Page 1

PREFEITURA BELO HORIZONTE Ano XVIII • N. 4.060 • R$ 0,80

BELO HORIZONTE Diário Oficial do Município - DOM

Tiragem: 2.500 • 28/4/2012

Saúde Bucal em BH recebe nota máxima do Ministério da Saúde

Capital mineira teve melhor desempenho entre cidades com mais de 2 milhões de habitantes em avaliação do Idsus

Fotos: Márcio Martins

O investimento realizado para fortalecer a Saúde Bucal em Belo Horizonte foi um dos fatores que contribuíram para que a capital mineira recebesse o título de melhor desempenho entre as cidades brasileiras com mais de 2 milhões de habitantes. A avaliação foi feita pelo Índice de Desenvolvimento do SUS (Idsus), realizado pelo Ministério da Saúde. O Idsus é um indicador síntese, que faz uma aferição contextualizada do desempenho do Sistema de Único de Saúde (SUS) quanto ao acesso (potencial ou obtido) às atenções ambulatorial e hospitalar, aos serviços de urgências e emergências e em relação à efetividade da atenção básica. O índice tem pontuação que vai de 0 a 10 e leva em conta dados repassados pelos municípios ao Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), ao Instituto de Pesquisa Econômica Ampliada (Ipea) e outras instituições, entre os anos de 2008 e 2010. A capital mineira atingiu 6,4 pontos, ficando na frente de cidades também populosas como São Paulo (6,21), Brasília (5,29), Salvador (5,39), Fortaleza (5,18) e Rio de Janeiro (4,33). O Idsus é baseado em 24 indicadores de saúde. Desse total, 14 quantificam o acesso dos usuários aos serviços e 10 apontam a qualidade do atendimento. A proporção de extração de dentes (exodontia) em relação aos procedimentos recebeu nota 10 na pesquisa. Isso significa que a população está cuidando mais dos seus dentes e os perdendo em uma proporção menor. “Um dos fatores que contribuíram para isso são as estratégias de atendimento clínico desenvolvidas em BH desde 2006. O serviço prioriza o controle das lesões bucais no menor tempo possível, o que pro-

porciona ao usuário um comparecimento ao serviço com menor frequência. Isso amplia o acesso da população ao serviço e produz esse tipo de resultado”, analisou o coordenador de saúde bucal da Secretaria Municipal de Saúde, Carlos Tenório. O número de equipes de saúde bucal aumentou de 226 para 287 e até o final de 2012 serão 307 equipes. Atualmente existem na Rede SUS-BH 323 profissionais dentistas, dos quais 287 trabalham 40 horas semanais credenciados nas Equipes de Saúde bucal do Programa de Saúde da Família.

Bons exemplos No Centro de Saúde Santa Inês, na região Leste, diversas ações implantadas aumentaram o acesso à população a saúde bucal. “A parceria com o Programa de Saúde da Família consegue intervir e levar atendimento odontológico às gestantes, idosos, diabéticos e hipertensos”, destacou a gerente do centro de saúde, Eunice Andrade. Em 2011, menos de 10% dos atendimentos realizados na unidade foram de extração dentária. “Damos ênfase a métodos de prevenção e conscientização dos usuários para diminuir cada vez mais o número de pessoas que extraem os dentes”, afirmou o dentista da unidade, Geraldo Durães. Há pouco mais de um ano, o estudante Pablo Guedes, de 17 anos, esteve na unidade com problemas dentários e achou que teria que extrair um de seus dentes. “Fiz todo o tratamento aqui e não precisei arrancar meu dente”, comentou. O centro de saúde investe também na sala de espera com cartazes educativos sobre doenças relacionadas à saúde bucal. De acordo com a gerente há relatos de pacientes que procuram por tratamento após ler as informações na sala de espera. A cabeleireira Thais Silva, de 24 anos, era só elogio após mais uma seção de seu tratamento dentário. “O atendimento e a atenção que recebo aqui é muito melhores do que na rede privada”, afirmou.

Saúde Bucal em BH Atualmente, todos os 147 centros de saúde da capital oferecem atendimento odontológico para a população. Desse total, 142 unidades estão habilitadas a fornecer próteses dentárias totais e parciais. Implantado em julho de 2010, o Programa de Realização das Próteses entregou à população de Belo Horizonte 5.202 próteses dentárias, beneficiando cerca de 4 mil pessoas. Em 2011, o número de usuários que realizam sua primeira consulta nas unidades básicas chegou a 132.063. Em 2005, eram 74.925 consultas. Houve aumento também do número de tratamentos odontológicos completados de 47.747, em 2005, para 93.269 em 2011. Em 2005, eram necessárias, em média, 5,8 consultas para a conclusão do tratamento. Em 2011, esse número caiu para 2,9 consultas. Belo Horizonte ganhou em 2011 três novos Centros de Especialidades Odontológicas (CEO), que começaram a funcionar no primeiro semestre de 2011. Com a ampliação, o atendimento aumentou de 4 mil para 6 mil consultas. O acesso da população ao atendimento especializado nessas unidades ocorre através dos centros de saúde. Os casos de urgência são direcionados para as Unidades de Pronto Atendimento (UPA) Norte e Oeste e também para o Hospital Municipal Odilon Behrens (HOB), que tem atendimento 24 horas.


