Page 1

Ano II

NĂşmero 255

Data 23.08.2012


diário do comércio - p. 38 - 23.8.12

estado de minas - superesportes - 23.8.12

Vergonha: nem o futebol tem segurança

Se a PM alega que as organizadas são as responsáveis por não poder dividir o estádio em duas cores, que não puna os cidadãos honestos que querem apenas ver seu time jogar Jaeci Carvalho A incompetência das nossas autoridades em nos dar segurança é total. Ao afirmar que não há como controlar duas torcidas no clássico de domingo, com carga de pouco mais de 22 mil ingressos, elas estão dizendo aos marginais, aos malfeitores, que o estado é incapaz de proteger o cidadão de bem. Reconheço que vivemos em um mundo cruel, no qual bandidos travestidos de torcedores marcam encontro para digladiarem e se matarem, mas daí a entregar um atestado de incompetência é demais. Sempre tivemos a melhor Polícia Militar do país. E logo

ela, em que confiamos tanto, vem dizer que somente com a reabertura do Mineirão teremos as duas torcidas? É demais para quem paga impostos em dia e não tem a menor contrapartida. Segurança é exigência de uma sociedade normal, mas o Brasil se transformou em uma bagunça só. Onde já se viu punir o cidadão de bem em prol de bandidos? Se a PM alega que as organizadas são as responsáveis por não poder dividir o estádio em duas cores, que puna essas torcidas e não o pai, o avô, a tia, o garoto, os cidadãos honestos que querem apenas ver seu time jogar. No restante do país, isso não ocorre. As autoridades de


continuação - estado de minas - superesportes - 23.8.12

Rio, São Paulo, Porto Alegre, Recife entendem que o torcedor de bem deve ser preservado. Ainda que tenha definido que o mandante terá 90% da carga de ingressos, os outros 10% vão para os torcedores adversários. Sem ser a ideal, é uma forma de mostrar aos bandidos que quem manda é a polícia. Em BH, os valores estão invertidos. Aliás, basta olhar para os recentes crimes no Belvedere, onde os habitantes pagam um dos IPTUs mais caros da cidade. Um comerciante foi baleado, vários sequestros-relâmpagos têm ocorrido, e a providência é zero. E olhem que se trata de bairro de classe média altíssima! Policiamento por lá é artigo de luxo. Por que os moradores não depositam o IPTU em juízo até que a sociedade tenha segurança absoluta? Por isso, amo os Estados Unidos. Lá, você se diverte sendo vigiado, mas ao mesmo tempo está protegido. Em cada esquina há no mínimo dois carros de polícia bem equipado, com quatro policiais, trabalhando pelo bem da comunidade. Aqui, não. Outro dia cheguei ao aeroporto de Confins por volta da meia-noite e peguei um táxi. No caminho até minha casa, não vi um carro de polícia sequer. Isso é

descaso, um absurdo. Vejam quantos assaltos a população sofre com motoqueiros levando cúmplices na garupa. Por que não adotam o mesmo sistema da Colômbia, onde a garupa da motocicleta foi extinta, é proibida. Lá, a violência nessa situação caiu a zero. Já aqui, os políticos precisam dos votos dos garupeiros. Voltando ao jogo de domingo, é inaceitável a decisão das autoridades. Imaginem o garoto atleticano, de 10, 12 anos, que jamais viu o time ser campeão brasileiro e sonhava em ir a todos os jogos para contar depois a história do possível título. Ele não poderá retratar in loco como foi o clássico. São essas situações que nos desanimam a continuar trabalhando com o esporte que amamos. Acho uma hipocrisia quando a PM diz que o estádio é pequeno e os riscos são grandes. Temos visto a migração de torcedores do futebol para o vôlei, em ginásios com capacidade para 4 mil pessoas. Não vejo a polícia vetando a entrada de torcedores rivais. Ou alguém acha que quando o vôlei do Cruzeiro joga, do outro lado não há atleticanos torcendo pelo adversário? São muitas as perguntas sem respostas.

o tempo - edição eletrônica - economia - 23.8.12

Reclamações contra bancos crescem 9,38%

JULIANA GONTIJO

FOTO: LEO FONTES - 9.8.2012

Campeão. O Santander é um dos bancos suspensos em Minas Gerais e está entre os mais reclamados em ranking do Banco Central

