Issuu on Google+

Depois das Flores de Maricรก

Rafael Grassi


ร‰ na escuta que o amor comeรงa. Rubem Alves


Agradecimentos Aos versos que vagam entre um pôr do sol e outro e que sem saber por que nos encontramos. Em especial ao amigo e jornalista Jeferson Haas, meu coach, que me acompanhou por estes versos com muita competência, atenção e carinho. Como o beija-flor acompanha a flor, ela o dia e a noite e, ambos, a próxima estação.


Dedicatória À pessoa romântica que foi o meu avô, que a cada aniversário de minha avó, presenteava-a com um simples e mágico buquê de flor de maricá. À minha linda e mágica avó, que ainda hoje recebe de mim flores de maricá.


Dos teus olhos, S처 n찾o fiz o poema mais lindo, Porque n찾o existe O poema mais lindo.


O vento nĂŁo passa e nem chega, Ele apenas estĂĄ.


Levas no olhar e no sorriso um verso que nunca serรก escrito.


N達o quero o seu verso apenas, e sim toda a sua poesia.


Logo a chuva vem para se perder. Num primeiro momento, atinge o invisĂ­vel e, nele/por ele, escreve o seu Ăşnico verso.


O amanhĂŁ ainda estĂĄ camuflado em um jardim de flores.


Sol envergonhado n達o beija, flores.


Sobre aromatizar: N達o importa a hora que chega a flor, Uma vez no jardim, seu perfume levanta voo e plana. Depois de tanto planar, Ainda plana.


Tenho dentro de mim um pouco de flor.


De tudo o que escutei, apaixonei-me pela noite. Ela ĂŠ mais que ela mesma, ĂŠ um estado de bem-me-quer.


Linda como um beijo revelado.


T達o ocupada quanto as flores que se ocupam da primavera?


És um doce verso que plana o dia inteiro.


Como poderia eu “tentar” descrever a Ela os versos Nela já existentes?


Enfeitas o mar com um doce sorriso, Tocas a onda como quem toca os lĂĄbios. Olhar! NĂ­tido como flor de girassol, Tua flor! Pra ti, Por ti, Em ti.


As laranjeiras d達o laranjas, e as AMOReiras?


Em teus cabelos, Minhas m達os navegam como uma nau.


Na meia luz das estrelas, Fiz o cĂŠu ninar.


Quero me perder nos seus olhares de jardins.


Vendo-te assim, como nunca te vi, ĂŠ como ver uma flor com olhos de beija-flor.


Os brincos são lindos, O colar também. O chapéu traz a tua identidade de flor... Já você por inteira, tem detalhes que só podem ser desvendados entre um pôr-do-sol... E outro.


Apรณs minha rega da manhรฃ: Lรก fora, Molhada, A flor da laranjeira, Com seus pingos e seus sonhos.


Ontem Ă  noite vi a lua, e nela um poema, Falava sobre o teu sorriso, Teus sonhos, E a tua primavera.


Ao te ver, Prendo-me ao estar apreciando uma flor.


Teu sorriso tem uma mĂ­stica poĂŠtica, querendo em todos os momentos, dizer-me mais que o sorriso.


Lua, Minha lua, Na mรกgica e escura noite. Camuflada sobre nuvens que nunca vi, e que sempre senti, Como o beijo doce, Dos lรกbios com gosto de flores e sonhos que nunca mais provei.


Traz nos lĂĄbios o contorno de uma Ăşnica flor.


Madrugada dela. Rosto de anjo, Sorriso que brilha, Fala noturna, M達os de estrelas, Enquanto aguardo o sol nascer.


Vivo um poema de interrogação: Ah, flores do outono.


Leve como um beijo de brisa na doรงura da flor.


Chega a noite, A chuva, A poesia.


A flor de teu sorriso persevera em primaverar.


A seriedade tem uma relação mágica com as flores. Toda flor é séria, porque ela tem o tempo certo para sentir a brisa, encantar-se, apreciar, ser apreciada e sorrir.


Flor, perfume, Lábios, desenhos. Você, meu poema.


Minhas vontades s達o primaveras.


Pensei que querias o céu também, e não só o pôr-do-sol.


Linda como nuvens que vagam num sopro de amor.


Vou olhar no outono de teus olhos bem de perto, e quando nos aproximarmos, mergulharei neles.


Seu sorriso fará muito bem às flores.


A noite Ê este espaço de tempo que permite ao sol ir sonhar.


A flor de maricá é um gesto que se apresenta sem pedir licença.


Depois das flores de maricá