BELO HORIZONTE Diário Oficial do Município

2

Poder Executivo Sábado, 28 de abril de 2012

Peça de teatro leva mais de 700 pessoas para a Praça do Cristo utilizados na oficina são garrafas pet, feltro, tecido colorido, fita crepe, durex largo, tesourinha de unha, tesoura para tecido, jornal, durepox, tintas e moldes. “É trabalhoso, mas divertido e eu não imaginava que fosse ficar tão bonito”,

Fotos: Anderson Siqueira

Uma história emocionante e mágica, em que um palhaço tenta deter o plano maléfico do vilão que pretendia acabar com o circo, fez com que mais de 700 pessoas prestigiassem na última semana a apresentação do espetáculo “Palhaço Furreca e o Circo de Bonecos” na Praça do Cristo, no bairro Milionários. Uma apresentação em que o ator Eduardo Dias dos Santos, que dá vida ao palhaço Furreca, e o circo de bonecos encantaram crianças e adultos em um belo espetáculo. O ator Eduardo Dias dos Santos nasceu no Barreiro, é formado em História e trabalha com teatro há mais de 15 anos. A peça conta a história de Feijão, dono do circo Romanowsky, que se vê obrigado a vender o circo, que é seu sonho de criança e ainda o sustento de sua família, por causa de uma grande dívida com malvado Mão Grande. Para ajudar, nada melhor que o Palhaço Furreca, que apronta várias peripécias para conseguir o circo de volta. A peça teve a participação de fantoches, que levaram a plateia às gargalhadas. “O espetáculo foi fabuloso, acho o palha-

disse a professora da Escola Municipal Pedro Nava, Elaine Cristina. A próxima oficina será realizada no dia 12 de maio, no Centro Cultural Lindéia, que fica na rua Aristolino Basílio de Oliveira, 445, Lindéia.

Peça teve participação de fantoches que animaram a plateia

ço sensacional. A plateia ficou muito envolvida e quem não assistiu, perdeu”, disse Izabel Gomes, professora do Instituto Educacional Arca de Noé, do bairro Milionários.

Oficina de bonecos O projeto História do Circo para Crianças de Todas as Idades, responsável pela apresentações, leva após cada encenação a oficina para quem quiser criar o seu

próprio fantoche, de forma sustentável. No Barreiro, a oficina foi realizada na segunda-feira, 23, com quatro horas de duração. Grace Maciel, a professora da Unidade Municipal de Educação Infantil (Umei) Pilar Olhos D’Água, estava muito satisfeita: “Achei muito interessante como se faz este fantoche. Ele dá a base para criarmos outros personagens, sendo possível trabalhar conflitos das crianças de uma forma lúdica”, disse. Os materiais

Escola de dança do Cefar apresenta “A Flauta Mágica” no Sesc Palladium em uma aldeia francesa durante o reinado de Luis XV. Trata-se de uma versão diferente da célebre ópera de Mozart. A primeira de todas as versões (anterior a de Ivanov) foi coreografada pelo metteur-en-scène Fortunato Bernardelli, estreando com o nome de “A Flauta Mágica” ou “Os dançarinos involuntários”. No papel dos protagonistas Luc e Lise estarão os bailarinos convidados Gustavo Carvalho, de 16 anos, primeiro bailarino da Cia Brasileira de Ballet, e Francielle Gomes, bailarina formada pelo Cefar em 2011 e atualmente se especializando na Cia. Brasileira de Ballet. A montagem conta, ainda, com a participação de bailarinos do Ballet Jovem Palácio das Artes. Cenários e figurinos foram trazidos da montagem da Cia. Brasileira de Ballet do Rio de Janeiro, com adaptação e orientação do professor do Cefar, William Rausch. Para a coordenadora do curso de Dança do Cefar, Priscila Fiorini, a parceria com o Sesc representa mais um momento de desafio, crescimento e aperfeiçoamento técnico e artístico para os alunos da instituição. “Os alunos terão nas apresentações novas experiências de palco, de atuação e de público, fatores importantes para a formação de um bailarino”, afirma. “A oportunidade de levarmos a outros palcos as produções realizadas pelo Cefar amplia, potencializa e diversifica o trabalho de todos”, completou.

Paulo Lacerda

O Centro de Formação Artística da Fundação Clóvis Salgado (Cefar) reapresenta nos dias 2 e 3 de maio, quarta e quinta, às 20h, no Grande Teatro do Sesc Palladium (avenida Augusto de Lima, 420, Centro), o ballet de repertório clássico ”A Flauta Mágica”. Com libreto e coreografia de Lev Ivanov e música de Richard Drigo, a montagem é fruto de uma parceria da Fundação Clóvis Salgado com a Cia. Brasileira de Ballet do Rio de Janeiro, e, após o sucesso de público nas apresentações em dezembro do ano passado, vistas por mais de 4 mil pessoas, traz mais uma vez a Belo Horizonte a adaptação da peça apresentada pela companhia em novembro de 2010. Os ingressos para as apresentações custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia) e serão vendidos na bilheteria do Sesc Palladium, pelo site Ingresso.com e pelo telefone 4003-2330. Consultor do curso de Dança do Cefar há dois anos, o diretor da Cia. Brasileira de Ballet do Rio de Janeiro, Jorge Texeira, assina a adaptação ao lado da professora técnica de repertório do Cefar, Juliana Couto. No palco estarão 130 alunos, do nível básico ao profissionalizante, entre 8 e 25 anos. Apresentado pela primeira vez no Pequeno Teatro da Escola Imperial de Bailados, em São Petesburgo, em 1893, ”A Flauta Mágica” conta a história de amor do camponês Luc, e de Lise, filha de um fazendeiro,

Sine Municipal oferece novas vagas Aos interessados em ingressar no mercado de trabalho, os postos do Sine da Prefeitura de Belo Horizonte estão oferecendo vagas de repositor de mercadorias, operador de caixa, operador de telemarketing, promotor de vendas, supervisor administrativo, operador de telemarketing e jardineiro, entre outras. E para os interessados em se qualificar, estão abertas matrículas para cursos em diversos setores, como os de vendedor interno e externo, vendedor com ênfase em materiais de construção, atendente de lanchonete, NR 10, garçom, monitor de recreação e assistente administrativo. Também se encontram disponíveis vagas para cursos do Pronatec – Brasil Sem Miséria destinados aos cadastrados do CadÚnico. Neste caso os cursos são de mecânico de manutenção em motocicletas, mestre de obras, costureiro industrial do vestuário, montagem e manutenção de computadores, dentre outros.

