ela entrou em um clímax feroz que parecia seguir. Ela apertou suas coxas fechadas na mão de Mikhail, mas seus dedos continuaram a se mover. Eles giravam em


seu clitóris mais e mais, prolongando seu orgasmo até que ela se sentiu completamente acabada. *** Mikhail achou que ele estava em risco de perder a cabeça. Nunca tinha experimentado tal prazer com um amante. Blair não lhe negou nada e deu tudo sem pedir qualquer coisa. Ele se inclinou para frente, sem se importar com a água ou as bolhas que deixaram a seus braços encharcados. Ele colocou um braço sob seus joelhos, e outro em sua volta. Levantou-a facilmente em seus braços e levou-a para fora do banheiro. Eram apenas meia dúzia de passos para a cama. Mikhail deitou Blair no centro da cama onde havia travesseiros de plumas e cobertores macios estampados. Ela parecia uma deusa aguardando a sua adoração. Ele olhou para a expressão perplexa no rosto. "O que você está pensando?" "Eu estava pensando há alguns segundos que eu nunca gozaria de novo." "E agora?" Ele desabotoou a bermuda dele e empurrou-a para baixo de suas pernas, juntamente com sua cueca boxer. Seu pênis saltou para cima em direção a sua barriga, ansiosamente antecipando o que estava por vir. Ela deu um suspiro suave. "Agora eu estou pensando que eu preciso de você tanto que eu mal posso aguentar." "Então eu acho que vou dar-lhe o que quiser." Ele deixou seu membro escorregar ao longo da parte interna de sua coxa. A pele macia era sedutora, mas não o suficiente. Ele precisava de mais atrito. Ainda assim, a maneira como ela gemia e se contorcia debaixo dele na cama deu-lhe uma sensação de poder que ele nunca tinha experimentado. Ela levantou os seios para ele. Mikhail baixou o rosto e esfregou cada um com cuidado. Lambeu seus mamilos antes de mordê-los suavemente apreciando seus suspiros de prazer. "Mikhail!", Ela gritou. "Por favor. Eu preciso do seu pênis. " Apoiou seu peso em ambos os lados de seu corpo. Seus seios roçavam seu peito e ele sentiu o calor e o brilho da pele por cima dele. Ela abriu as pernas para recebê-lo mais de perto. Ele acomodou seus quadris entre suas pernas e empurrou sua abertura com a ponta do seu pênis. Ela


estava tão incrivelmente molhada. Ele sentiu a cabeça forçar sua abertura. Deliciosamente confortável, seus músculos internos relaxaram apenas o suficiente para deixá-lo deslizar dentro de seu corpo. O atrito da união era quase mais do que se podia suportar. Uma vez que entrara em seu corpo, ele esperou. Olhou para o rosto dela e gentilmente tocou-o com as pontas dos dedos. Seu sorriso suave derreteu-o de dentro para fora. Essa mulher lhe pertencia. Ele sabia daquilo, assim como conhecia seu próprio lugar no mundo. Mikhail começou a se mover. Ele subiu no corpo de Blair, flexionando os quadris para penetrar tão profundamente quanto podia. Ela exalou um suave som de aprovação com cada movimento. A cabeça de seu pênis entrou profundamente dentro de seu corpo e ela gemia enquanto gozava mais e mais com ele. Era como se ele realmente podia sentir seu orgasmo. Seus músculos internos ficaram tensos, mas eram macios e quase se rendiam à medida que ele penetrava de novo e de novo. Suas bolas suavemente escovado seu corpo, saltando contra ela com cada impulso. A sensação era esmagadora. fogo líquido queimava na base de sua espinha. Suas pernas estavam quase paralisadas com as deliciosas sensações vibrando em cada nervo. Finalmente, ele não podia esperar mais. "Eu estou quase gozando", ele rosnou. "Eu não posso segurar por mais tempo." Ela levantou a mão e passou os dedos sobre suas bochechas e queixo. "Me faça sua, Mikhail. Dê-me tudo." As palavras dela viraram seu mundo de cabeça para baixo. Incapaz de segurar, ele empurrou duro e derramou o esperma em seu corpo. Ela suspirou e de repente ele a sentiu gozar também. Ela derreteu em torno dele. A deliciosa sensação deixou-o sem fôlego. Olhou para ela e encontrou seu olhar o encarando. Seus olhos se encontraram, e nesse momento sentiu como se ele próprio tivesse se dado completamente a Blair. "Tão incrível", ela sussurrou. "Eu nunca soube que poderia ser assim." Ele abaixou sua boca até a dela e lhe deu um beijo lento e molhado. Ela separou os lábios e ele deslizou a língua dentro de sua boca para esfregar sensualmente contra a dela. Ele sentiu a


suavidade de sua boca contra a dele e se deleitou com a língua da mesma forma que fizera apenas momentos atrás com o seu membro. Ela cobriu o rosto com as mãos e seus polegares tocaram seu lábio inferior. "Você me faz sentir como se eu pertencesse, Mikhail. Eu não sentia isso desde que meus pais foram tirados de mim ". Ele deitou de costas, seu pau ainda dentro de sua vagina. Blair relaxou contra seu peito e enfiou a cabeça no oco de seu pescoço e ombro. Ele passou os braços em volta de seu corpo e segurou-a por um momento. Ele não queria que esta noite terminasse. Inferno, ele não queria que esse momento chegasse ao fim. Logo ele teria que ligar a Ivan e Aleksei. O mundo real se intrometeria e esse momento de perfeita unidade teria ido como fumaça no vento da noite. "O que você está pensando?", Ela sussurrou. Ele considerou a pergunta com cuidado antes de responder. "Eu estou pensando que eu nunca experimentei algo tão bom com outra pessoa antes na minha vida. É como se você fosse feita só para mim ". "Eu me sinto da mesma maneira." Ela esfregou seu pescoço. "Mikhail, o que faremos amanhã?" "Nós vamos para Moscou." Ele não gostava de pensar nisso. "E então eu tenho que ir para casa", ela sussurrou. "Isto é como um sonho e eu não quero que isso acabe." "Então não pense nisso como o fim", ele sugeriu. "Basta pensar sobre esse momento. Esteja aqui, agora mesmo comigo. " "OK." A palavra foi murmurada em uma voz de sono que lhe disse que ela estava quase dormindo. Ele mal podia imaginar como cansado ela devia estar. Seu dia tinha parecia se estender para os dois, e o dela tinha incluído uma situação de refém bizarra e um voo transcontinental depois de voar duas pernas de viagem em seu próprio avião. Blair realmente era uma mulher


forte.


Capítulo Onze Blair virou e tocou o espaço vazio na cama. Os lençóis eram suaves sob os dedos. A poucos passos de distância ela podia ver as cortinas ondulando na brisa leve que soprava pelas portas francesas abertas. A brisa suave bateu sobre a pele nua de suas costas, lhe dando arrepios e fazendo-a agarrar os lençóis de seda. Ela lembrou que Mikhail tinha dito a ela em Las Vegas que ele não dormia muito. Aparentemente, isso era verdade aqui no Rio também. Era tentador ir atrás dele, mas ela não tinha certeza se a sua presença seria bem-vinda ou não. Ela não o conhecia o suficiente para adivinhar coisas assim. Rolando para o seu lado da cama, ela olhou para fora das portas francesas e percebeu que havia uma forma escura sentada à mesa no terraço. Mikhail parecia estar descansando em uma cadeira e observando a vista da cidade abaixo. Houve um barulho estranho vibrando, e então ele pegou o telefone celular na mesa ao lado de um copo e uma garrafa do que era muito provavelmente vodka. "Olá?" A voz baixa de Mikhail disse perfeitamente através das janelas abertas e para a cama. Blair sentiu-se estranha por espionar a conversa de Mikhail, mas considerando que ele estava falando por alto-falantes ela não podia deixar de ouvir o que ele estava dizendo. Então, ele ajustou o telefone e configurou-o de volta ao normal. Uma voz áspera juntou-se a de Mikhail e Blair percebeu que esse devia ser um de seus irmãos. Os dois homens estavam conversando em um tom intenso. Ela não conseguia entender a linguagem, e supôs que eles deviam estar falando russo. A cadência da voz de Mikhail sugeriu que ele não estava feliz. Ele continuou gesticulando para o telefone como se esperasse que o fizesse algum gesto de retorno. Blair quase riu com a visão bizarra que Mikhail apresentou. Felizmente, ela apertou o rosto em um travesseiro para


