Issuu on Google+

COMUNICAÇÕES PROVÍNCIA FRANCISCANA DA IMACULADA CONCEIÇÃO DO BRASIL MAIO 2014 • ANO LXI • Nº 05

PATRONO DA ECOLOGIA

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

Imagem Paolo Casentini

35º aniversário da nomeação

209


SUMÁRIO ________________________________________

MENSAGEM DO MINISTRO PROVINCIAL - Maria, modelo eclesial para a Evangelização.....................................................................................................................................................................211 FORMAÇÃO PERMANENTE - “Fundamentação bíblica do matrimônio”, quarto artigo de Frei Nilo Agostini.............................................................................................................213 - Mensagem da XXIII Assembleia Geral da UCLAF................................................................................................................................................................216 SAV - Entrevista: Frei Paulijacson Pessoa de Moura..............................................................................................................................................................................220 - Missões nas escolas do Oeste Catarinense...........................................................................................................................................................................223 - SAV-RJ: Encontro vocacional reflete sobre as vocações............................................................................................................................................................224 - SAV-RJ: Vocação e descoberta..............................................................................................................................................................................................224 FORMAÇÃO E ESTUDOS - Notícias do Seminário São Francisco de Assis de Ituporanga...................................................................................................................................................225 - Seminário Frei Galvão acolhe POSTULINTER...................................................................................................................................................................226 - Noviciado: Primeiro NOVINTER 2014................................................................................................................................................................................227 FRATERNIDADES - Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos: Missa nas residências........................................................................................................................................228 - “Maio”, poema de Frei Walter Hugo de Almeida...............................................................................................................................................................228 - Encontro do Regional de Agudos.......................................................................................................................................................................................229 - Regional de São Paulo faz primeiro encontro.......................................................................................................................................................................230 - Frades se reúnem para o Regional em Lages.................................................................................................................................................................................231 - Gaspar: Paróquia São Pedro Apóstolo em missão..................................................................................................................................................................232 - Gaspar: Formação das equipes de liturgia.................................................................................................................................................................................233 - Gaspar: Encontro “amigos de São Francisco e Santa Clara”.................................................................................................................................................233 - Ceia Ágape: preparação para a Páscoa em Gaspar.....................................................................................................................................................................234 - “A maior e a mais antiga festa cristã”, artigo de Frei Luiz Iakovacz........................................................................................................................................235 - Um grande e profundo retiro na Barra......................................................................................................................................................................................236 - Orquestra de câmara de Budapeste se apresenta no Santuário de Vila Velha......................................................................................................................238 - “Frei Bruno” em segunda edição..............................................................................................................................................................................................239 - Dupla festa em Santo Amaro da Imperatriz............................................................................................................................................................................240 - Complementação de estudos em Teologia...............................................................................................................................................................................241 - Encontro do Regional do Contestado....................................................................................................................................................................................241 - Curso de franciscanismo em Rondinha: a alegria de evangelizar na visão franciscana..........................................................................................242 - Tríduo Pascal no Convento São Boaventura...........................................................................................................................................................................243 - JUFRA: Jovens encenam a Paixão do Senhor no Convento São Francisco....................................................................................................................244 EVANGELIZAÇÃO - Sefras celebra a Páscoa.........................................................................................................................................................................................................245 - Conselho Diretor discute a sustentabilidade..........................................................................................................................................................................246 - Sefras assina convênio para trabalho no Jardim Peri............................................................................................................................................................247 - USF registra crescimento de 141% nos últimos 4 anos....................................................................................................................................................248

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

DEFINITÓRIO PROVINCIAL - Notícias do Encontro de 1º a 3 de abril...........................................................................................................................................................................249

210

OFM - 35º Aniversário da Nomeação de São Francisco como Patrono da Ecologia...................................................................................................................253 SANTA SÉ - Gestão dos bens eclesiásticos.................................................................................................................................................................................................254 NOTÍCIAS E INFORMAÇÕES - Novo livro de Antônio Moser..................................................................................................................................................................................................255 - Falecimento................................................................................................................................................................................................................................255 AGENDA......................................................................................................................................................................................................256

PROVÍNCIA FRANCISCANA DA IMACULADA CONCEIÇÃO DO BRASIL Rua Borges Lagoa, 1209 - 04038-033 | Caixa Postal 57.073 - 04089-970 | São Paulo - SP www.franciscanos.org.br | ofmimac@franciscanos.org.br


Pietro Lorenzetti

MENSAGEM ________________________________________

MARIA, MODELO ECLESIAL PARA A EVANGELIZAÇÃO

Caríssimos irmãos e irmãs, Com esta Antífona Mariana, rezada por São Francisco e Santa Clara no Ofício da Paixão do Senhor, desejo introduzir nosso boletim de maio das COMUNICAÇÕES da Província. Assim, em primeiro lugar, nos unimos aos confrades do Regional do Espírito Santo e nos sintonizamos com o povo capixaba e todos os romeiros, para ampliar ainda mais o eco do hino de louvor tantas vezes cantado na semana da Oitava da Páscoa nos entornos do Convento de Nossa Senhora da Penha, em Vila Velha, ES: “Virgem da Penha, Senhora nossa, Ave Maria!”. O Convento da Penha, sem dúvida alguma, é o Santuário Mariano por excelência da nossa

Província. Através da presença diária e do atendimento fiel dos nossos confrades que lá nos representam, sobre cada um de nós recai a responsabilidade e a continuidade da devoção à Virgem Mãe de Deus, tão própria do nosso carisma franciscano e profundamente impregnada na alma do Povo de Deus. Nossa Senhora das Alegrias, a ‘Virgem feita Igreja’, presente na piedade e na fé de Frei Pedro Palácios foi, sem dúvida alguma, a ‘Estrela da Evangelização’ do povo capixaba e que, desde os primórdios, amparou todos os evangelizadores no alegre anúncio do Evangelho de Jesus Cristo. Assim hoje, mais do que nunca, somos desafiados a acolher o apelo do Papa Francisco

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

“Santa Virgem Maria, não há mulher nascida no mundo semelhante a ti, filha e serva do altíssimo Rei e Pai celestial, Mãe de nosso Santíssimo Senhor Jesus Cristo, esposa do Espírito Santo: roga por nós com São Miguel Arcanjo e todas as virtudes do céu e todos os santos junto a teu santíssimo e dileto Filho, nosso Senhor e Mestre”.

211


COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

MENSAGEM ________________________________________

212

para que, franciscanamente, tenhamos a fé, a consciência e a convicção de que, “juntamente com o Espírito Santo, está Maria no meio do povo. Ela reunia os discípulos para invocá-lo, e assim tornou possível a explosão missionária que se deu em Pentecostes. Ela é a mãe da Igreja evangelizadora e, sem ela, não podemos compreender cabalmente o espírito da nova evangelização” (Evangelii Gaudium, nº 284). Em segundo lugar, a Virgem Maria, agora invocada com o nome de Nossa Senhora de Guadalupe e Mãe da América Latina, também ocupou um lugar de destaque na XXIII Assembleia Geral da UCLAF que se realizou nos dias 07 a 11 de abril de 2014, na Fraternidade de San Juan Bautista de Coyoacán da cidade do México, sede da Província mexicana dos Santos Evangelhos. A temática que orientou a assembleia foi: “Rumo ao Capítulo Geral de 2015” (cf. a mensagem à página 216). Concelebrando a Eucaristia com os Ministros e Custódios da UCLAF, o Ministro Geral Fr. Michael Anthony Perry assim nos admoestou no Santuário da Virgem de Guadalupe: “Nós, como Maria de Nazaré, Mãe de Jesus, nosso Senhor, e como Juan Diego, somos chamados a empreender um caminho de fé, abrindo nossos corações e nossas vidas à misericórdia, ao perdão, à justiça, ao amor e à paz de Deus... Somos chamados, como discípulos missionários, a compartilhar a vida com todos o que encontramos, oferecendo-lhes um sinal de esperança e o abraço da misericórdia e do amor”. Em terceiro lugar, retomo a Exortação Apostólica ‘A Alegria do Evangelho’, em especial o belíssimo título ‘A Estrela da nova evangelização’. Também nós, Frades Menores, em comunhão com o Povo de Deus, no início deste mês consagrado a Maria, queremos recorrer ‘à Mãe do Evangelho vivente’ para que ela ‘nos fortaleça na fé e nos ensine a deixar-nos seduzir pelo Espírito ante os novos desafios da evangelização’. Também experimentamos em nós a tristeza das ‘fases de aridez, de ocultação e até de certo cansaço na nossa ‘peregrinação evangelizadora’. ‘Que fixemos n’Ela nosso olhar, para que nos ajude a anunciar a todos a mensagem de salvação e para que os novos discípulos se tornem operosos evangelizadores’. E mais: ‘Há um estilo mariano na atividade

evangelizadora da Igreja. Porque sempre que olhamos para Maria, voltamos a acreditar na força revolucionária da ternura e do afeto. Nela vemos que a humildade e a ternura não são virtudes dos fracos, mas dos fortes, que não precisam maltratar os outros para se sentirem importantes’. Também suplicamos à ‘Estrela da nova evangelização’ para que nós, na nossa vocação e missão, sejamos evangelizadores contemplativos, disponíveis, alegres, ternos, justos, cuidadosos e generosos como Maria que ‘sai às pressas da sua povoação para ir ajudar os outros. Esta dinâmica de justiça e de ternura, de contemplação e de caminho para os outros faz d’Ela um modelo eclesial para a evangelização. Pedimos-Lhe que nos ajude, com a sua oração materna, para que a Igreja se torne uma casa para muitos, uma mãe para todos os povos, e torne possível o nascimento de um mundo novo’ (cf. Evagelii Gaudium 287-288). E com o olhar terno de São Francisco, concluo minha mensagem de maio com a Saudação à Mãe de Deus: “Ave, ó Senhora Santa, Rainha santíssima, Mãe de Deus, ó Maria, que és virgem feita Igreja, eleita pelo santíssimo Pai celestial, que te consagrou por seu santíssimo e dileto Filho e o Espírito Santo Paráclito. Em ti residiu e reside toda a plenitude da graça e todo o bem”. E pela intercessão da Bem-Aventurada Virgem Maria, o Senhor nos abençoe e nos guarde no seu amor! FREI FIDÊNCIO VANBOEMMEL, OFM MINISTRO PROVINCIAL

MAIO - AGENDA DO MINISTRO

01: Após reunião dos Guardiães, visita fraterna ao Mosteiro de Piratininga e aos confrades de Bauru; 02-03: Presença no retiro dos Benfeitores do PVF, em Agudos; 05: Retorno e novos exames médicos (Hospital do Câncer A. C. Camargo); 06-07: Conselho do Secretariado para a Formação e os Estudos em São Paulo; 13-14: Reunião do Conselho de Evangelização; 19: Encontro do Regional de São Paulo; 23-26: Visita Fraterna à Rondinha, inauguração da gruta de Nossa Senhora;


FORMAÇÃO PERMANENTE ________________________________________

A FAMÍLIA NUM TEMPO DE MUDANÇAS

FREI NILO AGOSTINI

No livro do Gênesis (1,26), lemos que Deus criou o ser humano à sua imagem e semelhança e, no versículo 27, a Escritura ressalta que “homem e mulher” o criou. Em Gn 2,18, acrescenta-se que “não é bom que o homem esteja só”, criando então Deus a mulher; esta fora reconhecida por Adão, ao dizer: “Esta sim é osso dos meus ossos e carne da minha carne!” Deus, que é Amor (cf. 1Jo 4,8), criou o ser humano à sua imagem e semelhança. “Por este motivo, a vocação ao amor é o que faz do homem a autêntica imagem de Deus: se faz semelhante a Deus à medida que se converte em alguém que ama”1. Existe aí uma conexão entre Deus e o ser humano, homem e mulher. É o ser humano no seu corpo e na sua alma, na integralidade do seu ser, que está aí incluído no Amor. 1. A estrutura criacional do matrimônio (Antigo Testamento) Este amor no matrimônio é sublinhado nas páginas bíblicas; para dar-lhe estabilidade, apontam para a fidelidade conjugal. É o que vemos no decálogo (Ex 20,2-17), quando ali é dito “não cometerás adultério” e “não desejarás a mulher do próximo”. Mesmo tendo esta base, no Antigo Testamento, o matrimônio tem fortes traços laicos e profanos; é celebrado nas famílias, não na sinagoga. Mesmo assim, “ele é vivido como um evento profundamente

religioso, no qual se renova a ação criadora de Deus”2. Desde este tempo, o matrimônio é marcado por uma estrutura própria, que o rito vem confirmar. Os capítulos 2−3 do Gênesis trazem a mais antiga teologia do matrimônio. A escola javista imprime aí sua marca (segunda metade do século X aC). Quer-se retratar a experiência quotidiana e, ao mesmo tempo, refletir à luz da fé. Sente-se que a vida matrimonial está marcada pela dupla experiência do amor de Deus, por um lado, e do mal, por outro lado. Por que tal contradição? Por causa do pecado do ser humano. O próprio matrimônio pode revelar o projeto de Deus e pode escondê-lo; pode alimentar-se do desígnio de Deus como pode estar tomado pelo pecado. O belo é ver que Deus tira o homem da sua solidão e lhe dá uma companheira a altura. Ao afirmar que “não é bom que o homem esteja só”, Deus dá o fundamento de uma das experiências mais profundas e primordiais da humanidade. O ser humano não existe para viver solitário, porque tem sempre necessidade dos outros, porque é feito para o diálogo. Neste relato, exprime-se a ideia de união. “O homem deixa seu pai e sua mãe, se une à sua mulher, e eles se tornam uma só carne” (Gn 2,24). A força dessa união é tal que supera qualquer ligação de sangue (... “deixa seu pai e sua mãe”). Deus, ao exprimir a intenção de dar ao homem uma companheira que lhe corresponda ou lhe seja

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

FUNDAMENTAÇÃO BÍBLICA DO MATRIMÔNIO

213


COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

FORMAÇÃO PERMANENTE ________________________________________

214

semelhante, afirma a concepção segundo a qual homem e mulher são semelhantes em dignidade, chamados a viver na complementaridade (ela lhe é uma ajuda). Ambos têm a mesma origem, a mesma natureza (daí a figura da “costela”). “Esta sim é osso dos meus ossos e carne da minha carne” (Gn 2,21). Fica evidenciada aí a alegria do homem face à mulher, ela que traz estampada a mesma dignidade, sendo chamados à correspondência de um face ao outro; chega-se a outra bela expressão: “E se tornam uma só carne” (Gn 2,24). Aqui é indicada a união completa, uma comunhão de vida interpessoal que reúne todas as dimensões do humano. A expressão “e se une à sua mulher”, aponta para o matrimônio monogâmico, ou seja, sai das mãos de Deus o casal humano formado de um só homem e de uma só mulher, sendo esta a estrutura criacional do matrimônio. No entanto, quando o pecado se instala (... serpente), se estabelece uma ruptura, uma corrupção no homem e na mulher; eles perdem a transparência, se envergonham da sua nudez; a desordem se instala. Um acaba acusando o outro. Quebra-se o desígnio de Deus e o homem passa a dominar a mulher (Gn 3,16), o que não corresponde à vontade de Deus. “Homem e mulher Deus os criou” (Gn 1,27). “Deus viu que tudo o que havia feito era muito bom” (Gn 1,31). Todas as realidades da criação são belas e boas (segundo o adjetivo hebraico). Inclui-se aí a própria sexualidade. Tudo é incorporado na história salvífica de Deus e atravessado pela sua graça. A sexualidade faz parte dessa realidade positiva, mas não é autônoma, quer dizer, deve ser mantida dentro do projeto na qual foi pensada/criada; ela

não é vivida sem regras ou puramente livre. Mesmo se ela faz parte da estrutura dialogante e realizadora do humano, ela pode cair na busca egoísta de prazer, fazendo da pessoa do/a outro/a um puro objeto. Não se trata aqui de uma visão negativa da sexualidade, fruto de uma visão dualista. O problema é quando a sua vivência entra na pequenez ou no vazio do pecado. 2. O matrimônio no Novo Testamento Para falar do matrimônio, o Novo Testamento utiliza a riqueza que vem do Antigo Testamento. Porém, introduz algumas novidades relevantes: “a indissolubilidade do pacto nupcial, o primado do Reino de Deus, o caminho do celibato, o arquétipo da sociedade conjugal não é mais Adão e Eva, mas Cristo e a Igreja”3. À medida que se insere no mistério de Cristo, o matrimônio recebe o seu último aprofundamento. “O que Deus uniu o homem não separe” (Mc 10,9). Num contexto em que a mulher podia ser despedida ou repudiada, podendo ser dada uma carta de divórcio, Jesus vem e afirma a indissolubilidade. Mateus 19,1-9 e Marcos 10,1-12 apresentam este relato. Em Lucas 16,18 fica clara a afirmação: “Todo aquele que despede a sua mulher e se casa com outra comete adultério”. Jesus toma radicalmente posição contra o repúdio da mulher, contra qualquer forma de divórcio. Não há exceções. Jesus reenvia ao projeto criador de Deus. “Nunca leste que o Criador, desde o princípio, os fez homem e mulher... De modo que eles já não são dois, mas uma só carne. Portanto o que Deus uniu o homem não separe” (Mt 9,4-6). “A


estabilidade da aliança esponsal faz parte do desígnio da criação... Dizer que a indissolubilidade é lei da criação significa dizer que esta é universal, inscrita na natureza mesma do amor nupcial. É estrutura antropológica universal”4. A grande novidade, a partir de Jesus, é a clareza e a profundidade com que ele exprime a natureza intrínseca do matrimônio, ligando-a ao amor de Deus manifestado em Jesus Cristo. Os Evangelhos inserem o matrimônio no seguimento de Jesus Cristo, no qual vem sublinhado o dom total de si, a fidelidade e a solidariedade como notas próprias. Ao mesmo tempo, o matrimônio aponta para a comunhão com Deus. Ele é a figura dessa comunhão. “Este mistério é grande” diz São Paulo aos Efésios (5,32). “Maridos, amai as vossas mulheres, como Cristo também amou a sua Igreja e se entregou por ela... É assim que os maridos devem amar as suas esposas, como amam seu próprio corpo. Aquele que ama a sua esposa está amando a si mesmo. Ninguém jamais odiou a sua própria carne. Pelo contrário, a nutre e a cerca de cuidados, como Cristo faz com a Igreja, e nós somos membros do seu corpo” (Ef 5,25-30). Há uma grandiosidade neste texto paulino. Trata-se de um quadro excepcional. De Cristo vem o amor que salva, cabendo à Igreja inserir-se nele, respondendo pela “obediência”. O arquétipo do matrimônio é Cristo, a união de Cristo com a Igreja. Tudo se liga a esta aliança esponsal de Cristo e sua Igreja. Cristo-Igreja constitui-se no modelo, na norma. Aí o matrimônio cristão deve inspirarse. Esse “como” Cristo traz um panorama vasto de

aplicações, mas tem fundamentos como estes: amor desinteressado, fidelidade definitiva, completo dom de si, perdão. Cristo-Igreja revela aquilo que Deus opera em cada matrimônio cristão. “Em cada matrimônio, Deus faz reviver a misteriosa união de Cristo com a Igreja. No matrimônio... realiza-se o mistério divino: o espaço conjugal... torna-se um lugar no qual o mistério salvífico de Cristo se reatualiza e se visibiliza: lugar, portanto, de salvação, de profecia e de testemunho. De salvação, porque é na sua concreta experiência matrimonial que os cônjuges são unidos no amor salvífico de Cristo que os livra do egoísmo e os abre ao completo dom de si mesmos. De profecia, porque a experiência do dom de si no recíproco amor é uma experiência humana, concreta, que antecipa e prefigura a realidade última, para a qual o homem é encaminhado: a comunhão plena e definitiva com Deus. E de testemunho, porque é através do amor concreto e visível dos esposos cristãos que o mundo entra em contato com o ‘verdadeiro amor’, que é o centro da novidade cristã e o sinal mais credível da morte/ressurreição de Cristo” 5. NOTAS 1 BENTO XVI. Catequesis. Vaticano, 17 de maio de 2005. 2 MAGGIONI, Bruno. Il matrimonio nella Bibbia. In: GOFFI, Túlio (dir.). Nuova enciclopedia del matrimonio. Edizione rinnovata. Brescia: Queriniana, 1988, p. 147. 3 Ibidem, p. 160. 4 Ibidem, p. 164. 5 Ibidem, p. 173.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

