Issuu on Google+

Barroso - MG. Novembro de 2013. Edição nº 08, ano 01. Distribuição Gratuita

Após sucessão de incêndios, Mendes Júnior fecha alojamento e libera funcionários

Com objetivo de preservar a segurança em Barroso, a empresa decidiu fechar temporariamente seu alojamento, liberando os empregados que o utilizam para retornarem aos seus locais de origem. Pág. 5 Associações de bairro perdem direito a isenção de impostos e taxas. Pág. 3 Em pleno século 21, família vive sem energia elétrica em área urbana. Pág. 4 Evento técnico avalia os 10 anos do projeto Ortópolis. Pág. 5 4º FESTEBARROSO chega ao fim após 15 dias de encanto. Pág. 7 Escola de Barroso promove educação humanitária. Pág. 10 NOVEMBRO É O MÊS DE ANIVERSÁRIO DE 2 ANOS DA H.MANIA LOJA DA HERING, COM VÁRIAS PROMOÇÕES PARA COMEMORARMOS JUNTOS Rua Joaquim Ferreira, 66. Centro

3351-1737


02

primeira página

Editorial O mês de novembro vai ficar marcado na história de Barroso. O clima pegou fogo, literalmente, com os sucessivos incêndios no alojamento da Mendes Júnior. Conversando com alguns funcionários após o ocorrido, antes de retornarem às suas cidades, ficou evidente a revolta dos mesmos com a situação. Alguns diziam: “por causa de meia dúzia de arruaceiros, todo mundo fica prejudicado. Somos pais de família, precisamos trabalhar para sustentar nossos filhos”. Antes mesmo da liberação temporária dos empregados, muitos estavam abandonando o emprego por causa do medo de deixarem órfãos seus filhos e viúvas suas esposas. Alguns ficaram desolados, pois perderam tudo e ficaram, literalmente, “sem lenço e sem documento”. É chocante a visão que grande parte da população tem desses trabalhadores. Como um deles me disse, “um tomate podre acaba apodrecendo todos os outros”. Os comentários nas redes sociais apresentam vários níveis de xenofobia, desde “desconfiança em relação a pessoas estranhas ao meio daquele que as julga”, a “medo, aversão, ou profunda antipatia” em relação a essas pessoas. Puderam-se observar comentários que exlicitavam um verdadeiro ódio e repúdio. A situação estava muito tensa, preocupante e há que se levar em consideração o impacto social que houve, uma vez que Barroso tem um histórico de cidade pacata, de hábitos provincianos, mas daí a julgar todos como “farinha do mesmo saco”... O progresso tem seu preço e é inevitável. Temos que pagá-lo, afinal, a produção de cimento é responsável por 70% da arrecadação do município e a terceira maior empregadora, somando-se os empregos diretos e indiretos. Citando o texto que a minha amiga Léia Cerqueira escreveu em seu perfil no facebook, “Culpar a quem? A Mendes Júnior? A Holcim? A Expansão?... Não, a culpa é do “sistema”, é de quem, desde o início, achou que Barroso não era merecedora dos bônus que um projeto de tamanha grandeza nos trás”. O município não se preparou; não avaliou o aumento que seria necessário da demanda de serviços na área de hotelaria, imobiliária, restaurantes, bancos, casas lotéricas, entre outros. Agora, o que temos que fazer é nos adaptar a tudo isso. Vem aí a Copa do Mundo de 2014. Será que o Brasil se preparou para recebê-la? Esse sim é um acontecimento ao qual não dará tempo de se adaptar. “Ou vai, ou racha!”.

Política

Charges do

“CASSA” ÀS BRUXAS EM TODOS OS CANTOS DE MINAS GERAIS

Comunidade Ativa realiza campanha com crianças para promover a consciência ambiental A ONG Comunidade Ativa promoveu, durante o mês de outubro, mais uma etapa do projeto Meio Ambiente para Todos, junto aos estudantes da Escola Municipal Artur Napoleão. As crianças, após ajudarem na elaboração de um folder de conscientização e participarem da 13ª edição do “Plante uma árvore”, distribuíram os folderes pelo centro da cidade. De acordo com Geraldo Napoleão Neto, coordenador do projeto e da ONG, é fundamental estimular a consciência ecológica nos indivíduos desde a infância, para que se tornem difusores da defesa do meio ambiente e comecem, eles mesmos, a desenvolver novos projetos.

EXPEDIENTE Edição, redação, arte e fotografia: Wanderson Nascimento (18560/MG). Dáblio-N Comunicação CNPJ: 17.798.833/0001-42 Colaboração: Luciano Nascimento (CMB) Charges: Beto Moura Tiragem: 1.000 exemplares E-mail: primeirapaginabso@ig.com.br Tel.: (32) 3351-3473 Blog (versão digital): primeirapaginabso.blogspot.com.br Pontos de distribuição: Barbearia do Rossil (Bandeirantes); Mercearia do Sandrinho (Bedeschi), Supermercado Economia (São José), Supermercado Zelito (Jardim Europa), Praça Santana (Centro); Gambá Lanches (Centro); Barbearia do Tião (Centro). Padaria Silva (J. Coelho); Mercadinho do Rivaldo (Guede) Supermercado Almeida (Guede), Portaria da Holcim (Rosário); Bar do Marreco (Sta. Maria); Bar do Flávio (Nova Barroso); Supermercado Santo Expedito (Guimarães); Bar da Vilma (Praia).

* Os artigos de opinião são de responsabilidade de seus autores e não refletem, necessariamente, nossa postura editorial

Nos últimos meses, vários prefeitos foram cassados em nosso estado. Os motivos são diversos, mas a justiça vem mostrando maior rigor no julgamento dos processos. No dia 08/10, foi cassado, pela 4ª vez, o mandato do prefeito e vice-prefeito de Lavras. Motivo: abuso de poder econômico e uso indevido dos meios de comunicação durante o processo eleitoral. No dia 21/10, foi a vez do prefeito e do vice da cidade de Oliveira, que tiveram os seus mandatos cassados. Motivo: abuso de poder econômico, consistente na compra de votos. Segundo a acusação, a dupla fazia distribuição de cestas básicas, material de construção e de combustíveis. Além disso, efetuavam pagamentos de contas de luz e de consultas médicas e também distribuíam dinheiro e cheques. Em 23/10, o prefeito da cidade de Ataléia também foi cassado. Motivo: abuso de poder econômico e captação ilícita de votos. Em setembro, o prefeito de Nova Lima e a vice-prefeita, também entraram na onda da “cassa às bruxas”. Motivo: abuso de poder político. No dia 17 de setembro, também foram cassados a prefeita de Almenara e o viceprefeito. Motivo: abuso de poder econômico e compra de votos durante as eleições de 2012. Em Pirapora, a situação também se repetiu. Foram cassados o prefeito e o vice-prefeito. Motivo: uso da máquina pública na campanha. Em Frei Inocêncio, o prefeito e seu vice também tiveram seus mandatos cassados. Motivo: prática de corrupção eleitoral e abuso de poder político, econômico e de autoridade. O mesmo aconteceu em Recreio. O prefeito teve seu mandato cassado por ter tido reprovadas as contas referentes ao ano de 2001, quando também foi prefeito. Além da perda do diploma, a maioria desses políticos foi condenada a ficar inelegível por quatro ou oito anos, além de pagar multa pesada. A situação se repetiu em outras cidades. Só de outubro de 2012 a julho de 2013, 21 prefeitos e vices foram cassados em Minas Gerais. E agora, quais serão as próximas bruxas “cassadas” pelos tribunais de Minas e do Brasil? Wanderson Nascimento Jornalista 18560/MG