abafar o barulho. Ela tinha certeza que ele pensou que ela estava morta dormindo. "Ei." Blair parou de rir. Aquela voz do outro lado da linha era inteligível e falava em um inglês claro. "Lembra que você queria que eu verificasse aquela explosão em Chicago?" "Sim", Mikhail disse na expectativa. "E você descobriu quem estava por trás da morte das duas pessoas que eu lhe pedi para pesquisar?" "Eu descobri." Mikhail parecia se inclinar para frente em direção ao telefone. "E?" "Durante os anos oitenta a Bratva havia tido bastante problemas regularmente com um grupo dirigido por Pyotr Urevich." A voz soou quase triste. "O restaurante onde essas pessoas foram mortas pertencia a Urevich." "Então fomos nós quem colocamos explosivos e detonamos o lugar," Mikhail parecia quase triste. "Eu tinha medo disso." "O que importa?" O irmão de Mikhail sugeriu. "Não diga a ela. É simples." "Isso não é uma solução", Mikhail argumentou. "Eu vou pensar sobre isso e decidir o que fazer depois. Pelo menos eu sei a resposta. " Blair congelou na cama. Sim. Pelo menos ela finalmente tinha a resposta para quem tinha matado seus pais. O homem que foi responsável era o mesmo homem que ela tinha medo de estar se apaixonando. *** Mikhail ouviu um barulho vindo da direção do quarto, mas não reagiu. Blair parecia estar adormecida na cama, na última vez que ele havia verificado. A mulher parecia ser uma roncadora em sono profundo. Ivan ainda estava na linha. "Mikhail?" "Eu não posso simplesmente recusar esse tipo de informação", disse Mikhail com um profundo suspiro. "Você sabe todos os detalhes? Acho que é difícil de acreditar que iriamos lançar uma


bomba em um lugar onde só havia vítimas civis. " "Quando eu descobri que o Bratva estava por trás da explosão, eu procurei nos antigos registros de quem possa ter sobrevivido no incidente", explicou Ivan. Mikhail bufou. "Você sabe tão bem quanto eu que não mantemos registros de crimes potenciais." "Não. Mas os tenentes de cada bairro mantêm um diário que, eventualmente, fica gravado, para que possam defender as decisões de seus patrões em caso de necessidade. "Ivan parecia indignado." Nós simplesmente não esquecemos as coisas, uma vez que elas são feitas, você sabe." "Às vezes parece que esquecemos", Mikhail disse sombriamente. Ivan fez um barulho descontente no telefone. "Às vezes eu me preocupo com você. É como se você já não acreditasse nessa família ou no que fazemos ". "Às vezes eu não sei." Mikhail suspirou e correu os dedos pelos cabelos. "O suficiente sobre mim. O que você descobriu sobre a explosão? " "Foi em um temporizador, mas o dispositivo estava com defeito. Eu só descobri isso porque havia duas outras explosões na mesma vizinhança que tinha o mesmo padrão de tempo ruim." Ivan exalou um profundo suspiro de aborrecimento. "Alguém poderia pensar que iriam parar para examinar os seus métodos após pelo menos a segunda falha de ignição, se não na primeira." "Eles aparentemente não partilham a sua preferência por eficiência", Mikhail disse a seu irmão em um tom seco. "Exatamente", disse Ivan com satisfação. "Então, a bomba não se destinou a sair durante o horário comercial." "Quantas pessoas foram mortas por completo naquele restaurante?" Mikhail temia a resposta. Ivan não parecia mais satisfeito. "Vinte. Oito clientes e os empregados e membros da máfia Urevich ". "Que pena", Mikhail murmurou.


De repente, ouviu uma porta bater no hall de entrada da suíte. Ele saltou da mesa, alarmada. Alguém poderia possivelmente ter entrado na suíte sem o seu conhecimento? A segurança do hotel deveria ter impedido uma coisa dessas, mas havia sempre a chance de uma violação. "O que há de errado?" Ivan perguntou. "Eu vou voltar para você", Mikhail disse apressadamente. "Alguém quis entrar ou então saiu da suíte." "Cuidado!", Disse Ivan antes de desligar. Mikhail correu para o quarto. Ele empurrou as cortinas no caminho. Elas se agarravam a ele como teias de aranha e ele quase as rasgou em sua pressa para assegurar-se de que Blair estava segura. "Blair?" Mikhail não a viu na cama. Ele se virou para olhar para a outra porta. Estava aberta. "Blair?", Ele chamou em voz alta, mas não houve resposta. *** Blair tropeçou no que parecia ser a milionésima escada. Ela não tinha certeza por que ela tinha escolhido pegar a escada, mas parecia uma escolha prudente no momento. Ela obstinadamente colocou um pé na frente do outro e correu outro lance de escadas atrás dela. Seu cérebro estava a mil com o que acabara de ouvir sobre Bratva de Mikhail ter assassinado seus pais. Ele fora a razão pela qual ela tinha estado sozinha por tanto tempo. Lágrimas desceram quentes por suas bochechas e ela as secava com seus braços enquanto continuava a subir. O desespero a deixou desleixada e ela começou a ir com calma apenas para agarrar o corrimão e saltar as etapas restantes para sair. O impacto brusco de seus pés na escada de concreto era um desconforto bem-vindo. Com os últimos passos atrás dela, Blair bateu a porta de saída com ambas as mãos. Correu para o beco ao lado de seu hotel. Olhou ao redor, tentando se orientar. Partindo com tanta pressa, não tivera particularmente atenção para o que tinha levado com ela. Agora estava lamentando


não ter trazido uma mochila ou algum outro saco para esconder a carteira que carregava em sua mão. "A senhora quer uma carona?" Um taxista estacionou no meio-fio atrás dela. Blair girou ao redor, se perguntando se deveria confiar nele ou não. A cabine parecia legítima. Ainda assim, seus instintos lhe diziam para não confiar nele. Ela abanou a cabeça. "Eu não vou tão longe. Obrigado." "Tem certeza?" Ele pressionou. "Nenhuma mulher deve ficar sozinha aqui fora após o anoitecer." "Não?" Ela olhou para a rua em frente ao hotel. Foram apenas alguns passos e estava cheio de pessoas. "Parece que eu não estarei sozinha." "Como quiser." O taxista realmente pareceu com raiva. Blair correu para a rua, sentindo-se perturbada pela tentativa insistente do motorista de táxi em levá-la para seu carro. Poderia ter sido uma tentativa de sequestro? Realmente ela fora um pouco tola em estar aqui fora sozinha à noite. Rio não era conhecido por suas ruas particularmente seguras. Uma vez na rua, ela começou a relaxar um pouco. Os turistas e moradores estavam curtindo a festa. Música inundara o ar, temperada com os gritos e gritos de folia. Ela seguiu o caminho de mais cedo. Através do Centro da vizinhança e até a Lapa, ela sentiu sua angústia começar a esfriar um pouco. Em seu lugar, sentiu apenas uma tristeza profunda. Os passos da Escadaria Selarón pareciam muito diferente à noite. As luzes da cidade se misturavam com o luar brilhante sobre as telhas coloridas que cobriam os 250 escadas. Blair chegou até o meio e sentou-se. Estava tranquilo aqui essa hora da noite, provavelmente porque ninguém além dos moradores vinham aqui à noite. Especialmente desde que eram três da manhã. "Olá, moça bonita." Blair piscou em choque ao ver o motorista de táxi em pé cerca de uma dúzia de passos de distância. Então seu estômago apertou quando o medo se instalou. Por qualquer que motivo que ele


estivesse ali, não era bom. *** Uma sensação fria de propósito dominou Mikhail ao que ele se aproximava da Escadaria Selarón. Levara apenas alguns minutos em pé na rua em frente ao hotel para decidir que esse seria o primeiro lugar que ele iria procurar por Blair. Sua conexão com as escadas era algo muito real para ela. Ele sabia que ela se sentia mais próxima de seus pais lá. Se ela o ouviu falando com Ivan, e Mikhail suspeitava que ela tivesse, então esse seria o primeiro lugar que ela iria. "Por favor, fique longe!" O tom de Blair estava quase em pânico. "Eu já te disse que eu não preciso de carona. Apenas vá embora!" Mikhail tomou os passos dois de cada vez enquanto descia em direção a Blair. Ele podia vêla encarando dois homens que pareciam ter decidido que ela era uma boa escolha para quaisquer planos trágicos que tinham em mente. "Vamos lá, linda," o primeiro homem persuadiu. "Nós não vamos machuc-a-la se você apenas nos der a sua carteira." "Eu preciso disso", argumentou. "Eu não posso sair desse país sem ela." "Você não pode deixar o país, se você estiver morta", o segundo homem disse. Mikhail sentiu sua sede de sangue subindo para níveis perigosos. Ele sentiu a arma escondida em um coldre em suas costas como uma marca de queimadura na pele. Mas com esses dois ele estava mais inclinado a usar as próprias mãos. Isso iria aliviar totalmente a sua raiva de maneira que um tiro simples não ia conseguir. Blair ia voltando na direção dos degraus quase como se pretendesse subir nas caixas de flores do terraço de azulejo que faziam fronteira com a escada. "Apenas vão e me deixem em paz!" Mikhail ficou apenas a três passos agora, e ele só podia imaginar o que a expressão em seu rosto parecia. "Vocês dois ouviram a mulher. Deixem- a em paz." "Saia," o primeiro homem assobiou. "Esse é o nosso jogo."


