Page 1

Jornal da Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Goiânia, 2ª quinzena de abril de 2014 - Ano XXIII N. 553

PUC realiza primeira edição de Jogos Universitários Acadêmicos da PUC já começaram a se mobilizar para a primeira edição dos Jogos Universitários que ocorrerá de 1º a 4 de maio, no Câmpus II, Jardim Mariliza. A competição inédita é fruto do esforço conjunto entre Pró-Reitoria de Extensão e Apoio Estudantil, Diretório Central dos Estudantes, Departamento de Educação Física e Desportos e Liga das Atléticas, e resgata os objetivos das Olímpiadas Universitárias realizadas em anos anteriores. Página 7 Membros do DCE participam ativamente da organização da primeira edição do evento

Pós-Graduação em Ciências da Religião recebe nota positiva

Semana dos Povos Indígenas discute questões territoriais

O Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião da PUC Goiás comemora 15 anos de atuação e com resultado positivo na Avaliação Trienal 2013 da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Com a nota 5, o curso foi considerado o melhor do Centro-Oeste. Confira entrevista exclusiva da coordenadora do Programa, profa. dra. Irene Dias de Oliveira. Página 3

Unati resgata cidadania

Idosos atendidos na Unati

A Unati iniciou como um programa de extensão das coordenações de Educação e Serviço Social com pouco menos de 100 alunos inscritos. Atualmente, o Programa de Gerontologia Social (PGS) da PUC Goiás está inserido na Coordenação de Extensão (Cdex/Proex) e conta com mais de 620 idosos inscritos para o 1º semestre de 2014. Histórias de transformação marcam o programa. Página 6

Vários indígenas participarão da programação na PUC Goiás

Dois grandes eventos discutem este mês as questões indígenas. A IV Jornada de Arqueologia no Cerrado e a Semana dos Povos Indígenas devem reunir cerca de 5 mil pessoas e abordarão de forma integrada a temática Etnoarqueologia e Territórios Indígenas. O objetivo é fomentar os debates contemporâneos acerca das pesquisas arqueológicas desenvolvidas em áreas de Cerrado. Página 5

Curso enfoca cuidados com idosos.

Química mambembe estimula pesquisa.

Desafios da inclusão no dia-a-dia.

Página 4

Página 8

Página 9

PUC firma intercâmbio com universidade norte-americana. Página 10


Goiânia, 2ª quinzena de abril de 2014

Folha PUC 553 - 2

Carta do Reitor Compromisso com a comunidade Desde o final de 2013, a educação superior brasileira avançou com o reconhecimento das universidades comunitárias. Nem privadas, nem públicas, as universidades comunitárias, instituições privadas sem fins lucrativos, atendem outros critérios administrativos agora reconhecidos pela Lei 12.881\2013. Este avanço legal permitiu a várias instituições, incluindo a PUC Goiás, atender a editais públicos e colaborar ainda mais com a comunidade. Assim começamos as aulas do curso técnico para cuidadores de idosos que, por meio de um programa federal, é oferecido gratuitamente na PUC para alunos com segundo grau completo. Temos, pela nossa missão, que testemunhar e colaborar com o crescimento cultural, social e econômico da nossa região, participando da sua história e da sua evolução, desde a formação do seu povo à prestação de serviços comunitários. Participar da construção das políticas públicas que contribuam para uma sociedade mais justa e mais saudável é também papel dos espaços de ensino. Trabalhamos com este caminho já traçado há quase 55 anos. Neste sentido, temos vários movimentos consolidados, como a Semana dos Povos Indígenas, que tradicionalmente discute, todos os anos, temas referentes a esta importante parcela da população brasileira. E estamos prontos para investir em novas áreas, como a realização dos Jogos Universitários, que terá em maio a participação dos acadêmicos da universidade em um momento de partilha e prática esportiva. São estas iniciativas que indicam a nossa vocação comunitária e reafirma o papel social como universidade católica e compromissada com a vida.

Wolmir Therezio Amado

Reitor da Pontíficia Universidade Católica de Goiás Presidente do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras Presidente do Conselho Superior da Associação Nacional da Educação Católica

Expediente

Instituição juridicamente mantida pela Sociedade Goiana de Cultura - SGC

Folha PUC - Jornal da Pontifícia Universidade Católica de Goiás, produzido pela Divisão de Comunicação Social - Dicom/GR - Tel.: 3946-1010 Diretora: Carla de Oliveira (GO n. 1076 JP) Redação: Belisa Monteiro (GO n. 2343 JP), Carla de Oliveira (GO n. 1076 JP), Diene Batista, Luisa Dias (GO n.01181 JP) e Roldão Barros (GO n.3260 JP). Diagramação: Adriano Abreu Fotografias: Ana Paula Abrão,Wagmar Alves, Umaitá Pires e Weslley Cruz Estagiários: Luiz Fernando Rodrigues, Ana Carolina Nicole, Ana Cristina Garcia e Cinnara Cardoso Impressão: Gráfica da PUC Goiás

c Associação Brasileira das Universidades Comunitárias

Extensão Coletivos de estudantes negros se reúnem na PUC Goiás dades. O evento foi aberto com um café da manhã temático Afroternidades Coletivas e a Roda de Conversa com o tema Compartilhando experiências e projetando ações em comum. Encontro reuniu diversos grupos de Goiânia O objetivo do O Coletivo de Estudantes encontro foi fortalecer os vínNegras e Negros, ligado ao culos e estabelecer uma agenda Programa de Estudos e Ex- conjunta, para que os projetos tensão Afro-Brasileiro (Proa- dos coletivos de universitários fro/Cdex), da Pró-Reitoria de negras e negros possam fazer Extensão e Apoio Estudantil parte das propostas das ins(Proex) da PUC Goiás, rea- tituições de ensino superior lizou na manhã do dia 5 de em Goiânia, incorporando as abril, no Terraço da Área 2, o demandas, desafios e possibiEncontro de Coletivos de Es- lidades da comunidade negra tudantes Negros das Universi- regional.

Associação Católica realiza fórum sobre comunicação e marketing A Associação Nacional de Educação Católica do Brasil (Anec) realizará, nos dias 15 e 16 de maio, o I Fórum de Comunicação e Marketing das Instituições Católicas de Ensino. O evento será realizado no Auditório Carlos Alberto Del Castillo (RDC), na PUC-Rio, com o tema A gestão da Comunicação nas Instituições Católicas de Educação. A PUC Goiás participará do evento como uma das expositoras. O objetivo do fórum é aprimorar o processo comunicacional desenvolvido pelas Instituições de Educação Católica do país. As palestras do evento serão ministradas pelo Sócio-Diretor da Escola Comunicação e MKT, prof. Alfredo Fedrize, pela

publicitária com 13 anos de experiência na atuação estratégica, Maysa Simões, e pelo consultor de Marketing Digital, Rafael Oliveira. As inscrições para o evento devem ser realizadas através do site www.anec.org.br/comunicacaoemarketing. Evento O I Fórum de Comunicação e Marketing das Instituições Católicas de Ensino é fruto de reflexões e trocas de experiências e de conhecimentos técnicos do GT de Assessores de Comunicação da Anec, criado em outubro de 2013. Entre os principais objetivos do evento destaca-se a discussão da gestão da comunicação nas instituições católicas do Brasil.

ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR DA PUC GOIÁS GRÃO-CHANCELER: Dom Washington Cruz, CP REITOR Prof. Wolmir Therezio Amado VICE-REITORA Profa. Olga Izilda Ronchi PRÓ-REITORA DE GRADUAÇÃO Profa. Sônia Margarida Gomes Sousa PRÓ-REITORA DE EXTENSÃO E APOIO ESTUDANTIL Profa. Márcia de Alencar Santana

PRÓ-REITORA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Profa. Milca Severino Pereira PRÓ-REITORA DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Profa. Helenisa Maria Gomes de Oliveira Neto PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO Prof. Daniel Rodrigues Barbosa PRÓ-REITOR DE COMUNICAÇÃO Prof. Eduardo Rodrigues da Silva CHEFE DE GABINETE Prof. Lorenzo Lago


Goiânia, 2ª quinzena de abril de 2014

Folha PUC 553 - 3

Reconhecimento

Pós-Graduação em Ciências da Religião é a melhor do Centro-Oeste Por Roldão Barros

Em 1999 foi criado, na PUC Goiás, o Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião (PPGCR). Hoje, com 15 anos de atuação, o Programa é considerado o melhor avaliado na área no Centro-Oeste - nota 5 na Avaliação Trienal 2013 da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Como reflexo, mestrado, doutorado e pós-doutorado têm professores e pesquisadores envolvidos em estudos e acordos em universidades de países como Alemanha, Itália, Líbano, México e Portugal. Em entrevista ao Folha PUC, a coordenadora do PPGCR, profa. dra. Irene Dias de Oliveira, fala sobre o papel do Programa em Goiás. O PPGCR está prestes a completar 15 anos. Quais as principais conquistas do programa nesse tempo? Nos fortalecemos muito. Nossos professores se fizeram reconhecer nacionalmente e internacionalmente e contribuíram imensamente com o nosso programa por meio de suas pesquisas. Hoje, temos professores convidados para eventos na Alemanha, Holanda e Itália e instituições de outros países também se interessam em acordos e pesquisas conjuntas. Além disso, muitos de nossos projetos são financiados por agências de fomento, o que mostra que nosso programa é estabelecido e que as agências reconhecem nosso papel e nossa relevância. Temos muito a celebrar. Quais as principais contribuições do programa para a comunidade acadêmica e para a população? Nós temos um corpo de alunos que vem de outros estados, como Amazonas, Bahia, Mato Grosso, Minas Gerais e Pará. Essas pessoas estudam conosco e depois se tornam diretores de colégios, universidades, professores etc. São pessoas que levam esse conhecimento para além da nossa fronteira. Verdadeiros agentes transformadores da sociedade. Muitos entram aqui com a mentalidade fechada, mais conservadora com relação a outras reli-

giões, como as religiões afro, por exemplo, e passam a entender a importância da religião em cada cultura. Eles retornam aos seus lugares reproduzindo esse conhecimento. Vocês têm atualmente três linhas de pesquisa. Como direcionamentos ajudam a pensar as religiões? A religião hoje faz parte da estrutura e do imaginário das pessoas. É uma dimensão forte da sociedade. As relações políticas muitas vezes envolvem tendências religiosas. Interfere na ética, na moral, nas decisões de médicos, de cientistas. Está muito ligada ao poder, mas também com a cultura. Uma cultura é impregnada de uma forma muito densa e muito forte pelo imaginário religioso. Nossas linhas de pesquisa em Cultura e Sistemas Simbólicos, Religião e Movimentos Sociais e Religião e Literatura Sagrada direcionam as pesquisas que desenvolvemos. O Programa alcançou nota 5 da Capes, ao que devemos essa conquista? Nosso corpo docente produz muito. Também devemos atribuir a conquista à consolidação de nossas linhas de pesquisa, que tem mestrandos, doutorandos e alunos de Iniciação Científica atuando em importantes estudos. Também publicamos muito, dentro e fora

Trabalho do corpo docente é enaltecido por profa. Irene

da universidade. Devolvemos congressos nacionais e internacionais dentro da PUC Goiás e também investimos no intercâmbio de professores e alunos entre instituições.

Egressos são disseminadores Um doutorado pode mudar a vida de uma pessoa. “É um curso que enriquece sobremaneira a formação humana do indivíduo. Seguramente, posso afirmar que sou melhor preparado, hoje, para o mercado, mas, sobretudo, como cidadão”, afirma o egresso Paulo Passos. Ele atua como professor em Brasília e diz ter procurado o PPGCR pelas indicações positivas que recebeu. “Alcancei uma formação que me propicia ensinar e formar com segurança e tranquilidade”, defende. “O doutorado te torna naturalmente um multiplicador de conhecimento”, exclama, em Goiânia, o também doutor e professor Clóvis, que defendeu sua tese em novembro de 2013. Ele aponta o curso como o responsável pelo seu crescimento profissional. “Aumentou a qualidade para dialogar com outras ciências e com o mundo”.

Integração entre graduandos e pós-graduandos marca congresso internacional O Programa de Pós-Graduação em Ciências da Religião realizou entre os dias 8 e 11 de abril, na Área 2 da PUC Goiás, o VII Congresso Internacional em Ciências da Religião com o tema A religião entre o espetáculo e a intimidade. O evento foi realizado como parte das comemorações aos 15 anos do programa e reuniu mais de 520 inscrições pela internet. A coordenadora do Congresso, profa. Carolina Teles Lemos, defende que o principal objetivo do evento foi promover um espaço de trocas de conhecimentos entre docentes e discentes pesquisadores da Pós-Graduação e da Graduação nas áreas de Ciências Humanas e Sociais. “Nos últimos anos, acompanhamos as manifestações religiosas saindo do aspecto da privacidade e migrando para a

José Zaragoza em uma das conferências do evento

espetacularização. Não é qualquer intimidade que é espetacularizada pela religião, mas uma intimidade que faz do consumo sua razão de se mostrar”, define Carolina. O Congresso contou com a participação de três conferencistas internacionais: o filósofo francês Dany-Robert Dufour, do

