Issuu on Google+

PREFEITURA BELO HORIZONTE Ano XVII • N. 3.870 • R$ 0,80

BELO HORIZONTE Diário Oficial do Município - DOM

Tiragem: 2.500 • 19/7/2011

Fotos: Suziane Fonseca

Fundação Zoo-Botânica oferece diversas atrações nas férias

Todos os espaços da FZB-BH receberão programações especiais e várias opções para quem ficar na capital em julho A Fundação Zoo-Botânica de Belo Horizonte (FZB-BH) oferece até o dia 31 de julho várias atividades dentro de sua programação de férias em todos seus espaços. Entre elas estão exposições temáticas, oficinas, visitas sem agendamento, além de atendimentos a alunos dos programas Escola nas Férias e BH Cidadania. Espaço para correr, brincar, pisar na grama, soltar pipa e andar de bicicleta. Nas férias de julho o Parque Ecológico da Pampulha (avenida Otacílio Negrão de Lima, 7.111, Pampulha) estará aberto de terça-feira a domingo, das 8h30 às 17h. A Exposição de Ovos e Sementes é uma de suas atrações e contempla elementos como ovos de aves e de répteis, ninhos, mudas de répteis,

pegada de capivara, dente de jacaré e semente de árvores. Crianças, jovens e adultos podem também visitar o Memorial da Imigração Japonesa, que fica no Parque Ecológico da Pampulha, ou participar da oficina de máscaras, com a montagem de animais como

harpia, urubu rei, onça pintada, quati, lobo guará, mico estrela, tamanduá, papagaio e coruja. O empréstimo de bicicletas (feito às sextas, sábados e domingos) é outra boa opção. Para cada inscrição, o visitante terá direito a duas bicicletas, desde que sejam pessoas

maiores de 18 anos e que tenham acima de 1,5 metro, mediante apresentação de documento com foto. Além disso, nesse período, o visitante terá acesso gratuito à internet. Os interessados poderão navegar próximo à área da administração do parque. A atividade faz parte do programa de inclusão digital da Prefeitura de Belo Horizonte. Já os visitantes que comparecerem ao Jardim Zoológico (avenida Otacílio Negrão de Lima, 8.000, Pampulha) terão a oportunidade de participar de atividades rotineiras como a visita ao Borboletário, onde há um verdadeiro baile colorido de borboletas, às estufas temáticas do Jardim Botânico e à Zooboteca , que está com a exposição temática

“Biodiversidade”, que retrata a riqueza das espécies. Também estão programadas visitas, previamente agendadas, com estudantes de escolas da rede municipal de ensino de hoje a sexta, dia 22, e de terça, dia 26, a sexta, dia 29. Isso sem falar de possibilidades de visitas ao Aquário da Bacia do Rio São Francisco e ao Jardim Japonês. Este último é reservado para grupos agendados nas terças-feiras. Para o presidente da Fundação Zoo-Botânica, Evandro Xavier, visitar os vários espaços da fundação é conhecer um mundo de oportunidades. ”Os cuidados com o meio ambiente e as ações de preservação somente acontecem quando as pessoas conhecem e respeitam os animais e plantas”, destaca.

Guarda Municipal começa a utilizar arma não letal equipamento já está sendo empregado é o Terminal Rodoviário Governador Israel Pinheiro. De acordo com o inspetor Silva Costa o equipamento será útil e vai garantir a integridade física dos agentes municipais e do infrator. “Arma não letal tem poder de 5 mil volts de choque. O tempo que o alvo fica neutralizado é mais que suficiente para que nós possamos imobilizá-lo com segurança para ambos os lados”, disse. Os multiplicadores da Guarda Municipal receberam treinamento prático e teórico do Grupo de Ações Táticas Especiais da Polícia Militar de Minas Gerais (Gate). “O guarda municipal foi treinado para saber quando e como usar o equipamento”, afirma o gerente de Execução Opera– cional da Guarda Municipal, José

Chagas Diniz Couto. Do efetivo de 2.349 homens, cerca de 30% estarão habilitados a utilizar o equipamento. “Em uma segunda fase, até o fim do ano, todos os guardas de Belo Horizonte serão treinados para utilizá-lo”, afirmou.

fins de segurança, a arma Taser dispõe de trava e quando disparada ar-

mazena, em memória digital interna, a data e o horário.

Roger Victor

A Guarda Municipal de Belo Horizonte começou a usar as pistolas que emitem descargas elétricas. O novo equipamento não letal é mais uma opção para ser utilizada em situações de resistência e de proteção dos agentes e cidadãos. Os 200 equipamentos foram doados pelo Ministério da Justiça há uma semana e serão distribuídos em diversos pontos de atuação dos agentes municipais. A distribuição da arma de choque faz parte da política de segurança pública do Ministério da Justiça, que pretende usar equipamentos com menor poder ofensivo buscando a redução da letalidade e de lesões corporais. Um dos locais em que o

Funcionamento Quando disparada, a arma não letal emite “ondas T” (forma de ondas semelhantes às ondas cerebrais), com ação direta sobre o sistema nervoso sensorial e sistema nervoso motor do oponente, de forma a paralisá-lo com menor possibilidade de dano. A arma Taser permite ao operador o controle total do tempo do disparo, podendo este tempo ser continuamente prolongado ou instantaneamente interrompido. Para

Equipamento com menor poder ofensivo busca reduzir letalidade e lesões corporais


BELO HORIZONTE 2

Poder Executivo

Diário Oficial do Município

Rodoviária recebe exposição de arte inclusiva

Gercom Venda Nova

Fotos: Gercom Centro-sul

Confira a programação de julho do Centro Cultural Venda Nova

Terça-feira, 19 de julho de 2011

O Centro Cultural Venda Nova, que está localizado na rua José Ferreira Santos, 184, no bairro Novo Letícia, em Venda Nova, promove diversas atividades para a população de terça a sexta-feira, de 8h às 17h, e aos sábados, de 9h às 13h. No mês de julho, várias atividades comemoram o tricentenário de Venda Nova. Confira a programação:

Oficinas • “Por que ler mangá?” - Panorama sobre o mangá no mundo e no Brasil. Uma oportunidade para conhecer algumas das mais famosas publicações orientais no Brasil. Com Samuel Medina do Nascimento. Público: Adolescentes a partir de 12 anos. Amanhã, das 15h às 16h30. Inscrições na biblioteca. Total de 20 vagas. • Conversa em quadrinhos com Lady’s Comics - A vivência e a visão feminina no universo da HQ. As meninas do Lady’s Comics irão mostrar que os quadrinhos também fazem parte do sonho de algumas mulheres. Quem são elas, o que desenham e como procuram se destacar no mercado. O bate-papo acontece no dia 28, quinta, às 15h na biblioteca.