"Ela não é um jogo", Mikhail lhes disse asperamente. O segundo homem puxou uma arma. Ao lado dele, Mikhail ouviu Blair suspirar. Ele não deixou que isso o distraísse. Mikhail avançou e agarrou a arma. Ele rapidamente se transformou em seu dono e usou a coronha da arma para dar um golpe no rosto do homem jovem. O ruído surdo da arma batendo contra amaçã do rosto do homem foi acompanhado por um gemido de dor. O homem gritou e agarrou seu rosto, dobrando-se de dor. - Seu filho da puta! "Isso é desnecessário", Mikhail disse irritado. Ele virou a arma em sua mão e bateu-o para baixo na parte de trás da cabeça do homem. O cara caiu e ficou imóvel. "Seu filho da puta!" O primeiro homem correu a Mikhail confiante. Mikhail nem parou. Ele agarrou o primeiro homem ao redor do pescoço e apertou-o com o braço direito. O cara começou a tentar dar um soco na barriga de Mikhail. Um jab rápido com o punho de Mikhail aquietou o homem imediatamente. Mikhail bateu no homem mais algumas vezes na cara para garantir. Finalmente ele sufocou o homem até desmaiar. Deixando-o no chão, Mikhail olhou para Blair. "Você está bem?", Ele perguntou em voz baixa. Ela deu um aceno hesitante. Mikhail estendeu a mão e esperou. Ele não tinha ideia de quanto tempo levou. Não importava. Porque quando Blair finalmente pegou sua mão, ele sentiu como se o mundo tivesse acabado de voltar ao foco.


Capítulo Doze Mikhail levantou os dedos de Blair aos lábios e beijou-os levemente. Eles estavam andando de volta para o hotel, mas não estava com pressa. Ela ainda parecia um pouco chocada com tudo o que tinha acontecido e ele não podia culpá-la por isso. "Tem certeza de que você está bem?", Ele perguntou em voz baixa. "Nós poderíamos parar em algum hospital, se você precisar." "Não. Eu estou bem. "Ela parecia certa disso, pelo menos. "Eles não chegaram a me fazer nada. Você chegou na hora exata ". "Fico melhor por isso." Ele suspirou. "Nunca saia assim novamente. Por favor? Especialmente não em um lugar como esse. Se você precisar de espaço, basta pedir e eu vou embora. " A risada de Blair soou estranhamente escura. "Como é que você poderia oferecer algo assim?" Ele começou a responder, mas ela levantou a mão para impedir o que ele estava prestes a dizer. "Não. Não responda isso. Mikhail Romanov, você é um dos maiores cavalheiros que já conheci. No entanto, você também é um criminoso. " "É por isso que você correu hoje?" Ele deixou seu olhar vaguear sobre as pessoas que andavam à sua volta, sempre mantendo seus sentidos atentos a quaisquer ameaças potenciais. "Não exatamente." Ela suspirou. "Eu acordei um pouco antes que Ivan ligasse. Eu sei que eu não deveria ter escutado, mas a sua voz é alta. " "Você nos ouviu falar sobre a morte dos seus pais", ele adivinhou. Não que isso tivesse sido algo difícil de pensar. "Sim. Ouvi Ivan dizer que a Bratva foi a responsável pela bomba." Sua voz falhou e ele percebeu que ela estava muito perto de perder a compostura. "É verdade que a Bratva foi responsável", ele admitiu. "Mas as circunstâncias foram um pouco obscuras."


"O que quer dizer?" Ela bateu em seus olhos. "Seu pessoal plantou uma bomba. Meus pais morreram. " "Infelizmente os seus pais eram dois dos oito clientes mortos naquela explosão." Ele gostaria de poder expressar plenamente a ela como se sentia. "Eu não posso te dizer como isso me incomoda", disse ele fervorosamente. "Esta perda sem sentido! Ivan suspeita que havia temporizadores falhos nos dispositivos explosivos. Havia mais duas bombas que explodiram de uma maneira similar. Os homens que arrumaram essas foram punidos, mas isso não foi suficiente para fazer justiça por seus pais. " *** Justiça por seus pais? Blair olhou ao redor dela no brilho da noite do Rio. "Eu não tenho certeza se posso sequer imaginar como a justiça seria", ela admitiu. "Eles estão mortos. Nada vai trazê-los de volta." "Você está com raiva de mim?", Ele perguntou, sua voz um murmúrio tranquilo sob o burburinho do barulho na rua. "Eu não sei como estou." Ela pensou em horas anteriores, quando ele tinha colocado um sarongue em torno de sua cintura. "Eu vejo-o como duas pessoas existentes no mesmo homem." "Como assim?" Ela sorriu, sentindo-se quase melancólica. "Tem o homem que faz amor comigo. Aquele que sorri e fala sobre escolher fazer algo diferente além de gerenciar o Bratva ". "E?" Sua expressão era ilegível no brilho das luzes de néon. "O outro homem é aquele que acabou com esses bandidos como se fossem nada mais do que formigas. Ele poderia matar alguém sem pestanejar ". "Dificilmente." Cortou a mão através do ar. "Tudo o que faço deixa marcas em minha alma, Blair. Você deve acreditar nisso, nada mais. Eu não posso ser como meus irmãos. Eu não posso pensar sobre a família, o dever e, então, fazer o que é melhor simplesmente porque nos beneficia no final ".


"Você não é egoísta", ela concordou. Blair tomou suas mãos nas dela e levantou-as para seus lábios. "Algum dia, eu acho, você vai escolher ser um bom homem." "Eu quero fazer isso agora." Seu tom fervoroso quase a convenceu, mas algo em seus olhos não combinava muito bem. "E esse agente do FBI, ou informante, ou o que quer que seja?", Perguntou ela, esperando que ele reagisse. "Eu tenho que ajudar meus irmãos a resolver esta última briga." Ele fez uma careta. "Então eu posso ir embora." "Uhum", Blair não estava convencida. Talvez nunca ficasse. "Você deve entender," ele insistiu, "Eu não posso ir embora quando eu tiver uma arma na minha cabeça e um mandato de prisão à espera." "Você poderia pagar seus impostos malditos", sugeriu. "Estou certa de que você tem o dinheiro." "Isso não é o ponto." Ele parecia frustrado. Blair olhou para cima. Tinham chegado ao hotel. "Eu nunca vou esquecer essa viagem", disse a ele. "Eu quis vir aqui toda a minha vida. Mesmo antes de meus pais morrerem eles iriam falar desse lugar como se tivesse acontecido em um sonho. " Seu suspiro estava cheio de remorsos. "Então eu estou feliz que fui capaz de compartilhar o seu sonho com você." "Amanhã vamos para Moscou .... eu acho que era por causa disso que Ivan havia te ligado para conversar mais cedo." "Sim." Ele assentiu. "Nós voaremos para Moscou na parte da manhã." "Então eu deveria descansar um pouco mais." Blair se virou e entrou no hotel sem outra palavra. *** Mikhail observava o sol começar a subir sobre o oceano. Ele nunca tinha desejado com mais


fervor que uma noite não acabasse. Sentiu mais do que viu Blair chegar atrás dele. Virando-se, ele percebeu que ela tinha vindo a ele com nada além de um lençol em torno de seu corpo nu. "Você ainda não veio se deitar", ela disse suavemente. "Você não descansa nunca?" Ele não tinha uma resposta real para isso. "Quando há tempo." Ela cutucou seu caminho debaixo do braço e descansou sua bochecha contra seu músculo peitoral. Ele estava sem camisa. A umidade estava quente contra sua pele. Em contraste, Blair estava fresca e macia. Deslocando-se, ele se aproximou por trás dela e baixou a boca para beijar seu pescoço. Ela inclinou a cabeça para lhe alcançar. "Não deveríamos estar se preparando para partir em breve?", Perguntou ela. "Eu quero uma última vez dentro de você, Blair." Ele sentiu como se ele fosse implorar, se necessário. "Eu preciso, mesmo que eu não mereça isso." Sua risada baixa sexy, o fez estremecer de desejo. "Às vezes temos coisas que não merecemos de qualquer maneira." Mikhail gemeu quando ela torceu a cabeça para encontrar seu beijo. Seus lábios se mexiam com vontade. Ele a puxou mais perto do parapeito do terraço. Os pilares de pedra grossa forneciam muito apoio. Ela se segurou enquanto ele tirava o lençol para expor suas costas. Mikhail beijou sua coluna, seguindo a linha para baixo para as covinhas gêmeas logo acima de sua bunda. Ele acariciou a carne macia e ela arqueou para o contato. Sua excitação óbvia inflamou-o ainda mais. Ele estava em chamas por essa mulher. Ele beijou seu pescoço e ombros, deixando as mãos deslizarem para acariciar sua barriga e seios. Ele segurou cada mama, manuseando seus mamilos em certos pontos. Ela estava tão sensível ao toque, como se ela pertencesse somente a ele. "Eu preciso de você, Mikhail," ela murmurou. "Estou tão molhada para você." Ele deixou sua mão deslizar mais baixo, seguindo a linha de sua barriga em direção a sua vagina. Ele enfiou os dedos pelo cabelo grosso e depois dividiu seus lábios para expor as dobras quentes escondidas dentro. Ela se contorceu contra ele, inquieto. Ele não iria ser