Endereços dos postos do SINE municipais: Sine Barreiro: Rua Barão de Coromandel, 982, Barreiro, das 8h às 16h30 Sine BH Resolve: Rua Caetés, 342, Centro, de 8h às 18h Sine Niat: Rua Espírito Santo, 505, 1º andar, Centro, das 8h às 16h30h Sine Venda Nova: Rua Padre Pedro Pinto, 1.055, Venda Nova, das 8h às 16h30 Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 156 e no site www.pbh.gov.br/melhoremprego. No palco, 130 alunos dos cursos básico e profissionalizante vão apresentar o ballet de repertório clássico


BELO HORIZONTE

Poder Executivo

Diário Oficial do Município

Sábado, 28 de abril de 2012

Abertura do OP 2013/2014 reúne 700 moradores da Pampulha Gercom Pampulha

A sede da Regional Pampulha, no bairro São Luiz, ficou bem movimentada na noite de quarta-feira, dia 25, quando recebeu aproximadamente 700 moradores dos 60 bairros da região para a abertura do Orçamento Participativo 2013/2014. Entre os presentes, destaque para a jogadora da Seleção Brasileira de vôlei, Walewska Moreira de Oliveira, descoberta ainda adolescente na Pampulha pelo professor Heron Santos Brito, representante da Comissão de Acompanhamento e Fiscalização da Execução do Orçamento Participativo (Comforça). Walewska jogou na Rússia e hoje está na equipe Vôlei Futuro, em Araçatuba, São Paulo. A atleta foi homenageada com uma placa em reconhecimento pelo talento esportivo. O secretário regional Pampulha, Osmando Pereira, destacou o crescimento da região. Ele parabenizou os moradores presentes e desejou que seus objeti-

Moradores dos 60 bairros da região marcaram presença no encontro

3

vos de melhorias para a comunidade sejam atingidos. O secretário municipal de Obras e Infraestrutura, Murilo Valadares, enfatizou que o OP é um compromisso dos moradores com a melhoria de Belo Horizonte. “Com bons projetos e planejamentos prontos fica mais fácil a conquista de recursos financeiros”, disse Murilo. Geraldo Afonso Herzog , secretário municipal adjunto de Planejamento e Gestão, destacou o aumento de R$ 110 milhões para R$ 130 milhões para investimentos no OP 2013/2014 e recomendou aos representantes eleitos da Comforça a permanente cobrança no compromisso com as obras aprovadas. “O Orçamento Participativo garante nossa condição de cidadania e tem cumprido sua programação”, disse Homero Rodrigues da Silva, presidente da Associação dos Moradores do bairro Suzana e representante da Comforça da sub-região II.

A Secretaria Municipal Adjunta de Segurança Alimentar e Nutricional Abastecimento (Smasan) promoveu, em parceria com o Instituto Técnico do Cabeleireiro (ITC), um Dia da Beleza para os servidores e funcionários dos restaurantes populares. Durante a atividade foram oferecidos serviços gratuitos de corte de cabelo. O objetivo foi valorizar a autoestima e o bem estar dos funcionários. A atividade agradou funcionários como o cozinheiro Gerson Guimarães, que elogiou o evento e afirmou que esse tipo de ação traz economia para o funcionário, além de muita comodidade, pois o serviço pode ser feito no próprio local de trabalho. Au-

falta de valorização acaba por desestimular a dedicação dos trabalhadores nas atividades propostas, fazendo com que o funcionário se limite a fazer apenas o que lhe é pedido, nunca desejando ir além. Por este motivo, o Restaurante Popular I tem procurado promover diversas atividades para seus colaboradores. Para Edna, esta atividade é de grande importância para mostrar o reconhecimento com os funcionários e um aliado importante para fazer a diferença entre a alta e a baixa produtividade. “Nós acreditamos que a valorização do funcionário fortalece o ambiente de respeito mútuo e contribui para a melhoria na eficiência e na motivação pessoal”, afirmou.

Projeto voltado à comunidade cigana é tema de reunião

poder público e para a sociedade como um todo, considerando que o racismo e a discriminação são violações dos direitos humanos”, complementa.

O secretário municipal adjunto de Direitos de Cidadania, José Wilson Ricardo, e a coordenadora de Promoção da Igualdade Racial, Denise de Paulo Pacheco, se reuniram na última semana com o prefeito Marcio Lacerda para discutir o Projeto de Diagnóstico Socioeconômico das Comunidades Ciganas de Belo Horizonte. O projeto tem como intuito subsidiar a Prefeitura de Belo Horizonte na elaboração de políticas públicas voltadas aos ciganos a serem incorporadas ao Plano Municipal de Igualdade Racial, por meio de ações de responsabilidade da Coordenadoria de Direitos de Cidadania e da Coordenadoria de Promoção da Igualdade Racial. Para tanto, visa realizar uma coleta de dados e,

com a pesquisa, quantificar as comunidades ciganas em Belo Horizonte, onde cada uma delas vive, suas características demográficas, socio-econômicas, étnico-culturais e seu acesso a políticas públicas. O desconhecimento da cultura destes povos e o preconceito da sociedade e das instituições têm dificultado a conquista de direitos básicos desse setor da população. Segundo José Wilson Ricardo, é parte do próprio conflito étnico a desconsideração sobre práticas, tradições e costumes de grupos minoritários. A marginalização tem como consequência a baixa condição socioeconômica, além do afastamento desta comunidade da ação governamental. ”Transformar essa realidade torna-se um desafio para o

Serviços gratuitos de corte de cabelo valorizaram a autoestima dos funcionários

É fundamental entender que promoção do acesso da população negra, da indígena, da cigana e de outras etnias afetadas por discriminação racial

é contemplada no item nove do artigo 5º do Plano Municipal de Promoção da Igualdade Racial, ampliado em 2010 através da Lei Municipal 9.934.