Institut d’Études Avancées de Nantes, o filósofo espanhol José Antonio Zamora Zaragoza, do Consejo Superior de Investigaciones Científicas de Madrid (CSIC), e o sociólogo italiano Roberto Cipriani, da Universidade de Roma. Além das conferências, o congresso foi composto por mesas-redondas e grupos de trabalho (GTs). A coordenadora Carolina Teles ainda afirma que o evento reuniu estudantes de graduação e pós-graduação de todas as partes do Brasil. “Tivemos inscrições de diversas regiões e alguns estados se destacaram, como São Paulo. Também contamos com a presença de grupos de 20 a 30 pessoas que saíram do Pará e do Amazonas para o evento”, comenta Carolina. (Luiz Fernado Rodrigues, estagiário de Jornalismo)


Goiânia, 2ª quinzena de abril de 2014

Folha PUC 553 - 4

Pronatec

PUC Goiás oferece curso gratuito com foco em idosos

Idosos são o foco do curso

A parceria da PUC Goiás com o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), do Ministério da Educação, começou a se consolidar com o início das aulas

do Curso Técnico Cuidado com Idosos, oferecido gratuitamente na universidade. O curso tem 30 vagas voltadas para estudantes inscritos no Enem 2013. Os candidatos foram inscritos

e selecionados pelo Sistema de Seleção Unificada da Educação Profissional e Tecnológica (Sisutec). A formação possui carga horária de 1.200 horas, que serão administradas no período noturno, de segunda a sexta-feira, das 18h às 22 horas. O objetivo é desenvolver as habilidades de cuidado com idoso, respeitando os aspectos físico, mental, social e legal e capacitar, também, o estudante para o relacionamento humanizado com o idoso, seus familiares e equipe multiprofissional. O reitor da PUC Goiás, prof.

Wolmir Amado, afirmou que o curso terá grande relevância na formação de profissionais da área de saúde. “Temos uma população envelhecida e que precisa de cuidados específicos, que reúnem várias áreas do conhecimento. Esta formação será a primeira de muitas que iremos oferecer”, afirmou o professor sobre a parceria com o Pronatec. Pronatec O Pronatec visa expandir e democratizar o acesso dos brasileiros à Educação Profissional e Tecnológica, visando ao pleno desenvolvimento da pessoa, seu preparo para o exercício da cidadania e sua qualificação para o trabalho. O curso Cuidado com Idosos, aprovado em 25 de fevereiro, foi elaborado por uma equipe multiprofissional, coordenada pelo professor Kemil Sousa, do Departamento de Enfermagem e Fisioterapia da PUC Goiás.

Departamento realiza 1ª Jornada de Biologia De olho nas questões ambientais, o Departamento de Biologia realizou, de 7 a 11 de abril, a 1ª Jornada de Biologia com o tema Meio Ambiente, Educação e Genética. Promovido pelos alunos do curso, o encontro conta com a participação dos três mestrados oferecidos na área pela universidade: Ecologia e Produção Sustentável (MEPS), Ciências Ambientais e Saúde (MCAS) e

Genética (MGene). O diretor do Departamento, prof. Cláudio Carlos da Silva, destaca a participação dos alunos na organização do evento. “Nossa visão é voltada para a formação acadêmica dos universitários, por isso deixamos que eles se engajassem de todas as formas, vamos trazer qualificação e divulgar os trabalhos feitos em sala de aula.”

Mais de 400 estudantes participaram do evento

Ligas Acadêmicas participam do Agita Goiás

Parceria garante atendimento à população indígena

PUC Goiás integra Comissão Estadual da Memória, Verdade e Justiça

As Ligas Acadêmicas da PUC Goiás participaram da edição 2014 do projeto Agita Goiás, no Parque Flamboyant e no Parque Vaca Brava, nos dias 6 e 13 de abril. O evento busca conscientizar a população sobre a importância da adoção da prática de atividades físicas regulares como forma de combate às doenças cardiovasculares. Os acadêmicos da PUC realizaram avaliação da pressão arterial, determinação da glicemia e determinação do percentual de gordura corporal, na comunidade.

O Programa de Educação e Cidadania (PEC), da Coordenação de Extensão (Cdex), ligados à Pró-Reitoria de Extensão e Apoio Estudantil (Proex), da PUC Goiás, juntamente com o Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia (IGPA) da universidade, firmaram parceria com a Secretaria Estadual de Saúde de Goiás para atendimento à população indígena em Goiás dentro dos princípios da educação popular.

A coordenadora do Programa de Direitos Humanos (PDH) da PUC Goiás, profa. ms. Denize Daudt Bandeira, é a representante da universidade na Comissão Estadual da Memória, Verdade e Justiça Deputado José Porfírio de Sousa, criada ontem pelo governador Marconi Perillo, em solenidade no Auditório Mauro Borges. A comissão terá como objetivos examinar e esclarecer, na esfera estadual, as violações de direitos humanos praticadas no período da ditadura no País, ocorridas entre 1946 e 1988.


Goiânia, 2ª quinzena de abril de 2014

Folha PUC 553 - 5

Povos Indígenas

Pesquisas arqueológicas nos territórios indígenas serão tema de discussões Por Luisa Dias

A PUC Goiás realiza, de 19 a 25 de abril, dois grandes eventos voltados para os problemas atuais das populações indígenas, que devem receber mais de 5 mil pessoas. A IV Jornada de Arqueologia no Cerrado e a Semana dos Povos Indígenas, esta última realizada a mais de três décadas pelo Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia (IGPA) da universidade, abordarão de forma integrada a temática Etnoarqueologia e Territórios Indígenas. O objetivo é fomentar os debates contemporâneos acerca das pesquisas arqueológicas desenvolvidas em áreas de Cerrado e suas interfaces com as pesquisas realizadas nas demais áreas do território brasileiro, além de promover reflexões sobre as múltiplas realidades vividas pelos grupos indígenas no Brasil. As programações, que contam com o apoio da Secretaria Municipal de Cultura da Prefeitura de Goiânia, devem mobilizar escolas, universidades e a sociedade civil e governamental. Serão realizadas mesas-redondas, palestras, projeções de filmes, atividades artísticas e apresentação de trabalhos científicos. Os eventos serão realizados nos auditórios da PUC Goiás, no Memorial do Cerrado, no Centro Cultural Jesco Puttkamer e no Centro Municipal de Cultura Goiânia Ouro. A abertura da IV Jornada de Arqueologia no Cerrado e da Semana dos Povos Indígenas será realizada no dia 22 de abril, às 19 horas, no Auditório da Reitoria, na Área 4, com a palestra Etnoarqueologia e Territorialidade Indígena, ministrada pelo mestre Tonico Benites, da tribo Guarani Kaiowa, e dr. Jorge Eremites de Oliveira, da Universidade Federal de Pelotas. As programações contarão com a presença de grupos indígenas Karajás, Tapuios, Guarani, Kaiowá e Maxacali, de representantes da Fundação Nacional do Índio

Representantes de várias tribos participam de evento

(Funai) e Conselho Indigenista Missionário (Cimi) e de professores doutores da Universidade São Paulo, Universidade Federal de Minas Gerais, Universidade Federal de Pelotas e Universidade Federal de Goiás. Durante a IV Jornada, a universidade irá criar um espaço de integração entre arqueólogos, antropólogos, povos indígenas e sociedade em geral, para promoção do debate em torno de estudos contemporâneos, investigações e tendências atuais relacionadas à Etnoarqueologia, com foco na questão territorial indígena. A Etnoarqueologia é resultado da investigação do comportamento humano e da sua relação estabelecida com a cultura material, sendo que toda ação humana, seja qual for sua origem, deixa consequências materiais que seguem um padrão etnográfico e suas evidências refletirão no registro arqueológico.

