Issuu on Google+

README

MARÇO/2013

0 2 2 1 5 9 5 2 1 0

A IV AT OR TO EM EN M AM CO NÇ ÃO LA IÇ E ED D

R$ 12,00

Brett Helquist

Saiba mais sobre o grande ilustrados da série de livros Desventuras em Série. Conheça o início da sua carreira, suas inspirações e suas preferências ao trabalhar.

A ilustração

Série O Cemitério dos Livros Esquecidos


ÍNDICE

06 EDITORIAL

PRISCILLA GODOY

07 SIMPLIFICANDO

A ILUSTRAÇÃO

08 DESTAQUE

BRATT HELQUIST

13 LEIA MAIS

CARLOS RUIZ ZAFÓN

15 CONHECENDO

DA REDAÇÃO


06 README

EDITORIAL

Priscilla Godoy | Designer

Era uma vez... Foi tudo muito rápido e ao mesmo tempo muito intenso. Desafiador, e ao mesmo tempo prazeroso. Abraçar um novo projeto é o memo que estar abraçado a uma nova paixão, um novo amor. Assim me entrego a cada novo desafio, a cada novo projeto. Read Me nasce direcionada para todos aqueles que gostam de livros, mas que sempre quiseram algo a mais do que simplesmente lê-los. Nos livros se esconde uma paixão que não é feita apenas de papel e tinta, vai muito além disso. Pessoas que entregam parte de sua vida para fazê-los reais e que nem sempre são reconhecidas por isso é o que nos levou a fazer essa revista. Certa vez li uma frase de Voltaire que dizia “Acontece com os livros o mesmo que com os homens: um

pequeno grupo desempenha um grande papel”. Pois bem, pensando nisso devemos refletir que um livro não é feito só pelo autor, outros profissionais são envolvidos nesse processo como o ilustrador, a editra, a gráfica...formando um conjunto para fazer de algumas palavras a paixão de uma pessoa ou de várias. E espero que depois de ler essa revista você vá até a sua prateleira e pegue seu livro favorito, abra ele com carinho, e ali, logo nas primeiras páginas, procure por nomes. Ilustrador, responsável pela produção gráfica, editor e até mesmo tradutor, agradeça a eles, pois esse livro foi composto da imaginação de uma única pessoa, mas do trabalho duro de muitas delas. Priscilla Godoy


README 07

SIMPLIFICANDO Por Elisa Castro | Ilustração John Tenniel.

ILUSTRAR Do latim iluatrare, significa “lançar luz oubrilho” ou “tornar algo mais evidente e claro” Dar luz ao entendimen to, instruir, civilizar, acepções da palavra “ilustrar”, que, junto com a puramente ornamental, definem uma atividade que vincula a expressão plástica ao desenho, a arte aplicada a uma função concreta: a informação. A função que cumpre a ilustração transcende, na maioria dos casos, o puramente ornamental para se converter em informação não escrita, um meio de expressão que prescinde de barreiras linguísticas, facilitando a compreensão de uma mensagem. O ilustrador, ao contrário de outros profissionais da arte, está sujeito a certas limitações no seu trabalho. O bom resultado da sua obra não depende exclusivamente de um estado de espírito ou inspiração, a sua criação

Ilustração do livro Alice

no País das Maravilhas.

deve cumprir uma função que lhe é imposta quando aceita o trabalho e, ao mesmo tempo, deve efetuá-lo tendo em conta o processo de reprodução a que vai ser submetido: sistema de impressão, limitações de cor, etc., o que não se deve interpretar como aspectos negativos, antes pelo contrário: é desafio profissional que não se tem ao pintar um quadro de inspiração livre e ao qual não se exige mais do que qualidade artística. A ilustração, foi, sem dúvida, o primeiro meio de expressão gráfica empregue

pela Humanidade. Desde as pinturas rupestres até aos atuais infogramas, passando pelos ideogramas de culturas como a egípcia e as pré-colombianas, foi sempre o método mais direto de comunicação, já que não precisa de um código abstrato de leitura. Com a descoberta da imprensa, não só não decaiu como atingiu um auge notável, como suporte e ampliação da informação fornecida pelo texto com o qual compartilha as páginas impressas, ou como elemento descritivo que torne desnecessário o mesmo.


08 README

DESTAQUE

BRETT HELQUIST Brett Helquist ilustrou dezenas de livros para crianças e jovens adultos, o mais proeminente a série de 13 livros Desventuras em Série de Lemony Snicket. Ele vive em Nova York desde 1993 e, atualmente, tem um estúdio no Brooklyn.

