Issuu on Google+

A LEITURA INDISPENSÁVEL AO SERVIDOR ESTADUAL

PUBLICAMG ANO 1, Nº1

SEGUNDA-FEIRA, 14 DE JUNHO DE 2011

DISTRIBUIÇÃO GRATUITA

“É preciso não temer a monumentalidade” A Cidade Administrativa de Minas Gerais – obra com mais de 265 mil metros quadrados de área construída, erguida em um terreno de 800 mil metros quadrados – é considerada por muitos o grande projeto da carreira do arquiteto Oscar Niemeyer. E o que não faltam são outras obras grandiosas que poderiam concorrer ao título, como a Esplanada dos Ministérios, a Orla da Pampulha, o Museu de Arte Contemporânea de Niterói. Mas, aos 103 anos, Niemeyer também se despe de qualquer modéstia ao falar dos prédios que abrigam a sede e as secretarias do governo mineiro: “é uma aula magna de arquitetura e de administração pública”, define. Nesta entrevista, que marca o lançamento do boletim PublicaMG, o arquiteto explica sua concepção do projeto e revela as conversas que teve com o ex-governador Aécio Neves antes da aprovação da CA. Muitas pessoas criticam o projeto da Cidade Administrativa por sua suntuosidade. De que forma você enxerga isso? Para responder a essa pergunta, prefiro citar um dos grandes nomes da arquitetura do século XX, o franco-suíço Le Corbusier: “é preciso não temer a monumentalidade”. A Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves é uma aula magna de arquitetura e de administração pública. Além de concentrar milhares de funcionários em apenas dois prédios, valoriza ao máximo as áreas livres e verdes. Essa integração entre áreas construídas e livres era um dos pilares do projeto? Sem dúvida. Os espaços livres fazem parte da arquitetura. As grandes áreas verdes existentes demonstram como é possível mantê-las num conjunto tão complexo. Com apenas dois grandes

ARTIGO

Entrevista exclusiva: Arquiteto Oscar Niemeyer explica detalhes do projeto da CA prédios e um palácio foi possível realizar o centro administrativo desejado, sem ocupar demasiadamente o terreno e preservando-se a boa relação que deve existir entre o concreto e a área livre. A proposta não causou estranheza no início? Quando o governador (Aécio Neves) veio ver o projeto, esperava, como a grande maioria, que o palácio governamental estivesse cercado de 15 ou mais edifícios para atender o programa fixado, afinal, estávamos falando de reunir 18 secretarias e 25 órgãos estaduais em um único espaço. As pessoas acreditavam que o terreno seria todo dividido em pequenas áreas que aqueles prédios criariam.

acrescentei: ‘Acho que vai ficar tão bonito, tão imponente, que diante dele vou criar uma larga rua de passeio – só para pedestres – onde o povo, satisfeito, possa também apreciar a beleza dessa obra que, a meu ver, vai marcar o início dessa arquitetura monumental que, em certos casos, se faz fundamental’.

E qual foi a reação de Aécio? Senti que o governador se entusiasmava com o estudo e, sem falsa modéstia,

Mesmo com alguns projetos mais tradicionais, você acha que as curvas, como nos prédios Minas e Gerais, é que vão definir o legado de Oscar Niemeyer? Não é o ângulo reto que me atrai, nem a linha reta, dura, inflexível, criada pelo homem. O que me atrai é a curva livre e sensual, a curva que encontro nas montanhas do meu país, no curso sinuoso dos seus rios, nas ondas do mar, no corpo da mulher preferida. De curvas é feito todo o universo, o universo curvo de Einstein.

ETIQUETA NO TRABALHO

AGENDA

“O caminho para a solução da violência Dicas de como não causar má impressão no país.” Pág. 2 no primeiro contato profissional. Pág. 4

Confira a programação de eventos culturais do mês de julho na CA. Pág. 6


Publica