Page 1


Disponibilização: Eva

Tradução: Adriana, Erika, Gislene, Juliana, Paola, Rebeca, Renata

Revisão Inicial e Final: Fabricia, Rosa, Thaynara, Lizzie

Leitura Final e Formatação: Eva


Os irmãos Porter foram criados para viver e morrer por Três Regras. Um, um Porter sempre mantém o que é seu. Dois, um Porter não deixa nenhum inimigo de pé. Três… Greer está procurando o amor em todos os lugares errados. Ele quer filhos... e muitos deles, então é hora de ocupar-se

em

encontrar

a

mulher

sortuda

que

irá

compartilhar sua cama e sua vida. Embora não haja muito para

escolher

conseguiu

na

pequena

estreitar

suas

cidade

de

Treepoint,

escolhas

em

ele três.

O estranho é que a pessoa com quem ele está se apaixonando permanece um mistério, escondendo o rosto e o nome nas mensagens que ela envia por trás do computador. A mulher misteriosa consegue se esquivar de suas perguntas sobre sua identidade, mas é só uma questão

de tempo antes que ela descubra que este irmão Porter não vai se afastar de algo que ele quer, e ele a quer. Faça chuva ou faça sol, ele vai encontrar aquela que atende por Garotadokentucky e torná-la sua, apesar do que qualquer um diga, até mesmo ela. E Garotadokentucky vai descobrir a última regra Porter da maneira mais difícil: Um Porter sempre protege sua terra e conduz sua presa em seus braços.


Prólogo A pequena igreja estava cheia. Escondida nas montanhas, os paroquianos haviam viajado por vários municípios vizinhos para visitar a igreja que o Pastor Saul havia escolhido para o reavivamento anual das igrejas irmãs, aquelas que tinham o mesmo seguimento e compartilhavam a mesma fé. Ele tinha sido forçado a ouvir todos os domingos porque sua avó o tinha feito assistir, apesar das intermináveis súplicas que ele fez para seus pais para não deixá-lo ir. "Vamos sair daqui!" Greer sussurrou ao ver o Pastor Saul acenar com a cabeça para um dos membros da congregação para abrir uma caixa de vidro. O fiel então tirou uma cobra que estava furiosamente contraindo a cauda. O som da cascavel fez alguns na primeira fila ofegar em fervor religioso que foi construído pelo sermão do pastor. “Cala a boca” disse sua avó falando pelo canto da boca. "Eles vão nos expulsar se eles ouvirem você. " "Bom!" Greer resmungou de volta rebeldemente. Ele puxou o braço dela, tentando convencê-la a se levantar do banco, então eles poderiam sair pela porta dos fundo da igreja. Virando a cabeça, viu um dos diáconos que era tão velho quanto a sujeira colocar uma barra através da porta para prender os incrédulos dentro. Sua avó colocou uma mão sobre seu coração, seus olhos se arregalaram com medo enquanto a cobra tentava se afastar do agarre do manipulador. Quase se afastando do seu controle. A mão de Greer apertou seu braço. Normalmente, quando ele estava com medo, ele tinha seu pai ou seu irmão Tate próximo para lhe dar coragem. Com apenas sua avó ao seu lado, e religiosos fanáticos que perderam suas mentes sempre amorosas, era difícil não correr gritando para onde o seu pai estava esperando.


O pensamento de seu pai chamá-lo de maricas fez ele se sentar no lugar. Ela se afastou de seu toque. “Não.” "Você vai ter um ataque cardíaco se não sairmos daqui." Sua voz de dez anos de idade não fez nenhum efeito sobre ela. "Eu disse para guardar sua força. Não use seu poder em mim. Estou velha e pronta para conhecer meu criador. Aquela doce criança vai precisar de toda a sua ajuda." Ela se mexeu no banco para que ela pudesse olhar para ele. "Prepare-se” ela advertiu suavemente. Quando os paroquianos começaram a formar um círculo ao redor da filha do pastor, Greer relutantemente se levantou para ajudar a avó a ficar de pé "Lembre-se, não deixe ninguém ver o que você está fazendo" ela sussurrou enquanto caminhavam para a frente da igreja. "Finja como eu te disse para fazer." O estômago de Greer estremeceu nervosamente enquanto seguia as sugestões que ela tinha perfurado em sua cabeça durante os últimos dois meses. Dois anos atrás, quando ela lhe ensinara o que fazer, pensou que era um jogo. A primeira vez que ela o trouxera a um dos reavivamentos de Saul, ele tinha aprendido o que ela esperava dele. Os paroquianos começaram a cantar e a dançar ao redor da menina cujos olhos estavam enormes de medo. Ela estava congelada quando dois homens estavam ao seu lado, segurando-a no lugar para que ela não pudesse correr. Os homens crescidos eram suficientes para assustá-la, enquanto a cobra que se aproximava dela era o pesadelo de cada criança, não deixando-a com a chance de escapar. "Não se afaste da serpente. O Espírito Santo está conosco hoje." Saul entoou em uma voz monótona enquanto pegava o braço de sua filha para ela pegar a cobra se contorcendo em sua mão tremula. "Beth não tem medo, nem você deve ter." Saul começou a cantar palavras ininteligíveis enquanto a cobra ficou mais irritada. Sua avó o cutucou, lembrando-o da brincadeira. Relutantemente, seus


pés começaram a se mexer como se estivesse dançando, igual aos outros paroquianos estavam fazendo. Um grito alto vindo da parte de trás da igreja fez Greer se virar para ver Cash tentando lutar com vários homens no corredor quando ele tentava chegar até Beth. “Pare com isso!” Seus gritos foram ignorados, os seguidores da igreja não se distraíram do transe auto-induzido que alimentava sua ânsia cruel de ver alguém, mas a si mesmos, à mercê da serpente. As lutas de Cash derrubou a câmera que o pastor tinha colocado para gravar o renascimento. "Façam o incrédulo sair. Nós não o queremos aqui!" Saul gritou, a bobagem que ele estava cantando para desaparecer enquanto ele mandava os homens expulsar Cash da igreja. "Vamos." Greer erraticamente dançou mais perto de sua avó, querendo aproveitar a oportunidade para sair. Tristemente, ela balançou a cabeça em direção a Beth. Se virando para a frente da igreja, ele viu os dentes da cobra desaparecerem, afundando seus brilhantes dentes no braço da menina. Ele quase tropeçou em seus próprios pés. Durante os últimos dois anos, ele tentou evitar a visão repugnante da expressão cheia de dor que vinha sobre seus traços infantis. "Agora, Greer, agora!" Sua avó sussurrou freneticamente, empurrando-o para Beth quando ela caiu de joelhos. O manipulador de serpentes rapidamente se adiantou para tirar a cobra, enquanto os paroquianos começaram a dançar ainda mais freneticamente, cantando seu próprio clamor. Ele começou a inventar palavras enquanto ele propositadamente caiu ao seu lado, cobrindo os pontos de sangue em seu braço. Então sua mente ficou em branco enquanto ela olhava para ele, aterrorizada. Outros membros da igreja a tocaram quando começaram a orar. Greer ignorou-os, procurando os espíritos que nunca estavam afastados dele.


"Ajude-me! " Ele gritou em sua cabeça, querendo gritar em voz alta, mas sabendo que isso só iria tirá-lo do lado dela. "Ajude-me a curar Beth." Reunindo seus pensamentos, ele implorou pelos espíritos de intervenção de seus antepassados, sentindo-os encher suas mãos com seu calor curativo que escorregou dele para Beth. Em sua mente, ele os viu tentando expulsar o veneno que tinha sido injetado em seu braço. Quando sentiu que os espíritos trabalhavam, ele manteve sua concentração em Beth. Quando sentiu Saul tentar afastá-lo, ele gritou seu clamor mais alto. Saul removeu sua mão como se ele tivesse sido picado com o mesmo veneno de fogo que Beth tinha experimentado. Greer odiava o pastor. Que tipo de homem faria isso com a sua própria filha? Sua esposa, que era tão fanática, dançava como se estivesse alegre, enquanto sua filha morria. A única que tinha algum sentido era sua irmã Lily, que colocou a cabeça de Beth em seu colo. Seus olhos violetas se encontraram com os dele, lágrimas rolando por suas bochechas enquanto ela orava pedindo a ajuda de Deus. Quando começou a sentir tonturas, sentiu que Beth começava a escapar dele. O veneno era muito mais forte do que seu corpo poderia aguentar. Era mais do que os espíritos podiam canalizar. Então ele sentiu uma mão frágil tocar suas costas. "Ajudem esta criança." Sua avó afundou-se ao lado dele, dando-lhe a força para estabilizar e afastar o veneno do coração de Beth. Sua mão apertou a ferida de Beth. Olhando para baixo, ele apressadamente retirou a sua mão, vendo as marcas das mordidas derramando gotas de líquido turvo. Greer usou o fundo de sua jaqueta para limpá-lo discretamente. "Obrigado" ele conseguiu falar enquanto caia ao lado de sua avó. Ela expulsou os fiéis que estavam orando por Beth. "Você está bem?" Ela perguntou. Ele acenou, conseguindo se abaixar no banco mais próximo deles. Então Greer ajudou a avó a sentar-se ao lado dele. “Podemos ir agora?” perguntou Greer em voz rouca.


"Me dê um minuto." Eles se sentaram silenciosamente. Greer teve que se controlar para não gritar os paroquianos que estavam sob o feitiço do pastor Saul, incapaz de acreditar como eles poderiam ser enganados a acreditar que ele era um profeta. Ele era apenas um garoto, e podia ver que o homem era tão louco quanto o cão que seu pai teve que matar quando ele tentou morder sua irmãzinha. "Estou pronta." Greer ajudou a avó a ficar de pé. Enquanto caminhavam para a porta, ele esperou ser interrompido por dois membros da congregação que bloqueavam a porta. “Preciso de ar.” O rosto cinza de sua avó fez um dos homens ir para o lado, enquanto o outro removia a barra que bloqueava a porta. “Você está bem, Ada?” Greer reconheceu um dos homens que, ocasionalmente, vinham comprar um frasco de leite de seu pai. "Sim, meu velho corpo não consegue lidar com todos os saltos como antigamente." “Greer, é melhor levar sua avó para casa. Seu pai não ficaria feliz se ela exagerasse.” “Sim, senhor” resmungou Greer, guiando a avó para a porta. Nenhum deles falaram enquanto subiam na parte de trás do velho Ford de seu pai. Seu pai colocou seu braço sobre o assento para olhar para eles. Seus lábios apertaram quando ele então se virou para frente, sacudindo o cigarro pela janela antes de enrolá-lo. “Como foi o renascimento?” O interior do carro estava escuro. Greer estremeceu no assento traseiro, começando a suar frio. Ele corajosamente tentou parecer inexpressivo, sabendo que seu pai não queria ouvir qualquer dor de barriga. Não, esperava-se que um homem fosse forte, a menos que fosse suficientemente sério para ir ao hospital. Mesmo assim, você não deveria mostrar nenhuma dor.


"Aumente a temperatura." Sua avó colocou seu braço em torno de seus ombros, puxando-o para mais perto dela. Greer afastou-se, não querendo que seu pai a visse mimando ele. "Eu vou vomitar" Greer conseguiu soltar quando a bile de seu estômago começou a queimar um caminho em sua garganta. Seu pai desviou, estacionado o carro para o lado da estrada. Assim que o carro parou, Greer pulou para sair e vomitou na erva daninha ao lado da estrada. Ele podia ouvir seu pai xingando de dentro do carro enquanto sua avó descia a janela para verificá-lo. "Eu não vou deixar mais Greer ir. No ano que vem, vou colocar uma bala naquele pastor e resolver os problemas de Beth e Lily eu mesmo” ameaçou seu pai. "Não, você não vai. Você não vai amaldiçoar sua alma eterna por causa de Saul Cornett.” A voz frágil da avó podia ser ouvida sobre as ameaças de seu pai. "Deus cuidará desse homem sem que você deixe sua família incapaz de se defender sozinha" "Quando? Depois que a criança estiver morta e enterrada?" Seu pai rosnou, saindo do carro. Greer viu o carro tremer com a força da batida da porta. Greer se levantou ficando reto quando seu pai se aproximava dele. Ele podia ver as respirações irritadas que estavam saindo das narinas do seu pai no ar gelado. "Você está bem, garoto?" Greer acenou com a cabeça. "Sim senhor." Seu pai soltou um longo suspiro. "Garoto, você precisa vomitar, vomite. Eu não espero que você o segure" Greer se inclinou, soltando outro ataque de vômito ao chão. Quando terminou, seu pai foi para o bolso de sua calça jeans para tirar um lenço, dando a ele. Ele enxugou a boca, empurrando o lenço dentro de sua jaqueta quando ele fez. Então Greer começou a voltar para o carro. "Você conseguiu ajudar Beth?" A pergunta de seu pai o deteve.


“Sim, senhor.” Greer perguntou: “Por que o pai dela sempre tenta machucá-la?” Seu pai olhou para ele atentamente. "Porque ela é fraca e não há ninguém que queira detê-lo." "Lily é mais jovem e mais fraca do que Beth, mas ele não coloca essa cobra perto dela." "Algo o faz ter medo de fazer isso, ou ele faria." "Deus?" Seu pai bufou. "Não, Deus é quem tem medo dele. Eu não sei quem, mas ele cuida dela como se o próprio Diabo virá atrás dele se fizer qualquer dano à sua filha adotiva. "Você poderia ajudar Beth se quisesse." A coragem de Greer desapareceu com olhar que atravessou os olhos do seu pai. "Além de matar o bastardo, o que você sugere que eu faça? Aquele xerife preguiçoso foi o único que deixou você e a vovó passar pela porta" seu pai cuspiu. "Eu tenho quatro filhos e sua avó para proteger. Se eu for ao escritório do xerife, para fazer uma queixa da forma que o pastor mais santo está tratando a filha, eu estaria atrás das grades antes que eu pudesse jogar as palavras da minha boca. Eu faço o que posso deixando meu filho entrar naquela igreja, apesar das minhas crenças de que são um bando de cavalos.” O nariz de Greer começou a escorrer com o ar frio. “Limpe seu nariz.” Ele apressadamente pegou o lenço, limpando seu nariz escorrendo quando ele deu um passo para trás do pai dele. "Seu pau ainda não está suficientemente grande para me questionar. Eu não tenho que explicar porra nenhuma para você." Sua mão pousou no ombro de Greer, levantado-o em seus dedos dos pés em seus sapatos novos de domingo "Sim senhor." Seu pai o sacudiu, depois o soltou ao grito de sua avó de dentro do carro. Greer conseguiu se estabilizar quando foi jogado contra a lateral do carro.


"Ultimamente eu tenho deixado você passar muito tempo com sua avó. De agora em diante, seu traseiro está fora da cama, trabalhando comigo, à primeira luz do sol. Quando você for o único a colocar comida na mesa, você vai ver como é difícil." Ele direcionou a cabeça para a estrada que levava de volta para a igreja. "A maioria da cidade está naquela igreja. Esses idiotas tementes a Deus não têm nenhum problema em dirigir até a minha casa para comprar maconha ou suas bebidas. É isso que coloca a comida em nossa mesa. É isso que coloca os sapatos em você, seus irmãos e nos pés da sua irmã. É o que paga pela medicina da sua avó! Você acha que um centavo do seu dinheiro iria para o meu bolso se eu irritá-los? Rapaz, você precisa aprender uma lição agora - Você quer ajudar aquelas garotas? Ande com a sua bunda até aquele morro e faça com que eles te escutem." Greer ficou imóvel sabendo que eles iriam alimentar as cobras com o seu traseiro. "Não? Até que você seja capaz de defender suas terras, e pronto para enfrentar qualquer um que tente passar por você, não ache que você é um homem melhor que eu. Você entendeu?" "Sim senhor." Seu pai deu um suspiro esfarrapado, e Greer se obrigou a não se encolher quando seu pai se aproximou. Colocando as mãos nos ombros dele, ele o arrastou para perto e lhe deu um abraço de urso. "Beth e Lily ficarão bem. Elas não serão crianças para sempre. Elas vão sobreviver.” Greer sabia que seu pai não era tão cruel quanto parecia. Vivendo nas montanhas, só os fortes sobreviviam. Eram os fracos que não duraram muito em seu modo de vida. “E quanto ao pastor Saul?” Greer viu as luzes levemente da igreja brilhando na escuridão. “Aquele filho da puta? O dia daquele bastardo está chegando. Você não pode distorcer as palavras do Senhor e não esperar um chute na bunda. Um dia, ele vai ter exatamente o que ele merece. Saul colherá o que ele semeou." Seu pai estava certo; Beth e Lily sobreviveriam, e ele também. Os espíritos disseram-lhe o que procurar. Seus sussurros prometiam um futuro onde ele tinha muito para comer, onde ele não ficaria tão assustado


com as pancadas que seu pai lhe dava, e onde havia um amor como o que sua mãe tinha falado em seus livros. Tudo o que ele tinha que fazer era esperar pelo sinal deles. Greer olhava para o cobertor de neve que cobria o chão e a estrada enlameada que estragava a beleza, como se alguém tivesse pegado um cartão-postal, estivesse amassado e andasse sobre ele, arruinando-o com seu toque. O sinal que ele estava procurando não estava por perto. Uma margarida não poderia florescer no inverno.


1

Garotadokentucky: Quer conversar? Atiradordeelite: Tudo bem. O que foi, Garota do Kentucky? GarotadoKentucky: Nada. Eu estava entediada e estava procurando alguém para conversar. Atiradordeelite: Por que você não tem uma foto em sua conta? GarotadoKentucky: Eu trabalho em um grande escritório. Alguns dos meus colegas de trabalho usam este site, e eu realmente não quero eles falando de mim no refeitório. Atiradordeelite: Eu não posso te julgar. Eu sou um tipo de homem reservado também. Que parte do Kentucky você mora? GarotadoKentucky: Centro. Atiradordeelite: Eu vivo em Treepoint, Kentucky. GarotadoKentucky: Já ouvi falar. Nunca estive aí. Você gosta de morar aí? Atiradordeelite: Eu amo isso aqui. Você gosta de onde vive? GarotadoKentucky: Sim. Você alguma vez já visitou Lexington? Atiradordeelite: Não, muito ocupado. Diz-me algo sobre você. GarotadoKentucky: Está bem. Manhã é a minha hora favorita do dia, mas eu gosto da noite, também. Às vezes eu gosto de sentar e assistir vaga-lumes. Atiradordeelite: Alguma vez pegou algum e colocou em um frasco? GarotadoKentucky: Não, eu quero vê-los, não matá-los.


Atiradordeelite: Que tipo de música você gosta? GarotadoKentucky: Pop. Atiradordeelite: Country esse estilo é tudo. GarotadoKentucky: Qual é a sua profissão? Atiradordeelite: Primeiro você ... Algo que envolva a aplicação da lei? GarotadoKentucky: Eu sou uma gerente de TI. Você? Atiradordeelite: Autodidata em botânico. GarotadoKentucky: Isso é interessante. Que tipos de plantas você estuda? Atiradordeelite: Uma variedade. Agora, eu estou tentando cruzar algumas que são nativas do Kentucky. GarotadoKentucky: Você parece inteligente. A única coisa que eu sei sobre plantas é como matá-las. Atiradordeelite: Parece que não temos muito em comum. Foi bom falar com você, Garota do Kentucky. GarotadoKentucky: Foi bom falar com você, também. Tchau. Bate papo encerrado.

Atiradordeelite: Por que você mudou a foto do seu perfil? GarotadoKentucky: Eu não sei. Eu pensei que era melhor do que um esboço sombrio. Atiradordeelite: Por uma margarida? GarotadoKentucky: Acho que foi porque eu estava falando com você e isso me fez pensar em minha flor favorita. É muito patetico? Atiradordeelite: Eu não acho que é patetico.


O SOM DA caminhonete a fez levantar o canto da cortina para ver lá fora. Olhando cuidadosamente pela cortina, Holly viu Greer saindo do carro de Diane. Ele tinha passado a noite com ela novamente. Greer considerava a mulher, sua namorada. Ela o considerava seu brinquedo. Apesar de seus irmãos e irmã repetida vezes tentar bater esse fato em sua cabeça teimosa, Greer se recusava a ver que a mulher era uma vagabunda e o usava quando ela precisava de alguma coisa. Como um amigo de foda, ou dinheiro para alguma conta que ela precisava de ajuda para pagar, ou uma nova bolsa que ela queria. Enojada, ela assistiu Greer fechar a porta do carro, em seguida, caminhar ao redor do carro para se curvar para falar com Diane através da janela aberta. Holly soltou a cortina quando ela viu os dois se beijando. “Apresse-se, Logan. Você vai se atrasar para a escola.” Ela pegou um pano para limpar a nova ilha de cozinha que Tate tinha instalado. Dustin pegou a pequena mochila que estava na parte de trás do sofá, enquanto Logan saia correndo do banheiro. "Estou pronto." Holly parou de limpar a ilha enquanto respirava a colônia forte. Os olhos de Dustin tinham começado a lacrimejar, e não era de emoção. “Uh, filho, você colocou alguma colônia de Greer em você quando você estava escovando os dentes?” Logan olhou para seu pai timidamente. “Não, eu quero ir para escola cheirando bem.” Dustin colocou a mochila de Logan no sofá. “Eu acho que nós precisamos lavar um pouco disso” Logan apertou os lábios. “Mas eu quero cheirar bem como o tio Greer.” O objeto de sua bajulação entrou pela porta, e Holly parou de carregar a máquina de lavar louça. Greer não tinha sequer incomodado em abotoar o primeiro par de botões de sua camisa. Sua calça jeans desbotada estava ficando esfarrapada, a bainha irregular caía sobre o


início de suas botas. Ela rapidamente baixou os olhos para a máquina de lavar louça, pressionando os botões para iniciar a máquina nova. Holly fazia questão de nunca deixar seus olhos permanecer nele por muito tempo. Ela tinha aprendido logo que ela tinha se mudado com a família Porter que Greer usava toda e cada oportunidade para lançar seu sarcasmo sobre ela. Atacar ela havia se tornardo seu esporte favorito, nunca revidava, até que ele atingia um nervo. “Algum café?” Holly não respondeu, deixando-o ir até a jarra de café para verificar por si mesmo. Ele parou abruptamente. “Será que um gambá entrou aqui na noite passada?” Greer foi até a janela, abrindo-a. “Logan decidiu que queria usar um pouco de sua colônia para ir a escola esta manhã” Dustin explicou. “Eu estava levando-o para o banheiro para fazer ele lavar isso quando você entrou.” “Jogue a colônia fora quando você estiver lá.” O nariz de Greer enrugou em desgosto. “Droga, estou surpreso por eu ter dormido a noite passada cheirando assim.” A boca de Holly se abriu. “Você tem que falar assim na frente de Logan?” Os lábios de Greer se torceram em um sorriso sarcástico quando Dustin levava Logan para o banheiro. Greer foi para atrás do balcão da cozinha para pegar um copo de um armário, enquanto Holly esperava tensamente, sabendo o que estava por vir. Ele não decepcionou. “Quando eu quiser sua opinião sobre o que eu digo na frente de meu sobrinho, eu porra perguntarei.” Holly queria explodir em lágrimas por causa da sua dura crítica, mas quando se é confrontado com um cão raivoso, ela havia aprendido a não demonstrar medo ou emoção na frente do homem arrogante.


“Você pode gostar de agir como um caipira mal educado, mas se a mesma mulher criou você como seus irmãos e Rachel, então você deve saber como falar na frente de uma criança de sete anos!” Holly se prepara para o retorno quando Dustin e Logan felizmente saíram do banheiro. Dustin ajudou Logan a colocar sua mochila, dizendo: “Eu tenho que me apressar. Eu tenho uma reunião com Willa às oito e meia.” Ele lhe deu um olhar preocupado, hesitando. Holly passou por Greer para arrumar o topete de Logan. “Tenha um bom dia na escola. Eu te amo.” Se inclinando, ela passou seus lábios contra a bochecha dele. Logan olhou rapidamente para Greer. “Tchau, Holly.” Levantando as alças de sua mochila, ele agarrou a mão de seu pai, puxando-o em direção a porta. Holly abaixou os cílios, não querendo que Logan visse como ferida ela ficou quando ele não repetiu o "eu te amo" de volta. No entanto, ela não perdeu o brilho triunfante de satisfação nos olhos de Greer quando ela foi para o congelador para tirar a carne para o ensopado que ela planejava fazer para o jantar. Se ele falasse alguma coisa, ela prometeu a si mesma que bateria no cérebro dele com o pedaço de carne congelada. Ela mordeu o lábio para evitar que tremesse. Ela não estava disposta a dar-lhe a satisfação de ver que seus sentimentos tinham sido feridos. Enquanto ela colocava a carne na panela elétrica, ela ignorou seu corpo musculoso respirando no espaço que ela precisava. “Eu ouvi que o restaurante está contratando. Se Diamond não puder lhe dá mais horas, talvez você devesse verificá-la.” “Talvez você devesse ir tomar um banho. Entre aquela colônia e o perfume barato de Diane, eu vou ter que abrir outra janela.” Ela puxou uma faca do bloco de faca e começou a cortar cenouras. Pelo canto do olho, viu Greer enrugando a cara. Então, colocou sua xícara de café no balcão, ele cruzou os braços contra o peito.


“O menino está muito velho para ter você ainda o mimando. Dustin é muito legal para te dizer algo, mas não precisamos mais de você.” Holly continuou cortando as cenouras. "Embora Dustin não tenha a sua personalidade encantadora, eu não diria que ele era muito legal. Se ele quisesse que eu partisse, ele não teria problema em me dizer." Ela colocou um punhado de cenouras na panela eletrica depois pegou uma cebola. “O que você está tentando cozinhar? Você sabe que eu odeio cebolas.” "Isso importa? Você tem saído para comer com Diane na última semana.” "Com ciumes?" A faca quase escorregou. Ela mal conseguiu salvar seu polegar no tempo. Firmando sua mão, cortou a cebola com habilidade, antes de jogálas com a carne e as cenouras. “De Diane? Preferia estar com ciúmes daquele cachorro dormindo na varanda da frente." Ela pegou vingativamente uma outra cebola. Ele levantou uma sobrancelha para ela. “Eu quis dizer sair num encontro.” “O que você e Diane fazem não é considerado um encontro. Ela o considera um plano de refeições.” Raiva encheu seu rosto. Por um segundo, Holly ficou com medo que ele iria bater nela. Encolhendo-se, ela levantou a faca para se proteger. Greer começou a rir. “O que você vai fazer com isso?” “Experimente” Ela estava além cansada de sua atitude. Se ela não amasse Logan com cada fôlego de seu corpo, ela teria saído na primeira semana que ela foi morar com eles.


Ofensivamente, ele baixou os olhos para os seios que estavam arfando contra a sua camiseta. Então ele desdenhosamente percorreu até os seus quadris curvilíneos antes de levantar os olhos. "Vou passar." Holly se virou para terminar de cortar a cebola enquanto ouvia a porta do banheiro se fechar. Ela manteve o rosto inexpressivo até ouvir a água ligada. Então, sentindo-se derrotada, sentiu uma lágrima escorrer pelo seu rosto. Terminando com os legumes, ela colocou em cima da panela elétrica. Em seguida, ela rapidamente lavou as mãos antes de fugir. Indo para o galinheiro que Tate tinha construído para ela, ela pegou uma cesta pendurada em um gancho antes de recolher os ovos. Ela não estremeceu quando uma das galinhas fez objeções de ter seus ovos roubados. Colocando os ovos para o lado, ela então caminhou ao redor do cercado, espalhando a ração. Isso dava a ela um sentimento de realização ao ver como saudáveis e grandes as galinhas estavam crescendo. Holly se assegurou de não se apegar a eles, mas isso a fazia sentir como se ela estava contribuindo num pequeno caminho. O dinheiro que ela fazia vendendo ovos e as compotas não era muito, mas isso a fazia sentir como se estivesse continuando uma tradição quando ela colocava suas próprios compotas nas prateleiras onde as mulheres Porter haviam armazenado as delas por gerações. Pegando sua cesta de ovos, ela observou as galinhas procurar pela ração. Talvez Greer estivesse certo e ela deveria pedir a Diamond mais horas. Logan estava na escola agora. Ela admitiu para si mesma que ela estava aterrorizada pelo dia em que Logan não precisaria mais dela. Os Porters usariam essa oportunidade para fazer o que Greer desejava fazer desde o primeiro dia em que se encontraram - Livrar-se dela. A porta da frente se abriu, e ela viu Greer sair com seu rifle. Seu cabelo ainda estava molhado enquanto caminhava com confiança para o trecho do bosque, onde sabia que os Porters cultivavam maconha, apesar dos protestos de Rachel. Algumas das tradições dos Porters seria melhor se fossem abandonadas, não incutida em outra geração. Até agora, os Porters tinham mantido a sua subsistência em segredo de Logan. À medida que


envelhecia, no entanto, seria apenas uma questão de tempo antes que ele descobrisse. Greer cuidaria disso. Ele não estava envergonhado com o que ele fazia para viver. Na verdade, Greer se gabava sobre a qualidade da maconha que ele produzia, a menos que pensasse que era um informante ou um federal. Lidar com Greer envolvia uma grande dose de paciência e um copo de vinho que ela dava a si mesma todas as noites como recompensa para suportá-lo a cada dia sem matá-lo. Trancando a porta atrás dela, ela estava andando em direção à casa, quando o cachorro de Greer pulou de seu lugar favorito na varanda. Quando Tate tinha se mudado para a casa de Sutton, ele tinha levado o seu cão com ele, então Greer trouxe para casa um grande cachorro que era tão feio que era adorável, com orelhas caídas e olhos tristes que constantemente pediam guloseimas. Ele tinha se tornado seu companheiro constante, apesar da determinação de Greer para fazê-lo seu cão de caça. Ele tinha desistido quando, toda vez que Greer levava Hunter com ele para a caça, o cão briguento voltava para a casa. Apesar das ameaças de Greer de atirar no cão após a última vez que ele havia tentado levá-lo para a caça, só para ver o filhote de cachorro preguiçoso dormindo na varanda, os apelos em pânico de Logan tinham salvado sua vida, ou assim Greer tinha dito. Holly realmente não acreditava que ele iria matar o cachorro. Mas a partir do brilho toda vez que ele saia para caçar, ela não podia ter tanta certeza. Holly não reconheceu a caminhonete que parou pela casa. Ela engoliu a seco quando três homens saíram. Curt Dawkins, seu primo mais novo Justin, e Luke Baxter. Eles ficaram na frente da caminhonete cara, e Holly sentiu a pele arrepiar devido a forma como Curt olhou para seu corpo. Agarrando a cesta de ovos no peito, ela permaneceu onde ela estava. “Greer está por aí?” Olhando pelo canto do olho para ela, a boca de Curt se curvou em um sorriso de satisfação quando ela agarrou a cesta mais apertado.


“Sim, eu vou dizer a ele. Que ele tem companhia.” Quando ela estava dando um passo em direção à casa, Curt e Lucas se moveram para bloquear seus passos para a varanda. “Sem pressa. Eu não vi você na cidade recentemente. Greer e Dustin tem te mantido ocupada?” A boca de Holly endureceu com a sua insinuação maldosa. “Ou talvez você não tenha me visto na cidade, porque eu te vi primeiro.” Curt não gostou do seu sarcástico insulto. Holly não precisava de ninguém para lhe dizer que o homem tinha uma raia ruim. Estava bem ali em sua expressão corporal. “Você insultou o meu primo?” O queixo quadrado de Justin se esticou, seus ombros recuando como se quisesse bater nela por se atrever a desrespeitar o maior valentão na cidade. Ele era facilmente o dobro do tamanho dos homens mais velhos. Holly tinha visto ele algumas vezes no restaurante da cidade. Ele costumava sair com outros membros da equipe de futebol. Desde que se formou no ano passado, No entanto, ele agora passava a maior parte de seu tempo atrás de Curt. “Não é um insulto, se é a verdade.” Holly sabia que não era inteligente contrariar os homens quando estava sozinha, mas ela não gostou da maneira rude que eles estavam olhando para ela. Curt colocou uma mão no peito de Justin quando um grunhido veio da varanda. Hunter se levantou, e seu grunhido fez os três homens enrijecerem. “Entre e fale com Greer que estamos aqui.” Curt deu olhares de aviso para Justin e Lucas, que os outros dois homens ignoraram. “Vadia, você precisa prestar atenção a suas maneiras, ou Justin e eu iremos ensiná-la como se fala quando uma visita aparece.” O tom insolente de Lucas fez ela morder a língua. Uma das vantagens de trabalhar no escritório de um advogado de cidade pequena era que ela conhecia a maioria das pessoas da cidade. Ou eles entravan no escritório à procura de conselhos para tirá-los de problemas, ou eles tinham um


parente precisando de ajuda. Luke tinha vindo ao escritório de Diamond para contratá-la para livrá-lo por dirigir embriagado. “Chame o seu cão” Curt ordenou quando ele deu um passo furtivo para trás em direção a sua caminhonete. “Você não está pensando em atirar em meu cão com aquela arma que você tem em seu banco, não é?” Greer veio de trás da caminhonete. Os rostos dos homens empalideceram quando se viraram para ver que a espingarda de Greer estava apontando para o peito de Curt. “Nós estávamos apenas brincando, Greer. Chame o seu cão. Eu quero falar com você sobre um negócio.” Holly queria rir dos homens. Curt tinha perdido sua atitude de assediador, assim como os outros homens quando viram que Greer não estava baixando a arma. “Entre na casa, Holly, e leve Hunter com você.” Ela passou pelos homens, se certificando de não tirar os olhos deles até que ela estava segura dentro. Assim que a porta estava trancada, Holly pegou seu telefone para ligar para Tate. Colocando o telefone no ouvido, ela foi até a janela para olhar para o lado de fora, soltando um suspiro quando viu Tate saindo da floresta, seu rifle também apontado para os três homens que agora pareciam tão assustados quanto a tinham deixado. Holly deixou cair a cortina, indo até o balcão para pegar uma guloseima para cachorro orgânico de uma lata de metal, e então, deu a Hunter. “Da próxima vez, morda ele, e eu vou cozinhar para você um bife.”


2

“Mas que porra, vocês idiotas querem?” Parecendo incertos, Curt, Justin e Luke se encararam quando Greer não fez nenhuma tentativa de baixar a espingarda. Quando viram Tate se posicionar ao lado dele, Greer pensou que eles iriam se mijar. Os gatos amedrontados deveriam ter pensado melhor antes de aparecer em sua porta sem um convite. Curt acenou com a cabeça para Luke. “Temos uma proposta para você.” “A única proposta que eu quero ouvir é para você ir se foder.” “Vamos, Greer, ouça o que temos a dizer antes que você comece a explodir tudo e fique louco.” A atitude receptiva de Curt tinha se transformado drasticamente daquela que ele tinha dado a Holly, quando os filhos da puta não sabiam que ele estava perto e podia ouvir. “Você sempre vem para a casa de alguém e insulta um membro feminino da sua família?” Não demorou muito tempo para os estúpidos perceberem que ele tinha ouvido a troca entre eles. “Nós estávamos apenas brincando. Traga ela aqui e vamos pedir desculpas.“ Curt respondeu. “Ela não quer ouvir nenhum pedido de desculpas seu. E nós também não. Você tem um minuto para dizer qual é o seu negócio antes de eu poupar Knox do esforço de prender você por invasão."


“A conversa pela cidade é que você tem uma nova planta que você está cultivando chamada ouro do Kentucky. Eu quero comprar as plantas que você tem. Isso vai poupá-lo de se preocupar para quem você está vendendo. Eu ouvi que a Polícia Estadual tem tentado pegá-lo. Nós podemos ajudar uns aos outros. Estou disposto a pagar o prêmio se é tão bom como dizem.” “Como você ouviu sobre o ouro do Kentucky?” “Eu tenho minhas fontes.” Curt sorriu, ficando arrogante, pensando que Greer seria tentado pelo dinheiro. Todos em Treepoint e mais três cidades sabiam que ele venderia sua alma por um dólar. “Você sabe sobre o que ele está falando, Tate?” "Não. Mas o pai sempre disse que quem ouve fofocas é uma velha ou uma cadela. Você está escondendo uma buceta por trás dos seu jeans?” O rosto de Curt ficou vermelho de fúria, o ar ao redor deles tornouse cheio de tensão, enquanto Justin e Lucas esperaram por seu amigo reagir com a violência que havia aplicado naqueles que ousaram desafiálo. Quando ele era um treinador na escola, ele tinha escondido seu verdadeiro caráter. Desde que foi demitido por roubar dinheiro do programa, ele não se preocupou mais com seu verdadeiro eu aparecendo. “Então, você vai fingir que não sabe do que estou falando?” Curt grunhiu com os dentes cerrados. “Droga, Curt, eu nunca ouvi falar do ouro do Kentucky. Talvez você tenha ouvido a mesma pessoa que estava fofocando sobre você bater em uma colegial, em seguida, deixá-la quando ela perdeu seu bebê. Ou talvez seja aquele que disse que você mudou o seu nome de Demaris para o sobrenome de sua mãe, Dawkins, porque você estava tentando se cobrir quando Jo voltou para a cidade e chutou a sua bunda no Rosie, pelo que você fez com ela na escola." “Você não me quer como inimigo, Greer. Não serei só eu que você estará irritando.”


“Você está me ameaçando com os Last Riders?” Greer pegou seu celular, segurando a espingarda firmemente com a outra mão. “Eu posso ligar para Shade e resolver isso com ele agora se ele te mandou aqui.” Medo passou pelos olhos de Curt e os dos outros dois homens. “Shade não nos enviou aqui. Como eu estava dizendo, pensamos que poderíamos te fazer um favor.” “Eu não preciso de nenhum favor de ninguém que eu não considero um amigo. E eu não tenho nenhum desses. Seu minuto acabou. Dá o fora daqui e não volte." Greer acenou com a arma para fazer os homens andar. “Você e Tate estão cometendo um erro.” Curt ameaçou quando ele voltou para a sua caminhonete. “Somos os únicos que você não deve ter como inimigo. A última família que começou uma briga conosco não sobrou um para continuar o seu nome.” Pneus rodaram no cascalho enquanto Tate e Greer assistiam um Curt raivoso ir embora, enquanto eles saiam do quintal. “Não faça isso.” Tate advertiu quando Greer colocou a espingarda no ombro. Ele afastou o seu dedo do gatilho. “Eu só iria atirar em suas luzes traseiras.” Greer cuspiu, baixando a arma. “Para quem você foi correndo falar sobre o ouro?” Tate não tirou os olhos da direção que a caminhonete tinha ido. “Eu estava prestes a lhe fazer a mesma pergunta.” "Eu? Para quem eu diria?” “Diane. Ou qualquer pessoa no Rosie quando você está bebendo.” “Eu não abri a minha boca. Você foi a pessoa que deu essas plantas ao chefe de Sutton. Eu lhe disse para não fazer isso. Você é o único que tem problemas em manter a boca fechada.” “Liam não ficou tempo suficiente para falar com alguém. Ele pegou as plantas, colocou em seu carro alugado, e deixou a cidade vinte minutos


mais tarde.” Tate olhou para ele enquanto subiam os degraus até a varanda da frente. “Bem, alguém foi fofocar. Se não foi eu ou você, quem você acha que foi?” “Eu não sei quem. Quando Dustin chegar em casa, talvez ele tenha uma ideia. Ele está na cidade mais do que nós. Talvez ele tenha ouvido alguma coisa.” “Ele gasta tanto tempo em Rosie quanto eu. Pode ser que ele seja o único que tem se gabado como isso é bom.” “Pode ser, mas eu não acredito nisso.” Tate sacudiu a cabeça, em dúvida. “Você realmente pensa que a Polícia Estadual está nos observando, ou que Curt só disse isso para que nós vendessemos para ele?” “Ou isso, ou ele é um informante tentando nos fazer admitir o que estamos vendendo.” “Eu posso ver Curt fazer isso. Ele está sempre tentando sair de algum problema. Ele não teria um problema em nos enviar para a cadeia para manter o seu próprio rabo limpo.” Greer pegou seu telefone celular. “Para quem você está ligando?” Perguntou Tate. "Shade. Esse filho da puta conhece cada peido que todos soltam nessa cidade.“ "Não faça isso. Este é um negócio de família. Vou enviar uma mensagem para o Cash. Ele e Rachel podem vir hoje à noite.” “Desde quando nós consideramos que Cash é da família?” “Desde que ele se casou com a nossa irmã.” Impaciente, Tate pegou seu celular. “Rachel não se divorciou dele ainda?” “Você sabe que não. Você a viu alguns dias atrás.” “Um homem pode sonhar.”


“Você é um idiota.” Tate colocou o telefone de volta no bolso. “Não aja como se você gostasse dele mais do que eu gosto.” “Ele está ganhando meu respeito desde que Ema nasceu.” “Eu tenho uma verruga crescendo no meu dedão do pé; Isso não significa que eu estou ligado a ela." ele zombou. “Quando ele vier, não comece uma briga. Rachel fica chateada.” Greer lhe deu um sorriso. “Cash pode passar uma noite no sofá.” Tate retribuiu o seu sorriso. “Eu preciso voltar para casa. Eu não quero deixar Sutton sozinha, com Curt bisbilhotando por aí.” “Eu lhe disse que a câmera detectora de movimento em frente da garagem era uma boa ideia. Esse toque é um pé no saco, mas nos permite saber quando alguém está se aproximando da garagem.” Tate tinha discutido sobre o gasto. Agora ele tinha que reconhecer a sua utilidade. "Você estava certo. Mas cada vez que um cervo ou um coelho aparece, é um saco“ “Você prefere que seja os Colemans ou os Hayes?” "Não. Estou surpreso que Dustin não ligou quando ouviu o toque.” “Ele teve uma reunião com Willa, então ele provavelmente o desligou.” Greer deu de ombros. “Ele sabe que podemos cuidar de nós mesmos, e Logan está na escola.” “Ele sabe que hoje Holly está em casa.” "Isto me lembra. Há algo que eu quero falar hoje à noite, durante a reunião de família.” “Se isso envolve mandar Holly embora, poupe o seu fôlego.” Quando Greer abriu a boca, Tate sacudiu a cabeça. “Podemos falar esta noite. A que horas você quer que eu diga para Cash e Rachel aparecerem?”


“Diga a eles para vir jantar. Holly vai está fazendo um cozido grande o suficiente para alimentar a cidade, e ela colocou cebolas suficientes para que Cash não seja o único dormindo no sofá, a menos que você use um litro de enxaguante bucal quando chegar em casa.” Tate fez uma careta. “Ela colocou algum alho nele?” “Nah, esse está fora. Ela o esqueceu na loja. Eu não me importo com o alho; São as cebolas que me incomodam.” “Diane deve ter alguma deficiência no nariz para deixar você passar a noite com ela. Entre a sua mistura de alho e Holly nos alimentando com cebolas todas as noites, eu estou surpreso que você pode falar alguma coisa em sua casa. Eu sinto o cheiro quando você está a dez passos da minha porta da frente.” “Eu não estive comendo em casa recentemente. É sobre isso que eu quero falar hoje à noite.” Tate franziu a testa. “Parece que é sério.” "Isto é." “Então Sutton e eu estaremos lá às seis.” “Parece bom.” Greer começou a abrir a porta da frente. “Eu pensei que você estava com pressa para chegar em casa?” “Eu estou, mas eu vou dizer oi para a Holly antes de sair.” Greer deu de ombros, abrindo a porta para deixá-lo entrar. Ele não perdeu a queda da cortina quando eles entraram, nem perdeu o olhar culpado que Holly lançou em direção ao seu cão inútil. “Você está dando petiscos a esse filhote sarnento?” “Hunter merece. Ele rosnou para Curt.” Ela lhe lançou um olhar de censura, como se o cão pudesse entender que estava sendo insultado. “Eu disse que, Hunter não merece ser bem tratado a menos que ele corra atrás do que eu estou caçando, ou quando ele morde um invasor. Ele pegou esse veado que você está cozinhando?” "Não, mas-"


“Eu não vi Curt cuidando de uma marca de mordida, por isso ele não merece tratamento.” Greer resmungou, indo até a geladeira para uma cerveja. “Pare de incomodar Holly sobre como trata cão. Ele ainda é um filhote, e vai aprender.” “Não com ela deixando o cão muito gordo para fazer alguma coisa. Mulher, por que você tem que fazer com que todos fiquem tão gordos? É assim que você pretende pegar um marido? Tornar os homens tão gordos que não podem fugir de você?” Greer riu ao ver a expressão no rosto de Holly. As melhores partes dos seus dias era quando ele poderia desconcertá-la até que ela não conseguisse vir com uma resposta rápida o suficiente para sua provocação. Ela estava ficando mais rápida, mas ainda tinha um caminho a percorrer antes que ela pudesse surgir com uma resposta boa suficiente para derrubá-lo. “Pare com isso, Greer. Um dia Holly irá para aquela arma de paintball que Rachel deu a ela.” “Ela não tem mais isso.” ele respondeu o assunto com naturalidade. "Sim, eu tenho. Está no meu armário do closet.” Seus olhos se estreitaram em direção a ele com desconfiança. "Não mais. Eu a levei.” Greer levantou a tampa da panela elétrica, sentindo o cheiro. Em seguida, ele desejou que não tivesse. Aquilo cheirava bem. Droga. "Quando? Eu teria notad-” “Levei-a na semana passada, quando você ameaçou atirar em mim depois que eu acorrentei Hunter do lado de fora quando ele mijou nas minhas botas.” “Eu teria perceb-” “Não, se você estivesse dormindo quando eu a levei.” “Você entrou dentro do meu quarto escondido quando eu estava dormindo?” Holly gritou, empurrando a tampa para longe dele, para colocá-la de volta na panela elétrica. "Sim. Doeria como o inferno se você atirasse em mim.”


“Devolva-me, agora!” Ela exigiu. “Rachel me deu de presente.” “Isso não vai acontecer. Eu a coloquei onde você nunca vai encontrá-la“ Ele se gabou. "Onde? Na sua gaveta de roupas íntimas?” Quando a sua boca fechou em consternação, o riso de Tate quebrou a tensão elevada. “Ainda escondendo o que você não quer que seja encontrado em sua gaveta de roupas íntimas? Achei que você parou de fazer isso quando a Mãe faleceu.” "Funciona. Mãe e Rachel nunca olhariam dentro das minhas gavetas." “Mãe ficou com medo depois que ela descobriu aquela pilha de revistas e uma caixa de preservativos.” “Um homem tem direito à sua privacidade” Greer afirmou. “Assim como uma mulher tem direito a dela.” Tate deu a Greer um olhar de censura. “Então essa mulher não deveria atirar em mim com uma arma de paintball. Além disso, eu não vi nada, de qualquer maneira. Ela estava dormindo profundamente.” “Isso não torna certo!” Tanto Tate quanto Holly gritaram com ele. “Eu pensei que você queria ir para casa e para a sua esposa? Eu preciso voltar ao trabalho.” Greer terminou sua cerveja, jogando a garrafa vazia no lixo. “Não jogue no lixo da cozinha. Vai para a lixeira.” Holly ainda estava gritando quando Greer fugiu, com Tate em seus calcanhares. Greer pulou da varanda sem dar qualquer passo. “Vejo você na hora do jantar.” “Sutton e eu viremos depois do jantar. Estou com muito medo de comer algum alimento que Holly fez para você.”


"Não se preocupe; eu me certificarei de que só comam a comida que ela coloca no prato do Logan.” Ele jogou à Tate um sorriso de comedor de merda. “Não existe uma mulher viva que me vença.” Ele se gabou.


3

Holly apertou suas mãos depois que os homens tinham saído. “Um dia, esse homem vai ter exatamente o que ele merece” ela murmurou para o cachorrinho, e ele deu um gemido baixo antes de se afundar a sua pata traseira para descansar. Murmurando, ela foi ao seu quarto para se vestir para ir ao trabalho. Ela não tinha que estar no escritório de Diamond antes das nove, mas ela gostava de chegar cedo para verificar as correspondências antes de Diamond chegar. Tomou um banho rápido, e então secou seu cabelo, ainda furiosa com Greer por entrar em seu quarto quando ela estava dormindo. Ela pensou no pijama desleixado que ela tinha usado na semana passada. “O bastardo não podia entrar escondido no meu quarto quando eu estava usando uma camisola bonita. Não, ele tinha que me ver naquele pijama verde horrível que Logan me deu no Natal passado.” Só uma vez, ela desejava que pudesse fazer Greer olhá-la do jeito que ele fazia com todas as outras mulheres na cidade. Ele não era exigente. Se uma mulher tinha um par de seios e pernas, ela chamava a sua atenção. Ela sendo a exceção. Quando ele olhava para ela, ele só via a mulher que tinha tentado roubar seu sobrinho da sua família. Essa era a sua crença. E ela tinha, Holly admitiu. Se ela tivesse que fazer tudo de novo, ela ainda teria aceitado o trabalho que Vincent Bedford lhe deu para cuidar de seu neto. Ela tinha dado uma olhada no lindo bebê e se apaixonado. Cuidar do bebê tinha preenchido um vazio em sua vida. Ela tinha estado sozinha desde que sua mãe tinha morrido, e o trabalho tinha lhe dado um teto sobre a cabeça e começado a consertar a confiança que


tinha levado um golpe quando ela tinha sido incapaz de encontrar um trabalho de secretária em Jamestown. O seu namorado na época tinha convencido ela a ir morar com ele, mas a sua atitude possessiva e a crescente dependência de seu salário em uma agência temporária tinha feito do trabalho que Vincent tinha lhe dado uma chance para ela se refazer e longe da atitude dominadora de Mitch. Em poucas semanas, Logan tinha tomado conta de sua vida. Seu avô só aparecia quando era hora de pagá-la e para visitar Logan. Holly não conseguia entender a distância que Samantha mantinha entre ela e seu filho, explicando que ela estava na faculdade e estava aliviada que Logan estava em boas mãos até que ela pudesse terminar o curso. Algo sobre sua explicação não parecia verdadeiro, no entanto. Samantha não mostrava nenhum orgulho maternal por seu bebê, e ela só carregava o bebê por pouco tempo antes de entregá-lo de volta. Meses viraram um ano, e logo as visitas ficaram cada vez mais escassas. Holly tinha ficado preocupada quando um mês, depois dois se passaram sem nenhum contato. Quando Vincent tinha parado de vir para lhe pagar, a preocupação cresceu. Quando ela tinha ligado para Vincent e seu telefone estava desligado, ela tinha ficado assustada, sem saber o que fazer. Ela estava prestes a ir à polícia quando Samantha apareceu, lhe obrigando a se mudar para Treepoint. Se ela não quisesse se mudar, Samantha iria encontrar alguém para cuidar dele. Ela não tinha escolha, realmente. Logan precisava dela. Foi quando Samantha tinha dito a ela que seu pai tinha sido preso, e que ela precisava economizar dinheiro suficiente para que eles pudessem encontrar uma nova vida longe de Kentucky. Ela tinha dado uma desculpa atrás da outra conforme as semanas se passaram. Holly tinha querido se mudar para uma cidade maior, que tivesse um clima mais quente. Logan estava bem, mas ficando frágil conforme ele crescia. Holly tinha encontrado um emprego quando se mudou para Treepoint. Mitch tinha se oferecido para tomar conta de Logan nos dias em que Samantha não aparecia. Ele estava tão ansioso para deixar Kentucky que começou a aceitar bicos.


Todos eles tinham feito um pacto que, assim que eles tivessem dinheiro suficiente, eles iriam sair da cidade e encontraria os cuidados médicos que Logan necessitava. Eles haviam colocado sua fé em Samantha. Holly vestiu a saia cor de vinho. Vestindo uma blusa creme para combinar, ela calçou seus saltos. Sacudindo a cabeça, ela voltou para o banheiro para arrumar seu cabelo. Quando Samantha foi encontrada morta, Holly e Mitch tinham ficado atordoados. Mitch queria sair imediatamente, mas Holly não podia até quem ou o que tinha matado a mãe de Logan fosse encontrado. Ela estava dentro de um pesadelo, sem saber a quem recorrer. Não sabendo o que fazer, ela tinha cometido um erro após o outro por não confiar em Diamond e não ter ido até o xerife. Eram esses erros que Greer mantinha contra ela até hoje. Holly tentou desculpar os erros que ela havia cometido, dizendo a si mesma que não tinha laços biológicos com Logan. Apesar que desde o nascimento, ele tinha estado sob seu cuidado, mas ela não tinha jeito nenhuma de provar a sua tutela sobre Logan, o que Samantha havia prometido que faria logo que chegasse em Treepoint. Com Samantha morta, Logan poderia acabar em um orfanato. Samantha tinha dito a ela que não tinha parentes vivos além de seu pai, e ele estava na prisão. Ela também disse a Holly que o pai de Logan não queria nada com ela quando ela contou a ele que estava grávida. Tudo mentira, uma após a outra, e ela tinha acreditado em todas elas. Pegando as chaves e a bolsa da penteaderia, ela saiu do quarto. Aliviada que Greer já tinha ido embora, ela enxotou o cachorro. Seu pequeno carro não queria ligar, e demorou alguns minutos antes do motor teimoso funcionar. Seu olhar foi para o seu relógio. Ela não ia chegar atrasada, mas isso seria por pouco. Holly odiava chegar atrasada no trabalho. Ela devia


a Diamond por ficar ao seu lado. Ela tinha não só continuado sua chefe, mas tornou-se a irmã que ela nunca tivera. Quando ela abriu a caixa de correio com a sua chave que ficava do lado de fora da porta do escritório, ela percebeu que Diamond já devia ter chegado ao trabalho. Subindo o curto lance de escada para o escritório, viu que ela estava certa, quando a porta se abriu. Colocando sua bolsa na gaveta de sua mesa, ela bateu na porta do escritório de Diamond antes de abri-la com um sorriso para ver sua chefe absorta na papelada. "Bom Dia. Você chegou cedo hoje” Holly cumprimentou. “Caleb me ligou na noite passada. Ele quer me encontrar antes do tribunal.” “Você deveria ter me mandado uma mensagem que você precisava de mim aqui cedo. Eu teria aberto o escritório para você” “Eu posso abrir a porta com uma chave tão facilmente quanto você,” Diamond a repreendeu severamente com um brilho cintilando em seus olhos. “Você já está trabalhando mais de 40 horas por semana, se você incluir o trabalho que você faz no computador em casa, apesar de preencher seu cartão de carga horária com apenas vinte horas.” Holly começou a protestar, mas Diamond a cortou. “Não tem chance que você deixe a quantidade de trabalho que eu vejo na minha mesa de manhã pronta sem gastar horas nela à noite.” “Eu só quero deixar sua carga de trabalho mais fácil.” “E a sua carga de trabalho?” “Eu fico entediada a noite. Isso me dá algo para fazer à noite, depois que Logan vai para a cama.” Diamond levantou as sobrancelhas incrédula. “E isso não é porque você não quer que eu contrate alguém para ajudá-la no escritório?” Tensa, Holly procurou os olhos de Diamond. “Eu posso trabalhar mais...”


Diamond suspirou. “Holly, eu estava pensando em contratar alguém para ajudá-la” explicou ela suavemente. “Não aumentar as suas funções.” Holly desviou de seu olhar perspicaz. "Eu não me importo. Eu amo meu trabalho." Diamond se levantou para inclinar-se em sua mesa. “Se eu contratasse cinco funcionários, ninguém poderia tomar o seu lugar.” Ela deu um sorriso trêmulo. “Eu aprecio por você dizer isso; significa muito. Devo-lhe muito... Eu não gostaria de decepcioná-la.” “Holly, você nunca me decepcionou... Nunca.” "Sim, eu fiz. Quando Mitch e eu tentamos arrombar seu escritório para encontrar o relatório da autópsia. Você poderia ter se machucado. Eu nunca vou me perdoar por quebrar sua confiança.” “Você nunca quebrou a minha confiança” Diamond falou de volta acaloradamente. “Você estava tentando descobrir como Samantha morreu porque você estava preocupada com a saúde de Logan. Você não sabia que Mitch ficaria louco quando eu apareci inesperadamente. Você impediu Mitch de me ferir. E se você tivesse saído sem descobrir o que estava errado com Logan, ele poderia ter ficado gravemente doente dos rins. Você fez tudo que podia para manter Logan seguro. Ele pode ter o sobrenome Porter, mas ele é seu filho.” Holly queria explodir em lágrimas. “Você é uma mulher incrível, Diamond. Eu posso ver porque Knox te ama tanto.” Ela se levantou para ficar na frente de sua chefe, dando-lhe um breve abraço. “Vou preparar um café. Tenho certeza que Caleb estará aqui a qualquer momento.” “Não me lembre. Eu tenho a sensação que já sei o que ele quer.” Holly fez uma pausa, prestes a interrogá-la, quando ela ouviu a porta abrir no escritório da frente. “Se for o Sr. Green, vou mandá-lo entrar.” “Obrigada, Holly”. Ela abriu a porta e viu Caleb Green em pé na frente de sua mesa. "A Sra. Richards-Bates vai vê-lo.” Segurando a porta aberta para o


Procurador do Estado, ela timidamente baixou o olhar conforme ele passou por ela. “Como você está nesta manhã, Holly?” "Bem. E vou lhe trazer uma xícara de café.” “Isso vai ser ótimo. Eu quero creme e açúcar.” Holly corou com o sorriso amigável que ele deu a ela, acenando com a cabeça antes de rapidamente fechar a porta do escritório. Ela sempre arrumava a cafeteria antes de sair no fim do dia, por isso tudo o que tinha que fazer no dia seguinte era apertar um botão. Ela organizou a correspondência de Diamond enquanto esperava que o café ficasse pronto. Quando ele terminou, ela levou o café para o outro escritório, a tensão lá a atingiu assim que ela entrou. Dando um olhar preocupado em Diamond, ela não estava certa se ela devia recuar ou ficar com sua chefe. No entanto, Diamond deu seu olhar tranquilizador, pegando seu café dela, e Holly voltou para sua mesa. Ela ficou absorta no seu trabalho. Foi quando a porta do escritório de Diamond abriu que ela olhou para o relógio e viu que tinha se passado uma hora. Holly esperava que Caleb saísse imediatamente quando ele fechou a porta, mas quando ela olhou para cima novamente, ela o viu em pé ao lado de sua mesa. “Parece que você está trabalhando muito.” "A Sra. Richards-Bates tem um monte de clientes” Holly ironizou conforme pegava as cartas que ela precisava que Diamond assinasse antes dela sair para o tribunal. Ele ainda não saiu. Ela nervosamente pegou uma caneta para manter os dedos ocupados. “Você tem planos para o almoço?” Surpresa, Holly olhou para cima e perguntou: “Eu?”


"Sim você. Eu odeio comer sozinho. Poderíamos comer na lanchonete ou no King se Diamond não se importar que você tenha um longo almoço.” “Oh, hum... Obrigada, mas eu não almoço. Eu só trabalho meio período.” Ficando perturbada com a análise dele, ela saiu rapidamente de sua cadeira. "Obrigada mesmo assim." “Eu poderia esperar até que termine.” Holly colocou uma mecha de cabelo atrás da orelha. "Desculpe. Eu preciso pegar Logan.” Os olhos de Caleb encheram-se de decepção. “Talvez outra hora, então.” Ele abriu a sua pasta, em seguida, entregou-lhe um cartão. “Qualquer hora que você quiser companhia para uma refeição, deixe-me saber. Eu venho de Lexington às segundas e quintas-feiras.” Holly pegou o cartão dele. "Eu… não…" “É só um almoço, Holly. Eu prometo que vou manter as minhas mãos comigo.” Holly relaxou com o comportamento fácil dele. Ele não era muito namorador, nem era pomposo como os outros advogados que vinham ao escritório de Diamond. Mais importante ainda, seus olhos não tinham viajado até seus seios generosos como a maioria dos homens faziam. “Eu vou manter isso em mente, Sr. Green.” “Chame-me de Caleb. Bem, é melhor deixá-la voltar ao trabalho antes que Diamond saia.” “Tenha uma boa tarde.” Holly colocou o cartão no bolso da saia conforme ele saiu. Em seguida, ela bateu na porta de Diamond com as cartas que ela precisava que fossem assinadas. Ela estava em seu celular, então Holly colocou os documentos em sua mesa, em seguida, deixou Diamond em sua ligação. Holly tinha acabado de responder os e-mails quando Diamond saiu do seu escritório.


“Eu vou chegar atrasada para o tribunal, se eu não sair agora. Eu assinei os documentos que você deixou na minha mesa. Você pode colocar no correio hoje?” “Vou deixá-las nos correios antes de eu pegar Logan.” "Obrigada. Vejo você amanhã." "Certo. Se você precisar de alguma coisa, é só me avisar.” “Você sabe que eu vou. Caleb te convidou para o almoço?” Holly olhou boquiaberta. “Você sabia que ele ia me convidar?” “Ele perguntou se eu teria alguma objeção. Claro, eu lhe disse que não. Ele é um cara legal.” “Você está tentando dar uma de cupido?” “Não, ele veio com essa ideia sozinho.” Diamond riu maliciosamente. “Você não foi a um encontro desde Mitch. É hora de você voltar a ação.” “Eu tenho um gosto terrível.” Holly baixou os olhos. “Eu não tenho tempo para discutir com você. Eu vou te dizer amanhã de manhã como qualquer homem teria sorte de ter você. Eu poderia até mesmo mudar de ideia depois de tudo e tentar minhas habilidades como cupido. Eu conheço vários homens com quem eu poderia te arrumar.” Holly abriu a porta para ela. "Vá. Você vai chegar atrasada. E eu teria muito medo que você me arrumasse com um Last Rider.” “Alguns dos Last Riders são realmente doces.” “Diga o nome de um.” Holly cruzou os braços sobre o peito. Ela podia ver a mente de Diamond trabalhando furiosamente. "Não posso. Não tenho tempo.” Holly começou a rir. "Foi o que eu pensei. O próximo homem com quem me envolver terá um emprego estável, passará por um teste de drogas, e terá o fator quente.”


“Fator quente?” “Aquele olhar que você tem no seu rosto quando Knox vem no escritório. O fator quente” explicou Holly. “Qualquer homem pode alcançar o fator quente. Ele só precisa da arma secreta de Knox.” “Qual seria?” Holly adorava as brincadeiras que elas tinham desenvolvido conforme haviam ficado mais próximas trabalhando juntas. “O seu piercing na língua. Mas seu grande… moto é o seu fator uau.”


4

“Você teve um bom dia na escola?” Holly perguntou sobre seu ombro enquanto Logan subia no banco de trás e afivelava seu cinto no seu assento de carro. "A Sra. Hillard me fez estudante do dia,” gabou-se orgulhoso. "Isso é maravilhoso." Ela continuou a ouvir atentamente conforme Logan continuava a falar sobre o seu dia, enquanto ela dirigia para casa. O menino era a cara do seu pai. Conforme ele tinha crescido, seu cabelo tinha escurecido e era tão encaracolado que ele constantemente pedia que fosse cortado quando ficava muito comprido. Holly sabia exatamente a quem agradecer por isso Greer. O homem chamaria Logan por uma palavra feminina que ela desprezava, a qualquer sinal de suavidade que o menino mostrasse. Se ela não amasse tanto Logan, ela teria batido na cabeça teimosa de Greer com sua frigideira de ferro. A única razão pela qual ela ainda não tinha feito isso era porque Dustin e Tate mantinham seu irmão sob controle. Quando eles chegaram em casa, Holly começou a colocar a mesa do jantar, Logan foi para o seu quarto para jogar. Ela estava colocando alguns enrolados no forno quando a porta da frente se abriu e Dustin entrou. Ela não podia evitar sorrir quando Logan saiu correndo do seu quarto para cumprimentar seu pai. Dustin mal teve tempo suficiente para pegar o pequeno redemoinho conforme fechava a porta. “Eu fui o estudante do dia!” Logan disse a seu pai animadamente.


Dustin fez cócegas em Logan. “Foi porque você estava sendo bom, ou porque você deu à Sra. Hillard aquela maçã que você escolheu para ela?” A risada de Logan encheu a casa enquanto tentava escapar das mãos de seu pai fazendo cócegas. “Porque fui bom!” Dustin o colocou de volta no chão. “Então eu acho que você merece jogar aquele jogo novo que eu tenho escondido no meu quarto.” “Sério?” Os olhos de Logan cresceram. "Sério. Nós podemos jogá-lo depois do jantar,” Dustin prometeu. Holly os assistiu enquanto ela pegava os pratos do armário. Ela tinha tirado três pratos quando a porta se abriu novamente e Greer entrou. Ela se voltou para o armário para pegar outro para ele quando ele parou. “Vai precisar de mais pratos. O resto da família está vindo.” Holly tirou pratos suficientes para todos, aliviada que ela tinha feito o suficiente para alimentar a multidão. “Por que está todo mundo vindo?” Dustin perguntou conforme Greer bagunçou o cabelo de Logan antes de afundar-se no sofá e colocar as pernas compridas na mesa de centro. Logan subiu nas pernas de Greer, se balançando. Greer pode ser duro com Logan, mas a coisa surpreendente que sempre a chocou era como ele era afetuoso com seu sobrinho. Ele mexeu as pernas como se ele fosse deixar Logan cair, enquanto os gritos de risada de Logan encontravam um ponto fraco em seu coração, o que ela fez questão de não deixar Greer ver. Se ele tivesse alguma ideia de que ela gostava de qualquer coisa que ele fazia, Greer iria com certeza parar. Ele vivia para irritá-la, e ele queria que ela desapareceu de sua família. Ele ainda não ter alcançado seu objetivo era um ponto sensível para ele. “Eu pedi uma reunião de família.” Holly terminou de pôr a mesa, em seguida, foi para o forno para tirar os enrolados e colocar mais, tentando não deixar Greer ver que ela estava curiosa.


“Por quê?” Dustin sentou ao lado de seu irmão no sofá. “Vamos conversar depois do jantar, quando todo mundo estiver aqui. Não há necessidade de repetir.” Holly franziu a testa, ficando mais preocupada. Ele teria decidido tornar isso um problema de família para faze-la ir embora? E se eles estivessem cansados de ouvir as queixas de Greer sobre ela? A sensação de náusea em seu estômago destruiu qualquer apetite que ela tinha. Mesmo quando Rachel e Cash apareceram, ela mal conseguiu dar um sorriso estranho conforme pegou a Ema para dar uma pausa a sua mãe. “O que há de errado?” Rachel perguntou intuitivamente. Holly escondeu o rosto no pescoço rechonchudo da Ema, respirando o aroma de bebê para acalmar seus nervos ansiosos. “Nada”, ela mentiu, mascarando sua expressão quando levantou o rosto. Rachel levantou a sobrancelha incrédula, mas deixou passar quando Tate e Sutton chegaram. Ela conseguiu comer um pouco conforme a grande família estava sentada à mesa. Holly não tentou falar, deixando a conversa fluir em torno dela. Ainda conseguiu dar um sorriso orgulhoso para Logan quando ele se gabou de sua conquista na escola. Quando o jantar acabou, ela ocupou-se com a limpeza da mesa e lavar os pratos com a ajuda de Sutton, fingindo interesse nos planos de Sutton para reformar a cozinha da casa que tinha herdado de seu avô. Então escutou com metade da orelha conforme o resto dos parentes de Logan espalhavam-se na sala de estar. O marido de Rachel sentou-se no sofá com ela, enquanto Dustin sentou Logan em seu colo. Cada minuto que passava conforme terminavam os pratos fazia sua tensão ficar mais forte. Quando Sutton secou as mãos, em seguida, sentou-se no braço da cadeira de Tate, Holly sabia pela expressão de Greer que estava esperando impacientemente ela sair da sala antes de falar com a sua família. Tentando ser discreta, começou a sentar-se à mesa da cozinha.


Greer, que estava falando com Tate, interrompeu a conversa, trazendo seu olhar de falcão em sua direção. “Você está pronto para o seu banho, Logan?” Logan balançou a cabeça. “Papai me prometeu que poderíamos jogar vídeo game depois do jantar.” “Você pode fazer isso após o banho. Eu e os adultos temos um negócio para conversar.” Sob o olhar autoritário de Greer, Logan se levantou do colo de seu pai. “O jogo está no meu quarto no meu armário. O aparelho está ligado. Você pode jogar até Greer termina de falar conosco.” Logan correu para fora da sala antes que seu pai pudesse mudar de ideia sobre o acordo raro. Holly começou a se levantar. “Eu vou para o meu quarto-” “Você deve ficar; você faz parte dessa família, também.” A mandíbula de Dustin apertou quando Greer atirou nele o mesmo olhar que ele tinha dado a Logan. “Não, ela não é. O que eu tenho para falar com vocês todos não é da conta dela.” “Está relacionado a mim?” Dustin falou. “Um pouco”, Greer admitiu a contragosto. “Então isso a afeta.” Holly virou o rosto, não querendo que as outras pessoas na sala, especialmente Greer, visse o que Dustin a apoiando significava para ela. “Tudo bem.” Greer levantou da cadeira para andar para frente e para trás em toda a sala conforme todos olhavam para ele atentos. Não era sempre que Greer ficava sem palavras. “Eu decidi que é hora de me casar.” Você poderia ouvir um alfinete cair na sala. O único som que se ouvia era Logan jogando seu videogame.


