Issuu on Google+

PREFEITURA BELO HORIZONTE Ano XVIII • N. 4.106 • R$ 0,80

BELO HORIZONTE Diário Oficial do Município - DOM

Tiragem: 2.500 • 7/7/2012

Performances e coreografias

O que acontece na 4ª edição do Horizontes Urbanos Terça, dia 10 Praça da Liberdade 17h – “Bolero de 4”, com João Rafael e Luiz Abreu (BA) 17h20 – “Parada 7”, com a Cia MN (MG) 17h40 – “Adiós a los que hábeis ido”, com Asier Zabaleta (Espanha) 18h – “Rojo Manso”, com La Intruza Danza (Espanha)

Quarta, dia 11 Praça da Savassi 16h – “Rojo Manso”, com La

Intruza Danza (Espanha) 16h30 – “Bolero de 4”, com João Rafael e Luiz Abreu (BA) 17h – “Parada 7”, com a Cia MN (MG) 18h – “Adiós a los que hábeis ido”, com Asier Zabaleta (Espanha)

Quinta, dia 12

Av. Afonso Pena esq. com rua Espírito Santo 12h – “Parada 7”, com a Cia MN (MG) 12h30 – “Ação Terminal”, com o Coletivo 012 (SP)

Campanha espanhola La Intruza Danza vai apresentar “Rojo Manso”

Cefar, Palácio das Artes 19h – Workshop “Árvores”, com Clarice Lima (SP)* *Inscrições serão feitas a partir das 18h.

Guto Muniz

O trajeto ao trabalho, a ida à escola ou o simples fato de caminhar pela cidade poderá ter tom de surpresa para os moradores e visitantes mais atentos da capital a partir de terça-feira, dia 10. O motivo é a chegada do coletivo de artistas nacionais e estrangeiros, integrantes do projeto Horizontes Urbanos Vivo EnCena, que transformam os espaços públicos em verdadeiros palcos inusitados para dança e performance. A ideia é provocar um novo olhar acerca da arquitetura local e oferecer ao público a oportunidade de perceber a rua não só como local de passagem, mas também como espaço interativo e de inspiração. Serão mais de 20 apresentações vindas da Espanha, França e também de Salvador, Recife e São Paulo, além de Belo Horizonte, que serão exibidas em sete lugares da cidade. A iniciativa faz parte da rede internacional Ciudades que Danzan (CQD), sediada em Barcelona, na Espanha. A programação, integralmente gratuita, vai até domingo, dia 15. Confira a programação completa nesta página. Entre as intervenções que tomam conta da cidade o público poderá assistir ao espetáculo de dança contemporânea “Rojo Manso”, apresentado pela companhia espanhola La Intruza Danza. Em cena, os bailarinos Virgínia Garcia e Damián Muñoz tentam transpor a relação do movimento com o fluxo natural da vida. A coreografia surge a partir do contato dos corpos dos dançarinos, desencadeando daí gestos e nuances onde os efeitos da ação e reação predominam. Outro destaque é que em outras duas atrações os artistas utilizam de objetos e máquinas como interlocutores. No espetáculo francês “Transports Exceptionelles”, uma escavadeira se torna objeto de interação, enquanto que na apresentação nacional “Bolero de 4”, o dançarino soteropolitano João Rafael Neto faz uso de uma bicicleta BMX, utilizada em competições de bicicross. Além das danças e coreografias singulares, o projeto mescla manifestações poéticas, políticas e bem humoradas em seus espetáculos. Tudo isso com o intuito de provocar reflexão, identificação e potencializar as formas do espectador de pensar, ver e interpretar as cenas do dia a dia. “Através do desenho do movimento, a dança modifica a cena cotidiana, embeleza, instiga questionamentos interiores, alegra e deixa uma sensação não identificada, mas sensorial”, explica Wagner Tameirão, um dos organizadores do Horizontes Urbanos Vivo EnCena, ao lado de Jacqueline de Castro e Marise Dinis. “Ao aliar a dança com o cotidiano das pessoas são criados pontos de contato, estranhamento e surpresa, quebrando a ‘linha reta da vida’, abrem-se janelas com cenários diferentes, sem contar a valorização do espaço público”, completou. O Horizontes Urbanos promove ações que incluem a participação popular. Uma delas é o workshop “Árvore”, ministrado pela bailarina e coreógrafa cearense Clarice Lima. A realização deste encontro tem o objetivo de preparar os participantes para realizar uma performance original, que será apresentada no dia 14, na Praça Floriano Peixoto, e no dia 15, no Parque Ecológico da Pampulha. A reunião também discute práticas de dança em espaços não convencionais. Para participar do workshop basta comparecer, a partir das 18h, no Centro de Formação Artística (Cefar), da Fundação Clóvis Salgado (avenida Afonso Pena, 1.537, Centro), nos dias 12 e 13, quinta e sexta. Clarice é formada em dança pela Amsterdam Hogeschool voor de Kunsten, na Holanda. A artista já trabalhou com alguns dos melhores coreógrafos europeus e desenvolveu diversos trabalhos em parceria com o Centro Cultural de São Paulo, como “Aero Moças”, “Saia” e “Day Project”. Outras informações e detalhes também podem ser obtidas pelo site www.horizontesurbanos.com.

Sexta, dia 13 Rodoviária 16h – “Ação Terminal”, com o Coletivo 012 (SP) 16h30 – “Estar Aqui ou Ali”, com Kleber Lourenço (PE) Cefar, Palácio das Artes 19h – Workshop “Árvores”, com Clarice Lima (SP)* *Inscrições serão feitas a partir das 18h.