primeira página

03

Associações de bairro perdem direito a isenção de impostos e taxas municipais No dia 28 de outubro, foi reprovado, em primeira votação, por cinco votos a três, o projeto de Lei 029/2013, que revogaria a Lei 2364/2011. A referida Lei, cujo projeto foi de autoria da então vereadora Verinha, concedia isenção de impostos e taxas a associações de bairro. Na época de sua aprovação, a prefeita municipal vetou a lei, porém, o veto foi derrubado pelos vereadores em exercício, fazendo com que ela entrasse em vigor, concedendo o benefício às associações. A prefeita, então, acionou o Tribunal de Justiça, que julgou a lei como ilegal, uma vez que representa uma forma de renúncia de receita, ou seja, o município estaria abrindo mão de uma arrecadação, que seriam os impostos e taxas pagos pelas associações. Porém, no entendimento da maioria dos vereadores, apesar do caráter inconstitucional da lei, a renúncia de receita é insignificante, uma vez as taxas pagas pelas entidades são irrisórias para os cofres públicos, e, por outro lado, a isenção das mesmas é um benefício merecido, devido às dificuldades financeiras pelas quais as associações passam. O projeto de revogação ainda terá mais duas votações, mas, mesmo que permaneça sua reprovação, a lei da isenção já perdeu sua eficácia, uma vez que foi considerada ilegal pelo TJMG. Portanto, as associações de bairro não serão mais isentas dos impostos e taxas, ao menos que seja aprovado um projeto de lei, de origem do Poder Executivo, concedendo a isenção. Confira, a seguir, a justificativa do voto de cada vereador na primeira votação.

Vereadores que votaram pela revogação

Vereadores que votaram pela manutenção da lei de isenção Zeca

Deléia

Anderson Foto: Câmara

“Dificilmente as associações de bairro pagam, mas não podemos confundir os papéis. Da mesma forma, uma pessoa que roube um real ou roube um milhão, ela roubou. Se você renunciar a receita, que seja de um real ou de 100, 200 ou 300, você está com renúncia de receita, apesar de o valor ser irrisório para a prefeitura. A lei, a partir do momento que foi considerada inconstitucional, perdeu a eficácia. Mesmo que esta casa vote contra o projeto, revogando a lei, essas entidades não podem ter essas isenções porque a lei já perdeu a eficácia”.

Eduardo Foto: Câmara

“Infelizmente também voto a favor da revogação, por uma questão que está clara: infelizmente perdeu a eficácia. Junto com o Fernando Terra e também na frente de vocês, me comprometo a buscar no Executivo uma solução para a questão.”

“Eu mantenho minha palavra de que, quando decidi ser candidata a vereadora, eu decidi servir realmente ao povo, mesmo que seja contra algum resultado de algum tribunal. Eu não concordo que seja renúncia de receita, até porque o vereador Anderson disse que as asssociações não pagam. Renúncia de receita seria se evitasse que o Executivo trabalhasse em prol da população. Eu acho que nossa função é defender o direito da maioria dos cidadãos. Eu prometi que vou defender a Constituição e vou defendê-la, porque ela fala em justiça, inclusive em justiça social. A constituição brasileira, em suma, em síntese, em alma e essência, é a justiça. A lei não pode ser criada para prejudicar, e sim para ajudar. Se o Executivo tiver boa vontade, vai encaminhar um projeto de lei concedendo isenção às associações o mais rápido possível”.

Fernando

Foto: Câmara

“Eu gostaria de ver o parecer do Assessor Jurídico que traz o argumento sobre a legalidade da lei, se possível. Mas, de qualquer forma, eu sou contra a revogação do projeto”.

Jaiminho

“Eu estou a favor das associações, vou votar contra e espero que a prefeita encaminhe um projeto de lei isentando as associações. A lei já perdeu a eficácia, mas meu posicionamento continua o mesmo: eu voto contra esse projeto. Se o projeto da lei que concede isenção para as associações fossse de iniciativa de um vereador da base aliada, tenho minhas dúvidas se viria um projeto revogando-a”.

Kiko

Tonho Foto: Câmara

Foto: Câmara

“Eu não tenho como votar, a não ser aprovando a proposta, porque, de fato, a decisão judicial já foi tomada em relação a essa lei municipal. Eu sinceramente esperava que o Executivo Municipal entrasse com o projeto propondo a isenção para as entidades. Não há qualquer dúvida do mérito da isenção para as entidades. Vou dormir tranquilo, mas extremamente triste, porque não vi o Executivo trazer aqui uma proposta que não houvesse vício de iniciativa. Desde que assumi a posição como vereador nesta Casa, procurei votar com minha consciência e procurei me excluir das questões político-partidárias.”

“O que nos parece é que é uma postura para colocar a insatisfação sobre a decisão da ex-vereadora (Verinha) em seguir por outros caminhos. Estas isenções atingiriam um valor irrisório. Eu imagino até que se fosse enviado ao tribunal qual o valor da renúncia de receita, eles não perderiam tempo com uma matéria de tamanha insignificância. O legislador é nomeado pelo povo. Então, nós respondemos pelo povo. Está aí, portanto, a razão das nossas posições”.

“Eu analisei muito bem esse projeto. Entendo que o tribunal considerou inconstitucional, mas procurei alguns presidentes de associações, assim como eu também já fui presidente de uma associação e cheguei à conclusão de que eu não quero ser contra o povo, ser contra as associações e a comunidade, porque eu sei as dificuldades que as associações passam. Seria interessante se tivesse a oportunidade de vir um outro projeto dando a isenção. Quando eu propus ser vereador, eu propus fazer a diferença e estar ao lado do povo”.

Outras leis e projetos sinalizam contradições Durante a discussão do projeto de revogação da lei que concede isenção de impostos e taxas às associações de bairro, alguns vereadores argumentaram contra o caráter inconstitucional dessa lei, citando exemplos, inclusive, de outras leis de origem no Legislativo que também poderiam ser consideradas como renúncia de receita. “Votamos, outro dia, uma lei renunciando receitas, quando aprovamos a redução do valor da licença de fiscalização. Então, houve renúncia de receita e nós votamos, porque era para beneficiar os produtores

rurais”, afirma o vereador Jaiminho. Outros exemplos de leis em vigor, que renunciam à receita, mas trazem benefícios, podem ser encontrados nas instâncias municipal, estadual e federal. A Câmara Municipal de Contagem aprovou a Lei nº 3.496, de 26 de dezembro de 2001, que concede isenção de IPTU e taxas a diversas entidades, inclusive a associações de bairro. O deputado Dr. Nechar (PP-SP) elaborou o Projeto de Lei 7503/10, que isenta as associações de moradores de bairros e entidades afins do pagamento de multas, juros e

