Issuu on Google+

PREFEITURA BELO HORIZONTE Ano XVIII • N. 4.093 • R$ 0,80

BELO HORIZONTE Diário Oficial do Município - DOM

Tiragem: 2.500 • 20/6/2012

Decisão foi anunciada ontem pelo prefeito de Nova York e presidente do C40, Michael Bloomberg, durante a Rio+20, evento que contou com a presença do prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, e de governantes dos cinco continentes “Hoje são os prefeitos que estão mostrando para todo o mundo o que pode ser feito na área de sustentabilidade”. Com esta afirmação, o ex-presidente norteamericano Bill Clinton abriu a reunião Rio + C40, ontem, no Espaço Humanidades, montado no Forte de Copacabana, no Rio de Janeiro. A reunião do C40, que contou com a presença do prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda, faz parte da programação da Conferência Rio + 20 e discutiu o papel das cidades no estabelecimento e cumprimento de metas de redução da emissão de carbono até 2030. Bill Clinton, que falou aos participantes por videoconferência, disse ainda que o desenvolvimento sustentável é o único caminho a ser seguido e que as cidades precisam liderar este processo de melhoria da qualidade de vida que será capaz de criar comunidades mais fortes no futuro. O C40 (Climate Leadership Group), que é presidido pelo prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, reúne governantes de 59 cidades mundiais que respondem por 21% do PIB mundial e concentram mais de 320 milhões de pessoas. Essas cidades também são responsáveis por 14% das emissões de carbono no meio ambiente. Segundo Bloomberg, os prefeitos estão aprendendo a trabalhar juntos para reduzir a emissão de carbono. “Temos as ferramentas para avançar e podemos reduzir a emissão de carbono equivalente ao que países como México e Canadá emitem juntos por ano. O C40 se compromete a reduzir drasticamente suas emissões”, afirmou. Marcio Lacerda participou da conferência do C40 coordenada pelo presidente do Iclei (Governos Locais Pela Sustentabilidade), David Cadman, e que contou ainda com a participação dos prefeitos de Porto Alegre, José Fortunati, e de Istambul (Turquia), Kadir Topbas. De acordo com Marcio Lacerda, a mobilização dos municípios e a troca de experiências são mais importantes a cada dia. “Cada conferência destas produz um novo tipo de consenso e nunca é um regresso, um passo atrás. É sempre importante que os países estejam conversando. Eu tenho certeza que, por parte dos governos municipais e regionais, há uma mobilização forte e é possível se fazer muito em nível local”, destacou.

Fotos: Breno Pataro

Municípios de todo o mundo se comprometem a reduzir emissão de carbono na atmosfera

Reunião Rio + C40 foi aberta pelo ex-presidente dos EUA, Bill Clinton, através de uma videoconferência

Novo projeto para Belo Horizonte O prefeito Marcio Lacerda também visitou ontem a comunidade de Chapéu Mangueira, na capital fluminense, onde conheceu ações executadas pelo projeto Rio Cidade Sustentável, desenvolvido pelo Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS). O projeto, que desenvolve práticas de infraestrutura urbana e de transformação social com foco em sustentabilidade, trabalha de forma articulada com o poder público, com empresas e moradores para melhorar a qualidade de vida das comunidades. O projeto piloto, idealizado pelo CEBDS, começou a ser executado em 2011 como contribuição aos programas da Prefeitura do Rio de Janeiro e do Governo do Estado do Rio de Janeiro nas comunidades da Babilônia e do Chapéu Mangueira, no bairro Leme, ambos na Zona Sul do Rio. Marcio foi acompanhado na visita pelo presidente da Frente Nacional de Prefeitos e prefeito de Vitória, João Coser. Será assinado amanhã um memorando de entendimento com o CEBDS para implantação do projeto em Belo Horizonte. Para o prefeito Marcio Lacerda é importante que os prefeitos conheçam experiências de êxito como o Rio Cidade Sustentável para que elas sejam espalhadas por todo o país. “Aqui a gente vê uma cooperação muito grande do empresariado e, com a ajuda do CEBDS, vamos avançar neste sentido em Belo Horizonte, aproveitando a experiência do Babilônia e do Chapéu Mangueira” destacou o prefeito. Todas as ações realizadas no projeto foram definidas em conjunto com os moradores, considerando as prioridades apontadas por eles. A primeira iniciativa foi a aplicação de uma pesquisa que ouviu os chefes de família de 40% das cerca de 1.200 casas da Babilônia e do Chapéu Mangueira. O Rio Cidade Sustentável busca incentivar a independência das comunidades, oferecendo soluções que gerem o sentido de propriedade, o desenvolvimento socioeconômico local e a inserção no contexto da cidade. Leia mais sobre a Rio + 20 na contracapa desta edição

Marcio ressaltou que mobilização dos municípios e a troca de experiências são cada vez mais importantes

Prefeito de Belo Horizonte conheceu ontem ações executadas pelo projeto Rio Cidade Sustentável na Zona Sul do Rio


BELO HORIZONTE

Poder Executivo

Diário Oficial do Município

2

Quarta-feira, 20 de junho de 2012

Confira os destaques da programação da Fundação Clóvis Salgado Ópera Tosca no Grande Teatro do Palácio das Artes A Fundação Clóvis Salgado, em parceria com o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, apresenta a ópera ”Tosca” até o dia 28 deste mês no Grande Teatro do Palácio das Artes (avenida Afonso Pena, 1.537, Centro). No elenco estão solistas renomados como Eiko Senda (Japão), Richard Bauer (Brasil) e Stephen Bronk (EUA). A ópera contará, ainda, com a participação da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, do Coral Lírico de Minas Gerais e do Coral Infanto-juvenil do Palácio das Artes. Os ingressos custam R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia) e estão à venda na bilheteria do Palácio das Artes, pelo site ingresso.com e pelo telefone 4003-2330.

