Issuu on Google+

DEZ/2007


DEZEMBRO

2 capa

01

sumário

02

editorial

03

de autor

04

tema do mês

05

gentes e lugares

06

divulgação

08

centro de Ciência Viva

10

divulgação

13

sabores da terra

14

hora do conto

15

fitas do mês

16

novidades

17

Falemos de …

18

teatro

19

Foto Editorial: Euphorbia pulcherrima - Estrela da Natal Uma amabilidade da Paula da ArteFlor - Proença-a-Nova

3 4 5 6 7 8 14 15 16 10 11 12 18 19 20 22 23 25 26 27 28 29 30

propriedade / Município de Proença-a-Nova coordenação / Prof. João Manso (Vereador da Cultura) colaboradores / António Sequeira, Carla Gaspar, Cristina Catarino, Isabel Gaspar, Olívia Cardoso, António Manuel Silva, Gabinete de Turismo design gráfico / Rui Salgueiro paginação / Carine Pires edição / RVJ Editores Av. Brasil, 4 r/c 6000-909 Castelo Branco tel. / 274 670 000 fax / 274 672 697 e-mail / agendacultural@cm-proencanova.pt web / http//www.cm-proencanova.pt/


Num abrir e fechar de olhos, chegará o Natal, o que significa mais um ano passado nas nossas vidas. O inevitável balanço do ano 2007 levará alguns a considerarem-no um bom ano, mas à grande maioria não terá deixado saudades, atendendo às dificuldades que todos nós sentimos em ultrapassar as barreiras que o “destino” nos vai colocando no caminho. Mas todos sabemos que a seguir a uma curva virá sempre uma recta e que, mais tarde ou mais cedo, uma outra curva dará início a uma nova recta. Esperamos que o ano de 2008 seja uma recta, onde saibamos acelerar, dentro dos limites do bom senso, sem esquecer que mais tarde (e quanto mais tarde melhor) uma nova curva virá. Um forte e caloroso abraço, com desejos de um Feliz Natal em família e um Ano 2008 com muita saúde, cheio de realizações profissionais e pessoais.


MARUNGO Mafambisse, terras de África. O velho e fumegante Chevrolet aproveita a paragem obrigatória para finalmente dar descanso ao motor e passageiros. Era o último da fila de carros que se estendia até à margem do rio Pungoé1que corria, naquela época do ano, agitado e lamacento. Tinha que se esperar pela vez para fazer a travessia no batelão. Esta longa espera servia de pretexto para o convívio entre todos os presentes sobretudo agora, vésperas d e N a t a l. Tro c av a m - s e n ov i d a d e s e “guloseimas” sobrantes do farnel da viagem, e os mais novos aproveitavam para, nas suas brincadeiras, explorar as redondezas. 1 Rio de Moçambique 2 lama, lodo 3 pequenos pássaros 4 menino, rapaz

Estas cercanias constituíam o “mundo” do Marungo: Com os pés descalços, enterrados no “matope” 2, esforçava-se para estar à altura das tarefas que lhe tinham sido confiadas nas manobras e condução do batelão que teimava em flutuar. Para aquele menino negro, que nunca tinha frequentado a escola, os seus horizontes eram as terras limítrofes do rio. Ali aprendera tudo o que sabia. Aprendera que tudo à sua volta se relacionava e dependia daquele rio. As terras de aluvião e a sua vegetação característica serviam de refúgio e alimento tanto às manadas de antílopes e de búfalos, como a hipopótamos e jacarés. Marungo respeitava, como todos os indígenas daquela região, o equilíbrio natural daquele ecossistema. Quando o tempo permitia, gostava de observar, ao luar, o banho dos hipopótamos e o espreguiçar dos jacarés. Durante o dia apanhava “chinguias” 3, pássaros multicores, que colocava em gaiolas feitas de miolo de cana para vender aos viajantes. Contudo, o grande sonho deste “muana” 4 era poder, um dia, no seu batelão, seguir o curso do Pongué até ao mar de que já tinha ouvido falar. Seria o viver de aventuras imaginadas, seria o despertar para novos sentimentos e vivências… Enfim! SERIA NATAL… Prof. Francisco Cabral NOTA: O meu desejo era de que, como em Moçambique, nesta Quadra Natalícia, nestas terras da Cortiçada, o sonho desse lugar à esperança.