Sábado, dia 14 Praça da Saúde 10h – Projeto Incentivo, com o Grupo de Dança de Rua Estilo Urbano (MG) 10h15 – “Rojo Manso”, com La Intruza Danza (Espanha) 10h45 – “Estar Aqui ou Ali”, com Kleber Lourenço (PE) Praça Floriano Peixoto 15h – “Árvores”, com Clarice Lima (SP) e participantes do workshop Memorial Minas Vale 16h – Debates Vivo EnCena “Horizontes Urbanos – O Corpo e a Arte nas Ruas”, com Luiz Carlos Garrocho, Dudude, Uxa Xavier e outros convidados

Domingo, dia 15 Parque Ecológico da Pampulha 10h30 – “Transports Exceptionelles”, com Cie Beau Geste (França) 11h – “Adiós a los que hábeis ido”, com Asier Zabaleta (Espanha) 15h – “Árvores”, com Clarice Lima (SP) e participantes do workshop 16h – “Transports Exceptionelles”, com Cie Beau Geste (França) Praça do Parque Guanabara 12h – “Bolero de 4”, com João Rafael e Luiz Abreu (BA)

Mozar Santos

Projeto Horizontes Urbanos leva mais de 20 apresentações para as ruas, praças e parques da capital, em uma programação com montagens nacionais e estrangeiras

Eva Ferrera

de todos os cantos do mundo nas ruas de BH


BELO HORIZONTE Diário Oficial do Município

2

Poder Executivo Sábado, 7 de julho de 2012

Centro Cultural Zilah Spósito homenageia Mazzaropi e entusiasta da vida e obra do comediante. O filme é uma comédia que narra a história de um homem do campo, interpretado por Mazzaropi que, para não se defrontar com um bando de cangaceiros se disfarça e acaba sendo confundido como um deles. Incrementando a farsa, faz sua família se passar por seu bando e acaba parando em um acampamento de verdadeiros cangaceiros. Lá, o destemido Lamparina terá de provar ser, de fato, um cabra valente.

Fotos: Divulgação

Em comemoração ao centenário de Mazzaropi, um dos maiores comediantes do cinema nacional, o projeto Rede BH Cineclube, da Fundação Municipal de Cultura, promove na terça-feira, dia 10, às 19h, uma sessão comentada do filme “O Lamparina” no Centro Cultural Zilah Spósito (Rua Coquilho, 75, bairro Zilah Spósito). A entrada é gratuita. O filme, de 1963, foi produzido por Amácio Mazzaropi e dirigido por Glauco Mirko Laurelli. A sessão será comentada por Vicente Paula de Souza, idealizador do projeto

Mazzaropi completaria 100 anos em 2012

O comediante Amácio Mazzaropi era filho de um imigrante italiano e de uma portuguesa, nascido no bairro de Santa Cecília, em São Paulo, no dia 9 de abril de 1912. Aos 14 anos, deixou a casa dos pais para acompanhar o Circo La Paz, da capital paulista, e assim começou a sua longa carreira artística. Em 1946, estreou na Rádio Tupi, com o programa Rancho Alegre, encenado ao vivo no auditório da rádio e dirigido por Cassiano Gabus Mendes. Quatro anos depois, o mesmo programa estreou na televisão. Fez seu primeiro filme em 1952, “Sai da Frente”, e em 1958 abriu a própria produtora, a Produções Américo Mazzaropi (PAM). Seu primeiro filme foi “Chofer da Praça”, um grande sucesso, e em 1962, começou a produzir um de seus filmes mais famosos, “Jeca Tatu”. Mazzaropi, que era conhecido por falar a língua do povo, fez 32 longas ao longo de sua carreira como cineasta, contando histórias que abordavam o racismo, a religião, a política e a ecologia, lotando cinemas. Morreu em 13 de junho de 1981, aos 69 anos, vítima de um câncer na médula óssea.

Novos Registros discute automação de arquivos zonte e faz parte do projeto Novos Registros – Banco de Teses sobre BH, que a cada mês convida profissionais que tenham feito trabalhos acadêmicos sobre a cidade em diversos campos do conhecimento ou acerca de temas afins à área cultural e à preservação de acervos para apresentações e debates com o público. O auditório do Centro de Cultura Belo Horizonte fica na rua da Bahia, 1.149, Centro. A entrada é gratuita. A dissertação de mestrado em Ciência da Informação foi de-

Divulgação

A Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Fundação Municipal de Cultura e do Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte, realiza a palestra “Sistemas eletrônicos de gerenciamento de documentos arquivísticos: um questionário para escolha, aplicação e avaliação”, com o mestre em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Leandro Ribeiro Negreiros. A apresentação acontece na terça, dia 17, às 19h, no Centro de Cultura Belo Hori-

Leandro Ribeiro é mestre em ciência da Informação e vai comandar a palestra no CCBH

fendida na UFMG em 2007 e discute a automação de arquivos. O objetivo do trabalho foi elaborar um questionário para ser utilizado por especialistas e arquivistas durante a seleção, a aplicação e a avaliação de um sistema eletrônico de gerenciamento de documentos, servindo de auxílio para a automação de arquivos. A pesquisa do professor do curso de Arquivologia da UFMG contou com a participação de especialistas provenientes das áreas de arquivologia e de ciência da computação, o que caracteriza o trabalho como multidisciplinar. Produtores de software também analisaram, avaliaram, propuseram modificações no questionário e discutiram, por meio de entrevistas, o processo de automação de arquivos. A dinâmica de elaboração desse questionário, a terminologia a ser utilizada e as especificidades de cada área envolvida constituem o foco da dissertação de mestrado. Após a palestra, o autor participará de um bate papo com o público. Os trabalhos que compõem o projeto Novos Registros podem ser consultados, pessoalmente, no Banco de Teses do Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte, localizado na rua Itambé, 227, na Floresta. O público terá direito a um certificado de participação. O documento deve ser solicitado por meio do livro de presença disponível no dia do evento e a sua entrega acontecerá ao final do debate.

O projeto O Rede BH Cineclube é um projeto da Fundação Municipal de Cultura (FMC), por meio do Departamento de Coordenação dos Centros Culturais, que propõe a exibição periódica, em cada centro cultural, de filmes fora do circuito comercial, privilegiando as produções nacionais, mas alcançando também as estrangeiras de qualidade.