Aula aberta com o bailarino Paulo Chamone A Cia. de Dança Palácio das Artes, um dos corpos artísticos da Fundação Clóvis Salgado, realiza no domingo, dia 24, uma aula aberta com o coreógrafo Paulo Chamone. A atividade, que acontece na Sala Klauss Vianna, no Palácio das Artes,

das 13h às 15h, tem o corpo como foco principal e visa estimular a prática de exercícios físicos e de técnicas para aperfeiçoar o equilíbrio e a respiração. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas através do e-mail prodan ca@palaciodasartes.com.br até quinta, dia 21. Projeto História Permanente do Cinema exibe “Uma Rua Chamada Pecado” O projeto História Permanente do Cinema, realizado pela Fundação Clóvis Salgado, apresenta na quinta-feira, dia 21, o filme ”Uma Rua Chamada Pecado”, dirigido por Elia Kazan e protagonizado pelo astro Marlon Brando. A sessão começa às 17h e terá comentários do cineasta Ricardo Alves Jr ao final da exibição. A entrada é gratuita, com retirada de senhas na bilheteria do Cine Humberto Mauro, no Palácio das Artes, a partir das 16h30. A classificação indicativa é de 16 anos.

Barbara Schall

Série Sinfônica no Museu A Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, um dos corpos artísticos da Fundação Clóvis Salgado, apresenta na quinta-feira, dia

21, a quarta edição da série Sinfônica no Museu em 2012. Sob regência do maestro convidado Charles Roussin, esta edição terá a participação dos músicos Vitor Dutra (violino) e Carlos Aleixo (viola). No programa estão duas obras de Mozart, a “Sinfonia Concertante em Mih maior” para violino e viola, e a “Sinfonia em Dó maior”. O concerto acontece às 20h, no Museu Inimá de Paula (rua da Bahia, 1.201, Centro), e a entrada é gratuita, com retirada de senhas na porta do museu a partir das 12h do dia da apresentação.

Curta no Almoço O projeto Curta no Almoço, realizado pela Fundação Clóvis Salgado, volta a ser exibido no Cine Humberto Mauro, no Palácio das Artes, na sexta-feira, dia 22. A partir das 13h15, será exibido o curta finlandês “Piirongin Piiloissa/ Chest of Drawers”, e o curta francês ”Les Navets Blancs Empechent de Dormir/ White Turnips Make It Hard to Sleep”, que fizeram parte do 13º Festival Internacional de Curtas de Belo Horizonte. A entrada para a sessão é gratuita. Exposição ”Segue-se ver o que quissesse” Está em cartaz até o dia 14 de julho a exposição “Segue-se ver o que quissesse”, um registro fotográfico da vida cotidiana de Minas Gerais. Com curadoria do fotógrafo Joerg Bader, as 470 obras expostas apresentam-se sobre as mais variadas formas - impressões digitais, cartazes, papéis de parede, projeções de arquivos digitais, áudios, livros - e podem ser vistas nas galerias Alberto da Veiga Guignard, Arlinda Corrêa Lima e Genesco Murta, no Palácio das Artes, e no Centro de Arte Contemporânea e Fotografia (avenida Afonso Pena, 737, Centro). A entrada é gratuita. Além da exposição serão oferecidas atividades complementares hoje e na sexta, dia 22, ambos com entrada gratuita. Hoje será realizado às 20h, na sala Juvenal Dias do Palácio das

Artes, o seminário Fotografia Brasileira Contemporânea e, na sexta, no mesmo horário, o artista plástico e fotógrafo Alexandre Sequeira apresenta na galeria Alberto da Veiga Guignard, no Palácio das Artes, um relato sobre seu trabalho “Entre Lapinha da Serra e o Mata Capim”, que faz parte da mostra. Concurso Retrato da Deriva O concurso cultural Retrato da Deriva continua em atividade. Fotógrafos profissionais e amadores podem enviar fotografias que tenham sido realizadas em algum dos espaços administrados pela Fundação Clóvis Salgado (Palácio das Artes, Centro de Arte Contemporânea e Fotografia, Centro de Formação Artística, Centro Técnico de Produção – Marzagão e Serraria Souza Pinto). Através de um julgamento realizado por uma comissão especialmente designada pela fundação, são selecionadas por mês dez fotografias, que então passam a compor uma exposição virtual no site do Palácio das Artes. Das dez, o autor da mais votada pelo público receberá um prêmio de R$ 1.000. Iniciado em julho de 2011, o concurso continua até o dia 30 de junho deste ano. O edital público com as informações sobre condições para participar do concurso pode ser conferido pelo link http:// www.fcs.mg.gov.br/imagensDin/ Arquivos/4657.pdf.

Biblioteca Infantil e Juvenil recebe debate sobre a influência das novas tecnologias no ensino

Pronatec usa a capacitação profissional com foco na Copa do Mundo

O Pronatec Copa, programa do Governo Federal de capacitação profissional com foco na Copa do Mundo, foi tema de reunião com a assessora especial do Ministério do Turismo, Suzana Dieckman, na segunda-feira, dia 18, na Belotur. O encontro contou com a participação de representantes do Comitê Executivo Municipal da Copa 2014 e das secretarias de Estado Extraordinária da Copa do Mundo (Secopa-MG) e do Turismo (Setur-MG). Foram discutidas as iniciativas para qualificar a mão de obra do segmento turístico não só para atender as demandas do torneio esportivo, mas principalmente como um legado para o setor, que estará aquecido também no período após o evento. Estimativas apontam que, durante o ano da Copa, o país terá um fluxo de aproximadamente 3 milhões de turistas nacionais e de 600 mil estrangeiros. O Pronatec Copa compreende cursos de formação inicial e continuada para quem já trabalha com turismo e também para quem pretende se profissionalizar no setor. Os cursos oferecidos estão relacionados aos processos de recepção, viagens, eventos, serviços de alimentação, bebidas, entretenimento e interação. Mais informações podem ser obtidas no site http://pronateccopa.turismo.gov.br

ERRATA

Marcela Xavier

Assessora do Ministério do Turismo discute Pronatec Copa na Belotur

A Biblioteca Pública Infantil e Juvenil de Belo Horizonte (rua Carangola, 288, bairro Santo Antônio) mais uma vez abriu espaço para a reflexão sobre leitura e escrita. O espaço promoveu ontem à noite o debate “Letramento digital, leitura e escrita na sala de aula”, com a presença das convidadas Ana Elisa Ribeiro (Cefet-MG) e Carla Coscarelli (UFMG). O debate trouxe à tona as influências das novas tecnologias nas práticas em sala de aula. A ideia foi discutir, entre outras questões, como a leitura literária e a aprendizagem da língua, que já não eram assimiladas com grande facilidade, foram influenciadas pela introdução das novas tecnologias, o que este novo universo traz para o cotidiano de salas de aulas e bibliotecas, seus benefícios, como estudantes e leitores estão reagindo e se a educação e a litera-

tura serão outras no futuro. Após o debate, houve o lançamento de dois livros: “Novas tecnologias para ler e escrever”, de Ana Elisa Ribeiro, e “Hipertextos na teoria e na prática”, de Carla Coscarelli, seguido de sessão de autógrafos com as autoras.

