Issuu on Google+


Opinião Aracaju/SE • Janeiro a Abril de 2012

Reviver Educar para ressocializar liado ao trabalho, a educação é um dos pilares básicos para a sustentação do processo de ressocialização da pessoa que se encontra recolhida em uma unidade prisional ou do adolescente em conflito com a Lei que se encontra numa unidade de internação ou numa casa de Semiliberdade; basta verificar dados do INFOPEN Sistema Integrado de Informações Penitenciárias do Departamento Penitenciário Nacional do Ministério da Justiça para verificarmos, através dos dados, que mais de 67% da população carcerária possui baixa escolaridade. Em dezembro de 2010, o INFOPEN sinalizava que a população carcerária no Brasil era de 496.251 internos, e deste total 335.866 se encontravam com nível de escolaridade entre analfabetos, alfabetizados e com ensino fundamental. Os dados do INFOPEN ainda demonstram um aspecto preocupante e ao mesmo tempo desafiador, do total da população carcerária em dezembro/2010, aproximadamente 238.217 internos se encontravam na faixa etária entre 18 e 29 anos, e mais 75.945 estavam entre 30 a 34 anos; o que significa dizer que muitos jovens na época mais produtiva de suas vidas, estão recolhidos em unidades prisionais por todo este Brasil. Exatamente neste ponto repousa um dos desafios para os gestores do sistema prisional, pois a alfabetização, a instrução escolar e a formação técnica, são ferramentas poderosas para estas pessoas retornarem á sociedade em condições mais favoráveis. Não acreditar nesta realidade, é alimentar a violência, a criminalidade e a reincidência. No ano de 2011 as atividades escolares desenvolvidas dentro das unidades prisionais ganharam um grande incentivo com o advento da Lei nº 12.433 de 29 de junho de 2011 que em seu art. 1º alterou os artigos 126, 127, 128 e 129 da Lei 7.210/1984 mais conhecida como LEP – Lei de Execução Penal. Que passa a determinar ao condenado do regime fechado ou semiaberto, a remissão de parte do tempo de execução da pena, por trabalho ou por estudo. Estabelecendo ainda que as atividades de estudo poderão ser desenvolvidas de forma presencial ou por metodologia de ensino a distância. Antes da nova Lei o artigo 126 da LEP apenas admitia a remição da pena pelo trabalho, com a modificação do texto para “por trabalho ou por estudo” o fenômeno jurídico da remição da pena ganha um novo alcance. A Reviver possui plena consciência da importância da educação e dos cursos profissionalizantes dentro das unidades prisionais, bem como nas unidades socioeducativas de internação e nas casas de Semiliberdade que acolhem os adolescentes em conflito com a Lei. E desta forma, seus colaboradores e gerentes, trabalham sem medir esforços para buscar o ideal de ter 100% desta população frequentando um curso regular. Pois só desta forma, pode-se contribuir decisivamente na melhoria das condições de vida por ocasião do retorno do egresso á sociedade.

A

Com a palavra: "Cooperando com a promoção de uma sociedade livre, justa e solidária, o advogado exerce um papel fundamental na administração da justiça, visando dentre outras finalidades essenciais a ressocialização, e o reingresso do interno a sociedade.” Matheus Dosea Leite, advogado do Compajaf.

“A assistência jurídica gratuita prestada nos estabelecimentos prisionais tem grande relevância, pois, além de contribuir para a celeridade no processo daqueles que não possuem condições financeiras para contratar um advogado, tendo ainda a missão de humanizar a pena privativa de liberdade.” Agnaldo Simões Moreira Filho, advogado do CPS.

“A Efetiva reeducação do preso não deve ser visto como mito ou algo impossível de se alcançar. A fim de evitar essa frustrante visão, todos os envolvidos devem somar esforços para implementação de políticas e ações concretas de ressocialização.” Josemario Coêlho Silva, advogado CPJ.

“A sociedade precisa que todos unidos num mesmo ideal busquem a justiça e a verdade dentro da realidade vivenciada por cada ser. O setor jurídico acredita que através do trabalho em equipe alcançaremos os objetivos propostos, e a certeza de poder contribuir com o meio ao qual estamos inseridos.” Jaqueline Bulhões Argolo, advogada do CPV.

Encontrar uma meta e manter-se firme na direção escolhida é preciso superar desafios e não se abater com dificuldades. No PRSM todos os dias poderemos nos deparar com problemas ou dificuldades, mas sempre estaremos firmes com os olhos fixos em nossos objetivos, e determinados a alcançar as nossas metas, porque acreditamos no ser humano. Maria Dilza Vieira, advogada do PRSM.

“A constituição Federal Brasileira em seu artigo 133 relata que o advogado é indispensável à administração da justiça. A empresa Reviver, apoia e investe, fornecendo condições para que o advogado, procurador da justiça atue buscando a tão almejada justiça.” Ricardo Fernando M. Floriani, advogado do Presídio de Lages.