demais encargos cobrados por irregularidades no recolhimento do Imposto de Renda e na entrega da Relação Anual de Informações Sociais (Rais). “Por menores que sejam os valores dessas multas e taxas, elas constituem custo elevado para instituições, que normalmente já enfrentam dificuldades orçamentárias”, afirma o deputado. A proposta tramita apensada ao Projeto de Lei 4453/08, do deputado Humberto Souto (PPS - MG), que é semelhante. De acordo com enquete publicada no site da Câmara dos Deputados, 97,62% dos

internautas que votaram são favoráveis à proposta. Há quatro anos, o Senado aprovou, por unanimidade o projeto de autoria do senador Cristovam Buarque, que concede isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) na aquisição de veículos escolares, quando realizada pelos governos dos estados e do Distrito Federal e pelas prefeituras. A exemplo do Projeto de Lei do Dr. Nechar, outro que está em tramitação no Senado é o Projeto de Lei 166/2009, de autoria do senador Inácio Arruda (PC do B - CE). O projeto

concede isenção de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) sobre as bicicletas, assim como suas partes e peças. Trata-se de uma renúncia de receita, uma vez que a união vai arrecadar menos impostos. No entanto, é uma medida que pode não atender os preceitos da legalidade, mas atende aos da moralidade, uma vez que se trata da promoção e incentivo ao uso de um meio de transporte que traz diversos benefícios, como melhoria da qualidade de vida, redução de congestinamentos no trânsito, melhoria da qualidade do ar, entre outros.


04

primeira página

Em pleno século 21, moradores vivem sem energia elétrica em bairro central de Barroso

Imagine viver sem energia elétrica em pleno século 21, quando quase tudo depende de uma tomada? É assim que vive uma família de um dos locais mais valorizados de Barroso, o bairro Genésio Graçano, onde o preço dos lotes ultrapassa R$ 40 mil. A família citada fazia uso de um pequeno gerador, que demandava uma despesa de cerca de R$ 80,00 por mês com gasolina. No entanto, o aparelho queimou e agora eles usam uma bateria de carro para gerar energia. “Nós só podemos assistir TV durante duas horas por dia, não podemos ter geladeira e outros eletrodomésticos que consomem mais energia”, afirma Marcos Andrade, que vive com mais cinco familiares. O morador afirma ainda que a geladeira da família tem que ficar na casa de parentes que moram na parte do bairro que recebe energia da Cemig. Para tomar banho, a família utiliza uma serpentina ligada ao fogão à lenha, um metódo arcaico para aquecer a água.

Foto: Wanderson Nascimento

Muitas construções estão sendo feitas na rua, porém, o custo para executar as obras aumenta devido à necessidade de se alugarem geradores para ligar máquinas que necessitem de energia elétrica. Abaixo (dir.), gerador que era utilizado pela família que vive há um ano sem fornecimento de energia da Cemig.

“Há cerca de dois anos, a Cemig fez medições aqui e constatou quantos postes serão necessários. Segundo o Secretário de Obras, eles só podem ser instalados depois da construção do meio-fio”, afirma o morador. De acordo com Marcos, há

cerca de 90 dias visitaram o bairro o Secretário de Obras da Prefeitura de Barroso, Leone Wagner, junto com o presidente da Câmara, Hélio Campos e com o representante da JM, empresa terceirizada pela Cemig, e afirmaram que, em 60 dias, os postes já estariam instalados.

Outro problema relatado pelo morador é a falta de segurança e o constrangimento durante a noite. “Como não tem iluminação, a rua vira um verdadeiro motel nos finais de semana”, afirma. Sua versão pode ser constatada pelas embalagens de preservativos espalhadas pelo chão. A rua das Rosas, uma das que enfrenta o problema, já possui outras casas em construção e em fase de acabamento. Nilson Silva, um dos futuros moradores da rua, afirma que contruir a casa é outra dificuldade, antes de morar nela sem energia. “Para cobrir a garagem, precisei alugar um gerador a R$ 40,00 a hora, só para ligar a furadeira e colocar colocar o telhado”, declara, destacando que a rua não conta, ainda, com captação e tratamento de esgoto. O problema da iluminação pública se repete em outros bairros. No João Bedeschi, várias ruas não são totalmente atendidas pela iluminação dos postes, o que já é uma reclamação antiga dos

moradores. Segundo do Secretário de Obras da Prefeitura de Barroso, Leone Wagner, em breve serão tomadas providências para o bairro. “Foi aberta uma licitação no dia 07/10/2013 para contratação de empresa para realização de serviços de extenção de rede elétrica no bairro Genésio Graçano. A vencedora foi a empresa J.M. Construções Elétricas Ltda”, afirma. De acordo com o Secretário, a Câmara Municipal vai apoiar a realização da obra. “O valor do contrato é de R$109 mil, recurso referente a devolução de verba da Câmara de vereadores”, declara. Leone afirma que o processo ainda tem alguns passos a serem cumpridos. “Após a licitação, a empresa vencedora precisa apresentar o projeto para aprovação na Cemig para, assim, executar os serviços. O prazo estimado para aprovação e início das obras é de, no mínimo, 90 dias apos a solicitação de aprovação junto a Cemig”, conclui.

“Eu imagino até que se fosse enviado ao tribunal qual o valor da renúncia de receita, eles não perderiam tempo com uma matéria de tamanha insignificância. O legislador é nomeado pelo povo. Então , nós respondemos pelo povo. Está aí, portanto, a razão das nossas posições”. Vereador Tonho, justificando seu voto contra a revogação da lei que concede isenção de impostos e taxas às associações de bairro.

Cão resgatado na rua por morador se recupera bem Foto feita em 01/10/2013

Na edição passada do Primeira Página, pulicamos uma matéria sobre o resgate de um cão em situação deplorável, que estava abandonado nas ruas de Barroso. O animal estava com uma enorme bicheira na região do pescoço, como mostra a foto acima, à esquerda e foi resgatado há pouco mais de um mês pelo veterinário André Ferreira e por Paulo Monteiro, mais conhecido como Paulinho Pintor, que já é famoso pelo amor e cuidado que tem com os animais abandonados. Paulinho conseguiu capturálo. O animal foi levado para a casa do veterinário André, onde foi medicado e, pouco mais de um mês, já está quase

Foto feita em 27/10/2013

totalmente recuperado. “Era destino dele ser ajudado por mim. Eu estava na loja do André e comentávamos justamente sobre o cão, quando ele apareceu e conseguimos, com muita dificuldade, capturá-lo, pois estava arredio e sofrendo muito”, afirma Paulinho. De acordo com André Ferreira, algumas pessoas fizeram doações para ajudar no custeio da medicação do cão, que foi batizado de “Branco”. Segundo Paulinho, hoje o animal é outro, totalmente diferente. “Ele é muito dócil e brincalhão. Quando capturamos, estava triste e arisco, sofrendo muito”, declara Paulinho.

