Issuu on Google+


Justine é uma professora de escola pública que mal consegue pagar o aluguel de seu apartamento em Nova York. Quando ela volta para o subúrbio para o casamento da sua mãe, conhece um homem num bar e eles sentem uma conexão. Apesar dela geralmente não ir para a casa com um cara que acabou de conhecer, algo a respeito dele é diferente. Eles têm a melhor noite de sexo que Justine já viveu – uma noite que ela espera lembrar para o resto da vida. Mas ela logo vai descobrir que o estranho sensual é ninguém mais que o Hilho rico do novo marido de sua mãe – o que o torna seu novo meio-irmão (gostoso e riquíssimo). Neste romance que mostra o amor entre meio-irmãos, Justine precisa decidir se sua felicidade vale a pena navegar a natureza proibida de seu relacionamento. Ela poderá superar suas reservas sobre o estilo de vida luxuoso dele e sua condição de meio-irmãos? Ou vai resistir a essas tentações e sofrer com a solidão imposta por sua moral elevada?


A Cura Mãos de cirurgião. Rico. Proibido. O boteco Olde Towne não havia mudado nada. Uma fachada de tijolos aparentes do lado de fora, bêbados de narizes vermelhos se equilibrando nos bancos em seu interior. “Ora, se não é a senhorita Justine Martin”, disse a bartender. Ela saiu detrás do balcão e me deu um grande abraço. Sorri quando nos afastamos um pouco. Kat não havia mudado nada desde o Ensino Médio, dos cabelos negros espetados até as botas militares que usava. “O que está fazendo aqui?” Ela me dirigiu até um banco no final do balcão e limpou a superfície com um pano que levava na cintura. “Estou na cidade para o casamento da minha mãe. O que você está fazendo aqui?” Houve uma época em que Kat tinha grandes sonhos, e nenhum deles incluía um bar no subúrbio da cidade de Nova York. Ela serviu meu Martini – extra dirty – e suspirou. “Aconteceram umas merdas, sabe?” Concordei com a cabeça. E como sabia. “Meus pais se divorciaram quando eu estava na faculdade e minha mãe não tinha recursos. Voltei para casa, transferi o curso para a faculdade local e consegui um emprego aqui. Era para ser temporário”.


“Sinto muito”. Ela afastou minhas desculpas com um gesto da mão. “Esqueça. O que tem feito? Conseguiu realizar seu sonho de ir para a África?” “Ah, a África. Como eu queria ter ido.” “Com licença”, ouvi uma voz grave, atrás de mim. “Você falou África?” Kat levantou os olhos e deixou cair o queixo. Eu me virei e quase caí do banco. Um homem – alto, musculoso, com covinhas – estava de pé, encarando nós duas, com seus olhos cor de amêndoa, curiosos. “Acabo de voltar da África”, ele disse. Percebi que falava literalmente ao ver suas calças cáqui amassadas e a camisa de botão, combinadas ao seu rosto bronzeado. “Desculpe, eu sou Trey”. Ele estendeu a mão. Retribuí o aperto de mão, mas não pude encontrar palavras. Kat veio me socorrer e apresentou a nós duas. Trey se sentou num banco ao meu lado e pediu uma cerveja. “Espero que não me dê sono. Estou tentando continuar acordado até tarde para diminuir os efeitos do jet lag”. Concordando com a cabeça, eu ainda estava sem palavras. “Você esteve em que país da África?” Kat perguntou, colocando a cerveja na frente dele. “Quer um copo?” Ele fez que não com a cabeça e levou a garrafa aos lábios. “Sudão. Passei um mês ajudando no campo de refugiados”.


Como se não bastasse ser bonito. Sério, o cara parecia ter saído de uma tela de cinema ao invés da savana. Ele voltou seus olhos simpáticos para mim e decidi que não podia ficar aqui muda e deixá-lo decidir quem eu era. Tinha que mostrar minha personalidade. “Que legal. Quase fui para Botsuana uma vez”. Seu olhar se tornou mais intenso. “Quase?” Sorri, meio sem graça. “É uma longa história”. “Eu tenho tempo”. Ai, Deus. Recuperando meu humor afiado, eu disse: “Pensei que você estava com medo de cair no sono”. Ele deu uma risada gostosa. “Outra hora, então”. “Hã?” Ele queria me ver de novo? Após apenas alguns minutos? Ele mordeu o lábio, atraindo minha atenção para lá. Acabávamos de nos conhecer, mas eu só conseguia pensar em beijá-lo. Aposto que ele sabia como beijar uma mulher. “Desculpe interromper”, disse Kat. “Outro Martini?” Por que não? Eu não queria ir embora. Não com Trey aqui, acolhedor, sorridente e... rústico. Sorri, jogando meus cachos negros sobre um ombro. “Sim, por favor”. Voltei-me para Trey e disse: “Fale mais sobre o Sudão”.


Kat me olhou como quem já havia sacado tudo, e foi para a outra ponta do balcão. Agora, eu estava sozinha com um bom samaritano lindo. Meus sonhos mais selvagens estavam se tornando realidade. Bem, não ainda. Trey me contou sobre as crianças que viu com barrigas distendidas, bebês que ajudou a vacinar e pacientes desfigurados por ferimentos terríveis. O peso dessas dores tão distantes pesava sobre seus ombros. Apesar de acolhedores, seus olhos exibiam uma sombra. Ele nunca havia esquecido nenhum dos homens, mulheres e crianças que encontrou. Enquanto falava, nossos joelhos se tocaram e senti uma onda de eletricidade entre nós. “Geralmente não faço isso, mas... gostaria de ir a outro lugar?” Sua voz era baixa e rouca, e fez meu coração parar de bater por um instante. Apenas o necessário para eu imaginá-lo sobre meu corpo, as mãos ásperas na minha pele quente. Engoli em seco. “Também não costumo fazer isso, mas... sim”. Ele sorriu e um pouco da dor em seus olhos se anuviou. *** Do lado de fora do bar, ele pegou minha mão e descemos a Main Street. Sua mão envolvia completamente a minha, forte, segura e íntima. Estava um pouco ansiosa e me senti quente e excitada, além de um pouco enjoada.


Fazia algum tempo que eu não dormia com ninguém. Meses, pelo menos. Meu emprego às vezes era puxado e não pagava bem. Eu não saía muito. “Não é longe”, ele disse, olhando para a frente. Caminhamos em silêncio por alguns minutos. Tínhamos deixado todas as nossas palavras no bar? Desde que mantivéssemos nossa atração mútua, não me importava se ficássemos um pouco calados. Mas teve um momento em que o silêncio se tornou insuportável. Eu tinha que dizer algo. “Você também mora aqui perto?” ele perguntou primeiro. “Não mais. Cresci aqui, mas moro no Brooklyn agora”. “O Brooklyn é ótimo. O que você faz?” “Sou professora da terceira série”. Ele levantou as sobrancelhas e meneou a cabeça. “Uma profissão nobre”. Sim, nobre, mas não tão sexy quando um emprego cheio de compaixão, trabalhando com refugiados africanos. Subimos a calçada de uma casa térrea simples iluminada pela lua, que brilhava atrás. A grama recém-cortada perfumava o ar noturno, e eu estremeci. “Frio?” Trey passou um braço ao meu redor e me aproximou dele. Senti como se borboletas voassem do meu estômago para minha garganta. Na porta, ele parou. “Espero que não esteja indo rápido demais, mas


quis fazer isso desde que você falou: ‘é uma longa história’”. Ele pôs a mão livre em minha bochecha e inclinou meu rosto, aproximando-o do dele, e me beijou. Seus lábios começaram macios, quentes e curiosos, mas, logo depois, se tornaram mais urgentes. Uma de suas mãos brincava com meus cabelos e a outra descansava em minha cintura. Cedo demais, ele se afastou. Procurou algo em seu bolso, retirou as chaves e destrancou a porta. Mas assim que entramos no pequeno vestíbulo e ele fechou a porta, puxou-me para perto de si novamente. Meus lábios se abriram, cheios de desejo. Ele me levou por um corredor que eu não tinha visto e para um quarto que também não podia ver. Suas mãos nunca deixaram meu corpo – elas se moviam pela minha cintura, lábios e bumbum. No quarto, sentei na cama e ele se inclinou sobre mim, sua boca quente e impetuosa contra a minha. Tray me fez deitar e rolou sobre meu corpo, ficando ao meu lado. Virei-me e olhei para ele. “Oi”, ele disse. Eu sorri. “Oi”. “Como você está?” Ao invés de responder, eu o beijei e deixei minhas mãos explorarem as planícies duras de seu peito e seus abdominais contraídos, apreciando a maneira como eles formavam naturalmente um V apontando para seu pênis. Ele gemeu e eu senti sua boca sorrir junto à minha.


Recuando um pouco, olhei para ele. A lua brilhava através da janela e meus olhos haviam acabado de se ajustar à escuridão. Ele se aproximou de mim, mas me mantive afastada, apenas o bastante para tirar minhas sandálias. Ele riu e uma onda de eletricidade correu através de minha pele com o som de seu riso. Seus sapatos caíram no chão e ele voltou a atenção total de seus olhos cor de amêndoa novamente para mim. A ansiedade desapareceu e eu me entreguei ao prazer de seu toque. Ele começou pelo meu rosto, beijando meus lábios, acariciando minhas bochechas, brincando com meus cabelos. Logo, suas mãos e lábios pareciam estar por todo lugar de uma só vez. Ele lambeu uma parte do meu corpo e retirou uma peça de roupa de outra parte. Meu corpo nu se esfregou contra o dele, ainda vestido. Foi uma das coisas mais sensuais que já me aconteceram. A presilha de seu cinto pressionou minha barriga. “Vou me livrar disto”, ele murmurou, com a boca nos meus cabelos. Inclinando-me para ele, aproximei-o mais. “Permita-me”. Arranquei o cinto e afrouxei as calças dele. Enquanto isso, seus dedos exploravam meu corpo. Minha pele estava muito quente. Por todo lugar que ele me tocava, sentia arder da melhor maneira possível. Puxei a camisa dele sobre sua cabeça. Assim que ficou livre, ele envolveu seu corpo em meus braços e deslizou as mãos até meu bumbum. Eu empurrei suas calças e ele as tirou. Por fim, ficamos deitados um


ao lado do outro como iguais, pele contra pele. Ele deslizou pelo meu corpo, me beijando pelo caminho. Eu me contorci nos lençóis frios, emaranhando minhas mãos nos cabelos dele. Seus dedos exploraram meu centro, separando as dobras rosadas e me penetrando. Eu gemi e suspirei, o que o incentivou a seguir adiante. Seus toques me faziam latejar. Minhas coxas se apertaram contra a mão dele, então, ele colocou uma perna sobre a minha. Sua língua brincava com meu mamilo. Eu gemi baixinho. Fazia tanto tempo, eu queria ir logo para o próximo passo. Segurei seu membro. “Quero você dentro de mim”. As mãos dele se moveram do meio das minhas pernas para meu rosto. Ele pressionou seu pênis no meu centro e então, rapidamente, já estava dentro de mim. Estiquei-me ao redor dele, sentindo uma deliciosa mistura de dor e prazer. A fricção de seus movimentos me excitou cada vez mais, até que não pude mais continuar. Então, eu gritei seu nome e estremeci ao redor dele. Com três movimentos frenéticos, ele deu um gemido rouco e senti que também havia chegado ao orgasmo. Ele me segurou em seus braços, beijando minha testa e o topo da minha cabeça, continuou pelo meu nariz, minhas bochechas, meus lábios. Após alguns minutos, suas mãos ficaram quietas e a respiração, profunda e regular. Eu o observava dormir. O jet lag finalmente fez efeito e Trey caiu num sono muito tranquilo.


Jet lag, porque ele havia voltado do Sudão naquele mesmo dia. Lembrei-me da época em que meu sonho era ajudar necessitados na África. O Corpo da Paz me aceitou e escolheu me enviar para Botsuana. Mas antes de minha partida, meu pai teve um ataque do coração e fiquei em casa para cuidar dele e dar suporte à minha mãe. Meu sonho havia se despedaçado num instante. Aquele sonho tem me assombrado desde então. Não me arrependi pela decisão de ficar. Meus pais precisaram de mim na época e eu escolhi a família em vez de mim mesma. Faria o mesmo hoje. Não pude deixar de pensar como minha vida seria diferente se eu tivesse tido a chance de seguir meus sonhos até a África. Talvez eu ainda fosse uma professora, talvez ainda vivesse no Brooklyn. Nunca vou saber. Também não sabia aonde esta noite iria me levar. Novamente, eu escolheria minha família. O mais silenciosamente possível, saí da cama de Trey, vesti minhas roupas e saí da casa dele. Caminhei de volta para o bar, entrei no meu carro e fui para a casa da minha mãe. Ela precisaria de mim na manhã seguinte. O dia do seu casamento. *** “Justine, o que eu faria sem você?” Mamãe falou enquanto eu dava os últimos retoques na maquiagem dos seus olhos. “Você teria Eileen para fazer isso”. Sua melhor amiga estava bem


atarefada no andar de baixo, conferindo detalhes de última hora com a florista e o bufê. Mamãe apertou minha mão. “Estou feliz de termos estes últimos momentos a sós”. “Eu também”. Mamãe ficou sozinha por vários anos depois que o meu pai morreu, e eu fiquei feliz quando ela conheceu Mark no ano passado, um advogado que ganhava bem e que cuidaria dela. “Estou tão feliz que você finalmente conheça o filho de Mark hoje, Trevor. Vocês dois estão sempre tão ocupados”. Como se eu tivesse pressa em conhecer meu novo meio-irmão, o médico chique. Tenho me dedicado a dar uma educação decente a crianças de comunidades pobres da vizinhança. Sim, não devia julgar; eu ainda estava pagando os empréstimos da faculdade e talvez pudesse viajar para além do subúrbio onde cresci. Certamente, não para a África. Uma imagem de Trey lambendo meu corpo de repente surgiu na minha mente e meu rosto ficou vermelho. Foi um privilégio dormir no meu subúrbio natal na noite passada, pra variar. “Hoje, será um caos, é claro”, mamãe continuou, interrompendo minhas lembranças ardentes. “Mas Trevor nos convidou para jantar no seu apartamento em Manhattan amanhã à noite, não é legal? Teremos a chance de nos conhecer e nos tornar mais como uma família antes de eu e Mark viajarmos para o Tahiti”. Sim, legal. Um jantar íntimo num apartamento elegante, num


arranha-céu com vista para um dos rios que cortam a cidade de Nova York. Pela minha mãe, eu tentaria me comportar. Tentei não culpar meu novo meio-irmão por ser parte do problema, ao invés da solução. Passei um pouco de pó pelo rosto de mamãe pela última vez. “Estou realmente contente por ter encontrado alguém que te faz feliz”. Ela apertou minha mão e lutou contra as lágrimas que surgiam nos seus olhos. “Obrigada, meu doce. Você encontrará alguém em breve”. É claro que ela não sabia nada sobre a noite passada. Eu afastei da mente as lembranças de Trey. Talvez devesse ter deixado um bilhete com meu telefone. Mas aí eu ficaria obcecada, pensando se ele iria me ligar ou não. Do jeito que estava, poderia ser apenas uma linda lembrança. Uma que eu reviveria na minha cabeça toda noite, por meses. Juntamo-nos à Eileen no andar de baixo e entramos na limusine à nossa espera. Ela e mamãe conversaram o caminho inteiro até o hotel, sobretudo sobre os planos para a lua-de-mel. O hotel havia sido construído quando eu estava no colégio e tinha sido bastante comentado na época. Parecia com um chalé suíço gigante, uma escolha arquitetônica incomum para um subúrbio de Nova York. Apressadas, levamos mamãe rapidamente para um lounge especial perto do salão de baile, para esperar os primeiros acordes do cânone de Pachebel. Quando a música começou, fui me encontrar com meu par para caminhar até o altar. Um homem esperava por mim na entrada do salão de baile. Estava de


costas. Ele usava um smoking preto que parecia ter sido feito sob medida. Os ombros largos, a cintura estreita e as longas pernas me lembraram de um certo alguém com quem eu havia passado algumas horas recentemente. O homem se virou e eu parei de andar. Meu coração também pode ter parado de bater por um instante. “Justine”. Os olhos de Trey me avaliaram de cima a baixo, dos meus saltos altos brilhantes pontudos, subindo pelo meu vestido rosa de chiffon, até os cachos negros arrumados no alto da minha cabeça. “Uau, você está incrível”. Meu rosto ficou vermelho novamente. Eileen correu até nós. “Vamos lá, o que estão esperando?” Olhei para Trey. Ele estava claramente vestido como um convidado de uma festa de casamento e eu deveria entrar ao lado do filho de Mark. Não podia ser ele. “Você é Trevor?” Ele fez que sim com a cabeça e minha expressão se transformou em horror. Eu havia dormido com ele na noite passada. Com meu... Diferente de mim, Trey não parecia incomodado com o que fizemos. Ele sorriu. “Justine e Trevor”, Eileen disse. “Vamos indo. Vamos casar seus pais”. Trey... Trevor... pegou meu braço e começou a caminhar até o altar. Não podia acreditar. O cara bonito, doce, humanitário com quem eu dormi na noite passada era Trevor, o ambicioso cirurgião plástico? Como


era possível? Eu não sabia qual parte era a mais horrível. Quem ele era realmente, em termos de seu estilo de vida e verdadeiro eu, ou que ele iria se tornar meu meio-irmão? A bile subiu pela minha garganta e engoli em seco. Não importava, eu não arruinaria o dia especial da minha mãe. “Por que não me disse seu nome verdadeiro?” sussurrei. “Meus amigos me chamam de Trey, então, acho que é meu nome de verdade.” “Você sabia quem eu era?” Ele não podia. Não teria dormido com sua futura meia-irmã se soubesse. Certo? “É claro que não”, ele sussurrou de volta, sorrindo para as pessoas sentadas no salão como se não se importasse com mais ninguém no mundo. É claro, ele não se importava com o mundo. Ganhava rios de dinheiro para gastar em luxuosos apartamentos na cidade, carros velozes e viagens ao redor do planeta. Certo, eu tinha inventado essa parte. Na verdade, não tinha ideia de como ele gastava seu dinheiro. Mas podia ao menos imaginar. “Mas não somos realmente parentes, você sabe”, ele disse. “Não fizemos nada de errado ontem à noite”. Ontem à noite. Lembrei de sua boca na minha e o calor tomou conta da parte de baixo do meu corpo. Afastei a lembrança. Agora, definitivamente, não era a melhor hora. Chegamos até o Pastor e Mark. Meu novo padastro. O pai de Trey. Trey beijou minha mão e então ocupou seu lugar ao lado do pai. Eu


fiquei de pé no outro lado e virei para observar minha mãe caminhar até o altar. Meu coração se expandiu ao ver a alegria no rosto dela. Olhei para Mark e percebi que ele tinha olhos apenas para minha mãe. Praticamente brilhava de felicidade. Meu olhar se voltou para Trey e nossos olhos se encontraram. Ele sorriu. Tão irritante, como sempre imaginei que alguém como ele seria. Mamãe e Mark disseram “Aceito”, todo mundo aplaudiu e comemorou, e a cerimônia chegou ao fim. Trey pegou meu braço e fingimos caminhar agradavelmente de volta pelo corredor entre os bancos. “Você realmente está linda”, ele falou. Senti essas palavras como uma alfinetada. Ele agora era meu irmão por parte de pai. Não tinha mais o direito de dizer coisas assim. Mas uma parte de mim gostou. Pela minha mãe, sorri para as fotos e fingi que estava tudo bem. Assim que o fotógrafo nos deixou ir, procurei o caminho mais curto até o bar. Eu me perguntava se ia com calma com vinho ou afogava os últimos acontecimentos em Martinis. “Um Dirty Martini?”, ouvi uma voz familiar perguntar. Virei-me e vi meu novo meio-irmão sorrindo para mim, incrivelmente lindo em seu smoking. Quis me render a tanto charme. “Não”. Eu me virei para o bartender. “Vinho branco, por favor”. Trey riu. Sim, tudo isso era muito divertido. Descobrir que a melhor


noite da minha vida nunca deveria ter acontecido. E com um cirurgião plástico que passava a vida operando narizes e aumentando peitos com silicone. Peguei meu vinho e caminhei para longe dele. Quem precisava de Trey? Havia muitas outras pessoas na festa com quem eu podia conversar. Minha tia Vanessa e meu tio Mike. Meus primos. As amigas de minha mãe, Eileen, Chris e Joanne. A primeira dança de Mamãe e Mark foi ao som de “At Last”, de Etta James. A escolha da música me deu uma certa agonia. Ela ainda sentia falta de papai às vezes? Eu sentia. Algum dia, eu me casaria e ele não estaria aqui para me levar até o altar. “Poderia, por favor, me dar o prazer desta dança?” Olhando ao redor, notei muitas pessoas nos observando. Achei que eles esperavam que os filhos dançassem um com o outro. “Claro. Mas só porque é a coisa certa a fazer”. Ele me envolveu em seus braços e dançamos até o centro do salão. É claro que ele sabia exatamente como se mover. E eu estava muito consciente de cada movimento e de seus efeitos sobre mim. “Você sempre faz o que é certo?”, ele perguntou? Suspirei, aborrecida. “Dá pra notar que não”. Ele riu de novo. “Certo. Lembrei”.


Olhei para seu rosto para ver se ele estava rindo de mim, mas tudo o que vi em seus olhos foi desejo. Pega de surpresa, engoli em seco e não pude desviar meus olhos dos dele. Continuamos a nos mover pelo salão de dança, mas eu não tinha ideia de como ou para onde. Meus passos seguiam os dele. Ele me guiou com seu quadril e coxas, e com a suave pressão de seus braços ao redor de mim. Meus olhos permaneceram nos dele e minha mente estava um turbilhão. Quando a música acabou, me afastei, apressada. Corri para fora do salão de baile e pelos corredores do hotel. Do lado de fora, tentei recuperar o fôlego. Como isso era possível? Fazia meses que eu não conhecia um cara decente, que valesse a pena. Quando finalmente aconteceu, ele era totalmente inadequado, em muitos níveis. “Fiz algo errado?” Dei um suspiro de frustração. “Por que está me seguindo? Uma mulher não pode ter um momento para si mesma?” “É só isso? Porque parece que você está com raiva de mim”. Fechei os olhos e tentei pensar através da névoa causada pela sua proximidade. Pelo seu cheiro másculo. “Não estou com raiva de você, apenas com raiva. A noite passada foi...” “A noite passada foi o quê?” “Incrível”. Pronto, falei, seja isso bom ou ruim. Os ombros dele relaxaram. “Eu concordo. Então, qual o problema?”