Informe Reviver

Reviver é possível

Informativo da Empresa Reviver | faleconosco@reviverepossivel.com | www.reviverepossivel.com Jornalista Responsável. Marcos Borges | Designer gráfico. Décio Santos | Gráfica. J. Andrade | Tiragem. 1.000

Geral Aracaju/SE • Janeiro a Abril de 2012

Reviver


Geral

Entrevista

Aracaju/SE • Janeiro a Abril de 2012

Aracaju/SE • Janeiro a Abril de 2012

Reviver

Reviver

Jirlene Gomes| GERENTE EXECUTIVA DA REVIVER

Quem disse que santo de casa não faz milagre Para saber falar quem somos é preciso conhecer como trabalhamos Não adianta falar daquilo que não se tem conhecimento. Pois desta forma estaremos sempre sujeito ao erro a Reviver Administração Prisional Privada LTDA, a maior preocupação é investir no ser humano para que ele consiga sempre melhorar a sua capacidade, seja no aprendizado ou no modo de servir ao seu semelhante. Desta forma acreditamos em uma metodologia de trabalho, que não é apenas diferente, mas, também inovadora. Aos cidadãos que visivelmente são considerados de grande valor, com potencial e qualidade, ajudamos a perceber no convívio diário que ninguém é capaz de ser tão sábio que nada tenha a aprender. Para pessoas as quais poderiam ser comparadas a verdadeiras “pedras preciosas”. Que em muitos casos são valorosas, contudo, passivas de lapidação para que o seu valor possa ser ainda maior. Oportunizar a chance de novos conhecimentos pode ser um caminho interessante para se romper barreiras e alcançar novos objetivos. As pessoas que por algum motivo terminam sendo olhados pela sociedade com diferença e descrença, sem que antes seja ofertada efetivamente a oportunidade de uma vida nova, apresentamos o jeito Reviver de trabalhar. A reviver não tem apenas o desejo de tratar as pessoas de uma forma diferente. Mas a premissa de transformar o dia seguinte, em um dia melhor que o anterior. Para isso, buscamos elevar o grau de responsabilidade dos nossos colaboradores sobre a importância da prestação de serviço humanizada e responsável aos nossos clientes. Tarefa que sem a qualificação necessária jamais seria possível. Talvez por isso, onde muitos irão conseguir enxergar apenas números. A Reviver consegue perceber novas oportunidades. Atendimento diferenciado. E a obstinação de todos os seus colaboradores pela incansável meta de ressocializar, aqueles que hoje são vistos de forma marginalizada por grande parte da sociedade, por terem sido condenados ou presos e determinados a cumprir pena no Sistema Prisional. Os números vistos nos gráficos a seguir representam a constatação do compromisso da Reviver Administração Prisional Privada LTDA, enquanto prestadora de serviço ao Estado e aos internos custodiados nas unidades prisionais em que administra. Hoje sete unidades prisionais fazem parte do que costumamos intitular

N

“Família Reviver”. Os dados devem ser acompanhados com frequência. E por está razão são apresentados pela empresa a toda a sociedade. Por entender que todas as ações fazem parte de uma ideologia inovadora, mas efi-

caz. Todos os números e atendimentos são catalogados pela Reviver por meio de um programa criado e desenvolvido pela Reviver que possibilita o acompanhamento de todos os atendimentos.

Um exemplo vivo de que o amor pode ser um poderoso ingrediente para o sucesso de uma empresa

entrevistada deste mês do Informativo Reviver é a gerente executiva da Reviver, Jirlene Gomes. Uma das colaboradoras mais antigas, que viu o nascimento de uma empresa, hoje tida como referência no ramo da administração prisional privada. Segundo a própria Jirlene Gomes a sua paixão pelo setor, tornou o seu trabalho uma obsessão na busca incansável da perfeição. O que a gerente aponta como sendo a razão para que todos os projetos hoje desenvolvidos nas unidades prisionais administradas pela empresa busquem a ressocialização do interno. Jirlene Gomes explica em sua entrevista que a empresa se desenvolveu por ter apostado ser possível mudar uma realidade ainda complicada do setor prisional brasileiro. Mas suscetível a um novo mundo, desde que haja dedicação e empenho de todos os envolvidos.

O respeito ao colaborador, desde a sua contratação, os eventos para capacitação e recapacitação, os quais são feitos com frequência pela empresa visando manter a excelência do padrão do serviço que prestamos.

