Page 1

DOURADOS MS ANO 67 Nº 13.150

R$ 2,00

O PROGRESSO ★★★★★

Pensamento e ação por uma vida melhor

Sábado/domingo 27/28 de janeiro de 2018

Fundador WEIMAR TORRES Diretora-Presidente ADILES DO AMARAL TORRES

Televisão Glória Pires brilha em “O Outro Lado do Paraíso”

Economia País fecha 20.832 vagas de trabalho formal em 2017

Negócios Imobiliária Gondim comemora 28 anos de fundação

PÁG. Dmais 3

PÁG. A5

PÁG. Dmais 2

Juiz considerou ‘hostilidades’ de Lula ao confiscar passaporte O juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal, de Brasília, levou em consideração declarações hostis do ex-presidente Lula ao Judiciário ao decidir tirar o passaporte do petista. Na quinta-feira o magistrado ordenou que o documento fosse apreendido e proibiu Lula de deixar o País. O advogado do ex-presidente entregou o passaporte ontem à PF, em SP. PÁG. A3

PAULO FERNANDES

MPE investiga podas de árvores em Dourados

Um levantamento divulgado ontem pela Receita Federal coloca Mato Grosso do Sul como porta de entrada do contrabando de cigarro de origem paraguaia, principal país exportador deste produto. Segundo informação do balanço de 2017, as apreensões de cigarro na fronteira do Mato Grosso do Sul somaram R$ 367 milhões de um total de R$ 600 milhões apreendidos em toda a fronteira com o país vizinho. PÁG. A6

11ª Promotoria de Justiça instaurou inquérito civil contra a Energisa

A empresa concessionária de energia elétrica em Mato Grosso do Sul (Energisa) é alvo de um inquérito civil aberto pelo Ministério Público Estadual de MS (MPE/MS) para apurar danos causados ao meio ambiente de Dourados devido a podas irregulares de árvores na área urbana. O procedimento foi motivado pelas constantes reclamações da população junto ao Imam e ao próprio MPE. A Enegisa alega, por meio de uma empresa de assessoria jurídica, “que é dever da concessionária fazer a manutenção preventiva da sua rede de energia de modo a evitar risco à vida, à saúde, à segurança ao patrimônio material e moral de seus consumidores”. PÁG. D4

Exportação industrial de MS chega a US$ 3 bi em 2017 Da oiti plantada por empresário no centro da cidade, sobraram só alguns galhos, após poda irregular feita pela Energisa

O resultado das transações correntes ficou negativo em US$ 4,327 bilhões em dezembro do ano passado, informou ontem (26) o Banco Central. Este déficit é inferior ao resultado negativo de US$ 5,897 bilhões verificado em dezembro de 2016. O BC projetava para dezembro um déficit em

Loteria

Fonte: INMET

QUINA - Concurso 4591 15 - 18 - 41 - 66 - 75

HOJE 30º Máx | 25º Mín Muitas nuvens com chuvisco hoje a tarde em Dourados. Ventos: moderados. Umidade: máx. 89%. Umidade: mín. 57%.

PÁG. D2 Inscrição de professor temporário vai até domingo

conta de US$ 3,8 bilhões. A balança comercial registrou um saldo positivo de US$ 4,642 bilhões em dezembro, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 3,675 bilhões O Brasil encerrou 2017 com um déficit em conta corrente de US$ 9,762 bilhões, conforme os dados do BC. Este é o melhor resultado anual desde 2007, quando a conta corrente do País ficou positiva em US$ 408 milhões. PÁG. A5

O tempo

LOTOFÁCIL - Concurso 1617 02 - 05 - 06 - 07 - 08 - 09 - 10 - 12 13 - 14 - 15 - 20 - 22 - 23 - 25 LOTOMANIA - Concurso 1835 01 - 04 - 09 - 15 - 17 - 18 - 20 - 27 - 53 - 55 62 - 67 - 68 - 70 - 74 - 79 - 84 - 93 - 94 - 99

PÁG. D1

Prefeitos tentam convencer governo federal a liberar R$ 2 bilhões

Setor externo tem déficit de US$ 4,327 bi em dezembro e de US$ 9,762 bi em 2017 O BC projetava para GH]HPEURXPGÒğFLWHP conta de US$ 3,8 bilhões

Estado de MS é ‘campeão’ de contrabando de cigarro

PÁG. D2 Governo entrega R$ 81 mi em obras para Maracaju PÁG. D3 Unigran forma SURğVVLRQDLV TXDOLğFDGRV PÁG. D3

MEGA-SENA O concurso 2.008, neste sábado, está acumulado em R$ 24 milhões. Este é o maior prêmio sorteado em 2018. Caso apenas um ganhador leve o prêmio e aplique todo o valor na Poupança da CAIXA, receberá mais de R$ 95 mil apenas em rendimentos mensais.


2

Dourados, sĂĄbado/domingo 27/28.1.2018 O PROGRESSO

OpiniĂŁo

Sociedade intolerante

A

Constituição garante a liberdade de escolha, entretanto, alguns não aceitam. A afirmação se aplica ao momento vivenciado atuamente no Brasil, onde a discriminação generalizada ainda Ê predominante. Dados do MinistÊrio dos Direitos Humanos mostra que entre janeiro de 2015 e o primeiro semestre deste ano, o Brasil registrou uma denúncia de intolerância religiosa a cada 15 horas.Trata-se de mais uma estatística negativa e ao mesmo tempo vergonhosa. Em cada canto do país templos são invadidos e profanados. Em alguns casos, existem agressþes verbais, destruição de imagens sacras e atÊ ataques incendiårios ou tentativas de homicídio. O cenårio constrangedor e repulsivo preocupa adeptos de diversas religiþes e, em pelo menos oito estados, o MinistÊrio Público investiga ocorrências recentes de intolerância. Os números relacionados à intolerância religiosa no Brasil foram apurados com base no Disque 100, que recebeu 1.486 relatos de discriminação religiosa no período, de xingamentos a medidas de órgãos públicos que violam a liberdade religiosa. Entretanto, os

dados podem ser bem mais entretanto não impediu a mãe EDITORIAL alarmantes, uma vez que alde santo de continuar exercengumas pessoas não querem se envolver e pre- do seu ofício embaixo de uma årvore. Segundo ferem permanecer no anonimato a denunciar. ela, a fÊ cabe em qualquer lugar, jå que Deus e Os rastros deixados pelos saqueadores de os orixås estão em toda parte. templos mostram que o respeito pelos símboNo entendimento de psquisadores e de delos sacrados estão longe de existir. Conforme fensores da liberdade de culto às religiþes, o relatos que constam inclusive de boletins de que tambÊm contribui para o crescimento ocorrência, no caso de roubos ocorridos em da intolerância Ê a ausência de legislação esalgumas paróquias da Igreja Católica, foram pecífica a respeito do assunto e que, acaba registrados atos de vandalismo, como des- obrigando as pessoas entidades atacadas a truição de hóstias, que foram terem que se basear e crimiA maioria das vítimas nalmente e atÊ civilmente em jogadas ao chão e pisoteadas. AlÊm disso, os dados de 2017 de intolerância Ê de outros crimes. apontam que a maioria das Independente da jurisprureligiþes de origem vítimas de intolerância Ê de redência jå existente, levantaafricana ligiþes de origem africana, com mento do Estado mostra que 39% das denúncias. Lideram o ao menos oito MinistÊrios Púranking umbanda (26 casos), candomblÊ (22) blicos Estaduais investigam casos de intolee as chamadas matrizes africanas (18). Depois, rância. Em São Paulo, foram 123 procedimenvêm a católica (17) e a evangÊlica (14). tos em dois anos, ou seja, um a cada 10 dias. Na realidade a intolerância religiosa disse- Em um dos mais graves, em Franco da Rocha, mina o ódio e impede a pråtica da fraterni- na Grande São Paulo, um vizinho esfaqueou dade. Na Grande São Paulo, por exemplo, um quatro pessoas em um terreiro. templo de candomblÊ foi incendiado. Nada foi Na Bahia, são 132 procedimentos entre 2014 roubado. Tudo foi destruído. O ato criminoso e 2017. No Paranå, são seis inquÊritos neste

O NĂšMERO

1.486 relatos

de discriminação religiosa foram registrados nos últimos meses no Brasil, aumentado a intolerância religiosa

ano. Um deles Ê de um babalorixå que se negou a retirar uma oferenda de uma esquina e cerca de 30 pessoas, com paus e pedras, quebraram seu carro e agrediram filhos de santo. TambÊm hå casos apurados por Rio, Goiås, Mato Grosso do Sul, Piauí e Distrito Federal. O problema da intolerância no Brasil Ê tão preocupante que um grupo de juristas pretende protocolar uma petição no dia 20 de novembro para processar o Brasil na Corte Interamericana de Direitos Humanos, por crimes contra religiþes de origem africana. Segundo um membro do grupo, a intolerância estå virando epidemia. Na petição, o grupo escreve que a história da humanidade Ê repleta de tragÊdias decorrentes do fanatismo religioso.

Gata Romana -26ž$/%(572 9$6&21&(//26 *Membro da Academia Douradense de Letras

A

Igreja de N.S. das Dores, com suas duas torres, enegrecidas pelo tempo imemoråvel em que foi construída e pela ação da fuligem da fåbrica de manilhas que atendia quase todo o Estado - (manilha tubo curto de cerâmica, que se encaixa sucessivamente para compor uma canalização hidråulica. Eram utilizadas antes do aparecimento dos tubos de PVC ) - escura e silenciosa à noite, permanecia discreta ao lado de duas gigantescas paineiras, formando um quadro exótico, digno de ser apreciado a distância, com disfarçado temor. À noite o vento agitava as paineiras o que fazia parecer que elas mudavam-se de lugar.

Ao lado da Igreja, a Casa Paroquial que tambÊm servia de morada para o påroco, o Padre Augusto. Uma janela, todas as noites, invariavelmente, estava iluminada, indicando que o Påroco estava acordado, lendo, fazendo o que sempre mais gostou. Vez por outra ouvia-se no alto das paineiras, o piado de uma coruja ou o pio longo e triste de um Urutau, a que chamam de Mãe da Lua. Aquele fundo da Praça, com a Igreja, a Casa Paroquial e as duas gigantescas Paineiras – formavam um quadro surreal carregado de mistÊrio e magia, embora no centro estivesse a Casa de Deus. Era uma visão que dava arrepios, quando se passava por ali altas horas da noite, onde – diziam – aparecia a sombração de uma religiosa vestida de branco. Aquela janela iluminada na Casa Paroquial, despertava lembranças relacionadas com o livro de Eça de Queirós (1845-

1900) “O crime do Padre Amaroâ€?, ser velado; o restante da cidaquando o escritor lusitano des- de, mergulhada na penumbra, creve a impiedosa aflição que mantinha-se silenciosa, sem dar se abate sobre o Padre Amaro, sinal de vida. NinguĂŠm camitomado pela irracionalidade do nhava pelas ruas e os veĂ­culos, amor impossĂ­vel, que o impelia que se podia contar nos dedos, a caminhar Ă noite sem parar, fa- estavam nas garagens. zendo estalar o assoalho da casa Nas madrugadas, como siParoquial em Leiria, Portugal, nal de que a cidade ainda vivia, dominado pelo amor que sen- ouvia-se o estrĂŠpito das rodas tia por uma mulher, sentimen- de ferro da carroça do padeito pecaminoso r o L o u re n ç o, Os veĂ­culos, que se que conflitava quando passacom seu voto va entregando podia contar nos de castidade. A dedos, estavam nas os pĂŁes pela rua mercĂŞ da fraprincipal, a Ăşnigaragens queza da carne, ca pavimentada era induzido a com paralelepĂ­cometer pecado capital, o que pedos, que seguia atĂŠ contornar conflitava com sua sadia cons- o cemitĂŠrio, jĂĄ no final da cidaciĂŞncia religiosa. de, nĂŁo muito distante da Praça A cidadezinha, que tinha co- central, onde estava a Igreja. mo Ăşnica obra majestosa a IgreSobre o padeiro Lourenço ja, era modesta e contava com e sua carroça, hĂĄ uma estĂłria iluminação pĂşblica sofrĂ­vel. Ă€ que contam: que um tal “ManĂŠ noite o Ăşnico estabelecimento Beiçudoâ€?, alcoĂłlatra, um dia reque funcionara era a funerĂĄria, solveu dormir no cemitĂŠrio e jĂĄ quando havia um defunto para era madrugada, quando ouviu

a carroça do Lourenço que vinha, fazendo o barulho caracterĂ­stico sobre os paralelepĂ­pedos. Sabendo que era o padeiro, empoleirou-se no muro do cemitĂŠrio e gritou: â€œâ€”Ă” padeiro!â€? Tentava parar a carroça para comprar um pĂŁo. O Lourenço, ao ver aquela “coisaâ€? sobre o muro do cemitĂŠrio mal iluminado, pensou em assombração e chegou o rebenque no cavalo. A carroça, agora tirada por um animal enlouquecido, foi para um lado, o cavalo para outro e o Lourenço restou sentado no meio da rua rodeado por seus pĂŁes. Pouco distante da rua central, numa chĂĄcara, morava uma espanhola jĂĄ idosa, a Gata Romana, que se casou fora de ĂŠpoca, com um “prĂ­ncipeâ€? com idade igual Ă dela. A morada do excĂŞntrico casal era numa casinha baixa e modesta, quase escondida debaixo de uma Paineira. Lugar escuro, lĂşgubre e

temido Ă noite, principalmente, quando se ouvia o cantar agourento de uma Coruja naquela ĂĄrvore, profetizando alguma desgraça, o que era assustador para quem passasse pelo local. Para aquele modesto e realizado casal, os pios da coruja nunca incomodaram. Havia na cidade muitas paineiras, elas fornecem um tipo de lĂŁ, dentro das suas castanhas, utilizada para o enchimento de travesseiros. Um travesseiro de paina, era entĂŁo muito apreciado. A velha espanhola, dona Isabel, ganhou o nome de “Gata Romanaâ€?, depois de procurar pelas redondezas sua gata desaparecida, que tinha o nome de Romana, daĂ­ o nome: “Gata Romana!â€? Quando menino, muitas vezes passei defronte Ă  casa da espanhola, armado com um estilingue, a procura de passarinhos, mas nunca entrei na chĂĄcara da “Gata Romanaâ€?, tinha medo!

em torno de cem comitĂŞs que das, visĂŁo futurista dos pioneiapreciavam a ideia. Cheguei a ros douradenses que, Ă quela elaborar um projeto, transfor- ĂŠpoca, usavam cavalos e carmado em livro, no qual eu ima- roças como meio de transporginei que no futuro nĂŁo seria te. Absurdo tanto quanto o dos mais possĂ­vel termos carros gaĂşchos, no inĂ­cio dos anos de particulares para a nossa loco- 1970, acreditarem que as terras moção. Ora, era um sonho meio de campo podiam produzir somaluco, mas eu me lembrava ja. Ou absurdo tambĂŠm acrede “Only a dreditar que Douam in Rioâ€? de Uma ideia nossa pode rados poderia James Taylor e se repetir por alguĂŠm transformar-se Milton Nasci- que desconhece a nossa em Cidade Unimento que dizia versitĂĄria, CidaexistĂŞncia que “o lugar que de Educadora, a gente sonhar Centro de exce// pode existir, existirĂĄ // vive lĂŞncia no atendimento mĂŠdicoem nĂłs e viverĂĄâ€?. EntĂŁo eu disse -hospitalar. que no futuro “ninguĂŠm mais Mas Dourados se transfortem uma garagem particular. mou. Os carros congestionam Para locomover-se, o cidadĂŁo, atĂŠ mesmo as mais largas avea qualquer hora do dia ou da nidas. Anos atrĂĄs, nem sei quannoite, acessa uma central que tos, talvez dez, escrevi que o lhe envia o veĂ­culo apropriado automĂłvel ainda se tornaria o para o tipo de transporte que inimigo nĂşmero um do homem. desejarâ€?. E nĂŁo ĂŠ que ao terminar a leiUm absurdo! Tanto quanto o tura de “Homo Deus: uma breve traçado de nossas largas aveni- histĂłria do amanhĂŁâ€? de Yuval

Noah Harari, me deparo com muitas ideias aparentemente tambĂŠm absurdas? Nem todas elas bateram com as minhas, aliĂĄs muito poucas delas, mas eis o que ele diz sobre o carro. “Eu tenho um carro particular, mas a maior parte do tempo ele fica ocioso no estacionamento. Num dia tĂ­pico entro no meu carro Ă s 8h04, dirijo por meia hora atĂŠ a universidade e lĂĄ o estaciono. Ă€s 11h11, retorno para o carro, dirijo meia hora de volta para casa, e ĂŠ isso (...). Podemos criar um sistema inteligente de compartilhamento de carros operado por algoritmos computacionais. O computador saberia que eu preciso sair de casa Ă s 8h04 e direcionaria o carro autĂ´nomo mais prĂłximo para me pegar exatamente nesse horĂĄrio (...). NĂŁo ĂŠ quase mĂĄgico pensar sobre o futuro? Particularmente, por dispor de um pouco de tempo para dedicar-me ao Ăłcio

criativo, fico imaginando como Ê que poderíamos caminhar celeremente rumo a uma sociedade mais justa, mais fraterna e mais igual. Hehe, a ambição de ter mais e mais seria substituída pela vontade de desenvolver um sistema social mais igualitårio. A Justiça não se constituiria em uma casta e não julgaria pelo domínio do fato, por convicção e muito menos para proteger uns e condenar outros. Os deputados e senadores teriam direito a apenas dois mandatos. Os presidentes não venderiam o patrimônio de seu povo. As religiþes não explorariam a credulidade dos fiÊis. A paz venceria a guerra, o amor dissiparia o ódio. Percebe o leitor que as minhas ideias podem ser iguaizinhas às suas?

Ideias conuentes :,/6219$/(17,0 %,$62772 *Membro da Academia Douradense de Letras

C

opiar a ideia de outrem Ê plagio, no entanto Ê possível termos a mesma ideia de alguÊm, mesmo que separados por um oceano. Da mesma forma, uma ideia nossa pode se repetir alhures, por alguÊm que desconhece a nossa existência. As ideias podem ser confluentes, como dois rios que fluem para um mesmo ponto. Isso Ê possível porque o ser humano reflete sobre temas comuns, temas que nos afligem, problemas que merecem atenção de muitos por afetarem a todos. Não somente problemas mediatos, existem reflexþes que nos levam a idealizar o futuro. As ideias semelhantes, que surgem de vårias cabeças, para

a busca de uma mesma solução, ou que se prestam ao planejamento do futuro, são as que costumam dar certo. No final dos anos de 1970 e início dos de 80, quando comecei a divulgar o sonho de implantar a UFGD, dezenas, centenas, milhares de pessoas tiveram a mesma ideia e, por isso todo o trabalho em torno desse objetivo acabou se tornando realidade. O mesmo não aconteceu com a ideia do trenzinho universitårio. Quando setenta e duas entidades douradenses se movimentavam em torno do projeto Cidade Universitåria, falava-se muito tambÊm na ligação de Dourados com o Porto de Paranaguå, por via fÊrrea. Hehe, pensei eu: que tal um trenzinho de superfície do tipo das saudosas litorinas para conduzir os universitårios? Em relação à ideia da Cidade Educadora, foram formados

biasotto@biasotto.com.br

EXPEDIENTE O PROGRESSO: O MAIS ANTIGO DO ESTADO E DE MAIOR CIRCULAĂ‡ĂƒO EM TODO O INTERIOR Este jornal expressa sua opiniĂŁo pelo Editorial. As demais opiniĂľes sĂŁo de responsabilidade de seus autores. “O PROGRESSOâ€? Registrado no Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) sob o nÂş 812285964

Diretora-presidente ADILES DO AMARAL TORRES Diretora-superintendente BLANCHE TORRES Diretora Executiva JUNE ANGELA TORRES Editor-chefe VANDER VERĂƒO Fundador (1951-1969) WEIMAR TORRES Ex-diretor (1969-1985) VLADEMIRO DO AMARAL

(',725$-251$/2352*5(662/7'$

CGC 03.356.425/0001-26 Departamento Comercial, Administração, Redação e Parque Gråfico Av. Presidente Vargas, 447 CEP 79804-030 Dourados-MS. Telefones Redação (0xx) 67-3416-2627/2609 Depto. Comercial (0xx) 67-3416-2600 Serviço de Atendimento ao Assinante (0xx) 67-3416-2666 - 3416-2670 Fax: (0xx) 67-3421-1911 +20(3$*(www.progresso.com.br (0$,/progresso@progresso.com.br

oprogresso.jornal

@JORNALOPROGRESSO

ESPORTE/POLĂ?CIA Luiz Radai esporte@progresso.com.br policia@progresso.com.br DIA-A-DIA Maria Lucia Tolouei marialucia@progresso.com.br CADERNO B/DMAIS Hakeito Almeida hakeito@progresso.com.br

(VWHMRUQDOpÂżOLDGRj

CIDADES Departamento Regional cidades@progresso.com.br

$66,1$785$6

DOURADOS, INTERIOR E CAMPO GRANDE

COLUNA SOCIAL/ANĂšNCIOS Angela Santa Cruz comercial@progresso.com.br

$QXDO  R$ 240 6HPHVWUDO R$ 150 7ULPHVWUDO R$ 100 %LPHVWUDO R$ 70 0HQVDO R$ 45

CLASSIFICADOS Gleison Costa classificados@progresso.com.br

Pensamento e ação por uma vida melhor

VENDA AVULSA 'RXUDGRV,QWHULRU H&DPSR*UDQGHR$ 2 NĂšMEROS ATRASADOS 'RDQRR$ 2 'RDQRDQWHULRU R$ 4


3

Dourados, sábado/domingo 27/28.1.2018 O PROGRESSO

Política

Juiz considerou ‘hostilidades’ de Lula ao Judiciário ao confiscar passaporte Ricardo Leite, anotou que Lula ‘acusa o Poder Judiciário de golpe em seu desfavor’ e que suas declaraÍøHVŁPLOLWDPQRVHQWLGRGHTXHQÂRVHHVTXLYDGHXPDWHQWDWLYDGHğ[DUGRPLFâOLRHPDOJXPRXWUR3DâVł ROVENA ROSA/AGÊNCIA BRASIL

Julia Affonso, Luiz Vassallo, Amanda Pupo e Rafael Moraes Moura, Agência Estado De São Paulo e Brasília

Saiba mais

Advogado diz que Lula está sereno, porém, indignado

O juiz Ricardo Leite, da 10ª Vara Federal, de Brasília, levou em consideração declarações hostis do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao Poder Judiciário ao decidir tirar o passaporte do petista. Na quinta-feira (25) o magistrado ordenou que o documento fosse apreendido e proibiu Lula de deixar o País. O advogado do ex-presidente entregou o passaporte na manhã de ontem (26) à Polícia Federal, em São Paulo. A defesa afirmou que a ordem do juiz Ricardo Leite “não se justifica” e é “indevida”. O magistrado anotou que “é do conhecimento público a divulgação de declarações em que aliados políticos do ex-presidente, visando à politização de processos judiciais, cogitam a solicitação (se necessário) de asilo político em seu favor para países simpatizantes”. “Entendo que a própria versão de protestos gerados em

Marcelo Osakabe, Agência Estado De São Paulo

Lula embarcaria às 2h30 de ontem para Adis Abeba, capital etíope, com a volta programada para o dia 29 seu favor, bem como a própria declaração do acusado, que acusa o Poder Judiciário de golpe em seu desfavor, militam no sentido de que não se esquiva de uma tentativa de fixar domicílio em algum outro país. Sua permanência em outro Estado seria, então, somente o exercício de um ‘suposto’ direito de defesa, ante atuação autoritária dos poderes constituídos. Diante desta postura, entendo necessária uma atuação mais direta e eficaz para coibir este tipo de pretensão”, afirmou Ricardo Leite. A decisão do magistrado mpediu a ida do petista para a Etiópia. O Instituto Lula anunciou o cancelamento da viagem a seis horas do embarque para o país africano. Lula embarcaria às 2h30 de ontem para Adis Abeba, capital etíope, com a volta programada para o dia 29. Ele participaria de um encontro da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO), a convite da União Africana, que reúne 54 países. De acordo com o juiz, as

Advogado Cristiano Zanin Martins, que defende Lula, após deixa a sede da Policia Federal em SP viagens internacionais e não oficiais de Lula, “especialmente a países que não possuem tratado de extradição com o Brasil, no curso da instrução processual de várias ações penais que tramitam neste Juízo Federal Criminal, com designação inclusive de data para interrogatório (ato que conta com a participação presencial do denunciado), merecem tratamento diferenciado”. “Por outro lado, até os deslocamentos a países que possuem tratado de extradição com o Brasil retardariam a execução de sua pena, já efetivamente aplicada pelo TRF da 4ª Região, além de atrasar inúmeros processos em curso nesta Vara”, anotou. “Aliado a isto, pelo menos nos termos da legislação brasileira, o réu não possui direito ao asilo político, e a mera

tentativa em obter este acolhimento em outro Estado afrontaria a decisão já enunciada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região, e obstaria o andamento de várias outras em curso nesta Vara e em Curitiba. A meu sentir, neste aspecto, restaria violado o dois pressupostos que autorizam sua prisão preventiva: assegurar a aplicação da lei penal e a conveniência da instrução criminal (esta última no sentido de necessidade do avanço do processos criminais que responde)”. Ao pedir o recolhimento do passaporte, os procuradores Anselmo Lopes e Hebert Mesquita afirmaram que a execução provisória da pena do petista no caso do triplex “pode ocorrer em questão de semanas”. Eles escreveram também que “é possível afirmar que passou a existir risco

concreto” de “possível fuga do País”. A decisão de apreender o passaporte de Lula foi tomada no âmbito da Operação Zelotes, que apura tráfico de influência, lavagem de dinheiro e organização criminosa na compra dos caças suecos Gripen e na prorrogação de uma medida provisória. Na quarta-feira (24) o Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), em Porto Alegre, confirmou a condenação imposta a Lula pelo juiz Sérgio Moro, por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex no Guarujá (SP), no âmbito da Operação Lava Jato. A pena foi elevada de 9 anos e 6 meses para 12 anos e 1 mês de prisão e será cumprida após a análise dos embargos de declaração, único recurso cabível, mas que não altera a decisão.

O advogado Cristiano Zanin Martins, que defende Luiz Inácio Lula da Silva, disse a jornalistas, após deixar a sede da Policia Federal em São Paulo, no final da manhã de ontem (26) que a decisão da Justiça em apreender o passaporte do petista não tirou a sua serenidade. “Lula está sereno, mas, como toda pessoa que sofre uma restrição indevida de seus direitos, é natural que exista um sentimento de indignação”, emendou. O advogado permaneceu por pouco mais de uma hora na sede da PF. Zanin reiterou que ficou “estarrecido” com a ordem de apreensão do passaporte, que a meGLGDQÂRVHMXVWLğFDHDGLDQWRX que vai recorrer da decisão, “até porque foi baseada em um processo que não está sob a jurisdição do juiz que determinou essa medida”. Segundo o advogado, a proibição fere o direito de ir e vir do presidente , que está assegurada pela Constituição Federal e por tratados internacionais dos quais o Brasil é signatário. “O próprio Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) não se opôs à viagem, que foi comunicada com antecedência”, explicou. O confisco do documento foi autorizado pelo juiz federal Ricardo Soares Leite, da 10ª Vara de Brasília, onde Lula é réu na Operação Zelotes por suposto WUÀğFRGHLQĠXÓQFLDHODYDJHPGH dinheiro na compra de caças suecos no governo Dilma Rousseff. Em sua decisão, o juiz afirmou ver “real e iminente probabilidade” da prisão do petista após o TRF4 manter a condenação imposta pelo juiz Sergio Moro no caso do tríplex do Guarujá e ampliar a pena de 9 anos e meio para 12 anos e um mês de reclusão. 2DGYRJDGRDğUPRXTXHRVUHcursos serão apresentados “no momento adequado” ao TRF-1, de onde partiu a decisão. “Tomaremos todas as medidas cabíveis para reverter a decisão e questionaremos a competência do juiz para tratar de assuntos relativos a um processo que corre na Justiça do Rio Grande do Sul”.

Procuradoria sugeriu a juiz prisão de Lula Procuradores que pediram a apreensão do passaporte de Lula atuam perante a 1.ª Vara de Brasília Julia Affonso, Luiz Vassallo, Amanda Pupo e Rafael Moraes Moura, Agência Estado De São Paulo e Brasília A Procuradoria chegou a sugerir à Justiça que decretasse a prisão preventiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva diante do “risco de fuga” do petista - condenado a 12 anos e um mês de prisão em regime fechado no caso triplex. Ao requerer à 10ª Vara Federal de Brasília a apreensão do passaporte de Lula, os procuradores Anselmo Henrique Cordeiro Lopes e Hebert Reis Mesquita invocaram artigo do Código de Processo Penal que autoriza a custódia do réu. “Caso Vossa Excelência entenda que as medidas cautelares aqui requeridas não

são suficientes para a garantia da aplicação da lei penal e a supressão do risco de fuga do réu, registra o Ministério Público Federal que as medidas cautelares criminais, inclusive a prisão preventiva, podem ser decretadas de ofício pelo juízo, como permite, expressamente, o artigo 311 do Código de Processo Penal”, destacaram na petição ao juiz Ricardo Leite, da 10.ª Vara Federal de Brasília. O magistrado não cogitou a decretação da prisão, mas mandou apreender o passaporte de Lula. Ontem, a defesa do petista entregou o documento à Polícia Federal em São Paulo. Os procuradores que pediram a apreensão do passaporte de Lula atuam perante a 1.ª Vara de Brasília. Eles argumentaram que “na fase atual da instrução do presente processo (a compra dos caças), há interrogatório mar-

cado para dia 20 de fevereiro de 2018”. “Nota-se neste processo, outrossim, um deliberado propósito da defesa, já manifestado nos autos, de que o ato processual não se realize nessa data, com a utilização de diversos subterfúgios em tentativa de adiamento do mencionado ato”, afirmam. Em outro trecho do requerimento eles se reportam à condenação de Lula na Lava Jato - 12 anos e um mês de prisão. “Alie-se a isso o fato de que há uma condenação à pena de reclusão, em regime fechado, recém confirmada em segunda instância noutro processo, bem como o fato de que Luiz Inácio Lula da Silva é réu em diversos outros processos criminais em curso em Brasília, nesta mesma vara federal, e em Curitiba”. Os procuradores foram incisivos ao lembrar que o petista já programou desloca-

mentos para fora do País - na madrugada desta sexta, 26, Lula embarcaria para a Etiópia. “Finalmente, registre-se que há agenda de viagens internacionais já programadas pelo réu, bem como manifestações públicas de sua parte no sentido de que pretende manter tais idas ao exterior, entre elas, uma viagem iminente à Etiópia”. Eles constataram que o Despacho n° 12, de 15 de janeiro, da Secretaria-Geral da Presidência, “noticia a ida dele (Lula) a Ades Abeba, na Etiópia, em companhia de três servidores da Presidência da República, lá permanecendo entre os dias 26 e 29 de janeiro”. Os procuradores exibiram ao juiz Ricardo Leite a lista de países que têm tratado de extradição com o Brasil. “Ou seja, mesmo condenado de forma definitiva em duplo grau de jurisdição, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Sil-

va pretende realizar viagem à Etiópia, país que não tem tratado internacional de extradição com o Brasil e nem histórico de extradições para o país. A rigor, os fatos aqui mencionados justificariam a decretação de prisão preventiva para fins de garantia da aplicação da lei penal, com forte no artigo 312 do Código de Processo Penal”. Os procuradores ressalvaram que “existem duas medidas cautelares que podem adequadamente também assegurar a aplicação da lei penal contra o risco de fuga do réu” - a proibição de ausentar-se do país, com apreensão de passaporte e a proibição de se ausentar do domicílio/comarca/seção judiciária sem prévia comunicação ao juízo. “Dessa forma, deve Vossa Excelência avaliar qual medida cautelar é suficiente e mais adequada para os fins previstos na legislação”.

CURTAS Twitter (1)

O balanço final do impacto do julgamento do recurso do ex-presidente Lula no TRF-4 no Twitter indica que o assunto foi tema de cerca de 1,2 milhão de postagens, no Brasil, entre a zero hora e a meia-noite de quarta-feira, dia 24. Os dados foram coletados pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas (DAPP) da Fundação Getulio Vargas. Segundo a FGV-DAPP, o evento foi o que mais provocou debate entre os usuários brasileiros da rede social desde a abertura do processo de impeachment de Dilma Rousseff, em abril de 2016, assunto que gerou 1,5 milhão de menções em 24 horas, informa o jornal O Estado de S. Paulo.

Twitter (2)

Entre os que fizeram menção ao julgamento, o campo pró-Lula foi o que publicou o maior número de postagens (44,1%). Os opositores do ex-presidente foram responsáveis por 35,4% e outros 15,3% foram publicados por perfis que não se alinharam a nenhum dos dois blocos.

Canal Livre (1)

O Canal Livre, na Band, deste domingo (28), vai analisar o cenário político após a condenação em segunda instância do ex-presidente Lula. Para debater os reflexos na disputa pela sucessão presidencial e as articulações dos partidos de acordo com as atuais circunstâncias, participam do programa os cientistas políticos Antonio Lavareda e Cláudio Couto.

Canal Livre (2)

A apresentação será de Ricardo Boechat e como entrevistadores. Estarão na bancada os jornalistas Fernando Mitre e Julia Duailibi. O programa começa às 23 h (horário de MS).

PRB (1)

Coxim sedia hoje (27) o 1º Encontro Regional do Partido Republicano Brasileiro (PRB), a partir das 9h, na Associação Comercial, Industrial e Agropastoril. Estarão presentes o presidente estadual do PRB e diretor-presidente da Fundação do Trabalho de MS (Funtrab) Wilton Acosta, o senador Pedro Chaves (PSC) além de representantes dos municípios de São Gabriel do Oeste, Rio Verde e Figueirão.

PRB (2)

Durante o encontro será empossado o novo Diretório Municipal do PRB em Coxim que terá como presidente o vereador Careca da Iluminação. O cargo de vice-presidente ficará com o advogado Jairo Mafra, tendo como 1º secretário o sargento Aparecido.

COLONO - Cumpádri, o Lula foi condenadu a 12 anos e 1 mês...

ZÉ PINGA - ... ic, ic, ic... é, é, a soma de 12+1 dá 13... que coincidência danada!... ic, ic, ic...


4

Dourados, sĂĄbado/domingo 27/28.1.2018 O PROGRESSO

PolĂ­tica

Tribunal nega embargos infringentes de Renato Duque e Gerson Almada Ainda restam embargos de declaração às defesas dos acusados antes que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região possa ordenar a execução das penas ARQUIVO: MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

C

INFORME C CĂ?CERO FARIA cicerolfaria@gmail.com

Dourados entrando nas rotas dos polĂ­ticos

Em ano eleitoral, os candidatos ‘de fora’, lĂłgico, começam a ‘sobrevoar’ Dourados, importante colĂŠgio eleitoral com mais de 150 mil eleitores. As eleiçþes serĂŁo no dia 7 de outubro. Segundo a Folha de Dourados, estĂŁo FRQÄ&#x;UPDGDVDVYLVLWDVGRVSUĂ’FDQGLGDWRV2GLORQGH Oliveira (governador pelo PDT), deputado federal Zeca do PT (Senado) e do deputado federal Vander Loubet 37 TXHWHQWDUĂ€DUHHOHLĂ?Ă‚R=HFDH9DQGHUÄ&#x;FDUĂ‚R HP'RXUDGRVQDWHUĂ?DHTXDUWDIHLUDHQTXDQWRRMXL] DSRVHQWDGRHVWDUĂ€QDFLGDGHQDTXDUWDIHLUDWDPEĂ’P SDUDFRQYHUVDUFRPRSHVVRDOGR3'7KRMHSUHVLGLGRSHOR vereador Romualdo Ramin. NĂŁo hĂĄ informação de agenda FRQMXQWDHQWUHRVWUĂ“VSUĂ’FDQGLGDWRV0DVDWHQGĂ“QFLD RXTXDVHFHUWH]DĂ’TXHHVWHMDPMXQWRVQRPHVPR SDODQTXH$Ä&#x;QDO37H3'7VĂ‚RDOLDGRVGHVGHRVWHPSRVGH Lula presidente. INTERROGAĂ‡ĂƒO Agora a pergunta que nĂŁo quer calar ĂŠ: quem a prefeita DĂŠlia Razuk (PR) irĂĄ apoiar na eleição? Para deputado estadual, o primogĂŞnito Neno Razuk ĂŠ na cabeça; para deputado federal, uma incĂłgnita porque vĂĄrios parlamentares, como Geraldo Resende (PSDB), Mandetta (DEM), Vander Loubet (PT), Carlos Marun (MDB) –que continuarĂĄ como ministro, e Zeca do PT –vai para senador e atĂŠ o desconhecido para nĂłs, Elizeu DionĂ­sio (PSDB) , trouxeram recursos para Dourados. DifĂ­cil serĂĄ a escolha da prefeita para o Senado (duas vagas) e principalmente aa goverQRPDVDWHQGĂ“QFLDĂ’Ä&#x;FDU com Odilon de Oliveira.

Renato Duque foi condenado por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa Luiz Vassallo, Ricardo Brandt, Julia Affonso e Fausto Macedo, Agência Estado O Tribunal Regional Federal da 4ª Região - Tribunal da Lava Jato - negou embargos infringentes do ex-diretor de serviços e engenharia da Petrobras, Renato de Souza Duque, do ex-vice-presidente da Engevix, Gerson de Mello Almada, de Sonia Mariza Branco e de Dario Teixeira Alves Junior, contra acórdão da Corte que confirmou conde-

Almada foi condenado pelos crimes de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa nação deles e ainda aumentou suas penas. Como a decisão dos desembargadores não foi unânime, ainda restam embargos de declaração às defesas dos acusados antes que o TRF4 possa ordenar a execução das penas, segundo seu próprio entendimento, norteado pela Súmula 122 da Corte, e endossado por deci-

são do Supremo Tribunal Federal (STF). As informaçþes são do TRF4. Os embargos infringentes, rejeitados pela Corte, cabem quando a decisão dos desembargadores que manteve suas penas não Ê unânime. No âmbito deste recurso, as defesas exploram as contradiçþes entre o parecer de cada magistrado de segunda instância. Os acusados podem pedir para que prevaleça entendimento do Tribunal seguindo voto que tenha sido mais favoråvel às duas defesas. No TRF4, esse recurso Ê julgado pela 4ª Seção, que Ê formada pela união das duas turmas especializadas em Direito Penal (7ª e 8ª), presidida pela vice-presidente do tribunal. Agora, cabe ainda aos condenados embargos de declaração, cujo propósito, pelas defesas, Ê apontar possíveis questþes não esclarecidas ou omissþes e pedir esclarecimentos. De acordo com a Súmula 122 do TRF4, após rejeitada esta última apelação, as penas podem ser executadas.

Almada foi condenado pelos crimes de corrupção ativa, lavagem de dinheiro e participação em organização criminosa. A pena foi fixada pela 8ª Turma em 34 anos e 20 dias de reclusão. Jå Duque foi condenado por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa a 43 anos e 9 meses de reclusão. Sonia e Alves Junior foram condenados pelos mesmos crimes a 6 anos e 9 meses de reclusão. A relatora dos processos da Operação Lava Jato na 4ª Seção, a desembargadora federal Claudia Cristina Cristofani, negou todos os pedidos dos rÊus. TambÊm foi negado o pedido de Almada para absolvê-lo de delitos de corrupção ativa referentes a obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj) e da Refinaria Landulpho Alves (RLAM). A maioria dos integrantes da 4ª Seção acompanhou o voto da desembargadora Clåudia, que entendeu ter ficado suficientemente comprovada a efetiva participa-

ção da Engevix no cartel de empresas fraudadoras de licitaçþes da Petrobras, tendo inclusive vencido os certames relativos aos contratos da Comperj e RLAM. RÊus confessos Duque e Almada não são delatores, mas têm em comum o fato de, em diferentes açþes, terem confessado crimes e incriminado a cúpula do Partido dos Trabalhadores. Nos autos de uma denúncia, o ex-vice-presidente da Engevix admitiu ter feito pagamentos ao ex-ministro JosÊ Dirceu e ainda sugeriu que o lobista Milton Pascowitch manteria uma suposta conta na Espanha em benefício de Lula - versão negada pelo próprio Pascowitch, que Ê delator, e tambÊm por Dirceu e Lula. Jå Renato Duque falou nos autos de ação penal em que era rÊu ao lado do ex-ministro Antonio Palocci que Lula tinha conhecimento a respeito dos esquemas de corrupção da Petrobras. A defesa do ex-presidente nega as acusaçþes.

STJ nega habeas corpus em favor de Lula pedido pelo advogado John Lennon Habeas corpus preventivo só quando houver ameaça à liberdade de locomoção Por Amanda Pupo e Rafael Moraes Moura, Agência Estado De Brasília O vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Humberto Martins, negou ontem (26) um pedido liminar de habeas corpus preventivo feito em favor do ex-presidente Luiz Inåcio Lula da Silva. A solicitação do HC, no entanto, não foi elaborado pela defesa do petista, mas por um advogado pernambucano chamado John Lennon Silvestre de Melo. Em sua decisão, o ministro abriu espaço para Lula se manifestar sobre o pedido. O habeas corpus preventivo foi distribuído ontem a

Humberto Martins, que estĂĄ cuidando dos despachos da presidĂŞncia durante o recesso no STJ. O relator original do caso ĂŠ o ministro Felix Fischer, que cuida dos processos da Lava Jato que chegam ao STJ. “Assim, considerando que a anĂĄlise da questĂŁo pode se confundir com o mĂŠrito de futura tese defensiva do paciente, recomenda-se que se ouça o ex-presidente Luiz InĂĄcio Lula da Silva sobre a conveniĂŞncia do pedidoâ€?, afirmou Martins na decisĂŁo elaborada ontem (26). Com o pedido, o advogado tentava afastar “qualquer futura decisĂŁo oriunda da 13ÂŞ Vara Federal Criminal de Curitiba ou do Tribunal Federal da 4ÂŞ RegiĂŁo, que decrete a prisĂŁo do paciente antes do julgamento de todos os recursos disponĂ­veis aos Tri-

bunais Superioresâ€?. Ao negar o habeas corpus, Martins afirmou que o pedido de habeas corpus preventivo sĂł tem cabimento quando houver ameaça Ă liberdade de locomoção, baseada num receio de prisĂŁo ilegal. Na visĂŁo do ministro, esse nĂŁo ĂŠ o caso de Lula, jĂĄ que ainda nĂŁo foi determinado pelo Tribunal Regional Federal da 4ÂŞ RegiĂŁo (TRF-4) a execução provisĂłria da pena, o que sĂł deve ocorrer depois do julgamento dos embargos de declaração. “Por ter sido assegurado ao ex-Presidente que eventual prisĂŁo nĂŁo serĂĄ implementada antes do exaurimento da jurisdição ordinĂĄria, parece-me questionĂĄvel, na presente anĂĄlise perfunctĂłria, a configuração de ato consubstanciador de constrangimento Ă  sua liberdade de

locomoçãoâ€?, explicou. John Lennon alega que o entendimento do STF, de que ĂŠ possĂ­vel executar a prisĂŁo apĂłs condenação em segunda instância, seria “incompatĂ­vel com a disposição constitucional de que qualquer cidadĂŁo sĂł pode ser considerado ‘culpado apĂłs o trânsito em julgado de uma decisĂŁo condenatĂłria’â€?. “Dessa forma, diante de tudo o que foi explicitado acima, o fundado receio de ilegal constrangimento e a possibilidade de imediata prisĂŁo nĂŁo parecem presentes e afastam o reconhecimento, neste exame limitado aos requisitos dos provimentos de urgĂŞncia, da configuração do perigo da demora, o que, por si sĂł, ĂŠ suficiente para o indeferimento do pedido liminarâ€?, completou o ministro Humberto Martins.

do TRF4�. Depois de analisados os recursos e se perder, Lula poderå ser preso para começar a cumprir os 12 anos e um mês da sua pena. Por ordem do TRF4.

... COM A VARA CURTA -RĂ‚R3HGUR6WĂ’GLOHGDFRRUGHnação nacional do MST afirmou que os movimentos nĂŁo deixarĂŁo que Lula seja preso: “Aqui vai um recado para dona PolĂ­cia Federal e para o Poder -XGLFLĂ€ULRQĂ‚RSHQVHPTXHYRcĂŞs mandam no PaĂ­s. NĂłs, os movimentos populares, nĂŁo aceitaremos de forma alguma e, impediremos com tudo for possĂ­vel, que o companheiro /XODVHMDSUHVRĹ„-Ă€ROâGHUGR PT no Senado, Lindbergh FaULDV 5- RĹƒ%RQLWLQKRĹ„GDVGHlaçþes premiadas de empreiteiras, disse nĂŁo acreditar que Lula conseguirĂĄ uma decisĂŁo CUTUCANDO A ONÇA... IDYRUĂ€YHOQR-XGLFLĂ€ULRTXHR O ex-presidente Lula con- permita concorrer. “NĂŁo tenho WLQXDGHVDÄ&#x;DQGRD-XVWLĂ?D ilusĂŁo de que vamos achar saĂ­O resultado dos 3x0 no Tri- das por dentro das instituiçþes. bunal Regional Federal da Vamos derrotar esse golpe com Ĺž5HJLĂ‚RQĂ‚RIRLVXÄ&#x;FLHQ- uma liminar judicial? NĂŁo. SĂł te para ela abaixar a bola. temos uma caminho, que sĂŁo Ele disse na reuniĂŁo do PT as ruas, as mobilizaçþes, rena quinta feira, que “nĂŁo beliĂŁo cidadĂŁ, desobediĂŞncia tem nenhuma razĂŁo para civilâ€?. respeitar a decisĂŁoâ€? dos trĂŞs desembargadores. E CASAS foi mais adiante: afirmou O governo do Estado jĂĄ entreque os desembargadores gou mais de 11 mil moradias formaram “cartelâ€? para na maioria dos 79 municĂ­pios condenĂĄ-lo! Esses desafo- e mais de mil estĂŁo sendo ros estĂŁo sendo colocados construĂ­das. O resultado foi antes da sua defesa entrar mencionado no discurso do com recursos (embargos engenheiro Marcelo Miglioli, de declaração) no prĂłprio secretĂĄrio estadual de InfraTFR4, em Porto Alegre. E a estrutura, durante a solenidacĂşpula do PT endossou es- de de entrega de 45 unidades sas declaraçþes do ‘chefe’ habitacionais em Bodoquena. divulgando uma nota em “Uma entrega de uma resiTXHFODVVLÄ&#x;FDUDPGHĹƒYRWR dĂŞncia ĂŠ uma transformação indecentemente combina- na qualidade de vida das famĂ­do dos desembargadores OLDVĹ„DÄ&#x;UPRX0LJOLROL

BATE REBATE A PolĂ­cia Federal entregou ao Supremo Tribunal Federal as nove malas – com R$ 51 milhĂľes, recolhidas no ‘bunker’ mantido pelo ex-ministro Geddel Vieira Lima (MDB-BA) em setembro de 2017 em Salvador. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), na condição de presidente da RepĂşblica em exercĂ­cio, assinou medida provisĂłria que autoriza a UniĂŁo a doar R$ 792 mil Ă Palestina para a restauração da BasĂ­lica da Natividade, em BelĂŠm. A MP foi publicada ontem do DiĂĄrio OďŹ cial da UniĂŁo. Dias depois de assaltarem uma residĂŞncia no Jardim Aeroporto, em Campo Grande, criminosos procuraram a vĂ­tima para exigir R$ 500 referentes ao resgate de um pitbull, levado durante a invasĂŁo da casa. É mole? Dourados ganhou destaque no “Bom Dia Brasilâ€?, da Rede Globo, de ontem com reportagem sobre drones que tentam entregar produtos ilĂ­citos na PenitenciĂĄria Estadual (PED).

INFORME CURURU Dengue e polĂ­tico corrupto sĂł acabarĂŁo quando o povo participar do extermĂ­nio


5

Dourados, sĂĄbado/domingo 27/28.1.2018 O PROGRESSO

Economia ARQUIVO/AGĂŠNCIA BRASIL

INDICADORES ECONÔMICOS progresso@progresso.com.br

BOLSAS Ibovespa: Pontos: Måxima de Mínima Volume: Variação em 2018: Variação no mês: Dow Jones: Pontos: Nasdaq: Pontos: Ibovespa Futuro: Pontos: Måxima (pontos): Mínima (pontos):

BLUE CHIPS +2,21% 85.530,83 85.531 pnts 83.680 pnts 9,92 bilhĂľes 11,95% 11,95% +0,66% (18h32) 26.566,92 +0,88% (18h32) 7.476,02 +2,07% 85.790 85.900 84.120

Preço Itau Unibanco PN Petrobras PN Bradesco PN Ambev ON Petrobras ON Vale PNA BRF SA ON Vale ON Itausa PN Cielo ON JBS ON

Cotação: Variação:

6,76% ao ano 10,06% ao ano 1,10% ao mĂŞs 6,89% ao ano 6,90%

PaĂ­s fecha 20.832 vagas de trabalho formal em 2017, aponta Caged O resultado, embora negativo, ĂŠ melhor do que os apresentados em 2015 e em 2016, quando o mercado sofreu com a recessĂŁo e mais de 2,8 milhĂľes de vagas foram fechadas Fernando Nakagawa, AgĂŞncia Estado De BrasĂ­lia O Brasil encerrou o mĂŞs de dezembro com o fechamento de 328.539 vagas de emprego formal em dezembro, de acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) divulgados ontem (26) pelo MinistĂŠrio

Queda do emprego formal no Brasil em 2017 no Caged foi liderada pela construção civil do Trabalho. Esse Ê o segundo mês seguido de fechamento de vagas. Com o número, o ano de 2017 encerrou com fechamento líquido de 20.832 vagas. Os número são semelhantes aos antecipados no início da semana pelo Broadcast, serviço de notícias em tempo real

do Grupo Estado. Na ocasião, a reportagem citou que o mês teria fechamento de 328,5 mil vagas em dezembro e fechamento de 28,8 mil postos com carteira assinada no ano. O dado divulgado na manhã de ontem inclui contratos firmados jå sob as novas modalidades previstas na reforma trabalhista, como a jornada intermitente e a jornada parcial. As regras começaram a vigorar em novembro do ano passado. O resultado de dezembro veio acima das estimativas de analistas do mercado financeiro consultados pelo Projeçþes Broadcast, que esperavam entre o fechamento de 460 mil a 351 mil vagas no mês. Para o ano, o mercado previa entre o fechamento de 255 mil postos à abertura de 146 mil empregos no ano. Setores O resultado mensal negativo foi puxado pela indústria

da transformação, que fechou 110.255 postos formais em dezembro. TambÊm tiveram desempenhos negativos os setores de construção civil (-52.157), agropecuåria (-44.339), serviços (-107.535), administração pública (-16.400), indústria extrativa mineral (-2 330) e os serviços de utilidade pública (-1.808). O único setor com geração de vagas foi o comÊrcio, que abriu 6 285 postos em dezembro. Trabalho intermitente Os dados do Caged divulgados pelo MinistÊrio do Trabalho indicam que o mês de dezembro terminou com 2.574 admissþes de trabalhadores com contrato intermitente, enquanto houve fechamento de 1.004 vagas pelo sistema de jornada parcial. O Caged informou ainda que houve 5.841 desligamentos por acordo no mês de dezembro.

