Issuu on Google+

Portugal Motorsport

RALI DE PORTUGAL FACTOS E “ESTÓRIAS”

Fascículo 3

O PRESTÍGIO CRESCENTE DE UMA PROVA MUNDIAL

 

   No   ano   em   que   o   Mundial   de   Ralis   se   estreou   como   competição,   lá   estava   portanto   incluído   no   calendário  o  Rally  Internacional  TAP,  que  a  equipa   liderada   por   César   Torres   conseguiu   monta   rem   apenas   seis   meses,   respondendo   aos   apelos   da   então   FISA.   Foi   o   início   de   uma   década   dourada,   em   que   pilotos   e   máquinas   souberam   apreciar   e   enfrentar,  as  dificuldades  da  prova  portuguesa.      

1973  -­‐  1976   A   Alpine   Renault   apresentou-­‐se   na   sua   máxima   força,   apostando   na   conquista   do   Mundial   de   Marcas  de  1973,  trazendo  para  a  prova  portuguesa   nada   menos   que   Jean   Pierre   Nicolas,   Bernard   Darniche  e  Jean  Luc  Thérier,  para  guiar  os  novos     A110   1800   s,   máquinas   com   uma   conceção   «  tudo   atrás   »   e   a   oposição     vinha   da   Fiat     que   apurou   a   preparação   dos   124   Abarth   1800,   entregando-­‐os   a   Alcide  Paganelli,  Bjorn  Waldegaard  e  Rafaele  Pinto,   juntamente   ainda   com   a   BMW,   novamente   com   Achim  Warmbold  e  um  grupo  2,  para  Leif  Astherag.     Ove   Andersson   com   um   Celica   1600   oficial,   o   habitual   Citroen   DS   21   oficial   para   Francisco   Romãozinho   e   a   uma   longa   lista   de   «  outsiders   »   juntavam-­‐se   uma   bateria   de   pilotos   portugueses,   mais   ou   menos   equipados,   como   as   equipas,   FIAT   Torralta,  Tofa  GM  e    BLP.    

    Em  termos  gerais  a  prova  resumiu-­‐se  a  luta  entre  a   FIAT   e   a   Alpine,   mas   no   início   Warmbold   ainda   se   suplantou   aos   124   Abarth,   com   um   potente   BMW   2002   Ti,   que   o   piloto   tinha   conseguido   inscrever  


Portugal Motorsport

RALI DE PORTUGAL FACTOS E “ESTÓRIAS”

Fascículo 3

O PRESTÍGIO CRESCENTE DE UMA PROVA MUNDIAL com   o   apoio   da   fábrica,   após   a   vitória   do   ano   anterior.     Mas   o   BMW   não   aguentou   e   com   a   baixa   de   Darniche   na   Alpine,   o   melhor   nacional   acabou   por   ser   Francisco   Romãozinho   (3º),   á   frente   de   Luis   Netto  em  quarto,  este  a  ser  o  melhor  representante   da  Fiat  na  classificação  final  do  rali.     O  INÍCIO  DO  DOMÍNIO  DO  GRUPO  FIAT     «  Lele  »   Pinto   deu   início   em   1974,   a   uma   era   de   domínio   da   Fiat,   capitaneada   por   Giorgio   Pianta,   mas   o   Rally   TAP   de   1974,   decorreu   numa   altura  

Nos   anos   seguintes   o   trabalho   intenso   da   equipa   do   ACP,   continuou,   no   meio   de   uma   enorme   instabilidade   política,   com   negociações   permanentes   com   muitos   governos   provisórios   e   definitivos,   mas   com   uma   determinação   impressionante,  a  prova  foi  continuando  a  realizar-­‐ se.    

Em   1975,   o   grupo   Fiat,   mantinha   a   aposta   no   124   Spyder   e   emergia   Markku   Alen,   que   dava   assim   início   a   quase   uma   era   ininterrupta   de   domínio   na   prova  portuguesa.    

conturbada   em   termos   políticos   e   também   numa   altura  em  que  todo  o  mundo  estava  «  mergulhado  »   numa   intensa   crise   petrolífera,   sendo   possível   realizar   a   prova,   só   pela   acção   e   diplomacia   de   César   Torres,   que   garantiu   a   gasolina   necessária   para   a   realização   do   rali,   com   a   ajuda   da…   Venezuela.  