Postos municipais do Sine ofertam emprego e qualificação Os cursos de qualificação que são oferecidos por meio dos postos municipais do Sine contemplam variados setores e colocam à disposição do cidadão belo-horizontino um leque de opções. A Prefeitura de Belo Horizonte oferece cursos nas áreas de alimentação, beleza, construção civil, comércio e administração. Os destaques são os cursos de cozinha brasileira e confeitaria, NR-10 e eletricista de manutenção predial, depilação, informática básica aplicada à prestação de serviços, noções de espanhol instrumental, recepção com ênfase em hotelaria, cuidador de idosos e técnicas de texturização em paredes. A Secretaria Municipal de Trabalho e Emprego divulga também as seguintes vagas de emprego: auxiliar de dentista, auxiliar financeiro, limpador de vidros, porteiro e técnico eletrônico. Para os candidatos que não possuem experiência profissional, há vagas para atendente de balcão, auxiliar de limpeza, operador de caixa e repositor de mercadorias.

Confira os endereços dos Sines municipais: Sine Barreiro: Rua Barão de Coromandel, 982, Barreiro, das 8h às 17h Sine BH Resolve: Rua Caetés, 342, Centro, de 8h às 18h Sine Niat: Rua Espírito Santo, 505, 1º andar, Centro, das 8h às 17h Sine Venda Nova: Rua Padre Pedro Pinto, 1.055, Venda Nova, das 8h às 17h Para mais informações, a Prefeitura coloca à disposição dos cidadãos o telefone 156 e o site www.pbh.gov.br/melhoremprego.


BELO HORIZONTE

Poder Executivo

Diário Oficial do Município

Sábado, 7 de julho de 2012

3

Fórum da Criança e do Adolescente da Regional Centro-Sul amplia discussões sobre as formas de prevenção à violência da oficina de Teatro e Circo. Também foi apresentado um vídeo sobre o tema proposto, feito pelos próprios alunos da Escola Municipal Marconi. Igor Bicalho, de 15 anos, aluno do Marconi, parabenizou os educandos do projeto Criança Esperança. “Através das apresentações a gente se conscientizou de que a violência não leva ninguém a lugar algum. Gostei da iniciativa”, disse. O tema do último fórum foi escolhido pelos próprios adolescentes. Para a gerente de Atendimento Social Centro-Sul, Jaqueline Lago, o encontro foi bastante positivo e a abordagem desenvolvida garantiu uma boa interação dos presentes. “Estamos dando mais ênfase a esse assunto para que os jovens não caiam nesse círculo da violência”, ressaltou Jaqueline. O Fórum da Criança e do

Adolescente é um espaço onde é discutido tanto o direito da criança e do adolescente quanto os seus

deveres na prevenção da violência. O tema do próximo fórum, escolhido pelos próprios adoles-

centes, é “Exploração Infanto-Juvenil” e está previsto para acontecer no dia 30 de agosto.

Gercom Centro-Sul

A Regional Centro-Sul, por meio da Gerência de Atendimento Social, realizou na última semana o Fórum da Criança e do Adolescente, no auditório da Escola Municipal Marconi, no bairro Santo Agostinho. O evento teve a participação de 46 pessoas e teve como tema “Reflexões sobre a violência”, cujas abordagens priorizaram as formas de prevenção à violência contra crianças e adolescentes. No encontro foram realizadas rodas de conversas para discutir os aspectos essenciais do problema, refletir sobre novas formas de prevenção à violência, além de abordar as maneiras de reconhecer os maus tratos em crianças e adolescentes. Durante o fórum, os educandos do projeto Criança Esperança, do Aglomerado da Serra, apresentaram coreografias da oficina de hip hop com as esquetes

Evento abordou formas de prevenção à violência e rodas de conversa serviram para discutir aspectos do problema

Projeto Conversa com a Previdência reúne servidores em Venda Nova (BHPrev). As mudanças acompanham uma lógica previdenciária mundial, além de atender as exigências da constituição brasileira, gerenciadas pelo Ministério da Previdência. O encontro focalizou a existência do Conselho de Administração do Regime, que dá as orientações a serem cumpridas pela Secretaria Municipal Adjunta de Gestão Previdenciária (SMAGP), órgão gestor da previdência municipal. Ele possui composição paritária entre representantes do município, servidores ativos, aposentados e pensionistas.

Gercom Venda Nova

Servidores efetivos da Regional Venda Nova participaram durante a semana de um encontro do Conversa com a Previdência, projeto que visa difundir as informações e estimular o debate sobre a reestruturação do Regime Próprio de Previdência Social dos Servidores Municipais (RPPS), promovida pela lei 10.362/11. Os servidores ficaram sabendo das modificações que a lei trouxe para a vida do servidor ativo, aposentado e pensionista, entre elas a segregação de massas, com a criação do Fundo Financeiro (Fufin) e do Fundo Previdenciário

O motorista da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU), Josias dos Santos, de 51 anos, que trabalha com a coleta de resíduos hospitalares na região Centro-Sul da capital, foi escolhido como o segundo melhor prestador de serviço de instituição pública municipal, no concurso Motorista e Motociclista Padrão Minas Gerais 2012, promovido pelo Departamento de Trânsito de Minas Gerais (Detran-MG). A premiação anual seleciona motoristas e motociclistas que dirigem vários tipos de veículos e se destacam por ter um excelente histórico no trânsito. Josias foi premiado pelo seu ótimo desempenho nas ruas de Belo Horizonte, principalmente as do Centro, uma área que requer muito cuidado e atenção. “Fiquei emocionado e isso ensina a gente a valorizar a profissão. Meus amigos e familiares me ligaram pa-

rabenizando. É legal ter essa história no currículo”, afirma o motorista, que trabalha há oito anos como motorista de coleta de resíduos hospitalares e nunca se envolveu em nenhum acidente. A esposa de Josias, Maria Aparecida Fagundes, ficou orgulhosa com a premiação recebida pelo marido. “Estou muito feliz, pois ele é uma pessoa responsável e dedicada”, disse. O chefe de Josias dos Santos na Seção de Operação de Limpeza da Regional Centro-Sul, João Cândido, também confirma o empenho do profissional. “Ele mereceu. E isso incentiva outros motoristas também. O pessoal ficou feliz por ele ter recebido o prêmio”, conta. A solenidade de premiação dos motoristas irá acontecer no auditório da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), no bairro Funcionários, no dia 25 de julho.

