Issuu on Google+

ANO 2 - Nº 7

ANO 2 - Nº 7

Os melhores hotéis e destinos

Cassel, Godard e Le Corbusier: os artistas que encantam o Brasil

CAPA_ed7_certa.indd 1

CARLA BRUNI A beleza e ousadia da primeira-dama

26/11/2009 11:34:39


Ed. Excellence Klabin ChĂĄcara Klabin / SĂŁo Paulo

Ed. Splendor - Reserva do Horto Horto Florestal / Salvador

Wish Panamby Panamby / SĂŁo Paulo

2%#)&% 3°/0!5,/ 3!,6!$/2 2)/$%*!.%)2/sWWWQUEIROZGALVAOCOMBRINCORPORACAO

editorial e expediente revista 7.indd 2

26/11/2009 11:36:08


y o

Ed. Maria Ă‚ngela Lucena Boa Viagem / Recife

Ed. Maria Karla Pina / Recife

Ed. Luiz Dias Lins Boa Viagem / Recife

Ed. Dona Sylvia Boa Viagem / Recife

INVESTIR EM IMĂ“VEIS É A MELHOR OPĂ‡ĂƒO. INVESTIR NA SOLIDEZ E CREDIBILIDADE DA QUEIROZ GALVĂƒO É A SUA SEGURANÇA. Comprar um Queiroz GalvĂŁo ĂŠ optar por um investimento que vai trazer tranquilidade e segurança para vocĂŞ e sua famĂ­lia. Quem adquire um Queiroz GalvĂŁo tem a certeza de ter investido num produto de crescente valorização, com a garantia de um grupo com mais de 55 anos de solidez e credibilidade.

0ARAMORAR0ARAVIVER

editorial e expediente revista 7.indd 3

26/11/2009 11:36:09


Anuncio atelieoral.indd Sec1:2-Sec1:3 Anuncio_atelieoral.indd pag_04_a_05.indd 2

4/12/2009 11:49:11


pag_04_a_05.indd 3

3/12/2009 17:55:06 4/12/2009 11:49:12


Expediente QUEIROZ GALVÃO Diretor-presidente: Diretores: Superintendentes:

Frederico Pereira Arno Stupp e Henrique Suassuna Carlos Coimbra, Carol Boxwell, Fernando Moreno,Múcio Souto, Pierre Prelorentzou, Ricardo Gusmão

EDITORA

JB Pátria Editora Ltda.

Presidente: Diretor: Administrativo / Financeiro: Comercial: Assistente comercial: Jornalista:

Jaime Benutte Iberê Benutte Gabriela S. Nascimento Walter Torres Bete Costa Stephane Kalline Kelly Souza

PREMIUM MAGAZINE Publisher: Conselho editorial:

Edição: Editora: Direção de arte:

Colaboradores:

Jaime Benutte Carol Boxwell, Carol Neves, Christiana Guimarães, Cintia Carneiro e Germana Monte Trilogia Comunicação e Arte Ltda. Mauro Malin, MTB 14887-67 Juliana Bianchi Belatrix Ltda. Marcelo Paton - Diretor de arte Gabriel de Moraes Luiz, Vivian Balardin e Vanessa Hamazaki- Assistentes de arte

Alexandre Staut, Gilberto Martins, Luan Silva, Mariane Morisawa Gráfica Santa Marta

Impressão:

Empresa filiada à Associação Nacional dos Editores de Publicações, Anatec.

A Revista PREMIUM QUEIROZ GALVÃO é uma publicação trimestral da JB Pátria Editora Ltda., localizada na R. Flórida, 1703, 11o andar, Brooklin. CEP 04565-001, São Paulo – SP. Tel.: (11) 5505 6065. www.patriaeditora.com.br FALE CONOSCO:

Queremos fazer uma revista cada vez melhor para você. Mande seus comentários, sugestões e críticas pelo e.mail revistapremium@queirozgalvaoincorporacao.com.br Os textos assinados são responsabilidade dos seus autores, que não estão autorizados a falar pela revista.

06

editorial e expediente revista 7.indd 6

26/11/2009 11:36:44


AF_AN_Cofre_1PgRevista_QueirozGalvao_20,5x27,5cm.ai 27/10/2009 17:33:09

Na Norvidro, você encontra qualidade do acabamento à segurança. Maior distribuidora do Norte/Nordeste e com o estoque mais completo da Região, a Norvidro garante precisão micrométrica ao seu projeto e vidros com uma alta resistência. Pernambuco: (81) 3376.4424 São Paulo: (11) 5021.4000

editorial e expediente revista 7.indd 7

26/11/2009 11:36:45


Editorial

QUEIROZ GALVÃO

Se a influência portuguesa no Brasil ocorreu sob a égide da colonização, necessariamente imposta, a presença da França em diferentes aspectos do cotidiano do país foi ganhando força ao longo dos anos de forma gradual. Vindo, muitas vezes, com grande carga de valor, referências francesas se fizeram presentes em nossa língua, arquitetura, paisagismo, cultura e gastronomia. Ao longo de 2009, o país de Luís XIV se fez mais presente do que nunca em território nacional, graças às inúmeras atividades do Ano da França no Brasil. Para celebrar esse intercâmbio, preparamos uma edição especial, com matérias que explicitam a estreita ligação entre esses dois universos. Em primeiro lugar, a história da primeira-dama francesa, Carla Bruni, que vem encantando o mundo com sua beleza e delicadeza, e cujo pai biológico, Maurizio Remmet, adotou o Brasil como residência há mais de 30 anos. Outro que vem estreitando seus laços conosco é o ator Vincent Cassel, que estrela um dos filmes mais comentados durante o último Festival de Cinema de Cannes, À Deriva. Se Cassel ajuda o cinema nacional a ganhar projeção lá fora, aqui dentro artistas de diversas áreas valem-se da criatividade de grandes nomes franceses, como o cineasta Jean-Luc Godard, os arquitetos Le Corbusier e Grandjean de Montigny, e o paisagista André Le Nôtre, que influenciaram inúmeros projetos no Brasil. E, como saber aproveitar a vida também é uma arte amplamente difundida entre os franceses, incluímos um roteiro dos melhores spas da França, assim como alguns destinos, lá e cá, onde é possível relaxar. Um tour pela gastronomia francesa, que tanto já ganhou temperos locais, completa a viagem intercultural que preparamos com tanto carinho. Espero que aproveitem. À bientôt.

Frederico Pereira Diretor-executivo

08

editorial e expediente revista 7.indd 8

26/11/2009 11:36:45


A busca pelo seu Queiroz Galv達o acabou.

Encurtamos o caminho para o seu Queiroz Galv達o.

2122.9393 - 3429.5993 www.jairorochaimoveis.com.br

editorial e expediente revista 7.indd 9

26/11/2009 11:36:46


Sumário Edição 07 DEZEMBRO DE 2009

28 CARLA BRUNI Bela e inteligente, a primeira-dama francesa vem atraindo tanto a atenção do público quanto o próprio presidente

12 Spot Objetos de Desejo Uma seleção dos objetos mais transados do momento para deixar sua casa ainda mais bonita e agradável

20 Decoração Arquitetura de interiores Jardins verticais, hortas em vasos e nichos de plantas ajudam a trazer o clima do campo para dentro de casa 24 Decoração Paisagismo Um dos jardins mais admirados do mundo, Versalhes serve de inspiração para diversas áreas verdes no Brasil

36 Destino Nacional Capa: Carla Bruni Foto: Claude Gassian / Getty Images

As belezas da Chapada Diamantina, antiga sede do vice-consulado da França no Brasil no período das grandes minerações

10

sumario.indd 2

26/11/2009 11:39:28


16 PERFIL

40 DESTINO INTERNACIONAL

Com trabalhos no Brasil, o ator Vincent Cassel ajuda a atrair os holofotes internacionais para o cinema brasileiro

A magia de Saint-Paul-de-Vence, no Sul da França, convida a uma viagem no tempo por vias ruelas muradas

44 Destino Internacional

68 Do Bem

Um roteiro de lugares imperdíveis em Paris

Conheça o projeto social que levou música e cidadania à comunidade do Coque, em Recife

48 Gourmet Chefs, receitas e ingredientes franceses que mudaram a história da gastronomia brasileira

52 Viver Bem Alguns dos melhores spas da França para relaxar com o estilo

72 Art Cultura Uma retrospectiva da carreira do cineasta Jean-Luc Godard, um dos criadores da Nouvelle Vague 76 Art Arquitetura

56 Especial Arquitetura As linhas e traçados franceses que serviram de inspiração a edifícios brasileiros

A história de Le Corbusier, o arquiteto que marcou época e influenciou Oscar Niemeyer e Lúcio Costa

62 Queiroz Galvão

82 Habitar Crônica

Verdadeiras jóias imobiliárias, os empreendimentos da Queiroz Galvão em São Paulo e no Recife estão prontos para serem garimpados

As lembranças e sutilezas de um cotidiano único que só a capital da França nos traz 11

sumario.indd 3

26/11/2009 11:39:29


Spot

Fotos: divulgação

Escultura com arames e base de cedro, R$ 1.390, a peça de 40 cm

Escultura de solitário feita com arame de alumínio, R$ 139, a peça de 30 cm

Beleza provocativa Para quem não tem muita paciência para regar e cuidar de plantas, mas não abre mão de ter um enfeite que faça referência à natureza, as esculturas de árvores de Alexandre Stefani caem como uma luva. Feitas com arame de alumínio, sobre tronco de árvore, as obras de arte são também um apoio à preservação ambiental. “Ao recriar uma árvore com produtos industriais, achei uma forma de ‘devolver’ à natureza o material que dela é retirado, e ao mesmo tempo, fazer uma crítica à não preservação, já que transformei parte da natureza em uma peça industrial que remete à própria natureza”, explica o artista, que utiliza resíduos florestais e madeira de reaproveitamento para compor suas peças. Produzidas artesanalmente em diferentes tamanhos, as árvores são uma demonstração de que é possível unir modernidade e preservação. “É uma peça contemporânea, pensada para o ambiente urbano em que vivemos”, diz Stefani, que chega a levar até 15 dias para produzir uma escultura. À venda na Reserva Pessoal, em São Paulo.

Escultura com arames e base de tronco de árvore, R$ 1.980, a peça de 50 cm

12

spot3r.indd 2

7/12/2009 12:12:42


Acabamento de primeira Contar com a ajuda de vasos é uma das maneiras mais simples e práticas de trazer a natureza para dentro de casa. Mas o cuidado que se tem na hora de escolher as plantas deve ser replicado quando chega o momento de dar um acabamento de classe à base. Com diferentes tipos e tamanhos de cachepôs, a loja Jardinaria, no Recife, oferece alternativas variadas para combinar com cada tipo de decoração. Entre os mais pedidos estão o de vidro, com 40 cm x 40 cm (R$ 368) e o de pínus, que pode servir ainda como uma charmosa mesa de centro (R$ 85). Se a ideia for resolver toda a questão em um só lugar, a loja também conta com plantas escolhidas a dedo, como a Lança-deSão-Jorge (R$ 65) e a orquídea chuva-de-ouro (R$ 196).

Balde tér térmico

Pente na cozinha

Com grande ut utilidade para quem gosta de vinho, os climaMevolution prometem deixar sua bebida na tizadores da M temperatura ideal da primeira à última taça, sem precisar usar água nem gelo. O modelo com bateria recarregável (na foto, por R$ 549) tem baixo consumo de energia e dispensa a necessidade de tomadas por perto na hora de servir. Com design moderno e display digital, pode ser encontrado nas cores preta ou prata na loja Mevolution. www.mevolution.com.br

Ele pode parecer apenas um objeto decorativo. Mas não se engane. Feito manualmente, o escorredor de pratos Pente, do designer Eduardo Borém, leva criatividade à cozinha. Feito com mais de 25 pentes plásticos, o utensílio permite que as louças sejam encaixadas com segurança entre os dentes dos pentes unidos para dar mais rigidez à peça. Eleito pelo público como o terceiro melhor projeto apresentado na II Bienal Brasileira de Design, em 2008, o objeto está à venda pelo telefone (61) 3039-3175. Preço sob consulta.

13

spot3r.indd 3

26/11/2009 11:41:13


Spot

Natureza viva O abajur Okwen, da marca francesa Bleu Nature, é um dos objetos exclusivos da coleção de luminárias do designer Frank Lefebvre. Elaboradas de acordo com as estações do ano, quando diferentes matérias-primas naturais podem ser encontradas, as peças desenvolvidas por Lefebvre são confeccionadas uma a uma por uma sociedade de artesãos que dá vida às criações feitas com galhos que se desprendem naturalmente das árvores, madeira petrificada e pedras encontradas pelo caminho. À venda na Puntoluce, em São Paulo. Preço sob consulta.

Pedra falsa

Avião reciclado O alumínio usado para a fabricação de aviões serviu como ponto de partida para a nova coleção de mobiliário do designer Sergio Fahrer, da qual faz parte a mesa de centro Lola. Baseada em um estudo inédito de engenharia, que garantiu sua firmeza mesmo tendo apenas quatro milímetros de espessura em sua base, a peça ainda conta com tampo em recouro – couro natural reprocessado, utilizado normalmente em calçados –, que a torna mais resistente e difícil de riscar. As criações do premiado designer, que já conta com pontos de venda em Nova York, Londres e Paris, podem ser adquiridas no Brasil nas lojas Brentwood, Dpot e Firma Casa. Preço: R$ 3.975.

Acostumado a trabalhar com materiais ecológicos, como a fibra de bananeira, o artista plástico mineiro Domingos Tótora, une, mais uma vez, design e preservação ambiental com a mesa de centro Água. Composta em sua base por três esculturas em formato de pedra – feitas com papel, cola e sacos de cimento reciclado –, que equilibram um tampo peça ganhou p de vidro, a p ç g status de objeto de arte ao vencer o 1º Prêmio Craft Design. A peça está à venda na loja Duilio Sartori, no RIo de Janeiro, com preço sob consulta.

14

spot3r.indd 4

26/11/2009 11:41:16


V I L L A

M O N T E V E R D E

Um ótimo bairro como o Panamby, uma excelente localização como o Villa Monteverde.

4 suítes, 256 a 305m

2

de área privativa.

OBRAS INICIADAS

Vista do 4º andar da torre Merano

Concepções artísticas - Torre Turin

VISITE NOVO DECORADO MONTADO NA TORRE.