Rachel foi a primeiro a encontrar sua voz. “Por favor, não nos diga que você vai casar com Diane.” "Talvez. Eu não decidi ainda.” “O que diabos isso significa?” Tate perguntou ao seu irmão, fazendo uma careta quando Sutton lhe deu uma cotovelada no ombro, apontando para Ema que estava deitada no peito de Cash. “Cuidado com a língua,” ela repreendeu seu marido. Holly não podia culpar Tate. Sua própria reação atordoada fez ela reprimir o palavrão que veio à sua mente. Greer parou de andar. “Isso significa que eu não decidi exatamente.” Dustin levantou-se para sentar-se no final do sofá. “Ou você vai ou você não vai. Qual é?" “Isso significa que eu não decidi com qual mulher quero me casar ainda.” “Há mais de uma com quem você está pensando em se casar?”, Perguntou Cash, seus ombros tremendo. Rachel enviou a seu marido um olhar fulminante, e Cash levantou Ema mais alto em seus braços, com medo que ele fosse tratado da mesma forma que Tate tinha sido. Rachel virou-se para Greer. "Isso é ilegal." “Eu não estou pensando em casar com todas as três.” Holly queria esmagar sua cabeça contra a mesa. Seria menos doloroso do que o que Greer estava tentando e não conseguindo explicar. “Isso é reconfortante.” Tate engasgou. “Já temos problemas suficientes com os federais, de qualquer maneira. Não faz sentido darlhes mais munição.” Greer revirou os olhos como se Tate que estivesse sendo ridículo. “Há três mulheres com quem eu posso me ver casado. Eu queria o conselho de vocês a quem eu devo escolher. Eu vejo que vocês não vão ser de qualquer ajuda.”


Tate puxou uma Sutton rindo em seu colo, colocando uma mão sobre sua boca. “Dê-nos uma oportunidade. Nós ficamos apenas surpresos. Quem são as mulheres?” “Não importa.” Greer começou a ir em direção à porta da frente. “Espere!” Cash gritou, parando-o. “Vocês todos querem vê-lo com Diane?” Suas expressões horrorizadas foram resposta suficiente. Sua família começou a levá-lo a sério. Holly teria que se mudar se Greer escolhesse Diane. Não havia nenhuma maneira que ela pudesse permanecer na mesma casa que ela. Não havia nenhuma maneira que ela pudesse compartilhar a mesma casa com qualquer mulher que Greer escolhesse. Greer voltou para a sala. “Eu não sei o que todos vocês têm contra Diane.” “Ela usa você quando quem quer que ela esteja vendo termina o romance. Você cai em suas mentiras toda vez, e toda vez, você a aceita de volta.” Rachel não teve qualquer problema em expor os sentimentos de toda a sala. Greer deu de ombros. “Nós não somos exclusivos.” “Se você se casasse com ela, ela iria fo” Tate tirou seu ombro do alcance de Sutton. “Ela iria lhe causar problemas antes que a lua de mel acabasse.” "OK. Vou manter isso em mente.” Greer assentiu. “Quem é a sua segunda escolha?” "Jo." “Jo?”, Perguntou Rachel, chocada. “Você sabe, Jo Turner.” "Eu sei quem ela é. Eu sou amiga dela.” "Eu sei. Achei que você poderia falar bem de mim.”


Cash colocou uma mão na perna de Rachel. Holly observou enquanto ela tentava se controlar. “Eu nem sabia que você estava namorando ela. Eu vou chutar o seu traseiro se você estiver brincando com Diane e namorando Jo, ao mesmo tempo.” "Calma. Eu não a convidei para sair ainda.” “Eu não entendo ...” “Eu me sinto atraído por ela, ela é bonita, e ela tem esse novo guincho. Merdas assim vêm a calhar.” Holly pensou se alguém iria notar se ela tomasse um copo de vinho. O homem estava deixando-a louca com sua lógica. “Eu queria falar com todos vocês e ver se ela é uma boa escolha.” "Para você? Não,” Rachel afirmou enfaticamente. “Quem é a terceira escolha?” Greer virou teimoso. “Eu não sei se eu quero dizer mais. Vocês estão derrubando minhas mulheres.” “Elas não são suas mulheres”, Sutton exclamou. Imperturbável, Greer olhou para sua cunhada sem piscar. “Uma delas poderia ser se vocês todos descesse dos seus cavalos altos.” “Quem é a terceira mulher?”, Perguntou Tate, quebrando o concurso de encarar entre os dois. Pela primeira vez, Greer pareceu embaraçado. “Eu realmente não sei o nome dela,” admitiu. “Eu preciso de uma bebida.” Dustin se levantou e foi até a cozinha. Holly não pôde resistir, apontando para Dustin que ela queria, também. Seus lábios tremiam quando ele pegou o pacote com seis cervejas da geladeira, e ela agradeceu-lhe depois que ele entregou-lhe uma. Não era o vinho, mas serviria. Em seguida, pôs o resto das cervejas na mesa de centro depois de pegar uma para si. Abrindo, ele olhou para Greer.


“Como você não sabe o nome dela?”, Perguntou, em seguida, tomou um longo gole de sua cerveja. “Eu a conheci em um site de namoro.” Holly quase engasgou com sua cerveja, e ela não foi a única. Cash teve que bater nas costas de Dustin. “Você tem visto alguém que você conheceu online?” Dustin perguntou com a voz estrangulada. “Tecnicamente, eu não a conheci pessoalmente.” “Há quanto tempo você tem vi - falado com ela?”, Perguntou Rachel, indo pega uma cerveja, mas Cash a lembrou que ela não podia tomar um e pegou-a para si mesmo. “Você está amamentando.” “Há alguns meses,” respondeu Greer. “Eu estive pensando em dar o próximo passo com ela.” "Como o quê? Falar com ela pessoalmente?” Dustin riu, desviando de Greer, quando ele veio para jogar ele no sofá. No entanto, Tate levantou-se e separou os dois irmãos. “Pare, Dustin.” Tate empurrou Greer antes que ele pudesse ir para cima de Dustin novamente. Dustin pegou a garrafa de cerveja que tinha caído no chão. "Eu sinto muito. Eu vou parar. Você sabe o nome dela? Eu posso checar ela para você.” “Eu não sei o seu nome real. Seu nome online é garotadokentuky.” “Soa como alguém de doze anos de idade, fake.” “Você está dizendo que eu sou um pervertido?” Greer começou a ir para cima de Dustin novamente, mas Tate colocou-se entre eles. Holly terminou sua cerveja, pensando se seria muito embaraçoso se ela tomasse outra. Então ela debatia sobre pegar a garrafa nova de vinho do armário da cozinha quando Tate, Sutton, e Greer pegaram as restantes.


“Ele não está dizendo isso.” Tate enviado a Dustin um olhar de advertência conforme todos eles se sentaram. “Você tem que admitir, porém, que nunca esperamos que você estivesse em um site de namoro.” “Por quê?” Greer perguntou agressivamente. “Porque você fez piada deles quando Dustin se inscreveu para um.” “Isso é porque ele se inscreveu em um onde milionários estão. Ele não é nenhum milionário. Foi propaganda enganosa.” Dustin corou. "Eu vou ser." “Bem, você com certeza não é agora”, Greer zombou. “A menos que você esteja ganhando por fora.” “Eu não estou ganhando por fora. Eu faço um bom dinheiro agora, e Willa me colocou em seu testamento.” “Ela está doente?” “Não.” O rubor de Dustin aumentou. “Então, isso não conta para nada. Pelo menos eu estou sendo honesto.” “Isso vai ser o começo.” “A garotadokentucky sabe o que ela vai ter se eu escolher ela. Eu não menti sobre uma maldita coisa.” “Você disse que você tem trocado mensagens com ela há alguns meses?” Quando Greer assentiu, Dustin continuou incitando a luta. “Não há nenhuma maneira que você tenha mostrado o seu verdadeiro eu e ela ainda esteja falando com você.” “Ou é isso, ou ela está desesperada.” Cash riu, levantando Ema mais alto. “Ela não está desesperada. Ela só sabe a coisa real quando ouve.” “Como pode ser real? É na Internet.” Rachel pegou Ema de Cash, dando-lhe um olhar sujo. "Apenas é."


“Você nem sabe como ela é,” Dustin ressaltou. “Não importa.” Greer deu de ombros. “Eu vou convidar ela para uma visita, mas eu preciso sair com Jo para que eu possa comparar.” Rachel bateu a cabeça com a mão. “Senhor, ajuda-me. Tate ...” "Não olhe para mim. Greer veio com essa ideia idiota sozinho.” “Não é idiota. Eu quero casar e ter um bando de crianças; o que há de errado com isso?” Holly olhou para Greer quando ele falou, vendo a honestidade em seu rosto. Ele estava abrindo-se aos outros, sabendo que não iriam adoçar suas reações. “Os homens podem ter filhos quando eles são mais velhos. Não é como se você estivesse lutando contra o tempo.” Rachel também percebeu o quão sério ele estava. “Mas eu vou ser fisicamente capaz de fazer coisas com eles quando eu for mais velho? Eu não quero ter filhos quando eu tiver um pé na cova. Eu quero vê-los crescerem. Eu quero ser uma parte da vida dos meus netos. Papai e mamãe nunca chegaram a ver Logan ou Ema. Um acidente os levou. Mas o papai não tinha ido caçar no último ano antes de morrer; disse que seus joelhos estavam ficando muito ruins.” A tristeza em seu rosto fez Holly querer solidarizar com ele. Em seguida, a parte de Greer que ele não conseguia esconder mostrou-se novamente. “Eu quero, pelo menos, quatro ou cinco filhos. A menos que eu comece agora, eu vou precisar de uma pílula para levantar para o último.” “Não seja grosseiro!” Rachel exclamou. "Estou apenas dizendo …" “Vamos manter o foco,” Tate interrompeu. “Vamos olhar para isto logicamente.” “Isso é o que estou tentando fazer. Vocês todos que ficam me desviando.”


“Então vamos voltar, ou nós vamos ficar aqui a noite toda. Você sabe a nossa opinião sobre Diane.” A sala inteira concordou com a cabeça com as palavras de Tate, exceto Greer. “Isso deixa as outras duas. Rachel, você fala com Jo e sente se ela estaria disposta a sair com Greer.” “Você quer que eu a convença a sair com ele?” O cabelo de Rachel praticamente se arrepiou. “Você quer ele casado com Diane?” “Vou ligar para ela esta noite.” "Bom. Greer, peça à garotadokentucky para vir para uma visita e veja o que ela diz. Se ela não quiser vir, não haverá mais nada para falar. Você não pode se casar pela Internet. Ela vai ter que mostrar seu rosto se ela quiser um anel no dedo.” “Eu não disse a ela que quero me casar com ela ainda. Eu tenho que ver se ela sabe cozinhar antes de eu escolher.” “Você não se importa como ela é, mas se importa se ela cozinha?” "Sim! Uma mulher cozinha com sua alma. Qualquer tola pode se lambuzar de maquiagem para parecer bem.” Levou toda a força que Holly possuía para não fazer a pergunta que ela queria. Felizmente, Rachel não tinha qualquer pudor. “A Diane cozinha? Eu não achei que ela pudesse ferver água. Ela nunca se voluntariou para trazer uma maldita coisa quando ela vai para o encontro na igreja.” “Ela não cozinha, mas isso é apenas uma das minhas exigências. A outra é mais importante, e antes que você pergunte o que é, eu não faria isso se eu fosse você. Se eu falando de tomar uma pílula para ficar duro quando estiver velho é bruto para você, então você não vai querer ouvir que um bom par de peitos e um rabo bom estão na minha lista.” A boca de Rachel ficou fechada.


“Pelo que os homens pela cidade dizem, Diane será a mulher mais experiente que você escolheu.” Tate ajudou Sutton a levantar, em seguida, levantou-se. “Eu e Sutton vamos encerrar a noite.” Colocando um braço em torno do ombro de sua esposa, ele a levou para a porta. “Vocês estão realmente indo embora?” "Sim. Você não vai ser capaz de resolver qualquer coisa esta noite, e toda essa conversa sobre levantar está me deixando preocupado. Eu não estou ficando mais jovem, também.” Holly viu Sutton corando conforme eles saíram. Ela invejava quanto apaixonados que eles estavam. Tate era um homem duro, mas Sutton de alguma forma conseguiu suaviza-lo quando ninguém podia. Ninguém seria capaz de suavizar Greer. Ele era arrogante, teimoso, e ranzinza, e aqueles eram seus pontos positivos. Pelo que Dustin tinha dito a ela em confiança, ele era a cara de seu pai. Ele também lhe dissera que Greer tinha infelizmente levado a maioria dos castigos que seu pai tinha distribuído, deixando Greer ainda mais duro do que ele e Tate. Rachel e Cash logo saíram com a Ema dormindo. Então Holly foi para a sala de estar para limpar as garrafas de cerveja, enquanto Dustin foi para seu quarto para brincar com Logan. Ela estava carregando as garrafas para a cozinha quando viu Greer olhando para ela. “Eu não ouvi sua opinião quando eles estavam aqui.” Ela se virou para ele, surpresa. “Eu não achei que você estaria interessado na minha opinião.” “Eu não estou, mas eu pensei que você ia dar seu pitaco sobre eu me casar. Porque, você sabe, assim que eu descobrir com quem me casar, sua bunda vai estar fora da porta. Eu não vou trazer uma noiva nova em uma casa que já tem uma mulher.” “Eu não achei que você faria,” Holly respondeu friamente. “Eu iria começar a procurar um lugar se eu fosse você.”


Holly estava ficando enjoada e cansada de seus comentários sarcásticos. Ela adorava Logan como se fosse seu próprio filho, mas mesmo um cão cansava de ser chutado. “Você não é eu. Esta é uma conversa que Dustin irá compartilhar quando chegar a hora.” Indo para a cozinha, ela jogou as garrafas na lixeira. “Eu não acho que eu vou ter que me preocupar com isso em breve. Você achou a garotadokentucky no inmatessearchingforlove.com? Com a sua personalidade, a única mulher estúpida o suficiente para casar com você é uma sobrevivente.” As palavras ainda não estavam fora de sua boca antes dela lamentá-las. A raiva encheu o rosto dele. Aterrorizada, ela saiu correndo para o quarto, batendo e trancando a porta atrás dela. Holly trêmula recostou-se contra a porta, pressionando as mãos na madeira ao seu lado conforme Greer batia os punhos na porta atrás das suas costas. “Mulher, quando eu puser minhas mãos em você, você vai se arrepender de ter ouvido falar o nome Porter!” Holly estremeceu de susto ao ouvir Dustin acalmando seu irmão e fazendo Greer ir para seu próprio quarto. Ela não soltou seu aperto de morte na sua porta até que ela teve certeza de que tinha saído. “Você é quem vai se arrepender,” prometeu a si mesma quando ela teve certeza de que ninguém podia ouvi-la. Alguns homens tinham que aprender da maneira mais difícil, e haviam alguns homens, como Greer, que precisavam de uma frigideira de ferro fundido ... ou um computador para ensinar uma lição.


5

Atiradordeelite: Você nunca vai me dizer o seu nome? Garotadokentucky: O que há de errado com garotadokentucky? Eu gosto disso. Atiradordeelite: Isso não me diz nada sobre você. Garotadokentucky: Se meu nome fosse Sadie, o que isso lhe diria? Atiradordeelite: Que você não é inteligente o suficiente para mudar o seu nome. Garotadokentucky: Rindo muito. E Olga? Atiradordeelite: Eu posso lidar com Olga. Faz você soar como uma princesa russa. Garotadokentucky: Eu não quero estragar sua fantasia, mas eu não sou uma princesa russa. Atiradordeelite: Então, pelo menos me diga a primeira letra do seu nome. Garotadokentucky: Não. Atiradordeelite: Você ainda está aí? Atiradordeelite: Por que você não me diz? Eu conheço você? Garotadokentucky: Não, você não me conhece. Nós estamos nos falando há três meses; porque todas as perguntas agora? Atiradordeelite: Porque nós temos nos falado há três meses. Eu já lhe disse tudo sobre mim, mas você não fala sobre si mesma. Garotadokentucky: Eu falo. Eu disse que tenho vinte e oito anos, sou baixa, e quanto eu peso. Eu tenho um filho. Eu trabalho em um escritório.


Eu amo cães, e eu sou alérgica a gatos. Eu sou uma boa cozinheira, mas eu odeio lavar os pratos. Eu não tenho muito dinheiro, e eu estou economizando para algo que eu quero desde que eu tinha dezesseis anos. Atiradordeelite: Você é casada ou tem um namorado? Garotadokentucky: Eu te disse que não. Eu não estou mentindo. Atiradordeelite: Como vou saber se você está dizendo é verdade? Garotadokentucky: Eu acho que você só vai ter que confiar em mim como eu confio em você. Você me disse que não está envolvido em um relacionamento, e eu acredito em você. Garotadokentucky: Você ainda está aí? Garotadokentucky: Você está me traindo com outro ícone? Atiradordeelite: E se eu estiver? Você se importaria? Garotadokentucky: Depende de qual for o ícone. Outra planta pode me deixar com ciúmes, mas qualquer outra coisa, não. Rindo muito. Atiradordeelite: Eu sabia que você gostava de mim. Você não me quer plantando outras sementes no meu jardim. Garotadokentucky: Então, é verdade o que dizem sobre os botânicos. Atiradordeelite: O que dizem? Garotadokentucky: Que eles não têm senso de humor. Atiradordeelite: Eu tenho um grande senso de humor. Garotadokentucky: O que os botânicos leem? Atiradordeelite: Eu não sei. Garotadokentucky: Pântanos. Atiradordeelite: Agora, isso foi sem graça.

“VOCÊ ESTÁ PRONTA PARA O ALMOÇO?” Holly pulou se sentindo culpada quando Diamomd falou da porta de seu escritório, rapidamente movendo o mouse para outra tela.


“Sim.” Ela foi até a pequena geladeira, tirando a sacola de almoço que trouxe de casa. Levando-o para o escritório de Diamond, ela se sentou na cadeira em frente à sua mesa, onde ela tirou duas laranjas e dois sanduíches de salada de frango. Dividindo a refeição em duas porções, ela sorriu para Diamond, que estava olhando sem entusiasmo. “Eu odeio estar de dieta.” “Você quer entrar naquele vestido que eu lhe disse para não comprar até que você perdesse aqueles quatro quilos que você ganhou durante as férias?” “Eu poderia vendê-lo ou dá-lo a Sex Piston.” Holly engoliu um pedaço de seu sanduíche. “Você não vai dar a Sex Piston. Você está escondendo dela desde que você comprou.” “Estou poupando o Stud de passar o resto de sua vida na prisão se ele ver minha irmã naquele vestido.” “Você acha que Knox não vai ficar com ciúmes de deixar outros homens verem você naquele vestido?” “Knox não fica com ciúmes. Ele sabe que ninguém pode me roubar dele.” Holly invejava o casamento de sua amiga. Ela era confiante de que Knox a amava, e isso aparecia em seu rosto. “O que está deixando você tão triste? O almoço não está tão ruim.” Diamond pegou o sanduíche, dando uma grande mordida. “Greer disse a sua família ontem à noite que está pensando em se casar. Uma das mulheres que ele está pensando em se casar é a do garotadokentucky.” Os olhos de Diamond arregalaram enquanto ela mastigava. Holly balançou a cabeça em resposta à pergunta que ela podia ver nos olhos de Diamond. Então Diamond começou a engasgar quando ela tentou engolir, e Holly rapidamente levantou-se para bater nas costas dela. Demorou um par de minutos para Diamond recuperar o fôlego. "Você está falando sério?"


“Sim.” Holly entregou-lhe uma garrafa de água, em seguida, voltou para sua cadeira. "Caralho. O que você disse?" "Nada. O que eu poderia dizer? Eu não vou dizer a ele que somos a garotadokentucky.” “Não nós... Você.” Diamond balançou a cabeça negando. A boca de Holly abriu. “Você que me colocou nisso quando vimos o perfil dele online. Você que me encorajou a continuar respondendo nas primeiras vezes.” "Mas …" “Sem mais. Você está nisto tanto quanto eu. “Você que continuou falando com ele. Eu pensei que o plano fosse simplesmente parar de falar com ele quando percebemos quão tolo isso era.” Diamond olhou para ela desconfiada. “Você não parou?” “Eu ia, mas ele continuou mandando mensagens para mim, e me senti mal.” Holly pegou a laranja, descascando-a para evitar o olhar perspicaz de Diamond. “Quando ele sabe que não sou eu, ele pode ser bom”, ela relutantemente admitiu. "Meu Deus! O que você vai fazer?" “Eu vou dizer a ele que eu estou mudando para a Rússia.” “Por que a Rússia?” “Então, se ele tentar me encontrar, ele vai ter que ir para a Rússia.” Diamond olhou como se ela tivesse perdido a cabeça, e ela tinha. Ela ainda estava com raiva de Greer depois da noite passada. E ele procurando uma mulher imaginária com quem ele queria se casar a enchia com uma satisfação doente. “Ele vai matá-la se ele descobrir.” “Ele não vai descobrir” Holly garantiu a ela com mais confiança do que sentia.


"Espere um minuto. Eu ouvi direito? Você disse uma das mulheres que ele está pensando em se casar?” “Ele estreitou suas escolhas para Diane, Jo, e nós.” “Pare de dizer 'nós'. Isto é sobre você. Knox me mataria se ele soubesse que nós... Que você flertou com outro homem online.” “Eu não acho que ele se importaria se fosse eu.” Os lábios de Holly tremeram com o riso. Diamond jogou a laranja nela, e ela pegou facilmente, dando a Diamond a que ela tinha descascado, e em seguida, começou a descascar a outra no caso de Diamond ficar tentada em jogá-la nela novamente. “Ele merece a Diane. E Jo é mais provável de atirar nele do que casar com aquele idiota presunçoso.” “Ele não é idiota” Holly discordou. “Ele age como um.” "Nem sempre. Quando ele fala pelo computador, ele não vem dessa maneira.” "Você está brincando comigo? Você está realmente começando a gostar dele?” Diamond olhou para ela com os olhos arregalados. “Você sabe que eu sempre tive mau gosto para homens.” “Não fale assim. O problema é que você tem um coração muito bom.” “Greer não concordaria com você.” “Eu disse que ele é um idiota.” Holly olhou para o rosto agora preocupado de Diamond. "O que está errado?" Diamond cortou sua laranja em pedaços. “Eu só estou preocupada com uma coisa.” “O que?” Holly instintivamente sabia que ela não ia gostar do que Diamond tinha a dizer.


“Greer e Shade fazem negócios juntos.” "E? Greer faz negócios com metade da cidade.” “Se Greer pedir a Shade para descobrir com quem ele está falando on-line, ele poderia descobrir.” Holly franziu a testa. “Eu não acho que Greer vai levar esse assunto para Shade, não é?” "Eu não sei. Eles não são amigos. Depende do quanto Greer quiser descobrir com quem ele está falando. Shade poderia facilmente descobrir de onde as mensagens estão vindo.” Holly jogou a laranja de volta para a sacola do almoço. Crash não seria capaz de descobrir de onde as mensagens estavam vindo, seria? Ela só começou a trocar mensagens com Greer depois de uma noite que ele quase a fez chorar com suas observações hostis. Quando ela foi trabalhar no dia seguinte com os olhos inchados, ela não tinha sido capaz de ajudar a si mesma. Ela tinha confidenciado a Diamond quão malvado ele estava sendo. A cada mês, era pior, e ela não sabia por quê. Quanto pior ele era com ela, mais agradável ela se tornava até que ela estava praticamente andando sobre vidros para sobreviver na mesma casa com ele. Quando a foto de Greer apareceu em seu perfil como um novo membro, ela tinha mostrado a Diamond, na expectativa de dá uma boa risada. Só que, Diamond tinha vindo com a ideia de mandar mensagem para ele. "Faça isso! Vamos. Nós podemos nos divertir com ele, e ele nunca vai saber quem você é.” "Tem certeza?" “Sim” ela tinha prometido. Bem, isso estava voltando para mordêla na bunda. “Não fique tão assustada. Eu nem sequer acho que Crash está em Treepoint. Acho que ele voltou para Ohio, então talvez ele deve estar muito ocupado para ajudar se Shade pedir.”


“Ele não terá que pedir a Shade. Ele poderia pedir para Cash fazer isso. O Cash é seu cunhado. Felizmente, você está certa e Crash vai estar muito ocupado se alguém lhe pedir.” “Eu me esqueci do Cash. Droga. Eu ainda acho que ele é muito vaidoso para pedir ajuda a qualquer um deles.” “Eu também” Holly concordou. “Eu ainda acho que o Crash está muito ocupado para poder ajudar com alguma coisa. Viper até passou as coisas de computador para Knox. Entre o seu trabalho no escritório do xerife e Viper, Knox não tem tido tempo nem para mim.” “O Knox poderia descobrir de onde as mensagens vieram?” Quando Diamond não respondeu, Holly ficou ainda mais assustada. Se Greer descobrisse que ela estava jogando com ele o tempo todo, ele a mataria. Ela colocou a mão sobre o coração. Ele estava batendo tão rápido. Ela tentou recuperar o fôlego. Ela estava começando a sentir como se pudesse desmaiar. "Holly? Você está bem?" Holly acenou com a mão na frente do rosto, tentando se acalmar. Ela sentia como se estivesse pegando fogo. “Ele vai me matar e nunca me permitirá ver Logan novamente. Ele vai dizer a Tate e Dustin, e eles vão permitir que ela faça isso.” Em vez de chamar uma ambulância, Diamond começou a rir dela. "Você está louca? Eu estou tendo um ataque cardíaco, e você está rindo de mim?” “Caia na real. Você não está tendo um ataque cardíaco; você está tendo um ataque de pânico.” Diamond saiu de sua mesa para vir atrás dela, empurrando a cabeça de Holly até seus joelhos. “Se Knox descobrir que é você, ele vai me dizer antes que ele fale a alguém. Você não tem que se preocupar com o Knox contando seus segredos.”


Com o tom calmo de Diamond, Holly começou a retomar o controle. “Vou acreditar na sua palavra para isso, mas se você estiver errada, eu vou levar você comigo.” “Será que ela finalmente fez merda o suficiente para que você esteja a estrangulando em vez de demiti-la?” Holly congelou ao som da voz de Greer. Quando ele tinha entrado no escritório? “Eu bati, mas você devia estar muito ocupada tentando estrangulála para ouvir.” Holly tentou levantar a cabeça, mas a mão de Diamond na nuca dela manteve sua cabeça baixa. “Eu - Eu” “Holly não estava se sentindo bem. Ela quase desmaiou.” Não era uma mentira. Ela tinha quase desmaiado. Holly sabia que não devia esperar qualquer preocupação de Greer, e ela não ouviu nenhuma quando ele pediu as chaves do carro dela. “Você não vai precisa pegar Logan hoje. É por isso que eu preciso pegar o assento de carro dele do seu carro. Prometi sorvete ao Logan por conseguir o prêmio “ “Oh ... Eu posso pegar para você.” Mais uma vez, ela lutou contra a mão restritiva de Diamond, e ela finalmente soltou. "Fique aí. Basta me dizer onde estão as chaves, e eu vou trazê-las de volta em um minuto.” “Eu me sinto melhor.” Holly praticamente pulou da sua cadeira, indo para o escritório da frente. Tentando manobrar seu corpo para que Greer não pudesse olhar para dentro da gaveta, ela mal abriu, usando os dedos para procurar as chaves soltas. “Basta abrir a maldita gaveta para que você possa olhar.” Sua mão disparou, abrindo a gaveta.


Holly soube no instante que ele viu o que estava lá dentro. “Isso são o que eu acho que são?” “Greer, elas não são da sua conta.” “Porra se elas não são. Você está lendo as cartas daquele filho da puta que tentou sequestrar meu sobrinho?” Greer foi para dentro da gaveta, empurrando a mão dela de lado e pegando as cartas. Ele balançou-as em seu rosto. “Você jurou a todos nós que não falava com Mitch desde que foi preso. Eu sabia que você era uma mentirosa.”


6

Horrorizada, Holly não podia defender-se contra a explosão de raiva de Greer. Felizmente, Diamond não tinha o mesmo problema. “Como você se atreve?” Diamond puxou as cartas para longe dele. “E você se pergunta por que Holly não as mencionou para você ou seus irmãos? Porque você não daria tempo para ela explicar! Ela está certa; não é da sua conta, mas eu sei que você não vai deixar isso pra lá e vai deixá-la arrasada quando ela chegar em casa, então eu vou te dizer. Ela as manteve, porque Mitch escreveu para ela para pedir desculpas inúmeras vezes. O homem realmente se preocupa com ela e lamenta o que aconteceu. Holly não respondeu nenhuma vez as cartas que ele enviou para ela. Fui eu quem disse a ela para mantê-las, porque se ele realmente voltar para a cidade, eu posso usá-las para obter uma ordem de restrição contra ele. Eu não acho que será necessário, mas ao contrário de você, eu estou cuidando dela.” Holly não sentiu solidariedade por Greer conforme seu rosto empalideceu. Diamond estava tão furiosa que ela não deu tempo a Greer para dizer qualquer coisa. A advogada nela cortou seu orgulho masculino em pedaços. “Mitch estava errado quando ele segurou uma arma para mim, para encontrar as informações para Sam, mas foi para mim que apontou a arma, não você. Eu o perdoei há muito tempo atrás, quando ele pediu para me ver depois de sua fuga. Ele realmente se arrependeu de seu crime, ao contrário de você quando você entrou no meu escritório e quase atirou em mim na noite que eu confrontei Dustin.” “Mitch cumpriu seu tempo na cadeia, e ele merece sua liberdade condicional. Você, por outro lado, nunca foi responsabilizado por ser tão idiota. E se você não sair do meu escritório agora, eu vou chamar Knox e mandar ele te prender por invasão. E, desta vez, não serei eu que representará você, então você vai ficar na cadeia até o inferno congelar.”


“Eu vou deixar as chaves sob o tapete do carro.” Greer deixou abruptamente as mulheres. Holly começou a dizer algo, mas a mão de Diamond em seu braço a deteve. “Não pense nisso.” Holly franziu a testa com o olhar penetrante de Diamond. "Eu conheço você. Você diz a si mesma que está tudo bem que ele aja como um crítico idiota. Você não conseguiria ser má, mesmo se você tivesse que ser. Mas eu não vou assistir você tirar a responsabilidade dele. Você é muito boa para ele. Você é muito boa para todo mundo.” “Mesmo que ele quisesse dizer metade das coisas que ele disse,” Holly tentou desculpá-lo, evitando a expressão de desprezo de Diamond. “Mesmo que Greer queira dizer metade do que ele diz para você, é muito. Você não merece ser tratada assim por ele.” Ela passou de irritada para curiosa. “Por que você suporta isso?” Holly pegou as cartas que Diamond tinha jogado em sua mesa. “Logan. Ele é tudo o que tenho.” "Não, ele não é. Você tem a mim e Knox, Tate e Dustin. Você acha que qualquer um de nós iria deixar Greer mantê-la longe de Logan?” Holly a deixa ver o medo real com que ela vivia cada vez que Greer fazia a ameaça. “Eu não posso perdê-lo, Diamond. Logan é meu filho. Eu posso não ter carregado ele no meu corpo, mas ele é do meu coração. Fui eu quem andou com ele quando ele teve cólicas. Era eu que continuava tentando encontrar médicos para ver por que ele estava doente. Eu que o balancei para dormir todas as noites ... Eu não posso perdê-lo.” Holly se desmanchou em um soluço sincero. Diamond puxou-a em um abraço reconfortante. “Você é a mãe de Logan; ninguém duvida disso. Dustin sabe disso, também, certo?” Holly concordou com a cabeça. “Então você não precisa se preocupar. Dustin é o tutor legal dele, de modo que não importa o que Greer diz ou faz. Mesmo se eles decidirem não deixá-la ver Logan, os tribunais lhe dariam visitação - eu cuidaria


disso. Quando Logan faz besteira, você espera que ele fique se desculpando depois de você perdoá-lo? É hora de você perceber que te amamos da mesma forma. A única que não pode perdoar a si mesma é você. Até que você faça isso, Greer vai te pegar como uma crosta em uma ferida que já está curada.” Diamond estava certa. Era como se um grande peso tivesse sido tirado do seu peito com o medo constante de perder seu filho. “Eu sempre me senti tão mal sobre o que Mitch e eu fizemos. Parece que simplesmente não posso compensar o que aconteceu. Você não tem que me ajudar. Qualquer outra pessoa teria apresentado acusações contra mim...” “Holly...” Diamond ficou tão chorosa quanto ela. “Eu já disse mil vezes que eu te perdoo. Você é minha melhor amiga no mundo. Se os zumbis assumirem, você e Logan estarão com Knox e eu na nossa ilha. Eu nem sequer fiz essa oferta à minha própria irmã.” Holly deu uma risada trêmula. “Mesmo?” “Você pode imaginar a Sex Piston em uma ilha? Ela iria dominá-la em um dia.” Ela concordou. Sex Piston provavelmente iria declarar-se rainha e jogar todos para fora da ilha. O rosto de Diamond ficou sério. “Prometa-me que você vai parar de ter medo de Greer tirar Logan de você?” “Eu prometo.” Diamond incrédula levantou as sobrancelhas. “Eu vou acreditar nisso quando eu ver. Você não sabe ser malvada, e você vai precisar ser má para lidar com Greer.” “Eu não vou ter que dizer nada de mau. Eu só vou parar de cozinhar para ele.” “Faça uma grande salada, usando aquele vaso que ele está cultivando. Talvez isso o deixe com um humor melhor.” “Ele teria um ataque cardíaco. Aquelas plantas são seus bebês.” Holly riu só de imaginar a expressão de Greer se fizesse isso.


“Já que Greer vai levar Logan para casa depois da escola, que tal nós tomarmos algumas bebidas depois do trabalho?” “Estou nessa. Greer pode cozinhar o jantar para todos. Vou mandar mensagem para Dustin e dizer a ele.” Assim que ela fez isso, elas voltaram ao trabalho. Usando as horas extras, ela arrumou seus arquivos e os e-mails de Diamond. “Pronta?” Holly esticou as costas doloridas conforme fechou a gaveta de arquivo de baixo. "Sim. Precisamos de outro armário. Os que temos estão cheios.” “Você pode ir comprar um amanhã. O resto do dia é para se divertir.” “Eu posso lidar com isso.” Holly sorriu quando ela pegou sua bolsa, enquanto Diamond apagou as luzes e armou o alarme de segurança. “Aonde vamos?“ “Nós temos: The Pink Slipper, King´s, ou Rosie´s?” “Vamos para o King´s. Nós não teremos que mudar nossos carros, e se precisarmos de uma carona para casa, Knox vai estar perto.” O restaurante e bar estava agitado, mas elas conseguiram encontrar um lugar no bar. Elas pediram suas bebidas e estavam falando sobre ir às compras em Lexington no próximo mês, quando Holly sentiu como se alguém estivesse olhando para ela. “Algo errado?” Holly deu de ombros. “Eu não sei.” Ela olhou ao redor do bar, não vendo ninguém olhando para ela. “Você já teve uma sensação assustadora e não sabe por quê?” “Toda vez que vou ao tribunal.” Diamond fez um gesto para a garçonete para trazer-lhe outra bebida. A garçonete, que estava conversando com um dos clientes no bar, deu-lhe um olhar sarcástico por interromper a sua conversa. “Ela não parece muito feliz em nos servir.”


“Não, ela não parece. Eu não a reconheço do tribunal, então pelo menos eu não preciso me preocupar com ela cuspindo na minha bebida.” Holly olhou para seu crachá quando ela trouxe outra rodada de bebidas. Lindy a viu olhando para seu nome e endureceu com uma expressão distante. A princípio, Holly tinha pensado que era com Diamond que ela tinha um problema, mas com seus olhos gelados, Holly percebeu que era ela. Até Diamond notou conforme Lindy foi embora sem perguntar se elas queriam algo mais. “Uau, talvez você que deva verificar a sua bebida.” “Eu nunca encontrei ela antes.” Chocada com o comportamento da garçonete, Holly só podia olhar para trás dela. “Você pode não conhecer, mas ela definitivamente conhece você.” As mulheres não deixaram que a atitude da garçonete amortecesse sua diversão. Ficaram determinadas a irritar a garçonete pedindo mais bebidas. Na quarta bebida, Holly sabia que ela e Diamond não iriam dirigir para casa, assim como Diamond sabia. “Eu vou mandar mensagem para Knox vir e nos pegar se você estiver pronta.” “Não, mas acho que já bebemos o suficiente... após a próxima bebida.” Holly terminou a bebida que ela tinha, então fez um gesto para a garçonete irritada para trazer outro. “Droga!” “O que há de errado?” Holly colocou a bebida de Diamond para baixo na frente dela, acenando para a garçonete ir. “Knox está de plantão. Ele disse que pode levar uma hora até ele ou um dos delegados poderem nos dar uma carona para casa.” “Não se preocupe com isso. Vou pedir a Dustin para nos dar uma carona para casa.” “Tem certeza? Knox disse que um dos Last Riders poderia nos dar uma carona, mas eu não acho que você gostaria que eles o fizessem.”


Diamond sabia que os Last Riders a assustavam. Diamond poderia estar casada com um, mas eles assustavam Holly, especialmente Rider. Ele sempre olhava para os seios dela como se estivesse avaliando o quão grande eles eram. “Dustin não vai se importar.” Holly olhou para o relógio, pensando que ele poderia ainda estar no trabalho, e ficou surpresa ao ver que era muito mais tarde do que pensava. Elas estavam sentadas na parte de trás do bar, de modo que ela não podia ver as janelas, não percebendo quão escuro tinha ficado. Ela estava começando a ficar preocupada que Dustin não iria ver a sua mensagem, então, ela teria de recorrer a pegar uma carona com um dos Last Riders, quando Dustin respondeu. “Ele está a caminho.” Holly pegou a carteira para pagar a sua conta do bar, mas Diamond a deteve. “Eu pago.” Diamond franziu o cenho conforme procurou sua carteira. “O que está errado?” “Deixei o meu cartão na minha mesa.” Ela suspirou frustrada. “Você vai fazer uma dedução fiscal com as nossas bebidas?” “Claro. Falamos sobre o armário de arquivo que você vai comprar amanhã.” “Tecnicamente, ainda conversamos sobre isso.”

estávamos

no

escritório

quando

nós

“Você vê um agente de IR por aqui?” “Não.” Holly riu, levantando-se da mesa. “Eu vou buscar. Isso vai limpar a minha cabeça.” "Eu posso-" “Você demora infinitamente para lembrar-se dos códigos dos sistemas de segurança. Eu vou ser mais rápido e volto.” Diamond sempre misturava os dois códigos. O edifício tinha um, e então você tinha que colocar outro código para seu escritório.


Holly contornou através da multidão no bar, indo para fora. O ar frio limpou sua cabeça enquanto ela caminhava para o escritório de Diamond. Não era longe, mas ela decidiu pegar o atalho do estacionamento pelo playground atrás da igreja em vez de andar em volta do quarteirão. Ela estava quase atravessando o parquinho quando ouviu o som metálico do balanço batendo no poste. Virando-se, Holly quase gritou quando viu a sombra de um homem correndo em sua direção. Ela não teve tempo para pensar, apenas reagiu, correndo o mais rápido que pôde. Com uma explosão de velocidade, ela correu para o escritório de Diamond, com raiva de si mesma por deixar seu telefone em sua bolsa no restaurante. Ela quase começou a correr em direção a seu carro, mas levaria preciosos minutos para ela para pegar as chaves do carro debaixo do tapete. Portanto, ela correu para o prédio o mais rápido possível, ouvindo uma maldição murmurada conforme ela conseguiu um surto de velocidade. Felizmente, nenhum carro estava vindo, ou ela teria sido morta enquanto correu rapidamente para a porta do prédio de escritórios. “Por favor, deixe-me conseguir. Por favor, deixe-me conseguir isso!” Ela ofegou conforme levantou a mão para apertar os botões para abrir a porta. Assim que ouviu a abertura de bloqueio, ela a abriu, em seguida, virou-se para bater a porta atrás dela. Tremendo, ela olhou pela janela quando uma pedra enorme explodiu através do vidro, cacos indo em todas as direções. Holly gritou em terror enquanto corria até os degraus para o escritório de Diamond. Ela estava no topo quando ouviu a porta sendo aberta e botas triturando o vidro. Ela rapidamente correu para o escritório, digitando o código. E assim que a porta se abriu, ela fechou e trancou antes de correr até a sua mesa para o telefone. Discando 190, ela correu para escritório particular de Diamond e trancou a porta.


“190, qual é sua emergência?” “Alguém está me perseguindo. Eu trabalho para a mulher de Knox, e eu estou em seu escritório. Por favor, ajude!” Holly gritou de novo quando ouviu a porta do escritório da frente sendo esmagada e aberta. “Corra!” “Um oficial está a caminho. Fique no telefone comigo até que chegue ajuda.” “OK.” “O que está acontecendo agora?" “Eu o ouço no escritório da frente.” Holly sussurrou. “Um oficial está a caminho. Apenas espere.” A voz do outro lado da linha tentava mantê-la calma, mas quando a maçaneta virou, ela gritou de novo. Em pânico, ela se virou, tentando encontrar um lugar para se esconder. A única opção disponível era sob a mesa de Diamond, e não seria preciso ser um gênio para encontrá-la lá. Indo até a janela, ela olhou para baixo para a queda de dois andares. Se ela pendesse sobre a borda, ela podia ser capaz de fazer isso sem se ferir. “A polícia está chegando! É melhor sair enquanto você tem a chance!” Ela não viu a luz vermelha de um carro de polícia, mas talvez a pessoa no outro quarto pudesse acreditar nela. “Você vê Knox?” A voz do telefone perguntou. Holly não disse nada, tentando ouvir se quem estava a perseguindo ainda estava lá. A única coisa que ela podia ouvir era silêncio. "Você ainda está aí?" Holly foi até a porta, pressionando seu ouvido contra a madeira dura, escutando. Seus olhos foram para a maçaneta novamente quando ouviu passos vindo da outra sala. Abaixando no chão, ela se abraçou para o ataque inevitável na porta. Cautelosamente, ela viu a maçaneta virar, em seguida, parar.


“Holly abra a porta. É Knox. É seguro sair.” Deixando cair o telefone, ela abriu a porta, derrubando o telefone no chão. Ela praticamente entrou em colapso em seus braços, falando e chorando ao mesmo tempo. Ela nunca tinha estado tão assustada em sua vida. Knox a firmou conforme ela tentou explicar o que tinha acontecido. “Você o pegou?” Ela finalmente respirou fundo, com medo de sua resposta. “Não, Holly. Ele foi e embora antes de chegarmos aqui.“


7

Greer estudou os ocupantes no bar. Sob o olhar atento de King, ele viu Diamond sentada no bar nos fundos. Não dando a mínima que King não estava feliz em vê-lo, ele caminhou em sua direção. “Onde está Holly? Eu não tenho a noite toda.” A mulher olhou para ele severamente. "O que você está fazendo aqui?" “Dustin me ligou e disse Holly precisava de uma carona para casa. Acabei de chegar da casa de Diane, mas Dustin disse que Logan não está se sentindo bem e ele não quer trazê-lo.” "Oh. Ela já volta. Deixei o meu cartão no escritório, e ela se ofereceu para ir buscar.” “Por que você não pagou com outro cartão?” “Uma vez que você é um ex-cliente, você sabe o que eu cobro. Eu tento economizar dinheiro sempre que posso.” Greer lhe deu um olhar de aço. “Eu pago.” “A maioria dos meus clientes não são tão conscientes.” “Diane me espera. Ela está cozinhando o jantar. Lindy, traga-me a conta dela” Greer gritou sobre as conversas suaves que aconteciam no bar. Quando a garçonete que ela havia reconhecido por ter saído com Dustin algumas vezes o abordou com a conta e uma expressão hostil, Greer voltou com um dos seus próprios. Pegando a conta dela, ele tirou o dinheiro, contando o valor a ser pago. “Eu quero meu troco. Da próxima vez, perca essa arrogância.”


A expressão de Lindy passou de hostil a furiosa. “Eu sabia que quando vi peitos grandes eu não estava recebendo uma gorjeta. A única gorjeta boa dos Porters é a maconha de boa qualidade.” A mandíbula de Greer apertou com o insulto. “Eu posso ver porque você está com ciúmes dela. Esses pequenos seios são do tamanho de marshmallows em miniatura. Você deveria usar a gorjeta que você ganha para comprar uns bons seios. Inferno, talvez então Dustin coloque você naquele apartamento que ele prometeu.” A boca de Lindy abriu e fechou como um peixe fora d’água. “Você está pronta?” Ele perguntou a Diamond. “King está esperando me expulsar. Eu prefiro não dar essa oportunidade. Se esta puta der uma de espertinha de novo, eu vou enfeitar ela.” Ele não faria isso, mas a puta não sabia disso. Ser um Porter tinha suas vantagens. Uma delas é que ninguém realmente sabia como eles reagiriam. Greer não teve pudores sobre inspirar medo nos outros. “Um dia, os Porters irão morder mais do que podem mastigar.” “Quando eu quiser seu conselho, eu vou te pagar por isso” ele aconselhou Diamond, ignorando a garçonete que Dustin tinha fodido. Ele fez sinal para Diamond ir primeiro. Ele não estava prestes a virar as costas para a puta até que Lindy se afastasse. Com um olhar cheio de ódio, ela voltou para trás do bar. Foi quando Greer ficou de pé indo para a porta da frente, onde Diamond estava esperando. “Minha caminhonete está estacionada do lado fora da porta. Podemos esperar Holly lá.” Greer abriu a porta, segurando-a para Diamond. Ela parou no meio da porta quando um carro da polícia passou zunindo com a sua estridente sirene e luzes piscando. “Isso foi Knox” Diamond exclamou. “Parece que ele está com pressa.” Greer se virou para ver qual a direção o carro de polícia estava indo. Eles estavam na rua principal de Treepoint, levando em direção a maioria dos negócios e ramificava nos bairros residenciais.


Eles assistiram como o carro de Knox virou a direita. Greer fez uma careta. Ele podia ver Diamond ficando preocupada. Então ela deu um suspiro horrorizado quando dois carros da polícia passavam com suas sirenes perfurando o ar da noite. “Holly!” Diamond decolou em uma corrida quando eles viram as luzes azuis da rua onde seu escritório ficava. Greer passou correndo por ela. Ele não queria deixar Diamond para trás, mas ela não podia correr com seus saltos altos. “Vá em frente!” Diamond gritou para ele, parando para tirar os sapatos. Greer foi sem uma palavra, correndo para o escritório de Diamond. Nada o assustava, mas a visão daquelas luzes azuis fez suas pernas correrem numa velocidade que ele não tinha usado desde que ele era um corredor. Diamond conseguiu acompanhá-lo depois que tirou seus sapatos. Ambos chegaram a parar quando viram Holly do lado de fora do prédio de escritórios de Diamond com um grande casaco sobre os ombros e o braço de Knox envolvido em torno dela. Greer viu a janela presa na porta e encarou a expressão cheia de medo de Holly enquanto respondia às perguntas de Knox. “Você viu quem estava seguindo você?” “Não” Holly estremeceu, inclinando-se para Knox como se ela tivesse medo de que quem estivesse seguindo ela voltaria. “Eu não o vi. Estava muito escuro. Quando ele começou a correr em minha direção, eu só corri.” “Você está bem?” Diamond perguntou quando ela andou para ficar ao lado de sua amiga. "Estou bem. Ele só me assustou mais do que qualquer coisa. Pensei que ele iria embora quando entrasse no edifício, mas ele não parou. Ele destruiu a porta do escritório, também. Eu sinto muito." "Não seja ridícula. Estou feliz que você está bem.” “Ele saiu quando eu disse que tinha chamado a polícia.”


A visão de Holly sendo consolada pelo homem fortemente construído não era algo que ele podia suportar. Porters cuidavam do que era seu. “O que você está fazendo aqui?” Os olhos de Holly se estreitaram sobre ele. “Você fez isso para se vingar por causa do que aconteceu esta tarde?” Não havia dúvida na acusação em seus olhos verde-esmeralda quando ela se aproximou ainda mais em Knox como se ela tivesse medo dele. “Você acha que eu fiz isso?” Greer ficou doente que ela pensaria que ele tinha feito algo tão baixo. Ele não tinha feito nenhum esforço em esconder que não gostava dela, mas ela pensando que realmente iria machucá-la fisicamente o revoltou. “Ele entrou no bar logo depois que você saiu. Ele esteve comigo o tempo todo.” Ele não precisava que Diamond o defendesse, mas era melhor do que ver aquele medo no rosto de Holly quando ela olhou para ele. Diamond estendeu os braços para Holly quando um dos seus policiais chamou Knox lá dentro. E Holly se virou para Diamond, estando mais composta agora que sua amiga estava aqui. Greer enfiou as mãos nos bolsos de trás para evitar puxá-la para si. “Você quer que eu pegue um pouco de água?” Diamond ofereceu. "Não, obrigada. Estou bem agora que não estou sozinha. Eu nunca tive tanto medo em toda a minha vida quando eu me virei e o vi correndo em minha direção.” “Você está segura agora” ela a tranquilizou. “Eu vou buscar a minha caminhonete. Eu já volto” Greer disse, vendo que dois policias estavam prestando atenção nas mulheres. “Onde está Dustin? Eu pensei que seria ele que estava vindo?” “Desde que eu estava na cidade, Dustin perguntou se eu podia.” Ele não queria preocupá-la mais sobre Logan quando ainda estava tentando lidar com as sequelas de alguém tentando atacá-la.


“Você estava com Diane?” "Sim." “Ele não deveria ter te incomodado. Você pode voltar para seu encontro. Estou bem. Estou sóbria o suficiente para dirigir para casa agora.” “Eu não vou a lugar nenhum, a não ser pegar minha caminhonete.” Ele se virou, deixando as mulheres e não deixando que o pedido de Holly fizesse ele se sentir como um idiota. Ela sabia que ele não queria pegá-la. Ele nunca fez nada voluntariamente para ela a menos que ele não tivesse escolha. Ele pegou sua caminhonete parando, onde Holly e Diamond estavam. Ele então ligou o aquecedor antes de sair. “Entre na caminhonete. Eu aqueci para você. Você pode baixar a janela quando precisar falar com Knox.” Ele abriu a porta, não lhe dando outra escolha a não ser entrar na grande caminhonete. “Eu vou entrar e falar com Knox,” Diamond disse quando Greer perguntou se ela queria se sentar com Holly. Greer fechou a porta da caminhonete, indo para a outra porta para entrar. “Eu disse que não preciso que você fique comigo.” Ele se virou para ela. “Você viveu na minha casa por aproximadamente seis anos; alguma vez eu coloquei a porra da minha mão em você?” “Não” Holly começou a chorar novamente. “Droga.” Ele estendeu a mão, a levantando sobre o console até que estava deitada em seu colo. "Pare de chorar. Não há nenhuma razão para ter medo de mim.” "Eu não tenho medo de você. Poderia querer matá-lo uma ou duas vezes, mas eu nunca tive medo de você.”


Os lábios de Greer tremeram com a sua ameaça. Holly não conseguia machucar uma mosca. Qualquer outra mulher teria matado ele por volta da segunda semana vivendo com ele. “Você viu alguém sair do King quando saiu?” “Não, mas eu não estava prestando atenção, também.” Treepoint era tão pequena, todos se conheciam. Ele não podia pensar em alguém que teria tentado ferir Holly. Ele e seus irmãos tiveram a sua quota de inimigos, mas ele tinha crescido com todos eles, e essas pessoas sabiam que haveriam repercussões para qualquer um que tentasse arrancar um fio de cabelo de sua cabeça. Greer desceu baixo quando viu Knox e Diamond saírem do edifício. “Encontrou alguma coisa?” Greer perguntou a Knox quando ele andava até a porta da caminhonete. “Nada além de um monte de vidro e porta quebrada. Diamond chamou um serralheiro. Ele está vindo para consertar as portas amanhã, quando pudermos comprar novas. Eu vi a filmagem de segurança do corredor e do escritório de Diamond. Quem quer que fosse, estava usando um capuz, de modo que não consegui distinguir o rosto. Ele tem cerca de 1,88m e cerca de 113 quilos. Fora isso, não há nenhuma maneira de saber quem era até que nós tivermos sorte de conseguir uma impressão digital.” Greer entendeu o olhar de Knox. Quem quer que tivesse feito o estrago já estava condenando por vir atrás de Holly. Ela seria vigiada de perto para garantir que ele não tivesse sucesso na próxima vez. Greer silenciosamente acenou com a cabeça sobre a de Holly, não querendo assustá-la ainda mais esta noite. “Se você lembrar em alguma coisa que você não me disse, me ligue imediatamente” Knox disse a ela. “Se eu descobrir alguma coisa, eu vou te ligar.” "Tudo bem. Se isso é tudo que pode ser feito, vou levá-la para casa agora.”


Ele a ajudou a voltar para o seu lugar depois que Holly disse boa noite. Então ele deixou o aquecedor mais quente quando eles deixavam a cidade iluminada para trás. “De agora em diante, você não irá a lugar nenhum a menos que eu, Tate, ou Dustin esteja com você.” “Tenho certeza que era alguém querendo assustar qualquer um que andava pelo playground. Todo mundo o usa como atalho.” “Você provavelmente está certa, mas não há necessidade de correr riscos. Você acha que poderia ter sido o seu ex? Ele está em liberdade condicional.” Ela balançou a cabeça. “Não foi Mitch. O homem que me perseguiu era mais alto e mais pesado.” “Só pensei nele como uma possibilidade.” “Não foi ele” ela disse com firmeza. “E não vamos dizer nada para Dustin até de manhã. Você pode voltar para Diane, e eu vou falar com Dustin pela manhã.” "De jeito nenhum. Vou esperar Logan ir para cama, mas eu vou contar a ele esta noite. Eu posso ver Diane amanhã. Eu já tinha decidido ficar depois de levá-la para casa. Logan não estava se sentindo bem esta noite.” Greer deixou ela saber que ele não estava ficando em casa por causa dela, mas porque ele estava preocupado com Logan. “O que há de errado com Logan? Por que Dustin não me ligou? Eu poderia ter voltado para casa depois do trabalho.” “Ele queria que você se divertisse. Eu disse a ele para ligar para você quando eu peguei ele da escola. O garoto não queria ir até a sorveteria.” “Você deveria ter me ligado. Eu poderia ter ligado para o consultório médico.” “Ele só teve uma dor de estômago. Se ele não estiver melhor amanhã, você pode levá-lo ao médico. Você não tem que correr para o médico toda vez que ele tiver uma dor barriga. Você faria do garoto um maricas se eu deixasse.”


“Você não consegue ser agradável por dez minutos, não é?” Seu sussurro o fez se sentir culpado. “Eu sinto muito.” Ele não tinha a intenção de dizer a ela que Logan não estava se sentindo bem esta noite. Por alguma razão, Holly sempre trouxe à tona o pior dele. “Eu estou tão cansada de sempre discutir com você, Greer. Eu sei que você não me suporta, mas continuo esperando que você vai perceber o quanto Logan significa para mim e me dar uma pausa, mas você não vai. Só está piorando.” Greer fez a curva para a sua propriedade quando ouviu a derrota em sua voz. “Não vamos falar sobre isso hoje à noite.” "Por quê? Você não tem nenhum problema em bater num cão quando ele está derrotado.” Levou tudo nele para não gritar com ela, esperando até que estacionou na frente de sua casa antes de virar em direção a ela, furioso. “Acusar um homem de bater em seu cão são palavras de combate nesta cidade. Seu primeiro pensamento quando me viu esta noite foi me acusar de tentar atacá-la, e agora você está me acusando de bater no meu cão? Você nunca me viu colocar uma mão em meu cão” ele rosnou. Holly agarrou a maçaneta da porta, abrindo a porta, e Greer estremeceu quando viu a sua expressão miserável. “Bem-vindo ao meu mundo, Greer. Como se sente quando alguém o julga mal? Você ficou chateado e com raiva porque eu disse algo que você sabe que não é verdade. Desde o momento em que te conheci, eu lidei com uma acusação após outra sendo jogada na minha cara. Você acha que está pronto para ser um marido e um pai? Nada poderia estar mais longe da verdade. Você não se importa com ninguém além de si mesmo. Você pode nunca ter batido numa mulher ou num cachorro, mas eu nunca vi você se preocupar com nenhum deles, também.” “Você pode parar de se preocupar com Logan crescendo como um maricas. Ele vai crescer e se tornar um homem amoroso e afetuoso. Dustin e Tate estão ensinando isso a ele, o que é mais do que posso dizer


sobre você! Quando você estiver velho e solitário, e Logan não quiser ir visitá-lo em uma casa de repouso, você não terá que me culpar, então.” Holly saiu da caminhonete, certificando-se de que estava fora de seu alcance antes de finalmente zombar. “E você pode enrolar um de seus rolinhos de papel e enfiar onde o sol não brilha!”


8

GarotadoKentucky: Qual é o seu brinquedo favorito em um parque de diversões? Atiradordeelite: Jogos. GarotadoKentucky: Os jogos não são brinquedos. Qual foi o primeiro que você entrou na fila quando você foi? Atiradordeelite: Minha família era pobre demais para ir em parques de diversão. Quando eu e meus irmãos fomos, entramos sorrateiramente e observamos todos os outros brincando. GarotadoKentucky: Por que você não pode simplesmente responder a pergunta? Atiradordeelite: Qual foi o seu? GarotadoKentucky: Eu amei carrossel. Atiradordeelite: Isso é lento. Pelo menos a xícara maluca é divertida quando você anda em círculos. O carrossel é chato. GarotadoKentucky: Pensei que não tinha ido em nenhum brinquedo? Como você sabe que xícara maluca é divertida se você nunca andou nela? Ou que o carrossel é chato? Atiradordeelite: Posso ter exagerado. GarotadoKentucky: Você faz isso com frequência? Atiradordeelite: Só quando estou tentando sentir pena de mim mesmo, então você irá no parque de diversão na próxima sexta-feira. GarotadoKentucky: Eu não acho que seria uma boa ideia. Nós somos apenas amigos. Indo para no parque de diversão seria como ir a um encontro.


Atiradordeelite: Então, você está dizendo que você nunca vai me conhecer? Por que você ainda me envia mensagem se você não está interessada em um relacionamento? Estou sendo franco. Estou à procura de um relacionamento. GarotadoKentucky: Estava sendo franca, também. Eu disse que não. Eu só estava procurando um amigo, e você é um bom amigo. Eu não quero perder sua amizade. Além disso, você não vai gostar de mim se me conhecer. Atiradordeelite: Por que não? Garota do Kentucky: Porque eu amo carrosséis, e você é um tipo de homem que ama xícara maluca.

HOLLY OLHOU melancolicamente em sua xícara de chá. Ela teve uma noite sem dormir entre logan acordando varias vezes com sua dor de estômago e vendo o homem persegui-la em seus sonhos. Ela havia simplesmente desistido de lutar para dormir, indo para a cozinha para fazer café. Quando ela ouviu uma das portas do quarto abrindo, em seguida, a porta do banheiro próxima, ela sabia que era Dustin pelo som do chuveiro ligado. Ela tinha vivido com os homens pelo tempo suficiente para conhecer seus hábitos. Dustin toma seu banho todas as manhãs; Greer toma à noite. Greer gosta de ficar fora a noite, às vezes não chega em casa até de manhã. Dustin vinha para casa todas as noites depois do trabalho para passar tempo com seu filho. Ele sai nas noites de sábado, mas ele sempre garantia que Greer ficasse em casa a noite. "Bom dia." Ela se preparou ao ouvir a voz atrás dela. "Bom dia." Vendo Greer na cozinha fazendo um prato para o seu café da manhã, ela mentalmente se preparou para outra discussão. Não importa


o que, ele encontraria algo para irritar ela. Esta manhã, ela estava muito cansada e drenada para lidar com ele. “Você precisa de mais?” Levantando os olhos surpresos para ele, ela assentiu. “Eu ouvi você levantar cedo esta manhã.” Greer trouxe sua xícara de café e o prato até a mesa que ela estava sentada, servindo a ambos café antes levar a bule de café de volta para a cozinha. “Logan está se sentindo melhor?” "Eu acho que sim. Ele ainda está dormindo, mas a febre baixou.” “Ele estava com febre?” "Sim. Liguei para o médico esta manhã. Ele diz que há um vírus ao redor da cidade e ele deve estar melhor em alguns de dias. Diamond disse que posso trabalhar em casa hoje, então você não será incomodado com ele.” Holly percebeu o músculo se contraindo em sua bochecha, mas ele permaneceu em silêncio enquanto bebia seu café. Então Dustin veio vestido para o trabalho. Chegando ao seu lado, ele colocou a mão no ombro dela. “Você está bem esta manhã? Eu ouvi você depois que fui para a cama.” “Eu tive um pouco de dificuldade para dormir. Eu vou tirar um cochilo à tarde, quando Logan tiver um. Você quer que eu faça seu prato?” "Eu faço. Termine o seu café. Eu não teria sido capaz de dormir, se alguém estivesse me perseguindo no escuro.” Sua boca se curvou em um sorriso. “Sim, você conseguiria. Você não tem medo de nada.” As belas feições de Dustin colocariam um sorriso aos lábios de qualquer mulher. Suas feições não eram tão maduras quanto os irmãos mais velhos, seu rosto de menino sem as linhas de maturidade e experiência que a idade traria. O dele era muito mais suave do que Tate e de Greer, mas o que a aparência de Dustin faltava em maturidade, não havia nenhuma dúvida sobre ele ser um jogador com o corpo de uma mulher e tinha escutado mais de uma vez que elas o queriam em suas


camas. Holly sempre se esquivava dessas conversas, como se elas estivessem falando do irmão dela. As mulheres sempre tentaram descobrir se ela e Dustin estavam em um relacionamento. Quando descobriram que eles eram apenas amigos, era quando as confissões começaram. A maioria delas terminou com apelos para dizer a Dustin para ligar para elas. Os olhos dela foram para Greer. Ele, por outro lado, não tinha feições suaves ou gentis. Cada canto e recanto do seu rosto era esculpido em curvas e ângulos duros. Seu lábio inferior era sensual e deixava uma mulher dividida entre olhar para ele ou seus olhos, ou um nariz que tinha sido quebrado, estragando a perfeição de sua aparência. A expressão que ele inevitavelmente passava a uma mulher bonita era de lençóis de cetim e sexo sujo. Sua pele era geralmente queimada pelo sol do inverno, até que o verão chegava e se via um bronzeado dourado. Ele não tinha um centímetro extra de pele macia em seu corpo, e nas vezes ela que se esbarrou nele no corredor era como bater em uma parede de tijolos. Não havia nada suave sobre ele. Olhos cinzentos tempestuosos olharam para ela quando ele abaixou sua xícara de café. “Você acha que ele não fica com medo? Você deveria ter visto ele na noite passada quando eu contei o que aconteceu com você. Todo mundo tem alguma coisa que teme.” Holly não se conteve. "Do que você tem medo?" Quando ele não respondeu, Dustin fez. “Quando o pai estava vivo, Greer tinha medo de ir para o celeiro. Todos nós tínhamos. Quando o nosso pai lhe dava uma ordem, você tinha que fazer isso ou você se arrependeria. Pai faria você ir para o celeiro e esperar por ele lá. Eu não sei o que era pior: Esperar ou o chicote.“ “O chicote.” Greer pegou um pedaço de torrada do prato de Dustin quando ele se sentou ao lado dele. “Você poderia ir e fazer um para você mesmo.” Greer deu de ombros. “Por que eu faria quando você pode trazer para a mesa para mim?”


Ele estava tentando roubar um pedaço de bacon quando bateram à porta. Holly começou a se levantar, mas Greer já estava se levantando da cadeira. Abrindo a porta, ele deixou Knox entrar. “Desculpe incomodar tão cedo, mas queria trazer a bolsa de Holly para ela. Diamond esqueceu de dar a você na noite passada.” Knox colocou em cima da mesa na frente dela. "Obrigada. Posso trazer um café para você antes de sair?” "Não, obrigado. Preciso falar com você a sós.” A julgar pela expressão séria de Knox, tudo o que ele falaria não ia ser bom. Nem Dustin nem Greer fez um movimento para sair da sala. “Continue, Knox. Eu simplesmente contaria a eles depois que você saísse.” "Tudo bem. Vai estar no jornal, esta tarde, de qualquer maneira. Você já ouviu falar sobre o acidente de carro na semana passada?” Holly franziu a testa. “Diamond disse que você perdeu o jantar, porque você estava trabalhando em um acidente de carro, mas fora isso, não.” “Um motorista de fora da cidade bateu na traseira de outro carro fora dos limites da cidade. O motorista de fora da cidade morreu.” A mão de Holly apertou sua xícara de café. "Sinto muito por ouvir isso." “O motorista foi queimado, e isso fez a identificação difícil, mas sua licença e o carro estava registrado no nome dele. Seu nome era Brett Martin.” “Eu não conheço ninguém com esse nome.” Holly estava confusa a respeito de porque Knox estava falando a ela sobre o homem que tinha sofrido uma morte tão terrível. “Eu não acho que você o conheça. Quando entrei em contato com a família dele para notificá-los sobre a sua morte, o homem que atendeu


o telefone era realmente o Brett Martin. Ele confessou que emprestou seu carro para um amigo.” Um sentimento doentio de medo a fez se levantar. “Quem era? “Mitch Reynolds. Ele disse a seu amigo que ele queria te ver.” Um sentimento esmagador de culpa a fez se agarrar a mesa para manter o equilíbrio. “É tudo culpa minha” ela engasgou. “Se eu tivesse respondido suas cartas, ele não teria tentado me ver. Ele sabia que tinha acabado. Ele só queria saber que eu o perdoei.” Ela não podia suportar olhar para Greer. Ela precisava sair da sala antes que ele dissesse alguma coisa. Ela não podia lidar com ele agora, não quando ela estava pensando em Mitch ser queimado vivo. “Obrigado por ter vindo aqui para me dizer.” Holly começou a caminhar para seu quarto quando Dustin se levantou pegando em seu braço. “Posso fazer alguma coisa?” Dustin colocou as mãos em seus ombros quando ela estava passando. Holly se inclinou contra ele fracamente, pressionando a cabeça em seu peito. “Você pode voltar no tempo e me fazer uma pessoa melhor? Eu deveria ter respondido suas cartas.” “A única coisa que eu aprendi é que você não pode voltar no tempo. Eu queria poder." Holly olhou em seus olhos. Dustin vivia com a sua própria culpa pela maneira como a mãe de Logan tinha morrido. “Logan ainda está dormindo. Estou indo deitar até ele acordar.” Ela queria sair antes que ela explodisse em lágrimas na frente de Greer. Ela precisava de tempo para lidar com a culpa de deixá-lo se envolver em sua vida. Sendo brutalmente honesta consigo mesma, ela teria chamado Knox se Mitch tivesse aparecido aqui ou no trabalho. Ainda assim, Mitch tinha seus defeitos, mas ele tinha mais coração do que Greer jamais teria.


Um pensamento súbito golpeou antes que ela pudesse sair. “Mitch não tem qualquer família. Quem… Como ele vai ser enterrado?” “Vou verificar com o seu agente de condicional. Se ninguém vier para reivindicar seu corpo, você quer que eu entre em contato com você?” "Sim. Apenas me deixe saber o que eu preciso fazer.” Knox assentiu. “Eu vou deixar você saber assim que encontrar alguma coisa sobre Mitch e quem estava perseguindo você na noite passada.” “Uma coisa é fodidamente certo; não era Mitch.” Greer puxou o prato de Dustin na direção dele. “Quaisquer outros suspeitos?” "Ainda não. Estava esperando que Lucky encontrasse algo na filmagem de segurança nos fundos da igreja, mas a única coisa que você vê é o rosto. Estava escuro demais para dar uma boa olhada nele.“ “Houve outros ataques contras as mulheres na cidade?” “Você sabe que eu não posso falar sobre casos não solucionados, mas não.” “E quanto a Curt Dawkins? Eu ouvi um boato que ele tentou estuprar alguém quando ele estava na escola.” “Não foi Curt. Já verifiquei seu álibi. Ele estava com Luke Baxter por toda a noite.” “Eu não acreditaria na palavra de Luke Baxter para merda nenhuma. Ele com certeza não falaria a verdade a qualquer um usando um crachá.” “Eu concordo, mas não posso prendê-lo se eu não tiver provas. E, até agora, não há nenhuma evidência que Curt esteve lá. Mick atestou que eles estavam no Rosie, quando o ataque foi relatado.” Knox voltou sua atenção para ela. “Você pode pensar em alguém que iria querer machucá-la? Você está vendo alguém novo? Deixou alguém irritado com você ultimamente?” Holly tentou pensar, não encontrando nada. "Não. Os únicos que ficaram zangados comigo ultimamente é a garçonete do King e Greer.


