Page 1


MUNICÍPIO DO CORVO

CONTEÚDO

PAG 9

MUNICÍPIO DE TABUAÇO PAG 13

TURISMO PORTO E NORTE PAG 25

EDITORIAL Com o final de ano à porta, nasce um novo projeto editorial, cuja essência informativa pretende enaltecer os projetos nacionais consolidados, bem como incentivar os mais jovens empreendedores, incutindo de que todos juntos conseguimos fazer mais e melhor! A vontade de estar perto, quando o longe é uma realidade. A transparência de que perante a conjuntura económica vivenciada um pouco de norte a sul é inevitável, de que o litoral combate diariamente a sazonalidade e o interior depara-se com a desertificação. Portugal possui uma nova massa humana com garra para contornar todas as dificuldades, e mostrar de que apesar de um pequeno país possuímos inúmeras potencialidades, que existe futuro e que vale a pena ficar por cá. A Portugal em Destaque pretende dar a conhecer essa realidade, relatar exemplos de sucesso, demonstrar paisagens de cortar a respiração e dar a conhecer produtos de excelência made in Portugal, que em muitos dos casos são apenas uma realidade ‘lá fora’. A direcção editorial da Portugal em Destaque Catarina Carvalho

FICHA TÉCNICA | DIREÇÃO EDITORIAL: CATARINA CARVALHO (CATARINA.CARVALHO@PORTUGALEMDESTAQUE.PT) | DIREÇÃO COMERCIAL PEDRO PANINHO (PEDRO.PANINHO@ PORTUGALEMDESTAQUE.PT) | DIREÇÃO GRÁFICA SAÍDA CREATIVA | REDAÇÃO E PUBLICIDADE AVENIDA DA REPÚBLICA 1326 3º SALA 3.1 / +351 223 263 024 / GERAL@PORTUGALEMDESTAQUE.PT | DISTRIBUIÇÃO DISTRIBUIÇÃO GRATUÍTA COM O JORNAL PÚBLICO / DEC. REGULAMENTAR 8-99/9-6 ARTIGO 12 N.ID | IMPRESSÃO LIDERGRAF SUSTAINABLE PRINTING EDIÇÃO DE DEZEMBRO


O CONCELHO E AS SUAS POTENCIALIDADES

UM PRESIDENTE PARA TODOS Considerada uma das mais belas vilas de Portugal, Penedono localiza-se nos derradeiros limites da Beira e mesmo ao lado dos socalcos da Região Demarcada do Douro. A vila medieval de Penedono possui uma beleza inigualável e um património cultural de excelência.

MUNICÍPIO DE PENEDONO

Considera-se um presidente próximo das pessoas? Considero-me realmente um presidente próximo das pessoas, de todas as pessoas. Tenho consciência de ter sido eleito só por alguns, mas assumo-me verdadeiramente como o presidente de todos os penedonenses, É assim para com todos os habitantes, é assim para com os que nos visitam, procurando sempre mostrar que o presidente da câmara tem um rosto, através da minha absoluta disponibilidade para “dizer” presente.

CARLOS ESTEVES - PRESIDENTE

4 | PORTUGAL EM DESTAQUE

Enquanto presidente da Câmara Municipal de Penedono, qual o seu principal objetivo? Os meus objetivos são inúmeros, todos convergentes num único de grande dimensão e aglutinador: SERVIR. Somente satisfazendo as necessidades às pessoas é que entendo a grandeza do exercício do cargo que atualmente desempenho e para o qual as pessoas me responsabilizaram. Trabalho para ir de encontro à satisfação

das necessidades humanas básicas que se traduzem diariamente junto da comunidade, em questões pontuais ou de maior dimensão. O que entende por qualidade de vida dos munícipes? Por força da minha formação académica habituei-me a definir “a saúde”, e é ela que condiciona a nossa qualidade de vida, como a procura constante de um equilíbrio entre o nosso “eu interno” e o “eu externo”. Se no primeiro incluo o estado físico, espiritual, psicológico e o emocional, no segundo coloco os relacionamentos sociais (família e amigos), as condições ambientais ou outros fatores externos às pessoas. Daí que a intervenção em áreas como o abastecimento de água, o saneamento básico, o incentivo ao empreendedorismo como forma de fomentar a empregabilidade/investimento, a educação, a saúde e a habitação, continuam a ser grandes apostas para garantir uma cada