POR RANDY ASTLE | FOTOS CHRIS LINDSAY

De onde você é originalmente? Quais foram algumas das primeiras suas influências artísticas? Eu cresci no Arizona, Utah e Novo México. Minhas primeiras influências foram as tiras diárias de quadrinhos no jornal, especificamente coisas como Alley Oop, que é uma grande faixa sobre um homem das cavernas que viaja no tempo. Eu adoro esses quadrinhos antigos. Quando eu pensava em me tornar um artista, pensei em desenhar histórias em quadrinhos. Então, quando eu tinha uns dez anos, minha mãe me colocou em uma aula de arte onde eu comecei a aprender a pintar um pouco. Depois que eu meio que deixei de lado durante o ensino médio. Quando estava na faculdade eu servi em


README 09

uma missão em Hong Kong e me apaixonei pela pintura chinesa. Eu não era muito de escrever cartas, então eu comprei um pincel e papel, enquanto os outros estavam escrevendo várias letras, eu comecei a tentar imitar essas pinturas. Que despertou algum interesse novamente. Então, quando fui para a faculdade sentia que não estava totalmente feliz com meu curso de engenharia. Eu estava indo bem o suficiente, mas não me sentia bem por algum motivo. Eu fiz uma aulas de pintura novamente e me encontrei. Conheci Bob Barrett, e descobri que na faculdade tinha um programa avançado sobre ilustração e parecia a coisa certa a fazer por mim. Você disse que algumas de suas maiores influências estão artistas como NCWyeth, Howard Pyle, e Dean Cornwell. O que é sobre a sua arte que mais te inspira? Parte do problema é o assunto. Ele vem de todas as histórias que eu gostava de ler quando eu era criança: Robin Hood, histórias velho vaqueiro, o oeste americano, Treasure Island, eu realmente me apaixonei por eles. Estes são o tipo de histórias que eu gostaria de ilustrar. Eu ainda amo a história de piratas bem mais do que qualquer coisa. Então, além de que, com todos esses caras, só há uma certa elegância ao seu design, a forma como as ilustrações referem-se à página. É muito clássica de uma forma. Há uma parte da minha mente que é muito científico, e matemática nunca foi um problema para mim. Então, o que eu vejo nos desenhos da

Wyeth, Cornwell, e Pyle - que foi chamado o pai da ilustração americana - é a disciplina. Ao invés de apenas ser criativo e tipo de expressar-se livremente, eles tinham uma técnica. Há um entendimento de luz, de forma básica, e componentes. Logo no início eu pude ver que e realmente me atraiu. Há muita ciência para desenho - todos os grandes cientistas eram artistas também - e eu acho que há algo nessas ilustrações que realmente me atraiu nesse sentido. Quanto tempo você levaria para fazer uma ilustração em preto-e-branco? Para Desventuras em Série, aqueles desenhos em preto-e-branco, provavelmente, levou um a dois dias para compor e um dia para ficar pronto. A maioria das pessoas não sabe sobre a parte composição, mas isso é realmente onde todo o trabalho está: na composição e fazendo ajustes para ter certeza que tudo está certo, retocando os detalhes do figurino, cenário e assim por diante.


10 README

Você tem um favorito? Você prefere preto-e-branco ou colorido? A pintura é provavelmente onde me sinto mais confortável, mas eu gosto de um desenho em preto-e-branco muito bom. Então, eu não prefiro um ou outro, realmente. Eu amo as cores, no entanto. Se eu fosse fazer tudo preto e branco, eu ia ficar preocupado com isso. Depois de um tempo, eu gostaria de fazer uma peça de cor. Como você começou depois de terminar a escola? Não foi o começo ruim, o primeiro no Desventuras em Séire, o seu primeiro livro? Foi o meu primeiro livro, mas eu estava ilustrando por cerca de sete anos antes. Depois que me formei eu tinha um emprego no Instituto de Waterford, em Provo, que contratou um monte de graduados de ilustração. Eles tinham uma produção de software educacional e usavam ilustradores para animar seus jogos. Eu queria pagar meus empréstimos estudantis e juntar dinheiro para ir para Nova York. Na época, parecia como cada ilustrador que eu admirava tanto estava morando em Nova York ou teve por um tempo. Além disso, eu queria fazer livros, e é aí que eles fazem livros. Então eu pensei: "Eu tenho que ir para Nova York, logo que eu puder." Mas um mês e meio em que trabalho, eles perderam o financiamento que eles me contrataram, e eu fui despedido. Eu comecei a fazer planos, trabalhar na minha carteira e tentando vender-me como eles nos ensinaram na escola. Um ilustra-

dor de Nova York chamado Robert Neubecker estava procurando um estagiário por alguns meses, foi assim que eu vim para a cidade antes do esperado, e 17 anos depois ainda estou aqui. Um tempo depois montei um portifólio voltado para os livros infantis, foi quando o agente de Lemony Snicket me contatou e tudo aconteceu muito rápido. Eu era um ninguém, o autor na época era um ninguém, e do editor - você sabe, esta foi praticamente a primeira coisa que ela trouxe em si mesma. Éramos todos ninguéns. Na primeira, tem um pouco de atenção alguns comentários agradáveis, e as vendas foram muito bons - mas era anos depois que ela se tornou a coisa mais louca que já é. Na época, era apenas um trabalho. Eu disse: "Ah bom, eu tenho tentado fazer livros e aqui está o meu primeiro livro.”