SLU

Motorista da SLU é premiado em concurso do Detran

Josias dos Santos trabalha com a coleta de resíduos hospitalares na região Centro-Sul


BELO HORIZONTE

Poder Executivo

Diário Oficial do Município

58

Sábado, 7 de julho de 2012

INDICADORES ECONÔMICOS DE BELO HORIZONTE Taxas de Juros – Junho de 2012

Evolução dos Preços ao Consumidor IPCA(1) Período

IPCR(2) Variação (%)

Índice de Base Fixa (4ª Jul/94=100)

No mês

No ano

Últimos 12 Meses

376,82

2,60

2,60

7,67

jan/12

Taxas médias praticadas(1)

Setores

Variação (%)

Índice de Base Fixa (4ª Jul/94=100)

No mês

No ano

Últimos 12 Meses

378,82

1,78

1,78

6,57

Menor

Maior

Diferença (%)

Média

2,22

5,90

165,77

4,43

Empréstimos pessoa física Alimentício Automóveis Novos

fev/12

376,52

-0,08

2,52

6,76

378,86

0,01

1,79

6,13

Prefixada (montadoras)

0,99

2,04

106,06

1,55

mar/12

377,65

0,30

2,83

6,41

380,72

0,49

2,29

5,87

Prefixada (multimarcas)

1,41

2,14

51,77

1,82

abr/12

378,93

0,34

3,18

5,89

382,81

0,55

2,85

5,58

mai/12

380,18

0,33

3,52

5,62

384,84

0,53

3,40

5,44

1,66

jun/12

380,60

0,11

3,63

5,77

385,84

0,26

3,67

Automóveis Usados

5,80

0,99

2,14

116,16

Prefixada (multimarcas)

1,54

2,50

62,34

2,07

11,90

13,95

17,23

12,81

4,11

9,74

136,98

8,16

1,52

11,53

658,55

6,79

Imóveis Construídos

0,21

2,90

1.280,95

1,68

Imóveis na Planta

0,21

2,55

1.114,29

1,43

0,84

3,40

304,76

1,95

1,92

5,57

190,10

3,26

1,12

2,77

147,32

1,62 4,59

Cartão de Crédito

(1) IP CA = Índice de P reço s ao Co nsumido r A mplo : mede a evo lução do s gasto s das famílias co m renda de 1a 40 salário s mínimo s na cidade de B elo Ho rizo nte (2) IP CR= Índice de P reço s ao Co nsumido r Restrito : mede a evo lução do s gasto s das famílias co m renda de 1a 6 salário s mínimo s na cidade de B elo Ho rizo nte

Cheque Especial

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

(2) (8)

Combustíveis Construção Civil

Índice de Confiança do Consumidor Variação (%)

Índice de Base Fixa (Maio/04=100)

Período

Prefixada (montadoras)

No mês

No ano

ICCBH(1)

IEE(2)

IEF(3)

jan/12

136,25

193,98

117,79

-1,88

0,22

-2,97

-1,88

fev/12

136,23

197,35

116,70

-0,02

1,74

-0,93

-1,90

mar/12

137,04

198,94

117,26

0,59

0,81

0,48

-1,31

abr/12

133,26

192,29

114,40

-2,76

-3,34

-2,44

mai/12

132,66

191,25

113,94

-0,45

-0,54

jun/12

136,02

201,88

114,97

2,53

5,56

ICCBH

IEE

IEF

ICCBH

Últimos 12 Meses

IEE

IEF

ICCBH

0,22

-2,97

1,96

-3,87

2,79

-4,04

-0,40 0,90

(3) (7)

Cooperativas de Crédito (empréstimo)

IEE

IEF

-0,93

0,29

-1,58

CDC - Financeiro (8)

0,23

0,71

0,00

CDC - Bens Alienáveis

-3,41

-1,35

1,45

-2,80

Eletroeletrônicos

2,99

5,85

95,65

-0,65

-5,77

-3,26

2,51

-6,10

Mobiliário

0,94

5,82

519,15

2,84

-4,47

-1,18

-6,14

-0,59

6,01

-3,79

Financeiras Independentes

11,32

16,03

41,61

13,60

-2,05

4,31

-5,29

0,13

7,80

-3,71

Nacional

1,21

2,39

97,52

1,80

Internacional

1,16

2,39

106,03

1,59

1,49

8,14

446,31

3,74

Crédito Direto ao Consumidor (CDC)

(8)

Turismo

(1) ICCB H: Índice de Co nfiança do Co nsumido r de B elo Ho rizo nte: trata-se de um indicado r que tem po r finalidade sintetizar a o pinião do s co nsumido res em B elo Ho rizo nte quanto ao s aspecto s capazes de afetar as suas decisõ es de co nsumo atual e futuro (2) IEE: Índice de Expectativa Eco nô mica: retrata a expectativa do co nsumido r em relação ao s indicado res macro eco nô mico s

Vestuário e Calçados

(3) IEF: Índice de Expectativa Financeira: retrata a co nfiança do co nsumido r a respeito de alguns indicado res micro eco nô mico s FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

Empréstimos pessoa jurídica

Residenciais Período Índice de Base Fixa (Jul/94=100)

Comerciais

Variação (%) No mês

Últimos 12 Meses

No ano

Variação (%)

Índice de Base Fixa (Jul/94=100)

No mês

No ano

(8)

1,06

3,63

242,45

2,20

Capital de Giro (8)

0,99

6,02

508,08

2,51

Conta Garantida (8)

1,40

7,65

446,43

4,46

Desconto de Duplicatas

Evolução do Mercado Imobiliário: Aluguéis

Captação

Últimos 12 Meses

CDB 30 dias

(4)

0,67

Cooperativas de Crédito (aplicação)

0,84

dez/11

411,68

1,01

10,48

10,48

549,68

1,45

13,49

13,49

Fundo de Investimento Curto Prazo

0,20

0,50

150,00

0,38

jan/12

412,87

0,29

0,29

10,16

551,72

0,37

0,37

12,63

Fundo de Investimento Longo Prazo

0,44

0,55

25,00

0,50

fev/12

415,22

0,57

0,86

9,56

558,01

1,14

1,51

12,17

Poupança (5)

mar/12

419,21

0,96

1,83

9,62

562,53

0,81

2,34

12,31

0,55

Taxa SELIC (6)