Na legenda da foto da matéria ‘Esquete “Toda Criança Quer Crescer” encerra série de apresentações em diversos espaços da cidade’, publicada na página 30 do Diário Oficial do Município de sábado, dia 16, onde foi publicado que o objetivo é substituir as ações do Pair, leia-se “subsidiar as ações do Pair”.


Poder Executivo Quarta-feira, 20 de junho de 2012

BELO HORIZONTE

Diário Oficial do Município

3

Com base em discussões e debates realizados ao longo da gestão 2010/2011, o Conselho Municipal de Educação (CME-BH) elaborou e aprovou a Resolução CMEBH 001/2012, que altera a Resolução CME-BH 001/2000 e fixa normas para o funcionamento de instituições de educação infantil no Sistema Municipal de Ensino de Belo Horizonte (SME-BH). A resolução teve fundamento no Parecer CME-BH 057/2012, ambos publicados no Diário Oficial do Município (DOM) do dia 6 de junho. A nova determinação legal reafirma o direito da criança de zero a 6 anos ao cuidado e a educação, complementando a ação da família e da comunidade, bem

como o direito das crianças com deficiência, com transtornos globais do desenvolvimento, com altas habilidades e superdotação à matrícula e à permanência nas instituições de educação infantil do SMEBH, através de ações compartilhadas entre os setores de Educação, Saúde e Assistência Social. A resolução também reforça a finalidade da educação infantil no desenvolvimento integral da criança em seus aspectos físico, psicológico, intelectual e social, garantindo seus direitos à proteção, saúde e liberdade, entre outros. Segundo Áurea Nóa Lisboa Leão, membro do CME, é importante a integração das instituições no Sistema Municipal de Ensino

conforme os parâmetros e critérios estabelecidos no âmbito da política educacional. “Instituições e gestores públicos devem compreender o real significado da determinação legal. Essa integração consiste em um movimento de mão dupla. Cabe aos órgãos executivo e normativo incluir, assumir, incorporar e responsabilizar-se. E cabe às instituições educativas juntarem-se ao sistema e se adequarem às normas estabelecidas”, afirmou. Para conferir a resolução na íntegra e outras normatizações do CME-BH acesse o site www.pbh. gov.br, clique em secretarias, em seguida Educação e depois em Conselho Municipal de Educação.

CME

Novas normas para o funcionamento de instituições de educação infantil são estabelecidas pelo Conselho Municipal de Educação

Nova determinação legal reafirma o direito da criança de até 6 anos ao cuidado e a educação

Cerca de 45 técnicos sociais da Companhia Urbanizadora e de Habitação de Belo Horizonte (Urbel) participaram na semana passada da quarta rodada de discussão do Seminário do Trabalho Social, desenvolvido pela empresa. As discussões têm a finalidade de padronizar a metodologia das ações de acompanhamento social das famílias atendidas pelos diversos programas habitacionais da empresa. A chefe da Divisão de Recursos Humanos, Silvia Andere, disse que a ideia da atividade surgiu com a aplicação, em 2011, de um questionário para avaliar o nível de conhecimento e as principais dificuldades enfrentadas pelos técnicos no dia a dia de trabalho. Segundo Andere, as discussões estão sendo muito ricas e bem embasadas e também estão servin-

Adelaide Patrícia

Urbel realiza seminário interno sobre trabalho de acompanhamento social

Meta é padronizar metodologia das ações em relação às famílias atendidas

do como capacitação técnica, pois ajudam a nivelar o entendimento do papel do trabalho social em todos os programas executados. Para a assessora da Presidência da Urbel,

Seminário apresenta boas práticas públicas na área de Tecnologia da Informação dos nossos gerentes de relacionamento, estiveram presentes os

principais demandadores dessas tecnologias em diversas áreas, como Saúde, Educação e fazenda. Afinal, essa questão não é apenas interna, pois estamos propondo uma discussão para a Prefeitura inteira”, explicou. De acordo com o secretário municipal de Planejamento, Paulo Bretas, não há futuro para as empresas que não

Prodabel

A Prodabel e a Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Informação (SMPL) promoveram no início do mês o seminário Rede Local - Alternativas Tecnológicas. Cerca de cem pessoas lotaram a sala Multiuso da Prefeitura de Belo Horizonte, no Centro, durante o encontro, que teve como objetivo apresentar experiências bem sucedidas de instituições públicas e privadas na área de Tecnologia da Informação. O presidente da Prodabel, Paulo Moura, acredita que o seminário cumpriu a função de proporcionar aos participantes uma maior compreensão do mercado tecnológico e também possibilitou a troca de conhecimentos. “Além

Flávia Mota, os resultados do seminário devem ser promissores. “As discussões irão propiciar a consolidação de uma metodologia única para o trabalho social, que deverá

Encontro apresentou experiências bem sucedidas de instituições públicas e privadas

ser apresentada para toda a empresa. Estamos unificando conceitos de participação e mobilização comunitária, criando padrões de procedimentos e trocando experiências entre as várias equipes. Também está sendo um momento importante de integração com os técnicos da Diretoria de Habitação”, assinalou. Na opinião da psicóloga da Diretoria de Habitação, Kryscia Palhares Napoli, que acompanha o trabalho de pré e pós morar em alguns conjuntos habitacionais, o seminário está sendo muito produtivo ao permitir um diálogo entre os diversos programas. “Um vê as dificuldades do outro e também os pontos comuns. Temos a oportunidade de ter um entendimento do trabalho da Urbel como um todo”, afirmou. A técnica social Cláudia Melo,

responsável pelo acompanhamento social em 17 obras de urbanização do Orçamento Participativo, enfatizou que os encontros estão permitindo discutir questões importantes que às vezes são deixadas de lado. “Estou torcendo para avançar, para que as propostas e sugestões sejam encaminhadas e implementadas”, disse. Sílvia Andere informou que o seminário tem mais duas rodadas de discussões previstas. “No próximo encontro daremos continuidade ao tema do acompanhamento social no programa Minha Casa, Minha Vida e também sobre uma resolução do Conselho Municipal de Habitação”, explicou. Ela acrescentou que em uma outra etapa a discussão será estendida aos técnicos contratados pelas empresas vencedoras de licitações de obras.