A empresária Sabrina Goulart, que também deu seu apoio, encontrou um possível dono para o Branco, mas, caso ele volte atrás, ela tem interesse de adotá-lo. De qualquer forma, graças à solidariedade dessas pessoas, Branco não teve o mesmo destino de tantos outros animais que vivem nas ruas e acabam morrendo, seja de fome, doentes ou por maus tratos. O número de animais nas ruas é motivo frequente de reclamações, inclusive nas redes sociais. No entanto, medidas advindas do poder público são raras e escassas, o que agrava mais o problema.


primeira página

05

Após sucessão de incêndios, Mendes Júnior fecha alojamento e libera funcionários temporariamente

Foto: Wanderson Nascimento

Depois de três incêndios no alojamento da Mendes Júnior, nos dias 02, 03 e 04 de novembro, a empresa, responsável pelas obras de expansão da fábrica de cimento, decidiu fechar o alojamento e liberar, temporariamente, os funcionários que lá moravam. Segundo a empresa, a medida foi tomada priorizando a segurança de seus colaboradores e da comunidade de Barroso. Os funcionários puderam voltar aos seus locais de origem, até que as condições de segurança sejam restabelecidas. de acordo com a Mendes Júnior, durante este período, as atividades na obra continuarão parcialmente. A empresa ainda manifestou seu repúdio aos atos de vandalismo, reforçando sua preocupação com a segurança de todos.

Entenda os acontecimentos Durante o mês de outubro, os funcionários da Mendes Júnior realizaram uma paralisação, que durou 17 dias. No dia 16/10, mais de mil empregados foram às ruas e protestaram, expondo diversas reivindicações, entre elas, aumento de salário, insalubridade e melhorias na alimentação. Um dos líderes da manifestação ameaçou retirar do canteiro de obras aqueles que não aderissem à paralisação. Em nota à imprensa, no dia 31/10, a Mendes Júnior informou que a paralisação estava encerrada, após acordo firmado entre a empresa os funcionários e o sindicato. Dois dias depois, funcionários atearam fogo em alguns pavilhões, que foram totalmente destruídos. Na noite de domingo, a cena se

repetiu e outos pavilhões foram incendiados. Na tarde de segundafeira (04/11), novamente os funcionários voltaram a incendiar o alojamento, após receberem a notícia de que seriam “baixados”. À medida que o alojamento ia sendo evacuado, o centro de convivência foi incendiado e totalmente destruído. O fogo quase atingiu o refeitório, onde há diversos cilindros de gás, que poderiam causar enormes explosões. Enquanto os brigadistas tentavam controlar o fogo no centro de convivência, um outro pavilhão, de moradia, também foi incendiado e a situação ficou ainda mais complicada. Quando as viaturas do Corpo de Bombeiros chegaram, o fogo já estava controlado e o alojamento totalmente

Foto: Wanderson Nascimento

Funcionários rapidamente retiraram seus colchões e pertences, antes que outros pavilhões fosses incendiados.

evacuado Segundo a empreiteira, não houve feridos. Os empregados foram, então, removidos para outras cidades e também para o prédio da prefeitura, onde funcionava a Escola Estadual Francisco Antônio Pires.

Na manhã de 05/11, todos os funcionários que estavam no alojamento partiram para seus locais de origem. Ao todo, sete pavilhões foram total, ou parcialmente destruídos, sendo seis de moradia e um, que era a área de lazer.

Evento técnico avalia os 10 anos do projeto Ortópolis No dia 29 de outubro, a Holcim e o Instituto Holcim promoveram evento técnico que apresentou os resultados da avaliação dos 10 anos do Projeto Ortópolis. Esses resultados foram apresentados pela pesquisadora Nísia Werneck, que atua na redação de cases referentes a temas de Responsabilidade Social. O evento, que contou com a presença de cerca de 60 pessoas de diversos setores da sociedade, também teve a a participação do consultor Paulo César Arns, que é associado ao Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Arns destacou a importância da participação popular e da conscientização do cidadão como ator social no desenvolvimento do município, além da formação de lideranças capazes de representar os interesses coletivos. “Em qualquer lugar do

mundo, mesmo onde a democracia participativa é consolidada, a gente não pode esperar que 100% dos cidadãos estejam ativos e participando. A gente precisa gerar uma certa dinâmica de um conjunto de pessoas que consiga representar essas ideias de um debate que ocorre na base”, afirma. Segundo Arns, as associações têm grande relevância na representação do cidadão. “É preciso fomentar as associações, as instituições que representam os diversos setores, para que possam ajudar a construir políticas públicas que respondam a essas demandas. É importante que o cidadão participe individualmente, mas é preciso valorizar que, através de suas instituições, ele pode se fazer representar para a construção de políticas públicas”, declara. De acordo com o consultor, é preciso haver maior debate

Nísia Werneck

Paulo Arns falou sobre a importância dos atores sociais para o desenvolvimento territorial. Foto: Wanderson Nascimento

das políticas públicas com a população. “É preciso melhorar as instituições. O planejamento do plano diretor precisa ser feito com maior debate com a sociedade, assim como o orçamento participativo. Não é só chamar o cidadão para a Câmara, mas ir lá para os bairros,

fazer debates nos seus espaços, para que ele se sinta mais representado e mais participante. A Câmara é um espaço importante, mas ele também precisa sair um pouco de si mesmo e voltar para onde o cidadão vive a maior parte de seu tempo, que são os bairros”.

“O projeto Ortópolis construiu, ao longo desse tempo, um certo modo de ver Barroso, de articular, de conversar, de organizar, de construir confiança, de construir uma base de conhecimentos a partir de tantos investimentos em capacitação e desenvolvimento. Esse espaço de diálogo é uma riqueza para a cidade. Enquanto cidades do mesmo porte estão se perguntando: ‘O que vamos fazer no futuro?’, Barroso tem hoje uma indústria com um projeto de expansão para 50 anos e isso é uma oportunidade muito rica”.


06

primeira página

EFOM - A primeira ferrovia de Minas Gerais Domingo dia 28 de agosto de 1881, na estação de Sítio todos aguardam a chegada do imperador Dom Pedro II e sua comitiva. Eles chegam antes das 06h da manhã no trem da E.F. Dom Pedro II (Central do Brasil), um trem mais que especial da EFOM já está na estação, a locomotiva que irá tracioná-lo na viagem inaugural será a Nº 1 e o maquinista que terá a honra de conduzí-la será o Sr. Felipe Marcheti. Após a bênção da nova estrada de ferro, a primeira genuinamente mineira, o trem deixa a estação de Sítio e parte para a outra ponta da linha, ou seja, São João del-Rei. Dá até para imaginar a euforia das pessoas vendo pela primeira vez o tal “cavalo de ferro” soltando fumaça pelos verdes campos de Minas Gerais. O trem finalmente chega a São João del-Rei, à noite, o apito e o sino da locomotiva anunciavam a chegada dos ilustres passageiros. Depois do desembarque na estação de São João del-Rei a cerimônia ainda continuou com queima de fogos e apresentação da banda. Tudo ocorreu como esperado

e estava inaugurada a Estrada de Ferro Oeste de Minas. A estação mais antiga da EFOM era a estação de Sítio, que foi aberta pela Estrada de Ferro Dom Pedro II (Central do Brasil) em 21 de março de 1878, mas as primeiras estações construídas pela EFOM foram as de Padre Brito (Ilhéus) e Barroso, ambas inauguradas em 30 de setembro de 1880, quando os trens começaram a trafegar auxiliando nos testes. O trecho até Barroso era de 49 Km e depois foi estendida até São João del-Rei. Quando a linha chegou até São João del-Rei, a EFOM já havia construído mais estações ou paradas no trecho. Então, por ordem de quilometragem a sequência era, Sítio, no Km 0; Padre Brito no Km 23,3; Barroso, no Km 48,8; Prados, no Km 67,8; São José del-Rei, (Tiradentes) no Km 85,6; Casa de Pedra, no Km 88,5 e São João del-Rei, no Km 98,4. Desta lista, apenas as estações de Sítio, Padre Brito e Barroso haviam sido inauguradas antes, o restante foi inaugurado juntamente com a linha até São João del-Rei. Um fato curioso era a aclividade da linha. Nesse

trecho de quase 100 Km, de São João del-Rei até Sítio a linha subia 179 metros, sendo o trecho próximo a Padre Brito o mais inclinado.