“A última noite foi um erro. Somos parentes agora, Trey. Ou deveria chamá-lo de Trevor, como meu padrasto?” Ele se afastou de mim e se encostou na parede. “Não somos parentes, não de sangue. Nem mesmo crescemos juntos como meio-irmão e meiairmã. Não há nada de errado em ficarmos juntos”. Talvez ele estivesse certo, mas não sabia como explicar o resto. Sobre ele ser o homem errado para mim. Sobre seus valores serem opostos aos meus. “Somos... muito diferentes. Enfim, hoje é a noite de nossos pais, não nossa”. Afastei-me dele e entrei novamente no salão de baile para celebrar com minha mãe. *** Cada passo se arrastava à medida que eu me aproximava do prédio de Trey, em East Side, em Manhattan. Não estava ansiosa por passar uma noite sozinha com ele, mamãe e Mark. Como se fôssemos uma família agora. Eu tremia e caminhava pesadamente ao longo da rua, a partir da estação de metrô. Durante os anos em que morei em Nova York, eu já havia passado por vários prédios como o dele, mas nunca havia entrado em um tão grandioso. O mármore do lobby brilhava, resplandecente, sob as luzes de um enorme lustre. Um porteiro com um casaco vermelho abriu a porta para mim e outro homem uniformizado estava de pé atrás de um balcão, ao lado.


Eu não estava acostumada a esse tipo de luxo. Pior, aumentou meus questionamentos sobre Trey e o tipo de homem que ele realmente era. Queria acreditar que era o homem que conheci quando nos vimos pela primeira vez. Só o pensamento me fez ficar vermelha enquanto o elevador subia cada vez mais alto. Mas ele também era o cirurgião plástico rico que provalvemente passava um tempo na África apenas para aliviar sua culpa de ganhar mais dinheiro do que qualquer outra pessoa. Será que se importava mesmo com os outros? O elevador fez um “ding!” e as portas se abriram. Eu estava na cobertura. Trey tinha uma cobertura em Manhattan. Meu mundo era tão diferente. Salas de aula bagunçadas. Um apartamento minúsculo com um aquecimento temperamental e sem ar condicionado. Metrôs ao invés de táxis. A porta à minha frente se abriu antes de eu bater. Uma mulher mais velha com os cabelos puxados para trás num coque severo – e antiquado – estava de pé na entrada da porta. “Você é Justine?” perguntou, com um sotaque forte. Eu confirmei com a cabeça. Ela sorriu e segurei sua mão. “Eu sou Masha. Entre, entre”. Ela me levou até uma sala de estar suntuosa, com uma parede de janelas com vista para o East River iluminado pelo pôr do sol. Mamãe se juntou a mim para admirar a vista. “E aqui está o


Brooklyn”, ela disse, apontando. “É bonito daqui”. Antes que eu pudesse responder, Trey chegou com uma garrafa de champanhe. Taças aguardavam numa mesa em frente. Ele me deu um sorriso de lado. “Gosta da vista?” Eu o ignorei. Não sabia se estava sendo sincero ou se gabando por sua vista da minha parte da cidade, mais humilde. Ele abriu a champanhe com muita habilidade e serviu-a nas quatro taças. Mark as distribuiu. “Agradeço ao meu filho nos receber hoje à noite para este aconhegante jantar em família”, Mark disse. Quase me engasguei com a champanhe. Na minha cabeça, eu sabia que Trey agora era da minha família, mas meu coração ainda estava tentando negar isso. Mark continuou, “Estou tão feliz que Justine pôde vir. Eu sei que estamos no final do ano letivo e deve estar incrivelmente ocupada. Sua mãe e eu realmente agradecemos pelo seu apoio”. Ele me deu um grande sorriso, uma versão mais velha e com lábios mais finos que o sorriso de Trey. Sorri de volta. Gostava de Mark e estava feliz por ele e minha mãe. Pareciam se amar de verdade. Eu não poderia imaginar uma segunda chance melhor para ela. “Quero fazer um brinde para os recém-casados”, Trey trovejou. “Que cada um dos seus dias juntos seja repleto de amor e risos”.


Todos brindamos com nossas taças e bebemos um pouco de champanhe. Eu não tinha sabia muito sobre champanhe, mas esta era deliciosa. Provavelmente cara. Em seguida, sentamo-nos numa mesa de madeira escura brilhante e Masha serviu-nos vários pratos frios. Saladas com diferentes vegetais, uma sopa fria de melancia com queijo feta e uma salada de orzo. Trey agradeceu afetuosamente a Masha e ela deu tapinhas nos ombros dele ao passar. Como nunca tinha tido uma governanta, não tinha ideia se a relação deles era normal ou não. Ela agia como uma mãe, ao invés de uma funcionária. Evitei o contato visual com Trey e apenas respondi perguntas que me faziam. Mamãe olhou para mim. Ela me conhecia melhor do que qualquer um. Ah, não, espero que ela não saiba sobre mim e Trey. Fechei os olhos e respirei. “Querida, você está bem?” Meus olhos se abriram mais, surpresos. “Sim, é claro.” Mamãe olhou para mim com um ar de preocupação em seus olhos castanhos. Apertou minha mão e passou para o prato seguinte. Masha havia trazido filés grelhados com manteiga chipotle e aspargos. “Tudo está delicioso, Masha”, Mark disse. Todos concordamos e a governanta sorriu, orgulhosa. Antes da sobremesa, pedi licença para usar o banheiro. Fui guiada até


um hall no lado oposto das janelas. Eu me perdi entre os belos objetos, lembranças de uma vida que eu não tinha. “Ah, eu planejava mostrá-los a vocês após o jantar”, Trey afirmou. “O que acha?” “Acho que são incríveis. Acredito que tenha comprado tudo isso em suas viagens?” É por isso que ele vai para a África, na verdade? Talvez seja apenas um colecionador. Tudo comprado com sua versão de dinheiro de sangue. Dinheiro de peitos e narizes. “Alguns. Outros foram presentes de pessoas que conheci, que eu curei”. Ele olhava para as peças com orgulho e ternura. “Ajudaram-me viver aqui até que possa voltar lá novamente. São uma lembrança de todo o bem que posso fazer”. Eu deveria mesmo acreditar que ele preferia estar lá trabalhando de graça? “Você preferiria viver na África?” Não pude deixar de revelar um traço de sarcasmo na minha voz. Era ridículo. Se não fosse por sua vida de excessos aqui, ele não poderia enviar nossos pais para o Tahiti para a lua de mel ou ter este apartamento enorme. “Às vezes. Adoro a cidade, a energia, a variedade de coisas para fazer e tipos de cozinha disponíveis aqui. Mas quando estou lá, amo o amplo céu aberto e todas as estrelas, a variedade de vida selvagem e a simpatia das pessoas. Felizmente, posso ter as duas coisas”. Sim, ele podia ter as duas coisas, e eu ainda não podia saber que tipo


de homem ele era. Será que tirava vantagem de tudo o que tinha, ou abraçava tudo que a vida tinha a oferecer? Não importava. Ele podia ser um otário ganancioso ou um santo, ainda era meu meio-irmão. *** Quase não dormi aquela noite. As lembranças de nossa noite juntos me torturaram assim que fechei os olhos. Eu queria poder sentir prazer com essas lembranças, mas agora elas estavam tingidas com confusão e desgosto. Pela manhã, eu me vesti para ir à escola, da minha maneira conservadora habitual. Escolhi uma saia lápis preta e uma blusa leve de seda azul. Apenas mais alguns dias de aula antes das férias de verão. Eu ansiava pelo verão tanto quanto meus alunos. Apesar da maioria das crianças não poder pagar por um acampamento de verão ou até por uma viagem para fora da cidade, ao menos teriam uma pausa das tarefas de casa. Aproveitariam algumas das alegrias do verão: brincar do lado de fora até escurecer, sorvetes, visitas com a família. Eu não esperava muito das férias. Passaria o tempo entre meu trabalho de verão normal, na sorveteria da esquina da minha rua, e algumas aulas particulares. O fim do dia de aula estava demorando a chegar. Eu estava louca para chegar em casa, tirar meus sapatos de salto e preparar um gim com tônica para mim.


Mas uma surpresa me aguardava na calçada da escola. Um homem alto, bonito, num terno executivo. Droga, ele era sexy. Tudo que havia vestido até agora me dava vontade de despir o seu corpo. Como um homem poderia ficar tão bem em roupas tão diferentes? E eu também sabia como ele ficava incrivelmente bem sem nenhuma roupa. Ele é seu irmão por parte de pai. Seu meio-irmão. Ele é seu meio-irmão. “O que está fazendo aqui, Trey?” Ele me olhou de cima a baixo e sorriu. “Gosto do seu visual de professora”. Suspirei contrariada e corri para o metrô. Se ele tinha vindo me insultar, podia comer poeira. “Espere, Justine, por favor. Desculpe”. Seus passos apressados me alcançaram. “Acho que você tem uma ideia errada de mim. Deixe-me pagar um café para você”. “Posso comprar meu próprio café, sabe”. Ele franziu a testa. “Não quis dizer que você não podia”. Parei de andar. “Por que se importa com o que eu penso?” “Bem, é meio bobo. Além do fato de que agora somos parentes, é claro que gosto de você.” Ele gostava de mim. Meu estômago não sabia se liberava borboletas ou granadas. Ele ignorou a Starbucks na próxima esquina e ao invés entrou numa cafeteria local, especializada no tipo de café tradicional. Nada de sabores


elaborados, nem nomes italianos. Café. Eu fiquei impressionada. Talvez, ele tivesse ideais, afinal. Trey me levou até a parte de trás da cafeteria, quase vazia, e esperei enquanto ele foi buscar nossas bebidas. Sentou-se ao meu lado, ao invés de na minha frente, mas parecia desconfortável. Virou-se de lado para olhar para mim. “Justine. Eu gosto de você”. Engoli em seco. “Admito que aquela noite começou como apenas sexo. Mas eu realmente gosto de estar com você e, por alguma razão, realmente me importo com o que pensa de mim. “Na verdade”, ele desviou o olhar, “espero que pense em mim. Então, preciso lhe dizer uma coisa”. Minhas emoções davam voltas, enquanto minha pele ficava mais quente. “Você parece achar que me tornei médico para ganhar dinheiro. Não foi isso. Claro, ter dinheiro é bom e me permite aproveitar o que gosto, mas não é a razão pela qual passei quatro anos na faculdade de Medicina, depois, fiz residência, vários estágios e outros treinamentos”. Ele bebeu um gole de café e eu o imitei. O sabor amargo refletia como eu me sentia sobre mim mesma. “Sua mãe provavelmente lhe contou sobre a minha mãe”. Confirmei com a cabeça. Mamãe havia me contado que a esposa de Mark havia morrido de câncer quando Trey tinha apenas doze anos. Era algo que tínhamos em comum, a perda de um de nossos pais.


“Antes de morrer, ela sugeriu que eu me tornasse um médico. Disse que queria que eu fizesse algo para ajudar as pessoas e viu como eu era bom em matemática e ciências. Ela achou que eu seria um ótimo médico e sua fé em mim me fez continuar através de tempos difíceis”. Meu coração afundou no peito. Havia sido tão injusta apenas vendo um lado dele, mesmo que ele tenha me permitido ver um lado diferente na noite em que nos conhecemos. Como pude ser tão cega? “Sim, eu gosto de ajudar as pessoas a se sentirem melhor. Mesmo que mudar a aparência delas não pareça muito importante no esquema maior das coisas. Mas a verdadeira razão pela qual eu escolhi a cirurgia plástica foi pelo lado reconstrutivo. Em países em desenvolvimento, ajudo vítimas de queimaduras e crianças que nasceram desfiguradas. Suturo ferimentos para que as pessoas não fiquem com cicatrizes horríveis e sofram rejeição da comunidade em que vivem. É difícil ver tudo o que tenho visto. Mas é mais difícil para eles, meus pacientes”. Ele olhou para as mãos no seu colo. Coloquei minha mão sobre a dele. “Desculpe se lhe julguei mal”. Meu gesto parecia muito pouco. Queria subir no colo dele e abraçá-lo, confortá-lo, mostrar a ele que acreditava no que dizia. Eu acreditava nele tanto assim? Mudei de ideia inteiramente? Trey levantou os olhos para mim e a dor em seu olhar derreteu a minha última resistência. Olhou para nossas mãos juntas em seu colo, tão perto de sua ereção crescente, e o canto de sua boca se levantou num


sorriso. Minha respiração ficou presa na garganta. As lembranças me invadiram e colidiram com as imagens do que eu esperava que acontecesse. Era algo bom eu não estar no seu colo agora, concretizando algumas das cenas que se passavam em minha mente. Seríamos expulsos do lugar. “Obrigado”, ele disse, humildemente. “Pelo quê?” “Por me ouvir. Por se importar”. Concordei com a cabeça. Não importa o que acontecesse entre nós, eu sempre poderia ouvir e me importar. Ele tirou uma das mãos da minha e a pousou sobre meu joelho, quase abaixo da bainha de minha saia. Eu olhei ao redor no café. Ainda estava vazio, e a barista entediada se entretia com o celular. “O que está fazendo?” sussurrei? “Agradecendo. Tocando-a”, ele disse. “Encoste-se”. Fiz o que ele disse. Ao me reclinar, minhas pernas se afastaram um pouco e ele considerou isso um convite. Ou talvez não precisasse de convite. Sua mão percorreu minha perna. Ele usou a outra para ajudar a levantar minha saia. Nesse ponto, eu já estava arfando, e podia sentir que havia umedecido minha roupa de baixo, antecipando o que estava por vir. Ajudei-o a levantar mais minha saia. Ele subiu com o dedo até tocar meu clitóris. Eu fiquei ofegante. “Shhh”, ele sussurrou.


A barista ainda não tinha levantado os olhos. Trey moveu minha calcinha para o lado e deslizou um dedo para dentro de mim. Entrou rapidamente, eu estava tão lubrificada. Com seu dedo dentro de mim e seu polegar pulsando contra meu clitóris, eu estava na iminência de um orgasmo. “Eu vou, eu vou” – arfei. Ele se curvou sobre mim, beijando-me, e engoliu minha exclamação. *** “Deixe-me levar você para casa”, ele disse, assim que saímos. Levantei as sobrancelhas. Ainda me sentia ruborizada depois do que ele havia feito no café. Nem sabia que aquilo era possível. “Quer caminhar comigo até o Brooklyn?” “Ah, não. Quis dizer que poderia levá-la num táxi. Ou coisa parecida”. Ele estava uma graça assim, um pouco sem jeito. “Geralmente, eu pego o metrô. Você pode me levar até a estação”. “Acha que eu não sei como usar o metrô? Posso acompanhar você, sem problema”. “Você só está tentando ver onde eu moro”. Afastei-me dele, rindo. “Você sabe que eu podia perguntar ao meu pai”. Ele pegou minha mão. O toque dele percorreu minha pele e quis me apoiar em seu corpo, respirar seu perfume masculino e me perder nos seus braços fortes. Eu queria mais do que ele havia me dado na cafeteria.


“Poderíamos ter sido presos, você sabe”, eu falei. Mas era difícil censurá-lo, enquanto eu ainda estava tentando recuperar meu fôlego. “Mas você gostou”, ele falou. Eu não pude evitar sorrir. “Talvez”. Ele virou a esquina e vimos a entrada do metrô surgir na nossa frente. “Trey?” Com um pé no degrau sob nós, nos viramos na direção de uma voz de mulher. Uma mulher linda, com o corpo curvilíneo e cabelos loiros ondulados surgiu, me olhando de cima. Seu vestido vermelho, unhas vermelhas e sapatos de salto oito centímetros se destacavam dos prédios cinzentos ao nosso redor. “Selina!” Trey soltou minha mão e caminhou até a mulher. Ele a beijou na bochecha. “Você está linda. Como vai?” “Estou bem. Voltei semana passada do Brasil. A casa de praia do meu pai é fantástica. Não posso esperar até que você a conheça. Quando pode ir?” Eu pigarreei e não me importei se fui grosseira. Eles se viraram. “Ah, claro, desculpe. Justine, esta é minha amiga Selina Rowe. Crescemos juntos. Selina, esta é minha... nova amiga, Justine Martin”. “Martin. Você é filha de Jennifer?” Confirmei com a cabeça. “Você conhece minha mãe?”


“Claro, conheci alguns meses atrás, com Mark. Então, você é meiairmã de Trey”. Meu coração afundou no peito, pesado como chumbo. Meia-irmã. Não amiga. Definitivamente, não namorada. Não era o tipo de pessoa em quem ele deveria provocar um orgasmo em público. O que ele fez comigo? E por que eu tinha gostado tanto? “Desculpe, tenho um compromisso. Tenho que ir”. Sem esperar uma reação ou resposta, corri pelos degraus e escapei pela estação de metrô. Passei meu cartão pela borboleta e só consegui respirar melhor ao chegar na plataforma. Que tola fui. Mesmo que pudesse viver bem com seu estilo de vida, realmente achei que poderíamos superar o pequeno problema de sermos parentes? A menos que algo terrível acontecesse entre mamãe e Mark, seríamos parentes pra sempre. Pensando melhor, eu realmente poderia suportar seu estilo de vida? Selina era parte de um mundo que eu não conhecia ou compreendia, e que nem mesmo queria conhecer. Ela era, claramente, alguém que eu nunca seria. Se era o tipo de mulher com a qual ele estava acostumado, não tínhamos chance. Não havia esperança, de toda forma, porque ele era meu irmão por parte de pai. *** No último dia de aula, eu vesti algo bem fresco para o verão, um


vestido magenta. Meus alunos ficariam chocados em me ver com roupas coloridas e menos severas, para variar, mas apesar do que aconteceu ontem com Trey, eu estava de bom humor. A maior parte do tempo. Eu teria que retornar no dia seguinte para levar minhas coisas, então, decidi sair mais cedo e aproveitar o sol. Do lado de fora, vislumbrei um homem que se parecia com Trey antes de um ônibus passar e eu o perder de vista. O que estava fazendo aqui? Por que não me deixava em paz? Poderíamos nos ver na próxima reunião de família. Fui para a calçada e esperei o sinal fechar. Ao meu lado, dois garotos se balançavam em seus skates. Estavam rindo e se divertindo, e o mais alto empurrou o menor. O menor o empurrou de volta e o garoto alto rolou pela rua. Tudo aconteceu como em câmera lenta. O menino rolou na frente de um táxi. O motorista apertou a buzina e freou, cantando pneus, mas ainda bateu no garoto. “Não!” Eu gritei, antes que tivesse totalmente processado o que havia acontecido. O garoto não se mexia, deitado no chão. O motorista saiu do táxi. “Ele pulou na minha frente. Tentei parar”. Ninguém prestou atenção nele. Ajoelhei-me ao lado do garoto. Arranhões cobriam seu rosto. “Não toque nele. Alguém ligue para a emergência”. Trey se abaixou ao


meu lado e o inspecionava visualmente. O taxista chamou uma ambulância pelo rádio. Rapidamente, mas de maneira suave, Trey apalpou os ossos do garoto. “Acho que a perna esquerda dele está quebrada. E provavelmente bateu com a cabeça ao cair”. “O braço dele está bem?” Eu perguntei, apontando para o membro mais perto de mim. “Acredito que sim”. Peguei na mão do menino. Não o reconheci. Pode ser um dos nossos alunos, mas não está na minha classe. Seu amigo, o menino menor, ficou tremendo, parado, na calçada. “Qual o nome dele?” “André”. “Você vai ficar bem, André”, eu sussurrei. Uma sirene cortou o ar, se sobrepondo ao ruído habitual da cidade. “Graças a Deus”, Trey suspirou aliviado. Foi a única vez em que ele parecia inseguro desde que o acidente aconteceu. Apesar das circunstâncias, não podia deixar de sentir gratidão por sua presença tranquilizadora. Os socorristas colocaram André na parte de trás de uma ambulância. Trey se apresentou e subiu depois de André. Quando as portas se fecharam, ele olhou nos meus olhos. Os dele estavam cheios de preocupação e dor. A ambulância partiu e eu fiquei olhando para ela.


Trey realmente se importava com os outros. Ele era o homem que eu queria que fosse. Como poderia deixá-lo passar apenas porque seu pai era casado com minha mãe? Não tínhamos crescido juntos. Não éramos crianças. Éramos adultos, e estamos ligados apenas pelo casamento. Não pelo sangue. Seria tão errado estar com ele? O acidente de André demonstrou o quão facilmente as coisas podem mudar na vida. A vida é curta. Eu quero ser feliz. Mereço ser feliz. Chamei um táxi e fui ao hospital. No balcão da emergência, a enfermeira não queria me dar nenhuma informação. Ela me disse para aguardar na sala de espera e que diria ao Dr. Connors que eu estava lá. Uma hora depois, as portas duplas se abriram e Trey veio em minha direção. Seus ombros largos estavam um pouco caídos, assim como a pele ao redor dos olhos. Seu olhar se levantou para encontrar o meu. A exaustão deu lugar à alegria e um sorriso se abriu em seu rosto. Ele claramente havia testemunhado muito sofrimento em sua vida, mas me ver parecia ajudar. Corri até ele. Joguei-me em seus braços, e ele me envolveu nos dele, num abraço forte e caloroso. “Você veio”, ele disse, a voz revelando uma forte emoção. Eu recuei, para olhar em seus olhos doloridos. “Sim”. Ele me beijou, com lábios firmes e quase rudes. Eu não queria parar nunca mais.


“Venha comigo”, ele sussurrou contra a minha bochecha. Pegando sua mão, saímos do hospital para as luzes fracas da cidade. Na calçada, ele chamou um táxi. No banco de trás, nos abraçamos, tentando focar mais em estarmos juntos e menos em querer tirar as roupas um do outro. Algo me ocorreu e eu me sentei ereta. “Você vive aqui, na cidade”. “Sim”. Sua voz revelava cautela. “Então, de quem era a casa em que nós... humm... fizemos sexo?” Ele riu com meu desconforto. “Na casa do meu pai. Ele ficou no hotel na véspera do casamento, então eu sabia que teríamos a casa só para nós. Planejei preparar seu café da manhã, mas você escapou de mim”. “Queria ir para casa, ajudar minha mãe. E não queria que ela me visse dissimulando algo”. Parei por um momento, a fim de absorver suas palavras. “Espere, dormimos na cama de Mark?” Ele fez que sim com a cabeça. “Argh.” Ele riu e passou a mão pelo meu braço, para cima e para baixo, até que esqueci minha aversão à ideia. Ao observá-lo hoje com o garoto na rua, vi o quanto ele obviamente se importava com um estranho, e algo mudou dentro de mim. Sempre me senti atraída por ele, desde que nos conhecemos. Por ser tão bonito, charmoso, inteligente e compassivo. A coisa do médico rico não tinha que ser um problema. Eu o tinha visto em ação e foi o maior ponto de virada. Ser meu irmão por parte de pai


seria sempre algo meio estranho, mas eu podia me acostumar com isso. Afinal, não éramos parentes de verdade. No luxuoso lobby de mármore, eu foquei minha atenção em Trey e ignorei tudo ao redor de nós. Não tinha certeza se um dia me acostumaria ao seu estilo de vida. O elevador vazio se mostrou um lugar divertido para explorar os lábios um do outro novamente. A urgência retornou e não pude me controlar. Puxei seus braços para que me envolvessem e coloquei suas mãos em meu quadril. Ele deslizou uma para meu bumbum. A outra subiu até meu peito e ele apertou levemente meu mamilo. Minha respiração se tornou superficial. O sinal de aviso do elevador nos surpreendeu e nos separamos por um momento. Arrumei meu vestido sobre meu quadril. Ele me levou para fora do elevador e entramos no seu apartamento. “Gostaria de uma bebida?” “Está brincando?” Ele riu alto, uma risada que vinha de dentro, e meu corpo inteiro ficou quente. Aproximei meu rosto do dele. Precisava de suas mãos e lábios em mim. Precisava dele. Quase tropeçamos em alguns degraus, sem querer nos desenroscar. “Tenho uma ideia melhor”, ele disse. Então parou, me pegou nos braços e me carregou pela sala de estar, com aquela vista linda. Envolvi


meus braços ao redor do seu pescoço, mas seu rosto estava perto demais para ignorar. Eu o beijei novamente. Ele bateu meus pés na entrada da porta. “Ai.” “Desculpe. Não vi. Vou beijá-los para fazer a dor passar assim que colocá-la na minha cama”. Os sentimentos de excitação e antecipação tomaram conta de mim e foram descendo para o meio das minhas pernas. No quarto, ele me colocou numa cama king size. Este quarto também tinha uma parede de janelas com vista para o East River e para o Brooklyn. No meu apartamento, eu tinha que puxar as cortinas assim que o sol ia embora, mas aqui, estávamos tão alto que outras pessoas só poderiam nos ver com um telescópio. Quis que ele ficasse em cima de mim, mas se virou e tirou minhas sandálias. Suas mãos fortes acariciaram meus tornozelos. Seu hálito morno fazia cócegas em meus dedos e ele cobriu os dois pés de beijos. Eu me contorci com as sensações. Era tão bom – tão bom – mas eu queria mais. Precisava de mais. “Venha aqui”. Ele se virou e sorriu. “Ainda não”. Então, brincou com a língua nos meus tornozelos e lentamente subiu pelas minhas pernas. Estava lento demais para mim. Segurei seus braços, mas ele resistiu. Meus dedos acariciavam seus cabelos. Ele continuava a avançar lentamente por uma coxa, tirando meu vestido do caminho.


