Page 1

Barroso - MG. Outubro de 2013. Edição nº 07, ano 01. Distribuição Gratuita

Padre Fábio celebra Jubileu de Prata de Vida Sacerdotal em Barroso Em entrevista ao jornal Primeira Página, Padre Fábio fala sobre momentos marcantes de sua vida sacerdotal e destaca mudanças na sociedade barrosense, observadas por ele nesses últimos 25 anos. Pág. 5 Barroso é um dos piores municípios de Minas e do Brasil em Gestão Fiscal. Pág. 3 Jovens buscam difundir o rugby em Barroso Pág. 4 Lei municipal garante espaço para cadeirantes em eventos públicos. Pág. 4 OAB - Barroso busca reivindica soluções para segurança pública . Pág. 5

Foto: Geraldo Napoleão Neto

O VERÃO VAI CHEGAR COM UMA NOVIDADE INCRÍVEL NA LOJA CASA POPULAR. AGUARDE! Rua. Cel. Artur Napoleão, 93. Centro. Tel.: 3351-1092

Hospital de Barroso tem novo ultrassom e vai inaugurar tomógrafo. Pág. 10


02

primeira página

Editorial Na página 5 desta edição, trouxemos, para os barrosenses, uma entrevista com o Padre Fábio José Damasceno, que está prestes a completar seu Jubileu de Prata de Vida Sacerdotal. Durante o bate-papo, o Padre contou muitas histórias, citou fatos marcantes e fez sábias observações sobre vários aspectos de nossa cidade, demonstrando o orgulho de ter cumprido esses primeiros 25 anos de sua vida sacerdotal em Barroso e declarando que se considera um barrosense de coração. A entrevista foi muito interessante e, como não poderia deixar de ser, conversamos também sobre política, uma vez que estava, diante de mim, um dos maiores líderes e formadores de opinião de nossa cidade. Para ser um pároco de uma paróquia tão extensa, como a de Sant’Ana, Padre Fábio confirmou que é preciso ser um bom administrador e comparou a postura de um pastor, com a de um político, já que ambos são administradores. O Padre citou algumas frases, tratando de um contexto global da política brasileira. “O pastor tem que ter o cheiro das ovelhas... Nossos políticos não conhecem o povo... não demonstram esse interesse pelas pessoas, pelos problemas sociais... O pastor tem estar no meio do povo, tem que se identificar com seu povo. Os políticos não são assim...”. Neste ano, conheci um senhor de oitenta e poucos anos, com um modo de vestir bem simples, chamado Vasco Borges da Gama, e que é provedor do Hospital Cônego Monte Raso, da cidade de Baependi. O Hospital tem quase 6 mil m² de área construída e oferece recursos médicos avançados. No entanto, o que mais me chamou a atenção não foi a estrutura do hospital, mas sim a postura desse senhor simples, quando perguntado sobre o segredo de ser um bom administrador. Ele respondeu que, para ser um bom administrador, o indivíduo tem que gostar de gente; ele não pode administrar uma prefeitura, um estado e até mesmo um hospital, se ele não gostar de gente. Essa declaração do Sr. Vasco dialoga bem com o que o Padre Fábio me disse e, realmente, falta isto nos políticos, ou melhor, na maioria deles. Falta contato com o povo, falta gostar do povo, gostar da presença daqueles que os elegeram, gostar de ouvir os problemas daqueles que pagam seus salários. Na visita da presidente Dilma a São João del-Rei, para o lançamento (pela 5ª vez) do PAC 2, um amontoado de seguranças zelavam pela segurança da petista, impedindo a aproximação dos cidadãos que protestavam contra o fim das APAES, como se aquele povo que estava ali manifestando seus anseios fosse um bando de hienas famintas. Famintas sim, pelo direito de expressão. Quem sabe, um dia, poderemos ver, nesses políticos, atitudes que não transmitam essa impressão de fobia social.

Charges do Beto

Política Portais de transparência sem transparência

A Justiça goiana condenou o prefeito de Palestina de Goiás (303 km de Goiânia) a pagar, com o próprio dinheiro, a pintura e troca de bens públicos da cidade. A ação foi movida pelo Ministério Público depois de o prefeito ter pintado de verde alguns prédios do município e também ter colocado lâmpadas da mesma cor nas ruas da cidade. Em Barroso, a Lei Municipal Nº 2307 de 18 de agosto de 2010, cujo projeto é de autoria do então vereador Vanilton de Barros, determina o uso das cores que predominam na bandeira do município em bens municipais.

Mobilização no Facebook ajuda a salvar cão abandonado e ferido O cão da foto esteve circulando pelas ruas de Barroso no mês de Setembro, em estado deplorável de saúde. A foto foi tirada pelo Primeira Página, no dia 25/09, durante caminhada da Semana da Terceira Idade, quando o público presente ficou horrorizado com o estado do animal, que estava com uma enorme “bicheira” na região da cabeça e do pescoço. Imediatamente nossa reportagem procurou ajuda com o veterinário André Ferreira, que disponibilizou medicamento gratuito para o cão. No entanto, o animal, arredio, fugia quando alguém tentava medicá-lo. A foto foi postada na página dos “Irmãos de Quatro Patas” no Facebook e teve grande repercussão. De acordo com o veterinário, outas pessoas ofereceram ajuda e fizeram doações para aquisição de medicamentos. No dia 01/10, o veterinário, juntamente com Paulo, morador

do Quintanilha, que já cuida de diversos animais retirados das ruas, conseguiu capturar o cão, que já está sendo devidamente medicado e se recupera bem. Outros internautas testemunharam a intenção de tentar medicar o cão, mas, devido ao fato de estar assutado, precisava ser capturado antes.

A solidariedade dos moradores e do veterinário André Giuliano Ferreira salvaram a vida do cão. Os animais nas ruas constituem um grave problema, até de saúde pública, mas a falta de políticas advindas do poder público e de conscientização das pessoas, faz com que aumente a cada dia o número de animais nas ruas.

EXPEDIENTE Edição, redação, arte e fotografia: Wanderson Nascimento. Colaboração: Luciano Nascimento (CMB) Charges: Beto Moura dáblio-N comunicação CNPJ: 17.798.833/0001-42 Tiragem: 1.000 exemplares E-mail: primeirapaginabso@ig.com.br Tel.: (32) 3351-3473 Blog (versão digital): primeirapaginabso.blogspot.com.br Pontos de distribuição: Barbearia do Rossil (Bandeirantes); Mercearia do Sandrinho (Bedeschi), Supermercado Economia (São José), Supermercado Zelito (Jardim Europa), Praça Santana (Centro); Gambá Lanches (Centro); Barbearia do Tião (Centro). Padaria Silva (J. Coelho); Mercadinho do Rivaldo (Guede) Supermercado Almeida (Guede), Portaria da Holcim (Rosário); Bar do Marreco (Sta. Maria); Bar do Flávio (Nova Barroso); Supermercado Santo. Expedito (Guimarães); Bar da Vilma (Praia).

Ao acessar o portal da transparência, no site da Prefeitura de Barroso, nos deparamos com diversos dados e estatísticas, como receitas, despesas, tributos arrecadados, recursos recebidos e uma série de outras informações dessa natureza. Em maio deste ano, entrou em vigor a Lei nº 12.527/2011, mais conhecida como Lei de Acesso à Informação (LAI), que regulamenta o direito, previsto na Constituição, de qualquer pessoa solicitar e receber dos órgãos e entidades públicos, de todos os entes e Poderes, informações públicas por eles produzidas ou custodiadas. A partir dessa lei, passaram a ser obrigados a disponibilizar determinadas informações, toda a administração pública, ou seja, todos os órgãos e entidades dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, bem como a todos os Tribunais de Contas e o Ministério Público, além de entidades privadas sem fins lucrativos que recebem recursos públicos. Essas instituições passaram, então, a disponibilizar tais informações em “Portais de Transparência” que, aliás, não têm nada de transparente, uma vez que a linguagem dos sites é absolutamente técnica, e as pesquisas estão longe de ser otimizadas. Portanto, trata-se de um descumprimento da lei, pois de acordo com o artigo 5º da LAI, “É dever do Estado garantir o direito de acesso à informação, que será franqueada, mediante procedimentos objetivos e ágeis, de forma transparente, clara e em linguagem de fácil compreensão”. Dificilmente, um cidadão médio, com escolaridade fundamental, conseguirá compreender e interpretar os tais “Portais de Transparência”. Talvez seja até proposital, uma vez que não é do interesse dos governos que essas informações sejam divulgadas com “transparência”. No portal da prefeitura de Barroso, por exemplo, não são disponibilizadas informações básicas, como Folha Salarial e Demonstrativo de Diárias. Convenhamos que nós, brasileiros, já pagamos, até o dia 08 de outubro de 2013, às 15h, pouco mais de R$1.180.245.500.00,00 (Um trilhão, cento e oitenta bilhões, duzentos e quarenta e cinco milhões e quinhentos mil reais) só de impostos, segundo o impostômetro (www. impostometro.com.br) e não seria nenhum favor se tivéssesmos acesso a informações, da forma como determina a lei, de como nosso dinheiro é gasto, não é mesmo? Wanderson Nascimento Jornalista