FORMAÇÃO PERMANENTE ________________________________________

215


FORMAÇÃO PERMANENTE ________________________________________

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

MENSAGEM DA XXIII ASSEMBLEIA GERAL DA UCLAF

216

Ministros provinciais e custódios das quatro Conferências da América Latina e Caribe da Ordem dos Frades Menores estivemos reunidos de 7 a 11 de abril de 2014 na Fraternidade de San Juan Bautista de Coyoacán da Cidade do México por ocasião da celebração da XXIII Assembleia Geral da UCLAF. A temática orientadora foi: “Rumo ao Capítulo Geral de 2015”, que marcou o tom reflexivo, avaliativo e propositivo do nosso encontro. É tradição da UCLAF reunir-se a cada dois anos para fazer memória de nossa caminhada como irmãos latino-americanos e caribenhos, em chave de conversão e de gratidão; para retornar ao essencial de nossa fé e de nossa espiritualidade; também tem sido ocasião privilegiada

para ler os sinais de Deus sempre novos e atualizar nosso carisma, através de projetos comuns, sob a luz que emana dos mesmos. É, sem dúvida alguma, nosso kairós, um momento intenso no qual o Espírito, sempre novo, nos volta a chamar pelo próprio nome, alimenta-nos com sua palavra e nos envia a ser profetas da Esperança nos lugares de fratura de nosso contexto latino-americano e caribenho. Foram-nos inspiradoras em nosso encontro as palavras do Papa Francisco dirigidas aos religiosos e religiosas, nas quais nos recorda que “a Vida Consagrada é profecia”. O Papa está convencido do que Deus nos pede hoje: “sair do ninho que nos abriga para serem enviados até as fronteiras do mundo, evitando a tentação de domesticá-las” . Particularmente significativa

para experimentarmos a densidade deste momento de renovação espiritual que vive toda a Igreja foi a presença do Ministro Geral, Frei Michael A. Perry, que num jeito simples e fraterno colocou-se entre nós durante toda a jornada, em atitude de escuta atenta, de iluminação e interpelação evangélica. Exortou-nos a superar o provincialismo temeroso e míope para abrir-nos à colaboração interprovincial e intercultural na tarefa comum do Reino. Convidou-nos a não temer o caminho de reestruturação que acontece em muitas partes da Ordem, mas


FORMAÇÃO PERMANENTE ________________________________________ qual é a coluna vertebral de todo processo formativo: a experiência místico-espiritual, fonte de todo profetismo genuinamente libertador. Para isso urge formar formadores que não só tenham a preparação acadêmica, mas que sejam testemunhas de uma vida de fé encarnada. Estes desafios levaram o Ministro Geral a convidar a UCLAF a pensar na urgência de estabelecer centros ou programas de estudos comuns no nosso contexto latino-americano e caribenho que garantam a atualidade do patrimônio franciscano, atendendo às temáticas fundamentais da espiritualidade franciscana, o pensamento e o patrimônio artístico franciscano, a formação de formadores, a evangelização missionária, os compromissos com a justiça, a paz e a integridade da Criação, entre outros. O Ministro Geral Frei Michael A. Perry, o Vigário Geral Frei Julio Bunader e o Definidor Geral Frei Nestor Schwerz fizeram colocações muito significati-

vas no nosso encontro baseados em dados estatísticos surgidos recentemente de estudos promovidos pela Ordem, o que nos permitiu realizar um diagnóstico realista que orienta a estabelecer projetos comuns a fim de enfrentarmos com responsabilidade situações verdadeiramente urgentes. Entre eles chama a atenção e são alarmantes os dados que indicam a dificuldade dos frades em assumir uma vida de oração e contemplação; a pouca clareza na compreensão de nossa identidade carismática franciscana; a falta de abertura comunicativa entre os irmãos; o desafio de viver os conselhos evangélicos; a dificuldade para conviver com os pobres e marginalizados; o escasso compromisso para estabelecer diálogos em nível ecumênico e inter-religioso… Esses dados são duplamente importantes quando sabemos que as saídas da Ordem têm justamente como causas principais o distan-

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

a compreendê-lo como oportunidade para repensar, à luz da Palavra, da Tradição e dos desafios de nossa época, a identidade e missão particular dos irmãos no seio da Igreja e do mundo. Agradeceu, de forma especial, a participação ativa de nossas Conferências nos projetos missionários da Ordem e insistiu para acentuarmos nosso compromisso nesta direção, pois é o modo no qual se traduz em ação concreta nosso reiterado compromisso de ser fraternidade em missão e nos afasta da autoconservação estéril. Este caminho exige que os ministros e custódios estejamos particularmente atentos em nossas entidades ao ponto de partida essencial sem o qual não haverá verdadeira mudança na Ordem: a formação inicial e permanente. O Ministro Geral insistiu que não podemos continuar formando em massa, mas personalizadamente; não de modo pontual, mas contínuo, como estilo de vida para nos mantermos fiéis à nossa vocação. Recordou

217


COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

FORMAÇÃO PERMANENTE ________________________________________

218

ciamento da identidade franciscana (48%), as dificuldades para estabelecer relações comunitárias (41%), junto aos aspectos próprios de cada subjetividade no que se refere à vivência de dos conselhos evangélicos (44%). As iluminações recebidas da parte do assessor Guillermo Uribe, carmelita descalço, e aquelas que provêm da Ordem mesma, sobretudo no que concerne ao desafio afetivo-sexual nos convidam a assumir este enorme desafio dentro de três linhas de ação relacionadas entre si: fraterna, terapêutica e canônica. O Vigário Geral Frei Julio Bunader nos deixou uma pergunta aberta que desejamos que permaneça conosco em todo percurso de discernimento que nos cabe realizar: “Acaso esta não é uma oportunidade histórica, antropológica, cultural e religiosa que nos é oferecida para renovarmos o dom do chamado a viver e dar

testemunho do Evangelho em fraternidade e minoridade, fonte de todo bem e da felicidade? Somente valorizando plenamente todos os nossos talentos, assumindo com coragem nossa fragilidade e acompanhando nossas dinâmicas internas, chegaremos a identificar estratégias e orientações em vista da fidelidade perseverante”. Em nível prático a UCLAF quis enfrentar esses desafios de maneira consensual propondo que o seu Conselho Diretor estude, no prazo de um ano, a possibilidade de criar no âmbito latino-americano ou caribenho uma casa de acolhida para irmãos em dificuldades. Também pede ao mesmo Conselho Diretor e no mesmo prazo que elabore um elenco de fraternidades voltadas especialmente para a renovação espiritual dos irmãos, para, assim, considerar a possibilidade de criar ou fortalecer uma fraternidade dedicada a ajudar frades a

reavivar os valores fundamentais de nossa vocação. Com a finalidade de enriquecer nossa identidade franciscana se exige um retorno às nossas fontes. Para isso a UCLAF pede à sua coordenação que, através das conferências, promova o estudo das experiências e iniciativas já existentes sobre nosso patrimônio franciscano de formação e estudos para integrá-las e colocá-las a serviço das Províncias e Custódias no âmbito da UCLAF. Na linha de continuidade com Assembleias anteriores, a UCLAF incentiva, também, o fortalecimento do Master em Evangelização a partir da ótica franciscana que vem sendo realizado com boas perspectivas de futuro em Petrópolis, mediante o compromisso de enviar ao menos três estudantes por Conferência de língua espanhola e seis da Conferência Brasileira. Para responder à nossa identidade minorítica que se traduz hoje num


FORMAÇÃO PERMANENTE ________________________________________ Pudemos assim proclamar, junto a ela, conscientes de nossas fragilidades, a grandeza do Senhor: se alegrou nosso espírito nele que é nosso Deus, salvador e libertador. O Ministro Geral se despediu dos confrades aos pés do manto milagroso no qual os humildes e simples nos repartem a imagem de uma Virgem grávida comprometida com sua libertação. Queremos aqui fazer nossas as suas palavras e dirigi-las, finalmente, a todos os irmãos do Continente: “Nós, como Maria de Nazaré, Mãe de Jesus Nosso Senhor, e como Juan Diego, somos chamados a empreender um caminho de fé, abrindo nossos corações e nossas vidas à misericórdia, ao perdão, à justiça, ao amor e à paz de Deus… Somos chamados, como discípulos missionários, a compartilhar com todos o que encontramos, oferecendo-lhes um sinal de esperança e o abraço da misericórdia e do amor”.

A UCLAF aproveita para anunciar que seu novo presidente é Frei Ignacio Ceja, Ministro Provincial da Província dos Santos Francisco e Santiago e Presidente da Conferência Santa Maria de Guadalupe do México, America Central e Caribe. Também comunicamos que a XXIV Assembleia será em Cochabamba, Bolívia, de 16 a 20 de maio de 2016, sendo sua temática a aplicação das decisões do Capítulo Geral de 2015. Agradecemos vivamente a generosa hospitalidade dos irmãos da Província do Santo Evangelho do México, em especial ao seu Provincial Frei Francisco Morales Valerio e do guardião da fraternidade, Frei Juan Pedro Murillo. Na Fraternidade San Juan Bautista de Coyoacán, Cidade de México, Distrito Federal, hoje, aos onze dias do mês de abril do ano 2014.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

compromisso irrenunciável com os pobres e com a casa comum de todos (a natureza), a UCLAF ratifica seu compromisso com o Projeto Amazônia de enviar ao menos um irmão por conferência e estabelecendo um determinado apoio financeiro que favoreça a missão. A UCLAF parabeniza e agradece a Frei Eugênio Ortiz pela paixão com a qual vive, acompanha e contagia a ação missionária da Fraternidade de Requeña, na Amazônia. Finalizamos nosso encontro levando ao Tepeyac a realidade de dor e esperança na qual vivem tantos irmãos e entidades da Ordem; também a realidade de sofrimento e de resistência utópica de nossos povos, especialmente da Venezuela, neste momento complexo de sua História. Ali Maria nos esperava desfazendo todos nossos temores: “Não estou eu aqui que sou tua mãe?”.

219


SAV ________________________________________

ENTREVISTA | FREI PAULIJACSON PESSOA DE MOURA

DOIS FRANCISCOS NA MINHA VIDA Natural de São Miguel, no Rio Grande do Norte, Frei Paulijacson Pessoa de Moura será ordenado diácono, no dia 18 de maio próximo, pelo bispo diocesano Dom José Negri, PIME. Sua ordenação será às 15 horas na Catedral São Paulo Apóstolo de Blumenau, SC. Conheça como Francisco entrou duplamente em sua vida e o pensa este servidor da Igreja e da Ordem Franciscana.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

MOACIR BEGGO

220

Comunicações – Em primeiro lugar, fale de sua vida. Frei Paulijacson Pessoa de Moura - Nasci em 16 de dezembro de 1981, em São Miguel, RN. Sou o segundo de cinco filhos. Fui batizado com o nome Francisco, em 16 de janeiro de 1982, fato desconhecido por mim até o ano 2000, quando, então, com 18 anos de idade fui procurar o meu batistério para ser crismado. A secretária da minha paróquia procurava minha certidão de batismo, inutilmente, pelo meu nome, Paulijacson. Ora, pelo nome dos meus pais e padrinhos descobri que meu nome de batismo é Francisco. Fiquei surpreso e ao mesmo tempo curioso para saber o que tinha acontecido. Nem meus pais sabiam disso. Soube que, quando o padre achava o nome do batizando um tanto incomum, como é o meu nome civil – Paulijacson –, ele simplesmente colocava um nome mais conhecido ou dava algum nome de santo. No meu caso, chamou-me de Francisco. Quando fui ser crismado, perguntei à coordenadora da Crisma o que diria ao bispo no momento em que perguntasse por meu nome. Ela respondeu: “Fala Francisco”. E assim o fiz. Ou seja, meu nome cristão é Francisco, mas o civil é Paulijacson, pois em nenhum dos meus documentos consta o nome Francisco. Quando soube já era tarde demais (risos). Enfim, gosto do meu nome civil e gosto mais ainda do nome Francisco. Sobretudo quando conheci a história de Francisco de Assis e me encantei com o seu testemunho de vida. Recentemente, o cardeal Jorge Mario Bergoglio, ao ser eleito Papa, escolheu o nome de Francisco: um motivo a mais para me alegrar. Meus pais sempre trabalharam no comércio. Até decidir pela Vida Religiosa trabalhei com eles. Sempre participava das missas, mas até os 15 anos de idade pensava em ser médico. Nunca tinha passado pela minha cabeça em ser religioso ou padre. Mas aos poucos, depois de fazer algumas experiências de namoro, festas, como qualquer outro jovem da minha idade, sentia que faltava alguma coisa. Tudo aquilo, mesmo sendo muito bom,

não me completava, sentia certo vazio. Perguntava-me: “Meu Deus, que sentido tem a vida?” “O que vou fazer da minha vida?” “O que realmente me faz feliz?” Assim como São Francisco, eu, sem o saber, fazia alguns questionamentos parecidos: “Senhor, o queres que eu faça?” Fiquei algum tempo com tais indagações. Comunicações – Então, começou o seu discernimento vocacional? Frei Paulijacson Moura – Isso. Certo dia, um jovem amigo da família, que na época morava em Brasília, como aspirante da Congregação dos Servos da Caridade, estava de férias na minha cidade e veio almoçar na minha casa. Ele começou a contar como era a vida deles no convento: oração em comum, trabalhos diversos, pastorais, esporte, vida comunitária, etc. Ao ouvi-lo, pensei: “É esse estilo de vida que quero para mim”. A partir daí fui me engajando na Igreja, nas diversas pastorais, e fui fazendo toda uma caminhada de discernimento vocacional. Engajei-me em algumas pastorais da minha comunidade – Igreja Matriz São Miguel Arcanjo – para começar um discernimento vocacional mais profundo. O testemunho do jovem aspirante despertou em mim a vontade de ser padre. Mas, desde o início, tinha claro: queria ser padre religioso. Na casa dos meus avós maternos, encontrei algumas revistas dos Frades Franciscanos Conventuais, “Cavaleiros da Imaculada”, nas quais era possível ver as propagandas vocacionais da OFMConv.


SAV ________________________________________

Comunicações - Por que escolheu ser frade franciscano? Frei Paulijacson Moura - Como sempre gostei de estudar, comecei a fazer um cursinho para vestibular. Com o tempo, fui percebendo que queria mesmo era

ser frade franciscano. Estando em São Paulo, consegui o telefone do Convento São Francisco através de uma revista vocacional e liguei para o Frei Nazareno Lüdtke. Marcamos uma conversa e comecei o acompanhamento vocacional. Neste período, desisti do cursinho para vestibular, pois já tinha em mente ingressar no convento, e comecei a procurar trabalho. Frei Johannes Bahlmann, à época guardião do Convento e hoje bispo de Óbidos – PA, precisava de alguém que ajudasse o enfermeiro João nos cuidados com os frades idosos e doentes. Aceitei de prontidão o serviço e foi um tempo muito bom, de muita aprendizagem. Deste modo, participava dos encontros vocacionais aos domingos e trabalhava durante a semana, sempre no Convento. Assim, pude ver mais de perto como era a vida dos frades, o que me ajudou muito a decidir indubitavelmente pela vida religiosa franciscana. Após um ano de acompanhamento vocacional, ingressei no ano de 2004 no aspirantado, em Ituporanga – SC. Comunicações - De forma concreta, como você pretende exercer o seu diaconato aí na Paróquia? Frei Paulijacson Moura - Como o próprio nome já sugere, diácono significa criado, servidor, ministro. Esta definição traduz bem o ministério eclesial que irei exercer na Paróquia São Pedro Apóstolo de Gaspar. É um serviço (diakonia) da caridade, da Palavra de Deus e da liturgia. Estes três serviços não podem separar-se um do outro: encontram-se articulados sob o sinal comum do “serviço”. De forma concreta, ministrarei os sacramentos do batismo e do matrimônio, visitarei os doentes, darei bênçãos diversas, darei a bênção do Santíssimo Sacramento, farei a Celebração da Palavra, distribuirei a Sagrada Comunhão e farei pregações. Portanto, como

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

Identifiquei-me de imediato com a história da vida de São Francisco de Assis e o modo de viver dos frades. O hábito franciscano sempre me chamou a atenção. Ficava encantado – e ainda fico! – vendo os freis vestindo o burel franciscano. Queria então ser como eles. Depois disso, escrevi para os Conventuais que tinham fraternidade em Fortaleza, CE, e participei de um encontro vocacional. Gostei do encontro e daí em diante ficamos nos correspondendo. Todavia, neste período, entre 16 e 17 anos de idade, comecei a participar do grupo vocacional da minha paróquia, formado por moças e rapazes, o qual era acompanhado pelas Irmãs da Sagrada Face, de origem italiana. A fundadora da congregação, Beata Maria Pia Mastena, queria que existisse também o ramo masculino da Sagrada Face. Infelizmente ela morreu sem realizar este projeto. No entanto, este sonho permaneceu no coração das Irmãs da congregação. Elas partilharam este desejo da madre fundadora conosco. Interessamo-nos por este bonito ideal e começamos a ser acompanhados por elas. Depois de quatro anos de acompanhamento vocacional, em 2002, entrei na Congregação da Sagrada Face, na qual dois jovens já faziam uma experiência em Fortaleza – CE. Fiquei um ano como aspirante e estudando filosofia. Mas neste tempo, o desejo de ser franciscano permanecia. Resolvi então pedir um tempo para melhor discernir a vocação e fui morar em São Paulo, em 2003, com minha irmã que lá residia.