• Dança Contemporânea Para Crianças - A oficina integra o projeto Arte da Saúde. Possibilita o contato com a dança contemporânea de forma lúdica e espontânea, respeitando os tempos da infância, a capacidade expressiva e a criatividade das crianças. Com Clécio Lima. Para crianças de 7 a 14 anos. Segundas e quartasfeiras, das 8h às 12h e das 13h às 17h. • Construção de brinquedos - Confecção de brinquedos com materiais simples e recicláveis, para todas as idades. Os encontros acontecem na área externa do centro cultural. Edição especial de férias. Com Robson de Souza e Hilda Palhares para crianças a partir de 6 anos. Horário: todas as quartas-feiras, das 14 às 17h. • Grupo de Estudos de Violão - Grupo que se reúne uma vez por semana para a troca de experiências musicais e conhecimentos sobre o violão. Organização de Philippe Quaresma e Johnny Raydan. Interessados ligar para 3462-9383 (Philippe) e 3453-2439 (Johnny). Segundas-feiras das 19 às 21h. • Liang Gong - Prática corporal em 18 terapias elaborada na década de 70 por Zhuang Yuan Ming, unindo os conhecimentos da medicina tradicional chinesa e a moderna medicina ocidental, com as artes guerreiras e os antigos exercícios terapêuticos. Com Alcântara. Público em geral. Às sextas-feiras, das 7h às 8h.

Patrimônio Cultural • Capoeira - Oficina de capoeira orientada pelo graduado Jabuti e supervisionada pelo mestre Museu, integrantes da Fundação Internacional de Capoeira Arte das Gerais. Para o público em geral. Às terças e sextasfeiras, das 19h às 22h. • Visita Guiada ao Centro Cultural – Um roteiro que conta a história tricentenária da região. Entre outras atividades são oferecidas hora do conto, brincadeiras e oficinas, onde são abordados elementos da história de Venda Nova. O agendamento de grupos para a visita guiada pode ser feito pelo telefone 3277-9504, com Regina ou Hilda.

Difusão Cultural • Aquecimento Hip Hop - No último sábado do mês os grupos de hip hop que agitam o centro cultural recebem convidados e fazem um aquecimento para o 3º Encontro de Hip Hop. Nesta edição, participarão grupos de hip hop de diversas regiões de BH. Com batalha de MC’s e apresentações de dança e rap. Para o público em geral. Sábado, 30, das 14h às 19h.

Exposições • Pequenas memórias: 300 anos de Venda Nova - Fotos, documentos e objetos revelam ao visitante lembranças de momentos da tricentenária história da região. No encerramento da visita são convidados a deixar registrado em vídeos suas preciosas memórias de Venda Nova. Até o dia 30 de outubro. Terça a sextafeira, das 9h às 18h. Sábados, das 9h às 13h.

Incentivo à Leitura • Biblioteca - A biblioteca dispõe de um acervo de títulos diversos, infantis e adultos, para consulta local e empréstimo domiciliar. Cadastre-se apresentando documento de identidade e um xerox do comprovante de residência. Para menores de 10 anos, é necessária a presença de um responsável. De terça a sexta-feira, das 9h às 18h. Aos sábados, das 9 às 13h. • Telecentro - Acesso ao uso da internet para a comunidade mediante cadastro. De terça a sexta-feira, das 13 às 17h. Aos sábados, das 9 às 13h

A Prefeitura, por meio Regional Centro-Sul, promove na rodo– viária até o dia 10 de agosto a exposição de pinturas táteis “Anjos Mensageiros de Paz e do Amor”, da artista educadora Eni D’Carvalho. A mostra, que está na galeria de arte do terminal diariamente, das 7h às 20h, é composta por obras que utilizam texturas, formas e relevos para estimular os sentidos dos visitantes. Segundo a artista, o objetivo da exposição é acordar e partilhar o anjo interior de cada pessoa para construir uma cidade humanizada, canalizando a energia divina na vida cotidiana. “Cada obra promove um verdadeiro encontro com o anjo de luz que levamos na alma e ilumina nossos passos na busca da felicidade”, explica a expositora. Com o lema “tocar e sentir”, Eni D’Carvalho quebra o paradigma do “não toque” ao criar telas que traduzem a linguagem visual para a linguagem tátil. Além disso, a mostra traz textos explicativos em braille e oferece vendas aos visitantes visuais para que eles possam vivenciar a experiência de um cego. A grande marca do trabalho da artista é a valorização do aspecto humano através da inclusão social dos deficientes visuais nas artes plásticas. Em seu currículo constam 164 exposições individuais, no Brasil e no exterior.