Alen   alinhou   juntamente   com   Mikkola   na   equipa   oficial   FIAT   e   lutava   com   Andersson   e   a   equipa   Datsun,   com   Metha   a   capitanear   e   ainda   contra   o   BMW  de  Warmbold.  

 

A   Fiat   dominou   os   acontecimentos   –   com   Rafaelle   Pinto   a   comandar   do   primeiro   ao   último   troço   –   já   que   apenas   na   primeira   etapa   Ove   Andersson   o   conseguiu   acompanhar,   intercalando-­‐se   entre   os   Fiat   de   Pinto   e   Paganelli,   à   frente   de   Alen   e   Romãozinho   foi   de   novo   o   melhor   português   e   garantindo   Celso   Vieira   da   Silva   uma   apetecida   vitória   no   grupo   1,   aos   comandos   de   um   Datsun   1600  SSS.   Rali de Portugal | Fascículo 3 | Pág. 2


Portugal Motorsport

RALI DE PORTUGAL FACTOS E “ESTÓRIAS”

Fascículo 3

O PRESTÍGIO CRESCENTE DE UMA PROVA MUNDIAL Foi   uma   prova   de   alguma   forma   sem   história,   tal   foi   o   domínio   dos   homens   da   Fiat   que   garantiram   os   dois  primeiros  postos  da  geral  á  frente  do  sueco  da   Toyota   e   do   melhor   dos   Opel,   pilotado   por   Rauno   Aaltonen.       O   melhor   português   foi   Pedro   Cortês,   que   bateu   Mário  de  Figueiredo  (Datsun  240  Z),  com  Francisco   Romãozinho   a   são   poder   desta   feita   discutir   a   vitória,  já  que  a  Citroen  tinha  substituído  o  DS  pelo   GS,  com  poucos  cavalos  para  discutir  o  triunfo  entre   as  equipas  nacionais.     No   ano   seguinte,   apareceu   o   fantástico   Lancia   Stratos   (motor   Ferrari   V6   com   275   cv),   e   foi   sem   surpresa   que   Sandro   Munari,   venceu   na   prova   de   estreia  em  Portugal,  quase  sem  oposição  por  parte   da   Toyota   (Andersson   e   Mikkola)   ou   os   Kadett   GT/   de  grupo  2  (Rohrl)  e  também  os  novos  Alpine  A-­‐310   V6,   qe   se   destinavam   a   substituir   as   gloriosas   «  barchettas  »…    

 

 

Logo   nos   primeiros   metros,   Rohrl   abandonava   (Lagoa  Azul)  Ragnotti  ia  pelo  mesmo  caminho  após   o   salto   da   Peninha,   e   com   isto   tudo   Munari   ficava   confortavelmente   na   frente,   deixando   que   o  

interesse  da  prova  se  centrasse  na  luta  entre  Pinto   e  Andersson,  com  vantagem  final  para  este  último.     O   segundo   posto   ficou   assim   para   Andersson   e   ao   terceiro  lugar  subiu…  Mêquêpê,  que  garantiu  ainda   o   melhor   lugar   entre   os   portugueses   e   venceu   o   Grupo  1.    

    No  final  o  reconhecimento  internacional  garantia  a   Portugal   o   título   de   «  Melhor   Rallye   do   Mundo   »   uma   distinção   atribuída   pelo   BPICA   –   Bureau   Permanent   Internacional     des   Constructeurs   d’Automobiles   –   a   primeira   de   cinco   vezes   que   a   prova   recebeu   este   galardão,   o   que   certificava   em   definitivo,   a   fantástica   qualidade   da   prova   frente   aos  seus  rivais  organizadores  europeus  e  garantia  a   César  Torres  a  construção  da  sua  base  de  prestígio   como  organizador.     Rali de Portugal | Fascículo 3 | Pág. 3


Portugal Motorsport

RALI DE PORTUGAL FACTOS E “ESTÓRIAS”

Fascículo 3

O PRESTÍGIO CRESCENTE DE UMA PROVA MUNDIAL Regressei   em   1978,   com   o   espetacular   Ford   Escort,   integrando   a   equipa   oficial   durante   todo   esse   ano.   Era   um   carro   fantástico,   divertido  de  conduzir  nas  classificativas  portuguesas.    

Um  dos  meus  “patrões”  era  o  Charles  Reynolds  –  que  agora  trabalha   na   FIA   –   e   o   meu   navegador   era   o   Vincent   Lavergne,   que   depois   trabalhou  comigo  na  Peugeot.      