apressado. Gentilmente tocando seu clitóris com dois dedos, ele começou a esfregar em um círculo irritantemente lento. Logo ela ficava mais úmida e mais quente. Seus dedos estavam escorregadios com o creme e o aroma o enfeitiçava como o mel mais doce. Seu pênis estava pulsando entre suas pernas. Ele queria tanto estar dentro dela. Ele se inclinou e mordeu seu ombro levemente. "Vou te pegar de costas, Blair. Abra suas pernas para mim e me deixe meter nessa buceta". Ela ampliou sua postura enquanto ele tirou o lençol de vez para ter uma visão melhor. O tecido de seda caiu no chão, deixando-a completamente exposta à luz pálida do amanhecer. "Você é tão linda", ele murmurou. Colocando seu traseiro em uma das mãos, manejou os laços de suas calças com a outra mão. Retirou seu pênis e o posicionou em sua entrada. A penetração fora deliciosa. A sensação o deixou quase desesperado com a necessidade de ejacular dentro de seu corpo. Havia tanto atrito. Sua umidade revestira seu membro e suas bolas. Finalmente, ele estava completamente dentro dela. O ângulo de entrada estimulava nervos que ele ainda tinha que descobrir. Ela tremeu ao redor dele, sua buceta à beira do clímax. Mikhail deslizou uma mão sobre seu quadril e encontrou o lugar onde seus corpos estavam unidos. Seu clitóris estava inchado. Ele gentilmente puxou um nó com os dedos e ela se desfez com um gemido. "Mikhail!" Sua voz gemeu com seu nome. A sensação era demais. Seus músculos internos se abateram sobre ele, a medida que ele empurrava para dentro e para fora de seu corpo. O sentimento empurrou-o sobre a borda. Mikhail perdeu o controle e derramou seu esperma profundamente dentro de seu ventre. Ele sentiu seu pau pulsar de novo e de novo enquanto ele dava-lhe tudo o que tinha. Mikhail estava respirando como se tivesse corrido uma longa corrida. Apoiou uma mão no corrimão de pedra do terraço para evitar que caísse. Seus joelhos tremiam. Na frente dele, Blair


estava caída contra o pilar de pedra. Seus ombros estavam levantando também tentando recuperar o fôlego. "Blair", ele conseguiu murmurar. "Você é uma mulher incrível." Ela riu. "Acho que isso é um elogio e eu deveria aceita-lo e ser feliz." "Com certeza, é um elogio." Ele murmurou alguma coisa em russo, desejando que ele tivesse palavras bonitas para dizer todas as coisas que ela precisava ouvir. Ela pegou o lençol e enrolou ao redor de seu corpo. Olhando para ele, inclinou a cabeça, pensativa. "Não há nada que você possa dizer para mudar minha mente." "Sobre o que?" "Sobre o seu trabalho. Pelo menos eu suponho que é o que você chamaria isso. "O sorriso dela o atingiu com a sua incrível tristeza. "Eu não posso estar com um homem que trabalha para a máfia, ou a Bratva, ou o que quer que você chame isso. A violência já levou minha família de mim. Eu não estou afim de ter meu coração partido novamente. " Ele colocou seu rosto na mão. "E eu não iria pedir isso de você." "Então, depois de chegarmos a Moscou," ela começou, "quando isso acabar, eu quero ir para casa para Chicago. Eu quero minha vida de volta ao normal. " "Isso, pelo menos, posso prometer-lhe," ele disse suavemente. "E talvez, se as coisas mudassem?" "Eu não sei." Ela respirou fundo e soltou tudo em um enorme suspiro. "Eu não sei o quanto as coisas podem mudar. Um pássaro pode amar um peixe, mas onde eles viveriam? "


Capítulo Treze Os pontos turísticos dramáticos de Moscou deixavam Blair em êxtase total. A medida que o limo deslizava suavemente pelas ruas de paralelepípedos em direção a Praça Vermelha, ela podia ver as torres do Kremlin crescendo a cada segundo que passava. Perto estava a fachada inconfundível da Catedral de St. Basil. "O que você acha?", Perguntou Mikhail. Ela olhou para longe da janela tempo suficiente para sorrir para ele. "Eu acho que já passei tempo demais como um piloto nacional e muito pouco tempo vendo o mundo." "Talvez seja algo que você possa mudar", ele sugeriu. Blair olhou para rosto bonito ao lado dela na limusine. Ele tinha colocado uma distância respeitosa entre eles. Era ao mesmo tempo demais e não era suficiente. Ele estava usando outro terno sob medida. Sua camisa era uma cor de Borgonha rica que destacava sua pele escura. Seu cabelo estava apenas ligeiramente desgrenhado do vento. Ela tinha uma vez pensado que tinha uma aparência dura. Agora ela podia ver sob a máscara que ele apresentava para o mundo. A tensão em torno de seus lábios que arqueavam sensualmente diziam a ela que ele estava preocupado com a próxima reunião com seus irmãos. A intensidade de seus olhos escuros a diziam que ele estava determinado. Para um homem que mostrava muito pouca emoção para o mundo em geral, ela o lia como um livro. "O que você está fazendo?" Ele inclinou a cabeça, sua curiosidade evidente. Ela meio que levantou a mão para tocá-lo e, em seguida, deixou-a cair de volta para seu lado. "Eu só estava pensando que eu te achava intimidante." "E agora?" "Agora eu sei melhor." Eles pararam em frente a um grande hotel não muito longe da Praça Vermelha. A limusine


esperou apenas um momento pelos manobristas para tirar todos os outros carros fora do caminho. O nível de precedência que os Romanovs apreciavam aqui na própria casa, em Moscou era inconfundível. Mikhail inclinou-se, segurando a porta fechada quando o manobrista a teria aberto. Ele olhou para Blair. "Lembre-se do que acabou de dizer sobre intimidação quando você conhecer os meus irmãos." Ela engoliu um pedaço de nervosismo. "Vou lembrar." Blair sentiu como se estivesse atuando, quando saiu do veículo e jogou os ombros para trás. Ela levantou o queixo e colou um sorriso frio no rosto. Quando Mikhail saiu do veículo, qualquer traço de seu lado mais suave tinha desaparecido. Sua expressão fora gravada na pedra e a dureza de sua mandíbula era quase agressiva. Blair lamentou a perda do homem que tinha sido seu amante, e ainda assim ela também pôde apreciar a força desse homem enigmático. "Vamos?" Ele ofereceu o braço. Surpreso com o gesto, ela balançou a cabeça e colocou os dedos na dobra do seu braço. "Obrigado." O aceno de cabeça quase imperceptível que recebeu foi apenas o suficiente para lhe dizer que o homem que ela tinha estado no Rio ainda estava dentro dessa casca dura. Levou-a para o hotel e pelo saguão sem parar. As portas do elevador se abriram quando eles se aproximaram quase como se tivessem sido projetadas dessa maneira. Blair forçou a não se derreter com o interior ornamentado do hotel. O lugar parecia um palácio. Acres de mármore, vidro e folha de ouro rodeavam móveis de madeira escura em uma forma antiga. Era um lugar de estilo, e confortável. As portas do elevador apitaram ao fechar, e Blair deu um pequeno suspiro de alívio. "Eu acho que esse deve ser o mais badalados dos hotéis que já ficamos." "Ele pertence à Bratva", disse ele casualmente. "Sério?" Blair inclinou a cabeça para um lado, pensando na maneira como ele parecia