Adão de Souza

xiliar de Serviços Gerais, Rogério Ferreira também elogiou a iniciativa. “É de grande importância para todos os funcionários porque proporciona um dia diferente do cotidiano e estimula o trabalho”, conta. Para Cléber Marques, auxiliar de cozinha, o evento se tornou uma oportunidade para aprender e se inteirar mais sobre a carreira e a profissão que ele deseja seguir um dia. “Eu tenho vontade de ingressar na profissão de cabeleireiro e foi muito bom observar o trabalho da equipe e ver como eles trabalham. Aprendi um pouquinho mais sobre este ofício”, comenta. De acordo com a gerente do restaurante I, Edna Cupertino, a

Smasan

Servidores dos restaurantes populares ganham dia da beleza

Projeto pretende subsidiar a PBH na elaboração de políticas públicas para o setor


BELO HORIZONTE

Poder Executivo

Diário Oficial do Município

42

Sábado, 28 de abril de 2012

INDICADORES ECONÔMICOS DE BELO HORIZONTE Taxas de Juros – Março de 2012

Evolução dos Preços ao Consumidor IPCA(1) Período

IPCR(2) Variação (%)

Índice de Base Fixa (4ª Jul/94=100)

No mês

No ano

Últimos 12 Meses

365,12

0,43

6,59

6,94

nov/11

Índice de Base Fixa (4ª Jul/94=100)

No mês

No ano

Últimos 12 Meses

369,94

0,62

5,47

5,90

367,27

0,59

7,22

7,22

372,20

0,61

6,12

6,12

jan/12

376,82

2,60

2,60

7,67

378,82

1,78

1,78

6,57

fev/12

376,52

-0,08

2,52

6,76

378,86

0,01

1,79

6,13

mar/12

377,65 383,23

(3)

Menor

Maior

Diferença (%)

Média

3,00

5,90

96,67

5,18

Prefixada (montadoras)

0,99

2,18

120,20

1,63

Prefixada (multimarcas)

1,41

2,68

90,07

2,01

1,86

Variação (%)

dez/11

3ª abr/12

Empréstimos pessoa física Alimentício Automóveis Novos

Automóveis Usados

0,30

2,83

6,41

380,72

0,49

2,29

5,87

Prefixada (montadoras)

1,38

2,17

57,25

0,35

3,26

5,87

386,13 (3)

0,38

2,72

5,36

Prefixada (multimarcas)

1,50

3,14

109,33

2,20

11,90

13,95

17,23

12,81

(1) IP CA = Índice de P reço s ao Co nsumido r A mplo : mede a evo lução do s gasto s das famílias co m renda de 1a 40 salário s mínimo s na cidade de B elo Ho rizo nte

Cartão de Crédito

(2) IP CR= Índice de P reço s ao Co nsumido r Restrito : mede a evo lução do s gasto s das famílias co m renda de 1a 6 salário s mínimo s na cidade de B elo Ho rizo nte

7,77

9,74

25,35

8,72

14,29

285,18

7,98

Imóveis Construídos

-0,08

1,51

-1.987,50

0,98

Imóveis na Planta

-0,08

1,51

-1.987,50

0,36

1,20

3,60

200,00

2,27

2,45

5,89

140,41

3,57

1,61

2,80

73,91

1,86

Cheque Especial

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

Combustíveis Construção Civil

Índice de Confiança do Consumidor Variação (%)

Índice de Base Fixa (Maio/04=100)

No mês

No ano

Últimos 12 Meses

(2) (8)

3,71

(3) 3ª quadrissemana de julho /94 = 100

Período

Taxas médias praticadas(1)

Setores

(3) (7)

Cooperativas de Crédito (empréstimo)

ICCBH(1)

IEE(2)

IEF(3)

ICCBH

IEE

IEF

ICCBH

IEE

IEF

ICCBH

IEE

IEF

out/11

137,35

187,54

121,32

1,25

-1,30

2,54

2,37

0,32

3,42

4,36

1,07

6,05

CDC - Financeiro (8)

nov/11

138,86

193,50

121,42

1,10

3,18

0,08

3,50

3,51

3,51

1,93

-0,29

3,11

CDC - Bens Alienáveis

dez/11

138,86

193,54

121,40

0,00

0,02

-0,02

3,50

3,54

3,49

3,50

3,54

3,49

Eletroeletrônicos

1,90

4,75

150,00

3,34

jan/12

136,25

193,98

117,79

-1,88

0,22

-2,97

-1,88

0,22

-2,97

-0,93

0,29

-1,58

Mobiliário

1,31

5,28

303,05

2,76

fev/12

136,23

197,35

116,70

-0,02

1,74

-0,93

-1,90

1,96

-3,87

0,23

0,71

0,00

Financeiras Independentes

8,44

14,38

70,38

12,34

mar/12

137,04

198,94

117,26

0,59

0,81

0,48

-1,31

2,79

-3,41

-1,35

1,45

Crédito Direto ao Consumidor (CDC)

(8)

Turismo

-2,80

(1) ICCB H: Índice de Co nfiança do Co nsumido r de B elo Ho rizo nte: trata-se de um indicado r que tem po r finalidade sintetizar a o pinião do s co nsumido res em B elo Ho rizo nte quanto ao s aspecto s capazes de afetar as suas decisõ es de co nsumo atual e futuro

Nacional

2,18

3,34

53,21

2,38

Internacional

0,94

2,38

153,19

1,51

1,41

7,23

412,77

3,68

1,16

4,05

249,14

2,26

1,18

4,35

268,64

2,40

2,44

9,14

274,59

6,21

(2) IEE: Índice de Expectativa Eco nô mica: retrata a expectativa do co nsumido r em relação ao s indicado res macro eco nô mico s (3) IEF: Índice de Expectativa Financeira: retrata a co nfiança do co nsumido r a respeito de alguns indicado res micro eco nô mico s

Vestuário e Calçados

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

Empréstimos pessoa jurídica Desconto de Duplicatas

Evolução do Mercado Imobiliário: Aluguéis Residenciais Período Índice de Base Fixa (Jul/94=100)

Comerciais

Variação (%) No mês

Conta Garantida

Variação (%)

Índice de Base Fixa (Jul/94=100)

Últimos 12 Meses

No ano

(8)

Capital de Giro (8)

No mês

No ano

(8)

Captação

Últimos 12 Meses

CDB 30 dias

(4)