Cinema

Piscina

Salão de Jogos Adultos

Fitness

Mais de 9.300m 2 de terreno. SEU APARTAMENTO PRONTO EM JUNHO/2010 COM ATÉ 360 MESES PARA PAGAR.*

Informações: (11)

3755-0509

www.notabilevm.com.br

Rua Prof. Benedito Montenegro, 1.290 - Villa Monteverde - Panamby - São Paulo. Vendas:

Financiamento:

Incorporação e Construção:

Incorporadora Responsável: Queiroz Galvão Desenvolvimento Imobiliário S/A - Av. Brigadeiro Faria Lima, 3.015 - 12º Andar - CEP: 01452-000 - São Paulo/SP. Memorial de Incorporação registrado no R.01 da Matrícula nº 188.007 do 15º Ofício do Registro Geral de Imóveis da cidade de São Paulo, em 29/06/2007. Central de atendimento: Fernandez Mera Negócios Imobiliários - Av. Brigadeiro Luís Antonio, 4910 - Jardim Paulista - São Paulo - SP - Tel.: (11) 3066-1000 - www.fernandezmera.com.br - Creci 5.425-J. Central de Atendimento Abyara Brokers: Av. República do Líbano, 1.110 – São Paulo – Tel.: (11) 3888-9200 - www.abyarabr.com.br – diariamente até as 21h. Creci 20.363-J. *Sujeito a aprovação de crédito.

spot3r.indd 5

26/11/2009 11:41:21


Fotos: Divulgação

Perfil Vincent Cassel

16

Perfil.indd 2

26/11/2009 11:43:57


Passaporte

brasileiro Elogiado em Cannes por sua participação em longa brasileiro, o ator francês é um apaixonado pelo país, no qual vê todos os elementos de uma bela poesia Mariane Morisawa

V

incent Cassel lembra-se da primeira vez que entrou em contato com as cores, as misturas e o samba do Brasil. Seu pai o levou para assistir ao filme Orfeu Negro, dirigido pelo francês Marcel Camus. Começou ali seu romance com o país, que rendeu lindas férias, a participação em uma produção brasileira exibida no Festival de Cannes e a vinda para divulgar o Festival de Cinema Francês e seu último filme À Deriva, em junho. – Quero pensar que faço parte dessa história de amor entre Brasil e França, que começou com os voos do Concorde. E não se esqueça de que estivemos aqui antes – diz, com um

sorriso, referindo-se às tentativas francesas de se apoderar do que eram então terras coloniais portuguesas. – A comunicação com o Brasil é muito mais fácil, não sei por que, diz o ator de 42 anos, em português com algum sotaque. Quando recebe elogios pelo domínio da língua, diz apenas: “Estou melhorando, estou melhorando.” Durante muito tempo, o parisiense falava o que chama de português de praia. “Valeu!”, “Tudo bem?”, “Hoje tá fraco!” eram as frases que conseguia soltar. Mas, desde que participou do longa-metragem À Deriva, seu conhecimento deu um salto.

Vincent Cassel: amor entre Brasil e França

17

Perfil.indd 3

26/11/2009 11:43:59


Participação em filme brasileiro surgiu após inúmeros convites

Fotos: Alexandre Ermel

Perfil Vincent Cassel

Vincent Cassel durante filmagens no Brasil com a estreante Laura Neiva

Na obra de Heitor Dhalia, exibida na mostra Um Certo Olhar, do Festival de Cannes, e lançada no Brasil em julho, ele interpreta Matias, escritor francês radicado no Brasil que vai para a casa de praia, em Búzios, com a mulher Clarice (Débora Bloch) e os filhos numa tentativa de recuperar o casamento em ruínas. Desde então, tem mantido seu português graças à música. “Estudo ouvindo samba, MPB, Seu Jorge, Marcelo D2, Racionais MCs, Rappin’ Hood”, conta ele, irmão do rapper, Mathias, do grupo Assassin. À Deriva não foi o primeiro convite recebido, mas foi o primeiro aceito. “Sempre que venho ao Brasil acabo encontrando pessoas, conversando. Já tinha tido propostas, mas nenhuma com essa qualidade”, diz. Para falar bem a verdade, Cassel – ou Vicente, como prefere ser chamado quando está no país – tinha certa resistência a trabalhar aqui. – O Brasil era o lugar aonde eu ia para sair da minha realidade, para ficar em paz, para curtir a vida. Não queria perverter essa relação. Não queria fazer coisa ruim, fazer um filme de m..., pelo menos não aqui – conta. Foi uma oportunidade: gostou do roteiro, encontrou-se com o diretor – conhecia seu longa anterior, O Cheiro do Ralo –, havia o nome de Fernando Meirelles envolvido. 18

Perfil.indd 4

26/11/2009 11:43:59


Cassel prefere os projetos fortes e, frequentemente, evita os papéis de bonzinhos. É o caso, por exemplo, em Inimigo Público Nº 1 (2008), produção dividida em duas partes sobre a ascensão e as ações espetaculares do polêmico gângster francês Jacques Mesrine, morto em praça pública pela polícia em 1979. – É um personagem popular, violento, carismático. Não dá para saber direito o que pensar dele – diz Cassel, que engordou 20 quilos e participou de longos nove meses de filmagem nesse trabalho dirigido por seu amigo JeanFrançois Richet. Valeu a pena: ele levou o César, o Oscar da França, por sua interpretação. – O personagem mau é mais interessante. O herói, para o ator, é uma droga. Veja o Batman e o Coringa. O Coringa é muito mais interessante. Porque a vida é cheia de problemas, o personagem que não é bonzinho é sempre mais bacana. Ele tem mais gradações de cinzas. Com esse pensamento, foi parar em O Ódio (1995), de Mathieu Kassovitz, que o revelou para o mundo. Interpretava um judeu morando num gueto violento e multiétnico de Paris. Em Senhores do Crime (2007), de David Cronenberg, fazia o instável filho de um mafioso. Em Doze Homens e Outro Segredo (2004), dirigido por Steven Soderbergh, viveu um ladrão que rivalizava com a gangue de Danny Ocean (George Clooney).

Vincente Cassel em À Deriva

Foto: Divulgação

Personagens maus lhe dão mais possibilidades de criação

Vincente Cassel em Inimigo Público Nº 1

‘Estou mais interessado na realidade do que no escapismo’ No momento não deseja levantar bandeiras em favor do cinema nacional. “Minha maneira de promovê-lo foi apresentá-lo em Cannes”, afirma. Mas tem o projeto de rodar aqui uma comédia romântica, ao lado de sua mulher, Monica Bellucci, e vai participar da versão cinematográfica de Onze Minutos, livro de Paulo Coelho, com Alice Braga e Mickey Rourke. Cassel, que atualmente também é garoto-propaganda do perfume Yves Saint Laurent, conhece alguns longasmetragens produzidos no país, mas, confessa, não é um espectador fanático da sétima arte. “Agora que tenho uma filha... Os filhos são o melhor filme que se pode ver”, diz ele, referindo-se a Deva, fruto do casamento de dez anos com a atriz italiana Monica Bellucci. – Eu gosto de fazer cinema, não sou rato de cinema. Estou mais interessado na realidade do que no escapismo. Esse interesse faz com que ame o Brasil, mas não feche os olhos para o lado difícil. “Eu não tenho fascínio pelas favelas, apesar de elas terem coisas criativamente muito fortes. Mas a realidade da favela é muito dura. Se elas sumirem, vai ser a melhor coisa para o Brasil”, afirma. O ator tem esperança: “É um país novo, há tudo para fazer. E vai crescer”. Ao mesmo tempo, fala apaixonadamente do povo. “Gosto do brasileiro, é um misto de alegria, tristeza, saudade. Para mim, é a definição da poesia. Posso ver na música, nas letras, que são simples e profundas. Você pode sentir nas pessoas, que cantam apesar de a realidade ser tão dura.” Tão feliz assim como fica por aqui, o ator poderia pleitear o passaporte brasileiro. “É verdade! Só que eu teria de casar com uma brasileira, e já sou casado... Ia dar problema!”, afirma, em tom de brincadeira. Vincent Cassel não precisa ficar preocupado. Gente que ama o Brasil é sempre bem-vinda a esta terra.

19

Perfil.indd 5

26/11/2009 11:44:00


Fotos: Divulgação

Decor Decoração

Jardim vertical em ambiente projetado por Gica Mesiara, responsável também pelo mapa do Brasil (ao lado) feito com plantas

20

jardim interno_MODIFICADO3.indd 2

26/11/2009 11:45:40


Verde pelas paredes Jardins verticais se tornam opções práticas e estilosas para quem não abre mão de ter a natureza por perto, mesmo com pouco espaço

A

gora não tem mais desculpa para ficar longe da natureza, mesmo morando na cidade grande. Aliados às modernas técnicas de jardinagem, arquitetos preocupados em semear verde no dia a dia estão levando pomares, hortas e miniflorestas para dentro de casa. Assim, no lugar de pinturas, surgem, nas salas, quadros vivos com avencas e samambaias. Nas cozinhas, pequenas jardineiras verticais permitem colher temperos sempre frescos. – Os jardins verticais são ótimas opções para levar um clima de natureza a espaços pequenos. Além disso, eles trazem mais aconchego à casa – afirma a arquiteta Sophia Galvão, que já usou o recurso em varandas, onde aproveitou uma das paredes para criar uma horta. Um dos recursos mais utilizados é o do “quadro vivo”, difundido no Brasil pela arquiteta Gica Mesiara. Trata-se de uma espécie de floreira vertical, onde as plantas são encaixadas em um quadro fixado na parede. – Mas, de preferência, o “quadro” deve estar próximo a uma janela e longe da gordura – orienta a arquiteta Renata Florenzano, que, com Myrna Porcaro, valeu-se do aparato para montar uma horta com hortelã, cheiro verde, pimenta, cebolinha e alecrim na cozinha de um apartamento.

Sophia Galvão valeu-se do bambu e de caixa de ferro para trazer mais charme à varanda 21

jardim interno_MODIFICADO3.indd 3

26/11/2009 11:45:41


Decor Decoração

– A planta trouxe vida ao local. Além de se passar a ter à mão produtos frescos, o que é uma delícia para qualquer dona de casa, para gourmets ou para crianças, que adoram – completa Renata. Gica lembra que a presença das plantas serve ainda como revestimento acústico e ar condicionado natural, pois ajuda a reduzir a temperatura do ambiente, além de melhorar a qualidade do ar e atrair pássaros e borboletas. Para facilitar a limpeza e o manuseio do “quadro”, há a opção de utilizar uma moldura de acrílico, que dispensa alguns cuidados básicos necessários no caso das feitas com madeira. – Alguns quadros vivos precisam de um recipiente por dentro, uma espécie de calha, para coletar a água que escorre das plantas na hora de regar. No caso de quadros de acrílico, não é necessário – explica Renata.

Escolher o melhor local e sistema de irrigação para instalar o jardim é essencial Quando as plantas são instaladas no formato de painéis verticais, o cuidado com a irrigação deve ser redobrado. Diferentemente dos quadros vivos, os painéis requerem um projeto estrutural antes de ser instalados. Em alguns casos, é possível contratar uma empresa que já instale o sistema de irrigação. Impermeabilizar

Cozinha com jardim e horta criada por Renata Florezano e Myrna Porcaro

a parede, deixar um ponto de água e de energia elétrica por perto e ter um piso de fácil manutenção, para que a água possa escoar, também ajuda na manutenção. Sophia ainda lembra outros cuidados a serem observados. “A área onde se pretende instalar o jardim deve ser bem arejada e estar diretamente ligado à luz externa [seja por uma janela ou teto de vidro].” E se montar o jardim preso à parede não for uma boa opção, Sophia propõe usar a criatividade: – Um painel com caixas de ferro oxidado e bambu, como o que criei para um cliente, pode servir de apoio para as plantas. Com a vantagem que já traz elementos da natureza em sua estrutura e as cores quentes do ferro oxidado.

22

jardim interno_MODIFICADO3.indd 4

26/11/2009 11:45:47


Estude que plantas se adaptam melhor a cada ambiente Mas antes de sair montando o jardim é bom saber que plantas se adaptam melhor ao ambiente onde serão instaladas. Uma das mais recomendadas para locais internos são as bromélias. Frutas também podem ser escolhidas, desde que haja espaço suficiente para acomodar a raiz. No caso de plantar flores em lugar com pouca luz natural, as mais indicadas são as que absorvem menos água, Entre elas, lírio-da-paz, maria-sem-vergonha, hortênsia, antúrio e diversas espécies de trepadeiras, como lanterna japonesa, dracena, jasmim-de-madagascar. – Mas é importante contar com a ajuda de um paisagista para que sejam escolhidas as plantas mais indicadas de acordo com as características de cada local – arremata Sophia.

Elementos naturais como a madeira e o algodão completam o clima natural trazido pelas plantas no ambiente planejado por Sophia Galvão (acima)

23

jardim interno_MODIFICADO3.indd 5

26/11/2009 11:45:50


Decor Paisagismo

Fotos: JosĂŠ Rosael

Margens plĂĄcidas

24

Paisagismo-v2.indd 2

26/11/2009 11:48:37


Vista geral do Jardim do Parque da Independência, em São Paulo

Inspirado no Jardim de Versalhes, na França, o Parque da Independência, em São Paulo encanta com seus charme e beleza Kelly Souza

S

ímbolo do reinado de Luís XIV, o Rei Sol, os jardins clássicos franceses que encantavam o mundo no século XVII são, ainda hoje, fonte de contemplação. Mas não é preciso estar na França para conhecer as características paisagísticas que tanto fizeram sucesso. No Brasil, o jardim do Parque da Independência, localizado em uma área de mais de 180 mil metros quadrados junto ao Museu do Ipiranga, tornou-se uma relíquia tão digna de acervo quanto os 125 mil objetos, imagens e documentos no museu, que é o mais antigo de São Paulo. Inspirado nos jardins do Palácio de Versalhes – elaborados por André Le Nôtre, paisagista de Luis XIV –, o jardim do Parque da Independência foi projetado em 1907, pelo arquiteto belga Arsène Puttemans, e inaugurado dois anos depois. Embora não tenha a mesma fama de sua fonte inspiradora, e muitas vezes seja relegado ao título de jardim de entrada do Museu Paulista da USP (nome formal da instituição), o parque vale a visita. Para dar um toque francês ao jardim, Puttemans privilegiou a construção de parterres – canteiros geométricos em terreno plano, tradição nos jardins da França –, e vegetação que forma sombras pelo gramado. – Esse tipo de jardim tem um desenho que cria a sensação de que todos os caminhos levam ao centro, por pequenos corredores ou mesmo um pequeno labirinto – explica Daniel Varela, administrador do parque. De acordo com a diretora do Museu Paulista, Cecília Helena de Salles Oliveira, os jardins também possuem “traços renascentistas italianos e ingleses, marcados pela simetria, por ruas adornadas com plantas e flores, pela existência de pequenos bosques e pequenas fontes”. 25

Paisagismo-v2.indd 3

26/11/2009 11:48:39


Decor Paisagismo

Cuidados constantes ajudam a conservar a beleza da paisagem tombada

Inspirado nos jardins do Palácio de Versalhes, o parque fica ao lado do Museu do Ipiranga

Tombado pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat) em 1975, o parque já passou por diversas restaurações, e conta com um esquema reforçado de poda durante os últimos meses do ano, quando as plantas ganham um “retoque” em seus formatos geométricos. São necessários três jardineiros e 12 funcionários de limpeza para manter organizada a parte botânica, que inclui canteiros de rosas, palmeiras e ciprestes, além dos conjuntos de buxos, azaleias e espécies de fícus. “São alguns dos elementos comuns ao Jardim de Versalhes”, diz Varela. As árvores frutíferas também levam charme ao local e atraem aves e saguis. – A organização dos jardins tem função de embelezamento da área, que, no início do século XX, era ainda um arrabalde de São Paulo – diz Cecília Helena. Segundo a professora, “passaram-se mais de dez anos entre o término do edifício [museu, 1894] e a montagem dos jardins [1909].” 26

Paisagismo-v2.indd 4

26/11/2009 11:48:40


Visita ao jardim convida a uma viagem pela História do Brasil Localizado no bairro do Ipiranga, a 5,5 quilômetros de distância do centro da capital paulista, o local é uma homenagem à Independência do Brasil, já que teria sido às margens do Riacho do Ipiranga que Dom Pedro I simbolicamente rompeu com a Corte portuguesa. Só no primeiro semestre deste ano o local recebeu mais de 200 mil visitantes. Mas o livro Além dos Jardins do Ipiranga – História, Restauro e Vida no Parque da Independência, publicado em 2005 pelos patrocinadores da recuperação dos chafarizes e fontes do parque, avisa que o fluxo de pessoas costuma aumentar em setembro, por conta das comemorações do Sete de Setembro, uma vez que “o local é ainda hoje considerado palco de um dos fatos políticos mais importantes da história do Brasil”. Com diversas opções de lazer e cultura, o parque também serve de espaço para quem quer manter a saúde em dia.

