Issuu on Google+

Busca Editorias » Ex clusiva s do P orta l

» Matéria de capa

» Ma té ria de ca pa » Roteiros Cultura is

Im prim ir

C om e ntá rios(0)

Envia r por Em a il

Ta m anho da fonte :

A+ /

AEdição do dia

» Gra tuito » Cinem a » Da nça » Exposições

Matéria de capa

Patrimônio fashion

» Shows

Moda brasileira, que movimenta cerca de U$50 bi ao ano, ganha status de bem cultural e novos desafios

» Te a tro

P RISCILA BRITO

» Estilo de vida » Moda » Tom e nota

O que são as rendas do Nordeste, os biquínis que desfilam em nossas praias e as coleções pioneiras de Zuzu Angel? Produtos do mercado da moda, diriam uns.

» Ge nte

Utilitários que cumprem nada mais que a função básica de vestir, diriam outros. Mas são também parte da nossa cultura, pois carregam um pouco do que somos, dos

» Aconte ce BH

nossos hábitos e peculiaridades.

» Ga stronom ia & Cultura

» Turism o » Gira m undo » Dire çã o » Ava lia ção técnica » Sobre roda s » Ha bitar

04/06/2011 - Sa bado

De coleções passadas, a mineiridade de Fraga, o modernismo de Herchcovitch e a forte identidade de Isabela Capeto

A uma semana do início de mais uma edição da São Paulo Fashion W eek, principal evento de moda do país, que este ano chega à idade de debutante, o assunto vira a tendência desta e das próximas estações, visto que, agora, a moda nacional é oficialmente reconhecida pelo Ministério da Cultura como uma manifestação cultural brasileira.

» Entre vista Colunas » Julia na Gouthie r » Kê nio P e re ira » La ura Medioli » Na tá lia Dorne la s » P a ulo Bre ssa ne » P a ulo Na va rro » P a ulo Ca m pos » Ra im undo Couto » Vittorio Me dioli » Toda s a s coluna s

É fato que a discussão tem ares de moda retrô. Gilberto Freyre, um dos principais intelectuais que se prestou a refletir sobre a formação e a identidade da sociedade brasileira, já havia apontado para essa faceta nem sempre óbvia da moda. No livro "Modos de Homem e Modas de Mulher", lançado logo após sua morte, em 1987, o pensador mostrou como a aparentemente banal indumentária de brasileiros e brasileiras sempre revelou muito dos valores e padrões de comportamento do país ao longo dos anos - desde a rejeição da tropicalidade refletida nos trajes copiados da Europa, então único modelo possível de civilização para o país, até a aceitação da morenidade nas últimas décadas canalizada na moda lançada nas praias. Mas, agora que o tema é também uma questão de Estado (como já é desde o século XVII na França, quando a terra de Coco Chanel criou um ministério para cuidar da moda, e desde o século passado na Itália, onde ateliês e croquis são protegidos pelo governo assim como prédios históricos e livros raros), com direito a políticas públicas voltadas para formação, pesquisa, memória e divulgação, inclusive com o uso de leis de incentivo, chegou a hora de o setor começar a identificar os pontos de contato da moda feita aqui com nossa cultura e patrimônio. A passarela a ser percorrida é longa. "O setor não se vê como vetor cultural. Então, antes de qualquer coisa, o próprio setor tem que conseguir superar isso", alerta o estilista mineiro Ronaldo Fraga, representante do Colegiado de Moda no Conselho Nacional de Políticas Culturais do Ministério da Cultura (Minc). Para ele, não é difícil enxergar essas relações. A partir do momento que a moda estabelece diálogo com o seu tempo, se apropriando de aspectos culturais de diferentes áreas, da arquitetura ao cinema, ela é cultura. "Mesmo quando a indústria produz só roupa, como o fast fashion, mesmo assim você consegue entender a moda como fenômeno cultural", completa. Porém, as fronteiras entre moda e cultura vão muito além das peças das semanas de moda e das vitrines. "Quando se fala de moda como patrimônio, a gente está falando também da moda de rua, de produções anteriores, das primeiras escolas de moda, dos primeiros processos de ensinar e criar modelagens", enumera a doutora em história da arte Patrícia Sant’Anna, que atuou como consultora do Minc no diagnóstico que inclui a moda nas políticas do órgão. Nesse caldeirão, podem caber as inúmeras técnicas de confecção de rendas e bordados, a criatividade no uso de tecidos como a chita, as coleções carregadas de mineiridade de Ronaldo, mas, também, a moda com cara de metrópole de Alexandre Herchcovitch. "O segredo é criar uma moda que tenha uma leitura mundial, mas sem perder seu traço único e cultural. Esse é o diferencial, por exemplo, da Isabela Capeto, que é um sucesso no mercado externo. Ela não perdeu o conceito de identidade", comenta o professor do curso de design de moda da UFMG Tarcísio D´Almeida. Há muito trabalho a se fazer também fora do setor, para o público em geral. Para Angélica