apostam em inovação, parcerias e gestão de uma cadeia de suprimentos. “Nós estamos tentando acompanhar as questões tecnológicas do mercado em busca das melhores soluções técnicas para Belo Horizonte”, afirmou. Durante o encontro, foram realizadas diversas palestras com representantes da Motorola, HP, Cisco, Alctel, CPqD Serpro, Prodemge, Prodabel, Procempa e UFMG, que compararam a tecnologia de rede local cabeada com a sem fio. Os fabricantes apresentaram as soluções das redes sem fio, enquanto as empresas expuseram suas experiências em cada tipo de tecnologia. O evento permitiu, assim, uma análise mais consistente da melhor solução a ser adotada em cada prédio da PBH ou naqueles onde é necessária uma solução temporária, com demanda de rede local. O palestrante da HP, Fabio de Paula, disse que os fornecedores devem estar muito bem preparados para atender as exigên-

cias do mercado. “Atualmente, tanto o poder público quanto o privado buscam a mesma tecnologia. A diferença é que o governo trabalha com concorrência pública, o que dá mais competitividade para a adoção de tecnologias adequadas”, disse. O representante da Prodemge, Evandro Araújo, achou válida a iniciativa do seminário. “Acho que é muito boa essa experiência para abordarmos a questão do papel das redes na gestão pública”, explicou. Funcionário da Prodabel, Welington Faria, gerente de Implantação do BH Digital, também elogiou o encontro. “Pra nós que lidamos com tecnologia é muito bom conhecer coisas novas apresentadas pelos fabricantes e ter um posicionamento do nosso trabalho. Mas a satisfação maior é perceber que estamos bem nivelados com o conhecimento e a aplicabilidade técnica nessa área. Não estamos envelhecidos nesse processo”, avaliou.


BELO HORIZONTE

Poder Executivo

Diário Oficial do Município

26

Quarta-feira, 20 de junho de 2012

INDICADORES ECONÔMICOS DE BELO HORIZONTE Taxas de Juros – Maio de 2012

Evolução dos Preços ao Consumidor IPCA(1) Período

IPCR(2) Variação (%)

Índice de Base Fixa (4ª Jul/94=100)

No mês

No ano

Últimos 12 Meses

376,82

2,60

2,60

7,67

jan/12

Taxas médias praticadas(1)

Setores

Menor

Maior

Diferença (%)

Média

3,00

5,90

96,67

5,03

Prefixada (montadoras)

0,99

2,19

121,21

1,48

Prefixada (multimarcas)

1,40

2,67

90,71

2,09

1,82

Variação (%)

Índice de Base Fixa (4ª Jul/94=100)

No mês

No ano

Últimos 12 Meses

378,82

1,78

1,78

6,57

fev/12

376,52

-0,08

2,52

6,76

378,86

0,01

1,79

6,13

mar/12

377,65

0,30

2,83

6,41

380,72

0,49

2,29

5,87

abr/12

378,93

0,34

3,18

5,89

382,81

0,55

2,85

5,58

Empréstimos pessoa física Alimentício Automóveis Novos

Automóveis Usados

mai/12

380,18

0,33

3,52

5,62

384,84

0,53

3,40

5,44

Prefixada (montadoras)

1,38

2,30

66,67

2ª jun/12

386,17 (3)

0,12

3,69

5,37

388,55 (3)

0,42

3,67

5,25

Prefixada (multimarcas)

1,54

3,00

94,81

2,23

11,90

13,95

17,23

12,81

4,11

9,74

136,98

8,20

1,52

11,71

670,39

7,18

(1) IP CA = Índice de P reço s ao Co nsumido r A mplo : mede a evo lução do s gasto s das famílias co m renda de 1a 40 salário s mínimo s na cidade de B elo Ho rizo nte

Cartão de Crédito

(2) IP CR= Índice de P reço s ao Co nsumido r Restrito : mede a evo lução do s gasto s das famílias co m renda de 1a 6 salário s mínimo s na cidade de B elo Ho rizo nte (3) 2ª quadrissemana de julho /94 = 100

Cheque Especial

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

Construção Civil

Índice de Confiança do Consumidor Variação (%)

Índice de Base Fixa (Maio/04=100)

Período

No ano

No mês

ICCBH(1)

IEE(2)

IEF(3)

dez/11

138,86

193,54

jan/12

136,25

193,98

fev/12

136,23

mar/12 abr/12 mai/12

ICCBH

IEE

IEF

121,40

0,00

0,02

-0,02

3,50

3,54

117,79

-1,88

0,22

-2,97

-1,88

0,22

197,35

116,70

-0,02

1,74

-0,93

-1,90

1,96

137,04

198,94

117,26

0,59

0,81

0,48

-1,31

133,26

192,29

114,40

-2,76

-3,34

-2,44

-4,04

132,66

(2) (8)

Combustíveis

191,25

113,94

-0,45

-0,54

ICCBH

-0,40

Últimos 12 Meses

IEE

-4,47

IEF

(3) (7)

Imóveis Construídos

0,05

1,86

3.620,00

1,37

Imóveis na Planta

0,21

1,65

685,71

0,71

0,84

3,80

352,38

2,11

1,90

5,60

194,74

3,33

1,29

2,77

114,73

1,71

Cooperativas de Crédito (empréstimo)

ICCBH

IEE

3,49

3,50

3,54

3,49

CDC - Financeiro (8)