0,68

(1) Co nsidera-se a média das taxas praticadas pelo s info rmantes

(5) Taxa referente ao primeiro dia do mês subsequente (6) M édia po nderada pela vigência

(3) Inclui a variação do s indexado res CUB , TR, INCC e IGP -M

(7) No vo cálculo co nsiderando o perío do do s índices que co mpõ em a estimativa (8) Dado s co letado s a partir de info rmaçõ es co nso lidadas no B anco Central do B rasil

abr/12

420,80

0,38

2,22

9,26

565,00

0,44

2,79

11,80

(2) Não são co nsideradas vantagens pro gressivas

mai/12

425,85

1,20

3,44

9,89

572,40

1,31

4,13

12,31

(4) Taxa A NB ID do primeiro dia útil do mês e pro jetada para 30 dias

.. Não se aplica dado s numérico s

Tarifas Bancárias – Junho de 2012

Valores médios (em R$) dos aluguéis residenciais por classe de bairro(*) - Maio de 2012

Forma de Cobrança

Produtos / serviços(1)

Imóveis

Apartamentos

Popular

Médio

Alto

Luxo

491,00 (10)

557,50 (4)

647,89 (19)

1560,21 (47)

Conf ecção de cadastro para início de relacionamento - CADASTRO

CARTÃO - Fornecimento de 2º via de cartão com f unção débito

por cliente

5,50

10,00

81,82

7,50

899,68 (79)

1031,46 (103)

1973,87 (106)

CARTÃO - Fornec. de 2ª via de cartão com f unção mov. conta de poupança

por cliente

5,50

10,00

81,82

7,25

Apartamento 2 Quartos

612,17 (46)

CHEQUE - Exclusão do Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundo (CCF)

721,11 (27)

864,71 (17)

1098,00 (25)

1350,00 (8)

1063,02 (43)

1226,96 (79)

1463,39 (168)

2347,89 (279)

-

(3)

1775,00 (4)

2863,64 (11)

2350,00 (4)

2366,67 (6)

2364,47 (38)

4166,67 (171)

390,83 (12)

462,22 (9)

(2)

-

516,00 (5)

567,78 (9)

(2)

-

(2)

(3)

(1)

-

Apartamento 3 Quartos 1 Banho Apartamento 3 Quartos 2 ou mais Banhos

Apartamento acima de 4 Quartos e 2 Banhos Barracão 1 Quarto Barracão 2 Quartos Casa 1 Quarto Casa 2 Quartos Casa 3 Quartos e 1 Banho Casa 3 Quartos e 2 ou mais Banhos

673,53 (17)

799,33 (15)

1078,57 (7)

-

872,50 (16)

991,67 (6)

1125,00 (4)

(3)

1203,64 (11)

1555,56 (9)

2547,50 (20)

5025,00 (4)

0,00

..

32,29

por Operação

30,00

52,00

73,33

42,83

CHEQUE - Contra-ordem e oposição ao pagamento de cheque

por cheque

11,00

15,00

36,36

11,90

CHEQUE - Fornecimento de f olhas de cheque

por cheque

1,00

1,55

55,00

1,39

CHEQUE - Cheque Administrativo

por Cheque

20,00

30,00

50,00

23,59

CHEQUE - Cheque Visado

por cheque

0,00

21,00

..

15,78

Saque de conta de depósitos à vista e de poupança - SAQUE pessoal

por operação

2,00

3,50

75,00

2,33

Saque de conta de depósitos à vista e de poupança - SAQUE Terminal

por operação

1,30

3,00

130,77

1,93

Saque de conta de dep. à vista e de poupança - SAQUE correspondente

por operação

1,30

2,30

76,92

1,83

DEPÓSITO - Depósito Identif icado

por operação

0,00

3,50

..

2,09

Forn. de ext. de um periodo conta dep. à vista e poup. - EXTRATO (P)

por operação

2,00

6,00

200,00

3,25

Forn. de ext. de um periodo conta dep. à vista e poup. - EXTRATO (E)

por operação

1,45

3,00

106,90

2,12

Forn. de ext. de um periodo conta dep. à vista e poup. - EXTRATO (C)

por operação

0,00

2,00

..

1,27

Ext. mensal de conta de dep. à vista e poup. p/um período -EXTRATO(P)

por operação

1,45

6,00

313,79

3,17

Ext. mensal de conta de dep. à vista e Poup. p/um período - EXTRATO(E)

por operação

1,45

5,00

244,83

2,39

Ext. mensal de conta de dep. à vista e poup. p/um período - EXTRATO(C)

por operação

0,00

5,00

..

2,04

Fornecimento de cópia de microf ilme, microf icha ou assemelhado

por operação

4,50

6,00

33,33

5,69

Transf erência agendada por meio de DOC/TED - DOC/TED agendado(P)

por operação

0,00

19,00

..

13,13

Transf erência agendada por meio de DOC/TED - DOC/TED agendado(E)

por operação

0,00

12,50

..

7,80

Transf erência agendada por meio de DOC/TED - DOC/TED agendado(I)

por operação

0,00

11,50

..

Transf erência entre contas na própria instituição- TRANSF. RECURSOS(P)

por operação

1,00

2,95

195,00

1,45

Transf erência entre contas na própria instituição-TRANSF.RECURSOS(E/I)

por operação

0,00

2,70

..

1,03

Ordem de Pagamento - ORDEM PAGAMENTO

por operação

24,00

27,00

12,50

25,52

por evento

13,40

20,00

49,25

14,85

(3)

(1)

(3)

-

2633,33 (6)

(3)

3271,43 (7)

7942,86 (28)

Transf erência por meio de DOC - DOC Pessoal (3)

7,40

Transf erência por meio de DOC - DOC eletrônico (3)

por evento

0,00

12,50

..

7,82

Transf erência por meio de DOC - DOC internet (3)

por evento

6,00

11,50

91,67

8,03

Transf erência por meio de TED - TED pessoal (3)

por evento

13,40

20,00

49,25

14,77

Transf erência por meio de TED - TED eletrônico (3)

por evento

0,00

12,50

..

7,82

Transf erência por meio de TED - TED internet (3)

por evento

0,00

8,60

..

