Issuu on Google+

quarta igreja batista

boletim informativo

Boletim Informativo R. José Antônio Pereira, 1951 - Centro Campo Grande - MS - 79010-190 (67) 3324-6716

4 ª  B a t i s t a d e i r m ã o p a r a i r m ã o

4 ª  B a t i s t ae d i f i c a

Estamos próximos da conclusão da 1ª etapa do projeto de construção! Glória a Deus! Continuamos com o alvo mensal de R$ 15.000.00.Você pode contribuir colocando sua oferta específica nos envelopes (no item construção). Ore e contribua! Março 03/03- 4,12% 10/03- 10,54% Total- 14,66%

17/03/2013

www.quartabatista.org.br

A Intercessão de Moisés (Final). De nome semita (Mose) como os hicsos, Moisés nasceu em 1526 a.C. Os semitas eram descendentes de Sem, filho de Noé ( Gn. 10.1; 22.31). Eles, os hicsos, semitas estrangeiros que reinavam no Egito de 1.700 a 1.550 a.C.(150 anos), se incorporaram àquele povo, assimilaram sua cultura e assumiram o império egípcio como Faraó. E foi justamente nessa época (At. 7.9,10) que José ascendeu ao poder. O novo Faraó Ahmose 1 da XVIII dinastia egípcia expulsou os hicsos. Inaugurou uma nova era no Egito. Moisés nasceu no reinado do Faraó Tutmés 1 (1526-1512 a.C.), o Faraó da opressão. O êxodo (a saída do Egito) ocorreu aproximadamente em 1450/1440 a.C. (Êx. 12.40,41), exatos 480 anos antes do reinado de Salomão (1º Rs 6.1). Reinava à época dessa emigração o Faraó Tutmés III (1504/1512 a 1450 a.C.) que foi morto com o seu exército na travessia do mar Vermelho (Êx. 14.26-31). A morte de Moisés ocorreu próximo a 1400/1406 a.C. À semelhança de Jesus ( Mt 2.16), Moisés nasceu no tempo em que o Faraó do Egito mandou matar todas as crianças recém-nascidas do sexo masculino pertencentes a família israelita (Êx.1.16,22; 2.1-10; At.7.20-23; Hb. 11.23,24). A exemplo de Jesus (Mt. 2.21; 3.16) Moisés é mencionado na Bíblia nas fases bebê/menino e, quando depois é citado já era homem feito (Êx. 2.11; At. 7.23; Hb. 11.24). Moisés foi adotado pela princesa Hatsepsute, filha do Faraó que mais tarde tornou-se rainha (1.504-1483 a.C.) após à morte de Tutmés II. A 3ª coincidência com a vida de Jesus (Mt. 4.2) é que Moisés orou prostrado 40 dias e 40 noites (Êx.24.18) sem água ou pão, preparando-se para receber o DNA, o caráter de Deus: os 10 Mandamentos (Êx.31.18). Moisés em oração no Monte Sinai com o Senhor. O povo lá em baixo (no vale) em orgias dançava idolatrando o bezerro de ouro como um deus (Êx. 32.9-14; 33.20,23). Foi então que Ele disse para Moisés: “Deixa que o meu furor os consuma a todos e de você Moisés, farei uma grande nação”(Êx. 32.10). Com essa posição, Deus revogaria a promessa feita a Jacó/Israel em Gn. 35.10,11,12; Dt 10.22).Diante disso Moisés dobrou os joelhos mais 40 dias e 40 noites (Dt. 10.10,11; 9.18-20; Êx. 34.1-9; 32.11-13) agora intercedendo pelo povo e por Arão (Êx.32.1113,31,32; Dt 9.20,25-29): “Perdoa-lhes o pecado; ou, se não risca-me peço-lhe do Livro que o Senhor escreveu” (Êx. 32.32). Então Deus se arrependeu desse mal que dissera havia de fazer ao povo (Êx.32.14; Dt. 10.11). Irmão, as pessoas vitoriosas na Bíblia enfrentavam os problemas com orações.Não foi assim com Daniel ? (Dn 6.10,11,16,17,22). Glória a Deus por nos ensinar isso! Ir. Lincoln.

ano III

4 ª  B a t i s t a m e d i t a

O que ganha almas sábio é” (Provérbios 11:30).

