Issuu on Google+

NÚMERO 181 - ANO XV - OUTUBRO DE 2013

PA RÓ Q U IA SÃO CA RLO S BO RR O M E U LAGOA DA PRATA - MG - DIOCESE DE LUZ www.paroquiasaocarlosonline.com.br

Nossa Senhora Aparecida Padroeira do Brasil

Abençoai-nos, ó Mãe Celestial, e com vossa poderosa intercessão fortalecei-nos em nossa fraqueza, a fim de que, servindo-vos fielmente nesta vida, possamos louvar-vos, amar-vos e render-vos graças no céu, por toda a eternidade. (Trecho da Consagração a N.Sra Aparecida)

Outubro: Mês das Missões “Ide e fazei discípulos entre as nações” (Mt 28,19) Desde outubro de 2012, estamos vivendo como Igreja a graça do Ano da Fé. Nosso Papa emérito Bento XVI convocou todos os cristãos a renovarem a vivência do dom da fé recebida no Batismo, mas também a transmitir esta mesma fé com alegria, coragem e entusiasmo. Neste mês das missões, devemos nos perguntar sinceramente: que esforços fizemos para que o nome de Jesus fosse mais conhecido e amado? Quanto nos empenhamos para transmitir, de um modo novo, a beleza da fé que professamos? Os horizontes da missão são imensos, e sempre poderemos ir além! Sejamos, pela graça do Batismo, verdadeiros missionários!


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

OUTUBRO / 2013

“Ide por todo o mundo e pregai o Evangelho a todas as criaturas” (Man. Cap. 40). Esse é o testamento de Jesus Cristo. Essas palavras são a chave do cristianismo. Pela fé, deve-se lutar para atingir todas as pessoas com ardor sem fim. Sem as missões, a Legião de Maria não existiria, pois a sua meta principal é conquistar corações para o Reino de Deus, através da pregação do Evangelho, conforme o Testamento deixado por Jesus Cristo. É também o mês do Rosário. Entre as diversas formas de oração, o Rosário ocupa um lugar especial na Igreja. Resume todo o culto devido a Maria. É remédio para todos os males e fonte de bênçãos. Para os cristãos, o Evangelho é o primeiro de todos os livros; e o Rosário, a síntese do Evangelho. É impossível que as orações de muitos não sejam ouvidas, se elas formam uma só oração. “Amai, portanto, o Rosário e rezai-o devotamente todos os dias de vossa vida. Eis o testamento que vos deixo para que vos recordeis de mim.” (S.Pio X). Cúria N. Sra. de Misericórdia Cúria Mater Christi

EXPEDIENTE Diretor Espiritual: Pe. João Bosco Jornalista Responsável: Elizabete Lacerda Pedrosa– SRP / MG 3356 Digitação: Taty Publicidade: Laura Resende e Christian: 3261-8619, 3261-4372, Regina: 3261-4139 Diagramação: Jair Resende E-mail: jinformacao@ig.com.br Revisão: Elizabete, Simone Pároco: Pe. João Bosco Agradecemos a todos os nossos colaboradores, que são voluntários. Nr. de Exemplares: 2.500 Previsão para próxima Edição: 12 e 13/10

Pág.:02

O Terço dos Homens

Conhecendo a Legião de Maria Outubro: Missões em foco. A igreja peregrina é missionária.

Para Refletir Neste mês, vamos refletir algumas frases do Sumo pontífice, o papa Francisco. É um homem de Deus, que tem muito a nos ensinar: · “Se nos comportamos como filhos de Deus, sentindo-nos amados por Ele, a nossa vida será nova, cheia de serenidade e alegria”. · “Peçamos a graça de não nos cansarmos de pedir perdão, porque Deus jamais se cansa de perdoar”. · “Eu quero que a Igreja vá para as ruas, eu quero que nós nos defendamos d e to da acomodação, imobilidade, clericalismo”. · “Deus dá as batalhas mais difíceis aos seus melhores soldados”. · “Queria bater em cada porta, dizer 'bom dia', pedir um copo de água, beber um cafezinho...” · “A violência só pode ser vencida a partir da mudança do coração humano”. · Falando sobre a copa: “Jesus nos oferece algo muito superior à Copa do Mundo... Vocês são atletas de Cristo... Vocês são o campo da fé! Vocês são construtores de uma Igreja mais bela e de um mundo melhor. Treinem muito para enfrentar, sem medo, todas as situações da vida”. · “Vocês já tem um Deus brasileiro, queriam um papa brasileiro também?” brincou o pontífice com os jornalistas brasileiros dentro do avião. · “Quando o nosso coração é uma terra boa, que acolhe a palavra de Deus; quando suamos a camisa procurando viver como cristãos, experimentamos algo maravilhoso: nunca estamos sozinhos!” · “Hoje tenho a certeza de que a semente está caindo numa terra boa e sei que vocês querem ser um terreno bom; não querem ser cristãos pela metade, nem cristãos de fachada, mas, sim, autênticos.” · “Eu tenho confiança em vocês. Tenham a coragem de ir contra a corrente”. · “Deus chama para escolhas definitivas, Ele tem um projeto para cada um. A todos Deus chama à santidade, a viver sua vida, mas, tem um caminho para cada um...” · “Cuidemos de nosso coração porque é de lá que sai o que é bom e o que é ruim; o que constrói e o que destrói.” · “Meus filhos(as) imitemos a Maria Santíssima, ela é a nossa defensora, o nosso modelo de vida”. Dona Zé

-

Primavera Rosângela Brasil Gontijo Terei sempre a primavera num espaço interior, onde possa visitar a qualquer hora. Fecho os olhos, o portal atravesso, a magia invento, vou colorindo o pensamento. Vou povoar os dias meus com o que amo ver e sentir. Casa com janelas abertas, jardineiras com flores coloridas em todas elas... Vasos floridos nos degraus de entrada... Um raio de sol atravessa a cortina que balança, e faz o cachorro brincar. Uma rede num canto numa casa toda branca. Colherei o que enfeitará minha mesa de jantar. Nas praças, carroças com flores de aromas suaves. Quero conhecer todas que ouvi falar. Apresentem-me os amores perfeitos, magnólias, jasmins, hortênsias, flores de maracujá, dálias, crisântemos, miosótis, açucenas... Primavera, venha povoar minha vida. Traga-me as manhãs de sol, brisas à tarde para refrescar, noites estreladas, lua cheia. Pássaros cantando, araras coloridas, vida renascendo, pulsando num jardim onde cabem nossos sonhos!

Maternidade Divina de Maria Todos os autores que escreveram a história da Igreja afirmaram que o cristianismo, em seus primeiros dias, primeiros anos e mesmo primeiros séculos, foi um período difícil. Era preciso que se criassem normas para a prática dos atos litúrgicos como: ministrar os sacramentos, celebração da missa, ordenação de padres, sagração de bispos etc... etc...etc... Foi um período difícil, mas muito importante. Tão importante que a Igreja, até os dias de hoje, o respeita e valoriza, dando-lhe o nome de TRADIÇÂO DA IGREJA PRIMITIVA. Foi um período rico em fé, em fraternidade, de muito amor entre os cristãos, apesar de outra grande dificuldade que foi a perseguição aos mesmos. Outras dificuldades ainda surgiram: Dificuldades de interpretação da doutrina. Agora era a vaidade, a soberba humana querendo se opor aos ensinamentos da Igreja. Pessoas várias surgiram defendendo doutrinas contrárias ao que pregava a Igreja, em matéria de fé. Na maioria das vezes, eram pessoas cultas, muitas delas da cúpula da Igreja. Essas pessoas foram os criadores das heresias que muitas dificuldades trouxeram. Aliás, hereges existem até em nossos dias, pessoas que procuram impor à Igreja a maneira de pensar e agir do mundo. Pessoas que não entenderam as palavras de Jesus, ditas a Pilatos: “O meu reino não é deste mundo”. É sobre uma dessas heresias que nos propomos a falar para justificar o título deste artigo: MATERNIDADE DIVINA DE MARIA. Por volta do ano 431, Nestório, Patriarca (bispo) de Constantinopla, afirmava que em Jesus Cristo há não somente duas naturezas, mas também duas pessoas. Uma pessoa divina e uma pessoa humana. Afirmava o bispo Nestório que Maria Santíssima não era mãe de Deus, mas somente mãe do homem Jesus Cristo. Afirmava que Maria, sendo criatura, não poderia ser mãe do criador. Escandalizado, o povo cristão exigiu uma explicação da Igreja, pois, desde os primeiros tempos do cristianismo, o título de “Maria mãe de Deus” foi usado e defendido por muitos padres, grandes teólogos, e era o que ensinava a Igreja. O Papa Celestino convocou um sínodo para se manifestar sobre a heresia defendida por Nestório. O sínodo condenou o nestorianismo, mas Nestório não concordou com a condenação. Então, o Papa Celestino convocou o Concílio Ecumênico de Éfeso para estudar o assunto. Esse Concílio teve a presença de 198 bispos e foi presidido por São Cirilo. O Concílio também condenou a doutrina pregada por Nestório, que também não aceitou a condenação e por isso foi excomungado. Conclusão: Baseado nas conclusões do Concílio Ecumênico, realizado na cidade de Éfeso, em 431, o Papa Celestino proclamou como dogma de fé a maternidade divina de Maria. Isso quer dizer que a Igreja confirmou que MARIA É MÃE DE DEUS. OBS 1. - Referência: Apontamentos de História Eclesiástica, de D. Jaime de Barros Câmara, editora Vozes, 1957. OBS 2 – No dia 21 deste mês, nós, os homens do Terço dos Homens da Paróquia de São Carlos Borromeu, convidamos vocês, não só homens, mas também suas esposas e filhos, para virem rezar o Terço conosco, às 20:30 horas. Estaremos comemorando o quinto aniversário da reza do Terço em nossa Paróquia. (ABR)

O Sacramento do Matrimônio Dez Mandamentos do Casal 1. Nunca dramatizar os defeitos, mas saber elogiar as qualidades. 2. Nunca gritar um com outro, nem fechar-se, mas sempre dialogar. 3. Saber ceder, saber perder, saber recomeçar, perdoando sempre. 4. Dizer a verdade com amor. 5. Nunca humilhar, principalmente diante de outras pessoas. 6. Não culpar, nem ridicularizar o outro recordando erros do passado. 7. Nunca ser indiferente, gelando o outro. 8. Nunca ir dormir sem perdoar. 9. Admitir as próprias limitações e procurar melhorar. Autocrítica. 10.Rezar juntos, rir juntos, passear juntos, e não discutir nunca. Parabéns e felicidades aos noivos que receberão o Sacramento do Matrimônio em outubro e novembro de 2013, na Igreja Matriz São Carlos Borromeu: 19/10 Edson e Josiane 09/11 Rodrigo e Laís Déborah 16/11 Willian e Juliana 23/11 Lucas e Amanda /Alexandre e Angélica Secretaria Paroquial

Pe. Leo


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

OUTUBRO / 2013

-

Pรกg.:03


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s DÍZIMO Pe. João Bosco da Silva - Pároco

O dízimo é um dos meios para dizer ao Pai: “Estamos aqui, Senhor, para colaborar com o Teu Reino. Dá-nos um coração generoso e um espírito fraterno para que possamos, a cada dia, entender melhor a Tua Palavra”. O dízimo não é imposto, obrigação, taxa ou tarifa. É, antes de tudo, uma devolução a Deus, uma partilha gratuita, consciente, dada de coração, com sinceridade e generosidade. “Cada um dê conforme decidir em seu coração, sem pena ou constrangimento, porque Deus ama a quem dá com alegria” (2 Cor 9,7). O dízimo tem três finalidades importantes: dimensão religiosa, missionária e social. A) Religiosa – Manutenção da igreja, água, luz, telefone, funcionários, folhetos de missa, livros, toalhas, velas, material de escritório e secretaria, hóstias, vinho, ajuda às pastorais etc. B) Social – Auxílio aos pobres e aos doentes, promoção humana, apoio à Pastoral da Criança etc. O bem que é feito com o dinheiro do dízimo é como se fosse feito ao próprio Jesus: “Tive fome, e me destes de comer” (Mt 25, 35). C) Missionária – Formação de lideranças, formação de catequistas, ajuda aos seminários, missões populares etc. Assim, devolver o dízimo é também contribuir com a evangelização. São Paulo nos diz que três são as virtudes teologais: “fé, esperança e caridade. No entanto, a maior delas é a caridade”. Por isso a evangelização exige que a Igreja faça também um serviço de promoção humana. Não basta a pessoa ser dizimista, ela precisa participar da comunidade, viver como um autêntico cristão na família, na Igreja e na sociedade. Ninguém compra a Deus com seu dízimo. Dízimo é gesto de fé de quem se sente responsável pela Igreja de Cristo e quer que o Reino de Deus se torne, cada dia, mais real na comunidade. Se cada fiel vi ver a ex peri ênci a do dízimo atra vés da comunidade, perceberá que a Igreja não vai precisar mais realizar promoções, quermesses, show de prêmios para investir nas dimensões acima mencionadas. Enquanto a Igreja estiver fazendo festas para angariar recursos, significa que muitos cristãos ainda não devolvem o seu dízimo a Deus. E VOCÊ?

