Page 1

Maconha Marijuana Weed

Do engano ao dano Droga,tem cura?

Descubra os efeitos nocivos


“Ide e fazei discípulos entre todas as nações” (Mt 28,19)

Expediente: Esta cartilha é um projeto piloto realizado na disciplina de Produção Gráfica do curso de Comunicação Social, habilitação Relações Públicas da Universidade Católica de Santos. Redação: Jenifer Barbieri Maíra Brabo Amanda Domingues . Produção Gráfica: Jenifer Barbieri. Maio/2013.

www.rio2013.com.br 3


Sumário

Conhecendo o inimigo 7

Polemica mundial 8 Efeitos produzidos pela Cannabis no organismo 9 Drogas tem cura 10 Efeitos Nocivos 12 Adulteradores Consumo 13 Entrevista 14 Você na JMJ 16 Oração Oficial 16 Hino Oficial 17 A droga e seu uso medicinal 18

O que é isso ?

@jornadamundialdajuventude @jmj_pt

B

uscando acompanhar acontecimentos da atualidade tais como a Jornada Mundial da Juventude que ocorrerá entre os dias 23 e 28 de junho de 2013 na cidade do Rio de Janeiro, bem como questões polêmicas envolvendo saúde pública, violência, segurança, qualidade de vida, entre outros, esta coleção denominada “Do Engano ao Dano”, visa abordar os diferentes tipos de droga em diversas edições, procurando abordar o seu significado, história, desde as questões sociais da droga até seus efeitos nocivos no organismo. Sabe-se que, nos últimos anos, o consumo de drogas aumentou no Brasil, contrariando a tendência mundial de estabilidade. Outros dados a serem consideradas são a faixa etária desses menores infratores (16,7 anos) e seu grau de escolaridade (57% não estudavam antes da internação, 8% são analfabetos e 86% teve por último ano cursado no ensino fundamental). Desses adolescentes, 14% têm filhos e 43% foram criados apenas pela mãe. Esses dados servem como cenários atuais, para avaliarmos como a droga, sua comercialização e seu uso esbarram em diversas questões da sociedade moderna. Entretanto, uma das drogas mais populares, cujo uso se difunde cada vez mais no País, mesclando opiniões a favor e contra, com marchas em prol da legalização, em contraponto a uma massa cuja reação é negativa é a maconha, e essa droga será o tema da nossa primeira edição.

O País consolidou-se como centro de distribuição da cocaína oriunda dos Países vizinhos (Colômbia e Bolívia) e sua população de consumo aumentou 0,3% em quatro anos (de 2001 a 2005). Uma pesquisa recente (2011) realizada pelo Departamento de Monitoramento e Fiscalização do Sistema Carcerário (DMF) e pelo Departamento de Pesquisas Judiciárias (DPJ) concluiu que 75% dos jovens infratores em cumprimento de medidas socioeducativas fazem uso de entorpecentes. A pesquisa realizada com mais de 17 mil adolescentes apontou que a droga mais citada foi a maconha (89%), seguida de cocaína (43%) e crack (33%). Apontado pela pesquisa como o principal motivo da internação destaca-se o roubo.

5


Conheça o Inimigo

nia. A erva era mais popular entre os hindus da Índia e do Nepal, a qual chamavam-na de Ganjika. Foi também utilizada pelo povo assírio em cerimônias religiosas, onde era chamada de Qunubu (provável origem do termo moderno Cannabis), introduzida pelos arianos, povo responsável pela disseminação também aos povos cítios, trácios/ dácios e xamanes. Em 2003 foi encontrada uma cesta de couro com folhas e sementes de Cannabis na Região Autônoma de Xinjiang Uygur, na China.

P

ossui nome científico de Cannabis Sativa, conhecida por maconha, erva, além de outros nomes populares. Refere-se a drogas psicoativas e medicamentos derivados da planta. Seu principal agente psicoativo é o tetrahidrocanabinol, conhecido também como pela sigla THC. O nível de concentração média de THC na Cannabis Indica, comumente conhecida como Skunk pode alcançar em torno de 33%. De acordo com o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNDOC, na sigla em inglês), a quantidade de tetrahidrocanabinol (THC) presente em uma amostra de Cannabis Sativa é geralmente utilizada como medida de potência desta maconha. Os três principais tipos de produtos derivados da canábis são a erva (maconha), a resina (haxixe) e o óleo (óleo de haxixe). O UNODC afirma que a maconha frequentemente contém 5% de seu conteúdo composto por THC, enquanto a resina pode conter até 20% de conteúdo, e o óleo de haxixe cerca de 60%.