7,92

por operação

30,00

49,00

63,33

43,20

Concessão de adiantamento a depositante - ADIANT. DEPOSITANTE PACOTE PADRONIZADO PESSOA FÍSICA PACOTE PADRONIZADO PESSOA FÍSICA

por evento

10,50

18,00

71,43

13,35

a cada 365 dias

24,00

54,00

125,00

44,33

Fornecimento de 2ª via de cartão com f unção crédito

por evento

0,00

15,00

..

6,53

Utilização de canais de atend. para retirada em espécie - no país

por evento

4,00

15,00

275,00

8,16

Pagamento de contas utilizando a f unção crédito em espécie

por evento

1,99

15,00

653,77

10,40

CARTÃO DE CRÉDITO (3) Anuidade - cartão básico nacional

Avaliação emergencial de crédito

(*) O valo r entre parênteses representa o número de imó veis utilizado s no cálculo da respectiva média. Na maio ria das vezes, so mente são publicado s valo res médio s o btidos a partir de quatro imóveis pesquisado s. Os caso s em que não fo i pesquisado nenhum imó vel são indicados po r hífen (-). Os valo res médio s referentes a apartamentos de 1e 2 quarto s da classe luxo são influenciado s pela oferta de Flats.

Anuidade - cartão básico internacional Utilização de canais de atend. para retirada em espécie - no exterior

por evento

0,00

15,00

..

13,13

a cada 365 dias

0,00

90,00

..

86,67

por evento

7,90

30,00

279,75

13,99

(2) Co nsidera-se a média das tarifas praticadas pelo s banco s pesquisado s

(1) Não são co nsideradas vantagens pro gressivas

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

Fo nte: B anco Central do B rasil / B anco s - Dado s trabalhado s pela Fundação IP EA D/UFM G

.. Não se aplica dado s numérico s

Quantidade

Valores (em R$)

Contribuição na variação (p.p.)

Açúcar cristal

3,00 kg

4,69

-0,08

Arroz

3,00 kg

6,06

0,05

Banana caturra

12,00 kg

24,72

0,05

Batata inglesa

6,00 kg

10,86

0,86

Café moído

0,60 kg

7,61

0,02

Chã de dentro

6,00 kg

92,10

-0,95

Farinha de trigo

1,50 kg

3,11

0,01

Feijão carioquinha

4,50 kg

23,85

-0,66

7,50 lt

15,53

0,03

750,00 gr

14,44

-0,23

Produto

Variação (%)

Índice de Base Fixa (Jul/94=100)

No mês

No ano

Últimos 12 Meses

IPCA(1)

Salário Mínimo

Cesta Básica (2)

IPCA

Salário Mínimo

Cesta Básica

IPCA

Salário Mínimo

Cesta Básica

IPCA

Salário Mínimo

Cesta Básica

jan/12

376,82

960,02

479,24

2,60

14,13

4,08

2,60

14,13

4,08

7,67

15,19

13,77

fev/12

376,52

960,02

456,21

-0,08

0,00

-4,81

2,52

14,13

-0,92

6,76

15,19

6,28

mar/12

377,65

960,02

449,38

0,30

0,00

-1,50

2,83

14,13

-2,40

6,41

14,13

-1,28

abr/12

378,93

960,02

447,96

0,34

0,00

-0,31

3,18

14,13

-2,71

5,89

14,13

3,41

Leite pasteurizado

mai/12

380,18

960,02

459,94

0,33

0,00

2,67

3,52

14,13

-0,11

5,62

14,13

3,03

Manteiga

jun/12

380,60

960,02

463,13

0,11

0,00

0,69

3,63

14,13

0,58

5,77

14,13

7,48

(1) IP CA = Índice de P reço s ao Co nsumido r A mplo : mede a evo lução do s gasto s das famílias co m renda de 1a 40 salário s mínimo s na cidade de B elo Ho rizo nte (2) Cesta B ásica: representa o s gasto s de um trabalhado r adulto co m a alimentação definida pelo Decreto -lei 399/38

ND: não dispo nível

Custo da Cesta Básica (*) – Junho de 2012

Evolução da inflação, salário mínimo e cesta básica

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

59,00

OPERAÇÕES DE CRÉDITO

Casa 4 Quartos e até 2 Banhos Casa 4 Quartos e 2 Banhos

por evento

CONTAS DE DEPÓSITOS

TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

Barracões

Período

Menor (R$) Maior (R$) Diferença (%) Média (2) (R$)

CADASTRO

Apartamento 1 Quarto

Apartamento 4 Quartos e até 2 Banhos

Casas

ND - não dispo nível

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

Óleo de soja

1,00 un

3,23

0,01

Pão francês

6,00 kg

37,80

0,07

Tomate

9,00 kg

24,30

1,52

(*) Cesta B ásica: representa o s gasto s de um trabalhado r adulto co m a alimentação definida pelo Decreto -lei 399/38 FONTE: Fundação IP EA D/UFM G


BELO HORIZONTE

Poder Executivo

Diário Oficial do Município

Sábado, 7 de julho de 2012

59

Informações sobre a população negra do Barreiro foram apresentadas no Fórum da Promoção da Igualdade Racial. Dados do Censo de 2010 referentes à renda familiar, número de habitantes por raça e cor e a realidade da saúde da população negra na região foram apresentados

à comunidade no final de junho. O número de pessoas que se autodeclararam da raça/cor preta, aumentou de 9% no Censo 2000 para 12% no Censo 2010. “Atribuímos esse aumento às campanhas que desde o ano 2000 estão sendo feitas para a promoção da raça negra. Por esse

Número de pessoas que se autodeclararam negros aumento de 9% para 12% em dez anos

motivo, as pessoas estão aceitando a sua cor e declarando-a sem nenhuma vergonha”, disse Marilene Conceição de Souza, servidora da Regional Barreiro, responsável pela sistematização dos dados. Um fato não tão positivo é que a renda média familiar desta população ainda está entre um e três salários mínimos. “Os bairros com maior número de pessoas da raça/cor preta são aqueles com um poder aquisitivo mais baixo”, observa Marilene. Médicas da Secretaria Municipal de Saúde, Mônica Lisboa e Rejane Reis apresentaram dados sobre a saúde da população negra na região. “É importante divulgar esses dados para que a realidade dessa população mude. O negro é a população que mais morre de causas mal definidas”, alertou Mônica. Isso ocorre quando a pessoa já chega ao hospital em óbito e não é possível identificar a doença que causou sua morte. Para mudar esse quadro, a médica Rejane Reis conclamou

Fotos: Érika Sanny

Dados sobre a população negra do Barreiro são apresentados em Fórum da Promoção da Igualdade Racial

Informações sobre a saúde das pessoas negras foram apresentadas

uma ação conjunta para reduzir as diferenças entre o branco e o negro. “A nossa luta deve ser

constante. É necessário que todos trabalhem a questão racial na saúde, na educação ou na cultura.”