desfrutar de luxo e prestava tanta atenção ao seu entorno. "Você gerencia esse hotel, não é?" Não era realmente uma pergunta. "Sim." Sua máscara dura amolececeu por um breve momento. "Eu gostaria de possuir meu próprio hotel um dia. Algo que a Bratva não coloque as mãos ". "Eu espero que você tenha essa oportunidade algum dia". Blair deu uma pequena risada auto-depreciativa. "Eu não posso acreditar que eu não percebi que era o seu hotel." "Eu imagino que você estava um pouco distraída", ele brincou. "Com essa coisa de ser refém, fazendo paradas não programadas para pousar o avião no meio do nada com certa falta de tecnologia moderna." "Deve ter sido isso," ela concordou com uma risada. "Mas em Vegas você parecia tão em sintonia com o ambiente, e depois novamente no Rio você escolheu um hotel que apenas um expert de viagens teria escolhido. Ele era velho, tinha ainda sido completamente renovado para o luxo. E estava localizado no coração do Centro. "Ela apontou para o elevador que eles estavam andando que estava quase chegando ao piso superior." E agora suponho que estamos a caminho de mais uma suíte na cobertura." - Você está correta. "Qualquer coisa que eu deva saber, além de não deixar que seus irmãos me intimidem?" Ela lambeu os lábios nervosamente e olhou para sua calça jeans simples e camisa. "Me sinto como se eu não estivesse nem vestida para a ocasião. Você está vestindo um terno, por favor! " "Você vai ficar bem", ele acalmou. "Basta assistir e escutar. Apenas fale se alguém lhe fizer uma pergunta direta, e não questione meus irmãos ". Essas coordenadas colidiam contra tudo que Blair valorizava sobre si mesma. "Quer dizer que você quer que eu sente e cale a boca. É isso?" "Eu não poderia usar uma escolha tão bruta de palavras, mas, essencialmente, é isso." "Anotado," ela murmurou, quando as portas do elevador se abriram. O foyer do suíte ostentava tetos abobadados decorado com lustres requintados e pisos de


mármore embutidos com metais preciosos. Além disso, Blair podia ver uma sala de estar do lado direito, de portas fechadas-presumivelmente quartos, no lado esquerdo, e no centro um espaço redondo com uma mesa onde dois homens e uma mulher estavam sentados discutindo. *** Mikhail podia sentir a excitação nervosa de Blair. Preocupava-o um pouco. Suas sensibilidades americanas não lhe davam uma predisposição para ficar em silêncio. Ela era uma mulher inteligente por si própria. No entanto, ele não queria que seus irmãos julgassem-na de alguma forma, como uma ameaça. Ele não deveria ter se importado com o que sua família pensava sobre Blair. Os dois estavam acabados depois dessa viagem. Mikhail a mandaria para sua casa e nunca iria vê-la novamente. Pelo menos foi o que ele sempre disse a si mesmo. A realidade era um pouco diferente. "Ah, Mikhail!" Ivan chamou. "Venha e sente-se! Temos vodka. "Ivan estendeu a mão e bateu em Aleksei na parte de trás da cabeça. "Agora você vai ver. Mikhail irá dizer-lhe que o seu plano estúpido é suicida. " Mikhail franziu o cenho. Havia uma mulher sentada ao lado de seu irmão Aleksei. Mikhail ofereceu-lhe um aceno de cabeça. "Susanna", ele murmurou. "Estou surpreso de ver que você se juntou a nós." Aleksei fez um gesto para sua convidada. "Demorou um pouco para que nossa agente especial aqui viesse para a Rússia, mas eu pensei que seria importante que ela estivesse aqui." Aleksei e Ivan trocaram um olhar sobre a mesa antes de Ivan fazer um gesto para Blair. "Vejo que ainda está com seu animal de estimação." "Essa é Blair Edwards," Mikhail oferecido. "Ela é tudo menos um animal de estimação. Ela foi fundamental para iludir as autoridades ". Ao lado dele, Mikhail podia sentir a indignação de Blair. Logo ela teria tido o suficiente e diria algo a seus irmãos que a levariam a exceção, e a reunião se tornaria inútil. Se um de seus irmãos insultasse Blair, Mikhail tinha a sensação de que ele não seria capaz de controlar sua


reação. "Gostaria de pensar que a sua gratidão pela ajuda dela não se estenderia além das fronteiras dos Estados Unidos", disse Aleksei com um bufo sarcástico. "A menos que ela estivesse cumprindo alguma outra finalidade?" Blair bufou. Então, para surpresa de Mikhail, ela se virou para Susanna. "Sinto muito, eles sempre falam sobre as mulheres como se eles não tivessem vontade própria?" "Sim. É um fato. Eles sempre falam", disse Susanna com um sorriso. Em seguida, ela se levantou e estendeu a mão para Blair. "Eu sou Susana Martinez, agente especial do FBI." "Blair Edwards." Blair levou a mão oferecida e deu-lhe um aperto firme. "Eu sou uma piloto da Skye Aviation". "Bom Deus", Susanna gemeu. "O que eu não daria para falar sobre algumas das conversas que ocorrem nesses voos!" "Eu aposto que sim", disse Blair com uma risada. Susanna sentou-se novamente e Blair tomou o assento ao lado de sua nova amiga. "Nós certamente temos um elenco incomum de clientes, como evidenciado pela minha situação atual." "O que nos traz de volta ao que estávamos discutindo um momento atrás", Susanna disse expectativa. "Agora que estamos todos aqui, devemos continuar?" Os homens estavam olhando para ela com expressões que variavam de surpresa para aborrecimento. Em seguida, Aleksei estreitou seu olhar para ela. "Oh, você quer dizer que eu posso falar agora?" "Claro." Susanna acenou com a mão. "Por que não atualizar Mikhail sobre os fatos?" Mikhail não podia deixar de se divertir com sua ousadia, e pela forma como Blair tinha sentado direto inserindo-se na conversa. Ele não precisava se preocupar com ela. Mikhail acenou para Susanna. "Vá em frente, estou ouvindo." "Até agora, eu não tenho a identidade do informante que forneceu informações sobre a Bratva a divisão de crime organizado do FBI", disse Susanna com aborrecimento. "Eles estão


mantendo a identidade da fonte em segredo." Blair puxou pensativamente o lábio inferior. "Faz parecer que alguém de dentro, não é?" "Exatamente!" Susanna disse com entusiasmo. "Isso é o que eu disse, mas Aleksei e Ivan não concordam." Mikhail sabia por que seus irmãos estavam tão ansiosos para afastar essa possibilidade. "Suponho que poderia ser possível que alguém no interior se voltasse contra nós. Eu entendo por que meus irmãos não estão dispostos a postular isso.". Aleksei cortou a mão com entusiasmo pelo ar. "Eu me recuso a acreditar que um dos nossos iria trair a família assim!" "Talvez estejam olhando para isso de uma perspectiva errada", Ivan disse, finalmente, em um tom razoável. "Pare de pensar nisso como um de nossos próprios tentando nos machucar e tentando convencer com o que alguém pode ganhar com a remoção de Mikhail do poder. Quem tem a ganhar? " "Quem é o próximo na linha de sucessão ao trono?" Blair olhou ao redor da mesa. "Um de vocês?" Aleksei parecia estar considerando isso. "Se Mikhail morresse agora, acho que seria o único a entrar em sua posição. Eu sou o segundo filho. Nosso pai tinha entregado as rédeas para Mikhail muito antes de ele falecer". "Houve alguém antes Mikhail?" Duas linhas apareceram entre as sobrancelhas de Blair enquanto pensava sobre a sua situação. "Não é geralmente um membro da família que sente que a sua herança foi tirada?" Susanna balançou a cabeça. "Essa ideia tem mérito. E sobre os irmãos de Sergei? " "Dimitri e Anton nunca foram interessados em liderança. Eles apenas seguem o estilo de vida," Ivan argumentou. "Sim, mas talvez um de seus filhos está pensando nisso” Blair sugeriu. "Eu só estou querendo saber se você não deve, pelo menos, considerar a ideia."


Aleksei recostou-se na cadeira e olhou para Mikhail. "Sua mulher tem uma mente rápida e muita coragem para usá-la, Mikhail." "Obrigado, Aleksei", disse Blair com um sorriso e um aceno de cabeça. Ivan deu a Mikhail um longo e lento aceno. "Tem certeza de que quer que eu mantenha a reserva de avião?" "Sim." Mikhail nem sequer vacilou em sua decisão. Ele não podia dar ao luxo. Ele precisava levar Blair para casa com segurança. "Ela pega o voo hoje à tarde." Ivan olhou para o relógio. "Então, a hora é agora, Mikhail." "Agora?" Os olhos de Blair se arregalaram. "Como eu vou sair para o aeroporto agora?" "Sim." O rosto de Ivan mostrou no que ele poderia estar pensando. Mikhail a viu engolir, antes de se levantar da mesa. "Então me deixe apenas dizer que foi um prazer conhecer todos vocês." Ela se virou para Susanna. "Especialmente você, agente Martinez. Desejo-lhe tudo de melhor em suas investigações. " E então como uma princesa, Blair virou-se e dirigiu-se para o elevador. Mikhail começou a ir atrás dela, mas Aleksei agarrou seu braço. "Haverá um bilhete esperando por você no aeroporto, Srta. Edwards," Ivan disse a ela. "O pessoal do hotel vai garantir que você e suas coisas cheguem ao aeroporto a tempo. Se você tiver alguma dúvida, não hesite em perguntar ao pessoal, a qualquer momento ". Blair não se virou. "Obrigado." O elevador chegou e ela entrou. Então ela se foi e Mikhail sentiu-se completamente sozinho.


