Issuu on Google+

~1~


Callie Hart #3 Ransom Série Dead Man’s Ink

Tradução Mecânica: Nat Revisão Inicial: Thauana Revisão Final: Flávia S. Leitura Final: Bia B. Data: 12/2016

Ransom Copyright © 2014 Callie Hart ~2~


SINOPSE SOPHIA 6 meses Muita coisa pode acontecer em seis meses. Um coração pode quebrar e se curar inúmeras vezes. A vida pode mudar de forma tão dramática que chega a ficar irreconhecível. Sophia era um fantasma, invisível e criou uma identidade falsa que ajudava Alexis a comprar cerveja. Ela nunca foi concebida para se tornar uma pessoa real. Ela nunca foi destinada a viver. Respirar. Machucar. Amar. É engraçado como um momento pode alterar o curso de uma vida. Agora Alexis é um fantasma, e Sophia é tudo o que resta. Mas o que acontece quando as ameaças que você tem medo de reconhecer se tornam realidade? O que acontece quando seus entes queridos estão em perigo, e enfrentar o passado é a única maneira de salvá-los? O mais recente prospecto do clube de Motoqueiros Widow Makers está prestes a descobrir.

REBEL Louis James Aubertin III tem pensado sempre em seu único objetivo: derrubar o cartel Los Oscuros, e matar Hector Ramirez por mandar matar seu tio. Ao longo dos últimos 6 meses, as coisas não parecem estar indo bem. Se perseguir Hector significa pôr em perigo a mulher que ama, será que realmente vale a pena o risco? Se enviar o seu clube para a guerra contra um dos cartéis mais perigosos no mundo significa arruinar a única coisa boa em sua vida, é o preço que vale a pena pagar? Jamie vai fazer de tudo proteger Sophia, mas com Hector sequestrando os seus familiares e exigindo o maior dos resgates, mantêla segura está começando a parecer uma tarefa impossível.

~3~


A Série Série Dead Man’s Ink Callie Hart

~4~


Prólogo CADE — Nem pense nisso. Não ouse sequer a pensar nisso, filho da puta. O peso do meu rifle fica pesado na curva do meu ombro. Ambas as minhas mãos estão à beira de ficar dormente. Minha pele está úmida e pegajosa de ficar deitado na grama alta por tanto tempo, mas eu não posso me mover. Não. De jeito nenhum. Hector e seus homens desapareceram há cinco dias e não foram vistos. Desde então, Rebel tinha pessoas observando a casa da fazenda, esperando por eles voltarem, e aconteceu quando eu estava de plantão. Os sedãs pretos apareceram ao longo da sinuosa entrada para o edifício de dois andares. Eu não estava de vigia quando os bastardos se foram, então eu não tenho ideia de quantas pessoas partiram ou quantas vão voltar, mas minha matemática é muito boa. Três carros apenas, pneus esmagando o cascalho, faróis clareando a escuridão, lançando longas colunas estreitas de luz sobre o campo. Atualmente estou debruçado sobre o edifício de dois andares, sobre o celeiro de três paredes que está abaixo à direita do edifício. Três sedãs. Então, potencialmente quinze pessoas ao todo. Não consigo imaginar Ramirez abarrotando três caras nos assentos traseiros de seus veículos, isso seria muito indigno, então na realidade nós estamos olhando doze homens, no máximo. Estou definitivamente em menor número, independentemente do número de passageiros que os carros carregam. Eu não me preocupo em ser visto. Passei anos aperfeiçoando a arte de camuflagem militar. Eu posso facilmente me tornar invisível aqui no meio do nada do caralho, Novo México, sendo uma floresta ou uma cidade. Não, eu não serei visto. Ramirez, obviamente, tem ideias sobre permanecer invisível, quando um por um dos carros desligam os faróis, costeando os últimos 100 metros em direção à casa com motores silenciados e um manto de

~5~


escuridão para esconder o que está acontecendo no interior dos veículos. Murmuro sob a minha respiração novamente, desejando que meus olhos se ajustem à escuridão. — Filho da puta sorrateiro. Você não pode se esconder de mim. — Eu fecho um olho, deslocando o rifle através de uma polegada para que eu possa mudar de minha esquerda para a direita, enquanto eu me acostumo com as sombras. Quando abro meu olho esquerdo de novo, eu posso ver muito bem. Bem o suficiente para ver as formas dos corpos em movimento na frente da casa. Ramirez sabe que estamos o observando. Ele tem que saber. Essa é a única razão pela qual ele estaria tomando essas precauções. Ele não contava com o fato de eu ter uma melhor visão no meio da noite, embora. Ou o fato de que a enorme câmera DSLR que eu trouxe comigo é expert na arte de poder discernir as imagens no escuro, sem a necessidade de um flash. Eu coloco o rifle na grama ao meu lado e ligo a câmera, segurando-a até que eu possa olhar através da lente. Deus, essa coisa é boa pra caralho. Três homens vão para dentro da casa. Outra figura sobe as escadas até a varanda e, em seguida, se vira, olhando para trás, por cima do ombro. Meu dedo no gatilho vem a calhar quando eu vejo o rosto do homem. Eu reajo rapidamente, disparando na imagem de Hector Ramirez, e uma grande parte de mim fica chateado com o fato de que eu mudei do rifle para a câmera. Teria sido um tiro limpo. Eu poderia ter colocado uma bala entre os olhos e ninguém teria notado alguma coisa até que o corpo do bastardo batesse no chão. Eu já teria ido há muito tempo. Ramirez desaparece dentro da casa. O trabalho da minha noite aqui esta feito agora. Eu tenho estado escondido por tempo suficiente. Eu vi o diabo voltar de Freemantle, e agora eu preciso obter a minha bunda de volta para a comunidade e deixar Rebel saber o que aconteceu. Lentamente eu começo a arrumar a câmera. Eu trabalho em silêncio, sem fazer barulho, não querendo chamar nenhuma atenção para mim enquanto eu saio de volta para a estrada onde eu escondi minha moto. Isso seria um grande erro. Quase tenho tudo pronto quando ouço uma movimentação. Parece barulhos de pés chutando o chão, lutando, e o som surdo de gritos de alguém que está sendo cortado. — Aj-ajude! Eu tenho a câmera não embalada num piscar de olhos. Outro grito ecoa pelos campos, e um bando de pássaros explode a partir da ~6~


linha das árvores da floresta à direita. Silhuetas negras minúsculas de pássaros cortam o céu, ziguezagueando. — Cala a boca, velho, — alguém assobiou pela casa. Eu seguro a câmera para cima e olho através da lente levando um segundo para descobrir o que eu estou vendo. Há também muitos braços e pernas em jogo. Parece que há uma luta, com mais de duas pessoas envolvidas. Eu vejo um flash de cabelo branco através da lente da câmera, e então o rosto aterrorizado de um cara que eu não reconheço. Ele está sendo contido por três outros homens que tentam fixar os seus braços para os lados. Deus sabe o que os homens do Ramirez estão fazendo com esse cara, mas não se parece que o homem de cabelos grisalhos é um participante voluntário. — “Me põe no chão. A polícia está vindo...” Parece que a polícia não vai fazer nada. O lacaio do Ramirez, quem está segurando o velho com uma chave de braço, aparentemente está cansado de tentar sufocá-lo e em vez de parar, levanta a coronha da arma, e bate na parte superior da cabeça do cara trazendo-o para baixo. Eu tiro umas poucas fotos antes da arma fazer contato. O velho cai mole nos braços dos bandidos de Ramirez que o arrastam para dentro do prédio, subindo as escadas e caminhando para o outro lado da enorme varanda. De dentro do edifício uma luz é acesa em algum lugar, projetando uma piscina aquecida de luz amarela pela escuridão. Eu deveria sair. Esta situação poderia mudar muito rapidamente. Eu poderia encontrar-me em alguma merda séria. Eu não me movo, embora. Há algo tão familiar sobre o velho. Eu o vi antes, eu juro que eu vi. Os homens de Ramirez o arrastaram para trás dos degraus da varanda e vejo seu rosto, mais uma vez, agora de perfil. Uma memória coça na parte de trás da minha mente, me provocando, quase subindo para minha lembrança antes de se espalhar e desaparecer na fumaça. — Apague a luz!, — Ordena uma voz irritada. — Que porra você está fazendo aí? — Ramirez aparece na porta, com uma expressão retorcida de fúria. Ele bate a mão contra o interruptor de luz na parede e tudo é escuridão novamente. Eu ainda posso ouvir o homem lutando quando ele é arrastado, para o interior do edifício e eu ainda posso ouvir os homens de Ramirez xingando quando eles tentam dominá-lo. Os sons são interrompidos com o bater alto da pesada porta da frente.

~7~


Meus ouvidos começam a zumbir quando o silêncio cai sobre o campo. Um barulho ensurdecedor vem da casa, apenas uma vez, e então não há nada. Que diabos foi isso? Eu não posso pensar em uma única razão pela qual Ramirez iria sequestrar um homem velho e trazê-lo até aqui, mas, novamente, quem sabe o que está acontecendo na mente do filho da puta louco. O cara velho poderia ser uma parte de sua operação de alguma forma. Ele poderia ter fodido e feito algo ruim o suficiente para justificar uma visita do chefe do cartel Los Oscuros em pessoa. Parece improvável - Hector, apenas enviaria alguém para lidar com tais coisas triviais, certo? Mas isso é possível. Tudo é possível quando você está lidando com um megalomaníaco como Ramirez. Rebel vai querer saber sobre isso imediatamente. Eu arrumo a câmera e o rifle, e me curvo para baixo, contornando o perímetro do campo com a minha cabeça na direção da minha moto. Leva cinco longos minutos para atravessar o terreno de volta para a estrada. A faixa de terra estreita dobra sobre si mesma cerca de cem metros da casa da fazenda. Uma milha ao longo do trecho remanescente da estrada de terra batida, obscurecida pelo alto das árvores. Eu pulo para fora da vegetação rasteira e corro rapidamente ao longo da pista, ainda me mantendo escondido, minha mente correndo. Se Jamie achar que esse cara é de alguma forma parcialmente inocente, ele não vai descansar até que ele tenha certeza que o cara está a salvo. Se ele mesmo suspeitar por um segundo que o homem que está sendo poderosamente abatido dentro da fazenda é um funcionário como seu tio Ryan era, ele vai rasgar o lugar ao meio tirando tijolo por tijolo procurando por ele. Ele ainda se sente responsável pela morte de seu tio. Os últimos seis meses não tem feito nada para aliviar o fardo de sua culpa, e ainda o perturba cada vez que alguém menciona o nome Hector Ramirez. Ou Raphael Dela Vega, embora Raphael não esteja nos causando mais problemas. A não ser que ele cave acima da sepultura rasa que ele ganhou e comece a contar história, o que é altamente improvável. Minha moto está apenas algumas centenas de metros à frente. Na distância, através das amplas faixas abertas de terra que se estendem entre aqui e Freemantle, pequenas luzes de vaga-lumes piscam, laranja e branco. Eu quase salto para fora da minha pele quando um par de luzes muito brilhantes e muito mais perto de repente ilumina o escuro, em frente de mim.

~8~


— Foda-se! — Eu abaixo, praguejando novamente sob a minha respiração, tendo cobertura dos arbustos ao lado da estrada. Meu coração está batendo, correndo a um ritmo imparável. Que porra é essa? Outro carro? Os faróis na estrada estavam perto demais para não terem me notado indo em direção a eles. O bater metálico da abertura de uma porta do carro e, em seguida, sendo fechada rapidamente me atinge onde estou agachado na vala ao lado da estrada. Passos no chão. O som de um isqueiro sendo aceso. — Sai daí, Sr. Preston. Gostaríamos de ter uma conversa com você, — uma voz masculina diz. Sr. Preston. Então, eles sabem exatamente quem eu sou. Foda-se. Quantos deles estão lá? Eu não posso ver nada do meu ponto de vista, portanto, é impossível avaliar o quão ruim a situação realmente é. Eu estou supondo que é realmente muito ruim. Os passos crescem mais perto, e eu sinto o cheiro da queima do cigarro no ar. — Apenas queremos falar com você, — diz a voz de novo, ela é grossa com um sotaque espanhol, embora o Inglês seja próximo da perfeição. Estou descobrindo quem é esse cara, ele nasceu nos Estados Unidos, mas o espanhol é sua primeira língua. — Se você nos forçar a te procurar, podemos mudar de ideia, — diz ele. É pouco provável que irei entregar-me a eles. Isso seria suicídio. Eu fico muito quieto no mato, prendendo a respiração, tentando calcular se eu tenho tempo para pegar o rifle de bolsa e montá-lo a tempo de encarar este filho da puta cara a cara. — Você está sendo muito tolo, — a voz me aconselha. — Sr. Ramirez é um homem razoável. Sentar e ter uma conversa com ele pode realmente ser benéfico para você e seus amigos. Você certamente pode ver a sabedoria nisso? Mas eu não posso. Ramirez é um psicopata com zero moral. Se eu deixar esse cara me levar de volta para a casa da fazenda para 'falar', eu posso garantir que não haverá qualquer conversa. Não, só vai haver tortura. Tortura e sangramento. Os sons de passos chegam ainda mais perto. Jesus Cristo. Não, eu definitivamente não tenho tempo para montar o rifle. Eu sou um idiota. Eu nunca deveria ter levantado - ou pelo menos não até que eu estivesse bem longe da terra de Ramirez. Vou ter que usar minhas mãos para me tirar disso. Bom, fui treinado extensivamente em como matar um adversário dessa maneira. — Tá certo. À sua maneira , — diz o homem de Ramirez.— Não diga que eu não lhe dei uma alternativa.

~9~


A bala explode perto de mim e com um estalo alto enche o ar da noite. Ele deve ter atirado na vala ao lado da estrada, na esperança de me abater. Raiva borbulha nas minhas veias - que maneira de merda para matar alguém. Uma maneira tão covarde para cuidar dos negócios. Não há nenhuma honra em atirar cegamente no escuro, esperando que você abata o seu alvo. Você deveria olhar um homem nos olhos quando vai matá-lo. Você deveria estar presente, para que possa enfrentá-lo, assumir o que você está fazendo. Assumir a responsabilidade por isso. Ter prazer de atirar. Outra bala toca o chão, e um banho de sujeira chove em mim. Este foi muito mais perto, talvez menos de doze polegadas da minha cabeça. Ele está atirando mais perto e não há nada que eu possa fazer sobre isso. Se eu começar a me mover agora, eu estarei dando a minha posição de distância. Se eu não fizer isso, ele vai ter que vir aqui e encontrar-me pessoalmente. Filho da puta. É melhor rezar para que ele não tenha que fazer isso, porque eu vou fode-lo adequadamente se eu colocar as mãos sobre ele. —Tem certeza que não quer mudar de ideia, Sr. Preston? Hector será muito mais brando, se ele souber que você escolheu vir vê-lo voluntariamente. Talvez ele vá deixar a maioria de seus dedos. Ele está me provocando agora, tentando me fazer responder para que ele possa descobrir a minha posição. Eu não estou caindo nisso. Minha frequência cardíaca nivelou, desacelerando para um ritmo normal. Eu estou no controle. Eu não sou um garoto sem temperamento que vai começar pedir e implorar por sua vida quando as coisas começarem a ficar um pouco pegajosas. Eu posso ficar aqui e segurar minha respiração para sempre. A menos que ele venha e me encontre, ele vai ter muita sorte com a arma dele. Mesmo assim, ele vai ter que me dar um tiro no coração ou na cabeça, porque levar um tiro em qualquer uma das minhas extremidades, meus ombros, ou o meu estômago não vai me matar, e eu ainda vou ser mais do que capaz de chutar a bunda dele, não importa o quanto de sangue que esteja perdendo. O silêncio retorna por um longo tempo, lento e tenso. Eu tenho bastante tempo para me abrir, permitir-me ficar mais e mais tenso e furioso. Este merda estúpido não tem ideia do que está se metendo. Se ele sabe meu nome, então essa dica indica que ele me conhece. E se ele me conhece, sabe que eu não desisto em uma luta. Para qualquer um, não importa quão grande, pequeno, tatuado ou perfurado. Ele poderia ser um lutador profissional UFC e isso não importaria. Ele teria que arrancar minha cabeça fora do meu corpo, a fim de me impedir de vir para ele.

~ 10 ~


A uma curta rajada de tiros, e balas metralham a vegetação à minha esquerda, mais perto em direção ao carro. Ele está ficando mais longe, agora muito mais longe. Alívio é uma coisa muito doce, muito doce. Parece que eu vou conseguir meu mini combate corpo-a-corpo em breve, depois de tudo. Corro o risco de me esquivar em uma fração de segundo, verificar para ver onde cara está de pé agora, mas é difícil ver qualquer coisa com a noite tão pesadamente sobre nós. Aqui não há luminosidade clara. A lua é apenas um pedaço de prata no céu, uma minúscula crescente. Posso apenas fazer o contorno sombrio de alguém se movimentando à frente, mas eu não posso julgar a distância. Assim não. Eu tenho que mover-me rapidamente ou não. Eu tenho menos de um segundo para traçar uma estratégia ou ficar escondido. Devo pegar este filho da puta e, arriscar ser visto por mais alguém que está sentado no carro? Eu mal penso nisso. Eu nunca fui o tipo de sentar à margem e esperar para ver o que acontece. Eu sou um cara tudo ou nada. Deixo a câmera e o rifle para trás na grama, eu rastejo até o banco em frente a mim tão rapidamente e tão silenciosamente como eu posso, e então eu me lanço para a estrada, mãos para cima, direciono meus punhos para estar pronto para atingir a cabeça do imbecil. Eu só preciso caminhar cerca de três passos para ele que esteja bem ali na minha frente, sobre a minha altura e sobre o meu peso. Ele olha momentaneamente atordoado quando se vira para me encarar. Eu não lhe dou tempo para levantar o objeto metálico brilhando na mão. Estou muito perto de socá-lo, então eu agarra-o pelo colarinho e o empurro para frente, trazendo minha cabeça para baixo ao mesmo tempo para que eu possa cabecear a dele. A cabeçada é como uma bomba explodindo dentro de seu crânio. Se você sabe como fazer isso direito, você pode causar algum dano grave para uma pessoa com um efeito mínimo para si mesmo. Eu tive muita prática, porra. O nariz do cara explode quando eu bato nele, o sangue pulveriza de todos os lugares. Ele grita de dor, deixando cair à arma, tentando cambalear longe de mim, para manter as mãos ao rosto, mas eu estou bem aqui, movendo-me com ele, pegando o quadrado do queixo com um poderoso gancho de direita. — Essa é para você, idiota — digo a ele.— E este? Esse é para o seu chefe. — Eu bato nele com tudo o que tenho. Meu punho enterra diretamente ao lado de sua cabeça, logo abaixo de sua têmpora, que pode ou não pode ser uma coisa boa. Um tiro na têmpora pode ~ 11 ~


facilmente matar um homem. Ele vai para baixo, afundando a um joelho, segurando uma mão para cima, como se isso fosse suficiente para me afastar-me. Eu sou mais um pugilista do que um cara UFC. Mauy Tai e kickboxing não são meus esportes, mas eu ainda uso meus joelhos quando o bom humor me ataca. Pego a parte de trás da cabeça do cara, planto a palma da minha mão contra seu crânio, e eu levanto o meu joelho dobrado rapidamente, batendo-a em linha reta em seu rosto. Algo faz um estalo nauseante, mas não posso dizer o que. Ele já está uma bagunça de carne inchada, então eu não tenho ideia do que está realmente quebrado e que está apenas coberto em seu sangue. Meu oponente tomba para frente para a pista de terra, caindo de cara no chão, gemendo baixinho. Eu tenho que dizer, eu achava que ia ser um pouco mais difícil. Ele estava cheio de conversa. Eu imaginei que ele tinha pelo menos alguns socos decentes antes que eu o derrubasse. Ele nem sequer colocou as mãos para cima. Porra que patético. Eu pego sua arma e faço o meu caminho até o carro, onde a porta do lado do motorista está aberta. Este é o lugar onde as coisas podem ficar muito ruins para mim. Este é o lugar onde alguém que não posso ver poderia me atirar no rosto. O farol alto do carro está ligado, cegando-me, impedindo-me de ver qualquer coisa dentro do veículo. Adrenalina está crescendo em minhas veias quando eu cuidadosamente curvo a cabeça ao lado do carro, pronto para saltar se eu precisar. Acontece que eu não precisei. O cara de Ramirez estava blefando. Ele estava sozinho o tempo todo? Essa é a porra de um movimento corajoso. Eu chego mais perto e verifico o banco de trás. Ninguém. — Bem, isso era um negócio arriscado, hein? — Digo. O cara do Ramirez não me ouve, porque ele está frio à direita no chão, onde eu o deixei. Eu volto para ele e suspiro, de pé sobre ele, perguntando o que diabos eu deveria fazer agora. Se eu deixá-lo aqui, em algum momento alguém vai encontrá-lo. A parte cruel e selvagem de mim pensa que eu provavelmente só deveria matá-lo. Matá-lo na cabeça com sua própria arma e dirigir seu sedan para o deserto, e jogá-lo em uma fogueira. Mas, novamente, eu não sou o homem que costumava ser. Matar não me emociona ou me excita estes dias. Fora esse cara frio, indefeso, os meus próprios pensamentos de um momento atrás repetem na minha cabeça, me castigando: Não há realmente nenhuma honra em matar um homem sem olhar nos olhos dele. Foda-se. ~ 12 ~


Então, o que? Eu cubro-o e o levo de volta ao galpão do clube comigo? Onde diabos iríamos colocá-lo? O porão debaixo do celeiro está perigosamente lotado nos dias de hoje. Nosso residente permanente ocupa muito espaço, porra. E a cabeça de Rebel provavelmente vai explodir se eu aparecer em um dos carros de Ramirez com um corpo no porta-malas. Não. Isso não vai funcionar. Agachando-me, eu agarro o cara por seu cabelo e puxo a cabeça para trás para que eu possa dar uma boa olhada nele. Seu rosto está realmente uma bagunça. Ele vai acordar como merda amanhã, isso é certo. A cara esta com rachaduras e um olho turvo, e a consciência lutando para retornar. — Bom dia, marinheiro. — Eu sorrio e aceno com a mão livre. — Estamos meio sonolentos, não é? — Vá. Se. Foder, — ele sibilou. Eu acho que alguns de seus dentes podem ter se quebrado. — Oh, eu acho que você é aquele que só se fodeu, luz do sol. — Meu espanhol é melhor do que ok, mas não consigo entender o que ele diz em resposta a isto, também porque a linguagem é muito distorcida, ou ele quebrou o maxilar. — Ok, — digo a ele e aceno. — Vou fingir que eu peguei isso e segui em frente. Já que estamos aqui, você sabe, conversando, eu tenho uma pergunta para você. O cara começa a rir, embora pareça que ele realmente sinta dor. Ele cospe sangue para fora de sua boca. — Eu não vou... responder nenhuma pergunta para você, cabron. Eu aperto o seu cabelo, puxando sua cabeça para trás um pouco mais longe. Inclinando-me para baixo, eu enfio meu rosto no seu.— Você vai, se você não quiser ver novamente fora o seu olho direito. Ambos os olhos direito e esquerdo giram para olhar para mim, tão grande que eu posso ver o branco. — O que você vai fazer? — Ele se encaixa, bravata em sua voz. — Você não vai fazer nada. Dou-lhe o mesmo sorriso azedo que eu costumava dar a minha avó quando ela me fazia comer o seu famoso cozido de coelho. A mulher era uma santa, mas ela não podia salvar a vida dela cozinhando. — Vamos descobrir? — Eu olho em volta, tentando encontrar uma rocha do tamanho certo para o meu propósito, mas então eu vejo algo ainda melhor, muito mais adequado para a tarefa em mãos. No chão a poucos passos de distância está um cigarro - o mesmo cigarro aceso que o cara fumava quando ele saiu de seu carro, eu assumo. Como é irônico. Eu chego mais perto e o pego, segurando-o no ar para o meu novo amigo ver. ~ 13 ~


— Você acha que isso faria mal? , — Pergunto. Pairando perto de seu rosto para que ele possa sentir o calor, eu dou-lhe um olhar mais atento ao que eu vou apagar em seu globo ocular, se ele não jogar justo. — Eu acho que seria. Mas isso é só comigo. — Você não ousaria, porra, — o cara cospe.— Ramirez não vai gostar disso. Ele vai acabar com todo o seu clube se você mesmo me tocar. Eu fiz mais do que tocá-lo. Eu mostro a ponta fumegante brilhantemente do o cigarro queimando em sua pele, mesmo na maçã do rosto, deixando-o lá o tempo suficiente para fazê-lo gemer de dor. Um fluxo de espanhol vem derramando fora de sua boca, mas mais uma vez eu não tenho nenhuma ideia do que diabos ele está dizendo. Seus olhos estão lacrimejando, rios de lágrimas escorrendo pelo rosto. — Sim. Isso realmente parece doer, — eu digo. Coloco a outra extremidade na minha boca, tragando, arrastando a fumaça para baixo em meus pulmões. — Então sim. Acho que vou apontar um pouco mais alto da próxima vez. — Foda-se. Eu nem sequer sei de nada. Eu sou apenas um maldito motorista, homem! Eu olho, dando-lhe o rosto decepcionado. — Você sabia que eu estava aqui. Estou confiante de que você vai ser capaz de responder a essa pergunta para mim. O cara brilha com ódio para mim. — Pergunte a porra da sua pergunta e, em seguida, deixe-me ir, porra. Eu quase rio de seu tom indignado. — Tudo bem, tudo bem. Seu chefe se foi há cinco dias. Ele apenas veio de...onde? Minha carranca cativa. — Quem sabe? Eu não tenho uma porra de pista. — Isso é uma vergonha. E lá estava você, dizendo-me que era seu motorista um momento atrás. Motoristas geralmente sabem para onde eles estão dirigindo. — Eu rolo o cigarro no rosto de novo, fazendo uma careta esquecendo depois de um tempo como a carne humana cheira quando cozinha. Este lembrete é desagradável para dizer o mínimo. O cara de Ramirez uiva quando eu deixo a brasa em sua pele por mais tempo desta vez. — Está bem, está bem! Caralho! Ele estava em Seattle. Ele estava em Seattle.

~ 14 ~


Eu tomo o cigarro e coloco de volta na minha boca. Seattle? Isso é um pouco de coincidência demais. Muita coisa aconteceu em Seattle, nos últimos seis meses para que isso seja sorte. Ryan foi morto lá, depois de tudo. Onde Ramirez estava previsto para ser julgado por assassinato. E foi em Seattle que eu primeiro coloquei os olhos em Sophia.— O que ele estava fazendo lá? , — Pergunto. — Ele estava procurando por alguém. Um cara velho. — E obviamente ele o encontrou. Eu só o vi sendo transportado dentro da fazenda lá atrás. — Eu trago o cigarro e explodo um anel de fumaça, pensando. — Quem é ele? E o que Ramirez quer com ele? — Caralho eu não sei o que ele quer com ele! — O cara sibila. — Eu não costumo questionar cada porra que Ramirez faz. Ele diz apontar e disparar, e eu aponto eu atiro. Não sei o porquê, homem. Tudo o que sei é que ele é um médico. Um cara que faz as pessoas serem colocadas para dormir quando elas são operadas ou algo assim. — Um anestesista? — Sim! Sim, um desses. O cigarro está queimando para o final. Eu só tenho mais um minuto antes que ele termine e eu tenha que encontrar algo tão eficaz para brincar. — E o nome dele? , — Pergunto. — Eu tenho certeza que você sabe o nome dele. — Alan. Alan Romera, — diz ele, cuspindo as informações rapidamente. — O nome do cara é doutor Alan Romera. Pronto! Você está feliz agora? Foda-se, cara. Deixe-me porra ir.

~ 15 ~


Capítulo um SOPHIA Eu costumava sonhar com cercas brancas. Recusei-me a admitilo, apesar de tudo. Eu jurei que nunca iria falar o meu segredo. Nunca em um milhão de anos. Minha irmã, Sloane, não teria entendido. Desde que éramos pequenas, tudo o que ela sempre quis fazer foi seguir os passos do pai e se tornar uma médica. Ela estava tão determinada e focada em sua carreira que a ideia de ter um marido e uma família apenas nunca lhe ocorrera. Perguntei-lhe uma vez se ela iria se casar e ter tempo livre para ter filhos depois que ela terminasse a escola de medicina, e ela apenas me olhou como se eu fosse um quebra-cabeça complexo que ela não conseguia descobrir. Mamãe e papai teriam ficado muito satisfeitos em saber que eu queria construir um lar e uma família para mim, mas eu nunca pude expressar meus sonhos para eles por algum motivo. Eles me fizeram se sentir desconfortável de uma maneira que eu não sabia como lidar. Envergonhada, quase. Quase todas as mulheres que eu conhecia queria alcançar a grandeza, lutar por algum objetivo aparentemente inalcançável, para crescer e se aperfeiçoar. Querer ter uma família parecia um pequeno sonho. Sem sentido no grande esquema das coisas, como se ser mãe ou esposa fosse concebido para ser um papel secundário, e meu principal objetivo na vida fosse algo muito maior. É ridículo pensar no passado, em todas as horas que passei afastada e labutando com trabalhos de grupo na faculdade e estudando para testes, embora. Eu nunca planejei testemunhar um assassinato, ser sequestrada, ser arrastada por dois estados, e me apaixonar pelo presidente de uma gangue de motoqueiros. Nunca passou pela minha cabeça que eu poderia acabar fugindo de tudo que eu já havia realizado para mim. Que eu estaria deitada na cama com um homem que roubou meu coração tão completamente que eu sinto que eu mal consigo respirar sem ele ao meu lado. Já se passaram seis meses. Seis meses desde que Jamie me encontrou. Os melhores e os piores seis meses de minha vida inteira. Estou acostumada a acordar ao lado dele agora. Estou acostumada com ~ 16 ~


o rugido dos motores de motos, com o roncar no escuro de membros retornando para o galpão do Widow Makers MC e eu nem percebo mais o som. Durmo como um bebê, minha cabeça apoiada no peito de Louis James Aubertin III, seus braços em volta de mim, e parece absolutamente normal que vinte homens armados estejam dormindo em uma casa de beliche apenas a cem pés de distância de nós. É estranho como o tempo e a exposição à violência podem entorpecer o impacto sobre você. É estranho como uma decisão pode mudar sua vida para sempre. — Você ainda está dormindo, prospecto? — Jamie sussurra em meu cabelo. Lanças de luz solar entram através do espaço entre as cortinas pesadas, lançando longos dedos de ouro e branco em todo o meu corpo e até a parede oposta. Partículas de poeira pairam no ar, refratando a luz. Estive observando-os girar os últimos vinte minutos, apreciando a forma como o corpo nu de Jamie se sente enroscado no meu, enquanto eu escutava seu coração debaixo da minha orelha. É sempre o mesmo: lento e constante nunca mais irregular ou imprevisível. Ele me acalma. Não importa o que está acontecendo em nossas vidas, não importa quanta merda parece estar chovendo sobre nós, ele está sempre lá, firme como o seu batimento cardíaco, sempre olhando por mim. — Mmm. Você nunca vai se cansar disso, não é? — Eu sussurro. Ele acaricia com mão levemente sobre o meu cabelo. — O que? Ele sabe exatamente o que eu estou falando, mas o humor dele é a mesma coisa. — De me chamar de prospecto, — eu digo, cutucando-o no lado. Desde aquela noite no deserto depois que enterramos Raphael juntos, a noite que ele concordou que eu poderia ser um prospecto para os Widow Makers, ele sentiu grande prazer em chamar-me desse nome. Ele acha divertido que sua namorada tem que dobrar para trás vinte e quatro horas, sete dias por semana, em uma tentativa de ser aceita no seu clube de motoqueiros. — Acho que não, — diz ele suavemente, acariciando a mão para cima e para baixo no meu corpo nu, me fazendo tremer um pouco. — É bom saber que você tem que se comportar e fazer o lhe é dito. O que posso dizer? Este poder que tenho sobre você tem ido para a minha cabeça. Ele é tão ridículo porra. Ele sabe que eu raramente faço o que é me dito, e ele sabe que eu raramente me comporto. Ele está claramente pedindo para ter problemas. Eu posso ouvir o sorriso em sua voz, me

~ 17 ~


provocando. Eu inclino minha cabeça para que eu possa passar em seu peito com os dentes, mordendo um pouco. — Você está sonhando, amigo. — Tal sonho agradável, no entanto. — Ele se move rapidamente, mudando para cima de mim, jogando uma perna sobre a minha e me prendendo ao colchão. Agarrando as duas mãos, ele segura os pulsos no alto acima da minha cabeça. Não pela primeira vez, o azul gelado pálido de seus olhos me choca. Eles são lindos. Assustador. Ele é tão incrível que eu mal posso suportar isso. Seu torso, embalado com o músculo, é coberto de tatuagens - alguns em Farsi, alguns em Inglês. Dois pássaros coloridos descansam em cada lado do seu peitoral, e um crânio intrincado completo com espinhos e rosas cobre seu lado. Abaixo, as palavras: Perdoe-me Pai, porque pequei. A última tatuagem é bastante irônica, dado que Jamie não poderia se importar menos com seu pai. Ou nos dias de hoje ele não o faz, de qualquer maneira. Louis James Aubertin II é um megalomaníaco. Uma das pessoas mais vis, rancorosas que eu já vi. Como Jamie não acabou da mesma forma é um mistério. Ele se inclina para baixo, esfregando a ponta do seu nariz contra o meu. — Você estava pensando em montar sua Ducati hoje? — Pergunta ele. Eu balanço minha cabeça. — Eu acho que não. — Bom. — Ele suga meu lábio inferior em sua boca e morde com força. — Estou prestes a foder com você sem sentido, docinho. Quando eu terminar com você, você não vai ser capaz de sentar corretamente por uma semana. Calor ondula em todo o meu corpo. Deus, eu não sei como ele ainda faz isso comigo. Eu tenho um passado de referência muito limitado — meu ex, Matt, era dificilmente o mais sexual do planeta — mas eu tenho certeza que a maioria das pessoas cresce à vontade uns com os outros. A intensidade do primeiro amor queima, para ser substituído por algo mais calmo e mais profundo se você tiver sorte. Mas com ele, com Jamie, não aconteceu. O fogo que existia entre nós desde o início continua a existir, queimando forte, juntamente com um amor tão insondável que só parece fortalecer enquanto os segundos passam. Nunca soube que uma pessoa poderia sentir-se assim e ficar sã. O poder de um amor tão constante parece que ele me esmaga, rouba-me os sentidos, leva o pouco controle que resta dentro de mim e destroçando-me em pedaços. E parece incrível.

~ 18 ~


Jamie balança a cabeça quando ele olha para mim. Ele tem esse jeito de olhar dentro de mim que faz minha cabeça girar. Eu não me sinto como se fosse eu quando ele olha para mim assim. Pela expressão de seu rosto, parece que ele está vendo algo que é magnífico e bonito pela primeira vez e está trazendo-o de joelhos. Não há nenhuma maneira dele estar me vendo, a garota que ele chama de docinho. Eu me vejo no espelho, depois de tudo. Eu sei que não sou uma garota totalmente sem atrativos, mas a reação de Jamie para mim sempre me pega de surpresa. Mergulhando para baixo, ele pressiona sua boca contra a minha e cantarola. Eu adoro beijar este homem. Nossos corpos foram feitos um para o outro, e assim nossas bocas. Quando ele me beija, parece que eu estou viva. Derreto-me na cama, permitindo que o meu corpo fique mole quando ele aumenta a pressão de seus lábios contra os meus. Seu peito nu contra o meu, faz meus mamilos apertarem e crescerem hipersensíveis, Jamie expira forte, e eu posso ver a forma como o contato o afeta, sua pele irrompe em arrepios. Ele é tão quente. Gemendo suavemente, ele desce e eu sinto que estou de repente em chamas com o formigamento de calor que ele está emanando para fora de todo seu corpo. Usando um joelho, Jamie abre minhas pernas e ajusta a sua posição de modo que ele fique entre elas. O seu pau já está duro, preso entre nossos corpos, colocado em uma posição que envia ondas de excitação através de mim. Ele posiciona seus quadris para cima e pressiona para frente, e parece que todo o meu corpo está cheio de eletricidade. Meu clitóris já está inchado, minha buceta já molhada - Jamie sente quão molhada eu estou e jura sob sua respiração. — Jesus Cristo, Soph. Você não tem ideia o que isso faz para mim. Porra. Você está sempre tão pronta para mim. Sempre tão pronta. Você é tão sexy. Eu posso sentir o cheiro em você. Há muito tempo, eu teria corado com isso. Eu teria tentado esconder o meu rosto com vergonha, me enterraria debaixo das cobertas e tentaria não quebrar de mortificação. Agora, eu sei melhor. Eu sei que ele realmente quer dizer isso. Quando estou pronta, ele está pronto, isto funciona nos dois sentidos. E ele está certo, ele pode cheirar quão pronta eu estou, porque eu posso sentir o cheiro dele, também. Ele cheira a sexo no melhor sentido. Seu corpo põe para fora o aroma mais intenso e incrível quando ele está prestes a foder comigo, e meu próprio corpo responde em espécie. Isso me deixa absolutamente louca.

~ 19 ~


— Você quer ser punida agora, Soph? — Jamie lambe meus lábios, traçando a ponta da língua sobre a minha boca, e eu não posso me ajudar. Eu arqueio minhas costas para fora da cama, esmagando meus seios contra seu corpo, gemendo. — Depende. Como você vai me punir? — Você não tem acesso a esta informação, creio eu. — Ele morde o lábio superior, apertando a minha carne entre os dentes com força suficiente para me fazer chorar. — Mas eu posso mostrar se você quiser. Parece bom? Eu aceno, sem fôlego, e Jamie sorri maliciosamente. — Boa menina. Por que você não começa me mostrando o quão bem comportada você vai ser? — Ele sabe que eu nunca realmente vou fazer o que é dito como um prospecto para o clube, mas nesta situação Jamie é rei e eu sou sua humilde serva. Isso me impulsiona a dar-lhe o que ele quer. E me excita ao ponto da loucura de obedecê-lo em todos os sentidos. Jamie sabe isso muito bem. — Sugue, — diz ele, abrindo a boca. Ele arremessa sua língua pelos meus lábios e eu faço o que é dito, sugando sua língua, lambendo a boca, tentando não ficar muito à frente de mim ainda. Meus braços estão começando a doer na maneira mais deliciosa do caralho. Ele ainda está segurando-os acima da minha cabeça, prendendo-os no travesseiro acima de nós, e meus pulsos estão queimando. Ele não vai deixar soltá-los a menos que eu peça-lhe, e eu não vou fazer isso. Adoro sentir-me vulnerável com ele. Adoro sentir como ele tem o controle absoluto. Ele é muito maior do que eu, mais forte e dominante. Ele poderia realmente ferir-me se ele quisesse, eu tenho conhecimento disto. Eu sei com cada molécula de meu corpo que ele nunca iria me machucar. Ele faz ameaças e, por vezes, até mesmo promessas, mas é tudo besteira. Sob nenhuma circunstância ele iria fazer qualquer coisa que eu não queira que ele faça, especialmente se ele pode me causar danos. Jamie geme quando eu chupo um pouco mais duro sua língua. Ele se afasta e se abaixa, aninhando na dobra do meu pescoço para que ele possa morder e me beijar lá. Meu pescoço é a minha maior fraqueza. Meu corpo todo ferve com solavancos de excitação, arrepio em todos os lugares, quando ele usa seus dentes e sua língua em mim, chupando, fazendo-me ofegar enquanto ele rebola entre minhas pernas. Deixando minhas mãos livres, ele se inclina para trás, apalpando seu pau. — Vire de barriga para baixo, — ele me diz.

~ 20 ~


Oh Deus. Isto vai ser tão intenso. Eu me viro, planejando deslizar minhas pernas entre as suas para que ele arreganhe, mas Jamie tem outros planos. Ele me agarra pelos tornozelos espalha minhas pernas de novo, me empurrando em direção a ele enquanto me empurra para baixo da cama. Estou exposta, aberta para ele, minha buceta desnuda e ele continua a acariciar com a mão para cima e para baixo em sua ereção. — Porra, Soph. Você está em algum problema sério agora, menina. Eu pediria desculpas antes do tempo, mas tenho a sensação de que você vai gostar disso. Eu provavelmente deveria protestar. Como prospecto dos Widow Makers, é o meu trabalho preparar café da manhã para todos no período da manhã. Apenas uma das tarefas de merda que eu tenho que completar, sem reclamar. Se eu foder com isso, eu adiciono um tempo para ao meu mandato como uma não-membro do clube. Deixando Jamie ter o seu caminho comigo agora vai me atrasar, e estar atrasado para colocar comida na frente de vinte motoqueiros com fome é uma ideia muito ruim. Mas ainda... Eu não posso fazê-lo. Eu não posso dizer não. Isso vai ser muito delicioso. — Você ainda pode se desculpar, — digo a ele. — Pelo menos finja que está arrependido de que você está prestes a obter-me em apuros. Atrás de mim, Jamie rosna. — De jeito nenhum, Docinho. Eu não peço desculpas, a menos que elas sejam cem por cento necessárias. Você pode obter o seu rabo e ir começar lutando com os ovos se quiser. Eu prefiro não fazer isso, mas eu posso terminar este trabalho por mim se você tem um lugar para ir. — Ele dá um tapa em minha nádega direita, fazendo-me chiar. A dor é chocante e surpreendente ao mesmo tempo. — Parece certo, — eu digo entre os dentes, sorrindo, esperando o ardor de alfinetes e agulhas diminuir. — Tenho certeza de que ficaria tão satisfeito se você se masturbar e tivesse um momento com os lenços de papel, não é? Sou basicamente excesso a exigência. — Não é verdade. Afundar meu pau em sua vagina é definitivamente a maneira mais divertida do que cuidar dos negócios mesmo. Mas, sabe. Eu sou um cara. Eu tive muita prática do caralho. Eu sou muito bom em fazer-me vir. — Você é muito bom em fazer-me vir, também. — Droga, em linha reta. — Jamie toma conta de mim pelos quadris, puxando-me para que minha bunda esteja apontando para

~ 21 ~


cima no ar. — Estou pensando em ter um monte de mais prática para isso, também. Descarrego com vergonha, e depois com o calor que eu sinto com os dedos patinando sobre minhas nádegas e, em seguida, entre elas, tocando primeiro minha buceta e, em seguida, trazendo a mão para trás, traçando as pontas de seus dedos para cima, ao longo do meu cu. Nós realmente não tínhamos feito isso antes. Muitas vezes não, de qualquer maneira. Jamie sabe que é tabu para mim, sabe quão pronta eu tenho que estar para ele abordar essa área do meu corpo. Minhas mãos já estão suando quando ele aplica uma leve pressão, esfregando a ponta do polegar contra mim, provocando, mas não empurrando para dentro. — Você está molhada para mim, Soph, — diz ele em voz baixa. — Porra eu posso ver como você está molhada para mim, e é bonito. Pode sentir isso? Eu tremo, tentando acalmar minha respiração. — Sim. Sim, eu posso sentir isso. — Quer que eu prove isso? Estou convencida de que ninguém na face do planeta nunca esteve tão pronta quanto eu sou agora. É como se eu pudesse sentir a necessidade em minhas veias a cada batida elevada, frenética do meu coração. Ele vai me destruir um destes dias. — Sim. Foda-se, sim. Faça. — Mmm. — Jamie faz um som rosnando selvagem na parte de trás de sua garganta enquanto ele patina de volta para que ele possa ter acesso a mim com sua boca. Sua língua é quente e persuasiva quando ele lambe no meu clitóris. — Droga, Soph. Eu nunca vou superar isso. Eu nunca vou. Você tem um gosto tão bom pra caralho. Eu quero comer sua buceta todo o dia. Estou inclinada a deixá-lo fazer. Caralho ele é muito bom nisso. Meu corpo canta com antecipação enquanto ele esfrega na entrada da minha buceta; Eu sei que ele vai deslizar os dedos dentro de mim em breve, e eu sei o quão incrível isso vai se sentir. Minha respiração gagueja fora de mim quando ele faz isso; ele encontra o meu ponto G imediatamente, curvando os dedos para baixo e para frente ao mesmo tempo para que eu possa sentir a pressão única, intensa que sempre começa a construir quando ele massageia esse ponto dentro de mim. Quando começamos a dormir juntos, Jamie me disse que eu não tinha gozado corretamente, e ele estava certo. Desde então, ele me

~ 22 ~


mostrou uma e outra vez que meus orgasmos só podem ficar melhor e melhor. Ele me teve uivando e implorando, desesperada para a liberação enquanto ele administra a mais doce e intensa tortura sexual ao meu corpo. Agora não é diferente. — Merda, Jamie. Meu Deus. — É verdade, querida. É isso mesmo. Solte-se para mim. Quero sentir-te deixar ir. — Eu só fico mais tensa, quando ele continua deitado e chupando no meu clitóris, embora. Ele bombeia os dedos dentro de mim, jurando em silêncio quando ele sente minha buceta contraindo em torno dele. — Você está chegando perto? — Ele pergunta. Se eu quisesse, eu provavelmente poderia parar de tentar agarrar a minha sanidade mental com essa determinação e permitir-me a sucumbir ao orgasmo que eu posso sentir vindo. Eu não quero ainda, embora. Eu não estou pronta para isso acabar. Eu o quero dentro de mim quando eu gozar. Eu quero sentir enfraquecida e à sua mercê quando eu escorregar sob as ondas de prazer. Eu balanço minha cabeça.— Ainda não. Por favor, ainda não. Atrás de mim, ele ri. É o som mais sensual, emocionante e envia arrepios em toda a minha pele. — Você é masoquista, querida. Como é que você quer que eu faça você gozar? — Realmente muito forte. — Tão forte que você não pode suportar? — Sim. — Tão forte que você não consegue lembrar seu próprio nome. — Sim. — Tão forte que eu tenho que mudar estes lençóis quando terminarmos de fazer? Eu fecho meus olhos, pressionando meu rosto nos próprios lençóis que ele está falando. Eu tenho-os enrolado em ambos os punhos cerrados.— Deus, sim, — eu assobio. — OK baby. Você pediu por isso. — Jamie me lambe novamente, mas desta vez ele não está lambendo meu clitóris. Ele lambe minha bunda, e eu remexo contra sua boca, surpreendida pelo súbito calor e a intimidade do gesto.