SER DIFERENTE?! O Dia Internacional das Pessoas com Deficiência tem como objec tivo consciencializar e mobilizar a sociedade para a defesa dos direitos e dignidade das pessoas com deficiência. Estou numa posição privilegiada para falar sobre o significado e importância deste dia porque, tendo ficado incapacitado há relativamente pouco tempo, estive, até então, pouco alerta para os problemas que os deficientes enfrentam no dia-adia. Um dos problemas que os deficientes enfrentam é o preconceito, principalmente quando tentam aceder ao mercado de trabalho. No meu caso tive a sorte de encontrar aqui no concelho uma oportunidade de trabalho num sítio com excelentes condições como é o Centro Ciência Viva e pessoas sem preconceitos que acreditam no meu trabalho. Para além de ser uma actividade altamente estimulante, o meu trabalho como monitor permite-me também, pelo contacto com as crianças, educá-las para que no futuro formem gerações mais tolerantes e mais igualitárias. Quanto às acessibilidades devo admitir que, nos últimos anos muita coisa mudou, também no nosso concelho - as recentes obras de reabilitação do centro

da vila ou as adaptações feitas nas praias fluviais são exemplos que demonstram que há hoje mais consciência para a necessidade de se construir para todos deixando-me com a esperança de que no futuro não se cometerão os erros do passado. Quando se constrói ou se altera uma obra há pormenores que podem fazer a diferença entre um local ser acessível ou não: uma rampa em vez de um degrau ou uma porta alguns centímetros mais larga... Se todos conseguem utilizar uma casa de banho acessível, façam-se apenas casas de banho acessíveis. Para quê fazer uma casa de banho à parte para pessoas com deficiência? Se toda a gente sobe uma rampa, façam-se apenas rampas. Isto sim, é igualdade! Todos nós, uma vez que não somos super-homens, somos potenciais deficientes, ou estamos sujeitos a ficar temporariamente incapacitados. Embora deprimente, esta afirmação é um facto e espero com ela conquistar alguns adeptos para a causa da acessibilidade – pense em si! Abolindo barreiras arquitectónicas haverá mais deficientes a passear, menos dependência, menos estigma social e pessoas mais felizes. Parece simples, não é? Nuno Pequito (Monitor do Centro Ciência Viva da Floresta)


ZELO RELIGIOSO E SENTIMENTO PATRIÓTICO Voltando aos exploradores africanos, naturais do concelho de Proença, apresento o Padre JOSÉ MARIA PEREIRA FOLGA. Era natural da Sobreira Formosa. Ordenado, partiu para Luanda a 6 de Dezembro de 1883. Em 23 de Fevereiro de 1884 foi nomeado capelão do Hospital Maria Pia naquela cidade. Na mesma ocasião, foi também nomeado capelão cantor da Sé, lugar que desempenhou até Dezembro, quando saiu a seu pedido. Por ter desempenhado gratuitamente, com muito zelo e assiduidade aquelas tarefas, foi louvado por portaria provincial de 30 de dezembro de 1884 pelo Governadorgeral Ferreira do Amaral. Em Janeiro de 1885, foi mandado fundar a missão de Santo António do Zaire, sendo nomeado superior e arcipreste da mesma. Ali chegado, começou a trabalhar e abriu, de imediato, uma escola primária. Ajudou a resolver conflitos entre as populações locais e a missão francesa, tendo sido louvado por isso pelo Conselho da Província. Este seu bom relacionamento com as populações indígenas foi muito proveitoso para a catequização e aculturação daquelas gentes. Em 28 de

Agosto de 1885 foi mais uma vez louvado por portaria régia em reconhecimento dos serviços prestados a Portugal. Pelo interesse que pode d e s p e r t a r, to m o a l i b e rd a d e d e transcrever a supracitada portaria de louvor com ortografia actual: “ Sua Majestade El – Rei, (D. Luís) sendo informado, por comunicação oficial do Governador-geral da província de Angola, d o s b o n s s e r v i ço s p re s t a d o s p e l o missionário José Maria Pereira Folga, Superior da missão de Santo António no rio Zaire, o qual, conseguindo insinuar-se no ânimo dos povos daquela região, tem sido incansável nos seus esforços para os catequizar e induzir a receberem com agrado a influência por tuguesa, presentemente indispensável à sua civilização: há por bem determinar, pela Secretaria de Estado dos Negócios da Marinha e Ultramar, que o mesmo Governador-geral louve em Seu Real Nome o referido missionário pelos aludidos serviços que, a par do zelo religioso, revelam levantados sentimentos patrióticos. Paço, em 28 de agosto de 1885. Manuel Pinheiro Chagas. Está conforme. Augusto Ribeiro, 2º oficial.” Na verdade, é o P.e José Maria que consegue atrair para o lado português a etnia Bassorongo, de Santo