Finalmente, ele chegou à minha calcinha. Seu hálito quente umedeceu o lado de fora, enquanto meu corpo reagia, umedecendo o lado de dentro. Minhas costas se arquearam e eu tentei agarrá-lo novamente. Ele afastou minhas mãos e então inseriu os dedos sob o elástico da minha calcinha. Ele a tirou pelo meu quadril, passando pelas minhas coxas e por meus pés. Eu quase não podia respirar, porque seu toque era muito intenso. Nossos olhares se encontraram e um sorriso lentamente iluminou seu belo rosto. Ele desafivelou o cinto, desabotoou suas calças e deixou-as cair no chão. Sua camisa foi retirada logo depois. Seu pênis se destacou numa ereção orgulhosa, fazendo a cueca se armar como uma tenda. Ele estava pronto. Meus dedos agarraram os lençóis, com impaciência. Por que ele não aproximava aquele rosto lindo do meu para que eu pudesse beijá-lo? Por que ele não aproximava aquele pênis lindo de mim, perto o bastante para que eu o cavalgasse? Como se lesse minha mente, ele levantou uma sobrancelha e deslizou o corpo para cima, ao longo do meu. Sua pele roçava meu estômago e mamilos, me deixando louca. Eu gemi. Por fim, seu rosto ficou no mesmo nível que o meu. Eu o agarrei e beijei, envolvendo as pernas ao redor de sua cintura. Pressionei meu centro já escorregadio contra seu pênis e foi ele que gemeu dessa vez. Um som


baixo e gutural, e quis ouvi-lo de novo. Nos agarramos e eu o senti pesar entre minhas pernas, mesmo que ele ainda estivesse de cueca. Movi minhas pernas e revolvi sua cueca boxer, com dedos apressados. “Ainda não”, ele sussurrou contra minha boca. Eu gemi com impaciência. “Por favor”. Um beijo profundo roubou meu fôlego, e então, seu calor me deixou. Mas apenas por um momento. Ele beijou a linha do meu queixo, foi descendo pelo meu pescoço, até meus seios. Eu arfava. Uma mão enorme e quente cobriu cada seio e sua boca começou a trabalhar em um mamilo. Meu fôlego ficou muito irregular. Uma parte de mim não queria que acabasse nunca e outra parte queria que ele fosse em frente, que usasse aquela outra parte do corpo dele. Meus dedos brincavam no seu cabelo e ele continuava a lamber, morder e sugar. Uma mão acariciava minha barriga, entre minhas pernas, e eu arfei novamente. Sua mão esfregava e provocava meu clitóris, brincando com minha lubrificação. Tantas sensações de uma só vez. Achei que não poderia aguentar muito mais. Então, sua boca deixou meu seio e ele lambeu e beijou todo o caminho até minha barriga. Eu me contorci em antecipação. Logo, a boca dele tomou o lugar da sua mão, a língua brincando dentro de mim. Minha respiração irregular se tornou mais alta e meus


dedos agarraram os lençóis novamente. Sua língua se moveu mais rápido, suas mãos no meu quadril, e eu não ia me segurar por mais tempo. Novamente, ele leu minha mente. Levantou a cabeça, me deu um olhar intenso e se alongou sobre mim. Seu peso, a solidez dele, era um paraíso. Mordi seu lábio inferior e ele me beijou. De uma maneira profunda e sem fôlego. Meu quadril se elevou e pressionou contra o dele. Ele se apoiou em um braço e usou a outra mão para se colocar dentro de mim. Um longo suspiro escapou dos meus lábios. Nós nos balançamos juntos e eu me uni a ele, desejando que fosse para sempre. Ele baixou a cabeça para se aproximar do meu rosto e me beijou novamente. Eu acariciei suas costas e agarrei sua bunda, arranhando suas nádegas levemente com minhas unhas. Ele gemeu e se enterrou dentro de mim. Mais fundo. Então, se moveu mais vezes e eu me rendi completamente, deixando-me levar pela onda de prazer que ele havia criado. Fiquei deitada, ainda com as pernas ao redor dele, incapaz de fazer mais do que arfar enquanto sentia o pulsar entre minhas pernas. Ele colapsou sobre mim e nós suspiramos juntos. Rolando para o lado, ele descansou a cabeça na curva do meu ombro. “Uau”.


Uau, realmente. Eu só havia dormido com mais ou menos outros dois homens antes de Trey. Aquelas experiências haviam sido divertidas, até boas. Mas isto... eu estava sem palavras. *** A luz do sol inundou o quarto com uma luz suave, que se intensificou rapidamente. Trey se espreguiçou e bocejou. Ele sorriu para mim e eu sorri de volta. “Você ainda está aqui”. Meu sorriso se tornou maior. “Sim. Não vai haver nenhum casamento hoje. Mas eu tenho que ir trabalhar. É o último dia para os professores”. Ele pareceu triste. Segurei seu rosto com a mão. “O que há de errado?” Trey segurou minha mão e a virou, para beijar a palma. “Estou me apaixonando por você e isso me assusta”. Prendi a respiração por um momento. Ninguém nunca havia dito aquelas palavras para mim. Esperei a vida inteira por alguém se apaixonar por mim. Só pensava que ele seria um pouco menos aparentado. Engoli esse pensamento e tentei não demonstrá-lo pela minha expressão. “Eu também”. Beijamo-nos até que a excitação se espalhasse pela minha pélvis e logo abaixo. Subi em cima dele, desfrutando dos lençóis frios na minha pele nua e de seu corpo quente sob mim.


Ele riu. “Bom dia para você também”. Eu ri e me apoiei sobre seu pênis, que se tornava cada vez mais duro, até que ele gemeu. “Se eu tivesse tempo, lhe daria um pouco de seu próprio veneno e lhe deixaria querendo mais até que implorasse”. Ele se levantou, segurou meus braços e me deitou de costas. “Então, seremos rápidos”. Ele se moveu para dentro de mim e nós nos reviramos de um lado para o outro até chegarmos ao orgasmo. Depois, ele caiu no sono novamente e eu fui tomar um banho. O banheiro era arrumado de uma maneira muito masculina, em ardósia. Lavei-me com o sabonete dele, fechando os olhos para saborear o seu cheiro. Eu esperava que ninguém na escola notasse que eu estava usando o mesmo vestido em cores vivas. Graças a Deus que não teria aula hoje. O dia passou sem novidades, e então empacotei minhas coisas. Em casa, preparei uma limonada e desabei no sofá. Só precisava de uma soneca. Mas, com as pálpebras fechadas, imagens de minha noite com Trey me assombravam, alimentadas pelo cheiro dele ao meu redor. Fiz a coisa certa ao ir para a casa dele na noite passada? Certamente, foi o melhor sexo da minha vida, mas a que preço? Ele era meu irmão por parte de pai, e nada mudaria isso. O telefone tocou, afastando minhas lembranças ardentes e pensamentos desconfortáveis. “Oi, mãe. Como está no Taiti?” Tentei parecer animada.


“A beleza daqui é inacreditável. Você está bem?” “Claro. Terminei na escola hoje e tenho alguns dias de folga antes do início de meu emprego de férias. Por quê?” “Sua voz está meio estranha. Aconteceu alguma coisa?” Então, eu comecei a chorar. A exaustão de uma noite passada fazendo amor com meu irmão por parte de pai me deixou muito emotiva. Eu contei tudo a ela, de uma só vez. Desde a primeira vez em que encontrei Trey até perceber quem ele era no casamento, e também sobre a noite passada. Minha mãe me deixou falar e chorar, e então falar mais um pouco. “Meu bem, quando conheci Mark, pensei que era errado me apaixonar por alguém, quando amei tanto seu pai. Mas seu pai havia partido e a vida continuava. Você precisa seguir seu coração. Trevor não é seu irmão, ele é um meio-irmão adulto. E ele é um homem muito bom. Estou tão feliz por você.” Chorei um pouco mais, e então nos despedimos. Enxugando as lágrimas, tomei uma decisão. A decisão de ser feliz. Depois de limpar o rosto, peguei o metrô de volta para Manhattan. Masha abriu a porta e me recebeu com um grande sorriso. “Olá, senhorita Justine. Que bom ver você.” “É mesmo?” “É claro. O Sr. Trevor parece um pouco triste esta noite e tenho certeza de que ver você vai animá-lo”.


Ocorreu-me então que, na verdade, Masha gostava de seu chefe. Ela parecia se importar com ele. Eu também me importava. Encontrei-o na sala de estar, olhando para as janelas de vidro, uma taça de uma bebida escura em sua mão. “Gosta da vista?”, perguntei. Ele se virou. “Justine”. A tristeza desapareceu dos seus olhos, como notei que acontecia quando ele olhava para mim. “O que está fazendo aqui?” Corri para seus braços e o senti inteiro. “Escolhendo a felicidade. Escolhendo nós dois”. “Nós?” A palavra tocou minha alma com seu sopro quente. Suas mãos percorreram minhas costas, para cima e para baixo. “Eu também”. Meu coração bateu mais forte e eu o apertei mais para mim. Médico rico, meio-irmão, o que for. Ele era meu.


Delicioso problema Duke sabia que a garota era problema no momento em que ela entrou pela porta. Não que o bar Shotguns fosse alheio a problemas. A maioria dos homens que vinham se apoiar no balcão surrado de madeira ou jogar uma partida nada amistosa de sinuca eram brutos e baderneiros, motoqueiros durões, e Duke tinha que usar seu treinamento militar para golpear algumas cabeças e se livrar de bêbados mal-humorados com frequência. Mas ela era um tipo de problema completamente diferente. A luz do sol do fim de tarde passando pelas janelas empoeiradas iluminou seus longos cabelos loiros ondulados, que ela jogou sobre o ombro. Com um ar altivo, escaneou o bar, apoiando as mãos finas, de dedos longos, sobre os quadris, com seu pequeno nariz empinado. Ela tentou se vestir de maneira simples, mas se sua mini-saia jeans desbotada com a bainha desfiada não era “designer distressed”, ou seja lá como se chamava aquela merda, Duke comeria sua própria calça jeans – que era surrada e desbotada, quase branca em alguns locais. Isso por ser usada há mais de dez anos, não porque tinha sido comprada daquela forma. Ele não sorriu ao ler as palavras em rosa com glitter na camiseta justa dela – VOCÊ FALA ‘VADIA’ COMO SE FOSSE ALGO RUIM – mas seus lábios se contraíram. Duke continuou fatiando limões, mas ficou de olho na nova visitante, enquanto ela analisava os poucos clientes espalhados nas mesas desemparelhadas.


Depois de avaliar o terreno, ela focou nele. Seus olhos se estreitaram e seu queixo pontudo subiu mais um pouco. Duke jogou os limões num balde plástico e enfiou-os no refrigerador, enxugou as mãos e jogou a flanela do bar sobre o ombro. Então, cruzou os braços sobre o peito e esperou que ela viesse até ele. Poucas mulheres vinham ao Shotguns, e as que vinham não tinham nada a ver com ela. Eram tão brutas e duronas quanto os homens com quem vinham beber, ou o tipo de garotas fáceis, que não eram consideradas bonitas o bastante no ensino médio e se habituaram a chamar atenção deitadas ou de joelhos. A recém-chegada parecia ter sido chefe de torcida e rainha do baile de formatura. Duke duvidava que tivesse passado um minuto de joelhos em sua vida. O que era uma pena, porque imaginá-la levantando os olhos para ele com esses lábios carnudos e rosados esquentou o sangue de Duke. A ponto dele ter que ir lá embaixo fazer um pequeno ajuste enquanto ela desfilava sobre o piso de madeira nua, o barulho dos saltos de suas botas de caubói (Deus, elas eram rosa) se sobrepondo ao som baixo de Waylon Jennings tocando na antiga jukebox. Quando chegou ao balcão, apoiou as mãos na borda e se inclinou, um canto da boca curvado para cima, num sorrisinho afetado. O movimento atraiu os olhos dele diretamente para o amplo decote de sua camiseta preta, reação que certamente ela estava procurando. A suspeita de Duke foi confirmada quando olhou novamente para cima e viu o brilho triunfante


nos olhos dela. Ela sabia o efeito que tinha sobre os homens e gostava de brincar com eles. Duke deu seu melhor olhar “Não mexa comigo”, unindo as sobrancelhas grossas numa expressão fechada, a boca em linha reta, olhar duro e bíceps flexionados. Havia visto essa expressão no rosto de alguns comandantes, e até usou-a algumas vezes para intimidar um ou outro novo recruta, recém-saído do avião. Ao contrário deles, a loirinha nem piscou. Inclinou um pouco a cabeça, fazendo todo aquele cabelo loiro deslizar pelo braço, e o seu olhar engatinhou por todo o corpo dele. Avaliando-o. Quando voltou para o rosto, seu pequeno sorriso se tornou maior. Duke sentiu a pele de sua testa ficar tensa, enquanto sua expressão se fechava ainda mais. Bom Deus, era problema na certa! Eles nem haviam trocado uma palavra, e ele já podia sentir faíscas entre os dois. O ar morno do bar, cheirando a couro e álcool, pareceu pesado e opressivo, como o que precede uma tempestade. Ao notar que a expressão feroz dele não se desfez, ela recuou ligeiramente, seu sorriso desaparecendo um pouco. Mas o olhar continuou desafiador. “O aviso na frente do bar diz que você está contratando”. Ela apontou um polegar com a unha bem-feita para porta de onde tinha vindo, como se Duke fosse estúpido demais para se lembrar de onde havia colocado o anúncio. Haviam se passado apenas três dias desde que


ele teve que despedir Barb. Odiou fazer isso, porque ela era uma garçonete excelente. Nenhum dos clientes mexia com Barb, tão durona quanto eles. Mas ele a flagrou roubando a caixa registradora, e não havia nada que Duke odiasse mais que um ladrão. Talvez um covarde. Como ele não respondeu, a Loirinha deu um pequeno suspiro exasperado. Ela cruzou os braços, imitando a postura dele, mas não funcionou muito, já que ao cruzá-los sob o conjunto avantajado de seus seios, empurrou-os para cima como se os oferecesse numa bandeja. “Está ou não está?” Duke teve que dar pontos a ela pelo tom sério da sua voz. Parecia se tratar apenas de negócios, mas ela parecia puro prazer. Ele deu de ombros. “O que você tem a ver com isso, loirinha?” Ele pressionou os lábios para evitar sorrir quando as narinas dela se abriram e um músculo em seu queixo pulou. Ele praticamente podia ouvi-la ranger os dentes. “Eu quero o emprego”. Duke não conseguiu segurar o riso. Ela endireitou-se, e um certo rubor rosado apareceu em suas bochechas. Ele se virou para pegar uma cerveja longneck do refrigerador, ignorando-a enquanto abria a tampa e saía detrás do longo balcão. Sentiu que ela o seguia com o olhar, que fazia uma pressão quente entre suas omoplatas enquanto ele cruzava o salão até a mesa de Buz, onde colocou a cerveja gelada. O velho motoqueiro barbudo agradeceu com a


cabeça e tirou sua cerveja vazia do caminho. A loira ainda estava olhando quando ele voltou, as mãos nos quadris, como quando havia entrado. Seus olhos estavam brilhando de raiva... e talvez com um pouquinho de mágoa. Ela disfarçava bem, mas ele notou seus ombros caídos. Duke deu um suspiro ao chegar até ela, colocando a cerveja vazia de Buz ao seu lado no balcão, e apoiando um cotovelo sobre a superfície arranhada. “Veja, sem ofensa, loirinha, mas o tipo de clientela que temos aqui... bem, eles comeriam você viva”. Ela mostrou a ele dentes brancos, perfeitos, retos, num meio-termo entre um sorriso e um rosnado. Seus olhos eletrizados por um brilho azul. “Perfeito”, ela ronronou. “Eu adoro ser comida”. A luxúria atingiu Duke como uma granada, cada gota de sangue indo direto para o meio das suas virilhas. Ele engoliu em seco, mudando de posição enquanto sua calça jeans anteriormente confortável subitamente apertou seu membro meio endurecido. O olhar dela caiu até a cintura dele, absorvendo o vulto de sua ereção. O rubor em sua face ficou mais intenso e a ponta cintilante da sua língua deslizou pelos lábios. Duke deu um passo e penetrou no espaço pessoal dela, apoiando sua mão direita nas costas do banco em que estava sentada, prendendo-a em seus braços. Ela teve que levantar o olhar para ele. Ela era alta para uma mulher, quase 1,80 metro com os saltos das botas, mas ele a ultrapassava por uns


15 centímetros. Ele olhou para seus olhos grandes, sem deixar de notar as pupilas dilatadas. Sentia o hálito dela como um sopro morno, com cheiro de menta, contra seu queixo. “Se você está procurando por um pouco de aventura, não precisa trabalhar aqui para isso. Sente-se numa mesa. Vou lhe dar uma bebida. Se ficar, com certeza pode encontrar alguém que irá aceitar sua oferta”. Duke olhou mais demoradamente para o decote dela e então deu de ombros. “Se ainda estiver aqui na hora de fechar, talvez eu lhe dê uma chance”. Ele falou isso só para irritá-la, porque, na sua experiência, princesas como ela gostavam de brincar de garotas malvadas, mas caíam fora fazendo birra quando as coisas não saíam como queriam. Assim que ela fizesse isso, ele poderia voltar ao seu inventário. Mas ele havia subestimado a loirinha. Para começar, ela se movia mais rápido do que ele havia pensado. Num instante, esticou o braço e pressionou a mão esquerda contra o peito dele com uma força surpreendente. Isso não o fez se mexer, mas conseguiu fazê-lo recuar um pouco e deu a ela um momento de vantagem enquanto se recuperava do choque. O som do vidro se quebrando coincidiu quase que exatamente com o movimento do braço direito dela. Se ele fosse outro cara, talvez ela tivesse conseguido levar a garrafa quebrada ao pescoço dele antes que pudesse esboçar uma reação... Mas Duke não era como os outros. A mão esquerda dele disparou antes mesmo dele ter que pensar a respeito, numa resposta


suave e automática. Ele agarrou o pulso fino dela com seus dedos grossos. Ela arquejou levemente, mas seu braço permaneceu firme. Duke ficou impressionado. E duro como uma barra de ferro. Seu coração martelava dentro do seu peito e ele sentiu o gosto metálico e intenso da adrenalina no fundo da língua. “Porra, qual é o seu problema, sua doida!?” Ele apertou o pulso dela o bastante para fazê-la vacilar, mas ela não largou a garrafa. Ao invés, pressionou o corpo no dele, seus seios roçando a camiseta preta lisa que ele usava. “O que foi, docinho? Pensei que você queria ‘me dar uma chance’!” Ela provocou-o piscando com seus longos cílios, sua voz doentiamente adocicada. Ele estreitou os olhos, relaxando a pressão sobre seu pulso o bastante para permitir que a ponta do vidro tocasse seu queixo. Ele sentiu a ponta afiada e observou os olhos dela se abrirem um pouco. Seu braço relaxou. Duke era cauteloso, não queria machucá-la realmente, mas precisava deixar claro quem mandava. Porque se ela fizesse uma merda daquelas com algum dos motociclistas que frequentava o Shotguns, eles não se incomodariam em revidar. Ele sentia os ossos finos e leves do pulso dela sob seus dedos enquanto torcia seu braço, fazendo-a arquejar e largar a garrafa, que se despedaçou no chão. Mas não desviaram o olhar um do outro. Ela tentou se soltar, mas ele se aproximou ainda mais, pressionando


o peito no dela enquanto subia o braço pelas suas costas. Ele colocou apenas uma pressão suficiente em sua coluna para deixar claro que a dominava. Ela respirou através dos dentes trincados. “Sai de cima de mim, seu Neandertal!” Atrás dele, Buz deu um risinho. Duke o ignorou, concentrando-se nela. Cada respiração irregular que ela dava pressionava mais os seios contra o peito dele. Ele teve a impressão de sentir os mamilos dela duros de excitação, mas não podia ter certeza sem olhar, e não queria tirar os olhos de seu rosto ruborizado e daqueles olhos brilhantes. Não a subestimaria novamente. Duke se inclinou até eles ficarem nariz contra nariz. Ele resistiu ao impulso de apertá-la contra o balcão e devastar aquela boca petulante com sua língua. Quase. Apenas anos de intenso treinamento no controle de seu corpo lhe permitiam segurar as rédeas de seu desejo crescente. “Me obrigue”. Ele rosnou, incapaz de suprimir um sorriso feroz quando a viu estremecer. Ela lambeu os lábios novamente e afastou-os, deixando escapar um suspiro. “Faria isso”, ela sussurrou, um súbito sorriso no canto da boca revelando uma covinha na bochecha, no momento em que Duke sentiu um joelho pressionando seus testículos. Suavemente, graças a Deus. “Mas eu detestaria arruinar o que sinto ser um pacote bem impressionante esmagando-o até o seu diafragma”. Ambos permaneceram em silêncio por um momento, olhos nos olhos.