Capítulo Quatorze "Você tem certeza que seu banco de dados do FBI disse que o informante estava escondido nessa casa?" Mikhail olhou em dúvida para o edifício de apartamentos em frente a sua posição escondida em um bosque de árvores. Susanna suspirou obviamente irritada. "Sim. Tenho certeza. Por que você está tão certo de que eu estou errada? Ou você só quer que eu esteja? " O telefone de Mikhail vibrou no bolso, um sinal de Aleksei que ele e Ivan estavam em posição. Mikhail de repente virou-se e olhou diretamente para Susanna. "Por que não está com Aleksei? não devia Ivan ser preso comigo? " "Não." Ela deu um suspiro pesado, como se realmente não quisesse falar sobre isso. "Seu irmão é um idiota. OK?" Mikhail bufou. "Ele está tentando convence-la a deixar o FBI novamente, para que vocês dois posam ficar juntos?" "Não é como se eu estivesse pedindo a ele para que possamos estar juntos", disse ela duramente. "Se uma mulher ama um homem, ela sabe que às vezes seu trabalho ou de sua família, ou algo assim, torna impossível para eles ficarem juntos." Uma onda de melancolia bateu Mikhail com tanta força que quase o dobrou de tanta dor. Fazia três semanas desde que ele tinha visto Blair sair da suíte de hotel em Moscou, sem dizer nem mesmo adeus. Contudo, o que Susanna disse fez muito sentido. "Você está pensando em Blair, não é?" Susanna adivinhou. "Ela me disse no Rio que não podia lidar com a violência dessa vida", ele admitiu calmamente. O rosto de Susanna ficou sério em uma introspecção pensativa. "Mas ela nunca lhe deu um ultimato, não é?"


"Não. Ela apenas me disse que nossas vidas eram muito diferentes, mas que as escolhas eram minhas. " Susanna riu. "Essa mulher tem algo tão forte por você, Mikhail!" "O que?" "Ela ama você, seu idiota." Susanna suspirou. "Ela nunca faria você escolher, porque ela te ama. Mas acaba com ela que sua escolha de carreira os mantenha separados. Ela não vai ligar, porque isso seria como colocar pressão sobre você. E ela quer que seja de sua própria vontade, se é que a tem ". "As mulheres são criaturas indecifráveis", Mikhail murmurou. "Você realmente acredita em tudo isso?" "Claro", Susanna disse com um aceno de cabeça firme. Então ela olhou para as janelas do edifício de apartamentos. "Oh, nosso homem está em movimento. Posso vê-lo." Mikhail alcançou seu bolso e avisou seus irmãos. Eles estavam planejando pegar o agente suspeito assim que saísse do edifício. Apenas conhecer a sua identidade ajudaria os assuntos a se esclarecerem. Susanna ficou em seus calcanhares quando ele se cobriu e ficou atrás de seu alvo. Ela usava uma máscara preta sobre a metade inferior do rosto para proteger sua identidade. Mikhail tinha pensado que isso era besteira, mas Aleksei tinha insistido. Havia algo familiar sobre os ombros caídos do homem na frente deles. Mikhail estava se aproximando rápido, mas ele conseguia ver a careca e uma pele estranhamente pálida. O homem usava um sobretudo apesar de estar muito quente, e ele tinha as mão nos bolsos como se estivesse carregando uma arma. Em frente ao homem, Aleksei e Ivan caminharam casualmente pela calçada. Sua intenção era distrair o homem para que Mikhail pudesse agarrá-lo por trás, mas algo deu errado. O homem endireitou-se e começou a se agachar. Ele conhecia Aleksei e Ivan. Ele tinha que conhecê-los bem o suficiente para pensar que eles iriam imediatamente reconhecê-lo.


Assim que o informante se esgueirou em um beco ao lado do prédio, Mikhail estendeu a mão e agarrou a parte de trás do casaco. O homem deu um grito e começou a tirar o casaco em uma tentativa desesperada de escapar da captura. "Pegue ele!" Ivan gritou. "É Luka!" Luka! O estômago de Mikhail deu milhares de nós. Como poderia seu próprio primo fazer isso? Blair tinha razão! Mikhail jogou os braços ao redor de Luka e apoiou os pés no chão. Seu primo não era grande o suficiente para lutar com Mikhail. Aleksei foi para a van assim que se certificou de que eles tinham Luka bem preso. Mikhail arrastou seu primo nas sombras do beco. Não havia necessidade de chamar a atenção de qualquer transeuntes. Luka estava ofegante e xingando em russo, ainda tentando fugir. "Você não tem o direito!" Luka rosnou. "Eu sou um Romanov, assim como você. Eu tenho a proteção da Bratva. " Susanna tirou sua máscara. Não havia a necessidade de proteger sua identidade de Luka. Ele já sabia que ela trabalhava em ambos os lados. Ela olhou para Mikhail. "Ele está certo sobre isso? Será que os outros membros do conselho defenderiam esse saco de merda?” Mikhail trocou um olhar com Ivan. "É possível. Seu pai era tecnicamente o filho mais velho, mas Dimitri nunca quis a responsabilidade da liderança." "Meu pai era inútil!" Luka assobiou. "Mas Sergei deveria ter dado a posição para mim. Para mim! Era meu direito como o filho mais velho de Dimitri Romanov ". Mikhail olhou para esse homem e perguntou-se se ficar com a Bratva significava que ele estava condenado a uma vida inteira de tentativas lamentáveis em um golpe. "Se você quisesse a posição, Luka, você deveria ter pedido ao conselho. Eles teriam ouvido. " O rosto de Luka ficou em branco por dois segundos. Mikhail tinha afrouxado seu aperto. Ele não se sentia mais como se Luka estivesse ferrado. Ele parecia mais chocado do que qualquer outra coisa. Ivan bufou. "Sim, idiota. Tenho certeza que você está pensando o quão fácil teria sido ir


pelos canais apropriados da Bratva em vez de vender a si mesmo para o FBI. Você tem alguma ideia do que o conselho vai fazer com você agora? " Foi o que aconteceu antes que Mikhail pudesse piscar. Luka estava lá um segundo e depois havia sumido. Ao lado dele, Susanna engasgou e tentou agarrar Luka. Mas ele rapidamente correu para longe. "Pegue-o!" Ivan gritou. Mikhail virou-se para dar caça, mas Aleksei escolheu esse momento para puxar Luka no beco. Luka gritou, levantando as mãos em uma tentativa fútil de defesa com a grade da van grudada em seu rosto. O choque do osso e o barulho do corpo mutilado encheu o beco. O corpo de Luka fora amassado no chão. Ele formou um arco para cima e para longe da frente da van. Ivan, Susanna, e Mikhail saltaram para trás ao ver Luka amassado cerca de 15 pés de distância. Aleksei saltou para fora da van, deixando a porta aberta. "Merda! De onde ele veio?" "Ele correu para a entrada do beco." Mikhail sentiu chocado e horrorizado, mas havia também uma sensação de alívio. Susanna entrou em modo de agente federal. "Verifique seu pulso." Aleksei correu para ajoelhar ao lado Luka. "Oh, ele está morto. E ele está quase irreconhecível. " Mikhail exalou, sem nem mesmo perceber que até aquele momento ele estava segurando a respiração. "Ok, então aqui está o que fazer." Ele olhou para Susanna. "Você pode fazer uma denúncia anônima de um informante do FBI executado do lado de fora de seu apartamento?" "Sim, não há problema." Ela deu um aceno decisivo. Mikhail não podia parar de olhar para o corpo. "Tudo certo. Então, nós faremos a denúncia e deixamos a van. Eles obviamente vão suspeitar da Bratva porque ele estava juntando provas contra nós. Mas eles não têm provas. " "A van é descartável", Aleksei assegurou. "Nós estávamos indo afundá-la com ele dentro de