Construção civil O fechamento de vagas de emprego com carteira assinada no ano de 2017 foi liderado pelo setor da construção civil, que fechou 103.968 postos formais no acumulado do ano. TambÊm tiveram desempenhos negativos a indústria de transformação (-19.900 vagas), setor extrativo mineral (-5.868) e serviços industriais de utilidade pública (-4.557), alÊm da administração pública (-575). Por outro lado, três setores encerraram o ano com saldo positivo na geração de empregos: o comÊrcio teve contratação líquida de 40.087 empregados, a agropecuåria registrou 37.004 novos empregos formais e os serviços abriram 36.945 postos no acumulado do ano passado. Em 2016, todos os oito setores da economia detalhados pelo Caged haviam registrado fechamento de empregos.

Setor externo tem dĂŠďŹ cit de US$ 4,327 bi em dezembro e de US$ 9,762 bi em 2017 O BC projetava para GH]HPEURXPGĂ’Ä&#x;FLWHP conta de US$ 3,8 bilhĂľes FabrĂ­cio de Castro e Eduardo Rodrigues, AgĂŞncia Estado De BrasĂ­lia O resultado das transaçþes correntes ficou negativo em US$ 4,327 bilhĂľes em dezembro do ano passado, informou ontem (26) o Banco Central, por meio da Nota do Setor Externo Ă imprensa.Este dĂŠficit ĂŠ inferior ao resultado negativo de US$ 5,897 bilhĂľes verificado em dezembro de 2016. O BC projetava para dezembro um dĂŠficit em conta de US$ 3,8 bilhĂľes. O resultado do mĂŞs passado ficou um pouco pior que a mediana negativa de US$ 4,200 bilhĂľes apontada pelo levantamento realizado pelo Projeçþes Broadcast com 30 instituiçþes. O intervalo projetado ia de dĂŠficit de US$ 5,55 bilhĂľes a dĂŠficit de US$ 2,4 bilhĂľes. A balança comercial registrou um saldo positivo de US$ 4,642 bilhĂľes em dezembro, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 3,675 bilhĂľes. A conta de renda primĂĄria tambĂŠm ficou deficitĂĄ-

ria em US$ 5,863 bilhĂľes. No caso da conta financeira, o resultado ficou no vermelho em US$ 4,146 bilhĂľes.

tĂĄria em US$ 42,572 bilhĂľes. No caso da conta financeira, o resultado ficou no vermelho em US$ 5,230 bilhĂľes.

2017 O Brasil encerrou 2017 com um dÊficit em conta corrente de US$ 9,762 bilhþes, conforme os dados do BC. Este Ê o melhor resultado anual desde 2007, quando a conta corrente do País ficou positiva em US$ 408 milhþes. O dÊficit do ano passado foi pouco maior que a mediana negativa de US$ 9,700 bilhþes apontada pelo levantamento realizado pelo Projeçþes Broadcast com 23 instituiçþes. O intervalo projetado ia de dÊficit de US$ 12,970 bilhþes a dÊficit de US$ 7,800 bilhþes. A estimativa do BC era de que o rombo externo de 2017 atingisse US$ 9,2 bilhþes. Para 2018, a instituição projeta dÊficit de US$ 18,4 bilhþes. O dÊficit de transaçþes correntes em 2017 representa 0,48% do Produto Interno Bruto (PIB). Jå a balança comercial registrou um saldo positivo de US$ 64,028 bilhþes em 2017, enquanto a conta de serviços ficou negativa em US$ 33,851 bilhþes. A conta de renda primåria tambÊm ficou defici-

Remessa de lucros A remessa de lucros e dividendos de companhias instaladas no Brasil para suas matrizes foi de US$ 3,738 bilhþes em dezembro de 2017, informou o Banco Central. A saída líquida representa um volume menor que os US$ 3,891 bilhþes que foram enviados em igual mês do ano anterior, jå descontados os ingressos. No acumulado de 2017, a saída líquida de recursos via remessa de lucros e dividendos alcançou US$ 21,032 bilhþes. O resultado enviado Ê superior ao registrado no ano anterior, quando as remessas foram de US$ 19,433 bilhþes. A expectativa do BC era de que a remessa de lucros e dividendos de 2017 somasse US$ 21,5 bilhþes. O BC informou tambÊm que as despesas com juros externos somaram US$ 2,159 bilhþes em dezembro, ante US$ 3,116 bilhþes em igual mês de 2016. No acumulado de 2017, essas despesas alcançaram US$ 21,824 bilhþes, valor menor que os US$ 21,937 bilhþes do ano anterior. Para 2017, o

BC projetava pagamento de juros externos no valor de US$ 21,3 bilhþes. Jå a projeção para 2018 Ê de pagamentos de US$ 16,9 bilhþes. Viagens internacionais A conta de viagens internacionais voltou a registrar dÊficit em dezembro, informou o Banco Central. No mês passado, quando o dólar subiu 1,42% ante o real, a diferença entre o que os brasileiros gastaram lå fora e o que os estrangeiros desembolsaram no Brasil foi de um saldo negativo de US$ 1,123 bilhão. Em igual mês de 2016, o dÊficit nessa conta era de US$ 941 milhþes. O desempenho da conta de viagens internacionais foi determinado por despesas de brasileiros no exterior, que somaram US$ 1,624 bilhão em dezembro. Jå o gasto dos estrangeiros em passeio pelo Brasil ficou em US$ 501 milhþes no mês passado. No acumulado de 2017, o saldo líquido dessa conta ficou negativo em US$ 13,192 bilhþes. Em 2016, esse valor havia sido de US$ 8,473 bilhþes. O BC estimava um dÊficit de US$ 13,5 bilhþes para esta rubrica em 2017. Jå a projeção para 2018 Ê de dÊficit de US$ 17,3 bilhþes.

Janeiro

886,912 centavos de dĂłlar +0,51%

Variação -0,79% -0,37%

R$ 1,0641

DĂ?VIDA EM TR OU TRD

R$ 954,00

R$ 25,11

POUPANÇA (APLICAĂ‡ĂƒOAPARTIRDE 04/05/12)

Janeiro 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 Fevereiro 01 02 03 04

+1,65% -0,84% +4,18% -1,59% +1,52%

* 1 onça-troy equivale a 31,1035 gramas

UFERMS

Queda do emprego formal no Brasil em 2017 no Caged foi liderada pela construção civil

R$ 37,01 R$ 41,43 R$ 13,45 R$ 26,57 R$ 10,04

Cotação Ouro US$ 1.352,10 a onça-troy Ouro BM&F (à vista) 136,000

SALĂ RIO MĂ?NIMO Janeiro

+5,46% +3,05% +3,52% -0,05% +5,24%

OURO

UFIR Novembro/2000

Variação

R$ 53,12 R$ 19,93 R$ 41,20 R$ 21,88 R$ 21,71

GLOBAL 40

JUROS - &'%SUHÄ&#x;[DGRGHGLDV - Capital de giro, - Hot money, - CDI, - Over a

em R$

0,3994% 0,3994% 0,3994% 0,3994% 0,3994% 0,3994% 0,3994% 0,3994% -

0,3994% 0,3994% 0,3994% 0,3994%

Dia do vencimento

Fatores de

Janeiro 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31

0,01329425 0,01316426 0,01302982 0,01316848 0,01299723 0,01324700 0,01319915 0,01307221 0,01286982 0,01273953 0,01332346 0,01296896 0,01319668 0,01317643 0,01333529 0,01323880 0,01324050 0,01318279 0,01321504 0,01326682

(Multiplique a quantidade de TR ou TRD do carnê pelo fator de atualização da data do vencimento. A aplicação desse fator único atualiza a dívida pela TR do dia do aniversårio do contrato e converte o resultado para reais).

TBF

TR

Janeiro 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25

Janeiro 09 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25

0,5620% 0,5643% 0,5410% 0,4759% 0,4773% 0,4773% 0,5266% 0,5271% 0,5085% 0,4471% 0,4352% 0,4548% 0,4788% 0,5246% 0,5086% 0,5108% 0,4597%

0,0000% 0,0000% 0,0000% 0,0000% 0,0000% 0,0000% 0,0000% 0,0000% 0,0000% 0,0000% 0,0000% 0,0000% 0,0000% 0,0000% 0,0000% 0,0000% 0,0000%

CĂ‚MBIO DĂłlar comercial no balcĂŁo DĂłlar Paralelo DĂłlar Ptax DĂłlar Turismo DĂłlar Futuro (Fevereiro) Euro Euro comercial Euro turismo

Compra R$ 3,1380 R$ 3,24 R$ 3,1444 R$ 3,1600 R$ 3,1545 US$ 1,2413 R$ 3,9040 R$ 3,8530

Venda R$ 3,1385 R$ 3,34 R$ 3,1450 R$ 3,3070

Variação -0,02% -0,5% +0,19% +0,3% +0,14% +0,3% -0,38% -0,25%

US$ 1,2413 R$ 3,9060 R$ 4,0600

INFLAĂ‡ĂƒO

ACUMULADO

Ă?NDICES

Novembro Dezembro no ano

12 meses

INPC (IBGE) IGP-M (FGV) IGP-DI (FGV) IPC (FIPE) IPCA (IBGE) CUB (SINDUSCON) FIPEZAP-SP (FIPE)

0,18 0,52 0,80 0,29 0,28 0,04 0,09

1,83 -0,52 -0,42 2,27 2,80 2,54 1,40

0,89 0,74 0,55 0,29 0,10

1,80 -0,52 -0,42 2,27 2,50 2,54 1,40

IMPOSTO DE RENDA (DESCONTO NA FONTE) TABELA OFICIAL DA RECEITA FEDERAL Base de cĂĄlculo AtĂŠ R$ 1.903,98 De R$ 1.903,99 atĂŠ R$ 2.826,65 De R$ 2.826,66 atĂŠ R$ 3.751,05 De R$ 3.751,06 atĂŠ R$ 4.664,68 Acima de R$ 4.664,68

AlĂ­quota % 7,5 15 22,5 27,5

Deduzir-R$ Isento 142,80 354,80 636,13 869,36

Deduçþes: R$ 189,59 por dependente; pensão alimentícia integral; contribuição ao INSS. Aposentado com 65 anos ou mais tem direito a uma dedução extra de R$ 1.903,98 no benefício recebido da Previdência.

REAJUSTE DE ALUGUEL IGP-M (FGV) IGP-DI (FGV) IPC-FIPE

DEZEMBRO/2017

0,9948 -

IPCA (IBGE) INPC (IBGE) ICV-DIEESE

-

Obs.: Fatores vĂĄlidos para contratos cujo Ăşltimo reajuste ocorreu hĂĄ um ano. Multiplique o valor pelo fator.

AGROPECUĂ RIA MILHO - disponĂ­vel SOJA - disponĂ­vel Boi gordo Vaca gorda FONTE: Grande FM RURAL

R$ 21,50 (Dourados) R$ 60,00 (Dourados) R$ 130,00 (Brasil Global - Ă vista) - R$ 136,00 (Friboi/PPorĂŁ - c/ 30 dias) R$ 120,00 (Brasil Global - Ă  vista) - R$ 128,00 (Friboi/PPorĂŁ - c/ 30 dias)


6

Dourados, sábado/domingo 27/28.1.2018 O PROGRESSO

Polícia DIVULGAÇÃO

MS é ‘campeão’ do contrabando de cigarro MS detém 61% das apreensões de cigarro feitas pela Receita Federal na fronteira com o Paraguai. Balanço nacional foi divulgado ontem pelo órgão DIVULGAÇÃO/PRF

,PDJHPGRFLUFXLWRLQWHUQRGHFÁPHUDVĠDJURXRDXWRU

Homem entra em escola e furta celular para vender por R$ 50 Com imagem de circuito de câmera, vítima denunciou e recuperou o aparelho Luiz Radai policia@progresso.com.br

Apreensão de cigarro recente feita pela PRF. Além dos recordes de 2017, órgão inicia 2018 interceptand 6 carretas e R$ 12 mi em carga Luiz Radai policia@progresso.com.br Um levantamento divulgado ontem pela Receita Federal coloca Mato Grosso do Sul como porta de entrada do contrabando de cigarro de origem paraguaia, principal país exportador deste produto. Segundo informação do balanço de 2017, as apreensões de cigarro na fronteira do Mato Grosso do Sul somaram R$ 367

A apreensão de cigarros contrabandeados cresceu mais de 11% em todo o Brasil, segundo a Receita milhões de um total de R$ 600 milhões apreendidos em toda a fronteira com o país vizinho. Detentor de 670 quilômetros de fronteira seca com o Paraguai, o Estado já tem neste ponto uma característica que dificulta a atuação da fiscalização. “No lado do Mato Grosso do Sul nós temos 670 km de fronteira com o Paraguai, sem nenhum acidente geográfico que separe os países. Isso em si já é um compli-

cador, porque simplesmente passa carreta lotada de cigarro por essa fronteira com muita facilidade, não precisa carregar num barco, fazer toda uma logística, simplesmente passa numa estrada vicinal qualquer, ao longo desses 670 km tem uma infinidade de estradas”, disse o delegado Marcelo Rodrigues, auditor fiscal da Receita Federal em Ponta Porã, à Agência Brasil. Ainda segundo o delegado, em Mato Grosso do Sul as apreensões de cigarro contrabandeado correspondem a 75% do valor de todas as mercadorias provenientes de contrabando. “Em termos de quantidade e de valor, o cigarro é disparado o maior volume. As apreensões aqui na região do MS são no atacado. Agora, mal começou o ano, já tivemos uma apreensão de seis carretas juntas, um comboio lotado de cigarro apreendido. Isso eleva absurdamente o valor, mesmo que a quantidade de autuações não seja muito grande, mas o valor é muito elevado”, explicou Rodrigues, se referindo à apreensão de cigarro feita pe-

la Polícia Rodoviária Federal que totalizou R$ 12 milhões. Nesta apreensão, foram 6 carretas ‘bitrem’ carregadas com 2,4 milhões de maços que seguiriam para Rondonópolis (MT) interceptadas na BR-163, próximo da Unidade Operacional da PRF em Jaraguari, no Mato Grosso do Sul. O balanço mostra ainda que a apreensão de cigarros cresceu mais de 11%, com um volume de mais de 221 milhões de maços apreendidos pela Receita Federal em 2017. O grande problema do contrabando de cigarro, embora a população ‘aceite’ o crime, e o que preocupa entidades que atuam no combate ao comércio ilegal, segundo o Fórum Nacional Contra a Pirataria e a Ilegalidade (FNCP), é o fato de que o contrabando é lucrativo para organizações criminosas e ainda financia o tráfico de drogas, armas e munições no país. Entre problemas que especialistas apontam no combate, está a falta de estrutura policial nas fronteiras e o elevado custo dos impostos sobre alguns produtos no Bra-

De Campo Grande Da PRF Na manhã de ontem, no km 352 da BR-060, em Campo Grande, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu 450 mil maços de cigarros contrabandeados do Paraguai. Os policiais rodoviários federais deram ordem de parada ao caminhão trator com placas de Senador Canedo (GO), tracionando aos semirreboques com placas de Maringá (PR), conduzido por um homem de

26 anos. Ele apresentou os documentos dos veículos e disse que estava transportando uma carga de arroz que seria levada para Mato Grosso. Nos compartimentos de carga a equipe encontrou uma grande quantidade de cigarros de origem estrangeira, que somaram 450 mil maços do ilícito. Estima-se que o prejuízo para o contrabando foi de cerca de R$ 2,25 milhões. Na cabine, em compartimento oculto no painel foi encontrado um rádio telecomunicador, provavelmente usado para se comunicar com um possível batedor. Os CRLV tinham indícios de falsidades e os semirreboques

Geral Além do cigarro, a Receita Federal informou que a apreensão de drogas e mercadorias contrabandeadas no Brasil somou mais R$ 2,3 bilhões em 2017. O valor é recorde e representa um crescimento de 9,4% em relação a 2016, quando foram apreendidos R$ 2,1 bilhões. O balanço divulgado ontem pela Receita mostra que a captura de drogas mais do que dobrou, alcançando percentual de variação de 122,4% em relação a 2016. Foram apreendidos no ano passado mais de 45 toneladas de maconha, cocaína, crack e drogas sintéticas.

DIVULGAÇÃO/PRF

PRF apreende mais 450 mil maços de cigarros na Capital aDuciis ernatia et arum esti ipsam faccatu sapiciist, te dolupta tatusanda vendam de

sil, principalmente o cigarro, que em outros países, como o Paraguai, é produzido e comercializado com uma carga tributária muito menor. “O Paraguai é o grande produtor do cigarro contrabandeado, que já domina o mercado brasileiro. Isso é inaceitável, 48% do mercado está nas mãos do contrabando”, disse à Agência Brasil o advogado Edson Vismona, presidente do FNCP.

Carga apreendida é mais uma ação contra o contrabando em MS estavam com sinais de adulteração, não havendo nenhum registro de roubo/furto. O motorista declarou que pegou a carga de cigarros em Dourados e levaria para o Estado do Mato Grosso. Com ele

foi encontrado e apreendido ainda a quantia de R$ 4.049,00. O condutor foi preso em flagrante e encaminhado juntamente com os veículos e a carga de cigarros à Polícia Federal de Campo Grande.

Militar do Exército tem arma furtada de carro em pesqueiro Pistola foi deixada no porta luvas do carro que não tem alarme Luiz Radai policia@progresso.com.br Por volta das 19h30 de quinta-feira uma militar do Exército

lotado em Dourados teve uma arma de fogo furtada do carro dele depois de estacionar em um pesqueiro da cidade. Segundo relatado no Boletim de Ocorrência registrado no 1° Distrito Policial de Dourados, o homem de 46 anos, subtenente do Exército, teve uma pistola calibre 380 com um carregador

contendo 11 munições furtado de dentro do carro. Ele teria saído por volta das 19h30 e a deixou no porta luvas do carro. Depois de passar em um estabelecimento no centro da cidade e ficar por lá por 15 minutos, se dirigiu a um pesqueiro na rodovia BR-163, onde permaneceu até as 23h30.

Como o local estava lotado, deixou o carro no limite do estacionamento perto de uma mata. O carro ficou travado, já que não tem alarme. O homem disse que não percebeu nenhum arrombamento no veículo e não sabe quem poderia ter furtado a arma. A polícia investiga o crime.

Uma ocorrência registrada no 1° Distrito Policial ontem relata a ocorrência de furto e a prisão de duas pessoas com o desdobramento das ações da polícia em Dourados. A vítima, que tinha postado o furto em rede social antes de registrar o Boletim de Ocorrência, acabou tendo o aparelho recuperado. O homem de 25 anos, estudante de uma escola particular localizada na rua Firmino Vieira de Matos, no Jardim America, depois de postar em rede social comunicou à polícia que por volta de 17h de quinta-feira, um rapaz negro, magro, com altura entre 1,70 e 1,75 m, que trajava bermuda azul, camiseta marrom e chinelo e carregava uma mochila nas costas, entrou em uma sala de aula da es-

cola e furtou o aparelho de celular da vítima. O furto foi registrado pelas câmeras de segurança da instituição, e o aluno perguntou aos funcionários se alguém já tinha visto o autor antes, constatando que o homem não é aluno no local. Mediante informações da postagem, uma equipe da Polícia Militar, em rondas pela área central de Dourados, avistou um homem com as mesmas características do suspeito de ter furtado o celular. Ao perguntar sobre o fato o autor, Joel, de 34 anos, disse ter furtado o celular e vendido pela quantia de R$ 50 a um conhecido. Ele falou onde o receptador morava e com a guarnição da polícia foi até o local, onde encontraram o homem que, segundo BO, fumava um cigarro de maconha. Ao ser perguntado sobre o celular, o homem confirmou que havia comprado de Joel pela quantia relatada e tinha escondido dentro da caixa de descarga da casa. Depois de serem encaminhados para a delegacia, os autores foram liberados.

Por conta de trotes, taxistas registram BO em Dourados Casos recorrentes de ‘brincadeira’ levaram taxistas a tomar atitude Luiz Radai policia@progresso.com.br Na manhã de ontem taxistas de Dourados resolveram denunciar a incidência de trote telefônico contra o ponto de taxi do qual fazem parte no município. Segundo registrado em Boletim de Ocorrência, um taxista que trabalha na profissão há mais de 30 anos comunicou na delegacia que, recentemente, os trabalhadores vêm sofrendo com brincadeiras e chamadas em vão. Em um intervalo de uma semana, somente o taxista que registrou o boletim recebeu três trotes e resolveu procurar a polícia. Eles chegaram a instalar uma bina no telefone e ontem receberam a ligação de um determinado número que solicitou uma corrida até a avenida Marcelino Pires e, ao chegar ao local, o motorista percebeu que não havia cliente.

O fato foi registrado como interrupção ou perturbação de serviço telegráfico, telefônico, informático, telemático ou de informação de utilidade pública. Segundo juristas, via de regra, passar trote telefônico é uma infração penal em todas as situações, havendo significativas distinções dependendo do trote realizado e do destinatário da ligação. O ato pode ser considerado desde uma contravenção, até um crime efetivamente – o que apresenta resultados diferentes no que diz respeito à pena e ao tipo de privação de liberdades e/ou direitos. Define-se a distinção entre os tipos de trote particulares – aqueles realizados para números de telefone privados (residências e estabelecimento comerciais, que não agirão em função do telefonema), e os trotes contra autoridades – que são aqueles aplicados em números públicos e geram a atuação governamental sob a passagem de informações mentirosas. No referido caso, a polícia agora detém o número registrado pela bina, de um celular, como sendo a origem do trote.


7

Dourados, sábado/domingo 27/28.1.2018 O PROGRESSO

Esportes DIVULGAÇÃO

Corinthians e São Paulo fazem clássico hoje Primeiro clássico do Paulistão 2018 testa Corinthians e São Paulo nos quesitos elenco e esquema tático esta tarde no estádio do Pacaembu DIVULGAÇÃO

Meia está praticamente contratado pelo clube paulista

Com acordo, Nenê vai assinar com São Paulo O clube paulista discute detalhes contratuais com o jogador para anunciá-lo De São Paulo Agência Estado

No Corinthians, a preocupação do técnico Fábio Carille é com a parte física do elenco

De São Paulo Agência Estado Corinthians e São Paulo terão neste sábado, às 16 horas (de MS), no Pacaembu, a primeira prova de fogo de 2018, pela quarta rodada do Campeonato Paulista. Enquanto o campeão estadual e brasileiro tenta mostrar que o espírito vitorioso da última temporada ainda está vivo, os rivais buscam deixar a desconfiança

Enquanto o Corinthians tenta mostrar que o espírito vitorioso está vivo, os rivais buscam deixar a GHVFRQğDQÍDSDUDWUÀV para trás, e provar para o torcedor que pode voltar ao rumo das conquistas. Mais que isso: para o São Paulo, vencer o clássico significará evitar uma crise que parece estar próxima. Uma derrota pode até colocar em risco o emprego de Dorival Junior. A angústia do São Paulo vem justamente da impressão de que o time começou 2018 no mesmo sufoco que passou a

maior parte de 2017, ano que o torcedor quer esquecer. Depois de uma derrota na estreia do Estadual para o São Bento por 2 a 0 e de um empate sem gols com o Novorizontino, em casa, Dorival Junior se viu obrigado a recuar na ideia de alternar dois times para evitar desgaste. Ele também sabe que, se continuar derrapando, haverá pressão por sua saída. Ao apostar no entrosamento, o São Paulo bateu o Mirassol por 2 a 0. Mas o clima no CT da Barra Funda não mudou muito com o triunfo. Até porque fora de campo também passou por maus momentos quando uma das principais peças do time, Cueva, se recusou a jogar contra o Mirassol, tornando incerta sua permanência no clube. O peruano não jogará o clássico. Há também a pressão por mais reforços. Na prática, mais força para um time desacreditado. Para o duelo contra o Corinthians, o discurso é de confiança, mas o grupo sabe que precisa se afirmar “O clássico dá confiança, moral, respaldo com a torcida,

além de que é muito importante para nossas pretensões”, analisou o zagueiro Anderson Martins. “Se dermos um passo vitorioso, o trabalho vai fluir e a desconfiança criada nos últimos anos vai diminuir. A pressão (sobre o São Paulo) tem sido colocada pela temporada passada, que foi adversa, mas penso que não entramos no clássico com essa pressão, mas sim cientes da responsabilidade que temos.” No Corinthians, a preocupação do técnico Fábio Carille é com a parte física do elenco. Por isso, preferiu não adiantar a escalação e sua maior dúvida é justamente no ataque. Sem Jô, que foi para o Japão, ele ainda não definiu quem é seu novo titular e também aguarda pela chegada de um reforço. Enquanto isso, o jeito é tentar se virar com Júnior Dutra e Kazim. O treinador iniciou a temporada com Kazim como titular, mas o turco não soube aproveitar as oportunidades. Ao contrário de Júnior Dutra, que entrou bem, fez gol, mas não é um centroavante de ofí-

cio. O restante do time, apesar do cansaço, deve manter a base que venceu a Ferroviária no jogo passado. O treinador disse nesta sexta-feira que os defensores e o volante Gabriel estavam reclamando de dores e ainda não sabia se poderia contar com todos, mas a tendência é que os atletas joguem normalmente, já que terão uma semana para descansar, pois o time só voltará aos gramados no domingo que vem, para enfrentar o Novorizontino. Carille acredita que o clássico logo no início do torneio terá como vantagem o fato de as equipes poderem conhecer sua força e terem tempo para corrigir os problemas. Ele cita a experiência do ano passado. “A gente tem que enfrentar o que tem de mais forte o quanto antes, para dar tempo de arrumar a equipe. No ano passado, o quarto jogo da temporada foi o clássico com o Palmeiras, em que vencemos (por 1 a 0, no Itaquerão) e percebemos o que poderíamos fazer”, disse o treinador.

O meia Nenê, de 36 anos, está perto de chegar a um acordo para rescindir seu contrato com o Vasco e tem acerto por duas temporadas já definido com o São Paulo. O clube paulista discute detalhes contratuais com o jogador para anunciá-lo oficialmente como novo reforço para 2018, enquanto o time carioca negocia sua dívida com o atleta. A informação foi confirmada pelo Estado. O atleta tem cerca R$ 1,5 milhão para receber em dívidas do Vasco e, para se transferir para o Morumbi, apostou em um acordo com o time carioca sem necessidade de intervenção ju-

dicial. Uma das possibilidade é de que o São Paulo assuma parte do valor enquanto o Vasco se comprometa a quitar o restante. Outra possibilidade, menos provável, é que Nenê abra mão do valor a receber. Nenê aceitou reduzir seu salário para atuar no São Paulo. No Vasco, recebia cerca de R$

Nos bastidores do Tricolor, o reforço é dado como fechado, mas o clube carioca fala em ter uma FRQYHUVDğQDO 400 mil. A negociação se encaminha bem e o atleta deve ser apresentado oficialmente no novo clube no início da próxima semana. Para a temporada 2018, o São Paulo já se reforçou com outro jogador que se desvinculou do Vasco, o zagueiro Anderson Martins O clube também contratou o goleiro Jean, do Bahia, e o meia-atacante Diego Souza, do Sport.


8

Dourados, sábado/domingo 27/28.1.2018 O PROGRESSO

Esportes DIVULGAÇÃO

Sete e Águia fazem duelo direto pela liderança Técnico Márcio Santos ‘quebra a cabeça’ para montar zaga ideal do Sete de Setembro de Dourados para o jogo contra o Águia Negra, amanhã DIVULGAÇÃO

Luiz Radai esportes@progresso.com.br

Jogo do Sete será o transmitido pela TV neste domingo

Sete de Setembro de DouraHSWI»KYME2IKVEHYIPEQHMVIXEQIRXITIPEPMHIVERÀERE XEVHIHIWXIHSQMRKSRSIWXÖHMS*VIHMW7EPHMZEVS(SYVEHâS'SQYQNSKSEQIRSW EIUYMTIHI(SYVEHSWFYWGE EZMX›VMETEVEWSQEVTSRXSW GSRXVESWNÖGSRUYMWXEHSW TIPS»KYME2IKVEUYIJEVÖE XIVGIMVETEVXMHE3NSKSXIQ MR§GMSÎWL 4IPS+VYTS&XEQF¦QGSQ YQNSKSEX¦EUYMS'SVYQFEIRWIIRJVIRXES9VWSHI 1YRHS2SZSFYWGERHSJMGEV

Mudança foi comunicada pela FFMS na noite de quinta-feira De Campo Grande %WWIWWSVMEHE**17

No Grupo B, Águia tem 4 pontos em 2 jogos, Sete e Corumbaense têm 3 pontos em 1 jogo, Operário tem 1 ponto e Urso, nenhum Márcio Santos tenta montar o Sete ideal para a disputa de amanhã que vale a liderança do grupo IQTVMQIMVSREGLEZI%IUYMTIHSI\XVIQSWYPHS)WXEHS EHZIVWÖVMSHS'EVMN›NÖNSKSY HYEWZI^IWITIVHIYEWHYEW %WMXYEÀâSJE^7IXII'SVYQFEIRWIGSQXVäWTSRXSWGEHE IYQNSKSHMWTYXEHSXIVIQE GSRHMÀâSHIXIVQMREVEVSHEHERETSRXEHSKVYTS%WHYEW TEVXMHEWHEGLEZIEGSRXIGIQ RSQIWQSLSVÖVMS 2S(SYVEHâSSZIRGIHSV EWWYQIEPMHIVERÀEMWSPEHE 2S)WXÖHMS8SGEHS9VWSIQ 1YRHS2SZSS'SVYQFEIRWITVIGMWEZIRGIVISNSKSIQ

Douradão está pronto para receber mais um jogo do Estadual

UYIIRJVIRXES»KYME3GPYFITIVHIYS^EKYIMVS*ÖFMS 7MPZEXMXYPEVIQXSHEEIXETE HITVITEVEÀâSIRSNSKSHI IWXVIMEHS)WXEHYEP3EXPIXE JSMTEVES'EQTMRIRWIHE4EVE§FEIEZEKEEFIVXEEMRHE RâSJSMTVIIRGLMHEWIKYRHS EEWWIWWSVME3X¦GRMGS1ÖVGMS7ERXSWEKSVEUYIFVEEGEFIÀEXIQTEVEQSRXEVSXMQI MHIEP 1ÖVGMS XVEFEPLSY GSQ E Preparação TSWWMFMPMHEHIHIIRXVEHEHS 37IXIHI(SYVEHSWXIVÖTVS- ^EKYIMVS4'SYEMRHESVIGYS FPIQEWTEVEQSRXEVSXMQI HIYQHSWZSPERXIWTEVEE (SYVEHSWXIVQMREVIQTEXEHSTEVEJMGEVIQTVMQIMVS 3YXVETSWWMFMPMHEHI¦IQGEWSHIZMX›VMEHS7IXIS'EVMN› ZIRGIVTSVHMJIVIRÀEHIKSPW QEMSVUYISXMQIHSYVEHIRWI EWWYQMRHSETSRXERSWEPHS HIKSPW 3XMQIHS3TIVÖVMSHI(SYVEHSW¦UYIQJSPKERIWXEVSHEHE'SQHSMWNSKSWEIUYMpe soma um ponto.

TSWMÀâSSUYITSHIVMEEFVMV IWTEÀSTEVEEIRXVEHEHI+MPXSRTIPSQIMSGEWSEHSGYQIRXEÀâSJMUYITVSRXEÎXIQTS%P¦QHIWXISQIME0YGEW %HâSISEXEGERXI0YGâSIWXâS ÎHMWTSWMÀâSHSXVIMREHSV %TIVHEHI*ÖFMS7MPZEJSM GSRWMHIVEHEMRIZMXÖZIPTIPS KIWXSVHS7IXI8SR]1SRXEPZâSUYISPMFIVSYET›WE TVSTSWXEHSXMQITEVEMFERS GSQERHEHSTIPSI\X¦GRMGS HS3TIVÖVMS*''IPWS8IM\IMVEUYIMRHMGSYEGSRXVEXEÀâS

3ZMGITVIWMHIRXIIGSSVHIREHSVHIGSQTIXMÀ¸IW HE*IHIVEÀâSHI*YXIFSP HS 1EXS +VSWWS HS 7YP **17 1EVGS%RXSRMS8EZEVIWHMZYPKSYREXEVHIHI UYMRXEJIMVEQEMWENYWXIW REXEFIPEHS'EQTISREXS )WXEHYEP (IEGSVHSGSQ8EZEVIW E 8: 1SVIRE IQMWWSVE HIXIRXSVEHSWHMVIMXSWHI XVERWQMWWâSEPXIVSYSNSKSEWIVXVERWQMXMHSRIWXI HSQMRKS%RXIVMSVQIRXI EIQMWWSVEHMZYPKSYRSWMXIUYISHYIPSWIVMEIRXVI 3TIVÖVMSI2SZSQEWQYdou para Sete de Setembro I»KYME2IKVEUYIEGSRXIce no Douradão. 'SQMWWSSJMREPHIWIQEREXIVÖUYEXVSNSKSW,SNIÎW LRS1SVIRâSGSQTSV-

X¸IWJIGLEHSWS9RMâS%&' IRGEVES'SWXE6MGEIQNSKS HIIWXVIMEHE'SFVEHS2SVXI .ÖEQERLâS3TIVÖVMSIRJVIRXES2SZSÎWLRS1SVIRâSRSZEQIRXIGSQTSVX¸IW JIGLEHSW3TIHMHSHIQYHERÀEHI6MS&VMPLERXITEVE 'EQTS+VERHIJSMJIMXSTIPS TVIWMHIRXIHS3TIVÖVMS)WXIZâS4IXVEPPEWIEXIRHMHSTIPE *IHIVEÀâS ³WLRE8SGEHS9VWS XEQF¦QGSQTSVX¸IWJIGLEHSWS9VWSVIGIFIS'SVYQFEIRWI.ÖRS(SYVEHâSRS QIWQSLSVÖVMSS7IXIHI7IXIQFVSVIGIFIS»KYME2IKVE IQNSKSUYIWIVÖXVERWQMXMHS TEVEXSHSS)WXEHS 2SNSKSHS7IXISXSVGIHSV XIVÖEGIWWSEWEVUYMFERGEHEW 3WMRKVIWWSWIWXâSWIRHSZIRHMHSWRSUYMSWUYIHS7IXIRS 7LSTTMRK%ZIRMHE'IRXIV7EPMQ)WTSVXIW'EQMWEI&ERGEHS.EMQIESTVIÀSHI6 SEGIWWSÎEVUYMFERGEHEI6 ÎWGEHIMVEW2SUYMSWUYIRE GSQTVEHSMRKVIWWSIGSQQEMW 6VIEMWSXSVGIHSVKERLE YQEGERIGETIVWSREPM^EHE

Estreia do Novo na Copa do ‘Neymar vai ser o melhor do Brasil será com portões fechados mundo no PSG’, diz técnico DIVULGAÇÃO

DIVULGAÇÃO

Time joga a primeira partida da Copa do Brasil no Morenão interditado

Brasileiro tem enfrentado críticas apesar das boas atuações na França

Globo Esporte (I'EQTS+VERHI

De Paris %KäRGME)WXEHS

32SZS¦YQHSWVITVIWIRXERXIWHI1EXS+VSWWSHS7YPRE 'STEHS&VEWMPESPEHS HS'SVYQFEIRWI3XMQIHI 'EQTS+VERHIZEMTEVXMGMTEV HEGSQTIXMÀâSTIPETVMQIMVEZI^%IWXVIMEXâSEKYEVHEHEZEMWIVREUYEVXEJIMVEÎW L HI17 GSRXVES7EPKYIMVSHI4IVREQFYGSRS 1SVIRâSIWIQETVIWIRÀE do torcedor. 31MRMWX¦VMS4¥FPMGS)WXEHYEP 14) PMFIVSYSIWXÖHMS apenas para jogos com porX¸IWJIGLEHSW3QSXMZS¦UYI EPKYQEWEHIUYEÀ¸IWTEVEE WIKYVERÀEHST¥FPMGSUYIJSVEQGSQFMREHEWET›WEPMFIVEÀâSTEVESIWXEHYEPHI RâSJSVEQJIMXEWRSTVE^SHI um ano. 4EVESTVIWMHIRXIHS2SZS %Q¦VMGS*IVVIMVESIWXÖHMS ZE^MSTVINYHMGESHIWIQTIRLSHEIUYMTI3ETSMSHSXSVGIHSVTSHIEYQIRXEVEQSXM-

)QQIMSEVYQSVIWWSFVIWYTSWXEMRWEXMWJEÀâS HI2I]QEVHIRXVSHS4EVMW7EMRX+IVQEMRIEX¦ WSFVISWIYJYXYVSSX¦GRMGS9REM)QIV]ZSPXSYE JE^IVIPSKMSWESFVEWMPIMVS SRXIQ)IPIEJMVQSYUYI SEXEGERXIWIVÖIPIMXSS QIPLSVHSQYRHSNSKERHSGSQEGEQMWEHSXMQI JVERGäW l2I]QEVWIVÖIPIMXSS QIPLSVNSKEHSVHSQYRHS IWXSYGIVXSHMWWS)MWWSZEM EGSRXIGIVEUYMRS47+ GSQGIVXI^EzHIGPEVSYS XVIMREHSVREIRXVIZMWXE GSPIXMZEUYIERXIGIHIS NSKSGSRXVES1SRXTIPPMIV RSWÖFEHSTIPS'EQTISREXS*VERGäW )QIV]ZSPXEVÖEGSRXEV GSQSEXEGERXIRIWXIJMQ de semana. Recuperado de YQTVSFPIQEQYWGYPEVS GVEUYIJSMVIPEGMSREHSTI-

Morenão segue inepto para receber torcedores na Capital ZEÀâSHSWEXPIXEWIQGEQTS l:SGäXIRHSSETSMSHEXSVGMHESKVMXSIQTYVVEEGEFE MRJPYIRGMERHSTSWMXMZEQIRXI SEXPIXE3FEVYPLS¦WIQTVI EPKSEQEMWTEVESIWTIXÖGYPS 4EVES2SZSUYIZEMHMWTYXEV E'STEHS&VEWMPTIPETVMQIMVEZI^¦VYMQQEWXEQF¦Q¦ VYMQTEVEEGMHEHITEVEYQE GETMXEP:SGäRâSXIVYQIWXÖHMSTVEJE^IVYQETEVXMHEHI JYXIFSPTVSJMWWMSREP¦VYMQ 2âS¦FSQHINIMXSRIRLYQ JE^IVJYXIFSPHIWWEQERIMVE GSQS¦SUYIXIQEHMWTSWM-

Coutinho ganha elogios do técnico Após estreia, comandante do Barcelona falou do jogador De Barcelona %KäRGME)WXEHS 1EMSVMRZIWXMQIRXSHS&EVGIPSRERIWXENERIPEHIXVERWJIVäRGMEWSQIME4LMPMTTI 'SYXMRLSKERLSYIPSKMSWHS X¦GRMGS)VRIWXS:EPZIVHIET›W WYEIWXVIMEGSQEGEQMWEHE IUYMTIGEXEPâREUYMRXEJIMVE

IQHYIPSHE'STEHS6IM 'SRXVEXEHSLÖGIVGEHIHYEWWIQEREWSFVEWMPIMVSIRXVSYIQGEQTSESWQMRYXSWHSWIKYRHSXIQTSES WYFWXMXYMV-RMIWXE)TEVXMGMTSYHIEPKYQEWNSKEHEWSJIRWMZEWHEIUYMTISUYIZEPIYS VIGSRLIGMQIRXSTSVTEVXIHS XVIMREHSV l8IQSWQYMXEIWTIVERÀE RIPI7EFIQSWUYIIPITSHI ENYHEVXIQHIWIRZSPXYVEGVME FSEWWMXYEÀ¸IWIUYERHSIWXÖ TIVXSHEÖVIEHÖTEVEWIRXMV

ÀâS1EWXIQSWUYIWYTIVEV e saber que estamos trabaPLERHSKVEHEXMZEQIRXITEVE QIPLSVEVRSJYXYVSzEJMVQE %Q¦VMGS 32SZSIWXVISYRS'EQTISREXS7YP1EXS+VSWWIRWIRE UYEVXEJIMVETEWWEHERSIWXÖHMS1SVIRâSGSQTSVX¸IW JIGLEHSWGSRXVES'SQIVGMEP %TVMQIMVEVSHEHEHS+VYTS% ocorreu com uma semana de EXVEWSIJSMQEVGEHETSVIQTEXIW5YEXVSXMQIWHSKVYTS NSKEVEQIGSRUYMWXEVEQYQ ponto cada.

STIVMKS3NSKSRâSIVEJÖGMPXYHSIWXEZERSEVQEWJSM FIQIIWXEQSWJIPM^IWGSQE WYEIWXVIMEzHIGPEVSY)VRIWXS :EPZIVHI 'SYXMRLSXEQF¦QWIQSWXVSYJIPM^GSQWYETVMQIMVE TEVXMHETIPSRSZSXMQIl)WXSY QYMXSJIPM^EUYMERMQEHS8MZIYQEFSEVIGITÀâSEUYM*SM QYMXSIWTIGMEP)WXEZEERWMSWSRIVZSWSQEWTIPEQERIMVEGSQSQIVIGIFIVEQJMUYIM QYMXSGEPQSIIWXSYQYMXSJIPM^GSQEZMX›VMESUYIJSMS QEMWMQTSVXERXIzHIGPEVSYS NSKEHSV3&EVGIPSREHIVVSXSYS)WTER]SPTSVEET›W TIVHIVSNSKSHIMHETSVEI KEVERXMYZEKEREWIQMJMREPHE 'STEHS6IM

Neymar Junior em ação no PSG PSX¦GRMGSTEVESHYIPSHMERXI HS1SRXTIPPMIVRIWXIWÖFEHS IQGEWETIPS'EQTISREXS *VERGäW 2I]QEVHIWJEPGSYS47+RE ZMX›VMEWSFVIS1SRXTIPPMIVTSV ETIPE'STEHE*VERÀEIRE HIVVSXETEVES0]SRTSVE TIPS'EQTISREXS*VERGäW(I EGSVHSGSQSGPYFISFVEWMPIMVSZMRLEWIRXMRHSYQTVSFPIQEREGS\EUYIZMRLEMRGPYWMZI SXMVERHSHSWXVIMRSW )QIV]JI^UYIWXâSHIEJMVQEVUYIEEYWäRGMEHSFVEWMPIMVSRSW¥PXMQSWNSKSWRâS XIQVIPEÀâSGSQEWZEMEWVIGIFMHEWESJMQHEKSPIEHEHIE

WSFVIS(MNSRTIPS*VERGäW LÖUYEWIHI^HMEW3EXEGERXI JI^UYEXVSKSPWRSNSKSQEW RâSIWGETSYHEWGV§XMGEWHE XSVGMHETSVRâSXIVHIM\EHSS GSQTERLIMVS)HMRWSR'EZERMGSFVEVYQTäREPXMl)PI¦S TVMQIMVSUYIUYIVNSKEVzHIWXEGSYSX¦GRMGSHS47+ %WZEMEWEPMQIRXEVEQFSEXSWWSFVIYQEWYTSWXEMRWEXMWJEÀâSHSFVEWMPIMVSRSGPYFIJVERGäWIXEQF¦QUYERXS ESTV›TVMSGEQTISREXSUYI WIVMEGSRWMHIVEHSHIFEM\S R§ZIPX¦GRMGSTIPSGVEUYI% MQTVIRWEIWTERLSPEGLIKSY EIWTIGYPEVUYIS6IEP1EHVMH IWXEVMETIVXSHIJE^IVTVSTSWXEES47+TIPSFVEWMPIMVS 7IHIJEXSETEVIGIVIQGEQTSRIWXIWÖFEHS2I]QEVVIIRGSRXVEVÖEXSVGMHEHS47+ TIPETVMQIMVEZI^HITSMWHEW ZEMEW7ITSVYQPEHS2I]QEV IWXEVÖHIZSPXETSVSYXVS 1FETT¦GSRXMRYEVÖEJEWXEHS 3NSKEHSVEMRHERâSWIVIGYTIVSYHSGLSUYIGSQSKSPIMVS%RXLSR]0STIWRSHYIPS HMERXIHS0]SRITSVQEMWUYI SWI\EQIWXIRLEQHIWGEVXEHS UYEPUYIVPIWâSXVEYQÖXMGEJMGEVÖHIJSVEHSWIKYRHSNSKS GSRWIGYXMZS


5HGH(VWDGXDO

,QVFULĂ?Ă‚RSDUD SURIHVVRUVHJXH DWĂ’GRPLQJR 3Âť*

$JHQGDGHKRMH

*RYHUQRGR(VWDGR HQWUHJDREUDV HP0DUDFDMX 3Âť*

0HLR$PELHQWH

DIA A DIA

0LQLVWĂ’ULR3ÄŽEOLFR(VWDGXDOLQYHVWLJD SRGDVGHĂ€UYRUHVHP'RXUDGRV3Âť*

Dourados, sĂĄbado/domingo 27/28.1.2018 O PROGRESSO

ACERVO

1R&RPSOH[R)ULJRUâÄ&#x;FRDVH[SRUWDĂ?øHVIHFKDUDPRDQRGHDOFDQĂ?DQGR86PLOKøHVXPDXPHQWRGHVREUHRDQRGHTXDQGRRWRWDOÄ&#x;FRXHP86PLOKøHV

Exportação industrial de MS cresce 16% e alcança US$ 3,05 bilhþes O setor industrial responde por 64% de toda receita de exportação do Estado de Mato Grosso do Sul De Dourados A receita obtida com as exportaçþes de produtos industrializados de Mato Grosso do Sul em 2017 superou a projeção feita pelo setor, que era encerrar o ano em US$ 2,94 bilhþes, e alcançou um montante de US$ 3,05 bilhþes, um crescimento de 14% em relação a 2016, quando atingiu US$ 2,67 bilhþes, e bem próximo dos US$ 3,08 bilhþes estimados para 2018, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems. Na avaliação do presidente da Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul (Fiems), SÊrgio Longen, os números confirmam que o ano passado marcou o início da retomada do crescimento da indústria estadual e diz que, por meio do Centro Internacional de Negócios (CIN), vai continuar preparando as indústrias para avan-

çarem ainda mais na direção do mercado externo. Em dezembro de 2017, a receita com a exportação de produtos industriais alcançou US$ 277,2 milhþes, aumento nominal de 16% em relação ao mesmo mês de 2016, quando o valor foi de US$ 238,6 milhþes, enquanto no acumulado do ano a receita total

3ULQFLSDLVGHVWDTXHVVĂ‚R &HOXORVH)ULJRUâÄ&#x;FR (WDQRO([WUDWLYR0LQHUDO ˜OHRV9HJHWDLV&RXURV 6LGHUXUJLDH0HWDOXUJLD alcançou US$ 3,05 bilhĂľes, indicando aumento de 14% em relação a 2016, quando o resultado foi de US$ 2,68 bilhĂľes. Com esse montante, a indĂşstria respondeu por 64% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul, conforme destacou o coordenador da Unidade de Eco-

nomia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende. No ano de 2017, os principais destaques ficaram por conta dos grupos “Celulose e Papelâ€?, “Complexo FrigorĂ­ficoâ€?, “Açúcar e Etanolâ€?, “Extrativo Mineralâ€?, â€œĂ“leos Vegetaisâ€?, “Couros e Pelesâ€? e “Siderurgia e Metalurgiaâ€?, que, somados, representaram 98,1% da receita total das vendas sul-mato-grossenses de produtos industriais ao exterior. No grupo “Celulose e Papelâ€?, por exemplo, as exportaçþes somaram US$ 1,09 bilhĂŁo, um aumento de 10% em relação ao ano de 2016, quando as vendas atingiram US$ 991,9 milhĂľes. No “Complexo FrigorĂ­ficoâ€?, as exportaçþes fecharam o ano 2017 alcançando US$ 942,8 milhĂľes, um aumento de 20% sobre o ano de 2016, quando o total ficou em US$ 783,2 milhĂľes. “Em relação

aos produtos, os destaques ficaram por conta das carnes desossadas e congeladas de bovinos e pedaços e miudezas comestĂ­veis congelados de frangoâ€?, citou o economista, citando como principais compradores Hong Kong, ArĂĄbia Saudita, Chile, RĂşssia, -Vâ.ETâSI)QMVEHSWÂťVEFIW JĂĄ o grupo “Açúcar e Etanolâ€? fechou o ano de 2017 com US$ 502,7 milhĂľes em exportaçþes, indicando aumento de 12% sobre 2016, quando a receita foi de US$ 448,3 milhĂľes. Os principais compradores sĂŁo MalĂĄsia, Iraque, ArgĂŠlia, Egito, Bangladesh, RĂşssia, CanadĂĄ e GeĂłrgia. No grupo “Extrativo Mineralâ€?, a receita de exportação acumulada em 2017 ficou em US$ 214,6 milhĂľes, tendo aumento de 55% sobre o ano de 2016, quando as vendas foram de US$ 138,6 milhĂľes. Esse resultado ĂŠ fruto do aumento no

,1'ÂŻ675,$ &(/8/26(

1RJUXSR&HOXORVHH3DSHO DVH[SRUWD�øHVVRPDUDP 86ELOKÂR &28526

$UHFHLWDGHH[SRUWD�ÂRGRJUXSR &RXURVH3HOHVWRWDOL]RX 86PLOKøHV (7$12/

2JUXSR$Ă?ÄŽFDUH(WDQROIHFKRX DQRFRP86PLOKøHVHP H[SRUWDĂ?øHV

volume comercializado e preço mÊdio da tonelada, pois, no caso do minÊrio de ferro, o preço mÊdio da tonelada em 2017 ficou em US$ 33,00 contra US$ 26,00 em 2016, aumento de 27%, enquanto no caso do minÊrio de manganês o preço mÊdio da tonelada saiu de US$ 87,00 em 2016

para US$ 141,00 em 2017, variação de 62%, sendo que os principais destinos foram Argentina e Uruguai. Em relação ao grupo â€œĂ“leos Vegetaisâ€?, o ano de 2017 fechou com receita equivalente a US$ 112,2 milhĂľes, indicando queda de 9% sobre o ano de 2016, quando as vendas foram de US$ 122,6 milhĂľes, tendo a Tailândia e IndonĂŠsia como principais responsĂĄveis pela redução observada, com uma retração nas compras equivalente a US$ 22,2 milhĂľes. Quanto aos compradores, os principais foram Tailândia, IndonĂŠsia, Holanda, CorĂŠia do Sul e França. A receita de exportação do grupo “Couros e Pelesâ€? em 2017 totalizou o equivalente a US$ 98,5 milhĂľes, uma redução de 7% sobre o ano de 2016, quando as vendas foram de US$ 106,4 milhĂľes.