As reclamações contra os bancos em julho deste ano cresceram 9,38% frente ao sétimo mês de 2011 no país, conforme dados do Banco Central (BC). Foram 1.445 queixas contabilizadas no mês passado. Na liderança do ranking da instituição, estão os débitos não autorizados, com 291 reclamações. Neste quesito, o campeão foi o Santander, com 83 queixas, seguido pelo Itaú (67) e o Bradesco (48). Só que esse não é o único problema enfrentado pelos clientes dessas instituições financeiras. A lista do Banco Central possui 49 irregularidades praticadas pelos bancos. A situação chegou ao ponto de dez bancos e financeiras terem a concessão de crédito e financiamento para novos clientes suspensas temporariamente em Minas Gerais pelo prazo de cinco dias úteis a partir do recebimento das notificações. A medida foi tomada na última terça-feira, de forma cautelar, pelo Ministério Público do Estado de Minas Ge-

rais através do Procon-MG. A decisão, fruto de reclamações feitas pelos consumidores em diversos Procons de Minas Gerais, se deve, em especial, à prática de dez instituições financeiras que atuam no Estado de criar obstáculos para o fornecimento de informações cadastrais e financeiras necessárias para que fosse realizada a portabilidade de crédito. Outro problema detectado se refere à quitação antecipada de débitos pelo consumidor sem a devida redução proporcional de juros e encargos. A gerente jurídica do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Maria Elisa Novais, considerou a medida louvável. "Isso mostra que o problema está acontecendo e não o deixa apenas no âmbito da reclamação individual. É uma pressão por mudança no comportamento dos bancos", analisa. A advogada do Procon Municipal, Daniela de Abreu Arruda, ressalta que os assuntos financeiros são os mais reclamados no órgão de defesa do consumidor. "Os problemas estão relacionados aos cálculos de prestação, questionamento dos juros cobrados, dificuldade para realizar a portabilidade e a ausência do desconto devido quando o consumidor antecipa o pagamento da dívida", diz. Segundo informações do Procon-MG, em 2011, a BV Financeira, que foi uma das instituições proibidas de fornecer crédito e financiamento para novos clientes, já provocava descontentamento entre os clientes, já que ocupou o quarto lugar no ranking das empresas mais reclamadas no órgão. Neste ano, no levantamento do Procon da Assembleia, a financeira ocupou o quarto lugar entre as financeiras que mais receberam queixas e está na 10ª posição no ranking geral até 22 de agosto de 2012.


continuação - o tempo - edição eletrônica - economia - 23.8.12

Seminovos vão sentir mais

Apesar da determinação da suspensão da concessão de crédito e financiamento de bancos e também da BV Financeira pelo Ministério Público, a concessão de crédito em diversas concessionárias de Belo Horizonte permaneceu inalterada ontem. A supervisora de financiamento e seguro da Jorlan, Eliane Santos, disse que ficou surpresa com a notícia divulgada ontem. Entretanto, ainda não houve mudanças. "No nosso caso, se isso acontecer, o impacto maior vai ser para o segmento de seminovos e usados, no qual a BV responde por cerca de 30% dos financiamentos", diz. O gerente de

novos da Tecar, Shelber Morato, confirmou a normalidade na concessão de financiamento. Na Orca, o gerente da área de financiamento, Helbert Abrão, também disse que, se medida realmente se confirmar, o impacto será para quem trabalha com seminovos. "Para os novos, no mês passado, 90% dos financiamentos foram feitos pelo banco da montadora", diz. Além da BV, os bancos BMG, Bonsucesso, Cacique, Cruzeiro do Sul, GE Capital, Intermedium, Mercantil do Brasil, Rural e Santander (Brasil) estão proibidos de financiar novos clientes em Minas. (JG)

o tempo edição eletrônica - esportes - 23.8.12

Chico Maia

Lamento que a PM mineira não seja mais a que tínhamos até 2010, quando andaram com essa conversa fiada de problemas de segurança foi feito e a autoridade foi respeitada, graças à coragem e A falta de um Nilo

Para cada clássico, uma desculpa mais esfarrapada do que a outra para manter esse absurdo de torcida única. No ano que vem, com o Mineirão reinaugurado, haverá alguma outra justificativa furada para impedir que atleticanos e cruzeirenses estejam dentro do estádio. Uma vergonha! O Cruzeiro, mandante do jogo, deveria ter batido o pé e exigido que as forças de segurança do Estado cumprissem com o seu dever constitucional, mas certamente não teve interesse, por achar que apenas a sua torcida pode dar algum ganho dentro das quatro linhas durante os 90 minutos. A experiência dos clássicos anteriores com essa idiotice já mostrou que não tem nada a ver: o Cruzeiro já ganhou do Galo só com a torcida alvinegra presente por duas vezes. Lamento que a polícia mineira não seja mais a que tínhamos até 2010, quando andaram com essa conversa fiada de "problemas de segurança", e o então chefe do Comando do Policiamento da Capital (CPC), Tenente-Coronel Nilo, fez prevalecer a tradição de competência e destemor da nossa Polícia Militar. Em 2009, comandou pessoalmente as operações que garantiram a final da Libertadores da América, entre Cruzeiro e Estudiantes, da Argentina, sem nenhum problema. Arrancou elogios da imprensa nacional.