qualquer maneira." Susanna revirou os olhos. "Ugh! Você não deveria me dizer coisas assim. Isso me coloca em uma posição tão estranha ". "Não importa se você quiser sair." Aleksei parecia à beira de um ataque. Susanna gesticulou para Mikhail. "Vê o que eu quero dizer?" "Sim." Mikhail fez uma careta. "É por isso que estou fora." "O quê?" Ivan e Aleksei ambos se viraram para olhar. Ivan pareceu recuperar primeiro. "Você está nos dizendo isso sobre um corpo morto, Mikhail?" "Sem o testemunho de Luka, não há nenhuma evidência de um mandado de prisão. Correto?" Mikhail levantou as sobrancelhas para seu irmão mais novo. "Bem, sim, mas ainda assim," Ivan alarmou. "Pense sobre isso, Mikhail. Você não pode virar as costas para a família. " "A família" -Mikhail utilizou aspas no ar para fazer o seu ponto- "é uma empresa de bilhões de dólares ao longo de três continentes. Não creio que ninguém vai se importar, desde que os lucros não sofram ". "O que você vai fazer ?" Aleksei perguntou em voz alta. "Ir embora? Que triste. Você vai estar falido em uma semana! " Mikhail suspirou. "Você não pode acreditar nessa loucura." "Mikhail é um bilionário em seu próprio direito", Ivan disse calmamente. "Papai sempre costumava dizer que Mikhail era o único com cabeça para os negócios." "Você é um bilionário?", Disse Susanna com interesse. "Droga. Eu escolhi o irmão errado. " "Hey!" Aleksei disse indignado. "Eu sou rico também." Susanna revirou os olhos. "Você também é um idiota." "Isso nunca vai mudar", Mikhail avisou. "Embora Aleksei é ferozmente leal a Bratva, e vai se tornar um líder estelar depois que eu me for." Aleksei franziu os lábios. "É isso o que você realmente deseja?"


"Sim." "Então podemos nos mexer antes que alguém veja esse corpo?" Ivan sugeriu. Os quatro caminharam para fora da extremidade do beco. Mikhail liderou o caminho, abraçando as sombras até que eles chegaram a um parque. Aleksei agarrou a mão de Susanna e ela não se afastou. Em vez disso, ela se enrolou em seu lado e deixar que ele colocasse seu braço ao redor dela. "Eu amo esta parte", disse Aleksei com um suspiro. Ela espetou-o no lado. "Contanto que você saiba que estamos apenas juntos assim porque é uma boa cobertura." "Juntos assim", Ivan bufou. "Que tipo de eufemismo é isso?" Mikhail voltou a falar em russo. "É a parte que acontece antes que ela corte suas bolas e empurre-as para baixo de sua garganta." Aleksei rosnou algo sobre seu ombro antes que os dois grupos se separassem. Mikhail seguiu Ivan de volta para o carro genérico que tinha deixado no lado oposto do parque. "Você está realmente certo de que isso é o que você quer?" Ivan perguntou uma vez que eles estavam bem longe de Aleksei. Ainda falava em russo. "Sim ." Mikhail perguntou como fazê-lo compreender. "Isso é por causa de Blair," Ivan adivinhou amargamente. "Que tipo de mulher pode fazer um homem virar as costas para tudo o que conhece?" "É isso que você acha?" Mikhail ficou surpreso. "Tenho a intenção de construir uma cadeia de hotéis de luxo em todo o mundo. Como isso é virar as costas para o que eu conheço? " "Suponho que não posso argumentar contra isso, posso?" Ivan suspirou. "Blair parece ser uma boa mulher o suficiente. Mas eu espero que você perceba que Aleksei e eu vamos mata-la felizmente se ela quebrar o seu coração." Mikhail colocou a mão sobre o peito. "Estou surpreso que você acredite que eu tenho um." "Você sempre foi diferente do resto de nós, lá no fundo." O olhar sombrio de Ivan era


desconcertante. Mikhail estava incerto do que vira ali. Mikhail estendeu a mão ao seu irmão. "Eu não estou morrendo, você sabe." "Sim. Mas ficar longe da Bratva não é uma escolha simples de se fazer, irmão" Mikhail sabia disso. "Vou enviar uma mensagem para o Conselho, informando-os da minha decisão." "Tenha cuidado," Ivan aconselhado. E isso foi quando Mikhail percebeu que ele não estaria compartilhando o carro com o irmão. Ele havia escolhido seguir o seu próprio caminho, e esse momento iria começar agora.


Capítulo Quinze "Girl!" Ethan jorrou. "Você é um colírio para os olhos. Venha aqui e sente-se. Eu quero ouvir todos os detalhes. Não deixar nada de fora! " Levou a Blair duas semanas antes que ela tivesse sido liberado pelas autoridades e autorizada a retomar a sua vida "normal". Agora, ela caiu no sofá aconchegante de Ethan com um lance confuso e uma caneca de café cheiroso. Era bom estar em casa. Ethan estava enrolado em sua cadeira favorita com um copo na mão e uma expressão ansiosa no rosto. "OK. Agora me diga sobre essa loucura toda. Sobre o que era tudo isso? Fiquei tentando te mandar mensagem e eles continuaram me dizendo que iria entrar em contato comigo quando você fosse capaz. " "A Skye Aviation reintegrou-o?" Blair perguntou hesitante. Ethan revirou os olhos. "Claro. Está tudo de volta a mesma, mesma coisa de sempre. " "Eles me demitiram." "O quê?" Ethan gritou. "Oh meu Deus ! Por quê?" Ela encolheu os ombros. "Primeiro de tudo, eu quebrei as regras da empresa. Violei a política, quebroei o protocolo, e deixe um terrorista controlar meu avião. "Ela acenou com a mão. "Bem o que eu esperava na verdade." "Ainda assim ..." O tom de Ethan voltou para a zona normal. Ele estendeu a mão e acaricioulhe a perna. "Você ama seu trabalho. você pode obter outro depois dessas circunstâncias? " "Eu não sei." Ela encolheu os ombros. "Eu realmente não tentei ainda." "Precisamos levá-la em um desses programas de entrevistas. Você sabe?" Ethan se animou com isso. "Nós podemos obter um dia de talk show para envergonhar a Skye Aviation e dar-lhe o seu emprego de volta!" "Ethan, eu realmente não acho que isso vai funcionar." Ela suspirou. "E eu tive que realugar


meu apartamento já que não posso pagar o aluguel." "Oh preocupação", Ethan murmurou. "Você pode apenas morar aqui comigo." "Obrigado." Ela ofereceu-lhe um sorriso cansado. "Eu posso ficar até resolver isso." "E sobre Mikhail Romanov?" Ethan perguntou com expectativa. "Vocês dois tinham uma química muito forte pelo o que eu pude ver." "Sim, e isso é exatamente o que me deu problemas", ela gemeu. "Eu fui tão estúpida, Ethan!" "Como assim?" Ele franziu a testa e deitou as pernas na cadeira. "Você se apaixonou por ele, Blair. É tipo a Síndrome de Estocolmo, mas eu posso entender por que você faria isso. " "Entender isso não significa que seja maravilhoso voltar para Chicago desempregada e praticamente comendo meu coração." Ela tomou um gole de café e se perguntou como era a vida de alguém com coração partido. *** "Sr. Romanov, aqui estão os planos que você pediu ". Mikhail estendeu a mão e sua assistente administrativa colocou os desenhos arquitetônicos enrolados à direita na palma da mão. "Obrigado, Cassidy." "Não tem problema." Sua voz soou um pouco frágil. "Se você não precisa de mais nada, Sr. Romanov, eu acho que terminei por hoje." "Ah, eu sinto muito." Ele olhou para o relógio. "Já é depois das seis, não é?" "Sim." Mikhail ofereceu-lhe o que era, provavelmente, um sorriso distraído. "Tenho certeza que você tem uma família ou amigos te esperando." "Claro." Ela deu um pequeno bufo e deixou seu escritório. Mikhail teria que ser um idiota para não ver que ela estava atraída por ele. Infelizmente para Cassidy, isso não importava. Primeiro, ele nunca namorou mulheres que trabalhavam para ele. Em segundo lugar, ele nunca mais ia sair com alguém que não fosse Blair Edwards. Ele caminhou para as janelas com vista para Magnificent Mile de Chicago. Sua primeira


ordem de negócio tinha sido comprar um hotel antigo e começar a renovações. Por enquanto, sua base de operações estava no hotel. O matava pensar que Blair estava provavelmente apenas algumas milhas de distância e ainda não fazia ideia de que ele estava aqui. Ela não tinha sequer tentado procurá-lo. Ele sabia disso porque ele tinha Susanna Martinez a vigiando por ele. Mikhail apertou os dentes em agitação ao se lembrar mais uma vez que ela tinha sido despedida de seu emprego como piloto por causa dele. Ele custou-lhe tudo. No entanto, ele queria dar a ela o mundo se ela apenas o deixasse. Ele se virou e caminhou de volta para a mesa no centro de seu escritório. Ele estendeu os planos para seu primeiro hotel e tentou virar a sua mente para o trabalho. Seu capataz bateu brevemente antes de entrar no escritório e indo direto ao ponto. "Eu não tenho certeza de que podemos terminar em seu prazo, Sr. Romanov." - Oh? "Dizer que estamos indo reformar esse lugar em apenas seis semanas é um compromisso astronômico," o capataz insistiu. Mikhail levantou uma sobrancelha. "Um que está me custando uma fortuna." "Sim. Nós poderíamos reduzir os custos se não pagássemos uma equipe de construção a noite. O que é considerado horas extras." O capataz parecia desconfortável. "Além disso, essa reforma está criando um grande falatório em torno da cidade." “ Isso”, Mikhail disse com firmeza, “ é uma coisa boa. A agitação significa que as pessoas vão querer visitar, ficar para fazer compras, para jantar, e para beber no bar ". O capataz suspirou. "Eu não posso mudar sua ideia sobre isso?" "Não" Mikhail estava decidido sobre este assunto. "The Blair será feita em seis semanas. Eu quero uma grande abertura. Quero que toda a maldita cidade esteja aqui. " Algo na voz de Mikhail deve ter derrubado o homem fora. Ele inclinou a cabeça para um lado, o canto da boca, levantando em um sorriso. "Trata-se de uma mulher. Não é? " - É tão óbvio?