primeira página

03

Barroso está entre os piores municípios

de Minas e do Brasil em Índice de Gestão Fiscal Foto: Wanderson Nascimento

RANKING DA GESTÃO FISCAL EM MINAS GERAIS

OS MELHORES CIDADE

POSIÇÃO EM MINAS

Jeceaba Lagoa Santa Itatiaiuçu

POSIÇÃO NO PAÍS

1º 2º 3º

2º 16º 51º

OS PIORES CIDADE O jornal Estado de Minas, na versão impressa e em seu portal na internet, publicou, no dia 22 de setembro, uma matéria intitulada “Empacados pela má gestão”. A reportagem de Marcelo da Fonseca revela dados de um estudo realizado pela Federação de Indústrias do Rio de Janeiro (FIRJAN), que desenvolveu o Índice FIRJAN de Gestão Fiscal (IFGF-2013), uma ferramenta de controle social que tem como objetivo estimular a cultura da responsabilidade administrativa, possibilitando maior aprimoramento da gestão fiscal dos municípios, bem como o aperfeiçoamento das decisões dos gestores públicos quanto à alocação dos recursos. Os dados mostram Barroso na antepenúltima posição em Minas (790º), ficando à frente apenas das cidades de Matias Cardoso, no Norte de Minas, e Divinésia, na Zona da Mata. A nível nacional, Barroso ocupa a 5024ª posição entre os 5164 municípios avaliados. O IFGF traz o debate sobre a

forma como os tributos pagos pela população são administrados pelas prefeituras. O índice é construído a partir dos resultados fiscais informados pelas próprias prefeituras – informações de declaração obrigatória e disponibilizadas anualmente pela Secretaria do Tesouro Nacional (STN). Os resultados do estudo, segundo a reportagem, revelam o quanto os municípios estão atrasados quando o assunto é o uso do dinheiro dos contribuintes, ou seja, dos variados impostos que pagamos. De acordo com o ex-secretário de Fazenda, Luiz Gonzaga Moreira, o índice da FIRJAN veio para confirmar o que se fala desde a criação da Lei de Responsabilidade Fiscal, que demanda cuidados com a arrecadação, evitando sua redução e, ao mesmo tempo, cuidar das dívidas do município, não gastando mais do que é arrecadado. “Os municípios que estão dentro desta gestão crítica e em dificuldades, logicamente, investem menos em qualidade de vida para a

população”, afirma. De acordo com o exsecretário, a ineficiência na gestão dos recursos é a principal responsável pelo desempenho ruim no IFGF. “A gestão que não gasta os recursos com eficiência faz com que a população pague a conta, pois o município fica com menos recursos para investir na qualidade de vida da população”, declara. Segundo o Índice Firjan de Gestão Fiscal, as despesas com funcionários públicos caíram no país, mas os recursos não foram aplicados em investimentos. Os piores índices de Barroso (conceito D), avaliados pela FIRJAN, se referem à capacidade de gerar receitas próprias, aos gastos com pessoal, aos investimentos realizados e à liquidez (relação entre restos a pagar acumulados no ano e os ativos financeiros disponíveis para cobri-los no exercício seguinte). A melhor situação do município (conceito B) é em relação ao custo da dívida, que representa o endividamento total do município.

Comunidade Ativa realiza 13ª Edição do projeto “Plante uma Árvore” A 13ª edição do projeto “Plante uma Árvore”, realizado pela ONG Comunidade Ativa, envolveu cerca de 50 alunos de três turmas da Escola Municipal Arthur Napoleão. De acordo com Geraldo Napoleão Neto, responsável pela ONG, foram plantadas mudas de sibipiruna, ipê amarelo, pau-ferro, cedro rosa e jacarandá mimoso. “Fizemos uma caminhada até o local e, pelo caminho, foram distribuídos os folderes de conscientização que estes estudantes ajudaram a criar no projeto “Meio Ambiente para Todos”, afirma G2. Segundo o ambientalista, a intenção é plantar mais mudas ainda neste ano, envolvendo outros alunos.

POSIÇÃO EM MINAS

POSIÇÃO NO PAÍS

Barroso

790º

5024º

Matias Cardoso Divinésia

791º 792º

5062º 5065º

CIDADES DA REGIÃO CIDADE

POSIÇÃO EM MINAS

São João del-Rei Resende Costa Tiradentes Prados Barbacena Dores de Campos

208º 235º 406º 470º 651º 680º

POSIÇÃO NO PAÍS

1527º 1749º 2701º 3099º 4121º 4297º

Fonte: Índice FIRJAN de Gestão Fiscal


04

primeira página

Barrosenses buscam inserir o rugby no cenário esportivo local Disputado em mais de 120 países espalhados pelo mundo, o rugby vem ganhando espaço em Barroso, graças à iniciativa de alguns jovens da cidade. O publicitário Luciano Nascimento, que é um dos difusores do esporte na cidade, afirma que, apesar de gostar muito de esportes, nunca levou jeito para praticar os mais populares, como futebol e futsal. “Eu preferia como esporte o xadrez e o ciclismo. Vendo o dinamismo do futebol americano em alguns filmes, passei a me interessar”, afirma. No entanto, Luciano afirma que o futebol americano, além de perigoso, é muito caro, devido a necessidade de diversos equipamentos de segurança. “Há cerca de um ano, descobri que a UFSJ tem um time de rugby e comecei a pesquisar sobre o mesmo. Foi então que convidei o barrosense, atleta do time da UFSJ, Jônatas Anklin, para me ajudar aqui em Barroso, juntamente com o João Paulo”, declara. Luciano comprou uma bola e foi com seus amigos às escolas da cidade, convidando os interessados a conhecer o esporte e participar dos treinos. “Conseguimos uma média de 10 pessoas por treino, quando precisávamos de no mínimo 14, para formar dois times. Treinamos em julho e agosto de 2012 e resolvemos parar, pois vimos a necessidade de divulgar mais o esporte”. “Um ano depois, com mais pessoas, voltamos a treinar. Antes

tínhamos que pagar para usar o campo de soçaite do Ceclans, mas agora conseguimos a cessão gratuita do espaço”, afirma. No dia 28 de setembro, o time Brutus, de Barbacena, veio a Barroso e fez o treino com o time daqui. De acordo com Bolívar Dias, integrante do Brutus, o apoio de outros times está sendo fundamental para o avanço do esporte. “O rugby é o segundo esporte que mais cresce no Brasil. O apoio que tivemos do time de São João del-Rei e de outros times trouxe um grande crescimento para nós e estamos trazendo isso para outros times, divulgando jogando e correndo atrás para promover esses esporte que é uma paixão nossa”, afirma. DeacordocomojogadorStewart Caetano, por ser um esporte novo, o rugby não tem conseguido muito apoio, mas, apesar disso, está sendo bem difundido.

O que é o rugby? Disputado em mais de 120 países, o rugby é um esporte coletivo praticado com as mãos e com uma bola. A versão mais tradicional do Rugby é o “15-aside”, ou simplesmente “Rugby 15”. O número faz referência à quantidade de jogadores em cada equipe. De qualquer forma, outras modalidades como o “Rugby 7”, “Tag” e o “Beach Rugby” vêm crescendo rapidamente nos últimos anos. Principalmente o “Rugby 7”, uma modalidade dinâmica e rápida do esporte com apenas 7 jogadores em cada equipe, vem chamando a atenção de muitos torcedores e atraindo novos praticantes em todo mundo depois de sua volta às Olimpíadas - com inauguração prevista aqui no Brasil em 2016.