Cooperativas de Crédito (aplicação)

out/11

403,97

0,71

8,41

10,40

536,25

1,13

10,72

12,49

Fundo de Investimento Curto Prazo

0,82

nov/11

407,56

0,89

9,38

10,12

541,83

1,04

11,87

12,57

Fundo de Investimento Longo Prazo

0,78

dez/11

411,68

1,01

10,48

10,48

549,68

1,45

13,49

13,49

Poupança (5)

0,34

0,65

91,18

0,52

Taxa SELIC (6)

0,57

0,75

31,58

0,67

jan/12

412,87

0,29

0,29

10,16

551,72

0,37

0,37

12,63

(1) Co nsidera-se a média das taxas praticadas pelo s info rmantes

(5) Taxa referente ao primeiro dia do mês subsequente (6) M édia po nderada pela vigência

(3) Inclui a variação do s indexado res CUB , TR, INCC e IGP -M

(7) No vo cálculo co nsiderando o perío do do s índices que co mpõ em a estimativa (8) Dado s co letado s a partir de info rmaçõ es co nso lidadas no B anco Central do B rasil

fev/12

415,22

0,57

0,86

9,56

558,01

1,14

1,51

12,17

(2) Não são co nsideradas vantagens pro gressivas

mar/12

419,21

0,96

1,83

9,62

562,53

0,81

2,34

12,31

(4) Taxa A NB ID do primeiro dia útil do mês e pro jetada para 30 dias

.. Não se aplica dado s numérico s

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

Tarifas Bancárias – Março de 2012

Valores médios (em R$) dos aluguéis residenciais por classe de bairro(*) - Março de 2012

Forma de Cobrança

Produtos / serviços(1)

Popular

Imóveis

Médio

Alto

Luxo

(2)

630,00 (7)

1586,22 (45)

Conf ecção de cadastro para início de relacionamento - CADASTRO

CARTÃO - Fornecimento de 2º via de cartão com f unção débito

por cliente

5,50

10,00

81,82

7,73

608,92 (37)

883,01 (68)

1015,96 (98)

1935,51 (98)

CARTÃO - Fornec. de 2ª via de cartão com f unção mov. conta de poupança

por cliente

5,50

10,00

81,82

7,33

CHEQUE - Exclusão do Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundo (CCF)

por Operação

30,00

52,00

73,33

40,90

CHEQUE - Contra-ordem e oposição ao pagamento de cheque

por cheque

11,00

15,00

36,36

11,77

707,37 (19)

850,00 (8)

1075,00 (12)

1320,00 (5)

CHEQUE - Fornecimento de f olhas de cheque

por cheque

1,00

1,55

55,00

1,39

CHEQUE - Cheque Administrativo

por Cheque

20,00

27,00

35,00

23,32

por cheque

0,00

21,00

..

15,75

1049,51 (41)

1198,35 (79)

1445,26 (173)

2310,58 (240)

Saque de conta de depósitos à vista e de poupança - SAQUE pessoal

por operação

2,00

3,50

75,00

2,33

Saque de conta de depósitos à vista e de poupança - SAQUE Terminal

por operação

1,30

3,00

130,77

1,93

Saque de conta de dep. à vista e de poupança - SAQUE correspondente

por operação

1,30

2,30

76,92

1,83

Apartamento 4 Quartos e até 2 Banhos

(3)

-

1775,00 (4)

2803,45 (29)

DEPÓSITO - Depósito Identif icado

por operação

0,00

5,00

..

2,24

Forn. de ext. de um periodo conta dep. à vista e poup. - EXTRATO (P)

por operação

2,00

6,00

200,00

3,25

Forn. de ext. de um periodo conta dep. à vista e poup. - EXTRATO (E)

por operação

1,45

3,00

106,90

2,12

Apartamento acima de 4 Quartos e 2 Banhos

(2)

2300,00 (4)

2319,05 (21)

4085,10 (151)

Forn. de ext. de um periodo conta dep. à vista e poup. - EXTRATO (C)

por operação

0,00

2,00

..

1,27

Ext. mensal de conta de dep. à vista e poup. p/um período -EXTRATO(P)

por operação

1,45

6,00

313,79

3,17

380,00 (5)

451,43 (7)

-

-

(3)

(2)

(1)

-

(2)

(3)

(2)

(2)

657,50 (20)

773,08 (13)

1037,50 (4)

-

846,36 (11)

979,17 (12)

(1)

(2)

1148,89 (9)

1576,92 (13)

2500,00 (11)

4800,00 (5)

Apartamento 2 Quartos Apartamento 3 Quartos 1 Banho Apartamento 3 Quartos 2 ou mais Banhos

Barracão 1 Quarto Barracão 2 Quartos Casa 1 Quarto Casa 2 Quartos Casa 3 Quartos e 1 Banho Casa 3 Quartos e 2 ou mais Banhos

CHEQUE - Cheque Visado

(1)

Casa 4 Quartos e 2 Banhos

(2)

(1)

5475,00 (4)

3262,50 (8)

8022,22 (9) 7857,58 (33)

..

32,29

por operação

1,45

5,00

244,83

2,39

por operação

0,00

5,00

..

2,04

Fornecimento de cópia de microf ilme, microf icha ou assemelhado

por operação

4,50

6,00

33,33

5,69

Transf erência agendada por meio de DOC/TED - DOC/TED agendado(P)

por operação

0,00

19,00

..

13,13

Transf erência agendada por meio de DOC/TED - DOC/TED agendado(E)

por operação

0,00

12,50

..

7,80

Transf erência agendada por meio de DOC/TED - DOC/TED agendado(I)

por operação

0,00

11,50

..

7,40

Transf erência entre contas na própria instituição- TRANSF. RECURSOS(P)

por operação

1,00

2,95

195,00

1,45

Transf erência entre contas na própria instituição-TRANSF.RECURSOS(E/I)

por operação

0,00

2,70

..

1,03

Ordem de Pagamento - ORDEM PAGAMENTO

por operação

24,00

27,00

12,50

25,72

Transf erência por meio de DOC - DOC Pessoal (3)

por evento

13,40

20,00

49,25

14,85

Transf erência por meio de DOC - DOC eletrônico (3)

por evento

0,00

12,50

..