Fundação Municipal de Cultura seleciona projetos de artes cênicas para apresentações no Teatro Marília A Fundação Municipal de Cultura recebe até o dia 16 de agosto inscrições de projetos de artes cênicas para ocupação do Teatro Marília no segundo semestre. Os candidatos podem ser pessoas físicas ou jurídicas e devem apresentar a documentação exigida no edital, pessoalmente, no Teatro Ma– rília, que fica na avenida Alfredo Balena, 586, no Centro. O atendimento acontece de segunda a sexta, das 10h ás 13h e das 14h às 17h30, exceto nos feriados. A seleção se refere a três períodos de apresentações nas categorias adulto e infantil. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 32774697 ou pelo e-mail tmari lia@pbh.gov.br. Os espetáculos teatrais selecionados serão apresentados entre os meses de setembro e novembro deste ano. Desta vez, as apresentações acontecerão durante duas semanas nos meses de setembro

e novembro e por três semanas em outubro. O edital e a ficha de inscrição podem ser consultados no site da Fundação Municipal de Cultura, www.pbh .gov.br/cultura, no espaço para licitações e editais, no item “concorrências”. A seleção dos projetos será realizada por uma comissão constituída de seis membros titulares ou pelos seus respectivos suplentes, sendo dois representantes da FMC, três representantes de entidades de artes cênicas de Minas Gerais (Sinparc, Sated e MTG), além de um representante da área das artes cênicas, sem necessariamente representar alguma entidade. Até o dia 29 de agosto será divulgado o resultado da seleção artística realizada pela FMC e a lista dos contemplados será afixada na portaria do Teatro Marília. A publicação no Diário Oficial do Município (DOM) acontecerá no dia 31 de agosto.


BELO HORIZONTE

Poder Executivo

Diário Oficial do Município

Terça-feira, 19 de julho de 2011

Funcionárias da Urbel participam de curso sobre acervo fotográfico Satisfação e vontade de aplicar os conhecimentos adquiridos foram manifestações unânimes das três funcionárias da Supervisão de Informações Técnicas da Companhia Urbanizadora e de Habitação de Belo Horizonte (Urbel) após o curso de Introdução à Organização e Preservação de Acervos Fotográficos, ministrado na última semana no Centro de Cultura Belo Horizonte (CCBH), dentro da terceira edição do projeto Inverno no Museu Histórico Abílio Barreto. O curso, que teve carga horária de 16 horas-aula, foi ministrado por Gilvan Rodrigues, coordenador do CCBH e que, de 2004 a 2008, atuou na coordenação do projeto de informatização do acervo fotográfico do Museu Histórico Abílio Barreto. Segundo elas, o curso irá auxiliar na organização e preservação do acervo fotográfico analógico e digital, que existe desde a época em que a empresa ainda se chamava Ferrobel, reunindo uma base rica de dados da

Gercom Leste

Idosos participam de edição especial do projeto A Praça é Nossa

uma alegria que contagiou o público que prestigiou o evento. Estiveram presentes a secretária de regional Leste, Rita Margarete Rabelo, a gerente re– gional de Políticas Sociais, Nívia Soares da Silva, além de gerentes da Secretaria Municipal Adjunta de Esportes e supervisores do programa Vida Ativa De acordo com Rita Margarete Rabelo, o trabalho desenvolvido pela Prefeitura junto ao público da terceira idade melhora a qualidade de vida, promove o resgate da autoestima e va-

loriza as pessoas da melhor idade, que dão um exemplo de alegria de viver. De acordo com Maria da Conceição Figueiredo, assessora da Gerência de Políticas Sociais e coordenadora do evento, esta festa já se consolidou no calendário de atividades de socialização do Fórum da Terceira Idade e já ultrapassou a barreira da região. “Além de todos os grupos da Leste, recebemos várias quadrilhas convidadas, que abrilhantam ainda mais o evento”, disse.

Planejar o futuro da cidade. Com este objetivo a Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Secretaria Municipal Adjunta de Gestão Compartilhada, em parceria com a Regional Norte, promoveu na semana passada, no auditório da regional mais uma etapa da Oficina do Planejamento Participativo Regionalizado – Ciclo B. Trata-se do grupo de trabalho territorial das sub-regiões N1 e N3 que debateu e elaborou propostas de médio a longo prazo. Os territórios são formados por 21 bairros da região Norte. O secretário regional Norte, Haldley Campolina, e a secretária adjunta, Wilma Lisboa, participaram de todo o processo. De acordo com Haldley Campolina, os trabalhos nada mais são do que o verdadeiro exercício da demo-

Gercom Norte

Planejamento Participativo discute o futuro da cidade na Regional Norte

Propostas para as sub-regiões N1 e N3 foram debatidas

memória e do patrimônio da empresa. A analista técnica Andrea Giovanini salientou a importância do curso. “Adquirimos mais conhecimento na área, tais como a forma de acondicionar fotos, a qualidade do papel, a necessidade de se ter um banco de dados para organização do acervo, a maneira de indexar uma foto com as informações essenciais, dentre outros”, disse. Para a assistente administrativa Juliana Sandra da Silva Viana, que trabalha há um ano e sete meses na Urbel, o curso irá aprimorar ainda mais seu trabalho. “Pude observar que existem técnicas a serem desenvolvidas e que é possível adaptar o que aprendemos e os conhecimentos que já tínhamos”, explicou. Ela também destacou a visita ao Museu Histórico Abílio Barreto, realizada na parte da tarde do segundo dia de aula, e afirmou que está ansiosa para aplicar o aprendizado adquirido.

Urbel

Praça Louis Braille, no bairro Saudade, recebeu mais de 600 idosos

Mais de 600 idosos dos grupos de convivência e de instituições de longa permanência, além de alguns atendidos pelo projeto Maior Cuidado dançaram e se divertiram ao som típico da sanfona que animou o grande Arraial da Terceira Idade da Regional Leste, que aconteceu na praça esportiva Louis Braille no bairro Saudade, na última semana. Os grupos de quadrilha se apresentaram com muita animação, criatividade, usando trajes típicos caprichados e mostrando

3

Funcionárias aprovaram curso que vai auxiliar a organização e preservação de fotos da Urbel

cracia e da cidadania. Para a assessora da Secretaria Adjunta de Gestão Compartilhada, Heloísa de Andrade, falar em planejamento hoje é muito mais fácil. “Qualquer pessoa em sua família tem um planejamento em sua casa do que vai fazer nos próximos dias e a cidade de Belo Horizonte tem dado um exemplo para o país e para o mundo de como se construir política pública com participação popular através de ações planejadas”, enfatizou. O Planejamento Participativo Regionalizado começou em junho na região Norte e será concluído em março de 2012. Esse trabalho está sendo realizado de forma sub-regional e, para isso, a cidade foi organizada em 40 territórios de gestão compartilhada.

