Page 1

02 DE OUTUBRO DE 2019 | 2ª EDIÇÃO

J URNAL CLUB SERVIÇO DE RADIOLOGIA E DIAGNÓSTICO POR IMAGEM DA SANTA CASA DE SÃO PAULO

ESPAÇO SANTA NEWS

23o Curso Prof. Dr. Feres Secaf Promovido anualmente pela SPR, o Curso de Atualização em Imagem da SPR (Prof. Dr. Feres Secaf) proporciona a revisão, discussão, atualização de temas práticos e comuns à rotina diária do Diagnóstico por Imagem. Os temas selecionados são tradicionalmente abordados por profissionais de reconhecida experiência em suas respectivas áreas. Este ano, o Curso contou com a participação de muitos dos Assistentes de nossa Instituição, que ministraram aulas brilhantes, contribuindo para enriquecer ainda mais o Curso já tão consagrado da Sociedade Paulista. O Journal Club gostaria de parabenizar a todos por compartilhar seus conhecimentos e experiências!

Neurorradiologia

Dr. Antônio José da Rocha O Espectro de Doenças Desmielinizantes no Paciente Pediátrico Lesões do Trato Corticospinal Onde Está o Tumor? Lesões Tumorais e Pseudotumorais Supratentoriais Dr. Antonio Carlos Martins Maia Júnior Neoplasias do Sistema Nervoso Central: Achados Preditores de Prognóstico Doenças Inflamatórias Infecciosas, 3 dicas Dr. Felipe Torres Pacheco Leucodistrofias: Cistos no Pólo Temporal Onde Está o Tumor? Lesões Tumorais e Pseudotumorais Infratentoriais Dr. Diego Cardoso Fragoso Leucodistrofias: Lesões com Restrição à Difusão Dr. Renato Hoffmann Nunes Desordens do Eixo HipotálamoHipofisário na Infância Malformações no Tronco Encefálico

Cabeça e pescoço

Dr. Henrique Bortot Zuppani Base do Crânio – Anterior e Central Dr. Diego Cardoso Fragoso Cabeça e Pescoço em Pediatria

Músculo

Dr. Guinel Hernandez Filho Dicas na Avaliação dos Meniscos Dr. Rafael Baches Jorge Pseudotumores na Radiologia Musculoesquelética

Tórax

Dra. Helena Alves Costa Pereira Padrão Nodular Dr. Alexandre Marchini Silva Enfisema e Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica

Abdome

Dr. Fábio Lewin Colangiopatias

1


J URNAL CLUB

SETEMBRO DE 2019 | 2ª EDIÇÃO

Encontro de Residentes e Aperfeiçoandos da SPR 2019 e Concurso SPR-AIRP Neste ano a Santa Casa de São Paulo destacou-se mais uma vez no Prêmios do Encontro de Residentes e Aperfeiçoandos, realizado no dia 29 de agosto, e Concurso SPR-AIRP, cuja final foi no dia 01 de setembro, ambos celebrados durante o 23º Curso de Atualização em Imagem da SPR (Prof. Dr. Feres Secaf) . O Journal Club parabeniza ambos pelo excelente desempenho. A Dra Ana Paula Alves Fonseca , do segundo ano de Aperfeiçoamento em Neuroradiologia (R5), conquistou o terceiro lugar com o caso Sturge Weber e Esclerose Tuberosa .

Caso 1

Dr Angelo Chelotti Duarte, residente do segundo ano em Radiologia e Diagnóstico por Imagem (R2), foi premiado em terceiro lugar com o caso Carcinoma Metaplásico na Mama Masculina, publicado no Caderno 2 do Jornal da Imagem

Abdome

Autora: Fernanda Gonçalves (R3)

História clínica Masculino, 5 anos, natural e procedente de São Paulo. Há 9 dias iniciou quadro de aumento do volume abdominal, fezes amolecidas, vômitos e hiporexia, associado a perda ponderal de 3 kilos. Procurou o Pronto Socorro Infantil devido à piora do quadro há 2 dias, com parada da evacuação. Negava febre ou outros sintomas. Ao exame físico de entrada foi evidenciado abdome distendido e doloroso a palpação, sendo solicitada inicialmente tomografia de abdome total. A: TC com contraste axial: espessamento da gordura mesentérica e da parede das alças intestinais, associado a ingurgitamento dos vasos. B: TC com contraste coronal: volumosa lesão sólida mal delimitada localizada no abdome superior, estendendose desde o diafragma, mantendo íntimo contato com o estômago, pâncreas, hilo hepático, aorta e veia cava inferior até a emergência dos vasos mesentéricos superiores, apresentando moderado realce heterogêneo pelo meio de contraste iodado. Nota-se ainda envolvimento das estruturas vasculares, com afilamento da veia porta (seta). C: TC com contraste axial: Lesão hepática no segmento II com realce heterogêneo. Espessamento peritoneal difuso, por vezes de aspecto nodular. D: TC sem contraste axial: Lesão nodular no terço médio do córtex renal direito, hiperatenuante e com realce pelo meio de contraste.

