Page 88

Ele tinha sido criado como um cidadão romano, mas aqui está ele, suportando escravidão, não passando seus dias com grandes intelectuais, mas entre escravos. Como ele consegue isso? "Ah", ele diz, "eu cheguei a aprender. Fui admitido ao mistério, aprendi o segredo". Mas como ele aprendeu? Vou tentar responder esta pergunta. Em primeiro lugar, foi por pura experiência." Basta chamar sua atenção para a Segunda Epístola aos Coríntios, capítulo doze, especialmente os versículos nove e dez, sobre o "espinho na carne". Paulo não gostava daquilo. Lutou contra ele, e três vezes orou para que fosse removido. Mas não foi removido. Ele não conseguia se reconciliar com a idéia. Era impaciente, estava ansioso por continuar pregando, e esse espinho na carne o estava abatendo. Mas então recebeu a lição do Senhor: "A minha graça te basta". Paulo aprendeu como resultado da experiência do tratamento de Deus. Ele tinha que aprender, e a experiência nos ensina a todos. Alguns de nós somos muito lentos em aprender, mas Deus, em Sua bondade, pode nos mandar uma doença, às vezes Ele pode até nos abater — qualquer coisa para nos ensinar esta grande lição e nos levar a esta abençoada condição. Mas não foi somente por experiência, Paulo veio a aprender esta grande verdade, elaborando um grande argumento. Quero apresentar alguns passos desse argumento que vocês podem testar por si mesmos. Creio que a lógica do apóstolo seguiu esta linha de pensamento. Ele disse a si mesmo: 1. Circunstâncias e condições estão sempre mudando; portanto não devo depender delas. 2. O que é de importância suprema e vital é o meu relacionamento com Deus — esta é a coisa prioritária. 3. Deus está preocupado comigo, como meu Pai, e nada acontece comigo que Deus não saiba. Até os cabelos da minha cabeça estão contados. Nunca devo esquecer isso. 4. A vontade de Deus e os Seus caminhos são um grande mistério, mas eu sei que tudo o que Ele decreta ou permite é necessariamente para o meu bem. 5. Cada situação na vida é o desenrolar de alguma manifestação do amor e da bondade de Deus. Portanto é meu dever procurar essas manifestações peculiares da Sua bondade, e estar preparado para bênçãos e surpresas, porque "os pensamentos dEle não são os meus pensamentos, nem os Seus caminhos os meus caminhos". Qual, por exemplo, foi a grande lição que Paulo aprendeu na questão do espinho na carne? Foi esta: "Quando estou fraco, então sou forte". Paulo aprendeu através da fraqueza física esta manifestação da graça de Deus. 6. Portanto não devo considerar condições e circunstâncias em e por si mesmas, mas como parte dos tratamentos de Deus comigo, na obra de aperfeiçoar minha alma e me trazer à perfeição final. 7. Quaisquer que sejam minhas condições neste momento, elas são apenas temporárias, são passageiras, e jamais podem me roubar a alegria e a glória que me aguardam com Cristo. Penso que Paulo raciocinou e argumentou dessa forma. Ele enfrentou condições e circunstâncias à luz da verdade cristã e do evangelho cristão, e elaborou estes passos e estágios. E tendo feito isso, ele diz "Aconteça comigo qualquer coisa que alguém possa imaginar — eu permaneço exatamente na mesma posição. O que quer que aconteça comigo, eu me mantenho firme". O grande princípio que emerge claramente é que ele aprendera a encontrar seu regozijo e sua satisfação em Cristo, sempre e somente em Cristo. Esse é o aspecto positivo da questão. Precisamos aprender a depender dEle, e para que isso aconteça, precisamos conhecê-lO, ter comunhão com Ele, e encontrar nosso gozo e alegria nEle. Para falar claro, o perigo que corremos às vezes é passar tempo demais lendo a respeito dEle! O dia pode chegar — e na verdade chegará — em que não seremos capazes de ler. Então vem o teste. Ainda seremos felizes? Vocês O conhecem tão bem que, ainda que fiquem cegos ou surdos, esta fonte ainda vai jorrar, vai continuar aberta? Vocês O conhecem tão bem que podem falar com Ele, ouvir Sua voz, e se deleitar nEle sempre? Tudo estará bem porque vocês sempre foram tão dependentes do seu relacionamento com Ele que nada mais realmente importa? Essa era a posição do apóstolo. Sua intimidade com Cristo era tão profunda e tão grande que ele havia se tornado independente de qualquer outra coisa. Finalmente, creio que o que mais o ajudou a aprender esta lição foi olhar para o grande e perfeito exemplo do próprio Cristo. "Olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual pelo gozo que lhe estava proposto suportou a cruz, desprezando a afronta" (Hebreus 12:1-4). Paulo olhou para Ele, e viu Seu perfeito exemplo, e o aplicou à sua própria vida. "Não atentando nós nas coisas que se vêem mas nas que se não vêem; porque as que se vêem são temporais, e as que se não vêem são eternas" (II Coríntios 4:18). "Tenho aprendido, qualquer que seja a situação em que me encontre, a ser auto-suficiente e independente das circunstâncias". Cristãos, vocês podem dizer isso, vocês conhecem essa condição? Que isto seja uma prioridade para nós, que seja nossa ambição, que empenhemos toda a nossa energia e façamos tudo ao nosso alcance para chegar a esta bendita condição. A vida talvez nos force a chegar a esse ponto, mas mesmo que as circunstâncias não o façam, o dia vai chegar, ou mais cedo ou mais tarde, quando a terra e tudo que é terreno vai passar, e na solidão final da alma estaremos sozinhos enfrentando a morte e a eternidade. A coisa suprema da vida é poder dizer, como o próprio Cristo, naquela hora: "Mas não estou só porque o Pai está comigo" (João 16:32). Que Deus, em Sua infinita graça, nos capacite a aprender esta lição vital, e para chegar a isso, que aprendamos a proferir com frequência a oração de Augustus Toplady: Quando eu exalar meu último suspiro, E meus olhos se fecharem na morte, Quando eu me elevar por caminhos desconhecidos, E Te contemplar no Trono do Juízo, Rocha eterna, ferida por mim, Que eu possa me refugiar em Ti. 21. A CURA FINAL "Posso todas as coisas naquele que me fortalece". Filipenses 4:13 Aqui somos confrontados por uma dessas admiráveis declarações que são encontradas com tanta profusão

Depressão Espiritual - D. M. Loyd Jones  

livro evangélico

Depressão Espiritual - D. M. Loyd Jones  

livro evangélico

Advertisement