Diamond disse que Greer estava com ela, e a garçonete é uma mulher, então não posso pensar em mais ninguém.” “O que você fez para a garçonete?” Dustin perguntou curiosamente. "Eu não sei. Ela me tratou mal desde o minuto que me sentei em sua seção.” "Quem era?" “O nome dela é Lindy.” “Isso explica tudo.” Dustin passou a mão na parte de trás do seu pescoço. “Ela me odeia. Fiquei bêbado uma noite e prometi que se ela me levasse para casa com ela e me divertisse, ela nunca teria que trabalhar novamente.” “E ela acreditou?” Holly não podia acreditar que a mulher, alguma mulher, era tão crédula. “Eu comprei várias bebidas. Ela estava tão bêbada quanto eu. Pensei que King demitiu ela.” Dustin olhou para Greer. “Evie provavelmente sentiu pena dela. Isso importa? Se ela era tão mau na cama como você me disse que era, ela teve sorte que você não pediu o dinheiro de volta que você gastou com as suas bebidas.” “Isso é tão... Tão...” Holly queria bater o prato vazio que Greer tinha praticamente acabado de limpar sobre a sua cabeça. "Porque você está zangada comigo? Eu não sou o único que disse que ela era péssima na cama.” Holly colocou as mãos nos quadris, olhando para os dois irmãos. “Eu acredito que Greer falaria assim sobre uma mulher, mas estou decepcionada com você.” A pele de Dustin virou um tom claro de vermelho quando ele deu a seu irmão um olhar furioso. "É melhor eu ir. Eu vou me atrasar para o trabalho.” “Vou verificar com Diamond e certificar que Lindy não teve tempo para trocar de roupa e sair escondida do bar.”


"Não se incomode. Ela estava lá. Eu estava discutindo com ela logo antes de ver seu carro de polícia passar.” “Eu estava brincando.” Knox deu Greer um olhar exasperado enquanto se dirigia para a porta. "É melhor eu ir. Holly, não se esqueça de certificar que Greer ou Dustin esteja por perto.” "Eu vou." Dustin saiu com Knox como se temesse que ela iria continuar falando sobre Lindy. “Você o mandou embora com o rabo entre as pernas. Isso não é uma boa aparência para o meu irmão. Você o constrangeu na frente de Knox. Uma mulher precisa saber seu lugar quando outros homens estão ao redor.” “Greer...” “Sim?” Ele se inclinou para trás preguiçosamente em sua cadeira, acariciando a sua barriga cheia. Holly o chutou, fazendo a cadeira tombar para trás. “Dustin merecia que eu o envergonhasse pela sua boca desrespeitosa sobre uma mulher.” Ela pegou o prato sujo que ainda estava na mesa, agitando-o sobre a sua cabeça. “E se você alguma vez falar assim em minha frente novamente, eu vou quebrar este prato na sua cabeça dura. Eu sou uma senhora, você gostando ou não, você vai me tratar como uma. Você me entendeu?" Greer observava o prato cautelosamente. "Sim." “Bom.” Holly baixou tão rápido que ele girou sobre a mesa. “E já que você comeu a comida que fiz, você pode lavar os pratos.”


9

Atiradordeelite: Você prefere homens que têm músculos enormes? GarotadoKentucky: De onde vem isso? Atiradordeelite: Só por curiosidade. GarotadoKentucky: Eu realmente nunca pensei sobre isso. Eu acho que a personalidade de um homem é o que os torna atraentes para mim. Atiradordeelite: Besteira. Diga a verdade. GarotadoKentucky: Eu estou dizendo. Atiradordeelite: Se você pudesse escolher entre Rock e Tom Hardy, quem você escolheria? GarotadoKentucky: Ambos. GarotadoKentucky: Estava brincando. Atiradordeelite: Estou falando sério. GarotadoKentucky: Desculpa. Você ainda quer que eu escolha? Atiradordeelite: Sim. GarotadoKentucky: Você quer que escolha o que eu acho que a maioria das mulheres achariam mais atraente em geral, ou o que eu, pessoalmente, me atrairia? Atiradordeelite: Você. GarotadoKentucky: Então, eu escolheria você. Eu vi a imagem que me enviou. Não há comparação. Atiradordeelite: Resposta certa.


"EU QUERO andar na montanha russa!” “Você não é alto o suficiente para subir.” Holly olhou para Logan, que estava sentado sobre os ombros de seu pai. Vendo os dois juntos sempre deu a ela um sentimento de pertencer. Ela tinha crescido sozinha com apenas sua mãe. Os parentes dela viviam em outros estados distantes, e sua mãe tinha perdido o contato deles antes que ela tivesse nascido. Quando ela faleceu, ela havia ficado sozinha. No entanto, Dustin e Logan faziam isso, e assim como o resto dos Porters. Ela comparou os homens a chaleira de sua mãe, que ainda estava no fogão, como se ela fosse voltar. Ela faria uma xícara de chá depois de pegar os ovos apenas para ouvir o som, sabendo que sua mãe provavelmente tinha feito o mesmo todos os dias antes de morrer. Tate era a chaleira, calmo e esperando que algo acontecesse, jogando de mediador entre Greer e os outros na família. Dustin era a água quente, nunca sabendo o que estava acontecendo dentro das bolhas. E Greer vivia a vida como se fosse capaz de explodir a qualquer momento. Dustin e Tate, ela tinha aprendido a amar como os irmãos que ela nunca teve, e ela tinha se aproximado de Rachel, pensando nela como uma irmã. No entanto, o que ela sentia por Greer era tudo menos fraternal. Ela sempre gostou de seu chá forte e quente. “Vamos subir na xícara maluca. Você é alto o suficiente para isso.” Greer estendeu a mão, levantando Logan até os ombros dele caminhando através do parque lotado. Holly andava atrás deles, andando ao lado de Rachel e Cash, enquanto ele carregava Ema em seus braços. Apesar de cheio como o parque estava, as pessoas saíram de seu caminho. “Se fosse eu, seria pisoteada.” Rachel foi para o lado para evitar ser derrubada por um homem corpulento que enviava mensagens de texto em vez de prestar atenção para onde estava indo. "Eu sei. Gostaria de ter usado botas em vez de sandálias.” Holly estremeceu quando ela não saiu do caminho de um grupo de adolescentes que estavam paquerando duas meninas bonitas.


A xícara maluca tinha uma fila longa. Quando eles entraram na fila, ela deu um passo para o lado. “Eu posso segurar Ema se Cash quiser subir?” “Você não quer ir?” "Não." “Eu quero que você venha comigo, Holly!” Logan gritou para ela dos ombros de Greer. “Eu vou andar com você no próximo brinquedo.” “Há espaço para nós três.” Greer deu um pulo com Logan em seus ombros, fazendo o menino sorrir. Ele nem sequer reclamou quando Logan usou o cabelo de Greer para manter o equilíbrio. “Eu não posso subir, de qualquer maneira” Rachel disse a ela com um sorriso travesso. “Por que não?” Os olhos de Holly se arregalaram quando viu que Cash não podia esconder seu sorriso triunfante. "Você está grávida?" Rachel assentiu. Todos os seus irmãos se viraram para dar a Cash olhares hostis, que ele ignorou. "Não me culpe. Ela me seduziu.” “Se você não estivesse segurando meu bebê, eu ia te socar,” Rachel ameaçou. “Você iria ferir o pai do seu bebê?” “Não, mas a próxima vez que você tentar me convencer a nadar a noite, você vai sozinho.” Holly abraçou Rachel, felicitando-a e se perguntando sobre a expressão triste no rosto de Greer. Quando ele a viu olhando para ele, ele começou a falar com Dustin. Ele estava infeliz que Rachel ia ter outro bebê tão perto de Ema? Rachel era próxima de seus irmãos, mas Holly não achava que isso era o que trouxe melancolia em seus olhos.


Era um lado dele que ela não estava familiarizada ainda, assim como quando ele se ofereceu para ir com ela na funerária para ver Mitch antes que seu amigo tivesse levado o corpo de Mitch de volta para Frankfort onde ele morava. O amigo de Mitch tinha permanecido no escritório do agente funerário, enquanto ela estava prestando seus respeitos ao homem que tinha tentado a amar e não conseguiu. Quando ela tentou oferecer dinheiro para cobrir os custos, Brett se recusou, dizendo que ele já tinha tomado conta disso. Suas condolências simpáticas a fez sair correndo da casa funerária, incapaz de suportar o fardo de sua culpa. Depois de dirigir para casa, Greer tinha sido solícito fazendo para ela uma xícara de chá e tinha dado o espaço que ela precisava para chegar a termos com as consequências de não ter respondido às cartas de Mitch antes de sua vida ter terminado. Greer colocou Logan no chão, pegando sua mão para subir as escadas para o brinquedo, tirando-a de seus próprios pensamentos melancólicos. A outra mão de Logan saiu em direção a ela. Tomando sua mão, ela seguiu Greer até os carros vermelhos que esperava. Greer levantou a barra. "Você vai primeiro. Logan pode andar entre nós. Dessa forma, ele não vai se bater.” Ela deslizou, dando-lhes espaço, e, em seguida, o atendente veio para garantir que a barra estava trancada. “Posso andar na montanha russa depois?” “O que Holly lhe disse?” Greer nunca tentou apoiá-la onde Logan estava em causa. “Que tal ter alguns cachorros-quentes quando sair?” Holly sugeriu. Fazendo sua carranca desaparecer. Ela agarrou a alça quando o carro começou a se mover em um círculo lento, enquanto Greer acenou quando eles passavam por Dustin, que estava gravando pelo seu telefone. Ela nunca tinha visto Greer tão despreocupado quando o carro girou em torno da plataforma.


Ela continuou deslizando no assento liso para Logan, apesar do quanto ela segurava a alça. Greer pôs o braço em toda a parte traseira do assento, usando a mão para segurá-la no lugar. Holly poderia contar em uma mão o número de vezes que Greer alguma vez voluntariamente a tocou. Isso tudo aconteceu no espaço do mesmo mês dando esperança a seu espírito que eles poderiam começar a se dar melhor. Logan não era o único decepcionado quando o passeio terminou cedo demais. Ela quase cedeu quando ele queria ir de novo. “Espere até comermos e deixar seu estômago acalmar. Eu não quero que você tenha uma outra dor de estômago como no começo da semana passada.” Greer levantou a alça para que eles pudessem sair, colocando uma mão no carro para parar de girar. Todo mundo concordou com os cachorros-quentes, e Tate encontrou uma mesa de piquenique para sentar enquanto ele e Dustin foram buscar a comida. “Eu vi Jo no restaurante quando almocei com Tate hoje. Ela realmente sorriu para mim quando eu disse oi. Tudo o que você está dizendo para ela, continue fazendo. Vou convidá-la domingo depois da igreja” disse Greer para Rachel. Um fragmento de ciúme perfurou o coração de Holly com suas palavras. Ela realmente não acreditou que ele a convidaria para sair. Jo não era o tipo que Greer geralmente saia. Na verdade, ela não tinha namorado ninguém na cidade que ela conhecia. Jo se mantinha afastada quando ela estava na igreja, geralmente dizendo apenas uma ou duas palavras para Rachel antes de sair naquele enorme caminhão de reboque que Greer sempre cobiçou. “Eu não sei se ela vai aceitar. Quando tento falar sobre isso, ela muda a conversa” Rachel avisou. O rosto de Greer iluminou. “Isso não é uma coisa ruim. Inferno, você fala meu nome para a maioria das mulheres na cidade, e elas vão dizer a todos o que eu tenho” ele disparou um olhar cauteloso para Holly. Holly não tinha dúvida de que, se ela não estivesse sentada lá, ele teria usado uma palavra diferente daquela que saiu de sua boca- “Nos vimos


nos últimos cinco anos. Ela mudar de assunto pode significar que ela gosta de mim.” “Como no inferno você acha isso?” Cash abotoou a jaqueta de Ema quando a noite ficou mais fria. “Na minha experiência, as mulheres vão falar toda hora sobre quem ela está interessada.” Greer bufou. “Você não sabe nada sobre mulheres.” Rachel olhou para seu irmão como se ele tivesse crescido outra cabeça. “Você acha que sabe mais sobre as mulheres do que Cash?” Ela perguntou, incrédula. "Claro que sim. Sobre boas mulheres tementes a Deus. A única experiência que Cash teve com as mulheres, além de você, foi com puta. Não havia pessoa mais temente a Deus do que Mãe, e ela me criou, não foi?” “Mag criou Cash, e ela é temente a Deus.” “Não, ela não é. Deus teme ela. Há uma diferença." Rachel bateu contra a própria testa antes de se virar para o marido. “Você não vai dizer nada?” Cash levantou uma sobrancelha para o seu olhar irado. "Não. É a verdade. Todos nós tememos Mag.” Tentando evitar a discussão que se iniciava, Holly tentou acalmar o temperamento de Rachel. “Só porque alguém vai à igreja não significa que elas são boas pessoas. Há várias pessoas que vão à nossa igreja que eu não daria a minha confiança.” “Eu posso citar alguns,” Rachel concordou. “Você quer Jo porque ela é temente a Deus? Quando foi a última vez que Diane foi à igreja?” “Eu não disse que era um dos meus requisitos. Essa não é a única coisa que eu gosto sobre Jo.” “Você não sabe nada sobre Jo,” Rachel respondeu. “Eu sei que ela dirigindo esse grande caminhão de reboque. É sexy como...” Greer viu os dedos de Holly enrolar em torno de sua lata de refrigerante quando ela olhava para ele enquanto tentava encontrar as


palavras aceitáveis que não a faria jogar bebida nele. “Acho que é muito atraente.” “Eu também.” Dustin sorriu. “Se eu pensasse que Jo sairia com um homem mais jovem, eu iria para ela eu mesmo.” Tate e Cash não tiraram a sua atenção de seus cachorros-quentes, permanecendo estranhamente quietos. Suas esposas lhe deram olhares estreitos por causa do silêncio. “Você acha Jo atraente?” Sutton perguntou ao marido. “Eu vou dormir no sofá esta noite se eu achar?” “Se eu fosse um cara, eu acharia ela atraente, também.” Holly tirou a atenção dos dois homens que estavam em perigo de passar noites desconfortáveis longe de suas esposas. “Jo é muito boa. Ela tenta ajudar quem precisa e nunca pede nada em troca. Na semana passada, quando eu saía do trabalho, eu a vi trocando meu pneu. No início eu pensei que você” - Holly apontou para Dustin - “pediu para ela fazer isso, mas ela me disse que estava passando quando viu meu pneu furado. Ela tinha voltado para o seu pátio e trouxe outro para colocar no meu carro. Quando tentei pagar por isso, ela não quis, me dizendo que ela tem dezenas de pneus e não era para eu me preocupar com isso. Ela meio que fez o meu dia fazendo algo bom para mim.” “É o mesmo pneu que eu disse para você cuidar, Dustin?” Tate reclamou duramente. Os olhos arrependidos de Dustin encontraram os dela. “Sinto muito, Holly. Acabei me esquecendo.” Holly percebeu o que tinha feito tarde demais. “Eu não quero que você fique com raiva de Dustin. Eu estava dizendo-” “Eu sei o que você estava dizendo. Você estava tentando não fazer Greer parecer como um idiota. Não desperdice seus esforços. É uma causa perdida. Você está sempre tentando proteger aqueles que se preocupam, e nós não merecemos. Eu vi que seu pneu estava careca. Eu devia ter trocado ele eu mesmo em vez de pedir para Dustin fazer.” “Ele me pediu para pegar um para ela, e eu esqueci.” Greer tirou a própria parcela de culpa.


“Isso não importa mais. Está consertado. Agora, podemos ir e nos divertir um pouco? Logan, você quer ir na roda-gigante?” “Podemos ir nos carrinhos bate-bate primeiro?” Ele pediu. "Isso funciona. É ao lado da roda-gigante. Nós podemos ir nos carros primeiro, em seguida, vamos na roda-gigante.” Holly ficou aliviada quando a atmosfera ficou mais leve à medida que jogou fora o lixo, então, enfrentou a multidão ainda maior. Cash e Tate ambos envolveram seus braços em volta das cinturas de suas esposas, levando-as através da multidão. Holly ficou no passo ao lado de Dustin quando ele colocava Logan de volta em seus ombros. Greer seguiu atrás deles, tão perto que a fez auto consciente. Ela era uma mulher baixa que carregava a maioria de seu peso em duas áreas que, apesar de seus esforços de fazer dieta, não respondiam diminuindo. Ela odiava os peitos e bunda dela. Ambos a faziam se sentir como se fossem as únicas coisas que os homens olhavam quando a viram, indo e vindo. Quando ela tivesse dinheiro suficiente guardado, ela cuidaria de ambos os seus problemas. Havia uma longa fila nos carrinhos de bate-bate, e a fila roda gigante não estava melhor. Um portão de metal fino separava as duas filas. “Por que diabos Justin e Curt iriam para a roda-gigante?” Dustin perguntou a Greer por cima de seu ombro. “Eles parecem que estão f...” - Greer caminhou se afastando dela“rugindo de bêbados. Eu não gostaria de ser aquele a andar debaixo deles.” “Eu aprecio que você está controlando suas palavras perto de Logan” Dustin disse. "Sem problemas." Holly viu Greer desviar o olhar do sorriso dela. O homem arrogante não estava disposto a admitir a seu irmão mais novo que ele tinha medo dela. Não que ele admitiria isso por um milhão de dólares.


“Por um milhão de dólares, ele poderia” ela murmurou para si mesma depois de pensar mais sobre isso. Inferno, por um milhão, ele venderia a sua alma. Ele a roubaria de volta, mas ele iria vendê-la. “O que é tão engraçado?” Ele perguntou, irritado. “Nada que você acharia engraçado.” "Teste-me." Nada faria Greer mais mal-humorado do que pensar que ela estava rindo dele, e ele estava ansioso para uma briga. Ela podia vê-lo em seu rosto. Ele estava castigando a si mesmo sobre seu pneu, não porque ele não tinha levado a sério a sua segurança, mas porque Tate ia dar a ele e Dustin o inferno por não cuidar disso. “Podemos apenas ter uma noite sem brigarmos?” Seu apelo ficou sem resposta quando gritos vindo da fila ao lado deles fez os homens se virarem. “Justin e Curt estão lá em cima e cuspindo nas pessoas esperando” Tate explicou. “Idiotas. Eles vão quebrar seus pescoços da forma como eles estão inclinados.” “Nós não teremos essa sorte.” Cash afastou Rachel para mais longe do trilho de metal. Holly era muito pequena para ver sobre a multidão, mas as vozes cheias de raiva pareciam se tornar mais altas e mais irritadas. Tate e Cash começaram a parecer preocupados quando o trilho começou a tremer quando as pessoas do outro lado se empurravam para trás em direção a ela. “Eu estou tirando Rachel daqui.” Cash fez sinal para Rachel passar por Dustin para sair da fila. “Vamos jogar alguns jogos, Logan. Nós podemos ir nos carrinhos bate-bate mais tarde.” Dustin tentou virar para seguir Cash quando o trilho começou a se inclinar em direção a eles.


Holly já tinha começado a ficar nervosa com os gritos crescentes. Então, antes que ela pudesse dar um passo em sua direção, o trilho se separou quando a multidão agitada correu em direção a eles. “Filho da puta!” Greer gritou. “Holly!” Logan gritou quando ele quase caiu dos ombros de Dustin quando foi atingido por trás da multidão fugindo. “Espere, Logan!” Holly gritou, tentando caminhar ao redor deles e encontrar uma abertura. Em vez disso, ela foi engolida no meio deles. Em seguida, ela sentiu-se cair, terror a golpeou quando sentiu a massa caindo sobre ela. Um duro empurrão a colocou de pé, tirando-a do lado da multidão e colocando-a contra a pequena cabine da bilheteria. Ela só conseguiu respirar quando ela levantou os olhos assustados para Greer, enquanto ele se apertou contra ela, apoiando os braços na cabine ao lado da cabeça para mantê-la a afastada da luta que havia começado entre alguns dos homens que tinham feito as pessoas a redor deles fugirem para não se envolverem na briga enorme. Ela tentou não respirar, inclinando-se para afastar seus seios do peito dele. Era uma causa perdida, pois ele se pressionava mais forte contra ela, socando e acotovelando os homens que estavam lutando. Ela tentou desesperadamente ignorar a sensação de seu peito firme que acabou endurecendo os seus mamilos. Ela estava com medo de se mover, não por causa do que estava acontecendo ao seu redor, mas por causa do desejo que estava invadindo sua buceta, consciente que seu pau estava pressionado contra sua barriga. Ela rezava silenciosamente que a luta terminasse antes que ela esquecesse que ele a odiava e se contorcesse contra o comprimento duro que ela estava sentindo por trás de seus jeans. “Se Knox não estiver aqui para controlar isso, eu vou até a minha caminhonete para pegar minha espingarda” Greer murmurou. Holly passou a mão suavemente pelo peito dele. “Ele está aqui.” Ela espiou por cima do braço dele para ver Knox separando os homens e jogando-os para os seus policiais, um de cada vez.


“Parem com isso! Parem com isso, ou eu vou prender cada um de vocês merda!” Knox gritou, fazendo os participantes correrem. Seus olhos se arregalaram em simpatia pelo homem se debatendo no chão. “Eu nunca vi ninguém sendo atingido por arma de choque.” “Quem foi atingido por arma de choque?” “Justin.” Holly olhou para ele, surpresa que ele não tinha se virado para olhar por si mesmo. "Ele merece. Espero que Knox atinja ele novamente por cuspir sobre aqueles pobres otários.” Holly olhou para o homem com pena. “Acho que ele deu a Justin mais de um. Ele fez xixi em si mesmo.” Greer ainda não tinha olhado para trás para ver o que estava acontecendo em sua volta. “Você pode me soltar agora” ela afirmou o óbvio. Greer se afastou dela tão rápido que tropeçou contra um dos policias, enviando-o para os homens que Knox ainda estava tentando separar a briga. “Puta que pariu, quem me deu um soco?” Holt Hayes lançou seu punho para a primeira pessoa mais próxima a ele. Greer se abaixou, seu próprio punho lançando para acertar Holt em seu estômago. “Eu vou te matar” Holt ofegou, tentando recuperar o fôlego. “Filho da puta...” Greer se foi para o homem que estava tentando se endireitar em sua posição. “Greer, não.” Holly colocou os braços ao redor da cintura, tentando segurá-lo. “Por favor, não. Logan está olhando.” Suas mãos foram para as dela, onde estavam presas em sua cintura. Ela segurou mais forte, seu corpo apertando o dele por trás. "Veja. Knox está colocando as algemas nele agora.”


Ele tentou se afastar dela novamente. “Você quer que todos na cidade falem que você não consegue bater em Holt em uma luta justa?” Holly tentou acalmá-lo novamente. Knox empurrou Holt para o chão ao lado de Justin, que estava tentando explicar com raiva que Curt e Justin não tinham sido os únicos a iniciar a luta. “Mulher me solte.” Quando Greer se virou para olhar por cima do ombro para ela, ela viu que ele tinha se acalmado o suficiente para soltálo. Dustin e Tate veio para ficar ao lado deles. “Estou surpreso que você não está sentado lá com os outros, sendo preso.” Tate deu um tapa nas costas dele. “Você deve estar ficando velho.” “Ele não lutou. Ele se assegurou que eu não fosse soterrada na poeira daqueles idiotas.” “Droga, Greer, você não está ficando velho; você está ficando mole” Tate brincou, colocando Greer em uma chave de braço quando Greer lançou um soco em seu rosto rindo. “Tate pare de incomodar Greer.” Ela se colocou entre os dois irmãos que gostavam de lutar tanto quanto eles se amavam. “Você pode levar toda a sua agressividade para os carrinhos de bate-bate.” “Você ainda quer deixar Logan brincar com eles?” Dustin perguntou, colocando Logan no chão. “Claro.” Ela pegou a mão de Logan para que ele não pudesse correr na frente deles. “Não parece ter uma fila mais. Onde estão Sutton e Rachel?” “Cash levou ela e Rachel para casa.” Tate deixou saber que nem ele nem Dustin sairiam sem ter certeza que Greer não precisava de sua ajuda. Holly soltou a mão de Logan na entrada dos carrinhos. “Você não vem?” Greer perguntou quando ela se virou para o lado para que Dustin e Tate pudessem entrar.


“Infern - Uh, não, obrigada. Já tive emoção suficiente para a noite.“ Holly ficou olhando Greer quando ele estava procurando o seu próprio carro, embasbacada pelo sorriso irônico que ele lhe deu por ela quase ter xingado. Ele nunca sorriu para ela, sempre lhe dando um ombro frio. Aquele sorriso tinha aliviado sua expressão, acendendo uma chamejante chama em seu coração de que um dia pode haver uma chance de algo crescer entre eles. Uma pequena chance, mas era melhor do que o que ela tinha vivido nos últimos seis anos.


10

Garotadokentucky: Você se divertiu no parque de diversão na noite passada? Atiradordeelite: Teria sido melhor se você estivesse lá. Garotadokentucky: Talvez um dia, eu vou. Atiradordeelite: Você está pensando sobre sermos mais do que amigos? Garotadokentucky: Talvez. Você foi capaz de ir na xícara maluca? Atiradordeelite: Meu irmão gravou meu sobrinho e eu. Você quer ver? Garotadokentucky: Sim. Atiradordeelite: <Aperte iniciar> Garotadokentucky: Seu sobrinho é muito bonito, como seu tio. Atiradordeelite: Ele se parece mais com o pai do que comigo. Garotadokentucky: Quem é a mulher? Garotadokentucky: Tem certeza de que não tem uma namorada ou são casados? Atiradordeelite: Desculpe, eu tive que soltar o meu cão. A mulher? Ela é babá do meu sobrinho. Prefiro disparar em meu pau antes de sair com ela. Eu não vou mentir; saio com outras pessoas, mas não é nada sério sobre qualquer uma mulher ainda. Estou procurando por essa mulher especial. E eu acho que a encontrei, se você apenas ceder e me encontrar. Garotadokentucky: Por que você não gosta dela? Atiradordeelite: Gostar? Deus diz que eu não deveria odiar ninguém, mas com ela, é difícil não fazer isso. Se ela tivesse feito do jeito que ela


queria, eu nunca teria conhecido meu sobrinho. Deus concede perdão. Eu não. Garotadokentucky: Eu percebi. Uau. Eu posso entender. Lamento o que aconteceu com você e sua família. Eu preciso ir. Meu horário de almoço acabou. Se cuide, Atiradordeelite. Atiradordeelite: Você também.

"EU POSSO brincar com Noah e Chance?” Logan puxou a mão de Holly, quando saíam da igreja. Arrumando o cabelo escuro dele para trás, Holly sorriu para o menino que ela considerava seu mundo todo. "Vai lá." Ela o viu correr em direção ao parque infantil, onde as outras crianças da congregação estavam brincando enquanto seus pais conversavam entre si. Ela encontrou um espaço em um dos bancos onde ela poderia vigiar Logan, enquanto furtivamente olhava quando Greer vinha em direção ao estacionamento. Jo estava prestes a entrar em seu caminhão de reboque, quando ele deve ter dito algo a ela. Holly observou quando ela se inclinou contra a porta, incapaz de ouvir o que eles estavam dizendo. Ela odiava a si mesma. Por que ela tinha que importar com o que Greer estava dizendo? Ele era dolorosamente claro sobre o pensava sobre ela. Toda a esperança que ela possuía em seu coração tinha sido esmagada e pisoteada, e ele nem sequer sabia disso. Teria feito o ano dele se soubesse o quanto ele a tinha machucado quando disse que preferia atirar em seu pau do que tocá-la. “Por que você parece tão triste neste belo domingo?” Assustada, Holly olhou para o pastor. “Está bonito, não é? Eu gostei do seu sermão, mas acho que alguns dos homens gostariam de ter ficado em casa na cama.” Pastor Dean se sentou ao lado dela com um sorriso maroto. “Foi muito óbvio ao dar um sermão de Lucas 6:29?”


“Se a maioria dos homens já não estivesse se lamentando por estar envolvido na luta no parque, o seu sermão garantiu isso.” "Você esteve lá?" "Sim. Aqueles que poderiam ter se beneficiado de seu sermão a maioria não foi a igreja esta manhã.” “Justin e Curt não têm um hábito de frequentar a igreja. Estou triste em dizer que, mesmo se eles não estivessem na prisão, eles não estariam sentados na igreja. Aqueles dois estão caminhando numa fronteira tênue de ferir alguém feio, ou se matarem.” Holly não estava chocada com o comentário do pastor. Ele não era um pregador convencional. Ele tinha uma moto e havia construído uma nova casa na propriedade que pertence aos Last Riders. Usava ternos quando ele estava na igreja, mas fora isso, ele usava jeans e camiseta, não tendo nenhum escrúpulo em mostrar as tatuagens que eram visíveis. Ele era tão bonito, que muitas das mulheres ficavam tão envolvidas em seus sermões que elas ficavam sentadas em seus bancos alguns minutos antes que perceber que ele havia terminado. “Não vai acontecer com eles. Eu estava perto de onde a luta começou. Eles foram os únicos que começaram a briga, mas eles não têm uma marca sobre eles. Tate disse que eles costumam começar as brigas e, depois, ficam lá observando todo mundo brigar.” “Estou surpreso que os irmãos Porter não participaram.” “Tate queria tirar Sutton de lá, e Dustin tinha Logan” explicou Holly. “Greer deveria não estar lá. Ele teria adorado a chance de lutar.” "Ele estava lá. Ele me impediu de me machucar quando a briga começou.” Pastor Dean deu uma risada baixa. “Eu sabia que tinha que haver uma razão.” “Ele ficou inquieto sobre isso o resto da noite. Assim como Tate e Dustin. Foi por um triz entre Greer e Holt, mas Knox colocou um fim nisso. Não há amor entre os Porters, e os Hayes.”


“Eu posso imaginar eles ficando chateado por causa disso. Especialmente Greer; Ele adora uma boa luta.” "Sim ele adora." Os olhos espertos do seu pastor a encararam. “Será que ele é o problema?” Ela olhou para onde Greer e Jo ainda estavam conversando. Mordendo seu ciúme, ela voltou a olhar Logan brincando. "Ele me odeia." “Greer odeia todo mundo, mas não a família dele.” Ele tinha um ponto. Greer tinha problema com a maioria das pessoas na cidade. “Não tanto quanto ele me odeia. Você já fez algo tão ruim que alguém não pode perdoá-lo?” Ela empalideceu ao ver a expressão de profunda tristeza que veio em seu rosto. “Na verdade, sim.” “Eu ... Eu só estava falando por mim. Eu não quis dizer...” “Está tudo bem” o pastor disse a ela. “Eu sei o que você estava tentando falar retoricamente. Você estava falando sobre Greer, não estava?” “Sim, ele nunca vai me perdoar por não ir à polícia para falar sobre Logan.” “Você perdoou a si mesma?” Ela lhe respondeu honestamente “Eu digo sim, mas no fundo, eu ainda lamento que lidei com isso de forma errada.” “Quando você perdoar a si mesma, então o que Greer sente não importará.” “Diamond diz isso, também. Eu gostaria que fosse verdade.” "Mas é verdade. Holly, eu quase perdi Willa para um homem que me odiava tanto que quase a matou e uma jovem. Eu poderia ter colocado um fim nisso muito antes dele quase ter matado ela, mas não o fiz por


causa da culpa que eu sentia. Quando confessamos nossos pecados a Deus, Ele nos perdoa. Você esteve fazendo seu caminho para o perdão desde que eles não sabiam sobre Logan. Só você sabe quando a estrada para esse perdão termina. Meu dia terminou com Willa pendurada sobre aquele penhasco. Você não tem que percorrer por esse caminho sozinha, Holly. Deus está aí, ao seu lado, a cada passo do caminho, e eu estou aqui se precisar de mim.” “Obrigada, Pastor.” "Por nada. Você vai ficar para a comunhão?” “Eu gostaria, mas parece que Greer terminou de falar com Jo, e ele está pronto para ir.” Holly deu um sorriso de desculpas ao pastor quando Greer entrou em seu carro e começou a buzinar. Claro, ele tinha esperado até que Jo tivesse saído do estacionamento. “Vejo você no próximo domingo, então.” Pastor pediu licença, vou falar com os outros paroquianos. Quando Greer tocou a buzina novamente, ela saltou do banco e chamou por Logan. “Por que eu não posso ficar?” Logan reclamou sem fôlego. “Seu tio Greer é o único que está com pressa.” Logan parou de protestar, correndo obedientemente em direção a caminhonete de Greer. “Você não ouviu? Por que demorou tanto?” Holly ajudou Logan a subir na caminhonete, em seguida, ela subiu em si. “Eu estava conversando com o pastor.” “Como se isso fosse ajudar.” Suas palavras insensíveis deixaram ela pálida. “O que significa isso?” Ela se virou de lado em seu assento para ver Logan observando a interação entre eles. "Você sabe o que isso significa."


Se ele não estivesse dirigindo, ela teria socado ele. Sentada para frente, ela silenciosamente olhou para o lado de fora da janela enquanto Greer perguntou a Logan se ele queria ir pescar. "Sim!" “Vou mudar de roupa quando chegarmos em casa.” “Papai e tio Tate podem ir?” "Sim. Seu pai já deve estar fora da cama, e eu vou ligar para Tate.” “Eu vou pegar um peixe grande, Holly, assim como eu fiz da última vez. Desta vez, você tem que me ver tirar o anzol da boca. Eu vou tomar cuidado-" “Ela não vai.” "Por que não?" O silêncio dentro da cabine era pesado. “Holly?” O garotinho perguntou incerto. “Eu tenho limpeza para fazer. Vou pedir ao seu pai para tirar algumas fotos para mim.” A viagem silenciosa não terminou rápido o suficiente para ela. Assim que Greer parou, ela pulou saindo. Greer baixou a janela. “Você está tentando quebrar o seu pescoço?” Ela queria gritar com ele dizendo que ele não se importaria se ela quebrasse. Consciente que Logan escutando, ela entrou, deixando a porta aberta para eles. Dustin estava esparramado no sofá, assistindo televisão. Ele deu uma olhada em seu rosto irritado e se sentou. "O que está errado?" Logan não lhe deu tempo para responder quando ele veio correndo para dentro da casa. “Nós vamos pescar!” Dustin olhou para o rosto em êxtase de Logan, em seguida, um despreocupado de Greer, e tirou suas próprias conclusões. “Se nós iremos pescar, você precisa mudar suas roupas.”


“Ok.” Logan começou a ir para o seu quarto. “Feche a porta e veja um dos seus filmes até estar pronto para ir” Dustin o orientou antes que ele pudesse sair do alcance da voz. “Posso colorir?” Ele gritou. “Sim, e diminua sua voz.” Holly esperou que a porta se fechasse antes que ela colocasse a bolsa no balcão. “Dustin posso falar com você sozinho?” “Você tem algo a dizer ao meu irmão, você pode fazer isso em minha frente.” Ela sabia o que estava por vir. "Bem. Vou fazer seu dia.” Dando as costas para Greer, ela se concentrou em Dustin. “Amanhã, eu vou começar a procurar um apartamento.” “Que diabos aconteceu na igreja?” Holly levantou a mão para impedir Dustin de falar alguma coisa. Ela estava determinada a dizer tudo. “Eu amo Logan mais do que amo a minha própria vida.” Ela cravou as unhas nas palmas das mãos para evitar explodir em lágrimas e dar a Greer essa satisfação. “Eu não posso continuar vivendo minha vida como um pedido de desculpas para você, Greer, e Tate. Não é justo comigo ou Logan. Eu sei que você ama Greer, e eu não quero que você tenha que escolher entre ele e eu, e certamente não quero que Logan faça isso. “Será melhor que eu encontre um apartamento, e se você desejar, me visite. Eu posso ficar com ele depois da escola enquanto você estiver fora. Ele passa a maior parte das noites brincando com você, então ele não vai sentir a minha falta.” Um soluço quase escapou, mas ela o segurou. “Você gosta de sair nas noites de sábado. Eu posso ficar com ele para você e te devolver Logan depois da igreja. Se isso não funcionar para você, então talvez possamos trabalhar em alguma coisa. Quando eu encontrar um apartamento, nós dois podemos sentar com Logan e ter uma conversa com ele.” "Holly-"


“Se vocês me derem licença, eu quero lavar meu cabelo, e tenho algumas coisas que preciso fazer em casa.” Ela deixou os dois irmãos olhando para ela. Seria difícil não viver com Logan, mas seria melhor do que viver com Greer. Era apenas uma questão de tempo antes que ele descobrisse o quanto ela se importava com ele, já que isso estava se tornando mais difícil a cada dia, mesmo com a tensão crescente entre eles. Quando ela fechou a porta, ela foi capaz de ouvir Greer e Dustin discutindo. Holly se virou para a televisão, em seguida, entrou em seu banheiro e ligou a água para que eles pensassem que ela estava lavando seu cabelo. Em vez disso, sentou ao lado da banheira e chorou. A vida com Greer era como viver em um espinheiro, e estava cansada de ser picada. Eventualmente, ela se despiu e entrou no chuveiro, se deleitando com a água quente. Ela estava saindo do banho, uma toalha enrolada na cabeça e se secando, quando a porta do banheiro se abriu. Ela nem sequer teve tempo de gritar antes que ela estivesse presa contra a porta aberta. "O que você está fazendo!" "Não se preocupe; você não tem nada que eu não tenha visto antes.” A mão de Greer foi para a garganta. Erguendo os olhos para os seus olhos cheios de tempestade, ela agarrou desesperadamente a toalha grande nos seios. “Você chora muito, não é?” Boquiaberta, ela se esqueceu de se sentir constrangida. "O quê?" “Seus olhos estão vermelhos. Você chorou." "Como se você se importasse?" “Você tem que endurecer, ou o mundo vai mastigar você e cuspila.” Os olhos de Greer foram para a toalha que cobria seus seios; o tempo todo em que tinham compartilhado a mesma casa com ele, ele nunca havia demonstrado qualquer interesse sexual por ela. Agora, ele estava olhando-a como se estivesse reivindicando ela.


Ela o empurrou para longe dela. “O que é tão importante que não podia esperar até eu terminar o meu banho?” Ela retrucou. Ele se afastou dela e em seu quarto. “Só verificando o meu novo quarto.” Ele se virou para encará-la. “Dustin e eu tivemos uma conversa. A propósito, eu não gostei da sua tentativa de fazer uma intriga entre meu irmão e eu.” “Eu não estava tentando-” Ele acenou para as suas desculpas. "Não importa. Não funcionou. Dustin ligou para a Sra. Langley. A casa dela está vazia desde que ela se mudou para a casa de Winter e Viper. Ela não vendeu ainda, e Dustin passa lá todos os dias para olhar isso para ela. Ele perguntou se você poderia viver lá até que vendesse. Mata dois coelhos com uma cajadada só.” Ela o olhou entorpecida enquanto ele andava pelo seu quarto, colocando a sua reivindicação. Decepção a encheu, ele não estava colocando sua reivindicação em seu corpo; ele estava colocando a sua reivindicação em seu novo quarto. “Tudo que você tem a fazer agora arrumar as malas hoje, e Dustin e Logan pode deixa-la amanhã à tarde. Você precisa de ajuda?” Ela estava em pé na frente dele, quase nua e vulnerável, e ele não dava a mínima que estava destruindo sua vida. "Não, eu não preciso da sua ajuda. Eu gostaria de me vestir. Por favor saia." "Sem problemas. Eu achei que você iria mostrar, pelo menos, um pouco de gratidão. Inferno, você irá morar sem pagar aluguel até que a casa seja vendida.“ “Eu vou agradecer a Dustin quando ele voltar da pesca.” “Você simplesmente não pode agradar a algumas mulheres” ele disse, irritado. “Eu pensei que você fosse pescar?” Ela foi até a porta de seu quarto, enrolando a mão na maçaneta.


"Eu vou. Apenas esperando Sutton chegar aqui assim você não vai ficar sozinha.” Holly não conseguia entender por que alguém tinha que ficar com ela hoje. Depois de amanhã, ela estaria sozinha quando se mudasse para a casa da Sra. Langley. Ela ficou feliz pela mulher mais velha quando foi morar com sua sobrinha, sem ter nenhum ideia de que os Porters iriam utilizar isso como uma oportunidade para se livrar de Holly alguns meses mais tarde. “Logan e Dustin já foram embora?” "Sim." “Você poderia me fazer um favor antes de sair?” Magnanimamente, ele fez uma pausa. “Vá se foder.”


11

Atiradordeelite: Eu vou pescar com meu sobrinho. Gostaria que você estivesse aqui. Atiradordeelite: Você gosta de pescar? Atiradordeelite: Ei, se você não gosta, podemos falar de outra coisa. Atiradordeelite: Quer falar sobre filmes? Sobre caminhões? Eu gosto de caminhões. Já te disse isso antes? Podemos falar sobre o que você gosta de fazer em uma tarde de domingo. Eu gosto de caçar e pescar. Atiradordeelite: Você já foi caçar? Atiradordeelite: É difícil manter uma conversa quando você não responde. Eu disse alguma coisa errada? Estou preocupado com você. Responda por favor. Atiradordeelite: Eu vou estar acordado a noite toda, se você não responder. Se você não quer mais falar comigo, é só me dizer. Pelo menos eu vou saber que você está bem. Garotadokentucky: Eu não quero mais falar com você. Atiradordeelite: Por que não? Atiradordeelite: Vou enviar mensagens até você responder. Garotadokentucky: O que você não entendeu? Eu não quero mais falar com você. Atiradordeelite: Por quê? Atiradordeelite: Por quê? Atiradordeelite: Por quê? Atiradordeelite: Por quê?


Atiradordeelite: Por quê? Garotadokentucky: OMG. Pare de me incomodar! Atiradordeelite: Responda a minha pergunta, e eu paro. Garotadokentucky: Eu não acho que temos algo em comum. Eu odeio pesca e caça. Atiradordeelite: É isso? Garotadokentucky: Sim, isso e você não gosta de carrossel. Atiradordeelite: A última vez que falei com você, parecia que você estava pensando em nos dar uma chance. Garotadokentucky: Eu mudei de ideia. Atiradordeelite: Por quê? Garotadokentucky: Estou à procura de um tipo diferente de homem. Um que goste de carrosséis e que não goste de pesca e caça. Atiradordeelite: Então, se você não quer um homem que caça e pesca, o que você quer em um homem? Garotadokentucky: Eu quero um que faria qualquer coisa no mundo por mim, um que seja gentil e carinhoso. Um homem que, ao ver uma flor bonita, pensará em mim. Aquele que, quando eu estiver triste ou com medo, sei que ele cuidará disso. Atiradordeelite: Você sabe a diferença entre um homem e uma mulher, certo? Atiradordeelite: Um homem não pensa assim. Eu não estou sendo mau, mas eles não pensam especialmente sobre uma mulher que nunca conheceram. Especialmente uma que ele ainda não sabe a cor dos olhos ou dos cabelos para compará-la com uma flor. Um homem não pode saber o que vai incomodá-la ou fazê-la ter medo até descobrir por si mesmo. Se você parar de ter medo e me enviar uma foto, ou se abrir para mim, talvez você fosse descobrir que podemos ter um futuro juntos, ao invés de me dispensar. Garotadokentucky: Vou pensar sobre isso.


Atiradordeelite: Isso quer dizer que você vai continuar falando comigo? Garotadokentucky: Sim. Atiradordeelite: Legal. Eu tenho que ir. Tenho um peixe na linha. É um grande filho da puta. Garotadokentucky: Espero que ele escape. Atiradordeelite: Não vai acontecer. Eu o tenho no meu anzol. Garotadokentucky: Idiota.

“EM VEZ DE me dar olhares de reprovação, por que você não limpa esse peixe?” Greer jogou o peixe que ele tinha acabado de tirar do refrigerador em cima da bancada. “Vá limpar o seu próprio peixe maldito!” Rachel se irritou, afastando-se do cheiro de peixe. “Se você estiver indo vomitar, você pode muito bem voltar para sua cabine.” Disse ele sem nenhuma preocupação. As mãos de sua irmã se fecharam em punhos. “Greer, que Deus me ajude, se Logan não estivesse olhando, eu te jogaria no lago!” Greer viu seu sobrinho sentado sobre uma rocha próxima à água. “Garoto, o que eu te disse? Você não tem permissão para ir lá a menos que alguém esteja com você.” “Papai e Tate logo estarão de volta!” Logan gritou de volta. Greer xingou quando Logan deslizou mais perto da beirada. “Eu não quero ter que nadar para pescar você. Fique aqui até que eles voltem.” Logan recuou, subindo enquanto ele voltava para o banco onde ele e Rachel estavam de pé. “Por que estão demorando tanto?” Greer reclamou. “Eles só foram buscar algumas bebidas.”


Rachel baixou a voz enquanto Logan se aproximava. “Eles provavelmente não querem estar perto de você, assim como eu.” “É mais como se eles querem beber uma cerveja escondidos, desde que Holly disse a eles para não beber mais na frente de Logan.” “É por isso que você queria expulsá-la?” Greer escolheu uma minhoca particularmente gorda e suculenta que estava tentando sair grupo de minhocas que ele e Logan haviam cavado para usar como isca. “Jesus, mulher, eu disse que eu não a expulsei.” “Você poderia muito bem ter feito. Ela não podia aguentar você criticando ela para sempre. Eu não sei como ela aguentou tanto tempo.” “Por que você está brava com o Tio Greer?” O rosto perturbado de Logan ia e voltava entre eles. A boca de Rachel se fechou diante da expressão inocente de Logan. No mesmo momento, Tate e Dustin saíram do bosque, ouvindo a pergunta de Logan. “Tia Rachel está sempre com raiva de Greer. Não se preocupe com isso.” Dustin entregou para Logan a pequena vara de pesca que tinha trago do carro. “Vá pegar a sua isca, e eu vou levá-lo para o nosso lugar favorito.” Logan foi até o copo de plástico, perdendo o interesse nos adultos. O comportamento normalmente despreocupado de Dustin desapareceu. “Rachel, nós dissemos que era mais seguro para Holly ficar na casa da Sra. Langley. Posso não gostar da maneira como Greer lidou com isso, mas na cidade, ela está a uma cuspida de distância do escritório do xerife, e os Last Riders têm essa casa protegida como o Fort Knox.” Greer deixou Dustin tirar o seu próprio sofrimento de sua irmã. Normalmente, era ele ou Tate que estavam recebendo o conselho de Rachel. Dustin estava mais perto de Rachel na idade, dando-lhe o benefício de suportar a bronca que ele e Tate tinham que tomar quando ela estava brava com eles.


“Eu só não entendo por que nós apenas não dizemos a ela que alguém esteve bisbilhotando em nossa propriedade.” “Você está brincando, certo?” Greer bufou. “E ter que ouvir a cadela falar sobre o que está crescendo em nosso quintal? É melhor assim. Não sabemos ao certo se um dos Hayes está por trás disso, já que Tate disselhes para parar de fazer sua colheita na propriedade de Sutton. Ou pode ser a pessoa que tentou atacar Holly, e eles estão bisbilhotando, tentando descobrir quando ela está em casa sozinha. Nós não podemos vigiar ela a cada segundo do dia e manter um olho sobre o campo até que esteja pronto para ser colhido. Tenho planos para a minha parte. Eu não consegui muito no ano passado depois que Tate nos fez pagar pela cozinha extravagante que Holly queria.” “Eu?” Tate levantou uma sobrancelha. “Não fui o único que escolheu o fogão com a grelha sobre ele.” “Foi mais útil do que a máquina de lavar louça que você escolheu.” “Talvez para você, mas Holly era a única a lavar os pratos.” “Eu não a ouvi reclamando sobre isso.” Greer deu de ombros. “Ela reclamou sobre isso; você simplesmente não ouviu.” O queixo de Tate apertou com raiva. “Assim que você descobrir quem esteve bisbilhotando, ela pode voltar para casa.” “Não sejamos precipitados.” Greer rebateu. “Greer, se eu descobrir que você está por trás disso apenas para conseguir que Holly vá embora, eu nunca vou te perdoar.” Rachel olhou para longe dele como se ela já acreditasse que ele estava por trás dos acontecimentos peculiares. Não só várias de suas armadilhas foram desmontadas, mas ele tinha encontrado algumas pegadas do lado de fora da porta traseira. Mais importante, o cão estava ficando nervoso, andando pela casa como se estivesse ouvindo algo, dando voltas entre as duas portas. Até agora, ele tinha deixado de avisar Holly, e nem ele nem Dustin queriam preocupála. E eles nunca a deixaram ou Logan sozinhos, mas suas plantas estavam ficando maiores e mais valiosas a cada dia que passava.


Não precisava de um homem inteligente para perceber que, se os autores queriam as plantas, eles iriam marcar os porteiros durante o dia e quando seria o melhor momento para roubá-los sem ser pego. E se eles não estivessem atrás das plantas, mas de Holly? Pai disse que um homem sábio nunca acreditava no que estava debaixo do seu nariz. Mesmo uma cebola não tem cheiro até que as camadas fossem tiradas. A vara de pescar em sua mão baixou. “Você me conhece melhor do que isso.” Levantando a vara, ele lançou a sua linha na água. Ele estava chateado por sua irmã acreditar que ele era baixo o suficiente para mentir sobre alguém espionando apenas para conseguir que Holly fosse embora. Todos na cidade achavam que ele era um idiota, mas ouvir a suspeita na voz de Rachel doía, embora ele nunca fosse admitir isso. “Ele não está mentindo.” Dustin foi até a beira da água. “Os sonhos estão vindo mais frequentemente. O que quer que vá acontecer será em breve.” Tate, Rachel e Greer viraram-se para olhar para Dustin com apreensão. Todos os Porters tinham seus dons herdados de sua bisavó. A maior parte da cidade conhecia o dom de cura de Rachel desde que ela o usava. O dom de Greer raramente era usado, e o mundo espiritual sempre tomaria o que é devido quando o fizesse. O dom de Dustin eram sonhos de advertência. Era diferente de Tate, que ouvia os sinos quando a morte se aproximava. Os sonhos começariam como uma advertência, nunca mostrando as vítimas até que fosse tarde demais para ele avisá-los. Enquanto Logan estava longe, mas ainda dentro da vista, um Dustin cansado virou-se para eles, deixando-os ver o fardo que ele tinha carregado nos últimos três meses, desde que os sonhos tinham voltado. Se não fosse por sua avó, Dustin teria sido colocado em uso de medicação em uma idade jovem quando ele tinha sido constantemente acordado por seus pesadelos. Eles iriam embora e depois voltariam sem motivo ou razão. Sua avó tinha sido a única que tinha notado a correlação dos sonhos desaparecendo quando um membro da família falecia. Pai nunca


acreditou que sua herança era responsável pelos dons que estavam se tornando mais evidentes à medida que cresciam, argumentando com a sua Mãe que ela estava fazendo lavagem cerebral em seus filhos. Eles aprenderam a nunca falar sobre isso na frente de seu Pai. Ele até ignorou seus avisos no dia que ele estava determinado a ir pescar com a mãe. Dustin tinha sonhado se afogando durante seis meses. Cada noite, ele sonhou que estava se afogando e outra vez. Os sonhos tinham parado na noite em que eles morreram. Eles sabiam que seus pais estavam mortos antes do xerife mostrar a Tate seus corpos. “Você ainda não tem ideia de quem poderia ser?” Rachel sussurrou, como se os espíritos pudessem ouvi-los. Greer sabia que não havia como se esconder deles. Eles dariam seus avisos, mas eles não deixariam o destino de quem Dustin estava sonhando escapar do destino previsto. "Não. Normalmente, eles vêm e vão depois que alguém morreu. Este é diferente. Eu sonhei este por anos. É o mesmo todas às vezes. Eu vou dormir e uma figura mascarada entra no quarto onde eu estou dormindo e me sufoca até que eu...” Dustin não terminou a frase. Ele não precisava. Eles sabiam como terminou. “Você acha que o sonho poderia ser você?” Rachel inclinou-se contra Dustin, acariciando o braço como se para aliviar a preocupação gravada em suas feições. "Não. Eu acho que é alguém próximo. Eles estão me preparando para perder alguém que eu amo.” Greer não tinha medo de muito na vida, mas o pensamento de Dustin perder alguém que amava o assustava. Os Porters eram próximos, então se Dustin os amava, significava que alguém que ele amava também estava em perigo. “Nós fizemos tudo o que podíamos fazer. Cash está se mantendo perto de Rachel. Sutton sempre tem Tate com ela.” Greer gentilmente balançou a vara de pesca. “Ela e Holly estão sozinhas agora.” Rachel disse inquieta. “Você nos conhece melhor do que isso.” Greer não quebrou a concentração de sua pesca. “Eu tenho Shade observando. Ele nos deve


favores suficientes, por isso temos que usar se não podemos cobrir todos ao mesmo tempo. Uma vez que Holly se mude para a casa da Sra. Langley, vai ficar mais fácil. Eu não terei que me preocupar cada vez que vou verificar as plantas. Ela pode voltar depois que terminarmos de secar e empacotar.” “Ou você pode parar de plantar. Será que um de nós tem que ser morto antes de tudo parar?” “Explique-me como podemos parar? Você acha que os Last Riders vão parar de fumar, se pararmos de vender?” Greer estava tão cansado de plantar erva quanto Tate e Dustin estavam. “Você quer que eles fumem a merda que o Coleman e os Hayes estão vendendo? Os Colemans estão mantendo a sala de emergência ocupada, porque eles estão lidando com oxi e cocaína, já que traz mais dinheiro em seus bolsos. E eu não quero saber com o que os Hayes estão envolvidos.” “Isso pode ser verdade, sobre o Coleman, mas eu simplesmente não consigo ver os irmãos de Jessie fazendo isso. Ela iria dar um jeito neles por ela mesma se isso fosse verdade. Ela quer que eles parem tanto quanto eu quero.” "É a verdade. Alguns dos Last Riders compraram quando eu fiquei fora. Shade trouxe para mim quando um deles desmaiou depois de fumar. Os filhos de uma cadela misturaram com xarope para a tosse.” “Esqueça os Last Riders; e quanto a pessoas como Cora Mae, que precisa quando a quimioterapia torna-se demais para ela? Ela não tem parentes para sair e comprar ou roubar para ela como Cal tinha que fazer com sua mãe antes de morrer.” “Os tempos estão mudando. A maconha medicinal pode se tornar legal.” “Não no Kentucky. Isso nunca vai ser legal no Kentucky. Inferno, as legislaturas adiariam antes que pudessem levá-la para a votação. Nós estaremos mortos e enterrados antes que aconteça.” Os batedores da Bíblia do Kentucky, com bolsos profundos iam garantir que isso nunca aconteça. Sua irmã parou de discutir, sabendo que a pílula era difícil de engolir, mas era verdade.


“Olhe para o lado positivo, irmã. Se eles conseguirem liberar, seus irmãos estarão prontos. Tate pode partilhar a sua Kentucky Gold com farmácias em outros estados, mas a minha? Eu estou esperando até que se torne legal. Ele é um idiota. Eu não compartilho as plantas que crio. Esse dinheiro vai ficar em nossos bolsos.” Dustin esfregou a testa. “Pare de argumentar. Quem está atrás de nós está cheio de puro ódio. Eu sinto o quanto ele nos odeia.” “Tem certeza que é um homem? Holly odeia Greer o suficiente para matá-lo.” Greer olhou por cima do ombro para ver se Tate estava brincando. Ele não estava. E o resto de sua família parecia estar considerando a mesma opção. “Holly não poderia matar uma mosca. Levou seis meses antes que ela fosse buscar os ovos, porque ela não podia suportar a ideia das galinhas chorando atrás deles.” “As galinhas choram?” “Como diabos eu sei? Não é como se eu estivesse em uma base de primeiro nome com elas. Ela quase desmaiou quando eu torci aquele velho galo que continuava bicando Logan. Holly pode me odiar, mas ela não me mataria.” Ele disse confiante antes de gritar com seu sobrinho. “Menino, se você subir mais uma vez antes de seu pai ou eu estarmos com você, eu vou bater nesse rabo com a mão nua. Você está me escutando?” “A cidade inteira pode te ouvir.” O rosto de Dustin se iluminou quando Logan timidamente se afastou da grande rocha. Greer remexeu com o grande peixe que estava lutando para fugir. “Você pegou outro, tio Greer!” Seu sobrinho veio ao seu lado, sua própria vara fora da água. Greer se agachou ao lado dele, pegando Logan e entregando sua vara a ele. “Você enrola agora.” Ensinando o pequeno menino, ele pacientemente guiou até Logan ter o peixe balançando no chão na frente dele.


“Posso tirar o anzol?” “Devagar.” No início, Logan se afastou do peixe, então ele reuniu sua coragem com os adultos olhando para ele. “Eu fiz isso!” Ele orgulhosamente levantou o anzol para que eles pudessem ver. Greer o tirou dele. “Vá colocá-lo no refrigerador. Você acha que é forte o suficiente para levar para a cabine e entregar ao Cash?” “Sim senhor.” Greer tirou a faca, cortando o anzol da linha, enquanto Logan corajosamente tentou levantar o refrigerador. O medo de Dustin era o mesmo que o resto deles compartilhava, que o sonho recorrente fosse um prenúncio da morte de seu próprio filho. “Pare de se preocupar, Dustin. Isso não vai mudar nada. Se alguma coisa acontecer, nós estaremos preparados. Além do bebê de Winter, eu não curei ninguém. Eu tenho guardado minha força-” “E se algo acontecer e chegamos tarde demais?” “Bem, irmão, eu acho que Deus vai ter uma luta em suas mãos.”


12

Atiradordeelite: Você acredita em vida após a morte? GarotadoKentucky: Isso é um inferno de um inicio de conversa. O que o fez pensar nisso? Você está doente? Atiradordeelite: Eu não fico doente. GarotadoKentucky: Todo mundo fica doente. Atiradordeelite: Eu não. Qual o tamanho que você usa? GarotadoKentucky: Você está mudando de assunto. GarotadoKentucky: Por que você quer saber? Atiradordeelite: Porque eu quero imaginar você em meus braços. GarotadoKentucky: Eu odeio desiludi-lo, mas eu não quero ter sexo pela Internet. Atiradordeelite: Tire sua mente da sarjeta. GarotadoKentucky: Desculpa. O tamanho importa para você? Atiradordeelite: Não... A menos que você mude de idéia e queira ter relações sexuais pela Internet, então eu tenho um pau de vinte e cinco centímetros. GarotadoKentucky: De quem é a mente na sarjeta agora? Atiradordeelite: Tentando deixá-la mais confortável. Então, qual o seu tamanho? GarotadoKentucky: Eu não costumo me medir, mas eu uso um tamanho grande e se eu quiser ficar confortável, um extra grande.


Atiradordeelite: Eu quero que você esteja confortável quando eu estiver fodendo você assim... Sala de bate papo fechado Atiradordeelite: Mulher, eu sei que você sabe que eu estava brincando com você. GarotadoKentucky: Ha, ha. Sala de bate papo fechado. Atiradordeelite: Se é assim. Eu vou falar com você amanhã. GarotadoKentucky: Bye Sala de bate papo fechado.

”ISSO É TUDO? Você não deixou nada para trás, não é?” Greer deixou cair uma grande caixa na cama no quarto que Dustin tinha dito que a Sra. Langley lhe dera. “Eu não quero que você invente desculpas para sair da casa. Eu não quero você aparecendo quando eu estiver me divertindo.” Holly tirou duas fotos de Logan, colocando-as sobre a cômoda de frente para a cama. “Certifique-se de lavar seus lençóis antes de convidar Diane para passar a noite. Eu não vou estar lá para trocá-los para você.” Ela virou o topo da caixa para que pudesse retirar as roupas que não tinham cabido em sua mala. Ela esperava que Dustin a largasse e a deixasse em uma casa escura. Em vez disso, Dustin, Logan e Greer haviam levado ela, enquanto Logan lhe dissera excitadamente que ele ficaria com ela e ela o levaria para a escola de manhã. Nada tinha ido do jeito que ela estava esperando. Quando os Porters tinham chegado em casa da viagem de pesca, ela estava com suas coisas prontas. Eles sentaram e conversaram com Logan, dizendo a ele que Holly queria viver na casa de sua avó até que ela fosse vendida, porque não queria que ela estivesse vazia.


Sim, ela se ofereceu para sair; Isso era verdade, Holly pensou causticamente. Logan veio correndo para o quarto, saltando sobre a cama. "Posso dormir com você?” “Menino, você pode dormir no mesmo quarto que você sempre dormia quando visitava sua avó.” O rosto de Logan caiu. “Você já cansou de ser um desmancha prazeres?” Holly queria mostrar a língua para Greer, mas ela não quis dar um mau exemplo para Logan. Piscando para ele, ela ajudou Logan a sair da cama. “Está ficando tarde, e seu pai está esperando para te dar um banho. Quando você colocar seu pijama, vou ler uma história para você.” Ele saiu antes de Greer colocar um freio sobre sua sugestão. “Esse menino não precisa estar correndo pela casa.” Holly revirou os olhos. Havia várias coisas que ela não sentiria falta de viver com Greer. “Você lembra-se do que eu disse sobre Logan não querer visitá-lo quando você for velho?” “Sim?” “Será que entrou por um ouvido e saiu pelo outro?” Holly laçoulhe um olhar divertido. “Os meninos precisam de disciplina. Meu pai-” “Quão perto você estava do seu pai?” A boca de Greer fechou com uma careta. Ela levantou a sobrancelha para ele. “Eu dispenso meu caso.” “Como você acha que Tate, Rachel, Dustin e eu terminamos?” Holly pensou sobre os Porters e o quanto eles se amavam. Eles podem não ter muitos amigos, mas eles sempre tinham sido justos com


ela. Apesar das queixas de Greer sobre sua vida em sua casa, ele nunca a tinha feito sentir-se desconfortável, zombando dela como a maioria dos homens. Quando ele ia ao supermercado, ele até compraria itens que ele tinha notado que ela gostava. Durante certas épocas do mês, ela iria encontrar seu pote de doces reabastecido. Ele tinha notado até mesmo que quando Dustin tinha comprado a marca errada de xampu, ela tinha chegado em casa do trabalho para encontrá-lo substituído por aquele que ela usava. Ele também foi o único que levou Logan para fazer compras para ela, para o seu aniversário e Natal. Nenhum dos Porters sabia como recuar de uma luta. Quando uma amiga de Sutton queria deixar a cidade, Tate, Greer, Rachel, e Dustin juntaram dinheiro que poderia poupar, dando a Sutton para ela dar a Cheryl para começar de novo em outra cidade. As pessoas da cidade podem não gostar dos Porters, mas também poderiam nomear alguém da sua família a quem os Porters tinham ajudado sem esperar nada em volta. Shade tinha comprado para Greer uma caminhonete nova, depois que ele tinha cuidado de Bliss, um dos membros do sexo feminino que tinha um ex-namorado que a queria de volta. Holly tinha certeza que Greer teria feito isso de graça apenas pela emoção. “Você não tem que educar Logan tão duro como foi com vocês. Ele pode ter ensinado o certo e errado, mas ele lhe deu o carinho que precisava quando criança?” “Isso é o que a nossa mãe fazia. Se você quer saber se eu queria que meu pai não tivesse sido duro comigo, você está latindo para a árvore errada. Eu vou criar meus filhos da mesma maneira como fui criado. Do mesmo jeito duro que o pai me educou.” “Sua esposa pode ter algo a dizer sobre isso.” Holly puxou o monte de roupas para fora da caixa, colocando-as na cama. “Minha esposa fará o que eu disser a ela.” Seu sangue começou a ferver. Pegando a caixa, ela empurrou-a em seus braços. “Como você sabe que ela vai fazer? Você não pode sequer escolher uma.” “Consegui reduzir para duas.”


Seus olhos se estreitaram em seu sorriso maroto. “Que duas?" “Garota do Kentucky e Jo. Diane não passou no teste. Ela queimou o bolo de carne que cozinhou para mim na noite passada. A mulher não pode fazer um bolo sem queimá-lo, eu não vou confiar nela para me cozinhar um bife." “Você está falando sério?” “Sim.” “Ó meu Deus. Você pode me dizer como a Garota do Kentucky ainda está na sua lista? Ela fez um bolo de carne e enviou uma foto dele?” “Agora você está sendo ridícula. Vou pedir a sua receita.” “Greer...” Holly não sabia o que dizer. Seu método de tentar encontrar uma noiva era muito estúpido para ser verdade. “Ok, esqueça a Garota do Kentucky. E sobre Jo? Como você sabe que ela cozinha?” “Comi algumas coisas que ela trouxe para as festas da igreja.” Holly estava pronta para puxar seus cabelos. “Ela leva coisas que ela paga Willa para assar.” “Eu não tenho nenhum problema com uma mulher sendo engenhosa.” “Você não pode comer bolo e biscoitos todas as noites. Se eu der a Logan algo doce para comer para a sobremesa, você explode, dizendo que eu vou deixar ele gordo.“ “Eu não quero que Logan acabe morto como sua mãe. O médico disse que temos que prestar atenção a sua ingestão de açúcar.” Atordoada, Holly sentou-se no lado da cama. “É por isso que você está sempre observando o que ele come?” Greer fez uma careta. "Sim. E é por isso que eu não os como na frente dele.” “O médico nos disse para monitorar seus doces, e não para nunca dar a ele. Eu sou muito cuidadosa com o que lhe dou. É por isso que eu


faço bolos sem açúcar, utilizando maçã sem açúcar, e peço a Willa fazer cupcakes especiais e outras coisas para impedi-lo de ser privado.” “Como eu poderia saber isso? Você poderia ter me dito que não havia açúcar neles.” “Porque eu não queria que Logan soubesse.” “Droga, agora eu me sinto mal. Eu apenas pensei que você fosse uma má cozinheira.” “Você acha que eu sou uma má cozinheira?” “No jantar você não é ruim. Mas onde as sobremesas estão em causa, sim, você é muito ruim.” “Você já provou alguma dessas sobremesas sem açúcar?” Holly tentou manter uma cara séria, mas não conseguiu, quando Greer deu-lhe um sorriso arrogante. Era o mesmo sorriso contagiante que ele lhe dera na noite do carnaval. Ela tentou manter a barreira protetora que endureceu seu coração contra ele. Ela ainda estava furiosa com a maneira como ele tinha falado com ela, que a levou a se mudar, mas cada vez que ela estava prestes a ignorá-lo, ele conseguiu encontrar um caminho de volta para dentro. Tinha tentado muitas vezes odiá-lo desde que ela o conhecera, mas não podia. Cada vez, ele iria encontrar outra forma de enraizar, fazendo ela se apaixonar por ele ainda mais. Logan voltou correndo para a sala, vestido de pijama. “Papai disse, já que você não vai me deixar dormir com você, ele vai ficar e dormir comigo na minha cama. Tudo bem? Se você quiser, minha cama é grande o suficiente para você também?” Holly riu, pegando Logan e abraçando-o perto. “Que tal eu colocar você na cama, em seguida, descer e dormir na minha cama? Seu papai ronca, e eu tenho que estar no trabalho cedo amanhã.” “Dustin não ronca.” “Sim, ele faz.” Holly levou Logan fora do quarto, indo para o pé da escada.


“Eu tive que compartilhar o mesmo quarto com ele pela maior parte da minha vida. Eu saberia se meu irmão roncasse.” Holly franziu a testa. “Talvez tenha sido sua TV que eu ouvi então. Eu só assumi que os sons vindos de seu quarto eram roncos.” “Vou para casa. Tranque a porta atrás de mim.” Greer levou Logan de seus braços. Enfiando a mão no bolso de trás, tirou o pente depois separando seu cabelo úmido para o lado que ele normalmente penteava. “Você se lembra do que eu te disse?” Ele perguntou quando colocou o pente de volta no bolso. “Sim senhor. Eu não vou esquecer.” “Bom.” Holly abriu a porta atrás dele. “O que você não deve esquecer?” Ela não podia conter sua curiosidade sobre o aviso severo que Greer tinha dado ao seu sobrinho. “Isso é um segredo de família. Eu não deveria contar.” Holly parou no pé da escada. “Eu sou parte de sua família, não é?” “Sim.” “Então você pode me dizer.” “Não, este segredo é só entre eu e tio Greer. Nem mesmo o papai sabe.” “Querido, você pode me dizer. Eu não vou dizer a seu tio que você-” A mandíbula de Logan endureceu teimosamente, como Greer fazia “Um homem não quebra suas promessas.” As preocupações de Holly derreteram em uma poça. “Não, ele não quebra.”