A

I.R – Você acompanhou o nascimento da Reviver antes da implantação do Conjunto Penal de Serrinha. Mas, você já imaginava a empresa como uma referência nacional neste setor? J. G – Sim, iniciei na empresa em maio de 2006, se na época não imaginávamos a nossa empresa como referência nacional, mas, com certeza faríamos de um tudo para ser a melhor no setor. Sem menosprezar ninguém, porém, acima de tudo apostamos sempre que com a dedicação no trabalhando, comprometimento, e acima de tudo colaboração entre os envolvidos, teríamos os ingredientes necessários para crescer, ganhar a credibilidade do mercado e dos nossos parceiros, e fatalmente alcançaríamos o objetivo traçado. I.R – Quais motivos ou razões você poderia nos apontar como sendo a chave do sucesso para o crescimento da Reviver enquanto empresa no setor prisional privado? J. G – Embora, eu tenha certeza que não estamos ainda onde almejamos chegar. Sem sombra de dúvida, a persistência, dedicação e comprometimento com a causa, e a busca incansável pela excelência dos nossos procedimentos são algumas das nossas armas ou diferenciais. Mas, vejo o amor pelo trabalho que realizamos, como sendo o principal ingrediente para essa força empresarial no Setor Prisional que nos tornamos. I.R – Não é muito comum ter no Sistema Prisional mulheres no comando. E apesar de não ser um fato inédito, e fato que os homens dominam esta área! Quando você passou a trabalhar sendo uma referência da empresa, houve desconfiança dos gestores? J. G – Cheguei para somar forças e dividir um

Jirlene Gomes pouco a experiência que eu tinha na área da segurança pública e privada. E mesmo todos tendo muito pouco conhecimento do funcionamento do Sistema Prisional, antes da Reviver iniciar o trabalho neste setor, propriamente dito. Fizemos vários estudos e uma profunda pesquisa para termos o conhecimento necessário, não para realizar um trabalho, como outras empresas já existentes no mercado, mas, para termos as condições ideias de mudar a realidade e comprovar ser possível mudar uma realidade, até então tão complicada. I.R – Você sofreu discriminação por ser mulher? E como fez para ultrapassar tais problemas? J. G – Não, nunca sofri nenhum tipo de discriminação. Não creio que exista qualquer discriminação pelo simples fato de ser mulher, e ter como função a coordenação de alguns colaboradores que são do sexo masculino. E mesmo admitindo que a perspectivas para as mulheres era minúscula, se comparada ao que vemos hoje. No fundo gosto de me descrever como uma pessoa que se viu na premissa obrigação de escalar a montanha da vida, removendo pedras e plantando flores. Talvez por isso, adoro a minha multifuncionalidade, que como tudo possui dois lados – gera prazer e também frustração. I.R – Hoje você representa a Reviver e acompanha a implantação dos presídios. O que você considera ser o diferencial das unidades assistidas pela Reviver, hoje atuando em quatro estados brasileiros? J. G – Verdade! Hoje eu acompanho todas as implantações das nossas unidades. Acredito que a magia de acreditar no potencial e no talento dos nossos colaboradores e de todos aqueles que acabam sendo inclusos em nosso trabalho seja o nosso grande diferencial. O respeito ao colaborador, desde a sua contratação, os eventos para capacitação e recapacitação, os quais são feitos com frequência pela empresa visando manter a excelência do padrão do serviço que prestamos. E por isso, sempre buscamos levar para estes cur-

sos profissionais que são verdadeiros mestres em suas áreas de atuação. Porque jamais podemos deixar de reconhecer que atuamos em uma área complexa e que a segurança da vida humana, seja dos internos ou dos colaboradores, sempre deve ser encarada como prioridade. Daí a importância de se fazer os procedimentos criados serem seguimos com rigor e seriedade. A cada dia, precisamos nos conscientizar que com o reconhecimento e aumento na área de atuação, também elevamos nossa responsabilidade. Seja por meio da capacitação de nossos colaboradores, seja no cumprimento de nossas obrigações com todos os estados em que atuamos: Bahia, Sergipe, Espírito Santo e Santa Catarina, ou mesmo com relação à responsabilidade social em praticar ações que tenham como objetivo central a ressocialização do interno que se encontra recolhido na unidade prisional. Por causa da nossa busca incansável de seguir e cumprir tudo que determina a Lei de Execução Penal. I.R – Se fosse para você se descrever profissionalmente, como se descreveria? J. G – Como uma pessoa feliz e realizada. Que tenho muito orgulho do que faço. Sendo completamente apaixonada pelo meu trabalho. Amando cada segundo que dedico às atividades do dia, das unidades. A relação que tenho com os colaboradores que é de afeto, transparência e respeito. Costumo afirmar nos meus pronunciamentos de abertura dos nossos cursos de capacitação que só trabalha em uma Unidade Prisional pessoas especiais. Por isso, além de me considerar especial, também costumo creditar como fundamentais e diferenciadas todas as pessoas que estão neste convívio comigo nesta árdua, mas prazerosa missão de tornar diferente a realidade nos presídios. Contudo, para isso, é preciso que as pessoas busquem sempre fazer as coisas com alegria, mesmo que diante das dificuldades. Dando sempre o seu máximo e acreditando nas metas traçadas. Assim tudo acaba sendo passível de mudança.


