Page 1

Notáveis Mulheres Portuguesas e da Lusofonia

Encontros doMundo emL i s b o a T unísia e U crânia Recepção de Fim-de-Ano

Nº32.2016


4 | Editorial 8 | Prémio Femina 2016 30 | Entrevista, Embaixadora Saloua Bahri da

Tunísia

38 | Encontros do Mundo em Lisboa – Tunísia 50 | Entrevista, Embaixadora Inna Ohnivets da

Ucrânia

55 | Encontros do Mundo em Lisboa – Ucrânia 70 | Encontros do Mundo em Lisboa – Recepção de Fim-de-Ano 84 | Cultura, Conferência de Ana de Mello Bramão 86 | Protocolo, Entrega de credenciais de novos Embaixadores em Portugal 91 | Protocolo, Recepção - 25º Aniversário do Dia da Independência da

Ucrânia

PORTUGAL PROTOCOLO Revista . Edição Digital Nº 32 . 2016 . Outubro, Novembro, Dezembro Director João Micael Jornalista Convidada Maria Dulce Varela Fotógrafo Convidado João de Sousa Arte Portugal Protocolo Design

Propriedade João Micael Matriz Portuguesa - MPADC - Associação para o Desenvolvimento da Cultura e do Conhecimento Tel. +351 21 410 71 95 . Telem. +351 91 287 10 44 protocolo@portugalprotocolo.com www.portugalprotocolo.com

Registo ERC Nº 125909 INTERDITA A REPRODUÇÃO DE TEXTOS E IMAGENS POR QUAISQUER MEIOS

Por

vontade expressa do editor a revista respeita a ortografia anterior ao actual acordo ortográfico.

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 3


João Micael, Director da Portugal Protocolo revista

E

d i t o r i a l

A sexta edição do Prémio Femina realizou-se num palácio histórico, que remonta ao reinado do venturoso rei D. Manuel, e onde residiam os governadores da Torre de Belém, há séculos de vigia no rio Tejo, assistindo à partida das muitas naus Portuguesas que rasgaram as ondas de rotas desconhecidas do Mundo, aproximando Povos e Culturas com o seu Conhecimento e a Língua Portuguesa. Não foi, portanto, um acaso que a cerimónia do Prémio Femina 2016 se realizasse naquela sala, designada como “Salão das Naus”, e que aí se honrasse a memória desses resolutos e intrépidos Portugueses que partiram nessas naus – genuínas mensageiras da Matriz Portuguesa, ao serem nomeadas cada uma das mesas com o nome de uma dessas naus. No século XVI, as Mulheres não eram reconhecidas como iguais aos seus companheiros na sociedade, sendo consideradas inferiores. Mas, uma Mulher destacou-se pela sua Cultura, Estudo, Caridade e apoio às Artes. A sua corte era constituída por um grupo de damas de tal erudição que alcançou a reputação de “Universidade Feminina”.

Esta extraordinária Mulher, a Infanta D. Maria de Portugal, última filha do rei D. Manuel I, era louvada como “primaz das mulheres portuguesas”, “Minerva do seu século”, “distinta pelo engenho e força de espírito”, entre outros louvores. Por tal, é a Patrona da Matriz Portuguesa – Associação para o Desenvolvimento da Cultura e do Conhecimento e Ideal do Prémio Femina. Também, neste ano, 2016, comemoram-se algumas datas relevantes na História de Portugal e no reconhecimento da educação feminina na Sociedade Portuguesa. Há 720 anos, em 1296, D. Dinis, o rei Trovador, ordenou que o Português substitui-se o Latim na Chancelaria Real, tornando-se assim a língua oficial de Portugal. Em 1336, há 680 anos, o seu filho, o rei D. Afonso IV, enviou uma armada para exploração das ilhas Canárias. Era o início da Expansão Marítima Portuguesa. Em 1572, há 444 anos, foi publicada em Lisboa a imortal obra épica “Os Lusíadas” do Grande Luís Vaz Camões. Já em 1906, há apenas 110 anos, foi criado o primeiro liceu feminino em Lisboa. O Prémio Femina tem vindo, desde 2010, a homenagear as Notáveis Mulheres Portuguesas e desde 2015 também as Notáveis Mulheres da Lusofonia – não por ser uma causa feminista, mas pela relevância da característica matricial de qualquer sociedade, e as sociedades Lusófonas são particularmente sensíveis à sua importância -, bem como ao modo como a Matriz Portuguesa transcendeu há muitos séculos a própria Nacionalidade Portuguesa, enraizando-se noutras sociedades, culturas, gentes e terras, tal como escreveu no século XVII o filósofo, escritor e orador, o Padre António Vieira: “um palmo de terra para nascer, um Mundo inteiro para morrer.”

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 4


A Academia de Protocolo é um projecto inédito em Portugal, concebido para o estudo e ensino do Protocolo enquanto disciplina “normativa” e a formação de profissionais de Protocolo e Cerimonial. É, também, o complemento e apoio essenciais de formação e de consultadoria às Relações e Intercâmbios Culturais, Académicos e Empresariais para as entidades oficiais, institucionais e privadas da Esfera Lusófona composta pelos Países de Língua Oficial Portuguesa; Comunidades Portuguesas, mais qualificadas e empreendedoras, disseminadas pelo Mundo; Luso-descendentes, fruto de uma integração sociocultural de sucesso, com expressivos exemplos na ocupação de cargos governativos nos países onde nasceram e residem e a todos os países com quem mantém importantes ligações.

Primeiro curso livre “Protocolo na Assessoria Diplomática em Portugal” Março de 2016, em Lisboa Mais informações +351 91 287 10 44 | academia-protocolo@matriz-portuguesa.pt

www.matriz-portuguesa.pt


A

aplicação prática do

Protocolo

visa

Utilizar correctamente o Protocolo na imagem e comunicação empresarial; Ultrapassar as barreiras resultantes do desconhecimento protocolar; Reconhecer a importância da Imagem para o sucesso; Participar com eficácia e qualidade em eventos profissionais e sociais.