Ele tentou ler a expressão em seus olhos azul-claros, mas não conseguiu. O sangue esmurrava suas têmporas e virilhas. O desejo era como um animal urrando em sua pélvis. Fazia muito tempo desde que ele tinha se sentido tão excitado por uma mulher. E ele sabia que ela o queria também. Se suas pupilas dilatadas e pescoço ruborizado não revelassem seu desejo, ele praticamente podia sentir o cheiro da excitação dela, quente e úmida. Uma garrafa de cerveja vazia tiniu sobre uma mesa, lembrando Duke de onde ele estava. Ele soltou o braço dela e recuou, satisfeito por vê-la oscilar um pouco quando a deixou ir. Ele deu um suspiro profundo, e então chutou de leve um pedaço de vidro quebrado. “A vassoura está no armário. Segunda porta à esquerda”. Ele apontou com a cabeça na direção do corredor escuro que levava aos banheiros, despensa e seu escritório. “Limpe isto e então lhe direi suas tarefas antes que o movimento aumente, mais tarde”. Ela piscou, esfregando seu pulso. “Consegui o emprego? Quero dizer...” Balançou a cabeça. “Tenho experiência como garçonete”. Duke contornou o balcão e se curvou para pegar novas bebidas e servir os clientes que ele vinha negligenciando por causa do seu pequeno confronto. “Ótimo. Você terá uma chance de provar isso hoje à noite. Agora, vá pegar a vassoura, loirinha.” Ela resmungou e jogou os cabelos para trás novamente, dirigindo-se para o corredor com os quadris balançando como um pêndulo e atraindo todos os olhares do lugar.


“Meu nome é Lexi”. *** Lexi deslizou facilmente para fora do abraço corpulento do motociclista, rindo de leve e piscando um olho. “Duvido que você perguntasse uma coisa dessas à sua irmã, Tex”. Tex balançou a cabeça raspada e passou uma mão tatuada e cheia de cicatrizes pela longa barba ruiva. “Se ela se parecesse com você, talvez”. Ele piscou. Os outros caras na mesa gargalharam. Lexi se juntou a eles na brincadeira, meneando a cabeça enquanto reunia com dedos ágeis as garrafas e copos vazios que cobriam a mesa pegajosa. Era quase meia-noite. A jukebox estava tocando Skynyrd e o barulho do choque das bolas de bilhar era quase constante. Ela tinha trabalhando sem parar no Shotguns desde as seis, e seus pés começavam a doer. Não que ela fosse dar a Duke a satisfação de saber disso. Ela não havia mentido quando disse ao taciturno dono do bar que tinha experiência, mas um único semestre servindo mesas no pequeno café do campus não era exatamente uma preparação para o Shotguns. Ela ainda não estava inteiramente certa do que estava pensando quando viu o pequeno anúncio “Estamos contratando” na frente do bar e entrou decidida pela porta. Nunca havia estado num bar como o Shotguns antes. Enquanto suas colegas de turma preferiam os clubes noturnos e os poucos amigos de infância que ela ainda tinha frequentavam casas de vinho


de alto nível e pubs gastrô, Lexi preferia caçar nos bares de operários, mais simples, onde sabia que poderia conhecer o tipo de homem de que gostava... homens com mãos calejadas, com cheiro de suor puro e trabalho duro. Que não tinham nada a ver com seu padastro, Curtis; aquele canalha sofisticado pensava que existiam apenas dois tipos de mulheres – amantes e esposas-troféu – e ambas sofriam sob seu domínio. Lexy gostava de seus homens viris, acostumados a mulheres fortes, mas que não se deixavam intimidar por elas. Apreciava o fato de serem bons de cama e confiantes o bastante para não reclamar quando os enxotava pela manhã. Isso era importante, porque com Lexi não havia uma segunda vez. Nunca. Faça sexo com um homem mais de uma vez e você pode começar a namorar. As pessoas diziam que as mulheres eram o sexo mais emotivo, mas, a seu ver, eram sempre os homens que começavam a ter ideias se ela permitisse que eles ficassem. Ideias sobre exclusividade e disponibilidade. Lexi não planejava pertencer a ninguém, nunca. Ela havia visto como isso tinha feito mal à sua mãe. Marian Whittington desperdiçou toda a sua considerável inteligência tentando desesperadamente manter Curtis feliz, e se tornou miserável no processo. A única coisa a fazia sorrir atualmente era um Martini perfeito e ver o limpador da piscina, Miguel, usando seus shorts justos. Ela havia tentado convencer a mãe a se divorciar de Curtis, ou ao menos ter um caso com Miguel. Infelizmente, sua mãe dizia amar o marido


arrogante. Além disso, Miguel era gay. “Você planeja levar estas cervejas para a mesa quatorze em breve, ou está aqui apenas para enfeitar?” Duke estava olhando-a de forma ameaçadora de novo. Lex se perguntava se ele pararia se dissesse o quão sexy ele ficava fazendo isso. Sem dúvida, o bartender alto e musculoso sabia que era intimidante ao unir suas sobrancelhas grossas com força e olhá-la de cima com seu nariz levemente torto. E isso realmente fazia os joelhos dela fraquejarem, mas por razões bem diferentes. “Se elas estivessem prontas quando pedi, não teria que ficar esperando!” Ela revirou os olhos enquanto enchia a bandeja com os pesados canecos e se afastava do balcão pisando forte. Duke rosnou atrás dela e, já que ele não podia ver seu rosto, Lexi permitiu que seus lábios se curvassem num sorriso. No segundo em que seus olhos se acostumaram à penumbra dentro do Shotguns, algumas horas mais cedo, sua respiração se tornou irregular. Mesmo atrás do balcão manchado de círculos de copos e garrafas, a altura dele era óbvia. Sendo alta toda a sua vida, Lexi adorava um cara bem maior que ela. Duke não era apenas alto, ele tinha os ombros largos e era musculoso, com cabelos de um negro intenso, um queixo quadrado pontilhado por uma barba rala por fazer, um nariz forte que obviamente


havia sido quebrado ao menos uma vez, e lábios cheios e sensuais. Sob as sobrancelhas grossas e retas, seus olhos eram de um marrom escuro, como o café que acabou de ser preparado. Em resumo, ele era o tipo de homem que Lexi adoraria levar para a cama se o tivesse conhecido em um dos minúsculos inferninhos que ela frequentava quando estava em busca de uma noitada. Sob essas circunstâncias, ela o teria enfeitiçado e mudado seu humor carrancudo com sorrisos e toques leves até que o fizesse rir e o levasse até a cama dela. Ao invés disso, teve que conhecê-lo batendo de frente. Lexi sabia que ele achava que ela era uma menininha rica e mimada. E sim, Curtis tinha muito dinheiro. Mas ela se matava de trabalhar para terminar seu curso e apenas pegava o que precisava dele. A razão pela qual queria um emprego era ganhar um dinheiro extra. Ela dividia o apartamento com duas amigas para economizar no aluguel e fazia muitas compras em vendas de mostruário e butiques de segunda mão. Seu padrasto ainda pagava sua mensalidade e o financiamento do carro, mas assim que ela pudesse, pararia de usar esse dinheiro também. Felizmente, ela conseguiu provar a Duke que era mais do que apenas uma tola com complexo por ser rica. Tinha sido arriscado desafiar fisicamente o grandão, ela sabia disso, mas precisava mostrar a ele que não se intimidaria pela clientela rude. “Lexi, querida, pode servir mais uma rodada de Jäger aqui?” Axel levantou as sobrancelhas para ela. O motociclista alto poderia


ser o garoto-propaganda de uma “clientela rude”. Ele tinha uma beleza penetrante, com cabelo cor de areia amarrado para trás com uma bandana e tatuagens escuras cobrindo cada centímetro de seus braços desnudos, das pontas dos dedos até os ombros. Ele usava uma calça jeans azul manchada com um canivete preso no cinto, pesadas botas pretas e um colete de couro (ele chamava-o de um talho), sobre uma camiseta cinza. Quando ele chegou, havia dado a Lexi um pouco de trabalho, perguntando-lhe o que uma ‘princesa’ como ela estava fazendo num lugar como o Shotguns. Ela retribuiu a brincadeira, dizendo que estava à procura do Príncipe Encantado. Então, ele agarrou a bunda dela. Ela deixou muito claro que se ele quisesse evitar que seus dedos fossem quebrados, deveria mantê-los nos bolsos. Agora, ele estava querendo encantá-la para chegar à sua calcinha. Ela talvez o permitisse... se não fosse por Duke. Desde o encontro que tiveram mais cedo, não parou de pensar sobre a sensação do corpo dele contra o dela. Quente e ah-tão-duro. Sem mencionar como ele tinha um cheiro bom, um aroma cítrico e de algodão limpo, com um toque de suor salgado. Seu comentário desdenhoso sobre dar uma chance a ela se ainda estivesse por lá no momento em que o bar fechasse a havia aborrecido, mas também fez seu sangue correr mais rápido. E ela sabia que ele havia sentido o mesmo. Havia visto, e sentido, a volumosa ereção esticando o jeans surrado dele. “Aqui está, garotos”. Ela sorriu para Axel e seus companheiros


enquanto distribuía os copos sem deixar cair uma gota. “Divirtam-se!” “Eu me divertiria ainda mais se você se sentasse bem aqui”, disse um dos outros motociclistas, dando tapinhas em sua coxa larga. “Lexi!” Ela piscou enquanto a voz de Duke cortava a atmosfera do bar. “Desculpem. O dever me chama”. Afastou-se depressa antes que pudessem protestar. Contornou as mesas e chegou ao balcão, percebendo que Duke tinha — para variar — um ar de reprovação no rosto. “Que droga, mulher, poderia se concentrar no seu trabalho por pelo menos cinco minutos? Este é um bar, não o ‘Quer Namorar Comigo’”. Lexi abaixou sua bandeja e escaneou o salão de forma lenta e focada. Nenhum cliente tinha uma garrafa ou copo vazio. Quando seu olhar voltou para Duke, ela levantou uma sobrancelha. “Ainda bem que não, porque com seu temperamento ruim, você não teria sorte alguma, chefe”. Não era verdade. A maneira grosseira como ele latia para ela a excitava ainda mais do que quando ele havia sido agradavelmente educado mais cedo, enquanto a mostrava onde estavam todas as coisas e explicava seus deveres no emprego. Algo no seu cenho franzido e nos seus lábios torcidos quando ele era bruto com ela simplesmente a tocava em todos os lugares certos. Considerando a reação dele quando ela respondia com uma atitude parecida, Lexi suspeitava que ele sentia o mesmo. Eles passaram a noite


inteira se provocando e começava a parecer com... preliminares. Nas últimas horas, ela vinha tentando se livrar dos pensamentos inapropriados sobre seu novo chefe, com pouco sucesso. Mais de um cliente havia comentado que os ‘faróis’ dela estavam ‘acesos’, ou seja, que seus mamilos estavam duros de excitação. Duke se virou quando alguém gritou do outro lado do bar. “Mova esse seu traseiro espertinho para o freezer e pegue uma cerveja gelada antes que eu me ofenda e te despeça”. Lexi obedeceu, contrariada. E foi assim que a noite se passou. Ela temia que alguém começasse alguma confusão, mas o ambiente estava bem descontraído. Ao comentar isso com Duke, ele falou: “Ainda é quinta-feira”. Talvez, mas Lexi não deixou de notar que, de todos os homens que ela encontrou naquela noite, tinha sido ele quem lhe havia dado mais trabalho. E no momento em que estavam fechando, ela tinha o bolso cheio de gorjetas, pés doendo, e a calcinha úmida graças a um bartender grosso. Depois que todos os copos haviam sido colocados na máquina de lavar louça, e todas as mesas haviam sido limpas, Lexi se alongou, pressionando as palmas das mãos na cava de suas costas até estalar a coluna. Duke havia ido até os fundos por alguns minutos para pegar a papelada que ela tinha que preencher. Ela faria isso amanhã, antes de voltar. No momento, estava morta de cansaço e ansiosa por deitar em sua


cama macia. Sozinha, infelizmente. Apesar de Duke despertar muito seu desejo, provavelmente não era uma boa ideia dormir com o chefe. Pelo menos era disso que ela ficava se lembrando enquanto se encaminhava ao escritório de Duke. Ele estava de costas para a porta, com a cabeça baixa enquanto fazia uma busca num velho arquivo de metal. Lexi parou um momento para admirar as linhas fortes de suas costas e pernas. Seus olhos ávidos se demoraram nas rígidas curvas dos glúteos dele. Ela geralmente não se importava com a bunda de um cara, mas não havia como negar que Duke era um espécimen espetacular. Ela queria agarrar seu traseiro com as duas mãos e apertar. Talvez até dar uma pequena mordida naqueles músculos firmes. Seus mamilos se enrijeceram de desejo e o calor inundou o meio das suas pernas. Lexi desviou os olhos, escaneando o ambiente. O escritório era pequeno, com paredes brancas lisas e um fino carpete cinza no chão. A mesa grande, coberta de pilhas de papel, tomava a maior parte do espaço. Uma combinação de quadro de avisos e quadro-branco estava pendurado atrás dela. Um arquivo e um cofre tomavam conta da outra parede. Em outra, havia algumas fotografias emolduradas. Ela não ficou surpresa ao ver uma foto de Duke em algum tipo de uniforme militar num clima desértico, cercado por vários outros homens vestidos de maneira similar.


Mas o sorriso por trás de seu capacete foi um pouco chocante. Outra foto mostrava-o na frente de uma árvore de Natal com um casal mais velho e um braço ao redor de uma mulher que parecia tanto com a versão delicada, feminina dele, que só podia se tratar de uma irmã. Havia muitas outras fotos, Duke com familiares e amigos. Mas duas em especial chamaram a atenção dela, ambas em que ele aparecia sozinho. Uma mostrava-o de pé atrás do balcão, com os braços cruzados e testa franzida, na carranca agora familiar para ela. Mas havia um brilho nos seus olhos e o canto da sua boca estava ligeiramente voltado para cima, como se ele estivesse lutando para não sorrir. Ele parecia uns dois anos mais novo e o balcão estava bem menos surrado. Foi tirada, talvez, logo após ele comprar o bar. Lexi podia imaginar facilmente sua irmã por trás da câmera, tentando arrancar um sorriso dele. A outra era uma foto dele de perfil, tirada ao livre. Duke estava vestido casualmente, com uma camiseta e bermuda cargo, óculos escuros cobrindo seus olhos negros. O mais impressionante é que ele estava na metade do que parecia a face quase lisa de um penhasco. Ela podia ver as linhas negras do cinto de segurança ao redor de suas coxas e cintura e da corda, muito fina (na opinião dela), desaparecendo acima dele. Lexi ficou sem fôlego diante da visão do seu corpo agarrado à rocha, os músculos de seus braços e pernas se tensionando com o esforço. “Você já fez?” A voz baixa de Duke fez seu coração bater um pouco fora do ritmo.


Ela puxou sua atenção para longe da foto e encontrou-o olhando para ela, um feixe de papéis na mão. Engoliu em seco, deixando escapar um som seco. “O quê?” “Já escalou montanhas?”, ele explicou, indicando com a cabeça a foto que ela estava comendo com os olhos. “Já?” “Ah. Não. Parece... hum... divertido”. Parecia assustador. Ela observou sua boca inteira se curvar para cima. O sorriso não era tão luminoso quanto os que ele exibia nas fotos da parede, mas ainda era o bastante para fazê-la apertar ainda mais as coxas. “É uma adrenalina total. Faz seu coração bater mais forte e quando é uma escalada realmente boa, você pode senti-la em todo o seu corpo. É... emocionante”. O sangue de Lexi parecia ter sido substituído por mel espesso e gotejava pelas suas veias, lento e doce. Olhando para os olhos escuros de Duke, ela se sentiu pesada, quente e madura. Sua língua deslizou para brincar no canto de sua boca. “É? Parece muito bom”. Duke pareceu perceber o efeito que as suas palavras tiveram sobre ela, porque o sorriso se desvaneceu, substituído por um olhar quente por trás das sobrancelhas grossas. Os papéis flutuaram até o chão enquanto ele estreitava a curta distância entre eles. Ambos tentaram se desviar, como numa dança, da atração que


sentiram desde o momento que ela havia entrado no Shotguns, então, não foi surpresa para Lexi que no instante em que a boca de Duke tocou a dela, ela pegou fogo. Ele inclinou a cabeça e tomou seus lábios com uma graciosidade selvagem. Lexi abriu-se para sua língua, sugando o músculo liso enquanto ele invadia a sua boca. Duke rosnou, o som reverberando deliciosamente através do peito dela. Suas grandes mãos se travaram nos quadris dela, e os dedos enterraram-se na sua carne através do jeans da saia. Ela se aproximou dele, ficando de ponta de pé e envolvendo seus braços ao redor dos ombros musculosos. O cabelo na base da sua nuca era curto e acetinado. Ela o acariciou levemente com as unhas. Duke empurrou as costas dela com força contra a parede, derrubando ruidosamente várias coisas da prateleira acima deles. Uma espiral de corda macia deslizou do suporte onde estava enrolada e roçou a bochecha dela. Uma mão calejada deslizou pela coxa de Lexi para provocar a parte de trás do seu joelho. Quando a mão dele subiu de volta pela sua coxa, trouxe consigo a saia. Lexi mordiscou o lábio inferior dele, pressionando os ombros contra a parede, enquanto ele puxava a perna dela ao redor da sua cintura. Ela enganchou o salto da sua bota por trás da coxa dele e arqueou o quadril, ondulando para pressionar a saliência proeminente da ereção dele. “Nossa, posso sentir o quanto você está excitada”. Ele rosnou as palavras contra o ouvido dela antes de mergulhar beijos molhados,


profundos, em sua boca. Ela levantou a outra perna, deixando-o segurar seu peso enquanto travava os calcanhares atrás das costas dele. Duke arrancou a camiseta e o sutiã, sua boca agarrando-se como um ferrolho à ponta intumescida do seu seio e sugando com vontade, fazendo-a arquear as costas e gritar. Suas unhas enterraram-se em seu bíceps enquanto as mãos percorriam seus braços e peito. “Duke, por favor, porra... apenas...” Lexi não sabia o que estava dizendo. Seu cérebro estava inundado pelo prazer, sua pele incendiando-se nos lugares em que ele a tocava. Quando se deu conta, suas mãos grandes estavam massageando sua bunda enquanto ele devorava os seios dela, fazendo-a se contorcer e choramingar. Então, ele tirou os braços dela do seu pescoço, prendendo os pulsos finos com uma única mão e apertando-os sobre a cabeça dela. As pontas dos dedos de Lexi tocavam a parte de baixo da prateleira enquanto a mão esquerda dele brincava em seu ombro. Ela tentou virar a cabeça para ver o que ele estava fazendo, mas ele tomou sua boca com outro beijo esmagador. De toda forma, ela entendeu um segundo depois, quando sentiu a primeira volta de corda ao redor dos pulsos. “O quê...? Ah!” Os olhos de Lexi se abriram com a sensação de Duke apertando a corda. Seus braços estavam totalmente esticados, ela podia dobrar um pouco os cotovelos, mas o nó era seguro. Sentia o sangue


latejando nas pontas de seus dedos, lábios e mamilos. Seu clitóris pulsava. Duke a apertou na parede com o quadril e passou as mãos por todo o corpo dela. Começou pelos punhos amarrados e percorreu com as palmas das mãos os antebraços, pressionando o bíceps dela levemente antes de descer para os ombros. Quando seus dedos passaram pela lateral dos seus seios e barriga, ela começou a arquejar e se contorcer. Ele olhou para ela de cima, os olhos focados no subir e descer de seus seios ruborizados e no estremecer dos músculos da sua barriga. Ao agarrar seu bumbum novamente, ele pressionou a pélvis dela devagar, esfregando seu pênis ainda coberto pelo jeans. Lexi já estava farta de preliminares. A noite inteira havia sido uma longa provocação. Ela queria derrubar as barreiras entre eles. Queria estar carne com carne. Queria, não, precisava dele dentro dela. Ela esticou o pescoço, passando a língua pelo lábio inferior dele. “Você vai apenas se esfregar em mim como uma colegial virgem ou vai me foder?” O desejo faíscou nos olhos escuros de Duke, ao ouvir essas palavras. “Por Deus, mulher. Você nunca cala a boca?” Ela se lembrou de seu encontro mais cedo e sorriu para ele. “Me obrigue”. A boca dele estava na dela um segundo depois, mais quente e mais bruta que antes. Uma mão deixou seu bumbum e ela ouviu o som do zíper se abrindo. Apenas o som a fez pular e gemer. Ele afastou a calcinha dela


para um lado e então ela finalmente pôde sentir a pressão da carne quente e macia contra seu sexo. Suas coxas apertaram-se contra a cintura dele e ela moveu o quadril, tentando puxá-lo mais para junto dela. Duke rosnou, mudou de posição e então se enterrou dentro dela com força, de uma só vez. Mais cedo, Lexi imaginou que ele parecia bem-dotado, quando havia visto sua ereção delinear-se pela calça jeans; ao sentir a vagina esticar para acomodar sua circunferência, percebeu que sua suspeita estava correta. Ele gemeu contra o queixo dela, enquanto saía e entrava de dentro do seu corpo. “Mais forte”, ela arfou. “Mais rápido”. Duke obedeceu, se movendo num ritmo vibrante, punitivo. Com seus braços amarrados, ela podia apenas se apoiar nele com as pernas e deixar que a possuísse. Suas mãos seguravam sua bunda com firmeza, suportando facilmente seu peso enquanto ele deslizava para dentro e para fora do escorregadio canal dela. Cada investida dele, profunda, dura, torcia a carne ardente dentro dela cada vez mais apertada. A boca dele nunca deixou a pele dela, seus lábios, língua e dentes arrastando tudo sobre seu colo, garganta, queixo. Ele se curvou para sugar e mordiscar os mamilos dela, fazendo-a suspirar e se arquear, apenas para se pressionar mais em seus lábios. Lexi podia sentir seu orgasmo se


aproximando, vibrando em cada célula. Até suas unhas latejavam de desejo enquanto Duke usava seu corpo inteiro para lhe dar prazer. Quando ele a beijou, ela desabou, gritando sua entrega em sua boca. Ele a cavalgou através do orgasmo, sugando devagar seu lábio inferior entre os dele mesmo quando o seu ritmo cresceu e se tornou cada vez mais irregular. Lexi podia sentir que ele estava perto, podia sentir no aperto de sua pegada e na urgência das investidas da pélvis dele. Ela percorreu o queixo dele com seus lábios, sentindo sua barba áspera por fazer, pegou o lóbulo da orelha dele entre os dentes e brincou com ele com sua língua. Ela sussurrava palavras em seu ouvido. “Venha para mim, Duke”. Lexi sentiu o corpo todo estremecer de prazer novamente quando ele se enfiou dentro dela até o fim, quase esmagando-a contra a parede. Ela apertou as pernas sem misericórdia para manter seu corpo bem próximo ao dela, enquanto sentia o quente pulsar dentro de si. Ele enterrou seu rosto no pescoço dela, trêmulo e gemendo. Por um longo momento, o único som que se ouvia na sala era a da respiração irregular dos dois. Lexi recostou a cabeça novamente contra a parede, degustando a morna letargia que se espalhava pelos seus músculos cansados. Abrindo os olhos, viu os punhos amarrados e sentiu uma leve centelha de excitação na boca do estômago. A corda azul e amarela dava voltas ao redor de seus braços e era um lembrete do que eles estavam conversando quando as coisas se voltaram para o lado mais carnal. Lexi riu.