Test emun ho d e Di zi mi st a Ser dizimista é um ato de amor, de compromisso consciente com Deus e com a comunidade. É nossa expressão de amor para com a Igreja, que torna possível realizar nossa partilha com Deus. Para mim, o Dízimo é gratidão e reconhecimento, comunhão e participação na comunidade em que vivemos. Ao partilhar com amor o que se tem, Deus nos recompensa com o dobro de bênçãos. O dízimo, por ser uma forma de desprendimento das coisas materiais, nos liberta do egoísmo, fortalece nossa espiritualidade e nossa fé em Deus. É doando que somos capazes de receber. O DÍZIMO é agradecimento, é devolução a Deus de um pouco do muito que Ele nos dá. Lilian Quelli Ferreira Reis Comunidade São Pedro

OUTUBRO / 2013

-

Pág.:04

Dizimistas aniversariantes do mês de OUTUBRO Desejamos muitas felicidades, muita paz e Rafael Lindolfo de Oliveira muita saúde aos Rafael Nunes de Azevedo dizimistas aniversariantes 12/10 do mês de outubro: Antônia Maria de Queiroz Fernanda A. Camila Souza 01/10 Maria Aparecida de Oliveira Geni T.Rezende Amaral Antônio Marcos de Oliveira Aristoclina do Couto 02/10 Sérgio Ferreira da Silva 03/10 Dimas Ferreira Batista Fabiana Celeste Viana Maria de Fátima Maria José Falcão Mendes Nilton da Silva Nilza Teixeira da Silva Olímpio Bernardes Silva Soraia Maria Oliveira Viana Zita Maria Ferreira 04/10 Joel de Assis Almeida Maria Ilidia Leite Mary Inácio de Souza Vanderli Francisco Pinto 05/10 Maria da Conceição B.Silva Santiago dos Reis Silva Sebastião da Silva 06/10 Ângela Maria Alves Antônio Lopes dos Santos Aparecido Bernardes Silva Baltazar Dias de Souza Nathalia Paula Oliveira Rodrigo Lacerda Ramos 07/10 Célia Cardoso Assunção Maria Vandelina Lima Rosa de Fátima Duarte 08/10 Ivanir Duarte Vilas Boas Maria Aparecia Miranda Maria José Barbosa Nadir Ribeiro Alves Seila Pereira da Silva

13/10 Camilo de Lelis Campos Celurdes Maria Xavier Eni Rosa Martins Geni Pinto Santos Maria Lúcia Borges Joaquim Teixeira Gonçalves Margarida Maria da Silva Maria da Glória de Oliveira Maria Vitória da Silva Noara Delgado Teixeira

24/10 Eurides Francino Souza Márcia Aparecida Costa Maria Aparecida Moura Mariana J. Otaviano

25/10 Cátia Petrone M. Couto 15/10 Isabel Claret de Rezende Edna Rosa Rocha Lacerda Maria Eterna de Miranda Isabel de Fátima Ferreira Marisa Barbosa da Silva Orlando Moraes 16/10 Renato Miranda Moreira Anita Rocha Edna Cota Braga 26/10 Maria Aparecida T.A.Borges Antônio Manoel da Silva Maria Aparecida V.Azevedo Osvaldo Caetano Reis Sabrina de Lima Pedro Martins Santos Rafaela Moreira Oliveira 17/10 Daniela Ribeiro da Paixão Kênia Aparecida Oliveira Marli F. Castro Moura Marlúcia Chagas Castro 18/10 Arthur Felipe D. Caetano Elson Aparecido Machado Helena Aparecida O.Miguel Lázaro Otaviano Moraes Maria Aparecida M. Souza Sandra dos Santos C. Silva 19/10 Francisco José Miranda Rossana Maria D.Caetano Thais Alves de Castro Zita Lacerda Dias 20/10 Arlete C.Braga Batista Paulo Saint Clair Dôco

09/10 Bernadete Siveli Almeida Jaime Antônio da Silva Joaquim Souza Braga Maria Aparecida S.Oliveira Maria de Lourdes Oliveira

21/10 Alcino Antônio Almeida Alda Bernardes Castro Custódia Bárbara Silva Eduardo Alfredo Santos Nilda Narciso Almeida Teresinha M.Teixeira Gontijo

10/10 Geraldo José Rodrigues Humberto Alves Azevedo José Martins de Souza Maria das Graças Lacerda Mariza Aparecida Santos Silvania Aparecida Santos Sintya Felisbino Carvalho

22/10 Darci Robatine José Ferreira Filho Liliane Souto Rocha Maria Brasilina de Jesus Sônia Vilma Ferreira

11/10 Ana Maria Silva Castro Efigênia Furtado Oliveira Lenir Maria Castro Miranda Marco Antônio de Rezende

Lucas Ribeiro Rodrigues Paulo Ribeiro Filho

23/10 Amarildo de Castro Antônia Silva Santos Antônio Pacifico Araujo Carla Rachel A. Silva Janete da Silva Leite

27/10 Adailton Batista Castro Antônio Juscelino Cláudia Maria S.Pereira Edlamar Oliveira Silva Noêmia Dias da Silva 28/10 Antônio Luiz de Melo Helen Keler Vargas Couto José Junior de Morais Maria Alice de Almeida Maria Magela L. Oliveira 29/10 Amado Gabriel da Silva Ana Célia Rezende Paula Maria da Conceição Silva Nilva Efigênia S. Veloso Sebastião Daniel G.Oliveira Vilda Soares Bernardes 30/10 Euler Evangelista Dias Marli F. de Castro 31/10 Alvina Helena V.Melgaço Andreia Marçal S.Campos Antônio Adriano Couto Daiana Aparecida Barbosa Elicidalva Siveli de Lima Elza Maria Delfino Ivete Araujo Maria Inez de Souza Obs.: Favor manter seu cadastro atualizado, inclusive com relação à data de nascimento, para que possamos divulgar seu nome na relação de Dizimistas Aniversariantes.


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

OUTUBRO / 2013

-

Pรกg.:05


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

Paróquia São Carlos em missão Mergulhados na graça deste Ano da Fé, desejamos no Mês das Missões responder ao apelo de Jesus: "Ide e fazei discípulos entre todas as nações!" (Mt 28, 19). Antes de subir ao céu o Senhor nos deu esta ordem: "Ide!" Este imperativo não dá margens para dúvidas do tipo: 'Será que eu devo ir?' 'Será que é comigo que Ele está falando?'. Não há dúvida! Dirigindo-se aos apóstolos, Jesus se dirige a toda Igreja e a cada um de nós! Não podemos ficar parados, fazendo sempre a mesma coisa; não podemos nos acomodar. Atender ao chamado de Jesus quer dizer sair, partir, ir adiante! O Papa Francisco se referiu, recentemente, à parábola do Pastor que deixou 99 ovelhas no redil para buscar a ovelha perdida e, a partir deste texto do evangelho, refletiu sobre a realidade da Igreja: "nós temos uma e nos faltam as 99! Temos que sair, temos que buscá-las" E em outra ocasião: "não somos penteadores de ovelhas, somos pastores”. Essas palavras muito ousadas dirigidas aos bispos toca a cada um de nós. Como compreendemos nosso ser discípulo e missionário? Não nos sentimos incomodados com as palavras de nosso Pontífice? Há muitas ovelhas fora do redil sofrendo os ataques de lobos vorazes... O que estamos fazendo por elas? Sinto-me muito inquieta com essas interrogações e desejo, de cora çã o, que todos nós pa rtilhemos deste mesmo sentimento que acredito ser 'o sentimento de Cristo' (cf.: Fl 2,5). Se nos incomodarmos, tenhamos a certeza de ter recebido uma verdadeira graça de Deus! Mas o passo seguinte é ir adiante, é anunciar o nome de Jesus de uma forma nova e cheia de vida! Procurando dar alguns passos missionários desejamos, como Paróquia, realizar uma Semana Missionária que se entenderá de 12 a 19 de outubro. No dia 12 nos reuniremos na praça do Cruzeiro, às 19:00 h, com os jovens para rezar, ouvir a Palavra e refletir sobre o tema da Missão. Depois, seguiremos rezando a oração do Terço pelas ruas do centro da nossa cidade, suplicando à Nossa Senhora Aparecida pelo sofrimento do nosso povo. Em todas as missas do dia 13, desejamos motivar os irmãos de nossa paróquia a levar adiante o imenso amor de Deus, correspondendo ao apelo do Senhor: "De graça recebestes, de graça deveis dar" (Mt 10, 8). Ao longo da semana, teremos atividades na paróquia e visitas missionárias que se concentrarão na comunidade Santa Teresinha, padroeira das missões. Chamamos a atenção para um momento muito especial que teremos no sábado, dia 19 a partir das 19:00 h: A Noite da Misericórdia, uma noite de oração e partilha para aqueles irmãos e irmãs que são divorciados, para os casais em segunda uniã o e todos aqueles que têm vivido sofrimentos no casamento e na família. Sabemos essas são realidades que precisam de nosso amor e especial cuidado. Para essa noite, teremos a presença de um casal da Comunidade Árvore da Vida que tem um belo testemunho marcado pelo sofrimento e pela vitória do amor. Fique atento à nossa programação! Rezando e fazendo sacrifícios como Santa Teresinha do Menino Jesus ou agindo incansavelmente como São Francisco Xavier, sejamos missionários! Ludmila Rocha Dorella