A “Academia

de

Protocolo

na

Esfera Lusófona”

pretende

Dinamizar e fomentar o estudo, debate, a apresentação de projectos na área protocolar nos âmbitos oficial, autárquico, empresarial, social, desportivo, e multicultural; A valorização profissional e cultural através dos Cursos Livres de Protocolo; Certificação dos profissionais da área protocolar; Relacionamento e intercâmbio entre entidades oficiais, institucionais e particulares, nacionais e estrangeiras, na Esfera Lusófona; Editar e publicar, sob qualquer forma e suporte, obras no âmbito da área protocolar com relevância institucional e profissional; Promover a formação empresarial, profissional, social e multicultural neste domínio; Disponibilizar serviços de consultadoria e serviços de Protocolo; Quaisquer outras actividades que se ajustem às finalidades da Academia de Protocolo.

Organizando

e realizando para o efeito

Encontros, conferências, cursos livres, acções de formação, exposições, visitas e viagens em Portugal e ao estrangeiro, bem como outras iniciativas sociais e culturais.

www.matriz-portuguesa.pt


Portugal Protocolo . Nยบ 32|2016 . 7


P rémio F emina 2016 É a primeira mulher a assumir o posto mais importante da diplomacia Portuguesa. Nascida em 1948, em Lisboa. É casada,

tem

dois

filhos

e

dois

netos. É licenciada em Direito pela Universidade

de

admitida

Carreira

na

Lisboa

(1970);

Diplomática

em 1975; na Missão Permanente de Portugal junto das Nações Unidas, em Nova Iorque (1979-1986); no Gabinete do Primeiro-Ministro (19861991); Chefe do Gabinete do Ministro das Finanças (1991-1994); Directora dos

Serviços

das

Organizações

Políticas Internacionais da Direcção Geral

dos

Assuntos

Multilaterais

(1994-1995); Subdiretora-Geral dos Assuntos Comunitários (1995-1998);

Prémio Femina

Honra 2016 Ana Martinho Secretária-Geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros e Presidente da Comissão Nacional da Unesco. de

Directora do Departamento Geral de Administração (1998-1999); Directora Geral

dos

Assuntos

(1999-2001);

Multilaterais Representante

Permanente de Portugal junto da OCDE, em Paris (2001-2002); na Embaixada em Praga, com credenciais de

Embaixadora

(2002-2005);

no

Gabinete do Presidente da Comissão Europeia (2005-2009); promovida a Embaixadora (2005); Representante Permanente de Portugal junto da OSCE,

em

Viena

(2009-2013);

Embaixadora de Portugal em Viena (2012-2013);

Secretária-Geral

do

Ministério dos Negócios Estrangeiros e Presidente da Comissão Nacional da Unesco, desde Março de 2013. Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 8


P rémio F emina 2016 Nasceu em Parede, Cascais. Licenciou-se em História de Arte, pela Universidade Nova de Lisboa. Após anos de prática de pintura livre frequentou o Curso de Pintura da Academia de Artes Visuais de Macau, tendo ainda frequentado a International School of Art, em Montecastello di Vibio, em Itália e a Painting Masterclass na Slade School of Fine Art da University College of London. Integrou inúmeras exposições colectivas, em Portugal e no estrangeiro, salientando-se as realizadas na Galeria da International School of Art, em Montecastello di Vibio; na Galeria de Exposições da Casa Garden, em Macau; na Galeria do Northern Trust Bank of Naples, na Florida; na Pearson Gallery, em Londres; na Arte Expo 99, em Las Vegas; e na colectiva de apresentação do projecto “Born in Europe”, em Berlim. Entre as muitas exposições individuais destaca-se a apresentação em Macau, em 2012, da exposição “A Geração de 500”, no Consulado Geral de Portugal, integrando as celebrações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas; no Colégio dos Jesuítas - Universidade da Madeira, Funchal, integrando as comemorações Funchal 500 Anos; e no Panteão Nacional, em Lisboa. Realizou no Museu Pio XII, em Braga, a exposição “CRER – Imagens de uma Aventura” integrando o Átrio dos Gentios, com lançamento do livro sob o mesmo título, mais tarde

Por mérito nas Artes Plásticas Visuais Isabel Nunes Pintora

e

apresentada no Memorial a Agostinho Neto, em Luanda. Realizou diversas exposições temáticas, sendo a última “Do Ocidente ao Oriente – Diálogos”, no Centro Cultural de Cascais, Fundação D. Luís I. Encontra-se representada em colecções privadas e públicas, em Portugal, Macau, Reino Unido, Finlândia, Alemanha e na colecção de Sua Santidade o Papa Bento XVI.

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 9


P rémio F emina 2016

Por

Ciências: Literatura Científica Maria João Quintela Presidente da Associação Portuguesa de Psicogerontologia. mérito nas

Licenciada em Medicina pela Faculdade de Medicina de Lisboa; Mestre em Gerontologia pela Universidade de Ciências Sociais e Políticas de Grenoble; Pós-graduada em “Gestão dos Serviços de Saúde”; Médica Consultora da Direcção-Geral da Saúde; Presidente da Associação Portuguesa de Psicogerontologia – APP; Vice presidente da Sociedade Portuguesa de Geriatria e Gerontologia – SPGG; Vogal da Direcção da União Distrital das IPSS Lisboa UDIPSS Lisboa; Vogal da Direcção da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima - APAV; Vogal da Direcção da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade - CNIS; Presidente da Mesa da Assembleia Geral da Federação das Instituições de Terceira Idade – FITI; Council Member da International Association of Geriatrics and Gerontology (IAGG).

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 10


P rémio F emina 2016 Psicóloga dos Médicos sem Fronteiras. Intervém em cenários de guerra e catástrofe natural com planos de saúde. Lançou recentemente em Portugal uma caixa de Primeiros Socorros das Emoções. Licenciou-se em 2005 em Psicologia e tinha o sonho de integrar a equipa dos Médicos sem Fronteiras. Foi para Moçambique onde ficou 2 anos. Nesse período concorreu aos Médicos sem Fronteiras, concretizou o sonho e começou a sua aventura. Foi para o Zimbabwe onde trabalhou com doentes com Sida. Seguiu para as cheias do Brasil; Esteve em contextos de guerra na Líbia (2011), na Síria (2013), na Ucrânia (2014) e Sudão do Sul (2014). Esteve em contextos pós-guerra em Caxemira e Camboja.

