Issuu on Google+

promon — relatório anual 2011


“O todo sem a parte não é todo, A parte sem o todo não é parte, Mas se a parte o faz todo, sendo parte, Não se diga que é parte, sendo todo.” (Gregório de Matos, século XVII)

Tudo é parte de um todo maior e mais complexo. Compreender a relação entre as partes e o todo é condição indispensável ao alinhamento das ideias e soluções de engenharia com o eixo da sustentabilidade. A Promon exercita essa percepção em tudo o que faz.


crenças _Uma empresa é um sistema vivo, parte integrante de um ecossistema social, econômico e natural com o qual interage, do qual depende e pelo qual é corresponsável. _O conhecimento será instrumento de realização dos indivíduos e da sociedade se utilizado de forma compartilhada e consciente.

Temos uma visão otimista do futuro: acreditamos que, pelo conhecimento, o mundo se tornará mais justo e sustentável. E que, pela educação, milhões de pessoas que hoje vivem excluídas do benefício do desenvolvimento econômico serão integradas e, dessa forma, não precisarão se identificar com a violência e os extremismos de qualquer natureza. Acreditamos que as empresas têm papel fundamental nesse processo, tanto pelo exemplo como pela ação. Cremos em uma empresa voltada para o futuro, mas solidamente enraizada em seus princípios. Cremos que é possível e fundamental conciliar capital e trabalho, realização profissional e lucro, sucesso e integridade. Cremos, acima de tudo, no enorme potencial humano de criação e de realização de nossos profissionais. A nova sociedade é a sociedade do conhecimento. O conhecimento é seu recurso mais valioso, e os profissionais do conhecimento, o grupo dominante na força de trabalho. É nesse novo cenário, complexo e fascinante, que a Promon está posicionada.


A PROMON EM 2011 5

PERFIL 2 0 RAZÃO DE SER E CULTURA ORGANIZACIONAL 22 GOVERNANÇA 24 ESTRATÉGIA E GESTÃO 30 COMPROMISSOS E PREMIAÇÕES 32 negócios

PROMON ENGENHARIA 36 PROMONLOGICALIS LATIN AMERICA 54 TRÓPICO 64 PROMON NOVOS NEGÓCIOS 71 entidades associadas

FUNDAÇÃO PROMON DE PREVIDÊNCIA SOCIAL 76 INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROMON 78 INSTITUTO RAZÃO SOCIAL 80 indicadores adicionais de desempenho

GENTE 84 CONHECIMENTO E PROCESSOS 95 CLIENTES 97 PARCEIROS E FORNECEDORES 97 SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE 99

IMPACTO SOCIOAMBIENTAL 99 CONCORRÊNCIA E ESFERA PÚBLICA 104 DIREITOS HUMANOS 104 INVESTIMENTO SOCIAL 105

PROFISSIONAIS PROMON – ABRIL 2012 114 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 117 ANEXOS

SOBRE O RELATÓRIO 173

PARÂMETROS PARA O RELATÓRIO 173 NÍVEL DE APLICAÇÃO GRI 175 ÍNDICE REMISSIVO GRI 176

PACTO GLOBAL (GLOBAL COMPACT) 183 QUADRO DE DIRIGENTES 184


a Promon em 2011


6


Dentre as muitas maneiras de se avaliar o desempenho de uma organização, algumas podem ser traduzidas em números, representam o resultado tangível do trabalho desenvolvido ao longo do ano; outras remetem ao intangível, fruto de alguns dos principais elementos definidores de sua identidade. Mais relevante ainda é a avaliação quando ela vem em forma de reconhecimento externo e coloca a organização como uma referência no ambiente de negócios do País. Essa foi a posição conquistada pela Promon em 2011, ao ser designada “A Empresa do Ano” pelo guia Exame Melhores & Maiores. No processo de escolha, a publicação contemplou os principais indicadores econômico-financeiros da Promon, mas também avaliou elementos mais abrangentes: os valores; o espírito empreendedor; o empenho em semear e disseminar o conhecimento que se transforma em ofertas diferenciadas para o mercado; o modelo de propriedade, que faz dos seus funcionários os únicos acionistas da companhia; o processo de gestão democrático e participativo; a valorização da comunidade de profissionais; a responsabilidade social; a capacidade de se reinventar continuamente e de viver intensamente o presente, cultivando novas aspirações para o fu-

turo. Essa prática continuamente voltada à inovação é a que talvez melhor expresse a vitalidade da companhia. Quando considerado o conjunto dos negócios sob gestão do Grupo Promon, independentemente da participação acionária detida em cada um deles, verificou-se que em 2011 a receita operacional total ficou 3% acima da auferida em 2010. A receita operacional líquida, contabilizadas essas participações, totalizou R$903,3 milhões, 17% menor que a do ano anterior, refletindo a queda da atividade no setor de Infraestrutura. O lucro líquido ficou em R$65,6 milhões, já deduzida a parcela de R$16,8 milhões para distribuição como participação aos administradores e funcionários. A Promon S.A. encerrou o ano mantendo ótima condição patrimonial e financeira, com baixo endividamento e liquidez elevada. Ao término do exercício, o patrimônio líquido era de R$334,7 milhões. Os investimentos realizados no período alcançaram R$60,3 milhões, valor no mesmo patamar do ano anterior, direcionados especialmente para o desenvolvimento tecnológico e de novos negócios e programas de capacitação dos profissionais.

7


A receita operacional total dos negócios sob gestão da Promon totalizou R$1.855 milhões. A receita operacional líquida consolidada alcançou R$903,3 milhões e o lucro líquido R$65,6 milhões.

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA valores em milhões de reais

LUCRO LÍQUIDO / RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA

2009 744,9

2009

11,5%

2010

2010

8,0%

2011 903,3

2011

7,3%

Fonte: Demonstrações financeiras

Fonte: Demonstrações financeiras

8

1.088,7


investimentos no ano

distribuição do valor adicionado

total R$ 60,3 milhões

novos negócios

valores em milhões de reais

35%

governo

desenvolvimento tecnológico

22%

colaboradores

infraestrutura

20 %

acionistas

capacitação

14%

terceiros

Aquisições

9%

retido

2009

482,2

2010

2011

Fonte: Relatórios Gerenciais

565,1

450,9

Fonte: Demonstrações financeiras

9


10


O efetivo do Grupo cresceu 14% em relação a 2010, resultado basicamente de contratações na PromonLogicalis, totalizando cerca de mil novecentos e trinta profissionais no Brasil e no exterior, acrescidos de quase noventa jovens talentos participantes do Programa de Estágio. Os investimentos em treinamento e na gestão de pessoas de forma geral fizeram da Promon, mais uma vez, ser reconhecida pelo guia Você S/A—Exame como uma das melhores empresas para se trabalhar. No guia do Great Place to Work/Época, as sucessivas premiações levaram os organizadores a considerá-la como hors-concours.

EVOLUÇÃO DO EFETIVO

em 31 de dezembro (inclui estagiários)

corporativo/holding

Promon Engenharia Promonlogicalis brasil Promonlogicalis exterior Trópico

2009

2010

2011

1.635

1.780

2.021

11


A Promon Engenharia, depois de registrar um crescimento de 365% em sua receita entre os anos 2007 e 2010, embora se ressentindo em 2011 da retração de investimentos em razão das incertezas geradas pela crise na economia mundial, encerrou o ano com a significativa carteira de R$1,1 bilhão, a terceira maior de sua história, e um relevante portfólio de novos contratos. A receita em 2011 totalizou R$851,6 milhões, 16% inferior à de 2010, mas com o último trimestre do ano já registrando um novo reaquecimento dos negócios. Além da retomada de investimentos que haviam sido adiados nos meses anteriores, registrou-se um aumento expressivo da demanda por serviços profissionais — consultorias, estudos e projetos que acenam para novos empreendimentos e valorizam a atividade de engenharia. Durante o ano, a empresa diversificou sua carteira de clientes e deu passos importantes para expandir as atividades em diversos setores, além do setor de Óleo e Gás, mercado que deve receber investimentos de mais de R$350 bilhões nos próximos quatro anos. Estimativas do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) também apontam para investimentos na ordem de R$270 bilhões nos demais mercados de atuação da empresa, como energia elétrica, mineração, siderurgia, indústria química e determinadas indústrias de manufatura. O valor dos investimentos planejados permite construir uma visão muito otimista sobre a Promon Engenharia para os próximos anos. Adicionalmente, a empresa mantém o reconhecimento do mercado como referência em gerenciamento de projetos, em formação de talentos e na atenção dada aos aspectos socioambientais dos projetos que executa. Para a PromonLogicalis Latin America, empresa que atua no setor de Tecnologia da Informação e Comunicação, 2011 foi um período vibrante. Sua receita totalizou R$863,6

12

milhões, representando crescimento de 31% em relação ao ano anterior. A empresa agregou novas ofertas ao seu port­ fólio no Brasil e ampliou o leque de parceiros tecnológicos, aumentando em 20% sua receita no País. Também reforçou sua estrutura em outros países da América Latina que registraram um crescimento bastante expressivo dos negócios. A Trópico, por sua vez, registrou uma receita de R$102,1 milhões, uma queda de 15% se comparada ao período anterior, em decorrência da retração observada em novos investimentos das operadoras de telecomunicações. Alcançou lucro operacional positivo, tendo o lucro contábil sido impactado por um evento não recorrente relacionado à decisão da companhia de encerrar questionamentos jurídicos em torno de passivos tributários, por meio do Refis (Programa de Recuperação Fiscal), uma resolução favorável para o principal passivo registrado pela empresa até então. Em 2011 teve início a implementação de uma estratégia de crescimento visando tornar mais abrangente a sua oferta. Criou-se uma nova unidade de negócios, direcionada a soluções de software, e se ampliou a gama de parceiros tecnológicos, ações que possibilitam o desenvolvimento de soluções e novas competências visando à diversificação das ofertas e da carteira de clientes, hoje ainda concentrada nas operadoras de telefonia fixa. Ambas as empresas, PromonLogicalis e Trópico, contam com um promissor cenário em seu segmento: os investimentos estimados para o setor de Tecnologia da Informação e Comunicação nos próximos anos, no Brasil e na América Latina, montam a cerca de R$70 bilhões, resultados de uma taxa anual de crescimento expressivamente maior do que as apresentadas pelo mercado global. Para a Promon Novos Negócios, o ano foi de conquistas relevantes, entre elas a bem-sucedida captação de recursos para o Fundo P2Brasil Infraestrutura, encerrada em 2011,


A dinâmica da renovação foi o denominador comum a marcar as atividades da Promon em 2011. Portfólio em expansão, novos mercados e clientes, novas formas de atuação foram a tônica na organização.

que totalizou US$1,155 bilhão. Trata-se do maior fundo de investimento em infraestrutura na América Latina nos últimos anos — o primeiro a ser gerido pela sociedade gestora de investimentos P2Brasil. Além dos aportes de recursos realizados no período nas empresas Hidrovias do Brasil e NovaAgri, a P2Brasil criou em 2011 a empresa Oceana, com foco na oferta de serviços de apoio à navegação offshore. A nova empresa já estreou com uma conquista importante: a aprovação de um financiamento de R$674 milhões pelo Fundo da Marinha Mercante, para a construção de um estaleiro e das primeiras embarcações que vão compor sua frota. Outro movimento de destaque na área de Novos Negócios foi a aquisição, em dezembro de 2011, de uma participação acionária inicial de 30% em três empresas do Grupo Brandt (Brandt Meio Ambiente, TerraVision Geotecnologia e Geoinformação e Verti Ecotecnologias), todas elas com atividades em tecnologia e gestão ambiental, que passam a integrar a nova Promon Meio Ambiente.

13


Grau de Responsabilidade Social Empresarial

SATISFAÇÃO DE CLIENTES

abrangência – 7 temas rse

Os sete temas de Responsabilidade Social Empresarial (RSE) adotados pelo Instituto Ethos são: Valores, Transparência e Governança; Público Interno; Meio Ambiente; Fornecedores; Consumidores e Clientes; Comunidade; Governo e Sociedade. A Trópico realizou seu primeiro levantamento de indicadores em 2011.

Promon Engenharia PROMONLOGICALIS Trópico

7

85%

6

100

84%

90

82%

80

80%

70

78%

5 4 3 2 1 0 1

2

3

4 60

Profundidade – estágios de RSE

75% 50

2011 Promon Engenharia 2010

2009

2010

40

2009 2011 PROMONLOGICALIS

30

2010 2009

20

2011 Trópico 10 Área de Benchmark

0

Fonte: Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social

14

Fonte: Pesquisa de Satisfação de Clientes (Omni Marketing)

2011


15


A Promon, com o espírito jovem e vibrante, continuamente voltado à inovação, é uma organização viva, que olha para o futuro com otimismo, confiança e entusiasmo.

A dinâmica da renovação foi o denominador comum a marcar as atividades da Promon em 2011. Portfólio em expansão, novos mercados e clientes, novas formas de atuação, lideranças renovadas, capacitação de equipes, os ventos inovadores permearam a organização. O exercício de planejamento estratégico de longo prazo realizado durante o ano anterior, nomeado “Promon 2020”, que congregou especialistas internacionais e mais de uma centena de profissionais das empresas do Grupo em busca de visões e cenários para o futuro, propiciou o início de encaminhamento de várias ações que procuram acelerar os passos em prol da criação do novo. A criação da Promon Meio Ambiente foi um dos resultados dessa iniciativa, em linha com a opção estratégica de orientar negócios do Grupo em torno do eixo da sustentabilidade. Outro resultado foi a estruturação e início dos trabalhos dos “observatórios tecnológicos”, grupos de profissionais que têm por missão acompanhar e estudar as tecnologias emergentes em temas considerados estratégicos para o posicionamento da Promon, atuando, assim, como elementos intensificadores da renovação do conhecimento, uma das bases da organização. Temas como geração de energia renovável, biotecnologia, nanotecnologia, redes inteligentes,

bem-estar e saúde, entre outros, passam a ser analisados de forma estruturada. Esses observatórios, integrados por núcleos de jovens profissionais e especialistas seniores da Promon, tornam-se também polos de capacitação e desenvolvimento de talentos e de futuras lideranças. A dinâmica de renovação da Promon abrangeu também o próprio sistema de governança, aprimorado com a criação de três Comitês de apoio ao Conselho de Administração, que contribuem com diagnósticos, análises e sugestões nos temas Estratégia, Riscos e Auditoria e Desenvolvimento Organizacional. O Grupo reafirma sua crença de que as organizações são agentes ativos do processo de desenvolvimento da sociedade e de preservação do meio ambiente e, como tal, têm um papel a exercer — tanto pelo exemplo como pela ação — na construção de uma sociedade mais próspera e justa. Sua cultura organizacional está fundamentada em valores como integridade, confiança, respeito e equidade, e concilia, de maneira inovadora, propósitos empresariais com propósitos humanos, capital com trabalho, criação de valor para os clientes com contribuição efetiva para o desenvolvimento da sociedade, competitividade com realização profissional e humana de sua gente. Desse modo, gerir o desempenho


nas dimensões econômica, ambiental e social sempre foi um compromisso essencial, um fator imprescindível para o sucesso e perenização do Grupo. O Grupo procura, ainda, concentrar seu investimento social no âmbito da educação, por entendê-la como fator-chave para o progresso e desenvolvimento das pessoas e do país. Suas ações se materializam mediante programas implementados por cada uma de suas empresas e pelas atividades do Instituto Razão Social. A Promon S.A. é signatária do Pacto Global da Organização das Nações Unidas desde maio de 2006. Integra, ainda, o seu Comitê Brasileiro, grupo voluntário de organizações que têm por finalidade promover a adoção e a incorporação dos Princípios do Pacto na gestão de negócios das empresas que operam no Brasil. Participar dessa iniciativa é uma forma de expressar publicamente que sua atuação pode e deve ir além da indispensável adoção de políticas e práticas alinhadas com os princípios da responsabilidade social empresarial. O contexto brasileiro autoriza um olhar otimista para as perspectivas de crescimento e, em especial, para as boas

oportunidades que se apresentam num país que precisa com urgência de grandes investimentos em infraestrutura. Com sua capacidade de renovação em todas as dimensões energizando o organismo corporativo, a Promon se encontra particularmente bem posicionada para participar dessa jornada de desenvolvimento do Brasil — aproveitando as oportunidades de negócios sem abrir mão de suas crenças, dos seus valores, da determinação de atuar de forma ética, e de gerar resultados consistentes, sem deixar de lado a dimensão humana que está presente em sua própria essência. A Promon, com a maturidade de seus cinquenta e um anos de existência e com o espírito jovem e vibrante, continuamente voltado à inovação, é uma organização viva, que olha para o futuro com otimismo, confiança e entusiasmo, e almeja continuar a ser protagonista nas transformações da sociedade e do País. Luiz Ernesto Gemignani Presidente do Conselho de Administração

Luiz Fernando T. Rudge Diretor-Presidente

17


PERFIL

O Grupo Promon é controlado pela holding Promon S.A., empresa na qual se localiza a coordenação executiva e estratégica da organização. Com sede em São Paulo e contando com empresas com presença física em outros oito países da América Latina, seus únicos acionistas são profissionais vinculados ao Grupo. Democrático, transparente e participativo, mais do que uma estrutura jurídica, o modelo acionário da Promon é a tradução econômica dos ideais­ e valores da organização. Por meio do seu engajamento voluntário no modelo, o profissional aprofunda seu grau de compartilhamento da riqueza criada e de participação na vida da companhia. A Promon Engenharia Ltda., a PromonLogicalis Latin America Limited, a Trópico Sistemas e Telecomunicações S.A., a Promon Meio Ambiente Ltda., a Promon Novos Negócios e a P2 Gestão de Recursos Ltda. formam o conjunto de entidades por meio das quais se desenvolvem os negócios principais da organização, atuando com independência de gestão, mas sempre de forma alinhada com a estratégia geral e as políticas e diretrizes estabelecidas pelo Grupo. Subsidiária integral da Promon S.A., a Promon Engenharia atua no mercado de engenharia e soluções integradas de infraestrutura, focando os setores estratégicos de Óleo e Gás, Mineração e Metalurgia, Energia Elétrica, Química e Petroquímica, Meio Ambiente e determinados segmentos da Indústria de Manufatura. A PromonLogicalis Latin America, uma joint venture entre a companhia britânica Logicalis Group Limited e a Promon S.A., é dedicada à integração de sistemas no mercado de Tecnologia da Informação e Comunicação, com presença na América Latina. A Promon, que detinha 30% de seu capital até agosto de 2011, passou, a partir de setembro desse ano, com a aquisição de uma participação adicional de 10%, a de-

20

ter 40% do capital da empresa. Com isso, manteve a responsabilidade integral por sua gestão. A Trópico, joint venture entre a Promon S.A., que detém 60% de seu capital, a Fundação CPqD (30%) e a Cisco Systems (10%), atua no desenvolvimento de software e hardware para o mercado de Telecomunicações e de soluções de soft­ ware voltadas a integrações e eficiência de sistemas para o mercado corporativo. A Promon Novos Negócios tem a missão de desenvolver de forma estruturada e consistente a vocação empreendedora do Grupo, apoiando-se nas competências e nas redes de relacionamento da organização para estimular o desenvolvimento de novos empreendimentos em setores associados à infraestrutura. A P2 Gestão de Recursos (P2Brasil) é uma joint venture entre a Promon S.A., que detém 40% de seu capital, e o Pátria Investimentos (60%), voltada à gestão de fundos de investimento nesses setores. Sua gestão é compartilhada entre os dois sócios. A Genes — Geração de Energia Sustentável S.A. é uma empresa dedicada ao desenvolvimento de empreendimentos em geração de energia. Durante o ano de 2011, foi criada a Promon Meio Ambiente, iniciativa com a missão de estruturar negócios na área ambiental nos setores de infraestrutura, parte da estratégia da organização de fazer da sustentabilidade o eixo determinante de suas atividades. Em dezembro desse ano, foram concluídas as negociações que permitiram a aquisição inicial de 30% do capital das empresas Brandt Meio Ambiente Ltda., TerraVision Geotecnologia e Geoinformação Ltda. e Verti Ecotecnologias S.A., por meio da holding Ozônio Empreendimentos S.A. Completam o quadro da organização a Fundação Promon de Previdência Social, o Instituto de Tecnologia Promon e o Instituto Razão Social, este último mantido em conjunto com a Gerdau e contando com a parceria tecnológica da IBM Brasil.


Estrutura societária do Grupo Promon

profissionais acionistas

promon s.a.

instituto de tecnologia promon

fundação promon de previdência social

instituto razão social

entidades associadas

promonlogicalis latin america

40%

promon meio Ambiente

100%

promon engenharia

100%

30%

terra-vision

100%

p2 gestão de recursos (p2 brasil) 40%

trópico sistemas e telecomunicações 60%

genes

ozônio Empreendimentos

brandt

promon novos negócios

100%

verti

21


RAZÃO DE SER E CULTURA ORGANIZACIONAL

A Promon é uma comunidade de profissionais, estruturada com base no conhecimento, identificada pela sua capacidade de inovar, que, tendo a busca da excelência como conceito-guia, quer empreender e prover soluções de infraestrutura que criem valor para os clientes e para as demais partes interessadas; proporcionar condições de realização profissional e humana aos seus profissionais; ser agente ativo do processo de desenvolvimento da sociedade e de preservação do meio ambiente. Comunidade significa ter coisas em comum, entendimentos partilhados que transcendam as partes em que a empresa está dividida. Comunidade implica a disposição de observar princípios e regras, mas implica também a colaboração voluntária, muito mais rica e menos programada. Colaboração não é altruísmo; ela surge quando pessoas partilham uma causa, sentem fazer parte de um destino comum. Uma comunidade pode ser descrita, pode ser mapeada em termos formais, mas tem também um significado emocional, um sentimento de ligação, de união. Comunidades têm corpo, mas também têm alma. A cultura de uma comunidade ou grupo de pessoas é a expressão verdadeira e profunda de suas crenças, valores e propósitos comuns, que funciona como um substrato a partir do qual emanam práticas e padrões de conduta aceitos e considerados apropriados pelo grupo em questão. A cultura organizacional da Promon é uma matriz que define o formato e o conteúdo do relacionamento da organização com seus públicos interessados. O ponto de partida para o entendimento de seus elementos formadores é a Carta de Campos do Jordão, elaborada em 1970, contendo princípios que expressam valores, ideais e uma visão de mundo, especialmente no tocante ao papel de uma empresa de conhecimento na sociedade brasileira. A busca

22

da excelência em todos os seus aspectos, a valorização das pessoas em sua perspectiva profissional e humana, o rigoroso padrão ético em todos os seus relacionamentos são alguns dos princípios que constam dos enunciados sintetizados na Carta. Seu texto completo está em www.promon.com.br. Esses princípios, que em muitos aspectos excedem o simples atendimento aos requisitos legais e contratuais, estão traduzidos nos documentos internos que definem os valores e crenças da organização. Adicionalmente, o documento Promon Corpo e Alma, distribuído a todos os profissionais, apresenta as condutas consagradas ao longo de sua existência na relação com seus clientes, parceiros e fornecedores, profissionais, acionistas, com a concorrência, a esfera pública, a sociedade e o meio ambiente. O grau de adesão dos profissionais à cultura da Promon é avaliado continuamente. Os resultados da última pesquisa de clima organizacional, realizada anualmente por organização independente, apontam para ligeira queda em alguns indicadores, proveniente da expansão natural do quadro do efetivo observada nos últimos anos. Embora os indicadores sejam significativamente positivos quando comparados com benchmarks externos, ações de melhoria estão sendo encaminhadas, especialmente no campo da comunicação interna. A Promon é a expressão do valor de seus profissionais, e sua cultura é sua essência e sua identidade. É, provavelmente, seu maior patrimônio.


A Promon é a expressão do valor de seus profissionais.

CULTURA ORGANIZACIONAL

Percentual de respostas favoráveis dos funcionários do Grupo Promon a conjunto de perguntas relativas aos tópicos listados abaixo:

2009 2010 2011

CONDUTA (*)

Maneira pela qual a organização atua em seus relacionamentos externos e internos. RESPEITO E EQUIDADE (*)

Maneira pela qual os profissionais são tratados, independentemente de seus cargos.

87 92 93 Co

nd

sp Re

Eq oe eit

ui

d da

e

91 87 84

ut a

ENGAJAMENTO

82 81 80

Engajamento

Percentual de profissionais que participam do modelo acionário.

(* ) fonte: pesquisa de clima organizacional (haygroup)

23


GOVERNANÇA

24


Fundamentado nos valores e ideais da Promon, o exercício da liderança apoia-se no estímulo e valorização da participação de todos os profissionais na vida da empresa.

A Promon vem aprimorando continuamente sua governança corporativa nos últimos anos. Os conceitos e práticas adotados estão em perfeita sintonia com os princípios de transparência, equidade, prestação de contas e responsabilidade corporativa, disseminados pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC). Fundamentado nos valores e ideais da Promon, o exercício da liderança na organização apoia-se no estímulo e valorização da participação de todos os profissionais na vida da empresa, buscando despertar em cada um o senso de pertencer à comunidade Promon. O processo decisório é fortemente influenciado pelo modelo acionário e respeita a seguinte lógica: _Os valores e ideais da Promon devem estar presentes em todas as decisões e em todos os níveis. _Os fluxos decisórios, indicando responsáveis e alçadas, fazem parte dos processos, sistemas e rotinas, dando confiabilidade e agilidade à tomada de decisão. _Resultados e ações decorrentes do processo decisório devem ser registrados, identificando responsáveis, envolvidos, prazos e origem de recursos, quando apropriado. _Todos os envolvidos, incluindo as partes interessadas, devem estar considerados no processo. A tomada de decisão deve privilegiar a busca do consenso. _Os interesses coletivos devem se sobrepor aos interesses individuais.

25


GOVERNANÇA

CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO

O Conselho de Administração da Promon S.A., mais alta instância da organização, é responsável pela definição dos objetivos e pela orientação geral dos negócios, sendo eleito pelos funcionários-acionistas para mandatos de três anos. Seus integrantes, além dos requisitos previstos em lei, necessitam ter comprovada experiência em gestão de empresas e negócios, bem como, nos casos dos Conselheiros que não sejam considerados independentes, inequívoca adesão aos valores e princípios da organização. Luiz Ernesto Gemignani, há trinta e quatro anos na Promon, foi reeleito Presidente do Conselho de Administração pela Assembleia Geral em abril de 2010, após cumprir três mandatos como principal executivo do Grupo. Os demais integrantes do Conselho são Gilson Galvão Krause, Luiz Fernando T. Rudge, Luiz Gonzaga Marinho Brandão, Raul Antonio Del Fiol e José Guimarães Monforte, este último na qualidade de Conselheiro independente, ou seja, sem nenhum vínculo ou relacionamento anterior com a companhia. O Conselho de Administração reúne-se, de modo ordinário, a cada trimestre, e em caráter extraordinário, sempre que necessário. O mandato de sua atual composição encerra-se em abril de 2013. O Estatuto Social da Promon S.A. estabelece que os integrantes do Conselho de Administração devem evitar toda e qualquer situação de efetivo ou potencial conflito de interesse com relação à organização. Cumpre ao Conselheiro que se encontrar nessa situação ausentar-se das discussões sobre as matérias que representem conflito, abstendo-se de qualquer comentário, manifestação ou votação. Em 2010, foram criados três Comitês de apoio ao Conselho de Administração: o de Estratégia, voltado à análise e ao acompanhamento da macroestratégia do Grupo em todas as

26

suas perspectivas; o de Riscos e Auditoria, dedicado à análise e ao acompanhamento da gestão dos principais riscos dos negócios e dos trabalhos das auditorias interna e independente; e o de Desenvolvimento Organizacional, orientado à discussão dos temas ligados a gente, sistema de gestão, cultura e modelo organizacional. Os Comitês são compostos por integrantes do Conselho de Administração, da Direção-Geral e por profissionais da organização com experiências e competências comprovadas em cada tema. As reuniões dos Comitês ocorrem, em caráter ordinário, com uma periodicidade mínima bimestral. Os Comitês estruturam seus trabalhos com base na análise dos diagnósticos e indicadores, na identificação de melhores práticas e na avaliação de oportunidades de melhoria e desafios, propondo planos de ação, auxiliando na sua implantação e acompanhando sua execução, nas dimensões sob sua responsabilidade. Os Comitês não possuem função deliberativa e reportam periodicamente ao Conselho suas atividades e recomendações. DIREÇÃO-GERAL

A Direção-Geral da Promon S.A. é responsável pela formulação e proposição ao Conselho de Administração da estratégia geral do Grupo Promon, pela gestão dos negócios, investimentos e projetos estratégicos, bem como pela avaliação dos resultados, em todas as suas perspectivas (ver “Estratégia e Gestão”). É composta, desde abril de 2010, pelo Diretor-Presidente Luiz Fernando T. Rudge, há trinta anos na organização; pelos Diretores Executivos Gilson Galvão Krause e Ivo Godoi Junior, profissionais que já integravam a Direção no mandato anterior; e por Felipe Alceu Amoroso Lima, no cargo de Diretor Executivo e Chief Financial Officer.


O Conselho de Administração e a Direção-Geral: José Guimarães Monforte, Luiz Gonzaga M. Brandão, Gilson G. Krause, Luiz Ernesto Gemignani, Luiz Fernando T. Rudge, Felipe A. Amoroso Lima, Ivo Godoi Junior e Raul A. Del Fiol

27


GOVERNANÇA

GESTÃO DE RISCOS

A gestão eficaz dos riscos, em todas as suas dimensões, é inerente aos tipos de negócios da Promon e esteve sempre presente ao longo de sua história. Todas as empresas do Grupo contam com mapas de riscos corporativos, por meio dos quais são sistematicamente analisados e geridos diversos fatores de risco, com foco especialmente em impacto e probabilidade, apetite ao risco, controles mitigatórios e planos de ação. Abrangem obrigatoriamente aspectos estratégicos, operacionais, financeiros, legais, sociais e ambientais. Por entender que a organização precisa antecipar-se e reagir a mudanças no meio em que atua, implantou-se em 2011, sob a orientação do Comitê de Riscos e Auditoria, uma nova metodologia para identificação dos riscos corporativos inerentes a cada negócio e dos riscos residuais atuais, aqueles que consideram as ações mitigatórias já existentes. Mediante sessões de trabalho integradas pelas principais lideranças de cada empresa do Grupo, foi possível mapear a probabilidade de ocorrência e a severidade do potencial impacto de cada fator de risco analisado, bem como definir a implementação de algumas ações complementares. A gestão do risco também está formalmente presente no plano operacional de cada empresa, tanto nos processos de tomada de decisão para as propostas comerciais apresentadas quanto no acompanhamento dos projetos executados para clientes. Ambos os processos, praticados há mais de uma década, são aderentes aos requisitos preconizados pelo Project Management Institute (PMI). A presença dos temas socioambientais nessas análises assegura a utilização das tecnologias mais adequadas, seguras e comprovadas em cada caso, até mesmo do ponto de vista de minimização do impacto ambiental, garantindo, assim,

28

a aderência de todas as operações da Promon ao princípio da precaução. A área de Auditoria Interna avalia e monitora o ambiente de controle dos principais processos e operações do Grupo Promon, incluindo aqueles relacionados à conduta inadequada de profissionais, de consorciados ou fornecedores; à ocorrência de fraudes internas ou externas; às compras de bens e serviços; aos procedimentos financeiros e à segregação de funções, entre outros. O Conselho de Administração e a Direção-Geral da Promon S.A. acompanham os temas relacionados à gestão de riscos, diretamente e por intermédio do Comitê de Riscos e Auditoria. PROCESSOS INTERNOS NA ALTA ADMINISTRAÇÃO

O Conselho de Administração, cumprindo com sua função de estabelecimento e acompanhamento da orientação geral dos negócios e do atendimento dos compromissos com as partes interessadas, atua sobre o sistema de liderança por meio da designação, avaliação e assistência aos integrantes da Direção-Geral. Auxiliado pelos Comitês e pela área de Auditoria Interna, o Conselho supervisiona o desempenho em todas as oito perspectivas estratégicas da organização, cobrindo os aspectos econômicos, sociais e ambientais de sua atuação e contribuindo para o aperfeiçoamento do processo de criação de valor para todas as partes interessadas (ver “Estratégia e Gestão”). A organização promove, anualmente, pelo menos três eventos de interação formal entre os integrantes da alta administração — Conselho de Administração e Direção-Geral — e os funcionários-acionistas. São eles a Assembleia Geral Ordinária e as duas Reuniões de Comunidade anuais, realizadas na sua sede em São Paulo, cujo conteúdo é repetido no Rio de Janeiro e em Campinas, cidades


que contam com quadro expressivo de profissionais. Esses eventos são transmitidos pela internet, em tempo real, para os profissionais sediados nas demais localidades. Nesses momentos, faz-se um extenso relato sobre desempenho, desafios e aspirações da organização, do ponto de vista de todas as suas perspectivas estratégicas, e abre-se um amplo debate com os presentes.

Adicionalmente, a alta administração organiza encontros periódicos com grupos de profissionais, para conversas informais e abertas sobre questões de interesse das pessoas. O perfil dos participantes é variado, podendo incluir, por exemplo, profissionais recém-admitidos, supervisores, os que tiveram avaliação acima das expectativas ou os integrantes de uma operação específica. Finalmente, a política de portas abertas, em vigor há muitos anos, permite que qualquer funcionário solicite uma conversa particular com qualquer integrante do Conselho de Administração ou da Direção-Geral, para expor alguma questão de seu interesse. RENOVAÇÃO DE LIDERANÇAS

Em 2011, promoveu-se a renovação da liderança da Trópico, com a designação de Jacques M. Benain como seu Diretor-Presidente em 1o de junho. Profissional com passagens por importantes organizações do mercado, além da própria Promon, onde atuou entre os anos de 1996 e 2002, veio aportar experiência e grande conhecimento de mercado. Raul Del Fiol, que liderou a empresa durante os últimos oito anos, foi conduzido à Presidência do Conselho de Administração da Trópico, além de continuar integrando o Conselho de Administração da Promon S.A. Já na PromonLogicalis Latin America, o início de seu novo ano-fiscal, em 1o de março de 2012, marcou a designação de José Rodrigo Parreira para suceder Luís Eduardo Sym Cardoso no cargo de Diretor-Presidente. Parreira ingressou na Promon em 2000 e ocupava, havia três anos, a posição de principal executivo (CEO) da empresa para os países do Cone Sul. Cardoso, que liderava a empresa desde a sua constituição em 2008, passou a atuar como Consultor da Direção-Geral do Grupo Promon.

29


ESTRATÉGIA E GESTÃO

As estratégias do Grupo Promon no curto e no longo prazos são formuladas a partir dos ciclos anuais de planejamento estratégico, exercício que envolve as principais lideranças de cada empresa da organização. A visão sistêmica disseminada pelas empresas do Grupo incorpora formalmente, desde 2005, oito perspectivas estratégicas, que representam as principais partes interessadas e os principais elementos de sua dinâmica de criação de valor, abrangendo de forma ampla os aspectos econômicos, sociais e ambientais. São elas: clientes, conhecimento e processos, cultura organizacional, desempenho econômico, gente, parceiros e fornecedores, portfólio de negócios, sociedade e meio ambiente. A dinâmica de permanente renovação implantada na Promon a levou, em 2010, a desenvolver um projeto cujo objetivo foi definir uma visão de futuro e de cenários possíveis para daqui a uma década. O projeto recebeu o nome “Promon 2020”. Com a exposição de mais de uma centena de profissionais às grandes questões confrontadas pelo mundo e pelos setores em que a organização atua, buscou-se estabelecer as principais escolhas estratégicas para a companhia. Esse exercício levou a uma confirmação das oito perspectivas estratégicas e a uma formulação ambiciosa de macro-objetivos para cada uma delas, expressando de maneira simples e direta sua interdependência e importância. Mais do que objetivos no sentido convencional, são uma expressão das aspirações da Promon para os próximos anos. Anualmente, objetivos específicos e detalhados para cada uma das perspectivas são definidos ou revistos por cada empresa do Grupo, à luz de uma análise equilibrada de fatores internos e do interesse das partes interessadas. Esses objetivos, os status dos planos de ação traçados para atingi-los e a evolução dos indicadores correspondentes são acompa-

30

nhados mensalmente pelas lideranças de cada empresa, em conformidade com os sistemas de gestão implantados por elas. São também analisadas as causas de eventuais desvios e definidas, quando pertinentes, ações corretivas. O desempenho anual das empresas em cada uma das perspectivas estratégicas, aliado ao desempenho individual de cada profissional nos aspectos profissional e comportamental, determina os valores da remuneração variável a ser paga individualmente aos profissionais. O processo abrange as lideranças das empresas e o mais alto órgão de governança da Promon S.A.


te n ie s

ge n te

sociedade e meio ambiente

cl

conhecimento e processos

E MACRO-OBJETIVOS DA PROMON

desempenho econômico

PERSPECTIVAS ESTRATÉGICAS

io s fól io rt góc po ne de

p fo ar rn ce ec iro ed s e or es

cultura organizacional

clientes

sociedade e meio ambiente

Construir relacionamentos de qualidade com as principais organizações dos nossos mercados-alvo, adotando postura proativa na proposição de soluções de valor com aplicação inovadora de tecnologia, desenvolvidas com base em conhecimento diferenciado dos setores em que atuam e de suas necessidades específicas.

A sustentabilidade socioambiental deve ser elemento determinante do nosso desenvolvimento como organização, do desenvolvimento dos nossos negócios e da nossa própria marca.

conhecimento e processos

Perseguir continuamente um nível de excelência em gestão que permita o pleno atendimento às nossas metas de crescimento e rentabilidade, mantendo-nos em uma posição de referência no setor, com atualização contínua de nossa base de conhecimento. parceiros e fornecedores

Compor uma rede de âmbito global de fornecedores, parceiros e sócios, capaz de oferecer ao mercado soluções competitivas e inovadoras, de modo a construir um posicionamento diferenciado e sustentável no longo prazo.

gente

Manter-se como uma excelente empresa para se trabalhar, capaz de atrair e reter excelentes profissionais de diferentes perfis, oferecendo-lhes oportunidades de realização de seu potencial em ambiente aberto e colaborativo, estimulando-os na busca de elevado desempenho e no exercício permanente da inovação. cultura organizacional

Desenvolver, no âmbito de nossa comunidade de profissionais, um completo “senso de pertencer”, preservar e enriquecer nossa cultura pelo compartilhamento e comunicação, reconhecer a diversidade de pessoas e negócios, ter a inovação e o empreendedorismo como forças distintivas da organização. portfólio de negócios

desempenho econômico

Gerar valor para os acionistas com a operação eficiente e competitiva de todos os negócios e com a realização do pleno potencial de nossa marca, equilibrando os riscos, prazos de maturação e dinâmicas econômicas dos diferentes negócios.

Contar com portfólio renovado, composto por ofertas voltadas aos setores básicos da economia em países selecionados, com diversificação e perfis de risco adequados, e estruturado segundo modelos de negócios que proporcionem a realização do potencial de valor da nossa marca.

31


COMPROMISSOS E PREMIAÇÕES

A organização é signatária do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (UN Global Compact) desde 2006 (ver “Pacto Global”), do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo e do Pacto Empresarial pela Integridade e contra a Corrupção (Pacto “Empresa Limpa”). A Promon é associada aos seguintes movimentos e instituições: Grupo de Institutos Fundações e Empresas (Gife); Instituto Akatu pelo Consumo Consciente; Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social; Movimento Brasil Competitivo; Movimento Todos pela Educação; e Rede Nossa São Paulo. A Promon é, ainda, membro mantenedor da Fundação Nacional da Qualidade, cujo Conselho Curador é integrado pelo Presidente do Conselho de Administração da Promon S.A. As empresas do Grupo são associadas a entidades representativas dos segmentos de mercado onde atuam, como a Associação Brasileira de Engenharia Industrial (ABEMI) e a Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (ABDIB), no caso da Promon Engenharia; a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (ABINEE), no caso da Trópico e da PromonLogicalis; a Associação Brasileira de Telecomunicações (TELEBRASIL), ainda pela Trópico; a Associação Brasileira das Entidades Fechadas de Previdência Complementar (ABRAPP) e a Associação dos Fundos de Pensão de Empresas Privadas (APEP), no caso da Fundação Promon de Previdência Social. O contínuo comprometimento com a incorporação dos temas socioambientais nas atividades dos negócios e a evolução das ações nesse campo fizeram a Promon ser reconhecida pela revista Exame, pelo sexto ano consecutivo, como uma das vinte e uma empresas-modelo do País em responsabilidade social corporativa. Do posicionamento diferenciado no âmbito da gestão de pessoas decorreram reconhecimentos importantes. Re-

32

cebeu o título de hors-concours do guia “As 100 Melhores Empresas para Trabalhar no Brasil”, da Great Place to Work/ Época, por ter sido a única empresa presente em todas as quinze edições do guia. Manteve sua posição de destaque no guia “As 150 Melhores Empresas para Você Trabalhar”, da Você S/A-Exame, e ficou entre as dez primeiras colocadas no ranking das “Melhores Empresas para Começar a Carreira”, também da revista Você S/A. As ações sociais promovidas pelas empresas do Grupo foram reconhecidas por entidades externas, como por exemplo, as atividades em prol da qualidade do ensino básico, realizadas pela Promon Engenharia e pelo Instituto Razão Social na comunidade de Araucária (PR), cujo modelo, reconhecido pelo Ministério da Educação, será estendido a outros municípios.


O reconhecimento mais expressivo do ano, entretanto, foi a escolha da Promon como “Empresa do Ano”, pela edição especial “Melhores e Maiores de 2011” da revista Exame, que apontou a importância da infraestrutura para a superação dos desafios do País e a singularidade de uma empresa com os valores e a essência da Promon.

