Page 1

Ao comunicar a minha candidatura à presidência da Câmara de Palmela, é meu dever dar a conhecer quem sou, o meu percurso de vida pessoal e profissional, as minhas opções políticas e cívicas, de forma transparente, para que todas e todos saibam porque, hoje e agora, me sinto preparada e motivada para assumir o rumo do município.

NOTA BIOGRÁFICA Nasci em Setúbal, no mês de maio de 1962. A minha família, oriunda do Alentejo, como tantas outras na altura, procurou melhores condições de vida na cidade.

Sou a mais nova, tendo um irmão.


Frequentei a velhinha escola do bairro salgado, já derrubada, e tive o privilégio de ter sido aluna da professora Antonieta, sábia nas letras e na vida. Muitas das escolhas e convicções pessoais e profissionais nasceram naquela sala de aula e naquele pátio.

Foi já no ex liceu de setúbal que o 25 de Abril me abriu as portas para a política e para a militância na JS, em 1976, e, com 18 anos, no PS.


“Vemos, ouvimos e lemos, não podemos ignorar…” Estas palavras da Sophia de Mello Breyner foram uma das marcas que se colaram à pele de quem viveu os anos quentes da revolução de forma intensa e militante, em Setúbal. Muito jovem, com 18 anos, fui eleita para a Assembleia de Freguesia de São Sebastião e, mais tarde, para a Assembleia Municipal de Setúbal.

Após o propedêutico, rumei a Lisboa, para a Faculdade de Letras, da Universidade Clássica, com 18 anos, para me licenciar em Línguas e Literaturas Modernas, Estudos Portugueses e Franceses. Nesse mesmo ano, comecei a dar aulas, em Setúbal, depois no Barreiro, e, no meu 3º ano de Faculdade, em Palmela, na secundária, de onde saí em 1989, para frequência do estágio, já com a licenciatura concluída.


Foi, aliás, nesta escola, onde deixei muitos amigos e amigas, que, sendo professora de jornalismo, fundei a Rádio Pal, vinda da Rádio Azul, na redação.

A antiga secundária do Viso, hoje Lima de Freitas é a escola a que pertenço, desde que foi inaugurada, de lá tenho partido algumas vezes para abraçar outros desafios profissionais.


Fundei a Escola Profissional de Setúbal, experiência inovadora no quadro do ensino profissional.

Foi também na Lima de Freitas que colaborei no Centro Novas Oportunidades Arrábida, como profissional de reconhecimento e validação de competências, como avaliadora externa e, no Centro de Formação, como formadora de professores. Desafiada para vários projetos profissionais, passei pela Câmara de Setúbal, onde fui chefe de divisão da educação, aí vi nascer e ajudei a criar o pré-escolar da rede pública, as primeiras experiências de autonomia, o 1º conselho local de educação e a carta educativa. Não tinham passado dois anos e já estava como chefe de gabinete de duas governadoras civis de setúbal. A firme convicção na igualdade e não discriminação entre homens e mulheres na vida pessoal, profissional, cívica e familiar foram, são e serão marcas estruturantes do meu percurso, mais do que isso, a igualdade é um valor essencial na minha vida e na minha ação.


Creio que, por isso, fui Presidente da Comissão para a Igualdade no Trabalho e no Emprego e sou, atualmente, vice-presidente.

No passado e no presente, abracei projetos europeus (coordenei os Projetos Petra e Leonardo da Vinci na Escola Profissional de Setúbal (1992/1996)

fui membro da Comissão de Peritos de Avaliação Nacional dos Projetos Europeus Petra e Leonardo da Vinci (1996/2001); sou membro do EQUINET (Rede europeia dos organismos de igualdade); e membro do Conselho Consultivo do FONDS DE DOTATION ARBORUS (rede europeia para a igualdade profissional na europa).


Sou Juiz Social no tribunal de Família da Comarca de Setúbal, quiçá uma das tarefas mais difíceis com que me defronto na minha participação cívica.

Sou vereadora na Câmara Municipal de Palmela, eleita pelo Partido Socialista, desde 2009 e tem sido com afinco e muita convicção que, na oposição, me tenho batido pelos interesses de todas e todos os que vivem, trabalham ou visitam este concelho.

A minha vida política no PS pautou-se pela militância de base, sempre. Com uma grande equipa, fui Presidente do Departamento Federativo da Mulheres Socialistas de Setúbal.


Sou membro do secretariado de concelhia, da Comissão Política Distrital e da Comissão Nacional.

Casada,


mĂŁe de trĂŞs filhos, duas raparigas e um rapaz,


já tenho um neto e uma neta.

O pouco tempo livre, dedico-o à família, aos amigos e ao lazer.

Gosto de cinema (muitíssimo), de ler, de exposições,


de fotografia (por influência e saber do meu marido), de praia,

e de viajar,

tudo isto com a música que me comove e espanta. Os amigos e amigas foram e são determinantes na minha vida e espero que o saibam…


Quem me conhece, sabe o quanto aprecio a boa mesa, sobretudo os produtos locais e regionais que faço questão de consumir e aconselhar. Tenho a imodéstia de me considerar conhecedora dos vinhos do concelho; ainda não desisti de acreditar que sou artista na confeção de três pratos.

Vivendo há 22 anos no concelho de Palmela

é com humildade e muitíssimo respeito que tento acompanhar a riqueza da sua vida associativa e cultural, os êxitos e alegrias que trazem a todos e todas os que amam e acreditam neste território. Acredito nas pessoas e sinto-me preparada para mais este desafio – ser presidente da Câmara de Palmela, por si, consigo… Natividade Coelho

Natividade Coelho  

Nota Biográfica

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you