A

B

D C

2


J URNAL CLUB

SETEMBRO DE 2019 | 2ª EDIÇÃO

Caso 2

Músculo esquelético Autora: Ayla Tiemi Yamamoto Mota (R2)

História clínica Masculino, 49 anos, com antecedente de alcoolismo. Refere aparecimento de múltiplas nodulações indolores nas regiões cervical, torácica anterior, pré-auricular e membros superiores há 6 anos, que apresentaram crescimento progressivo. Ao exame físico, apresentavam-se como massas móveis e de consistência amolecida. Nega outras queixas. Imagem de RM ponderada em T1 sem saturação de gordura nos planos coronal (A) e axial (B): Volumosas lesões expansivas de natureza lipomatosa, bilaterais, simétricas e não encapsuladas nos planos superficiais e profundos das regiões cervical e torácica. C: Imagem de RM ponderada em T2/ STIR no plano axial: As volumosas lesões acompanham o sinal da gordura, caracterizada por queda do sinal na sequência com supressão de gordura.

Caso 3

B

A

C

Tórax Autores: Luiz Pedro Mendes dos Santos (R1)

História clínica

A

B

Masculino, 33 anos, diagnosticado com HIV na internação, com piora da dispneia há 1 dia, perda ponderal, febre e sudorese. Foi diagnosticado com Pneumocistose e evoluiu com e n fisema sub cutâneo, pneumomediastino e pneumotórax por barotrauma. A: Raio-X em AP: Opacidades intersticioalveolares difusas bilateralmente B: TC coronal: Opacidades em vidro fosco, associado a espessamento septal liso, por vezes determinando padrão de pavimentação em mosaico. Enfisema nos planos muculoadiposos na região cervical e parede torácica bilateral associado a pneumomediastino. C: Raio-X em AP: Pneumotórax à esquerda com colapso quase total do pulmão. D: TC axial: Enfisema intersticial pulmonar.

C D

3


SETEMBRO DE 2019 | 2ª EDIÇÃO

Caso 1

J URNAL CLUB

Linfoma de Burkitt

Discussão O linfoma não-Hodgkin (LNH) é a terceira malignidade mais comum nas crianças menores de 15 anos. Quando há comprometimento do mesentério e do omento, o LNH é o tipo mais prevalente, sendo o Linfoma de Burkitt (LB) o subtipo mais comum. O LB tem acometimento predominante extranodal, sendo mais comum no íleo terminal e na região ileocecal, caracterizado sobretudo pela presença de lesão sólida ou espessamento parietal das alças. Acometimento extra-intestinal é comum, ocorrendo em 70% dos pacientes com doença disseminada, caracterizado por linfadenomegalia mesentérica e/ou retroperitoneal, podendo formar grandes massas, que por vezes determinam envolvimento dos vasos mesentéricos. Ascite e acometimento peritoneal são relatados em 63% e 42% dos casos, podendo haver espessamento nodular do peritônio. Ademais, lesões renais, hepáticas e esplênicas podem estar associadas. As lesões apresentam alta atividade glicolítica. Dessa forma, o estudo metabólico (PET/CT - FDG) é indicado para o estadiamento e também para o acompanhamento desses pacientes. A quimioterapia é a principal forma de tratamento com taxas de sobrevida superior a 90% em 5 anos nas crianças com doença localizada e entre 75-89% em 2 anos nas crianças com doença disseminada. Referências: 1. Biko at al. Childhood Burkitt Lymphoma: Abdominal and Pelvic Imaging Findings. American Journal Radiology:192, May 2009 2. Lewis et al. Gastrointestinal Lymphoma: Radiologic and Pathologic Findings. RadioGraphics 2014; 34:1934–1953 3. Chung et al. Solid Tumors of the Peritoneum, Omentum, and Mesentery in Children: RadiologicPathologic Correlation. RadioGraphics 2015; 35:521–546