33


PRoMoN engenharia promonlogicalis latin america tr贸pico promon novos neg贸cios

neg贸cios


PRoMoN engenharia


38


receita

valores em milhões de reais 2009 680 2010 1.009 2011 852

Fonte: relatórios gerenciais

O ano de 2011 foi marcante em várias dimensões para a Promon Engenharia, como a diversificação de ofertas e clientes, a estreia em novos setores e os avanços na trajetória da sustentabilidade, com mais projetos “verdes” no portfólio. Adicione-se a isso uma conquista relevante: foi eleita empresa-destaque do ano no setor de Indústria da Construção pela publicação “Melhores e Maiores” da revista Exame, considerada a mais prestigiosa premiação empresarial do País. Apesar da relativa estagnação em seus principais mercados-alvo, ainda em consequência da crise econômica global iniciada em 2008 e das condições que resultariam na crise internacional de 2011, a Promon Engenharia manteve seus níveis de lucratividade dentro da meta. A receita atingiu R$851,6 milhões, 16% menor do que a de 2010, em razão do menor volume de grandes contratos em modelo EPC (Engenharia, Suprimentos e Construção). PORTFÓLIO DE NEGÓCIOS E CLIENTES A atividade de serviços profissionais voltou com força ao portfólio, depois de mais de dez anos ocupando posição de menor destaque nos negócios. As vendas desses serviços, especialmente de estudos de viabilidade e de engenharia de projeto, ficaram acima da meta prevista no início do período. O crescimento da atividade comercial gerou um conjunto de propostas recorde e diversificado, com oportunidades em diferentes mercados, como manufatura, mineração, portos e terminais. Isso contribuiu não apenas para a conquista de novos clientes — Companhia Siderúrgica Nacional; Mineração Usiminas; Largo Resources; Geociclo Biotecnologia; e Suzano Energia Renovável, entre outros —, mas também para a atuação em setores novos e promissores, em projetos com forte apelo ambiental.

Durante o exercício, a estratégia de diversificação e de equilíbrio na participação do leque de clientes no conjunto de receitas da empresa não impediu que a Petrobras, primeiro e mais tradicional cliente, seguisse respondendo pela maior fatia do faturamento e pelos contratos mais expressivos. Entre os novos contratos, destaca-se o de engenharia de projeto para uma planta de liquefação e regaseificação de gás natural no distrito de Barra do Riacho, em Aracruz (ES), a primeira do tipo na América do Sul. O trabalho será executado em consórcio com a Linde, empresa alemã detentora da tecnologia para plantas dessa natureza. Essa parceria aporta capacitação técnica de excelência e possibilita à Promon Engenharia adquirir conhecimento e experiência em projeto que envolve alto grau de tecnologia. Um importante empreendimento em andamento é a Unidade de Destilação Atmosférica e a Vácuo (UDAV) no complexo petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), em consórcio integrado por Promon Engenharia, Skanska e Engevix. O contrato, no modelo EPC, prevê a construção de uma planta com capacidade de processamento nominal de 150 mil barris/dia de óleo cru, para separação em produtos como nafta, diesel, gás combustível e querosene. Outros projetos significativos são a Unidade de Hidrodessulfurização (HDS) da Refinaria Alberto Pasqualini, em Canoas (RS), e o contrato, executado em consórcio com a MCE, para construção e montagem da plataforma MOP (Módulo de Operação de PIG), a primeira do tipo no Brasil. Ela será utilizada na movimentação dos PIG, aparatos para limpeza e inspeção de tubulações e dutos. Dois projetos para a Petrobras foram concluídos em 2011: a Unidade de Recuperação de Enxofre (URE) da Refinaria de Capuava, em Mauá (SP), e a Unidade de Hidrotratamento (HDT) da Refinaria Henrique Lage, em São José dos

39


40


O ano foi marcante em várias dimensões para a Promon Engenharia, como a estreia em novos setores e o dinamismo das atividades de consultoria e projetos.

Campos (SP). Encontra-se ainda em andamento o projeto da Unidade de Coqueamento Retardado (UCR) da Refinaria Presidente Getulio Vargas, em Araucária (PR). Executado em consórcio com a Camargo Corrêa, foi o maior empreendimento com participação da Promon em 2011. O relacionamento com a Vale, outro importante e tradicional cliente, continuou relevante. Em 2011, foram executados estudos de engenharia para aumento da capacidade logística do Sistema Norte (Estrada de Ferro Carajás e Terminal Marítimo de Ponta da Madeira) e do Projeto Mina Serra Sul, de minério de ferro, a ser implantado até 2015 em Canaã dos Carajás (PA). A Promon Engenharia também participou dos projetos de uma nova mineração de ferro na África, das usinas termelétricas de Vitória (ES) e Moatize, em Moçambique, e de uma nova unidade de fertilizantes fosfatados. Ainda na área de mineração, um novo cliente ampliou a carteira da empresa: a canadense Largo Resources, uma

junior mining company que tem como foco a aquisição e exploração de reservas de metais estratégicos. A Promon foi contratada para realizar o projeto básico da planta de pentóxido de vanádio em Maracás (BA). Com prazo de execução de dois anos, será o primeiro empreendimento de exploração de vanádio no País. Maracás tem a maior mina do mundo com concentração desse minério, utilizado na produção de ferro-vanádio e empregado na fabricação de aços-liga. O contrato com a Largo terá continuidade com a implantação do empreendimento na modalidade EPCM (Engenharia, Suprimentos e Gerenciamento da construção). Para a Companhia Brasileira de Vidros Planos (CBVP), outro novo relacionamento, iniciou em 2011 a prestação de serviços de engenharia consultiva com vistas a uma nova planta no município de Goiana (PE), incluindo consolidação do projeto básico e projeto de detalhamento dos sistemas de utilidades e auxiliares, além do projeto civil completo. Pertencente ao Grupo Cornélio Brennand, a CBVP planeja ter sua nova unidade operando em 2013. Com capacidade de 260 mil toneladas/ano, a produção será destinada especialmente ao mercado da construção civil. Um passo importante na conquista de uma fatia do mercado de Óleo e Gás offshore foi a parceria celebrada com a Carioca Engenharia, para implantação de uma fábrica de equipamentos e módulos offshore. Na unidade localizada em Barra do Riacho (ES), serão construídos módulos a serem instalados em Unidades Flutuantes de Produção, Armazenamento e Descarga (FPSO — Floating Production Storage and Offloading) utilizadas na produção de óleo e gás. A qualidade dos serviços prestados segue como importante diferencial, o que garante níveis crescentes de satisfação dos clientes e reforça a reputação da marca Promon no mercado, trunfo para a conquista de novos clientes e parceiros.

41


42


MAIS VERDE NO PORTFÓLIO

A dimensão socioambiental está cada vez mais presente nos negócios da Promon Engenharia, ganhando corpo como um elemento inspirador e direcionador de suas estratégias. Mostra disso é o crescente número de projetos em carteira alinhados com as exigências da sustentabilidade, entre eles os de geração de energia com o aproveitamento do bagaço de cana e aqueles do setor de Óleo e Gás que permitirão melhorar a qualidade da gasolina e diesel produzidos, reduzindo as emissões veiculares de gases poluentes. O incremento na prestação de serviços profissionais, como estudos de viabilidade técnica, engenharia consultiva e engenharia de projeto, favoreceu não apenas a conquista de novos clientes e atuação em novos setores, como também abriu frentes importantes para intensificar a presença em iniciativas focadas na dimensão ambiental. Um exemplo é o novo cliente Geociclo, empresa de biotecnologia. A Promon realizou estudos de viabilidade e engenharia consultiva para uma nova planta de fertilizantes organominerais que usam resíduos orgânicos como os da produção de açúcar e álcool como matéria-prima. O fertili-

zante, que já é produzido em escala piloto, tem como principal atributo sua liberação gradual no solo, o que melhora a produtividade agrícola e torna a fertilização do solo ambientalmente mais amigável. Já a Suzano Energia Renovável, empresa do Grupo Suzano, contratou a Promon para desenvolver o projeto conceitual e básico de uma planta de pellets de biomassa para geração de energia. Destinados à exportação como “energia verde”, os pellets são produzidos com partículas de madeira moída, desidratadas e moldadas. Além de concentrar maior valor energético por tonelada, os pellets facilitam o transporte para longas distâncias. Para a UTE Norte Fluminense, do grupo Electricité de France (EDF), a Promon Engenharia fechou contrato de engenharia de uma planta piloto associada à tecnologia de captura e armazenamento de dióxido de carbono. Para a Bunge, um dos maiores grupos do setor de Agronegócio e Alimentos com atividade no Brasil, foi executado o projeto básico e a estimativa de investimento para as ampliações das Usinas Ouroeste e Moema de cana-de-açúcar, ambas no Estado de São Paulo.

43


SINERGIAS

A Promon Engenharia também vislumbrou oportunidades de agregar valor e conhecimento técnico a outras empresas ligadas à organização. Para a NovaAgri, empresa da P2Brasil, realizou o projeto conceitual e básico voltado ao terminal portuário Grandis, em São Luís (MA), visando identificar de forma mais consistente e detalhada as sinergias entre diversos tipos de terminais a serem construídos na área (grãos, celulose e pellets de madeira) e otimizar sua implantação e operação para viabilizar o empreendimento. As atividades abrangeram serviços de engenharia e elaboração de estimativas de investimentos para aquisição de equipamentos e instalações (Capex) e de despesas operacionais (Opex). Para a Hidrovias do Brasil, também da P2Brasil, desenvolveu projetos conceituais destinados à implantação de terminais portuários no Pará: o terminal Miritituba, no município de Itaituba, às margens do rio Tapajós, e o terminal de Vila do Conde, situado na região de Barcarena, na baía de Guajará.

44


PARCEIROS E FORNECEDORES Se em uma ponta a Promon Engenharia investe no relacionamento com os clientes, na outra cultiva sua rede de parceiros, cada vez mais reforçada por empresas que aportam conhecimento e experiência em novas tecnologias. Esse é um caminho importante para se diferenciar em um mercado que demanda inovação e competitividade. Além das já citadas novas parcerias com a Carioca e a Linde, é importante destacar as alianças com as empresas Montcalm e Queiroz Galvão na apresentação de propostas para diferentes setores industriais. Paralelamente, a empresa cultiva a relação com parceiros tradicionais, como Skanska e Camargo Corrêa, atuando em consórcios que permitem somar competências complementares e compartilhar a gestão de riscos. Outra parte importante da rede de relações tecidas para atender o mercado e os clientes é composta pelos fornecedores de materiais, equipamentos e serviços. A Promon investe em uma estratégia de aproximação com essas empresas e de alinhamento desses fornecedores com suas diretrizes estratégicas. Dentre as iniciativas com esse objetivo está a realização de edições regulares do “Promon Integra”, encontros que funcionam como um fórum de debates e compartilhamento de ideias. Em 2011, o assunto em foco foi “Sustentabilidade”, em sintonia com o propósito da organização de ter esse tema cada vez mais presente em suas estratégias de negócios. Assim como faz com os clientes, a empresa também monitora a satisfação dos fornecedores por meio de pesquisas periódicas que avaliam desde aspectos gerais do relacionamento com a Promon até itens específicos, como processo de cotação, negociação e formalização de contratos. Na edição 2011 da pesquisa, 76% dos entrevistados definiram como “ótimo” ou “bom” fazer negócios com a Promon Engenharia.

45


Como forma de assegurar competitividade, a empresa também segue ampliando as compras no exterior e a qualificação de fornecedores em outros países, dentre os quais, China e Índia. GENTE, CONHECIMENTO E PROCESSOS A Promon Engenharia encerrou 2011 com um efetivo de pouco mais de oitocentos e trinta profissionais, mesmo patamar do ano anterior, além de contar com mais de quarenta estagiários. A empresa vem multiplicando iniciativas de investimentos nas pessoas e na gestão do conhecimento. Uma importante frente de capacitação técnica se dá por meio do Projeto Trajetórias, desenvolvido em parceria com o Instituto de Tecnologia Promon. Trata-se de módulos de treinamento preparados e estruturados por profissionais seniores, disponibilizados por meio de modernas ferramentas de ensino a distância. Em 2011, cerca de metade do efetivo participou de algum dos quase cinquenta módulos já elaborados. É uma forma inovadora de compartilhar conhecimentos, que se soma a outras iniciativas já consolidadas nas práticas da companhia, como as sessões do “Mastigando Ideias”, encontros realizados na hora do almoço, de participação voluntária, em torno de temas específicos. Outra ação relevante foi o curso de extensão em exploração e produção de petróleo offshore, ministrado pelo Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da COPPE/UFRJ. Participaram mais de cinquenta profissionais de todas as disciplinas técnicas da empresa, reforçando a preparação das equipes para atuar em projetos dessa área. Adicionalmente, dezesseis de seus profissionais se juntaram a sete colegas da PromonLogicalis e da Trópico para participar da primeira versão in-company do curso de pós-

46

A competência da Promon em gerenciamento de projetos foi mais uma vez reconhecida pelo PMI, que a colocou na posição de hors-concours em seu prêmio “Top of Mind”.

-graduação lato sensu em Gestão Estratégica do Conhecimento e Inovação, ministrado na Promon pelo Senac e desenvolvido em torno de projetos relacionados aos desafios estratégicos das empresas do Grupo. A empresa cultiva ainda com especial cuidado a nova geração de talentos, representada por seus estagiários. Além das atividades convencionais do Programa de Estágio, adota iniciativas especiais para estimular os jovens a mergulharem na cultura organizacional, por meio da elaboração de projetos relacionados a esse tema. A competência da Promon em gerenciamento de projetos foi mais uma vez reconhecida pelo Project Management Institute (PMI), que colocou a empresa na posição de hors-concours depois das conquistas consecutivas, nos anos anteriores, do primeiro lugar no prêmio “Top of Mind”, após levantamento em âmbito nacional realizado pela regional Rio de Janeiro.


47


48


O propósito da Promon Engenharia é ampliar a gama de projetos sustentáveis em seu portfólio, adicionar mais conteúdo tecnológico à sua oferta e impulsionar a inovação e o empreendedorismo.

49


VENTOS INOVADORES

Disposta a impulsionar novos olhares na companhia, a Promon Engenharia elaborou, em 2011, em conjunto com uma consultoria especializada, um diagnóstico de seus processos de inovação. Na busca de caminhos para insuflar os ventos inovadores, a empresa também testou um processo de inovação aberta por meio da “Batalha de Conceitos”. A ação envolveu a procura de respostas para um problema técnico posto para análise de estudantes universitários e jovens profissionais do mercado, com interações e debates via internet. Em 2012, a empresa pretende testar outros processos, abertos e fechados, a fim de identificar os mais adequados a despertar mais profissionais para o tema “Inovação”, encorajando-os a levar adiante suas ideias. O envolvimento de profissionais da empresa nos Observatórios Tecnológicos do Instituto de Tecnologia Promon, grupos que estudam tecnologias emergentes e disruptivas, também faz parte desses esforços.

50


DESAFIOS E PERSPECTIVAS A Promon Engenharia projeta um cenário positivo para seus negócios nos próximos anos, com a retomada dos investimentos em vários setores da economia, a melhor estruturação dos projetos do governo e os preparativos para sediar eventos esportivos mundiais. No entanto, se vê com otimismo o futuro, também tem claros os desafios a serem enfrentados para evoluir em sua jornada. O ideal que move a Promon Engenharia é o de ampliar cada vez mais a gama de projetos sustentáveis em seu port­ fólio, adicionar mais conteúdo tecnológico à sua oferta e impulsionar a inovação e o empreendedorismo. No contexto da jornada da sustentabilidade, vê com otimismo a integração com as empresas Brandt Meio Ambiente, Verti e TerraVision, que passaram a fazer parte do Grupo em 2011. Com foco em projetos e consultoria em meio ambiente, essas companhias têm um forte potencial de atuação conjunta com a Promon Engenharia, agregando tecnologia para ofertas mais robustas e completas. A empresa também persegue com determinação o objetivo de diversificar seu portfólio, atuando em novos setores e junto a novos clientes. Além disso, quer ampliar a participação da atividade de prestação de serviços profissionais, formatando um modelo que permita ter ofertas diferenciadas para concorrer com sucesso em um mercado competitivo. Para avançar nesse objetivo, a Promon Engenharia estuda a criação de estruturas mais independentes para a oferta de serviços em modelo EPC e para a prestação de serviços profissionais. O olhar para mercados promissores repousa com especial atenção nos segmentos de Óleo e Gás offshore, incluindo elementos de construção naval, como módulos e integração de topsides, e de engenharia subsea. Se na primeira oferta já tem atuação em projetos como o do MOP e investimen-

tos feitos na capacitação de equipes, em subsea há passos importantes a serem dados. São relevantes os investimentos requeridos em capital tanto financeiro como intelectual. Parcerias tecnológicas e financeiras, bem como investimentos em recursos humanos vêm sendo realizados alinhados com esses propósitos. A Promon Engenharia tem, assim, objetivos de crescimento, de diversificação e de ganho de densidade. Crescer, nesse contexto, significa evoluir e dar passos rumo a novos horizontes. É isso que inspira suas atividades: congregar cada vez mais competências, conhecimentos e inovação para fazer a engenharia que constrói um futuro de desenvolvimento sustentável para a sociedade.

Crescer significa evoluir e dar passos rumo a novos horizontes. Congregar competências, conhecimentos e inovação para fazer a engenharia que constrói um futuro de desenvolvimento sustentável para a sociedade.

51


52


PROMON MEIO AMBIENTE

Criada em 2011 como parte da estratégia da organização de desenvolver suas atividades em torno do eixo da sustentabilidade, a Promon Meio Ambiente irá permitir uma melhor estruturação de negócios na área ambiental, interagindo em sinergia com a Promon Engenharia. Como primeiro passo nessa direção, foi anunciada em dezembro de 2011 a aquisição inicial de 30% do capital das empresas Brandt Meio Ambiente Ltda., TerraVision Geotecnologia e Geoinformação Ltda. e Verti Ecotecnologias S.A. A Promon passa a deter o direito de aquisição do controle dessas empresas em um período de dois anos. _Brandt Meio Ambiente Com mais de vinte anos de existência e sede em Belo Horizonte (MG), a Brandt Meio Ambiente é uma referência no mercado para projetos e estudos na área ambiental do Brasil, possuindo larga experiência em licenciamento e gestão ambiental de empreendimentos. A expertise da empresa nessa área possibilita a geração de documentos segundo procedimentos consolidados nos principais órgãos ambientais e dentro de elevados padrões internacionais. A empresa atua em todo o país a partir de seus escritórios em Minas Gerais, Belém e Rio de Janeiro.

_Terravision Geotecnologia e Geoinformação Originalmente um setor dentro da Brandt, a TerraVision foi constituída como empresa em 2007. Suas atividades abrangem o geoprocessamento e sensoriamento remoto com foco em inovação tecnológica, cujo principal objetivo é a elaboração de bases cartográficas e mapeamentos por meio de instrumentos e imagens de satélite. A empresa possui também um núcleo de meteorologia e climatologia, o ClimAgora. _Verti Ecotecnologias Criada em 2004, a Verti Ecotecnologias tem como principal atividade a pesquisa e o desenvolvimento de tecnologias para solucionar problemas ambientais especialmente direcionados ao setor Industrial. Também desenvolve pesquisas de prospecção e mapeamento de tecnologias ambientais, estudos de ecoeficiência de processos e análise de ciclo de vida de produtos. Seu foco está no planejamento e na execução de projetos de inovação ambiental. Com a efetivação desses investimentos, essas três empresas passam a adotar um modelo de governança compartilhada, que respeita a independência de papéis, suas lideranças e equipes. A Promon Engenharia, a Brandt, a TerraVision e a Verti reunirão a solidez do conhecimento e competência técnica em suas áreas de atuação para oferecer ao mercado as melhores soluções de engenharia e meio ambiente, apoiadas em forte capacidade de inovação.

53


PROMONLO LATIN


PROMONLOGICALIS LATIN AMERICA


Maior integradora independente de soluções de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) da América Latina, a PromonLogicalis deu continuidade, em 2011, à sua trajetória de crescimento acelerado e registrou uma receita de R$863,6 milhões, um aumento de cerca de 31%, em comparação ao ano anterior. Entre os países onde atua, o Brasil respondeu pela maior fatia dos negócios, sendo responsável por 69% da receita total. O incremento dos negócios permeou todas as verticais de atuação das operações no Brasil. No mercado corporativo, a expansão foi de 60%. Na vertical de governo (federal, esta­ duais, legislativo, judiciário, órgãos e autarquias), obteve crescimento significativo e passou a responder por quase 10% dos negócios da empresa. Já o setor de Telecomunicações continuou a responder pelo maior volume de vendas, representando cerca de 60%. PORTFÓLIO DE NEGÓCIOS Na vertical de telecomunicações, o destaque ficou por conta das soluções desenhadas para auxiliar as operadoras a adequarem suas infraestruturas para suportar o crescimento do volume de dados que trafega em suas redes. Um dos principais projetos do ano foi o IP RAN, uma solução de extensão da rede IP até as estações radiobase (ERB) das operadoras de telecomunicações móveis. Outra solução que vem atraindo a atenção dos clientes é o 3G Offload, baseado em Wi-Fi, que possibilita a utilização de pontos de acesso WLAN para escoamento do tráfego celular. Com essa tecnologia, que começou a ser implantada em 2011, a operadora consegue aliviar a sobrecarga nas redes de telefonia móvel, bem como as limitações de espectro e oferta de banda. Desse modo, o usuário que está em uma área de acesso Wi-Fi pode usufruir os serviços de

56

dados do seu telefone celular sem usar a infraestrutura de rede 3G da operadora. O esgotamento da atual base de endereços de internet (IPv4) e a iminente necessidade de migração para o novo protocolo, o IPv6, são desafios que vêm mobilizando as operadoras. Em 2011, a PromonLogicalis realizou a adequação do backbone da TIM para o protocolo IPv6, garantindo que a migração possa ser feita sem risco de descontinuidade dos negócios. Na atuação no mercado corporativo, a empresa vem trabalhando na verticalização de sua oferta, de forma a adequar as soluções às necessidades de cada perfil de cliente. Ao longo de 2011, um dos segmentos com maior volume de negócios foi o Financeiro, especialmente em face de investimentos na ampliação e virtualização de seus data centers; em soluções de conectividade e sistemas de segurança e colaboração, como telefonia IP, videoconferência e telepresença. Um dos projetos de maior destaque teve como cliente o Banco Itaú BBA. Em parceria com a Cisco, a PromonLogicalis implementou dezesseis salas de telepresença em várias capitais brasileiras, com transmissão multipontos de áudio e vídeo em alta definição sobre rede IP. Solução semelhante foi adotada pelo banco argentino Santander Rio, que implantou o sistema de colaboração por imagem para interligar os profissionais da sede corporativa em Buenos Aires com as diversas cidades do interior em que a instituição possui operações. Outro setor em que a empresa tem presença importante é o de Engenharia e Construção, para o qual a principal oferta é o Connected Construction Site, pacote que combina uma série de tecnologias, levando aos canteiros de obras recursos que garantem maior produtividade, agilidade na tomada de decisão e segurança. Hoje, todas as grandes construtoras brasileiras são clientes da empresa.


receita

valores em milhões de reais 2009 395 2010 661 2011 864

brasil Demais países da América latina

fonte: relatórios gerenciais

A virtualização de servidores, redes e desktops tornou-se um dos principais focos de atenção das grandes corporações. Nesse âmbito, um dos destaques do ano foi o contrato com o Terminal T6, maior complexo agroindustrial exportador da América Latina, localizado na Argentina, que tem como principais acionistas AGD e Bunge. Em parceria com a EMC, a PromonLogicalis desenvolveu uma solução para ampliação da capacidade de armazenamento de dados em ambiente virtualizado, reduzindo a possibilidade de falhas dos processos críticos do cliente. No Brasil, foi realizado um projeto de virtualização para uma operadora que estava em busca de reduzir os elevados custos operacionais e, paralelamente, precisava ampliar a capacidade de armazenamento em um de seus data centers. O tema segurança, como tradicionalmente acontece, também está na pauta de investimentos de todos os setores do mercado. Em 2011, um dos destaques foi o projeto desenvolvido para a Ativas, provedora de serviços de TI, que envolveu a implantação das soluções IPS (Intrusion Prevention System), em parceria com a McAfee, e Anti-DDoS, em parceria com a Arbor. O IPS protege redes e sistemas contra ataques, com o diferencial de possibilitar crescimento de acordo com a demanda, ao passo que o Anti-DDoS identifica ataques direcionados aos ambientes dos clientes. Na vertical governo, um dos projetos importantes foi o fornecimento de solução de colaboração para o Interlegis, comunidade virtual do Poder Legislativo vinculada ao Senado Federal, com presença em todo o território nacional. O órgão, que há dez anos tem a videoconferência como principal meio de comunicação, atualizou o sistema com uma solução fornecida pela PromonLogicalis. Foram criadas novas salas de videoconferência em todos os Estados brasileiros, com tecnologia de ponta em áudio e vídeo e links via satélite.

57


58


CLIENTES, PARCEIROS E FORNECEDORES A PromonLogicalis vem conseguindo expandir de maneira importante sua carteira de clientes, contando com mais de duzentos no encerramento do período, sem abrir mão da qualidade do relacionamento com eles. O índice de satisfação dos clientes, apurado por meio de pesquisa independente, continuou apresentando uma evolução positiva, atingindo 84% em 2011. A ampliação da base de clientes é um dos pilares do crescimento da empresa nos próximos anos. A meta da PromonLogicalis é oferecer às empresas brasileiras soluções tecnológicas adequadas às suas necessidades e capazes de tornar seus negócios mais eficientes e lucrativos. Como parte dessa estratégia, a empresa implementou um Innovation Center em 2011. Localizado em São Paulo, o centro foi criado com o apoio de parceiros — Cisco, McAfee, Librestream e Wyse — e tem o objetivo de promover demonstrações práticas sobre as tecnologias e serviços ofertados, em todas as áreas de atuação, permitindo que os clientes entendam as soluções e escolham a mais adequada para cada necessidade. A empresa busca ampliar de forma integrada suas parcerias, identificando as melhores tecnologias disponíveis no mercado para oferecer o que há de mais avançado aos seus clientes. No ano, firmou novas alianças com empresas como a Apple, para oferta de soluções de mobilidade corporativa; a Blue Coat, para soluções de segurança de redes; e a VCE (Virtual Computing Environment), consórcio formado por Cisco, EMC e VMware, para soluções de cloud computing. Essas empresas somam-se a outros grandes nomes, como IBM, Arbor, EMC, CA, NetApp, RSA, HP e Microsoft, que já fazem parte da lista de parceiros da empresa. O relacionamento é monitorado por meio de pesquisas periódicas. Em 2011, o nível de satisfação dos parceiros foi de expressivos 89%, com destaque para os quesitos conhecimento técnico e ética.

GENTE, CONHECIMENTO E PROCESSOS A PromonLogicalis encerrou 2011 com um efetivo de quase novecentos profissionais, sendo mais de quinhentos e vinte no Brasil, um incremento de 32% em relação ao período anterior. Além disso, a empresa tem investido fortemente nos jovens talentos, ampliando em mais de 50% a base de estagiários e adequando o perfil do efetivo às suas novas necessidades. A qualidade do ambiente organizacional segue reconhecida interna e externamente. No ranking das melhores empresas para trabalhar no setor de TI e Telecom do Great Place to Work Institute, conduzido e divulgado pela revista ComputerWorld, a PromonLogicalis subiu três posições, passando da 10 a para a 7a colocação. Para manter seus funcionários atualizados com as inovações dos segmentos nos quais atuam, a PromonLogicalis investe em treinamentos o equivalente a 4% do custo de sua folha de pagamentos, um benchmark de mercado nesse quesito. Estruturado no ano anterior, o Programa de Educação Corporativa iniciou suas atividades em 2011. Ele reúne cursos sobre as tecnologias disponíveis no mercado, que podem ser realizados pelos profissionais por meio de créditos distribuídos no início de cada ano fiscal. São os próprios profissionais que definem seus planos de treinamento, os quais são validados após avaliação de seu alinhamento com as estratégias da empresa. Para auxiliar a inovação corporativa, a empresa instituiu, no final de 2011, o “Mural de Ideias”, uma ferramenta colaborativa que permite aos profissionais darem sugestões para os processos e negócios da empresa. As propostas são discutidas em uma rede social corporativa, votadas pelos demais profissionais e analisadas por um comitê para avaliar sua viabilidade de adoção pela empresa.

59


60


A missão da PromonLogicalis é oferecer às empresas brasileiras soluções tecnológicas adequadas às suas necessidades e capazes de tornar seus negócios mais eficientes e lucrativos.

61


A PromonLogicalis elegeu alguns pilares de evolução: expansão na América Latina, ampliação da rede de parceiros tecnológicos, diversificação da oferta de serviços e de soluções de TI, para servir a um universo maior de clientes.

62


SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE Uma das metas da PromonLogicalis é intensificar sua atuação como empresa de TIC sustentável e, em 2011, deu novos passos nesse sentido. Pretende participar ativamente das discussões setoriais em busca de novas práticas relacionadas à logística reversa e à destinação de embalagens dos materiais e equipamentos instalados nos clientes. São esforços que se somam à contribuição que os próprios produtos e serviços da empresa aportam ao meio ambiente. As soluções de telepresença, terceirização de ativos e data centers, melhoria nas redes de telefonia e tráfego de dados e ambientes colaborativos contribuem, por exemplo, para reduzir os deslocamentos, as viagens e os impactos ambientais que deles derivam.

crescimento a taxas anuais acima do mercado. Para isso, a companhia elegeu alguns pilares de evolução: expansão de sua atuação na América Latina, diversificação de parceiros, fortalecimento da oferta de serviços, aumento da base de clientes com foco no mercado corporativo e governo e ampliação da oferta de soluções de TI. Nessa jornada, os desafios são aprimorar cada vez mais as ferramentas e competências para agregar a melhor solução tecnológica para os clientes. A PromonLogicalis trabalha para olhar cada segmento de mercado individualmente, entender suas demandas específicas e desenvolver soluções personalizadas, intensificando seu posicionamento como um fornecedor fim a fim.

DESAFIOS E PERSPECTIVAS A PromonLogicalis pretende expandir sua oferta de serviços gerenciados, com a entrega de infraestrutura, plataforma e aplicações no modelo “as a service”, que permite a redução dos investimentos iniciais dos clientes e torna as tecnologias mais acessíveis a diversos perfis de empresas. A empresa segue fortalecendo sua estrutura na América Latina, em um modelo alicerçado em três grandes clusters: Brasil, Argentina (para atender o Cone Sul) e Colômbia (para atender o mercado Andino). Para promover ainda mais a integração das operações na região, a uniformização das ferramentas de controle e gestão também está em pauta. Até o início de 2012, o sistema de gestão integrada da SAP, até o momento adotado apenas no Brasil, abrangerá também as operações na Colômbia. Nos próximos dois anos todas as demais unidades latino-americanas estarão integradas ao sistema. A PromonLogicalis, entretanto, planeja seu futuro com base em uma perspectiva de dez anos, tendo como meta o

63


tr贸pico


66


receita

valores em milhões de reais 2009 110 2010 120 2011 102

Fonte: relatórios gerenciais

Do portfólio de ofertas à estrutura das unidades de negócios, do leque de clientes às parcerias tecnológicas e comerciais, 2011 foi um ano de renovação para a Trópico. Além de fortalecer e ampliar a gama de produtos e serviços para as operadoras de telefonia fixa, seu mercado tradicional, a empresa deu passos importantes para explorar novos territórios de negócios. A receita atingiu R$102,1 milhões no exercício, cerca de 15% abaixo da apresentada no ano anterior. É um desempenho favorável, quando se consideram os reflexos advindos de uma redução significativa do ritmo de demandas de algumas operadoras de telecomunicações no primeiro semestre de 2011. Esse ritmo já demonstrou sinais de retomada durante a segunda metade do ano. PORTFÓLIO DE NEGÓCIOS E CLIENTES A Trópico seguiu reforçando sua oferta de produtos e serviços para o mercado de operadoras de telecomunicações, mas abriu seu foco para mirar novos horizontes. Para isso, tem procurado diversificar portfólio e carteira de clientes. Um dos movimentos nesse sentido foi a criação, no final de 2010, da unidade de negócios Soluções de Software, que vem se juntar às atividades tradicionais da unidade de Produtos e Serviços. Em 2011, a Trópico obteve 20% das receitas fora dos seus clientes tradicionais. Com a linha de servidores da família Vectura como principal produto, a unidade de Produtos e Serviços realizou negócios com praticamente todas as grandes operadoras que atuam no Brasil. Mesmo em ritmo menos intenso, elas procuraram otimizar suas redes e preparar-se para a implantação do nono dígito na telefonia móvel, que começará a ser adotado em 2012, inicialmente em São Paulo. Com as implantações de servidores de sinalização Vectura Signalling Server (VSI) na Oi e na Telefônica, que juntas res-

pondem por mais de 90% da rede de telefonia fixa do País, a tecnologia da Trópico consolida-se no mercado brasileiro como a ponte entre as atuais redes legadas e as redes de nova geração (NGN — Next Generation Networks). Com a conclusão do projeto na Oi, toda a planta fixa da operadora — cujo volume de chamadas supera setecentos milhões/dia — passou a ser coberta pela plataforma de serviços VSI, totalizando cinquenta equipamentos distribuídos em vinte e quatro Estados e no Distrito Federal. Já a plataforma de atendimento por reconhecimento de voz (VAS — Vectura Application Server), instalada na área de negócios residenciais da Telefônica/Vivo, atingiu a marca de quinze milhões de atendimentos por mês. O desempenho e a qualidade da plataforma levaram a operadora a expandi-la para atender a sua área de negócios corporativos, prevendo sua utilização também em outras verticais estratégicas. Pelo desempenho, estabilidade e flexibilidade, o VAS despertou atenção em outros potenciais clientes do mercado corporativo e do segmento de governo. No setor corporativo, o destaque foi o contrato com a Petrobras para fornecimento de equipamentos voltados à ampliação e modernização de sua rede de telefonia. O relacionamento com a British Telecom, que no Brasil atende apenas o setor corporativo, manteve o perfil do ano anterior, com a prestação de serviços gerenciados, que englobam fornecimento e implantação de equipamentos e operação e manutenção da rede. Com estrutura consolidada em 2011, a nova unidade Soluções de Software conquistou no ano seus primeiros oito contratos. O mais significativo foi o assinado com a Louis Dreyfus Commodities, para otimização do sistema de documentação e sistema de gestão de dispositivos móveis, esse desenvolvido em conjunto com o parceiro tecnológico Navita.

67


A Trópico criou uma nova unidade de negócios, direcionada a soluções de software, para levar suas reconhecidas competências e tecnologia a novos setores.

As sinergias com as demais empresas do Grupo Promon também renderam frutos. Ao lado da PromonLogicalis como parceiro comercial, a Trópico desenvolveu dois projetos: um deles para a TIM, com solução relativa à medição da qualidade do serviço; e o outro para a Claro, de complementação do sistema de gestão de rede. Além do setor de Telecomunicações, a nova unidade quer estender sua oferta a outras áreas, valendo-se da expertise da Trópico no tratamento de grandes fluxos de informação com alta confiabilidade. Entre outras, suas ofertas incluem soluções de software para integrações corporativas, elevando a eficiência dos sistemas já implantados; eficiência de sistemas visando ao seu crescimento e escalabilidade; integração de dispositivos móveis utilizados pelo efetivo das empresas clientes; gestão de ativos com base em identificação por radiofrequência, para controle de fluxos de materiais, veículos e pessoas; melhoria da gestão de informações; e soluções de gestão inteligente de redes de utilidades (smart grids), como energia elétrica e água, para redução de desperdícios e otimização de consumo. Com investimento no aprimoramento e robustez da linha de produtos, no refinamento do software desenvolvido e na qualidade do atendimento, a Trópico teve como reflexo o aumento nos níveis de satisfação dos clientes, cuja média atingiu no ano o expressivo patamar de 85%. PARCEIROS E FORNECEDORES Uma importante frente de esforços está relacionada à ampliação de parcerias, que complementam e diversificam o portfólio de ofertas da empresa. O volume de negócios feitos com tecnologias de parceiros, que respondia por apenas 2% das receitas em 2010, passou a representar 20% em 2011.

68

A unidade Produtos e Serviços formalizou novas parcerias com empresas consagradas no mercado global, tanto para aporte de tecnologia quanto para fornecimento de equipamentos. Entre elas, destacam-se a AudioCodes, empresa israelense de dispositivos de acesso de voz para redes de nova geração; a Acme Packet, fornecedora de dispositivos para aumento de segurança nas redes de voz; e a Nuance, fornecedora de sistemas de reconhecimento de voz. A unidade Soluções de Software também investiu em parcerias comerciais com a PromonLogicalis e a Prime, e em parcerias tecnológicas com Navita, SAP, IBM e EasyVista, entre outras. Uma ação importante foi a participação da Trópico em um projeto piloto de aplicação de mobilidade no COIL (Co-Innovation Lab) da SAP, conjunto de equipes e instalações globalmente distribuídas que visa facilitar projetos inovadores, iniciando um relacionamento que poderá possibilitar inúmeras oportunidades de negócios.


GENTE, CONHECIMENTO E PROCESSOS Ao renovar-se na maneira de ser e de fazer negócios, a Trópico alavancou também o ambiente organizacional e a confiança das equipes na empresa, com positivos avanços no nível de satisfação da equipe, que encerrou o ano contando com mais de duzentos e quarenta profissionais, um patamar 10% superior ao do ano anterior. A contratação de novos profissionais procurou focar a necessidade de incorporação de novas competências na unidade Soluções de Software e na plataforma de atendimento a clientes. Na área de gestão de pessoas, um dos destaques foi o forte investimento no desenvolvimento das equipes, de maneira alinhada com as exigências do mercado e com a estratégia de diversificação das áreas de atuação da empresa. Para os profissionais da área de software, uma das ênfases foram os treinamentos e trabalhos para certificação CMMI (Capability Maturity Model Integration), modelo baseado nas melhores práticas para desenvolvimento e manutenção de produtos e serviços, que representa garantia de qualidade no desenvolvimento de software. A Trópico reúne um conjunto de certificações profissionais relevantes e agregadoras de valor aos seus negócios, entre elas a de PMP (Project Management Professional), Java, IBM Rational, SAP Process Integration, ITIL (Information Technology Infrastructure Library) e CTFL (Certified Tester Foundation Level). Outra iniciativa relevante foi a constituição de um grupo específico de gestão de projetos, incluindo a estruturação do escritório de projetos (PMO), encarregado de promover o alinhamento das práticas e acompanhar de maneira mais estruturada os projetos da empresa. Além disso, a companhia investiu no aprimoramento dos indicadores de performance das áreas e reavaliou os processos de desenvolvimento e suporte a clientes.

DESAFIOS E PERSPECTIVAS O ideal de promover transformações — dinâmica intensificada em 2011 — se mantém quando a Trópico olha para horizontes futuros, onde se desenham novas oportunidades. Aproveitá-las implica abrir novos caminhos e superar desafios. Esse novo momento da organização foi traduzido no trabalho de remodelação da marca e de toda a identidade visual da Trópico, de modo a adequá-la aos novos tempos e às atuais necessidades da empresa. As mudanças incluíram ainda a renovação programada da liderança da empresa. Diversificar os mercados de atuação, a carteira de clientes e avançar na ampliação do leque de parceiros e fornecedores são os desafios para os próximos anos. Para tanto, um grupo de trabalho foi montado em 2011 com a missão de consolidar relacionamentos com empresas que aportem valor e confiabilidade às ofertas da Trópico. A evolução da linha Vectura, para maior adequação ao conceito de arquitetura IMS (IP Multimedia Subsystem), é a estratégia que permitirá à Trópico explorar as oportunidades que advêm da crescente demanda por banda larga e das possibilidades criadas pela convergência fixo-móvel. O setor de Saúde merecerá particular atenção da toda a empresa, pois apresenta grandes oportunidades para evolução e modernização tecnológica. Parte delas, já identificada, será trabalhada em 2012. Seja na perspectiva da organização, do portfólio de ofertas, seja na dos setores de atuação, do leque de parceiros e clientes, a determinação da Trópico é explorar novas fronteiras.

