Page 1

ESCOLA MUNICIPAL POETA PAULO BANDEIRA DA CRUZ PROJETO: PELO PRAZER DE ESCREVER PROFESSORA: TÂNIA FERREIRA DOS SANTOS TURMA: CICLO 1 - ANO 3

Produzir textos de autoria, utilizando procedimentos de escrita e desenvolver comportamentos de escritor: Planejar, produzir e revisar textos.

RECIFE, 2009.


APRESENTAÇÃO A coletânea de textos aqui organizados é uma amostra da produção dos alunos da segunda série do ensino fundamental I, resultante da vivência do projeto, realizado no período letivo de maio a dezembro de 2009.


O POLICIAL E O LADRテグ

Texto e ilustraテァテオes: Arthur Felipe Barbosa Lino


Um dia, o policial Erick estava rondando pelas ruas do Cabo de Santo Agostinho, para proteger a cidade quando, de repente, um ladrĂŁo safado, mau carĂĄter roubou o Banco do Brasil que fica perto do Hotel Praia Norte.

Todas as pessoas que estavam no Banco tirando

dinheiro,

depositando

contas, ficaram apavoradas.

ou

pagando


O policial que estava por perto naquele momento, viu o que estava acontecendo no banco, saiu correndo e pegou no fraga o ladrĂŁo roubando o banco e levou o mau carĂĄter para a Delegacia.


O ladr達o disse: - Eu quero ligar para minha m達e. Dona Maria, a m達e do safado, ficou apavorada de ver o filho preso e perguntou ao delegado o que poderia fazer para tirar o filho da pris達o. O delegado disse: - Pague uma multa de mil reais.


Depois de 24 horas, a mãe arrumou o dinheiro e foi direto à delegacia pagar a multa. O filho foi solto e aprendeu a lição: virou um menino bom, saiu das drogas e dos vícios e de tudo o que era ruim.


Muito prazer! Eu me chamo Arthur Felipe Barbosa Lino, mas todos me chamam de Cia. Tenho oito anos, nasci em 08/05/2001. Moro no Ibura, Rua Doutor Nilton Carneiro. Estudo na Escola Municipal Poeta Paulo Bandeira da Cruz. Eu gosto de brincar de bola com meus amigos e quando eu crescer, eu quero ser um policial militar, se eu passar nos testes, nĂŠ? Tenho um metro e trinta, sou gordo, inteligente, sorridente, alegre e muito carinhoso.


UMA BRINCADEIRA DIVERTIDA

TEXTO E ILUSTRAÇÕES: CASSIANE MADALENA DOS SANTOS COSTA


Era uma vez dois meninos que se chamavam João e Lucas. Eles tinham nove anos e moravam perto da floresta e eram irmãos gêmeos. Certa tarde, eles brincavam na floresta do campo de giz e estavam muito alegres jogando bola.

Mas, uma tragédia aconteceu: a bola que eles estavam jogando caiu. Sabe onde estava? E agora? Ninguém sabia. Então, os meninos resolveram procurar.


Depois de muito tempo, encontraram a bola no meio do espinheiro. Quando viram, ficaram alegres porque a bola estava inteira.

Os meninos resolveram ir embora para a bola n達o cair de novo. No caminho, encontraram dois amigos.


Todos os dias, os quatro amigos brincavam sem parar com a bola no mesmo campo.


Nessa histĂłria dois meninos jogam bola numa floresta. E tudo pode acontecer!

Muito

prazer

eu

me

chamo

Cassiane

Madalena dos Santos Costa. Tenho oito anos. Moro no Zumbi do Pacheco. Nasci no Hospital das Clinicas de PE. Gosto de brincar de boneca, mais tem uma coisa que eu nĂŁo gosto, ĂŠ brincar de bola de gude. Gosto de estudar e sou muito carinhosa, etc.


DUAS FADAS ENCANTADORAS

TEXTO E ILUSTRAÇÕES DANIELA DIONÍSIO DE ALBUQUERQUE SILVA

É uma história muito interessante porque é uma história de bruxa, princesa e feitiço. Elidiane. Era uma vez duas fadas que viviam passeando pelo bosque.


Certo dia apareceu um bruxa que tentou envenenar as duas fada que se chamavam Flor e Rosa.

Mais dois belos prĂ­ncipes que passavam por ali ouviram as duas fadas pedir socorro.


Os príncipes foram ver o que estava acontecendo. Chegando lá viram a bruxa tentando envenenar as duas fadas.