2

Dourados, sábado/domingo 27/28.1.2018 O PROGRESSO

Dia a Dia AGÊNCIA CNM

ARTIGO DO DIA

Fake News – Notícias Falsas :(5/(< 6&$5',1, 6&$5',1,

*Pastor Presbiteriano, Bacharel e Mestrando em Teologia

Presidente da Confederação Nacional de Municípios, Paulo Ziulkoski, no encontro com deputado federal licenciado Carlos Marun

Prefeitos tentam convencer governo a liberar R$ 2 bilhões Desse total, as prefeituras de Mato Grosso do Sul têm direito a receber mais de R$ 29 milhões, segundo cálculos da Associação dos Municípios Willams Araújo De Campo Grande Em dificuldade financeira desde o ano passado, quando muitos não conseguiram fechar as contas públicas, os prefeitos voltaram a procurar o governo federal na tentativa de receber R$ 2 bilhões como parte da medida provisória que prevê a transferência dos recursos por meio do chamado Auxílio Financeiro aos Municípios (AFM). Desse total, as prefeituras de Mato Grosso do Sul têm direito a mais de R$ 29 milhões, segundo cálculos da Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul (Assomasul), filiada à Confederação Nacional de Municípios (CNM). Na terça-feira, o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, se reuniu com o ministro-chefe da Secretaria de Governo e deputado federal licenciado Carlos Marun (MDB-MS), para tratar dessa e outras questões

de interesse dos municípios. De acordo com a assessoria de imprensa da entidade municipalista, o dirigente cobrou ao ministro a liberação urgente desses recursos. “O mais importante agora é fazermos uma tramitação consensual e célere no Congresso Nacional”, frisou Ziulkoski. Uma das principais bandeiras do movimento municipalista, o auxílio financeiro pode desafogar as contas de milhares de cidades, que ainda sentem os efeitos da crise. Pressionado, Marun compreendeu a urgência do tema e informou que o governo federal está mobilizado para disponibilizar o dinheiro aos municípios o mais breve possível. Para o presidente da Assomasul, Pedro Caravina, o cumprimento desse acordo firmado no ano passado entre o presidente Michel Temer, a CNM e entidades regionais municipalistas está sendo

aguardado com grande expectativa pelos gestores públicos que dependem de fluxo de caixa para sanear as finanças. A maior preocupação dos prefeitos é que a medida provisória que prevê a liberação do auxílio financeiro está prestes a vencer, o que pode provocar maior demora na reedição de nova MP pelo presidente da República.

CNN solicitou apoio do governo na aprovação da PEC 391 que eleva em 1% o Fundo de Participação dos Municípios Outras pautas

Durante o encontro, o presidente da CNM aproveitou o momento para levar até o ministro algumas das pautas de interesse comum entre municípios e a União. Como exemplo, ele citou a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 287/2016, que

Inscrição de professor temporário para rede estadual vai até domingo DIVULGAÇÃO

A convocação será feita em substituição ao titular de acordo com a carga horária De Campo Grande A Secretaria de Estado de Educação (SED) reabriu ontem as inscrições para o Cadastro Reserva de Professores Habilitados para exercício, em caráter temporário, da função de docente nas unidades escolares da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul e em projetos educacionais, durante o ano letivo de 2018. O interessado deverá ter formação em curso de licenciatura plena, com comprovante de colação de grau, em cursos reconhecidos pelo MEC. A ficha de cadastramento estará disponível no endereço eletrônico www.portaldoprofessor.ms.gov.br até este domingo, 28 de janeiro, devendo o interessado aces-

Interessado em lecionar deve ter formação em licenciatura plena e comprovante de colação de grau em cursos reconhecidos pelo MEC

sar o link “cadastramento de professor” e seguir adequadamente as instruções que constarão da tela para a efetivação do cadastro, o qual ocorrerá, exclusivamente, pela internet e será requisito essencial para contratação.

A relação dos candidatos cadastrados será publicada no Diário Oficial até o dia 23 de fevereiro de 2018. De acordo com o Edital, “os candidatos serão selecionados para exercício, em caráter temporário, sob o

trata da Reforma da Previdência e a PEC 22/2011, cujo foco é o reajuste do piso dos ACS (Agentes Comunitários de Saúde). Uma das preocupações da entidade é o impacto financeiro que essa última PEC pode trazer aos cofres públicos, caso seja aprovada. Também esteve em pauta na reunião o Projeto de Lei (PL) 6.814/2017, com nova proposta para a realização de licitações. Além desses itens comuns, Ziulkoski solicitou o apoio do governo na aprovação da PEC 391/2017. De autoria do senador Raimundo Lira (PMDB-PB), a matéria pretende elevar em 1% o FPM (Fundo de Participação dos Municípios), fonte de sobrevivência especialmente para as pequenas cidades. Pelo texto, o repasse deve ser concedido no mês de setembro, ajudando a balancear as contas locais do período.

regime de suplência, da função docente, por intermédio da atribuição de aulas complementares ou de convocação, nas vagas puras surgidas no decorrer do ano letivo, se não houver candidatos habilitados em concurso público aguardando nomeação, e nas vagas dos professores efetivos que se encontrarem: no exercício das funções de diretor, diretor-adjunto e coordenador pedagógico; nas hipóteses de licença e afastamentos previstos em lei; readaptados; no desempenho de mandato classista. A convocação será feita em substituição ao professor titular e de acordo com a carga horária do respectivo cargo”. Os professores do quadro permanente do Estado que pretendem exercer aulas complementares e/ou convocação em caráter temporário também deverão fazer a inscrição. O Edital n.2/2018, com todas as informações sobre a abertura do cadastro, está disponível na página 4 do Diário Oficial 9583, de 26 de janeiro de 2018.

F

ake News é um neologismo, ou seja, uma palavra nova. Ela refere-se a notícias fabricadas e falsas, e infelizmente, com o avanço da comunicação digital a capacidade de espalhar estas notícias é gigantesca. Elas são escritas e publicadas com várias finalidades, dentre elas: iludir, enganar, obter ganhos financeiros ou políticos. Na maioria das vezes elas são apresentadas com manchetes sensacionalistas, exageradas para chamar atenção. Este tipo de notícia pode ser encontrado em qualquer lugar, desde meios tradicionais de comunicação, mídias sociais e até mesmo em sites especializados em notícias falsas. Imagine uma manchete atraente, mas falsa. Ela pode vender mais jornais, trazer mais telespectadores para a frente de uma TV ou Site. O tempo se encarregará de mostrar que aquela era uma falsa notícia, mas, o objetivo de lucro ou qualquer outro tipo de impacto já ocorreu. Um exemplo disto sucedeu em 1835, quando o jornal The New York Sun publicou notícias falsas usando o nome de um astrônomo real e um colega inventado sobre a descoberta de vida na lua. O propósito desta notícia era aumentar as vendas. Depois de um tempo, o jornal admitiu que o artigo era baseado em falsas notícias. Outra situação comum de Fake News se relaciona com o mundo político. É comum o exagero de notas e publicações positivas sobre determinada figura política, com o objetivo de alavancar candidaturas e apoio popular; o contrário também ocorre, e “adversários políticos” espalham notícias mentirosas com o objetivo de denegrir, macular, manchar a reputação ou honra de alguém. Isso comumente é usado até as últimas consequências. A História conta que o político e general romano Marco Antônio cometeu suicídio motivado por notícias falsas. Disseram a ele que sua mulher, Cleópatra, também havia cometido suicídio; o que não era verdade. Quando notícias mentirosas são espalhadas

o trabalho de jornalistas sérios fica mais difícil. Decisões erradas baseadas em inverdades podem ser tomadas e consequências terríveis ganham probabilidade maior de acontecer. Claro que devemos diferenciar notícias falsas usadas para levar ao erro e engano daquelas que são paródias, sátiras e declaradamente piadas ou anedotas. O Fake News se utiliza de conteúdo enganoso e falso, usa impostores (fontes inventadas) e meias verdades (uma parte da notícia é verdadeira para dar caráter válido à parte que não é). Fake News, como você já deve ter percebido, é o nome moderno para uma velha conhecida da humanidade: a mentira. E como as pessoas contam e caem em mentira! Aqui vai um alerta para nós: Não caiamos tão facilmente em mentiras. É triste, mas há pessoas que acreditam em tudo, não apenas sem verificar, mas também, acreditam em coisas sem sentido, sem nexos ou coerência. Um certo ditador do passado dizia que “as grandes massas cairão mais facilmente numa grande mentira do que numa mentirinha”. Que triste verdade! É quase impossível, depois que uma mentira foi espalhada, restaurar a verdade. O estadista Britânico Winston Churchill disse certa vez que “uma mentira dá uma volta inteira ao mundo antes mesmo de a verdade ter oportunidade de se vestir”. Aqueles que já sofreram a dor de uma mentira dita e espalhada sobre a sua pessoa sabem o que isso significa. Conheço famílias que tiveram que mudar de cidade por causa de mentiras. O Reformador do Séc. XVI Martinho Lutero escreveu que “Todo o pecado é um tipo de mentira”. Seja verdadeiro, seja leal, seja confiável. Isso vale para o comerciante, o vendedor, o médico, o juiz e o policial. Os pais precisam, pelo exemplo, ensinar seus filhos a falarem apenas o que é verdadeiro. Pequenas mentiras podem trazer grandes problemas. Por isso, não conte mentiras. Não seja você um propagador deste mal. Aliás, saiba que a Bíblia fala sobre isso. E não pega leve! Jesus disse certa vez que o Diabo fala mentira “Porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira” (João 8.44). Expressões fortes de Jesus! Termino com as palavras do sábio Salomão sobre enganar o próximo. Ele disse: “Como o louco que lança fogo, flechas e morte, assim é o homem que engana seu próximo e diz: Fiz isso por brincadeira”. (Provérbios 26.18-19). Este é o potencial da mentira, do Fake News, causar até mesmo a morte, mesmo quando feito por brincadeira. Não faça isso. Não brinque com o fogo!


3

Dourados, sĂĄbado/domingo 27/28.1.2018 O PROGRESSO

Dia a Dia UNIGRAN

Governo entrega R$ 81 mi em obras para Maracaju Reinaldo Azambuja inaugura hoje pavimentação de avenidas, rodovia e lança outras frentes para os setores de infraestrutura, saneamento e educação ACERVO

Reitora da Unigran Rosa De Dea entrega diploma a formanda

Unigran forma proďŹ ssionais qualiďŹ cados A inscrição para vestibular ĂŠ atravĂŠs do site www. vestibularunigran.com.br De Dourados

Governador Reinaldo Azambuja retorna ao comando do Executivo Estadual com entregas de obras emblemĂĄticas em Maracaju

De Campo Grande O governador Reinaldo Azambuja retorna ao comando do Executivo Estadual neste såbado com entregas de obras emblemåticas em Maracaju, que envolvem R$ 81,2 milhþes em investimentos. Ele estarå na cidade para inaugurar a restauração das avenidas Ma-

rĂŞa, em frente Ă Escola Municipal JoĂŁo Pedro Fernandes. TambĂŠm estarĂŁo presentes o secretĂĄrio estadual de Infraestrutura, Marcelo Miglioli, o prefeito MaurĂ­lio Azambuja e demais autoridades municipais e estaduais. Confira abaixo todos os detalhes. Entregas

O governador entrega hoje Solenidade para entregas a restauração funcional das e lançamentos serĂĄ Ă s avenidas Marechal Deodoro da Fonseca (entre as ruas 10h15 na Avenida Mario CorrĂŞa, em frente Ă  Escola Benjamin Constant e Franklin Pereira Ribeiro), Mario CĂ´rJoĂŁo Pedro Fernandes rea (entre as ruas Apa e Airrechal Deodoro da Fonseca, ton Senna da Silva) e MareMario CorrĂŞa e Marechal Flo- chal Floriano Peixoto (entre o riano Peixoto; entregar a pa- mini anel rodoviĂĄrio e a Rua vimentação asfĂĄltica da MS- Dois) â&#x20AC;&#x201C; numa ĂĄrea de mais de EVSHSZMEHEÂťKYE*VMEI 71 mil m². Investimento total: lançar mais obras nas ĂĄreas de R$ 4,1 milhĂľes. TambĂŠm entrega a paviinfraestrutura, saneamento e mentação asfĂĄltica da MSeducação. O evento das entregas e lan- 460, entre o km 14 (Maracaju çamentos serĂĄ realizado Ă s rÂťKYE*VME EXÂŚSIRXVSRGE10h15 na Avenida Mario Cor- mento da MS-166; e do en-

OBRAS (675$'$3$9,0(17$'$

Na MS-460, entre o km 14 (Maracaju â&#x20AC;&#x201C; Ă gua Fria) atĂŠ o entroncamento da MS-166 0$,6$6)$/72

Do entroncamento da MS-166 atĂŠ o entroncamento da BR-060 (Pedra) - 49 quilĂ´metros $9(1,'$6

Marechal Deodoro da Fonseca, Mario CĂ´rrea e Marechal Floriano Peixoto

troncamento da MS-166 atĂŠ o entroncamento da BR-060 (Pedra) â&#x20AC;&#x201C; numa extensĂŁo de 49 quilĂ´metros. Investimento total: R$ 65,2 milhĂľes. Tem, ainda, a obra de instalação do sistema de climatização da Escola Estadual CambaraĂ­. (R$ 149,1 mil) e um caminhĂŁo tipo caçamba basculante para Sanesul (R$ 154,5 mil).

Lançamentos

Entre os lançamentos de hoje estĂŁo a assinatura de ordem de inĂ­cio de serviço para obra de reforma e ampliação da Escola Estadual Padre Constantino de Monte (R$ 806,1 mil). Autorização para licitação da obra de reforma geral da Escola Estadual Manoel Ferreira Lima (R$ 4,3 milhĂľes). Assinatura de autorização para licitação da obra de controle de enchentes no Bairro CambaraĂ­ e no Jardim SĂŁo SebastiĂŁo â&#x20AC;&#x201C; Bacia de Detenção (R$ 1,9 milhĂŁo). Ordem de ser viço para construção de dois reservatĂłrios metĂĄlicos com capacidade de 1.000 mÂł â&#x20AC;&#x201C; Centro de Reservação Alto das Palmeiras e Constro de Reservação Vivendas do Sul (R$ 1,3 milhĂŁo). Autorização de licitação para obra do sistema de abastecimento de ĂĄgua para Sanesul (R$ 3,1 milhĂľes).

Sicredi reinaugura agĂŞncia na Capital

6ÂŞ Feira de Calçados começa domingo DIVULGAĂ&#x2021;Ă&#x192;O

Campanha vai sortear uma casa de R$ 200 mil, motos camioneta, viagens e TVs

De Campo Grande

De Campo Grande

Com inĂşmeros produtos inovadores da indĂşstria calçadista nacional para mostrar aos lojistas sul-mato-grossenses, a 6ÂŞ Feira de Calçados, Couros e AcessĂłrios de Mato Grosso do Sul (Feicc-MS) começa neste domingo e prossegue atĂŠ terça-feira, das 8 Ă s 19 horas, no Centro de Convençþes e Exposiçþes Albano Franco, localizado na Avenida Mato Grosso, 5.000, na Capital. O evento ĂŠ voltado exclusivamente para os lojistas de calçados, couros e acessĂłrios de MS e vai apresentar os principais lançamentos da coleção de inverno 2018. Conforme o presidente do Sindical/MS (Sindicato das IndĂşstrias de Calçados de Mato Grosso do Sul), JoĂŁo Batista de Camargo Filho, a realização da 6ÂŞ edição ĂŠ resultado do sucesso das cinco primeiras ediçþes. â&#x20AC;&#x153;Mais uma vez vamos realizar a Feira no Albano Franco, que jĂĄ ĂŠ um espaço conhecido pelos empresĂĄrios de todo o Estado e, alĂŠm de ser bem mais amplo e agradĂĄvel, tem toda a infraestrutura necessĂĄria para receber os lojistas visitantes, bem como os expositoresâ&#x20AC;?, afirmou JoĂŁo Batista de Camargo Filho. O evento ĂŠ realizada pelo

O Sicredi reinaugurou anteontem a Agência Campo Grande, na Rua 13 de Maio, 3669, em frente à Santa Casa. O evento contou com a presença de autoridades, associados e representantes do cooperativismo. Essa Agência Ê a 1ª da Sicredi Campo Grande, que agora conta com dois pavimentos, no 1º andar com atendimento à Pessoa Física, no 2º para Pessoa Jurídica e Agronegócio. O novo prÊdio da agência, apresenta a nova marca desenvolvida com o objetivo principal de posicionar o Sicredi como instituição financeira cooperativa comprometida com a vida financeira dos seus associados e com as regiþes onde atua. No ambiente interno, o espaço amplo foi pensado para oferecer conforto, proximidade e interação entre os associados. Logo na entrada, uma årea de recepção foi criada para orientar sobre a melhor opção de atendimento. Quem precisar esperar, contarå com a årea de convivência onde poderå tomar cafÊ, ler ou atÊ mesmo aproveitar para realizar tarefas de tra-

Sindical/MS e pelos empresårios Enildo Aparecido da Silva, JosÊ Paschoal Fedel, Jorge Akio Ishi, Roberto dos Santos Justi, Marcelo de Oliveira Adão, Alan Augusto Brilhador, Francisco de Sales Garcia Borges e LaÊlcio Fernandes de Oliveira. AlÊm disso, a Feicc conta com os patrocínios da VitLog (Vitória Logística) e Rotoplast Climatizadores Evaporativos e o apoio do Senai, Sebrae/MS, Governo do Estado e Prefeitura de Campo Grande. O presidente do Sindical/ MS acrescenta ainda que a expectativa Ê receber 300 lojistas de todo o Estado e mais de 900 pessoas circulando no local durante os três dias da Feira de Calçados. Mais informaçþes pelo email sindicalms@ fiems.com.br ou pelos telefones (67) 3324-1963 (Bårbara) (67) 99654-4793 (Camargo)

Formatura na Unigran em Dourados reĂşne famĂ­lias. Casal graduado junto pretende montar o prĂłprio negĂłcio A Unigran tambĂŠm ĂŠ herança familiar. Ă&#x2030; o que observa o publicitĂĄrio Renan Prado, que colou grau em Publicidade e Propaganda. â&#x20AC;&#x153;Eu tenho orgulho de ser Unigran, instituição que formou meu pai, meu tio e que agora me formou. NĂŁo tenho palavras para expressar o que eu senti na hora que escutei meu nome e recebi o diplomaâ&#x20AC;?, diz. Serviço VocĂŞ tambĂŠm pode fazer parte de todo esse universo, fazendo a sua inscrição atravĂŠs do site www.vestibularunigran.com.br

Biomedicina aprova dois acadĂŞmicos em mestrado DIVULGAĂ&#x2021;Ă&#x192;O

O evento que acontece no Pavilhão Albano Franco, na Capital, segue atÊ terça

Feicc-MS apresenta os lançamentos em couros

As Ăşltimas noites na Unigran foram para lĂĄ de movimentadas com as colaçþes de grau dos cursos das faculdades de Direito, CiĂŞncias da SaĂşde, CiĂŞncias Humanas e CiĂŞncias Sociais e CiĂŞncias Exatas e AgrĂĄrias. Pais, tios, avĂłs, amigos, esposas, esposos, filhos e amigos prestigiaram o evento. Todos reunidos para comemorar vitĂłrias. Mais de mil acadĂŞmicos, agora profissionais qualificados, estĂŁo aptos para o mercado de trabalho. Para complementar a felicidade de receber o tĂŁo desejado diploma, imaginem vocĂŞs, colar grau na mesma cerimĂ´nia que o esposo? Assim foi a noite da agora farmacĂŞutica Aline Eberhart, que recebeu o diploma na mesma ocasiĂŁo que o marido Anderson Silva, formado em Radiologia. Para ela esse dia vai ficar marcado para sempre na memĂłria. â&#x20AC;&#x153;Foi com certeza um dos dias mais especiais de nossas vidas (...) eu jĂĄ estava cursando o terceiro ano da faculdade quando passei por alguns problemas e pensei em desistir, o Anderson para me apoiar,

prestou vestibular e começou a estudar, como forma de me incentivar (...) a partir dai nossos caminhos foram mais uma vez se estreitando e hoje estamos preparados para uma nova jornada no mercado de trabalhoâ&#x20AC;?, diz Aline. Eles, agora formados, continuam sonhando. O projeto ĂŠ montar o prĂłprio negĂłcio. Afinal o casamento pode tambĂŠm dar certo na vida profissional. â&#x20AC;&#x153;Nossa ideia ĂŠ unir conhecimentos e ir em busca de voar sempre mais alto (...) logo nossa formação profissional vai começar a gerar frutos e isso ĂŠ muito gratificanteâ&#x20AC;? finaliza Anderson.

UNIGRAN

Solenidade aconteceu quinta em Campo Grande

Paulo Vitor Moreira e Maria Joelma Alves sĂŁo mestrandos

balho. Segundo AntĂ´nio Kurose, presidente da Sicredi Campo Grande, esse novo prĂŠdio trarĂĄ conforto aos associados e faz parte das comemoraçþes dos 20 anos da Cooperativa. â&#x20AC;&#x153;O cooperativismo se diferencia por isso, ĂŠ feito de pessoas para pessoas, pois devolve Ă comunidade o resultado obtido. Prezamos pelo relacionamento com os nossos associados e a nova ambientação auxilia nissoâ&#x20AC;?, destaca o presidente. Durante o evento, foi lançado o selo comemorativo dos 20 anos da Cooperativa e apresentado a campanha que sortearĂĄ prĂŞmios: 12 televisores de 40â&#x20AC;?, seis viagens para Cancun, seis motos Honda, uma camioneta Chevrolet S10 e uma casa avaliada em R$ 200 mil.

Curso de Biomedicina colhe os frutos de uma formação de excelência De Dourados Para este ano de 2018 a Unigran e mais especificamente o curso de Biomedicina comemoram a aprovação de alunos no mestrado de ciências da saúde. Ambos utilizaram a experiência dos projetos de iniciação científica oferecidos pela Instituição para subsidiarem o prÊ-projeto de mestrado na årea de Ciências da Saúde na Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Uma das aprovadas Ê a alagoana Maria Joelma Alves, que concluiu o curso no final de 2016 e foi aprovada no mestrado na årea

especĂ­fica de â&#x20AC;&#x2DC;doenças crĂ´nicas e parasitĂĄriasâ&#x20AC;&#x2122;, tema este que sempre foi o preferido da alagoana durante os oito semestres do curso de biomedicina na Unigran. Quem tambĂŠm conquistou uma vaga no mestrado foi o Paulo Vitor Moreira, douradense de 22 anos, que terminou a faculdade no final de 2017. O biomĂŠdico passou no mestrado enquanto ainda cursava o Ăşltimo ano da faculdade e agora serĂĄ mestrando CiĂŞncias da saĂşde, na ĂĄrea de farmacologia. O curso de Biomedicina da Unigran, criado em 2000, ĂŠ o melhor do Centro-Oeste, de acordo com as Ăşltimas avaliaçþes do MinistĂŠrio da Educação. Com conceito 4, em escala que vai de 1 a 5, ĂŠ considerado excelĂŞncia de ensino, ocupando a 21ÂŞ posição no paĂ­s.


4

Dourados, sábado/domingo 27/28.1.2018 O PROGRESSO

Meio ambiente HEDIO FAZAN

PONTO A PONTO /(*,6/$ßÇ2 A Lei Municipal 3.959/2015, especialmente, o artigo 22, veda a poda excessiva ou drástica de arborização pública ou particular 6835(66Ç2 Há casos, conforme as denúncias, em que está havendo a supressão das árvores, medida proibida pela Lei Municipal 3.959/2015 08/7$6 Danos ambientais constados pelo Imam e que são decorrentes das 92 podas irregulares, resultaram em multa no valor de R$ 44.141,60 forma grosseira. “Estamos cumprindo ordens. Vai reclamar lá na firma.”, conta Paulo Fernandes.

Recentemente uma chácara na região do anel viário teve quatro árvores cortadas no talo ( uma goiabeira e uma seriguela) e duas aroeiras ( que são protegidas)

MPE INVESTIGA PODAS DE ÁRVORES EM DOURADOS Diante das constantes denúncias de moradores, a 11ª Promotoria de Justiça da Comarca de Dourados instaurou inquérito civil contra a empresa concessionária de energia elétrica em MS Marcos Morandi morandi@progresso.com.br A empresa concessionária de energia elétrica em Mato Grosso do Sul (Energisa) é alvo de um inquérito civil aberto pelo Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul (MPE/MS) para apurar danos causados ao meio ambiente de Dourados por

O inquérito civil nº 06.2016.00001022-7, instaurado no dia 21 de fevereiro de 2017, reúne 376 páginas Segundo moradores, as árvores têm sido cortadas no talo e a remoção de galhos, demorado para acontecer meio das podas irregulares de árvores na área urbana. O procedimento foi motivado pelas constantes reclamações da população junto ao Instituto do Meio Ambiente de Dourados (Imam) e ao próprio MPE/MS. O inquérito civil nº 06.2016.00001022-7, instaurado no dia 21 de fevereiro de

PAULO FERNANDES

2017 pela 11ª Promotoria de Justiça da Comarca de Dourados, por determinação do promotor de justiça Amílcar Araújo Carneiro Júnior contra a Energisa reúne 376 páginas e está fundamentado nas regras definidas pela Lei Municipal 3.959/2015, especialmente no artigo 22, que estabelece que “é vedada a poda excessiva ou drástica de arborização pública ou de árvores em propriedade de particular, que afete siginificativamente o desenvolvimento natural da copa” e em diligências onde foram verificadas que tais normativas não estão sendo cumpridas. Segundo a 11ª Promotoria de Justiça da Comarca de Dourados, na época da abertura do inquérito, o Imam, que é o órgão responsável pelo cumprimento da legislação ambiental do município, já tinha constatado 92 podas irregulares. Apesar do inquérito, a Energisa continua fazendo vistas grossas para o problema, sem abrir mão do uso indiscriminado de tesouras, facões e motosseras. Com a justificativa de que precisa fa-

Da oiti plantada pelo empresário, sobraram só alguns galhos

zer a manutenção das linhas de transmissões, deixa o bom senso de lado e continua extrapolando nas podas. Há casos, em que está havendo a supressão das árvores, medida proibida pela Lei Municipal 3.959/2015. De acordo com moradores, as árvores têm sido cortadas no talo e a remoção de galhos tem demorado para acontecer. Recentemente uma chácara na região do anel viário teve quatro árvores cortadas no talo, sendo uma goiabeira, uma seriguela (ambas com frutos) e duas aroeiras, espécie que tem o corte proibido pela portaria 83-N de 1991. “Eles chegam e sem falar nada praticamente derrubam tudo”, reclama o empresário Paulo Sérgio Fernandes Rosas, que ficou indignado com o tratamento dado a uma oiti (Licania tomentosa) que ele podava periodicamente. “Sempre contratei um jardineiro, que deixava a árvore redondinha. Quando vi eles já tinham feito um estrago”, lamenta o empresário, que chegou a questionar os funcionários da empresa. Segundo ele a resposta veio de

Multas Na avaliação do arquiteto e diretor do Instituto do Meio Ambiente de Dourados (Imam), Fábio Luis, a prefeitura tem tomado as providências cabíveis, “não só em relação à Energisa, mas também em relação a alguns proprietários que extrapolam o bom senso e acabam cometendo irregularidades”. Segundo ele, o Imam tem notificado e autuado as práticas que contrariam as normas estabelecidas na Lei Municipal 3.959/2015. Embora o inquérito civil tenha iniciado em fevereiro do ano passado, alguns procedimentos em relação à Energisa foram aplicados em 2016. Os danos ambientais constados pelo Imam e que são decorrentes das 92 podas irregulares, resultaram em multa no valor de R$ 44.141,60. Entretanto, as infrações parecem não coibir as práticas predatórias que continua em ritimo acelerado. Nas páginas do inquérito aberto pela Ministério Publico constam provas dos inúmeros crimes ambientais praticados pela Energisa em vias públicas e, também, em propriedades privadas. Além dos autos de infração, há documentos encaminhados a diversos órgão públicos, entre eles, a Delegacia Regional de Polícia Civil, solicitando a instauração de termo circunstaciado de ocorrência. Para se defender das denúncias, a empresa alega por meio de uma empresa de assessoria jurídica, “que é dever da concessionária fazer a manutenção preventiva da sua rede de energia de modo a evitar risco à vida, à saúde, à segurança ao patrimônio material e moral de seus consumidores”. No documento que consta do inquéito civil aberto pelo MPE/MS, a assessoria assegura, ainda, que não está causando nenhum dano ao meio ambiente. “E importante afirmar que a Energisa não realiza poda indiscriminada; longe disso, pois a Concessionária tem consciência que assim como o serviço de energia é importante para o desenvolvimento socioeconômico, as árvores também desempenham um papel importante para a obtenção dos níveis de qualidade da vida”.


Televisão

Glória Pires brilha na novela das 21h da Globo 3»*

O PROGRESSO

DMAIS

Dourados, sábado/domingo 27/28.1.2018 O PROGRESSO


2

Dourados, sábado/domingo 27/28.1.2018 O PROGRESSO

DMAIS HEDIO FAZAN

3URSULHWÀULRV-RVÒGH6RX]D*RQGLPHRğOKR%DUUDEÀV

Imobiliária Gondim comemora 28 anos Especializada em venda de imóveis e loteamentos, a Imobiliária Gondim se consolidou e atualmente projeta novos investimentos para Dourados Vinicios Araújo Quando se procura uma empresa para auxiliar na compra do imóvel dos sonhos ou de um terreno para construir uma casa do jeito que desejar é impossível não ter como referência a Imobiliária Gondim. Em 2018, a empresa

Gondim inova os métodos de atendimento retirando os corretores de dentro das salas e os levando até os clientes comemora seus 28 anos carregando uma história de sucesso em Dourados. Fundada em 1990, a Gondim se consagrou como uma das principais empresas do ramo no município. Especializada em vendas, a Imobiliária consolidou a marca Gondim através do excelente método de serviço, que é presenciado desde o primeiro atendi-

mento até a hora de fechar o negócio. Para o proprietário, José de Souza Gondim, completar 28 anos é motivo para muita alegria. Ele afirma que apesar do momento difícil vivido pelo País, a classe consumidora não deixou de aderir aos serviços da empresa. “Temos um fluxo de cerca de 1500 clientes por mês. Em 2017, fechamos o ano com saldo positivo e agora, logo no início de 2018, o movimento já demonstra um ano de muito crescimento e trabalho”, diz. De acordo com o empresário, os principais bairros procurados pelos compradores de imóveis são Jardim Girassol, Ecoville, Portal de Dourados, Vila Planalto, Novo Parque Alvorada, Jardim Santa Fé, Terra Dourada e Porto Madero. Oferecendo imóveis que vão desde o simples ao alto padrão, a Imobiliária Gondim vem buscando inovar os

métodos de atendimento retirando os corretores de dentro das salas e os levando até os clientes, proporcionando praticidade ao comprador. “Com as mudanças do mercado, é preciso sair do escritório e ir à rua de encontro aos potenciais compradores” explica. Além dos imóveis, a Gondim é uma das principais empresas de venda de loteamentos em Dourados. Credenciada com a Saad Lorensini, que está projetando um novo investimento na cidade, um condomínio fechado de alto padrão localizado em frente à Avenida Dom Redovino, que está prestes a ser lançado. A expectativa é que seja um sucesso de vendas, por ser tratar da região mais nobre de Dourados. José Gondim acredita que a agricultura é o que fomenta o mercado imobiliário em Dourados. “Estamos torcendo por uma boa safra, pois entende-

mos que é através da agricultura que a economia da cidade avança, sendo assim, também somos beneficiados com esse fator” enfatiza. O filho do empresário, Barrabás Gondim garante que se orgulha do sucesso que a empresa da família alcançou. “Desde pequeno via o esforço do meu pai e tinha o sonho de trabalhar ao lado dele. A nossa Imobiliária é uma tradição de família, que será passada de pai para filho, e espero futuramente dar continuidade com o meu filho Cauã, que completa dois anos em maio” revela. Os empresários desejam um ano de muito crescimento para Dourados e reforçaram a parceria com os clientes. “Nós desejamos um 2018 de avanços expressivos para essa cidade que se tornou nosso celeiro de sucesso. Aos nossos amigos e clientes, queremos reforçar a parceria que há 28 anos nos permitiu chegar até aqui”.

O humor na tela e fora dela 0$5*$5(7( %,1 *Cronista e Doutoranda em Formação do Leitor

Jumanji: Bem-vindo à Selva”, o que era para ser um filme de ação tornou-se uma bela e hilariante comédia, caindo nas graças do público diversificado presente no cinema. Para quem, assim como eu, já assistiu a primeira

edição há alguns anos, sentiu a curiosidade para esse reencontro com jovens transportados pelos jogos para Jumanji, agora numa versão mais moderna. Um início meio chocho, porém, aos poucos foi extraindo contagiantes risadas do público. Aliás, o que chamou a atenção foi exatamente isso, o que aconteceu do lado de fora do filme. A plateia incrementou o espetáculo, sentindo-se partícipe da construção das cenas, inclusive, por vários

momentos até arriscaram interagir em voz alta com os personagens. Entre assobios, aplausos e gargalhadas foi-se tecendo o desenrolar do enredo animado dentro e fora do quadro cinematográfico. Para quem não assistiu, vale a pena, caso deseje exercer a terapia do riso. Entretanto, não espere situações desafiantes, grandes acontecimentos. Isso não acontece na película. Comparando-se à versão

original, à qual não havia nada de jocoso, a narrativa atual, traz Dwayne Johnson, conhecido do público, para compor e por que não dizer protagonizar este espetáculo de avatares divertidos. Então, escolha seu dia de ócio, livre-se das preocupações corriqueiras, vá para a bilheteria, por nada neste mundo abandone seu balde de pipocas, incremente-se com os óculos 3D e aí é só curtir. Boa viagem para a floresta!


3

Dourados, sĂĄbado/domingo 27/28.1.2018 O PROGRESSO

DMAIS

GlĂłria Pires brilha na novela

das 21h da Globo â&#x20AC;&#x153;Acho que mĂŁe estĂĄ sempre se colocando QDIUHQWHSHORVÄ&#x;OKRV(QDGDPDLVERQLWRQDGUDPDWXUgia do que isso. Prende realmente as pessoas, emocionaâ&#x20AC;?, diz a atriz sobre sua personagem GLOBO/ RAQUEL CUNHA)

Esta semana, GlĂłria Pires emocionou os telespectadores durante a cena da novela das 21h, â&#x20AC;&#x153;O Outro Lado do ParaĂ­soâ&#x20AC;?, da rede Globo. Ela relembrou o passado de Elizabeth Monsserat e foi reconhecida pela filha, Adriana (Julia Dalavia) no julgamento de Duda (nome da personagem da atriz na segunda fase da novela).O julgamen-

Por enquanto, Duda acredita que Clara ĂŠ a responsĂĄvel pelo assassinato de Laerte na novela â&#x20AC;&#x153;O Outro Lado do ParaĂ­soâ&#x20AC;? to aconteceu porque Duda, mesmo sem ser culpada de um crime, se entregou para â&#x20AC;&#x153;pouparâ&#x20AC;? sua outra filha, Clara (Bianca Bin) â&#x20AC;&#x201C; que ainda nĂŁo sabe que Duda ĂŠ sua mĂŁe. Mas isso ainda ĂŠ revelação para outro capĂ­tulo. Por enquanto, Duda acredita que Clara ĂŠ a responsĂĄvel pelo assassinato

Julgamento de Duda (GlĂłria Pires) na novela â&#x20AC;&#x153;O Outro Lado do ParaĂ­soâ&#x20AC;? foi marcado por revelaçþes e muita emoção

HORĂ&#x201C;SCOPO Ă RIES De 21/03 a 20/04

Muito boa influĂŞncia para YRFĂ&#x201C;$SURYHLWHRERPÄ X[R para tratar dos assuntos familiares pendentes, para obter melhores resultados profissionais possĂ­veis e para tratar com pessoas amigas.

TOURO

D e 2 1 /0 4 a 2 0 /0 5

Tire de sua mente as mås intençþes, o pessimismo e o desânimo. Coloque no lugar, uma boa dose de otimismo e força de vontade que tudo deverå melhorar para você. Loteria favorecida. Não complique as suas decisþes de última hora.

GĂ&#x160;MEOS De 21/05 a 20/06

Amizades felizes, sucesso profissional,socialefinanceiroĂŠoqueprenuncia este dia para vocĂŞ. PoderĂĄ ter, por outro lado, algum aborrecimento passageiro provocado pelos filhos ou pais. Devido as suas novas ideias, vocĂŞ estarĂĄ se sentindo mais livre.

CĂ&#x201A;NCER De 21/06 a 21/07

3RVLWLYRIOX[RDVWUDOPDV desde que tenha nascido no primeiro ou segundo decanato, para assinar contratos ou documentos importantes. A condição fĂ­sica e mental estĂĄ em ascensĂŁo, juntaPHQWHFRPRVHWRUSURÄ&#x;VVLRQDO

de Laerte (Raphael Vianna). O portal G 1, perguntou se Gloria faria o mesmo se passasse por tal situação na vida real? â&#x20AC;&#x153;Acho que sim. Acho que mĂŁe estĂĄ sempre se colocando na frente pelos filhos. E nada mais bonito na dramaturgia do que isso. Prende realmente as pessoas, emociona. A relação de mĂŁe e filhos, mesmo quando ĂŠ triste ou trĂĄgica, ĂŠ sempre belaâ&#x20AC;?, afirma a atriz. Com quase 50 anos de carreira, GlĂłria acredita que esta seja a personagem mais difĂ­cil que jĂĄ fez. â&#x20AC;&#x153;Com certeza, ainda mais que tem o elemento surpresa aĂ­â&#x20AC;?, despista, fazendo suspense sobre a prĂłxima etapa da novela. â&#x20AC;&#x153;Meu mĂŠtodo ĂŠ ter um fundamento da minha personagem. E isso ĂŠ como uma âncora. A marĂŠ estĂĄ jogando pra lĂĄ, jogando pra cĂĄ, mas tem uma âncora mantendo essa ligação. E a gente sabe que novela, Ă s vezes tem que ir pra um lado, pro outro, o personagem que era uma coisa vira outra. Faz parte do prĂłprio formatoâ&#x20AC;?. Outra novidade nesse trabalho ĂŠ uma parceria com Walcyr Carrasco. â&#x20AC;&#x153;Nunca tinha feito novela do Walcyr. EntĂŁo o convite dele pra mim foi um startâ&#x20AC;?, afirma a atriz, explicando um dos motivos de aceitar o papel. â&#x20AC;&#x153;E fiquei animada com a trama. Mas eu sĂł sabia que era uma mulher muito bem casada, que ia acontecer o envolvimento com uma outra pessoa, que ia acontecer um acidente, que essa pessoa ia morrer e que ela teria que fugirâ&#x20AC;?.

PALAVRAS-CRUZADAS DIRETAS LEĂ&#x192;O De 22/07 a 22/08

Algumas contrariedades em seu lar estarĂŁo previstas para o perĂ­RGRGDPDQKĂ&#x201A;3RURXWURODGRRÄ X[RĂ&#x2019;IDYRUĂ&#x20AC;YHOSDUDMRJRVQDORWHULD %RPÄ X[RSDUDQHJĂśFLRV1RDPRU o seu interesse por uma aventura e pelo risco, pode estar evidente.

VIRGEM

D e 2 3 /0 8 a 2 2 /0 9

Muitas oposiçþes deverão surgir, logo às primeiras horas do dia. Mantenha a calma, pois conseguirå superar todas, com facilidade. Lucros inesperados, atravÊs de jogos, sorteios e da loteria. A posição do planeta Júpiter, pode oferecer melhores chances em seus relacionamentos amorosos.

LIBRA De 23/09 a 21/10

Dia em que receberĂĄ benefĂ­cios inesperados conseguirĂĄ atrair a simpatia dos outros e serĂĄ muito feliz, em sua vida familiar, amorosa HEHPVXFHGLGRSURÄ&#x;VVLRQDOHÄ&#x;nanceiramente. Viagem e contatos pessoais propĂ­cios.

ESCORPIĂ&#x192;O De 23/10 a 21/11

2VIOX[RVSRGHUĂ&#x201A;RDMXGĂ&#x20AC;OR surpreendentemente, no perĂ­odo da manhĂŁ. Tudo se resolverĂĄ da melhor forma possĂ­vel e com perspectivas das melhores. Lucros e vantagens Ă tarde e a noite. Dia neutro para o amor.

SAGITĂ RIO De 22/11 a 21/12

'LDHPTXHH[LJLUĂ&#x20AC;RPĂ&#x20AC;[LPR de sua inteligĂŞncia para que possa conseguir realizar seus anseio e GHVHMRV2Ä X[RDVWUDOĂ&#x2019;GRVPHlhores para a sua saĂşde, para tratar com religiosos e para solicitar favores.

CAPRICĂ&#x201C;RNIO De 22/12 a 20/01

+Ă&#x20AC;LQGâFLRVGHĂ&#x201C;[LWRQDVTXHVtĂľes que demandem sigilo, loteria, jogos, esportes e casamento. 'LDH[FHOHQWHSDUDUHVROYHUXP SUREOHPDILQDQFHLUR'HL[HSDUD trĂĄs os pensamentos obscuros e substitua-os por açþes mais independentes e seguras.

AQUĂ RIO De 21/01 a 19/02

Grandes possibilidades de sucesso estĂŁo ao seu redor. Procure VHUPDLVDPLJRHFRUWĂ&#x201C;VDÄ&#x;PGH ganhar dinheiro e conquistar simpatias. Possibilidades de ganho na loteria ou ter sua situação mudada para melhor a qualquer momento.

PEIXES De 20/02 a 20/3

Agir com prudência e decisão serå a norma principal e vålida para este dia. Quaisquer dificuldades que possam surgir, serão facilmente contornadas. Conte com os familiares. Faça poupança ou evite os gastos.

SOLUĂ&#x2021;Ă&#x192;O DO NÂş ANTERIOR


Dourados, sĂĄbado/domingo 27/28.1.2018 O PROGRESSO

HOLOFOTE

â&#x20AC;&#x153;Ă&#x2030; impossĂ­vel rir e se preocupar ao mesmo tempoâ&#x20AC;?. Myrl V. Murrauy

BLANCHE TORRES

2FDVDO&DUOLQGD)HUUD]*XLPDUĂ&#x201A;HVH3HGUR1RYDHV *XLPDUĂ&#x201A;HVTXHQDÄ&#x17D;OWLPDTXLQWDIHLUDFRPSOHWRX %RGDVGH$]HYLFKHDQRVGHFDVDGRV3DUDEĂ&#x2019;QV SHODFXPSOLFLGDGHHUHVSHLWR

Destaque ao dinâmico casal, Carminha e o presidente do Clube Indaiå Angelo Ximenes

Destaque a LĂŠia Quiles Melhado Arcas, HÄ&#x;FLHQWHGLUHWRUDGD(VFROD3UHVELWHULDQD Erasmo Braga

3DUDEHQL]DPRV'KRQH<DQTXHDQLYHUVDULD hoje e recebe o carinho dos pais e da irmĂŁ

3DUDEHQL]DPRV,]DEHOO\$\XPL$PDURTXHFRPHPRUD 9 anos hoje e recebe o carinho da famĂ­lia Ferreira. Na foto, com sua mĂŁe Viviany

)HOLFLGDGHVD5DIDHOGH2OLYHLUD9LHLUDTXHFRPSOHWRXLGDGHQRYDRQWHP Na foto, com sua prima Amanda Nastri que tambĂŠm ĂŠ aniversariante do PĂ&#x201C;VGHMDQHLUR(OHVUHFHEHPRVSDUDEĂ&#x2019;QVGHWRGDIDPâOLDHDPLJRV

3DUDEĂ&#x2019;QVDSURIHVVRUD5RVLOHQHGRV6DQWRV Farias, que aniversariou na Ăşltima quintafeira e recebe os cumprimentos do esposo 1LOVRQ3HUHLUDIDPLOLDUHVHDPLJRV

3DUDEĂ&#x2019;QVDRHQIHUPHLUR-XQLRU&RVWDTXHDQLYHUVDULDKRMHH FRPHPRUDDRODGRGDHVSRVD1DWĂ&#x20AC;OLDHRÄ&#x;OKR$UWKXU

Aniversaria neste sĂĄbado Marcos Fioravanti, que FRPHPRUDMXQWRFRPVXDHVSRVD*HGDOYD&DOD]DQV 3DUDEĂ&#x2019;QVHIHOLFLGDGHV

Estiveram nos visitando os sĂłcios proprietĂĄrios do excelente HVFULWĂśULRGHFRQWDELOLGDGHĹ&#x192;3HQD)LHOĹ&#x201E;*LYDOGR9LWRUGH$UDÄ&#x17D;MR H(GYDQ%RQĂ&#x2019;WWL*UDWRVSHODJHQWLOYLVLWD

(VWHYHQRVYLVLWDQGR *XVWDYR3HJRUHUGLUHWRU GD,QÄ X[(QJOLVK6FKRRO TXHFRPSOHWDDQRVQD FLGDGHGH'RXUDGRV

$HTXLSHGD(QHUJ\3ULPHSURSULHWĂ&#x20AC;ULRV7DWLDQHH7RQ\%DUERVDHRVIXQFLRQĂ&#x20AC;ULRV5DIDHOH$QLEDOFRQYLGDPDWRGRVSDUDDLQDXJXUDĂ?Ă&#x201A;RGD ORMDTXHVHUĂ&#x20AC;KRMHÂżVKQD$YHQLGD0DUFHOLQR3LUHV Ć&#x201D;Hoje tem Baladinha Chic no Clube IndaiĂĄ. A festa Open Bar terĂĄ como atraçþes os Djs Ely Yabu e Marcos Bonilha e a dupla sertaneja Douglas & Willian. Informaçþes pelo telefone (67) 3421-6059 e 9 9204 5962.

Ć&#x201D;O Studio Blanche Torres estĂĄ oferecendo aulas de Yoga para crianças com a instrutora Neide Campos Quintana. As aulas começam dia 3 de fevereiro e sĂŁo voltadas para a faixa etĂĄria de 5 a 8 anos, divididas em turmas matutina e vespertina. O Studio tambĂŠm oferece Hatha Vinyasa Yoga para adultos e adolescentes. Informaçþes no telefone (67) 3421-0018.

