Page 28

Igreja de Deus; mas ele continua dizendo: "Mas pela graça de Deus sou o que sou". Que importa o que eu fui? "Sou o que sou." Coloque nisso a sua ênfase. Não fique pensando o resto da vida sobre o que você foi. A essência da posição cristã é que você deve lembrar o que é. Certamente o passado permanece com todos os seus pecados. Mas diga a si mesmo: Resgatado, curado, restaurado, perdoado, Quem mais pode cantar Seus louvores como eu? "Sou o que sou" — não importa o que tenha sido o meu passado. E o que sou? Perdoado, reconciliado com Deus pelo sangue de Seu Filho derramado na cruz. Sou um filho de Deus. Fui adotado na família de Deus, e sou herdeiro com Cristo, co-herdeiro com Ele. Estou a caminho da glória. É isso que importa — não o que eu era, não o que eu fiz. Então, se o inimigo está atacando você nesta área, faça o que o apóstolo fez. Volte-se para ele e diga: "O que está dizendo é verdade. Eu fui tudo o que você está dizendo. Mas não estou interessado no que eu era, mas no que sou, e eu sou o que sou pela graça de Deus!" A segunda dedução é esta — e todas elas são simples e óbvias — não é a época da sua entrada no reino que importa, mas o fato de que você entrou no reino. É isso que importa! Como é tolo lamentar o fato de que não entramos mais cedo, e permitir que isso nos roube as coisas que poderíamos estar gozando agora. É como um homem indo a uma grande exposição, e descobrindo que há uma longa fila para entrar. Ele chegou um pouco tarde. Chegou ao local da exposição, mas tem que esperar muito tempo, e é quase o último a entrar. O que pensariam desse homem se, depois de entrar, ele ficasse parado na porta dizendo: "Que pena que não fui o primeiro a entrar, que lástima que não cheguei aqui mais cedo"? Vocês achariam graça, e com razão, mas eu gostaria de ressaltar que provavelmente estariam rindo de si mesmos, porque é exatamente o que estão fazendo, num sentido espiritual. "Oh, por que tardei tanto!" Meu amigo, comece a apreciar as pinturas, examine as esculturas, admire os tesouros. Que importa a hora da sua entrada? O importante é que você entrou, e a exposição está aí, diante de seus olhos. Não é a hora da sua entrada que importa. Volte outra vez para o capítulo 20 de Mateus. Aqueles homens foram os últimos a entrar na vinha, era a hora undécima, mas eles entraram. Isso era o importante. Eles tinham sido chamados, tinham sido contratados, e foram levados para dentro. É estar dentro que importa, não quando você entrou, ou como você entrou. Eu podia enfatizar isso por muito tempo. É algo que precisa ser repetido constantemente. Não é a forma ou maneira da conversão que importa, o que importa é o fato de que você é salvo. Mas muitas pessoas ficam se preocupando com a maneira como entraram, a época, a forma, o método. Isso não tem importância; o que importa é que você entrou. E se entrou, regozije-se nisso, e esqueça que já esteve fora. Entretanto, precisamos ir ainda mais adiante. Gostaria de sugerir que esta manifestação particular de depressão espiritual é devida ao fato que esta pessoa ainda está, mórbida e pecaminosamente, preocupada consigo mesma. Eu disse há pouco que precisamos ser severos com esta condição. E é necessário esclarecer que o problema real com estas pessoas ainda é o "eu". O que estão fazendo? Ainda estão julgando a si mesmas, em vez de deixar o julgamento com Deus. Elas se flagelam, e se criticam porque tardaram tanto e foram tão relutantes, e estão constantemente se condenando a si me; nas. Parecem muito humildes e contritas, mas é uma humildade falsa, é preocupação consigo mesmas. Escutem Paulo falar sobre isso no capítulo quatro de sua primeira