7,82

Transf erência por meio de DOC - DOC internet (3)

por evento

6,00

11,50

91,67

8,03

Transf erência por meio de TED - TED pessoal (3)

por evento

13,40

20,00

49,25

14,77

Transf erência por meio de TED - TED eletrônico (3)

por evento

0,00

12,50

..

7,82

Transf erência por meio de TED - TED internet (3)

por evento

0,00

8,60

..

7,92

por operação

30,00

49,00

63,33

41,95

por evento

10,50

18,00

71,43

13,35

a cada 365 dias

24,00

56,00

133,33

46,33

Fornecimento de 2ª via de cartão com f unção crédito

por evento

0,00

15,00

..

6,53

Utilização de canais de atend. para retirada em espécie - no país

por evento

4,00

15,00

275,00

8,16

Pagamento de contas utilizando a f unção crédito em espécie

por evento

1,99

15,00

653,77

10,40

OPERAÇÕES DE CRÉDITO Concessão de adiantamento a depositante - ADIANT. DEPOSITANTE PACOTE PADRONIZADO PESSOA FÍSICA CARTÃO DE CRÉDITO (3) Anuidade - cartão básico nacional

Anuidade - cartão básico internacional Utilização de canais de atend. para retirada em espécie - no exterior

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

por evento

0,00

15,00

..

13,13

a cada 365 dias

0,00

90,00

..

86,67

por evento

7,90

30,00

279,75

13,99

(2) Co nsidera-se a média das tarifas praticadas pelo s banco s pesquisado s

(1) Não são co nsideradas vantagens pro gressivas Fo nte: B anco Central do B rasil / B anco s - Dado s trabalhado s pela Fundação IP EA D/UFM G

.. Não se aplica dado s numérico s

Quantidade

Valores (em R$)

Contribuição na variação (p.p.)

Açúcar cristal

3,00 kg

5,09

-0,08

Arroz

3,00 kg

5,78

0,00

Banana caturra

12,00 kg

23,40

0,00 -0,16

Produto

Variação (%) No mês

ND: não dispo nível

Custo da Cesta Básica (*) – Março de 2012

Evolução da inflação, salário mínimo e cesta básica

Período

59,00

Ext. mensal de conta de dep. à vista e poup. p/um período - EXTRATO(C)

Avaliação emergencial de crédito

(*) O valo r entre parênteses representa o número de imó veis utilizado s no cálculo da respectiva média. Na maio ria das vezes, so mente são publicado s valo res médio s o btidos a partir de quatro imóveis pesquisado s. Os caso s em que não fo i pesquisado nenhum imó vel são indicados po r hífen (-). Os valo res médio s referentes a apartamentos de 1e 2 quarto s da classe luxo são influenciado s pela oferta de Flats.

Índice de Base Fixa (Jul/94=100)

0,00

Ext. mensal de conta de dep. à vista e Poup. p/um período - EXTRATO(E)

PACOTE PADRONIZADO PESSOA FÍSICA

Casa 4 Quartos e até 2 Banhos

por evento

CONTAS DE DEPÓSITOS

TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

Barracões

Casas

Menor (R$) Maior (R$) Diferença (%) Média (2) (R$)

CADASTRO

(3)

Apartamento 1 Quarto

Apartamentos

ND - não dispo nível

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

No ano

Últimos 12 Meses

IPCA(1)

Salário Mínimo

Cesta Básica (2)

IPCA

Salário Mínimo

Cesta Básica

IPCA

Salário Mínimo

Cesta Básica

IPCA

Salário Mínimo

Cesta Básica

Batata inglesa

6,00 kg

7,62

out/11

363,55

841,18

437,34

0,29

0,00

0,35

6,14

6,86

4,80

7,16

6,86

5,08

Café moído

0,60 kg

7,61

0,00

nov/11

365,12

841,18

444,78

0,43

0,00

1,70

6,59

6,86

6,59

6,94

6,86

2,75

Chã de dentro

6,00 kg

98,52

-0,20

dez/11

367,27

841,18

460,44

0,59

0,00

3,52

7,22

6,86

10,34

7,22

6,86

10,34

jan/12

376,82

960,02

479,24

2,60

14,13

4,08

2,60

14,13

4,08

7,67

15,19

13,77

fev/12

376,52

960,02

456,21

-0,08

0,00

-4,81

2,52

14,13

-0,92

6,76

15,19

6,28

mar/12

377,65

960,02

449,38

0,30

0,00

-1,50

2,83

14,13

-2,40

(1) IP CA = Índice de P reço s ao Co nsumido r A mplo : mede a evo lução do s gasto s das famílias co m renda de 1a 40 salário s mínimo s na cidade de B elo Ho rizo nte (2) Cesta B ásica: representa o s gasto s de um trabalhado r adulto co m a alimentação definida pelo Decreto -lei 399/38 FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

6,41

14,13

-1,28

Farinha de trigo

1,50 kg

3,12

0,01

Feijão carioquinha

4,50 kg

21,06

0,15

Leite pasteurizado

7,50 l

15,00

-0,03

Manteiga

750,00 g

14,81

0,10

Óleo de soja

1,00 un

3,02

0,04

Pão francês

6,00 kg

37,02

0,07

Tomate

9,00 kg

18,27

-1,40

(*) Cesta B ásica: representa o s gasto s de um trabalhado r adulto co m a alimentação definida pelo Decreto -lei 399/38 FONTE: Fundação IP EA D/UFM G


Sábado, 28 de abril de 2012

Regional Pampulha apresenta nova gerente de Saúde

Fotos: Gercom Pampulha

A nova gerente distrital da Pampulha, Valma Bernadete de Miranda Seixas, foi apresentada na última semana aos funcionários do distrito pelo secretário regional Osmando Pereira, a quem deu boas vindas na presença do secretário municipal de Saúde, Marcelo Teixeira, que durante a reunião comentou sobre os trabalhos e desafios que todos os funcionários da área precisam enfrentar para melhorar a qualidade de vida dos cidadãos.