Por méritos relevantes na Excelência Profissional e pessoal, e, que tenha contribuído para o prestígio de Portugal e da Lusofonia: Actos de Humanitarismo em prol da dignidade e direitos do Ser Humano. Maria Palha Psicóloga

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 11


P rémio F emina 2016

Pela Divulgação da Cultura, História e Sociedade de Matriz Portuguesa no estrangeiro e na Lusofonia. Nysse Arruda Jornalista

Nasceu em São Paulo, Brasil. É jornalista, escritora e editora. É autora do livro “A Beleza de Lisboa-Eléctrico 28, uma viagem na História” e de diversos livros sobre desporto à vela: “Whitbread Round the World Race, 128 dias no mar”; “Mar à vista, a Portugal Telecom e a vela”; “ISAF World Championship Cascais 2007”; “America's Cup World Series Cascais 2010 e Volvo Ocean Race 2011-2012”. Criou também o primeiro portal sobre desporto à vela em língua Portuguesa – www.nyssearrudasailing.com. “Como jornalista especializada em náutica, meus trabalhos editoriais contêm uma importante componente ligada à história marítima e aos países de língua Portuguesa, a começar com o Brasil e Portugal e ainda alguns países africanos, e exemplo disto foi o acompanhamento do projecto “De Portugal à Índia, 500 anos depois”, do navegador Português Manuel Gomes Martins, para a revista Pública (jornal Público) em 1997. De salientar ainda a série de 66 artigos publicados no jornal Público durante a Grand Regatta Columbus 92 – regata comemorativa dos 500 anos da viagem de Colombo, a bordo do Tall Ship polaco “Dar Mlodziezi” entre Abril e Agosto 1992. Como editora da Revista Portfolio-Volvo Car Portugal, concebi um conteúdo editorial totalmente voltado para a História, lifestyle, gastronomia e lazer de cada região do país. Também como autora do livro “A Beleza de Lisboa-Eléctrico 28, uma viagem na História”, publicado em 2010, vi esta obra servir de referência para a divulgação de Lisboa no exterior.

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 12


P rémio F emina 2016

O P r é m i o F e m i n a fo i c r i a d o e m 2010 pa r a a g r a c i a r a s Mulheres Portuguesa s que se tenham distinguido c o m m é r i t o , p r of i ss i o n a l , c u lt u r a l e h u m a n i ta r i a m e n t e em

Portugal

O Prémio Femina 2016 realizou-se no dia 22 de Outubro, no Salão das Naus, no Hotel Palácio do Governador, antigo Palácio do Governador da Torre de Belém, em Lisboa, onde foi servido o jantar, ceia e a cerimónia de imposição dos prémios às agraciadas.

ou no

estrangeiro.

Portugal Protocolo, parceira do prémio desde a sua fundação, na celebração do seu décimo aniversário, associou-se ao Prémio Femina 2016.

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 13


P rémio F emina 2016

As Agraciadas com o Prémio Femina 2016

Embaixadora Tzipora Rimon de Israel e Clementina Paiva Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 14


P rémio F emina 2016

Embaixador José de Bouza Serrano e D. Rino Passigato, Núncio Apostólico

Embaixadora Ebru Barutçu Gökdenizler da Turquia, Embaixadora Ana Martinho e Embaixadora Inna Ohnivets da Ucrânia Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 15


P rémio F emina 2016

Angélica Santos, João Micael e Clementina Paiva

Clementina Paiva, Rui Redol e Isabel Lopes Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 16


P rémio F emina 2016

Mónica e Adriano Moreira

Embaixadora Ana Martinho e os filhos Francisco e Guilherme Castro Caldas Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 17


P rémio F emina 2016

Embaixadora Ebru Barutçu Gökdenizler da Turquia, D. Rino Passigato, Núncio Apostólico e Embaixadora Tzipora Rimon de Israel

Embaixadora Klára Breuer da Hungria, Embaixador Christof Weil e Embaixatriz Christine Weil da Alemanha Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 18


P rémio F emina 2016

Embaixador José de Bouza Serrano e Embaixadora Carmenza Jaramillo da Colômbia

Embaixadora Inna Ohnivets da Ucrânia, Embaixador Ivica Maričić da Croácia e Embaixadora Ebru Barutçu Gökdenizler da Turquia Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 19


P rémio F emina 2016

Jantar no Salão das Naus

Martine Watine e José Henrique de Campos Pinto Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 20


P rémio F emina 2016

Suzete de Campos Pinto e Luísa Real

Conceição Zagalo, Ana de Mello Bramão e Pedro Douwens Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 21


P rémio F emina 2016

Angélica Jorge, a Agraciada Nysse Arruda e Marianela Mirpuri

Cristina Fernandes, Augusta Vieira e Paula Camarneiro Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 22


P rémio F emina 2016

Adriano Moreira, Embaixadora Ana Martinho e João Micael

Clementina Paiva e Guilherme Castro Caldas Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 23


P rémio F emina 2016

Jo~~ao micael, fundador do Prémio Femina durante o discurso de boas-vindas

Adriano Moreira, membro da Comissão de Honra conferindo o Prémio Femina a Maria João Quintela Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 24


P rémio F emina 2016

Adriano Moreira, membro da Comissão de Honra conferindo o Prémio Femina a Isabel Nunes

A agraciada Nysse Arruda durante o discurso de agradecimento Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 25


P rémio F emina 2016

A agraciada Ana Martinho durante o discurso de agradecimento

A mesa do Corpo Diplomático aplaudindo de pé a Agraciada Ana Martinho Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 26


P rĂŠmio F emina 2016

A Agraciada Ana Martinho assinando o Livro de Honra da Matriz Portuguesa

Adriano Moreira assinando o Livro de Honra da Matriz Portuguesa Portugal Protocolo . NÂş 32|2016 . 27


P rémio F emina 2016 Foi

apresentada

uma

mostra

de

pinturas de Isabel Nunes, agraciada com

o

Prémio

Femina

2016

por

mérito nas Artes Plásticas e Visuais, após a cerimónia, onde foi possível a

sua

aquisição;

cujo

resultado

reverteu em cinquenta por cento para o financiamento do importante e inédito programa de cariz cultural e social em Portugal - “Palácio no Hospital – um olhar para a Arte”, uma ideia original de Matriz Portuguesa.