~ 23 ~


— Foda-se! Foda-se, Jamie. Eu não posso... — Sim você pode. Fique quieta para mim, Docinho, seja uma boa menina. Eu vou cuidar de você. Vou dar-lhe o que quiser. — Seus dedos ainda estão dentro de mim, empurrando em minha buceta. Ele lentamente desliza-los para fora de mim, e depois os empurra de volta para dentro com muito mais força. Eu suspiro a cada vez, minha voz rouca, minha garganta ardendo quando Jamie me fode com o indicador e o dedo médio. Parece bom pra caralho. Eu não tinha ideia que eu gostaria do que ele está fazendo com a boca, mas cada vez que Jamie lambe minha bunda, a pressão de sua língua crescendo e crescendo enquanto ele trabalha, encontro-me caindo aos pedaços peça por peça. Isto é incrível. Sério. Porra. Incrível. Jamie faz uma pausa, afundando seus dentes não muito delicadamente em minha nádega direita. — Você quer meu dedo lá dentro, linda? Eu normalmente não vou para esse tipo de coisa, mas ele me tem tão excitada e louca que eu encontro-me acenando. Mais do que isso, eu fisicamente repondo para ele.— Eu quero você, sim. Eu quero sentir você na minha bunda, Jamie. Por favor... Eu não aguento mais. — Foda-se. — Jamie suspira fora palavrões quando ele gentilmente empurra cuidadosamente o dedo dentro de mim. Suo instantaneamente, minhas pernas tremem quando ele se move pouco a pouco. É uma sensação tão esmagadora. A combinação de prazer e dor é estonteante. — Você quer o meu pau dentro de você, também, Sophia? — Jamie sussurra. — Você quer que eu te foda em sua buceta enquanto eu fodo sua bunda, também? Minhas bochechas ficam da cor de um caminhão de bombeiros pintado recentemente. Eu sei disso porque parece que elas estão pegando fogo. Por um segundo eu realmente não sei o que dizer. Eu não sei se eu posso lidar com isso. Eu não sei se o meu corpo pode tomar muita atenção. — Sophia. — Jamie desliza o dedo dentro da minha buceta, ao mesmo tempo, bombeando suavemente ambos os dedos dentro e fora do meu corpo. Eu suspiro, segurando os lençóis da cama mais apertado.— Não pense demais. Você vai se sentir bem, eu prometo.

~ 24 ~


Jamie não fazer promessas de ânimo leve. Ele nunca diria algo assim, a fim de obter o seu próprio caminho. E ele com certeza não me promete prazer e depois não entrega. É um ponto de orgulho para ele. — Ok. Ok, sim. — Minha voz é calma, e sai silenciosa quando eu quero dizer isso. Como eu quero. Jamie grunhi, reposicionando-se entre as minhas pernas. Sua respiração está acelerada e difícil como a minha. Seu pau pressiona contra mim quando ele range os quadris contra minha bunda. — Eu quero sentir você gozando em cima de mim, tudo bem, Docinho? Eu quero sentir você mais e mais quando você gozar em todo o meu pau e meus dedos. Você pode fazer isso por mim? Eu não posso falar. Eu só posso concordar. Jamie se inclina para trás e empurra-se lentamente dentro de mim. — Droga, Soph, — ele sibila. — Você é boa pra caralho. Eu me sinto tão completa quando ele trabalha tanto o seu pênis e seus dedos dentro de mim, empurrando os dois dentro de mim, ao mesmo tempo, com cuidado, devagar, profundamente, me fazendo tremer e tremer. É como nada que eu tenha experimentado antes. Nada que tenha chegado perto desse sentimento, e é incrível. — Eu posso me sentir dentro de você, — diz Jamie.— Eu posso sentir meu pau ficando mais duro. Eu aceno, apertando minha mandíbula. — eu também posso. É uma sensação incrível. — E ele faz. Jamie esfrega a mão livre levemente para cima e para baixo minhas costas. Quero sentir suas mãos em cima de mim, me acariciando, me acariciando, mas ele está tipo muito ocupado, e eu sou o tipo de apreciar muito o que ele está fazendo para impedi-lo. — Puta merda. — Jamie enfia seus dedos nas minhas costas, batendo-se em mim mais duro agora. Posso dizer que ele quer foder duro, mas ele está se segurando. Ele não quer ser muito áspero quando ele está apalpando minha bunda ao mesmo tempo. Eu quase quero que ele seja, apesar de tudo. Eu quero sentir como se eu estivesse sendo possuída. Eu quero sentir como se meu corpo não me pertence por apenas cinco minutos. É um pensamento estranho, perigoso. Eu empurro de volta contra ele, forçando-o mais profundo quando ele me fode. Jamie dá um tapa na minha bunda com a mão livre, rosnando. — É assim que é, Docinho? É isso que você quer?

~ 25 ~


— Sim. Foda-me, Jamie, por favor. Foda-me com mais força. — Eu tenho certeza que eu pareço com uma estrela pornô clichê, implorando para ser mais estocada por algum playboy de pau gigante, mas meus pedidos são genuínos. Eu o quero. Preciso dele. Devo tê-lo. Jamie me obriga. Meus olhos reviram em minha cabeça quando ele acelera, empurrando para dentro de mim uma e outra vez, e eu não posso me manter sã. Eu sinto como se estivesse afundando no colchão, minha bunda ainda apontando para cima no ar quando Jamie me fode, e é como se eu estivesse levantando-me fora do meu corpo. Sinto-me leve, segundos longe de bater o teto. Jamie geme quando ele desliza seu dedo dentro e fora da minha bunda. — Você está pronta agora, docinho? — Ele me pergunta. — Você está pronta para gozar para mim? — Sim. Eu não posso aguentar muito mais tempo. — Então, vá. Deixa acontecer. Venha para mim, baby. Vamos — A última de sua força de vontade aparentemente queima, ele não segura mais para trás. Eu sinto que estou sendo iluminada de dentro quando Jamie bate-se em mim. Eu me sinto bêbada, alta, nos achados e perdidos de uma só vez. Quando os primeiros sinais de meu orgasmo me batem, batem com força, força bruta, inegável e irrefreável. Jamie deve sentir isso, deve sentir a diferença em mim, porque ele começa a falar palavrões novamente. — Oh meu Deus, Jamie. Eu não posso - eu não posso...— eu perco a capacidade de falar completamente. Só posso ofegar, gemer e gritar quando sou varrida pela correnteza. Jamie ruge quando ele goza comigo. Ele tira o dedo e toma conta de mim pelos quadris com ambas as mãos, e ele fode-me duro e profundo. Contorcemos um contra o outro, quando o prazer diminui, sensível das endorfinas inundando nossos sistemas, e Jamie acaricia meu corpo, me salpicando com beijos leves em todas minhas costas. Eventualmente, ele puxa para fora e se deita ao meu lado. Ele sorri, tirando meu cabelo para fora do meu rosto. — Você está muito corada, — ele anuncia. — Parece-me que alguém apenas teve a manutenção de sua vida. Eu mostro a minha língua para ele, levantando o meu pesado braço para que eu possa alegremente beliscar o seu mamilo. — Não. Eu

~ 26 ~


tive a manutenção da minha vida na semana passada de um cara chamado Rebel. Jamie finge carranca. — Ouvi dizer que o cara é um idiota. — Ele é. Mas eu o amo. Agora, ele franze a testa. — Eu pensei que você me amava? — Eu faço. Eu amo vocês dois. Mais do que devia, tenho certeza. Ele sorri, balançando as sobrancelhas. — Ainda bem que eu não sou um cara ciumento. — Ele envolve seus braços em volta de mim e me puxa para ele, para que minha cabeça descanse em seu peito mais uma vez. O sol ainda é tímido em seu caminho através da abertura nas cortinas, colocando em barras de ouro de espessura em todo o nosso corpo. Jamie passa os dedos para cima e para baixo da perna que eu tenho jogado sobre o corpo dele, enroscado em suas próprias pernas. Seus dedos não se desviam fora da faixa grossa de luz solar que marca a minha pele. Ficamos deitados assim por um longo tempo, ele acariciando meu cabelo e meu corpo, cantarolando baixinho, até Carnie chegar e gritar que ele quer a droga do seu café da manhã, através da porta do quarto. Eu domo o meu cabelo, visto uma roupa e saio, beijando Jamie na testa antes de eu ir. Eu sei que quando eu for beijá-lo mais tarde no galpão, depois que ele arrastar seu preguiçoso traseiro para fora de sua cama, eu não vou beijar mais a mesma pessoa. Eu vou estar beijando Rebel, o presidente da Widow Makers Motorcycle Club, mas ainda vai ser tão perfeito. Ele ainda vai ser tão mágico.

~ 27 ~


Capítulo dois CADE Parecia que a escotilha para o porão debaixo do celeiro iria ficar enferrujada. Toda vez que alguém queria ir para lá, eles precisavam tomar um martelo e um pé de cabra para forçar a alça e abri-la com força bruta. Não é o caso hoje em dia. Agora a maldita coisa está aberta tantas vezes que a dobradiça nem range mais. No café da manhã, almoço e jantar, alguém tem que ir para o porão para alimentar nosso convidado atual, e, geralmente, esse alguém sou eu. Eu não realizo a tarefa, porque eu gosto. Eu desço ao porão todos os dias do caralho porque o trabalho é tão desagradável que ninguém mais vai fazer isso. Os argumentos dos outros Widow Makers 'são do tipo válido: nosso convidado insiste que eu sou o único a alimentá-lo e vesti-lo, bem como levá-lo todas as noites para que ele possa esticar as pernas. Hoje, Soph não parece querer obter sua bunda para fora da cama e fazer o café da manhã, então eu tive que inventar algo por conta própria. Eu disse a Rebel que eu vi um cara mais velho, que parecia ser Alan Romera, sendo arrastado para o lugar de Ramirez. Ele estava compreensivelmente furioso, mas ele manteve as informações de sua namorada até agora. Disse que seria o melhor, até que possamos confirmar que realmente é o pai dela. Eu tenho que dizer-lhe mais tarde que é o Dr. Romera, cem por cento, sem dúvida, que não é uma conversa que eu estou ansioso para ter. Então, sim, eu vou deixar o prospecto ficar na cama e eu vou cozinhar se isso significa que eu posso evitar a espalhar essa notícia maravilhosa. Os ovos mexidos, torrada e fatias de frutas não vão ser o padrão para nosso hóspede exigente, mas adivinha? Não dou à mínima. Eu desço os degraus da escada que vai até o porão, usando uma mão para descer e outra para segurar a bandeja de plástico de comida que eu estou levando. Voltei quando percebemos que teríamos de deter nosso convidado por mais tempo do que tínhamos inicialmente previsto, ~ 28 ~


Jamie tinha um sistema de ar condicionado e ventilação apropriados instalado aqui em baixo, por isso, felizmente, é legal e não cheira merda e sangue seco mais. Vou para a porta no final do corredor e abro-a, preparando-me para o abuso que estou prestes a receber. Eu vou aceitá-lo agora. O abuso verbal e físico (patético embora possa ser) eu suporto a cada poucas horas tornou-se uma parte regular do meu dia. Na verdade, acho que é tipo bonitinho, agora. Dentro do quarto, Maria Rosa, ex-chefe do Desolladors Cartel, está sentada em um sofá surrado, lendo um exemplar surrado de O Amante de Lady Chatterley. Quando Rebel atirou nela há seis meses e nós a trancamos aqui, o inglês de Maria Rosa era muito tosco. Ela podia se virar bem, mas ela com certeza não podia ler qualquer coisa diferente do espanhol. Agora, ela parece estar exigindo um novo livro a cada vez que eu venho aqui. Ela sabe que eu entrei na sala, mas ela não olha para cima de sua página. Às vezes é assim - ela vai fingir que nem sequer existo quando eu deixo sua refeição e limpo os restos do anterior. Ela vai deitar na cama e fechar os olhos, fingindo está dormindo quando eu pegar a roupa suja e despejá-la fora para Sophia pegar mais tarde. Mas depois há outros dias, quando ela é como uma gata perturbada, saltando para fora atrás da pesada porta de aço, tentando arrancar meus olhos de minha cabeça enquanto ela tenta, pela milionésima vez, escapar. Esta manhã não parece ser uma espécie de tentativa de fuga. Maria Rosa lentamente põe seu livro e fica, alongando-se, braços elevados acima da cabeça. Ela se parece com um gato quando ela faz isso, membros longos, os dedos bem abertos, cabeça para trás, coluna arqueada. Ela faz um som de gemido quieto quando ela se vira e se inclina, estendendo a mão para o chão. A calça de moletom apertada que ela está usando está escrito Picante do outro lado na bunda não deixa muito para a imaginação. Suas tentativas de seduzir-me variaram de sutilezas como esta, à loucura onde eu abri a porta para encontrá-la nua em sua cama, com as pernas bem abertas, enquanto ela brincava com sua buceta e me pedia para a foder. Ela parou de fazer isso um tempo atrás. Ainda assim, de vez em quando ela vai tentar algo como isso, algo projetado para despertar meu interesse. Ela deve saber por que a puta louca não sai do meu pau duro. — Quando ele está vindo para me ver? — Ela ronrona. — Eu preciso falar com ele.

~ 29 ~


Largo seu café da manhã na pequena cômoda que tinha trazido até aqui para ela, chutando a porta fechada atrás de mim. — O que você precisa falar a ele? — Esta linha é tão antiga quanto às montanhas. Ela sempre precisa falar com Rebel, e Rebel nunca quer falar com ela. Engraçado, isso. — Eu preciso de mais espaço, — diz ela. Sua voz é leve. Jovial, quase. — Eu não posso trabalhar aqui em baixo com isto. O lugar é muito apertado. Como é que eu vou ficar em forma quando eu não posso correr? Ou fazer ioga? Não posso reprimir o riso que coça na parte de trás da minha garganta. — Eu não acho que Rebel se preocupa com você ficar forma, querida. Eu acho que ele se preocupa com você manter silêncio e não tentar esfaquear as pessoas no pescoço com uma faca de plástico sempre que elas vêm aqui. Ou jogar sua própria merda. Eu acho que ele se preocupa com você não fazer isso. — Eu só fiz isso uma vez. — Ela faz beicinho. Mesmo sem maquiagem, ela é uma mulher muito bonita. Há certas concessões que Jamie fez para ela, certas exigências que ele concebeu em troca de sua vaga cooperação, mas maquiagem não foi uma delas. — Eu só fiz isso para demonstrar quão indigno este arranjo todo é, baby. Eu cago no canto da mesma sala que eu como, durmo e tomo banho. Isso é um insulto do caralho, não? Eu sorrio, pegando o saco de roupa suja. — Ele já quebrou mais três dos quartos para lhe dar mais espaço. Ele não vai te dar mais. — Então eu preciso de uma esteira, — ela lamenta. — Você está sonhando. Não vai acontecer. — Você poderia fazer isso acontecer, — diz ela calmamente. — Se você realmente quisesse. — Mas aqui está a coisa louca Maria Rosa. Eu não quero. — Por que não? — Ela parece realmente confusa. — Hmm. Poderia ter algo a ver com o fato de que você me torturou por três dias em Columbia? Também pode ter algo a ver com o fato de que você foi severamente inútil quando Rebel e eu estávamos à procura de minha irmã? E para Jamie, eu vou dizer o porquê porra!!! Você enquadrou nosso clube pelo assassinato de onze pessoas inocentes que estavam apenas tentando fazer a sua mercearia semanal em Los Angeles. ~ 30 ~


Maria Rosa ri, cabeça para trás, sua voz tilintar como um sino de prata. Ela é uma loucura. — Oh, sim. Isso. — Sim. Isso. — Já se passaram três anos. Eu pensei que ele teria se esquecido disso agora. Eu balanço minha cabeça. Eu estou quase tentado a revirar os olhos. — Tem sido seis meses, sua lunática. E mesmo se tivesse sido três anos, você conhece Rebel. Você tinha um monte de civis mortos sem nenhuma razão maldita, e então você tentou fixá-los em nós. Uma vida inteira poderia passar e ele nunca vai te perdoar por essa merda. Ela faz uma cara feia, desgostosa. — Então, porra eu estava sensível. Sou uma mulher. Ele me ofendeu. É claro que eu estava indo para retaliar. Rebel recusou-se a ser o seu bode expiatório. Não havia nenhuma maneira que ele iria concordar em transportar drogas para ela, ser a sua ajuda contratada sempre que ela precisasse. Era ridículo que ela ainda achava que ele iria para o negócio. Eu não discuto isso com ela, embora. Seria um empreendimento inútil. A mulher é completamente irracional. Ela realmente acredita que suas ações eram justificáveis. — Coma seu café da manhã, Maria. — Espere. — Ela atravessa a sala, pulando um pouco para chegar a mim antes que eu posso sair fora. — Eu estou tão entediada aqui, baby. Você não pode ficar mais um pouco? Me entreter? — Ela já sabe pelo rosto que eu estou puxando o que minha resposta será. — Ou..., — diz ela, agarrando o meu braço. — Eu poderia entretê-lo em vez disso? Eu me lembro que você gostava o que eu usei para entretê-lo. Eu realmente não tinha muita escolha quando ela escolheu me 'entreter' antes. Eu estava amarrado a uma cadeira, nu, um laço de correr em meus pulsos, sangue escorrendo de meus dedos, e ela fez tudo em seu poder para descobrir o que me deixava duro. Ela tinha as meninas que vinham e me espancavam. Ela tinha pessoas para foder na minha frente. Ela deixou seu guarda-costas transar com ela na minha frente. Nada funcionou. Isso a deixava louca. No final, foi sua frustração, sua desesperada necessidade inexplicável para me excitar sexualmente que fez isso acontecer. E foi uma decisão consciente. Ela tentou forçá-lo, mas isso não é comigo. Ela poderia provocar e brincar com meu pau de sol a sol e ela não teria chegado a lugar nenhum até que eu decidir deixar que isso aconteça.

~ 31 ~


Eu olho os carnudos lábios inchados da Maria Rosa e como sua língua se lança entre eles. Sua mão desliza para baixo do meu corpo, viajando de meu braço para meu pau. Ela aperta. Duro. — Nós usamos para nos divertir, baby. Eu sei que estou no livro mau de Rebel, mas isso não significa que eu tenho que estar em seu livro mau, não é? — Você é a única pessoa em meu livro mau, mulher. Agora tire a sua mão fora do meu pau antes de eu quebrar os seus malditos dedos. Ela sorri para mim, não acreditando em mim por um segundo. — Vamos, Cade. Quando foi a última vez que teve boca a de uma mulher ao seu redor? A boca de uma mulher real. Uma mulher apaixonada, não alguma menina boba americana. — Quando eu conheci você, você sempre quis ser uma daquelas meninas americanas bobas, não é? — A mão dela ainda está exatamente onde ela a deixou, e ela está apertando mais duro. Ela se inclina para mim, esmagando seus seios contra o meu peito. — Isso foi antes de ser trancada em seu porão filho da puta. Agora eu sei o quão estúpido que era. Eu tive um monte de tempo para pensar. Tenho orgulho de ser uma mulher colombiana sensual, sexual. Você pode manter suas, cadelas cabeça ocas, loiras estúpidas. — De qualquer jeito isso não está acontecendo. Então mova sua mão. Se você quiser alguém para brincar, vou enviar Carnie aqui em baixo. Tenho certeza que ele ficaria feliz de ajudá-la. Ela solta, seu repúdio pelo pensamento muito claro em seu rosto. — Oh, por favor. Aquele menino? Ele é uma criança. — Ele tem trinta. E você não disse não quando você fez Rebel assistir você chupar o pau dele em Las Vegas, não é? — Isso foi diferente. Isso era para Rebel, não para mim. E isso definitivamente não era para esse menino estúpido. Eu me inclino para perto para que eu possa sussurrar em seu ouvido. — Vou dizer um pequeno segredo, mãe. Rebel não é atraído por você. Ele nunca foi e nunca será. Então você pode chupar muitos paus na frente dele como você gosta. Você pode deixar todo um time de futebol foder você. Para ele não vai fazer a menor diferença. Ele acha que você é uma louca manipuladora, o mal de merda. Ele não iria mijar em você se você estivesse em chamas. Você entende? Maria Rosa dá passos para trás, o sorriso escorrega de seu rosto. Forma-se um brilho frio nos olhos, escuro, embora possam ser, agora ~ 32 ~


eles estão mais frios e pálidos do que a íris azul de Rebel. Ela passou de tesão tortuoso e malicioso para rancoroso em um piscar de olhos, e eu sei que o meu tempo aqui com ela certamente deve estar chegando ao fim. — Ele pode pensar o que quiser de mim, — diz ela lentamente. — Ele pode fingir que ele vai me punir aqui nesta caixa de merda para sempre. Ele pode tratar-me como um animal, privar-me dos meus direitos básicos como um ser humano, mas confie em mim quando digo isso, Cade Preston. Eu não vou ficar presa aqui para sempre. Vou sair, e quando eu sair, haverá um inferno para pagar por isso. Haverá sangue derramado, e as pessoas vão morrer, e eu estarei sobre o seu túmulo e eu vou mijar sobre ele. E eu vou mijar no seu depois dele. Só então a minha raiva terá passado. — Ela saca a mão de forma inesperada, e dá um tapa em meu rosto, com força suficiente que o espaço fechado ecoa com o som de sua palma tomada de contato com a minha bochecha. Lentamente, eu corro minha língua sobre meu lábio inferior, sentindo o gosto de sangue. — Lá está ela, — eu digo.— Cuidado, mãe. Um destes dias... Eu estou indo para golpeá-la de volta. Ela cospe, felizmente inteligente o suficiente para fazê-lo em meus pés, em vez de na minha cara. — Besteira. Você não é homem o suficiente para levantar a mão para mim, bastardo. — Mesmo que ela jure para mim, me xingue, eu posso ver o fogo de faíscas dentro dela. Eu posso sentir isso queimando fora dela. Ela prospera sobre este tipo de conflito. Eu sei que assim que sair da porta atrás de mim, ela vai arrancar suas roupas fazendo-se gozar. Ela não será capaz de se conter. — Coma a porra do seu café da manhã, — eu sussurro. — Ou não. Eu não dou a mínima. — Eu viro e saio, rapidamente inserindo a chave na fechadura da porta, abrindo-a e deslizando através antes que ela possa tentar vir atrás de mim como ela normalmente faz. Eu fico lá, fumegando, sangue correndo como fogo em minhas veias quando olho para a porta de aço que mais uma vez nos separa. Eu não aguento mais esta merda. Alguém vai ter que ser o seu menino de entrega do caralho. Ela pode arremessar sua própria merda e jogar como muitos acessos de raiva quando ela não gostar muito. Eu mesmo farto. Mas ainda… Meu coração está tropeçando em si agora. Minha pele está quente, espinhosa, desconfortável contra as minhas roupas. Foda-se puta. Droga. Eu cai de costas contra a parede de concreto atrás de

~ 33 ~


mim, com o saco de roupas de Maria Rosa aos meus pés, e eu olho para o teto baixo, minhas retinas queimam do brilho áspero da iluminação. Seu toque não me liga. Foi a sua raiva. Sua pura, fúria não adulterada. Ela é fogo e enxofre, o epítome de uma mulher desprezada, e eu acredito que quando ela diz que faria qualquer coisa em seu poder para destruir tanto Rebel e a mim se for dada metade das chances. Mas eu sei que ela gostaria de me foder sem sentido antes dela me matar. Eu posso ver a sua guerra de emoções muito claramente, e detesto como estou a admiti-lo, quero transar com ela tanto quanto eu quero matá-la também. Minha mão se move automaticamente para o meu pau. Eu consegui me controlar de voltar lá, mas eu estou tendo menos sorte aqui. Está ficando mais difícil a cada segundo, meu corpo superaquecido, sentindo como eu estou a ponto de transbordar. Eu nem sequer penso nisso; desato o cinto e desço o zíper, minha cabeça ainda encostada na parede. Eu deixo meu jeans cair sobre meus quadris e eu puxo para baixo minha cueca um pouco, permitindo que minha ereção saia ao ar livre. Ele se sentiria muito melhor se Maria Rosa estivesse de joelhos na minha frente agora, rodando sua língua habilmente em torno da cabeça do meu pau, gemendo como ela me provou, gemendo enquanto eu crescia mais duro do que o granito no fundo de sua garganta. Mas eu não posso confiar nela para não morder a coisa. Eu não poderia confiar em mim mesmo para não perder o controle e agarrar ela assim que eu poderia odiar foder a merda viva fora dela até que ela estivesse gritando meu nome. Eu corro minha mão para cima e para baixo no comprimento do meu pau, a respiração presa na minha garganta. Ela é perigosa. Desejála de qualquer maneira, é provavelmente a coisa mais estúpida que eu poderia fazer, e ainda agora sou tomado por cada pedaço de força de vontade que possuo para me impedir de abrir a porta de volta para cima e desfrutar sua buceta. Eu trabalho o meu pau, segurando-me mais e mais quando eu chego cada vez mais perto de gozar. Logo eu estou frenético. Minhas pernas estão tremendo, minha cabeça girando quando eu explodo, um jato de sêmen derramando todo o meu lado, no chão, quase batendo na parede oposta. Eu mordo meus dentes juntos, segurando na necessidade de gemer como o meu corpo convulsiona e treme. Deus. Foda-se.

~ 34 ~


O que diabos está errado comigo? Eu me sinto entorpecido e sem osso, quando eu pego saco de roupa de Maria Rosa e abro. A calcinha preta é a primeira coisa que eu puxo para fora. Eu não sou um pervertido completo, apesar de tudo. Se eu fosse, eu poderia considerar manter no meu nariz e inalar profundamente. Mesmo o pensamento de fazer algo como isso me deixa com raiva, uma sensação em conflito com o desejo igualmente proeminente a desistir e apenas fazê-lo. Eu me limpo com o algodão preto, e então eu uso a calcinha para limpar a bagunça que eu fiz no chão, também. A sucata de material fica pegajoso e saturado pela sujeira. Eu jogo-a de volta para o saco de roupa, sabendo que eu vou lavar todo o conteúdo esta manhã, em vez de deixar para Sophia fazer. Pode ser um emprego de prospecto de merda, mas não há nenhuma maneira que eu queira a namorada do meu chefe manipulando minha porra. Estou confuso quando subo a escada para fora do porão. Eu menti para Maria Rosa. Eu disse a ela que cadelas loucas não fazem meu pau duro, mas parece que isso fora uma mentira. Cadelas loucas fazem meu pau duro. Elas fazem muito duro.

~ 35 ~


Capítulo três SOPHIA — Tire essa puta daqui. Agora. — Shay encara Carnie com a intensidade de mil sóis violentamente em chamas. Os dois dormiram juntos há meses, mas por alguma razão Carnie veio para o clube esta manhã com uma loira magra em seu braço, e batom vermelho manchado por todo o rosto presunçoso. Eu suspiro quando termino mais três pratos de bacon e ovos e empurro-os para baixo. É uma espécie de patético que esses dois não podem obter a sua merda juntos. Carnie recolhe um dos pratos que eu deslizei pela parte superior da barra de madeira altamente polida, e então pega outro. Ele estende o segundo para a loira magra, que eu tenho certeza que nunca comeu uma tira de bacon em toda a sua vida de merda. — Você não é a única que pode ter um deslize, Shay, — diz Carnie.— Somos todos humanos aqui. Certo, rapazes? Os outros membros do clube não nasceram ontem, apesar de tudo. Eles sabem que apoiar Carnie agora é, essencialmente, escolher um lado e escolher um lado é basicamente o mesmo que assinar a sua própria sentença de morte quando se trata de Shay. Ela é completamente psicótica a maior parte do tempo. Irritada e volátil. Não um desses homens ou mulheres de boa vontade que trazem sua ira sobre suas cabeças sem uma boa razão, e isso não é definitivamente uma boa razão. Ela pode lutar suas próprias batalhas com Carnie. Melhor deixar os dois ir três ou quatro rodadas e, em seguida, perdoar uns aos outros do que se encontrar preso no meio de uma longa vingança da vida que só vai acabar em lágrimas. Nenhum dos Widow Makers olham para cima de seus pratos. Carnie faz uma careta para Cade, quem está sentado sozinho na mesa reservada para ele e Jamie.— Bichas, — diz ele em voz baixa. E então, mais alto, ele diz: — Eu não vejo qual é o problema, Shay. Seu outro namorado comeu o café da manhã conosco. Por que não as meninas que eu fodo não compartilham o mesmo privilégio? ~ 36 ~


Soa um pouco como ego ferido de Carnie por Shay. Ela se levanta da mesa onde ela estava comendo e cruza os braços sobre o peito. Ela está usando esse olhar em seu rosto que só pode significar problemas. — Se você está se referindo ao Cade, — diz ela, olhando por cima do ombro para o rapaz de cabelos escuros sentado sozinho, — então ele dificilmente é meu outro namorado, da mesma forma que você não é meu namorado também. Cade e eu fodemos. Deixe isso para trás. Ele me comeu aqui porque ele é o vice-presidente da porra do clube, seu idiota. O clube fica quieto. Toda a conversa cessa. Cade para de comer, pousando o garfo e faca em cada lado do seu prato. Ele não olha para a briga ocorrendo. Em vez disso, ele range os dentes, fazendo com que seus músculos da mandíbula flexível quando ele estuda a confusão de gema de ovo e bacon enegrecida na frente dele. Carnie faz um som depreciativo na parte de trás da garganta.— Ótimo. Maravilha, Shay. Diga a todos, por que não fazê-lo. — Claro que vou. Ninguém se preocupa, Carnie! Você é o único que tem um problema com isso. Por que você não pega a sua prostituta de peróxido e vai para o Denny, está bem? A comida é melhor lá, de qualquer maneira. — Hey! — Eu bato a minha colher de servir. — Se você não quer comer a comida que eu faço, Shay, em seguida, arraste o seu próprio rabo para a cidade e termine logo com isso. — Shay e eu lutamos de igual para igual um par de vezes nós mesmas. Eu sabia que nunca ia ter qualquer amor perdido entre nós, e no dia que eu quis tornar-me um membro deste clube eu ia ter que enfrentá-la, independentemente de saber se importava para mim ou não. Sua cabeça balança para trás, estreitando os olhos enquanto ela me corrige em sua mira. — Acalme sua merda, Sophia. Nem tudo é sobre você. Sua comida é muito boa — ela se retrata. — O que é um elogio. — Eu rolo meus olhos. — Carnie, por que você e sua amiga não comem lá fora na luz do sol? É muito pequeno aqui para brigar agora. As paredes estão se fechando. — Sabe... — Carnie balança a cabeça, a boca puxando para cima em um sorriso confuso. — Para um prospecto, você diz muito que devemos fazer. Eu me pergunto por que poderia ser — Todos nós sabemos por quê. Sou a old lady do presidente. Carnie nunca vai expor esse fato em voz alta, embora. Rebel iria enforcá-lo com suas vigas e usar seu torso como um saco de pancadas, se ele fizer. Estou prestes a ~ 37 ~


voltar para ele com uma réplica sobre crianças sendo facilmente conduzidas, mas um alto, metálico, raspado som corta através do ar úmido e sufocante dentro do clube e todos param de falar novamente. Cade ergue-se sobre todos, com as mãos plantadas em cima da mesa na frente dele em ambos os lados de seus talheres, ele lança um olhar escuro, exausto no Carnie. — Você cuide de sua boca, cara, — diz ele em voz baixa.— Seria um começo muito de merda para o meu dia se eu tivesse que chutar o seu traseiro por ser rude com Soph. — Veja! Isto é o que eu quero dizer, — Carnie diz, jogando as mãos no ar. — Ela recebe tratamento preferencial porque ela está chupando o chefe. — Ninguém disse que isso era uma organização de igualdade de oportunidades. Se você não gostar dele, então você pode sempre sair, Carnie. Apenas lembre-se de deixar a tinta na porta. Deixar os Widow Makers é apenas como deixar todo o crime organizado. Nunca é tão fácil como pode parecer. Mesmo se Carnie não tivesse tido acesso à altas informações, altamente confidenciais, perigosas, que poderia realmente ferir a maioria dos membros do clube, que ele tem, então ele ainda teria que obter a enorme tatuagem marcada em suas costas removido. E isso é um procedimento particularmente desagradável e doloroso que envolve uísque, facas, sangue, fogo, ardor e sangramento. Carnie começa a virar uma sombra doentia de verde. — Eu só estava apontando isso... — As pessoas que apontam tendem a perder os dedos, — rosna Cade. — Sim. Bem… — E eu não estou dormindo com Shay porra, seu idiota. Eu não cago onde eu como. Carnie olha para Shay, confusão por todo o rosto. Ele parece tão pasmo que eu quase sinto pena dele. Eu não tenho ideia do que a aconteceu para Shay contar essa mentira, mas não há nenhuma maneira de ter acreditado nisso por um segundo. Estou surpresa que Carnie também não. Shay parece sem remorso quando ela rouba seu prato da mesa e raspa a comida restante de sua superfície na lixeira no final do bar.

~ 38 ~


— Por que você me disse que você fodeu com ele? — Pergunta Carnie. — Eu fodi. Apenas não recentemente — diz ela. — Não nos últimos cinco anos, — corrige Cade. Shay fica roxa, mas ela balança a cabeça. — Você queria saber. Você perguntou. Você estava sendo uma vadia psicótica sobre os caras que eu tinha dormido antes que você pudesse saber. Quando eu lhe disse sobre Cade, você não ficou por tempo suficiente para saber que não era uma coisa atual. Você fez suposições, porque você é um idiota cabeça-dura, e agora aqui estamos nós, com você enfiando seu pau em uma fábrica de Hepatite ambulante. A loira, que estava tranquila na maior parte até agora, devolve a comida para Carnie que passou por ela. — Eu acho que vou indo, — ela sussurra. Parece que seu temperamento está aumentando, mas felizmente ela está conseguindo manter sua língua; se não Shay iria rasgá-la fora de sua boca junto com o Botox se não o fizer. — Eu não fodi adequadamente, baby, — diz Carnie.— Eu juro que não. Eu coloquei meu pau na bunda dela na noite passada, mas não me senti bem. Eu parei. Diga a ela, Denise. Diga-lhe que não...— Mas Denise estava andando fora do clube, balançando um pouco em cima de seus seis grandes e saltos de prostituta, e ela não parece que ela vai parar e se virar. Deus sabe como ela pensa que vai voltar para a cidade a partir daqui. No ano passado, não muito tempo depois que eu cheguei aqui com Jamie, encontramos uma das namoradas dos rapazes pendurada em uma árvore na estrada que conduz da cidade para o galpão. Suas mãos e um dos pés tinham sido cortados. Junto com a cabeça. Desde então, não se permite que as pessoas andem sozinhas lá fora, especialmente as mulheres. Carnie foi quem encontrou Bron, por isso é surpreendente que ele deixá-la vaguear fora agora. Suas sobrancelhas são desenhadas juntas, puxando para cima em um olhar de cachorrinho magoado. As lentes de seus óculos escuros de aro grosso embaçaram um pouco na parte inferior, sugerindo a sua temperatura está alta. É mais quente que o inferno no deserto do Novo México no verão. Argumentos e brigas só tornam o clima mais insuportável. — Você deveria ter explicado, — ele diz para Shay. — E você deve ter deixado a besteira do machismo por apenas um maldito segundo e deixar-me realmente terminar minha frase. — Ela

~ 39 ~


tem um bom ponto. Ela não parece muito perturbada pelo fato de que Carnie estava fora brincando com outra mulher. Na verdade, ela parece assustadoramente calma. Se Rebel tivesse feito isso para mim, não haveria inferno para pagar. Eu teria seus testículos em um piscar de olhos. A relação que eu compartilho com o chefe dos Widowers é diferente da maioria dos relacionamentos dentro do clube, apesar de tudo. A monogamia não esta em primeiro lugar na lista de traços morais desejáveis em um parceiro da maioria das pessoas. Isso vale para os membros do sexo masculino e os membros femininos da mesma forma. Ninguém parece querer ser amarrado, não quando você poderia estar se divertindo com um monte de pessoas diferentes ao mesmo tempo. Sloane teria escolhido algo a dizer sobre as modalidades que acontecem aqui sob este teto, uma vez que a noite cai. Provavelmente algo sobre os fatores de risco de doenças venéreas altamente transmissíveis, e como a sífilis é uma péssima nos dias de hoje. Carnie agarra o balcão e dá de ombros.— Nós não estamos falando sobre isso, — diz ele. — Tudo o que você diz, baby. Você é o chefe. — Shay sorri para Carnie, mas não é um sorriso real. É uma careta, dentes à mostra, e a mensagem é clara para Carnie ler. Ele não é o chefe, e se ele ainda tentar trazer essa merda de novo, Shay vai castrá-lo com uma faca de manteiga enferrujada. Carnie balança a cabeça.— Foda-se, — ele murmura baixinho. Deixando o café da manhã para trás, ele sai do clube, presumivelmente para ir e agarrar a loira que ele permitiu sair um momento atrás, e levála para casa, onde quer que seja. Shay senta-se para baixo, sem dizer uma palavra. Todo mundo sente o fogo do olhar de Cade dirigido a sua cabeça, no entanto. ele parece irritado. Eventualmente Shay reconhece ele, revirando os olhos.— O que? — Nunca me arraste para sua merda de novo, mulher. Ela não vai acabar bem. Você me entendeu? — Seus olhos escuros parecem quase pretos quando ele olha para ela. Shay resmunga algo sob a respiração. Cade raramente fica louco, mas agora ele não parece estar feliz. — Desculpe. Eu não ouvi, — ele rosna. — Eu só disse a verdade, — ela responde.— Eu não menti. Nós dormimos juntos Cade, não importa o quanto você pode querer esquecer.

~ 40 ~


— Você está certa. Seria maravilhoso se eu pudesse esquecer, mas parece que insiste em falar nisso por algum motivo, e não consigo colocar o dedo sobre o porquê disso. Se temos problemas, Shay, apenas deixe-me saber e eu vou alegremente resolvê-los com você. Eu estou esperando por resposta mordaz de Shay a isso, mas a porta para o clube se abre e Rebel entra, percorrendo a sala de lado a lado quando ele faz o seu caminho em direção ao bar. A partir do olhar tenso em seu rosto, ele ouviu vozes e ele não está com humor para lidar com eles.— Qual é o problema? — Ele bate a arma sobre a trave, soprando um longo fôlego pelo nariz. — Nada. Shay estava prestes a ir até a cidade para verificar a loja. Certo, Shay? — Cade realmente não parece estar dando a ela uma escolha. Shay está de repente sem expressão, com o rosto totalmente em branco. Ela se levanta e recolhe suas coisas, jogando seu patch de couro por cima do ombro coberto. — Sim, senhor, — diz ela, com a voz cortada, desprovida de qualquer inflexão ou emoção. A mudança nela é milagrosa, e ainda assim eu já vi isso mil vezes antes. Ela sopra quente e frio, fogo e gelo, sua língua afiada o suficiente para esfolar a pele das costas de um homem na maior parte do tempo, mas no momento ela está confrontado com o homem que amo, ela é de repente dócil e complacente. — Volte aqui depois do almoço. Vou mandar alguém para aliviála, — diz Rebel. Shay dá-lhe um aceno rápido e então ela silenciosamente deixa o clube, deixando um punhado de Widow Makers confusos atrás dela. Desde que Hector Ramirez apareceu em Freemantle e decidiu aterrorizar os Widow Makers qualquer momento poderia, seria necessário ter alguém armado e pronto para defender a loja de tatuagem do clube. Eu meio que pensei que Ramirez tinha ficado entediado e tivesse deixado o Novo México até agora, que tinha voltado para casa para seu quartel no México para supervisionar as suas operações de drogas, mas parece que ele tem muito mais paciência do que lhe deram crédito. Ele estava furioso após seu braço direito, Raphael Dela Vega, desaparecer. Ele prometeu não sair até que Raphael fosse encontrado, e então eu acho que isso significa que ele nunca vai sair porque Raphael se foi para sempre. Eu deveria saber, eu matei e enterrei-o no deserto. Rebel me lança um breve sorriso enquanto ele se senta com Cade. Eu tento não ouvir a conversa enquanto eu limpo as coisas do café da

~ 41 ~


manhã, mas é difícil não ouvir. Eu senti um mal-estar no galpão ao longo dos últimos dias. Um mal-estar que eu não posso pôr o dedo, mas que eu sei que está lá tudo a mesma coisa. Eu ouvi duas palavras que enviam arrepios por todo meu corpo: Los Oscuros. E então eu ouvir mais duas palavras que causam um parafuso de pânico para levantar minha garganta e revezamento em torno do interior da minha cabeça, tão poderoso e forte que eu posso sentir meu pulso batendo em todas as partes do meu corpo. Alan Romera. Esse nome nunca deveria escorregar para fora da boca de Rebel. Ele nunca deveria ser um nome falado dentro das paredes da casa do Widow Makers. Ele não deve ser pronunciado em qualquer parte do clube de motoqueiro. Quando eu estava inicialmente capturada por Raphael, ele encontrou a minha identidade falsa na minha bolsa e assumiu que Sophia Letitia Marne era o meu nome real. Eu não estava exatamente indo para corrigi-lo, já que ele continuou ameaçando estuprar e matar a minha família assim que ele pudesse encontrá-los. Eu não sei por que eu não disse a Rebel à verdade, que Sophia não é a minha verdadeira identidade, mas... Acho que me senti mais segura. Melhor se eu mantivesse minha família e minha antiga vida o mais longe desta nova quanto humanamente possível. Portanto, agora que Rebel está sussurrando esse nome, o nome do meu pai, em voz alta, sinto como se minhas mentiras estão se aproximando de mim. Ele diz o nome novamente quando ele fala em voz baixa, silenciado por seu segundo no comando. De repente eu não me sinto muito bem. Meu estômago está doendo e minha cabeça se sente leve, como se não houvesse nada dentro dela. Minhas mãos estão espinhosas, dormentes, borracha de uma só vez. Olho para o, prato com sabão molhado que estou segurando deslizam das minhas mãos, e eu vejo quando ele parece cair no chão em câmera lenta. Eu sei que vai quebrar. Eu sei que ele vai explodir em milhares de pedaços quando bater no chão, e não posso fazer nada além de observar quando ele faz exatamente isso. O clube fica em silêncio. Oito pessoas todas viram e olham para mim, franzindo a testa, surpresos, irritados. Meus olhos bloqueiam com os de Rebel e uma conversa inteira acontece nos breves batimentos cardíacos que se seguem. Ele sabe. Ele sabe exatamente quem eu sou. E algo está errado, muito errado. ~ 42 ~


Capítulo quatro REBEL Eu não a empurrei. Eu nunca fiz. Parecia uma má ideia quando Soph veio pela primeira vez ao galpão. Ela estava lívida, sete formas de loucura, e trazer para fora o seu segredo parecia ser o mais idiota movimento do caralho que eu poderia fazer. Eu sempre soube, porém, sabia quem ela realmente era. Eu estive esperando durante os últimos seis meses para ver se ela iria jogar limpo, e confiar em mim, mas o dia nunca chegou, e agora parece que eu não tenho o luxo de dar-lhe espaço mais. Eu não tenho o luxo de dar-lhe tempo. Nós funcionamos fora de ambos, porque alguma coisa terrível aconteceu, e eu não tenho ideia de como vamos encontrar o nosso caminho para fora disso. Eu segurei minha língua e esperei os últimos três dias, na esperança de que estivesse errado, esperando que as informações que Cade tinha desenterrado estavam erradas, mas parece que toda a espera foi para nada. Hector Ramirez, o filho da puta que teve meu tio assassinado a sangue frio, raptou o pai de Sophia e o trouxe aqui para o Novo México. Isso não faz sentido. Quando estávamos de volta em Ebony Briar para o baile de caridade do meu pai, eu ouvi o pai de Soph dizer seu próprio nome quando ele respondeu a sua chamada. Ela não tinha dito uma palavra, desligou quase imediatamente, mas eu o ouvi dizer o seu nome. Eu nunca disse a ninguém. Quando voltamos para o galpão, minha curiosidade foi inegável. Eu queria saber tudo o que havia para saber sobre essa estranha mulher, que eu tinha me apaixonado, então eu fiz a minha pesquisa. Eu fiz a minha escavação. Procurei por Alan, e, em seguida, mudei-me para a sua esposa e suas duas filhas, Sloane e Alexis. Encontrei fotos online. Eu li relatórios escolares de Alexis. Eu olhei para o seu perfil no Facebook e depois queria matar um cara idiota porra, que chamava Matt que manteve a postar em sua página, chamando-a de todo o nome sob o sol, porque ela o deixou e não iria responder a seus textos.