Construído na região onde Dom Pedro I teria anunciado a Independência do Brasil, o museu recebe milhares de visitas por ano

– Dispomos de equipamentos de ginástica e uma pista de corrida – diz Varela. O visitante ainda pode conhecer o Museu Paulista da USP, a Casa do Grito, o Monumento à Independência, e aproveitar o espaço para piqueniques e brincadeiras com as crianças. – E quem estiver apenas disposto a contemplar a beleza, pode sentar em volta do Jardim Francês e viajar no tempo imaginando São Paulo na época da Independência – sugere o administrador. 27

Paisagismo-v2.indd 5

26/11/2009 11:48:41


Foto: Denis Rouvre

Capa Carla Bruni

28

materia_capa_menor 2.indd 2

26/11/2009 11:54:22


Conto de

fadas

moderno

Ex-modelo e cantora de origem italiana, a primeira-dama da França, Carla Bruni, é hoje uma das mulheres mais admiradas em todo o mundo

E

la costuma falar o que pensa, já namorou roqueiros e não se arrepende de ter posado nua inúmeras vezes. As qualidades, que cairiam como uma luva na biografia de muitas estrelas de Hollywood ou top models internacionais, mostram apenas algumas facetas da vida da primeira-dama da França, Carla Bruni. Aos 41 anos, ela é a protagonista de um conto de fadas digno do século XXI, onde as heroínas não são assim tão castas e os efeitos da globalização têm papel preponderante no final da história. Comparada a Jacqueline Kennedy por seu estilo moderno e guarda-roupa impecável – posto que hoje disputa com Michelle Obama –, esta italiana de nascença foi alçada em poucos meses à musa do governo francês. Isso sem ter de passar pelos desgastes da campanha que elegeu seu atual marido, Nicolas Sarkozy, de 54 anos. Separado oficialmente de Cécilia Ciganer-Albéniz desde outubro de 2007, o presidente da França foi

apresentado a Carla Bruni no mês seguinte, durante um jantar na casa do publicitário Jacques Séguéla, em Paris. O romance começou na mesma noite, após longa e animada conversa que culminou em pedido de casamento dias depois. Em fevereiro de 2008 os dois oficializaram a união em uma cerimônia secreta no Palácio do Eliseu, residência oficial do governante francês, em Paris. Segundo declaração da primeira-dama à revista Vanity Fair, Sarkozy foi “fogoso” desde o início. “Isso é muito raro de se ver em um homem. Eu já tinha 39 anos quando o encontrei e já tinha meu filho [Aurélien, 8, fruto de seu relacionamento com o professor de filosofia Raphaël Enthoven, de quem se separou em 2005]. Então, a situação normal seria ir devagar, mas ele não é um homem devagar. Ele disse: ‘Estou completamente apaixonado por você, e eu realmente gostaria de me casar com você’”, disse ela. 29

materia_capa_menor 2.indd 3

26/11/2009 11:54:23


Capa Carla Bruni

Foto: Divulgação

De femme fatale a primeira-dama recatada

Bonita e bem-nascida, Carla rouba a cena nos eventos oficiais

Com “grande capacidade de adaptação”, como ela mesma declarou inúmeras vezes, Carla Bruni nasceu em Turim, na Itália, e cresceu entre a França e a Suíça. Filha da pianista Marisa Borini e do empresário Maurizio Remmert, radicado no Brasil desde os anos 1970, a primeira-dama foi criada pelo industrial e compositor de música erudita Alberto Bruni Tedeschi, ligado à fábrica de pneus Ceat e à petrolífera italiana ENI. Em 1988, abandonou os estudos de Arte e Arquitetura na Sorbonne para se tornar modelo. Contemporânea de Claudia Schiffer, Naomi Campbell, Christy Turlington e Kate Moss, podia se gabar, no fim dos anos 1980, de ser uma das vinte modelos mais bem-pagas do mundo, ganhando cerca de US$ 7,5 milhões por temporada de desfiles internacionais. – Ela era uma diva das passarelas. Sempre estava nos melhores desfiles, mas era bem low profile, por isso poucos se lembram dela –, afirma o stylist e editor de moda da Vogue, Giovanni Frasson. Nesse período, se relacionou com roqueiros como Eric Clapton e Mick Jagger, além do magnata Donald Trump, e de atores como Kevin Costner e Vincent Perez. São também do fim dos anos 1980 e começo dos 90 as duas fotos sensuais que foram leiloadas recentemente: uma por US$ 91 mil, valor vinte vezes maior que o esperado, e outra por US$ 19.600. Em ambas, a atual primeira-dama aparece como veio ao mundo. – Eu nunca tinha percebido quantas fotos nuas eu tinha tirado antes de encontrar Nicolas. Eu virei para ele e disse: ‘Ok, agora eu preciso te mostrar, por que posei nua. Eu nunca fiz fotos de caráter sexual... Mas você tem de saber que isso vai aparecer a qualquer hora.’ Ele disse: ‘Oh, eu gosto desta aqui! Posso ganhar uma cópia?’ –, disse Carla à imprensa internacional na época do primeiro leilão. Fora dos padrões de uma primeira-dama tradicional, Carla Bruni confessa que “inconscientemente”, se projetaria mais como Jackie Kennedy, “que era jovem e moderna” do que “como madame de Gaulle” [esposa do estadista francês Charles de Gaulle]”, explica. Aos olhos da consultora de moda e estilo Costanza Pascolato, a primeira-dama é “uma mulher esperta, muito bonita, bem-nascida e educada, além de ter uma capacidade extraordinária para lidar com sua imagem de forma positiva. É uma camaleoa. Desde que se casou com Sarkozy entendeu que precisaria interpretar um papel diferente da vida boêmia que levava. E está fazendo isso de forma muito chique.”

30

materia_capa_menor 2.indd 4

26/11/2009 11:54:23


Fotos: Divulgação

Abaixo, a primeira-dama na capa de dois dos seus CDs

Modelo bem-paga nos anos 1980, Carla Bruni namorou com roqueiros e atores antes de se casar com Sarkozy

Talento musical divide opiniões Imposta à nação como mulher do presidente nove meses depois da eleição, Carla conseguiu não só ganhar a afeição do povo como atrair ainda mais a atenção da mídia para sua carreira de cantora, que não foi colocada de lado após a mudança de status. – Com exceção de Cherie Blair, a maioria das mulheres casadas com políticos muito importantes não tem outro trabalho. Mas, é claro, a maioria delas trabalha com o marido desde o início. Esse é o trabalho delas. Não é o meu caso –, disse ela à GNT, no documentário Alguém me Contou sobre... Carla Bruni, exibido em abril. Em julho de 2008, apenas cinco meses depois de ter se casado, ela lançou seu terceiro CD, Comme si de Rien n’Était, com melodias em estilo pop, folk, blues e country, cantadas em francês, inglês e italiano. Compostas principalmente por ela, algumas letras mais provocativas geraram polêmica ao serem associadas ao romance com o presidente. Caso de Ta Tienne e Tu Es ma Came, que faz referências à cocaína colombiana e à heroína do Afeganistão. Com a curiosidade gerada em todo o mundo, o disco – cuja arrecadação foi prometida a uma instituição de caridade fran-

cesa – acabou vendendo, só no primeiro mês, mais de 200 mil cópias, segundo a gravadora Naïve. Mas os críticos não reagiram tão bem assim. Para o jornal Le Monde, que elogiou apenas duas faixas, a obra é repleta de banalidades. O primeiro álbum de Carla, Quelqu’un m’a Dit, lançado em 2002, ficou conhecido no Brasil antes mesmo de o romance começar, ao ter sua faixa principal incluída na trilha sonora de uma novela da Globo, Belíssima. Sucesso de vendas com 1,2 milhão de cópias comercializadas na França e 800 mil cópias em todo o mundo, o primeiro disco não serviu para impulsionar o segundo trabalho, No Promises, lançado em 2007, com poemas musicados de escritores como Emily Dickinson, Dorothy Parker, William Butler Yeats, W.H. Auden e Christina Georgina Rossetti. Nele, a então futura primeira-dama da França aparece na foto de capa lendo, só de blusa, sentada numa almofada, ao lado da lareira. 31

materia_capa_menor 2.indd 5

26/11/2009 11:54:25


Capa Carla Bruni

Com ares de modelo, tem atraído atenção pelo bom gosto dos figurinos

Pose para lançar um de seus discos

Desde 2002 se dedicando à carreira de cantora

Ao lado de Camila Pitanga, durante visita ao Brasil em 2008

De acordo com o crítico de música Jotabê Medeiros, em matéria publicada no jornal O Estado de S.Paulo, “o disco tem uma natureza acústica e é folk, às vezes até meio country. A voz de Carla é agradável. Mas tem algo errado: monocórdia, estática, Carla canta de maneira mecânica”. Com a promessa de que só voltaria a fazer shows após o fim do mandato ou em eventos voltados a causas humanitárias, como a comemoração dos 91 anos de Nelson Mandela, realizada em julho no Madison Square Garden, em Nova York, Carla Bruni tem se dedicado a roubar a cena ao lado do presidente nas recepções e viagens oficiais. Sempre sorridente e discreta, a primeira-dama atrai a atenção por sua beleza, carisma e guarda-roupa impecável. Antes adepta da dupla jeans e camiseta, Carla Bruni decidiu tornar-se uma espécie de embaixatriz das principais grifes francesas, como Dior e Hermès, para compor seu estilo. – Ela tem à mão todos os melhores recursos de guardaroupa de primeira linha e está usando isso lindamente para criar a personagem da primeira-dama convencional. Ainda mais tendo uma silhueta impecável como a dela – analisa a consultora de moda Glória Kalil. Geralmente de sapatilhas ou sapatos baixos, para não ficar mais alta do que Sarkozy, ela tem recebido elogios ao apostar em combinações recatadas e de cores sóbrias, como fez ao visitar a rainha da Inglaterra. No baú oficial, vestidos de lã retos, em tons de cinza, mantô preto, com botões forrados e chapéu pillbox. Os acertos também se repetiram ao lado da primeiradama dos Estados Unidos, Michelle Obama, e da princesa Letizia, da Espanha, ambas conhecidas pelo bom gosto e atenção à moda. Até mesmo na praia, “La Bruni” decidiu adotar uma linha mais comportada nos últimos tempos. Saíram os topless em Saint-Tropez para dar lugar a biquínis e maiôs discretos em areias mais reservadas. Como as de Itacarezinho, na Bahia, onde o casal refugiouse por dois dias após a visita oficial do presidente ao Brasil, em dezembro de 2008.

32

materia_capa_menor 2.indd 6

26/11/2009 11:54:27


Sempre discreta, Carla fez do guarda-roupa impecável um aliado para conquistar o carisma de todos

Foto: Divulgação

Causas humanitárias entram na pauta da cantora Com tantos ventos a favor, Carla decidiu começar a ocupar seu tempo como se espera de uma primeira-dama, isto é, engajando-se em causas humanitárias. Em dezembro de 2008, tornou-se embaixatriz mundial para a proteção de mulheres e crianças na luta contra a Aids, causa com a qual já se identificava desde 2006, quando perdeu o irmão Virginio para a doença. A decisão de se engajar teve ainda relação direta a sua nova posição política. “Não quero perder estes anos”, disse ela, em entrevista coletiva na qual anunciou que também pretende “atuar contra a pobreza, a ignorância e a exclusão”, e “ajudar as crianças e as mulheres”. Pautas que tem levado a sério a cada visita oficial que faz ao lado de seu marido. No Brasil mesmo, aproveitou o tempo livre na agenda para conversar com mães doadoras de leite no Banco de Leite Humano do Instituto Fernandes Figueiras, da Fiocruz, no Rio, e visitar o Espaço Criança Esperança no alto do Morro do Cantagalo, em Ipanema. De mocassim caramelo, calça social e blusa azul-marinho, ela passeou sua elegância discreta pela comunidade e assistiu a um desfile de moda produzido pela Associação ModaFusion. Com tantos atributos, não é de se espantar que sua presença constante ao lado de Sarkozy venha sendo apontada como um dos principais fatores para o aumento da popularidade do presidente francês. 33

materia_capa_menor 2.indd 7

26/11/2009 11:54:30


materia_capa_menor 2.indd 8

26/11/2009 11:54:31


A Pátria Editora conta com profissionais altamente qualificados, prontos para atender as expectativas da sua empresa, executando o projeto editorial desde a concepção até a entrega da publicação para os leitores.

Telefone: 11 5505.6065 www.patriaeditora.com.br

materia_capa_menor 2.indd 9

26/11/2009 11:54:33


Destino Chapada Diamantina

Natureza

brilhante

Foto: Branco Pires / www.guiachapadadiamantina.com.br

Conhecida no sĂŠculo XIX por suas minas de diamante, a Chapada Diamantina reserva paisagens de tirar o fĂ´lego

Vista do Morro do Pai InĂĄcio

36

destino_brasil1.indd 2

26/11/2009 12:43:57


A

Foto: Extreme EcoAdventure

Cachoeira do Buracão

paisagem exuberante, com grandes extensões de terras altas, recortadas por vales e cachoeiras de tirar o fôlego, em nada lembra a Europa. Mas nem por isso a Chapada Diamantina, na Bahia, deixa de ter sua história entremeada com a do Velho Continente. Principalmente se voltarmos ao século XIX, mais exatamente entre as décadas de 1840 a 1870, quando a descoberta de imensas jazidas de diamantes gerou um grande fluxo de negócios e interesses entre os dois mundos. O movimento era tão frequente que, no auge do ciclo, a França chegou a abrir um vice-consulado na principal cidade da região, Lençóis, para facilitar o comércio das pedras sem que houvesse interferências de Salvador nem Rio de Janeiro. Conhecida pela qualidade e quantidade de suas reservas de pedras preciosas, Lençóis, na época com 25 mil habitantes, duas vezes e meia o que tem hoje, era considerada a terceira cidade mais importante da Bahia, atrás de Salvador e de Feira de Santana. Tombada pelo Patrimônio Histórico Nacional desde 1973, a “capital do diamante” vive hoje da beleza de suas paisagens e da preservação de suas reservas naturais. Atrativos que criaram uma nova ponte de intercâmbio, agora com fins turísticos. – É um lugar maravilhoso, que une beleza natural e arquitetura incrível –, afirma o engenheiro paulistano Francisco José Capatto, 27, que visitou a Chapada há dois anos. – Para quem gosta de entrar em contato com a natureza em um lugar aconchegante, não tem igual. 37

destino_brasil1.indd 3

26/11/2009 12:43:58


Foto: Zé Henrique / www.guiachapadadiamantina.com.br

Destino Chapada Diamantina

Gruta do Torrinha

Belezas naturais pedem preparo físico Transformada em museu, a antiga sede do vice-consulado francês, na Praça Horácio de Matos, serve de ponto de partida para a descoberta das belezas da arquitetura local. Reflexo dos tempos áureos da região, o luxuoso palacete em estilo colonial que abriga a prefeitura, pode ser admirado a poucos passos da igreja Nossa Senhora do Rosário e do Mercado Cultural, localizado na Praça Aureliano Sá (antiga Praça das Nagôs). Mas é nos arredores da cidade que estão as maiores surpresas. Abrangendo os municípios de Lençóis, Andaraí e Mucugê, os 152 mil hectares do Parque Nacional da Chapada Diamantina, criado em 1985, incluem cavernas, grutas, rios, cachoeiras, morros e trilhas onde é possível fazer longas caminhadas, além de praticar esportes radicais como rapel e bungee jump. Entre as principais atrações estão a gruta do Lapão, a maior reserva de quartzito das Américas, e a Cachoeira da Fumaça, de 340 m de altura, a segunda mais alta do país. O nome é uma

referência direta à evaporação da água antes de chegar ao solo, tal a altura da queda, combinada com pequena vazão. – A cachoeira da fumaça foi sem dúvida o meu lugar preferido, onde se tem uma vista surreal. Não tem foto que explique a beleza desse lugar – diz Suzana Massini, artista visual que visitou o local pela primeira vez em fevereiro deste ano. Entretanto, chegar até essas e outras atrações naturais exige fôlego para enfrentar longas caminhadas – algumas podem durar cinco dias, como a que vai do Vale do Capão ao Vale do Paty. Organizados por agências locais, os passeios geralmente pedem a companhia de guias experientes, que saberão indicar os caminhos mais curtos e seguros para cartões-postais como o Morro do Pai Inácio, um dos principais mirantes da região; o Poço Encantado, que encerra um lago de azul profundo, com 61 metros de profundidade; a Cachoeira do Buracão, localizada no interior de um cânion; e a Gruta da Torrinha, onde é possível observar grande quantidade de estalactites com cristal.