manifestado anglófila (Pélissier). Dele, escreve aquele historiador francês, especialista em África: “ Le missionnaire José Maria Pereira Folga est un Père Barroso en réduction. Il baptise avec une fougue juvénile le roi de Santo António do Zaire, sa famille et ses grands. (PÉLISSIER, René- Les Guerres Grises : Résistence et Revoltes en Angola (1845-1941) Paris : 1977, pp.203/204) Em Outubro de 1886, fez, por terra, a travessia de Santo António do Zaire ao Ambriz, visitando todos os reis e

povos da costa angolana. Em atenção aos seus importantes trabalhos, muito zelo e dedicação, foi, em 1887, nomeado cónego honorário da Sé de Luanda e cavaleiro de Cristo. Em 1891, já muito cansado, foi atacado por uma biliosa que o obrigou a regressar à Europa, deixando as missões que serviu mais de sete anos. António Manuel Martins Silva Prof. História na Escola Pedro da Fonseca


EXPOSIÇÃO DE PINTURA Coroas e Postais de Natal LOCAL : Auditório da Biblioteca Municipal DATA: 10 de Dezembro de 2007 a 06 de Janeiro de 2008 Alunos do Ensino Pré-Escolar e do 1º Ciclo do Ensino Básico, Cortiço e Instituto de S. Tiago

ESPECTÁCULO TEATRO A Guerra do Tabuleiro de Xadrez Proença-a-Nova Dia:11-12-2007 | 14:00 Auditório Municipal Urze Teatro Um espectáculo dinâmico em que a cena se transforma constantemente e as personagens actuam numa enorme velocidade. A encenação recorre a diversas técnicas teatrais como: luz negra, sombra chineza, coreografia, música e canções ao vivo, efeitos de luz, marionetas, entre outras. Podemos mesmo afirmar que a guerra que propomos é uma festa onde se brinca e aprende.

FERCAB 07 O Município de Proença-a-Nova vai estar, mais uma vez, representado numa das maiores feiras de actividades económicas da Região – Fercab (Castelo Branco). Desta feita, o tema vai ser a Floresta enquanto fonte de vida, fonte de riqueza e de bem-estar, através duma representação do Centro de CiênciaViva de Proença-a-Nova. Contamos consigo na sua promoção, venha apoiar-nos visitando-nos. 29 Novembro » 2 Dezembro 2007 Horário Quinta –feira 18.00 – 23.00 Sexta- Feira e Sábado 15.00 - 23.00 Domingo 15.00 – 20.00


CENTRO CIÊNCIA VIVA DA FLORESTA

O NOT LINE D POLICE

incendiará o Centro e toda a Floresta. Não há desactivá-la antes da meia-noite.

Garbage Bin um cúmplice na equipa? A Ciência

ajudar a resolver o mistério.

CROSS

SS OT CRO E DO N IN L E POLIC

OT CRO E DO N IN L E POLIC


CENTRO CIÊNCIA VIVA DA FLORESTA


CENTRO CIÊNCIA VIVA DA FLORESTA


NESTE NATAL

Não corte árvores A Associação de Produtores Florestais oferece-lhe uma* para decorar a sua casa Reserve já a sua pelo tel.: 969969799 *Árvores provenientes de desbastes efectuados pelos Sapadores Florestais

BAR DA PRAIA FLUVIAL DE FRÓIA O Bar da Fróia encontra-se aberto de 2ª a 5ª feira das 16h às 24h e de 6ª a Domingo das 13h às 02h Com música ambiente, este bar serve também petiscos apetecíveis, proporcionando, ainda, actividades de desporto na Natureza, passeios pedestres, actividades radicais, rotas temáticas com guia, entre outras a combinar. Apareça e divirta-se na nossa companhia.

ASSOCIAÇÃO DESPORTIVA E CULTURAL DE PROENÇA-A-NOVA CALENDÁRIO DE JOGOS CAMPEONATO DISTRITAL DA 1ª DIVISÃO 09ª Jornada – A. D. Proença-a-Nova – ARC de Oleiros – 2/12/2007 – 15h 11ª Jornada – A. D. Proença-a-Nova – Valverde - 16/12/2007 - 15h CAMPEONATO DISTRITAL DE JUVENIS 08ª Jornada – A.D .Proença-a-Nova – Estação A - 2/12/2007 – 11h 10ª Jornada – A.D. Proença-a-Nova – Valongo 11h CAMPEONATO DISTRITAL DE INICIADOS 08ª Jornada – A.D. Proença-a-Nova -Sertanense – 09/12/2007 - 11h 10ª Jornada – A.D. Proença-a-Nova – Desportivo -30/12/2007 – 11h


DOBRADA “ À DEVESA” Ingredientes Cenoura Cebola Tomate em polpa Dobrada Chouriço Feijão Branco Louro em Folha Piripiri Sal Caldo de galinha (cubo) Azeite Vinho branco Coentros MODO DE PREPARAÇÂO Refoga-se a cebola com um pouco de azeite, junta-se tomate em polpa e um pouco de vinho branco. Depois adiciona-se a cenoura e a dobrada e deixa-se refogar. Junta-se o resto dos ingredientes. Quando a dobrada estiver cozida, acrescenta-se o feijão branco. Serve-se com arroz branco.

