Issuu on Google+

Qual é a sua?

Autor: Rafael Couto Ilustrações: Rafael Couto 1


2


Qual é a sua?

Autor: Rafael Couto Ilustrações: Rafael Couto

3


4


Rafael Couto 2010

Coleção: Culturas de uma metrópole Edição: 10 Ilustração : Rafael Couto Texto: Rafael Couto Coordenação: Eric Botelho Demuro

Todos os direitos desta edição são reservados. 5


6


Dedico esta obra a todos os profissionais envolvidos para sua realização e também a minha família e amigos pelos dias de apoio dado, que foi de fundamental importância para a conclusão desta obra.

7


8


Numa noite, estávamos eu e meu pai no sofá de casa vendo fotos antigas. Vi um monte de gente e, reconhecer alguém foi quase impossível... Cada um se vestia de um jeito, com cabelos estranhos e roupas mais estranhas ainda. Foi aí que me surgiu a pergunta: quem eram essas pessoas e porque estavam vestidas daquele jeito tão estranho e engraçadas. Então meu pai me contou... O ser humano tem a tendência de ser diferente, e que os jovens costumam se juntar a outros jovens que pensam da mesma forma. Grupos que possuem um nome, por exemplo, de punks, góticos, clubbers, Skinheads, hippies e etc. Meu pai disse que essas uniões acontecem quando pessoas gostam das mesmas coisas, mesmas músicas, roupas, tinham as mesmas ideias, gostam de ir aos mesmos lugares. Achei tudo muito diferente, e ele começou a me contar quem pertencia a qual grupo.

9


10


11


Foi então que ele me mostrou uma foto do meu tio... ...Não conseguia parar de rir... Roupa engraçada, toda colorida!

A camiseta manchada de várias cores, calça com a barra super larga, quase cobria os pés dele! Sem falar do cabelo, que quase chegava à cintura! 12


Então meu pai me contou que apesar de eles terem ideias em comum eles mostravam isso de maneiras diferentes... Meu tio era de um grupo chamado de hippies, que gostavam de proteger a natureza, eram contra as guerras que estavam acontecendo naquela época, e achavam que o amor era a solução para todos os problemas do mundo, tanto que eles seguiam o lema paz e amor. Normalmente eles se reuniam em praças publicas sempre rodeados por árvores para protestar pacificamente contra as guerras, durante esses protestos faziam rodas um dando a mão pro outro e cantavam. Sempre ao som de rock misturado a vários outros tipos de musicas, que duravam bastantes, às vezes mais que vinte minutos, e que fazia eles fecharem os olhos e viajarem pra onde quisessem esquecendo assim dos problemas do mundo por alguns instantes. 13


Em um certo momento, duas fotos me chamaram a atenção: Década de 80. Minha tia era uma verdadeira gótica. Gostava de se vestir toda de preto, com botas na altura de seu joelho e casacões grandes que iam ate quase seu pé. 14


Ela passava dias trancada em seu quarto, lendo livros sobre amores impossíveis, e ouvindo músicas um pouco tristes que falavam sobre os amores descritos nos livros e também sobre a morte. Adorava ir a locais onde pudesse ver quadros e esculturas que mais lembram igrejas e cemitérios, com anjinhos e capetinhas. – sinto muito mas isso me parece vida de morcego. 15


na

de ha

ha

n ti

a ss

de

l

ao

to

fo

o ad

u

me

a,

ti

va

a or

i

ue

q

r

i sa

a

f

a

um

, mo

pr

o ot ho

l fi

s

a as

m co

c

de

ue

q

s ta

s

fe

io

r

n

ao

sa

de

á tr

co

n-

mi

a ic

da os

le

de

e

s,

o ig

am

d

o

t ui

m

as

e

, as

di

am

v

a ur

s-

go

s

a,

ma

t al

s,

ou

a tr

it a

b s a l de ma e ue u r q a e .. a v f a am i r a ta v d ar nh ca a t i o r i t da t e u i g o v e a a nã ou qu ic d s , , mú om ca al s i c a s o ôn vo s. r es a u t a i o d le nh a e s i ti e r a o ez te ic v a s nã b . mu s Às r a da . d e s b .. ma b s a da ra ch lu c ho a e a s Er os a r o m h a r o Er p

