Page 1

Publicação da Clínica PROMOVI - Saúde e Reabilitação voltada para a saúde na terceira idade • Ano I • # 1 • Julho a Setembro de 2012

Perda de memória não é apenas coisa da idade É comum considerar normais os problemas de esquecimento na velhice. Afinal, com o passar dos anos, muitas das funções de nosso organismo vão diminuindo, entre elas a memória. Mas não é assim que devemos encarar o problema. A perda de memória pode não acusar algo grave, como também pode estar ligada ao uso de alguns medicamentos, a doenças como o Mal de Alzheimer, ao estresse ou até à depressão. Quanto mais cedo se identificar as causas, mais chances de solucionar o problema com o tratamento adequado. De acordo com a geriatra Drª Alini Ponte, os esquecimentos

Leia bastante, participe de jogos que estimulem o raciocínio e continue ativo Atividades que estimulam o cérebro são sempre importantes. Não revertem perdas de memória no caso da Doença de Alzheimer, mas contribuem para melhoras cognitivas, principalmente quando o problema ainda não é relacionado a doenças. Maria da Consolação, 78 anos, é um exemplo de quem busca estimular a mente. Faz caminhada, vai ao banco, mercado e acessa a internet. “Também sempre tenho na bolsa palavras cruzadas e jogos de memória”, conta. Ela ainda toca teclado e cria partituras num programa de computador. E dá boas dicas: “ler muito e aprender outro idioma”.

devem chamar a atenção quando são frequentes e começam a atrapalhar as atividades do cotidiano. “Se o dia foi estressante e a pessoa esqueceu a chave do carro ou deixou de pagar uma conta, é normal. Mas quando o idoso sabia de cor o telefone da família inteira e dos amigos, mas agora não lembra nem o número da própria casa, devemos encaminhá-lo para diagnóstico e tratamento”, explica a médica. “Temos pressa em investigar esses casos a fim de evitar possíveis complicações futuras”, alerta. Além de procurar um médico para investigar as causas da perda

de memória, algumas atividades são bem-vindas para estimular a mente: Leia: o cérebro se modifica com a experiência e a leitura é considerada o melhor exercício para a memória. Saia da rotina: realize atividades diferentes e que mexem com a mente. Pergunte! Quanto mais você ouvir algo diferente, e que seja a resposta a uma dúvida, maior será sua capacidade de raciocínio. Cuide-se: tenha uma alimentação balanceada, que contenha Omega-3, vitamina B e antioxidantes. Controle a pressão arterial e o diabetes. Se você fuma, pare! E faça atividades físicas.


2

Julho a Setembro de 2012

Por causa do recente e rápido envelhecimento da população brasileira, o país ainda se mostra despreparado para cuidar bem de seus velhos. Por isso, são comuns os casos de maus tratos e de isolamento social, muitas vezes dentro do próprio lar. Quem é idoso conhece bem a situação de estar em casa apenas na condição de ouvinte, sem ter com quem conversar. O ideal seria mudar esse quadro com a conscientização dos jovens, que serão os idosos dos próximos anos. Mas enquanto esta não é a realidade, alternativas ajudam a diminuir os efeitos do isolamento, entre elas as atividades em grupo. O fisioterapeuta e gerontólogo Dr. Fábio Falcão cita algumas dinâmicas. “Podemos realizar atividades físicas, como os exercícios de alongamento, além de ações lúdicas e de raciocínio. Entre elas, temos alguns jogos e as oficinas de memória e arte”, destaca. Segundo Dr. Fábio, além do combate ao isolamento social e a redução da possibilidade de um quadro depressivo, todas essas atividades permitem a interação entre os idosos e afastam o sentimento de desvalorização que pode ser

causado pela ausência do convívio com familiares e antigos amigos. A terapeuta ocupacional Fabiana Carvalho acrescenta que as ações em grupo levam o idoso a se reconhecer com suas qualidades, seu papel social e história de vida. “Por uma série de razões, com o passar dos anos, eles perdem alguns contatos e deixam de integrar grupos familiares, de trabalho ou lazer. Por isso, há uma necessidade de fazê-los participar de novos grupos e ajudá-los a se encontrar naqueles que mais lhes agradem”, explica. Dona Auristela França, 80 anos, participa de um grupo para idosos no Centro Terapêutico e de Convivência Social PROSPERIDADE, que funciona na Clínica PROMOVI, no Centro Médico da Graça. Para ela, os principais atrativos são o ambiente divertido e a possibilidade de interagir com novos amigos. “É importante fazer parte de um grupo porque nos descontrai e podemos nos soltar mais”, conta. A amiga, Dona Dulce Alvin, 87 anos, destaca a mudança no astral. “Acho ótimo, pois a convivência sempre melhora nosso estado de espírito. Às vezes estamos um pouco tristes e saímos daqui bem melhores”, diz.