~ 43 ~


Eu tinha que conhecer o outro lado da Sophia que ela mantinha escondido, e eu senti algo estranho nisso. Eu sabia que deveria esperar até que ela oferecesse a informação voluntariamente, mas merda. Eu sou a porra de um cara curioso, ok? Eu não sou perfeito. Eu tenho meus defeitos como todo mundo, e eu precisava saber se havia alguma coisa importante sobre ela que poderia causar ainda mais problemas para o clube. Algum segredo que pode aparecer e morder-nos na bunda. Não encontrei nada durante minha incursão momentânea no trabalho. Eu vi muitas, muitas fotografias de seu pai. É por isso que eu o reconheci quando Cade me levou fotos da observação de um homem de cabelos escuros, de quase sessenta anos sendo arrastado até as escadas da varanda da casa da fazenda de Hector, mãos amarradas atrás das costas, um pano de pelúcia em sua boca. Pensei por um momento que talvez eu estivesse sendo paranoico, mas não. — Você tem certeza? Qualquer chance que ele estava mentindo? — Pergunto. Cade agita em seu assento. Ele odeia isso quase tanto quanto eu faço. Nos últimos seis meses ele cresceu perto com Soph. Ele vela sobre ela como um irmão mais velho, sempre mantendo um olho nela sempre que estamos aqui no galpão, e ambos os olhos sobre ela quando não estamos. Ele balança a cabeça, suspirando. — Não. Não. Ele não tinha nenhuma razão para isso. O cara cuspiu o nome juntamente com três de seus dentes depois que eu dei-lhe um par de ganchos de direita. Eles definitivamente têm Alan. — Porra. — Sim. Você poderia dizer isso. — O cara de Hector disse o que está pensando em fazer com ele? Cade me olha perturbado. — Depois que ele derramou o nome, ele disse Hector quer a menina. Que ele está pensando em oferecer-lhe um comércio, que ela entrega-se a ele em troca da liberdade do homem velho, caso contrário, ele vai cavar-lhe uma cova rasa no deserto e colocar uma bala em sua cabeça. Não antes dele cortar alguns dedos das mãos e pés aqui e ali, eu estou supondo. — Certo. Então, como vamos colocar esse cara fora de lá sem Sophia descobrir? Cade bate um dedo sobre a tela em branco de seu telefone celular, franzindo a testa. Eu estive no inferno com este homem. Eu o vi

~ 44 ~


usar esta expressão tantas vezes antes que ela parece quase banal agora. Ele não deveria ter que ser, apesar de tudo. Ele não deveria ter que ser esse puto e estressado noventa por cento do tempo. Quando saímos do exercito, que deveria ter sido o fim deste tipo de preocupação para ambos de nós, mas em vez disso ele perdeu sua irmã, foi abordado por uma mulher louca em Columbia, foi preso em Chino por um feitiço, e agora ele está lidando com essa besteira. Tem que haver um fim em algum ponto para o pobre coitado. — Eu ainda não sei, — diz ele.— Mas nós certamente vamos descobrir isso. Nós sempre fazemos. Eu resmungo. — Sim. Porque se Hector Ramirez é conhecido por qualquer coisa, é fazer bem em suas ameaças. Alan Romera não é o tipo de homem que pode suportar a tortura por muito tempo, Cade. Ele não é esse tipo de homem. O som de algo quebrando sobre o meu ombro tem Cade em pé em um instante. Eu olho ao redor, meu pulso batendo o, meu corpo pronto para lutar, e eu vejo Sophia de pé do outro lado do bar, com o rosto branco como um lençol. Parece que ela está prestes a explodir em lágrimas. — Ela nos ouviu porra, — Cade diz suavemente. — Tanta coisa para mantê-la fora disso, homem. Jesus Cristo. — Ele se inclina para trás em sua cadeira, gemendo, mas não posso tirar meus olhos de Sophia. Ela está olhando para mim, tremendo seu lábio inferior, a acusação em seus olhos, como se eu fosse o único que tem mantido segredos dela todo este tempo. Quero dizer, sim, eu não ia contar a ela sobre este problema em particular, até que tivéssemos uma solução para ele, mas ainda assim. Isso é desculpável. Isso teria sido para seu próprio bem. — Rebel? — Sussurra. Eu posso ouvi-la perfeitamente, o que torna ainda mais provável que ela ouviu as palavras baixas que eu estava compartilhando com Cade. Droga. Tão estúpido.— Vamos, Soph. Sente-se. Nós precisamos conversar. Ela lentamente balança a cabeça.— Eu não quero. E-eu não posso. — É preciso, Docinho.

~ 45 ~


Sua agitação cresce mais violenta. — Eu preciso de um pouco de ar fresco. — Ela sai do clube, colidindo com a madeira da porta, fazendo um barulho alto. Estou fora do meu assento antes que Cade possa até mesmo sugerir isso; a última coisa que Sophia precisa agora é ficar furiosa e sair acelerando para fora em sua motocicleta, tentando encontrar seu pai. Isto é exatamente o que eu a encontro tentando fazer quando eu coloco a cabeça para fora para no pátio. Ela está lançando uma perna sobre a sela da Ducati que eu comprei com o tanque de gasolina verde irlandês, e sua mão está em seu bolso, presumivelmente em busca de sua chave. — Que porra você acha que está fazendo? — Eu estou na frente dela, colocando uma perna de cada lado da roda da frente, minhas mãos sobre o guidão da Ducati. Se ela quer sair queimando, então ela terá, literalmente, que me atropelar, livrar-se de mim em primeiro lugar. Eu estou esperando que ela goste demais de mim para fazer isso. — Saia — ela se senta. O fogo em seus olhos é selvagem, quase fora do controle. O incêndio já acendeu dentro dela, e está queimando mais quente e mais quente a cada segundo. Tenho pouca esperança de segurá-la. — Sophia, o que você pensa que está fazendo correndo para lá? Você vai dar Hector exatamente o que ele quer. Ele vai algemá-la no porão e deixar cada um de seus meninos fode-la, e ele não vai deixar seu pai ir. Ele vai acabar morto, e você vai acabar quebrada e sangrando. E então eu vou acabar morto, também. — Não, você não vai. — Seus olhos escuros brilham com aço, como se estivesse vendo algum outro resultado para este curso de ação. — Claro que eu vou. Você acha que eu vou deixar você sair daqui sem mim? Foda-se, Sophia, você acha que eu não iria morrer tentando invadir aquele lugar para libertá-la? Jesus Cristo. Você acha que eu só ia sentar minha bunda aqui enquanto você sai para enfrentar um dos homens mais perigosos do maldito país? Ela não parece impressionada com a minha raiva. — Você pode fazer o que quiser, Jamie. Se meu pai está em apuros — Vejo flashes de dor em seus olhos agora. — Em apuros por minha causa, porque eu não fui para casa quando eu deveria ter ido, então eu devo corrigir a situação — Ela puxa suas chaves fora de seu bolso de trás, tentando levá-las para a ignição da moto. Vejo-a por um segundo, lutando consigo mesma. Como diabos eu deveria acalmá-la agora? Se eu

~ 46 ~


estivesse em sua posição, eu estaria sentindo exatamente o mesmo. Nada me impediria de ir atrás de Hector. Nada mesmo. Exceto, talvez... — Sophia? Sophia, olhe para mim. — Eu coloco minha mão sobre a dela, acalmando-a quando ela se esforça para parar de tremer tempo suficiente para deslizar a chave. Ela olha para mim, furiosa e assustada, e meu coração dói. — Sophia. Eu não vou deixar Hector fazer nada para ferir o seu pai. Você confia em mim? Ela pisca. — Como você pode pará-lo? E se ele já o machucou? E então? Eu balancei minha cabeça. — Você confia em mim, Docinho? Eu a conheço, e porque eu faço, eu sei que ela está lutando desesperadamente à vontade de dizer que ela faz, ela confia em mim, mas depois ela descobriu que eu estava mantendo isso dela agora ela não sabe o que pensar. Ela me conhece, também, embora. Ela sabe que eu não teria mantido informações dela a não ser por querer ter certeza, porque eu não queria que ela entrasse em pânico desnecessariamente. Esse conhecimento faz com que ela mantivesse calma. Ela diz isso: — O que eu devo fazer, então, Jamie? Sentar na minha bunda e manter minha boca fechada até que você tenha descoberto qual deveria se próximo passo? Qualquer coisa pode estar acontecendo lá naquela fazenda. Meu pai não é um cara duro, ok? Ele é gentil. Suave. Ele é um cristão. Ele não está talhado para este tipo de coisa. Suas palavras refletem meus pensamentos. Alan Romera realmente não está preparado para sequestro e abuso físico. Ele não é o tipo de homem que será capaz de resistir à extrema violência. Alan é o tipo de homem para dar a seus interrogadores tudo o que desejam imediatamente, sem dúvida, o que é difícil, porque ele realmente não possui as informações que Hector quer. Seu único bem valioso é a sua vida, e ele não vai estar em posse dela por muito tempo se não jogar o jogo deles. O estranho é que Hector não pediu nada ainda. Os detalhes do sequestro de Alan foram arrancados de um dos lacaios de Hector, onde geralmente eu esperaria que ele jogasse suas cartas no portão. Hector dificilmente é paciente. Ele está longe de ser o tipo de homem que se senta em um sofá quando ele pode sair fora e observar o caos que seguirá depois, esfregando as mãos em delírio quando todos à sua volta se desmoronam.

~ 47 ~


Eu suspiro, sabendo o que vai sair da minha boca a seguir. Sophia não vai gostar também, mas ela só vai ter que lidar com isso. — Eu vou lá. Cade e eu iremos. Vamos falar com ele, descobrir o que quer. É a nossa única opção. Sophia balança a cabeça, negativamente, antes mesmo de eu terminar de falar. — Eu não vou ser deixada para trás. Eu vou perder minha mente, me perguntando o que diabos está acontecendo com meu pai e, em seguida, vocês dois no topo de todo o resto. Vou ter um maldito colapso nervoso. Eu estou indo com você, Jamie, quer você goste ou não. Eu posso ver a partir do olhar em seu rosto o que significa o negócio para ela. Ela não vai recuar. Altamente inconveniente, dado o que isso significa para nós agora. Ela vai me odiar. — OK. Bem. Você pode vir. — Eu esfrego a parte de trás do meu pescoço, tentando não jurar e falhando miseravelmente. — Volte para dentro, porém, Docinho. Precisamos conversar sobre isso. Descobrir como será o nosso plano de ataque. Minha linda menina estreita os olhos, engolindo. — Nem sequer pensar em tentar manter-me aqui, Jamie. Eu já decidi. — Eu posso ver isso. Ela me encara mais um momento e então lentamente sai da moto. — Tudo certo. Vamos fazer isso então. Vamos descobrir isso, e então vamos começar. Quanto mais tempo o meu pai ficar preso lá com Ramirez, pior vai ser para ele. Eu tinha tanta dúvida em minha mente quando Soph disse que queria se tornar um Widow Maker. Eu não tinha ideia se ela ia ser forte ou feroz suficiente para lidar com toda a merda que nós lidamos. Desde que ela se tornou um prospecto, ela está se provando mais corajosa e mais feroz do que muitos dos membros mais antigos do clube, apesar de tudo. Ela está determinada em todos os momentos à obter o seu próprio caminho, a ser envolvida, para mudar as coisas de alguma forma. Nós voltamos para dentro e Sophia senta-se pesadamente à mesa com Cade, como se seus ossos fossem feitos de aço sólido. Cade me dá um olhar compreensivo quando vou nos buscar o café. Nenhum deles me vê buscar o Zolpidem da gaveta debaixo da bancada. As mesmas pílulas para dormir que Cade usou para dopar Sophia na viagem desde o lugar de Julio para o Novo México. Não aviso nenhum deles esmagando três comprimidos e colocando o pó em uma das canecas Eu ~ 48 ~


encho de líquido preto escuro. Tenho muito cuidado para me certificar de Sophia ficar com o café adulterado quando eu colocá-las em cima da mesa. — Então, o que fazemos? Diga-me que há uma maneira de corrigir isso, — diz ela, levantando a caneca à boca e bebendo. Cade me envia um olhar que me diz que ele sabe exatamente o que eu fiz, e exatamente quantos problemas eu vou ter por causa disso. Eu olho feio para ele. Durante os próximos quinze minutos falamos sobre maneiras em que nós podemos ser capazes de resgatar Alan, e Sophia começa ficar um pouco vesga. O Zolpidem é potente, para dizer o mínimo. Eventualmente Soph começa a perceber que algo está acontecendo. Ela olha para mim, olhos vidrados, e eu vejo o momento em que ela entende o que está acontecendo com ela. Ela olha diretamente para baixo no café que eu dei para ela, e a traição em seus olhos é impossível de perder. — Seu... filhoooo...da puuuuta, — ela insulta. Cade consegue pegá-la, assim que seus olhos rolam para trás em sua cabeça. Eu vou estar em tanta merda quando ela acordar.

~ 49 ~


Capítulo cinco REBEL Cade balança o Humvee em torno de uma curva acentuada, que eu preciso me segurar. Estou acostumado a sua condução agitada. Duas turnês juntos no Afeganistão e sou realmente muito grato que ele dirija como um piloto Nascar. Ele salvou nossas bundas mais de uma vez, acelerando quando estávamos no calor do deserto. Do galpão para a cidade é apenas 20 minutos, menos com o Cade, ao volante, mas eu tenho tempo suficiente para enviar Danny, o hacker residente do Widow Maker, um texto: Eu: Encontre um número de Ramirez. Ou um dos homens de Ramirez. ASSIM QUE POSSÍVEL? Eu recebo uma resposta doze minutos mais tarde: Danny: 5O5-328-9887. Espero que haja uma dose de Jack vindo em meu caminho por isso, homem. Haverá mais de uma dose de Jack para ele se esse número me colocar em contato com Hector. Eu copio e colo o número em contatos e pressione o ícone verde de chamada, e então eu espero. Cade me olha com um olho quando eu seguro o telefone no meu ouvido e espero. Edifícios começam a aparecer, pontilhados no deserto em ambos os lados da estrada. Como o telefone continua a tocar e tocar, mais casas e um posto de gasolina em frente de nós, sinalizando que estamos nos aproximando dos limites da cidade. — Ninguém atende? — Pergunta Cade. — Não, — eu digo-lhe, com o cancelamento da chamada. — Frustrante do caralho. Danny normalmente nunca dá uma informação errada. — Danny não dá informação errada. Dá um tempo. E talvez tente de novo?

~ 50 ~


— Sim. — Estou prestes a bater para ligar quando as luzes do telefone em minha mão, piscam um número desconhecido na tela com o tom estridente que enche o carro. Eu olho para Cade.— Coincidência? Ele parece duvidoso. — Não há tal coisa, certo? — Mmm. — Eu atendo a chamada, sem dizer nada, segurando o metal preto lustroso contra a minha orelha enquanto espero para a pessoa do outro lado da linha para dizer alguma coisa. Na primeira, ele é tão silencioso que eu acho que talvez a ligação não tenha conexão, mas então um som alto distorce a linha, seguido por uma série de sons menores, e eu sei que alguém está lá. Alguém que está comendo algo pelo som das coisas. — Eu estava me perguntando quanto tempo... — uma voz diz calmamente. É Hector, é claro. Hector, com seu forte sotaque, comendo suas miseráveis amêndoas, frescas e colhidas como sempre. Porra, eu desprezo o homem. Eu jogo junto.— Quanto tempo o quê? — Quanto tempo você levaria para chamar. Ou mostrar-se. Ou fazer alguma coisa, de qualquer maneira. Alfonso me disse que tinha uma corrida com um de seus meninos. E à luz das informações do Sr. Preston obteve, presumi que estaria em contato o mais cedo possível. Hector é um homem bem-educado. Meu palpite é que ele foi educado nos Estados Unidos. Provavelmente foi para uma cara, faculdade exclusiva, onde estudou economia ou negócios. Sem dúvida, seus pais, quem quer que possam ser, queriam que ele mudasse de forma permanente aos EUA e fizesse uma nova vida para si mesmo. Tornar-se alguma coisa. Realizar tudo o que eles não poderiam, no México. Claro, eu poderia estar errado. Ele poderia ter simplesmente assistido muita televisão e aprendera Inglês dessa forma, ou talvez seus pais fossem criminosos também, e eles lhe ensinaram tudo o que sabiam, mas ouvindo-o falar agora, eu tenho a nítida impressão de que poderia facilmente ter estudado ao lado dele na MIT. Há algo de muito íntimo sobre o falar ao telefone com ele. Como se estivesse, na verdade, sentado comigo, sussurrando em meu ouvido, e isso está me assustando. Minha pele está literalmente arrepiada. — Vamos nos encontrar — eu digo. — Em algum lugar público. Vamos apenas resolver isso pra você uma vez por todas, não é?

~ 51 ~


— Hmm, bem... — Ramirez pondera isso em silêncio. — Eu tenho uma agenda cheia hoje, Jamie. Eu ficaria feliz em recebê-lo em minha casa da fazenda rústica, charmosa, embora. Se você tiver tempo. — Oh, venha agora, Hector. Eu não sou tão estúpido. Se eu andar através de sua porta da frente, não vou sair novamente. Você e eu sabemos disso. — Nós tivemos alguém assistindo seu lugar dia e noite desde que ele apareceu aqui no Novo México, e nunca há menos de vinte homens armados movendo e girando através de sua propriedade. Se eu for lá cima, e der uma batida educada na porta da frente e pedir para entrar, eu estaria morto dentro de um minuto. Hector ri. — Vale a oferta, certo? — Ele ri mais um pouco. Mastiga um pouco mais. — Então, onde você iria propor os termos esta nossa reunião pública, Jamie? E quem você estará trazendo junto com você? — Só eu e Cade. Fora da biblioteca pública da Main. Venha agora. Estaremos esperando. — Eu desligo antes que ele possa opor-se. Não há nenhuma razão real pela qual Hector Ramirez deva vir e encontrar com a gente, uma vez que ele é o único com a vantagem nesta situação, mas ele tem que fazer suas exigências, afinal. E eu conheço o cara. Ele nunca deixa passar uma oportunidade de me irritar em pessoa. Havia um tempo em que eu fazia um turno extra de tatuagem no Dead Man, puramente para aproveitar para fazer tatuagem e conhecer novas pessoas, mas não mais. Hector e seus meninos fazem questão de andar pela rua principal, todas as manhãs e todas as noites apenas antes do anoitecer. Eles vêm para ver se eu estou por perto; eles vêm para mostrar seus rostos, para mostrar que não vão a lugar nenhum tão cedo, e tenho pavio curto pra caralho estes dias. Eu quero machucá-lo. Eu quero fazer coisas indizíveis a ele, então eu fico longe, mantenho meu juízo, e eu tomo meu tempo, esperando o dia que eu vou agitar em seu local de trabalho. — Por que lá? — Cade apunhala o dedo para os botões do rádio do Humvee até ouvirmos estáticas crepitações dos alto-falantes. Por um segundo eu sou transportado de volta para o deserto, e eu estou tentando ouvir trechos de som distorcido da minha rádio de hip hop. Com sobrancelhas franzidas Cade pergunta.— Por que a biblioteca? Eu desligo o rádio, olhando em frente para fora do para-brisa na minha frente. — Porque ela está de volta. Porque ela trouxe uma equipe, e parece que ela vai ficar.

~ 52 ~


Cade sabe exatamente quem ela é. Denise Lowell, agente da DEA . Lowell estava perseguindo Ramirez no ano passado, e nos prenderam mesmo depois tivemos uma baixa no Dead Man. Ela tentou colocar a pressão em mim para falar, para dizer algo que possa incriminar Ramirez (e potencialmente eu) em atividades ilegais. Tenho a sensação, enquanto eu me sentei lá naquela sala de entrevistas sendo interrogado por ela e os amiguinhos do DEA, que ela não teria realmente se importado se eu errei ou o que inadvertidamente confessei. Ela poderia transformar um crime simples de contravenção em um crime de assassinato em primeiro grau. Ela é o tipo de mulher que pode executar truques mágicos como esse. 1

— Ela está aqui por causa dele? — Cade agarra o volante apertado, olhando fixamente para a estrada em frente dele. A qualquer momento ele terá que virar à direita, para a cidade sonolenta e preguiçosa de Freemantle, mas até então ele tem a intenção continuar dirigindo o quanto ele puder. — Eu não sei. Porra, eu espero que sim, cara. Eu realmente porra espero que sim.

1

Drug Enforcement Administration. Órgão para o Controle/Combate das Drogas. ~ 53 ~


Capítulo seis CADE Rebel tem o olhar inquieto quando saímos do Humvee e atravessamos a rua. Há algumas crianças brincando no pedaço de grama fora da biblioteca; Eles têm algum tipo de skate elétrico e três deles estão vendo quando o mais alto pré-adolescente anda de cima e para baixo da calçada, balançando, pulando quando ele está prestes a cair e quebrar a cabeça a qualquer segundo. Para ser honesto, estou surpreso que há ainda quatro crianças em Freemantle. Eu não posso dizer que eu já tenha percebido qualquer uma antes. Eu nem sequer penso que há uma escola aqui. Rebel coloca a mão no bolso e tira um maço de notas de vinte dólares. — Hey. — Ele acena para a criança no skate.— Quer fazer um pouco de dinheiro? O garoto alto inclina a cabeça para um lado, e pergunta.— Quanto? — Quarenta dólares. Mas você tem que dividi-lo entre você. Dez cada um. — Pssshh. Dez dólares não é nada. O que você quer que façamos? — Quatro pares de olhos de coruja piscam para meu amigo como se ele fosse um Deus. — Tem qualquer um de vocês bom em matemática? — Diz ele. Todos os quatro abanam a cabeça. — Ok, bem vou fazer algo simples para você. Quem tem uma caneta e papel? O menor garoto tira da mochila ambos os artigos. Rebel rabisca algo sobre o papel e dá nas mãos da pequena criança. Ele não pode ter mais do que seis ou sete. O garoto aperta os olhos no rabisco no papel, franzindo a testa, em seguida, gira-o de cabeça para baixo, tentando fazer sentido nisso dessa forma. Rebel vira de volta.

~ 54 ~


— Leve isso para a biblioteca e encontre a resposta para mim. Vai ser em um livro de matemática, eu prometo. — Qual? — Garoto alto está olhando desconfiado. — Eu não sei. Mas eu aposto com você cem dólares que você vai encontrar a resposta lá. Você apenas tem que olhar para ele. Ao contrário de Freemantle, havia um monte de crianças no Afeganistão. Centenas delas, correndo para cima e para baixo nos becos estreitos, fugindo e emergindo das sombras quando você menos esperava. Não era um lugar para ser uma criança. Nunca. Jamie fazia essa merda com eles por lá, também. Ele pegava um monte de dinheiro e subornava-os para ter algum tempo consumido, tarefa inútil para ele que pudesse levá-los longe da situação perigosa que eles tinham que lidar. Crianças afegãs não teriam reclamando por causa de dez dólares cada um. Eles teriam escalado entre si para levar o negócio e desapareceriam. Metade do tempo elas nem sequer completavam a tarefa que ele definiu. Eles tinham acabado de fugir com o dinheiro, tanto quanto eles poderiam ter medo de que eles falhassem e ele pedisse o dinheiro de volta. Não importava, entretanto. Jamie teria conseguido o que ele se propôs a fazer, e as crianças teriam ido. O grupo heterogêneo em frente de nós discuti a sua proposta em sussurros altos antes da criança maior virar e estender a mão. — Combinado. E se descobrir a resposta para a equação, obtemos uma centena de dólares? Jamie assente. — Em cima do original de dez cada um? — Correto. — Legal. Vamos apertar as mãos. Jamie tenta não sorrir quando o garoto alto aceita o acordo em nome de seus compatriotas. — E não se engane. Se você estiver fora daqui nos próximos quinze minutos, eu vou saber que você pesquisou. Você precisa procurá-lo em um livro. Um coro de gemidos sobe a partir da pequena multidão. O menino alto revira os olhos. — Tudo bem. — Ele pega o dinheiro de Jamie e os quatro começam a fazer o seu caminho em direção à biblioteca, empurrando e empurrando uns aos outros.

~ 55 ~


— Pena que você não pode fazer isso com Soph, — eu digo, dando uma cotovelada nas costelas. — Porra eu ficaria quebrado se eu tivesse que suborná-la cada vez que eu quisesse que ela fizesse alguma coisa. — Jamie sobe e se senta no banco do parque solitário, com o traseiro na parte de trás, os pés sobre o banco. — Eu prefiro ter dinheiro no bolso de trás e uma amiga de espírito em qualquer dia da semana. — Ele pisca, e eu só posso imaginar que tipo de merda os dois fazem no quarto. Jamie não é um cara de beijar e contar, mas eu ouvi-os bem o suficiente quando eu estava à espera de Soph vir cozinhar café da manhã. Parecia que ele estava assassinando-a ou algo assim, e ela estava estranhamente feliz com isso. — Onde Lowell se estabeleceu? — Eu pergunto, fazendo o meu melhor para empurrar a estranha vida sexual de Jamie e Sophia da minha cabeça. Jay aponta para cima do meu ombro, em direção ao segundo andar da loja de roupas minúsculas das mulheres do outro lado da rua. Há três conjuntos de janelas lá em cima, fechadas, o que é estranho para um dia escaldante de quente. Cortinas bloqueiam a visão para dentro, mas posso imaginar que Lowell já nos notou e tem lentes de câmera apontando o caminho. — Por que quer fazer isso à vista de todos? — Porque se eu sei que Lowell está aqui, Hector sabe que Lowell está aqui, também. E ele não vai fazer qualquer merda estranha se ele souber que ele tem metade de uma agência federal atrás do rabo dele. Ou pelo menos eu estou supondo que ele não vai. — Provavelmente. — Eu viro as costas para as janelas novamente. — Acha que ela pode monitorar a conversa? Jamie olha para mim. Encolhe os ombros. Olha para o lado da rua. Ele vira um palito mais e mais entre os dentes. Nenhum de nós está usando nossos coletes MC para a cidade, estamos ambos em jeans e camisetas, bonés de beisebol virado para trás na nossa cabeça, sapatos em nossos pés. Somos apenas dois caras em nossos vinte e tantos anos. Ou seríamos se não estivéssemos cobertos de tantas tatuagens. Tatuagens militares. Tatuagens do clube. Coisas que um civil médio pode não reconhecer, mas um policial definitivamente. Esperamos por um tempo. Nós não falamos. Nós somos amigos há tanto tempo que nós não precisamos abrir a boca para nos comunicar. Eu sei o que ele está pensando da maneira como seus vincos da testa, ou a forma como os seus olhos parecem piscar de vez ~ 56 ~


em quando, transmitindo informações e seu humor de uma forma que poucas pessoas podem pegar. Ele diz o mesmo de mim. Ele sabe se eu estou chateado ou feliz pela energia nervosa que derrama fora de mim. De acordo com ele, o ar em torno de mim poderia muito bem estar provocando com eletricidade quando estou prestes a ficar puto com alguém. Independentemente do fato de que eu possa parecer perfeitamente calmo para qualquer outra pessoa, Jamie sempre sabe quando me agarrar pelo colarinho e me arrastar para longe de uma luta antes que ela possa começar. Após cerca de quinze minutos, um sedan preto com vidros escuros lentamente desce a rua principal, com apenas o condutor visível. Jamie desliza para fora do banco e fica de pé. — Aqui vamos nós — diz ele em voz baixa. — Aqui vamos nós — eu concordo. Acho que vejo um brilhante flash de luz fora de uma das janelas do andar superior do outro lado da rua, mas quando eu olho para cima todas elas ainda estão fechadas, as cortinas ainda no vidro. O olhar de Jamie treme lá em cima, ao mesmo tempo em que o meu, no entanto, assim eu sei que não estou imaginando coisas. O sedan chega e para ao nosso lado, e abre a porta traseira mais próxima de nós. Hector Ramirez sai. Ele está vestindo uma camisa azul-escuro, quase preta, atravessada por listras roxas, e as calças são longas, pesado que me fazem querer suar só de olhar para elas. Hector não está suando, embora. Ele parece fresco e renovado, como se o verão não chutasse a bunda dele com da mesma forma que faz com todo mundo. — Senhores — Ele abaixa o queixo, baixando a cabeça em um breve aceno de cabeça. — Tão maravilhoso vê-los, como sempre. Ao meu lado, os óculos de Jamie já estão acima. Eu posso dizer pela forma como os músculos de sua mandíbula estão saltando, flexionando, quando ele bloqueia Ramirez em seu olhar. — Hector —. Ele oferece a mão, e eu posso imaginar o quanto o gesto lhe custa. Jamie é um cara bom. Ele é um cara bom até que você faça alguma coisa para irritá-lo, ou foder com ele ao longo de qualquer coisa. Quando isso acontece, você rapidamente percebe que ele pode ser decididamente ruim quando ele quer, Sr. Ramirez sabe disso muito bem. Talvez por isso ele usa um sorriso dolorosamente presunçoso quando ele aceita a mão de Jamie e balança.

~ 57 ~


— Eu só posso imaginar por que você teria escolhido esse lugar para conversar, — Ramirez diz, sorrindo, mostrando os dentes. — Mas posso garantir que você, teria sido perfeitamente bem-vindo e perfeitamente... — Ele faz uma pausa, os olhos contornando para baixo e para a esquerda, como se estivesse tentando avaliar se estamos sendo observados. Ou ouvidos o que poderia ser bem o caso. — Salvo, — finaliza. Ele se vira e sorri pra mim no momento seguinte e eu tenho que lutar contra o impulso irresistível para plantar a porra do meu punho na sua cara.— Sr. Preston, você parece um pouco chateado. Gostaria de um chá? Café? Estou prestes a enviar Alfonso outro lado da rua para me pegar alguma coisa. Tenho certeza que ele não se importaria de pegar algo para você, também. Quando ele diz isso, uma cara amplo em forma de barril, sai do banco do passageiro dianteiro do sedan, com o rosto manchado de roxo e azul, o olho esquerdo inchado fechado, bolhas de queimadura sob seu olho. Reconheço-o instantaneamente, desde que eu bati a merda que vive dentro dele não muito tempo atrás. Ele me dá um olhar que poderia azedar leite. — Eu acho que vou ficar bem sem, — eu digo. Eu sorrio, sorrio de fato, quando Alfonso afasta-se, olhando para mim com ódio em seus olhos quando ele vai para buscar um café de seu mestre. Eu sei, sem sombra de dúvida que ele estaria morto se ele estivesse trabalhando sob o comando de Maria Rosa. Ela não iria tolerar qualquer um de seus homens dando seus segredos, não importa quão duro eles foram perfurados várias vezes no rosto. O Ramirez não me parece o tipo de chefe cartel que deixaria algo assim acontecer, mas as chances são de que ele está esperando para servir o castigo de Alfonso a ele quando ele menos esperar. A parte de merda é Alfonso provavelmente sabe que seu chefe vai colocar uma bala na parte de trás de sua cabeça uma noite em breve, e não há nada que ele possa fazer sobre isso. — Agora. O que você gostaria de falar, Jamie? Eu tenho certeza que você deve estar impressionando por me arrastar aqui no meio do dia em uma terça-feira. — Ramirez se inclina para trás contra o sedan, sua mão alcançando no bolso de suas pesadas calças de terno. Eu instintivamente suponho que ele vai pegar uma arma, mas eu não passo agir em minha suposição. Ainda não, de qualquer maneira. Se Lowell me ver puxar uma arma, eu estou indo embora por um tempo muito longo. Além disso, eu posso julgar a intenção de um homem em seus olhos. Ramirez definitivamente parece que ficaria feliz em nos esfolar vivos aqui e agora, se ele pensasse que poderia fugir, mas ele sabe que ele não vai. Ele não puxa uma arma do bolso. Ao contrário, ele

~ 58 ~


tira um punhado de amêndoas, alguns com docinho, algumas simples, e ele oferece-lhes primeiro a Jamie e depois para mim. — Guloso. Eu sou muito guloso. Eu não consigo parar de comer essas coisas. Suponho que haja piores vícios de ter, no entanto, não? Jamie não pega qualquer uma de suas amêndoas, e nem eu. Nós dois simplesmente olhamos para ele como é louco. Patético. Jamie pigarreia.— Eu ouvi que você tem um amigo na cidade. Um amigo mútuo. Ramirez coloca uma amêndoa em sua boca e morde-lo, sorrindo. — Alan? Meu bom amigo Alan? Eu não tinha ideia que você dois se conheciam. — Nós fazemos. Muito bem. Eu gostaria que ele viesse ficar comigo se isso fosse passível para você. — Jamie levanta um ombro em uma pobre tentativa de um encolher de ombros. — Nós temos mais espaço para os hóspedes depois de tudo. Ramirez sacode o dedo para Jay, como se ele acabasse de fazer uma piada. Seus olhos vincam nos cantos, mostrando quanto descaradamente divertido ele está com a perspectiva de simplesmente entregar Alan sem nada com a sua aprovação. — Com certeza você tem um monte de espaço por lá, você está certo. Eu não sei, no entanto. Alan está muito feliz comigo agora. Ele sabe que sua filha vai vir visitálo em breve. Ele parece muito feliz em vê-la. — Seus olhos se voltam frios, de repente, endurecidos, os vincos criados por seu sorriso se transformando em algo azedo e com raiva. — Eu acredito que ela vai vir qualquer dia agora. Jamie dá passos para frente, rosnando baixinho. — Ela não vai estar em qualquer lugar perto de você ou a sua fazenda, Hector. Ela não é sua propriedade. — Claro que não. As pessoas não podem pertencer a outras pessoas. Este é os EUA, Jamie. Que coisa absurda de dizer. — Irônico que ele escolhe para dizer isso, quando ele faz centenas de milhares de dólares por ano, talvez milhões, vendendo as pessoas como escravas sexuais. Há uma chance de que ele faça mais dinheiro vendendo as pessoas do que vendendo heroína e cocaína. Um viciado vai pagar vinte dólares por um saquinho. Um cavalheiro rico, com certas tendências e os meios para mantê-los em segredo vai pagar consideravelmente muito mais para saciar seu vício. Jamie está fervilhante, mas ele também está fazendo um bom trabalho bem maldito em permanecer-se calmo.

~ 59 ~


— Se abandonarmos nosso conflito, — diz ele — você vai deixá-lo ir? — É louco que ele tenha dito isso tão rapidamente, mas o que é ainda mais louco, é a sugestão de que ele está fazendo. Largar o conflito com Los Oscuros? Eu mal posso acreditar no que estou ouvindo. Fomos para a guerra com o cartel, porque Ramirez teve o tio de Jamie assassinado. Foi isso que aconteceu que partiu o coração de Jamie, porra. Agora ele está apenas disposto a esquecer, esquecer sobre a obtenção de justiça para Ryan e ir embora? Ramirez parece confuso pelo pensamento. — Eu não vejo que vá haver uma saída para este conflito para você ou para mim. Não sem sangue derramado. Vidas perdidas. Você esteve muito tranquilo até agora, e eu me sentei naquela fazenda apertada esperando por você para vir e me pegar. Esperando por você para fazer a sua jogada. E você não fez nada. Eu tenho que dizer neste momento, eu quero um... final mais físico para este nosso jogo, apenas por isso não vou me sentir como se eu estivesse perdendo meu tempo neste lugar esquecido por Deus, dia sim, dia não para o que francamente parece uma eternidade. — Então você recusa? — Jamie não se move uma polegada. Eu não quero tirar os olhos de Ramirez no caso do cara realmente ser doido e ele fazer um movimento aqui, mas posso dizer que algo está muito errado com o homem de pé ao meu lado. Ele está prestes a perder a sua fodida mente. Alfonso aparece no café ao lado da loja de roupas femininas no outro lado da rua, copo de café na mão, ainda atirando-me um olhar mortal. Ele entrega o café para Ramirez e, em seguida, paira, de pé lá. — Volte para o carro, — diz Ramirez. Alfonso olha todos os três de nós, e, em seguida, faz o que ele disse, relutantemente, dobrando-se para trás no banco do passageiro. — Sim, eu me recuso, — diz Ramirez.— Claro que eu vou recusar porra. Diga-me uma coisa, Jamie. Onde está Raphael? Raphael. Raphael Dela Vega. Eu gostaria de dizer que eu nem sequer pensei sobre ele há muito tempo, só que não poderia estar mais longe da verdade. Jamie nunca me deu detalhes, mas sei que o filho da puta está enterrado em algum lugar fora no deserto, e que Sophia tinha algo a ver com isso. Eu não posso imaginá-la tirando a vida de alguém, mas, novamente Dela Vega era um cara especial. Tenho certeza que quase todo mundo que ele conheceu, quis enfiar uma faca em seu coração, e com razão.

~ 60 ~


— Como diabos eu deveria saber onde ele está? — A voz de Jamie é calma, mas está no limite. É quase uma admissão de que ele tinha algo a ver com o desaparecimento do cara, mas é quase uma negação. Não é real, mesmo que ele tenha a pretensão com suas palavras. Ramirez encara Jamie, sem respirar, sem piscar, não mudando uma polegada. Os dois ficam no seu terreno até Ramirez se afastar, e pescar mais amêndoas do bolso. — É uma pena. Ele era o meu funcionário favorito, você sabe. Eu ficaria realmente muito chateado se eu descobrisse que algo tinha acontecido com ele. Só Deus sabe o que eu faria. — Ele joga uma amêndoa em sua boca e, em seguida, bebe um pouco de café. Sua ameaça não é sequer velada. Ele sabe perfeitamente bem que Raphael está morto e que os Widow Makers são os responsáveis. E agora ele vai nos punir levando Alan, exigindo que entregue Sophia, caso contrário, haverá um inferno à pagar. É o que se esperava no final do dia. Dou um passo à frente, colocando-me entre Jamie e Ramirez. É apenas uma questão de tempo antes que o temperamento de Jamie leve a melhor sobre ele e ele vá para Hector. Há apenas uma razão pela qual ele nunca faria algo tão imprudente, é que Sophia está em perigo. Agora, as atenções de Ramirez para com a namorada de Jamie certamente constituem perigo. Jamie vai rasgar sua garganta na rua na frente de inúmeras testemunhas e arriscar ir para a prisão se isso significa mantê-la segura. Ramirez sorri, inclinando a cabeça. — Nós, os homens somos iguais, você sabe? — Diz ele em voz baixa. — E como diabos você chegou a essa conclusão? — Eu estico meu pescoço, olhando para ele. Eu nunca me considerei excessivamente alto, tenho 1,80 de altura, altura média para um cara, mas eu sou o dobro de Ramirez. O cara é muito pequeno; talvez por isso ele decidiu que precisava entrar no crime organizado obter o poder já que seu físico não poderia comandar através do medo. Se for esse o caso, então ele está fazendo um trabalho muito bom. Homens maiores são intimidados por ele. Eles pensariam duas vezes antes de foder com a sua empresa ou seus empregados. Rebel e eu somos provavelmente os únicos homens a se levantarem para ele em um tempo muito longo, que a partir do olhar em seu rosto é muito divertido para ele. Seu sorriso se torna ainda mais amplo. — Somos indivíduos focados — diz ele.— E nós estamos familiarizados com não obter o nosso próprio caminho. Isso nos dá uma certa determinação que outros homens não têm. ~ 61 ~


Atrás de mim, Jamie faz um som realmente infeliz. — Você está certo, — diz ele. — Nós não estamos acostumados a receber um não. Também fomos realmente muito paciente. Nós estávamos esperando nos últimos seis meses, Ramirez. Isso não significa que vamos esperar para sempre agora, no entanto. Não se deixe enganar. Se você acha que estamos indo só para sentar e deixar que você torture um velho para obter o que deseja, você está enganado. Ramirez levanta uma sobrancelha. — Torturar? Eu não tenho a porra de uma ideia do que você está falando, Jamie. Eu não torturo as pessoas. Como você, eu sou um homem de negócios simples. Eu mudei para o Novo México como uma redução de impostos. Nada mais. E Alan... por que eu iria mesmo querer fazer mal a um homem como Alan? Ele é um homem bom, temente a Deus. Na verdade, eu acho que a sua presença em minha casa foi muito boa até agora. Eu odiaria vê-lo ir. Isso tudo é um ato puramente para o benefício de Lowell. É improvável que Hector iria admitir abertamente ter sequestrado o pai de Sophia, mas porra. Este chove-não-molha todo é doentio. Precisamos sair daqui antes de Jamie vá ficar tentado bater na cabeça do cara. Dou um último olhar escuro em Ramirez, um olhar de advertência e depois eu me viro para enfrentar meu amigo. Parece que o seu sangue está fervendo em suas veias. — Vamos lá, cara. Vamos dar o fora daqui. Não parece que vamos realizar qualquer coisa. Seus olhos parecem com lascas de gelo frio e pálido. Eles estão cheios de violência. — Não há raciocínio com o irracional, — diz ele em voz baixa, quase um sussurro. Ele não está falando comigo, ou mesmo para Hector. Ele retirou-se de dentro de sua cabeça, e ele está fazendo planos. Planos perigosos, horríveis, sangrentos e, sem dúvida ilegais. Meu tipo favorito. Já era tempo! Eu posso ver o confronto passando na mente de Jamie. Deve ter acontecido no momento em que Hector apareceu na cidade e alugou a porra da fazenda. Eu empurro a cabeça na direção do Humvee, e Jamie se afasta, seus olhos ainda vagos, as suas mãos apertadas em punhos ao lado do corpo. Virar as costas à um homem que quer ambos mortos é uma ideia muito ruim, mas ele precisa saber que não será intimidado. Vamos derramar seu sangue. Por Ryan, tio de Jamie. Por Leah, a mulher que Ramirez tinha matado em Ebony Briar. E agora, pelo o pai de Sophia. Há duas maneiras sobre ele: o homem vai morrer, e ele vai fazê-lo

~ 62 ~


horrivelmente. Porque quando Jamie tem esse olhar em seus olhos, não há alternativa. Existe só dor e horror. Há apenas pedindo e implorando. Só há morte. — Vejo você em breve, senhores, — Hector fala depois de nós. — Estou certo disso. Na verdade, diga à putinha de vocês que ela tem uma semana. Uma semana para arrumar suas coisas e mostrar-se na minha porta. Qualquer tempo a mais do que isso, e eu temo que Alan precise ir. Jamie se retrai. Isso é tudo o que ele permite a si mesmo quando voltamos para o carro. Ele se contorce, e Hector Ramirez ri.

~ 63 ~


Capítulo sete SOPHIA Eu sonho que estou fodendo com Jamie, que ele está dentro de mim, duro e rígido, fazendo-me sentir apertada e cheia, e quando eu acordo eu estou tão irritada que eu jogo um copo na parede da cozinha em sua cabana. Eu não deveria estar tendo sonhos sexuais sobre o bastardo quando ele traiu minha confiança assim. Eu não deveria estar acordando, com minha cabeça ainda espessa com a luxúria, o meu clitóris ainda doendo, minha buceta ainda molhada, quando ele me dopou e trancou em seu pequeno santuário privado mais uma vez. Eu meio que espero a porta estar fechada quando eu vou como uma tempestade sobre a única porta de entrada ou saída da cabana, e quando eu puxo a alça, ela abre ampla. Provavelmente porque Jamie sabia que na hora que acordaria, seria muito tarde para sair correndo e fazer alguma coisa para interferir com os seus planos, sejam eles quais forem. — Você vai se arrepender, — digo a ele, grunhindo as palavras mesmo que ele não esteja por perto para ouvi-las. Ele verá a imagem mais tarde, apesar de tudo. Eu vou me certificar disso. O pátio abaixo no galpão está vazio. A noite está rastejando pelo chão do deserto em direção a nós, uma linha visível entre claro e escuro, e o ar está pesado com o cheiro de pimenta e algo mais orgânico, floral e completamente fora de lugar nesta região seca, sem vida. O cheiro me provoca, trazendo memórias flutuando na superfície da minha mente antes de se afundar fora da vista, invisível e esquecida, e eu estou à me sentindo estranhamente vazia e insatisfeita. Deus, eu vou matar Jamie porra. Se Ramirez ainda não tiver concluído o trabalho, é claro. Minhas botas estão espessas com pó na hora que eu chego ao clube. Eu limpo os pés fora da entrada, sabendo que eu vou ser responsável pela limpeza e de qualquer confusão que faça de manhã. Essa coisa de prospecto é muito menos glamorosa do que eu achava que seria, mas todo mundo aqui tem pago suas dívidas ~ 64 ~


em algum ponto. Cada um dos membros do clube Widow Makers Motorcycle limpou pratos, cozinhou refeições e varreu pisos. É a ordem natural das coisas. Estou dispensada e chateada agora, porém, sabendo que eu vou ter que limpar o clube de cima em baixo amanhã, como eu tenho que limpá-lo toda quarta-feira, está a fazer o meu humor ainda mais negro. Eu não posso esperar para chegar com minhas mãos no babaca. Ele realmente não deveria ter feito isso. Quero dizer, como é que eu vou confiar nele quando ele me droga, simplesmente porque eu tenho a minha própria mente e eu me recuso a fazer o que é dito toda vez que ele abre a boca? Dentro do clube, há apenas algumas pessoas sentadas nas mesas, bebendo cerveja engarrafada e conversando, rindo, assistindo uma luta na televisão pequena, de baixa qualidade que foi montada na parede ao lado da porta. Carnie e Danny estão jogando sinuca do outro lado da sala, e Fatty está em seu ponto regular por trás do bar, inclinando-se sobre as torneiras de cerveja, coçando a barriga redonda. Ele pisca de forma suspeita quando ele me vê dirigir-se para ele. Ninguém mais reconhece minha existência. — Sophia, — diz ele, endireitando-se.— Você quer alguma coisa, querida? Você está absolutamente certo, porra eu quero algo. Eu quero um conjunto de tesouras enferrujadas para castrar meu namorado, mas eu não vou lhe dizer isso. — Eu preciso voltar lá, — eu digo, apontando atrás dele. No ano passado, quando Maria Rosa estava trancada no porão abaixo do celeiro e merda estava voando para nós de todos os ângulos, Jamie tinha me mostrado onde era seu — escritório — era através de uma pesada da porta de aço, reforçado na parte de trás do bar. Fatty me dá um olhar preocupado. Ele parece surpreso que eu mesma sei que o escritório estava lá. — Eu não acho que é uma boa ideia, Sophia. Jamie não gosta que as pessoas vão para lá sem ele. Para ser justa, isso é verdade. Ele realmente não gosta dos outros Widow Makers sabendo que há informações valiosas no cofre. Ele faz o seu melhor para desaparecer lá apenas tarde da noite, quando ele descobre que vai ser muito mais silencioso e ninguém vai fazer perguntas. — Eu vou voltar lá, Fats. Você pode deixar-me ir, ou eu posso lutar contra o meu caminho passando você. Você vai ter um inferno de ~ 65 ~


um trabalho explicando a Rebel por que sua namorada está coberta de hematomas e está sangrando. — Merda, menina. Você é simplesmente do mal. — Desculpe. — Eu não sou realmente, embora. Eu estou muito louca para sequer chegar perto de ter pena agora. — Você sabe que está me colocando em uma posição ruim. Ele vai ficar puto comigo de qualquer maneira. — Posso garantir que ele vai ser mais chateado se eu tiver um olho negro e estiver mancando. — Jesus. — Fatty olha em volta, provavelmente para ver se alguém está observando a nossa troca. Ele franze a testa para mim, e então levanta a escotilha do bar, permitindo-me passar em torno dele e indo para a parte traseira. É escuro e sombrio na sala de estoque, o espaço apertado repleto de garrafas de bebidas e lanches, bem como os ingredientes secos usados para fazer café da manhã, almoço e jantar todos os dias para quem passa ao redor. Para a extrema direita, nas sombras, a porta de aço grande que Jamie mostrou-me está de pé, selada, impenetrável. Só que ele me deu o código para entrar se houvesse uma emergência, por isso não representa um problema por muito tempo. Eu soco nos números que ele me disse meses atrás. Ele me fez repeti-los de volta para ele, por isso lembro: seis sete três. A pesada porta oscila de volta, abrindo lentamente, permitindo-me ir para dentro. Eu não sei por que eu vim. Eu só sei que estou puta com Jamie, e esta é uma maneira certa de realizar isso. A última vez que estive aqui, a recepção à esquerda estava pilhas de arquivos de papéis de todos os tipos, alguns dos quais estavam tão cheios que foram estavam abertos. A mesa à direita foi ladeada por duas telas de computador enormes, e um banco de servidores de alta tecnologia atrás delas, cantarolando baixinho, luzes piscando e desligando em intervalos aleatórios. Os servidores ainda estão lá, como os computadores, mas agora a mesa à esquerda está arrumada, uma pequena pilha de papéis perfeitamente alinhados perto da borda da madeira polida. No centro da mesa, um único arquivo aberto, e dentro uma imagem de um indivíduo com olhar assustador, alto em roupas escuras. Ele não está olhando para a câmera. É claro que essa imagem preto e branco foi disparada de uma distância sem o conhecimento do homem. Parece que ele está com raiva, prestes a subir em um carro estacionado em frente a um enorme armazém - eu acho que é um

~ 66 ~


Camaro. Eu viro a imagem ao longo e há uma outra fotografia debaixo dela, desta vez da face do rapaz. As pessoas sempre dizem que os olhos de Jamie são surpreendentes por causa de sua cor gritante. Os olhos desse cara estão muito perturbados, mas eles são tão escuros que são quase pretos. Eles estão cheios de raiva e violência, como se ele estivesse em silêncio fervendo, fúria inundando suas veias, e qualquer segundo ele está prestes a explodir. Não há dúvida disso. Este homem, seja ele quem for, é um indivíduo perigoso e escuro, e eu ficaria feliz se eu vivesse uma vida longa, saudável e nunca ter que encontrar com ele. O terceiro documento é uma outra foto. O cara está segurando uma placa preta com uma série de números nele, e debaixo dele diz, Mayfair, Zeth. O nome soa um sino, mas eu não posso pensar onde eu já ouvi isso antes. A maneira como ele olha para baixo da lente da câmera nesta foto, sua expressão plana e sem vida, é ainda mais preocupante do que a imagem anterior. Parece que ele é oco por dentro, morto. Eu me pergunto o que ele fez para acabar com sua foto sendo tirada. Provavelmente assassinado alguém, cortado sua cabeça fora e usou-o como um chapéu maldito ou algo assim. Eu não sei por que eu continuo folheando o arquivo, mas eu não consigo me conter. Estou intrigada com o tipo de informação que Jamie reúne das pessoas, e para que fim? O que ele quer com esse cara? É certo que não há muito no arquivo. Apenas algumas folhas de papel impressas com muito poucos detalhes sobre eles, o nome Charlie Holsan. Um endereço de Seattle que faz minha cabeça doer. Eu sei exatamente onde o endereço é, no outro lado da cidade a partir do hospital. Uma área onde um apartamento em um prédio decente que vale um par de milhões de dólares. É onde esse cara vive? Não parece ser seu estilo. Mais fotos na parte de trás do arquivo. Um dele falando com um negro alto, bonito em um terno elegante, obviamente caro. Outra dele sentado ao volante do Camaro preto novamente. A terceira e última imagem faz minha garganta se contrair. É uma imagem do mesmo cara, este Zeth Mayfair, e ele está vestido em macacões laranja brilhante, o tipo que você veste na prisão, o que é claramente onde é, dada a cerca de arame e os que procuram pessoas tatuadas assustador no fundo da imagem. Ele não está sozinho. Minha garganta está apertada, o que torna difícil para respirar, porque ele está falando com alguém na foto, alguém que eu reconheço, e eu estou achando difícil acreditar no que estou vendo agora. É Cade.