221


SAV ________________________________________ diácono, colocar-me-ei inteiramente a serviço das comunidades e dos irmãos como servidor de todos.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

Comunicações - Como está sendo a sua experiência na evangelização em Gaspar? Frei Paulijacson Moura - Está sendo muito positiva e gratificante. O povo é muito generoso e bondoso. Acolheu-me de forma muito carinhosa e amiga. A fraternidade também me recebeu muito bem. Estou muito feliz, graças a Deus. Nesta experiência de evangelização, o Definitório Provincial me nomeou responsável direto pela FAV (Fraternidade de Acolhimento Vocacional) de Gaspar para acompanhar mais de perto os aspirantes que acolhemos. E, de modo geral, estou ajudando na formação dos agentes de pastoral. Acompanho as pastorais litúrgica, catequética e batismal, os grupos de reflexão bíblica e o Movimento de Irmãos. Sempre que possível também ajudo na Pastoral da Esperança. Enfim, tenho visitado muitas famílias, abençoando-as e benzendo suas casas.

222

Comunicações - Deixe, para terminar, uma mensagem àqueles que querem seguir Jesus Cristo, a exemplo de São Francisco. Frei Paulijacson Moura - O cristianismo não é para pessoas moles, tampouco ser franciscano o é. Somente pessoas com coragem e determinação resoluta terão a força necessária para prosseguir neste caminho de discipulado, de seguimento. Cristo cria “bons soldados” não mimando-os, mas deixando-os passar por grandes dificuldades. A preparação militar, ou até mesmo o treino esportivo, são duros. Nenhum general orienta suas tropas dando-lhes o máximo de conforto e descanso. Nenhum técnico fortalece seus atletas sem dor e suor. Do mesmo jeito podemos nos preparar para passar por momentos duros na vida cristã-franciscana, porque o Senhor quer que fiquemos fortes e firmes, pois não há ressurreição sem cruz. Há tantas frustrações em nossa vida, às vezes nos amamos tão pouco, nos depreciamos tanto que afogamos em nós a alegria de viver, mas Deus ressuscitador pode despertar de novo nossa confiança e nossa alegria. Nossas lutas e sofrimentos não são em vão, mas devem ser vivenciadas pela experiência do Cristo ressuscitado. O exegeta suíço R. Pesch afirma que a experiência primeira dos cristãos consistiu em que “os discípulos se deixaram apanhar, fascinar e transformar pelo Ressuscitado”. Crer no Ressuscitado é saber descobri-lo vivo nos últimos e menores dos irmãos, convertendo-nos à compaixão e à solidariedade. Isto nos coloca em sintonia com o tempo pascal que estamos celebrando e celebrar a Páscoa é encarar a vida de maneira diferente, alegre e positiva, proclamando a todos a alegria do Evangelho. Deste modo, todos aqueles que querem seguir Jesus Cristo, a exemplo de Francisco de Assis, são marcados por uma intensa alegria. Alegria

sim, mas alegria que nada tem de infantil e barulhento. Alegria que, apesar de sua intensidade, tem duração permanente, pois sua fonte é próprio Cristo ressuscitado. A alegria é expressão da concepção franciscana da vida. Daí que ser franciscano é partilhar a sorte dos pobres, dos sofredores, dos injustiçados, sofrer na alma as suas dores, aceitar se identificar com eles e participar dos seus sofrimentos, a fim de melhor os ajudar a conquistar a liberdade e a vida plena. Não ter medo de se sujar ao lado dos pecadores, dos marginalizados, se isso contribuir para promovê-los e para lhes dar mais dignidade e mais esperança. Portanto, se é este espírito que o anima, jovem, venha ser franciscano! Deus haverá de reproduzir em você a vida dos grandes apóstolos dos tempos passados, dos Paulos, dos Franciscos, dos grandes missionários, etc. O verdadeiro seguidor de Jesus Cristo, como São Francisco o foi, deve ser como São Paulo: “Já não sou eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim” (Gl 2,20). Assim, como franciscanos, queremos estar a serviço das novas relações que Deus quer estabelecer com os homens e mulheres, através do dom da fraternidade e da alegria. A fraternidade e a alegria, a que muitos anseiam, são possíveis em Jesus Cristo. OS ANOS DE FORMAÇÃO 2004: Aspirantado em Ituporanga – SC. 2005: Postulantado em Guaratinguetá – SP. 2006: Nociado em Rodeio – SC. 28 de dezembro de 2006: Primeira Profissão Religiosa, Festa dos Santos Inocentes, Mártires. 2007, 2008 e 2009: Filosofia em Curitiba – PR. 2010, 2011, 2012 e 2013: Teologia em Petrópolis – RJ. 6 de agosto de 2011: Profissão Solene, Festa da Transfiguração do Senhor. ESTÁGIOS PASTORAIS Julho de 2007: Convento São Francisco – São Paulo. Janeiro de 2008: Convento Bom Jesus dos Perdões – Curitiba/PR. Julho de 2008: Paróquia de Santo Amaro da Imperatriz/SC. Janeiro de 2009: Fraternidade São Boaventura, Rondinha – Campo Largo/PR. Janeiro de 2010: Convento Bom Jesus dos Perdões – Curitiba/PR. Julho de 2010: Convento São Francisco – São Paulo Janeiro de 2011: Paróquia Nossa Senhora Aparecida – Nilópolis/RJ. Julho de 2011: Convento Sagrado Coração de Jesus – Petrópolis/RJ. Janeiro de 2012: Instituto Teológico Franciscano e Fraternidade São Francisco – Petrópolis/RJ. Janeiro de 2013: Convento Santo Antônio – Rio de Janeiro.


SAV ________________________________________

MISSÕES NAS ESCOLAS DO OESTE CATARINENSE O Serviço de Animação Vocacional realizou um trabalho missionário e vocacional nas escolas das Paróquias de Coronel Freitas e Concórdia (SC), tendo como objetivos principais discutir com os jovens questões pertinentes aos valores humanos, com ênfase na Campanha da Fraternidade 2014, bem como a questão vocacional. O trabalho foi realizado de 26 de março a 4 de abril por Frei Diego Melo e contou com a colaboração dos confrades do Serviço de Animação Vocacional local e dos aspirantes Francisco Dalilson e Wagner Salomão, que atualmente fazem sua experiência vocacional na Fraternidade de Xaxim (SC). Todas as escolas acolheram a missão com entusiasmo, na expectativa de que a presença dos frades no ambiente escolar trouxesse algo novo para seus alunos, deixando a mensagem de uma sociedade mais fraterna, bem como despertando nos jovens um trabalho de discernimento vocacional. Os aspirantes dão as suas impressões sobre a missão:

“Para mim, foi uma experiência muito boa fazer parte deste trabalho realizado nas escolas. Quando se apresentava a questão do tráfico humano (vídeo do relato de uma jovem que foi aliciada e traficada), os alunos observavam com atenção e ficaram muito surpresos ao perceberem que um dos principais focos de aliciamento de pessoas para o tráfico humano no Brasil ocorre aqui, na região Sul. Os debates em algumas escolas foram muito ricos. Outro assunto abordado foi a espetacularização da violência. A triste realidade era perceber que, para a maioria deles, a violência é algo comum: ao ser mostrado um vídeo de uma briga na saída da escola, percebeu-se que era algo normal na realidade escolar da região, sendo que alguns já haviam

“Foi uma grande experiência fazer parte deste trabalho missionário. Percebe-se que quanto mais próximo do centro urbano, maior a aversão à discussão de valores, não só de valores religiosos, mas também de valores humanos, sendo que princípios de ética e cidadania são totalmente ignorados pelos jovens. No que diz respeito ao discernimento vocacional, percebe-se que, devido ao imediatismo dos dias atuais, poucos jovens pensam no futuro pessoal e profissional de suas vidas, o que é preocupante. Por esta razão, as missões realizadas nas escolas de Concórdia foram de extrema importância, pois foram trabalhados com estes jovens não só a questão da dignidade da pessoa humana, mas também a autocrítica e o planejamento para o futuro, questões primordiais para o desenvolvimento pessoal em nossos dias.” (Wagner Salomão, aspirante)

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

presenciado em sua escola cenas parecidas.” (Francisco Dalilson, aspirante)

PELA EQUIPE DO SAV

223


SAV ________________________________________

ENCONTRO VOCACIONAL REFLETE SOBRE AS DIVERSAS VOCAÇÕES FREI NAZARENO JOSÉ LÜDTKE

Realizou-se no dia 13 de abril (domingo), o terceiro encontro vocacional de 2014 no convento Santo Antônio do Largo da Carioca. Os trabalhos de animação vocacional estão a cargo do Frei Nazareno José Lüdtke, promotor local e regional para as vocações. Os jovens foram recebidos para o café da manhã, sendo este o primeiro momento de alegre convívio. Às 10 horas, após procissão do Domingo de Ramos, teve início a Santa Missa, celebrada pelo Frei Geraldo Hagedorn. O sacerdote, no decorrer da homilía, falou sobre o significado da Celebração de Ramos: a missão redentora de Jesus Cristo, e a preparação do cristão, para, dignamente, vivenciar os mitérios da Semana Santa e da Páscoa. Ao término da celebração,

os vocacionados se dirigiram à sala de recreação para conversar e partilhar experiências. Ao meio-dia, pontualmente, no refeitório do Convento, foi servido o almoço. Após a refeição, às 14 horas, teve início a reflexão do encontro, cuja temática foram as vocações específicas. Para melhor compreensão do tema, anteriormente mencionado, foram refletidos dois textos. O primeiro sobre a multiplicidade de vocações; o segundo, de auto-

ria do Cardeal Arcebispo de São Sebastião do Rio de Janeiro, Dom Orani João Tempesta, tratando da vida consagrada. Os textos, lidos e comentados por todos, concorreram positivamente para a formação dos jovens vocacionados. Às 17 horas, as atividades do encontro foram encerradas. Que o Altíssimo conceda aos jovens a graça do discernimento, em meio aos variados caminhos vocacionais que compõem a vida da Igreja.

VOCAÇÃO E DESCOBERTA

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

PELA EQUIPE DO SAV-RIO

224

Realizou-se no dia 23 de março (domingo), o segundo encontro vocacional de 2014, no Convento de Santo Antônio do Largo da Carioca. O trabalho de acolhida vocacional está a cargo do Frei Nazareno José Lüdtke, promotor local e regional, para as vocações. O encontro teve início às 10 horas com a Santa Missa, celebrada pelo Frei Anselmo Fracasso. Na homilia, o referido religioso exortou à prática das boas ações, de forma generosa e sem medidas a todos. Nas palavras do sacerdote, a prática do bem e da virtude “nos afasta das

coisas que nos afastam de Deus”. Após a cerimônia, a reunião prosseguiu em uma agradável convivência, condição que propiciou a troca de ideias entre os vocacionados. Os trabalhos contaram com a presença de dois aspirantes, os jovens Cristian Souza e Luiz Alexandre, os quais participam da experiência

da Fraternidade de Acolhimento Vocacional (FAVs), em São João de Meriti. Os jovens falaram aos vocacionados sobre a primera etapa do Aspirantado, incentivando-os à descoberta vocacional. O coordenador do encontro Frei Nazareno explanou sobre a caminhada vocacional e, ao mesmo tempo, apresentou as várias etapas da formação franciscana. Ao término das atividades, os vocacionados demonstraram ânimo e determinação em continar o discernimento sobre o plano do Altíssimo em suas vidas. Que Deus e São Francisco de Assis abençoem as vocações.


FORMAÇÃO E ESTUDOS ________________________________________

NOTÍCIAS DE ITUPORANGA SEMINÁRIO SÃO FRANCISCO DE ASSIS

REFORMAS PARA O ASPIRANTADO As reformas no seminário para acolher a turma dos aspirantes que farão sua segunda etapa de formação em nossa fraternidade já começaram. Com um mês de atividades, os dormitórios, banheiros e salas de aula já estão sendo preparados para que a integração das duas etapas (Aspirantado e Seminário Menor) ocorram da melhor forma possível. A área onde os aspirantes residirão será a antiga hospedaria do seminário, reformulada para que cada dormitório comporte até 8 aspirantes. Para bem atender às necessidades do grupo, o banheiro foi ampliado, bem como a adaptação de um quarto para que um dos frades também resida junto ao grupo. A sala de estudo e aulas dos aspirantes também já está sendo trabalhada, localizando-se no cômodo onde eram os antigos chuveiros. O projeto inclui a troca de todo o telhado, janelas e a retirada de colunas. Como se vê, a parte estrutural já está em andamento, bem como a organização e planejamento do conteúdo de formação. Que sejam bem-vindos os aspirantes! VISITA A SALTO PILÃO No dia 26/04, os seminaristas, professores e frades fizeram visita à Usina Hidrelétrica de Salto Pilão, que se localiza na cidade de Ibirama, SC. Atendendo a um pedido de demonstração prática de conteúdos letivos, o grupo pôde compreender melhor como funciona o processo de produção de energia a partir do movimento das águas, com capacidade de produção para atender a 700 mil

pessoas. Um passeio-aula interessante há muito aguardado, mesmo entre tombos e cantorias incessantes. STAND NA FESTA DA CEBOLA A cidade de Ituporanga realiza anualmente a Festa da Cebola, o maior evento do município. Neste ano, a Secretaria Municipal de Urbanismo lançou o “Programa de Educação Socioambiental Participativa de Ituporanga” que promoveu um espaço para que as escolas da cidade expusessem seus trabalhos de preservação do meio ambiente. O seminário se fez presente com um stand da “Sala Verde”, iniciativa de conscientização que já está tomando forma em nossa fraternidade, com o plantio de árvores nativas e que será oficialmente lançada na Feira de Conhecimentos deste ano. Aguardem mais notícias em breve! RETIRO E SEMANA SANTA A Semana Santa foi um tempo forte de oração e celebrações que nos encaminharam para a grande Páscoa do Senhor. A rotina da casa muda completamente para bem viver esta experiência pascal, que já teve início no final de semana anterior, dia 11, com o retiro pregado por Frei Marcos Prado dos Santos que se estendeu

até o Domingo de Ramos. Como todos os anos, as celebrações da Ceia do Senhor e da Vigília Pascal ocorreram na comunidade Nossa Sra. de Fátima, enquanto as da Paixão do Senhor e do Domingo de Páscoa se deram no seminário. Na quinta-feira, dia 17, a casa foi preparada para a celebração do ágape no refeitório, às escuras e em clima de oração, seguida da vigília eucarística na capela. O clima de silêncio se estendeu desde a vigília até a manhã do sábado. Ainda na sexta-feira, os seminaristas tiraram a manhã para um deserto. À tarde, rezaram a via-sacra e tiveram a celebração da Paixão junto aos fiéis da comunidade local. A pedido dos próprios seminaristas, à noite se reuniram para assistir ao filme “A Paixão de Cristo”. A Vigília Pascal foi bem celebrada e seguida pela Ceia da Páscoa, no seminário, em clima festivo (com muito chocolate, para alegria de todos...). Cristo ressuscitou!, todos cantavam (e creiam, foram muitos cantos neste final de semana...). No Domingo da Páscoa, houve a primeira comunhão do seminarista Matheus Rodrigues e celebrou-se o primeiro ano de ordenação presbiteral de Frei Rodrigo. A festa da Ressurreição foi coroada com a sessão solene do Grêmio Literário e o recreio festivo à noite.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

FREI RODRIGO SANTOS

225


FORMAÇÃO E ESTUDOS ________________________________________

GUARATINGUETÁ

SEMINÁRIO ACOLHE POSTULINTER

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

FILIPE LOPES, POSTULANTE

226

Os três primeiros dias desse mês de abril tiveram casa cheia e foram movimentados no Postulantado Frei Galvão (Guaratinguetá - SP). Isso porque o Seminário recebeu pela primeira vez o “Postulinter”: encontro de formação e convivência entre postulantes de diversas congregações religiosas. Organizado pela Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) do Regional do Vale do Paraíba, o encontro foi assessorado pela Irmã Regina Abdelnur, leiga consagrada do Instituto Secular das Catequistas de São Francisco de Assis. Ir. Regina é psicóloga, com pós-graduação em Jung, e trabalha com o acompanhamento vocacional. Além dos postulantes da

casa, participaram também os formandos das seguintes congregações: Irmãs Franciscanas de Siessen (Guaratinguetá); Irmãs Franciscanas da 3ª Ordem Seráfica (Guaratinguetá); Congregação do Divino Mestre (Cruzeiro); Congregação das Filhas de N. Sra. das Graças (Pindamonhangaba) e Ordem de Santa Cruz (Guaratinguetá). Durante os três dias do Postulinter, trabalhou-se a temática do autoconhecimento, necessário para uma sadia vida fraterna e para um maduro discernimento no caminho religioso. Foram apresentados temas da psicologia e sanadas dúvidas pessoais e comunitárias. Entre as colocações da psicóloga e as discussões em grupo, houve tempo para a prática de esporte e ainda para uma noite cultural, realizada na quarta-feira

à noite, quando também se celebrou o aniversário do Frei Marco, mestre do Postulantado. Para a assessora, Irmã Regina, a integração entre diferentes carismas é valiosa, à medida que a troca de experiências revela a riqueza existente na diversidade, e ao mesmo tempo o que é comum em meio ao plural: o desejo de seguir Jesus Cristo. No sentido do autoconhecimento, o estilo de vida “fraterno – comunitário” é privilegiado. Em suas palavras “[essa vida] é mais difícil, mas igualmente mais rica. O outro é o nosso espelho”. Essa edição 2014 do Postulinter foi não só intercongregacional, mas igualmente internacional... Entre os participantes estiveram um padre austríaco, um filipino e ainda um postulante alemão, todos da Ordem da Santa Cruz.