Os príncipes jogaram um pozinho mágico na bruxa e transformou a bruxa em perereca..


Depois desamarrou as duas fadas e se apaixonram-se. Leandro pediu a m達o da fada Flor em casamento e Jonatas a m達o de Rosa. A fada Rosa e fada Flor ficaram felizes e aceitaram o pedido de casamento. E viveram felizes para sempre.


Eu sou Daniella Dionísio de Albuquerque Silva. Moro no Ibura com minha tia na Rua Moacir Sales. Minha mãe morreu e meu pai mora em Brasília Teimosa. Tenho oito anos. Estudo na E.M Poeta Paulo Bandeira da Cruz.


O GATO E O CACHORRO

TEXTO PRODUZIDO ORALMENTE PELOS ALUNOS: DANILO SENA, GUILHERME FERREIRA E RONALD RYAN ILUSTRAÇÕES: DANILO SENA DA SILVA


O que acontece quando um gato e um cachorro se juntam para brincar? É confusão na certa. Tânia.

Era uma vez um gato preto, bem bonitinho, peludo, charmoso e cheiroso chamado George. Quando o dono dele, seu Joaquim, chamava, ele atendia.


Certa manhã, o gato saiu para dar uma volta no parque. Aí, depois de um tempo andando, ele viu um cachorro e se aproximou para brincar. Conversaram perto de uma árvore e o gato chamou o cachorro para conhecer a casa dele. Miau.

Quando chegaram em casa, eles fizeram uma bagunça: derrubaram os jarros, mexeram nos livros e rasgaram as roupas quando estavam brincando.


Quando seu Joaquim chegou em casa e viu a bagunça, ficou bravo com o gato. Aí, o dono do gato perguntou: - De onde veio esse cachorro? O gato respondeu: - Miau, miau. É meu amiguinho.

Depois, o dono botou o cachorro e o gato para fora da casa e eles ficaram ristes porque foram expulsos da casa.


No outro dia, conheceram uma galinha e um galo na casa do vizinho. De repente apareceram mais pessoas e formaram uma banda de rock.

O dono das galinhas ficou bravo por causado barulho e expulsou todos os animais e eles foram viver numa mata. E viveram felizes para sempre.


Muito prazer! Eu sou Danilo Sena da Silva. Tenho nove anos. Sou um menino muito arretado, fico logo chateado quando os colegas me irritam. Sou um menino moreno, de olhos castanhos, baixo. Sou um menino muito mudado agora, antes eu era brabo, agora eu mudei muito, não brigo mais na rua nem perturbo mais. Minha tia fez eu ficar em casa e não sair, por isso eu mudei. Estudo no Poeta que fica na UR 2 e moro na Rua do Campo. Gosto de meus irmãos e da minha tia e da minha mãe. Gosto de brincar de escolinha com minhas irmãs e com minhas amigas. Meu amigo Eberton é muito bom.


O GATO E O CACHORRO

RONALD RYAN TEXTO PRODUZIDO ORALMENTE PELOS ALUNOS: DANILO SENA, GUILHERME FERREIRA E RONALD RYAN ILUSTRAÇÕES: RONALD RYAN


Meu nome é Ronald Ryan. Eu tenho oito anos. Sou bonito, tenho cabelos lisos. Sou muito chato porque meus irmãos me abusam. Eu fico arretado com eles e dou lapada. Eu moro na lagoa Encantada, perto das escadas. Eu gosto de andar pela pracinha, brincar com minha irmã de bicicleta e gosto de ficar em casa assistindo A Era do Gelo 3. Eu gosto de ler e ir pro reforço.


O GATO E O CACHORRO TEXTO PRODUZIDO ORALMENTE PELOS ALUNOS: DANILO SENA, GUILHERME FERREIRA E RONALD RYAN ILUSTRAÇÕES: GUILHERME FERREIRA DURVAL


GUILHERME FERREIRA DURVAL

Muito prazer! Eu me chamo Guilherme Ferreira Durval. Eu sou um menino que gosta de estudar. Tenho olhos marrons claro, o cabelo preto. Sou alto, moreno. Tenho dez anos. Gosto de brincar de pega pegou, gosto de ir para o Treze de Maio ficar vendo os macacos. Estudo na Escola Poeta Paulo Bandeira da Cruz. Moro na UR 2 e gosto de jogar bola.