Fotos: Francisco Ribeiro

Grupos de idosos combatem isolamento social

No PROSPERIDADE os idosos participam de encontros semanais com terapeuta ocupacional, fisioterapeutas e outros profissionais. Eles trabalham as capacidades cognitivas e o lado psicoemocional de cada participante em grupos de até 15 idosos. São realizadas oficinas de memória, cine debate, mostra de talentos, palestras, jogos e confraternizações.

EXPEDIENTE MAIS IDADE é uma publicação trimestral da Clínica PROMOVI. Conselho Editorial: Dr. Fábio Falcão (CREFITO-7 / 36.710-F), Drª Alini M. Orathes Ponte Silva (CRM 21398-BA) e Marta Caldas. Projeto gráfico, editoração e tratamento de imagens: Quatro Linhas alexandrekarr@4linhascomunicacao.com.br

Jornalista Responsável: Francisco Ribeiro (DRT/BA 3540) chicoribeiro.comunicacao@gmail.com

Impressão: Gráfica Santa Bárbara. Tiragem: 1000 exemplares. E-mail: contato@promovi.com.br Tel.: (71) 3237-0666

www.promovi.com.br

O ambiente descontraído é uma das marcas do Centro Terapêutico e de Convivência Social PROSPERIDADE


3

Julho a Setembro de 2012

Basta de violência contra os idosos O aumento da expectativa de vida e a diminuição da taxa de natalidade vêm tornando o Brasil um país cada vez mais velho. Já são mais de 20 milhões de brasileiros na terceira idade, sendo 1,5 milhão na Bahia. A projeção é de 63 milhões de idosos vivendo no Brasil em 2050. Esse aumento reflete também a grande quantidade de atos de violência contra a pessoa idosa. E a maioria é praticada por familiares. Na Bahia, entre janeiro e junho, foram registradas mais de 300 denúncias. E desde que a Delegacia do Idoso foi criada, em 2006, já são

Fotos: Francisco Ribeiro

Idosos de Salvador pediram paz no Dia de Combate à Violência Contra a Pessoa Idosa, realizado em junho

mais de 16 mil queixas. Os números preocupam, pois apenas 16% dos atos costumam ser denunciados. Capacitação – Uma maneira de combater os maus tratos é a capacitação dos cuidadores de pessoas idosas. Afinal, o ato de cuidar de um idoso exige dedicação e paciência. Porém, esse trabalho nem sempre é feito por pessoas capacitadas e, consequentemente, o risco de violência aumenta. A Clínica PROMOVI oferece o Curso de Instrução Técnica para Cuidadores, ministrado por profissionais especializados. “Já instruímos cerca de 100 cuidadores em 12 turmas de, no máximo, 15 alunos para que o aproveitamento e ren-

dimento sejam melhores”, explica Marta Caldas, diretora administrativa da Clínica. Darci Duarte, 52 anos, participou do curso e reforça a necessidade de instrução. “Aprendi a me comunicar bem não apenas com os idosos, como também com outras pessoas. Temos que estar aptos a cuidar devidamente deles, pois necessitam de tratos especiais. No curso aprendemos a ouvir os idosos e eles têm muito a nos ensinar”, diz. A sensibilização é uma das principais formas de enfrentar a violência, mas o combate também deve ser feito por meio de denúncias. Saiba onde denunciar: Delegacia do Idoso - Tel: (71) 3117-6080 | Ministério Público Estadual - Tel: (71) 3103-6545 | Disque Denúncia - (71) 3235-0000 (Salvador) e 181 (interior).