Aracaju

Lages

Aracaju/SE • Janeiro a Abril de 2012

Aracaju/SE Abril de 2012 Aracaju/SE• Janeiro • Julhoade 2011

Reviver

Reviver

Promotores conhecem dependências do Compajaf

Mutirão atende mais de 530 internos do PML O êxito da ação foi justificado pela grande dedicação e empenho de todos os colaboradores envolvidos

Os promotores ao final da visita expressaram o que acharam na unidade

Membros do MPE ficaram surpresos com o funcionamento do presídio do Santa Maria, no bairro Terra Dura visita realizada no Complexo Penitenciário Advogado Antônio Jacinto Filho – Compajaf, localizado no bairro Santa Maria, zona Sul da capital sergipana é parte do calendário de ações da Corregedoria do Ministério Público Estadual - MPE. E supervisionado pela Escola Superior do MPE. A comitiva dos promotores foi coordenada pelo promotor da Vara de Execuções, Luiz Claudio Almeida Santos que na oportunidade representou a Corregedoria, auxiliado pelo coordenador de Ensino da Escola Superior do Ministério Público Estadual, Newton Silveira Dias Junior. Os dois con-

A

duziram 13 novos promotores que já atuam no MPE, mas que ainda passam pelo estágio probatório por todas as dependências do Compajaf. Segundo explicou Luiz Claudio Almeida Santos, as atividades fazem parte do programa montado pelo MPE para que todos os seus promotores tenham condições de atuar de forma mais precisa nas ações diárias, que fazem parte das funções destinadas aos promotores de justiça. De acordo ainda com o promotor da Vara de Execuções é preciso mostrar que algumas vezes os promotores irão se deparar com realidades distintas. Fatos

corriqueiros em todos os estados brasileiros. “No caso do Compajaf a estrutura física e funcionamento da unidade, apresenta condições bem melhores que muitos outros presídios brasileiros, mas é preciso analisar sempre o todo, para que o tratamento humano, não seja esquecido”, enfatizou Luiz Claudio Santos. O coordenador da Escola Superior do Ministério Público Estadual, Newton Silveira Dias Junior elogiou os procedimentos da unidade. E se disse surpreso com a estrutura tecnológica do presídio que conta entre outras coisas com três setores de vigilância eletrônica e bloqueador de celular.

EVENTO

Compajaf inova com 1º Festival de Música Após várias etapas eliminatórias aconteceu hoje na área de visita do Complexo Penitenciário Advogado Antônio Jacinto Filho – Compajaf, o 1º Festival de Música do Compajaf. Na final, 16 internos ganharam uma plateia exigente, composta pelo quadro de colaboradores da unidade do setor administrativo. Para analisar as apresentações dos candidatos os organizadores tiveram que criar alguns critérios de avaliação. Entre os quais, os concorrentes teriam que apresentar músicas inéditas, podendo ser ou não, de autoria do competidor. Os jurados também avaliaram o desempenho dos cantores, letra e música. Para incentivar a maior participação dos internos no evento, todos os finalistas foram presenteados com cestas básicas que serão entregues aos familiares. Os três primeiros colocados foram premiados com medalhas. De acordo com o terapeuta ocupacional, Diego Farias Eiterer a ideia surgiu após os contatos com os internos durante o atendimento nos pavilhões, onde era visível a criatividade de muitos internos para a música. Daí o que foi feito pela direção da unidade, em conjunto com os administradores da Reviver, foi organizar uma forma por

Talento! Quem não tem? meio da criação do Festival, para que os presos pudessem expor de maneira mais expressiva o talento nato. “O que buscamos fazer foi mostrar o objetivo, sugerindo que os temas fossem livres, mas que não bus-

cassem o incentivo a violência ou drogas. E o que pudemos ver foram muitas canções bonitas falando de temas diversos, contudo, na grande maioria expressando o desejo de ao sair dos muros do presídio, poder viver uma vida renovada, longe do crime e perto de Deus”, disse feliz com o resultado alcançado pelo evento o terapeuta ocupacional da Reviver. O vice-diretor do Compajaf, João Marcos de Souza Campos lembrou que as ações criadas buscam ajudar ao interno um envolvimento nas atividades que livrem o encarcerado da ociosidade. Dando- lhe condições de criar expectativas melhores após o cumprimento da pena determinada pela justiça. Ao final do 1º Festival de Música do Compajaf o grande vencedor foi E.F.P, do Pavilhão C. Na segunda colocação ficou C.S.S, seguindo de T.C ambos do do Pavilhão B. Para o vencedor o evento proporciona além do momento de distração, uma chance dos internos estarem mostrando o seu talento. Segundo C.S.S vice-campeão, a música já faz parte da sua vida, e é encarada como a porta de entrada para uma vida renovada quando deixar o presídio.