A Agraciada Isabel Nunes inaugura a mostra de pintura com o Núncio Apostólico, D. Rino Passigato Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 28


P rĂŠmio F emina 2016

As Agraciadas Isabel Nunes e Ana Martinho, acompanhadas de Isabel Lopes Portugal Protocolo . NÂş 32|2016 . 29


E ntrevista , E mbaixadora S aloua B ahri

é

S a lo ua B a h r i Embaixadora

Extraordinária

e

P l e n i p ot e n c i á r i a d a República da Tunísia em Portugal d e s d e D e z e m b r o d e 2013, t e n d o a p r e s e n ta d o credenciais somente em

15

de

Janeiro

de

2014.

da

T unísia

A Embaixadora Saloua Bahri possui um Mestrado em Línguas e em Relações Internacionais. Entrou para o Ministério dos Negócios Estrangeiros em 1983, tendo ocupado vários cargos na sede do Departamento de União Europeia, Departamento Multilateral, e de 2011 a 2013 foi Directora-geral da Academia Diplomática. Foi Embaixadora da República da Tunísia na Roménia entre 2006 e 2011. Assumiu a supervisão de várias teses de final de curso de Formação Diplomática, principalmente: a Sociedade de Informação: do confronto para a solidariedade numérica; o

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 30


E ntrevista , E mbaixadora S aloua B ahri Desempenho na Organização das Nações Unidas na realização das metas de desenvolvimento do Milénio (OMD); a dimensão do desenvolvimento no âmbito das negociações multilaterais na OMC. É casada com o Dr. Kamel Bahri, e têm três filhos. A Embaixadora Saloua Bahri é uma Senhora extraordinariamente afável e possuidora de uma simpatia contagiante. A sua elevada cultura e conhecimento do Mundo são acompanhados pela sua desenvoltura linguística; tanto pode iniciar um diálogo na sua língua materna, o Árabe, e prosseguir em Francês, o segundo idioma na Tunísia, se mais alguém se introduzir na conversação, continua em Inglês se aquelas línguas não forem do seu domínio. E, mesmo assim, mantém o ritmo e o sentido do tema em questão. Sente-se bem em Lisboa, porque descobriu semelhanças nas características humanas e nos relacionamentos dos Portugueses com a dos Tunisinos. Os “Encontros do Mundo em Lisboa – República Tunisina”, realizados no dia 12 de Outubro de 2016, tiveram início com uma entrevista com a Embaixadora Saloua Bahri, e após a mostra de dois filmes sobre a História e a Actualidade da Tunísia foram abordados os seguintes temas: Relações Diplomáticas Portugal e a Tunísia

entre

da

T unísia

Em 15 de Maio de 1956, Portugal reconheceu formalmente a independência da Tunísia. E, em 21 de Maio de 1957, Manuel da Cunha Homem de Melo, Enviado Extraordinário e Ministro Plenipotenciário residente em Rabat, apresentou credenciais como Enviado Extraordinário e Plenipotenciário não residente em Túnis. Em 2 de Agosto de 1963, houve um corte de relações diplomáticas e consulares entre os dois países; os interesses de Portugal ficaram confiados à Embaixada de Espanha. As relações diplomáticas entre os dois países foram restabelecidas em 17 de Agosto de 1974. O País A Tunísia, um país do Magrebe, berço da civilização Cartaginesa que atingiu o seu apogeu no século III E.C., antes de cair ao poder do Império Romano. Durante muito tempo foi apelidada Regência de Tunes, um estado satélite do Império Otomano. Tornou-se um protectorado Francês em 1881 e adquiriu a sua independência em 20 de Março de 1956. Toma a denominação oficial de Reino da Tunísia com o final do mandato de Lamine Bey, que nunca se intitulou rei, tendo sido proclamada uma república em 25 de Julho de 1957. A Tunísia está integrada nas principais comunidades internacionais e faz parte da Liga Árabe, da União Africana e da Comunidade dos Estados do Sahel-Sahara, entre outras. A população Tunisina, dos pontos

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 31


E ntrevista , E mbaixadora S aloua B ahri

Portugal Protocolo . NÂş 32|2016 . 32

da

T unĂ­sia


E ntrevista , E mbaixadora S aloua B ahri

Portugal Protocolo . NÂş 32|2016 . 33

da

T unĂ­sia


E ntrevista , E mbaixadora E bru B arutรงu G รถkdenizler

Portugal Protocolo . Nยบ 32|2016 . 34

da

T urquia


E ntrevista , E mbaixadora E bru B arutçu G ökdenizler de vista sociológico, histórico e genealógico, é composta por Árabes e Berberes. Desde o final do século XIX até depois da Segunda Guerra Mundial, a Tunísia acolheu grandes números de Franceses e Italianos, cerca de 255 mil europeus habitavam o país em 1956, embora quase todos eles, juntamente com a população judaica, tenham saído da Tunísia após a sua independência.

da

T urquia

de direitos humanos da África e do mundo Árabe; a Associação Tunisina de Mulheres Democráticas, a Associação de Mulheres Tunisinas para a Pesquisa e Desenvolvimento e a Ordem dos Advogados.

Política A Tunísia é uma República semipresidencialista unitária com o presidente Béji Caïd Essebsi, que serve como Chefe de Estado, o primeiroministro Youssef Chahed, como Chefe de Governo, um Parlamento e um sistema judicial romano-germânico. A Constituição da Tunísia, aprovada 26 de Janeiro de 2014, garante os direitos das mulheres, que detinham mais de 20% dos assentos no parlamento na pré-revolução do país, algo raro no mundo Árabe. Na Assembleia Constituinte de 2011, estas ocuparam entre 24% e 31% de todos os lugares. A Tunísia está incluída na Política Europeia de Vizinhança da União Europeia, que visa aproximar a UE de seus vizinhos mais próximos.

Economia Tunísia é um país orientado para a exportação e está em um processo de liberalização e privatização, numa economia com uma média de crescimento do PIB de 5% desde o início da década de 1990. A sua economia é diversificada e abrange a agricultura, exploração de minas, manufacturas, produtos petrolíferos e o turismo. Em 2009, a Tunísia foi classificada como a economia mais competitiva da África e a 40ª do Mundo pelo Fórum Económico Mundial. O país conseguiu atrair empresas internacionais, como a Airbus e a Hewlett-Packard. A União Europeia continua a ser o primeiro parceiro comercial, actualmente representando 72,5% das importações e 75% das exportações Tunisinas. A Tunísia é um dos parceiros comerciais mais consagrados da UE na região do Mediterrâneo e é o 30º maior parceiro comercial do bloco europeu.