README 11

Foi planejado para ser uma série de treze livros em que ponto ou foi apenas para alguns livros?

escrever algo lá e veio com essa idéia de Roger.

O primeiro contrato foi para quatro livros, e depois fizemos um outro contrato de quatro. Mesmo no tempo do segundo contrato, foi ainda baixo perfil. Mas, então, pelo terceiro contrato, para os últimos cinco livros, foi muito louco. Como foi ser um autor pela primeira vez? Foi meio assustador. Demorou um pouco para entrar e eu ainda não estou acostumado com isso. Acabei de terminar meu segundo livro de autoria, para Bedtime Bear, e ele ainda não mudou muito. Roger começou porque Susan Rich, o editor da série Snicket, disse: "Eu adoraria fazer um livro de fotos com você. Estou à procura de um manuscrito, mas às vezes eles levam um longo tempo para encontrar o par certo. Enquanto isso, se você tem alguma idéia para escrever um você mesmo, eu adoraria vê-lo. " Eu nunca tinha pensado em mim mesmo como um escritor, mas ela disse: "Não se preocupe com isso. Basta entrar com o enredo e as imagens, e eu posso ajudá-lo a polir a escrita. " Na época, eu não acho nada viria dele, mas eu pensei, "Tantas pessoas matariam para ter a orelha de um editor em uma idéia da história." Então eu decidi fazê-lo. Eu pensei que seria ou durar anos ou simplesmente fracassar quando percebi que não podia escrever. Eu adorava histórias de piratas, quando eu era criança, então eu pensei em

Você tem algum conselho para os jovens ilustradores que pode estar lendo isso e que querem acabar onde você está agora? As pessoas me perguntam muito isso, na verdade. As pessoas que eu conheci ao longo dos anos que sucederam tiveram diferentes graus de talentos - alguns com habilidades que eu ainda estou com inveja de outros e cujo trabalho é menos impressionante - mas na verdade todos têm uma coisa em comum: a persistência e um trabalho ético; ética de trabalho, no sentido de não apenas trabalhar duro, mas trabalhar em algo até que ele funciona. Dos ilustradores que se formaram comigo há apenas três de nós que realmente conseguiu ilustrar. Os outros todos têm boas carreiras em áreas criativas.


12 README

Alguns anos atrás eu ouvi uma entrevista com o poeta laureado nacional que me impressionou. Em sua carreira profissional, trabalhou como executivo de alto nível em uma empresa de grande investimento. Esse era o seu dia de trabalho por cerca de 25 anos. Como ele contou a história, ele disse, "Eu tinha esse trabalho porque eu tinha uma família para criar, mas eu queria ser um poeta." Assim, por 25 anos, depois de trabalhar este trabalho executivo de alto nível, ele foi para casa e escreveu poesia por duas horas a cada noite. Algumas noites ele estava tão exausto que ele se cortou um pouco de folga - bem, eu digo "folga", mas ele não o fez folga. Tudo que ele fez foi tirar aquelas noites que ele escreveu na noite anterior e reescrevê-lo. Ele fez isso por 25 anos e acabou sendo o poeta laureado. Quando eu ouvi isso e estava começando, eu pensei: "É isso que eu vou fazer. Eu tenho um emprego que paga as contas, então vou voltar para casa e trabalhar no meu portfolio cada dia ", e é isso que eu fiz. Essa é a única coisa que funciona. A sensação de noite é raro. A maioria de nós não tem esse tipo de talento. Se há algo que você realmente quer fazer, basta encontrar uma maneira de manter a fazê-lo. Eu acho que esse tipo de compromisso para algo diz algo sobre como você se sente sobre isso. Para mim, eles não são apenas fotos em um livro, eles são realmente algo mais, algo de extraordinário - mesmo se eles não são minhas ilustrações. Muito antes de eu sequer conceber que a ilustração como uma carreira era

possível, eu sempre amei um livro com uma boa imagem nele. Esse tipo de paixão e conexão dizer algo sobre uma pessoa. Eu gosto de pensar que, mesmo que a minha carreira tinha ficado completamente diferente, eu ainda estaria fazendo ilustração em algum nível, só porque é o que eu gosto de fazer. Esse é o conselho que eu costumo dar. Acho que talento e habilidade realmente não é fator em muito; persistência é muito mais importante. Você aprende o que é necessário talento sábio por fazê-lo, no final de um trabalho que você não pode deixar de ser muito melhor. Persistência e paixão importam mais.