Além das várias áreas de atuação, a Reviver proporcionou um grande número de atendimentos isando dar uma melhor assistência aos internos alojados no Presídio Masculino de Lages – SC, foi realizado pela Reviver em parceria com o Estado, o 1º Mutirão Interno do PML. A ação contou com a participação efetiva de todo o corpo técnico da unidade que atendeu os internos nas Eclusas das Galerias A, B, C e D. Todo o mutirão foi planejado cuidadosamente pelos gestores da unidade que prontamente providenciaram todos os equipamentos e segurança necessária para garantir a qualidade dos atendimentos tantos aos internos assistidos, como aos profissionais e voluntários envol-

V

vidos na ação. Desta forma todo o trabalho teria sido otimizado, e os objetivos alcançados, segundo a avaliação do gerente operacional da Reviver em Lages, Fabiano Luiz Santos. Segundo Fabiano Luiz um dos pontos positivos notados durante o mutirão foi o grande numero de atendimentos realizados nos mais variados setores. Tendo atendido a uma demanda maior do que a esperada e ainda assim, conseguindo manter o padrão de atendimento e tempo resposta proposto. Segundo os organizadores foram realizados os seguintes atendimentos: Médico 177, Jurídico 98, Terapeuta

Ocupacional 80, Educação Física 79, Psicológico 66 e Serviço Social 36. Totalizando 536 atendimentos presenciais. Segundo a direção da unida está foi apenas uma das ações previstas para a unidade prisional. A diretoria também fez questão de parabenizar e elogiar a postura de todos os profissionais envolvidos na ação que se mostraram comprometidos em auxiliar os mais necessitados. Vendo os resultados obtidos neste mutirão interno, já nos comprometemos em realizar outro mutirão ainda no 1º semestre de 2012, além das demais ações que acontecerão no Presídio Masculino de Lages - PML.

INVESTINDO EM PESSOAL

PML realiza curso de formação e recapacitação Seguindo a política de investir no pessoal, para ratificar o sucesso no setor prisional. A Reviver Administração Prisional Privada LTDA realizou um curso de capacitação e recapacitação no Presídio Masculino de Lages – SC. O curso de capacitação que foi realizado no Colégio CEDUP contou com a participação de 122 alunos divididos em três turmas. E teve como objetivo principal a formação de cadastro reserva de funcionários. A coordenadora do curso, e gerente executiva da Reviver, Jirlene Gomes explicou que já o curso de recapacitação é feito periodicamente atendendo a uma política de investimento na qualificação profissional dos colaboradores de todas as unidades administradas pela empresa. Os participantes tiveram aulas práticas e teóricas de: Combate à Incêndio, Condução e Escolta, Defesa Pessoal, Direito Penal, Doenças Sexualmente Transmissíveis, Gerenciamento de Crise, Lei de Execuções Penais, Primeiros Socorros, Relações Humanas, Segurança

Atenção pessoal o conhecimento estar logo ali Física das Instalações, Sistema de Comunicação, Sistema Penitenciário e Técnicas Operacionais. Durante o curso os alunos também ganharam a oportunidade de conhe-

cer em loco o funcionamento e as instalações do Presídio Masculino de Lages – SC. Para o gerente de regional de operações, Alcimar Soares o contato propriamente dito com uma unidade prisional é essencial para que todos os interessados em compor o quadro funcional do local, possam estar cientes dos procedimentos. Para caso sejam um dia contratados, saibam efetivamente como exercer as suas funções cumprindo a risca os procedimentos exigidos. A entrega dos certificados foi realizada na cerimônia de encerramento que aconteceu no Restaurante Princesa, onde compuseram a mesa de honra a gerente executiva da Reviver, Jirlene Gomes, o gerente regional de operações da Reviver, Alcimar Soares, o diretor do PML, Marcio Oliveira, o coordenador de segurança da unidade, Diego Lopes, o diretor do Colégio CEDUP, Aldo Spessato, o Coronel da Policia Militar, Ernesto e o instrutor do curso, Ilson Barros.


São Mateus

Serrinha

Aracaju/SE • Janeiro a Abril de 2012

Aracaju/SE • Janeiro a Abril de 2012

Reviver

Reviver

PROJETO

Ensinando o valor da educação para uma vida melhor

QUALIDADE

PRSM realiza curso de capacitação para colaboradores

Essa foi apenas uma das grandes ações humanitárias realizadas pela direção do PRSM

Ações populares inovam atendimento do PRSM Atendendo a quem mais precisa, fazendo o bem, sem olhar a quem Aqui o aprendizado é também prático Mostrando o comprometimento com a qualidade do serviço prestado no Sistema Prisional onde atua. A Reviver Administração Prisional Privada LTDA, realizou mais um Curso de Capacitação Prisional. Ao todo mais de 900 currículos foram enviados para a sede da empresa no estado do Espírito Santo, mas objetivando manter o padrão da qualidade dos cursos ofertados pela empresa, apenas 120 candidatos tiveram a chance de participar. De acordo com a gerente executiva da empresa, Jirlene Gomes é justamente a busca pela excelência do serviço prestado que tem ao longo dos últimos anos, tornado a Reviver uma referência no setor prisional privado, atuando no sistema de Co-gestão. “Fazer as pessoas que buscam se tornar um colaborador nesta área entender a importância do funcionamento dos procedimentos, é algo que difere o padrão do atendimento. Porque sabemos que é impossível alguém entender uma coisa que não tem pleno conhecimento”, explica a gerente. O gerente regional operacional, Alcimar Soares lembrou que o treinamento árduo e sofrido aos quais os candidatos são submetidos durante o curso de capacitação. Mostra que a vida dentro de um presídio nem sempre é um mar de rosas. E o comprometimento com a segurança de todos, sejam internos ou colaboradores, sempre deve ser encarada como prioridade. “Ofertamos aos participantes dos cursos, palestrantes e aulas com alguns dos mais tarimbados profissionais das mais variadas áreas do sistema prisional, e dos assuntos inerentes a este setor, a exemplo de Direito Penal, Lei de Execuções Penais. Tudo para que os interessados possam entender como podemos dar um bom funcionamento a maneira de administrar que a Reviver vem implantando nas unidades em que atua”, finalizou Alcimar Soares.