PARABĂ&#x2030;NS AOS ANIVERSARIANTES '(+2 -(-$1(,52- Vilma Aparecida O. Vick; Elisete Nogueira Barbosa; Francisco Moreno de Souza; Ister Fernandes; Ivonilde Betoni; Rafael Duarte de Moura; Francisco Lopes Delgado; Renata MerĂ­dio; AntĂ´nio SimĂľes Ć&#x201D;$&RPSDQKLD2Ä&#x;WDSUHVHQWDQDSUĂś[LPD Diniz; CĂŠlia Regina Souza dos Anjos; Marcos TXLQWDIHLUDHVH[WDIHLUDQR7HDWUR0X Fioravanti. '($0$1+Ă&#x2021;-$1(,52- Assuncion Castello; Chahine Viana Ito; SĂŠrgio QLFLSDOGH'RXUDGRVRHVSHWĂ&#x20AC;FXORĹ&#x192;7UĂ&#x201C;V 9âUJXOD4XDWUR*UDXVQD(VFDOD5LFKWHUĹ&#x201E; Ć&#x201D;&RPSDQKLDVWHDWUDLVHFLUFHQVHVMĂ&#x20AC;SRGHPVH Luiz Domingos Miranda; Tatiana da Silva $VVHVVøHVVHUĂ&#x201A;RĂ&#x20AC;VK2VLQJUHVVRVWHP LQVFUHYHUSDUDR)HVWLYDO%RFDGH&HQD$SUHVHQ Gonçalves; Takashi Kobayashi; FĂĄbio MasFXVWRGH5 LQWHLUD H5 PHLDHQWUD WDĂ?øHVHVWĂ&#x201A;RSUHYLVWDVSDUDRFRUUHUHP&DPSR carenhas Dutra; Jaqueline Silva LibĂłrio;Valdeci Cardena; Cleuza Maria Bernardina PeGD HGH5 HVWXGDQWHVGRFXUVRGH$UWHV *UDQGHQRSHUâRGRGHGHPDUĂ?RDĹ&#x;GHDEULO reira; Marcelo Tecli da Silva. ,QIRUPDĂ?øHV  RX &Ă&#x201C;QLFDV 


O PROGRESSO

Dourados, sábado/domingo 27/28.1.2018

1

Imóveis

2

Apartamentos

3

CLASSIFICADOS

Veículos e utilitários

4

Veículos importados

5

Motos

6

Diversos

7

Telefones

8

Empregos e oportunidades


CLASSIFICADOS

2

O PROGRESSO

Dourados, sábado/domingo 27/28.1.2018

1

80750

Imóveis

JD. GIRASSOL 580 MIL

Excelente casa, próx. à Unigran, de laje, c/ 2 qts, sala, coz, wc, área de serviço, garagem. R$ 980,00 creci 779-J. 3423-2255 ou 99956-6319 Imob. Athenas

R. Iguassu, 1095 esquina Imob. Gondim Creci-6862-J Tel: 3421-0034 ou 999711320

Casa-Venda Casa-Aluga 80697

CASA FLORIDA I 03 qtos, sala, cozinha, A.serviço, com quintal, Rua: Ozorio N. Siqueira nº48 R$570,00 Tel: 3423-2255 80752

CASA JD COLIBRI Ótima casa c/ 2 qts, sala, coz. planejada, área de serviço, wc social, wc de serviço, garagem. R$ 950,00. Creci 779-J. 3423-2255 ou 99956-6319 Imob. Athenas 80751

KIT 02 QTS

80748

KIT 1 QUARTO NOVA Excelentes kits, 01 qto, sala, coz, área de serviço, garagem, nova próximo à Avenida Guaicurus. R$ 450,00. Creci 779-J. 34232255 ou 99956-6319 imob. Athenas 80747

KIT NOVA C/ 2QTS kit c/ 2qts, sala, coz conjugada, wc, área de serviço, garagem, próx. Cantina Mato Grosso R$ 450,00 creci 779-J 3423-2255 ou 99956-6319 Imob. Athenas 75246

KITINET R. Adroaldo Pizzini, 647, 1qt, coz, wc, 99908-0766 80532

KITINET ALTOS INDAIÁ Sala, coz, 02 qtos, cerca eletrica, garagem, portão elet. Tel: 99631-8850 80729

KITINET PRÓX. CENTRO Qt, sala, cozinha, área serviço. R$ 450,00. 99113-9788 80303

KITINET PRÓX. HU Varias Kit. 02 qtos, sala, coz. estac. Tel:99648-9767

BNH-3º PLANO Reformada, R$480 mil Imob. Gondim Creci-6862-J Tel:3421-0034 80723

CANAÃ I 220m² terreno e 90m² construção, 2qts, 1 suíte, wc social, coz. planejada. R$ 195 mil. creci 8954J. 99991-0912 80675

CASA ALTOS INDAIA 270m², alvenaria, 01 suite, 03 qtos, c/ 02 salas, 1 coz, área p/ festa, 02 garagem, R$430 mil. 99971-6931

CASA BNH-II PLANO Imob. Gondim Creci-6862-J Tel: 3421-0034 80583

CASA COM 9 PEÇAS Construida, valor 190 mil. 99978-3487 80684

CASA ECOVILLE Alto padrão, 03 salas 04 suites. Aceito Imóvel no negocio. Tel: 99606-0244 80628

CASA FINANCIADA PQ. Alvorada Creci-6862-J Tel: 3421-0034 ou 999711320 80621

CASA PORTAL 850 MIL 02 suites, 02 dorm. condições pagamentos, Creci-6862-J Tel: 3421-0034 ou 99971-1320 80767

CASA STO ANDRÉ R$ 120,00 vendo/troco terreno 6x26 murado. 999054209 80406

CASA VL SÃO PEDRO Proximo Posto de saude. 99947-8220 OU 99655-6399 80614

COND. F. GRAMADO Imob. Gondim Creci-6862-J Tel:3421-0034 80758

COND. VIENA

KITINETE PARTICULAR Sala, qto, wc, coz, garagem. 99955-4948

ECOVILLE ALTO PADRÃO

80766

KITNET STO ANDRÉ Barato, livre de água, luz, internet. 99905-4209 80420

80715

Imob. Tuiuiu. Creci 0808J. 3422-0080 ou 99943-0080 60909

EDÍCULA ÁGUA BOA

PRÓX. ATACADÃO

R$ 60mil. 99996-4845/ 99210-5078

02 qtos, R$900,00 sala, cozinha. Cel:99921-3737

EM IVINHEMA

80749

PRÓXIMO À FIGUEIRA Ótima casa, próx. ao Ponto da Figueira, c/ 2 qts, sala, coz, wc, garagem. R$ 650,00, creci 779-J. 3423-2255 ou 99956-6319 Imob. Athenas

80638

Ao lado Rodovia vendo / troco por casa em Dourados. 99882-1583 80446

ESQUINA CRISTHAIS 02 qtos, sl, coz, mcmv. Tel: 99624-2879

22988

80445

Av.Pres. Vargas nº40. Próx. a Feira, centro. 99640-1513.

02 qtos, sl, coz, mcmv R$155.000,00 99624-2879

QUARTO FAMILIAR

JD. MÔNACO OPORT. R. Alemanha 555 c/ 2 terrenos Creci-6862-J Tel: 3421-0034 ou 99971-1320

JD. VISTA ALEGRE 4 Peças c/ wc + lavanderia. R: Arapongas, 1.350. 99915-6234 80626

MINHA CASA M. VIDA JD. Pelicano, Creci-6862-J Tel: 3421-0034 80623

PARQUE ALVORADA R. Mohamed Hassan Haj, 1.400. 01 suite closet 02 dorm. emb. Creci-6862-J Tel: 99971-1320 80631

PORTAL C/1.815 TER Imob. Gondim Creci-6862-J Tel: 3421-0034 80764

JD. CRISTHAIS II

80611

Fazendas 80241

1.100 HS.15 MILHÕES Pasto prox. á Nioaque-MS. Tel:99971-3855. Creci-2649 80284

2.281 HAS 8.500/HAS Próx. Miranda-MS dupla apitidão. 99971-3855 Creci-2649 80273

201 ALQUEIRES PASTO 4 milhões próx. á Aquidauana. 99972-3855 Creci-2649 80240

295 HS PASTO Lavora 17.000 hac. Tel:99971-3855 Creci-2649 77049

37 HECTARES Arrenda-se 37hectares em Itaporã, 99933-6060 80649

500 HECTARES

PQ ALVORADA Rua Reinaldo Bianch 360, 3 suítes, 1 dorm, 1 escritório, todos c/ móveis, coz. planejada, 2 sls, espaço gourmet, complemento, piscina, casa ampla. Imob. Gondim Creci 6862-J 34210034 ou 99971-1320 80612

PQ. ALVORADA 550 MIL Imob. Gondim Creci-6862-J Tel:3421-0034.

R. BENJAMIN COST1645 Imob. Gondim Creci-6862-J Tel: 3421-0034 80618

SOBRADO PQ. ALVORADA Novo todo mobiliado Creci-2645-J Tel: 3421-0034 ou 99971-1320 80730

VENDO APTOS/CASAS Terrenos e imóveis rurais. Creci 4510. 99672-0801 Dina 80687

VENDO CASA NOVA 03 quartos, próx. ao Atacadão, nova. 98405-2947

75 ALQUEIRES 78829

ARRENDA OU VENDE 517 hectares em Por to Murtinho. 99933-6060 79859

ARRENDA-SE 250 HEC Na BR em Nova Alvorada do Sul. Tel:(67)99914-3316 ou 99933-6060 80582

BIOMA CERRADO Reserva legal 1.000 Has. Tel: 99971-3855 80450

REGIÃO MARACAJÚ-MS Oportunidade 1.300 hec. com 1.050 de lavoura culturão 40% á 50% de argila. Pgto: Pouca entrada e restante 4 anos. Arrenda por 1 milhão por ano. Tel: (14)996571881 ou (67)99610-4962

Sítios

CHÁCARA ITAPORÃ 05 hectares no asfalto, água casa nova. 999237660

Comercial - Venda 80763

ATENÇÃO MEDICOS Rua João C. Camara, 1455 casa c/ 396m², excelente oportunidade p/ livrar-se do aluguel, unam-se, comprem imóvel próprio p/ clínica. Imob. Gondim Creci 6862-J 3421-0034 ou 99971-1320 80629

SALÃO COMERCIAL AV. Joaquin T. Alves, Creci-2645 Telefone 34210034 80630

SALÃO COMERCIAL AV. Marcelino Pires,310 C r e c i - 6 8 6 2 - J Te l e f o n e 3421-0034

20x64 1.280 m², Creci6862-J Tel: 99971-1320

12x30 murado R$60.000,00 aceito veiculo. (67)98401-8419

Imob. Gondim Creci-6862-J Tel: 3421-0034 ou 999711320

80581

BR-163 1.400M²

80685

Para Caarapó. Tel:999713855 Creci-2649 80635

ECOVILLE I Imobiliaria Gondim Creci-6862-J Tel: 3421-0034

GIRASSOL 1.800 M² Imob. Gondim Creci-6862-J Tel:3421-0034 ou 999711320 80716

IMACULADA 400M² Terreno com piscína, sauna, churrasqueira, 150m² de área construída. Tratar 98471-2800 Marcelo Coutinho

JARDIM PELICANO

Murado, Rua Continental inicio JD. Carisma, R$80.000,00 Tel: 999334982

R. Humberto de Campos, 1215 c/ elevador, Creci-6862-J Tel: 3421-0034 ou 99971-1320

72531

Área comercial 12x30, ac. carro 99121-4616 80593

VIVAL DOS IPÊS Quadra-22, R$20 mil + parcelas. 99626-7178

2

Apartamentos

MONTE CARLO Terreno 12x30, bem localizado, asfalto. 99840-2207 80575

NOVO PQ. ALVORADA 60 meses, Imob. Gondim Creci-6862-J Tel:3421-0034

01 ESTÂNCIA 36 HA

21 HECTARES MATA Reserva legal comp. Ambiental. 99817-5770 80274

37HA NA GDE DOURADOS R$800 mil. Tel:(67)999336060

80756

300m²/339m²/350m², excelentes terrenos. Ac. proposta creci 8954J. 999910912 80713

PORTO MADERO Vários tamanhos e localidades. Imob. Tuiuiu, creci 0808J. 3422-0080 ou 99943-0080

79569

RESID. ESPLANADA Sub esquina 12x25. Tel.99891-5252 80652

RESID. ESPLANADA Lote-07 quadra-36, 10x25 quitado. 99821-5602 80574

Gondim Creci-6862-J Tel: 3421-0034 ou 99971-1320 80142

20X50 PROX. EMBRAPA 55 mil. Tel:99971-3855 Creci-2649 80633

95 MIL JD. CRISTHAIS R. Manoel Bandeira. Imob. Gondim Creci-6862-J Tel: 3421-0034 ou 99906-6269 80577

AO LADO DA MÃO BRAZ Terra Dourada Creci-6862-J Tel: 99971-1320 80615

AO LADO SAMAMBAIA 20x50 Imob. Gondim Creci-6862-J Tel: 3421-0034

PRÓX. À UNIGRAN

80727

SITIÓCA BELA VISTA

Duas bem localizadas c/ ótimo preço, 1000m² cada uma de esquina. 999999980 ou 3421-9888 80636

SITIOCAS DUAS Ao lado Greem PQ. Creci-6862-J Tel: 3421-0034 80312

TERRENO COMERCIAL

Av. Weimar G. Tor r es nº5000- próxima concessionária Jeep. 17,50x40=700 m², preço: R$790 mil. Tel:99137-0524 / 991990646 ou 3422-7379

Truck 161 8 ano 1995 caçamba Agricula. 999769982

Créd 29.990 Ent 16.400+40x519, Créd 36.000 Ent 21.000+42x504, Créd 91.000 Ent 45.600 + 42x1.580. Site: www.msconsorcios.com.br Fone 99144 4433 ou 99855 7147. 80674

FUSCA 68

MONZA 2.0 ANO 1991

Reliquia R$8.000,00. 99971-6931

Basico, prata, ótimo estado. 99615-3545

GOL G-4 10/11

Fiat 80707

BRAVA 01/02 COMPLETO Único dono. Tratar 999711525 80480

FIAT BRAVO ESSENCE 1.8 prata, 13/14 R$36.000,00 revisado somente na Fiat, 4 pneus novos. Tel: 99971-0777

80692

4pts, basico, branco, unico dono, baixa km, R$15.500,00. Tel: 996185283

4

Veículos importados

80704

Apto c/ 2 qts, sala, coz, wc c/ box, área de serviço, garagem.R$ 850,00 . Creci 779-J3423-2255 ou 999566319 Imob. Athenas 80664

PRÓX. UNIGRAN 02 qtos com elevador, R. Cider cerzosimo de souza. Tel: 3423-3027. 80755

252m², aceito carro como parte pgto, para assumir parcelas. Creci 8954J. 99991-0912

80371

VENDE-SE CAMINHÃO

80761

Chevrolet

80658

80722

PORTO MADERO

SANTA FÉ 60 MESES

Terrenos

Apto no centro, 3 qts, sendo suíte, sala, coz, wc, area de serviço, garagem, ótima localização. R$ 1.200,00. Creci 779-J 3423-2255 ou 99956-6319 Imob. athenas

Apto próx. Únigran, port. elet. tratar c/ proprietáiro. 99974-6863

PORTO SEGURO 80650

80754

ÓTIMO APTO C/ 3QTS

80735

Esquina. 99293-0944

Ano 2005 un.dono original. Tel: 99653-7356

CONS. CONTEMPLADOS

80655

Apto-Aluga

PQ ALVORADA 02 QTOS

PORTO MADERO

80549

MB 1938 LS

14x36 R$170.000,00 Tel: 98184-2777

JD. GUAICURUS 12X30 80733

Veículos e utilitários

MÔNACO

JD. DAS PALMEIRAS

R$ 55 mil. 99978-3487

3

99692-1502

Volksvagem

80505

Lotes c/ 450m², 65 mil. Creci-6862-J 3421-0034

Ao lado do Ecoville Creci-6862-J Tel: 3421-0034

80586

EDIFÍCIO PLAZA

VILA TOSCANA

80731

MB 1620 2010 CLASSIC

URGENTE TERRENO

80616

80724

80639 80662

EDIFICIO PADOCK

80690

Excelente fazenda em Caracol MS. 99817-5770

80585

TERRENO GUAICURUS

80576

Em Bonito, montada 12 mil hectares. 99933-6060

Montada em Itapora, 15 mil sacas de soja. 99933-6060

Chácaras

80479

AV. MARCELINO PIRES

80579

80717

80625

Altos do Indaiá, 2 qts, sl, coz, wc, garagem . R$ 95 mil. Aceito carro/moto. 99936-4309

80738

80587

80765 80619

80634

Kit. em frente à Marta Campos, 2 qts, sala, coz, área de serviço, wc, garagem. R$ 690,00. Creci 779-J. 3423-2255 ou 99956-6319 Imob. Athenas

80632

PRÓXIMO À UNIGRAN

RES. GETULIO VARGAS Apto c/ 2 qts, sala, coz, área de serviço, wc c/ box, garagem. Próx. à escola Delfhos. R$ 500,00 Creci 779-J 3423-2255 ou 99956-6310 Imob. Athenas

Apto-Venda 80578

AO LADO UNIGRAN

Ed. Royal c/ elevador em constr. Creci-6862-J Tel: 3421-0034 ou 999711320 80476

APTO ITAVERA Fone: 99971-0941

PALIO 09/10 COMPLETO R$ 18.500,00, prata, 4p. 99655-9983 80726

PALIO WEEKEND ADV 03/03, vermelho, completo. R$ 14.000,00. 999980039 80648

UNO VIVACE 10/11 04 portas, bem conservado, particular Tel: 996420611

80411

FORD KA PRETO 2012

80627

Imob. Gondim Creci-6862-J Tel: 3421-0034 ou 999711320

C/ couro prata, piloto aut. R$34.900,00 Tel.999429053

Utilitários 80537

CAMINHÃO MERCEDES Mercedes Benz, L1218, 3 eixos, ano 1994, boiadeiro, branco. Tel:99931-8600 ou 99860-2171

CARRETA LS GUERRA

ED. SÃO SEBASTIÃO

80709

FRONTIER 2011/2012

Completo. R$20.000,00 Tel: 99933-6060

Graneleira 97/98 prata, ótimo estado doc. ok. Tel: 99863-4835/99862-7458c/ Iza

Imob. Gondim Creci-6862-J Telefone para contato 3421-0034

Outros

79488

Imob. Gondim Creci-6862-J Tel:3421-0034 80620

Completo. 99971-1525

TUCSON 10/11 2.0 AUT

80640

ED. SÃO MICHAEL

80708

C3 BRANCO MEC.

99971-1525

Ford

80613

ED. ILHA GREGAS

Citroen

Renault 80732

SANDERO 1.6 10/11 Compl, bem conser vado. 99840-2207

Toyota

80705

F250 XLT 2009 CS

80746

1º dono, top, prata. 999990402 80580

FIORINO PICK 1.5 gasolina R$6.800,00 Tel: 99971-3855

COROLLA 08/09 VERDE Automático, estado de novo. 99972-2427 80743

TOYOTA HILLUX TOP Aro 17, prata. 99963-9778


CLASSIFICADOS

5

Motos

80526

COMPRA-SE UMA BIZ de 2000 á 2002. valor até R$2.500,00 Tel: 999056002 80125

FAZER 600 CC 2009 Preta unico Tel:99971-1696

80663

TORNO MECÂNICO Nardini ND:325 carcaceiro 2002. contato: Leandro F. 99979-3440 80500

Diversos

VENDE-SE (02) PONTOS

8

O contratante deverá solicitar referências do contratado.

Empregos e oportunidades

De Moto Taxi, parcelo no cartão. Tel: 99912-9472 80499

VENDE-SE TROCA Espetaria em fase de acabamento próx. a Unigran ótima localização. Ac. troca. 99912-9472 80721

VENDO CONVENIÊNCIA Rua Monte Alegre, 5270, esquina. 99904-9240 ou 3428-5644 80501

VENDO FARMÁCIA Bem localizada. 996853213 80737

VENDO LOJA R$ 40 MIL 80734

AFINAÇÃO DE PIANO Afinação, regulagem e conserto de pianos. 992255922

Utilidades doméstica em geral. Próximo á prefeitura. Aceito proposta. 998082722

Instalações e manutenções e elétrica. Tel. 9136-0018(CLARO) / 98319067(VIVO). C/ Edvaldo. 80589

AR COND E ANTENAS Venda, inst. manut. 999397410 ou 99277-8602 80740

CERCA ELÉTRICA Instalação, manutenção. 99655-3780 24219

CERCA ELÉTRICA Vendo por metro, e motor de portão, interfone. 9996-4845. 80699

ELETRICISTA Instalações, manutenções e montagem de Padrão. 99943-8856-Rodrigo. 56019

80745

FILHOTES DE SHITZU Macho R$ 500,00 e fêmea R$ 550,00 puros. 999044658 80455

FILHOTES POODLE Macho c/ 25 dias. R$350,00. Tel:99959-3860 80739

VACAS LEITE Forrageira, vagão, plantadeira, metasa 12 linhas, triturador. 99641-8293 80522

VENDE: ROTTWEILER Filhotes c/ Pedigree. Tel: 99997-0187 80365

VENDE-SE 75 GARROTES E 40 novilhas, 01 petiço, 01 potranco 4º de milha. 99933-6060

FRETE E MUDANÇA Erisvaldo. 99699-4974 ou 3424-0386

80569

TITULO DO INDAIÁ Titulo Proprietario R$2.500 a vista. 99949-7220

80694

CONTRATA-SE Açougueiro c/ experiência p/ trabalhar em Douradina. Tel. 3421-1098 ou 99609-6944-Nivaldo 80646

PROCURA COSTUREIRA E Modelista. De preferência que tenha Máquina Industrial e Overlock. Contato via whatsapp (11) 99524-4242

Esquina, próx. a Avenida. 99957-0207 ou 998403737

Instalação e manutenção. 99655-3780

80606

Representante Comercial que já esteja trabalha na área Automotiva. caminhão e maquinas agricula. Ofereço uma o portunidade de Agregar á venda de Óleo e Lubrificantes p/ Dourados e Regiões, Remuneração, comissão. Filial Campo Grande-MS. Contato:(67) 99985-0363.

RES. ESPLANADA 428M²

MOTOR PARA PORTÃO

Vendo. R$ 2.300,00. 98422-4409

80608

CONTRATA-SE

80768

80741

80703

Homens e mulheres para trabalhar em casa de frango. Weimar G.Torres, 870.

Com experiência em Alfaiataria. Contato: whatsapp-(11) 99524-4242

Instalação e manutenção. 99655-3780

TÍTULO CLUBE INDAIÁ

80762

PROCURA COSTUREIRA

80742

Restaurante, frente JBS, R$30 mil. 99957-7881

FIQUE ATENTO Alguns oportunistas estão ofertando emprego por meio de anúncios nesse espaço, cobrando pelo cadastro e exigindo dados pessoais dos candidatos. Fique atento para os anúncios de oferta de emprego e, na dúvida, procure informação diretamente com o futuro empregador. Não pague por cadastro. Não caia em golpe!

80645

INTERFONE

PONTO COMERCIAL

O contratante deverá solicitar referências do contratado.

CONTRATA-SE

Animais

766

AR / ELETRICIDADE

O PROGRESSO

Dourados, sábado/domingo 27/28.1.2018

“A OPERADORA DE PLANO DE SAÚDE UNIMED DE DOURADOS, registrada na Agência Nacional de Saúde Suplementar sob o n. 33.366-2, em cumprimento ao disposto no inciso II do parágrafo único do artigo 13 da Lei 9.656/98 e conforme orientação vinculante da Súmula Normativa n. 28/2015, NOTIFICA os beneficiários abaixo identificados a comparecer no endereço, cito à Rua Oliveira Marques esquina com Hayel Bon Faker, nesta cidade de Dourados/MS, ou diante da impossibilidade de comparecimento, via contato telefônico pelo número 67 3416-3500, no prazo de 10 dias com a finalidade de tratar de assunto de vosso interesse. Ficam as pessoas abaixo identificadas devidamente notificadas de que em caso de silêncio ou não comparecimento será iniciado o procedimento de rescisão unilateral do seu plano de saúde. Nº Contrato CPF Nº Contrato CPF Nº Contrato CPF 032817519 014691411 528511761 1 25142 8 35095 15 36638 28994 639818741 35412 729592311 36778 046546891 2 9 16 024020461 852550411 006761461 3 30342 10 36371 17 36856 059966329 852550411 020781811 4 30504 11 36380 18 37013 002086561 072184689 903213321 5 32141 12 36569 19 37441 040906231 068206491 041542419 6 32301 13 36598 20 37450 338590601 028966751 7 33402 14 36603

dono.

6

3

Implementos Agrícolas

Procura-se Emprego

ATENÇÃO LEITOR GOLPISTAS estão postando anúncio nesse espaço se oferecendo para trabalhar como diarista ou doméstica e quando são contratadas acabam praticando furtos em residências ou empresas. Antes de contratar qualquer pessoa por meio de anúncio, procure se informar junto à Polícia Civil sobre os antecedentes da pessoa interessada na vaga. O jornal O PROGRESSO não tem qualquer responsabilidade sobre o comportamento ético das pessoas que anunciam em seu classificado. 80759

DOMÉSTICA OU LIMPEZA Em comercio c/ exp. e ref. 99802-2250 80706

FAÇO DIÁRIAS E passo roupas. 3425-8547 ou 98453-9989 Maria 80728

PROCURO EMPREGO Técnico em agropecuária + administração de empresa nas 2 áreas, disponível para viagem e horário, CNH AD. 67-99859-3128 80760

PROCURO TRABALHO Pedreiro, carpinteiro, construções, calçadas, pisos e reformas em geral. (67) 99679-1441 Heli 80718

PROCURO TRABALHO 3x semana em apar tamentos , com exp. e ref. 99909-7931 80757

QUERO TRABALHAR Eletricista residencial, instalação e manutenção de ar condicionado. 99699-5185 Ronaldo 80698

QUERO TRABALHAR Diarista, Ana-99632-1235 80696

QUERO TRABALHAR Caseira em Chácara Mulher c/ exp. e ref. polivalente. Tel: Leila-99846-9876 ou 99639-7201. 80695

QUERO TRABALHAR De Serralheiro ou serviços gerais. Tel: 99907-1614 ou 99661-7466 80509

QUERO TRABALHAR Cuidadora de idoso. c/ exp. ref. telefone contato 99974-9886 80686

80653

80552

VENDE-SE OU TROCA

QUERO TRABALHAR

Por gado, 01 trator CBT 2105 c/ lâmina ano 80 e 1 caminhão 1113 boiadeiro ano 82. Tel: 99933-6060

De aux. de cozinha, limpeza ou passar roupa p/ familia. reside no Pq. Alvorada. 99658-8799-Rosi

21ª Vara Cível - 21º Ofício Cível

QUERO TRABALHAR Casal procura serviço em sitio ou fazenda exp. c/ trator, carregadeira, gado, cercas, boas ref. Cristiano-99651-2184 ou whats: 99960-0186

80556

QUERO TRABALHAR Diarista ou limpeza em comercio. 99812-4139 80736

QUERO TRABALHAR Diarista ou faxineira, com referencias de universitários de medicina . 998008958 ou 3428-1970 Lúcia 80678

QUERO TRABALHAR Doméstica, diarista, acompanhante de idosos e serviços gerais. 98162-9089 80637

QUERO TRABALHAR Diarista 3 x na semana ou babá meio periodo. 999266987- Daiana 80725

QUERO TRABALHAR Cozinheira forno e fogão em empresas, residências ou fazenda. 99828-0650 80354

QUERO TRABALHAR Tecnica em enfermagem cuidadora de idosos e pessoas especiais, interessados ligar p/ Mira 99672-2757 com referências 80367

QUERO TRABALHAR Chácara, sitio ou fazenda de operador de Pá Carregadeira. 99676-2633 ou 99877-3750-Jaime 80551

QUERO TRABALHAR Em fazenda exp. motorista, op. de maquinas, Agropecuaria, Ela polivalente, serviços gerais. 99639-7201Leo ou 99846-9876-Leila

EDITAL DE 1º E 2º LEILÃO e de intimação dos executados CEAGRO AGRÍCOLA LTDA, inscrita no CNPJ/MF sob o nº 65.971.624/0001-00, e ANTONIO CARLOS GONÇALVES JÚNIOR, inscrito no CPF/MF sob o nº 060.928.198-48. O Dr. Márcio Teixeira Laranjo, MM. Juiz de Direito da 21ª Vara Cível do Foro Central da Capital/SP, na forma da lei, FAZ SABER, aos que o presente Edital de 1º e 2º Leilão do bem imóvel, suas benfeitorias, maquinários e equipamentos, virem ou dele conhecimento tiverem e interessar possa, que por este Juízo processam-se os autos da Ação de Execução de Título Extrajudicial que BANCO BTG PACTUAL S/A move em face de CEAGRO AGRÍCOLA LTDA e outro - Processo nº 1053790-48.2015.8.26.0100 – controle nº 1065/2015, e que foi designada a venda do bem descrito abaixo, de acordo com as regras expostas a seguir: DO IMÓVEL - O imóvel será vendido em caráter “AD CORPUS” e no estado em que se encontra, sem garantia, constituindo ônus da parte interessada verificar suas condições antes das datas designadas para as alienações judiciais eletrônicas. DA PUBLICAÇÃO DO EDITAL - O edital será publicado na rede mundial de computadores, no sítio do gestor www.megaleiloes.com.br, em conformidade com o disposto no art. 887, § 2º, do Código de Processo Civil, inclusive as fotos e a descrição detalhada do imóvel a ser apregoado. DA VISITAÇÃO - As visitas deverão ser agendadas via e-mail visitacao@megaleiloes.com.br, cabendo ao responsável pela guarda autorizar o ingresso dos interessados. DO LEILÃO - O Leilão será realizado por MEIO ELETRÔNICO, através do Portal www.megaleiloes.com.br, o 1º Leilão terá início no dia 05/02/2018 às 16:20h e se encerrará dia 07/02/2018 às 16:20h, onde somente serão aceitos lances iguais ou superiores ao valor da avaliação; não havendo lance igual ou superior ao valor da avaliação, seguir-se-á sem interrupção o 2º Leilão, que terá início no dia 07/02/2018 às 16:21h e se encerrará no dia 28/02/2018 às 16:20h, onde serão aceitos lances com no mínimo 50% (cinquenta por cento) do valor da avaliação. DO CONDUTOR DO LEILÃO – O leilão será conduzido pelo Leiloeiro Oficial Sr. Fernando José Cerello Gonçalves Pereira, matriculado na Junta Comercial do Estado de São Paulo – JUCESP sob o nº 844. DO VALOR MÍNIMO DE VENDA DO BEM – No 2º Leilão, o valor mínimo para a venda do bem corresponderá a 50% (cinquenta por cento) do valor da avaliação judicial, que será atualizada até a data da alienação judicial. DOS LANCES – Os lances poderão ser ofertados pela Internet, através do Portal www.megaleiloes.com.br. DOS DÉBITOS – Eventuais ônus sobre o imóvel correrão por conta do arrematante, exceto eventuais débitos de ITR e demais taxas e impostos que serão sub-rogados no valor da arrematação nos termos do art. 130, “caput” e parágrafo único, do CTN. DO PAGAMENTO - O arrematante deverá efetuar o pagamento do preço do bem arrematado, no prazo de até 24h (vinte e quatro horas) após o encerramento do leilão através de guia de depósito judicial em favor do Juízo responsável, sob pena de se desfazer a arrematação. DA PROPOSTA - Os interessados poderão apresentar proposta de pagamento parcelado, encaminhando parecer por escrito para o e-mail: proposta@megaleiloes.com.br (Art. 895, I e II, CPC). A apresentação de proposta não suspende o leilão (Art. 895, § 6º, CPC) e o pagamento do lance à vista sempre prevalecerá sobre o parcelado, ainda que mais vultoso (Art. 895, § 7º, CPC). PENALIDADES PELO DESCUMPRIMENTO DAS PROPOSTAS - Em caso de atraso no pagamento de qualquer das prestações, incidirá multa de dez por cento sobre a soma da parcela inadimplida com as parcelas vincendas; O inadimplemento autoriza o exequente a pedir a resolução da arrematação ou promover, em face do arrematante, a execução do valor devido, devendo ambos os pedidos serem formulados nos autos da execução em que se deu a arrematação; (Art. 895, § 4º e 5º do CPC). DA COMISSÃO – O arrematante deverá pagar à MEGALEILOES GESTOR JUDICIAL, a título de comissão, o valor correspondente a 5% (cinco por cento) sobre o preço de arrematação do imóvel. A comissão devida à Mega Leilões gestor judicial não está incluída no valor do lance e não será devolvida ao arrematante em nenhuma hipótese, salvo se a arrematação for desfeita por determinação judicial ou por razões alheias à vontade do arrematante e, deduzidas as despesas incorridas. DO PAGAMENTO DA COMISSÃO - O pagamento da comissão da MEGALEILÕES GESTOR JUDICIAL deverá ser realizado em até 24h (vinte e quatro horas) a contar do encerramento do leilão, através de guia de depósito, que ficará disponível no site do gestor ou será enviada por e-mail. Todas as regras e condições do Leilão estão disponíveis no Portal www.megaleiloes.com.br. Por qualquer motivo caso a intimação pessoal do executado não se realizar por meio de seus advogados ou pelo endereço constante dos autos, será intimado através do próprio edital de leilão nos termos do art. 889, I, do CPC. DA REMIÇÃO Em caso de abortamento do leilão pela remição da execução não haverá pagamento de comissão de leiloeiro, podendo eventualmente ser exigidas despesas devidamente comprovadas havidas até o momento do abortamento do certame. RELAÇÃO DO BEM – IMÓVEL: MATRÍCULA Nº 54.079 DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DA COMARCA DE DOURADOS/MS: Um imóvel rural designado pelo quinhão nº 03 (três), determinado por parte dos lotes 06, 07, 08 e 09 da quadra nº 57 do N. C. Dourados, Distrito de Vila Vargas, neste Município, com a área de 11,0228 has (onze hectares, dois área de vinte e oito centiares), dentro do seguinte roteiro: Inicia-se no MP-I, cravado na margem direita da Rodovia BR-163, sentido Dourados/Campo Grande e comum com o quinhão nº 04 daí, segue confrontando com o quinhão nº 04, no rumo de 35º45’SE e distância de 502,72 metros, até o MP-II, cravado em comum com o quinhão 04 e quinhão 01; daí segue confrontando com o quinhão 01 no rumo de 54º15’SW e distância de 219,26 metros, até o M-III, cravado na divisa em comum com terras do quinhão nº 01 e quinhão 02; daí segue confrontando com o quinhão 02 no rumo de 35º45’NW e distância de 502,72 metros, até o marco IV, cravado em comum com quinhão nº 02 e rodovia BR-163; daí segue pela margem da rodovia BR-163, no rumo de 54º15’NE e distância de 219,26 metros, até o MP-I, ponto de partida deste perímetro. Consta na Av.01 desta matrícula a existência de Reserva Legal de 20% (vinte por cento), do imóvel objeto desta matrícula, onde não será permitido o corte raso ou destinado a reposição florestal. Conta no R.06 desta matrícula que nos autos de Arresto – Medida Cautelar, em trâmite na 37ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo/SP, requerida por BANCO DE INVESTIMENTO CREDIT SUISSE (BRASIL) S/A e outro contra CEAGRO AGRÍCOLA LTDA e outros, foi arrestado o imóvel objeto desta matrícula. Consta no R.07 desta matrícula a penhora exequenda do imóvel objeto desta matrícula. Conta no R.08 desta matrícula que nos autos de Execução de Arresto e Depósito, Processo nº 1055550-32.2015.8.26.0100, em trâmite na 16ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo/SP, requerida por BANCO ABN AMRO S/A contra CEAGRO AGRÍCOLA LTDA e outros, foi arrestado o imóvel objeto desta matrícula. Conta no R.09 (conf. Av.11) desta matrícula que nos autos da ação de Execução de Título Extrajudicial, processo nº 1021468-30.2015.8.26.0114, em trâmite na 3ª Vara Cível do Foro da Comarca de Campinas/SP, requerida por ITAÚ UNIBANCO S/A contra CHRISTIANE CROTHERS GONÇALVES e outros, foi penhorado o imóvel objeto desta matrícula. Conta no R.10 (conf. Av.11) desta matrícula que nos autos de Cautelar Inominada - Liminar, processo nº 1061894-29.2015.8.26.0100, em trâmite na 6ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo/SP, requerida por BANCO SANTANDER (BRASIL) S/A contra CEAGRO AGRÍCOLA LTDA e outros, foi arrestado o imóvel objeto desta matrícula. Conta no R.12 desta matrícula que nos autos da Carta Precatória nº 0030119-68.2015.8.26.0114, em trâmite na 9ª Vara Cível do Foro da Comarca de Campinas/ SP, requerida por BANCO VOTORANTIM S/A e outro contra CEAGRO AGRÍCOLA LTDA, foi penhorado o imóvel objeto desta matrícula. Conta na AV.13 desta matrícula que nos autos do processo 1053746-29.2015.8.26.0100, em trâmite na 37ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo/SP, foi convertido o arrestado registrado sob nº 06 desta matrícula, em penhora. Conta no R.14 desta matrícula que nos autos da Execução de Título Extrajudicial, em trâmite na 14ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo/SP, requerida por INTL FCSTONE MARKETS LLC contra CEAGRO AGRÍCOLA LTDA, foi penhorado o imóvel objeto desta matrícula. Cadastrado no INCRA sob nº 000.027.070.670-3; Área total (ha) 11,2000; Mód. Rural (ha) 10,0000; Nº Mód. Rurais 0,90; Mód. Fiscal (ha) 30,0000: Nº Mód. Fiscais 0,3700; F. Min. Parc. (ha) 2,0000. MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS: 01 Balança Rodoviária, Cap. 100 Ton Plataforma 3 X 30 M, marca Jundiaí. 01 Coletor de Amostras de 180º, marca Saur. 01 Tombador, Plataforma de Descarga - Tombador - 23m - Cap. 100 Ton, marca Saur. 02 CTE-01 e CTE-02, Correia Transportadora Inferior - Cap. 120 Ton/h, comp. 21,00 m, com Motor Elétrico Pot. 4cv, marca Entringer. 02 CTE-02 e CTE-03, Correia Transportadora Inferior - Cap. 120 Ton/h, comp. 22,50 m com Motor Elétrico Pot. 4cv, marca Entringer. 02 CTE-05 e CTE-07, Correia Transportadora Inferior - Cap. 120 Ton/h, comp. 13,50 m, com Motor Elétrico Pot. 3cv, marca Entringer. 01 CTE-06, Correia Transportadora Inferior - Cap. 120 Ton/h, comp. 73,50 m, com Motor Elétrico Pot. 7,5 cv, marca Entringer. 01 CTE-08, Correia Transportadora Inferior - Cap. 120 Ton/h, comp. 84,00 m, com Motor Elétrico Pot. 10 cv, marca Entringer. 02 EE-01 e EE-02, Elevador de Canecas Plásticas - Cap. 120 Ton/h, H= 25,00 m, com Motor Elétrico Pot. 20cv, marca Entringer. 02 EE-03 e EE-04, Elevador de Canecas Plásticas - Cap. 120 Ton/h, H= 19,00 m, com Motor Elétrico Pot. 15cv, marca Entringer. 03 EE-05, EE-06 e EE-07, Elevador de Canecas Plásticas - Cap. 120 Ton/h, H= 38,00 m, marca Entringer. 02 EE-08 e EE-09, Elevador de Canecas Plásticas - Cap. 120 Ton/h, H= 35,00 m, com Motor Elétrico Pot. 25 cv, marca Entringer. 01 EE-10, Elevador de Canecas Plásticas - Cap. 200 Ton/h h= 30,00 m, com Motor Elétrico Pot. 40cv, marca Entringer. 01 EE-11, Elevador de Canecas Plásticas - Cap. 40 Ton/h h= 30,00 m, com Motor Elétrico Pot. 7,5 cv, marca Entringer. 02 FE-01 e FE-02, Fornalha a Lenha do Secador de Coluna composta por tijolos refratários, Est. Metálica e Sistema de Controle de Temperatura, marca Entringer. 04 PLE-01 Série 606, PLE-02 Série 607, PLE-03 Série 608, PLE-04 Série 609, Máquina de Pré Limpiza, Marca Entringer, Modelo PLE-150, Cap. 150 Ton/h, Série 606 a 609, com Peneiras e Ventiladores. 01 RTE-01, Rosca Transportadora Reversível - Cap. 120 Ton/h, comp. 10,00 m, com Motor Elétrico Pot 12,5 cv, marca Entringer. 01 RTE-02, Rosca Transportadora Reversível - Cap. 120 Ton/h, comp. 9,00 m, com Motor Elétrico Pot 12,5 cv, marca Entringer. 01 RTE-03, Rosca Transportadora Reversível - Cap. 120 Ton/h, comp. 14,00 M com Motor Elétrico Pot 20 cv, marca Entringer. 02 RTE-04 e RT-05, Rosca Transportadora - Cap. 20 Ton/h, comp. 7,50 m, com Motor Elétrico Pot 3 cv, marca Entringer. 01 RTE-06, Rosca Transportadora - Cap. 20 Ton/h, comp. 14 m, com Motor Elétrico Pot 4 cv, marca Entringer. 02 RTE-07 e RTE-08, Rosca Transportadora Cap. 20 Ton/h, comp. 3 m, com Motor Elétrico Pot 2 cv, marca Entringer. 02 RTE-09 e RTE-10, Rosca Transportadora - Cap. 20 Ton/h, comp. 3 m, com Motor Elétrico Pot 2 cv, marca Entringer. 02 RVE-01 e RVE-02, Rosca Varredora do Silo - Diâmetro 12 Pol, Cap. 60 Ton/h, comprimento 13,5 m, com Motor Elétrico Pot 10 cv, marca Entringer. 01 RVE-01 Pulmão, Rosca Varredora do Silo Pulmão - Diametro 12 Pol, Cap. 20 Ton/h, com Motor Elétrico Pot 3 cv, marca Entringer. 03 SAE-01 com (VCE-01/VCE-02), SAE-02 com (VCE-03/VCE-04) e SAE-03 com (VCE05/VCE-06), Silo de Armazenagem Metálico, Marca Entringer, Cap. 6300 Ton com Dois Ventiladores (VCE-01/VCE-02) (VCE-03/VCE-04) (VCE-05/VCE-06) Centrífugos e Sistema de Termometria. 02 SEE-01 e SEE-02, Secador de Coluna para Grãos, Mod. TH 10, Série 330, Cap. 100 Ton/h, marca Entringer. 01 SEEX-01, Silo de Expedição Elevado Metálico - Cap. 110 Ton, marca Entringer. 01 SEEX-01 Resíduos, Silo Metálico para Expedição de Resíduos - Cap. 55 Ton, marca Entringer 1,00 3,00. 01 SPE-01 com (VC-01/VC-02), Silo Pulmão Metálico - Cap. 1200 Ton, com Dois Ventiladores (VC-01/VC-02) Centrífugos, marca Entringer. VALOR TOTAL DA AVALIAÇÃO: BENFEITORIAS, MAQUINÁRIOS E EQUIPAMENTOS: R$ 11.030.068,61 (onze milhões, trinta mil, sessenta e oito reais e sessenta e um centavos) para agosto de 2016, que será atualizado até a data da alienação conforme tabela de atualização monetária do TJ/SP. OBSERVAÇÃO: Consta na Carta Precatória nº 0013725-21.2015.8.12.0002, em trâmite na 6ª Vara Cível do Foro da Comarca de Dourados/MS, que CEAGRO AGRÍCOLA LTDA, interpôs Agravo de Instrumento, nº 1406882-90.2017.8.12.0000, pendente de julgamento. São Paulo, 07 de Dezembro de 2017.

(11) 3149-4600

www.megaleiloes.com.br


CLASSIFICADOS

4

O PROGRESSO

Dourados, sábado/domingo 27/28.1.2018

(67$'2'(0$72*52662'268/

35()(,785$081,&,3$/'('285$',1$ *$%,1(7('235()(,72









,,,±DHVWLPDWLYDGHTXDQWLGDGHVDVHUHPDGTXLULGDVSHORyUJmRJHUHQFLDGRUHyUJmRV SDUWLFLSDQWHV

6HomR,,

'(&5(721žGHGH-DQHLURGH

'RVÏUJmRVH(QWLGDGHV3DUWLFLSDQWHVGR6LVWHPDGH5HJLVWURGH3UHoRV

 

 9TXDQWLGDGHPtQLPDGHXQLGDGHVDVHUFRWDGDSRULWHPQRFDVRGHEHQV





, ± HQFDPLQKDU DV HVSHFLILFDo}HV WpFQLFDV GRV EHQV RX VHUYLoRV SUHWHQGLGRV D HVWLPDWLYDGHFRQVXPRHRFURQRJUDPDGHFRQVXPRRXFRQWUDWDomR

 

,9  D HVWLPDWLYD GH TXDQWLGDGHV D VHUHP DGTXLULGDV SRU yUJmRV QmR SDUWLFLSDQWHV REVHUYDGRRGLVSRVWRQRV†žHžGRDUWžQRFDVRGHDGPLWLUDGHV}HV

$UW ƒ  &DEHUi DR ÏUJmR 3DUWLFLSDQWH DWHQGHQGR j FRQYRFDomR GR ÏUJmR *HUHQFLDGRUPDQLIHVWDURLQWHUHVVHHPSDUWLFLSDUGR6LVWHPDGH5HJLVWURGH3UHoRVWRPDQGRDV VHJXLQWHVPHGLGDV

   2 35()(,72 081,&,3$/ '( '285$',1$06 QR XVR GDV DWULEXLo}HV TXHOKHFRQIHUHD/HL2UJkQLFDGR0XQLFtSLRHWHQGRHPYLVWDRGLVSRVWRQRVDUWVHGD/HL )HGHUDOQƒGHGHMXQKRGH







5HJXODPHQWDR6LVWHPDGH5HJLVWURGH3UHoRVQR 0XQLFtSLR GH 'RXUDGLQD06 H Gi RXWUDV SURYLGrQFLDV 



,,±DGHVFULomRGRREMHWRDHVSHFLILFDomRGRVLWHQVRXORWHVH[SOLFLWDQGRRFRQMXQWR GHHOHPHQWRVQHFHVViULRVHVXILFLHQWHVFRPQtYHOGHSUHFLVmRDGHTXDGRSDUDDFDUDFWHUL]DomR GHVHXVEHQVRXVHUYLoRVLQFOXVLYHGHILQLQGRDVXQLGDGHVGHPHGLGDVXVXDOPHQWHDGRWDGDV

3DUiJUDIR~QLFR1RFDVRGHFRPSUDQDFLRQDORyUJmRJHUHQFLDGRUSURPRYHUiD GLYXOJDomRGDDomRDSHVTXLVDGHPHUFDGRHDFRQVROLGDomRGDVGHPDQGDVGRVyUJmRVGD $GPLQLVWUDomR0XQLFLSDOGHPRQVWUDQGRDYDQWDMRVLGDGHGDSDUWLFLSDomRVHQGRREVHUYDGRR††ž DRžGRDUWž'HFUHWRQžGHGHMDQHLURGH



9, ± RV ORFDLV SUD]RV GH HQWUHJD IRUPD GH SDJDPHQWR H QR FDVR GH OLFLWDomR GH SUHVWDomRGHVHUYLoRVTXDQGRFDEtYHLVDIUHTXrQFLDDSHULRGLFLGDGHFDUDFWHUtVWLFDVGRSHVVRDO PDWHULDLV H HTXLSDPHQWRV D VHUHP IRUQHFLGRV H XWLOL]DGRV SURFHGLPHQWRV D VHUHP VHJXLGRV FXLGDGRVGHYHUHVGLVFLSOLQDHFRQWUROHVDVHUHPDGRWDGRV



'(&5(7$

,, ± SURYLGHQFLDU SDUD TXH D DTXLVLomR XWLOL]DQGR R 6LVWHPD GH 5HJLVWUR GH 3UHoRV DWHQGDDRVVHXVLQWHUHVVHV

 

&$3Ë78/2,



ϱ



'26,67(0$'(5(*,6752'(35(d26

9,,±RVPRGHORVGHSODQLOKDVGHFXVWRVTXDQGRFDEtYHLVPLQXWDGH$WDGH5HJLVWUR GH3UHoRVHGHFRQWUDWRTXDQGRQHFHVViULRHQRTXHFRXEHU

,,, ± LQIRUPDU DR ÏUJmR *HUHQFLDGRU HYHQWXDLV GHVYDQWDJHQV GRV SUHoRV UHJLVWUDGRV UHODWLYDPHQWHDRVYDORUHVSUDWLFDGRVQRPHUFDGR



ϭ

6HomR, 'RÆPELWRGD$SOLFDomR  $UWž26LVWHPDGH5HJLVWURGH3UHoRVSDUDDTXLVLomRGHEHQVHGHFRQWUDWDo}HVGH VHUYLoRV SDUD DWHQGLPHQWR DRV yUJmRV GD $GPLQLVWUDomR GLUHWD H LQGLUHWD GR 0XQLFtSLR GH 'RXUDGLQD06REHGHFHUmRjVQRUPDVIL[DGDVQHVWH'HFUHWR





9,,, ± FRQGLo}HV SDUD UHJLVWUR GH SUHoRV GH RXWURV IRUQHFHGRUHV DOpP GR SULPHLUR FRORFDGR

,9 ± LQIRUPDU DR ÏUJmR *HUHQFLDGRU TXDQGR R IRUQHFHGRU QmR DWHQGHU jV FRQGLo}HV HVWDEHOHFLGDV HP HGLWDO RX UHFXVDU DVVLQDU R FRQWUDWR DFHLWDU RX UHWLUDU D QRWD GH HPSHQKR R GRFXPHQWRHTXLYDOHQWHQRSUD]RHVWDEHOHFLGRRXGHVFXPSULPHQWRGHFOiXVXODVFRQWUDWXDLVSDUD DGHYLGDDSOLFDomRGHSHQDOLGDGHV

 ,; ± DV SHQDOLGDGHV DSOLFiYHLV QR FDVR GH GHVFXPSULPHQWR GDV FRQGLo}HV HVWDEHOHFLGDVQRHGLWDOH$WDGH5HJLVWURGH3UHoRV





9±UHTXLVLWDUDDXWRUL]DomRHRHPSHQKRGDGHVSHVDFRUUHVSRQGHQWHDRVSHGLGRVGH IRUQHFLPHQWR RX FRQWUDWDomR TXH VHUi IRUPDOL]DGD SHOR ÏUJmR *HUHQFLDGRU GHQWUR GR SUD]R Pi[LPRGHVHWHGLDV~WHLVDWUDYpVGDHPLVVmRGD2UGHPGH&RPSUDV6HUYLoR

 $UWž26LVWHPDGH5HJLVWURGH3UHoRVVHUiXWLOL]DGRTXDQGR

;±RSUD]RH[LJLGRSDUDYDOLGDGHGDSURSRVWDH 











,9  SHOD QDWXUH]D GR REMHWR QmR IRU SRVVtYHO GHILQLUSUHYLDPHQWHRTXDQWLWDWLYRDVHUGHPDQGDGRSHOD$GPLQLVWUDomR

3DUiJUDIR~QLFR±2VEHQVHVHUYLoRVGHLQIRUPiWLFDSRGHUmRVHUDGTXLULGRVSRUPHLR GR 6LVWHPD GH 5HJLVWUR GH 3UHoRV REHGHFLGD D OHJLVODomR YLJHQWH GHVGH TXH GHYLGDPHQWH MXVWLILFDGDHFDUDFWHUL]DGDDYDQWDJHPHFRQ{PLFD

†ž2H[DPHHDDSURYDomRGDVPLQXWDVGRLQVWUXPHQWRFRQYRFDWyULRHGRFRQWUDWR VHUmRHIHWXDGRVH[FOXVLYDPHQWHSHODDVVHVVRULDMXUtGLFDGRyUJmRJHUHQFLDGRU 



$UW$SyVRHQFHUUDPHQWRGDHWDSDFRPSHWLWLYDRVOLFLWDQWHVSRGHUmRUHGX]LUVHXV SUHoRVDRYDORUGDSURSRVWDGROLFLWDQWHPDLVEHPFODVVLILFDGR

†ƒ  2V yUJmRV RX HQWLGDGHV TXH QmR SDUWLFLSDUDP GR UHJLVWUR GH SUHoRV TXDQGR GHVHMDUHP ID]HU XVR GD $WD GH 5HJLVWUR GH 3UHoRV GHYHUmR PDQLIHVWDU VHX LQWHUHVVH PHGLDQWH FRQVXOWDGLULJLGDDR3UHIHLWR0XQLFLSDOFRQWHQGRDLQIRUPDomRGRLWHPHDTXDQWLGDGHGHVHMDGD TXH SRVWHULRUPHQWH HQFDPLQKDUi DR yUJmR JHUHQFLDGRU GD $WD SDUD TXH HVWH YHULILTXH D SRVVLELOLGDGH GH XWLOL]DomR GD $WD GH 5HJLVWUR GH 3UHoRV FRP  RV SRVVtYHLV IRUQHFHGRUHV H UHVSHFWLYRVSUHoRVDVHUHPSUDWLFDGRVREHGHFLGDDRUGHPGHFODVVLILFDomR