“Bem, se escalar se parece com isso, com certeza vou querer experimentar”. Duke levantou a cabeça. Seus olhares colidiram, seus olhos ainda estavam nublados de prazer, mas o cenho franzido familiar apareceu no seu rosto. Então, ele seguiu o olhar dela até os pulsos amarrados. Lexi observou o rubor escurecer suas bochechas e ele mordeu um canto do lábio. O gesto era curiosamente cativante. Ele se esticou e desatou a corda, esfregando os pulsos dela com dedos suaves. Seus olhos permaneceram nos braços dela enquanto ele tossiu levemente para limpar a garganta. “Eu, eh... não te machuquei, machuquei?” Lexi sentiu um largo sorriso se abrir no seu rosto. Ela tocou a corda com seus dedos, ainda latejantes. “Você quer dizer com isto?” Então, arqueou o quadril, fazendo-o arfar de maneira penetrante. “Ou com isto?” “Os dois”, ele disse. Recuando um pouco e baixando-a suavemente para o chão. Ele ainda não ousava olhá-la nos olhos. Lexi levou um minuto para pôr suas roupas de volta no lugar e deixou que ele se arrumasse. Quando ambos estavam vestidos novamente, ela o olhou nos olhos e deu tapinhas no centro do peito dele. “Ei. Está tudo bem, ok? Você não fez nada que eu não quisesse. Sabe disso, não é?” Ele passou a mão pelo cabelo, suspirou e assentiu com a cabeça. “Sim. Sim, eu sei”.


Lexi levantou as duas sobrancelhas. “Então, está tudo bem entre nós?” “Está”. “Ótimo. Porque ainda quero este emprego, então, seria horrível se ficasse um clima estranho entre a gente agora”. Duke se inclinou para reunir os papéis, esquecidos no chão. “Não vou demitir você, se é isso que a preocupa”. “Eu não estava preocupada, mas você está parecendo um pouco nervoso agora, chefe. Veja, somos adultos. Sentimos uma atração. Nos divertimos um pouco... certo, muito. Mas é apenas sexo. E agora que está fora de nossos sistemas, tenho certeza de que será muito mais fácil trabalharmos juntos”. Sinceramente, Lexi não estava muito certa dessa última parte. Eles tinham apenas terminado e ela já queria agarrá-lo e puxá-lo de novo para junto de si. Mas ela não repetia a dose com o mesmo homem, não importa o quão tentador ele fosse. “Certo”. Duke não soou muito convincente também, mas quando ela olhou nos olhos dele, ele lhe deu um aceno breve com a cabeça. “Sua papelada”. Ela pegou os papéis, estudando seu belo rosto. Algo claramente o incomodava. Apesar dele estar tentando não franzir o cenho, a linha entre suas sobrancelhas estava lá e seus lábios estavam um pouco voltados para baixo. Ela não sabia se ele estava chateado por ter cedido à sua atração por


ela, ou talvez porque ele havia feito sexo com uma funcionária. Fosse o que fosse, esperava que ele superasse. Ela gostou do trabalho e gostou dele. Provavelmente, mais do que deveria. Batendo a papelada contra a palma da mão, Lexi forçou um sorriso. “Vejo você amanhã à noite, então”. Duke abaixou o queixo assentindo brevemente. “Amanhã”. *** Dois meses. Haviam se passado dois longos e frustrantes meses desde que ela havia começado a trabalhar no Shotguns, e ainda não conseguia tirar da cabeça o sexo incrível nos fundos do bar com o Senhor Grosseirão... ou seja, seu chefe, Duke. Lexi sabia que alguns de seus amigos a consideravam uma vadia. Ela rejeitava completamente a ideia de que seu valor dependia da quantidade de caras com quem havia dormido. Mas tinha que admitir que dois meses era um tempo relativamente longo para não ter feito sexo com ninguém. E não foi por falta de tentativa. De início, ela atribuiu sua falta de interesse apenas ao fato de que seu encontro atado e meio pervertido com Duke foi uma dose de sexo vigoroso e incrivelmente satisfatório. Na verdade, o melhor que ela já teve. Ao menos por um tempo, ela estava “amarrada” a ele, e sorriu com o trocadilho. Além disso, a faculdade e o novo emprego a mantinham bem ocupada. Então, o que é que tem se as poucas interações que ela teve em suas noites de folga careciam do fogo e das provocações de Duke? Ela não


tinha que transar. Mas após várias semanas sem encontrar um único prospecto interessante, Lexi começou a se preocupar. O problema era que Duke deixou claro que ele estava mais do que disposto a fazer novamente. Ela quase desejou o clima estranho com o qual se preocupou logo após fazerem sexo. Mas não. Na tarde seguinte, quando ela apareceu para o trabalho, Duke parecia irritado, com uma expressão pesada ao ver o colete preto justo de couro que ela usava e a mini-saia roxa. Ele rosnou: “Se você usar roupas assim, vamos terminar contra a parede do escritório novamente”. Ela havia respondido com um severo, “Não, não vamos”, apesar do fato de que tudo no corpo dela havia se tensionado. Aparentemente, Duke decidiu que gostava de um desafio. Ou era isso ou ele era secretamente um canalha sádico, porque daquele momento em diante, parecia determinado a fazê-la voltar atrás sobre suas palavras. Já que eles eram os dois únicos funcionários, trabalhavam juntos da quintafeira até o domingo, das cinco horas da tarde até uma, às vezes, duas da manhã. Toda noite, ele reclamava sobre o que ela estava vestindo, ou como fazia seu trabalho. Lexi sabia que ele estava apenas zoando com ela, e queria ficar chateada, mas era difícil quando ele parecia se deliciar ao vê-la devolver na mesma moeda. Nunca havia encontrado um cara que parecia gostar tanto de levar foras quanto Duke. Era quase um jogo para eles, ver


quem inventava a ironia mais engraçada ou conseguia enervar o outro mais rápido. Muitos dos clientes mais assíduos até entravam na brincadeira. Buz, o velho motoqueiro com cabelos brancos que vinha quase toda noite, se habituou a gritar: “Vão para um quarto!”, quando eles começavam. Duke geralmente lhe mostrava o dedo do meio e então apontava com a cabeça o corredor escuro. “Tem um quarto logo ali atrás, se você acha que aguenta, loirinha”. Isso sempre causava uma onda de irritação e Duke sabia, mas ela duvidava que ele soubesse exatamente por quê. A verdade era que o apelido irritante a lembrava daquele primeiro dia e da maneira como ele gemeu “Lexi” contra seu pescoço quando gozou. Havia se tornado automático para ela responder com um “Continue sonhando, chefe”, e tentar reprimir seu sorriso quando ele disparava de volta, “Toda noite, Loirinha. Toda noite”. É claro que isso era nas noites boas, quando estavam brincando e provocando um ao outro. Mas quanto mais tempo se estendia entre eles e aquela primeira noite, mais tensos se tornavam. Entretanto, Lexi não achava que era apenas o desejo fervente entre eles que mantinha Duke à flor da pele. Ela ouviu-o reclamar sozinho enquanto estava no escritório, preenchendo a papelada. Lexi havia se oferecido para ajudar; afinal, ela estava se formando em Administração de Empresas, mas ele recusou. Ela


queria perguntar qual era o problema, mas parecia um passo muito arriscado. Além disso, ela estava tentando se afastar dele. Sem segunda vez, lembrava a si mesma toda noite quando ele dizia para ela “se mexer e servir alguns drinques, pelo amor de Deus”, ou descansava uma mão no quadril dela enquanto manobrava ao seu redor no armário de mantimentos, depois de fechar. Mas ele não tentava agarrá-la ou beijá-la. Não forçava. Lexi quase queria que ele fizesse isso, porque então poderia ficar com raiva e talvez não pensasse mais no momento em que ele a penetrou. Depois de um mês daquela tortura, ela ficou desesperada. Sabia que não era uma boa ideia sentar no joelho de Luca, mas o motoqueiro italiano musculoso e esguio era bonito o bastante para ser um modelo de roupa íntima, se você não prestasse atenção nos dentes levemente tortos e nas tatuagens de prisão. Ele era um mecânico de motos e tinha uma ótima risada, exatamente o tipo de cara que Lexi gostaria de ter na cama por uma noite e então nunca mais ver. Exceto que não sentiu nada por ele, mesmo quando ele se inclinou e sussurrou bêbado, no ouvido dela, o que queria lhe fazer. Muitas das coisas eram maravilhosamente imorais e a fariam estremecer. Mas ela não havia sentido uma única palpitação em semanas que não fosse provocada por seu chefe teimoso e emburrado. O teimoso e emburrado chefe que colocou Luca para fora pela orelha


por ‘tratar mal uma funcionária’. Ao ver os músculos de Duke se tensionarem enquanto ele carregava o homem para o estacionamento, Lexi começou a salivar e suas coxas tremeram. O que era de enlouquecer, porque não foi a última vez. Na verdade, se tornou bastante frequente ao longo das últimas semanas ver Duke expulsar alguém toda vez que sentia que um dos clientes estava se insinuando para ela... ou que ela estava sendo simpática demais com eles. Gostoso ou não, ela não deixaria que ele continuasse com aquilo. Quando ele voltou depois de enxotar um lutador enorme, de uns 160 quilos, para o estacionamento, Lexi o encurralou atrás do balcão. Ele levantou as duas sobrancelhas e limpou o fino fio de sangue do canto da sua boca, onde havia recebido uma cotovelada a esmo. Lexi fechou o punho e o socou no ombro. Doeu na mão dela, mas aliviou um pouco o nó no seu estômago. “Pode parar com essa merda, Duke.” “Com o quê?”, ele replicou estremecendo, cutucando um ponto dolorido na parte de dentro da bochecha. Um cara jovem e cabeludo, com o corte da moda, levantou a mão pedindo outra cerveja, mas desistiu quando Lexi lançou-lhe um olhar penetrante. Ela voltou o olhar feroz para seu chefe. “Não venha com essa história de ‘o quê’ pra cima de mim, senhor. Sabe exatamente do que estou falando. Não pode expulsar todo cara que me dá uma cantada. No mínimo, se continuar assim, vai ficar sem clientes, e você nem tem muitos, para


começar”. “O bar é meu. Eu decido quem pode ficar e quem não pode”. “E quem der em cima de mim não pode ficar, é isso?” Um músculo no queixo dele saltou, mas ela seguiu em frente, inclinando-se e cutucando o peito dele com o dedo. “O bar pode ser seu, mas eu não sou! Acredite, se alguém passar do limite comigo, vou dizer a você ou cuidar disso sozinha, mas não tem o direito de dar uma de homem das cavernas pra cima de alguém só porque pisquei para ele. Entendeu?” Ela estava arquejante quando terminou. Duke cruzou os braços. A voz dele estava baixa quando respondeu. “Estou apenas tentando proteger você, Lex. Muitos desses caras não são confiáveis. Nem todos, mas... pra você, pode ser apenas uma piscadela inocente, mas alguns foram presos por não aceitar um “não” como resposta. Eu sem quem é quem. Você não”. Lexi deu um suspiro resignado. Ela sabia que ele estava certo, apesar de não querer admiti-lo. Pelo menos, parcialmente certo. “Talvez. Mas se for o caso, você precisa falar comigo e me dizer com quem eu deveria ter cuidado. Vou escutar. Mas não venha me dizer que expulsou Luca porque pensou que ele queria pegar o que não estava sendo oferecido. Ou Justin. Ou Tex”. O músculo em seu queixo vibrou novamente. Aquele que indicava que ele estava trincando os dentes. “Não se tratava de me proteger. Mas de me possuir. E eu não sou sua


possessão, Duke. Nunca serei de homem algum. É por isso que não repito a dose nem namoro. Achei que havia deixado isso claro”. Duke olhou para ela, a expressão sem seus olhos escuros era impossível de ler. Depois de um longo momento preenchido apenas pelo ruído do bar, bolas de bilhar, risadas e rock and roll antigo, ele deixou o ar sair pesadamente pelo nariz. “Tem razão. Você foi muito clara. Eu peço desculpas por ter saído da linha. De agora em diante, só quebro a cara de alguém se tiver que interromper uma briga... ou se você me pedir”. Lexi mordeu o lábio, surpresa com a sinceridade dessas palavras. Ela abriu a boca, sem saber o que dizer, apesar de sentir que deveria falar alguma coisa, mas Duke a interrompeu. Isso a fez parar. Eles haviam conversado várias vezes sobre Duke ensiná-la a escalar, mas ela sempre pensou que era como aqueles tipos de desculpa, “claro, claro, vamos fazer isso mesmo”, que as pessoas davam quando não queriam realmente fazer alguma coisa. “Isso não é algum tipo de estratégia para me fazer sair com você, como num encontro?” Normalmente, Lexi não contaria uma escalada como um encontro, mas considerando a reação que ela tinha toda vez que olhava a foto na parede do escritório de Duke, imaginou que era uma pergunta justa. Duke arregalou os olhos e deixou cair o queixo. A expressão de choque ficava adorável nele.


“Não! Eu só... você disse que queria aprender. Mas se não quiser, vou compensar de outra forma. Você pode sair mais cedo hoje e eu limpo ou... outra coisa”. Ela deu leves batidinhas no seu volumoso bíceps. “Relaxa, chefe. Eu escolho escalar na tarde da próxima terça-feira”. *** Escalar com Lexi foi uma péssima ideia. Duke segurou outro gemido quando ela apoiou seu corpo no dele, quente e forte e com um suave perfume de coco e suor. Ele havia tentado instruí-la apenas do chão, ensinando-a onde colocar os pés, quais ganchos escolher, mas não se saiu muito bem. Durante os primeiros trinta minutos, ela havia conseguido subir apenas alguns metros antes de cair. Pelo menos, ela não tinha medo de cair. Confiava nos arreios e no freio auto-blocante. Apenas não tinha aprendido ainda o ritmo da escalada, como agarrar nos ganchos e subir, agarrar e subir. Seu corpo não estava acostumado ao movimento. Por fim, ele desistiu de assistir (como se ver aquela bunda na legging preta e justa não fosse tortura suficiente) e subiu para instruí-la com as próprias mãos. Agora, ele estava condenado a calcular desesperadamente tabuadas em sua mente para afastar a sensação do corpo de Lexi contra o seu. Apesar disso, ele ainda podia sentir sua meia ereção. Ambos estavam apenas fingindo que não percebiam. “Certo, agora, veja se sua pegada está bem firme e mova sua perna


direita para aquela cavilha azul”. “Pé direito, azul, entendi. Como alguma forma sádica de Twister para adultos”. Lexi deu um risinho, mas a imagem que suas palavras invocaram quase forçou Duke a falar um palavrão bem alto. Ela estava tentando matálo? Ele estava falando sério quando disse que a oferta era estritamente platônica, uma bandeira branca da paz para compensar seu péssimo comportamento de macho alfa nas últimas semanas. Lexi nunca deu a ele qualquer esperança. Na verdade, ela havia feito apenas o oposto. O fato de Duke odiar a ideia de qualquer outro homem tocando-a era problema dele e não tinha o direito de torná-lo problema dela. Mas ele não havia pensado a fundo o que frequentemente acontecia ao ensinar outra pessoa algo tão corporal como escalada. Para mostrá-la onde era melhor colocar suas mãos e pés, ele teve que subir atrás dela. Seus corpos passaram a maior parte dos últimos quarenta e cinco minutos pressionados juntos dos ombros até as virilhas. “Ha! Consegui!” O grito triunfante de Lexi felizmente desviou a atenção dele da sensação da bunda dela alisando a sua ereção. Olhando para cima, ele viu que estavam quase no topo da parede. Ambos estavam encharcados de suor. Não que essa fosse uma subida particularmente difícil para ele, mas estar tão perto de Lexi fazia seu sangue ferver, como sempre.


“Ótimo! Agora... hummm. Vamos ver. Por que não tenta a mão esquerda, no amarelo?” “Qual amarelo?” Ela riu. “Ah! Certo, entendi”. Seria mais fácil se ela fosse a vadia rica que ele havia pensado que ela era quando a viu pela primeira vez no Shotguns. Então, poderia classificá-la como uma transa gostosa e seguir em frente. Não que ela não fosse gostosa. Ela era a mais gostosa de todas, na verdade. Duke nunca havia ficado tão excitado por uma mulher antes. Ele também nunca havia tido fantasias sobre amarrar, mas ver os pulsos dela presos pela corda de escalada... bem, bastou para ele mudar de ideia. Duke quase perfurou a parede com o corpo de Lexi. Logo depois, ele ficou um pouco horrorizado consigo mesmo. Nunca havia feito nada assim antes em sua vida. Ele queria fazer de novo. Mas com Lexi não havia uma segunda vez. E ele não queria fazer isso com ninguém mais. Enquanto ele ajudava-a a subir pelos últimos poucos metros da parede, tentou voltar à razão. Compreendia a relutância dela. Eles conversaram durante as pausas no trabalho, enquanto limpavam o bar, e ela havia lhe contado um pouco sobre sua mãe e padastro. Pessoalmente, Duke achou que ela estava levando a coisa de “recusome a pertencer a qualquer pessoa” um pouco longe demais, mas ele podia entender o fato dela querer permanecer solteira, pelo menos até o fim da faculdade (ela tinha mais um semestre), conseguir um emprego, e poder se


sustentar sozinha. Ele até a respeitava por essa atitude. Mas isso não significava que tinha que gostar. Após uma ou duas tentativas de convencê-la sobre a insensatez de tudo com argumentos e lógica, ele havia desistido. Servia apenas para aborrecê-la. Apesar de Duke achar que era excitante ver Lexi chateada, ele não gostava quando ela estava sinceramente irritada com ele. Ao invés, ele começou a provocá-la, pedindo outra chance. Isso funcionava muito melhor. Apesar de nunca ter aceitado nenhum de seus pedidos, ela o provocava de volta. As coisas estavam indo bem, ele pensava. Até ele estragar tudo com seu ciúme. A primeira vez, com Luca, ele havia agido sem pensar. Ao ver a expressão tensa no rosto dela, seus lábios normalmente carnudos franzidos, ele soube que havia estragado tudo. Achou que ela iria explodir, mas não. Não até a noite do domingo, quando ela o repreendeu por tratá-la como sua propriedade. Duke queria atribuir isso ao estrese. As contas estavam se acumulando e ele ficava acordado até tarde após o fechamento do bar, tentando encontrar maneiras de cortar os custos e conseguir aumentar a renda. O Shotguns tinha um fluxo consistente de clientes, mas a maioria dos pedidos eram por cerveja e bebidas baratas. Ele ganhava apenas o bastante para cobrir as despesas básicas e pagar a hipoteca de sua pequena casa de campo nos arredores da cidade. Ou costumava conseguir pagar por isso.


Ele deveria ter chamado a polícia para prender Barb. Ainda não tinha certeza de quanto ela havia roubado nos últimos dois anos em que trabalhou lá, mas imaginava que tinha que ser algo na casa dos milhares. Talvez, dezenas de milhares. Foi um vazamento lento, gradual, fazendo-o pensar que os negócios estavam caindo. Ele havia atrasado os pagamentos para seus fornecedores e os da hipoteca, e tivera que fazer empréstimos. Livrar-se de Barb ajudou, mas parecia que o dano já havia sido feito. “Meu Deus! Isso foi incrível!” Duke não conteve o riso ao ouvir o grito quase sem fôlego que Lexi deu quando chegou ao topo da parede. Ele subiu ao lado dela, grato pela distração. “Eu disse que você ia adorar.” Lexi encostou o ombro nu no dele, ainda respirando de maneira um pouco irregular. “Sim, sim. Não deixe que isso suba à sua cabeça, chefe. Você ainda é um otário, na maior parte do tempo”. “Cuidado. Não esqueça que eu conheço dezessete maneiras de matar um homem com meu polegar”. Ele beliscou a coxa dela com força. Ela esfregou o local, mas revirou os olhos por causa da piada sem graça. “Estou tão assustada”. Lexi deu um grito que fez um dos treinadores olhar para os dois com um ar de reprovação quando ele tomou um impulso e pulou, como se fosse derrubá-la do topo da parede. Mas ouvi-la rir e ameaçar esfaqueá-lo com a faca de frutas qualquer noite, quando ele menos esperasse, fez tudo valer a


pena. Talvez, levá-la para escalar não tenha sido uma ideia tão ruim, afinal. De toda forma, ela o havia perdoado por ser um “Neandertal completo” e certamente, com ambos unindo forças e trabalhando pra valer no Shotguns, os negócios tinham que melhorar. Mas esse sentimento não durou nem dois dias. O movimento estava lento até para uma noite de quinta-feira, então, ele deixou Lexi atendendo o punhado de clientes enquanto se afundava novamente em montanhas de papelada no seu escritório, para tentar descobrir como sair daquela bagunça. A dor de cabeça latejava atrás de seu olho esquerdo enquanto ele olhava para as colunas de números, até se tornarem embaçados e ondulantes. “Ei, você não pode simplesmente ir entrando aí!” A voz indignada de Lexi já era familiar para Duke após quase três meses trabalhando juntos, mas geralmente se dirigia a ele. Ele olhou para cima enquanto a porta do seu escritório era aberta com força. Ao ver seu contador, Marcus, ele suspirou e apertou o osso do nariz. “Desculpe, chefe. Tentei dizer a este idiota que você está ocupado, mas aparentemente ele é muito importante”. Ela estava com as mãos no quadril e revirou os olhos quando encontrou seu olhar. Duke sentiu uma vontade imensa de aninhá-la em seus braços e cobri-la de beijos. Sabendo que isso seria muito inadequado, Duke preferiu balançar a


cabeça e sorrir para ela. Ele ia pedir que lhes trouxesse uma bebida, o que provavelmente provocaria uma resposta sarcástica, mas ele gostava dessas reações vindas de Lexi. Antes que pudesse abrir a boca, Marcus deixou-se cair na cadeira meio bamba que Lexi colocou na frente da mesa de Duke, para que pudesse atormentá-lo enquanto ele fizesse seu pedido. “Você tem ignorado minhas ligações, Duke. Não pode fazer este problema desaparecer apenas fingindo que não existe”. Marcus era um velho amigo, mas no momento Duke queria dar um soco na sua cara estreita. Aproveitando a deixa, Lexi cruzou os braços e franziu o cenho para ele. “Que problema?” “Eu não vou discutir —” Lexi interrompeu Marcus com uma mão. “Não estou falando com você, amiguinho”. Duke não pôde conter o riso diante da expressão de Marcus. Mas ele parou de rir um segundo depois, quando Lexi voltou os olhos azuis para ele, apertando-os. “Problema?” Ele apoiou a testa nas mãos e pressionou os olhos cansados. “Pode dizer a ela, Marc”. Após um agudo momento de silêncio, em que era possível notar que ele não estava bem certo sobre o que faria a seguir, Marcus descreveu a situação financeira na qual Duke se encontrava. Ele praticamente soletrou