OUTUBRO / 2013

-

Pág.:06

São Francisco Xavier O grande missionário São Francisco Xavier nasceu no Reino de Navarra, na Espanha, no dia 07 de abril de 1506. Tempo das Grandes Navegações e da descoberta de “novas terras”. Aos 18 anos foi matriculado na Universidade de Paris. Sua família era nobre e seus pais haviam planejado para ele um futuro glorioso e próspero. Concluídos seus estudos em filosofia, tornou-se doutor e professor, lecionando na mesma Universidade em que estudou. Foi lá que conheceu um aluno bem mais velho e com ideias bastante diferentes das suas: Inácio de Loyola. Apesar das diferenças, tornaram-se grandes amigos. Inácio de Loyola desejava imensamente formar uma companhia de apóstolos do Senhor para defender e propagar o cristianismo no mundo. Como os homens de Deus são capazes de perscrutar o potencial escondido nos corações, Inácio viu em Francisco um homem muito capaz de ajudá-lo em sua empreitada. "Um coração tão grande e uma alma tão nobre –disse Inácio a Francisco não se satisfazem com efêmeras honras terrenas. A sua ambição deve ser a glória que dura para sempre." Inácio passou a dedicar-se em conquistar o amigo para sua causa. Essa tarefa não foi fácil, pois o orgulho e a ambição aprendidos no seio da família marcavam fortemente o temperamento de Francisco. Mas, Inácio não se abateu. Perseverou com det erminação, trabalhando pela conversão do amigo. Inácio lhe dizia: "Francisco, que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro se perder a sua alma?" (cf. Mt 8, 36) Tocado por essa Palavra, Francisco Xavier abraçou-a como um lema que passou a conduzir e animar sua vida, e nunca mais a abandonou. No dia da Assunção de Nossa Senhora, no ano de 1534, Francisco Xavier, Inácio de Loyola e outros cinco companheiros se consagraram a Deus, fazendo voto de absoluta pobreza, colocando-se inteiramente à disposição do Papa. Tomaram a decisão de ir para a Terra Santa com a intenção de iniciarem uma obra missionária. De aluno, Inácio de Loyola tornou-se mestre de vida espiritual para Francisco: os papéis se inverteram, e Inácio passou a conduzir seu amigo e discípulo pelos caminhos árduos e libertadores da humildade e dos exercícios espirituais. Recebendo com generosidade os desígnios de Deus a seu respeito, Francisco acolheu o chamado ao sacerdócio juntamente com seus companheiros e, após preparar-se através de um retiro de 40 dias de silêncio e solidão, recebeu o dom de configurar-se com Cristo Sacerdote na cidade de Veneza, oferecendo a própria vida em sacrifício de amor no altar do mundo. Com 31 anos de idade, celebrou sua primeira missa e tornou-se cofundador da Companhia de Jesus. Instalou-se em Veneza no ano de 1537 onde, com os irmãos da recém fundada Companhia de Jesus, passou a dedicar-se aos leprosos, doença que na época ainda excluía muitas pessoas do convívio social. Recolhia-os nas ruas e tratava daqueles que ninguém tinha a coragem de cuidar. Diante da impossibilidade de ir à Terra Santa, Francisco acompanhou Inácio a Roma e colaborou na redação das

Constituições da Companhia de Jesus. A pedido de Dom João III, rei de Portugal, Inácio de Loyola formou um grupo de sacerdotes para acompanhar as expedições que se dirigiam ao Oriente e evangelizar as colônias portuguesas nas Índias. No dia 07 de abril de 1541 (Francisco Xavier tinha então 35 anos), partiram de Lisboa 900 passageiros em direção às Índias. A viagem durou praticamente um ano, foi perigosa e marcada por muitos transtornos até que, finalmente, chegaram a Goa. Goa foi o centro de irradiação de uma intensa atividade missionária que alcançou uma área tão vasta que até para os dias de hoje, em que contamos com meios de transporte e comunicação tão eficientes, julgaríamos de um alcance excepcional. Com intenso ardor, o santo missionário dizia: "Se não encontrar um barco, irei a nado”. Francisco abraçou com coragem, zelo, humildade e amor a Deus uma das missões mais árduas de toda a história da Igreja Católica. Batizava adultos e crianças, evangelizava os nativos, fundava e formava comunidades e investia sempre em novas frentes de apostolado em diversas regiões. Depois da Índia, avançou para o Japão, submetendo-se a aprender a língua e os costumes do País a fim de anunciar o nome de Cristo. Em meio a grandes dificuldades, estabeleceu ali o primeiro núcleo de cristãos. Francisco Xavier desgastava sua vida temporal para socorrer a vida espiritual do próximo, não temendo as fadigas para levar o evangelho e, pelo batismo, fazer discípulos assim como o Senhor ordenou (cf. Mt 28, 19). Daí a razão de ser chamado de “São Paulo do Oriente”. Tal como o Apóstolo dos gentios, era impulsionado pela caridade de Cristo (cf. 2Cor. 5, 14) e sentia-se movido pelo Espírito a explorar, desbravar e lançar na terra as primeiras sementes do evangelho, deixando a outros irmãos o cuidado de regar, cultivar e colher os frutos. Em seu zelo missionário infatigável, do Japão almejava chegar à China, desejoso de lançar no coração daquele povo, as sementes do evangelho. Do Japão, alcançou a ilha de San Chao e, aguardando uma embarcação que o conduzisse à China, caiu gravemente enfermo, vindo a falecer no dia 03 de dezembro de 1552, aos 46 anos de idade. Em tão pouco tempo de vida, Francisco administrou o batismo a mais de trinta mil convertidos. Este grande Caminho ao seu ladoPaulo V a 25 de missionário foi beatificado pelo Papa enquanto seus passos outubro de 1619, e canonizado em 12seguirem de março de mesmo XV, compasso que oscom meus. 1622, pelo Papa oGregório juntamente Santo Inácio de Loyola. O Papa Pio XI proclamou São Francisco Eu lhe ofereço Xavier padroeiro universal das missões no ano de 1925. Peçamos juntos o presente a este grande que vivo, homem com de flores Deus: e SÃO FRANCISCO espinhos. XAVIER, ENSINA-NOS TEU ARDOR MISSIONÁRIO! Juntos, construímos caminhos. Ludmila Rocha Dorell


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

OUTUBRO / 2013

-

Pรกg.:07


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

Atitudes de gratuidade e alteridade As atit udes de alteridade e gratuidade marcam a vida do discípulo missionário de to dos os t empo s. Alteridade se refere ao próximo que, em Cristo, é meu irmão ou minha irmã. É o reconhecimento que o outro é diferente de mim. Essa diferença nos distingue, mas não nos afasta As d iferenças no s at raem e complementam, convidando ao respeito mútuo, ao enco ntro , ao diál ogo, à p arti lha, ao intercâmbio de vida e à solidariedade. Fechar-se no isolamento, no individualismo e em atitudes que transformam pessoas em mercadorias é cair no pecado da idolatria e semear infelicidade. A vida só se ganha na entrega, na doação. Todo relacionamento deve acontecer na gratuidade. À semelhança de Jesus que, saindo de si, foi ao encontro dos outros, nada esperando em troca, também o discípulo missionário é chamado a profeticamente questionar, através de suas escolhas e atitudes, um mundo que se constrói a partir da mentalidade do lucro, que gera violência, vingança, guerra e destruição. Gratuidade significa amar, em Cristo, o próximo, fazendo o bem ao outro sem nada esperar em troca. Significa cortar a raiz mais profunda da violência, da exclusão, da exploração e de toda discórdia. Gratuidade e alteridade, como expressões do amor, são fontes de paz, reconciliação e fraternidade. São sementes da atitude cristã mais radical: o perdão, atitude que deve ser sempre testemunhada e transmitida a um mundo que assusta pelo crescimento da vingança e da violência como soluções às dores da vida. A

radicalidade do amor de Deus atinge sua máxima manifestação no amor aos inimigos. A reconciliação é o ápice da Nova Lei. Supera toda divisão que nos afasta de Deus e nos sep ara uns dos outros. O di scíp ulo missionário, ao contemplar Jesus, reconhece que a loucura e o escândalo do Reino de Deus chegam ao seu ápice na reconciliação. A ação evangelizadora da Igreja trabalha pela reconciliação, o que não significa pactuar com a impunidade, a corrupção e todas as formas de desrespeito aos direitos básicos de toda pessoa. Diante de graves situações que fazem sofrer os irmãos, o coração do discípulo missionário se enche de compaixão e clama por justiça e paz. Angustia-se diante da inércia e da omissão. Quer atitudes que superem o mal existente e não permitam o surgimento de mais dor. Esta indignação, porém, não deve afastar o discípulo missionário do ideal de perdão e reconciliação, pois o Reino de Deus só acontece efetivamente quando se responde ao mal com o bem. Gratuidade e alteridade são, portanto, modos de compreender o que há de mais decisivo em Cristo: a saída de si, rumo à humanidade marcada pelo pecado, fonte de dor e morte. Não se vence o pecado pelo pecado. Est e é vencido pela graça derramada abundantemente nos corações das pessoas. A atuação da graça é paz, justiça, bondade, reconciliação, gratuidade e alteridade. É, pois, motivado pela atitude de constante ida ao encontro do outro que o discípulo missionário contempla a realidade, não desejando que ela se encaixe em suas expectativas, mas encarnando-se nela, discernindo a presença do Reino de Deus e trabalhando para que Ele cresça cada vez mais. Dom Félix Bispo Diocesano

OUTUBRO / 2013

-

Pág.:08

Catecismo Católico da Igreja O 5º Mandamento da Lei de Deus «Deus tem nas suas mãos a vida de todo o ser vivo e o sopro de vida de todos os homens» (Jó 12, 10). Toda a vida humana, desde o momento da concepção até à morte, é sagrada, porque a pessoa humana foi querida por si mesma e criada à imagem e semelhança do Deus vivo e santo. O assassínio de um ser humano é gravemente contrário à dignidade da pessoa e à santidade do Criador. A proibição de matar não derroga o direito de retirar ao injusto agressor a possibilidade de fazer mal. A legítima defesa é um dever grave para quem é responsável pela vida de outrem ou pelo bem comum. Desde que foi concebida, a criança tem direito à vida. O aborto direto, isto é, querido como fim ou como meio, é uma prática infame, gravemente contrária à lei moral. A Igreja pune com a pena canônica da excomunhão este delito contra a vida humana. O embrião deve ser tratado como pessoa desde a sua concepção. Por isso deve ser defendido na sua integridade, atendido e cuidado como qualquer outro ser humano. A eutanásia voluntária, quaisquer que sejam as formas e os motivos, é um homicídio. É gravemente contrária à dignidade da pessoa humana e ao respeito pelo Deus vivo, seu Criador. O suicídio é gravemente contrário à justiça, à esperança e à caridade. É proibido pelo quinto mandamento. O escândalo constitui uma falta grave quando, por ação ou omissão, leva deliberadamente outrem a pecar gravemente. Devido aos males e injustiças que toda guerra traz consigo, devemos fazer tudo o que for humanamente possível para evitá-la. A Igreja ora: «Da fome, da peste e da guerra: livrai-nos, Senhor!». A Igreja e a razão humana declaram a validade permanente da lei moral durante os conflitos armados. As práticas deliberadamente contrárias ao direito dos povos e aos seus princípios universais são crimes. A corrida aos armamentos é um terrível flagelo para a humanidade e prejudica os pobres de uma forma intolerável. «Bem-aventurados os que promovem a paz, porque serão chamados filhos de Deus» (Mt 5, 9). Dom Félix Bispo da Diocese de Luz


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

OUTUBRO / 2013

-

Pรกg.:09


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

OUTUBRO / 2013

-

Pág.: 10

NOTÍCIAS DO EAC DNJ: a juventude em um dia de festa O Dia Nacional da Juventude (DNJ) surgiu em 1985, durante o Ano Internacional da Juventude, promovido pela Organização das Nações Unidas. Estava evidente que a juventude precisava mobilizar-se e construir espaços de participação, para pensar e repensar uma nova sociedade. Todos os anos, organiza-se um dia de festa da juventude, sempre com um tema importante a ser debatido e trabalhado.