 6HomR,, 'RV&RQFHLWRV 

 3DUiJUDIR ~QLFR  $ DSUHVHQWDomR GH QRYDV SURSRVWDV QD IRUPD GR caput QmR SUHMXGLFDUiRUHVXOWDGRGRFHUWDPHHPUHODomRDROLFLWDQWHPDLVEHPFODVVLILFDGR 



$UWƒ3DUDRVHIHLWRVGHVWH'HFUHWRVmRDGRWDGRVRVVHJXLQWHVFRQFHLWRV

, ± 6LVWHPD GH 5HJLVWUR GH 3UHoRV  653 FRQMXQWR GH SURFHGLPHQWRV SDUD UHJLVWUR IRUPDOGHSUHoRVUHODWLYRVDDTXLVLomRGHEHQVSUHVWDomRGHVHUYLoRVSDUDFRQWUDWDo}HVIXWXUDV

Ϯ



'D$WDGH5HJLVWURGH3UHoRV 

ϲ



 ,,±$WDGH5HJLVWURGH3UHoRV$53GRFXPHQWRYLQFXODWLYRTXHUHJLVWUDRVyUJmRVH HQWLGDGHV SDUWLFLSDQWHV RV IRUQHFHGRUHV GH EHQV RX SUHVWDGRUHV GH VHUYLoRV RV SUHoRV H DV FRQGLo}HVDVHUHPSUDWLFDGDVFRQIRUPHDVSURSRVWDVDSUHVHQWDGDVHDVGLVSRVLo}HVFRQWLGDVQR LQVWUXPHQWRFRQYRFDWyULRFRPRFRPSURPLVVRSDUDIXWXUDFRQWUDWDomR

6HomR,9

†ƒ&DEHUiDRIRUQHFHGRUEHQHILFLiULRGD$WDGH5HJLVWURGH3UHoRVREVHUYDGDVDV FRQGLo}HVQHODHVWDEHOHFLGDVRSWDUSHODDFHLWDomRRXQmRGRIRUQHFLPHQWRLQGHSHQGHQWHPHQWH GRVTXDQWLWDWLYRVUHJLVWUDGRVHP$WDGHVGHTXHHVWHIRUQHFLPHQWRQmRSUHMXGLTXHDVREULJDo}HV DQWHULRUPHQWHDVVXPLGDV



†ƒ  &DVR R IRUQHFHGRU EHQHILFLiULR GD $WD GH 5HJLVWUR GH 3UHoRV QmR FRQFRUGH GHYHUi HQFDPLQKDU FRUUHVSRQGrQFLD PHQFLRQDQGR D LPSRVVLELOLGDGH GH DWHQGHU VHQGR HQWmR FRPXQLFDGR DR yUJmR QmRSDUWLFLSDQWH RX FDURQD D LPSRVVLELOLGDGH GH VXD DGHVmR j $WD GH 5HJLVWUR GH 3UHoRV &DVR HOH FRQFRUGH GHYHUi HQFDPLQKDU FRUUHVSRQGrQFLD PHQFLRQDQGR GHYHQGRVHUDQH[DGRXPDFySLDGDFRUUHVSRQGrQFLDQRSURFHVVR

 ,,  SDUD PHOKRU DJLOLGDGH QD IRUPDOL]DomR GD $WD GH 5HJLVWUR GH 3UHoRV SRGHUi VHU XWLOL]DGDDVVLQDWXUDSRUFHUWLILFDomRGLJLWDOGHYLGDPHQWHUHJLVWUDGD  ,,,±RVIRUQHFHGRUHVFRPSUHoRVUHJLVWUDGRVSDVVDUmRDVHUGHQRPLQDGDVGHWHQWRUDV GDDWDGHUHJLVWURGHSUHoRVDSyVDDVVLQDWXUDGDPHVPD



,9±ÏUJmR3DUWLFLSDQWHyUJmRRXHQWLGDGHGD$GPLQLVWUDomR0XQLFLSDOTXHSDUWLFLSD GRVSURFHGLPHQWRVLQLFLDLVGR6LVWHPDGH5HJLVWURGH3UHoRVHLQWHJUDDDWDGHUHJLVWURGHSUHoRV

†ƒ$SyVDVVLQDWXUDGR7HUPRGH$GHVmRGHYHUiVHUSURYLGHQFLDGDDSXEOLFDomRGR H[WUDWRQDLPSUHQVDRILFLDOHDVFySLDVGRVGRFXPHQWRVGHYHUmRVHUDQH[DGRVDRSURFHVVRTXH RULJLQRXRUHJLVWURGHSUHoRV

 9±ÏUJmR QmRSDUWLFLSDQWHRX&DURQDyUJmRRXHQWLGDGHGD$GPLQLVWUDomR3~EOLFD TXHQmRWHQGRSDUWLFLSDGRGRVSURFHGLPHQWRVLQLFLDLVGDOLFLWDomRDWHQGLGRVRVUHTXLVLWRVGHVWD QRUPDID]DGHVmRj$WDGH5HJLVWURGH3UHoRVGXUDQWHVXDYLJrQFLD

 ,9VHUiLQFOXtGRHPDQH[RD$WDQDIRUPDGH&DGDVWURGH5HVHUYDRUHJLVWURGRV OLFLWDQWHVTXHDFHLWDUHPFRWDURVEHQVRXVHUYLoRVFRPSUHoRVLJXDLVDRVGROLFLWDQWHYHQFHGRUQD VHTXrQFLDGDFODVVLILFDomRGRFHUWDPHH[FOXtGRRSHUFHQWXDOUHIHUHQWHjPDUJHPGHSUHIHUrQFLD TXDQGRRREMHWRQmRDWHQGHUDRVUHTXLVLWRVSUHYLVWRVQRDUWžGD/HLQž

 †ž$VDTXLVLo}HVRXFRQWUDWDo}HVDGLFLRQDLVDTXHVHUHIHUHHVWHDUWLJRQmRSRGHUmR H[FHGHU SRU yUJmR RX HQWLGDGH D FHP SRU FHQWR GRV TXDQWLWDWLYRV GRV LWHQV GR LQVWUXPHQWR FRQYRFDWyULR H UHJLVWUDGRV QD DWD GH UHJLVWUR GH SUHoRV SDUD R yUJmR JHUHQFLDGRU H yUJmRV SDUWLFLSDQWHV

 9, ± $GPLQLVWUDomR ÏUJmR HQWLGDGH RX XQLGDGH DGPLQLVWUDWLYD SHOD TXDO D $GPLQLVWUDomR3~EOLFDRSHUDHDWXDFRQFUHWDPHQWH

 9RSUHoRUHJLVWUDGRHDLQGLFDomRGRVUHVSHFWLYRVIRUQHFHGRUHVVHUmRGLYXOJDGRVD LPSUHQVDRILFLDOGD$GPLQLVWUDomRHILFDUmRGLVSRQLELOL]DGRVGXUDQWHDYLJrQFLDGD$WDGH5HJLVWUR GH3UHoRV





†ƒ  2 LQVWUXPHQWR FRQYRFDWyULR GHYHUi SUHYHU TXH R TXDQWLWDWLYR GHFRUUHQWH GDV DGHV}HV j DWD GH UHJLVWUR GH SUHoRV QmR SRGHUi H[FHGHU QD WRWDOLGDGH DR TXtQWXSOR GR

9,,±$GPLQLVWUDomR3~EOLFD$DGPLQLVWUDomRGLUHWDHLQGLUHWDGD8QLmRGRV(VWDGRV GR 'LVWULWR )HGHUDO H GRV 0XQLFtSLRV DEUDQJHQGR LQFOXVLYH DV HQWLGDGHV FRP SHUVRQDOLGDGH









9,  D RUGHP GH FODVVLILFDomR GRV OLFLWDQWHV UHJLVWUDGRV QD DWD GHYHUi VHU UHVSHLWDGD QDVFRQWUDWDo}HV



TXDQWLWDWLYR GH FDGD LWHP UHJLVWUDGR QD DWD GH UHJLVWUR GH SUHoRVSDUDRyUJmRJHUHQFLDGRUHyUJmRVSDUWLFLSDQWHVLQGHSHQGHQWHGRQ~PHURGHyUJmRVQmR SDUWLFLSDQWHVTXHDGHULUHP



MXUtGLFDGHGLUHLWRSULYDGRVREFRQWUROHGRSRGHUS~EOLFRHDV IXQGDo}HVSRUHOHLQVWLWXtGDVHPDQWLGDV 

 9,,RyUJmRJHUHQFLDGRUGLYXOJDUijVXQLGDGHVGDDGPLQLVWUDomRDSyVFRQFOXtGRWRGR RSURFHGLPHQWROLFLWDWyULRDUHODomRGRVPDWHULDLVSURGXWRVRXJrQHURVFRPSUHoRVUHJLVWUDGRVH



9,,,±3UHoR5HJLVWUDGRRPHQRUSUHoRREWLGRQDOLFLWDomRSDUDUHJLVWURGHSUHoRV

†ž  $SyV D DXWRUL]DomR GR yUJmR JHUHQFLDGRU R yUJmR QmR SDUWLFLSDQWH GHYHUi HIHWLYDUDDTXLVLomRRXFRQWUDWDomRVROLFLWDGDHPDWpQRYHQWDGLDVREVHUYDGRRSUD]RGHYLJrQFLD GDDWD

 ,;±'HWHQWRUGD$WDOLFLWDQWHTXHUHVSHLWDQGRDRUGHPGHFODVVLILFDomRGDVSURSRVWDV HDSyVDVVLQDWXUDGD$WDGH5HJLVWURGH3UHoRVHQFRQWUDVHDSWRDIRUQHFHUSDUDD$GPLQLVWUDomR 3~EOLFD0XQLFLSDO

9,,,RVyUJmRVSDUWLFLSDQWHVGRUHJLVWURGHSUHoRVGHYHUmRTXDQGRGDQHFHVVLGDGH GH FRQWUDWDomR UHFRUUHUHP DR yUJmR JHUHQFLDGRU GD $WD GH 5HJLVWUR GH 3UHoRV SDUD TXH HVWH SURFHGDjLQGLFDomRGRIRUQHFHGRUHUHVSHFWLYRVSUHoRVDVHUHPSUDWLFDGRV

†ƒ$UHVSRQVDELOLGDGHGRyUJmRFDURQDpUHVWULWDjVLQIRUPDo}HVTXHHVVHSURGX]LU QmRUHVSRQGHQGRSHODVHYHQWXDLVLUUHJXODULGDGHVGRSURFHGLPHQWROLFLWDWyULR

 †ƒ ([FHSFLRQDOPHQWH D FULWpULR GR yUJmR JHUHQFLDGRU TXDQGR D TXDQWLGDGH GR SULPHLURFRORFDGRQmRIRUVXILFLHQWHSDUDDVGHPDQGDVHVWLPDGDVGHVGHTXHVHWUDWHGHREMHWRV GHTXDOLGDGHRXGHVHPSHQKRVXSHULRUGHYLGDPHQWHMXVWLILFDGDH FRPSURYDGDDYDQWDJHPHDV RIHUWDVVHMDPHPYDORULQIHULRUDRPi[LPRDGPLWLGRSRGHUmRVHUUHJLVWUDGRVRXWURVSUHoRV



; ± 7HUPR GH $GHVmR LQVWUXPHQWR SHOR TXDO D DXWRULGDGH FRPSHWHQWH GR yUJmR RX HQWLGDGHQmRSDUWLFLSDQWHRXFDURQDVROLFLWDDXWLOL]DomRGRUHJLVWURGHSUHoRVHFRQFRUGDFRPDV FRQGLo}HV HVWDEHOHFLGDV SHOR yUJmR JHUHQFLDGRU H SRU PHLR GR TXDO LQIRUPD DV TXDQWLGDGHV SUHWHQGLGDVSDUDFRQVXPR

†  &RPSHWH DR yUJmR QmR SDUWLFLSDQWH RV DWRV UHODWLYRV j FREUDQoD GR FXPSULPHQWR SHOR IRUQHFHGRU GDV REULJDo}HV FRQWUDWXDOPHQWH DVVXPLGDV H D DSOLFDomR REVHUYDGD D DPSOD GHIHVD H R FRQWUDGLWyULR GH HYHQWXDLV SHQDOLGDGHV GHFRUUHQWHV GR GHVFXPSULPHQWRGHFOiXVXODVFRQWUDWXDLVHPUHODomRjVVXDVSUySULDVFRQWUDWDo}HVLQIRUPDQGR DVRFRUUrQFLDVDRyUJmRJHUHQFLDGRU











;,  &RPSUD 1DFLRQDO FRPSUD RX FRQWUDWDomR GH EHQV H VHUYLoRV HP TXH R yUJmR JHUHQFLDGRU FRQGX] RV SURFHGLPHQWRV SDUD UHJLVWUR GH SUHoRV GHVWLQDGR j H[HFXomR GHVFHQWUDOL]DGD GH SURJUDPD RX SURMHWR IHGHUDO PHGLDQWH SUpYLD LQGLFDomR GD GHPDQGD SHORV HQWHVIHGHUDGRVEHQHILFLDGRV

 †ž 2 UHJLVWUR D TXH VH UHIHUH R LQFLVR ,9 GR caput WHP SRU REMHWLYR D IRUPDomR GH FDGDVWURUHVHUYDQRFDVRGHLPSRVVLELOLGDGHGHDWHQGLPHQWRSHORSULPHLURFRORFDGRQDDWDQDV KLSyWHVHVSUHYLVWDVQRVFDVRVGHFDQFHODPHQWRV



ϯ

†20XQLFtSLRGH'RXUDGLQD06DWUDYpVGRyUJmRJHUHQFLDGRUQmRUHVSRQGHSHORV DWRVGRyUJmRFDURQD

ϳ

&$3Ë78/2,,

;,,  ÏUJmR 3DUWLFLSDQWH GH &RPSUD 1DFLRQDO yUJmR RX HQWLGDGH GD DGPLQLVWUDomR S~EOLFDTXHHPUD]mRGHSDUWLFLSDomRHPSURJUDPDRXSURMHWRIHGHUDOPHGLDQWHSUpYLDLQGLFDomR GDGHPDQGDSHORVHQWHVIHGHUDGRVGHPDQLIHVWDomRIRUPDO

'$65(*5$63$5$25(*,6752'(35(d26

&$3Ë78/2,,

'D3HVTXLVDGH3UHoRV

$UW  2V yUJmRV H HQWLGDGHV SDUWLFLSDQWHV GD $WD GH 5HJLVWUR GH 3UHoRV GHYHUmR DSUHVHQWDUVXDVVROLFLWDo}HV GH DTXLVLomR RXFRQWUDWDomRDR yUJmR JHUHQFLDGRU TXH IRUPDOL]DUi SRU LQWHUPpGLR GH LQVWUXPHQWDO FRQWUDWXDO RX HPLVVmR GH QRWD GH HPSHQKR GH GHVSHVD RX DXWRUL]DomRGHFRPSUDRXRXWURLQVWUXPHQWRHTXLYDOHQWHQDIRUPDHVWDEHOHFLGDQR†ƒGRDUW GD/HLQƒGHHSURFHGHUiGLUHWDPHQWHDVROLFLWDomRFRPRIRUQHFHGRUFRPRVSUHoRV UHJLVWUDGRVREHGHFLGDDRUGHPGHFODVVLILFDomR

$UWƒ1DXWLOL]DomRGR6LVWHPDGH5HJLVWURGH3UHoRVVHUiREULJDWyULDDSUpYLD SHVTXLVDGHSUHoRVTXHVHUiGDUHVSRQVDELOLGDGHGRyUJmRJHUHQFLDGRUDQWHULRUDRSURFHVVR OLFLWDWyULRREMHWLYDQGRHVWLPDURVYDORUHVGRVEHQVPDWHULDLVRXSURGXWRVHVHUYLoRVGHPRGRD VHUHPREWLGRVSDUkPHWURVSDUDMXOJDPHQWRGDVSURSRVWDVHSRVWHULRUTXDQGRGRVHX JHUHQFLDPHQWRSDUDDFRPSDQKDPHQWRGRVSUHoRVUHJLVWUDGRV



'RÏUJmR*HUHQFLDGRUGR6LVWHPDGH5HJLVWURGH3UHoRV 



 †ž$VSHVTXLVDVGHYHUmRREVHUYDURVSURFHGLPHQWRVUHJXODPHQWDGRVQR'HFUHWR 0XQLFLSDOQžGH

$UW ž  &DEHUi DR ÏUJmR *HUHQFLDGRU D SUiWLFD GH WRGRV RV DWRV GH FRQWUROH H DGPLQLVWUDomRGR6LVWHPDGH5HJLVWURGH3UHoRVHPHVSHFLDO

†ƒ2VTXDQWLWDWLYRVGRVFRQWUDWRVGHIRUQHFLPHQWRVHUmRVHPSUHIL[RVHRVSUHoRVD VHUHPSDJRVVHUmRDTXHOHVUHJLVWUDGRVHPDWD





 

, ± GHILQLU R REMHWR RV LWHQV H RV ORWHV GH PDWHULDO RX GH VHUYLoR TXH IDUmR SDUWH GR UHJLVWUR GH SUHoRV H GHPDLV LQIRUPDo}HV QHFHVViULDV SDUD VXEVLGLDU D HODERUDomR GR 7HUPR GH 5HIHUrQFLDRX3URMHWR%iVLFRRX0HPRULDO'HVFULWLYRFRQIRUPHRFDVR



†ž 6H KRXYHU PDLV GH XP OLFLWDQWH QD VLWXDomR GH TXH WUDWD R LQFLVR ,9 GR caput VHUmRFODVVLILFDGRVVHJXQGRDRUGHPGD~OWLPDSURSRVWDDSUHVHQWDGDGXUDQWHDIDVHFRPSHWLWLYD





6HomR,



†ž $ KDELOLWDomR GRV IRUQHFHGRUHV TXH FRPSRUmR R FDGDVWUR GH UHVHUYD D TXH VH UHIHUHRLQFLVR,9GRcaputVHUiHIHWXDGDTXDQGRGDFRQWUDWDomRGHIRUQHFHGRUUHPDQHVFHQWH

6HomR,

',6326,d®(6(63(&Ë),&$6$26Ï5*­26$78$17(6126,67(0$'(5(*,6752'( 35(d26

†ƒ $SOLFDPVH DRV FRQWUDWRV GH IRUQHFLPHQWR DV GLVSRVLo}HV SHUWLQHQWHV GD /HL )HGHUDO  Qž  GH  GH MXQKR GH   VXDV DOWHUDo}HV SRVWHULRUHV H GHPDLV QRUPDV FDEtYHLV

6HomR,, 'D5HDOL]DomRGD/LFLWDomR



†ž 2V yUJmRV H HQWLGDGHV SDUWLFLSDQWHV GD $WD GH 5HJLVWUR GH 3UHoRV PDQWHUmR R yUJmR JHUHQFLDGRU LQIRUPDGR D UHVSHLWR GRV SURFHVVRV GH DTXLVLo}HV SRU PHLR GH UHJLVWUR GH SUHoRV GHYHQGR HQFDPLQKDU FySLD GRV FRPSURYDQWHV GDV DTXLVLo}HV SDUD D DQH[DomR DR UHVSHFWLYRSURFHVVRGHUHJLVWUR



,, ± FRQVROLGDU DV LQIRUPDo}HV UHODWLYDV j HVWLPDWLYD LQGLYLGXDO H WRWDO GH FRQVXPR GRV EHQV PDWHULDLV RX  SURGXWRV XWLOL]DGRV H VHUYLoRV H[HFXWDGRVSHORVyUJmRVHHQWLGDGHVGHIRUPDDVHREWHUDTXDQWLGDGHPHQVDOGHFRQVXPRGH FDGDLWHPLQFOXLQGR7HUPRGH5HIHUrQFLDRX3URMHWR%iVLFRRX0HPRULDO'HVFULWLYR

$UW ž   $ OLFLWDomR SDUD UHJLVWUR GH SUHoRV SRGHUi VHU UHDOL]DGD QD PRGDOLGDGH FRQFRUUrQFLDQRVWHUPRVGD/HL)HGHUDOGHGHMXQKRGHRXSUHJmRFRQIRUPH/HL )HGHUDOQƒGHGHMXOKRGHWLSRPHQRUSUHoR







$UW$H[LVWrQFLDGHSUHoRVUHJLVWUDGRVHPDWDQmRREULJDDDGPLQLVWUDomRDILUPDU DV FRQWUDWDo}HV TXH GHOD SRGHUmR DGYLU ILFDQGROKH IDFXOWDGD D XWLOL]DomR GH RXWURV PHLRV UHVSHLWDGD D OHJLVODomR UHODWLYD jV OLFLWDo}HV VHQGR DVVHJXUDGD DR GHWHQWRU GD DWD SUHIHUrQFLD HPLJXDOGDGHGHFRQGLo}HV

†ƒ([FHSFLRQDOPHQWHSRGHUiVHUDGRWDGRQDPRGDOLGDGHFRQFRUUrQFLDRWLSRWpFQLFD H SUHoR D FULWpULR GR yUJmR JHUHQFLDGRU H PHGLDQWH GHVSDFKR GHYLGDPHQWH IXQGDPHQWDGR GD DXWRULGDGHPi[LPDGRyUJmRRXHQWLGDGH

,,,UHDOL]DUSHVTXLVDGHPHUFDGRSDUDLGHQWLILFDomRGRYDORUHVWLPDGRGDOLFLWDomRH FRQVROLGDURVUHVXOWDGRVGDVSHVTXLVDVGHPHUFDGR 



,9±SURPRYHUWRGRVRVDWRVQHFHVViULRVjLQVWUXomRSURFHVVXDOSDUDDUHDOL]DomRGR SURFHGLPHQWROLFLWDWyULRSHUWLQHQWHLQFOXVLYHDGRFXPHQWDomRGDVMXVWLILFDWLYDVQRVFDVRVHPTXH DUHVWULomRGHFRPSHWLomRIRUDGPLVVtYHOSHODOHJLVODomRYLJHQWH

6HomR9

†ž2SURFHGLPHQWROLFLWDWyULRSDUDUHJLVWURGHSUHoRVTXDQGRIRUMXOJDGDSHORFULWpULR GRPHQRUSUHoRXQLWiULRSRGHUiVHUUHDOL]DGDSRULWHQVRXSRUORWH



'R3UD]RHGR&RQWUDWR 



9±UHDOL]DUWRGRRSURFHGLPHQWROLFLWDWyULREHPFRPRWRGRVRVDWRVGHOHGHFRUUHQWHV WDLVFRPRDDVVLQDWXUDGD$WDHRHQFDPLQKDPHQWRGHVXDFySLDDRVGHPDLVyUJmRVSDUWLFLSDQWHV

$UW2SUD]RGHYDOLGDGHGD$WDGH5HJLVWURGH3UHoRVQmRVHUiVXSHULRUDGR]H PHVHVLQFOXtGDVHYHQWXDLVSURUURJDo}HVFRQIRUPHRLQFLVR,,,GR†žGRDUWGD/HLQžGH 

†ž$TXDQWLGDGHWRWDOGRLWHPDVHUDGTXLULGRSRGHUiVHUVXEGLYLGLGDHPORWHVVHPSUH TXHFRPSURYDGRWpFQLFDHHFRQRPLFDPHQWHYLiYHOGHIRUPDDSRVVLELOLWDUPDLRUFRPSHWLWLYLGDGH





9,±JHUHQFLDUD$WDGH5HJLVWURGH3UHoRVSURYLGHQFLDQGRDVROLFLWDomRMXQWRDRV IRUQHFHGRUHVSDUDDWHQGLPHQWRjVQHFHVVLGDGHVGD$GPLQLVWUDomRREHGHFHQGRjRUGHPGH FODVVLILFDomRHDRVTXDQWLWDWLYRVGHFRQWUDWDomRGHILQLGRVSHORVSDUWLFLSDQWHVGD$WD 

ϰ

9,,±LQGLFDUDRVyUJmRVQmRSDUWLFLSDQWHVRXFDURQDVVHPSUHTXHVROLFLWDGRRV IRUQHFHGRUHVVHJXQGRDRUGHPGHFODVVLILFDomR

†ƒ$VXEGLYLVmRGHLWHQVRXJUXSDPHQWRHPORWHVQmRSRGHUiDGPLWLUDSUHVWDomRHP XPPHVPRyUJmRRXHQWLGDGHGHPDLVGHXPDHPSUHVDSDUDDH[HFXomRGHPHVPRVHUYLoRHP XPDPHVPDORFDOLGDGH  †ž 2 SURFHGLPHQWR OLFLWDWyULR SDUD UHJLVWUR GH SUHoRV VHUi LQLFLDGR PHGLDQWH DXWRUL]DomR GR 3UHIHLWR H WHUPLQDUi FRP D FODVVLILFDomR GDV SURSRVWDV H VXEVHTHQWH KRPRORJDomRSHODPHVPDDXWRULGDGH

 9,,,DSOLFDUJDUDQWLGDDDPSODGHIHVDHRFRQWUDGLWyULRDVSHQDOLGDGHVGHFRUUHQWHV GHLQIUDo}HVQRSURFHGLPHQWROLFLWDWyULR







 ;±FRQGX]LURVSURFHGLPHQWRVUHODWLYRVDHYHQWXDLVUHQHJRFLDo}HVGRVSUHoRV UHJLVWUDGRVDDSOLFDomRGHSHQDOLGDGHVSRUGHVFXPSULPHQWRGRSDFWXDGRQD$WDGH5HJLVWURGH 3UHoRVHRVSURFHGLPHQWRVGHDQRWDo}HVHPUHJLVWURFDGDVWUDOGRV)RUQHFHGRUHVGR0XQLFtSLRGH 'RXUDGLQD06GDVVDQo}HVHPJHUDODSOLFDGDV

 ;,,±DXWRUL]DUH[FHSFLRQDOHMXVWLILFDGDPHQWHDSURUURJDomRGRSUD]RSUHYLVWRQR†ž GRDUWžGHVWH'HFUHWRUHVSHLWDGRRSUD]RGHYLJrQFLDGDDWDTXDQGRVROLFLWDGDSHORyUJmRQmR SDUWLFLSDQWH

ϴ

†ž e YHGDGR HIHWXDU DFUpVFLPRV QRV TXDQWLWDWLYRV IL[DGRV SHOD DWD GH UHJLVWUR GH SUHoRVLQFOXVLYHRDFUpVFLPRGHTXHWUDWDR†žGRDUWGD/HLQžGH

ϭϮ

 †ƒ 2V FRQWUDWRV GHFRUUHQWHV GR 6LVWHPD GH 5HJLVWUR GH 3UHoR WHUmR VXD YLJrQFLD FRQIRUPH DV GLVSRVLo}HV FRQWLGDV QRV LQVWUXPHQWRV FRQYRFDWyULRV H UHVSHFWLYRV FRQWUDWRV REVHUYDQGRRGLVSRVWRQRDUWGD/HLQƒGH

†ž 2V FRQWUDWRV GHFRUUHQWHV GR 6LVWHPD GH 5HJLVWUR GH 3UHoRV SRGHUmR VHU DOWHUDGRVREVHUYDGRRGLVSRVWRQRDUWGD/HLQžGH 

†ž 1D OLFLWDomR SDUD UHJLVWUR GH SUHoRV QmR p QHFHVViULR LQGLFDU D GRWDomR RUoDPHQWiULDTXHVRPHQWHVHUiH[LJLGDSDUDIRUPDOL]DomRGRFRQWUDWRRXRXWURLQVWUXPHQWRKiELO 

†ž2FRQWUDWRGHFRUUHQWHGR6LVWHPDGH5HJLVWURGH3UHoRVGHYHUiVHUDVVLQDGRQR SUD]RGHYDOLGDGHGDDWDGHUHJLVWURGHSUHoRV 

 ;,±UHDOL]DUTXDQGRQHFHVViULRSUpYLDUHXQLmRFRPOLFLWDQWHVYLVDQGRLQIRUPiORV GDVSHFXOLDULGDGHVHRSHUDFLRQDOL]DomRGR6LVWHPDGH5HJLVWURGH3UHoRVH





 †ž3DUDDXPHQWDUDFRPSHWLWLYLGDGHSRGHUiVHUDGPLWLGDDSDUWLFLSDomRGHFRQVyUFLRV QDVOLFLWDo}HVSDUDUHJLVWURGHSUHoRV

,;DSOLFDUJDUDQWLGDDDPSODGHIHVDHRFRQWUDGLWyULRDVSHQDOLGDGHVGHFRUUHQWHVGR GHVFXPSULPHQWRGRSDFWXDGRQDDWDGHUHJLVWURRXGRGHVFXPSULPHQWRGDVREULJDo}HV FRQWUDWXDLVHPUHODomRjVVXDVSUySULDVFRQWUDWDo}HV

ϭϭ









ϭϬ

,RyUJmRJHUHQFLDGRUFRQYRFDUiRVIRUQHFHGRUHVSDUDDVVLQDWXUDGD$WDGH5HJLVWUR PDLVEHPFODVVLILFDGRGXUDQWHDIDVHFRPSHWLWLYD

†ƒ  &DEHUi DR yUJmR JHUHQFLDGRU  SURYLGHQFLDU R 7HUPR GH $GHVmR GR FDURQD H R UHVSHFWLYRDSRVWLODPHQWRHP$WDGH5HJLVWURGH3UHoRVGRVyUJmRVQmRSDUWLFLSDQWHVRXFDURQD SDUDIXWXURDFDWDPHQWRGRVSHGLGRV



$UW$SyVDKRPRORJDomRGDOLFLWDomRRUHJLVWURGHSUHoRVREVHUYDUiHQWUHRXWUDV DVVHJXLQWHVFRQGLo}HV 



,,,±ÏUJmR*HUHQFLDGRUÏUJmRGD$GPLQLVWUDomR0XQLFLSDOTXHVHUiR'HSDUWDPHQWR GH &RPSUDV /LFLWDo}HV H &RQWUDWRV H VHUi UHVSRQViYHO SHOD FRQGXomR GRV SURFHGLPHQWRV  GR FHUWDPHSDUDUHJLVWURGHSUHoRVHJHUHQFLDPHQWRGD$WDGH5HJLVWURGH3UHoRVGHOHGHFRUUHQWHH





$UWƒ±$$WDGH5HJLVWURGH3UHoRVGXUDQWHVXDYLJrQFLDSRGHUiVHUXWLOL]DGDSRU TXDOTXHU yUJmR RX HQWLGDGH GD $GPLQLVWUDomR 3~EOLFD TXH QmR WHQKD SDUWLFLSDGR GR FHUWDPH OLFLWDWyULRVHQGRTXHVHUmRGHQRPLQDGDV³ÏUJmRQmRSDUWLFLSDQWHRXFDURQD´





†ƒ  4XDQGR R HGLWDO SUHYLU R IRUQHFLPHQWR GH EHQV RX SUHVWDomR GH VHUYLoRV HP ORFDLV GLIHUHQWHV SRGHUi VHU IDFXOWDGD D DSUHVHQWDomR GH SURSRVWDGLIHUHQFLDGDSRUUHJLmRGHPRGRTXHRVSUHoRVFRWDGRVSRVVDPLQFRUSRUDUFXVWRVHP IXQomRGDYDULDomRGHUHJLmRRXORFDOLGDGH

'RyUJmRQmRSDUWLFLSDQWHRX&DURQD









6HomR,,,

,,, ± IRU FRQYHQLHQWH D DTXLVLomR GH EHQV RX D FRQWUDWDomR GH VHUYLoRV SDUD DWHQGLPHQWRDPDLVGHXPyUJmRRXHQWLGDGHRXDSURJUDPDGHJRYHUQRRX



†ƒ  2 HGLWDO SRGHUi DGPLWLU WDPEpP FRPR FULWpULR SDUD DFHLWDomR GH RIHUWD D GH PHQRU SUHoR DSUHVHQWDGR RX UHODWLYDPHQWH D GH PDLRU GHVFRQWR RIHUWDGR RX PHQRU DFUpVFLPR VREUHWDEHODVGHSUHoRVSUDWLFDGRVQRPHUFDGR

9,,±ILVFDOL]DURFXPSULPHQWRGD$WDGH5HJLVWURGH3UHoRV









,, ± IRU FRQYHQLHQWH D DTXLVLomR GH EHQV FRP SUHYLVmR GH HQWUHJDV SDUFHODGDV RX FRQWUDWDomRGHVHUYLoRVUHPXQHUDGRVSRUXQLGDGHGHPHGLGDRXHPUHJLPHGHWDUHID



;,UHDOL]DomRSHULyGLFDGHSHVTXLVDGHPHUFDGRSDUDFRPSURYDomRGDYDQWDMRVLGDGH

9, ± FRQWURODU RV DWHQGLPHQWRV GH VXDV GHPDQGDV SRU $WD GH 5HJLVWUR GH 3UHoRV DWUDYpV GH FRQWUROH GDV VXDV VROLFLWDo}HV DV RUGHQV GH XWLOL]DomR GHIHULGDV DV QRWDV GH HPSHQKRVHQRWDVILVFDLVIDWXUDVUHFHELGDVHSDJDV

,  SHODV FDUDFWHUtVWLFDV GR EHP RX VHUYLoR KRXYHU QHFHVVLGDGH GH FRQWUDWDo}HV IUHTXHQWHV

ϵ



6HomR,,,

6HomR9,

'R(GLWDO

'D5HYLVmRGH3UHoRV5HJLVWUDGRV





$UW ƒ  2 HGLWDO GH OLFLWDomR SDUD R 6LVWHPD GH 5HJLVWUR GH 3UHoRV FRQWHUi QHFHVVDULDPHQWH

$UW  2V SUHoRV UHJLVWUDGRV SRGHUmR VHU UHYLVWRV HP GHFRUUrQFLD GH HYHQWXDO UHGXomRGRVSUHoRVSUDWLFDGRVQRPHUFDGRRXGHIDWRTXHHOHYHRVFXVWRVGRVVHUYLoRVRXEHQV UHJLVWUDGRV FDEHQGR DR yUJmR JHUHQFLDGRU SURPRYHU DV QHJRFLDo}HV MXQWR DRV IRUQHFHGRUHV REVHUYDGDVDVGLVSRVLo}HVQDDOtQHD³G´GRLQFLVR,,GRFDSXWGRDUWGD/HLQžGH

 ,±RVyUJmRVSDUWLFLSDQWHVGRUHVSHFWLYR6LVWHPDGH5HJLVWURGH3UHoRV

CONTINUAÇÃO NA PRÓXIMA PÁGINA


ATOS OFICIAIS

5

O PROGRESSO

Dourados, sĂĄbado/domingo 27/28.1.2018

CONTINUAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DA PĂ GINA ANTERIOR $UW4XDQGRRSUHoRUHJLVWUDGRWRUQDUVHVXSHULRUDRSUHoRSUDWLFDGRQRPHUFDGR SRU PRWLYR VXSHUYHQLHQWH R yUJmR JHUHQFLDGRU FRQYRFDUi RV IRUQHFHGRUHV SDUD QHJRFLDUHP D UHGXomRGRVSUHoRVDRVYDORUHVSUDWLFDGRVSHORPHUFDGR

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADINA Gabinete do Prefeito



BBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBBB

Â&#x2020;Â&#x17E; 2V IRUQHFHGRUHV TXH QmR DFHLWDUHP UHGX]LU VHXV SUHoRV DRV YDORUHV SUDWLFDGRV SHORPHUFDGRVHUmROLEHUDGRVGRFRPSURPLVVRDVVXPLGRVHPDSOLFDomRGHSHQDOLGDGH



'(&5(721Â&#x17E;'(-$1(,52'(





Â&#x2020;Â&#x17E;$RUGHPGHFODVVLILFDomRGRVIRUQHFHGRUHVTXHDFHLWDUHPUHGX]LUVHXVSUHoRVDRV YDORUHVGHPHUFDGRREVHUYDUiDFODVVLILFDomRRULJLQDO



Nomeia Coordenador Municipal da Defesa Civil no municĂ­pio de Douradina/MS e dĂĄ outras providĂŞncias.







$UW  4XDQGR R SUHoR GH PHUFDGR WRUQDUVH VXSHULRU DRV SUHoRV UHJLVWUDGRV H R IRUQHFHGRUQmRSXGHUFXPSULURFRPSURPLVVRRyUJmRJHUHQFLDGRUSRGHUi







,ÂąOLEHUDURIRUQHFHGRUGRFRPSURPLVVRDVVXPLGRFDVRDFRPXQLFDomRRFRUUDDQWHV GR SHGLGR GH IRUQHFLPHQWR H VHP DSOLFDomR GD SHQDOLGDGH VH FRQILUPDGD D YHUDFLGDGH GRV PRWLYRVHFRPSURYDQWHVDSUHVHQWDGRVH

Ď­ĎŻ

 ,, Âą FRQYRFDU RV GHPDLV IRUQHFHGRUHV SDUD DVVHJXUDU LJXDO RSRUWXQLGDGH GH QHJRFLDomR

   235()(,72081,&,3$/'('285',1$3URI-HDQ6pUJLR&ODYLVVR )RJDoDQRXVRGDVDWULEXLo}HVTXHOKHFRQIHUHD/HL2UJkQLFD0XQLFLSDO 







'(&5(7$ 

 3DUiJUDIR ~QLFR 1mR KDYHQGR r[LWR QDV QHJRFLDo}HV R yUJmR JHUHQFLDGRU GHYHUi SURFHGHUjUHYRJDomRGDDWDGHUHJLVWURGHSUHoRVDGRWDQGRDVPHGLGDVFDEtYHLVSDUDREWHQomR GDFRQWUDWDomRPDLVYDQWDMRVD

$UW Â&#x17E;  )LFD QRPHDGR R 6XEWHQHQWH %0 /XL] 0LJXHO GR 1DVFLPHQWR SDUD H[HUFHU D IXQomR GH &RRUGHQDGRU 0XQLFLSDO GH 'HIHVD &LYLO &20'(&  GR PXQLFtSLR GH 'RXUDGLQD06





$UW$IL[DomRGRQRYRSUHoRSDFWXDGRGHYHUiVHUFRQVLJQDGDHPDSRVWLODj$WD GH5HJLVWURGH3UHoRVFRPDVMXVWLILFDWLYDVFDEtYHLVREVHUYDGDDDQXrQFLDGDVSDUWHV

$UWÂ&#x17E;7RGDVDVDo}HVHDWLYLGDGHVSHUWLQHQWHVDR &20'(& VHUmRFRRUGHQDGDV SHOR WLWXODU QRPHDGR QR DUWLJR DQWHULRU H R PHVPR ILFDUi OLJDGR GLUHWDPHQWH DR *DELQHWH GR 3UHIHLWR

 

$UW Â&#x17E;  (VWH 'HFUHWR HQWUD HP YLJRU QD GDWD GH VXD SXEOLFDomR UHYRJDQGRVH DV GLVSRVLo}HVHPFRQWUiULR

6HomR9,,

MUNICĂ?PIO DE DOURADINA - MS RELATĂ&#x201C;RIO DE GESTĂ&#x192;O FISCAL DEMONSTRATIVO DA DĂ?VIDA CONSOLIDADA LĂ?QUIDA - CONSOLIDADO

'R&DQFHODPHQWR





ORĂ&#x2021;AMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - SEMESTRE JULHO/DEZEMBRO



$UW2UHJLVWURGRGHWHQWRUGDDWDVHUiFDQFHODGRTXDQGR

RGF â&#x20AC;&#x201C; ANEXO 02 (LRF, art. 55, inciso I, alĂ­nea "b") - Portaria 403/2016

'285$',1$06GHMDQHLURGH 



DĂ?VIDA CONSOLIDADA - DC (I)

,ÂąGHVFXPSULUDVFRQGLo}HVGDDWDGHUHJLVWURGHSUHoRV

0,00

0,00

112.635,41

112.635,41

112.635,41

EmprĂŠstimos

0,00

0,00

,,,ÂąQmRDFHLWDUUHGX]LURVHXSUHoRUHJLVWUDGRQDKLSyWHVHGHVWHVHWRUQDUVXSHULRUjTXHOHV SUDWLFDGRVQRPHUFDGRRX  ,9ÂąVRIUHUVDQomRSUHYLVWDQRVLQFLVRV,,,RX,9GRcaputGRDUWGD/HLQÂ&#x17E;GHRX QRDUWÂ&#x17E;GD/HLQÂ&#x17E;GH  3DUiJUDIR~QLFR2FDQFHODPHQWRGHUHJLVWURVQDVKLSyWHVHVSUHYLVWDVQRVLQFLVRV,,,H,9GR caputVHUiIRUPDOL]DGRSRUGHVSDFKRGRyUJmRJHUHQFLDGRUDVVHJXUDQGRRFRQWUDGLWyULRHD

Ď­Ď°

DPSODGHIHVD

EXTRATO DO TERMO DE RESCISĂ&#x192;O DO CONTRATO N° 54/2017 PREGĂ&#x192;O PRESENCIAL: 025/2017 PROCESSO ADMINISTRATIVO: 038/2017 PARTES â&#x20AC;&#x201C; MunicĂ­pio de Douradina - MS e a empresa Tiago Leal de Freitas 00241529190. OBJETO â&#x20AC;&#x201C; A presente licitação tem por objeto a aquisição perante Microempresas (ME), Empresas de Pequeno Porte (EPP) ou Microempreendedores Individuais (MEI), assim definidos pelo art. 3Âş e 18-A, §1Âş, da Lei Complementar 123/2006, de fornecimento de licença de uso de sistema, incluindo a instalação, treinamento e manutenção do sistema de informação geogrĂĄfica do espaço agrĂĄrio juntamente com a integração de procedimento administrativo voltados ao controle da utilização e ocupação do solo com levantamento de informaçþes de todas as propriedades rurais deste municĂ­pio, em atendimento a Secretaria Municipal de administração do municĂ­pio de Douradina MS FUNDAMENTO LEGAL: O presente Termo de RescisĂŁo estĂĄ fundamentado no inciso II do art. 79, da Lei 8.666 de 21 de junho de 1993. Douradina â&#x20AC;&#x201C; MS, 22 de dezembro de 2017.

 $UW2FDQFHODPHQWRGRUHJLVWURGHSUHoRVSRGHUiRFRUUHUSRUIDWRVXSHUYHQLHQWH GHFRUUHQWHGHFDVRIRUWXLWRRXIRUoDPDLRUTXHSUHMXGLTXHRFXPSULPHQWRGDDWDGHYLGDPHQWH FRPSURYDGRVHMXVWLILFDGRV  ,ÂąSRUUD]mRGHLQWHUHVVHS~EOLFRRX

112.635,41

0,00

Internos

0,00

Externos

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

Reestruturação da Dívida de Estados e Municípios

0,00

0,00

0,00

Financiamentos

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

,,ÂąQmRUHWLUDUDQRWDGHHPSHQKRRXLQVWUXPHQWRHTXLYDOHQWHQRSUD]RHVWDEHOHFLGRSHOD PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADINA AVISO DE LICITAĂ&#x2021;Ă&#x192;O PROCESSO ADMINISTRATIVO NÂş 02/2017 PREGĂ&#x2022;ES PRESENCIAL NÂş 01/2017 A Prefeitura Municipal de Douradina, Estado de Mato Grosso do Sul, atravĂŠs da Pregoeira Oficial, torna pĂşblico para conhecimento dos interessados que farĂĄ realizar licitação na modalidade acima mencionada, do tipo Menor preço por Item, conforme disposiçþes das Leis nÂş 10.520/02, Lei nÂş 8.666/93, de 21/06/93, e suas alteraçþes posteriores e pelo Edital, que tem como objeto: O objeto da presente licitação ĂŠ a seleção de proposta mais vantajosa para a Administração PĂşblica, perante Microempresas (ME), Empresas de Pequeno Porte (EPP) ou Microempreendedores Individuais (MEI), assim definidos pelo art. 3Âş e 18-A, §1Âş, da Lei Complementar 123/2006, objetivando a contratação de empresa especializada para prestação de serviço de serviço de coleta, transporte, tratamento de incineração e destino final conforme licença de operação NÂş 03.088/2012dos resĂ­duos sĂłlidos oriundos de dos serviços se saĂşde, Grupo A, Grupo B e Grupo E, nos parâmetros que determina a Resolução CONAMA NÂş 358 de abril de 2005, Resolução nÂş 306 de 04 de dezembro de 2004 (ANVISA) e normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas e tĂŠcnicas ) vigentes do municĂ­pio de Douradina â&#x20AC;&#x201C; MS, conforme especificaçþes contidas no termo de referĂŞncia Anexo II deste Edital, em sessĂŁo pĂşblica, Ă s 08:00 horas do dia 09 de fevereiro de 2018, na sala de licitaçþes, localizada a Rua Domingos da Silva n.Âş 1250 â&#x20AC;&#x201C; Centro, Douradina â&#x20AC;&#x201C; MS, onde serĂŁo recebidos os envelopes de proposta comercial e documentos de habilitação. O Edital estarĂĄ Ă  disposição dos interessados a ser retirada na Prefeitura Municipal de Douradina, sito na Rua Domingos da Silva n. Âş 1250 - Centro, no horĂĄrio das 07:00 Ă s 12:00 horas. Douradina â&#x20AC;&#x201C; MS, 25 de janeiro de 2018 LUCIANA COSTA OREJANA TRINDADE â&#x20AC;&#x201C; Pregoeira

atĂŠ o 2Âş Semestre

112.635,41

0,00

DĂ­vida Contratual

$GPLQLVWUDomRVHPMXVWLILFDWLYDDFHLWiYHO

atĂŠ o 1Âş Semestre

112.635,41

DĂ­vida MobiliĂĄria

3URI-HDQ6pUJLR&ODYLVVR)RJDoD 3UHIHLWR



R$ 1,00 SALDO DO EXERCĂ?CIO DE 2017

SALDO EXERCICIO ANTERIOR

DĂ?VIDA CONSOLIDADA

Internos Externos

0,00

0,00

0,00

112.635,41

112.635,41

112.635,41

0,00

0,00

0,00

De Contribuiçþes Previdenciårias

112.635,41

112.635,41

112.635,41

De Demais Contribuiçþes Sociais

0,00

0,00

0,00

Do FGTS

0,00

0,00

0,00

Com Instituição Financeira

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

Parcelamento e Renegociação de Dívidas De Tributos

Demais DĂ­vidas Contratuais PrecatĂłrios Posteriores a 05/05/2000 (inclusive)- Vencidos e NĂŁo Pagos.

0,00

0,00

Outras DĂ­vidas

0,00

0,00

0,00

2.322.262,54

4.116.426,97

2.968.494,18

2.322.262,54

4.116.426,97

2.968.494,18

2.392.405,38

4.116.426,97

2.968.494,18

70.142,84

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

5.877.732,94

10.000.330,27

21.069.043,54

1,92

1,13

0,53

DEDUĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES (II) Disponibilidade de Caixa Disponibilidade de Caixa Bruta (-) Restos a Pagar Processados Demais Haveres Financeiros DĂ?VIDA CONSOLIDADA LĂ?QUIDA (DCL) (III) = (I - II) RECEITA CORRENTE LĂ?QUIDA - RCL % da DC sobre a RCL (I / RCL)

0,00

% da DCL sobre a RCL (III / RCL)

0,00

0,00

0,00

LIMITE DEFINIDO POR RESOLUĂ&#x2021;Ă&#x192;O DO SENADO FEDERAL

0,00

0,00

0,00

LIMITE DE ALERTA (inciso III do § 1º do art. 59 da LRF) [ 90,00%]

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

OUTROS VALORES NĂ&#x192;O INTEGRANTES DA DC PRECATĂ&#x201C;RIOS ANTERIORES A 05/05/2000

0,00

PRECATĂ&#x201C;RIOS POSTERIORES A 05/05/2000 (NĂŁo IncluĂ­dos na DC)

0,00

0,00

0,00

PASSIVO ATUARIAL

0,00

0,00

0,00

INSUFICIĂ&#x160;NCIA FINANCEIRA

0,00

0,00

0,00

DEPĂ&#x201C;SITOS RP NĂ&#x192;O PROCESSADOS DE EXERCĂ?CIOS ANTERIORES

0,00

64.961,24

17.229,00

985.055,23

946.845,62

716.707,39

0,00

0,00

0,00

ANTECIPAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES DE RECEITA ORĂ&#x2021;AMENTĂ RIA - ARO

MUNICĂ?PIO DE DOURADINA - MS RELATĂ&#x201C;RIO DE GESTĂ&#x192;O FISCAL DEMONSTRATIVO DAS GARANTIAS E CONTRAGARANTIAS DE VALORES - CONSOLIDADO ORĂ&#x2021;AMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO DE 2017 A DEZEMBRO DE 2017 - SEMESTRE JULHO/DEZEMBRO RGF â&#x20AC;&#x201C; ANEXO 03 (LRF, art. 55, inciso I, alĂ­nea "c" e art. 40, § 1Âş) - Portaria 403/2016

R$ 1,00 SALDO DO EXERCICIO DE 2017

SALDO DO EXERCICIO ANTERIOR

GARANTIAS CONCEDIDAS

AtĂŠ o 1Âş Semestre

AtĂŠ o 2Âş Semestre

EXTERNAS (I) Aval ou Fiança em Operaçþes de CrÊdito



Outras Garantias na Forma da LRF* INTERNAS (II) Aval ou Fiança em Operaçþes de CrÊdito

,,ÂąDSHGLGRGRGHWHQWRUGDDWD

(67$'2'(0$72*52662'268/ 35()(,785$081,&,3$/'('285$',1$ 6HFUHWDULD0XQLFLSDOGH$GPLQLVWUDomRH)LQDQoDV

 &$3Ă&#x2039;78/2,,,

Outras Garantias na Forma da LRF* TOTAL GARANTIAS CONCEDIDAS (III) = (I + II) RECEITA CORRENTE LĂ?QUIDA - RCL (IV) LIMITE DEFINIDO POR RESOLUĂ&#x2021;Ă&#x192;O DO SENADO FEDERAL

21.069.043,54

LIMITE DE ALERTA (inciso III do § 1º do art. 59 da LRF) 90,00 %

 3DUiJUDIR 8QLFR  $ DGHVmR j $WD GH 5HJLVWUR GH 3UHoRV GH TXH WUDWD R FDSXW REHGHFHUiDVUHJUDVTXHGLVFLSOLQDPRSURFHGLPHQWROLFLWDWyULRTXHOKHGHXRULJHP  $UW4XDOTXHUFLGDGmRpSDUWHOHJtWLPDSDUDLPSXJQDURSUHoRUHJLVWUDGRHPUD]mR GH LQFRPSDWLELOLGDGH GHVWH FRP R SUHoR YLJHQWH QR PHUFDGR PHGLDQWH SHWLomR SURWRFRODGD QD 3UHIHLWXUD0XQLFLSDOTXHGHYHUiFRQWHULQIRUPDo}HVFLUFXQVWDQFLDGDVVREUHRIDWR

SALDO DO EXERCICIO DE 2017 AtĂŠ o 1Âş AtĂŠ o 2Âş Semestre Semestre

EXTERNAS (V)

 5HFRQKHoRD'LVSHQVDGH/LFLWDomRIXQGDPHQWDGDQRDUWLQF;,,,GD/HL)HGHUDOQÂ&#x17E;  FRQIRUPH VROLFLWDomR MXVWLILFDWLYD H SDUHFHU MXUtGLFR FRQVWDQWH QR SURFHVVR DEDL[R WHQGR FRPR REMHWR D FRQWUDWDomR GH LQVWLWXLomR SDUD LQWHUPHGLDomR H DGPLQLVWUDomR QD FRQWUDWDomR GH HVWDJLiULRV j OX] GR TXH HVWDEHOHFH D /HL )HGHUDO QÂ&#x17E;  GH  GH VHWHPEUR GH  YLVDQGR R GHVHQYROYLPHQWR GH DWLYLGDGHV SDUD SURPRomR GD LQWHJUDomR DR PHUFDGR GH WUDEDOKR GH DFRUGR FRP D &RQVWLWXLomR)HGHUDO $UW  ,QFLVR ,,, H $UW  ,QFLVR ,9  DWUDYpV GD RSHUDFLRQDOL]DomR GH SURJUDPDV GH (VWiJLRGH(VWXGDQWHV  5DWLILFR D GHVSHVD HP FXPSULPHQWR jV GHWHUPLQDo}HV FRQWLGDV QR DUW  GD /HL UHWUR PHQFLRQDGD

$UW20XQLFtSLRGH'RXUDGLQD06SRGHUiXWLOL]DUDV$WDVGH5HJLVWURGH3UHoRV GH HQWHV GD 8QLmR (VWDGRV 'LVWULWR )HGHUDO H 0XQLFtSLRV GHVGH TXH RV SUHoRV VHMDP FRPSDWtYHLVFRPRVSUDWLFDGRVQRPHUFDGRHGHPRQVWUDGRVDYDQWDJHPHFRQ{PLFDGDDGHVmR

SALDO DO EXERCICIO ANTERIOR

CONTRAGARANTIAS RECEBIDAS

7(502'(5$7,),&$d­2'$',63(16$1Â&#x17E;

Aval ou Fiança em Operaçþes de CrÊdito Outras Garantias na Forma da LRF* INTERNAS (VI) Aval ou Fiança em Operaçþes de CrÊdito Outras Garantias na Forma da LRF* TOTAL CONTRAGARANTIAS RECEBIDAS (VII) = (V + VI) Fonte: Nota:

MUNICĂ?PIO DE DOURADINA - MS * Inclui garantias concedidas por meio de fundos.