Largo da Devesa 6150-737 Sobreira Formosa Telef: 274 822 956


DATA: 5 de Dezembro de 2007 HISTÓRIA: Por que somos de cores diferentes?, Texto: Cármen Gil; Ilustrações: Luís Filella

DATA: 6 de Dezembro de 2007 HISTÓRIA: Não faz mal ser diferente!, Todd Parr

CONTADORA: Carla Gaspar

CONTADORA: Carla Gaspar

DESTINATÁRIOS: Alunos do 1º Ciclo do Ensino Básico

DESTINATÁRIOS: Alunos do Ensino Pré-Escolar

LOCAL: Biblioteca Municipal de Proença-a-Nova

LOCAL: Biblioteca Municipal de Proença-a-Nova

PALAVRAS ANDARILHAS Inserido nas PALAVRAS ANDARILHAS, a Biblioteca Municipal de Proença-a-Nova, recebe dia 13 de Dezembro as contadoras deVila de Rei. Libertem a magia do "faz de conta” NATAL SOLIDÁRIO O Progride, em parceria com a Biblioteca Municipal, vem apelar à solidariedade de todos, no sentido de seleccionarem cassetes de vídeo, DVD's, livros e brinquedos que já não utilizem, mas que se encontrem em boas condições, a entregá-los nos pontos de recolha (Biblioteca Municipal e Pólos) para que possamos tornar um Natal mais feliz a quem deles possa precisar. Junte-se a nós… FEIRA DO LIVRO Biblioteca Municipal de Proença-a-Nova DATA: 03 a 31 de Dezembro Neste Natal ofereça um LIVRO.


07 de Dezembro e 09 de Dezembro (Domingo) O MAL CASADO The Heartbreak Kid Realizadores: Bobby Farrelly e Peter Farrelly Actores: Ben Stiller, Rob Corddry, Jerry Stiller, Malin Akerman Ano: 2007 Idade: M/12 Género: Comédia / Romance Distribuidora: Lusomundo País de Origem: EUA 14 de Dezembro e 15 de Dezembro CORRUPÇÃO Corrupção Realizador: João Botelho Actores: Nicolau Breyner, Margarida Vila-Nova, António Cerdeira Ano: 2007 Idade: M/16 Género: Drama / Crime Distribuidora: Utopia Filmes País de Origem: Portugal

21 de Dezembro e 22 de Dezembro OS SEIS SINAIS DA LUZ The Dark is Rising Realizador: David L. Cunningham Actores: Alexander Ludwig, Christopher Eccleston, Amelia Warner, Frances Conroy,Ian McShane Ano: 2007 Idade: M/12 Duração: 99 minutos Género: Aventura Distribuidora: castellolopes País de Origem: EUA 28 de Dezembro e 29 de Dezembro JULGAMENTO Julgamento Realizador: Leonel Vieira Actores: Alexandra Lencastre, Fernanda Serrano, Júlio César, José Eduardo Silva, Henrique Viana Ano: 2007 Idade: M/16 Duração: 108 minutos Género: Drama / Thirller Distribuidora: Castello Lopes País de Origem: Portugal As sessões realizar-se-ão às 21h30 Pelo site www.7arte.net / Auditório Municipal de Proença-a-Nova


A Soma dos Dias Isabel Allende Difel 2007 Isabel Allende narra com franqueza a história recente da sua vida e a da sua peculiar família na Califórnia, numa casa aberta, cheia de gente e de personagens literários, e protegida por um espírito: filhas perdidas, netos e livros que nascem, êxitos e sofrimento, uma viagem ao mundo dos vícios e outras a lugares remotos do mundo em busca de inspiração, juntamente com divórcios, encontros, amores, separações, crises matrimoniais e reconciliações.