Seminário reúne mais de 400 agentes comunitários de saúde do Barreiro nário realizado no final de junho no 41º Batalhão da Polícia Militar. O objetivo do encontro foi po-

tencializar habilidades, alinhar competências, integrar e promover um novo olhar sobre o traba-

lho realizado, para si e para o usuário do Sistema Único de Saúde. Segundo a gerente de Saúde da Regional Barreiro, Renata Mascarenhas, o evento serviu para discutir o processo de trabalho dos agentes e o serviço de qualidade. Uma amostra do potencial e do talento da equipe foi dada na abertura do evento. O Coral do Centro de Saúde Miramar, composto por 14 agentes, deu ar festivo à abertura do seminário. Eles também surpreenderam ao encenar a peça “Situações e Companhia”, retratando a abordagem do ACS aos domicílios. De forma engraçada, nove integrantes do Centro de Saúde Vale do Jatobá mostraram como as pessoas recebem os agentes comunitários, os medos e as situações inusitadas. “Temos experiências positivas de educação ambiental, motivando a criação de hortas comunitárias e ações contra enchentes. Mas os problemas ainda não acabaram, preci-

Cátia Fraga

Mais de 400 agentes comunitários de saúde da Regional Barreiro se reuniram em um semi-

Objetivo do encontro foi promover um novo olhar sobre o trabalho realizado

samos fazer muito mais”, conclama uma das atrizes. Implantar o programa Saúde da Família, tornando o agente comunitário de saúde uma ponte entre o usuário e o centro de saúde não foi fácil. “No início, a adesão dos usuários foi difícil, mas hoje eles cobram que o agente vá até a casa deles”, avaliou a agente Luzia Aparecida, do Centro de Saúde Tirol. Telma Dias, gerente de Registro de Pessoal Celetista, esclareceu as atribuições dos agentes, como a promoção de ações de educação para a saúde pessoal e coletiva. Em seu contato cotidiano com a comunidade, no entanto, o agente realiza ainda mais: contribui com o trabalho das equipes de Zoonoses, escolas, pastorais, Núcleos de Apoio à Saúde da Família (Nasf), entre outras instituições, e com programas para conscientizar o cidadão.

Formatura de nova turma do Voo para a Cidadania reafirma importância do projeto adicional para adolescentes que vivem nas comunidades carentes no entorno do aeroporto, as vilas Aeroporto, São Tomas e São José. “O projeto tem uma equipe de educadores e seu objetivo é, junto com a Amas, levar os adolescentes para as oportunidades de trabalho no mercado. É como se fosse um complemento aos estudos, tanto que a condição para a participação é que o adolescente esteja regularmente matriculado em uma escola pública municipal”, comentou. De acordo com o superintendente da Infraero, Mario Jorge Fernandes de Oliveira, o projeto começou a partir de um programa da Infraero que buscava o envolvimento com comunidades

com as quais existiam dificuldades de lidar. “Começamos a discutir qual seria a melhor forma de se relacionar com essas comunidades. A Prefeitura entrou com a sede, um antigo posto de saúde, a Infraero, com parceiros, fez a reforma e depois foi fechada a parceria com a Amas”, disse. Segundo a presidente da Amas, Rosalva Portella, enquanto os jovens são absorvidos nos empregos em Belo Horizonte, a entidade tem o retorno da atuação deles. “Os jovens que passaram por aqui têm uma capacidade de absorção mais rápida e estão se dando muito bem, principalmente na área hospitalar”, afirmou. Gerente do projeto, Anderson Carvalho diz que o balanço

do projeto tem sido satisfatório para todos os envolvidos. “O índice de aproveitamento é superior a 80% e a maioria dos jovens

já está contratada pela Formação de Trabalho da Amas. Os resultados são altamente positivos”, comemorou.

AMAS

O Voo para a Cidadania formou sua décima turma de adolescentes, o que coincidiu com os dez anos do projeto, pelo qual já passaram cerca de 900 jovens. A cerimônia foi realizada no hangar do Batalhão de Operações Aéreas do Corpo de Bombeiros, no Aeroporto da Pampulha. A formatura reuniu, além dos adolescentes, seus familiares, representantes da Infraero, da Associação Municipal de Assistência Social (Amas) e outros parceiros. O projeto é uma parceria entre a Infraero, a Amas, a Prefeitura de Belo Horizonte e a empresa BP. Superintendente do Aeroporto da Pampulha, Silvério Gonçalves explica que o projeto tem o objetivo de levar uma atividade

Projeto leva atividade adicional para adolescentes carentes


BELO HORIZONTE Diário Oficial do Município

60 60

Exposição comemora aniversário do projeto Voo para a Cidadania integrada à escultura. “O resultado final desse curso é a capacida-

Sábado, 7 de julho de 2012 Sábado, 7 de julho de 2012 recicláveis, além de transpor todas as orientações no tema proposto”, disse Suely.

de de os jovens saberem utilizar tambores, tintas e produtos

Fotos: AMAS

A exposição “Tambores da Paz”, realizada pelos adolescentes atendidos pelo projeto Voo para Cidadania está aberta para visitação até domingo, dia 8, na praça Bagatelle, em frente ao Aeroporto da Pampulha. A exposição marca a décima edição do projeto. As esculturas partiram de um trabalho de reflexão proposto pela artista plástica e técnica de artes Suely Pimentel, sobre o tema “paz”. A proposta surgiu com as diversas situações vivenciadas na comunidade do bairro São Bernardo e da Vila São Tomás. As obras são o resultado de dez meses de oficinas de arte e cultura, de técnicas de desenho e pintura

Poder Executivo O gerente do projeto Voo para a Cidadania, Anderson Carvalho, conta que a exposição é fruto de uma reflexão feita com os adolescentes nas oficinas de arte. “Cada adolescente, dentro do seu grupo refletiu sobre o que te dá paz e o que lhe tira a paz. São dez esculturas que representam os dez anos do projeto”, explicou. O projeto é executado pela Associação Municipal de Assistência Social (Amas) e tem como parceiros a Prefeitura de Belo Horizonte, a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) e a empresa BP.