Sem balela

Um ano depois, o Cel. Nilo garantiu que o Atlético poderia usar o vestiário e banco de reservas do lado direito das cabines do Mineirão, debaixo da torcida do Cruzeiro; e que a Raposa, idem, no outro lado, sob a torcida atleticana. Assim

eficiência da Polícia Militar naquela oportunidade.

Sob risco

As coisas mudaram; o Cel. Nilo e outros militares dessa linhagem se aposentaram, e o que temos visto é uma Polícia Militar acuada diante de uma meia dúzia de marginais. Quando o Estado abre mão do seu poder, por falta de recursos humanos ou materiais, toda a sociedade perde e fica sob risco. Por essas e outras é que os números da violência só aumentam em Belo Horizonte.

Em campo.

O clássico, como sempre, imprevisível. O Atlético está em um momento melhor, mas o Cruzeiro é o Cruzeiro. Em um jogo desses, tudo depende! Montillo estará bem? Ronaldinho estará inspirado? Fábio e Victor fecharão o gol ou um deles engolirá um frango, desses que acontecem com qualquer grande goleiro?

Força, Coelho!

Entendo que o América está se virando bem para voltar a brigar nas cabeças da Série B, mesmo com a derrota em Ipatinga. Se Givanildo foi demitido, é porque a diretoria entendeu que estava na hora. E já que ele se tornou passado no clube, gostei das aquisições de Marquinhos Paraná, Ewerthon e da aposta no técnico Milagres. Tomara é que dê tempo de rearranjar a casa!

o tempo - edição eletrônica - opinião - 23.8.12

PM acuada no Clássico

Belo Horizonte tem se notabilizado por algumas características bastante singulares, ou seja, que chamam a atenção do resto do país - em alguns casos, pelo provincianismo, em outros, para orgulho de seus moradores. Mesmo assim, de capital nacional dos botecos a cidade-jardim, o antigo Arraial de Curral del Rei, sua primeira e única designação an-

tes do nome definitivo, BH ainda é uma capital aprazível e de gente de fácil convivência, o que é próprio da índole do mineiro, em relação a outros grandes centros urbanos. Mas causa espanto, para dizer o mínimo, a decisão de realizar mais um clássico entre Cruzeiro e Atlético com torcida única. Alegando questões relativas à segurança pública,


continuação - o tempo - edição eletrônica - opinião - 23.8.12

ao novo Independência, só terão acesso, no próximo domingo, os torcedores cruzeirenses, conforme decisão da Polícia Militar. Os moradores do entorno do estádio gostaram. Mas é aí que entra a coisa diferente que BH encerra, porque clássicos regionais tão importantes, como o mineiro, vêm sendo realizados nas demais cidades com clubes na primeira divisão com a presença de torcedores adversários, alguns, em estádios acanhados e menores. Se a PM admite que não tem condições de proporcionar garantia à ordem pública para a realização de um jogo de futebol, o que esperar da corporação de Tiradentes frente ao combate a bandos organizados e bem-armados de criminoo tempo - fórum - 23.8.12

sos? - há de indagar o cidadão, a cada dia mais indefeso em BH. Quem já viu a PM atuar com grande desenvoltura na repressão a variadas manifestações que reuniam mais gente que um jogo de futebol, deve ter sido tomado de total incredulidade diante da confissão pública de temor a uma eventual perturbação da ordem no Horto e nas adjacências. Será que a torcida mineira é uma das mais perigosas do país, como deixaram transparecer os envolvidos nos preparativos para o jogo, que nada vai decidir? Será que não valeria a pena confiar no bom senso do público e no espírito esportivo de todos antes que a moda pegue em definitivo?


hoje em dia - economia - p. 15 - 23.8.12


hoje em dia - esportes - 23.8.12


hoje em dia - esportes - 23.8.12

23.8.2012  

Clipping Eletrônico

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you