FORMAÇÃO E ESTUDOS ________________________________________

PRIMEIRO NOVINTER 2014 Entre os dias 24 e 28 de março realizou-se o primeiro Novinter do ano de 2014. O encontro é formado por Noviços que se encontram para formação conjunta. O encontro ocorreu no Noviciado Franciscano São José em Rodeio (SC). Além dos 18 noviços da Ordem dos Frades Menores (OFM) estiveram presentes oito da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos (OFMCap), cinco da Congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus, os Dehonianos (SCJ) e duas Irmãs Carmelitas do Sagrado Coração de Jesus. Ao todo foram 33 noviços. Também participaram os respectivos mestres Frei Samuel Lima, Frei Idacir Henrique, Padre Tito e Irmã Maria Ana Tereza da Sagrada Cruz, acompanhando as noviças carmelitas. O primeiro Novinter tem como eixo geral de reflexão o tema da Formação Humana na Vida Religiosa Consagrada. O assessor deste primeiro encontro foi o Irmão Otalívio Sarturi, religioso marista. Irmão Otalívio é psicopedagogo, mestre em Espiritualidade e experiente orientador de jovens religiosos e candidatos à Vida Religiosa Consagrada, além de orientador nos Colégios Maristas. No primeiro dia dos trabalhos, construiu-se um tema específico fundamental que nortearia as reflexões e perpassaria todas as temáticas dos trabalhos ao longo da semana de estudos. Desse modo, o título escolhido foi “Autoconhecimento e cultivo de si”. O objetivo da escolha desta temática é aprofundar acerca da liberdade essencial que deve perpassar a opção fundamental de vida: seguimento radical de Jesus Cristo na Vida Religiosa Consagrada pelos conselhos evangélicos, de acordo com o carisma próprio da Família Religiosa. Para começar bem as reflexões

coube observar o contexto pós-moderno no qual a Vida Religiosa (VR) está inserida. Assim, abriu-se discussão sobre as principais características de nosso tempo histórico. Alguns pontos se destacaram: imediatismo, superficialidade, hedonismo, niilismo e o consumismo que fomenta a cultura do descartável, a cultura do provisório e a cultura da indiferença. Irmão Otalívio fez uma abordagem sintética sobre as várias teorias e autores da psicologia e suas contribuições para nossa reflexão. Inclusive trouxe elementos da antropologia cristã para tornar visíveis os fundamentos essenciais de nossa vocação e nossa busca. Dentre os temas abordados podemos destacar os principais: as cadeias de emoções no processo de um ato humano; fatores que compõem o temperamento; autoestima; os possíveis fantasmas que dificultam ser livre; necessidades fundamentais próprias da condição humana; manifestações de insegurança; agressividades e suas facetas; dependência afetiva; envolvimento e enamoramento; cultivo da afetividade e sexualidade. Tais reflexões possibilitam o autoconhecimento e a autoanálise em vista de descobrir e desvelar as potencialidades e sonhos, e, nisso, o amor e a ação de Deus na vida e na história de cada vocacionado ao Reino de Deus. A reflexão leva à compreensão e à decisão e ao esforço pessoal para mergulhar dentro de si, na própria história e no

mistério da vocação. Desse modo, como afirmou Santo Tomás de Aquino “a graça supõe a natureza”. No entanto, podemos completar: a graça de Deus transforma a natureza em vista do radical ideal de seguimento de Jesus Cristo na Vida Religiosa Consagrada. Durante toda a semana, além das manhãs e tardes de estudo houve, várias outras atividades, como apresentação dos carismas de cada congregação através de teatro, música, dança, poesias; filmes de caráter formativo; momentos de deserto, reflexão pessoal; momentos de oração com adoração e bênção do Santíssimo Sacramento e também a animada e descontraída noite cultural com diversas apresentações. No último dia houve uma manhã de deserto no Eremitério Beato Frei Egídio nas montanhas de Rodeio, finalizando o Novinter com a Celebrarão Eucarística. O primeiro Novinter foi de grande aproveitamento para todos. Cada um pôde mergulhar dentro de si, em sua história, vivências, sonhos, interrogações. Tal mergulho foi enriquecido pela convivência fraterna, partilhas de vida e experiências, momentos de descontração, oração. A Vida Religiosa Consagrada é um caminho fecundo para espalhar as sementes do Reino de Deus. Tantos jovens reunidos em busca de um mesmo ideal é um sinal profético para nossa sociedade, é um sinal de que Deus continua chamando operários à messe.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

FREI ADRIANO C. DE OLIVEIRA E FREI HONORATO G. GABRIEL

227


FRATERNIDADES ________________________________________ PARÓQUIA SÃO PAULO APÓSTOLO DE AGUDOS

MISSA NAS RESIDÊNCIAS ISABELA GASPAR

A Paróquia São Paulo Apóstolo de Agudos iniciou no dia 31 de março o projeto “A santa Missa em sua casa”. O primeiro deste tipo a ser realizado na cidade surgiu na visita pastoral do Bispo Diocesano Dom Caetano Ferrari em outubro de 2013, quando foram realizadas as missões nas casas dos doentes. O projeto pretende levar a Missa até as pessoas que, por algum motivo, não conseguem participar dela na igreja. Entusiasta e idealizador do “A santa Missa em sua casa”, o pároco Frei Ademir Sanquetti afirma que esta é a oportunidade de seguir os ensinamentos do Papa Francisco e sair mais ao encontro das pessoas. “Pretendo fazer a Missa nas casas das pessoas que estão doentes e precisando de nossa ajuda e apoio. É uma nova missão, este é o nosso objetivo”, diz. As Missas serão

realizadas uma vez por mês, sempre em residências que possuem pessoas doentes e já visitadas pelo pároco, contemplando os seis setores que a paróquia possui. “Esta primeira Missa que realizamos foi no bairro Santa Angelina, em Agudos, que compreende o setor São Francisco da nossa Paróquia. As próximas seguirão esta mesma linha, sempre em um setor, até completarmos os seis”, comenta. Com um filho de 43 anos que necessita de cuidados especiais a senhora Helena Franco dos Santos, de um belo sorriso e devota

MAIO

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

Frei Walter Hugo de Almeida Maio me lembra esse labor tão santo O gesto grande de poder amar, Trabalho é coisa diva, sacrossanto, Tempo sagrado para Deus louvar...

228

No altar do mundo, o meu trabalho é oferta, É minha Missa a estender no meu dia, É minha prece e minha lei e é certa, E assim eu vivo sempre na alegria... Maio também é mês da Virgem Santa, A Mãe dos homens, a Mãe do Senhor, Maio das flores, das noivas, me encanta!... Maio sagrado para nós também, Porque aboliu a dor da escravidão, E assim podemos entoar o Amém!...

de Nossa Senhora Aparecida, ficou emocionada e muito feliz por ter recebido a comunidade da Paróquia São Paulo Apóstolo em sua residência. “Foi uma maravilha. Não tenho palavras para expressar a emoção que senti. Foi uma verdadeira bênção”, comentou emocionada. Toda comunidade agudense e da região é convidada a participar. Os endereços dos locais de celebração serão informados três dias antes na página oficial da paróquia no Facebook (facebook. com/saopauloagudos).


FRATERNIDADES ________________________________________

FREI JORGE MAOSKI

No dia 24 de março aconteceu o primeiro encontro do Regional de Agudos no Seminário S. Antônio. Estavam presentes praticamente todos os frades do Regional, com exceção de Frei Pedro Pinheiro (em viagem de trabalho). Contamos também com a presença fraterna de Dom Caetano, Bispo de Bauru, de Frei Mário Tagliari, nosso Definidor e de Frei Diego (animador do Serviço de Animação Vocacional). Nosso Regional conta com dois novos membros: Frei Paulo Borges, em Agudos, e Frei Leonardo Pinto dos Santos, em Bauru.

Na primeira parte do encontro nos dedicamos ao estudo do subsídio sobre o redimensionamento que a Formação Permanente enviou aos Regionais, à luz de textos bíblicos e outros. Houve uma proveitosa reflexão e partilha das casas sobre a questão. Em seguida, Frei Mário nos relatou sobre o interesse de algumas entidades na utilização do Seminário. A Província está em diálogo e o assunto deverá ser pauta também na reunião dos guardiães em abril. Depois Frei Diego nos falou sobre a experiência das FAVs, que está dando certo até agora, convocando o Regional para assumir mais essa

nova realidade do acolhimento vocacional na Província. Temos 18 aspirantes este ano em 9 casas, que no segundo semestre estarão em Ituporanga. Frei Mário recordou a todos sobre o Capítulo das Esteiras em setembro e confirmou a presença do Ministro Geral no “Esteirão”. Também falou dos confrades enfermos e outras comunicações. Por fim, agendamos os encontros deste ano, assim definidos: dia 23 de junho, em Sorocaba; dia 1º de setembro, em Bauru; e o Regional recreativo, dia 24 de novembro. Terminamos o encontro com a bênção de D. Caetano e nos dirigimos para o almoço.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

REGIONAL DE AGUDOS

229


FRATERNIDADES ________________________________________

REGIONAL DE SÃO PAULO FAZ PRIMEIRO ENCONTRO

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

FREI ADRIANO FREIXO PINTO E FREI AGOSTINHO SALVADOR PICCOLO

230

Reunindo seis fraternidades e 47 frades, o Regional de São Paulo fez o primeiro encontro de 2014 no dia 17 de março, na Fraternidade do São Francisco, no Centro de São Paulo. Frei Adriano Freixo Pinto, Coordenador do Regional, saudou a todos com animados “Bom dia!” e “Paz e Bem!”. Ainda como introito, Frei José Francisco de Cássia Santos, Definidor Regional, observou que o tema Redimensionamento, objeto de estudo mais amplo em 2014, não é “assunto requentado”, pontual, mas proposta da Ordem. Em 2013, esteve em nível individual; agora, sê-lo-á em termos de Formação Provincial, nós, como Fraternidade, na Fraternidade Provincial. “Para não sermos atropelados pela História” – rematou. O Ministro Provincial, Frei Fidêncio Vanboemmel, acrescentou: “Trata-se de um grande desafio. Debrucemo-nos sobre ele, a partir de cada Fraternidade. Como Regional, podemos nos fortalecer, repensar a nossa missão em nossa realidade.” E frisou: “Sermos críticos, não só em foco individual, sim

ver o todo, retomar visão global de Província, nosso rosto.” Frei Mário Tagliari, Definidor e Ecônomo, ponderou: “Cumpre pensar, aprofundar, escrever o Projeto Evangelizador Franciscano para, então, executar.” 1. Tema de Estudo Geral: Nossa Vida e Missão – Redimensionamento Frei Adriano focou o corpo do estudo do ano: Nossa Vida e Missão – Redimensionamento. Por subsídio, distribuiu um primeiro fôlder orientador da Província, didaticamente elaborado segundo o método VER, JULGAR, AGIR. Consultou se o estudaríamos em grupos ou no plenário, sendo reposta geral pelo plenário. Procedeu-se, então, ao trabalho de conhecimento do texto preparado. Partindo da leitura em comum do subsídio, expuseram-se enriquecedoras considerações. ● Importa dar qualidade aos nossos trabalhos, não diminuí-los e continuar a fazer o mesmo. Atentar a realidades prementes, de periferia, sermos perspicazes e corajosos. ● O jeito de sermos Franciscanos é o que vale, sermos ação transformadora. 2ª parte da manhã, 11h – A Vida nas nossas Fraternidades

Frei Adriano deu o toque inicial: “Estamos realmente correspondendo à partilha de nossa vida?” E as Fraternidades, por seus representantes, destacaram a convivência, suas atividades maiores, dificuldades e vocacionados. Frei Guido Scheidt, há pouco em Bragança Paulista, revelou a admiração pelo cuidado aos Confrades enfermos, o serviço de Enfermeiras/os, sua competência e dedicação pessoal. 1. Pari Frei Adriano expôs que, no Pari, há duas missões distintas, a social (Sefras) e a evangelizadora (presença de manutenção tradicional). Frei José Francisco informou que, com a transferência da unidade da USF para a Freguesia do Ó e o fechamento do Colégio Bom Jesus Santo Antônio do Pari, haverá um redimensionamento de espaços: o prédio pequeno, para uso nosso (trabalho e acolhimento); o grande, aluguel e escritórios; restauração de serviços da Rua Japurá; por questão histórica, o serviço mais no centro, e projeto de novo trabalho no Jardim Peri (crianças e outros); parceria com a “Missão Central”, no trabalho social com Jovens Alemães. 2. São Francisco, Centro –


FRATERNIDADES ________________________________________ Frei Luiz Henrique abriu a partilha sobre Vida e Missão. A primeira preocupação – revelou surpreendentemente: não temos o “habite-se” nem da casa, nem da igreja, pela Prefeitura e Corpo de Bombeiros! De 31 de janeiro até fevereiro, o Arquiteto, consultado para possíveis restauros, apresentou um projeto, sempre caro. O redimensionamento da Casa serviria para encontros e aluguel. Outro ponto destacado: a falta de segurança no Centro, dificuldade comum de todo o Setor (o nosso, da Sé); foram até canceladas as celebrações das 18h no “Santuário”, designação de tradição respeitosa mais do que “Paróquia”. Frei Alvaci comunicou a interação ora do PVF (Pró-Vocações Franciscanas) com o SAV (Serviço de Animação Vocacional), no intuito de modificar estilo de trabalho já desgastado; vale dinamizar a Equipe, que se mostra afim, capaz e dedicada. 3. São Francisco, Vila Clementino – A Fraternidade em si tem duas realidades: 5 atuam na Sede Provincial, 3 na Paróquia, com harmonia e ajuda mútua; na vida de oração, recitam-se as Laudes com o povo todos os dias, as Vésperas na Quaresma; o horário de celebrações

e expediente na Secretaria ajustam-se às realidades das pessoas; o atendimento nos hospitais, numerosos na área, aos doentes e seus familiares é uma tônica, graças aos serviços de Frei Euclydes e Frei Roberto Ishara. Frei Tagliari falou dos anos de estudo e mudanças dos Frades e do prédio da Vila Clementino: hoje, 8, formam uma só Fraternidade, convivência e ocupação de espaços comuns; o 26º. andar foi readequado, a boa procura de estudantes, de médicos, é grande, o aluguel fácil, 8 apartamentos com boa estrutura, ao preço de 2.500 reais ao mês. 4. Santos – Frei André Becker salientou os 374 anos de presença franciscana em Santos. “Curiosidade estranha – disse: não há nenhum documento da Província!” Em termos de conclusão Findas as exposições, Frei Adriano perguntou: Em termos de conclusão, o que destacar? As intervenções manifestaram o desafio: Como Fraternidade, sermos presença mais qualificada diante desses desafios. Questionando-nos: qual o olhar de Deus para nossa realidade? Frei Regis Daher: Amparo e Bragança Paulista, sem alterações significativas. As demais realidades estarão mudando com os desafios

mesmos. Frei Fidêncio: fechar ou abrir sem mais não seria solução nenhuma. Precisamos ter avaliações, olhares críticos. Onde podemos nos qualificar melhor? Refletir bem: visão crítica! “Redimensionamentos físicos”: São Francisco e Pari Quais apêndices, apresentaram-se as seguintes informações: Frei Mário sobre o São Francisco – Em contato com a Fraternidade do São Francisco: melhorar o espaço dos Confrades (os andares); os outros: para encontros e aluguel; Frei Adriano, em relação ao Pari, apresentou vídeo especial, boa visualização dos espaços, projetos e possibilidades: Colégio (encerradas as atividades em 20 de dezembro de 2013); Salão novo (Rua Alexandrino Pedroso) e Salão atual. Projeto com realização prioritária: lavanderia, depósito, estacionamento. Prédio da USF – todo alugado: térreo = shopping, andares, escritórios; Convento = atrás do prédio; contratos de aluguel. O próximo Regional ficou agendado para 19 de maio.

Aconteceu, nos dias 24 e 25 de março, o primeiro encontro do Regional do Planalto Catarinense e Alto Vale do Itajaí na Paróquia Nossa Sra. Aparecida (do Navio), em Lages. A organização do Regional continua como acertado no ano anterior, ou seja, com início na segunda-feira à tarde, com o café, se dedicando à partilha das fraternidades e outros assuntos e, na manhã do dia seguinte, voltando-se para a reflexão e partilha de uma temática. Neste ano, como proposta de Formação Permanente, os Regionais seguem o subsídio oferecido pelo Governo Provincial acerca do redimensionamento, sendo o

primeiro, na verdade, um convite a uma revisão de nossa presença nos locais onde atuamos pastoralmente. O tema mostrou-se difícil de ser abordado dado que, habilmente, somos tentados a generalizações distantes de nossa realidade, que nos impedem de uma visão concreta de nossas fragilidades e potencialidades vividas em nossas fraternidades. Mas, ao menos a tentativa é válida e promete render frutos futuros. Os aspirantes que, atualmente, fazem sua experiência de FAV no Convento de Lages foram apresentados e mostram-se felizes com este contato com os frades. Foi relembrado no Regional que este contato pode se estender às demais

fraternidades, mesmo que por um curto período. E, assim, foi o nosso primeiro Regional. Que venha a continuação da reflexão do redimensionamento que se segue e que a partilha seja sempre mais válida para nossa caminhada evangelizadora e fraterna!

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

FRADES SE REÚNEM PARA O REGIONAL EM LAGES

231


FRATERNIDADES ________________________________________

GASPAR

PARÓQUIA EM MISSÃO

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

LEONOR DAROS

232

Com o objetivo de preparar e motivar as lideranças para enviá-las em missão no ano de 2015, Dom José Negri presidiu missa na Paróquia São Pedro Apóstolo, no dia 06 de abril. Em sua homilia, Dom José lembrou as mulheres que foram ao túmulo de Jesus, na manhã de Páscoa, e cheias de entusiasmo saíram para anunciar a sua Ressurreição. Atualizando hoje o testemunho das mulheres, ele enfatizou que é preciso sair para as ruas e bater nas portas dos nossos vizinhos e falar: “Hoje eu encontrei Jesus”. As primeiras comunidades cristãs nos deixaram o exemplo a ser seguido. “Diariamen-

te, todos juntos frequentavam o Templo e nas casas partiam o pão, tomando o alimento com alegria e simplicidade de coração. Louvavam a Deus e eram estimados por todo o povo. E a cada dia o Senhor acrescentava à comunidade outras pessoas que iam aceitando a salvação” (Atos 2,46-47). Os conflitos sociais, gerados por uma sociedade injusta, clamam aos céus e pedem de cada batizado uma resposta e uma ação. Nosso Deus é um Deus que age. Os desafios do mundo contemporâneo nos impulsionam na direção dos nossos irmãos que sofrem. Dom José lembrou também as palavras do Papa Francisco. “Não deixemos que nos roubem

a esperança neste Cristo vivo que caminha ao nosso lado e não nos deixa sucumbir nas malhas da morte”. O evangelho da Ressurreição de Lázaro deve ecoar no coração de cada liderança. As palavras de Jesus “Lázaro, vem para fora” (João 11,43) devem conscientizar-nos para uma nova evangelização. A evangelização do encontro, do amor e da esperança. Agradecendo a visita de Dom José, Frei Germano Guesser, nosso Pároco, manifestou sua alegria com a presença de um grande número de lideranças dispostas a seguir os ensinamentos do divino Mestre Jesus. “Ide por todo o mundo e anunciai o Evangelho a toda criatura” (Mc 16,15).