vez melhor qualidade de vida. Em pequenos gestos, atitudes ou procedimentos se verificam esses contributos por parte da Câmara de Penedono. Tem de ser esta a postura da autarquia, até porque, face ao alheamento reprovável a que estas gentes estão sujeitas por quem nos governa, considero ser um ato de muita coragem por parte das famílias viverem e apostarem numa vida em territórios como este, que é Penedono. Quais os programas e apoios que Penedono tem para a angariação de potenciais residentes e até mesmo para a preservação dos existentes? Quando assumi a presidência da câmara, juntamente com a equipa que constitui, traçámos um propósito, que desde a primeira hora foi a criação de condições para assegurar a fixação das pessoas. Criámos diversas formas de ajudar as crianças, os jovens e consequentemente as famílias. As refeições escolares são pagas pela autarquia, sendo a alimentação reforçada diariamente com o fornecimento de um lanche. É fornecido no início do ano um kit individual com material escolar, os necessários manuais escolares são comparticipados consoante o escalão familiar do abono de família. Os transportes escolares são gratuitos para todos, abrangendo inclusivamente alguns do ensino secundário. A câmara atribui ainda anualmente diversas bolsas de estudos para os níveis de ensino secundário, CET’s e ensino superior. Acresce que o concelho de Penedono é o concelho do país com os mais baixos impostos municipais.

No fundo são uma série de fatores que poderiam contrariar um pouco o grande problema demográfico e da gradual diminuição de população, mas infelizmente não tem tido o resultado desejado. Quais as medidas que têm sido tomadas pela autarquia de Penedono para contrariar a tendência nacional de escassas ações de fixação de pessoas? Temos procurado fomentar e valorizar a capacidade das pessoas para criarem os seus próprios negócios/empregos, promovendo ou desenvolvendo o que já está estabelecido, ou criando a possibilidade de serem implementados novos negócios. Nessa perspetiva foi criado um regulamento ao qual chamámos “Penedono Empreende Emprego”, um programa vocacionado para a criação de atividade e consequentemente fomentar a empregabilidade, através da assinatura de contratos com vínculos a pelo menos três anos de durabilidade, apoiando a autarquia com incentivos que podem ir dos € 1.500 aos € 3.500. Em paralelo foi criado o “Penedono Empreende FINICIA” que nos permite ajudar, em parceria com outras entidades, em investimentos cujo montante máximo não ultrapasse € 45.000, assente em taxas de juro previamente acordadas e spread’s reduzidos, Quando nos questionam qual o resultado destas iniciativas, costumamos afirmar que, à escala de Penedono temos obtidos resultados positivos, mas que não nos fazem ficar acomodados. Possuem algum espaço direcionado a no-

vas ideias e projetos? A vontade de incentivar, apoiando o empreendedorismo, fez-nos sentir a necessidade de criar um espaço onde pudessem vir a ser instalados novos projetos, e nesse sentido optámos por concretizar uma Área de Acolhimento Empresarial, cuja obra se encontra concluída, atualmente já com alguns lotes alienados, onde os interessados poderão vir a usufruir do m2, desde os € 0,10 aos € 2,50, tudo em função de eventuais postos de trabalho a criar. E quanto aos recursos naturais têm surgido ou a autarquia tem incentivado dentro desses programas a criação de emprego relativamente ao aproveitamento dos recursos naturais do concelho? Os programas existentes podem abranger todos os tipos ou áreas de investimento. Mas ao falarmos em recursos naturais vem à ideia tudo aquilo que a terra nos proporciona e muito objetivamente, no fomentar o regresso das pessoas ao trabalho primário. Atenta a esta questão e tendo em linha de conta também que o trabalhar as terras poderá ter um efeito preventivo aos incêndios florestais, foi desenvolvido um projeto intitulado “Penedono Rural” a ser desenvolvido em três eixos: investimento, plantação e produção. Por se constatar a necessidade de o melhorar no sentido de o tornar mais justo, encontra-se temporariamente suspenso. Ainda neste setor a autarquia tem incentivado os produtores de gado (ovinos e caprinos) através da realização de concursos dinamizadores da atividade.