Ocean's 13

Harry Potter e os Talismãs da Morte J. K. Rowling Editorial Presença 2007 Na sua última aventura, Harry Potter é posto à prova. Após a morte de Dumbledore e a certeza da existência de, pelo menos, quatro Horcruxes de Voldemort - objectos que retêm parte da alma de um feiticeiro, tornando-o imortal , Harry abandona Hogwarts e parte, com os amigos Ron e Hermione, em busca daqueles objectos para os destruir. Só após conseguir esse feito poderá cumprir a profecia: enfrentar Lord Voldemort, com a certeza de que apenas um poderá sobreviver ao embate.

O Labirinto de Fauno

O filme de assaltos com mais estrelas do cinema está de volta. Agora o grupo recebeu um novo membro, anteriormente o alvo. Al Pacino junta-se ao elenco como Willy Bank e Ellen Barkin surge aqui no papel do seu braçod i r e i t o A b i g a i l S p o n d e r. Regressam ainda para este novo filme o realizador Steven Soderbergh e o produtor JerryWeintraub.

A Ilha das Cores

O cineasta Guillermo Del Toro apresenta uma fábula sombria recheada de metáforas e alegorias. O filme abre com uma pequena narração sobre uma princesa que abandonou seu reino subterrâneo para conhecer a realidade humana e as consequências dos seus actos. Realidade e fantasia completam-se num verdadeiro banquete de cenas e personagens inesquecíveis.

La Serena Teresa Salgueiro


O nosso artesão deste mês chama-se António Martins Cardoso e tem 61 anos. Neste momento vive na aldeia de Oliveiras, próximo da Praia Fluvial de Fróia, mas é natural de Pisões (freguesia de Sarzedas). Dividido entre Proença e Lisboa, onde viveu e trabalhou como motorista “da carris”, até se reformar, hoje faz aquilo que sempre gostou e que aprendeu com o pai, cujo ofício era o de cesteiro. Com quatro anos já ajudava o pai tirando a casca da madeira para os cestos e a partir daí, até ir para a tropa em 1968, esteve sempre ao seu lado. Depois, ficou por Lisboa, mas o “bichinho da madeira” esteve sempre presente sem nunca esquecer o que aprendeu - sempre que vinha à aldeia gostava de fazer um cesto, perpetuando o que lhe foi ensinado. Agora reformado passa mais tempo por cá, fazendo alguns cestos, quando as tarefas agrícolas ou as condições climatéricas o permitem. Nessas horas é vê-lo concentrado em cima da sua“mula”(nome dado ao banco onde se senta e que utiliza para aparelhar a madeira) a

trabalhar na sua arte. Para fazer um cesto utiliza a madeira de salgueiro, acácia ou vime, a “mula”, um cutelo, ferro, faca e um alicate. O Sr. António faz cestas/os, cabazes de todos os tamanhos e ainda arranja velhos e partidos, diz que para fazer cestos é preciso ter muito gosto na arte e paciência, assim como disponibilidade total. Tem pena que um dia os deixe de fazer mas não aparece quem queira seguir-lhe os passos. E encomendas não lhe faltam!. Faça uma visita à Praia Fluvial da Fróia, espreite o lagar ali próximo a moer a azeitona madurinha, siga até ás Oliveiras, deambule entre as ruas estreitas com as suas casas de xisto quase todas recuperadas, o forno comunitário- que pode ter a sorte de ver a funcionar, e, não se esqueça, visite o nosso cesteiro e aproveite para o ver a trabalhar e quem sabe comprar um cesto para colocar a lenha agora que “o frio aperta” e sabe tão bem estar sentado à lareira, uma prenda para o Natal ou um cabaz para ir às cerejas no próximo ano.


Segundo Festival de Teatro

2007 2007

de PROENÇA-A-NOVA

Dia 8 de Dezembro às 21.30 h. no Auditório Municipal de Proença-a-Nova “A bengala” de Prista Monteiro PELO GRUPO “ULTIMAcTO” (CEM SOLDOS - TOMAR)

Dois irmãos sem posses decidem um dia ir à esplanada, onde normalmente só vão os ricos. Como ganharam algum dinheiro extra, pagaram todas as contas e decidiram ir ter uma noite à grande. Com o andamento da cena, começam a aparecer dúvidas e começam a pensar se realmente fizeram bem... US SE O. S O TR OM TEA A! C O A N NH S A PE VE LHO E A FI VAL

Organização: Companhia de Teatro de Montes da Senhora Apoios: Município de Proença -a -Nova Instituto Português da Juventude Escola Pedro da Fonseca Comércio local

18 |19


O Projecto Progride “Uma Comunidade, Uma Família ” agradece a todas as pessoas que contribuíram com as suas “Entregas” para o Banco Solidário e Banco de Voluntariado. Boas Festas


Agenda Dezembro 2007