“SE VOCÊ TERMINOU com essas pastas, posso arquivá-las?” Diamond pegou uma das primeiras, deixando o restante. “Eu terminei com essas.”


Holly as pegou de sua mesa, olhando a que ela guardava. “Você vai pegar o caso de Holt?” “Não. Um bom advogado vai pegá-lo, mas não eu.” Holly estava feliz que Diamond não estaria aceitando o trabalho. Ela não teria que ouvir Greer atormentando sobre ela ser uma traidora. Ele tomou a disputa entre os Hayes e os Porters a sério. Ela sabia que as duas famílias competiam pelo mesmo mercado, cada um se gabando de que era o melhor produtor. Holly desejou que os Federais ouvissem as mesmas fofocas e prendessem todos eles. Bem, todo mundo, menos Tate e Dustin. Agora, se isso acontecesse, ela teria a conversa que Greer disse que ela precisava ter com Diamond sobre representar o que era considerado elemento criminoso em TreePoint. Diamond se levantou, esticando-se. “O que você está fazendo para o almoço?” “Eu pensei em dar uma volta, a menos que você precise de mim?” “Não, eu vou almoçar com Knox. Você quer se juntar a nós?” “Obrigado, mas eu vou passar. Eu preciso queimar os bolinhos que você me convenceu a comer ontem.” “Não me culpe. Willa estava experimentando um novo sabor. A mulher tem testado um sabor diferente a cada dia desde que ficou grávida. A cidade inteira tem ganhado mais peso do que ela com sua gravidez. Felizmente, o bebê vai pará-la.” “Isso não é provável que aconteça. Ela vai vir com dois novos sabores por dia para provar que ela pode lidar com isso.” Diamond suspirou. “Você está certa. Aquela mulher é uma ameaça à feminilidade e a minha bunda em expansão. O bebê é esperado a qualquer momento. Espero que ele ou ela chegue antes eu tenha que aumentar um tamanho da calça.” Holly riu quando entrou no escritório da frente para arquivar as pastas. Diamond saiu de seu escritório, carregando a bolsa. “Você quer que eu lhe traga algo do Diner?”


"Não, obrigado. Eu poderia realmente terminar isso aqui e passar em casa para iniciar uma lavagem de roupa. Dustin me deixou um saco de roupa suja. Ele não confia em Greer para lavar. A última vez que ele fez, Greer encolheu a sua camiseta favorita.” Diamond lhe deu um olhar preocupado. “Como esta se saindo na casa da Sra Langley?” “Estranhamente, tem sido ótimo”, Holly admitiu. “Porque é estranho?” “Logan está lá mais do que na sua casa. Normalmente, Dustin também.” “Por que ele fica lá?” “Ele está trabalhando até tarde. Até o momento que ele aparece, estamos jantando e Logan não quer ir. Então, Logan fica para a noite. Então, na próxima, ele vai para casa.” “Eu aposto que você não sente falta de ver Greer.” Ela infelizmente olhou para os arquivos que estava segurando. “Ele não é tão ruim quando você começa a conhecê-lo.” “Não me diga que você está sentindo falta dele?” “É triste, não é?” “Você precisa encontrar outro homem para tirar sua mente fora dele. Você deve sair com Caleb Green." “Você acha que eu deveria? Talvez da próxima vez que ele vier para o escritório, eu vou ver se ele ainda está interessado naquele almoço.” “Ele tem que vir pelo escritório amanhã. Se você não perguntar a ele, eu vou fazer isso por você.” “Tudo bem, então eu vou.” "Essa é minha garota. Voltarei em uma hora, a menos que eu possa convencer Knox a tirar o resto da tarde comigo. Não fique chocada se você não me ver até amanhã.” Diamond deixou-a com um brilho nos seus olhos que dizia que ela não voltaria.


Holly terminou o arquivo, tentando pensar em formas diferentes para convidar o advogado assistente. Ela desejava ser mais assertiva em relação aos homens. Nunca se sentiu confortável sendo sedutora ou extrovertida para parecer disponível para os homens. Se alguma coisa, ela tinha se esquivado de sua atenção quando eles olharam para ela de uma forma sexual. Ela tinha ido a muitos encontros com homens normalmente calmos que, uma vez que a tinha em seu carro ou sua casa, tornavam-se polvos, pensando que ela era fácil de levar para cama por causa de seu tamanho do sutiã. Indo para sua mesa, pegou um par de tênis, em seguida, tirou as botas de salto baixo e colocou os tênis. Trancando a porta, ela deixou o prédio, andando calmamente pela calçada. Ela virou a esquina que levava ao escritório do xerife, não vendo a viatura de Knox lá ou no restaurante do outro lado da rua. Ela agora sabia que Diamond tinha convencido o marido a tirar o resto do dia de folga. Ela continuou sua caminhada, decidindo passar pelo parque infantil da igreja. A memória da noite em que ela quase tinha sido atacada ainda estava em sua mente, mas desde que era dia, ela sabia que seu pastor e Willa estavam na igreja, então ela deveria estar segura. Havia várias mesas de piquenique criadas para que qualquer pessoa pudesse se sentar onde quisesse. Fechando o portão atrás dela, viu que não era a única lá. Greer estava sentado sobre um cobertor com duas caixas de comida que reconheceu ser da lanchonete. Ela pensou em ignorar sua presença, mas ele mais do que provavelmente ligaria para ela se o fizesse. Casualmente escondendo o nervosismo, ela mudou em direção ao grande parque infantil. “Oi, Greer.” Ele se virou olhando para o estacionamento. “Oi.” Sua saudação não foi muito entusiasmada. Irritação impediu de se afastar, mesmo sabendo que ele queria que ela saísse. “Parece que você está esperando alguém.”


Sua mandíbula se endureceu. “Jo está a caminho. Ela vai estar aqui a qualquer momento, então vá.“ Qualquer pensamento de provocá-lo desapareceu. “Oh... Então eu vou embora. Eu não quero interromper seu piquenique.” Ela começou a se afastar. Holly não tinha ideia de que sua relação com Jo tinha progredido para piqueniques. Nem Dustin nem Logan tinha dito nada a ela, e ela não queria perguntar por Greer a eles por medo de parecer muito interessada. Ela desejou que tivesse tempo para se preparar em vez de ver o ambiente íntimo que ele tinha arranjado para seu almoço. “Poderia muito bem se sentar um pouco. Ela não parece estar chegando aqui em breve.” Ela deu um passo para trás. A última coisa que ela queria era vêlos juntos. “Sente.” Holly caiu para o cobertor, consternada que ela tinha obedecido à sua ordem do jeito que ela havia visto Logan fazer. Irritada consigo mesma, ela começou a levantar, mas Greer colocou uma das caixas perto dela e, parecendo desinteressado, abriu a dele tirando uma coxa de frango e parou. Ele acenou para ela, dando uma mordida no frango. “Pode muito bem comer. Ele estará frio antes que ela chegue aqui.” Insegura de por que, ela abriu a caixa para ver uma coxa de frango e batatas fritas. Incapaz de resistir, ela pegou o frango e deu uma mordida. “Isso tem um gosto tão bom.” Os lábios de Greer se curvaram. “É bom, então porque você não o cozinha?” “Eu odeio a fritura de frango.” "Eu sei."


Holly levantou uma sobrancelha. Ela nunca reclamou quando Logan lhe pediu para fazer, mas ela sempre tentou convencê-lo com qualquer outra coisa para evitar fazer. “Eu não estou em uma base de primeiro-nome com este frango.” A cabeça de Greer inclinou para trás enquanto ele ria. A pele de seu pescoço estava bronzeada, mergulhando na camisa de flanela que ele tinha desabotoada no peito. Holly teve que se forçar a olhar para trás e para baixo em sua comida para evitar encará-lo. “Como estão minhas galinhas?” Ela perguntou. “Ainda respirando, se é isso que você está perguntando. Eu tenho alguns ovos no refrigerador. Vou deixá-los para você um dia desta semana.” “Você pode ficar com eles. Eu posso comprar-" “Eu não preciso deles, e você pode fazer para Logan para quando ele ficar.” “Então, obrigado. Eu apreciaria. Posso dar o que eu não usar para Willa." Greer estendeu a mão para um pequeno refrigerador, tirando uma pequena jarra de plástico e dois copos de plástico, entregando uma a ela. Depois que ele serviu-lhe um copo cheio, ela tomou um gole da limonada rosa, apreciando o sabor azedo. “Obrigado. Jo vai ficar chateada que ela perdeu isso. Estou impressionada." “Mesmo? Por quê?” Holly deu de ombros. "Eu não sei. Acho que imaginei que sua ideia de um encontro seria fazer um cachorro-quente e assistir um filme.“ “Com cerveja em vez de limonada rosa?” “Sim." “Sou um homem de muitos talentos.” “Posso te fazer uma pergunta?”


“Vá em frente." “É o mesmo refrigerador onde você coloca seu peixe?” “Não, eu comprei um novo. Aliviada?” “Sim.” Ela terminou sua bebida, segurando para ele para reabastecer. “Posso ter um pouco mais?” “Mulher, se você pensou que era o mesmo refrigerador, por que você bebeu primeiro sem perguntar?” “Eu não queria começar uma discussão. É bom não brigar com você.” Ela confessou, esperando que o velho Greer se exibisse. “Por que deveríamos brigar? Eu consegui o que queria.” Seu apetite desapareceu com a lembrança do que tinha levado a sua saída. “Você não pode esquecer essa bobagem.” “Não é uma bobagem. Era uma cozinha nova.” “É sobre isso. O chão apodreceu por quase toda a casa. Estou trabalhando em consertá-lo. Já substituí o chão. Eu vou pintá-lo quando eu conseguir o banheiro feito no meu novo quarto.” “Você está tirando meu banheiro?” “É meu agora, Então inferno, sim, eu estou remodelando quando eu terminar a colheita. Estou prestes a arrebentar essa pia se ela continuar pingando.” “É vintage.” “É rosa. Toda a porra do caralho do banheiro é cor-de-rosa.“ “Era estiloso quando seu pai o fez. Tate disse que a sua mãe adorou. Ele disse que ela chorou quando viu.” “Porque era tão caralho cor-de-rosa. Ela odiava. Ela só não queria ferir os sentimentos do meu pai.” “Você está brincando?”


“De jeito nenhum. Uma vez, ela deu a Rachel e Dustin marcadores para que eles pudessem riscar, então ela teria uma desculpa para rasgálo fora.” “Por que Tate não sabe disso?” “Porque ela não disse nada a ele. Ela tinha medo que ele iria dizer – ao Pai.” “Mas ela te disse?” “Sim, porque ele me culpou, já que eu deveria estar olhando eles, e me fez limpá-lo. Mãe se senti muito mal, então ela me disse.” “É por isso que ainda é rosa? Ela se sentiu mal de você ficar em apuros e decidiu viver com isso?” "Não. Ela começou a trabalhar as telhas para que elas caíssem e quebrassem. Claro, que eu fui culpado por isso também.” “Como você foi culpado por isso?” “Pai disse que eu toquei minha música muito alto.” “Ela desistiu em seguida?” “Nah, ela não continuou pensando que ela seria mais esperta que ele.” “Você sempre foi responsabilizado?” “Eu e Tate começamos a nos revesar.” “Por que ela faria isso?” Não havia nenhuma maneira que seu pai não tinha percebido que o banheiro era um alvo, sabendo que era onde Greer tinha herdado o seu “não ser superado.” “Porque esse banheiro é fodidamente cor-de-rosa”. “Agora eu entendo.” Holly assentiu. “O que você entende?” Greer enfiou a mão na caixa meio cheia para roubar um par de batatas. “Que você e sua família herdaram sua loucura.”


“Eu vou aceitar isso como um elogio. Você vai comer a outra coxa?” Ela balançou a cabeça. “Não, você pode comer.” Ela se inclinou para trás em suas mãos, se sentindo cheia. Quando ela ouviu o barulho de uma sacola sendo jogada em seu colo, ela se levantou e abriu o saco. Ela mal conseguiu evitar que caísse. “Onde você conseguiu morangos cobertos com chocolate?” “Eu pedi a Willa para fazer para mim.” Holly provou o céu quando ela mordeu um deles. “Eu deveria guardar um destes para Logan.” “Há mais no saco. Dê-lhe um quando você pegá-lo.” “Você tem certeza? Eu não quero levar tudo.” “Eu comi alguns deles enquanto eu estava esperando a Jo. Você pode tê-los. Aprecie.” Greer jogou os restos de seu almoço em uma lata de lixo enquanto ela se levantou, escovando suas calças. Ele dobrou o cobertor, colocando debaixo do braço, em seguida, levantou o refrigerador. “Vamos; vou te dar uma carona de volta ao trabalho." “Eu deveria andar.” “Você pode andar amanhã. Vamos.” Holly seguiu, carregando o saco de morangos. Ela sabia que eles foram feitos para Jo, mas ele tinha dado a ela. Ele riria dela se soubesse o quanto aquele simples almoço significou para ela. Tinha sonhado em passar um tempo a sós com Greer tantas vezes. Ele obviamente queria impressionar Jo. Holly estava feliz que ela não tinha aparecido. Nenhuma mulher seria capaz de resistir ao cuidado e pensamento por trás de seu encontro de almoço. Quando ele abriu a porta da caminhonete ela quase deixou cair os morangos.


“Greer, você tem certeza que não tirou nenhuma de suas plantas mais cedo?” Ele olhou para ela com curiosidade. "Não. Por quê? Alguém perguntou a você?” “Não. Você está doente? Posso marcar uma consulta no consultório do médico.” “Eu também não estou doente.” Seu rosto se iluminou. “Um homem não pode fazer algo agradável para uma garota bonita sem que ninguém pense que eu estou chapado ou doente?” “Sim.” Ela subiu na caminhonete. “Só que normalmente não sou eu.” “Você é uma menina, não é?” “Eu era a última vez que verifiquei.” Holly olhou para os seios. “Eles ainda estão aí?” O que ele faria se ela lhe pedisse para checar? O pensamento impertinente que tinha estalado na sua cabeça morreu subitamente quando o viu acenar para a mulher que saiu da lanchonete. Ela começou a sair da caminhonete, mas seu corpo a mantinha bloqueada no interior. “Eu posso andar de volta ao trabalho, se você quiser falar com Diane.” “Já terminei de falar com Diane.” Greer fechou a porta da caminhonete antes que ela pudesse sair. Ela olhou para ele enquanto ele passava pela frente da caminhonete. Entrando, ele deu ré e foi para a rua. Diane poderia facilmente ver a caminhonete quando eles saíram. “Ela não está feliz que você não parou para conversar.” “Ela vai superar isso. Ela sempre faz. Dustin ouviu que ela está vendo Luke Baxter.”


“Você não parece chateado com isso.” Todos sabiam que Greer e Diane estavam tendo um relacionamento de vai e vem durante anos. “Eu não estou. Acho que eu estou disposto a duas mulheres na minha lista. Da próxima vez que você for às compras, compre a Logan um terno novo. Não vai demorar muito para que a cidade ouça os sinos do casamento.”


13

Atiradordeelite: Você teve chance de ver as fotos que te eu enviei? GarotadoKentucky: Não. Eu disse que não vou te ajudar a decorar a sua casa. Atiradordeelite: Por que não? Eu estou fazendo isso por você. GarotadoKentucky: Nós não iremos nos encontrar. Atiradordeelite: Sabe de uma coisa, você está partindo meu coração. Por que não? Por causa da minha foto que te enviei? Eu posso tirar outra. Meu lado esquerdo é melhor. GarotadoKentucky: Não tem nada a ver com a sua aparência. Atiradordeelite: Então é por causa das fotos de minha casa? Eu não quero me mudar, mas se você gostar de uma melhor, eu posso me mudar. GarotadoKentucky: Oh meu Deus. Você está me deixando louca. Você é que não vai gostar de mim. Eu estou tentando impedir que nós dois sejamos feridos. Atiradordeelite: Por que você acha que eu não gosto de você? Eu sou muito fácil, e não é preciso muito para me fazer feliz. Venha passar o fim de semana comigo, e se não gostarmos um do outro, pelo menos saberemos. Atiradordeelite: Você está aí? GarotadoKentucky: Eu não quero saber. Eu não quero perder sua amizade. Atiradordeelite: Eles dizem que os casamentos que começam como amizades tornam os casamentos melhores. GarotadoKentucky: Eu ouvi isso também.


Atiradordeelite: Então, deve ser verdade. Vamos; vamos dar isso uma chance. O que você tem a perder? GarotadoKentucky: Eu poderia perder isso, Atiradordeelite. Eu sentiria falta de falar com você todos os dias. Eu sentiria falta do seu senso de humor, e sua conversa sobre sua família. Eu sentiria falta do seu exagero sobre o seu cão, e como você deixa todos loucos quando você coloca geleia no pote da manteiga de amendoim. Eu posso não estar lá em pessoa, mas quando você fala comigo, me torno uma parte disso. Eu tenho medo de arriscar perder isso. Atiradordeelite: Eu pensei que você disse que eu não tinha um senso de humor? GarotadoKentucky: Recentemente, você foi meio engraçado. Atiradordeelite: Apenas meio? GarotadoKentucky: Sim. Atiradordeelite: Você vai me dizer quando eu for totalmente? GarotadoKentucky:Você vai ser a primeira pessoa que contarei. Eu prometo.

“CALEB VAI ESTAR aqui a qualquer momento, então pegue seu batom, garota. É hora de ir." O grito de Diamond em seu escritório atrás do dela a fez rodar em sua cadeira. Usando seus pés, ela empurrou sua cadeira em direção à porta. “Eu mudei de ideia.” Então ela rapidamente virou a cadeira de volta para sua mesa. "Covarde! Se você não pedir a ele para sair, eu vou contar a Greer que você é a pessoa que ele está falando na internet!” Ela chutou seus pés novamente, enviando a cadeira em direção à porta. “Você não ousaria!”


O rosto de Diamond estava cheio de rebeldia de merda. "Me teste." O som da maçaneta girando na porta da frente a fez cambalear de volta para sua mesa. Colando um sorriso em seu rosto, ela cumprimentou Caleb com um acolhedor. “Bom dia, Sr. Green. Sra Richards-Bates está esperando por você.” Caleb deu-lhe um sorriso rápido antes de ir para o escritório de Diamond. Droga, pensou Holly. O que eu devo fazer agora? Um dia antes, parecia uma boa ideia expandir seus horizontes do pequeno grupo de homens que estavam solteiros e disponíveis. A maioria dos homens que vieram para o escritório não eram exatamente o que alguma mulher que se preze consideraria um bom partido. No entanto, Caleb era a exceção. Ele era um bom partido. Ele vinha trabalhando como assistente pelo tempo suficiente que Diamond disse que da próxima vez que tivesse uma eleição, ela esperava que ele se candidatasse. Ela rapidamente retocou o batom, tentando convencer a si mesma que não estava traindo Greer se ele não sabia que era ela quem ele estava falando na internet. Ela arrumou a bandeja com café, então, foi para escritório de Diamond depois de bater. Entregando a Diamond seu café, então ela quase derramou o copo de Caleb, quando ele deu a ela um sorriso encantador depois de dar a Diamond uma rápida olhada. “Diamond disse que ela não pode almoçar comigo, mas que ela achava que você não tinha nada planejado. Que tal pegar um hambúrguer antes que eu precise estar no tribunal?” "Eu…" "Alguém aqui?" O estômago de Holly despencou, reconhecendo a voz da outra sala. "Com licença. Eu já volto.” Ela estava indo até porta quando Greer apareceu antes que ela pudesse detê-lo. Caleb girou em seu assento, e os


dois homens se encararam por um minuto antes que ela pudesse encontrar sua voz. "Estou indo-" “Não quis interromper. Eu só quero as chaves do carro. Elas estão onde você sempre guarda? Se assim for, eu posso pegá-las eu mesmo.” Holly enrugou a testa. “Por que você precisa do meu carro? Logan está bem?” A preocupação com Logan a fez esquecer que tinha uma plateia. Ele tinha passado a noite em sua casa; Ele poderia ter ficado doente na noite passada? "Ele está bem. Eu só queria pegar emprestado seu carro por algumas horas. Eu quero verificar o resto de seus pneus e fazer a troca de óleo.” "Eu posso fazer isso. Diga a Tate que-” “Holly, talvez você e-” "Não precisa. Suas chaves está em sua mesa? Desculpe por interromper a sua conversa com o seu cliente.” Greer deu a Caleb um aceno. “Sim, mas...” Holly praticamente saiu correndo do escritório de Diamond, tentando agarrar o braço de Greer e afastá-lo. Greer não estava cedendo, no entanto. “Aquele carro lá na frente é seu?” Ele perguntou a Caleb. "Sim." “Belo carro.” "Obrigado. Já nos encontramos antes?" “Você usou Diamond como sua advogado antes?” Greer se encostou contra a porta, se recusando a sair do lugar. “Não, eu não sou um cliente. Eu sou Procurador Adjunto do Estado.” Caleb se levantou, colocando sua xícara de café na bandeja. Caminhando em direção a Greer, ele estendeu a mão. “Caleb Green.”


Greer não apertou a sua mão. Em vez disso, ele enfiou as mãos nos bolsos. Holly queria retirar o tapete e enrolar Greer nele quando nenhum dos homens pararam de se encarar. Caleb baixou sua mão. “Você é mecânico de Holly?” “Eu não sou nenhum mecânico.” "Ele é um amigo. Deixe-me pegar as minhas chaves para você.” Ela andou entre os dois homens. Quando ela pegou as chaves, ela estendeu para que Greer recebesse a dica então apertou os dentes quando ele não tirou os olhos de Caleb. “Caleb, precisamos terminar isso.” A voz furiosa de Diamond fez Caleb se virar para ela, em seguida, voltar para Greer. “Bem, foi bom conhecê-lo, Sr...?” "Sr. Hayes. Holt Hayes.” Os olhos de Holly se arregalaram com a mentira descarada de Greer. “Então Hayes se escreve com um S ou um ES?” O olhar ameaçador de Caleb sobre Greer não o intimidou. Todos na sala sabiam que Caleb iria para o escritório do xerife para olhar a sua ficha. “É escrito com um F... U” “Aqui estão as minhas chaves.” Holly praticamente rasgou a camisa de Greer enquanto ela o afastava até porta. “Certifique-se que isso esteja de volta antes que eu precise pegar Logan.” Ela abriu a porta do escritório da frente, empurrando Greer para fora. Então Holly arrumou o cabelo. “Eu sinto muito que a sua reunião foi interrompida” ela se desculpou. Caleb lhe deu um olhar criterioso, e a sua atitude sedutora, que ela tinha se acostumado se foi. Ele voltou para o escritório de Diamond, fechando a porta. Ela estava com tanta raiva que ela pegou seu telefone para mandar uma mensagem para Greer, então, guardou novamente. Ela estava muito


zangada. A única coisa que ela queria era bater com a frigideira na cabeça dele. Dez minutos depois, Caleb saiu do escritório de Diamond sem dizer adeus a ela. “Se você não matá-lo, eu vou” Diamond ameaçou quando Holly foi corajosa o suficiente para voltar para seu escritório. "Eu sinto muito." “Não é culpa sua Greer é um lunático. Você sabe que de jeito nenhum Caleb vai te convidar para sair, agora que você disse para ele que Greer era seu amigo.” “Tecnicamente, Caleb acha que ele é Holt.” “A folha corrida de Holt é pior do que a de Greer.” Diamond foi para o pequeno frigorífico onde ela mantinha o recipiente para creme e água para oferecer a seus clientes, tirando uma garrafa de vinho. Sem se preocupar com um copo, ela o destampou e tomou um gole antes de voltar para sua mesa. “Caleb processou Greer por apreensão de drogas. Quando ele se lembrar de quem ele é, qualquer chance que eu consiga o emprego que ele prometeu quando ele concorrer para o escritório vai ser tão vazio quanto esta garrafa de vinho.” Tomando outra bebida, ela se corrigiu:‘Quando eu terminar.’ “Eu sinto muito, Diamond. Quando o Sr. Green voltar, eu vou explicar sobre Greer. Eu tinha decidido não sair com ele, de qualquer maneira." "Por que não?" “Parece que eu estou traindo Greer, mesmo que ele não saiba que sou eu.” A cabeça de Diamond caiu em sua mesa. “Você é tão louca como ele.” Diamond levantou a cabeça para olhar para ela. “Se você acabar junto com Greer, e isso é um grande se, não será porque eu não acho que ele não vai te perdoar, mas porque eu acho que você vai matá-lo quando ele deixar de agir como o Sr. Cara legal do computador - Eu só tenho uma coisa que tenho a dizer...”


“O que seria isso?” Holly se preparou para ser demitida. “Você está fora da minha ilha.”


14 Atiradordeelite: O que você está fazendo? Garotadokentucky: Contemplando os mistérios da vida. Atiradordeelite: É melhor você não comprar maconha de alguém quando eu não sei como posso te ajudar. Garotadokentucky: Não estou chapada. Estava pensando como alguns homens podem ser... Atiradordeelite: Esquece isso. Eu tenho uma pergunta, e preciso da opinião de uma mulher. Garotadokentucky: É sobre banheiros? Porque eu gostaria do chuveiro... Atiradordeelite: De jeito nenhum. Não preciso de sua ajuda com isso. Uma mulher não conseguiria escolher um bom banheiro se sua vida dependesse disso. Sala de bate-papo fechada Atiradordeelite: Sem essa. Eu sei que você ainda está ai. Preciso de seus conselhos sobre como dizer a uma mulher que estou arrependido. Não faço isso desde que Mãe faleceu. Garotadokentucky: Você está me pedindo conselhos como contar para uma outra mulher que está arrependido? Atiradordeelite: Não é desse jeito. Ela é uma amiga. Atiradordeelite: Você vai me ajudar? Garota do Kentucky: Compre um bracelete de diamantes. Atiradordeelite: Eu não matei seu cão. Estava pensando em comprar algumas galinhas.


Garotadokentucky: Você vai se desculpar com galinhas? Atiradordeelite: Ela gosta de galinhas. Garotadokentucky: Compre o bracelete de diamantes. Um grande. Se ela é sua amiga, ela merece. Atiradordeelite: Certo. As galinhas estão fora. Que tal flores? Atiradordeelite: ?? Garotadokentucky: Flores vai servir.

"OI, GREER. Você acordou radiante está manhã. Com o que posso ajudar?" Greer olhou para as exposições de flores nas costas de Abe. Então ele olhou para as diferentes flores que estavam embrulhadas num papel debaixo do balcão. “Quanto são as flores atrás de você?” “Elas variam de preços. As que estão na prateleira de cima pode ser mais de cinquenta dólares. As de baixo são ainda caras.” “Quanto custa essas?” Greer apontou para os embrulhados no papel. “9,99” Greer pensou em pedir seu conselho. Abe estava no negócio para ganhar dinheiro, então, ela tentaria vender a ele as flores mais caras de sua loja. “Vou levar dois desses.” Greer apontou para as flores embrulhadas. Pegando a carteira, ele manuseou seu dinheiro enquanto Abe avidamente o observava. “Você vai precisar de um vaso? Se você comprar um, eu posso enfeitá-lo para você para que fique realmente legal.”


"Quanto eles custam?" “Nove e noventa e nove.” “Eu ganho um desconto?” "Não." “Então não preciso de um vaso.” Entregando o seu dinheiro, ele escolheu dois buquês. “Quando é que você vai ter a sua nova safra pronta para vender?” “Estou trabalhando nisso.” Greer manteve sua resposta vaga. “Não se esqueça que quero comprar extras nesta temporada. Você prometeu reservar para mim o suficiente para passar o inverno. No ano passado, não tive o suficiente para passar o final de agosto.” “Então não fume tão rápido.” “Vamos, Greer; dá um tempo. Você sabe que minha mulher é uma cadela. Se não tivesse isso para desfrutar à noite, quando ela vai para a cama, eu estaria na granja.“ Abe tinha um ponto. O intrometido hipócrita estava mais interessado no que estava acontecendo no quarto dos outros do que no dele próprio. Se ele fosse casado com uma cadela, estaria subornando os guardas para deixá-lo entrar na prisão, que está localizada em LaGrange, Kentucky. “Eu não dou tempo quando a minha maconha está em causa mais do que você dá descontos.” Greer se virou para sair com as flores em suas mãos. “Espere... Talvez possamos pensar em algo.” Dez minutos depois, Greer saiu da loja de flores, assobiando enquanto caminhava pela calçada. Era difícil de ver com os dois enormes ramo de flores bloqueando sua visão. “Cuidado onde-” Greer baixou um dos vasos ao som da voz aguda. “É você, Greer?”


“Quem é que parece?” O rosto de Diane passou de chocada a zangada com seu tom sarcástico. "Quem morreu?" "Ninguém." “Então, para quem são as flores? Você nunca comprou flores para mim.” “Por que eu iria comprar flores para você? De acordo com você, eu não era bom em nada, exceto plantar maconha e foder." “Você sabe que eu estava brincando.” “Não, você disse isso quando eu peguei você fodendo em vez de cozinhando para mim.” “Greer, nada aconteceu. Eu disse que nós eramos apenas amigos.” “Não, você estava com dois, ou três e comigo. Inferno, nem sei quantos você tem fodido, e eu estou farto disso. Eu te disse quando você voltou para mim que era a última chance que eu estava te dando.” “Eu não acho que você quis dizer isso. Pertencemos um ao outro. Você prometeu se casar comigo há anos.” “Eu disse que me casaria com você se pudesse passar seis meses sem me trair. Você não conseguiria fazer com dois. Peça para Luke se casar com você. Talvez ele não se importe que você seja uma vagabunda.” "Você vai mudar de ideia. Você sempre muda. Nós dois somos iguais, Greer. Você nunca vai encontrar outra mulher que pode lhe dar o que eu dou. Eu não me importo quantas flores você compra.” “Eu já a encontrei, então parece que você está presa com Luke, a menos que você tem alguém que pode te dar um anel mais caro. Eu ouvi que o pai de Luke está farto dele depois que bateu o carro dele." Seu rosto ficou escuro. “E se estiver grávida?” “Então dê os meus parabéns a Luke. Você não está puxando isso em mim. Eu nunca te fodi a menos que eu estivesse protegido. Se você quiser declamá-lo como meu, então é melhor você estar pronta para um teste de DNA. E então, mesmo que fosse meu, o que não é, eu não me


casaria com você. É melhor se lembrar com quem você está falando e o que eu faria com uma mulher que tentasse puxar esse jogo em mim. Além disso, você não parece que está muito adiantada para ser meu.” Um olhar insultado passou sobre seu corpo enfeitado. Diane empalideceu. "Eu não estou grávida. Eu estava dizendo-” “Eu sei o que você estava tentando dizer. Você esperava que eu estivesse muito bêbado para lembrar se tinha fodido ou não as noites que eu desmoronei em seu sofá. Agora, saia antes que eu deixe de ser o cavalheiro que minha mãe me criou para ser.” Diane rapidamente saiu do seu caminho. Greer não olhou para trás, para a mulher que ele teve algumas boas recordações, sem arrependimentos. Ela poderia encontrar outro otário que acreditaria em suas mentiras. Ele tinha dado o benefício da dúvida muitas vezes para acreditar em qualquer coisa que ela dissesse de novo. Diane estava fora de sua mente antes mesmo que ele virasse a esquina. Enquanto ele se aproximava do escritório de Diamond, viu que os carros das duas mulheres já estavam lá. Ele queria estar lá antes que elas entrassem, preocupado que Diamond o prenderia por invasão antes que ele pudesse se desculpar. Ele hesitou antes de entrar, ensaiando seu discurso. Talvez ele deveria ter perguntado para a Garota do Kentucky o que dizer, mas a mulher tinha se mantido teimosa sobre o bracelete de diamantes. Então, ele encurtou a conversa. Depois que vários carros diminuíram a velocidade para olhar para ele, Greer colocou sua bunda em movimento e entrou. Longe da vista, então, ele diminuiu a velocidade, temendo o próximo confronto. Diamond ia deixar que ele tentasse. Não que isso importasse que ele fosse atingido com a sua artilharia antiaérea - ela era a melhor advogada da cidade, e ele precisava mantê-la feliz. O problema era o seu próprio temperamento. Ele não queria perdê-lo e piorar a situação. Ele olhou para a porta, pensando que Dustin teria que libertá-lo, mas depois decidiu ser homem.


Se Logan pudesse vê-lo, o menino teria um chilique por causa da forma que ele estava agindo. Ele se atrapalhou com a maçaneta da porta quando abriu. Abaixando os vasos, viu Holly olhando para ele. “O que você está fazendo aqui?” Ela falou. “Eu...” Greer pigarreou. “Eu vim para pedir desculpas.” Empurrando um dos vasos para ela, ele esperou que ela o esmagasse em sua cabeça. “Você comprou flores para mim?” “Sim.” Ele falou tão alto que seria ouvido do seu escritório. “Eu comprei para Diamond, também.” “Elas são lindas” Holly as cheirou. Greer enfiou a camisa de volta em suas calças com a mão livre. "Estou feliz que tenha gostado delas. Elas foram as melhores da loja de Abe.” Ele tomou isso como um bom sinal quando Holly se afastou da porta, deixando-o entrar no escritório. “Diga a ele para sair!” Greer viu Diamond através do espelho na sala de espera, colocado atrás de sua mesa. Ele sabia que ela ainda estava com raiva e pelo rosto da advogada ele estava ferrado. “Vamos, Diamond. Eu sinto muito." “É Sra Richards-Bates para você.” “Essas são rosas” ele tentou persuadir. “vá para a esquerda um pouco.” Greer se afastou um pouco para que ela pudesse vê-las no reflexo do espelho. “Coloque-as sobre a mesa de Holly e saia.”


Greer não perdeu o sorriso que Holly tentou esconder enquanto ele colocava as flores em sua mesa. Ele então enfiou a camisa do outro lado de suas calças. “Desculpe-me, que eu disse para aquele cuzão arrogante para se foder-” “Não estrague tudo, Greer. Deixe as flores falarem por si“ Holly resmungou de um lado, de modo que Diamond não podia ver seus reflexos. "Você acha?" "Eu sei que sim. Diamond vai superar isso ...” “Não, eu não vou!” Diamond rosnou da outra sala. “E eu não me importo quantas flores ele traga; ele não vai para a minha ilha! Filho da puta poderia muito bem ter dito ao advogado do estado para fo-” Holly foi para a porta do escritório de Diamond, fechando com um estalo. “Ela está muito brava.” Greer olhou para a porta fechada, debatendo se devia ou não abrir e tentar se desculpar novamente. “Ela vai superar isso.” Holly se sentou atrás de sua mesa, em seguida, mudou o vaso para frente de sua mesa antes de arrumá-las como se elas fossem ouro. Seu rosto se suavizou. "Você gostou delas?" "Adorei elas. Eu não recebi flores desde que fui para o Baile no ensino médio, e, foi apenas um buquê.” “Nenhum de seus namorados nunca lhe deu?” "Não. A maioria dos homens que namorei não queria mexer com flores quando eles estavam tentando me agarrar no banco de trás.“ “Você namorou homens errados, então.” “Diga algo que eu não sei.” Holly deu de ombros, mas Greer podia ver que as lembranças eram cheias de dor em seus olhos. “Além disso, os homens realmente não dão mais flores, a não ser para o aniversário de


uma mulher ou Dia dos Namorados. Quantas vezes você deu flores para uma mulher?” "Duas vezes." Sua mandíbula se afrouxou. “Diamond e eu somos as primeiras mulheres que você deu flores?” "Sim. Nunca precisei pedir desculpas a ninguém antes.” “Mas quando você foi ao baile, certamente, você deu flores?” “Eu não fui ao baile. Eu não podia pagar. E realmente não gostava de ninguém o suficiente para dá-las.” “Você não se sentia atraído por alguém em sua escola?” “Diane era minha namorada na escola. Ela terminou comigo quando Asher convidou ela para sair. Eu não tinha o suficiente para fazer as coisas direito, de qualquer maneira. Eu estava muito ocupado tentando trabalhar. Minha Mãe e Pai estavam mortos, e Tate e eu estávamos muito ocupados tentando alimentar e vestir Dustin e Rachel e não me preocupei com as garotas.” “Sutton disse que ela e Tate se apaixonaram na escola.” “Eles se apaixonaram... até que seus pais interferiu e ela deixou a cidade.” "Ela me disse. Todos esses anos desperdiçados por estarem separados ...” Greer viu os sinais reveladores de lágrimas em seus olhos antes que ela desvisse o olhar. “Eles não foram desperdiçados. Ambos tinham algo para amadurecer. Quando eles estavam destinados a ficar juntos, Sutton voltou," disse ele com naturalidade. “Isso é profundo vindo de você. Eu não acho que você acredita em sorte ou o destino.” "Eu não acredito. Eu acredito na natureza humana. Sutton e Tate se amavam. Instintivamente, eles se aproximaram novamente quando ela voltou."


“No entanto, eles conseguiram resolver isso, estou feliz por eles. Isto me lembra. Preciso ligar para Tate e agradecer por comprar meus pneus novos. Dustin disse que tinha o usado que Jo substituiu, fez uma mudança de óleo, e arrumou meu ar condicionado. Eu disse para Dustin agradecer a Tate quando ele trouxesse de volta, mas eu deveria ligar para ele-” “Tate não fez. Eu fiz." “Eu sei que você foi a pessoa que levou meu carro. Acredite em mim; Eu não vou esquecer tão cedo. Mas Tate pediu para você e pagou por isso.” Holly começou a pegar seu telefone. Greer estendeu a mão para impedi-la. “Tate pediu a Dustin para consertar o pneu que Jo substituiu. Eu tinha um compromisso marcado para isso ontem, e eu pensei que podia esperar até lá, mas Jo trocou antes que eu pudesse. Não me agradeça. Deveria ter falado na oficina que precisava de horário mais cedo. Foi o meu erro, e Tate me ligou para resolver isso.” “Você pagou por isso?” Ela puxou a mão de debaixo dele. "Sim quase isso. Earl e eu fizemos um negocio, ou vamos fazer daqui a algumas semanas. Ele me estendeu um pouco de crédito até que eu possa pagá-lo.” Holly se levantou tão rápido que a sua cadeira bateu na parede atrás dela. “Eu dirijo um carro que sua maconha pagou?” “Fale baixo, ou Diamond vai ligar para Knox. Eu vou ter que desembolsar ainda mais maconha para me tirar da cadeia. Inferno, passei o suficiente. Vou ter que plantar extras este ano, e eu odeio plantar essas filhas da puta sob essas luzes. Elas não tem o mesmo gosto.” Ela olhou para ele sem fala, em seguida, deu um olhar sujo antes de puxar sua cadeira de volta para sua mesa e se sentar. “Greer, vá para a casa. Agora." Ele franziu a testa por causa da sua atitude enjoada. Por que diabos ela estava chateada agora?


“Eu preciso ir para casa, de qualquer maneira. Então, você gostou das flores? Você ainda está brava sobre ontem?” Seu suspiro fez as flores balançarem. “Por que você agiu daquele jeito com Caleb?” Ele pensou em dar uma desculpa, mas, decidiu dizer a verdade. “Eu não gostei do jeito que ele estava olhando para você.” “Por que você se importa do jeito que Caleb olha para mim?” “Ele me lembra do bagre que estive tentando capturar por dois verões.” “Você está comparando Caleb com um bagre." “Sim, é a única maneira que posso explicar isso. Bagres são filhos da puta escorregadios." Seu olhar se tornou especulativo. “Ele me deu essa impressão também. Obrigada pelas flores e pelo conserto do meu carro." Greer sorriu, aliviado que ela aceitou seu pedido de desculpas. "De nada. Diga a Diamond que eu sinto muito.” "Eu vou." Ele saiu antes que fizesse alguma outra coisa que a irritasse. Assobiando, ele desceu os degraus e refez seus passos para onde ele havia deixado sua caminhonete e viu um papel sob seu limpador. A multa havia sido rabiscada e a taxa exorbitante tinha sido escrito cuidadosamente no canto inferior com a mão. Erguendo a cabeça da multa, ele viu Knox em pé na frente da lanchonete com um copo de café na mão. “Droga, eu não vou ter o suficiente para comprar um pacote de chicletes até o momento em que todo mundo pegar a sua parte” ele murmurou, entrando em sua caminhonete. Ele estava tentado a irritar o Knox, mas o fodido provavelmente lhe daria outra multa. Ele bateu os dedos no volante. Foi quando viu Knox levar seu café para os lábios que uma ideia lhe ocorreu.


Ele sabia exatamente como resolver o seu problema financeiro, e esperando capturar a mulher que ele queria se casar.


15

Atiradordeelite: Obrigado por sua ideia. Funcionou. GarotadoKentucky: Fico feliz em ajudar. Atiradordeelite: Qual é a sua flor favorita? GarotadoKentucky: Margaridas. Elas são baratas e você pode cultivá-las em seu quintal. Atiradordeelite: Você tem um quintal? GarotadoKentucky: Sim. Atiradordeelite: Que tamanho ele é? GarotadoKentucky: Eu não sei. Do tamanho médio, eu acho. Por quê? Atiradordeelite: Então eu sei quantas margaridas plantar lá. GarotadoKentucky: Você nunca vai parar, não é? Atiradordeelite: Não. Você nem vai me dizer o quão grande o seu quintal é. Você não me disse nada sobre si mesma. GarotadoKentucky: Pergunte-me uma coisa sobre mim, que não seja o meu nome e como eu pareço. Atiradordeelite: Como você se sente sobre mim? GarotadoKentucky: Não importa como me sinto sobre você. Atiradordeelite: Isso importa para mim. Você disse que eu poderia perguntar qualquer coisa. GarotadoKentucky: Eu não achei que você iria perguntar isso. GarotadoKentucky: Eu te amo. É isso que você queria ouvir?


Atiradordeelite: Sim. Eu te amo, GarotadoKentucky. GarotadoKentucky: Isso não muda nada. Eu ainda não estou pronta para conhecê-lo. Atiradordeelite: Isso muda tudo.

HOLLY OLHOU para seu computador, não se sentindo bem no momento da admissão que ela tinha acabado de fazer. Ela deveria ter apenas cancelado e desaparecido dentro do abismo da internet, o que ela dissera a si mesma que ela faria, desde que ela tinha começado a falar com Greer. Fechando seu notebook, ela foi até a cozinha para lavar os pratos que tinha deixado para depois que Dustin e Logan tinham saído. Ela não queria desperdiçar um minuto de seu tempo juntos, sabendo que os pratos lhe daria algo para fazer mais tarde. Ao ouvir a campainha, ela secou as mãos no pano de prato antes de ir para a porta da frente. Estava escuro lá fora, então ela olhou pelo olho mágico para ver quem era, então, abriu a porta quando ela reconheceu o olho olhando para ela. “Você está tentando me assustar?” “Como você reconheceu meu olho?” Holly foi para o lado para deixar Greer entrar. “Você é o único que tem olhares sagazes.” Holly usou o humor para desviar a atenção dele. Ela iria reconhecer aquele particular tom de cinza há três metros de distancia, muito menos olhando de volta para ela. “Eu tenho olhares sagazes?” “Deve ser um risco da profissão.” Holly levantou uma sobrancelha, esperando ele explicar por que ele estava aqui tão tarde. “Eu pensei que Dustin e Logan ainda estavam aqui.”


“Eles acabaram de sair.” “E provavelmente passamos um pelo outro no escuro.” “Acho que sim.” Ela esperou, esperando ele sair. Greer aspirou o ar. “Isso é cheiro de hambúrgueres.” "Isso foi." “Tem algum sobrando?” "Não. Eu ia te fazer um, mas Dustin comeu.” "Tudo bem. Eu posso ir comer na lanchonete.” “A lanchonete fechou uma hora atrás. King e o Pink Slipper estão fechados, também.” “Rosie ainda está aberta. Vou até lá. Vai comigo?" "Não, obrigada. Eu estava prestes a ir para a cama.” “É sexta-feira à noite. Você não tem que levantar cedo. Vamos; Dustin não pode ir; ele está com Logan. E Tate não vai deixar Sutton dormir sozinha. Venha me fazer companhia. Se você não está com fome, eu vou te comprar uma cerveja.” “Eu vou escovar meu cabelo e buscar o meu casaco.” Holly deixou ele na sala de estar, indo para seu quarto. Retirando seu laço de cabelo, ela penteou o cabelo, em seguida, foi para seu armário para pegar um casaco. Ela puxou a jaqueta cor de creme sobre o jeans desbotado e blusa azul escuro que ela usava. Ela já tinha trocado suas roupas de trabalho quando ela tinha chegado em casa. “Eu posso ficar com Logan, e você e Dustin poderiam sair” ela disse enquanto caminhava de volta para a sala de estar. Greer virou-se para olhar a porta de vidro que dava para a piscina, Aproximando-se da porta da frente, ele abriu. “Ele provavelmente está na cama. Vamos.” Ele a puxou para passar pela porta da frente antes que ela pudesse mudar de ideia, e ela se viu no banco da frente de sua caminhonete, indo em direção ao bar não muito longe de sua casa sem realmente entender como tinha chegado lá.


“Eu não sabia que Rosie servia comida. Pensei que Mick apenas servia bebidas.” “Você estará numa loja para um deleite, então. Mick serve os melhores hambúrgueres na cidade.” Greer lidou com a caminhonete habilmente, colocando no estacionamento lotado entre uma moto e um carro. Holly desejou que ela não se permitisse ser convencida a vir. Ela não esperava que tantas pessoas estivessem no bar. Várias pessoas que ela conhecia de toda cidade acenaram para ela enquanto Greer a guiava em direção ao bar. "Aqui está bom? As mesas estão cheias. Quando uma desocupar, eu vou pegá-la.” “Aqui está bom.” Ela deslizou sobre um tamborete, sorrindo para o grande homem atrás do bar. “Primeira vez que eu te vejo aqui, Holly.” “Oi, Mick.” Holly tinha encontrado Mick na igreja. Ela tinha ouvido comentários desagradáveis de alguns dos paroquianos, enquanto ele foi um dos poucos que tinha feito ela se sentir bem-vinda quando ela tinha começado a frequentar. Ela sempre gostou dele. "O que posso fazer por você?" “Nós queremos alguns hambúrgueres e duas cervejas. Isto está bem?” Perguntou Greer. "Sim." Holly olhou ao redor do bar. Vendo a grande pista de dança, ela virou a cabeça para um movimento. Quando ela viu uma mulher dando uma dança particular para um homem sentado, ela estreitou os olhos para o homem, reconhecendo-o. “Aquele é Rider.” Greer girou seu banco com ajuda de sua bota para que ele pudesse ver o que ela estava olhando.


"Sim. Ele não costuma vir aqui na sexta-feira.” Holly podia ver os lábios de Greer torcer em desprezo. “Ele está com Curt e Justin.” Greer virou o banco de volta. “Você quer ir embora?” Holly começou a se afastar do seu banco, mas ele levou a mão à sua coxa, parando-a. “Não, eles não estão me incomodando. Eles incomodam você?” “Posso lhe fazer uma pergunta?” Holly começou a abordar o que estava incomodando ela desde que ele tinha tocado sua campainha. "Solte." Ela lhe deu um olhar sério em sua resposta. “Por que você me pediu para sair com você esta noite? Dustin nunca deixa seu telefone desligado ou fora de seu alcance. Por alguma razão, ele é paranoico com isso.” Ele encolheu os ombros. “Achei que era hora de fazer as pazes entre nós.” "Porque agora?" Ele colocou um braço sobre o bar quando ele se virou para encarála. “A coisa que eu tinha contra você desde o primeiro dia era por que eu estava preocupado que você iria ir embora com Logan. Eu não preciso me preocupar mais com isso com Mitch morto.” “Eu posso fugir com qualquer homem, se eu quiser.” “Não do Kentucky. Todos os homens na cidade sabem que seria uma sentença de morte mexer com Logan.” “Você realmente acha que todo homem na cidade tem medo de você?” "Não só eu. Dustin e Tate. Eu não estou alegando isso; É um fato." “Alguns - e repito, alguns - dos homens podem ter medo de você, mas de Dustin? Ninguém tem medo de Dustin.“ “Mulher, você não é capaz de julgar quando Dustin está em causa. Ele pode não entrar em muitas lutas, e ele não tem o temperamento igual ao meu e o de Tate, mas ele tem um. Você arrancando um fio de cabelo na cabeça de Logan, e o verdadeiro Dustin vai aparecer. Ele nunca teve


qualquer problema com você, porque você ama Logan, de modo que você nunca viu seu temperamento.” Holly tomou um gole de cerveja quando Mick colocou seus hambúrgueres na frente deles. Ela cravou os dentes no hambúrguer suculento. Greer estava certo; Este era o melhor que ela teve na cidade. Ela então pegou uma das batatas fritas que Mick tinha servido com o hambúrguer, mastigando para não falar. Se Dustin ou Tate descobrisse que ela tinha enganado Greer na internet, eles nunca iriam deixá-la perto de Logan novamente. Ela tinha segurado um grão de esperança que se Greer descobrisse, ele iria perdoála. Mas ela sabia o tempo todo que ele não iria. Então ela disse a si mesma que, mesmo que o resto dos Porters nunca falassem com ela novamente se descobrissem, ela sempre teria Dustin do seu lado. Pelo que Greer estava dizendo, Dustin iria atrás de vingança se Greer ficasse com raiva o suficiente para contar a ele. Ela deu outra mordida em seu sanduíche, fazendo esforço para engolir enquanto tentava lutar contra as lágrimas que continuava vindo em seus olhos. “Quer outra cerveja?” “Claro.” Holly engoliu a mordida para terminar sua cerveja. "Algo errado? Você não gostou do hambúrguer?” Mick perguntou quando ela olhou para cima para pegar a outra cerveja dele. Holly deu a Mick um sorriso sem graça. “Sim, estava delicioso. Uma batata frita desceu errado, mas eu estou bem.” “Você precisa que eu dê um tapa em suas costas?” Greer ofereceu. “Não!” Holly tinha sido submetida a essa manobra umas duas vezes desde que ela passou a viver com ele. Ela empurrou o prato para longe, incapaz de comer mais. “Terminou?” Perguntou Greer, já deslizando o prato para ele. “Você não tem vergonha onde o alimento está envolvido, não é?” "Não."


Ela se manteve ocupada observando os outros no bar enquanto Greer terminava a refeição dela, tentando não pensar. A multidão estava diminuindo, e um rosto familiar em particular se destacou. “Diane e Luke Baxter estão aqui.” “É um país livre.” Greer parecia não se importar que sua ex-namorada estava no bar local com outro homem. “Você não se importa? Você realmente terminou com ela por causa de um bolo de carne?” “Ser uma boa cozinheira é importante para mim.” "Deve ser." Holly estudou a reação de Greer vendo a mulher que ele tinha pensado em se casar se aconchegar com outro homem. Ela se perguntou o que ele achava do seu bolo de carne, tentando lembrar se ele tinha pedido um segundo prato. Greer jogou o guardanapo em seu prato. “Você está pronta para dançar?” “Eu não quero dançar” ela recusou. Ela não esperava que ele pediria a ela para dançar, ou ela teria usado dois de seus sutiãs de sustentação, Holly pensou ironicamente para si mesma. Greer levantou-se, colocando as mãos nos quadris dela para levantá-la do banco. "Claro, que você vai. Vamos; Eu vou pegar leve com você até que você se solte. Vamos irritar os Last Riders.” Greer bateu com a mão no bar. “Mude essa merda para alguma música que eu gosto.” Então Greer pegou a mão dela, levando-a para a pista de dança. Holly não podia deixar de rir quando a música foi do rock para country. Greer deu-lhe um grande sorriso, enquanto os homens gemeram, quando a voz de Dolly Parton encheu o ar. “Greer!” Rider gemeu ao lado deles. Ele estava dançando com uma mulher em um vestido apertado. As luzes na pista de dança eram fracas, mas Holly poderia ter jurado que a mulher estava nua sob o vestido fino.


Ela dançou rigidamente na frente de Greer. Quando Rider falou as palavras “me ligue” ela queria sair da pista de dança. Ela nunca tinha gostado de dançar, sempre preocupada que seus seios iriam pular e derrubá-la deixando a inconsciente, ou os homens com quem ela dançasse iriam se esfregar deliberadamente seus peitos contra os dela, até que deixasse óbvio o que eles estavam imaginando. A música era realmente um mix. Quando “Way Down We Go” veio, o ritmo sedutor da música fez os homens se aproximarem ainda mais de suas parceiras. Greer não tentou se aproximar dela. Ele envolveu sua mão ao redor da parte de trás do seu pescoço e puxou sua cabeça para seu peito. "Relaxe. Eu não mordo.” Quando a música terminou, eles dançaram uma outra música antes de voltar para o bar, onde Greer pediu para ela outra cerveja. “Você não quer uma?” Holly questionou, tomando uma bebida. “Não se eu estou te levando para casa.” Quando ela terminou, ele pegou sua mão e levou-a de volta para a pista de dança. Com familiaridade, ele enrolou suas mãos em volta da cintura dela enquanto eles balançavam de um lado para outro. Ela sentiu como se ele tivesse sugado todo o oxigênio da sala e só estava dando a ela doses pequenas. Ela olhou para cima para ver os olhos encapuzados dele olhando para os dela. Holly tinha que falar agora que ele estava sendo tão bom para ela, oferecendo sua amizade. Lambendo os lábios repentinamente secos, ela se afastou um pouco dele, preparando-se para sua reação. “Greer...” “Qual é o problema, GarotadoKentucky? O gato comeu sua língua?" Holly parou de dançar, com medo que ela iria desmaiar. “O que você disse?” Ela rezou silenciosamente que ela tinha ouvido errado.


"Você me ouviu." Holly viu que os outros na pista de dança estavam olhando para eles. Os olhos de Greer a desafiava a dizer a verdade. “Eu estou pronta para ir para casa” disse ela hesitando. Quando ela saiu da pista de dança, ela queria correr, mas ela não tinha uma carona para ir para casa. Então, ela olhou em volta e viu Mick. Ela quase chorou de alívio. Ela poderia pegar uma carona com ele depois que o bar fechar. Ela só foi capaz de dar um passo antes de Greer pegar o braço dela, praticamente erguendo-a do chão para levá-la para fora, impedindo sua fuga. Ela estava com muita vergonha para gritar. Para a maioria das pessoas no bar parecia como se eles tivessem se deixado levar pela música e estavam saindo para transar. Quando ele abriu a porta da caminhonete, ele ficou ali até que ela entrou, ele até mesmo colocou o cinto de segurança. “Não tente sair antes que eu consiga entrar” ele alertou. “Eu não vou.” Ela se sentou imóvel enquanto ele subia na caminhonete. Tremendo, Holly puxou a jaqueta mais perto ao seu redor. Cada uma de suas mensagens flutuou em sua mente durante a viagem de volta para casa. O que mais envergonhou ela foi quando ela tinha confessado amá-lo. “Como você descobriu?” Ela segurou na sua porta quando Greer virou a esquina em direção a sua casa. “Eu vi seu computador sobre a mesa da cozinha. Eu estava indo te dar boa noite.” Como ela podia ter sido tão estúpida? Imagine a surpresa dele quando abriu seu notebook e viu o próprio site que eles estavam conversado. Tudo o que ela teria que fazer era fechar o maldito navegador.


A partir do brilho de um poste que eles passaram, ela viu no rosto de Greer que ele ia fazĂŞ-la pagar por esse erro.


16

Holly furtivamente soltou o cinto de segurança, segurando-o no lugar com uma mão enquanto a outra foi em direção a maçaneta da porta. Quando Greer freou na frente da garagem da Sra. Langley, ela abriu a porta da caminhonete e soltou o cinto tão rápido que o metal bateu contra o teto. Assim que seus pés tocaram o chão, ela começou a correr. Então, ela pegou a chave do bolso antes que ela estivesse na metade da calçada. O som da porta da caminhonete de Greer se fechando a fez dar um pequeno grito de susto. Ela praticamente bateu a chave na fechadura antes de destrancá-la e empurrando a porta com toda a força que possuía. Se virando, ela tentou fechar a porta, mas Greer já estava lá, empurrando-a. “Deixe-me entrar,” ele rosnou do outro lado. "Não. Vá embora!” Ela gritou, usando seu ombro para fechar a porta antes que ele pudesse entrar. “Inferno que não!” Holly gritou quando seus pés começaram a deslizar pelo chão. Percebendo a inutilidade do que ela estava fazendo, ela soltou a porta e saiu em direção a seu quarto. Se ela pudesse fazer isso, ela poderia prendê-lo do lado de fora por tempo suficiente para ligar para Dustin ou Tate para conseguir ajuda. Correndo pelo corredor, ela ouviu a porta da frente se fechar e as botas de Greer segui-la. Derrapando na cozinha, ela virou para o canto do corredor que levava ao seu quarto. Ao ouvir ele xingar, ela sabia que o piso escorregadio quase fez dele uma vítima também.


Ela passou pela porta de seu quarto, agarrando a porta e começou a fechá-la, só para ver Greer atrás dela, bloqueando-a com a mão na porta. Ofegante, ela deu um passo para trás quando ele veio mais para dentro do quarto, fechando a porta com um clique suave. Ela olhou para a porta do quarto, mas antes que pudesse fazer um movimento em direção a ela, Greer a agarrou pelo braço e empurrou-a contra a parede ao lado da porta. Seu peito esmagou o dela enquanto ele estava ofegante de correr. Ela pulou quando ele bateu na parede ao lado de sua cabeça com o punho. “Não me bata!” “Mulher, você precisa de uma surra em sua bunda, e você vai conseguir isto. Mas, primeiro, quero algumas respostas.” Greer socou a parede novamente, e ela se encolheu quando viu que ele tinha deixado um buraco na mesma. “Deixe-me chamar Tate ou Rachel, e nós podemos sentar e conversar sobre isso com calma.” “Você acha que eles vão protegê-la de mim?” Da maneira que ele falou, ela achava que não. Olhando para ele com medo, ela então fechou os olhos. Quando ela sentiu que ele a soltou, ela abriu os olhos para vê-lo de pé na frente dela. “Comece a falar.” Seu rosto sombrio não se tornou mais calmo. "Posso me sentar?" "Não." Uma centelha de coragem a fez desencostar da parede. Endireitando a jaqueta, ela enterrou suas mãos nervosas nos bolsos, percebendo que seu telefone celular estava no bolso. Os olhos de Greer examinou os dela como se ele pudesse ler sua mente. “Você vai ter que comprar um novo” ele alertou. “Lembra quando você matou Talon?”


“Aquele galo magro que continuava bicando você e Logan cada vez que você tentou alimentar as galinhas?” "Sim. Um minuto, eu estava alimentando minhas galinhas e tentando conseguir sair dali, e no próximo, você estava torcendo seu pescoço. Eu gostava daquele galo.” “Você odiava aquele galo.” Ele lhe deu um olhar que dizia que duvidava da sanidade dela. "Eu não odiava. Eu não gostava dele me bicando, mas eu estava lidando com ele. Ele não merecia morrer por causa disso." “Mulher, aquele animal não era nem mesmo bom o suficiente para comer. O que isso tem a ver com você fingindo ser outra pessoa e entrar em contato comigo para conversar?” “Eu estou tentando explicar! Logo depois que você matou ele, você entrou para tomar banho antes que você fosse pegar a Diane. Você não se importava que eu estava chorando. Você apenas estava cheio de alegria. No dia seguinte, Diamond e eu estávamos brincando durante a nossa hora de almoço. Ela estava tentando me animar. Nós estávamos olhando para os solteiros em nossa área, e sua imagem veio à tona.” “Por que você estava procurando por homens em nossa área para animá-la?” "Eu não sei. Nós estávamos apenas entediadas, eu acho.” Holly se recusou a dar-lhe os detalhes que ela tinha confiado a sua amiga - que ela tinha sentimentos por ele, que foi a idéia dele namorar e ficar sério com Diane, que a deixou mais perturbada. "Continue." “De qualquer forma, quando sua imagem apareceu, Diamond clicou sobre ela e enviou mensagens para você.” Se seu rosto não estava assustador antes, como estava agora. “Era com ela que eu estive falando?” "Não! Ela só fez isso na primeira vez. Era eu quem respondia. Nós sempre fizemos isso na hora do almoço, mas aos poucos...” Holly precisou respirar, tentando recuperar o fôlego. “Então eu meio que comecei a falar


com você sozinha. Ela nem sabia que eu ainda estava falando com você até algumas semanas atrás.” “Por que você continuou falando comigo?” “Eu não sei.” Ela apertou as mãos nos bolsos. “Não minta para mim.” Ela olhou para ele. “Porque no computador, você é meio decente para conversar. É somente em pessoa que você é malvado.” “Eu não sou malvado.” Desta vez, ele foi o único a receber o olhar que ele lhe dera. Ele esfregou a parte de trás do seu pescoço enquanto ele começou a andar de um lado para outro. “Tudo isso começou por causa de uma porra de brincadeira.” Holly se sentia muito mal. “Eu ia te contar esta noite.” Ele parou de andar. “Você ia? Você ia parar de falar comigo?” O pensamento culpado atravessou seu rosto. Era o que ela tinha a intenção antes que ele a tinha levado para Rosie. A partir de sua expressão com raiva, ela não achava que ele iria acreditar que ela estava prestes a dizer-lhe na pista de dança. “Então, o que vamos fazer agora?” "O que você quer que eu faça? Você quer que eu seja a pessoa a dizer a Dustin e Tate que eu era a mulher que você está falando?” "Oh inferno, não. Eles nunca iriam me deixar viver se eles descobrissem que eu estava paquerando você pela internet.“ Holly corou. “Você não quer que eu fale nada?” Ela perguntou, pasma. Ela tinha pensado que ele iria desfrutar de humilhá-la na frente de sua família. “Você vai manter sua boca fechada, e eu vou dizer-lhes que eu parei de falar com a GarotadoKentucky.”


Ela se recostou contra a parede aliviada que ela estava se livrando disso tão facilmente. “Obrigada, Greer. Teria sido muito embaraçoso. Dustin, Tate, e Rachel nunca iriam me deixar falar com Logan novamente. Estou tão-" “Guarde seu pedido de desculpas. Você não vai se livrar disso tão facilmente.” Sua voz fria disse a ela que ele queria vingança. "O que você quer dizer?" “Você me fez dançar a sua música durante meses. É a minha vez agora." Holly empalideceu. "Eu não entendo." “Eu estive procurando uma esposa. Você vai ser ela." "Você está louco? Eu não vou me casar com você!” "Por que não? Você acha que se Dustin descobrir que você me enganou, ele iria deixá-la perto de Logan novamente? Você acha que Diamond iria ser contratada para um outro caso, se descobrissem que ela estava envolvida?” “Ela não estava envolvida! Foi apenas uma vez-” “Como eu teria certeza? Eu vou me certificar em espalhar isso pela cidade que ela participou. Como você acha que Knox iria lidar com sua esposa sendo uma piada em torno da cidade?” Holly sabia como ele iria lidar com alguém fofocando sobre Diamond. Ele iria matá-lo. Todo o tempo que ela passou trabalhando para pagar Diamond por sua confiança nela não serviria para nada. “Eu não posso me casar com você” ela sussurrou. Ele não desviou o olhar. Ele faria isto. Sem um pingo de misericórdia, Greer iria destruir o seu mundo. “Ok, você ganhou.” “Agora você está usando esse seu cérebro.” Apertando as mãos, ela enfiou as unhas nas palmas das mãos para impedir de arrrancar com elas aquele olhar presunçoso do rosto dele.


Então ela começou a sair do quarto, apenas para vê-lo desabotoar sua camisa. "O que você pensa que está fazendo?" “Tirando a roupa.” Greer soltou o cinto. "Eu não vou-" O celular de Greer tocou, e ele tirou do bolso. “Que diabos você quer?” Ele não parecia feliz em ouvir alguma coisa que a pessoa estava dizendo na outra extremidade do telefone. Ele olhou para baixo, pressionando um botão em seu telefone. “Knox quer saber se ele precisa vir até aqui?” Dando a ela um olhar zombeteiro, ele não parecia preocupado com a resposta dela. "Estou bem. Eu não preciso de você." “Tem certeza?” A voz de Knox veio através do viva-voz. "Tenho certeza. Obrigado mesmo assim." Greer desligou o telefone sem dizer mais nada. “Por que ele ligou?” Greer tirou o cinto de suas presilhas, em seguida, colocou o seu telefone e o cinto na mesa de cabeceira. “Eu acho que alguém viu você correndo da minha caminhonete.” "Oh." Ele se sentou no lado da cama, tirando suas botas. Então ele se levantou e puxou para baixo sua cueca e calça. “Eu não vou forçá-la a deitar na cama; é sua decisão. Você concordou em casar comigo, noivos fodem. Você vai mudar de idéia?” “Não, eu disse que eu faria.” “Então fique nua.” “Eu preciso ir ao banheiro primeiro.” Com isso, ela correu para o banheiro.


Pegando seu telefone, ela colocou-o na pia. Depois sentou-se ao lado da banheira e tentou decidir o que ela ia fazer. Ela poderia chamar Diamond, mas ela realmente não queria arrastar sua amiga ainda mais em sua bagunça. Ela sabia que Rachel ficaria chateada, mas ela ficaria do seu lado. Ela poderia ir lá e dizer a Greer que ela não se casaria com ele e correr os riscos que os Porters não odiariam ela. Ou, ela poderia fazer o que ela tinha sonhado em fazer estar com Greer. Ele estava forçando ela? Sim. Ele estava chantageando ela? Definitivamente. Ele era tudo o que ela não queria em um homem e tudo o que ela queria. Ele era forte, não aceitava besteira de ninguém, amava Logan tanto quanto ela o amava, e nunca tinha tratado ela como um corpo com peitos grandes. No entanto, ele tinha um monte de defeitos. Ele vendia maconha, tinha um temperamento perverso, e ele não se importava quando ele fazia ela chorar. Ela tinha sonhado que um dia encontraria um homem que faria qualquer coisa para aliviar suas lágrimas. Greer chamaria isso de ser um maricas, mas ela pensava que faria dele sensível às suas necessidades. Algo que, a menos que Greer recebesse um transplante de cérebro, ele não seria capaz de fazer. O que em última análise pesou favoravelmente para o seu lado era que as boas qualidades superavam as más. Ela não ia mentir para si mesma, também. A visão dele nu era como jogar querosene sobre o desejo que ela tinha tentado afastar desde que ela o tinha encontrado. Seu corpo era sólido sem ser excessivamente musculoso como de Knox. Seu peito afinava quando descia para um abdômen torneado, ela não sabia como ele o mantinha, desde que ela sabia que ele não ia para a academia e via o que ele comia. Tirando suas roupas, vestiu a camisola e roupão que estava pendurado na parte de trás da porta do banheiro. Em seguida, ela escovou os cabelos novamente antes de ir para a porta, sussurrando uma oração baixa antes de abrir.


“Jesus, eu sei que isso não é a coisa que eu deveria pedir para você, mas por favor... por favor, deixe que isso seja bom.” Quando ela saiu do banheiro, ela viu Greer ficar chateado ao vê-la vestindo sua camisola. “Mulher, eu não disse para você se vestir quando estava lá” ele se queixou. Holly parou, suas mãos indo para seus quadris. “Vamos deixar uma coisa bem clara; quando estamos no quarto, o idiota pára na porta.” Seus lábios se apertaram, mas ele concordou com a cabeça. "E outra coisa; Quero por escrito antes de nos casarmos que se você me trair, eu fico com a custódia de todos os filhos que tivermos e sua caminhonete.” Ela queria que ele sofresse se ele a traísse. “Eu não sou um traidor. Além disso, se você ficar cansada de fazer o seu dever de esposa em vinte anos?” “As crianças estarão crescidas até lá e isto não vai importar.” Ela cruzou os braços sobre o peito. "Certo?" “Tudo bem” ele respondeu. “Mas eu quero por escrito que, se você não manter suas obrigações de esposa, eu fico com minha caminhonete.” Incapaz de adiar isso, ela desamarrou seu roupão e tirou-o, colocando-o na parte inferior da cama. Greer baixou os cílios quando ela timidamente levantou a sua camisola, deixando-a deslizar de seus dedos para o chão. “Santa Mãe de Deus” ele disse, levantando os olhos para ela. Envergonhada, ela começou a levantar as mãos para cobrir os seios, mas ele agarrou suas mãos, pegando-lhe os pulsos e puxando-a para si. Ela conscientemente colocou as mãos em seus ombros. “Isso é tão estranho.” “O que é tão estranho nisso?” Ele não levantou os olhos para os dela, olhando fixamente para seus seios.