~ 67 ~


Ele está falando com Cade. — O que...? — Cade estava na prisão? Ele está usando o mesmo macacão laranja, depois de tudo. Ele parece mais magro menos músculos, e sua cabeça é raspada, mas é definitivamente ele. Eu passei os últimos seis meses vivendo de perto com o cara; Eu o conheço em qualquer lugar. Os dois homens parecem estar em uma conversa profunda na imagem. Não uma, conversa acalorada e tensa. É como se eles estivessem apenas conversando. Cade está realmente sorrindo, e esse cara Zeth parece um pouco menos intenso do que ele parece em todas as outras fotos. Ele pode não estar sorrindo, mas tenho a sensação de que a frouxidão claro em seu corpo e a facilidade com que ele está encostado a parede de tijolos ao lado dele significa muito. Eu não acho que sua linguagem corporal seria a mesma coisa se ele não se sentisse como se estivesse conversando com um amigo. Um bom amigo. Eu reúno todas as fotografias e os papéis de volta juntos e deslizo-os dentro do arquivo, lançando-a fechada. Eu sinto que invadi a privacidade do Cade de alguma forma. Esta é uma parte de seu passado, e eu fui bisbilhotar. Sem querer, mas ainda assim. Eu não sei por que eu deveria realmente me importar. A lealdade de Cade sempre foi e sempre será para o amigo. Se Jamie pedisse para matar sua própria mãe no rosto, eu tenho certeza que ele faria muito bem. Eles são mais próximos do que irmãos. Mas ele e eu somos amigos agora, também, eu diria. Temos sido deixados sozinhos por muito tempo juntos, horas gastas em carros e dias enfurnados dentro dos mesmos edifícios que não se conhecem e não se importam. Pelo menos é assim que me sinto. Ele pode se sentir muito diferente. De qualquer maneira, eu tento colocar o arquivo de volta ao ponto onde eu achei, esperando que ele nunca saiba que eu vi. É apenas mais fácil dessa maneira. Não é realmente uma surpresa que Cade foi preso. À medida que os meses se passaram, eu tenho sido autorizada a ver mais e mais da atividade ilegal que o clube está envolvido. Os Widowers não vendem drogas, mas eles transportam de tempos em tempos. Erva, principalmente. Em grandes quantidades, que são apanhadas em um local, geralmente um par de dias de distância, e depois em outro lugar, longe, muito longe de Freemantle, a localização permanente do clube. Existem armas, também. As corridas de armas são um pouco mais intensas. Eles estão mais perto de casa e acontece rapidamente, e eu normalmente posso dizer que está prestes a acontecer pela energia nervosa, que paira no galpão. As espingardas de assalto. Armas de mão. ~ 68 ~


Grandes e pequenas, todos os tipos de armamento é traficada não só pelo Cade, Carnie e os outros, mas por Jamie também. Sinto-me mal ao meu estômago quando eu penso sobre ele ser preso e trancado por armas. Cade deve ter sido condenado por um crime menor. Eu não sei tudo o que há para saber sobre o sistema judicial, mas eu com certeza sei o suficiente para perceber que Cade com certeza ainda estaria servindo se tivesse sido pego com fuzis de assalto. O ATF geralmente tendem a reprovar a posse de armas sem licença, sem registro como esse. Eu gasto mais alguns segundos esperando na sala secreta por trás do bar, esperando desafiadoramente por Jamie voltar e me encontrar aqui, mas então eu mudei de opinião. Eu quero arrancar um olho pelo o que ele fez, mas eu também quero saber se ele está bem, e eu quero saber o que ele descobriu sobre o meu pai. Ele está seguro agora? Ele está bem? Ele ainda está vivo? Qualquer coisa poderia ter acontecido enquanto eu estava dormindo. Jamie poderia ter levado um tiro. Ele poderia ter ido para o lugar de Ramirez e encontrar meu pai morto. Alternativamente, o meu pai poderia muito bem estar livre agora e ele está tão zangado comigo sobre o que eu fiz que ele simplesmente se recusa a vir e me ver. Eu não o culpo por isso. Não há um dia que passa que eu não me arrependo de não ter contado a minha família que estou segura. Mas, como cada um desses dias voaram, deslizando pelos meus dedos como grãos de areia, o conceito de chegar até eles e dizerlhes que eu estava viva tornou-se cada vez mais difícil, até que quase parecia impossível. Eu tenho certeza que a maioria das pessoas pensam que eu sou um ser humano terrível, mas voltar atrás nunca pareceu como uma opção. Eu adoraria dizer que eu queria ficar porque eu queria ajudar a trazer Hector à justiça, mas a verdade da questão é que eu estava com medo. Eu estava com medo, porque Raphael ainda estava à espreita nas sombras, e eu sei que sem dúvida ele teria seguido sua promessa. Ele teria descoberto quem eu era, eventualmente, da mesma forma que Hector tem agora, só que ele não teria sequestrado meu pai ou minha mãe, ou minha irmã. Ele teria os matado onde eles estavam. Ele teria estuprado Sloane, e, provavelmente, minha mãe também, e o que teria sido de mim. Após Raphael morrer ele já não era uma ameaça, já era tarde demais. Eu já tinha ido muito longe. Eu tinha matado um homem. E, além disso, eu posso ter fingido por um tempo, mas não havia nenhuma maneira que eu pudesse me enganar. Eu estava apaixonada. Eu não

~ 69 ~


poderia ter deixado Jamie se eu tivesse tentado. Ninguém nunca me fez sentir tão segura. Tão protegida. É irônico. Estou na situação mais perigosa da minha vida aqui no Novo México, e ainda assim eu nunca me senti mais segura. Isso tudo é por causa dele. E mesmo que ele fodeu hoje (o que ele vai pagar em dobro), é porque ele se recusa a deixar-me se machucar. É irritante, e é frustrante, especialmente desde que eu estou destinada a ser um prospecto para o clube, mas no final do dia, suas ações são, porque ele me ama tão ferozmente como eu o amo. Deixo seu escritório. Puxando a porta pesada se fechando atrás de mim, e faço o meu caminho de volta para o bar e eu sei que algo está acontecendo assim que eu vejo a expressão no rosto de Fatty. Sua expressão é cautelosa, as sobrancelhas meio caminho para a linha do cabelo, os lábios apertados para formar uma linha apertada. Seus olhos piscam para a esquerda, e vejo a causa de seu desconforto: Jamie e Cade sentados no bar, cada um com uma dose de uísque em suas mãos. Jamie não diz uma palavra. — Será que você encontrou-o? Você achou o meu pai? — Meu coração está vibrando no meu peito como um pequeno pássaro, preso. Jamie e Cade trocam um olhar tenso. Jamie diz: — Sim, ele está com Hector. Nós não o vimos, no entanto — e o sangue é drenado do meu rosto. — Você acha que ele está bem? — Parece uma coisa tão estúpida para perguntar, mas eu tenho que. Eu preciso saber. Eu preciso olhar os dois no olho e ver se eles acham que o meu pai está vivo e bem, ou se eles acham que talvez seja possível que ele já poderia estar além da salvação. — Hector não fez nada para ele — diz Cade. Sua voz não mente. Eu não vejo nenhuma dúvida nele. — Ele poderia ter inferido se ele tivesse outra forma. Ele não teria sido capaz de ajudar a si mesmo. Eu olho para Jamie eu preciso ouvi-lo dizer a mesma coisa. Ele me dá um breve aceno de cabeça, puxando uma respiração profunda. — É verdade. Ele é um filho da puta presunçoso. Ele não teria sido capaz de manter isso para si mesmo. Tanto quanto sabemos, Alan está são e salvo. Tanto quanto sabemos. Isso tranquilizadora, mas vai ter que ser.

~ 70 ~

não

é

uma

declaração


— Vejo que checou o escritório, — diz Jamie. Seus olhos travam em mim quando ele levanta o copo de vidro à boca e leva um grande gole. Ele permanece fixo em mim enquanto ele engole. — Não olhe para mim desse jeito, — eu digo. — Você não tem absolutamente nenhum direito. Ele faz beicinho. — Eu não disse uma palavra. — Você não precisa. — Cade corajosamente tenta esconder o sorriso que eu posso ver que paira nos cantos de sua boca, mas ele falha miseravelmente. Eu pressiono as palmas das mãos para baixo sobre a bancada, inclinando-me para os dois. — E você pode parar com isso, também. Eu sei que você desempenhou um papel no que ele fez. Cade ergue as mãos. — Porra eu não fiz. Isso é tudo sobre ele. A boca de Jamie cai aberta.— Traidor. — Você sabia que ele estava indo para fazê-lo, então foram cúmplices. Isso é exatamente o mesmo que participar, então ambos estão na casa de cachorro. — Muito injusto. Eu teria deixado você vir com a gente — diz Cade. Jamie faz uma cara, demonstrando exatamente o que pensa dessa declaração. — Você é tão cheio de merda. Você teria deixado Laura vir? Não. Porra. De maneira nenhuma. Como sempre quando alguém menciona a irmã de Cade, a atmosfera instantaneamente muda. Jamie fica tenso, sabendo que ele trouxe-se um assunto delicado, e Cade tenta aparecer inalterado. Ele é afetado, apesar de tudo. Por todo o dinheiro que o clube tem, por todo o tempo e todos os recursos que eles procuram investido, eles sequer chegaram perto de encontrar Laura. Tem sido anos. Então, muito tempo se passou que eu duvido que qualquer um desses homens acredita que eles vão encontrá-la de novo, e ainda assim eles se recusam a parar de procurar. Meu estômago torce com o pensamento. Assim como Laura, eu sou a irmã de alguém. Sloane está procurando por mim, da mesma forma que Cade está à procura de Laura? Será que ela desliga cada vez que alguém menciona meu nome? Deus. Eu sinto como se meu interior está sendo rasgado fora. Eu não quero pensar sobre isso agora. Eu não posso. Eu tenho que lidar com a minha situação com Jamie. Eu passo debaixo da escotilha do bar para que eu possa andar atrás do meu ~ 71 ~


namorado e sussurrar em seu ouvido. Jamie inclina a cabeça enquanto escuta. Tento não deixar que o cheiro dele me distrair do que eu quero dizer - um feito muito difícil de realizar, uma vez que ele cheira divinamente. — Se alguma vez me drogar de novo, se você me trancar de novo... se você tentar me impedir de fazer algo que eu quero ou preciso fazer pela força... — Você vai cortar minhas bolas fora? — Ele sussurra. — Não. Eu não vou cortar suas bolas fora, Jamie. Vou te deixar. Você vai acordar uma manhã, e minhas coisas estarão aqui. Minha escova de dentes vai estar ao lado da sua. Minhas roupas ainda estarão no armário. Meu travesseiro ainda vai cheirar a mim. Haverá milhares de coisas aqui para lembrá-lo de mim, mas eu terei desaparecido. E eu não vou voltar. Você acredita em mim? Jamie vira a cabeça para olhar para mim. Nossos narizes quase se tocam. Estou tão apaixonada por esse este homem que me mata dizer que eu vou deixá-lo, porque seria a coisa mais difícil que eu já tive que fazer. Quero dizer, apesar de tudo, eu não posso viver dessa maneira. Há algumas coisas que eu posso tolerar se absolutamente for necessário. Eu posso lidar com sentimento restrito e ficar presa aqui no galpão de uma grande parte do tempo. Eu posso lidar com Shay e sua atitude fedorenta. Mesmo sabendo que temos uma mulher colombiana homicida ainda vivendo no porão sob o celeiro é algo que eu posso viver com, contanto que eu sei que ela não vá sair tão cedo. Mas isso? Sentir como se eu não tivesse livre arbítrio? Sentir que eu não posso confiar nele? Não vai rolar. Os olhos de Jamie estão brilhando. Os músculos faciais estão relaxados, mas eu posso dizer só de olhar nos olhos dele que ele não gosta das palavras que estão saindo da minha boca. Ele bufa pelo nariz, a língua que sai fora sempre tão ligeiramente para que ele possa esfregue-o ao longo de seu lábio inferior, molhando-o.— Ok, — ele diz suavemente.— Sim. Eu acredito em você. — Então você não vai fazê-lo novamente? Eu preciso ouvir você me dizer que você não vai. Ele não disse nada por um longo tempo. Cade não está sentado ao lado dele, eu vejo. Ele deve ter lentamente se levantado e se arrastado para longe durante os últimos minutos, deixando-nos a nossa conversa silenciosa. Eventualmente, Jamie pisca, seus olhos estreitando um pouco. — Eu não vou dizer isso. Eu não posso, Sophia. ~ 72 ~


Eu fico de pé, cambaleando para longe dele. Eu não estava esperando que ele dissesse isso. Eu estava esperando que ele fosse justo. A jurar que ele vai respeitar a minha vontade e me levar a sério. Em vez disso, ele... ele está se recusando? Isso não faz sentido. — Devo apenas fazer minhas malas e ir agora, então? Talvez isso seria mais fácil para nós dois. — Eu pareço zangada. Mágoa se insinua na borda da minha voz - seria chato dizer que eu poderia explodir em lágrimas a qualquer momento se eu não colocar as minhas emoções em cheque e rápido. Jamie fecha os olhos. — Eu não estou dizendo isso porque eu não dou a mínima se você vir ou ir, Docinho. Eu estou dizendo isso porque eu te amo. Se eu tiver que perder você para mantê-la segura, então eu não vou pensar duas vezes. Vou arriscar ter que deixá-la ir, se isso significa que você não acabar estuprada e morta em uma vala com os seus membros decepados. Eu ficaria infeliz, e meu coração se sentiria como nunca fosse bater de novo durante o tempo que eu vivesse, se você se fosse, mas eu ficaria feliz ao mesmo tempo, porque eu sei que você estaria longe, longe daqui e você estaria viva. Você não faria o mesmo se fosse eu? Eu tenho um nó na garganta do tamanho do Texas. Se eu respirar, se eu sequer pensar em piscar ou fizer um movimento, mesmo um milímetro, eu não sei o que vai acontecer. Estou em conflito, sendo arrastada em tantas direções diferentes, todas de uma vez, emoções que eu não consigo decifrar o que estou pensando ou sentindo agora. A dor em sua voz me irrita. O fato de que ele não vê as coisas do meu jeito me irrita. E a beleza de seu sentimento faz com que meu coração se sinta inchado e machucado. Quase culpado de alguma forma. Como posso ficar brava com ele, ou segurar suas ações contra ele, quando ele vai e diz algo como isso? Ele quer dizer cada palavra. Não há portas fechadas com ele. Esses cristalinos olhos azuis permitam-me ver diretamente em sua alma, e eu sei que ele está dizendo a verdade. — Você pode ficar com raiva de tudo que você gosta de mim. E sim, você pode ir quando quiser, Sophia. Nunca vou tentar impedi-la de sair daqui, se é isso que você realmente quer. Mas eu quero que você me escute, e eu quero que você realmente ouça o que eu estou prestes a dizer, ok? Você pode fazer isso? Eu me sinto como sendo teimosa e negando-lhe o seu pedido, mas quando eu olho para ele eu posso ver quão sinceramente ele está pedindo. Ele não está tentando ser um pau na bunda; ele não está ~ 73 ~


tentando fazer-me irritada. É difícil dizer não para o homem quando ele está olhando para você do jeito que ele está olhando para mim agora. — Bem. Diga o Corretamente, eu juro.

que

você

quer

dizer.

Eu

vou

escutar.

Jamie assente. Girando seu copo de uísque várias vezes no balcão na frente dele, ele olha para o líquido dentro, aparentemente tentando construir o que ele quer me dizer em sua cabeça antes que ele se permita dizer em voz alta. Depois de um longo, minuto, seu olhar retorna para mim. — Havia um cara Inglês no Afeganistão. Ele era um membro dos Royal Marines, mas o governo britânico lhe emprestou para nós como um informante. Ele tinha sido feito prisioneiro por um grupo de rebeldes após o transporte de sua unidade bater e matar todos, menos ele. Por quase dois anos os rebeldes o mantiveram refém em um sistema de cavernas, dando-lhe apenas comida e água suficientes para que ele pudesse sobreviver. Eles iriam torturá-lo todos os dias. Eles queriam saber tudo o que sabia. Eles iriam puxar os dedos e as unhas dos pés, um por um. Eles iriam puxar os dentes para fora também, sempre que ele não iria dar-lhes informações que eles queriam. Esse cara, Andrew, ele viveu por meses. Ele tomou a dor e o tormento, e ele deixou-os arrancar as unhas e os dentes, até que as pessoas que estavam segurando cativo perceberam que não iam conseguir nada com ele. — Agora, isso era uma posição muito ruim para Andrew estar. A única razão pela qual eles foram mantê-lo vivo era porque ele valia alguma coisa. Se ele não fosse valioso para eles, ele com certeza seria valioso morto. Veja que não basta matar pessoas nas sombras. Eles querem que o mundo veja. Eles reúnem seus amigos. Eles reúnem mídia do mundo. Fazem-nos assistir na televisão como eles forçam os prisioneiros a dizer mentiras sobre seus países, e, em seguida, eles nos fazem ver como eles cortaram suas cabeças e queimar seus corpos em gaiolas. — Andrew quase morreu dessa forma. Ele sentou-se na frente de uma câmera e disse o que eles queriam que ele dissesse, caso contrário, eles estavam indo para ter seus amigos na Inglaterra rastreando sua esposa e dois filhos pequenos, e eles iriam tê-los assassinado em suas camas. Você sempre acha que não vai na caverna, que nada que eles possam fazer ou dizer a você o fará desistir e repetir o ódio que eles querem espalhar, mas quando eles ameaçam seus entes queridos...— Jamie parece triste. Ele recua um pouco, pequenos vincos se formam ~ 74 ~


entre as sobrancelhas. — Então, Andrew sentou-se e disse que eles queriam que ele dissesse, e eles filmaram. Os bastardos o detiveram enquanto tentavam cortar sua garganta por trás, para que a câmera pudesse ver. Eles quase terminaram o trabalho. Andrew tinha uma cicatriz que ia da sua orelha esquerda também o pomo de Adão, e é onde ele parou. Milagrosamente uma de nossas unidades lançou um ataque sobre as cavernas. Não tínhamos ideia de que eles estavam mantendo ninguém cativo lá. Tivemos a dica que eles estavam usando o local como um depósito de munições e queríamos tirá-lo. — Então, eles invadiram o local e Andrew só tinha sua garganta cortada pela metade. Ele veio e trabalhou com Cade e comigo por um longo tempo. Ele nos contou em detalhes gráficos sobre a merda que esses caras fizeram com ele. Os tipos de tortura que eles eram capazes. E ele nos disse que não foi nada em comparação com as atrocidades que ele viu cometidos pelos quartéis no México. Ele chorou como um bebê quando ele nos falou sobre isso. Ele tinha ido como parte de uma força-tarefa para resgatar um funcionário do governo britânico que tinha sido levado da rua em Juarez. Eles encontraram esse cara e sua esposa em um túmulo aberto debaixo de uma ponte no meio da cidade. Os corpos foram mutilados além do reconhecimento. Quando os marines tentaram recuperar os corpos, eles perceberam que tanto o oficial e sua esposa ainda estavam vivos. Eles foram fodidos e sangravam, não existia pele, dedos faltando, ambos perdendo suas línguas e seus olhos. Suas orelhas. Seus seios tinham sido cortados. Seu pau. Eles eram apenas pedaços de carne crua, e eles jogaram seus corpos em um buraco enquanto eles ainda estavam sangrando. — Os quartéis fizeram isso para eles. Nem mesmo um militar endurecido que tinha sido mantido em cativeiro no deserto e quase morreu nas mãos de alguns dos homens mais imorais neste planeta poderia falar sobre a merda que ele viu no México sem as mãos tremendo. E estas são as pessoas que estamos lidando agora, Sophia. Este é o tipo de loucura que estamos nos envolvendo. Cade e eu fomos implantados. Um monte de outros Widow Makers são ex-militares, também. Todos nós já tivemos treinamento. Nós temos estado em situações de combate. Estivemos em lugares escuros deste mundo e já vomitamos nossas entranhas para cima. Nós já vimos o suficiente para tornar difícil dormir à noite. Ele para de falar por um segundo. Dá-me um segundo para digerir. Eu já sei o que ele vai dizer a seguir, e a gravidade de suas palavras realmente me bateram. Eu aperto o balcão, inclinando-me para ele, cansada e aterrorizada quando Jamie continua.

~ 75 ~


— E você quer ir em direção a esses caras, Sophia. E sobre a sua educação em Seattle como a filha de um pregador, vivendo com tudo o que poderia precisar, nunca ter que tomar decisões difíceis e sacrifícios reais, quando rabos crescidos fuzileiros choram como bebês, só de pensar nisso? Meu ex, Matt, costumava me dizer que eu era mimada. Ele costumava me provocar sobre o fato de que eu não era inteligente em tudo, e me deixava louca. Se ele tivesse dito tudo o que Jamie acabou de dizer para mim naquela época, eu teria perdido a porra da minha mente. Ele teria tirando sarro de mim, tentando ser doloroso, fazendome sentir boba, mas esse não é o caso com Jamie. Eu sei que ele não está tentando chamar-me de burra. Ele não está tentando zombar de mim, ou me criticar pela maneira como eu cresci. Ele está apenas apontando fatos. Eu sou a filha de um pregador de Seattle. Eu não cresci nas ruas. Eu fui cuidada. Eu era amada. Eu não tive que tomar decisões difíceis ou fazer quaisquer sacrifícios reais. Tive o privilégio, de não passar por nenhuma dificuldade. Eu não tenho nenhum treinamento militar. Eu realmente nunca disparei uma arma corretamente. Nem por isso, sob pressão, quando é preciso. Sinto-me, de repente, muito tola. Os olhos de Jamie estão cheio de dor, seu corpo inteiro tenso de preocupação. — Diga-me que você entendeu, Sophia. Porque eu estou preocupado pra caralho fora de minha mente sobre você, sobre esta situação toda, e eu sinto que tudo está em um espiral fora de controle. Seu cabelo escuro, normalmente zumbido perto de sua cabeça, é um pouco longo no momento. Jamie passa a mão através dele, puxando-o quando ele se inclina com o cotovelo contra o bar. Ele realmente parece que está preocupado fora de sua mente. Eu tomo um segundo para pensar realmente sobre o que eu faria no seu lugar, e esclarece em mim que eu não reagiria de outra forma. Eu tenho sido tão ultrapassada pela minha própria força e vontade, puta com meus direitos civis sendo infringidos, que eu não vi o que isso está fazendo com ele. Está o matando. Eu vou até ele, envolvendo os braços em volta do pescoço, e eu fico com ele tão firmemente quanto eu posso. — Sinto muito, — eu sussurro.— Eu não deveria ser assim, mas eu sou. As coisas seriam muito mais fáceis para você, se você nunca me conhecesse. Você teria lidado com Hector há muito tempo. Ele provavelmente não teria chegado ao Novo México em tudo. Se eu não estivesse em sua vida, tudo seria mais fácil. ~ 76 ~


Os braços de Jamie encontram o seu caminho ao redor da minha cintura, e seus lábios encontrar o caminho para a pele sensível do meu pescoço. Ele me beija, e depois suspira, inclinando a cabeça contra a minha. — Se você não estivesse na minha vida, Docinho, eu só seria a metade de um homem. Eu não trocaria você, cuidar de você, te amar, por nada no mundo.

~ 77 ~


Capítulo oito REBEL AFEGANISTÃO

Posso sentir o cheiro de fumaça. Eu posso sentir outra coisa na brisa da noite, bem como, algo pesado e acre, quase orgânico, e formase um nó na boca do estômago. Não há alarmes que se apagam para sinalizar algo significativo está acontecendo, mas estou agarrado com um mau pressentimento. Algo está acontecendo, eu sei que está. Eu me sustento sobre um cotovelo, olhando para a escuridão, e Cade já está sentado em sua cama, do outro lado da sala, uma imagem de espelho de mim, a preocupação gravada profundamente em seu rosto. — Você sente isso? — Ele sussurra. — Sim. Sim. — Você sabe o que é isso? Eu balanço minha cabeça, não, embora eu tenho uma suspeita preocupante que eu realmente sei e eu apenas não quero admitir isso para mim.— Melhor verificar, — eu digo. Cade arremessa as pernas para fora da sua cama, empurrando seus pés com meias em linha reta em suas botas polidas que estão ao lado de sua cama. Eu faço o mesmo. Estamos ambos já vestidos, camisetas dobradas em nossas calças, prontos para o rock-and-roll. No exército você aprende muito rapidamente que você tem que ir dormir totalmente preparado. Muitas vezes somos chamados para fora no meio da noite e é necessário se mover rapidamente. Leva muito tempo para lutar em suas roupas quando há pessoas gritando com você e sirenes em seus malditos ouvidos. Eu não acordo o resto da unidade ainda. Desde que oficialmente não fomos chamados ao dever, seria um erro arrastar todo mundo fora de seus berços quando pode não ser necessário. Cade e eu dificilmente

~ 78 ~


estamos tranquilos quando nós saímos da tenda que nós chamamos de casa pelos os últimos dezoito meses, junto com outros dez homens dormindo nos beliches que nem sequer podemos mexer nossa cabeça para fora para a escuridão. Imediatamente, vemos a origem do cheiro de queimado. Do outro lado da base, uma alta coluna de fumaça está crescendo em uma grande onda de nuvem para o céu. Caminhões de bombeiros da base já estão posicionados pela cerca da ligação de alta corrente que faz fronteira com o acampamento, e as mangueiras estão jorrando arcos de água por cima da cerca para as pequenas tendas e edifícios choupana do outro lado. Normalmente, teríamos dito para mover os moradores afegãos que escolheram montar acampamento junto à base. Muito perigoso para ter potenciais insurgentes dormindo à nossa porta, talvez a construção de bombas em seus abrigos, pronto para fazer mártires de si mesmos, mas essas pessoas eram todas mulheres idosas e crianças. Colocadas para fora de suas casas pelos bombardeios, elas não tinham ninguém para protegê-las e nenhum outro lugar para ir. O coronel decidiu que era permissível para elas ficar ao lado da base por uma semana até que as tropas pudessem ser poupadas para realocá-las em algum lugar seguro, longe do tiroteio aberto e os carros em chamas nas ruas. Neste momento, não parece que ninguém vai exigir deslocalização. — Puta merda, — Cade diz baixinho.— Que porra é essa? Que porra é certo. Havia talvez duas centenas de pessoas aqui quando fomos para dormir, pelo menos, setenta tendas foram armadas vinte pés longe da cerca. Agora, cada uma dessas tendas e abrigos estão pegando fogo, e há mulheres que se movem em torno, mandíbulas escancaradas chorando, vindo de suas bocas quando elas tentam encontrar os seus amigos e entes queridos. — Porra. Você acha que esses imbecis desceram aqui e incendiaram tendas de suas próprias das pessoas? Por que diabos fariam isso? — Cade cobre a boca com a mão, franzindo a testa para a cena que se desenrola diante de seus olhos. Uma mulher tropeça fora de uma barraca perto, uivando de dor. Ela está pegando fogo, o longo tecido de sua roupa em chamas que lambe seu corpo, aumentando para cima como ela corre na direção dos carros de bombeiros. Os caras jogam água, apagando as chamas, mas ela não para de uivar. É a coisa mais terrível que eu já ouvi. Eu não vou

~ 79 ~


ser capaz de me libertar das vistas, dos sons e cheiros desta noite por muito, muito tempo. O rádio que carrego no meu quadril emite uma explosão de estática, que eu mal noto. Cade tem que tirá-lo do meu cinto e colocá-lo na minha mão antes de eu perceber que Richter, o nosso líder de pelotão, está latindo ordens para mim e eu não ter respondido a ele ainda. — Posso ver o seu rabo de onde eu estou de pé, Squad Leader. Responda seu rádio! Eu seguro o rádio até minha boca, ainda piscando para o fogo. Nas tendas que estão no fogo. Para as pessoas que estão no fogo.— Sim senhor. Desculpe, eu ouvi. Apenas um pouco chocado que a base não está em colapso completo agora. — Isso é o que eles querem. Eles estão em uma encosta. A patrulha viu três ou quatro homens em cima da Ridgeline2 assistindo através de um Sniper3. Eles querem o caos, e nós não vamos dar-lhes. Vá acordar seus homens. — Sim senhor. — Quero cabeças desses fodidos em varas, Duke. Vá pegá-los para mim. — Senhor, sim senhor. Eles nunca vão nos ver chegar. — Isso é o que eu gosto de ouvir. O rádio fica em silêncio, e Cade e eu corremos de volta para a nossa tenda, menos afetados agora que temos um propósito. Eu estou gritando e gritando pelo tempo que eu puxo a aba para trás e parto dentro do nosso quarto. — Tudo bem, idiotas, em seus pés! De pé! De pé! Temos trabalho a fazer. — Dez homens com os olhos turvos de repente sentados em seus beliches, movendo-se automaticamente à medida que atingem por suas botas e suas artes. Eles não reclamam. Eles estão todos tão acostumados a isso que seus corpos funcionam instantaneamente, realizando movimentos mecânicos da rotina de seu treinamento básico. No momento em que todo mundo tem seu kit sobre e as tiras de seus M4s pendurada em seus pescoços, os meus homens estão bem 2 3

Um tipo de picape. Atirador de elite. ~ 80 ~


longe e pronto para foder merda. Eles vivem para isso. Mais frequentemente do que não, eles estão sentados em volta, tentando não cozinhar no calor do Afeganistão. Ser chamado para fora em uma missão é a coisa mais excitante que pode acontecer em qualquer dia da semana. Ser chamado para fora em uma missão no meio da noite é ainda melhor. Normalmente nós vamos de transporte queimando borracha fora da base, acelerando em direção à localização de nossas metas, mas desta vez nós estamos a pé. A encosta que ladeia a base foi considerada um grande risco de segurança pelos superiores quando eles estavam considerando onde implantar nosso acampamento de três mil pessoas, mas no final as suas preocupações foram anuladas pelo general Lockwood. A lua subiu para a noite por cima ado cume. Não havia nuvens, e nem a luz que vem da base atrás de nós ou o fogo ofuscou um pouco o manto de estrelas suspensas sobre nossas cabeças, brilhando. Cade é um cara grande, porém, um par de polegadas mais baixo do que eu, se abaixou para o chão, tentando ficar fora de vista. O cara não faz um som maldito. Nenhum dos meus homens. Por um momento breve eu estou orgulhoso de que eles são tais máquinas assassinas bem treinadas. Quando chegamos perto do topo da colina, eu envio o mais novo recruta, Atherton, à frente ao espaço para dar uma olhada. O resto de nós se agacha no escuro, respirando tranquilamente, o metal aquecido de nossas armas pressionado contra o peito, ouvindo o som dos nossos corações batendo em nosso peito enquanto esperamos para ele voltar e dizer-nos o que viu. Três minutos passam. Abaixo de nós, sons rasgam a noite, e uma bola de fogo ferve-se em direção ao céu, lançando longas sombras atrás de nós enquanto ela inflama.— Que diabos foi isso? — Sibila Cade. Eu olho para baixo no campo, estreitando os olhos, tentando descobrir o que aconteceu. A onda de chamas da explosão inicial morre e conseguimos ver de onde se originou no outro lado do acampamento, onde as mulheres e crianças afegãs estavam acampados. Não foram as nossas fontes de combustível então. Mas quem quer que provocou aquela coisa deve ter tido acesso a uma enorme quantidade de dinamite. Como diabos eles conseguem obter isso? E ele foi concebido para explodir dentro do campo de refugiados, ou dentro de nosso campo?

~ 81 ~


Cade balança a cabeça, mastigando alguma coisa entre os dentes da frente. — Isso é besteira absoluta. Essas pessoas vieram nos pedir ajuda. Eles estavam acampados junto a nós, pelo amor de Deus. Como isso pôde acontecer? Eu mantenho minha boca fechada. Estou prestes a dizer-lhe para fazer o mesmo, mas Atherton emerge da escuridão, com rosto branco como uma folha, e meu foco se volta para ele.— Bem? Quem está lá em cima? Atherton balança a cabeça.— Ninguém. Bem, quatro homens, mas eles estão todos mortos. Suas mãos...— Ele treme.— Suas mãos foram colados aos seus rifles. Suas pálpebras são coladas abertas também. Eles todos levaram um tiro na cabeça. Eles são... eles são nossos. — Nossos? — Meu estômago se embrulha, como se eu estivesse em uma montanha-russa. — soldados norte-americanos? Atherton acena. Ele parece que ele está prestes a passar mal. — Eu não os reconheço. Eu não estive aqui por muito tempo, no entanto. Pode ser que eles sejam do nosso pelotão. Poderiam ser de outro campo. — Nós temos que chegar lá em cima, — fala Cade. Uma conversa de acordo gira em torno dos outros homens. — Nós não podemos. Cade olha horrorizado. — O que quer dizer, nós não podemos? Eles são os nossos homens. Nossos irmãos. Nós não podemos apenas deixá-los lá. — Por que eles foram deixados em cima da encosta com as mãos coladas as suas armas e seus olhos colados abertos, Cade? Há apenas uma razão: eles deixaram lá para nós os encontrar. Eles sabem que patrulhamos esta encosta religiosamente. Diariamente. Por hora às vezes. Eu não tenho ideia por que eles querem a gente lá em cima no topo da colina, mas eles estão tentando nos ter lá. — Se fosse uma armadilha, por que eles não me mataram quando eu fui só até lá para o reconhecimento da área? — Pergunta Atherton. Cade responde em meu nome. Parece que ele viu a verdade em minha lógica agora. — Porque você é um cara. Se eles abatem você lá, então o resto de nós corre para baixo para relatar o que aconteceu. Se você voltar aqui, nos diz o que você viu, e nós formos até lá em cima

~ 82 ~


para obter os nossos homens, eles podem puxar o gatilho e matar doze de nós. Estão jogando inteligente. Este raciocínio não é o suficiente para parar os meus homens de querer ir lá em cima para obter os nossos rapazes de volta, mesmo que eles saibam que é a verdade. A maioria deles desenvolve expressões com o rosto impassível, duro quando eu mando-os marchar de volta para o acampamento. No meio do caminho, eu mando rádio de volta para Richter e digo-lhe o que encontramos. Eu posso ouvir a raiva colorindo sua voz. Ele me diz cinquenta e três das mulheres afegãs estão mortas, juntamente com treze das crianças. Quando nos aproximamos do acampamento, podemos ver os seus corpos sem vida alinhadas em fileiras ao longo da linha da cerca. Pior, podemos sentir o cheiro de seus corpos. Na parte da manhã, o sol, branco e frio de alguma forma, espreita sobre montanhas distantes e lembramos da nossa pequena colina. Uma equipe de fuzileiros navais reportou em relatório que quatro de seus homens estão ausentes, e em algumas horas um míssil sopra no topo da colina, criando uma cratera de sessenta metros de diâmetro, enviando uma chuva de rochas e pedras sobre o campo e o vale. Eles, obviamente, ficaram cansados de esperar por nós para ir até lá.

~ 83 ~


Capítulo nove REBEL Eu acordei no meio da noite, suando. Sophia já estava acordada, olhando para o teto, preocupando-se com o lábio inferior entre os dentes. Não estou surpreso. Ela está tão ferida agora que eu ficaria chocado se ela estivesse dormindo. Eu não sei se ela percebeu que eu estou consciente ainda. Ela apenas está lá, olhando para o teto, não mexendo ou movendo uma polegada. Eu sopro uma respiração profunda, passando sobre o meu lado. — Você estava tendo um pesadelo — ela sussurra. — Sim — eu sussurro de volta. Ela não diz nada mais sobre o fato de eu ter me mexido e remexido, e eu a amo por isso. Eu realmente não sei como falar sobre o Afeganistão. Eu particularmente não quero falar sobre aquela noite, quando parecia que o mundo inteiro estava envolvido na morte. — Cade estava na prisão — diz ela. Estou levemente chocado com esta declaração. — Ele estava. Durante nove meses. — Nove meses não é muito tempo. O que ele fez? — Nada. — A palavra é pesada na minha língua, pesada e dolorosa, e também é verdade. Cade não fez nada para si mesmo pousar em Chino, mas ele teve tempo e fez isso sem reclamar. Eu sempre vou ter uma dívida com ele por isso.— Esta não é a primeira vez que o clube tem sido observado por uma agência federal. O ATF estava interessado em nós uma vez antes, um par de anos atrás, mas eles não podiam fixar qualquer coisa em nós, por isso pegaram Cade por posse de uma arma sem licença. Foi estúpido. Eu era o único carregando a arma. Estávamos em um carro, e eles puxaram-nos. Cade agarrou a coisa de mim antes que eu pudesse impedi-lo. Estávamos no nosso caminho

~ 84 ~


para encontrar um informante que disse que eles tinham informações sobre Laura, e Cade me disse que eu tinha que ir. Eu tinha que fazer a reunião, senão o cara desapareceria e nós nunca descobriríamos se a sua informação era legítima. Então, eles o prenderam, levaram-no, e eu não pude fazer porra nenhuma sobre isso. Meu tio levou nove meses para tirá-lo daquele lugar. Os guardas estavam tentando fazê-lo falar no interior. Ele ficou trancado na solitária por meses a fio. Recusaram-se a deixá-lo ter visitantes ou falar com seus advogados. Eventualmente eles não podiam manter a prisão dele, entretanto. Eles deixá-lo ir, e Cade voltou para casa. Foram meses difíceis. Saber que ele estava trancado por minha causa estava fodendo minha cabeça, mas saber que a informação tinha levado a um beco sem saída e ele estava cumprindo pena sem motivo foi uma pílula amarga para engolir. Ao meu lado, Sophia tinha algo nas mãos sobre sua barriga, algo redondo e brilhante, um dos meus globos de neve. Eu não precisei perguntar qual era. Eu já sabia que é o de Chicago. Tem que ser. Eu estendo a mão, deslizando os dedos sobre a superfície fria do globo de vidro. Sophia nunca me perguntou sobre meus globos-de neve em particular, embora eu sei que ela imagina em sua mente. Ela é muito inteligente, ela sabe que há uma história lá, dado o fato de que eu mantenho-o separado por conta própria na minha mesa. Eu não estou pronto para oferecer essa história ainda, voluntariamente, eu tomo o plástico e vidro dela e coloco-o na mesa de cabeceira ao lado dela. Pequenos flocos branco do redemoinho dentro do globo, caindo em silêncio sobre a Torre Willis, 900 North Michigan e o Lake Point Tower, pouco visível na escuridão da sala. Depois de um tempo, ela pergunta: — Quem é Zeth Mayfair? Em toda a honestidade, eu não pensei sobre esse nome em um longo tempo. Cade mencionou um número de vezes desde que ele saiu da prisão, mas ele tem sido um jogador periférico, alguém que não afetou nossas vidas diárias aqui no Novo México. — Ele é um amigo do Cade. Mais ou menos. Ele trabalha para um cara em Seattle, um cara que suspeitamos que começou a negociar mulheres. — Você acha que ele pode saber algo sobre Laura? O cara que trabalha? — Não. Charlie Holsan apenas começou a mergulhar seus dedos do pé nessa merda. Cade acha que pode ser uma boa ideia falar com seu amigo, no entanto, ver se podemos convencê-lo a questionar seu chefe sobre todas as meninas que ele poderia ter ouvido sobre desaparecimento de alguns anos atrás. ~ 85 ~


— E você não acha que é uma boa ideia? Eu balancei minha cabeça. — Meu primo trabalha para esse cara também. É confuso. Fomos ver Michael um tempo atrás que saiu de lá para a casa de Charlie, mas ele conseguiu falar-nos. Nós não acabamos vendo ele. Desde então eu tive tempo para olhar para Holsan. Ele é um louco fodido, um pedaço desagradável de merda. Seria um erro para confrontá-lo sobre a venda de meninas. E esse cara Zeth não parece ter nada a ver com esse lado do negócio da Holsan, por isso é improvável que ele possa obter informações dele de qualquer maneira. Melhor apenas observar e esperar, ver o que acontece. Sophia faz um som suave.— Cade obviamente se sente diferente. É por isso que ele tem um dossiê inteiro sobre o cara em seu escritório? — Sim. Talvez. — Eu poderia explicar a ela que Cade apenas estuda os movimentos agora, mas é muito doloroso admitir em voz alta, mesmo para mim. Laura se foi há tanto tempo que a possibilidade de jamais encontra-la e trazê-la para casa parece remota. Estou quase positivo que Cade pensa que sua irmã está morta. É mais fácil para ele acreditar nisso. Se ela estiver morta, ela não está sendo estuprada repetidamente, uma e outra vez. Ela não está sendo abusada e torturada. Ela não está com dor e sofrendo, porque não podemos porra encontrá-la em qualquer lugar da superfície deste planeta esquecido por Deus. Sophia rola para o lado, de frente para mim. — Eu estive deitada aqui pelas as últimas horas, tentando decidir se eu deveria chamar a polícia, — diz ela calmamente. — Se a polícia se envolver, se soubessem que Ramirez tem o meu pai, eles poderiam invadir a fazenda e tirá-lo de lá antes que eles pudessem fazer nada para prejudicá-lo. — Deus, Sophia — Mas então eu percebi que não há nenhuma maneira de obter as autoridades envolvidas sem implicar você no meu sequestro. Eles cavam e descobre algo sobre os Widow Makers e vão te prender ou colocar Cade em apuros, para não mencionar os outros caras. Então eu apenas deitei aqui no escuro, tentando pensar em uma maneira de sair desta situação, tentando não ressentir-me por causa disso, e eu tenho sido tão irritante, Jamie. Então, eu não gosto de me sentir assim. Ela tem todo o direito de estar com raiva. Seria uma porra de um milagre se ela não tivesse. Pedi-lhe para ficar aqui para ajudar a colocar Ramirez fora. Pedi-lhe para testemunhar, mas Hector transformando-se na nossa porta, movendo-se e toda a sua tripulação maldita para a ~ 86 ~


cidade, a menos de quatro milhas de distância, realmente jogou uma chave inglesa nos trabalhos. Ele fez essa porra pessoal. Ele a ameaçou, e o tempo para a justiça legal iam e vinham. Em vez disso, eu estava segurando a respiração, esperando por Ramirez para fazer o primeiro movimento, e que não fez qualquer favor — E o que dizer agora? — Eu sussurro. — Você ainda está com raiva? Ela balança a cabeça, com lágrimas nos olhos. — Sim. Mas eu não quero estar. Eu só quero que ele vá embora. Eu quero o meu pai são e salvo de volta em Seattle. Eu quero que de alguma forma tudo isso fique bem. Você pode me dizer que ele vai? Você pode aliviar a minha mente? Porque agora eu estou oscilando à beira de um colapso nervoso, e eu tenho certeza que eu estou a ponto de perder o equilíbrio. Lentamente, eu escovo os fios soltos de cabelo fora do seu rosto que escaparam de seu rabo de cavalo bagunçado. Ela fecha os olhos, suas pestanas nada mais do que a sugestão de manchas pretas contra seu rosto na escuridão. — Eu não posso prometer nada, Docinho. Eu desejaria poder, mas eu não posso. Seria injusto mentir. O que posso dizer é que eu vou fazer absolutamente tudo o que puder para garantir que isso não termine em desastre. Eu vou sacrificar tudo, para que eu tenha para ter certeza que seu pai esteja de volta a Seattle, e eu vou enterrar qualquer um que tenta impedir que isso aconteça. Tudo o que posso prometer é o meu melhor. E no caso de você não ter notícias... — Eu coloco um beijo na ponta do nariz, — tipo eu sou durão. Então não se preocupe, menina bonita. — Eu deixo o sotaque Louisiana em minha voz enquanto eu falo, e um pequeno sorriso joga sobre os lábios de Sophia. — Você é uma espécie de durão. Mas você também é um idiota — ela me informa. Eu deslizo minha mão debaixo de sua cabeça para que eu possa envolver meu braço ao redor dela, puxando-a para mim. — Você me ama? — Eu sussurro. Ela fala tão suavemente. Então, calmamente. Como se ela tivesse quase medo que eu pudesse ouvi-la. — Sim. Eu te amo tanto. Eu beijo sua têmpora. — Bom. — Você me ama? — Tanto, que essa coisa me assusta às vezes — eu sussurro. E isso é verdade honesta de Deus. Eu me importo tanto com essa mulher. Demais, eu acho. Se eu não me importasse com ela de uma forma ou de

~ 87 ~


outra, eu estaria livre para fazer o que diabos eu quisesse por aqui. Eu poderia ter lançado uma Ave-Maria, atacando Ramirez em sua fazenda e terminado essa merda meses atrás. Eu poderia ter incendiado o lugar com todos lá dentro. Eu teria tido que lutar contra as memórias de todas as mulheres e crianças gritando no deserto, mas eu poderia ter feito isso. Com Sophia aqui, eu tenho que lembrar quem eu sou, apesar de tudo. Quem eu quero ser. Ela me disse uma vez que eu ainda era um bom homem, e ao longo dos últimos meses eu me encontrei o desejo de ser para ela mais e mais. Para ser alguém bom e honesto e gentil. Achei que aqueles dias estavam muito longe para mim. Já fiz muito, vi muita coisa, feri muitas pessoas a acreditar que eu poderia voltar a ser saudável novamente. Mas algo sobre Soph me faz querer tentar, e é assim tão inconveniente que eu poderia chorar. — Eu não acho que você nunca esteve com medo um dia em sua vida, — diz Soph no escuro. Eu tento abafar minha risada, mas me escapa, saindo em cortados sons amargos. — Oh, eu tive medo. Mais vezes do que posso contar. Qualquer homem que se encontrava do outro lado do mundo, observando seus amigos explodindo, atirando em garotos de treze anos de idade, porque eles estão prestes a incendiar um hospital, correndo dentro das casas de arenito, gritando no topo de seus pulmões , tentando sobreviver, para salvar outras pessoas, fazer as coisas direito... qualquer um que alega ter feito isso e permaneceu sem medo é um mentiroso. Acredite em mim. Sophia não diz nada. Eu não acho que ela sabe o que dizer. Eu corro minha mão para cima e para baixo em suas costas nuas, deixando meus dedos traçar sobre a maciez suave de sua pele, e eu sinto seu corpo lentamente querer responder a mim. Ela provavelmente nem sequer perceber que ela está fazendo isso, mas arqueia de volta, pressionando os seios contra o meu peito enquanto treme um pouco. — Você pode fazer algo para mim, querida? — Digo. — Sim. O que? — Venha aqui. — Sento-me, de repente, levando-a comigo, levantando-a em cima de mim enquanto eu deito de costas. Eu posso senti-la em todos os lugares, os nossos corpos com descarga um contra o outro, quente e ligeiramente suado - com o verão em pleno vigor, que é quase impossível de evitar. Adoro a degustação do suor em sua pele, embora. É doce e salgado, ao mesmo tempo, e o brilho suave em sua pele dá-lhe um olhar sexy, afobado.