MOSTRA DE PRODUTOS TÍPICOS DE PENEDONO PORTUGAL EM DESTAQUE | 5


Quais as ofertas turísticas para quem visita Penedono? Os testemunhos de uma remota ocupação humana são evidente no nosso concelho, pelo que, o património é algo de relevante, no que toca à monumentalidade civil e religiosa que possuímos, permitindo-nos dinamizar toda uma aposta turística alicerçada na história que esse próprio património nos proporciona. Referencio só para “apaladar” o castelo de Penedono, situado no coração da vila, classificado Monumento Nacional, cujos traços e arquitetura militar o tornam único no país. É neste mesmo castelo e em toda a história que se respira à sua volta que fomos buscar o destino turístico que temos procurado desenvolver há uns anos a esta parte. Procuramos desenvolver a ideia do “Reino de Penedono”, um projeto associado à fantasia, ao imaginário, sempre com base numa identidade com a qual nos assumimos enquanto território síntese. Trata-se de um projeto que requer em absoluto a afetividade de todos, de modo a que todos pos-

samos ser interativos e intervenientes na concretização desse objetivo temático. É um caminho que tem de ser percorrido aos poucos, e com a ajuda das pessoas acredito que seja uma realidade possível de alcançar nos próximos anos. Há pormenores que fazem toda a diferença, e aos poucos, com persistência iremos conseguir mudar a maneira de olhar para todo um projeto desta natureza que se transformará numa grande mais-valia para todos nós. No fundo pretendemos que o visitante chegue a Penedono e “assuma” uma viagem imaginária no tempo, através da transformação de espaços e do espaço envolvente. Se conseguirmos que seja aliciante para as crianças, tornar-se-á irrecusável para os pais. Quais as obras que estão a ser feitas para tornar esta viagem no tempo uma realidade em Penedono? Temos vários projetos pensados e outros em desenvolvimento. Um exemplo concreto é o restauro que neste momento ocorre numa taberna antiga para se vir a assumir como tasca medieval, à qual chamaremos “Fornos do Rei”, onde se procurará proporcionar um ambiente fiel e servir algumas iguarias à época. De referenciar ainda a reabilitação de que será objeto a antiga Estalagem com vista à sua transformação em Hotel Medieval. A criação de espaços que recriem atividades da época será também uma aposta, bem como pequenos arranjos pontuais que poderão marcar a diferença aos olhos de quem nos visita. E o futuro nos trará certamente um parque temático… Como prevê o futuro? Sou otimista, por tal acredito num futuro melhor… Acredito nos penedonenses, o que me dá alento e determinação para caminhar… Acredito num amanhã melhor, mais positivo… É nesse sentido que trabalhamos todos os dias. Seremos persistentes nas ações concelhias de dimensão nacional nas quais acreditamos: a emblemática e inigualável Feira Medieval continuará a ser um marco na nossa identidade histórica, hoje já com afirmação nacional e mesmo além-fronteiras; uma outra iniciativa, o Mercado Magriço, certame de fomento do empreendedorismo e de apoio às iniciativas locais, continuará a assumir-se como um verdadeiro momento de afirmação do concelho de Penedono, em toda a região. Quer deixar uma mensagem final? Enquanto presidente da Câmara Municipal de Penedono há algo que verdadeiramente gostaria de transmitir, porque na realidade o sinto verdadeiramente: o poder central, o estado tem de olhar para estes concelhos, agora chamados de baixa densidade e do mundo rural, de uma forma diferente, séria, conhecedora, delineando uma real estratégia para o desenvolvimento do interior do país. Quem nos governa, ou melhor, quem nos tem governado não conhece o país real… E aqui, eu, enquanto responsável por este território português posso ajudar, dando a conhecer aos responsáveis o viver e o sentir destas gentes que teimam em não abandonar as suas terras, orgulhosos da sua própria identidade histórico-cultural. Permitam-me que utilize a vossa revista para aqui deixar um convite, a título de desafio: porque não a realização no concelho de Penedono de uma reunião do Conselho de Ministros. Estou certo que também daqui, se pode emanar orientações para o país, em complemento de todos o ficarem a conhecer e sentir melhor. Assumiremos a logística necessária para que tal possa vir a acontecer. Fica a disponibilidade! Haja a disponibilidade!

6 | PORTUGAL EM DESTAQUE


O INÍCIO DO SABOR DOS VELHOS TEMPOS A equipa da Revista Portugal em Destaque é recebida na Cooperativa Agrícola dos Olivicultores do Vale do Torto, pelo presidente da direção Eng. Pinto Ribeiro (Eng. PR) e pelo vice-presidente da direção, Sr. Manuel Abílio (Sr. MA) que nos descrevem a recém-criada Cooperativa.