Barrosense representa governo de Minas no Vietnã Em setembro, o barrosense Antônio Claret, Assessor de Articulação, Parceria e Participação Social do Governo de Minas, viajou ao Vietnã a convite das Nações Unidas, com os objetivos de apresentar o exemplo do Programa Travessia do Governo de Minas; debater sobre os desafios da utilização do Índice de Pobreza Multidimensional (IPM); apoiar os formuladores de políticas do país na implementação do método; fortalecer a Multidimensional Poverty Peer Network; trocar impressões e experiências e aprender com os vietnamitas sobre enfrentamento da pobreza. Segundo Antônio Claret, “O Plano de Enfrentamento da Pobreza Multidimensional no Vietnã (Master Plan) é inspirado no modelo mineiro. Neste momento, o país inicia um debate acerca da customização do Índice, ou seja, da seleção de dimensões, indicadores e pesos a serem considerados dada a realidade social vietnamita”. De acordo com Antônio, o país demonstrou muito interesse em aplicar o índice utilizado em Minas Gerais, assim como outros países já utilizam. “Espero que

Foto do último compromisso de Antônio no Vietnã: encontro na Assembléia Nacional do Vietnã. A reunião extraordinária contou com a presença do Pnud Vietnã e de membros da Comissão para Assuntos Sociais do Parlamento, além de pesquisadores, acadêmicos e formuladores de políticas públicas. O objetivo foi apresentar a experiência de adoção do Índice de Pobreza Multidimensional do Programa Travessia de Minas Gerais e o modelo do México. Ao final, os presentes puderam conhecer o Master Plan do Vietnã para a adoção do Índice e debater sobre as vantagens e desafios do método. esse trabalho tenha frutos muito positivos. Por onde passamos por aqui, recebemos muitos elogios. Então, tenho certeza que, daqui em diante, esse trabalho tende a ganhar ainda mais relevância e colocar Minas Gerais e o Brasil como um ator fundamenta

na área do enfrentamento da pobreza hoje no mundo”, afirma, destacando que, “para enfrentar a pobreza, é preciso muito mais que renda, é preciso garantir dignidade, educação, saúde, saneamento, padrão de vida adequado”.

Nova lei municipal determina espaço para cadeirantes em eventos

Foi sancionada a Lei 2.458, de 16 de setembro de 2013, que determina a demarcação de espaço exclusivo para cadeirantes, em eventos no município de Barroso. A Lei, cujo projeto foi de autoria da vereadora Deléia, estabelece que em “shows artísticos, culturais e eventos esportivos em geral, públicos ou privados, realizados no Município de Barroso, deverão existir espaços exclusivos demarcados para cadeirantes, conforme capacidade de público total”. Ainda de acordo com o texto da Lei, “O espaço destinado aos cadeirantes deverá ser um local de fácil acessibilidade, e que permita a eles a assistirem, verem e ouvirem o evento”. Nesse espaço, será permitida a presença de um acompanhante por cadeirante. De acordo com a vereadora,

Lei beneficiou cadeirantes durante 30ª Expo Barroso é fundamental se preocupar com a questão da acessibilidade, uma vez que os cadeirantes, assim como outras pessoas com deficiência física, ou intelectual, devem ter resguardado o direito de ir e vir e precisam ser tratados com dignidade. Durante os eventos da 30ª Expo Barroso, que aconteceu entre os dias 26 e 29 de setembro, a lei já estava em vigor e, portanto, foi reservado um espaço para que os cadeirantes pudessem assistir aos shows. “Barroso sai na frente na região, tendo espaço reservado para os cadeirantes. A princípio podemos pensar que se trata de uma atitude pequena, simbólica, mas não é, quando se pensa que estamos dando oportunidade às minorias. Isso é inclusão”, declara Deléia.

14ª Semana da 3ª Idade busca interação entre idosos e sociedade

A 14ª edição da Semana da Terceira Idade foi realizada, entre os dias 21 e 26 de setembro pelo Lar Nossa Senhora de Fátima, em parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social, o CRAS e o grupo Feliz Idade. a programação contou com diversas atividades artísticas e culturais, sendo finalizada com o Baile da Primavera.

De acordo com a administratora do Lar Nossa Senhora de Fátima, Lucimara Costa Ferreira, o objetivo da Semana da Terceira Idade é promover uma maior interação entre os idosos residentes do Lar, seus familiares e a sociedade, em geral, estimulando a reflexão sobre a situação dos idosos em nosso país.


primeira página

05

Padre Fábio completa Jubileu de Prata de Vida Sacerdotal ENTREVISTA

Às vésperas de completar 25 anos de sacerdócio, o Padre Fábio José Damasceno fala sobre aspectos de sua vida sacerdotal e da sociedade barrosense ao longo desse período. Padre, como se deu a escolha pelo sacerdócio em sua vida? A vocação é um mistério de Deus. Desde criança eu sentia um chamado de Deus. Meus vizinhos dizem que, desde muito pequeno eu já dizia que queria ser padre. Quando eu era criança, minha tinha uma gruta com a imagem de Nossa Senhora Aparecida. Eu quebrei essa gruta e comecei a fazer procissões com a imagem, buscava alecrim e fazia incenso, procurando imitar o que eu via na igreja, porque isso tudo me atraía. Quais foram os fatos mais marcantes nesses 25 anos de vida sacerdotal? A chegada em Barroso foi um fato muito marcante. Minha posse como pároco foi outro fato. Eu nunca imaginei que fosse ser pároco da Sant’Ana de Barroso e eu com 25 anos fui escolhido para essa missão. Também são marcantes a construção das igrejas, do CESAM, do CEPAS. Cada dia do sacerdócio é marcante, as pessoas que fui conhecendo, os acontecimentos que vão surgindo dentro desse relacionamento, a maneira como fui percebendo o carinho do povo, a atenção das pessoas, a generosidade. Barroso tem me marcado a cada dia, por ser uma cidade boa, um povo bom, acolhedor, que trabalha e coopera conosco em todos os trabalhos da igreja. Ao longo desse período, quais as mudanças principais na sociedade barrosense? A principal diferença que se acentua na comunidade é que Barroso era uma cidade estabi-

lizada economicamente, onde isso é bom também, pois as o povo tinha uma condição de pessoas têm maior de fazer suas sobrevida muito boa, o nível social escolhas. Acho que quem escolhe era muito alto. Hoje eu percebo ser católico, é católico de verdade, que há uma marginalização de comprometido, sério. muitas pessoas e, com isso muita pobreza, muito sofrimento. Como é sua relação com as outras O segundo impacto muito forte religiões? é o aumento da criminalidade, da violência e o uso exagerado de A minha relação é excelente. drogas. A gente percebe, quando Tenho muitos amigos evangélicos. vai à cadeia, que a maioria dos Hoje quebrou-se um pouco presidiários são jovens e que são do preconceito, a partir da usuários ou traficaram. percepção de que Jesus Cristo é Outra questão muito séria um só. Não pode haver divisão é que nossa juventude não entre nós. os caminhos para tem muita perspectiva, de Deus são diferentes, mas todos diversão, de trabalho, falta muita os caminhos levam a Deus se a oportunidade. gente ama a Deus de verdade. A promiscuidade, a falta de seriedade no relacionamento O Papa Francisco se mostrou com matrimonial é outra coisa uma postura diferente do Bento muito negativa, que pode ter XVI. Qual a sua opinião sobre o novo Papa? consequências graves no futuro. Houve uma Francisco “Acho que quem Otem Papa reviravolta. Não outra formação, falamos de escolhe ser outra visão. É uma época de l a t i n o a m e r i c a n o mudanças, mas de católico, é católico e a igreja latina é uma mudança de de verdade, viva. Bento XVI, época. Os costumes tímido por natureza, comprometido, estão mudando. profundamente A juventude, a sério”. intelectual, tem a infância é diferente. personalidade do Os caminhos e as alemão, uma personalidade fria. Para perspectivas são outros. ele era um esforço sobre-humano Qual a sua impressão sobre cenário se colocar diante de outras pessoas em situação de comunicação. Ele religioso barrosense atual? não tem o carisma, mas tem outros Houve um crescimento de outras valores profundos, sobretudo religiões. Barroso, como tantas sua humildade e seu espírito de outras cidades, oferece uma santidade, que o fez renunciar de pluralidade de caminhos religiosos. uma cargo do qual ele já não dava O trabalho que tentamos fazer de mais conta de responder. construir comunidades e formar O Papa Francisco é mais lideranças minimizou um pouco simpático, carismático, mas essa perda de fiéis, mas de qualquer sentimento. Ele tem demonstrado forma, se não há uma perda de valores importantes, como o fiéis para outras religiões, há uma testemunho de pobreza, de perda de fiéis que vivem uma despojamento, a falta de interesse espécie de ateísmo ou indiferença financeiro. religiosa. Essa é uma tendência Muitas religiões hoje usam o mundial, principalmente entre dinheiro como seu deus e a busca os países mais desenvolvidos. pelo dinheiro rege seus interesses. Esse cenário continua O Papa Francisco, ao escolher o acontecendo, mas por outro lado, nome já apresenta um programa de

vida. Ele é servidor dos servidores. O servo dos servos e quem quer servir a Jesus Cristo tem que seguir essa direção que ele está apontando. O Papa Francisco é um homem que não tem meias verdades. Ele não rodeia para falar. Ele “põe o dedo na ferida” e fala diretamente o que tem para falar. O Brasil passa por uma crise de representação política. Qual a sua opinião sobre esse contexto político atual? A política precisa de uma grande renovação. O que a gente percebe é que os políticos são totalmente desacreditados e viram até piada nos programas de humor. A maioria deles perdeu a credibilidade, porque não demonstram esse interesse pelas pessoas, pelos problemas sociais. Só aparecem de quatro em quatro anos só para angariar votos e, na maioria das vezes, governam em causa própria, sem se preocupar com a realidade da população. Nossos políticos não conhecem o povo. O Papa Francisco disse, na quinta-feira santa, aos padres da diocese de Roma, que o pastor precisa ter o cheiro das ovelhas. O pastor tem estar no meio do povo, tem que se identificar com seu povo. Os políticos não são assim. A classe política ainda é uma classe que oprime, que no status social olha de cima para baixo. Considerações finais. Eu quero agradecer penhoradamente à comunidade barrosense, aos meus amigos, aos meus paroquianos, aos paroquianos de Fátima, aos irmãos evangélicos. Eu sempre fui bem tratado e acolhido em Barroso, me sinto já um barrosense de coração. Deus me deu um presente. Deus me mandou para Barroso e, apesar das minhas fragilidades e dos meus defeitos, eu procurei fazer o melhor que eu pude fazer pela comunidade.