README 13

LEIA MAIS

OCEMITÉRIODOS

LI V ROS ESQUECIDOS

Escrita por Carlos Ruiz Zafón essa é uma série cujo cenário é a Barcelona pós-guerra da primeira metade do século XX, e que mostra, ao longo dos livros, a vida do jovem Daniel Sempere.

POR PRISCILLA GODOY | FOTO SUBMARINO


14 README

A SOMBRA DO VENTO

O JOGO DO ANJO

O PRISIONEIRO DO CÉU

Tudo começa em Barcelona, em 1945. Daniel Sempere está completando 11 anos. Ao ver o filho triste por não conseguir mais se lembrar do rosto da mãe já morta, seu pai lhe dá um presente inesquecível; em uma madrugada fantasmagórica, leva-o a um misterioso lugar no coração do centro histórico da cidade, o Cemitério dos Livros Esquecidos. O lugar, conhecido de poucos barceloneses, é uma biblioteca secreta e labiríntica que funciona como depósito para obras abandonadas pelo mundo, à espera de que alguém as descubra. É lá que Daniel encontra um exemplar de A Sombra do Vento do também barcelonês Julián Carax. O livro desperta no jovem e sensível Daniel um enorme fascínio por aquele autor desconhecido e sua obra, que ele descobre ser vasta. Obcecado, Daniel começa então uma busca pelos outros livros de Carax e, para sua surpresa, descobre que alguém vem queimando sistematicamente todos os exemplares de todos os livros que o autor já escreveu.

Vamos ter agora novas visões de Barcelona. Aos 28 anos, desiludido no amor e também na vida profissional e gravemente doente, o escritor David vive sozinho num casarão em ruínas. É quando surge em sua vida o misterioso Andreas Corelli, um homem estrangeiro que se diz editor de livros. Sua origem exata é um mistério, mas sua fala é suave e sedutora. Andreas promete a David muito dinheiro e sua simples aparição parece, misteriosamente devolver a saúde ao escritor. Contudo, o que ele pede em troca não é pouco. E o preço real dessa encomenda é o que David precisará descobrir. Em O Jogo do Anjo, o autor traz alguns dos personagens de A Sombra do Vento. No entanto, de acordo com Zafón, o livro não é uma continuação de sua obra anterior A Sombra do Vento, mas sim uma segunda investida em uma narrativa “centrada em um mesmo universo literário. É como uma caixinha chinesa, um labirinto de ficção em que há quatro portas de entrada”.

Já se passa um ano do casamento de Daniel e Bea. Eles agora têm um filho e vivem com o pai de Daniel em cima da livraria Sempere e Filhos. Quando tudo começava a dar certo para eles, um homem visita a livraria quando Daniel está sozinho. O homem misterioso mostra interesse por uma edição ilustrada de O Conde de Montecristo. O livro é caríssimo, e o homem parece não ter grande interesse por literatura; mesmo assim, quer comprá-lo. O mistério aumenta depois que o homem sai da loja, deixando no livro a seguinte dedicatória: “Para Fermín Romero de Torres, que retornou de entre os mortos e tem a chave do futuro”. Esta visita é apenas o ponto de partida de uma história de aprisionamento, traição e do retorno de um adversário mortal. Daniel e Fermín terão que compreender o que ocorre diante da ameaça da revelação de um terrível segredo que permanecia enterrado há duas décadas no fundo da memória da cidade.


README 15

CONHECENDO

Perguntas e Respostas Nome: Priscilla Godoy Idade: 20 anos Formação: Tecnologia em Design Gráfico Seu signo: Capricórnio Cor preferida: Azul Que prato deveriam aprender com você? Brigadeiro Música preferida: Someone Like You - Adele Seu pior defeito: Autocritica Sua melhor qualidade: Autocritica O que te irrita: Egoismo O que te deixa feliz: Amor O que te causa medo: Solidão Que conselho daria a si mesmo: “Se imponha mais” Atividade que mais te dá prazer: Dormir Um lugar: Paris Qual a mensagem que vc gostaria de deixar para a posteriedade? Não deixe ninguém te dizer o que fazer. O que espera para o futuro: Espero conseguir ser feliz. Para ser feliz sei que não é preciso muito para a maioria das pessoas, mas eu não sou a maioria. Quero mais do que um emprego, quero uma profissão que me faça sentir completa e útil. Quero descobrir no que realmente sou boa e me focar nisso para ficar cada vez melhor, mas ao mesmo tempo desenvolver aquilo em que não me destaco, pois uma pessoa só consegue ser útil aos outros quando sabe um pouco de tudo. Mas no final disso quero ter uma família, pois nada é tão bom se você não tem com quem dividir as suas vitórias ou com quem se consolar após uma derrota.



READ ME