Secretário de Saúde Marcelo Teixeira participou da apresentação de Valma Bernadete

BELO HORIZONTE

Diário Oficial do Município

43

Diretor da SLU faz palestra para empresários na Fiemg O mercado de resíduos no Brasil apresenta um grande potencial econômico, com excelentes perspectivas para municípios, estados, empresas, investidores, cooperativas e pesquisadores. A afirmação foi feita pelo diretor de Operações da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU), Rogério Siqueira, durante o workshop “Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos como Oportunidade de Negócios”, realizado na sede da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). Durante sua palestra, Rogério Siqueira destacou as ações pioneiras da Prefeitura de Belo Horizonte no tratamento dos resíduos sólidos e a importância de investimentos em modelos sustentáveis. De acordo com Rogério, o setor de resíduos sólidos oferece um amplo cenário para empreendedores, principalmente após a Lei Nacional de Resíduos Sólidos, sancionada em 2010 pelo presidente Lula. Uma das determinações da nova legislação é que os aterros sanitários recebam apenas os resíduos que não possam ser reaproveitados, denominados na mesma lei de “rejeitos”. Uma das consequências é que os resíduos tenham ainda mais valor comercial. “A lei visa à redução, reutilização e reciclagem dos resíduos, além de instituir a logística reversa. Neste contexto surgem muitas oportunidades de negócios”, afirma. Para o diretor da SLU, no curto prazo, as oportunidades estão concentradas principalmente na coleta e destinação de lixo, uma vez que, no país, 80%

Fotos: SLU

Poder Executivo

das cidades ainda praticam a disposição inadequada de resíduos. A lei prevê que até agosto de 2014 as prefeituras tenham eliminado seus lixões e buscado novos formatos para a gestão do lixo. Uma oportunidade com retornos em médio prazo é a geração de energia elétrica a partir dos resíduos sólidos. Em Belo Horizonte, a Central de Aproveitamento Energético do Biogás, localizada na Central de Tratamento de Resíduos Sólidos da SLU, já processa e queima o gás metano produzido a partir da decomposição do lixo aterrado no antigo aterro sanitário da BR040, gerando energia elétrica, que é comprada pela Companhia Energética do Estado de Minas Gerais (Cemig) e distribuída em sua rede. A Prefeitura recebe 6% do valor da energia comercializada com a Cemig.

Rogério Siqueira destacou atividades pioneiras da PBH no tratamento de resíduos sólidos

Moradores adotam áreas verdes na região Centro-Sul Fotos: Gercom Centro-Sul

uma dessas áreas. Ele cuida de uma rotatória ajardinada no bairro Santo Antônio há cerca de 5 anos e conta que faz isso por prazer. “É uma forma de valorizar Belo Horizonte”, acrescenta. Vicente resolveu adotar a área para dar continuidade ao trabalho de uma empresa que cuidava do espaço, mas que iria deixar o trabalho. “Resolvi

Pessoas zelam pelo espaço ser se preocupar com publicidade

A região Centro-Sul conta com diversos parceiros para cuidar das áreas verdes. São 151 espaços, entre jardins, canteiros centrais e praças que permanecem sob a atenção compartilhada com a administração municipal por meio do programa Adote o Verde. Mas o

que poucos sabem é que, além das pessoas jurídicas, existem também pessoas físicas que colaboram com a cidade adotando áreas verdes. O comerciante aposentado Vicente Gonçalves, de 87 anos, se orgulha de ser uma das pessoas que contribui com a manutenção de

tratar do lugar e vou fazer isso enquanto eu morar por aqui, porque gosto de verde”, declarou. Na região Centro-Sul, 13 áreas verdes são adotadas por dez pessoas físicas. São cinco praças, dois canteiros centrais e de seis jardins públicos, distribuídos entre os bairros Santo Antônio, Mangabeiras, São Bento, Serra,

Floresta e Sion. Os adotantes também têm se destacado com premiações. Em 2011, por exemplo, Rosana Maria Guimarães, adotante de três áreas verdes, foi vencedora da pré-seleção Centro-Sul para o Concurso Cidade Jardim, na categoria Canteiro Central, pelo cuidado com o canteiro da avenida Francisco Sales, no trecho entre a avenida Assis Chateaubriand e rua Itajubá, no bairro Floresta. Outros adotantes também já se destacaram e ganharam o prêmio, como Marlene Rios de Castro e Vicente Gonçalves, pela adoção de praças no bairro Santo Antônio. “Muitos desses parceiros não gostam de ser identificados e de ter publicidade com a iniciativa. Eles zelam pelo espaço apenas como doação”, disse a coordenadora do programa Adote o Verde na Regional Centro-Sul, Selma Nunes Terra. Além das pessoas físicas, a Regional Centro-Sul conta com a colaboração de 120 adotantes pessoas jurídicas que cuidam de 138 áreas verdes na região.


BELO HORIZONTE Diário Oficial do Município

44 44

Poder Executivo de abril de 2012 Sábado, 28 deSábado, abril de282012

Regional Noroeste entrega obras prioritárias em vários bairros Fotos: Gercom Noroeste

Mais de dez obras consideradas de extrema importância para moradores de vários bairros da região Noroeste foram executadas pela Gerência de Manutenção Noroeste desde o início do ano. Esses trabalhos significaram a realização de sonhos antigos, como disse Edélcio Pereira da Silva, morador da Vila Califórnia, no bairro Novo Glória. “Não sei de quantas reuniões participei para reivindicar corrimões aqui na vila. Ações que podem parecer pequenas são enormes para nós, moradores”, disse. Esse trabalho envolveu mais de 30 homens, entre mestres de obras, pedreiros, serralheiros, carpinteiros, pintores, serventes, gerentes e encarregados, além de maquinário e equipamentos específicos.