Vice-consulado Francês

Cachoeira da Fumaça

38

destino_brasil1.indd 4

26/11/2009 12:43:59


Foto: Sandro Resende / www.guiachapadadiamantina.com.br

Desde 2007, um novo roteiro foi aberto na Chapada Diamantina para reforçar o turismo. Trata-se do extenso corredor de pinturas rupestres localizado a 36 quilômetros de Lençóis, na Serra das Paridas. Verdadeiro sítio arqueológico descoberto por catadores de frutas após um incêndio que devastou a vegetação, o paredão apresenta desenhos coloridos feitos nas rochas há milhões de anos. São representações de animais, peixes, pássaros, mulheres de cócoras e até mesmo algo como um extraterrestre, com cabeça e olhos grandes, pescoço longo e apenas três dedos nas mãos. Quem prefere mergulhar mais na história, pode visitar os túmulos do cemitério em estilo bizantino em Mucugê, que serviram de cenário para o filme Abril Despedaçado, de Walter Salles. A cidade também abriga o Museu Vivo do Garimpo e o Projeto Sempre-Viva, de pesquisa e preservação da flora nativa, ambos localizados no Parque Municipal de Mucugê. Aproveite para admirar as bromélias, orquídeas e cactos que nascem em abundância por ali.

De dentro dos vales tem-se uma ideia da grandiosidade dos morros

Descobertas também passam pelo paladar

Foto: Branco Pires / www.guiachapadadiamantina.com.br

Foto: Zé Henrique / www.guiachapadadiamantina.com.br

História viva na Chapada

Viajar para a Chapada Diamantina é uma boa oportunidade de descobrir novos sabores e aromas. Rica e pouco conhecida, a culinária local reserva pratos e misturas curiosas como o godó de banana (espécie de ensopado de carne-de-sol feito com banana nanica verde) e o cortado de palma (que nada mais é do que um refogado de cacto). Suzana, a artista visual, indica o pastel de palmito de jaca “É um pastel famoso por lá, típico da região”, diz Além dessas receitas, os restaurantes costumam contar com clássicos dos tempos da mineração, como os “reforçados” pirão de parida (feito com o caldo do ensopado de galinha caipira), angu à moda do escravo (polenta servida com carne de porco e mamão verde) e arroz com pequi (fruta abundante na região).

QUEM LEVA

CVC www.cvc.com.br Pacote de oito dias saindo de São Paulo, a partir de R$ 2.348 (para saídas 29 de novembro).

39

destino_brasil1.indd 5

26/11/2009 12:44:00


Destino Saint-Paul-de-Vence

Viagem no tempo

Foto: Roland Michaud

Encravada no topo de uma colina pr贸xima a Nice, Saint-Paul-de-Vence mistura o charme medieval a surpresas da arte moderna

40

destino_inter.indd 2

26/11/2009 12:44:33


Fotos: Juliana Bianchi

Q

uarenta e cinco minutos. Nem mais, nem menos. Esse é o tempo exato que se necessita para percorrer, a pé, todas as vielas da pequena cidade de Saint-Paul-de-Vence, na Riviera Francesa, e ter a certeza de que se viajou no tempo. As casas de pedra, as ruas estreitas, a muralha com vista para todo o vale e até mesmo os jogos de petanca – espécie de bocha – na praça, ainda estão lá. Assim como deveriam estar na Idade Média, quando o vilarejo foi fundado para servir de fortaleza, depois de passar pelos domínios grego, romano e celta. Com pouco mais de 7 quilômetros quadrados – boa parte deles protegidos por uma alta e extensa parede de pedra –, a cidade permite admirar uma das paisagens mais surpreendentes de todo o Sul da França, tendo o Mar Mediterrâneo ao sul e os Alpes suíços ao norte. Elevada à categoria de Vila Real no século XVII, Saint-Paul sofreu com as inúmeras guerras que aconteceram na região no século XVIII. Reconstruída no século seguinte, recuperou suas características originais e passou a atrair, já em 1920, inúmeros artistas. Entre os grandes pintores, Picasso, Matisse, Miró, Chagall (que foi enterrado lá) e Renoir. E celebridades do cinema como Romy Schneider, Roger Moore e Tony Curtis. 41

destino_inter.indd 3

26/11/2009 12:44:34


Destino Saint-Paul-de-Vence

É fácil esquecer do tempo e perder-se agradavelmente nas ruelas de Saint-Paul, acima, vista da cidade com o Mediterrâneo ao fundo

O ar medieval ganha frescor nas galerias de arte moderna A menos de 15 minutos do aeroporto de Nice, SaintPaul é uma mistura perfeita entre o romantismo do passado e a ebulição da arte moderna. Logo ao sair da estrada principal, uma alameda de árvores centenárias leva ao famoso hotel Colombe d’Or e ao Cafè de La Place, perto dos quais, ainda hoje, homens de todas as idades passam as tardes jogando petanca num campo de terra batida. Alguns passos à frente, o pórtico de entrada, construído no século XIV, dá acesso ao centro da cidade, com suas

ruas estreitas – muitas delas inacessíveis a carros. No pavimento, pedras polidas formam graciosos desenhos de flores. À frente dos restaurantes, placas de madeira recortadas em estilo medieval convidam a uma refeição repleta de legumes e peixes frescos, no melhor estilo provençal. Transformadas em pequenas galerias de arte moderna, muitas lojas servem de elo entre o antigo e o novo, gerando, algumas vezes, um agradável choque de gerações que aguça a tentação de voltar para casa com um novo quadro ou escultura. Uma das poucas estruturas originais ainda existentes na cida-

42

destino_inter.indd 4

26/11/2009 12:44:35


Foto: Roland Michaud

de é a torre da masmorra, também utilizada como principal ponto de observação em tempos de guerra. Construída no século XII, abriga, desde 1443, o relógio público do vilarejo. Aquele responsável por marcar as horas em uma terra em que não se vê o tempo passar. A seu lado, como numa paisagem digna de sonhos, em que se podem misturar referências livremente, está a igreja Collégiale. Construída no século XII, em estilo românico provençal, guarda traços acrescentados pela arquitetura barroca do século XIV e peças de ourivesaria do século XVI. Do lado de fora, uma única palmeira dá ares mouros ao pátio que recebe cerca de 7 mil visitantes ao ano.

Museu ao ar livre e restaurantes renomados estimulam a permanência

Mas, se o paladar pede algo mais sofisticado, perto dali pode-se encontrar a cozinha do chef Ludovic Puzenat, do restaurante e hotel Le Saint-Paul, condecorado com uma estrela no Guia Michelin 2008 e membro do seleto grupo Relais & Châteaux. Outras boas alternativas de refeição e hospedagem de qualidade são os hotéis Le Mas de Pierre, com seu parque de dois hectares de oliveiras centenárias e arquitetura colonial, e o clássico La Colombe d’Or, que, assim como a própria Saint-Paul-de-Vence, nunca perde o charme e simpatia que se espera encontrar em uma vila medieval.

QUEM LEVA

Vôos de São Paulo a Nice, a partir de R$ 998,00 pela Air France

Outro passeio imperdível se esconde fora dos muros da cidade. Trata-se da Fundação Marguerite e Aimé Maeght (www.fondation-maeght.com), um museu a céu aberto criado em 1964 pelos marchands parisienses que dão nome ao local. No pavilhão – criado pelo arquiteto espanhol Josep Luis Sert, seguidor de Le Corbusier – e nos jardins externos é possível admirar mais de 9 mil obras de arte moderna. Entre elas, telas e murais de Léger, Giacometti, Braque, Kandinsky e Chagall. Além de esculturas de Miró, num labirinto de obras permanentes. Quem não resistir à tentação e quiser aproveitar a vista, a tranquilidade e o charme da cidade por mais algum tempo, poderá deliciar-se tomando uma boa taça de vinho, para acompanhar especialidades locais, como a ratatouille e o fondant de chocolate, em um dos restaurantes em torno da muralha. Os bistrôs Chez Andréas, La Sierra e Malabar são boas opções. 43

destino_inter.indd 5

26/11/2009 12:44:36


Destino Paris

Síntense francesa Programas e lugares imperdíveis para você aproveitar o melhor da Cidade Luz

1. Além do Louvre e do d’Orsay, Paris tem mais uma centena de bons museus a serem visitados. Confira a programação da época e escolha o que mais tem a ver com você. 2. Supere medo de altura e suba até o terceiro andar da Torre Eiffel, de onde é possível avistar toda a cidade. 3. Desbrave a Ilha de St. Louis até encontrar a sorveteria Bertillon. Não saia de lá sem provar pelo menos dois sabores. 4. Na mesma região, saboreie pratos típicos como creme brülée e foie gras no clássico bistrô Chez Julien. 1, rue Pont-Louis-Philippe Tel: 33 (01) 42-78-31-64

5. Deixe-se contagiar pela emoção na catedral de Notre Dame. 44

destino_inter_Paris8.indd 2

26/11/2009 12:52:24


Fotos: divulgação

6.

Aproveite os dias de sol com um piquenique no Jardim de Luxemburgo.

Conforto e modernidade Localizado a poucos metros do Jardim de Luxemburgo, da igreja de Saint-Sulpice (que ficou ainda mais famosa após a publicação do livro O Código da Vinci) e da praça de Saint-Germain-des-Prés, o hotel Le Six é o local ideal para acolher aqueles que buscam conforto em meio à modernidade. Com decoração contemporânea, conta com apenas 41 quartos espaçosos e tranquilos, equipados com janelas de dupla proteção, internet sem fio e televisão de plasma. Das sacadas é possível ver ao longe a igreja de Sacré Cœur e os infonfundíveis telhados parisienses. No lounge, um agradável bar convida a mais uma taça de vinho ou a um descanso em frente à lareira. Quem quiser aproveitar ainda mais os momentos de relaxamento, poderá marcar uma massagem no spa localizado no interior do hotel. Hotel Le Six Membro da rede Hotels & Preference 14, Rue Stanislas, 75006 Paris www.hotel-le-six.com

7. Caminhe pelas grandes alamedas do Jardim das Tulherias, fazendo uma pausa para tomar um refrescante panaché (limonada com cerveja).

8. Vá jantar no restautante japonês Kong, localizado no topo da maison Kenzo. Vale tanto pela comida e pela decoração com peças de Philippe Starck, quanto pela vista. 1 Rue du Pont Neuf Tel: 33 (01) 40-39-09-00 www.kong.fr 45

destino_inter_Paris8.indd 3

26/11/2009 12:52:26


Destino Paris

12.

Tire e um uma ta tarde para fazer compras na Champs-Elysées, Champ onde estão grifes como Louis Vuitton, Guerlain, Lacoste, Adidas e Nike.

Rodeado por luxo Fundado em 1907, todo o luxo e conforto da belle époque parisientes ainda estão encerradas no Hotel Astor Saint Honoré. Como em um pequeno palácio, o toque artístico do decorador Frédéric Méchiche ainda está por todos os lados, nas confortáveis poltronas da biblioteca, nas suntuosas cortinas e nas largas e confortáveis camas. Instalado entre a Champs Elysées e a Opéra, a poucos metros do Palácio do Eliseu, sede do governo francês; das boutiques de luxo do Faubourg Saint-Honoré, onde estão localizadas, por exemplo, as maisons Chanel, Hermès, Yves St. Laurent e Christian Dior; e do Arco do Triunfo, o hotel permite ao hóspede acordar com uma das mais belas vistas da cidade, a da Torre Eiffel. Com serviço à altura de sua excelência, o hotel oferece a possibilidade de transfers em limousine, jornais internacionais, concierge em português, sala de ginástica e internet sem fio gratuita.

9. Apesar de já ter aberto mais de dez filiais pelo mundo, a casa que deu origem à rede Buddha Bar continua imbatível na noite de Paris. Aproveite.

Hotel Astor Saint Honoré Membro da rede Hotels & Preference 11 Rue d’Astorg – 75008, Paris www.astorsainthonore.com

www.buddhabar.com

13. Faça um happy-hour no hotel Costes e aproveite para curtir a música lounge onde ela nasceu.

10. Perca-se entre os macarrons, eclairs e outras delícias gastronônicas da Fauchon, na Place Madeleine. Quem costa de caviar, também não pode deixar de passar nas lojas da Kaspia e da Prunier, do outro lado da rua.

www.hotelcostes.com

11. Invista em um passeio de Bateau Mouche. A cidade fica ainda mais linda quando vista a partir do Sena.

46

destino_inter_Paris8.indd 4

26/11/2009 12:52:30


Conforto a um clique Hotel L’ Empire, Paris

Fotos: divulgação

Hotel Carl Gustaf, St. Barthélemy

Hotel Frédéric Carrion, Borgonha

Na França, é possível encontrar alguns dos melhores hotéis e resorts de luxo do mundo, com a facilidade de fazer reservas em português

Imagine poder escolher entre se hospedar em um hotel boutique, com apenas 13 quartos na Provence, em um hotel palácio no coração de Paris ou em uma vila exclusiva com vista para a baía de St. Barthélemy, no Caribe, sem sair de casa. Ou melhor, sem ter de levantar da cadeira. Esta é a proposta da cadeia de hotéis Hotels & Preference que acaba de desembarcar no Brasil. Com cerca de 130 hotéis quatro e cinco estrela espalhados por 16 países, a rede criada há nove anos na França é a combinação de modernidade e elegância na hora de planejar a próxima viagem. Seja ela a negócios ou lazer. “A cada ano, aproximadamente dez novos membros se unem ao nosso portfólio de hotéis”, afirma Carole Hilton, diretora da rede no Brasil. Com atendimento em mais de 13 línguas, entre elas o português, onde quer que se esteja, a empresa aposta nas facilidades da internet e call center no Brasil para ajudar o cliente a encontrar todos os detalhes essenciais para tornar qualquer viagem inesquecível e personalizada. Para fazer parte do cuidadoso portfolio do grupo, alguns critérios essenciais devem ser preenchidos, tais como: exclusividade e alto padrão de atendimento ao cliente; estar localizado em uma região turística ou oferecer possibilidades de lazer e entretenimento de alta qualidade, tais como campos de golfe e spa, em suas instalações ou nas proximidades; estar equipado com o que há de mais moderno em tecnologia, sem perder o foco de tradição, conforto e no acolhimento. Dentro desses parâmetros, mas cada qual com suas peculiaridades, é possível encontrar grandes hotéis com chefs de primeira linha, spas conceituados e campos de golfe. SERVIÇO

Hotel Le Jardin de Neuilly, Paris

Hotel La Perouse, Nice

Hotel Cour de Loges, Lion

www.hotelspreference.com

Call center: (11) 8467-0487 Hotel Domaine St Claire, Normandia

White Palm Hotel, Cannes

47

destino_inter_Paris8.indd 5

26/11/2009 12:52:35


Gourmet

Bon appetit,

Brasil

Com a ajuda da família real e de chefs desbravadores, a culinária francesa ganhou espaço e nuances exóticas no país

48

gourmet-3.indd 2

26/11/2009 15:17:26


Fotos: divulgação

S

Cow au vin do restaurante La Casserole: (na foto acima) receita tradicional que não pode sair do cardápio

ofisticada, com belas apresentações e alto nível técnico, a culinária francesa já servia de referência nas cortes de toda a Europa antes mesmo de ganhar o mundo no século XVIII e XIX com a queda da monarquia e as conquistas napoleônicas, que começaram a espalhar pela Europa os prazeres da nobreza à mesa. Assim, com a vinda da família real portuguesa em 1808, não é de se estranhar que o Brasil também tenha absorvido muitas das técnicas e receitas organizadas pelo célebre cozinheiro Marie-Antoine Carême, muito antes de ter consolidado a culinária nacional. Até porque, como conta Camara Cascudo no livro História da Alimentação no Brasil, muitos dos nobres que serviram a Dom João VI rejeitavam os produtos locais. Exemplos claros da influência francesa no início do Brasil Império podem ser vistos na mesma obra de Cascudo, onde aparecem pratos como “peruas novas lardeadas à francesa” no menu diário da corte de Dom Pedro, ou no livro Com Unhas, Dentes e Cuca, de Alex Atala e Carlos Alberto Dória, onde se recorda a derivação dos clássicos confits para a popular conservação do “porco na banha”, muito usada no interior de Minas e Goiás no século XIX.

francês não tem nada em sua receita. De acordo com o livro História da Vida Privada no Brasil – Vol 2, organizado por Luiz Felipe de Alencastro, a famosa variação surgiu graças à propaganda do padeiro francês Delmilhac, que “anunciava um novo sistema mecanizado de fazer pães [...] garantindo mais higiene no fabrico...”. Em meados do século XX, a gastronomia francesa já encontrava seus primeiros redutos em São Paulo. Um dos primeiros restaurantes especializados foi o Freddy, inaugurado em 1935, época em que popularizou os molhos madeira, as omeletes provençais, o bife chateaubriand e a perna de cordeiro assada. Pouco depois surgia o La Casserole, que mesmo com 55 anos de vida ainda traz em seu cardápio o filé au poivre (molho de pimenta do reino), o coelho cozido no vinho branco, o coq au vin (galinha no molho de vinho), e o rognons au Beaujolais (rins ao vinho tinto Beaujolais).