FATOS EM FOTOS

Árvores secas colocam moradores em risco

Uma enorme árvore na Praça Santana corre o risco de cair a qualquer momento. Com a chegada da época de chuvas, com os fortes ventos, os riscos aumentam ainda mais, podendo os galhos caírem sobre veículos e pessoas. Alguns vereadores já citaram o problema na Câmara e recomendaram que a prefeitura providencie o corte dos galhos secos, além dos de outras árvores na praça, que também correm o risco de se quebrar. No entanto, nenhuma providência foi tomada até o momento. Durante o desfile de 07 de setembro, centenas de pessoas, a maioria crianças,

passaram sob essas árvores, além de o palanque das autoridades ter sido montado exatamente embaixo do maior galho de todos. Na semana passada, um membro do grupo “Reclame Aqui! Problemas da cidade (Barroso)”, no Facebook, postou uma foto da mesma árvore, chamando a atenção para o grande risco que os galhos secos estão oferecendo à população. A postagem teve adesão de vários membros. Já houve registros de incidentes envolvendo queda de galhos dessas árvores sobre veículos. No entanto, o corte ou a poda, geralmente só são realizados após essas ocorrências.


06

primeira página

Botânico francês Saint-Hilaire descreve sua passagem por Barroso durante viagem pela região no Século XIX Com a instalação da corte de Dom João VI, o Brasil se abre e recebe visitas de estrangeiros, que registram aspectos diversos da vida, da cultura e das riquezas ainda inexploradas e por nossa região, passaram as expedições de Langsdorff, Spix e Martius, Auguste de Saint-Hilaire, Richard Francis Burton. St. Hilaire descreve, em trecho de uma espécie de diário de viagem, a paisagem e os costumes da região. Segundo o botânico naturalista, em sua primeira viagem a Minas, foilhe (impolidamente) negada hospitalidade na fazenda do Barroso. O estudioso também descreve aspectos geográficos da região, como população e a paisagem. Segue o trecho do diário em Auguste de Saint-Hilaire cita sua passagem por Barroso. Obra: Segunda viagem do Rio de Janeiro a Minas Gerais e São Paulo por Auguste de SaintHilaire, páginas 75, 76 e 77. Elvas, em casa do capitão José Ferreira, 22 de fevereiro, cinco léguas. Passamos hoje diante da fazenda do Barroso onde me recusaram, tão impolidamente,

a hospitalidade, por ocasião de minha primeira viagem a Minas. Ali, abandonamos o caminho que seguíamos então e conduz a São José. Tomamos o que leva diretamente a São João del Rei. Terreno montanhoso, pastos nos altos; capões de mato nas baixadas. Antes de Barbacena, era o mato, em geral, mais comum do que os pastos. Depois desta cidade, dá-se o contrário. Esta província, e principalmente a comarca de São João é mais povoada que a maior parte das outras zonas do Brasil. Entretanto, ontem, apenas vi uma fazenda antes de chegar a Barroso e não há senão uma entre Barroso e Elvas. Nas partes mais elevadas, os pastos compõem-se, principalmente, de gramíneas e oferecem muito poucos subarbustos. À medida que o solo se abaixa e fica mais úmido, as plantas lenhosas tornamse mais comuns, enfim, nos fundos e vizinhança de matos, o terreno mostra-se coberto de arbustos e principalmente de uma composta. Entre Barroso e Elvas, encontrei, com espanto, nas encostas altas, mas em pequenos espaços, a vegetação

PASSADO X PRESENTE

dos tabuleiros cobertos, isto é, das árvores esparsas, enfezadas, tortuosas, de cascas encortiçadas, com folhas duras e quebradiças. Chegados ao rancho de Elvas, meu pessoal pôs-se na faina de descarregar as mulas; mas em momentos as pernas lhes ficaram cobertas de bichosde-pé. Assim, me pediram que fosse pedir a hospitalidade de uma fazenda vizinha e um pouco afastada do caminho. Enviei José com as portarias e, quando me

apresentei, fui perfeitamente acolhido. Os habitantes desta casa, sem praticarem a polidez dos de Serro Frio e Sabará, têm entretanto maneiras mais corteses do que os agricultores desta região. Conversei muito com a dona da casa, que me pareceu ótima mãe de família, piedosa, apegada aos filhos, ao marido e a seus deveres. Não nos permitiram que fizéssemos o jantar e serviram-nos uma refeição muito boa, para estas paragens.

Fábrica de Cimento construção e expansão

Quem foi Saint- Hilaire?

Augustin François César Prouvençal de Saint-Hilaire, de acordo com o setor de biografias da Universidade Federal de Campina Grande, foi um botânico e naturalista francês nascido em Orléans - França, com passagens pela América do Sul, cujos relatos são documentos de grande valor histórico sobre a vida e os costumes brasileiros na primeira metade do século XIX. Quando esteve no Brasil (1816-1822), percorreu os atuais estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo, Goiás, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Colheu grande quantidade de material orgânico e mineral, além de dados etnográficos e descreveu o aspecto da flora. Sua obra foi construída com a intenção de contar às futuras gerações como era a terra fecunda: “Cidades florescentes tomarão o lugar de cabanas miseráveis, onde apenas eu encontrei abrigo, e nesse porvir os seus habitantes hão de ver nos escritos dos viajantes não só como as cidades principiaram, mas também como nasceram os menores lugarejos”.

O espaço de tempo que separa as duas fotos é de 30 anos e permite-nos fazer comparações em diversos contextos. Em primeiro lugar, a diferença da tecnologia embarcada na construção das estruturas. Em segundo lugar, a segurança oferecida. Na primeira foto, andaimes e escadas de madeira, com funcionários desprovidos de qualquer equipamento de proteção. A foto da esquerda foi postada no CMB pelo membro Geraldo Cosme Pinto, segundo o qual, mostra a construção dos Silos de Pasta, em 14 de outubro de 1953. 30 anos depois, a fábrica passa por um processo de grande expansão. A foto da direita, do arquivo da Holcim, mostra a construção do silo off spec, que “é o local que armazena o clínquer fora de especificação ou a ser transportado a outras fábricas”. De acordo com a empresa, a construção do silo utilizou o método de formas deslizantes (forma metálica em formato de cinta içada por macacos hidráulicos, que permite o volume de concreto seguinte seja lançado antes do endurecimento da camada anterior). O trabalho todo foi executado por apenas 60 funcionários.


primeira página

07

A genialidade e a simplicidade de um luthier chamado Irineu Cardoso “Eu comecei a fabricar instrumentos como uma forma de fuga, uma compensação da rotina do trabalho no campo. Eu queria fazer uma coisa em que eu usasse a inteligência. Foi uma necessidade de aprimorar a mente”. Assim Irineu Cardoso define a origem de seu interesse pelo ofício da lutheria. Irineu vive com a família na Zona Rural de Dores de Campos. Aquele ditado de que “não se pode julgar um livro pela capa” é perfeitamente aplicável a este genial artista. Ao chegar a sua casa, interrompemos a lida diária de um trabalhador rural, aparentemente comum. No entanto, embaixo daquele chapéu se esconde uma inteligência peculiar. Para além da lida com o gado e os trabalhos no campo, Irineu domina a arte da lutheria, um ofício que demanda conhecimentos múltiplos e muitas vezes apurados de química, física, música, arte e desenho, além de uma primorosa habilidade para trabalhar a madeira e utilizar ferramentas manuais. Entre um gole de café e uma quitanda, o luthier autoditada revela

que gosta de desafios. “O primeiro instrumento que fiz foi um violino, há cerca de 22 anos”. Depois de tantas violas, violões, violinos, bandolins, cavaquinhos e violoncelos, Irineu está trabalhando em um instrumento inédito, um divertido desafio: uma guitarra portuguesa. Irineu destaca a importância do músico barrosense Renato Ferreira para o reconhecimento de seu trabalho. “Eu fazia violões para o pessoal dos butecos, até que o João Nascimento, luthier de São João del-Rei, com quem aprimorei meus conhecimentos, expôs um dos meus violões no Conservatório de Música. O Renato experimentou o violão, gostou e divulgou, descobriu meu endereço e veio aqui para que eu fizesse um, personalizado para ele. A partir daí eu comecei a fazer os instrumentos individualizados, de acordo com o músico”, declara. O luthier afirma que fabrica instrumentos mais por prazer e que, apesar de ganhar dinheiro com o ofício, sua principal atividade é a pecuária. “O queijo é o meu feijão com angu, o pinga-pinga que sustenta a minha família diariamente”.