MUNICĂ?PIO DE DOURADINA - MS RELATĂ&#x201C;RIO DE GESTĂ&#x192;O FISCAL DEMOMSTRATIVO DAS OPERAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES DE CRĂ&#x2030;DITO - CONSOLIDADO ORĂ&#x2021;AMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL

352&(662  ',63(16$  )$925(&,'2&(1752'(,17(*5$d­2(035(6$(6&2/$¹&,((

 $UW   6HUi GDGD SXEOLFLGDGH GRV SUHoRV UHJLVWUDGRV HP DWD QR VLWH RILFLDO GR PXQLFtSLRHDIL[DGRHPH[WUDWRVREDIRUPDGH$YLVRHPTXDGURSUySULRGD3UHIHLWXUD 



10.000.330,27

%



',6326,dÂŽ(6*(5$,6(75$16,7Ă?5,$6

$UW  3RGHUmR VHU XWLOL]DGRV UHFXUVRV GH WHFQRORJLD GD LQIRUPDomR QD RSHUDFLRQDOL]DomR GDV GLVSRVLo}HV GH TXH WUDWD HVWH 'HFUHWR EHP FRPR QD DXWRPDWL]DomR GRV SURFHGLPHQWRVLQHUHQWHVDRVFRQWUROHVHDWULEXLo}HVGRyUJmRJHUHQFLDGRUHSDUWLFLSDQWHV

5.877.732,94

% do TOTAL DAS GARANTIAS sobre a RCL

JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - SEMESTRE JULHO/DEZEMBRO RGF - ANEXO 04 (LRF, art. 55, inciso I alĂ­nea "d" e inciso III alĂ­nea "c") - Portaria 403/2016

9$/25 727$/ 5  FHQWR H QRYHQWD H XP PLO TXLQKHQWRV H GH] UHDLV  TXH FRUUHVSRQGH D  RQ]H  SDUFHODV PHQVDLV HVWLPDGDV GH 5  GH]HVVHWH PLO H TXDWURFHQWRVHGH]UHDLV ILFDQGRHVWDEHOHFLGR

Ď­Ďą

 $UW(VWH'HFUHWRHQWUDUiHPYLJRUQDGDWDGHVXDSXEOLFDomR

*DELQHWHGR3UHIHLWR0XQLFLSDOGH'RXUDGLQD06GHMDQHLURGH  -HDQ6pUJLR&ODYLVVR)RJDoD

0,00

0,00

0,00

Externa

0,00

0,00

Contratual

0,00

0,00

0,00

0,00

EmprĂŠstimos

0,00

0,00

Aquisição Financiada de Bens e Arrendamento Mercantil Financeiro

0,00

0,00

Antecipaçþes de Receitas pela Venda a Termo de Bens e Serviços

0,00

0,00

Assunção, Reconhecimento e Confissão de Dívidas (LRF, art. 29, § 1º)

0,00

0,00

Operaçþes de CrÊdito Previstas no Art. 7º § 3º da RSF nº 43/2001š

0,00

0,00

0,00

0,00

EmprĂŠstimos

0,00

0,00

Aquisição Financiada de Bens e Arrendamento Mercantil Financeiro

0,00

0,00

Antecipaçþes de Receitas pela Venda a Termo de Bens e Serviços

0,00

0,00

Assunção, Reconhecimento e Confissão de Dívidas (LRF, art. 29, § 1º)

0,00

0,00

Operaçþes de CrÊdito Previstas no Art. 7º § 3º da RSF nº 43/2001š

0,00

0,00

0,00 APURAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DO CUMPRIMENTO DOS LIMITES

RECEITA CORRENTE LĂ?QUIDA - RCL TOTAL CONSIDERADO PARA FINS DA APURAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DO CUMPRIMENTO DO LIMITE (III) = (Ia + II)

VALOR

21.069.043,54 0,00 0,00

0,00% 0,00%

0,00

0,00%

0,00 0,00

0,00% 0,00%

0,00

0,00%

LIMITE GERAL DEFINIDO POR RESOLUĂ&#x2021;Ă&#x192;O DO SENADO FEDERAL PARA AS OPERAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES DE CRĂ&#x2030;DITO INTERNAS E EXTERNAS LIMITE DE ALERTA (inciso III do §1Âş do art. 59 da LRF) -

90,00%

OPERAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES DE CRĂ&#x2030;DITO POR ANTECIPAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DA RECEITA ORĂ&#x2021;AMENTĂ RIA LIMITE GERAL DEFINIDO POR RESOLUĂ&#x2021;Ă&#x192;O DO SENADO FEDERAL PARA AS OPERAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES DE CRĂ&#x2030;DITO POR ATENCIPAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DA RECEITA ORĂ&#x2021;AMENTĂ RIA



0,00

VALOR

OPERAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES VEDADAS (II)

-HDQ6pUJLR&ODYLVVR)RJDoD 3UHIHLWR0XQLFLSDOÂą&RQWUDWDQWH

3UHIHLWR0XQLFLSDO

0,00

Interna

TOTAIS (I)

 35$=2 RQ]H PHVHVDFRQWDUGDGDWDGHDVVLQDWXUDGRFRQWUDWR  'RXUDGLQDÂą06GHMDQHLURGH  



AtĂŠ o Semestre de ReferĂŞncia (a)

MobiliĂĄria

Externa

 



No Semestre de ReferĂŞncia

Interna

 D  5  UHIHUHQWH D %ROVD $X[tOLR VHQGR 5  TXLQKHQWRV UHDLV  SDUD HQVLQR VXSHULRU H 5  TXDWURFHQWRV UHDLV SDUDHQVLQRPpGLR E  5  UHIHUHQWH D $X[LOLR 7UDQVSRUWH VHQGR 5  FLQTXHQWDUHDLV SRUDOXQR F  5    UHIHUHQWH D 7D[D GH $GPLQLVWUDomR VHQGR 5  TXDUHQWDHVHWHUHDLV SRUDOXQR

$UW)LFDGHOHJDGDFRPSHWrQFLDDR6HFUHWiULR0XQLFLSDOGH )LQDQoDVSDUDHGLWDU QRUPDVFRPSOHPHQWDUHVSDUDRILHOFXPSULPHQWRGHVWH'HFUHWR

R$ 1,00

VALOR REALIZADO OPERAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES DE CRĂ&#x2030;DITO

VALOR REALIZADO OUTRAS OPERAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES QUE INTREGAM A DĂ?VIDA CONSOLIDADA

Chamada Pública n.º 01/2018 para aquisição de gêneros alimentícios da agricultura familiar para alimentação escolar, no âmbito do Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE, com dispensa de licitação, Lei n.º 11.947, de 16/07/2009, Resolução/CD/FNDE n.º 26, de 17/06/2013. A Associação de Pais e Mestres (APM) da Escola Estadual EE ABIGAIL BORRALHO, Unidade Executora representativa da comunidade escolar, localizada à AV. MARCELINO PIRES, 696, município de DOURADOS/MS inscrita no CNPJ sob o nº 33.121.187/0001-30 , representada, neste ato, pelo seu Presidente Sr.(a) Shirlei Mary Figueiredo, no uso de suas prerrogativas legais e, considerando o disposto no art. 14 da Lei 11.947/2009 e no art. 21 da Resolução/ CD/FNDE n.º 26/2013 realiza Chamada Pública para aquisição de gêneros alimentícios da Agricultura Familiar e do Empreendedor Familiar Rural ou suas organizaçþes, destinada ao atendimento do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), durante o 1º semestre de 2018. Os Fornecedores Individuais, Grupos Formais e Informais deverão apresentar a documentação para habilitação, de acordo com o item 3 deste documento e, o Projeto de Venda atÊ o dia 12 de Fevereiro de 2018, às 16:00 horas, na Escola Estadual EE ABIGAIL BORRALHO, localizada à AV. MARCELINO PIRES, 696, município de DOURADOS/MS.

No Semestre de ReferĂŞncia

Parcelamentos de DĂ­vidas

0,00

0,00

0,00

0,00

FGTS

0,00

0,00

0,00

0,00

Fonte:

MUNICĂ?PIO DE DOURADINA - MS

Nota:

1. Conforme manual de instrução de Pleitos - MIP STN/COPEM, essas operaçþes podem ser contratadas mesmo que não haja margem disponível nos limites. No entanto, uma vez contratadas, os fluxos de tais operaçþes terão efeitos contabilizados para fins de contratação de outras operaçþes de crÊdito.

MĂ&#x160;S: NOVEMBRO ANO: 2017 (NBR 12.721:2006 - CUB 2006)

Os valores abaixo referem-se aos Custos Unitårios Båsicos de Construção (CUB/m²), calculados de acordo com a Lei Fed. nº. 4.591, de NOVEMBRO de 2017. "Estes custos unitårios foram calculados conforme disposto na ABNT NBR 12.721:2006, com base em novos projetos, novos memoriais descritivos e novos critÊrios de orçamentação e, portanto, constituem nova sÊrie histórica de custos unitårios, não comparåveis com a anterior, com a designação de CUB/2006". "Na formação destes custos unitårios båsicos não foram considerados os seguintes itens, que devem ser levados em conta na determinação dos preços por metro quadrado de construção, de acordo com o estabelecido no projeto e especificaçþes correspondentes a cada caso particular: fundaçþes, submuramentos, paredes-diafragma, tirantes, rebaixamento de lençol freåtico; elevador(es); equipamentos e instalaçþes, tais como: fogþes, aquecedores, bombas de recalque, incineração, ar-condicionado, calefação, ventilação e exaustão, outros; playground (quando não classificado como årea construída); obras e serviços complementares; urbanização, recreação (piscinas, campos de esporte), ajardinamento, instalação e regulamentação do condomínio; e outros serviços (que devem ser discriminados no Anexo A - quadro III); impostos, taxas e emolumentos cartoriais, projetos: projetos arquitetônicos, projeto estrutural, projeto de instalação, projetos especiais; remuneração do construtor; remuneração do incorporador."

MUNICĂ­PIO DE DOURADINA - MS RELATĂ&#x201C;RIO DE GESTĂ&#x192;O FISCAL DEMONSTRATIVO DA DISPONIBILIDADE DE CAIXA E RESTOS A PAGAR - CONSOLIDADO ORĂ&#x2021;AMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - QUADRIMESTRE SETEMBRO/DEZEMBRO RGF â&#x20AC;&#x201C; Anexo 05 (LRF, art 55, Inciso III, alĂ­nea "a") - Portaria 403/2016

R$ 1,00

TOTAL DOS RECURSOS VINCULADOS (I)

PADRĂ&#x192;O BAIXO R$/m²

5 33 5 3,6

1.124,60 1.049,75 1.000,21 773,82

0,06% 0,04% 0,04% 0,05%

PADRĂ&#x192;O ALTO

Projeto

R$/m²

var.% mĂŞs

Projeto

R$/m²

var.% mĂŞs

R-1 PP-4 R-8 R-16

1.319,03 1.262,97 1.109,36 1.076,31

0,07% 0,06% 0,04% 0,06%

R-1 R-8 R-16

1.646,76 1.347,39 1.413,51

0,06% 0,12% 0,06%

Demais Obrigaçþes Financeiras (e)

INSUFICIĂ&#x160;NCIA FINANCEIRA VERIFICADA NO CONSĂ&#x201C;RCIO PĂ&#x161;BLICO

DISPONIBILIDADE DE CAIXA LĂ?QUIDA (ANTES DA INSCRIĂ&#x2021;Ă&#x192;O EM RESTOS A PAGAR NĂ&#x192;O PROCESSADOS DO EXERCĂ?CIO) (g) = (a - (b + c + d + e) -f)

RESTOS A PAGAR EMPENHADOS E NĂ&#x192;O LIQUIDADOS DO EXERCĂ?CIO

2.227.758,56

EMPENHOS NĂ&#x192;O LIQUIDADOS CANCELADOS (NĂ&#x192;O INSCRITOS POR INSUFICIĂ&#x160;NCIA FINANCEIRA)

0,00

72.048,05

403,53

5.465,44

0,00

135.492,83

0,00

41.788,23

0,00

32.586,86

0,00

5.465,44

0,00

3.735,93

0,00

0,00

293.274,53

0,00

0,00

403,53

0,00

0,00

292.871,00

30.690,00

0,00

602.626,25

0,00

39.461,19

0,00

0,00

0,00

563.165,06

43.337,83

0,00

1.367.986,57

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

1.367.986,57

61.465,00

0,00

TOTAL DOS RECURSOS NAO VINCULADOS (II)

662.818,61

0,00

77.059,50

716.303,86

11.763,56

0,00

-142.308,31

105.065,83

0,00

Recursos OrdinĂĄrios

662.818,61

0,00

77.059,50

716.303,86

11.763,56

0,00

-142.308,31

105.065,83

0,00

2.968.494,19

0,00

149.107,55

716.707,39

17.229,00

0,00

2.085.450,25

240.558,66

0,00

17.139.467,93

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

17.139.467,93

9.620,06

0,00

Outras Destinaçþes Vinculadas de Recursos

PADRĂ&#x192;O NORMAL

var.% mĂŞs

De ExercĂ­cios Anteriores (b)

2.305.675,58

TransferĂŞncias do FUNDEB 60%

Outros Recursos Destinados Ă SaĂşde

Projeto

OBRIGAĂ&#x2021;Ă&#x2022;ES FINANCEIRAS Restos a Pagar Liquidados e NĂŁo Restos a Pagar Pagos Empenhados e NĂŁo Liquidados de ExercĂ­cios Do ExercĂ­cio Anteriores (c) (d)

Disponibilidade de Caixa Bruta (a)

IDENTIFICAĂ&#x2021;Ă&#x192;O DOS RECURSOS

Outros Recursos Destinados à Educação

PROJETOS - PADRĂ&#x192;O RESIDENCIAIS

0,00

Tributos Contribuiçþes Previdenciårias Operaçþes de reestruturação e recomposição do principal de dívidas

CUSTOS UNITĂ RIOS BĂ SICOS DE CONSTRUĂ&#x2021;Ă&#x192;O

AtĂŠ o Semestre de ReferĂŞncia (a)

0,00

TOTAL (III) = (I = II)

REGIME PRĂ&#x201C;PRIO DE PREVIDĂ&#x160;NCIA DOS SERVIDORES š

PREFEITURA DE DOURADINA - MS RELATĂ&#x201C;RIO DE GESTĂ&#x192;O FISCAL

CUB/M² - R8-N = R$ 1.109,36 VARIAĂ&#x2021;Ă&#x192;O 0,04% Ult. 12 meses -

DEMONSTRATIVO SIMPLIFICADO DO RELATĂ&#x201C;RIO DE GESTĂ&#x192;O FISCAL- CONSOLIDADO

CUSTO TOTAL

100,00% 48,86% 45,81% 5,33%

MĂŁo de obra (encargos 134,39 %)

Mensal

Material

Em 2014

Despesas Administrativas

1.109,36 542,07 508,15 59,14

ORĂ&#x2021;AMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - SEMESTRE JULHO/DEZEMBRO LRF, art. 48 - Anexo 06 - Portaria 403/2016

R$ 1,00

RECEITA CORRENTE LĂ?QUIDA

PROJETOS - PADRĂ&#x192;O COMERCIAIS CAL (Comercial Andares Livres) e CSL (Comercial Salas e Lojas)

VALOR

Receita Corrente LĂ­quida

21.069.043,54

DESPESA COM PESSOAL

VALOR

Despesa Total com Pessoal DTP

PADRĂ&#x192;O NORMAL

PADRĂ&#x192;O ALTO

Projeto

R$/m²

var.% mĂŞs

Projeto

R$/m²

var.% mĂŞs

CAL - 8 CSL - 8 CSL - 16

1.306,71 1.106,20 1.476,08

0,02% 0,03% 0,02%

CAL - 8 CSL - 8 CSL - 16

1.406,73 1.213,64 1.615,48

0,04% 0,04% 0,04%

LIMITE MĂ XIMO ( incisos I, II e III, do art. 20 da LRF) - 60,00%

12.641.426,12

Limite Prudencial (parĂĄgrafo Ăşnico, art. 22 da LRF)

10.808.419,34

51,30%

DIVIDA CONSOLIDADA

VALOR

DIVIDA CONSOLIDADA LIQUIDA

Projeto

RP1Q GI SIGLAS R-1: PP-4: R-8: R-16: PIS:

ResidĂŞncia Unifamiliar PrĂŠdio Popular ResidĂŞncia Multifamiliar ResidĂŞncia Multifamiliar Projeto de Interesse Social

R$/m²

%

1.131,69 607,02

LIMITE DEFINIDO POR RESOLUCAO DO SENADO FEDERAL -

%

LIMITE DEFINIDO PELO SENADO FEDERAL PARA OP. CREDITO EXTERNAS E INTERNAS -

0,00 %

LIMITE DEFINIDO PELO SENADO FEDERAL PARA OP. CREDITO POR ANTECIPACAO DA RECEITA -

RESTOS A PAGAR

Valor Total Fonte: MUNICĂ­PIO DE DOURADINA - MS Rua Spipe Calarge, 1479 - Vila Morumbi - CEP: 79051-560 - Campo Grande-MS Telefone: (67) 3387-8884 - Fax: 3387-0909 - E-mail: sindusconms@sindusconms.com.br

Nota:

0,00

0,00

0,00

VALOR

OPERACOES DE CREDITOS POR ANTECIPACAO DA RECEITA

ResidĂŞncia Popular Comercial Andares Livres Comercial Salas e Lojas Comercial Salas e Lojas GalpĂŁo Industrial

0,00

% SOBRE A RCL 0,00

OPERACOES DE CREDITOS EXTERNAS E INTERNAS

SIGLAS RPQ1: CAL-8: CSL-8: CSL-16: GI:

51,30

0,00

OPERACOES DE CREDITO

0,05% 0,03%

60,00

% SOBRE A RCL

VALOR

TOTAL DAS GARANTIAS DE VALORES

var.% mĂŞs

53,55

0,00

LIMITE DEFINIDO POR RESOLUCAO DO SENADO FEDERAL -

GARANTIAS DE VALORES

PROJETOS - PADRĂ&#x192;O GALPĂ&#x192;O INDUSTRIAL (GI) E RESIDĂ&#x160;NCIA POPULAR (RP1Q)

% SOBRE A RCL

11.282.894,01

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00 0,00 %

0,00

% SOBRE A RCL

0,00

INSCRIĂ&#x2021;Ă&#x192;O EM RESTOS A PAGAR NĂ&#x192;O PROCESSADOS DO EXERCĂ?CIO 0,00

0,00 0,00

DISPONIBILIDADE DE CAIXA LĂ?QUIDA (ANTES DA INSCRIĂ&#x2021;Ă&#x192;O EM RESTOS A PAGAR NĂ&#x192;O PROCESSADOS DO EXERCĂ?CIO) 0,00


ATOS OFICIAIS

6

O PROGRESSO

Dourados, sábado/domingo 27/28.1.2018

MUNICIPIO DE DOURADINA - MS

MUNICÍPIO DE DOURADINA - MS

JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - BIMESTRE NOVEMBRO/DEZEMBRO

R$ 1,00

R$ 1,00

Despesas Empenhadas

Dotação Atualizada (e)

Até o Bimestre (f)

No Bimestre

DESPESAS (EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (VIII) DESPESAS CORRENTES Pessoal e Encargos Sociais Juros e Encargos da Dívida Outras Despesas Correntes DESPESAS DE CAPITAL Investimentos Inversões Financeiras Amortização da Dívida RESERVA DE CONTINGÊNCIA DESPESAS (INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (IX)

30.340.349,00 24.799.289,00 13.775.921,00 117.150,00 10.906.218,00 5.461.060,00 5.388.060,00

31.138.509,45 26.063.726,87 14.669.958,87 159.050,00 11.234.718,00 4.994.782,58 4.951.782,58

2.201.682,83 2.146.011,88 2.777.884,48 28.836,40 -660.709,00 55.670,95 55.670,95

73.000,00 80.000,00 1.055.390,00

43.000,00 80.000,00 1.044.090,00

213.809,69

SUBTOTAL DAS DESPESAS (X) = (VIII + IX)

31.395.739,00

32.182.599,45

2.415.492,52

Despesas Liquidadas Saldo (g) = (e - f)

Até o Bimestre (h)

No Bimestre

18.948.457,94 18.348.694,14 12.116.526,00 158.993,27 6.073.174,87 599.763,80 562.145,65

12.190.051,51 7.715.032,73 2.553.432,87 56,73 5.161.543,13 4.395.018,78 4.389.636,93

4.406.531,05 4.330.999,10 2.777.954,48 28.836,40 1.524.208,22 75.531,95 75.531,95

37.618,15 970.476,80

5.381,85 80.000,00 73.613,20

213.809,69

19.918.934,74

12.263.664,71

4.620.340,74

Despesas Pagas Até o Bimestre (j) 18.615.777,96 18.046.704,16 12.036.752,04 158.993,27 5.850.958,85 569.073,80 531.455,65

Saldo (i) = (e - h)

18.698.279,22 18.129.205,42 12.116.526,00 158.993,27 5.853.686,15 569.073,80 531.455,65

12.440.230,23 7.934.521,45 2.553.432,87 56,73 5.381.031,85 4.425.708,78 4.420.326,93

37.618,15 970.476,80

5.381,85 80.000,00 73.613,20

903.870,51

19.668.756,02

12.513.843,43

19.519.648,47

Inscritas em Restos a Pagar Não Processadas (k)

250.178,72 219.488,72

Receita Tributária

ISS

37.618,15

FEV/17

MAR/17

ABR/17

MAI/17

JUN/17

JUL/17

AGO/17

SET/17

OUT/17

NOV/17

DEZ/17

2.106.898,41

1.931.257,66

1.823.322,77

2.003.937,99

1.985.745,17

2.318.275,30

1.822.483,24

1.872.351,19

2.118.368,89

1.724.130,55

2.976.818,90

24.539.514,34

30.831.780,00

95.280,35

70.811,13

135.886,61

91.962,29

124.966,62

156.759,32

170.109,02

134.312,09

95.285,02

191.336,09

136.559,04

167.051,12

1.570.318,70

1.193.700,00

1.459,95

15.784,25

40.137,68

7.077,57

4.230,75

2.379,87

2.057,16

2.541,40

75.668,63

80.000,00

81.454,27

104.717,49

100.192,16

962.478,05

750.000,00

50.966,25

42.789,89

12.981,52

IRRF

Transferências Correntes

2.415.492,52

19.918.934,74

32.182.599,45

2.415.492,52

23.601.956,06

12.263.664,71

4.620.340,74

19.668.756,02

8.580.643,39

4.620.340,74

23.601.956,06

3.683.021,32

92.524,57

32.110,51

146,50

14.758,79

36.264,63

74.314,95 16.743,50

3.965,68

34.563,60

25.005,68

3.818,95

103.294,82

2.100,68

58.731,86

1.750,27

31.690,44

59.285,75

111.410,26

50.000,00

394.650,12

280.000,00

1.586,59

2.109,22

1.035,64

1.612,47

1.815,37

501,19

518,60

178,88

26.111,64

33.700,00

63.346,23

104.234,91

64.030,90

62.898,37

62.416,58

62.417,63

67.290,55

167.030,63

866.463,52

872.000,00

198.334,43

220.169,38

208.765,64

128.757,32

105.836,52

118.957,85

302.384,45

181.760,35

154.138,35

104.515,58

73.410,14

131.610,01

1.928.640,02

2.190.100,00

1.543.019,69

1.745.946,36

1.516.192,72

1.526.845,51

1.704.548,89

1.600.615,50

1.776.930,09

1.432.210,22

1.559.104,74

1.735.525,56

1.442.583,94

2.502.014,72

20.085.537,94

24.970.680,00

Cota Parte do FPM

662.843,87

849.748,00

532.419,20

641.474,61

727.642,24

670.679,28

865.950,22

587.453,61

493.263,17

559.007,96

574.978,84

1.106.291,61

8.271.752,61

8.000.000,00

433.354,56

253.708,07

531.196,90

422.422,15

489.057,59

413.434,07

507.246,09

448.189,79

436.466,40

541.860,26

434.803,87

579.157,37

5.490.897,12

6.160.000,00

Cota Parte do IPVA

19.962,92

236.379,17

39.362,74

27.872,98

31.371,60

29.719,80

22.447,21

23.131,20

19.457,00

10.462,11

12.628,86

8.113,78

480.909,37

770.000,00

1.484,64

176,11

12.513.843,43

19.519.648,47

8.580.643,39

23.601.956,06

3.933.200,04

250.178,72

Outras Transf. Correntes

250.178,72

DEDUÇÕES (II) Cont. Servidor Plano Prev.

693,74

1.445,54

2.613,74

1.445,54

7.063,92

1.445,54

92.405,66

1.445,54

6.615,25

1.445,54

3.457,48

1.445,54

123.629,51

4.162,90

3.905,96

3.927,20

4.411,72

4.128,34

4.409,55

5.564,96

4.544,10

47.048,07

44.000,00

191.071,68

165.482,24

180.801,68

165.897,01

158.618,31

210.035,68

165.291,32

222.912,19

1.445,54

2.170.159,32

3.083.900,00

257.183,60

308.168,63

194.652,46

200.940,34

438.662,06

315.898,80

241.255,30

17.346,48

576.092,65

56.000,00

3.483.795,46

6.834.780,00

4.304,31

5.282,94

7.670,23

5.376,48

5.239,73

5.177,59

4.820,84

11.302,21

1.406,50

24.574,03

4.286,88

9.112,42

88.554,16

1.605.300,00

226.266,97

320.841,13

274.354,39

267.627,30

305.987,20

311.679,01

265.238,39

265.702,35

245.452,05

295.229,46

260.501,49

431.591,06

3.470.470,80

2.408,14

52.513,32

53.441,91

54.420,15

55.561,14

93.011,30

55.322,33

53.510,19

53.912,91

54.193,25

54.407,10

159.351,02

742.052,76

3.782.400,00 772.000,00

Comp. Financ. Reg. Prev. Ded. Rec. p/ Form. FUNDEB

223.858,83

268.327,81

220.912,48

213.207,15

250.426,06

218.667,71

209.916,06

212.192,16

191.539,14

241.036,21

206.094,39

272.240,04

2.728.418,04

3.010.400,00

RECEITA CORRENTE LIQUIDA(III) = (I - II)

1.629.657,30

1.786.057,28

1.656.903,27

1.555.695,47

1.697.950,79

1.674.066,16

2.053.036,91

1.556.780,89

1.626.899,14

1.823.139,43

1.463.629,06

2.545.227,84

21.069.043,54

27.049.380,00

MUNICÍPIO DE DOURADINA - MS

CONTROLE DA UTILIZAÇÃO DE RECURSOS NO EXERCÍCIO SUBSEQUENTE

JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - BIMESTRE NOVEMBRO/DEZEMBRO R$ 1,00

DESPESAS (INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (IX) DESPESAS CORRENTES Pessoal e Encargos Sociais Juros e Encargos da Dívida Outras Despesas Correntes DESPESAS DE CAPITAL Investimentos Inversões Financeiras Amortização da Dívida

Despesas Empenhadas

Dotação Atualizada (e)

Dotação Inicial

DESPESAS INTRA-ORÇAMENTÁRIAS

1.055.390,00 1.033.390,00 1.033.390,00

Até o Bimestre (f)

No Bimestre

1.044.090,00 1.022.090,00 1.022.090,00

213.809,69 210.198,49 210.198,49

Despesas Liquidadas Saldo (g) = (e - f)

970.476,80 950.615,16 950.615,16

No Bimestre

73.613,20 71.474,84 71.474,84

Até o Bimestre (h)

213.809,69 210.198,49 210.198,49

Despesa Pagas Até o Bimestre (j) 903.870,51 884.008,87 884.008,87

Saldo (i) = (e - h)

970.476,80 950.615,16 950.615,16

73.613,20 71.474,84 71.474,84

Inscritas em Restos a Pagar Não Processadas (k)

22 - EDUCAÇÃO INFANTIL 22.1 - Creche 22.1.1 - Despesas Custeadas com Recursos do FUNDEB 22.1.2 - Despesas Custeadas com Outros Recursos de Impostos 22.2 - Pré-Escola 22.2.1 - Despesas Custeadas com Recursos do FUNDEB 22.2.2 - Despesas Custeadas com Outros Recursos de Impostos 23 - ENSINO FUNDAMENTAL 23.1 - Despesas Custeadas com Recursos do FUNDEB 23.2 - Despesas Custeadas com Outros Recursos de Impostos 24 - ENSINO MÉDIO 25 - ENSINO SUPERIOR 26 - ENSINO PROFISSIONAL NÃO INTEGRADO AO ENSINO REGULAR 27 - OUTRAS 28 - TOTAL DAS DESPESAS COM AÇÕES TÍPICAS DE MDE (22+23+24+25+26+27)

22.000,00

3.611,20

19.861,64

2.138,36

3.611,20

19.861,64

2.138,36

19.861,64

22.000,00

22.000,00

3.611,20

19.861,64

2.138,36

3.611,20

19.861,64

2.138,36

19.861,64

BALANÇO ORÇAMENTÁRIO - RECEITAS - CONSOLIDADO ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - BIMESTRE NOVEMBRO/DEZEMBRO RREO – ANEXO 01 (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e § 1º) Previsão Inicial

RECEITAS

R$ 1,00 Receitas Realizadas

Previsão Atualizada (a)

% (b / a)

No Bimestre (b)

31.815.300,00 27.821.380,00 1.193.700,00 1.160.000,00 18.700,00 15.000,00 872.000,00 772.000,00

Até o Bimestre (c)

% (c / a)

4.215.854,20 4.215.854,20 303.610,16 302.912,68 697,48

13,25 15,15 25,43 26,11 3,73

21.931.768,47 21.631.377,39 1.570.318,70 1.544.207,06 26.111,64

68,93 77,75 131,55 133,12 139,63

234.321,18 213.758,12

26,87 27,69

866.463,52 742.052,76

99,37 96,12

Saldo a Realizar (a - c)

RECEITAS (EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) RECEITAS CORRENTES RECEITA TRIBUTÁRIA Impostos Taxas Contribuição de Melhoria RECEITA DE CONTRIBUIÇÕES Contribuições Sociais Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico Contribuição para o Custeio do Serviço de Iluminação Pú RECEITA PATRIMONIAL Receitas Imobiliárias Receitas de Valores Mobiliários Receita de Concessões e Permissões Compensações Financeiras Receita Decorrente do Direito de Exploração de Bens Pú Receita de Cessão de Direitos Outras Receitas Patrimoniais RECEITA AGROPECUÁRIA Receita da Produção Vegetal Receita da Produção Animal e Derivados Outras Receitas Agropecuárias RECEITA INDUSTRIAL Receita da Indústria Extrativa Mineral Receita da Indústria de Transformação Receita da Indústria de Construção Outras Receitas Industriais RECEITA DE SERVIÇOS TRANSFERÊNCIAS CORRENTES Transferências Intergovernamentais Transferências de Instituições Privadas Transferências do Exterior Transferências de Pessoas Transferências de Convênios Transferências para o Combate à Fome OUTRAS RECEITAS CORRENTES Multa de Juros de Mora Indenizações e Restituições Receita da Dívida Ativa Receitas Decorrentes de Aportes Periódicos para Amorti Receitas Correntes Diversas RECEITAS DE CAPITAL OPERAÇÕES DE CRÉDITO Operações de Crédito Internas Operações de Crédito Externas ALIENAÇÃO DE BENS Alienação de Bens Móveis Alienação de Bens Imóveis AMORTIZAÇÕES DE EMPRÉSTIMOS TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL Transferências Intergovernamentais Transferências de Instituições Privadas Transferências do Exterior Transferências de Pessoas Transferências de Outras Instituições Públicas Transferências de Convênios Transferências para o Combate à Fome OUTRAS RECEITAS DE CAPITAL Integralização do Capital Social Dív. Atv. Prov. da Amortiz. de Emp. e Financ. Receita Auferida por Detentores de Títulos do Tesouro N Receitas da Alienação de Certificados de Potencial Adici Outras Receitas de Capital RECEITAS (INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (II)

31.815.300,00 27.821.380,00 1.193.700,00 1.160.000,00 18.700,00 15.000,00 872.000,00 772.000,00

9.883.531,53 6.190.002,61 -376.618,70 -384.207,06 -7.411,64 15.000,00 5.536,48 29.947,24

1.384.700,00

1.384.700,00

364.914,86

26,35

1.544.900,88

111,57

-160.200,88

SUBTOTAL DAS RECEITAS (III) = (I + II)

33.200.000,00

33.200.000,00

4.580.769,06

13,80

23.476.669,35

70,71

9.723.330,65

100.000,00 2.190.100,00

20.563,06 198.259,33

20,56 9,05

124.410,76 1.905.529,49

124,41 87,01

-24.410,76 284.570,51

2.190.100,00

2.190.100,00

198.259,33

9,05

1.905.529,49

87,01

284.570,51

3.466.264,23 3.364.561,68

15,78 16,63

17.200.511,52 16.797.400,97

78,33 83,04

4.759.768,48 3.431.699,03 30.000,00

40.000,00 1.661.180,00

40.000,00 1.661.180,00

101.702,55

6,12

403.110,55

24,27

40.000,00 1.258.069,45

1.605.300,00 2.200,00 44.500,00 28.600,00

13.399,30 37,38 3.678,34 1.261,49

0,83 1,70 8,27 4,41

88.554,16 37,38 19.565,95 16.670,55

5,52 1,70 43,97 58,29

1.516.745,84 2.162,62 24.934,05 11.929,45

1.530.000,00 3.993.920,00

1.530.000,00 3.993.920,00

8.422,09

0,55

52.280,28 300.391,08

3,42 7,52

1.477.719,72 3.693.528,92

1.000,00 1.000,00

1.000,00 1.000,00

RECEITAS CORRENTES (I) Receita de Contribuições dos Segurados Civil Ativo Inativo Pensionista Militar Ativo Inativo Pensionista Receita de Contribuições Patronais Civil Ativo Inativo Pensionista Militar Ativo Inativo Pensionista Em Regime de Parcelamento de Débitos Receita Patrimonial Receitas Imobiliárias Receitas de Valores Mobiliários Outras Receitas Patrimoniais Receita de Serviços Receitas de Aporte Periódico de Valores Predefinidos Outras Receitas Correntes Compensação Previdenciária do RGPS para o RPPS Demais Receitas Correntes RECEITAS DE CAPITAL (II) Alienação de Bens, Direitos e Ativos Amortização de Empréstimos Outras Receitas de Capital

4.200.000,00 772.000,00 772.000,00 662.000,00 55.000,00 55.000,00

3.992.920,00

300.391,08

7,52

3.692.528,92

300.391,08

7,52

13,80

23.476.669,35

70,71

9.723.330,65

4.580.769,06

13,80

23.476.669,35

70,71

9.723.330,65

116.145,79 115.025,50 115.025,50

143.000,00 2.043.300,00

143.000,00 2.043.300,00

1.120,29 389.369,27

2.043.300,00

2.043.300,00

389.369,27

Page 1 de 3 Homologado

MUNICÍPIO DE DOURADINA - MS RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

0,00 -273.673,01 5.184.020,72 32,42

Despesas Liquidadas Até o Bimestre % (h) = (g/d) x 100 (g)

484.750,78 484.750,78 5.434.799,95

0,00% 0,00% 0,00% 26,93% 26,93% 71,01%

30.690,00 30.690,00 33.410,00

454.060,78 454.060,78 5.401.389,95

Emissão:

R$1,00

CANCELADO EM 2017 (j)

SALDO ATÉ O BIMESTRE 1.210,59 0,00 1.210,59

0,00 0,00 0,00

FUNDEB

SALÁRIO EDUCAÇÃO 53.390,30 2.170.159,32 2.608.310,27 2.378.172,04 230.138,23 4.631,01 -380.129,64 0,00 0,00 0,00 -380.129,64

48.1- Orçamento do Exercício 48.2- Restos a Pagar 49- (+) RECEITA DE APLICAÇÃO FINANCEIRA DOS RECURSOS ATÉ O BIMESTRE 50- (=) DISPONIBILIDADE FINANCEIRA ATÉ O BIMESTRE 51- (+) Ajustes 51.1- Retenções 51.2- Conciliação Bancária 52- (=) SALDO FINANCEIRO CONCILIADO

0,00 128.538,94 0,00 0,00 0,00 0,00 128.538,94 0,00 0,00 0,00 128.538,94

1 2 3 4 5 6 7

Limites mínimos anuais a serem cumpridos no encerramento do exercício. Art. 21, § 2º, Lei 11.494/2007: “Até 5% dos recursos recebidos à conta dos Fundos, inclusive relativos à complementação da União recebidos nos termos do §1º do art. 6º desta Lei, poderão ser utilizados no 1º trimestre do exercício imediatamente subseqüente, mediante abertura de crédito adicional.” Caput do artigo 212 da CF/1988 Os valores referentes à parcela dos Restos a Pagar inscritos sem disponibilidade financeira vinculada à educação deverão ser informados somente no RREO do último bimestre do exercício. Limites mínimos anuais a serem cumpridos no encerramento do exercício, no âmbito de atuação prioritária, conforme LDB, art. 11, V. Nos cinco primeiros bimestres do exercício o acompanhamento poderá ser feito com base na despesa empenhada ou na despesa liquidada. No último bimestre do exercício, o valor deverá corresponder ao total da despesa empenhada. Essa coluna poderá ser apresentada somente no último bimestre

MUNICIPIO DE DOURADINA - MS

4.200.000,00

DOTAÇÃO INICIAL

ADMINISTRAÇÃO (IV) Despesas Correntes Despesas de Capital PREVIDÊNCIA (V)

4.200.000,00

DOTAÇÃO ATUALIZADA

4.200.000,00 2.362.739,00 1.837.261,00

Até o Bimestre 2017

560.436,52

4.200.000,00 2.362.739,00 1.837.261,00

Até o Bimestre 2017

244.985,07 244.985,07

ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL

0,00

JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - BIMESTRE NOVEMBRO/DEZEMBRO

INSCRITAS EM RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS

DESPESAS LIQUIDADAS

Até o Bimestre 2016

Até o Bimestre 2016

Em 2017

Em 2016

RREO – ANEXO 09 (LRF, art.53, § 1º, inciso I)

R$ 1,00

239.261,70 239.261,70

PREVISÃO ATUALIZADA (a)

RECEITAS Page 1 de 2

26/01/2018 11:55:58

DOTAÇÃO ATUALIZADA (d)

DESPESAS

DESPESAS EMPENHADAS (e)

DESPESAS INSCRITA EM RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS

DESPESAS LIQUIDADAS

R$ 1,00

DESPESAS DE CAPITAL

5.016.782,58

619.625,44

588.935,44

30.690,00

5.016.782,58

619.625,44

588.935,44

30.690,00

-5.016.782,58

-619.625,44

DESPESA DE CAPITAL LÍQUIDA (II)

TOTAL DAS DESPESAS PREVIDENCIÁRIAS RPPS (VI) = (IV + V)

4.200.000,00

4.200.000,00

244.985,07

239.261,70

315.451,45

321.174,82

RESULTADO PARA APURAÇÃO DA REGRA DE OURO (III) = (I - II)

PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA

RESERVA ORÇAMENTÁRIA DO RPPS

PREVISÃO ORÇAMENTÁRIA

APORTES DE RECURSOS PARA O PLANO PREVIDÊNCIÁRIO DO RPPS

APORTES REALIZADOS

VALOR

Notas: ¹ Operações de Crédito descritas na CF, art. 167, inciso III

MUNICIPIO DE DOURADINA - MS RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

0,00

DEMONSTRATIVO DA PROJEÇÃO ATUARIAL DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES CONSOLIDADO ORÇAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - BIMESTRE NOVEMBRO/DEZEMBRO

Plano de Amortização - Contribuição Patronal Suplementar Plano de Amortização - Aporte Periódico de Valores Predefinidos Outros Aportes para o RPPS Recursos para Cobertura de Déficit Financeiro PERÍODO DE REFERÊNCIA

RREO – ANEXO 10 (LRF, art. 53, § 1º, inciso II)

BENS E DIREITOS DO RPPS 2017

2016 15.409.209,67

15.065.305,56

EXERCÍCIO

Fonte: PREFEITURA DE DOURADINA MS

RECEITAS PREVIDENCIÁRIAS (a)

RECEITAS

112.635,41

em 31/DEZ/2017 (c)

112.635,41

112.635,41

2.322.262,54

3.741.211,85

3.157.877,31

3.632.859,40

2.819.386,63

2.392.405,38

3.873.734,64

2.968.494,18

70.142,84

240.875,24

149.107,55

108.352,45

338.490,68

-2.209.627,13

-3.628.576,44

-3.045.241,90

Demais Haveres Financeiros DÍVIDA CONSOLIDADA LÍQUIDA (III) = (I - II)

DESPESAS

em 31/OUT/2017 (b)

2.322.262,54

(-) Restos a Pagar Processados (Exceto Precatórios)

SALDO FINANCEIRO DO EXERCÍCIO (d) = (“d” exercício anterior) + (c)

RREO – Anexo 11 (LRF, art. 53, § 1º, inciso III ) - Portaria 403/2016.