O capataz deu um determinado aceno. "Nós vamos fazer isso em seis semanas, Sr. Romanov. Deus sabe que as mulheres nos fazem de tolos em um momento ou outro. " *** Seis semanas mais tarde Blair trocou o canal na televisão de Ethan, assistindo TV da mesma maneira que ela tinha todos os dias por semanas. Seu cabelo era um ninho de ratos e tinha certeza que um tapete crescera entre suas pernas. De repente, Ethan veio todo agitado. Ele colocou as pernas para o lado e sentou-se. Então ele pegou o controle remoto de sua mão e mudou de canal. "Você tem que ver isso", ele jorrou. "Por quê?" Ethan parecia vê-la pela primeira vez. "Oh, querida, você tem que fazer algo. Você está uma bagunça! Eu acho que você está pior do que quando saí há dois dias no meu último voo. " "Obrigado, amigo." Blair não achou graça. "Eu estou apenas passando por uma fase difícil." Ethan fez um comentário sarcástico baixinho e virou a TV. "Veja, ok?" A âncora de notícias do meio-dia estava em pé na frente de um edifício velho bonito na Magnificent Mile. "Estamos aqui hoje no grande reabertura de um dos hotéis mais antigos da cidade. The Grand tem sido parte da história de Chicago desde os primeiros dias, mas nunca ficou assim!" A câmera deu um zoom para mostrar ao público um incrível tiro da fachada restaurada. "Recentemente renomeado, The Blair, uma noite neste hotel é agora considerado uma das experiências mais luxuosas da cidade!" "Você ouviu isso?" Ethan gritou. "The Blair! Chama-se The Blair e foi reformado por um cara russo estranho. Eu chequei." "Coincidência", ela disse fracamente. "Não há nenhuma maneira que ele estaria aqui em Chicago tempo suficiente para renovar todo um hotel. Isso leva anos. " A âncora de notícias não tinha terminado. "A parte mais surpreendente dessa história é o fato de que esse hotel foi completamente renovado e eu quero ressaltar, em apenas seis semanas!"


"Ha!" Ethan cantou. "Eu te disse. É Mikhail! " "E daí?" Blair realmente sentiu-se para baixo. "Olhe para mim. O que eu deveria fazer? Mostrar-se parecendo com sobras de ontem e dizer, 'Ok, Mikhail, eu sei que eu estou feia como o inferno agora, mas vamos ficar juntos "? "Sua atitude é uma porcaria," Ethan rosnou. "Eu não vou deixa-la estragar tudo." Quatro horas depois, ela havia sido arrancada, encerada, polida, penteada, e empurrada em um par de jeans e uma blusa que destacava sua coloração pálida. Ethan não estava brincando. Ele pagou um táxi para os dois e, literalmente, largou na calçada na frente do The Blair Hotel. "Ethan." Ela realmente me sinto em pânico. "Eu não posso simplesmente entrar lá e dizer-lhes que eu sou Blair, agora podemos começar a festa." Ela tentou fazer seu caminho de volta para a cabine. Ethan empurrou-a para trás. "É absolutamente possível!" Ele sinalizou ao motorista para entrar em movimento. "Divirta-se e me chame de manhã!" Blair engoliu nervosamente e respirou fundo. Ela tinha desembarcado de um avião em um campo deserto no escuro. Certamente ela poderia andar em um hotel insignificante. Só que uma vez que ela abriu as portas sua boca caíu bem aberta com a opulência contida. "Ah, sim, isso é tão Mikhail," ela sussurrou. Ela virou-se em um círculo lento antes de finalmente avistar tudo. Havia pessoas em todos os lugares. Eles misturavam-se pela sala, sentados nas áreas de conversação, tomavam coquetéis, e parando no balcão tentando obter um quarto no que era, obviamente, um hotel lotado. Finalmente foi a vez de Blair se aproximar do balcão. Ela limpou a garganta e tentou não se sentir tão ridícula. "Oi. Meu nome é Blair Edwards. Eu queria saber se eu poderia ser capaz de encontrar-se com Mikhail Romanov. " O funcionário realmente bufou. "Sr.Romanov é um muito homem ocupado. " "Eu estou ciente." Blair não se preocupou em verificar a sua atitude. "Eu sugiro que você diga


a ele que Blair Edwards está aqui e veja o que ele diz." A mulher apertou os lábios e, em seguida, pegou o telefone. "Oi, Cassidy? Sim, temos uma cliente que quer um encontro com o Sr. Romanov. "Houve uma pausa. "Hum-hmm, sim. Sim. Eu imaginei. Com licença? Oh seu nome é Blair Edwards. " Apesar de seus nervos e tudo o mais, Blair teve a satisfação absoluta de ver o sangue escorrer do rosto do atendente. Blair sorriu. Aparentemente Ethan tinha razão. Mikhail não tinha esquecido ela. *** Mikhail estava praticamente correndo pelo corredor até o elevador. Ele nunca tinha prestado atenção antes do quão lento o maldito era, mas a espera no lobby parecia interminável. Ele estava esperando quase seis semanas e meia. Certamente ele podia esperar mais dez minutos. As portas finalmente se abriram e ele correu através antes da decoração finalmente atingilo. Ele não podia ir correndo para o hall de entrada do seu hotel como algum estudante no meio de uma paixão adolescente. Ele precisava jogar com calma no início. Então ele a viu. Ela estava de costas para ele, sentada na beira da fonte que ele tinha escolhido pessoalmente para enfeitar o centro do hotel. A jovem de água de pedra tinha um ar melancólico que o lembrava de Blair. Agora, ele não poderia estar mais satisfeito com a escolha da peça. Era como se ela sentisse sua presença. Ela virou-se e levantou-se. Sua expressão se iluminou, mas ele podia ver a hesitação em sua linguagem corporal. Mikhail não queria isso entre eles. Ele tinha feito a escolha de amar Blair e levar uma vida honesta de pagar impostos. "Blair", ele murmurou. "Eu senti sua falta." Era como se suas palavras desbloqueassem algo dentro dela. Lágrimas se formaram em seus olhos e escorriam pelo rosto. Ela veio para frente, lentamente no início, e depois mais rápido até que ela estava quase correndo. Ela bateu-lhe com força e enterrou seu rosto contra o peito. Mikhail passou os braços em volta dela e sentiu completo pela primeira vez desde que se


despediram em Moscou. "Esse hotel", ela sussurrou, olhando para ele. "Esse é seu e só seu?" "Não." Então ele viu seu rosto e tentou esclarecer. "Esse é nosso e só nosso." "Mikhail?" "Você entende o que isso significa?", Perguntou. "Eu quero que você esteja comigo. Eu quero ser seu e quero que você seja minha. Você pode fazer isso?" "Eu tenho sido sua desde o momento em que pisou no meu avião", ela admitiu. "Eu estive à deriva desde que eu deixei Moscou. E agora eu sinto como se tivesse voltado para casa ". Ele fez sinal para o hotel. "Vamos lá então, hei de lhe mostrar?" "Vamos verificar os quartos?", Ela brincou. "Porque eu posso sentir a necessidade de testar uma cama." Abaixando a boca para a dela, Mikhail tomou seus lábios em um beijo apaixonado que enviou uma injeção de adrenalina pura através de cada nervo em seu corpo. Era à ela que ele pertencia. Essa mulher de propriedade dele, corpo e alma, e ele não queria que isso mudasse nunca.

O FIM CLIQUE AQUI

para se inscrever na minha newsletter e obter atualizações EXCLUSIVO em todas as ofertas, segredos e novas estreias!


Bella rose o filho dos bandidos da máfia (oficial)