Programação inclui mostra de filmes e encontro de egressos Serão realizados durante a programação oficial do evento a Mostra de Filmes Etnográficos e Arqueológicos, sediada no Centro Municipal de Cultura Goiânia Ouro, e o II Encontro de Egressos de Arqueologia e Antropologia da PUC Goiás. A Mostra, que será organizada pelo Núcleo de Documentação Audiovisual, apresentará filmes como O coração da floresta, O destino do coronel Fawcett e O reinado da Floresta, de Adrian Cowell, Visões da floresta, de Vicente Rios, entre outros. A exibição dos filmes é franca. O Encontro irá trazer os egressos dos cursos de Arqueologia e Antropologia para discutir a formação recebida e a atuação no mercado de trabalho. Estas informações servem

de instrumento avaliativo para as políticas de ensino praticadas nos referidos cursos. Show O evento será encerrado com show musical do grupo indígena Brô MC, na Praça Universitária, às 21 horas, no dia 25 de abril. O estilo rap foi a escolha dos músicos, todos jovens da aldeia Jaguapirú Bororó, de Dourados (MS). O grupo foi ganhador, em 2009, do Festival Rap Popular Brasileiro, e começou a carreira em 2007. Eles são o primeiro grupo de rap indígena do Brasil. Nas letras ficam explícitas a situação de violência física e moral no meio em que vivem: uma situação de permanente instabilidade, que inclui o alcoolismo, o uso de drogas e a prostituição entres os jovens índios.

PROGRAMAÇÃO 19, 20, 21 e 22/04 - 9h, 15h e as 20 horas Mostra de filmes etnográficos e arqueológicos / IGPA Local: Centro Municipal de Cultura Goiânia Ouro 22/04 - 8h às 12 horas / 14h às 18 horas Inscrições Local: Auditório PUC Goiás - 19 horas Abertura do evento Palestra: Etnoarqueologia e Territorialidade Indígena Dr. Jorge Eremites de Oliveira – UFPel; Ms. Tonico Benites Guarani Kaiowa – MS (Organização Indígena Aty Guasu); Local: Auditório PUC Goiás 23/04 - 8h às 12 horas Mesa redonda: Etnoarqueologia e Demarcação de Terras Indígenas Palestrantes: Dr. Jorge Eremites de Oliveira – UFPel; Dr. Tonico Benites Guarani Kaiowa – MS (Conselho Aty Guasu); Liderança indígena do Tocantins Sr. Aluisio Azanha (Funai). Sra. Eliane França CIMI-GO/TO Mediadora: Dra. Marlene de Castro Ossami (PUC Goiás/IGPA) Local: Auditório PUC Goiás - 14h às 17 horas Visita a exposição: Diferentes e Iguais: diversidade dos Povos Indígenas no Brasil Local: Centro Cultural Jesco Puttkamer - 19h às 20 horas Palestra: Etnoarqueologia novos desafios para Arqueologia Palestrante: Dr. Jorge Eremites Coordenadora: Profa. Sibeli A. Viana (PUC Goiás/ IGPA/Mestrado em História) Local: Auditório PUC Goiás - 20h30 às 22 horas Apresentação de trabalhos Local: Auditório PUC Goiás


Goiânia, 2ª quinzena de abril de 2014

Folha PUC 553 - 6

Unati

Conhecimento valoriza idosos

Ana Cândida: Unati trouxe renovação

Por Luiz Fernando Rodrigues, estagiário de Jornalismo

“Eu vivi 10 anos me dedicando e me anulando como pessoa, sem saber o que fazer da minha vida”. Com os olhos cheios de lágrimas, a aluna da Universidade Aberta à Terceira Idade (Unati), Ana Cândida Sousa, 74, conta sua trajetória antes da entrada na universidade. O seu ingresso provocou uma renovação em sua vida. Mais que um lugar para a convivência e a aprendizagem, Ana encontrou na Unati uma forma de ser útil. Em atividade desde 1992, a Unati iniciou como um programa de extensão das coordenações de Educação e Serviço Social, com pouco menos de 100 alunos inscritos. Atualmente, o Programa de Gerontologia Social

(PGS) da PUC Goiás está inserido na Coordenação de Extensão (Cdex/Proex) e conta com mais de 620 idosos inscritos para o 1º semestre de 2014. Ana Cândida, portuguesa, mas amante do Rio de Janeiro desde criança, conta que os 8 anos vividos na Unati serviram como um “divisor de águas” em sua vida. “Após as crianças (netas) irem para os Estados Unidos e o meu marido falecer, fiquei sozinha e a depressão acabou aparecendo. Então, uma colega me sugeriu a Unati e acabei me entregando de corpo e alma às tardes na universidade”, relata Ana. Outra aluna do Programa que mostra entusiasmo com as

atividades oferecidas pela Unati é Carmelita França, 76, que participa de quatro oficinas e está na universidade desde 2010. “Os programas são muito bons e o convívio com outros alunos mantém a mente ocupada e garante o nosso crescimento”, ressalta Carmelita. Carmita Brito, 65, também ressalta a importância da convivência experimentada na Unati. “A nossa vida muda porque passamos a ter ocupação, temos novos desafios. O carinho que recebemos dos coordenadores e dos alunos faz com que a experiência seja única”, afirma. Ao todo, o Programa de Gerontologia Social disponibiliza 53 oficinas com abrangência em várias áreas de conhecimento. Entre os programas mais procurados pelos idosos, destacam-se os que necessitam de mais movimentos. Para a coordenadora do PGS, Marli Bueno, o brasileiro está vivendo mais e sente a necessidade de viver melhor. “O principal objetivo da Unati é proporcionar aos idosos um envelhecimento saudável e transmitir os seus direitos para um prolongamento da vida”, afirma. Monitoria Todo início de semestre, a Unati abre vagas para a seleção de monitores para as monitorias do programa. Segundo Marli, cerca de 130 monitores foram selecionados para o último semes-