Obras são o resultado de dez meses de oficinas de arte e cultura

Veículo de transporte de cargas leves movido a gás natural é apresentado pela BHTrans BHTrans, Ramon Victor Cesar, a pesquisa pretende melhorar a qualidade do ar. “Hoje as entregas são feitas em kombis a diesel, veículo que emite muitos poluentes. Vamos usar um veículo mais moderno, adaptado para operação do trânsito”, explicou, ressaltando que o ponto principal é o fato de ser movido a gás natural, que tem um nível de emissão de gás carbônico muito menor do que um carro con-

vencional, resultando na melhoria da condição atmosférica e na redução da poluição na cidade. A pesquisa com o veículo é resultado de um desdobramento do projeto estratégico da BHTrans LOGBH – Logística de Carga Urbana em Belo Horizonte – e teve um convênio firmado durante o Congresso Mundial do Iclei, realizado no mês passado, sendo um importante legado desse evento

para a cidade. Os estudos foram acordados por meio de um convênio de cooperação técnica entre a BHTrans, a Companhia de Gás de Minas Gerais (Gasmig), a Iveco, o Sindicato das Empresas de Transportes de Carga do Estado de Minas Gerais (Setecemg) e a Federação das Em-

presas de Transporte de Carga do Estado de Minas Gerais (Fetecemg). Além dessas empresas que assinaram o convênio, também participam dos estudos o Núcleo de Engenharia (Nucletrans) da Escola de Engenharia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e a PUC Minas.

Estudos e metas Os estudos foram orientados para a aferição do desempenho do veículo nos seguintes quesitos: adaptabilidade às condições climáticas, adaptabilidade aos tipos de solo (asfalto, paralelepípedo e chão batido), desgaste dos componentes mecânicos, eletromecânicos e eletrônicos, desgaste dos pneus, níveis de emissões de CO2, outros gases e particulados, consumo de gás natural em condições normais, consumo de gás natural em condições severas e custos de manutenção. As metas definidas foram o desenvolvimento de projeto baseado em novas tecnologias que permitam a utilização do gás natural como combustível alternativo ao diesel nos veículos de transporte urbano de carga, a redução das emissões de gases poluentes e de material particulado nocivos ao meio ambiente e à saúde pública, o estímulo à renovação e adequação da frota de transporte urbano de carga, e o fomento para linhas de financiamentos diferenciadas para viabilização econômica para veículos de GNV para o transporte urbano de carga.

BHTrans

Um veículo de transporte de cargas leves movido a gás natural veicular, que será utilizado em pesquisa nas rotas de transporte urbano de carga na capital, foi apresentado na quinta-feira, dia 5, na sede da BHTrans, no bairro Buritis. Esse veículo será objeto de estudos que terão como objetivo a melhoria da qualidade de vida na capital em relação à redução de emissões de gases poluentes, como o CO2, à otimização da circulação de veículos de carga urbana nas vias da capital e também em prol da melhoria da mobilidade urbana. Após a sua apresentação, o veículo foi entregue e cedido em regime de comodato pelo fabricante Iveco à empresa Patrus Transportes Urgentes, que vai utilizá-lo em suas operações diárias, durante um ano, período estabelecido para a realização dos estudos. O modelo desenvolvido pela Iveco promete reduzir a emissão de gás carbônico em 25%, de material particulado em 96% e de óxido de nitrogênio em 80%. De acordo com o diretor-presidente da

Responsabilidades Veículo será utilizado em pesquisa nas rotas de transporte urbano de carga

Cada entidade participante do convênio terá responsabilidades conforme a natureza de sua atividade. A BHTrans deverá realizar, direta ou indiretamente, estudos de acompanhamento das emissões de gases e ruídos, incentivar o uso do gás natural veicular como alternativa de menor impacto ambiental aos transportadores urbanos de carga e indicar instituição acadêmica para o desenvolvimento da pesquisa, entre outras funções. A instituição indicada foi a UFMG, que irá determinar a metodologia e o desenvolvimento dos estudos. A Iveco deverá ceder até cinco veículos para os estudos e selecionar o operador de transporte, previamente validado pelos participantes do convênio, considerando o aspecto técnico e de adequação ao uso nas vias públicas, além de sua rota. Foi indicada a empresa Patrus Transportes Urgentes, que já recebeu o primeiro veículo participante dos estudos. Cabe também ao fabricante do veículo elaborar o relatório de desempenho dos veículos, destacando o consumo de gás natural por quilômetro rodado, desempenho mecânico, custo de manutenção, disponibilidade do veículo, problemas encontrados e suas soluções. A Gasmig deverá fornecer o volume de gás natural veicular, promover a logística para o abastecimento do veículo vinculado ao projeto com gás natural veicular e fornecer os dados para a avaliação econômico-financeira do projeto. Já o Setecemg vai se responsabilizar por incentivar a utilização do gás natural veicular como alternativa de menor impacto ambiental aos transportadores urbanos de carga, estabelecer programa de cálculo de inventário das emissões de gases poluentes e materiais particulados para os transportadores de carga e elaborar o Relatório de Emissões de Ruídos e de Gases dos veículos de testes que operam com o gás natural. As atribuições da Fetecemg são similares às do sindicato, com exceção da disponibilização de toda a tecnologia e equipamentos necessários à medição das emissões de gases poluentes e materiais particulados, bem como um programa estratégico certificado, com estrutura pronta para operar.


DOM - 07/07/2012