-2,97

-0,93

0,29

-1,58

CDC - Bens Alienáveis

-3,87

0,23

0,71

0,00

Eletroeletrônicos

1,64

5,81

254,27

3,72

2,79

-3,41

-1,35

1,45

-2,80

Mobiliário

1,35

6,93

413,33

3,15

-0,65

-5,77

-3,26

2,51

-6,10

Financeiras Independentes

9,65

14,67

52,02

12,54

Nacional

1,21

2,41

99,17

1,65

Internacional

1,21

2,41

99,17

1,81

1,49

6,90

363,09

3,69

-1,18

-6,14

-0,59

IEF

6,01

Crédito Direto ao Consumidor (CDC)

(8)

Turismo

-3,79

(1) ICCB H: Índice de Co nfiança do Co nsumido r de B elo Ho rizo nte: trata-se de um indicado r que tem po r finalidade sintetizar a o pinião do s co nsumido res em B elo Ho rizo nte quanto ao s aspecto s capazes de afetar as suas decisõ es de co nsumo atual e futuro (2) IEE: Índice de Expectativa Eco nô mica: retrata a expectativa do co nsumido r em relação ao s indicado res macro eco nô mico s

Vestuário e Calçados

(3) IEF: Índice de Expectativa Financeira: retrata a co nfiança do co nsumido r a respeito de alguns indicado res micro eco nô mico s FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

Empréstimos pessoa jurídica

Residenciais Período Índice de Base Fixa (Jul/94=100)

Comerciais

Variação (%) No mês

Últimos 12 Meses

No ano

Variação (%)

Índice de Base Fixa (Jul/94=100)

No mês

No ano

(8)

1,05

3,83

264,76

2,21

Capital de Giro (8)

0,99

4,12

316,16

2,09

Conta Garantida (8)

1,47

7,66

421,09

4,53

Desconto de Duplicatas

Evolução do Mercado Imobiliário: Aluguéis

Captação

Últimos 12 Meses

CDB 30 dias

(4)

0,71

Cooperativas de Crédito (aplicação)

0,77

dez/11

411,68

1,01

10,48

10,48

549,68

1,45

13,49

13,49

Fundo de Investimento Curto Prazo

0,26

0,58

123,08

jan/12

412,87

0,29

0,29

10,16

551,72

0,37

0,37

12,63

Fundo de Investimento Longo Prazo

0,52

0,66

26,92

fev/12

415,22

0,57

0,86

9,56

558,01

1,14

1,51

12,17

Poupança (5)

mar/12

419,21

0,96

1,83

9,62

562,53

0,81

2,34

12,31

abr/12

420,80

0,38

2,22

9,26

565,00

0,44

2,79

11,80

mai/12

425,85

1,20

3,44

9,89

572,40

1,31

4,13

12,31

0,72

(1) Co nsidera-se a média das taxas praticadas pelo s info rmantes

(5) Taxa referente ao primeiro dia do mês subsequente

(2) Não são co nsideradas vantagens pro gressivas

(6) M édia po nderada pela vigência

(3) Inclui a variação do s indexado res CUB , TR, INCC e IGP -M

(7) No vo cálculo co nsiderando o perío do do s índices que co mpõ em a estimativa (8) Dado s co letado s a partir de info rmaçõ es co nso lidadas no B anco Central do B rasil

(4) Taxa A NB ID do primeiro dia útil do mês e pro jetada para 30 dias

.. Não se aplica dado s numérico s

ND - não dispo nível

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

Tarifas Bancárias – Maio de 2012

Valores médios (em R$) dos aluguéis residenciais por classe de bairro(*) - Maio de 2012

Forma de Cobrança

Produtos / serviços(1)

Imóveis

Popular

Médio

Alto

Luxo

Menor (R$) Maior (R$) Diferença (%) Média (2) (R$)

CADASTRO

491,00 (10)

557,50 (4)

647,89 (19)

1560,21 (47)

Conf ecção de cadastro para início de relacionamento - CADASTRO

Apartamento 1 Quarto

CARTÃO - Fornecimento de 2º via de cartão com f unção débito

por cliente

5,50

10,00

81,82

7,73

899,68 (79)

1031,46 (103)

1973,87 (106)

CARTÃO - Fornec. de 2ª via de cartão com f unção mov. conta de poupança

por cliente

5,50

10,00

81,82

7,33

Apartamento 2 Quartos

612,17 (46)

CHEQUE - Exclusão do Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundo (CCF)

por Operação

30,00

52,00

73,33

42,70

CHEQUE - Contra-ordem e oposição ao pagamento de cheque

por cheque

11,00

15,00

36,36

11,77

721,11 (27)

864,71 (17)

1098,00 (25)

1350,00 (8)

CHEQUE - Fornecimento de f olhas de cheque

por cheque

1,00

1,55

55,00

1,39

CHEQUE - Cheque Administrativo

por Cheque

20,00

27,00

35,00

23,32

por cheque

0,00

21,00

..

15,75

1063,02 (43)

1226,96 (79)

1463,39 (168)

2347,89 (279)

Saque de conta de depósitos à vista e de poupança - SAQUE pessoal

por operação

2,00

3,50

75,00

2,33

Saque de conta de depósitos à vista e de poupança - SAQUE Terminal

por operação

1,30

3,00

130,77

1,93

Saque de conta de dep. à vista e de poupança - SAQUE correspondente

por operação

1,30

2,30

76,92

1,83

-

(3)

1775,00 (4)

2863,64 (11)

DEPÓSITO - Depósito Identif icado

por operação

0,00

5,00

..

2,24

Forn. de ext. de um periodo conta dep. à vista e poup. - EXTRATO (P)

por operação

2,00

6,00

200,00

3,25

Forn. de ext. de um periodo conta dep. à vista e poup. - EXTRATO (E)

por operação

1,45

3,00

106,90

2,12

2350,00 (4)

2366,67 (6)

2364,47 (38)

4166,67 (171)

Forn. de ext. de um periodo conta dep. à vista e poup. - EXTRATO (C)

por operação

0,00

2,00

..