Holly enterrou uma de suas mãos em seu cabelo, que atingia o ombro dele, puxando-o para trás e forçando seus olhos a subir. “Nós fazendo isso. Parece estranho para mim. Eu continuo esperando você me dizer que você está fazendo isso para me castigar por fingir ser outra pessoa na Internet." “É chamado de falsa identidade.” Greer levou as mãos aos quadris dela. Levantando-a, ele girou o corpo até que ela estava deitada sobre o colchão com ele sobre ela. “Um homem poderia levar uma chicotada por causa disso.” Holly começou a bater em seus ombros. “Eu sabia que você não conseguiria deixar de ser um idiota.” “Eu estava apenas brincando com você para fazê-la relaxar.” Ele pegou-lhe os pulsos, elevando-os sobre sua cabeça. “Os homens sempre brincam sobre os meus seios! Mais quinhentos dólares, e eu vou finalmente ter o suficiente para fazer a redução de mama que eu agendei para o próximo mês.” Seu olhar provocante desapareceu, substituído por um de horror. "Sobre o meu cadáver." Ela lhe deu um olhar presunçoso. “Você não tem nada a dizer sobre isto. É o meu corpo, e eu posso fazer o que quiser com ele.” "Não mais. Isso é meu." "Não, não é. É apenas uma redução de mama -” “Mulher...” Greer abaixou a cabeça, pressionando os lábios no V entre os seios e liberando suas mãos. Separando seus lábios, sua língua viajou até a inclinação de seu seio girando ao redor do mamilo antes de chupá-lo. Holly arqueou quando ele mordeu a ponta sensível, e seu cabelo caiu sobre o peito dela, então ela não conseguia ver o que ele estava fazendo. Seu desejo aumentou quando ela assistia seu perfil enquanto ele brincava com seu mamilo. Piscando, ela levantou a cabeça para que ela pudesse olhar melhor para o lóbulo da sua orelha.


“Eu não sabia que sua orelha foi perfurada.” Se ela não estivesse tão perto dele, ela nunca teria visto o brinco de cruz em prata. “Nunca ninguém percebe isso.” Ele rolou de costas, suspendendoa sobre ele até que ela estava sentada em seu estômago duro. Em seguida, ele esticou a mão, apertando um seio. “Você não pode negar a um marido esta visão. Seria um sacrilégio.” Ele soltou seu seio, arrastando os dedos sobre seu estômago plano que tremia ao seu toque. “Sua cintura é pequena.” Ele deslizou a mão pela sua cintura para o quadril curvilíneo, que sempre impediu ela de usar um jeans menor ela continuava prometendo a si mesma que ela seria capaz de caber um dia. Seguindo o contorno de seu corpo para suas coxas, seus olhos ficaram extremamente sensuais. Ele passou a língua sobre seu lábio inferior quando ele sensualmente se estendeu debaixo dela. “Se eu pudesse desenhar Venus, ela se pareceria com você.” No início, ela pensou que ele estava brincando com ela, mas a apreciação em seus olhos lhe disse o contrário, trazendo um nó em sua garganta. “Não se atreva a mudar alguma coisa em seu corpo.” “Eu não vou” ela sussurrou. Ele colocou uma mão atrás de seu pescoço, baixando seus lábios nos dele. Ela prendeu a respiração, aterrorizada que não fosse tão bom como ela tinha imaginado. Se ela não o tivesse amado antes, ela teria quando experimentou seu beijo. Desde que ela tinha dezesseis anos e experimentou seu primeiro beijo, os homens sempre tinha dado a ela apenas uma beijinho antes de se concentrar em seus seios. Greer, porém, segurou-a no lugar enquanto ele explorava o contorno dos seus lábios do jeito que ele tinha feito com seu corpo antes de deslizar a língua em sua boca, acariciando a dela até que seus seios pressionaram contra seu peito enquanto ela tentava prolongar o beijo de tirar o fôlego. Ela passou as mãos sobre seus ombros enquanto a boca dele seduziu-a para perder todas as inibições que estavam travando ela. Ela sabia qual era a sensação estranha que ela não tinha sido capaz de explicar. Ela tinha lutado contra a sua atração por Greer por tanto tempo


que, quando ela realmente foi tocada por ele, ela teve medo que ele se transformaria no Greer malvado que iria insultá-la e não se importaria como ela se sentia. A primeira vez que um homem e uma mulher faziam sexo, isto envolvia confiança. Portanto, quando ela tinha tocado Greer intimamente, pela primeira vez, ela manteve as barreiras, esperando que ele mostrasse o mesmo desprezo por ela que ele sempre tinha mostrado. No banheiro, ela decidiu dar uma chance a ele, e quando ela realmente o tocou, seu corpo não tinha recebido a mesma mensagem de confiança. A sensação de suas mãos em sua pele aliviou essa preocupação. Ela tinha imaginado que ele faria amor como a sua personalidade atrevido, áspero, malvado sem se importar. Em vez disso, ele estava mostrando um lado diferente de si mesmo. Então ele a virou para se deitar de lado, puxando a perna sobre seu quadril para que seu pau pudesse descansar entre as coxas dela. "Você está tomando a pílula?" Ela estava tão extasiada com o que ele estava fazendo com ela que agora ela castigou-se por não pensar nisso. "Sim." Saindo da névoa vertiginosa que ele tinha criado, sentiu uma pitada de arrependimento. Ela queria um bebê, um que se parecesse com Greer. Ele havia dito a sua família que ele queria ter filhos, que era por isso que ele estava à procura de uma esposa. Que ele estava preocupado suspeitando que ele não fosse sério e estava fingindo inflingir sua vingança. Ele levou os dedos para cima, abrindo mais as suas coxas com o antebraço. Encontrando seu centro úmido, ele esfregou seu clitóris até que ela queria gritar para ele parar de provocá-la. Ela começou a ir para o seu pau para lhe dar a sua própria quota do tormento que ele estava infligindo a ela, mas ele pegou a mão dela, levando-as para as suas costas. Então ele usou o ombro para empurra-la no colchão. Ela tentou sair de seu aperto.


“Se você tocar meu pau, eu não serei capaz de me impedir de gozar.” Greer provocava ela com sua boca, os lábios persistentes sobre os dela, deixando sua respiração brincar com a dela. “É difícil tentar se concentrar quando você é irritantemente perfeita.” "Eu não sou perfeita." “Uma rosa não é perfeita, mas ainda é bonita.” Holly olhou em seus olhos, tentando encontrar a verdade por trás de suas palavras. Será que ele realmente quis dizer isso, ou era o que ele tinha dito a todas as outras mulheres que esteve junto? Ele afundou os dedos dentro dela com um movimento suave, pensando que ela iria dizer-lhe para parar. Quando ela não o fez, ele empurrou mais profundamente, e sua perna dobrada em torno de seu quadril apertou mais, seu calcanhar afundando na curva de sua bunda. Ela tentou novamente soltar a mão, querendo puxá-lo mais perto. Como se ele soubesse o que ela estava tentando fazer, ele esfregou seu peito sobre seus seios e deslizou a língua em sua boca. Esmagada pelo determinado assalto nas zonas erógenas do seu corpo, ela cedeu a ele. Esta era uma parte de Greer que ela não conhecia. Ele era o mestre em sua cama, e esperava que a sua mulher seguisse a sua liderança. “Greer!” Frustração e desejo fez ela pressionar seus calcanhares na bunda dele. Ela tinha vivido com ele tempo suficiente para saber como levá-lo a fazer o que ela queria. “Se você não parar de me provocar, eu vou gozar sem você.” "Tudo bem. Eu posso começar de novo.” O beijo ficou vigoroso enquanto sua língua imitou seus dedos estocando. “Eu sou um tipo de garota que goza apenas uma vez.” Greer parou de beijá-la, seus dedos ficando imóveis. "Você está brincando, certo?" “Não.” Ela tentou mexer os quadris sobre os dedos que tinham parado de se mover.


“Mulher, você não vai saber o que você é capaz de fazer até você me foder. Eu sou conhecido por fazer as mulheres cegas enxergar." Holly começou a rir. “Você duvida de mim?” Ele moveu a mão e, em seguida, pôs-se de joelhos. Então ele enfiou a mão debaixo dela, entrelaçando os dedos de suas costas e arqueando seus quadris, então ele teve o ângulo perfeito para empurrar para dentro de sua buceta. Indo para casa numa estocada, esse movimento a fez ir para cama. “Isso é bom?” “Deus, sim!” Ela engasgou. Greer afastou os quadris para trás, em seguida, para a frente. “Isso é melhor?” Seus gritos agudos encheram o quarto quando seus impulsos descontrolou seu corpo. Sua buceta pulsava de quão duro ele estava bombeando dentro dela. Ela olhou para cima para vê-lo olhando para ela e mordeu o lábio para não gritar de novo. Arrepios subiram em seus braços quando ele não parecia tão excitado quanto ela. Seus olhos tempestuosos se estreitaram sobre ela, não perdendo que ela estava se afastando, tentando fazer sua emoção para um nível mais manejável como o dele. “Estou fazendo algo errado?” Ela ouviu a dor em sua própria voz. Ele baixou a boca para a curva de sua orelha. “Mulher, se você fazer isso melhor, não serei capaz de acabar com você.” Holly não acreditou nele, mas seu pau empurrou nela mais duro até que ela não podia pensar, muito menos ver as reações cruzando seu rosto. Ele manteve o movimento constantemente dentro dela até que ela sentiu uma gota de suor pingar entre seus seios. A língua de Greer a limpou. Em seguida, ele lambeu seu peito, encontrando o mamilo e girando a língua em torno dele até que sua buceta apertou em torno de seu pau duro. Agarrando os ombros dele, ela só poderia segurar enquanto ele movia dentro dela, alternando entre golpes lentos e rápidos, até que ela


não se importava com nada, exceto trazer um fim ao tormento que ele estava colocando-a completamente. “Por favor, Greer, por favor... Por favor...” Ela implorou, tentando encontrar o orgasmo que estava tentando evitar. “Você quer gozar?” Ele resmungou. "Sim!" Ele levou suas mãos para a bunda dela, levantando-a mais alto. “Mulher, eu vou te levar para onde nenhum homem te levou antes.” Ela afundou as unhas em sua pele para se certificar que ela ainda estava com ele e não imagiano ele fazendo amor com ela. A onda de sensações atacando seu corpo era diferente de qualquer coisa que ela havia sentido antes. Quando o sentimento de euforia desapareceu e Greer se esticou sobre ela, seu pau pulsando dentro dela, era como se ele tivesse jogado ela no ar e ela se quebrou em pedaços antes de voltar à terra e encontrando-se em seus braços. Ela piscou para ele, alarmada que ela ainda estava deitada em sua cama inteira. "O que é que foi isso?" Ele sorriu para ela maliciosamente. “Eu disse que faria isso.”


17

Greer abaixou a alavanca da torradeira, ignorando a xícara de café de Holly batendo no balcão. “Você já comeu duas torradas.” Ela colocou uma mecha de cabelo atrás da orelha nervosamente. “Que importa se eu fizer um pouco mais? Você tem metade do pão sobrando.” Greer ignorou seu olhar perturbado, indo para a geladeira para pegar a geleia. "Você sabe porque. Eu quero que você saia antes que Dustin e Logan cheguem aqui. Eles vão estar aqui a qualquer momento.” “Então você está sem sorte se você quer que eu fique quieto sobre eu passar a noite com você. Mandei uma mensagem para Dustin noite passada quando fui dormir, dizendo-lhe que eu fiquei aqui ontem à noite.” Pegando uma faca de manteiga de uma gaveta, ele passou uma boa quantidade de geleia na torrada quando viu as bochechas dela ficarem vermelhas de vergonha. “Diga-me você não fez isso.” Ele se encostou contra o balcão, dando uma mordida em sua torrada. "Por que não? Eu não tenho nada a esconder.” Seu rubor se aprofundou com o significado oculto por trás de suas palavras. “Você disse que não iria contar para eles se eu concordasse em casar com você.” “Eu concordei em não contar a eles que você é a GarotadoKentucky, não que eu estava fodendo você.” Frustrada, Holly sentou-se em uma das cadeiras no balcão da cozinha, enquanto ele continuava a comer sua torrada.


“Você pensou que nós íamos nos esconder? Segunda-feira, nós iremos comprar um anel. E nós iremos nos casar assim que eu puder organizar isto.” Ela começou a sacudir a cabeça. “Noivados geralmente duram um ano.” Greer terminou sua torrada, deixando cair a faca na pia. “Sim, isso não vai acontecer. Nós estaremos casados até o final do mês.“ “Isso é apenas daqui há duas semanas!” “Agora você está captando a minha mensagem.” Ele cruzou os braços sobre o peito, recusando-se a mudar de ideia com a expressão horrorizada dela. "Você tem vergonha de mim?" "Não! Não é isso. É só que... Você não acha que eles vão pensar que é estranho que um minuto você está falando de se casar com outras mulheres, e no outro você passou a noite comigo?” Greer levantou uma sobrancelha para ela. “Desde quando eu dou a mínima para o que os outros pensam?” “Seis meses é o mais breve-” Seus olhos se arregalaram ao som da campainha. Ela praticamente pulou de seu banquinho. “Abotoe a sua camisa!” Ela repreendeu, indo em direção ao corredor que levava à porta da frente. “Senhor, tem piedade, mulher. Você está agindo como se a minha família nunca viu meu peito antes“ ele retrucou enquanto a seguia. Ela se virou, batendo em seu peito. “Quem mais está naquela porta ao lado de Dustin e Logan?” “Tate, Sutton, Cash e Ra-” “Sua família inteira está lá fora?” "Sim." Ela começou a mudar de direção, tentando escapar para o quarto dela. Greer a pegou pela cintura, virando-a de volta para a porta. "Vá."


Ela relutantemente foi atender a porta. Quando ela hesitou, então, ele mesmo abriu. Logan veio correndo, abraçando Holly como se ele não tivesse visto ela na noite anterior. “Por que você não está de maiô. Você não se esqueceu que me prometeu que nós poderíamos nadar, não é?” “Eu não esqueci. Eu só não esperava que todo mundo chegasse aqui tão cedo.” Rachel entrou, dando-lhe um abraço. “A culpa é minha, eu estou com medo. Desculpa. Greer disse que nós temos duas semanas para planejar seu casamento, por isso temos de começar.” Greer se afastou de seu alcance quando toda a sua família começou a felicitá-la. “Para quem mais você enviou mensagem na noite passada?” Ela perguntou irritada quando Dustin a abraçou, em seguida, afastou-se para que Sutton pudesse abraçá-la também. Greer sorriu, estendendo a mão para colocar Logan em seus braços. “Seu pai te disse que Holly me convenceu a se casar com ela?” Logan acenou concordando, colocando a mão em seu ombro para manter o equilíbrio. “Ela não vai me fazer carregar o anel, não é? Johnny disse que sua mãe o fez carregar. Ele disse que todos beliscaram suas bochechas e disse-lhe o quão bonito ele parecia." “Garoto, você acha que eu iria deixá-la envergonhá-lo assim?” Quando ele viu o alívio de Logan, ele decidiu provocá-lo. “Eu disse a ela que não queria ninguém lá exceto eu e ela.” Quando a decepção apareceu em seu rosto, Greer levou-o para a porta de vidro deslizante. Abriu-a, ele foi para a piscina e segurou ele por cima da água, fingindo deixá-lo cair. Rindo, seu sobrinho tentou segurar em seus braços para não cair na água. “Eu pensei que você queria ir nadar?” “É fundo.!”


Greer viu Holly vir rapidamente em sua direção. “Mulher, acalme-se!” Colocando Logan no chão, ele disse: “Eu estava apenas brincando-” Um segundo, ele estava apaziguando sua noiva, e no próximo, ele estava cuspindo água. “Oh-” “Pare de me chamar de mulher! Você sabe o meu nome, use ele!” Ela rosnou para ele. “E nós vamos esperar seis meses antes de nos casar.” Pegando a mão de Logan, ela caminhou de volta para a casa, deixando os parentes dele de boca aberta atrás dela. Greer arrancou sua camisa molhada, jogando-a no chão. Deitado de costas, então ele flutuou preguiçosamente enquanto seus irmãos olhava para ele. “Ela parece um pouco chateada com você.” Tate tirou os sapatos antes de se sentar na plataforma para colocar seus pés na piscina. “Bala de canhão!” Dustin gritou, pulando do trampolim para molhar eles. Depois que ele conseguiu tirar a água de seus olhos, ele deu um caldo em seu irmão antes que ele pudesse se afastar nadando. Quando Dustin veio à tona, ele bateu-lhe nas costas. “Parabéns, mano. Eu sabia que você era mais esperto do que todo mundo disse que você era.” Greer olhou para as expressões embaraçadas de seus parentes, vendo que Holly e Logan tinham voltado para fora. Holly tinha colocado seu maiô horrível que cobria os dons que Deus tinha lhe dado. “Quem disse que eu era estúpido?” Greer perguntou, desconfiado, vendo-a se virar e voltar para dentro, deixando Logan com uma desculpa murmurada. Ninguém de sua família queria admitir sua deslealdade. “O que foi isso?” Perguntou Greer. Quando Dustin virou a cabeça para trás em direção a ele, ele espirrou água em seu rosto.


Logan riu tanto que segurou sua barriga. Ele então foi para a beira da piscina, esticando seus braços para seu pai. Greer saiu da piscina para pegar uma toalha. Cash, carregando Ema, entrou na piscina para se juntar à diversão. “Você vai entrar?” Greer perguntou para Rachel, envolvendo uma toalha em torno de seus ombros. "Não agora. Eu ainda estou um pouco enjoada.” Sua irmã tinha sofrido com a gravidez de Ema, e com esta não parece ser melhor. Ele estendeu a mão, colocando uma mão na barriga de Rachel. “Greer, se o meu bebê for aquele que Dustin tem sonhado?” Ele se conectou com a pequena alma que estava debaixo de sua palma. “Não é.” Ele baixou a mão, começando a desviar o olhar. Rachel agarrou seu queixo, forçando-o a olhar para ela. "O que você viu?" "Nada." “Diga-me.” A mão de Rachel apertou seu queixo. Ele nunca conseguia enganar sua irmã. “Você realmente quer que eu diga?” A mão de Rachel caiu. “É uma menina, não é?” “Cash não importa se é uma menina ou um menino” ele tentou tranquilizar, vendo que ele não estava sendo bem sucedido. “Eu sei... É apenas, eu sei o quanto ele quer um menino. É por isso que ele continuou me convencendo de engravidar novamente logo depois de Ema.” Greer sacudiu a cabeça. Essa foi uma preocupação que ele poderia dissipar. “Não é por isso que ele queria que você tivesse outro bebê. Cash não vai se sentir seguro até que ele tenha amarrado você com uma dúzia de filhos, então você não poderá fugir de novo.”


“Ele não pensa assim-” “Sim, Rachel, ele pensa. Talvez não seja que você não queira fugir, mas que você perceba que não o ama e vai deixá-lo.” Rachel balançou, e Greer pegou-a pela cintura. Ela inclinou a cabeça em seu ombro; um baixo soluço soou em seu ouvido. "Você tem certeza?" “Positivo” Greer ouviu o barulho da água e o som de pés descalços batendo na plataforma. “Ele ama você, irmã. Quando ele vê você, ele pensa em uma raposa.“ Rachel levantou a cabeça do ombro dele, seus olhos brilhando. “Ele me chama de Raposa.” Greer baixou a voz, então Cash não podia ouvi-lo quando ele se aproximou. “O que as raposas fazem quando você tentar pegá-las?” Greer respondeu por ela, “Elas correm.” Ele se afastou para deixar o casal sozinho, indo para dentro para trocar suas roupas molhadas. Holly estava na cozinha, fazendo uma bandeja de limonada. “Você está pingando água por todo o chão” ela o repreendeu. Quando ela se virou para pegar a bandeja, ele puxou o cinto que estava segurando seu roupão fechado. “Essa é a coisa mais feia que eu já vi. Isso cegaria um homem morto.” Sua mandíbula se apertou. “Dê isso de volta.” "Não." Antes que ela pudesse detê-lo, ele puxou o roupão de cima dela, então, levantou o braço esticando para cima, para que ela não pudesse alcançá-lo. Quando ela tentou pular para pegá-lo, ele olhou para baixo, apreciando a vista, até que ela parou, vendo no que seus olhos estavam focados. "Você é um idiota. Você sabe disso, certo?"


Greer olhou de soslaio para ela, torcendo o roupão como uma toalha, em seguida, colocando-o sobre os ombros. Pegando a bolsa de roupas que Dustin trouxe para ele, ele foi em direção a seu quarto, dando um tiro de despedida que garantiu que ela não o seguiria para conseguir seu roupão de volta. “Eu posso ser um idiota, mas você me ama, de qualquer maneira.” Ele vestiu sua roupa de banho, em seguida, se juntou aos outros na piscina. Tate correu para a loja, voltando com cachorros-quentes para grelhar enquanto eles aproveitaram a tarde de sábado. Quando começou a escurecer, eles começaram a sair até que apenas Logan e Dustin permaneceram. Quando Holly desceu, deixando Dustin dar a Logan um banho, Greer lhe deu um beijo antes de ir para a porta. "Você está saindo?" "Está tarde. Achei que você gostaria de ir para a cama.” “Eu pensei que eu teria que convencê-lo a sair.” Ela parecia constrangida com sua admissão. “Meio que roubou seu discurso, hein?” "Sim." Ele levou a mão à nuca dela, puxando-a para si. Então ele delicadamente traçou sua língua pelos seus lábios como se explorando uma pétala de flor frágil que pudesse esmagar. Sutilmente, ele usou a língua para separar a flor de sua flor, buscando a essência dela, respirando o cheiro fraco de mel. Ele a puxou mais forte contra o peito dele, então os seios sensíveis acenderiam o fogo que ele estava procurando. Quando seus joelhos dobraram, forçando-a a agarrar seus braços, ele sabia que estava funcionando. Ele gradualmente se pressionou com mais força nos lábios dela, tornando o beijo de boa noite para uma foda de línguas que a deixou ofegante e nas pontas dos pés para entrelaçar os dedos pelos seus cabelos e puxá-lo para ela.


Com um impulso final de sua língua que a fez arrastar-se sobre a dela, ele parou o beijo e deu um passo atrás. Ela piscou para ele até que ele teve que pegar suas mãos segurando-a como uma tábua de salvação, libertando-se de suas mãos antes que ele mudasse de ideia e arrastasse ela para a casa de Lucky para fazer o pastor casar eles esta noite. “Boa noite.” Ele saiu abruptamente antes que a tentação era mais do que podia suportar. Ciente da câmara de vigilância exterior, ele foi paraa sua caminhonete. Claro que ninguém poderia ver dentro do interior escuro, ele colocou as mãos trêmulas no volante. Ele olhou para a casa da Sra. Langley, vendo a luz da sala apagar. Dez minutos depois, ele viu toda a casa escurecer. Pegando seu celular, ele apertou um botão de discagem rápida e ligou para o homem que ele queria. "Shade." “Eu sei quem você é” disse ele, segurando o telefone próximo ao ouvido. “Você me ligou para me insultar?” "Não. Estou ligando para ter certeza que fez o seu trabalho, e que não há uma maneira no inferno que alguém pode entrar na casa da Sra. Langley.“ “Você está em sua caminhonete na frente da casa; eu preciso dizer mais alguma coisa?” A voz fria de Shade não o irritou. Era a garantia de que ele precisava. “Essa maconha que você está prometendo deve ser a melhor para valer a pena ter que falar com você todos os dias.” A ameaça não era óbvia, mas estava lá. "Isso é. Ela é fogo. A melhor que já cultivamos." "Algo mais?"


“Shade ...?” "Vá para casa. Eu mesmo estou lidando com este trabalho.” “Obrigado.” Greer desligou a ligação. Incomodava ele ter que aceitar a ajuda de Shade, mas aquela casa não guardava apenas os seus parentes, mas seu futuro. Holly tinha sido prometida a ele desde que ele era uma criança com meleca de nariz, buscando dentro de si mesmo os espíritos que nunca estavam muito longe para a sua orientação. Sentindo o calor da maré de boas vindas, ele ligou sua caminhonete, indo embora. Seja qual fosse o pesadelo de Dustin, eles não teriam que sofrer com isso esta noite. Hoje à noite, aqueles que ele amava estavam seguros em sua cama, vigiados pelos espíritos. E o que eles não podiam parar, Shade pararia.


18

Holly passou uma mão sobre a testa de Logan. “Não parece que você está com febre. Seu tio Greer vai trazer um termômetro de casa. Ele deve chegar a qualquer minuto.” Logan dobrou-se de lado, afastando-se do toque de Holly. “Meu estômago está doendo. Eu não posso ir para a escola.” Holly simpatizou com ele. Ele teve várias dores de estômago recentemente. Olhando para seu relógio de pulso, ela decidiu chamar seu pediatra e descobrir o que estava acontecendo. Ele tinha sido um bebê doente, e ela temia que a doença renal que tinha matado sua mãe estivesse dando as caras e prejudicando a sua saúde. Quando eles tinham descoberto a causa da morte de Sam, ela e Dustin o tinham levado a vários especialistas. Depois de vários meses, os médicos lhes disseram que ele não tinha nenhum sinal da doença. Eles ainda o monitoram com cuidado, fazendo uma viagem de três horas até Lexington, para se certificar de que ele receba o melhor atendimento. Ele tinha acabado de receber um atestado de saúde há três meses. Escondendo sua preocupação, ela ficou aliviada quando Dustin e Greer entraram no quarto. “Está se sentindo melhor?” Dustin sentou-se na cama ao lado dele, tocando suas costas. Logan deu de ombros longe de seu toque, gemendo. “Eu trouxe o termômetro.” Greer entregou a ela. “Vire-se querido. Deixe-me verificar a sua temperatura.”


Ele relutantemente se virou, e abriu a boca. Os três adultos ficaram esperando o sinal soar. Quando o fez, ela tirou de sua boca, franzindo a testa enquanto ela olhou para baixo e viu que estava normal. “Ele não está com febre.” Logan gemeu, segurando o estômago. “Dustin, pode ir para o trabalho. Vou ligar para Diamond e dizer a ela que não irei hoje.” Greer tinha ficado parado, apoiando-se contra a parede. Com suas palavras, ele foi para a cama e deitou-se ao lado de Logan. Holly viu quando ele gentilmente passou a mão sobre a cabeça, em seguida, descendo até a testa, do jeito que ela tinha feito quando estava tentado ver se ele estava com febre. Uma sensação estranha lhe deu calafrios arrepiando os pelos em seus braços. Greer estava olhando para Logan, mas seus olhos pareciam vagos, como se ele não estivesse lá. Sua mão viajou descendo para o peito de Logan, parando por um segundo, e em seguida, foi o lado, em seu estômago. Holly pensou que estava confortando o menino, tentando fazer ele relaxar para que ele pudesse dormir. Ele até se levantou para passar uma mão sobre suas pernas e pés. Greer roubou seu coração com o jeito que cuidadosamente tratava o seu sobrinho, e ela imaginou-o tendo o mesmo carinho com o seu próprio filho. “Rapaz, tire a sua bunda da cama e se vista. Você vai para a escola.” Horrorizada do jeito que ele poderia ser tão amoroso em minuto e um sargento no seguinte, ela só conseguiu olhar para ele de boca aberta enquanto ele saia da cama e puxava as cobertas de Logan. “Greer, ele está doente!” “Não há absolutamente nada de errado com o menino. Ele está indo para a escola.”


“Dustin, acho que ele deve ir para o pediatra. Ele está tendo essas dores de estômago com muita frequência.” Dustin se levantou da cama. “Arrume-se para ir a escola. Posso me atrasar para o meu compromisso. Vou levá-lo eu mesmo.” “Você está tomando o lado de Greer ao invés do meu?” Ferida, ela encontrou seu olhar determinado. O lado dominante de Dustin não saia muitas vezes, geralmente deixando seus irmãos assumir a liderança, mas quando ele fincava o pé no chão, não havia como movê-lo. Ele era como seu irmão, com seus traços irritantes. Bem, os dois homens arrogantes não eram os únicos que poderiam colocar o pé no chão. “Ele vai ficar.” “Por que você não quer ir para a escola?” Greer entrou na frente dela, bloqueando-a da vista de Logan. Holly deu um passo para o lado, vendo o rosto de Logan desmoronar. “Eu não quero ir por causa de Fynn.” “Quem é Fynn?” Holly perguntou quando o rosto dos dois homens ficaram sombrios. “O meio-irmão de Silas.” “O pequeno bas-” Holly beliscou Greer na parte de trás do braço. Ele não se preocupou em olhar para ela, tirando o braço do seu alcance. “O que ele está fazendo com você?” “Ele me faz trocar os nossos lanches. Eu não gosto do dele. O dele é mortadela com maionese.“ Holly não poderia culpá-lo. Ela odiava o gosto de mortadela. Ela não seria capaz de comer, também.


“Droga, eles não sabem sequer fazer um sanduíche. Podiam pelo menos colocar mostarda nele.” Ela teria que resolver isso. Ela estava quase puxando cada fio de seu cabelo. Os homens estavam além de qualquer salvação. “Querido, você já disse ao seu professor que você não quer trocar seu lanche com ele?” “Eu fiz, então ele saiu para jogar e não me escolheu para a sua equipe.” Dustin foi para a gaveta que ela tinha feito para Logan, tirando suas roupas. “Vista-se.” Disse ele com firmeza. Os olhos de Logan encheram-se de lágrimas, incapaz de acreditar que seu pai estava fazendo-o ir à escola. “Eu vou para a escola com você e falar com o seu professor.” “Não, você não vai.” Dustin e Greer sacudiram suas cabeças. Holly não podia acreditar que os homens estavam sendo tão insensíveis que não iriam deixá-la falar com seu professor. “Garoto, você se lembra da galinha que teve sua asa presa no buraco da cerca?” Holly empalideceu, relembrando vividamente. Ela tinha saído uma manhã para alimentar as galinhas, então, voltou entrando em casa para fazer o café da manhã. Tudo estava tranquilo, sem perceber que uma das galinhas mais gulosa tentou passar por um buraco na cerca onde ela tinha pendurado sua cesta, deixando a comida cair ao chão. No momento que ela tinha saído com Logan, o som das galinhas guinchando fizeram eles se aproximarem. Tinha sido um banho de sangue com as outras galinhas se juntado sobre a galinha ferida, bicando-a até morte. A cena macabra fez ela e Logan gritar. Dustin, Tate, e Greer saíram correndo para ver o motivo da gritaria, e Dustin tinha sido o único a leválos de volta para dentro enquanto seus irmãos removiam o que sobrou da galinha. "Sim senhor."


“Essas galinhas mataram a galinha ferida, porque ela estava fraca e indefesa. Você pode ficar em casa e ser como aquela galinha ferida, ou você pode ser o galo que mantém as outras galinhas no controle.” “Eu não sou uma galinha!” “Você estava fingindo estar doente; o que soa como uma galinha para mim.” Greer olhou para ele, sem simpatia. “Você acha que foi o único a ser atormentado? Merda, o primeiro par de sapatos que eu usei na escola era um velho par de sapatos do Tate. Eles fediam por toda a sala de aula. Eles zombavam de mim todos os dias.” “Você os socou quando eles zombaram de você?” "Eu não podia. Pai disse que se eu tivesse problemas na escola, ele me daria uma surra quando chegasse em casa. Era difícil não retribuir. Silas ficava num banco atrás de mim, e ele me gozava pelas minhas costas, fazendo barulhos de engasgos que fazia todo mundo rir.” “Como você o parou? Você pegou o chicote que seu pai disse que lhe daria e bateu Silas?” Greer deu a seu sobrinho um sorriso zombeteiro. "Não. A professora não aguentou mais o mau cheiro, e então ela me comprou um par novo. Deu para mim na frente de toda a sala de aula.” Holly engoliu por causa do embaraço que deve ter sido para o ego de Greer. “O que você fez?” Holly perguntou suavemente, ficando tocada pela história do passado de Greer. “Agradeci a ela e coloquei os sapatos no armário de casacos. Então, me sentei.” “Você não os usou?” Logan perguntou admirado. “Não, e eu não usei no dia seguinte ou no próximo.” “Então o que você fez?” "Eu esperei. Cerca de uma semana depois, eu pedi para ir ao banheiro quando Silas ainda estava lá. Ele sempre tinha que ir ao banheiro depois do almoço“.


Holly fez uma careta com as imagens gráficas de Greer. “Eu me abaixe na porta e tirei os sapatos dele antes que ele pudesse fazer qualquer coisa. Chutei meus sapatos velhos pra dentro. Eu tinha ido embora antes que ele saísse de lá.” “Ele não contou a ninguém?” Logan perguntou com os olhos arregalados. “Inferno, não. Ele tinha vergonha de admitir que levei a melhor sobre ele quando ele tinha as calças abaixadas.” Greer riu. “Eu usei os sapatos dele o ano todo, mesmo que eles fossem muito pequenos e eu pudesse ter usado o que a professora comprou para mim. Mas não o fiz." "Por quê?" “Porque eu tinha algo a provar. Eu tomava a minha decisão e não deixaria que Silas ou a professora me obrigasse a fazer qualquer coisa que eu não queria fazer.” Logan perdeu toda a pretensão de se fazer de doente, ficando de joelhos na cama, apertando os punhos. “Eu teria socado ele por ser tão mau.” "Eu não tinha que fazer isso. Há mais de uma maneira de esfolar um gato.” “Ei.” O desgosto de Logan cedeu à curiosidade. "Como?" “Ou dando um susto, ou fazendo outra coisa para atingi-lo.” Greer deu de ombros. “Você vai ter que descobrir isso por si mesmo.” Logan assentiu solenemente. “Eu vou, tio Greer.” "Se apresse. Eu preciso fazer uma parada antes de deixá-lo.” Dustin bagunçou o cabelo de Logan enquanto saíam do quarto. Holly desceu os degraus, indo buscar sua bolsa em seu quarto. Quando ela voltou para a sala, ela viu os dois irmãos falando. Eles pararam quando a viram. “Desde que vocês dois têm tudo sob controle, eu estou indo para o trabalho.” Pegando as chaves do carro de sua bolsa, ela tilintou as chaves na mão, fazendo nenhum movimento para sair.


Ela não tinha vivido com os Porters por mais de seis anos sem saber que eles eram grudados como o gordo e o magro “Onde você vai passar antes de deixar o Logan? A Diamond é flexível; eu posso fazer isso por você." A expressão tímida de Dustin mostrou que ele foi pego. “Eu vou passar pela padaria perto da igreja para comprar alguns doces de manteiga de amendoim para Logan, para ele comer depois da hora do almoço.” "Você não pode-" “Mulher, não interfira-” “A escola tem uma política contra nozes. Compre biscoitos veganos.” Ela enfiou a mão na bolsa, tirando uma nota de vinte. “Há quatorze crianças na classe. Compre para a professora também. Quinze deve ser suficiente.” “Estamos comprando apenas de treze.” Greer fez segredo nenhum sobre seu plano. “Então, Dustin, é melhor falar docemente com a professora, porque ela não ficará feliz.” “Não haverá nenhuma ‘fala doce’ envolvida,” Greer zombou. “Se nós lhe dermos um extra, ela vai dar um para aquele pequeno bas-” Ela começou a reclamar com ele, mas Logan veio pulando pelas escadas. “Eu estou pronto, papai. Você vem, tio Greer?” "Não. Seu pai pode fazer isso sem mim.” Logan pegou a mão de seu pai, e saiu com Dustin. Ela começou a segui-los, mas Greer a parou, bloqueando seu caminho. “Esquecendo algo?” "O que?" “Um beijo de bom dia seria bom.”


“Oh.” Corando, ela estendeu a mão e usou as mangas da camisa para puxá-lo para baixo. Dando-lhe um breve beijo em seus lábios, ela o soltou e foi até a porta. “Não se esqueça de dizer a Diamond que você vai chegar tarde quando voltar ao trabalho na hora do almoço. Nós vamos escolher o seu anel de noivado.” Ela não queria ferir seu orgulho, mas ela conhecia o estado das finanças de Greer. Muitas noites, ele e Dustin sentavam-se na sala de jantar falando sobre suas contas. “Eu não preciso de um anel-” “Eu posso pagar por um anel.” Sua mandíbula apertou como se ela o tivesse insultado. “Eu sei que pode... Eu sei que você está fazendo algum trabalho na casa. Eu estava apenas dizendo que isso pode esperar.” “Deixe que eu me preocupe com isso, tudo bem? Eu vou estar na minha caminhonete ao meio-dia. Não me deixe esperando. Não há necessidade de fazer o dia de Diamond pior, por me ver em seu escritório.” “Por que isso tornaria pior? O dia ainda nem começou.” “Vai arruinar a porra do seu dia, quando ela ouvir que você está noiva de mim.” Holly não tinha exatamente a intenção de dizer a ela, por esse mesmo motivo. Visto que os olhos deles estavam estreitos sobre ela, ela decidiu que ela deveria dizer a Diamond antes que Greer decidisse levar o assunto em suas mãos. “Eu vou ter uma conversa com ela quando eu chegar ao trabalhar. Feliz?” Ela saiu pela porta, desarmando o alarme enquanto Greer saiu atrás dela. Abrindo a porta do carro, ela pegou seus óculos de sol de sua bolsa, vendo Greer prestes a entrar em sua caminhonete. “Greer, você realmente só pegou os sapatos de Silas sem pôr as mãos nele?”


Ele sorriu arrogantemente já dentro da sua caminhonete. “Claro que não, mas foi um chute na bunda que ele merecia.” Greer entrou na caminhonete esperando por ela entrar em seu carro antes de fazer o retorno e segui-la pela rua. Quando ela fez a curva em direção à cidade, ele buzinou antes de se virar em direção oposta, indo em direção à estrada que levava a sua casa. Sua declaração, do fato, continuava passando por sua cabeça. Ele tinha dito que foi um chute na bunda que ele merecia. Se tivesse havido vários e ele não tinha contado? Ela sabia, pelas histórias que os Porters contavam, que seu pai tinha sido um homem sem fricote, que esperava que seus filhos se comportassem e fizessem o que ele dizia. No entanto, ela não tinha noção de nada, além disso. A próxima vez que ela tivesse um tempo a sós com Rachel, ela iria perguntar sobre isso. Estacionando, ela temia a reação de Diamond sobre seu noivado. Ela sabia que ela ainda estava furiosa com o comportamento de Greer. Ela levou isso muito melhor do que ela esperava. Ela não pulou para abraçá-la, mas ela a felicitou. “Você será minha dama de honra?” "Claro. Você já escolheu a data?” “Greer diz que em duas semanas, mas eu disse a ele que seriam seis meses. Eu estou esperando conseguir, algo como quatro meses.” “Grave um vídeo em seu telefone. Eu não quero perder Greer comprando seu anel e lidando com Dalton West.” “Os Porters negociam tudo.” Holly riu. “Eles consideram isso uma arte.” “Quando eu representei Greer, ele queria uma lista detalhada das minhas horas. Quando eu representei o Dustin, fiz muita questão de detalhar cada telefonema, e eles ainda reduziram, levando centenas das minhas taxas. Eu estava praticamente fazendo isso de graça. No momento em que eu terminei, eles tinham me convencido que eu lhes devia dinheiro.”


“Nós vamos comprar o anel esta tarde. Está tudo bem se eu voltar um pouco mais tarde?” "Tudo bem. Tire o resto do dia de folga. Não temos nenhum compromisso. Eu poderia falar com Knox para passar outro dia comigo.” “Você tem passando algum tempo fora recentemente.” Ela sorriu, colocando um arquivo em sua mesa. “Knox e eu estamos tentando engravidar. É preciso muito trabalho para fazermos direito.” “Óunnn... Eu posso ver Knox segurando um bebê. Ele vai ficar tão bonito.” "Não diga isso a ele. Ele tem medo de derrubá-lo.” Diamond abriu a pasta. “Eu disse que ele poderia praticar com o bebê de Willa. Lucky vetou essa ideia, no entanto. Ele mal está compartilhando o bebê com Willa, e é ela quem amamenta.” “Por que ele não pratica com Ema? Ele e Cash andam juntos, e ele está perto de Sex Piston e os filhos da Fat Louise.” “Eles sempre choram quando ele tenta brincar com eles. Ele está preocupado que o seu bebê não vai gostar dele, e não poderemos devolvêlo.” “Coitado.” A testa de Holly franziu enquanto ela pensava. "Posso fazer uma sugestão?" "Vá em frente. Estou no final da minha sagacidade em lidar com ele. Está começando a afetar a nossa vida amorosa, se você me entende?” “Vá a uma loja de brinquedos e compre alguns brinquedos para manter a mão. Os brinquedos podem distraí-los do tamanho do Knox.” “Isso pode funcionar.” “Se isso não funcionar, faça alguns bolinhos. Isso funciona com a Willa. Todo mundo ama ela.” Holly pegou a pasta de volta depois que Diamond assinou o contrato. "Obrigada. Quando eu tiver um menino ou menina, vai ser por causa de sua sugestão.”


“Estou de volta na sua ilha e Knox”? "Não."


19

Greer olhou sobre a bandeja de anéis que Dalton West tirou do estojo de joias de fantasia para mostrar a eles. Ele observou Holly escolher o menor, o que estava dizendo algo. Ele admirou a sua visão ao escolher aquele, porque ele precisava de uma lupa para ver uma pedra em qualquer um deles. “Quanto é este?” Holly deslizou o anel em seu dedo magro, olhando para ele com uma expressão sentimental. “Não importa quanto custa; não é o que procuramos.” Greer pegou o anel, colocando-o de volta na bandeja. “Deixe-me olhar para os outros. Desta vez, verifique se eles têm uma pedra neles.” Greer olhou para o filho da puta esnobe. Dalton afastou a bandeja, olhando pela loja, como se pensando mentalmente o quanto Greer seria capaz de gastar. “Se você for para o outro lado, eu posso te mostrar uma boa bandeja de joias usadas.” Dalton tinha cometido um erro fatal, onde Greer estava envolvido. Enfiando a mão no bolso do seu jenas, entregou a Holly as chaves da caminhonete. “Vá lá fora e espere por mim.” Ela agarrou seu braço, sem sair. “Greer-” “Vá... Para... A... Caminhonete agora.” Se ela hesitasse um segundo mais, ele bateria em sua bunda quando ele voltasse para a caminhonete. Greer não perdeu o movimento que Dalton fez para o guarda de segurança ao lado da porta.


“Greer, eu não quero nenhum problema. Eu quero que você saia. Desculpe-me, se eu não tenho nada que possa atender às suas necessidades.” “Dalton, eu não sei como você deixa os homens tratar aquela a sua cadela rica, mas a mulher que saiu por aquela porta é minha. A única razão pela qual eu pisei nesta loja era porque eu não queria tirar dinheiro do bolso de um homem porque ele escolheu a mulher errada para se casar.” “Você não é bom o suficiente para lamber a sola dos pés de Lisa. Você não passa de um traficante de maconha. Poupe-nos o tempo e problemas. Eu não aceito maconha como pagamento pelos meus diamantes.” A mão de Dalton baixou para o vidro de sua vitrine. Greer olhou para as carnudas mãos pálidas que nunca conheceu um dia de trabalho duro. Dando a Dalton um olhar zombeteiro inocente, Greer inclinou o chapéu para a parte de trás de sua cabeça. “Você está difamando meu caráter? Minha noiva trabalha com Diamond RichardsBates, e ela vai processar o seu traseiro se eu encontrá-la e repetir essas acusações. Não se esqueça que meu primo Drake é o prefeito da cidade. Ele não vai ficar feliz em saber que um empresário está chamando seus parentes de lixo.” “Se você terminou, fique à vontade para sair e fazer seu negócio em outro lugar.” “Eu vou.” Ignorando Dalton como se ele fosse uma merda, Greer estendeu a mão para Virgil, o guarda de segurança. “Eu não vi você em Rosie faz tempo. Você está bem?” "Não posso reclamar. Parabéns pelo seu noivado. Ela é uma coisinha linda.” "Obrigado. Vou pedir a Tate para te ligar para avisar quando eu terei a minha despedida de solteiro.” "Eu não perderia isso." Greer levou mais um minuto para atirar merda apenas para irritar o falastrão atrás dele.


Ele assobiava quando ele voltou para sua caminhonete, piscando para Holly quando ele direcionou a caminhonete para Jamestown. “Fiquei esperando o segurança jogá-lo para fora ou ver a viatura de Knox parando no estacionamento.” “Virgil não conseguiria jogar um gato de rua. Ele tem uma lesão antiga por causa do futebol em seu ombro. Dalton não ligaria para Knox até a hora do almoço. Ele está tentando engravidar Diamond.” Holly cobriu a boca. “Isso já virou fofoca na cidade? Como eles sabem? Diamond só me disse hoje, e Knox não conta-” “Ele não precisa. Todo mundo vê sua viatura estacionada na frente de sua casa, e ele coloca qualquer um que os perturba na cadeia, se eles ligarem.” “Isso não que dizer nada. Knox não é muito amigável, de qualquer maneira.” “Ele também tem a fofoqueira mais ativa da cidade em sua recepção.” Holly começou a rir. “Diamond disse que ela deve possuir sua própria cabine de bronzeamento, e que ela deve ter setenta vestidos e os usa como se tivesse vinte anos de idade.” “Isso descreve muito bem ela.” "Onde estamos indo?" “Jamestown. A menos que você queira ir para Lexington?” "Não. Temos que pegar Logan depois da escola.” Greer ligou o rádio enquanto eles dirigiam, tamborilando os dedos contra o volante. “Como Diamond reagiu quando você disse a ela que iremos nos casar?” “Ela disse que eu estou fora de sua lista de convidados, se o apocalipse zumbi acontecer.”


Ele lhe deu um sorriso rápido antes de voltar sua atenção para a estrada. "Não se preocupe; se o apocalipse acontecer, ela estará implorando para nós irmos. Não vejo Knox em busca de alimento, não é?” “Ele não precisará buscar. Diamond acumulou suprimentos suficientes para que pudessem viver lá indefinidamente.” “Sua chefe é louca como um cão de caça.” “Como o meu cão está?” “O bastardo preguiçoso odeia caçar. Ele só se levanta quando ele quer um deleite que você mantém na jarra.” "Pobre bebê. Eu preciso ir visitá-lo e verificar minhas galinhas.” “Estão todos bem. Você não precisa ir.” Suspeita encheu seu rosto. “Todas as dezoito de minhas galinhas estão muito bem.” Greer amassou seu rosto em uma careta. “Eu só contei doze esta manhã.” Ele riu, batendo no volante com a expressão dela. “Todas as dezoito ainda estão respirando e engordando.” “Isso é bom para você, então.” "Por que é bom para mim?" “Eu estou contando minhas galinhas antes que eu diga o que farei.” Ela ainda estava rindo quando ele estacionou em frente à loja de joias. Saindo da caminhonete, ele abriu a porta. “Você pode dar isso, mas você não pode tomá-lo” ela brincou, acariciando seu rosto zombeteiramente. “Mulher, eu posso tomar qualquer coisa que você por no meu prato.” Pressionando-a contra sua caminhonete, ele levou a sua boca para a dela, esmagando seus lábios de pétalas macios sob os seus, usando sua língua para saquear sua boca. Era diferente dos outros beijos que ele lhe dera.


Mudando de tática, passando a explorar exigindo sua resposta, ele não lhe deu tempo para se afastar. Ele exigiu que ela viesse no passeio de desejo com ele. Quando ouviu seu gemido ofegante, ele a soltou. “Você está pronta para ir fazer isso?” Ela piscou várias vezes. "Fazer o que?" Deu-lhe um olhar exasperado. “Vá escolher seu anel.” Pegando o seu braço, ele a levou até a loja de joias antes que ela pudesse recuperar o juízo. "Como você faz isso?" Greer passou um braço sobre seus ombros, puxando-a para perto. “Chama-se ser um garanhão.” Holly tentou se afastar de seu braço enquanto ele a guiou para um dos balcões para distraí-la de querer matá-lo. Uma mulher elegante, sem um fio de cabelo fora do lugar deu-lhes um sorriso acolhedor. "Posso ajudar?" “Tenho certeza que pode senhora bonita. Eu estou tentando encontrar para a minha menina um anel. Pode me ajudar a encontrar o que estou procurando?” Seus lábios esticaram em largo sorriso. "Sim eu posso. Qual é o orçamento que você está pensando?” “Nenhum orçamento. Ele só tem que ter um monte de brilho para coincidir com o fogo em seus olhos.” A vendedora praticamente desmaiou quando os guiava para um escritório onde eles estariam fora de vista dos clientes ao redor da loja. “Agora, esta mulher quer fazer uma venda” ele murmurou quando a mulher os deixou para trazer uma seleção de anéis. “Greer, eu achei que nos gastaríamos quinhentos. Mil, no máximo. Vamos embora. Vou ligar para Dustin e pedir para ele pegar Logan, para que possamos ir para Lexington. Eles serão mais baratos lá.” “Mulher, você está tentando me insultar?”


"Claro que não. É só que agora ela acha que estamos indo para comprar um anel caro.” Ele deixou cair o braço ao redor de seus ombros. “Você está tentando cortar minhas bolas ou-” “Não.” Sua voz cheia de lágrimas o fez virar ela para a parede em branco. “É só que um anel caro nunca significou muito para mim. Você sabe que te amo. Não é exatamente um segredo. Eu só quero me casar com você. Eu teria ficado feliz com um daqueles anéis usados que Dalton tinha.” “Eu não vou comprar para você um anel que outro homem deu a outra mulher.” Suspirando, ele baixou o seu orgulho pelo tempo suficiente para não estragar o dia. “Eu não vou comprar nada que eu não possa pagar, tudo bem? Quando sairmos, o anel que estará em seu dedo vai ser comprado e pago em dinheiro.” “Certo.” Ela esticou a mão, e Greer pegou. Ele não era muito de demonstrações de afeto, mas o olhar sonhador que ela estava dando a ele o fez estufando o peito enquanto a vendedora voltou para a sala, segurando uma bandeja. “Eu não sabia que estilo você queria, então eu trouxe vários para ajudá-los a decidir.” Greer observou os olhos de Holly piscarem para as pedras preciosas. Seus olhos se iluminaram em uma no canto superior antes de se afastar. Ela então pegou um no canto inferior, mas Greer a deteve, pegando o anel que ela tinha olhado primeiro o entregando a ela. “Tente este” ele ordenou, sabendo quando ela mordeu o lábio que ela queria perguntar o preço. “Holly, confie em mim. Tente este." Sua mão tremia quando ele deslizou o anel em seu dedo. Era um ajuste perfeito. “Essa é uma excelente escolha. É o melhor anel que temos na loja.” Ela começou a explicar o estilo e a clareza que o tornava tão único. “Se você for para a janela, você vai realmente ser capaz de ver como o sol vai refletir sobre o diamante amarelo.” A joalheira riu. “Você disse que queria brilho; esse anel tem.”


“Sim, é verdade.” Greer se levantou, segurando o braço de Holly para levantá-la, em seguida, a levou até a janela para o anel ser atingido pela luz. “É lindo” ela respirou. "Você gosta dele?" “Eu amei” admitiu ela, então balançou a cabeça como se quisesse sair do entorpecimento. “Mas não sabemos o quanto ele-” “Não importa.” Ele se virou para a vendedora. “Nós vamos levá-lo.” Mesmo a vendedora levantou uma sobrancelha para a escolha rápida, hesitando. “É vinte e dois mil dólares.” “É o melhor preço que você pode fazer? Eu vi um monte de placas de venda lá fora.” “Eu posso perguntar ao meu gerente se podemos dar um pequeno desconto” disse ela, levantando-se. “Traga-o aqui. Vamos fazer isso acontecer.” Ele sentou-se à mesa, e Holly sentou ao lado dele. Quando ela ia tirar o anel, ele a deteve. "Mantenha-o. A posse é noventa e nove por cento da lei.” A balconista praticamente correu saindo da sala por isso. Quando Holly deu-lhe um olhar furioso, ele deu de ombros. “Eu estava brincando para ver a reação dela.” “Por favor, tente se comportar?” “Eu não estou fazendo nenhuma promessa.” Ele ajeitou a postura relaxada, quando o gerente entrou na sala. “Olá, Cheira me disse que você quer comprar um anel.” “É um nome bonito para uma mulher bonita.” Greer deu um sorriso lisonjeiro antes de colocar suas vistas no gerente. “Não tenho como contestar isso.” Greer esticou a mão, levantando a mão de Holly ao joalheiro para que o homem pudesse ver o anel que ele pretendia comprar. “Essa é uma excelente escolha.”


Greer decidiu que era hora de parar de brincadeiras. Era hora de falar de dinheiro. “Essas são exatamente as mesmas palavras que Cheira usou. Querida, deixe-me ver o anel por um minuto” ele perguntou a Holly, sem tirar os olhos do gerente. Pegando o anel quando Holly entregou a ele, com a outra mão, ele enfiou a mão no bolso. Sentindo Holly se mexer, seus lábios se curvaram em um sorriso tranquilizador quando ele tirou a lupa, mostrando aos vendedores que tinha trazido a dele também. "Você se importa?" Os olhos do gerente estreitaram nos seus. "Não, vá em frente. Nos certificamos os nossos diamantes para padrões muito exigentes.” Greer não se distraiu, procurando a clareza. A lupa em cima da mesa era um padrão 10x. A sua era mais forte e tinha uma lente acromática, aplanético. Ele seria capaz de ver a mais ínfima inclusão do que apenas a pedra. Levantando-se, ele se virou para a janela, se certificando que não afetaria a aparência do diamante. Ele também não afetou a própria pedra. Greer baixou a lupa, olhando para a beleza impressionante do anel. Era o anel que ele queria ver na mão dela. “Vou te dar quinze.” Dando uma oferta ridícula ele voltou ao seu lugar, pegando a mão de Holly e deslizando o anel de volta em seu dedo. “É vinte e dois mil. Eu posso ser capaz de baixar um pouco, se você utilizar um cartão de crédito..” “Nenhum cartão de crédito. Eu tenho dinheiro.” “Nós não aceitamos cheques.” “Não é um cheque no meu bolso de trás; é verde. Vou dar-lhe dezesseis. O diamante é amarelo; quantas mulheres entram em sua loja procurando diamantes amarelos?” A boca do gerente começou a bater como um peixe fora d’água. “Diamantes amarelos agora são populares-”


“Não é popular em Jamestown. Aposto que a minha mulher é a primeira mulher a experimentar esse anel. Há quanto tempo você o tem na loja?” "Não importa. Temos uma filial em Lexington. Se eu não conseguir vendê-lo aqui, eu vou enviá-lo para lá.” “Eu estou disposto a apostar que eles o enviaram até aqui, esperando que você pudesse conseguir algum otário para comprá-lo.” O gerente do outro lado da mesa pegou uma calculadora fina do bolso do seu terno. “Eu posso fazer um desconto e o anel custará vinte mil.” “Você quer ficar em Jamestown para sempre? Se você vender esse anel, isso fará que a loja em Lexington tenha conhecimento.” Ele apertou os números na calculadora novamente. “Dezenove e quinhentos. E esse é o preço mais baixo que eu posso fazer.” “Eu acho que dezesseis e quinhentos soa melhor. Sabemos da remarcação das joias. Eu vou te dizer o seguinte, se você vender esse anel por dezesseis e quinhentos eu vou garantir que todos que compram joias em Treepoint venham até aqui. Eu também tenho um amigo que mora aqui em Jamestown que está sempre comprando para a esposa dele uma joia bonita. Eu vou ter certeza que ele compre aqui e mencione isso para todos os seus amigos.” "Qual é o nome do seu amigo. Talvez eu já o conheça?” “Eu não sei o sobrenome dele, mas eu vou ter certeza quando Stud vir para se apresentar.” "Stud?" “Ele é o presidente do Moto Clube Destructor. Você o conhece?" O rosto do gerente ficou branco. “Eu ouvi falar deles.” “Você já ouviu falar dos Last Riders, também? Eles têm um clube em Treepoint e uma filial em Ohio.” “Eu ouvi falar deles, também.”


“Eu e Viper somos melhores amigos. Ele é o presidente, e ele está sempre comprando joias para a esposa dele. Eu sou o padrinho de sua filha.” Ele manteve seu rosto impassível quando o gerente começou a suar. Ele levantou a mão para o homem apertar. “Nós temos um acordo?” O homem nervoso colocou a calculadora no bolso antes de apertar a sua mão. “Deixe Cheira tirar o anel. Ela vai limpá-lo e colocá-lo em uma caixa para você.” “Holly vai usá-lo. Você pode colocar a caixa em uma sacola.” O gerente assistiu a sua assistente pegar o anel, puxando livro de notas para si mesma e rabiscando o preço do anel em um nota fiscal antes de entregá-lo a ele. Greer tirou um envelope de dinheiro do bolso de trás, deixando o gerente olhar para ele avidamente enquanto ele contava as notas de cem dólares. Tirando o suficiente para pagar o anel, mentalmente calculando o imposto. Fechando o envelope, ele empurrou o maço restante do dinheiro de volta no bolso. Quando o gerente se desculpou, Greer se recostou na cadeira, satisfeito com o acordo que ele tinha conseguido. Assobiando, ele viu Holly olhando para ele. "O que foi?" “Você intimidou aquele pobre homem para fazer esse anel por um preço mais baixo.” “Isso mesmo. Ele viu que eu não era um otário quando entrei por aquela porta.” “Você não é otário. Você é um-" "Cuidado. Você pode ferir meus sentimentos novamente.” Ela deu um suspiro exagerado e Greer assobiou mais alto, em seguida, parou quando a vendedora entrou com o anel e o troco da venda. O gerente obviamente não queria ver seu rosto novamente. Pegando o troco, ele folheou as notas, pegando uma nota de cinquenta dólares e entregando-o para a mulher. “Compre um jantar. Eu agradeço por sua ajuda."


A mulher nervosa pegou os cinquenta, colocando-o no bolso. "Obrigada." Pegando o anel dela, Greer deslizou no dedo de Holly. Virando a palma da mão sobre ele, em seguida, deu um beijo nela antes de fechar os dedos. “O que foi isso?” Holly olhou para ele, extasiada, enquanto a vendedora olhava com aprovação. “Por concordar em se casar comigo.” “Você é uma mulher de sorte.” A balconista estava toda comovida. Greer sorriu arrogantemente, estufando seu peito. "Sim ela é."


20

Atiradordeelite: Posso passar aí? Garotadokentucky: Não. Atiradordeelite: Por que não? Garotadokentucky: Porque eu ainda estou chateada com você. Atiradordeelite: Você não pode culpar um homem por tentar poupar algum dinheiro. Garotadokentucky: Você pediu para levar a mim e Logan para comemorar o nosso noivado então, fez a garçonete pedir a King por um cupom. Atiradordeelite: Você está me culpando? Eu não achei que você ia pegar o bife mais caro no menu. Garotadokentucky: !! ?#? ## Atiradordeelite: Mulher, você está me xingando? Sala de bate papo fechado.

HOLLY BATIA O PÉ IMPACIENTEMENTE, esperando Greer aparecer. Se ele não estivesse lá em cinco minutos, ela prometeu a si mesma que ela voltaria para dentro do escritório de Diamond. Se ela não tivesse deixado Dustin pegar seu carro para que ele pudesse verificar a luz do motor e substituí-la, ela já teria saído. Dustin disse que Greer lhe daria uma carona, apesar de seus protestos de que ela podia andar. Ela sabia que o homem esperto planejava passar a noite com ela, já que Logan estava passando a noite em sua casa.


Justamente quando ela estava prestes a entrar, Beth e Lily estacionaram em frente ao seu prédio. As duas mulheres saíram do carro, cumprimentando-a. “Parece que vocês duas estão em uma missão” Holly disse depois de cumprimentá-las. O cabelo loiro de Beth brilhava ao sol, enquanto o cabelo de Lily era escuro. As duas irmãs eram as pessoas mais agradáveis da cidade. Lily gerenciava a loja da igreja, e sua irmã trabalhava com os idosos, para que eles pudessem manter a sua independência ao viver em casa. “Nós estamos tendo uma noite fora com as nossas amigas. Você gostaria de vir?” Lily perguntou com entusiasmo. “Eu adoraria, mas eu estou esperando por Greer.” Beth sorriu. “Shade disse que você está noiva. Parabéns." "Obrigada. Vocês estão ambas convidadas. Eu não decidi sobre a data ainda.” Holly começou a perguntar como Shade havia descoberto tão cedo, mas depois decidiu que não queria saber. “Ele disse que você vai se casar na próxima semana.” Parecia que o marido de Lily sabia muito. “Ele mencionou o dia e a hora? Eu meio que gostaria de saber, desde que eu estou planejando ser daqui a três meses a partir de agora.” Ela já tinha desistido de seis meses, decidindo que qualquer homem normal seria capaz de esperar. Agora ela percebeu que teria a sorte em convencer ele em três meses. “Não, mas você quer que eu descubra?” Lily perguntou séria, então riu quando sua irmã mais velha a cutucou. “Eu sei quando a despedida de solteiro é. É na próxima sexta-feira. Ele convidou Shade, Viper, e Knox.” Greer buzinando a fez olhar para cima no momento que ele parou ao lado do carro de Beth. Despreocupado com o barulho que ele fez, ele saiu da sua caminhonete. “Ei, garotas, vocês estão esperando por mim?”


Beth e Lily rolaram seus olhos para a saudação de Greer. “Não, nós estamos saindo com Diamond e algumas outras amigas. Tentamos fazer Holly sair com a gente, mas ela se recusou” Beth explicou. “Ela mostrou-lhes o grande anel que eu dei a ela?” "Ainda não." Envergonhada, Holly esticou a mão, mostrando-lhes seu anel de noivado. “É lindo” Beth elogiou quando Lily concordou. “Parabéns!” Beth foi para abraçá-lo, mas Greer deu um passo atrás, fazendo as mulheres olhar para ele sem jeito. “Não preciso dos Last Riders chutando a minha bunda por tocar suas mulheres. Está pronta, Holly?” “Sim.” Holly tentou romper o momento desconfortável. “Eu vou falar com você mais tarde. Tchau." As mulheres entraram enquanto ela subia na caminhonete de Greer. Ela esperou até que eles estavam dentro de sua casa para abordar o assunto de por que ele tinha agido de forma tão estranha. “Você não gosta de Beth e Lily?” Greer sentou-se no sofá. “Eu acho que elas são boas. Por quê?" Ela tirou os sapatos antes de se enrolar no sofá ao lado dele. “Você não as deixou te dar um abraço.” “Eu não queria te fazer ciúmes. O que tem para o jantar?" “É tudo o que você pensa?” “Não, eu penso muito em sexo, também.” Holly não queria entrar nessa. Ela começou a sair do sofá quando ela se viu puxada para seu colo. “Eu falei com Lucky para nós nos casarmos no próximo domingo às duas horas.”


Holly já estava balançando a cabeça antes que ele pudesse dizer o dia. “Então você precisa ligar e cancelar. Eu posso planejar um casamento em três meses. Vai ser difícil, mas é administrável.” “O que você precisa fazer? Você não tem que fazer nada, a não ser conseguir um vestido e colocá-lo. Eu posso cuidar do resto.” Colocando as mãos em sua camisa, ela brincava com um dos botões. “E sobre o local? Eu pensei que ia me casar na igreja. Eu preciso reserva-” “Eu pensei em nos casar no campo atrás da casa. Mas se você quer-” “Esse gramado não é nem mesmo iluminado. Está cheio de espinhos e galhos de árvores. Eu gosto da ideia de um casamento ao ar livre. A propriedade de Sutton tem uma clareira bonita. Se ela não se importar, nós poderíamos nos casar lá. Eu vou ter que escolher as flores que eu quero e ver se Abe pode obtê-los no tempo. Nós vamos ter que contratar um fornecedor, também.” Ela segurou suas mãos no ar. “Você vê agora por que não podemos fazê-lo na próxima semana? É impossível." Greer levou a mão à sua coxa, esfregando-o suavemente. O calor vindo dele não a fez sonolenta. Ele a fez se sentir um formigamento e quente. Quando ela sentiu que ele empurrou seu cabelo atrás da orelha, colocando um beijo em sua mandíbula, ela vacilou na sua determinação. “Eu acho que, uma vez que vai ser um casamento ao ar livre, nós poderíamos fazê-lo no final do mês.” “Eu já paguei para o King atendê-la. E quem precisa de flores quando teremos a glória da natureza?” Ela inclinou a cabeça para trás. “Você pode ser muito espiritual às vezes, apesar de não aparecer na igreja, a menos que você esteja tentando pedir Jo para um encontro.” “Eu e a igreja temos uma relação de amor / ódio. Eu amo a Deus, mas eu odeio os hipócritas que vão à igreja todos os domingos.”


“Greer, nós não vamos a igreja para qualquer outra coisa, apenas o amor de Deus. Você é responsável por suas próprias ações, não a pessoa sentada ao seu lado.” “Minhas florestas são minha igreja. Eu tenho um entendimento com Deus.” "Você faz?" Seus lábios tinham vindo a explorar seu pescoço. Na sua pergunta, ele levantou a cabeça para olhar para baixo em seus olhos. “Ele não espera que eu faça qualquer coisa que eu não posso fazer, e eu não espero ele fazer qualquer coisa que não posso fazer.” Sua testa baixou na dele. “Você é um tipo tudo-ou-nada de homem, não é?” "Sim." “Você vai me deixar fazer a lista de convidados?” “Você pode fazer. Mas eu só estava pensando em Dustin, Rachel, Cash, Tate, Sutton, e Logan. Se você tem que convidar mais, você pode convidar Drake, Bliss, e Darcy.” “Diamond é a minha dama de honra.” Ela colocou a mão em seu rosto, não o deixando desviar o olhar, sentindo os músculos esticando de sua mandíbula sob a ponta dos dedos. “Então Diamond e Knox.” “Eu já convidei Beth e Lily, por isso tenho de convidar seus maridos e filhos.” "Alguém mais? Ou nós apenas vamos convidar todo o maldito Condado?” “Há Viper, Winter, e Aisha, uma vez que ela é sua afilhada.” “Eu poderia ter exagerado na extensão dessa amizade.” "Não importa. Winter ensina na escola de Logan aos domingos, por isso estou convidando-os.” “Droga, mulher, o casamento vai me custar uma fortuna.”


“Eu tenho algum dinheiro. Eu decidi não ter a minha cirurgia de mama.” “Então, podemos casar no próximo domingo?” “Como se eu tivesse uma escolha?” Ela acariciou sua bochecha, em seguida, começou a ficar fora de seu colo. "Aonde você vai? Eu estava começando?” “Eu pensei que você me queria preparando o jantar?” Ela afundou de volta descendo para o seu colo, lentamente desabotoando sua camisa. Ele colocou a mão sobre a dela, impedindo-a de abrir o último botão. “Se eu não soubesse melhor, eu pensaria que foi você quem decidiu se casar tão rapidamente.” “Não, isso foi tudo ideia sua. Eu apenas decidi ir com o fluxo. É inútil tentar lutar contra você. É mais fácil ceder.” “Então, você está cedendo?” Ela assentiu com a cabeça antes de torcer para o lado e cair no sofá. Ela olhou para ele quando ela lambeu o lábio inferior e se esticou no sofá, com as mãos levantadas acima da cabeça. Sensualmente, ela então estendeu os braços para ele. Ele estava inclinando-se para ela quando seu celular tocou. “Foda-se!” Greer rosnou. “O que um homem tem que fazer para ter sexo?” Empurrando o celular do bolso, ele latiu, “O quê!” Holly usou seu cotovelo para levantar-se, em seguida, quase caiu no chão antes que ela se conteve. “Eu estarei lá em um minuto.” Greer empurrou as pernas de seu colo, levantando-se. "Onde você vai? O que está errado?" Ele nem se incomodou abotoando a camisa enquanto corria para a porta.