69


PROMON NOVoS NEGoCIOS


Criada em 2008 com o objetivo de sistematizar e impulsionar as ações de empreendedorismo do Grupo, a Promon Novos Negócios teve em 2011 um ano marcado pela consolidação de sua estrutura e por uma série de importantes investimentos em segmentos do setor de Infraestrutura que estão no seu foco de atividades, tanto direta como indiretamente. P2BRASIL Grande parte desse fôlego provém do êxito do fundo P2Brasil Infraestrutura, gerido pela P2Brasil, joint venture entre Promon e Pátria Investimentos. Ele teve sua captação encerrada no terceiro trimestre de 2011, totalizando US$1,155 bilhão, o que faz dele, atualmente, o maior fundo de investimento privado da América Latina com foco em infraestrutura. A grande maioria dos recursos foi proveniente de investidores internacionais — sólidas e renomadas instituições financeiras e fundos de pensão de países como Austrália, Canadá, China, Estados Unidos e os do Oriente Médio. A presença de investidores nacionais, embora minoritária, marca significativamente a entrada de alguns fundos locais no setor de private equity. O sucesso da captação expressa o reconhecimento à proposição de valor apresentada, focando os gargalos de infraestrutura no Brasil e as competências de Promon e Pátria, fortemente complementares. O fundo P2Brasil Infraestrutura viabilizou expressivos investimentos de duas de suas empresas: a NovaAgri, empresa de armazenagem e escoamento de commodities agrícolas, e a Hidrovias do Brasil, operadora de serviços logísticos hidroviários integrados. Em dezembro de 2011, a NovaAgri venceu, juntamente com outras três empresas, a licitação para arrendamento, construção e exploração do terminal de grãos (Tegram) do

72

porto de Itaqui, em São Luís (MA). Graças à sua localização e à integração com canais de escoamento, especialmente a ferrovia Norte-Sul, esse terminal representará uma nova e importante estrutura logística para a exportação de grãos, em particular a soja. Outro movimento importante foi a aquisição de participação no terminal hidroviário de Obrinel, no Uruguai, de propriedade da joint venture entre o grupo Christophersen e a Hidrovias do Brasil, empresa também pertencente à P2Brasil. O ingresso da NovaAgri nesse empreendimento, em conjunto com a Hidrovias do Brasil, abre caminho para a criação de um corredor integrado de logística ao sul do continente e reforça a estratégia de integração futura com corredores do Norte do Brasil. Igualmente significativo foi o desempenho da Hidrovias do Brasil. Em 2011, a empresa adquiriu participação relevante em dois terminais localizados no Paraguai, destinados ao escoamento de produtos florestais via Paraguai e Uruguai, e


A P2Brasil, sociedade gestora de investimentos no setor de infraestrutura, encerrou a captação de seu primeiro fundo com US$1,155 bilhão.

em três áreas destinadas à construção dos Terminais Portuá­ rios do Norte, no Pará. Para ampliar seu leque de atividades, a P2Brasil constituiu em 2011 a Oceana, holding formada pelas empresas P2Estaleiro e P2Navegação, que têm em foco o promissor mercado de serviços de apoio à navegação offshore, com forte potencial de crescimento ante a exploração de petróleo na camada do pré-sal. A primeira conquista importante veio já no final do ano, com a aprovação pelo Fundo da Marinha Mercante, órgão do Ministério dos Transportes, de financiamento de R$674 milhões para a construção de um estaleiro em Itajaí (SC) e de suas primeiras embarcações. GENES Constituída em 2010, a Genes (Geração de Energia Sustentável) também deu passos importantes. Chegou ao final de 2011 com vinte projetos em seu pipeline e uma estrutura formada por doze profissionais. Seu objetivo é investir em aqui-

sição, desenvolvimento, construção e operação de projetos de geração de energia, com foco em três segmentos: energia térmica a gás natural e a gases provenientes da autoprodução industrial, energia alternativa (solar, eólica, biomassa e pequenas centrais hidrelétricas) e serviços/inovação, visando adicionar valor à cadeia do setor Elétrico com elementos como smart grids, integração com internet, eficiência energética e geração distribuída, entre outros. PERSPECTIVAS Além de prosseguir com os projetos em andamento da NovaAgri, Hidrovias do Brasil e Oceana, a Promon Novos Negócios tem como prioridades para 2012 consolidar a estrutura da Genes para avançar nas atividades na área de energia e auxiliar na integração das empresas da Promon Meio Ambiente com a Promon Engenharia, criando ofertas inovadoras para dar maior robustez à proposta de valor na área ambiental.

73


FUNDAÇÃO PROMON DE PREVIDÊNCIA SOCIAL instituto de tecnologia promon instituto razão social


entidades associadas


FUNDAÇÃO PROMON DE PREVIDÊNCIA SOCIAL


Entidade fechada de previdência complementar, a Fundação Promon de Previdência Social (FPPS) vem, desde sua criação, há trinta e seis anos, cumprindo a missão-chave no conjunto de estratégias de gestão de pessoas do Grupo: proporcionar aos profissionais da organização as condições para a construção de uma aposentadoria digna. A entidade encerrou o ano com aumento de 7% no número de participantes, totalizando quase dois mil, quatrocentos e cinquenta nos dois planos administrados: o BásicoPlus, na modalidade benefício definido, que teve as adesões encerradas em 2005; e o MultiFlex, na modalidade contribuição definida. Esses dois planos já contam com mais de seiscentos e trinta participantes assistidos, aos quais a FPPS pagou benefícios da ordem de R$40 milhões em 2011. Os resultados financeiros dos dois planos foram negativamente afetados em 2011 pelo fraco desempenho da Bolsa de Valores no ano que se encerrou. As aplicações em renda variável apresentaram rendimento negativo da ordem de 14,5%, enquanto o índice IBOVESPA recuou 18,1% no mesmo período. As aplicações em renda fixa de ambos os planos apresentaram no período rendimento nominal da ordem de 13,4%, valor superior à evolução de 11,6% registrada pelo CDI (Certificado de Depósito Interbancário), índice tomado pelo mercado como referência geral. No ano, o MultiFlex aplicou em média 79% do seu patrimônio em renda fixa, 13% em renda variável e 8% na carteira de empréstimo para funcionários, obtendo uma rentabilidade nominal de 8,1% no período. Embora essa marca tenha ficado em 2011 aquém do rendimento do CDI, seu desempenho histórico ainda é bastante favorável em face do equilíbrio de sua política de investimentos. Em dezembro de 2011, o patrimônio do MultiFlex era de R$362 milhões, e o plano congregava cerca de mil e novecentos participantes, dos quais cento e sessenta e quatro já se encontravam na fase de recebimento de seus benefícios. Com investimentos em renda fixa (75% dos recursos), renda variável (15%) e imóveis (10%), a rentabilidade do BásicoPlus em 2011 ficou em 8,2%, valor inferior à sua meta atuarial de 11,5%. Ainda assim, o plano mantém uma posição bastante confortável: com patrimônio de R$578 milhões ante um

exigível atuarial de R$483 milhões; o superávit técnico atinge R$95 milhões. Isso significa um excedente da ordem de 20% do valor dos compromissos do plano, índice que ganha expressividade ainda maior quando se observa o perfil conservador dos critérios adotados nesse cálculo, como uma taxa de juros real de 5% a.a. e uma expectativa de vida de oitenta e três anos para homens, e oitenta e oito para mulheres, quando a média do País é hoje estimada em setenta e três anos. O plano BásicoPlus abriga quinhentos e setenta participantes, dos quais apenas noventa e oito ainda não atingiram as condições de elegibilidade para sua aposentadoria. No âmbito institucional, vale citar que um Diretor da FPPS assumiu em 2011 a Presidência da Associação dos Fundos de Pensão de Empresas Privadas e que a FPPS continua mantendo sua participação na Câmara de Recursos da Previdência Complementar, representando as empresas patrocinadoras dos fundos de pensão junto a esse órgão do Ministério da Previdência Social. O cenário que se desenha para 2012 inspira a FPPS a trilhar novos caminhos, com uma revisão das carteiras de investimentos respaldada por estudo que avaliará a adequação dos investimentos aos compromissos de cada plano. Realizada periodicamente desde 2002 por uma consultoria especializada, a análise voltará a ser empreendida em 2012. A FPPS também planeja dar novos passos no aprimoramento de seu modelo de governança: seu Comitê de Investimentos, que já atua informalmente como órgão consultivo, será oficializado, conferindo mais formalismo e segurança às decisões de gestão dos ativos da entidade. A agenda de tra­balho reserva ainda especial atenção ao seu plano de comunicação, que prevê ações segmentadas por perfil de par­ ticipante, com ênfase especial no público mais jovem. Mesmo tendo registrado em 2011 um aumento de 34% no volume de contribuições dos participantes, a FPPS acredita que ainda há muito a ser feito no sentido de potencializar sua contribuição para benefício da segurança de seus participantes. O caminho para isso será investir na educação financeira e previdenciária dos profissionais e na conscientização sobre a importância de poupar e planejar o futuro para após a aposentadoria.

77


instituto de tecnologia promon


Criado há cinco anos como uma entidade sem fins lucrativos, o Instituto de Tecnologia Promon (ITP) tem um propósito ambicioso e essencial para o Grupo Promon: ser um polo antecipador e preparador do futuro por meio da geração e difusão do conhecimento tecnológico nos setores de Energia, Desenvolvimento Sustentável e Tecnologia da Informação e Comunicação, considerados estratégicos pela Promon. Seu papel é buscar e cultivar as bases que ajudarão o Grupo a se fortalecer, ampliar e reinventar os negócios que já trilha ou enveredar por novos. Nessa missão, o ITP concentra suas atividades em duas frentes principais. A primeira delas é a prospecção tecnológica (Future-Oriented Technology Analysis), com a investigação das tecnologias emergentes e disruptivas que vão gerar impacto nos negócios dos clientes da Promon. A outra é a capacitação tecnológica, por meio da criação de processos para capturar, organizar e disseminar os conhecimentos produzidos ou operacionalizados nas empresas do Grupo. Todas essas atividades são realizadas por redes de profissionais dessas empresas, garantindo importante diferencial do ITP em relação a outras iniciativas existentes no mercado: as práticas e competências assim desenvolvidas são adotadas naturalmente pela organização. Em 2011, o ITP acelerou a construção dessas pontes em direção ao futuro. Foram constituídos cinco “Observatórios Tecnológicos”, alinhados com os resultados do projeto “Promon 2020”, exercício de planejamento estratégico de longo prazo desenvolvido ao longo do ano anterior, que estabeleceu as diretrizes e os temas estratégicos para o Grupo para daqui a uma década. Os Observatórios são estruturados como redes, integradas por núcleos de jovens profissionais e grupos de especialistas seniores da Promon. Em breve, serão convidados a integrá-los especialistas e centros de excelência externos.

Os temas acompanhados são biotecnologia, nanotecnologia, soluções tecnológicas direcionadas à saúde e ao bem-estar, redes inteligentes (smart grids), biocombustíveis e bioprodutos avançados. Em 2012, a partir de debates e reflexões sobre as conclusões dos primeiros trabalhos elaborados pelos Observatórios, serão definidos, dentro de cada tema, os eixos prioritários em torno dos quais a Promon deverá aprofundar suas investigações, concentrando seus esforços e investimentos. Para o ano, estão previstos também workshops com a participação de especialistas externos e clientes, centrados nesses temas. A segunda frente de atividades do ITP está relacionada aos avanços no Programa Trajetórias. Realizada em conjunto com a Promon Engenharia, é uma iniciativa apoiada em metodologia inovadora, ao transformar o conhecimento individual de seus profissionais mais seniores em conhecimento a ser compartilhado e disseminado por meio de módulos de ensino a distância. Nessa abordagem, os profissionais seniores contam com o apoio de jovens talentos que também atuam como tutores dos participantes dos cursos. Ao final de 2011, o Programa Trajetórias contabilizava mais de cinco mil horas de treinamentos, atingindo a marca de dois mil e quinhentos módulos cursados. O programa completou dois anos de existência com uma importante conquista: foi reconhecido pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, no contexto da Lei de Inovação Tecnológica. É o primeiro caso de reconhecimento de inovação concedido a um processo, e não a um produto. Em 2012 o objetivo é adicionar cerca de quarenta novos módulos à grade de treinamentos. Em 2012, o ITP planeja, ainda, aportar sua contribuição para a orientação do Programa de Pós-Graduação apoiado pelas empresas do Grupo, iniciativa que fará convergir a capacitação acadêmica dos seus profissionais com os temas estratégicos focos dos Observatórios Tecnológicos.

79


INSTITUTO RAZテグ SOCIAL


Conhecimento é fator fundamental para o desenvolvimento humano, e investir em mecanismos que permitam compartilhá-lo e disseminá-lo é alimentar uma espiral positiva de progresso. Essa crença inspirou a criação e segue na essência das atividades do Instituto Razão Social, uma entidade voltada à Educação que, desde 2002, atua segundo um modelo original: em vez de criar projetos e programas próprios, ela tece redes de parceiros e agrega soluções de tecnologia para transformar iniciativas de terceiros em ações replicáveis a baixo custo, conferindo a elas a indispensável abrangência, tendo em vista a dimensão territorial e a diversidade do Brasil. O desenvolvimento do corpo docente e de gestores das escolas públicas é o foco das atividades da entidade, que tem a Promon e a Gerdau como sócios mantenedores e a parceria tecnológica da IBM, que doou licença de uso de software de educação a distância. O objetivo é impulsionar projetos que promovam a qualidade do ensino, agregando competências que impactem positivamente o desempenho do aluno e favoreçam o aprendizado e o desenvolvimento de habilidades. Seus mantenedores definem as estratégias e grandes linhas de atuação do Razão Social, enquanto cabe à equipe técnica identificar projetos e programas consistentes na área de educação básica que possam trazer resultados mensuráveis, capazes de sistematizar práticas e influenciar políticas públicas; definir e estabelecer parcerias para alavancá-los; e implantar as ações visando à replicabilidade e à abrangência das iniciativas. O Instituto desenvolve suas atividades em torno de quatro eixos: _Programas de formação continuada: formação por meio da tecnologia digital, aliando teoria e prática em redes on-line que ampliam as competências profissionais ao atualizar saberes e promover reflexões que possibilitam novas estratégias de ensino. _Cursos e redes on-line: desenvolvimento de cursos on-line para suportar ações do Razão Social, seus mantenedores e parceiros e complementar programas e ações voltadas aos profissionais da educação, com foco na rede pública de ensino. _Gestão de portais: gerenciamento e hospedagem de portais para suportar programas desenvolvidos pelo Instituto e parceiros. _Articulação: otimização do investimento social privado na busca pela melhoria da qualidade da educação pública brasileira, estimulando a conexão de novos parceiros e novos conhecimentos.

Um exemplo de como as atividades acontecem na prática é dado pelo Programa Progestão On-line, cuja primeira fase foi concluída em 2011. Ciente da qualidade do curso presencial de gestão escolar criado pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e da forte demanda por formações do gênero, o Razão Social fez a transposição de seu conteúdo para mídia on-line e angariou patrocínio a fim de aplicá-lo em escala ampla e de maneira multifocal. Com o apoio de Promon, Gerdau, Santander e Oi Futuro, entre 2010 e 2011, o Progestão On-line chegou a duzentas e quarenta escolas de sete Estados e do Distrito Federal, beneficiando mais de três mil e seiscentos professores e quarenta e oito mil alunos. Além da migração e formatação em nova mídia, o Instituto promoveu a formação dos coordenadores e tutores (professores on-line) dos vários Estados na plataforma digital e deu suporte técnico e tecnológico durante toda aplicação do projeto piloto. Ao final desse processo, depois de alguns aprimoramentos no curso a partir da avaliação do piloto, decidiu-se por migrá-lo para uma plataforma de software livre. Além do interesse dos Estados já participantes em levar a experiência adiante, outros decidiram aderir ao programa. A edição 2012 deve envolver mais da metade dos Estados brasileiros. O detalhamento das demais ações empreendidas no ano é apresentado no capítulo “Indicadores Adicionais de Desempenho — Investimento Social”, disponível na versão completa do relatório, no site do Grupo Promon, em www. promon.com.br. Para 2012, o Razão Social planeja dar continuidade a praticamente todos os programas vigentes, além de lançar outras iniciativas. Entre as novidades, estão previstos: curso para professores de artes da rede pública, em parceria com o Instituto Iberê Camargo; desenvolvimento de uma rede de ancoragem para o Projeto Trilhas (iniciativa de educação complementar e estímulo à leitura), em parceria com o Instituto Natura; e novos cursos de curta duração para desenvolvimento dos professores e demais profissionais da educação. Com o propósito de tornar-se referência no cenário da educação pública brasileira em relação à tecnologia e aos processos de ensino/aprendizagem, o Instituto Razão Social seguirá atuando como um conector de redes para investir em ações de educação virtual, fomentando a interligação entre diversos agentes e instituições sociais e congregando, em nome de uma mesma causa, empresários, ONGs, administradores públicos, acadêmicos e profissionais da educação.

Abrangência dos Projetos do Instituto Razão Social

Número de municípios atendidos Número de educadores beneficiados direta e indiretamente Número de alunos beneficiados diretamente

2011

2009

2010

82

89

145

8.114

11.990

11.963

160.000

146.822

173.135

81


INDICADORES ADICIONAIS DE DESEMPENHO


A Promon faz negócios e trabalha orientada pela ética, valor que permeia todas as suas ações. Ao conciliar interesses de seus profissionais, clientes, fornecedores e comunidades onde atua e valorizar o ser humano em todos os relacionamentos que mantém, a Promon reconhece seu papel de agente de desenvolvimento da sociedade. Como expresso em seu Conceito-Guia, documento corporativo elaborado em 1984, o conceito de excelência, aplicado à Promon, além de incluir a qualidade dos trabalhos por ela elaborados, compreende a qualidade de sua gente e de sua vida na companhia, implica elevados padrões técnicos e rigorosos padrões éticos e estéticos. Pressupõe relações de alto nível com os clientes, parceiros e fornecedores. Exige que a Promon procure, sempre, fazer de suas empresas algo melhor do que são e que se empenhe em contribuir para a sociedade em que vive. Esses conceitos, fundamentados em suas crenças, substanciam vários dos elementos presentes nas perspectivas estratégicas da organização (ver “Estratégia e Gestão”). São apresentados, a seguir, indicadores adicionais aos relatados nos capítulos anteriores, detalhando como algumas dessas perspectivas evoluíram em 2011.

83


GENTE A Promon está comprometida com políticas de relações humanas voltadas para justiça, transparência, imparcialidade, profissionalismo e igualdade de oportunidades de trabalho para todos. Não admite, em seus processos ou no ambiente de trabalho, nenhuma espécie de discriminação relativa a raça, gênero, orientação sexual, cor, religião, idade, origem étnica e/ou qualquer outra classificação. Contratação e ambientação

O processo de admissão de profissionais, conduzido pela área de Relações Humanas de cada empresa do Grupo, é totalmen­ te alinhado com o compromisso da Promon de eliminar a dis­ criminação na empresa. Os candidatos participam de todas as etapas do processo seletivo, independentemente da fun­ ção ou do nível do funcionário. O Programa Atitude para Incluir visa ampliar a cultura inclusiva da empresa mediante a contratação de pessoas com necessidades especiais. Além da contratação, o programa prevê acompanhamento e ações de conscientização. Já o Programa Adolescente Aprendiz visa à inclusão de jovens de dezessete a vinte anos, promovendo sua capacitação técnica. O programa, com duração de dois anos, acontece sob orientação técnica do Centro de Integração Empresa-Escola (CIEE). Remuneração e benefícios

Os mesmos benefícios são oferecidos para todos os profissionais, independentemente de nível hierárquico, função, sexo, etnia, religião ou idade, e abrangem, além de uma política salarial compatível com cada segmento de mercado, programa de assistência médica, plano de previdência privada e a possibilidade de aquisição de ações da Promon S.A.

84

As promoções são estritamente meritocráticas, sem discriminação de nível hierárquico, função, sexo, etnia, religião ou idade. O mesmo ocorre para o sistema de avaliação de desempenho e programas de desenvolvimento. Integra os processos da organização, há muitos anos, o sistema de autoproposição salarial, por meio do qual os profissionais podem fazem uma proposta salarial num formulário-padrão. Para facilitar a justificativa dos parâmetros utilizados, a organização disponibiliza a todos os resultados da pesquisa salarial de mercado contratada anualmente de uma empresa especializada. Após análise e avaliação pelos respectivos coordenadores, incluindo a interação com o próprio funcionário, o resultado da revisão salarial é informado a cada um. Relacionamento com sindicatos

A Promon reconhece o direito de livre associação de seus profissionais, respeita sua participação em sindicatos, associações e partidos políticos, valoriza outras formas de organização voluntária de seus funcionários e estimula a adoção da mesma postura por seus fornecedores, não praticando nenhum tipo de discriminação com relação a seus profissionais sindicalizados. Não existem processos formais para identificação de operações em que o direito de exercer a liberdade de associação e negociação coletiva possa ser ameaçado; no entanto, os funcionários têm à sua disposição um canal aberto para o recebimento de qualquer tipo de denúncia, por meio da unidade de Relações Humanas de cada empresa. Os acordos de negociação coletiva firmados com sindicatos abrangem todos os profissionais. Embora a notificação antecipada de mudanças operacionais não esteja especificada nos acordos de negociação coletiva, as empresas do Grupo buscam a comunicação de alterações com antecedência, a fim de que possam surgir espaços para esclarecimentos.


Os profissionais e a governança

O capital da holding pertence exclusivamente aos profissionais das empresas do Grupo. A compra de ações é aberta a todos eles, sem exceção, de modo voluntário. Esse modelo acionário permite que os profissionais residentes no Brasil participem ativamente da governança da organização, nomeando seus dirigentes pelo voto direto e secreto. Ao final de 2011, cerca de 82% dos profissionais das empresas do Grupo eram acionistas. As eleições para escolha dos membros do Conselho de Administração e para referendo da Direção-Geral da Promon S.A. são realizadas a cada três anos e são monitoradas por auditores independentes. O lucro obtido nas operações da empresa é totalmente destinado aos seus funcionários-acionistas pelos seguintes mecanismos: _Participação nos lucros para todos os funcionários, acionistas ou não, conforme sistema de avaliação de desempenho no período. _Dividendos aos acionistas da Promon S.A. (todos funcionários das empresas do Grupo). _Reinvestimento no negócio, com reflexo no preço das ações da Promon S.A. Saúde e segurança no trabalho

A Promon está comprometida com a melhoria contínua das condições de trabalho de seus profissionais. Nesse contexto, mesmo sem uma formalização nos acordos de negociação coletiva, são estabelecidas ações sistemáticas de controle, monitoramento e prevenção dos impactos ambientais e dos riscos para a saúde e para a segurança do trabalho. Todos os profissionais do Grupo são representados pelas Cipas (Comissão Interna de Prevenção de Acidentes), abertas à participação de todos e compostas por diversos níveis hierárquicos das empresas da organização. As ações focadas

na minimização dos perigos e riscos, prevenção de acidentes e no atendimento a requisitos legais e normativos exercem um forte impacto na construção de um ambiente de trabalho seguro e saudável, que contribui para a redução dos acidentes e de doenças do trabalho. Adicionalmente, há a preocupação constante com a adoção de medidas relacionadas à saúde e à qualidade de vida dos profissionais. Podem ser citadas: Orientação a visitantes

Distribuição de folhetos aos visitantes nos escritórios com informações básicas para ações de emergência, telefones de emergência, rotas de fuga e esclarecimentos sobre coleta para reciclagem de materiais. Ambientação nos escritórios e treinamento admissional nas obras

Fornecimento de informações sobre a Política de Segurança, Meio Ambiente e Saúde da Promon (SMS) e sobre o Sistema de Gestão de SMS.

Realização de simulados para ação em caso de emergência

Realização de exercícios de escape, combate a princípios de incêndio, ações em caso de derramamento de óleo ou vazamento de gás, com a finalidade de manter todos os profissionais preparados para agir em caso de emergências ou contingências. Campanhas Sipat

Organizadas pelas Cipas, transmitem informações e campanhas sobre ergonomia, AIDS, DST, estresse, uso de extintores de incêndio e comportamentos seguros. Campanha de vacinação antigripal

Extensivo a todos os profissionais e seus dependentes. Exames preventivos

Durante a semana da SIPAT, todos os profissionais têm a possibilidade de realizar exames de resultados imediatos, como: medição de pressão arterial, acuidade visual, pressão intraocular, detecção precoce do diabetes e do colesterol.

85


Publicação de artigos

No Portal Promon (intranet) são publicados artigos sobre temas relacionados a saúde e qualidade de vida. Convênios

Convênios firmados com estabelecimentos e entidades de alguns ramos de atividades, facilitando a aquisição de bens ou serviços para profissionais e seus dependentes. Ginástica laboral

Combinação de algumas atividades físicas que têm como característica comum melhorar, sob o aspecto fisiológico, a condição física do indivíduo em seu ambiente de trabalho. Torneios esportivos

Atividades permanentes, como futebol e vôlei, e atividades sazonais, como campeonatos esportivos estendidos aos familiares.

Requisitos de SMS específicos para as subcontratações

Para todos os serviços subcontratados são divulgados, desde a carta convite para a elaboração da proposta, os requisitos específicos de SMS por escopo de serviço a serem atendidos, permitindo sua inclusão no orçamento e planejamento para seu atendimento. Kick-off de SMS com os subcontratados

Reuniões são realizadas pelo coordenador de SMS para informar as diretrizes da Promon Engenharia sobre SMS, incluindo políticas, objetivos, metas e procedimentos a serem seguidos nas obras. Treinamentos específicos

Ministrados de acordo com um planejamento para todas as frentes de serviço, em razão do levantamento de necessidades de conscientização, da existência de desvios, acidentes ou situações de emergência. Inspeções programadas de SMS

Grupos de corrida e caminhada

Assessoria para treinamento de corrida e realização de caminhadas com percursos leves para permitir a participação de interessados de todas as idades e diferentes condições físicas, monitorada e orientada por profissionais especializados.

Realizadas semanalmente, utilizando-se listas de verificação para identificar as necessidades de correção nas frentes de obra em itens como organização e limpeza das instalações e uso de equipamentos de proteção. Reunião semanal de SMS

Ciente que os profissionais da Promon Engenharia estão expostos, quando trabalhando em locais de obras, a riscos diferentes dos tradicionalmente presentes no ambiente dos escritórios, essa empresa implantou em todas as suas obras, há muitos anos, um Sistema de Gestão de Segurança, Meio Ambiente e Saúde do Trabalho (SMS) certificado pelas normas OHSAS 18001 e ABNT-ISO 14001. Algumas ações específicas pertinentes a esse Sistema são: Diálogos diários de SMS nas obras

Reuniões antes do início do expediente, realizadas pelo supervisor da frente de serviço, abordando aspectos e riscos, medidas preventivas e procedimentos inerentes às atividades a serem desenvolvidas naquele dia.

86

Realizadas com as equipes de SMS e os chefes de obra dos subcontratados, com o objetivo de definir as ações necessárias para as próximas atividades a realizar, definir planos de ações corretivas para os desvios encontrados e solucionar pendências.


Perfil dos profissionais das empresas do Grupo Promon

evolução histórica do efetivo (incluindo estagiários) 2009

2010

2011

Promon Engenharia

846

881

882

PromonLogicalis Brasil

296

406

528

Trópico

252

220

243

1.394

1.507

1.653

Total no Brasil

PromonLogicalis Exterior Total

241

273

368

1.635

1.780

2.021

abaixo dos 30 anos

entre 30 e 50 anos

acima de 50 anos

perfil da alta direção da promon S.a.

total

homens

mulheres

Conselho de Administração

6

6

Direção Geral

4

4

total

diretores

gerentes

Promon Engenharia

882

44

PromonLogicalis Brasil

528

Trópico

243 1.653

6 2

2

coordenadores e supervisores

técnicos

estagiários

89

78

627

44

15

44

36

400

33

7

13

33

179

11

66

146

147

1.206

88

profissionais por cargo em 2011

TOTAL

87


profissionais por região em 2011

total

região sul

região sudeste

Promon Engenharia

882

60

811

PromonLogicalis Brasil

528

10

512

70

1.550

5

17

11

gerentes

coordenadores e supervisores

técnicos

estagiários

Trópico

243

região norte

5

1

região nordeste

11 16

227

1.653

TOTAL

região centro-oeste

Profissionais por gênero em 2011 (H=homens, M=mulheres)

total

diretores

H

M

H

M

H

M

Promon Engenharia

589

293

39

5

70

PromonLogicalis Brasil

383

145

11

4

31

Trópico

174

69

7

1,146

507

57

TOTAL

9

H

M

H

M

H

M

19

57

21

398

229

25

19

13

28

8

286

114

27

6

11

2

24

9

124

55

8

3

112

34

109

38

808

398

60

28

profissionais por faixa etária em 2011 (abaixo de 30 anos, entre 30 e 50 anos, acima de 50 anos

total

diretores

<30

30-50

>50

<30

30-50

>50

Promon Engenharia

319

369

194

15

29

PromonLogicalis Brasil

283

236

9

12

3

Trópico TOTAL

88

68

148

27

4

3

670

753

230

31

35


Percentual de profissionais que concordam com a afirmação “As pessoas de qualquer idade, raça, cor e orientação sexual são tratadas com a mesma justiça e respeito nesta empresa”, conforme pesquisa realizada pelo guia Você S/A–Exame das melhores empresas para trabalhar no Brasil.

2009

2010

2011

96,3%

93,5%

92,1%

A Promon não realiza levantamento e não solicita, de seus profissionais, uma autodeclaração sobre suas características étnico-raciais, por entender que não são aspectos materiais para a organização. Assegura-se, entretanto, de que todos os processos relacionados a gente estejam isentos de qualquer tipo de discriminação. A evidência de conformidade com essa diretriz é monitorada, entre outras formas, por meio do resultado de pesquisas independentes realizadas com os profissionais.

coordenadores e supervisores

gerentes

técnicos

estagiários

<30

30-50

>50

<30

30-50

>50

<30

30-50

>50

<30

30-50

>50

46

43

2

44

32

273

264

90

44

1

40

3

4

31

1

245

153

2

33

8

5

1

27

5

56

109

14

11

1

94

51

7

102

38

574

526

106

88

89


Rotatividade dos profissionais

Evolução histórica da taxa de rotatividade 

Promon Engenharia PromonLogicalis Brasil Trópico Total

2009

2010

2011

7,8%

12,9%

11,1%

19,3%

11,9%

16,8%

6,6%

23,5%

5,6%

10,0%

14,2%

12,1%

acima de 50 anos

Taxa de rotatividade dos profissionais em 2011

total

homens

mulheres

abaixo dos 30 anos

entre 30 e 50 anos

Promon Engenharia

11,1%

8,7%

16,1%

14,8%

11,9%

6,5%

PromonLogicalis Brasil

16,8%

19,1%

6,9%

18,4%

11,0%

55,6%

5,6%

5,4%

6,1%

13,0%

3,1%

7,4%

Trópico Total

12,1%

Rotatividade: Número de profissionais que deixam a organização voluntariamente ou por demissão, aposentadoria ou morte. No cálculo da rotatividade não foram considerados os desligamentos de estagiários, pois a quase totalidade deles é contratada pelas empresas do Grupo imediatamente após o encerramento do contrato de estágio.

90


N煤mero de desligamentos em 2011

total

homens

mulheres

abaixo dos 30 anos

entre 30 e 50 anos

acima de 50 anos

Promon Engenharia

93

49

44

36

43

14

PromonLogicalis Brasil

83

73

10

52

26

5

Tr贸pico

13

9

4

6

5

2

189

131

58

94

74

21

Total

91


Saúde e segurança no trabalho

Saúde e segurança no trabalho

taxa de lesões com afastamento

taxa de lesões

2009

2010

2011

2009

2010

2011

taxa de lesões sem afastamento

2009

2010

0,9

1,1

4,7

2,3

2011

Promon Engenharia Profissionais próprios Profissionais contratados dos consórcios onde a Promon Engenharia é líder Profissionais contratados dos consórcios onde a Promon Engenharia não é líder

1,0

0,5

0,9

0,4

0,4

0,2

0,3

0,5

4,8

4,3

PromonLogicalis Brasil Trópico

Taxa de lesões: Número de ocorrências com lesão x 200.000 / Horas totais trabalhadas (conforme Diretrizes GRI) Taxa de lesões com afastamento: Número de ocorrências de lesões com afastamento x 1.000.000 / Horas totais trabalhadas (conforme norma ABNT-NBR 14280:2001) Taxa de lesões sem afastamento: Número de ocorrências de lesões sem afastamento x 1.000.000 / Horas totais trabalhadas (conforme norma ABNT-NBR 14280:2001) Taxa de doenças ocupacionais: Número de ocorrências de doenças ocupacionais x 200.000 / Horas totais trabalhadas (conforme Diretrizes GRI) Taxa de dias perdidos: Total de dias perdidos x 200.000 / Horas totais trabalhadas (conforme Diretrizes GRI) Taxa de gravidade: (Número de dias perdidos + Dias debitados) x 1.000.000 / Horas totais trabalhadas (conforme norma ABNT-NBR 14280:2001) Taxa de absenteísmo: não é aplicável no caso das empresas do Grupo Promon, pois a política de horário móvel, vigente há várias décadas, permite o uso de banco de horas pelos seus profissionais.

92

4,1


taxa de doenças ocupacionais

2009

2010

2011

taxa de dias de trabalho programado perdidos

taxa de gravidade

2009

2010

2011

2009

2010

2011

1,6

8,8

5,5

7,9

44,1

254,1

0,4

0,4

2,1

2,1

número de óbitos

2009

2010

2011

1

93


Remuneração dos profissionais

Relações salariais 2009

2010

2011

Variação da proporção do salário mais baixo comparado ao salário mínimo local

2,8

2,6

2,4

Variação entre a maior e a menor remuneração dos profissionais de nível superior em cargos com perfil executivo, gerencial ou técnico de engenharia, arquitetura, economia, administração e similares

13

13

13

técnicos seniores

técnicos plenos

técnicos juniores

1,02

Relação do salário-base entre homens e mulheres em 2011

diretores

Promon Engenharia PromonLogicalis Brasil Trópico

gerentes

coordenadores e supervisores

1,09

1,10

1,28 (*)

1,12

1,03

1,26 (*)

1,00

0,98

1,13

1,06

1,18

(**)

(**)

1,05

1,08

1,14

1,07

(* ) Nesses cargos a relação é impactada pela diferença de senioridade entre os profissionais, resultado do ingresso ou promoção de maior número de mulheres nos últimos anos. (** ) Não existem mulheres nos cargos indicados.

94

Observações gerais a _Posição

em 31 de dezembro de cada ano, exceto onde indicado. b_O efetivo correspondente à Promon S.A. e à Fundação Promon de Previdência Social, por ser numericamente pequeno, foi acrescentado ao efetivo indicado para a Promon Engenharia. c_Exceto onde referidos, os indicadores do efetivo não incluem os profissionais da PromonLogicalis Latin America localizados no exterior. d_Na categoria de cargos técnicos foram considerados engenheiros, arquitetos, analistas, assistentes, auxiliares e outros cargos não explicitados nas demais colunas. e_Todos os profissionais são contratados em regime de tempo integral, com exceção dos estagiários e dos menores aprendizes, que obedecem aos requisitos da legislação pertinente.


CONHECIMENTO E PROCESSOS É política explícita das empresas do Grupo Promon envidar esforços significativos e sistemáticos para assegurar a atualização técnica e gerencial, bem como a capacitação comportamental de seus profissionais. Todos os profissionais são estimulados ao autodesenvolvimento e a participar dos treinamentos oferecidos, recebendo regularmente análises de desempenho e de desenvolvimento da carreira. A identificação das necessidades de capacitação é realizada continuamente por meio do processo de Avaliação de Desempenho; do programa anual de Mentoração, existente desde 1995; e do mapeamento das competências atuais e potenciais a serem desenvolvidas por cada profissional. O desenvolvimento é entendido como um processo de duas mãos, e a Promon se envolve diretamente quando os interesses da empresa, decorrentes de sua estratégia, e os dos profissionais que a integram se superpõem e coincidem. O estímulo é atribuição dos líderes de times, dos coordenadores de disciplinas e dos mentores, mas o desenvolvimento profissional e pessoal é, fundamentalmente, responsabilidade do próprio profissional. Para possibilitar e incentivar a implementação do plano de capacitação aliado às necessidades gerenciais e das pessoas, a Promon estabeleceu modalidades de capacitação com definição clara das responsabilidades e formas de participação da empresa e do profissional, que permitem um melhor planejamento e conciliação com as atividades diárias, além de uma atuação mais direta dos profissionais na realização do plano validado. São exemplos:

_Programa de mapeamento para identificação de competências potenciais a serem desenvolvidas por cada profissional. _Programas de aconselhamento sobre o planejamento de carreiras, de forma a auxiliar os profissionais na reflexão sobre suas funções e identificação de objetivos de longo prazo. _Oferta, aos estagiários, de boas condições de trabalho, aprendizado e desenvolvimento profissional e pessoal em suas respectivas áreas de estudo, com o devido acompanhamento de profissionais seniores da organização. Alguns destaques de 2011 foram a intensificação do Programa Trajetórias na Promon Engenharia e do Programa de Educação Corporativa na PromonLogicalis.

_Capacitação contínua em todos os níveis hierárquicos e oferta de bolsas de estudos ou similares para a aquisição de conhecimentos, com impacto positivo na empregabilidade dos profissionais.

95


Média anual de horas de treinamento dos profissionais em 2011

Promon Engenharia

diretores

gerentes

coordenadores e supervisores

técnicos

estagiários

14

23

43

33

128

PromonLogicalis Brasil

2

10

17

23

79

Trópico

3

17

61

42

24

Observações a _O

efetivo correspondente à Promon S.A. e à Fundação Promon de Previdência Social, por ser numericamente pequeno, foi acrescentado ao efetivo indicado para a Promon Engenharia. b_Na categoria de cargos técnicos foram considerados engenheiros, arquitetos, analistas, assistentes, auxiliares e outros cargos não explicitados nas demais colunas. c_As horas da tabela correspondem somente aos valores contabilizados nos sistemas das empresas do Grupo, e não incluem a participação dos profissionais em programas que permitem a potencialização do aprendizado, tais como a capacitação on-line do Programa Trajetórias da Promon Engenharia, por meio do qual cada profissional tem a liberdade de escolher o horário mais adequado para realizar o treinamento; o Programa de Educação Corporativa da PromonLogicalis, que utiliza o conceito de coparticipação de horas para permitir sua troca por créditos adicionais de treinamento; bem como programas de capacitação ou pós-graduação promovidos por organizações acadêmicas externas.

96


CLIENTES Para a Promon, atender bem o cliente vai além de desenvolver ofertas adequadas às suas demandas específicas e entregar com qualidade os serviços para os quais é contratada. A partir da compreensão abrangente do negócio e do mercado em que cada cliente atua, bem como de suas estratégias, a organização reúne conhecimento para identificar oportunidades, antecipar novos requisitos e propor soluções que agreguem o máximo de valor, numa atuação que compreende todo o ciclo de vida dos investimentos de seus clientes. É importante ressaltar que a dinâmica dos mercados de atuação das empresas do Grupo Promon é particular, com frequência calcada em ciclos de investimentos do País, muitas vezes apresentando longos prazos de desenvolvimento e implantação dos projetos. A percepção dos clientes, no âmbito operacional, é monitorada continuamente pelas equipes, por meio de eventos mensais de acompanhamento de cada projeto. Adicionalmente, são realizadas pesquisas formais de captura do grau de satisfação dos clientes, conduzidas anualmente por todas as empresas do Grupo por meio de processo independente. Seu resultado é analisado pela Direção-Geral e pelas principais lideranças das empresas do Grupo envolvidas. A pesquisa realizada em 2011 demonstra que os clientes das três principais empresas continuaram a apresentar, em 2011, um alto grau de satisfação com os serviços executados pela Promon (ver “A Promon em 2011”). PARCEIROS E FORNECEDORES A rede de parceiros e fornecedores das empresas do Grupo deve ser capaz de permitir a construção, pela Promon, de ofertas competitivas e inovadoras ao mercado. A parcela mais significativa dos fornecedores está diretamente relacionada a contratações para suprir as necessida-

des de bens, serviços e tecnologia dos projetos, ou seja, para compor as soluções entregues aos clientes. Essas aquisições têm como característica principal o fato de serem realizadas sob encomenda e têm sempre como fim um projeto específico contratado a uma das empresas do Grupo. As compras corporativas são basicamente restritas a bens e serviços que visam ao atendimento das necessidades internas da Promon e ao bom funcionamento dos escritórios, tais como materiais de papelaria, bens de informática e serviços de segurança, limpeza e manutenção. Os principais fornecedores dos projetos são empresas atuantes no mercado nacional ou internacional de tecnologia, equipamentos e materiais eletromecânicos, serviços especializados de engenharia, consultoria, construção civil, montagem eletromecânica e instalação de sistemas. A regionalização das contratações ocorre nos casos em que essa prática agrega eficiência à operação, como na contratação de serviços de apoio nas obras da Promon Engenharia ou nas instalações da PromonLogicalis e Trópico. Além dos aspectos formais relativos ao cumprimento da legislação trabalhista, previdenciária e fiscal, a política de seleção e avaliação de fornecedores contempla critérios e exigências relacionadas a tópicos específicos de responsabilidade social, como repúdio e proibição do trabalho infantil, forçado ou compulsório, respeito aos direitos humanos, adoção de relações de trabalho adequadas e em conformidade com a legislação e observação de padrões ambientais rigorosos. A totalidade dos contratos celebrados com fornecedores de produtos e serviços das empresas Promon S.A., Promon Engenharia e PromonLogicalis inclui um Termo de Compromisso Empresarial que contempla cláusulas de respeito aos direitos humanos e de atendimento a requisitos sociais e ambientais. A Trópico encontra-se em fase final de implantação

97


de um processo análogo aos das demais empresas do Grupo, para efetivação no primeiro semestre de 2012 em todos os seus contratos com fornecedores. A contratação de qualquer fornecedor significativo é precedida de uma análise em quesitos como postura, situação administrativa, estrutura organizacional e segurança e saúde do trabalhador. A verificação periódica do atendimento a esses tópicos, a realização de inspeções in loco e a estruturação de campanhas de conscientização são realizadas de maneira a focar nos contratos cuja relevância ou risco de descumprimento desses requisitos seja mais significativo, tais como os que envolvem fornecedores de menor porte, menos estruturados organizacionalmente ou com atuação regional. Insere-se

nesse contexto a exigência de apresentação de documentação comprobatória sobre o atendimento aos requisitos sociais, tais como a comprovação mensal do pagamento dos direitos trabalhistas dos funcionários dos fornecedores de serviços. Um exemplo de ação implementada pela Promon Engenharia é o “Promon Integra”, evento que reúne seus principais fornecedores com o objetivo de compartilhar princípios e desenvolver iniciativas conjuntas que contribuam para a evolução da rede de fornecedores da Promon. Sua primeira edição ocorreu em 2006, e o evento realizado em 2011 abordou como tema principal as perspectivas de longo prazo para o cenário global de sustentabilidade. O próximo Promon Integra deverá ocorrer em 2013.

Gastos com fornecedores em 2011 (em milhões de reais)

Promon Engenharia Trópico Total Os gastos com fornecedores da Promon S.A. e da Fundação Promon de Previdência Social, por serem menos significativos, foram adicionados aos gastos da Promon Engenharia. Os gastos com fornecedores da PromonLogicalis não foram apresentados, uma vez que esses valores não estão consolidados nas demonstrações contábeis da Promon S.A.