Irineu estima que tenha fabricado, até hoje, cerca de 250 instrumentos. A lutheria, certamente, é o ofício mais primoroso dominado por este artista, mas não é o único. Irineu faz de tudo um pouco, a partir de suas necessidades cotidianas. Pedreiro, encanador, eletricista, mecânico e por aí vai. “Só não faço se não tiver a ferramenta. Para você aprender alguma coisa, você tem que ser ousado, atrevido, curioso, acreditar em si mesmo e não ter medo de errar”, argumenta. Irineu busca os conhecimentos técnicos de cada ofício que procura aprender e a internet agora passou a ser também uma fonte importante. “Eu gosto de saber como funcionam as coisas, como são feitas. Eu tenho uma necessidade, uma ansiedade de aprender e sempre alio a teoria com a prática”, declara. É difícil conceber a ideia de como tanto conteúdo e tanta sede de conhecimento cabem em um só indivíduo e mais difícil ainda é colocar isso tudo em um espaço tão restrito. Parabéns, Irineu, por essa genialidade simples, mas tão complexa!

Flashes do Show de Renato Ferreira e Banda na 30ª ExpoBarroso No dia 27 de Setembro, após o Show da banda gaúcha “Nenhum de Nós”, foi a vez dos músicos barrosenses Renato Ferreira e Banda se apresentarem no palco 2 da 30° ExpoBarroso. Durante cerca de uma hora e meia, Renato Ferreira (vocal, violão e viola), Elton Silva (Baixo, vocal), Brian Reis (Guitarra) e Pedro Domiciano (Bateria) apresentaram um repertório formado por composições próprias e canções consagradas de artistas como Zé Ramalho, Alceu Valença e Raul Seixas, agitando o público presente. Acesse o site www. renatoferreira.com e a fanpage Fã Clube Renato Ferreira no Facebook e conheça mais sobre o trabalho e a carreira de Renato Ferreira, além de poder conferir outras fotos e vídeos. facebook.com/renatoferreira.mg facebook.com/RenatoFerreiraBso

www.renatoferreira.com Contato: (32) 9997-5654

para ler

para assistir

para ouvir

Título: Inferno Autor: Dan Brown Editora: Arqueiro Gênero: Literatura Estrangeira

Título: Amantes Passageiros Diretor: Pedro Almodóvar Ano: 2013 Duração: 91minutos Gênero: Comédia

Título: Insular Artista: Humberto Gessinger Gênero: Pop Rock Nacional

No coração da Itália, Robert Langdon, o professor de Simbologia de Harvard, é arrastado para um mundo angustiante centrado em uma das obras literárias mais duradouras e misteriosas da história: O Inferno, de Dante Alighieri. Tendo como pano de fundo o sombrio poema de Dante, Langdon mergulha numa caçada frenética para encontrar respostas e decidir em quem confiar, antes que o mundo que conhecemos seja destruído.

Um avião enfrenta problemas durante um voo, já que um dos trens de pouso não está mais funcionando. Com isso o comandante é obrigado a voar em círculos, à espera de algum aeroporto para fazer um pouso de emergência. Neste período, a classe econômica é dopada, para evitar pânico generalizado. Os únicos acordados são os comissários de bordo e os passageiros da classe executiva, que, percebendo que correm sério risco de morrerem, decidem abrir o jogo sobre segredos de suas vidas pessoais.

Humberto Gessinger lança INSULAR, seu 20º álbum. O disco é o primeiro só com músicas inéditas em 10 anos e traz participações especiais de grandes nomes da musica gaúcha como Luis Carlos Borges, Bebeto Alves, Nico Nicolaiewsky e Frank Solari. Acho que INSULAR está entre os discos mais misteriosos que gravei, cheio de detalhes, várias camadas, ligações entre as músicas, coisas que o pessoal vai descobrindo aos poucos”, afirma o músico.


08

primeira página

Pressionado, MEC propõe novo texto para o Plano Nacional de Educação

A pressão das entidades dedicadas às crianças e jovens com deficiência surtiu efeito: o Ministério da Educação (MEC) anunciou que vai propor uma nova redação para a Meta 4 do Plano Nacional de Educação. As entidades afirmam que, dependendo do texto a ser aprovado, há o risco de que se acabe com o acompanhamento diferenciado oferecido em escolas públicas para alunos com deficiência. O MEC também informou que a Meta 4 não vai mais definir data para o fim dos repasses do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) às instituições que oferecem ensino especial, como é o caso da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae). A previsão era de que os repasses fossem encerrados a partir de 2017, o que gerou protestos. O anúncio foi feito pela secretária de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão do MEC, Macaé Maria dos Santos, no dia 16/09.

#ProntoFalei Penso que precisamos trabalhar mais profundamente nessa questão da cultura em Barroso. Nós já investimos este ano mais de 400 mil reais em eventos e eu penso que esses 400 mil poderiam ser gastos de uma forma diferente. Eu acho muito bonito trazermos grandes grupos de música aqui, como Raça Negra e outros, mas preferia que esse dinheiro fosse gasto com o dia a dia da cultura em Barroso. Vamos fazer o esforço para que nossos grupos populares de música, dança, como também a questão do esporte, sejam vistos como passos importantes para que nossos jovens, nossas crianças e nós tenhamos condições melhores. Eu não sou contra grandes shows, mas acho que eles devem acontecer quando o dinheiro está sobrando. Declaração do vereador Tarcício Fernando de Mendonça Terra, em reunião ordinária no dia 07 de outubro.

Show de Prêmios arrecada R$ 109 mil

O Show de Prêmios beneficente do Instituto Nossa Senhora do Carmo, realizado em 29 de setembro, arrecadou, com a venda de cartelas oficiais, cartelas relâmpago, venda de canetas e doações em dinheiro, um total de aproximadamente 109 mil reais. Descontando-se as despesas, o valor líquido arrecadado foi de quase 73 mil reais, que serão distribuídos, proporcionalmente às vendas do Hospital e do Lar Nossa Senhora de Fátima. Segundo a administração do Hospital, a participação do público surpreendeu, pois apesar do dia chuvoso, o parque de exposições ficou lotado, com presença de pessoas também de outras

cidades. Entre os prêmios sorteados, o ganhador do carro Zero Km foi Cláudio Roberto de Lima Leite, da cidade de Barbacena. Já o ganhador da moto foi o barrosense Carlos Belizário, do bairro Jardim Europa. Segundo a direção do Hospital, os valores arrecadados serão utilizados para complementar a folha de pagamento dos funcionários do mês de setembro e no pagamento dos fornecedores locais. A administração do Instituto Nossa Senhora do Carmo agradece aos patrocinadores, aos funcionários e a todos que apoiaram o evento, direta e indiretamente.

Jornalismo da UFSJ é o 3º melhor do Brasil no Enade

O Ministério da Educação divulgou, no início desta semana, o resultado do Exame Nacional de Desenvolvimento Estudantil 2012 (ENADE). Cerca de 30% dos cursos avaliados ficaram com conceito insuficiente. O curso de Jornalismo da Universidade Federal de São João delRei, que formou sua primeira turma em 2013, foi um dos 5,4% dos cursos de que obtiveram conceito máximo (5 pontos). A nota do curso no ENADE foi 4.51, a maior pontuação entre todos os cursos da UFSJ e a 3ª entre os 272 cursos de Jornalismo avaliados em todo o país, ficando à frente de faculdades de comunicação consagradas, de instituições como UFMG, UFOP e UFJF. Apenas 17% dos cursos de instituições públicas obtiveram o conceito 5. Em relação às universidades

privadas, o número é bem menor, 3,5%. 19% dos cursos tiraram nota 4. A maior parte, equivalente a 43,9%, tirou nota 3. Abaixo da média, ficaram 27,3% com nota 2 e 2,7% com nota 1. De acordo com o professor do curso de jornalismo da UFSJ, Luiz Ademir de Oliveira, o conceito máximo do curso é reflexo da dedicação dos alunos, professores e técnicos do curso. “Nossos alunos sempre mostraram muita competência, dedicação e humildade. Somos um curso construído com muito esforço dos professores, dos alunos e dos técnicos. Ainda não temos a infraestrutura completa, mas já estamos dando mostras de que somos determinados. Muito me orgulha ver jovens tão determinados a construir as suas carreiras em bases tão sólidas”, afirma.