DNJ 2013: Tema: Juventude e missão Lema: Jovem: levante-se, seja fermento! Iluminação: “Quanto a você, arregace as suas mangas, levante-se e diga a eles tudo que eu mandar. Não tenha medo” (Jr 1,17b). A juventude de Lagoa da Prata abraça com muito carinho esta causa. Dia 20/10 (domingo), a Diocese de Luz realizará o DNJ na cidade de Piumhi, onde nossos adolescentes marcarão presença. Evangelizar é preciso. Em nossas orações, coloquemos nossos jovens. Que Deus lhes dê perseverança e disponibilidade para ouvir e atender Seu chamado. Que em seus corações, seja ardente a vontade de seguir pelo mundo como testemunhos (as) vivos (as) do rosto jovem do Cristo

Jovens e Idosos A nossa juventude está sempre conectada, antenada a todas as inovações tecnológicas. É raríssimo ver um jovem que não use celular ou computador, pois esses aparelhos eletrônicos, aos poucos, tomaram conta da vida de muita gente. Ser moderno é bacana, mas, às vezes, deixamos a vida passar por nós sem dar valor às coisas que realmente importam. Muitas vezes porque estamos ocupados com a vida dos outros no Facebook, ou com um jogo no computador, ou com um filme na TV, entre outros. Nós, jovens, ficamos tão preocupados com essa tal tecnologia que nos esquecemos das coisas mais importantes da vida. Quantas vezes você deixou de ter uma conversa legal com sua família porque estava no celular mandando mensagens? Quantas vezes você deixou suas responsabilidades de lado para ficar o dia inteiro na internet? Os jovens andam perdendo contato. principalmente com os mais ve lhos . Ne ssa gera ção de modernidade e tecnologia, falta tanto carinho e paciência. No final de setembro e começo de outubro, aconteceu a semana do idoso. Porém, a maioria dos jovens não tem interesse para bater um papo com os avós ou qualquer outro idoso, porque eles são “antiquados”. Esses jovens não sabem o que estão perdendo. Não sabem como é bom e agradável sentar-se na varanda com um idoso e conversar sobre a vida, escutar e aprender de alguém

que tem tanta sabedoria. Mas, acima de tudo, não sabem como os mais velhos valorizam os jovens. É uma alegria enorme para os idosos conversar com um jovem, contar casos, partilhar experiências. Eles se sentem importantes e especiais. E isso é muito bonito. Você já fez um idoso se sentir importante? Pode ser seus avós ou até mesmo moradores de um asilo, como o SOS e o Lar São Vicente (Vila Vicentina). Tente. Faça uma visita e converse, pergunte, escute. Mesmo que seja preciso repetir uma, duas ou dez vezes o que disse. Mesmo que tenha que escutar a mesma história várias vezes. Escute como se fosse pela primeira vez. Um dia, nós, que somos tão ativos e modernos, vamos nos tornar “antiquados” também. E quando chegarmos lá, vamos querer muito alguém que nos valorize e que nos trate com respeito, que escute as nossas histórias. Por isso, temos que tratar muito bem as pessoas mais experientes, que são também as mais sábias. É preciso esquecer um pouco o computador e começar a dar valor às pessoas. Não espere ser tarde demais!

Adolescentes visitam idosos no SOS.


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

OUTUBRO / 2013

-

Pรกg.: 11


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s Calendário Paroquial OU TU B RO 13/10 14/10 15/10 16/10 17/10

18/10 19 e 20 20/10 21 a 23 21/10 23/10

24/10

25 a 27 25/10 26/10 26 e 27 27/10

28/10 29/10 30/10 31/10

01/11 02/11

04/11 05/11 06/11 07/11

08/11 09/11 10/11 11/11 12/11 13/11 14/11

15/11 17/11 18/11 19/11 20/11 21/11

22/11 22 a 24 23/11 24/11

10:00 h – Celebração de Batizados – Matriz São Carlos Celebração da Palavra nas Comunidades 20:30 h - Terço dos Homens – Matriz São Carlos 19:00 h – Missa na Comunidade São Carlos 18:00 h – Missa na Comunidade Árvore da Vida 19:00 h – Missa na Comunidade São José 07:00 h – Missa na Igreja Matriz Vigília Eucarística o dia todo 18:00 h - Vigília Eucarística das Comunidades 19:00 h - Bênção do Santíssimo e Missa 19:30 h - Formação Catequese – Centro Catequético 19:00 h – Missa na Comunidade São Pedro 19:00 h – Missa na Comunidade São Cristóvão Encontro da RCC - Centro Catequético 08:30 h - 2º Módulo de Formação p/Catequistas – S.A.Monte 17:00 h - Missa na Com. N. Sra. das Vitórias - Capetinga Atualização do Clero Celebração da Palavra nas Comunidades 20:30 h – Aniversário do Terço dos Homens – Participação das famílias - Matriz São Carlos 15:00 h – Missa no Hospital São Carlos 18:00 h – Celebração da Palavra na Com. Árvore da Vida 19:30 h - Celebração da Palavra Com. São João Batista - Região Missionária 07:00 h – Missa na Igreja Matriz Vigília Eucarística o dia todo 15:00 h – Missa no SOS 18:00 h – Vigília Eucarística das Comunidades 19:00 h – Bênção do Santíssimo e Missa Encontro Anual da Past. da Sobriedade - Canção Nova 19:00 h – Missa na Com. Sagrado Coração de Jesus 08:00 h - Reunião da Comissão Diocesana Catequese - Luz Encontro de Noivos – Centro Catequético DNJ (Dia Nacional da Juventude) - Comemoração Diocesana em Piumhi 10:00 h – Celebração de Batizados – Igreja Matriz 14:00 h – Missa na Fazendinha Novo Caminho Celebração da Palavra nas Comunidades 19:30 h – Missa na Igreja São Judas – Dia do Padroeiro 20:30 h - Terço dos Homens – Matriz São Carlos 19:00 h – CPE - Centro Catequético 19:00 h – Missa na Com. São Vicente de Paulo 20:00 h - Ultreya Cursilho – Centro Catequético 07:00 h – Missa na Igreja Matriz Vigília Eucarística o dia todo 18:00 h – Vigília Eucarística das Comunidades 19:00 h – Bênção do Santíssimo e Missa Novembro 18:00 h - Reunião do Apostolado da Oração – Igreja Matriz 19:00 h – Missa na Igreja Matriz São Carlos Finados 07:00 e 17:00 h - Missa no Cemitério da Saudade 19:00 h – Missa na Matriz São Carlos 19:00 h – Missa na Igreja do Rosário Dia de São Carlos Borromeu 07:00 h – Missa na Igreja Matriz 19:00 h – Missa com os Padres da Forania - Igreja Matriz 19:00 h - Missa Pia União de Santo Antônio – Igreja Matriz 18:00 h – Missa na Com. Árvore da Vida 19:30 h - Reunião Paroquial do ECC - Centro Catequético 07:00 h – Missa na Igreja Matriz Vigília Eucarística o dia todo 18:00 h – Vigília Eucarística das Comunidades 19:00 h – Bênção do Santíssimo e Missa 19:00 h - Missa na Comunidade Imaculada Conceição 08:00 h – CFE - Paróquia São Sebastião 13:30 h - Encontro de Pais e Padrinhos de Batismo – C.Catequético 08:00 h - Encontro Dioc.Coord.Paroquiais Cateque - Luz 08:00 h - Encontro Diocesano da Pascom - Luz 10:00 h – Celebração de Batizados – Matriz São Carlos Celebração da Palavra nas Comunidades 20:30 h - Terço dos Homens – Matriz São Carlos 19:30 h – Missa na Comunidade Santa Teresinha 19:30 h – Missa na Comunidade N.Sra de Fátima 18:00 h – Missa na Comunidade Árvore da Vida 19:30 h – Missa na Comunidade São Judas 19:30 h - Escola Vivencial do Cursilho – Centro Catequético 07:00 h – Missa na Igreja Matriz Vigília Eucarística o dia todo 18:00 h – Vigília Eucarística das Comunidades 19:00 h – Bênção do Santíssimo e Missa 19:00 h – Missa na Comunidade São Pedro 19:00 h – Missa na Comunidade São Cristóvão 17:00 h - Missa na Com. N. Sra. das Vitórias - Capetinga Celebração da Palavra nas Comunidades 20:30 h - Terço dos Homens – Matriz São Carlos 19:00 h – Missa na Comunidade São Carlos 18:00 h – Missa na Comunidade Árvore da Vida 19:00 h – Missa na Comunidade São José 07:00 h – Missa na Igreja Matriz Vigília Eucarística o dia todo 18:00 h – Vigília Eucarística das Comunidades 19:00 h – Bênção do Santíssimo e Missa 19:30 h - Formação Catequese - Centro Catequético 19:00 h – Missa na Com. Sagrado Coração de Jesus Encontro do MAC - Centro Catequético 08:00 h - Reunião Comissão Diocesana Past. Familiar - Moema Celebração de Encerramento do Ano da Fé nas Paróquias 10:00 h – Celebração de Batizados – Matriz São Carlos 14:00 h – Missa na Fazendinha Novo Caminho

OBS.: Domingo: 07:00, 09:00, 18:00 e 19:30 h – Missa na Matriz São Carlos 08:30 h – Missa na Região Missionária N. Sra de Guadalupe Segunda-Feira: 07:00 h – Celebração da Palavra – Matriz São Carlos Terça à Sexta-Feira: 07:00 h – Missa na Matriz São Carlos Sábado: 07:00 e 19:00 h – Missa na Matriz São Carlos 19:00 h – Missa na Igreja do Rosário

OUTUBRO / 2013

-

Pág.: 12

Medicina Natural – Barbatimão É uma árvore bela e elevada. As cascas do barbatimão têm grande poder adstringente. Reduzidas a pó, empregase no tratamento de úlceras e, em banhos, contra leucorreia (corrimento branco), catarros uretrais e vaginais. Internamente, utiliza-se seu decocto nas afecções escorbúticas, na blenorragia, na diarrei a, na hemor ragi a, nas hemoptises e também na leucorreia. As folhas são tônicas, e as sementes venenosas. CHÁ POR DECOCÇÃO – colocar as plantas numa vasilha, juntamente com água fria. Flores, folhas e partes tenras podem ser cozidas em pouco tempo: 05 minutos. Já as partes duras, como raízes, cascas, talos, devem ser picadas em pedacinhos e cozidas durante 15 minutos ou mais. Tirar a vasilha do fogo e conservar tampada durante alguns minutos a mais. Depois coar. Fonte: Plantas que curam Otaviana de Moraes Ferreira