Trabalho focou locais onde houve um histórico antigo de reivindicações

Além dos corrimões que foram afixados nas ruelas de acesso à rua Porto Velho, no bairro Novo Glória, outras obras de destaque foram as realizadas na rua Flor da Noite 116, no Jardim Alvorada, que recebeu uma contenção em muro de bloco cheio; na praça Kennedy, no Califórnia, onde foram realizadas melhorias no piso, no passeio e no jardim; na rua Prentice Coelho, no Caiçara, onde foi executada a urbanização do trecho situado entre as ruas Prentice Coelho e Professor Francisco Henriques; a urbanização e recapeamento do beco Ibiá, na Vila Senhor dos Passos. Além disso foram feitas a re-

forma geral, construção de pista de cooper e ajardinamento da Academia da Cidade no bairro Coqueiros, e obras da Unidade Municipal de Educação Infantil (Umei) Nova Esperança, onde foram plantadas 32 mudas de árvores na parte interna e na parte externa e a criação de um jardim na parte central da escola. De acordo com o gerente regional de Manutenção, Rosemar Gossenzo Gea, o trabalho é focado na melhoria da qualidade de vida do cidadão e, sabendo disso, foram priorizadas intervenções em locais onde havia um histórico antigo de reivindicações.

Gercom Norte

Projeto Lendo e Relendo chama a atenção da comunidade para a importância hábito de leitura Despertar nas crianças o interesse pela leitura, apresentar o livro como o seu melhor amigo e desenvolver um modelo de biblioteca inclusiva e integrada ao cotidiano da comunidade. Esses são alguns dos objetivos em torno do projeto Lendo e Relendo, que aconteceu durante a semana no BH Cidadania/Cras Providência, no bairro Minaslândia. Entre as atividades, oficinas de artes, ateliês e brincadeiras, exibição de filmes e narração de histórias. A apresentação dos palhaços Risadinha e Manezinho, na sexta-feira, dia 27, marcou o encerramento das atividades. A educadora infantil Débora Cristina da Fonseca levou os alu-

Meta é desenvolver um modelo de biblioteca inclusiva e integrada às comunidades

nos da Unidade Municipal de Educação Infantil (Umei) Abelinua Dourada para a narração de história e destaca a importância do momento na formação escolar e cognitiva das crianças. “Momentos como este são importantes, pois as crianças estão lendo menos em virtude do computador. Além disso, os pais perderam o hábito de contar histórias para os filhos” afirmou. Os artistas, educadores e oficineiros que ajudam a promover o evento participam de forma voluntária, desenvolvendo atividades lúdicas e pedagógicas com as crianças. Adelina Aparecida Quillle, ou “Cida Quille” é contadora de histórias e se apresenta em esco-

las, creches e hospitais. Responsável por prender a atenção das crianças com contos e fábulas durante o Lendo e Relendo, ela destaca a contribuição dos contos ao evento. “Por meio dos contos, o projeto busca trazer o público para dentro da biblioteca e desenvolver a curiosidade da criança pelo livro, estimulando a leitura” destacou. Gislene Caldeira, coordenadora do BH Cidadania/Cras Providência, reiterou o caráter social do evento e o comprometimento do mesmo com a comunidade. “O intuito é trazer escolas, creches e a comunidade local para o Cras, fomentar a leitura e fortalecer a nossa biblioteca local” afirmou.

Representantes do Banco Mundial analisam ações da PBH na área de eficiência energética resíduos sólidos, água e águas residuais, com foco na redução de custos por meio da eficiência energética. Segundo Pedzi Makumbe, um dos consultores do Banco Mundial, a avaliação é baseada no potencial de redução de cada cidade e na apresentação de soluções. “Nosso programa analisa o potencial de eficiência energética e de redução de emissões. O relatório que será apresentado prioriza os setores que têm menos potencial. Assim, apresentaremos propostas de casos de sucesso, realizados em outras cidades, adequando-os às necessidades de Belo Horizonte, no sentido de solucionar os problemas daqui”, enfatizou. Também representaram o banco o consultor Ivan Jaques, chileno e o consultor local do Banco Mundial em Belo Horizonte, Felipe Bittencourt. A intenção do Banco Mundial na parceria com a PBH é o

financiamento para desenvolvimento de políticas públicas com foco em práticas sustentáveis, promovendo o desenvolvimento ur-

bano inclusivo através de políticas inovadoras voltadas para a população vulnerável e de baixa renda.

SMMA

A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (SMMA) recebeu na última semana representantes do Banco Mundial que realizaram análises das ações desenvolvidas pela Prefeitura de Belo Horizonte relacionadas com eficiência energética e gerenciamento de resíduos sólidos e redução de emissões de gases de efeito estufa. A visita está relacionada ao projeto Trace, do Banco Mundial, e Belo Horizonte é a primeira cidade na América Latina a realizar tal estudo. O Trace é uma ferramenta para realizar uma análise setorial rápida do uso de energia em uma cidade, priorizando setores com potencial significativo de economia de energia e identificando intervenções em eficiência energética apropriadas a nível local. O Trace inclui uma avaliação da eficiência energética nos setores de transporte, iluminação pública, edifícios públicos, energia e calor,

Consultores visitaram locais como a Central de Tratamento de Resíduos Sólidos

Visitas Durante a semana os consultores do Banco Mundial realizaram diversas visitas no perímetro de Belo Horizonte, fazendo a análise da eficiência energética e de seu potencial de redução. Uma das visitas ocorreu na Central de Tratamento de Resíduos Sólidos, na BR-040, onde também está localizada a Central de Aproveitamento Energético do Biogás, o maior projeto mitigador de efeito estufa na capital, que processa e queima o gás metano gerado a partir da decomposição do lixo depositado no antigo aterro sanitário da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU). Além disso, a energia gerada é comprada pela Companhia Energética do Estado de Minas Gerais (Cemig) e distribuída em sua rede. A usina contribui para a redução das emissões responsáveis pelo efeito estufa, deixando de lançar na atmosfera cerca de 4 milhões de toneladas equivalentes de dióxido de carbono em 15 anos.

DOM - 28/04/2012  

Diário Oficial do Município

Advertisement