Acib lança promoção com objetivo de estimular comércio local Recentemente, a Associação Comercial, Industrial, Agropecuária e de Serviços de Barroso (Acib) divulgou dados sobre a promoção realizada no Dia dos Pais, “Churrascão do Papai”, na qual foram sorteados dois kits churrasco completos, além de vale-compras. De acordo com a entidade, muitos comerciantes registraram aumentos consideráveis em suas vendas, como no caso do empresário Alessandro Ferreira de Paula. “Tive um aumento de mais de 20% nas vendas da minha loja em razão da promoção do Dia dos Pais e, com certeza, valeu o investimento. É por isso que eu sempre participo das promoções, pois minha clientela fica satisfeita e o movimento no comércio é garantido”, assegura. Agora, as atenções dos barrosenses se voltam para a promoção “Vem Ka Comprar”, também da Acib, na qual será sorteado um Ford Ka 0km, dentre muitos outros prêmios. Desde o mês de setembro a ação já está acontecendo, garantindo um movimento maior nas empresas que participam da campanha. Ainda segundo Alessandro, que também é vice-presidente da Acib, a expectativa é de que a promoção de Natal deste ano aumente as vendas em relação ao mesmo período 2012.

“Só no ano passado foram distribuídos cerca de meio milhão cupons, o que nos assegura que a promoção fez circular em Barroso mais de 10 milhões de reais. E para este ano esperamos distribuir ainda mais cupons”, comenta o comerciante. A Acib ressalta que, mais importante que realizar a promoção, é o fato de que ações

como essa concentram a renda dos consumidores no próprio município, evitando que os barrosenses saiam da cidade para comprarem na região. A promoção de Natal da Acib vai até o sábado, 28 de dezembro. No domingo, 29, acontece o sorteio dos prêmios, depois da missa das 10h30, em frente ao Palácio dos Três Poderes.


primeira página

09

OAB de Barroso busca de soluções para segurança pública, junto ao TJMG e à SEDS Uma comitiva com membros da OAB de Barroso (Ordem dos Advogados do Brasil), formada pelo seu presidente, Dr. Lourenço André Pinto da Silva, pelo vicepresidente, Dr. José Carlos Borges, pelo tesoureiro, Dr. Vicente de Paula da Silva e pelo secretáriogeral adjunto, Dr. Carlos Ferreira da Costa Neto e pelo vicepresidente da OAB-MG, Dr. Eliseu Marques de Oliveira, esteve presente em audiência, no dia 30 de agosto, com o presidente do Tribunal de Justiça de Minas (TJMG), Desembargador Joaquim Herculano Rodrigues, com o objetivo de tratar de assuntos referentes à Comarca de Barroso. De acordo com o presidente da OAB de Barroso, Dr. Lourenço Silva, a comitiva relatou ao presidente do TJMG alguns problemas da Comarca, como a falta de funcionários e juiz substituto que só está presente uma vez por semana. Os barrosences solicitaram, ainda, preventivamente, a instalação de mais uma vara em Barroso. “Dentro do quadro atual, a criação de uma outra vara em Barroso é um sonho muito difícil de acontecer, da mesma forma que era difícil instalar uma comarca em Barroso e nós instalamos”, afirma. A comitiva solicitou, ainda,

que, após o retorno da Dra. Valéria Possa Dornellas, Juíza da Comarca de Barroso, em novembro, seja enviado um juiz cooperador, tendo em vista o acúmulo de processos. Segundo Dr. Lourenço, durante o período de afastamento de Dornellas, o juiz que estava em Barroso vinha à Comarca uma vez por semana, na parte da manhã e despachava apenas os processos em situação de urgência legal. “O avolumamento de processos nessse período de licença é muito grande. Estamos, desde abril, com processos sem andamento”, declara.

Comitiva se reúne com o Secretário de Estado de Defesa Social

No dia 16 de setembro, a mesma comitiva, com exceção do Dr. Carlos Ferreira da Costa Neto, se reuniu com o Secretário de Estado de Defesa Social de Minas, Rômulo Ferraz. O encontro teve como objetivo encaminhar um ofício contendo reivindicações para a área de segurança pública em Barroso. De acordo com o presidente da OAB de Barroso, Dr. Lourenço Silva,

Foto: OAB - MG

Comitiva da OAB de Barroso junto com o presidente do Tribunal de Justiça de Minas, desembargador Joaquim Herculano Rodrigues.

o primeiro assunto tratado com o Secretário foi a situação do Detran no município, que é “extremamente séria”, devido à pequena capacidade de execução dos serviços de rotina, como emplacamento de veículos, que é uma forma de fazer com que o IPVA retorne ao município. Outra solicitação foi a construção, no presídio, de um parlatóri, que é um espaço restrito para que o presidiário se reúna com seu advogado. “é um direito do preso ser atendido pelo advogado e ter uma conversa privativa com ele”, declara. Os barrosenses reivindicaram medidas com relação à superlotação do presídio e à falta

de um delegado que atenda todos os dias na delegacia do município. “Quem construiu a cadeia pública, há 10 ou 11 anos atrás, quando Barroso já devia ter cerca de 18 ou 20 mil habitantes, foi uma pessoa extremamente otimista, pois construir uma cadeia com 16 vagas para uma cidade com 20 mil habitantes é muito otimismo”, declara Dr. Lourenço. Hoje a capacidade da cadeia é de 20 vagas. A população carcerária na cadeia pública de Barroso, atualmente, oscila entre 60 e 70 detentos. De acordo com o Dr. Lourenço, a OAB de Barroso está sensível a todas essas questões e que o órgão

tomou essas providências de interceder pela segurança na cidade a partir da inércia do poder público. “Durante um bom período, nós adotamos uma postura de deixar essas questões a cargo dos poderes públicos constituídos. Não que a OAB não tenha essa função de fiscalizar e e atuar, mas nós entendíamos que eram funções pontuais, precípuas do poder público. Como existe um enorme vácuo na atuação do poder público, a OAB não poderia, de forma alguma, deixar de atuar”, declara Dr. Lourenço. O presidente da OAB de Barroso afirma que, durante um longo período houve tentativas de alertar e pedir audiência com as autoridades constituídas de Barroso, mas não foram atendidos, exceto pelo Poder Judiciário. “A próxima pauta é uma audiência com o Defensor Público Geral do Estado. Vamos solicitar a instalação da Defensoria Pública em Barroso. Vamos buscar contato, ainda, com a Procuradoria Geral de Justiça, para que seja dada posse a um promotor titular na Comarca de Barroso, e com o pedido de sempre: nós desejamos delegado, juiz e também o promotor, todos morando em Barroso ”, finaliza.

Direito em Debate Qual é o efetivo direito dos cidadãos perante os Poderes Constituídos entre pequenos e grandes problemas Não pairam mais dúvidas, inclusive com o Jubileu de Prata da Constituição de 1988, que no último dia 5 de outubro completou seus 25 anos de promulgação, que o papel do Poder Público, quer seja a administração pública, deve necessariamente implicar na prestação de uma incontável gama de serviços públicos ao seu maior destinatário, O CIDADÃO. E ao que se esperava uma prestação de qualidade. Com isto, me refiro aos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário e, em particular, nos diversos níveis dos entes federais, estaduais e municipais, sem aqui deixar de mencionar onde assim existem, as autarquias e fundações públicas. Como não poderia deixar de ser e, diferentemente de alguns estados dos Estados Unidos da América, não existe no Brasil poder judiciário vinculado ao Poder Público Municipal, atividade esta inerente aos Poderes Públicos Estaduais e Federais, e, aqui, retrato a inteligência do legislador constituinte, que nos poupou de mais este desastre. Nestes tempos em que as máscaras caem e é deflagrado o óbvio ululante, e que todos, há muito já havíamos percebido e se sente no dia a dia, o nosso Poder Público Municipal foi condecorado com o título de campeão às