O   ano   do   Escort   foi   igualmente   de   grande   luta.   Eu   e   o   Mikkola   nos   Ford  e  os  homens  da  FIAT,  Rohrl  e  Alen.  Comecei  por  liderar  a  prova   no  meio  do  nevoeiro,  mas  depois  tivemos  um  furo  e  perdemos  muito   tempo.  Acabámos  em  terceiro  e  verdadeiramente  exaustos.      

O  Markku  ganhou  e  deveria  ter  sido  ele  o  Campeão  do  Mundo  nesse   ano,  só  que  a  história  nem  sempre  tem  o  final  que  esperamos…    

 

 

PORTUGAL  NAS  MEMÓRIAS   DE  JEAN  PIERRE  NICOLAS  

“   Tenho   muitas   boas   recordações   do   Rali   de   Portugal,   que   foi   sempre   uma  das  minhas  provas  favoritas.  Comecei  por  participar  no  TAP  em   1967,   como   piloto   privado.   Tinha   um   R8   Gordini   –   o   meu   carro   particular   –   e   deveria   ter   ganho   a   prova…   Acho   que   o   final   era   no   Estoril,  mas  na  ligação  de  Sintra  para  a  meta  o  eixo  traseiro  partiu-­‐se   e  tive  que  abandonar.     Era  muito  novo  na  altura  e  foi  desesperante.  Fiquei  desapontado,  até   porque   tinha   quase   dez   minutos   de   vantagem   e   seria   por   certo   a   minha  primeira  grande  vitória…  Para  além  disso  o  prémio  monetário   para  o  vencedor  da  prova  era  muito  importante  e  eu  queria  comprar   um   carro   novo.   Chorei   durante   os   dias   seguintes   com   toda   a   minha   família,  desesperado  e  inconsolável  com  o  que  nos  tinha  acontecido.     As  coisas  correram  bem  melhor  para  mim  em  1971,  já  que  ganhei  o   rali  com  o  Alpine  Renault  1300S.  Corria  na  altura  com  o  Jean  Todt  e   seria  a  minha  primeira  vitória  com  o  carro  e  a  equipa  de  fábrica.  Foi   uma  experiência  muito  diferente,  até  porque  estava  integrado  numa   estrutura   vencedora   que   nos   retirava   quaisquer   preocupações   com   os  problemas  técnicos  do  nosso  carro.       Em   1973   foi   talvez   o   melhor   Rali   de   Portugal   que   disputei.   Foi   uma   batalha  constante  com  o  meu  companheiro  de  escuderia,  o  Jean-­‐Luc   Therier.   Foi   ele   que   ganhou   e   eu   fiquei   logo   a   seguir,   mas   lembro-­‐me   ainda  hoje  de  que  nos  divertimos  bastante  e  deixámos  para  trás  toda   uma   concorrência   que   experimentava   pela   primeira   vez   as   sensações   de  um  rali  integrado  no  Campeonato  do  Mundo  da  especialidade.  

Portugal   é   um   país   que   aprecio     por   muitas   e   variadas   razões.   Primeiro   pela   qualidade   e   competividade   das   classificativas   que   disputamos   e   que   considero   fantástica.   Todos   os   amantes   dos   ralis   conhecem  Arganil  ou  Fafe,  mas  asseguro  que  é  ainda  mais  agradável   percorre-­‐las   pilotando   do   que   ficar   apenas   a   ver…   Trata-­‐se   de   puro   prazer!    

    Em   segundo   lugar   adoro   as   pessoas   e   o   país.   Sempre   fomos   muito   bem  recebidos,  quando  disputámos  o  Rali  de  Portugal,  as  pessoas  são   de  uma  amabilidade  extrema  e  verdadeiros  apaixonados  pelos  ralis.      

Até   nas   classificativas   disputadas   no   meio   da   noite,   debaixo   de   espessas   camadas   de   nevoeiro,   houve   sempre   milhares   de   pessoas   espalhadas  pelas  estradas  e  caminhos  para  nos  ver  e  apoiar.    

Finalmente  todo  o  cenário  -­‐    as  paisagens  lindas…  -­‐  e  a  boa  comida,   são   razões   suplementares   para   continuar   a   admirar   Portugal   e   a   desejar  regressar.      

Tenho  fantásticas  recordações  de  Portugal,  que  ficarão  comigo  para   sempre.”                                                                                                                                          JEAN  PIERRE  NICOLAS  

Rali de Portugal | Fascículo 3 | Pág. 4


Rali de Portugal-Factos e Estórias