1,27

Ext. mensal de conta de dep. à vista e poup. p/um período -EXTRATO(P)

por operação

1,45

6,00

313,79

3,17

390,83 (12)

462,22 (9)

(2)

-

516,00 (5)

567,78 (9)

(2)

-

(2)

(3)

(1)

-

673,53 (17)

799,33 (15)

1078,57 (7)

-

872,50 (16)

991,67 (6)

1125,00 (4)

(3)

1203,64 (11)

1555,56 (9)

2547,50 (20)

5025,00 (4)

(3)

(1)

(3)

-

2633,33 (6)

(3)

3271,43 (7)

7942,86 (28)

Apartamento 3 Quartos 1 Banho Apartamento 3 Quartos 2 ou mais Banhos Apartamento 4 Quartos e até 2 Banhos Apartamento acima de 4 Quartos e 2 Banhos Barracão 1 Quarto Barracão 2 Quartos Casa 1 Quarto Casa 2 Quartos Casa 3 Quartos e 1 Banho

Casas Casa 3 Quartos e 2 ou mais Banhos

CHEQUE - Cheque Visado

Casa 4 Quartos e 2 Banhos

..

32,29

por operação

1,45

5,00

244,83

2,39

por operação

0,00

5,00

..

2,04

Fornecimento de cópia de microf ilme, microf icha ou assemelhado

por operação

4,50

6,00

33,33

5,69

Transf erência agendada por meio de DOC/TED - DOC/TED agendado(P)

por operação

0,00

19,00

..

13,13

Transf erência agendada por meio de DOC/TED - DOC/TED agendado(E)

por operação

0,00

12,50

..

7,80

Transf erência agendada por meio de DOC/TED - DOC/TED agendado(I)

por operação

0,00

11,50

..

7,40

Transf erência entre contas na própria instituição- TRANSF. RECURSOS(P)

por operação

1,00

2,95

195,00

1,45

Transf erência entre contas na própria instituição-TRANSF.RECURSOS(E/I)

por operação

0,00

2,70

..

1,03

Ordem de Pagamento - ORDEM PAGAMENTO

por operação

24,00

27,00

12,50

25,72

Transf erência por meio de DOC - DOC Pessoal (3)

por evento

13,40

20,00

49,25

14,85

Transf erência por meio de DOC - DOC eletrônico (3)

por evento

0,00

12,50

..

7,82

Transf erência por meio de DOC - DOC internet (3)

por evento

6,00

11,50

91,67

8,03

Transf erência por meio de TED - TED pessoal (3)

por evento

49,25

14,77

13,40

20,00

Transf erência por meio de TED - TED eletrônico (3)

por evento

0,00

12,50

..

7,82

Transf erência por meio de TED - TED internet (3)

por evento

0,00

8,60

..

7,92

por operação

30,00

49,00

63,33

42,78

OPERAÇÕES DE CRÉDITO Concessão de adiantamento a depositante - ADIANT. DEPOSITANTE PACOTE PADRONIZADO PESSOA FÍSICA por evento

10,50

18,00

71,43

13,35

a cada 365 dias

24,00

54,00

125,00

44,33

Fornecimento de 2ª via de cartão com f unção crédito

por evento

0,00

15,00

..

6,53

Utilização de canais de atend. para retirada em espécie - no país

por evento

4,00

15,00

275,00

8,16

Pagamento de contas utilizando a f unção crédito em espécie

por evento

1,99

15,00

653,77

10,40

CARTÃO DE CRÉDITO (3)

Avaliação emergencial de crédito Anuidade - cartão básico internacional Utilização de canais de atend. para retirada em espécie - no exterior

por evento

0,00

15,00

..

13,13

a cada 365 dias

0,00

90,00

..

86,67

por evento

7,90

30,00

279,75

13,99

(2) Co nsidera-se a média das tarifas praticadas pelo s banco s pesquisado s

(1) Não são co nsideradas vantagens pro gressivas

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

Fo nte: B anco Central do B rasil / B anco s - Dado s trabalhado s pela Fundação IP EA D/UFM G

.. Não se aplica dado s numérico s

ND: não dispo nível

Custo da Cesta Básica (*) – Maio de 2012

Evolução da inflação, salário mínimo e cesta básica

Quantidade

Valores (em R$)

Contribuição na variação (p.p.)

Açúcar cristal

3,00 kg

4,91

-0,04

Arroz

3,00 kg

5,93

0,07

Banana caturra

12,00 kg

24,60

-0,37 -0,09

Produto

Variação (%) No mês

59,00

Ext. mensal de conta de dep. à vista e poup. p/um período - EXTRATO(C)

Anuidade - cartão básico nacional

(*) O valo r entre parênteses representa o número de imó veis utilizado s no cálculo da respectiva média. Na maio ria das vezes, so mente são publicado s valo res médio s o btidos a partir de quatro imóveis pesquisado s. Os caso s em que não fo i pesquisado nenhum imó vel são indicados po r hífen (-). Os valo res médio s referentes a apartamentos de 1e 2 quarto s da classe luxo são influenciado s pela oferta de Flats.

Índice de Base Fixa (Jul/94=100)

0,00

Ext. mensal de conta de dep. à vista e Poup. p/um período - EXTRATO(E)

PACOTE PADRONIZADO PESSOA FÍSICA

Casa 4 Quartos e até 2 Banhos

por evento

CONTAS DE DEPÓSITOS

TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

Barracões

Período

0,59 0,55

Taxa SELIC (6)

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

Apartamentos

0,45

No ano

Últimos 12 Meses

IPCA(1)

Salário Mínimo

Cesta Básica (2)

IPCA

Salário Mínimo

Cesta Básica

IPCA

Salário Mínimo

Cesta Básica

IPCA

Salário Mínimo

Cesta Básica

Batata inglesa

6,00 kg

8,58

dez/11

367,27

841,18

460,44

0,59

0,00

3,52

7,22

6,86

10,34

7,22

6,86

10,34

Café moído

0,60 kg

7,56

0,02

jan/12

376,82

960,02

479,24

2,60

14,13

4,08

2,60

14,13

4,08

7,67

15,19

13,77

Chã de dentro

6,00 kg

94,62

-0,21

fev/12

376,52

960,02

456,21

-0,08

0,00

-4,81

2,52

14,13

-0,92

6,76

15,19

6,28

mar/12

377,65

960,02

449,38

0,30

0,00

-1,50

2,83

14,13

-2,40

6,41

14,13

abr/12

378,93

960,02

447,96

0,34

0,00

-0,31

3,18

14,13

-2,71

5,89

14,13

mai/12

380,18

960,02

459,94

0,33

0,00

2,67

3,52

14,13

-0,11

(1) IP CA = Índice de P reço s ao Co nsumido r A mplo : mede a evo lução do s gasto s das famílias co m renda de 1a 40 salário s mínimo s na cidade de B elo Ho rizo nte (2) Cesta B ásica: representa o s gasto s de um trabalhado r adulto co m a alimentação definida pelo Decreto -lei 399/38 FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