avessas, como um dos piores gestores da coisa pública em nosso Estado, quer seja, campeão de má gestão. O que já vem distante como exemplo de quando se construiu a cadeia pública de Barroso, quando da instalação da Comarca terem disponibilizado apenas 16 vagas para presos, isto em uma cidade com 20 mil habitantes. Parece que houve um excesso de otimismo ou de falta de capacidade mesmo, o que agora é deflagrado com a superlotação na cadeia pública. A opção por um modelo fashion, baseado na mídia, não se sustentou. Foram-se as máscaras e ficaram os exemplos de falta de investimentos no social e que garantissem direitos fundamentais constitucionais. Aqui nos faz lembrar um dito popular romano que vem desde o ano 60 a.C.: “À mulher de César não basta ser honesta, tem que parecer honesta”. E ao que consta, conviveremos com isto que aí está por mais um período árduo. Fruto da democracia, que afinal de contas ainda é o melhor de todos os modelos de regime, mesmo tendo em cem, cinquenta e um fazendo vontade em cima de quarenta e nove. De tudo fica aquela pergunta que não quer calar: PARA ONDE VAMOS? Mas falemos de algo

que não seja novidade há muito para todos. O que representa o Judiciário atual, neste contexto, com a imensidão de processos existentes. Sem margem de dúvidas, fruto do processo jubilar de conquista da democracia, que concedeu ao cidadão brasileiro a descoberta do fácil acesso ao Judiciário. Ocorre que o Estado não estava preparado para o imenso número de demandas deflagradas nos tribunais nesses últimos anos. Se assim o é, como garantir aos cidadãos o acesso a esse direito fundamental, já que é fácil ver que não foi consolidada uma estrutura jurídica a suportar o acesso de todos à Justiça, daí a problemática da morosidade, gerando ineficácia da tutela jurisdicional, compromisso maior da nossa Constituição Federal. Existem muitos procedimentos arcaicos, modelos equivocados em demasia, principalmente falta de pessoal qualificado e, em particular, de instrumentos modernos de trabalho, impactando de forma direta no dever do Estado-Juiz de solucionar os conflitos sociais que se apresentam. Daí por exemplo a demora em botar para fora políticos corruptos, resolução rápida e isenta de pleitos eleitorais viciados e outras figuras

presentes em nosso cotidiano, endereço certo da má gestão. Não só o Poder Público tem a obrigação de promover políticas de acesso aos cidadãos à Justiça e que esta tenha efetividade e eficácia, mas, acima de tudo, uma determinação dos cidadãos que devem se manifestar democraticamente de forma correta. Isto ocorrendo, naturalmente teremos uma promoção de um melhor acesso de todos aos direitos perante o Poder Público, em particular com o direito a sua fatia nos investimentos sociais, há muito tão relegados a terceiros, quartos e quintos planos. Somente assim os investimentos

anunciados que sempre deixam a desejar, nos levarão a um modelo de gestão q u e traduzam em acessibilidade, continuidade e acima de tudo a tão sonhada e ao que nos parece inatingível dignidade e busca de quem defenda o povo, algo diretamente consagrado no artigo 37 da Constituição Federal, uma verdadeira responsabilidade fiscal e, acima de tudo, uma RESPONSABILIDADE SOCIAL e não de gestões fake. Artigo de Opinião Dr. Lourenço André Pinto da Silva Presidente da OAB - Barroso


10

primeira página

Hospital de Barroso recebe novo aparelho de ultrassom e em breve terá serviço de tomografia Através do Procurador da República em Uberlândia, Cléber Eustáquio Neves, com recursos públicos, o Hospital de Barroso recebeu um novo aparelho de ultrassonografia, no valor de R$100 mil. O novo ultrassom, com recursos mais avançados, substituiu o aparelho cedido em comodata pelo Cisver (Consórcio Intermunicipal de Saúde das Vertentes), possibilitando uma ampliação no número de exames, o que foi notado já no primeiro mês de uso do novo aparelho. Além do novo ultrassom, que proporcionou um aumento no número de atendimentos, será instalado, no Hospital de Barroso, o Serviço de Tomografia Computadorizada, em parceria com a Climagem, de São João del-Rei, empresa de reconhecida competência no campo do diagnóstico por imagem na região. O tomógrafo é da marca GE e modelo High-Speed e está avaliado em XX mil reais. As obras para a instalação do tomógrafo já estão adiantadas. O prazo para o início do funcionamento do aparelho vai depender de alterações na rede elétrica, que dependerão da concessionária de energia mas, segundo a diretoria do Instituto Nossa Senhora do Carmo, o serviço deverá estar disponível em breve. Todas as despesas com as obras

de adaptação dos espaços físicos para a instalação do Tomógrafo são de responsabilidade da Climagem, que também arcará com as despesas de pessoal, energia elétrica, além da remuneração pela cessão do espaço físico. De acordo com a diretoria do Hospital de Barroso, a instalação do novo equipamento constitui um grande benefício aos pacientes. “Não será mais necessário transportar os pacientes internados para fazer exame de tomografia computadorizada em São João del-Rei ou Barbacena, poupando os próprios pacientes, reduzindo despesas com o transporte em ambulância e agilizando o diagnóstico, de fundamental importância para a definição terapêutica a ser adotada pelos médicosqueassistemospacientes”, afirma a gerente administrativo do Hospital de Barroso, Silvana Moura. A tomografia computadorizada (TC) é um dos métodos de exame mais confiáveis e seguros disponíveis atualmente. É rápida, simples e totalmente indolor. A TC utiliza um aparelho de raios X que gira ao redor do paciente, fazendo radiografias transversais de seu corpo. Essas radiografias são então convertidas por um computador nos chamados cortes tomográficos. Isto quer dizer que a TC constrói imagens internas das estruturas do corpo e dos órgãos

Novo Ultrassom amplia atendimentos

através de cortes transversais, de uma série de seções fatiadas que são posteriormente montadas pelo computador para formar um quadro completo. Portanto, com a TC o interior do corpo pode ser retratado com precisão e confiança para ser depois examinado. Ao contrário da maioria dos exames de raios X, a TC pode detectar, precocemente, até as menores alterações em tecidos, por exemplo. Isso naturalmente simplifica o tratamento e melhora as chances de recuperação. Além do mais, a TC torna possível retratar as partes do corpo em três dimensões e, deste modo, certas áreas que estão superpostas podem ser examinadas.

Acima, obras de adaptação do espaço para instalação do tomógrafo, da marca GE, similar ao modelo da foto abaixo.

Hospital de Barroso participa da campanha “Outubro Rosa” Durante este mês, o Hospital de Barroso promove a campanha “Outubro Rosa”, um período de conscientização, prevenção e combate do câncer de mama. A campanha, que dura o mês inteiro, busca alertar sobre os riscos e a necessidade de diagnóstico precoce deste tipo de câncer, que é o segundo mais recorrente no mundo, perdendo apenas para o de pele. De acordo com a diretoria do Hospital, durante o período, os funcionários usam fita rosa-claro no uniforme para identificar a campanha. As atividades relacionadas à prevenção do câncer de mama estão sendo intensificadas, com ampliação

do horário de atendimento de mamografias no hospital. Serão realizadas também atividades com objetivo de conscientizar a população sobre a importância da mamografia, como caminhada de conscientização à prevenção ao Câncer de Mama, em parceria com a Secretaria Municipal de Saúde, além da colocação de faixas e outdoor, em frente ao hospital, com informações sobre a prevenção ao Câncer de Mama. De acordo com dados mais recentes do Inca (Instituto Nacional de Câncer), em 2010, 12.705 mulheres morreram de câncer de mama. O nome “Outubro Rosa”

remete à cor do laço que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama e estimula a participação da população, empresas, e instituições públicas. O rosa simboliza alerta às mulheres para que façam o autoexame e, a partir dos 50 anos, a mamografia, diminuindo os riscos que aparecem nesta faixa etária. A mamografia é de graça. As mulheres interessantes em fazer o exame devem procurar o Hospital de Barroso, ou o PSF de seu bairro e marcar sua mamografia. Mais informações no site do INSC: www.inscbarroso.com


primeira página

11

IX Prêmio Jovem Legislador Ainda há uma esperança!