Atualmente, o consumo tem finalidades religiosa, recreativa ou medicinal. De acordo com as Nações Unidas, estima-se que aproximadamente 4% da população mundial (162 milhões de pessoas) usam maconha uma vez ao ano, enquanto aproximadamente 0,6% (22,5 milhões) usam-na diariamente. A posse, o uso ou a comercialização da substância tornou-se ilegal na maioria dos países a partir do Século XX. Nos Estados Unidos a substância tornou-se ilegal em 1937, devido à Marihuana Tax Act of 1937. Não há um consenso sobre a sua ilegalidade. De acordo com os argumentos de Jack Herer, escritor e ativista a favor da legalização da maconha, “os interesses económicos do papel e da indústria química foram as principais forças para torná-la ilegal.”

O Centro Nacional de Informação e Prevenção da Canábis da Austrália afirma que os ‘brotos’ da Cannabis de sexo feminino contêm a concentração mais alta de THC, seguido pelas folhas. Os caules e as sementes têm “níveis muito mais baixos”. A ONU afirma que as folhas podem conter dez vezes menos THC do que os brotos, e os caules cem vezes menos THC Seu consumo data do terceiro milênio antes de Cristo onde, atualmente, localiza-se a Romê-

6

7

No mundo ocidental atual, a utilização por motivos recreativos é um fator considerável na busca pela Cannabis. É a colheita mais rentável para os Estados Unidos, gerando um valor estimado em US$ 36 bilhões no mercado. Entretanto, o destino desta renda não é, em sua maioria, para a produção e cultivo, e sim para contrabando e fornecimento para compradores.


Polêmica na Segunda Guerra Mundial

D

urante a Segunda Guerra Mundial, no início da década de 40, os Estados Unidos, especificamente uma agência governamental denomidada Office of Strategic Services (OSS) utilizava a maconha como Soro da Verdade. Desenvolvido pelo St. Elizabeth’s Hospital, seu uso causou muita polêmica. Em maio de 1943, o major George Hunter White, chefe das operações de contraespionagem dos Estados Unidos, organizou uma reunião com Augusto Del Gracio, um porta-voz do gangster Lucky Luciano. A Del Gracio foi dado cigarros de Cannabis com uma alta concentração de THC, o que o fez ficar literalmente fora de si e falar sobre uma operação da heroína, organizada por Luciano. Em uma segunda ocasião, a dose foi aumentada e Del Gracio desmaiou por duas horas.

8

Efeitos produzidos pela Cannabis no organismo Diferença entre Cannabis Sativa e Cannabis Indica:

O

s efeitos da Cannabis no organismo são psicoativos e fisiológicos. Os efeitos mais comuns, a curto prazo, são aumento da frequência cardíaca, diminuição da pressão sanguínea, diminuição da coordenação psicomotora e perda de memória. Seus efeitos a longo prazo são menos claros. Alguns estudos associam seu uso prolongado ao desenvolvimento de câncer pois sua fumaça possui 50% a 70% mais de hidrocarbonos cancerígenos do que o tabaco. Os cânceres mais citados em estudos do gênero são os que afetam o Sistema Respiratório e Reprodutor. Basicamente, a Cannabis Indica pode ter uma relação CBD/THC de quatro a cinco vezes maior que a Cannabis Sativa. Os efeitos da Cannabis Sativa são conhecidos por suas altas cerebrais, e utilizados durante o dia medicinalmente.

Sintomas: - Olhos vermelhos - Diminuição da pressão intra-ocular - Boca seca - Sensação de frio e de calor - Aumento da frequência cardíaca - Relaxamento muscular

Já os efeitos da Cannabis Indica são sedativos, portanto, medicinalmente, é mais utilizada em períodos noturnos.

9


Drogas Qual o Mais Indicado?

Tem Cura !