tudo, para que ficasse bem claro. Devia achar que Lexi era estúpida. Ou Duke. Provavelmente, Duke. Ela não falou nada o tempo todo. Quando Marcus terminou, Lexi deu passos pesados através da sala, fechou seu pequeno punho e o socou no ombro. Com força. Ele havia esperado isso, mas ainda assim, doeu. “Idiota”. Marcus esboçou uma risada, mas Duke apenas esfregou o ombro dolorido. “Você não tem alguns clientes para servir?” Sabia que estava rosnando, mas estava cansado e sua cabeça doía. “Só mais dois meses. Você ia me contar ou apenas me deixar aparecer para trabalhar um dia e encontrar um anúncio de ESTAMOS FECHANDO na porta?” “Lex…” Ela sibilou para ele. “Não. Não quero falar com você agora. Você!” Ela apontou uma unha bem feita para Marcus. “Mostre-me tudo”. Marcus abriu a boca, obviamente, para protestar. Duke deu um suspiro. “Mostre o que ela quiser, Marc. Ela não vai se calar até que consiga”. “Ah, foda-se, chefe”. “Quando quiser, Loirinha”, ele respondeu, com um meio sorriso. *** Lexi havia se metido numa grande confusão. Ela esfregou seus olhos cansados e tentou pensar numa saída. Era tudo o que ela tinha feito na


maior parte das últimas duas semanas. Dane-se ele. Dane-se ele e sua estúpida testa franzida e atitude grosseira e carranca sexy e lábios esculturais. Dane-se a maneira divertida como resmunga, seu sorriso torto e suas mãos grandes e habilidosas. Danese por se desculpar quando estava errado e admitir seu mau comportamento e por fazer um esforço para consertá-lo. Dane-se por ensiná-la a escalar com paciência e por se conter, quando podia ter tentado tirar alguma vantagem. Dane-se por fazê-la rir e por deixá-la com raiva e por fazê-la se importar e por fazê-la querer ter alguém que pertença apenas a ela... e por fazê-la querer pertencer a ele. Mais do que tudo, dane-se, Duke, por fazê-la querer pertencer a ele. E dane-se Marcus, o contador magricela também, a propósito. Não estava sendo fácil manter as mãos longe de Duke, manter o relacionamento deles solidamente na categoria “chefe/funcionária que também são amigos (e fizeram sexo aquela única vez)”, mas ela estava conseguindo. E então, Marcus invade o escritório de Duke e conta tudo sobre o destino do bar. Agora... Agora, ela estava gastando todo o seu tempo livre no computador, fazendo ligações, pesquisas e até atormentando seus professores. Tentando descobrir uma maneira de salvar o Shotguns. E apesar do que dizia a si mesma, não era para manter um bom emprego. Ela sabia que Duke era perigoso. Não só por ser alto e musculoso, podendo subjugá-la fisicamente se quisesse. Não, com esse perigo ela não


tinha que se preocupar vindo dele. Ele era um tipo de perigo totalmente diferente. Um que ela vinha tentando evitar desde que começou a descobrir os garotos. “Muito bem, Alexis”, ela murmurou para o teto de seu quarto. Sua voz cansada soou feérica, como a da sua mãe, e ela estremeceu. Esticando os braços acima da cabeça, ela virou-se abraçando os travesseiros e escaneou sua pilha de papéis. Ali estava, em preto e branco na sua frente... a solução para seus problemas. Para os dois, se ela quisesse. Essa era a pergunta de um milhão de dólares. Ou de 250 mil dólares, tecnicamente. De toda forma, foi assim que ela formulou isso na tarde seguinte, de pé na frente de Duke. Talvez fosse melhor ter esperado até conseguir dormir uma noite inteira antes disso, porque ele olhou para ela como se estivesse falando em Swahili ou coisa assim. “O quê?” “Estou pedindo demissão”. Duke olhou para as duas pilhas de papéis muito bem organizados que ela havia posto sobre sua mesa um minuto atrás e depois voltou ao rosto dela. Suas sobrancelhas grossas se aproximaram e a expressão franzida apareceu no seu rosto, fazendo o coração de Lexi dar um pulo. Ela se forçou a permanecer séria e não se deixar afetar diante da expressão de raiva e confusão dele. “E o que são estas pilhas de papéis?”


O rosnado baixo da sua voz acariciou sua coluna como um dedo aveludado, instantaneamente endurecendo seus mamilos. “São exatamente o que falei que eram. Planos de negócios”. Ela deu uma batidinha na pilha da esquerda com o dedo. “Este aqui mostra o que você precisa fazer se quiser manter o bar aberto e eventualmente transformá-lo num negócio lucrativo novamente”. Ele se recostou na cadeira e cruzou os braços sobre o peito largo. Tirando o fato de estar sentado ao invés de em pé atrás do balcão, sua postura era idêntica ao dia em que ela entrou no bar pela primeira vez. Isso pareceu adequado. “E o outro?” Lexi engoliu em seco, porque aqui ela deu um passo maior do que as pernas. Bem, não custa tentar, ela pensou. Realmente, tudo isso era um enorme passo, bem maior que suas pernas... “É o que você precisa fazer se quiser esvaziar o lugar e transformá-lo numa academia de escalada ultra-moderna”. Duke ficou apenas olhando para ela por baixo de suas espessas sobrancelhas negras. Ela encolheu-se e desviou o olhar, voltando-se para a foto em que ele escalava uma montanha que ficava no Arizona, como ela agora sabia. “Tentei pensar numa maneira de combinar os dois, sabe? Talvez um bar onde as pessoas pudessem escalar também? Mas... não funcionaria. Só o seguro já seria caro demais. Tinha que ser ou um ou outro. Não pude


decidir, então, imaginei que... bem, o bar é seu, você é quem deve decidir. “Não será mais meu. Não se eu aceitar seu conselho”. Ela ficou surpresa com a calma dele. Sinceramente, achou que ele explodiria assim que ela apresentasse seu plano. Ou pelo menos argumentasse sobre o dinheiro. Afinal, ele sabia como ela se sentia sobre a sua poupança. “Ainda seria seu bar. Eu faria apenas um empréstimo. Você me pagaria de volta. Os termos estão todos aí”. Lexi sentiu o calor surgir na sua garganta. Ela precisava terminar a conversa e dar o fora. O plano era esse. Deixar a papelada, dizer a ele que se demitia e sair. Ela sabia que não era legal abandoná-lo em meio à crise, mas era quinta-feira. Quintas-feiras tinham menos movimento. Seu coração batia forte no peito enquanto ele franzia o cenho para ela. Queria atravessar por sobre a mesa e subir no colo dele, mas ao invés, fechou os punhos com força e endireitou os ombros. “E é por isso que acho que não deveria mais trabalhar aqui. De toda forma, ficaria um clima... estranho”. Sim, seria muito estranho se ela continuasse trabalhando com ele e fingindo que não estava apaixonando-se ridiculamente por aquele idiota teimoso. “E se eu decidir não aceitar seu conselho? Se eu decidir fechar? Você continuaria a trabalhar aqui até o último dia?” As palavras dele eram calmas, mas atingiram Lexi como um soco no


estômago. “Eu... o quê? Não! Você... não seja burro, Duke! Aceite o dinheiro!” A raiva e irritação eram sentimentos familiares e quentes. Ela apoiou os punhos fechados no quadril e olhou fixamente para ele. Duke afastou os dois planos de negócios para longe e empurrou a cadeira para trás, para se levantar. Ele apoiou os punhos na mesa e inclinou-se, conseguindo elevarse acima dela apesar do meio metro de distância entre eles. “Ah, garanto a você, Loirinha, eu realmente não preciso do seu maldito dinheiro!” “Você é um idiota teimoso! Recusaria o empréstimo de uma amiga apenas para... o quê? Salvar seu maldito orgulho?” Ele empurrou a cadeira com força, fazendo-a bater no arquivo com um barulho alto. Lexi vacilou, mas sem recuar. As narinas de Duke se inflamaram ao empurrar a pesada mesa para um lado, exibindo músculos massivos, e agarrou-a pelos ombros. Lexi engasgou ao sentir as mãos quentes e ásperas em sua pele. “Uma amiga? É isso que você é, Lex? Minha amiga?” Ele falou rispidamente, seu hálito com cheiro de canela — de mastigar seu chiclete favorito, Big Red, e ela odiava e adorava saber isso sobre ele — tocando suavemente suas bochechas. Incapaz de resistir ao convidativo calor do seu corpo tão próximo ao dela, as mãos de Lexi se levantaram e se torceram na frente da camiseta dele. “Sim”, ela resmungou, agarrando-se desesperadamente a essa


palavra. Amiga. Amigos passavam tempo juntos e faziam um ao outro rir e queriam o melhor um para o outro e ofereciam ajuda quando um dos dois precisava. Amigos podiam até mesmo fazer sexo mais de uma vez e ainda serem apenas amigos. Ela podia fazer isso. Amizade era solo seguro. “Besteira. Não faço isto com meus amigos”. E então, ele a beijou, e Lexi o beijou de volta, sentindo-se em chamas de tanto desejo. Ela achou que se lembrava de como os beijos de Duke eram inebriantes e intensos, mas estava errada. Os lábios dele eram acetinados, mas muito fortes ao se moverem contra os dela, e sua língua era como uma doce flama dentro de sua boca. As mãos ágeis dele retiraram sua blusa e sutiã. Um segundo depois, o zíper da saia dela foi aberto e ele se ajoelhou, levantando o tecido acetinado. Lexi arquejou, suas mãos em seus ombros largos enquanto ele despia sua calcinha, botas e meias... deixando-a completamente nua no meio do escritório dele. Duke deu beijos ardentes na parte interna das coxas e na barriga dela, acariciando a pele macia por trás dos joelhos de Lexi enquanto afastava as pernas dela. Quando a boca dele atingiu o centro de sua intimidade, Lexi gritou e enterrou os dedos no cabelo dele. Ele a devorou, beijando-a com cada gota da paixão habilidosa que costumava demonstrar em sua boca.


Os joelhos de Lexi se dobraram com força. Ela teria afundado no chão se não fossem as mãos fortes de Duke segurando-a. “Duke!” Ele levantou os olhos para ela, um sorriso malvado em seus olhos cor de café. Ela riu sem fôlego. “Eu... também não faço isso com meus amigos”. O consentimento dela pareceu acender algo dentro de Duke. Ele foi subindo pelo corpo dela, salpicando beijos na barriga, seios e pescoço, até chegar na boca. Ela agarrou a camiseta dele, desejando sentir sua pele. Toda a pele, desta vez. Duke ajudou-a, afastando-se um pouco para retirar a camisa por cima da cabeça. Lexi o empurrou contra a mesa, passando as mãos sobre cada centímetro de seus ombros, costas e peito. Apertou-se contra sua pele quente e se esfregou como um gato. O leve roçar de pelos ásperos e negros em seus mamilos provocou as sensíveis pontas dos seus seios, fazendo-a perder o fôlego. “Meu Deus, Lexi!” As mãos de Duke se afundaram nos cabelos dela, puxando sua cabeça para trás, para começar outro beijo molhado e intenso. Ela gemeu, tateando desajeitadamente a fivela do cinto dele. Quando a fivela se abriu com um ruído abafado, ela arrancou o cinto, jogando-o a esmo pelo cômodo. Ela parou um momento para apalpar todo o comprimento do seu pênis duro pelo jeans macio antes de abrir o zíper e chegar ao interior da


calça. Ambos deram um gemido rouco. Ela curvou seus dedos ao redor dele e começou a acariciá-lo. Da última vez, Duke foi ardente e incrível, mas rápido demais. E Lexi estava amarrada. Não teve a chance de explorar. Na ocasião, ela não havia se importado. Mas agora sim. Ela se importava, e muito. Com tudo. Duke conseguiu retirar as botas sem as mãos, sem largar sua boca. Ela ouviu-as bater no chão enquanto ele as chutava para longe. Desesperada para tê-lo nu, ela interrompeu o beijo para tirar as calças dele. Ele levantou o quadril gentilmente, realçando o delicioso V de seu abdome esculpido de deus grego. Lexi mordeu o lábio e gemeu. Ajoelhandose, puxou a calça jeans dele de forma rude, tirando as meias junto. Era a vez dela de mordiscar e lamber as coxas dele e a junção entre a perna e o quadril. Ela passou a língua demoradamente por aqueles hipnotizantes sulcos, levantando o olhar para os olhos negros e brilhantes dele enquanto sua mão massageava seu membro com movimentos longos e apertados. “Lexi, gata… por favor”. Lexi lambeu um dos lados do membro dele. Duke jogou a cabeça para trás e deu um grito de prazer enquanto a sentia percorrer seu membro. Lexi teria permanecido ali com prazer, sugando e lambendo até vê-lo gozar em sua língua, mas Duke puxou os ombros dela com força,


apressando-a para que ficasse de pé. “Espere, minha gatinha, espere. Venha aqui”. Ele a pegou ao redor da cintura e levantou-a até seus lábios, pressionando-a ao longo do seu corpo inteiro, nu. Seu membro pulsava, quente e duro contra a pele dela, enquanto a beijava. Ele acariciou os lados da sua barriga e agarrou seus seios com as palmas das mãos para provocar seus mamilos por um momento antes de deslizar suas palmas ásperas para cima, e segurar seu rosto. Recuando a cabeça apenas para olhar nos olhos de Lexi, ele roçou seu nariz levemente torto no dela. “Quero estar dentro de você de novo, Lex.” As palavras despertaram uma espiral de prazer tão vívida através do seu corpo que fez Lexi estremecer, arrepios correndo por toda a sua pele. “Oh, meu Deus. Sim!” Ela empurrou os ombros dele, fazendo-o recuar. Compreendendo, Duke passou o braço sobre a mesa atrás dele, derrubando todos os papéis – incluindo os minuciosos planos de negócios dela – que flutuaram até o chão. Parecia que um tornado havia passado pelo escritório, mas Lexi nem ligou. No momento, ela só se importava com Duke. Ele se levantou sobre a mesa numa manobra que tensionou seus bíceps, peitoral e músculos da barriga, numa deliciosa exibição de força muscular. A boca de Lexi ficou cheia de água com essa visão e ela


estremeceu, sentindo a necessidade de tocá-lo novamente. Pôde realizar seu desejo um segundo depois, quando ele esticou a mão para ela. Lexi parou. Por um milésimo de segundo, ela não se mexeu. Contemplou a ideia de parar por aqui. Dar um passo para trás ao invés de para a frente. Vestir suas roupas e caminhar para fora do escritório e do bar,

mantendo

intacta

sua

promessa:

‘sem

repetições,

nem

relacionamentos’. Permanecendo segura. Duke franziu a testa. “Não seja covarde, Loirinha”. Ela levantou o queixo. “Foda-se, chefe”. Ele deu um sorriso luminoso e largo, de derreter o coração de tão maravilhoso. Se ela já não estivesse completamente apaixonada por ele, se apaixonaria agora. “É o que pensei que estávamos fazendo”. Ele a chamou com a mão. Lexi pegou na mão na dele e deixou-o levantá-la até o colo. Seu pênis deslizou contra a parte interna da coxa dela. Olhando-o profundamente nos olhos, ela envolveu sua masculinidade com a mão e guiou-o para dentro do seu corpo, movendo o quadril para deixá-lo penetrar completamente. A mão direita dela se enterrou no músculo do ombro dele enquanto ele a preenchia, a esticava. Ele retirou o cabelo do rosto dela, acariciou os longos músculos das suas costas e apertou a carne macia do seu bumbum. Seus lábios se


curvavam enquanto ele apertava suavemente. “Sabia que você era problema no primeiro instante que te vi”, ele disse, esfregando os lábios ao longo do queixo dela. Lexi abraçou o pescoço dele e começou a mover o quadril, levantando e deslizando para baixo num ritmo lento e ondulante, tão irresistível quanto o ir e vir da maré. Ela riu ao ouvir as palavras dele. “Cale a boca e me beije, seu imbecil”. Foi o que fez. Ele a beijou e apertou sua bunda com mais força, obrigando-a a cavalgá-lo. A madeira da mesa rangeu sob eles, oferecendo um contraponto quase musical ao som dos suspiros, gemidos e deslizar de suas peles. Ele a beijou e ela retribuiu, sentindo o prazer percorrê-la como uma onda, subindo, descendo e ondulando, apenas para se levantar e colapsar de novo. Ele a beijava enquanto chamava seu nome, tragando o som e então dando a ela seu próprio nome de volta, enquanto seu corpo estremecia e convulsionava dentro dela. Duke ainda a beijava quando ela se deitou entregue e ofegante contra seu peito suado. Ele beijou o cabelo dela e suas pálpebras e a ponta do seu nariz. Ele beijou os seios, queixo e lábios dela. Sua boca, várias vezes, até ficar inchada e dolorida, e ainda assim, ela não queria que ele parasse. Nunca mais. Sim, definitivamente, ela estava em apuros. Lexi riu quase sem fôlego contra a pele macia e quente do ombro


dele. “Acho que repetições não são tão ruins, afinal”. Ela beijou os lábios sorridentes de Duke e começou tudo de novo.


Uma irmã no Oeste Sibyl Corrigan olhou ao seu redor na estação de trem da cidade de Green River, no Estado de Wyoming. No que ela estava pensando, vindo até aqui? Este lugar era sombrio e pequeno, e de acordo com as cartas de sua irmã Fanny, ela sabia que seu destino final, Marsh Creek, população de 107 — 108 incluindo ela, supunha — seria ainda pior. Como deixou Fanny convencê-la a fazer isso? Há um ano e meio, Fanny fez a mesma viagem através do continente para se casar com um homem que não conhecia, a não ser por carta. Todas as suas mensagens para a família transbordavam de elogios sobre Marsh Creek e seu belo marido cirurgião, Ben Stewart. E aqui estava Sibyl, noiva do irmão de Ben, Adam, com quem havia trocado cartas e de quem tinha uma vaga imagem, mas que ainda não conhecia. Fanny disse que ele era um homem maravilhoso, simpático, honesto e animado com a ideia de começar uma família. Essa ideia assustava Sibyl, mas ela teve que sair do apartamento em que vivia com sua família em Nova York. Após uma terrível briga com seu pai, ficar lá e dedicar sua vida inteira a cuidar dele e de suas três irmãs não era mais uma opção. Então, aqui estava ela. Uma relutante noiva, prestes a se casar. O trem partiu da estação, lançando fumaça e indo para o oeste, na direção de montanhas diferentes de tudo o que ela já tinha visto. Em suas cartas, Fanny contou que as montanhas eram como os altos prédios de


Nova York, mas Sibyl não concordava com isso. Ela queria desesperadamente voltar para casa, para o pequeno apartamento, em que se apertavam suas irmãs e seu pai. “Senhorita Corrigan?” O homem de pé na sua frente era um caubói típico. Ele usava botas, chapéu, calça jeans e uma camisa de botão. Surpresa, Sibyl olhou para ele, pigarreou e disse: “Sim”? O rosto do caubói se abriu num sorriso. Ele era bonito, como Fanny havia lhe dito. “Eu sou Adam. Adam Stewart. É muito bom conhecê-la!” Ele estirou a mão e Sibyl segurou-a, apertando-a levemente. “Você é a cara da sua irmã, cuspida e escarrada.” Sibyl sentiu as bochechas ruborizadas por causa do linguajar dele. “Obrigada”, falou. “Deixe-me ajudá-la com sua bagagem. Não trouxe muita coisa, não foi?” Ela não tinha muito para trazer. Diferente de Fanny, nunca havia se casado antes de vir para o oeste, nem tido sua própria casa. Sabia limpar e cozinhar, porque havia cuidado da casa do pai por anos, mas nada de lá era seu. Tudo que realmente possuía eram as roupas em sua mala, e a maioria eram peças que Fanny não queria mais. Adam pegou a mala e levou Sibyl até sua charrete. “Estava esperando por você, muito ansioso por conhecê-la. Não sei


por onde começar. Nem acredito que finalmente está aqui!” Sibyl sorriu, sem saber o que dizer. Como Fanny se comportou quando conheceu Ben? “Estou feliz por estar aqui”, mentiu. “Mas é tudo tão diferente. Nunca estive num lugar assim”. “Você vai se acostumar. Fanny gosta muito daqui agora. Ela também estava um pouco incomodada quando chegou”. Ele a ajudou a subir e ela se sentou recatadamente no assento, esperando que Adam se sentasse ao seu lado. Ele fez isso e imediatamente pôs os cavalos em marcha. Ela nunca havia estado num lugar tão tranquilo como este na vida. Nunca respirou um ar tão limpo e fresco. Cada aroma aqui se destacava de maneira notável, diferente de casa, onde os odores e sons eram todos confusamente percebidos como uma coisa só. Sua cabeça virou-se e ela percebeu que Adam estava falando com ela. “Desculpe, como disse?” “Eu disse que vamos passar a noite no hotel aqui na cidade, e então seguir para Marsh Creek de manhã”. “Ah”, Sibyl replicou, “isso parece ótimo”. Ela nunca havia estado num hotel antes. Achava que sabia tanto do mundo, vinda da cidade, mas, na verdade, a família dela não tinha muito dinheiro para fazer, bem… nada. A não ser trabalhar.