Há muito trabalho a se fazer também fora do setor, para o público em geral. Para Angélica Advense, professora do curso de moda da universidade Fumec, será necessário todo um trabalho de educação "estética e pedagógica" para que a população compreenda esse novo status da moda. "Se é patrimônio, se é cultura, tem que ter acesso. Não adianta a moda ser patrimônio e os desfiles serem restritos a compradores, a gente não ter um museu que narra essa história. Parte dos eventos de moda que recebem ajuda do governo poderiam ser destinados à população, complementados com exposições, palestras. As pessoas têm que ter condições de compreender essa linguagem", defende. Para ler "História da Moda no Brasil - Das Influências às Autorreferências" (Pyxis Editorial, 640 pág.), João Braga e Luís André do Prado "Modos de Homens & Modas de Mulher" (Global, 333 pág.), Gilberto Freyre

Resgate da memória O resgate e a preservação da memória de moda no país é outra tarefa do setor. “Não dá pra falar de nada que é brasileiro, sueco ou alemão se você não sabe quem você é, se você não sabe seu passado. É uma situação mínima para desenvolver a moda brasileira”, afirma Patrícia Sant´Anna, reforçando a carência de museus que abriguem acervo relativo à produção de moda. Enquanto a França soma cerca de 20 museus dedicados ao seu acervo de moda, o Brasil tem apenas uma instituição desse tipo, o Museu do Traje e do Têxtil, em Salvador na Bahia. Ao menos no papel há iniciativas que podem mudar esse quadro. No Rio, a secretaria de cultura mantém em gestação a criação de um museu de moda na Casa da Marquesa de Santos, no bairro de São Cristóvão. Em BH, o projeto Museu Capital da Moda, encabeçado por pesquisadores, busca fomento para criar um espaço cultural que abrigue o acervo já levantado pelo grupo, que inclui vestuário que ajuda a contar a história da moda feita na cidade. Há também o projeto Museu Virtual Permanente, uma espécie de enciclopédia da moda brasileira em formato de site, coordenado pela Pyxis Editorial e que aguarda patrocínio de empresas para entrar no ar. (PB)

C om pa rtilhe este conte údo:

PAMPULHA / Matéria de capa

ENTRETENIMENTO

De anjo, só tem as asas

“Tchecas” do programa Pânico serão capa de julho da revista masculina “Playboy”

Cercada por flashes, exBBB Maria faz sessão de autógrafos em BH

Um tiro certeiro no coração

Desfile da Huis Clos apresenta o chic com franja

Festa no parque em desfile da Cavalera

Próxima »

Im prim ir

O que é RSS?

C om e ntá rios(0)

Envia r por Em a il

Ta m anho da fonte :

A+ /

A-

Copyright © - JO RNAL PAMP ULHA - 2011 - Todos os dire itos re se rvados

Fale conosco | Distribuição | Expediente

2 © 2011 - O TEMPO Todos os direitos

BUSCA


reservados » Expediente » Anuncie » Fale conosco » Classificados » Assine O TEMPO » Loja do Super

Ca pa Cida de s Utilida de pública Bra sil Econom ia Mundo P olítica Cursos, concursos e ve stibula res

Supe r FC Capa C am pe ona to Mine iro Bra sileiro Série A Bra sileiro Série B Bra sileiro Série C C opa do Brasil Libe rta dore s C opa do Mundo Fóm ula 1

Entrete nim e nto Capa Últim a s Rote iros culturais P rogra m a çã o de cine m a Me u guia P rom oções Ga le ria s de fotos Horóscopo FUNtá stico!

Jorna is Guia rápido Jorna l O TEMP O Supe r Notícia Jorna l P a m pulha O TEMP O Be tim O TEMP O Conta ge m

we bTV Capa Notícia s Esporte Entre te nim e nto


[MODA] - Patrimômio Fashion