A

longos períodos era a única alternativa. Acreditava-se que os banhos aceleravam o processo de cura. Esses eram a principal técnica adotada pelos médicos.

dependência de drogas passou a ser vista como uma doença há menos de duzentos anos. Até então apenas as complicações do consumo, tais como demência e surtos psicóticos despertavam a atenção dos médicos. Os bêbados eram considerados criaturas imorais, preguiçosos, vagabundos sem moral. Na Inglaterra, até 1837, aqueles que eram pegos alcoolizados eram colocados em pelourinhos na praça pública. Ficavam expostos ao ridículo para que todos admirassem a sua ruína. Como se não bastasse seu nome era publicado nos principais jornais da cidade. Beber em excesso era caso de polícia.

Desde então muita coisa mudou. Nos últimos trinta anos a dependência passou a ser vista como uma doença com sinais e sintomas específicos. Cada indivíduo tem um padrão de consumodiferente, que varia do consumo de baixo risco até a dependência. Portanto, há diferentes níveis de gravidade. Além disso, a motivação para a mudança também é diferente de pessoa para pessoa. Os sintomas são os mesmos para qualquer indivíduo. No entanto, a intensidade dos sintomas e a visão que o dependente tem de seu problema são diferentes para cada um. Desse modo, não pode existir um único tratamento que sirva para todos. O tratamento mais indicado surge após algumas consultas, envolvendo a participação de todos: o dependente, sua família e a equipe multiprofissional responsável.

A partir de 1850 grandes estudos começaram a desvendar a questão da dependência de drogas. Houve enormes avanços. Já no início do século XX a dependência de drogas e os males que causava aos indivíduos eram melhor compreendido pelos médicos. No entanto, os tratamentos ainda eram precários. Os dependentes só recebiam atenção profissional quando já estavam bem graves, cheios de complicações. A internação por

10

A presença de complicações psiquiátricas pode requerer imediata. Assim,quando o consumo de drogas desencadeia quadros psicóticos, agitações intensas, comportamentos agressivos e suicidas, a internação torna-se a melhor opção, visando a proteger a integridade do indivíduo e daqueles que o cercam.

Algumas recomendações, no entanto, podem auxiliar aqueles que procuram a melhor alternativa terapêutica: 1. O tratamento ambulatorial é sempre o mais indicado. O tratamento ambulatorial é tão eficaz quanto qualquer outro tipo de tratamento. Examinando os critérios para o diagnóstico da dependência química, nota-se que essa é acima de tudo um estilo de vida. Quando o consumo de drogas se torna freqüente, o cérebro sofre modificações. A partir daí, o indivíduo começa a desenvolver novos padrões de comportamento, para que a droga nunca lhe falte. Mais do que garantir a abstinência, tratar a dependência é buscar com o dependente alternativas de vida. Isso só é conseguido se a pessoa permanecer em seu ambiente. Assim, poderá aprender a evitar situações de risco e encontrar outros modos de adaptação e diversão.

3. A recaída não significa o fracasso do tratamento. Muitos procuram tratamento após um longo período de consumo. O indivíduo já acumulou muitos problemas e a família está exausta e cheia de expectativas. Todos imaginam que iniciado o tratamento o indivíduo nunca mais usará drogas. Os estudos, no entanto, mostram que durante o primeiro ano de tratamento mais de 70% tem pelo menos uma recaída. Mas ao final de um ano, mais da metade não está usando droga. Isso mostra que a recaída faz parte do processo do tratamento. Não significa seu fracasso. É um momento de reflexão e aprendizado. Estudar os motivos da recaída fortalece o indivíduo e diminui a chance de novos episódios. Não é um momento para questionar a força de vontade do paciente, a competência da equipe ou o apoio da família. É o momento de refletir e reformular as estratégias, com o consentimento de todos os envolvidos.

2. A internação não é o tratamento, mas uma parte dele. A internação é uma opção de tratamento. Muitas pessoas, porém, imaginam que essa seja a melhor opção de tratamento. Acham, ainda, que a pessoa receberá alta curada. Nada disso é correto. A internação é apenas uma parte do tratamento. Idealmente deve ser usada com o propósito de desintoxicar o paciente. Quando ele não consegue se desintoxicar ambulatorialmente (geralmente porque a síndrome de abstinência é muito intensa), o melhor é interna-lo por duas a quatro semanas. Desse modo, seus sintomas podem ser medicados num ambiente onde a abstinência é garantida. De preferência isso deve ser feito com o consentimento do indivíduo.