É muito precioso aos olhos do Senhor o interesse na salvação de pessoas. Quem se dedica, com suas forças e possibilidades, na comunicação das Boas Novas de Deus ao mundo agrada de maneira indescritível o coração dEle. O mundo foi criado por Deus para que o homem desfrutasse de uma vida plena em comunhão com Ele, com seu semelhante e consigo mesmo. A criação divina é melhor desfrutada quando tais vínculos estão forjados na paz. O que percebemos ter ocorrido na história humana é a quebra das relações que possibilitava ao ser humano o bom convívio com o Criador, com seu próximo e por consequência consigo mesmo. O plano de Deus é restaurar os vínculos do ser humano consigo, com seu semelhante e com Ele. Esta obra só é possível no perdão das demandas existentes em tais vínculos. A cultura humana tende a levar o ser humano a satisfação de suas necessidades de justiça e alegria, que por vezes acontecem às expensas dos vínculos mais próximos do indivíduo. Dor, morte, ódio, afastamento, indignação, ira são sentimentos corriqueiros na vida de quem se vê marcado por relações onde o amor de Deus não se encontra. A cura, a salvação de tais experiências é o encontro com o amor de Jesus. É no encontro com a verdade de que Cristo sofreu o dano por amor a nós, quando Ele não merecia, que leva um indivíduo permeado de durezas e insensibilidades abaixar a guarda para com seu próximo. Ele pensa: “Se Quem poderia me condenar, não condenou; não posso condenar quem vive se indispondo comigo”. Esse encontro é mais que uma conversão religiosa, é uma conversão do caminho da morte para a vida, do rancor ao perdão, do juízo à absolvição, de uma vida previsível para uma vida que será doravante guiada pelo próprio Deus – o Espírito Santo. Como não contar essa maravilha às outras pessoas? Como não viver essa mensagem libertadora em um mundo preso? Só nos resta uma saída: dizer ao maior número de pessoas que os dias de prisão acabaram, que uma vida de opressão já era, que uma vida de medo é substituída pela segurança que Cristo nos dá. Precisamos valorizar a comunicação do Evangelho, mais do que temos feito. É preciosa aos olhos do Senhor a insistência na proclamação da vitória da Cruz sobre as mazelas humano. Quem ouvir e crer será mudado para a eternidade e não por alguns parcos dias aqui na Terra. Testemunhemos às Nações; elas precisam de liberdade. Vanilson Oliveira,Pr.

EQUIPE MINISTERIAL Marcelo M. da Silva Pastor Presidente Walter Barbosa Pastor Emérito e 3ª Idade

Vanilson de Oliveira Pastor Auxiliar Adão José Pereira Pastor Capelão

Márcia F.B.M. da Silva Ministra de Música Flávio Joade Pastor da Missão Noroeste

Erick Fraiha Machado Pastor de Artes Michelle X. C. de Morais Ministra de Crianças


quarta igreja batista

boletim informativo

4 ª  B a t i s t ae m a ç ã o

4 ª  B a t i s t ai n f o r m a

PÁSCOA NOS ABRIGOS Iremos a alguns abrigos no próximo sábado: 23/03/2013 com a mensagem de Páscoa.Você é nosso convidado a participar desta programação. Mais informações com as irmãs Márcia e Ana Fraiha, e com Pr. Éric. ESCOLA DE MÚSICA Já iniciamos as aulas em nossa escola. Temos muitas opções de instrumentos e horários. Venha conferir!! Iniciamos também um grupo de musicalização para crianças de 8 a 11 anos. Informações na Secretaria da Igreja no horário comercial. CULTO NO CETREMI O Ministério Jovem apoiará o trabalho de evangelismo do missionário Murilo no Centro de Triagem e Apoio ao Migrante (CETREMI) no dia 21/03/2013 às 19h00. Participe! Com certeza você será muito impactado. Procure o líder dos jovens Samuel para mais informações. CINE JOVEM Jovem, você está convidado a assistir um filme na casa da Tânia e do Roque, no dia 23/03/2013 às 19h30. Rua Corumbá, 226 – Monte Castelo. Venha desfrutar desse momento de comunhão da nossa juventude!