Receitas e técnicas francesas estão presentes no dia a dia desde o início do século XX Daí a crepes, suflês, patês, croissants, éclairs (mais conhecidas como bombas) e mousses invadirem o dia a dia do brasileiro foi questão de tempo. E não estamos falando do pão francês, que de original

La Cocagne: um dos clássicos franceses em São Paulo 49

gourmet-3.indd 3

26/11/2009 15:17:27


Gourmet

Fotos: Alexandre Landau

Claude Troisgros

“Os a Moelle” de palmito pupunha, Foie Gras e farofa de Quinoa FOIE GRAS Ingredientes: 4 fatias de foie gras fresco de 80grs cada Sal, pimenta Modo de preparo: Tempere o foie gras com sal e pimenta. Frite cada fatia dos dois lados. Seque e corte em cubos. PALMITO Ingredientes: 04 corações de palmito pupunha bem grosso 2 colheres manteiga Receita cedida pelo chef Claude Troisgros

Sal, pimenta Modo de preparo: Enrole os palmitos, a manteiga, o sal e a pimenta em papel alumínio. Asse 35 minutos na temperatura de 180 graus. Desembrulhe. Retire o centro do palmito e recheie com o foie gras. TOQUE FINAL 200ml molho agridoce 2 colheres quinoa frita Coloque o molho agridoce no prato. Disponha o palmito em cima. Finalize com quinoa frita.

“Meu pai trouxe dois cozinheiros franceses para criar o cardápio e treinar a equipe. Na época, mais importante do que a criação era a execução perfeita dos clássicos. Mesmo assim, era muito difícil lidar com o paladar do cliente e a falta de ingredientes”, afirma Marie-France Henry, proprietária da casa. Ela lembra que um dos pratos que hoje mais fazem sucesso no restaurante, o gigot d’agneau (pernil de cordeiro), foi por muito tempo forte candidato a desaparecer. “Primeiro porque era dificílimo encontrar um bom fornecedor de carneiro. Depois, eram os clientes que não estavam acostumados a comer carne mal passada. Por sorte, o paladar das pessoas foi mudando.” Da mesma época ainda estão em atividade o La Cocagne, o La Paillote, o Le Coq Hardy e o Marcel, com seus clássicos suflês.

Cena gourmet se sofistica a partir dos anos 1980 com a vinda de chefs para o país Mas foi no fim dos anos 1970 que o fluxo de chefs franceses começou a desembarcar no Brasil, trazendo todo seu arsenal de receitas e técnicas que servem de base para as cozinhas mais modernas. Um dos primeiros expoentes dessa safra foi Laurent Suaudeau, que no fim de 2009 completa 30 anos de Brasil. Enviado pelo mestre Paul Bocuse, ele veio para implementar a alta gastronomia francesa no restaurante Le Saint-Honoré, no hotel Méridien, no Rio. Apaixonando pela cultura e por sabores locais, foi ficando. Adaptou receitas clássicas aos ingredientes nacionais, como no confit de pato com molho de jabuticaba; criou pratos que valorizassem o exotismo

50

gourmet-3.indd 4

26/11/2009 15:17:29


Fotos: divulgação

dos sabores tropicais, como a mousse de cupuaçu; treinou os primeiros grandes cozinheiros do país e brigou pela profissionalização do setor gastronômico, numa época em que ser cozinheiro estava longe de ter o glamour de hoje. Quase ao mesmo tempo em que Laurent, também chegava ao Brasil o chef Claude Troisgros, herdeiro de um dos cozinheiros mais respeitados da França no século XX, Pierre Troisgros, um dos pais da nouvelle cuisine e dono de três estrelas no respeitado Guia Michelin. Hoje à frente do restaurante carioca Olympe, Claude inaugurou o Le Pré Catelan, no hotel Sofitel do Rio, e o extinto Roanne, em São Paulo. Com a dificuldade de encontrar os produtos com que estava acostumado a trabalhar, começou a misturar seu talento aos produtos locais. Assim, ajudou a criar uma nova esfera de cozinha franco-brasileira, na qual se destacam pratos como o palmito com foie gras; o tartare de atum e granite de gazpacho crocante ao gengibre e caviar de tapioca; e o magret de pato caramelizado com caju e risoto cremoso de quinoa.

Há três anos no Brasil, Laurent Suaudeau ajudou a mudar o status da gastronomia no Brasil; acima sua mousseline de mandioquinha com caviar

Receitas clássicas ganharam novas versões com ingredientes nacionais Nos anos seguintes, outros chefs com larga experiência vieram para engrossar o time. Caso de Erick Jacquin, que ficou famoso por seu foie gras com manga servido na Brasserie que leva seu nome, Emmanuel Bassoleil, do Skye, e o patissier Fabrice Le Nud, da doceria Douce France, hoje respeitados expoentes dessa saborosa mistura que fazem de seus restaurantes verdadeiras embaixadas francesas no Brasil. – Três coisas mudaram muito desde que cheguei ao Brasil: a qualidade e a oferta de produtos, a valorização dos profissionais de cozinha e os clientes, cujo paladar evoluiu muito – afirma Jacquin. Segundo ele, há 25 anos, a cozinha brasileira estava atrasada em relação ao mundo. – Usavam-se muita farinha nos molhos e muito tempero em tudo, o que mascarava o sabor dos alimentos – lembra ele, que, até mesmo pela dificuldade, acabou dando um “sotaque brasileiro” a suas criações, como o foie gras com banana ouro ou feijão. E não é só em São Paulo que a interação entre as duas cozinhas acontece. Em Salvador, o chef bretão Marc Le Dantec, do restaurante de mesmo nome, aproveita a fartura de frutas e peixes locais para dar nova roupagem às receitas. Daí, aparecerem robalos com redução de umbu-cajá e trigo sarraceno e atuns au poivre com sauté de tapioca e aspargos. No Recife, é possível encontrar no restaurante Chez Georges pratos híbridos, como o camarão à provençal com bolinho de macaxeira e o peito de frango ao molho de champignon e arroz de castanha.

O chef Erick Jacquin e seu foie gras com banana ouro: combinação de sucesso

51

gourmet-3.indd 5

26/11/2009 15:17:34


Bem viver Spas

Relax

francês Luxo e bem-estar se unem num convite irrecusável a conhecer os melhores spas da França Alexandre Staut

N

em só de cultura, luxo, gastronomia e belas paisagens vive a França. Conhecidos por saber, como ninguém, como aproveitar a vida, os franceses também se especializaram na arte do relaxamento. Pelos quatro cantos do país é possível encontrar spas bem equipados que convidam o visitante a se dar um momento de prazer com tratamentos de beleza, massagens e banhos de imersão. Tudo aliado à alta tecnologia cosmética, outra vantagem francesa. Em Paris, uma das opções mais requintadas para quem quiser descansar em meio ao turbilhão de ideias e novidades que se exalam pelas ruas é o spa Dior, dentro do hotel-palácio Plaza Athenée. Aberto também a não-hóspedes, o espaço tornou-se ponto de encontro de artistas, executivos, príncipes e magnatas de passagem por Paris.

Entrada do spa Dior, no hotel-palácio Plaza Atheneé, em Paris

52

BV-SPA2.indd 2

26/11/2009 15:19:16


Fotos: Divulgação

Rosto e corpo Instalado no subsolo do hotel, o spa surpreende por sua beleza. Logo na entrada, uma piscina com fundo em mosaico, sobre a qual pende uma gota de vidro soprado, recepciona o visitante, que conta com extensa lista de tratamentos para o rosto e o corpo oferecidos pela casa. Entre eles estão o lifting, o peeling, a fotoestimulação e a drenagem linfática, todos realizados com concentrados Dior. Inclusive com o L’Or de Vie, que traz ingredientes das vinhas do Château d’Yquem, desenvolvido pela Dior Cosméticos. Para ajudar a diminuir os efeitos do jet lag dos hóspedes que chegam de viagem, quase todos os procedimentos começam com uma massagem nas costas, chamada Lifting 3D, que tem como objetivo movimentar fibras musculares e os circuitos energéticos, acordando o fluxo vital do cliente. – Trata-se de um protocolo da Dior para receber seus clientes – diz a especialista Nicole Quirici.

Massagens e tratamentos com direito a menu triestrelado Outro endereço mítico de Paris, o hotel Le Meurice, também abriu seu spa após a recente renovação visual comandada pelo designer Philippe Starck. Trata-se do Valmont au Le Meurice, que oferece tratamentos como máscaras anti-idade, massagens relaxantes e hidratação de rosto e contorno dos olhos, além de uma ampla gama de tratamentos para o corpo, nos quais são utilizados produtos à base da água-marinha vinda das termas de Saint-Malo, ao noroeste da França. Além de contar com um espaço reservado para relaxar, o hóspede ainda pode optar por receber os mimos no terraço ensolarado do hotel. Equipado com guarda-sóis, espreguiçadeiras e mesas, ele também é servido pelo chef Yanick Alléno, três estrelas no Michelin, que preparou um cardápio especial com saladas, carpaccios, sanduíches, macarons, sucos de frutas, frappucinos e chás gelados para acompanhar o momento de descanso. 53

BV-SPA2.indd 3

26/11/2009 15:19:18


Bem viver Spas A oeste de Paris, um descanso inspirado na Índia Situada numa das regiões mais bucólicas da França, a cidade de Vannes, a 300 quilômetros de Paris, na Bretanha, é ideal para descansar longe do frenesi da capital francesa. Trata-se de uma joia intramuros, onde se fixaram os povos celtas no século IX, e hoje se localiza a Villa Kerasy Hotel e Spa, uma das hospedarias mais discretas e silenciosas do local, digna da distinção Charme & Caractère. Toda a sua ambientação remete à época das Companhias das Índias Ocidentais, que mobilizaram as cidades da Bretanha no século XVIII. Assim, cada um dos 15 quartos da Villa é como se fosse uma parada no caminho marítimo para a Ásia. – Um lembra a pimenta da Índia e de Sumatra, outro a canela do Ceilão, o cravo e a noz-moscada das [ilhas] Banda [na Indonésia], e assim por diante – diz o proprietário, Jean-Jacques Violo. Instalado dentro do hotel, o spa oferece tratamentos relaxantes, de revitalização dos sentidos e despertar espiritual por meio da imersão num mundo tipicamente indiano de cores, aromas, sabores e música, como poucos imaginariam existir na França. Há ainda cerimoniais refinados de massagens desenvolvidos pela marca de cosméticos Sundari, uma linha feita com ingredientes destilados e essências raras, nos moldes daqueles criados por botânicos indianos há 200 anos.

Na região da Bretanha, a Villa Kerasy convida a dias de relaxamento inspirado nas especiarias

54

BV-SPA2.indd 4

26/11/2009 15:19:19


No sul da França, o Couvent de Minimes, construído em 1613, foi tranformado em hotel com spa da L’Occitane

No sul do país, terapia à base de ervas aromáticas e azeite Caso o turista decida encontrar momentos de quietude mais ao sul da França, a dica é hospedar-se no Le Couvent des Minimes Hotel & Spa, membro do seleto time de Relais & Chateaux. Inaugurado pela L’Occitane em 2007, em Mane-enProvence, pequena cidade a cerca de uma hora do aeroporto de Marselha, em meio às montanhas da Haute-Provence, tem como base um antigo convento da ordem dos Minimes, datado de 1613. Com apenas 46 quartos, o hotel conta com piscina, quadra de tênis, adega e jardim de ervas aromáticas, criado no século XVII. Ali estão alguns dos ingredientes típicos da região – menta, oliva, amêndoa, camomila, lavanda, verbena e alecrim –, utilizados nos produtos L’Occitane, cuja fábrica se localiza nas proximidades. O spa tem seis salas de massagem, duas saunas, uma piscina aquecida e banheiras de cobre, e oferece tratamentos baseados em banhos de ervas naturais e óleos essenciais, numa prática que remonta à Antiguidade. Para encerrar a viagem em grande estilo, uma boa opção é conhecer a cabine Grande Mediterrâneo Hammam Ritual. Novidade no Le Couvent, ela lembra as melhores saunas turcas, e tem a massagem feita a quatro mãos numa área externa do spa.

SERVIÇO Le Couvent des Minimes Hotel & Spa Chemin des Jeux de Mai Mane-en-Provence www.couventdesminimes-hotelspa.com

Diárias nas suítes de € 350 a € 1.275. Preços dos tratamentos sob consulta. Le Meurice 228 rue de Rivoli, Paris www.lemeurice.com Preços de tratamentos e diárias sob consulta.

Plaza Athénée 25 avenue Montaigne, Paris www.plaza-athenee-paris.com Tratamentos no spa Dior entre € 170 e € 1,5 mil. Preços das diárias sob consulta. Villa Kerasy 20 avenue Favrel et Lincy, Vannes info@villakerasy.com Pacote com uma diária, 120 minutos de spa privê com ritual indiano, caféda-manhã e jantar num restaurante da região, por € 229, por pessoa.