Foto do trem passando por Barroso, próximo à Ponte Severino Rodrigues. A data não é certa, mas, segundo informações dos integrantes do CMB, está entre os últimos anos da década de 1970 e os anos iniciais da década de 1980. O membro do CMB, Maurides Ceolin, aparece na foto ao lado, no trem nº 42, parado na estação de Barroso. Foto: Arquivo Maurides Ceolin

Fonte do texto: COIMBRA, Ricardo Resende. Uma viagem pelos trilhos da Centro-Oeste: 120 anos de história ferroviária. São Lourençao, MG: Novo Mundo Gráfica e Editora, 2009. Adaptado de: efom-mariafumaca.blogspot.com.br

PASSADO X PRESENTE Em outubro, mais duas árvores da Praça Sant’Ana, que já estavam mortas, tiveram que ser cortadas, devido ao risco de seus galhos caírem em veículos e pessoas. Assim, a incrível alameda, formada pelas árvores espécie fícus, deu lugar aos troncos secos, dando uma aparência triste ao principal cartãopostal da cidade. Outras árvores estão crescendo, mas ainda devem demorar a chegar ao porte daquelas que foram cortadas.


primeira página

07

4° FesteBarroso arrecada cerca de 3.600 litros de leite

À esquerda, foto do espetáculo de terror “E peça que nos perdoe...”, apresentado no dia 02/11. Acima, “Cartas do Paraíso”, apresentada no dia 26/10.

“A Flor do Manacá”, da Cia Teatral Manicômicos, abriu o 4º FesteBarroso, no dia 25 de outubro, na Praça Santana. Um espetáculo com humor e poesia, embalado por canções de Luiz Gonzaga e Gonzaguinha.

No dia 27/10, Cláudio Márcio e Glicério do Rosário, que integram o elenco da atual novelas das 18h da rede Globo, apresentaram a peça “Em comédia de Edgar, Alan põe o bico”. As entradas para o 4° FesteBarroso foram trocadas por caixas de leite. No total, cerca de 3.600 litros foram arrecadados e distribuídos a entidades de Barroso.

No dia 29/10, foi a vez dos barrosenses Marcos Antônio e Juninho Severo darem show com a peça “Eram dois coveiros que se amavam”. “Marromdemaisamar” (abaixo) emocionou com as canções de Alcione.

O público deu boas gargalhadas com o espetáculo “Sátira in Concert”, no dia 31/10, que utiliza a música e a cena para satirizar situações, personagens, temas clássicos e contemporâneos. E não foi diferente com “Calango deu! Os causos da Dona Zaninha” (abaixo), apresentado em 01/11, trazendo a cultura popular mineira.

Fotos: Wanderson Nascimento


08

primeira página

Queijos e cervejas: uma combinação que apaixona Barroso vai integrar o circuito do 2º Festival de Cultura e Gastronomia Happy Hour, que acontece entre 10 de janeiro e 02 de fevereiro de 2014 e terá como tema o queijo Minas. Durante o 2º Festival Happy Hour, todos os estabelecimentos irão criar um prato especial com o ingrediente-tema, incentivando a criatividade em bares e restaurantes do Campo das Vertentes. Mas você sabe harmonizar os queijos com seus sabores preferidos de cerveja? O queijo de Minas Gerais é detentor do registro de Patrimônio Cultural e Imaterial do Brasil, concedido pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) por seu modo único e tradicional de produção. De acordo com o coordenador geral, Adriano Margotti, o tema é sempre uma parte muito importante para orientar toda a produção e condução do evento. “Ano passado, foi o Fubá Moinho D’água, que teve uma aceitação muito grande entre os cozinheiros e foi muito elogiado

Foto: Wanderson Nascimento

pelo público. O Happy Hour tem essa ligação muito forte com a cultura mineira e, em 2014, novamente destacamos um produto típico de nossa região”, afirma. Há quase dez mil queijeiros em Minas Gerais. Dentre eles, 240 já estão cadastrados e aptos a produzir fora dos limites estaduais. Os produtos terão identificação da queijaria e rótulo com selo de inspeção do IMA (Instituto Mineiro de Agropecuária) e do Sisbi (Sistema Brasileiro

de Inspeção). A história do Queijo Minas remonta à chegada dos portugueses a Minas Gerais, no século XVIII, depois da descoberta do ouro. Em 2014, o Festival Happy Hour irá contemplar 12 cidades, com a participação de cerca de 50 estabelecimentos: São João del-Rei, Barbacena, Tiradentes, Barroso, Carrancas, Coronel Xavier Chaves, Dores de Campos, Prados, Resende Costa, Ritápolis, Santa Cruz de Minas e São Tiago.

Depois do Outubro Rosa, Novembro Azul busca conscientizar os homens

Depois do “Outubro Rosa”, mês dedicado ao combate e prevenção ao câncer de mama, é a vez dos homens serem alvo de uma campanha chamada “Novembro Azul”, cujo objetivo é conscientizá-los para a prevenção do câncer de próstata. Uma pesquisa realizada, recentemente, pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) mostrou que 44% dos homens com idade em torno de 40 anos nunca foram ao urologistas nem fizeram exames preventivos. Os dados apontaram ainda que 47% dos entrevistados nunca fizeram exames para

identificar o câncer de próstata e apenas 23% o fazem anualmente De acordo com o Instituto Nacional do Câncer, cerca de 60 mil casos foram diagnosticados no ano passado. Assim como em outras formas da doença, quanto mais cedo for detectada maior as chances de êxito no tratamento. O toque retal é o teste mais utilizado e eficaz quando aliado ao exame de sangue (PSA), que pode identificar o aumento de uma proteína produzida pela próstata, o que seria um indício da doença.

Grupos do Observatório Social de Barroso se reúnem em prol do desenvolvimento do município Pouco mais de quatro meses após o lançamento do Observatório Social de Barroso, que aconteceu em 25 de junho, os Grupos de Trabalho (GT’s) já se reuniram e mostram evolução nas discussões sobre o desenvolvimento do município. De acordo com a Gerente Executiva da Associação Ortópolis Barroso, Regina Couto, apesar das dificuldades em adaptar os horários das reuniões à disponibilidade dos membros dos grupos, a participação tem sido satisfatória. “O importante que é as pessoas estão interagindo bem, e dando suas contribuições, e temos uma participação bem diversificada, como estudantes, representantes de associações, conselheiros municipais, funcionários públicos”, afirma.