FRATERNIDADES ________________________________________

FORMAÇÃO DAS EQUIPES DE LITURGIA

ENCONTRO “AMIGOS DE SÃO FRANCISCO E SANTA CLARA”

Mais uma vez, neste ano de 2014, a Fraternidade da Ordem Franciscana Secular da Paróquia de Gaspar fez o Encontro dos “Amigos de São Francisco e Santa Clara”. Ocorreu no dia 30 de março, tendo início com a Santa Missa na Igreja Matriz. Após a missa os participantes foram recepcionados com um saboroso café no Salão Cristo Rei, onde se realizou o encontro. Frei Paulijacson Pessoa de Moura, que atualmente trabalha em nossa Paróquia, com muita sabedoria abordou o tema: “Alegria, Júbilo, Felicidade, Tristeza e Humorismo Franciscano”. Em outras palavras, a “Alegria Franciscana”. A alegria sempre acompanhou São Francisco de Assis. Ele foi um homem de alegria espontânea e vibrante. Por isso, toda a espiritualidade franciscana está marcada, impregnada por intensa alegria. A alegria franciscana tem origem divina, em Jesus Cristo, ela é permanente. Francisco e Clara se encontraram com Jesus e se transformaram. Eles eram alegres e felizes porque não estavam centrados em si mesmos, mas em Jesus Cristo. Após a explanação, houve discussão em grupos e colocaram-se em plenário os modos de manifestação da alegria franciscana: Jesus Cristo, Fonte de Alegria; Alegria na Ação; Alegria nas Atitudes; Alegria diante da Criação; Alegria na Fraternidade; Alegria na Pobreza; Alegria no Sofrimento e Alegria na Liberdade. A animação do encontro esteve a cargo de Luiz Otávio Bastiani, um dos animadores da Equipe de Liturgia da nossa paróquia. Felipe dos Santos, um dos Amigos de São Francisco, fez uma animada brincadeira, com distribuição de prêmios. Frei Germano Guesser, assistente da Ordem Franciscana Secular e Pároco da Paróquia São Pedro, falou sobre o que marcou muito a sua vida no seminário: os encontros regionais entre os Frades de outras Fraternidades, caracterizados pela alegria, por uma alegria contagiante. Frei Germano agradeceu a presença de todos e deu a bênção de São Francisco. O encontro encerrou-se com um delicioso almoço. Gertrudes Crescencia Spengler, coordenadora de Formação da OFS

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

Programada e planejada desde o ano 2013, aconteceu no dia 29 de março de 2014 a formação para os membros das Equipes de Liturgia da Paróquia São Pedro Apóstolo, de Gapar, SC. Frei Carlos Ignácia, com a sabedoria de um mestre, introduziu o estudo explicando a origem da palavra Liturgia, a qual é uma ação, uma obra, um serviço que se realiza em favor do povo. Desde a obra da criação, relatada no Gênesis, percebemos a ação de Deus em favor da humanidade. Continuando sua obra, Deus enviou seu próprio Filho para prestar um maior serviço à humanidade. Toda a vida de Jesus foi a serviço e em benefício das pessoas, conforme suas palavras: “Eu não vim para ser servido, mas para servir e dar a vida em resgate de uma multidão” (Mc 10,45). O envio do Espírito Santo permitiu aos discípulos organizarem-se em comunidades e sentirem-se povo de Deus. Hoje, Deus continua nos prestando o melhor serviço, continua a fazer a melhor liturgia chamando-nos à vida e a sermos seus colaboradores, fazendo-nos seus filhos, resgatando a dignidade humana, alimentando-nos e fortalecendo-nos na luta, pelo Pão da Palavra e pelos Sacramentos. A liturgia que Deus é e que Deus faz, nós a celebramos, torna-se viva e presente. Celebrar é tornar presente uma realidade através de um rito. Celebrar a Eucaristia é tornar presente a Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo. Embasado nos escritos de Frei Faustino Paludo, assessor de Liturgia da CNBB, Frei Carlos salientou que as celebrações requerem organização e planejamento. A equipe de liturgia, como um bom fruto da renovação conciliar, é o coração do serviço de animação litúrgica de uma comunidade, paróquia ou diocese. Por mais simples que seja uma celebração, a equipe deve estar ciente da distribuição dos diferentes serviços e ministérios, da sequência harmoniosa do ritual, do sentido de cada momento e elemento litúrgico. A assembleia, em Cristo, é o sujeito da ação litúrgica. A ação litúrgica é uma obra de arte. Enfim, a equipe deve ser apaixonada pelo que faz, pois o amor é criativo. O amor não deixa faltar nada e nem desanima, pois amor e serviço caminham juntos. Pela Equipe de Coordenação de Liturgia da Paróquia São Pedro Apóstolo, Leonor Daros

233


FRATERNIDADES ________________________________________

CEIA ÁGAPE: PREPARAÇÃO PARA A PÁSCOA

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

LEONOR DAROS

234

Com muita reflexão e imersos na esperança de uma feliz Ressurreição, os catequistas da Paróquia São Pedro Apóstolo, tiveram oportunidade de iniciar sua preparação para a Páscoa com uma Ceia Ágape, organizada pela equipe de coordenação paroquial, no dia 14 de abril. Recebidos com cantos de meditação, os catequistas foram preparando-se para reviver o momento em que Jesus reuniu-se com os apóstolos, para celebrar a Última Ceia. Com o Evangelho de Lc 15,11-32, que relata a parábola do Pai Misericordioso, Frei Paulijacson, permitiu, a nós catequistas, revermos nossos conceitos sobre o julgamento que

emitimos perante nossos catequizandos e as pessoas em geral. Voltando nosso olhar para o relato, e analisando as nossas atitudes, constatamos que não temos a mesma generosidade do Pai, representado na parábola. Valorizamos somente o filho mais velho que se julga melhor porque sempre esteve com o Pai. Não percebemos que sua atitude é de indignação quando este acolhe o filho mais novo, que volta arrependido. Não temos, nós catequistas, as mesmas atitudes do filho mais velho, com os catequizandos que não correspondem às nossas expectativas? Esquecemos facilmente que Deus, nosso Pai, é misericordioso e complacente e que está sempre de braços abertos para acolher

os que erram. Interiorizando um pedido de perdão, fomos convidados a estender nossas mãos sobre a Bíblia e em seguida, lavá-las, simbolizando o arrependimento e a purificação. A quem desejasse, também foi possível fazer a confissão individual na presença de nosso Pároco, Frei Germano. Celebrando o ritual e relembrando as palavras de Jesus na Última Ceia, “façam isto em minha memória”, foi servida a Ceia Ágape com Pão Ázimo, o cordeiro, as ervas amargas e o vinho. Que a oportunidade de celebrar e a confraternização vivida nesta noite tão significativa fortaleça e encoraje cada catequista na sua missão de anunciar a Boa Nova do Cristo Ressuscitado a todos os catequizandos.


FRATERNIDADES ________________________________________ ARTIGO

FREI LUIZ IAKOVACZ

Após a Ressurreição, Cristo deixou esta incisiva ordem aos apóstolos: “Ide, fazei discípulos meus todos os povos, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo, ensinando-os a observar tudo quanto vos mandei” (Mt 28,19-20). De fato, eles partiram e evangelizaram vários países onde, também, sofreram o martírio – como nos diz a Tradição da Igreja. A Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo marcaram profundamente os apóstolos. Este fato não só se tornou o núcleo da sua pregação, com também os levou a ler o Antigo Testamento sob a ótica pascal, especialmente, da Ressurreição. Assim, no dia de Pentecostes, Pedro dirigiu a Palavra a uma multidão de diferentes culturas e nações, reinterpretando vários textos bíblicos e afirmando que Cristo – morto e sepultado – “Deus O ressuscitou, e disto nós somos testemunhas”. Tal anúncio causou um impacto tão grande que os ouvintes perguntaram: “Que devemos fazer”? A resposta foi: “Arrependei-vos e cada um seja batizado em nome do Senhor Jesus. Naquele dia, cerca de três mil pessoas abraçaram a fé” (cf. At 2, 14-41). Notemos que uma evangelização convincente leva o ouvinte a pedir o batismo. Por isso, os primeiros cristãos, após um catecumenato de três anos, livremente, pediam este sacramento que era celebrado somente na

Vigília Pascal, isto é, na noite em que se anunciava a Ressurreição de Jesus. Esta experiência era um verdadeiro “sepultar-se com Cristo para, com Ele, ressurgir a uma vida nova” (Rm 6,4). Por isso, a Páscoa se tornou o centro do Ano Litúrgico, e tudo girava ao redor dela. No entanto, tanto hoje como ontem, pairam “dúvidas” sobre a Ressurreição. Alguns não creem nela, porque o evangelista Mateus diz que as autoridades religiosas, maliciosamente, subornaram os guardas para que desmentissem a Ressurreição de Cristo, dizendo que o corpo foi roubado enquanto dormiam; e “esta versão continua até hoje” (cf. Mt 28,11-15). Outros descreem porque as “aparições” foram pou-

cas e a um grupo seleto: algumas mulheres (cf. Mc 16,1-8), aos apóstolos (cf. Jo 20,19-29) e a uns quinhentos discípulos (cf. 1Cor 15,6). Mais ainda: quando Paulo anunciou a Ressurreição no areópago de Atenas, os ouvintes “zombaram dele e disseram: sobre isso te ouviremos numa outra ocasião” (cf. At 17,16-34). Então... onde buscar a certeza da Ressurreição?! Consideremos uma coisa: a Ressurreição não consiste no reavivamento de um cadáver, nem se explica com provas e argumentos. Para os cristãos, junto com o “sepulcro vazio” e as “aparições”, a Ressurreição se fundamenta na dimensão da fé e da liberdade. É o próprio Cristo quem o declara, textualmente: “Eu sou a Ressurreição e a Vida. Quem crer em mim, ainda que esteja morto, viverá. E quem crê em mim, jamais morrerá” (Jo 11,25-26). Se quisermos anunciar a Ressurreição, comecemos a viver como ressuscitados, isto é, como pessoas que servem e se sacrificam pelo próximo, que sabem amar e dar a vida por amor. Foi assim que Jesus viveu, e é assim que poderemos nos tornar provas vivas da sua Ressurreição. Então, “nosso corpo se revestirá da incorruptibilidade e o nosso ser mortal, da imortalidade” (1Cor 15,54). Este é o verdadeiro sentido da Ressurreição!

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

A MAIOR E A MAIS ANTIGA FESTA CRISTÃ

235


FRATERNIDADES ________________________________________

UM GRANDE E PROFUNDO RETIRO NA BARRA

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

FREI DIEGO ATALINO DE MELO

236

Desde o início da minha formação inicial sempre alimentei uma grande admiração pela história e vida de nosso confrade, hoje bispo, Dom Luiz Flávio Cappio. Além disso, sempre me senti chamado para conhecer mais de perto a realidade em que ele vivia bem como do povo que lhe foi confiado. Assim, embora de maneira muito rápida, tive a graça de compartilhar 12 dias vivendo e conhecendo a realidade da Diocese de Barra, dos dias 9 a 20 de abril, no sertão baiano. Muito poderia escrever sobre essa experiência, pois tudo foi muito intenso e marcante. Cada encontro, cada comunidade, cada celebração, cada viagem e cada família visitada, todas valeriam muitas linhas. No entanto, compartilharei apenas algumas sintéticas impressões, cujo objetivo é tor-

nar mais conhecida na Província essa realidade em que vivem alguns de nossos confrades, bem como despertar o desejo em outros de vivenciar essa bela experiência missionária. Acolhido pelo nosso confrade Dom Luiz Flávio Cappio, que há 40 anos se encontra no sertão baiano, pude conhecer um pouco da realidade da sua dio-

cese, visitando e celebrando em algumas comunidades. Em um território equivalente ao estado do Rio de Janeiro, a Diocese da Barra compreende 11 munícipios, com 11 paróquias, 3 pró-paróquias e aproximadamente 1000 comunidades. Para atender toda essa realidade, Dom Luiz conta com 16 sacerdotes, algumas religiosas e alguns consagrados das novas comunidades de vida. Embora com grandes distâncias e condições de acesso ainda muito precárias, todos fazem o possível e impossível para atender a todas as comunidades. Todos são verdadeiros missionários. Nas comunidades, encontrei um povo encantador. Gente simples, provada pela pobreza e pelas intempéries da natureza do sertão baiano, mas que não perde a sua fé e a sua religiosidade. Tal como o mandacaru, que sobrevive às mais longas secas, o povo permanece firme na sua fé e na esperança de dias melhores,


FRATERNIDADES ________________________________________

um trabalho belíssimo junto ao povo baiano. Frei Moisés mora a cerca de 450 km de Barra, na pró-paróquia de Cocal, distrito de Brotas de Macaúbas. Impressiona a simplicidade com que ele vive e desenvolve seu incansável trabalho pelas 26 comunidades, muitas delas localizadas em região de difícil acesso. Demonstra-se bastante animado e motivado na missão que lhe foi confiada e não lhe faltam vigor e coragem para visitar, celebrar e animar as comunidades. Tanto o Bispo quanto o povo estão bastante contentes com o seu trabalho evangelizador. Já Frei Fidelio acaba de concluir um triênio de dedicação no Palácio Episcopal, organizando e catalogando todo o arquivo histórico da Diocese, cujo centenário foi celebrado em 2013. Dom Luiz não se cansa de agradecer e ressaltar a importância da contribuição de nosso confrade para a história de sua diocese. Atualmente, Frei Fidélio encontra-se a serviço da pró-paróquia de Ibi-

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

não obstante a falta de interesse e o esquecimento por parte do poder público. No entanto, se para os políticos esse povo não vale mais do que votos contabilizados, para o Bispo é o que de mais sagrado existe. Como verdadeiro pastor que tem o ‘cheiro das suas ovelhas’, Dom Luiz conhece cada parte de sua diocese. Seu maior testemunho vem das próprias pessoas, que não se cansam de dizer que ele é o Frei do povo, que visita as famílias, os enlutados, os enfermos, que gosta de ir à casa das pessoas, enfim, um homem incansável na doação de sua vida por aqueles que lhe foram confiados. Homem de profundo espírito de oração, Dom Luiz é como chuva no deserto, fazendo renascer a vida e a esperança na vida castigada do seu povo. Suas próprias palavras revelam a profunda relação que existe entre ele e o povo que ele escolheu servir: “Fiz da terra deles o meu torrão, da casa deles o meu lar, dos seus filhos os meus irmãos, do seu escasso pão o meu banquete. De sua água barrenta e suja o meu vinho saboroso, de suas humildes capelas a minha catedral, de suas alegrias a minha festa, de seus sofrimentos e angústias as minhas lágrimas”. De nossa Província, também temos o Frei Moiséis Beserra de Lima, que há 10 anos está a serviço da Diocese, bem como Frei Fidelio Gonçalves Ferreira. Ambos desenvolvem

raba, distante cerca de 50 km de Barra. Vive uma vida de simplicidade, servindo às mais de 60 comunidades que estão aos seus cuidados. Dom Luiz não se cansa de dizer que as portas da Diocese estão abertas para todos os confrades que queiram vivenciar e conhecer um pouco mais dessa realidade. Lembra-se, com saudades, do tempo em que alguns estudantes passaram um mês conhecendo e ajudando nas comunidades. Pessoalmente posso testemunhar que a experiência e o aprendizado são inestimáveis. Tenho certeza de que um tempo de estágio e convivência nessa realidade somente tem a acrescentar na nossa formação franciscana, seja ela inicial ou permanente, pois tudo transpira o franciscanismo: o espírito profundamente franciscano do Bispo, o grande Rio que traz vida para o povo e o faz ter uma reverência especial por São Francisco, o espírito de oração, o despojamento e a simplicidade com se que vive, a relação profunda com a natureza, etc. Enfim, volto agradecido a Deus por essa oportunidade. Sinto-me como se estivesse retornando de um grande e profundo retiro, onde pude revisitar meu noviciado interior e retornar para as origens de minha própria vocação. Por tudo isso, que Deus seja louvado!

237


FRATERNIDADES ________________________________________

ORQUESTRA DE CÂMARA DE BUDAPESTE SE APRESENTA NO SANTUÁRIO DE VILA VELHA

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

No dia 9 de abril, o Santuário Divino Espírito Santo de Vila Velha abriu-se mais uma vez para acolher mais um evento cultural, desta vez promovido pela Prefeitura Municipal. Igreja cheia, não completamente lotada, para a apresentação desta que é considerada uma das melhores orquestras da Hungria. Fundada há 60 anos, a orquestra apresentou obras de compositores como Mozart, Bartok e Weiner e contou ainda com o solista clarinetista italiano Alessandro Travaglini. Mais uma vez, a iniciativa foi prestigiada por paroquianos e pelo povo de Vila Velha – presença marcante de jovens estudantes de música. Ao final os músicos da Orquestra se confraternizaram com a Fraternidade Local num lanche no refeitório da residência.

238


FRATERNIDADES ________________________________________

“FREI BRUNO” EM SEGUNDA EDIÇÃO Lançado no dia 16 de março, na Romaria Penitencial, em Joaçaba, o livro Frei Bruno: Tudo para Todos, de 320 páginas, esgotou-se. Só no dia da Romaria, Frei Clarêncio autografou 402 exemplares. A segunda edição estará disponível já no dia 26 de abril. A biografia de Frei Bruno era uma exigência primária do processo de beatificação. Frei Clarêncio aguarda o chamado dos párocos de Xaxim e Rodeio para outros lançamentos. Em São José, na grande Florianópolis, o lançamento está marcado junto com a reinauguração da igreja, no momento em restauro, onde há exatamente cem anos Frei Bruno foi nomeado pároco e trabalhou até maio de 1918. O livro pode ser adquirido na Secretaria da Cúria Diocesana de Joaçaba por 25 reais. À Cúria Diocesana de Joaçaba podem também ser pedidos santinhos com a oração que pede a Deus a beatificação de nosso Confrade.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

A Festa da Penha 2014 terá uma edição especial em breve! AGUARDE!