Esses territórios agrupam bairros com condições de vida semelhantes em termos de infraestrutura e aspectos socioeconômicos. Neste segundo ciclo, foi apresentado o que já existe e o que está sendo feito em cada território e a comunidade deve discutir e elaborar propostas de médio e longo prazo para a sua região. Para o líder comunitário do bairro Floramar e participante da Comforça Norte, Daniel dos Santos, é importante que o poder público ande lado a lado com a comunidade. “Aqui a Prefeitura coloca todos os projetos em discussão com os moradores. Temos a oportunidade para apontar o que deve ser feito para melhorar a qualidade de vida de cada bairro”, completa.


BELO HORIZONTE

Poder Executivo

Diário Oficial do Município

30

Terça-feira, 19 de julho de 2011

INDICADORES ECONÔMICOS DE BELO HORIZONTE Taxas de Juros – Junho de 2011

Evolução dos Preços ao Consumidor IPCA(1) Período

IPCR(2) Variação (%)

Índice de Base Fixa (4ª Jul/94=100)

No mês

No ano

Últimos 12 Meses

fev/11

352,66

0,77

2,96

mar/11

354,89

0,63

abr/11

357,87

0,84

mai/11

359,94

0,58

359,83

-0,03

5,05

7,26

0,00

5,41

7,35

jun/11 1ª jul/11

379,51

(3)

Menor

Maior

Diferença (%)

Média

4,50

5,90

31,11

5,45

Prefixada (montadoras)

1,32

2,40

81,82

1,68

Prefixada (multimarcas)

1,40

2,20

57,14

1,87

1,90

Variação (%)

Índice de Base Fixa (4ª Jul/94=100)

No mês

No ano

Últimos 12 Meses

6,08

356,97

0,42

1,78

5,74

3,61

6,50

359,61

0,74

2,53

5,90

4,48

6,95

362,56

0,82

3,37

6,28

5,08

7,27

364,99

0,67

4,06

6,84

364,70

-0,08

3,98

6,76

Prefixada (montadoras)

1,52

2,36

55,26

0,10

4,56

7,07

Prefixada (multimarcas)

1,82

2,37

30,22

2,07

11,40

13,70

20,18

12,60

385,33

(3)

Empréstimos pessoa física Alimentício Automóveis Novos

Automóveis Usados

(1) IP CA = Índice de P reço s ao Co nsumido r A mplo : mede a evo lução do s gasto s das famílias co m renda de 1a 40 salário s mínimo s na cidade de B elo Ho rizo nte

Cartão de Crédito

(2) IP CR= Índice de P reço s ao Co nsumido r Restrito : mede a evo lução do s gasto s das famílias co m renda de 1a 6 salário s mínimo s na cidade de B elo Ho rizo nte (3) 1ª quadrissemana de julho /94 = 100

Cheque Especial

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

(2) (8)

Combustíveis Construção Civil

Índice de Confiança do Consumidor Variação (%)

Índice de Base Fixa (Maio/04=100)

Período

Taxas médias praticadas(1)

Setores

No mês

No ano

ICCBH(1)

IEE(2)

IEF(3)

jan/11

137,53

193,41

119,69

2,51

3,47

2,04

2,51

fev/11

135,92

195,96

116,70

-1,18

1,32

-2,49

1,30

mar/11

138,91

196,09

120,64

2,21

0,07

3,37

3,54

abr/11

137,74

187,58

121,83

-0,84

-4,34

0,99

2,66

ICCBH

IEE

IEF

ICCBH

Últimos 12 Meses

IEE

IEE

Imóveis Construídos

0,11

3,97

3.509,09

1,60

Imóveis na Planta

0,27

3,62

1.240,74

2,08

1,15

2,80

143,48

1,91

2,25

4,69

108,44

3,46

1,61

1,88

16,77

1,77

4,24

45,21

3,61

3,47

2,04

-1,66

2,87

-3,84

CDC - Financeiro (8)

-0,51

-1,06

7,31

-5,06

CDC - Bens Alienáveis

4,90

2,84

5,88

11,44

3,21

Eletroeletrônicos

2,92

0,35

3,86

6,70

5,16

7,48

Mobiliário

1,93

5,56

188,08

3,05

Financeiras Independentes

6,08

17,37

185,69

10,96

Nacional

0,90

3,95

338,89

2,42

Internacional

0,90

3,95

338,89

2,42

1,48

7,14

382,43

3,69

1,98

133,44

180,41

118,43

-3,12

-3,82

-2,79

-0,54

-3,49

0,97

0,57

0,82

0,44

187,28

119,40

1,80

3,81

0,82

1,24

0,18

1,79

0,15

1,74

-0,62

Crédito Direto ao Consumidor (CDC)

(8)

Turismo

(1) ICCB H: Índice de Co nfiança do Co nsumido r de B elo Ho rizo nte: trata-se de um indicado r que tem po r finalidade sintetizar a o pinião do s co nsumido res em B elo Ho rizo nte quanto ao s aspecto s capazes de afetar as suas decisõ es de co nsumo atual e futuro (2) IEE: Índice de Expectativa Eco nô mica: retrata a expectativa do co nsumido r em relação ao s indicado res macro eco nô mico s (3) IEF: Índice de Expectativa Financeira: retrata a co nfiança do co nsumido r a respeito de alguns indicado res micro eco nô mico s

Vestuário e Calçados

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

Empréstimos pessoa jurídica

Residenciais

Comerciais

Últimos 12 Meses

Variação (%)

Índice de Base Fixa (Jul/94=100)

No mês

No ano

(8)

1,45

2,50

72,41

Capital de Giro (8)

1,34

2,41

79,85

1,99

Conta Garantida (8)

1,62

8,45

421,60

5,53

Desconto de Duplicatas

Evolução do Mercado Imobiliário: Aluguéis

No ano

8,49

4,83

135,84

Variação (%)