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

OUTUBRO / 2013

-

Pรกg.: 13


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

Palavras do Papa

Como os Apóstolos, digamos ao Senhor Jesus: "Aumentai a nossa fé!" Palavras do Papa Francisco pronunciadas no dia 6 de outubro, diante de uma multidão de fiéis reunidos na Praça de São Pedro para rezar o Angelus. (...) 'Os apóstolos disseram ao Senhor: "Aumenta-nos a fé!'” (Lc 17, 5-6). Eu acho que todos nós podemos fazer nossa essa invocação. Nós também, como os Apóstolos, digamos ao Senhor Jesus: "Aumentai a nossa fé!". Sim, Senhor, a nossa fé é pequena, a nossa fé é fraca, frágil, mas nós a oferecemos assim como ela é, para que o Senhor a faça crescer. Parece bom repetir isto juntos: "Senhor, aumenta a nossa fé!" Façamos? Todos: Senhor, aumenta a nossa fé! Senhor, aumenta a nossa fé! Senhor, aumenta em nós a nossa fé! Faça-a crescer! E o Senhor, o que nos responde? A resposta é: “Se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a esta amoreira: Arranca-te e transplanta-te no mar, e ela vos obedecerá” (v. 6). A semente de mostarda é muito pequena, mas Jesus disse que basta ter uma fé pequena, porém verdadeira e sincera, para realizar as coisas humanamente impossíveis e impensáveis. E é verdade! Todos nós

conhecemos pessoas simples, humildes, mas com uma fé fortíssima, que realmente move montanhas! Pensemos, por exemplo, em certas mães e pais que enfrentam situações muito difíceis ou em alguns doentes, até mesmo terminais, que transmitem serenidade para aqueles que vão visitá-los. Essas pessoas, por causa de sua fé, não se vangloriam do que fazem, aliás, como diz Jesus no Evangelho, elas dizem: “Somos servos como quaisquer outros. Fizemos o que devíamos fazer” (Lc 17, 10). Quantas pessoas entre nós tem essa fé forte, humilde e que faz tanto bem! Neste mês de outubro, especialmente dedicado às missões, pensemos nos missionários, homens e mulheres que, para anunciar o Evangelho, superaram obstáculos de todos os tipos, deram realmente a vida, como São Paulo diz a Timóteo: “Não te envergonhes, portanto, do testemunho de nosso Senhor, nem de mim, seu prisioneiro, mas sofre comigo pelo Evangelho” (2 Tm 1, 8). Isso, no entanto, aplica-se a todos: cada um de nós, na própria vida cotidiana, deve testemunhar Cristo com a força de Deus, a força da fé. A fé muito pequena que temos, mas que é forte! Com esta força, dar testemunho de Jesus Cristo, ser cristãos com a vida, com o nosso testemunho! Como obtemos essa força? De Deus, na oração. A oração é a respiração da fé: numa relação de confiança, num relacionamento de amor, não pode faltar o diálogo, e a oração é o diálogo da alma com Deus. Outubro é também o mês do Rosário. Unamo-nos espiritualmente a este ato de confiança em nossa Mãe e recebamos, de suas mãos, o Rosário. O Rosário é uma escola de oração, o Rosário é uma escola de fé.' Comunidade Católica Árvore da Vida

OUTUBRO / 2013

-

Pág.: 14

Santos e Santas de Deus Santo Inácio de Antioquia Bispo e Mártir Iraídes Vidal e Elvira Castro Os primeiros anos do cristianismo foram os mais difíceis da história da Igreja. Afirmar ser cristão era assinar a sentença de morte. Os santos e santas destes primeiros anos demonstraram um grande amor por Cristo. Renegar seria uma traição. Por isso, a saída era afirmar com todas as letras: Sou cristão! O santo que recordamos neste mês de outubro gostava de ser chamado de “Teóforo”, ou seja, aquele que conduz a Deus, foi também um bispo de coração ardente, afinal, Inácio (Ignatius, em latim) significa fogo. Foi um bispo de coração ardente de amor por Jesus. Essa figura ficou na memória do povo cristão devido às suas expressões inusitadas e cheias de amor por Cristo. Essas expressões podem ser lidas nas cartas que foram redigidas durante a viagem que fez de Antioquia a Roma, onde seria jogado às feras, por ordem do imperador Trajano. Inácio ocupava a sede episcopal de Antioquia desde no ano de 79 (era o terceiro bispo a ocupar a cátedra de Antioquia). Um historiador da época afirmou que Inácio foi levado a Roma por causa do testemunho que dera de Cristo e, no caminho, ia consolidando e dando forças às Igrejas com pregações e admoestações. Foi levado a Roma por uma escolta de dez soldados. Na viagem, passou por Filadélfia, onde constatou a divisão que havia no clero. Em Esmirna, foi recepcionado por São Policarpo e de lá escreveu várias cartas. Escreveu também à comunidade de Roma, onde exortou aos cristãos de lá que não o impedissem de fazer o que teria que ser feito: ser lançado às feras. A viagem prosseguia, e chegaram à Via Ápia, caminho que conduzia diretamente a Roma. A comunidade cristã local esforçou-se ao máximo para impedir que Inácio fosse jogado às feras, mas foi tudo em vão. Chegando em Roma, foi conduzido diretamente ao anfiteatro, onde o imperador e uma grande multidão aguardavam. Escreveu Inácio antes de morrer: ”Deixai-me ser alimento das feras, pelas quais me será dado desfrutar Deus. Eu sou o trigo de Deus: é preciso que ele seja triturado pelos dentes das feras a fim de ser considerado puro pão de Cristo”. Assim, no ano de 107, Inácio foi jogado às feras no anfiteatro. De onde lhe vinha tanta força? Esse é o segredo do testemunho cristão. Nosso tempo pede pessoas que tenham a capacidade e a coragem em dar este renovado testemunho de amor a Cristo. Não mais seremos lançados às feras... Teremos, sim, que dar nosso testemunho e enfrentar os desafios que virão. E só poderemos dar esse testemunho de amor se estivermos ligados a Cristo. É o que nos exorta o Documento de Aparecida: testemunho de Cristo a partir de uma experiência pessoal com Ele. Só podemos falar Dele se o conhecermos e fizermos uma experiência verdadeira de amor. Só assim teremos condições de dar um verdadeiro testemunho de Cristo. Que santo Inácio inflame nosso coração e nos mostre, a partir de seu exemplo, a darmos também a nossa vida.


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

OUTUBRO / 2013

LIÇÕES LUIZ FERNANDO: “PODE

“Eis o meu segredo. É muito simples: só se vê bem com o coração. O essencial é invisível aos olhos.” (Antoine de Saint-Exupéry) Se a imensidão do mundo, dos compromissos e dos sonhos construídos com dinheiro e muito trabalho assustam os adultos, com a criança, o olhar é bem diferente. Para eles, o mundo é pequeno demais pra caber suas viagens criativas, suas receitas descomplicadas e, principalmente, o seu jeito puro de lidar com as dificuldades. Não ficam criando teorias, fórmulas milagrosas, simplesmente acreditam, pois sabem que o impossível é aquele atalho que os adultos escolhem para justificar suas fraquezas e medos. E, então, fantasiados de criaturinhas frágeis, eles vivem entre nós, transformando aos poucos os nossos ambientes, retirando a sisudez de nossos dias,

DE VIDA ENTRAR, JESUS, POIS AQUI

colocando em seu lugar adocicadas doses de esperança. E para aqueles que não passam pela vida “em constante corrida”, fica fácil perceber estes sutis sinais de esperança. Luiz Fernando, 12 anos, é um deles. Filho mais novo de João Lázaro e Valéria, da comunidade Imaculada Conceição, descobriu bem cedo que quem busca a Esperança Maior pode alçar voos mais ousados e inesperados. Talvez por ter nascido em família de forte tradição religiosa, sempre pode conviver com bons exemplos ao seu redor, como as orações dos avós, a perseverança na fé dos pais, a vida de Igreja dos tios e por aí vai. Portanto, não se sabe definir quando Luiz foi despertado para “as coisas de Deus”, o que se sabe é que foram percebidos seus primeiros sinais de interesse por nossa Igreja quando começou a acompanhar a mãe na catequese do irmão mais velho, João Luiz. Não perdia nada. Observava tudo, com olhar curioso de quem queria não somente acompanhar, mas crescer junto. E quando chegou o momento dele mesmo começar a sua catequese para a primeira Eucaristia, tudo estava bem mais claro, possibilitando uma rica preparação com sua catequista Juliana. E assim, em agosto deste ano, aconteceu sua Primeira Comunhão, considerada por ele um dos

momentos mais inesquecíveis de sua vida. Paralelo a todas as suas descobertas, vieram outras atividades dentro da comunidade, como participação no Terço de Nossa Senhora da Piedade, no Apostolado da Oração, Legião de Maria, Coroinha etc. Assim, o que para outras crianças poderia parecer pesado, para ele é satisfação pura. Não lhe tira em nada o brilho de sua infância, muito pelo contrário, traz um novo sentido a sua vida. Concilia bem sua missão na Igreja com sua vida escolar e suas peraltices de criança. É dedicado aos estudos (cursa o 7º ano na Escola N.Sra de Guadalupe), encontra um tempinho para seus desenhos, suas montagens de altares para oração, suas brincadeiras com seus poucos, mas selecionados amigos. É também muito disciplinado quando se fala em servir a Deus: “Ele me acompanhou recentemente em um curso de Liturgia em nossa paróquia e teve um ótimo aproveitamento”, explica Tereza, uma das lideranças da comunidade. Quem convive com Luiz Fernando percebe claramente uma criança que está se munindo de formação religiosa para poder se tornar um líder consciente e apóstolo missionário. Gosta de chegar de mansinho, em passos suaves, com olhar tímido, mas atento e com uma enorme disposição

É O SEU LUGAR!”

para desafios. Na comunidade, então, busca conhecer e cuidar de tudo o que está ao seu alcance. Participa das coroações, além de auxiliar nos ensaios e estar sempre disponível para ajudar em atividades da paróquia, como a Semana Santa e outras festas religiosas. Faz tudo como se adulto fosse. E olha que muitas vezes desempenha tarefas próprias de gente grande. Nada o intimida, pois busca vencer todos os desafios que surgem. Precisou de alguém pra fazer uma leitura na celebração, ele logo pega o microfone e faz, sem medos ou receios. Age com a naturalidade de uma criança, mas com a responsabilidade de um adulto. Enquanto isto, ao longe, os pais observam tudo, orgulhosos das conquistas do filho. Sabem que a sementinha plantada, em seus primeiros dias de infância, tem frutificado e está fazendo deste pequeno menino, um ardoroso filho de Deus. Com o exemplo de vida de Luiz Fernando fica para nós a certeza de que é possível criar os filhos para Deus, despertando neles atitudes que os aproximem da santidade. Enquanto muitos buscam respostas em livros de autoajuda, teses ou cursos, a resposta surge na simplicidade e nos aponta a um questionamento urgente: onde você tem buscado as paixões que encantam seu filho? Claudinei Rezende

-

Pág.: 15

Celebração de Finados 02/11 (Sábado)

07:00 e 17:00 h Missa no Cemitério da Saudade 19:00 h – Missa na Matriz São Carlos 19:00 h – Missa na Igreja do Rosário Vamos rezar juntos por nossos fam iliares e amigos falecidos Borboletas Bilá Bernardes Borboletas de muitas cores entraram pela janela sem que haja flores. Que será que viram elas? Meu jardim (elas percebem?) é o que nasceu no peito por sementes que joguei estradas aonde andei. A cada dia o cultivo com adubo de convivência. Talvez seja esse o jeito de atrair borboletas.