A MENINA E A CASA

TEXTO E ILUSTRAÇÕES: DEYSIANE STEPHANY SANTOS MARTINS SILVA


Era uma vez uma menina chamada Larissa. Ela é grande, gordinha e clara.

Certo dia ela saiu para a casa da tia Raiane. Era um dia de sol. A casa da tia dela ficava na Rua Rio Verde, o número da casa é 99.


No caminho, a menina se perdeu na rua e n達o sabia qual era a casa da tia dela.

Ent達o, ela resolveu sair perguntando na casa de todos os moradores


Depois de muito tempo, ela chegou na casa da tia dela.


Muito prazer! Me chamo Deysiane Stephany Santos Martins Silva. Tenho 8 anos. Eu gosto de brincar e de estudar. Não gosto de assistir Pica pau. Eu uso aparelho nos dentes porque meu dente é afastado. Meu cabelo é castanho claro, sou alta, sou alegre, sou bonita. Estudo na Escola Poeta Bandeira da Cruz.

Eu moro na Rua Rio Verde (Ibura).


UMA BRINCADEIRA NO CAMPO

TEXTO E ILUSTRAÇÕES ELIDIANE CORREIA DA SILVA


Era uma vez quatro amigos que tinha um sonho de ser jogadores de um time de futebol eles se chamava Davi, Junior, Mateus e Izaque. Eles jogavam na quadra da palmeirinha. Certo dia apareceu dois homens que descobriram que eles tinham um sonho. AĂ­, os dois homens chegarĂŁo lĂĄ procurando os meninos.


Os outros meninos disseram que os eles não estavam lá. Mas também disseram onde eles costumavam ficar: embaixo de uma árvore. Mas tinha um pequeno problema: no dia que os dois homens vieram, um dos meninos não estava lá.


Aí, os homens perguntaram: Onde é que está o Davi? Os meninos responderam: não sabemos, vamos procurá-lo. E saíram perguntando a quem via. Até que um conhecido disse onde Davi estava. Tão logo os amigos foram ao encontro de Davi e ao chegar à casa da vó de Davi, lá ele estava. Foi quando os homens se apresentam e convidou os quatro para irem jogar na escolinha de futebol que eles dois eram os donos.


A FADA E O MENINO

TEXTO E ILUSTRAÇÕES: FÁBIO DE SOUZA ARAÚJO LUNA


Era uma vez um menino chamado João. João tem oito anos, é alto, branco, magro e muito alegre. Um dia, João estava passeando no parque sozinho quando encontrou uma fada dormindo no rio.

João levou a fada para casa dele.

O menino disse: - Entre, fada, mamãe está dormindo. Então, quer comer? - Não, obrigada.


- Quer dormir? - Quero. A fada foi dormir porque estava com muito sono.

No outro dia de manhĂŁ, Ă s 7:00 horas, ela se acordou e foi embora.

O menino estava dormindo. Quando se acordou ficou procurando ela, mas nĂŁo encontrou.


Muito prazer! Eu me chamo Fábio de Souza Araújo Luna. Tenho oito anos. Moro no bairro do Ibura, na Rua Rio Verde. Eu gosto de brincar com meus amigos de bicicleta, bola de gude e também gosto de correr e de passear. Estudo na escola poeta Paulo Bandeira da Cruz. Eu sou um menino calmo, baixo, obediente.


A QUEDA

TEXTO E ILUSTRAÇÕES: JOSIVÂNIA MAYARA SOUZA DA SILVA


Era uma vez uma menina chamada Maria que gostava de brincar com a sua colega Vitória no balanço da praça que fica perto da casa dela, lá em Monte Verde.

Um dia, quando estava se balançando forte, Maria caiu e se machucou.

Vitória foi ajudar. Colocou uma pomada no dodói de Maria e depois foram brincar no escorrego.


Maria esqueceu a dor. Depois ficaram rindo e brincando atĂŠ o final da tarde.


Eu sou Josivânia.

Tenho nove anos. Eu moro no Pantanal (Ibura). Tenho cabelo preto, meu olho é castanho. Sou amorosa, alegre e sou bonita. Eu gosto de comer maçã e uva. Gosto de brincar, pular corda. Tenho muitas amigas e gosto de andar de bicicleta.


O PEIXINHO E A MENINA

TEXTO E ILUSTRAÇÕES: JÚLIA ROBERTA NUNES DA SILVA

O que pode acontecer quando uma menina e um peixinho se encontraram no mar? Tânia.