11


Adulteradores:

Efeitos nocivos:

O

A

pesar da droga aprsentar menos adulteradores se comparada com outras drogas, nos Países Baixos pode-se encontrar giz e no Reino Unido, partículas de vidro, ambos para aparentar melhor qualidade. O uso de chumbo na Alemanha para aumentar o peso do haxixe (vendido em gramas) causou a intoxicação de vários usuários. Uma análise a partir de uma amostra de haxixe no Reino Unido apresentou presença de terebintina, tranquilizantes, betume, henna, fezes de animais, entre outros.

Na gravidez o uso da maconha pode afetar diretamente o desenvolvimento fetal, levando a redução do peso ao nascer, além de possibilidade de desenvolvimento de formas raras de câncer pós natal.

uso da maconha comprovadamente afeta o desenvolvimento cognitivo, responsável pela aprendizagem, incluindo processos associativos, capacidade de memorização, desempenho psicomotor em uma variedade de tarefas como coordenação motora, atenção dividida e tarefas operativas de vários tipos, pelo período de até 24 horas depois de fumar uma quantia equivalente a 20 mg de THC. No entanto, os prejuízos na capacidade cognitiva não se mantém a longo prazo, não sendo permanentes mesmo com o uso contínuo da substância. Porém, há risco na condução de pessoas sob efeitos da substância.

O

consumo da Cannabis pode se dar de várias maneiras. A maioria envolve a inalação da fumaça ou do vapor. Vários dispositivos são utilizados para fumar, entre eles tigelas, bongs, chilums, papéis e folhas de tabaco embaladas.

O uso regular da substância pode acarretar poblemas psicóticos como esquizofrenia, transtornos de ansiedade e humor, depressão, distimia, apatia, transtorno do pânico, paranoia, alucinação, delírios e confusão mental. Por desregular o sistema reprodutório, pode estar associado ao câncer de testículo, disfunções sexuais e diminuição de fertilidade.

Baseado, no Brasil, ou Charro, em Portugal, são os nomes mais populares do cigarro feito de Cannabis. Geralmente confeccionado a partir de papéis a base de arroz. Segundo especialistas, o fumo de um cigarro de maconha pode equivaler a até cinco cigarros de tabaco.

Quanto ao seu uso continuado, o risco de adicção é baixo e a possibilidade de overdose praticamente nula, se comparados com outras drogas. A síndrome de dependência da maconha pode ser reconhecida por distúrbios do sono, apatia, perda de apetite, ansiedade, fadiga, náuseas, pressão baixa e irritabilidade.

Além disso, há o risco de contaminação infecciosa por agentes que não se destruem ao se fumar, e que podem causar infecções pulmonares, como salmonela, pneumonia, reações alérgicas e histoplasmose.

12

Consumo:

Seu uso pode ser associado a outras drogas, como é o caso do cigarro de maconha com cocaína, chamado de Freebase e maconha com crack, chamado de Mesclado. A Cannabis pode ser consumida em forma de chá também.

13


Entrevista Com

1.O que é a Secretaria Nacional Antidrogas (SENAD)? A SENAD, vinculada ao Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República, é o órgão responsável pela coordenação e articulação da Política Nacional Antidrogas - PNAD, no que se refere à redução da demanda de drogas. Ainda, a SENAD desempenha o papel de secretaria executiva do Conselho Nacional Antidrogas - CONAD. Cabe também à SENAD estimular, assessorar, orientar, acompanhar e avaliar a implantação desta política, integrando ações nas esferas do governo federal, estadual e municipal, bem como estimular a atuação da sociedade civil e a cooperação internacional no âmbito das políticas de drogas. 2.O senhor completou um ano e meio frente à SENAD. Fazendo um balanço, quais são as principais realizações da Secretaria durante esse período? Poderíamos citar entre as ações realizadas por nossa Secretaria neste período, a implementação da Política Nacional Antidrogas - PNAD, a interação com os estados e municípios, a estruturação da Rede dos Conselhos Estaduais que, hoje, estão interligados, favorecendo a capilaridade dentro do território nacional e permitindo maior participação da sociedade nas ações de prevenção do uso indevido de drogas e no atendimento a usuários e dependentes, assim como a implantação do Observatório Brasileiro de Informações Sobre Drogas - OBID.