4 ª  B a t i s t ar e a l i z a DOMINGO 09h00 ‐ Culto 10h00 ‐ EBD 18h00 ‐ Mensageiras do Rei 19h00 ‐ Culto

SEGUNDA‐FEIRA 18h00 ‐ Reunião de Oração 19h00 ‐ Ensaio do Coro TERÇA‐FEIRA 15h00 ‐ Reunião da 3ª Idade 18h00 ‐ Reunião de Oração 19h30 ‐ Encontro Equipes de Louvor QUARTA‐FEIRA 19h30 ‐ Culto de Oração 19h30 ‐ Adoradores Kids QUINTA‐FEIRA 18h00 ‐ Reunião de Oração 19h30 ‐ Pequenos Grupos SEXTA‐FEIRA 18h00 ‐ Reunião de Oração 19h30 ‐ Pequenos Grupos SÁBADO 14h00 ‐ Ensaio do Louvor 16h00 ‐ Ensaio do Teatro 17h30 ‐

4 ª  B a t i s t ac o m e m o r a

18/03‐ Ivone Coelho de Aquino Res: 3383‐8176/ Cel: 9926‐8434 18/03‐ Walter Barbosa Gomes Res: 3306‐85060 19/03‐ Adão José pereira Cel: 9296‐5330 20/03 ‐Ariovaldo Ortega Aquino Res: 3383‐8176/Cel: 9981‐8434 22/03 ‐Tania C. dos Santos Borges Res: 3382‐8919

FELIZ ANIVERSÁRIO

Ministério de

Evangelismo Projeto André "Ele achou primeiro o seu próprio irmão, Simão, a quem disse: Achamos o Messias (que quer dizer Cristo)" (Jo 1.41) Um dos temas preferidos da igreja evangélica brasileira é a evangelização. Por evangelização se entende que é a comunicação do evangelho, a "boa notícia" da parte de Deus que anuncia o perdão dos pecados e uma vida nova pela fé em Cristo Jesus. É comum que igrejas ou agências missionárias evangélicas realizem campanhas evangelísticas, movimentos de música e arte em prol da evangelização e etc. Muito material evangelístico tem sido produzido, como filmes, folhetos, dramatizações, músicas e muito mais. O problema é que nem sempre a igreja enxerga que não há evangelização completa sem discipulado. Não basta somente entregar um folheto a uma pessoa e convidá-la para ir a igreja para que ela receba Jesus, é de suma importância conscientizá-la que ela precisa entrar em um processo sério de discipulado cristão. E nós precisamos levá-la a isso. O discipulado cristão se dá por pelo menos 3 agentes: 1) o discipulado começa pelo novo nascimento por ação do Espírito Santo com o intuito de formar o caráter de Cristo no discípulo, 2) O discipulado é incrementado e trabalhado por um ensino sério e aplicado na palavra de Deus, que leva o discípulo a ser doutrinado, 3) O discipulado se desenvolve com a prática da palavra na vida do discípulo de Cristo, fazendo com que ele dinamize sua vida cristã. O contexto de (Jo 1.35-42), nos mostra João Batista dizendo aos seus discípulos que Jesus é o cordeiro de Deus, e mediante a isso eles o seguem. Um dos que o seguiram foi André irmão de Simão Pedro. Este realmente desde o princípio de seu ministério entendia que a evangelização é completa somente com discipulado, pois a bíblia diz que André assim que encontrou seu irmão disse: "Achamos o Messias" (vs 41). Porém o versículo seguinte (vs 42) diz: "e o levou a Jesus". André não somente proclamou uma boa notícia a seu irmão, mas também o levou a Jesus. E o ato de levar significa para nós discipulado. André não somente falou a seu irmão a respeito de Cristo, mas também o levou a ele. Quantas pessoas temos falado de Cristo? muitas. Porém quantas nós levamos a Cristo? Quantas nós levamos para se identificarem e se firmarem com Cristo? Quantas que falamos de Cristo estão sendo discipuladas por nós ou pelos ministérios de nossa igreja? Precisamos nos conscientizar que não basta evangelizar, é necessário que cada um de nós se comprometa em ser discípulo e fazer discípulos "ensinando-os a guardar todas as coisas que Jesus nos ordenou" (Mt 28.20). Fonte: Portal Nova Vida Mabel Saldanha Shinohara

Baseado em: Fonte: SANTOS, Juberto. “Como preparar um Retiro” - Editora Vozes, 2009


Boletim de 17 de março de 2013