Era uma vez um peixinho chamado Pérola do Mar e uma menina chamada Bruna. O peixinho é bonito, de cor laranja com listras pretas. Bruna é uma menina que tem dez anos, tem a pele clara, os olhos verdes e o cabelo loiro. Ela é linda.

Bruna costumava passear todos os dias de barco.


Um dia, ela encontrou o peixinho PĂŠrola do Mar. Eles se encontraram e se tornaram amigos.

Certo dia quando eles estavam brincando no mar apareceu um tubarĂŁo chamado David avisando a menina e o peixinho que os pescadores voltaram a pescar peixes.


O peixinho não conseguiu fugir e foi levado pelos pescadores para dentro do aquário. Mas, o peixinho não é de viver no aquário, é de viver no mar.

A menina não iria deixar o seu amigo para traz. Bruna foi atrás deles, se escondeu e esperou os pescadores e sair para pegar o peixinho e seus amigos peixes.

Depois, voltaram ao fundo do mar e viveram felizes para sempre. É assim que termina a história.


Muito prazer! Eu me chamo Júlia Roberta Nunes da Silva. Nasci no Hospital das Clínicas, em 2001. Eu tenho sete anos. Eu moro na UR 2, Rua das Panelas, no bairro do Ibura. Eu gosto de ir à praia e deitar na areia e cassar caranguejos, ir pro cinema ver filme de criança como “Doce de Natal” e depois assistir Pica pau e cantar no chuveiro. Eu sou teimosa, sou magra, sou bonita, sou amiga, eu falo muito e também sou bagunceira em casa.


A FADA E O SAPO

TEXTO PRODUZIDO ORALMENTE ILUSTRAÇÕES: KATHELLY RAYANE DE MENDONÇA SILVA


Era uma vez uma linda mata, uma fada que se chamava rosa brincava de pega se esconder com suas colegas fadas. Fada rosa era muito bonita, loira, alta,suas asas eram rosa.

Um dia, ela estava brincando e perdeu por lĂĄ por que ela se escondeu muito longe e nĂŁo sabia mais voltar.


Ai ela achou um sapo na รกgua do lago. Ela ficou muito tempo com o sapo conversando e ai no dia seguinte esse apaixonou pelo sapo.

No outro dia, ela decidiu que ia beijar o sapo.


Ai quando ela foi beijar o sapo para sua surpresa o sapo virou um príncipe e ela se apaixonou mais ainda por que o príncipe era lindo, alto forte. E eles foram procurar o caminho de volta. Depois de andar muito, encontraram o caminho de volta para casa e La bela fada se casou com o príncipe e viveram felizes para sempre.

Muito prazer! Eu me chamo kathelly Rayane de Mendonça Silva . tenho nove anos. Nasci na praia de Itapoama, no Cabo. Sou branca, cabelo escuro, liso, cortado de franja, bonito. Estudo no Poeta Paulo Bandeira. Moro longe da escola. Eu moro na Vila Dois Carneiros. Eu gosto de pirulito e de passear no Parque Treze de Maio.


A CASA MAL ASSOMBRADA

TEXTO E ILUSTRAÇÕES: LUZETINA PATRÍCIO DE OLIVEIRA

Era uma vez uma casa no meio da floresta. Nessa casa morava um homem que, em noite de lua cheia, virava lobisomem. Então, uma noite ele foi para casa e, em vez de virar lobisomem, virou fantasma.

Quando amanheceu, um belo cavaleiro pegou uma rosa do seu jardim.


O fantasma prendeu o cavaleiro e o matou. E foi atrás da princesa.

E disse para a princesa: - Eu sou um príncipe. A bruxa me enfeitiçou. O encanto só será quebrado com um beijo de um primeiro amor. - Sim, eu dou um beijo se você casar comigo. - Sim, me caso com você.


Depois de um ano, a princesa e o príncipe se casaram e viveram felizes para sempre.

É uma história muito boa de ler. Tem príncipe, princesa, bruxa e uma casa que é diferente: uma casa mal assombrada. O final é emocionante.


Eu me chamo Luzetina, nasci na Maré Mansa. Eu moro na cidade do Eu moro na cidade do Recife, bairro do Ibura, na Rua Guaraçá, nº 49. Estudo na Escola Poeta, na UR-2. Tenho oito anos. Estou na segunda série. Não gosto de arengar e gosto de estudar. Sou morena, dos olhos pretos e cabelos pretos.