Segundo Regina, a motivação dos participantes e a preocupação com o futuro do município são notáveis nas reuniões. “Quando precisamos de mais informações, os participantes ajudam na busca das mesmas e trazem na reunião seguinte. É importante ressaltar que os GT´s têm autonomia para definir qual a melhor estratégia de trabalho, e o ponto de partida são os indicadores urbanos de Barroso”, declara. As discussões, de acordo com Regina, já têm dado resultados práticos. “Alguns grupos têm debatido a questão do avanço das drogas no município, como sendo um dos temas mais graves atualmente, e muito preocupados em fazer alguma coisa para combater esse avanço”.

“No GT da saúde, está sendo discutida uma proposta para a reativação do Conselho Municipal Antidrogas, devido a importância de ter uma instância no município para tratar desse tema”, afirma. Segundo a gerente executiva, o GT de Turismo e Artesanato contribuiu com a realização a exposição de produtos artesanais na 30ª Expo Barroso e estão envolvidos com a Feira de Artesanato que vai ser realizada em Tiradentes na próxima semana. “Estamos também mapeando os conselhos municipais existentes em Barroso e pretendemos contribuir para colocar alguns em funcionamento com o apoio dos participantes nos GT´s e do poder público municipal. E

Foto: Arquivo AOB

Reunião do Grupo de Trabalho da Saúde

gostaríamos de interagir com esses conselhos em breve, pois nossa intenção não é criar grupos paralelos, e sim contribuir para fortalecer os grupos existentes”, declara Regina, reafirmando

que os cidadãos de Barroso querem ser protagonistas do desenvolvimento do município, participando e interagindo, independente de sua posição político-partidária.


primeira página

09

Ser ser humano é fundamental

Foto: G2

OUTUBRO ROSA Participando no sábado, dia 26 de outubro de 2013, da caminhada de conscientização das mulheres sobre a importância da prevenção contra o câncer de mama, juntamente com a minha esposa, Maria das Graças e meus filhos, Geraldo Napoleão de Souza Neto e Antônio Maria Claret de Souza Filho, inspirado pelo evento, vários pensamentos povoaram a minha mente. Nesta matéria, não tenho necessidade de discorrer sobre a importância da prevenção que deva ser realizada pelas mulheres, a partir dos quarenta anos, pois esta patologia maligna já vitimou pessoas muito próximas, como minha própria mãe, Dona Quininha, minha tia Margarida, minha prima Trindade e tantas outras mulheres esposas de vários amigos meus. Um fato que quero registrar foi a aquisição do MAMÓGRAFO pelo Hospital no ano de 2000, aparelho indispensável para se diagnosticar o câncer de mama. Era uma 2ª feira, quando recebi uma ligação do Baldonedo informandome que o então Deputado Federal Aécio Neves estava disponibilizando uma verba de R$80 mil (oitenta mil reais) para investimento no Hospital de Barroso, salientando que o projeto teria que chegar no gabinete de Aécio Neves, em Brasília, até a sexta-feira da mesma semana.

À noite, naquela quinta-feira, assistindo ao Jornal Nacional, qual foi a maior manchete: uma matéria sobre o câncer de mama, destacando ser a patologia a segunda causa mortis de mulheres no Brasil e chamava a atenção de que existia no país apenas dois mil mamógrafos. Afinado aos objetivos do Ministério da Saúde, o projeto foi aprovado e pudemos adquirir o mamógrafo para o Hospital de Barroso, tornando acessível às mulheres a realização do exame no município. Para se dar maior realce ao fato, além da própria aquisição do mamógrafo, trazendo os R$80.000,00 do ano de 2000 a valor presente em 2013, chega-se à importância de R$320.000,00. Portanto, nesse OUTUBRO ROSA, resgatando a história, cabe a renovação de nossa gratidão ao Baldonedo e ao Senador Aécio Neves que, não se esquecendo do apoio ao Hospital de Barroso, garantiu também, no final do ano passado, a importância de R$200 mil, que permitiu a aquisição de medicamentos e materiais, o que foi de fundamental importância para a manutenção do Hospital.

Artigo de opinião Antônio Maria Claret de Souza - Vereador

Nos primeiros dias de aula, algumas vezes começava minha aula assim: - Eu sei o que vc mais quer. Sei também que é exatamente o que eu quero, o que o seu colega quer... Muitos ficavam curiosos. Afinal, o que ela quer que eu também quero? O que há em comum entre mim, ela e meus colegas? Somos de partidos políticos diferentes, torcemos por times diferentes, temos religião e opção sexual diferentes... Quanta diferença... O que pode ser igual? - Realmente, temos muitas divergências, porém, somos humanos e é assim que nos tornamos iguais em querer a tal “felicidade”. A nossa busca deve ser comum. Não é possível viver sem paz, harmonia, justiça social, afeto, atingir a tal sustentabilidade... Como criar condições melhores, se nos curvamos a sistemas que promovem desigualdades e se promovemos pessoas que manipulam os mais humildes para se perpetuarem no poder? É necessário buscar constantemente a conscientização pessoal e social para atingir nossos objetivos. Precisamos conhecer como funcionam os mecanismos humanos que são eficientes para manter o silencio da sociedade. É urgente a coragem de se expor e expor aquilo de que estamos necessitando, o que nos incomoda ver e ouvir. Não podemos calar diante dos arrogantes, que se usam, às vezes, do intelecto, para coibir a sensatez, como diz Martin Luther King: “O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons.” Sejamos simples, alguns diriam ingênuos. Sejamos verdadeiros, alguns diriam subversivos. Sejamos gente, alguns diriam ultrapassados. Mas sejamos, não podemos nos

omitir, precisamos ser . Somente assim alcançaremos nossos objetivos. Temos antes de tudo nos conectar ao que realmente somos e buscamos. Não podemos esquecer de que a colheita é fruto do plantio e do cuidado. “Posso ter defeitos, viver ansioso e ficar irritado algumas vezes, mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo. E que posso evitar que ela vá à falência. Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise. Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar autor da própria história. É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida. Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um “não”. É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.” Augusto Cury É urgente que sejamos protagonistas da nossa história! Artigo de opinião Vereadora Deléia deleiavelho@hotmail.com

Lixo 2 - Missão impossível? Em artigo recente aqui no Primeira Página protestei contra a prática de alguns cidadãos que teimam em descartar seu lixo em vias públicas, dando origem ao que chamei de “esquinas lixão”. Isso foi por ocasião da semana do meio ambiente. Volto ao assunto por que, como todos ainda percebem, esta prática em nada mudou, os sujões continuam em ação. Vários pontos da cidade ainda estão sendo usados para o descarte de rejeitos. Quero dizer a estes cascões, sujões, sugismundos que não existe autorização para descarte de lixo doméstico em vias públicas. Ou seja, é PROIBIDO! Volto também a dizer: Cidade limpa demonstra educação de seu povo, evita insetos e roedores, evita entupimento de bueiros, evita alagamentos como os que ocorrem próximo a praça Salvador da Silva, atrai turistas, aumenta o nível de emprego e renda. Sugiro ao departamento de obras da prefeitura que confeccione várias placas com

os dizeres “Proibido Jogar Lixo”, e dê ao Nelson do caminhão amarelo que, com sua equipe , é quem limpa estas esquinas lixões, e as coloque nos locais após a retirada do entulho. Por incrível que pareça, as pessoas têm respeitado e parado de jogar lixo após as placas serem colocadas. A segunda providência seria criarmos o “Troféu Cascão” para divulgarmos nome e endereço dos sujões. É mais uma tentativa de solucionar o problema.