98

No brasil

no exterior

551,8

8,1

49,1

8,1

600,9

16,2


SOCIEDADE E MEIO AMBIENTE IMPACTO SOCIOAMBIENTAL

As empresas do Grupo Promon atuam de forma a considerar a natureza e a escala dos riscos de segurança e saúde no trabalho e dos impactos sociais e ambientais inerentes à prestação dos seus serviços. Utilizam recursos naturais de modo racional, usam material reciclável sempre que viável e tomam outras medidas para mitigar a poluição do ar, da água, do solo, sonora e visual. Procuram conviver em harmonia com as comunidades onde suas atividades são executadas, respeitando as pessoas, suas tradições e valores. Essa atuação se dá tanto em suas operações usuais, mediante desenvolvimento e adoção de tecnologias sustentáveis dentro das características de seus negócios quanto por meio de ações de conscientização, preservação e educação ambiental. Nos escritórios, a análise de todos os aspectos associados ao tema indica que não há impactos adversos significativos. Dessa maneira, as iniciativas sociais e ambientais estão diretamente associadas a metas de melhoria social e ambiental, tais como monitoramento do consumo e definição de metas de eficiência de uso de água e eletricidade; implantação de coleta seletiva; oferta de transporte coletivo privativo para deslocamento dos profissionais; uso intensivo de recursos tecnológicos, como videoconferências, para minimização de viagens; elaboração de campanhas de conscientização interna e ações voltadas ao desenvolvimento da sociedade por meio da educação. As características específicas de cada negócio exigem que cada empresa do Grupo avalie os requisitos e impactos das operações executadas para seus clientes, adequando seus procedimentos e promovendo a capacitação necessária para a realização de suas atividades.

Os projetos da PromonLogicalis e da Trópico trazem em seu bojo importantes contribuições socioambientais. De um lado, com suas soluções avançadas e inovadoras, alinhadas ao conceito de “green IT”, permitem que os clientes reduzam seu consumo de energia; de outro, ajudam a ampliar e aprimorar a oferta de serviços como os de comunicação e conectividade, cada vez mais essenciais para impulsionar o desenvolvimento das empresas, das pessoas e da sociedade como um todo. Ainda na Trópico, todos os produtos eletrônicos (hardware) desenvolvidos internamente ou por fornecedores passam por homologação da verificação das condições de segurança e saúde de suas emissões eletromagnéticas, conforme determinação da ANATEL, órgão regulador de telecomunicações. Ressalta-se, ainda, o emprego de modelos otimizados de produção, que reduziu em cerca de 30% o espaço ocupado pela fábrica de equipamentos em Manaus (AM), além de diminuir o índice de rejeição de placas eletrônicas no processo produtivo, com consequente mitigação de descartes. O impacto nas comunidades locais onde são instalados os equipamentos de telecomunicações, tanto pela Trópico quanto pela PromonLogicalis, não é mensurado, dado que essas atividades são de curtíssimo prazo e ocorrem no interior de instalações já existentes, de propriedade dos clientes. Já na Promon Engenharia, cuja operação envolve a intervenção física no ambiente no qual serão implantados os projetos de seus clientes (obras), tanto as atividades técnicas de engenharia quanto as atividades de campo que interagem diretamente com as comunidades vizinhas ao empreendimento são objeto de cuidadosas análises. A busca da otimização de processos químicos nas instalações dos clientes, a elaboração de estudos para obter o melhor aproveitamento da energia solar, o desenvolvimen-

99


to de oferta e competência em biocombustíveis, o aproveitamento energético de biomassa e cogeração são todos exemplos de iniciativas da Promon Engenharia que perseguem o desenvolvimento de soluções mais eficientes em termos energéticos. A empresa contempla a disciplina de Meio Ambiente entre as diversas disciplinas técnicas que utiliza para desenvolver suas soluções de engenharia, visando não só garantir o cumprimento da legislação ambiental, mas também desenvolver uma abordagem técnica na identificação das melhores soluções ambientais para os projetos de seus clientes. Exemplos de ações propostas pela disciplina em 2011 a seus clientes foram: _Melhorias no sistema de controle de emissões atmosféricas para uma planta siderúrgica e uma de fertilizantes. _Inclusão de itens de construção sustentável, como telhas translúcidas, brises, forros térmicos, aproveitamento de água de chuva, aquecimento solar da água e postes autônomos a energia solar. _Soluções para melhor utilização da água e redução no descarte de efluentes dos processos industriais. _Emprego de asfalto-borracha, utilizando pneus inservíveis para melhoria no desempenho do revestimento asfáltico de unidades industriais. A empresa assegura que todas as etapas sob sua gestão do ciclo de vida do empreendimento, desde a mobilização inicial das equipes até a entrega da obra para o cliente, estejam contempladas no escopo do projeto. Dessa forma, são identificados os riscos de todas as atividades e determinadas medidas para minimizá-los. Impactos enquadrados na categoria “adverso” e “significativo” são tratados e monitorados por ações específicas.

100

A companhia possui uma política formal de relacionamento com as comunidades do entorno de suas principais obras e mantém grupos de trabalho com a participação de lideranças locais para analisar suas atividades e monitorar seus impactos. Participa ativamente da discussão de problemas comunitários e do encaminhamento de soluções, procurando contribuir com melhorias na infraestrutura local, de forma que possa ser usufruída pela comunidade após o término das obras. Conta com programa para empregar o maior número possível de moradores locais, dando-lhes formação com o objetivo de aumentar os níveis de qualificação daquela comunidade, em cooperação com representantes da sociedade e de órgãos públicos locais. Conscientiza e treina seus profissionais para respeitar os valores, o conhecimento e as práticas tradicionais da comunidade em que está atuando. São elaborados planos de mobilização e desmobilização de equipe, nos quais os impactos negativos ou positivos oriundos da contratação temporária de mão de obra direta na região e da contratação de pessoas da comunidade são considerados. São avaliadas, por exemplo, a capacidade de absorção, pela comunidade e infraestrutura local, do contingente de profissionais previsto durante o período de alocação máxima de equipe, e tomadas medidas para mitigar o impacto previsto. Esses planos de ação são definidos e implementados no início de cada obra, e seus resultados são continuamente monitorados. Além dessas práticas, a definição dos impactos socioeconômicos e a aplicação em alguns projetos-piloto do “Sustentômetro”, metodologia idealizada e desenvolvida pela Promon Engenharia para avaliar todos os seus projetos sob o prisma da sustentabilidade, mostrou avanços em 2011 rumo ao objetivo da empresa de assumir posições mais expressivas no mercado “verde”. Como já havia feito anteriormente, a em-


presa recusou-se a participar de um projeto por considerá-lo incompatível com seus princípios e práticas em relação ao meio ambiente. Os canteiros sustentáveis — que adotam soluções para reduzir o consumo de recursos naturais, como sistemas de iluminação e refrigeração naturais, coleta de água da chuva para reúso e uso de blocos reutilizáveis — já são rotina nos empreendimentos a cargo da empresa. A Promon Engenharia, que possui um sistema de gestão de segurança, meio ambiente e saúde, implantado e certificado desde 2005 conforme normas OHSAS 18001 e ABNT-ISO 14001, aderiu em 2010 ao Programa Brasileiro GHG (Greenhouse Gas Protocol), iniciativa do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas em parceria com o World Resources Institute. É a metodologia mais utilizada mundialmente por empresas e governos para a realização de inventários que permitem identificar, quantificar e gerenciar suas emissões de gases de efeito estufa (GEE). O inventário, publicado pela primeira vez em 2011, mostrou que a grande maioria (87%) das emissões de GEE da Promon Engenharia é indireta, relacionada a aspectos como transporte aéreo e terrestre de profissionais, deslocamento entre domicílio e trabalho e consumíveis. Pelas características do mercado em que atua, a participação da Promon Engenharia em vários dos empreendimentos executados para clientes se dá por meio de consórcios com outras empresas, nos quais ela muitas vezes detém uma participação minoritária. A Promon, entretanto, optou por registrar de forma integral, neste relato, o consumo de materiais, água e energia, bem como a geração de resíduos e emissões nos projetos executados em consórcio, pois entende que sua responsabilidade perante o cliente e a sociedade é integral em todos os aspectos relacionados a esses empreendimentos.

Consumo de materiais em 2011 (em toneladas) Papel branco

8

Papel reciclado

27

Concreto

89.195

Aço

20.067

O consumo mais significativo de materiais é o da Promon Engenharia. O único material proveniente de reciclagem é o papel utilizado nos escritórios da empresa, com 78% de origem reciclada comprovada.

Consumo de energia direta discriminado por fonte de energia primária em 2011 Biocombustível Derivados de petróleo Gás natural Total

6.225 GJ / 149 tep 37.932 GJ / 906 tep 441 GJ / 11 tep 44.598 GJ / 1.066 tep

Consumo de energia indireta discriminado por fonte de energia primária em 2011 Eletricidade

30.983 GJ / 8.606 MWh

Frio

Não levantado em 2011

Vapor

Não levantado em 2011

Total

30.983 GJ / 8.606 MWh

101


Total de retirada de água por fonte em 2011 (em m3)

Rede de água (fornecimento pelo cliente ou por abastecimento público)

308.978

Subterrânea

2.940 311.918

Total A água provém da rede dos clientes ou de fontes licenciadas e com devida outorga de retirada. Valores estimados, conforme registros dos escritórios das empresas do Grupo e das obras executadas com participação da Promon Engenharia. Não há informação suficiente para quantificar a parcela de água reciclada utilizada em canteiros de obra com envolvimento da Promon Engenharia e no condomínio onde estão situadas as sedes do Grupo, da Promon Engenharia e da PromonLogicalis. A Promon assegura que os efluentes gerados em sua operação são destinados em conformidade com requisitos contratuais, leis e regulamentos ambientais. Em sua maioria, eles são destinados para rede de esgoto municipal, no caso de efluentes sanitários de escritório, e redes de captação e ETE de clientes, no caso das obras nas quais a Promon Engenharia participa. O total estimado de efluentes gerados no ano de 2011 é de 292.449 m 3 .

Total de emissões de gases causadores do efeito estufa (em tCO2 equivalente)

Emissões diretas (escopo 1, conforme GHG Protocol) Emissões indiretas (escopo 2, conforme GHG Protocol) Total Além das emissões reportadas acima, a Promon considera em seu inventário de GEE, para efeito de escopo 3, emissões advindas de viagens aéreas, deslocamentos domicílio-trabalho dos profissionais, veículos fretados e emissões de escritórios onde as empresas do Grupo estão instaladas. O valor total dessas emissões é de 942 tCO 2 equivalente. A Promon incentiva, em suas empresas, o uso de salas de videoconferência e telepresença em vez de viagens aéreas, como forma de minimizar o impacto das emissões de gases causadores do efeito estufa. Estima-se que, se para cada videoconferência realizada no ano duas pessoas deixaram de viajar, as emissões evitadas correspondem a 845 tCO 2 equivalente.

102

em 2011

referentes a entidades sob o controle da Promon em 2011

2.870

100

251

172

3.121

272


NOx, SOx e outras emissões atmosféricas significativas por tipo e peso em 2011 (em t)

Emissões estimadas de enxofre na forma de SOx proveniente de combustão

1,3

Emissões estimadas de NOx proveniente de combustão

61,6

Para o cálculo das emissões provocadas por veículos automotores rodoviários em 2011, foi considerado um teor médio de enxofre no óleo diesel de 1.500 ppm. Adicionalmente, foi realizada no ano a recarga de 6 kg (0,006 t) de clorodifluorometano (R-22) em aparelhos de ar condicionado próprios.

Peso total de resíduos, por tipo e métodos de disposição em 2011 (em t)

Classe I (destinação: aterro ou incineração) (*)

175

Classe IIA e IIB (destinação: final)

3.337

Classe IIA e IIB (destinação: reciclagem)

3.807

Total

7.319

(* ) Considera-se que os resíduos transportados, importados, exportados ou tratados tidos como perigosos nos termos da Convenção da Basileia – Anexos I, II, III e VIII correspondem aos resíduos de classe I, conforme norma ABNT-NBR 10004. Valores estimados com base nas atividades dos escritórios e levantamentos de peso e volume de resíduos produzidos nos empreendimentos da Promon Engenharia.

Total de gastos em proteção ambiental (em milhares de reais) considerando o valor integral dos gastos dos consórcios dos quais a Promon participa

considerando somente valores sob o controle integral da Promon

2011

2011

197

197

Gestão de meio ambiente e treinamentos

3.501

1.280

Disposição de resíduos, tratamento de efluentes e emissões

2.500

983

Investimentos em programas ou projetos externos

Remediação Total

2010

2.885

0

0

0

6.198

2.460

2.885

A Promon não contabilizava separadamente, até 2010, os gastos incorridos em gestão de meio ambiente, disposição de resíduos e tratamento de efluentes e emissões.

103


CONCORRÊNCIA E ESFERA PÚBLICA

A conduta das empresas do Grupo Promon em seus processos de concorrência com outras empresas baseia-se unicamente na busca das soluções comerciais e técnicas mais adequadas às demandas apresentadas pelos seus clientes. A organização persegue um posicionamento ao mesmo tempo competitivo e leal em relação aos concorrentes, pautado pelo respeito, pela ética e pelas boas práticas comerciais. As empresas do Grupo, nos últimos três anos, não foram denunciadas ou acionadas pelos órgãos governamentais e por organizações da sociedade civil em face de prática de concorrência desleal, truste ou monopólio, bem como de irregularidades em seus processos, serviços ou produtos. O relacionamento com os órgãos definidores de políticas públicas e agentes reguladores, como ministérios, secretarias e agências reguladoras, entre outros, é entendido como importante para o desenvolvimento dos negócios, e se estrutura com base em uma perspectiva institucional, ética e de neutralidade política. Coerente com seus princípios e valores, expressos em seus documentos doutrinários, a Promon não admite nenhum tipo de corrupção. A organização não pratica nenhuma forma de pagamento ou qualquer outro benefício a servidores estaduais, municipais ou federais, da administração pública direta ou indireta, em troca de vantagens, sejam elas comerciais, tributárias, trabalhistas, seja de qualquer outra natureza. Nos processos de comercialização e execução dos negócios são utilizados instrumentos que proíbem expressamente que seus profissionais aceitem ou estimulem qualquer tipo de favorecimento. A organização mantém procedimentos formais de controle e auditoria nessas questões e prevê medidas punitivas aos profissionais envolvidos no favorecimento a agentes do

104

poder público ou em manipulação de editais de concorrência públicos ou privados. Nas empresas do Grupo Promon não existe a prática de treinamentos sobre questões ligadas à corrupção, mas todos os seus profissionais têm contato com o tema da conduta ética esperada de todos os níveis hierárquicos da organização. Os elementos que estabelecem essa conduta ética estão presentes nas diretrizes e práticas de gestão da Promon. Os diversos eventos de comunicação entre a liderança e os profissionais, como as Reuniões de Comunidade e a Assembleia Geral de Acionistas, também são veículos relevantes de estímulo aos valores, ideais e comportamento ético da companhia. Os compromissos da organização são enfatizados para a força de trabalho desde as entrevistas de contratação, sendo fortemente divulgados no processo de ambientação, além de estarem presentes no processo de avaliação de desempenho e mentoração. DIREITOS HUMANOS

A Promon não admite, em hipótese alguma, a exploração de mão de obra adulta e de crianças e jovens abaixo da idade legal para o trabalho. Assume a postura pública de repúdio ao trabalho infantil, forçado ou compulsório, e não mantém relacionamento comercial nem contrata serviços de organizações que o pratiquem (ver “Parceiros e Fornecedores”). É signatária do Pacto Nacional pela Erradicação do Trabalho Escravo e está compromissada em evitar a cumplicidade nos abusos dos direitos humanos em todas as suas unidades de negócios. A empresa possui projetos que contribuem para o desenvolvimento dos filhos de seus profissionais (incluindo prestadores de serviço terceirizados), estimulando suas competências técnicas e psicossociais por meio de cidadania, esportes, artes etc.


Desenvolve e apoia projetos para as crianças e adolescentes das comunidades onde atua e possui programa específico para contratação de jovens aprendizes, visando à inclusão de jovens de dezessete a vinte anos mediante capacitação técnica. Como no caso do tópico anterior, embora não haja, nas empresas do Grupo, a prática de treinamentos específicos sobre questões ligadas aos direitos humanos, todos os seus profissionais têm contato com o tema da conduta ética esperada de todos os níveis hierárquicos. As empresas do Grupo não possuem processos formais para identificação de operações em que o direito de exercer a liberdade de associação e negociação coletiva possa ser ameaçado e em que o risco de trabalho infantil, de trabalho forçado ou análogo ao escravo seja significativo. No entanto, a organização reconhece que as obras da Promon Engenharia apresentam um potencial de ocorrência desses riscos mais significativo do que as operações das demais empresas do Grupo, especialmente quando considerados os funcionários das empresas prestadoras de serviços de campo contratados pela Promon Engenharia ou pelos consórcios dos quais a Promon Engenharia participa. Assim, nesses locais são tomadas várias medidas para evitar essas práticas, como discussão das questões com os fornecedores, verificação periódica do cumprimento dos termos contratuais relacionados a esses temas e a realização de campanhas de conscientização. Todos os profissionais das empresas prestadoras de serviços de campo contratadas pela Promon Engenharia ou pelos consórcios dos quais a Promon Engenharia participa têm à sua disposição um canal de ouvidoria, para o recebimento de qualquer tipo de denúncia.

INVESTIMENTO SOCIAL

O Grupo Promon procura concentrar seu investimento social no âmbito da educação, por entendê-la como fator-chave para o progresso e desenvolvimento das pessoas e do País. As ações se materializam por meio de programas implementados por cada uma de suas empresas e pelas atividades do Instituto Razão Social. O Programa de Voluntariado Promon atua como uma rede social do bem, por intermédio da qual os profissionais da empresa e seus convidados podem encontrar meios de se envolver com o tema. Em uma ponta, identifica, avalia, capacita e assessora as instituições parceiras para receberem seus voluntários; em outra, prepara e assessora os voluntários para melhor empregarem seu talento, tempo e energia em ações e projetos sociais. O objetivo é garantir a máxima sinergia entre as entidades, que precisam de conhecimento para desenvolver e impulsionar seus projetos, e aqueles que estão dispostos a compartilhar suas competências. O Programa conta com um Portal na internet, desenvolvido pelo Instituto Razão Social, com o objetivo de ampliar a comunicação entre seus integrantes e facilitar a gestão e organização das atividades. Atuante há alguns anos na Promon Engenharia e PromonLogicalis, conta com mais de duzentos e sessenta integrantes assistindo doze entidades sociais. Atende mais de dez mil crianças e jovens, e está em fase de estruturação na Trópico, com início de atividades previsto para 2012. A Promon participa ativamente do direcionamento dos planos estratégicos do Programa Cidades Sustentáveis, uma rede de organizações da sociedade civil que busca colocar a sustentabilidade na agenda da sociedade, pela sensibilização, mobilização e oferta de ferramentas para que as cidades brasileiras se desenvolvam de forma econômica, social e ambientalmente sustentável.

105


No âmbito das ações voltadas às comunidades locais, um dos destaques de 2011 foi a consolidação do Plano de Mobilização Social pela Educação em Araucária (PR), desenvolvido pelo Consórcio CCPR-Repar, integrado pela Promon Engenharia e pela Camargo Corrêa. O Consórcio é responsável pela construção, naquele município, da Unidade de Coqueamento Retardado da Refinaria Presidente Vargas, da Petrobras. Criado pelo Ministério da Educação (MEC), o Plano visa mobilizar famílias e outros setores da comunidade em prol da qualidade do ensino básico. O Consórcio fez uma bem-sucedida adaptação do Plano para a realidade dos canteiros de obra. Desenvolveu ações para sensibilizar os trabalhadores e seus familiares estimulando a reflexão sobre a educação dos filhos e sobre medidas a serem tomadas para a melhoria das condições do aprendizado. Produziu folhetos, publicações e outros materiais de comunicação, promoveu concursos premiando os melhores boletins escolares, fez uma pesquisa sobre o público-alvo e os valores e as práticas locais relacionados à educação. Além disso, numa parceria com os Institutos Razão Social e Votorantim, capacitou “mobilizadores” – pessoas da comunidade que, organizadas num comitê, integram hoje o Conselho Municipal do Plano de Ações Articuladas do município. Assim, fica assegurado o prosseguimento do trabalho depois de terminada a obra. Reconhecido pelo MEC, o modelo adotado em Araucária está sendo estendido a outros projetos da Promon Engenharia.

106


Valores gastos em investimento social (em milhares de reais) 2011

2010

Alimentação

17.782

10.777

Encargos sociais compulsórios

52.629

57.118

Previdência privada

7.950

7.025

Saúde

8.752

7.010

11.035

9.989

328

323

indicadores internos

Segurança e saúde no trabalho Educação Cultura Capacitação e desenvolvimento profissional Creches ou auxílio-creche Participação nos lucros ou resultados Outros investimentos internos

0

0

3.164

4.233

212

204

18.875

21.298

978

802

indicadores externos

1.046

412

230

296

Saúde e saneamento

0

0

Esporte

0

0

Combate à fome e segurança alimentar

0

0

703

873

Tributos (excluídos encargos sociais)

170.598

187.845

Total

294.282

308.205

Educação Cultura

Outros investimentos externos

107


Quadro de ações do Instituto Razão Social em 2011 projeto/período

Público-alvo

Foco de atuação

Além das Letras 2004/2011

Formadores das Secretarias Municipais de Educação

Alfabetização

Além dos Números 2010/2011

Formadores das Secretarias Municipais de Educação

Alfabetização matemática

Formar em Rede 2007/2011

Formadores das Secretarias Municipais de Educação

Educação Infantil

Progestão On-line 2009/2011

Equipes gestoras de escolas públicas

Gestão escolar

Fundo do Milênio 2010/2011

Profissionais de Educação Infantil das Secretarias Municipais de Educação

Educação Infantil

Curso on-line Nome Próprio 2010/2011

Professores alfabetizadores das redes públicas de ensino

Alfabetização — Leitura e Escrita

Curso on-line Leitura pelo Professor 2011

Professores alfabetizadores das redes públicas de ensino

Alfabetização — Leitura

Mobilização Social pela Educação 2010/2011

Funcionários do Consórcio CCPR, Secretaria de Educação, escolas e comunidade

Participação social

108


Objetivos

abrangência

beneficiários

Contribuir para a qualificação das práticas de leitura e escrita nos anos iniciais do Ensino Fundamental dos sistemas públicos de ensino.

10 municípios em AM, GO, MT, PE, PI, PR, RJ, RN, RO, RS, SP

Escolas: 282 Professores: 3.514 Alunos: 87.009

Garantir uma abordagem mais significativa e eficiente do ensino da matemática nas redes públicas municipais, promovendo a aprendizagem dos alunos.

11 municípios

Escolas: 206 Professores: 2.741 Alunos: 59.444

Contribuir com a melhoria da qualidade da Educação Infantil nos municípios brasileiros, a partir da formação continuada dos profissionais das unidades de Educação Infantil das redes municipais.

19 municípios na Bahia

Escolas: 323 Professores: 1.275 Alunos: 21.982

Formar lideranças escolares comprometidas com a construção de um projeto de gestão democrática da escola pública, com foco no sucesso do aluno.

AM, BA, GO, MG, RS, SE, TO e DF

Escolas: 240 Professores: 3.689 Alunos: 48.255

Oferecer formação permanente em rede para profissionais de instituições de Educação Infantil.

8 municípios

Escolas: 77 Professores: 438 Alunos: 15.889

Construir referenciais teóricos para compreender o papel da escrita do nome na leitura feita pela própria criança. Ampliar o repertório de propostas mais utilizadas pelos professores em sala de aula.

23 municípios em AM, CE, GO, MG, MT, PE, PR, RJ, RN, RS, SC, SP

Professores: 125

Discutir a concepção que os professores têm das crianças como leitoras e também produtoras de cultura e aprimorar o planejamento e o desenvolvimento da leitura pelo professor.

48 municípios em AM, CE, ES, GO, MG, MS, PR, RS, SC, SP

Professores: 181

Despertar a consciência das pessoas sobre o direito de todos os brasileiros à educação de qualidade. Incentivar a família a acompanhar a vida escolar de seus filhos e mobilizar a comunidade para acompanhar a educação no município.

Município de Araucária (PR)

5.000 funcionários do Consórcio CCPR, da Secretaria de Educação e de entidades da sociedade civil.

109


Quadro de ações sociais desenvolvidas pelas empresas do Grupo Promon em 2011

instituição beneficiada

projeto

objetivos

Ação Comunitária do Brasil

Som, Ritmo e Movimento

Qualificar a vivência cultural na infância e juventude aliando educação formal e construção simbólica em oficinas interdisciplinares de teatro. Valorizar e estimular a fruição e circulação de produtos culturais (visitas, mostra cultural, CDs e DVDs) e proporcionar a capacitação de profissionais da área cultural, valorizando a diversidade, as distintas linguagens e múltiplas expressões culturais como forma de fomento à sustentabilidade dos fluxos de produção de cada organização parceira.

Projeto Pingo

Disseminar o conhecimento e o uso de novas mídias e de veículos de comunicação como ferramentas necessárias à formação de crianças e adolescentes residentes e estudantes em regiões de alta e média vulnerabilidade, intervindo em demandas sociais de suas comunidades, promovendo recursos, serviços e talentos locais.

Educação de Jovens para o Século XXI

Promover educação básica para jovens de 14 a 18 anos, desenvolvendo uma vida com autonomia no seu cotidiano e criando condições de iguais oportunidades através do desenvolvimento de habilidades.

Programa Arte na Periferia

Oferecer a crianças, adolescentes e seus familiares opções de cultura e entretenimento aos sábados, nas dependências da Casa do Zezinho.

Instituto Bola pra Frente

Tecnologia Social — Programa Esporte em Ação Educacional no Nordeste Goiano

Reaplicar a metodologia do Instituto Bola Pra Frente em oito cidades do nordeste goiano, fomentando a prática esportiva local por meio da formação de um comitê gestor e da capacitação dos educadores da rede pública de ensino, para que sejam agentes multiplicadores do conhecimento e assim possam oferecer a oportunidade de promoção social, tendo, como principal ferramenta, o esporte educacional.

Associação Meninos do Morumbi

Educação Ambiental

Contribuir para o enraizamento de práticas participativas no engajamento e na atuação das crianças e adolescentes frente às questões socioambientais de sua comunidade.

Projeto Casulo

Viajando pelas Letras e Palavras: Biblioteca Comunitária Casulo

Contribuir para a formação leitora de crianças e adolescentes, propiciando a democratização do acesso à leitura prazerosa por meio de estratégias que priorizam a diversidade, a ludicidade e o estímulo ao desenvolvimento da capacidade crítica.

Casa do Zezinho

110


Metas de Desenvolvimento do Milênio (Organização das Nações Unidas)

beneficiários

ações desenvolvidas

Meta 2 Atingir o ensino básico universal

6.300 crianças e adolescentes em 23 organizações comunitárias da região sul da cidade de São Paulo.

Atividades desportivas, dança, musicalização, teatro e capoeira, visitas monitoradas a museus, espetáculos e afins.

Meta 2 Atingir o ensino básico universal

2.175 crianças e adolescentes em 10 organizações comunitárias da região sul da cidade de São Paulo.

Atividades voltadas ao conhecimento e cuidado de si, do outro e do meio ambiente.

Meta 2 Atingir o ensino básico universal

360 jovens da região sul da cidade de São Paulo.

Oficinas de português, matemática, inglês, espanhol e informática.

Meta 2 Atingir o ensino básico universal Meta 8 Estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento

1.500 jovens, crianças e seus familiares residentes na região sul da cidade de São Paulo.

Atividades desportivas, dança, musicalização, teatro e capoeira, visitas monitoradas a museus, espetáculos e afins.

Meta 2 Atingir o ensino básico universal Meta 8 Estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento

3.100 educandos e 420 educadores da rede pública de ensino localizados em oito cidades do nordeste goiano, quatro delas apresentando o menor índice de IDH-M (Índice de Desenvolvimento Humano Municipal) da região.

Formação de comitê gestor de esporte educacional, núcleo de pesquisa para aplicação da metodologia, seminários sobre esporte educacional, oficinas esportivas, educativas, culturais e de qualificação profissional.

Meta 7 Garantir a sustentabilidade ambiental

2.000 crianças e adolescentes de 6 a 17 anos da região sul da cidade de São Paulo.

Oficinas sobre lixo e poluição e discussões sobre consumo e importância da água.

Meta 2 Atingir o ensino básico universal

600 crianças e jovens da região sul da cidade de São Paulo.

Mediação de leituras, exposição de trabalhos das crianças e jovens.

111


instituição beneficiada

projeto

objetivos

SORRI – Brasil

Projeto Roda de conversa: o que quero ser quando crescer?

Promover um espaço de reflexão sobre o mundo do trabalho hoje e as reais possibilidades de realização profissional para adolescentes com deficiências, resgatando a possibilidade de pensar sobre o assunto para além do senso comum, retomando a construção da crítica coletiva.

Associação Ser Cidadão

Coral Oficina — Casa Ser Cidadão

Ensinar, desenvolver e treinar o canto em coral com repertório em música clássica, com a experiência de especialistas, e promover encontros dinâmicos sobre identidade e cidadania.

Associação Junior Achievement do Rio de Janeiro

Programa Introdução ao Mundo dos Negócios

Fornecer informações práticas a crianças e adolescentes sobre a organização e a operação de negócios em um mercado de livre iniciativa.

Programa Economia Pessoal

Ensinar crianças e adolescentes a planejar investimentos e gastar com sabedoria; fornecer conhecimentos sobre gerenciamento financeiro, vantagens e desvantagens do uso e abuso do crédito.

Atitude pelo Planeta

Apresentar e desenvolver nos jovens conceitos relacionados ao desenvolvimento sustentável e à sustentabilidade.

112


Metas de Desenvolvimento do Milênio (Organização das Nações Unidas)

beneficiários

ações desenvolvidas

Meta 2 Atingir o ensino básico universal Meta 8 Estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento

13 escolas, 23 professores, 681 crianças de escolas públicas da cidade de São Paulo.

Atividades lúdicas, artísticas e informativas que abordam os mitos e preconceitos relacionados às pessoas com deficiência.

Meta 2 Atingir o ensino básico universal

50 jovens de 15 a 20 anos de idade da Associação Ser Cidadão, localizada na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro.

Oficinas de capacitação em canto coral.

Meta 2 Atingir o ensino básico universal Meta 8 Estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento

Duas  turmas com 30 jovens da Associação Ser Cidadão, localizada na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro.

Atividades que visam o desenvolvimento das habilidades e conceitos relacionados ao mundo dos negócios.

Meta 2 Atingir o ensino básico universal Meta 8 Estabelecer uma parceria mundial para o desenvolvimento

60 jovens da Organização CAMP Vila Isabel, localizada na cidade do Rio de Janeiro.

Atividades que auxiliam os alunos a avaliar suas habilidades e seus interesses pessoais.

Meta 2 Atingir o ensino básico universal Meta 7 Garantir a sustentabilidade ambiental

60 jovens da Organização CAMP Vila Isabel, localizada na cidade do Rio de Janeiro.

Atividades lúdicas e ações relacionadas ao exercício da cidadania.

113


PROFISSIONAIS PROMON — ABRIL 2012 Abilio Francisco Alves Junior | Acácia Nunes Castilho | Ader Felicio Pedro | Adilson Celso Altruda | Adilson Delanhese | Adilson Sant’Anna | Adriana do Carmo Cardozo | Adriana Paula Gonçalves Azevedo | Adriana Rezende de Castro | Adriana Ribeiro de Mendonça | Adriana Sant’Anna | Adriane Takeda | Adriano Gritti | Adriano José Ferreira Gasparini | Adriano Khoja Pascual | Adriano Nunes da Fontoura | Agnaldo de Sá Oliveira | Agnaldo Moura | Agnaldo Vieira de Oliveira | Ailton Viel | Alan Teixeira dos Santos | Alceu Conerado Neto | Alcides Rodrigues de Figueiredo Junior | Alcino Fernandes Serra Filho | Aldo Rodrigues Alves | Alessandra Moreira Duarte | Alessandra Prestes de Cerqueira | Alessandro Reina Torres | Alex Faria Sandoval | Alex Guidi | Alex Lebrão de Carvalho | Alex Sandro da Silva Lima | Alexander Baptista Artibano | Alexandra Macedo da Silva | Alexandra Prado Liem | Alexandre Cassiano Alves | Alexandre Cesar Pereira de Paula | Alexandre Couto Bagdzius | Alexandre da Roza da Silva | Alexandre de Almeida Máximo | Alexandre de Araujo | Alexandre de Campos Barros | Alexandre de Castro da Cruz | Alexandre de Oliveira Martins | Alexandre Diegas de Barros | Alexandre dos Santos | Alexandre Fernandes Pinto | Alexandre Francisco | Alexandre Garcia Santana | Alexandre Goncharov | Alexandre Harayashiki Moreira | Alexandre Lopes Valverde | Alexandre Murakami | Alexandre Nicolau | Alexandre Raymundini da Silva | Alexandre Regnani | Alexandre Tsuruoka | Alexandre Yukio Yokota | Alexsandro de Souza | Alfredo A. F. Guimarães | Alice Satiko Sato S. Torres Pinto | Alike dos Santos Nucci | Aline Amanda Rios | Aline Ramos da Silva | Aline Severini Pinto Ferreira | Aline Vieira de Carvalho | Allan Castro Cardoso | Allan Houpillard Galbiatti | Alvano de Araujo Tomei | Álvaro Bragança Júnior | Alysson de Farias de Araujo | Amanda Carla Silva | Amanda de Paula Diogenes | Amanda Matos Rodrigues de Sá | Amanda Pessoa Martins | Ana Beatriz L. de Campos Bicudo | Ana Carina Viana de Carvalho Rocco | Ana Carla dos Anjos Rodrigues do Amparo | Ana Carolina Cursino Fukushima | Ana Carolina Kliemann Dutra | Ana Celia Alves Caldas | Ana Cláudia Justo | Ana Cristina Leite de Barros | Ana Elisa Gargione | Ana Flávia da Silva Barbosa | Ana Flávia Querido de Souza | Ana Luiza de Noronha Roque | Ana Paula Guimarães Santoro | Ana Paula Maciel Serio | Ana Raquel Calais de Siqueira | Anderson Abreu Rodrigues | Anderson Marcelus Praxedes | Anderson Roberto dos Santos | Anderson Roberto Toledo da Silva | Anderson Silva Claro | André Costa Moreira | André de Carvalho Paro | André de Lucena Zanco | André Di Fraia | André Fagundes da Rocha | André Filipe Fernandes | Andre Guilherme Ferreira | André Hiroshi de O. Nishina | André Kalil | André Kleiman Arantes | André Luís Lapa Trancoso | André Luiz Nunes Guerrero | André Luiz Posada Restier | André Martins de Martini | André Natali Schonert | André Oliveira Silveira | André Ossamu Mori | André Sidney Spinardi | André Simões Costa | André Valério Lopes | Andre Varella Nemirovsky | Andrea Beatriz Ramalho Flores | Andrea Cristina Maia de Pinna | Andrea de Figueiredo Grangeiro Lima | Andrea de Paula Augusto | Andréa Guimarães Barroso Mafra | Andréa Romano dos Santos Gonzales | Andréia Alves Ferreira | Andréia Alves Moraes da Silva | Andréia de Sousa Lolago | Andréia Furlan | Andrey Seiji Shimada | Andreza Polcelli Godoi | Anesio Cardoso Gomes Ferreira | Ângela Maria Leite de Araújo Silva | Angela Moreira | Anibal Siqueira de Souza Junior | Anisio da Silva Pamplona Corte Real | Anna Carolina Alvares Cruz Volpon | Anna Carolina de Paiva Leal Ferreira | Anna Gabriela Novis Freire Duarte | Anna Maria Valente | Anne Beatriz Z. Ferreira | Annelise Regina N. de Toledo | Antonio Augusto Vellasco Filho | Antonio Carlos Costa Batista | Antonio Carlos de Oliveira Laus | Antônio de Lázaro M. Hirata | Antonio Ferreira do Amaral | Antonio Flaviano Florindo | Antonio Francisco de Araujo Oliveira | Antônio Henrique de Menezes Neves | Antônio José Lins dos Santos | Antonio Lepiane Neto | Antonio Marcelo Cardoso Sene | Antônio Maurício D. da S. Fortes | Antonio Nilson Vieira Sobrinho | Antônio Renato de Campos Junior | Antonio Ricardo Sacramento Madureira | Antonio Victor Comim | Aparecida dos Santos | Aparecido José Alves Filho | Áquila Moreira Pedrosa | Ariel Sant’ Ana de Aniceto | Arlim Ronald Mendes Botão Filho | Armando Ayres Moraes Oliveira | Armando Eduardo Barbieri | Armando Soares Barboza Neto | Artur Soave Frezza | Audrey Godoy da Silva | Augusto Aparecido da Silva | Augusto César Brauns Munhão | Augusto Ivo dos Santos Filho | Ayami Vivas Ottoboni | Bárbara Borges dos Reis Muniz | Barbara Gonçalves Primo | Barbara Seixas de Siqueira | Beatriz de Figueiredo Côrtes Matta | Beatriz Novaes de Miranda | Bellina Moresi Britto | Ben Hur Duarte Teixeira | Bergson Barbosa de Sales | Bernardo Couri Soares de Moura | Boris Rotter | Boris Schorohodoff | Braian Makoto Shigeyosi Kondo | Breno Bertolani Carli | Brígida Maria Gilly Nardy | Bruna Barreto Garcia | Bruno César Vaz | Bruno Coelho Miguel | Bruno de Luca Lima Barbosa | Bruno Farias Campos | Bruno Gazzaneo | Bruno José Lima Ferreira | Bruno Martins de Carvalho | Bruno Miranda Gonçalves Soares | Bruno Nunes Escabora | Bruno Picozzi | Bruno Pires Bandarovsky | Bruno Wilson Hodge | Bruno Zanfelicce Lanças | Caio Almeida Sá Moreira de Oliveira | Caio Augusto Gardelli | Caio Cesar Andrade Rosa | Caio Marcelo Ferreira Santos | Caio Schauenburg Teixeira | Caio Victor Barbosa Martins | Camila de Pina Caldo | Camila Fabiana de Mello Henriches | Cândida Samia Vieira da Silva | Caren Tie Itagaki | Carina A. Pires Amado | Carl José Westhoff | Carla Bandeira | Carla dos Santos Silva | Carla Paes Cavalcante | Carla Rodrigues de Sousa | Carla Soldan | Carlile Diniz Satiro | Carlo Penteado Genzani | Carlos Alberto Angelini | Carlos Alberto Centrone | Carlos Alberto de G. Filizola | Carlos Alberto F. de Paiva | Carlos Alberto Moller Pingarilho | Carlos Alberto Simionato Junior | Carlos Alexandre Chicate | Carlos André Alvarenga Costa | Carlos Augusto C. Barcellos | Carlos Augusto de Souza | Carlos César Gonçalves Farias | Carlos Diego G. de Oliveira | Carlos Eduardo Bernardes Melo | Carlos Eduardo Campista de Sousa | Carlos Eduardo Corrêa | Carlos Eduardo da Silva Louvize | Carlos Eduardo Dias | Carlos Eduardo Dias Moreira | Carlos Eduardo Marques | Carlos Eduardo Molina | Carlos Eduardo Paulino Gaudêncio | Carlos Eduardo Saraiva | Carlos Eduardo Tanaka Magrini | Carlos Eugênio Ferreira Rosa | Carlos Frederico Silva | Carlos Giovani Giraldeli | Carlos Henrique de Carvalho | Carlos Henrique Loureiro Zink | Carlos Henrique Martins dos Santos | Carlos Henriques Ventura do Rosário Oliveira | Carlos José Ros de Amorim | Carlos Magno de Jesus Pereira | Carlos Magno Moreira da Silva | Carlos Manuel Silvestre Cabral | Carlos Otavio De Souza Cordeiro | Carlos Renato de Araujo Tavares Cordeiro | Carlos Roberto Barros | Carlos Roberto Basaglia | Carlos Roberto Burri | Carlos Roberto da Silva | Carlos Rodrigo Cordeiro Alves | Carlos Thomaz G. Lopes Júnior | Carlos Tsutomu Shirota | Carolina Andressa Minesio | Carolina Honorato dos Santos | Carolina Reis Beltrão | Carolina Santoro Friede | Carolina Saturnino Braga Ennes | Carolina Sayaka Umetsu | Carolina Tobaruela Padua | Carolina Vasconcelos Barreto | Caroline Bastos | Caroline Duarte de Oliveira | Cassia Bonin Aran | Cássia Regina Martins | Cassiano Palma Pereira | Cassio Ricardo de Moura | Célia Doki | Celso Kiyoshi Honda | Celso Pereira da Silva | Celso Tadashi Kuniyoshi | César Augusto Adamo | Cesar Augusto de Carvalho | César Augusto Vilela | César Balduino Ciampi | César Ricardo Grassi | Cesar Rogerio Lucusi | Charles François de Fraipont | Charles Junior de Bueno | Christian Andreas Kurzhals | Christiane Cabral Vieira Yazigi | Christiane Regina da Costa | Christiano Morette | Cícero Fernando Sancho | Cícero Gageiro Ferreira | Cícero Pereira Barbosa | Cícero Victor Franco Facciolla | Cidmar Xavier Elpidio | Cíntia de Souza Pereira | Cintia Priscila Yoshimura | Cintia Regina Alves | Clarice Hiromi Otsuki | Clarissa Maciel dos Santos | Clarissa Toscano | Clarisse Cortes Moreira | Clauber Carvalho Gomes | Cláudia Mariscal Roberto Alves | Claudia Regina G. Formicola | Claudia Silva Cunha | Cláudio Costa | Cláudio de Lucena Pó | Cláudio Futigami | Claudio Guimarães de Freitas | Cláudio Pereira Cardoso | Claudio Pfiszter | Claudio Roberto Fernandes | Claudio Tanabe | Clayton Eloi Jacinto Rodrigues | Cléber Benedito de B. Cabral | Cleber Garcia Weissheimer | Cleison Atala | Cleison Caetano dos Santos | Cristiane Aparecida dos Santos | Cristiane Gaspar Mendes | Cristiane Giacomini Maldonado | Cristiane Medeiros de Almeida | Cristiane Mieko Sekiguti | Cristiane Papaleo Vianna | Cristiano Albuquerque Duarte | Cristiano Cruz | Cristiano dos Santos Machado | Cristiano Schiavon Vieira | Cristina Lubrano de Mendonça | Cristina Mori Miyata | Cristina Naomi Makibara | Cristina Sumiko Sato | Dalila Mazetto dos Santos | Damião Fernandes de Barros | Dani Everton Azevedo Dias | Daniel Augusto Ferreira | Daniel Buzinari de Souza | Daniel Campos de Oliveira | Daniel Domingues | Daniel Dutra Fernandez | Daniel Felipe Müller do Amaral | Daniel Fernando Yamashita Costa | Daniel Kawamoto | Daniel Kraft Bulgarelli | Daniel Marquesim | Daniel Soares Carreiro | Daniel Soliani de Castro | Daniel Zilberberg | Daniela Alves Beraldo | Daniela Carina Cartarozzi Silva | Daniela Garcia Medeiros | Daniela Lanziani Katayama Marques | Daniela Oliveira Bertolli | Daniela Romano dos Santos | Daniele Cristina Silva Ferreira | Daniele Nery Calderazzo | Daniella Antonieta Alves de Sousa Reis | Daniella Pires Michel da Mota | Danielle Aparecida Linhares | Danielle Borely Ferreira de Lima | Danielle Moscardi de Freitas | Danielle Roballo Gomes | Danielli Lúcia Augusto | Danilo Alves de Souza | Danilo Augusto Salgado