Direitos Humanos Desde a revolução de 2011, algumas organizações não-governamentais têm se reconstituído e centenas de outras novas surgiram; como por exemplo, a Liga Tunisina dos Direitos Humanos, a primeira organização

Cultura A cultura da Tunísia começa com os Berberes, um povo nómada do Norte de África que se estabeleceu inicialmente no Leste do Egipto, mudando-se seguidamente para as terras da actual Tunísia. São

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 35


E ntrevista , E mbaixadora E bru B arutçu G ökdenizler considerados os primeiros povoadores da Tunísia. Com a passagem dos séculos, vários fluxos migratórios se estabeleceram na Tunísia, trazendo as suas tradições e uma excelente gastronomia, criando assim uma intensa mistura étnica. Gastronomia A gastronomia Tunisina é muito rica e variada e conta com especialidades de diversas origens, resultado dos diferentes Povos que a ocuparam, como os Berberes, Andaluzes, Persas, Turcos e Egípcios. A culinária da Tunísia recebeu influências da cozinha Francesa, Grega e Árabe. A entrada de uma refeição típica Tunisina é composta por uma salada de tomate e alface, pepinos com coalhada e um pastel designado brik. No litoral costuma-se servir a chorba, uma sopa de peixe com tomate. Lablabi é uma sopa de grão-de-bico, muito popular. A carne de carneiro é habitual à mesa dos Tunisinos, bem como as tâmaras frescas. Na capital, Tunes, é usual servir de entrada o pão e a harissa, uma pasta de pimenta vermelha com alho, cominho, coentros, alcaravia e azeite.

da

T urquia

musicais de História semelhante em toda a África do Norte, incluindo o malouf primo do Líbio, a música Argelina Gharnati e o Morroquino ala ou Andalusi. Alguns dos seus poemas e músicas terão sido compostas por AlShushtari, Ibn al-Khatib e Al-Mu'tamid ibn Abbad. O lema da Tunísia Liberdade, Justiça”.

Música Malouf é um tipo de música originária de Al-Andaluz, com origem no Emirado de Córdova, compreendendo parcialmente os territórios actuais de Portugal e Espanha, importada para a Tunísia depois da reconquista espanhola no século XV, estando intimamente relacionada aos géneros Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 36

é

“Ordem,


Portugal Protocolo . Nยบ 32|2016 . 37


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - T unísia

Embaixadora Saloua Bahri e Kamel Bahri

Portugal

e a

Tunísia

Fotografias de João de Sousa para a Matriz Portuguesa

A Matriz Portuguesa – MPADC Associação para o Desenvolvimento da Cultura e do Conhecimento teve a honra de receber como Convidado de Honra, S. Exa. A Embaixadora da Tunísia, Saloua Bahri, nos “Encontros do Mundo em Lisboa – Tunísia”, no dia 12 de Outubro, no requintado ambiente do Hotel Palácio do governador, em Belém, Lisboa. A Convidada de Honra recebeu o Diploma de Distinta Dama do Concílio de Honra da Matriz Portuguesa, com a Dignidade de Membro Honorário. Estiveram presentes a Embaixadora da Roménias, Ioana Bivolaru, a directora-geral da CPLP, Georgina Benrós de Mello, entre outros distintos convidados.

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 38


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - T unísia

Embaixadora Ioana Bivolaru da Roménia e a Embaixadora Saloua Bahri da Tunísia

Embaixadora Saloua Bahri da Tunísia e a directora-geral da CPLP, Georgina Benrós de Mello Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 39


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - T unísia

Annabelle Krause-Schilling e Moufida Zribi, Ministra da Embaixada da Tunísia

Eduardo Lemos, Arsisete Saraiva de Almeida, Maria de Lourdes Loução e Jandira Fernandes Pereira Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 40


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - T unĂ­sia

Embaixadora Saloua Bahri e Adel Brahim

Embaixadora Saloua Bahri e Besma Kraiem Portugal Protocolo . NÂş 32|2016 . 41


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - T unĂ­sia

Maria do Carmo Silvestre, Maria da Luz de Sousa e Fernando Lopes Neto

Embaixadora Saloua Bahri durante a entrevista Portugal Protocolo . NÂş 32|2016 . 42


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - T unísia

Embaixadora Saloua Bahri recebe o Diploma de Membro Honorário do Concílio de Honra da Matriz Portuguesa

Embaixadora Saloua Bahri assina o Livro de Honra da Matriz Portuguesa Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 43


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - T unísia

Georgina Benrós de Melloi assina o Livro de Honra da Matriz Portuguesa

Embaixadora Ioana Bivolaru da Roménia assina o Livro de Honra da Matriz Portuguesa Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 44


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - T unísia

Marcelo Novaes assina o Livro de Honra da Matriz Portuguesa

Gonçalo Salazar Leite assina o Livro de Honra da Matriz Portuguesa Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 45


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - T unĂ­sia

Durante o jantar

Couscous com sete Legumes e Borrego Portugal Protocolo . NÂş 32|2016 . 46


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - T unĂ­sia

Rouleaux de Brick recheados com Frango e Queijo

Durante o jantar Portugal Protocolo . NÂş 32|2016 . 47


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - T unĂ­sia

Pâtisserie - Especialidades Tunisinas

Durante o jantar Portugal Protocolo . NÂş 32|2016 . 48


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - T unísia

Durante o jantar

Coxas de Frango com Grão e Arroz Árabe Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 49


E ntrevista , E mbaixadora I nna O hnivets

A Embaixadora Inna Vasylivna Ohnivets nasceu em 30 de Agosto de 1962, em Zhovti Vody, na Região de Dnipropetrovsk, na Ucrânia. Chegou a Portugal em 2015, tendo apresentado credenciais no dia

12 de Janeiro de 2016.

da

U crânia

Estudou no Instituto Estatal Pedagógico das Línguas Estrangeiras de Kiev, e foi professora de Espanhol. Foi auxiliar de laboratório da cátedra das línguas estrangeiras do Colégio Militar de Ensino Superior de Kiev de Frunze, professora das turmas do ensino preparatório da EB nº18, na cidade de Leninsk, Região de Kyzyl-Ordynsk, e também como professora de inglês da EB nº10, na cidade de Leninsk, Região de Kyzyl-Ordynsk. Exerceu funções de jurista do Fundo da propriedade municipal do Conselho dos deputados da cidade de Irpinh, cidade de Irpinh, Região de Kiev.