RECEITAS DE ALIENAÇÃO DE ATIVOS (I) Receita de Capital - Alienação de Bens Móveis Receita de Capital - Alienação de Bens Imóveis Rendimentos de Aplicação Financeira

Saldo em 31/DEZ/2016 (a)

Disponibilidade de Caixa Bruta

RESULTADO PREVIDENCIÁRIO (c) = (a-b)

MUNICÍPIO DE DOURADINA - MS RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DA RECEITA DE ALIENAÇÃO DE ATIVOS E APLICAÇÃO DOS RECURSOS - CONSOLIDADO ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - BIMESTRE NOVEMBRO/DEZEMBRO

R$ 1,00

Dívida Fiscal Líquida

R$ 1,00

DESPESAS PREVIDENCIÁRIAS (b)

0000 Fonte: Município de DOURADINA

DEMONSTRATIVO DO RESULTADO NOMINAL - CONSOLIDADO

112.635,41

112.635,41

112.635,41

-2.322.262,54

-3.741.211,85

-3.157.877,31

R$1,00 PREVISÃO ATUALIZADA (a) 1.000,00 1.000,00

RECEITAS REALIZADAS (b)

SALDO A REALIZAR (c) = (a - b) 1.000,00 1.000,00

Despesas Empenhadas (e)

Dotação Atualizada (d)

Despesas Liquidadas

Despesas Inscritas em Restos a Pagar Não Processados

Despesas Pagas (f)

No Bimestre (VIc -VIb)

SALDO FINANCEIRO A APLICAR

2016 (i)

2017 (j) = (Ib - (IIf + IIg))

SALDO ATUAL (k) = (IIIi + IIIj)

MUNICIPIO DE DOURADINA - MS RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE - CONSOLIDADO ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - BIMESTRE NOVEMBRO/DEZEMBRO RREO – ANEXO 12 (LC 141/2012, art. 35)

R$ 1,00 PREVISÃO ATUALIZADA (a)

PREVISÃO INICIAL

RECEITAS PARA APURAÇÃO DA APLICAÇÃO EM AÇÕES E SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE RECEITA DE IMPOSTOS LÍQUIDA (I) Imposto Predial e Territorial Urbano - IPTU Imposto sobre Transmissão de Bens Intervivos - ITBI Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISS

1.188.600,00 80.000,00 50.000,00 750.000,00

RECEITAS REALIZADAS Até o Semestre % (b) (b/a) x 100

1.188.600,00 80.000,00 50.000,00 750.000,00

1.560.914,99 75.668,63 111.410,26 962.478,05

MUNICIPIO DE DOURADINA - MS

RREO – ANEXO 01 (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e § 1º)

RECEITAS (INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (II) RECEITAS CORRENTES RECEITA TRIBUTÁRIA Impostos Taxas Contribuição de Melhoria RECEITA DE CONTRIBUIÇÕES Contribuições Sociais Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico Contribuição para o Custeio do Serviço de Iluminação Pú RECEITA PATRIMONIAL Receitas Imobiliárias Receitas de Valores Mobiliários Receitas de Concessões e Permissões Compensações Financeiras Receita Decorrente do Direito de Exploração de Bens Pú Receita de Cessão de Direitos Outras Receitas Patrimoniais RECEITA AGROPECUÁRIA Receita da Produção Vegetal Receita da Produção Animal e Derivados Outras Receitas Agropecuárias RECEITA INDUSTRIAL Receita da Indústria Extrativa Mineral Receita da Indústria de Transformação Receita da Indústria de Construção Outras Receitas Industriais RECEITA DE SERVIÇOS TRANSFERÊNCIAS CORRENTES Transferências Intergovernamentais Transferências de Instituições Privadas Transferências do Exterior Transferências de Pessoas Transferências de Convênios Transferências para o Combate à Fome OUTRAS RECEITAS CORRENTES Multa de Juros de Mora Indenizações e Restituições Receita da Dívida Ativa Receitas Decorrentes de Aportes Periódicos para Amorti Receitas Correntes Diversas RECEITAS DE CAPITAL OPERAÇÕES DE CRÉDITO Operações de Crédito Internas Operações de Crédito Externas ALIENAÇÃO DE BENS Alienação de Bens Móveis Alienação de Bens Imóveis AMORTIZAÇÕES DE EMPRÉSTIMOS TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL Transferências Intergovernamentais Transferências de Instituições Privadas Transferências do Exterior Transferências de Pessoas Transferências de Outras Instituições Públicas Transferências de Convênios Transferências para o Combate à Fome OUTRAS RECEITAS DE CAPITAL Integralização do Capital Social Dív. Atv. Prov. da Amortiz. de Emp. e Financ. Receita Auferida por Detentores de Títulos do Tesouro N Receitas da Alienação de Certificados de Potencial Adici Outras Receitas de Capital

R$ 1,00 Receitas Realizadas

Previsão Atualizada (a)

% (b / a)

No Bimestre (b)

0,00

Fonte: PREFEITURA DE DOURADINA MS

ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - BIMESTRE NOVEMBRO/DEZEMBRO Previsão Inicial

Valor Corrente

META DE RESULTADO NOMINAL FIXADA NO ANEXO DE METAS FISCAIS DA LDO PARA O EXERCÍCIO DE REFERÊNCIA ³

BALANÇO ORÇAMENTÁRIO - RECEITAS - CONSOLIDADO

RECEITAS INTRA-ORÇAMENTÁRIAS

-835.614,77

766.860,45

Discriminação da Meta Fiscal

Até o Bimestre (c)

% (c / a)

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DO RESULTADO PRIMÁRIO - CONSOLIDADO ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - BIMESTRE NOVEMBRO/DEZEMBRO

Saldo a Realizar (c - a)

1.384.700,00 1.384.700,00

1.384.700,00 1.384.700,00

364.914,86 364.914,86

26,35 26,35

1.544.900,88 1.544.900,88

111,57 111,57

-160.200,88 -160.200,88

1.384.700,00 1.384.700,00

1.384.700,00 1.384.700,00

364.914,86 364.914,86

26,35 26,35

1.544.900,88 1.544.900,88

111,57 111,57

-160.200,88 -160.200,88

RREO – ANEXO 6 (LRF, art 53, inciso III)

R$ 1,00 RECEITAS REALIZADAS

RECEITAS PRIMÁRIAS

PREVISÃO ATUALIZADA Até o Bimestre 2017

RECEITAS PRIMÁRIAS CORRENTES (I) Receitas Tributárias IPTU ISS ITBI IRRF Outras Receitas Tributárias Receitas de Contribuições Receitas Previdenciárias Outras Receitas de Contribuições Receita Patrimonial Líquida Receita Patrimionial (-) Aplicações Financeiras Transferências Correntes Cota-parte do FPM Cota-parte do ICMS Cota-parte do IPVA Convênios Outras Transferências Correntes Demais Receitas Correntes Dívida Ativa Diversas Receitas Correntes RECEITAS DE CAPITAL (II) Operações de Crédito (III) Amortização de Empréstimos (IV) Alienação de Bens (V) Transferências de Capital Convênios Outras Transferências de Capital Outras Receitas de Capital REC. PRIMÁRIAS DE CAPITAL (VI) = (II - III - IV - V) RECEITA PRIMÁRIA TOTAL (VII) = (I + VI)

21.427.357,16 1.570.318,70 75.668,63 962.478,05 111.410,26 394.650,12 26.111,64 2.411.364,40 2.286.953,64 124.410,76

2.190.100,00 2.190.100,00 21.960.280,00 6.400.000,00 4.928.000,00 616.000,00 1.661.180,00 8.355.100,00 1.605.300,00 28.600,00 1.576.700,00 3.993.920,00

1.905.529,49 1.905.529,49 17.357.119,90 6.754.449,06 4.392.718,00 396.246,08 403.110,55 5.410.596,21 88.554,16 16.670,55 71.883,61 300.391,08

1.000,00 3.992.920,00 3.992.920,00

300.391,08 300.391,08

3.992.920,00 31.008.900,00

300.391,08 21.727.748,24

DESPESAS EMPENHADAS PREVISÃO ATUALIZADA

DESPESAS PRIMÁRIAS

DESPESAS CORRENTES (VIII) Pessoal e Encargos Sociais Juros e Encargos da Dívida (IX) Outras Despesas Correntes DESEPESAS PRIMÁRIAS CORRENTES (X) = (VIII - IX) DESPESAS DE CAPITAL (XI) Investimentos Inversões Financeiras Concessão de Empréstimos (XII) Aquisição de Título de Capital já Integralizado (XIII) Demais Inversões Financeiras Amortização da Dívida (XIV) DESP. PRIM. DE CAPITAL (XV) = (XI - XII - XIII - XIV) RESERVA DE CONTIGÊNCIA (XVI) RESERVA DO RPPS (XVII)

Até o Bimestre 2016

27.015.980,00 1.193.700,00 80.000,00 750.000,00 50.000,00 280.000,00 33.700,00 2.256.700,00 2.156.700,00 100.000,00

Até o Bimestre 2017

INSCRITAS EM RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS

DESPESAS LIQUIDADAS

Até o Bimestre 2016

Até o Bimestre 2017

Até o Bimestre 2016

Em 2017

Em 2016

27.085.816,87 15.692.048,87 159.050,00 11.234.718,00 26.926.766,87 5.016.782,58 4.951.782,58

19.299.309,30 13.067.141,16 158.993,27 6.073.174,87 19.140.316,03 619.625,44 562.145,65

19.079.820,58 13.067.141,16 158.993,27 5.853.686,15 18.920.827,31 588.935,44 531.455,65

57.479,79 562.145,65

57.479,79 531.455,65

30.690,00

DESP. PRIM. TOTAL (VXIII) = (X + XV + XVI + XVII)

65.000,00 4.951.782,58 80.000,00 1.659.261,00 33.617.810,45

19.702.461,68

19.452.282,96

250.178,72

RESULTADO PRIMÁRIO (XIX) = (VII - XVIII)

-2.608.910,45

2.025.286,56

2.275.465,28

219.488,72

219.488,72 219.488,72 30.690,00 30.690,00

SALDO DE EXERCÍCIOS ANTERIORES MUNICÍPIO DE DOURADINA - MS RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

DISCRIMINAÇÃO DA META FISCAL

DEMONSTRATIVO DA EXECUÇÃO DAS DESPESAS POR FUNÇÃO / SUBFUNÇÃO - CONSOLIDADO

PREFEITURA DE DOURADINA MS

RREO – Anexo 02 (LRF, Art. 52, inciso II, alínea "c") FUNÇÃO / SUBFUNÇÃO DESPESAS (EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (I) LEGISLATIVA ACAO LEGISLATIVA

R$ 1,00

Dotação Inicial

Dotação Atualizada (a)

Despesas Empenhadas Até o Bimestre % (b/total b) (b)

No Bimestre

2.201.682,83

18.948.457,94

95,13

SALDO (c) = (a-b) 13.849.312,51

Despesas Liquidadas Até o Bimestre (d)

No Bimestre 4.406.531,05

% (d/total d)

18.698.279,22

95,07

SALDO (e) = (a-d)

32.797.770,45

1.236.800,00

1.236.800,00

1.236.800,00

1.236.800,00

5.770.821,00

5.564.821,00

631.388,28

4.625.350,41

23,22

939.470,59

984.683,74

4.523.004,58

23,00

1.041.816,42

102.345,83

5.580.671,00

5.362.771,00

602.551,88

4.428.738,99

22,23

934.032,01

955.847,34

4.326.393,16

22,00

1.036.377,84

102.345,83

190.150,00

202.050,00

28.836,40

196.611,42

0,99

5.438,58

28.836,40

196.611,42

1,00

5.438,58

1.236.800,00

14.099.491,23

PREFEITURA DE DOURADINA - MS

INSC. RESTOS A PAGAR NÃO PROC. (f)

32.144.610,00

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DOS RESTOS A PAGAR POR PODER E ÓRGÃO - CONSOLIDADO

250.178,72

ORÇAMENTO FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - BIMESTRE NOVEMBRO/DEZEMBRO

1.236.800,00

1.236.800,00

1.236.800,00

JUDICIÁRIA

ADMINISTRACAO GERAL PLANEJAMENTO E ORCAMENTO

RESTOS A PAGAR PROCESSADOS E NÃO PROCESSADOS LIQUIDADOS EM EXERCÍCIOS ANTERIORES

DEFESA NACIONAL

Inscritos

PODER/ÓRGÃO

SEGURANÇA PÚBLICA

Em Exercícios Anteriores (a)

RELAÇÕES EXTERIORES ASSISTÊNCIA SOCIAL ASSISTENCIA A CRIANCA E AO ADOLESCENTE ASSISTENCIA COMUNITARIA PREVIDÊNCIA SOCIAL ADMINISTRACAO GERAL SAÚDE ATENCAO BASICA

2.126.900,00

2.206.200,00

103.700,00

103.700,00

1.229.889,02

6,17

976.310,98

308.520,41

1.226.389,02

6,24

103.700,00 6,17

979.810,98

2.102.500,00

64.564,06

1.229.889,02

872.610,98

308.520,41

1.226.389,02

2.540.739,00

440.929,93

1.939.373,23

601.365,77

459.517,96

1.929.753,17

2.395.739,00

2.540.739,00

440.929,93

1.939.373,23

9,74

601.365,77

459.517,96

1.929.753,17

9,81

610.985,83

9.620,06

5.445.880,00

5.615.802,58

407.968,56

3.917.069,00

19,67

1.698.733,58

820.293,35

3.866.531,17

19,66

1.749.271,41

50.537,83

5.445.880,00

5.615.802,58

407.968,56

3.917.069,00

19,67

1.698.733,58

820.293,35

3.866.531,17

19,66

1.749.271,41

50.537,83

9,74

6,24 9,81

876.110,98 610.985,83

70.130,00

70.130,00

536,09

69.593,91

536,09

69.593,91

70.130,00

70.130,00

536,09

69.593,91

536,09

69.593,91

6.789.389,00

8.079.426,87

175.700,00

218.200,00

974.690,92 -28.602,29

5.794.210,14 163.130,42

29,09 0,82

2.285.216,73 55.069,58

1.423.436,87

5.760.800,14

46.246,93

29,29

163.130,42

0,83

2.318.626,73

1.627.675,00

1.866.675,00

271.668,46

1.390.434,59

6,98

476.240,41

277.120,97

1.390.434,59

7,07

476.240,41

4.934.514,00

5.924.051,87

747.311,70

4.200.943,67

21,09

1.723.108,20

1.100.068,97

4.167.533,67

21,19

1.756.518,20

51.500,00

70.500,00

-15.686,95

39.701,46

0,20

30.798,54

39.701,46

0,20

30.798,54

283.000,00

-31.077,60

51.042,40

283.000,00

ENSINO SUPERIOR

283.000,00

DIFUSAO CULTURAL

196.492,40

0,99

196.492,40

1,00

-31.077,60

196.492,40

0,99

51.042,40

196.492,40

1,00

13.441,05

0,07

13.441,05

0,07

71.800,00

71.800,00

13.441,05

0,07

58.358,95

13.441,05

0,07

58.358,95

3.166.640,00

2.633.640,00

-78.054,88

624.868,30

3,14

2.008.771,70

171.291,44

574.103,30

2,92

2.059.536,70

126.140,00

150.590,00

21.432,49

108.747,45

0,55

41.842,55

34.040,80

108.747,45

0,55

41.842,55

2.140.000,00

1.602.000,00 -99.487,37

516.120,85

2,59

137.250,64

465.355,85

2,37

283.000,00

DIREITOS DA CIDADANIA

71.800,00

ASSISTENCIA AOS POVOS INDIGENAS URBANISMO ADMINISTRACAO GERAL INFRA-ESTRUTURA URBANA SERVICOS URBANOS HABITAÇÃO

900.500,00

881.050,00

407.000,00

407.000,00

HABITACAO RURAL HABITACAO URBANA

71.800,00

86.507,60 86.507,60 58.358,95

1.602.000,00 364.929,15

3.500,00 9.620,06

PRESERVACAO E CONSERVACAO AMBIENTAL

Emissão:

415.694,15 80.000,00 327.000,00

-3.093,80

12.926,20

0,06

60.423,80

5.800,00

12.926,20

0,07

236.350,00

73.350,00

-3.093,80

12.926,20

0,06

60.423,80

5.800,00

12.926,20

0,07

60.423,80

240.000,00

255.900,00

-10.110,33

15.704,67

0,08

240.195,33

15.704,67

0,08

240.195,33

50.765,00

MUNICÍPIO DE DOURADINA - MS DEMONSTRATIVO DA EXECUÇÃO DAS DESPESAS POR FUNÇÃO / SUBFUNÇÃO - CONSOLIDADO ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - BIMESTRE NOVEMBRO/DEZEMBRO RREO – Anexo 02 (LRF, Art. 52, inciso II, alínea "c")

R$ 1,00

240.000,00

Dotação Atualizada (a) 255.900,00

Despesas Empenhadas Até o Bimestre % (b/total b) (b)

No Bimestre

-10.110,33

15.704,67

0,08

SALDO (c) = (a-b)

70.142,84

879.732,62

105.322,61

70.142,84

70.142,84

70.142,84

70.142,84

Despesas Liquidadas Até o Bimestre (d)

No Bimestre

240.195,33

% (d/total d)

15.704,67

0,08

SALDO (e) = (a-d)

TOTAL (III) = (I + II)

879.732,62

INSC. RESTOS A PAGAR NÃO PROC. (f)

50.000,00

50.000,00

50.000,00

50.000,00

1.378.000,00

-178.732,12

534.041,63

2,68

843.958,37

50.000,00

178.948,18

534.041,63

2,72

843.958,37

1.383.000,00

1.378.000,00

-178.732,12

534.041,63

2,68

843.958,37

178.948,18

534.041,63

2,72

843.958,37

50.000,00

586.900,00

591.900,00

-16.790,19

44.555,80

0,22

547.344,20

2.996,70

44.555,80

0,23

547.344,20

586.900,00

591.900,00

-16.790,19

44.555,80

0,22

547.344,20

2.996,70

44.555,80

0,23

547.344,20

80.000,00

80.000,00

COMUNICAÇÕES ENERGIA TRANSPORTE RODOVIARIO DESPORTO E LAZER DESPORTO COMUNITARIO ENCARGOS ESPECIAIS RESERVA DE CONTINGÊNCIA RESERVA DO R.P.P.S. DESPESAS (INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (II) TOTAL (III) = (I + II)

INTRA ORÇAMENTÁRIAS DESPESAS (INTRA-ORCAMENTARIAS) (II)

1.804.261,00

80.000,00

1.659.261,00

80.000,00

1.659.261,00

1.659.261,00

1.055.390,00

1.044.090,00

213.809,69

970.476,80

4,87

73.613,20

213.809,69

970.476,80

4,93

73.613,20

33.200.000,00

33.841.860,45

2.415.492,52

19.918.934,74

100,00

13.922.925,71

4.620.340,74

19.668.756,02

100,00

14.173.104,43

Dotação Inicial

Dotação Atualizada (a)

No Bimestre

Despesa Empenhada Até o Bimestre % (b/total b) (b)

SALDO (c) = (a-b)

No Bimestre

Despesas Liquidadas Até o Bimestre % (d/total d) (d)

SALDO (e) = (a-d)

1.055.390,00

1.044.090,00

213.809,69

970.476,80

4,87

73.613,20

213.809,69

970.476,80

4,93

73.613,20

560.890,00

538.940,00

99.231,42

524.796,93

2,63

14.143,07

99.231,42

524.796,93

2,67

14.143,07

538.890,00

516.940,00

95.620,22

504.935,29

2,53

12.004,71

95.620,22

504.935,29

2,57

12.004,71

22.000,00

22.000,00

3.611,20

19.861,64

0,10

2.138,36

3.611,20

19.861,64

0,10

2.138,36

2.705,57

105.322,61

268.347,84

268.347,84

716.707,39

716.707,39

1.188.600,00 108.600,00 80.000,00 28.600,00 50.000,00 50.000,00 0,00 750.000,00 750.000,00 0,00 280.000,00 0,00 0,00 0,00 15.052.000,00 8.000.000,00 8.000.000,00 0,00 6.160.000,00 56.000,00 44.000,00 22.000,00 770.000,00 0,00 16.240.600,00

1 - RECEITAS DE IMPOSTOS 1.1 - Receita Resultante do Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana - IPTU 1.1.1 - Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana - IPTU 1.1.2 - Multas, Juros de Mora, Dívida Ativa e Outros Encargos do IPTU 1.2 - Receita Resultante do Imposto sobre Transmissão Inter Vivos - ITBI 1.2.1 - Imposto sobre Transmissão Inter Vivos - ITBI 1.2.2 - Multas, Juros de Mora, Dívida Ativa e Outros Encargos do ITBI 1.3 - Receita Resultante do Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISS 1.3.1 - Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza - ISS 1.3.2 - Multas, Juros de Mora, Dívida Ativa e Outros Encargos do ISS 1.4 - Receita Resultante do Imposto de Renda Retido na Fonte - IRRF 1.5 - Receita Resultante do Imposto Territorial Rural - ITR (CF, art. 153, §4º, inciso III) 1.5.1 - Imposto sobra a Propriedade Territorial Rural - ITR 1.5.2 - Multas, Juros de Mora, Dívida Ativa e Outros Encargos do ITR 2 - RECEITAS DE TRANSFERÊNCIAS CONSTITUCIONAIS E LEGAIS 2.1 - Cota-Parte FPM 2.1.1 - Parcela referente à CF, art. 159, I, alínea b 2.1.2 - Parcela referente à CF, art. 159, I, alínea d 2.2 - Cota-Parte ICMS 2.3 - ICMS-Desoneração - L.C. nº87/1996 2.4 - Cota-Parte IPI-Exportação 2.5 - Cota-Parte ITR 2.6 - Cota-Parte IPVA 2.7 - Cota-Parte IOF-Ouro

250.178,72

INSC. RESTOS A PAGAR NÃO PROC. (f)

4 - RECEITA DA APLIC. FINANCEIRA DE OUTROS RECURSOS DE IMPOSTOS VINC. AO ENSINO 5 - RECEITA DE TRANSFERÊNCIAS DO FNDE 5.1 - Transferências do Salário-Educação 5.2 - Transferências Diretas - PDDE 5.3 - Transferências Diretas - PNAE 5.4 - Transferências Diretas - PNATE 5.5 - Outras Transferências do FNDE 5.6 - Aplicação Financeira dos Recursos do FNDE 6 - RECEITA DE TRANSFERÊNCIAS DE CONVÊNIOS 6.1 - Transferência de Convênios 6.2 - Aplicação Financeira dos Recursos de Convênios 7 - RECEITA DE OPERAÇÕES DE CRÉDITO 8 - OUTRAS RECEITAS PARA FINANCIAMENTO DO ENSINO 9 - TOTAL DAS RECEITAS ADICIONAIS P/ FINANCIAMENTO DO ENSINO (4 + 5 + 6 + 7 + 8) Emissão:

Receitas Realizadas Até o Bimestre % (b) (c) = (b/a)x100 1.188.600,00 108.600,00 80.000,00 28.600,00 50.000,00 50.000,00 0,00 750.000,00 750.000,00 0,00 280.000,00 0,00 0,00 0,00 15.052.000,00 8.000.000,00 8.000.000,00 0,00 6.160.000,00 56.000,00 44.000,00 22.000,00 770.000,00 0,00 16.240.600,00

1.560.914,99 92.376,56 75.668,63 16.707,93 111.410,26 111.410,26 0,00 962.478,05 962.478,05 0,00 394.650,12 0,00 0,00 0,00 14.431.583,16 8.271.752,61 8.271.752,61 0,00 5.490.897,12 17.346,48 47.048,07 123.629,51 480.909,37 0,00 15.992.498,15

131,32% 85,06% 94,59% 58,42% 222,82% 222,82% 128,33% 128,33% 140,95%

89,14% 30,98% 106,93% 561,95% 62,46% 98,47%

456.000,00 125.000,00 5.500,00 165.000,00 105.500,00 55.000,00

456.000,00 125.000,00 5.500,00 165.000,00 105.500,00 55.000,00

264.213,24 128.538,94

57,94% 102,83%

58.971,60 69.724,99 6.977,71

35,74% 66,09% 12,69%

520.000,00 520.000,00

520.000,00 520.000,00

422.740,00 422.740,00

81,30% 81,30%

949.800,00 1.925.800,00

949.800,00 1.925.800,00

250.584,16 937.537,40

26,38% 48,68% Page 1 de 4 Homologado

26/01/2018 12:02:12

LEGISLATIVA

MUNÍCIPIO DE DOURADINA - MS

JUDICIÁRIA ESSENCIAL A JUSTIÇA ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRACAO GERAL PLANEJAMENTO E ORCAMENTO

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE - CONSOLIDADO ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017/BIMESTRE - NOVEMBRO/DEZEMBRO

DEFESA NACIONAL SEGURANÇA PÚBLICA 7.577,40

0,04

7.577,40

0,04

10.000,00

10.000,00

969,72

7.577,40

0,04

2.422,60

969,72

7.577,40

0,04

2.422,60

423.500,00

10.000,00

421.300,00

86.532,34

365.279,72

1,83

56.020,28

86.532,34

365.279,72

1,86

56.020,28

423.500,00

421.300,00

86.532,34

365.279,72

1,83

56.020,28

86.532,34

365.279,72

1,86

56.020,28

60.000,00

72.850,00

27.076,21

72.822,75

0,37

27,25

27.076,21

72.822,75

0,37

27,25

60.000,00

72.850,00

27.076,21

72.822,75

0,37

27,25

27.076,21

72.822,75

0,37

27,25

ASSISTENCIA COMUNITARIA

10.000,00

969,72

2.422,60

969,72

FUNDEB

2.422,60

Receitas do Fundeb

PREVIDÊNCIA SOCIAL SAÚDE ATENCAO BASICA TRABALHO EDUCAÇÃO EDUCACAO INFANTIL CULTURA DIREITOS DA CIDADANIA URBANISMO HABITAÇÃO Emissão:

R$1,00

RREO – Anexo 08 (LDB, Art. 72) - (Portaria 403/2016)

RELAÇÕES EXTERIORES ASSISTÊNCIA SOCIAL

Page 2 de 3

26/01/2018 11:53:53

MUNICÍPIO DE DOURADINA - MS

10 - RECEITAS DESTINADAS AO FUNDEB 10.1 - Cota-Parte FPM Destinada ao FUNDEB - (20% de 2.1.1) 10.2 - Cota-Parte ICMS Destinada ao FUNDEB - (20% de 2.2) 10.3 - ICMS-Desoneração Destinada ao FUNDEB - (20% de 2.3) 10.4 - Cota-Parte IPI-Exportação Destinada ao FUNDEB - (20% de 2.4) 10.5 - Cota-Parte ITR ou ITR Arrecadado Dest. ao FUNDEB - (20% de ((1.5 - 1.5.5) + 2.5)) 10.6 - Cota-Parte IPVA Destinadaao FUNDEB - (20% de 2.6) 11 - RECEITAS RECEBIDAS DO FUNDEB 11.1 - Transferências de Recursos do FUNDEB 11.2 - Complementação da União ao FUNDEB 11.3 - Receita de Aplicação Financeira dos Recursos do FUNDEB 12 - RESULTADO LÍQUIDO DAS TRANSFERÊNCIAS DO FUNDEB (11.1 - 10)

ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - BIMESTRE NOVEMBRO/DEZEMBRO Dotação Atualizada (a)

SALDO (c) = (a-b)

Despesas Liquidadas Até o Bimestre No Bimestre % (d/total d) (d)

SALDO (e) = (a-d)

SANEAMENTO GESTÃO AMBIENTAL CIÊNCIA E TECNOLOGIA

INDÚSTRIA COMÉRCIO E SERVIÇOS COMUNICAÇÕES ENERGIA TRANSPORTE 1.000,00

1.000,00

1.000,00

1.000,00

1.000,00

1.000,00

1.000,00

1.000,00

ENCARGOS ESPECIAIS

INSC. RESTOS A PAGAR NÃO PROC. (f)

13 - PAGAMENTO DOS PROFISSIONAIS DO MAGISTÉRIO 13.1 - Com Educação Infantil 13.2 - Com Ensino Fundamental 14 - OUTRAS DESPESAS 14.1 - Com Educação Infantil 14.2 - Com Ensino Fundamental 15- TOTAL DAS DESPESAS DO FUNDEB (13 + 14)

90,63% 94,83% 89,14% 30,98%

24.802,86 84.663,29 2.174.790,33 2.170.159,32

563,70% 54,98% 69,97% 70,37%

24.100,00 73.500,00

24.100,00 73.500,00

4.631,01 -558.258,72

19,22% -759,54%

Despesas Empenhadas Até o Bimestre % (e) (f) = (e/d) x 100

Despesas Liquidadas Até o Bimestre % (h) = (g/d) x 100 (g)

INSCRITAS EM RESTOS A PAGAR 7 NÃO PROCESSADOS (i)

Dotação Atualizada (d)

2.486.400,00 777.605,00 1.708.795,00

2.539.937,87 804.005,00 1.735.932,87

2.042.662,85 757.950,49 1.284.712,36

80,42% 94,27% 74,01%

2.042.662,85 757.950,49 1.284.712,36

80,42% 94,27% 74,01%

2.486.400,00

2.539.937,87

2.042.662,85

80,42%

2.042.662,85

80,42%

INDICADORES DO FUNDEB 19.1 - Mínimo de 60% do Fundeb na Remuneração do Magistério¹ ((13 - (16.1 + 17.1)) / 11) x 100 % 19.2 - Mínimo de 40% em Despesa com MDE, que na Remuneração do Magistério ((14 - (16.2 + 17.2)) / 11) x 100 % 19.3 - Máximo de 5% não Aplicado no Exercício (100 - (19.1 + 19.2)) %

RESERVA DO R.P.P.S. DESPESAS (INTRA-ORÇAMENTÁRIAS) (II) 1.055.390,00

1.044.090,00

213.809,69

970.476,80

4,87

73.613,20

213.809,69

970.476,80

4,93

73.613,20

0,00

VALOR

53.390,30 53.390,30 53.390,30

18- TOTAL DAS DEDUÇÕES CONSIDERADAS PARA FINS DE LIMITE DO FUNDEB (16 + 17)

19- TOTAL DAS DESPESAS DO FUNDEB PARA FINS DE LIMITE (15 – 18)

RESERVA DE CONTINGÊNCIA

TOTAIS INTRA-ORÇAMENTÁRIOS

2.728.418,04 1.517.303,55 1.098.179,12 3.469,22

16- RESTOS A PAGAR INSCRITOS NO EXERCÍCIO SEM DISPONIBILIDADE FINANCEIRA DE RECURSOS DO FUNDEB 16.1 - FUNDEB 60% 16.2 - FUNDEB 40% 17- DESPESAS CUSTEADAS COM O SUPERÁVIT FINANCEIRO, DO EXERCÍCIO ANTERIOR, DO FUNDEB 17.1 - FUNDEB 60% 17.2 - FUNDEB 40%

ORGANIZAÇÃO AGRÁRIA

DESPORTO COMUNITARIO

3.010.400,00 1.600.000,00 1.232.000,00 11.200,00 8.800,00 4.400,00 154.000,00 3.108.000,00 3.083.900,00

DEDUÇÕES PARA FINS DE LIMITE DO FUNDEB

AGRICULTURA

DESPORTO E LAZER

Dotação Inicial

Despesas do Fundeb

R$ 1,00

Dotação Inicial

3.010.400,00 1.600.000,00 1.232.000,00 11.200,00 8.800,00 4.400,00 154.000,00 3.108.000,00 3.083.900,00

DESPESAS DO ENSINO

RREO – Anexo 02 (LRF, Art. 52, inciso II, alínea "c") INTRA ORÇAMENTÁRIAS

% (c) = (b/a)x100

SE RESULTADO LÍQUIDO DA TRANSFERÊNCIA (12) > 0] = ACRÉSCIMO RESULTANTE DAS TRANSFERÊNCIAS DO FUNDEB SE RESULTADO LÍQUIDO DA TRANSFERÊNCIA (12) < 0] = DECRÉSCIMO RESULTANTE DAS TRANSFERÊNCIAS DO FUNDEB

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DA EXECUÇÃO DAS DESPESAS POR FUNÇÃO / SUBFUNÇÃO - CONSOLIDADO

Despesa Empenhada Até o Bimestre No Bimestre % (b/total b) (b)

Receitas Realizadas Até o Bimestre (b)

Previsão Atualizada (a)

Previsão Inicial

M

95,88% 103,40% 103,40%

Receitas Realizadas Até o Bimestre % (b) (c) = (b/a)x100

Previsão Atualizada (a)

Previsão Inicial

50.000,00

50.000,00

714.001,82

2.705,57

Previsão Atualizada (a)

Previsão Inicial

3- TOTAL DA RECEITA DE IMPOSTOS (1 + 2)

240.195,33

1.383.000,00

716.707,39

714.001,82

38.209,61

R$1,00

Receitas Adicionais para Financiamento do Ensino

PROMOCAO COMERCIAL

716.707,39

230.138,23

38.209,61

MUNÍCIPIO DE DOURADINA - MS

ORGANIZAÇÃO AGRÁRIA COMÉRCIO E SERVIÇOS

268.347,84

230.138,23

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE - CONSOLIDADO

INDÚSTRIA

TRANSPORTE

268.347,84

64.407,43 40.915,18

879.732,62

RECEITAS DO ENSINO

Page 1 de 3

Dotação Inicial

716.707,39

70.142,84

RECEITA RESULTANTE DE IMPOSTOS (caput do art. 212 da Constituição)

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

FUNÇÃO / SUBFUNÇÃO

716.707,39

RREO – Anexo 08 (LDB, Art. 72) - (Portaria 403/2016)

60.423,80

26/01/2018 11:53:53

PROMOCAO DA PRODUCAO AGROPECUARIA

268.347,84

50.765,00

407.000,00

80.000,00 327.000,00

Saldo Total (e + k)

268.347,84

1.602.000,00

407.000,00

80.000,00

Saldo k = (f + g) - (i - j)

Cancelados (j)

105.322,61

ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017/BIMESTRE - NOVEMBRO/DEZEMBRO

58.358,95

327.000,00

Pagos (i)

2016 (g)

879.732,62

(NE)-PREFEITURA MUNICIPAL DE DOURADINA (NE)-FUNDO MUNICIPAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL

Liquidados (h)

Em 31 de Dezembro

70.142,84

86.507,60

80.000,00

73.350,00

Executivo

Em Exercícios Anteriores (f)

70.142,84

86.507,60

327.000,00 236.350,00

Saldo e = (a + b) - (c + d)

Cancelados (d)

RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS Inscritos

RESTOS A PAGAR (INTRA-ORÇAMENTÁRIOS) (II)

33.410,00

CIÊNCIA E TECNOLOGIA AGRICULTURA

Pagos (c)

2016 (b)

33.410,00

SANEAMENTO GESTÃO AMBIENTAL

Em 31 de Dezembro

RESTOS A PAGAR (EXCETO INTRA-ORÇAMENTÁRIOS) (I)

55.069,58

EDUCACAO INFANTIL ENSINO FUNDAMENTAL CULTURA

3.500,00

103.700,00

2.023.200,00

FOMENTO AO TRABALHO ALIMENTACAO E NUTRICAO

64.564,06

2.395.739,00

TRABALHO EDUCAÇÃO

R$ 1,00

RREO – Anexo 07 (LRF, art. 53, inciso V) - Portaria 403/2016.

ESSENCIAL A JUSTIÇA ADMINISTRAÇÃO

Valor Corrente

META DE RESULTADO PRIMÁRIO FIXADO NO ANEXO DE METAS FISCAIS DA LDO PARA O EXERCÍCIO DE REFERÊNCIA

ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - BIMESTRE NOVEMBRO/DEZEMBRO

VALOR 1.989.272,55 91,46% 0,00% 8,53%

Saldo a Pagar (h) = (d - e)

VALOR (III)

Até o Bimestre (VIc - VIa)

583.334,54

Pagamento de Restos a Pagar (g)

APLICAÇÃO DOS RECURSOS DA ALIENAÇÃO DE ATIVOS (II) Despesas de Capital Investimentos Inversões Financeiras Amortização da Dívida Despesas Correntes dos Regimes de Previdência Regime Próprio dos Servidores Públicos

Período de Referência

Resultado Nominal

MUNICÍPIO DE DOURADINA - MS

4.397.157,14 -4.397.157,14

Fonte: MUNICÍPIO DE DOURADINA RECURSOS RPPS ARRECADADOS EM EXERCÍCIOS ANTERIORES

VALOR

VALOR

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

4.397.157,14

(-)INCENTIVOS FISCAIS A CONTRIBUINTE POR INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS

DÍVIDA FISCAL LÍQUIDA (VI) = ((III + IV) - V)

766.860,45

SALDO NÃO EXECUTADO (f) = (d – e)

(-)INCENTIVOS FISCAIS A CONTRIBUINTE

R$ 1,00 15.065.305,56 15.065.305,56

SALDO NÃO REALIZADO (c) = (a – b)

RECEITAS REALIZADAS (b)

RECEITAS DE OPERAÇÕES DE CRÉDITO¹ (I)

Benefícios - Civil Aposentadorias Pensões Outros Benefícios Previdenciários Benefícios - Militar Reformas Pensões Outros Benefícios Previdenciários Outras Despesas Previdenciárias Compensação Previdenciária do RPPS para o RGPS Demais Despesas Previdenciárias

JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - BIMESTRE NOVEMBRO/DEZEMBRO 15.065.305,56 15.065.305,56

2.720,00

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

PASSIVOS RECONHECIDOS (V)

RREO – ANEXO 01 (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e § 1º)

2.720,00

INSCRITAS EM RESTOS A PAGAR 7 NÃO PROCESSADOS (i)

ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL

SALDOS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES Recursos Arrecadados em Exercícios Anteriores - RPPS Superávit Financeiro Utilizado para Créditos Adicionais Reabertura de Créditos Adicionais

83,57%

-558.258,72 0,00 4.631,01 0,00 279.954,70 0,00

0,00% 0,00% 0,00% 28,75% 28,75% 71,45%

45- RESTOS A PAGAR DE DESPESAS COM MDE 45.1- Executadas com Recursos de Impostos Vinculados ao Ensino 45.2 - Executadas com Recursos do FUNDEB

RECEITAS DE PRIVATIZAÇÕES (IV)

BALANÇO ORÇAMENTÁRIO - RECEITAS - CONSOLIDADO

4.947.329,17

2.720,00

DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS DE OPERAÇÕES DE CRÉDITO E DESPESAS DE CAPITAL- CONSOLIDADO

DESPESAS EMPENHADAS

DÉFICIT (VI)

26/01/2018 11:50:09

56,31%

VALOR

1.685.991,02 1.685.991,02 7.606.276,87

CONTROLE DA DISPONIBILIDADE FINANCEIRA

1.384.700,00 1.241.700,00 1.241.700,00

Disponibilidade de Caixa 4.580.769,06

92,28% 80,72% 74,01% 85,12%

39.701,46

RREO – Anexo 08 (LDB, Art. 72) - (Portaria 403/2016)

ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL

33.200.000,00

4.950.049,17

92,28%

613.515,62 3.536.161,60 1.284.712,36 2.251.449,24

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE - CONSOLIDADO

JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017 - BIMESTRE NOVEMBRO/DEZEMBRO

33.200.000,00

5.920.285,85

RESTOS A PAGAR INSCRITOS COM DISPONIBILIDADE FINANCEIRA DE RECURSOS DE IMPOSTOS VINCULADOS AO ENSINO

RREO – Anexo 05 (LRF, art 53, inciso III)

33.200.000,00

4.599.197,98

93,37% 94,27% 94,27%

613.515,62

Fonte: PREFEITURA DE DOURADINA MS

3.692.528,92

33.200.000,00

39.701,46

1.371.466,11 757.950,49 757.950,49

ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017/BIMESTRE - NOVEMBRO/DEZEMBRO Até o Bimestre 2016

560.436,52 54.921,46 54.921,46 54.921,46

1.384.700,00 1.241.700,00 1.241.700,00

DEDUÇÕES (II)

TOTAL (VII) = (V + VI)

Até o Bimestre 2017

4.200.000,00 772.000,00 772.000,00 662.000,00 55.000,00 55.000,00

DÍVIDA CONSOLIDADA (I)

SUBTOTAL COM REFINANCIAMENTO (V) = (III + IV)

44 - TOTAL GERAL DAS DESPESAS COM MDE (28 + 43)

MUNICIPIO DE DOURADINA - MS 3.992.920,00

70.500,00

1.730.191,02 1.730.191,02 6.329.389,00

42 - DESPESAS CUSTEADAS COM OUTRAS RECEITAS PARA FINANCIAMENTO DO ENSINO

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 3.992.920,00

51.500,00

46- SALDO FINANCEIRO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2016 47- (+) INGRESSO DE RECURSOS ATÉ O BIMESTRE 48- (-) PAGAMENTOS EFETUADOS ATÉ O BIMESTRE

TOTAL DAS RECEITAS PREVIDENCIÁRIAS RPPS - (III) = (I + II)

1.000,00 1.000,00

OPERAÇÕES DE CRÉDITO/REFINANCIAMENTO (IV) Operações de Crédito Internas Mobiliária Contratual Operações de Crédito Externas Mobiliária Contratual

Emissão:

PREVISÃO ATUALIZADA

Caixa e Equivalentes de Caixa Investimentos e Aplicações Outros Bens e Direitos

3.992.920,00

613.515,62 3.538.881,60 1.284.712,36 2.254.169,24

OUTRAS INFORMAÇÕES PARA CONTROLE Despesas Empenhadas Dotação Dotação Atualizada Até o Bimestre % Inicial (d) (e) (f) = (e/d) x 100

43 - TOTAL DAS OUTRAS DESP. CUSTEADAS C/ RECEITAS ADIC. P/ FINAN. ENSINO (39+40+41+42)

R$ 1,00

PREVISÃO INICIAL

RESULTADO PREVIDENCIÁRIO (VII) = (III VI)

1.605.300,00 2.200,00 44.500,00 28.600,00

664.850,00 4.380.930,85 1.735.932,87 2.644.997,98

41 - DESPESAS CUSTEADAS COM OPERAÇÕES DE CRÉDITO

RREO – ANEXO 04 (LRF, art. 53, inciso II) - Portaria 403/2016

21.960.280,00 20.229.100,00 30.000,00

471.000,00 3.299.092,98 1.708.795,00 1.590.297,98

93,37% 94,27% 94,27% 0,00% 92,28% 0,00% 92,28% 80,78% 74,01% 85,22% 0,00% 56,31% 0,00% 0,00% 83,61%

39 - DESPESAS CUSTEADAS COM APLIC. FINAN. DE OUTROS RECURSOS DE IMP. VINC. AO ENSINO

MUNICÍPIO DE DOURADINA - MS RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS PREVIDENCIÁRIAS DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES - CONSOLIDADO PREFETURA MUNICIPAL DE DOURADINA ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO À FEVEREIRO DE 2017 - BIMESTRE JANEIRO/FEVEREIR

21.960.280,00 20.229.100,00 30.000,00

613.515,62

40 - DESPESAS CUSTEADAS COM A CONTRIBUIÇÃO SOCIAL DO SALÁRIO-EDUCAÇÃO

RREO – ANEXO 04 (LRF, art. 53, inciso II) - Portaria 403/2016

DESPESAS PREVIDENCIÁRIAS - RPPS

100.000,00 2.190.100,00

1.371.466,11 757.950,49 757.950,49

664.850,00

INSCRITAS EM RESTOS A PAGAR 7 NÃO PROCESSADOS (i)

RESULTADO LÍQUIDO DAS TRANSFERÊNCIAS DO FUNDEB = (12) DESPESAS CUSTEADAS COM A COMPLEMENTAÇÃO DO FUNDEB NO EXERCÍCIO RECEITA DE APLICAÇÃO FINANCEIRA DOS RECURSOS DO FUNDEB ATÉ O BIMESTRE = (50 h) DESPESAS CUSTEADAS COM O SUPERÁVIT FINANCEIRO, DO EXERCÍCIO ANTERIOR, DO FUNDEB DESPESAS CUSTEADAS COM O SUPERÁVIT FINANCEIRO, DO EXERCÍCIO ANTERIOR, DE OUTROS RECURSOS DE IMPOSTOS RESTOS A PAGAR INSCRITOS NO EXERCÍCIO SEM DISPONIBILIDADE FINANCEIRA DE RECURSOS DE IMPOSTOS VINCULADOS AO ENSINO 4 CANCELAMENTO, NO EXERCÍCIO, DE RESTOS A PAGAR INSCRITOS COM DISPONIBILIDADE FINANCEIRA DE RECURSOS DE IMPOSTOS VINCULADOS AO ENSINO = (46 g) TOTAL DAS DEDUÇÕES CONSIDERADAS PARA FINS DE LIMITE CONSTITUCIONAL (29 + 30 + 31 + 32 + 33 + 34 + 35) 6 TOTAL DAS DESPESAS PARA FINS DE LIMITE ((22 + 23) – (36)) 6 MÍNIMO DE 25% DAS RECEITAS RESULTANTES DE IMPOSTOS EM MDE5 ((38) / (3) x 100) % 6

RECEITAS REALIZADAS

MUNICÍPIO DE DOURADINA - MS

1.468.855,00 804.005,00 804.005,00

471.000,00

DEDUÇÕES CONSIDERADAS PARA FINS DE LIMITE CONSTITUCIONAL 29303132333435363738-

PLANO PREVIDENCIÁRIO

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

1.248.605,00 777.605,00 777.605,00

Despesas Liquidadas Até o Bimestre % (h) = (g/d) x 100 (g)

MUNÍCIPIO DE DOURADINA - MS

RECEITAS PREVIDENCIÁRIAS - RPPS

22.000,00

0,00 0,00

Despesas Empenhadas Até o Bimestre % (e) (f) = (e/d) x 100

Dotação Atualizada (d)

Dotação Inicial

Despesas com Ações Típicas de MDE

Outras Despesas Custeadas com Receitas Adicionais para Financiamento do Ensino

MUNICÍPIO DE DOURADINA - MS RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS PREVIDENCIÁRIAS DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES - CONSOLIDADO PREFETURA MUNICIPAL DE DOURADINA ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO À FEVEREIRO DE 2017 - BIMESTRE JANEIRO/FEVEREIR

ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL

VALOR

20 – RECURSOS RECEBIDOS DO FUNDEB EM 2016 QUE NÃO FORAM UTILIZADOS 21 – DESPESAS CUSTEADAS COM O SALDO DO ITEM 20 ATÉ O 1º TRIMESTRE DE2017²

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO - DESPESAS - CONSOLIDADO

RREO – ANEXO 01 (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e § 1º)

R$1,00

RREO – Anexo 08 (LDB, Art. 72) - (Portaria 403/2016)

22.000,00

3.447,53 167.359,11 262.129,85

1.445,54

741,01

4.387,15 190.744,23 216.498,67

1.445,54

459,69

4.158,66

238.121,06

1.445,54

7.779,98

1.445,54

162.209,75

234.192,04

Outras Receitas Correntes

4.082.307,59

RESERVA DO RPPS

138,29

1.445,54

189.736,12

Transf. LC 61/1989

32.182.599,45

91.996,55

3.802,50 56.101,33

334,12 70.381,17

Cota Parte do ICMS

Transf. LC 87/1966

31.395.739,00

3.776,32

4.881,73 62.742,46

Receita Serviços

250.178,72

Cota Parte do ITR

31.395.739,00

62.016,25

6.446,50

50.219,08

6.925,56 64.688,60

Receita Industrial

Transferências FUNDEB

TOTAL (XIV) = (XII + XIII)

81.405,35

3.980,30

18.719,06

4.612,27 14.985,49

Receita Agropecuária

AMORTIZAÇÃO DA DÍVIDA/REFINANCIAMENTO (XI) Amortização da Dívida Interna Dívida Mobiliária Outras Dívidas Amortização da Dívida Externa Dívida Mobiliária Outras Dívidas SUPERÁVIT (XIII)

76.805,50

2.376,62

26.720,31

Outras Rec. Tributarias Receita Contribuições

PREVISÃO ATUALIZADA 2017

JAN/17 1.855.924,27

IPTU

ITBI

219.488,72 30.690,00 30.690,00

TOTAL (ÚLTIMOS 12 MESES)

EVOLUÇÃO DA RECEITA REALIZADA NOS ÚLTIMOS 12 MESES

ESPECIFICAÇÃO RECEITAS CORRENTES (I)

Receita Patrimonial

SUBTOTAL C/ REFINANCIAMENTO (XII) = (X + XI)

ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017/BIMESTRE - NOVEMBRO/DEZEMBRO

RREO – ANEXO 03 (LRF, Art. 53, inciso I)

RREO – ANEXO 01 (LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" do inciso II e § 1º)

Dotação Inicial (d)

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DEMONSTRATIVO DAS RECEITAS E DESPESAS COM MANUTENÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ENSINO - MDE - CONSOLIDADO

DEMONSTRATIVO DA RECEITA CORRENTE LIQUIDA - CONSOLIDADO ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL JANEIRO A DEZEMBRO DE 2017

ORÇAMENTOS FISCAL E DA SEGURIDADE SOCIAL

DESPESAS

MUNÍCIPIO DE DOURADINA - MS

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

RELATÓRIO RESUMIDO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA BALANÇO ORÇAMENTÁRIO - DESPESAS - CONSOLIDADO

M M

M

M M

M

M

M

131,32% 94,59% 222,82% 128,3


ATOS OFICIAIS ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CAMARA MUNICIPAL DE DOURADINA

7

O PROGRESSO

Dourados, sábado/domingo 27/28.1.2018

Anexo 13 - Balanço Financeiro – DCASP

Quality Sistemas

JANEIRO A DEZEMBRO

Exercício: 2017

INGRESSOS

DOMIGOS DA SILVA, 44, CENTRO, DOURADINA/MS

DISPÊNDIOS

ESPECIFICAÇÃO

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

RECEITAS RECEITAS CORRENTES

PREVISÃO ATUALIZADA (b) 0,00

RECEITAS REALIZADAS (c)

0,00

ESPECIFICAÇÃO

Exercício Atual

Exercício Anterior

0,00

0,00

31 Transferências de Recursos do Sistema único de Saúde – SUS/ESTADO - Decreto

0,00

0,00

33 Outros Recursos Destinados á Saúde

0,00

0,00

33 Outros Recursos Destinados á Saúde

0,00

0,00

34 Outros Recursos Destinados á Assistência Social

0,00

0,00

34 Outros Recursos Destinados á Assistência Social

0,00

0,00

41 Recursos Destinados ao RPPS - Plano Previdenciário

0,00

0,00

41 Recursos Destinados ao RPPS - Plano Previdenciário

0,00

0,00

42 Recursos Destinados ao RPPS – Plano Financeiro

0,00

0,00

42 Recursos Destinados ao RPPS – Plano Financeiro

0,00

0,00

43 Recursos da Taxa de Administração - RPPS

0,00

0,00

43 Recursos da Taxa de Administração - RPPS

0,00

0,00

0,00

44 Recursos do Superávit da Taxa de Administração

0,00

0,00

44 Recursos do Superávit da Taxa de Administração

0,00

0,00

0,00

0,00

50 FMDCA – Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente

0,00

0,00

SALDO d=(c - b)

0,00

Exercício Anterior

31 Transferências de Recursos do Sistema único de Saúde – SUS/ESTADO - Decreto

JANEIRO A DEZEMBRO PREVISÃO INICIAL (a)

Exercício Atual

0,00

0,00

0,00

0,00

50 FMDCA – Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente

IMPOSTOS

0,00

0,00

0,00

0,00

51 FMMA – Fundo Municipal do Meio Ambiente

0,00

0,00

51 FMMA – Fundo Municipal do Meio Ambiente

0,00

0,00

TAXAS

0,00

0,00

0,00

0,00

60 Recursos próprios dos Consórcios - (artigo 4º Portaria STN nº 72/2012)

0,00

0,00

60 Recursos próprios dos Consórcios - (artigo 4º Portaria STN nº 72/2012)

0,00

0,00

0,00

0,00

61 Transferência de Consórcio – Contrato de Rateio - (artigo 9º Portaria STN nº 72/201

0,00

0,00

70 Compensações Financeiras de Recursos Naturais

0,00

0,00

RECEITA TRIBUTÁRIA

0,00

0,00

0,00

0,00

61 Transferência de Consórcio – Contrato de Rateio - (artigo 9º Portaria STN nº 72/201

0,00

0,00

0,00

0,00

70 Compensações Financeiras de Recursos Naturais

0,00

0,00

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS

0,00

0,00

0,00

0,00

71 Multas de Trânsito

0,00

0,00

71 Multas de Trânsito

0,00

0,00

Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico – CIDE

0,00

0,00

0,00

0,00

80 Transferências do Estado – FUNDERSUL- Lei Estadual nº 1.963/1999 e Art. 2º, I, II,

0,00

0,00

80 Transferências do Estado – FUNDERSUL- Lei Estadual nº 1.963/1999 e Art. 2º, I, II,

0,00

0,00

Contribuição de Iluminação Pública

0,00

0,00

0,00

0,00

81 Transferências do Estado - FIS - Art. 2º da Lei nº 2.105/2000 (Alterado pela Lei nº 4.

0,00

0,00

81 Transferências do Estado - FIS - Art. 2º da Lei nº 2.105/2000 (Alterado pela Lei nº 4.

0,00

0,00

CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA RECEITA DE CONTRIBUIÇÕES

0,00

0,00

0,00

0,00

82 Transferências do Estado FEAS- Decreto nº 13.111. 26/01/2011,

0,00

0,00

82 Transferências do Estado FEAS- Decreto nº 13.111. 26/01/2011,

0,00

0,00

RECEITAS IMOBILIÁRIAS

0,00

0,00

0,00

0,00

88 Recursos de Transferências do Estado não classificáveis nos itens anteriores

0,00

0,00

88 Recursos de Transferências do Estado não classificáveis nos itens anteriores

0,00

0,00

RECEITAS DE VALORES MOBILIÁRIOS

0,00

0,00

0,00

0,00

89 Outras Receitas primárias

0,00

0,00

89 Outras Receitas primárias

0,00

0,00

RECEITAS DE CONCESSÕES E PERMISSÕES

0,00

0,00

0,00

0,00

90 Operações de Crédito Internas

0,00

0,00

90 Operações de Crédito Internas

0,00

0,00

COMPENSAÇÕES FINANCEIRAS

0,00

0,00

0,00

0,00

91 Operações de Crédito Externas

0,00

0,00

91 Operações de Crédito Externas

0,00

0,00

OUTRAS RECEITAS PATRIMONIAIS

0,00

0,00

0,00

0,00

92 Alienação de Bens - Móveis

0,00

0,00

92 Alienação de Bens - Móveis

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

93 Alienação de Bens - Imóveis

0,00

0,00

93 Alienação de Bens - Imóveis

0,00

0,00

RECEITA DA PRODUÇÃO VEGETAL

0,00

0,00

0,00

0,00

94 Outras Receitas Não-Primárias

0,00

0,00

94 Outras Receitas Não-Primárias

0,00

0,00

RECEITA DA PRODUÇÃO ANIMAL E DERIVADOS

0,00

0,00

0,00

0,00

1.142.463,74

1.008.538,56

0,00

25.579,75

OUTRAS RECEITAS AGROPECUÁRIAS

0,00

0,00

0,00

0,00

Transferências Financeiras Recebidas para Execução Orçamentária

0,00

0,00

0,00

25.579,75

Transferências Financeiras Recebidas Independente da Execução Orçamentária

1.142.463,74

1.008.538,56

Repasse Duodécimo Câmara Municipal

0,00

25.579,75

1.142.463,74

1.008.538,56

Outras Transferências Financeiras

0,00

RECEITA PATRIMONIAL

RECEITA AGROPECUÁRIA

RECEITA INDUSTRIAL

0,00

0,00

0,00

0,00

RECEITA DA INDÚSTRIA EXTRATIVA MINERAL

0,00

0,00

0,00

0,00

RECEITA DA INDUSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO

0,00

0,00

0,00

0,00

RECEITA DA INDUSTRIA DE CONSTRUÇÃO

0,00

0,00

0,00

0,00

OUTRAS RECEITAS INDUSTRIAIS

0,00

0,00

0,00

0,00

RECEITA DE SERVIÇOS

0,00

0,00

0,00

0,00

TRANSFERÊNCIAS CORRENTES

0,00

0,00

0,00

0,00

TRANSFERÊNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS

0,00

0,00

0,00

0,00

TRANSFERÊNCIAS DE INSTITUIÇÕES PRIVADAS

0,00

0,00

0,00

0,00

TRANSFERÊNCIAS DO EXTERIOR

0,00

0,00

0,00

0,00

TRANSFERÊNCIAS DE PESSOAS

0,00

0,00

0,00

0,00

TRANSFERÊNCIAS DE CONVÊNIOS

0,00

0,00

0,00

0,00

TRANSFERÊNCIAS PARA O COMBATE À FOME

0,00

0,00

0,00

0,00

OUTRAS RECEITAS CORRENTES

0,00

0,00

0,00

0,00

MULTAS E JUROS DE MORA

0,00

0,00

0,00

0,00

INDENIZAÇÕES E RESTITUIÇÕES

0,00

0,00

0,00

0,00

RECEITA DA DÍVIDA ATIVA

0,00

0,00

0,00

0,00

RECEITAS DECORRENTES DE APORTES PERIÓDICOS DE DÉFICIT ATUARIAL DO

0,00

0,00

0,00

0,00

RECEITAS DIVERSAS

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

OPERAÇÕES DE CRÉDITO INTERNAS

0,00

0,00

0,00

0,00

OPERAÇÕES DE CRÉDITO EXTERNAS

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

ALIENAÇÃO DE BENS MÓVEIS

0,00

ALIENAÇÃO DE BENS IMÓVEIS

RECEITAS DE CAPITAL OPERAÇÕES DE CRÉDITO

ALIENAÇÃO DE BENS

Transferências Financeiras Recebidas (II)