COOPERATIVA DE OLIVICULTORES DE PENEDONO ENG. PINTO RIBEIRO E MANUEL ABÍLIO Como é que iniciou este projeto? Eng. PR: Este projeto já tem alguns anos e quem teve a ideia inicial foi a Junta de Freguesia do Souto, aproveitando alguns recursos monetários e terreno para a construção da obra que a mesma disponibilizava. Sem o apoio técnico e financeiro da Câmara Municipal este projeto não teria germinado. Como é que a Cooperativa vai combater a supremacia do azeite transmontano? Eng. PR: Parto do princípio de que não irá ser necessário. Como somos deficitários na produção desta matéria e dada a existência de muita procura creio que há mercado para todos; mesmo a nível internacional. Ainda há 40 anos atrás o azeite era a pior gordura que existia, agora é um produto de excelência.

Qual é o volume de produção de azeitona do concelho? Eng. PR: A produção, no concelho de Penedono, não é muito grande; situa-se entre as 900 e as 1000 toneladas e as máquinas que estão a laborar foram calculadas para esta quantidade. Isso não quer dizer que não possam produzir mais se aumentarmos os turnos, e está salvaguardado espaço para podermos montar uma segunda linha, isto se houver necessidade. As condições climatéricas e de solo potenciam o aumento dessa linha de produção, por isso, já fiz uma tentativa para fazermos parte da DOP (Denominação de Origem de Produção) de Trás-os-Montes e essa hipótese ainda não está excluída. Pode descrever qual foi o maior desafio que enfrentou? Eng. PR: O maior desafio foi conseguir a aprovação. Começamos com um projeto mais complexo e, por conseguinte, mais caro e tivemos problemas na sua aprovação. Então foi necessário reformulá-lo para valores mais acessíveis; depois foi necessário esperar pelas aprovações para poder avançar com o projeto, as datas das campanhas são muito apertadas e acabámos por não conseguir abrir no ano transato. Que tipo de serviços prestam aos vossos associados? Eng. PR: Nós não somos uma cooperativa que posteriormente criou um lagar de azeite, foi precisamente ao contrário: construímos um lagar de azeite para laborar e comercializar o produto final. Contamos mais tarde poder dar alguma assistência aos nossos sócios, mais precisamente, na vertente técnica. A ideia é, basicamente, comercializar tudo aquilo

que produzimos. Sr. Manuel Abílio, como descreve o tipo de azeite que a cooperativa produz? O nosso azeite tem uma acidez muito baixa. O ano passado houve produção de azeite com duas e três décimas de acidez, o que é excelente. Creio que estes valores se devem à nossa localização e às caraterísticas do solo: o solo que temos de xisto que é ideal para os olivais. Como projeta o futuro da cooperativa? Eng. PR: Um dos objetivos é conseguir que as pessoas não abandonem a agricultura, temos muitos olivais abandonados; muito devido à falta de escoamento da produção. Se os olivicultores conseguirem encontrar quem lhes venda e pague a produção - a preços razoáveis - é um passo em frente para combater o abandono dos olivais. Neste momento temos 30 sócios e só vamos abrir novamente inscrições quando tivermos a certeza que podemos tratar e pagar a produção a todos, não nos interessa ser grandes, mas sim, ter qualidade e acredito que para o ano vamos estar a trabalhar a dois ou a três turnos.

E-MAIL:COVT.CRL@GMAIL.COM TELEFONE: 926966025 / 254 508 164 FACEBOOK: COOPERATIVA DOS OLIVICULTORES DO VALE DO TORTO PORTUGAL EM DESTAQUE | 7


ESTADIA DE EXCELÊNCIA A Quinta da Picoila nasce de um sonho de menina que se transformou em realidade na forma de empresa de Agroturismo. É onde “o Douro acaba e a Beira começa” que encontramos este empreendimento que prima pela qualidade e conforto dos seus hóspedes, como refere Exaltina Rodrigues, administradora.