~ 88 ~


O lábio inferior de Sophia está apenas polegadas de distância da minha boca, gordo e vermelho escuro, inchado um pouco, ao que parece, por estar preocupada tem os mordidos com os dentes. — Eu não quero pensar sobre isso, — ela sussurra. — É muito cansativo. Eu só quero sentir... Eu só quero ser livre de tudo. Apenas por um momento. — Eu posso fazer isso por você, querida. Ela me dá um sorriso irônico. — Você parece muito seguro de si mesmo. — Eu sou. Eu tenho um histórico comprovado, afinal. Gostaria que demonstrasse as minhas capacidades? Ela balança a cabeça em silêncio. Eu quero morder a delicada pele lisa, macia, de seu pescoço, por alguma razão inexplicável, com força suficiente para deixar uma marca, mas eu sinto que esse tipo de preliminares pode não ser adequado neste momento. Eu pego a bunda dela em ambas as minhas mãos em vez disso, apertando ligeiramente, testando meus limites. Sua bunda é fenomenal - suas curvas são a perfeição de muitas maneiras, ela tem uma bunda que a maioria das celebridades de Hollywood pagaria um bom dinheiro para ter. Minhas mãos são apenas grande o suficiente para captar a elevação de suas bochechas tonificadas. Ela respira com força quando eu afasto-as um pouco, correndo um dedo sobre sua carne exposta, para baixo, para baixo, em direção a sua vagina. Ela não está encharcada ainda, mas ela estará em breve. Por agora, eu acaricio meus dedos sobre a pele macia de seus lábios, apreciando quão suave e sensível ela é. Eu adoro provocá-la por trás assim. Vindo de um ângulo diferente significa que nossos corpos ainda são esmagados em conjunto, o dela em cima do meu, e ainda posso sentir seu coração batendo contra o meu peito, sentir seu peito subir e descer contra mim. É perfeito. Meu pau está crescendo mais duro a cada segundo. Sophia deve ser capaz de senti-lo quando ele aumenta de tamanho, pressionado em sua barriga, exigindo atenção. Eu quero empurrar o meu caminho dentro dela. Seria suficientemente fácil. Eu poderia agarrá-la por suas coxas e arranca-las, puxá-la um pouco, então iria à posição perfeita para mim, como estar em casa. Onde estaria à diversão nisso, embora? Não, eu preciso dela para estar pronta para mim quando eu finalmente afundar-me dentro dela. Preciso que ela me queira mais do

~ 89 ~


que ela já quis algo em toda a sua vida inteira. Só então eu sei que eu a peguei direito. Eu a beijo, enrolando o cabelo em volta da minha mão livre, segurando forte para que eu possa controlar a cabeça. Eu trabalho a minha língua sobre a dela, acariciando o interior de sua boca com a ponta, provando-a, lambendo-a, fazendo sua respiração acelerar enquanto ela se contorce em cima de mim. Porra, sim. Aos poucos, ela começa a moer seus quadris contra os meus, fazendo com que o mais intenso atrito entre nossos corpos, fazendo meu pau latejar. Minhas bolas estão doendo quando elas estão prestes a queimar e inflamar de dentro para fora, elas precisam de suas mãos sobre eles, ela molhada, quente, ou sua boca perfeita eu posso esperar. Eu estou em uma missão, e Sophia não tem ideia do que eu vou fazer para realizá-la. — Ajoelhe-se, — eu digo a ela. Ofego a palavra em sua boca aberta enquanto ela geme. — Levante-se em seus joelhos, Sophia. Ela olha para mim como se ela não entendesse por um segundo, e depois realização bate sobre ela. — Ok. — Ela me atravessa, seus belos seios saltando um pouco quando ela reposiciona-se. Eu não consigo parar de colocá-los em minhas mãos, rolando seus mamilos, minhas bolas doendo ainda mais quando a pele rosa delicada de suas auréolas apertam, franzindo em gemas sensíveis, me implorando para torcer e apertá-los. Sophia se contorce quando eu faço isso, o peito arfando enquanto ela mói sua buceta contra o meu pau. Ela esta definitivamente está muito mais molhada agora. Meu pau está liso com ela indo para frente e para trás, e é quase impossível não levantá-la por um segundo para que eu possa agarrar meu pau e puxá-la para ela. — Foda-se, Docinho. Você é tão sexy. Eu não posso levá-la. Vem cá. — Eu tomo conta dela pelos quadris e eu levanto-a um pouco, mas não para que eu possa foder. Para eu guiá-la até o meu corpo, puxandoa para que ela tenha que engatinhar sobre suas mãos e joelhos para cima do meu corpo. Ao mesmo tempo eu me deslizo para baixo da cama, e dentro de um segundo, ela está ajoelhado sobre o meu rosto, sua buceta lisa e brilhante, não mais do que uma polegada de distância da minha língua. — Deus, Jamie. Foda-se, eu não sei se eu posso... Eu sei muito bem que ela pode. Ela tem sido autoconsciente sobre mim lambe-la antes, assim que paira sobre minha cabeça como sou obrigado a fazê-la desconfortável. Eu quero isso. Eu preciso disso. — Sente-se no meu rosto, Sophia. Seja uma boa prospecto e monte na minha boca como se fosse meu maldito pau. Faça isso agora.

~ 90 ~


Ela hesita. Eu rosno, profundo e baixo na parte de trás da minha garganta. — Se eu não tiver o seu clitóris na minha língua nos próximos três segundos, eu vou puni-la. — Eu não posso ajudá-la, no entanto. Eu posso ver cada última rosa, delicada, dobra perfeita, posso cheirar sua doçura, posso quase, quase provar o mel, a sedosidade dela e eu estou prestes a perder a minha merda. — Jamie, eu... Eu cavo meus dedos em suas coxas, avisando-a. Eu realmente vou puni-la, e enquanto ela vai ter um orgasmo tão poderoso que ela provavelmente vai estar na cama pelas próximas vinte e quatro horas, as coisas que eu vou fazer com ela vão fazê-la sentir-se muito mais vulnerável do que isso. — Um, — eu digo. — Por favor, Jamie. Por favor, eu preciso de você para me foder — ela choraminga. — Dois. — Oh meu deus, não — ela chora. — Por favor por favor por favor. Eu não posso tomá-lo! — Três. — Jamie! É tarde demais agora. Dei-lhe a oportunidade de tomar o caminho fácil. Ela não tomou. Agora ela tem que aceitar as consequências de seu mau comportamento. Eu tenho que segura-la pela cintura e movê-la de cima de mim para que ela não esteja ajoelhada sobre o meu rosto mais. Estou triste com a mudança de cenário, mas eu vou buscar o meu próprio caminho em um momento. Sophia embaralha-se, tentando fugir, mas eu dobro meu braço em volta da cintura e eu fixo-a na cama. Ela começa a rir, seus dedos tentando remover meu braço em torno dela, mas ela sabe que não tem nenhuma chance. É tão estranho ouvir a risada. Apenas alguns momentos atrás, parecia que ela nunca iria rir de novo, e agora é como se as mesas fossem viradas. Estou feliz que têm isso. Ela precisa disso, mesmo que apenas por pouco tempo. Um breve momento em que tudo está em espera e ela pode limpar a cabeça. — Se você não me deixar ir agora, — ela diz, — Eu nunca mais estou chupando você de novo. — Ela mal consegue manter uma cara séria quando ela diz isso. É assim que eu sei que ela está mentindo.

~ 91 ~


— Você não seria capaz de parar mesmo, você ama meu pau em sua boca. Ela balança a cabeça de um lado para o outro, se contorcendo. — Não. É o pior. Arggghh, é o pior! — Ela se dissolve em gutural, borbulhante riso quando eu faço cócegas nela com a mão esquerda, ainda mantendo-a com a direita. Não posso deixar de rir também, ela se debate sobre a cama, com as pernas chutando freneticamente enquanto eu brinco com seus lados e sua barriga com meus dedos. Sua risada vai se transformar em algo muito diferente em alguns momentos curtos. Ela vai estar me implorando para lamber-lhe. Ela vai gritar meu nome, e eu não vou agradá-la até que eu saiba que ela vai se comportar no futuro. — Eu vou deixar você ir agora, Sophia, — digo a ela.— E eu vou conseguir alguma coisa. Eu estou dizendo a você agora, se você se mover a partir desta cama haverá o inferno para pagar. Ela balança a cabeça, incapaz de falar, incapaz de recuperar o fôlego corretamente. — O... ok. Eu não vou. Eu não vou sair, eu... juro. Eu não confio na atrevida, mas eu tenho que fazê-lo, a fim de pegar os itens. Eu decidi o que eu vou usar nela, então eu não tenho escolha. Eu liberto-a e ela deita de costas no colchão, sorrindo para mim. — Eu não achei que você fosse me faz sorrir, — ela sussurra, mordendo o nó em seu dedo indicador. — Eu não acho que eu estaria sorrindo por um tempo muito longo. Obrigada. — Você pode não estar me agradecendo em um minuto. — Eu espreito para o armário e abro-o, buscando o rolo de corda Eu deixei lá no chão. Os olhos de Sophia brilham, cheio de fogo quando ela vê o que eu tenho na minha mão. — O que você vai fazer com isso? — Ela pergunta. Eu não respondo. Eu vou para o banheiro, e eu volto um segundo depois com a outra mão nas minhas costas, escondendo o objeto plástico branco. Eu só escondo para que ela não possa ver o que é. — Jamie? — Ela diz meu nome como se fosse um aviso. — Jamie, nem sequer pense em usar pinça de sobrancelha em minhas áreas sensíveis. — Ela cora um pouco. — Eu deveria ter deixado você me comer, eu não deveria? Eu dou a ela, um aceno sádico lento. — Sim senhora. Sim, você realmente deveria. — Eu subo na cama, ainda escondendo o conteúdo

~ 92 ~


de minha mão esquerda. — Em seu estômago, — Eu ordeno. — É melhor fazê-lo imediatamente, ou você vai tornar as coisas ainda piores. — E se eu não quiser? — Então nós vamos voltar a dormir. — Isso não soa como seria uma consequência muito terrível. — Talvez não. Mas eu não vou foder com você por um mês. Isso vai ser ainda pior do que o que eu planejei para você agora. Vou provocar a merda que vive fora de você, eu você vai chegar tão perto de gozar todos trinta e um dias, e assim que você esteja prestes a explodir... de repente eu vou lembrar que eu tenho um outro lugar que eu preciso ir. A boca de Sophia cai aberta. Ela olha horrorizada. — Você não faria isso. Isso é apenas cruel. — Em. Seu. Estomago. — Bem. À sua maneira — diz ela, fazendo beicinho. — Mas só assim você sabe, eu não estou indo para desfrutar isto a princípio. Ela vai. Ela realmente vai. Ela não será capaz de negar a si mesma. Ela rola em sua parte dianteira, caindo mole como uma boneca de pano, de mau humor, da maneira mais cômica. Eu estou sorrindo por dentro, mas por fora eu imagino minha expressão é bastante grave. Esta vai ser uma experiência que ela não esquecerá tão cedo. — Abra suas pernas — digo a ela. Ela faz o que eu peço, abrindo as pernas, e eu estou tentado a deixar a enterrar minha língua na buceta dela de qualquer maneira. No entanto isso seria trapaça. Eu seguro os tornozelos dela e puxo-os juntos em vez disso, agarrando a ponta da corda e rapidamente dar um nó com uma mão, em seguida, amarro sobre a curva sobre ambos os pés. Eu puxo apertado, seguro a mão dela mais próxima até que ela é quase capaz de tocar os tornozelos dela própria. Perfeito. — Você está prestes a me amarrar como porco? — Pergunta Sophia. — Possivelmente. Ela tenciona um pouco. — Eu não sei como me sinto sobre isso.

~ 93 ~


Sento-me para trás em meus quadris, parando o que estou fazendo. — Tome um momento para decidir então. — Eu quero que ela seja feliz no momento. Eu quero que ela seja preenchida com adrenalina. Eu quero o seu coração dispare. Mas eu com certeza não quero que ela tenha medo de qualquer maneira, de qualquer forma. Eu nunca faria nada contra sua vontade. Se ela me dizer que não, que está muito assustada para fazer isso, então eu vou desatá-la e deixá-la ir imediatamente, não há outra maneiras sobre isso. Eu não sou esse tipo de cara. Um momento passa, onde Sophia considera suas opções. Após um minuto de silêncio, ela chega por trás dela com a outra mão, oferecendo-a a mim, então ambos estão descansando nas suas costas. — Faz, — ela sussurra. — Eu quero saber o que é. Mostre-me. Eu ato-a com rapidez e eficiência, até que seus pulsos e tornozelos estão unidos, termino o trabalho em questão de segundos. Sophia puxa as cordas, testando-as, tentando ver se ela pode escapar delas. Amarrei os nós, embora. De jeito nenhum eles estão se soltando até que eu desamarre novamente. — Você vai implorar — digo a ela. — Você vai gritar. Eu só vou parar o que estou fazendo, se você diz Kansas, no entanto, Sophia. Entendi? — Sim. — Diga. Diga-o, de modo que você vai se lembrar. Sophia se torce sobre a cama, fazendo sons choramingando macios. — Kansas — diz ela, sem fôlego. — Boa menina. — Eu mergulho na direita. Eu não lhe dou tempo para pensar demais qualquer coisa ou se preocupar com o que eu vou fazer com ela. Eu pego-a, ela pesa quase nada depois de tudo, e eu giroa, segurando-a pela cintura. Ela engasga, seu corpo resistindo enquanto ela tenta infrutiferamente a manter o equilíbrio, mas ela não vai ser capaz de fazer isso. Ela vai ter que confiar em mim para mantêla estável, e eu só vou fazer isso se ela me deixar ter o meu caminho com ela. Deitei-me nas minhas costas e baixei-a em cima de mim, com os pés e as mãos amarradas atrás das costas, os joelhos são a única parte de seu corpo que fazem contato com o colchão. Ela está quase de volta na mesma posição ajoelhada que se encontrava antes, pairando sobre mim. Eu agarro-a pelos tornozelos, proporcionando uma plataforma estável para ela descansar seu peso.

~ 94 ~


— Foda-se, Jamie. Foda-se, — Sophia diz.— Você vai fazer isso de qualquer maneira, não é? — Porra, sim, eu vou. Eu te disse, Docinho. Quero que você monte meu rosto como se fosse meu maldito pau. — Eu desloco para baixo entre as pernas abertas, e ela não pode reverter ou esquivar. Ela tem que ficar muito quieta, ou arriscar cair ao lado da cama. — Olhe para mim — digo a ela. Ela olha para baixo o comprimento do seu corpo, seu peito arfando, seus seios subindo e descendo enquanto ela hiperventila, e meu pau começa a latejar novamente. Parece que eu estou a ponto de explodir a minha carga em todos os lugares, e ela nem sequer me tocou. Porra, eu nem sequer me toquei ainda. Sophia faz contato visual comigo enquanto eu deslizo minha língua para fora da minha boca e gentilmente aperto o clitóris com ele. — Merda, — ela sussurra.— Oh meu Deus. — Ela pisca, suas pálpebras tremulando, mas ela não fecha os olhos. Ela me olha como eu pedi a ela. Lentamente, eu trabalho a ponta da minha língua e para frente e para trás, aplicando apenas a quantidade certa de pressão para dar o pontapé inicial. Sophia ofega por ar como se ela fosse uma mulher se afogando. Ela tem gosto incrível. Há algo sobre comer buceta. Esta sempre foi uma das minhas partes favoritas do sexo, mas lamber a buceta de Sophia é um jogo totalmente diferente. Ela não tem uma buceta, com tudo perfeitamente escondido. Ela tem lábios, e eu porra amo chupalos. Provocá-los. Brincar com ela em todos os lugares - sobre o clitóris, sobre a entrada escorregadia, molhada para sua vagina, para baixo, sobre seu rabo. Em toda parte. Sophia sente breve agitação, tremores, todo o seu corpo vibrando quando eu trabalho minha magia. Ela faz sons frenéticos, desesperados quando eu chupo suavemente sobre o clitóris, movendo minha língua para cima e para baixo rapidamente com a ponta da minha língua novamente. — Porra. Puta merda, Jamie. Isto é... isto é... Deixando ela louca. Posso dizer por quão molhada ela está. Isso está me excitando loucamente cada vez que o doce brilho da sua buceta atinge minha língua. Ela se esquivou quando eu perguntei a ela agora, mas não é muito antes de ela estar balançando o melhor que ela pode contra minha boca, moendo seus quadris, como eu a queria em cima de mim. Ela perde-se, completamente quando ela sobe em direção a seu ~ 95 ~


clímax. Que eu pego seu aperto, chupando, lambendo, agitando minha língua, quando ela cresce cada vez mais frenética. As mamas dela saltam quando ela está louca demais, e é um milagre que não venha em cima de mim quando ela de repente grita, cabeça com ponta, peito orgulhoso, e ela vem duro na minha boca.. — Meu Deus! Oh meu deus! — Ela repete isso mais e mais, quando ela vem, seu corpo ainda tremendo. Eu prendo seu aperto, certificando-me de que ela não vá a qualquer lugar que eu continue a apertar a minha língua contra o clitóris muito sensível. — Merda, Jamie. Merda. Pare, por favor! Kansas, Kansas, Kansas! Eu provavelmente não iria parar se não fosse à palavra de segurança. É muito divertido vê-la assim. Preciso que ela confie em mim, embora. Eu preciso dela para se sentir segura, então eu paro. Rapidamente eu coloco-a para baixo em seu estômago e desato as mãos e os pés. Ela esta praticamente desossada, incapaz de se mover quando eu a giro sobre sua parte dianteira e retiro apenas suas mãos neste momento. O item que eu peguei no banheiro tem caído ao chão. Eu pego e seguro-o para que ela possa finalmente vê-lo. Seus olhos, atordoados e vidrados um segundo, de repente voltam e se alertar Você não está usando uma escova elétrica em mim, Jamie. — Ah, mas eu estou. — Eu ligo, e Sophia empalidece um pouco com o zumbido agudo. — Eu não posso levá-lo. Meu clitóris vai literalmente cair do meu corpo. — Eu aposto que ele não vai. Aposto que você vai se divertir um bocado. Abra suas pernas, Sophia. Abra-os para mim e eu não vou ter que ir encontrar outro brinquedo para provocá-la após este. Ela jura sob sua respiração. — Lembre-se. Kansas — diz ela, e então ela abre as pernas. Ela está encharcada. Se ela não estivesse eu poderia ter repensado a escova de dentes, mas não vai feri-la se ela estiver assim. Isso vai mandá-la para o espaço exterior, porra, e eu vou ter o prazer de ver isso acontecer. Cuidadosamente, eu aplico o final de vibração da escova de dentes contra seu clitóris, e os quadris de Sophia aumentam os movimentos à medida que seus olhos rolam para trás em sua cabeça. Ela é incrível. Ela é tão bonita. Eu observo-a pelos próximos três

~ 96 ~


minutos, enquanto ela se desfaz, e eu tomo posse do meu pau quando ela goza, finalmente, acariciando-o, apertando duro quando ela grita. Seus orgasmos são impressionantes, consumindo tudo. Eu deixo-a recuperar o fôlego antes de eu me permitir foder com ela. Seus olhos se abrem, os lábios entreabertos quando ela me sente deslizar para dentro.— Deus, Jamie, — ela sussurra. — Quer chamar Kansas? — Pergunto. — Não. De jeito nenhum. — Ela circula as mãos atadas sobre a minha cabeça e me abraça com ela. Eu fodo com a força de um trem de carga desencarrilhado. Depois de tanta provocação, meu pau está tão sensível, tão duro, tão pronto para foder que eu tenho que lutar contra o meu próprio orgasmo duas vezes antes de ceder. As coxas de Sophia apertam em torno de mim, segurando-me profundamente dentro dela, minhas bolas cobertas, e eu explodo. Quando isso acaba, estamos ambos estamos esgotados, os nossos corpos emaranhados nos uns aos outros, nossos lábios dormentes dos milhares de beijos que demos na pele do outro e dormimos como os mortos. E eu não acho que qualquer um de nós sonha.

~ 97 ~


Capítulo dez CADE Eu realmente nunca quis bater em uma mulher antes de conhecer a agente Denise Lowell. Uma parte de mim ainda se encolhe com a ideia, o cavalheiro do sul em mim tentando manter o pensamento longe do conceito de plantar um gancho de direita em cheio no maxilar da loira, mas quando eu a vejo sair de um sedan preto do outro lado da cerca do galpão, meus dedos enrolam em si mesmos, formando punhos. Ela está vestindo um terno de calça cinza pálido óculos escuros aviador que gritam poder, sua camisa branca sob medida dobrada na cintura. Um cara alto, sai do banco do passageiro, também usando óculos escuros, também bem vestido, mas nada sobre ele grita poder. Não há tempo para deixar Jamie saber que temos convidados. Eu envio Carnie um olhar de advertência, cuidadosamente sugerindo com meus olhos que ele deve correr até a cabana imediatamente e deixar o nosso chefe sabe o que está vindo para nós. Eu, por outro lado, caminho lentamente em direção ao portão com as minhas mãos enfiadas nos bolsos, todas as provas do meu terrível humor escondido da vista, enquanto eu finjo indiferença sobre o fato de que o DEA está na nossa porta porra. Lowell já tem seu distintivo para fora e está mostrando-o para mim, com a luz solar brilhando no metal polido.— Olá, Sr. Preston. Fico feliz que finalmente nos conhecemos adequadamente. Eu acho que ela quer que eu fique impressionado que ela sabe quem eu sou. Como talvez eu deveria ser intimidado ou algo assim. Eu tinha lutado em Cabul e na província de Helmand, era melhor que esta cadela fosse melhor do que isso. — Dee Dee4. Eu gostaria de poder dizer que o sentimento era mútuo. Não é, no entanto. O que posso fazer para você?

4

Apelido dado a ela. ~ 98 ~


— Eu preciso falar com Rebel. Ele está aqui? — Ela aperta a boca em uma linha comprimida, as bordas de seus lábios ficando brancos. Eu não acho que ela gostou da coisa de 'Dee Dee'. — Eu não sei onde ele está. Nós não mantemos um colar de rastreamento nele. Tenho certeza que você gostaria, porém, certo? Lowell tira seus óculos aviadores, descansando-os em cima de sua cabeça. Apertando os olhos, ela olha por cima do ombro para a plana, seca sujidade do deserto, com o rosto em perfil enquanto ela reflete sobre as minhas palavras. Ela seria uma mulher bastante atraente se ela não fosse uma vadia em fúria. — Estou plenamente consciente de que o seu clube não está feliz com a minha presença aqui em Freemantle, Cade. Também estou ciente de que você e seu amigo Jamie têm sérios problemas com autoridade. Widow Makers movimentam armas. Vocês movimentam drogas também. Você é a menor das minhas preocupações, apesar de tudo. Estou mais preocupada com as influências externas que vocês atraíram para a cidade, e o que é que pode estar aqui. Preciso de Hector Ramirez na cadeia ou de volta na porra do México. De qualquer maneira, eu não posso fazer isso sem provas, e sem ninguém disposto a dar informação que têm sobre ele, o que está fazendo o meu trabalho muito difícil. — Mmm. Eu realmente não sei de muitas pessoas que querem fazer o trabalho mais fácil para você, Dee Dee. Você não é exatamente bem quista pelas pessoas. Não tanto quanto eu posso dizer de qualquer maneira. Ela envia um olhar fulminante no meu caminho. Tenho certeza que ela fez muitos caras terem as bolas retraídas dentro de seus corpos com esse olhar. — Eu não estou no negócio de fazer amigos. Eu estou no negócio de assegurar que as ruas deste país sejam seguras. Se eu tiver que passar por cima de algumas coisas indesejáveis a fim de conseguir isso, então eu faço todo o melhor. — Jamie não vai ajudá-la. Ele não tem nada que possa colocar Ramirez à distância. Se ele tivesse, ele teria trazido a você há muito tempo. — Isto é a verdade honesta e absoluta de Deus. Eu tenho a câmera com as cenas de Sophia sendo arrastada para a rua lateral por Raphael ano passado, mas, literalmente, tudo isso que mostra. Ela está na rua um minuto, Ryan aparece no seguinte, e, em seguida, Raphael está tendo ambos arrastados chutando e gritando para o corredor depois disso. Talvez isso fosse o suficiente para prender Hector mas ele é um filho da puta inteligente. Ele não estava realmente lá quando Ryan foi assassinado. ~ 99 ~


A única evidência real Jamie tem contra Ramirez é Sophia e não há nenhuma maneira dele estar disposto a colocá-la em risco. Agora não. Ele queria quando a comprou de Julio, mas agora que eles são um item só e é praticamente impossível. Ele sabe quão inseguro seria para ela e sua família. Há uma abundância de arquivos no escritório de Jamie que contêm informações incriminatórias sobre o chefe do quartel mexicano, mas não há nada prejudicial suficiente para colocá-lo para fora. Ramirez tem sempre outras pessoas para fazer o trabalho sujo para ele. Lowell dá de ombros, fazendo beicinho um pouco.— Bem, eu gostaria de ouvir isso a partir de sua boca. — E como eu disse, eu não sei onde ele está. Lowell organiza seu rosto em um sorriso feio. Ela aponta acima do meu ombro, atrás de mim. — Engraçado isso. Eu acredito que eu posso vê-lo daqui, mesmo enquanto falamos. Viro-me e vejo que ela está certa. Jamie descendo a colina da sua cabana, com a velocidade assustadora de uma abelha. Ele olha seriamente puto. Carnie no seu encalço, seguindo atrás dele. Eu sorrio de volta para Lowell. — Boa sorte, senhora. — Eu tomo três grandes passos para trás para dar espaço para Rebel quando ele se lança para cima em frente ao portão do galpão, respirando pesadamente. — Eu não acho que a DEA faz visitas sociais — diz ele. — Oh, sim, fazemos. Somente quando estamos nos sentindo magnânimos, embora. Apenas que para algumas pessoas temos um interesse especial. — E como é que vamos nos retirar da sua lista de interesse especial, Denise? Nós realmente não gostamos de pessoas aparecendo aqui sem aviso prévio. Ele faz com que nossos sócios do clube fiquem... nervosos. — Oh, eu tenho certeza que você não tem nada para ficar nervoso. Certo? Eu olho para trás, esperando para ver como Jamie planeja lidar com esta situação. Ele é muito mais diplomático do que eu normalmente, mas pode dizer pelo jeito que ele estava descendo a colina em direção a nós que ele não está com vontade de ser cordial hoje.— Corte a merda, — ele diz.— O que você quer?

~ 100 ~


Lowell olha para seu parceiro, que parece ser quase tão vago e inútil como um ser humano pode ser e ainda se qualificar para o título. Ela suspira pesadamente, empurrando seus polegares na cintura de suas calças. — Eu só quero fazer a coisa certa. Eu só quero que Hector Ramirez seja tratado da maneira correta. Agora, eu ouvi de várias fontes que você é um bom rapaz. Que você gosta de fazer a coisa certa também. Você esteve no Afeganistão por duas turnês, não estava? Como um cara vai servir o seu país e quebrar suas leis em um espaço tão curto de tempo? — Se colocar Ramirez a distância é seu foco principal, Denise, talvez você devesse passar mais tempo perseguindo esse objetivo, em vez de pesquisando minha bunda. Tenho certeza de que seria o uso mais produtivo dos recursos e esforço dos contribuintes. Lowell faz carranca — Eu tenho pessoas que fazem a minha pesquisa. E, além disso, fico com a sensação de que você vai me trazer Ramirez no final. Chame de intuição. — Você pode chamá-lo de qualquer merda que você quer. Já terminamos aqui? — Isso depende se você quiser falar comigo sobre o seu tio, — diz Lowell. As mãos de Jamie tem uma contração muscular, mas ele não mostra nenhum sinal de aborrecimento ou reconhecimento. — Eu não tenho nenhum tio. — Mas você tinha, não é? Seu tio Ryan foi assassinado no ano passado. Ele foi encontrado em um beco em Seattle. Não demorou muito cavar para descobrir que ele estava presidindo um julgamento por assassinato que Hector Ramirez estava sendo processado. Ryan acabou morto, e o caso foi arquivado. Descobri esta incrível coincidência. Jamie cruza os braços sobre o peito, olhando Lowell através das barras de ferro forjado da cerca do galpão. — Eu não tinha falado com Ryan nos últimos anos. Eu não tinha ideia de que ele estava envolvido com Ramirez. Agora, se você me der licença, tenho alguns negócios para cuidar. — Negócio da loja de tatuagem? Ou armas são a negócio? — Lowell sorri um doce sorriso doentio, inocente porra da minha nuca coçar. Tenho certeza de que ele tem ainda mais desagradável sobre Jamie, uma vez que ele está

~ 101 ~

porra do que faz a um efeito de pé que


muito mais perto e ela está apontando o sorriso para ele. Ele dá três passos deliberados, lento em direção ao portão e para em frente a ela. — Vá. Se. Foder Denise, — Com isso, ele se vira e vai para longe dela, indo na direção da oficina e do celeiro. Lowell olha ele ir, com os olhos ligeiramente apertados, polegares ainda escondidos em sua cintura. Ela só se afasta quando Jamie desaparece no edifício e ela não pode mais fazer furos na parte de trás de sua cabeça. — Nós vamos estar de volta — diz ela levemente. Eu estou supondo que ela está falando comigo, mas quem diabos sabe? Quem se importa que porra é essa? Ela pode voltar aqui quantas vezes ela quiser. Ela nunca vai encontrar armas aqui. Ela nunca vai encontrar drogas. Levaria seus vinte anos para chegar dentro do escritório de Jamie, e mesmo quando ela fizesse, ela só iria encontrar alguns servidores queimados e três discos rígidos destruídos. Há apenas uma coisa Agente Denise Lowell pode se deparar com que poderia nos causar problemas, e isso é Sophia. Esperemos, que nunca se concretize. Esperemos que Lowell não coloque os olhos sobre a menina de novo, caso contrário, a nossa merda vai ser seriamente fodida, e meu melhor amigo provavelmente vai ser preso e condenado à prisão perpétua. Melhor esperar e rezar para que não chegue a isso. — Você deve obter um animal de estimação, sabe — digo a Lowell.— Seria calmante. Daria uma razão para realmente ir para casa à noite. Ela inclina a cabeça, olhando para mim.— Obrigado pela preocupação, Preston, mas eu tenho o suficiente em minhas mãos. Eu não preciso de um cão aos pés, mijando e cagando em todo o lugar quando eu tenho você.

~ 102 ~


Capítulo onze SOPHIA — Uma mala. Eu quase salto para fora da minha pele quando eu ouço a voz de Jamie atrás de mim. Eu não o notei entrar no clube. Desde que Carnie irrompeu na cabana e disse-nos sobre os nossos visitantes da DEA, tenho prendido a respiração, me preocupando com o que vai acontecer se Lowell decidir que quer vir e criar problemas. Uma parte de mim tem estado pronta para sair fora pela porta dos fundos e pular na minha moto, queimar pela estrada de terra que leva de volta à civilização, cabeça longe do galpão e dos meus amigos aqui simplesmente para que a minha presença não cause problemas. Carnie me disse para 'caralho ficar aqui', porém, e apesar do quanto eu queria correr, eu consegui fazer o que me foi dito, mantendo-me fora da vista até os carros da DEA saírem em disparada para a longa faixa de terra de volta na direção da Cidade. Agora, de volta ao galpão, Jamie parece que está prestes a ir em uma matança. Meu estômago está dando cambalhotas por todos os transtornos que tenho causado ao clube. — O que? — Uma mala. Precisamos sair daqui. Eu não posso estar ouvindo direito. Certamente ele não pode realmente estar sugerindo que deixemos Freemantle? — Eu não posso ir a qualquer lugar, Jamie. Eu não estou deixando meu pai aqui. Ele faz um som rosnando frustrado, quando ele me atinge, e me toma pelo pulso, me puxando em direção à saída. — Temos seis dias, Docinho. Seis dias antes de qualquer coisa ruim aconteça com o seu pai. Isso dá-nos seis dias para ir descobrir esta merda e obter nossas bundas de volta aqui. — Você está confiando em Ramirez se ater a sua palavra? Você está louco?— Ele tem que estar.

~ 103 ~


Aço e gelo saem com flashes nos olhos. O frio azul de sua íris parece ainda mais frio quando ele suspira, me guiando para fora. — Sophia. Eu não confio nele, não, mas ele não vai fazer nada, acredite. Ele quer estar segurando o alicate quando se está debaixo dele, e ele quer uma audiência. Ramirez gosta de foder com as pessoas. Ele não vai quebrar as regras em seu próprio jogo. Não quando é muito mais satisfatório para ter-nos lutando, tentando descobrir isso. Um sentimento afunda-se e meu instinto me diz que essa lógica é loucura. Quero arrancar meu braço livre e confrontá-lo no meio do pátio, perguntar-lhe se ele está realmente sendo tão ingênuo, mas Shay e Keeler estão em pé na frente da oficina, olhando para nós, e a última coisa que eu quero ou necessito é Shay olhando para nós enquanto nós lutamos na frente deles. Eu sou tentada a arrancar seus olhos para fora de sua cabeça. — Onde diabos você acha que está indo? — Eu assobio. — Você me disse quando nos encontramos pela primeira vez que Maria Rosa é a única pessoa louca o suficiente para ir contra Hector, e caso você não tenha notado que já lhe temos trancada em uma porra de um porão durante os últimos seis meses. À distância, nuvens de poeira laranja aumentam acima do horizonte de Lowell e seus amigos da DEA ainda voltando à sua base. Jamie dirige na direção da cabana, raiva derramando fora dele em ondas palpáveis. — Ela era nossa melhor aposta, com certeza. Ela não era a nossa única aposta, embora. Há mais alguém. Eu não gosto do som desta outra pessoa. Qualquer um poderoso o suficiente para assumir o quartel Los Oscuros tem que ser muito perigoso a si mesmo, e, sem dúvida, em algo realmente fodido, em atividade ilegais. — Quem, Jamie? Quem diabos você está falando? E por que estou realmente preocupada agora? Ele retarda, sua urgência diminuindo ligeiramente. Deixando de lado o meu braço, ele esfrega as mãos sobre o rosto, gemendo. — Perez — diz ele. — Julio Perez. Minha cabeça começa a girar da maneira mais desconcertante. — Julio Perez? O homem que tinha me sequestrado de Ramirez? O homem que vende as mulheres? O homem que você despreza? — Eu não posso compreender o que está acontecendo na cabeça de Jamie agora. Ele tem que estar desesperado para sequer considerar este movimento. Ele não me disse muito sobre a natureza tensa da relação que ele compartilha com Perez, mas eu sei que ele tem algo sobre ele. Algo ruim.

~ 104 ~


Informações sobre um daqueles discos rígidos que poderiam colocar Perez afastado por um tempo muito longo. A última vez que se encontraram, quando Jamie veio e me levou com ele no meio da noite, Julio jurou que ia encontrar uma maneira de desfazer-se de Jamie, e no momento eu tive a nítida impressão que atirar-lhe na parte de trás da cabeça não era algo que Perez descartava — É provável que ele não esteja muito feliz em fazer-me um favor, — Jamie diz entre dentes. — Ele me odeia, mas ele odeia mais Hector. Los Oscuros representam concorrência direta tanto seu comércio de mulheres quanto o seu tráfico de drogas. Se ele conseguir Ramirez fora do quadro, sua renda vai até o teto, especialmente porque ele tem conexões no México. — Mas ele não vai fazer nada que lhe dê mais influência sobre ele. Isso é apenas loucura, Jamie. Ele vai dizer-lhe para ir se foder. — Temos um passeio de 12 horas à frente de nós. Vou ter descoberto essa parte no momento em que chegar lá. — Oh Deus. — Essa coisa toda soa como uma ideia horrível. — Não se desespere. Tudo vai ficar bem — diz Jamie. Mas eu posso dizer a partir do aperto em sua voz que ele não está cem por cento certo que vai estar.

***

Doze horas é muito tempo para se sentar em uma moto. É melhor agora que na verdade estou montando minha própria moto e eu não estou empoleirada nas costas de Jamie, mas ainda assim. Ombros doloridos. Dor nas costas. Quadris doloridos. Cu dolorido. Cada parte do meu corpo está vibrando com dor. Nós paramos para esticar as pernas e obter gasolina, mas não é o suficiente, os maçantes descansos de dez minutos antes de estar de volta na minha Ducati, e tudo o que posso pensar é explodir minha pele com um banho quente e adormecer em uma cama macia. A única coisa que me impede de queixar-me é o pensamento do meu pai, dormindo sobre um chão frio e úmido, sem chuveiros quentes ou camas macias para ele. Ele provavelmente está se perguntando o que diabos aconteceu para estar nesta situação. Ramirez derramou as coisas sobre mim? Será que ele disse ao meu pai que eu estou tendo ~ 105 ~


um caso com um fora da lei, o líder de um motoclube que tem um pé firmemente plantado em atividades altamente ilegais, o outro enfiado a bunda no quartel Los Oscuros? Eu realmente tenho esperança que não, não importa o quanto eu deixei minha família para baixo, eu não quero que pensem mal de mim, por mais irônico que isso possa ser. Parece que Hector deleita em causar mágoa por onde passa, apesar de tudo. Ele provavelmente tomou grande prazer em mostrar à meu pai em quem sua meliante filha se tornou. É escuro quando atravessamos a fronteira para a Califórnia. Não há postes ou carros nas estradas. O céu está sem nuvens e vasto, uma miríade de estrelas se curvaram de horizonte a horizonte, agrupado, espesso e brilhante tão brilhante que me tira o fôlego quando eu sigo o brilho vermelho constante de luz da cauda de Jamie à frente. Nós lutamos por mais uma hora durante a noite, antes que ele puxe para fora da estrada em um motel que parece sombrio. Eu puxo ao lado dele, desligando o motor da Ducati, tentando não gemer quando eu saio da moto, esticando minhas costas. — Estamos parando aqui? — Pergunto. Jamie assente. — Nós vamos parar aqui antes de falar com Julio. Se sairmos fora no deserto a esta hora da noite, seus homens podem atirar em nós. Melhor eles não usarem o escuro como uma desculpa por quaisquer acidentes que possam tentar causar. Perfeito porra. Portanto, há uma chance de acabarmos mortos. Eu acho que eu já sabia disso quando partimos. Julio é um pedaço de merda, e das cercas altas e arame farpado que vi circulando sua casa quando eu estava lá da última vez, é bastante claro que ele não leva muito gentilmente convidados indesejados. Jamie sai de sua moto e se dirige para o motel; o próprio edifício está pintado de uma cor rosa bem exagerada, e parece haver uma estrela de David pintada acima de cada uma das entradas para os quartos. Um sinal de cintilando acima da recepção lê: Motel Queen of Hearts, embora pareça que metade das letras funcionam apenas na metade do tempo. Jamie se foi por cinco minutos. Quando ele retorna, ele tem uma chave na mão e um olhar azedo em seu rosto. — Isso foi como tirar um dente — diz ele. — O velho cara lá é antigo. Ele tinha uma porra de uma arma encostada na parede atrás de sua mesa.

~ 106 ~


Eu tento descobrir se isso me faz sentir mais segura ou mesmo mais preocupada com nosso bem-estar, mas não posso decidir. Nós dois levamos nossas pequenas mochilas até o quarto no segundo andar que o cara velho nos alocou, que tem vista para uma piscina drenada cheia de lixo e folhas podres, e Jamie finge que não vê as crateras na parede do prédio que só podem ter sido criadas por tiros. Tiros de espingarda pela aparência das coisas. Eu sei que ele vê, entretanto. Dentro do nosso quarto, Jamie joga sua mochila para baixo em uma das camas e começa a digitar algo em seu telefone. Depois de um segundo, ele franze a testa, em seguida, segura o celular para cima para eu ver a tela 'Três adolescentes atacam Motel Queen of Hearts. A mãe da menina foi morta a tiros em piscina por um funcionário da recepção. — Há uma imagem preta e branca de uma piscina debaixo do slogan, a mesma piscina que fica no pátio fora do nosso quarto, exceto que na fotografia está cheio de água, e há uma mulher flutuando de bruços no meio dela. O artigo mostra uma data de dois anos atrás. — Parece que não podem resolver seus problemas. — Jamie deixa escapar uma respiração profunda. Ele leva-me em seus braços e imediatamente trabalha o seu caminho por baixo da jaqueta leve e camiseta que eu usava para montar. — Eu preciso te perguntar uma coisa — diz ele — E este é o pior momento de merda para mim para perguntar isso, mas eu estou doente e cansado de esperar. Eu inclino minha cabeça, inclinando-a para um lado, estreitando os olhos para ele, tentando descobrir o que ele está falando. — Esperando pelo quê? — Por isto — Jamie atinge o bolso de trás da calça jeans e tira algo pequeno e redondo e brilhante. Eu não tenho tempo para olhar para ele corretamente. Estou instantaneamente em pânico. Aterrorizada. Eu aperto meu olhos fechados, tentando afastar-me dele. — Oh, não, não. — Ele enrola um braço em volta da minha cintura, segurando-me firmemente, me parando. — Que diabos você acha que está fazendo, senhorita? — Deus, Jamie. Agora não. Eu não, eu não consigo mesmo...— Eu não posso nem pensar direito agora, mas Jamie não me deixa terminar minha frase. Ele coloca um dedo sobre meus lábios, me cortando. — Abra seus olhos, menina boba.