TRT 18ª Região é tema de palestra para acadêmicos do Direito além de fazer um mapeamento geral da Justiça do Trabalho no Brasil e em Goiás. O evento foi realizado em 28 de março, no Teatro PUC. Cleber também alertou os acadêmicos de Direito sobre a importância do foco na profissão, Palestrante enfocou a missão do tribunal da especificidade O juiz substituto do Trabalho, Cleber da área de atuação, demanda Martins Sales, egresso da PUC Goiás, pro- exigida no próprio exame da feriu uma palestra sonre a estrutura, fun- OAB e também no mercado de cionamento e missão do TRT 18ª Região, trabalho.

tre de 2013 e o objetivo é aumentar o número para 200 em 2014 devido ao aumento da procura dos idosos nas oficinas. Entre os cursos de graduação com mais alunos participantes disponíveis nas monitorias da Unati estão os de Serviço Social, Psicologia, Enfermagem, Direito, Nutrição e Psicologia. Para a coordenadora Marli, a integração entre os acadêmicos e os idosos serve para criar uma reflexão sobre as principais dificuldades enfrentadas pelos idosos. “A partir do momento que há a relação entre eles, percebe-se que diminuem os estereótipos e aumenta a capacidade de preocupação dos monitores sobre assuntos que envolvem os idosos”, comenta Marli. Para Ana Cândida, muitos idosos veem nos monitores algo que lhes faltam em seu cotidiano, como uma companhia. “Muitos alunos da Unati encontram nos jovens um vínculo como de avó e neto. Eles criam um forte laço entre si e quando os meninos se formam ou deixam de frequentar as monitorias, sentimos saudades”, afirma Ana. Para continuar esses laços, a aposentada reforça o pedido de participação de mais jovens em monitorias. “O que mais queremos é que tenham mais voluntários para compartilharmos o nosso cotidiano. Queremos que os jovens venham para a Unati”, solicita Ana.

Samuel Baldani é selecionado para curador do Prêmio Funarte de Dramaturgia O diretor do Grupo de Teatro Guará (CAC), Samuel Baldani, foi selecionado como curador do Prêmio Funarte de Dramaturgia Edição 2014, junto com outros dois representantes da região Centro-Oeste. Samuel vai avaliar os textos das peças de teatro dos participantes do concurso de todo o Brasil. Entre os dias 18 e 23 Samuel Baldani vai de agosto, o diretor do Grupo representar o Centro-Oeste Guará vai ao Rio de Janeiro, participar de uma reunião na Funarte, para emitir os pareceres e escolher os ganhadores do Prêmio na Categoria Teatro.


Goiânia, 2ª quinzena de abril de 2014

Folha PUC 553 - 7

Esporte

PUC Goiás lança primeira edição de Jogos Universitários “Priorizamos essa formação mais holística e humanista para consolidar esse perfil de aluno que a PUC Goiás tanto aposta e investe”. Márcia de Alencar Santana, pró-reitora de Extensão e Apoio Estudantil

Profa. Márcia de Alencar

Por Belisa Monteiro

Mais de 3 mil acadêmicos devem participar da primeira edição dos Jogos Universitários, que ocorrerá de 1 a 4 de maio, no Câmpus II, Jardim Mariliza. A competição inédita é um esforço conjunto da Pró-Reitoria de Extensão e Apoio Estudantil, Diretório Central dos Estudantes, Departamento de Educação Física e Desportos e Liga das Atléticas. O evento visa retomar, agora em novo formato, as Olímpiadas Universitárias realizadas em anos anteriores, na época da então UCG. Todos os alunos regularmente matriculados na PUC Goiás podem se inscrever de 10 a 22 de abril. Serão oferecidas modalidades individuais (atletismo, natação, xadrez, tênis e peteca) e coletivas (basquete, futsal, futebol society, handebol e voleibol). De acordo com o coordenador do DCE, Michel Magul, o intuito dos Jogos, que mobilizam 25 atléticas dos cursos de graduação, é promover a inclusão social por meio do esporte, estimular a cidadania, integrar os estudantes de todos os câmpus, além de revelar os talentos esportivos da universidade. “Queremos representar a PUC em nível estadual e nacional. Temos atletas que já foram profissionais, podem ser os melhores do Estado, e o evento é uma maneira de propagar na instituição:

uma forma de orgulho, identidade e pertença com relação a nossa universidade”, ressaltou o estudante. A pró-reitora de Extensão e Apoio Estudantil, Márcia de Alencar Santana, pontua que o esporte, além de ser uma atividade lúdica ligada a uma série de ações da cultura e da arte, também é um espaço de aprendizagem. “Não está ligado propriamente ao projeto pedagógico dos cursos de graduação, mas à formação global do acadêmico. Priorizamos essa formação mais holística e humanista para consolidar esse perfil de aluno que a PUC Goiás tanto aposta e investe”, destaca. Acadêmicos esportistas Os acadêmicos Maria Luiza Vale (Jornalismo) e Jaroslaw Daroszewski (Direito) vão participar dos Jogos Universitários como esportistas. A aluna irá se inscrever na modalidade coletiva handball e o acadêmico irá competir na modalidade individual de xadrez. Neto de polonês, Jaroslaw aprendeu com o avô as técnicas do esporte milenar. Já participou de competições no Colégio Militar, quando estudava no ensino fundamental e médio e, agora como acadêmico, quer participar da modalidade que tanto se identifica desde a infân-

cia, um esporte que vai além do hobby. “Essa parceria que envolve a Reitoria, a Educação Física, o DCE e as atléticas, visa uma integração de toda a universidade”, reforça. A acadêmica de Jornalismo também observa que a iniciativa dos jogos quebra da rotina da sala de aula. “É uma maneira de interagir com os outros e a universidade pode dar um embasamento cultural, social e esportivo, além da formação acadêmica. Também é um incentivo para os alunos que gostam de esporte”, conclui.

“Queremos representar a PUC em nível estadual e nacional. Temos atletas que já foram profissionais e podem ser os melhores do Estado”. Michel Magul, coordenador do DCE

Cartazes de divulgação dos Jogos Universitários da PUC Goiás

Fique atento! Local de inscrições Sede do DCE, Área 2 (Praça Universitária) Prazo 10 a 22 de abril Quem pode participar Todos os acadêmicos regularmente matriculados na PUC Goiás. Os participantes receberão certificados de horas complementares!