s colaboradores e voluntários da segunda edição do PRSM em Comunidade deram um show na ação realizada na Creche C.I.M Claudia Scarinzi, que atende a 90 crianças carentes de bairros da região perif esta vez a Penitenciaria Regional de São Mateus da periferia da cidade de São Mateus. A escolha feita pelos gestores do Presídio Regional de São Mateus – PRSM se deu pela carência da creche que é localizada ao lado de um Lixão. De onde muitas mães retiram o seu sustento, por meio do que conseguem catar dos materiais recicláveis encontrados a exemplo de papeis, plásticos e vidros, que são vendidos após a seleção. Na segunda edição do PRSM em Comunidade participaram representantes da Secretaria de Estado de Justiça do Espírito Santo – SEJUS, do quadro diretivo da unidade, da gerente executiva da Reviver, Jirlene Gomes, do coordenador do curso de direito da faculdade Univc, Samuel Davi Garcia Mendonça, do vereador, Roberto Pedro de Assis, e vários cola-

O

boradores que se colocaram como voluntários para realização do evento. Segundo os promotores, além das ações de prestação de serviços básicos, como a desenvolvida na palestra do odontologo da Reviver, Argildo Endlich Junior que realizou uma palestra tendo como tema a higiene bucal. A Reviver também distribuiu entre as crianças presentes um kit básico contendo uma escova dental, um creme dental, uma caneca, sabonete, papel higiênico e toalha de rosto. Os participantes também puderam contar com muitos momentos de divertimento e brincadeiras. A presença de palhaços e animadores deu um tom leve à festa. Todos os presentes também aproveitaram a distribuição de brindes, doces, pipoca, algodão doce, bolo e uma grande variedade de brinquedos. Para quem participou da 2ª edição do PRSM em Comunidade a maior satisfação esteve em perceber os muitos sorrisos distribuídos pelas pessoas carentes que durante a ação, envolvida nas palestras e brincadeiras, tiveram uma sensação diferente do dia-a-dia.

Atenção pessoal o aprendizado estar logo ali. Para fazer é preciso saber como se faz

Reviver capacita 106 novos agentes de disciplina Aqueles que se destacaram durante o curso serão aproveitados nas unidades de Serrinha, Valença, Juazeiro, Aracaju e São Matheus curso de Capacitação de novos agentes de disciplina foi realizado na cidade de Serrinha, interior baiano e desta vez inovando com a participação de pessoas de outros estados, além de candidatos do local sede. Fato que na análise dos promotores, demonstra de forma inequívoca o crescimento da Reviver enquanto empresa do Setor Prisional Privado. Paralelamente ao curso de capacitação, os agentes que já atuam no Conjunto Penal de Serrinha também participaram de um Curso de Recapacitação que contou com uma carga horária de 47h, sendo composto por oito disciplinas: Escolta (prática e teórica), Ética, Relações Humanas, Motivação, Estágio Operacional, Brigada (prática e teórica), Defesa pessoal (prática e teórica) e Gerenciamento de Crise (prática e teórica). Já o curso de Capacitação foi composto por 12 (doze) disciplinas: Combate à Incêndio, Primeiros Socorros, Condução e Escolta, Sistema de Comunicação,

O

A gerente executiva Jirlene Gomes se divertiu e emocionou com a criançada

Defesa pessoal, Gerenciamento de Crise, Técnicas Operacionais (prática e teórica), Direito Penal, Lei de Execuções Penais, Doenças Sexualmente Transmissíveis, Relações Humanas, Motivação e Ética (teóricas), totalizando uma carga horária de 72h. Para o gerente regional operacional, e coordenador dos cursos de capacitação, Alcimar Soares. O padrão ofertado tanto na questão alusiva aos materiais apresentados, quanto dos profissionais disponibilizados para os alunos, traduzem a preocupação diária da Reviver com a qualidade do serviço prestado aos seus clientes no Sistema Prisional. “Acredito que ao inovar apostando nas pessoas, e não somente na tecnologia ou equipamentos, conseguimos dar uma funcionalidade diferente. Por que passamos a executar uma prestação de serviço mais eficiente e humanizada. Mas, para isso é preciso que todos os envolvidos passem a ter o mesmo entendimento e busquem um único objetivo”, justificou.