~ 107 ~


— Eu não quero — Acabei de montar uma moto por três estados. Minha vida inteira está em crise, de cabeça para baixo e de dentro para fora, e eu sinto que eu estou a ponto de realmente perder o controle. Eu não posso abrir os olhos. Se eu fizer, vou ver o que ele está segurando em sua mão, e eu não seria capaz de levá-lo. Vai ser muito, muito assustador, e eu vou acabar fazendo algo estúpido. Jamie pressiona os lábios contra a minha testa, sua boca quente e maleável quando ele me beija suavemente. — Sim você pode. Você já fez coisas muito mais difíceis. Você sobreviveu ao ser sequestrada. Você fez isso por três dias na casa do meu pai. Você viveu com uma gangue de motoqueiros, nos últimos seis meses. Você defendeu-se de um homem que queria fazer-lhe mal, e você me ajudou a enterrá-lo. Todas essas coisas eram mais difíceis do que isto. Eu balanço minha cabeça, ainda tentando me libertar do seu alcance. — Jamie, isso - não posso fazer isso agora. Não é o momento certo. — Esse é o meu ponto. Não vai ser sempre o momento certo. — Ele suspira pesadamente. Seu aperto solta, me liberando ainda que levemente, mas eu posso dizer que ele não quer. — Por favor, Soph. Não fuja disto. Você pode ver o que eu tenho na minha mão e você pode ouvir o que eu tenho a dizer, e você pode me derrubar, se quiser. Ou você pode fazer o oposto. Mas basta não fugir. Eu te conheço melhor do que isso. Você vai se sentir uma merda se você não lidar com isso. Ele tem razão. Eu vou me sentir uma merda, eu sei o que eu quero, mas isso não impede o meu coração de martelar como uma britadeira dentro do meu peito. Sinto uma pressão na minha cabeça crescendo no seu interior, e eu não sei o que fazer. É como se pudesse explodir a qualquer momento. Lentamente, cautelosamente, eu abro meus olhos. Eu certifico-me de olhar para ele, que se sente seguro o suficiente, embora ele realmente não esteja. Quando eu vejo o olhar aberto, esperançoso no rosto, eu sei que não serei capaz de escapar disso. — Eu não vou descer em um joelho, Docinho, e eu nasci na Louisiana. Ensinaram-me que havia uma maneira correta de fazer esse tipo de coisa, então você deve saber o quanto me dói fugir da tradição. Mas eu sei que não é o que você quer. — Então eu só quero dizer que eu quero que você seja minha esposa. Perguntar se você me daria à maior das honras. Eu quero ser seu marido. Eu nunca quis nada tanto na minha vida. — Ele sopra uma

~ 108 ~


respiração profunda, ambas as sobrancelhas subindo sua testa. — Você sabe, eu pensei que quando eu saí do exército, que a minha vida havia terminado. A coisa era, que tinha apenas começado. No momento em que Laura desapareceu, tudo ficou tão fodido. Eu nunca por um segundo pensei que algo assim aconteceria. — Algo assim? — Alguma coisa enorme. Algo especial. Alguma coisa importante. Eu não queria te amar, Soph. Porra, eu fiz tudo que podia para tentar impedir que isso acontecesse, mas essa coisa entre nós estava fora de controle antes de eu mesmo ver isso acontecer. Eu não tive a menor chance. E nem você. Você não pode negar. Eu não posso negar. Eu gostaria. Seria muito conveniente para dizer que ele está errado, e enquanto eu o amo, eu não acho que estamos nesse lugar ainda. O problema é, eu sei que estamos nesse lugar. Eu poderia casar com ele amanhã e iria ser tão certo. O mero pensamento dele me chamando sua esposa faz meu interior sentir como se estivessem em chamas, minhas veias correndo com adrenalina. Mas a forma como as coisas estão agora... eu não sei. Seria perigoso me comprometer com uma promessa como esta. — Diga-me o que você está pensando? — Ele descansa sua testa contra a minha, seus olhos somente algumas polegadas de distância, seus lábios tão perto que eu quase posso senti-los em mim. — Eu não posso dizer que todas as suas preocupações são inúteis e inválidas se você não vai me disser quais são. — Eu só tenho uma — eu sussurro. — Diga. — Casar é algo que eu sonhei desde que eu era uma menina. Eu sei que você provavelmente acha que é estúpido, mas eu não posso evitar. E em todos os meus devaneios sobre me apaixonar e me casar, meu pai sempre me acompanhou até o altar. Minha mãe sempre fez meu cabelo para mim. Ela sempre esteve lá, chorando nos bancos. E minha irmã sempre foi a minha dama de honra. Lutamos como cão e gato, e raramente nos vemos olho a olho, mas eu a amo. Eu sempre soube que eu ia perguntar a ela para estar lá para mim quando chegasse à hora. E agora, meu pai é refém e minha mãe e irmã acham que eu estou morta. Eu não posso me casar sem eles, Jamie, eu só não posso.

~ 109 ~


Ele coloca meu rosto em suas mãos — Ok, então. Nós não vamos nos casar a menos que sua família possa estar lá. Eu posso concordar com isso — Ele me beija levemente, a boca dele encontrando a minha, sua língua patina entre os lábios e uma profunda, penetrante onda de medo nasce dentro de mim. Eu nunca fui uma pessoa hipotética, mas há muitas coisas amaldiçoadas me perseguindo agora. E se não pudermos obter Julio para nos ajudar? E se Hector matar meu pai? E se eu tiver que me entregar para o cartel, a fim de salvá-lo? Mas, pior ainda, se conseguirem libertar meu pai, mas ele não quiser ter mais nada a ver comigo? E se ele nunca quiser colocar os olhos em mim de novo, e muito pior, se não quiser dar-me de presente para o homem que tecnicamente me sequestrou e se recusou a me libertar? Jamie passa os dedos ao longo do meu maxilar, cantarolando suavemente na parte de trás da garganta — Eu sei o que você está pensando, Docinho, e não há nenhum sentido em se preocupar com isso no momento. Eu sei que vai dar certo. Eu sei que vou ouvir você dizer 'sim'. Sei no fundo nos meus ossos. Então por favor, deixe me colocar esse anel no seu dedo? Deixe-me ouvir você dizer as palavras. Eu vou perder minha cabeça se você não disser. Prendo a respiração, desejando estar tão certa quanto ele está. Eu confio nele, apesar de tudo. Nos últimos seis meses tem sido um jogo de gato e rato, onde eu tento fingir que eu não confio nele e sei melhor, mas a verdade é que eu iria felizmente colocar minha vida em suas mãos, se ele dissesse que sabia que eu ia estar a salvo. Deus, eu devo estar louca. Eu libero a respiração, que eu estou segurando, tentando não tremer. — Ok. Ok, Louis James Aubertin, o terceiro. Vou usar seu anel. Eu vou me casar com você. Jamie sorri, e é o tipo de sorriso que você não vê muitas vezes. É como a luz solar que quebra através das nuvens. Seus olhos estão brilhando quando ele segura o anel que ele está escondendo enquanto falamos, e eu não consigo formar palavras. É adorável. Um diamante da corte da princesa, não muito grande nem muito pequeno. Um anel de ouro branco. Não é uma coisa ostensiva, vistosa. É bonita e feminina. Eu o amo, logo que eu coloco os olhos sobre ele. — Jamie... — eu sussurro. — Você gostou? Eu aceno, tentando não ficar com lágrimas nos olhos, no entanto, parece praticamente impossível quando ele desliza o anel no meu dedo — É tão bonito. Está perfeito.

~ 110 ~


Jamie sorri para a minha mão, tristeza lampeja em sua expressão. — Era da minha mãe. Eu sabia que ia caber. Por alguma razão, o conhecimento de que ele está me dando o anel de sua mãe faz minha garganta se sentir como se tivesse com um inchaço e fechada. É um ato monumental da parte dele. Ele tem tão pouco de sua mãe. Sendo me dado seu anel de noivado sinto como uma honra que não mereço de forma alguma. — Você tem certeza? Tem certeza de que quer que eu use isso? Ele mergulha para baixo e beija o anel no meu dedo, sorrindo para mim. — Você está brincando comigo? Eu nunca vou querer que você o tire. — Ele me pega e me leva a uma das camas queen size, chovendo beijos para baixo em meu rosto, meu pescoço e minha clavícula enquanto faz isso. — Feche os olhos, — ele me diz. — Eu não quero que este seja o lugar onde teremos relações sexuais pela primeira vez como um casal de noivos. — Que diabos você está falando? — Eu dou risada, agarrando-o com força, enquanto ele morde meu lábio inferior. — Feche seus olhos. Você verá. — Tudo bem. — Eu grito quando ele me joga para baixo em cima da cama, caindo em cima de mim. O peso dele é bom, pesado, mas também reconfortante de alguma maneira. Ele coloca a minha cabeça entre os braços, apoiando-se sobre mim enquanto passa os dedos sobre meu rosto, passa sobre minha testa, minha têmpora, sobre as minhas maçãs do rosto e para baixo na ponta do meu nariz. Ele esfrega a ponta de um de seus dedos contra meus lábios até que eu separo-os para ele, e então ele desliza-o dentro da minha boca, molhando-o contra a minha língua, pressionando-a contra os dentes, sua respiração crescendo mais rápido. — Você é tão linda — ele sussurra em minha boca, sua respiração quente, provocando arrepios por todo o meu corpo. Minha pele irrompe em arrepios, tão sensível quando ele muda de posição em cima de mim. Eu posso sentir a dor se construindo entre as minhas pernas, e eu sei que será em breve, uma inegável pressão exigente, que terá de ser saciada senão eu vou ficar louca. Jamie contorna meu lábio inferior com o dedo de novo; ele lambe-o, em seguida, lambe sobre meus dentes inferiores, traçando o cume deles com a ponta da língua, aplicando força suficiente para se fazer gemer. — Sua boca é tão perfeita. Você vai me deixar fode-la, Sophia? Eu amo sentir seus lábios envolvendo em torno de meu pau duro. É a coisa mais incrível... ~ 111 ~


— Sim — eu digo suavemente. — Você pode foder minha boca. — Você vai para passar a sua língua em torno de meu pau? Você está indo lamber e chupar minhas bolas como uma boa menina? — Porra. Sim. — Bom. E quando eu terminar com a boca? — Você pode ter o que quiser — eu ofego. — Sou sua. Vou fazer o que você me pedir para fazer. — É isso mesmo, Docinho. Como uma boa menina. Agora eu quero que você faça algo para mim. — Qualquer coisa. — Eu quero que você imagine que estamos de volta em sua casa em Seattle. Eu quero que você imagine que você está se preparando para dormir. Você está sozinha, você acabou de sair do chuveiro e seu corpo ainda está encharcado. Você pode fazer isso por mim? Isso é novo; nunca jogamos este jogo antes. Gostaria de saber onde ele está indo com isso, eu quero perguntar a ele, mas suponho que iria estragar a surpresa. Ele adora quando eu sigo a sua liderança, sem dúvida. Acontecem tantas coisas, e que, por sua vez, me deixam selvagem. — Sim. Eu posso fazer isso, — eu digo sem fôlego. Eu mantenho meus olhos fechados, tentando me colocar no meu antigo quarto de volta em Seattle, assim como ele me pediu. Tento imaginar a sensação das gotas de água rolando minha pele, entre as minhas costas, sobre minhas nádegas, sobre os meus seios. É surpreendente como é fácil imaginá-lo. E é surpreendente o quão quente está me deixando. Jamie lambe meus lábios, suavemente correndo o polegar sobre meu queixo, para baixo, sobre a coluna do meu pescoço na base da minha garganta. — Você está se secando, lentamente, e você esfrega a toalha entre as pernas. Não leva muito tempo para você perceber quão bem se sentiu, o material macio causa atrito quente contra a sua buceta. Ele está girando sobre ela. — Sim — Eu posso imaginar tudo muito bem quando ele diz. Meus quadris pressionam um pouco, movimentando contra o seu, mas Jamie se inclina para trás, movendo-se de modo que nossos corpos não fiquem mais conectados. Eu sinto a perda dolorosa.

~ 112 ~


— Hã, Hã, — ele rosna. — Você está por sua conta, Sophia. Você sabe o que isso significa, não é? Eu balanço minha cabeça lentamente de um lado para o outro, sugando meu lábio em minha boca. — Não. — Oh, você faz. Você já fez isso muitas vezes quando estava sozinha. E você sabe exatamente o que você precisa fazer sobre isso. Então faça. Eu não me masturbei na frente dele antes, então a perspectiva está fazendo-me sentir um pouco envergonhada. Ainda assim, a ideia de desabotoar minha calça jeans e deslizar minha mão para baixo para minha calcinha é uma espécie de volta ao passado. Eu movo-me lentamente, com os olhos ainda fechados, sabendo que Jamie está me observando atentamente enquanto eu alcanço minha calça e tiro-as. Minha respiração prende na minha garganta. — É isso aí. Boa menina. — Sua voz está grossa com a luxúria. Eu posso ouvir farfalhar sons ao meu lado, e eu sei instintivamente que ele desatou as próprias calças. Ele acariciou seu próprio pau muitas vezes quando nós fomos brincar e ele estava ficando pronto para foder comigo, mas isso é diferente de alguma forma. Parece bizarro. Sabendo que ele vai se masturbar enquanto me observa com o dedo na minha buceta me faz corar vermelha por todo corpo. Eu posso dizer pela descarga que queima na base da minha garganta e sobre as minhas bochechas. — Tire tudo — ele sussurra em meu ouvido. — Quero ver tudo. Mantenha os olhos fechados embora. Eu faço o que ele pede, mantenho meus olhos firmemente fechados enquanto eu removo minha camisa e depois o meu sutiã. Meus mamilos estão eretos, duros e apertados com a perspectiva do que pode acontecer a seguir. Eu aperto-os entre os dedos brevemente antes de eu chegar embaixo, empurrando os meus jeans e calcinha para baixo sobre meus quadris e chutando-os tão longe quanto eu posso. Eu deito de volta, minhas costas arqueando ligeiramente para fora da cama, tentando imaginar como é a expressão de Jamie agora, enquanto ele observa cada polegada do meu corpo, avidamente estudando e devorando a minha nudez. Eu posso ouvir sua respiração acelerando ao meu lado, e mesmo que ele não esteja me tocando meu coração começa a bater. Hesitante, eu deslizo minha mão direita pelo meu corpo, sobre o meu estômago até meus dedos estarem descansando entre as minhas ~ 113 ~


pernas, meu dedo indicador e o dedo médio trabalhando seu caminho através de minha carne escorregadia até eu encontrar o meu clitóris. Eu já estou tão molhada. Eu sabia que estaria, mas estou um pouco chocada com o quão molhada. Quão pronta estou. Jamie faz um som baixo, frustrado ao meu lado, e eu posso dizer que ele está gostando disso. — Abra-se — diz ele em voz baixa. — Mostre-se. — Eu uso a minha outra mão para fazer o que ele pede, espalhando minha buceta aberta para que ele possa ver cada último milímetro de mim, e ele geme. Ele se move na cama, ajoelhado eu acho, provavelmente, para que ele possa ter uma visão melhor — Agora se toque, Soph. Você está deitada em sua cama, e suas pernas estão bem abertas. Você está tocando-se com os dedos, delicadamente, com cautela, e você está apreciando quão bom é fazer seu corpo reagir assim. Santa merda. Só ouvi-lo dizer isto para mim está me deixando louca. Parece um pouco errado estar esfregando meu clitóris enquanto ele me observa, movendo-se em pequenos círculos repetidamente o pacote inchado de terminações nervosas, tentando não gemer como o prazer que começa a construir dentro de mim. Meus dedos estão escorregadios e molhados, facilitando meu trabalho; Eu lentamente deslizo meus dedos um pouco, então posso provocar-me ao redor de minha buceta, e Jamie jura sob sua respiração. Eu quero abrir meus olhos, para ver o que está fazendo, para ver como ele está tocando-se, mas também não quero estragar o jogo. Em vez disso, eu empurro meu dedo dentro de mim, um pouco ofegante com a sensação. — Isso é bom? — Ele pergunta. Estou tão tomada por isso que eu não posso falar. Eu apenas aceno, empurrando meu dedo mais profundo, minhas costas curvandose para fora da cama, fogos de artifício saindo dentro da minha cabeça. Eu não vou ter que fazer isso por muito tempo. Eu estou indo para gozar rapidamente. Algo sobre estar sendo observada tem me feito completamente fora de mim mesma. Jamie se desloca na cama outra vez. O colchão afunda e sinto as suas mãos, ficando sob minhas coxas, me arrastando em direção a borda da cama. Ainda consigo manter os olhos fechados, embora eu choramingo quando ele se aproxima e empurra minhas pernas ainda mais abertas e posiciona-se entre elas. Eu posso sentir sua respiração na minha buceta, assim eu sei que ele não vai me foder. Ainda não, de qualquer maneira. Não, ele mudou a si mesmo e a mim de posição, porque ele queria um melhor ângulo de observação, e agora ele está me observando me tocar de perto.

~ 114 ~


— Jesus Cristo, Sophia. Você é incrível. Eu não estou nem pensando mais. Eu apalpo meu próprio peito, revirando meu mamilo, ofegando enquanto eu o aperto forte. Parece tão bom pra caralho. Meu cérebro está completamente desligado, abandonando todos os pensamentos coerentes. Tudo o que importa são os olhos de Jamie em mim, banqueteando-se, apreciando o show que eu estou dando a ele. — Agora imagine que você saiba que não está sozinha, Sophia, — diz ele. — Imagine que alguém entrou na sala, e você sabe que ele está lá com você, te observando. Como isso faz você se sentir? — Molhada, — eu ofego. — Tão excitada. Eu não consigo. — Você quer olhar, mas você sabe que não é permitido. Então você vai continuar tocando-se sabendo que você tem uma audiência, ficando mais molhada e úmida. Você quer senti-lo tocar em você, Sophia? Você quer suas mãos em seu corpo? — Sim. Sim. Foda-se, sim! — Você quer que sua língua em sua buceta, Docinho? Eu não posso nem responder a esta pergunta. O pensamento de Jamie indo para baixo em mim agora é quase demais para suportar. Eu me contorço na cama, aumentando a pressão que eu estou aplicando sobre o meu clitóris, esfregando mais rápido, círculos menores quando sou atingida pela necessidade de que ele me toque. — Eu acho que, se você quer algo, você vai ter que dizer isso — Jamie diz, em voz baixa. — Foda-se, sim. Sim eu quero isso. Eu quero sua língua na minha buceta. Eu quero a sua língua. Em algum lugar longe, eu posso ouvi-lo rindo um riso mau. Sua mão está de repente na minha, tirando-as longe do meu corpo quando ele lambe entre as minhas pernas. A sensação é intensa e minha alma treme, eu mal consigo me manter junta. Quando ele roça meu clitóris com os dentes, eu não posso mais aguentar isso. — Foda-se, Jamie. Por favor. Por favor, eu preciso de você. Deus, isso é loucura.

~ 115 ~


— Você precisa ficar quieta — ele me diz. — Você precisa me deixar te provar. Você precisa deixe-me fazer você vir com a minha boca. Eu soco os travesseiros mais engomados debaixo de mim, incapaz de falar e incapaz de ficar quieta. Se ele quer isso de mim, neste momento, ele vai ter que me amarrar e amordaçar-me ou algo assim. Isso pode não ser necessariamente uma má ideia. Vai levar tempo, embora, e eu não posso suportar que ele pare o que está fazendo. Eu ficaria histérica. — Deus, Docinho. Você tem um gosto tão bom pra caralho. Eu poderia fazer isso o dia todo — Jamie geme. Eu alinho meus quadris contra sua boca, minhas costas se curvando até que apenas a base do meu crânio e minha bunda está em contato com o colchão. Eu aperto meus seios, meus mamilos, beliscando-os até que eles enviam dardos de corridas de dor através de mim, e ainda não parece suficiente. Meu corpo está elétrico, minha alma é fogo, e cada sensação que eu sinto, poderosa e devastadora, está ligado à outra sensação mais intensa que ameaça me desligar da consciência e da razão. Jamie não consegue continuar por muito tempo. Eu estou preparada, pronta para gozar. Estou ferrada, pronta para explodir. Tento me contorcer-se longe dele quando meu orgasmo rasga através de mim, minha visão turva com um milhão de alfinetadas de prazer explodindo em toda a minha pele, mas ele agarra-me pelas coxas, recusando-se a me deixar ir. Ele me obriga a deixar as pernas abertas enquanto continua me provocando com sua língua, me apertando, e meu clímax se aprofunda, criando ondas dolorosas de êxtase que se afundam em meus ossos. — Merda. Merda, Jamie. Eu não posso... eu não posso por Deus, pare! Ele para, então, uma risada do mal alcança minhas orelhas. Só posso apenas ouvi-lo sobre o som da campainha que está zumbindo dentro da minha cabeça. Meus lábios estão se contraindo como loucos, juntamente com o resto do meu corpo. Jamie quase me rola para fora da cama quando ele coloca um último beijo rápido na minha buceta, sugando o escorregadio calor de mim. Eu quase dou de joelho na cabeça dele enquanto meu corpo espasma.

~ 116 ~


Ele puxa para trás, dando-me um momento para me reagrupar. — Você é incrível quando você goza — diz ele. — Incrível. Adoro ver você perder o seu controle. É o meu passatempo favorito. Ele diz muito isso. Estou começando a acreditar. — Não é possível. Ver. Em linha reta. — Eu ofego— Não é possível. Me. Mover. A risada de Jamie cresce mais alto. — Nós vamos ter que ver isso, Docinho. Vou foder sua boca, lembra? Eu me lembro. Eu acho que eu vou precisar de um minuto, mas o meu clitóris tem outras ideias. Eu ainda estou tão sensível, tão ao longo da borda, mas, estou sentindo dor entre as minhas pernas com o pensamento do pau duro de Jamie dentro da minha boca. — Eu sei. Eu quero você. Eu quero te sentir no fundo da minha garganta. — Você vai sentir — ele sussurra. — Mas, primeiro, abra os olhos. Minhas pálpebras se sentem como se estivesse coladas no início, recusando-se a obedecer-me, mas eventualmente eu consigo mantê-las abertas. Jamie está nu, só Deus sabe quando ele tirou suas roupas e ele está de pé entre as minhas pernas no final da cama, ainda acariciando seu pau, colocando suas bolas em sua outra mão. A mão que ele está usando à acariciar seu pau está lisa e molhada, e a ponta do seu pau está brilhando, também, coberto de pré-ejaculação. Isso só acontece quando ele está incrivelmente excitado, tão excitado que ele mal consegue conter-se enquanto ele me fode. Eu sempre tenho dificuldade para caminhar depois, quando ele está excitado assim. Eu amo essa sensação, a dor que vem de uma foda dura. Lembra-me para os dias como ele me reivindicou, como ele trabalhou meu corpo até que fosse flexível. Até que fosse dele. — Parece que você está prestes a fazer algum dano com essa coisa — eu digo, minha voz baixa, atada com desejo. Jamie pressiona os lábios, olhando para mim de sobrancelhas debaixo desenhadas. É um olhar perigoso tão feroz, aquele que eu começo a tremer de antecipação. — Você não poderia estar mais certa, — ele me diz. — Espere e verá. Levante-se fora da cama, Sophia. Venha e se ajoelhe na minha frente. Eu amo ajoelhar para ele. Tê-lo elevando-se sobre mim é tão sexual; Sinto-me vulnerável, tão pequena, completamente à sua mercê, o que faz minha cabeça girar. Levanto-me e coajo os meus membros a

~ 117 ~


fazer como lhe disseram para que eu possa afundar de joelhos na frente dele. Os meus lábios estão inchados e amuados de onde ele me beijou, quase machucados, e eu sei que eles estão prestes a ficar ainda mais assim. Jamie dá passos para frente, roçando a ponta do seu pau sobre meus lábios. — Você está pronta? — Ele pergunta. Concordo com a cabeça, olhando para ele, os olhos arregalados e sem piscar, sabendo que o faz sentir-se bem. Ele balança a cabeça, murmurando alguma coisa suavemente, e, em seguida, ele esfrega os dedos sobre minha boca, separando meus lábios abertos, deslizando o dedo indicador dentro. Eu chupo. Eu fecho a minha língua sobre a ponta do dedo, e a cabeça de Jamie balança para trás, expondo a coluna forte dos músculos no pescoço. Observo seu pomo de Adão enquanto ele engole. — Jesus, Soph. Caralho. Considero um pequeno sorriso permitido. Eu adoro ter esse tipo de efeito sobre ele. É tão gratificante, saber que eu posso levá-lo a seus joelhos, se eu realmente quiser. Ele ainda está com suas bolas em sua outra mão, apertando e massageando suavemente; Eu assumo, abaixando um pouco para que eu possa usar minha língua lá. Jamie suga uma respiração afiada, os músculos em suas coxas apertando-se, travando, mantendo-o no lugar enquanto eu passo a ponta da minha língua sobre ele, molhando-o, sugando-o em minha boca. — Você não tem ideia do quão bem me faz sentir— ele calça. Eu tenho certeza que eu tenho uma ideia bastante sólida. Ele se limitou a enviar-me em espiral no esquecimento com a boca a poucos minutos depois de tudo. Ele usa as duas mãos para tomar posse do meu cabelo, e eu tento me mover para cima, levando a ponta do seu comprimento, rígida em minha boca. Ele amaldiçoa, as mãos apertando meu cabelo. Ele quer empurrar todo o caminho em minha boca, seus quadris empurram um pouco para a frente, mas eu o provoco, puxando para trás, permitindo apenas outra polegada dele dentro de mim. — Oh, é assim, não é? — Ele geme. — Mmmhhh. — É difícil de responder com a boca cheia de seu pau. Jamie puxa meu cabelo ligeiramente, dobrando a cabeça para trás então eu tenho que olhar para ele mais uma vez. — Eu vou gozar tão duro em sua boca, Sophia. Meu pau vai estar em sua garganta, você não vai ser capaz de respirar. Você quer isto?

~ 118 ~


Voltando à quando começamos a embarcar em aventuras sexuais juntos, eu teria ficado intimidada por esta declaração, mas não agora. Eu já estive aqui antes. Ele fez exatamente o que ele está dizendo que ele vai fazer agora, e eu não só gostei disso, como eu quis mais. Talvez isso me faz uma vagabunda. Talvez isso me deixe suja. Que assim seja. Eu não me importo, de qualquer forma. Concordo com a cabeça, dizendo a ele o quanto eu quero isso com meus olhos. O peito de Jamie sobe e desce rapidamente à medida que cresce mais e mais animado. — Boa menina. — Ainda segurando meu cabelo, ele posiciona minha cabeça para trás ainda mais longe e começa a empurrar-se em minha boca. Não há como provocá-lo agora. Eu posso ver o olhar de intenções em seus olhos, e ele quer mais do que isso. Ele quer tudo. Ele está tão duro na minha boca. Eu posso provar o pré-sêmen vindo com tudo sobre seu pau, e isso me deixa louca. Ele é assim tão bonito, tão poderoso e forte. Quanto mais fundo ele empurra na minha boca, mais difícil se torna, até que ele está sólido e pulsando contra minha língua, o céu da boca, a parte de trás da minha garganta. — Foda-se — ele sibila. — Meu Deus. Massageio-o enquanto chupo, tomando conta da base de seu pau enquanto eu lentamente deslizo minha boca de volta até seu pau. Estou tão contente comigo mesma quando seus olhos literalmente rolam para trás em sua cabeça. Eu vejo os músculos do estômago flexionarem quando eu o lambo e chupo. Ele parece oscilar entre tremer incontrolavelmente e, em seguida, tornar-se completamente paralisado quando eu trabalho a minha boca para cima e para baixo, certificandose de levá-lo tão profundo quanto eu puder o tempo todo. Jamie faz um som frustrado e retumbante que me tem tremendo da cabeça aos pés. Eu não acho que é possível ele ficar mais duro, mas de alguma forma ele consegue isso. Eu sei quando ele começa a empurrar na minha boca que ele está chegando perto. Eu aperto a base de seu pau duro quando seus movimentos crescem mais rápido, mais duro. Eu sei muito bem o que vai acontecer com ele; ele geme novamente, rosnando por entre os dentes cerrados, e então rugi quando goza, com as pernas tremendo, enquanto tenta permanecer na posição vertical. Eu nunca soube o que era quase atingir o orgasmo, simplesmente porque você fez alguma outra pessoa vir. Não até que eu conheci Jamie. Engulo a última gota, quando ele derrama-se em minha boca, e me

~ 119 ~


sinto brilhante. Eu finalmente deixo-o ir, e Jamie cai de joelhos na minha frente, esfregando o rosto com as mãos. — Eu juro que você vai me matar um dia desses — ele me diz. — Espero que não. Jamie sopra uma respiração profunda e sorri para mim. Ele planta um beijo na minha testa, e, em seguida, leva-me em seus braços, puxando-me de forma que caio em cima dele enquanto ele cede ao chão. Nós acabamos em uma pilha de membros emaranhados, minha cabeça descansando em seu peito, e nós ali por um momento, ambos respirando com dificuldade, o coração de Jamie martelando debaixo da minha orelha. Por uma fração de segundo, tudo é perfeito. Não há Hector Ramirez. Meu pai não está sendo mantido como refém. Agente Denise Lowell se arrastou de volta de qualquer rocha que ela veio. Não há nada. Não há nada, além de eu e Jamie, e o belo anel que ele acabou de colocar no meu dedo e tudo é perfeito. Eu sei que não pode ser assim para sempre, mas por agora é mais do que suficiente.

~ 120 ~


Capítulo doze REBEL Honestamente, eu não achei que ela diria que sim. Quero dizer, por que diabos ela iria? Não faz qualquer sentido. As coisas seriam muito mais fáceis para Sophia se ela arrumasse sua merda e voltasse para Seattle. Bem, talvez não Seattle dado o interesse de Ramirez nela, mas em qualquer outro lugar. Em algum lugar que eu não possa encontrá-la. Ela me surpreendeu quando ela concordou com minha proposta, mas, novamente Sophia regularmente me surpreende, quase em uma base diária. Eu não esperava que ela quisesse ser prospecto para os Widow Makers, e eu estou certo como a porra que não esperava que ela ficasse quando dei-lhe a luz verde. Ser um prospecto é basicamente uma merda. Ela tem que tomar conta de motoqueiros bêbados, limpar seu vômito, vigiar do lado de fora, enquanto negócios são feitos, o café da manhã todas as manhãs, limpar o clube, e colocarse com cada comentário sexista sob o sol, enquanto ela está usando esse colete de prospecto, e ainda assim ela não se queixou. Nem uma única vez. Talvez os caras fizeram fácil para ela desde que eu deixei claro que eram para mostrar seu respeito, mas ainda assim. Ser um prospecto é um caralho terrível. Eu definitivamente não quero fazê-lo. Encontro-me sorrindo como uma besta quando Soph estaciona ao meu lado fora da casa de Julio. Ela puxa as luvas de suas mãos, e a mão do anel de noivado pisca a luz do sol, o envio de arco-íris dançando em todas as direções. Ela me pega olhando para ele lá em sua mão esquerda e me dá um tapa no braço. — Foco. Estamos prestes a entrar na cova do leão. Você não pode estar sorrindo como o gato Felix. Ela está certa. Julio provavelmente vai ver como um sinal de fraqueza ou possível insanidade se eu for lá com essa aparência. Levo dez segundos para dominar a minha expressão apropriada para a

~ 121 ~


situação. Tudo o que preciso fazer é lembrar por que estamos aqui, afinal de contas, e meu sorriso de repente parece que tem desliza do meu rosto para ser substituído com uma careta. — Isso é mais parecido com ele. — Soph balança a perna sobre sua moto, saindo fora, e eu faço o mesmo. Os homens de Julio estão se aproximando lentamente ao portão, fuzis contra os seus ombros, olhos escuros ferozes e irritados. Sophia fica tensa ao ver as armas, mas sua reação é quase imperceptível. Eu só observo a forma como os ombros sobem um pouco, porque eu a conheço tão bem. Para um estranho, ela parece estar completamente à vontade. Seu rosto de poker é fenomenal. — Que porra você está fazendo aqui? — Um cara alto e magro grita para nós. — Isto é propriedade privada. Ele é obviamente novo. Os outros três homens que estão com ele com as armas também levantadas. Um deles sussurra: — Este é Rebel, cara. Widow Maker — O cara alto olha meio vesgo para mim, como se ele estivesse esperando alguém mais impressionante. — Você não pode estar aqui, cara — ele grita.— Vocês não foram convidados. — Eu tenho um convite aberto, ese5. Pode ir verificar com o seu patrão. — Além dos quatro homens, no interior da mansão na frente da casa de campo espanhola do estilo de Julio, vários carros estão estacionados em fileiras. Mercedes Benz. Maserati. Bugatti. Lamborghini. Deve haver pelo menos oito milhões de dólares alinhados na frente da casa, brilhantes e coloridos na luz solar do amanhecer. O cara alto faz um som com a sua língua, agitando o cano de seu rifle na frente de nós. — Não há nenhum convidado aqui hoje que não está na lista. Julio disse isso. Sem exceções. Eu me inclino contra o portão, apoiando-me com um cotovelo. O sorriso no rosto é hipócrita para dizer o mínimo. — Por que você não vai ver se eu sou uma exceção, imbecil? Vou esperar aqui. — Você vai ficar esperando um longo tempo, filho da puta. Talvez eu devesse simplesmente matá-lo agora antes que o Sr. Perez venha aqui e faça isso a ele mesmo. — Julio não atira em ninguém há quase dez anos, — eu digo. — E mesmo que tentasse, a porra do gordo perderia. Agora, seja um bom 5

Pessoa ou coisa em espanhol. ~ 122 ~


menino e corra, diga a ele que ele tem visitantes. Visitantes que não gostam de serem deixados pendurados na porta. O cara alto abaixa seu rifle, olhando para mim e depois para Sophia como se nós tivéssemos três cabeças cada. — Será que você não me ouviu, comedor de merda? — Ele surta.— Dá o fora daqui agora mesmo, ou esses caras vão atirar em você. Próximo a ele, seus três amigos todos se entreolham, balançando a cabeça. — Nós não vamos atirar no Rebel, homem. De maneira nenhuma. Ele está protegido. Isto é novidade para mim. Estou protegido? Cara, Julio realmente não quer que esses arquivos que estão em um disco rígido de volta em Freemantle caiam nas mãos erradas. Ele conhece o clube que votou em mim para liberar as informações que descobriu sobre sua operação para os policiais. Ele sabe que, sem eu por perto para fazer algum sentido no clube, os detalhes que eu tenho armazenado dele no meu escritório se tornaria de conhecimento público muito rapidamente. — Bem. Um de vocês tem que ir e falar ao chefe, então. Foda-se! Os três outros caras olham como se eles não soubessem o que fazer. O cara alto enfia com o cano de sua arma ao mais próximo dele e assobia-lhe, mostrando os dentes .— ¡Ir a buscar al jefe, idiota! Os outros ficam de guarda com uma expressão assassina no rosto, as mãos agarrando firmemente em torno de sua arma. Sophia está mais perto de mim, com as mãos em seus lados, embora eu possa dizer pelo jeito que seus dedos se contorcem que ela quer pegar minha mão. Ela não vai, no entanto. Ela sabe bem que, se o fizer, vai fazer-nos fraco. Ela endireita as costas em vez disso, seu olhar viajando de um homem para o outro, não se incomodando com o olhar lascivo, abertamente lascivo que parece que eles dão enquanto esperam por seu companheiro voltar com Julio. Estou tão orgulhoso dela. Houve um tempo em que ela teria surtado longe de homens como este. Ela teria se lembrado de Raphael, e as memórias dele tentando atacá-la a teria ficado encolhida no chão. Hoje em dia, ela é forte. Mais forte do que eu, por vezes, dou-lhe crédito. O guarda retorna menos de dois minutos depois, ostentando um lábio cortado, fúria em seus olhos. Ele fala em voz baixa para os outros homens, apontando um dedo em nossa direção, e então ele cospe no chão aos pés do cara alto. O cara alto ameaça bater nele, mas então ele se vira e nos enfrenta em seu lugar. — Julio diz que está bem, cara, mas você tem que sentar junto à piscina e esperar por ele para terminar ~ 123 ~


o seu negócio. Vamos atirar no seu traseiro se você andar em qualquer outro lugar na casa. — Por mim tudo bem. Eu poderia usar algum tempo para trabalhar no meu bronzeado. — Eu sorrio na cara, mostrando os dentes. Esperar por Julio à beira da piscina não é problema, mas estou curioso para saber que tipo de negócio ele está realizando aqui no momento. É evidente que há um monte de pessoas ricas aqui a julgar pelos carros. Eu duvido que eles estão todos aqui para comprar e vender drogas. Traficantes esperam quando eles estão carregando. Pelo menos os espertos fazem. E não há maneira que Julio iria realizar esse tipo de negócio fora de sua casa, também. Essa merda vai para baixo no meio do deserto, à noite, quando você pode ver um carro vindo a cinquenta milhas em qualquer direção. Os portões abrem o suficiente para Soph e eu deslizarmos no meio e então o cara alto fecha-o atrás de nós novamente, como se ele tivesse medo de outros intrusos ociosos, do outro lado, à espera de sua chance de esgueirar-se no meio. Deus sabe quantas pessoas estão aqui agora, mas quando estamos entramos na casa e saímos para o pátio pela entrada, um mar de conversa borbulha em torno de nós. Pelo menos oito homens sentam-se em mesas com tampo de vidro espalhadas ao redor da piscina em forma de rim, na maior parte reunida em torno da extremidade mais distante, onde há uma pequena cachoeira de cascata no fundo do poço. No começo eu só vejo os homens, mas então algo sobre a maneira como Sophia endurece ao meu lado tem-me a fazer alerta em dobro. Aos pés da cada um dos rapazes bem vestidos, uma mulher está de joelhos ou sobre suas mãos e joelhos, nua. Alguns delas estão sentadas, de cabeça baixa, olhos no chão, com as mãos enfiadas sob as suas bundas. Algumas delas estão chupando os caras nas cadeiras. Algumas estão curvadas, enquanto um ou dois dos homens deslizam os dedos nas suas bucetas ou bundas. Sophia olha para longe, virando as costas para a cena, o rosto um pouco cinza. O guarda que nos acompanha na espera de Julio sorri, exibindo um conjunto de dentes amarelados, podre. — Dia ruim para trazer uma cadela para o deserto, hein, ese? Dou um passo em direção a ele, rosnando, mas o idiota está a passos de distância, rindo um riso estridente de hiena. — É melhor manter um olho nela, cabron. Os outros convidados de Julio têm grandes apetites. Sua puta parece que poderia ser seu tipo.

~ 124 ~


É patético que eu reaja a ele, mas meu sangue está fervendo em minhas veias. Eu estou pronto para dar um uppercut 6 neste filho da puta e lançá-lo de cabeça na parte rasa da piscina, mas Sophia coloca a mão no meu ombro, me parando. — Não faça isso. Não vale a pena — ela sussurra.— Vamos apenas sentar e esperar por Julio. Ela está certa — lutar com homens de Julio, a baixa escória que sejam, realmente não vale a pena. Isso definitivamente não vai agradar ao nosso anfitrião, com certeza. Soph se senta de costas para a cena bizarra do outro lado do pátio, deixando-me com uma completa vista do outro lado da nossa mesa de vidro pequena. Há duas pequenas manchas de cor vermelha manchando as bochechas de Sophia, e eu imediatamente sei que não está lá de constrangimento. Certamente não de emoção. Ela está com raiva. Tão irritada que suas mãos estão tremendo enquanto ela empilha-as uma em cima da outra no colo. — Você não parece muito chocado com isso — diz ela. Eu aperto meu queixo, olhando para as minhas mãos. — Eu não estou. Eu já vi muito pior. — Bom. Bom saber. — Ela olha enojada. — Não porque eu quisesse, Sophia. Porque Cade e eu estávamos à procura de sua irmã. Esse era o tipo de lugar que Laura teria terminado. Essas são os tipos de coisas que ela teria sido forçada a fazer. Eu não tenho prazer com mulheres involuntárias, Docinho. Eu não tenho prazer em vê-las trepar, também. Sophia pende a cabeça, mordendo o lábio inferior. — Eu sei. Sinto muito, isso foi uma coisa estúpida para dizer. — O que parece, nenhuma dessas mulheres são participantes dispostas, embora. Eles todos parecem que estão se divertindo. Sophia pisca para mim como se fosse simples. — Você não pode estar falando sério? Eu dou de ombros. — As mulheres de Julio são pagas aqui, Soph. A maioria delas, de qualquer maneira. Ele não mantém as mulheres roubadas aqui. Ele é muito inteligente. Se alguém vem até seu lugar e É um soco utilizado em várias artes marciais como no boxe, kickboxing e muay thai. 6

~ 125 ~


não quer estar aqui, ele é rápido em vendê-las de imediato. Ele sabe que a polícia estaria investigando-o num piscar de olhos se suspeitasse que ele tivesse meninas roubadas aqui. E ele sabe que eu estaria colocando uma bala em sua cabeça se eu suspeitasse, também. — Mas você sabe que ele faz isso. Eu suspiro, correndo a ponta do meu dedo indicador para cima e para baixo do cabo da faca que eu estou levando no bolso. Nós não trouxemos armas, pensando que os homens de Julio iriam nos revistar. Parece que eles realmente não se importam se estivéssemos carregados, embora. — Eu não posso provar. Como eu disse, ele é inteligente. Nós sentamos em silêncio por alguns minutos, o silêncio é interrompido apenas pelo som de carne contra carne e as mulheres gemendo. Sophia se mexe desconfortavelmente em sua cadeira cada vez que alguém engasga ou grita, e eu tento não atirar punhais em qualquer um dos homens que lançam o olhar sobre a minha namorada completamente vestida quando eles estão tentando imaginar ela nua ao que parece. Julio finalmente aparece depois do que parece uma eternidade, gingando para nós, vestido com uma enorme camisa de linho, com mangas curtas em seus braços e enormes calças. Ele não se parece com um homem feliz. — Eu não achei que eu iria vê-lo novamente tão cedo, meu amigo — Ele diz meu amigo como se fosse um insulto, o que, sem dúvida, é projetado para ser. — Algo me diz que você não estaria aqui, a menos que você absolutamente tivesse que estar — Ele tem olhos fixos em mim, franzindo o cenho profundamente, mas sua expressão muda quando ele vê Sophia. Espanto surge em seu rosto, seus olhos crescem arregalados. — Bem, isso é incomum. Achei que você estaria morta em uma vala em algum lugar agora, garota — Ele oferece Sophia sua mão, mas ela olha para longe, recusando-se a encontrar seu olhar. Suas mãos permanecem no colo. — Você vai ter que perdoar Sophia. Eu não acho que ela aprova o seu trabalho — eu digo. — Talvez ambos devessem participar. Tenho certeza que ela iria gostar, então. — Eu acho que há mais chance de suas bolas milagrosamente se separarem de seu corpo para ser honesto — Eu sorrio, inclinando a cabeça para trás, olhando para ele — Eu odiaria convidá-lo a sentar-se

~ 126 ~


em sua própria casa Julio, mas faria essa coisa toda um pouco mais fácil se nós estivéssemos todos sentados ao redor da mesma mesa. Eu imagino que ficar de pé por longos períodos de tempo não é divertido para você, de qualquer maneira. Julio murmura algo ininteligível, sua papada balançando de um lado para o outro — Você é um filho da puta, Rebel. Que porra você acha que está fazendo, mostrando-se aqui com ela? Você é louco porra? Por cima do ombro, uma mulher joga a perna sobre a cabeça de um cara, pressionado sua buceta contra seu rosto, o que torna difícil levar a sério Julio enquanto seu rosto cresce mais e mais vermelho. — Eu não achei que ligar antes seria inteligente, — eu respondo. — Eu teria aparecido e ninguém estaria aqui. — Verdade. Eu teria feito com que fossem todos para baixo em Tijuana, bebendo cerveja e fodendo grandes belezas Latinas. Eu abro minhas mãos em frente à mim - vê o que eu quero dizer? — Precisamos falar sobre Hector Ramirez, — eu digo. Julio senta-se caindo pesadamente na última cadeira restante na nossa mesa, que range, gemendo sob o peso considerável do homem. — Eu não vejo o que temos para falar, meu amigo. Hector Ramirez é problema seu, não meu. — É assim mesmo? Ele dá de ombros, abrindo os braços na frente dele. — Estou ciente de que ele foi acampar em seu gramado da frente, fedendo a vizinhança, arruinando a sua pequena fatia de terra. Enquanto seu olhar está voltado para você, não está focado no México ou na fronteira. Ou os bens que eu escolhi enviar para qualquer lugar. E com Maria Rosa ainda desaparecida, é muito conveniente para mim ter Ramirez brincando de cowboys e índios com você. O México é meu para eu pegar. Porra. Eu nem sequer considerei o que pode estar acontecendo com os negócios de Ramirez, enquanto ele está nos Estados Unidos, ocupado com os Widow Makers. É claro que ele não está prestando atenção ao que está acontecendo em volta em Juarez. Tenho certeza que ele deixou homens para trás para gerenciar sua operação, não há dúvida sobre isso, mas o tipo de homens que deixam para trás é o tipo de homens que são facilmente subornados. Eles provavelmente estão embolsando um par de centenas de dólares a cada vez que Perez quer

~ 127 ~


importar ou exportar um carregamento, e em seguida, olham para o outro lado. Eu pego uma careta no rosto de Sophia. Parece que ela está chutando-se por não considerar este resultado, também, embora eu não tenho ideia do porquê. Ela não sabe como a política deste mundo funciona. Não na verdade. Julio chama mais um de seus guardas armados e diz a ele para trazer três cervejas. Uma vez que o guarda se foi, Julio diz: — Diga-me o que você quer discutir. Vamos ver como a nossa conversa prossegue a partir daí. Mas acredite em mim quando digo isso, meu amigo. O retorno sobre o que você quer de mim deve ser melhor e impressionante. — Quero Ramirez morto. Isso é o que eu quero discutir com você. E o retorno sobre é óbvio. Neste momento, o México não é seu para a tomado. O México é um empréstimo. Assim que Ramirez terminar nos Estados Unidos, o que você acha que vai acontecer? Ele voltar direito para Juarez e ele está indo para assassinar os caras que viraram os olhos para você e o que é seu. Ele vai buscar retaliação porque você invadiu o seu território, e ele está indo para matar metade de seus homens. Eu não ficaria surpreso se ele assumisse o controle de seu negócio na Califórnia só para provar um ponto. E depois? Você tem sua bunda espancada e você está sem dinheiro. Não soa muito grande para mim. Se você nos ajudar a se livrar do fodido de uma vez por todas, o México realmente será seu. Julio estreita os olhos, olhando para mim. Ele junta os dedos, apoiando as mãos entrelaçadas sobre a barriga de sua barriga. — E depois, quando Ramirez estiver desaparecido, os Widow Makers vão ficar de braços cruzados e permitir-me a conduzir o meu negócio livremente? É assim? — Ele ri, o mordaz som. — Eu não penso assim. Eu sei o que você faz muito bem, meu amigo. Você corta a cabeça de um dragão e espera que seja o fim de tudo. Você espera que ele morra em silêncio para sempre, para nunca mais ser ouvido ou visto novamente. Não é isso que vai acontecer. Eu sou um homem que ama o dinheiro. Eu amo as mulheres, drogas e poder. Vou simplesmente tomar o lugar de Ramirez, e isso não vai ficar bem com você. Você vai virar a sua atenção para matar-me também. — Eu não dou a mínima para o que você faz depois que Ramirez estiver morto, Julio — Quase me mata dizer isso, mas é tudo o que eu tenho sido capaz de pensar. Eu disse Sophia na noite passada que eu descobri o que poderíamos usar em troca da ajuda de Julio, e é isso. ~ 128 ~