239


FRATERNIDADES ________________________________________

DUPLA FESTA EM SANTO AMARO DA IMPERATRIZ

Em meio à Festa do Divino, Paróquia faz 160 anos “Deixa a Bandeira passar, deixa a Bandeira entrar, é o Espírito Santo chegando, chegando para te abençoar. Junta a tua família, e prepara o teu lar! Numa salva de flores, promessas, louvores, vamos ofertar”.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

FREI DANIEL DELLANDREA

240

A Festa do Divino em Santo Amaro da Imperatriz ocorre todos os anos no final da semana de Pentecostes. É considerada a maior festa do Divino da grande Florianópolis. Já há muitos anos, na missa das 19h do dia da Páscoa, é realizado o envio das Bandeiras do Divino Espírito Santo. Para o povo da Paróquia de Santo Amaro, é sinal de que as tradicionais novenas terão início e a grandiosa festa do Divino se aproxima. O símbolo que se destaca é a Bandeira do Divino que percorre ruas e casas de nossa Paróquia. A história da caminhada da bandeira inicia-se nos Açores chegando ao Litoral Catarinense e também a Santo Amaro já em 1854, no mesmo ano da criação da Paróquia de Santo Amaro, no dia 29 de maio. Tanto ontem quanto hoje a Bandeira continua tendo a sua importância, porque os costumes e as tradições passaram de geração em geração. Neste ano, completam-se 160 anos da Paróquia e de uma belíssima festa que apresenta como herança a religiosidade e a cultura açoriana e também a histórica visita da Imperatriz por estas terras. Para a nossa Paróquia, os 50 dias do Tempo Pascal tornam-se uma verdadeira missão popular. A Bandeira do Divino percorre as ruas e

casas. Muitas pessoas recordam que, ainda crianças, viam a Bandeira do Divino chegar pelas mãos dos procuradores nas casas dos pais, avós... a fim de abençoar e levar graças do Espírito Santo para quem a recebe. Em todas as noites, a visita da Bandeira é celebrada por aquela comunidade ou rua com a tradicional Novena Açoriana. As pessoas se reúnem em uma casa, cantam orações e hinos ao Divino, confraternizam-se e realizam o tradicional leilão das massas (tipo de pão doce com

ervas em forma de pé, coração, braço, cabeça... de acordo com a graça alcançada). Após o leilão, a Família Machado, na voz do vô e da vó, faz seus filhos e netos tocarem violão, tambor e violino, dando acordes para o repente em honra ao Divino Espírito Santo, que se caracteriza pelo improviso – os cantadores fazem os versos “de repente”, incluindo versos do Espírito Santo na intenção da família que cumpre a promessa com a novena em sua casa. No final, a bênção do “padre” não pode faltar. Neste ano, são 6 Bandeiras do Divino, com 27 procuradores da Bandeira e estão programadas 53 novenas para os 50 dias do Tempo Pascal. Talvez o objetivo primeiro da Bandeira do Divino seria de convidar a todos para a Festa de Pentecostes e, num passado não tão distante, era o de buscar uma prenda para a realização das festividades. Hoje, sua função é ainda mais importante: a de levar a bênção da saúde a todas as pessoas que abrem as portas de suas casas e animar o povo na vivência da fé.


FRATERNIDADES ________________________________________

COMPLEMENTAÇÃO DE ESTUDOS DE TEOLOGIA O Curso de Complementação de Estudos em Teologia, que a PUC do Rio de Janeiro está oferecendo é um dos últimos, pois está para ser aprovada a regulamentação dos Cursos de Graduação em Teologia (o projeto tramita no Congresso). Portanto, no futuro deverão seguir o curso completo de graduação em Teologia, já regulamentado pelo MEC. O Curso de Complementação de Estudos em Teologia é oferecido aos alunos possuidores de Diploma de Teologia, expedidos por Instituições não credenciadas pelo MEC, a possibilidade de convalidar seus diplomas. PROCESSO SELETIVO Inscrições: 7 de abril a 23 de maio de 2014, exceto no período de 17 a 23 de abril. Local: PUC-Rio, no Departamento de Teologia, situado na Rua Marquês de São Vicente, 225,

Gávea, RJ, de segunda a sexta-feira. O preenchimento do Requerimento de Inscrição, neste caso, será feito no local de inscrição assim como o pagamento da taxa de inscrição no valor de R$ 50,00 (cinquenta reais). Prova: 6 de junho de 2014, das 15h às 17h Resultado: 24 de junho de 2014. Matrícula dos aprovados: 2 ou 3 de julho de 2014, das 9h às 11h e das 14h às 16h

MANUAL DO CANDIDATO O manual fornece informações relevantes para os candidatos ao Processo Seletivo para o curso de Teologia - Complementação de Estudos - PUC-Rio – 2014/2. A criação deste curso, em condições especiais, é baseada no Parecer da Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação n° 63/2004 de 19/02/2004, homologado pelo Ministro da Educação e publicado no DOU em 01/04/2004. Antes de se inscrever para o Processo Seletivo, o candidato deve conhecer as normas que regem o Concurso. DOWNLOAD DO MANUAL DO CANDIDATO http://www.puc-rio.br/vestibular/ estudos_teologia/#manual Para mais informações: Departamento de Teologia da PUC-Rio / Fone: (21) 35271300

FREI LUIZ IAKOVACZ

Nos dias 07 e 08 de abril, os frades das 04 paróquias (Concórdia, Luzerna, Xaxim e Coronel Freitas) reuniram-se para o primeiro encontro do ano. Estavam presentes, também, Frei Délcio Lorenzetti que substitui Frei Dionísio Morás, em Concórdia; os 02 vocacionados que moram em Xaxim, mas que ficarão, por determinado tempo, nas demais fraternidades do Regional, continuando, ali, a formação; e Frei Diego, responsável provincial pelas Vocações. Este, ao falar das orientações provinciais sobre as FAVs, alertou, sobretudo, sobre o que se refere à formação e ao testemunho de vida. Dentre as várias reflexões que foram feitas, duas delas chamaram atenção.

A primeira foi sobre o Evangelho da mulher surpreendida em adultério (Jo 8,1-11). Além das diversas explicações exegéticas e teológicas, abordou-se, também, as múltiplas situações de hoje, relacionadas com a CF/2014 sobre o Tráfico Humano. O outro ponto foi sobre o redimensionamento. Lemos e comentamos o primeiro folder enviado

pela Província, sobre o “ver nossa realidade”. Chegamos à conclusão que as 04 paróquias do Regional fazem um bom trabalho. O que precisamos melhorar é a qualidade de nossa evangelização, acompanhada do testemunho de vida. Assim, não nos tornamos “meros funcionários do sagrado”, e sentimos o “cheiro das ovelhas”, como recomenda o Papa Francisco. Depois, fizemos a tradicional partilha das fraternidades, avisos e lembretes, momentos de lazer e descontração. Marcamos o próximo encontro para o dia 30 de junho e 1º de julho, e o tema a ser refletido será o do segundo folder da Província que aborda o “julgar” do redimensionamento. Despedimo-nos no abraço de Paz e Bem.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

REGIONAL DO CONTESTADO

241


LOCAL E DATA Fraternidade Franciscana São Boaventura - Rondinha – Campo Largo – PR 21 a 24 de outubro de 2014 COORDENAÇÃO Frei João Mannes e Frei Fábio Cesar Gomes PROFESSORES ● Frei Fábio Cesar Gomes. Doutor em Teologia, com especialização em Espiritualidade Franciscana. ● Frei Fidêncio Vanboemmel. Mestre em Espiritualidade Franciscana. ● Frei João Mannes. Doutor em Filosofia, com especialização na Filosofia Mística de São Boaventura.

CURSO DE FRANCISCANISMO

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

A ALEGRIA DE EVANGELIZAR NA VISÃO FRANCISCANA

242

Por ocasião da promulgação da Exortação Apostólica do Papa Francisco Evangelii Gaudium (A Alegria do Evangelho), a Fraternidade Franciscana São Boaventura tem a alegria de oferecer um Curso sobre A Alegria de Evangelizar na visão franciscana. O Curso destina-se aos frades e irmãs das Ordens e Congregações religiosas franciscanas, aos membros da OFS e a todos os que desejam aprofundar os seus conhecimentos sobre o Evangelho de Jesus Cristo como fonte de alegria, bem como sobre a alegria de evangelizar sob a inspiração de São Francisco e Santa Clara de Assis.

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. A Exortação Apostólica do Papa Francisco: Evangelii Gaudium 2. O Evangelho de Jesus Cristo como fonte de alegria 3. A evangelização nas Fontes Franciscanas 4. A alegria como virtude do evangelizador franciscano 5. Leitura de textos de São Francisco e de Santa Clara de Assis sobre a alegria 6. Desafios do mundo atual e contribuição franciscana para uma “nova evangelização”. ORGANIZAÇÃO DO CURSO 20/10 – Chegada 21/10 – 08h45 - Início do Curso 24/10 – 11h30 – Término do Curso CUSTO Hospedagem, alimentação e Curso = R$ 200,00 PAGAMENTO Durante o Curso PARA INSCRIÇÕES ENTRAR EM CONTATO COM: Frei João Mannes E-mail: j.mannes@yahoo.com.br Fone: (041) 9134-4969 Site da Fraternidade São Boaventura www.franciscanos.org.br/rondinha


FRATERNIDADES ________________________________________

TRÍDUO PASCAL NO CONVENTO SÃO BOAVENTURA A cada ano a Igreja se rejuvenesce. Isso porque se coloca novamente no caminho da Paixão, Morte e Ressurreição do Senhor. Depois de percorrer com Jesus os quarenta dias “cinzas” de espera, de oração, de jejum e de penitência, colocamo-nos, em comunhão com toda a Igreja, na celebração do grande Tríduo Pascal. Grande porque revela a grandeza dos mistérios celebrados! E, como de costume, aqui no Convento São Boaventura, todas as celebrações trazem a seriedade do preparo e o comprometimento de cada confrade, que se empenha para que toda a fraternidade e pessoas que aqui frequentam celebrem bem estes momentos de graça. Frei João Mannes foi o presidente do Tríduo Pascal e a cada dia nos motivou a caminhar com Jesus e perceber em cada gesto Dele o itinerário que também devemos percorrer. Além das celebrações do Tríduo, celebramos o Ágape e, em

seguida tivemos nosso momento de vigília com o Senhor. Na sexta-feira da Paixão do Senhor, celebramos pela manhã o Ofício das trevas, e às dezenove horas uma devocional Via-Sacra. Saindo da Igreja, celebrou-se a 14ª estação no cemitério da fraternidade. No sábado pela manhã, rezamos o ofício das Trevas e durante o dia preparamos a nós mesmos e a nossa casa para bem celebrarmos a Solene Vigília Pascal. Alguns confrades foram celebrar nas comunidades vizinhas, mas quando retornaram, grande foi a alegria de todos, afinal, Cristo Ressuscitou. Ceamos alegres e jubilosos no Senhor!

A celebração do domingo ficou sob a presidência de Frei Fábio Gomes, que reforçou a necessidade de deixarmos Deus abrir os sepulcros e ressuscitar as coisas mortas que insistimos em deixá-las em nós. Após a Missa fizemos a bênção do Convento e pudemos nos deliciar com um churrasco e bastantes chocolates. Que as alegrias da Páscoa sejam constantes em nossa vida. Afinal, mesmo diante da dor e da morte, a certeza de que Cristo ressuscitou e, nós com Ele, nos anima a seguirmos sempre em frente, sem ficarmos em nossos sepulcros que nos isolam dos irmãos e de Deus.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

FREI JOSÉ AÉCIO DE OLIVEIRA

243


FRATERNIDADES ________________________________________

JUFRA

JOVENS ENCENAM A PAIXÃO DO SENHOR

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

ANDERSON DE MORAES MARIANO E SUZAN APARECIDA VIEIRA

244

A Paróquia e Santuário São Francisco de Assis, no Largo São Francisco, em São Paulo, lotou para ver a encenação da 4ª Via-Sacra Franciscana, que teve como atores a Juventude Franciscana da Fraternidade das Chagas e os jovens vocacionados à vida franciscana. Em espírito de oração e devoção, fiéis vieram celebrar a Paixão de Nosso Senhor Jesus Cristo, na Sexta-Feira Santa (18 de abril). A celebração da Paixão foi presidida pelo Cardeal Dom Cláudio Hummes e concelebrada pelos frades do Convento. O Cardeal, em sua partilha da Palavra com os fiéis, destacou os últimos momentos da vida de Je-

sus, seu sofrimento, dor e morte. Logo após a celebração, deu-se início à Via-Sacra. Cada estação era intercalada com cantos, reflexões e encenações do caminho doloroso de Jesus. Frei Alvaci Mendes da Luz nos ajudou a refletir em cada passo do calvário de Jesus. Destacava pontos fortes e marcantes que nos levaram a uma profunda reflexão interior. Nas estações em que se reviveram as quedas de Jesus foram abordados alguns pontos da Campanha da Fraternidade deste ano: “Fraternidade e o tráfico humano”. Os jovens, por sua vez, reviveram com emoção cada momento. Os fiéis também foram protagonistas participando com devoção dos cantos e refrões que eram entoados durante os mo-

mentos da encenação. Um dos pontos mais emocionantes foi a 13ª estação, em que a Mãe Maria acolhe nos braços o seu filho Jesus, morto e desfigurado. Nos momentos de oração e cantos, também ajudaram Frei Alexandre Rohling e Frei Odorico Decker com sua famosa gaita. A Via-Sacra terminou com a adoração do Senhor Morto, trazido pelos irmãos da Ordem Franciscana Secular. Certamente, foram momentos intensos de emoção e oração, que levaram todos os fiéis presentes a percorrerem com Jesus este caminho doloroso e vivenciar melhor os mistérios da nossa fé. “Maior amor não há que se entregar. Maior amor não há que a VIDA doar.”


EVANGELIZAÇÃO ________________________________________

FABIANO VIANA

Trabalhadores e voluntários esperavam ansiosos do lado de fora do salão São Francisco, onde funciona o atendimento do Sefras à população de rua – o “Chá do Padre”. Enquanto isso, a equipe de Espiritualidade se preparava para abrir as portas e iniciar uma vivência lúdica e celebrativa da espiritualidade pascal. Do lado de dentro, uma grande mesa em forma de círculo lembrava que ali aconteceria uma ceia. Panos coloridos, flores e incenso proporcionaram um ambiente celebrativo. Três faixas com as palavras: “Acolhida”, “Cuidado” e “Diálogo” – estavam penduradas e decoravam a Festa de Páscoa do Sefras,

comemorada no dia 17 de abril, em São Paulo. “Neste ano de 2014, o Sefras elegeu o tema “fraternidade”, desdobrado pelas palavras: “acolhida, cuidado e diálogo” e desejamos que elas sejam concretizadas nas relações que teremos com a nossa rede de solidariedade (participantes, doadores, voluntários, trabalhadores e parceiros). Foi por meio dos símbolos, gestos e vivência que aconteceram durante a programação da Festa de Páscoa que apresentamos o compromisso que queremos ter com os que chegam até nós”, contou Frei Brayan Filipe, do setor de espiritualidade. O coordenador geral do Sefras, Frei José Francisco de Cássia dos Santos, ao dialogar com

os trabalhadores, expressou que a Páscoa é um evento místico porque anima a espiritualidade cristã e os trabalhos do Sefras e não começou nesta celebração e não se encerra nela. Igualmente, ele considerou que é um evento político porque faz a memória de Jesus que fez uma opção preferencial pelos empobrecidos da sua época e teve como consequência a sua morte de cruz. A celebração de Páscoa no Sefras se encerrou com uma grande ceia onde todos puderam dialogar, se confraternizar e expressar os sentimentos que aquele momento tinha despertado neles. Ao final, uma grande ciranda concluiu a vivência pascal.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

SEFRAS CELEBRA A PÁSCOA

245


EVANGELIZAÇÃO ________________________________________

CONSELHO DIRETOR DISCUTE A SUSTENTABILIDADE DO SEFRAS FABIANO VIANA

O Estatuto do Sefras prevê que o Conselho Diretor se reúna a cada ano para avaliar, planejar e deliberar sobre as necessidades institucionais. Diante disso, os frades que compõem a direção da instituição se reuniram para cumprir esta demanda jurídica. Todavia, Frei José Francisco de Cássia dos Santos, diretor presidente, afirmou que este é um trabalho realizado continuamente no Sefras pelas várias equipes. “Mas, aproveitamos a oportunidade para reunir não somente os Frades da Diretoria e Conselho Diretor, mas também todos os Associados. É um momento de partilhar as demandas e de reani-

mar a esperança, assumindo em fraternidade a nossa decisão de continuar esta forma de Solidariedade”, explicou Frei José. Além dos assuntos corriqueiros, este ano o conselho e os associados se dedicaram a pensar formas de sustentabilidade da instituição. “Como manter os inúmeros trabalhos que o Sefras possui?”, foi a pergunta que norteou a discussão.

O Sefras é juridicamente denominado uma Associação sem fins lucrativos que, além dos sócios, tem como presidente Frei José Francisco de Cássia dos Santos; vice-presidente, Frei Mário Luiz Tagliari; secretário, Frei Wilson Batista Simão e três conselheiros: Frei Sandro Roberto da Costa, Frei James Girardi, Frei Adriano Freixo Pinto.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

PELOS PROJETOS

246

CEFRAN No dia 4 de abril, o Sefras realizou por meio do Centro Franciscano de Luta contra a Aids (Cefran), no Bairro do Belém, Zona Leste de São Paulo, a entrega do certificado de conclusão da oficina de informática. O curso ocorreu entre janeiro e março e teve como objetivo a inclusão digital e o exercício da cidadania no auxilio à prevenção das DSTs. GENTE VIVA Ao montar a programação de oficinas socioeducativas para este ano, o Sefras, por meio do Centro de Convivência da Criança

e do Adolescente (Gente Viva), consultou a comunidade onde atua, na Vila São José, em Petrópolis, RJ, para saber qual o interesse dela nas atividades. Entre as sugestões para 2014, foi pedida uma oficina de técnicas de decoração de unhas. Sendo assim, no dia 1º de abril, foi realizado o aprendizado de pedicure, assessorado pela professora Ana Carolina Messori. Destinada a um grupo de meninas, o curso teve como objetivo estimular a autoestima e o cuidado pessoal. Ao término da oficina, foi sorteado entre as participantes um kit de produtos de beleza.


EVANGELIZAÇÃO ________________________________________

SEFRAS ASSINA CONVÊNIO PARA TRABALHO NO JARDIM PERI FABIANO VIANA

No dia 11 de abril, o Sefras assinou um convênio com a Prefeitura de São Paulo, através da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (Smads) para desenvolver um serviço de convivência e fortalecimento de vínculos para 120 crianças e adolescentes, entre 6 e 15 anos, moradoras do bairro Jardim Peri Alto, na Zona Norte de São Paulo. O termo de parceria e convênio foi assinado pelo diretor presidente do Sefras, Frei José Francisco de Cassia dos Santos ,em conjunto com as técnicas da prefeitura, na Supervisão de Assistência Social (SAS) Casa Verde/Cachoerinha. A inauguração do espaço está prevista para maio. Enquanto isso, a institui-

ção realiza processo seletivo para formar a equipe. Depois, haverá a formação destes profissionais e a reforma de espaços para acolher com qualidade as crianças e adolescentes. O centro foi fechado no final de 2013 e o trabalho redimensionado para atender uma comunidade com carência de trabalho social. De acordo com a coordenadora deste novo serviço - que será chamado “Sefras Peri”

- , Ângela Assis, o público infanto-juvenil dessa região carece de serviços que garantam sua proteção integral. “Trata-se de uma região periférica da cidade, um bolsão de pobreza e o Centro Criança e Adolescente (CCA) tem o papel de constituir, através de espaços de convivência, a participação e a cidadania, além da ação preventiva e da defesa de direitos”, contou Ângela.

SEFRAS CURITIBA Com o objetivo de arrecadar verba para o custeio do atendimento à população de rua e às gestantes empobrecidas, o Sefras Curitiba, no Paraná, realizou entre os dias 27 e 29 de março, três dias de bazares com a ajuda de 10 voluntários. O evento aconteceu no salão da Paróquia Bom Jesus dos Perdões, no centro da cidade.