A direção do Conjunto Penal de Serrinha comemorou muito o sucesso da aula inaugural do Projeto “Educando para Reviver”. O evento contou com a presença do diretor da unidade, capitão Carlos Flávio Góes Farias; do coordenador de segurança, José Marcos de Brito Mota; da gerente administrativa do CPS, Fabiani Santana Lopes; do coordenador operacional, Jackson Brito; da coordenação pedagógica da Reviver; Railda Oliveira; e os professores da Escola Cleon Pimentel Ferreira e Escola Estadual Rubem Nogueira, instituições de ensino que funcionam anexas às dependências da unidade. De acordo com a gerente administrativa do CPS, Fabiani Santana Lopes o enfoque principal do evento foi demonstrar aos internos a importância da educação para a vida de qualquer ser humano. Independente da sua classe social, raça ou gênero. Pois a educação é sem dúvida um instrumento inquestionável de mudança. Desta forma, ao proporcionar condições ideais para um melhor aprendizado aos apenados, os internos poderão criar novos estímulos para uma vida digna ao deixar os muros do presídio. Fabiani Lopes lembrou que nos países onde não existe uma boa educação os níveis de criminalidade são maiores. Desta forma, é preciso que todos dentro do possível busquem contribuir para a melhoria do Brasil como um todo. “Temos a certeza de que estamos prestando um grande serviço à sociedade. Ao criamos condições de melhor educar os internos aqui enviados pela justiça. Nós estamos fazendo o nosso papel, e aos internos cabem unicamente, ter o interesse devido de aprender. E com a educação conquistada por meio do estudo, assumir uma condição diferente ao retornar a sociedade”, justificou. “Lidar com indivíduos encarcerados implica, muitas vezes, lidar com pessoas movidas pela revolta e pelo desejo de vingança, pois a perda seja ela de qualquer natureza, por si só constitui um fato de difícil aceitação. Nesse contexto a educação ocupa um papel fundamental, pois leva o indivíduo a refletir sobre sua condição e a possibilidade de buscar novos caminhos” Relatou a Pedagoga da Unidade Railda Oliveira.

Quem aprende hoje, pode se tornar um professor no amanhã


Juazeiro

Valença

Aracaju/SE • Janeiro a Abril de 2012

Aracaju/SE Abril de 2012 Aracaju/SE• Janeiro • Julhoade 2011

Reviver

Reviver

Colaboradores do CPV participam de Palestra Motivacional Muitos dos colaboradores deixaram as palestras se dizendo fortalecidos pelo desejo de realizar um grande trabalho Elas não só se divertiram, mas aprenderam que se cuidar é tarefa essencial de qualquer mulher

A mulher homenageada como merece Sem discriminar ou julgar. Na Semana da Mulher do CPJ, o objetivo é a integração omo homenagem a todas as mulheres custodiadas no Conjunto Penal de Juazeiro a direção da unidade preparou uma programação especial. Durante sete dias, as internas puderam participar de eventos diversos, que envolveram palestras sobre assuntos como a “violência contra a mulher” e atividades recreativas. A abertura do evento contou com a participação da banda de musica da Policia Militar. Todo o corpo técnico da unidade esteve envolvido na preparação e execução das atividades. E não apenas as internas, mas também as colaboradoras femininas da Reviver tiveram a chance de aprender um pouco mais com Marli Carvalho, responsável pelo Centro Integrado de Assistência a Mulher, que proferiu a pales-

C

tra sobre “Violência contra a mulher”. Ao final também foi lançada a campanha “Quem Ama abraça”. Outro momento bastante elogiado pelas participantes foi o Workshop de customização de Sandálias decoradas com fitas de cetim, fuxicos e botões, com a profissional Jaílima Alves. Foram produzidos vários pares de Sandálias. O curso com duração de quatro horas teve como objetivo, a capacitação das internas e consequentemente a criação de uma nova fonte de geração de renda. Mas, as internas do CPJ também tiveram muita diversão e atividade física. Os professores colocaram a mulherada para mexer os esqueletos, e o que não faltou foram risos e alegria entre os participantes. Segundo os organizadores o pensamento foi criar um

momento único de integração, melhorando a integração entre as próprias internas. A saúde da mulher também esteve em pauta durante a “semana”. Coordenados pelos setores de enfermagem e odontologia foi realizado uma feira de saúde, onde as internas puderam usufruir de serviços como: Teste de Glicemia, aferição de pressão arterial, distribuição de preservativo e aplicação de flúor. A Terapeuta Ocupacional, Coralina Matos fez questão de agradecer pela grande adesão das internas durante as atividades. “É de fundamental importância que essas atividades possam ser vistas como de suma importância pelas próprias internas. Pois são elas que representam o nosso real foco, quando da criação de tais ações”, disse Coralina.