Política - Campanha para prefeito em 2016. Em sua coluna na última edição do jornal Barroso em Dia, do qual sou assinante, Antônio Marcos, o querido Toninho Pinto, nos trouxe especulações sobre as possibilidades políticopartidárias visando 2016. Na oportunidade ele escreveu sobre a possível troca de partido do professor Reinaldo Fonseca, que deixaria o PSDB e ingressaria no PT, com vistas às próximas eleições municipais.

Esta manobra estaria sendo articulada por seu primo, o barrosense e prefeito de São João del-Rei, Helvécio Reis que teria recebido esta incumbência do deputado Reginaldo Lopes visando dar palanque ao PT em Barroso. Falou também do possível retorno do ex-prefeito, ex-deputado e secretário de governo de Minas Gerais, Baldonedo Napoleão a uma candidatura a prefeito de Barroso. Gostei, assim como muitos que acompanham e gostam de política, destas possíveis novidades. É bom para mexer com o marasmo em que andavam os assuntos política e prefeitura no pós-eleição. Só fiquei com aquele gostinho de quero mais. E as novidades do lado de lá? Toninho não teria nenhuma especulação ou novidade no ninho situacionista? Na alcova familiar, uma vez que é irmão do Dr. João Pinto, meu amigo, não se deixa falar sobre as possibilidades para 2016. Quem com quem, quando

e onde? Fala “pra nóis”! Aguardo a próxima edição do Barroso em Dia.

Lulopetismo – A saga vai continuar?

A campanha presidencial para 2014 já começou. As candidaturas estão sendo postas com o Mineiro Aécio Neves capitaneando a oposição, que tem também Eduardo Campos aliado a Marina, contra a Máquina de fazer campanha com dinheiro público da Dilma. Ela mente ao dizer que não faz, mas faz e a todo o momento. Vejo nesta atitude despudorada da presidente, não uma disputa com seus oponentes, mas a tentativa guerreira de sepultar logo e de vez o insepulto “Volta Lula” no ninho petista. E Lula está babando de vontade de

voltar. Ele fala que há sombras nas candidaturas de Aécio e Eduardo, com o Serra e Marina a desejarem tomar seus postos de candidatura para 2014. Se estes são sombra, Lula é o eclipse total da candidatura Dilma. Sem a habilidade e o carisma politiqueiro de Lula, Dilma está pulando mais que pipoca em frigideira. João Santana, seu marqueteiro, deve ter pedido aumento para dar conta de tanto trabalho.

Artigo de Opinião Dr. Luciano Napoleão de Souza Médico Ginecologista e Obstetra


10

primeira página

Uma das principais bandeiras levantadas pelo vereador Jaiminho em seu mandato tem sido a defesa dos servidores públicos municipais, que vêm sofrendo com a defasagem salarial, provocada pela falta de reajuste dos vencimentos. “A grande maioria dos servidores que recebiam mais de um salário mínimo, devido à impossibilidade de o município reajustar seus vencimentos de acordo com o mínimo, hoje também recebem R$ 678,00”, afirma. Recentemente, o vereador, por meio da indicação nº 80/2013, solicitou ao presidente da Câmara, Hélio Campos, que encaminhe ofício ao Executivo Municipal, solicitando o envio do Plano de Cargos e Salários dos servidores municipais para apreciação dos vereadores. De acordo com o vereador, o plano de cargos e salários é uma promessa da atual

administração e sua implantação corrigiria a grande defasagem salarial dos funcionários, que estão com os salários congelados desde 2005, quando foi concedido o último aumento aos servidores. “No período de 2005 a 2012, a inflação atingiu aproximadamente 48%, enquanto o reajuste do salário mínimo foi de aproximadamente 123%”, declara o vereador. Segundo Jaiminho, é importante valorizar o trabalhador para garantir a eficácia do serviço público. “A prestação do serviço público é das mais importantes atividades de uma comunidade, de uma sociedade ou de uma nação. Nenhum país, estado ou municí-pio funciona sem seu quadro de servidores públicos, responsáveis pelos diversos serviços colocados à disposição do cidadão”, conclui.

Foto: Câmara Municipal de Barroso

Escola de Barroso promove educação humanitária A foto da esquerda mostra os alunos do Invictus Centro de Ensino durante a Primeira Caminhada pela Simplicidade Voluntária, realizada em setembro, que teve como objetivo difundir a importância do trabalho voluntário. A foto da direita foi feita durante visita dos alunos ao Lar Nossa Senhora de Fátima. A escola promove visitas periódicas às instituições filantrópicas da cidade, com o objetivo de conscientizar os alunos sobre a importância do serviço voluntário.

A Educação Humanitária vem complementar a educação formal oferecida pelas escolas. É uma metodologia que ensina os alunos a serem pensadores críticos e criativos, inspirando respeito e estimulando-os a serem tomadores de decisões conscientes. Ela aborda valores positivos que, quando internalizados, vão definir as escolhas do indivíduo durante toda a sua vida. É baseada na informação e sensibilização para o despertar da compaixão, solidariedade e ética, contribuindo para uma sociedade mais justa e pacífica. De acordo com Lauro Lamounier, diretor do Colégio Invictus, “a preocupação de qualquer instituição educacional, deve ser, em primeiro lugar, a formação humana de seus alunos”. “O Invictus tenta ser diferente. Ao dar início ao Projeto Social, tentamos trazer nossos alunos para realidades que talvez eles jamais tenham sequer ouvido falar: realidades de miséria, pobreza, esquecimento, falta de carinho ou falta de saúde”, afirma. Lauro afirma que iniciativas

como essa ajudam a mudar a realidade social em que vivemos. “É necessário deixar de negligenciar o abismo social que existe em Barroso, para que possamos pensar estratégias reais de melhoria da qualidade de vida na cidade”, declara. A partir desses valores, a escola, juntamente com APAE, Abrigo Municipal, APAC, Sociedade São Vicente de Paulo, Lar Nossa Senhora de Fátima e ASCAB, tira seus alunos da sala de aula e os insere nas atividades diárias dessas instituições, a fim de serem conhecidas as rotinas das pessoas menos favorecidas da cidade. De acordo com o diretor, a importância desse trabalho vem justamente de sua gratuidade. “Empresas de grande porte, hoje em dia, em suas entrevistas de emprego, exigem que o candidato tenha algum tipo de experiência com trabalho voluntário, mas essa não é a nossa intenção. Verdadeiramente, o nosso objetivo sempre foi entronizar nossos alunos na realidade social de nossa cidade, esperando que, conscientes, lutem para transformá-la”, conclui.