QUINTA DA PICOILA CARLOS ESTEVES E EXALTINA RODRIGUES Como carateriza a localização da Quinta da Picoila? A Quinta da Picoila pertence à freguesia de Granja, no concelho de Penedono, distrito de Viseu. Era uma quinta de agricultura com 80 hectares de área de terreno, hoje tudo plantado de castanheiros, com uma área de construção de 675 m2. Sofrendo alterações de remodelação em 2009, foi assim transformada num agroturismo. Tem alguma ligação a este espaço? Sim, eu nasci aqui! É uma quinta brasonada que tem três séculos passados e desde há dois (séculos) que pertence à minha família. Passou dos meus bisavós, para os meus avós, pais e atualmente para nós; todos fomos criados aqui. A minha ligação com esta quinta é tão especial que quis fazer algo para a dinamizar, daí ter surgido a ideia de criar uma empresa de Agroturismo com o nome Quinta da Picoila. Historicamente a minha família começou por tomar conta da quinta, através da sua manutenção – éramos caseiros – o meu pai comprou a quinta em 1974 e nós adquirimo-la por herança.

Este projeto nasceu como um sonho ou como necessidade de rentabilizar este espaço? Nasceu de um sonho meu. Ainda no tempo da minha falecida mãe eu dizia que queria construir um Museu Rural, isto porque nós tínhamos muitas coisas para expor e que mereciam ser apreciadas pelas pessoas. Este sonho foi germinando e tomando forma até que consegui realizar o meu sonho; não é uma casa museu, mas temos um museu (memórias). O investimento foi feito por capitais próprios ou houve algum tipo de financiamento? Não houve financiamento a fundos perdidos. Houve uma ajuda através do Turismo de Portugal I.P., mas foram capitais que vão ser reembolsados. Quantos quartos existem na Quinta da Picoila? Temos nove quartos prontos a receber os nossos hóspedes e nenhum deles é numerado, todos têm um nome e são decorados em função disso. Por exemplo, temos o quarto da amoreira que tem vista para uma amoreira centenária e decorado em tons vermelhos por causa da cor da amora; é esta a linha seguida na decoração de todos os quartos. Qual é o perfil do hóspede que vem à

TELEFONE: +351 254 508 157 TELEMÓVEL: +351 961 632 350 E-MAIL: GERAL@QUINTADAPICOILA.COM WWW.QUINTADAPICOILA.COM

8 | PORTUGAL EM DESTAQUE

Quinta da Picoila? São hóspedes de classe média e média-alta, tanto nacionais com estrangeiros; mas temos mais hóspedes portugueses. São pessoas que procuram uma alternativa aos hotéis de 5 estrelas; procuram qualidade e conforto mas numa perspetiva mais familiar, acolhedora e com discrição. Já tivemos cá hospedado um chefe de estado estrangeiro, pessoas muito conhecidas da sociedade portuguesa e só sabemos quem são uma vez sentados à mesa do jantar ou a tomar o pequeno-almoço. As pessoas identificam-se ao longo das conversas e, por vezes, os hóspedes acabam por trocar os contatos pessoais entre eles. Isto acontece com alguma frequência. Uma vez que recebe hóspedes de todas as nacionalidades, como consegue comunicar com eles? Aqui falamos várias línguas, mas quando é preciso utilizo a linguagem mais antiga, que é a linguagem gestual. Resulta muito bem e entendemo-nos independentemente da nacionalidade. Como casa de turismo rural, tanto nós como os hóspedes partilhamos os mesmos espaços e a comunicação entre as pessoas é inevitável, bastando por vezes um sorriso para a pessoa se sentir bem. O nosso lema é “sentir-se em casa”. Quais os principais serviços que a Quinta da Picoila tem para oferecer? Temos para oferecer serviços de casamentos e batizados; jantares temáticos e espaços para reuniões. Para quem fica mais tempo oferecemos uma série de passeios a pé ou de bicicleta por trilhos. Para que fiquem a conhecer melhor as Minas de Ouro de Santo António, na localidade da Granja, nós proporcionamos as visitas de jipe.