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 50


E ntrevista , E mbaixadora I nna O hnivets A sua carreira na diplomacia foi iniciada ao ocupar sucessivamente os cargos de Adida, Terceira Secretária, Primeira Secretária, Conselheira da Secção dos assuntos estatais e jurídicos do Departamento Jurídico e dos Acordos, do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia. Foi Chefe Interina da Secção, Chefe da Secção dos assuntos estatais e jurídicos do Departamento Jurídico e dos Acordos, Chefe Adjunta do Departamento Jurídico e dos Acordos - Chefe da Secção dos assuntos estatais e jurídicos, Conselheira principal jurídica deste ministério. Prosseguiu a carreira diplomática no estrangeiro como Cônsul-Geral da Ucrânia na cidade de Presov, na República Eslovaca. Embaixadora Extraordinária e Plenipotenciária da Ucrânia na República Eslovaca e Chefe do Departamento das garantias jurídicas do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia. É casada com Volodynyr Kravchenko.

A sua figura destaca-se pelo contraste dos olhos claros e cabelos negros, combinação pouco comum em Portugal. Mas, a impressão que permanece após os primeiros contactos é que apesar de aparentar uma postura recatada, é uma profissional atenta aos detalhes e extramente cuidadosa com a eficácia dos seus objectivos, sem nunca descurar a cordialidade no trato profissional. A sua missão, quase uma cruzada, é a

da

U crânia

defesa da dignidade e a independência do seu país, cujos acontecimentos recentes de agressão da vizinha Rússia também deixaram indeléveis marcas na sua própria família. Mas, quando fala da Cultura e do Património Ucraniano, e das potencialidades dos seus conterrâneos, os seus olhos e a sua voz adquirem um novo fulgor e ritmo. Na sua muito preenchida agenda, ainda conseguiu disponibilizar um tempo para aprender a Língua Portuguesa. E, tem um sonho: abrir uma escola para os Ucranianos residentes em Portugal, que constituem a terceira comunidade estrangeira mais numerosa no nosso país, e igualmente bem integrada na nossa sociedade. A Ucrânia É um país da Europa Oriental, o maior com o seu território totalmente inserido no continente europeu, que faz fronteira com a Federação Russa a Leste e nordeste; Bielorrússia a Noroeste; Polónia, Eslováquia e Hungria a Oeste; Roménia e Moldávia a Sudoeste; e Mar Negro e Mar de Azov ao Sul e Sudeste, respectivamente. A Ucrânia é considerada o "celeiro da Europa" pela fertilidade de suas terras, sendo um dos países maiores exportadores de grãos do Mundo, com colheitas muito acima da média. Além disso, possui um sector de manufactura muito desenvolvido, especialmente na área de aeronáutica e dos equipamentos industriais.

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 51


E ntrevista , E mbaixadora I nna O hnivets

Portugal Protocolo . NÂş 32|2016 . 52

da

U crânia


E ntrevista , E mbaixadora I nna O hnivets

Portugal Protocolo . NÂş 32|2016 . 53

da

U crânia


E ntrevista , E mbaixadora I nna O hnivets Independência e Economia O colapso da União Soviética em 1991 levou ao referendo que resultou na proclamação da independência da Ucrânia. Após o qual o país passou por uma profunda desaceleração económica, maior do que a de algumas das outras ex-repúblicas soviéticas. Apesar de ser considerada como um mercado livre emergente, a economia Ucraniana é uma das maiores do Mundo. A intervenção militar russa na Ucrânia As incursões militares da Rússia na Ucrânia, em 24 de Fevereiro de 2014, com a entrada das Forças Especiais Russas na região da Crimeia foi considerada como uma violação da Lei Internacional pelos Estados Unidos, aliados da Ucrânia na OTAN e por grande parte da comunidade internacional; tendo sido, porém, bem acolhida por larga proporção da população local. Educação e Cultura De acordo com a Constituição Ucraniana, o acesso à educação gratuita é concedido a todos os cidadãos Ucranianos. O ensino superior foi introduzido na Ucrânia durante os séculos XVI e início do século XVII. A primeira instituição de ensino superior foi a Escola Ostrozka, semelhante às da Europa Ocidental da época. O Collegium, fundada em 1576 na cidade de Ostrog, foi a primeira instituição de ensino superior nos territórios eslavos

da

U crânia

orientais. A universidade mais antiga foi a Universidade Nacional Academia Mohyla de Kiev, estabelecida em 1632, reconhecida oficialmente pelo governo da Rússia Imperial como uma instituição de ensino superior. Entre as mais antigas, está também a Universidade Lviv, fundada em 1661. As Artes e Tradições Ucranianas foram, na sua maioria, influenciadas pelos países vizinhos criando assim uma grande diversidade. O seu artesanato tem longa tradição e de notável complexidade, como por exemplo os bordados, xilogravura, pintura de bonecas e de ovos típicos chamados Pêssanka. Gastronomia Na cozinha tradicional Ucraniana usam-se como ingredientes o frango, a carne de vaca e de porco e os cogumelos, bem como uma enorme variedade de batata e de couve. Nos seus pratos mais conhecidos contam-se, entre muitos, a massa vareneki, a famosa sopa borsch, e oholopty, folhas de repolho recheadas. As especialidades ucranianas são o Frango à Kiev e o Bolo de Kiev. Das bebidas ucranianas destaca-se a horilka. O lema da Ucrânia é “Liberdade, Concordância, Bondade”.

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 54


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - U crânia

Embaixadora Inna Ohnivets e João Micael

Portugal

e a

Ucrânia

Fotografias de João de Sousa para Matriz Portuguesa

A Matriz Portuguesa – MPADC Associação para o Desenvolvimento da Cultura e do Conhecimento teve a honra de receber como Convidado de Honra, S. Exa. A Embaixadora Inna Ohnivets da Ucrânia nos “Encontros do Mundo em Lisboa – Ucrânia”, no dia 2 de Novembro, no requintado Hotel Palácio do Governador, em Lisboa. A Convidada de Honra recebeu o Diploma de Distinta Dama do Concílio de Honra da Matriz Portuguesa, com a Dignidade de Membro Honorário. Estiveram presentes o presidente da Câmara de Comércio Luso-Ucraniana, Miguel Horta e Costa, a cantora lírica ucraniana, Larissa Savchenko, entre outros distintos convidados.