4


SETEMBRO DE 2019 | 2ª EDIÇÃO

Caso 2

J URNAL CLUB

Síndrome de Madelung

Discussão Síndrome de Madelung, também denominada lipomatose simétrica benigna, é uma doença rara caracterizada por depósito simétrico e indolor de tecido adiposo nas regiões cervical, torácica, abdominal e membros superiores. Embora a etiologia seja desconhecida, usualmente está associada ao consumo excessivo de álcool. É mais prevalente em homens (relação de 15 homens:1 mulher) entre 30 e 60 anos. Os exames de imagem (USG, TC e RM) demonstram múltiplas áreas nodulares de gordura nas regiões acima mencionadas. O papel do radiologista é o de ajudar no planejamento cirúrgico, detalhando a extensão e a distribuição do acometimento, sobretudo referente às repercussões sobre as estruturas neurovasculares, a traqueia e também o esôfago. O manejo clínico é a abstinência alcoólica, porém não causa regressão total dos depósitos de gordura. Assim, o tratamento cirúrgico com lipectomia ou lipossucção pode ser considerado em pacientes com queixas estéticas, disfagia ou dispneia. Referências: Mark S. Landis, et al. Case 143: Madelung Disease. Radiology: Volume 250: Number 3 – March 2009. Hyun Jung Kang, et al. Imaging features of Madelung’s disease: Case report. iMRI 2015; 19:122 – 126 Maximiano, Linda Ferreira et al. “Madelung disease (multiple symmetric lipomatosis).” Autopsy & case reports vol. 8,3 e2018030. 30 Jul. 2018, doi:10.4322/acr.2018.030

1. 2. 3.

Caso 3

Pneumocistose Complicada

Discussão A Pneumocistose é uma infecção pulmonar atípica pelo fungo Pneumocystis jirovecii, transmitido pelo ar, sendo a oportunista pulmonar mais comum em pacientes com a síndrome da imunodeficiência adquirida (SIDA), associada a contagens de CD4<200 células/mm³. A resposta inflamatória causará o dano pulmonar e por vezes barotrauma espontâneo pela fuga de ar de lesões císticas (pneumatoceles) decorrentes da ação de proteases, necrose dos vasos ou da distensão alveolar, sendo diagnóstico diferencial com barotrauma por ventilação mecânica, como no breve caso acima. O diagnóstico é feito pela associação do quadro clínico como febre, tosse e dispneia, fatores de risco presentes como o HIV, achados radiográficos e laboratoriais. O diagnóstico definitivo se dá pela detecção da PCR ou identificação no exame microscópico. Ao estudo por imagem, na radiografia observa-se infiltrado intersticial bilateral difuso, predominantemente peri-hilar, pneumatoceles e blebs subpleurais. Os achados tomográficos incluem o padrão em vidro fosco nas áreas centrais e peri-hilares, opacidades reticulares, pneutamoceles. Complicações como o enfisema subcutâneo, pneumotórax e pneumomediastino podem ser observadas, e a ausência de pneumatocele com presença de enfisema pulmonar intersticial sugerem a etiologia relacionada à ventilação mecânica. Diagnósticos diferenciais incluem infecção pelo CMV, Tuberculose, Aspergilose angioinvasiva, Sarcoidose e Histiocitose de células de Langerhans. O tratamento consiste na antibioticoterapia na associação sulfametoxazol-trimetoprim e as complicações por barotrauma são tratadas através da drenagem específica. 1. 2. 3.

Referências Truong J, Ashurst JV. Pneumocystis (Carinii) Jiroveci Pneumonia. [Updated 2019 Feb 22]. In: StatPearls [Internet]. Treasure Island (FL): StatPearls Publishing; 2019 Jan-. Block BL, Mehta T, Ortiz GM, et al. Unusual Radiographic Presentation of Pneumocystis Pneumonia in a Patient with AIDS. Case Rep Infect Dis. 2017;2017:3183525. doi:10.1155/2017/3183525 Sokulska M, Kicia M, Wesołowska M, Hendrich AB. Pneumocystis jirovecii--from a commensal to pathogen: clinical and diagnostic review. Parasitol Res. 2015;114(10):3577–3585. doi:10.1007/s00436-015 -4678-6 5

Profile for Radiologia Santa Casa SP

Journal 2ªEd.  

Journal 2ªEd.  

Advertisement