Page 10

FO TO :M AR IA N

A

Driblando os lapsos de memória

RA OU NT FO

Nilo Pires recebe dicas para evitar os esquecimentos

Nilo Pires, 70 anos, saía de casa para ir ao Conselho do Idoso e precisava voltar porque temia ter deixado o ferro na tomada. Agora cada vez que para de passar roupa diz para si mesmo: “Desliguei o ferro, desliguei o ferro, desliguei o ferro”. Segue o mesmo ritual quando usa o fogão. Pires faz parte do novo grupo do Centro de Extensão Vila Fátima que reúne idosos com queixas de lapsos de memória. O grupo recebe dicas para melhorar o dia a dia e também pode tirar dúvidas sobre doenças como Alzheimer e Parkinson. Coordenado pela neuropsicóloga Mirna Portuguez, do Instituto do Cérebro do Rio Grande do Sul (InsCer) e da Faculdade de Medicina, o grupo se reúne

semanalmente. Conta ainda com bolsistas de iniciação científica e profissionais de Psicologia e Terapia Ocupacional. “É um grupo de convivência. Estimulamos a troca de hábitos para que evitem riscos e usem estratégias que facilitem a rotina”, afirma a neuro­psicóloga Sabine Marroni, doutoranda em Gerontologia Biomédica da PUCRS. Anotar compromissos na agenda/calendário, ligar o timer quando coloca algo para assar, evitar acender velas (há as eletrônicas) e ter cuidado no fogão são alguns exemplos. Se algum participante apresenta sinais de demência, é encaminhado a especialistas via Centro de Extensão. A atividade também contribui para a rea­lização de testes do aplicativo para iOS que identifica o funcionamento cognitivo geral e a capacidade de gerenciamento financeiro do idoso. Foi desenvolvido por alunos da Faculdade de Informática e bolsistas em 2014, do Brazil Education Program for iOS Development (Bepid), um ramo do Instituto Eldorado, parceiro da PUCRS. O app está disponível para iPad na loja virtual. Poderá ser utilizado por profissionais da saúde para acompanhar as habilidades dos pacientes e verificar se há sinais de demência.

Estreia projeto Concertos na Comunidade musical junto às crianças, familiarizando este público com uma orquestra e a linguagem da música erudita. Estão previstas apresentações, no teatro da PUCRS, para escolas públicas e privadas de Porto Alegre. O Instituto de Cultura busca patrocínio para o projeto.

Orquestra Filarmônica e Coral se apresentaram com a regência do maestro Márcio Buzatto

FOTOS: BRUNO TODESCHINI

A capacitação dos jovens promovida pela TW/ PUCRS teve formatura, com a estreia do projeto Concertos nas Comunidades, do Instituto de Cultura. A Orquestra Filarmônica e o Coral se apresentaram no Centro Esportivo e Cultural Bom Jesus, bairro onde a Universidade tem uma série de ações voltadas à população. Foram apresentadas músicas conhecidas em versão de orquestra. Com a regência do maestro Márcio Buzatto e a participação da solista Hevelyn Costa, o evento foi patrocinado pela Rossi e pelo Instituto Lojas Renner, com parte custeada pela Universidade. A Prefeitura de Porto Alegre forneceu as cadeiras e a Brigada Militar ficou responsável pela segurança. O diretor Flavio Kiefer destaca que o Instituto de Cultura planeja a realização de outros Concertos nas Comunidades ao longo deste ano, especialmente em datas especiais. Outra iniciativa em estudo são os Concertos Didáticos, em que o principal objetivo é estimular e difundir a cultura

4410

Revista PUCRS nº 173  

Revista PUCRS nº 173 | Março-Abril/2015

Revista PUCRS nº 173  

Revista PUCRS nº 173 | Março-Abril/2015

Advertisement