USF E SEFRAS DEBATEM TRÁFICO HUMANO Alunos e docentes da Universidade São Francisco (USF) e profissionais e pessoas atendidas pelo Serviço Franciscano de Solidariedade (Sefras) uniram-se para trazer à sociedade o debate e a informação sobre o tráfico humano, tema da Campanha da Fraternidade neste ano. Os debates aconteceram após a exibição de filmes. A primeira sessão foi o longa-metragem “Anjos do Sol” (classificação etária 14 anos), filme brasileiro dirigido por Rudi Lagemann. Rodado em 2006, “Anjos do Sol”

conta a história de uma jovem que é vendida por sua família por não ter condições de sustentá-la. O destino da garota é a prostituição. A personagem ilustra a realidade de uma enorme massa de jovens. O que se pretende com a exibição destes filmes, seguidos de debates com professores especialistas no assunto e profissionais de ONGs e Centros de Direitos Humanos que trabalham com o atendimento às vítimas de tráfico humano, é a conscientização da sociedade através da informação e da formação. O primeiro cine-debate aconteceu no Sefras (R. Riachuelo, 268), no dia 25 de abril, às 14 horas. No dia 26 a exibição foi realizada na USF (R. Antonieta Leitão, 129).

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

PELOS PROJETOS

247


EVANGELIZAÇÃO ________________________________________

USF REGISTRA CRESCIMENTO DE 141% NOS ÚLTIMOS 4 ANOS

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

Resultados demonstram sucesso nas estratégias de reposicionamento de mercado iniciadas a partir de 2010 pela atual gestão; no âmbito acadêmico, avaliações externas reafirmam a qualidade de ensino.

248

A Universidade São Francisco (USF) cresceu 141% nos últimos quatro anos no número de alunos ingressantes, somando quase 3 mil novos alunos só no último vestibular. Os dados levantados pelo Núcleo de Registro e Controle Acadêmico da instituição mostram que este crescimento permitiu que a USF alcançasse aproximadamente 10 mil alunos matriculados nos seus cursos de graduação. Para se ter uma ideia, de acordo com o CENSO da Educação Superior 2012, último realizado pelo Ministério da Educação (MEC), a média nacional de crescimento de ingressantes, entre 2010 e 2012, foi de 25,9%. No mesmo período, a USF registrou um aumento de 38,57%. O desempenho da universidade é ainda mais relevante se considerarmos os últimos dois anos, quando a USF atingiu o índice de 73% de crescimento no número de novos alunos. O resultado é fruto das profundas mudanças realizadas desde 2010 pela atual gestão que, com apoio da Mantenedora, renovaram a universidade e aprofundaram sua inserção regional. “Em 2010 assumimos a reitoria com o objetivo de promover um reposicionamento da USF, de forma a mantê-la sustentável no novo cenário do mercado educacional, e ainda garantir a manutenção e melhoria da qualidade acadêmica. Os resultados começaram a ser notados a partir de 2012, com essa evolução extraordinária”, comenta o professor Hector Escobar, Reitor da instituição. A qualidade dos cursos de graduação

é um dos atrativos que a instituição oferece aos vestibulandos. Além de conceitos satisfatórios nas avaliações do MEC, a USF obteve boas pontuações no Guia do Estudante e no Ranking Universitário Folha. Como universidade, além da graduação, considera-se na avaliação da qualidade a relevância no âmbito da pesquisa, área valorizada e reconhecida dentro da USF. “O Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Psicologia foi novamente avaliado com conceito 6 , em uma escala cuja nota máxima é 7, fato que resultou em um convite para o ingresso no PROEX – Programa de Excelência da CAPES, um reconhecimento à qualidade da USF que beneficiará diretamente nossos alunos, uma vez que receberemos mais recursos para

pesquisas”, explica a professora Iara Fernandes, Pró-Reitora de Ensino, Pesquisa e Extensão. Outro ponto que favoreceu o aumento da procura pela instituição foi o alto índice de empregabilidade dos alunos, fomentados por meio de convênios e parcerias do Núcleo de Empregabilidade e Empreendedorismo. “Uma prova da seriedade que temos com a formação de qualidade dos nossos alunos tem sido o reconhecimento por parte do mercado na busca por estagiários e trainees, para ocuparem cargos em grandes empresas, majoritariamente, multinacionais”, completa o Reitor. O compromisso social é parte da qualidade acadêmica. Como instituição confessional, a USF tem como missão vivenciar o legado deixado pelo seu Patrono São Francisco de Assis, cuidar e apoia a comunidade local em que está inserida, à qual presta serviços gratuitos de assistência jurídica, assistência multiprofissional de saúde, apoio à formação de professores, cooperação com órgãos oficiais, atividades culturais, entre outras. “Todos esses são frutos nascidos do carisma franciscano, semeado pelos frades que aqui trabalharam e, gradativamente, foi incorporado pelos colaboradores de todas as áreas e funções. Pode-se afirmar com segurança que, graças ao trabalho pioneiro de constituir a identidade institucional, a missão da USF é hoje conhecida e vivenciada em toda a comunidade universitária, imprimindo um caráter próprio à sua tarefa educativa”, enfatiza o Reitor.


DEFINITÓRIO PROVINCIAL ________________________________________

NOTÍCIAS DO DEFINITÓRIO PROVINCIAL SÃO PAULO, 1º A 3 DE ABRIL DE 2014

1) Encontros Regionais – reflexão a partir do subsídio 1 Os Definidores relataram como foi a reflexão suscitada pela abordagem do 1º subsídio (de 3), preparado pela Formação Permanente para os Encontros Regionais deste ano. Verificou-se que em boa parte dos Regionais os frades conseguiram desenvolver significativa análise do “ver” como estamos em nossas fraternidades e trabalhos. Sobretudo nos Regionais em que o encontro se estende por mais tempo, houve um trabalho mais aprofundado. Alguns Regionais, porém, tiveram dificuldade de se ater às questões propostas e discutir a partir delas. Sente-se a dificuldade de olhar o todo da Província, e não apenas o local em que

cada um ou cada fraternidade se encontra. Há ainda incompreensões quanto à necessidade de redimensionamento, identificando-o com a questão de “fechar casas”, quando na verdade ele pode comportar um abrir frentes, a partir de novas e apropriadas opções que se façam. Percebeu-se que falta uma participação mais efetiva dos frades jovens e mesmo estudantes nas discussões, afinal o redimensionamento que se impõe e que se busca é em vista, em grande parte, dos que estão vindo. 2) Encontros Regionais – proposta para o 2º subsídio Frei Estêvão apresentou aos Definidores a proposta de composição do 2º subsídio para os Encontros Regionais. Se o primeiro levava a “ver” onde e como estão nossas presenças, o segundo pretende já um “julgar”, p or t anto, u ma análise a partir de nosso carisma e valores próprios, e dos desafios e interpelações do nosso tempo, e da própria Igreja. Os Definidores ajudaram a aprimorar as questões que constarão no subsídio em vista da discussão nos Regionais. 3) Reunião dos guardiães e coordenadores – programação Os Definidores ultimaram a programação da reunião dos guardiães e coordenadores dos dias 29 e 30 de abril, em Agudos, lembrando que o texto base para a reflexão do primeiro dia será a entrevista do Papa Francisco durante o encontro com os superiores gerais, em Roma, no final do ano passado. No segundo dia, ocorrerá a Assembleia Civil obrigatória, além da abordagem de questões administrativas e financeiras. Serão convidados para a reunião também os presidentes das entidades da Província.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

Vitral da Igreja S. Francisco – V. Clementino e Imagem Paolo Casentini

No primeiro como nos demais dias do Definitório Provincial, realizado de 1º a 3 de abril, na Sede Provincial, em São Paulo, os Definidores iniciaram suas atividades rezando as Laudes na igreja paroquial com pessoas da comunidade que, durante o tempo da quaresma, juntam-se à Fraternidade Imaculada Conceição para a prece matinal. Grande parte dos assuntos tratados nas sessões dos três dias de Definitório segue noticiada abaixo.

249


DEFINITÓRIO PROVINCIAL ________________________________________ 4) Capítulo das Esteiras – primeiros passos de preparação A comissão nomeada pelo Definitório para preparar o Capítulo das Esteiras de setembro próximo reuniu-se pela primeira vez no dia 19 de março na Sede Provincial, em São Paulo. Os frades começaram a pensar no tema e no lema do grande encontro. Preocupam-se já com a motivação para que todos os frades e fraternidades priorizem a participação. Trataram da questão das inscrições, indicaram nomes e atribuições para a equipe de logística, de comunicação, de liturgia, de animação, de esporte e recreação, de cultura. Esboçaram inclusive uma programação diária do Capítulo, em que também se farão presentes o Ministro Geral, Frei Michael, e o Definidor da América Latina, Frei Nestor. As próximas reuniões da comissão estão marcadas para o dia 7 de maio, no Largo São Francisco, em São Paulo, e para o dia 29 de julho, no Convento do Sagrado, em Petrópolis.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

5) Paróquias - encaminhamentos 1) Continuam as tratativas com o bispo de Sorocaba para a entrega de uma das três paróquias cuidadas pelos frades naquela cidade. Frei Fidêncio já se encontrou com ele no mês passado. Considerando o perfil de cada uma, e mesmo o nosso carisma, discute-se no momento sobre qual delas devolver para a Diocese. 2) Começa também o estudo em vista da entrega da paróquia de Miguel Pereira e Portela, RJ, assunto que deverá ocupar também, é lógico, o Secretariado de Evangelização.

250

6) Agudos – propostas de aluguel do Seminário O Definitório analisou duas propostas de uso e aluguel dos espaços do Seminário de Agudos, em busca de uma solução para o patrimônio e para investimento, e a questão será encaminhada para discussão na reunião dos guardiães e coordenadores nos dias 29 e 30 de abril. 7) FIMDA - reflexão O Definitório deteve-se por bom tempo em avaliar e analisar as potencialidades e dificuldades da missão em Angola, ambas consideráveis. O fato é que a missão de Angola faz parte de uma frente de evangelização de grande interesse por

parte de toda a Província. Em maio haverá Assembleia da Fundação, da qual tomará parte Frei Estêvão, moderador da Evangelização Missionária, e Frei Evandro, definidor. 8) Master de Evangelização Nas Comunicações anteriores foi publicada matéria sobre o Master deste ano, há pouco inaugurado em Petrópolis. Frei Laerte de Farias dos Santos tomará parte do curso. 9) Frei Elias Dalla Rosa – retorno à Província No final de maio ou começo de junho, Frei Elias, que por vários anos prestou serviços junto à Cúria Geral em Roma, retornará à Província, e receberá, portanto, no próximo Definitório, a sua transferência. Frei Elias, aliás, recupera-se de cirurgia para correção de hérnia umbilical. Desde já, nosso “bom-retorno” ao confrade! 10) 1º Encontro de Reitores dos Santuários da CFMB Frei Vicente Ronaldo da Silva, secretário do SIFEM, enviou comunicação sobre o 1º Encontro de Reitores e Responsáveis por Santuários da CFMB, que acontecerá de 22 a 24 de junho de 2014, em Vila Velha, ES. Apresentou ficha de inscrição e a programação do encontro. 11) Encontro anual do SIFEM/JPIC - notícias Os Definidores apreciaram as informações sobre o Encontro anual do SIFEM/JPIC, realizado no dia 24 de março passado, em Anápolis, GO. Na pauta constaram os assuntos: 1º Congresso Internacional de Missão e Evangelização, 1º Encontro de Reitores e/ou responsáveis por Santuários, 2º Encontro Nacional de Jovens, Coleta Missionária pelo Dia da Amazônia, partilha dos serviços, Seminário sobre a Mineração na Amazônia, Experiência Under Ten. 12) II Encontro Nacional de Jovens da CFMB Os Definidores também apreciaram o plano de ação do II Encontro Nacional de Jovens da CFMB, a se realizar de 16 a 19 de julho de 2015, em Belo Horizonte, MG. Tema: Francisco e Clara e o seguimento a Jesus Cristo – desafios da sociedade para as juventudes. Pensa-se na participação de 500 jovens (média de 45 por


DEFINITÓRIO PROVINCIAL ________________________________________

13) CFMB - encaminhamentos Frei Fidêncio informou sobre assuntos tratados na reunião da CFMB de março deste ano, alguns deles abaixo elencados. 1) Documento do Conselho Plenário da Ordem (CPO): já foi traduzido e será publicado pela Província Santa Cruz, MG, conforme número de exemplares pedido por cada entidade; 2) Missão de Roraima: a nova fraternidade é composta por Frei Armando, guardião (Província S. Francisco), Frei Jacó Paiva, ecônomo (Custódia S. Benedito), Frei Pedro Bruxel (Província S. Francisco), e dois frades da Província S. Cruz em experiência missionária por um ano. A Província S. Francisco permanecerá naquela missão até o próximo Capítulo. O SIFEM poderá auxiliar na reflexão e levantamento de dados, bem como em uma melhor articulação da coleta em favor da Amazônia. 3) Fusão de entidades: Fundação N. Sra de Fátima, MG, com a Custódia do Sagrado Coração de Jesus, SP, até o final de 2015. A Fundação N. Sra. das Graças, PI, com a Província N. Sra da Assunção, MA, no dia 25 de julho deste ano. 4) SERFE: Atividades a serem desenvolvidas: Experiência Under Ten, Curso para Formadores (primeira etapa de 9 a 21 de março de 2015; segunda etapa de 29 de maio a 11 de junho), Experiência “Reviver o dom da vocação” (em maio de 2016). 5) Encontro dos Ecônomos da CFMB: acontecerá de 18 a 22 de agosto de 2014, em Campo Grande, MS. Para as entidades que ainda não a tem, foi solicitado que elaborem a própria Ratio Econômica, e que se fomentem nas entidades encontros com os ecônomos locais. Pede-se também que o documento “Economia Fraterna” seja estudado. 6) Encontro Provincial de Juventude: O SIFEM propõe para as Entidades, para o ano de 2014, que promovam um encontro provincial com a Juventude, em preparação para o encontro nacional, já noticiado

nestas Comunicações. Prevê-se um modo de auxiliar no acompanhamento dos jovens até o encontro nacional. 7) Comissão da Educação: cada entidade que tiver atividade educativa deverá nomear um frade para fazer parte do SIFEM. 8) Moderador da Formação Permanente na Comissão Executiva do SERFE: Frei João Carlos Karling, da Província São Francisco de Assis, fará parte da Comissão Executiva do SERFE. 9) Visita do Ministro Geral às entidades da CFMB: de 21 a 23 de setembro, o Ministro Geral visitará a Custódia das 7 Alegrias de N. Sra.; de 24 a 27 de setembro, a Província da Imaculada Conceição do Brasil; de 5 a 10 de outubro, a Custódia São Benedito da Amazônia; 10) Próxima reunião da CFMB: em Cuiabá, de 25 a 29 de agosto, sendo convocados os coordenadores dos serviços do SERFE e SIFEM. 14) Esboço do Instrumentum laboris do Capítulo Geral 2015 Frei Fidêncio também informou que os Ministros Provinciais já receberam o projeto do instrumentum laboris para o Capítulo Geral de 2015, de modo que as Conferências possam analisá-lo e contribuir com observações e melhoramentos. 15) Experiência Under Ten – programação O Definitório tomou conhecimento da programação da Experiência Under Ten, na Amazônia, em Jacareacanga, PA, junto aos índios da etnia Mundurucu, promovida pela CFMB, a acontecer de 10 a 25 de setembro de 2014. Infelizmente, a data coincide com o Capítulo das Esteiras da Província. 16) Frente das Paróquias e Santuários 1) Substituindo a Frei João Reinert, o Definitório nomeou um colegiado para coordenar a Frente das Paróquias e Santuários: Frei José Idair Ferreira Augusto, Frei Adriano Freixo Pinto e Frei Valdecir Schwambach. 17) Licenciados e egressos 1) Frei Jandir Pereira da Luz, que pertencia à Fraternidade São Damião, de Malange, em

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

província ou custódia). Os responsáveis pela preparação do encontro são: equipe do SIFEM/ JPIC, SERFE e SAV.

251


DEFINITÓRIO PROVINCIAL ________________________________________ Angola, pediu e recebeu licença para morar fora da Fraternidade Provincial por um ano. 2) Em carta de 3 de março, Dom José Rodríguez Carballo, arcebispo secretário da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, afirma que a mesma Congregação concede a Frei João Maria dos Santos o indulto para deixar a Ordem, sendo que o Ordinário de Dourados pretende acolhê-lo em sua Diocese ad experimentum nos termos do cân. 693 do CIC. 3) Em carta de 26 de março, Enéas M. Prestes de Oliveira, licenciado para morar fora da Fraternidade Provincial por um ano, extinto o prazo, pediu desligamento definitivo da Ordem. 4) Alexandre Verardi, que havia pedido licença para morar fora da Fraternidade Provincial por um ano, contraiu matrimônio civil no dia 15 de fevereiro, em Umuarama, PR, motivo pelo qual, ipso facto, demitiu-se da Ordem.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

18) Frei Raul Budal da Silva - tratamento Frei Raul se encontra por um período em Bragança Paulista para tratamento de saúde, aos cuidados da Dra. Ângela e da fraternidade local.