Alegria para descortinar o conhecimento nos 50 acadêmicos da universidade já participaram do projeto, acadêmicos dos cursos de Química, Design e Biologia, como Cleiton José Costa, 28, que está no 5º período (leia mais nesta página). Para professores e estudantes, um dos desafios é atuar em prol da popularização da ciência sem, contudo, transformá-la em um mero show. “Fazemos um trabalho lúdico, que engloba também a inclusão e a preservação ambiental. Onde nos chamarem,

estamos indo”, diz , animada, referindo-se aos convites que o projeto recebe para se apresentar nas escolas de Goiânia e da Região Metropolitana. O QM termina neste semestre, mas um trabalho semelhante deve ser realizado por meio de financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg). A expectativa é que a produção de material próprio para divulgação da ciência continue. Agora, com um reforço: uma impressora em braile.

- Eu, pesquisador

Sandra quer mostrar a ciência como algo agradável

Por Diene Batista

Para despertar o interesse sobre o papel da ciência no desenvolvimento do planeta, uma arma poderosa: a diversão. Essa é a estratégia do projeto Química Mambembe (QM), do Núcleo de Pesquisa em Química (NPQ) da PUC Goiás. Na carreta, fruto de verbas obtidas junto ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), tenda, mesas, tapetes, puffs, TV e caixa de som. Tudo para criar um ambiente atrativo, especialmente para as crianças, e divulgar a ciência nos chamados espaços não formais. Entre esses locais, os projetos desenvolvidos pela PUC, como a Jornada da Cidadania, e aqueles que contam com a participação da instituição, como o Ciranda. Para a coordenadora do QM,

profa. Sandra Regina Longhin, que também comanda o curso de Química, mostrar que a ciência pode ser algo agradável é fundamental para chamar a atenção dos mais jovens. No caso da Química, o desafio é ainda maior. “É comum ressaltarem apenas seu lado negativo, como os danos que pode causar ao meio ambiente ou ao organismo humano”, justifica. Uma das armas do QM é o material didático próprio. Os livretos foram produzidos por meio de parceria com os alunos da iniciação científica do curso de Design. Entre os personagens, alunos com deficiência e um professor mais do que especial: José Bonifácio de Andrade e Silva, considerado o patriarca da ciência no Brasil. Segundo Sandra, pelo me-

“Antes de entrar na universidade, já tinha interesse em participar de projetos de iniciação científica. Faço Biologia, mas curso duas disciplinas da grade de Química. Então, conheci a profa. Sandra e recebi o convite para participar do projeto. Meu plano de trabalho pesquisa o impacto ocupacional e ambiental das cooperativas de material reciclável que trabalham com resíduos eletro-eletrônicos. No momento, trabalho na revisão bibliográfica. O próximo passo será a aplicação de questionário. A partir desses dados, vamos elaborar um material específico para incentivar o manuseio adequado desse material e minimizar danos à saúde e ao ambiente. Com certeza, participar desse projeto proporciona experiências que não poderia obter apenas em sala de aula e com as teorias. É uma oportunidade e, ao mesmo tempo, um desafio ouvir essas pessoas. Também fica claro para mim que Biologia e Química são indissociáveis. O projeto será o tema da minha monografia e, hoje, estou consciente que a iniciação científica é a porta de entrada para o mestrado.” Cleiton José Costa (foto), 28 anos, estudante do 5º período de Biologia – Licenciatura

Rápidas da pesquisa Cromossomo sintético Cientistas de diversas universidades americanas e europeias são responsáveis pelo primeiro cromossomo criado e aprimorado em laboratório: o da levedura. O fungo é usado para fazer cerveja, pão, biocombustível e metade das pesquisas sobre organismos mais complexos, como o humano. A capacidade de introduzir um cromossomo sintético neste organismo permitirá vários avanços. Entre eles, a produção de biocombustíveis mais sustentáveis para o meio ambiente, de novos antibióticos e a construção do genoma inteiro de um organismo superior.

Cubo mágico eletrônico Uma versão eletrônica do cubo mágico, com recursos sonoros e que permite ao usuário acionar as funções de autoembaralhamento e automontagem, foi criada por pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Ilha Solteira. As cores das peças são formadas pela luz emitida por LEDs, em vez de adesivos ou tinta, que fazem parte de um circuito eletrônico e podem assumir qualquer cor. Informações sobre o jogo, como número de movimentos executados para a sua montagem, quantidade de tentativas e tempo gasto para a tarefa também podem ser visualizados e formam uma espécie de banco de dados com o histórico do quebra-cabeça.


Goiânia, 2ª quinzena de abril de 2014

Folha PUC 553 - 9

Especial

Vida comum: o desafio da inclusão Aos 18 anos, Maria Thereza sonha em casar. Pedro, 16, seu irmão, não fica atrás nos planos. Ana Maria Motta, 52, mãe dos adolescentes, apoia o desenvolvimento afetivo dos filhos, apesar das caras de reprovação que rodeiam o crescimento deles. “Minha preocupação sempre foi que eles tivessem uma vida mais comum possível”, explica ela, ao relembrar a descoberta de que teria dois filhos com Síndrome de Down. O desafio é grande: de inseri-los na educação regular, apesar das dificuldades de aprendizado inerentes à alteração genética, como dificuldade de memorização; ao desenvolvimento de habilidades como a comunicação, também prejudicada pela trissonomia do cromossomo 21. “Sempre procurei trabalhar a autoestima dos meus filhos, estimulá-los para que gostassem de si mesmo”, ensina ela, que se orgulha do trabalho feito até aqui. Presidente da Associação Down de Goiás, Ana Maria conta que o filho Pedro é atleta: faz natação e joga tênis de mesa e de campo. Foi nas aulas de tênis, inclusive, que o rapaz e a irmã conheceram a psicóloga Patrícia José de Oliveira. Mãe de uma garota de 13 anos que frequenta o mesmo clube que Pedro e Maria Thereza, ela, que sempre trabalhou com grupos de discussão, resolveu criar um com adolescentes com Síndrome de Down. Nas reuniões, um tema dominou os bate-papos: o desenvolvimento sexual. “Perguntam sobre beijo, comentam sobre a relação dos pais”, descreve ela, responsável pela palestra que abriu o V Seminário Seminário Multiprofissional da Síndrome de Down. Para ela, a adolescência precisa ser vivida em sua plenitude pelos meninos e meninas downs. Sem medo de cara feia ou de reprovação de amigos e da família. “Muitos pais não concordam com o namoro de seus filhos”, comenta Ana, que apoia o relacionamento de Maria Thereza com Igor, de 28 anos, que também tem a Síndrome. Maria Thereza e Pedro praticando tênis: habilidades no esporte