uando se trabalha na prestação de serviço a pessoas, há sempre uma preocupação para com a aceitação e o entendimento do que se tem como meta. Daí a incansável dedicação dos gestores da Reviver para levar da forma mais precisa aos seus colaboradores, a importância do funcionamento da “engrenagem” que é feita pela empresa, dentro do Sistema Prisional Brasileiro. Foi com este espírito que com uma participação quase que da sua totalidade, colaboradores e gestores do Conjunto Penal de Valença – CPV estiveram envolvidos no projeto desenvolvido com a realização de palestras motivacionais que teve como tema principal “Chefia e Liderança”. Comprovando a máxima de que “coisa boa a Reviver faz em casa”. A palestrante nesta ação foi a gerente administrativa, Sebastiana Soares. Que iniciou sua carreira na empresa como agente, e aos poucos foi galgando espaço e funções, até chegar ao cargo que ocupa hoje. Por isso, a palestrante fez questão de usar a sua própria trajetória enquanto colaboradora para mostrar que a principal motivação para

Q

se alcançar os sues objetivos, precisa vir de cada colaborador, independente da sua função. Sebastiana Soares lembrou que são poucas as empresas que se mostram preocupadas com o desenvolvimento e a qualificação dos seus colaboradores, quanto a Reviver. Citando as muitas ações realizadas em favor dos colaboradores e das famílias dos trabalhadores. “Entendo que trabalhamos em uma área difícil e ainda marginalizada por muitos que desconhecem o real funcionamento de uma unidade prisional. Mas, somos nós que trabalhamos na área, os principais agentes para está mudança. E para que isso de fato aconteça, é preciso que nós nos mostremos interessados em prestar um serviço efetivamente diferente do que se divulga em outras cidades”, enfatizou. “O objetivo é contribuir para o desenvolvimento dos nossos colaboradores e descobrir novos lideres. Com isso, centralizar esforços para aqueles que demonstram ter espírito renovador para a execução desta árdua, mas prazerosa missão”, disse Ronival dos Anjos, gerente operacional do CPV.

ATIVIDADE

O esporte como meio de socialização

A ordem é botar o esqueleto para balançar

Tendo a ressocialização como a sua principal meta. A Reviver segue apostando em projetos que possibilitem aos internos reais condições de mudar de vida. O esporte, assim como a educação e o trabalho tem sido nas unidades administradas pela Reviver, seus principais pilares, na busca por uma nova realidade do Sistema Prisional Brasileiro. Uma boa prova desta busca são as inúmeras ações realizadas na área esportiva pelos colaboradores do Conjunto Penal de Juazeiro. No CPJ o esporte tem se mostrado um poderoso aliado nos projetos em busca de uma nova vida para os internos. Na última atividade realizada esportiva voltada aos custodiados do CPJ, os participantes tiveram a oportunidade de disputar uma partida com a equi-

pe de Futsal da cidade de Campo Formoso-BA, time que participa do Campeonato Baiano. Para o professor de educação física, Seráfico Tavares estas ações contribuem efetivamente para melhora o conviveu entre os internos, assim como reduzir o preconceito da sociedade para com estes. “Era visível o nível de satisfação dos internos como a presença dos convidados. Vale ressaltar que ações deste cunho são realizadas sistematicamente todos os finais de semanas, além das atividades envolvendo outras modalidades espor tivas como os jogos de tabuleiro com xadrez, dama, dominó, e as apresentações de capoeira sempre com a presença e par ticipação da comunidade”, justificou Seráfico Tavares.

A valorização dos colaboradores é algo que ajuda na produção mais efetiva

Essa mulherada tem qualidade

DIA DA MULHER

Centro de Referencia da Mulher visita CPV No Conjunto Penal de Valença – CPV as comemorações e ações voltadas a mulheres não foram realizadas em um dia, mas uma vasta programação para todo o mês foi cariosamente montada. Também estiveram no CPV para divulgar as ações do Centro de Referencia da Mulher a coordenadora Marildes das Neves, as advogadas Ana Paula Gonçalves e Cíntia Meireles, além da Psicóloga Aline Chagas. Na oportunidade as convidadas proferiram palestras sobre temas relacionados aos mais variados e diversos aspectos sobre a violência doméstica contra a mulher. De acordo com a Pedagoga do CPV, Amanda Cristina a extensa programação, é parte do projeto Percebendo o Mundo Feminino, desenvolvido pelos setores Pedagógico e Terapeuta Ocupacional do PRSM. Projeto que tem como principal objetivo mostrar aos internos as muitas possibilidades existentes na construção de uma visão diferente e positiva do mundo. Por meio das ações e atividades desenvolvidas e criadas dentro do CPV. Dando a real oportunidade tanto para os internos, quanto para os familiares destes(internos). Para quem participou ativamente da programação. As ações foram importantíssimas, tanto para tirar dúvidas sobre alguns assuntos, quanto para entender a essência da palavra respeito ao próximo. De acordo com interno José Augusto, do Raio A do Conjunto Penal de Valença, as palestras lhe deram uma visão diferente da mulher enquanto ser. E lembrou que para quem um dia pensou em ver no sexo oposto ao de ruim, é só lembrar que a figura da mãe mulher é uma das mais belas traduções do que significa ser mulher.


Reviver - Informativo 12