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

Região Pastoral Nossa Senhora de Guadalupe promove almoço beneficente

OUTUBRO / 2013

-

Pág.: 16

Notícias da Paróquia São Francisco de Assis ACONTECE U

No dia 22 de setembro, a Região Pastoral Nossa Senhora de Guadalupe (bairros Sol Nascente e Cel Luciano) promoveu um delicioso almoço com renda destinada às obras da Igreja Santa Luzia, localizada no bairro Sol Nascente. O almoço aconteceu no Centro de Eventos da Paróquia São Carlos Borromeu. O domingo ganhou novas cores ao vermos tantas mãos unidas em prol da missão de Deus. Para atingirmos os objetivos, necessitamos que todos coloquem seus dons a serviço do Senhor. E não devemos nos esquecer do potencial transformador que essas atividades representam para o crescimento da vida em comunidade. Como família de Deus, sentimo-nos alegres com tanta motivação para que o trabalho em nossa Região Pastoral cresça e produza bons frutos. Afinal, servir a Deus e aos irmãos é a principal razão de existir daqueles que creem. Agradecemos a todos que trabalharam e colaboraram para a realização deste almoço, para os quais repetimos as palavras de Jesus: “Tudo aquilo que fizerdes a um destes pequeninos, é a mim que o fazeis”. Contudo, ainda há muita coisa a ser feita em prol da Região Pastoral Nossa Senhora de Guadalupe. Por isso, queremos contar sempre com a generosa colaboração dos fiéis. Receita do almoço: R$ 9.824,00 Despesas: R$ 3.135,00 Receita líquida: R$ 6.689,00 Patrocínios: R$ 4.620,00 Despesas c/calendários R$ 3.000,00 Receita líquida: R$ 1.620,00 Receita líquida total: R$ 8.309,00 Que Deus, por intercessão de Nossa Senhora de Guadalupe, abençoe a todos! Hemerson Kenedy

Convite Celebração da Santa Missa Convidamos você e sua família para participar da celebração da Santa Missa. Data: 25 de outubro (sexta-feira) Horário: 19:30 horas Local: Associação Obra de Maria e São Miguel Arcanjo Rua Saint Clair Dôco, 1228 – Bairro Monsenhor Alfredo Obs.: Caso esteja chovendo, a Missa será transferida para a Matriz São Francisco Realização: Obra de Maria, São Miguel Arcanjo

. Festa em honra a São Francisco de Assis Nos dias 01, 02 e 03 de outubro, em preparação para cel ebrarmos nos so Padroeiro, realizamos um Tríduo onde pudemos reviver sua história e seus ensinamentos. Dia 04 de outubro, tivemos missa festiva ond e, além de homenag earmos São Francisco, agradecemos a Deus por nossos três ano s de caminhada paroquial. Como parte das festividades do terceiro aniversário de nossa Paróquia, aconteceu, dia 06 de outubro, a 5ª Cavalgada de São Francisco, que seguiu do Pesque Pague rumo ao Parque de Exposições de nossa cidade. Foi servido um almoço de confraternização, carinhosamente preparado por lideranças de nossas comunidades. Em seguida, tivemos leilões de diversas prendas. A todos que, mais uma vez, atenderam ao nosso chamado em mais esta promoção: procuradores do leilão, doadores, compradores das prendas e a todos que participaram conosco, em especial aos membros de nossas comunidades que não mediram esforços para que tudo acontecesse na mais perfeita harmonia, nosso mais sincero agradecimento. Hoje, após três anos de caminhada, ao observarmos nossa matriz com piso e toda pintada, um ambiente aconchegante para acolher a todos que vêm celebrar conosco, nossa missão é louvar a Deus pelas bênçãos derramadas através de todas as pessoas de boa vontade que, com amor, nos apoiam sempre que precisamos, seja com doações ou em trabalhos voluntários. Que Deus recompense a todos que, co mo São Francis co, são instrumentos de paz e de bem e se doam em pro l dos que mais precisam de amparo.

ESTÁ ACONTECENDO . Comunidades Solidárias Nesse final de semana, nos dias 11, 12 e 13 de outubro, as comunidades Nossa Senhora das Graças e Mãe Rainha convidam a todos para participarem das barraquinhas ao lado da igreja matriz. Teremos show de prêmios e comidas típicas ao som de uma boa música. No domingo, a partir das 12:00 h, serviremos um delicioso almoço. Venha, traga sua família e ajude nossa paróquia em suas obras de construção e evangelização. . Casamento Comunitário Encontram-se abertas as inscrições para o casamento comunitário em nossa paróquia. Os Interessados podem procurar o escritório paroquial até o dia 18 de outubro.


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

AUXÍLIOS

OUTUBRO / 2013

-

Pág.: 17

PREVIDENCIÁRIOS

(AUXÍLIO-DOENÇA, AUXÍLIO-RECLUSÃO E AUXÍLIO-ACIDENTE) É comum vermos e-mail's circulando a respeito do pagamento do auxílio reclusão, que é um auxílio pago pela previdência social aos dependentes do segurado detento ou recluso. Mas, assim como outros auxílios, o auxílio reclusão é um direito dos dependentes do “segurado” detento. É importante entender que os auxílios são pagos em contrapartida de uma contribuição feita pelo segurado. Sendo assim, para que os dependentes do detento tenham direito a receber o auxílio, foi necessária, primeiro, a contribuição previdenciária feita pelo detento. Não se pode confundir o auxílio reclusão como um benefício dado ao detento. Mas, sim, como o pagamento feito pela previdência social por um direito que foi adquirido pela contribuição feita pelo detento, enquanto exercia alguma atividade laborativa.

Não querendo discutir aqui se a pena aplicada ao detento é justa ou não, o pagamento do auxílio é devido aos dependentes. E é justo o pagamento no sentido de que todos os que contribuem para a previdência social buscam resguardar o direito de seus dependentes, caso ocorra algum imprevisto, seja esse imprevisto por um afastamento por doença, acidente e/ou reclusão. O valor a ser pago pelos auxílios são calculados com base em parâmetros fixados pela previdência social e, entre outras condições, leva em consideração o valor que o segurado contribuiu ao longo de sua vida laborativa. Assim, se o segurado contribuiu sobre o teto máximo da tabela da previdência social, os seus dependentes deverão receber um valor proporcional a essa contribuição. Por sua vez, se o

segurado contribuiu sobre o teto mínimo da tabela da previdência social, os seus dependentes deverão receber o valor mínimo, que é de um salário mínimo. Os auxílios previdenciários são classificados em auxílio-doença, auxílio-reclusão e auxílio-acidente. O auxílio-doença tem caráter temporário. É devido ao segurado que fica incapacitado por motivo de doença. O auxílio-reclusão é devido ao(s) dependente(s) do segurado detento ou recluso, desde que este não receba qualquer espécie de remuneração da empresa, nem esteja em gozo de auxílio-doença, aposentadoria ou abono de permanência em serviço ou tenha outras remunerações. O auxílio-acidente previdenciário é devido ao segurado que, após a consolidação das lesões decorrentes de acidente de qualquer natureza, sofra redução de capacidade funcional. Lindomar Ribeiro dos Santos


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s NOTÍCIAS DA Aula de Geografia

Dignidade da pessoa

PARÓQUIA SÃO BORROMEU Vivemos tempos em CARLOS que a

dignidade, geralmente, é vista como pertencente à posição social, e não à pessoa humana. Restaurar a dignidade da pessoa humana é missão da Igreja, é valor evangélico. O reconhecimento e a aceitação da dignidade do outro estão estritamente relacionados com o desenvolvimento das potencialidades da pessoa, e é raiz de todos os relacionamentos cristãos. É edificante constatar o amor de Deus ao criar o homem (homem e mulher) à Sua imagem e semelhança. Isso é suficiente para dar dignidade a toda e qualquer pessoa. Não estamos falando de “dignidade” de aparência, de poder ou de posses, criada pela sociedade secularizada em que vivemos. Mas, queremos destacar a real dignidade, interior e própria do ser humano. Acreditar nessa verdade é um passo importante para que a pessoa passe a gostar de si, como Deus a criou; passe a descobrir seu valor, a desenvolver suas qualidades, a exigir e exercer a dignidade com que foi criada, bem como passe a reconhecer e respeitar a dignidade do outro. No convívio diário com os meios de comunicação e com a sociedade, que distorcem o significado de dignidade, a pessoa acaba criando uma pobre imagem de si mesma. A dignidade acaba sendo “arrancada” de seu interior e colocada fora dela. Essa forma materialista de ver a dignidade aumenta a pressão sobre as pessoas, levando-as a pensar que valem pela exterioridade. Esse falso conceito acarreta profunda desvalorização e desrespeito aos mais necessitados, que passam a acreditar que valem muito pouco. Em decorrência disso, ficam ansiosos, ora agressivos, ora desanimados e pessimistas. Com frequência, têm atitudes de defesa e outros sinais que indicam o vazio deixado pela necessidade de sentir-se valorizado. Todos nós necessitamos acreditar na verdadeira dignidade que temos por sermos imagem e semelhança de Deus. Fonte: INAPAF (Instituto Nacional da Família e da Pastoral Familiar) Marcos e Wélida Paróquia São Carlos Borromeu

— Fessô Edson! — Diga,Vinícius... — A aula de hoje é sobre? — Estados brasileiros e suas capitais. — Joia! — Vamos começar, turma? Siglas dos estados, ok? Marcelo, AM! — Amazonas, fessô! — Muito bom! João Lucas, PR... — Facinho... Paraná. — Maravilha! Mateus Oliveira, ES... — Espírito Santo! — Puxa! Tô animado com vocês! Matheus Vilela, RS... — Rio Grande do Sul! — Beleza! Ana Carolina, SE... — Sergipe! — Certinho! Juscileia, PE... — Pernambuco! — Òtimo! Selma, MG... —... — Selma... — ... — Selma Lúcia, concentra! Sua vez! — Hã? — Êh, mundo da lua, hein? Tá lá no Facebook, né? — Fala de novo, fessô... — Só pra senhorita se situar, estamos falando das siglas... — Ah, peguei! — Então, responde pra nós... MG, o que é? — MG... Maria Geralda, nossa vice... * 15 de outubro - Dia do Professor, esse batalhador por dias melhores, em dias tão adversos. Sintam-se homenageados, todos aqueles que buscam a motivação necessária para continuarem a desempenhar sua nobre missão.

OUTUBRO / 2013

-

Pág.: 18

DIA VICENTINO DE COMBATE À FOME

. No dia 14 de setembro, foi realizada, em vários supermercados de nossa cidade, a campanha DIA VICENTINO DE COMBATE À FOME. Confrade s e consó cias estiveram presentes nesses locais, onde pessoas eram abordadas e convidadas a conhecer a SSVP e a fazer donativos para o Lar São Vicente de Lagoa da Prata.

Sociedade São Vicente de Paulo em festa . Para comemorar os 88 anos da Sociedade de São Vicente de Paulo em Lagoa da Prata, foi realizado um tríduo com celebração da santa missa nas três paróquias, nos dias 25, 26 e 27 de setembro. E no dia 29 de setembro foi realizado um almoço festivo no Salão Vicentino. Visite nossas obras, participe de nossas promoções, informe-se sobre nossas reuniões e seja um vicentino! Ajude-nos a realizar o que Cristo nos ensinou: sermos solidários! Nossos agradecimentos aos confrades, consócias e a todos os colaboradores.