4

Julho a Setembro de 2012

PERFIL - Dona Jacyra Vieira do Nascimento

Uma pesquisa que estudou o genoma de 1.795 islandeses descobriu uma mutação genética que protege contra a Doença de Alzheimer e a perda de capacidade de aprendizagem causada pelo envelhecimento, segundo estudo publicado pela revista científica “Nature”. A mutação foi descoberta em um gene chamado APP que funciona como uma defesa natural do cérebro. Essa mutação reduziria em até 40% a formação da substância conhecida como proteína amiloide em idosos saudáveis. Esta proteína se acumula e forma placas no cérebro, provocando o surgimento da Doença de Alzheimer.

Projeto de Lei aguarda votação para regulamentar profissão de cuidador Já está em fase final de análise pela Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal o Projeto de Lei nº 284 de 2011, que dispõe sobre a regulamentação da profissão de cuidador de pessoa idosa. A proposta, de autoria do senador Waldemir Moka (PMDB-MS), estabelece obrigações e direitos trabalhistas para esses trabalhadores, estimados em mais de 200 mil no País.

XIII Fórum de Neuropsiquiatria Geriátrica A Associação Brasileira de Neuropsiquiatria Geriátrica (ABNPG) realizará em 6, 7 e 8 de setembro, o XIII Fórum Brasileiro de Neuropsiquiatria Geriátrica, no Hotel Pestana, em Salvador. O evento terá a presença de renomados profissionais da área da geriatria e gerontologia, neurologia e psiquiatria, cujo interesse comum são as doenças neuropsiquiátricas no envelhecimento. O evento tem o apoio das Sociedades Brasileiras de Geriatria e Gerontologia, de Neurologia e de Psiquiatria e é voltado para médicos, residentes, estudantes e profissionais gerontólogos.

Exemplo de prevenção e saúde Dona Jacyra Vieira do Nascimento completa mais um aniversário no dia 7 de outubro. Há 83 anos, ela nasceu na cidade de Rio Real, próximo à Jandaíra e Mangue Seco, na fronteira entre Bahia e Sergipe. Filha de Arnaldo Vieira e Maria Oliveira, ela teve seis irmãos. Com apenas nove anos perdeu a mãe e mudou-se para Estância, em Sergipe, para estudar. Era início dos anos 40 e, após seu pai se mudar para Porto Seguro, teve que ajudar a cuidar dos irmãos mais novos. “Eu trabalhava na Associação Comercial de Estância durante o dia e estudava à noite”, lembra. Com 23 anos foi morar em Salvador, onde se casou, nove anos depois, com José Hilton Requião, então técnico de lubrificação e petróleo da antiga Atlantic. Jacyra também trabalhou, por quase dez anos, na Companhia Brasileira Exportadora, no bairro do Comércio. O casal teve quatro filhos: Eduardo, Silvana, Ana Cristina e Roberto. E já são três os netos: Ana Clara (16), Eduardo Filho (14) e Elena (9). Há 16 anos, Sr. José Hilton faleceu e Dona Jacyra tem se dedicado não apenas aos netos, mas também à própria saúde. “Eu praticava caminhada e, há dez anos, comecei a fazer fisioterapia preventiva”, conta. De acordo com Dr. Fábio Falcão, fisioterapeuta de Dona Jacyra, ela iniciou o acompanhamento com um quadro de tontura. Após resolver o problema, foi instruída a fazer um trabalho preventivo para ter mais qualidade de vida. Até hoje, ela segue rigorosamente todas as orientações. “Em dez anos fazendo exercícios de for-

Foto: Francisco Ribeiro

CURTAS Pesquisa descobre avanços no combate à Doença de Alzheimer

Há mais de dez anos, Dona Jacyra vem cuidando muito bem do corpo e da mente

ça, alongamentos, treino de equilíbrio e coordenação motora, Jacyra se mostra com uma capacidade funcional de uma pessoa de 60 a 65 anos. É um exemplo a ser seguido, pois avança na idade com sua autonomia e independência preservadas”, explica Falcão. Ela também participa das atividades do PROSPERIDADE, entre elas a oficina de memória. “Estou gostando bastante e digo para todo mundo fazer o mesmo. Quando sentimos algo errado, devemos combater no início, quando é mais fácil”, aconselha Dona Jacyra.

Ma+s Idade  

Publicação da Clínica Promovi - Saúde e Reabilitação voltada para a saúde na terceira idade - Ano I - #1 - Julho a Setembro de 2012

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you