Repasse Duodécimo Câmara Municipal

Transferências Financeiras Concedidas (VII) Transferências Financeiras Concedidas para a Execução Orçamentária

Quality Sistemas - Soluções Inovadoras para Gestão Pública. v.1.10.16.53-18

Anexo 13 - Balanço Financeiro – DCASP JANEIRO A DEZEMBRO

INGRESSOS

DISPÊNDIOS

ESPECIFICAÇÃO

Exercício Atual

Outras Transferências Financeiras

Exercício Anterior

ESPECIFICAÇÃO

Transferências Financeiras Recebidas para Aportes de recursos para o RPPS

0,00

0,00

Transferências Financeiras Recebidas para Aportes de recursos para o RGPS

0,00

0,00

Transferências Financeiras Concedidas para Aportes de recursos para o RPPS

126.469,55

139.445,33

Transferências Financeiras Concedidas para Aportes de recursos para o RGPS

0,00

0,00

Empenhos do exercício inscritos em RNP

0,00

0,00

126.469,55

139.445,33

Empenhos do exercício inscritos em RP

0,00

0,00

Consignações

126.407,09

137.873,45

Adiantamentos

62,46

1.571,88

0,00

0,00

Saldo do Exercício Anterior (IV)

95.000,00

95.426,24

Caixa e Equivalentes de Caixa

95.000,00

95.426,24

0,00

0,00

Recebimentos Extraorçamentários (III)

Depósitos de Diversas Origens

Depósitos Restituíveis e Valores Vinculados

TOTAL (V) = (I+II+III+IV)

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

TRANSFERÊNCIAS DE CAPITAL

0,00

0,00

0,00

0,00

TRANSFERÊNCIAS INTERGOVERNAMENTAIS

0,00

0,00

0,00

0,00

TRANSFERÊNCIAS DE INSTITUIÇÕES PRIVADAS

0,00

0,00

0,00

0,00

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CAMARA MUNICIPAL DE DOURADINA DOMIGOS DA SILVA, 44, CENTRO, DOURADINA/MS

0,00

0,00

1.363.933,29

1.243.410,13

Transferências Financeiras Concedidas Independente da Execução Orçamentária Outras Transferências Financeiras

Pagamentos Extra-Orçamentários (VIII) Restos a Pagar Processados Pagos

Consignações

Caixa e Equivalentes de Caixa

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

TRANSFERÊNCIAS DE OUTRAS INSTITUIÇÕES PÚBLICAS

0,00

0,00

0,00

0,00

ANEXO 14 - BALANÇO PATRIMONIAL

TRANSFERÊNCIAS DE CONVÊNIOS

0,00

0,00

0,00

0,00

EXERCÍCIO - ENCERRAMENTO

TRANSFERÊNCIAS PARA O COMBATE À FOME

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

OUTRAS RECEITAS

0,00

0,00

0,00

0,00

SUBTOTAL DAS RECEITAS (I)

0,00

0,00

0,00

0,00

REFINANCIAMENTO (II)

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

Mobiliária

0,00

0,00

0,00

0,00

Contratual

0,00

0,00

0,00

0,00

Operações de Crédito Internas

Operações de Crédito Externas

0,00

0,00

0,00

0,00

Mobiliária

0,00

0,00

0,00

0,00

Contratual

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

DÉFICIT (IV)

1.236.800,00

1.236.800,00

1.145.844,79

-90.955,21

TOTAL (V)= (III+IV)

1.236.800,00

1.236.800,00

1.145.844,79

-90.955,21

SALDOS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES (UTILIZADOS PARA CRÉDITOS ADICIONAIS)

0,00

0,00

0,00

0,00

Superávit Financeiro

0,00

0,00

0,00

0,00

Reabertura de créditos adicionais

0,00

0,00

0,00

0,00

SUBTOTAL COM REFINANCIAMENTO (III) = (I+II)

DOTAÇÃO INICIAL (e)

DESPESAS DESPESAS CORRENTES

DOTAÇÃO ATUALIZADA (f)

DESPESAS EMPENHADAS (g)

DESPESAS LIQUIDADAS (h)

DESPESAS PAGAS (i)

SALDO DA DOTAÇÃO j=(f-g)

1.215.800,00

1.236.800,00

1.145.844,79

1.145.844,79

1.145.844,79

90.955,21

837.900,00

890.000,00

850.959,97

850.959,97

850.959,97

39.040,03

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

377.900,00

346.800,00

294.884,82

294.884,82

294.884,82

51.915,18

21.000,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

21.000,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA OUTRAS DESPESAS CORRENTES DESPESAS DE CAPITAL INVESTIMENTOS INVERSÕES FINANCEIRAS RESERVA DE CONTINGÊNCIA RESERVA DE CONTINGÊNCIA

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

SUBTOTAL DAS DESPESAS (VI)

1.236.800,00

1.236.800,00

1.145.844,79

1.145.844,79

1.145.844,79

90.955,21

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

Dívida Mobiliária

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

Outras Dívidas

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

Dívida Mobiliária

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

Outras Dívidas

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

1.236.800,00

1.236.800,00

1.145.844,79

1.145.844,79

1.145.844,79

90.955,21

AMORTIZAÇÃO DA DÍVIDA/REFINANCIAMENTO(VII) Amortização da Dívida Interna

Amortização da Dívida Externa

SUBTOTAL COM REFINANCIAMENTO (VIII) =(VI + VII) SUPERÁVIT (IX) TOTAL (X) = (VIII + IX)

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

1.236.800,00

1.236.800,00

1.145.844,79

1.145.844,79

1.145.844,79

90.955,21

_________________________________________ JOSÉ DE SOUZA CAMINHA PRESIDENTE

_________________________________________ Maria Fátima Andrade Pires Contadora

ESPECIFICAÇÃO

95.000,00

91.618,95

95.000,00

0,00

0,00

0,00

0,00

INVESTIMENTOS E APLICAÇÕES TEMPORARIAS A CURTO PRAZO ESTOQUES

0,00

VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS PAGAS ANTECIPADAMENTE

CRÉDITOS A CURTO PRAZO DEMAIS CRÉDITOS E VALORES A CURTO PRAZO

ATIVO NÃO CIRCULANTE

0,00 0,00 0,00

FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR A CURTO PRAZO

0,00

0,00

0,00

OBRIGAÇÕES FISCAIS A CURTO PRAZO

0,00

0,00

0,00

0,00

OBRIGAÇÕES DE REPARTIÇÃO A OUTROS ENTES

0,00

0,00

0,00

0,00

PROVISÕES A CURTO PRAZO

0,00

0,00

DEMAIS OBRIGAÇÕES A CURTO PRAZO

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

CRÉDITOS A LONGO PRAZO

0,00

0,00

DEMAIS CRÉDITOS E VALORES A LONGO PRAZO

PASSIVO CIRCULANTE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS, PREVIDENCIÁRIAS E ASSISTENCIAIS A PAGAR A CURTO PRAZO EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS A CURTO PRAZO

PASSIVO NÃO-CIRCULANTE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS, PREVIDENCIÁRIAS E ASSISTENCIAIS A PAGAR A LONGO PRAZO EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS A LONGO PRAZO

0,00

0,00

0,00

0,00

INVESTIMENTOS E APLICAÇÕES TEMPORARIAS A LONGO PRAZO ESTOQUES

0,00

0,00

FORNECEDORES A LONGO PRAZO

0,00

0,00

0,00

0,00

OBRIGAÇÕES FISCAIS A LONGO PRAZO

0,00

0,00

VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS PAGAS ANTECIPADAMENTE INVESTIMENTOS

0,00

0,00

PROVISÕES A LONGO PRAZO

0,00

0,00

0,00

0,00

DEMAIS OBRIGAÇÕES A LONGO PRAZO

0,00

0,00

PARTICIPAÇÕES PERMANENTES

0,00

0,00

RESULTADO DIFERIDO

0,00

0,00

PROPRIEDADES PARA INVESTIMENTO

0,00

0,00

PATRIMONIO LIQUIDO

117.670,54

123.594,07

INVESTIMENTOS DO RPPS DE LONGO PRAZO

0,00

0,00

RESULTADOS ACUMULADOS

117.670,54

123.594,07

DEMAIS INVESTIMENTOS PERMANENTES

0,00

0,00

SUPERAVITS OU DEFICITS DO EXERCÍCIO

(-)DEPRECIAÇÃO ACUMULADA DE INVESTIMENTOS

0,00

0,00

SUPERAVITS OU DEFICITS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES

(-) REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE INVESTIMENTOS

0,00

0,00

AJUSTES DE EXERCÍCIOS ANTERIORES

IMOBILIZADO

26.051,59

28.594,07

BENS MÓVEIS

26.051,59

28.594,07

ESPECIFICAÇÃO

PASSIVO Exercício Atual

Exercício Anterior

ESPECIFICAÇÃO

Exercício Atual

Exercício Anterior

BENS IMÓVEIS

0,00

0,00

0,00

0,00

(-) DEPRECIAÇÃO, EXAUSTAO E AMORTIZAÇÃO ACUMULADAS

0,00

0,00

0,00

0,00

(-) REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE IMOBILIZADO

0,00

0,00

0,00

0,00

INTANGIVEL

0,00

0,00

0,00

0,00

SOFTWARES

0,00

0,00

0,00

0,00

MARCAS, DIREITOS E PATENTES INDÚSTRIAIS

0,00

0,00

0,00

0,00

DIREITO DE USO DE IMÓVEIS

0,00

0,00

0,00

0,00

(-) AMORTIZAÇÃO ACUMULADA

0,00

0,00

0,00

0,00

(-) REDUÇÃO AO VALOR RECUPERAVEL DE INTANGIVEL

0,00

0,00

0,00

0,00

117.670,54

123.594,07

TOTAL

117.670,54

123.594,07 TOTAL

_________________________________________ JOSÉ DE SOUZA CAMINHA PRESIDENTE

_________________________________________ Maria Fátima Andrade Pires Contadora

_________________________________________ EZELEZUTE DE SOUZA SANTOS CONTROLADORA INTERNA

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CAMARA MUNICIPAL DE DOURADINA

Quality Sistemas Exercício: 2017

DOMIGOS DA SILVA, 44, CENTRO, DOURADINA/MS

Demonstrativo de Compensações JANEIRO A DEZEMBRO

ESPECIFICAÇÃO

SALDO PAGOS (d)

CANCELADOS (e)

(f)=(a+b-d-e)

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

OUTRAS DESPESAS CORRENTES

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

DESPESAS DE CAPITAL

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

INVESTIMENTOS

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

INVERSÕES FINANCEIRAS

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

_________________________________________ Maria Fátima Andrade Pires Contadora

_________________________________________ EZELEZUTE DE SOUZA SANTOS CONTROLADORA INTERNA

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CAMARA MUNICIPAL DE DOURADINA

PASSIVO Exercício Atual

Exercício Anterior

ESPECIFICAÇÃO

Quality Sistemas

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

GARANTIAS

0,00

0,00

EXECUÇÃO DE CONTRAGARANTIAS RECEBIDAS

0,00

0,00

CONTRAGARANTIAS

0,00

0,00

EXECUÇÃO DE DIREITOS CONVENIADOS E OUTROS INSTRUME

0,00

0,00

EXECUÇÃO DE OBRIGAÇÕES CONVENIADAS E OUTROS INSTRU

0,00

0,00

DIREITOS CONVENIADOS E OUTROS INSTRUMENTOS- CONV

0,00

0,00

OBRIGAÇÕES CONVENIADOS E OUTROS INSTRUMENTOS CO

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

RESPONSABILIDADES POR TÍTULOS, VALORES E BENS

0,00

0,00

ATIVOS CONTINGENTES

0,00

0,00

EXECUÇÃO DE DIREITOS CONTRATUAIS DIREITOS CONTRATADOS - CONTRATOS FIRMADOS EXECUÇÃO DE OUTROS ATOS POTENCIAIS ATIVOS

TOTAL

0,00

EXECUÇÃO GARANTIAS E CONTRAGARANTIAS CONCEDIDAS

EXECUÇÃO DE OBRIGAÇÕES CONTRATUAIS OBRIGAÇÕES CONTRATADOS - CONTRATOS FIRMADOS EXECUÇÃO DE OUTROS ATOS POTENCIAIS PASSIVOS RESPONSABILIDADES POR TÍTULOS, VALORES E BENS

0,00 TOTAL

SALDO PATRIMONIAL _________________________________________ JOSÉ DE SOUZA CAMINHA PRESIDENTE

_________________________________________ Maria Fátima Andrade Pires Contadora

ANEXO 12.2 - DEMONSTRATIVO DE EXECUÇÃO DOS RESTOS A PAGAR PROCESSADOS E NÃO PROCESSADOS LIQUIDADOS JANEIRO A DEZEMBRO SALDO CANCELADOS (d)

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

Quality Sistemas Exercício: 2017

Estrutura do Demonstrativo do Superávit/Déficit Financeiro Apurado no Balanço Patrimonial JANEIRO A DEZEMBRO

00 - RECURSOS ORDINÁRIOS

PAGOS (c)

0,00

_________________________________________ EZELEZUTE DE SOUZA SANTOS CONTROLADORA INTERNA

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CAMARA MUNICIPAL DE DOURADINA

DESTINAÇÃO DE RECURSOS

EM 31 DE DEZEMBRO DO EXERCÍCIO ANTERIOR (b)

Exercício Anterior

GARANTIAS

Exercício: 2017

INSCRITOS

Exercício Atual

EXECUÇÃO DE ATOS POTENCIAIS PASSIVO

DOMIGOS DA SILVA, 44, CENTRO, DOURADINA/MS

DOMIGOS DA SILVA, 44, CENTRO, DOURADINA/MS

DESPESAS CORRENTES

0,00

JANEIRO ADEZEMBRO

ATIVO

Exercício: 2017

EM 31 DE DEZEMBRO LIQUIDADOS (c) DO EXERCÍCIO ANTERIOR (b)

EM EXERCÍCIOS ANTERIORES (a)

0,00

0,00

EXERCÍCIO - ENCERRAMENTO

EXECUÇÃO DE GARANTIAS E CONTRAGARANTIAS RECEBIDAS

RESTOS A PAGAR PROCESSADOS E NÃO PROCESSADOS LIQUIDADOS

0,00

0,00

SUPERÁVITS OU DÉFICITS RESULTANTES DE EXTINÇÃO, FUSÃO E CISÃO

ANEXO 14 - BALANÇO PATRIMONIAL

Quality Sistemas

INSCRITOS

_________________________________________ JOSÉ DE SOUZA CAMINHA PRESIDENTE

-34.804,39 158.398,46

0,00

Página 1 de 2

EXECUÇÃO DOS ATOS POTENCIAIS ATIVOS

AMORTIZAÇÃO DA DÍVIDA

-5.923,53 123.594,07

Quality Sistemas - Soluções Inovadoras para Gestão Pública. v.1.10.16.54-18

JANEIRO A DEZEMBRO

TOTAL

Exercício Anterior

0,00

ATIVO REALIZAVEL A LONGO PRAZO

ANEXO 12.1 - DEMONSTRATIVO DE EXECUÇÃO DE RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADO

DESPESAS CORRENTES

0,00 1.243.410,13

Exercício Atual

ATIVO

EM EXERCÍCIOS ANTERIORES (a)

0,00 1.363.933,29

0,00

28.594,07

DOMIGOS DA SILVA, 44, CENTRO, DOURADINA/MS

RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS

95.000,00

0,00

26.051,59

_________________________________________ EZELEZUTE DE SOUZA SANTOS CONTROLADORA INTERNA

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CAMARA MUNICIPAL DE DOURADINA

Exercício Anterior

91.618,95

CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA

0,00

0,00 95.000,00

91.618,95

PASSIVO Exercício Atual

ATIVO CIRCULANTE

0,00

0,00 91.618,95

JANEIRO ADEZEMBRO

ESPECIFICAÇÃO

RECEITA DA DÍVIDA ATIVA PROVENIENTE DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS E

1.571,88

_________________________________________ EZELEZUTE DE SOUZA SANTOS CONTROLADORA INTERNA

ATIVO

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

INTEGRALIZAÇÃO DO CAPITAL SOCIAL

0,00

62,46

Exercício: 2017

0,00

RECEITAS

0,00

Quality Sistemas

0,00

SALDO d=(c - b)

0,00

137.873,45

Depósitos Restituíveis e Valores Vinculados TOTAL (X) = (VI+VII+VIII+IX)

0,00

RECEITAS REALIZADAS (c)

0,00

0,00

0,00

Depósitos Restituíveis e Valores Vinculados Saldo para o Exercício Seguinte (IX)

TRANSFERÊNCIAS DE PESSOAS

PREVISÃO ATUALIZADA (b)

0,00

0,00

126.407,09

Outros Pagamentos Extra Orçamentários

_________________________________________ Maria Fátima Andrade Pires Contadora

_________________________________________ JOSÉ DE SOUZA CAMINHA PRESIDENTE

0,00

0,00

Restos a Pagar não Processados Pagos

TRANSFERÊNCIAS DO EXTERIOR

PREVISÃO INICIAL (a)

Exercício Anterior

0,00

0,00

JANEIRO A DEZEMBRO

Exercício Atual

0,00

AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

OUTRAS RECEITAS DE CAPITAL

0,00

Página 2 de 3

(e)=(a+b-c-d)

2016

2017 91.618,95

95.000,00

01 - RECEITAS DE IMPOSTOS E DE TRANSFERÊNCIA DE IMPOSTOS - EDUCAÇÃO

0,00

0,00

02 - RECEITAS DE IMPOSTOS E DE TRANSFERÊNCIA DE IMPOSTOS – SAÚDE

0,00

0,00

03 - CONTRIBUIÇÃO PARA O REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL – RPPS

0,00

0,00

04 - CONTRIBUIÇÃO AO PROGRAMA ENSINO FUNDAMENTAL

0,00

0,00

05 - CONTRIBUIÇÃO DE MELHORIA

0,00

0,00

10 - RECURSOS DIRETAMENTE ARRECADADOS – (ADMINISTRAÇÃO INDIRETA E FUN

0,00

0,00

12 - SERVIÇOS DE SAÚDE

0,00

0,00

13 - SERVIÇOS EDUCACIONAIS

0,00

0,00

14 - TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS – UNIÃ

0,00

0,00

15 - TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS DO FUNDO NACIONAL DO DESENVOLVIMENTO D

0,00

0,00

16 - CONTRIBUIÇÃO DE INTERVENÇÃO DO DOMÍNIO ECONÔMICO – CIDE

0,00

0,00

17 - CONTRIBUIÇÃO PARA O CUSTEIO DOS SERVIÇOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA -

0,00

0,00

18 - TRANSFERÊNCIAS DO FUNDEB - (APLICAÇÃO NA REMUNERAÇÃO E APERFEIÇO

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

PESSOAL E ENCARGOS SOCIAIS

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

OUTRAS DESPESAS CORRENTES

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

DESPESAS DE CAPITAL

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

INVESTIMENTOS

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

19 - TRANSFERÊNCIAS DO FUNDEB - (APLICAÇÃO EM OUTRAS DESPESAS DA EDUC

0,00

0,00

INVERSÕES FINANCEIRAS

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

20 - TRANSFERÊNCIAS DE CONVÊNIOS - UNIÃO/EDUCAÇÃO

0,00

0,00

AMORTIZAÇÃO DA DÍVIDA

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

21 - TRANSFERÊNCIAS DE CONVÊNIOS - UNIÃO/SAÚDE

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

22 - TRANSFERÊNCIAS DE CONVÊNIOS - UNIÃO/ASSISTÊNCIA SOCIAL

0,00

0,00

23 - TRANSFERÊNCIAS DE CONVÊNIOS - UNIÃO/OUTROS (NÃO RELACIONADOS À E

0,00

0,00

24 - TRANSFERÊNCIAS DE CONVÊNIOS - ESTADO/EDUCAÇÃO

0,00

0,00

25 - TRANSFERÊNCIAS DE CONVÊNIOS - ESTADO/SAÚDE

0,00

0,00

26 - TRANSFERÊNCIAS DE CONVÊNIOS - ESTADO/ASSISTÊNCIA SOCIAL

0,00

0,00

27 - TRANSFERÊNCIAS DE CONVÊNIOS - ESTADO/OUTROS (NÃO RELACIONADOS À

0,00

0,00

28 - TRANSFERÊNCIAS DE CONVÊNIOS - OUTROS

0,00

0,00

29 - TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS DO FUNDO NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIA

0,00

0,00

30 - TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS DO FUNDO NACIONAL DE HABITAÇÃO DE INTE

0,00

0,00

31 - TRANSFERÊNCIAS DE RECURSOS DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE – SUS/ESTAD

0,00

0,00

33 - OUTROS RECURSOS DESTINADOS Á SAÚDE

0,00

0,00

34 - OUTROS RECURSOS DESTINADOS Á ASSISTÊNCIA SOCIAL

0,00

0,00

41 - RECURSOS DESTINADOS AO RPPS - PLANO PREVIDENCIÁRIO

0,00

0,00

42 - RECURSOS DESTINADOS AO RPPS – PLANO FINANCEIRO

0,00

0,00

43 - RECURSOS DA TAXA DE ADMINISTRAÇÃO - RPPS

0,00

0,00

TOTAL

_________________________________________ JOSÉ DE SOUZA CAMINHA PRESIDENTE

_________________________________________ Maria Fátima Andrade Pires Contadora

_________________________________________ EZELEZUTE DE SOUZA SANTOS CONTROLADORA INTERNA

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CAMARA MUNICIPAL DE DOURADINA

Quality Sistemas Exercício: 2017

DOMIGOS DA SILVA, 44, CENTRO, DOURADINA/MS Mês atual: DEZEMBRO

Anexo 13 - Balanço Financeiro – DCASP JANEIRO A DEZEMBRO

INGRESSOS ESPECIFICAÇÃO

DISPÊNDIOS Exercício Atual

Exercício Anterior

ESPECIFICAÇÃO

Receitas Orçamentárias (I)

0,00

0,00

00 Recursos Ordinários

0,00

0,00

00 Recursos Ordinários

01 Receitas de Impostos e de Transferência de Impostos - Educação

0,00

0,00

02 Receitas de Impostos e de Transferência de Impostos – Saúde

0,00

0,00

03 Contribuição para o Regime Próprio de Previdência Social – RPPS (patronal, servid

0,00

04 Contribuição ao Programa Ensino Fundamental

Exercício Anterior

1.145.844,79

983.385,05

1.145.844,79

983.385,05

01 Receitas de Impostos e de Transferência de Impostos - Educação

0,00

0,00

02 Receitas de Impostos e de Transferência de Impostos – Saúde

0,00

0,00

0,00

03 Contribuição para o Regime Próprio de Previdência Social – RPPS (patronal, servid

0,00

0,00

0,00

0,00

04 Contribuição ao Programa Ensino Fundamental

0,00

0,00

05 Contribuição de Melhoria

0,00

0,00

05 Contribuição de Melhoria

0,00

0,00

44 - RECURSOS DO SUPERÁVIT DA TAXA DE ADMINISTRAÇÃO

0,00

0,00

10 Recursos diretamente arrecadados – (Administração Indireta e Fundos)

0,00

0,00

10 Recursos diretamente arrecadados – (Administração Indireta e Fundos)

0,00

0,00

12 Serviços de Saúde

0,00

0,00

12 Serviços de Saúde

0,00

0,00

50 - FMDCA – FUNDO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

0,00

0,00

13 Serviços Educacionais

0,00

0,00

13 Serviços Educacionais

0,00

0,00

51 - FMMA – FUNDO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE

0,00

0,00

14 Transferência de Recursos do Sistema Único de Saúde - SUS – UNIÃO

0,00

0,00

14 Transferência de Recursos do Sistema Único de Saúde - SUS – UNIÃO

0,00

0,00

60 - RECURSOS PRÓPRIOS DOS CONSÓRCIOS - (ARTIGO 4º PORTARIA STN Nº 72

0,00

0,00

15 Transferência de Recursos do Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação –

0,00

0,00

15 Transferência de Recursos do Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação –

0,00

0,00

16 Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico – CIDE

0,00

0,00

16 Contribuição de Intervenção do Domínio Econômico – CIDE

0,00

0,00

61 - TRANSFERÊNCIA DE CONSÓRCIO – CONTRATO DE RATEIO - (ARTIGO 9º POR

0,00

0,00

17 Contribuição para o Custeio dos Serviços de Iluminação Pública - COSIP

0,00

0,00

17 Contribuição para o Custeio dos Serviços de Iluminação Pública - COSIP

0,00

0,00

70 - COMPENSAÇÕES FINANCEIRAS DE RECURSOS NATURAIS

0,00

0,00

18 Transferências do FUNDEB - (aplicação na remuneração e aperfeiçoamento dos pro

0,00

0,00

18 Transferências do FUNDEB - (aplicação na remuneração e aperfeiçoamento dos pro

0,00

0,00

19 Transferências do FUNDEB - (aplicação em outras despesas da Educação Básica –

0,00

0,00

19 Transferências do FUNDEB - (aplicação em outras despesas da Educação Básica –

0,00

0,00

71 - MULTAS DE TRÂNSITO

0,00

0,00

20 Transferências de Convênios - União/Educação

0,00

0,00

20 Transferências de Convênios - União/Educação

0,00

0,00

80 - TRANSFERÊNCIAS DO ESTADO – FUNDERSUL- LEI ESTADUAL Nº 1.963/1999

0,00

0,00

21 Transferências de Convênios - União/Saúde

0,00

0,00

21 Transferências de Convênios - União/Saúde

0,00

0,00

22 Transferências de Convênios - União/Assistência Social

0,00

0,00

22 Transferências de Convênios - União/Assistência Social

0,00

0,00

81 - TRANSFERÊNCIAS DO ESTADO - FIS - ART. 2º DA LEI Nº 2.105/2000 (A

0,00

0,00

23 Transferências de Convênios - União/Outros (não relacionados à educação/saúde/a

0,00

0,00

23 Transferências de Convênios - União/Outros (não relacionados à educação/saúde/a

0,00

0,00

82 - TRANSFERÊNCIAS DO ESTADO FEAS- DECRETO Nº 13.111. 26/01/2011,

0,00

0,00

24 Transferências de Convênios - Estado/Educação

0,00

0,00

24 Transferências de Convênios - Estado/Educação

0,00

0,00

25 Transferências de Convênios - Estado/Saúde

0,00

0,00

25 Transferências de Convênios - Estado/Saúde

0,00

0,00

88 - RECURSOS DE TRANSFERÊNCIAS DO ESTADO NÃO CLASSIFICÁVEIS NOS ITEN

0,00

0,00

26 Transferências de Convênios - Estado/Assistência Social

0,00

0,00

26 Transferências de Convênios - Estado/Assistência Social

0,00

0,00

89 - OUTRAS RECEITAS PRIMÁRIAS

0,00

0,00

27 Transferências de Convênios - Estado/Outros (não relacionados à educação/saúde/

0,00

0,00

27 Transferências de Convênios - Estado/Outros (não relacionados à educação/saúde/

0,00

0,00

90 - OPERAÇÕES DE CRÉDITO INTERNAS

0,00

0,00

28 Transferências de Convênios - Outros

0,00

0,00

28 Transferências de Convênios - Outros

0,00

0,00

29 Transferência de Recursos do Fundo Nacional de Assistência Social – FNAS

0,00

0,00

29 Transferência de Recursos do Fundo Nacional de Assistência Social – FNAS

0,00

0,00

30 Transferência de Recursos do Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - F

0,00

0,00

30 Transferência de Recursos do Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social - F

0,00

Quality Sistemas - Soluções Inovadoras para Gestão Pública. v.1.10.16.53-18

Despesas Orçamentárias (VI)

Exercício Atual

0,00

Página 1 de 3

Quality Sistemas - Soluções Inovadoras para Gestão Pública. v.1.10.16.55-18

Página 1 de 2

CONTINUAÇÃO NA PRÓXIMA PÁGINA


ATOS OFICIAIS

8

O PROGRESSO

Dourados, sábado/domingo 27/28.1.2018

CONTINUAÇÃO DA PÁGINA ANTERIOR ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CAMARA MUNICIPAL DE DOURADINA

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CAMARA MUNICIPAL DE DOURADINA

Quality Sistemas

Quality Sistemas Exercício: 2017

DOMIGOS DA SILVA, 44, CENTRO, DOURADINA/MS

Exercício: 2017

DOMIGOS DA SILVA, 44, CENTRO, DOURADINA/MS

Anexo 18 - Demonstrativo dos Fluxos de Caixa Estrutura do Demonstrativo do Superávit/Déficit Financeiro Apurado no Balanço Patrimonial

Nr.

JANEIRO A DEZEMBRO 91 - OPERAÇÕES DE CRÉDITO EXTERNAS

0,00

0,00

92 - ALIENAÇÃO DE BENS - MÓVEIS

0,00

0,00

93 - ALIENAÇÃO DE BENS - IMÓVEIS

0,00

0,00

94 - OUTRAS RECEITAS NÃO-PRIMÁRIAS

0,00

0,00

91.618,95

95.000,00

TOTAL DAS FONTES DE RECURSOS

FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS

2

Ingressos

_________________________________________ Maria Fátima Andrade Pires Contadora

_________________________________________ EZELEZUTE DE SOUZA SANTOS CONTROLADORA INTERNA

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CAMARA MUNICIPAL DE DOURADINA

1.008.538,56 0,00

Receitas derivadas e originárias

0,00

4

Transferências correntes recebidas

0,00

0,00

5

Outros ingressos operacionais

1.142.463,74

1.008.538,56

1.145.844,79

1.008.964,80

1.019.375,24

843.939,72

Desembolsos

7

Pessoal e demais despesas

8

Juros e encargos da dívida

0,00

0,00

9

Transferências concedidas

0,00

25.579,75

126.469,55

139.445,33

-3.381,05

-426,24

10

Outros Desembolsos Operacionais

Quality Sistemas

12

FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO

0,00

0,00

Exercício: 2017

13

Ingressos

0,00

0,00

JANEIRO A DEZEMBRO

14

Alienação de bens

0,00

0,00

15

Amortização de emprestimos e financiamentos concedidos

0,00

0,00

16

Outros ingressos de investimentos

0,00

0,00

0,00

0,00

17

Exercício Atual Exercício Anterior

VARIAÇÃO PATRIMONIAL AUMENTATIVA IMPOSTOS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA

-426,24

1.142.463,74

Fluxo de Caixa Líquido das Atividades Operacionais(I)

Anexo 15 – Demonstração das Variações Patrimoniais VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUANTITATIVAS

2016

-3.381,05

11

10/01/2018 - 17:09:07

DOMIGOS DA SILVA, 44, CENTRO, DOURADINA/MS

2017

3

6

_________________________________________ JOSÉ DE SOUZA CAMINHA PRESIDENTE

G1 - FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS

1

Desembolsos

18

Aquisição de ativos não circulante

0,00

0,00

19

Concessão de emprestimos e financiamentos

0,00

0,00

20

Outros desembolsos de investimentos

0,00

0,00

1.142.463,74 0,00

1.008.538,56 0,00

IMPOSTOS

0,00

0,00

TAXAS

0,00

0,00

21

Fluxo de caixa líquido das atividades de investimento(II)

0,00

0,00

CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA

0,00

0,00

22

FLUXOS DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO

0,00

0,00

23

Ingressos

0,00

0,00

CONTRIBUIÇÕES

0,00

0,00

CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS

0,00

0,00

CONTRIBUIÇÕES DE INTERVENÇÃO NO DOMÍNIO ECONÔMICO

0,00

0,00

24

Operacões de crédito

0,00

0,00

CONTRIBUIÇÃO DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA

0,00

0,00

CONTRIBUIÇÕES DE INTERESSE DAS CATÉGORIAS PROFISSIONAIS

0,00

0,00

25

Integralização de capital social de empresas dependentes

0,00

0,00

26

Transferencias de capital recebidas

0,00

0,00

27

Outros ingressos de financiamentos

0,00

0,00

0,00

0,00

EXPLORAÇÃO E VENDA DE BENS, SERVICOS E DIREITOS

0,00

0,00

VENDA DE MERCADORIAS

0,00

0,00

VENDA DE PRODUTOS

0,00

0,00

EXPLORAÇÃO DE BENS E DIREITOS E PRESTAÇÃO DE SERVICOS

28

Desembolsos

0,00

0,00

0,00

0,00

29

Amortização/refinanciamento da dívida

0,00

0,00

JUROS E ENCARGOS DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS CONCEDIDOS

0,00

0,00

30

Outros desembolsos de financiamentos

0,00

0,00

JUROS E ENCARGOS DE MORA

0,00

0,00

VARIAÇÕES MONETARIAS E CAMBIAIS

0,00

0,00

DESCONTOS FINANCEIROS OBTIDOS

0,00

REMUNERAÇÃO DE DEPÓSITOS BANCÁRIOS E APLICAÇÕES FINANCEIRAS

0,00

OUTRAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS – FINANCEIRAS

0,00

0,00

1.142.463,74

1.008.538,56

1.142.463,74

1.008.538,56

TRANSFERENCIAS INTER GOVERNAMENTAIS

0,00

0,00

TRANSFERÊNCIAS DAS INSTITUIÇÕES PRIVADAS

0,00

0,00

Nr.

TRANSFERÊNCIAS DAS INSTITUIÇÕES MULTIGOVERNAMENTAIS

0,00

0,00

35

RECEITAS DERIVADAS E ORIGINÁRIAS

0,00

0,00

TRANSFERÊNCIAS DE CONSÓRCIOS PÚBLICOS

0,00

0,00

TRANSFERÊNCIAS DO EXTERIOR

0,00

0,00

36

Receita Tributária

0,00

0,00

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DELEGADA

0,00

0,00

37

Receita de Contribuições

0,00

0,00

TRANSFERÊNCIAS DE PESSOAS FÍSICAS

0,00

0,00

38

Receita Patrimonial

0,00

0,00

39

Receita Agropecuária

0,00

0,00

VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS FINANCEIRAS

TRANSFERENCIAS RECEBIDAS TRANSFERÊNCIAS INTRAGOVERNAMENTAIS

VALORIZAÇÃO E GANHOS COM ATIVOS E DESINCORPORAÇÃO DE PASSIVOS

31

Fluxo de caixa líquido das atividades de financiamento(III)

0,00

0,00

32

0,00

GERAÇÃO LÍQUIDA DE CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA(I+II+III)

-3.381,05

-426,24

0,00

33

Caixa e Equivalentes de Caixa Inicial

95.000,00

95.426,24

34

Caixa e Equivalentes de Caixa Final

91.618,95

95.000,00

G2 - QUADRO DE RECEITAS DERIVADAS E ORIGINÁRIAS

2017

2016

0,00

0,00

REAVALIAÇÃO DE ATIVOS

0,00

0,00

GANHOS COM ALIENAÇÃO

0,00

0,00

40

Receita Industrial

0,00

0,00

GANHOS COM INCORPORAÇÃO DE ATIVOS

0,00

0,00

41

Receita de Serviços

0,00

0,00

DESINCORPORAÇÃO DE PASSIVOS

0,00

0,00

REVERSÃO DE REDUÇÃO A VALOR RECUPERÁVEL

0,00

0,00

42

Remuneração das Disponibilidades

0,00

0,00

0,00

0,00

43

Outras Receitas Derivadas e Originárias

0,00

0,00

0,00

0,00

44

Total das Receitas Derivadas e Originárias

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

OUTRAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS VARIAÇÃO PATRIMONIAL AUMENTATIVA A CLASSIFICAR RESULTADO POSITIVO DE PARTICIPAÇÕES REVERSÃO DE PROVISÕES E AJUSTES DE PERDAS DIVERSAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS AUMENTATIVAS

VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUANTITATIVAS

Quality Sistemas - Soluções Inovadoras para Gestão Pública. v.1.10.17.6-18

Exercício Atual Exercício Anterior

VARIAÇÃO PATRIMONIAL DIMINUTIVA PESSOAL E ENCARGOS

Página 1 de 3

Anexo 18 - Demonstrativo dos Fluxos de Caixa

1.148.387,27 850.959,97

1.043.342,95 669.649,20

REMUNERAÇÃO A PESSOAL

712.772,69

563.448,23

ENCARGOS PATRONAIS

138.187,28

106.200,97

Nr.

BENEFICIOS A PESSOAL

0,00

0,00

CUSTO DE PESSOAL E ENCARGOS

0,00

0,00

45

TRANSFERÊNCIAS RECEBIDAS

OUTRAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS - PESSOAL E ENCARGOS

0,00

0,00

46

Intergovernamentais

0,00

0,00

47

APOSENTADORIAS E REFORMAS

0,00

0,00

PENSÕES

0,00

0,00

BENEFICIOS DE PRESTAÇÃO CONTINUADA

0,00

BENEFICIOS EVENTUAIS

G3 - QUADRO DE TRANSFERÊNCIAS RECEBIDAS E CONCEDIDAS

2017

2016

1.142.463,74

1.008.538,56

0,00

0,00

da União

0,00

0,00

48

de Estados e Distrito Federal

0,00

0,00

0,00

49

de Municípios

0,00

0,00

0,00

0,00

50

Intragovernamentais

1.142.463,74

1.008.538,56

POLITICAS PÚBLICAS DE TRANSFERENCIA DE RENDA

0,00

0,00

OUTROS BENEFICIOS PREVIDENCIÁRIOS E ASSISTENCIAIS

0,00

0,00

51

Outras transferências recebidas

0,00

0,00

297.427,30

348.114,00

52

Total das Transferências Recebidas

1.142.463,74

1.008.538,56

53

TRANSFERÊNCIAS CONCEDIDAS

126.469,55

165.025,08

54

Intergovernamentais

0,00

0,00

BENEFICIOS PREVIDENCIÁRIOS E ASSISTENCIAIS

USO DE BENS, SERVICOS E CONSUMO DE CAPITAL FIXO Quality Sistemas - Soluções Inovadoras para Gestão Pública. v.1.10.17.9-18

Página 1 de 2

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CAMARA MUNICIPAL DE DOURADINA

Quality Sistemas Exercício: 2017 10/01/2018 - 17:09:07

DOMIGOS DA SILVA, 44, CENTRO, DOURADINA/MS

55

a União

0,00

0,00

56

a Estados e Distrito Federal

0,00

0,00

57

a Municípios

0,00

0,00

0,00

25.579,75

Anexo 15 – Demonstração das Variações Patrimoniais

58

Intragovernamentais

JANEIRO A DEZEMBRO

59

Outras transferências concedidas

126.469,55

139.445,33

60

Total das Transferências Concedidas

126.469,55

165.025,08

VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUANTITATIVAS

Exercício Atual Exercício Anterior

USO DE MATERIAL DE CONSUMO

8.018,96

13.474,57

286.865,86

300.261,28

2.542,48

34.378,15

0,00

0,00

61

Legislativa

0,00

0,00

62

JUROS E ENCARGOS DE EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS OBTIDOS

0,00

0,00

JUROS E ENCARGOS DE MORA

0,00

0,00

VARIAÇÕES MONETARIAS E CAMBIAIS

0,00

DESCONTOS FINANCEIROS CONCEDIDOS

0,00

SERVICOS DEPRECIAÇÃO, AMORTIZAÇÃO E EXAUSTAO CUSTO DE MATERIAIS, SERVICOS E CONSUMO DE CAPITAL FIXO

VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS FINANCEIRAS

OUTRAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS - FINANCEIRAS

G4 - QUADRO DE DESEMBOLSOS DE PESSOAL E DEMAIS DESPESAS POR FUNÇÃO

Nr.

2017

2016

1.019.375,24

843.939,72

Judiciária

0,00

0,00

63

Essencial a Justiça

0,00

0,00

0,00

64

Administração

0,00

0,00

0,00

65

Defesa Nacional

0,00

0,00

66

Segurança Pública

0,00

0,00

67

Relações Exteriores

0,00

0,00

68

Assistência Social

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

25.579,75

TRANSFERÊNCIAS INTRAGOVERNAMENTAIS

0,00

25.579,75

TRANSFERENCIAS INTERGOVERNAMENTAIS

0,00

0,00

TRANSFERENCIAS A INSTITUIÇÕES PRIVADAS

0,00

0,00

TRANSFERENCIAS A INSTITUIÇÕES MULTIGOVERNAMENTAIS

0,00

0,00

69

Previdencia social

0,00

0,00

TRANSFERENCIAS A CONSORCIOS PÚBLICOS

0,00

0,00

70

Saúde

0,00

0,00

TRANSFERENCIAS AO EXTERIOR

0,00

0,00

EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DELEGADA

0,00

0,00

71

Trabalho

0,00

0,00

OUTRAS TRANSFERÊNCIAS E DELEGAÇÕES CONCEDIDAS

0,00

0,00

72

Educação

0,00

0,00

DESVALORIZAÇÃO E PERDA DE ATIVOS E INCORPORAÇÃO DE PASSIVOS

0,00

0,00

73

Cultura

0,00

0,00

REAVALIAÇÃO, REDUÇÃO A VALOR RECUPERÁVEL E AJUSTE PARA PERDAS

0,00

0,00

PERDAS COM ALIENAÇÃO

0,00

0,00

74

Direitos da Cidadania

0,00

0,00

PERDAS INVOLUNTÁRIAS

0,00

0,00

75

Urbanismo

0,00

0,00

INCORPORAÇÃO DE PASSIVOS

0,00

0,00

DESINCORPORAÇÃO DE ATIVOS

0,00

0,00

76

Habitação

0,00

0,00

0,00

0,00

77

Saneamento

0,00

0,00

IMPOSTOS, TAXAS E CONTRIBUIÇÕES DE MELHORIA

0,00

0,00

78

Gestão Ambiental

0,00

0,00

CONTRIBUIÇÕES

0,00

0,00

CUSTO COM TRIBUTOS

0,00

0,00

79

Ciência e Tecnologia

0,00

0,00

0,00

0,00

80

Agricultura

0,00

0,00

CUSTO DE MERCADORIAS VENDIDAS

0,00

0,00

81

Organização Agrária

0,00

0,00

CUSTO DE PRODUTOS VENDIDOS

0,00

0,00

82

Indústria

0,00

0,00

CUSTO DE SERVIÇOS PRESTADOS

0,00

0,00

83

Comércio e Serviços

0,00

0,00

84

Comunicações

0,00

0,00

TRANSFERENCIAS E DELEGAÇÕES CONCEDIDAS

TRIBUTÁRIAS

CUSTO DAS MERCADORIAS VENDIDAS, DOS PRODUTOS VENDIDOS E DOS SERVIÇOS PRESTADOS

OUTRAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS

0,00

0,00

PREMIAÇÕES

0,00

0,00

RESULTADO NEGATIVO DE PARTICIPAÇÕES

0,00

0,00

85

Energia

0,00

0,00

INCENTIVOS

0,00

0,00

86

Transporte

0,00

0,00

SUBVENÇÕES ECONÔMICAS

0,00

0,00

PARTICIPAÇÕES E CONTRIBUIÇÕES

0,00

0,00

87

Desporto e Lazer

0,00

0,00

VPD DE CONSTITUIÇÃO DE PROVISÕES

0,00

0,00

CUSTO DE OUTRAS VPD

0,00

0,00

DIVERSAS VARIAÇÕES PATRIMONIAIS DIMINUTIVAS

0,00

0,00

-5.923,53

-34.804,39

RESULTADO PATRIMONIAL DO PERÍODO

VARIAÇÕES PATRIMONIAIS QUALITATIVAS

Exercício Atual Exercício Anterior

Incorporação de Ativos Desincorporação de Passivos Incorporação de Passivos Desincorporação de Ativos _________________________________________ JOSÉ DE SOUZA CAMINHA PRESIDENTE

_________________________________________ Maria Fátima Andrade Pires Contadora

8.081,42

15.046,45

1.272.251,88

1.121.258,50

134.426,05

151.348,02

1.145.907,25

984.956,93

_________________________________________ EZELEZUTE DE SOUZA SANTOS CONTROLADORA INTERNA

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CAMARA MUNICIPAL DE DOURADINA

Quality Sistemas

Quality Sistemas - Soluções Inovadoras para Gestão Pública. v.1.10.17.6-18

Página 2 de 3

Anexo 18 - Demonstrativo dos Fluxos de Caixa 88

Encargos Especiais

89

Total dos Desembolsos de Pessoal e Demais Despesas por Função

Nr.

G5 - QUADRO DE JUROS E ENCARGOS DA DÍVIDA

0,00

0,00

1.019.375,24

843.939,72

2017

2016

90

Juros e Correção Monetária da Dívida Interna

0,00

0,00

91

Juros e Correção Monetária da Dívida Externa

0,00

0,00

92

Outros Encargos da Dívida

0,00

0,00

93

Total dos Juros e Encargos da Divida

0,00

0,00

Exercício: 2017

DOMIGOS DA SILVA, 44, CENTRO, DOURADINA/MS

Anexo 17 - Demonstrativo da Dívida Flutuante Ano de 2017

_________________________________________ JOSÉ DE SOUZA CAMINHA PRESIDENTE

_________________________________________ Maria Fátima Andrade Pires Contadora

_________________________________________ EZELEZUTE DE SOUZA SANTOS CONTROLADORA INTERNA

Lei nº 4.320/64 Arts. 101 e 105, inc. III, § 3, Portaria STN nº 437/2012 (Parte V MCASP) e TCE-MS - IN Nº 35 de 14/12/2011.

Nr. 1

SALDO DO EXERCÍCIO 2016

G1 - TÍTULOS

BAIXA POR PAGTO

BAIXA POR CANCELAMENTO

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

Restos a Pagar em 2017

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

3

Restos a Pagar em 2016

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

4

Restos a Pagar em 2015

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

5

Restos a Pagar em 2014

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

6

Restos a Pagar em 2013

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

7

Restos a Pagar em 2012 ou mais anos

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

RESTOS A PAGAR NÃO PROCESSADOS (II)

9

Restos a Pagar em 2017

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

10

Restos a Pagar em 2016

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

11

Restos a Pagar em 2015

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

12

Restos a Pagar em 2014

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

13

Restos a Pagar em 2013

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

14

Restos a Pagar em 2012 ou mais anos

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

15

TOTAL DE RESTOS A PAGAR (III) = (I + II)

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

16

SERVIÇOS DA DÍVIDA A PAGAR

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

17

Serviços da Dívida a Pagar em 2017

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

18

Serviços da Dívida a Pagar em 2016

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

19

Serviços da Dívida a Pagar em 2015

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

20

Serviços da Dívida a Pagar em 2014

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

Serviços da Dívida a Pagar em 2013

0,00

Serviços da Dívida a Pagar em 2012 ou mais anos

21

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

23

DEPÓSITOS/CONSIGAÇÕES

0,00

126.407,09

126.407,09

0,00

0,00

24

DÉBITOS DE TESOURARIA

0,00

0,00

0,00

0,00

0,00

25

TOTAL DAS DÍVIDAS FLUTUANTES

0,00

126.407,09

126.407,09

0,00

0,00

22

0,00

Quality Sistemas - Soluções Inovadoras para Gestão Pública. v.1.10.17.6-18

Página 1 de 2

Anexo 17 - Demonstrativo da Dívida Flutuante Ano de 2017 _________________________________________ JOSÉ DE SOUZA CAMINHA PRESIDENTE

_________________________________________ Maria Fátima Andrade Pires Contadora

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL CAMARA MUNICIPAL DE DOURADINA

SALDO PARA O EXERCÍCIO 2018

2

8

RESTOS A PAGAR PROCESSADOS (I)

MOVIMENTO DO EXERCÍCIO INSCRIÇÃO

Quality Sistemas Exercício: 2017

DOMIGOS DA SILVA, 44, CENTRO, DOURADINA/MS

Quadro dos Ativos e Passivos Financeiros e Permanentes (Lei Nº 4.320 / 1964) 4.2.2 Quadro dos Ativos e Passivos Financeiros e Permanentes Exercício Atual Ativo Financeiro

91.618,95

Ativo Permanente

26.051,59

28.594,07

117.670,54

123.594,07

Passivo Financeiro

0,00

0,00

Passivo Permanente

0,00

0,00

0,00

0,00

117.670,54

123.594,07

Total do Ativo

95.000,00

Passivo (II)

Total do Passivo Saldo Patrimonial (III) = (I - II)

_________________________________________ EZELEZUTE DE SOUZA SANTOS CONTROLADORA INTERNA

Exercício Anterior

Ativo (I)

_________________________________________ JOSÉ DE SOUZA CAMINHA PRESIDENTE

_________________________________________ Maria Fátima Andrade Pires Contadora

_________________________________________ EZELEZUTE DE SOUZA SANTOS CONTROLADORA INTERNA

Edição de 27/janeiro de 2018  
Edição de 27/janeiro de 2018  
Advertisement