Adam lhe contou sobre a casa que havia construído há um ano, quando Fanny se mudou com Ben. “Eu morava com meu irmão há anos, mas sabia que não iam querer que eu ficasse no pé deles. Então, construí a casa nova”. Tinha apenas um quarto, porque queria terminar rápido, mas ele tinha algumas ideias sobre onde aumentar a casa quando viessem os filhos. Ao ouvir isso, o coração de Sibyl foi trespassado pelo medo. Ela nem havia dito sim ainda. Havia se mudado para lá, sim, e até agora gostava de Adam, mas ele estava falando sobre ter filhos como se fosse um negócio fechado. Ela o observava dirigir, curiosa sobre a maneira como se portava e falava. Pensar que, depois que se casassem, ele seria a última pessoa que ela veria antes de se deitar toda noite e a primeira que veria a cada manhã invadiu sua mente. Não estava pronta para isso. Estava tudo bem; Fanny disse a ela como, quando se mudou para cá, havia ficado na casa de uma vizinha até que ela e Ben decidiram que combinavam, afinal. Sibyl disse a si mesma que tudo daria certo. Eles estacionaram do lado de fora do pequeno hotel. Em seguida, Adam falou: “Só havia um quarto disponível, então eu meio que disse a eles que já éramos casados”. “Casados?” Dividindo o mesmo quarto? Ela olhou para ele, estupefata. Esse tipo de coisa era inadequada. Os ombros dele caíram bruscamente. “Posso dormir no chão, se você


quiser”. Não estava certo. Fanny havia alertado-a que as coisas eram um pouco relaxadas por aqui, mas isto… Adam deu um suspiro resignado. “Ou eu posso dormir no celeiro”. “Sim, acho que seria melhor. Quando verei Fanny?” “Ela e Ben se encontrarão conosco amanhã em Marsh Creek. Você parece cansada. Deixe-me levá-la até seu quarto”. Ele evitava o contato visual com ela, e o ar entre eles subitamente parecia tenso. “Sibyl não podia acreditar que Adam parecia frustrado com ela depois de propor que eles, indecentemente, dividissem o mesmo quarto. “Sim, acho que isso é melhor”, ela disse. Sozinha no quarto, Sibyl chorava. O que ela fez vindo até aqui? A viagem até Marsh Creek, no dia seguinte, foi longa, e Sibyl manteve os olhos nas paisagens pelas quais eles passavam. Adam tentou puxar assunto algumas vezes. Sibyl sabia que estava sendo desagradável, mas não podia afastar a sensação de que havia tomado a decisão errada. Mas que escolha ela tinha? Ir para casa, em Nova York, e enfrentar o pai? Ele havia chamado-a de tola e de muito pior por ela ter vindo até aqui, e chamado Fanny de tola também, apesar de ser óbvio que ela estava perdidamente apaixonada por Benjamin. Sibyl deu uma rápida olhada no homem ao seu lado, concentrado em dirigir a charrete. Poderia amá-lo um dia? Mesmo ele querendo passar uma


noite juntos fora do sagrado matrimônio? Ela suspeitava que não. Mas tinha que fazer dar certo. Não havia escolha. Após o que pareceu uma eternidade, eles chegaram à casa. Outra charrete estava estacionada na frente, e Fanny e Benjamin saíram para dar as boas-vindas a ela, um cão bege aos seus pés. Assim que a charrete parou, Sibyl desceu e correu para os braços da irmã. “Como foi sua viagem, Sibyl? Céus, qual é o problema?” Ela estremeceu ao ver Fanny vestida de maneira tão modesta. Tudo aquilo a abalava. Ela queria acordar daquele sonho ruim. Mas, ao invés, engoliu seu sofrimento. “Minha viagem foi boa, obrigada”. Fanny a apresentou a Benjamin, e apesar dela agir com gentileza, Sibyl podia sentir que Fanny sabia que algo estava errado, e parecia incomodada. Ben foi levar os cavalos com Adam, deixando as duas irmãs a sós. “Não posso fazer isso”, Sibyl falou, nervosa. “Do que está falando?” “Deste lugar. Não posso. Preciso ir para casa”. Fanny suspirou e conduziu-a com o braço ao redor dos ombros da irmã. Ela fez Sibyl sentar-se na mesa da sua própria cozinha. A casa não era grande, de jeito nenhum, mas o apartamento em que elas moravam em Nova York com o pai e três irmãs caberia em apenas um cômodo.


“Aqui é muito diferente. Há muito com o que se acostumar. Estou ao seu lado, Adam também. Ben e nossos amigos, os Warens, estão aqui para ajudar. Vai ficar tudo bem”. Sibyl manteve-se grudada na irmã até que Fanny e Benjamin partiram. Eles moravam a quase duas horas de distância da remota casa de fazenda. Quando foram embora, tudo ficou tão silencioso… então, um monstro gritou na escuridão. O cão cor de caramelo, Chance, nem levantou as orelhas ao ouvi-lo. “O que foi isso?” “Um coiote”, Adam respondeu, sem levantar o olhar. “Às vezes, ouvimos lobos. Às vezes, pumas. Esses gritam como uma mulher”. “Agora, você está tentando me assustar!” “Tudo parece assustar você.” Ele tentou fazê-la conhecer os cavalos. Não, obrigada. Uma vez, um desses animais pisou no pé de Sibyl. Ela sempre pensou que gostava de aventuras, mas agora percebia que não. Como estava enganada. “Quer que eu durma no celeiro novamente?” Sibyl sentiu que Adam nem mesmo estava tentando disfarçar seu desgosto. “A menos que exista outro quarto aqui na casa adequado para você”, Sibyl disse. Ele suspirou. “Prefiro dormir no celeiro”. “Bem, aproveite. Boa noite”.


Ele tocou na aba do chapéu para cumprimentá-la e saiu, acompanhado pelo seu cão. Agora, o silêncio ao seu redor era completo. Ele seria seu marido. Ela não tinha outra opção. Imaginou a expressão do seu pai se aparecesse novamente na porta de casa. Kelsey teria que voltar para o quarto de Abigail. Elas tinham se acostumado com sua ausência. A casa estalava de tão nova, com cheiro de pinheiro recémderrubado. Era uma boa casa, ela tinha que admitir. Se não se casasse com Adam, não poderia viver aqui. Quando haviam trocado cartas, o acordo era que o casamento seria em breve. Parecia como uma sentença de prisão agora que o havia conhecido. E não era culpa dele. Sabia bem que o problema era ela. Mas não importa de quem era a culpa, ela não queria se casar com ele. Sibyl se preparou para dormir. Ela não tinha que apressar nada. O quarto, no andar de cima, tinha uma cama enorme, com um colchão de plumas e colchas quentinhas sobre ela. Ela deveria compartilhar esta cama com Adam. As colunas da cama eram entalhadas e polidas, macias ao toque. Ela fechou bem a porta, subitamente preocupada com a possibilidade de um invasor entrar. Ou um dos coiotes lá de fora. Outro barulho rompeu a noite, e mesmo que Adam não estivesse lá para dizer a ela, sabia que era um lobo, desta vez. Um uivo mais profundo, caçando. Ela subiu na cama, onde não conseguiu dormir.


Ela não queria passar mais uma noite sozinha na casa, mas não queria se casar com Adam. Fanny. Ela faria Fanny vir vê-la. A irmã poderia ficar por alguns dias, apenas até Sibyl se acomodar. Sibyl caiu num sono um tanto perturbado. Adam subiu na cama ao seu lado. Ela o acolhia com prazer. Beijava-o, até. Ele passava as mãos pelo seu corpo. Deus do céu, zera maravilhoso. Ela não ligava se não eram casados, queria apenas estar perto dele… Então, acordou num quarto escuro, sentindo-se envergonhada e ruborizada. No café da manhã, na manhã seguinte, ela temia que ele pudesse saber, ao olhar para seu rosto, que havia sonhado com ele. Adam não pareceu notar e, depois do café, ele e o cão, sua fiel sombra, seguiram para o celeiro. Sempre uma boa irmã, Fanny veio visitála por alguns dias e, no meio da tarde, Sibyl parou para analisá-la. Ela parecia cansada. Suas mãos brincavam pela sua barriga. Parecia mais pesada. “Meu Deus, Fanny, você está grávida?” Fanny assentiu com a cabeça. “Ben acha que terei o bebê em novembro”. Agora, Sibyl se sentia ainda pior, afastando esta futura mãe de sua casa. Mas ter alguém na cama à noite com quem dormir fazia um mundo de diferença. Após o terceiro dia, Fanny encurralou Sibyl na cozinha. “Você precisa falar com ele”.


“Eu falo com ele!” Sibyl era uma excelente cozinheira e tinha muito talento para as tarefas domésticas. Ela garantia uma boa alimentação a Adam e consertou todas as roupas que ele tinha. A nova casa estava impecável e seu toque feminino tornou-a confortável. “Não fala. Você o mantém a distância”. “Eu o conheço há quatro dias”. “Você já conversou de verdade com ele?” “É claro.” “Qual a cor favorita de Adam?” “Azul.” Ela não fazia ideia. Muitas de suas camisas eram azuis, então parecia ser um bom palpite. “Você está tentando adivinhar.” “Não falamos sobre cores.” “Ele a beijou?” “Não!” “Abraçou você?” “Claro que não.” “Tente. Você sabe que ele vai conduzir o gado esta noite”. “Vai fazer o quê?” Ela sabia que ele ia para algum lugar, é claro. No começo, Adam havia se desculpado por se ausentar tão cedo após sua chegada. Agora, estava certa de que ele queria apenas ficar longe dela. Fanny deixou escapar um grito exasperado. “Vá. Agora. Falar com ele. Aprenda o que é conduzir o gado. Ouça-o”.


“Eu não quero incomodá-lo.” “Ouça,” Fanny disse, “ou você dá uma chance a ele ou vai para casa. São as suas duas únicas opções.” Sibyl abriu a boca. Fechou-a novamente. Como uma adolescente que levou uma bronca, dirigiu-se ao celeiro. Adam estava sentado num banco de três pernas em uma das baias, lixando o casco de um cavalo. Ela entrou, sem saber direito o que dizer. Mas foi Adam quem falou primeiro, e quando ele fez isso, acendeu a raiva dentro dela. “Você vai voltar para Nova York?” A voz dele era gentil, mas firme. “Não,” ela falou, rapidamente. “Por que não?” A pergunta a pegou desprevenida, mas ela tinha uma resposta pronta. “Temos um acordo”. Adam riu. “Minha casa está limpa e estou bem alimentado, mas ainda sinto como se não a conhecesse”. Ele parou. “Espero que não a tenha conhecido”. “O que isso quer dizer?” “Quer dizer que você é defensiva e distante. Fanny me diz que há uma moça amável por baixo disso tudo, mas estou começando a não acreditar nela. Construí esta casa para que vivêssemos juntos. Estou cansado de dormir no celeiro”. “Não vim aqui brigar”, Sibyl disse. “Vim para ouvi-lo falar sobre a


viagem para conduzir o gado”. Adam recitou algumas estatísticas chatas sobre quantos homens, quantos cavalos e quantas cabeças de gado e quantos quilômetros. Ele se levantou de seu banco e então atravessou o recinto até chegar a ela. Sibyl deu um passo tímido para trás. Seu pai nunca havia permitido pretendentes, e ela nunca havia estado tão perto de um homem antes, pelo menos, não desacompanhada. “Veja, Sibyl, vou sair hoje à noite. Quando voltar, de um jeito ou de outro, vou dormir na minha cama”. “O que isso quer dizer?” “Quer dizer que vamos nos casar, o que parece cada vez mais improvável, ou que você pode ficar com Fanny e Ben até que compremos sua passagem de volta para Nova York”. Ela sentiu essas palavras como um tapa. Mas elas não a prepararam para o que veio em seguida. Adam a tomou nos braços e a beijou na boca. Ela congelou, sem saber o que fazer, como agir, ou como responder. Lembrou-se do seu sonho, mas não pôde responder como ela fazia enquanto dormia. Ele terminou, balançou a cabeça tristemente, e saiu do celeiro. Ela quase gostou. Se não tivesse sido tão súbito. Se ele não parecesse tão bravo com ela. Agora, ela estava sozinha com três cavalos, que pareciam observá-la, julgando-a. Pouco depois, Adam partiu para conduzir o gado, e Sibyl ficou sozinha na casa pelas próximas três semanas.


***** Nos dias seguintes, os sons noturnos pararam de incomodar Sibyl. Os uivos dos lobos e coiotes começaram a parecer música, e eles a faziam adormecer. Ela não sentia mais falta da agitação de Nova York. O único som que ainda a aborrecia era o dos pumas. Eles não vinham com frequência, mas quando estavam por perto, Sibyl parecia ouvir uma mulher gritando, uma mulher sendo brutalmente assassinada lá fora, na floresta. Quando ouvia isso, puxava as cobertas sobre a cabeça e tapava os ouvidos com as mãos com força. Nesses momentos, daria qualquer coisa pelo barulho do seu pai roncando e das charretes crepitando pelas ruas a qualquer hora. Estivadores bêbados gritando um para o outro. Qualquer coisa para abafar aqueles sons terríveis. Fanny e Ben vinham visitar de vez em quando, mas eram frios com ela. Até Fanny… Sibyl achava que Fanny era uma terrível traidora, ficando do lado de Ben e do irmão ao invés do de sua própria carne e sangue. Não importava. Sibyl mantinha a casa arrumada e assegurava que estava sempre impecável. Comprou alguns tecidos na loja e estava costurando seus próprios vestidos. Também começou a fazer uma colcha para o bebê de Fanny. Quando se mantinha ocupada, podia fingir que não estava dolorosamente solitária. Sua mente focava na lembrança de Adam sugerindo que eles dividiriam o quarto. Seu beijo no celeiro. Não era certo. Não foi assim que o pai dela a criou. Foi assim que Ben cortejou Fanny?


Sibyl esperava firmemente que não. Uma noite, tudo mudou, quando Ben entrou a todo galope no pátio da casa, parando o cavalo ruidosamente do lado de fora da varanda. Sibyl ouviu o barulho e foi até a janela a tempo de vê-lo saltar do cavalo. Algo errado com Fanny. Com o bebê. O coração de Sibyl afundou no peito. Ela não queria deixá-lo entrar, não queria tornar isso verdade. Mas não precisou, pois o próprio Ben se encarregou de entrar na casa. “Sibyl!” ele gritou. Ela correu para o hall, onde ele estava de pé. Sim, pela expressão no rosto dele, ela tinha certeza de que algo terrível havia acontecido. “É Adam.” Adam. Nunca, em um milhão de anos, ela esperava por isso. O alívio tomou conta dela — Fanny estava bem. “O que houve?” “Ele quebrou a perna e seu estado é grave. Está a caminho, de volta para cá. Ele não está bem. Não sei se ficará bem. O osso rasgou a pele e infeccionou. Ele pode perder a perna”. Sibyl não disse nada. Raiva, como ela nunca havia visto antes, irrompeu de dentro de Ben. “Droga, mulher. Ou você estará aqui para ajudá-lo, ou vou colocá-la no próximo trem na direção do leste. Sofro ao ver que você está morando na casa do meu irmão, comendo a comida dele e não pode lhe dedicar nem um pouco de tempo. Você vai cuidar dele ou eu mesmo a colocarei para fora,


não importa o quanto eu ame a sua irmã. Parece que você puxou ao seu pai”. Com isso, Ben partiu, cavalgando no crepúsculo, tão rápido quanto havia chegado. Você puxou ao seu pai. Essas palavras a machucaram. O pai dela era um homem grosseiro, com um temperamento violento. Ele raramente descontava em suas filhas, mas ela conhecia a ira de sua língua e de sua cinta mais do que se importava admitir. Não queria ser como ele. Não queria que as pessoas pensassem isso dela. E o que a magoava mais era que isso deveria ter vindo de Fanny. Sibyl apagou as luzes e subiu as escadas até seu quarto, para deitarse na grande cama. Adam, um inválido. Ele não poderia subir as escadas. Ela havia se esquecido de perguntar qualquer coisa, quando ele chegaria, do que precisaria para cuidar dele. Ben saberia dizer. E poderia ajudá-la a descer a cama para a sala. Ela havia cuidado de suas irmãs enquanto se curavam de várias doenças. Água quente. Toalhas limpas. Se a perna estava quebrada, já devia ter sido posta no lugar a esta altura, e isso era mais o departamento de Ben do que o dela. Assim que ela chegou em Marsh Creek, Adam se ofereceu para ensiná-la a cavalgar. Sibyl recusou. Agora, isso significava que ela estava presa na casa até que alguém viesse buscá-la, a menos que caminhasse os


quilômetros que a separavam da cidade. Adam contratou um garoto que vinha cuidar dos cavalos — certamente, ele a ajudaria. Poderia ela descobrir como montar num cavalo e chegar até Fanny e Ben? Ela se repreendeu por não prestar mais atenção, por se colocar nessa situação. Adam era um caubói e passava muito tempo fora, e era muito tolo ficar presa aqui, completamente sozinha. Na manhã seguinte, ela foi ao celeiro. Restavam três dos cavalos. Ao vê-la entrar, eles piscaram para ela com seus largos olhos castanhos. Para sua surpresa, o garoto que Adam contratou não estava no celeiro; ao invés dele, uma garotinha de uns dez anos terminava de limpar a última baia com uma pá. Sibyl ficou surpresa ao vê-la. “O que está fazendo aqui? Onde está Billy?” “Billy teve que ajudar meu pai, então, me enviaram para cuidar dos cavalos. Eu me chamo Abigail”. “É um prazer conhecê-la, Abigail. Eu tenho uma irmã com o seu mesmo nome”. “Pensei que o nome da sua irmã era Fanny”. Sibyl explicou que era sua outra irmã, que vivia no lado leste. Certamente, esta pequena criatura não poderia ensiná-la a montar. Mas ela observou a menina limpando o estrume com a pá e começou a imaginar essa possibilidade. Afinal, ela havia vindo montada num pônei preto e branco, que estava de pé a um canto, amarrado a um poste, observando-as.


“Preciso cavalgar até a casa do meu irmão”. “São seus cavalos, escolha um”. “Eu não sei como”. “Não sabe? São seus cavalos, não são?” “São do meu… são os cavalos de Adam”. “Você não vai casar com ele?” Não, ela teve vontade de dizer. “Ainda não sabemos”. “Ele está voltando amanhã, muito machucado. Se você não vai casar com ele, quem vai cuidar dele?” “Eu vou cuidar dele até que suas pernas fiquem boas de novo. Você pode me ensinar a cavalgar?” “Eu posso tentar. Você é velha demais para aprender coisas novas.” Sibyl imaginou como o pai dela reagiria se uma garotinha lhe dirigisse a palavra assim, e então as palavras de Ben sobre ela puxando a ele ressoaram em seus ouvidos. A criança estava certa, é claro. Quem cuidaria de Adam? E ela deveria ter aprendido a montar quando teve a chance, quando ela tinha tempo. “Eu sou velha, mas nem tanto”, Sibyl disse, forçando um sorriso. “Não sabe de nada sobre montar um cavalo?” Abigail perguntou. “Nem sei por onde começar. Mas aposto que você pode me ensinar”. “Você terá que nos pagar um extra. Sabe fazer tortas?” “Sei preparar tortas muito bem”. “Certo, negócio fechado”.


Elas passaram a manhã toda aprendendo o básico com Sally, uma égua calma que, Abigail explicou, era usada para arar o campo. “Ela ficou muito velha para isso e Erich, na cidade, não queria se livrar do animal. Adam concordou em ficar com ela, mesmo sabendo que não pode fazer muita coisa. “Ela é perfeita.” Se Sally podia sentir o quanto Sibyl estava assustada, não demonstrou. Sibyl se lembrou das cartas de Fanny dizendo o quanto ela tinha medo de cavalos no início, e que ela havia dito a Ben que sabia montar, quando, na verdade, havia montado apenas uma vez, numa sela feminina, e levada num passeio pelo Central Park. Bem, quando Adam chegasse em casa, ele veria que Sibyl sabia cavalgar. Então, ela se lembrou do beijo aqui no celeiro e seu rosto se tornou quente demais. Sibyl havia ido de charrete até a casa de Ben e Fanny, e conhecia o caminho. Abigail despediu-se dela e ela dirigiu Sally para o norte, para Fremont Lake. Sally se movia num ritmo confortável, lento, perfeito para Sibyl. Fanny gritou e a abraçou quando a viu chegar. “Você veio!” “Tenho que preparar a casa para Adam.” “Ele é realmente um homem bom. Por favor, dê a ele uma chance”. Sibyl sorriu e assentiu com a cabeça, não expressando a opinião de que ela não tinha escolha.


Ben agradeceu a ela por vir, e ele e outro homem foram até a casa de Sibyl e moveram a cama para a sala, no andar de baixo. “Não posso lhe dizer exatamente como se preparar para recebê-lo, porque ainda não o vi, mas nos encontraremos no trem e o trarei até aqui, e então terei uma ideia do que precisamos fazer”. Sibyl podia apenas concordar com a cabeça. O dia seguinte foi de uma espera agoniada. Ela fez a torta de Abigail, e percebeu que Sally lhe dava um grande conforto. Levou cenouras para a égua e acariciou seu focinho cinza macio. Ela podia dizer qualquer coisa para Sally e o cavalo apenas a ouvia e observava com olhos largos. Ao cair da noite, Sibyl se deu conta de que estava nervosa demais para fazer qualquer coisa produtiva, então esperou no celeiro junto ao cavalo, mantendo as grandes portas abertas, observando a estrada. O trem chegava de manhã e à noite, se ele tivesse vindo no trem noturno, só estariam aqui no dia seguinte. Todas as luzes da casa estavam acesas. Ela desabafou tudo com o cavalo, falando como tinha medo do pai, como Adam a assustava propondo que compartilhassem uma cama antes do casamento. Como, às vezes, ela sonhava com ele, mas sabia que a realidade não podia ser tão maravilhosa como aqueles sonhos. Seu beijo bruto. “Eu não vim para cá determinada. Não fui comprada pelo preço da minha passagem. Preciso que ele perceba isso. Mas agora… quem sabe o que ele verá”. Sally relinchou, como se entendesse.


Do lado de fora, um barulho. Batidas de cascos. O barulho das rodas de uma carroça na estrada de terra. Sibyl sentiu um nó no estômago. O que ela diria a ele? Será que Adam ainda estava com raiva dela, como quando partiu? Ela beijou o focinho de Sally e fechou as portas do celeiro, trancando-as. Tentando desamassar suas saias, ela se dirigiu até a carroça. Erich estava dirigindo e Ben ia na parte de trás, com Adam e, é claro, o cão bege. Sibyl estava na varanda quando o grupo diminuiu a velocidade e Ben pulou para fora da carroça. Ele ajudou a levantar o irmão até o chão, apoiando seu lado direito. Adam conseguiu se firmar usando uma muleta. “Estou bem, eu consigo”, disse a Ben. Ben se afastou, mas não muito, pronto para segurar o irmão, se fosse preciso. Adam encontrou o olhar de Sibyl e ela baixou os olhos para o chão da varanda. Ben se aproximou para ajudá-lo a subir os degraus, mas Adam o enxotou novamente. Ele subiu lentamente os três degraus, com passos pesados, e Sibyl podia ver o esforço no seu rosto, gotas de suor na sua testa. Ele não estava bem. Ela o encontrou na varanda e pegou sua muleta, oferecendo-se para que se apoiasse nela. Isso ele aceitou, e apesar do peso dele ser maior do que ela havia previsto, Sibyl se sentiu bem por estar lhe dando apoio, enfim. Ela o ajudou a entrar e a se sentar na borda da cama. O cão se curvou numa bola apertada no chão, aos pés deles.


Ben e Erich ficaram conversando ao lado da carroça. “Desculpe, Sibyl. Eu não vou dormir no celeiro esta noite”. Ele deu um sorriso, mas parecia que fazer isso lhe causava dor. “Shh. Você vai dormir aqui na cama. Vou garantir que esteja confortável e quentinho”. “Não acho que esse será o problema”. Então, Ben entrou na casa. “Repouso completo na cama. Ele pode se levantar para usar o penico, mas nada mais. Por pelo menos três semanas.” “Ah, por favor. Tenho trabalho a fazer—” Quando Ben falou, ele soava mais sério do que Sibyl jamais havia ouvido. “Se não seguir meus cuidados ao pé da letra, nunca mais vai trabalhar. Vai perder a perna. Então, faça o que eu digo, e veremos como as coisas estarão em três semanas. Entendeu?” “Ben—” “Esta é a minha profissão, e eu sei como cuidar de um osso quebrado. Fique afastado por três semanas e então conversaremos. Você provavelmente terá que permanecer na cama por mais tempo do que isso. Sibyl cuidará de você. Eu encomendei alguns livros no armazém geral, e devem chegar em alguns dias. Voltarei amanhã para ver como você está indo”. “Obrigado,” Adam falou. “Estou feliz por você estar em casa”. Ben se inclinou para dar um abraço no irmão, e então Adam e Sibyl foram deixados a sós.