| Danilo Bastos Mehler | Danilo Bove Danúbio Lopes | Danilo Cunha de Souza | Danilo Inamine | Danilo Naman Cardoso | Danilo Padula Barbosa | Danilo Rodrigues Lima | Danilo Roma Sella | Danny Bonini Pariz | Davi Ferreira Maciel Fernandes | Davi Turques Tavares | David Andrade de Souza | David Neres de Barros | Dayane da Costa Gomes Gonçalves | Débora Bechara Vasconcelos Cavaleiro | Debora Brabetz Sandonato | Débora Cristina dos Reis Finotti | Debora Marques Cardoso Costa | Denis Caje Henrique | Denis Herbert Esteves | Denis Iannucci Junior | Denis Sneider Iabrude | Denis Venturini Arantes | Denise da Costa | Denise da Penha Bellini | Denise Midori Eihara Ara | Denise Yamamoto | Dennis Messias dos Santos Silva | Dennys de Carvalho Laube | Denys de Souza Monteiro | Diego Calado Garcev | Diego Castilho Ferreira Leme | Diego de Azevedo | Diego de Oliveira Godoi | Diego Fernandes Ribeiro | Diego Junca de Gonzaga Balbi | Diego Lourenço Cartacho | Diego Rocha de Almeida Santos | Diego Salvaia | Dimas da Cunha | Dino Miozzo Neto | Diógenes Nomura Mantovi | Diogo Militão Marques | Diogo Ribeiro Mendes | Dirceu Teixeira | Diva Martins Rosas e Silva | Domingos Santin Neto | Donizete Mariano de Oliveira | Doris Chika Ifekaibeya | Doris Lam | Douglas Jose Pereira dos Santos | Douglas Lozato | Douglas Vieira de Oliveira Fonseca | Edegilson Ribeiro de Souza Junior | Eder Alves Dantas | Éder de Almeida Sousa | Ederson Moris Junior | Edgar Macari Junior | Edilamar Andrade Rodrigues | Edilene Cristiane da Silva | Edileuza Lopes Silva | Edilson Roberto Signorelli | Edinilson Sampaio Gomes | Edna Maria da Rocha Barros | Ednelson Miranda | Ednilson Roberto da Paixão | Ednir Jorge Arantes | Edson Alexandre Miklos | Edson Aparecido Borba | Edson do Couto Gissoni | Edson Freitas da Silva | Edson Gonçalves dos Santos | Edson Pedro Forquesato | Edson Sakai | Edson Suetake | Eduardo Aparecido Rabello | Eduardo Beno Heinemann Cohn | Eduardo Bergson | Eduardo Bittencourt Luz | Eduardo Cabral de Vasconcellos | Eduardo Deszo da Silva | Eduardo dos Santos Terra | Eduardo Fozzatti | Eduardo Fragelli | Eduardo Francisco Souza Cau | Eduardo Gianasi Junior | Eduardo Gurjão Salgado Argento | Eduardo Henrique Tessarioli | Eduardo Lopes da Cunha | Eduardo Magalhães Lopes | Eduardo Marciano Alonso | Eduardo Melon Barroso | Eduardo Moreira dos Santos | Eduardo Salles Cunha Peres | Eduardo Serratte dos Santos | Eduardo Shigueo Harada | Eduardo Soares Mauro | Eduardo Tashiro | Eduardo Werneck Vieira Marques | Egberto André de Meo Junior | Elaine Cristina Goulart | Elaine Freitas Santos de Lyra | Elaine Sayuri Kaminagakura | Elcio Garcia Botelho | Eleonora Pereira Nunes Vieira | Eliana Campos Pedroso | Eliana Cristina Alonso | Eliana de Almeida Pereira | Eliana Missias da Silva | Eliana Miyuki Yagueshita | Eliana Rodrigues de Souza Leão | Eliane Aparecida Branco | Eliane Aparecida da Silva Tavares | Elias Pereira | Eliel Tosini dos Santos Neves | Eliete Pereira Rodrigues | Elisangela Mendes Vitrio | Eliuson Viana Barros | Elke Irene Burgers | Ellen Cássia Boton Santos | Elmo Barros Cabral Filho | Elton Honorato de Oliveira | Elton Pereira Soares | Elvis Marques Alves Araujo | Emanuela Maria Vilaça | Emanuela Pessoa de Araújo | Emeli Quaglio Aguiar | Emerson de Moraes | Emerson de Moraes Navarro | Emilson Marcos Tane | Emmerson Maziero | Enilson Siqueira Santiago Júnior | Erica Aline Lazarin | Erich Araújo Bastos | Erick Robert Heinrich | Eridilson Vieira da Silva | Erik Vinícius de Oliveira Ito | Erli Donizeti Serino | Ernandes Candido Francisco | Esli Campos Camargo | Eugenio Charles Soares | Eurico Marques | Evaldo L. de Viveiros Ferreira | Evandro Gorzilho Beloni | Everton Alexandre Cabral | Everton Diniz de Brito | Everton Kiiler | Fabiana Aparecida de Paula | Fabiana do Amaral Godioso | Fabiana Garcia Porras | Fabiano Paiva Brito | Fabio Abreu Hashimoto | Fábio Alves Carneiro | Fabio Antonio Braga Padrão Gomes | Fabio Asnis Campos da Silva | Fabio Batista Guilherme | Fábio Bittencourt Ramos de Oliveira | Fabio Cunha | Fabio da Silva Farias | Fábio de Sousa Serra | Fabio Faria Leahy Guerra | Fabio Ferreira de Souza Marzionna | Fabio Gama de Almeida | Fábio Hideki Aragaki | Fabio José Santana | Fábio José Trimarco | Fabio Leite de Barros | Fábio Luís Aguiar Pinto | Fabio Luiz Approbato | Fábio Marques dos Santos | Fábio Medeiros Damasceno | Fábio Modesti Orsini de Castro | Fabio Montrezor | Fabio Moraes Rodrigues | Fabio Pires Macedo | Fabio Risério Moura de Oliveira | Fábio Rodrigo Tavares Miranda | Fábio Rodrigues Alves Margarido | Fabio Romera | Fábio Santos Araújo | Fábio Sogumo | Fabio Telles Bloise | Fábio Viva Jardim | Fábio Yoshio Miyake | Fabrício André Saraceni Ribeiro | Fabrício Araujo Lopes da Costa | Fabrício Correia Sales | Fabricio Kenji Sato | Fatima Regina Pires M. Ramos | Felipe Alceu Amoroso Lima | Felipe Carlos de Almeida | Felipe Carlos Pelegrina | Felipe Ciriaco Fernandes | Felipe de Lacerda Jordão | Felipe dos Santos Souza | Felipe Gonzaga da Silva | Felipe Gustavo Leite de Assis | Felipe Janini Vidolin | Felipe Kahan Bonato | Felipe Sá Dedoni | Felipe Samuel Lando | Felipe Soares Rebelo Horta | Fernanda Dantas Santos | Fernanda Martins Santana | Fernanda Raquel Maximiano Nagem | Fernanda Rosa de Souza | Fernanda Salgado Ferreira | Fernanda Spada Villar | Fernando Augusto Bacurau | Fernando Buoro Auler | Fernando Calfa Espudaro | Fernando Daniel Finger | Fernando Ferrari Filho | Fernando Garcia Faustino | Fernando Henrique de Assis Cunha | Fernando Henrique Gines | Fernando Luis Sobral | Fernando Marques da Silva Yoshikawa | Fernando Mauro da Silva Santos | Fernando Mendes Pimentel Junior | Fernando Silva de Santana | Fernando Yudi Sakamoto | Filipe Abdalla Teixeira Neto | Filipe Anelli Louzano | Filipe Barbosa Olmos | Filipe Botelho Baptista | Filipe da Silva Peixoto | Filipe dos Santos Oliveira | Filipe Nascimento de Lima | Flávia Fernanda Soares dos Santos | Flavia Gabrielle Peixoto T. de Freitas | Flavia Martins Matos | Flávia Oliveira dos Santos | Flavia Pinho e Silva Bastos | Flávia Regina Munhoz | Flávio Alves de Carvalho | Flávio Eduardo da Cruz | Flavio Ferucio Estevam | Flávio Magalhães dos Reis | Flávio Minoru Maruyama | Flávio Norberto Marques | Flavio Silva Pinto | Flavio Teixeira | Floriano Salvaterra Dutra Neto | France Nilda Mendonça da Silva | Francisca Batista Flausino Malechesk | Francisco Angelo Precinotto Junior | Francisco Carlos Mazoni | Francisco Carlos Rufino | Francisco Ferraro Neto | Francisco Ferreira Segundo | Francisco José Hirama Moreira Lopes Ribeiro | Francisco José Kiernann Lopez | Fransley Fernando da Silva | Frederico Eiji Kawasaki | Frederico Guilherme de Lima | Fredi Gouveia de Souza Lins | Gabriel de Camargo Souza | Gabriel Oliveira Chagas | Gabriela Angela Ferreira | Gabriela Cavallini Fernandes | Gabriela Gaspardo de Souza | Gabriela Santa Cruz Neves Kwok | Gabriela Tiemi Hattori Grandis | Gabriella Pavanello Gonçalves | Geane Aparecida Silva dos Santos | Geny Matsui | George Brito Balby | Geovani Coutinho de Oliveira | Gerson Coelho Bezerra | Gerson Mauch dos Santos | Giancarlo Cittadino | Giancarlo Freitas Maruggi | Gianjosé Santoro Junior | Gilberto Ciriaco Costa Neto | Gilberto Costa Coutinho | Gilberto Pereira da Silva | Gilmar Moisés da Silva | Gilson Antonio Canciani | Gilson Galvão Krause | Giovana Morandi | Giovanni José Lunardi | Giovanni Lindeberg de Lino | Gisele Botelho Alves de Souza | Gisele Braga Gonçalves Alves | Gisele Caldeira Duarte | Gisele Conde | Gisele Koch | Gisele Yurie Miyashira | Giselle Chaves Quaresma | Gislenia Oliveira dos Santos | Glacy Kelly Campos Fernandes | Gladson Bernardino Alves | Glauber Baptista Gondim Leite | Glaucemir de Jesus Magalhães Consentini | Glória Maia dos Santos | Glória Tereza Corominas Signorelli Ferreira | Graciano Argento de Amorim | Gracy Kelly Amadio Quaresma | Guilherme Amadi de Moraes Cruz | Guilherme Fragelli Penna Chaves | Guilherme Rodrigues Buzo | Guilherme Santos Neves | Gustavo Adolpho F. de Oliveira | Gustavo Affonso Arnaut P. Lopes | Gustavo Casagrande Garcia | Gustavo Gimenez da Mota | Gustavo Gonçalves dos Santos | Gustavo Goulart dos Santos | Gustavo Henrique de Camargo Cevalhos | Gustavo Henrique dos Santos Camargo | Gustavo Henrique Moreira Alves | Gustavo Henrique Rubin Ferreira | Gustavo Perilo Roberti | Gustavo Smari Guimarães | Gustavo Soares Rocha | Gustavo Teixeira Costa | Gustavo Yoshinaga Ishizaki | Gutemberg Marques Júnior | Hamilton Bacellar Filho | Heber Ferreira dos Santos | Hélcio Bravo Mosciaro | Helcio Ferreira de Souza Chagas | Helena Ventura Milidiu | Helga Kaltbeitzer Daud | Hélio Mazzilli Xavier de Mendonca | Hellen Pereira Vitali | Heloisa Ramos de Campos Mello | Henrique Barros Riego | Henrique de Andrade Marques | Henrique Hilsdorf Marotta | Henry Armelin Martins | Herbert J. Azevedo | Herbert Oliveira da Silva | Hércules Reis Fragata | Hugo Oscar Brodskyn | Humberto Checco Martinelli | Iara Mazzoca Nazario | Iara Nomura Baba | Igor Oliveira Martins | Inae Cabral Lucato | Ines Pereira de Santana | Ingrid Araujo de Oliveira Corregiari | Irene Makie Ogau | Iria Lúcia Giampaoli | Iris Firmino dos Santos Filho | Iron Augusto de Sena Paranhos | Isabel Chagas Gomide | Isabela Alcover França de Oliveira | Isabela do Rego Monteiro Ramiro | Isabela Jacqueline Coutinho | Isabella Foot Guimarães Costallat | Isaías Araújo Maciel Azeredo | Isaias das Neves | Isidro Costa Serra | Israel Alves Rebouças | Ítalo de Gusmão Barros Teixeira | Ivan Barbosa da Silva Junior | Ivan Cozaciuc | Ivan Curvello Martins de Souza | Ivan Marques Cunha | Ivan Tadeu Sales | Ivo Godoi Junior | Ivone Faria Oliveira de Carvalho | Iwan Fedoruk Goes | Izabela Fernandes Souza | Izabella Mundim Brito | Jacques Henri Gallier | Jacques Magalhães Benain | Jair Antonio Inforzato Júnior | Jair Ramos de Almeida | Jalmiro Rocha Silva Sobrinho | James de Souza da Silva | Janaína Maria Costa Tenório | Janderly Wagner de Azevedo | Janderson Taguchi


| Jane Silva Leonardi | Jaqueline Borges | Jaqueline Cristina Maznik | Jaqueline Priscyla Góes Cipriani | Jeferson Gustavo da Silva Pereira | Jefferson da Silva Tavares Feitoza | Jefferson de Souza Alves Rodrigues | Jefferson Leandro Anselmo | Jesse Martins Macedo | Jessica De Fatima Reis | Jessica Mari Yamamoto | Jessica Monteiro da Silva | Jessica Toledo Silva | Jhuli Meire Takahara | Joanna de Paiva Areal | João Alberto Silva de Oliveira | João Antônio da Silva Neto | João A. Gotardi Albanezi | João Aristeu Avanzini | João Augusto Ribeiro Fontoura | João Batista de Souza | João Carlos Baboni | João Carlos De Melo | João Carlos dos Reis | João Ciro Ruchinski | João Ernesto Tessarollo Winter | João Gualberto Andrade | João Henrique Ferreira de Freitas | João Lazaro Buono | João Lucas Augusto | João Lucas Costa Ribeiro | João Luiz de Freitas | João Luiz Juca | João Patricio Alves Dias | João Paulo Aragão Pereira | João Paulo Martins Ignácio da Costa | João Paulo Soares de Sousa | João Ricardo Cury Salloum | João Yoshio Makiyama | Jobel Freitas da Silva | Joice de Medeiros Guedes | Jonas Bonimasso Martins da Silva | Jonas Henrique da Silva | Jorge Alexandre Lagos Leite | Jorge da Costa Souza | Jorge Donato S. do Carmo | Jorge Francisco Cutigi | Jorge Luiz Caruzzo | Jorge Luiz Corrêa Pires | Jorge Rodrigues Patrício | Jorge Shoiti Motoyama | José Adilson Franciscatto | José Carlos da Silva Lopes | José Carlos Dalla Greppe | José Carlos Grosso | José Carlos Neves | José Carlos Pires Felix | José Devanildo do Nascimento | José Edson de Jesus Ferreira | José Eduardo Antonello Marques | José Felipe Santos da Silva | José Fernando Carniel | José Fernando Shigueru Aoki | José Fernando Valor Gonçalves | José Francisco de Paula Salles | Jose Geraldo Araujo Junior | José Jessé de Oliveira | José Laexson Pereira | José Luiz Matioli | José Luiz Rossi | José Luiz Sant’Anna | Jose Marcelo Alves Vieira | José Mário de Laurentis | José Mauro Rodrigues | José Nilson Ferreira | José Rafael Janini Ortiz | José Renato Santoro | José Roberto Bazzo | José Roberto Moreira de Araújo | José Roberto Proença G. da Silva | José Roberto Ruschel Siffert | José Rodrigo Parreira | José Romildo Gurgel C. Lima Filho | José Santiago Rodrigues Moure | José Tadeu Gomes Guimarães | José Wilton Oliveira de Arruda | Joséph Michell Medeiros Bezerra | Jouderson Oliveira Matos | Juan Lourenço Fandino Landeira | Judineide Cardoso de Melo | Júlia dos Santos Gomes Carneiro | Julian Juniti Nakasone | Juliana Akemi Nakamura | Juliana Lima Santa Paula | Juliana Maria Silva | Juliana Mendes Couto | Juliana Mohn | Juliana Pereira de Freitas | Juliana Ribeiro Mariano Martins | Juliana Vasconcellos | Juliano de Faria Chagas | Juliano Schaussard Flores | Julio Cesar Casteli | Júlio César de Barros Cunha | Julio Cesar Frigo Silva | Júlio César Goes Neves | Julio Cesar Martins | Julio Cesar Souza | Julio Cesar Tenorio de Sá | Júlio César Trevisi Orlandi | Julio Cesar Xavier De Almeida | Julio Ferreira Junior | Julio Graciel Farias de Souza | Julio Victor Martins de Magalhães | Júnio César Catete de Souza | Kaio Leandro Lopes Moreira | Kaline Barros Chaves | Karen Fernanda Volpolini | Karina Colin | Karina de Borborema Loureiro | Karina Ghion Bestagno Alonso | Karina Helena Bernardes do Nascimento Marques | Karina Monzano da Silva | Karina Rodrigues da Silva | Karla Fernanda Armond de Miranda | Kassyus Roberto Rocha de Souza | Kátia Cilene Ackermann | Katia Cilene Leite | Kátia Elias Jarroug Dutra Fernandez | Kátia Virgínia Coelho Guimarães | Katya Marion Pereira | Kaue Alves Colaneri | Keila Teixeira Reis | Kelli Cristina Bersch Chaves | Kelly Fonte de Azevedo | Kelvin Yuso Tamura | Kenny Mayumi Ribeiro Tiba | Keti Izildinha de Paula | Klaus Georg Hansen | Kleber Lopreto Tomazetti | Kleber Luni Ribeiro | Kleber Ximenes | Kleine de Morais Dutra | Konstanze Maria Bevilacqua | Lais Alves Vasconcellos | Laís Cardoso de Andrade | Lara Alves de Oliveira Soares | Larisse Maria Romanini Gois | Larry Barbosa Favre | Laryssa Sueza Raffa | Laura Altobello Antunes | Leandra Ribeiro de O. e Silva | Leandro André Rodrigues Barasniewski | Leandro Correia Lima da Silva | Leandro da Silva Anacleto | Leandro Gaona Rodrigues Alves | Leandro Gomes da Silva | Leandro Ianicelli Marques | Leandro José Aguilar Andrijic Malandrin | Leandro Makoto Neves Hoshina | Leandro Rincon Costa | Leandro Rodrigues da Silva Junior | Leandro Rodrigues M. de Marco | Leandro Yudi Seki | Leidiane Dantas de Araujo | Leonardo Arkader Fragozo | Leonardo de Lima Ferreira | Leonardo Degobi da Silva | Leonardo Elias Mariote | Leonardo Estrela de Freitas | Leonardo Henrique Ladeira da Cruz | Leonardo Hideki Ishikiriyama | Leonardo Jardim Maria Gouveia | Leonardo Manesco Barban | Leonardo Meira Ottolini | Leonardo Monteiro Gadelha | Leonardo Moraes Puerari | Leonardo Nunes de Oliveira | Leonardo Rocha | Leonardo Weir Feng | Leoncio Bonfim Duarte | Letícia Cristina Cotrin Loro | Letícia Locatelli | Lígia Ayssami | Lígia Senise Ferreira Bussad | Lilian Mayumi Ito | Lilian Santos Castro Martins | Lincoln Edwige da Silva | Lívia de Rezende Bragança | Lívia Júlio Pacheco | Lourdes Maria R. S. Atanazio Uchôa | Luan Henrique Codo Teruel | Lucas da Silva Dantas | Lucas de Andrade | Lucas Dutra Pinz | Lucas Ferraz Benício Castagna | Lucas Leal Pinheiro | Lucas Nobumichi Yshii | Lucélia Aparecida Pupo Massarani | Lúcia Helena Lombas | Luciana de Almeida Pinheiro | Luciana Inhari Campos | Luciana Maekawa | Luciana Miguel de Oliveira | Luciana Ramos Tavitian | Luciana Smith Trotta Leão | Luciana Vassão Gaspar | Luciano Bezerra Rodovalho | Luciano Claro dos Santos | Luciano da Costa Santos | Luciano Davoglio Molinari | Luciano José Pescarini | Luciano Junger de Carvalho | Luciano Leite Nobre de Sousa | Luciano Santiago Rosas | Lucilene Sartori Tchian | Lucimara Aparecida da Silva | Lucio A. Pivoto | Lui Werner Formaggini | Luiggi Fonseca Ferroni | Luís Adalberto Beloni Bózoli | Luis Aldo Del Rio de Vos | Luís Augusto Chinaglia | Luís Augusto Teixeira Silva | Luís Carlos Moreira Bicalho | Luís Celso Pengo Martins | Luís Cláudio Marincek | Luís Fernando Zagonel | Luis Guilherme de A. Rezende | Luis Henrique de Godoy | Luís Minoru Shibata | Luís Pascoal da Silva Gama | Luiz Alejandro Guerra Vargas | Luiz Antonio Medeiros Sharp | Luiz Augusto Vianna | Luiz Carlos de Carvalho Marques | Luiz Carlos Galvão | Luiz Carlos Lopes de Lima | Luiz Carlos Monari | Luiz Claudio Campos Ribeiro | Luiz Ernesto Gemignani | Luiz Estevam Granato | Luiz Felipe Pizzini | Luiz Fernando Nunan Bicalho | Luiz Fernando Telles de Souza | Luiz Fernando Telles Rudge | Luiz Francisco Palmieri | Luiz Gonzaga Marinho Brandão | Luiz Gustavo Monteiro Lisboa | Luiz Henrique Ranzani de Miranda | Luiz Massayoshi Omatsu | Luiz Otávio Guerreiro de Castro | Luiz Roberto de O. Campagnon | Luiz Roberto Silva Garcia | Luiza Maria Barboza Carneiro | Luzia Tavares Barbosa | Magnus Correa Marques Russo | Manoel Marcilio Sanches | Manoel Rodrigues Justino Filho | Marcel Mancuso Thomé | Marcela da Silva | Marcela de Carvalho Freschi | Marcela Lopes Balla | Marcelo André Alves | Marcelo Antonio Pereira | Marcelo Brasil Calvet | Marcelo Cardoso Luz | Marcelo Carletti | Marcelo Carlos Caravieri | Marcelo Ciscan | Marcelo da Silva Ramos | Marcelo de Almeida Alexandre | Marcelo de Andrade Hofer | Marcelo de Barros Ribeiro | Marcelo de Souza Oliveira | Marcelo Donizete Camilo | Marcelo dos Santos Rodrigues | Marcelo Erbolato Gabiatti | Marcelo Fernandes Marques Barbosa | Marcelo Julidori | Marcelo Julio | Marcelo Luiz Esperati Pagoti | Marcelo Luposelli Petraglia | Marcelo Malta Domingos | Marcelo Mateus Duro | Marcelo Menegatti | Marcelo Monzani | Marcelo Müller Taulois | Marcelo Pereira Introini | Marcelo Pereira Zenerato | Marcelo Rigon | Marcelo Sadaki Kawakami | Marcelo Sala | Marcelo Saraiva de Almeida | Marcelo Yamada Araujo | Marcia A. Fernandes Kopelman | Marcia Cristina Vicente | Márcia de Almeida Vittori Ferreira | Márcia Maria Ferraresi | Márcia Mendonça Filippo | Márcia Regina Condotta | Márcia Ruzene Dias | Marcio Almeida de Oliveira | Márcio André Fleury P. Ribeiro | Marcio Augusto Nalin | Márcio Aurélio de Paula Antunes | Marcio Castellani de Lima | Marcio Emidio Gavioli | Márcio Nieblas Zapater | Marcio Oliveira Reesink | Marcio Renato de Almeida Abreu | Marcio Soares Gamelleiro | Marcio Vinicius Saldanha Vieira | Marcio Yudi Sato | Márcio Yukio Tsumura | Marcionilio Paulino | Marco Antônio Argibay Rodriguez | Marco Antonio Barbosa | Marco Antonio Barreto Ceccarelli | Marco Antonio Bérgamo | Marco Antonio Coelho | Marco Antonio Moreira Sasso | Marco Aurelio Bega | Marco Aurélio Dias Locatelli | Marco Marques da Silva | Marcos Ablas Marques | Marcos Alexandre de Sousa | Marcos Antônio da Silva de Melo | Marcos Antonio Montanari | Marcos Aurelio Martins Narciso | Marcos Fernando Rodrigues | Marcos José Pinheiro | Marcos Pimenta | Marcos Roberto Biazotto | Marcos Santana Gomes | Marcos Theodoro Simon Siqueira | Marcos Vinícius Costa de Oliveira | Marcus Dantas Braga | Margarita Inês de la L. Matheus | Mari Mizutani | Maria Alice Coelho dos S. L. de Moraes | Maria Alice Dias | Maria Alice Nazare Dias | Maria Aparecida de Souza Peixoto | Maria Cecilia Motta Torres Giglio | Maria Christina de Mattos Gomes | Maria Claudia de Magalhães Lima Seabra | Maria Cristina F. Palermo Nonaka | Maria Cristina Pereira Coelho | Maria Cristina Varalla Mendes | Maria de Fatima M. Takahashi | Maria de Fátima Pinto Antônio | Maria de Fátima Warchon Dias | Maria Elizabeth Silva Pedro | Maria Flávia Teles Alckmin Ribeiro | Maria Francisca Canello de Freitas Palombini | Maria Imaculada de F. F. Meneguessi | Maria Inês de Lima | Maria Isabel A. de F. Lins de Souza | Maria Lúcia da Silva | Maria Madalena de O. Ferreira | Maria Marta Gallego | Mariana Centurione da Cruz | Mariana Costa Mattos Soares | Mariana Costa Tomazelli | Mariana Lopes C. de Albuquerque | Mariana Marinho Lamarca | Mariana Rocha de M. da Silva | Mariana Rodrigues Coutinho | Mariana Yoshioka | Marilene de Souza P. da Cunha | Marília Abrahão de Araújo | Marina Basilio de Almeida Costa | Marina Maria dos Santos Guimarães | Marina Rezende Oliveira | Mário de Souza | Mario Jorge Duarte de Menezes | Mário Sérgio de Pina Ribeiro | Marisa Keiko Matsuda Nishimaki | Marisangela Cauner Moreira | Maristela Ueta Funari | Marta Elizabeth Colin | Marta Maria Mota Peixoto | Marta Varella Savino | Martielo Cabelo Borelli Franco | Mary Yaeko Uchida | Massayuki Kawakita | Mateus Dalvi Nunes | Mateus Zegrini Nassar Garcia | Matheus Dias de Siqueira | Maurício de Paula Rodrigues | Maurício Francisco Casotti | Mauricio Kenji Arakaki | Maurício Kiyoshi Suga | Maurício Morbelli Wagana | Mauricio Sgarbi Goulart | Maurício Villa d’Alva | Mauro Augusto Aguayo Leiva | Mauro Cesar Pereira | Mauro Mosczynski | Mauro Periquito Camilher Filho | Mauro Rodrigo | Mauro Sérgio Mantovano | Mayco Franca de Lima | Mayra Cristina Falavigna | Michel de Meneses Tacco | Michel Silva Daros | Michele Daniel Paes | Michele Lamas de Mello Garcia | Michele Pennachin | Michelle Aguilera | Michelle Beatrice Fernandes | Michelle de Mello Naresse | Michelle Midori Moraes | Michelle Santos Silva | Miguel Mêndola Antonio | Milton Lopes Antelo Filho | Milton Marcelini | Mizael Neubert Alves | Moacir de Mattos Bianchini | Moisés Alves Lopes | Moises Falco | Mônica Affonso Ferreira Mation | Mônica Aparecida Martins | Mônica de C. Fernandes Bassoi | Monica Jani Drumond de Amorim | Monica Maria Melo | Mônica Maria Orsolini | Monica Renata Costa Burity | Mônica Renata Rocha Brasil | Mônica Ribeiro Marques | Mônica Vilela Wingester | Murillo Ramos da Silva Lima | Murilo Cavallini | Nadia Cristina Silva Kushida | Natali Zamproni Feiteira Kilinski | Natalia Correia de Araujo | Natália Kühn Furlan | Natália Rêgo de Mello | Natalie Moscardini Borba Gamberini | Neide Aparecida Ferreira Vilela Pereira | Neirival Amancio Lima de Sousa | Nélia de Fatima

Leonardo Sousa | Nelson de Andrade Rocha | Nelson Teixeira Junior | Neusa Aparecida Sideri | Newton Rafael Zuppo | Nilceli Gonçalves dos S. Taliassaqui | Nilo Cesar Barbosa Junior | Nilson Batista | Nizia Maria Lopes de Souza | Norival Sérgio da Silva | Nuno Filipe Mendes de Oliveira Pereira | Octávio José Unti Noronha | Odair José da Silva | Olivio Dionisio Junior | Oscar Afonso Wong Chan | Osmundo Juste de Oliveira | Osvaldo Alberto Faria | Osvaldo Alves de Oliveira | Osvaldo Bernardo Neto | Oswaldo Boro | Otávio Luiz Neves Gonçalves | Otávio Souza Pires | Othon Bardela | Ovídio Arantes Moreira | Pascoal Bracco | Patrícia Andrade Leite | Patrícia Cavalcanti R. Lopes | Patrícia Cohen | Patricia Cristina C. Sibinelli | Patricia de Carvalho Gemmal | Patricia de Oliveira e Silva | Patricia dos Santos Manesco | Patricia Inoue Nakagawa | Patricia Maria Moreira Escalera | Patrícia Parlato | Patrícia Ramos Gaspar Rennó | Patrícia Sacon Gomes | Paula Cunha Lima Giudicelli | Paula Faria Hausen | Paula Hallais Ribeiro Marques | Paula Hiromi Kimura Prochnow | Paula Tramarin Vilela | Paulo Alves Paschoal | Paulo Antonio Arouca | Paulo Bittencourt de Oliveira | Paulo César Pereira da Silva | Paulo Corrêa da Silva Meyer | Paulo Cunha | Paulo Hamilton Ximenes | Paulo Henrique Andrade Stipp | Paulo Henrique Bevilaqua | Paulo Hiroshi Koyama | Paulo M. A. Sobreira | Paulo Nishida | Paulo Pereira Gomes | Paulo Ricardo Roque de Souza | Paulo Roberto de Souza Lima | Paulo Roberto Pereira Cezar | Paulo Rogério Torres | Paulo Salvaia | Paulo Sergio Figueiredo | Paulo Sérgio Poffo | Paulo Victor de Souza Borges | Pedro Buarque Franzosi | Pedro Carmo Ziti | Pedro Henrique dos Anjos Posso | Pedro Henrique Nery da Silva | Pedro Marques dos Santos Ventura | Pedro Martins Prado | Pedro Mazzini Parra | Pedro Pedini | Pedro Vargas Pacheco | Peterson Gomes Cristovam | Priscila Arão Fernandes | Priscila de Oliveira Dias | Priscila de Sá Silva | Priscila Quinalia Moreto da Silva | Priscila Ribeiro Gomes | Priscilla da Silva Lopez | Priscilla Laurete de Aquino Teles | Rachel Pereira Barbosa | Rafael Aderno Souza | Rafael Augusto Gonzalez Fares | Rafael Bianco Nacif | Rafael Colombo Cosin Bianchi Thomaz | Rafael da Silva Santos | Rafael de Oliveira Sakai | Rafael Eiji Toma | Rafael Galera dos Santos Veiga | Rafael Macena de Souza Costa | Rafael Mamedes da Silva | Rafael Marsolla | Rafael Mendonca Rodrigues | Rafael Moulin Pinheiro | Rafael Pereira Carvalho | Rafael Pinto de Queiroz | Rafael Rodrigues Segond | Rafael Silva Libano | Rafael Vianna Sloboda | Rafael Vicentin Estevam | Rafael Vieira de Souza | Rafael Vouga Tardelli | Rafael Wilbert Barcellos | Rafael Zorzetti Pereira | Rafaela de Oliveira Gonçalves | Rafaela Mancilha dos Santos | Raffael Elias Vaz da Silva | Raissa Zocoller Borba | Ralf Geronimo | Ralph Hayashi Xavier | Ramiro Oliveira Bastos Junior | Raphael de Lacerda Favilla | Raphael Laporta Jacomino | Raphael Martins Fukuda | Raphael Silva Pinto Freitas | Raphaela de Paula Machado | Raquel Cartolari Ortega | Raul Barbosa Santos | Raul Bochie da Costa Machado | Regiane Hirata | Regina Célia Camilli | Regina Elizabeth Lorena Assumpção | Regina Lúcia Teruya Konno | Reginaldo Augusto Silva | Reginaldo Ladvig Oswaldo | Reginaldo Pires Vieira | Reinaldo José Teixeira | Reinaldo Rocha de Souza | Reinaldo Tadao Ishii | Renan Neme Farha | Renan Ribeiro da Silva | Renata Aparecida Cajuela | Renata Boiatti Peria Harrison | Renata Cristhina de Lira | Renata Cristina Serrazes Araujo | Renata Cristini Cunha de Assis | Renata de Avila Keidel | Renata de Oliveira Pereira Randi | Renata Graciano da Silva | Renata Gumerato Aguiar | Renata Machado de Oliveira Marcondes | Renata Marine de Moraes | Renata Massue Kurosu | Renata Soraia Santana Rodrigues | Renato Abrantes de Castro | Renato Albarello | Renato Alves Desmarais | Renato Cacure | Renato Carlos Crepaldi | Renato Fonseca Oliveira | Renato Gervasio Conceicao da Silva | Renato Gomes | Renato Martins Pressi | Renato Monteiro de Azevedo | Renato Pires Grandini | Renato Prado Mariano | Renato Ribeiro Freire | Renato Souza Santiago | Renato Wakuda | Ricardo Alcântara do Nascimento Urzedo | Ricardo Alessandro Gomes Corrêa | Ricardo Alexandre Bizinelli | Ricardo Alexandre de Oliveira Marçal | Ricardo Alexandre Esteves Mendonça | Ricardo Alfredo Seabra Ravache | Ricardo Alves Parente | Ricardo Craveiro de Azevedo | Ricardo de Abreu Sofiatti | Ricardo Graicer | Ricardo Jose dos Santos | Ricardo Kadlec | Ricardo Lorenz Barbosa | Ricardo Meirelles da Silva | Ricardo Meneghini Schiavon | Ricardo Moreira de A. Bernardo | Ricardo Oliveira da Silva | Ricardo Peixoto da Silva | Ricardo Pereira Braga | Ricardo Sellani Vidotti | Ricardo Shinoda | Ricardo Silva Coelho | Ricardo Takashi Ioshioca | Ricardo Takeshi Uemura | Ricardo Tasso Rossi | Ricardo Teixeira | Ricardo Yoshiaki Koki | Riccardo Gaetano F. Modica | Rinaldo Corte | Rita de Cássia Oliveira Menezes | Roberta Guimarães Bonamigo | Roberta Maluf Secco | Roberto Alcantara Bravo | Roberto Carlos Crisostomo | Roberto Conti Junior | Roberto Dias Rodrigues | Roberto Marmolaro | Roberto Monnerat Franco | Roberto Quintella de Paiva Meira | Roberto Rampazzo | Roberto Saralha | Robson Lima das Mercês | Rodnei Magno de Oliveira | Rodney de Barros Faria | Rodolfo de Melo Rocha | Rodolfo Fernandes Ribeiro | Rodrigo Alvarenga Caldeira | Rodrigo Araújo de F. Oliveira | Rodrigo Baidan Bunduky | Rodrigo da Silva Santana | Rodrigo de Oliveira Campos | Rodrigo dos Santos | Rodrigo Fornasier de Sá Moreira Rocha | Rodrigo Foschiani | Rodrigo Gebelein de Barros | Rodrigo Gil | Rodrigo Gonçales | Rodrigo Goulart Domingues | Rodrigo Hiroshi Ruiz Suzuki | Rodrigo Leitão Punaro Baratta | Rodrigo Longhi Romero | Rodrigo Luiz Neves Cruz | Rodrigo Machado de Villamil Telles | Rodrigo Mario Viani | Rodrigo Miguel de Oliveira | Rodrigo Miguez Gomes | Rodrigo Moscolini Gregório | Rodrigo Nunes Pereira | Rodrigo Pizarro Lavalle da Silva | Rodrigo Ramos Vieira | Rodrigo Roseira Carvalho | Rodrigo Yamashita | Rogério Alves Rabello | Rogério Antonio de Souza | Rogerio Cristiano Barbosa | Rogério de Carvalho | Rogério de C. Silva Grosman | Rogerio Dias Pinto | Rogério Ferraz Rodrigues | Rogério Ghiberti | Rogerio Herzer Junior | Rogério Hiroshi Ishikawa | Rogerio Kamiya de Moraes | Rogério Novaes D’Elboux | Rogério Ribeiro Costa | Rogerio Rodrigues | Rogério Turatti | Rômulo de Jesus Queiroz Cabral | Ronaldo Gama Silva | Ronaldo José Soares da Silva | Ronaldo Monteiro Chagas Lobo | Ronaldo Nascimento Dantas | Ronaldo Werneck de Miranda | Ronaldo Zandonadi | Ronei Silva de Amorim | Ronie Dias Correia de Souza | Rosana Aparecida dos Santos | Rosana B. D. Lafratta di Pasquale | Rosana Bretzel | Rosana Egydio | Rosângela Hipólito dos Santos | Rosely Luciano Bezerra | Rosimeire Egydio | Rozinei Faria Rezende | Rubens Bracale | Rubens Palhoni da Silva | Rubens Rodrigues Filho | Rui Marcelino Leite | Rui Neves | Runiet Axel Carmona Skoberg | Ruth Fontanezi Sampaio | Sabrina Teixeira Toledo | Salvador João Trotta | Samuel André Rocha de Oliveira | Sanderson Nogueira Dias | Sandra da Silva Mendes | Sandra Regina Azzari | Sandro Iwakura | Sara Gouvêa Feráh de Araújo | Sara Moreira Gomes | Sarah Regina Pereira Vidal | Saulo Contrera Gomes | Sérgio Almeida Oliveira | Sérgio Augusto Oliveira Pereira | Sérgio Bernardes Nunes | Sérgio Garcia Simões | Sérgio José Ainbinder | Sérgio Luiz P. do Nascimento | Sérgio Lunardi Lopes | Sergio Mendes Neves | Sérgio Yoshioka | Severa Alves Calheiros Lucati | Shigueru Hélio Cavata | Shirley Lima de Souza | Shunji Gildo Abe | Siddartha Nassif Freire de Souza | Sidney Alexander Chan | Sidney Lopes Couto | Sidney Menegussi | Sidney Reis da Fonseca | Silvana de Oliveira Tavares | Silvana Ramos Nevola | Silvana Teruko Mizono Viel | Silvia Arantes Santos | Silvia Eliana Josefick Martins | Silvia Helena Franzolin da Cunha | Silvia Leal Soares | Silvia Maria Aptur Tomazetti | Silvia Mayumi Takey | Silvia Moraes de Souza | Silvio de Paula Pires | Simone Costa do Nascimento | Solange Rabello Silva | Sônia Gomes de Almeida Alexandre | Soraia Cristina Felix da Silva | Stefano Guimarães Giusini | Suélen Martins de Aguiar | Suzana de Oliveira Bianco | Suzana Matos de Abreu | Sylvio Rodrigues da Silva | Tadeu Fernandes Capella | Taísa Teixeira de Mendonça | Takashi Nakazima Peçanha | Tales Renato Guerra | Tamara da Conceição Valadares | Tamiris Faneli Leocádio | Tânia Luzia Casa de Vito | Tatiana Carvalho P. S. Sandoval | Tatiana Polezer | Tatiane Dias Teixeira da Paz | Tatiane Escobar Gava | Teresinha B. de B. Tojal Ramos dos Santos | Thais Aline Botelho Victório Cerioni | Thaís Almeida de Lima Reis Vieira | Thais Cristina Marques Viana | Thais Galves Mottinelli | Thaís Uliano Almeida de Jesus | Thays Quaresma da Silva | Thiago Arthur Rodrigues | Thiago Dalle Dias de Paiva | Thiago Demarco Puccini | Thiago Diani | Thiago Domokos Alvares | Thiago Faraone Munck | Thiago Felipe Correali | Thiago Lima dos Santos | Thiago Magalhães Resende | Thiago Marcondes Fausto | Thiago Massucato | Thiago Menezes de Oliveira | Thiago Miagusuku Samos | Thiago Nogueira de Rezende | Thiago Pereira da Silva | Thiago Rodrigues da Rocha | Thomas Robert Kiesshau | Tiago Castelani dos Santos | Tiago Ferreira da Silva Seabra | Tiago José Spineli | Tiago Luis Moretto | Tiago Marin Carneiro | Tiago Martins de Alexandre | Tiago Octaviano Primini | Tirza Cardoso Ferreira Rodrigues Vargas | Tomaz Carvalho de Oliveira Martins | Tomio Torii | Tony Chi Yuan Wang | Uilson Ruas Pennafiel | Vagner Daniel Tavares Leal | Vagner dos Santos Ramos | Vagner Luis de Aguiar | Valdeci José da Silva | Valeria de Fusco Pereira | Valéria Lima da Silva Santos | Valéria Teixeira Lima | Valmir Silva de Melo | Valter Cardoso Filho | Valter Luiz Duarte dos Santos | Valter Schiavetti | Vancleires Ribeiro de Souza | Vaner José Morette | Vanessa da Costa Viana Moreira Santos | Vanessa Fernanda Franco de Oliveira | Vanessa Pacheco Lopes | Vanessa Silva Loyola | Vanessa Siqueira Samejima | Venicius Goncalves Pereira | Vera Aparecida de Figueiredo | Vera Lúcia Hanada | Vera Lucia Ramos da Rocha Oliveira | Vera Lucia Uva do Amaral | Victor Adam Lie | Victor Fernando Rangel Ramalho | Victor Hugo Almeida Santos | Vilen Miranda Carvalho | Vinicius Cornetta Ceccarelli | Vinícius Couto Reis | Vinicius Diogo Cover | Vinícius Loback Atalla | Vinícius Martins Ferreira | Vinícius Oliveira de Souza | Vinícius Peclat de Castro | Vinicius Pinho de Brito | Vinicius Torres Ferreira do Amaral | Virgínia Helena de Moura | Vitor Castro Gomes | Vitor da Silva Alves | Vítor de Paula Pêgas Ferreira | Vitor Doro Reina | Vitor Neves Martins | Vivian Bastos Dias | Vivian Rezende Soria | Viviane Barreto Ponciano Sanchez | Vivien Winkler | Wagner Antonio Defensor Filho | Wagner Cardoso de Souza | Wagner da Silva Gabriel | Wagner do Amaral Junior | Wagner Duarte Martins | Wagner José Fernandes Junior | Wagner Luiz Gouvea | Wagner Tirolli | Wallace Freire Ferreira | Walter Alexandre Reimberg Lopes | Wanderley Siqueira Viana | Wandyr da Silva Alves | Wania Danielle Cruz Konageski | Wellington dos Santos Corrêa | Wellington Lemos Franham | Wendely Alexandre Ferreira | Wendy Oliveira Inacio da Silva | Wesley Lobato Passos | Wglastonio Leite de Sousa | Willams Michael Gomes de Oliveira | William Bertucci Viais | William de Campos Barbosa | William Junio Silva Machado | William Pereira dos Santos | William Ramos Marinho | William Santos dos Anjos | William Schindhelm Georg | William Takahashi | Willian Souza Santos | Wilson Masahiro Komido | Wladimir Donola Júnior | Yara Silvia Rebello Marques | Yassuki Takano | Yasuaki Ito | Ygor Roberto Figueiredo de Jesus | Yukio Suehiro | Yuri Bonfeld Oliveira de Almeida | Yuri Sampaio | Zenilda Barbosa Ribeiro | Zenildo Lisboa Junior