“Greer, me diga o que há de errado?”, Ela gritou, saltando do sofá para correr atrás dele. Ele estava quase fora da porta antes que ela conseguisse pegar o fim da barra de sua camisa. "Conte-me!" “Alguém invadiu nossa casa. Eu não tenho tempo para explicar agora. Eu vou falar com você mais tarde-” “Estou indo.” Ela começou depois dele. "Não! Fique aqui! Knox não vai deixar ninguém entrar até ele terminar. Dustin será vindo com Logan.” Com o nome de Logan, ela conteve-se, embora ela realmente queria ir com ele. Ela viu quando Greer saiu da garagem e fez a curva em direção a sua casa. Ela não se incomodou de fechar a porta, esperando por Dustin aparecer. Ela sabia que ele iria querer apressar-se para casa, tanto quanto Greer foi. Dois minutos depois, o carro de Dustin desceu a estrada a um ritmo mais calmo. Ela foi até a garagem, pronta para abrir a porta do carro, quando ele parou. Logan soltou o cinto de segurança e saiu de seu assento. Ela queria fazer perguntas a Dustin, mas não o fez quando viu o aviso que ele passou por cima do ombro. Tomando a mão de Logan, ela fechou a porta, e assim que abriu o caminho, Dustin estava saindo. “Há algo errado, Holly? Papai nos fez deixar o jantar antes de nós acabarmos de comer.” “Tenho certeza de que está tudo bem. Vou fazer-lhe outra coisa para comer, se você ainda está com fome?” "Não. Posso assistir a desenhos animados?” “Sim, eu vou vê-los com você.” Ela soltou a mão dentro da porta, preocupada com o que estava acontecendo em sua casa. Ela estava tentada a chamar Beth e perguntar


se Logan poderia ficar com ela para que ela pudesse ver o dano que tinha ocorrido a sua casa. Ela estava tão decidida a pensar em ir para lá que ela não ouviu seu telefone celular tocando atrás dela. “Holly, o seu telefone está tocando.” Ela virou-se da porta, levando o telefone da mão de Logan. Vendo que era Greer, ela atendeu, em seguida, desejou que ela não tivesse. “Fique na casa do caralho!” Seu grito teve que segurar o telefone longe de sua orelha. “Ok!”, Ela gritou de volta, ouvindo-o terminar a chamada. Como ele sabia que ela ainda estava do lado de fora? Olhando em volta, ela não notou ninguém assistindo. No entanto, ao ir para dentro, ela olhou para cima para ver uma câmera apontada para onde ela estava de pé. Antes que ela pudesse fechar a porta, o telefone tocou novamente. Sabendo que era Greer porque ela não era rápida o suficiente para ele, ela desligou a câmera antes de fechar a porta. Assim que ela fez, seu telefone parou de tocar. "Babaca", ela murmurou. “O que você disse, Holly?” Logan estava de joelhos, inclinando-se sobre o encosto do sofá, olhando para ela com inocência infantil. “Eu perguntei o que você queria assistir?” Holly mudou o canal quando ela se sentou ao lado de Logan para assistir ao desenho animado que ele tinha pedido. Ela ainda estava imersa em seus pensamentos sobre o que estava acontecendo para fazer alguém invadir a casa de Greer. Ela sabia que Tate e Greer tinham proteções no lugar, para que ninguém pudesse dirigir-se pela longa e sinuosa estrada para a sua casa sem alertá-los. Quem quer que tenha arrombado a casa tinha que ter conhecimento desse fato também.


Quanto mais cedo ela estivesse em casa, melhor. Ela tinha decidido não deixar a chance de estar com Greer escapar por entre os dedos outra noite. Foi por isso que ela só tinha colocado um símbolo de protesto de esperar para se casar. Greer ama caçar. Ele iria ficar pronto para ir caçar por dias antes da data que ele tinha escolhido para ir. Quando a data chegasse, ele iria sair antes de o sol nascer, em seguida, voltar para casa exausto e sujo, comentando sobre qualquer animal que tenha tido azar de ser pego por ele. Ele pensou que a chantageando com Logan e do amor de sua família, ele iria pegar uma esposa. O homem estúpido não sabia que era tudo o que ela podia fazer para não arrastá-lo para o tribunal e se casar com ele lá. Ela poderia dizer a ele ... depois que a cerimônia de casamento tivesse acabado. Então, novamente, pensando sobre o quão cara a cerimônia ia ser ela provavelmente não deveria.


21

Greer olhou para o galinheiro, enojado com o que viu. A cena sangrenta poderia ter sido tirada de um filme de terror. O estômago de Greer podia aguentar muita coisa, mas a visão doentia fez ele morder de volta a bílis que subiu em sua garganta. Nem uma galinha tinha sido poupada pela fúria violenta daquele que tinha matado os animais indefesos. “As que ele capturou foram batidas contra a gaiola. As que ele não conseguiu capturar, ele chutou até à morte.” Tate se levantou depois de estudar as pegadas que passaram pelo portão agora inútil que foi arrancado de suas dobradiças. “Como eles passaram pela câmera, na frente da calçada? Devíamos ser alertados, logo que o carro passou.” “Eles não dirigiram. Alguém veio de dentro da floresta no fundo da casa. Eu verifiquei minhas armadilhas. Cada uma delas foram desarmadas.” “Fodido filho da puta.” Greer ecoou maldição de Tate, somando mais uma das suas quando ele entrou na casa para pegar sacos de lixo. Agarrando a caixa inteira, ele estava saindo pela porta quando o carro de Dustin parou. Seu irmão mais novo empalideceu quando viu a visão que o cumprimentou quando ele saiu do carro. “O que diabos aconteceu?” Greer pulou da varanda, sem se preocupar com os degraus. “Aparentemente, alguns desgraçados decidiram levar seu ódio em nossas galinhas em vez de nós.”


Dustin olhou horrorizado para a mensagem repugnante que havia sido deixada para trás. “Isso vai quebrar o coração de Holly. Ela adora essas galinhas.” Greer arrancou três sacos de lixo, entregando um para cada um dos seus irmãos. “Ela não vai saber. Dustin, vá para o celeiro e pegue algumas luvas.” Tate abriu o saco de lixo, esperando Dustin voltar. “Você realmente não acha que você vai enganá-la com outras galinhas, não é?” "Vou tentar. Ela as conta. Enquanto ela tenha dezoito, como ela vai saber? Não é como se ela pudesse diferenciar uma galinha da outra.” “Agradeço a fodida hora que eu decidi levar Logan para o restaurante.” Dustin voltou, entregando as luvas. “Será que eles pegaram o seu cão, também?” "Quem me dera. O idiota está escondido debaixo da varanda. Ele está com muito medo de sair. Ele sabe que eu vou matar o seu rabo sarnento.” Tate acabou arrancando o portão das galinhas, inclinando-se para o lado, quando começaram a limpar as galinhas. “Você não pode matar Hunter. Acho que até Holly notaria se você trocasse de cão.” Greer estava pronto para arriscar. O cão era inútil. Os irmãos estavam acostumados a trabalhar lado a lado. Eles removeram as carcaças das galinhas, jogando-as na parte traseira de sua velha caminhonete. Estava ficando escuro, então ele teria que esperar até de manhã para cobrir o galinheiro, mas os holofotes que foram feitos para clarear o quintal lhes permitiu consertar a cerca e colocar o portão. Quando isso terminou, eles entraram na casa, onde Tate tinha ligado para Sutton vir já que as galinhas tinham sido removidas. Ela tinha feito o trabalho rápido de limpar a casa que estava em ruína. “Eu fiz uma pilha do que não poderia ser embalado e precisa ser jogado fora. Tate, você pode me ajudar a virar o sofá e cadeira?”


Greer afastou Sutton do caminho. “Vamos lavar as mãos. Nós vamos fazer." Eles endireitaram o sofá enquanto Dustin ensacava os quadros e molduras que foram destruídos. “Eu vou levar as colchas para minha casa e tentar consertá-las”, Sutton ofereceu. "Eu apreciaria. Mãe trabalhou nessas colchas a cada inverno.” Greer olhou para as colchas, sabendo que seria quase impossível para Sutton repará-las. Sua mãe tinha feito quatro, uma para cada um de seus filhos e uma para si mesma. Rachel tinha levado a dela quando ela tinha se casado com Cash e Tate tinha levado a sua fora da arca de cedro, quando ele tinha casado com Sutton. A sua, de Dustin, e de sua mãe tinham sido rasgadas em pedaços. “Pelo menos eles não conseguiram queimar a casa para baixo.” Dustin foi até a pia para remover as luvas e lavar as mãos na pia. “Esse gás que está na porta traseira teria sido o suficiente para destruir a casa e o celeiro.” “Eles não foram perto do celeiro.” Greer tirou o chapéu em um acesso de raiva, atirando-o na parede que tinha sido pintada. Todo o trabalho que ele estava fazendo na casa havia sido destruído. “Sinto muito, Greer. Eu sei o quão duro você está trabalhando na casa.” Ele deu de ombros longe da mão compassiva de Sutton em seu braço. “Eu vou para a loja de manhã e comprar mais alguma tinta. Vou ter que pedir outra pia e vaso sanitário. Eu iria colocá-los neste final de semana quando Logan estivesse com Holly.” “O que Knox disse quando Tate o chamou?”, Perguntou Dustin. “Ele apenas tirou fotos e foi embora. Não disse muita coisa.” Tate sentou-se no sofá que tinha arrumado. “Se meu cão não tivesse continuado a ladrar, não teríamos conhecimento que tinha alguém aqui até que os detectores de incêndio disparassem. Eles destruíram a câmera


de vídeo na sala de Greer, por isso não poderia ter uma maneira de mostrar-lhe quem poderia ter feito isso.” “Eu não preciso de uma câmera para saber quem fez isso.” Greer sentou-se na cadeira, enterrando seu rosto nas mãos antes de olhar para os olhares de sua família. “Diane foi quem fez isso.” Dustin sacudiu a cabeça. “Ela não poderia. Quem matou aquelas galinhas sabia como ...” Seu irmão parou de falar, vendo a certeza nos olhos de Greer. “Sim, eu estou certo que ela fez isso. O que eu quero saber é quem a ajudou. Ela está vendo Luke, mas os Hayes vive do outro lado da montanha, para que pudessem ter vindo pelo caminho até a nossa propriedade.” Tate sentou-se assim Sutton poderia sentar-se ao lado dele. “Nós não podemos acusar os Hayes sem provas.” “Quando eu chegar a minha prova, podemos resolver com eles, mas eu vou lidar com Diane eu mesmo.” “Por que você acha que ela estava por trás disso?” Os olhos de Sutton passaram de seu marido aos seus. Greer permaneceu em silêncio. Ele sabia que seus irmãos estavam indo para dar-lhe o inferno pela sua resposta. “Greer, o que você fez?” Balançando em seus pés, ele andava ao redor da sala, parando em frente ao sofá onde Tate estava sentado e Dustin estava atrás dele. “Eu disse a Diane que se ela pudesse permanecer fiel a mim por alguns meses, eu me casaria com ela. Quando levei Holly para a loja de joias no outro dia para comprar seu anel, Dalton deve ter dito a ela que eu ia casar com Holly.” “Por que Dalton ia dizer a Diane?” Dustin olhou para ele, não recebendo a mensagem que ele estava tentando dizer-lhes. “Diane tem brincado com Dalton,” Tate respondeu por Greer.


“Sim, eu peguei-os juntos na cama. Eu lhe disse que tinha terminado com ela então. Eu acho que ela acreditou em mim quando Dalton disse a ela que estava comprando um anel para Holly.” “Eu tento dizer-lhe que ela era um problema há anos.” A sobriedade de Tate machucou-o mais do que quaisquer palavras. “Ela estava vestindo uma camisa de margarida.” “Ela estava na sexta série do caralho. Você foi perseguindo esse sinal desde que a viu pela primeira vez. Dustin e eu lhe dissemos que ela não era a pessoa quando eu a peguei fodendo com Asher, durante um de seus jogos de futebol.” “Por que importa o que Diane estava vestindo?” Sutton colocou a mão na perna de Tate. Tate levantou uma sobrancelha, deixando a escolha para ele se deve ou não responder a sua pergunta. Indo para a janela, ele olhou para o jardim da frente, lembrando a visão como se tivesse acontecido ontem. “Tate já lhe disse que, quando o nosso pai pensava que merecíamos umas chicotadas na bunda, ele nos faria ir esperar no celeiro?” “Sim.” Desde a suavidade de sua voz, ele tinha certeza de que Tate tinha dito a ela mais do que ele esperava. “Um dia, ele ficou bêbado quando Mãe estava na cidade fazendo limpeza de uma casa ...” “Ele não estava bêbado. Ele estava destruído,” Tate interrompeu. “Ele era um mijo burro bêbado”, Greer concordou. “Mãe tinha mantido eu e Tate em casa depois da escola naquele dia, porque estávamos doentes com a gripe. Pai nos arrastou para fora da cama assim que Mãe saiu, dizendo-nos que se nós íamos ficar em casa, iríamos trabalhar. Ele tinha feito um lote de bebida alcoólica e nos queria andando de bicicleta para a casa velho de Carter. Estava congelando lá fora, mas o nosso pai não se importava. Enchendo nossas cestas, ele nos disse que era melhor não quebrar qualquer um deles ou teríamos um açoitamento na bunda. Eu quase fiz antes de eu distribuir. Eu ainda vejo aqueles frascos agitando enquanto eu andava sobre um pedaço de gelo.”


“Eu também.” A voz áspera de Tate estava cheia de suas próprias memórias daquela manhã há muito tempo no inverno. “Quando chegamos em casa, o pai estava esperando no celeiro. O velho Carter o chamou e lhe disse que ele estava apenas pagando por dez frascos.” Ele tinha montado pela longa estrada para casa, sabendo o que estava esperando por ele. “Tate tentou assumir a culpa por isso apenas um de nós teria que tomar a surra, mas eu não ia deixá-lo assumir a culpa por algo que eu fiz.” “Ele me deu a pior surra da minha vida, e isso é dizer muito. Em seguida, ele deixou Tate tê-lo por ter mentido. Quando ele se cansou, ele entrou em casa, nos trancando dentro do celeiro. Nós estávamos com frio, doentes, e sentindo tanta dor que não podíamos falar. Tate estava inconsciente ou tinha adormecido, mas eu estava bem acordado. Arrasteime até ele, tentando acordá-lo, mas não podia. Eu desisti e sentei ao lado dele, enrolado em uma bola, tentando manter-me aquecido. Eu coloquei minha cabeça para baixo em meus joelhos para evitar vômitos.” “Eu ficava pensando que eu estaria morto antes do Pai voltar para nós. Meus espíritos sussurravam que um dia, não estaríamos mais com fome, que eu não teria que ter medo do nosso pai, e que um dia, alguém iria me amar o suficiente para fazer a dor ir embora. Quando levantei minha cabeça, eu vi uma margarida e sabia que meus espíritos estavam me presenteando com um sinal. Quando eu tentei acordar Tate, desapareceu. Eu sabia que a margarida estava destinada somente para mim. Eu estive procurando por ela desde então. Eu pensei que era Diane. Eu estava errado." Greer se afastou da janela, deixando suas memórias para trás. “Diane contou com Luke ou Hayes para quebrar tudo aqui, e ela destruiu a casa enquanto eles mataram as galinhas. Quando ouviram o cachorro de Tate se aproximando, eles fugiram daqui antes que pudessem queimar a casa.” “Se eles planejavam incendiar a casa, porque quebrar tudo?” Sutton perguntou, consternada. Greer sorriu da auto ironia. “É aí que eles erraram.” Ele foi para a mesa da cozinha, onde Sutton tinha colocado as imagens dos quadros


quebrados, em seguida, voltou para a sala, jogando-os sobre a mesa de café. “Vê alguma coisa?” Sutton se inclinou, olhando para as fotos, então os que haviam permanecido intocados. “Ela não quebrou os sem Holly neles. Essa cadela!” “Isso, ela é.” Greer ouviu motores altos vindos de fora. Avançando em direção à porta, olhou para fora para ver seu quintal cheio de motociclistas. “O que você quer?” Greer perguntou ao presidente dos Last Riders, vendo Knox descer da moto que ele andava quando ele estava de folga. Cash e Razer levantou uma caixa de ferramentas grande para fora do banco de sua caminhonete. Mesmo o pastor e sua esposa saíram de seu carro, indo para o porta-malas para pegar uma cesta de alimentos. “Knox disse que alguém invadiu sua casa, teve uma festa, e deixou uma bagunça. Eu tinha alguns utensílios de pintura e banheiro que eu não uso em minha casa, então eu queria ver se você pode usá-los.” Train e Rider levantaram uma pia nova e Drake um vaso sanitário. “Quanto é que eu vou te dever por sua generosidade?”, Ele perguntou cético. "Nada. Eu vou estar feliz em tê-los fora da garagem. Train continua reclamando que eles estão ocupando espaço quando ele está trabalhando nas motos.” “Mova-se, Greer. Não olhe a boca de um cavalo presenteado.” Tate tinha-lhe movido para o lado quando os homens entraram, carregando o vaso sanitário e pia. Willa foi para a mesa da sala de jantar para colocar a comida para fora. “Evie e eu pensamos em trazer algo para os homens para fazer um lanche enquanto eles pintam. Ela queria vir, mas ela não quer estar em torno das emanações da pintura com ela grávida.” A esposa do pastor deu a Dustin um breve abraço antes de perguntar onde a jarra de café estava. “Eu não preciso de sua ajuda...”


Viper tomou uma das latas de tinta que Drake lhe entregara, colocando-a sobre a lona que o Cash foi espalhando. “A coisa engraçada sobre a ajuda é que você nunca sabe onde ela vai vir.” Usando uma faca de bolso, abriu a tinta, em seguida, usou uma vara de pintura para agitá-la. “Você tem tinta de sobra, também? É engraçado como o inferno como ela corresponde a minhas paredes.” Viper manteve a agitação. “Coincidências acontecem.” “Quanto você teve que pagar para abrir a loja de ferragens? Eu vou estar pagando-o de volta, e pelas outras coisas que você trouxe.” Viper levantou-se. “Eu não vou tocar em um centavo de seu dinheiro. Você não pode tomar o meu agradecimento por salvar a vida de Aisha, mas eu não estou dando-lhe a escolha de não levar a minha ajuda.” “Eu não fiz uma coisa..” “Onde estão os pincéis, Cash?” Viper virou-se, dando-lhe as costas. Greer sabia quando ele estava lidando com alguém tão teimoso quanto ele era. “Tem outro?” Viper estendeu a variedade que Cash lhe dera. “Isso não quer dizer que somos melhores amigos ou qualquer coisa, certo?” “Não, Greer. Amizade não é o que eu penso quando penso em você.” Ele sorriu, tomando o rolo e deixando Viper com o pincel pequeno. “Idiota vem à mente?” “Eu estava pensando fodido, mas idiota vai servir.”


22

Holly rolou mais em sua cama, quase caindo quando ela entrou em contato com um corpo deitado ao lado dela. Ela fugiria do quarto gritando, se o sol da manhã não tivesse permitido que ela visse o rosto adormecido de Greer. Com raiva, ela agarrou seu travesseiro, batendo-lhe com ele. “Saia!”, Ela assobiou. “Mulher, eu estou tentando dormir”, ele resmungou, rolando para o lado longe dela batendo travesseiro. “Então, vá para casa e durma em sua própria cama!”, Ela sussurrou furiosamente. "Eu não posso." Ela deixou cair o travesseiro, inclinando-se sobre o seu lado para ver seu rosto. “Porque você não pode dormir em sua própria cama?” “Tivemos um grupo de pintura a noite passada. O lugar todo fede.” “Você saiu ontem à noite, não me ligou para me dizer o que estava acontecendo, deixando Dustin em pânico quando era um alarme falso, e você está me dizendo agora que você teve uma festa na noite passada para pintar minha casa e eu poderia ter ido!” “Praticamente”, ele murmurou, puxando o travesseiro sobre sua cabeça. Ela deu a Greer um empurrão duro, tentando derrubá-lo para fora da cama. Quando ele não se moveu, ela virou a cabeça e o corpo para os lados, usando as pernas e os pés para empurrá-lo para fora da cama.


Greer caiu da cama como uma pedra gigante, olhando para ela quando ele conseguiu sair dos cobertores e travesseiros. “Mulher, você torna difícil para um homem amar você.” “Eu?”, Ela rosnou, ficando de joelhos. “Então me deixe fazer a vida mais fácil para você.” Ela levantou a mão, puxando seu anel de noivado. “Mulher, é melhor não.” Ela ironicamente tirou-o, deixando-o cair no colchão bem na frente de seu nariz. Então ela virou-se para rastejar em direção ao outro lado da cama, só para encontrar seus pés apreendidos, passando os joelhos debaixo dela. "Eu te avisei!" Ela o sentiu ficar na cama, segurando-a para baixo quando ele subiu em cima dela, prendendo-a no colchão. “Seu grande idiota, saia!” “Isso é jeito de você tratar o seu noivo?”, ele severamente sussurrou em seu ouvido. “Eu não tenho um mais. Eu disse que não queria que você passasse a noite quando Logan está aqui!” Ela tentou virar a cabeça para olhar para ele, mas sua mandíbula contra seu rosto impedia. “Eu tranquei a porta do quarto, e Dustin está dormindo na cama de Logan. Ele não vai deixar Logan descer até que eu saia. Satisfeita?" “Não.” Sua raiva aquecida poderia ter diminuído, mas ela ainda estava louca. “Você poderia ter me ligado ontem à noite ou me deixado sair e pintar a minha casa.” “Não é a sua casa até que o anel esteja em seu dedo, e você tirouo!” Rangendo os dentes, ela levantou a mão esquerda, e Greer deslizou seu anel de volta. Antes que ela pudesse explodi-lo com as suas palavras com raiva de novo, ele se estabeleceu mais confortavelmente sobre ela. Sua respiração acelerou, soprando mechas de cabelo em todo o lado do rosto.


“Eu não queria que você fosse para a casa antes que eu tivesse tudo pronto para você. É o meu presente de casamento para você. Eu posso não ser capaz de construir-lhe uma casa novinha em folha como os Last Riders estão construindo para as mulheres, mas eu posso pintar e corrigir algumas coisas para torná-la nova. Eu não quero que você veja até que eu carregue-a pela porta de entrada após o casamento.” “Eu não preciso de um novo lar. Eu amo o que eu tenho agora. O seu pai construiu, é onde você e seus irmãos nasceram, onde sua mãe marcou o quão alto você e todos estavam no armário de despensa.” Greer levantou a cabeça para beijar o canto da sua boca, enquanto enterrava as mãos em seu cabelo para mantê-la de levantar a cabeça. Frustrada por não poder se virar para segurá-lo, tentou derrubá-lo fora de sua volta. “Você está tentando ser brincalhão?” Ele gemeu, deslizando abaixo para que seu pênis pudesse esfregar contra o topo das coxas. Ele puxou sua camisola até o pescoço que ficou enrugada em volta da cintura, deixando as suas partes inferiores nuas, exceto por sua calcinha frágil. “Eu queria que você estivesse mais perto,” Holly reclamou. “Por quê?” Diversão encheu sua voz. “Porque eu quero te beijar.” “Eu posso corrigir isso.” Ele se inclinou para frente até que ele estava debruçado sobre ela, sua boca atingindo seus lábios. Toda vez que Greer a beijou, foi como entrar em um elevador de alta velocidade, levando-a a partir do solo até o topo de um arranha-céu. Tudo o que podia fazer era assistir a realidade cair como pisos espalhados por ela. Beijou-a como se fosse o primeiro e último beijo que ela jamais teria. Ela tentou se concentrar no escorregar de sua língua, quando ele provou cada detalhe, para que ela pudesse descobrir o que tornou tão especial. Por que seus beijos? Por que este homem? Este homem incrivelmente ranzinza, arrogante mas que, quando a beijava, a fazia


sentir como se as portas do céu se abrissem e ela fosse capaz de vislumbrar a beleza guardada dentro. “Tem certeza de que a porta está trancada?” Ela murmurou contra sua boca. "Com certeza. Você quer que eu verifique?” "Não. Vou ouvi-los descendo os degraus, eu acho.” Greer começou a esfregar seu pau contra sua parte inferior, e Holly cobriu o rosto com o cobertor, quebrando o beijo. Uma mulher só poderia segurar um tanto. Ele deslizou a mão sobre a barriga, deslizando abaixo entre as coxas e acariciando seu clitóris através da calcinha. "Eu quero você dentro de mim!" “Eu gosto de uma mulher que sabe o que quer.” Ele afastou a calcinha para o lado de sua virilha com uma mão, deixando sua buceta nua e vulnerável aos dedos que esfregaram a sua umidade antes de afundar dentro para acariciá-la em um frenesi de necessidade. A mordida de dor de onde a calcinha estava cavando em sua pele aumentou a consciência de Greer ter o controle. “Você pode alcançar o telefone na mesa de cabeceira?” “O quê?” Ela não podia se concentrar em sua pergunta. Foi só quando ele perguntou de novo que ela conseguiu alcançar e agarra-lo. “Ligue a câmera, ligue a câmera, e deslize-o para baixo entre as pernas. Quero ver-me foder você.” “Você está louco se pensa que vou fazer isso ...” Ela gemeu quando seus dedos a deixaram até que ele substituiu-o com o seu pau. "Por que não? Ninguém vai vê-lo, só nós. E se o fizerem, você não vai estar apontando a câmera em nossos rostos. A única coisa que alguém vai ver é meu pau e sua buceta.” “Eu não quero que ninguém veja qualquer parte do meu corpo!”


“Eles não vão. Vai ser só para nós assistirmos. Você não quer ver o quão molhada você está? Como seu clitóris fica todo duro.” Greer regava a sua atenção para cada parte de sua anatomia que ele mencionou. Ligando a câmera, ela deslizou o telefone para baixo até que ela podia ver onde Greer queria. “Agora, fique quieta,” ele gemeu, beijando a carne entre suas omoplatas. “Deixe-me fazer todo o trabalho. Dessa forma, o vídeo não será tão instável.” “Pare de falar. Não consigo me concentrar quando tudo que estou pensando é você fazendo isso com outras mulheres.” Pensar que ele tinha feito isso com outras mulheres o suficiente para aperfeiçoar como segurar a câmera estava arruinando qualquer prazer que ele estava tentando acariciar. “Mulher, eu nunca me gravei foder ninguém antes. Estou fazendo isso por você, não eu.” "Eu?" “Sim, confiar em mim. É no seu telefone, não meu. Você pode excluí-lo sempre que quiser.” Ela não sabia se seu raciocínio iria aliviar a tensão, ou se era a sensação de seu pau dentro e fora dela enquanto a câmera filmava. Fosse o que fosse, tinha ela batendo a bunda para trás em seus impulsos. Ela esqueceu a câmera enquanto ela tentava alcançar os pulsos intangíveis que foram correndo através dela, tentando alcançar seu centro. Cada traço de seu pau excitava-a mais, fazendo-a tremer enquanto ela continuava a tentar alcançá-lo, mas apenas parecia fora de alcance. Um segundo, onde poderia alcançar, em seguida, ele estava voando para longe dela. “Oh, Deus ... Oh, meu Deus ... Eu estou morrendo ...”, ela lamentou. Greer ergueu-se, puxando-a para cima até que seus joelhos estavam escarranchados no telefone, com Greer de joelhos atrás dela, o braço por cima do ombro, segurando seu peito em sua mão áspera, enquanto a outra mão apertava a sua calcinha.


“Foda-me de volta com mais força.” Sua voz era calma, enquanto a dela tornou-se estridente. Com medo que Dustin e Logan fossem ouvi-la no andar de cima, ela estrangulou seus gritos e gemeu até que se tornaram apelos ininteligíveis. Greer se movia lentamente e de forma constante quando ela levantou os braços, rodeando o pescoço atrás dela, e colocando a cabeça no peito dele. Ela escutou seu coração batendo, percebendo que ele pode parecer calmo, mas seu coração estava batendo como uma marreta. Por que ele não se permitia gozar? Ele tirou a mão do peito, puxando seus braços para que ela não pudesse descansar em seu peito. O impulso súbito teve seu pau subindo alto, atingindo seu centro e fazendo os pulsos latejantes aumentarem. Ela já tinha ouvido dizer que, quando um balão cheio de hélio fosse lançado para o céu e atingisse um certo ponto, ele explodiria, assim como ele estava enquanto ele gemia em seu pescoço, fazendo-a cair sobre a cama. “Greer?” “Hum-hum?” “Eu estou apenas certificando-me.” "Sobre o que?" “Que nós ainda estamos aqui.” Greer riu. “Onde mais nós estaríamos?” “Eu poderia ter jurado...” “Que porra é essa?” Greer afastou-a de volta onde ele havia pousado sobre ela. “O meu telefone.” Holly riu, tentando mover Greer para que ela pudesse chegar debaixo dela para o telefone. Quando ela finalmente encontrou-o nos lençóis bagunçados, felizmente, levantou-se para que ela pudesse ver que era Diamond chamando. Ela deixou a chamada ir para a caixa postal, sabendo que ela


não seria capaz de voltar a dormir. Greer tinha dormido a julgar pelo ronco fraco vindo dele. Ela saiu da cama e cuidadosamente pegou seu telefone celular, levando-o para o banheiro. “Deite-se”, ele ordenou, grogue, não levantando os cílios. “Eu tenho que lavar meu telefone”, disse ela, tentando não rir quando o viu tentando acordar o suficiente para sair dos lençóis emaranhados. “Dê-me o telefone.” Ela se virou, provocando-o balançando-o pelo canto. “Eu pensei que era para mim.” “Mulher, será tudo para você assim que eu terminar de vê-lo.”


23 Greer parou em frente à porta, tirando o celular do bolso. Ele silenciou o som, não querendo que ninguém o interrompesse, antes de colocá-lo no bolso da frente de sua camisa. Batendo na porta, viu Jessie Hayes sair de seu apartamento com uma cesta de roupa. "Ei, Greer." "Jessie." Ele acenou com a cabeça enquanto a porta do apartamento que ele estava de pé na frente se abriu. Ele teve que dar um meio-passo para trás quando Diane saltou em seus braços, não lhe dando nenhuma escolha, a não ser pegá-la ou ser jogado na grade de metal atrás dele. "Com licença," Jessie andou em volta deles, indo para os degraus que levavam até o andar inferior. Greer não deu a mínima para o que Jessie imaginava que ele estivesse acontecendo lá. A única coisa que importava agora era tirar Diane de cima dele. Colocando-a para o lado, ele entrou em seu apartamento e se virou uma vez que ele estava dentro. Ele viu Diane fechar sua porta com um sorriso sedutor que o tinha enganado muitas vezes antes. Quando ela se jogou novamente em seus braços, ele estendeu uma mão, empurrando-a de volta. "Estou aqui para conversar. Nada mais." O sorriso desapareceu, seu rosto ficando cauteloso. "Querido, o que há de errado? Você me mandou uma mensagem dizendo que sentiu saudades de mim... -"


"Eu senti sua falta... quando você veio na noite passada. Você deveria ter ligado em vez de ir embora antes que eu pudesse te ver." "Eu não sei do que você está falando?" "Você é uma mentirosa terrível, você sabe disso?" Greer sacode a cabeça para si mesmo. "Eu não... Do que você está me acusando?" "Eu não estou te acusando de merda nenhuma. Eu estou definitivamente dizendo-lhe que eu sei que você é responsável por arruinar minha casa ontem." "Eu não..." Pelo menos a vadia mentirosa era inteligente o suficiente para ter medo dele. Greer viu Diane inclinada em direção ao seu telefone celular que estava em sua mesa de centro. "Você vai ligar para o Knox? Vá em frente. Ou você vai ligar para o Luke? Ou os Hayes?" Ela baixou os cílios. "Knox." A mulher não podia mentir se ela tivesse a mão em uma pilha de Bíblias. "Você quer chamar Knox, não me deixe pará-la. Eu estava tentando mantê-lo fora disto por causa dos velhos tempos, mas se você o quer aqui, eu não tenho nenhum problema com isso." "Talvez você deva ir embora." "Eu vou quando eu terminar." Greer estendeu a mão. "Quero o anel de minha mãe de volta." "Eu não o tenho." Sua voz ficou estridente em sua negação. Greer deixou cair a mão ao seu lado. "Sei que foi você que destruiu a casa." Seus lábios se curvaram com desdém. "Você é a única que eu mostrei aquelas colchas que minha mãe fez." Quando ela ainda tentou negar sua responsabilidade, ele continuou: "A coisa sobre o baú de cedro que me atingiu foi como ele foi aberto. A trava foi aberta com a chave ainda nele. Você é a única que sabia onde aquela chave estava escondida. Você me viu tirá-la de debaixo da tábua de chão onde eu tinha escondido.


Você pensou que o fogo apagaria qualquer evidência de que você estava lá. Como uma criminosa, você é burra como a merda." Ele segurou a mão novamente. "Eu quero esse anel. Não é seu." Diane não se mexeu. Por sua expressão, ela ainda ia tentar encontrar uma mentira para se livrar. "Não me faça procurar por ele", ameaçou. Ela foi para o frasco de doces na mesa de café e tirou a tampa, tirando o anel e jogando-o para ele com raiva. "Como eu disse, burra como a merda." Seus insultos a levaram ao limite, que era o que ele estava esperando. "Você é meu! Você comprou para aquela puta um anel que você me prometeu!" "Eu era seu," ele corrigiu. "Eu não sou mais. Você achou que eu voltaria para você como eu sempre fazia. Eu saltei daquele carrossel. Quem você chupou pra te ajudar?" Seus olhos ficaram cautelosos. Ele sabia que não seria capaz de fazê-la admitir que ela tivesse o enganado para matar seu gado. "Pobres bastardos. Eles fariam qualquer coisa por você, exatamente como eu já teria feito." "O que você já fez por mim? Levou-me para jantar um par de vezes por mês, pagou uma conta para mim quando você tinha dinheiro suficiente da venda de maconha, consertado o portão da garagem quando ele quebrou? Eu queria mais do que isso! Você poderia fazer todos os tipos de dinheiro se você vendesse essa propriedade que não é boa para nada, exceto para plantar maconha! Mesmo se você não vender, Luke faz mais em um mês do que você faz em um ano! Até Dalton paga o meu aluguel! Você não é bom para nada além de foder, e no último ano, você nem mesmo foi bom nisso!" A sujeira que ela vomitava da boca o deixava doente com o conhecimento de que quase tinha se casado com ela.


"Você estará implorando para voltar para mim depois de um mês de estar com essa puta!" "A única puta que eu conheço é você. Você acha que eu sou estúpido o suficiente para acreditar que todos estavam atirando merda quando eu apareci no seu apartamento? A mulher arrogante de Dalton pode deixar que ele se distraísse vendo você, mas eu não quero trair a minha mulher, mesmo que seja com outra mulher." Diane empalideceu. "Não se preocupe. Năo direi a ninguém. Eu fiz de mim um idiota por sua causa, sei que todos saibam o grande tolo que eu fui." "Você acha que eu fiz de você um tolo? Dalton me disse que você tentou comprar um anel e nem tinha dinheiro suficiente para isso!" "Eu tinha dinheiro suficiente para qualquer anel que eu queria comprá-la naquela loja de centavo que ele chama de joalheria.” “Doeu quando ele lhe disse que eu ia comprar um anel para ela?" "Seu bastardo!" Diane aproximou-se dele, com as unhas pintadas. Greer pegou suas mãos, empurrando-a de volta. "Saia! Estou feliz por ter rasgado as colchas da sua mãe e destruído sua casa! A única coisa que eu sinto muito é que eu desejei poder vê-la queimar até chão!" Greer estendeu a mão para o bolso, tirando o celular e girando-o para ver que estava gravando. "Se você alguma vez chegar perto de mim ou dos meus novamente, eu vou dar isso para Knox. Laranja não é a sua cor, mas se você tomar uma respiração na direção de um parente meu, você o estará vestindo. Knox tirou muitas fotos dos danos, e ele está querendo fechar o caso, então me dê uma razão, e você terá cadelas maiores do que você como companheiros de quarto." Greer foi até a porta. "E para que você saiba, quem a ajudou não saiu livre de punição. Assim que eu descobrir quem fez isso, eu vou lidar com eles, também." O pote de doces quebrou contra a porta quando ele a abriu, encontrando o olhar chocado de Jessie no rebuliço das maldições de Diane seguindo-o. "Eu me esqueci de perguntar como Logan está indo na escola?" Jessie saiu do caminho de um cinzeiro que veio voando para fora da porta, seus olhos indo para a porta cautelosamente.


"Bem. Você fez um bom trabalho com ele. Ele está se destacando em tudo. Eu acho que ele puxou para o seu tio." Greer sorriu, inclinandose para trás para evitar o vidro esmagado aos seus pés da imagem que Diane tinha jogado. "Espero que você possa vir ao casamento. Logan está ansioso para vê-la. Ele tem um novo traje que Holly comprou para o casamento." "Um..." Jessie saltou quando Diane bateu a porta de seu apartamento. "Eu não iria perder." Greer pisou na foto dele e Diane, moendo-a sob o calcanhar de sua bota. "Vejo você então." Desceu os degraus, assobiando enquanto se encaminhava para a caminhonete. Colocando a música mais alta, dirigiu pela cidade, acenando quando viu alguém que conhecia. Passando pela rua onde Holly estava hospedada, ele estava tentado a fazer outra aparição surpresa, mas não queria estragar a mulher. Fazendo a curva em sua entrada, ele viu que Tate tinha sido ocupado substituindo a câmera e o alarme. Saindo da caminhonete, viu Tate saindo do celeiro. "Você cuidou da Diane?" "Sim, ela não vai nos dar mais problemas." Greer tirou o anel do bolso, mostrando-o para Tate antes de colocá-lo de volta no bolso. "Você espera?" "Eu sei. Em que você está trabalhando?" "Eu estava empilhando as cadeiras que eu pedi emprestado de Lucky para o casamento." "Isso é mais uma coisa que eu posso ver na minha lista. Eu peguei King enquanto ele ainda estava lendo seu jornal matinal para arranjar um acordo para a restauração." "Eu quero saber o que você prometeu a ele?" O nariz de Tate começou a enrugar-se. "Provavelmente não. O babaca deixou o negócio duro, mas eu consegui derrubá-lo. Sabe o quanto custa uma merda de carne? Eu disse-


lhe que o frango está bem. Você acha que a Holly vai ficar chateada por não termos bife?" "Não." Tate começou a caminhar em direção à sua caminhonete. "Qual é a pressa?" Greer se apressou para combinar com seus passos rápidos. "Essas galinhas mortas já estão fendendo no quintal. Eu disse para você se livrar delas." "Onde você sugere que eu despeje dezoito galinhas mortas? Qualquer um que me pegar com eles vai dizer que eu sou um assassino em massa." "Leve-os para o lixo." "Tenho planos para eles." "Que planos?" Tate perguntou, balançando em sua caminhonete. "Você não quer saber." Greer pegou a porta da caminhonete de Tate antes que ele pudesse fechá-la. "Antes de partir, você tem alguma ideia do que é uma merda de antepasto?" Greer estendeu seu cérebro para fazêlo soar da mesma maneira que King o pronunciara. "Como diabos eu deveria saber isso?" Pela expressão de Tate, ele não sabia mais do que Greer sabia. "Ok." Ele abriu a boca para lhe fazer outra pergunta, então percebeu que seria uma perda de tempo. "O que você começou a perguntar?" Tate perguntou curioso, apesar do mau cheiro que estava flutuando em sua caminhonete. "Deixa pra lá. Se você não sabe o que é um antepasto você com certeza como merda não vai saber por que petit fours são tão caros."


24

Atiradordeelite: Você está sentindo minha falta hoje à noite? Garotadokentucky: Não. Estou terminando nossos convites de casamento. Estou preocupada que algumas das pessoas que eu convidei não recebam seus convites a tempo de comparecer. Atiradordeelite: Não os envie pelo correio. A maioria dos que você está convidando vai à igreja com você. Dê os convites depois da igreja. Garotadokentucky: Eu não posso fazer isso. Eu não quero que alguém que eu não convidei se sinta deixado de fora. Atiradordeelite: Fodam-se. Garotadokentucky: Você ouviu isso? Esse é o som de mim tirando meu anel. Atiradordeelite: Eu não gosto quando você faz isso. Se você continuar fazendo isso, eu poderia usar super cola e colar no seu dedo. Chat encerrado. Atiradordeelite: Eu vou entregar os convites eu mesmo na segundafeira. Isso vai fazer você feliz? Garotadokentucky: Você vai ser agradável? Chat encerrado. Garotadokentucky: Greer! Garotadokentucky: Greer! Atiradordeelite: Esse anel está de volta em seu dedo? Garotadokentucky: Sim.


Atiradordeelite: Então eu vou ser agradável. Garotadokentucky: Obrigada! Atiradordeelite: Apenas não espere que eu faça disso um hábito. Garotadokentucky: Você sendo agradável todo o tempo? Eu não acredito em milagres. Atiradordeelite: Acredite. Vou me casar com você, não é? Garotadokentucky: Você casar comigo não é um milagre. Atiradordeelite: O que é então? Garotadokentucky: Sorte ridícula.

"ESTÁ NERVOSA com o casamento amanhã?" Sutton perguntou, limpando sua penteadeira. Holly colocou a sua bolsa de maquiagem sobre a superfície limpa. "Um pouco. Onde posso pendurar meu vestido?" Sutton foi até o armário dela, abrindo a porta. "Você pode pendurálo aqui. Não o abrirei até que você chegue aqui amanhã para se vestir." "Obrigada, Sutton. Agradeço que me empreste seu quarto de hóspedes para me preparar amanhã." "Sem problemas. Eu só o uso como sala de maquiagem. Tate se preocupa se eu passar muito tempo no banheiro, então é mais fácil me vestir aqui." Sutton sentou na cama, observando-a enquanto ela espalhava seus pincéis e seu babyliss. "Que horas os homens chegaram em casa ontem à noite?" Sutton riu. "Greer me disse para lhe dizer uma, mas Tate não chegou até as quatro." "Ele disse o que fizeram na noite passada?"


"Não, mas eu estou fazendo uma torta de maçã para sobremesa. Tate vai falar depois que ele receber um par de fatias dela." "Eles podem ser comprados com comida." Holly fechou o estojo. "Nunca vi homens fazerem algo mais importante do que comida." O sorriso de Sutton ficou triste. "Isso é porque eles não tinham tanto quando estavam crescendo. Seu pai não tinha um emprego regular. O dinheiro que tinham veio de seu pai plantando maconha e fazendo moonshine1. Se sua mãe não tivesse limpado as casas, provavelmente teria morrido de fome." Holly sentou-se na cadeira da penteadeira. "Por que seu pai não conseguiu um emprego regular?" "Os únicos trabalhos disponíveis eram as minas naquela época. Tate me disse que seu pai finalmente conseguiu seu cartão de sindicato e conseguiu um emprego na mina. Ele foi trabalhar um dia, voltou para casa e disse que nunca mais voltaria." "Ele poderia ter encontrado outros empregos se quisesse." Os Porters sempre falavam sobre seus pais com amor, mas Holly tinha ouvido muitos contos sobre o quão duro seu pai tinha sido com eles. "Ele sempre se queixava de suas costas, mas isso não o impedia de trabalhar naquele celeiro." "Ainda está lá." "Eu sei. Ainda estará lá quando estivermos mortos." Sutton olhou pela janela para a estrada que levava ao grande celeiro. "Você conhecia seus pais quando ainda estavam vivos. Você gostou deles?" Sutton ficou pensativa. "Adorava a mãe de Tate. Ela era uma mulher generosa e bondosa que amava cozinhar e limpar, e cuidar de seus filhos. Ela amava seus filhos mais do que a própria vida. Ela me ensinou a cozinhar. Eu vou ter que lhe dar algumas de suas receitas."

1

(tipo de licor derivado do milho).


"Eu tenho sua caixa de receitas, mas ela realmente não deu quantias, apenas ingredientes. Eu continuo tentando fazer seus biscoitos e pão de milho, mas Greer diz que eles não têm o sabor igual ao dela." "Quando ela estava me ensinando, eu anotei as quantias nos cartões que eu fiz. Vou fazer cópias deles e dar-lhes como um presente de casamento." Holly piscou as lágrimas. Ela adoraria surpreender Greer com um café da manhã de lua-de-mel com biscoitos. "Você gostou do pai deles?" Sutton levantou-se da cama para fechar a porta do quarto. Então ela foi para o antigo rádio para ligar a música. "Eu o odiava. Tate nem eu realmente falamos sobre ele muitas vezes, a menos que ele seja citado na conversa. Ele era o homem mais humilde do condado quando eu estava crescendo. Meu pai teve que assinar o mandado para sua prisão uma vez por causa da produção de moonshine, e papai veio para casa fechando as janelas e as portas. Ele se sentou com um rifle ao seu lado até que a polícia o tivesse sob custódia." "Ele foi preso muitas vezes?" "Não, ele estava fora depois de um par de meses, então ele parecia ficar fora de problemas. Foi quando eu era pequena. Quando eu era mais velha, Tate me contou como seu pai começou a colocar Greer e ele para fazer as entregas de maconha e moonshine." "Aquele bastardo usou Tate e Greer para fazer as entregas para ele?" "Sim." "Eles eram apenas crianças!" Sutton balançou a cabeça tristemente. "Não, não eram. Eles nunca foram como as outras crianças na escola. Sua mãe mantinha suas roupas lavadas e limpas, mas suas roupas eram velhas. A maioria deles era de segunda mão." "Greer contou uma história sobre ele ter um tênis que deixava a sala de aula toda fedorenta."


A voz de Sutton ficou mais baixa até que Holly mal conseguiu ouvir. "Tate me contou aquela história. O pai deles quase matou Greer por brigar com Silas no banheiro. Ele perdeu uma semana de aula. Naquela época, eu pensei que ele estava apenas suspenso por entrar na luta, mas Tate disse que seu nariz e braço tinham sido quebrados, e sua mãe tinha fugido com eles. Mas ele os encontrou antes que pudessem fugir para fora da cidade." "Ela voltou para casa?" "Ela tinha quatro filhos, e ele nunca tinha colocado uma mão sobre ela ou Rachel. Ele jurou que nunca mais ia perder a paciência." "E ele cumpriu?" "Não que eu tenha conhecimento. Mas Tate só me diz pedaços. De minha própria experiência, eu acho que ele só tomou mais cuidado para que ele não fosse pego por sua mãe.” Ela começou a desligar o rádio. "Isso é muito deprimente para falar enquanto estamos tentando arrumar tudo para o seu casamento." "Posso fazer mais perguntas?" "Claro." "Greer me disse uma coisa. Na época, eu não podia perguntar por que nem entendia, mas espero que você possa me dizer." Sutton assentiu, esperando. "O pai de Greer parecia dar desculpas para lhe dar uma surra. Tate alguma vez mencionou por quê?" "Se você não quiser perguntar a Greer, pergunte a Rachel. Ela vai explicar melhor do que eu poderia. Ou você deve perguntar a Greer." "Eles não vão me dizer, não é?" Sutton suspirou em derrota. "Não." "Por favor, Sutton. O Greer que eu falo na Internet é tão diferente de como ele age pessoalmente." "Você conversa com a Greer na Internet?"


"Eu sou a Garotadokentucky" Sutton afundou na cama e então caiu para trás, rindo histericamente. "Shh... Eles vão ouvir você." Sutton pôs a mão sobre a boca. Quando conseguiu recuperar o riso, baixou a mão. "Quando...?" Ela começou a rir novamente. "Quando…? Quando descobriu que era ele?" "Eu sempre soube que era ele," ela confessou, sentindo-se envergonhada. "Ele sabia que era você?" "Não." Sutton agarrou um travesseiro para uivar, demorando alguns minutos antes de ela levantar a cabeça, enxugando lágrimas de riso. "Você fez um fake... Você enganou Greer?" "Sim." "Meu Deus! Eu nunca vou deixá-lo viver sem esquecer isso!" "Shh... Você não pode dizer nada!" "Ele estava louco?" "O que você acha?" "Acho que ele estava furioso." "Você promete que não vai contar?" Sutton balançou ansiosamente a cabeça. "Ele estava furioso... Então ele me chantageou para casar com ele. Ele disse que sua família não teria nada a ver comigo se eu não tivesse." "O que você disse?" Holly levantou a mão com o anel de noivado. "Oh." "Sim."


"Posso explicar para Tate e Dustin. Eles vão superar isso, eu acho. Rachel, não tenho certeza. Quando ela saiu de casa, ela se recusou a perdoar Tate por um longo tempo, mas Greer e ela fizeram as pazes muito rápido." "Eu não te disse para me ajudar a fugir do meu casamento. Quero me casar com Greer. Eu o amo. Desde que o conheci." "Você ama?" "Sim." "Eu meio que pensei, mas eu não tinha certeza. Ele tem sido muito duro com você. Não entendo como qualquer mulher poderia amá-lo depois da maneira como ele a tratou." "Porque eu vi como ele trata Logan e sua família. Ele os ama. Todos eles são tão próximos. Eu só quero ser parte deles, não apenas uma estranha." "Você não é uma estranha." Holly tentou pensar em uma maneira de explicar como ela se sentia com os Porters. "Você foi a muitos funerais em Treepoint?" "Sim, eu fui criada aqui." "Eu fui a um funeral que teve uma roda do vagão feita de flores. Você já viu um quando foi a um?" "Sim, eu já vi. Você sabe o que isso significa?" "Eu não sabia antes. Uma das pessoas que estava de luto explicoume quando eu comentei sobre como era bonito. Cada um dos raios representa um membro da família. O que faltava era a pessoa que havia morrido. Eu quero ser um raio." "Você é Holly." Sutton estendeu a mão para pegá-la, e Holly apertou-a. "Eu não sou, mas vou ser amanhã." Sutton ergueu a mão livre para roubar uma emotiva lágrima. "Eu não sei por que o pai de Greer foi tão duro com ele. Só posso supor pelo que Tate me disse. Eu sei que seu pai sempre teve que ser o único no


controle, teve que atirar no maior cervo, pegar o maior peixe. Ele tinha que ser o mais esperto, e ele não queria que ninguém, especialmente seu filho, o superasse." "Então, ele estava com ciúmes de Greer?" "Eu acho que ele estava com ciúmes de todos os seus filhos. Acho que ele os usou para manter sua mãe presa em seu modo de vida. Eu acho que é por isso que ele não queria trabalhar longe de sua casa, para que ele pudesse ficar de olho nela a cada segundo. Então, à medida que cresciam e podiam fazer coisas que ele não podia, ele as tirou." "O que eles fizeram que ele não pudesse fazer?" Ela olhou para ela com incerteza. "Você morava com eles. Tate, Dustin e Greer não mostram seus dons, mas Rachel mostra. Certamente, você sabe que ela pode curar?" "Eu sei que ela e sua família pensam que ela pode. Eu ouvi esse boato antes mesmo de morar com eles. Quando ela ainda estava vivendo em casa, várias pessoas da cidade vinham para serem curadas. Ela nunca me deixou assistir. Algumas pessoas são apenas suscetíveis a sugestões." "Não, Holly. Ela pode curar, e Greer também. Rachel não faz muito mais, porque Cash não vai permitir. Ela quase morreu quando ela curou Cash depois de seu acidente de motocicleta, e novamente com a avó de Cash." "Eu também ouvi isso. Mas Sutton, ambos receberam o tratamento médico que salvou suas vidas; não foi Rachel. E eu não vi Greer fazer algo assim. Ele praticamente desmaia se ele bater o dedão do pé. Quando ele teve uma concussão, eu o peguei fumando uma ponta." "Ele curou o bebê de Winter. Tate me contou." Holly não acreditava na cura. Ela conhecia vários curandeiros que haviam feito fortunas tentando convencer os outros. A única coisa que a impediu de se apavorar com eles, acreditando que podiam curar, era que pelo menos eles não estavam tentando roubar dinheiro de vítimas inocentes.


Holly tirou a mão dela. "Nós devemos ir ver o que os homens estão fazendo." Ela começou a se levantar da cadeira, mas Sutton colocou a mão em sua perna, parando-a. "Você acha que eu sou louca, Holly?" "Não... Mas você pode ter ficado impressionada com o que eles disseram." "Eu vi com os meus olhos. Foi a coisa mais incrível que eu já vi. Passei o verão com meu avô. Uma noite, eu jantei com a família de Tate. Depois do jantar, seu pai tinha ido ao celeiro. Estávamos assistindo televisão quando ouvimos a explosão e corremos para fora. Seu pai saiu correndo do fogo.” “Espero nunca viver para ver algo tão horrível novamente. Tate e Greer agarraram-no e colocaram o fogo em seu corpo, enquanto sua mãe correu para chamar uma ambulância. Mas Jesus, Holly, ele estava tão queimado. Ele não conseguia nem respirar. Foi horrível.” “As mãos de Tate e Greer estavam cheias de bolhas. Greer dissenos todos para voltar e ir buscar a mangueira de água para apagar o fogo no celeiro. Eu não podia me mexer, Holly. Eu tentei. Então eu vi Tate e Dustin ir buscar a mangueira de água, enquanto eu segurei Rachel. Ela estava histérica.” “Apesar de suas mãos estarem cheio de bolhas, Greer colocou as mãos no peito de seu pai. No início, eu pensei que ele estava fazendo CPR. Então ouvi-o falar, pedindo aos espíritos que o ajudassem. Holly, se eu não tivesse testemunhado isso, nunca em um milhão de anos eu teria acreditado no que vi a seguir. Era como se seu corpo estivesse curado de dentro para fora. Um segundo, eu estava vendo um homem morrendo, queimado além do reconhecimento. Então lentamente, eu vi sua pele retornando. No momento em que a ambulância chegou lá, seu pai parecia que tinha uma queimadura de sol forte com bolhas. Eu tentei dizer alguma coisa, mas Tate me implorou para não fazer. Vi com meus próprios olhos, Holly." Ainda sem saber o que pensar, Holly tentou pensar em maneiras diferentes de explicar o que Sutton acreditava ter visto naquela noite. Tinha acontecido quando ela estava na escola. Talvez em sua mente


adolescente tivesse ficado impressionada com a forma como os homens reagiram e os ferimentos de seu pai não eram tão ruins. "Você não acredita em mim?" "É meio inacreditável" Holly tentou explicar sua expressão de dúvida. "Os médicos foram capazes de explicar como Logan estava tão doente antes de começar a viver com os Porters?" "Eles sabiam o que procurar quando descobriram como Sam morreu." Sutton sacudiu a cabeça. "Greer o curou." "Eu nunca vi Greer..." Sua mente voltou aos primeiros meses depois que Logan tinha começado a viver com os Porters, tentando lembrar exatamente quando Logan tinha começado a agir como uma criança normal e não como o doente que quebrou no escritório de Diamond. "Ninguém podia guardar um segredo assim. É impossível." "Os Porters podem. Você disse a si mesma como eles estão próximos. Tate me fez jurar não contar a ninguém." "Por que seria um segredo? Isso não faz sentido. Por que ele plantaria maconha para ganhar a vida se ele pudesse fazer o que você está dizendo? Greer poderia cobrar das pessoas para curá-las... Dustin diz que ele cobra pelos embrulhos que ele coloca a erva." "Tate disse que não pode reivindicar o crédito, ou os espíritos o deixarão." "Espíritos?" "Eles entram em seu corpo para curar e sair depois que terminam." "Você tem algum vinho?" Holly perguntou, pensando seriamente em cancelar seu casamento. "Sim. Você precisa de um pouco?" "Por favor." Sutton se levantou. "Eu sei que você não acredita, e está tudo bem, porque Greer não gostaria que você soubesse, de qualquer maneira. Esqueça que eu disse qualquer coisa."


"Sutton, me desculpe, mas é simplesmente inacreditável para mim. Tudo o que você descreveu pode ser explicado por uma explicação perfeitamente razoável." "Quando que os Porters foram razoáveis? E não há motivo para se desculpar. Estou um pouco feliz por você não acreditar em mim. Você pode imaginar o tipo de vida que ele e o resto de nós teriam se descobrissem? Todo mundo iria assistir a cada movimento que ele faz. E nós, também. Todos iriam querer que ele os curasse ou os membros de suas famílias, e ele não seria capaz de fazê-lo. Tate disse que leva muito tempo para reconstruir sua força. É por isso que Greer não quer tocar em ninguém. Ele não quer saber se eles estão doentes, porque ele quer construir sua força." Holly se lembrou de quando ele não deixou Beth abraçá-lo, e quando ela envolveu seus braços em torno dele na semana passada. "Por que ele está tentando construir sua força?" "Todos os Porters possuem o dom. Vem de sua bisavó. Ela era uma nativa americana, que passou seus dons para eles. Tate ouve os sinos da morte. Ele sabe quando alguém vai morrer. Ele não sabe quem, só que ele entrou em contato com eles. Rachel pode curar, mas não na medida em que Greer possa. Dustin tem sonhos do futuro, mas ele não sabe com quem ele está sonhando, apenas como eles vão morrer. Greer tem conservado sua força, porque Dustin tem sonhado que alguém em nossa família vai morrer logo." Holly deu um salto quando bateu na porta, deixando cair o babyliss no chão. "Ele não sabe quem?" Sutton, tristemente, olhou para ela. "Não, poderia ser qualquer um - Tate, eu, Rachel, Cash, Dustin, ou mesmo Logan. Está pronta para o vinho? Sei que eu estou. Não pareça tão preocupada." Sutton abriu a porta do quarto, suas últimas palavras deixando Holly tremendo de medo. "Você disse que não acreditava."


25

Demorou um par de copos de vinho antes que ela estivesse pronta para sair do quarto. Sutton estava dançando com Ema uma música country popular, fazendo a menininha rir quando Rachel se sentou no sofá assistindo. "Para onde foram os homens?" Perguntou Holly, pondo o copo de vinho vazio no balcão. "Eles estão tentando decidir onde colocar as cadeiras no campo. Eles querem que você vá dirigindo até a casa para que possa ajudar." "Greer disse que eu poderia ir!" Logan parou de imitar a dança que Sutton estava fazendo. "Por que eu não posso simplesmente ir andando?" Holly franziu o cenho. "Não é o campo atrás de sua casa?" "É uma surpresa!" Logan respondeu, saltando loucamente. "Podemos ir? Eles estão esperando." "Sim." As outras mulheres não fizeram um movimento para acompanhála. "Você não quer ver?" Holly perguntou. "Já vimos." Rachel sorriu. "Nós pensamos que você iria desfrutar sem nenhum de nós lá." "Devo levar o resto do vinho comigo?" Elas ainda estavam rindo quando Logan a arrastou para fora da porta e para seu carro. Quando ele se queixou de seu encurvamento no assento, ela hesitou e terminou de lhe dar um puxão.


"É só subir a colina", Logan reclamou. "Então você não terá que ficar preso por muito tempo," disse ela razoavelmente, ficando atrás do volante. "Espere até você ver, Holly! Você vai ficar tão surpresa." "Eu mal posso esperar", Holly exclamou, alimentando o entusiasmo da criança. Abrindo a porta, ela o pegou quando ele saltou em seus braços. Dando ao menino um grande abraço, ela lhe disse: "Eu te amo tanto!” "Eu também te amo, Holly." Colocando-o de pé, ela pegou a mão dele, tomando consciência do fedor que cercava o quintal. Ela olhou para o galinheiro, vendo as galinhas felizes girando. Ela se lembrou de ir vê-las antes de voltar para a casa de Tate, onde ela estava dormindo naquela noite. O exterior de sua casa parecia o mesmo. Ela pensou em dar uma olhada, mas Logan não desacelerou. "Eu mantive o segredo de Greer. Eu prometi que guardaria segredo." Logan se orgulhou quando eles abriram o remendo de madeira atrás da casa. Holly olhou para ele. "Então, está tudo bem em me dizer agora?" "Eu não vou dizer a você. Eu vou te mostrar.” Ele disse orgulhosamente. Tate saiu de trás de uma árvore. "Estamos aqui, tio Tate! Posso mostrá-la agora?" "Sim." Tate pegou a outra mão de Logan. "Deixe Holly ir primeiro." "Ok. O tio Greer disse que eu mantive seu segredo?" "Sim ele disse. Estamos tão orgulhosos de você. Vá em frente." Disse ele a Holly. "Estamos bem atrás de você. Greer está esperando você para nos dizer onde colocar as cadeiras."


"Pelo menos longe o suficiente do pátio que não podemos sentir esse cheiro terrível. O que é isso?" "Pensamos que Greer pode ter interferido com a linha séptica quando ele substituiu o banheiro. Tenho certeza de que o cheiro desaparecerá pela manhã." "Espero que sim." "Vamos, Holly!" Logan tentou tirar a mão do aperto de Tate. "Eu estou indo." Ela colocou um sorriso brilhante em seu rosto para que ela não decepcionasse o garotinho... E Greer. Alguma coisa que Logan tinha dito era irritante para ela, mas ela não conseguia entender o quê, e quando ela entrou na clareira, qualquer vestígio do que tinha sido desapareceu. Seu sorriso fingido desapareceu em um de espanto. Ela esqueceu que Tate e Logan a estavam observando. O que tinha sido uma limpeza de membros quebrados, pedras e sarças era agora um belo campo de margaridas. Ela separou suavemente as flores que cresciam em diferentes comprimentos para que ela não esmagasse nenhuma delas sob seus pés. Enquanto caminhava, uma rajada de vento soltava as flores tremendo como se elas fossem tão bonitas que Deus estava dando sua aprovação. Ela estendeu a mão, tocando-as enquanto ela passava até ficar no meio do campo. Ela se virou em um círculo para ver a visão de tirar o fôlego. A delicada beleza das flores, com as montanhas escarpadas acima deles, mostrava o amor de Greer mais do que qualquer palavra que pudesse falar. Quando ela voltou para onde ela começou, ela viu o homem que ela amava sentado na cerca sob um enorme carvalho. Ela estava tão encantada com as flores que ela não o viu sentado ali. "Obrigado." Greer sorriu quando ele saltou da cerca. "Estou feliz que você gosta delas." Ele começou a caminhar em sua direção.


"Seja cuidadoso. Não as estrague." Ela sussurrou. Greer ergueu a sobrancelha, continuando em direção a ela. "Você gosta delas, Holly? O tio Greer trabalhou o maior tempo para plantá-las para você." "Eu as amo, Logan. Muito obrigado." Holly não tirou seu olhar cheio de lágrimas de Greer. "Logan, vamos contar para Sutton e Rachel o quanto Holly gostou da surpresa dela." "Ah, eu tenho que ir?" "Eu acho que devemos." Holly ouviu Tate e Logan se movendo de volta para as árvores. "Tio Greer e Holly precisam ficar sozinhos por um tempo. Você vai entender quando ficar mais velho." "Podemos atravessar o bosque até sua casa? A entrada fede como..." A voz de Logan se apagou quando eles desapareceram nas árvores. Ela voltou a girar, ainda não acreditando que este lugar ia ser aonde ela iria se casar amanhã. "Eu pensei que eu teria que fingir que gostava. Eu pensei que você teria colocado uma casa animada." "Eu teria, mas Rachel tirou essa idéia da minha cabeça." Seus olhos cinzentos brincavam. Ela olhou ao redor do campo novamente. "Eu nunca percebi que isso estava bem do lado de fora da minha porta dos fundos." "Eu nunca percebi que a mulher que eu estava procurando estava dormindo debaixo do meu telhado." "Havia mais do que muros que nos separavam Greer. Juro que não sabia quem era o pai de Logan. Sam me disse que seu pai não se importava com ele. Que ele queria que ela fizesse um aborto. Ela nunca


me disse que sua avó morava a poucos quarteirões de distância. Ela guardou tantos segredos e me fez uma parte deles, também." "Holly, isso tudo está no passado." Ela lhe deu um leve sorriso. "Um passado que nos manteve separados. Você nunca teria se interessado em mim se eu não tivesse usado um perfil fake em cima de você. Você não iria me querer. Você queria a Garotadokentucky." A boca de Greer se abriu. Levantando um dedo solitário nos lábios, ela o deteve. "Eu não me importo como eu peguei você. Eu estou apenas feliz que peguei. Você pode ser o homem mais malvado do condado, desagradável como o inferno, colocar o temor de Deus em crianças e cães, e você está lutando com metade da cidade." Ela olhou outra vez para o campo de margaridas. Ela afastou a mão de sua boca, deslizando-a até a nuca para puxá-lo para seus lábios. "Mas o meu homem me trata tão bem." Seu fôlego se misturou com o dela quando disse: "Estou feliz que você goste." "Eu não gostei, Greer. Eu adorei." Mesmo com ele se abaixando, ela tinha que se erguer na ponta dos pés para beijá-lo do jeito que ela queria. Holly queria capturar a beleza do jardim que ele havia criado em seu beijo, para que ele pudesse experimentar a mesma veneração e amor que ela estava sentindo. Então ela percebeu que era inútil. Ela não podia recriar a perfeição em um único beijo. Ia levar mais do que isso. Puxando para trás o suficiente para olhar em seus olhos, ela plantou um beijo terno na ponta de seu nariz que ela não sabia quantas vezes tinha sido quebrado. Então ela beijou a pequena fissura em seu queixo antes de deslizar os lábios pela garganta para beijar sua base. Concentrando-se nos botões de sua camisa, ela lentamente desabotooua, em seguida, colocou pequenos beijos em sua pele exposta. "Não tenho mais medo de nada." "Eu espero como a merda que não tenha," ele gemeu quando ela ficou de joelhos. "Do que você tem que ter medo?"


Ela deliberadamente começou a desabotoar seu cinto e depois desamarrou o jeans antes de baixar o zíper. "Meninas que dirigem grandes caminhões." "Mulher, você tem algo melhor do que um grande caminhão." Ela puxou seu pau de sua calça jeans, escovando um delicado beijo na ponta. "Como o quê?" Ela soprou na ponta, vendo seu pau crescer mais e mais. "Um tamanho triplo-D." Colocando a cabeça em sua boca, ela brincou a carne que estava se esforçando para ela. "Mulher, o que você está fazendo?" Greer grunhiu, trazendo suas mãos para seus ombros para puxá-la mais perto de sua virilha dolorida. Deixando seu pau escapar de sua boca, ela esfregou sua bochecha contra a base de seu pau. "Fazendo amor com meu homem." Ele passou os dedos pelos cabelos dela, puxando a boca para onde ele queria. "Precisamos descobrir onde vamos colocar as cadeiras para os convidados." "Eles podem ficar de pé." "Você quer fazer um chupão onde o pastor vai ficar?" Holly ergueu a cabeça. "Você quer dizer um caramachão2?" "Isso não é como Wade da loja de aluguel chamou, mas nós vamos com isso. Onde você quer?" Holly teve que pensar por um segundo, não sobre onde deveria ir, mas o que Greer estava falando. Então ela percebeu. "Você quis dizer a pérgola?"

2


"É isso aí. Onde você quer?" "Eu não... Lucky pode ficar perto do carvalho. Depois da cerimônia, quero marcar nossas iniciais." "Sutton pode não gostar disso. É a árvore dela e de Tate." "Ela pode compartilhar." Ela baixou a boca de volta para seu pau, tentando deixar sua mente entorpecida... "Onde você quer..." "Greer, você está fazendo com que seja difícil para eu dar uma boa mamada. Se você não quiser..." "Não disse que não queria" Grunhiu Greer. Frustrada, Holly se apoiou nos calcanhares. "Só quero algo mais..." "O que você quer?" Começou a descer dos joelhos quando se encontrou caindo nas margaridas, olhando para o formidável rosto de Greer. "Eu quero você." Ela levantou os braços abertos, e ele afundou-se sobre ela, esmagando as flores em uma cama em suas costas. "Eu te amo, mulher. Nunca duvide disso. Nenhuma mulher poderia me roubar de você." "Nem mesmo Jo?" Passando os dedos pelos cabelos de Greer, ela se deliciou com a sensação de sua boca escavar entre seus seios. "Eu nem tentei." "Mas…" Quando ele balançou a cabeça, ela esqueceu o que estava prestes a dizer. Ela não podia acreditar que ela tinha pensado em fazer uma redução de mama. Ele tirou sensualmente sua camisa apertada que Diamond tinha comprado para ela no seu chá de lingerie. Sutton tinha falado com ela


para usá-la hoje, dizendo que seria a última vez que ela seria capaz de usá-la. "Obrigado, Deus" exclamou Greer, sugando uma parte de seu peito na boca. "Você pode muito bem cortar meu pau se você tirar uma coisa dessas belezas." "Você é um homem." O pau de Greer cutucava a virilha de seus jeans. "Graças a Deus." "Pare de dizer isso. É desrespeitoso." "Como? Deus criou o homem e a mulher. Não me culpe se estou apreciando Seu trabalho. E acredite em mim, seus peitos são meus. Minha mãe me disse que era falta de educação não agradecer a alguém, e Deus deu tudo para mim. " A alegria dele ao dizer que eram todos dele levou todos os maus sentimentos que ela tinha sobre aqueles garotos feios e degradantes que começaram a dizer isso a ela desde que ela tinha atingido a puberdade. Ele a ensinara a não se envergonhar ou a tentar camuflar o tamanho deles, mas a apreciar o prazer que deram a Greer e a ela. Ele levantou-se, tirando os sapatos e jeans e tirando a camiseta amontoada. "Você é tão bonita, assim como eu pensei que você seria." Sua declaração roubou sua alma e a fez erguer os cílios. Seu pau estava duro e pronto. Greer era apaixonado pelo que ele comia no café da manhã, em como lidava com sua família. Ele também era apaixonado por seu cão, o que ele odiava. Mas o homem apaixonado não estava à vista quando faz amor. Baixou os cílios, desviando o olhar para as margaridas que os rodeavam. "O que está errado?" "Nada." Holly mordeu o lábio inferior para não chorar. "Não minta para mim. Sei que algo está errado."