Isto é tudo o que eu posso fazer. Permitir que Perez lide com suas drogas e venda suas mulheres vai contra tudo o que eu defendo. Se eu tivesse que fazer um acordo com o bastardo há seis meses, isto nunca teria estado sobre a mesa, mas muita coisa mudou agora. Agora, há Sophia. Agora, eu não tenho a porra de uma escolha. Julio me olha por um tempo muito longo. Eventualmente, ele diz: — Você é um homem de palavra, Rebel? As pessoas dizem isso sobre você, mas eu preciso te olhar nos olhos e ouvir você dizer isso. — Eu sou. — E você sabe o que acontece se você voltar atrás em sua palavra em nosso mundo, não? Ela não termina bem para mim ou para você. — Eu sei o que acontece — Ele virá depois ao clube. Ele não terá qualquer outra opção. Mesmo que ele saiba que ele vai perder a sua vida, ele vai. Sua honra não vai permitir que ele tome qualquer outro curso de ação, e ele quando ele vier ao Widowers quem sabe o que vai acontecer. Nós provavelmente vamos matar seus homens, se tratar de um jogo de números, mas seria um milagre se nós passássemos ilesos. A perda de vidas seria uma certeza, e eu não acho que eu poderia lidar com isso sabendo que era evitável de alguma forma. Julio olha para Sophia de canto do olho. — Eu gostaria de fazer um ponto de interesse pessoal para garantir que algumas coisas muito desagradáveis aconteceriam com sua amiga aqui se você renegar qualquer acordo que veio a fazer. Isso é algo que você deve compreender, meu amigo. Bem, merda. Julio não tem ideia de quão perto de uma amiga Sophia é. Se ele soubesse, ele com certeza não teria jogado ameaças como essa. Ele estaria fazendo o seu melhor absoluto para não fazer contato visual com ela, ou mesmo olhar em sua direção sobre esse assunto. Eu cerro meus dentes juntos, pressionando as palmas das mãos contra os topos das minhas coxas para impedir-me de dar de punhos e bater a merda fora dele. Estou pensando em avisá-lo, dandolhe aviso prévio de que ele pode esperar para ter digestão dos alimentos através de um tubo no estômago para o resto de sua vida se ele ainda tiver pensamentos sombrios sobre Soph novamente, mas eu não recebo uma chance. Soph fica de pé e dá um passo em direção Julio, então ela está de pé ao lado dele. Ela se inclina e sorri.— Eu não sou a mesma menina assustada que você empacotou na parte traseira de seu carro há seis meses, Sr. Perez. Sou uma pessoa totalmente diferente, e eu apreciaria ~ 129 ~


se você não falasse sobre mim como se eu não estivesse sentada a dois malditos pés longe de você. Caso contrário, pode haver consequências para você. Julio pisca para ela de uma forma intermitente, confusão escrita em tudo sobre ele. Eu não tenho nenhuma ideia do que a minha namorada acha que ela está fazendo agora, mas santa porra se não é quente. Julio Perez não deixa que as bundas dos seus homens cultivados com uma história de violência assassinato fale com ele dessa maneira. A morena esbelta com o mau humor parece ter-lhe com o pé atrás, apesar de tudo. Ele olha para mim, com a boca ligeiramente aberta, e sacode a cabeça para trás. Minha mão está coçando, pronta para chegar à faca no meu bolso - eu vou cortar a garganta do bastardo se ele prejudicar um fio de cabelo na cabeça dela, mas a expressão séria de Julio derrete em uma de diversão incrédula. Ele ri, o som de sua alegria ecoa em torno do pátio fechado em voz alta o suficiente para que uma das mulheres servindo os homens do outro lado caia do colo de seu patrono. — Isso... é melhor você se livrar de um presente, Rebel — Julio diz, enxugando os olhos. — Ela é demais para você lidar. Inferno, eu acho que ela seria demais para qualquer um de nós lidar. Eu evito olhar para Sophia. Eu não quero que Julio veja isso em meus olhos, o quanto esta menina significa para mim. Se ele suspeitar por um segundo que eu estou apaixonado por ela, ele vai plantar uma semente. Ele sempre vai saber que ele pode a usar contra mim se ele precisar. Em retrospectiva, é melhor eu ficar quieto e não dizer nada sobre sua ameaça agora— Ela sabe quando abrir e quando não abrir a boca — eu digo. — As mulheres na minha casa normalmente só abrem suas bocas para que alguém possa enfiar um pau para baixo em sua garganta. Eu não sorrio.— Todos os Widow Makers são iguais. Nós não recrutamos os membros com base no seu sexo, e não deixamos as pessoas ameaçá-los, não importa quem eles são. Você não vai precisar prejudicar um único um de nós, porque não vamos renegar nosso acordo. — Eu encontro os olhos de Sophia e silenciosamente digo a ela para se sentar sua bunda para baixo. Ela me obedece, embora eu possa dizer que ela realmente não quer gastar mais um momento sentado em uma mesa com este porco. Especialmente com as coisas que acontece acima do outro lado da piscina agora. Um dos convidados ricos de Julio está fodendo abertamente uma mulher loira branqueada com uma tatuagem rosa em sua coxa, e os sons de tapa em sua pele é ~ 130 ~


contundente ao redor do pátio da mesma maneira o riso amargo de Julio fez um segundo atrás. — Então, como você propõe se livrar de Ramirez, afinal? — Julio toma um gole da bebida na frente dele, seus olhos nunca deixando-me. — Ele está sempre protegido. Ele não vai a lugar nenhum sozinho. Nós precisaríamos fazer algo muito louco para chegar até ele. — Nós podemos fazer louco. É apenas o quão longe você está disposto a ir... Julio faz beicinho, encolhendo os ombros. — Pela a fronteira mexicana, eu estaria disposto a ir muito longe, meu amigo. — Bom. Ligue para Ramirez e diga que você quer marcar uma reunião. Diga-lhe que você tem uma proposta de negócio para ele. — Pssshhhh. Ramirez sabe que eu nunca iria discutir o meu negócio com ele. Não temos nos falado em mais de sete anos. Ele vai suspeitar. — Deixe. Deixo-o pensar que você está tentando ser mais inteligente que ele de alguma forma. Se ele estiver focado em você e seus homens, perguntando qual jogo você está jogando, então ele vai ser pego de surpresa temporariamente. Ele só precisa esquecer os Widow Makers por três segundos. Você vai ficar em sua fazenda. Você vai propor que vocês reúnam forças para uma grande corrida a partir do sul. Fazer-lhe uma oferta que ele não pode recusar. Mantenha ele e seus homens distraídos por tanto tempo quanto possível. — E, enquanto isso, você estará se movendo para a posição, se preparando para cortar a cabeça do desgraçado de seu corpo, sim? — Exatamente. — E como você planeja fazer isso sem ter todos nós mortos? — Pergunta Julio. Ele dá mais um longo gole de sua cerveja, seus olhos brilhando sobre o vidro. — Não se preocupe com isso — digo a ele.— Os Widow Makers te darão cobertura.

~ 131 ~


Capítulo treze CADE Jamie e Sophia estão fora por três dias. Eles retornam apenas depois de escurecer, no terceiro dia, os motores latejantes de suas motos fazendo os copos de cerveja nas prateleiras do clube bater e ranger um contra o outro. Shay é a primeira a ir para a porta ver por si mesma quem acabou de chegar apesar do fato de que podemos identificar o ronco individual não só da moto do Rebel, mas da Ducati de Sophia, também. Shay jura sob sua respiração quando ela rasga a porta aberta.— Há um carro com eles. Um Humvee, como o nosso. Levanto-me para ver por mim mesmo. Jamie não disse que traria companhia quando ele retornou do deserto californiano. Parece que ele trouxe alguma para casa com ele. É impossível dizer quem salta do Humvee, mas do meu ponto de vista na frente do clube, eu posso ver claramente o meu melhor amigo descendo de sua moto, bem como Sophia, de pé ao lado dele, removendo seu capacete, balançando os cabelos. — Que porra ele está fazendo? — Sibila Shay.— As coisas nunca foram assim antes. Fomos muito bem, voando sob o radar. Agora temos a DEA e um quartel na porra à nossa porta. E agora isso. — E o que é isso, Shay? Ela cruza os braços sobre o peito, franzindo a testa para a escuridão, claramente chateada além das palavras— Eu não sei ainda, mas posso garantir-lhe que não é nada bom. Carnie lança um braço por cima do ombro, abraçando-a para o seu lado. — Rebel sabe o que está fazendo, querida. Todos nós confiamos nele. Certo? Shay não responde tão rapidamente quanto deveria. Finalmente, ela limpa a garganta e diz: — Claro. Claro que sim. Não é com ele que estou preocupada. É nela que eu não confio. — Ela gira nos calcanhares ~ 132 ~


e a cabeça de volta para dentro do clube, recebendo uma garrafa de uísque do bar enquanto ela passa. Seus passos apressados são estrondosos quando ela corre o lance de escadas para o segundo andar, onde ela e Carnie tem dormido. — Acha que eu deveria ir atrás dela? — Pergunta Carnie. — Que diabos eu sei. Shay é o seu cubo mágico para descobrir, não meu. Eu desisti praticamente no momento que a conheci. Carnie grunhi. Eu não acho que ele gosta de ser lembrado que a menina que ele está saindo é difícil para dizer o mínimo. Impossível provavelmente seria uma palavra melhor. Ele dá um passo para dentro, deixando-me sozinho na frente do clube, ouvindo o sussurro suave dos grilos sussurrando na distância enquanto espero por Jamie para vir me encontrar. Estou estranhamente calmo. Se houvesse um problema, Jamie não estaria ao redor, conversando com os estranhos que ele trouxe de volta aqui sob a cobertura da noite. Ele estaria chutando a merda fora deles e eu estaria ali com ele, fazendo o mesmo. Ouço falar em Espanhol então provavelmente deve ser alguns dos homens de Julio. Eu vou esperar por Jamie para me dizer antes de me intrometer. Essas coisas podem ser complicadas. Políticas. Os homens de Perez não tem amor por mim, da mesma forma que eles não têm amor por Jamie. Melhor eles lidarem com apenas um de nós no momento. Eu descanso meu ombro contra o batente da porta, aguardando o meu tempo. Do outro lado do pátio, no galpão no celeiro, uma sombra cinzapreto, passa por onde a madeira foi pintada em torno da entrada enorme. Debaixo de lá, através desse portal oxidado, Maria Rosa está, provavelmente, rondando como um animal, andando para lá e para cá, conspirando e tramando como ela normalmente faz. Eu não a vi desde que eu me masturbei no corredor. Carnie foi a contragosto levar as refeições que são preparadas para ela, e quando lhe perguntei, ele disse que ela não chegou nele uma vez. Ele parecia quase desapontado com o fato. Depois do que Rebel disse que ocorreu em Vegas, o pobre coitado provavelmente pensou que ela ficaria com ele ou algo assim. Ela disse, ela mesma, porém: ela acha que Carnie é um menino. Ela usou-o para dar um show para Rebel e o cara nunca percebeu isso. Eu me pergunto o que ela faria para mim, que tipo de confusão pervertida ela instigaria se soubesse que eu estaria disposto a sentar vê-la. A coisa sobre Maria Rosa é que ela é intrigante. Eu quero saber ~ 133 ~


como ela funciona. Eu quero saber o que ela dirige. Quando você sabe o que leva um homem, ou neste caso uma mulher, você descobre sua ruína. É fácil de derrotar seus inimigos se você sabe o que eles desejam mais do que qualquer outra coisa no mundo. Você simplesmente leva isso a, a capacidade de sempre obter os seus desejos e você remove a sua razão de viver. Quero conhecê-la mais profundamente, e por sua vez eu quero usá-la contra ela, para destruí-la. Só parece justo para o abuso que sofri na sua mão em Columbia, e só parece justo para os homens, mulheres e duas crianças que perderam suas vidas naquele dia no supermercado em Los Angeles. — Cade? Cade, conheça Andreas Medina. Andreas é o segundo de Julio Perez no comando. Eu olho para longe do celeiro, de volta para onde Rebel e seus convidados estavam um momento atrás, só que eles não estão mais lá. Eles estão de pé na minha frente, como está Sophia. Cinco deles no total. Dois Widow Makers, e três dos homens de Julio. Sophia parece exausta, como se ela estivesse morta em seus pés. Eu estou apostando que esse foi o seu passeio mais longo. Deve ter sido exaustivo. De pé ao lado de Jamie, um mexicano magro, com uma cara assombrada e globos oculares caretas profundamente olhando para mim. Nenhum sorriso. — Você é o único que declarou guerra — diz ele, olhando-me de cima a baixo. Ele, obviamente, não achou que foi uma boa ideia. — Corajoso — diz ele — Eu não tenho ideia de como você pensou que ia ganhar, mas ainda assim... — Oh, nós vamos ganhar. Você não vai foder isto aqui se o seu chefe não pensa assim também. Andreas arreganha os dentes. — Meu chefe e eu temos opiniões diferentes, às vezes. Tenho certeza de que você e Rebel nem sempre ver concordam. Sophia coloca a mão no meu ombro, me dando um sorriso cansado. — Você ficaria surpreso — diz ela, enquanto ela passa por mim na sede do clube. Jamie parece estar feliz e contente, mas posso sentir a tensão nele. Eu sei que ele tem muito a dizer-me, mas ele não pode exatamente derramar tudo agora. Ele vai ter que esperar até mais tarde. — Qual é o plano? — Pergunto. — Você, Andreas e seus amigos se hospedam no galpão?

~ 134 ~


— Sim. Eu vou hospedá-los no clube. Julio está para chegar na parte da manhã. Talvez o nosso outro convidado deva assistir a um filme em vez de tomar uma caminhada esta noite? Ele está falando de Maria Rosa, é claro. Agora está em torno sobre o tempo que eu teria de contê-la e levá-la em torno para dar volta no galpão, deixá-la subir a colina para o lugar de Rebel três ou quatro vezes antes de levá-la de volta para baixo para o porão, mas, novamente eu não tive o prazer de fazer recentemente. Jamie introduz os homens para dentro do prédio atrás de mim, na sequência dos homens de Perez. Enquanto ele me passa, ele sussurra em voz baixa, — Eles não podem saber sobre ela, cara. Eles não podem sequer suspeitar. Mantenha todos longe do celeiro, enquanto eles estão aqui, sim? — Coisa certa. — E o pode levá-las Ele parece preocupado. perigosa.

seu Humvee? Há algumas armas no porta-malas. Você para dentro do arsenal? Seja cuidadoso, Cade. É sério. — preocupado por algum motivo. Jamie nunca está Tudo o que está nessas caixas deve ser uma merda

— Devo chegar à cabana quando eu terminar? — Pergunto. Jamie assente. — Temos muito que falar.

***

As caixas estão cheias de explosivos C4. Não é de admirar que Jamie disse para ter cuidado. Pessoas perdem membros o tempo todo de brincadeira com esta merda. Eu carrego as caixas uma de cada vez, cuidadosamente equilibrando o melhor que posso com a carga em minhas mãos, pressionadas contra o meu peito enquanto eu desço para o porão, onde mantemos o resto das munições do clube. Toma-me quatro viagens para completar a minha tarefa. Eu não tenho ideia por que diabos Jamie trouxe tanta com ele, existem explosivos suficientes empilhados ao lado de nossas armas de fogo automáticas e semiautomáticas para explodir metade do Novo México, mas eu acho que ele vai explicar quando eu aparecer na cabana. Estou prestes a trancar atrás de mim e sair de cabeça quando ouço gritos pelo corredor.

~ 135 ~


— Porcos de merda! Você está atrasado. Deixe-me sair daqui!— Um alto, eco, som metálico vibra pelo corredor quando Maria Rosa bate a palma da mão contra a porta de aço de seus aposentos. Ela não está muito feliz por não ter seu passeio à noite, ao que parece. — Idiota do caralho! Carnie, eu posso ouvi-lo ai fora, seu merda! Paro em meus passos. Eu não devia. Eu devia deixá-la gritando e maldizendo, e de cabeça reta voltar até a escada e ignorar a razão dela, mas encontro-me hesitando. — Traga Rebel, aqui, — ela cospe. Suas palavras são abafadas, mas posso ouvir o sarcasmo muito bem.— Traga-o aqui. Já chega. Já tive o suficiente, seu bastardo. Na Columbia, o império da Mãe, sem dúvida, foi desmantelado, guerreado, dilacerado e reivindicado por cem traficantes de cocaína de meia tigela. O novo chefe do cartel subiu ao poder e assumiu a Desolladors depois que Maria Rosa desapareceu. Jamie teve Danny monitorando notícias locais e nossos informantes desde o dia em que a trancou aqui. Ninguém veio para salvá-la. Seu povo não se mobilizou para resgatá-la como ela insistiu que fariam durante os primeiros dias. Ela tem estado aqui sozinha, e todos os dias durante os últimos seis meses ela esteve com raiva. Furiosa com a forma que ela foi tratada. Escuto-a socar e gritar pela porta agora, porém, ela parece diferente. Ela soa como se ela realmente tivesse suficiente. Parece que ela desistiu. Eu não sei como eu chego lá, mas eu encontro-me em pé na frente de sua porta. Maria Rosa cai tranquila, como se pudesse perceber a minha presença. Eu posso ouvi-la fungar do outro lado do aço com polegadas de espessura. —Carnie está lá em cima na sede do clube, — eu digo. — Temos convidados. Você vai ficar presa aqui em baixo pelos próximos dias. — Cade? Eu mordo minha língua. — Cade? Por favor abra a porta. Porra, eu não aguento mais isso. — Talvez você deveria ter considerado isso antes de incriminar um cara que não é normalmente conhecido por sua natureza de perdão. — Merda — ela cospe.— Eu te torturei por três dias. Perdi o controle e tentei jogar merda em você. Você me trancou afastada por meses. Eu não vi a luz do dia em... em... ~ 136 ~


Ela claramente não tem ideia de quanto tempo tem sido. — Você teve pessoas mortas, Mãe. Pessoas inocentes. Você sabe como ele se sente sobre isso. Ela está em silêncio por um momento — Nós somos pessoas que matam, Cade. Isso é o que somos. Você sabe disso. Quando eu morrer, o senhor vai me julgar pelos meus pecados. Ele vai pesar os atos de minha vida e eu vou ter que liquidar o saldo. Até então, eu só posso ser quem eu sou. Quem eu fui feita para ser. Tudo fica em silêncio. Ela não diz outra palavra. Eu fico lá na frente de sua porta por um momento, suas palavras soando em meus ouvidos. Eu ainda posso ouvi-las repetir uma e outra vez quando eu finalmente vou embora.

~ 137 ~


Capítulo catorze SOPHIA Eu acordo de manhã, na luz, uma sensação vibrante está dançando na minha barriga o mesmo tipo de sentimento que eu tinha todos os anos quando eu acordava na manhã de Natal e eu podia ouvir a mãe e o pai se deslocando sobre as escadas, organizando os nossos presentes e fazer café da manhã. Deveria ser uma sensação boa, uma sensação animada, mas hoje não é. Estou com medo da minha mente. Hoje, nós tentaremos resgatar meu pai da fazenda de Ramirez, e eu não tenho ideia se nós estamos indo para ser bem sucedidos. Ele pode acabar sendo morto no processo. Inferno, todos nós podemos acabar sendo mortos no processo. Eu odeio estar tendo que usar Julio Perez para distrair Hector, e eu odeio especialmente o fato de que sua mão direita, Andreas, voltou com a gente ontem.

O homem é nojento - um porco quase tão repugnante e revoltante quanto Raphael Dela Vega era. Eles vieram do mesmo lugar ao nascer. Eu não tenho nenhuma dúvida em minha mente que Andreas é um pedaço desagradável e que não podemos confiar nele. Viro-me para acordar Jamie, mas eu encontro a outra metade da cama vazia. Eu não o ouvi levantar-se. Deus sabe quanto tempo ele esteve fora, ou quanto tempo eu dormi aqui, mas por alguma razão eu sinto como que estivesse sozinha por um longo tempo. Horas, pelo menos. Eu estava exausta ontem, quando voltamos para o galpão. Cada músculo do meu corpo doía. Quando chegamos em casa e cai na cama, Jamie me ofereceu uma massagem, prometendo-me muito mais do que isso, mas eu estava muito cansada e dolorida até mesmo para pensar sobre a oferta. Eu saio da cama e faço uma verificação rápida da cabana, olhando para me certificar de que Jamie não está no banheiro ou desmaiado no sofá, por algum motivo, mas ele não está. O relógio na parede mostra nove e trinta e oito horas. Eita... Nós fomos para a cama tarde, bem depois da meia-noite, mas acho que esta é a primeira vez que eu chego perto de conseguir oito horas de sono no mês. Jamie deve ter tido alguém para fazer as tarefas do prospecto esta manhã. Tenho ~ 138 ~


certeza de que uma revolta quase aconteceu entre os outros membros do clube- por que diabos Sophia deve receber tratamento preferencial, só porque ela é sua namorada? Mas eu também posso imaginar o olhar que Jamie teve em seu rosto se alguém sequer ousou dizer isto, e a rapidez com que, em seguida, fecharam suas bocas. Tomo banho e levo minha cabeça para o clube, sinto um beliscão na pele quando eu vejo que há mais carros alinhados ao lado do Humvee que Andreas veio ontem à noite. Isso significa que Julio está aqui, sem dúvida. O cara fez questão de dividir a unidade de Cali7 para o Novo México por conta de seu tamanho considerável e como seria desconfortável para sentar-se por tanto tempo sem se mover. Ele realmente comprou-nos algum espaço para respirar, embora. Convidar um chefe quartel em sua casa às vezes é uma boa maneira de fazer negócios. Às vezes, é desejo de morte. Um falatório alto e gargalhadas derramam para fora do clube, quando a porta se abre e Shay vem com o seu cano de arma para fora do prédio, pouco antes da minha mão alcançar o punho. Ela quase bate em mim, sua expressão estrondosa e com raiva, os lábios comprimidos em uma linha branca em linha reta. — Ah, olha, é a Bela Adormecida — ela se diz.— Que horas você ... — Ela não chega a tudo o que ela estava prestes a dizer, os olhos arregalados, olhando para algo no chão. — Que porra é essa? — Sussurra. Eu olho para o que ela aponta, mas Shay agarra-me pelo pulso e levanta o braço, uma carranca profunda gravado em seu rosto.— Que porra é essa? — Diz ela. Eu finalmente percebo o que ela viu, e calor inunda minhas bochechas: o anel. O anel da mãe de Jamie ainda está na minha mão esquerda, que brilha na luz da manhã, e Shay está olhando para ele como se fosse a coisa mais ofensiva que ela já viu. — Shay... Ela escava suas unhas em minha pele. — É isso que eu penso que é? — Sim — Eu não vou mentir para a mulher. Meu relacionamento com Jamie não é da sua porra de negócios. E o fato de que agora estou noiva dele realmente não é de qualquer um. Eu deveria dizer a ela para cuidar da sua maldita própria vida, mas não há nenhum ponto. Ela não Cali, oficialmente Santiago de Cali, é a capital e a maior cidade do departamento do vale do Cauca, na Colômbia situada entre a cordilheira ocidental e a cordilheira central dos Andes, nas margens do rio Cauca. 7

~ 139 ~


é idiota, e ela nunca iria me deixar em paz até que eu lhe dissesse a verdade. Seus olhos parecem que estão brotando lágrimas. Ela abre a boca para dizer alguma coisa para mim, mas então seu olhar cresce distante sobre meu ombro e sua mandíbula se fecha. Eu quase tombo enquanto ela passa por mim, murmurando baixinho. — Cristo, Shay, o que diabos está errado com você? — Eu giro em torno, irritada o suficiente para persegui-la e confrontá-la, mas então eu vejo Jamie andando na minha direção, sozinho, e eu percebo que Shay saiu como um raio. Ela dificilmente vai ser rude para mim se ele estiver perto. Ele não vai tolerar ela ser uma merda para mim, mesmo que eu possa lidar com Shay, juntamente com qualquer outra pessoa muito bem estes dias. Ele está usando seu fode-comigo, no rosto quando ele chega perto de mim. — O que foi aquilo? — Ela viu o anel — digo a ele. — Porra. A última coisa que precisamos hoje é ela começar a causar problemas. Você está bem? — Ele cruza os braços em volta de mim, me abraçando delicadamente, e ele tem cheiro de sabão e roupas limpas. Eu inspiro, puxando-o em meus pulmões, tentando agarrar este momento mais alguns segundos antes de ter que lidar com qualquer outra coisa. — Estou bem. Eu só esqueci que estava lá para ser honesta. — Puxa. Grande. Eu mordo levemente em seu peito através de sua camiseta. — Isso não foi o que eu quis dizer. É só que... é estranho que nós tomamos esta grande decisão há três dias e ninguém mais sabe sobre ela até agora. É senti como se fosse um segredo. Como se nós não devêssemos falar sobre isso ou algo assim. Ele se inclina para trás, olhando para mim. — Você quer que isso seja um segredo? — Não. Não, eu não. — Bom. Após essa merda de hoje ficar para trás, vamos celebrar adequadamente. Eu tenho uma garrafa de whisky com o seu nome escrito tudo sobre ele. Eu sorrio, grata que ele parece tão certo de que ainda tem algo para comemorar após a corrida com Ramirez estiver completa. Então,

~ 140 ~


muitas coisas podem dar errado. Há todas as chances que vamos voltar aqui de mãos vazias. Ele não pensa assim. Meu pai não merece isso. Ele perdeu a sua filha mais nova, provavelmente pensou que ela estava morta no passado a pouco tempo, e agora ele foi sequestrado e arrastado ao longo de três estados não por sua culpa. Isto é tudo culpa minha. Eu tinha uma escolha de voltar para Ebony Briar, voltar quando Jamie me disse que eu poderia sair e ir para casa para a minha família, e eu fiz algo muito cruel. Na época, eu achava que estava fazendo a coisa certa. Parecia nobre ficar para trás e ajudar os Widow Makers trazer Ramirez à justiça, mas depois de um tempo, comecei a ver que não foi o caso em tudo. Jamie e o resto do clube são pessoas de recursos. Eles teriam encontrado uma maneira de corrigir o erro que tinha sido feito, independentemente de eu estar lá ou não. Eu escolhi ficar nesse ponto, porque eu tinha caído no amor. Eu escolhi ficar porque deixá-lo parecia impossível, porque eu estaria deixando meu coração para trás. Agora eu tenho que corrigir isso. Eu tenho que ter certeza que meu pai chegue em casa com segurança à família que ele deixou, e eu tenho que ter certeza que nada como isto nunca aconteça novamente.— Julio está aqui? — Pergunto. Jamie assente. — Sim. Ele está saindo depois das seis esta noite. Ramirez teve pessoas fora à noite toda, colocando explosivos até a entrada da fazenda. Parece que ele planeja abrir um buraco no lugar no mínimo se Julio fizer quaisquer acrobacias. Nós vamos ter de abordar sobre os campos pela parte traseira da propriedade, e nós vamos ter que esperar até o anoitecer. — Eu não acho que Ramirez estaria deitado. — Esta é uma notícia preocupante, embora Jamie não parece muito perturbado por ela. Ele passa a mão sobre o meu cabelo, beijando minha têmpora. — É tudo de bom, Docinho. Nós temos abundância de explosivos.

***

O dia se arrasta insuportavelmente. Eu não posso ajudar, mas sinto que Ramirez está, provavelmente, nos esperando para fazer um golpe como este com Julio na cidade. Cade esconde numerosos veículos ~ 141 ~


de Julio no deserto, de modo que nenhum dos homens de Ramirez pode espia-los à distância sentado ali no nosso galpão. Perez e seus homens espreguiçam-se em torno da casa do clube, queixando-se da cerveja nacional gordurenta que continuamos a servi-los. Eles devem ter tido cinco drinques antes que Cade sugerisse polidamente para eles calarem a boca e começar a ter a cabeça reta para o que está prestes a acontecer. Andreas parece que está prestes a saltar do seu assento e começar uma briga, mas Julio grita com ele em espanhol e seu braço direito a contragosto se senta novamente. Eles estão meio caminho para ficarem bêbados no momento em que o relógio marca seis horas e é hora deles saírem. Jamie reuni o resto dos Widow Makers, para a escolha de uma equipe para acompanhá-lo na gerência de Cade, naturalmente. Keeler. Carnie. E eu. Não havia nenhuma maneira na terra que eu estava ficando para trás neste momento. De jeito nenhum. Eu estava me preparando para uma discussão acalorada, violenta sobre eu ir, mas, em seguida, Jamie vai e me surpreende chamando o meu nome de qualquer maneira. — Você está falando sério? — Pergunto.— Você quer que eu vá? Ele balança a cabeça com firmeza.— Você deixou bem claro que drogar você realmente não é mais uma opção. E eu sei que se eu te deixar para trás aqui, você só vai esperar até que fomos e, em seguida, vai nos seguir. Melhor se eu tiver você ao meu lado, onde eu possa vê-la e mantê-la segura. — Esta é a porra de merda! — Na parte de trás do clube, Shay atira foguetes a seus pés.— Eu tenho sido um membro deste clube por quase seis anos. Eu sou uma das melhores atiradoras que o clube tem, e eu posso lutar tão bem quanto qualquer outra pessoa. Por que diabos não tenho sido chamada? Jamie suspira pesadamente. — Isso vai ser como uma neurocirurgia, Shay. Você não faz um trabalho de precisão com um martelo. Você faz com uma pinça e um microscópio. Se entrarmos lá com um grande grupo de pessoas, o nosso disfarce será descoberto imediatamente. Não podemos dar ao luxo de correr esse risco. Ela atira punhais para ele, cruzando os braços sobre o peito. — Parece-me que nós estamos levando uma série de riscos nos dias de hoje. E tudo pelas razões erradas. O que aconteceu a ajudar as meninas, hein? O que aconteceu de encontrar a irmã de Cade? Pareceme, que o propósito do clube teve uma mudança de direção ao longo dos últimos meses, e nenhum de nós fomos informados sobre isso. ~ 142 ~


— O que isso deveria significar? — Isso significa que os Widow Makers não são nada mais do que a sua ajuda contratada nos dias de hoje. Você só nos chama quando você quer que a gente a proteja — diz ela, apontando um dedo para mim. — E agora aqui estamos, trabalhando com os mexicanos para ir salvar seu pai. Ela não tem nada a ver com este clube, Rebel. Ela não é um de nós. Por que diabos devemos colocar em risco as nossas vidas para corrigir seus problemas? Jamie está furioso. Estou furiosa, também, mas nem de longe tão indignada como ele está. Eu posso praticamente ver o vapor de sopro de suas orelhas. A coisa sobre Jamie quando está irritado é que ele não explode ou grita. Ele fica quieto, seus movimentos mais precisos, com a voz cortada e apertada. Todos as três dessas coisas estão acontecendo agora, quando ele diz, — Você não vai estar arriscando nada, Shay, porque eu não a chamei. E no caso de você ter esquecido, Sophia é um de nós. Ela é um prospecto. Quando ela está fora das paredes deste galpão, ela está usando o mesmo colete que você usou quando você era nosso prospecto. Nós já estivemos aqui antes, não tivemos? Eu vou te dizer o que eu disse há seis meses. Se você não gosta da maneira como as coisas estão sendo executados, sinta-se livre para sair a qualquer momento. E sinta-se livre para deixar sua tinta para trás, ao mesmo tempo maldito. Eu não sabia o que ele queria dizer com a última coisa que ouvi Jamie dizer Shay ela poderia deixar a tinta, mas eu faço agora. Você não pode simplesmente sair do clube. Estar junto é um compromisso e uma responsabilidade. É algo que você tem que levar a sério, a razão pela qual o período de prospecção é tão longo, além do fato de que os outros membros precisam de tempo para trabalhar fora se você estiver indo para ser um passivo ou não. Então, querendo sair é um grande negócio. Shay precisará ter o emblema do clube Widow Makers lavada de suas costas com fogo ou ácido se ela quiser arrumar sua merda e ir. Algumas pessoas tentam cobrir a enorme tatuagem com outra coisa, mas o trabalho nunca é bom o suficiente; se esse é o caminho que você quer ir, Jamie e Cade tem que inspecionar a nova tinta, e nove em cada dez vezes não será aceitável. A bandeira do clube ainda estará muito clara, e eles vão ter a pele de qualquer maneira. Do outro lado do clube, encostado no bar, Julio começa a rir. — Problemas no paraíso, meu amigo? Você pode dizer o que quiser sobre a minha operação. Meus homens não são burros o suficiente para me fazerem uma pergunta como essa. Isso significaria a morte para eles, e

~ 143 ~


eles sabem disso. Mau negócio, as mulheres que jogam em grandes jogos de menino. Eu já não te disse isso antes? Jamie não responde. Ele está muito ocupado queimando buracos na cabeça de Shay. — Nós temos um problema sério aqui, ou podemos continuar com a tarefa em mãos? — Ele exige. — Que seja. — Ela se vira de costas para ele. — Vá em frente com a sua tarefa preciosa na mão. Eu estarei aqui quando você voltar. — Sarcasmo pinga de sua voz. Ela não está feliz, mas, em seguida, quando ela está? Cade balança a cabeça, esfregando as mãos nas têmporas. Os outros membros do clube estão todos olhando para Jamie, esperando por ele para dizer-lhes o que fazer a seguir. Julio, Andreas e o resto da equipe mexicana saem do clube, todos eles ainda sorrindo para a discórdia que acabara de testemunhar. Cinco minutos mais tarde, o povo que Jamie chamou inclusive eu estamos todos subindo em nossas motos, observando Humvee de Julio queimar no entardecer do deserto. O horizonte é um rosa escuro, tingido de laranja-queimado, um borrão manchado de cores que parecem ter sido violentamente espirradas através do deserto. Um pressagio talvez. Esses rosas e laranjas vão se aprofundar a um vermelho em pouco tempo, um horizonte brutal e sangrento, e todos os seis de nós nos encontramos andando em direção a ela. Cade e Carnie falam silenciosamente quando Jamie está ao lado da minha Ducati, verificando e reverificando o gatilho da Glock que ele está segurando em suas mãos. — Não hesite. Se você ver alguém que você não reconhece, dispare. Tenha sua arma pronta em todos os momentos. Não deixe meu lado. Se der alguma merda dê o fora da casa e volte para as motos. Faça o seu caminho de volta para cá, não importa o quê. Vamos todos estar seguindo atrás de você. Ele quer que eu vire e corra nos primeiros sinais de problemas, mas ele tem que saber que não vou deixá-lo. Se der merda, isso significa que todos nós precisaremos defender a nossa terra e lutar. Eu não vou deixar Cade ou qualquer um dos outros Widowers se estiverem feridos. E se ele estiver ferido? Deus, se ele estiver ferido, eu vou morrer antes de voltar para minha moto e andar para a escuridão. Ele não precisa me ouvir dizer isso, porém. Ele precisa ouvir-me dizer-lhe que vou fazer o que ele pede para a sua própria paz de espírito, então é isso que eu faço. — Claro. Eu vou, se é isso que você quer. ~ 144 ~


Ele balança a cabeça uma vez, um pequeno, afiado aceno, militar. Acho que isso é o que ele precisa ser agora: um soldado, e não o meu noivo. Depois que ele me passa a Glock, ele ainda apoia meu rosto em suas mãos e me beija profundamente, apesar de tudo. — Tenha cuidado, — ele sussurra. — Eu nunca vou perdoá-la se você se matar. — Eu vou estar morta, por isso não importa, — eu digo, sorrindo. — Eu vou atirar-me na cabeça e encontrá-la no outro lado, só assim eu posso matá-la de novo, Sophia. Nem sequer faça piada sobre isso, ok? — Não há preocupação em seus olhos. Eu não gosto disso. É perigoso. Se ele está se preocupando comigo, então ele não está preocupado com que vai acontecer com ele. Eu quero dizer algo sobre isso, mas no final eu não preciso. Jamie dá passos para trás, de cabeça baixa, verificando sua própria arma, e quando ele olha de volta para mim, seus olhos são frios, como pedra, frio como gelo. Ele não está sendo Jamie. Rebel está diante de mim em toda sua glória selvagem, e eu sei, sem dúvida, a cabeça está de volta no jogo. — Ok — ele diz, seus olhos passam por cima de mim como se ele realmente não me visse. — Vamos fazer isso. Vamos montar.

~ 145 ~


Capítulo quinze SOPHIA Meu pai me sentou uma vez quando eu era pequena e me falou sobre a violência. Claro, por ele ser um ex-pregador e um homem de Deus, ele citou passagens da Bíblia. — O Senhor prova o justo, mas a sua alma odeia o ímpio e a quem ama a violência. — Pois conhecemos aquele que disse: — Minha alma é a vingança. Eu retribuirei. — E, novamente, — O Senhor julgará o seu povo. — Não tenhas inveja do homem violento e não escolha nenhum de seus caminhos. — Ouvistes que foi dito: Olho por olho e dente por dente. Mas eu lhes digo: Não resistam aquele que é o mal. Mas, se alguém te bater na face direita, oferece-lhe também a outra. Ele me ensinou a ser tolerante e justa. Ele me ensinou a ser gentil e para permitir a misericórdia em meu coração. Ele me disse que para perdoar aqueles que se rebelaram contra mim, como se diz na oração do Senhor, é uma das coisas, cristãs mais justas que eu poderia fazer nesta vida. Eu estou pensando sobre isso quando nós seguimos silenciosamente através dos campos de volta para a fazenda de Ramirez, e eu estou querendo saber o que meu pai diria agora, se ele fosse questionado sobre vingança. Será que ele ainda ficaria do lado da justiça, escolhendo absolver Ramirez para as coisas que ele poderia ter feito com ele, ou ele vai ter uma mudança no coração? Talvez ele gostaria de puxar o gatilho ele mesmo quando a cabeça de Ramirez for arrancada. Talvez ele gostaria de ser o único segurando a adaga que mergulha na garganta do líder do cartel. Eu não sei. Eu simplesmente não consigo imaginar isso. — Cinco homens no andar de cima — sussurra CADE.— Três no andar térreo que eu posso ver. ~ 146 ~


— Dois na parte traseira da casa, também — Rebel sussurra de volta. — Tem de haver mais. No caminho há apenas dez pessoas que guardam este lugar. Carnie, vá para a frente. Volte com uma contagem de cabeça. Veja se o Humvee de Julio está estacionado lá em cima, no entanto, também. — Deve estar. Julio saiu uns trinta minutos antes de nós, e nós tivemos uma viagem complicada para a casa da fazenda, quem atravessa, pelo menos, o valor de uma milha de terreno irregular no escuro para deslocar-se sobre cartel da parte traseira. Carnie balança a cabeça e, em seguida, vai para a escuridão manchada de tinta sem dizer uma palavra. Se ele estivesse irritado sobre Shay não teria vindo nessa corrida, ele não disse nada sobre isso. Ele está vestido de preto, o mesmo que o resto de nós. O único flash de cor que eu posso ver quando ele desaparece de vista é o pequeno pedaço de pele na parte de trás do pescoço. Depois de um segundo Carnie está desaparecido. Os quatro de nós permanecemos agachados no chão, queixo dobrado em nossos peitos, armas preparadas e carregadas em nossas mãos. Sintome como uma fraude, segurando a Glock que eu não sei exatamente o que diabos eu estou fazendo com ela, quando na verdade eu só disparei uma arma um par de vezes. Vou fazê-la funcionar, apesar de tudo. Eu sei o suficiente para remover a segurança, apontar e disparar a coisa, se isso é realmente tudo o que preciso saber agora. Carnie não volta por um tempo, e Cade começa a ficar inquieto. Ele salta para cima e para baixo sobre as pontas dos seus pés, fazendo uma careta, provavelmente com dor na circulação cortando a parte inferior do corpo quando se agacha. Rebel olha o relógio dele, seu dedo indicador direito se movendo lentamente para cima e para baixo enquanto ele acaricia o slide de sua arma. — O que você acha? — Pergunta Rebel. — Muitos deles? Cade exala, estudando a fazenda. Ele encolhe os ombros um ombro, franzindo os lábios. — Foda-se se eu sei, cara. Você é o único que tem a intuição sobre essas coisas. Rebel olha para trás ao edifício, franzindo a testa ligeiramente. — Eu não sei neste momento. Existem muitas variáveis. — Carnie retorna como um fantasma, pouco visível, partindo do alto, passando por entre os talos de erva quando ele se apressa para voltar para o grupo. Estou orando por boas notícias, mas posso dizer imediatamente que ele não tinha visto nada para fazê-lo se sentir confiante sobre este plano. Na verdade, ele parece meio assustado.

~ 147 ~


— Há tantos carros lá em cima — diz ele, afundando-se ao meu lado. Seu corpo pode muito bem ser empurrado contra o meu, mas é com Rebel que está falando. — Pelo menos sete. O Hummer de Julio está lá, mas está bloqueado. Ramirez, obviamente, tinha uma barricada no caso as coisas derem errado. Há motos lá em cima, também, o homem. Três deles. Harleys. As mais caras. — Você reconhece-os? — Pergunta Rebel. Carnie balança a cabeça. — Eles não são locais por aqui, quem quer que sejam. Rebel levanta uma sobrancelha para Cade — O clube teria aliando-se a Ramirez? — Não que eu saiba. Hector odeia os clubes. Ele faz tudo que pode para fode-los. Com sobrancelhas juntas Rebel pensa profundamente. — Bem, não há nada que possamos fazer sobre o envolvimento externo agora. Julio está nos esperando para romper este pequeno jantar em menos de trinta minutos, então é melhor entrar em movimento. Nós vamos manter o plano original. — E quanto a sua rota de fuga? — Pergunta Keeler— Se o seu Hummer está bloqueado, eles não serão capazes de sair de lá quando as primeiras explosões começarem. Cade faz um som entre os dentes, balançando a cabeça. — Isso não é nosso problema. Julio é um homem burro crescido. Ele vai descobrir isso. — Exatamente. — Rebel coloca uma mão no ombro de Cade, fixando aqueles olhos azuis em seu amigo. — Você está pronto para ir? — Claro que estou. — OK. Vá e coloque a carga. Vamos dar-lhe dez minutos. Depois disso vamos de cabeça pela porta de trás. Vamos esperar por seu sinal. Cade acena. — Eu estarei bem atrás de você. — Não faça qualquer coisa estúpida — sussurra Rebel. Sorrindo, Cade levanta do chão, apertando as alças da mochila que ele está usando. — Você me conhece. Eu nunca coloco um pé errado. — E então ele se foi.