5,62

14,13

Farinha de trigo

1,50 kg

3,08

-0,02

Feijão carioquinha

4,50 kg

25,61

0,73

-1,28

Leite pasteurizado

7,50 lt

15,45

0,12

3,41

Manteiga

750,00 gr

15,04

0,16

Óleo de soja

1,00 un

3,20

0,05

Pão francês

6,00 kg

37,62

0,18

Tomate

9,00 kg

20,25

2,08

3,03

(*) Cesta B ásica: representa o s gasto s de um trabalhado r adulto co m a alimentação definida pelo Decreto -lei 399/38 FONTE: Fundação IP EA D/UFM G


BELO HORIZONTE

Poder Executivo

Diário Oficial do Município

Quarta-feira, 20 de junho de 2012

Participantes do Iclei visitam intervenções do Vila Viva no Aglomerado da Serra

conjuntos habitacionais. Os 44 agentes comunitários de limpeza urbana contratados para atuar no Taquaril vão realizar serviços de varrição, roçada, capina e limpeza de canaletas, com planejamento técnico e supervisão da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU). Todos os participantes do programa são moradores do Taquaril. Eles vão receber um salário mínimo e 40% de insalubridade para realizar os serviços de limpeza em meio horário. No restante do tempo eles farão cursos de capacitação em várias áreas de

trabalho como cozinha, panificação, computação e consertos de equipamentos eletroeletrônicos e ligados a funções como cabeleireiro, costureira e manicure, por meio de um convênio celebrado entre a SLU e o Conselho Central de Belo Horizonte/Sociedade São Vicente de Paulo. A primeira região a receber o programa Agente Comunitário foi a Pedreira Prado Lopes, na região Noroeste, em janeiro de 2004. Também são beneficiadas com o programa as vilas Apolônia, em Venda Nova, Nova Cachoeirinha e Sumaré, na região Noroeste, São Tomás, na região Norte, Fazendinha, na região Leste, Ventosa, Santa Sofia, São Jorge I, São Jorge II, São Jorge III, Cabana e Antena, na região Oeste, Estrela,

Programa Superar inicia formação de novo núcleo do programa do para o Superar às terças e quintas-feiras, atendendo cerca de 20 pessoas. “Inaugurar este novo núcleo para o Superar e ver o bom desempenho apresentado traz mais força para continuarmos esse trabalho de inclusão social”, disse o secretário municipal de Esporte e Lazer, Zito Vieira, que destacou o crescimento do programa e a sinalização positiva para as atividades nele desenvolvidas. “O Supe-

rar tem sido destaque e ganhou posição entre os cinco finalistas do 3º Prêmio Internacional Rompendo Barreiras com o Esporte. Isso exige uma equipe preparada tecnicamente e sensível às limitações que cada integrante apresenta”, concluiu. Marcos Vinícius Teixeira dos Santos, de 9 anos, é aluno do Superar e fica feliz por poder participar do festival. Com deficiências intelectual e parcial auditiva, o fi-

Fernando Reis

O programa Superar, executado pela Prefeitura de Belo Horizonte por meio da Secretaria Municipal de Esporte e Lazer, encerrou na última semana mais um semestre de atividades com a realização de um festival esportivo no Centro Poliesportivo Dom Bosco, local que inicia a formação de um novo núcleo do programa. O Centro Poliesportivo Dom Bosco fica na rua Tabapuã, 514, no bairro Dom Bosco, e já está funcionan-

lado do Parque da Terceira Água. A coordenadora Ana Paula Costa Assunção explicou o funcionamento dos programas. E, além disso, os participantes demonstraram muita curiosidade com os equipamentos de ginástica feitos com materiais recicláveis. Regina Helena Von Atzingen, gerente de Resíduos da Secretaria Municipal de Ribeirão Preto-SP, destacou a importância da participação popular e a complexidade da intervenção. “Uma coisa é fazer uma obra em um lugar muito plano. Aqui o relevo é muito acidentado e envolve tecnologia e recursos específicos. E tudo isso é aliado à participação da comunidade”, comentou. A sul-coreana Bong–Hee, que trabalha no secretariado do Iclei, ressaltou a importância do Vila Viva e o comparou a projetos que são desenvolvidos em seu país. Segundo ela, a diferença é que, na Coreia do Sul, os projetos são menores e a comunidade colabora financeiramente.

SLU

Concepção e resultados do programa foram apresentados aos visitantes

SLU amplia serviços de limpeza urbana no Taquaril Os setores 1 a 12 do Conjunto Taquaril, na região Leste de Belo Horizonte, passaram a contar na segunda-feira, dia 18, com o Agente Comunitário de Limpeza Urbana. O programa tem o objetivo de otimizar e aumentar a capacidade de prestação de serviços de limpeza de vias e coleta domiciliar em vilas e favelas de Belo Horizonte. No Taquaril, o programa vai beneficiar cerca de 35 mil moradores. Com esta expansão, o programa passa a atender 161 quilômetros de vias em 23 locais da cidade, entre vilas e

obras estruturantes. A alemã Maria Holn, diretora de Relações Internacionais da cidade de Bonn, ficou entusiasmada com o que viu. “O programa tem uma excelente estrutura e, pelo o que percebi, também uma excelente gestão, pois os resultados estão ai para todos verem”, elogiou. Ainda na Vila Fátima, os visitantes conheceram a Unidade Municipal de Educação Infantil (Umei) São João, onde foram recebidos pela gerente de Coordenação Pedagógica da Educação Infantil, Mayrce Terezinha da Silva Freitas. Ela afirmou que o tema da sustentabilidade é trabalhado permanentemente com as crianças. O “tour” pelo Vila Viva foi encerrado no BH Cidadania localizado ao