Ela se virou para olhar para ele. "Se você pudesse fazer amor com qualquer mulher em todo o mundo, quem você escolheria?" Ela queria a resposta, não importa o quão mal lhe faria. Ela queria colocar um nome e rosto para a mulher que o impediu de responder a ela com todo o coração, a mulher que poderia quebrar seu controle de ferro. A mulher que segurava o coração do homem que amava em suas mãos. Ele olhou para ela, perplexo com sua pergunta. Ela se ergueu sobre os cotovelos. "Que mulher você escolheria!" Ela gritou. Greer franziu o cenho. "O que trouxe isso?" Ela começou a bater em seu peito. "Que mulher você escolheria!" "Eu tenho você." Holly sacudiu a cabeça. "Não, eu quero dizer daquelas que você poderia ter escolhido. É Diane?" "Eu poderia ter escolhido qualquer mulher que eu queria", ele declarou arrogantemente. Deitou-se no chão, gemendo. Ele não ia responder a ela com sinceridade. Com o coração partido, percebeu que não podia casar com ele. Sua mão direita foi para seu anel de noivado. "Você não acredita que eu poderia ter minha escolha de qualquer mulher no mundo?" Ela começou a deslizar o anel. "Droga, você é a mulher mais frustrante do mundo. Isso é uma maldita certeza." Antes que ela pudesse tirar o anel dela, ela encontrou ambas as mãos batendo no chão acima de sua cabeça. Então ele bateu a boca sobre a dela, separando seus lábios com um empurrão de sua língua. As sensações que a atacavam eram tão intensas que demorou um segundo para responder. Sua língua duelou com a dele antes de ele


chupar a língua em sua boca. Ele provava ser selvagem e livre. Tinha gosto das montanhas que gostava de vagar, que faziam parte dele. O sol brilhando sobre eles não era comparação do calor vindo de Greer. Arrancando a boca da dela, agarrou-se a um de seus mamilos corde-rosa, cobrindo completamente a auréola. Apertando seu peito, ele soltou o mamilo, depois o cobriu de novo, sugando mais forte. Parando para libertar seu mamilo novamente, ele então sugou mais duro cada vez. Ele empurrou seus seios juntos para que ele pudesse mudar para o outro, repetindo a manobra de sucção até que pulsavam. "Mantenha os seios desse jeito e não se mova" Ordenou Greer, esperando que ela colocasse as mãos na mesma posição antes de tirar a dele. "Eu poderia gozar vendo você fazer isso. Abra suas pernas." Holly abriu as pernas, esperando para ver o que Greer faria a seguir. Quando ele começou a deslizar a mão para cima e para baixo em seu pau, ela lambeu seu lábio inferior, desejando que estivesse de volta em sua boca. "Você me quer na sua boca?" Ela acenou com a cabeça, começando a buscá-lo, mas uma mão afiada na parte interna de sua coxa a deteve. "Ponha as mãos de volta naqueles peitos do jeito que eu mandei." Ela empurrou os dois seios juntos. "Da próxima vez que eu disser para você não se mover, não se mova." "Não vou." Greer se levantou, de pé sobre ela como se ele a possuísse. Suas feições tornaram-se mais pronunciadas, mais perigosamente atraentes. O bom rapaz que normalmente fazia todos não o levarem a sério tinha sido substituído pelo homem que quando foi caçar voltou com sua presa. Ele andou em volta dela, sua mão em seu pau, acariciando até que ela pudesse ver o brilho do pré-semen na cabeça. Ela gemeu, temendo que ele gozasse sem ela.


"Quando eu deixar você ter meu pau, eu quero que você chupe do jeito que eu fiz com seus peitos. Não me faça repetir como eu gosto." "Não vou." Ele caiu no topo de sua cabeça, sua mão ao lado de seus quadris enquanto ele se inclinou sobre ela para que ela ficasse de frente para seu pau. Obedientemente, ela abriu a boca e levantou a cabeça para que ela pudesse pegar seu pau, sugando-o com força, em seguida, abaixando a cabeça e deixando-a escorregar livre. Quando ela levantou a cabeça para levá-lo para dentro novamente, ela sugou mais forte, repetindo a mesma coisa que ele tinha feito com seus seios. "Segure seus seios com mais força. Concentre-se.” "Estou tentando." "Tente mais." Tentando se concentrar em chupar seu pau enquanto agarrava seus seios a tinha deixado se contorcendo no chão, as hastes das margaridas cutucando em suas costas. Ela o sentiu lamber um caminho de seu umbigo, através dos cachos, para sua vagina, correndo sua língua contra a carne lisa que estava implorando por ele. Ele esfregou seu rosto contra ela do jeito que ela tinha feito com seu pênis. A sensualidade do ato fez com que ela se arqueasse de volta, perdendo a noção do que estava fazendo. Batendo duro contra a carne rosa exposta que a fazia chupar o pau mais forte. Se sua buceta não tinha pegado fogo antes, estava agora. "Você acha que pode tirar meu anel quando quiser? Tente de novo e veja o que acontece." Ele bateu em sua buceta novamente, criando ondas de choque através de seu estômago e contraindo seus músculos. "Vou levar Dustin e Logan para morar com Tate, e fazer você andar nua por toda a casa por uma semana. Você entende o que quero dizer?" "Sim." Ele enfiou um dedo dentro dela, depois outro. "Você está pronta para eu foder você?"


"Sim!" Quando se endireitou para se deitar sobre ela, ela não tirou as mãos de seus seios. Ele levou as mãos aos pulsos dela, colocando-as sobre a cabeça e entrelaçando os dedos com os dela. Ele então olhou profundamente em seus olhos como se ele pudesse ler cada pensamento correndo em sua mente a uma velocidade vertiginosa. Ela tentou fechar os olhos, sentindo-se tonta e confusa. Quando ela conseguiu fechá-los, a sensação de vertigem ficou pior, como se ela estivesse nesse misterioso passeio de elevador novamente, indo mais rápido dessa vez. Com cada golpe de seu pau dentro dela, a velocidade de tirar o fôlego aumentou. Ela tinha medo que seu coração parasse. Ela gritou de terror, o som estridente reverberando em volta da clareira. Ela tentou arrancar as mãos de Greer, abrindo os olhos para ver a nuvem de tempestade que a prendia. "Não tenha medo." Seu rosto apaixonado era tudo o que ela estava tentando alcançar, mas diante da realidade, ela não tinha certeza se poderia lidar com isso. "Você pode. Eu estou com você." Ela apertou as mãos dele, tentando se agarrar à sensação de que ela era uma das margaridas que estavam sendo varridas pelo vento crescente, lançando-a cada vez mais alto. Quando ele se moveu mais rápido, ela foi levada ainda mais alto, vendo o céu se aproximando, com certeza se Greer soltasse sua mão, ela iria tocá-lo. Greer soltou uma de suas mãos, e ela a levou para cima, imaginando que estava tocando o céu, passando a mão pela superfície azul perfeita e sentindo a suave ondulação azul e movendo-se sobre sua mão como água fria em um riacho. Foi tão magnífico. Ela queria ir ainda mais alto para perfurar o véu que acenava. Greer estendeu a mão, puxando-a para descansar ao lado da dela. "Espere..." Ela tentou alcançar o céu novamente. "Você não pode ir lá ainda."


"Só mais um minuto. Eu estava quase lá" ela implorou enquanto Greer se balançava de um lado para o outro, batendo seu pau mais fundo nela. "Então goza comigo," ele gemeu em seu pescoço. "Goza comigo…" Seu comando tinha sua buceta apertando em torno dele quando suas terminações nervosas explodiram, girando seu mundo de cabeça para baixo até que ela estava deitada no céu, o chão abaixo deles. Quando Greer soltou suas mãos para agarrá-la nos quadris, levantando-a sobre suas costas, empurrou-a para uma queda livre que a fez cair de volta à terra. Lentamente, ela abriu os olhos, segurando as flores para ter certeza de que ainda estava viva, para ver Greer. "Você me ama," ela disse com admiração. Ele se deitou ao lado dela, pegando uma das margaridas quebradas. Greer inclinou o braço e apoiou a cabeça em sua mão. “Você ainda duvida que eu não pudesse ter qualquer mulher que eu quisesse?"


26

"Não." Greer acariciou a margarida através da base de sua garganta, observando-a olhar para as flores que os rodeava. "Quando você plantou as margaridas?" Vendo-a engolir de forma irregular ele se debateu se dizia a verdade. Suspirando, porém, ele realmente não queria começar seu casamento com uma mentira. "O dia depois de você me enviou mensagens pela primeira vez. Eu sabia que era você." Greer provocou seu mamilo ainda duro, seu rosto sério se abrindo num sorriso quando ela o atacou. "Seu bastardo." "Isso não foi o que minha mãe disse." Ele deixou a flor descansar contra seu coração batendo. "A coisa é, quando as pessoas pensam que você é estúpido, elas subestimam você." "Eu não..." "Você subestimou. Não se sinta mal. Todo mundo me subestima. Mesmo que eu não tenha sido um gênio, sabia de quantas noites você e Logan saíam para pegar os vagalumes." Holly pôs o braço sobre os olhos. "Você fez um perfil fake por mim!” O sorriso de Greer se alargou. "Eu fiz. Você tornou fácil como uma torta." "Eu te odeio." "Não seja assim. Acho que estamos quites." Ele viu uma lágrima deslizando de seu braço.


"Você estava tentando me ensinar uma lição, e você caiu em sua própria armadilha." "Eu não caí numa armadilha. Você está tentando me subestimar novamente." Ela ergueu o braço para olhar para ele. "Então por que estavam tão determinados a me tirar de casa depois de termos começado a conversar?" "Duas razões." Ele sem arrependimento moveu a margarida para roçar sua cintura, imaginando sua barriga grande e redonda quando ela ficar grávida. Sua pele estourou em arrepios, e ele engoliu convulsivamente antes que ele pudesse tirar as palavras. "Eu queria que você estivesse fora, porque você não estava segura até que as plantas estivessem prontas para serem colhidas. Dustin trabalha durante o dia, e Tate e eu tivemos que vigiar as plantas para evitar que fossem roubadas." "Qual é a outra razão?" Seu olhar verde o fez sentir-se um idiota, mas ele tinha certeza que não seria a última vez que ela o faria se sentir assim. Ele temia esse aspecto de seu casamento. "Você não vai gostar" alertou. "Diga-me." Sua mandíbula estava tão apertada que ele ouviu seus dentes rangendo. "Porque eu queria foder você, e eu não acho que você me deixaria com Logan dormindo na porta ao lado." "Seu maldito bastardo!" Ela se levantou, arrancando a margarida dele e esmagando-a na mão antes de atirá-la nele. Greer a atacou e a empurrou de volta ao chão, prendendo-a no lugar. "Um homem não pode suportar tanta tentação. Jesus, você acha que foi fácil para mim, vendo você se pavonear saindo do quarto na parte da manhã para fazer café com aquele robe?" "Eu não me pavoneio." "Mulher, você trabalhava naquele robe como se estivesse em uma pista. Você tem sorte de eu me conter, ou Logan e Dustin teriam vindo tomar o café da manhã para me ver fodendo você na mesa."


Ela ficou boquiaberta para ele. "Eu saía para começar a fazer o café, em seguida, voltava para o meu quarto para tomar banho." "Com esses seios arrebentando as emendas do robe, tomou somente um segundo. Depois de seis anos com você fazendo isso, eu tive que tirá-la de casa ou não me importaria quantos protestos você fizesse sobre Logan estar ao lado." "Como se eu fosse deixar você fazer isso." Ela zombou. Ele levantou uma sobrancelha sardônica. "Você ainda duvida de mim?" Seus lábios firmaram. "Você me queria, mas você não se importava de se aliviar com Diane, ou qualquer outra mulher que você pudesse falar para entrar em suas calças." "Eu não sou um santo, mas não fodi ninguém desde que falei com você na primeira vez que me enviou as mensagens." "Como se eu fosse acreditar nisso. Você estava praticamente lá todas as noites antes de eu ir embora." "Eu não a toquei. Ela pode confirmar isso. Foi por isso que ela começou a ver Luke, porque eu não estava dando nada a ela." "Não seja grosseiro." "Estou apenas dizendo." Se encolhendo, ele escolheu outra margarida, vendo-a encarando o céu sem o olhar. Dando-lhe uma pausa, ele deixou balançar inutilmente em sua mão. "Eu não vou me casar com você." "Por que não? Você me ama, e eu te amo." "Você premeditadamente me forçou a ficar comprometida fazendome sentir mal por enganá-lo com o fake. Você o virou em sua própria vantagem para conseguir o que queria." "Eu fiz" ele admitiu. "Mas isso não muda o fato de que nos amamos". "Eu não te amo mais." Outra lágrima escorregou de seu olho.


"Sim, você ama. Eu queria que você me conhecesse. Eu sei o quão duro eu dificultei para você sobre Logan, e eu queria que você visse outro lado de mim. Eu sabia que você queria me fazer pagar por alguns dos pequenos golpes que dei em você, então eu deixei você achar que estava me enganando." "Alguns?" "Tudo bem, muitos. Se isso te faz sentir-se melhor, você achando que estava me enganando, então era uma situação ganha-ganha para mim. " "Você sempre tem que vencer." Amargamente, ela se recusou a tirar os olhos do céu. "Você está preocupada, eu sei. Eu não poderia deixar você fugir. Eu estava realmente indo deixá-la fugir de mim depois da primeira vez que conversamos. Eu disse que não tínhamos nada em comum e saímos do chat. Eu ia fugir e deixar você dar uma boa risada." "Por que você mudou de ideia?" "Porque você mudou sua foto para uma margarida." Seus olhos caíram para os dele, sua sobrancelha franzida. "O que isso importava?" "Porque eu tive uma visão quando eu tinha seis anos que uma margarida era o sinal de que eu iria encontrar a mulher que eu amaria." Perplexa, ela procurou em seus olhos. "Pensei que fosse Diane. Quando estávamos na sexta série, ela usava uma camisa de margarida. É por isso que eu aguentei todas as trapaças. Quando você mudou seu ícone, eu percebi que era você." "Você realmente acredita nisso, não é?" "Sim." "Você já fez amor com Diane como você fez comigo?" A leve pontada de ciúmes em seus olhos o fez correr a margarida sobre os cachos em sua vagina. "Não."


"Alguma outra mulher?" "Não, eu guardei isso só para você." Ele deixou Holly ouvir a vulnerabilidade em sua voz, baixando sua guarda agora, assim como ele tinha feito quando ele fez amor com ela. "É difícil de fazer, e é preciso muita força. Você tem que dar uma parte de si mesmo, e quando você dá, você não o recebe de volta. Eu não queria outra mulher andando com uma parte do meu coração. Só a mulher com quem fosse me casar, e é você." "Sutton disse que você tem economizado sua força, porque você e sua família pensam que um de vocês está em perigo." Greer acenou com a cabeça. "Sutton me ligou e me disse que ela tinha lhe dito, e você não acreditou nela." Seus olhos verdes olharam para trás, a dúvida ainda mostrando. "Um deles vai morrer, a menos que eu possa salvá-lo." Ela apontou para o campo de flores. "Isso é tudo porque eu escolhi uma margarida como um ícone? O que você teria feito se eu tivesse escolhido uma rosa?" "Então você estaria deitada em uma cama de rosas." Inclinando-se para baixo, ele beijou seus lábios. "Me amar não será um carrossel, mas posso jurar que vou para a cama todas as noites e acordar todas as manhãs ao seu lado." "Não é fácil te amar, Greer." "Juro que farei valer a pena." Prometeu, colocando a margarida em sua mão estendida antes de puxá-la para perto quando ela se virou em seus braços. Passando a mão sobre o cabelo dela, ele lhe disse: "Eu te amo." Ela assentiu em seu ombro. "Eu também te amo." Ele gemeu, sentindo seus seios contra seu peito. "Mulher, pare de me distrair. Temos trabalho a fazer." De pé, ele puxou as calças de volta, em seguida, jogou suas roupas sobre o seu estômago. Ela riu, levantando-se para vesti-las. "Podemos colocar algumas cadeiras neste local. Isso vai esconder o que estávamos fazendo."


Ele estava sorrindo de volta quando seu celular tocou. Ele levantou para ver Tate ligando. "Você pode vir." "Logan está desaparecido." Os olhos de Greer foram para Holly, ao ouvir as palavras de Tate. "O que você quer dizer, ele está desaparecido? Ele saiu com você há uma hora." Os olhos de Holly ficaram preocupados. Empurrando o sutiã e a camisa, ela se sentou para pegar seus tênis de volta. "Ele foi se deitar no quarto de hóspedes para assistir uns vídeos. Nós pensamos que ele estava tirando uma soneca. Nós não sabíamos que ele estava sumido até Rachel entrar para acordá-lo para o almoço. Procurámos por toda a casa e lá fora. Liguei para Dustin. Ele está saindo do trabalho agora. Sutton e eu vamos começar a procurar no bosque e no campo. Talvez ele esteja tentando voltar para o campo. Ele queria ficar com você e Holly." "Vamos começar a caminhar por ali também. Espero que um de nós o encontre antes de nos encontrarmos." "Vamos agora." "Nós também." Greer agarrou suas botas. "Vamos. Tate pensa que Logan estava tentando vir aqui." "Logan!" Holly imediatamente começou a gritar enquanto eles fizeram seu caminho através do campo para as árvores. "Logan!" Grunhiu Greer, pegando a mão de Holly para que ela não tropeçasse em nenhuma das raízes enquanto caminhavam pelo pequeno caminho. "Logan!" Holly soluçou. "Ele está bem. Vamos encontrá-lo." Enquanto tentava tranquilizála, uma sensação de mal-estar em seu intestino o fez gritar ainda mais alto. "Logan!"


Greer olhou para os sinais dos arbustos que Logan tinha passado por eles. Quando viu Tate e Sutton correndo na direção deles pelo caminho, Holly ficou inconsolável. Greer pôs o braço em volta do seu ombro. "Sutton, leve Holly de volta para sua casa. Eu e Tate procuraremos o bosque." "Eu disse a Dustin para verificar em sua casa. Se ele o encontrar, ele ligará." Tate encontrou os olhos de Greer que estavam tão preocupados quanto os dele. "Logan!" Holly gritou. "Vá em frente e leve-a, Sutton." Sutton estendeu a mão para pegar o braço de Holly, mas ela se afastou. "Não vou deixar Logan!" "Nós nem sabemos se ele está aqui. Eu e Tate iremos mais depressa. Se Logan não estiver em casa, Dustin trará um veículo de quatro rodas. Você não vai ser capaz de acompanhar-nos. Volte para a casa. Talvez ele esteja escondido. Se não estiver, ligue para Knox e diga a ele que Logan está desaparecido." Holly assentiu, indo com Sutton enquanto gritava o nome de Logan. "Você vê alguma coisa no caminho para cá?" Tate sacudiu a cabeça. "Você?" "Não." "Droga. Vamos ter que voltar e ver se podemos encontrar suas pistas. Eu deveria ter feito isso antes de vir aqui, mas eu pensei com certeza que ele iria seguir o caminho. Vamos." Eles voltaram. Sutton e Holly à frente deles, enquanto eles verificavam duas vezes para ter certeza de que o garotinho não se perdeu do caminho. Quando as mulheres entraram, ele e Tate rodearam a casa. Encontraram as pequenas pegadas de Logan pulando da varanda dos fundos. Foi na direção oposta à de onde o caminho levou ao campo.


"Onde diabos ele está indo?" Greer murmurou. "Encontrar alguma coisa?" Rachel perguntou, vindo de trás da casa. "Sim. Volte para dentro e mantenha todos lá." "Eu vou. Liguei para o Knox. Ele está a caminho, Cash está fazendo uma busca conjunta. Estarão aqui a qualquer momento." "Traga-os até aqui. Ligue para Dustin para vir para cá." Rachel imediatamente começou a ligar para Dustin enquanto ela voltava para dentro. Greer encontrou o local onde tinha ido para os arbustos. Ajoelhando-se, viu as pegadas de Logan e várias pegadas menores. "Ele entrou aqui." Ele pegou uma vara, apontando para o conjunto de pegadas menores. Tate se inclinou, estudando as pegadas. "Pegadas de cão." "Um cãozinho. Não pesa mais que dez quilos." "Ele deve ter visto do quarto e saiu para pegá-lo." "Sim, vamos embora." Andando através da espessa vegetação, eles só tinham conseguido caminhar alguns metros quando ouviram o veículo de quatro rodas de Dustin se aproximar. Seu irmão mais novo estava tenso quando cortou o motor. "Tem certeza que é por aqui?" "Sim, nós o rastreamos da varanda dos fundos. Ele deve ter vindo atrás de um filhote e se perdeu. O filhote foi em outra direção, e Logan foi por este caminho." "Vamos, Greer. Tate, certifique-se de que não perca nada." Greer pulou na parte de trás do veículo de quatro rodas, com a cabeça inclinada para o lado, procurando por sinais de Logan. "Pare!" Greer gritou, apontando para um pequeno galho em um arbusto que estava quebrado.


Dustin virou o veículo de quatro rodas nessa direção. "Eu vou bater na bunda dele." "Você sabe para onde ele está indo?" Dustin gritou sobre o motor. A sensação de mal estar em seu estômago tornou-se um nó duro. "Ele está indo para o lago."


27

“Deus, Por favor, deixe-o ficar bem “, Holly rezou mais e mais, aterrorizado pelo menino enquanto ela se sentava no sofá, balançando, as mãos apertadas em punhos enquanto rezava. Rachel sentou ao lado dela, um braço sobre os ombros. “Holly, ele está bem.” “Eu quero meu bebê” ela implorou. “Rachel, eu não posso viver sem ele.” “Ele está bem”, ela a tranquilizou novamente. “Ligue para Tate e veja se eles já o encontraram.” “Ele vai ligar assim que encontrá-lo.” “Deus, por favor, por favor...” Holly soluçou, imaginando Logan sozinho e assustado, incapaz de encontrar o caminho de volta. “Deus, se você nos deixar encontrá-lo, juro que não vou deixá-lo fora das minhas vista novamente. Eu juro que vou ser uma pessoa melhor. Deus…" “Devo ligar para o médico para vir e dar-lhe um sedativo?” Holly levantou o olhar para ver o olhar assustado de Sutton nela. “Eu não quero um sedativo. Eu quero o meu filho!” Ela gritou para a mulher que a olhou, impotente. “Holly, você tem que se acalmar. Logan precisa de você calma, caso ele precise de você.” Ela tentou obter algum controle, mas ela perdeu novamente quando Diamond entrou na casa com Knox. Rachel se levantou, deixando Diamond tomar seu lugar. Holly quebrou novamente quando Diamond estendeu a mão para segurá-la.


“Diamond, faça Knox encontrar Logan” ela implorou. "Ele vai. Eles já iniciaram três grupos de busca, tentando encontrálo. Cash, Tate, Greer, e Dustin estão procurando por ele. Eles são os melhores rastreadores no estado. Eles vão encontrá-lo.” “Holly, eu sei que você está preocupada, mas você pode responder a algumas perguntas para mim?” Perguntou Knox. Ela afastou as lágrimas, balançando a cabeça. “Há lugares que Logan vai quando ele gosta de brincar?” “Quando morávamos na casa, ele sempre pedia para ir ao campo com Greer. É onde pensei que ele estava hoje, quando ele desapareceu.” “Quando Rachel ligou ela disse que foi nessa direção que Greer encontrou suas pegadas. Algum lugar que ele vai do campo?” “Eu não consigo pensar em nenhum. Ele não vem muito para a casa de Tate, por isso não é tão familiar para ele.” O telefone de Knox começou a tocar, e assim como o de Rachel. Holly prendeu a respiração quando eles atenderam seus telefones. “Eles o encontraram” Rachel murmurou para ela assim que ouviu a voz do outro lado. Holly começou a chorar de alívio. “Eles o encontraram” Knox disse em voz alta. “Eles o encontraram no lago de Cash, sentado em sua rocha.” Holly começou a rir tão forte que ela não conseguia parar. Diamond precisou sacudi-la para ela parar. “Ele está bem?” Diamond perguntou por ela. "Ele está bem. Eles estão vindo até aqui agora. Vou ligar para o grupo de busca e levar Diamond para casa, a menos que você precisa dela?” “Não, eu vou ficar bem, assim que ele chegar aqui.”


“Me ligue se precisar de alguma coisa.” Diamond a soltou, levantando-se. "Eu vou. Obrigada. E, Knox, certifique-se de dizer a todos muito obrigada por mim.” "Eu vou." Holly foi para a varanda para esperar por Logan assim que eles saíram. Mais de vinte carros e duas vezes mais motos estavam estacionados fora da garagem. A caminhonete de Cash parou na calçada, e Greer saiu, Dustin saindo atrás dele, estendendo a mão para Logan para colocá-lo no chão. Holly não se conteve, chorando de alívio ao ver seu bebê novamente. Quando Logan veio correndo, ela caiu de joelhos, segurando seus braços. “Sinto muito, Holly. Greer disse que ele vai deixar minha bunda vermelha!” “Não, ele não vai.” Ela o segurou mais apertado, esfregando sua bochecha contra a dele. “Quer apostar?” Greer se queixou, se aproximando deles. “Você não vai ferir um fio de cabelo na cabeça do meu bebê.” Quando ela o soltou, Logan saiu do seu aperto, pulando para os braços acolhedores de Rachel. Ela o impediu antes que ele pudesse chegar e abraçar Rachel. “Todos nós precisamos sentar e chegar a uma punição razoável.” Ela se virou para olhar para Logan. “Por que você deixou a casa sem dizer a ninguém?” “Eu vi um cachorro muito bonito. Tentei pegá-lo, mas ele fugiu. Podemos ir procurá-lo, papai?” "Não. Vamos para dentro da casa. Logan disse que estava com fome no caminho de casa” Dustin levantou Logan em seus braços, carregando seu filho para dentro. “Eu fiz alguns cachorros-quentes. Eles estão frios, mas posso esquentá-los.” Sutton abriu a porta de tela, deixando todos entrarem.


Holly pegou o braço de Greer, não deixando-o entrar. Ela esperou até que todos eles fossem embora antes de conversar com Greer. “Pare de sair dizendo que você vai bater na bunda dele! Ele vai fofocar sobre isso quando ele voltar para a escola. Ele teve uma experiência traumática. Precisamos ser gentis e atenciosos com suas necessidades.” “Ele teve uma porra de uma experiência traumática? Você foi a única que teve uma experiência traumática. Você perdeu sua cabeça! Dustin teve uma experiência traumática. Imagine quando Dustin percebeu que ele estava indo para o lago e nós não sabíamos se iria encontrá-lo vivo ou morto. Ele cruzou a porra de uma estrada. Quantos veados foram mortos ao passar nessa porra de estrada? Ele tem sete anos de idade, não a porra de um bebê. Ele sabe muito bem! Ele está indo para obter a bunda vermelha sim e nunca mais vai esquecer!” “Greer, você quer se casar comigo?” “Você sabe que eu quero!” Ele passou uma mão trêmula pelo cabelo. “Você ainda quer ter filhos?” "Você sabe que eu quero." “Então nós temos que resolver isso agora. Eu não vou bater em nossos filhos. É o trabalho de Dustin punir Logan. Você deve ficar de fora. Além disso, tenho toda a fé que Dustin vai encontrar uma punição que será igual a surra que você quer dar a ele.” Greer tinha um temperamento quente. Ele poderia muito bem aprender agora que ela não consideraria palmadas uma opção. “Tudo bem, será do seu jeito!” Holly ficou aliviada que Greer poderia ser sensível aos seus desejos e considerações. Então, ele estragou tudo. “Mas se eu não gostar do castigo que Dustin dará a ele, eu ainda estou dando-lhe umas boas palmadas” Ele invadiu a casa, a porta de tela batendo forte se fechou atrás dele.


Holly entrou, contente de ver que Logan não estava inclinado sobre o joelho de Dustin. Em vez disso, o menino estava comendo seu cachorroquente com um monte de batatas fritas em seu prato e dois cookies. Rachel e Sutton sentaram perto do rapaz. De seus olhos, ela percebeu que as mulheres estavam de guarda, certificando-se de ele não conseguiria a surra e não obteria alívio nos cookies que ganhou. Holly foi até a cozinha para se fazer um prato, movendo-se para o lado para passar por Tate que fazia o seu. Ela tinha acabado de pegar um prato quando ouviu o som de vidro quebrando. Assustada, ela se virou para ver Tate pálido como um fantasma, segurando o balcão, o seu prato de comida no chão. “Tate, você está bem?” Assustada, ela viu seus olhos se encontrarem com os dela, assim como os de sua família enquanto eles se levantaram da mesa. "Estou bem. Termine a sua refeição.” Ele começou a se abaixar para pegar o prato. “Eu vou fazer isso.” Sutton lançou a seu marido um olhar preocupado, tirando a vassoura e pá da despensa. "Vá se sentar. Vou fazer-lhe um outro prato.” “Eu não estou com fome.” Tate foi sentar-se com sua família. Holly tinha perdido o apetite ao ver os Porters olhando um para o outro. Apreensiva, ela se sentou ao lado de Greer, sua mão indo para seu joelho debaixo da mesa. “Você ouviu, não foi?” Greer perguntou, colocando a mão sobre a dela. "Sim." “O que ele ouviu?” Holly olhou para eles, esperando por alguém para responder. Foi Greer. “Logan, vá sentar-se no sofá e coma sua comida.” Não querendo pressionar sua sorte, Logan levou seu prato para a outra sala.


Greer esperou até Dustin entrar na sala e ligar os desenhos animados antes de voltar. “Ele ouviu os sinos da morte. é a segunda vez neste mês.” “Isso quer dizer alguma coisa?” “Isso significa que a morte está perto. Alguém que Tate entrou em contato hoje vai...” “Ele estava na cozinha comigo. Sou eu?” Holly ainda não acreditava nos dons dos Porters, mas confrontada com sua possível mortalidade, isso enviou um medo arrepiante por suas costas. “Não, isso poderia ter sido alguém que estava em torno desta manhã ou à tarde. Houve um grande grupo de homens que chegaram no lago quando estávamos lá.” “Devemos cancelar o casamento?” Greer empurrou a comida. “Isso não importa. Nós não podemos parar. Poderia ser esta noite, amanhã ou na próxima semana quando a morte vier. É por isso que eles apenas nos avisam, não podemos impedir que isso aconteça.” “Isso está me assustando.” Ela se inclinou contra Greer, deixando sua força aquecê-la. Então, ela franziu a testa quando ele se afastou. A princípio, ela ficou machucada. Então ela percebeu o que ele estava fazendo. Ele estava conservando sua força. Ela olhou, com foco na família em torno da mesa e pensando quantas vezes eles lhe pediram para deixar o quarto junto com Logan. Mantendo essa parte de sua família para si mesmos, eles tinham pedido apenas Logan para ir para a outra sala, dessa vez, porque ele era muito jovem. Eles não pediram a ela para sair desta vez, porque ela agora era uma parte de sua família. Era hora dela começar a agir como tal. Endireitando a coluna, ela estava repetindo o discurso de Sutton mais cedo naquele dia sobre o dom dos Porters. “Nós podemos cancelar o casamento” Holly disse distraidamente, ainda repetindo a conversa anterior.


“Nós não estamos cancelando o casamento. Como saberemos se mudando o casamento é exatamente a oportunidade da morte de alguém morrer acontecer?” “Por que ao Dustin foi dado sonhos, Tate a capacidade de ouvir os sinos da morte, e você e Rachel a cura se quem deu seus dons não quer que vocês sejam capazes fazer nada sobre isso?” Ela perguntou mais para si mesma. “Porque há sempre um preço a ser pago.” Os olhos sombrios da Tate encontraram os de Greer. “Que tipo de preço?” “Como quando Greer salvou a vida do Pai da explosão. Se ele tivesse morrido naquela noite, nossa mãe poderia ainda estar viva. Depois, há o sonho de Dustin de morrer de um ataque cardíaco. Sabíamos que era nossa avó e advertimos ela. Nós pedimos a ela para ir ao médico, mas ela não iria. Ela disse que não queria que nós pagássemos o preço por alertála.” Sua avó tinha dons também?” Perguntou Holly, sentada na borda de seu assento. “Sim, é transmitida de geração em geração.” Sua mão apertada sobre a mesa. “Qual foi o dom de sua mãe?” “Ela podia ouvir os sinos da morte como Tate.” “Sua avó?” “Ela tinha o mesmo dom que eu” Rachel falou, e Cash puxou sua cadeira de forma protetora mais perto dela. “Será que sua avó nunca mencionou o tipo de dons de seus pais?” “Ela era uma Cherokee puro-sangue. Vovó disse que nosso pai não a deixava falar sobre sua família. Ele disse que era besteira “. “Certamente, alguém da sua família saberia.” Todos na mesa sacudiram a cabeça. “Será que Drake tem um dom? Ele é um Porter.”


“A Mãe de Drake é irmã do nosso pai.” Nossos dons vêm do lado materno da nossa família. “Então, nenhum de vocês já procurou seus ancestrais?” Ela olhou intensamente ao redor da mesa. “Se você não sabe de todos os dons de seus antepassados eram, outros dons podem ter sido perdidos. Quantos anos você tinha quando você começou a ver sinais de seu dom?” “Eu tinha quatro anos” Greer respondeu imediatamente. “Eu tinha seis anos” Tate respondeu em seguida. “Eu estava em torno de seis.” Rachel olhou para Dustin, esperando por sua resposta. “Mãe disse que eu tinha três anos quando comecei a ter pesadelos. Que importa quantos anos nós tínhamos...?” Toda a mesa olhou para a sala de estar, a boca entreaberta, olhando para onde Logan estava assistindo o filme na televisão. “Eu não acho que lhe foram confiados dons sem a capacidade de impedi-los. Eu só não acho que vocês estavam olhando na direção certa para a sua resposta.”


28

“Nós saberíamos” Dustin disse com voz rouca. “Não, se ele não herdou os mesmos dons. Você saberia se ele tinha herdado dons de um ancestral e não foi lembrado porque a informação tornou-se perdida nas gerações antes de você?” “Nos saberíamos, porque isso não tem exatamente como esconder.” "Eu vivia com você todos os dias e nunca soube. Eu sabia que Rachel fazia massagens, mas não que ela estava usando seu dom para curar. " "Isso é porque nós não queríamos que você soubesse. Não queríamos que ninguém soubesse. Metade da cidade acha que ela é charlatã. "A outra metade sabe que ela não é." Tate não tirou os olhos de Logan. "Ele não tem sonhos; eu sei disso. Eu durmo com ele a maioria das noites, e ele não tem pesadelos. " "Talvez não sejam pesadelos. Podem ser sonhos para ele. Dustin se levantou, suas mãos indo para o fundo de sua cadeira. "Ele nunca fala sobre qualquer sonho em particular que ele teve. E ele não mostrou nenhum sinal do dom de Rachel ou de Greer, e ele não ouviu tocar sino. Ele teria dito alguma coisa. Holly concordou com Dustin, pensando em qualquer coisa fora do normal que Logan fez. Ela poderia dizer que os Porters estavam fazendo o mesmo. “Pergunte a ele” Holly insistiu, tentando pensar em uma maneira de perguntar, quando de repente ela pegou o braço de Greer. "Oh Deus."


“O quê?” Greer a olhou, vendo que tinha pensado em alguma coisa. “Ele desenha, Dustin. Muito. Ele está constantemente pedindo papel para desenhar. Comprei-lhe um bloco de papel para desenhar. Está na casa, no quarto dele.” "Ele desenhou uma foto para mim antes de ir dormir no meu quarto de hóspedes. Eu coloquei na geladeira" Sutton disse. Dustin correu para a cozinha, voltando para a mesa com a cara enrugada. Ele virou a foto para que eles pudessem ver. No papel estava um cachorro brincando na grama. Tate tirou o desenho dele. "Ele disse que tinha visto o cachorrinho da janela. É por isso que ele saiu de casa para tentar pegá-lo. Ele desenhou isso antes de ir para o quarto?" "Sim." Sutton o desenho dele. "Logan, venha aqui!" Greer gritou para seu sobrinho. "Não assuste ele. Ele poderia ter visto o cachorrinho da janela de lá." Holly balançou a cabeça em direção à janela da sala de jantar em suas costas. “Talvez seja por isso que o desenhou.” Greer relaxou, os outros tentaram fazer o mesmo. Logan foi até Greer, apoiando o braço no ombro de Greer. “Sim, tio Greer?” Holly não conseguia explicar o desabrochar do amor que sentia pelas duas pessoas que mais gostava no mundo. Greer se definia como egocêntrico, porque ele era, mas como uma árvore, ele abrigava a sua família, segurando-os de volta quando eles precisavam dele, ele seria capaz de garantir que eles estavam seguros. Logan era jovem e fraco como um pequeno rebento, e Greer, sendo um maníaco do ego, queria que seu sobrinho crescesse alto e forte. Ele queria que toda a sua família prosperasse e fizesse bem. Ele não tinha um traço de seu pai. Seu amor não era suportado por medo e orgulho. Foi carregado do sacrifício próprio e de lealdade duradoura. Aquela lição que ele tinha aprendido de sua mãe, sua avó, e aqueles antes deles; Era uma lição que Greer transmitiria ao filho, exatamente como fizera com Logan.


Apesar das ameaças de Greer de espancá-lo, Logan não tinha medo de tocar seu tio. O vínculo entre os dois tornou evidente que Greer seria um pai maravilhoso, colocando seus medos em repouso. "Por que você desenhou a imagem do filhote?" Logan encolheu os ombros. "Eu gosto de desenhar imagens que vejo na minha cabeça." "Você viu aquele filhote antes de desenhá-lo?" "Não." "Quão parecido o filhote que você desenhou com o cachorro que você viu da janela?" "Não muito. Eu não tinha os meus lápis de cor, então eu não conseguir colori-lo marrom. " "O cachorrinho que viu lá fora era marrom?" "Sim. Ele tinha uma mancha aqui” Logan tocou o pedaço preto no lado do filhote de cachorro que ele tinha sombreado com a caneta. "Foi por isso que você foi lá fora, porque ele parecia com o da sua imagem?" Logan abaixou os cílios pensando que ele teria problemas se ele respondesse. "Você não vai ter problemas. Responda à pergunta do seu tio.” "Sim." "Isso já aconteceu antes? Você desenhou algo então viu? " "As vezes." "Eu posso ver seus desenhos?" “Estão no meu quarto.” Greer se levantou. "Eu estarei de volta em um minuto." Logan sentou no banco de Greer, balançando os pés. "Posso ter outro biscoito?" Holly começou a dizer-lhe que não, então pegou um da bandeja de biscoitos, quebrando-a ao meio para lhe dar e mordiscar a outra metade.


Cinco minutos depois, quando Greer não voltou, ela começou a ficar preocupada. Tentando aliviar seus medos, quebrou outro biscoito ao meio, entregando-o a Logan e comendo a outra metade. Quando dez minutos se passaram e Greer não voltou, Tate ligou para ele. “Porque está demorando tanto?” "Ok." Desligando o telefone, ele disse a eles que Greer estava voltando. Passaram-se mais cinco minutos e nada de Greer. Holly não pôde aguentar mais um minuto, prestes a ir ver o que estava levando-o tanto tempo quando ouviu o veículo de quatro rodas que tinha acabado de voltar. Ela estava começando a se sentir tola por exagerar quando Greer chegou à porta, não fazendo um movimento para entrar. "Tate e Dustin, venham. Precisamos conversar.” Sua expressão furiosa fez com que os homens fossem até a porta. "Logan, fique aqui." Holly foi para fora. Rachel entregou Ema a Cash, indo com Holly. Os homens as olharam quando saíram para a varanda, mas não lhes pediram para sair. "O que há de errado?" Holly manteve a voz baixa, então Logan não ouviria. “Alguém quebrou o antigo banheiro.” “Por que eles quebrariam um antigo banheiro?” Holly nem sequer sabia o que era quando se mudou para a casa dos Portes. Rachel tinha dito a ela o que era quando viu o pequeno e minúsculo prédio situado na pequena colina ao lado do celeiro. "É onde guardamos nosso estoque." "Vocês mantém em um banheiro?" Ela se revoltou ao pensar neles escondendo seu tesouro numa fossa gloriosa. "Nós nunca o usamos do jeito que você está pensando. Pai tinha construído aquilo como um buraco escondido. O que usávamos antes de Pai construir aquele era em outro lugar do outro lado da casa. Nós o abandonamos há dez anos e cobrimos o com sujeira. O galpão do celeiro


era onde poderíamos ficar de olho em nosso esconderijo, e ninguém o procuraria lá.” Tate bateu o punho no poste da varanda. “Filho da puta! Ninguém sabia que estava lá. Nós nunca íamos lá até ficar escuro. Greer, você contou?" "Claro que não! Posso ter lhe mostrado aquelas colchas, mas eu nunca lhe contei sobre o banheiro!” “Você, Dustin?” "Não!" "Então como alguém descobriu?" “Não sei, mas descobrirei quando quem a roubou começar a vendêlo.” Greer encarou a estrada que levava à casa dele. "Todo esse trabalho para nada. Mais dois dias, e teria desaparecido. Eu já havia prometido tudo. Eu teria feito as entregas depois do casamento." "Alguém sabia quando você ia fazer as entregas?" Holly foi para Greer, esfregando seu braço e tentando fazê-lo se sentir melhor. "Não, eu costumo apenas dizer-lhes que vai ser uma semana ou mais tarde, então ninguém pode descobrir o que estou fazendo quando eu vou entregar. Dessa forma, os federais não podem me pegar e me trancar, ou algum idiota quer explodir meu cérebro para roubá-lo." "O que faremos sair pela cidade, perguntando aos nossos clientes se podemos provar sua maconha?" Dustin fez uma careta por sua sugestão. "Nós não teremos que isso. Todo mundo tenta vender para os Last Riders. Só temos que pedir ao Shade que aceite a oferta deles. Eu fodidamente saberei pelo cheiro se for o nosso." "Você não pode sentir a diferença, pode?" Holly perguntou. “Posso” grunhiu Greer. “Eu também posso” Tate concordou. “Eu também." Dustin não estava prestes a ser deixado de fora da perícia de que os irmãos estavam claramente orgulhosos.


"Poderia alguns dos rastreadores terem encontrado e usado a oportunidade de roubar? Talvez eles não estejam planejando vendê-lo a ninguém." Os três homens olharam para ela como se tivesse perdido um parafuso. “Porque derrubariam uma velha dependência e desceria nela se não soubesse que não havia uma pilha de merda nesse buraco?” “Eu não sei se eu faria” Holly concordou. "O filho da puta sabia." Tate amaldiçoou. "Eles usaram aquele filhote de cachorro para chamar Logan e nos tirar da casa o suficiente para pegar nosso estoque." "Tem que ser uma coincidência. Certamente, alguém aproveitou o fato de Logan estar desaparecido.” "Vai ser fácil saber. Eu estava tão ocupado seguindo a trilha de Logan que eu não segui o filhote." Greer saltou da varanda, com Dustin e Tate decolando depois dele. Ela e Rachel estavam na varanda esperando que os homens voltassem. Holly se inclinou para pegar o bloco de desenhos de Logan, folheando-os, com Rachel olhando por cima do ombro. "Volte para aquele." Rachel fez um sinal. Holly não podia acreditar em seus olhos enquanto trocava as fotos lentamente. Ela tinha visto essas fotos depois que Logan as tinha desenhado, sem perceber sua importância. "Doce Jesus," Rachel respirou, tirando as imagens dela quando ela virou a última. Holly se virou quando as vozes dos homens se aproximaram, ouvindo-as discutindo. "Encontramos um conjunto de pegadas no morro onde o filhote fugiu. Está escuro, ou nós poderíamos ter seguido até onde as pegadas nos levassem. "


"Eu sei para onde eles levam" Rachel grunhiu, dando o bloco de desenhos para Tate enquanto subiam os degraus da varanda. Os homens olharam para as fotos. Quando terminaram, Tate devolveu a Rachel. “Vou pegar minha espingarda.” Greer começou a sair. “Vou pegar a minha” Tate começou a entrar. “Estou pegando minha arma também” gritou Dustin, indo em direção a Greer. "Vocês três tragam seus traseiros aqui!" Holly gritou atrás deles, suas mãos indo para seus quadris. Os três irmãos se viraram para a varanda. "Eu não quero que você vá atrás de Asher." O bloco que ela tinha comprado para Logan mostrava rabisco infantil de uma garota num contorno do Kentucky desenhado em torno dela, e uma imagem de um rifle. Outra foto era da casa da Sra. Langley, outra um anel, cobertores, um campo de margaridas e um grande carvalho. Os quadros de Logan estavam desdobrando a vida deles bem na frente de seus olhos, e eles não tinham reconhecido o paralelo entre os dois. As últimas imagens que havia desenhado mostravam o banheiro e um homem que tinha uma estranha semelhança com Asher Hayes. “Fodidamente muito ruim” grunhiu Greer. "Eu não me importo com maconha. Bem, eu me importo" ele admitiu. “Mas poderiam ter conseguido matar Logan.” Dustin começou a sair novamente, e Holly pegou seu braço, tentando desesperadamente detê-lo. “Ouça-me, Dustin! Como você sabe que não é exatamente o que você tem sonhado? Como você sabe disso, por causa das imagens que vimos? Isso acabar fazendo com que todos nós tenhamos medo do que vai acontecer. Logan nunca mais o fará; Todos vocês sabem disso. Se é sobre a maconha, eu tenho dinheiro. Você pode ter o que eu poupei." “Você tem cinquenta mil dólares?”


Ela ficou boquiaberta. "Você ganha cinquenta mil dólares?" Seus olhos se estreitaram nos rostos dos homens. “Quanta maconha você plantou” ela gritou para eles. Rachel foi fechar a porta, dando-lhe um olhar de censura. "Sim, foi um ano fraco. Estive ocupado te cortejando” admitiu ele sem vergonha. “Você achou que este foi um ano fraco?” Ela soltou o braço de Dustin, levantando seu dedo indicador para empurrar Greer com força no peito, forçando-o a dar um passo para fora da varanda. "E vai ser ainda mais fraco no próximo ano." Cutucando ele no peito de novo, ela o forçou descer um outro degrau até que ela estava no mesmo nível do olho dele. "Vai ser tão fraco, que será inexistente. Você entendeu?” Ela tentou baixar a voz e falhou, praticamente gritando no rosto de Greer. "Eu sugiro que você encontre um maldito trabalho. Se não, eu posso segurar as pontas até que você consiga. Dustin já tem um emprego, e Tate…" Sua mente ficou num vazio para o que Tate poderia fazer. "Você pode descobrir isso por si mesmo, mas o potenciômetro Porters chegou ao fim da estrada. Vocês me escutaram?" “A cidade inteira ouve você” murmurou Greer. "Bom!" Holly respirou profundamente, tentando acalmar seu coração acelerado. "Então ajude-me Deus ..." Holly moveu-se para andar de um lado para o outro na pequena varanda, os Porters andando rapidamente fora do seu caminho. "Você disse que não podemos mudar nada, então não há necessidade de ficar aqui, tentando pará-lo. A única coisa que podemos fazer é esperar Logan desenhar e ver o que ele fará. Vocês concordam?" Eles assentiram com a cabeça. "Eu irei ao banco segunda-feira de manhã e dar-lhe o que eu economizei." “Não quero seu dinheiro..” "Cale a boca!" Ela respondeu a Greer.


“Você e Dustin podem ir para casa. Vou aproveitar minha última noite de ser solteira. Te vejo na cerimônia. É má sorte ver a noiva antes do casamento. Ou seja, se eu não mudar de ideia e decidir não casar com você! " "Mulher, você vai casar comigo!" Greer rosnou obstinadamente. "Talvez eu vá ... Talvez eu não vá" ela ameaçou, indo para a porta de tela e abrindo-a. “Mulher” Ela teria entrado, mas a súplica em sua voz a impediu. Ele ter baixado a guarda para se tornar vulnerável na frente de sua família a fez hesitar. "Deus me ajude, eu estarei lá" disse ela, entrando e fechando a porta atrás dela. "Sutton, você tem algum daquele vinho que sobrou?"


29

Atiradordeelite: Você acordou com humor melhor esta manhã? Atiradordeelite: Eu não tive a chance de falar algo com você ontem. Atiradordeelite: Eu sei que todo mundo pensa que eu sou uma piada. Que eu não me importo com ninguém além de mim mesmo. Eu me importo. Eu me importo com minha família e você. Atiradordeelite: Eu estive rancoroso sobre Logan, e deixei isso me cegar. Se eu pudesse fazer isso de forma diferente agora, eu faria. Todos os meses que eu vivi com você, eu me apaixonei ainda mais. Tão profundo que eu não sabia como sair do buraco em que eu tinha cavado. Meu pai me disse para nunca cavar um buraco que não pudesse sair. Eu não ouvi até que era quase tarde demais. Atiradordeelite: Eu tentei mostrar ao plantar as margaridas para você, e construindo o galinheiro, mesmo que você acreditasse ter sido Tate quem construiu. Tentei te mostrar quando paguei a Jo para colocar aquele pneu, e quando fiz aquele piquenique para você. Eu não pedi a Jo para me encontrar naquele dia. Era você. Atiradordeelite: Eu estava tão apaixonado por você que eu não conseguia trabalhar a coragem de lhe dizer. Eu preferiria ter tomado uma surra dos Colemans, dos Hayes e dos Last Riders do que admitir isso. Eu mereço as bênçãos que Deus me deu, mas eu não mereço você. Atiradordeelite: Eu acho que quando eu era menino, que eu recebi o dom da visão da margarida, porque Deus sabia que eu cresceria sendo um idiota, e Ele não queria que eu perdesse o melhor presente que Ele tinha planejado para mim. Atiradordeelite: Se você não tivesse mudado esse ícone, eu teria deixado você se afastar de mim e nunca saberia o que estava faltando em mim. Você não tem que se casar comigo hoje, mas eu estou orando que você


vai. Estarei esperando por você com o anel de casamento da minha mãe no meu bolso. Atiradordeelite: Obs. Eu pedi ao King para deixar o meu presente de casamento para você. Deve estar lá em breve.

HOLLY abraçou a cara garrafa de champanhe no peito, lendo as mensagens de Greer com os olhos embaçados. Ela não respondeu. Algumas mensagens mereceram ser respondidas pessoalmente. Diamond tirou o vestido de noiva da porta do armário. “Você está pronta para se vestir?” "Sim." Sua melhor amiga e Sutton a ajudaram a vestir-se, enquanto Rachel estava sentada na cama, amamentando Ema e observando. Ela cuidadosamente manipulou o bebê para alcançar a penteadeira para entregar as fitas. "Você está linda" Diamond cumprimentou-a quando ela começou a colocar o véu. "Ainda não. Vou passar pelo bosque. Eu não quero que ele arraste no chão." Rodando, ela se olhou no espelho. Pegando seu vestido comprido, ela se virou para as mulheres. "Precisamos nos mexer antes que os homens possam convencer Greer a beber todas." Ela saiu do quarto, praticamente dançando no ar. Quando chegou à varanda, fez uma pausa para endireitar a gravata de Logan. "Você está muito bonito." Logan ficou vermelho quando ela se inclinou para beijar seu filho. "Eu te amo filho." "Eu te amo mamãe."


Ela o abraçou apertado antes de se endireitar. “Você ouviu isso? Como Greer...?" Ela ouviu a música vindo da direção do campo de margaridas. Sutton riu, ajudando-a a erguer o vestido de novo. “Ele pegou o equipamento de Mick. Aposto que todas as casas podem ouvir.” Holly estendeu a mão para Logan, descendo os degraus e indo em direção do caminho que levava entre as duas propriedades. Subindo o caminho, ela passou pelos convidados um por um. Quando ela e Logan chegaram, eles se posicionaram na sua festa de casamento. O belo dia não tinha uma nuvem à vista. Enquanto caminhava, imaginou Greer, o homem teimoso que tinha amado. Era por isso que ela decidira andar em vez de dirigir. Seu caminho sempre foi difícil. Tantos anos de desgosto haviam ficado entre eles. Ela se abaixou, para que Diamond pudesse colocar seu véu enquanto seus convidados encontravam um lugar para sentar no campo que Greer, Logan e Deus haviam criado para ela. Quando a música mudou do piano para a marcha de nupcial, ela caminhou até o carvalho onde Greer e seus irmãos esperavam. “Quem dá essa mulher para o matrimônio?” Logan limpou a voz na pergunta do pastor. Seu filho entregou sua mão a Greer. O casamento foi um borrão de lágrimas. Quando Greer deslizou a aliança de casamento de sua mãe em seu dedo, ela apertou sua mão, beijando-o, sentindo a brisa do verão enrugar as camadas de seu véu. Quando terminaram de se beijar, Greer tirou a faca de bolso, e então cada um deles levou seu tempo entalhando suas iniciais na velha árvore. Se virando, eles então levantaram as mãos enquanto seus amigos aplaudiam. "Mulher, você é minha." Greer a varreu em seus braços, girando-a em um círculo. "Greer, você está me deixando tonta." Ela riu.


"Vamos cortar nosso bolo antes que os Hayes comam tudo." Greer usou o enorme quintal da frente para montar estações de comida e um bolo enorme. Ela agarrou a jaqueta dele, puxando-o para outro beijo. "Obrigado por convidá-los." “Eu lhe disse que deixaria passar dessa vez.” Ela não confiava muito que Greer não iria atrás de vingança, mas ela não deixaria que isso a preocupasse hoje. Hoje era ela e o dia de Greer, e ela não deixaria nada arruinar isso para eles. Eles atravessaram as margaridas - Logan, ela e Greer - Levando-os balançando. Logan se separou dela. "Eu vou comer." A roda de hambúrguer girando capturou sua atenção. "Ele parece mais como você todos os dias." “Eu sei” disse Greer, esfregando a camisa para enfiar nas calças. Holly revirou os olhos. “Feche as calças.” Quando ele olhou para baixo, ela o golpeou debaixo do queixo. "Te peguei." "Não, você não pegou." "Você simplesmente não pode deixar ninguém ganhar de você, não é?" "De jeito nenhum. Eu não seria um Porter se eu deixasse." Lembrando-se que não queria nada para estragar seu dia, ela pegou um prato de um dos untensilios organizados. "Obrigada." Seu sorriso deslizou quando viu que era Lindy. Ignorando o olhar cheio de ódio da garçonete, ela pegou um dos hambúrgueres e um dos cachorros-quentes em miniatura, vendo Greer carregando seu prato com cinco deles. Seu novo marido arrumou descaradamente dois hambúrgueres em cima antes de levá-la para a grande mesa.


Ela deu pequenas mordidas enquanto a maioria dos seus hóspedes paravam para parabeniza-los. Um dos garçons trouxe uma bandeja de champanhe para a mesa. Quando ela pegou dois copos, um para Greer, ela viu um homem conversando com Jessie que ela não reconheceu, emocionado que a mulher estava namorando alguém. Ela tinha chegado a conhecer Jessie quando Logan estava na creche, e depois nos verões nas férias da escola. Elas tinham se conectado uma com a outra, ambas não tendo ninguém especial em suas vidas. Ela bateu no ombro de Greer para dar a ele sua bebida. “Você conhece o homem com Jessie?” Greer se afastou de Shade. "Quem?" Ele olhou para onde Jessie estava sozinha. "Deixa pra lá. Eu vou te mostrar mais tarde. Jessie trouxe um encontro. Eu queria saber quem ele era.” "A menos que ele tenha um monte de dinheiro em sua conta corrente e esteja disposto a beijar os traseiros de seus irmãos, ele está desperdiçando seu tempo." "Seja legal" ela repreendeu. "Eu estou sendo." Ele bufou, se virando para continuar sua conversa com Shade. Holly conversou com Diamond e Knox enquanto Greer fazia outra viagem para o local da comida. Ele deu apenas uma mordida em seu sexto cachorro-quente quando foram chamados para fazer sua primeira dança. Greer tinha colocados luzes pequenas no jardim, e estava lindo com o sol se pondo, o dia desaparecendo numa noite mágica. O bolo estava tão delicioso quanto a comida, e ela passou a maior parte da noite afastando Greer das mesas de comida para a pista de dança. Ela estava descansando sua cabeça sonhadoramente em seu ombro enquanto os convidados começaram a sair, nem sequer levantando


a cabeça quando King falou com Greer sobre sua cabeça que ele estava desmontando as mesas da comida e a sua equipe iria sair. “Você está pronta para eu levá-la até a varanda?” Quando ela acenou com a cabeça, inesperadamente a pegou seus braços e a levou até a porta da frente. Baixando os joelhos, ele abriu a porta e depois a levou para dentro, deixando os poucos convidados lá fora gritando seus incentivos bêbados para Greer. “Bem-vinda, Sra. Porter.” Quando ele a desceu, ela pressionou um beijo rápido nos lábios de Greer. "Obrigada, mas eu tenho que usar o banheiro." “Por que não foi na casa de Tate?” "Eu planejei, mas toda vez que tentei, alguém começou a falar comigo. Quero me trocar e dizer boa noite a Logan, de qualquer maneira. Não vou demorar um minuto, e você pode me a casa depois que Logan for para a Tate. “Depressa, mulher. Estou pronto para começar na minha lua de mel. " Ela teria beijado ele de novo, mas tinha urgente ao banheiro. Sair de seu vestido de noiva com uma bexiga cheia não era uma experiência que ela queria repetir. Diamond tinha colocado a roupa que ela queria na cama. Rapidamente, ela puxou o jeans e top, voltando para a sala de estar, onde Greer estava acendendo velas. "O banheiro está lindo, mas o que fez você decidir não comprar os acessórios que eu escolhi?" "Eles estavam esgotados." "Eu não vou reclamar. Pelo menos esse fedor saiu do pátio. Estava preocupado que você não conseguisse reparar a linha séptica antes do casamento.


"Foi a minha primeira prioridade hoje, além de casar com você." "Vamos dizer boa noite a Logan, para que possamos dar uns amassos." "Eu estou esperando fazer mais do que dá uns amassos. Eu sou um homem casado agora; Espero mais do que eu tenho recebido" ele brincou, embrulhando seu braço ao redor de sua cintura. "Você tem certeza que consegue fazer seus deveres de marido depois de toda a comida que você comeu." "Eu malhei. Estou pronto para ir. Logan estava sentado em uma mesa, terminando o segundo pedaço de bolo, quando o encontraram. Tate e Dustin estavam esparramados em suas cadeiras com as jaquetas e os botões superiores desfeitos. Rachel estava colocando Ema em seu assento de carro, enquanto Cash dava boa noite a King, que estava dirigindo a van com os garçons. "Posso acender outra estrelinha antes de eu ir embora?" Logan implorou, baixando o garfo. "Continue. A caixa está na varanda” Dustin concordou, cedendo a ele. "Sutton, obrigado por me deixar ficar na noite passada e por ajudar com Logan." "Eu posso aguentar mais se você e Greer precisam de mais tempo sozinhos." "Estou ansioso para tê-lo em casa depois de ontem..." Ele parou com o horror no rosto de Sutton. Girando ela viu Tate e Dustin pularem de suas cadeiras, e Greer correndo em direção a Logan. "Não se mova, ou eu vou matá-lo." Paralisada em choque, ficou imóvel, vendo Logan segurando o peito do homem que tinha visto com Jessie. Sua mão cobria o nariz e a boca de Logan, seus olhos suplicando violentamente enquanto ele lutava para respirar.


“Solte-o!” Holly deu um passo adiante, apenas para que Greer a sacudisse enquanto o homem engatilhava a arma contra a cabeça de Logan. "Eu não quero matar o garoto, mas eu vou se você não fizer o que eu quero." "Deixe-o respirar. Faremos o que você quiser” Dustin implorou. O homem assentiu com a cabeça em sua direção. "Eu quero ela." Ela imediatamente deu um passo em sua direção, mas Greer não soltou seu braço. “Por favor, Greer.” Um de cada vez, ela tirou os dedos do braço dela e caminhou em direção ao homem segurando a vida de seu filho em suas mãos. No que parecia ser uma câmera lenta, ela se aproximou, tentando entender por que ele a queria. Então ela percebeu que o tinha visto antes de hoje. “Você é amigo do Mitch.” Um sorriso de satisfação encheu seu rosto. "Sua cadela estúpida, você realmente pensou que eu iria deixar você ser feliz quando você é a razão que ele está morto?" O corpo de Logan ficou mole. “Você me tem. Solte-o." Ela se aproximou, só então ele soltou Logan. Ele jogou Logan no chão e depois agarrou ela, sua mão indo para a manga de camisa para empurrá-la para ele. Então apontou a arma para ela. O som da explosão a fez gritar, esperando a dor penetrante de uma bala. O rosto do amigo de Mitch tornou-se uma máscara de dor quando outra bala entrou nele, fazendo-o cair de joelhos. Freneticamente, Holly pegou Logan enquanto os homens corriam para ele, dando um sorriso soluçando quando Logan olhou para ela.


Afastando-se do caminho do Porter, ela arrumou Logan até que ele estava sentado em seu quadril, chorando. "Você está quase ficando grande demais para eu carregar." Ela esfregou suas costas suavemente. Ela estava usando a bainha de sua camiseta para limpar o sangue de seu lábio quando uma dor de explosão atingiu-a nas costas tão de repente que ela não conseguiu falar. Caindo de joelhos, ela tentou não soltar Logan, mas ela não podia impedi-lo de escorregar de seus braços. Ela tentou levantar as mãos para a dor agonizante vindo do peito. Instintivamente, ela tentou não desmaiar. Como um animal ferido, seu instinto era voltar a ficar em pé e pegar Logan para correr. Ela lutou contra a escuridão para alcançar Logan. O grito que ela tinha segurado para si mesma se libertou quando viu o peito de Logan coberto de sangue, e ele estava ofegando por ar, tentando respirar. “Logan!” Ela choramingou, a escuridão se fechando sobre ela, fazendo-a cair ao lado dele, encarando seus olhos vidrados. "Greer!" Ela se sentiu girar, encontrando seu rosto cinza sobre o dela. "Estou aqui. Você vai ficar bem" ele soluçou. Com uma força de vontade que não sabia que possuía, afastou as mãos dela. Eles estavam cobertos em seu sangue. "Salve Logan." Ele tentou pressionar seu peito novamente, mas ela o empurrou para longe, suplicando com ele com o último de sua força morrendo. "Salve Logan..." Ela deu um soluço, o gosto salgado de sangue em sua boca. “Eu lhe disse que não tinha medo de morrer. Salve meu bebê, Greer. Estou te implorando.” Greer soluçou quando foi para Logan. Ela tossiu o sangue que estava lentamente afogando-a enquanto ela virou a cabeça para ver as mãos de Greer no peito de Logan. Suas unhas raspavam o chão para pegar a mão do seu filho, levando-a para a dela. Greer o salvaria. Ele não sabia como perder.


30

Greer pressiona as mãos trêmulas no peito de seu sobrinho, cobrindo o buraco de bala que passou das costas de Holly, através de seu peito, e de Logan. Quando pede ajuda aos espíritos, vê Cash e Tate segurando o braço do pistoleiro, enquanto Dustin desembaraça a pilha que tinha convergido para desarmá-lo. Num movimento, pega a arma, apontando para ele, enquanto Tate e Cash ainda lutam para conte-lo. Dispara uma única bala na cabeça, então se vira e corre atrás da mulher que atirou em Holly nas costas. A mulher que saiu das sombras para atirar em Holly está agora correndo de volta para a segurança quando Dustin corre atrás ela. Ele dispara um tiro em sua perna, a acertando, mas ela ainda tenta mancando se afastar. Seu irmão atira na outra perna, derrubando-a. Quando está perto o suficiente, ele chuta a mulher, apontando a arma para o peito, e dispara as balas restantes. Então joga a arma nela. "Espíritos, ouçam meu pedido de ajuda." Pelo canto do olho, vê Rachel rastejar de debaixo de uma mesa, arrastando o assento de carro com ela. Sutton sai de debaixo de outra mesa, o celular na mão. “Logan, ouça minha voz. Logan, não! Traga seu traseiro aqui agora! Ouça a minha voz. "Suavizando o tom, ele tranquiliza o garotinho," Eu tenho você. Não vá”. Dustin cai ao lado de Logan, a mão indo para a perna do filho. “Calma, Logan”. Greer tem que concentrar-se em direcionar os espíritos para espalhar seu calor de cura em reconstruir o dano da bala. Leva muita força, e Logan está fatalmente ferido. Quando alguém está tão perto da porta da Morte, não é fácil puxá-lo de volta.


Tinha que tirá-lo da porta da Morte antes que pudesse trabalhar em Holly. Então deixaria o hospital fazer o resto do trabalho. Rachel entrega Ema a Sutton, correndo para o lado de Holly. "Não toque nela, Rachel!" Greer grita, seus ombros começando a tremer com os soluços que está segurando. Sua esposa solta suspiros rasos, tentando respirar. O dano intenso é mais do que Rachel pode suportar carregando uma pequena vida em seu ventre. Rachel se recosta sobre as coxas, chorando enquanto Cash se abaixa ao lado, colocando as mãos em seus ombros para segurá-la. Greer concentra-se internamente. "Espíritos, ouçam meus pedidos. Salvem Logan. " Greer sente a frágil alma de Logan tentar libertar-se de sua voz, aproximando-se da porta enquanto ela abre lentamente, puxando-o mais perto com a beleza interior. "Não, Logan, não!" Apertando com mais força seu peito, guia os espíritos para trabalhar mais rápido para reparar o dano que drena sua vida. Holly dá um suspiro profundo, depois para de respirar, enquanto a leve espera de Logan sobre a vida o deixa. Lágrimas caíam por suas bochechas ao vê-la dar o último suspiro. Ele mantém a mão no peito de Logan, prestes a levantar sobre o corpo de Logan para que possa pelo menos tentar segurá-la até a ambulância chegar. Rachel vê o que está tentando fazer. "Não será capaz de salvar Logan se o fizer." Decidida, ela olha para Cash. “Não posso deixá-la morrer”. "Rachel, nosso bebê! Não ... " Rachel passa a mão sobre o estômago ainda plano. "Sinto muito, garotinha. Não posso deixá-la morrer. Eu simplesmente não posso. Eu te amo”. Uma lágrima desliza em seu rosto quando encontra os olhos de Cash.


A aceitação brilha nele quando a solta. "Rachel ..." Greer pressiona ambas as mãos no peito de Logan. "Eu posso..." “Você não pode, Greer. Não pode ser o irmão que amo se a deixar morrer. Eu também não posso”. Não lhe dando escolha, ela aperta as mãos no peito de Holly. Quase é tarde demais. Sua alma já atravessou a porta. Perdendo o equilíbrio, quase desmaia, mas então começa sua orientação e começa o processo de cura suficiente até a ambulância chegar. Greer começou a tremer de fadiga. A bala está se aproximando da superfície enquanto cura. Dustin pôs a mão em suas costas, firmando-o, unindo-os. O toque de Dustin é um tiro de adrenalina. Ele não tem a mesma cura que Greer e Rachel. O que tem, porém, é o amor de um pai por seu filho; O mesmo amor que Holly compartilha. Finalmente compreendeu por que protegeu Logan quando era bebê. O amor de um pai não conhece limites, quer a criança fosse concebida ou não de seu corpo. Quando ama alguém, não há fronteiras. Fará qualquer coisa para que vivam. É por isso que Rachel está se esforçando tanto para salvar a Holly. Aproximaram-se como irmãs. Não podia ver Holly morrer mais do que seria capaz de vê-lo ou a seus irmãos morrerem. Tate vai para Cash, estendendo a mão para ele, enquanto Cash apoia Rachel. Tate então estende a outra mão para Sutton. Carregando Ema, ela afunda no chão ao lado de Tate, unindo suas mãos. Quando Logan começa a respirar, Greer usar uma das mãos para tirar a bala que agora está perto da superfície. "Obrigado." Dando aos espíritos seu louvor, quase caindo. "Estou indo, Rachel!" Tropeçando em torno de Logan, Greer cai ao lado de Rachel, imediatamente trazendo as mãos para o peito de Holly, deprimido pelo que vê.


Tão perto da morte, Holly está arrastando Rachel para a entrada da Morte, como uma vítima se afogando arrasta seu salvador para as profundezas sem fim. “Vamos, Rach!” "Eu não posso." "Cash!" Cash imediatamente envolveu os braços em torno da cintura de Rachel, puxando-a para trás. Tate toca suas costas, ainda segurando a mão de Sutton enquanto trabalha com ela. Agora que Rachel está livre, podia se concentrar em Holly. "Espíritos, ouçam minha súplica. Estou implorando para salvar minha esposa ", ele clama aos espíritos que já se afastam de sua voz. "Ajudem-na! Estou implorando. Vou pagar qualquer preço que quiserem. Leve-me em seu lugar. Pode trazer de volta o que ainda não foi tirado. Ajudem-na!" Ele sente os espíritos se reunirem, começando nos ferimentos maciços. Holly está lutando contra seus esforços. "Droga, mulher, não estou pronto para te deixar ir. Se não parar de lutar contra, vou dar a sua bunda ... "Mudando de tática, ele tenta convencer a mulher que ama em vez disso. “Você prometeu crianças, Holly. Não pode ir antes de me dar uma parte sua. " Ele aumenta a pressão em seu peito, o calor curativo brilhando de suas palmas. "Sei que isso é bonito, mas nossa vida será mais. Posso levála lá de novo para uma visita, mas para onde está indo, vai me deixar para trás. Você amou Logan o suficiente para sacrificar sua vida por ele; não pode fazer o mesmo por mim?" Greer se inclina, cobrindo seus lábios e respirando em sua boca. "Respire, Holly, respire." As lágrimas caem sobre suas bochechas. Uma respiração ofegante sopra contra seu rosto.