“Eu aprendi a montar um cavalo”, ela disse. “Em Sally?” Ela assentiu. “Ainda não sou muito boa nisso, mas, talvez, com a prática”. “Quem ensinou?” “Abigail, a filha do vizinho”. “Ah, aquela menina pode montar qualquer coisa com quatro patas. Você não poderia ter encontrado uma professora melhor”. “Você parece cansado. Gostaria de ficar sozinho?” “Não!” Ele falou bruscamente, parecendo um pouco assustado. “Não, obrigado. Quero alguém por perto. Um rosto familiar. Tem sido uma semana longa desde que me machuquei. Os homens do meu grupo me deixaram no Dodge City, e tive que fazer meu caminho de volta sem ninguém com quem conversar, a não ser Chance. Eu quero companhia. Se não se importa, é claro”. Essas palavras a pegaram de surpresa e a fizeram sentar-se novamente na beira da cama. “Nunca, hum, nunca estive com tanto medo na vida”, Adam falou. “Deve ter sido terrível”. Sinceramente, ela não sabia de nada do que ele poderia ter passado. Talvez, se o tivesse conhecido um pouquinho melhor e ouvido mais sobre a condução do gado, ela entendesse. “Eu estava na parte de trás da manada, reunindo algumas cabeças que se atrasaram. Cisco pisou na toca de um roedor e ouvi sua perna estalar


enquanto ela caía. Para um cavalo, isso não tem volta. Não há como consertar, nenhuma maneira de curá-la. De toda forma, não que eu saiba. Tive que atirar nela”. Sibyl olhou para ele boquiaberta. “Atirou no cavalo?” Ela havia estado aqui por tempo suficiente para notar que Cisco, a égua ruão, era a favorita de Adam. Ao falar dela agora, sua boca se tornou uma linha e o sangue sumiu de seus lábios. “Naquele momento, não havia ninguém por perto. Ninguém. Nem gado, nem pessoas. Apenas arbustos secos e mais nada por quilômetros e quilômetros. Até Chance tinha ido embora — ela tinha ido atrás de uma das vacas e não percebeu que eu não estava atrás dela. Consegui tirar minha perna debaixo do cavalo e acho que foi isso o que piorou tudo”. Sibyl não conseguia imaginar a cena que ele estava descrevendo. Ele olhava fixamente para um ponto na parede branca à frente. Ela se perguntava o que ele via lá, ou o que ele imaginava ver. “Eu tinha minha arma e uma boa quantidade de balas. Então, atirei para o céu algumas vezes, esperando que Chance ou algum dos homens do meu grupo pudessem me ouvir e me procurar. Depois, tudo o que podia fazer era esperar. Começou a escurecer. Comecei a pensar que nunca mais conseguiria voltar para casa”. “O que você fez?” “Tentei engatinhar até alguns dos arbustos secos, algo que me permitisse começar uma fogueira, mas desmaiei de dor. Quando acordei, já


era meio da noite e eu estava tremendo, mas as estrelas acima da minha cabeça eram mais lindas que qualquer outra coisa que já tinha visto na vida. E Chance estava comigo. Ela havia me encontrado durante a noite. Nenhuma lua, apenas milhares de estrelas brilhantes. Soube então que ficaria tudo bem. Não sabia como seria, mas que conseguiria”. Sibyl pegou na mão dele. Ele não tirava o olhar da parede ao longe, mas apertou os dedos dela. “Foi no meio da manhã seguinte que Jack e Parrow me encontraram. Atirei mais algumas vezes e eles estavam me procurando, devem ter ouvido os tiros. Tiveram que construir uma maca para me arrastar — não conseguia me levantar e subir num dos cavalos. Ser arrastado pelo chão foi pior do que ficar deitado sozinho no deserto. Cada solavanco, cada pedra, fazia minha perna doer demais”. Adam ficou calado por um momento, ainda contemplando o ponto na parede. “Não achei que você estaria aqui quando eu voltase. Não queria ir para a casa de Ben e de Fanny, não queria ser um peso extra para eles, com o bebê a caminho. Eu sabia que não se importariam, nunca teriam dito nada contra minha presença, mas teria sido difícil”. Ela não sabia o que dizer, então não disse nada. O silêncio se prolongou, desconfortável, e Sibyl lutava com suas próprias ideias sobre como poderia melhorar as coisas. Quando ela ia dizer-lhe que tinha que ir preparar seu jantar, Adam disse: “Estou feliz por você estar aqui, é tudo”. “Estou feliz por estar aqui. Sinto muito pelo meu comportamento


difícil. Sinto muito por não ter sido o que você esperava”. Ela não conseguia olhar para seu belo rosto; a vergonha puxava seu olhar para o chão. “Vou pegar algo para você comer. Deve estar faminto”. “Não, fique comigo. Não estou com fome”. Mas Ben a havia alertado sobre isso. “Seu irmão disse que eu deveria alimentá-lo, não importa o que você dissesse. Estarei perto e ouvirei se você me chamar”. Sibyl pediu licença para ir à cozinha e começou a preparar a comida, deixando sua mente se perder na tarefa. Ela nunca havia visto Adam daquele jeito, vulnerável. Ele sempre havia sido tão impetuoso e arrogante. Talvez houvesse uma pessoa realmente humana dentro dele, afinal. Ela trouxe um prato de comida para a cama, mas o encontrou dormindo. Não queria acordá-lo, mas essa era uma das principais coisas que Ben havia reforçado — ele não poderia se fortalecer se não comesse. Sibyl pensou em acordá-lo com um beijo, mas apenas pensar nessa ideia lhe deixou ruborizada. Ao invés, colocou o prato sobre o criado-mudo e pegou suavemente no ombro dele. Apertou-o um pouco e disse o nome dele, e seus olhos azuis se abriram. “Que cheiro delicioso”, ele falou. Ela o ajudou a se apoiar sentado e colocou o prato em seu colo. “Conte-me o que você fez enquanto eu estava fora”. Ela não falou sobre ficar sozinha toda noite, mas contou sim a ele sobre chegar a quase gostar do canto dos coiotes. Eles a haviam assustado


tanto quando ela chegou, mas agora não achava tão ruim. Era como música. Uma tarde, ela saiu para um passeio e viu alguns cervos pastando na margem de um riacho. “Certamente, aqui é mais bonito que na cidade. Sinto falta das minhas irmãs e amigos, mas o ar é tão fresco. Eu não gostei no início. Era confuso e quase irritava meu nariz. Mas acho que combina comigo”. Por fim, ela contou a ele sobre sua amizade com a égua Sally. Adam riu alto. “Por pouco, não a rejeitei. Quase decidi que era hora dela partir, e que ela não deveria estar ocupando espaço e consumindo ração. Mas, então, olhei nos seus olhos, falei um pouco com ela e me apaixonei. Ela é um ótimo cavalo para uma iniciante, e fico feliz que você a esteja conhecendo melhor. Estou duplamente feliz que você não tenha tentado montar Jack — ele pode sentir quando alguém está nervoso e isso o deixa maluco. Aquele lá é arisco e agitado”. Sibyl limpou os pratos da mesa, comeu um pouco também e voltou para fazer companhia a Adam por mais um tempo. À medida que a noite avançava, atormentava-lhe ideia de que ela teria que encontrar um local para dormir. Ela poderia ir ao celeiro, é claro, como Adam teve que fazer todas aquelas noites, logo após sua chegada. Mas ele era muito mais preparado para fazer isso do que ela e Sibyl não sabia se conseguiria dormir com todos os sons estranhos lá fora. Além disso, se Adam a chamasse no meio da noite, ela nunca poderia saber. Ela poderia dormir no


sofá desconfortável aqui da sala, encostado num canto. Assim poderia ouvilo, mas ainda estaria lá, no mesmo cômodo com ele, em sua roupa de dormir. Ou ela poderia dividir com ele o grande colchão de plumas. Se iam se casar, seria onde dormiriam todas as noites pelo resto de suas vidas, de toda forma. Mas essa era a questão que havia causado uma desavença entre eles em primeiro lugar. Sibyl argumentou consigo mesma que as coisas estavam diferentes agora. Ela o conhecia melhor e ele estava ferido. Precisava dela. Se ela tentasse, ele se importaria? Seria constrangedor se ele a mandasse embora. Mas embora para onde? Não, ela não podia dividir a cama com ele. Ela daria um jeito. Colocaria algumas mantas no chão do quarto. Poderia acampar lá e manter a situação adequada. Ela leu para ele um pouco de Robinson Crusoe, um dos livros que Ben trouxe. Ficou um tanto preocupada com a possibilidade da história do homem deixado sozinho numa ilha soar verdadeira demais para Adam, após ser deixado na pradaria por uma noite toda, mas ele não pareceu se importar. Ela terminou o terceiro capítulo, inseriu o marcador e pôs o livro de lado. “Vou me deitar agora.” Os ombros dele caíram um pouco, mas ele não disse nada. Esperava que ela permanecesse com ele, e Sibyl podia notar que ele estava desapontado por ela não ficar. Não até que fossem marido e mulher. Se é


que se tornariam marido e mulher. Confusa, ela sussurrou: “Boa noite. Chame se precisar de alguma coisa”, e apressou-se a subir as escadas. Enquanto ela deixava a sala, sentiu os olhos dele queimando na parte de trás de seu vestido. Bem, que seja. Ela preparou sua cama magra sobre o chão de madeira. O quarto parecia tão vazio, e o pequeno ninho que ela havia feito parecia muito inadequado quando ela apagou a luz. Após se remexer e revirar, percebeu que era impossível ficar confortável, então ficou deitada olhando para o teto, perguntando-se se era hora de voltar para casa, afinal. Como ela poderia se comprometer para sempre com este homem que mal conhecia? E se ele se revelasse ser como o pai dela? Fanny punha mão no fogo por ele, claro, mas e se estivesse errada? A única razão pela qual Sibyl sabia que tinha conseguido dormir era porque, novamente, sonhou com Adam beijando-a. E ela o beijou de volta, unindo seu corpo ao dele. No sonho, ele não estava machucado — estava perfeito novamente, e saudável. No fim, ela se viu curvada sobre o próprio corpo, desejando ser corajosa o bastante para ir até ele. No andar de baixo, Adam estava acordado, lendo. Sua voz estava calma quando falou com ela, e ela começou a preparar seu café da manhã. Não havia sido assim na noite anterior. Eles realmente pareciam ter gostado da companhia um do outro. Sibyl se perguntava o que havia mudado, mas suspeitou que já sabia. “Fale-me sobre Nova York”, ele disse, quando ela lhe ofereceu o prato


de café da manhã. “Do que você quer saber?” “Tudo. Do que você gostava tanto de lá?” Seu uso do verbo no passado a incomodava. Ela ainda amava a cidade… apesar de ser difícil pensar sobre os arranha-céus sujos com as Montanhas Rochosas elevando-se imponentes acima dela. “Havia pessoas em toda parte. Nada era quieto ou parado, nunca. Onde você cresceu?” “Quando eu tinha oito anos e Ben tinha doze, mudamos para cá, vindo dos arredores de Jefferson City. Não me lembro muito do leste. Todas as minhas lembranças são daqui. Não consigo imaginar o que as crianças fazem na cidade. Onde elas correm? Como brincam?” “É muito melhor para crianças aqui, concordo.” “Então, por que você quer tanto voltar?” “Não quero”. “Então, por que você não se permite ser feliz aqui? Eu a observo pelo canto do olho. É como se você tivesse que se lembrar de ser estóica e miserável. Quando vi que você havia decidido ficar comigo, pensei que talvez algo tivesse mudado, mas posso ver agora que não. Sou um tolo por esperar que essa não seja a verdadeira Sibyl?” Ela olhou para ele, surpresa. Como ousava falar com ela daquela forma! “A verdadeira Sibyl?” “Seja feliz. Goste de algo. Qualquer coisa. Você poderia gostar de mim,


de minha companhia, se se permitisse.” “Daí você poderia me beijar novamente, como no celeiro?” “Isso seria tão ruim?” O rosto se Sibyl ficou vermelho. “Não somos casados”. “Não existe uma lei contra beijar antes do casamento”. “Para os olhos de Deus, existe”. “Por quê?” “Como assim, ‘por quê’?” “Por qual razão Deus ficaria chateado com alguns beijos? As pessoas são crueis com as outras—”, Sibyl lembrou do seu pai. Ela não conseguia evitar. “—as pessoas mentem, roubam e matam. Que mal há num beijo?” “É um pecado.” Adam suspirou. “Então, case-se comigo.” Ela começou a falar, mas ele a interrompeu. “Não, não me diga que não pode casar comigo porque não me conhece. Você não me conhece porque não se permite. Agradeço pela limpeza da casa, todos os consertos que você realizou e pela comida deliciosa que prepara para mim, mas, sinceramente, Sibyl, eu preferia voltar a morar sozinho do que viver com um fantasma”. “Você me pediu para vir até aqui, cruzando o país inteiro. Não conheço ninguém aqui—” “Você tem Fanny. Ela fez a mesma viagem sem saber o que esperar. Eu sou seu cunhado. Já somos família”.


Agora, Sibyl estava com raiva. “Você não pode me comparar a ela. Não é justo. Somos pessoas diferentes”. “Também não é justo choramingar que você foi jogada aqui sem conhecer ninguém. Preciso que você se decida, quanto antes melhor”. “Não pode me forçar a isso”, ela disse. “Então, terei que mandá-la embora. Mas depende de você, Sibyl”. Ela caminhava ao redor da casa, assumindo o antigo papel dele. Ao menos ele tinha a vantagem do cão acompanhá-lo aonde fosse. Ninguém nunca havia falado com ela assim, nem mesmo seu pai. Pelo menos, quando o pai a punia, ela sabia que não era verdade. Dessa vez, isso foi direto ao ponto, porque ele estava certo. Casar com ele ou ir para casa? Ela não via uma terceira opção viável. Sibyl foi ao celeiro, onde Sally a esperava. A baia de Cisco estava vazia, e enquanto ela acariciava o focinho da sua égua, imaginou o quão difícil deve ter sido para Adam atirar no seu cavalo. A compaixão por ele a invadiu. Mesmo agora, ela o tinha alimentado, mas do que mais ele podia estar precisando? Estava deitado na cama, precisando de algo que ela supostamente deveria fornecer? Ela estava falhando com ele neste exato momento? Essa ideia deixou-a envergonhada. Casasse ou não com Adam, ela havia prometido a Ben que o ajudaria. “Eu deveria voltar, não é?”, perguntou para Sally. O cavalo não respondeu, mas olhando para seus meigos olhos


castanhos, Sibyl soube tinha que tomar conta dele. Uma voz suave perguntou, e se eu apenas casasse com ele? Uma voz mais alta a fez calar. Ela estaria cumprindo uma obrigação, é tudo. “Desculpe por ter levantado a voz”, Adam disse. “Estou sentindo muita dor esta manhã e fiquei mal-humorado”. O pobre homem. É claro que estava com dor. “Peço desculpas também. Gostaria que lesse para você?” “Por que não me ajuda a ficar confortável? Os travesseiros estão todos amontoados e não posso alcançá-los”. Ela se inclinou e o ajudou, ciente de quão próximos estavam. Se ele não fosse um homem atrente, ela não estaria em conflito. Ela limpou os curativos dele como Ben a havia ensinado, falando sobre Sally e seus planos para cavalgar antes da chegada da neve. “Acho que vai gostar daqui no inverno. A neve chega — tanta que você nunca pôde imaginar lá no leste — e tudo fica muito quieto. É a maior sensação de paz do mundo. Você já fez um anjo de neve?” “Um quê?” Ele riu. “Um anjo de neve! Vocês têm neve na cidade de Nova York, não têm?” Sim, é claro, mas ela não se lembrava de brincar com ela. “Você se deita na neve e movimenta os braços e pernas. As marcas na neve se parecem com um anjo, os braços fazem as asas, e suas pernas fazem o vestido. E trenós? Já andou de trenó?”


Sibyl balançou a cabeça. Parte dela queria essas coisas, muito. A ideia de voltar do frio, depois de brincar na neve e se aconchegar de frente à lareira a agradava. Mas só se Adam estivesse lá em sua imaginação também. Ela percebeu que estava prendendo a respiração e deixou o ar sair. “Não tínhamos muito tempo para brincar quando eu era criança. Fanny é a mais velha e minha mãe ainda estava viva quando ela era menina. Nossa mãe morreu e Fanny saiu de casa, e tive que cuidar das minhas irmãs mais novas. Eu tinha tanta inveja dela. Collum era tão bonito e tão apaixonado. E então, ela encontrou Ben”. Ela esperou Adam dizer alguma coisa. Sugerir que ela poderia ter essas coisas também. Ao invés disso, ele afirmou: “Deve ter sido difícil. Era apenas Ben e eu. Aposto que ele entenderia algumas das coisas pelas quais passou. Ele teve que tomar conta de mim por muito tempo também”. Adam pausou por um momento. “Vou andar de novo. E cavalgar. Estarei de volta ao normal rápido. Prometo a você”. “Então, é melhor limparmos seu curativo”, ela sorriu. Parecia melhor que no dia anterior, nada inflamado, nenhum pus. Sibyl esperava que isso significasse que ele estava realmente começando a sarar. Eles não podiam ver, é claro, o que o osso estava fazendo. Uma tala mantinha tudo no lugar, de modo que pelo menos Ben podia dizer que o osso não ficaria torto. Ele havia dito que Adam tivera sorte porque ele não teve que quebrar o osso novamente para consertá-lo.


O dia passou e Sibyl percebeu que gostava da companhia de Adam. Eles jogaram alguns jogos de damas, leram um pouco e conversaram. Enquanto ela aprontava o jantar, ele cochilou, gritando uma vez enquanto dormia. Sibyl apareceu na soleira da porta, imaginando se deveria acordálo. Ele se mexeu, soltou um pequeno gemido, mas então seu rosto relaxou, e ele pareceu adormecer novamente na direção de sonhos melhores. O sol se pôs, e à medida que a noite progredia, ela leu para ele um pouco mais de Robinson Crusoe. Ela se sentava perto dele na cama. Adam gostava de tê-la perto, ela podia sentir. À medida que ela lia e a hora se adiantava, ele adormeceu. Sibyl pôs o livro de lado e levantou-se, com cuidado para não acordálo. Ela subiu as escadas e vestiu a camisola. Fez sua orações noturnas e desceu as escadas tão silenciosamente quanto havia subido. Parou na entrada da sala e estudou o rosto de Adam. Dormindo, a preocupação e a dor causada por seu ferimento sumiam, e ele parecia quase um menino. Seu peito elevava-se e abaixava suavemente sob a luz da vela. Sibyl apagou as luzes na cozinha e, então, as da sala. Uma luz suave do lado de fora lançava um brilho azulado sobre tudo, e ela se moveu cuidadosamente para seu lado da cama, no escuro. Puxou as cobertas e deslizou para a cama. Permaneceu o mais afastada que pôde de Adam, abraçando a borda do colchão. Ela tinha medo de se mover, porque não queria importuná-lo. Começou a achar que havia cometido um terrível erro, que nunca poderia


cair no sono… e a próxima coisa de que se lembrava era que havia amanhecido. Quando abriu os olhos para o sol da manhã iluminando as paredes cor de manteiga da sala, precisou de um momento para voltar a si. Este não era o cômodo ao qual ela havia se acostumado. E havia algo pesado e morno pressionado contra ela, algo deitado sobre seu peito. Adam estava abraçado a ela, com o braço ao redor do seu corpo. Sibyl congelou, sem saber o que fazer. Não queria perturbá-lo, mas certamente não deveria estar ali, daquele jeito. Enquanto permanecia deitada sob o sol da manhã, pensando nervosamente sobre o que fazer, certa calma se apossou dela. Ela não estava fazendo nada de errado. Não estava pecando. Sua proximidade claramente confortava Adam, e ele estava tão mal. Certamente, não havia problema algum em fazer o pobre homem se sentir melhor ao abraçá-lo. Alguém poderia julgá-la se visse, mas não havia ninguém lá a não ser ela e Adam. Ninguém precisava saber. Não era assim que seu pai pensava, mas ela não via mal nenhum nisso. Ela vinha evitando esta intimidade, mas percebia agora que era nada mais que o medo de deixar outra pessoa se aproximar dela. Para ajudar Adam a ficar bom de novo, ela precisaria deixá-lo chegar perto. Caso contrário, Ben estava ceto. Ela poderia voltar para Nova York. E se ela não iria embora, não havia por que adiar o casamento. E daí que seu casamento não se parecia com o que ela sonhava? Nenhuma união


era puramente feliz. Alguns dias atrás, Fanny havia se queixado sobre como Ben sempre passava tempo demais na água quente, e quando chegava a vez ela, estava sempre morna. Nem todos os casamentos tinham que ter os gritos que ela ouvia através das paredes de seu prédio. O dela poderia ser melhor se permitisse que seu coração fosse livre. Aterrorizada, Sibyl lembrou a si mesma que precisava respirar, e então se aconchegou ainda mais a ele. Tinha certeza que a batida de seu pulso o acordaria, mas ele fez um leve ruído enquanto dormia e descansou a cabeça no ombro dela. Permaneceram assim deitados por um tempo mais antes que ele acordasse, abrindo seus olhos azuis. Adam não se importou muito com o fato dela ter dormido na cama com ele. Soltou um suave gemido de felicidade e a apertou mais num abraço. “Bom dia”. A maneira como ele disse isso a fez sorrir. Ele estava certo. Era um bom dia. “Para você também”. Ao falar as palavras seguintes, ela esperava que sua voz tremesse. Mas não. “Adam? Decidi que vou me casar com você”. “Verdade?” Ele parecia tão feliz, como um garotinho. “Por favor, não porque eu gritei ontem. Estava sentindo dor e fui grosseiro. Quero que você fique porque gosta daqui. Porque gosta de mim”. Mudar-se do outro lado do país até Wyoming pareceu uma atitude ousada, mas empalidecia em comparação com o que ela fez em seguida. Virou a cabeça e levou seus lábios ao encontro dos de Adam. Ela o pegou de surpresa por um momento, mas então ele a beijou de volta, com doçura e


vontade. Ele tomou um impulso e afundou a mão nos cabelos dela. Com a outra, suavemente tocava seu rosto. Ao invés de se retirar, Sibyl se inclinou em resposta ao seu toque. Ela afastou os lábios para ele e descobriu as sensações agradáveis do beijo se tornando cada vez mais intenso. Quando se separaram, Adam falou, “Você acha que o padre pode nos casar hoje?” “Espero que sim. Direi a ele que você é um homem ferido e que é seu último desejo”. Ele sorriu e a beijou novamente. “Sibyl, você vai ser a noiva mais linda que o território de Wyoming já viu.” “Eu nem tenho um vestido.” “Não importa. Você terá a mim e eu terei você.” Ele a beijou novamente, e ela teve certeza que Deus não se importaria com alguns beijos, especialmente já que eles seriam marido e mulher em breve.

FIM


A cura olivia myers (1)