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s As dez estratégias de manipulação midiática Diferente dos sistemas políticos totalitários, nos quais a força física pode ser facilmente usada para coagir a população como um todo, as sociedades mais democráticas valem-se de meios de controle mais suaves e que passam despercebidos para a maioria, mas que são muito eficazes. A seguir, veremos em que consistem as dez estratégias de maneira detalhada, como influem na hora de manipular e em que são baseadas. 1. A estratégia da distração O elemento primordial do controle social é a estratégia da distração, que consiste em desviar a atenção do público dos problemas importantes e das mudanças decididas pelas elites políticas e econômicas, mediante a técnica do dilúvio ou inundação de contínuas distrações e de informações insignificantes. A estratégia da distração é igualmente indispensável para impedir que o público se interesse pelos conhecimentos essenciais, na área da ciência, da economia, da psicologia, da neurobiologia e da cibernética. Manter a atenção do público distraída, longe dos verdadeiros problemas sociais, cativada por temas sem importância real. Manter o público ocupado, ocupado, ocupado; sem nenhum tempo para pensar. 2. Criar problemas e depois oferecer soluções Esse método também é denominado “problema-ração-solução”. Cria-se um problema, uma “situação” prevista para causar certa reação no público a fim de que este seja o mandante das medidas que desejam sejam aceitas. Por exemplo: deixar que se desenvolva ou intensifique a violência urbana, ou organizar atentados sangrentos, a fim de que o público seja o demandante de leis de segurança e políticas em prejuízo da liberdade. Ou também: criar uma crise econômica para forçar a aceitação, como um mal menor, do retrocesso dos direitos sociais e o desmantelamento dos serviços púbicos. 3. A estratégia da gradualidade Para fazer com que uma medida inaceitável passe a ser aceita, basta aplicá-la gradualmente, a conta-gotas, por anos consecutivos. Dessa maneira, condições socioeconômicas radicalmente novas (neoliberalismo) foram impostas durante as décadas de 1980 e 1990. Estado mínimo, privatizações, precariedade, flexibilidade, desemprego em massa, salários que já não asseguram ingressos decentes, tantas mudanças que teriam provocado uma revolução se tivessem sido aplicadas de uma só vez. 4. A estratégia de diferir Outra maneira de forçar a aceitação de uma decisão impopular é a de apresentála como “dolorosa e desnecessária”, obtendo a aceitação pública, no momento, para uma aplicação futura. É mais fácil aceitar um sacrifício futuro do que um sacrifício imediato. Primeiro, porque o esforço não é empregado imediatamente. Logo, porque o público, a massa tem sempre a tendência a esperar, ingenuamente, que “tudo irá melhorar amanhã” e que o sacrifício exigido poderá ser evitado. Isso dá mais tempo ao público para acostumar-se à ideia de mudança e de aceitá-la com resignação quando chegar o momento. 5. Dirigir-se ao público como se fossem menores de idade A maior parte da publicidade dirigida ao grande público utiliza discursos, argumentos, personagens e entonação particularmente infantis, muitas vezes próximos à debilidade mental, como se o espectador fosse uma pessoa menor de idade ou portador de distúrbios mentais. Quanto mais tentem enganar o espectador, mais tendem a adotar um tom infantilizante. Por quê? “Se alguém se dirige a uma pessoa como se ela tivesse 12 anos ou menos, em razão da sugestionabilidade, então, provavelmente, ela terá uma resposta ou oração também desprovida de um sentido crítico.” 6. Utilizar o aspecto emocional mais do que a reflexão Fazer uso do aspecto emocional é uma técnica clássica para causar um curtocircuito na análise racional e, finalmente, no sentido crítico dos indivíduos. Por outro lado, a utilização do registro emocional permite abrir a porta de acesso ao inconsciente para implantar ou enxertar ideias, desejos, medos e temores, compulsões ou induzir comportamentos. 7. Manter o público na ignorância e na mediocridade Fazer com que o público seja incapaz de compreender as tecnologias e os métodos utilizados para seu controle e sua escravidão. “A qualidade da educação dada às classes sociais menos favorecidas deve ser a mais pobre e medíocre possível, de forma que a distância da ignorância que planeja entre as classes menos favorecidas e as classes mais favorecidas seja e permaneça impossível de alcançar.” (Cf. Armas silenciosas para guerras tranquilas. Ibidem). 8. Estimular o público a ser complacente com a mediocridade Levar o público a crer que é moda o fato de ser estúpido, vulgar e inculto. 9. Reforçar a autoculpabilidade Fazer as pessoas acreditarem que são culpadas por sua própria desgraça, devido a pouca inteligência, por falta de capacidade ou de esforços. Assim, em vez de rebelar-se contra o sistema econômico, o indivíduo se autodesvalida e se culpa, o que gera um estado depressivo, que tem como um dos efeitos a inibição de sua ação. 10. Conhecer os indivíduos melhor do que eles mesmos se conhecem No transcurso dos últimos 50 anos, os avanços acelerados da ciência gerou uma brecha crescente entre os conhecimentos do público e os possuídos e utilizados pelas elites dominantes. Graças à biologia, à neurobiologia e à psicologia aplicada, o “sistema” tem desfrutado de um conhecimento avançado do ser humano, tanto no aspecto físico quanto no psicológico. O sistema conseguiu conhecer melhor o indivíduo comum do que ele a si mesmo. Isso significa que, na maioria dos casos, o sistema exerce um controle maior e um grande poder sobre os indivíduos, maior do que o dos indivíduos sobre si mesmos. Extraído da Revista Vida Pastoral, nº 29

LIVRARIA PAROQUIAL Praça Cel. Carlos Bernardes, 141. Fone (37) 3261-1247 São oferecidos: livros, CDs, imagens, cartões diversos, artigos religiosos em geral, papelaria em geral.

Não entre na fila, pague suas contas

OUTUBRO / 2013

-

Pág.: 19

Pe. João Bosco da Silva

Parabéns ao nosso Pároco, Pe João Bosco da Silva, que dia 10 de outubro/2013 completou 26 anos de Ordenação Sacerdotal! Que o Senhor o cubra de bênçãos! Com carinho, Jornal Informação

Festa de São Carlos Borromeu Dia 04 de novembro é dia do Padroeiro de Lagoa da Prata: São Carlos Borromeu. A Paróquia já está se mobilizando para homenagear seu Padroeiro Dia 03/11 (domingo) teremos um almoço de confraternização. Local: Centro de Eventos da Paróquia São Carlos (ao lado do Centro Catequético) Horário: 12:00 h Valor: R$ 10,00 Procure a coordenação de sua comunidade ou a Secretaria Paroquial para adquirir o seu convite. Teremos Tríduo com participação das outras Paróquias e várias outras atrações, fique atento às divulgações. Vam os, juntos, cele brar nosso padroeiro!

Cemitério de carcaças na transposição do São Francisco Antônio Carlos Dayrell Tenho visto, com muita indignação, o problema antigo da seca do Nordeste do País, inclusive o norte de Minas, que ainda não foram encarados com determinação e seriedade pelas três esferas de governo: federal, estadual e municipal. De um lado, privilegiado pela natureza exuberante e praias paradisíacas, o litoral nordestino é alavancado pela indústria do turismo e entretenimento, bar molhado, hidromassagem e duchas sofisticadas; por outro, o sertão, onde falta água até para beber. Nesse contraponto, nem parece que estamos num mesmo país. Enquanto convivemos com o maior volume de água potável do mundo, assistimos, estupefatos, estampado nos jornais, o desespero de um povo, já cansado e sofredor, sobre a terra rachada. Um povo que vê, impotente, os animais morrerem de sede. Quanto tempo mais a vida de nossos coirmãos terá que esperar até que os governantes se conscientizem da necessidade de dar uma resposta rápida e eficiente à esta situação, que se agrava com a estiagem prolongada e o descaso com a transposição do São Francisco, rio da integração nacional. Infelizmente, a questão da falta d'água, no jogo do poder, tornou-se um coringa na manga das velhas oligarquias. O Egito Antigo é historicamente lembrado pelas obras faraônicas, aludindo à construção das pirâmides para homenagear as dinastias dos faraós. Em comum com essa civilização que viveu às margens do rio Nilo, no norte da África, nossos gestores serão lembrados também pelas grandes obras que realizaram e, ainda, pela desorganização e desperdício do dinheiro público.


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

OUTUBRO / 2013

-

Pág.: 20

A m or Ex igent e 10º Princípio: Cooperação “Cooperação é a união de pessoas em volta de um trabalho para o bem de todos”. COOPERAR significa trabalhar em comum, colaborar, concorrer. Numa família onde existe cooperação, os vínculos são aumentados e, com isso, surge o diálogo, levando à aprendizagem. É importante despertar no outro o que ele pode oferecer para acrescentar à família, de forma que as potencialidades individuais sejam descobertas. Assim, cresce a confiança e o respeito. Nesse ambiente acolhedor, as pessoas sentem-se protegidas e menos vulneráveis aos perigos do mundo, como as drogas, por exemplo. Onde não existe cooperação, nota-se um amontoado de pessoas que comem e bebem como em um hotel, prevalecendo a frieza de relacionamentos. Vivemos diante de pessoas enfastiadas e acomodadas, insatisfeitas até pela falta de função na família. São os que sofrem da “síndrome do sofá”, exigindo tudo sem fazer nada. É preciso que os pais deixem de ser servos facilitadores, dizendo não ao individualismo, buscando mudanças de conduta. “Fazendo o que é do outro, impedimos a pessoa de crescer”. É preciso “convidar” o outro a colaborar, porém, respeitando suas limitações. Devemos estar cientes de que não somos “perfeitos” e que o outro não precisa fazer tudo “à nossa maneira”. É importante não valorizar só o “estar junto”, que leva a mensagem de que não é preciso fazer nada, pois só a presença basta. Isso estimula a cultura do “folgado”, pois a pessoa pode pensar que não precisa produzir: só ela basta. COOPERAÇÃO NÃO SE ENSINA, SE VIVENCIA. Procure fazer a sua parte, pois mudanças são possíveis. Acomodar e reclamar não é o caminho. Aprenda a cooperar e ensine a cooperar. Aladel Antônio de Melo


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

OUTUBRO / 2013

-

Pรกg.: 21


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

12 de Outubro Dia de Nossa Senhora Aparecida Convidamos a todos os fiéis para celebrar conosco o dia da Padroeira do Brasil! Horário das Celebrações: * 07:00 h - Missa na Igreja Matriz São Carlos Borromeu * 10:00 h - Carreata c/a imagem de Nossa Senhora Aparecida saindo da Praça da Matriz * 11:00 h - Missa na Igreja Matriz São Carlos Borromeu * 19:00 h - Missa na Igreja Matriz São Carlos e na Igreja do Rosário Nossa Senhora Aparecida Padroeira do Brasil Nossa Senhora da Conceição Aparecida recebeu este nome porque uma imagem “apareceu”, sem a cabeça, na rede de três pescadores, no rio Paraíba do Sul, em Guaratinguetá/SP, em 1717. Eram eles: Domingos Garcia, Filipe Pdroso e João Alves. Ao lançarem a rede novamente, pegaram a cabeça da imagem que se encaixou perfeitamente no corpo. Em seguida, eles conseguiram pegar muitos peixes milagrosamente numa época de escassez. Depois de “pescarem” esta imagem, muitos milagres aconteceram, a devoção a Nossa Senhora cresceu na região e chegou até os dias de hoje, com a construção da maior basílica do mundo dedicada a Maria, e o quarto santuário Mariano mais visitado do mundo, capaz de abrigar 45 mil pessoas. Os milagres atribuídos à poderosa intercessão da Mãe de Deus, nos últimos três séculos, são muitos e variados. Os primeiros, em seguida à sua aparição, foram: . Milagre das velas – Em 1733, estando um grupo reunido para rezar diante da imagem de Nossa Senhora, viram as velas se apagarem sozinhas. Entre os devotos, estava Silvana da Rocha que, ao tentar acendê-las, foi surpreendida, pois as velas também acenderam por si mesmas repentinamente, deixando todos muito espantados. . Milagre do escravo – Em 1850, um escravo chamado Zacarias era levado preso por grossas correntes. Ao passar pela igreja onde estava a imagem de Nossa Senhora Aparecida, ele pediu ao feitor permissão para rezar. Com a autorização, ele se ajoelhou diante da imagem e rezou fervorosamente. De repente, as correntes soltaram-se de seus pulsos milagrosamente, deixando Zacarias livre. . Milagre da ferradura – Um cavaleiro viajando de Cuiabá a Minas Gerais, passando por Aparecida, viu a fé dos romeiros e começou a zombar deles, dizendo que aquilo tudo era bobagem. Ao querer provar o que dizia, tentando entrar a cavalo na igreja (a Basílica Velha), a pata do animal se prendeu na pedra da escada, derrubando o cavaleiro. A marca da ferradura ficou cravada na pedra, que pode ser vista no Museu de Aparecida. O cavaleiro, arrependido, pediu perdão e se tornou devoto de Nossa Senhora. . Milagre da menina cega – Uma mulher caminhava com sua filha às margens do rio Paraíba do Sul. De repente, a menina, que era cega de nascença, comenta: “Mãe, como é linda esta igreja!” e daquele momento em diante, a menina passa a enxergar normalmente. . Milagre do menino no rio – Certo homem e seu filho foram pescar. A correnteza do rio era muito forte e, por descuido, o menino caiu no rio. Ele não sabia nadar, e a correnteza o arrastava rapidamente. O pai, deseperado, pediu a Nossa Senhora Aparecida para salvar o menino. De repente, o corpo do menino parou de ser arrastado, enquanto a forte correnteza continuava, e o pai pôde salvá-lo. . Milagre do homem e da onça – Ao voltar para casa, um homem foi surpreendido por uma onça que o encurralou e estava pronta para atacá-lo. Sem nada para se defender, sem ter o que fazer nem como fugir, o homem, desesperado, pediu por sua vida a Nossa Senhora Aparecida, que o atendeu prontamente, fazendo com que a onça fosse embora sem feri-lo. Extraído da Revista Brasil Cristão - Outubro/2013, nº 195 Cássio Abreu