Notícias & Negócios completa 15 anos No dia 14 de novembro de 1998 nascia, em Barroso, um novo veículo de comunicação. O santista de nascimento, mas barrosense de coração, Antônio Raimundo da Silveira, o Tony, lançava o “Notícias & Negócios”, uma mídia impressa focada na prestação de serviços para o comércio local. No entanto, o papel do N&N não fica restrito ao comércio. Movido pela sua solidariedade, Tony passou a promover a Campanha do Agasalho e a Campanha dos Brinquedos, com o objetivo de ajudar os mais necessitados. “Os agasalhos e brinquedos arrecadados são doados à APAE, ao Asilo, ao abrigo municipal e às crianças carentes da cidade”, afirma Tony. E não são apenas essas campanhas que o jornal promove. Em suas páginas são veiculadas também campanhas de combate e prevenção ao uso de drogas e ao alcoolismo. “Essa é uma preocupação pessoal minha também. Temos que

Parte dos brinquedos arrecadados durante a “Campanha do Brinquedos” 2013.

ajudar a combater esses males que destroem os lares e a juventude”, declara. Cada veículo midiático tem seu valor e sua função na sociedade e com o N&N não é diferente. Ele passou a ser uma referência, uma espécie de guia comercial e de informações do cotidiano, como plantão de farmácias, horários de ônibus e, claro, as piadas. A grande empatia com o público vem, também, da publicação de fotos dos cidadãos barrosenses, que ganham destaque na capa do jornal. “O Notícias & Negócios”

conseguiu conquistar o carinho de todos e de todas as idades”, declara Tony, que ressalta também sua união com os outros veículos de comunicação locais. “Agradeço de todo coração ao povo de Barroso e ao comércio porque, sem eles, o jornal Notícias & Negócios não estaria completando 15 anos de trabalho sério”, finaliza. O jornal Primeira Página parabeniza ao Notícias & Negócios e ao Tony pela perseverança e dedicação nesses 15 anos de existência, trazendo informação, serviços de utilidade pública e difundindo muita solidariedade.

Publieditorial

Vereador Jaiminho defende servidores do município


primeira página

11

Barbacenense conquista primeiro lugar na segunda edição da Corrida Rústica do Rosário

Fotos: Wanderson Nascimento

Na manhã de 27 de outubro, foi realizada a 2ª Corrida Rústica Nossa Senhora do Rosário, promovida pela Associação de Moradores do bairro de mesmo nome. A competição, cujo percurso teve uma extensão de cerca de 6,5Km, contou com a participação de 38 atletas de Barroso e região. Em 1º lugar, chegou o barbacenense Luciano da Silva Lopes; em 2º, José Carlos Ribeiro, de Dores de Campos e em 3º, o também dorense Frederico Ozanan. O barrosense melhor colocado foi Celso Domiciano (Celso Bike), que chegou em 5°. Entre as mulheres, Maria Margarida, da cidade de Cipotânea chegou em 1º e a barrosense Isabela Natiela ficou

em 2º. De acordo com Luciano da Silva, que cumpriu a prova em 22 minutos, o percurso foi tranquilo, apesar do forte calor. Segundo Celso Domiciano que, além de patrocinar, também competiu na corrida, é preciso incentivar o esporte e esse incentivo também tem que vir de dentro do atleta. “Muita gente, às vezes, tem vergonha de participar”, afirma. O destaque da corrida ficou para o atleta mais idoso da competição. Lauro Rodrigues, de 71 anos, participa de corridas e maratonas há cerca de 25 anos e vai estar, pela 16ª vez, na Corrida de São Silvestre, em 2013. Lauro também já participou diversas vezes da corrida de Sant’Ana.

Acima, largada da corrida. Abaixo, (à esquerda) o Sr. Lauro Rodrigues motivando os competidores e (à direita) completando a prova.

Sandro Ferreira, presidente da Associação de Moradores do bairro N. Sra. do Rosário, destaca o crescimento do evento e a importância do incentivo ao esporte. “Essa corrida é uma ideia minha, muito antiga, em parceria com o Celso Domiciano. No ano passado fizemos a 1ª edição, quando contamos com a participação de alguns atletas. Neste ano o número aumentou e esperamos que cresça ainda mais”. “Nós temos um projeto chamado “Preciso ser criança”, em que estimulamos as brincadeiras e esportes da nossa infância, como queimada, peteca, vôlei, futebol. No ano passado fizemos uma tarde de lazer e estamos procurando levar as crianças a terem uma vida saudável, sair da frente do computador e procurar outras atividades positivas”. “Existe uma falta de apoio público, em qualquer setor e também muita burocracia. Pessoas físicas e comerciantes apoiam, mas estão sobrecarregados. O governo tem meios para ajudar, mas, infelizmente, não ajuda”.

Acidente envolvendo barrosenses deixa nove feridos

Foto: www.fatoreal.com.br

Na noite da última terça-feira, (05/11), a Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou um acidente ocorrido no km 632 da BR-040, próximo ao trevo do bairro Paulo VI, em Conselheiro Lafaiete. A colisão envolveu dois carros e uma moto. Segundo informações da PRF, o condutor de uma moto Honda CG/150, de Barbacena, cruzou a pista, vindo do Paulo VI, à frente de um Voyage da Secretaria de Educação de Barroso, que seguia no sentido Lafaiete/Barbacena. O Voyage bateu na moto que, desgovernada, atingiu o Ômega, licenciado em Lafaiete, que trafegava no sentido contrário. O piloto da moto é menor de idade (D.I.S de 17 anos), inabilitado e levava como passageiro Alyson Henrique Barbosa (39 anos). No Voyage, estavam

cinco barrosenses; o motorista, Renato Geraldo de Melo (40 anos) e os passageiros Yasmin Capelupi do Nascimento (21 anos), Mariza Aparecida Martins da Costa (42), Hélia Maria de Souza Pinto e Tânia Aparecida da Silva Bedesqui. Viajavam no Ômega o motorista Jefferson Antônio dos Santos (31) e um passageiro menor de idade (G.Y C, 15 anos). Segundo a Polícia Rodoviária, o trânsito ficou interrompido na via e as nove vítimas, todas com ferimentos, foram socorridas no Hospital e Maternidade São José. De acordo com informações extraoficiais, todos passam bem e não correm risco de morrer. As informações e a foto são do site: www.fatoreal.com.br


12

OLHARES DE BARROSO Esse espetacular pôr-do-sol, em meio a vegetação de cerrado, foi capturado por Salatiel Richer, integrante do “Olhares de Barroso” há pouco mais de nove meses. A foto foi feita durante um camping no chamado “Muro dos Escravos”, lugar também conhecido como “Morro da Romana”. Salatiel, que é Assistente de Logística e Suprimentos na empresa Marluvas, é apaixonado por fotografia e aventuras radicais. “Gosto de fazer trekking, explorar montanhas e serras e pedalar. Gosto de lugares onde eu posso tirar foto de montanhas, pôr-do-sol e da natureza em geral”, afirma. Salatiel utiliza uma câmera digital Fuji FinePix S4500. Se você gosta de fotografar, ou de apreciar belas imagens e ver novos olhares sobre nossa cidade, participe do “Olhares de Barroso”. Acesse:

www.facebook.com/groups/olharesdebarroso “A melhor coisa sobre uma fotografia é que ela não muda, mesmo quando as pessoas mudam.” Andy Warhol


Jornal Primeira Página - Novembro de 2013