8,61

1.158,62

ICCBH

jun/11

No mês

22,83

18,25

IEF

mai/11

Período Índice de Base Fixa (Jul/94=100)

9,63

1,45 (3) (7)

Cooperativas de Crédito (empréstimo)

IEF

7,84

Captação

Últimos 12 Meses

dez/10

372,63

0,68

13,04

13,04

484,33

0,62

16,50

16,50

jan/11

374,79

0,58

0,58

12,43

489,85

1,14

1,14

fev/11

378,98

1,12

1,71

12,55

497,44

1,55

mar/11

382,43

0,91

2,63

12,29

500,88

0,69

CDB 30 dias

(4)

0,93

Cooperativas de Crédito (aplicação)

0,99

Fundo de Investimento Curto Prazo

0,48

0,78

62,50

16,82

Fundo de Investimento Longo Prazo

0,72

0,86

19,44

2,71

16,29

Poupança (5)

3,42

15,70

abr/11

385,15

0,71

3,36

11,64

505,38

0,90

4,35

14,37

mai/11

387,54

0,62

4,00

11,04

509,68

0,85

5,23

13,98

0,66 0,80 0,61

Taxa SELIC (6)

0,96

(1) Co nsidera-se a média das taxas praticadas pelo s info rmantes

(5) Taxa referente ao primeiro dia do mês subsequente

(2) Não são co nsideradas vantagens pro gressivas

(6) M édia po nderada pela vigência

(3) Inclui a variação do s indexado res CUB , TR, INCC e IGP -M

(7) No vo cálculo co nsiderando o perío do do s índices que co mpõ em a estimativa (8) Dado s co letado s a partir de info rmaçõ es co nso lidadas no B anco Central do B rasil

(4) Taxa A NB ID do primeiro dia útil do mês e pro jetada para 30 dias

.. Não se aplica dado s numérico s

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

ND - não dispo nível

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

Valores médios (em R$) dos aluguéis residenciais por classe de bairro(*) - Junho de 2011 Popular

Imóveis

Médio

(1)

Apartamento 1 Quarto

Alto

418,75 (8)

Tarifas Bancárias – Junho de 2011 Produtos / serviços

Luxo

660,00 (31)

Forma de Cobrança

(1)

1514,58 (48)

Menor (R$) Maior (R$) Diferença (%) Média (2) (R$)

CADASTRO Confecção de cadastro para início de relacionamento - CADASTRO

por evento

0,00

59,00

..

28,27

CARTÃO - Fornecimento de 2º via de cartão com função débito

por evento

0,00

10,00

..

7,08

CARTÃO - Fornec. de 2ª via de cartão com função mov. conta de poupança

por evento

0,00

10,00

..

6,72

CHEQUE - Exclusão do Cadastro de Emitentes de Cheques sem Fundo (CCF)

por evento

20,00

52,00

160,00

37,88

CHEQUE - Contra-ordem e oposição ao pagamento de cheque

por evento

6,00

15,00

150,00

11,40

CHEQUE - Fornecimento de folhas de cheque

por evento

0,60

1,70

183,33

1,35

CHEQUE - Cheque Administrativo

por evento

16,00

27,00

68,75

22,71

CONTAS DE DEPÓSITOS

Apartamento 2 Quartos

Apartamentos

552,40 (50)

Apartamento 3 Quartos 1 Banho Apartamento 3 Quartos 2 ou mais Banhos

(1)

Barracão 1 Quarto

934,70 (94)

624,44 (18)

758,89 (9)

1770,41 (98) 983,33 (12)

961,54 (26)

1113,80 (79)

1334,76 (124)

2154,23 (220)

(3)

(1)

1560,00 (5)

(1)

2175,00 (4)

1658,33 (6)

2378,79 (33)

3838,90 (146)

Apartamento 4 Quartos e até 2 Banhos Apartamento acima de 4 Quartos e 2 Banhos

831,14 (79)

346,25 (16)

398,18 (11)

(2)

-

419,50 (6)

612,50 (4)

(1)

-

Barracões Barracão 2 Quartos

Casas

Casa 1 Quarto

650,00 (4)

(1)

(3)

-

Casa 2 Quartos

568,75 (8)

734,00 (15)

1006,25 (8)

-

Casa 3 Quartos e 1 Banho

739,29 (14)

1024,55 (11)

(1)

(1)

Casa 3 Quartos e 2 ou mais Banhos

1073,53 (17)

1391,67 (12)

2222,22 (9)

4433,33 (9)

Casa 4 Quartos e até 2 Banhos

(1)

(3)

-

(1)

Casa 4 Quartos e 2 Banhos

(3)

(3)

3844,44 (9)

7554,84 (31)

CHEQUE - Cheque de transferência bancária_(TB e TBG)

por evento

ND

ND

ND

ND

CHEQUE - Cheque Visado

por evento

0,00

21,00

..

11,60

Saque de conta de depósitos à vista e de poupança - SAQUE pessoal

por evento

0,00

3,50

..

2,15

Saque de conta de depósitos à vista e de poupança - SAQUE Terminal

por evento

0,00

3,00

..

1,77

Saque de conta de dep. à vista e de poupança - SAQUE correspondente

por evento

0,00

2,30

..

1,34

DEPÓSITO - Depósito Identificado

por evento

0,00

5,00

..

1,95

Forn. de ext. mensal de conta de dep. à vista e de poup.- EXTRATO(P)

por evento

1,60

6,00

275,00

3,25

Forn. de ext. mensal de conta de dep. à vista e de poup.- EXTRATO(E)

por evento

0,00

3,00

..

1,91

Forn. de ext. mensal de conta de dep. à vista e de poup. - EXTRATO(C)

por evento

0,00

2,00

..

1,06

Ext. mensal de conta de dep. à vista e poup. p/um período -EXTRATO(P)

por evento

0,00

6,00

..