OS PATINHOS

TEXTO E ILUSTRAÇÕES: MARÍLIA GABRIELA DE CARVALHO


Era uma vez um patinho que gostava muito de brincar com seus amigos. Amarelinho é o nome dele. Ele é amarelo, tem o bico troncho, as patas finas e o corpo é magrinho.

Um dia, Amarelinho foi brincar no rio com seus amigos, o Patinho Dodô e o Patinho Bruno.

Uma hora depois, o Patinho Amarelinho se perdeu porque ele estava brincando de pega se esconder.


Ele ficou muito aperriado com o que aconteceu e gritou: - Socorro! Socorro! Os amigos de Amarelinho falaram: - Cadê você, Amarelinho? Cadê você? Nós estamos te procurando.

Os amigos acharam ele perdido na floresta e voltaram para casa porque já estava ficando muito tarde.


Olá, eu me chamo Marília Gabriela de Carvalho. Eu gosto de brincar de várias coisas com as minhas amigas, de boneca, de massinha e de escolinha. Eu também gosto de chupar sorvete de chocolate e de morango. Também gosto de ir ao Shopping.


O CACHORRO FUJÃO Em um dia de domingo ensolarado, um lindo cachorrinho estava no quintal da minha casa. Um cachorrinho fofo, lindo, marrom. Seu nome é Marronzinho, ele gosta de passear na praça. Mas, de repente, apareceu a carrocinha e levou o cachorro embora pro canil e eu entrei em casa. Mas, de repente, alguém apareceu na minha casa. Quando eu vi era a dona da fábrica chorando. Ela falou: - Você viu meu cachorro? Ele é marronzinho e fofinho. Eu, Thainan, respondi: - Não, não vi. A coitada saiu aperreada em busca em busca do seu cachorrinho. No outro dia, ela foi no canil e falou com o dono. Ele devolveu Marronzinho. A sua dona ficou feliz porque saiu do canil com seu cachorrinho.


O CAVALO E O JOVEM

ELIELTON CIRILO É UMA HISTÓRIA DE AVENTURA SOBRE UM JOVEM E O SEU CAVALO. TEM COBRA, URSO E UM HOMEM FORTE QUE ENFRENTA O PERIGO. JÚLIA.

Era uma vez um jovem que estava caçando na floresta, de manhã. O jovem chamado Elias era muito forte. Ele tinha dezenove anos. Quando estava passeando, ele achou um cavalo magro perdido lá na floresta. Elias alimentou o cavalo com capim e muito tempo depois o cavalo ficou gordo. Elias montou no cavalo e foi caçar quando viu uma cobra correndo atrás deles. Ele pulou do cavalo, pegou a fecha e atirou na cobra. A cobra morreu e eles foram embora de volta para casa. No caminho, encontraram um urso que mordeu o jovem. Mas, o jovem matou o urso e viveu feliz para sempre com seu cavalo.


Quando estava passeando, ele achou um cavalo magro perdido lรก na floresta. Elias alimentou o cavalo com capim e muito tempo depois o cavalo ficou gordo.

Elias montou no cavalo e foi caรงar quando viu uma cobra correndo atrรกs deles. Ele pulou do cavalo, pegou a fecha e atirou na cobra.


O CACHORRO

TEXTO E ILUSTRAÇÕES: PEDRO EUGÊNIO DA SILVA SOUZA

E. M. POETA PAULO BANDEIRA DA CRUZ 2009

Era uma vez, um cachorro grande e peludo que morava em uma casinha de madeira.


Feroz era muito bravo, pulava o muro, fugia pra rua e voltava de 11:00 horas da noite.

Ele era comil達o, comia qualquer coisa que botasse para ele.

Certa tarde, Feroz saiu com o dono, um menino que se chamava Pedro.

Quando iam atravessar a Pista, o cachorro se soltou da m達o de Pedro e um carro passou por cima do cachorro e o cachorro ficou ferido.


O dono do carro foi embora.

- Vou ligar para a polícia. – disse Pedro. - O que foi que aconteceu aí? – o policial perguntou. - O carro passou por cima do meu cachorro e foi embora. – respondeu Pedro.


O policial perguntou para Pedro se ele viu a placa do carro. Pedro disse que não, mas uma mulher viu. A placa do carro é KKN 143. Ai, o policial confirmou a placa e a polícia pegou o cachorro e botou ele dentro do carro e levou para o veterinário, depois de tirar o cachorro o policial foi procurar o carro.