Divisor de águas Na bolsa, a estudante do 7º período de Psicologia da PUC Goiás, Érica Barros, 20, dois certificados. Um, que ela recebeu há quase 8 anos, indica sua participação no Projeto Aprender a Pensar (PAP) da universidade. O outro, recebido no semestre passado, informa sua atuação como estagiária da mesma iniciativa. No início da adolescência, a jovem conheceu o PAP, por meio de uma vizinha, funcionária da universidade. Destaque em sua sala de aula, ela resolveu se inscrever junto com a irmã, Karina Barros, atualmente com 17 anos. “Hoje, percebo o quanto ‘sou’ o PAP. As ferramentas que trabalhamos passaram a fazer

parte do meu modo de pensar. Analiso as consequências de cada ato e, por causa disso, me arrependo de pouca coisa que fiz”, avalia Érica, referindo-se ao método de Edward Bono. Agora, ela vive o outro lado: é estagiária do projeto que delineou vários caminhos em sua vida, entre eles a graduação que hoje cursa. Graças ao PAP, analisa, muitas crianças e adolescentes podem ser compreendidos por seus pais, amigos e professores. “Quem tem superdotação pode até ser considerado cínico, chato ou hiperativo, mas, na verdade, como consegue aprender com mais facilidade, acaba perdendo o interesse por determinadas atividades”, explica.

Érica Barros, do PAP: de aluna a estagiária


Vocêpelo mundo

Por Belisa Monteiro

PUC Goiás firma convênio com North Dakota University A PUC Goiás firmou convênio de cooperação acadêmica com a North Dakota State University (Estados Unidos). Para participar do intercâmbio na universidade norte-americana, a partir de 2015, o acadêmico deverá possuir fluência na língua inglesa, por meio do Toefl IBT, igual ou superior a 60 pontos. Focada no aluno e na pesquisa, a North Dakota State University conta com mais de 14 mil alunos matriculados, oriundos de 47 estados norte-americanos e 78 países. A instituição é reconhecida também pelo seu rigor acadêmico, onde mais de 80 das disciplinas oferecidas possuem 40 alunos ou menos por sala, criando um ambiente favorável ao aprendizado, no qual o corpo docente está comprometido com o sucesso acadêmico de seus alunos. Com mais de 100 cursos de graduação, a universidade oferece uma grande variedade de programas que abordam as áreas de arquitetura, farmácia, engenharia de alimentos, administração,

biotecnologia, música e design de interiores. As disciplinas são ministradas por professores altamente qualificados, que se dedicam à criação de um ambiente de aprendizagem que envolve os alunos da instituição. Mais informações podem ser obtidas no site www.ndsu.nodak.edu. Demais dúvidas sobre intercâmbio podem ser tiradas na Assessoria de Relações Internacionais (ARI) pelo telefone 3946-1239 ou pelo e-mail ari@pucgoias.edu.br

Depoimento A acadêmica Janicris de Rezende Januzzi, aluna do curso de Psicologia da PUC Goiás, que está em intercâmbio na Universidade Católica do Norte, Chile, enviou um relato poético sobre sua experiência de vida no país latino-americano. Leia trechos do depoimento que traduz, em palavras, a beleza do que tem testemunhado.

PUC Idiomas oferece aulas flexíveis Muitos alunos que almejam fazer um intercâmbio encontram o empecilho da língua estrangeira pelo caminho e, pela falta de tempo e da rotina puxada de estudos, desistem antes mesmo de tentar a experiência. Tendo como base esse contexto, além das turmas regulares dos cursos de línguas, a PUC Idiomas oferece a opção de aulas diferenciadas, combinando qualidade e flexibilidade de horário, com a contratação de aulas VIP nos idiomas ensinados na escola, como Inglês, Francês, Alemão, Italiano e Espanhol. Essas aulas diferenciadas são indicadas para aqueles alunos que necessitam de um programa específico e da atenção personalizada do professor. As aulas podem acontecer durante todo o ano e o aluno pode começar quando quiser. Basta contratar o pacote de horas na Coordenação da PUC Idiomas, que providenciará o agendamento com o professor. Mais informações podem ser obtidas nos telefones 3227-1281 ou 3227-1176.

“Ter tudo e ao mesmo tempo nada Ter a sensação de não ter nada e ainda assim ter tudo Perceber que o buraco na sua cama apenas mudou de lado Aceitar que há um enorme buraco que te separa daquilo que está próximo Perceber que o “banho quente” não tem o calor reconfortante que você conhece Abraçar algo que só diz respeito a você mesmo Retornar cansado para a casa que não é a sua Não saber se deve temer ou não os tremores (...) Ficar feliz porque ao menos as fotos transmitem alegria Reconhecer que, apesar de tudo, as pessoas ainda podem ser boas Boas para os cães de rua e incrivelmente boas para outras pessoas”

Universidade recebe delegação da California University

As visitas internacionais na universidade não param. A PUC Goiás recebeu, no dia 25 de março, a delegação da instituição de ensino superior americana California State University (CSU), que visitou a PUC Idiomas e promoveu palestra para alunos. O objetivo da visita foi conhecer a estrutura acadêmica e as

atividades da PUC Goiás e discutir possibilidades sobre intercâmbio. A Universidade do Estado da Califórnia é uma instituição estadunidense situada no estado da Califórnia e é o maior sistema escolar universitário dos Estados Unidos, tendo 23 câmpus, 417 mil estudantes e 46 mil funcionários e professores.


Goiânia, 2ª quinzena de abril de 2014

Folha PUC 553 - 11

Programe-se Universidade abre inscrições para Programa de Pré-Incubação de Empresas A Incubadora de Empresas da PUC Goiás publicou edital para seleção de projetos de empreendimentos para o Programa de Pré-Incubação da universidade. O prazo de inscrição começou no dia 28 de março e segue até 30 de abril, no site http://sites.pucgoias.edu.br/home/wp-content/uploads/2014/04/Processo-seletivo-da-incubadora-20141.pdf. O objetivo é estimular o empreendedorismo, preparar projetos que tenham potencial de negócios e capacitar pessoas da comunidade para a gestão do negócio. Alunos de graduação e pós-graduação de qualquer instituição de ensino superior goiana podem enviar propostas, assim como pessoas da comunidade que tenham mais de 18 anos. Para realizar a inscrição, é preciso ler a chamada oficial, preencher e imprimir o formulário, comparecer na Incubadora e frequentar os cursos de capacitação que começam em maio. Mais informações na Incubadora PUC Goiás, no Bloco G da Área 1, no Setor Universitário.