2,88

Ext. mensal de conta de dep. à vista e Poup. p/um período - EXTRATO(E)

por evento

1,00

5,00

400,00

2,25

Ext. mensal de conta de dep. à vista e poup. p/um período - EXTRATO(C)

por evento

0,00

5,00

..

1,62

Fornecimento de cópia de microfilme, microficha ou assemelhado

por evento

3,00

7,00

133,33

5,56

Transferência por meio de DOC/TED - DOC/TED pessoal

por evento

ND

ND

ND

ND

Transferência por meio de DOC/TED - DOC/TED eletrônico

por evento

ND

ND

ND

ND

Transferência de recursos por meio de DOC/TED - DOC/TED internet

por evento

ND

ND

ND

ND

Transferência agendada por meio de DOC/TED - DOC/TED agendado(P)

por evento

0,00

19,00

..

11,76

Transferência agendada por meio de DOC/TED - DOC/TED agendado(E)

por evento

0,00

30,00

..

9,61

Transferência agendada por meio de DOC/TED - DOC/TED agendado(I)

por evento

0,00

30,00

..

9,24

Transferência entre contas na própria instituição- TRANSF. RECURSOS(P)

por evento

0,00

2,95

..

1,33

Transferência entre contas na própria instituição-TRANSF.RECURSOS(E/I)

por evento

0,00

2,70

..

0,95

Ordem de Pagamento - ORDEM PAGAMENTO

por evento

16,00

27,00

68,75

24,47

por evento

11,00

49,00

345,45

37,89

por evento

10,50

18,00

71,43

13,35

TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS

OPERAÇÕES DE CRÉDITO Concessão de adiantamento a depositante - ADIANT. DEPOSITANTE

(*) O valo r entre parênteses representa o número de imó veis utilizado s no cálculo da respectiva média. Na maio ria das vezes, so mente são publicado s valo res médio s o btido s a partir de quatro imó veis pesquisado s. Os caso s em que não fo i pesquisado nenhum imó vel são indicado s po r hífen (-). Os valo res médio s referentes a apartamento s de 1e 2 quarto s da classe luxo são influenciado s pela o ferta de Flats.

PACOTE PADRONIZADO PESSOA FÍSICA PACOTE PADRONIZADO PESSOA FÍSICA

FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

(1) Não são co nsideradas vantagens pro gressivas

(2) Co nsidera-se a média das tarifas praticadas pelo s banco s pesquisado s

Fo nte: B anco Central do B rasil / B anco s - Dado s trabalhado s pela Fundação IP EA D/UFM G

.. Não se aplica dado s numérico s

Evolução da inflação, salário mínimo e cesta básica

Período

IPCA(1)

Salário Mínimo

Cesta Básica (2)

Quantidade

Valores (em R$)

Contribuição na variação (p.p.)

Açúcar cristal

3,00 kg

5,11

-0,15

Arroz

3,00 kg

5,33

-0,04

Banana caturra

12,00 kg

18,24

0,19

Batata inglesa

6,00 kg

10,20

-0,56

Produto

Variação (%)

Índice de Base Fixa (Jul/94=100)

No mês IPCA

Salário Mínimo

No ano Cesta Básica

IPCA

Salário Mínimo

ND: não dispo nível

Custo da Cesta Básica (*) – Junho de 2011

Últimos 12 Meses Cesta Básica

IPCA

Salário Mínimo

Cesta Básica

jan/11

349,97

833,46

421,24

2,17

5,88

0,94

2,17

5,88

0,94

5,92

5,88

12,90

Café moído

0,60 kg

6,50

0,03

fev/11

352,66

833,46

429,26

0,77

0,00

1,91

2,96

5,88

2,87

6,08

5,88

10,51

Chã de dentro

6,00 kg

92,28

-2,04

mar/11

354,89

841,18

455,21

0,63

0,93

6,04

3,61

6,86

9,08

6,50

6,86

11,23

Farinha de trigo

1,50 kg

3,09

0,01

Feijão carioquinha

4,50 kg

14,09

0,00 0,00

abr/11

357,87

841,18

433,20

0,84

0,00

-4,84

4,48

6,86

3,81

6,95

6,86

0,49

Leite pasteurizado

7,50 l

15,75

mai/11

359,94

841,18

446,42

0,58

0,00

3,05

5,08

6,86

6,98

7,27

6,86

7,60

Manteiga

750,00 g

13,20

0,02

Óleo de soja

1,00 un

2,84

-0,02

Pão francês

6,00 kg

36,36

-0,09

Tomate

9,00 kg

26,64

-0,80

jun/11

359,83

841,18

430,92

-0,03

0,00

-3,47

5,05

6,86

3,26

(1) IP CA = Índice de P reço s ao Co nsumido r A mplo : mede a evo lução do s gasto s das famílias co m renda de 1a 40 salário s mínimo s na cidade de B elo Ho rizo nte (2) Cesta B ásica: representa o s gasto s de um trabalhado r adulto co m a alimentação definida pelo Decreto -lei 399/38 FONTE: Fundação IP EA D/UFM G

7,26

6,86

8,58

(*) Cesta B ásica: representa o s gasto s de um trabalhado r adulto co m a alimentação definida pelo Decreto -lei 399/38 FONTE: Fundação IP EA D/UFM G


Terça-feira, 19 de julho de 2011

BELO HORIZONTE

Diário Oficial do Município

Descontração marca Arraial da Regional Pampulha O Arraial da Regional Pampulha foi marcado pela descontração e mobilizou aproximadamente 300 pessoas na última semana. A fogueira, montada pelo funcionário Agostinho, da Gerência Regional de Jardins e Áreas Verdes, reproduziu o clima aconchegante das tradicionais festas do interior das Minas Gerais. Durante a festa, servidores e convidados improvisaram uma quadrilha com os personagens típicos de um casamento na roça, como padre, noivos e padrinhos. Após a dança improvisada, o gru-

po Cata Latas, formado por quadrilheiros do bairro 1º de Maio, encantou os presentes com sua apresentação original e espontânea. A dupla Caleb e Samuel, que se apresentou também no Arraial de Belô 2011, não deixou por menos e, com repertório diversificado, conquistou o público presente, esquentando um pouco o friozinho da noite julina. Para o gerente regional de Promoções de Eventos Esportivos, de Recreação, de Lazer e Feiras, Cláudio Augusto de Souza, a festa foi inesquecível. “Procuramos

organizar essa festa com muito cuidado e nos preocupamos também com a segurança e o profissionalismo, não só da nossa equipe, mas como de todos os que trabalharam e contribuíram para o sucesso do evento”, disse. Segundo a convidada Ma r í l i a M a r t i n s , o s o r g a ni zadores fizeram um bom trabalho. “A festa foi bem divertida. Todo mundo dançando e conversando alegremente. Achei muito interessante quando os funcionários improvisaram a quadrilha”, disse.