Acharam o carro e também o dono do carro. O dono do carro foi multado em 2.000,00 e foi embora.


Meu nome é Pedro Eugênio da Silva Souza. Eu moro na UR 2, Ibura. Eu tenho oito anos e o meu amigo é Rafael. Ele tem 10 anos. Eu nasci no hospital perto do dia de Natal, dia 22 de dezembro. Eu gosto de jogar bola e arrumar a casa.


O GATO PRETO

TEXTO E ILUSTRAÇÕES: THAINAN PEREIRA ROCHA

Era uma vez um gato preto chamado Pretinho. Ele gostava de ir no meu quintal para bagunçar o terreno.

Pretinho é da minha vizinha Rita, mas toda noite, ele pula o muro e vai para o meu quintal.


Mas um dia, eu não deixei nada no quintal e Pretinho ficou triste porque não tinha nada no quintal para bagunçar e foi embora para não voltar mais.

Rita, a dona dele, prendeu Pretinho na corrente e ele não fugiu mais.


Eu me chamo Thainan Pereira Rocha. Tenho nove anos. Gosto de brincar muito de jogar bola, brincar de boneca. Gosto de muita coisa. Gosto de escrever, gosto de desenhar, gosto de desenhar, gosto de pintar, gosto muito dessas coisas. Eu sou morena, tenho cabelo preto. Sou muito alegre, Ă s vezes, choro.


A PRISÃO DO LOBO

TEXTO PRODUZIDO ORALMENTE. ILUSTRAÇÕES: TIAGO DOS SANTOS BARBOSA

Era uma vez um menino que se chamava David. Ele era pequeno e moreno e estava na mata. Ele encontrou um lobo preto e correu.


Foi direto para a casa dele e chamou sua mãe. A mãe foi ver o que era. Quando a mãe foi ver, era um lobo muito feio, babento. Era muito mal.

A mãe chamou a polícia e foi atrás do lobo. O lobo correu, ele não gostava de luz e foi de volta pra sua caverna.


A polícia entrou na caverna e pegou ele. Não tinha mais saída, ele não fez a porta de trás. A polícia botou ele na prisão dos lobos.

Depois de muito tempo, os outros lobos mataram ele dentro da prisão porque ele perturbava muito.


Muito prazer! Eu sou Tiago dos Santos Barbosa. NĂŁo lembro quando eu nasci. Tenho oito anos. Eu moro na Rua Pelotas, na casa 104. Eu me acho gordinho, pequenininho e bonzinho. TambĂŠm sou animado. Gosto de brincar na pracinha e andar de bicicleta.


O pato e o cavalo

Texto produzido oralmente / ilustrações Rodrigo. Era uma vez uma um pato amarelo que nadava no rio, lá na floresta. Ele se chamava Patinho Donald.

Quando o patinho saiu da água, achou um cavalo com a pata quebrada.

O pato foi chamar os outros patinhos para ajudar.


Mas, não deu tempo de ajudar o cavalo, ele morreu.

Os patos empurraram o cavalo no rio.

Depois de alguns dias, o rio ficou fedendo. Aí passaram uns homens lá na floresta e sentiu o rio fedendo e disseram: - Vou nadar para ver o que é.


Eles entraram na água e viram o cavalo. Botou ele para cima no mato para enterrar. E os patinhos ficaram tristes.

Eu me chamo Rodrigo. Gosto de estudar no Poeta Paulo Bandeira da Cruz. Sou pequeno demais. Gosto de passear em Vitória porque posso andar de cavalo. Gosto de passear com minha família. Sou menino de brincar muito. Nasci em Três Carneiros (Ibura). Tenho nove anos. Não gosto de pisar na lama. Eu não gosto de carnaval. Não sou menino Maluquinho. Moro no Monte Verde com a minha família. Gosto de piscina e de praia.


Prefeitura da Cidade do Recife Secretaria de Educação, Esportes e Lazer Diretoria Geral de Tecnologia na Educação e Cidadania Unidade de Tecnologia na Educação e Cidadania Ibura Escola Municipal Poeta Paulo Bandeira da Cruz Diretoria: Mª da conceição Vicente da Silva Mª Andreza Cabral da Silva Coordenadora: Edna Regina da Silva Professora: Tânia Ferreira dos Santos Turma: Ciclo 1 Ano 3 Multiplicador: Edilson Oliveira

producoes  

coletânea de textos produzidos durante o ano letivo de 2009

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you