252

19) Patrimônio – aval O Definitório deu aval para que o Economato Provincial, de forma adequada e com assessoria jurídica, comece a estudar o modo de passar às respectivas mitras certos tipos de patrimônio (igrejas, salões paroquiais, residências dos frades), que, embora juridicamente estejam em nome da Província, “moralmente”, em vários lugares, pertencem às comunidades eclesiais, e, portanto, em última análise, às mitras. 20) Biblioteca de Teologia da Província Santa Cruz - doação O ITF recebeu como doação parte da biblioteca de Teologia da Província de Santa Cruz, MG, situada em Divinópolis, antiga casa de estudos de Teologia da Província mineira. Os atuais frades estudantes fazem o curso de Teologia junto ao ISTA, em Belo Horizonte. Os livros,

em geral, dos anos 1950 a 2000, ajudam a completar o acervo da biblioteca do ITF. Há inclusive uma série de Revistas de Teologia, Espiritualidade e Filosofia, em várias línguas, que poderão completar as coleções do ITF. Reiterados agradecimentos, assim, à Província de Minas pela doação. 21) Reunião do Conselho Gestor das Entidades - mudança de data A próxima reunião do Conselho Gestor das Entidades da Província, inicialmente marcada para o dia 15 de maio, foi transferida para o dia 29 de abril, à noite, aproveitando o encontro dos guardiães e coordenadores em Agudos, o que inclusive propicia a participação do Definitório Provincial. 22) Capítulo Provincial 2015 - data Considerando a determinação do Definitório Geral de que as Províncias não realizem seu Capítulo no mesmo ano do Capítulo Geral, e considerando que o Ministro Geral, em carta de 19 de março, a pedido de Frei Fidêncio, abriu exceção permitindo que a Província da Imaculada realize o seu Capítulo a partir do dia 8 de dezembro de 2015, o Definitório pré-agendou o Capítulo Provincial para os dias 8 a 17 de dezembro de 2015. A data será confirmada na reunião dos guardiães e coordenadores. Ainda quanto ao Capítulo, o Definitório começou a pensar em nomes para o serviço de Visitador Geral. Este deverá já ter feito o curso para Visitadores em Roma. Tal curso não será oferecido até o próximo Capítulo Geral. 23) Agenda 2014 – acréscimos e alterações Confira na última página destas Comunicações. 24) Autorizações de viagem Por motivos diversos, receberam autorização para viajar ao Exterior: Frei Antônio Moser, Frei Conrado Lindmeier, Frei Ivo Müller, Frei James L. Girardi, Frei João Pereira Lopes e Frei Luiz Henrique Ferreira Aquino. Frei Walter de Carvalho Júnior Secretário


OFM ________________________________________

PATRONO DA ECOLOGIA Em meio a uma crise ambiental do planeta, a Ordem Franciscana convida a todos para celebrar os 35 anos de nomeação de São Francisco de Assis como Patrono da Ecologia pelo Papa João Paulo II. No dia 29 de novembro de 1979, o Papa João Paulo II, que será canonizado neste mês, dava o título merecidamente ao santo que ensinou como se deve respeitar e amar a Deus, a criação e as suas criaturas. Para dar início a esta comemoração, a Ordem dos Frades Menores, com sede em Roma, através do grupo “Romans VI” (o grupo dos seis animadores gerais da Justiça, Paz e Integridade da Criação – JPIC - da Família Franciscana) lançou um site dando as orientações e oferecendo subsídios para celebrar esta data. “Estamos muito contentes em anunciar a criação desta página, que está disponível na rede desde o Dia Mundial da Água, 22 de março. A data de lançamento nos recorda que nosso compromisso de trabalhar pela integridade da criação deve ser algo concreto e prático. Os recursos estão disponíveis em vários idiomas e inclusive uma reflexão sobre a celebração, a declaração do Papa ao nomear São Francisco como Patrono da Ecologia, uma celebração eucarística, uma oração ecumênica, normas para uma celebração interreligiosa, uma oração da Cruz Maia, algumas preces e um artigo sobre a espiritualidade franciscana”, explicam Frei Joe Rozansky e Frei Fabio L’ Amour. Esta página pode ser acessada no endereço www.francis35.org e a Ordem lembra que a data para a comemoração de São Francisco como Patrono da Ecologia é 29 de novembro deste ano. “Convidamos a todos os que podem preparar eventos, orações, encontros para comemorar este aniversário em datas e momentos oportunos, tanto

em nível pessoal como comunitário. Vocês devem, claro, incluir a Família Franciscana nos seus planos, mas também assegurar-se de convidar os leigos para, com eles, promover entre todas as pessoas um espírito de cuidado da criação, no espírito de Francisco. Onde for possível, se pode vincular esta celebração com a celebração do Espírito de Assis, que tem lugar a cada ano no dia 28 de outubro”, acrescentam Frei Joe e Frei Fábio, em carta no site da Ordem dos Frades Menores. Em nome da Ordem, pedem que compartilhem o mais amplamente possível este material. “Pedimos que nos enviem um breve artigo sobre qualquer celebração que realizarem na sua região, junto com fotos para serem publicadas. Que Deus os abençoe em seus trabalhos pelo cuidado da criação, que é um presente que compartilhamos com todas as criaturas de Deus”, completam. A crise ambiental segundo a ONU Há dois anos, na Rio+20, a ONU divulgava um relatório sobre o Meio Ambiente (Pnuma) mostrando que as emissões de gases de

efeito estufa podem dobrar nos próximos 50 anos, levando a um aumento na temperatura global de 3 graus Celsius ou mais até o final do século. Perdas na agricultura, danos de eventos climáticos extremos e os maiores custos de saúde vão reduzir o PIB global. China, Índia e Coreia do Sul estão promovendo energia renovável e eficiência energética e concordaram com metas voluntárias de redução de emissões. Mais de 600 milhões de pessoas devem ficar sem acesso a água potável até 2015, enquanto mais de 2,5 bilhões de pessoas não terão acesso a saneamento básico. Desde 2000, os reservatórios de água subterrânea se deterioraram ainda mais, enquanto o uso mundial de água triplicou nos últimos 50 anos. O relatório identificou o Oeste da Ásia entre as regiões de maior preocupação com escassez de água e uso eficiente dela. Mesmo com a demanda por água crescendo, os recursos hídricos renováveis per capita na região irão diminuir em mais da metade até 2025, sugerindo que mais usinas de dessalinização, que usam muita energia, serão necessárias. A perda anual de florestas caiu de 16 milhões de hectares na década de 1990 para cerca de 13 milhões de hectares entre 2000 e 2010. Europa e América do Norte estão consumindo os recursos do planeta a níveis insustentáveis. O consumo também aumentou na região da Ásia-Pacífico, que ultrapassou o restante do mundo para se tornar o maior usuário único dos recursos naturais. Um estudo separado da ONU descobriu que o consumo de materiais na região mais que dobrou de 17,4 bilhões de toneladas em 1992 para mais de 37 bilhões de toneladas em 2008.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

Ordem convida para celebrar o 35º aniversário da nomeação de São Francisco de Assis

253


SANTA SÉ ________________________________________

GESTÃO DOS BENS ECLESIÁSTICOS

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

Ao Venerável Irmão Cardeal João Braz de Aviz, Prefeito da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica

254

Envio a minha cordial saudação para ti e para todos os participantes no Simpósio Internacional, sob o tema “A gestão dos bens eclesiásticos dos Institutos de Vida Consagrada e das Sociedades de Vida Apostólica a serviço do humanum e da missão da Igreja”. O nosso tempo é caracterizado por mudanças significativas e progressos em muitas áreas, com consequências importantes para a vida dos homens. Contudo, apesar de terem reduzido a pobreza, as conquistas alcançadas muitas vezes contribuíram para construir uma economia de exclusão e da iniquidade: “Hoje, tudo entra no jogo da competitividade e da lei do mais forte, onde o poderoso engole o mais fraco” (cf. Exort. Apost. Evangelii gaudium, 53). Diante da precariedade em que vive a maioria dos homens e das mulheres do nosso tempo, bem como diante da fragilidade espiritual e moral de tantas pessoas, especialmente os jovens, como comunidade cristã sentimo-nos interpelados. Os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica podem e devem ser sujeitos protagonistas e ativos na vivência e testemunho do princípio de gratuidade e da lógica do dom que encontram o seu lugar na atividade econômica. O carisma de fundação de cada Instituto está inscrito integralmente nesta “lógica” do ser dom, como consagrados,

daí o vosso verdadeiro contributo ao desenvolvimento econômico, social e político. A fidelidade ao carisma de fundação e ao patrimônio espiritual consequente, juntamente com as finalidades próprias de cada Instituto, permanecem o primeiro critério de avaliação da administração, gestão e de todas as intervenções feitas nos Institutos, em qualquer nível: “A natureza do carisma dirige as energias, sustenta a fidelidade e orienta o trabalho apostólico de todos para a única missão” (Exort. Apost. postsin. Vita consecrata, 45). É necessário vigiar atentamente para que os bens dos Institutos sejam administrados com cautela e transparência, sejam tutelados e preservados, combinando a prioritária dimensão carismático-espiritual com a dimensão econômica e a eficiência, que tem o seu próprio humus na tradição administrativa dos Institutos que não tolera desperdícios e está atenta ao bom uso dos recursos. Após o encerramento do Concílio Vaticano II, o Servo de Deus Paulo VI falava de “uma nova e autêntica mentalidade cristã” e de um “novo estilo de vida eclesial”: “Observamos com atenção vigilante que, num período como o nosso, todo ele absorvi-

do na conquista, na posse, no gozo dos bens econômicos, se sente na opinião pública, dentro e fora da Igreja, o desejo, quase a necessidade, de ver a pobreza do Evangelho e de querer reconhecê-la lá onde o evangelho é pregado, é representado”. (Audiência geral de 24 de junho 1970). Quis recordar tal necessidade também na Mensagem para a Quaresma deste ano. Os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica foram sempre voz profética e vibrante testemunho da novidade que é Cristo, de se conformar com Aquele que se fez pobre enriquecendo-nos com a sua pobreza. Esta pobreza amorosa é solidariedade, partilha e caridade e exprime-se na sobriedade, na busca da justiça e na alegria do essencial, sempre avisados contra os ídolos materiais que obscurecem o verdadeiro significado da vida. Não serve uma pobreza teórica, mas a pobreza que se aprende tocando a carne de Cristo pobre, nos humildes, nos pobres, nos doentes, nas crianças. Sede ainda hoje, para a Igreja e para o mundo, os postos avançados da atenção a todos os pobres e a todas as misérias, materiais, morais e espirituais, com a superação de qualquer egoísmo, na lógica do Evangelho que ensina a confiar na Providência de Deus. Enquanto exprimo a minha gratidão à Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica, que promoveram e prepararam o Simpósio, espero que ele traga os resultados desejados. Invoco para isso a intercessão da Bem-Aventurada Virgem Maria e a todos vós abençoo. Do Vaticano, 8 de março de 2014


NOTÍCIAS E INFORMAÇÕES ________________________________________

NOVO LIVRO DE FREI ANTÔNIO MOSER

Onde se inspirar para salvar a Teologia Moral do descrédito em que se encontra? Qual a tarefa que cabe a ela? Qual a melhor pedagogia para tirar o acento sobre os mandamentos e sinalizar o caminho para a terra prometida? Segundo Dom Gregório Paixão, OSB, bispo diocesano de Petrópolis (RJ), inspirado no hábito de alegria e franciscanidade das atitudes do Papa Francisco, Frei Antônio Moser descortina essa novidade, latina e universal, trazida pelo Papa advindo do “fim do mundo”, que nos alerta sobre as periferias existenciais e nos apresenta a alegria do seguimento de Jesus Cristo, cujo fardo é leve (Mt 11,30b). “Frei Moser nos mostra que o ser humano continua descobrindo e criando realidades novas, com uma mentalidade nova e linguagem plural. Não poucos cristãos reivindicam, mesmo que não percebam, o clamor de sua súplica: uma moral que aponte caminhos novos, cujo foco se concentre mais nas possibilidades do que nos impedimentos, tirando do te-

FALECIMENTO SRA. ELISA ILDEGART SCHMITT WIGGERS Faleceu na manhã da quarta-feira, dia 02 de abril, às 10h30, a Senhora Elisa Ildegart Schmitt Wiggers, mãe de Frei Clésio Wiggers. O velório ocorreu na Paróquia Santo Antônio, em Imbuia, SC, onde foi celebrada missa, às 20h. No dia 03 de abril, às 10h, houve a missa de corpo presente na Paróquia Santo Estêvão, em Ituporanga. Logo em seguida, o cortejo seguiu para o Cemitério da Comunidade Lageado Águas Negras, onde o corpo foi sepultado. A Sra. Elisa Wiggers tinha 80 anos e faleceu

souro da fé coisas novas e velhas, suscitadas pela força do Espírito Santo. Desejamos, sim, vencer o rosto carrancudo, enrugado e cadavérico de um proceder que mais condena do que suscita caminhos possíveis para encontrarmos o real sentido da vida, e a salvação”. Segundo o bispo, a Igreja é vista por muitos como a “Igreja dos nãos”. “Agora, como bem nos ensina o Papa Francisco, precisamos fazer ressoar a ‘Igreja do Sim’”, acrescenta. Para Dom Gregório, o presente livro se torna leitura obrigatória para aqueles que desejam conhecer e perscrutar os novos caminhos da Teologia Moral, aqui liberta da índole marcadamente casuística, racionalista e jurídica, lançando-a em novos empreendimentos salvíficos no seio da humanidade, que precisa de sal e fermento de fé, esperança e amor para viver da plenitude de Cristo. Frei Antônio Moser, diretor-presidente da Editora Vozes, obteve os graus de mestre e doutor na França e na Itália. É professor no Instituto Teológico Franciscano.

em decorrência de um AVC isquêmico. Ela também sofria de diabetes e outras complicações. Deixa sete filhos, entre eles dois sacerdotes: Frei Clésio Wiggers, frade de nossa Província, e Padre Pedro Paulo Wiggers, da Diocese de Rio do Sul, SC, pároco no Município de Imbuia. De acordo com Frei Clésio, a Sra. Elisa era conhecida e estimada por diversos frades, especialmente pelos colegas de turma de seu filho e por aqueles que passaram por Ituporanga a trabalho. Unamo-nos em oração por Frei Clésio e por toda sua família, rendendo glórias a Deus por esta irmã que O contempla face a face na eternidade.

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

Teologia Moral A busca dos fundamentos e princípios para uma vida feliz

255


AGENDA 2014

Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil (*) As alterações e acréscimos estão sublinhados

MAIO 01 a 04 05 e 06 05 a 16 05 a 09 06 e 07 07 13 e 14 15 18 19 19 19 a 23 20 a 25 JUNHO 02 a 04 06 09 09 e 10 13 a 15 16 20 a 22 23 23 30 30 e 01 JULHO 04 a 06 07 e 08 07 a 19 22 a 24 22 a 27 29 30 a 01

COMUNICAÇÕES . MAIO DE 2014

AGOSTO 11 a 15 18 18 18 a 22 19 a 24 25 25 a 29

SETEMBRO 01 01 01 e 02 01 e 02 256 05 e 06

Retiro dos benfeitores franciscanos (Agudos); Encontro do Regional do Leste Catarinense (Florianópolis); Tempo Forte do Definitório Geral; Retiro no Eremitério (Rodeio); Reunião do Conselho do Secretariado para a Formação e os Estudos (S. Francisco – S. Paulo); Reunião da comissão preparatória do Capítulo das Esteiras (S. Francisco - S. Paulo); Reunião do Conselho de Evangelização; Reunião do Conselho Gestor da Província (Sede Provincial); Ordenação Diaconal de Frei Paulijacson Pessoa de Moura (Blumenau - SC); Encontro do Regional de São Paulo (Pari); Encontro do Regional do Rio de Janeiro e Baixada Fluminense (Largo da Carioca - RJ); Retiro no Eremitério (Rodeio); Missões franciscanas (PVF/SAV) (Angelina); Reunião do Definitório Provincial (São Paulo); Encontro do Regional da Baixada e Serra Fluminense (Paty do Alferes); Encontro do Regional do Vale do Itajaí (Balneário Camboriú); Encontro do Regional do Planalto Catarinense e Alto Vale do Itajaí (Ituporanga); Encontro Vocacional em Ituporanga; Encontro do Regional de Pato Branco; Encontro Vocacional em Petrópolis; Encontro do Regional de Curitiba (Aldeia); Encontro do Regional de Agudos (Sorocaba); Encontro do Regional do Espírito Santo (Colatina); Encontro do Regional do Contestado; Encontro Vocacional em Guaratinguetá; Conselho do SAV (São Paulo - São Francisco); Tempo Forte do Definitório Geral; 1º Encontro de Reitores dos Santuários da CFMB (Vila Velha); Missões Franciscanas (PVF/SAV) (Vila Velha); Reunião da comissão preparatória do Capítulo das Esteiras (Sagrado - Petrópolis); Assembleia Anual do Sefras; Retiro e Reunião do Definitório Provincial (Rio de Janeiro); Encontro do Regional de São Paulo (Bragança Paulista); Encontro do Regional do Rio de Janeiro e Baixada Fluminense (Rocinha); Encontro dos Ecônomos da CFMB (Campo Grande MS); Missões Franciscanas (PVF/SAV) (Amparo); Encontro do Regional de Curitiba (São Boaventura); Reunião da CFMB (Cuiabá); Encontro de Formadores (Ituporanga); Encontro do Regional de Agudos (Bauru); Encontro do Regional do Contestado; Encontro do Regional do Leste Caterinense (Angelina); Encontro do Regional da Baixada e Serra Fluminense (ITF);

02 e 03 08 08 08 a 19 10 a 25 15 a 16 23 a 25 23 a 25 24 a 27 OUTUBRO 09 13 e 14 14 a 16 18 a 19 20 a 24 21 a 24

Reunião do Conselho do Secretariado para a Formação e os Estudos (Rodeio); Encontro do Regional de Pato Branco; Encontro do Regional do Vale do Itajaí (Blumenau); Tempo Forte do Definitório Geral; Experiência Under Ten (Jacareacanga - PA); Encontro do Regional do Planalto Catarinense e Alto Vale do Itajaí (Curitibanos); Capítulo das Esteiras (Agudos); Jubileus (Capítulo das Esteiras); Visita do Ministro Geral a Província da Imaculada; Reunião do Conselho Gestor da Província (Sede Provincial); Encontro Provincial da Frente de Evangelização da Comunicação (Rondinha); Reunião do Definitório Provincial (São Paulo); Ordenação Presbiteral e Primeira Missa de Frei Marcos Prado (São Lourenço - MG); Retiro no Eremitério (Rodeio); Curso de Franciscanismo (Rondinha);

NOVEMBRO 03 a 15 Tempo Forte do Definitório Geral; 04 a 09 Missões Franciscanas (PVF/SAV) (Niterói); 10 a 11 Encontro do Regional do Leste Catarinense - Recreativo (Forquilhinha); 12 e 13 Encontro do Regional de Pato Branco (recreativo); 13 a 16 Encontro Vocacional em Guaratinguetá; 14 a 16 Encontro dos Irmãos Leigos; 17 Encontro do Regional do Vale do Itajaí - Recreativo (Gaspar); 17 e 18 Encontro do Regional do Planalto Catarinense e Alto Vale do Itajaí - Recreativo (Piratuba); 20 a 23 Encontro Vocacional em Ituporanga; 24 Encontro do Regional de Agudos - Recreativo; 24 a 28 Retiro no Eremitério (Rodeio); 25 a 27 Reunião do Definitório Provincial (São Paulo); 29 e 30 Ordenação Presbiteral e Primeira Missa de Frei Paulijacson Pessoa de Moura (São Miguel - RN); DEZEMBRO 01 Encontro do Regional do Espírito Santo (Recreativo); 01 Encontro do Regional de Curitiba (Recreativo - Caiobá); 01 Encontro do Regional de São Paulo (Recreativo Guarujá); 01 Encontro do Regional do Rio de Janeiro e Baixada Fluminense - Recreativo; 01 e 02 Encontro do Regional do Contestado (recreativo); 08 Encontro do Regional da Baixada e Serra Fluminense (Taquara); 15 a 19 Tempo Forte do Definitório Geral;

2015 MARÇO 09 a 21 MAIO 10 a 07 10 a 07 JULHO 16 a 19 22 a 26

1ª etapa do curso de formadores - SERFE - CFMB (Petrópolis) 2ª etapa do curso de formadores - SERFE - CFMB (Petrópolis) Capítulo Geral (Assis) II Encontro Nacional de Jovens da CFMB Encontro SIFEM/JPIC (Bacabal - MA)


Maio 2014