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 55


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - U crânia

Eduardo Santos Silva e Miguel Horta e Costa

Fernando Correia Lopes e Maria do Rosário Pinto Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 56


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - U crânia

Clementina Paiva, Embaixadora Inna Ohnivets e João Micael

Guilherme Santos Silva, Embaixadora Inna Ohnivets e João Micael e Eduardo Santos Silva Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 57


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - U crânia

Embaixadora Inna Ohnivets e Larissa Savchenko

Maria de Lourdes Loução e Arsisete Saraiva Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 58


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - U crânia

Conceição Zagalo, Embaixadora Inna Ohnivets, Paula Camarneiro, Augusta Vieira e Larissa Savchenko

Eduardo Lemos, Anizabel Alves da Rocha e Embaixadora Inna Ohnivets Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 59


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - U crânia

Embaixadora Inna Ohnivets durante a entrevista

Embaixadora Inna Ohnivets durante a entrevista Portugal Protocolo . NÂş 32|2016 . 60


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - U crânia

Intervenção de Anabela Martins Baptista durante a entrevista

João Micael entrega à Embaixadora Inna Ohnivets o Diploma de Membro Honorário do Concílio de Honra da Matriz Portuguesa Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 61


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - U crânia

Embaixadora Inna Ohnivets assina o Livro de Honra da Matriz Portuguesa

Miguel Horta e Costa assina o Livro de Honra da Matriz Portuguesa Portugal Protocolo . NÂş 32|2016 . 62


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - U crânia

Larissa Savchenko assina o Livro de Honra da Matriz Portuguesa

Embaixadora Inna Ohnivets e João Micael durante o jantar Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 63


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - U crânia

Larissa Savchenko e Miguel Horta e Costa durante o jantar

Salada de Arenque com Legumes cozidos Portugal Protocolo . NÂş 32|2016 . 64


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - U crânia

Clementina Paiva e Guilherme Santos Silva durante o jantar

Cristina Fernandes, Paula Camarneiro e Augusta Vieira durante o jantar Portugal Protocolo . NÂş 32|2016 . 65


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - U crânia

Holubtsi com Natas (repolho recheado com carne bovina picada e arroz)

Maria do Rosário Pinto, Maria do Carmo Silvestre, Noémia Catarino Tavares e Anabela Martins Baptista durante o jantar Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 66


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - U crânia

Anizabel Alves da Rocha, Eduardo Lemos e Jandira Fernandes Pereira durante o jantar

Mihuel Horta e Costa e Embaixadora Inna Ohnivets durante o jantar Portugal Protocolo . NÂş 32|2016 . 67


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - U crânia

Clementina Paiva, Guilherme Santos Silva, Larissa Savchenko, Miguel Horta e Costa, Embaixadora Inna Ohnivets e João Micael

Fernando Correia Lopes, Conceição Zagalo e Maria de Lourdes Loução durante o jantar Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 68


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - U crânia

Larissa Savchenko interpretando canções tradicionais Ucranianas “

Varenyky (massa recheada com batata cozida e cogumelos) Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 69


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - R ecepção

A Matriz Portuguesa ofereceu uma recepção ao Corpo Diplomático e a todos os convidados dos “Encontros do Mundo em Lisboa”.

Em cima Embaixador Revaz Beshidze da Geórgia, Embaixador Oliver Antic da Sérvia, Embaixadora Ioana Bivolaru da Roménia, Embaixador Josef Adamec da Eslováquia e Embaixador Dumitru Socolan da Moldávia Fotografias de João de Sousa para Matriz Portuguesa

de

F im - de -A no

A Matriz Portuguesa ofereceu, em parceria com o Hotel Palácio do Governador, uma recepção para despedida do ano 2016, no dia 7 de Dezembro. No Salão das Naus esteve patente a exposição virtual “Embaixadas Reais Portuguesas Famosas”, criada exclusivamente para a efeméride - a consciencialização do indelével valor ímpar do acervo patrimonial Português na História Universal, e a dignificação da sua Memória Histórica e Cultural, projecta uma imagem de sofisticação de um Povo e de um País, que se elevam e cumprem o seu desígnio – partilhar o Testemunho de Portugal com a Humanidade.

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 70


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - R ecepção

de

F im - de -A no

Mário Azevedo Ferreira, Administrador Grupo NAU, Ana Portugal, directora do Hotel Palácio do Governador, Clementina Paiva e João Micael da Matriz Portuguesa

Embaixador Dumitru Socolan da Moldávia, Embaixadora Ioana Bivolaru da Roménia e Clementina Paiva Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 71


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - R ecepção

de

F im - de -A no

Eduardo Lemos, Maria do Rosário Pinto e Jandira Pereira Gonçalves

Maria Duarte Bello e Ana Dâmaso Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 72


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - R ecepção

de

F im - de -A no

Özgür Uludüz, Encarregado de Negócios a.i. da Embaixada da Turquia e Ana Luisa Maya Uludü

Mohammed Nafa Almadani, Conselheiro e Encarregado de Negócios, a.i. da Embaixada da Arábia Saudita e filha Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 73


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - R ecepção

de

F im - de -A no

Maria Cândida Rocha e Silva e Arsisete Saraiva

Jorge de Figueiredo Gonçalves, Ministro Plenipotenciário e Encarregado de Negócios, a.i. da Embaixada de Cabo Verde e Amadeu Leitão Nunes, Director da Representação Comercial de Angola em Portugal Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 74


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - R ecepção

de

F im - de -A no

Embaixador Oliver Antic da Sérvia e Isabel Lopes

Fernando Correia Lopes e Embaixador Miguel Polignac de Barros da Soberana Ordem de Malta Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 75


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - R ecepção

de

F im - de -A no

Eduardo Lemos, Lurdes de Serpa Carvalho, da UNESCO, Augusta Vieira e Cristina Fernandes

António Neto da Silva, Prsidente da Associação de Amizade Portugal/EUA e Rui Redol, Presidente da Associação de Amizade Portugal/Tunísia Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 76


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - R ecepção

de

F im - de -A no

João Pedro Rodrigues, Mestre Picador chefe da Escola Portuguesa de Arte Equestre, Rita Dias Rodrigues e Coronel José Miguel Cabedo

Mestre Vicente Trindade, Director da Academia de Dança Antiga de Lisboa e Maria do Carmo Silvestre Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 77


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - R ecepção

de

F im - de -A no

Embaixatriz Dana Adamcová da Eslováquia, Embaixatriz Tamara Socolan da Moldávia e Embaixatriz Adela Antic da Sérvia

Isabel Neves, Presidente do Lisbon Business Angels Club e Anabela de Sousa Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 78


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - R ecepção

Embaixador Hiroshi Azuma do Japão

Sofia Vieira Lourenço e Clementina Paiva Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 79

de

F im - de -A no


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - R ecepção

de

F im - de -A no

Carlos Saraiva, José de Lancastre e Távora, Marquês de Abrantes e Clementina Paiva