Demonstrações financeiras referentes aos exercícios findos em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 e Parecer dos auditores independentes

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRaS — PROMON S.A. E CONTROLADAS 2011


BALANÇOS PATRIMONIAIS LEVANTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 Valores expressos em milhares de reais — R$ ATIVO

CONTROLADORA

NOTA EXPLICATIVA

2011

2010

CONSOLIDADO

2011

2010

195.773

267.632

(representado) ATIVO CIRCULANTE

Caixa e equivalentes de caixa

5

37

11

Aplicações financeiras

6

8.081

7.341

Títulos e valores mobiliários

7

65.348

76.165

26

3.978

8

196.548

197.085

Contratos de mútuo

14

5.728

9.797

Valores e dividendos a receber

14

87.807

9

10.528

35.149

10

3.625

1.890

39.766

32.309

39

52

6.373

3.568

6.295

280

8.807

11.742

103.558

12.030

531.224

634.969

Ganhos com operações de derivativos Contas a receber de clientes

Estoques Impostos a recuperar Adiantamentos a fornecedores Outros créditos Total do ativo circulante

ATIVO NÃO CIRCULANTE

6

8.928

8.099

10.917

9.157

Ativo fiscal diferido

21

5.107

9.226

Investimentos

11

252.988

347.645

95.600

62.455

Imobilizado

12

20.644

20.687

Intangível

12

17.676

7.663

Total do ativo não circulante

261.916

355.744

149.944

109.188

TOTAL DO ATIVO

365.474

367.774

681.168

744.157

Aplicações financeiras

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

118


PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO

NOTA EXPLICATIVA

CONTROLADORA

2011

CONSOLIDADO

2011

2010

125

51.153

84.449

2010 (representado)

PASSIVO CIRCULANTE

235

Fornecedores Empréstimos e financiamentos

13

1.104

5.251

1.527

Contratos de mútuo

14

178

3.730

Perdas com operações de derivativos

26

30

27.107

51.956

1.225

809

57.821

56.962

660

309

9.454

25.010

405

5.694

2.000

800

17.000

17.132

Custos incorridos a faturar Salários, férias e encargos sociais a recolher Impostos a recolher Impostos parcelados

15

Participações a pagar

4.172

3.955

5.783

5.374

5.817

10.717

5.817

10.717

29.855

33.774

Provisões

3.271

4.312

Outras obrigações a pagar

4

24.145

21.378

14.291

21.549

237.092

318.285

12.395

Contas a pagar por compra de ações próprias Dividendos propostos

17.d

Adiantamentos de clientes

TOTAL DO PASSIVO CIRCULANTE

PASSIVO NÃO CIRCULANTE

Empréstimos e financiamentos

13

28.626

Impostos parcelados

15

742

7.097

Provisão para contingências

16

13.070

21.334

55.483

51.562

Passivo fiscal diferido

21

Contas a pagar por compra de ações Outras obrigações a pagar TOTAL DO PASSIVO NÃO CIRCULANTE

956

3.448

1.160

3.448

1.160

2.417

16.518

22.494

91.672

72.214

PATRIMÔNIO LÍQUIDO

Capital social

17.a

141.548

128.680

141.548

128.680

Reserva de capital

17.a

35.887

36.321

35.887

36.321

Reservas de lucros

17.b

121.760

119.062

121.760

119.062

Dividendos adicionais propostos

17.d

34.426

39.283

34.426

39.283

Ajustes de avaliação patrimonial

17.c

1.044

385

1.044

385

334.665

323.731

334.665

323.731

TOTAL DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO dos acionistas controladores

17.739

29.927

TOTAL DO PATrimônio líquido

334.665

323.731

352.404

353.658

TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO

365.474

367.774

681.168

744.157

Participação dos acionistas não controladores

119


DEMONSTRAÇÕES DO RESULTADO PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 Valores expressos em milhares de reais — R$

NOTA EXPLICATIVA

CONTROLADORA

CONSOLIDADO

2011

2010

2011

2010

903.298

1.088.689

CUSTO DAS VENDAS E DOS SERVIÇOS PRESTADOS

(710.433)

(825.061)

LUCRO BRUTO

192.865

263.628

(8.765)

(8.807)

(91.855)

(84.563)

(36.803)

(49.219)

7.276

603

(12.949)

1.640

(2.650)

(2.139)

(16.819)

(21.298)

10.769

8.067

(4.139)

(10.343)

45.208

118.255

34.176

RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA

18

(DESPESAS) RECEITAS OPERACIONAIS

Despesas administrativas

27

Desenvolvimento tecnológico Outras receitas (despesas), líquidas

19

Participação de administradores e funcionários no resultado Resultado na venda de ativos não circulantes

19

(PREJUÍZO) LUCRO OPERACIONAL ANTES DO RESULTADO FINANCEIRO e equivalência patrimonial

RESULTADO FINANCEIRO

Receitas financeiras

20

1.337

201

34.489

Despesas financeiras

20

(2.103)

(2.219)

(6.961)

(8.843)

Variações cambiais, líquidas

20

(11)

(687)

8.854

(10.066)

(777)

(2.705)

36.382

15.267

11.a

70.489

100.268

3.867

6.189

RESULTADO DE EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL

LUCRO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA e DA CONTRIBUIÇÃO SOCIAL

65.573

87.219

85.458

139.711

Imposto de renda e contribuição social correntes

21

(18.230)

(50.402)

Imposto de renda e contribuição social diferidos

21

(5.075)

(72)

65.576

87.219

62.153

89.237

Acionistas controladores

65.573

87.219

Acionistas não controladores

(3.420)

2.018

LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO

resultado atribuível aos

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

120


DEMONSTRAÇÕES DOS RESULTADOS ABRANGENTES PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Valores expressos em milhares de reais — R$

NOTA EXPLICATIVA

Lucro líquido do exercício

CONTROLADORA

CONSOLIDADO

2011

2010

2011

2010

65.537

87.219

62.153

89.237

Outros componentes do resultado abrangente Variação cambial de investimento no exterior TOTAL DO RESULTADO ABRANGENTE DO EXERCíCio

17.C

659

2.622

659

2.622

66.232

89.841

62.812

91.859

66.232

89.841

66.232

89.841

(3.420)

2.018

RESULTADO ATRibuível aos

Acionistas controladores Acionistas não controladores

121


DEMONSTRAÇÕES DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO (CONTROLADORA) EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 Valores expressos em milhares de reais — R$ , exceto o valor por ação

NOTA EXPLICATIVA

Capital social

Reserva de capital

112.400

15.905

Aprovação dos dividendos adicionais – AGO de 08/04/2010 (R$0,82 por ação em circulação)

Aprovação de juros sobre capital adicionais – AGO de 08/04/2010 (R$0,175 por ação em circulação)

Ajuste a valor presente das transações com ações próprias

(161)

Transações com ações próprias

(304)

Variação cambial de empresas no exterior

Aumento de capital com a emissão de 50.400.000 novas ações ordinárias nominativas, sem valor nominal a título de bonificação

11.240

Aumento de capital com a emissão de 10.080.000 novas ações ordinárias nominativas (AGOE de 08/04/2010)

5.040

19.525

Capital integralizado

1.356

Dividendos recebidos de coligadas

Lucro líquido do exercício

Destinações

SALDOS EM 1o de janeiro de 2010

Dividendos intermediários ad referendum de AGO (R$0,100 por ação em circulação)

Dividendos minímos obrigatórios (R$ 0,09665 por ação em circulação)

Dividendos adicionais ad referendum de AGO (R$0,35428 por ação em circulação)

Constituição de reserva de liquidez

128.680

36.321

Transações com ações próprias

(651)

Ajuste a valor presente das transações com ações próprias

217

SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010

Aprovação dos dividendos adicionais – AGO de 07/04/2011 (R$0,35428 por ação em circulação)

17.D

Variação cambial de empresas no exterior

11.C

Aumento de capital com a emissão de 11.088.000 novas ações ordinárias nominativas, sem valor nominal a título de bonificação – AGO de 07/04/2011

17.A

12.868

Dividendos recebidos de coligadas

17.D

Lucro líquido do exercício

Destinações

Constituição de reserva legal

17.B

Dividendos intermediários ad referendum de AGO (R$0,08 por ação em circulação)

17.D

Dividendos minímos obrigatórios e adicionais propostos (R$ 0,32995 por ação em circulação)

17.D

Constituição de reserva de liquidez

17.B

SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

122

141.548

35.887


Reservas de lucros

Dividendos e juros sobre capital adicionais propostos

ajuste de avaliação patrimonial

Lucros acumulados

total do patrimônio líquido dos acionistas controladores

participação dos acionistas não controladores

Reserva legal

Reserva de liquidez

17.085

88.643

50.400

(2.237)

282..196

27.916

310.112

(41.580)

(41.580)

(41.580)

(8.820)

(1.557)

(10.377)

(10.377)

(161)

(161)

(304)

(304)

2.622

2.622

2.622

(11.240)

24.565

24.565

1.356

1.356

(7)

(7)

87.219

87.219

2.018

89.237

(11.088)

(11.088)

(11.088)

(10.717)

(10.717)

(10.717)

39.283

(39.283)

24.574

(24.574)

17.085

101.977

39.283

385

323.731

29.927

353.658

(7)

(39.290)

(39.290)

(651)

(651)

217

217

659

659

659

(12.868)

(8.768)

(8.768)

65.573

65.573

(3.420)

62.153

3.279

(3.279)

(9.757)

(9.757)

(9.757)

34.426

(40.243)

(5.817)

(5.817)

12.294

(12.294)

7.496

114.264

34.426

1.044

334.665

17.739

352.404

Total

123


DEMONSTRAÇÕES DO FLUXO DE CAIXA PARA OS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E DE 2010 Valores expressos em milhares de reais — R$

CONTROLADORA

2011

2010

CONSOLIDADO

2011

2010

89.237

(representado) FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS

Lucro líquido do exercício

65.573

87.219

62.153

Despesas (receitas) que não representam movimentação de caixa (70.489)

(100.268)

(8.519)

(6.189)

Ajuste decorrente da distribuição desproporcional de resultados

4.652

(10.816)

9.105

8.943

Provisão para perda de ativo intangível

1.700

Resultado na venda de ativos não circulantes

6.000

Aumento (reversão) de provisão para créditos de liquidação duvidosa

600

(1.663)

Aumento (reversão) de provisão de estoques

(12.078)

5.335

Imposto de renda e contribuição social correntes

18.230

50.402

Imposto de renda e contribuição social diferidos

5.075

72

Equivalência patrimonial

Depreciações e amortizações

Participação de administradores e funcionários no resultado Aumento (reversão) de provisão para contingências Aumento (reversão) de outras provisões

Ganhos (perdas) em operações de derivativos

Juros, variações monetárias e variações cambiais, líquidos

Resultado na venda de imobilizado e intangível

Juros sobre capital e dividendos recebidos

2.650

2.139

16.819

21.298

(8.264)

15.046

6.101

8.086

(1.041)

(330)

3.614

461

(448)

1.220

(7.645)

(2.026)

3.007

27.182

162.853

42.701

4.857

3.305

(63)

(28.296) (2.824)

(Aumento) diminuição dos ativos

Contas a receber de clientes

36.699

(1.762)

(1.238)

(7.457)

6.604

13

(52)

(2.805)

54.368

(6.015)

(280)

2.935

(4.082)

110

102

(33.296)

31.994

(24.849)

(11.954)

Salários, férias e encargos sociais a recolher

416

809

859

19.501

Impostos a recolher

351

987

(12.285)

(24.449)

Impostos parcelados

(11.644)

Adiantamentos de clientes

(3.919)

56.443

Provisão para contingências

(2.180)

(4.616)

Estoques Impostos a recuperar Adiantamentos a fornecedores Outros créditos Aumento (diminuição) dos passivos Fornecedores

Custos incorridos a faturar

Outras obrigações a pagar Pagamento de participação de administradores e funcionários Caixa proveniente das (utilizado nas) atividades operacionais Pagamento de imposto de renda e contribuição social Fluxo de caixa líquido decorrente das atividades operacionais

As notas explicativas são parte integrante das demonstrações financeiras.

124

4

(3.343)

5.184

(1.595)

(1.450)

(1.339)

(16.951)

(18.822)

143.542

43.373

36.858

159.012

(1.331)

(21.501)

(23.697)

143.542

42.042

15.357

135.316


CONTROLADORA

2011

2010

CONSOLIDADO

2011

2010

16.983

(20.629)

(representado) FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO

Aplicações financeiras e títulos e valores mobiliários Aquisição de investimentos e aumento de participação em coligada Aquisição de imobilizado e intangível

Venda de investimentos

Redução de capital de controlada

Valores e dividendos a receber

(7.916)

(36.435)

(12.356)

(33.476)

(23.782)

(8.488)

16.175

39.386

(87.807)

4.069

448

(80.787)

(3.649)

(40.275)

(29.117)

(1.104)

(2.638)

2.916

7.538

16.985

12.797

(3.552)

(4.555)

(8.053)

1.691

1.659

1.691

3.079

Participação dos minoritários

(8.769)

(7)

Aumento de capital social e reserva de capital

25.921

25.921

(59.764)

(63.046)

(59.764)

(63.045)

(62.729)

(42.659)

(46.941)

(36.846)

AUMENTO (REDUÇÃO) DE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA

26

(4.266)

(71.858)

69.353

CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO INÍCIO DO EXERCÍCIO

11

4.277

267.632

198.279

CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA NO FIM DO EXERCÍCIO

37

11

195.773

267.632

Mútuo a receber de partes relacionadas Caixa líquido proveniente das atividades de investimento FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO

Pagamento de empréstimos Empréstimos obtidos (principal) Mútuo a pagar de partes relacionadas Transações com ações próprias

Juros sobre o capital próprio e dividendos pagos

Caixa líquido utilizado nas atividades de investimento

125


PROMON S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em milhares de reais — R$, exceto quando de outra forma indicado)

1  Contexto operacional Promon S.A. (“Companhia” ou “Controladora”), com sede em São Paulo, é a “holding” operacional do Grupo Promon, participando de um conjunto de empresas que oferece ao mercado produtos e serviços diversificados, concentrando suas principais operações em: Promon Engenharia Ltda. e EPC Compra e Venda de Equipamentos Industriais Ltda., que atuam no mercado de Engenharia e Soluções Integradas de Infraestrutura, focando os setores de Energia Elétrica, Óleo e Gás, Mineração e Metalurgia, Química e Petroquímica e Meio Ambiente; PromonLogicalis Latin America Ltd. (“PLLAL”), empresa constituída no Reino Unido, em sociedade com a Logicalis Group Ltd., que atua em operações de integração de sistemas no mercado de Tecnologia da Informação e Comunicação, com presença na América Latina, conforme descrito na nota explicativa no 11; Trópico Sistemas e Telecomunicações da Amazônia Ltda. e na Vectura Serviços e Softwares Ltda., atuando no desenvolvimento de software e hardware para o mercado de Telecomunicações e de Soluções de Soft­ ware voltadas a integrações e eficiência de sistemas para o mercado corporativo; e, finalmente, P2 Gestão de Recursos Ltda. e P2 Brasil Private Infrastructure General Partner II Ltd. (“P2Brasil”), gestora de fundos de investimentos nos setores associados à infraestrutura, constituída entre a Promon e o Pátria Investimentos.

Durante o exercício de 2011 foram adquiridas participações societárias, conforme descrito com maiores detalhes na nota explicativa n o 11.

126


2  Entidades do grupo País

As principais empresas que fazem parte do Grupo Promon são:

Participação acionária (*)

2011

2010

empresas

Controladoras diretas Promon Engenharia Ltda.

Brasil

99.97%

99.97%

Promon Tecnologia Ltda.

Brasil

99.99%

99.99%

Promon Tecnologia e Participações Ltda.

Brasil

99.99%

99.99%

Promon Meio Ambiente Ltda.

Brasil

99.99%

Portugal

100.00%

100.00%

Ilhas Cayman

99.99%

99.99%

Brasil

99,99%

99.99%

FIQ Trading, Marketing, Serviços e Consultores Ltda.

Promon International, Inc. São Luiz Telecomunicações Ltda. Trópico Sistemas e Telecomunicações S.A.

FIQ US LLC

Brasil

60.00%

60.00%

Estados Unidos

100.00%

100.00%

Controladoras em conjunto EPC Compra e Venda de Equipamentos Industriais Ltda. P2 Brasil Private Infrastructure General Partner II Ltd.

Brasil

50.00%

50.00%

Ilhas Cayman

40.00%

40.00%

Reino Unido

40.00%

30.00%

Coligadas PromonLogicalis Latin America Ltd. (PLLAL) (* ) Participação acionária direta e indireta

127


3  Base de preparação

Uso de estimativas e julgamentos

Declaração de conformidade

As demonstrações financeiras, individuais e consolidadas, foram preparadas com base no custo histórico, exceto se mencionado ao contrário nas práticas contábeis a seguir.

A preparação das demonstrações financeiras, individuais e consolidadas, em conformidade com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais abrangem a legislação societária, os Pronunciamentos, as Orientações e as Interpretações emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC), requer que a Administração da Companhia faça julgamentos, estimativas e suposições que afetam a aplicação das políticas contábeis e os valores de ativos, passivos, receitas e despesas. Os resultados reais podem diferir destas estimativas. As estimativas e premissas são revisadas periodicamente pela Administração da Companhia, sendo as alterações reconhecidas no exercício no qual tais estimativas são revisadas e nos exercícios futuros afetados. As informações sobre premissas e estimativas estão incluídas nas notas explicativas:

Moeda funcional e moeda de apresentação

Nota 7 _ Títulos

As demonstrações financeiras individuais e consolidadas são apresentadas em Reais, moeda funcional da Companhia. Todos os saldos apresentados em Reais nestas demonstrações financeiras foram arredondados para o milhar mais próximo, exceto quando indicado de outra forma. As controladas no exterior — FIQ Trading, Marketing, Serviços e Consultores Lda., FIQ US LLC e Promon International, Inc. têm como moeda funcional o Real e a controlada em conjunto e coligada, P2Brasil e PLLAL, respectivamente, têm como moeda funcional o Dólar Norte-americano. Essas sociedades estão estabelecidas em países cujas economias não são consideradas hiperinflacionárias. Seus balanços patrimoniais foram convertidos conforme descrito no item “4.b”.

Nota 8 _ Contas

As demonstrações financeiras, individuais e consolidadas, foram elaboradas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, em consonância com a Lei das Sociedades por Ações e os Pronunciamentos, as Orientações e as Interpretações emitidos pelo Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC) e aplicados de maneira consistente. Em 22 de março de 2012 foi autorizada pelo Conselho de Administração da Companhia a conclusão destas demonstrações financeiras. Base de mensuração

128

e valores mobiliários a receber de clientes Nota 9 _ Estoques Nota 11 _ Investimentos Nota 12 _ Depreciação e amortização do ativo imobilizado e intangível, respectivamente Nota 16 _ Provisão para contingências Nota 18 _ Receita operacional Nota 21 _ Imposto de renda e contribuição social Nota 24 _ Fundação Promon de Previdência Social Nota 26 _ Instrumentos financeiros


4  Principais políticas e práticas contábeis CONTROLADORA

CONSOLIDADO

Reapresentado

Divulgado

Reapresentado

Divulgado

Contas a receber de clientes

197.085

204.536

Créditos vinculados a consórcio

2.846

280

292

11.742

21.132

125

125

84.449

91.900

51.956

54.192

Salário, férias e encargos sociais a recolher

809

809

56.962

52.393

Impostos a recolher

309

309

25.010

29.665

ativo

Outros créditos Passivo

Fornecedores Cursos incorridos a faturar

5.694

5.608

3.955

5.374

Provisões

4.312

Débitos vinculados a consórcio

7.928

Outras obrigações a pagar

1.160

21.378

23.050

21.334

21.346

51.562

61.648

1.160

3.955

1.160

1.160

Impostos parcelados Contas a pagar por compra de ações próprias

Provisão para contingências Contas a pagar por compra de ações próprias

As políticas e práticas contábeis descritas acima têm sido aplicadas consistentemente para todos os períodos apresentados nestas demonstrações individuais e consolidadas. As rubricas abaixo do balanço patrimonial, do exercício findo em 31 de dezembro de 2010, foram reclassificadas para ficar em conformidade com a apresentação do ano corrente. Como consequência, houve alterações nas mesmas rubricas na demonstração do fluxo de caixa.

129


a_Base de consolidação

Nas demonstrações financeiras consolidadas, o resultado de coligadas é reconhecido através do método de equivalência patrimonial, conforme descrito na nota explicativa no 11. _Controladas e controladas em conjunto As demonstrações financeiras de controladas e controladas em conjunto são incluídas nas demonstrações financeiras consolidadas a partir da data em que o controle ou controle compartilhado se inicia até a data em que deixa de existir. As políticas contábeis de controladas e controladas em conjunto estão alinhadas com as políticas adotadas pelo Grupo. _Operações controladas em conjunto Operações controladas em conjunto referem-se a empreendimentos cujas atividades são, direta ou indiretamente, controladas pela Companhia em conjunto com outro(s) investidor(es), por meio de acordos ou contratos que exigem consentimento unânime para as decisões financeiras e operacionais. As demonstrações financeiras consolidadas incluem ativos, passivos, despesas e receitas proporcionais à participação do Grupo nas operações conjuntas. _Investimentos em coligadas As coligadas são aquelas entidades nas quais a Companhia, direta ou indiretamente, tenha influência significativa, mas não controle (mantém entre 20% e 50% do capital votante), sobre as políticas financeiras e operacionais. Sendo assim, as demonstrações financeiras da coligada PLLAL não foram consolidadas. A PLLAL encerra seu exercício social em 28 de fevereiro e, a exemplo dos anos anteriores, terá suas demonstrações auditadas por outro auditor independente nesta data-base, porém suas informações contábeis passaram também a ser

130

examinadas por nossos auditores independentes, no contexto da auditoria das demonstrações financeiras consolidadas da Promon S.A. na data-base de 31 de dezembro de 2011, com base na NBC TA 600, emitida pelo Conselho Federal de Contabilidade (CFC). _Transações eliminadas na consolidação Na consolidação são eliminados os investimentos nas empresas controladas e controladas em conjunto, os saldos a receber e a pagar e as receitas e despesas decorrentes de transações entre as empresas. A participação dos acionistas não controladores é destacada nas demonstrações financeiras consolidadas. Os registros contábeis das empresas consolidadas, localizadas no exterior, são ajustados segundo as práticas contábeis adotadas no Brasil. b_Moeda estrangeira

_Controladas no exterior Os ativos e passivos de controladas são convertidos para Real à taxa de câmbio na data de suas transações. _Coligadas no exterior O patrimônio líquido da coligada no exterior (PLLAL) é convertido, mensalmente, para Real à taxa de câmbio do mês da respectiva demonstração financeira. As diferenças de moeda estrangeira são reconhecidas em outros resultados abrangentes e apresentadas no patrimônio líquido. c_Determinação do valor justo de ativos e passivos

Diversas políticas e divulgações contábeis da Companhia, suas controladas e controladas em conjunto, exigem a determinação do valor justo, tanto para os ativos e passivos financeiros como para os não financeiros. Os valores justos


têm sido apurados para propósitos de mensuração e/ou divulgação. Quando aplicável, as informações adicionais sobre as premissas utilizadas na apuração dos valores justos são divulgadas nas notas específicas àquele ativo ou passivo. d_Redução ao valor recuperável de ativos

A Administração revisa anualmente o valor contábil líquido dos ativos com o objetivo de avaliar eventos ou mudanças nas circunstâncias econômicas, operacionais ou tecnológicas, que possam indicar deterioração ou perda de seu valor recuperável. Sendo tais evidências identificadas é consti­tuída provisão para desvalorização ajustando o valor contábil líquido ao valor recuperável. O valor recuperável de um ativo ou de determinada unidade geradora de caixa é definido como sendo o maior entre o valor em uso e o valor líquido de venda. e_Instrumentos financeiros

_Ativos e passivos financeiros derivativos e não derivativos A categoria dos instrumentos financeiros depende da finalidade para a qual os ativos e passivos financeiros foram adquiridos e/ou contratados, e sua classificação é determinada no reconhecimento inicial dos instrumentos financeiros. A classificação dos ativos e passivos financeiros da Companhia, de suas controladas e controladas em conjunto é apresentada na nota explicativa no 26. A Companhia, suas controladas e controladas em conjunto deixam de reconhecer um ativo financeiro quando os direitos contratuais aos fluxos de caixa do ativo expiram ou quando transferem os direitos ao recebimento dos fluxos de caixa contratuais sobre um ativo financeiro em uma transação no qual, essencialmente, todos os riscos e benefícios da titularidade do ativo financeiro são transferidos. Eventual

participação que seja criada ou retida pela Companhia, suas controladas e suas controladas em conjunto nos ativos financeiros é reconhecida como um ativo ou passivo individual. A Companhia, suas controladas e controladas em conjunto baixam um passivo financeiro quando têm suas obrigações contratuais retiradas, canceladas ou vencidas. Os ativos ou passivos financeiros são compensados e o valor líquido apresentado no balanço patrimonial quando, e somente quando, a Companhia, suas controladas e controladas em conjunto têm o direito legal de compensar os valores e tem a intenção de liquidar em uma base líquida ou de realizar o ativo e liquidar o passivo simultaneamente. 1 _ Os ativos financeiros mantidos pela Companhia, suas controladas e controladas em conjunto são classificados e mensurados sob as seguintes categorias: _Ativos financeiros mensurados ao valor justo por meio do resultado Um ativo financeiro é classificado nesta categoria caso seja mantido para negociação, ou seja, designado como tal no momento inicial. Os instrumentos financeiros são assim designados se a Companhia, suas controladas e controladas em conjunto gerenciam tais investimentos e tomam decisões de compra e venda baseadas em seus valores justos, de acordo com a gestão de riscos devidamente documentada e alinhada com a estratégia de investimentos da Companhia. Os custos da transação, após o reconhecimento inicial, são reconhecidos no resultado quando incorridos. Mudanças no valor justo desses ativos são reconhecidas no resultado do exercício. Após o reconhecimento inicial, os derivativos são mensurados pelo valor justo e as suas variações são registradas imediatamente no resultado em contrapartida das rubricas

131


“Ganhos e perdas com operações de derivativos” classificados no ativo e passivo circulante, respectivamente.

diata, conversíveis em um montante conhecido de caixa e sujeitas a um baixo risco de mudança de valor.

_Empréstimos e recebíveis São instrumentos financeiros com fluxo de caixa definido ou calculável, que não são cotados em um mercado ativo. São medidos pelo custo amortizado por meio do método dos juros efetivos, e decrescidos de qualquer perda em relação ao valor recuperável.

G_Contas a receber de clientes

_Ativos mantidos até o vencimento São ativos financeiros com recebimentos fixos ou determináveis e datas de recebimentos fixas e que a Companhia, suas controladas e controladas em conjunto têm intenção e capacidade financeira de manter até seus vencimentos. São avaliados pelo custo de aquisição, acrescidos de rendimentos auferidos, com base nos prazos e nas condições contratuais, em contrapartida ao resultado do exercício. 2 _ Os passivos financeiros mantidos pela Companhia, suas controladas e controladas em conjunto são classificados e mensurados pelo custo amortizado.

Registradas pelos valores efetivos faturados (serviços, equipamentos, materiais) e por medições dos serviços executados ocorridos até as datas dos balanços, deduzidas da provisão para redução ao valor recuperável, quando necessário, em montante considerado suficiente pela Administração para fazer face a prováveis perdas na sua realização. h_Estoques

Os estoques são mensurados pelo menor valor entre o custo e o valor realizável líquido (preço estimado de venda no curso normal dos negócios, deduzido dos custos estimados de conclusão e despesas de vendas). O custo dos estoques inclui o custo histórico de aquisição, acrescido de gastos relativos a transportes, armazenagem, impostos não recuperáveis e outros custos incorridos em trazê-los às suas localizações e condições existentes. I_Impostos a recuperar

_Passivos financeiros mensurados ao custo amortizado Nessa categoria são incluídos passivos financeiros com pagamentos fixos ou calculáveis, que não são cotados em um mercado ativo. São medidos pelo custo amortizado através do método dos juros efetivos.

Representados, principalmente, por tributos e contribuições federais e estaduais, atualizados a partir do exercício subsequente à sua apuração, quando houver previsão legal e deduzidos de provisão para redução ao valor recuperável, quando necessário, em montante considerado suficiente pela Administração para fazer face a prováveis perdas na sua realização.

F_Caixa e equivalentes de caixa

J_Ativo imobilizado

Caixa e equivalentes de caixa incluem caixa, depósitos bancários à vista e aplicações financeiras realizáveis em até 90 dias da data da aplicação ou consideradas de liquidez ime-

O imobilizado é demonstrado ao custo histórico de aquisição, deduzido das depreciações acumuladas e perdas de redução ao valor recuperável (impairment) acumuladas, quando necessário.

132


A depreciação é computada pelo método linear, às taxas consideradas compatíveis com a vida útil, conforme demonstradas na nota explicativa no 12. Os métodos de depreciação, as vidas úteis e os valores residuais são revistos a cada encerramento de exercício social e eventuais ajustes são reconhecidos como mudanças de estimativas contábeis. k_Ativo Intangível

Os ativos intangíveis das controladas e controladas em conjunto da Companhia são classificados como segue: _Ativos intangíveis adquiridos separadamente Compreendem direito de uso de softwares e direitos contra­ tuais destinados à manutenção das atividades das controladas e controladas em conjunto da Companhia. São mensurados pelo custo de aquisição, deduzidos da amortização acumulada e das perdas por redução ao valor recuperável. A amortização é calculada pelo método linear, tomando-se por base sua vida útil estimada a qual é revisada anualmente ou pelo período de vigência dos contratos. _Ativos intangíveis gerados internamente Compreendem gastos realizados por controlada da Companhia no desenvolvimento de projetos ligados a geração de energia elétrica em empreendimentos que serão implementados ou vendidos a terceiros e são mensurados pela soma dos gastos incorridos, deduzidos da perda por redução ao valor recuperável, quando necessário. l_Provisão para contingências

Uma provisão é reconhecida no balanço patrimonial quando a Companhia, suas controladas e controladas em conjunto

possuem uma obrigação já constituída ou ainda não formalizada, apresentada como resultado de um evento passado, e é provável que um recurso econômico seja requerido para saldar a obrigação. As provisões são registradas tendo como base as melhores estimativas do risco envolvido. m_Benefícios a empregados

_Planos de aposentadoria Os custos associados às contribuições efetuadas pela Companhia, suas controladas e controladas em conjunto aos planos de aposentadoria de contribuição definida e benefício definido são reconhecidos pelo regime de competência, sendo que as reservas necessárias para cobertura dos benefícios do plano de benefício definido calculadas pelo método de crédito unitário projetado, elaborado por atuário independente, e o plano de contribuição definida pelo regime financeiro de capitalização, conforme detalhes divulgados na nota explicativa no 24. _Benefícios de curto prazo a empregados Obrigações de benefícios de curto prazo a empregados são mensuradas em uma base não descontada e são registradas como despesas conforme o serviço relacionado seja prestado. O estatuto da Companhia e contratos sociais de suas controladas e controladas em conjunto preveem a destinação de parte dos lucros aos seus funcionários. Esse passivo é reconhecido pelo valor esperado a ser pago. n_Receitas e custos incorridos a faturar em contratos de empreitada

A receita compreende o valor inicial acordado no contrato acrescido de variações decorrentes de solicitações adicionais (aditivos de contratos), ajustes de preços, as reclamações e os pagamentos de incentivo contratuais, na condição

133


em que seja provável que elas resultem em receita e possam ser mensuradas de forma confiável. Receitas e custos de contratos de longo prazo na empreitada global são apropriados pela proporção do trabalho efetuado do projeto até as datas dos balanços e são provisionados os correspondentes custos a faturar, os quais serão faturados por fornecedores em período subsequente. o_Venda de mercadorias e serviços

A receita operacional da venda de bens é reconhecida quando existe evidência convincente de que os riscos e benefícios mais significativos inerentes à propriedade dos bens foram transferidos para o comprador, de que for provável que os benefícios econômicos financeiros fluirão para a entidade. A receita operacional da venda de serviços no curso normal das atividades é medida pelo valor justo da contraprestação recebida ou a receber. p_Receitas e despesas financeiras

Receitas financeiras compreendem, basicamente, os juros ativos de investimentos, variações monetárias positivas sobre ativos financeiros e mudanças no valor justo de ativos financeiros, registrados através do resultado do exercício. Receitas com juros são reconhecidas no resultado do exercício utilizando-se a metodologia de taxa efetiva de juros. As despesas financeiras compreendem, basicamente, os juros e variações monetárias sobre passivos financeiros que são reconhecidos no resultado do exercício com base no método da taxa efetiva de juros. q_Imposto de renda e contribuição social

O imposto de renda e a contribuição social do exercício corrente e diferido são calculados com base nas alíquotas de

134

15%, acrescidas do adicional de 10% sobre o lucro tributável excedente de R$ 240 (base anual) para imposto de renda e 9% sobre o lucro tributável para contribuição social, e consideram a compensação de prejuízos limitados a 30% do lucro tributável, para o imposto de renda e a contribuição social do exercício corrente. O imposto diferido é reconhecido com relação às diferenças temporárias entre os valores contábeis de ativos e passivos e os correspondentes valores usados para fins de tributação. Um ativo de imposto de renda e contribuição social diferido é reconhecido por prejuízo, perdas fiscais, créditos fiscais e diferenças temporárias dedutíveis quando é provável que lucros futuros sujeitos à tributação estejam disponíveis e contra os quais serão utilizados.


5  caixa e equivalentes de caixa controladora

Caixa Aplicações financeiras Total

Consolidado

2011

2010

37

11

23.993

3.957

171.780

263.675

37

11

195.773

267.632

2011

2010

Caixa e equivalentes de caixa são registrados pelos valores de custo, acrescidos dos rendimentos auferidos até a data dos balanços, conforme detalhado abaixo: Consolidado

Certificado de Depósito Bancário (CDBs) e operações compromissadas pós-fixadas (i) Fundos de investimento DI Títulos públicos – Letras Financeiras do Tesouro (LFTs) Total

2011

2010

158.478

246.660

13.302

4.646

12.369

171.780

263.675

(i) Correspondem a aplicações financeiras de curto prazo alocadas em Certificados de Depósitos Bancários (CDB) e Operações Compromissadas, emitidos por instituições financeiras de primeira linha, com remuneração média superior à variação do Certificado de Depósito Interbancário (CDI).

135


6  aplicações financeiras controladora

Consolidado

2011

2010

2011

2010

8.081

7.341

8.928

8.099

10.917

9.157

ATIVO Circulante

Fundos de investimento multimercados ATIVO não Circulante

Fundos de private equity

São considerados como aplicações financeiras fundos de investimento multimercado que, ainda que permitam resgates num prazo inferior a 90 dias, estão sujeitos a maior volatilidade. A Companhia e suas controladas possuem ainda aplicação em um fundo de private equity, o P2Brasil.

7  títulos e valores mobiliários Consolidado

2011

2010

Renda fixa

54.878

66.014

Fundos alternativos

10.470

13.457

(3.306)

65.348

76.165

Provisão para realização Total

Os títulos e valores mobiliários compreendem investimentos em aplicações financeiras no exterior, para os quais a Administração contrata instrumentos que mitigam sua exposição cambial, além de analisar a necessidade de constituição de provisão para realização de eventuais perdas em fundos de investimento. A rentabilidade média do ano foi de 3% (5% em 2010).

136


8  CONTAS A RECEBER DE CLIENTES Consolidado

Contas a receber de clientes Serviços e fornecimentos a faturar Provisão para créditos de liquidação duvidosa Total

2011

2010

95.353

143.621

103. 351

56.220

(2.156)

(2.756)

196.548

197.085

As controladas e controladas em conjunto analisam individualmente o saldo de contas a receber de clientes, que possuem prazo médio de recebimento de 30 dias e constituem, quando necessário, provisão para créditos de liquidação duvidosa em montante considerado suficiente para fazer face a prováveis perdas na sua realização.

9  estoques Consolidado

Material para revenda Estoques em poder de terceiros Material de instalação e montagem

2011

2010

6.432

41.378

3

199

466

Semiacabados

3.792

4.625

Matérias-primas

8.605

9.255

Provisão para realização

(8.500)

(20.578)

Total

10.528

35.149

A Administração das controladas e controladas em conjunto efetua periodicamente, análise detalhada do valor recuperável dos seus estoques, com o objetivo de identificar possíveis perdas na sua realização.

137


10  impostos a recuperar controladora

Consolidado

2011

2010

2011

2010

TRIBUTOS

3.652

1.890

35.558

28.233

Estaduais

4.171

3.006

Municipais

37

15

Federais

Contribuições previdenciárias Total

1.055

3.652

1.890

39.766

32.309

Os créditos de tributos e contribuições federais poderão ser utilizados para compensação de débitos, vencidos ou vincendos. A realização dos créditos de impostos estaduais ocorre através das transações mercantis de suas controladas e controladas em conjunto. 11  INVESTIMENTOS a_Principais dados dos investimentos da controladora em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Investimentos

2011

2010

Empresas controladas e coligadas

118.892

122.260

Promon Tecnologia e Participações Ltda.

11.163

101.127

Promon Tecnologia Ltda. (*)

16.254

54.402

Promon International, Inc. (*)

21.654

9.774

Promon Engenharia Ltda.

FIQ Trading, Marketing, Serviços e Consultores Ltda. (*) PLLAL (i) Promon Meio Ambiente Ltda. Outros Total — empresas controladas e coligadas (* ) Durante o exercício findo em 31 de dezembro de 2011, a Administração efetuou reestruturação societária que resultou na variação dos percentuais de participação de suas controladas diretas.

138

1.637

10.139

78.145

49.928

5.263

(20)

15

252.988

347.645


Saldos em 31 de dezembro de 2011 Patrimônio líquido

Capital social

118.923

55.546

11.164

2.000

16.254

9.847

92.357

5.572

Resultado — exercício findo em 31 de dezembro de 2011 Lucro/prejuízo do exercício

participação – %

Equivalência patrimonial

Direta

Consolidada

50.144

50.134

100

100

(3.570)

(3.568)

100

100

5.457

5.078

100

100

10.589

9.402

23

100 100

1.637

2.624

7.851

943

100

174.959

1.167

33.063

8.519

40

30

5.268

5.288

(20)

(19)

100

100

70.489

139


b_Composição dos investimentos apresentados nos balanços patrimoniais consolidados em 31 de dezembro de 2011 e 2010 2011

2010

PLLAL (i)

78.145

49.928

DeepFlex Inc. (ii)

10.536

8.401

P2 Brasil Private Infrastructure General Partner II Ltd.

1.276

4.009

Outros (iii)

5.822

296

Provisão para perdas

(179)

(179)

95.600

62.455

Total

(i) Desde 2008, a Companhia mantém acordo com a Logicalis Group Ltd. (Logicalis), através do qual as partes combinaram suas de integração de sistemas no mercado de tecnologia da informação e comunicação, visando reforçar o posicionamento como provedores de soluções tecnológicas de alto valor agregado para corporações de distintos setores nos principais países da América Latina. Como resultado desse acordo, a Companhia passou a deter 30% das ações da PLLAL, inicialmente. A PLLAL tem sede no Reino Unido e detém 100% das ações das empresas constituídas na Argentina, na Bolívia, no Brasil, no Chile, na Colômbia, no Equador, no Paraguai, no Peru e no Uruguai. Em 31 de agosto de 2011, a Companhia concluiu as negociações de aquisição de participação adicional de 10% no capital da PLLAL, cuja avaliação para determinação e posterior alocação dos ativos identificáveis encontra-se em andamento.