55

BV-SPA2.indd 5

26/11/2009 15:19:25


Especial Arquitetura

Brasil à francesa Estilo encontrado nos grandes monumentos franceses influenciou a arquitetura das principais cidades brasileiras nos séculos XVIII e XIX

56

Especial arquitetura3.indd 2

26/11/2009 15:22:20


Fotos: divulgação SMSP

Projetado por Ramos de Azevedo, o Mercado Municipal de São Paulo é uma réplica do estilo francês de se construir prédios

N

ão é de hoje que a arquitetura neoclássica francesa invade as construções brasileiras. O estilo foi trazido ao país, ainda que indiretamente, a pedido do príncipe Dom João, depois Dom João VI. Decidido a acelerar o processo de modernização da nova capital do Império, após a instalação da família real portuguesa no Rio de Janeiro, em 1808, ele incumbiu o intelectual Joaquim Lebreton de reunir artistas franceses dispostos a participar da criação de um núcleo criativo no Brasil. O primeiro passo foi a chegada, em março de 1816, da Missão Francesa, que trazia entre outros o pintor Jean-Baptiste Debret e o arquiteto Grandjean de Montigny. Se o primeiro tratou de registrar a paisagem exuberante e os habitantes do país, o segundo, um arquiteto prestigiado na França, que acabara de receber o II Grande Prêmio de Roma, foi incumbido de afrancesar a cidade e imprimir traços neoclássicos por todo o espaço urbano, tingindo o barroco das florestas e das casas coloniais de um tom cosmopolita, à moda europeia, como diz a historiadora Fátima Santiago, do espaço cultural Casa França-Brasil, hoje instalado, não por acaso, em uma das construções de Montigny, o antigo prédio da alfândega. 57

Especial arquitetura3.indd 3

26/11/2009 15:22:21


Especial Arquitetura

– Durante os 24 anos em que viveu no Rio de Janeiro (onde morreu em 1850), Grandjean de Montigny trabalhou intensamente. Projetou o Mercado Municipal do Rio (já demolido), o prédio do Senado e da Biblioteca Imperial (que não chegaram a ser construídos), a Escola Real de Ciências Artes e Ofícios (demolida) e sua residência na Gávea, que se transformaria no Solar da Baronesa, hoje centro cultural da PUC-RJ, depois de ter sido a sede da reitoria da universidade. Além disso, tratou de fazer diversas intervenções urbanísticas na paisagem do Rio – diz Fátima. Para seus projetos, ele usava elementos básicos da arquitetura neoclássica, como materiais nobres (mármore, granito e madeira), em desenhos cheios de linhas ortogonais, formas regulares, geométricas e simétricas, com volumes corpóreos e maciços, a partir de critérios geométricos formais. – A arquitetura de Montigny é especial pois ele traz sua bagagem francesa, mas não abre mão de “brincar” com elementos da natureza brasileira. Para fazer sua residência, por exemplo, valorizou a mata da Floresta da Tijuca em cada mínimo detalhe. A casa é praticamente um neoclássico dos trópicos, pois tem varandas abertas nas quais a natureza é convidada a entrar – diz a historiadora Piedade Grinberg, diretora do Solar. – Tanto a Casa França-Brasil quanto o Solar da Baronesa viriam a se transformar nas obras mais significativas do estilo neoclássico no país, que seria copiado à exaustão e invadiria as ruas do Rio de Janeiro no fim do século XIX – afirma Piedade. Ela conta que o período neoclássico no Brasil durou quase um século. “Grandjean de Montigny era professor da Academia de Artes e Ofícios e teve diversos discípulos, como Pedro José Pézerat, criador do projeto do pavilhão do Palácio Imperial, na Quinta da Boa Vista, em 1828, e Carlos Rivière, que criou o projeto da Igreja Matriz Nossa Senhora da Glória, entre algumas dezenas de outros discípulos, que recriariam a paisagem carioca do período.”

Fotos: divulgação

As obras de Montigny serviram de referência para o neoclássico carioca

No século XIX, influência extrapola as fachadas e dá lugar ao ‘morar à francesa’ Ricardo Corrêa Coelho, autor do livro Os Franceses, situa o fim do neoclássico no país em 1889, momento em que o Brasil se transforma em República e quer se mostrar ao mundo como um país inserido na modernidade. – Uma das primeiras medidas governamentais foi mudar padrões artísticos que vigoravam na época. Surge então o período eclético, que trazia combinações de elementos da arquitetura clássica, medieval, renascentista, barroca e neoclássica, e que, do ponto de vista técnico, imprimia os avanços da engenharia do século XIX, com o uso de estruturas de ferro forjado, por exemplo. Nessa época são criados o Teatro Municipal do Rio, na Praça Floriano, e o hotel Copacabana Palace, na Avenida Atlântica, entre tantos outros prédios. “São construções que trazem não somente uma estética de fachada, mas uma forma de morar à francesa, na qual as construções passaram a ser divididas em alas totalmente independentes – de dormir, de estar e de serviço”, diz o historiador.

58

Especial arquitetura3.indd 4

26/11/2009 15:22:23


Foto: Paulo Lopes

No Rio, o hotel Copacabana Palace traz uma estĂŠtica de fachada e um estilo de morar franceses; abaixo Teatro Santa Isabel, no Recife

59

Especial arquitetura3.indd 5

26/11/2009 15:22:24


Especial Arquitetura

Foto: Inaldo Lins

Se São Paulo era relegada a segundo plano no período imperial, o mesmo não aconteceu no início do século XX, quando fazendeiros e empresários começaram a encomendar prédios e casas em estilo europeu. Formado na Universidade de Gand, na Bélgica, Ramos de Azevedo (1851-1929) foi um dos destaques dessa época, ao recriar na capital paulista algumas das mais importantes obras de influência francesa em São Paulo, tais como o Mercado Municipal, a Pinacoteca do Estado e o Liceu de Artes e Ofícios. O estilo haussmanniano ainda foi explorado no traçado das ruas centrais do Recife, especialmente na região do Marco Zero, entre a Avenida Rio Branco e a Rua Marquês de Olinda. Mas não foi somente no urbanismo que o estilo francês se impôs na cidade. O Mercado São José, por exemplo, inaugurado em 1875, foi inspirado no Mercado de Grenelle, em Paris. Já o Teatro Santa Isabel foi desenhado pelo engenheiro francês Louis Léger Vauthier em meados do século XIX.

Foto: divulgação SMSP

Os mesmos traços podem ser encontrados em São Paulo e Recife

Pinacoteca do Estado,em São Paulo: reflexo dos clássicos traços franceses

Mercado São José, no Recife, inspirado no mercado de Grenelle, em Paris

60

Especial arquitetura3.indd 6

26/11/2009 15:22:27


Estilo de Le Corbusier serviu de base para diversos projetos no país Muitos historiadores dizem que a influência francesa na arquitetura brasileira dura até a Segunda Guerra Mundial, quando se começa, por aqui, a imitar o estilo americano, com seus arranha-céus. Mas o historiador Ricardo Corrêa Coelho discorda. Segundo ele, toda a arquitetura moderna nacional foi inspirada “de a a z” no franco-suíço Le Corbusier, considerado uma das figuras mais importantes da arquitetura moderna. – Ele orientou vários arquitetos brasileiros, como Lúcio Costa, Carlos Leão e Oscar Niemeyer. Este último soube se aproveitar dos ensinamentos do mestre, mas em vez de usar suas linhas retas, acabou imprimindo um traço característico das curvas do Rio, da mulata carioca, em seus projetos. Inventou assim uma arquite-

tura brasileira que tem na raiz alma francesa – conclui Coelho. (Leia mais sobre Le Corbusier na página 76) Seguindo ainda os passos de Le Corbusier, hoje a arquitetura francesa é representada no Brasil por quatro nomes, Greg Bousquet, Guillaume Sibaud, Olivier Raffaelli, do escritório Triptyque – que tem ainda a brasileira Carolina Bueno como sócia –, e pelo franco-suíço Michel de Fournier. Mas só o tempo dirá se um dia eles serão lembrados e reverenciados como Grandjean de Montigny e Le Corbusier, que deixaram suas marcas para sempre na paisagem urbana do país. 61

Especial arquitetura3.indd 7

26/11/2009 15:22:29


Queiroz Galvão São Paulo

Fotos: Raul Junior

Fachada do edifício Grand Diamond, no Vila Nova Conceição

62

QG2.indd 2

26/11/2009 15:25:12


Salão de festas decorado pela arquiteta Débora Aguiar

Jóia lapidada Grand Diamond reúne sofisticação, espaço e tranquilidade num dos bairros mais valorizados de São Paulo

U

m verdadeiro diamante lapidado, a poucos metros do Parque Ibirapuera. Assim é o Grand Diamond, empreendimento da Queiroz Galvão, que está sendo entregue na Vila Nova Conceição, em São Paulo. Projetado para traduzir a qualidade de vida e sofisticação que o bairro, um dos mais valorizados da cidade, pode oferecer, o edifício de 14 pavimentos, sendo 13 tipos e 1 cobertura, conta com um apartamento por andar e área total de 1.455 m2. Com linhas imponentes em tons claros e formas elegantes, o Grand Diamond foi pensado pela dupla de arquitetos Márcio Curi e Azevedo Antunes para

transmitir toda a nobreza do estilo clássico, que está sempre vivo e se valoriza a cada dia. Nas áreas comuns foram criados um salão de festas gourmet, uma sala de massagem, fitness, solarium, deck molhado, duas piscinas - uma infantil e outra climatizada com raia de 18 metros - e playground. Uma “praça da água”, ambiente de estar e contemplação, foi pensada em parceria com Benedito Abbud, responsável pelo paisagismo do empreendimento. Com uma fonte rodeada por jabuticabeiras, o local atrai os pássaros da região, que contribuem com seu canto para o clima 63

QG2.indd 3

26/11/2009 15:25:15


Queiroz Galvão São Paulo

Salão de ginástica equipado com o que há de mais moderno

de paz e tranquilidade gerado pelo barulho da água em movimento. Seguindo o mesmo padrão da própria rua, a Jacques Félix, o edifício é todo cercado de verde, desde a calçada. Conta também com a sombra de árvores preservadas, como a sibipiruna. Para garantir a tranquilidade dos moradores, um moderno sistema de segurança foi instalado em todo o edifício, com direito a guarita com vidros blindados.

Beleza e privacidade sem perder o contato com a natureza

Outra importante profissional que participou da formação do empreendimento é a arquiteta Débora Aguiar. Valendo-se de ingredientes básicos como madeira, granito e mármore branco, oferece conforto e sofisticação a cada futuro morador, como se fosse o único. A partir de uma releitura do estilo art-déco, a especialista projetou ambientes clean, que se integram aos revestimentos de piso, forro e paredes em tons claros e suaves. No hall de entrada e salões comuns, um mobiliário limpo e moderno alia beleza e sofisticação para proporcionar aconchego e amplitude. “O ponto de destaque é o pé direito duplo do hall, com seis metros de altura, que permitiu a construção de nichos verticalizados e iluminados, decorados com bambu e vegetação”, afirma Débora. Nos apartamentos tipo, com 228 m2, as áreas integradas foram pensadas para estimular a convivência familiar. Assim, cada unidade conta com sala para quatro ambientes, com direito a lareira, quatro suítes e quatro vagas na garagem. No caso das coberturas duplex, de 364 m2, o benefício sobe para seis vagas, além de uma Na área de lazer, piscina infantil, piscina adulto com raia, deck molhado e quadra poliesportiva piscina privativa no terraço. 64

QG2.indd 4

26/11/2009 15:25:17


JUNTO À SERRA DO JAPI, COM TOTAL SEGURANÇA E UMA COMPLETA INFRAESTRUTURA DE LAZER. VI

DA DE , V DA R ERDE E LIBE

CASAS em condomínio fechado em Jundiaí, São Paulo.

3 e 4 dormitórios 120 e 173m privativos 2

Fotos do local

Estufa

Área verde

Horta

Área verde

Fazendinha

• Trilhas ecológicas para caminhadas* • 5 lagos* • Horta com estufa* • Árvores frutíferas* • 50.000m 2 de área de preservação permanente* • Minifazendinha com animais*

www.nature2.com.br - Informações: (11) 3066-1000

A 25 minutos de São Paulo

Comercialização:

Incorporação e Construção:

Rod. Dom Gabriel Paulino Bueno Couto, Km 67,5. Acesso pela esquina da Rua Antônio Lucato com a Av. Luiz José Sereno - JUNDIAÍ - SP

www.fernandezmera.com.br

*Os condôminos adquirentes do empreendimento Nature Village, bem como os futuros adquirentes do empreendimento Nature 2, terão direito ao uso da área de preservação permanente (APP), objeto de “Instituição de Servidão de Uso”, registrada junto à matrícula nº 110.927 do 2º oficial de Registro de Imóveis de Jundiaí/SP e conforme normas estabelecidas na convenção do condomínio. Incorporadora Responsável: Queiroz Galvão Nature Etapa 2 Desenvolvimento Imobiliário Ltda. Av. Brigadeiro Faria Lima, 3015 – 12º andar – CEP: 01452-000, São Paulo – SP. Central de Atendimento: Fernandez Mera Negócios Imobiliários, Av. Brigadeiro Luís Antonio, 4.910 – CEP: 01452-002, São Paulo – SP. Creci 5.425 - J. - www.fernandezmera.com.br. Memorial de Incorporação Registrado sob nº R.9 da matrícula nº 110.927 do 2º Oficial de Registro de Imóveis da comarca de Jundiaí, em 18/09/2009. Mapa de acesso sem escala.

QG2.indd 5

26/11/2009 15:25:23


Queiroz Galvão Recife Totalmente envidraçada, a fachada dos 21 andares contribui para a iluminação natural dos ambientes internos

Negócios sob

medida Flexibilidade de espaços e localização privilegiada fazem da torre Janete Costa o endereço ideal para empresários no Recife

Fotos: Divulgação

D

epois do sucesso de vendas da primeira torre do Centro Empresarial Queiroz Galvão, um espaço de 10.800 metros quadrados totalmente voltado ao empreendedorismo, em Boa Viagem, a construtora Queiroz Galvão e a Galvão Engenharia lançam agora o segundo edifício no complexo, a torre Janete Costa. Com localização privilegiada no Recife, o empreendimento situa-se próximo das principais vias de acesso ao estado (BR-101 e BR-232), a apenas cinco minutos do Aeroporto Internacional Gilberto Freyre (Guararapes) e a trinta do Porto de Suape, um dos mais importantes do país. A ser construída ao lado do Shopping Center Recife, um dos maiores centros de compras, alimentação e serviços do Brasil, a torre Janete Costa destaca-se pela flexibilidade de seu projeto, criado pelo arquiteto Carlos Fernando Pontual. Com salas modulares de 40 a 427 metros quadrados em cada um dos 21 pavimentos-tipo, o edifício permite a instalação de escritórios de diferentes tamanhos, de acordo com a necessidade de cada empresa, seja qual for o ramo de atuação.

66

QG2.indd 6

26/11/2009 15:25:23


Flexível, a planta permite a instalação de escritórios de diferentes tamanhos, de acordo com a necessidade de cada empresa

“O projeto foi feito para que o proprietário possa optar por utilizar todo o pavimento em um único salão, ou dividi-lo em até oito salas. E, mesmo nesse caso, não haverá prejuízo para as demais instalações, como banheiros, por exemplo, pois a ocupação de cada pavimento poder ser feito de forma independente”, explica Pontual. Totalmente envidraçada, a fachada ainda contribui para a iluminação natural dos ambientes internos. “Feita em vidro, com revestimento de alumínio, a torre Janete Costa se beneficiou com sua localização, na esquina do empreendimento. Isso nos possibilitou aproveitar a praça em frente para servir de entrada de acesso ao edifício.” Para garantir a tranquilidade dos condôminos, as recepções e entradas de serviço e social serão independentes, e com catracas eletrônicas

que auxiliarão no rígido controle de acesso de visitantes. Sob a orientação da Haganá, empresa líder no segmento de segurança condominial, o edifício ainda trará completa infraestrutura para a instalação de câmeras em pontos estratégicos nas áreas comuns, alarmes em todos os andares e sistemas de segurança e administração, controlados por computador em sala blindada e isolada.