Conselho Municipal de Habitação aprova Plano Local de Habitação de Interesse Social (CMH) aprovou por 12 votos a favor e uma abstenção o Plano Local de Habitação de Interesse

Urbel

Em reunião realizada na última semana, o Conselho Municipal de Habitação

PLHIS será encaminhado ao Ministério das Cidades em Brasília

Social (PLHIS), que será encaminhado ao Ministério das Cidades e à Caixa Econômica Federal, em Brasília. O conselho é composto por representantes da Prefeitura, dos movimentos sociais de luta pela moradia, entidades empresariais, sindicatos dos trabalhadores, universidades e profissionais liberais. O PLHIS traça uma estratégia de ação de longo prazo para a política habitacional para famílias de baixa renda até 2030 e passará por avaliação periódica, anual e de quatro em quatro anos, com o objetivo de aferir a execução das metas estabelecidas. De acordo com o presidente do conselho e secretário municipal de Infraestrutura e Obras, Murilo Valadares, a aprovação do PLHIS ocorreu após exaustivas discussões com todos os setores envolvidos com a

31

Gercom Pampulha

Poder Executivo

Cerca de 300 pessoas prestigiaram a festa

questão habitacional. “Agora devemos discutir o tema com os delegados e participantes da Comforça, nas reuniões com a população e na Conferência Municipal de Habitação que será realizada no fim do ano. Também gostaríamos que o Ministério das Cidades adotasse este trabalho como parâmetro que servirá de referência para as ações no setor habitacional do município”, disse Valadares. O plano apresenta quatro eixos configurados conforme a política municipal de habitação: intervenções de urbanização em assentamentos precários; provisão habitacional para facilitar o acesso à moradia pelas famílias de baixo poder aquisitivo; apoio à autopromoção da moradia, caso em que construção e melhorias são feitas pelas próprias famílias; além de planejamento, gestão e desenvolvimento institucional.

Investimentos De acordo com o PLHIS, na última década a Prefeitura investiu em média 1% da sua receita em habitação, verificando-se, a

partir de 2009, um crescimento acentuado de recursos. Segundo a arquiteta Mônica Bedet, que esteve à frente do trabalho de elaboração do plano, no ano passado Belo Horizonte captou 3,73% do montante dos recursos da União destinados ao setor habitacional. “Considerando um cenário realista e mantendo-se o índice de 1% da receita municipal anual para a habitação, até 2030 seriam disponi– bilizados R$ 19 bilhões para investimentos na área”, afirmou. A conselheira Eliete de Oliveira Soares, representante do movimento popular, disse que Belo Horizonte está saindo na frente com um dos melhores planos locais de habitação, amplamente discutido, inclusive com os coordenadores dos Núcleos de Sem Casa. “É bom quando a gente consegue fazer um projeto que atende toda a cidade”, manifestou Gislene Gonçalves dos Reis, que também representa o movimento de luta pela moradia no conselho.

Reclassificação das ruas do bairro Sion é tema de reunião na Regional Centro-Sul ção.”, disse Gina. No bairro Sion, apenas um trecho de 100 metros da rua

Cristina será alterado. A via que antes era considerada local agora passará a ser mista. O vice-presi-

Fotos: Gercom Centro-sul

A Regional Centro-Sul sediou na sexta-feira, dia 15, uma reunião sobre a permissividade de uso nas vias do bairro Sion. A secretária adjunta de Planejamento Urbano, Gina Rende, esclareceu aos moradores do bairro como funciona a lei que indica como as vias da cidade devem ser classificadas. Essa norma, que compreende a Lei de Parcelamento, Ocupação e Uso do Solo foi resultado da terceira Conferência Municipal de Políticas Urbanas e define quais atividades econômicas cada via da cidade pode receber. Antes, a classificação das ruas era atribuída de acordo com o segmento viário (local, coletora, arterial ou de ligação regional) e agora, para implantação de comércio, será levada em consideração a nova classificação, que indica as vias como resi– denciais, mistas e não residenciais. “É necessário esclarecer aos cidadãos que a Prefeitura está trabalhando de acordo com a legisla-

Reunião foi válida para cidadãos e para administração municipal

Atividades econômicas das vidas foram definidas em encontro

dente da Associação dos Moradores e Empreendedores do Bairro Sion, Ernesto Von Sperling, temia que as ruas sofressem grandes alterações. “Nosso receio era de que várias ruas fossem mudadas. No entanto, nesse encontro a Prefeitura deixou claro que a reclassificação acontecerá apenas em um ponto, o que irá benefi– ciar o bairro”, disse.

O secretário regional CentroSul, Harley Andrade, acredita que reuniões como essa são importantes para os cidadãos e a administração municipal. “Com o trabalho em conjunto podemos contribuir ainda mais para o desenvolvimento da cidade e torná-la cada vez melhor”, afirmou. A reunião também contou com a participação do secretário municipal de Serviços Urbanos, Pier Senesi.