140

(ii) A controlada Promon International, Inc. possui participação societária na DeepFlex, empresa americana com sede em Houston, detentora de tecnologia em dutos de perfuração flexíveis para águas profundas para o mercado de petróleo e gás. (iii) A Companhia, por meio de sua controlada Promon Meio Ambiente Ltda., adquiriu em 27 de dezembro participação acionária da Ozônio Empreendimentos S.A. (Ozônio), cuja avaliação para determinação dos ativos identificáveis será feita durante o exercício de 2012. A Ozônio possui participação nas empresas Brandt Meio Ambiente Ltda. (Brandt), Terravision Geotecnologia e GeoinformaçãoLtda. (Terravision) e Verti Ecotecnologias S.A. (Verti).


c_Movimentação dos saldos dos investimentos

Saldos em 31 de dezembro de 2010

controladora

Consolidado

347.645

62.455

Alteração de participação Aumento de participação em controladas

12.539

Aumento de participação em coligada (i)

23.895

23.895

Redução de capital – Promon Tecnologia Ltda. Subtotal

(39.386)

(2.952)

23.895

Equivalência patrimonial Equivalência patrimonial em controladas diretas

61.970

Equivalência patrimonial da coligada PLLAL

11.593

11.593

Equivalência por alteração de reserva patrimonial da coligada PLLALL

(3.074)

(3.074)

Equivalência decorrente da distribuição desproporcional de resultados

(4.652)

70.489

3.867

Subtotal

Dividendos recebidos

De controladas

De coligadas

Subtotal

Capitalização da Deepflex Inc Variação cambial de investimentos em coligada no exterior – PLLAL – com ajuste no patrimônio líquido Outros (iii) Saldo em 31 de Dezembro de 2011

(157.996)

(4.857)

(4.857)

(162.853)

(4.857)

2.135

659

659

7.446

252.988

95.600

141


d_Demonstração resumida dos saldos das controladas diretas e coligadas Ativo

Passivo

Patrimônio Líquido

2011 Controladas diretas

299.390

180.467

Promon Tecnologia e Participações Ltda.

69.906

58.742

11.164

Promon Tecnologia Ltda.

76.163

59.909

16.254

Promon International, Inc.

101.310

8.953

92.357

FIQ Trading, Marketing, Serviços e Consultores Ltda.

1.692

55

1.637

Promon Meio Ambiente Ltda.

5.28 8

20

5.268

558.929

383.970

174.959

Promon Engenharia Ltda.

118.923

Coligada PLLAL

142


Ativo

Passivo

Patrimônio Líquido

2010 Controladas diretas

Promon Engenharia Ltda.

307.317

185.025

122.292

Promon Tecnologia e Participações Ltda.

124.158

23.026

101.132

Promon Tecnologia Ltda.

68.548

8.909

59.639

Promon International, Inc.

16.122

6.347

9.775

FIQ Trading, Marketing, Serviços e Consultores Ltda.

83.301

9.797

73.504

386.716

220.288

166.428

Coligada PLLAL

143


12  IMOBILIZADO E INTANGÍVEL Depreciação/ amortização vida útil % aa

31/12/2010

Imobilizado

Edifícios

25

2.220

10 a 30*

13.003

Instalações

10

1.132

Benfeitorias em propriedades de terceiros

10

87

Móveis e utensílios

10

4.603

Máquinas e equipamentos

Centrais de telecomunicações

5

9.253

Computadores

4

10.993

Veículos

5

342

Terrenos

87

Painéis e quadros elétricos

19

Geradores

29

– 41.720

Total

Depreciação

(21.033)

Valor contábil

20.687

Intangível

Adquiridos separadamente Gerados internamente Provisão para perda Total

Amortização Valor contábil (* ) A revisão da vida útil econômica e do valor residual dos bens do ativo imobilizado e intangível foi efetuada por técnicos da própria Companhia nos exercícios de 2011 e 2010.

144

5

(20.483) – – 20.483 (12.820) 7.663


adições

baixas

transferências

31/12/2011

1.720

(1.429)

(761)

12.533

386

(50)

1.468

2.220

1

88

2.966

(323)

157

7.403

2.396

(1.664)

9.985

1.209

(828)

553

11.927

7

349

87

(2)

27

25

24

24

8.685

(4.296)

46.109

(6.344)

1.912

(25.465)

2.341

(2.384)

20.644

8.874

(749)

28.608

6.223

6.223

(1.700)

(1.700)

13.397

(749)

33.131

(2.761)

126

(15.455)

10.636

(623)

17.676

145


13  empréstimos e financiamentos circulante

2011

2010

não circulante

2011

2010

Consolidado

1.104

FINEP

5.251

423

28.626

12.395

Total

5.251

1.527

28.626

12.395

BNDES

Financiadora de Estudos e Projetos — FINEP

A controlada indireta Trópico Sistemas e Telecomunicações da Amazônia Ltda. contratou em 2010 financiamento para desenvolvimento de tecnologia para o projeto “Vectura Multimídia”, dentro da linha de financiamento da FINEP denominada Inova Brasil, no valor total de R$ 35.000, com juros de 4% ao ano. Em 31 de dezembro de 2011, havia 78 parcelas a vencer, sendo o vencimento da última parcela em junho de 2018, não havendo cláusulas restritivas. Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social — BNDES

O saldo de empréstimo junto ao BNDES, no montante de R$ 1.104, foi liquidado em 16 de maio de 2011. As informações sobre garantias estão descritas na nota explicativa no 23.

146


14  transações com partes relacionadas controladora

2011

2010

ativo circulante

Contratos de mútuo São Luiz Telecomunicações Ltda.

FIQ Trading, Marketing, Serviços e Consultores Ltda.

Promon Tecnologia e Participações Ltda.

802

9.797

48

Promon Tecnologia Ltda.

4.878

Total

5.728

9.797

44.802

7.007

Promon Tecnologia e Participações Ltda.

35.998

Total

87.807

Promon Engenharia Ltda.

3.475

Promon Tecnologia Ltda.

32

178

158

Valores e dividendos a receber Promon Tecnologia Ltda. Promon International, Inc.

Passivo circulante

Contratos de mútuo

FIQ Trading, Marketing, Serviços e Consultores Ltda.

Promon International, Inc. Total

65

178

3.730

Os principais saldos de ativos e passivos em 31 de dezembro de 2011 e 2010 decorrem de transações da Companhia com suas controladas e empresas ligadas, conforme acima. As transações com partes relacionadas referem-se a contas a receber e a pagar referentes a contratos de mútuo, com prazo indeterminado e não remunerados. Possuem giro financeiro de curto prazo.

147


Remuneração da administração controladora

Consolidado

2011

2010

2011

2010

Fixa

4.017

3.398

11.799

11.423

Variável (participação nos lucros e resultados)

1.264

2.110

3.342

4.284

Total

5.281

6.048

15.141

15.707

REMUNERAÇÃO

Os montantes referentes às despesas com grupo de dirigentes da Companhia e de suas controladas estão apresentados acima. Na AGO realizada em 7 de abril de 2011, foi estabelecido o montante global anual de remuneração dos membros do Conselho de Administração e da Diretoria da Companhia de até R$5.500, não computadas as participações nos lucros e resultados. Transações com ações próprias

O resultado das transações com ações próprias efetuadas entre a Companhia e seus acionistas é apresentado na rubrica “Reserva de capital”.

148


15  Impostos parcelados A controlada indireta Trópico Sistemas e Telecomunicações da Amazônia Ltda. tem discutido nas esferas administrativa e judicial autos de infração relativos à multa regulamentar aplicada pelas autoridades fiscais, pelo não preenchimento de campos obrigatórios em notas fiscais que compreendem o período de 1997 a 2001. A Administração decidiu pela inclusão desses autos na anistia fiscal (REFIS) promovida pela Lei 11.941/09, fazendo juz aos benefícios de redução de multa e juros. Em 30 de junho de 2011 ocorreu a finalização do pedido de inclusão dos débitos na anistia fiscal, quando foi confirmada a aceitação parcial do pleito. Em 15 de março de 2012 foi obtida a aprovação complementar. Por essa razão, no balanço encerrado em 31 de dezembro de 2011, o saldo a pagar da parcela aprovada está sendo apresentado em “Impostos parcelados”, e a parcela pendente de aprovação, no valor de R$9.156 em 2011, está sendo considerada na rubrica “provisão para contingências”. O processo que tramita na esfera judicial está garantido por carta de fiança no valor atualizado de R$60.452.

149


16  provisão para contingências controladora

Consolidado

2011

2010

2011

2010

13.000

20.100

48.157

43.283

70

1.234

4.433

6.271

2.893

2.007

55.483

51.562

Não circulante

Provisão para contingências fiscais Provisão para contingências trabalhistas Outras provisões Total

13.070

21.334

A Companhia, suas controladas e controladas em conjunto estão envolvidas em processos de natureza trabalhista e tributária. A Administração, em conjunto com seus assessores jurídicos externos, entende que essas provisões são suficientes para cobrir prováveis perdas nos referidos processos. Os processos classificados como de perda possível totalizam R$82.000, são relativos a, aproximadamente, 50 processos, de valores individualmente inferiores a R$20.000. A seguir, a movimentação da provisão para contingências ocorrida durante o exercício findo em 31 de dezembro de 2011:

SALDO em 31 de dezembro de 2010

Adições/(Reversões) — contingências fiscais e trabalhistas

controladora

Consolidado

21.334

51.561

(8.264)

5.217

Adições/(Reversões) — outras provisões

885

Transferência para impostos parcelados (*)

349

Depósitos trabalhistas e fiscais

(2.529)

13.070

55.438

Saldo em 31 de dezembro de 2011 (*) Saldo da parcela homologada dos débitos incluídos no parcelamento instituído pela Lei no 11.941/09 (REFIS), conforme mencionado na nota explicativa no 15.

150


17  Patrimônio líquido a_Capital social e reserva de capital

Em 31 de dezembro de 2011, o capital social é composto por 121.968.000 ações ordinárias (110.880.000 em 2010), sem valor nominal, sendo 62.203.680 ações pertencentes à Promon Empreendimentos e Participações S.A. e 59.764.320 ações pertencentes a acionistas domiciliados no País. Na Assembleia Geral Ordinária e Extraordinária de 7 de abril de 2011, os acionistas da Companhia aprovaram o aumento do capital social no valor de R$12.868, mediante capitalização parcial do saldo da reserva legal com emissão de 11.088.000 novas ações ordinárias nominativas, sem valor nominal, a título de bonificação.

para distribuição de dividendos e juros sobre o capital próprio ou aumentar o capital social. c_Ajustes de avaliação patrimonial

O valor apresentado nas demonstrações financeiras de 31 de dezembro de 2011 e de 2010 refere-se à variação cambial decorrente da conversão das demonstrações financeiras da coligada — PLLAL. d_Dividendos

O estatuto social da Companhia determina a distribuição de dividendo mínimo obrigatório de 25% do resultado do período, ajustado na forma lei e calculado como segue:

b_Reserva de lucros

_Reserva Legal É constituída à razão de 5% do lucro líquido apurado em cada exercício social nos termos do art. 193 da Lei n o 6.404/76, até o limite de 20% do capital social ou 30% do capital social, quando acrescida da reserva de capital. Pode ser utilizada para aumento do capital ou para absorção de prejuízos. Em 2011, foi destinado o montante de R$3.279 para a referida reserva (para 2010, em razão do atendimento do limite de 30%, não foi constituída). _Reserva de liquidez Reserva estatutária destinada a dar flexibilidade à tesouraria da Companhia na administração do modelo acionário e de outras obrigações de curto prazo que exijam disponibilidade de caixa, inclusive para aquisição pela Companhia de suas próprias ações, se necessário. A Diretoria, ad referendum da Assembleia Geral, poderá utilizar o saldo da reserva de liquidez

151


d_Dividendos

Lucro líquido do exercício (–) Reserva legal (5%)

2011

2010

65.573

87.219

3.279

Base de distribuição de dividendo mínimo obrigatório

62.294

87.219

Dividendo mínimo obrigatório (25%)

15.574

21.805

Dividendos ad referendum

9.757

11.088

Dividendos mínimos a pagar

5.817

10.717

34.426

39.283

Dividendos adicionais propostos

A Administração está propondo à aprovação da Assembleia Geral Ordinária, dividendos totais relativos ao exercício de 2011 no valor de R$50.000 (R$61.088 em 2010). O total dos dividendos corresponde a R$0,40995 (R$0,55093 em 2010) por ação. Em 19 de setembro de 2011, a Administração aprovou ad referendum da Assembleia Geral Ordinária, distribuição de dividendos no valor de R$9.757 sendo R$0,08 por ação em circulação (R$11.088 em 2010 sendo R$0,10 por ação em circulação) como antecipação do dividendo mínimo obrigatório. No encerramento de 31 de dezembro de 2010 a Administração propôs a distribuição de dividendos no valor de R$ 50.000. Na Assembleia Geral Ordinária realizada em 7 de abril de 2011 foi aprovada a referida distribuição.

152


18  receita operacional

Venda de produtos

2011

2010

424.509

542.523

68.989

91.714

Receita de contratos de construção

499.952

666.674

Total receita fiscal

993.450

1.300.911

(85.738)

(135.245)

Prestação de serviços

Menos Impostos sobre vendas

Devoluções e abatimentos

Total receita contábil

(4.414)

(76.977)

903.298

1.088.689

Parcela substancial das receitas da Companhia é oriunda do cliente Petrobras S.A.

153


19  outras receitas (despesas), líquidas controladora

Consolidado

2011

2010

2011

2010

8.264

(15.046)

(5.217)

(8.086)

Reversão (aumento) de provisão para desvalorização de ativos

(1.195)

2.191

Dividendos recebidos da Datatec

690

Resultado na venda de ações da Datatec

15.385

20.596

Resultado realizado de transações entre partes relacionadas

(7.486)

Reversão (aumento) de provisão para contingências

(5.870)

Outras

(988)

264

(667)

(6.265)

Total

7.276

603

(12.949)

1.640

Despesas com anistia fiscal — Lei n 11.941/09 o

O resultado na venda de ativos não circulantes no valor de R$10.769 em 31 de dezembro de 2011 (R$8.067 em 2010) refere-se, basicamente, ao lucro na venda de itens do ativo imobilizado de R$3.403 e lucro na venda de outros investimentos no valor de R$7.366.

154


20  Receitas e despesas financeiras e variações cambiais, líquidas controladora

Consolidado

2011

2010

2011

2010

1.017

182

27.983

19.310

106

(453)

4.834

5.056

5.437

Outros

214

19

1.903

4.595

Total

1.337

201

34.479

34.176

(22)

(234)

(1.000)

(778)

(2.375)

(121)

(125)

(2.308)

(1.415)

Receitas financeiras

Rendimentos sobre aplicações financeiras Ajuste de operações com derivativos Receitas financeiras dos consórcios

Despesas financeiras

Juros sobre empréstimos Ajuste de operações com derivativos Comissões e despesas bancárias

(612)

(541)

PIS e Cofins sobre receitas financeiras

(848)

(333)

(1.343)

(333)

IOF sobre operações no exterior e de mútuo

(666)

(707)

(1.140)

(1.153)

Outros

(446)

(820)

(558)

(2.248)

(2.103)

(2.219)

(6.961)

(8.843)

Despesas financeiras dos consórcios

Total

Variações cambiais, líquidas

Variações cambiais de aplicações financeiras Variações cambiais de mútuos e contas a receber Variações cambiais de coligadas Outros Total

6.137

(5.399)

(15)

(685)

1

(1.350)

1.657

4

(2)

1.059

(3.317)

(11)

(687)

8.854

(10.066)

155


21  IMPOSTO DE RENDA E CONTRIBUIÇÃO SOCIAL Consolidado

Os montantes relativos ao imposto de renda e à contribuição social diferidos em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 são como segue: 2011

2010

4.619

8.048

Diferenças temporárias Provisão para contingências

488

1.178

5.107

9.226

Diferimento de lucro em contratos com órgãos públicos

956

Total — passivo não circulante

956

Outras Total — ativo não circulante

O imposto de renda e a contribuição social diferidos foram constituídos para créditos da controlada direta Promon Engenharia Ltda. e da controlada indireta EPC Compra e Venda de Equipamentos Industriais Ltda., pelo fato de estas apresentarem expectativa de lucro tributável futuro que permita a sua realização.

156


controladora

Consolidado

A reconciliação do imposto de renda e da contribuição social, registrados no resultado dos exercícios findos em 31 de dezembro de 2011 e de 2010, é a seguinte: Lucro antes do imposto de renda e da contribuição social Alíquota vigente Expectativa da despesa de imposto de renda e contribuição social

2011

2010

2011

2010

65.573

87.219

85.458

139.711

34%

34%

34%

34%

22.295

29.654

29.056

47.502

Efeito do imposto de renda e da contribuição social sobre

Adições (exclusões) permanentes (23.966)

(34.091)

(1.315)

(2.104)

Benefício com pesquisa e inovação tecnológica – Lei no 11.196/05

(866)

Ajuste decorrente da distribuição desproporcional de resultados

3.677

(2.452)

5.115

(2.169)

1.498

1.261

(558)

1.758

(3.528)

(3.528)

Imposto de renda sobre juros sobre o capital próprio recebidos

3.097

1.226

Outras

1.026

363

(843)

1.671

no resultado do exercício

23.305

50.474

Imposto de renda e contribuição social correntes

18.230

50.408

Imposto de renda e contribuição social diferidos

5.075

72

Resultado de equivalência patrimonial

Adições (exclusões) temporárias sem constituição de imposto de renda diferido Aumento (reversão) de provisões Prejuízo fiscal e base negativa compensados, para os quais não

havia sido constituído crédito fiscal, diferidos pelas incertezas

na sua realização

Imposto de renda sobre juros sobre o capital próprio pagos

Despesa com imposto de renda e contribuição social registrados

157


22  Cobertura de seguros A Companhia, suas controladas e controladas em conjunto adotam política de contratar cobertura de seguros para bens sujeitos a riscos por montantes considerados suficientes para cobrir eventuais sinistros, considerando a natureza de sua atividade. As premissas de riscos adotadas, dada a sua natureza, não fazem parte do escopo de uma auditoria de demonstrações financeiras, consequentemente não foram examinadas pelos nossos auditores independentes. Em 31 de dezembro de 2011, as principais coberturas de seguro contratadas eram compostas por R$17.500 para bens patrimoniais, US$2.000 para Transporte Nacional e Internacional (limite por embarque), R$30.000 para Responsabilidade Civil Profissional, R$10.000 para Responsabilidade Civil Obras Civis e/ou Serviços de Montagem e Instalação e R$15.000 para Responsabilidade Civil de Administradores e Diretores.

158


23  garantias prestadas controladora

Consolidado

A Companhia, suas controladas e controladas em conjunto ofereceram garantias para assegurar o cumprimento de execução de contratos, propostas e processos fiscais em fase de discussão judicial, entre outros, sob a forma de cartas de fiança bancária e apólices de seguro garantia, conforme segue: 2011

2010

2011

2010

Empréstimos BNDES

Empréstimos FINEP

10.057

10.057

35.000

Cumprimento de obrigações contratuais

12.797

239.465

232.913

Processos judiciais

131.392

117.630

Adiantamento de pagamento

35.893

26.322

Outras

9.379

8.310

34.678

10.306

Total

9.379

18.367

476.428

410.025

159


24  Fundação Promon de Previdência Social A Companhia e suas controladas, Promon Engenharia Ltda., Trópico Sistemas e Telecomunicações da Amazônia Ltda. e Vectura Serviços e Softwares Ltda., são patrocinadoras da Fundação Promon de Previdência Social, entidade fechada de previdência privada, sem fins lucrativos, com autonomia administrativa e financeira. A Fundação Promon tem por objetivo instituir planos privados para a concessão de benefícios complementares ou assemelhados aos da Previdência Social oficial a todos os seus participantes. Ao final de 2011, a Fundação Promon contava com dois planos de benefícios, como segue: _Benefício Definido — Promon BásicoPlus. _Contribuição Definida — Promon MultiFlex.

O valor do Patrimônio Social da Fundação era de R$938.153 (R$886.109 em 2010) e suas provisões matemáticas eram de R$840.323 (R$776.512 em 2010). O plano BásicoPlus está fechado para novos ingressos desde 28 de março de 2005 e em 31 de dezembro de 2011 possuía 568 participantes, sendo 470 assistidos, 46 autopatrocinados/vinculados e 52 funcionários. A demonstração das obrigações atuariais está apresentada a seguir: 2011

2010

574.339

557.219

Provisões matemáticas

479.240

448.557

Benefícios concedidos

368.996

337.808

Benefícios a conceder

110.245

110.749

Equilíbrio técnico

95.099

108.662

Superávit técnico acumulado

95.099

108.662

Patrimônio de cobertura do plano

160

O exercício de 2011 apresentou um déficit de R$13.563 (superávit de R$24.806 em 2010) impactado, principalmente, pelo desempenho negativo das aplicações em renda variá­ vel. Seus investimentos estavam alocados 73% em renda fixa, 13% em renda variável, 10% em imóveis e 4% em outras aplicações. O superávit técnico acumulado de R$95.099, (R$108.662 em 2010) correspondente a 19,8% das provisões matemáticas e foi destinado a constituição de reserva de contingência de acordo com a Resolução CGPC no 26, de 29 de setembro de 2008, razão pela qual não existe um ativo atuarial a ser reconhecido pelas patrocinadoras. A importante relação entre o superávit técnico acumulado com o passivo atuarial, bem como as premissas utilizadas para o cálculo do exigível atuarial, traduz a sólida capacidade do plano para atender aos compromissos futuros estabelecidos com seus participantes e também aponta para a existência de confortável margem de contingência na preservação do equilíbrio do plano de Benefício Definido. Para apuração das provisões matemáticas foram utilizadas as seguintes principais hipóteses: _Taxa real anual de juros: 5% ao ano. _Projeção do crescimento real de salário: 3% ao ano. _Tábua de Mortalidade Geral: AT – 2000 desagravada em 20% segregada por sexo. O plano MultiFlex, oferecido a todos os funcionários, é isento de riscos atuariais no que diz respeito a seus benefícios previdenciários, que são calculados pelo montante acumulado das contribuições feitas pelas patrocinadoras e, opcionalmente, pelos participantes durante a fase de constituição de reservas, acrescidos dos rendimentos financeiros líquidos, e são pagos na forma de renda por prazo certo em quotas.


Ao final de 2011 o Patrimônio de cobertura do plano era de R$361.083 (R$327.955 em 2010). Seus investimentos estavam aplicados 74% em renda fixa, 13% em renda variável, 8% na carteira de empréstimos a participantes e 5% em outros ativos. O plano contava com 1.881 participantes, sendo 164 assistidos, 241 autopatrocinados/vinculados e 1.476 funcionários, e a demonstração das obrigações atuariais está apresentada a seguir: 2011

2010

Patrimônio de cobertura do plano

361.083

327.955

Provisões matemáticas

361.083

327.955

Benefícios concedidos

164.978

157.832

Benefícios a conceder

196.105

170.123

26  Instrumentos financeiros Estrutura de gerenciamento de risco

O Conselho estabeleceu o Comitê de Gerenciamento de Risco, que é responsável pelo desenvolvimento e acompanhamento das políticas de gerenciamento de risco do Grupo. A comissão reporta regularmente ao Conselho de Administração sobre suas atividades. As políticas de gerenciamento de risco do Grupo foram estabelecidas para identificar e analisar os riscos aos quais o Grupo está exposto, para definir limites de riscos e controles apropriados, e para monitorar os riscos e a aderência aos limites impostos. Os ativos e passivos financeiros da Companhia, suas controladas e controladas em conjunto estão classificados nas seguintes categorias:

Durante o exercício de 2011, a contribuição consolidada do plano Promon BásicoPlus e do plano Promon MultiFlex, aportada pelas patrocinadoras Promon S.A. e suas controladas, foi de R$ 12.500 (R$ 10.998 em 2010).

25  Plano de saúde O Grupo Promon mantém plano de saúde do tipo autogestão, administrado por empresa especializada, que prevê reembolso das despesas médico-hospitalares e odontológicas aos participantes nos casos de utilização de assistência médica de rede não credenciada. O custo total das despesas incorridas em 2011 foi de R$ 8.808 (R$6.028 em 2010).

161


Mantidos até o vencimento

Mensurados ao custo amortizado

Registrados pelo valor justo por meio do resultado

Empréstimos e recebíveis

Caixa e equivalentes de caixa

195.773

Aplicações financeiras

10.917

18.998

Títulos e valores mobiliários

8.081

65.348

Contas a receber de clientes

65.348

196.548

196.548

Consolidado 2011

ativo

195.773

8.807

8.807

73.429

401.128

10.917

485.474

Fornecedores

51.153

51.153

Empréstimos e financiamentos

33.877

33.877

30

30

26.562

26.562

9.231

9.231

30

120.823

120.853

Outros créditos Total

passivo

Perdas não realizadas com derivativos Outras obrigações a pagar Contas a pagar por compra de ações próprias Total

162


Registrados pelo valor justo por meio do resultado

Empréstimos e recebíveis

Mantidos até o vencimento

Mensurados ao custo amortizado

Consolidado 2010

ativo

Caixa e equivalentes de caixa

267.632

267.632

7.341

9.157

16.498

76.165

76.165

3.978

3.978

Contas a receber de clientes

197.085

197.085

Outros créditos

11.742

11.742

87.484

476.459

9.157

573.100

Aplicações financeiras Títulos e valores mobiliários Ganhos não realizados com derivativos

Total

passivo

Fornecedores

84.449

84.449

Empréstimos e financiamentos

13.922

13.922

Outras obrigações a pagar

21.378

21.378

Contas a pagar por compra de ações próprias Total

a_Risco de crédito

A Administração da Companhia monitora o risco de crédito por meio da seleção criteriosa da carteira de clientes, que considera a capacidade de pagamento (análise de crédito). A Companhia, suas controladas e controladas em conjunto também estão sujeitas a riscos de crédito relacionados a instrumentos financeiros contratados na gestão de seus negócios, principalmente representados por caixa e equivalentes de caixa, aplicações financeiras e instrumentos derivativos. Por conta disso, desenvolvem relacionamento com instituições bancárias de primeira linha do mercado financeiro, com base

6.534

6.534

126.283

126.283

em critérios definidos em sua política bancária. A política bancária estabelece limites de alocação nos bancos, evitando a concentração, assim como define os produtos bancários que podem ser usados tanto em operações de alocação quanto na captação dos recursos. Há rotinas mensais de apresentação à Administração da Companhia das posições em aberto no mercado financeiro. A Companhia procura manter linhas de crédito disponíveis junto às instituições financeiras. O risco é basicamente proveniente das contas a receber de clientes e de instrumentos financeiros conforme apresentado a seguir.

163


controladora

Consolidado

2011

2010

2011

2010

37

11

195.773

267.632

Ganhos não realizados com derivativos

3.978

Aplicações financeiras

18.998

16.498

Títulos e valores mobiliários

65.348

76.165

Contas a receber de clientes

196.548

197.085

Outros créditos

6.295

280

8.807

11.742

Total

6.332

291

485.474

573.100

Caixa e equivalentes de caixa

A composição dos empréstimos e recebíveis na data das demonstrações financeiras é apresentada deduzida das provisões para realizações e se encontrava a vencer. A Administração reconhece perdas por redução no valor recuperável. b_Gestão de capital

A administração do capital objetiva salvaguardar a capacidade de continuidade da Companhia, ao menor custo possível, oferecendo retorno adequado aos acionistas e benefícios a outras partes interessadas. c_ Risco de liquidez

A gestão prudente do risco de liquidez implica manter caixa, títulos e valores mobiliários suficientes, disponibilidades de captação por meio de linhas de crédito compromissadas e capacidade de liquidar posições de mercado. A Administração monitora o nível de liquidez consolidado da Companhia, considerando o fluxo de caixa esperado em contrapartida às linhas de crédito não utilizadas.

164


menos de 1 ano

entre 1 e 2 anos

entre 2 e 5 anos

mais de 5 anos

total

efeito do valor desconto contábil 2011

51.153

51.153

51.153

6.451

6.451

(1.200)

5.251

30

30

30

6.241

17.482

8.042

31.765

(3.139)

28.672

em 31 de dezembro de 2011 circulante

Fornecedores Empréstimos e financiamentos Perdas não realizadas com derivativos não circulante

Empréstimos e financiamentos

d_Risco de flutuação de preços praticados

A Companhia busca neutralizar o risco de flutuação de preços adotando em seus contratos com clientes fórmulas de reajustes que capturem a variação dos custos de seus principais insumos, repassando aos fornecedores as mesmas condições ajustadas com os clientes. e_Risco de mercado

i_Taxa de juros A Companhia está exposta a riscos normais de mercado em decorrência de mudanças nas taxas de juros sobre suas aplicações financeiras. Parte das aplicações financeiras da Companhia, suas controladas e controladas em conjunto são mantidas em operações vinculadas à variação do CDI. Em 31 de dezembro de 2011, os investimentos sujeitos a esse risco representam 61,32% (73,16% em 2010) do total das aplicações financeiras e títulos e valores mobiliários, monitoradas tempestivamente pela Administração.

ii_Moeda estrangeira Com o objetivo de diversificação de riscos, a Administração mantém valores mobiliários em moedas diferentes de Reais e em vários países. Monitora continuamente a flutuação dessas moedas e, em períodos de maior volatilidade, opta pela contratação de operações com derivativos. Derivativos também podem ser contratados com o objeto exclusivo de proteção contra variações cambiais oriundas da exposição de suas operações no Brasil, como, por exemplo, para importações. São utilizados contratos de derivativos do tipo “Non-Deliverable Forward” (NDF). Em 31 de dezembro de 2011 e 2010, os seguintes contratos de derivativos encontravam-se em aberto:

165


Valor de referência (mil)

moeda ativo

passivo

ndf

R$

us$

US$ 10.000

ndf

R$

ndf

R$

us$

US$ 10.000

ndf

R$

us$

US$ 5.000

instrumento

5.700

O resumo dos dados quantitativos sobre a exposição para o risco de moeda estrangeira do Grupo segue abaixo: consolidado 2011 USD

Caixa e equivalentes de caixa Títulos e valores mobiliários Exposição líquida do balanço patrimonial Contratos derivativos Exposição líquida

166

EUR

CNY

total

5.022

5.939

10.961

44.091

8.609

1.321

54.021

49.113

14.548

1.321

64.982

(28.440)

(28.440)

20.673

14.548

1.321

36.542


data de início

data de vencimento

taxa contratada

Valor justo por meio do resultado

2011

2010

20/1/2010

20/1/2011

1,9262

2.552

6/5/2010

29/4/2011

2,5140

1.426

29/9/2011

30/3/2012

1,8990

(38)

16/12/2011

30/3/2012

1,8900

8

(30)

3.978

consolidado 2010 USD

EUR

GBP

total

646

190

11

847

51.428

12.958

1.144

65.530

52.074

13.148

1.155

66.377

(19.262)

(14.330)

(33.592)

32.812

(1.182)

1.155

32.785

167


_Análise de sensibilidade A seguir está demonstrado o ganho (perda) que seria reconhecido no resultado na hipótese dos seguintes cenários se efetivarem no período de um ano: cenário provável_considera as taxas futuras divulgadas pela BM&F Bovespa para vencimento em 361 dias a partir de 29 de dezembro de 2011, que indicam uma valorização média das moedas em relação ao Real da ordem de 6%; cenários II e III_consideram uma variação do Real de 15% e de 20%, respectivamente, contra cada uma das moedas em que há exposição. Uma queda da cotação significa a valorização do Real; uma alta, a desvalorização do Real.

consolidado Efeito para a Companhia

Cenário provável

Cenário ii

Cenário iii

Valorização do Dólar

Ganho

2.293

4.096

5.129

Valorização das demais moedas

Ganho

833

2.380

3.174

3.126

6.476

8.303 (3.140)

descrição

Ganho

Desvalorização do Dólar

Perda

n/a

(2.107)

Desvalorização das demais moedas

Perda

n/a

(2.380)

(3.174)

n/a

(4.487)

(6.314)

Perda

168


f_Estimativa de valores justos

Os ativos registrados a valor justo por meio do resultado são avaliados segundo as regras de hierarquização do pronunciamento CPC 40, conforme abaixo: Nível 1_Preços

cotados em mercados ativos para ativos idên-

ticos.

27  despesas administrativas consolidado

2011

2010

31.179

28.650

Infraestrutura

32.491

33.565

Serviços de terceiros

28.185

22.348

Total

91.855

84.563

Salários e encargos

Nível 2 _Outras informações disponíveis, exceto aquelas do Nível 1, onde os preços cotados (não ajustados) são para ativos e passivos similares, em mercados não ativos, ou outras informações que estão disponíveis e que podem ser utilizadas de forma indireta (derivados dos preços). Nível 3_Informações indisponíveis em função de pequena ou nenhuma atividade de mercado e que são significantes para definição do valor justo dos ativos e passivos.

O processo de mensuração do valor justo dos instrumentos financeiros do Grupo está classificado como Nível 2.

169


Conselho de Administração Luiz Ernesto Gemignani

Presidente

Gilson G. Krause

Conselheiro

Luiz Fernando T. Rudge

Conselheiro

Luiz Gonzaga Marinho Brandão

Conselheiro

Raul Antonio Del Fiol

Conselheiro

José Guimarães Monforte

Conselheiro (independente) direção-geral Luiz Fernando T. Rudge

Diretor-Presidente

Felipe Alceu Amoroso Lima

Diretor Executivo e CFO(*) Gilson G. Krause

Diretor Executivo

Ivo Godoi Junior

Diretor Executivo

márcio emídio gavioli

Contador

CRC no 1 SP 114904/O7

(* ) CFO – Chief Financial Officer

170


Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e aos Acionistas da Promon S.A. — São Paulo, SP

Examinamos as demonstrações financeiras individuais e consolidadas da Promon S.A. (“Companhia”), identificadas como Controladora e Consolidado, respectivamente, que compreendem o balanço patrimonial em 31 de dezembro de 2011 e as respectivas demonstrações do resultado, dos resultados abrangentes, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, assim como o resumo das principais práticas contábeis e demais notas explicativas. Responsabilidade da administração sobre as demonstrações financeiras

A administração da Companhia é responsável pela elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras individuais e consolidadas de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, assim como pelos controles internos que ela determinou como necessários para permitir a elaboração dessas demonstrações financeiras livres de distorção relevante, independentemente se causada por fraude ou erro. Responsabilidade dos auditores independentes

Nossa responsabilidade é a de expressar uma opinião sobre essas demonstrações financeiras com base em nossa auditoria, conduzida de acordo com as normas brasileiras e internacionais de auditoria. Essas normas requerem o cumprimento de exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo de obter segurança razoável de que as demonstrações financeiras estão livres de distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução de procedimentos selecionados para obtenção de evidência a respeito dos valores e divulgações apresentados nas demonstrações financeiras.

Os procedimentos selecionados dependem do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos de distorção relevante nas demonstrações financeiras, independentemente se causada por fraude ou erro. Nessa avaliação de riscos, o auditor considera os controles internos relevantes para a elaboração e adequada apresentação das demonstrações financeiras da Companhia para planejar os procedimentos de auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins de expressar uma opinião sobre a eficácia desses controles internos da Companhia. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da adequação das práticas contábeis utilizadas e a razoabilidade das estimativas contábeis feitas pela administração, bem como a avaliação da apresentação das demonstrações financeiras tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência de auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião sobre as demonstrações financeiras individuais e consolidadas

Em nossa opinião, as demonstrações financeiras individuais e consolidadas acima referidas apresentam adequadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira da Promon S.A. em 31 de dezembro de 2011, o desempenho de suas operações e os seus fluxos de caixa para o exercício findo naquela data, de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil.

São Paulo, 30 de março de 2012. KPMG Auditores Independentes CRC 2SP014428/O-6 Wagner Petelin Contador CRC 1SP142133/O-7

171


ANEXOS


SOBRE O RELATÓRIO O Relatório Anual 2011 apresenta os resultados do desempenho econômico, ambiental e social da Promon S.A., empresa holding do Grupo Promon, no período de 1o de janeiro a 31 de dezembro de 2011, e permite às diversas partes interessadas uma visão das principais estratégias e práticas de gestão adotadas pela organização. Os relatórios dos anos anteriores sempre procuraram comunicar o desempenho da companhia como um todo, incluindo as questões relacionadas a seu impacto na sociedade. Este ano, entretanto, por entender que o estabelecimento de um padrão internacional único de relato favorece sua compreensão pelos seus diferentes públicos, a Promon passa, pela primeira vez, a adotar como referência para relatar seu desempenho as Diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI), em sua versão G3.0. O Grupo, assim, alinha-se às melhores práticas mundiais também na forma de relatar sua influência na sociedade e no meio ambiente. O Relatório apresenta, ainda, a correlação entre suas iniciativas e os dez princípios do Pacto Global da Organização das Nações Unidas (UN Global Compact), do qual a empresa é signatária. PARÂMETROS PARA O RELATÓRIO A Promon acredita que as empresas, como sistemas vivos, devem perseguir uma visão que as reconheçam como parte de um ecossistema social, econômico e natural. Imbuída dessa visão sistêmica, a Promon acredita que a boa gestão desses temas é fator essencial para assegurar sua perenização. As crenças e a cultura da Promon fornecem diretrizes que devem orientar o desenvolvimento de todas as empresas que compõem o Grupo. O esforço de gestão para garantir que isso ocorra deve ser proporcional ao tamanho e natureza dos negócios de cada empresa. Assim, a Promon recomenda que cada

* Com relação ao engajamento de fornecedores, é realizado um trabalho com profundidade no âmbito da Promon Engenharia, pelo entendimento de que a maior complexidade e o maior prazo de entrega dos produtos e serviços oferecidos por seus fornecedores maximizam o potencial do impacto social e ambiental das atividades dessa empresa.

empresa do Grupo realize estudos para determinar temas materiais com relação às suas responsabilidades sociais e ambientais. Os estudos são realizados em face da magnitude dos impactos que cada uma das empresas gera e de sua maturidade econômica. Este Relatório Anual é estruturado tendo por base o sistema de gestão implantado na organização, expresso graficamente pela figura do cata-vento apresentado em “Estratégia e Gestão”. Esse sistema contempla os interesses da organização e de suas principais partes interessadas e representa uma visão multifacetada cuja construção, de maneira participativa, foi iniciada no início da década de 2000 e que se encontra em permanente evolução, abrangendo perspectivas e temas determinantes para a gestão do Grupo. Os tópicos considerados de maior materialidade no relato da Promon, resultado do processo de engajamento de seus públicos, são os definidos como perspectivas estratégicas (ver “Estratégia e Gestão”): clientes, conhecimento e processos, cultura organizacional, desempenho econômico, gente, parceiros e fornecedores, portfólio de negócios, sociedade e meio ambiente. Os principais elementos utilizados para avaliação da percepção da Promon pelas partes interessadas e para a definição dos temas relevantes para seu sistema de gestão são: _Pesquisa anual de satisfação de clientes. _Pesquisa anual em materiais de comunicação de clientes e parceiros. _Registros de manifestações e avaliações espontâneas de clientes, parceiros e fornecedores (avaliação permanente). _Pesquisa bianual de satisfação de fornecedores da Promon Engenharia*. _Promon Integra, evento bianual de integração com fornecedores da Promon Engenharia*.

173


_Pesquisa anual de práticas (clima organizacional). _Exposição na mídia (avaliação permanente). _Retorno recebido durante participação em eventos (avaliação permanente). _Avaliações independentes e premiações recebidas de empresas externas sobre as práticas da Promon, tais como as elaboradas anualmente pela Você S/A-Exame e Great Place to Work/Época para os guias de melhores empresas para trabalhar no Brasil, e pela revista Exame para seu Guia de Sustentabilidade. _Engajamentos externos com organizações da sociedade, para avaliação permanente de melhores práticas de mercado: _Indicadores do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social (avaliação anual). _Rede Brasileira do Pacto Global. _Instituto Akatu pelo Consumo Consciente. _Fundação Nacional da Qualidade. O processo de definição de objetivos ocorre no âmbito do ciclo anual de planejamento estratégico, segundo o sistema de gestão implantado por cada empresa do Grupo e pautado no Modelo de Excelência da Gestão® da Fundação Nacional da Qualidade. As empresas do Grupo possuem as principais certificações relacionadas aos seus segmentos de negócio, sendo periodicamente auditadas por organismos independentes. Destacam-se as certificações ABNT-ISO 9001 (Sistemas de Gestão da Qualidade) na Promon Engenharia, PromonLogicalis e Trópico; a ABNT-ISO 14001 (Sistemas da Gestão Ambiental), OHSAS 18001 (Sistemas de Gestão de Segurança e Saúde Ocupacional) e ISO/IEC 27001 (Sistemas de Gestão de Segurança da Informação) na Promon Engenharia. Os indicadores, metas e planos de ação são construídos em conjunto com as áreas envolvidas nos diversos níveis de gestão

174

de cada empresa. Por limitação de espaço e para garantir a clareza deste relato, somente os principais indicadores e informações-chave são apresentados. A abrangência adequada para cada indicador foi determinada por meio da aplicação das recomendações expressas no Protocolo de Fronteiras da GRI (GRI Boundary Protocol) e reflete a materialidade no âmbito consolidado da Promon S.A. A predominância do escopo das informações socioambientais está relacionada às atividades das empresas do Grupo no Brasil, onde estão concentrados os serviços prestados e, consequentemente, a maior parcela dos impactos sociais e ambientais. Já os dados econômicos englobam as operações em todos os países. Por se tratar de subsidiária integral da Promon S.A., responsável historicamente pela maior parte de sua receita e efetivo, a Promon Engenharia foi objeto, em 2011, de um estudo aprofundado acerca da materialidade de tópicos e aspectos presentes nas Diretrizes da GRI. Esse estudo envolveu uma pesquisa documental sobre o interesse de partes interessadas externas, entrevistas com lideranças e a elaboração de um questionário, enviado a todos os funcionários da empresa, que contou com 32% de adesão em sua resposta. Os tópicos considerados de maior materialidade e levados em consideração para essa empresa específica são: água; aquecimento global; avaliação do impacto social de suas operações; benefícios econômicos indiretos de suas operações; desempenho econômico; efluentes e resíduos; emissões atmosféricas; energia; impactos ambientais dos produtos e serviços prestados; impactos em comunidades; saúde e segurança no trabalho. No esforço de facilitar a análise de seu desempenho mediante várias ópticas, são apresentados, ao final do relatório,


o índice remissivo segundo a estrutura proposta pela GRI e uma tabela de correlação com os princípios do Pacto Global da Organização das Nações Unidas. Não foi adotado neste primeiro ano nenhum suplemento setorial proposto pela GRI, por não ter sido possível identificar sua adequação plena aos modelos de negócios e formas de atuação das empresas do Grupo. Planeja-se, para os próximos anos, estudo mais aprofundado desses suplementos e melhor entendimento de como podem ser aplicados à realidade da Promon. Os protocolos de cálculo utilizados são os propostos nas Diretrizes GRI 3.0, exceto onde indicado. As hipóteses específicas em relação ao inventário de emissões de gases do efeito estufa da Promon Engenharia seguiram as recomendações da Greenhouse Gas Protocol Initiative. As recomendações da GRI acerca da definição de conteúdo e qualidade são utilizadas para aprimorar o relato e garantir que os indicadores de desempenho apresentados estejam em acordo com as boas práticas do mercado e possibilitem a comparação do desempenho das empresas do Grupo Promon com outras organizações. Busca-se o pleno atendimento dos princípios de materialidade, inclusão de partes interessadas, contexto da sustentabilidade e abrangência. Além disso, procura-se atender os critérios de equilíbrio, comparabilidade, exatidão, periodicidade, clareza e confiabilidade para assegurar a qualidade do relatório.