67

QG2.indd 7

26/11/2009 15:25:24


Do bem A orquestra formada pelos meninos do Coque tocam clássicos como os de Vivaldi e Ravel

Música e cidadania

Importante agente transformador na comunidade do Coque, no Recife, Orquestra Criança Cidadã pode disputar o título de melhor projeto social do mundo

68

Orquestra2.indd 2

26/11/2009 15:28:50


Um dos alunos do projeto, João Pedro aprendeu a tocar violino em apenas oito dias

Fotos: Leandro Lima

N

o início, transformar em músicos as crianças e adolescentes da Comunidade do Coque, região mais violenta de Recife e com o menor índice de desenvolvimento humano de Pernambuco, parecia uma missão impossível. Mas com muita persistência, o juiz João José Galvão Targino, idealizador da Orquestra Criança Cidadã, conseguiu “plantar flor onde só tinha espinho”. – Não adianta reclamar da violência, temos que ser agentes pró-ativos da sociedade. Esse cenário de desigualdade e infortúnio só vai mudar quando houver iniciativa da sociedade – diz ele, que criou o projeto em parceria com a Associação Beneficente Criança Cidadã (ABCC). – Queria disciplinar e transformar essa juventude. Você não vê um músico mal feitor. Enxerguei as virtudes que a música proporciona e passei a nutrir esse sonho. O desejo de mudar a perspectiva de futuro da comunidade tornou-se realidade em julho de 2006. Nesta data foi inaugurada a Escola de Música do Projeto Orquestra Criança Cidadã, com sede no quartel do 7º Depósito de Suprimentos, do bairro de Cabanga. Ali, 130 crianças e adolescentes do Coque, todos entre quatro e 17 anos, se revezam em aulas de música, inglês, espanhol, computação e bons modos. Ao longo das quatro horas diárias que passam no local, também recebem atendimento médico e odontológico, além de três refeições. A importância social do projeto é tão grande para a comunidade, que a Orquestra já ganhou dois prêmios regionais de reconhecimento.

O próximo objetivo é qualificar-se entre os dez projetos sociais brasileiros que serão indicados pela Caixa Econômica Federal para participar do Prêmio Internacional de Dubai sobre Melhores Práticas para Melhorar as Condições de Vida, promovido anualmente pelas Nações Unidas. – Temos grandes chances de estar entre esses dez selecionados – diz Targino.

Projeto depende de doações Apesar do crescimento do projeto, o juiz lamenta a instabilidade financeira com que convivem. Sem renda fixa, a escola se mantém com doações vindas de empresas como a construtora Queiroz Galvão, que doou parte das instalações das salas de aula. Além da Queiroz Galvão, a orquestra conta com patrocinadores como o Exército Brasileiro, CNI (Confederação Nacional das Indústrias) e CHESF (Companhia Hidro Elétrica do São Francisco), entre outros – Imagine uma mãe pobre, sem ter do que se alimentar, tendo que manter uma gestação saudável. Assim foi o nascimento do projeto – define Targino. – No primeiro ano de atividade, anunciamos o fim do projeto duas vezes por falta de recursos. Isso me entristece, pois não se trata de assistencialismo. Temos o objetivo da transformação e não da esmola. Para garantir essa mudança na comunidade, 69

Orquestra2.indd 3

26/11/2009 15:28:51


Do bem

Os dirigentes do projeto: Nildo Nery, presidente da ABCC; o juiz João Targino e o maestro Cussy de Almeida

os pais dos alunos beneficiados pelo projeto também são inseridos nesse contexto musical, participando de reuniões e apresentações. – Sempre falo para os pais: “Dêem carinho e apoio a eles, porque são eles que vão tirar vocês daqui”. E o fato de verem seus filhos fora das ruas e das lan houses dá a esperança de que eles sairão do bairro antes mesmo de se tornarem adultos – diz o maestro Cussy de Almeida, coordenador musical da orquestra. Rosângela Teixeira de Lima, mãe do adolescente de 13 anos João Pedro, que desde os 11 frequenta a escola, engrossa a lista dos que esperam um futuro melhor devido à formação musical do filho. – Nunca criei o João com a ideia de que um dia ele iria para a faculdade, porque não tínhamos perspectiva alguma. Hoje vejo que ele vai ter um futuro. Ele diz que vai se formar músico, vai cuidar de mim e comprar um apartamento para se mudar daqui – diz Rosângela. Apesar da expectativa do filho, Rosângela admite que gosta do lugar onde vive. “Nasci e cresci aqui. E é um bairro que fica perto de tudo”, diz. “O Coque fica em uma região central do Recife, por onde a população é quase que obrigada a passar”, explica o maestro Almeida. “Todo mundo conhece a favela do Coque”, completa.

tar trabalhar as crianças dentro de uma ‘bolha’. Elas conhecem o crime, mas não participam dele”, diz. A “bolha” já deu resultados. No início de setembro, um dos alunos ganhou uma bolsa de estudos musicais no exterior. “Ele está na Polônia, e tendo em vista a rigidez da avaliação europeia, isso comprova a qualidade do projeto. Eles de fato se formam músicos e podem exercer a profissão. E isso evita que eles se tornem ‘aviões’ do tráfico para ganhar dinheiro”, diz o maestro. Ao contrário do que normalmente acontece em famílias de baixa renda, onde o estudo é deixado de lado e o trabalho passa a ser prioridade, Rosângela prefere que João Pedro passe o dia estudando. “Hoje o adolescente trabalha para ajudar a sustentar a família, mas amanhã, que futuro ele vai ter?”, diz ela. Ela relembra o primeiro momento em que sentiu orgulho de ter um filho músico. “Fazia apenas oito dias que o João estava na escola, quando pegou o violino do vizinho emprestado e tocou uma música para mim. Eu nunca havia visto um instrumento como aquele. Fiquei tão emocionada que chorei. E até hoje choro quando o vejo tocar.”

Orquestra é sinônimo de esperança Criado no Recife – com direito a temporadas de estudos em Paris e Genebra –, Almeida sempre soube da existência da comunidade, mas foi só quando foi assaltado na região que começou a repensar a forma de ver a cidade. “É um lugar violento, onde vivem 40 mil pessoas, sem nenhuma perspectiva de vida. A violência é a escola dessas crianças. Pensando na cidadania e no futuro profissional dessa juventude, passei a participar do projeto, para ten-

Além das atividades musicais, os jovens atendidos pelo programa têm aulas de informática, para reduzir a exclusão digital

70 An Orquestra2.indd 4

26/11/2009 15:28:53


4 quartos (2suítes) ou 3 suítes E

S

E

R V A

D

O

H

O

R T

3 vagas - 152m2

O

PERSPECTIVA ILUSTRADA DA FACHADA

R

PERSPECTIVA ILUSTRADA DA PISCINA COM RAIA E BORDA INFINITA

PERSPECTIVA ILUSTRADA DA VARANDA

Incorporação e Construção:

An 205x275.indd 1 Orquestra2.indd 5

11/19/09 6:05:43 PM 26/11/2009 15:28:58


Art Cinema

Luz, câmera,

Godard

O diretor que inspirou mais de uma geração de cineastas ganhou retrospectiva no ano da França no Brasil Mariane Morisawa

U

ma onda forte, daquelas que derrubam tudo pela frente, percorreu o mundo do cinema na virada da década de 1950 para 1960. A Nouvelle Vague, detonada por um grupo de críticos franceses que se tornaram cineastas, teria repercussões por toda parte, inclusive no Bra-

sil, onde vigorou, com o Cinema Novo, o lema “uma câmera na mão e uma ideia na cabeça”. Nessa turma, formada por François Truffaut, Claude Chabrol, Jacques Rivette e Eric Rohmer, nenhum revolucionou tanto a sétima arte quanto Godard.

72

Art_Godard 3.indd 2

26/11/2009 15:30:36


Pode-se dizer, sem exageros, que existe um cinema antes de Godard e depois de Godard, assim como há a pintura antes de Picasso e depois de Picasso. “Godard foi incontestavelmente o maior inventor no cinema da segunda metade do século XX. Ele explorou o cinema sob todas as suas formas e em todos os seus estados, como Picasso fez antes dele com a pintura”, diz Alain Bergala, crítico e professor francês que fez a curadoria da Retrospectiva Godard, dentro do 5º Seminário Internacional de Cinema e Audiovisual, em Salvador, no final de julho. – Godard não é simplesmente um grande cineasta que fez bons filmes. Ele tem uma ideia muito elevada do que deveria ser o cinema e ele tenta confrontar sua arte com o que há de maior antes dele na história das artes. Godard transformou-se hoje na mais alta “consciência” do cinema no mundo – exalta Bergala. – É como se ele fosse, mesmo, um deus do cinema. Ou um farol.

Nova forma de fazer cinema nasceu de uma visão crítica da arte

No Brasil, Godard tem admiradores como Selton Mello Quando ele estreou seu primeiro longa-metragem de ficção, Acossado, em 1959, não havia dúvida de que nascia ali uma nova forma de cinema. Claro que houve muitos críticos. Mas houve e há também, até hoje, admiradores impressionados com seu trabalho. Caso do ator Selton Mello, que começa, ele próprio, a dar seus primeiros passos como diretor.

Abaixo, pôster do filme Pierrot le Fou; à esquerda cena do filme Uma Mulher É uma Mulher

A influência de Godard e sua turma começou ainda como críticos de cinema, principalmente na revista Cahiers du Cinéma. Nela, os jovens autores criticavam a maior parte dos diretores e roteiristas franceses da época. “Seus movimentos de câmera são feios porque seus temas são ruins, seus elencos atuam mal porque seus diálogos não têm valor; numa palavra, vocês não sabem criar cinema porque vocês nem sabem mais o que é cinema”, escreveu, certa vez, Godard. Eles abraçaram as teorias do crítico André Bazin, que propunha o conceito de autoria no cinema. “Nós vencemos quando conseguimos que fosse reconhecido, como princípio, que um filme de Hitchcock, por exemplo, é tão importante quanto um livro de Aragon [Louis Aragon, escritor e poeta francês]. Os autores de cinema, graças a nós, finalmente entraram na história da arte”, afirmou Godard. Eles eram, afinal, uma geração formada já sob os signos do cinema. “Todos éramos críticos antes de começar a fazer filmes, e eu amava todos os tipos de cinema – os russos, os americanos, os neorrealistas. Foi o cinema que nos fez – a mim, pelo menos – querer fazer filmes. Eu não sabia nada da vida a não ser por meio do cinema”, disse o cineasta. 73

Art_Godard 3.indd 3

26/11/2009 15:30:37


Art Cinema Cena do filme Pequeno Soldado de 1963

Próximo filme do diretor deve ser lançado em 2010

– Li em algum lugar que esse filme pode ser interpretado como um documentário sobre (o ator) Jean Paul Belmondo. É um raciocínio bem curioso e divertido – afirmou Selton. Faz todo o sentido. Acossado propôs um cinema com um pé no realismo, em que a câmera, leve e na mão do fotógrafo, podia colar nos atores, eles próprios livres para se movimentar nas locações. Como não há marcações muito evidentes, os atores se mexem de forma muito natural, e a iluminação também se apoia pouco em fontes artificiais. Michel (Jean Paul Belmondo), o protagonista, anda à deriva, tenta obter dinheiro por meio de roubos e golpes, diz que ama Patricia (Jean Seberg). Tudo parece muito casual, como se a câmera documentasse a vida e não como se a vida representasse para a câmera. Na montagem, Godard emenda cenas de forma a causar estranhamento no espectador. O final ambíguo se tornaria frequente em sua obra. – O cinema de Godard foi sempre um apelo à liberdade de filmar e à consciência da responsabilidade do criador de cinema – diz Bergala.

Godard passou um tempo filmando muito, às vezes dois longas num único ano. O cineasta brincou com os gêneros cinematográficos: fez musical (Uma Mulher é uma Mulher), filme de guerra (O Pequeno Soldado), policial (Bande à Part) e ficção cientifica (Alphaville). Por volta de 1964, já era imitado no mundo inteiro. Influenciou, por exemplo, o cinema marginal brasileiro, de diretores como Rogério Sganzerla. Na década de 1980, causaria escândalo com Je Vous Salue Marie, proibido no Brasil por mostrar Nossa Senhora como uma estudante moderna, que joga basquete. O longa forma uma trilogia com Passion e Prénom Carmen. – Nessa trilogia, cada filme é uma etapa em direção à próxima, e pode-se ver Godard avançar passo a passo sobre questões como: a confrontação do cinema com a pintura e a música, o sagrado da Virgem com a criação – diz Bergala. Na década seguinte, sua preocupação se voltaria para o envelhecimento e a morte, com obras como Nouvelle Vague, Hélas pour Moi e Para Sempre Mozart. – Godard se interroga sobre a possibilidade de o cinema filmar o desaparecimento e a ressurreição dos corpos, a ponte divina e humana na encarnação, o envelhecimento e o retorno a aspectos de sua infância. Esses três períodos permitirão seguir o percurso de Godard em relação à sua arte e às suas preocupações recorrentes, mas sobretudo a evolução de seu projeto para o cinema – explica Bergala. Sem terminar um filme de ficção desde Nossa Música, de 2004, Godard se prepara para lançar Socialisme em 2010. O mundo do cinema vai mais uma vez parar para prestar atenção.

Cena do filme Nouvelle Vague de1990

74

Art_Godard 3.indd 4

26/11/2009 15:30:38


Art_Godard 3.indd 5

26/11/2009 15:30:40


Fotos: © FLC / VG Bild-Kunst, Bonn 2009

Art Cultura

Gigante

do século XX

Nascido na Suíça, mas radicado na França, Le Corbusier influenciou a arquitetura e teve relação estreita com o Brasil e com arquitetos como Oscar Niemeyer e Lúcio Costa Mariane Morisawa 76

Art_Le Corbusier2.indd 2

26/11/2009 15:31:52


Na página ao lado, o mestre explicando um de seus projetos; à direita, a cadeira Chrome feita com tubular de aço, couro e molas de aço

“P

ara este grande viajante, existem lugares privilegiados no planeta, entre montanhas, planaltos e planícies com grandes rios que correm rumo ao mar. O Brasil é um desses lugares acolhedores e generosos que gostamos de poder considerar como um amigo.” Foi assim, cheio de carinho e palavras elogiosas, que Le Corbusier (18871965) resumiu seu relato sobre a passagem pelo país nas décadas de 1920 e 1930. Essa relação foi destacada na exposição Le Corbusier – Entre Dois Mundos, que ficou em cartaz na Caixa Cultural Rio de Janeiro em agosto. Na mostra, com curadoria de Jacques Sbriglio, foram exibidas 120 peças produzidas por ele em seus últimos vinte anos de vida, entre 1945 e 1965, o que inclui projetos arquitetônicos, desenhos, pinturas, colagens, litografias, esculturas, tapeçarias, maquetes, livros e fotografias pertencentes à Fundação Le Corbusier, de Paris. Considerado por alguns estudiosos o arquiteto mais importante do século XX, ele veio pela primeira vez ao Rio de Janeiro e a São Paulo em 1929 – a segunda visita aconteceria em 1936. Para Sbriglio, as viagens ao Brasil foram impactantes em sua obra: – O antes é o período “purista”, o das mansões parisienses, e o “racionalista”, dos edifícios Clarté (em Genebra) ou Molitor (em Paris). O depois é o período “brutalista”, com o concreto armado como sua matéria-prima e todo um novo vocabulário arquitetural que se implanta, a partir da utilização do quebra-sol, que se torna para Le Corbusier, após o pilotis, a planta livre, a fachada livre, a janela em fita e o terraço jardim, o “sexto ponto da arquitetura moderna”.