BELO HORIZONTE

Poder Executivo

Diário Oficial do Município

32 32

julho de 2011 Terça-feira,Terça-feira, 19 de julho19dede2011

programa Bolsa Família, 51 anos, casada, mãe de três filhos e natural de Mantena, na região do Vale do Rio Doce. Belarmina mostra com orgulho todas as benfeitorias que realizou em sua casa no último ano. Artesã e cabeleireira, certificada em costura e auxiliar de enfermagem, ela tem os diplomas de pedreiro de alvenaria e gesseiro, conquistados em 2010, por meio do Programa Setorial de Qualificação Profissional (Planseq/Próximo Passo). Mesmo com tantas qualificações, Belarmina ainda tem o objetivo de participar dos cursos de pedreiro de acabamento e azulejista, o que completaria sua qualificação no ramo da construção civil e aumentaria a qualidade de vida de toda a família. Segundo a benefi– ciária, assim que fizer os outros dois cursos, ela entregará o cartão de recebimento do benefício.

O programa Próximo Passo já formou 4.200 alunos em Belo Horizonte, abrindo as portas do mercado de trabalho na construção civil e no turismo. Os cursos são gratuitos, têm duração aproximada de dois meses, em um total de 200 horas-aula. Os alunos recebem vale transporte, lanche e todo o material didático. Podem ser inscrever todas as pessoas que pertençam a famílias beneficiárias do Bolsa Família, que tenham mais de 18 anos e pelo menos até a quarta série do ensino fundamental completa. Todo esse trabalho é coordenado pela Secretaria Municipal de Políticas Sociais e pela Secretaria Municipal de Desenvolvimento, por meio da sua secretaria adjunta de Trabalho e Emprego. Um exemplo de sucesso do programa Próximo Passo é Belarmina Rubis, beneficiária do

Superação Vinda do interior, a família chegou à capital em 2008 em situação difícil, pois o marido João Gomes apresentava problemas mentais e mal de Alzheimer, acrescido de um acidente vascular cerebral (AVC), além de necessitar de cuidados especiais contínuos. Diante da situação, Belarmina viu nos cursos de construção civil do Planseq/Próximo Passo uma oportunidade para auxiliar na renda mensal. Já com os diplomas em mãos, não perdeu tempo e aproveitou o amplo espaço disponível no quintal de sua casa para construir três outros barracões, que hoje, alugados, ajudam a aumentar a renda familiar. A filha do meio fez o curso de auxiliar administrativo no Planseq/Próximo Passo, e hoje faz administração de empresas em uma instituição de ensi-

SMPS

Sucesso de beneficiária do Bolsa Família demonstra bons resultados do programa Próximo Passo

Belarmina Rubis tem dois diplomas pelo programa e reformou sua casa

no superior. Belarmina faz planos para um futuro próximo, como a construção de uma loja para comércio dos pro-

dutos artesanais que confecciona. E, se depender da força de vontade e dedicação que transparece, será um futuro muito vitorioso.

Materiais deixados nos cemitérios da cidade são reciclados e reutilizados Não deixar água parada já virou rotina para muitos. E nos cemitérios da cidade não é diferente. Para evitar possíveis criadouros do mosquito da dengue, de acordo com o responsável pelos cemitérios da Saudade e Consolação, Eduardo Di FloFotos: Rafaela Carvalho

ra, objetos deixados por visitantes nos túmulos como vasos, arranjos, flores e lembranças, são retirados por funcionários até dois dias após as visitas. E ao invés de irem para o lixo, estes materiais recolhidos se transformam em arte nas mãos dos funcio-

nários do Cemitério da Saudade. Há um ano, eles realizam um trabalho de reciclagem com esses materiais que eram descartados e fazem arranjos para serem colocados na entrada do cemitério. A precursora da ideia foi a auxiliar de Serviços Gerais Eliane Costa. “Achava um pecado jogar flores ainda bonitas fora. Eu pego as flores, lavo e depois reutilizo. Acho aqui muito triste. Queria deixar esse momento um pouco mais aconchegante”, afirma.

Melhorias

Flores são colocadas em arranjos na entrada do Cemitério da Saudade

Os quatro cemitérios municipais receberam melhorias neste primeiro semestre do ano. Todos eles tiveram seus velórios reformados. O Cemitério da Saudade, além dos velórios, teve as paredes da administração e da área de convivência dos funcionários pintadas e foram trocados os pisos e as redes elétricas e hidráulicas. Já o Cemitério da Consolação teve 100 metros de calçada reformada.

Quatro cemitérios municipais receberam melhorias no primeiro semestre

Quem nunca teve dúvidas sobre quantos anos deveria trabalhar para se aposentar ou qual a idade certa? Essas e outras questões foram explicadas durante palestras promovidas no final de junho e no início deste mês na Regional Barreiro. A importância da comprovação de união estável e das contribuições também foram esclarecidas para o público da Gerência de Atendimento Social. Promovidas com o objetivo de divulgar a legislação previ– denciária, desmistificando-a e aproximando-a da linguagem da população, as palestras fazem par-

Gercom Barreiro

Regional Barreiro promove encontros para tirar dúvidas sobre previdência social

Objetivo é auxiliar as pessoas a compreenderem e exercerem seus direitos

te do programa itinerante de educação previdenciária, promovido pelas agências do Instituto Nacional de Seguridade Social (INSS). Um dos coordenadores do programa, Antonio Cláudio da Silva, fez questão de falar pessoalmente para o público atendido pela Prefeitura no Barreiro. “O programa é itinerante. Nosso trabalho é ir até as pessoas seja em instituições públicas, privadas ou comunitárias, levando o máximo de informação”, disse. Muitas pessoas acabam perdendo os benefícios aos quais têm direito por falta de informação. O objetivo é auxiliar as pessoas a

compreenderem e a exercerem seus direitos. “Principalmente quem trabalha como autônomo não sabe que pode se aposentar se contribuir. Por isso, tentamos levar essas informações ao maior número de pessoas”, justifica a gerente regional de Atendimento Social, Maria Adelaide Houri. Para solicitar palestras e cursos de formação para dissemina– dores da Previdência Social, basta entrar em contato com as agências do INSS. Os endereços das agências estão disponíveis no site www.previdencia.gov.br.


DOM - 19/07/2011