Page 1

Mesão Frio: Percursos de uma identidade Residência Artística de Fotografia e Cinema Documental

Escola Superior de Música, Artes e Espetáculo Câmara Municipal de Mesão Frio

FOTOGRAFIA

”Lugares sem voz” Autora: Adriana de Melo | adrianamelophotography@gmail.com

Sinopse: “A alguns jovens pouco lhes diz... partiram e ficam amargurados com a falta de oferta. (...) Os bens materiais foram procurados noutras zonas (...) ao se deslocarem criaram a sua vida noutro sítio, noutras raízes e estas não lhes dizem nada. (...) a única raiz que fica são os familiares (...) e a partir do momento que acabam por falecer esses familiares nada os traz. Ainda há alguns que tentam preservar por uma questão de orgulho às suas raízes e conseguem recuperar algumas mas outras acabam mesmo por ficar em ruínas porque não há capacidade financeira para as recuperar.” Adalberto Sampaio (Presidente da Junta de Freguesia de Cidadelhe - Mesão Frio) Os espaços aparentemente vazios estão recheados de memórias de outros tempos, memórias estas que foram procuradas junto daqueles que os habitavam quando estes eram recheados de vida. Preenchendo o vazio com luz e som procura-se transpor a barreira temporal e refletir sobre o passado, o presente e a relação entre os dois.


Tipo de impressão: Impressão em duratrans Suporte de exibição: Retroiluminado em suporte de madeira Dimensões de impressão: 60x60cm Site: adrianamelophotography.wordpress.com

”O Cativeiro das Algemas Invisíveis” Autora: Joana Pereira | jbrastv@hotmail.com

Sinopse: O modo de habitar Mesão Frio depende quase exclusivamente da atividade vitivinícola. Referindo-se a esta forma de vida, Mário Bernardes Pereira escreveu um texto intitulado O cativeiro das algemas invisíveis. Cativeiro, sim, porque o amor ao trabalho na minha vinha nunca é retribuído ao longo de toda uma vida dedicada à terra. Tipo de impressão: Impressão Cromogénea Suporte de exibição: Montagem em PVC 3 mm Dimensões de impressão: 70x70cm

“Paisagem Vertical” Autora: Lucília Monteiro | foto.monteiro@gmail.com


Sinopse: Partindo de memórias dos moradores de Porto de Rei, esta reflexão procurará retratar o momento atual de um lugar que já foi ponto de paragem obrigatória. Os sons e imagens na vertical - orientação que define a rota quotidiana que os habitantes fazem ao subir e descer as colinas – recordarão os meios de transporte que animavam as margens e cuja velocidade, agora, apenas contrasta com a vagareza da paisagem. Suporte de exibição: Projeção de imagem e som Duração: 3'

“Locais” Autor: Milton Pacheco | mpj.corp@gmail.com


Sinopse: Os termos desertificação e abandono surgem hoje, como consequências diretas de uma contemporaneidade idilicamente cosmopolita. Nesse sentido o trabalho fotográfico documental proposto em Mesão Frio, tem como ímpeto objetivar-se a retratar a relação dos que não indiferentes às dificuldades que a região enfrenta, optam por permanecer. Locais, assume-se como uma conceção onde as afinidades indissociáveis entre – retratado e paisagem – se mesclam em ânsias, estados de espírito e memórias. Tipo de impressão: Prova cromogénea Suporte de exibição: Montagem em PVC Dimensões de impressão: 100x80cm

”Filhos da Terra” Autora: Vera Valente | veravalentephoto@gmail.com

Sinopse: Uma reflexão sobre o espaço e as pessoas. Onde o altar representa um lugar de culto, um lugar de esperança e de momentos de desespero. Rico pela sua informação visual, é o cenário para retratar algumas das últimas pessoas que nasceram no Hospital da Misericórdia. Tipo de impressão: Prova cromogénea Suporte de exibição: Montagem em moldura Dimensões de impressão: 50x70cm


”A vinha: Uma cultura POPular” Autor: Nelson Sousa | nelsonsousaphoto@gmail.com

Sinopse: Trabalho fotográfico constituído por retratos que procuram restituir a individualidade, numa amostra de pessoas de uma classe tradicionalmente vista, pelos poderes instituídos, como mera força de trabalho. As pessoas, todas pertencentes à mesma unidade produtora de vinho, foram fotografadas no seu local de trabalho mais usual, que surge nas imagens de forma vestigial, relegado para segundo plano. A disposição horizontal da composição, a cerrar o enquadramento vertical do motivo, tenta sugerir a tensão da vivência do indivíduo num território de que ele beneficia quase só como paisagem; a paisagem que ele próprio, enquanto povo, construiu. Tipo de impressão: Impressão jato de tinta de arquivo Suporte de exibição: Montagem em dibond com moldura Dimensões de impressão: 120x160cm Site: www.nelsonsousaphoto.com