OS GUARDIÕES DO PRODUTO DE EXCELÊNCIA COOPERATIVA PENELA DA BEIRA

TELEFONE: +351 254 549 186 EMAIL: COPEBEIRA@SAPO.PT WWW.COPEBEIRA.PT

Fale-nos um pouco do percurso da coo-

das suas instalações unicamente atra-

lação de uma unidade de transformação,

perativa, abordando questões da sua

vés de meios rodoviários. Inicialmente

para fabrico de farinha e pasta destinada

criação, ano de nascimento, finalidade.

era vendida apenas no mercado nacio-

à indústria de pastelaria e também temos

A Cooperativa Agrícola de Penela da

nal mas desde cedo começámos a expor-

intenções de procurar nichos de produtos

Beira, freguesia do concelho de Penedo-

tar, designadamente para os EUA. Após

de alta qualidade em que faça sentido o

no, foi fundada em 1997 por um grupo

2008/2009, decidiu-se, estrategicamente,

desenvolvimento de marcas de consumo,

de produtores locais com o objetivo de

direcionar as vendas preferencialmente

que se possam vir a tornar referências in-

defender e valorizar a castanha de ex-

para o mercado europeu, passando a colo-

ternacionais.

celência ali produzida, tendo aderido to-

car as castanhas em Itália, Suíça, Aleman-

dos os produtores da freguesia, num total

ha e França.

Quais as maiores dificuldades enfrentadas ao longo dos tempos?

de 130. Atualmente tem sócios de quatro concelhos da região, num total de 430.

Qual é o fator diferenciador da castanha

A maior dificuldade é concorrer com o co-

Em 2000 adquiriu instalações próprias

da região?

mércio informal e sem regras. Apesar da

que foram expandidas e remodeladas em

A castanha da Cooperativa de Penela da

existência de enquadramento legal apro-

2012 para uma área coberta de 2400 me-

Beira são na sua maioria da variedade

priado, a situação da concorrência desleal

tros quadrados.

Martaínha, que tem condições de solo e

agravou-se nos últimos dois anos.

climáticas propícias na região e que lhe

Também as doenças que afetam os castan-

Quais os serviços disponibilizados aos as-

dão uma qualidade extra e caraterísticas

heiros, designadamente a tinta e o cancro,

sociados?

únicas. Tem uma cor castanha clara bril-

têm sido preocupações recorrentes, mas

A Cooperativa, com a sua equipa técnica,

hante, um formato muito atrativo e um

a Cooperativa tem vindo a estar na linha

faz visitas de campo aos produtores, acon-

bom calibre médio. Além disso, devido à

da frente da investigação e nas medidas

selha aplicações de fertilizantes e fitofár-

sua textura fina e sabor doce muito apre-

concretas que se têm vindo a aplicar no

macos e acompanha o ciclo cultural das

ciados e porque descasca com facilidade, é

terreno.

plantas. Promove análises de solos, estu-

a mais conceituada e procurada das varie-

dos e experimentação de produtos e me-

dades portuguesas.

Como prevê o futuro? Quais os projetos idealizados a médio-curto prazo?

didas de combate às doenças dos castanheiros e às pragas, disponibiliza fatores de

No futuro acredita que existam outras

Em 2015 vamos lançar uma campanha de

produção e realiza ações de formação pro-

formas de manufaturação da castanha?

tratamento do cancro nos soutos dos só-

fissional e técnica. Como membro da rede

O problema principal na transformação

cios, ao mesmo tempo que desenvolvere-

“Balcão Verde”, no âmbito da Confagri,

da castanha da região prende-se com a

mos ações de vigilância no terreno para a

apoia os produtores nas candidaturas a

valorização do produto transformado,

deteção e o combate a focos de infestação

subsídios. Está também integrada na rede

pelo que apenas a elaboração de produtos

da vespa das galhas do castanheiro.

de identificação e obtenção de parcelário

altamente valorizados pelos mercados,

No que respeita a projectos estamos foca-

dos terrenos, do Ministério da Agricultu-

como o marron glacé, pode vir a justifi-

dos no apoio aos sócios produtores, com

ra e Pescas, elabora candidaturas e faz o

car o investimento e o retorno. A forte

introdução de mecanização e certificação

acompanhamento de projetos agrícolas e

valorização que a castanha da região tem

para aumento e melhoria da produção,

florestais.

tido, principalmente por ação da coopera-

bem como nos processos de armazena-

tiva, leva a que, enquanto matéria-prima

mento e comercialização do produto vi-

Quais os meios de escoamento da casta-

para produtos transformados, o seu preço

sando a entrada em mercados que valori-

nha?

seja muito alto. Contudo a Cooperativa

zem ainda mais a nossa castanha.