epístola aos Coríntios: "Que os homens nos considerem como ministros de Cristo, e despenseiros dos mistérios de Deus. Além disso, requer-se nos despenseiros que cada um se ache fiel. Todavia, a mim mui pouco se me dá de ser julgado por vós, ou por algum juízo humano; nem eu (e esta é uma das maiores declarações que Paulo fez!) nem eu tão pouco a mim mesmo me julgo. Porque em nada me sinto culpado; mas nem por isso me considero justificado; pois quem me julga é o Senhor" (versículos 1-4). Como cristãos, devemos deixar nosso julgamento com Deus. Ele é o Juiz, e vocês não têm o direito de desperdiçar o tempo dEle ou o seu, e suas energias, condenando-se a si mesmos. Esqueçam de si mesmos, deixem o julgamento com Ele; prossigam em seu trabalho. Este problema todo é devido a essa preocupação mórbida com o "eu" na questão do julgamento. Não só isso, é também uma indicação da tendência de ainda pensar em termos do que nós podemos fazer. Esse tipo de pessoa vem a nós com uma aparente humildade, dizendo: "Se eu tivesse vindo antes, quanto trabalho poderia ter feito!" De certa forma isso é verdade, mas por outro lado é errado, e completamente falso. A parábola do Senhor Jesus sobre os trabalhadores na vinha teve o propósito de demolir esse argumento. Quero colocar isso de forma positiva, para terminar. Eu afirmei que parte do problema dessas pessoas é que elas ainda estão morbidamente preocupadas consigo mesmas, e até agora não aprenderam, como cristãs, que devem negar a si mesmas, tomar a cruz e seguí-lo, e deixar tudo — passado, presente e futuro — em Suas mãos. Ah, sim, mas por que estão morbidamente preocupadas consigo mesmas? A resposta é que não estão ocupadas o suficiente com Ele! O problema real é nossa falha em conhecê-lo e os Seus caminhos como devíamos. Se tão somente gastássemos mais tempo olhando para Ele, logo nos esqueceríamos de nós mesmos. Eu disse há pouco que, depois de entrar na exposição, você não deveria ficar parado na porta lamentando o fato de ter chegado tarde — deveria passar a examinar os tesouros. Quero transferir isso para a esfera espiritual. Você entrou na vida espiritual. Pois bem, pare de olhar para si mesmo e comece a se deleitar nEle! Qual é a diferença entre um cristão e um não-cristão? Paulo, na segunda epístola aos Coríntios, capítulo 3, diz que a diferença é esta: que um não-cristão é alguém que olha para Cristo e para Deus com um véu sobre seus olhos, e portanto não pode ver. O que é um cristão? Esta é sua descrição (versículo 18): "Mas todos nós" — cada um de nós, como cristãos — "todos nós, com cara descoberta (o véu se foi), refletindo como um espelho a glória do Senhor, somos transformados de glória em glória na mesma imagem, como pelo Espírito do Senhor". Isso é um cristão. Ele passa o tempo olhando para Cristo, contemplando-O. Esta ião" arrebatado pela visão do Senhor que se esqueceu de si mesmo. Se você estivesse mais interessado em Cristo, não teria tanto interesse em si mesmo. Comece a olhar para Ele, contemple-o com seu rosto descoberto, sem véu. E então prossiga, aprendendo que no Seu reino o que importa não é a extensão do seu serviço, mas sua atitude para com Ele, seu desejo de agradá-lo. Volte outra vez para a parábola. Ele não encara o serviço como outras pessoas o fazem. Ele está interessado no coração. Nós estamos interessados em tempo, todos olhamos para o relógio e avaliamos o tempo gasto e o trabalho que realizamos. Como os primeiros homens na parábola, declaramos ter feito tudo, e nos gabamos do tempo que

Depressão Espiritual - D. M. Loyd Jones  

livro evangélico

Depressão Espiritual - D. M. Loyd Jones  

livro evangélico

Advertisement