Ana Lúcia Fonseca

Cerca de 30 participantes do Congresso Mundial do Iclei de várias nacionalidades visitaram na segunda-feira, dia 18, várias intervenções do programa Vila Viva no Aglomerado da Serra, na região Centro-Sul da capital. Antes de os visitantes percorrerem a comunidade, Aderbal de Freitas, coordenador do trabalho social do Vila Viva/Taquaril e técnico social da Companhia Urbanizadora e de Habitação de Belo Horizonte (Urbel), comandou uma palestra sobre a concepção e os resultados do programa. O primeiro ponto da visita foi no mirante na rua São Vicente, na Vila Fátima. Do local se descortina ampla vista que proporciona uma visão geral das

27

Cerca de 35 mil moradores estão sendo beneficiados com o Agente Comunitário de Limpeza

Santa Rita de Cássia, Barragem Santa Lúcia, Novo São Lucas, Santana do Cafezal, Nossa Senho-

ra de Fátima, Nossa Senhora Aparecida e Marçola, na região Centro-Sul.

lho de Ivaneide Teixeira da Silva mostrou entusiasmo com o festival que encerra o semestre de atividades do programa. Marcos participa das atividades de natação e judô no núcleo do Centro de Referência Esportiva para Pessoas com Deficiência (avenida Nossa Senhora de Fátima, 2.283, Carlos Prates), mas, segundo Ivaneide, não quis perder o festival e a oportunidade de se apresentar junto dos amigos. “Vejo o crescimento e a superação das limitações de Marcos dia a dia”, explica. No primeiro dia do festival esportivo, que segue com atividades até o dia 27 no Centro Poliesportivo Dom Bosco e no Cen-

tro de Referência Esportiva para Pessoas com Deficiência, as apresentações de dança, patinação, música, judô e futsal descontraíram e também emocionaram os espectadores presentes. Coordenador do Superar, o professor Marcelo Mendes explicou a função do programa e sua importância. “O Superar possibilita que essas pessoas pratiquem atividade física adequadamente, o que, infelizmente, é incomum fora do programa. O desenvolvimento das capacidades coordenativas, com profissionais preparados, proporciona a melhora da coordenação e, consequentemente, a autoestima e a socialização dos alunos”, disse.

Rua do bairro Cinquentário tem circulação alterada

Centro Poliesportivo Dom Bosco funciona para o Superar às terças e quartas

1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 A rua das Mangueiras, entre as ruas Waldemar Correia de 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 Almeida e Úrsula Paulino, que antes funcionava em mão dupla, 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 passou ontem a operar em mão única direcional neste sentido. 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 O objetivo da mudança é proporcionar mais segurança para pe1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 destres e condutores e melhorar a fluidez na circulação de veícu1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 los. As alterações estão sinalizadas com faixas informativas para 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 orientar os motoristas e pedestres. Agentes da BHTrans monitoram 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 o trânsito na região. 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890 1234567890123456789012345678901212345678901234567890


BELO HORIZONTE

Poder Executivo

Diário Oficial do Município

28 28

Quarta-feira, 20 dedejunho Quarta-feira, 20 de junho 2012de 2012

Espaço de convivência da Rio +20 montado no Forte de Copacabana leva a discussão sobre sustentabilidade para a população com a criação de diversos ambientes Parte integrante da programação da conferência Rio +20, o Humanidades 2012 é uma iniciativa concebida para realçar o importante papel que o Brasil exerce hoje como um dos líderes globais no debate sobre o desenvolvimento sustentável. Em um espaço inovador e de portas abertas no Forte de Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro, o Humanidades convida toda a sociedade a refletir e aprofundar a compreensão acerca de um modelo possível de desenvolvimento que considere os impactos passados, presentes e futuros, para garantir melhores condições de vida com crescimento econômico, inclusão social e respeito ao meio ambiente. O espaço de convivência que foi visitado ontem pelo prefeito de Belo Horizonte, MArcio Lacerda, foi idealizado a partir do conceito de que ser sustentável é ser simples. Todos os materiais utilizados, dos andaimes aos tapumes, passando por móveis e até o lixo gerado, serão reaproveitados

Fotos: Breno Pataro

Papel do Brasil no desenvolvimento sustentável mundial é apresentado de forma inovadora no Rio de Janeiro

Espaço Humanidades 2012 convida todos a refletir e aprofundar a compreensão sobre um modelo possível de desenvolvimento

ao final do evento. Confira nesta página os detalhes do espaço, que é aberto a todos até às 21h, diariamente, até sexta-feira, dia 22.

Capela Espaço da Humanidade

1

6

1

É o centro do projeto, onde está exposta a grande potencialidade humana de transmissão do conhecimento a partir da criação da linguagem. Uma biblioteca inusitada, formada por 10 mil títulos selecionados por 120 personalidades brasileiras como o ex-presidente Lula, a cantora Maria Bethânia, o coreógrafo Rodrigo Pederneiras, o músico Egberto Gismonti e o jornalista Zeca Camargo. Cada indivíduo indicou o percurso intelectual e afetivo que os fizeram ser quem são.

Sala Mundo em que vivemos

2

Tem como finalidade apresentar a realidade do planeta tal como se encontra nos dias de hoje. Através de máquinas, desenhos, luz e som é apresentada a ideia do antropoceno, termo criado pelo vencedor do prêmio Nobel de Química, Paul Crutzen, que considera a influência humana no funcionamento do planeta.

Sala Mundo Dividido

3

O espaço recebe o texto de Celso Furtado que propõe a mudança da lógica dos meios a serviço da acumulação em um curto horizonte de tempo para a lógica dos fins em função do bem estar social, do exercício da liberdade e da cooperação entre os povos.

Sala Homem e suas Conexões

5

2

4

3

4

O objetivo do espaço é estabelecer uma ligação entre as necessidades e desejos humanos e os meios de produção industrial, educacional, tecnológica e artística.

Sala Produções Humanas

5

A necessidade de abastecimento de energia, comunicação, água, esgoto, alimentos, transporte e resíduos estabelece ligações que não fazem parte da observação cotidiana dos cidadãos a partir do surgimento de megacidades e do aumento populacional mundial.

Salão Diversidade Humana Brasileira A montagem é inspirada em texto de Darcy Ribeiro que exalta tudo que o Brasil “pode ser, vai ser, há de ser e de tudo que ele ainda não é” e apresenta toda a diversidade na cultura e criação do povo brasileiro.

6


DOM - 20/06/2012