Ignacio Vázquez Moliní, Diplomatic relations European Monitoring Centre for Drugs and Drug Addiction, Clementina Paiva e Eduardo Lemos Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 80


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - R ecepção

Anabela Baptista, Margarida Aroso e José Pinto Soares

Anabela Baptista e Fernando Correia Lopes Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 81

de

F im - de -A no


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - R ecepção

de

F im - de -A no

Luce Pagerie Schroeder, Maria do Carmo Silvestre, Fernando Correia Lopes, Anabela Baptista e Martine Watine

Ana Linda Ferreira e João Micael Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 82


E ncontros

do

M undo

em

L isboa - R ecepção

de

F im - de -A no

Clementina Paiva, Embaixadora Ana Martinho, Secretária-Geral do Ministério dos Negócios Estrangeiros e João Micael

Ana linda Ferreira, Ana Portugal e João Micael com a equipa do Hotel Palácio do Governador Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 83


Cultura, Conferência de Ana de Mello Bramão

“Teatro de Gervásio Lobato – A 2ª Metade do séc. XIX – Um tempo de tertúlias e parcerias” na Academia de Letras e Artes.

Fotografias cedidas gentilmente por Ana de Mello Bramão

Ana de Mello Bramão proferiu no dia 22 de Setembro a conferência “Teatro de Gervásio Lobato – A 2ª Metade do séc. XIX – Um tempo de tertúlias e parcerias” na Academia de Letras e Artes, para divulgação das parcerias literárias do seu bisavô, Gervásio Lobato, com diversos escritores e maestros compositores da época. Gervásio Jorge Leite Bastos Gonçalves Lobato (1850-1895), mais conhecido por Gervásio Lobato, foi romancista, autor teatral, cronista, jornalista e professor de teatro no Real Conservatório. Primeiro escritor humorista a entrar na Real Academia das Ciências, na Classe de Letras, em 1893. Foi também Director Literário da Revista Occidente de 1880 a 1995, data da sua morte.

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 84


Cultura, Conferência de Ana de Mello Bramão

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 85


Protocolo, Entrega de Credenciais de novos Embaixadores em Portugal

Embaixadora Ioana Bivolaru da Roménia

O Presidente recebeu as

da

República

Cartas Credenciais

de novos

Embaixadores em

Portugal.

Entregaram as suas credenciais ao Presidente da República, no dia 6 de Setembro, no Palácio de Belém, a Embaixadora Ioana Bivolaru da Roménia, o Embaixador Henrique Polignac de Barros do Mónaco, a Embaixadora Carmenza Jaramillo Gutierrez da Colômbia e o Embaixador Jean Jacques Welfring do Luxemburgo.

Fonte © 2016 Presidência da República Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 86


Protocolo, Entrega de Credenciais de novos Embaixadores em Portugal

Embaixadora Ioana Bivolaru da Roménia entrega as credenciais ao Presidente da República

Embaixadora Ioana Bivolaru da Roménia em audiência com o Presidente da República Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 87


Protocolo, Entrega de Credenciais de novos Embaixadores em Portugal

O Embaixador Henrique Polignac de Barros do Mónaco

O Embaixador Henrique Polignac de Barros do Mónaco entrega as credenciais ao Presidente da República Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 88


Protocolo, Entrega de Credenciais de novos Embaixadores em Portugal

Embaixadora Carmenza Jaramillo Gutierrez da Colômbia entrega as credenciais ao Presidente da República

Embaixadora Carmenza Jaramillo Gutierrez da Colômbia em audiência com o Presidente da República Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 89


Protocolo, Entrega de Credenciais de novos Embaixadores em Portugal

O Embaixador Jean Jacques Welfring do Luxemburgo

O Embaixador Jean Jacques Welfring do Luxemburgo em audiência com o Presidente da República Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 90


Protocolo, Recepção

do

Dia

Recepção para celebração do 25º Aniversário do Dia da Independência da Ucrânia

Fonte © 2016 Embaixada da Ucrânia em Portugal

da I ndependência da

Ucrânia

A Embaixadora Inna Ohnivets e a Embaixada da Ucrânia em Portugal receberam, no dia 8 de Setembro, no Lisbon Marriott Hotel, os Embaixadores acreditados em Lisboa e outros distintos convidados. A Embaixadora dirigiu-se aos convidados na língua Portuguesa, embora apenas tenha entregado credenciais em Janeiro deste ano, realçando que Portugal foi um dos primeiros países que reconheceu a Ucrânia como um Estado independente. Seguiu-se um jantar com ementa Ucraniana, enquanto se podia apreciar algumas pinturas de artistas daquele país.

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 91


Protocolo, Recepção

do

Dia

da I ndependência da

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 92

Ucrânia


Protocolo, Recepção

do

Dia

da I ndependência da

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 93

Ucrânia


Protocolo, Recepção

do

Dia

da I ndependência da

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 94

Ucrânia


Protocolo, Recepção

do

Dia

da I ndependência da

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 95

Ucrânia


Protocolo, Recepção

do

Dia

da I ndependência da

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 96

Ucrânia


Protocolo, Recepção

do

Dia

da I ndependência da

Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 97

Ucrânia


EM PORTUGAL… IN PORTUGAL…

Sabe reconhecer as Precedências e as Hierarquias oficiais e civis? Do You recognize official and civilian Precedences and Hierarchies?

Está em sintonia com os costumes sociais, culturais e empresariais? Are you in harmony with the social, cultural and business customs?

Emprega correctamente as fórmulas de tratamento e de cortesia? Do you use correctly the formulas of treatment and courtesy?

Conhece o código de vestuário usado em sociedade e nos eventos oficiais e profissionais? Do you know the dress code used in society and official and professional events?

O PODER NOS DETALHES - CRIAR PRESTÍGIO E REPUTAÇÃO POWER IN THE DETAILS - CREATE PRESTIGE AND REPUTATION

Mais informações +351 91 287 10 44 | academia-protocolo@matriz-portuguesa.pt

www.matriz-portuguesa.pt Portugal Protocolo . Nº 32|2016 . 98

PORTUGAL PROTOCOLO Revista nº32 | 2016  

4 | Editorial 8 | Prémio Femina 2016 30 | Entrevista, Embaixadora Saloua Bahri da Tunísia 38 | Encontros do Mundo em Lisboa – Tunísia 50 | E...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you