Trabalho influenciou diversas obras no Brasil, entre elas Brasília Na década de 1930, o arquiteto franco-suíço aproximou-se do grupo de Lúcio Costa e Oscar Niemeyer, atuando como consultor do projeto do prédio-sede do então Ministério da Educação e Saúde, no Rio, projetado por Costa, Niemeyer, Affonso E. Reidy, Carlos Leão, Jorge Moreira e Ernani Vasconcellos. Os arquitetos modernistas brasileiros criaram diálogo estreito com Le Corbusier, influenciando e sendo influenciados por ele. A construção de Brasília, por exemplo, não teve sua participação direta, mas ali várias de suas ideias, até então utópicas, ganharam versão criada por Costa e Niemeyer. Ele defendia, por exemplo, grandes blocos de apartamentos assentados sobre pilotis, algo comum de ver na paisagem da atual capital federal. Nos anos 1950 e 1960, o ensino de arquitetura no Brasil baseou-se muito em sua obra e suas ideias. O próprio Niemeyer era grande admirador dele, como prova a semelhança entre seus desenhos do início da carreira e os do arquiteto naturalizado francês. 77

Art_Le Corbusier2.indd 3

26/11/2009 15:31:53


Art Cultura Exposições pelo mundo marcam os 60 anos de carreira Le Corbusier ainda é objeto de muita polêmica no mundo da arquitetura. Para discutir a implicação de sua obra na atualidade, uma grande exposição foi montada pelo Vitra Design Museum em parceria com o Royal Institute of British Architects e o Nederlands Architectuur Institut. Ela ficou em cartaz no Martin Gropius-Bau, em Berlim, até o início de outubro. Le Corbusier – Art and Architecture apresentou 380 peças em ordem cronológica, abarcando seus 60 anos de carreira. Havia maquetes novas e antigas, além de instalações baseadas em projetos de interiores, o mural gigante do escritório parisiense na Rue de Sèvres (1948), o filme Arcachon, rodado por ele no Rio de Janeiro, e a reconstrução do Plan Voisin, de 1925, seu projeto urbano utópico para Paris. A mostra procurou deixar evidentes seus interesses no Mediterrâneo e no Oriente Próximo, sua busca por formas orgânicas nos anos 1930, seu fascínio pelas novas tecnologias e mídias e pela metrópole moderna. Sua obra ligava arquitetura, planejamento urbano, pintura, design, cinema e outras disciplinas. Ele mesmo sempre se considerou um escultor, não um arquiteto.

Le Corbusier em seu ateliê, em Paris, onde criava novas formas orgânicas para objetos e edifícios

Unidade habitacional construída por Le Corbusier em Marselha, uma de suas obras-primas

78

Art_Le Corbusier2.indd 4

26/11/2009 15:31:55


Viagens serviram para se inspirar e divulgar o modernismo Nascido em 1887 em La Chaux-de-Fonds, na Suíça, Charles-Edouard Jeanneret-Gris cursou a Escola de Arte de sua cidade e, autodidata em arquitetura, fez viagens de iniciação para Itália, Áustria, França, Alemanha e Grécia, entre 1906 e 1917, ano em que se radicou em Paris, onde adotou o pseudônimo que o tornaria famoso. Na capital francesa, fundou a revista L’Esprit Nouveau, com Amédée Ozenfant e Paul Dermée. Nos anos 1920, começou suas palestras e continuou suas viagens. Na América Latina e no Norte da África, descobriu as formas orgânicas, as tradições regionais e o uso de materiais naturais. Do Mediterrâneo, passou a utilizar os volumes claros, as fachadas brancas e os ambientes abertos. Nos anos 1930 dedicou-se a propagar sua doutrina, mas foi a partir da Segunda Guerra Mundial que, maduro, desenhou suas obras mais importantes, como a unidade habitacional de Marselha, a capela de Ronchamp, o convento de Tourette, e os edifícios do Capitólio em Chandigarh, na Índia. Le Corbusier era um apaixonado pela arquitetura e acreditava que ela podia ajudar as pessoas a clarear suas ideias. Ele foi um desbravador e grande divulgador do modernismo, uma corrente que, mesmo muito criticada, moldou a arquitetura mundial desde o século XX até os dias de hoje.

Capele Notre-Dame-du-Haut, em Ronchamp

Pavilhão Philips em Bruxelas; obra de 1958

79

Art_Le Corbusier2.indd 5

26/11/2009 15:31:58


Endereços Cultura

QUEIROZ GALVÃO

Brentwood Al. Gabriel Monteiro da Silva, 1130, Jd. Paulistano - São Paulo (SP) Tel.: (11) 3082-8577 www.brentwood.com.br Casa França-Brasil R. Visconde de Itaboraí, 78, Centro - Rio de Janeiro (RJ) Tel.: (21) 2253-5366 Chez Georges Av. Boa Viagem, 1906, Terceiro Jardim de Boa Viagem, térreo Recife (PE) Tel.: (81) 3326-1879 Decameron Design R. Aspicuelta, 145, Vila Madalena - São Paulo (SP) Tel.: (11) 3097-9344 www.decamerondesign.com.br Douce France Al. Jaú, 554, Jardins - São Paulo (SP) Tel.: (11) 3262-3542

Gica Mesiara www.quadrovivo.com Hotel Copacabana Palace Av. Atlântica, 1702 Rio de Janeiro (RJ) Tel.: (21) 2548-7070 www.helvetiahouse.com.br Jardinaria Av. 17 de Agosto, 1665, Casa Forte - Recife (PE) Tel.: (81) 3266-1184 La Brasserie Erick Jacquin R. Bahia, 682, Higienópolis - São Paulo (SP) Tel.: (11) 3826-5409 La Casserole Largo do Arouche, 346, Santa Cecília - São Paulo (SP) Tel.: (11) 3331-6283 La Cocagne R. Campos Bicudo, 129, Itaim Bibi - São Paulo (SP) Tel.: (11) 3079-5177

Dpot Al. Gabriel Monteiro da Silva, 1250 São Paulo (SP) Tel.: (11) 3082-9513 www.dpot.com.br

La Paillote Av. Nazaré , 1946, Ipiranga - São Paulo (SP) Tel.: (11) 5061-5182

Duílio Sartori Casa Shopping – Bloco G Loja H / I Rio de Janeiro (RJ) Tel.: (21) 2108-8144

Lattoog Design R. Visconde de Pirajá, 550 Salas 704/ 705 Rio de Janeiro (RJ) Tel.: (21) 2512-6182 www.lattoog.com

Eduardo Borém Tel.: (61) 8175-6747 (61) 3039-3175 contato@eduardoborem.com.br

Laurent Suaudeau São Paulo (SP) Tel.: (11) 3887-0170 www.laurent.com.br

Firma Casa Al. Gabriel Monteiro da Silva, 1487, Jd. Paulistano - São Paulo (SP) Tel.: (11) 3068-0377 www.firmacasa.com.br

Le Couvent des Minimes Hotel & Spa Chemin des Jeux de Mai Mane-en-Provence www.couventdesminimes-hotelspa.com

Freddy Pça Dom Gastão Liberal Pinto, 111/115, Itaim Bibi - São Paulo (SP) Tel.: (11) 3168-7339

Le Meurice 228 rue de Rivoli, Paris www.lemeurice.com

Marc Le Dantec Av. Oceânica, 3001, Flat Píer Sul, Ondina - Salvador (BA) Tel.: (71) 3331-3854 Marcel R. da Consolação, 3555, Cerqueira César - São Paulo (SP) Tel.: (11) 3064-3089 Mercado Municipal Paulistano R. da Cantareira, 306, Parque Dom Pedro II - São Paulo (SP) Tel.: (11) 3313-1326 Mevolution R. Oscar Freire, 583, loja 7, Jd. Paulista - São Paulo (SP) Tel.: (11) 3062-7332 www.mevolution.com.br Museu do Ipiranga Parque da Independência, s/n.º, Ipiranga - São Paulo (SP) Tel.: (11) 2065-8000 Olympe R. Custódio Serrão, 62, Jardim Botânico - Rio de Janeiro (RJ) Tel.: (21) 2539-4542

PuntoLuce Al. Gabriel Monteiro da Silva, 934, Jd . Paulistano - São Paulo (SP) Tel.: (11) 3064-6977 www.puntoluce.com.br Renata Florenzano e Myrna Porcaro R. Cônego Eugênio Leite, 188, Jardim América - São Paulo (SP) Tel.: (11) 3086-4111 Reserva Pessoal Rua das Margaridas, 147, Brooklin - São Paulo (SP) Tel.: (11) 5041-9747 Scandinavia Designs Concept Store R. Barão de Capanema, 559 São Paulo (SP) Tel.: (11) 3081-5158 www.scandinavia-designs.com.br Skye Av. Brig. Luís Antônio, 4700, Hotel Unique, Jardim Paulista São Paulo (SP) Tel.: (11) 3055-4702

Orquestra Criança Cidadã Tel.: (81) 3428-7600 www.orquestracriancacidada.org.br

Sophia Galvão R. Barão de Jaguaripe, 407, Conj. 111 Ipanema - Rio de Janeiro (RJ) Tel.: (21) 3511-6734 www.sophiagalvao.com.br

Parque da Independência Av. Nazareth, s/n, Ipiranga - São Paulo (SP) Tel.: (11) 2273-7250

Teatro Santa Isabel Pça da República, s/nº, Recife (PE) Tel.: (81) 3232-2939

Philips www.philips.com.br

Theatro Municipal do Rio de Janeiro Pça Marechal Floriano, Cinelândia - Rio de Janeiro (RJ) Tel.: (21) 2332-9195 / 9188

Pinacoteca do Estado de São Paulo Praça da Luz, 2, Centro - São Paulo (SP) Tel.: (11) 3324-1000 Plaza Athénée 25 avenue Montaigne, Paris www.plaza-athenee-paris.com

Villa Kerasy 20 avenue Favrel et Lincy, Vannes info@villakerasy.com www.villakerasy.com

80 an endereços-v3.indd 2

26/11/2009 15:33:01


46f0%2e%1)283

-23:%e¢3 8)'2303+-%)-28)0-+¼2'-% %59%0-*-'%e 359):3'¶463'96%4%6%79%)146)7%

8 3 6 6 )  . % 2 ) 8 )  ' 3 7 8% 64EHVI'EVETYGIMVS&SE:MEKIQ

3QIPLSVIRHIVIpSTEVEWYEIQTVIWE 3QIPLSVEQFMIRXIHIXVEFEPLS %QIPLSVWSPYpnSHIIWTEpSW

0SGEPGSQZSGEpnS GSRWSPMHEHETEVEIQTVIWEVMEMW

7MWXIQEMRXIPMKIRXIHIWIKYVERpE WEPEWTSVTEZMQIRXS :IVWEXMPMHEHIXSXEPRSTVSNIXS :EKEWTEVEZMWMXERXIW %YHMXzVMSIIWTEpSTEVEIZIRXSW

7%0%7%4%68-6()Q 4VSNIXSHI 'EVPSW*IVRERHS4SRXYEP

Ao lado do Shopping Recife. A 5 minutos do aeroporto. A 30 minutos do Porto de Suape. Próximo à BR-101e à BR-232. Próximo aos maiores operadores logísticos do Estado.

4%6%:)63 )146)7%6-%0 )1(7-+%%7 -27869e£)7 %GIWWI[[[IQTVIWEVMEPUYIMVS^KEPZESGSQFVEXMZIEWYE[IFGEQ IGSPSUYIIWXIuGSRIHE5YIMVS^+EPZnSIQJVIRXIEIPE

CONSTRUÇÃO E INCORPORAÇÃO:

%GIWWI

[[[IQTVIWEVMEPUYIMVS^KEPZESGSQFV %WZIRHEWHSIQTVIIRHMQIRXSWSQIRXIWIVnSMRMGMEHEWETzWS6IKMWXVSHS1IQSVMEPHI-RGSVTSVEpnSRSGEVXzVMSGSQTIXIRXI-RGSVTSVEHSVEVIWTSRWjZIP 5YIMVS^+EPZnSI+EPZnS(IWIRZSPZMQIRXS-QSFMPMjVMS0XHE6YE%RX|RMS0YQEGOHS1SRXI¤•ERHEV¤)QTVIWEVMEP'IRXIV---¤&SE:MEKIQ¤6IGMJI4)')4

anjanetecosta OK.indd 1 endereços-v3.indd 3

18.11.09 17:43:03 26/11/2009 15:33:48


Habitar Crônica de Mauro Malin

Morada E

m 1987, eu trabalhava no Jornal do Brasil e ganhei de presente uma viagem à Alemanha, passando na volta por Paris. A viagem era para Berlim, que comemorava 750 anos de fundação, com uma passagem por Nuremberg, e eu aproveitei bastante ambas as visitas. Basta dizer que ainda não havia caído o Muro de Berlim e eu pude passar um inesquecível domingo em Berlim Oriental. Mas importante mesmo era voltar a Paris. Com a ajuda dos amigos Rui Xavier e William Waack, da editoria de Economia, comandada por Miriam Leitão, inventou-se que eu deveria participar da cobertura das negociações da dívida externa brasileira com o chamado Clube de Paris. Rui e William tinham ficado comovidos com o fato de eu não ter voltado a Paris, onde vivera, desde o então já distante ano de 1979. A pessoa encarregada de escolher o hotel em que eu ficaria reservou quartos no Lutétia. Ora, a diária era absurdamente cara, consumia uma parte insuportável da diária a que eu tinha direito. Além disso, o hotel era metido a besta e tinha sido usado como QG pelos nazistas quando invadiram a cidade, na Segunda Guerra Mundial. Rapidamente, achei outro hotel, pequeno, simpático, barato e historicamente inofensivo, a não mais de cem metros da portaria do Lutétia, que fica no Boulevard Raspail. Nessa viagem fiz apenas uma reportagem que me ficou na memória. Dois dias depois da inauguração do

Museu de Orsay, passei uma jornada inteira, da abertura ao fechamento, percorrendo-o com um bloco de anotações em punho. Disso resultou uma página inteira no Caderno de Turismo, escrita com reverência e emoção. Mas um episódio curioso dessa viagem ocorreu perto de onde eu estava hospedado, na Rue de Sèvres, quase esquina do Boulevard Raspail. Em 1976, eu havia morado dois meses num pequeno apartamento da Rue de Babylone. Fora meu primeiro lar em Paris. A Rue de Babylone é uma continuação da Rue de Sèvres. Levei a mala para o novo hotel e logo saí para visitar o velho prédio onde eu morara. Estava lá, e em seu silêncio de pedra me despertava um carrossel de sentimentos. Em seguida, caminhei até um café na esquina de Babylone com Rue Vanneau. Era lá que eu comprava cigarros em 1976. Como eu havia parado de fumar em 1983, limitei-me a pedir um café. Olhei para o rapaz atrás do balcão e imaginei ver um personagem daquele tempo, que eventualmente me reconheceria. Com olhar quase lacrimejante, lancei, tomado por uma espécie de êxtase rememorativo: – Você trabalha aqui há muito tempo? Todo o clima melancólico e retrô desabou quando ele me respondeu: – Há dois meses, Monsieur. Mauro Malin é editor da Premium.

Ilustração feita com base na imagem de Jean Scheijen/Stock.xchng (sxc.hu)

perdida no tempo

82

Cronica.indd 2

26/11/2009 15:34:28


Cronica.indd 3

26/11/2009 15:35:00

Ilustração feita com base na imagem de Jean Scheijen/Stock.xchng (sxc.hu)


Queiroz 1009.qxd:Class Casa Anuario.qxd 11/6/09 2:03 PM Page 1

Casa Cor SP 2009 _ Fernanda Marques

www.florense.com

Recife Av Domingos Ferreira 4264 Boa Viagem Tel 3302 3800 São Paulo Av República do Líbano 2153 Ibirapuera Tel 5053 3999

[1953 >>]

Salvador Alameda das Espatódias 548 Caminho das Árvores Tel 3272 0092

Cronica.indd 4

26/11/2009 15:35:01


Revista Premium - edição 7