A castanha da Cooperativa é escoada

tem intenções de avançar com a instaPORTUGAL EM DESTAQUE | 9


Fotos cedidas por Medeiros Lourenço

OLHAR COM VISÃO ATLÂNTICA Em pleno Oceano Atlântico, com uma área total de 17,2 Km ², 6.5Km de comprimento e 4Km de largura, é a mais pequena do Arquipélago dos Açores. O Município do Corvo possui potencialidades a vários níveis, a sua singularidade, a sua beleza própria e característica, a simplicidade das suas gentes, as suas águas cristalinas no meio do Atlântico Norte aliado a sua classificação como Reserva da Biosfera da Unesco proporcionam um potencial turístico e perspetivas de desenvolvimento muito grande.

MUNICÍPIO DO CORVO

Apesar da Ilha do Corvo ser a menor das ilhas dos Arquipélago dos Açores é um ponto turístico de excelência, quais os locais de referência a visitar? Visitar o Corvo pressupõe, a meu ver, “vivenciar” o Corvo com as suas gentes. No entanto, há semelhanças das restantes Ilhas Dos Açores, as belezas naturais também se elevam tendo como expoente máximo a sua magnífica cratera no topo Norte da Ilha, com um diâmetro máximo de 2,3km e profundidade de 320m, de onde emerge uma lagoa e no seu interior estão implantados alguns cones secundários que fazem lembrar a forma arquipelágica dos Açores. A Ponta do Marco, outrora considerada como ponto de passagem obrigatório para traçar o rumo entre a europa e a América é outra das belezas a não perder assim como o casario particular da sua única vila virada ao mar com a vizinha Ilha das Flores a despontar no horizonte. Possuindo uma gastronomia regional assente essencialmente na frescura dos produtos retirados ao mar e colhidos da terra, quais os pratos típicos a não perder? Efetivamente o bom peixe e a boa carne, que quase se pode considerar biológica, assim como os produtos retirados da terra são especiais iguarias ao dispor dos corvinos e de quem nos visita. A gastronomia do Corvo não difere muito da gastronomia das restantes Ilhas destacando apenas dois dos pratos mais caraterísticos como sendo as “Couves da Barça”, prato a base de couves cozidas com batata e carne de porco conservada em sal e as “tortas de erva do calhau”, algas fritas misturadas com ovo. Qual o balanço que faz do primeiro ano de mandato? O balanço é sempre mais “fiável” quando feito pelos munícipes, no entanto, temos 10 | PORTUGAL EM DESTAQUE

a convicção de que efetivamente se trata de um balanço positivo. A comprovar esta convicção estão os cerca de 90% de execução real do orçamento camarário. Contudo a vontade de fazer sempre mais e melhor, de ir sempre mais além, de responder a todos os anseios dos habitantes da Ilha do Corvo constituem o desafio diário na nossa atuação. Quais as linhas orientadoras que seguiram o seu mandato? Neste primeiro ano de mandato tentamos ir de encontro às necessidades mais prementes para o desenvolvimento do Corvo e perceber efetivamente o rumo mais correto que devemos perseguir. A criação de emprego, a recuperação de habitação degradada, a conclusão do projeto “Corvo Sustentável” que dotou todas as habitações da Ilha de sistemas alternativos para aquecimento de água. Podemos dizer hoje, com orgulho, que os Corvinos não usam o gás como fonte de aquecimento de água. A implementação, em parceria com a Direção Regional da Cultura, do Ecomuseu do Corvo, foram as linhas orientadoras mais relevantes. Sente que todos os objetivos para este primeiro ano foram devidamente cumpridos? Quando nos propomos a exercer cargos desta natureza nunca podemos sentir que todos os objetivos foram cumpridos. Sentir isso seria usar de alguma presunção e estar dominado por algum comodismo. O dia-a-dia de um autarca é um desafio constante em busca de resultados que promovam o bem-estar das populações e o desenvolvimento do seu concelho. Perante a conjuntura económica, quais os apoios e incentivos às famílias que pretendam instalar-se na Ilha do Corvo? Um dos principais apoios que se pode proporcionar às pessoas hoje é, sem dúvida, a

