Issuu on Google+

Ano I

NĂşmero 36

Data 26.08.2011


almg informa - 26.08.2011


cont.. almg informa - 26.08.2011


esdato de minas - p.12 - 26.08.2011

PLANOS DE SAÚDE

Escolha pelo currículo

Marinella Castro Os mais de 44 milhões de usuários de planos de saúde do país vão poder escolher o hospital, laboratório e até o médico pelo currículo. Resolução publicada pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) obriga os planos a divulgar informações sobre a qualificação de sua rede. Para quem pretende contratar um convênio médico, a medida também pode facilitar a escolha. Entre as informações que o usuário terá acesso estão indicadores de qualidade de hospitais e laboratórios, como a participação em programas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A formação dos médicos também poderá ser conferida, já que os planos terão de publicar o título de especialista de seus profissionais, além de sua participação em eventos de qualificação. A ferramenta também vai tornar mais fácil conferir a ampliação da rede credenciada, a medida que cresce o número de usuários da operadora. Segundo o presidente do Conselho Deliberativo da Associação

Nacional dos Hospitais Particulares (Anahp), Henrique Salvador, a resolução dá maior transparência ao sistema. Ele aponta que nem sempre os planos adequam a rede ao crescimento da carteira, o que agora poderá ser mais facilmente fiscalizado. “A resolução é louvável. Muitos escolhem o plano pelo hospital conveniado. É um diferencial a mais, principalmente para os hospitais de primeira linha.” A Unimed-BH, atualmente o plano de saúde com maior participação no mercado de Belo Horizonte, informou que vai providenciar as adequações necessárias à nova resolução. O conselheiro do Conselho Federal de Medicina (CFM), Celso Murad, informa que a entidade ainda vai discutir a nova norma. Pessoalmente, ele comenta que a medida colocará fim a prática de algumas operadoras que divulgam como especialistas médicos que não têm o título. O profissional ressalta no entanto que o título não pode ser usado como ferramenta para descredenciar médicos. “Esta prática só pode ocorrer com justa causa, com amplo direito a defesa.”

conamp - Valor Econômico - SP - 26.08.2011

Nova tarifa de remarcação de bilhete já está valendo Por Alberto Komatsu O Ministério Público Federal (MPF) do Pará divulgou que desde ontem está valendo a redução das tarifas de remarcação e cancelamento de passagens aéreas cobradas por TAM, Gol, Cruiser, TAF e Total. A decisão, do juiz auxiliar da 5ª Vara do Pará, André Guerra, foi divulgada na semana passada e publicada ontem pela Imprensa Nacional, segundo o MPF do Pará. O juiz determina que as aéreas cobrem o máximo de 10% do valor das passagens em casos de remarcação ou cancelamento da viagem, sendo que em alguns casos era cobrada uma taxa de até 80%. Segundo o MPF, caso o pedido de cancelamento ou remarcação das passagens forem feitos com antecedência de até 15 dias, a taxa máxima é de 5% do valor do bilhete. As aéreas terão de devolver aos passageiros valores

cobrados além desses limites desde setembro de 2002. O juiz estabeleceu, ainda, multa de R$ 500 para cada caso em que não houver o cumprimento da decisão. A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) foi obrigada a fiscalizar o cumprimento dessas medidas e tem 120 dias para apresentar um plano de fiscalização. A Gol informou que só vai se pronunciar nos autos do processo. Já a TAM informou que “discorda da decisão da Justiça e esclarece que não se trata de decisão definitiva, e que inclusive, já protocolou recurso contra a medida proposta.” Sobre as atuais taxas para a remarcação de passagens, a companhia informa que hoje os valores para remarcação de bilhetes variam conforme o tipo de voo e com os “perfis de tarifa” do bilhete adquirido, sendo que os clientes são informados sobre as condições da tarifa no momento da compra.


26 de agosto de 2011