Paulo Roberto Yog de Miranda Uchoa Secretário Nacional Antidrogas (SENAD) 14

• Elaboração de um Glossário brasileiro de termos sobre drogas.

3.Quais as metas de curto, médio e longo prazo da SENAD para os próximos anos?

A longo prazo: Atualização da Política Nacional Antidrogas;

A curto prazo:

4.O senhor considera que existe relação entre o consumo de drogas e a violência?

• Reestruturação do Conselho Nacional Antidrogas - CONAD, ampliando a participação da sociedade civil;

Antes de mais nada é importante rejeitar a idéia de que o uso ou o tráfico de drogas é o maior responsável pela violência existente em nossa sociedade. Fatores de ordem macroeconômica e social são alguns dos principais determinantes deste problema.

• Implementação dos protocolos assinados com os órgãos federais e organizações da sociedade civil, para o desenvolvimento de ações pelos Ministérios da Educação, do Trabalho e Emprego, da Saúde, da Defesa, da Assistência Social, da Secretaria Especial dos Direitos Humanos, entre outros;

5.Como a SENAD pode auxiliar organizações da sociedade civil sem fins lucrativos que atuam na prevenção e tratamento do uso de drogas, que necessitam de financiamento e/ou capacitação?

• Reestruturação do Serviço de Atendimento ao Público - 0800; • Ampliação do processo de descentralização das ações da PNAD nos municípios

A missão da Senad não é ser um órgão financiador de ações de prevenção, tratamento e reinserção social de usuários e dependentes de drogas, e sim de articulador de políticas e ações nesta área.

A médio prazo: • Realização de um mapeamento das instituições que atuam no tratamento, na redução de danos e na reinserção social de usuários e dependentes de drogas, existentes no País;

É sua competência, no entanto, transferir recursos do Fundo Nacional Antidrogas para aplicação em Projetos considerados relevantes na implantação da Política Nacional Antidrogas.

• I Levantamento Nacional sobre o uso de drogas por crianças e adolescentes em situação de rua, nas 27 capitais brasileiras;

Podem solicitar subvenção social instituições públicas e privadas de caráter assistencial, sem fins lucrativos, que atuem nas áreas de prevenção, pesquisa, eventos, publicações, recuperação, tratamento e reinserção social de dependentes químicos.

• Levantamento Nacional sobre o uso de drogas nas escolas de ensino fundamental e médio no Brasil, nas 27 capitais brasileiras; • Atualização das Cartilhas de Orientação ao Público;

15


A droga e seu uso medicinal: drocanabinol (D9-THC) retardarem a progressão da imunodeficiência de macacos infectados com SIV (variante do vírus HIV) por diminuição da carga viral. Pode ser associado também no tratamento do Mal de Alzheimer. Curiosidade: O brasileiro Dartiu Xavier da Silveira, Doutor em Psiquiatria e Psicologia Médica, foi responsável por um estudo com dependentes de crack no qual estes se dispuseram a tratar sua dependência com maconha. Ao final do tratamento, 68% dos pacientes abandonaram o uso de crack, e posteriormente também cessaram o uso de maconha. O estudo foi publicado na conceituada revista científica americana Journal of Psychoactive Drugs, em 1999.

A

Cannabis é indicada para tratar e prevenir náuseas e vômitos, para tratamento de glaucoma, espasmos, além de ser usado como relaxante muscular bem como um analgésico geral. Alguns estudos apontam a maconha como tratamento para esclerose múltipla. Nos Estados Unidos o extrato da Cannabis pode ser prescrito por um médico para o tratamento de dor e náusea.

Curiosidade II: Em 2009, um americano entrou para o Guiness Book como a pessoa que mais fumou maconha “legal” no mundo [50]. Irvin Rosenfeld possui um câncer raro nos ossos e recebe a maconha gratuitamente do governo americano como tratamento. O paciente afirma já ter fumado cerca de 115 mil cigarros de canábis medicinal, uma média de 10 a 12 por dia, desde 1981, tendo sido o segundo paciente a se beneficiar da lei que autoriza o uso de maconha para fins terapêuticos nos Estados Unidos.