~ 148 ~


Rebel desloca a mochila que ele está usando, que é idêntica a de Cade que simplesmente desapareceu, e seu conteúdo são os mesmos: quinze libras de C4. Eu tremo com a ideia de que ele está carregando essa quantidade de explosivos em suas costas, mas ninguém parece muito preocupado. Eu não sei quase nada sobre materiais desse tipo. De acordo com ambos Rebel, Cade e à internet, C4 é bastante estável até estar com um dispositivo de ignição. Não vamos estar fazendo isso até o último segundo, depois que nos livrarmos dos guardas de Ramirez no piso inferior. Dez minutos passam lentamente em sentido inverso. Depois do que parece uma eternidade, um alarme de carro começa lamentar em torno da frente do edifício, aguda e alto. Rebel sorri, puxando para trás o slide em sua arma. — É isso aí — diz ele. — Essa é a nossa sugestão. Vamos. Meu coração está na minha garganta enquanto se levanta, mas ainda agachado, e começa a correr em direção à casa da fazenda. Carnie e Keeler vão para cima e sigo em um instante, estranhamente o suficiente, eu também não penso duas vezes. Minhas mãos estão suando, meu sangue bombeia em meus ouvidos, mas eu não tenho medo. Eu definitivamente deveria ter. Eu teria se eu não estivesse seguindo ninguém para este pesadelo, mas seguindo Rebel é diferente. Eu confio nele. Eu acredito nele. Eu o amo. Vou segui-lo até os confins da terra, se for preciso. — Ei! Hey! ¡Detener! Não te acerques más! — Uma voz alta grita para a noite, seguido por um som metálico elevado. Eu curvo mais para baixo, ainda correndo, quando uma bala rasga através do ar à minha direita, perto de Carnie. Carnie xinga sob sua respiração, retornando fogo, mas o som de sua arma é abafada por um som ensurdecedor, rugindo que detona em algum lugar do outro lado do edifício. Uma parede de luz, som e calor ondulações diante de nós, e cacos de torcidas de chuvas de metal caindo do céu. — Foda-se. — Rebel desvia de um estilhaço deformado. — Continue! Continue correndo! À frente, o atirador que disparou em nós um segundo atrás está de costas para nós, de frente para a casa, obviamente, tentando descobrir o que diabos está acontecendo. Seu corpo está iluminado na silhueta, emoldurada em preto contra o brilho alaranjado que está derramando através das janelas e pela porta dos fundos aberta da casa da fazenda. Carnie aproveita a oportunidade e dispara sua arma ~ 149 ~


novamente, e desta vez ele não perde. Os tiros chocam no guarda severamente, seus braços subindo no ar, e ele solta um grito estrangulado. Ele fica de joelhos, sua arma caindo de suas mãos, e depois tomba para a frente na grama. Nós contatamos assim que Cade vem ao redor do lado do edifício. Rebel aponta sobre ele, arma levantada, pronta a disparar, mas então ele vê quem é, e se afasta. Ele gira em torno apenas no tempo para pegar outro dos guardas de Ramirez que aparecem na porta à frente de nós. O mundo está em caos. Outra explosão sacode os caixilhos das janelas do edifício, então eu não escuto a arma de Rebel atirar. Eu só vejo seus braços relaxarem e, em seguida, a cabeça do cara estoura como uma melancia, enquanto ele tenta levantar sua própria arma tarde demais. Sangue e fragmentos minúsculos de cérebro e ossos, salpicam em Rebel e eu, em nossos rostos e nossos peitos. — No interior, dentro, para dentro! — Grita Cade. — Mova-se. Rebel Já está se movendo; ele salta sobre o corpo do homem que ele acabou de matar e varre a arma da esquerda para a direita, vasculhando o espaço para novos homens. Keeler está bem atrás dele, seguido pelo Cade e depois de mim, com Carnie bem na traseira. — Encontramos a porta para o porão, — Rebel grita de volta para nós. — Cade, tome Soph. Encontre o seu pai. — Não! Vou ficar com... — Uma forte mão no meu ombro me arrasta para os lados me puxando na direção oposta da cabeça de Rebel, e Cade está na minha frente, seu rosto uma polegada de distância do meu. Eu quero dar um tapa nele. Meu braço está meio levantado, minha mão bem em sua forma de fazer contato com seu rosto, mas Cade agarra-me pelo pulso. — Você não pode ir para onde ele vai, Sophia, — diz ele— Ele está prestes a descer ao inferno. Você não está pronta para isso. — Foda-se! Eu preciso ir com ele! Cade balança a cabeça rapidamente. — Você quer ter ele morto? É isso que você quer? — Claro que não! — Então faça como ele diz e venha comigo. Vamos fazer o que temos que fazer, nós vamos encontrar o seu pai, e Jamie vai fazer o que ele tem que fazer, também. — Seu aperto sobre meu pulso aumenta ~ 150 ~


para graus dolorosos. Estou prestes a argumentar mais, mas então eu percebo que Rebel está lutando com muitas pessoas, o que só pode significar uma morte certa para mim e Cade. Nós estamos em uma cozinha grande e bem-abastecida. Esta é a primeira vez que eu tenho olhado ao redor para ver onde estamos. À esquerda, a porta da despensa está bem aberta, revelando pilhas e pilhas de alimentos, bens enlatados, produtos, bem como duas armas de limpeza estão abandonados à beira de uma prateleira. À direita, uma porta fechada com um cadeado pesado aparafusado a ele. Em frente de nós: o caos. Ninguém parece ter notado Cade e a mim pairando na cozinha escura ainda, mas não vai ser o caso por muito tempo. Através do corpo a corpo dos membros e ternos bem adaptados à frente, eu vejo o rosto de Julio Perez, contorcido em raiva. As suas faces são roxo, suas bochechas trêmulas. Uma arma dispara, seguida por outra e, em seguida, uma outra, e Cade me puxa para o lado, para a direita, para a porta com o cadeado aparafusado a ele. Ele levanta sua arma e atira no pesado bloqueio coisas caindo no chão. Ele abre a porta e, em seguida, me agarra me puxando para o seu lado. — Segue. Siga-me, — diz ele. Com sua arma sustentada por sua cabeça, Cade se move através da porta e na escuridão completa. Eu ainda de pé com a minha própria arma agarrada firmemente com as duas mãos. Através da porta, um conjunto de escadas desce no campo preto. Eu fico perto dele, meu coração vibra quando eu tento não entrar em pânico. Porra, isso é tão ruim. Deus sabe o que vai estar nos esperando por nós aqui embaixo. Os homens de Ramirez, sem dúvida, criaram um calabouço onde torturam seus prisioneiros. Meu pai provavelmente vai estar nu, acorrentado a uma parede, faltando pelo menos três dos seus dedos, sangue, ferido e quebrado. Eu não sei se eu posso testemunhar, sabendo que é tudo culpa minha. Acho que vou chorar. Chorar é inútil agora, embora. Eu tenho que me manter sã. Eu tenho que manter o foco. Qualquer coisa pode acontecer, e eu preciso estar pronta para isso. Quando chego ao fim das escadas, Cade bate, sua mão sobre a parede, e luz de repente explode em toda a parte, iluminando nosso ambiente com luz fluorescente branca dura. — Que porra é essa? — Sibila Cade. — Oh Deus. — Eu cobro a boca com as mãos, a alça da minha arma pressionado contra os meus lábios. — O que diabos é isso?

~ 151 ~


Cade olha em volta, tão confuso quanto eu estou. O porão está cheio de caixas. Caixas do chão ao teto. Caixas de sapato, centenas delas empilhados uma em cima da outra, exceto as que caixas não contêm sapatos. Eles contêm uma infinidade de vibradores, chicotes e outros brinquedos sexuais estranhos e maravilhosos, cada um representado por uma imagem grande, colorida na lateral do papelão. Meu pai está longe de ser visto. Na verdade, é claro que este espaço está sendo usado para alguns fins de armazenamento excêntricos e não para torturar as pessoas em tudo. — Existe um outro quarto? — Pergunto, em busca de uma porta. — Existe um outro lugar que ele poderia estar aqui? Cade examina o grande espaço, os músculos de sua mandíbula relaxam e contraem ao mesmo tempo quando ele pensa. — Não. Não pode ser. Esta área é a única da casa da fazenda. Isso é tudo que existe. — Então onde diabos está o meu pai? — Morto, seu pai está morto puta. Cade e eu giramos em torno ao mesmo tempo. Ambas as nossas armas estão levantadas. O homem de pé atrás de mim, a meio caminho descendo os degraus para o porão, tem a arma já na mira sobre nós embora - na minha cabeça especificamente e seu dedo está no gatilho. — Você sequer pense em tentar atirar em mim e eu vou explodir sua cabeça do caralho fora de seus ombros, Sr. Preston. — O cara parece que estava lutando, apesar de suas contusões velhas, desbotadas, mais verde e amarelo do que o gritante azul e roxo que você associaria com ferimentos frescos. As suas faces são uma confusão, coberto de crostas. —Pensei que Ramirez tivesse desmembrado você e te dado como alimento aos porcos até agora — Cade diz, rindo. Ele fica sóbrio, dizendo: — Seu rosto está seriamente fodido, Alfonso. Alfonso, a quem Cade, aparentemente, encontrou antes, olha furioso; ele parece que está pronto para disparar na nossa cara de qualquer maneira, independentemente de quem dispara em primeiro lugar. — Eu sou como um gato, — diz ele. — Eu tenho nove vidas. Eu ainda vou estar aqui, trabalhando para Hector muito depois de você e o resto de sua escória Widow Maker estarem mortos. Nós nem sequer vamos enterrá-los. Vamos arrastar os corpos para o deserto e deixar os urubus comerem. Os corvos vão bicar os seus globos oculares. — Soa desagradável — Cade diz alegremente. — Mas eu me fiz uma promessa a um tempo atrás. Eu jurei que meu corpo seria

~ 152 ~


enterrado na Louisiana. Definitivamente não em um maldito deserto, seja em um deserto americano ou um deserto Afeganistão. Então eu vou ter que passar a sua oferta, creio eu. — Não foi uma oferta. Era uma promessa. — Ele ri. — Como você acha que vai sair deste porão, seu tolo? Eu vou matar a menina se você der outro passo. Vejo Cade atirar um olhar em meu caminho, mas eu continuo com Alfonso na minha mira, mirando minha arma para sua cabeça. Cade suspira pesadamente, como se ele estivesse exausto com a conversa. — Eu não dou a mínima para a menina. Faça o seu pior. Eu tenho uma bala nessa arma aqui e ela tem seu nome nele. De nenhuma maneira alguma buceta do clube vai me impedir de enterrá-la bem entre os olhos.

~ 153 ~


Capítulo dezesseis REBEL Três segundos passam como uma vida quando há oito armas apontadas para sua cabeça. No segundo que eu passo pela porta e para a sala da família na frente da casa da fazenda, Keeler e Carnie estão em ambos os meus lados, cada arma individual na sala balança para nós. Atrás de mim eu posso ouvir Cade gritando com Sophia, mas eu não posso pensar nisso agora. Ele vai cuidar dela, eu sei que ele vai. Agora, eu tenho que ficar vivo. Ramirez está no canto da sala, e há dois guardas corpulentos de pé na frente dele, protegendo-o com seus próprios corpos. Andreas Medina está no chão, sangrando no tapete pela aparência das coisas, embora ele está apontando uma arma para um dos guarda-costas de Hector. Ele dispara, e o cara à esquerda do Hector cambaleia para trás. Ele segura a mão na cabeça, o que só pode ser onde Andreas atirou nele, e um olhar de confusão mostra através de suas feições. Um segundo depois que as confusões se dissolvem ele cai no chão, morto. — Que porra é essa? — Grita Ramirez. — Julio, seu homem acabou de matar o meu! Julio cospe no chão, puxando uma pequena arma de prata de dentro do seu blazer. — Eles estão prestes a atirar o resto deles, também, pendejo8. — A pequena pistola pequena apaga-se na mão de Julio, em seguida, o outro guarda na frente de Hector morre, o sangue correndo pela frente da camisa branca quando seu coração, de repente rasga, e deixa de funcionar. Tudo acontece tão rapidamente. Ramirez está desprotegido, mas só por um momento. Mais de seus homens entram pela porta da frente, ensanguentados e queimados a partir da explosão que Cade fez. Como havíamos planejado, todos eles correram lá fora, quando Cade disparou 8

Covarde em Espanhol. ~ 154 ~


o alarme de carro, e eles foram pegos na explosão alguns momentos mais tarde. Infelizmente alguns dos filhos da puta sobreviveram, apesar de tudo. — ¡Arriba! Solta las armas! — O cara grita na nossa frente. Ele é porra de um louco se pensa que qualquer um de nós está soltando nossas armas para baixo. Ele obviamente não conseguiu o memorando sobre os caras de Julio estarem do nosso lado, no momento, porque ele nem sequer lançou um olhar na direção deles. Nem mesmo quando um deles ergue a sua arma e atira no lado da cabeça, o envio de matéria cerebral e sangue voando pela sala. — Esta é a porra de uma loucura! — Ramirez chega para sua própria arma, mas Julio fica com ele primeiro, com o cano da arma nele, prendendo-o contra a parede. Ele segura-lo ali, fúria por todo o rosto, bochechas balançando enquanto ele amaldiçoa seu inimigo em espanhol. — Mata. O velho. Homem. — Ramirez sussurra para fora, agarrado pelas mãos carnudas de Julio, em volta do seu pescoço. — Mate-o — Ele repete, desta vez mais alto. Um cara gravemente queimado em um terno cinza, sai correndo para a direita, em uma esquina, correndo o mais rápido possível. — Foda-se. Oh, não, você não vai porra— Eu vou atrás dele, batendo na parede quando eu tento segurá-lo no canto. Há uma escada na minha frente, e o cara de Ramirez está quase no topo. Eu aponto e disparo nele, mas perco a bala, impactando com a parede no topo das escadas. O cara desvia fora da vista no patamar. Subo as escadas, levando-os três de uma vez. Eu alcançar o degrau mais alto bem a tempo de vê-lo correndo por um corredor longo e estreito e, em seguida, voltando-se para a direita, desaparecendo novamente. Um tiro ressoa, ecoando pelo corredor, vindo da direção que o cara de Hector correu em direção, e os meu estômago dá cambalhotas. Ele matou o pai de Sophia. Ele porra atirou em Alan, e agora ele está morto. Não pode ser. Só não pode ser. Eu invado o corredor, pronto para colocar pelo menos cinco ou seis balas na parte de trás deste filho da puta, mas quando eu derrapo na esquina o homem de Hector está deitado de costas sobre o chão polido, e um outro cara está de pé sobre ele, olhando para baixo em sua arma. Ele parece preocupado, aflito, como o fato de que ele atirou no homem no chão que foi um completo acidente. Sua expressão se transforma em raiva. — Você chegou atrasado, — diz ele — Eu já o

~ 155 ~


matei. Assim que o carro explodiu do lado de fora, eu cortei a garganta do velho. A coisa sobre cortar a garganta de alguém é que ele é um trabalho sujo, embora. Talvez esse cara teve a faca na garganta do pai de Sophia. Talvez ele fez isso por trás e é por isso que ele não está coberto de sangue, mas eu conheço pessoas. Eu sei que quando eles estão blefando. O cara na minha frente não olha como se estivesse dizendo a verdade. Eu aposto em descobrir se estou certo ou não. Ele levanta sua arma e mira em mim. Eu me jogo no chão na hora, plano sobre a madeira dura. Quase no momento exato, que puxo o gatilho da minha própria arma, atirando-lhe no joelho. Ele cai de lado na parede, gritando de dor, e eu aproveito a oportunidade para atirar no seu outro joelho. Esse cara não vai correr nunca mais. Provavelmente andará mais, também. Levantome e caminho ao longo, de pé sobre ele. Ele deixou cair à arma, que eu recolho do chão e deslizo-o no fundo da minha cintura. — Quaisquer outras armas? — Pergunto. Ele balança a cabeça. Ele realmente é um péssimo mentiroso. Coloco o calcanhar do meu tênis no topo da ruína de carne e osso, que costumava ser seu joelho direito, eu começar a aplicar pressão. — Eu não estou inclinado para avaliá-lo, só para levar um tiro na cara, — eu aconselho-o. Ele grita, seu grito é de gelar o sangue batendo nas paredes estreitas. — Tudo bem, tudo bem. Aqui. — Ele abre o paletó e há uma, presa ao peito. Eu puxo, a arma de fogo ostensivo do coldre e estabeleço nas costas da minha calça também. — Qual é o quarto? — Eu rosnar. — Eu te disse. Ele está morto. — Eu coloco mais do meu peso do corpo sobre o joelho mutilado. — Foda-se, cara. Porra! Pare, pare, pare! — Qual sala? — Aquela. A um na extremidade. À esquerda. Porra! Eu removo meu tênis, balançando a cabeça. — Não tenha ideias — eu aconselho-o. Mas é muito arriscado. Eu não posso deixá-lo aqui, sangrando no chão. Muito fácil de levar um tiro ou ser esfaqueado nas costas. — Desculpe cara. — Eu dou de ombros quando dou um tiro final depois de tudo, atirando-lhe na cabeça.

~ 156 ~


Não há tempo para se sentir mal agora. No andar de baixo, soa como se todo o inferno está se soltando. Felizmente, por minha causa, juntamente com todos os outros, Sophia está segura. Eu corro até o fim do corredor, arranco a porta do lado esquerdo, e leva-me um segundo para encontrar o que estou procurando. Do outro lado da sala, agachado no canto entre a cama e a parede, está Alan Romera. Sua garganta está intacta, e ele parece ileso, que é a porra de um pequeno milagre— Alan? Dr. Alan Romera? O velho pisca para mim, olhos frios e desdenhoso. — Se você vai atirar em mim, — diz ele — acabe com isso. Eu não tenho medo de morrer. Meu Senhor e Criador está esperando por mim nos portões do céu, pronto para me receber. Bem maldito seja. Eu não estou preparado para isso. Eu sorriso quando eu cruzo o quarto, imaginando como diabos um cara como ele já teve uma filha como Sophia — Não se preocupe — eu digo— O cara grande no andar de cima vai ter que esperar um pouco ainda para recebê-lo, amigo. Se eu não te tirar daqui são e salvo, eu não chego a me casar com sua filha. E eu totalmente tenho a intenção em fazer realmente isso muito em breve. Os olhos de Alan quase saltam fora de sua cabeça. Eu não sei se isso é porque eu mencionei Sophia, ou por causa do que eu disse sobre me casar com ela, ou por causa da minha língua. Sinceramente eu não me importo. Eu só preciso obter o tolo fora daqui antes que ele apanha uma bala perdida na parte de trás da cabeça ou algo assim. Estendo a minha mão, eu me ofereço para ajudá-lo. Alan olha para mim como se eu fosse a segunda vinda de Cristo, ou o filho do próprio diabo. Cautelosamente, ele coloca a mão na minha, permitindo-me a puxá-lo de pé. No Tempo de pelo menos cinco dias marcam seu rosto, fazendo-o parecer desgrenhado e grisalho. A partir das manchas e da natureza amarrotada de sua camisa e calças, eu diria que ele ainda está com as mesmas roupas que ele usava quando Ramirez lhe tinha tirado do lado da rua, mas diferente do que ele parece bastante saudável. — Você sabe onde está minha filha? — Pergunta ele. — Eu sei. Ela está lá embaixo, provavelmente, entrando em um mundo de problemas. Agora, se você não se importa, eu gostaria de voltar lá para me certificar de que ela está bem. O cara parece realmente fora dele, como se ele não pudesse realmente acreditar em nada disso está acontecendo, mas eu não tenho ~ 157 ~


tempo para passear e agradar a ele. Eu lhe dou uma das armas eu só libero em suas mãos, e eu tento não agitar a merda fora dele quando ele olha para ela como se fosse uma cobra enrolada. — Você sabe como disparar essa coisa? — Pergunto. — Claro que sim, — diz ele, indignado. Ele puxa o slide para trás e verifica a câmara, e em seguida, remove a segurança. — Eu sou um homem de Deus e eu sou um médico, mas eu também não sou um idiota. — Bom para você, Doutor. Agora vamos. — Corro do quarto, imaginando como diabos eu vou levá-lo de forma segura através da luta de merda que soa com ele no andar de baixo. Eu tenho muito pouco tempo para pesar as minhas opções. Eu ouço Alan fazendo um som de asfixia estrangulado atrás de mim quando ele pisa sobre os dois cadáveres no corredor. Eu olho para trás para me certificar de que ele ainda está me seguindo e ele está, então eu continuo. Nós descemos tão silenciosamente como podemos descer as escadas, e quando nós chegamos ao piso térreo ouço Carnie gritando no topo de seus pulmões. — Maldito morra já! Morra! Eu paro ao virar, de volta para a sala da família na frente da casa da fazenda, e Carnie luta com um cara no chão, de costas, o braço bloqueado apertado em volta do pescoço de seu oponente. Eles estão sozinhos, toda a gente está notavelmente ausente. O homem de Ramirez está roxo, e sua língua está gorda, saindo da sua boca enquanto ele agarra no braço de Carnie. Ele conseguiu chutar ambos os sapatos, e eu vejo quando ele se debate no chão em suas meias, debatendo, batendo, parecendo cada vez mais fraco, enquanto ele tenta libertar-se. Carnie aperta em seu abraço, curvando suas costas enquanto ele sufoca, e o cara nos braços cai. Quando Carnie deixa ir, empurrando-o para fora dele, a boca do homem morto cai aberta, e a ponta da língua oscila para baixo em seu queixo. — Jesus Cristo, — Ao meu lado, o pai de Soph está branco como um lençol. Ele cobre a boca com uma das mãos, olhando para Carnie que esta exigente e ofegante, com os olhos fechados, recuperando o fôlego. — Não se preocupe, Doutor. Duvido que alguém a espere esse cara nas portas do céu, — digo a ele. Alan treme. Ele enfia a mão no bolso e tira um lenço, enxugando a testa. — Tu podes estar certo. Mas ainda…

~ 158 ~


Uma vez eu teria sido me surpreendido. Mas o serviço militar muda as coisas. Isso muda tudo. Nada vai me surpreender ou me horrorizar novamente. Eu agarro Carnie pelo braço, puxando-o até que ele se senta. — Onde estão os outros? — Fora — ele diz. — Fora na frente. Julio foi embora. — Você está bem? Você pode ficar com o doutor? Carnie respira fundo e puxa-se a seus pés. — Sim, eu posso. Vá.

***

No exterior, partes de corpos ficaram espalhados na grama longa. O ar é bloqueado com cobre, fazendo parte de trás do meu nariz coçar, lembrando-me de memórias que eu prefiro esquecer. Sob os pés, algo estala, rachaduras, flexões cada vez que eu dou um passo. São amêndoas. Amêndoas doces no terreno em todos os lugares. A parede externa da casa é pintada em sangue, e Julio e seus homens estão parados em meio círculo, enquanto alguém grita e grita alto o suficiente para acordar os mortos. — Doentes .Mãe. Idiota! Eu conheço o som de carne golpeando carne bem o suficiente para saber que alguém está tomando uma surra séria. Eu conheço o som de osso quebrando, também. Julio e seus homens estão fazendo seus trabalhos nos inimigos agora. Eu olho em volta, tentando avistar Cade e Sophia, mas eles não estão aqui, ou pelo menos não onde eu possa vê-los agora de qualquer maneira. Eu volto a cabeça para Julio, notando que cada um dos quatro homens que ele trouxe com ele parece estar vivo, embora talvez um pouco machucados e sangrando. Estou prestes a perguntar-lhe se ele viu o resto dos meus caras quando eu tropeço em Keeler batendo repetidamente as mãos no crânio de Hector Ramirez. — Ela estava grávida — ele soluça. — Ela estava fodida grávida, e você cortou sua cabeça do caralho. Eu paro nos meus pés, meu coração subindo para fora do meu peito e na minha garganta. Bron? Bron estava grávida? Oh Deus. Keeler começa a chorar abertamente quando ele bate os punhos na cabeça e no peito de Ramirez. O líder do quartel Los Oscuros não se move. Ele

~ 159 ~


não se contorce. Ele não vacilou. Tanto quanto eu posso dizer, ele está morto. — Eu queria fazer isso sozinho, — Julio me diz baixinho. — Mas este parecia que ele tinha uma pontuação maior para resolver. Merda. Eu não sei o que eu deveria fazer nesta situação, mas eu não posso simplesmente deixar Keeler moer a cabeça de Ramirez na sujeira. Eu não me importo se ele o matou. Eu não poderia me importar menos se significa Ramirez fora deste mundo da maneira mais indigna, terrível possível. Eu me importo com o estado mental de Keeler embora. Se ele se suja de cérebro de Hector em todo o alpendre com as suas próprias mãos, isso vai afetá-lo. Isso vai levar um pedaço dele que ele não será capaz de ter de voltar. Eu quase levo uma cotovelada no rosto quando eu envolver meus braços em torno dele, puxando-o para longe do corpo do Ramirez. — Fiquem longe de mim! Sai de cima de mim! Eu vou te matar! — Ele lamenta, uma e outra vez. Eu colido no chão, Keeler apoiado contra o meu corpo, e eu o agarro com força. Ele treme e chora, e eu continuo a segurá-lo. Eu não deixá-lo ir até sua histeria passar, deixando-o flácido e exausto. Ninguém se moveu. Ninguém tentou descobrir se Ramirez ainda está respirando. Carnie e Alan ficar na porta, observando, e ele se sente como se o mundo estivesse prendendo a respiração, esperando a exalar. — Sinto muito, cara — sussurra Keeler. — Estou realmente estou muito arrependido. Eu não deveria... eu não deveria ter me perdido assim. — Está bem. Está bem. Basta ter um minuto. Tudo vai ficar bem, irmão. Mas isso não. Não é, porque é quando o mundo exala. É quando ouvimos o tiro

~ 160 ~


Capítulo dezessete SOPHIA Eu não posso acreditar no que estou ouvindo. A voz de Cade soa tão desconectada. Tão desumana. É como se ele estivesse virado um interruptor em algum lugar e ele não está sentindo nada. Eu quase me encontro a acreditar nas palavras que estão saindo de sua boca. Mas não pode ser verdade? Elas podem? — Ela causou nada além de problemas desde o dia em que ela apareceu, cara — diz ele. — Ela está distraindo meu amigo. Trazendo Ramirez aqui. É culpa dela que uma das amigas do meu irmão está morta. Se ela não tivesse voltado para o Novo México com a gente, tudo seria tranquilo, como de costume. Então não. Eu realmente não dou a mínima se você atirar na cabeça dela. Ela é sua, Alfonso. De qualquer forma, eu estou saindo deste porão, e eu vou ser passar sobre o seu corpo morto, a fim de fazê-lo. — Besteira — rosna Alfonso. — Você só está tentando me irritar. Ela é a cadela do Rebel. Você não vai me deixar matá-la. Cade puxa uma cara feia, desinteressado — Só há uma maneira de descobrir. Teste a sua teoria. — Que tal você não testar essa teoria. — Eu ajusto o meu domínio sobre a minha arma, suando sobre cada polegada de meu corpo — Que tal você dois deixarem isso de lado para que nenhum de nós se machuque. Eu só quero pegar o meu pai e ir. — E eu disse a você, seu pai está morto, prostituta. Nós o matamos dias atrás — Ele olha para Cade, sacudindo violentamente a cabeça de lado a lado. — Eu não vou deixar você sair daqui, imbecil. De maneira nenhuma. Você me humilhou. Você me marcou. Você vai desejar nunca ter nascido. — Você ficaria surpreso com quantas pessoas já me disseram isso, — Cade fala. — Nenhum deles jamais conseguiu, apesar de tudo. ~ 161 ~


Alguns deles tentaram, claro, mas... você sabe como essas coisas são. — Alfonso parece que ele está fervendo por dentro. Eu nunca vi alguém tão zangado antes. Cade dá um passo para a frente, os olhos fixos no homem que paira no meio da escada, que está entre nós e a liberdade. — Uma vez, eu poderia ter sentido pena de um cara como você, Al. Eu poderia ter ido um pouco mais fácil em você na outra noite. Ficou muito claro que era um fraco patético, e inútil de merda. Eu poderia ter apenas quebrado uma costela ou duas e deixá-lo sair com seu orgulho intacto, mas eu não sei. Depois de anos de lidar com perdedores covardes, lamentável que não podem fazer qualquer coisa, eu simplesmente não podia aguentar mais. Eu só tinha que fazer você se sentir inútil. Veja, eu gostei. — Cade dá mais um passo para a frente, sorrindo para Alfonso, da maneira mais arrogante. — Pare aí, filho da puta. Não de mais um passo, porra. — Alfonso balança brevemente a arma ao redor e aponta para Cade, mas, em seguida, ele balança-lo de volta, apontando-a para minha cabeça. Um choque de adrenalina dispara através de mim, misturado com uma facada considerável de alívio. De repente eu sei o Cade está fazendo. Ele não quer que Alfonso atire em mim. Ele quer que Alfonso o mate em vez disso, presumivelmente, para que eu possa atirar no bastardo. É um plano horrível, horrível que nunca vai funcionar, mas eu tenho certeza que ele sabe disso. Ele é um cara inteligente. Por que diabos ele sequer sonha em arriscar sua vida em um tiro longo como este? — Sua mãe deve ter ficado tão decepcionada com você — diz ele. — Eu não tenho ideia de como você enganou Ramirez para contratá-lo, mas ele deve ser estar se revirando no tumulo neste momento. Você não pode nem mesmo vir aqui e fazer isso direito. — Você é um homem morto, porra. — Alfonso mira sua arma em Cade, dando-lhe exatamente o que ele quer. Ele vai matá-lo, não há dúvida sobre isso. Eu quero gritar. Isto é realmente muito ruim. Se Cade leva um tiro e Alfonso o mate, ele vai atirar em mim três segundos mais tarde e sacrifício de Cade terá sido em vão. Eu não posso respirar. O que ele quer que eu faça? Como ele pode esperar de mim para fazer isso direito? Eu não sou Jamie. Eu não fui para a guerra com ele. Nós não tivemos juntos um dos outros como eles estiveram mais vezes do que posso contar. Meu pai provavelmente já está morto, e a culpa vai me perseguir para o resto da minha vida. Se eu tenho que carregar a culpa da morte do Cade em torno de mim, também, eu não acho que eu vou sobreviver a isso.

~ 162 ~


— Faça-o — Cade se encaixe, zombando de Alfonso. — Dê a porra do seu tiro. Qual é o pior que pode acontecer? Esse último comentário parece estranho. Qual é o pior que pode acontecer? Por que ele iria estar falando com Alfonso sobre isso? Isso não faz sentido. Percebo quase que instantaneamente, embora: Cade não está falando com o homem nas escadas. Dê a porra do seu tiro. Qual é o pior que pode acontecer? — destina-se a mim, e ele está esperando por mim para seguir adiante e apertar o gatilho. Não consigo pensar em muitas coisas terríveis que podem acontecer. Eu poderia incluí-los na minha cabeça, mas não há tempo. Não há tempo de qualquer merda. Cade dá mais um passo para a frente, cerrando os dentes. — Vamos lá! — Ele grita. — Faça isso, porra! FAÇA! Eu atiro. Para o bem ou para o mal, eu atiro. O recuo da arma quando explode nas minhas mãos envia uma onda de choque de pânico através de mim, e por um momento eu estou atordoada demais para reagir. Tempo passa rapidamente, como se alguém estivesse apertando o botão de avanço rápido, e eu vejo Cade lançando-se em direção a mim. Alfonso desapareceu da minha linha de visão, mas isso significa que eu atirei nele? Ele está foda morto? Eu não tenho a menor ideia. O oxigênio deixa meus pulmões enquanto Cade me aborda no chão. Eu sinto uma dor com o impacto quando ele cai em cima de mim, seu corpo cobrindo meu corpo, e eu não posso respirar, ouvir ou ver nada. Meus ouvidos ainda estão zumbindo a partir do tiro. Cade rola de cima de mim e gira sobre suas costas, arma levantada, apontada para as escadas, mas Alfonso não está lá. Outro tiro ressoa, alto e violento. A bala atinge a parede de concreto ao lado da minha cabeça, e Cade começa a atirar, desta vez apontando para o chão onde estávamos apenas um segundo atrás. Alfonso está esparramado ao seu lado, fazendo uma careta, sua camisa e seu pescoço encharcado de sangue. Eu não matei o filho da puta, mas eu certamente consegui feri-lo. A arma do Cade dispara novamente, e empurrões corpo de Afonso como a bala acerta no estômago, logo abaixo sua caixa torácica. — Foda-se. — Cade me agarra pela minha camisa e literalmente me desliza por trás da parede ao nosso lado. Uma torre de caixas de tomba entre Cade e Alfonso, o envio de brinquedos de borracha do sexo que caem para fora sobre o chão.

~ 163 ~


— Sua puta! — Grita Alfonso. — Isso ainda não acabou. Isto não está acabado porra! — Oh, sim, está. — Do nada, Rebel está descendo as escadas do porão, Carnie atrás dele. Os dois estão disparando rapidamente, uma e outra vez, e Alfonso está sangrando livremente. Eles atiram inúmeras vezes, em seu torso, pernas, braços, e, finalmente, quando Rebel atinge o fundo das escadas, em sua cabeça. O ar cheira metálico, de pólvora e sangue. Através de uma névoa de poeira e concreto, Rebel emerge como uma espécie de deus implacável. Ele está coberto de sangue, a camisa rasgada, mas ele parece invencível. Ele parece aterrorizante - um pesadelo na carne e eu nunca estive mais feliz em vê-lo. Ele cai de joelhos e me leva em seus braços, as mãos freneticamente em passam em todo o meu corpo, olhando para os ferimentos. — Jesus, Soph. Você está bem? Diga-me. Está porra? — Sim, sim, eu estou bem, eu estou bem. — Eu realmente estou, o que é um maldito milagre. Eu deveria estar morta, ou pelo menos gravemente ferida, e ainda assim eu estou livre da dor, completamente bem. Esquisito. Não que eu esteja reclamando. Rebel segura meu rosto em suas mãos, seus olhos frios viajando em cima de mim, tentando encontrar sinais de desconforto, apesar dos meus protestos. — Eu estou bem, eu prometo — eu digo, inclinando minha testa contra a dele. Ele deixa escapar um profundo suspiro, abraçando-me a ele. — Você está bem? — Pergunto. — Estou bem. Todo mundo está bem. — E... — Deus, eu não acho que eu posso dizer as palavras. — Meu pai? É... estávamos atrasados, não estávamos? Ele está... ele está morto? Rebel balança lentamente a cabeça, um pequeno sorriso brincando no canto dos lábios. — Não, Docinho. Nós não estávamos muito atrasados. Seu pai está vivo. Ele está muito bem. Ele está esperando lá em cima por você agora. — Ele coloca um beijo profundo, lento nos meus lábios, e minha cabeça nada. Eu estou tão aliviada. Estou em êxtase. Meu pai está vivo. Ele está vivo, e ele está esperando para me ver. Eu pensei a ressentir-se meu pai, sentir-se sufocado por ele a maior parte do tempo, mas agora eu nunca precisei dele mais.

~ 164 ~


— Eu não sei sobre você, Docinho — Rebel diz, roçando o polegar ao longo da ascensão do meu lábio inferior— Mas eu gostaria de sair daqui antes que os policiais aparecessem. O que você acha? Eu dou um sorriso fraco enquanto ele me ajuda a levantar do chão— Eu digo que eu não poderia concordar mais. Vamos dar o fora daqui.

~ 165 ~


Capítulo dezoito REBEL Ramirez está morto. Keeler ainda está sentado na varanda com sua cabeça em suas mãos quando vamos para fora. Ele nos informa que Julio disse a ele para me lembrar do acordo depois que ele saiu. Keeler para de falar. Ele balança silenciosamente para trás e para a frente, os joelhos dobrados debaixo de seu queixo, e nós o deixamos em paz. O luto é uma coisa engraçada. Você acha que a vingança irá preencher o buraco que a dor causa dentro de você, mas mais frequentemente do que a vingança só torna o buraco mais profundo. Sem fundo, em alguns casos. Alan Romera para como uma estátua quando Sophia dá passos para a varanda. Seu rosto é esculpido em mármore, com os ombros arredondados em seu corpo, quando se curva sob uma grande e insuportável fardo. Sophia explode em lágrimas no segundo que ela coloca os olhos sobre ele. — Papai? — Sussurra. — Hey, abóbora — O Doutor torce o lenço sujo mais e mais em suas mãos, parecendo muito inseguro de si mesmo. — Você... você está bem? Sophia concorda. — Eu estou. Eu sinto muito. Deus, papai, eu sinto muito. Eu vou me foder. Sophia não precisa de mim quando ela tenta explicar onde ela esteve durante os últimos seis meses. Ele vai me odiar. Ele vai me desprezar. Cade salvou sua filha, de uma forma, mas eu era o único que realmente levou-a para longe dele. Eu era o único responsável por a faze-la ficar aqui no Novo México. Há tanta culpa para ser jogado por aí, porém. Assim, muitos dedos para serem apontado. Eu estou muito cansado e desgastado no

~ 166 ~


chão para me preocupar com isso agora, então deixei Sophia contar ao pai a verdade, e eu aceito como ele vai se sentir sobre mim. No final do dia, é como Sophia sente sobre mim que importa, e eu estou esperançoso de que isso não vai mudar tão cedo. Enquanto ela fala com seu pai, eu o vejo balançando a cabeça, ele curvando-se sobre ela. Ao mesmo tempo, o doutor leva a cabeça e prende-la na sua, e ela desmorona contra ele, soluçando em silêncio. Eu quero ir até ela e levála em meus braços, para confortá-la, mas não é o meu lugar. Por mais difícil que possa ser para mim para lembrar, ela era a luz da vida de outra pessoa antes que ela fosse a luz na minha. Alan não a vê em seis meses. Ambos precisam deste tempo para curarem a ferida entre eles. Eu espero vinte minutos; como fosse uma eternidade. Eu daria a eles mais tempo ainda, mas Cade aponta as luzes vermelhas e azuis que se aproximam pela estrada distante que leva à fazenda e está na realmente na hora de ir. Todos os seis de nós correremos ao longo dos campos de volta, indo em direção as motos que deixamos escondidas lá. Alan faz barulho sobre ficar, falando com os policiais, explicando-lhes o que aconteceu. É só quando sua filha lhe diz o que isso vai fazer com o resto de nós que ele aceita. Estamos acerca de trezentos metros das motos quando o alto, som de outra explosão através das primeiras horas da manhã. Todos paramos, de bocas abertas quando a fazenda sobe em chamas. Madeira detona em todas as direções, subindo para cima no ar, e o céu noturno está vivo com fogo e fumaça. — Você definiu suas cargas — Cade disse, olhando para trás por cima do ombro para o inferno. Eu não disse nada. Apenas acenei. Tinha que ser desta maneira. Nós não podíamos permitir que os policiais encontrassem o nosso DNA com o sangue derramado no local. Eles encontrariam evidências de cada um de nós dentro daquela casa. Nós todos estaríamos fodidos. As luzes da polícia logo se misturam com o brilho quente arrematado pelo prédio em chamas, e seguem em frente. O som dos nossos motores das motos rugindo para a vida é apagado pelo barulho e o crepitar do fogo em nossa volta. Eu carrego o pai de Sophia na parte traseira da minha moto quando voltamos para o clube, e ninguém nos para. Nós viajamos através do deserto, dor em nossos ossos, cansados e exaustos, e quando as milhas passam por nós e as estrelas rodam em cima, eu faço algo que eu não tinha feito em um tempo muito longo. ~ 167 ~


Eu rezo. Agradeço aos poderes superiores do universo, quem eles possam ser, que todos nós fizemos isso hoje à noite com segurança. Eu mostro a minha eterna gratidão pelo fato de que a mulher que eu amo não estava ferida, e que ela não perdeu seu pai. Além disso, minha mente está vazia e meu coração está cheio. Sophia está segura. O clube está seguro. Isso é tudo o que realmente importa.

***

Eu sei que algo está acontecendo, logo nas portas do galpão quando vejo Danny sentado nos degraus para o clube, esperando por nós. Ele parece tão cansado quanto nós estamos, o que é preocupante, pois as coisas aqui deveriam ter sido tranquilas em comparação com o que acabou de acontecer do outro lado de Freemantle. Há sangue no chão. Sangue no chão do celeiro. Cade também viu. Ele está tenso, suas mãos agarraram em punhos em seus lados quando ele salta fora de sua moto e corre ao longo de Danny. — O que está errado? O que aconteceu? — Ele exige. Danny com rachaduras nos nós dos dedos, balança a cabeça. — Shay, — diz ele. — Shay ficou louca depois que vocês saíram. Ela disse… — Disse o que? — Cade — Ela disse que estava indo para mostrar-lhe o que você cometeu esta noite. Ela estava com tanta raiva. Ninguém poderia impedi-la. Carnie sai de sua moto e está de pé na frente de Danny agora, seus braços firmemente em torno de seu corpo. — O que ela fez, cara? O que ela fez? — Ela atirou em Fatty na porra da cabeça, do cara. Ela desceu para o celeiro, e ela...— Dread passa sobre o rosto de Danny. — Ela deixou-a sair, — ele sussurra. — Ela deixou Maria Rosa livre.

~ 168 ~


Epílogo REBEL Devemos ter matado Maria Rosa há muito tempo. Cade disse-me uma e outra vez com toda a certeza que ela iria sair do porão, com tanta certeza, e eu não dei ouvidos. Quero dizer, por que diabos eu faria? A porta de sua cela era uma polegada de espessura. Ela ficou ferida por um longo tempo. Como ela poderia escapar? Eu deveria ter sabido. Eu deveria ter visto a traição de Shay a uma milha também. Ela esteve fervendo durante meses, em silêncio e às vezes não tão silenciosamente sobre a presença de Sophia no clube. Há passos que deveriam ter sido tomadas há muito tempo, e agora um Widow Maker está morto, e uma mulher psicótica perigosa está à solta. Dois dias se passaram desde a fazenda. Eu pensei que teríamos alguns telefonemas chorosos de Seattle, onde o Doutor e Sophia dissessem a sua família estavam bem, que ambos estavam vivos e bem, mas isso não aconteceu. A mãe de Sophia está afastada em algum retiro da igreja nos confins do Alasca, então ela nem sequer sabe que Alan estava fora. Quanto a irmã de Soph, Sloane é tão arraigada em seus estudos que é normal para ela estar na faculdade na maior parte do tempo de qualquer maneira. Assim foi depois de algumas longas, discussões dolorosas, Sophia chegou a uma decisão difícil, e mais uma vez ela está fazendo sacrifícios para o clube. Eu a abraço, jogando meu braço em torno do seu ombro conosco em pé na colina em direção a casa do clube. A noite está em torno de nós, pressionando de todos os lados, sem fim e eternas. Não há nuvens, mas as estrelas parecem estar estranhamente ausentes, também. Tudo é escuridão - a estranha noite, tipo pesada. — Tem certeza de que quer fazer isso? — Eu beijo Sophia em cima de sua cabeça, segurando-a para mim. Ela está tremendo um pouco, apesar da brisa quente, que lhe provoca o cabelo, levantando fios, enviando-os girando em torno de sua cabeça.

~ 169 ~


Ela toma uma respiração profunda e, em seguida, solta-a lentamente. — Talvez, — diz ela. — Talvez não. Eu pensei que isto seria melhor por agora. Eu apenas pensei… — Você pode pegar o telefone, você sabe. Tudo que você tem a fazer é pegar o telefone e chamá-los. Ninguém no clube vai pensar mal de você por isso. Você sabe disso, certo? Ela balança a cabeça, mordendo o lábio. — Eu sei. Mas isto faz sentido de alguma forma. Eu simplesmente não posso acreditar que o meu pai concordou. Ele sempre jogou tudo pelo bíblia. Ele é um conformista. Ele nunca quebrou uma lei em sua vida. O fato de que ele está prestes a mentir para a polícia... um agente da DEA, pelo que...— Ela balança a cabeça, atordoado. — Eu nunca pensei que ele ia fazer isso. Nunca em um milhão de anos. Eu estou mais do que um pouco surpreso também, mas mais uma vez eu sei exatamente o que Alan está passando. Eu sei que não há nada que eu não faria por essa mulher, não importa o quão drástica ou complicada que pareça. Na manhã após a fazenda, Lowell veio para o clube, e desta vez ela tinha um mandado. Ela vasculhou o lugar em toda parte. Graças a Shay, não havia armas na propriedade, e nem uma colombiana histérica trancada no porão. Lowell foi embora frustrada e furiosa, prometendo descobrir exatamente o que causou a morte de Hector Ramirez, juntamente com o nosso envolvimento no transporte de ervas e cocaína. Assim que ela saiu da porta, Cade disse que precisava de alguém no interior. Alguém que poderia nos dizer o que ela estava fazendo. Quão perto ela estava ficando. E Alan Romera levantou a mão. — Vou dizer a ela que Alexis me ligou, pedindo dinheiro. Vou dizer a ela, que eu sei que ela está com você e que eu acho que ela está sendo mantida contra sua vontade. Se ela achar que estou em comunicação com a minha filha, ela vai estar em contato comigo regularmente. Eu vou alimentá-la de informações. Ela vai me dizer o que ela sabe, também, não é? Soph olha em volta para Cade e depois de volta para mim. — Se ela achar que eu estou aqui contra a minha vontade, ela vai vir atrás de você. Eu sorrio, tentando tranquilizá-la. — E talvez ela faça. Mas você acabou de dizer a verdade. Que você quer estar aqui. Ela não será capaz de desmentir isso. Nós alteraremos alguns dos detalhes relativos à forma como você chegou até aqui, talvez, mas fora isso...

~ 170 ~


Ela balança a cabeça. Ela aperta a mão de seu pai, com lágrimas nos olhos. — O que você vai dizer a Sloane? E a Mãe? — Sussurra. Sua voz é de espessura; Eu posso ouvir a dor nela. Eu posso sentir perfeitamente o quanto ela quer sua mãe e sua irmã de volta em sua vida, e isso quase me mata. Os olhos de Alan brilham também. Ele coloca um beijo superficial na cabeça de sua filha e, em seguida, aperta a mão. — Eu não posso dizer-lhes isto, abóbora. Eu não posso mentir para elas. Não se eu puder evitá-las. Então, talvez eu simplesmente não lhes diga nada. Talvez isso seja o melhor. Eu vou estar lá para elas. Eu vou cuidar delas e apoiá-las. E quando chegar a hora, podemos dizer-lhes absolutamente tudo juntos. Vai ser melhor assim. Eu posso ver em seus olhos que Sophia não acredita nisso. Ela sabe que não há outra maneira de permitir que seu pai possa ajudar, porém, o que ele está determinado a fazer. — Ok. Ok, então eu acho que é isso, então. E assim, o plano foi posto em movimento. Alan chama o DEA esta manhã e disse a Lowell que Sophia tinha contatado ele, pedindo dinheiro. Lowell mordeu a isca imediatamente. Alan teve que sair imediatamente e voltar para Seattle, onde ele tinha arranjado um encontro com Denise, que teve a vantagem adicional de forçá-la para fora do Novo México também. É temporário, é claro. Ela vai estar de volta com uma vingança. O adeus que Sophia dá ao pai dela era de partir o coração. O fato de que ele sabe que ela está viva e segura, e ele pode entrar em contato com ela quando ele quiser é de algum conforto para ela, embora. Ela parece sombria, com menos pânico do que tem tido nos últimos tempos. Raphael está morto. Hector está morto. A Justiça foi feita para o meu tio. Por Leah. Para Bron. Para a dor e sofrimento que Sophia suportou. Podemos estar andando na corda bamba com a DEA, mas o nosso futuro está parecendo muito menos incerto do que há um mês. Todos podem sentir isso. A música alta e risadas derramam das portas do clube quando Danny caminha bêbado para a noite. Ele cambaleia em direção ao celeiro, murmurando algo sobre o ar fresco. Sophia e eu pairamos fora do edifício por um momento, com os braços em torno de si, ouvindo os gritos estridentes e folia ocorrendo dentro. Eu penso sobre o saco preto que Cade ocultou sob o bar mais cedo, o saco com minha arma de tatuagem cuidadosamente embalada dentro, e a tinta preta que estou

~ 171 ~


pensando em marcá-la, na brava, maravilhosa e bonita mulher em apenas algumas horas. Ela não tem ideia do que está prestes a acontecer, é claro. Ela não tem ideia que eu estou a ponto de fazê-la beber uma nojenta garrafa de uísque e fazê-la deitar-se para mim para que eu possa fazer a tatuagem dela, fazendo-se membro pleno, um membro oficial do Widow Maker’s MC. Eu luto com o sorriso que quer espalhar pelo meu rosto enquanto ela olha para mim, de olhos arregalados e claros. — Parece que o que você está pensando não é bom, — ela me diz, enfiando as mãos por dentro da minha camiseta — O olhar no seu rosto. Está me deixando nervosa. Eu beijo a ponta do nariz, suspirando — Bem. Sabe. Você pode sempre chamar Kansas. Ela não vai, no entanto. Eu a conheço por dentro e por fora, e ela me conhece. Nós nascemos um para o outro. Nossos futuros prometem dor e sofrimento, não há dúvida sobre isso, mas a alegria e a beleza do que vamos experimentar quando nós compartilhamos nossas vidas um com o outro supera a dor. Tudo vai valer à pena. Eu posso ver isso agora, e ela também pode. Posso dizer pela forma como ela está olhando para mim. — Ainda quer se casar comigo? — Eu sussurrei em seu ouvido. Ela faz um som de suspiro suave, sutil na parte de trás de sua garganta. — Eu ainda quero casar com você, Louis James Aubertin, o terceiro. Apesar de tudo. Porque apesar de tudo, eu ainda quero ser sua esposa. — Bom. Então, vamos entrar. Eu tenho essa garrafa de uísque que eu quero que você tome.

~ 172 ~


#3 ransom callie hart pg