"Essa é a minha mulher." Endireitando, redobra os esforços, guiando os espíritos. Tate se aproxima mais, de modo que sente o calor penetrar na pele úmida. "Por favor, mamãe, vovó ... me ajudem. Curem-na”. O preço que está custando curar Holly é excruciante. Sua força está enfraquecendo. "Vocês nunca me decepcionaram, nunca. Por favor, ajudem-me! ", Implora, erguendo os olhos para o céu, suplicando a um poder superior. "Espíritos, me ajudem a curar Tate e Rachel, quando não posso fazer sozinho. Estou implorando para que não me deixem em paz agora, "ele grita, elevando a voz para os Céus. Suas mãos se enchem de amor interminável, aumentando o calor de suas palmas num fogo tão quente que acha que está chamuscando sua pele. Ele não as afasta, embora o calor seja tão doloroso quanto mergulhar as mãos em lava. Os espíritos agora estão reparando o dano na velocidade de um relâmpago, ardendo a pele em suas costas, movendo-se com uma matriz colorida que não pode ser vista a olho nu. Greer está reverentemente testemunhando a beleza profunda quando suas orações são respondidas. Quando brilhantes luzes vermelhas brilham em seu rosto, quase cegando-o, sente o calor deixar suas mãos. Deus e os espíritos deixam de vigiá-los lá de cima. "Obrigado." Greer sabe que Holly está curada o suficiente para deixar a medicina moderna assumir. Os socorristas carregam Holly, depois Rachel. Só deixam uma pessoa ir com eles na ambulância, então Cash cai. Greer segue em sua caminhonete. Holly está inconsciente, mas os sinais vitais estão estáveis. Rachel está consciente e merece ter o marido com ela. Knox chega sombrio e guia a ambulância a saída, para que outra possa levar Logan.


Greer vê Dustin saltar na ambulância. Então observa o motorista bater as portas antes de entrar e sair pela entrada. Ele se dirige a caminhonete, não querendo estar muito longe atrás de Holly, Logan e Rachel. "Greer!" Knox grita quando está prestes a entrar na caminhonete. “Vou para o hospital. Quer saber o que aconteceu aqui, pergunte a Tate!" "Vai precisar disso." Knox joga as chaves da caminhonete. Tão preocupado com Holly, não notou que Knox o moveu, então não teria que correr a casa de Tate para pegá-lo. "Obrigado." “Vou deixar Tate no hospital assim que colher sua declaração”. Greer já está colocando a caminhonete em marcha, deixando Tate explicar o que aconteceu. Enquanto dirige pela entrada, vê um agente colocar Sutton e Ema em seu carro, enquanto o outro tira fotos dos dois corpos deitados no quintal com as luzes coloridas balançando ao vento. É um triste final para o belo dia que imaginou com Holly. Chorou sozinho enquanto ia ao hospital, mas conseguiu engolir o grande nódulo na garganta enquanto caminha em direção à sala de emergência, vendo os amigos de Cash pelas portas de vidro fechando atrás dele. Começou a ir para a recepção quando viu Cash vindo pela porta do corredor. Greer foi encontrá-lo no meio do caminho, ouvindo a porta abrir novamente atrás dele. Nunca seriam capazes de admitir que são amigos. Por orgulho mal se toleravam. Mas pela expressão quebrada no rosto do cunhado, deixou o orgulho de lado, tomando o homem nos braços. “Rachel está bem? ” "Nós perdemos o bebê." Os braços de Greer se apertam. "Sinto Muito. Eu tentei não ... "


Cash se endireita. "Rachel não seria capaz de viver consigo mesma se Holly morresse. Eu também não. Foi nossa escolha ajudar. " Sua expressão quebra de novo antes que consiga recuperar o controle. “Logan está bem. Vão mantê-lo durante a noite para ficar de olho. Dr. Price disse que não pode dizer que foi baleado, a não ser pela cicatriz como prova”. "Holly está em cirurgia. Disse que logo que terminar com ela, quer falar com você. Ele disse que está estável, e que nunca viu ninguém ser baleado tão mal e ainda estar vivo. Disse que a em cirurgia durará um tempo. " “Obrigado, Cash”. Cash assente, começando a caminhar em direção a seus amigos, quando para. “Greer, Rachel disse que a salvou uma vez quando era pequena”. “Quando tinha sete anos”. "Ela disse que mesmo se tivesse sobrevivido, não caminharia novamente." Greer lembra do trágico acidente que provavelmente teria a deixado respirando através de uma máquina se um poder superior não tivesse intervindo. "Há sempre um preço", afirma Cash. É óbvio que ontem não foi a primeira vez que ouviu. "Sempre." "Acha que estamos quites agora?" O próprio rosto de Greer se quebra. "Sim, acho que estamos." Cash seca as lágrimas antes de virar para encarar os Last Riders. "Cash, não pode ..." Greer começa antes de Cash se afastar muito. "Eu não vou," ele promete enquanto é envolvido pelo grupo de motociclistas. Greer encontra um assento na sala de espera.


Shade diz algo a Viper antes de sentar ao lado, endireitando as pernas longas na sua frente. "Não preciso de companhia." "Não pensei que precisasse." Shade cruza as mãos sobre o estômago. Ficaram sentados enquanto a sala de espera gradualmente se enche com ainda mais Last Riders. "Cash tem muitos amigos, não é?" Greer diz, vendo que as portas deslizantes não fechavam com todas as pessoas esperando para passar. "Não são apenas amigos de Cash. Também são seus. Apenas sabem que é idiota demais para aceitar simpatia deles”. "Não preciso da simpatia deles. Holly ficará bem”. "É difícil para um homem que quase perder a mulher que ama. Alguns homens precisam de amigos para se apoiar. Outros não”. "Como foi quando Lily quase morreu?" Os lábios de Greer se curvam no início de um sorriso. “Também era um idiota”. Greer viu os Last Riders darem lugar para Sutton, que carregava Ema, e Tate. Cash estende os braços para sua filha adormecida, tocando sua bochecha. A visão de Cash e sua filha quebraram seu coração. O bebê que perdeu nunca sentiria o amor terreno de ser mantido nos braços do pai e da mãe. Depois de conversar com Cash por alguns minutos, Sutton e Tate vieram sentar com ele e Shade. Seu irmão mais velho parecia ter envelhecido dez anos. Ele assumiu a responsabilidade como chefe da família. Quase perder os dois é uma pílula amarga de engolir. "Sutton, você parece prestes a cair. Você e Ema deveriam ter ficado em casa”. "Cash queria Ema, e eu quero ver Logan, Rachel e Holly."


"Holly ainda está em cirurgia, e vão nos deixar ver Logan quando estiver no quarto." Shade fica de pé. "Vou dar a Cash alguns minutos com Ema e depois ligar para Lily vir buscá-la. Dessa forma, Sutton pode ficar”. “Obrigado, Shade”. Greer estende a mão. “Sem problema”. Shade segurou sua mão com firmeza. "Deixe-me saber se precisar de alguma coisa." Greer sente o celular vibrar quando Shade sai. “Dustin nos enviou o número do quarto de Logan. Está no piso inferior ao lado da UTI. Disse que o Dr. Price providenciou para que Logan pudesse ver Holly quando ela sair da cirurgia”. Caminhando ao lado de Sutton e Tate pelo corredor, encontram Dustin sentado na cama, conversando com Logan. Seu sobrinho está pálido, mas o menino senta na cama. Greer fica de pé enquanto Tate e Sutton o abraçavam. Então Sutton sentou-se ao lado, colocando um braço ao redor de seus ombros. "Papai disse que Holly está doendo, mas não vai me deixar vê-la." Ele levanta os olhos cheios de lágrimas para ela. “Vai me levar, Sutton?” “Ainda não posso. Assim que pudermos, eu vou”, ela o acalma. Ele evita encontrar seus olhos, mantendo-os "Machuquei-me também, mas estou melhor."

em

Sutton.

"Sim você está. Holly também. Só vai demorar um pouco mais. Deite e durma um pouco”. "Não quero dormir." Ele começa a chorar mais forte. "Não quero deixar Holly novamente." Sutton ergue os olhos para o teto, não querendo quebrar em lágrimas. Greer sabe que não é só ter medo de perder Holly novamente. Ele está com medo de morrer, e Greer não o culpa. Homens crescidos tinham medo. Para uma criança chegar tão perto da morte e descobrir a fragilidade da vida, descobrir que ela era diferente dos desenhos e filmes.


É esmagador e traumático perceber que envolve dor e medo. Agora, isso é tudo que ele está se lembrando, do vazio escuro. Mas quando lembrar da beleza que tentava alcançar, o medo aliviaria. Uma batida na porta os fez virar para ver o Dr. Price entrando. "Holly está fora da cirurgia. Quando sair da anestesia, pode vê-la, Greer. "Eu também?" "Você também. Mas só por alguns minutos. "Sim senhor." "Greer ..." O médico parece querer dizer algo, mas não na frente de Logan, então Greer o segue até o corredor. "Não sei como você ... Mas eu ..." "Não fiz nada." Ele olha fixamente o médico. "Poderia ajudar assim..." "Não posso ajudar ninguém", ele bruscamente recusa antes de limpar a garganta, sabendo o que o médico pergunta. "Demorou muito tempo para ter esse grau de médico, não é?" "Um pouco." Ele assente. "Vejo você quando está correndo pela cidade à noite. Até te vi em algumas maratonas da cidade. Eu também era corredor”. "Nunca te vi em maratonas." "Isso foi quando estava no ensino médio. Parou logo após. Quer saber por quê?" Os lábios do Dr. Price curvam. "Por quê?" "Descobri que era um corredor de curta distância. Ninguém poderia me bater quando corria. Mas quando a distância, tive a bunda chutada a cada vez. Serei sempre um velocista; Você, por outro lado, pode ganhar a corrida ". "Juntos nós..."


"Se tivesse que escolher entre correr ou ser médico, qual escolheria?" Greer o corta friamente. “Ser médico”. Greer estreita os olhos no médico, dando-lhe um aviso silencioso. "É assim que me sinto em relação à corrida e à minha família. Nada, e quero dizer porra nenhuma, significa mais do que a minha família. Entende o que quero dizer? "Sim, entendo. Vou mandar a enfermeira levá-lo para Holly agora”. Greer podia dizer ao médico que está chateado, mas não importa. Holly ficaria furiosa se não mostrasse bons modos. "Oh, sim, Doutor? Obrigado por ajudar Holly. " Ele fez uma pausa, dando um sorriso autodepreciativo. "Não fiz nada. Você fez todo o trabalho. "Eu não fiz nada. O bom Deus fez”.


31

Holly leva os dois copos de vinho para a varanda da frente, segurando um na curva do braço quando fecha a porta. "Importa de eu me juntar a você?" Ela pergunta enquanto entrega Rachel uma das taças. Quando ela balança a cabeça, Holly toma um gole do vinho, sentando-se na beira da varanda ao lado dela. "É lindo aqui fora." Holly tenta pensar em algo para dizer a sua cunhada. Desde seu aborto, a personalidade ardente de Rachel sofreu uma mudança drástica. Ela está muito sombria. A única vez que exibiu qualquer vestígio de emoção foi com Ema. Nem Cash, nem seus irmãos souberam ajudá-la. Mesmo as sessões semanais de aconselhamento que fez não estão funcionando. Tomando outro gole de vinho, ela olha nas profundidades escuras, mordendo o lábio. "Você me odeia?" Rachel vira a cabeça com a pergunta súbita. “Nem uma vez pensei nisso”. Holly esfrega os lábios juntos, tornando-os firmes para impedir o tremor. “Eu deveria ter respondido às cartas de Mitch. Se soubesse que seu amigo me culpou por sua morte, poderia ter conversado, feito-o compreender quão arrasada fiquei que ele morreu naquele acidente. " "Não há nenhuma maneira que poderia saber que Brett era apaixonado por Mitch. Nem ele sabia. Quando a polícia checou seu apartamento, praticamente tinha um santuário lá. Eles acham que era


apaixonado desde o colegial. Se Mitch não tinha noção, não havia como você saber”. "Você não é responsável por Brett, e nem por Lindy. Ninguém com quem ela trabalhou sabia que se conheciam quando chegou a Treepoint e trocaram números. Pelo que Knox disse, apenas alimentaram a obsessão um do outro para voltar por você. " Holly dá uma risada amarga. "Ela achou que eu e Dustin tínhamos um caso. Ficou ainda mais furiosa quando casei com Greer. Knox conseguiu um mandado para suas mensagens. Ele disse que um dos textos de Lindy era tão violento que não achava que mulheres pudessem pensar assim”. “Uma mulher ciumenta é uma coisa perigosa”. "Sim, elas são," Holly concorda. O ciúme de Lindy afetou toda sua vida e a de Rachel. Ela e Greer nem sequer fizeram amor desde que saiu do hospital há dois meses. Logan dormiu com ela, com medo de dormir sozinha. Cada membro de sua família estava tenso, pisando em ovos porque não queriam machucar Rachel se erroneamente falassem sobre o aborto, Logan ou ela quase morrendo. Todos precisam de tempo para curar as feridas que Mitch e Lindy causaram. "Logan não quer sair ao Halloween este ano. Ele diz que está velho demais. E ele não quer cor. Jogou fora seu caderno de desenho depois de eu, equivocadamente, virei a próxima página para ele desenhar e percebi que ele já havia feito. Ele desenhou a coroa de um rei numa folha escura ... " “Porque tem medo. Ele acha que as imagens em sua cabeça são coisas da imaginação. Quando quase morreu, descobriu que não eram. Tive medo de tudo depois que quase morri. Tate disse que com ele foi igual. Quando estiver pronto, falaremos com ele. Ainda não está”. Holly suspira, terminando o vinho. "Todos os Potters são fortes. Pelo pouco que descobri, estão acostumados a lamber as feridas até que estejam curadas. Para o resto de nós, não é tão fácil. " "O que quer dizer?"


"Você está afastando Cash até que chegue a um acordo sobre a perda do bebê. Greer está me afastando, porque acha que não me protegeu. Eu vivi com você, e não sei como são capazes de curar." Ela afasta a explicação de Rachel sobre o porquê. "Eu entendo o porquê. Não estou te culpando. Só queria que se abrisse para mim. Nem sabia que foi seriamente ferida quando era mais jovem, e ainda não sei como o acidente aconteceu. " “Tate, Greer e eu fomos ao lago nadar” Rachel começa. "Foi a primeira vez que Ma nos deixou ir sozinhos. Tate e Greer prometeu ficar de olho em mim, então ela nos deixou ir. Tate e Greer me vigiaram. Eles foram muito responsáveis. Eu fui a única estúpida. Continuei querendo escalar na rocha, e eles continuaram dizendo não. Eles pegaram as varas de pesca, e quando estavam armando os anzóis, me esgueirei para escalar. Queria saltar como vi fazer. Estava mergulhando na água quando os ouvi gritando. É a última coisa que me lembro, até ouvir a voz de Greer na minha cabeça. A dor foi inacreditável. Não podia acreditar que era possível sentir essa dor e ainda viver. Não podia respirar e sabia que estava morrendo”. "Holly, foi lindo. Eu não queria voltar, mas Greer não me deixou ir." "Não, ele não deixou. Como Tate se machucou? Rachel envolve os braços em torno das pernas. "Quando Pa ficava bêbado, ele realmente ficava bêbado. Ele e Ma tiveram algumas brigas feias sobre como ele nos faria ir ao celeiro e nos dar umas palmadas ... "Rachel para antes de começar de novo. "Pa geralmente deixava Ma me disciplinar, mas os meninos ... Ele batia o inferno fora deles. Queria que tivessem medo dele. Disse que isso os manteria fora de problemas quando fossem mais velhos”. “Um dia, Ma deixou Tate e Greer com ele. Estavam doentes em casa por causa da gripe. Com papai, o único que podia ficar doente era ele. Então, já estava bravo porque os meninos não foram a escola naquele dia, então para ensinar-lhes uma lição, mandou entregar o uísque caseiro para os clientes. Quando Greer e Tate chegaram em casa, um dos clientes ligou para dizer a ele que estava faltando bebida. "Ele estava bêbado, e Tate estava alto de maconha também. Ele os espancou naquele dia e trancou no celeiro, dizendo que poderiam dormir


lá naquela noite. Era o pior inverno. Quando Greer acordou, Tate não se movia. Ele disse que estava tão frio que queria dormir, mas os espíritos o rodearam e lhe deram uma visão.” Rachel passou os dedos pelos cabelos. "Disseram que ele não podia dormir e lhe mostraram uma saída do celeiro. Quando tentou mostrar a Tate, não podia acordá-lo. "Rachel deu um suspiro trêmulo. "Greer disse aos seus espíritos que, a menos que curaram Tate, não fazia sentido mostrar-lhe a saída, porque ele não deixaria Tate." "Ele não sairia sem o irmão." Seu marido salvou Tate da mesma forma que ele a salvou - disposto a se sacrificar a própria alma. “Seu pai os deixou sair naquela noite?” Holly desejou ter trazido toda a garrafa de vinho para fora em vez de apenas uma taça. "Pa não os deixou sair até de manhã e os fez ir para a escola." "Por que sua mãe não os salvou?" Holly perguntou, sentindo-se enojada. “Tate disse que mamãe ficou lá fora a noite toda, tentando arrancar uma tábua solta para que pudesse entrar. Quando não funcionou, ela começou a cavar, mas o chão estava congelado ... "Rachel parou ao pensar em como sua mãe lutou para alcançar seus filhos e falhou. “Seu pai tem sorte de estar morto! Sei que é seu pai, Rachel, e sinto muito, mas ele é terrível. " "Eu sei. Ma tentou deixá-lo, mas ele a trouxe de volta, usando os filhos. Depois disso, ficou melhor. Ele nunca os atingiu tão forte depois. Minha mãe não foi a mesma depois disso”. "Todos advertimos que não fossem ao lago naquele dia. Dustin teve pesadelos de afogamento, e Tate ouviu os sinos da morte duas vezes. Eu acho que ela teve o suficiente de Papa e não se importou com as advertências de tempestade. " "Como devo olhar para o celeiro sabendo o que aconteceu lá? Quão feridos e aterrorizados deviam estar?” "Eu odeio, também. Foi antes de eu nascer, mas tenho minhas lembranças de Pa saindo bêbado, e eles indo lá, esperando o chicote”. “Dustin também?”


"Sim, eu tinha mais fácil, porque era uma menina, mas Dustin, Greer, e Tate levaram surras lá." "Sério?" Ela rosna. "Uh ... sim. Você está bem? "Rachel pergunta preocupada. "Não, Rachel, não estou." Holly levanta, colocando a taça na varanda. Ela irrompe em direção ao celeiro com Rachel alguns passos atrás. Abrindo a porta, olha em volta procurando algo que pudesse usar. "O que está fazendo? Talvez devêssemos ir para dentro da casa”. "Vá em frente," Holly diz distraidamente. Ao ver a caixa de ferramentas de Greer, ela abre a tampa, tira um martelo e corre para a frente do celeiro. “Holly, o que está pensando em fazer?” Ela não perde o fôlego, muito enfurecida para se importar se deixa Rachel com raiva. Tenta tirar uma das tábuas com o martelo. Quanto mais tenta, mais furiosa fica. A coisa teimosa não quer se mover, como Greer. Frustrada por não poder retirar a tábua que tentava quebrar, não notou Rachel entrar no celeiro e voltar. Ela estava dando um forte golpe à tábua teimosa quando Rachel a tocou no ombro. "Tente isso." Ela segurava um machado. "Obrigada." Holly começa a balançar e então dá a Rachel um aviso, "Afaste-se". Rachel se move para o lado para que não seja atingida quando Holly levanta o machado sobre o ombro, batendo com todas as suas forças. Holly dá uma risada vitoriosa quando o machado afunda profundamente. "Isso funciona bem." Outro balanço, e foi capaz de quebrar a tábua teimosa da parede do celeiro. Escolhendo outra tábua, balança o machado novamente. "Tome isso, filho da puta!" Rachel se afasta. "Quem está xingando?"


“Seu pai! ” Holly grita, batendo na madeira novamente. "Seu idiota ... e bêbado!" O machado pontua sua raiva enquanto quebra outra tábua da parede. "Oh." “Sim, porra! ” Grita Holly, jogando toda a fúria e raiva impotente que sente em relação a quem não pode ser preso por ser um pai terrível. "Seu desgraçado!" "Quem está amaldiçoando agora?" "Quem ligou para o seu pai para reclamar da bebida..." Ela lança o machado pensando em Tate e Greer com medo de voltar para casa, sabendo o que os esperava. Holly está tão concentrada no que faz que não nota Rachel voltando para dentro do celeiro e pegando outro machado. Quando ouve outro golpe de machado batendo na madeira que olha para cima para ver Rachel destruindo sua própria parte. Lágrimas correm pelo seu rosto. Holly olha para longe com um nó na garganta, vendo a tristeza inconsolável que o celeiro carrega. Ela dá a Rachel privacidade, trabalhando lado a lado em silêncio até que Rachel vira para ela, a dor ainda lá, mas um piscar de sua antiga chama voltando ao espírito. "Isso é bom!" Rachel sorri. "Sim, sim," Holly concorda, voltando ao trabalho. “Seu covarde bêbado! ” Rachel solta sua própria raiva. "Queria que estivesse vivo, também, então poderia fazer Cash bater o inferno fora de você com seus socos ingleses de bronze." Holly olha para ela com interesse. "Cash tem juntas de bronze?" Rachel ri. "Sim. E fica sexy quando as usa. " Holly balança o machado novamente. "Quão sexy? Tipo um oito ou nove quente ou um dez escaldante? " “Um dez”. Rachel balança o machado. "Isso é sexy. Greer tem dez quando me beija, mas cai para sete quando não coloca a tampa do vaso no lugar".


"Isso costumava me irritar quando morava aqui, também." Holly põe a cabeça do machado no chão, apoiando-se na maçaneta para descansar, olhando Rachel fixamente. "Greer não fez amor comigo desde antes de casarmos. Acha que ele não me quer mais porque agora tenho um seio maior do que o outro? " Rachel larga o machado, descansando para estudar seus seios. "Como eles …?" “Quando Lindy atirou em mim. Meu peito esquerdo é menor que o direito. ” Os olhos de Rachel se estreitam em seu seio esquerdo. "Quanto?" Holly levanta o mindinho, usando o outro dedo para mostrar o tamanho. Rachel sacode a cabeça. "Nah, aposto que ele nem vai notar." “Eu sei” Holly admite. “Então para o inferno com o Greer. Você é uma mulher linda. Se Greer está zangado com um pouco de pele, então o mande para o inferno. ” "Sim! Para o inferno com Greer. "Ambas as mulheres recomeçam a derrubar o celeiro. "Cash e eu não fazemos amor desde que perdi o bebê!" Rachel grita. "Por que não?" Holly pega a madeira que está trabalhando, jogandoa na pilha crescente. "Eu não sei. No começo, eu não estava com disposição”. Holly lança um olhar estupefato. "Garota, ele me deixa no clima, e sou apaixonado por meu marido." Rachel dá uma risadinha que soa mais como um soluço. “Ele é bonito, não é? ” “Ele tem um dez, com certeza”. "Concordo. Acha que ele me culpa por ter perdido nosso bebê? "Rachel segura o cabo de machado contra seu ombro.


"Não, não acho que ele culpa alguém além de Brett e Lindy", Holly responde honestamente. "Eu me culpo." As duas mulheres se entreolham antes de Holly ir dar-lhe um abraço. "Você seria a melhor mãe do mundo porque já é assim." Rachel pousa a cabeça em seu ombro. "Realmente acha que sou a melhor mãe do mundo?" "Sim, eu acho. Admiro que tenha amamentado enquanto pode. Quando eu e Greer tivermos filhos, eles terão uma mamadeira. "Você diz isso agora, mas espere até ter um bebê." "Pode imaginar o tamanho desses seios se eu amamentar?" Holly enfia um dedo em seu peito. "Alguns homens acham sexualmente atraente." Rachel cora vermelho brilhante. "Mesmo?" Rachel assente com a cabeça, os olhos olhando fixamente nos dela. "Inferno maldito." Holly volta para seu lado do celeiro, batendo particularmente forte. "Se Greer tirar a cabeça da bunda, talvez eu descubra."


32

Greer aperta o botão na máquina de lavar louça, ainda inseguro de como ficou preso com os pratos. Até agora, os benefícios do casamento limparam sujeira. Holly e Rachel ainda estavam lá fora, e Logan sentado na sala. Ele pega uma cerveja. Então, vendo os homens ao redor da mesa, o olhando, levou o suficiente para todos. "Poderiam ter me lembrado de pegar os pratos de sobremesa antes de começar a máquina de lavar louça", queixa-se. "Eu faço." Sutton começa a reunir os pratos, mas ele acena para sentar-se novamente. "Eu faço mais tarde. Não é como se tivesse algo melhor para fazer, "ele grunhe. Seus irmãos e cunhado o olham. Cash afasta o prato de sobremesa da mão de Ema. "Matrimônio não é o que esperava?" "Sabia que tipo de mulher receberia quando casei com Holly. Eu só esperava mais. " Greer ignora o olhar irritado de Sutton. "Aposto que está recebendo mais do que eu." Seu cunhado mostra a própria infelicidade. "Acho que vou sair para me juntar às outras mulheres antes que tenha que ouvir mais qualquer um de vocês, idiotas barrigudos." Sutton vai até a janela, olhando para fora. "Não é minha barriga que está doendo." Greer bufa.


"Nem a minha", Cash confirma que os dois últimos meses também não foram fáceis para ele. Greer toma um grande gole de cerveja, observando Sutton passar para a outra janela em frente ao celeiro. "Por que decidiu demolir o celeiro?" Ela vira para olhá-lo por cima do ombro. Greer cospe a cerveja, indo até a janela para ver do que a mulher falava. "Holly e Rachel, parem com isso!" Greer sai correndo da casa para deter a destruição que viu pela janela. Ele para quando Holly balança o machado para trás, quase cortando seu nariz fodido. "Wo-mulher!" Greer gagueja. "O que está fazendo?" "Nós estamos derrubando o celeiro!", Sua esposa grita de volta. Assim que enterra a cabeça do machado na tábua, agarra o cabo, tentando tirá-lo do celeiro. "Ow!" Greer salta para trás, a mão indo para seu outro braço. “Você tentou me morder! ” "Sim eu fiz. E sabe o que? "Ela puxa o machado novamente. "É quase tão bom quanto arrancar este celeiro pedaço por pedaço." Ele observa Holly e Rachel continuarem com o corte. "Vocês duas perderam as malditas cabeça!" Greer olha furiosamente para sua família quando saem para ver o que estava acontecendo. "Perguntou por que estão fazendo isso?" Greer não sabe o que Tate acha tão engraçado. "Não sei por que o fu..." Greer se interrompe quando Holly aponta o machado para ele. "Você viu isso?" "Eu vi." Tate olha Sutton, que apenas levanta as mãos impotentemente no ar.


Greer pega Ema de Cash. "Vá fazer sua esposa parar." Cash dá a Rachel um olhar cauteloso quando vai até ela, certificando-se de permanecer a uma distância segura. "Covarde" Greer resmungou. “Olha. ” Holly balança o machado. "A. boca!" "Rachel, por que você e Holly estão derrubando o celeiro?" Rachel não para de atacar o celeiro. "Porque Pa quase matou Tate lá quando era pequeno, e porque fez Greer e Tate passarem a noite aí." Rachel raivosamente torce o machado num pedaço de madeira. Cash faz que sim com a cabeça, dando de ombros quando vira para trás. “É uma boa razão”. "Não, não é. É pelo menos um celeiro de cinquenta mil dólares. Mulher, você está me custando dinheiro! ", Ele grita, andando de um lado para outro atrás deles quando Ema começa a chorar. "Quer algo para quebrar? Prefiro que acerte minha caminhonete." Quando as mulheres se considerando-o, ele empalidece.

voltam

para

sua

caminhonete,

"Não o novo. O velho." Ele acena com a cabeça em direção a velha caminhonete que estacionou ao lado do celeiro e do velho trator de seu pai. “Pelo menos tem seguro. O celeiro não tem seguro!", Grita quando as mulheres começam a cortar nele novamente. Tentando pensar em algo para acalmá-las, ele diz: “Já sei! Vamos profanar sua lápide. Isso vai realmente irritá-lo! "Ele ergue os olhos para o céu. "Não é como se realmente quisesse isso, Deus. Vou falar com elas antes que chegarmos ao cemitério. "Seu pai não é a única razão pela qual estamos destruindo o celeiro!" Holly esconde o machado atrás das costas, ofegando enquanto faz uma pausa. “Qual é a outra razão? ” Ele pergunta cautelosamente. "Porque você não faz amor comigo desde antes de nos casarmos!" Dustin, Tate e Cash olham para ele com simpatia.


Enrubescendo, Greer gagueja, "Uh ... eu estava ... tentando ser sensível." “Pft! Você apenas não me quer, porque estou desigual agora!" Chocado e sem palavras, Greer coloca Ema em seu quadril. "Viu? Eu disse a você! "Holly grita, virando para atacar o celeiro novamente. "Você pode ter razão," Rachel simpatiza. "Rachel, devemos levar Ema e deixar Greer e Holly..." "Por que você não faz amor comigo?" "Uh ..." Greer ri quando Cash fica vermelho. Cash não gosta de estar sob o centro das atenções mais do que ele próprio. "Estava tentando dar-lhe tempo para sofrer." “Teria me entristecido muito mais com você na minha cama”. Rachel balança o machado com força demais e o cabo quebra. Deixando cair a alça, ela não deixou que a pare, usando o que resta para tirar outra tábua. "OK! Deveria ter perguntado se queria que fizéssemos amor. " "Sim, você deveria! Sou uma mulher e tenho necessidades”. "Certa como a merda." Holly bufa. "Entrei na Zona de Crepúsculo. Ponha esse machado para baixo, e eu vou levá-la para casa e fu” ... Greer grita como uma menina quando Holly dá um passo em direção a ele. "Estou segurando Ema", ele lembra. Ela estreita os olhos e fita Rachel. "Ele tem um seis agora." “O que isso quer dizer? ” Pergunto, desconfiado, quando Rachel lhe dá um olhar de compaixão. "Isso significa que acho que Cash tem dez quando usa as soqueiras de bronze." Sua irmã não vê o marido se ajustando, puxando a calça jeans para cima.


"Sou um seis?" "Tem dez quando me beija, mas quando não abaixa o assento do vaso, tem sete. Quando está sendo um covarde, você é um seis. " Os olhos de Greer vão para Logan, que está sentado na varanda, observando seus parentes loucos. “Tenho certeza de que ele tem idade suficiente para saber como escrever essa palavra agora”. "É por isso que a escrevo errado para ele não saber." Greer revira os olhos. "Sim, e como funciona." "Você me odeia?" Rachel abaixa a machadinha. Greer engole o nó na garganta pelo olhar de dor em seu rosto. “Deus, não! Raposa, por que acha isso? " "Porque curei Holly e não te escutei", ela soluça. Ele tenta estender a mão, mas ela vira para bater no celeiro. "Raposa, nunca poderia culpá-la por algo que estava destinado a fazer", ele sufoca, indo para o celeiro. "É melhor não estar fazendo o que..." Cash sai com um machado na mão e começa a cortar as tábuas do celeiro a uma pequena distância de Rachel. "Você me odeia por causa de Brett e Lindy?" Holly pergunta. “Não! ” Greer grita. "Os dois estavam tão doentes como o cachorro que meu pai teve que sacrificar." Na menção de seu cão favorito, Dustin entra no celeiro, saindo com um martelo. Puta merda, pensa Greer. Eles estão fora de linha. Dustin usa a garra do martelo para quebrar as tábuas. As tábuas retiradas com sucesso atingem a altura de seus quadris. Greer vai para Tate. "Por que não está detendo-os?" Seu rosto é sombrio.


"Não houve um dia desde que Pa nos deu aquela surra que não quis fazer isso sozinho. Ele sempre nos trancava nesse lugar quando estava bravo. " "Sim, e daí? Nós sobrevivemos ... " Tate entra no celeiro e sai com uma barra, indo trabalhar no outro lado. Greer tenta entregar Ema a Sutton para que pudesse entrar no celeiro e pegar algo, mas com uma sacudida de cabeça, ela entra. "Não sobrou nada ..." Seus ombros caem quando sai com um machado que ele usa para acampar. “Esqueci disso”. Ele ajusta Ema em seu quadril, percebendo que a criança está profundamente adormecida. Levando-a para dentro de casa, passa por Logan, que ainda observa sua família com um olhar sério no rosto. Deitando Ema no berço de viagem, a cobre com um cobertor e acaricia sua bochecha com a parte de trás dos dedos. "Eu te amo. Bons sonhos." Voltando, vê Logan carregando tábuas que foram arrancadas para a pilha. Sabendo quando ele está vencido, entra no celeiro, desmontando o imóvel. Levando uma parte para fora, dá a Logan um par de luvas. Seu sobrinho o agarra pela cintura, abraçando com força e enterrando o rosto em seu estômago. Greer olha fixamente para frente, com medo de perder a compostura se fitasse a criança. “Eu te amo, tio Greer”. Greer olha para baixo por um breve segundo. "Garoto, também te amo." Ele dá um tapinha em suas costas. Envergonhado, Logan recua, usando a luva para enxugar as lágrimas. “Podemos incendiá-lo? ” "Dê-me alguns minutos", ele concorda, vendo o primeiro sinal de vida no rosto de seu sobrinho desde que foi baleado. “Obrigado, tio Greer”.


Voltando para dentro do celeiro, tira o resto das ferramentas inúteis. Carrega a última carga quando ouve o grito alto de Holly. “Greer Porter! ” "Mulher, por que está gritando? Vai acordar Ema! " Vendo o que ela segura, ele tentou parecer vergonhoso, mas falha miseravelmente. "O que é isso?" "Você sabe o que é," ele murmura em voz baixa. Tate tirou a porta lateral, apoiando-a contra uma árvore, não esperando que Holly a tocasse. A mulher idiota não se contenta em deixar nada em pé e a quebra, encontrando seu esconderijo. "É por isso que não pegou meu dinheiro. Você tinha mais escondido!" "Sabe quanto dinheiro custa manter Logan alimentado?" "Sei o quanto é preciso para mantê-lo alimentado!" Ela rosna, pegando os pacotes que ele pesou e amorosamente embalou para venda. Ela começa a agarrá-los nos braços. "Eles vão para o fogo quando começar." "Você está louca?" Ele tenta agarrá-los de volta. Ela praticamente rosna para ele. Arrancando a mão, ele tenta argumentar. "Tenho contas a pagar ... Pelo menos deixe-me manter o suficiente para pagar o King!" Ela lhe entrega um pacote. "Mulher, viu quantos cachorros quentes, hambúrgueres, e champanhe tivemos? Não é como se servimos suco em copos de plástico! " Holly dá mais dois pacotes. "Ainda devo pelo bolo."


Ela entrega três. Quando ainda tem a maioria na mão, Greer quer chorar. "Tenho que pagar pela caminhonete." "Sua caminhonete está paga. Diamond disse que os Last Riders pagaram pelo trabalho que fez por eles." "Isso é o que está segurando em suas mãos." A mentira descaradamente voa de sua boca. "Você trabalha para os Last Riders cultivando maconha para eles?", Pergunta ela com ceticismo. "Você viu quantos são?" Um produtor de maconha sempre tem que ter uma desculpa pronta para estar um passo à frente da lei. Não só era o melhor cultivador do município, mas também o título de melhor mentiroso. Grunhindo, entrega-lhe o resto. "Precisa dizer a eles que parou, então." “A primeira coisa da manhã”, mente sem vergonha. "Eu vou cobrar", ela adverte. Ele levantou a mão na promessa de escoteiro. “Você foi escoteiro? ” "Preciso ir ver Ema." Ele começa a ir em direção à casa. "Não quero esse material em minha casa!" Ela grita. Greer vira, caminhando em direção à caminhonete. "Onde vai?" Greer inclina-se para pegar um dos pacotes que deixou cair. Está ficando mais difícil ganhar a vida. Ele acrescenta isso à lista menos que fez em sua cabeça para decidir se gostava de estar casado. Abrindo a caminhonete, levanta o assento para erguer a tábua falsa para esconder a mercadoria. Quando ouve Holly, sacude, adicionando um


outro menos a sua lista. É um dia lamentável quando um homem tem medo da própria esposa. "Me dê um." "Por quê?" "Vou tentar subornar Diamond para nos deixar em sua ilha." Entregando um pequeno, ela apenas olha fixamente para ele, não se afastando. "Está planejando ir comigo?" Pegando de volta, ele entrega um maior. “Satisfeita? ” Seus dedos fecham em torno dele. Então, ficando na ponta dos pés, ela roça os lábios contra os dele, provocativamente empurrando a língua para dentro para beijá-lo. Ele agarra seus braços para puxá-la, beijando-a apaixonadamente. Ofegante por ar quando volta a seus pés, ela o deixou a fitando com a boca aberta. Abaixando a tábua, fecha a caminhonete e tranca-a. O beijo está definitivamente na coluna de prós. Assobiando, volta para a casa para verificar Ema. Pegando um pacote de seis cervejas, um refrigerante e a garrafa de vinho, os levou para fora, colocando-os na varanda antes de pegar a mangueira, puxando-a para a frente da casa. Movendo Logan para trás, coloca uma pequena quantidade de gasolina na pilha de madeira. Quando termina, tirou um maço de fósforos. Acendendo, atirou-o na madeira. Com a mangueira na mão, senta ao lado da varanda, convencido de que a mangueira será capaz de cobrir a distância se o fogo ficar fora de controle. Abrindo uma cerveja, entrega a Logan o refrigerante enquanto sentam e observam silenciosamente Holly, Rachel, Tate, Cash, Sutton e Dustin incansavelmente trabalhando, decididos a destruir o velho celeiro.


Logan abre a lata de refrigerante. “Por que estão derrubando o celeiro? ” "Estão substituindo a memória ruim por uma boa", explicou. Inclinando do lado da casa para ficar mais confortável, ergue uma das pernas para descansar o braço sobre ela, segurando a cerveja. "Derrubar um celeiro é uma boa memória?" "É quando não está fazendo sozinho." As faíscas do fogo voam quando uma das tábuas deslizam do alto da pilha, pulverizando faíscas minúsculas na terra. Greer aponta a mangueira de água para a grama, extinguindo as brasas. As cinzas do fogo dançam ao vento. "Não quer fazer uma nova memória?" “Estou fazendo”. Greer estendeu a mão para Logan. O garotinho hesita antes de colocar a dele em cima. Segurando seus olhos, quase para, vendo o terror em Logan, mas esperou recuperar sua força para isso. Concentrando-se, agarrou-se ao espírito de Logan, enviando-o para a noite. Seu sobrinho tenta afastar a mão. “Espere”, Greer diz a ele como fez quando foram na roda gigante. Ele os envia dançando em círculos para cima, faíscas das cinzas que os rodeiam, erguendo-se mais alto. "Não tenha medo. Eu te entendo. Olhe em volta." Em sua mente, vê o medo de Logan desaparecer e a curiosidade crescer enquanto olha em volta. Experimentalmente, Logan sopra uma cinza que pousou em sua mão. Quando chegam ao lugar que queria que Logan visse, o garoto olha com admiração. "Eu não vi isso antes ... É lindo." "Sim, é", ele sussurra reverentemente antes de começar a trazê-los de volta. “Espere”. Logan puxa sua mão. "Temos de ir. É um mau jeito de olhar. ”


Greer gira Logan quando uma das cinzas gira em torno deles, gradualmente baixando-os para a varanda como as faíscas em cascata. Quando Logan pisca, ele solta a mão. "Vamos fazer isso de novo", Logan implora. "Não. Preciso guardar minha força. Pretendo levar Holly lá esta noite, então precisa dormir em sua própria cama. OK?" Logan assente. "Não quero que ela perca o passeio." "Garoto, planejo dar a ela um passeio que ela nunca esquecerá. Prometo. "Ele ri, apontando a mangueira para as costas de Dustin e molhando-o. Seu irmão vira, pronto para xingar. “Esse novo bico funciona bem”. Greer olha para Dustin. "Desculpe!" Ele grita. "Não sou só eu, realmente," ele diz para Logan. "Será que vou ser capaz de fazer isso quando ficar mais velho?" Seus olhos estão brilhantes com expectativa. Greer sabe a que ele está se referindo. "Não, mas não posso ver a cor como você." “Gosto de desenhar”, admite. “Então deveria fazer. Só, da próxima vez, não pare como quando viu o filhote. Mostre-me ou seu pai, para que possamos ajudá-lo a descobrir. " “Certo”, Logan concorda. Quando Holly se inclinou para pegar uma tábua, ele mira em sua bunda, lembrando-se de colocar sua bunda na categoria de prós. O grito assustado fez com que Greer e o sobrinho se cutuquem, rindo histericamente. "Posso fazer isso?" Logan implora. Greer lhe entrega a mangueira. "Vá em frente."


33

Garotadokentucky: Onde está? Atiradordeelite: Fora, me certificando que o fogo apagou. Não devo demorar. Está no computador? Garotadokentucky: Sim. Atiradordeelite: Na cama? Garotadokentucky: Sim. Atiradordeelite: Deixe seu celular e assista eu te fodendo. Garotadokentucky: Não! Atiradordeelite: Faça. Diga-me quando começar. Garotadokentucky: Eu comecei. Atiradordeelite: Toque seu clitóris. Atiradordeelite: Está fazendo isso? Garotadokentucky: Sim. Atiradordeelite: Agora, esfregue-o. Garotadokentucky: Eu estou. Atiradordeelite: Sente-se bem? Garotadokentucky: Sim. Atiradordeelite: Você está molhada? Garotadokentucky: Venha aqui e descubra por si mesmo.


Holly mal teve tempo para afastar o computador antes de Greer cair na cama. Arfando, deixou cair o telefone enquanto sua boca cobre sua mão. Gemendo, ela recosta a cabeça no travesseiro. O homem desce sobre ela do jeito que beija, como se nunca experimentou uma mulher antes. "Você não estava apenas assistindo o fogo morrer," ela repreende, cheirando o aroma saindo dele. Ele sopra sobre ela, fazendo seus sentidos cambalearem e deixando-a mais molhada. "Agora vejo porque falou para Logan passar a noite com Tate." “Certo. Preciso fazer amor com minha esposa antes que ela decida derrubar a casa”. "Depois que Rachel me falou sobre você e Tate, tem sorte de eu não explodi-la. Como pode criar filhos e não apreciá-los todos os dias? " Greer amorosamente chicoteia a língua contra seu clitóris, despertando um desejo que não é capaz de controlar. Ele roda ritmicamente antes de mergulhar em seu centro enquanto aperta seu clitóris entre dois dedos. Enterrando o rosto, eleva a língua como se estivesse procurando, tentando sugar um pedaço de madressilva. Separando-a, ele estendeu a mão para que possa arrastar a língua para baixo do vinco entre os lábios da vagina antes de deslizar para dentro, desta vez batendo o doce ponto que roçou antes. Sua vagina pulsante convulsiona num clímax que deixa sua visão turva atrás das pálpebras fechadas. Mordiscando sua coxa, Greer descansa o queixo sobre seu joelho erguido. "Você é incrível. Sabe disso, não é? "Impressionado, ele corre os dedos sobre seu peito.


Olhando-o solenemente, traça a cicatriz que a marcaria para sempre. "Minha infância foi uma tempestade que tive que passar para que pudesse te encontrar. Se Tate não tivesse morrido e eu não estivesse tão assustado por estar lá fora naquela noite, talvez não soubesse o que aconteceu com Rachel. E o ponto mais baixo e o mais feliz da minha vida. Tive Tate de volta, e te encontrei. Tudo estava destinado a ser exatamente como aconteceu. " "Estávamos destinados a acontecer, mas acha que teria se casado com Diane se eu não tivesse mudado esse símbolo?" "Não." Ele beija seu estômago, mordiscando um caminho até o peito, delicadamente beijando um como se estivesse com medo de machucá-la. Perfeitamente sugou um mamilo na boca, ele então diz, "Você não vai vê-la novamente. Ouvi dizer que se afastou. Disseram no restaurante que seu senhorio a expulsou. Parece que desenvolveu um interesse por ocultismo. Ela passou a semana que casamos em Gatlinburg. Jessie queixou-se do odor enquanto ela se foi, e não podia suportar mais, então chamou o senhorio. Ele jogou Diane fora assim que voltou”. “Não vou sentir falta de vê-la na cidade”. "Nem eu." “Aposto que Luke está chateado”. "Sim, ele está arrasado por isso." "Obrigado por não ir atrás de Asher." Sua expressão séria faz com que tenha dúvidas de que Greer não se vingou de Asher por roubar sua erva. Greer não deixou seu lado depois que saiu da cirurgia. Além disso, ele prometeu não pôr uma mão sobre ele. Os olhos cinzentos esfumaçados ficam escaldantes quando pressiona leves beijos em seus seios, tentando-os sem exercer qualquer pressão. Ele provoca sugando seu outro mamilo na boca, mordendo duramente quase a fazendo gritar. Se Dustin estivesse dormindo em seu quarto, teria ouvido. "Isso dói."


"Isso é por me morder quando tentei tirar o machado de você. Mas planejo fazer melhor. " Greer se move para o lado, jogando-a sobre seu estômago, em seguida, ficando entre as pernas para puxá-la até os joelhos. Holly estremece quando sua boca vai até sua orelha e uma das mãos desliza em seu estômago plano. "Mulher, estou lhe dando um aviso justo. Vou colocar um bebê em você esta noite. " Holly parou de tomar o controle de natalidade uma noite antes de casarem. Ela queria um bebê, senti-lo crescer e chutar. Mas não estava ansiosa pelos enjoos matinais que Rachel sofreu ... O pensamento errante extingue seu desejo. Antes que possa dizer a Greer que deveriam esperar, sente seu pau entrar, reanimando o fogo numa série de faíscas que aumentam, consumindo enquanto a esticava antes que pudesse se ajustar à ferocidade dos impulsos. "Oh ... Quando compensa o tempo perdido, você é impressionante", ela elogia, tentando não gritar. "Posso levar algum tempo para recuperar minhas forças, mas quando faço, estou excelente de novo", ele se gaba. "Enquanto se cura, você não pode ..." "Não." Holly se força a não rir de alívio. Seu marido não fez amor com ela, porque era fisicamente incapaz, não porque não queria. "Isso é uma chatice." Uma pequena risada escapa dela. “Mulher, você ainda não viu nada”. Ele afunda o pênis inteiro dentro dela. Então lentamente começa a fodê-la. Dentro e fora, ele deixa as faíscas mais altas dentro dela até que sentiu como se sua alma estivesse em chamas. "É muito…"


"Não o suficiente", ele geme, trazendo a mão para sua buceta e brincando com o clitóris, mergulhando no buraco que estava batendo e enchendo cada vez mais. "Demais …" "Você pode tomá-lo." Lambendo a pele atrás de sua orelha, ele pressiona outro dedo dentro dela, tornando-se consciente dos pequenos grunhidos que ela faz. Ele traz sua mão livre a boca para sufocar os sons. "Não precisamos deixar Dustin saber o que está perdendo." Ele a segura firme com o aperto que tem em sua vagina. Enrolando os dedos em torno da cabeceira da cama para impedi-la de bater na parede, ela sente medo de perder o controle e morder sua mão. A maneira como ele a fodia era como se quisesse marcar sua alma, sem deixar dúvida de que todos na terra e no céu soubessem que ela lhe pertencia. Pressionando ainda mais fundo, ela sente seu pau apertar quando ele puxa os dedos para massagear seu clitóris até o êxtase a atingir. Tenho medo de não sobreviver. Justo quando pensou que voaria muito longe, ele a pega, trazendoa para baixo e fitando-a com olhos divertidos. “Impressionada? ” Incapaz de falar, passa as mãos sobre o corpo para certificar que ainda está ali. Quando teve certeza que estava, corre os dedos pelos cabelos compridos. "Quando lhe disse que o carrossel era meu passeio favorito, estava errada." Greer ri. "Estava?" "Sim. Foi um passeio de crianças. Eu segui em frente. " "Com o que?" "Você."


“Pequena, pequena! Aqui, garota! ” Holly observa suas galinhas orgulhosa que estão ficando mais gordas. Elas eram secas quando morava na casa da Sra. Langley. Felizmente, desde que estava em casa, recuperaram o peso e voltaram a botar seus ovos. Limpando as mãos no lado do jeans, ela entra, arranhando a cabeça enquanto caminha em direção à porta. Sorri para o espaço vazio onde o celeiro estava. A única coisa que resta é o telhado de metal que Greer planejava usar para o novo que construirá. Precisa ligar e perguntar a Jo se quer o velho trator e a caminhonete de Greer. Ficou surpresa pelo pai de Greer possuir um trator. De tudo o que ouviu sobre ele, não fez nada além de plantar maconha e fabricar bebida. Não sabia sobre a maconha, mas sabia o suficiente que não precisava de um trator para fazer fileiras. Um pensamento súbito a atingiu. Colocando a cesta na varanda, caminhou furiosamente para o trator. Andando em torno, as mãos foram para os quadris como o estudou, mantendo distância procurando o melhor ângulo. Ela chuta o pneu grande. Holly não achou que era o esconderijo de seu marido. Encontrou o que procurava quando quase se decapitou levantando a tampa do motor. Fechando a tampa de volta, ela gira determinada a enfrentar o marido mentiroso. Pegando os ovos, está praticamente na porta quando ouve o som de uma caminhonete subindo a entrada. Voltando para a varanda, preparando-se para explodir Greer quando ele sai da caminhonete, a visão de outro seguindo o seu faz a cesta de ovos cair na varanda e ela correr em direção a caminhonete que Dustin e Logan saem. O Jeep novo é tão alto quanto a caminhonete de Greer, mas com uma sombra rosa. Ela ri quando vê a placa. "Mamãe sexy" Ela corre, pulando nos braços de Greer. "Eu amei. Obrigada!"


Girando-a ao redor, deu-lhe o beijo que quebrou as soqueiras de bronze de Cash em pedaços. "Eu o amo tanto." Beijando-o de novo, então disse: "Exceto que não sou uma mamãe sexy ainda." "Quem disse?" Seus olhos se enrugam. "Você está muito sexy para mim." Ela afasta-o, rindo. Ele disse na semana passada que ela estava grávida. Se estivesse, ficaria emocionada. Mas se não, espera que ele tente alcançar esse objetivo. “Todo mundo está com fome? O jantar está pronto. Podemos sair para uma volta depois”. Greer carrega sua cesta de ovos para dentro. Ela ainda admirava o presente quando Logan começou a descer os degraus. “Esqueci minha mochila no seu novo jipe”. "Vá em frente. Vou buscá-la”. Logan corre para dentro, batendo a porta atrás dele. Sorrindo, teve que ficar de ponta dos pés para alcançar a mochila. Fechando a porta, vislumbrou um pedaço colorido espreitando para fora. Desabotoando a mochila, puxou o papel amarelo brilhante para fora. Lágrimas encheram seus olhos com o que viu. Um homem e uma mulher estavam de pé sob uma grande árvore que tinha as iniciais dela e de Greer esculpida. O que a fez sorrir, porém, foram as quatro margaridas viradas para o sol com sorrisos nos rostos. "Mulher, você vem?" O grito alto de Greer enche o ar. Seu homem nunca mudaria. Olhando o céu azul brilhante acima dela, disse, "Obrigada."


Uma brisa súbita soprou o cabelo contra sua bochecha, como se carinhosamente acariciando. Holly leva a mão à bochecha, de algum modo reconhecendo o misterioso toque que a ajudara a voltar da morte. "Prometo que cuidarei bem deles." Uma haste de seu cabelo se retorceu ao redor do dedo quando o vento soprou mais forte, segurando-os juntos e unindo o espaço entre o presente e a eternidade. A mãe de Greer falava sem palavras, deixando-a saber que estaria observando. Então sumiu tão subitamente como veio. Holly aperta o desenho de Logan na mão, vendo a sombra ao lado do carvalho vigiando o jardim que amava. "Mulher, estou com fome!" Rindo, ela corre em direção à casa, sem medo do que o futuro reserva, segura no amor da família que sempre quis, e protegida por aqueles que estariam observando até o fim.


EPÍLOGO

Greer passeia no escritório do xerife, dando uma piscada atrevida para a recepcionista atrás da mesa. "Você está bonita com esse vestido. É novo? " Ele se inclina contra a mesa enquanto flerta com a mulher mais velha. Seus olhos brilham quando rodeia a mesa para dar-lhe um grande abraço; Ele devolve, tirando-a de seus pés. "Se soubesse que viria hoje, teria feito um pouco de pão de milho. Sei o quanto ama. " Ele a devolve para o chão; Segurando sua mão, a olha. "É um novo anel que estou vendo, Sra. Combs?" "Não, o tinha na última vez que esteve aqui. Está quase na hora de eu fazer alarme sobre algo novo. " "Deveria ir a joalheria em Jamestown; É onde comprei o anel da minha mulher. " "Costumo ir a Dalton's, mas vou verificar o de Jamestown antes de comprar algo." "Certifique-se de dizer ao gerente que lhe enviei." "Eu farei. Quando trará essa noiva bonita para minha casa jantar?" "Este sábado? Vai fazer o bolo de chocolate que eu amo? " "Vou à loja pegar tudo que preciso." "Então estaremos lá. Não posso recusar uma refeição da melhor cozinheira do condado. Se não fosse casada, Holly nunca teria me agarrado”.


Ela cora sob a pele enrugada. “Vejo por que ela casou com você. Espero que esteja refletindo esses elogios a sua nova esposa”. "Não. Não quero estraga-la. "Ele sorri. "Como tem estado?" "Certa como a chuva. Não o vi na igreja ultimamente. Pastor Dean não é Saul Cornett, mas é razoável. " “Há apenas um Saul Cornett”. "Amém a isso. A geração mais jovem nunca se beneficiará dele da maneira que fiz. "Ela tira a mão da de Greer para limpar uma lágrima que vem a seus olhos. "Quando digo às pessoas que ele curou minha visão, ninguém acredita que era cega e que ele me curou. Gostaria que sua avó estivesse viva. Ela confirmaria. Quando digo que estavam lá, lamento dizer que ainda não acreditam em mim. ” “Não se preocupe. Nós dois sabemos o que aconteceu, e é isso que importa. " "Sim, é." Ela caminha de volta para trás da escrivaninha nos saltos impossivelmente altos. "Então, apenas passou para me ver, ou veio ver Knox?" "Knox me chamou para uma conversa. Sabe do que se trata? ” Ela franze o cenho. "Não, sem mandados para você, então deve ser algo bom. Pode ir a direita em seu escritório; Ele não está ocupado. " "Obrigado, e diga a Ezra que disse oi." "Eu vou." Greer perde sua expressão afável quando entra no escritório particular de Knox, imperturbável com o rosto do xerife quando o vê entrar sem ser convidado. "Poderia ter batido." "Senhora Combs disse que não estava ocupado." Senta descaradamente na cadeira em frente à mesa sem perguntar. “Por que precisa me ver? ” O rosto de Knox franze. "Tenho uma posição aberta para agente, e queria perguntar se está interessado?"


"Diamond mandou você perguntar?" "Sim." Greer riu. “Então pode dizer a ela que recusei”. Greer começa a levantar. "Diamond pode ter me pedido para contratá-lo, mas acho que é uma boa escolha para a posição. Não posso lutar contra o problema das drogas sozinho. Estou gastando meu tempo perseguindo assassinos de galinha e roubos de cobre. " "Tenho um registro." “Eu apago”. "Pode fazer isso?" "Posso fazer um monte de coisas." "É tentador. Não me importaria de trancar alguns dos Hayes e Colemans.” "Tem que encontrar a evidência. Não posso simplesmente prendelos porque os odeia. Teria que prender metade da cidade”. "É justo, e não precisa mais se preocupar com as galinhas. Lidarei com isso. Manteve sua palavra e não contou a Diamond sobre as galinhas?" "Eu disse que não." Knox encontrou seus olhos. "Uma vez que vamos trabalhar juntos, é importante construirmos um relacionamento baseado na confiança." Greer sorri, entendendo o que quer dizer. "Não vou meter meu nariz em suas atividades extracurriculares, se você não fizer o mesmo com as minhas." Knox assente. "Terá que fazer um treinamento. Quando passar, vou te colocar no calendário. " "Não trabalho noites, fins de semana, ou feriados. Estou disposto a trabalhar em tempo parcial cerca de dez horas por semana. "


Os olhos de Knox se estreitam. "Nós trabalhamos em turnos rotativos." "Eu não. Vou te dizer o que; trabalharei um final de semana por mês”. "Um feriado, e vou precisar que me dê pelo menos trinta horas por mês", Knox responde. "Minhas atividades extracurriculares precisam de monitoramento. Vou fazer vinte e cinco horas por semana para você, um final de semana por mês, e até mesmo um feriado, desde que não seja Natal”. "Quer que eu ligue para Holly e diga que só quer trabalhar vinte e cinco horas por semana?" "Você quer que eu ligue para Diamond e diga a ela que está grávida e não precisa fazer essas pausas para o almoço para ficar nocauteada?" "Como sabe que ela está grávida?" Greer levanta a cabeça para ele. "Levei Holly para trabalhar hoje, parei no escritório de Diamond para dizer olá." "Ela deve ter ficado emocionada." Greer ignora o tom sarcástico em sua voz. "Não sei como está a enganando sobre a gravidez, mas ela tem um pão no forno. Não deve querer desistir do que ela está lhe dando de almoço", ele ironiza, risos em sua voz. Quem disse que não tinha senso de humor? Knox aperta a mandíbula. "Ligo quando receber os resultados de seu teste." “Faça isso. ” Greer levanta, decidindo que ele lhe deu o suficiente de seu tempo. "Espere, pode me fazer outro lote desse pó de proteína? Rider quer um lote para ele também”. "Você gostou? Eu disse que faria", ele se gaba.


"É melhor não ter quaisquer substâncias ilegais ..." "Não, não há. Nada que não cresça no meu próprio quintal.” “Greer...” Ele suspira. "Disse a você, o pó é uma mistura de minhas próprias ervas, raízes e plantas que trituro e irá ajudá-lo a aumentar sua força, resistência e construir massa corporal. Estive usando-o em minha erva, tornando-o em um líquido para fazê-las crescer mais; imaginei que o que funciona na erva vai funcionar em você. Tive que achar algo para substituir o alho. Não me incomoda, mas todo mundo na casa continuava reclama do cheiro.” "Faça-me um mês de abastecimento. Entre o pó e as pausas para o almoço, nunca me senti melhor. "Verdade?" Greer pensa nos ingredientes. "Deixe-me saber se tem o mesmo efeito no pau de Rider; Dessa forma, sei os benefícios antes de começar a comercialização. " "Não diga que fui seu rato de laboratório?" "Não." Greer acenou a sugestão para longe. "Está mais para um urso." Ele sai do escritório de Knox, reclamando que ninguém tem senso de humor. Indo para o escritório de Diamond, onde deixou sua caminhonete, vê um senhor saindo da farmácia. “Ei, Dr. Matthew, como vai?” Greer cumprimentou o avô do Dr. Price, estendendo a mão. "Como está, Greer? Faz um bom tempo desde que eu o vi”. O médico idoso aperta sua mão. "Não posso reclamar. E você?" Pergunta, não soltando sua mão. "Minha gota tem agido, mas além disso não posso me queixar, tampouco." Os olhos do homem vão para o escritório que Greer acaba de deixar. “Você ficando longe de problemas?”


"Você me conhece. O problema sempre me encontra." Greer brinca, rindo enquanto pressionava a outra mão em cima da que ainda segura. O velho médico ri com ele. "Foi bom te ver de novo. Quando sua nova esposa ficar grávida, me avise. Ainda mantenho alguns amigos próximos como pacientes; Me impede de ficar entediado na velhice”. “Você não é velho; ainda está na primavera da vida. Holly ligará em breve. Não planejo alguém entregando meu filho, além do homem que me trouxe e minha família ao mundo. É uma tradição.” Os olhos do homem ficam enevoados. "Sim. Ainda sinto falta de sua mãe.” Greer solta sua mão com um pequeno tapa. “Cuide-se.” “Você também, Greer”. O velho se afasta saltitante. Greer dá mais três passos antes que uma mulher bonita, radiante de saúde, tente empurrar o carrinho para fora da porta da loja de roupas. Greer apressa-se em segurar a porta para ela. “Obrigado, Greer.” Winter tenta abraçá-lo, mas tem o carrinho como barreira entre eles, inclina-se para olhar para a pequena criança. “Como está Aisha?” "Está indo bem. Tivemos apenas um check-up. O médico disse que está atrasada no crescimento, mas é porque ela é prematura. Esperemos que ela o alcance; pelo tanto que come, não vai demorar muito.” Ela dá uma risada preocupada. "Posso?" Ele pergunta, estendendo as mãos para pegar a criança. "Claro. Ela gosta de ser abraçada.” Cuidadosamente, Greer pega a menina nos braços, embalando-a contra o peito, fitando os olhos brilhantes. "Ela é linda, Winter. Aposto que Viper está tão orgulhoso que não sabe o que fazer consigo mesmo.” "Toda vez que sai, compra um brinquedo novo. Se continuar, teremos que adicionar outro quarto à casa apenas para os brinquedos."


"Um pouco de mimo nunca machucou ninguém. Espero que ainda esteja por perto para ver quando ela começa a namorar, provavelmente vou ter que emprestar minha espingarda para afastar os meninos." “Viper diz que nunca vai deixá-la namorar.” Ele segura a criança mais perto, pressionando as mãos com mais força. “Holly está grávida. Eles estarão perto o suficiente na idade para brincarem juntos. Acho que vou ficar de olho nelas. Não posso ter ambas as meninas envolvendo Viper em seu dedo." "Não sabia que Holly está grávida. Já sabe que é uma garota?” "Não sei ao certo, mas um homem pode sonhar. Sempre desejei uma garotinha. Vou nomeá-la como minha avó, Rosalie Adana. Tate e Dustin dizem que quando tiverem meninas, vão nomeá-la assim também. Tenho que vencê-los; não posso ter três Rosalies em torno de Treepoint." Greer coloca Aisha de volta no carrinho. "Não, isso é confuso. Greer, eu ...” “É melhor eu ir. Vou levar Holly para almoçar.” Ele passa por Winter, andando pela calçada em direção ao escritório de Diamond. Acenando para várias outras pessoas da cidade sem parar, viu sua esposa pequena e a chefe alta de pé conversando. Elas têm uma amizade que prevê por toda a vida. Embora não se importasse que sua menina brincasse com Aisha, não tem como deixar o bebê que Diamond está carregando por perto. Planeja cortar isso no broto; não há maneira no inferno que compartilhasse um neto com Knox. Às vezes, o Deus Todo-Poderoso apronta demais.

“Está de bom humor?” Holly sussurra para sua melhor amiga, não querendo virar e alertar Greer que estão fofocando sobre ele. “Como posso saber?” Perguntou Diamond, sarcástica.


“Ele está assobiando, ou tem sua expressão geralmente malhumorada no rosto?” Holly pergunta, ansiosamente esperando ter um aviso prévio sobre o estado de espírito de Greer depois do encontro com Knox. “Ele está assobiando.” "Então estamos bem." Sorrindo, se vira para esperar que o marido as alcance, os olhos se estreitando quando vê o cansaço em seu rosto. “Pronto para o almoço?” "Tudo bem se perdermos isso e almoçarmos outro dia? Você me tirou cedo da cama. Pensei em ir para casa e tirar uma soneca.” Ela vê o marido indo até a caminhonete. "Não me importo. Vá em frente e tenha seu sono de beleza. Estarei em casa depois do trabalho. Logan está numa festa do pijama com Chance e Noah, então tem um par de horas até Dustin chegar." O rosto de Greer fica pálido. "Estou planejando uma longa soneca. Posso estar ficando com um resfriado. Não quero que você pegue." "Ah ... pobre bebê. Vou fazer um pouco de sopa quando chegar em casa. Vai ficar melhor." Ela afastou-se, para que ele possa fechar a porta da caminhonete. Ela sabe o quão exausto está quando deixa passar suas observações. Quando se volta para Diamond, veem seu marido ir embora. "Se Knox me olhasse assim quando eu sugerisse uma tarde na cama, eu pediria um divórcio," ela aconselha. Holly balança a cabeça preocupada com o quão cansado Greer está. O homem teimoso prefere mentir do que admitir o que o deixou tão cansado, preferia inventar uma doença do que admitir que não poderia se apresentar no quarto até que a força voltasse. Seu pau mole era um preço que nunca admitiria, mesmo com uma arma apontada para a cabeça. O presente de seu marido fanfarrão não veio sem um preço, e não teria nada até que ele se recuperasse.


Tanto ela quanto Diamond acenam para Winter quando coloca Aisha no banco de trás do carro. Tinha uma boa suspeita sobre o que esgotou tanto seu marido. “Você acha que ele aceitou o trabalho que Knox lhe ofereceu?” Pergunta Diamond, procurando o telefone para falar com Knox. "Sim," Holly responde distraidamente, a mente em Greer. Diamond bufa quando Knox responde as mensagens. "Não sei como suporta esse homem. Ele disse a Knox que só trabalharia vinte e cinco horas por semana.” "É mais do que eu esperava." Os olhos de Diamond se arregalam. “Não está brava?” Holly nega com a cabeça. "Casei com Greer sabendo que não seria capaz de mudá-lo. Eu não quero. Não espero um casamento perfeito.” "Acha que ele disse a Knox que estou grávida, não é?" "Disse que ele faria isso quando me dissesse que está grávida e não poderia manter o segredo por mais tempo." Ela permite que Diamond xingue Greer, sabendo que ainda estava brava com ele. Greer não queria que desse desculpas por ele; ele queria que todos acreditassem que ele era um bastardo de coração frio, mas ela e sua nova família sabiam a verdade. Que podia andar pelas ruas usando seu dom; ninguém provavelmente sentiria falta dele se nunca voltasse para a cidade, sem saber que deixou um pedaço de si mesmo para trás. "A propósito, o que esperava?" Pergunta Diamond quando Knox sai para levá-la para o almoço diário. "Que ele teria o fator quente." Diamond parou de entrar no carro. “Ele tem?” "Ele não tem um piercing da língua, ou moto gigante, mas tem algo melhor." "Como o quê?" "Um grande coração."


"Aceito sua palavra sobre isso." Ela sorri e entra no carro de Knox. Diamond acha que, como recém-casada, era cega para os defeitos. Greer disse a verdade; ele fez uma cega enxergar. Ela. Durante os anos em que viveu com ele, não viu nada senão suas faltas. Foi quando ele a enganou ela olhou além para perceber quem realmente era; um homem que amava sua família com cada respiração de seu ser, e isso a incluía. Tornou-se parte da roda que levaria os Potter a próxima geração. Decidiu voltar ao escritório e trabalhar durante a hora do almoço quando viu Willa sair pela porta dos fundos da igreja, acenando. Holly acenou antes de entrar. Apenas quando Willa continuou acenando enquanto caminhava para o final do pátio da igreja até a cerca que sentiu. Cruzando a pequena rua para cumprimentar Willa, Holly viu que segurava um saco. Willa estendeu o saco rosa brilhante para ela. "Greer ligou e disse que ele não te levaria para almoçar e me pediu para trazer isso." “Obrigada, Willa. Ia comer uma maçã que tenho no escritório. " "Ele ordenou-lhe um sanduíche de salada de frango e um croissant." "Greer sabe que amo sua salada de frango." Willa assente alegremente. "Tornou-se um favorito dos clientes. Costumo adicionar um cupcake quando alguém compra um sanduíche, mas Greer me disse para colocar morangos cobertos de chocolate para você”. Holly praticamente viu seu cós crescer; os morangos de Willa eram um deleite decadente. "Ele me conhece e Logan briga por eles." "Há bastante para vocês dois. Como a vida casada está?” "Ótima. Como está o bebê?”


"Ótimo." Willa mostra a própria felicidade com sua vida. "Lucky está praticando seu sermão em nosso menino enquanto estou trabalhando. É melhor voltar. Vejo você domingo?" "Sim, te vejo então." Willa volta para dentro da igreja quando Holly entra no escritório de Diamond. Sentando-se atrás da mesa, tira a recompensa da sacola, mordiscando um dos morangos enquanto vai para a sala de bate-papo na qual ela e Greer conversam, não querendo incomodá-lo com um texto se estivesse dormindo. Garotadokentucky: Obrigada pelo almoço. Adoro os morangos. Atiradordeelite: Quero estragar minha mulher :)

FIM

Profile for Priscila Vicentim

Standing his Ground- James Begley ( Porter Brothers #2)  

Standing his Ground- James Begley ( Porter Brothers #2)  

Advertisement