Imagem: vivoverde.com.br

Foto retirade de paixaoporbarroso.blogspot.com.br

Institucionalizado pelos estabelecimentos de ensino de Barroso, já integrado ao calendário escolar, o IX PRÊMIO JOVEM LEGISLADOR foi um sucesso, com uma freqüência de 88%, considerando que dos 90 alunos sorteados, das 9 turmas do último período do Ensino Fundamental, 79 alunos compareceram ao certame. Na reunião da Câmara Municipal de quinta-feira, dia 3 de outubro de 2013, foi realizada a entrega dos prêmios aos vencedores. A turma do Colégio Invictus (sucessor do Colégio São José), que pela oitava vez venceu a competição, recebeu R$3.800,00 e a Escola foi contemplada com R$1.800,00. A turma nº 02 da Escola Estadual Geraldo Napoleão de Souza foi premiada com R$1.400,00. Os alunos Gustavo Henrique Dantas e Matheus Vale de Melo Possas (Invictus), com 19 pontos acertados em 20 questões, obtiveram a pontuação mais elevada. Neste ano, também de minha iniciativa, com o apoio de todos os Vereadores, visando incentivar a participação dos alunos no evento, foi acrescida ao prêmio a importância de R$1.000,00, que permitiu o sorteio de um tablet entre os alunos que compareceram, além de um Pen Drive sorteado entre os alunos de cada turma participante do evento. O aluno Eduardo Henrique Moreira, da Escola Cônego Luiz Giarola Carlos, foi

o sorteado com o tablet, enquanto os 10 Pen Drives foram sorteados para os alunos Júlia Bertolin Serafin, Natan Kaike de Paula, Rafael Antônio Moreira de Assis, Thamires Maria Barra Rodrigues, Matheus Vale de Melo Possas, Lorayne Mariane Ferreira, Michele Tamiris P. do Nascimento, Lumara Ap da Silva e Maria Cláudia do Nascimento Pedrosa. Um fato importante a destacar foi a presença da única aluna da Escola Silvano Albertoni, Thamires Maria Barra Rodrigues, que além de receber os prêmios, fez questão de se manifestar para falar sobre a importância do PRÊMIO JOVEM LEGISLADOR, que leva o jovem a refletir sobre a importância do voto e da participação consciente do cidadão na política, oportunidade em questionou também a falta de incentivo da direção da escola. Como forma de associar a determinação da Thamires ao grande empreendedor que foi o general italiano Silvano Albertoni, cuja escola tem o seu nome, fiz um breve relato sobre a sua história, a partir de 1925 quando chegou em Barroso e instalou aqui a Cerâmica Albertoni, além de ter integrado a Sociedade dos Amigos de Barroso, sobre a liderança de Geraldo Napoleão de Souza, para a bem sucedida luta pela emancipação política de Barroso. Artigo de Opinião Vereado Antônio Maria Claret de Souza

Sabemos que colhemos o que plantamos, a natureza nos ensina a todo o momento. Sábia, às vezes silenciosa, mas presente, basta a nossa atenção, basta um olhar mais abrangente, basta enxergar mais que a si mesmo. Não precisa de grandes filosofias, nem poetas, nem jornalistas, ela ensina a todos, sem distinção, de maneira inclusiva, muito antes de esta palavra ser tão discutida pelos pedagogos do mundo inteiro. Em meio a tantas manifestações em nosso Brasil, surgem algumas indagações. Será que o povo sabe o que quer? O que reclamam? Alguns chegam à ousadia de dizer que é apenas uma “farra na rua”. São vândalos! Realmente há vandalismo, mas é preciso olhar mais, em volta, e ver que há muita insatisfação, muita indignação. Precisamos realmente de nos recorrer à sabedoria da natureza. Um dia frio, no mesmo dia o calor. Chove demais em alguns lugares e, em outros, somente seca. O dia parece que diminuiu, passou rápido demais.A noite não é suficiente para descansar, continuamos cansados. A semana passou... chegamos ao final do ano. Já é quase Natal. Assim como a natureza reclama e avisa, a humanidade também. O consumismo engoliu, e nada é suficiente, precisa-se

de comprar e vender, vender e comprar, nem se sabe o quê. Nos tornamos mercadorias em liquidação. Enquanto alguns ganham muito, muitos ganham pouco. A desigualdade social é exorbitante; a miséria mora ao lado da fortuna. Como podemos explicar tantas disparidades? Como explicar um ser humano morrer por falta de atendimento médico? Como explicar um político condenado pela justiça ser mantido como representante legal do povo brasileiro? Que lei é essa? O Brasil da teoria não é o Brasil da prática. Não podemos manter uma educação feita em papel. Precisamos entender que não deixamos de ser humanos, sentimos fome e sede, somos carne e alma, somos razão e coração. O consumismo não consegue comprar a paz tão esperada pela humanidade. A juventude perdida esquecida nos cálculos. E o Natal, chegando mais uma vez, vindo também; décimo terceiro, árvore, presentes, guirlandas, piscapisca, comida e... IPVA. O que comemoramos mesmo? É aniversário de alguém? Acho que ainda dá tempo de se preparar e mudar o rumo da prosa. Artigo de Opinião Vereadora Deléia

Para onde vai Barroso? Com a expansão da fábrica de cimento a todo vapor, todos percebemos as mudanças no cotidiano de nossa cidade. De alguma maneira cada um de nós está sendo afetado por este empreendimento. O comércio está aquecido. Bares, restaurantes e lojas estão vendendo com nunca. Mudanças também no setor de entretenimento noturno, com bailes e festividades recebendo caras novas. Convenhamos que não foi nenhuma tragédia a vinda dos trabalhadores externos, como previam alguns. Como não podia deixar de ser, há efeitos colaterais de tanta movimentação social. Como diz a terceira lei de Newton, “toda ação gera reação”. São muitas as mudanças na antes pacata Barroso. Fiquemos com os exemplos dos Bancos que, com o aumento no número de clientes, viu explodir a demanda por serviços bancários e de auto-atendimento. Filas intermináveis, caixas eletrônicos com defeito e a incapacidade dos estabelecimentos financeiros de darem respostas rápidas e

adequadas a este aumento no número de correntistas. A vereadora Deléia comprou esta briga e não está dando sossego às instituições bancárias. Já não passou da hora dos Bancos, principalmente o Itaú, instalarem terminais de auto-atendimento no campo da empreiteira, tirando o movimento da sua sede e dando conforto e respeito a seus clientes? Mas eu queria aqui abordar outro assunto. Os transtornos e alterações imediatas no cotidiano da cidade já são deveras debatidos nas ruas e ante-salas. Pergunto: Para onde vai Barroso? E depois de concluída a obra de expansão da fábrica, como caminhará nossa querida Barroso? Transformaremo-nos numa pequena cidade rica, com renda per capta alta, advinda do aumento das arrecadações devido à ampliação? Teremos melhorias nos indicadores financeiros municipais, tão combalidos como mostrou

reportagem do Estado de Minas? T e r e m o s esporte e cultura ressuscitados depois de tenebroso inverno de administração soberba e virtual? Teremos obras que corrijam distorções como a má qualidade da iluminação pública? O canal parará de engolir carros e cidadãos. Barroso se transformará em um canteiro de obras? Obras “debaixo da terra” com recursos próprios da PMB, como esgoto e saneamento básico, sem carimbo governamental e sem politicagem? Para onde vai Barroso? Transformaremo-nos em uma pequena Cubatão da década de 80, com altos índices de poluição e violência? Teremos de viver enclausurados em nossas casas, com a sociedade encurralada pelas drogas?

“O horizonte que vai surgir, me consola, depende do caminho que vamos construir. O futuro é um labirinto para quem não sabe o que quer”. O que vai ser de nossa cidade depende de nossa atitude hoje. Precisamos melhorar nossa c a p a c i d a d e de escolha e não perder a capacidade de se indignar. Participar!

Artigo de Opinião Dr. Luciano Napoleão de Souza Médico Ginecologista e Obstetra


12

primeira página

OLHARES DE BARROSO A foto ao lado é de Márcio Vinícius Ferreira, integrante recente do “Olhares de Barroso”. Ele faz parte do grupo há cerca de cinco meses e tem a fotografia como um passatempo. “Sempre gostei de fotografia. É um hobby que sempre pretendo ter e, futuramente, ter grandes experiências na área”, afirma. Márcio, que tem 25 anos e é técnico em instalação, declara que se deslumbra com a arte fotográfica. “O interessante que eu acho da fotografia é que pode ter várias pessoas no mesmo lugar, mas cada um vai registrar de uma maneira diferente”. Contemplar e registrar as paisagens faz parte de seu cotidiano. “O que mais me chama a atenção para fotografar são paisagens, como o pôr-do-sol, a natureza; gosto de contemplar a beleza que Deus nos proporciona a cada dia”, declara. Essa foto foi feita no dia 08 de setembro, na Avenida Prefeito Genésio Graçano. Márcio usou uma câmera Sony Cyber Shot W180. Se você gosta de fotografar, ou de ver fotografias; se você gosta de contemplar belas imagens e ver novos olhares sobre nossa cidade, participe do “Olhares de Barroso”. Acesse:

www.facebook.com/groups/olharesdebarroso

“O olho do homem serve de fotografia ao invisível, como o ouvido serve de eco ao silêncio”. Machado de Assis

Jornal Primeira Página - Outubro de 2013  

Edição do mês de outubro de 2013

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you