Page 37

Inaugurado em 1943, encimado em um outeiro e construído por Ernesto Diederichsen e seu genro Luiz Dumont Villares, o Hotel Toriba é um dos marcos históricos da cidade. Construíram um hotel com as mesmas características das edificações dos Alpes Europeus, dando um charme e também ditando a tendência arquitetônica da cidade. Sob a administração, até 1958, do proprietário do restaurante “Caverna Paulista”de São Paulo, Henrique Hillebrecht, o hotel tinha um dom para fazer das estadas dos hóspedes um grande momento de alegria e descontração. Segue depoimento do empresário Henrique GuntherTuch, colhido do livro “O Toriba na Cultura de Campos do Jordão” de Celia Svevo e Sandra Nedopetalski: “A cozinha, Maravi-

MarCio MaSula

Hotel Toriba nos dias de hoje Hotel Toriba no passado

rEProDuÇÃo

Hotel Toriba

lhosa (sic), era comandada por Fritz Schwenke. Junto com eles e alguns outros hóspedes, fazíamos uma farra infernal. Na época os quartos eram simples, não havia suítes. Os poucos banheiros ficavam no corredor, e uma das nossas diversões era impedir os hóspedes de ir ao toalete. Arrastávamos cômodas e bloqueávamos as portas dos quartos. Trocávamos os sapatos de todos. E namorávamos muito (...). No início íamos de trem, pois como alemães— e, portanto, considerados do ‘eixo’ —, precisávamos de salvo conduto para viajar. Não podíamos circular livremente. Chegávamos lá e éramos recepcionados, já na estação Toriba, por Hillebrecht e Tischauer, o gerente, com um panelaço, alegria e muita cerveja gelada. Na seqüência (sic) fazíamos exame de pulmão. Depois disso era só diversão”. Com a modernidade, muito foi transformado nas instala-

ções do Toriba, porém a dedicação e o prazer de receber estão entranhados em suas paredes, em seus jardins maravilhosos com canteiros cultivados um a um e uma equipe altamente treinada para dar aos hóspedes uma extensão de suas casas, no campo.

Grande Hotel Campos do Jordão

FoToS MarCio MaSula

Sala de Cristal

Fachada Grande Hotel Campos do Jordão

“Inaugurado no ano de 1944, o hotel mantém em sua decoração elementos que remetem à atmosfera glamorosa dos anos 40, ao mesmo tempo em que procura se renovar constantemente, ampliando sua infraestrutura e seu leque de opções de lazer e facilidades, sempre pensando nos hóspedes que buscam

Hotel-escola Senac

relaxar e nos eventos coorporativos que recebe. Restaurantes, quadras para a prática esportiva, piscinas, saunas, centro de convenções e um bosque de 400 mil metros quadrados (com araucárias, pinheiros, pinhos bravos, bromélias, orquídeas e liquens) são algumas das atrações do Grande Hotel.” Em 1982, depois de uma década fechado o Senac São Paulo e o Governo do Estado de São Paulo assinaram um convênio que visava à fundação de um hotel-escola, dando início a um novo capítulo na história

do Grande Hotel. A ideia era aproveitar as instalações daquele que havia sido na década de quarenta, um luxuoso hotel-cassino para promover o aprendizado de jovens profissionais e fazer renascer um dos grandes atrativos turísticos da cidade. A retomada do Grande Hotel Campos do Jordão começou em 1987, quando foi dado início a uma profunda reforma, que promoveria mudanças estruturais e recuperaria o prédio. No entanto, a orientação era manter as características da arquitetura original. Fonte: Assessoria de Imprensa - Senac

Campos do Jordão 37

Campos do Jordão/SP  

Revista Cultural da cidade de Campos do Jordão

Campos do Jordão/SP  

Revista Cultural da cidade de Campos do Jordão