ad

16

ir

s

e nt

d

a

el


m

a nh

,

s

o rn

s

a st

nfe tu i ir o t n n as am es s e v v , e s a de e b s r m r u e o ia รงa iv cl ad e l p os m os r c i e a d a po s ad to o os a c a i t s s รกr s, ta as am v fe a s t v d e s a a f am ri fe st v o s e a l a m s e u co ss se ue e u q s r N o s m pe ze le . a u e E s i s v c l. ve e s s a a r sa a v r a o p a t P m u i rn . e .. ro a mu . d . c s er do e ra r, am v d i o v i c v a se ta t l s a o s u p go id um fe s. t o e e r ma ig s ve qu u m e i a r d or ra s la a p a o r p d e m i o o o s d ad om as l in c m ao do ia n t a s mu id ve v o a a r a r r a t it e v ro p a

Ti

e om

17


Quando meu pai falou isso, lembrei de meu irmão do meio...

18

Ele tava sempre com o cabelo caído na cara, adorava passar a maquiagem da mamãe no olho, sempre se arrumava todo e ia tirar fotos dele mesmo na frente do espelho, e a cada mês que passava chegava em casa com um brinco novo em algum lugar da cara, tinha até uma amiga dele que sempre que vinha em casa tava com uma meia toda rasgada e com um lacinho no cabelo igual ao da Minnie Nisso minha Irmã mais velha enquanto dava risadas, falou q ele era um emo, que vivia falando dos sentimentos dele. Meu próprio irmão me explicou que eram conhecidos assim por causa das músicas que ouvem falando sempre das emoções das pessoas.


19


Na curiosidade de saber mais sobre as diferentes pessoas perguntei a ~ minha Irma o que ela era... Definiu-se sendo parte do grupo dos reggueiros, por isso usava aquela pulseira com as cores amarela vermelho verde e preto, e tinha aquele cabelo todo trancado com la colorida. Ouvia sempre uma musica que comecou na Jamaica e tinha como seu maior idolo Bob Marley que cantava

20


sobre amor, paz, liberdade, mas tambem fazia criticas com o que acontecia no seu pais. E entre os brasileiros gostava muito de ouvir Gilberto Gil, que durante os anos 60 tambem cantava sobre os mesmos assuntos. Esses temas uniam as pessoas, que acabavam formando grupos, sempre unidos, em que as ideias e os sentimentos um pelo outro eram o mais importante.

21


Enquanto minha Irmã não parava de falar sobre seus ídolos da música voltei a olhar para o álbum junto de meu pai, foi quando vi uma foto com vários homens com caras sérias, cabelos raspados, botas e calças iguais a dos soldados que vejo treinando na rua todos os dias de manhã, e usavam suspensórios iguais aos de meu avô.

22


Conhecidos como skinheads, por causa de suas cabeças carecas. Começaram a se juntar no fim dos anos 60 lá na Europa, pois vira que tinham os mesmos pensamentos se importando em saber o que acontecia na política, o que nossos governantes faziam para melhorar nosso pais e como faziam isso. Às vezes não gostavam de como era feito então, do mesmo jeito que outros grupos, eles protestavam através das suas roupas e aparência e também através das músicas que até era parecida com a que os punks ouviam porém, um pouco misturadas com reggae.

23


No decorrer da noite meus pais, primos e amigos, me contaram varias histórias sobre essas pessoas, após ouvir tudo, vi que não eram pessoas tão diferentes assim, e mesmo parecendo que um grupo era bem diferente do outro, vemos que eles têm muito em comum.. Foi então que parei pra pensar, será que terei um grupo como essas pessoas tiveram? Qual será o nome dele?

24


25


Este livro foi escrito ilustrado e projetado por Rafael Couto em 2010 utilizando Indesign, Illustrator e Photoshop, Composto por Kristen ITC, Traveling _Typewriter, Ninja Naruto, Segoe Print, OCR A Std, Monotype Corsiva, balonez fantasia br, em couche 115g/cm2 com laminação fosca e impresso na Alpha Graphics.

26


27


Numa noite de reuniĂŁo familiar um garoto viaja pelas diversas culturas existentes em nossas cidades atravĂŠs de fotos de seus familiares. Dos hippies aos skinheads encontramos de maneira resumida os aspectos sociais e de comportamento comuns as pessoas integrantes dessas tribos.

28


Qual é a sua?