OUTUBRO / 2013

D ECOLORES

-

Pág.: 22

por Laura Resende

ULTREIA Com uma simples, mas profunda reflexão sobre a sabedoria, um dos dons do Espírito Santo, Pe. Igor Valadão, da Paróquia Sagrado Coração de Jesus (Formiga), fez várias comparações onde pessoas usaram a sabedoria para resolver situações complicadas da vida. Destacou Salomão, que tornou-se rei muito jovem e que, em uma conversa com os anjos onde poderia pedir o que precisasse pra fazer um bom reinado, ele pediu que Deus lhe desse muita sabedoria para administrar o seu reino. Esse pedido agradou muito ao Senhor, e Salomão foi abenço ado com muita sabedora. Para ilustrar nossa mensagem, temos a passagem da Bíblia de Salomão e as duas mulheres que se diziam mãe de uma mesma criança (I Reis 3,16-28). Nova coordenação para 2014 Na última Escola Vivencial, dia 09/10/ 2013, os nov os coo rden ador es do Cu rsilho (ma ndato 2014) se apresentaram de uma maneira diferente e com ideias novas, mas resgatando o que se fazia no inicio do Cursilho em Lagoa da Prata. “Decolores é a primavera florindo caminhos. Decolores são todas a s co res, são os passarinhos.” Com esse pensamento, foi apresentada a nova coordenação do Movimento. Assim como a delicadeza das flores, a nova equipe que conduzirá os trabalhos do Cursilho e da Feira do Amor em toda Lagoa da Prata tem cores, perfumes e presença viva em toda a Igreja porque são cristãos comprometidos com o evangelho, com os ensinamentos do grande mestre Jesus. Depois de apresentar toda a equipe com a qual gostariam de contar em 2014, eles se apresentaram: EDGAR E MARLENINHA, e seus vices: Jair e Laura. Que essa coordenação seja abençoada por Deus! Que Ele lhes dê muita sabedoria! Dia 06 Dia 10 Dia 13 Dia 20 Dia 24 Dia 27

-

Atividades para NOVEMBRO Adoração ao Santíssimo: Núcleo Nossa Sra do Rosário Escola: Núcleo Nossa Sra. de Lourdes Vigília: Núcleo Nossa Sra do Carmo

Reunião Assembleia Diocesana - Formiga Escola Vivencial Reunião Ultreia Diocesana - SAMonte Livre

Aniversariantes A família Decolores abraça os aniversariantes do mês de OUTUBRO com muito carinho e desejando muita saúde, paz e felicidade: 3-Franklin, Isabel Bernardes, 4-Vanusa (GJ), 7-Anderson, 9-Marlene (Lelé), Zita, Sônia (Chico), 10-Pe. João Bosco Ord., 11-Rosinha, 13Juliane (GJ), 14-Flávia (GJ), 15-Franciane (GJ), 16-Edlamar, 17-Elvira, Marlúcia, 18-Iris (André), 20-Paulo Dôco, Telma (GJ), 21-Mozair (GJ), Roberto (Marlúcia), 26-Osvaldo, 29-Márcia (Homero), 31-Ana Maria (GJ

LIVRARIA PAROQUIAL Praça Cel. Carlos Bernardes, 141. Fone (37) 3261-1247 São oferecidos: livros, CDs, imagens, cartões diversos, artigos religiosos em geral, papelaria em geral.

Não entre na fila, pague suas contas


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

OUTUBRO / 2013

Esportes por esportes Waldir Ribeiro

Trem Mineiro rumo ao título do Brasileirão O Cruzeiro Esporte Clube, que completou 92 anos em Janeiro de 2013, caminha a passos largos rumo ao título do Brasileirão. A equipe, que tem uma bela história no cenário esportivo nacional e sulamericano, está na expectativa de ma is um título importa nte: o tricampeonato brasileiro. O elenco foi montado na medida certa pela diretoria e, principalmente, pelo competente técnico M a rcelo Oliveira. Quando começou o campeonato, o Cruzeiro já era tido como um dos favoritos à conquista do título. Foram passando as rodadas, e o trem azul mineiro foi engrenando. Acredito que o título será decidido no jogo contra o Sa ntos, na Vila Belmiro, ou no jogo contra o Grêmio, no Mineirão. Os principais destaques celestes são: o técnico Marcelo Oliveira; o melhor goleiro do Brasil, Fábio; o esquema tático e a parte coletiva dos jogadores. O Cruzeiro tem pelo menos dois

jogadores para cada posição. Por isso e pelo esquema tático, o trem azul está voando baixo. Competente ao extremo, principalmente no Mineirão, embalado pela “China azul”, pratica um futebol que enche os olhos. O time não dá chances aos adversários e atropela literalmente os seus oponentes. Sem dúvida alguma, o Cruzeiro está jogando o melhor futebol do Brasil e merece estar no topo da tabela. Esse trem a zul mineiro está empolgando a torcida, a mídia brasileira e internacional. Menos o lado bairrista da imprensa paulista, que não quer e não consegue engolir a superioridade celeste no momento. Só uma catástrofe tira este título do Cruzeiro. Por isso, torcedores celestes, podem preparar os foguetes e as carreatas, que a conquista está chegando. O Cruzeiro, que tem páginas heroicas e imortais, está escrevendo mais uma no cenário esportivo do Brasil. Parabéns ao clube pela competência!

Marcelo Oliveira Marcelo Oliveira foi um craque quando vestiu a camisa do Clube Atlético Mineiro. E isso aconteceu na época que o Atlético tinha uma equipe fantástica, mas que não conquistou títulos importantes. Marcelo Oliveira é uma revelação da nova safra de técnicos brasileiros que, infelizmente, não foi reconhecido pela diretoria do Galo. Ele fez grandes trabalhos na base do Galo e no time principal do Coritiba. Ser técnico de futebol no Brasil é complicado ao extremo, e Marcelo Oliveira foi galgando o seu espaço, passo a passo. No Atlético, realizou um grande trabalho e revelou muitos jogadores para a equipe principal. No time principal do Galo, ele sempre foi interino e realizava bons trabalhos, mas nunca foi efetivado. No Coritiba, fez um trabalho fantástico e foi vice campeão da Copa do Brasil por duas temporadas. Antes de chegar ao Cruzeiro, dirigiu o conturbado Clube de Regatas Vasco da Gama e, por

consequência, não foi bem. Quando foi cogitado pelo Cruzeiro, eu ainda trabalhava no Esporte Livre (Rádio Tropical) e falava que o Marcelo Oliveira iria dar certo no Cruzeiro. Na ocasião, fui contestado veemente por torcedores de Lagoa da Prata e região. Foi realizada, na época, uma enquete pelo globoesporte.com sobre a vinda de Marcelo Oliveira para o Cruzeiro, e a rejeição foi de quase de 80%. Mas, quando foi contratado e começou a trabalhar, ele foi mudando esse quadro de rejeição. Marcelo é competente ao extremo e está fazendo, tática e tecnicamente, o trem azul voar no Brasileirão. Além dele, outra pessoa de suma importância é o presidente celeste, Dr. Gilvan de Pinho Tavares, que não mediu esforços para montar um elenco de qualidade. Marcelo Oliveira merece mais do que ninguém este sucesso, pois ele é trabalhador e dedicado ao extremo.

-

Pág.: 23

Por que devo ir à igreja? Nas regiões onde a carência de água é muito grande, os caminhõespipa são indispensáveis para que muitas famílias possam receber, periodicamente, o mínimo necessário para sua sobrevivência. O caminhãopipa, transportando a água, está de certa forma levando vida a todos aqu eles que depende m de ssa substância. Ele cumpre o seu papel de ser um rio aonde não há nascentes. Muitas pessoas se perguntam qual a importância de participar da Igreja. Muitos se afastam da comunidade cristã pelos mais variados motivos. Outros até participam, mas voltam para casa do mesmo modo como chegaram. Em meio a uma sociedade que, muito rapidamente, vai criando a mentalidade de que a espiritualidade é algo individualista, qual o sentido de participar da Igreja? Por que ir à igreja? Muitas vezes se chega ao templo como um caminhão-pipa, porém, vazio, sem a água necessária, que é sinal de vida. Diante do mistério de Deus, da Palavra proclamada, refletida e meditada, do pão e do vinho que se tornam o Corpo e Sangue de Cristo, nos abastecemos da vida em plenitude oferecida pelo próprio Cristo. Deste modo, voltamos para casa cheios da Água Viva. E, assim, podemos partilhála com aqueles que convivem conosco. O coração é o depósito da vida em plenitude, a qual devemos levar a nossos irmãos e irmãs. Quando deixamos de participar da Igreja, nosso coração fica vazio e seco. Como alguém pode saciar a sede de outra pessoa se não possui nem mesmo

água suficiente para saciar a própria sede? Um caminhão-pipa só cumpre seu papel se estiver abastecido de água. Um ser humano só se sente completo se estiver abastecido da presença de Deus. Por que ir à igreja? Porque nela está a fonte de Água Viva que sacia nossa sede interior. E porque, uma vez abastecidos da presença de Deus, podemos leváLo a todos aqueles que pedem uma gota de Água da Vida. Somente esta Água é capaz de devolver o sentido de viver a uma sociedade que partilha outras águas artificiais que não saciam, mas, pelo contrário, fazem com que o ser humano sempre tenha mais sede. Ir à igreja porque lá partilhamos as dores e alegrias da vida em uma comum unidade. Ir à igreja porque é lá que o milagre da Eucaristia acontece em toda Santa Missa celebrada. Ir à igreja para voltarmos para casa melhores do que chegamos. Quando voltamos para casa abastecidos do amor de Cristo, é impossível voltarmos para o cotidiano da vida do mesmo jeito que chegamos. Somente quem teve sua sede saciada por Deus poderá saciar a sede de outras pessoas com o mesmo amor que recebeu. Se o caminhão-pipa leva a água que sacia a sede humana biológica, nós somos convidados a sair da igreja com o coração abastecido da Água Viva que sacia a sede humana do Amor Divino. Maria Elza R.Lacerda


15 A no s in fo rm an do o P ov o de D eu s

OUTUBRO / 2013

-

Pรกg.: 24


181 - Jornal Informação - Ed. Out. 2013