Estudos recentes indicam o composto químico THC, principal ativo da planta, como eficaz no combate à celular cancerígenas. De acordo com o estudo, há indícios de que o THC possa induzir as células insalubres a um processo de autodestruição; além de pesquisas com injeções intramusculares de concentrações do D9-tetrahi-

16

17


Você na JMJ

Hino Oficial

Oração Oficial

Querido jovem, você é, de verdade, o protagonista desse grande encontro de fé que é Jornada Mundial da Juventude. Este espaço foi aberto justamente para que os jovens do Brasil e do mundo inteiro possam partilhar suas alegrias, desafios e vitórios nos preparativos para a JMJ Rio2013.

HINO “ESPERANÇA DO AMANHECER”

Só o bem e paz a não ter fim.

(Hino Oficial da JMJ Rio2013)

Do nascente ao poente, nossa casa não tem porta,

Sou marcado desde sempre Ó Pai, enviaste o Teu Filho Eterno para salvar o mundo e escolheste homens e mulheres para que, por Ele, com Ele e nEle, proclamassem a Boa-Nova a todas as nações. Concede as graças necessárias para que brilhe no rosto de todos os jovens a alegria de serem, pela força do Espírito, os evangelizadores de que a Igreja precisa no Terceiro Milênio.

Junte-se a nós para sonharmos este grande sonho do Coração de Deus. Envie os relatos do que você ou sua comunidade estão fazendo para vir ao Rio ou fale da expectativa para a Jornada, ou ainda, partilhe experiências de outras JMJs (tudo isso acompanhado de fotos ou vídeos). Precisamos também de testemunhos da vivência do lema da JMJ Rio2013: “Ide e fazei discípulos entre todas as nações” (Mt28, 19).

Ó Cristo, Redentor da humanidade, Tua imagem de braços abertos no alto do Corcovado acolhe todos os povos. Em Tua oferta pascal, nos conduziste pelo Espírito Santo ao encontro filial com o Pai. Os jovens, que se alimentam da Eucaristia, Te ouvem na Palavra e Te encontram no irmão, necessitam de Tua infinita misericórdia para percorrer os caminhos do mundo como discípulos-missionários da nova evangelização.

Lembre-se que “Você na JMJ” é um canal criado para expressar ao mundo, através do seu coração e da sua oração, quem é jovem peregrino que estará na cidade do Rio de Janeiro em 2013. Desde agora, seja bem-vindo! O Cristo e o Rio te esperam de braços abertos!

Ó Espírito Santo, Amor do Pai e do Filho, com o esplendor da Tua Verdade e com o fogo do Teu Amor, envia Tua Luz sobre todos os jovens para que, impulsionados pela Jornada Mundial da Juventude, levem aos quatro cantos do mundo a fé, a esperança e a caridade, tornando-se grandes construtores da cultura da vida e da paz e os protagonistas de um mundo novo.

18

nossa terra não tem cerca,

com o sinal do Redentor,

nem limites o nosso amor!

que sobre o monte, o Corcovado,

Espalhados pelo mundo,

abraça o mundo com Seu amor.

conservamos o mesmo ardor.

(Refrão)

É Tua graça que nos sustenta

Cristo nos convida:

nos mantém fiéis a Ti, Senhor!

“Venham, meus amigos!” Cristo nos envia:

Atendendo ao Teu chamado:

“Sejam missionários!”

“Vão e façam, entre as nações,

Juventude, primavera:

um povo novo, em unidade,

esperança do amanhecer;

para mim seus corações!”

quem escuta este chamado

Anunciar Teu Evangelho

acolhe o dom de crer!

a toda gente é transformar

Quem nos dera fosse a terra,

o velho homem em novo homem

fosse o mundo todo assim!

em mundo novo que vai chegar.

Não à guerra, fora o ódio, 19


Esta cartilha é a primeira edição da coletânea “ Do engano ao Dano.” Cada edição abordará uma droga, maiores informações, dicas, entre outros tópicos de interesse. Não perca o próximo volume: Cocaína. Colecione todos as edições e compartilhe com amigos e familiares. Vamos abordar esse tema sob todos os ângulos e cercá-lo da mesma forma com que entram na vida das pessoas: sem preconceitos.

Do engano ao dano  

Esta é uma cartilha que alerta sobre as consequências do uso da maconha.

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you