O Conceito-Guia da Promon preconiza a busca da excelência em tudo o que faz. Aderente a esse princípio, este relato é permanentemente analisado e está submetido às práticas de melhoria contínua que permeiam a organização. NÍVEL DE APLICAÇÃO GRI Neste primeiro ano em que o Relatório Anual 2011 do Grupo Promon utiliza plenamente o modelo preconizado pela GRI, não foi realizada uma verificação externa por terceiros dos indicadores não financeiros, em razão de a Promon considerar que as informações fornecidas estão sujeitas à auditoria interna periódica e ao fato de os processos corporativos serem certificados pela ABNT-ISO 9001. As demonstrações financeiras foram submetidas a auditoria externa independente. Adicionalmente, os processos de gestão são constantemente submetidos a avaliações externas, como as provenientes da participação da Promon em premiações como os guias de sustentabilidade da revista Exame, os guias de melhores empresas para se trabalhar das revistas Você S/A-Exame e Época/GPTW; a avaliações periódicas de conformidade com o Modelo de Excelência da Gestão® da Fundação Nacional da Qualidade; e a processos formais de qualificação executados por clientes e consultorias especializadas. As informações contidas neste Relatório permitem sua aderência às práticas definidas nas Diretrizes da GRI 3.0, em seu Nível de Aplicação “A”.

Conteúdo do Relatório Níveis de Aplicação

C C+ (Com verificação externa)

b b+ (Com verificação externa)

a a+ (Com verificação externa)

Perfil da G3

Responder aos itens: 1.1; 2.1 a 2.10; 3.1 a 3.8, 3.10 a 3.12; 4.1 a 4.4, 4.14 a 4.15.

Responder a todos os critérios elencados para o Nível C, mais: 1.2; 3.9, 3.13; 4.5 a 4.13, 4.16 a 4.17.

O mesmo exigido para o Nível B.

Forma de Gestão da G3

Não exigido.

Informações sobre a forma de gestão para cada categoria de indicador.

Forma de gestão divulgada para cada categoria de indicador.

Indicadores de Desempenho da G3 e Indicadores de Desempenho do Suplemento Setorial

Responder a um mínimo de 10 indicadores de desempenho, incluindo pelo menos um de cada uma das seguintes áreas de desempenho: social, econômico e ambiental.

Responder a um mínimo de 20 indicadores de desempenho, incluindo pelo menos um de cada uma das seguintes áreas de desempenho: econômico, ambiental, direitos humanos, práticas trabalhistas, sociedade, responsabilidade pelo produto.

Responder a cada indicador essencial da G3 e do Suplemento Setorial* com a devida consideração ao Princípio da Materialidade de uma das seguintes formas: (a) respondendo ao indicador ou (b) explicando o motivo da omissão.

* Suplemento Setorial em sua versão final.

175


ÍNDICE REMISSIVO GRI A tabela a seguir apresenta a localização dos indicadores na versão completa do relatório, disponível no site do grupo, em www.promon.com.br, segundo as Diretrizes da Global Reporting Initiative (GRI). PERFIL 1 ESTRATÉGIA E ANÁLISE Item

Descrição

Localização no relato

1.1

Mensagem do Presidente do Conselho de Administração e do Diretor-Presidente da Promon S.A.

“A Promon em 2011”

1.2

Descrição dos principais impactos, riscos e oportunidades

“Estratégia e Gestão”

2 PERFIL ORGANIZACIONAL Item

Descrição

Localização no relato

2.1

Nome da organização

“Perfil”

2.2

Principais marcas, produtos e/ou serviços

“Perfil”

2.3

Estrutura operacional da organização

“Perfil”

2.4

Localização da sede da organização

“Perfil”

2.5

Atuação geográfica

“Perfil”

2.6

Natureza jurídica

“Perfil”

2.7

Mercados atendidos

“Perfil”

2.8

Porte da organização

“A Promon em 2011” / “Negócios”

2.9

Principais mudanças durante o período coberto pelo relatório

“Perfil”

2.10

Prêmios recebidos no período

“Compromissos e Premiações”

3 PARÂMETROS PARA O RELATÓRIO Item

Descrição

Localização no relato

3.1

Período coberto pelo relatório

“Sobre o Relatório”

3.2

Data do relatório anterior mais recente

“Sobre o Relatório”

3.3

Periodicidade do relatório

“Sobre o Relatório”

3.4

Dados para contato

faleconosco@promon.com.br

3.5

Processo para a definição do conteúdo do relatório

“Sobre o Relatório”

3.6

Limite do relatório

“Sobre o Relatório”

3.7

Escopo do relatório

“Sobre o Relatório”

3.8

Base para a elaboração do relatório

“Sobre o Relatório”

3.9

Técnicas de medição de dados e bases de cálculos

“Sobre o Relatório”

3.10

Consequências de reformulações de informações

Este é o primeiro relatório publicado pela Promon conforme as Diretrizes da GRI.

3.11

Mudanças significativas em comparação com anos anteriores

Este é o primeiro relatório publicado pela Promon conforme as Diretrizes da GRI.

3.12

Tabela que identifica a localização das informações no relatório

Este índice remissivo GRI

3.13

Política e prática atual relativa à busca de verificação externa para o relatório

“Sobre o Relatório” / A Promon declara que este relatório atingiu o Nível de Aplicação “A” das Diretrizes da GRI, não contando com verificação externa.

4 GOVERNANÇA, COMPROMISSOS E ENGAJAMENTO Item

Descrição

Localização no relato

4.1

Estrutura de governança da organização

“Governança”

4.2

Presidência do mais alto órgão de governança

“Governança”

4.3

Membros independentes ou não executivos do mais alto órgão de governança

“Governança”

4.4

Mecanismos para recomendações ao mais alto órgão de governança

“Governança – Processos Internos na Alta Administração”

4.5

Relação entre a remuneração e o desempenho econômico e socioambiental

“Estratégia e Gestão”

4.6

Processos para evitar conflitos de interesse

“Governança”

4.7

Qualificações dos membros do mais alto órgão de governança

“Governança”

4.8

Missão e valores, códigos de conduta e princípios internos

“Razão de Ser e Cultura Organizacional” / “Estratégia e Gestão”

4.9

Procedimentos do mais alto órgão de governança

“Governança – Processos Internos na Alta Administração” / “Estratégia e Gestão”

176


4.10

Autoavaliação do desempenho do mais alto órgão de governança

“Governança – Processos Internos na Alta Administração” / “Indicadores Adicionais de Desempenho – Gente”

4.11

Princípio da precaução

“Governança – Gestão de Riscos”

4.12

Cartas, princípios e iniciativas

“Compromissos e Premiações”

4.13

Participação em associações

“Compromissos e Premiações”

4.14

Relação de stakeholders

“Estratégia e Gestão” / “Sobre o Relatório”

4.15

Identificação e seleção de stakeholders

“Sobre o Relatório”

4.16

Engajamento dos stakeholders

“Sobre o Relatório”

4.17

Principais temas e preocupações dos stakeholders

“Estratégia e Gestão”

INDICADORES DE DESEMPENHO ECONÔMICO Política e Gestão

Localização no relato

Política da organização em face de seu compromisso com os aspectos econômicos

“Razão de Ser e Cultura Organizacional” / “Estratégia e Gestão”

Forma de gestão

“A Promon em 2011” / “Governança – Gestão de Riscos” / “Estratégia e Gestão”

Item

Localização no relato

Descrição

DESEMPENHO ECONÔMICO

EC1

Valor econômico direto gerado e distribuído

“A Promon em 2011” / “Negócios” / “Demonstrações Financeiras”

EC2

Implicações financeiras e outros riscos e oportunidades devido a mudanças climáticas

“Governança – Gestão de Riscos” / “Estratégia e Gestão”

EC3

Cobertura das obrigações do plano de pensão de benefício definido

“Fundação Promon de Previdência Social” O plano de pensão de benefícios complementares é oferecido a todos os profissionais de todas as empresas do Grupo Promon.

EC4

Ajuda financeira significativa recebida do governo

A Trópico recebeu em 2011 um financiamento no valor de R$22,2 milhões, no âmbito do programa “FINEP Inova Brasil”, direcionado a projetos de inovação tecnológica desenvolvidos pela empresa.

PRESENÇA NO MERCADO

EC5

Variação da proporção do salário mais baixo comparado ao salário mínimo local

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Gente”

EC6

Políticas, práticas e proporção de gastos com fornecedores locais

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Parceiros e Fornecedores”

EC7

Procedimentos para a contratação local

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Parceiros e Fornecedores”

IMPACTOS ECONÔMICOS INDIRETOS

EC8

Desenvolvimento e impacto em infraestrutura e serviços oferecidos, principalmente para benefício público

“Instituto Razão Social” / “Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Investimento Social”

EC9

Identificação e descrição de impactos econômicos indiretos significativos

“Instituto Razão Social” / “Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Investimento Social”

AMBIENTAL Política e Gestão

Localização no relato

Política da organização em face de seu compromisso com os aspectos ambientais

“Razão de Ser e Cultura Organizacional” / “Estratégia e Gestão” / “Compromissos e Premiações” / “Pacto Global (princípios 7 a 9)”

Forma de gestão

“A Promon em 2011” / “Estratégia e Gestão” / “Governança – Gestão de Riscos” / “Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental” / Certificações ABNT-ISO 9001 (Promon Engenharia, PromonLogicalis e Trópico) e ABNT-ISO 14001 (Promon Engenharia)

Item

Localização no relato

Descrição

MATERIAIS

EN1

Materiais usados por peso ou volume

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

EN2

Percentual dos materiais usados provenientes de reciclagem

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

177


ENERGIA

EN3

Consumo de energia direta discriminado por fonte de energia primária

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

EN4

Consumo de energia indireta discriminado por fonte primária

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

EN5

Energia economizada devido a melhorias em conservação e eficiência

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

EN6

Iniciativas para fornecer produtos e serviços com baixo consumo de energia, ou que usem energia gerada por recursos renováveis, e a redução na necessidade de energia resultante dessas iniciativas

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

EN7

Iniciativas para reduzir o consumo de energia indireta e as reduções obtidas

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

EN8

Total de retirada de água por fonte

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

EN9

Fontes hídricas significativamente afetadas por retirada de água

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

EN10

Percentual e volume total de água reciclada e reutilizada

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

ÁGUA

BIODIVERSIDADE

EN11

Localização e tamanho da área possuída, arrendada ou administrada dentro de áreas protegidas, ou adjacente a elas, e áreas de alto índice de biodiversidade fora de áreas protegidas

A organização não possui, nem arrenda ou administra áreas com alto índice de biodiversidade, sejam elas protegidas ou não. Os contratos da Promon Engenharia se concentram em áreas industriais possuídas e administradas por clientes.

EN12

Descrição de impactos significativos na biodiversidade de atividades, produtos e serviços em áreas protegidas e em áreas de alto índice de biodiversidade fora das áreas protegidas

Em 2011 não foram identificados, no âmbito dos serviços prestados pelas empresas do Grupo, casos de impacto significativo na biodiversidade.

EN13

Hábitats protegidos ou restaurados

Não se aplica à organização (ver EN11).

EN14

Estratégias, medidas em vigor e planos futuros para a gestão de impactos na biodiversidade

Não há estratégia específica para gestão de impactos na biodiversidade. Medidas e planos de gestão desses impactos são estabelecidos em função da criticidade avaliada durante a análise de aspectos e impactos ambientais de cada projeto específico, processo padrão elaborado pela Promon Engenharia.

EN15

Número de espécies na Lista Vermelha da IUCN e em listas nacionais de conservação com hábitats em áreas afetadas por operações, discriminadas por nível de risco de extinção

Não foram identificadas espécies na lista vermelha da IUCN e em listas nacionais de conservação com hábitats em áreas afetadas por operações.

EMISSÕES, EFLUENTES E RESÍDUOS

EN16

Total de emissões diretas e indiretas de gases causadores do efeito estufa, por peso

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

EN17

Outras emissões indiretas relevantes de gases causadores do efeito estufa, por peso

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

EN18

Iniciativas para reduzir as emissões de gases causadores do efeito estufa e as reduções obtidas

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

EN19

Emissões de substâncias destruidoras da camada de ozônio, por peso

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

EN20

NOx, SOx e outras emissões atmosféricas significativas por tipo e peso

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

EN21

Descarte de água, por qualidade e destinação

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

EN22

Peso total de resíduos, por tipo e métodos de disposição

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

EN23

Número e volume total de derramamentos significativos

Não houve derramamentos significativos em 2011.

EN24

Peso de resíduos transportados, importados, exportados ou tratados considerados perigosos nos termos da Convenção da Basileia – Anexos I, II, III e VIII, e percentual de carregamento de resíduos transportados internacionalmente

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

EN25

Identificação, tamanho, status de proteção e índice de biodiversidade de corpos d'água e hábitats relacionados significativamente afetados por descartes de água e drenagem realizados pela organização relatora

Não foram registrados casos de impacto significativo em corpos d’água e hábitats relacionados a descartes de água e drenagem em 2011.

178


PRODUTOS E SERVIÇOS

EN26

Iniciativas para mitigar os impactos ambientais de produtos e serviços e a extensão da redução desses impactos

“Negócios” / “Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

EN27

Percentual de produtos e suas embalagens recuperados em relação ao total de produtos vendidos, por categoria de produto

As empresas do Grupo Promon não tratam como tema material as embalagens de produtos eventualmente incorporados em suas ofertas de prestação de serviços. Entretanto, a Trópico e a PromonLogicalis, no âmbito de explorar de forma mais profunda os impactos provenientes da instalação de equipamentos de telecomunicações em seus clientes, encontram-se em busca de novas práticas relacionadas à logística reversa e à destinação de embalagens.

CONFORMIDADE

EN28

Valor monetário de multas significativas e número total de sanções não monetárias resultantes de não conformidade com leis e regulamentos ambientais

Não foram registradas multas significativas ou sanções não monetárias resultantes da não conformidade com leis e regulamentos ambientais durante os últimos três anos.

TRANSPORTE

EN29

Impactos ambientais significativos do transporte de produtos e outros bens materiais utilizados nas operações da organização, bem como do transporte de trabalhadores

Não há informação suficiente para quantificar impactos além dos relacionados a emissões de gases de efeito estufa provenientes de deslocamentos domicílio-trabalho dos profissionais e emissões de veículos fretados pelas empresas do Grupo (ver EN18).

Total de investimentos e gastos em proteção ambiental, por tipo

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

GERAL

EN30

SOCIAL: PRÁTICAS TRABALHISTAS E TRABALHO DECENTE Política e Gestão

Localização no relato

Política da organização em face de seu compromisso com os aspectos trabalhistas

“Razão de Ser e Cultura Organizacional” / “Estratégia e Gestão” / “Compromissos e Premiações” / “Pacto Global (princípios 3 a 6)”

Forma de gestão

“A Promon em 2011” / “Estratégia e Gestão” / “Governança – Gestão de Riscos” / Certificações ABNT-ISO 9001 (Promon Engenharia, PromonLogicalis e Trópico) e OHSAS 18001 (Promon Engenharia)

Item

Localização no relato

Descrição

EMPREGO

LA1

Total de trabalhadores por tipo de emprego, contrato de trabalho e região

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Gente”

LA2

Número total e taxa de rotatividade de empregados por faixa etária, gênero e região

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Gente”

LA3

Benefícios oferecidos a empregados de tempo integral que não são oferecidos a empregados temporários ou em regime de meio período, discriminados pelas principais operações

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Gente”

RELAÇÕES ENTRE OS TRABALHADORES E A GOVERNANÇA

LA4

Percentual de empregados abrangidos por acordos de negociação coletiva

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Gente”

LA5

Prazo mínimo para notificação com antecedência referente a mudanças operacionais, incluindo se esse procedimento está especificado em acordos de negociação coletiva

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Gente”

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

LA6

Percentual dos empregados representados em comitês formais de segurança e saúde, compostos por gestores e trabalhadores, que ajudem no monitoramento e aconselhamento sobre programas de segurança e saúde ocupacional

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Gente”

LA7

Taxas de lesões, doenças ocupacionais, dias perdidos, absenteísmo e óbitos relacionados ao trabalho, por região

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Gente”

LA8

Programas de educação, treinamento, aconselhamento, prevenção e controle de risco em andamento para dar assistência a empregados, seus familiares ou membros da comunidade com relação a doenças graves

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Gente”

LA9

Temas relativos a segurança e saúde cobertos por acordos formais com sindicatos

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Gente”

179


TREINAMENTO E EDUCAÇÃO

LA10

Média de horas de treinamento por ano, por empregado, discriminadas por categoria funcional

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Conhecimento e Processos”

LA11

Programas para gestão de competências e aprendizagem contínua da empregabilidade dos funcionários e para gerenciar o fim da carreira

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Conhecimento e Processos”

LA12

Percentual de empregados que recebem regularmente análises de desempenho e de desenvolvimento de carreira

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Conhecimento e Processos”

DIVERSIDADE E IGUALDADE DE OPORTUNIDADES

LA13

Composição dos grupos responsáveis pela governança corporativa e discriminação de empregados por categoria, de acordo com gênero, faixa etária, minorias e outros indicadores de diversidade

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Gente”

LA14

Proporção de salário base entre homens e mulheres, por categoria funcional

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Gente”

SOCIAL: DIREITOS HUMANOS Política e Gestão

Localização no relato

Política da organização em face de seu compromisso com os aspectos relacionados a direitos humanos

“Razão de Ser e Cultura Organizacional” / “Estratégia e Gestão” / “Compromissos e Premiações” / “Pacto Global (princípios 1 a 6)”

Forma de gestão

“A Promon em 2011” / “Estratégia e Gestão” / “Governança – Gestão de Riscos” / Certificações ABNT-ISO 9001 (Promon Engenharia, PromonLogicalis e Trópico) e OHSAS 18001 (Promon Engenharia)

Item

Localização no relato

Descrição

PRÁTICAS DE INVESTIMENTO E DE PROCESSOS DE COMPRA

HR1

Percentual e número total de contratos de investimento significativos que incluam cláusulas referentes a direitos humanos ou que foram submetidos a avaliações referentes a direitos humanos

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Parceiros e Fornecedores”

HR2

Percentual de empresas contratadas e fornecedores críticos que foram submetidos a avaliações referentes a direitos humanos e as medidas tomadas

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Parceiros e Fornecedores”

HR3

Total de horas de treinamento para empregados em políticas e procedimentos relativos a aspectos de direitos humanos relevantes para as operações, incluindo o percentual de empregados que recebeu treinamento

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Direitos Humanos”

NÃO DISCRIMINAÇÃO

HR4

Número total de casos de discriminação e as medidas tomadas

Não foram reportados casos de discriminação durante os últimos três anos.

LIBERDADE DE ASSOCIAÇÃO E NEGOCIAÇÃO COLETIVA

HR5

Operações identificadas em que o direito de exercer a liberdade de associação e a negociação coletiva pode estar correndo risco significativo e as medidas tomadas para apoiar esse direito

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Direitos Humanos”

TRABALHO INFANTIL

HR6

Operações identificadas como de risco significativo de ocorrência de trabalho infantil e as medidas tomadas para contribuir com a abolição do trabalho infantil

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Direitos Humanos”

TRABALHO FORÇADO OU ANÁLOGO AO ESCRAVO

HR7

Operações identificadas como de risco significativo de ocorrência de trabalho forçado ou análogo ao escravo e as medidas tomadas para contribuir com a erradicação do trabalho forçado ou análogo ao escravo

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Direitos Humanos”

PRÁTICAS DE SEGURANÇA

HR8

Percentual do pessoal de segurança submetido a treinamento nas políticas ou procedimentos da organização relativos a aspectos de direitos humanos que sejam relevantes às operações

Os serviços de segurança dos escritórios do Grupo Promon são realizados por empresa terceirizada especializada. A totalidade de seus profissionais passa anualmente por treinamento, no qual são abordados os aspectos relacionados aos direitos humanos.

direitos indígenas

HR9

180

Número total de casos de violação de direitos dos povos indígenas e medidas tomadas

Não foram reportados casos de violação de direitos dos povos indígenas durante os últimos três anos.


SOCIAL: SOCIEDADE Política e Gestão

Localização no relato

Política da organização em face de seu compromisso com os aspectos relacionados à sociedade

“Razão de Ser e Cultura Organizacional” / “Estratégia e Gestão” / “Compromissos e Premiações” / “Pacto Global”

Forma de gestão

“A Promon em 2011” / “Estratégia e Gestão” / “Governança – Gestão de Riscos” / Certificações ABNT-ISO 9001 (Promon Engenharia, PromonLogicalis e Trópico)

Item

Localização no relato

Descrição

COMUNIDADE

SO1

Natureza, escopo e eficácia de quaisquer programas e práticas para avaliar e gerir os impactos das operações nas comunidades, incluindo a entrada, operação e saída

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

CORRUPÇÃO

SO2

Percentual e número total de unidades de negócios submetidas a avaliações de riscos relacionados a corrupção

“Governança – Gestão de Riscos” / “Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Concorrência e Esfera Pública”

SO3

Percentual de empregados treinados nas políticas e procedimentos anticorrupção da organização

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Concorrência e Esfera Pública”

SO4

Medidas tomadas em resposta a casos de corrupção

Não foram identificados casos de corrupção nos últimos três anos, mas a organização determina que eventuais desvios sejam formalmente tratados pelo responsável direto pelo tema, em conjunto com a unidade de Relações Humanas da empresa em questão e a área de Auditoria Interna da Promon S.A., e que as ações corretivas sejam validadas pela Direção Geral.

POLÍTICAS PÚBLICAS

SO5

Posições quanto a políticas públicas e participação na elaboração de políticas públicas e lobbies

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Concorrência e Esfera Pública”

SO6

Valor total de contribuições financeiras e em espécie para partidos políticos ou instituições relacionadas, discriminadas por país

Não foram realizadas, no período, contribuições para partidos políticos ou instituições relacionadas.

CONCORRÊNCIA DESLEAL

SO7

Número total de ações judiciais por concorrência desleal, práticas de truste e monopólio e seus resultados

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Concorrência e Esfera Pública” Não foram registradas ações judiciais por concorrência desleal, práticas de truste e monopólio durante os últimos três anos.

CONFORMIDADE

SO8

Valor monetário de multas significativas e número total de sanções não monetárias resultantes da não conformidade com leis e regulamentos

Não foram registradas multas significativas ou sanções não monetárias resultantes da não conformidade com leis e regulamentos durante os últimos três anos.

SOCIAL: RESPONSABILIDADE PELO PRODUTO Política e Gestão

Localização no relato

Política da organização em face de seu compromisso com os aspectos relacionados à responsabilidade pelo produto

“Razão de Ser e Cultura Organizacional” / “Estratégia e Gestão” / “Compromissos e Premiações”

Forma de gestão

“A Promon em 2011” / “Estratégia e Gestão” / “Governança – Gestão de Riscos” / Certificações ABNT-ISO 9001 (Promon Engenharia, PromonLogicalis e Trópico) e ISO/IEC 27001 (Promon Engenharia)

Item

Localização no relato

Descrição

SAÚDE E SEGURANÇA DO CLIENTE

PR1

Fases do ciclo de vida de produtos e serviços em que os impactos na saúde e segurança são avaliados visando à melhoria, e o percentual de produtos e serviços sujeitos a esses procedimentos

“Indicadores Adicionais de Desempenho – Sociedade e Meio Ambiente – Impacto Socioambiental”

PR2

Número total de casos de não conformidade com regulamentos e códigos voluntários relacionados aos impactos causados por produtos e serviços na saúde e segurança durante o ciclo de vida, discriminados por tipo de resultado

Não foram registrados multas ou casos de não conformidade com a legislação e regulamentos relacionados a impactos causados por produtos e serviços na saúde e segurança durante os últimos três anos.

181


ROTULAGEM DE PRODUTOS E SERVIÇOS

PR3

Tipo de informação sobre produtos e serviços exigida por procedimentos de rotulagem, e o percentual de produtos e serviços sujeitos a tais exigências

Não aplicável: o modelo de negócios das empresas do Grupo Promon não se enquadra na relação de consumo. Os serviços prestados são desenvolvidos segundo a necessidade de cada empresa cliente, não havendo relacionamento entre o Grupo e os consumidores finais.

PR4

Número total de casos de não conformidade com regulamentos e códigos voluntários relacionados a informações e rotulagem de produtos e serviços, discriminados por tipo de resultado

Não aplicável: o modelo de negócios das empresas do Grupo Promon não se enquadra na relação de consumo. Os serviços prestados são desenvolvidos segundo a necessidade de cada empresa cliente, não havendo relacionamento entre o Grupo e os consumidores finais.

PR5

Práticas relacionadas à satisfação do cliente, incluindo resultados de pesquisas que medem essa satisfação

“A Promon em 2011” / “Indicadores Adicionais de Desempenho – Clientes”

COMUNICAÇÕES DE MARKETING

PR6

Programa de adesão às leis, normas e códigos voluntários relacionados a comunicações de marketing, incluindo publicidade, promoção e patrocínio

O modelo de negócio das empresas do Grupo não se enquadra na relação de consumo. Assim, as poucas ações relacionadas a comunicações de marketing são institucionais e geralmente veiculadas em publicações especializadas dos setores onde as empresas atuam.

PR7

Número total de casos de não conformidade com regulamentos e códigos voluntários relativos a comunicações de marketing, incluindo publicidade, promoção e patrocínio, discriminados por tipo de resultado

Não foram registrados casos de não conformidade com regulamentos e códigos voluntários relativos a comunicações de marketing, incluindo publicidade, promoção e patrocínio, durante os últimos três anos.

PRIVACIDADE DO CLIENTE

PR8

Número total de reclamações comprovadas relativas a violação de privacidade e perda de dados de clientes

Não foram registradas reclamações com relação à violação da privacidade e à perda de dados de clientes durante os últimos três anos.

CONFORMIDADE

PR9

Valor monetário de multas (significativas) por não conformidade com leis e regulamentos relativos ao fornecimento e uso de produtos e serviços

A abrangência dos indicadores, salvo indicação em contrário, é a da atuação do Grupo Promon no Brasil, no período de janeiro a dezembro de 2011. Dúvidas e sugestões sobre conteúdo ou processo de elaboração do relatório podem ser encaminhadas pelo e-mail: faleconosco@promon.com.br.

182

Não foram registradas multas por não conformidade com leis e regulamentos relativos aos serviços prestados durante os últimos três anos.


PACTO GLOBAL (GLOBAL COMPACT) princípios do pacto global

Compromissos Promon

Indicadores GRI relevantes

Princípio 1 Apoiar e respeitar a proteção dos direitos humanos reconhecidos internacionalmente.

A Promon faz negócios e trabalha orientada pela ética, valor que permeia todas as suas ações. Conciliando interesses de seus funcionários, clientes, fornecedores e comunidades onde atua, e valorizando o ser humano em todos os relacionamentos que mantém, a Promon reconhece seu papel de agente de desenvolvimento da sociedade.

HR1-9

Princípio 2 Assegurar-se da não participação em violações dos direitos humanos.

A Promon está comprometida em evitar a cumplicidade nos abusos dos direitos humanos em todas as suas unidades de negócios.

HR1-9

Princípio 3 Apoiar a liberdade de associação e o reconhecimento efetivo do direito à negociação coletiva.

A Promon respeita as iniciativas de associação sindical, valoriza outras formas de organização voluntária de seus funcionários e estimula a adoção da mesma postura por seus fornecedores.

HR5, LA4, LA5

Princípio 4 Eliminar todas as formas de trabalho forçado ou compulsório.

A Promon não admite, em nenhuma hipótese, a exploração de trabalhadores e não mantém relacionamento comercial nem contrata serviços de organizações que adotem qualquer forma de trabalho forçado ou compulsório.

Princípio 5 Abolir efetivamente o trabalho infantil.

A Promon não admite, em nenhuma hipótese, a exploração de crianças e jovens abaixo da idade legal para o trabalho e não mantém relacionamento comercial nem contrata serviços de organizações que adotem qualquer forma de trabalho infantil.

Princípio 6 Eliminar a discriminação no emprego.

A Promon está comprometida com políticas de relações humanas voltadas para a justiça, transparência, imparcialidade e profissionalismo. Não admite, em seus processos ou no ambiente de trabalho, qualquer forma de discriminação relativa a raça, gênero, orientação sexual, cor, religião, idade, origem étnica e/ou qualquer outra classificação.

Princípio 7 Apoiar uma abordagem preventiva aos desafios ambientais.

A Promon atua de forma a proteger o meio ambiente em todas as localidades em que desenvolve atividades comerciais. Utiliza recursos naturais de forma racional, usa material reciclável sempre que viável e toma outras medidas para mitigar a poluição do ar, água, solo ou sonora e visual.

Princípio 8 Desenvolver iniciativas para promover maior responsabilidade ambiental.

A Promon promove a responsabilidade ambiental, tanto em sua operação usual quanto com ações de conscientização, educação ambiental e educação para o consumo consciente.

Princípio 9 Incentivar o desenvolvimento e a difusão de tecnologias ambientalmente amigáveis.

A Promon está comprometida com o desenvolvimento e a adoção de tecnologias sustentáveis dentro das características de seu negócio.

EN2, EN5-7, EN10, EN18, EN26-27, EN30

Princípio 10 Combater a corrupção em todas as suas formas, inclusive extorsão e propina.

A Promon não admite nenhum tipo de corrupção. Nos processos de comercialização e execução dos negócios são utilizados instrumentos que proíbem expressamente que o funcionário aceite ou estimule qualquer tipo de favorecimento.

SO2-4

Complementares LA4, LA6-9, LA13, LA14, SO1, PR1-2

HR7 Complementares HR1-3

HR6 Complementares HR1-3

HR4, LA2, LA13, LA14 Complementares HR1-2, EC5, EC7, LA3

Perfil 4.11, EN26, EN30 Complementares EC2

EN2, EN5-7, EN10, EN13-14, EN18, EN21-22, EN26-27, EN30 Complementares EC2, EN1, EN3-4, EN8-9, EN11-12, EN15-17, EN19-20, EN23-25, EN28-29, PR3-4

Complementares SO5-6

183


Promon S.A. Conselho de Administração Luiz Ernesto Gemignani

Presidente

Gilson G. Krause

Conselheiro

Luiz Fernando T. Rudge

Conselheiro

Luiz Gonzaga Marinho Brandão

Conselheiro

Raul Antonio Del Fiol

Conselheiro

José Guimarães Monforte

Conselheiro (independente) Direção-Geral Luiz Fernando T. Rudge

Diretor-Presidente

Felipe Alceu Amoroso Lima Diretor Executivo e CFO(*) Gilson G. Krause

Diretor Executivo

Ivo Godoi Junior

Diretor Executivo

Novos Negócios

QUADRO DE DIRIGENTES

Ivo Godoi Junior

Diretor Executivo

Antonio Ricardo S. Madureira

Diretor

Hugo O. Brodskyn

Diretor

Marcelo Müller Taulois

Diretor

Sergio Almeida Oliveira

Diretor

corporativo Bruno Pires Bandarovsky

Diretor, Tributos

Heloisa R. de Campos Mello

Diretora, Jurídico

Marcia Fernandes Kopelman

Diretora, Relações Humanas e Comunicação Marcio Emídio Gavioli

Diretor, Assessoria Tributária Maria Cristina Varalla Mendes

Diretora, Finanças

Milton Lopes Antelo Filho

Diretor, Coordenação Corporativa Newton Rafael Zuppo

Diretor, Auditoria

Composição em 18 de abril de 2012, data da Assembleia Geral de Acionistas da Promon S.A.

( * ) CFO – Chief Financial Officer


Promon Engenharia Ltda. Dirigentes

PromonLogicalis Latin America Limited

Trópico Sistemas e Telecomunicações S.A.

Fundação Promon de Previdência Social

Conselho de Administração

Conselho de Administração

Conselho Deliberativo

Jens Montanana

Raul Antonio Del Fiol

Luiz Ernesto Gemignani

Diretor Executivo, Operações

Felipe Alceu Amoroso Lima

Felipe Alceu Amoroso Lima

Luiz Gonzaga Marinho Brandão

Moises Falco

Ivo Godoi Junior

Heloisa R. de Campos Mello

Maria Cristina Varalla Mendes

Luiz Fernando T. Rudge

Luiz Fernando T. Rudge

Mônica M. Orsolini

Paulo M. A. Sobreira

Ian Cook

Cláudio Aparecido Violato

Gilson G. Krause

Diretor-Presidente Cícero V. F. Facciolla

Diretor Executivo, Gestão do Conhecimento

Presidente (Logicalis)

Diretor Executivo, Comercial

(Logicalis)

Luiz Claudio Campos Ribeiro

(Logicalis)

Diretor, Finanças

Cícero Gageiro Ferreira

Diretor de Projeto

Francisco Ferraro Neto

Diretor Técnico, Engenharia João Augusto R. Fontoura

Diretor Técnico, Engenharia Jobel Freitas da Silva

Mark Rogers Nigel Drakeford-Lewis

(Logicalis)

Diretor de Projeto

Dirigentes Jacques Magalhães Benain

Olivio Dionisio Junior

Diretoria Executiva

Paulo Antonio Arouca

Diretor-Presidente

Cássio Ricardo de Moura

Diretor Executivo, Negócios Reginaldo Ladvig Oswaldo

Diretor Executivo Diretor Executivo

Mário Sérgio de Pina Ribeiro

Tomio Torii

Marcia Fernandes Kopelman

Diretor de Operações

Diretor, Operações

José Rafael Janini Ortiz

Carlos A. M. Pingarilho

Manoel Marcilio Sanches

Diretor de Negócios

Ednir Jorge Arantes

Promon Meio Ambiente Ltda.

Patricia Cristina C. Sibinelli

Edson do Couto Gissoni

Diretor, Negócios Segmento Governo

Conselho de Administração da Ozônio Empreendimentos S.A.

Herbert J. Azevedo

Wilfred Brandt

Julian Juniti Nakasone

Markus Weber

Rodney de B. Faria

Diretor Técnico, Processos Sérgio Luiz P. do Nascimento

Diretor de Projeto

Álvaro Bragança Júnior

Diretor de Negócios Bruno Picozzi

Diretor de Negócios Celso Pereira da Silva

Diretor de Negócios

Guilherme Jorge de M. Velho

Diretor de Negócios

José Carlos Dalla Greppe

Diretor de Negócios

Nelson de A. Rocha

Diretor de Negócios

Antonio A. Vellasco Filho

Diretor, Sistemas e Administração Ivan Cozaciuc

Diretor, Sistemas de Gestão

Diretor, Projetos

Diretor, Engenharia Comercial Diretor, Soluções de TI

Lígia Senise Ferreira Bussad

Diretora, Suprimentos Luís Minoru Shibata

Diretor, Consultoria

Marcos Theodoro Simon Siqueira

Diretor, Negócios Segmento Corporativo

Paulo Rogério Torres

Diretor, Serviços

Renata de Oliveira P. Randi

Diretora, Marketing e Parcerias Silvana Teruko Mizono Viel

Diretora, Engenharia

Tânia L. Casa de Vito

Diretora, Relações Humanas

Wagner Tirolli

Diretor, Administração e Finanças

Mauro Cesar Pereira

Diretora, Operações Serviços Profissionais

Cássio Ricardo de Moura Luiz Claudio Campos Ribeiro

Presidente, PromonLogicalis Latin America Ltd.

Chief Operating Officer Logicalis Southern Cone

Diretor de Projeto

Conselho Fiscal Claudio Pfiszter

Maurício Morbelli Wagana

Diretor de Projeto

Tamas Makray

José Fernando Carniel

João A. G. Albanezi

Mauricio Sgarbi Goulart

(CPqD)

José Rodrigo Parreira

Jorge Rodrigues Patrício

Diretora de Projeto

Hélio Marcos M. Graciosa

Paulo Accioly Fragelli Rosana Bretzel

Diretor-Presidente

Diretor Técnico, Civil

Luiza Maria B. Carneiro

(CPqD)

Presidente do Conselho

Dirigentes

Diretor Financeiro, PromonLogicalis Latin America Ltd.

Diretor de Projeto

Presidente do Conselho

Diretor de Negócios

Presidente do Conselho Mauro Cesar Pereira Moisés Falco

Diretor

Diretora

Instituto Razão Social Conselho Diretor Carlos M. Siffert

Presidente do Conselho Luiz Gonzaga Marinho Brandão Beatriz Bier Johannpeter

(Gerdau)

José Paulo Soares Martins

(Gerdau)

Ricardo Pelegrini (IBM )

Sérgio Avelar Fonseca

Conselho Fiscal

Dirigentes da Ozônio Empreendimentos S.A.

Clódis Xavier da Silva

Maria Cristina Varalla Mendes

Wilfred Brandt

Diretor-Presidente Charles François de Fraipont

(Gerdau)

Araly Palácios Mullcue

Gerente

Diretor Administrativo-Financeiro

Instituto de Tecnologia Promon Ricardo Corrêa Oliveira Martins

Diretor Executivo

Ana Carolina Kliemann

Gerente, Jurídico, PromonLogicalis Latin America Ltd.

Marcia Fernandes Kopelman

Diretora, Relações Humanas e Comunicação

Mário Sérgio de Pina Ribeiro

Diretor Adjunto, Tesouraria

185


Coordenação

Legendas

Promon — Unidade de Comunicação

capa UNIDADE DE GERAÇÃO DE HIDROGÊNIO DA REFINARIA HENRIQUE LAGE, EM SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, SP

Texto Promon ITPress

Revisão NELSON BARBOSA ADA SANTOS Seles

Edição publique-se

Projeto gráfico warrakloureiro

Gráficos Dárkon Vieira Roque

Fotografias João Luiz Musa DING MUSA michele mifano Acervo Promon

Impressão ipsis gráfica

P. 4-5 Unidade de Coqueamento Retardado da Refinaria Presidente Getulio Vargas, em Araucária, PR P. 10 Unidade de Coqueamento Retardado da Refinaria Presidente Getulio Vargas, em Araucária, PR P. 15 Evento “open house” com os filhos dos profissionais Promon P. 17 A Assembleia Geral de Acionistas em abril de 2011 P. 18-19 Unidade de Coqueamento Retardado da Refinaria Presidente Getulio Vargas, em Araucária, PR

Versão em formato PDF disponível no site www.promon.com.br

P. 29 Unidade de Cogeração de energia da Usina de Açúcar e Álcool da Cosan, em Barra Bonita, SP

Av. Pres. Juscelino Kubitschek 1830 04543-900 São Paulo SP Brasil www.promon.com.br

P. 34-35 Trabalho de campo das equipes da empresa Brandt Meio Ambiente P. 37 Plataforma offshore Módulo de Operação de PIG (MOP-1), em São Roque do Paraguaçu, BA P. 38 Unidade de Coqueamento Retardado da Refinaria Presidente Getulio Vargas, em Araucária, PR P. 40 Robô para inspeção de tubulações na Unidade de Hidrodessulfurização da Refinaria Alberto Pasqualini, em Canoas, RS

P. 44-45 Plataforma offshore Módulo de Operação de PIG (MOP-1), em São Roque do Paraguaçu, BA P. 48-49 Unidade de Hidrodessulfurização da Refinaria Henrique Lage, em São José dos Campos, SP P. 50 “Promon Integra”, fórum de integração com os fornecedores da Promon Engenharia P. 52 Trabalho de campo das equipes da empresa Brandt Meio Ambiente P. 58 Innovation Center da PromonLogicalis P. 65 Linha Vectura de equipamentos, desenvolvida e produzida pela Trópico P. 70 Trabalho de campo das equipes da empresa Brandt Meio Ambiente P. 72-73 Perspectiva artística do futuro estaleiro da Oceana, em Itajaí, SC P. 74-75 Jovens músicos do Projeto “Toca, Zezinho”, apoiado pela Promon e desenvolvido pela Casa do Zezinho, em São Paulo, SP P. 80 Capacitação de educadores da rede pública de ensino nas ferramentas on-line do Instituto Razão Social


promon s.a. Av. Pres. Juscelino Kubitschek 1830 04543-900 S達o Paulo SP Brasil www.promon.com.br


Relatório Anual 2011