Page 96

— Que gentil! Mas não tenho nada que possa interessar a vocês. — Não foi isso que ouvi dizer — disse Natalie. — Entregue o livro. A garganta de Alistair ficou seca. — Como... como é que você sabe que... — As notícias se espalham depressa. Temos informantes... — disse Natalie. — Natalie — Ian cortou a irmã. — Deixe que eu falo, muito obrigado. Você segura a boneca. Ela fez uma careta, o que a deixou com uma cara um pouco menos linda. — Eu posso falar se eu quiser, Ian! Mamãe e papai disseram... — Que se dane o que eles disseram! Quem manda sou eu! Natalie parecia pronta para gritar de volta, mas engoliu a raiva. Alistair não gostou do jeito como a menina apertava a boneca, com força. Ele imaginou que a coisa devia ter um botão em algum lugar e não queria descobrir para que servia. — Vocês com certeza não querem outra guerra entre nossos clãs — disse Alistair, tentando parecer diplomático. — Basta um telefonema e consigo mobilizar ajuda de Tóquio ao Rio de Janeiro. — Nós também conseguimos. E eu li a história da família, Alistair. Da última vez em que nossos clãs brigaram, não foi muito bom pro lado de vocês, não é? — disse Ian. Alistair continuou andando, com a cabeça a mil. Um guarda estava parado junto a um posto de segurança logo à frente, a uns 20 metros. Se Alistair conseguisse fazer alguma coisa para chamar atenção... — A explosão de 1908 na Sibéria — ele disse para Ian. — Sim, aquilo foi impressionante. Mas desta vez o que está em jogo é muito maior. — Exatamente — concordou Ian. — Então entregue esse livro, velhote, antes que sejamos obrigados a machucar você. Natalie riu. — As coisas que você diz, Ian. Francamente. O irmão dela franziu a testa. — Como é? Cinco metros para o guarda, pensou Alistair. Fique calmo.

Profile for Rafaela Dal Pontte

01 - 39 clues - O labirinto dos ossos - Rick Riordanr  

01 - 39 clues - O labirinto dos ossos - Rick Riordanr  

Advertisement