Encontro Goiano de Psicologia

PUC Goiás inicia campanha de vacinação dia 23

Será realizado nos dias 12 e 13 de maior o Encontro Goiano de Psicologia, na PUC Goiás. O evento acadêmico científico é promovido pelo Centro Acadêmico de Psicologia XII de Maio da PUC Goiás e tratará Novo século, novas práticas em Psicologia, trazendo tudo o que há de novidade e inovação em nossa ciência. A programação inclui conferências, workshops e apresentação de painéis. Além disso, será comemorado o aniversário do CA, que completa este ano 34 anos. Mais informações: www.encontrogoianodepsicologia.org

A 16° Campanha de vacinação contra Influenza começa no próximo dia 23 de abril e segue até 9 de maio. A PUC Goiás mais uma vez participa desta iniciativa. Das 13h30 às 18 horas o público alvo pode procurar a Sala de Vacina do Serviço de Atendimento em Saúde (SAS), no Bloco G, Área 4. Serão vacinadas pessoas com 60 anos ou mais, gestantes em qualquer idade, puérperas (mulheres com até 45 dias pós-parto) e doentes crônicos. Na PUC Goiás, a expectativa é atender 80% do público alvo, que inclui alunos e funcionários.

Fundação Logosófica promove prêmio literário A Fundação Logosófica do Brasil está promovendo o Prêmio Literário de Logosofia para jovens universitários. Para participar, os estudantes devem escolher um tema com base na leitura do livro Logosofia Ciência e Método, disponível no site da fundação (www. premiouniversitarios.logosofia.org.br/livro). As inscrições para o curso iniciaram no dia 1º de outubro de 2013 e prosseguirão até 24 de maio. Para a coordenadora do evento em Goiás, Denise Patrus, o objetivo dos prêmios realizados pela entidade é atingir toda a cadeia de educação do País, passando por jovens da educação básica, acadêmicos e professores.

Terminam no dia 22 de abril as inscrições para os cinco programas de Iniciação Científica da PUC Goiás. Os acadêmicos interessados devem acessar a página de Pesquisa do site da universidade, www.pucgoias.edu.br. São oferecidas 213 vagas com bolsas, conforme edital. A iniciação possibilita a introdução de alunos de cursos de graduação na pesquisa científica. Para estudantes que desejam seguir carreira acadêmica cursando mestrado e doutorado, o programa permite a preparação curricular e teórica necessárias. Participe!

Dicas de filmes Desesquecimentos

Cinderelas, Lobos e um Príncipe Encantado Autoras: J. C. Avelino da Silva Ano: 2011 Páginas: 240 Na obra, o professor da PUC Goiás, J. C. Avelino, relata passagens de sua vida durante o período de ditadura militar no Brasil. Perseguido, o professor se exilou no Chile e, posteriormente, na Suíça. O período histórico relatado pelo autor completou 50 anos no início de abril. Com 240 páginas, o livro pode ser adquirido na Livraria da PUC Goiás, localizada na Área 1 da universidade, em frente à Biblioteca Central. Alunos, professores e funcionários da instituição têm desconto especial.

Direção: Joel Zito Araújo Classificação: 16 anos Gênero: Documentário Ano: 2008 Duração: 106 minutos O premiado documentário Cinderelas, lobos e um príncipe encantado aborda a questão do tráfico de mulheres e do turismo sexual no Brasil. Para registrar relatos, o filme passa pelo nordeste do País e também por países europeus como Itália e Alemanha. Um filme indispensável para pensar o tráfico de pessoas, tema da Campanha da Fraternidade 2014.


Vida de estudante

Realidade rural é inspiração

Gabriel recitando um poema na abertura do 1º Encontro Ciêntífico do Programa em Nome da Vida

Sair de uma cidade do interior com pouco mais de 50 mil habitantes e começar uma nova vida em uma capital com mais de 1 milhão de pessoas pode não ser uma tarefa fácil. Porém, a aluna do curso de Zootecnia da PUC Goiás, Rhaisa Costa, 23, conseguiu enfrentar de frente os problemas impostos por Goiânia. Natural de Porto Nacional, no Tocantins, a estudante mudou para a capital goiana com apenas 15 anos e conta que não encontra dificuldades em morar sozinha. “Já me acostumei”, analisa. O sonho de fazer Zootecnia iniciou ainda na infância, quando frequentava fazendas aos finais de semana e aponta a influência do irmão na hora de escolher o curso. “Eu sempre gostei da zona rural e tive muita experiência na área. Aos poucos, fui criando laços com a Zootecnia quando ainda era criança. Como em Tocantins não tinha o curso e o meu irmão já estudava na universidade, optei por estudar na PUC Goiás”, revela. Outra característica que Rhaisa não estranhou foi a quantidade de homens em relação às mulheres realizando o curso. A aluna revela que quando entrou na universidade, a sua turma era composta em grande maioria por estudantes do sexo masculino. “Na minha sala, éramos 20 ou 30 alunos, mas apenas quatro eram mulheres. Apesar da diferença, não estranhei porque minha turma era muito boa”, avalia. Atualmente, o curso vem sofrendo uma mudança significativa dessa realidade e, dos 270 alunos matriculados, 46% já são mulheres. Para o diretor do Departamento de Zootecnia, prof. Bruno de Souza Mariano, essa mudança é reflexo da participação mais ativa da mulher no mercado de trabalho. “As estudantes antes de entrar na faculdade, por exemplo, veem na Zootecnia uma chance de atuação na área da tecnologia e não diretamente no campo. Isso contribui para que elas estejam mais presente no curso”, explica Bruno. O professor ainda ressalta que o curso está despertando cada vez mais a atenção da população urbana. Antes de entrar na faculdade, a acadêmica ainda tinha dúvidas sobre qual curso frequentar. “Outra opção que me chamou a atenção foi a Medicina Veterinária.”, revela a estudante. Cheia de sonhos, Rhaisa ainda deseja fazer uma pós-graduação em Goiânia antes de voltar para o Tocantins. “Pretendo fazer minha especialização em Goiânia na área de reprodução”. Rhaisa aponta o diferencial da PUC Goiás na sua formação acadêmica, destacando o papel estimulador da universidade durante a sua caminhada estudantil, principalmente nos momentos mais difíceis enfrentados pela estudante. “Minha maior dificuldade é a convivência social. Eu sou muito tímida, mas tenho melhorado muito nesse aspecto em decorrência da contribuição da PUC Goiás”, relata. “É algo que preciso melhorar, até porque preciso perder a timidez para atuar na Zootecnia”, concluiu. Atualmente, a aluna cursa o 8º período e já iniciou a execução de seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), onde irá abordar a temática de vacas com primeira cria. Apesar de estar caminhando para o final do curso, Rhaisa relembra os momentos marcantes na universidade. “Gostei de participar da Semana de Zootecnia, principalmente das palestras sobre equinos”, comenta a estudante. Sobre o futuro, a acadêmica não esconde a saudade de sua cidade natal. “Quando eu terminar meus estudos, quero voltar para Porto Nacional e me realizar profissionalmente”, conclui a estudante.

Folha PUC - 553  

Jornal da Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you