”Nativos do Douro” Autor: Rafael Farias | rafafarias10@gmail.com


Sinopse: O projeto fotográfico centra-se sobretudo naqueles que tomam conta destas casas senhoriais, os caseiros e feitores de Mesão Frio. A fotografia regista um olhar atento à figura humana e ao espaço envolvente à mesma. Pretendeu-se representar, o imaginário e a sua identidade, através daquilo que existe para além do trabalho na quinta. O corpo e o tempo, a passagem entre os lugares deram a conhecer o sujeito representado na fotografia, algo que está para além do trabalho na casa e na vinha. Tipo de impressão: Impressão a jato de tinta Suporte de exibição: Montagem em PVC 3mm Dimensões de impressão: 50x75cm Site: http://www.behance.net/rafaelfarias http://rafael-farias.tumblr.com/


CINEMA ”O tempo que durar” Aline Flor | alinerflor@gmail.com Luís Pedro Carvalho | luispedrocarvalho@gmail.com

Sinopse: Últimos resistentes de uma geração que não se irá renovar, os caseiros mantêm em algumas quintas de Mesão Frio o seu dia a dia rotineiro, dedicando as suas vidas a zelar pela propriedade dos patrões. Resignados com o abandono da outrora rica região, estes trabalhadores tradicionais do Douro têm que ultrapassar o vazio deixado pelo número cada vez menor de pessoas ao seu cuidado. A terra, onde os casais de caseiros vivem isolados da vida urbana e longe das respetivas famílias, torna-se o núcleo onde marido e mulher têm que aprender a viver com a solidão. Duração: 18' Realização: Luís Pedro Carvalho Produção: Aline Flor Direção de Fotografia: António Abreu Som: Tiago Resende Gaffer: Rafael Farias Com: Ernestina Vieira, Gabriel Oliveira, Rogério Jacinto e Maria do Carmo Duarte Site: www.facebook.com/otempoquedurar

”Realidade sim. Realidade não. A que estiver” Diogo Nóbrega | diogonobrega__@hotmail.com


Sinopse: Talvez não seja preciso morrer para se estar morto. Com o tempo tudo deixa de ser. Consequente, funcional. Sem propósito, sem utilidade. Sobrevém um Lar da Terceira Idade. Ou sucessão de corpos. Abandonados, esquecidos, mas de pé, numa dignidade silenciosa. Pouco ou nada passa por eles. Mas eles ainda estão cá. Este filme não trata de compor epitáfios. «Loas à mãe-defunta». Mas de dizer que há vida. Que a morte lhe confere sentido. Promove uma ideia, talvez poética, de impermanência. Procura vestígios, fantasmas, restos de humanidade. O que estiver. Fixa o espaço, a essência da finitude da experiência. A sua “música”. O que é sonoro é o esquecimento. O novo-mundo que se gera «na casca do velho mundo» é muito velho, é sem tempo histórico. É uma sobrevivência modelar. Duração: 25' Produção e Realização: Diogo Nóbrega Direção de Fotografia: Ismael Afonso Som: Pedro Firmiano

”Registo. Particípio Passado”

Sinopse: Os dias parecem copiar-se entre si. As aldeias estão vazias, desertas e esquecidas. Chegamos a Mesão Frio para recuperar as memórias e um passado populado de recordações, registando a paisagem e as conversas que fomos tendo com as pessoas de cá. Duração: 20' Realização: Rafaela Morgado, Sara Azad, Sérgio Miguel Silva Produção: Rafaela Morgado Direção de Fotografia: Sérgio Miguel Silva Som: Sara Azad Fotógrafos: Adriana de Melo, Milton Pacheco Música: Bruno Ferreira Com: Adalberto Sampaio, Adriana Rodrigues, Amélia Gondar do Vale, Maria José Regadas, Adriana de Melo, Milton Pacheco Site: www.facebook.com/Registo.ParticipioPassado


Mesão Frio - Percursos de uma Identidade (sinopses)  

Mesão Frio - Percursos de uma Identidade Sinopses

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you