criação de postos de trabalho melhorando desta forma a sustentabilidade das famílias. Continuaremos a trabalhar para criar condições, direta e indiretamente para que tal fato continue a ser uma realidade no nosso Município. O apoio ao nosso tecido empresarial existente e à viabilidade de novos investimentos também nos merece todo o nosso empenho. O apoio a recuperação de habitações para residência própria permanente é já uma realidade e continuará a sê-lo. Como prevê o futuro? Quais os projetos que pretende desenvolver num curto/ médio prazo? Como diz o provérbio, “o futuro a deus pertence”. Mas como o presente nos cabe a nós gerir, tudo faremos para que o futuro possa ser risonho. Dos projetos previstos para um curto/médio prazo destaco a implementação do Ecomuseu do Corvo que visa reabilitar e revitalizar toda a zona classificada da vila dando-lhe mais vida, dotando-a de condições e conforto agradáveis para quem lá mora e apetecíveis para que outros o possam também fazer, envolvendo a população criando nela o sentimento de que todos fazem parte deste grande a ambicioso projeto. A construção de determinadas infraestruturas indispensáveis ao quotidiano dos Corvinos proporcionando melhores condições de vida a estes e a quem nos visita. As novas tecnologias, agora que a instalação da fibra ótica é uma realidade, também nos merece especial atenção especialmente para quebrar o isolamento quem em determinadas alturas se possa fazer sentir com maior intensidade.


MUNICÍPIO DE BOTICAS

PELA DEFESA DA PEGADA BARROSÃ XVII Feira Gastronómica do Porco - De 9 a 11 de Janeiro todos os caminhos vão dar a Boticas

Nos dias 9, 10 e 11 de Janeiro de 2015, Boticas promete voltar a transformar-se num local de “romaria” obrigatória, por ocasião da realização da Feira Gastronómica do Porco, um certame que conta com organização da Câmara Municipal de Boticas e que cumprirá a sua XVII edição, a ter lugar, como habitualmente, no Pavilhão Multiusos. Desde a sua primeira edição e ao longo dos anos, o certame tem vindo a registar um assinalável sucesso, mantendo-se fiel aos princípios que levaram à sua instituição, que passam pela defesa intransigente dos interesses do mundo rural barrosão e pela preservação, valorização e divulgação dos produtos da agricultura e da pecuária locais, de genuína qualidade, respondendo às mais modernas exigências e procurando alargar a oferta em termos do turismo gastronómico na região, um turismo cada vez mais exigente e em considerável expansão nos últimos anos. Ao longo dos tempos, a Feira Gastronómica do Porco atingiu tal dimensão que ganhou o direito a ser considerada um evento de grande significado para a economia local, em especial para aqueles que continuam a criar o porco e a fazer os enchidos da forma tradicional e que encontram nesta feira oportunidades de negócio únicas e o reconhecimento da qualidade dos seus produtos. O modelo seguido por este certame nas suas anteriores edições, com uma aposta clara na gastronomia, em paralelo com a venda de produtos, tem sido a verdadeira “receita” do seu sucesso, motivo pelo qual se continuará a manter, continuando a Feira Gastronómica do Porco a procurar “marcar pela diferença” em relação a outros eventos do género que se realizam na região, apostando na promoção da gastronomia do concelho e dos seus pratos tradicionais, confecionados à base da car ne de porco e do PORTUGAL EM DESTAQUE | 11


fumeiro. De ano para ano, de edição para edição, a grande preocupação da organização foi melhorar cada vez mais a qualidade do certame, a começar pelos produtos para venda, garantindo a genuinidade e autenticidade dos produtos e exercendo um rigoroso controlo em relação às condições em que estes são produzidos, certificando-se que são respeitadas as boas práticas de higiene na confeção do Fumeiro Tradicional, de acordo com a legislação e as regras em vigor. As exigências impostas pela organização garantem a qualidade dos produtos para venda no recinto da Feira e são uma das grandes razões para o sucesso do certame. Os produtores estão sensibilizados para o respeito destas regras e a prova disso é que, de ano para ano, o número de produtores de fumeiro presentes na Feira não tem conhecido grande oscilação, rondando a meia centena, aos quais se somam mais três dezenas de stands de exposição e venda de produtos alimentares e de artesanato. A qualidade e autenticidade dos produtos que a Feira Gastronómica do Porco tem para oferecer são a garantia de uma elevada afluência de público ao certame e de um volume de negócios considerável, que previsivelmente rondará em 2015 os 450 mil euros, decorrente da venda de perto de 40 toneladas de fumeiro. Tendo em conta a dimensão alcançada pela Feira Gastronómica do Porco nas anteriores edições e a crescente procura dos produtos que dão nome a este certame, a organização prevê que o número de visitantes desta edição, à semelhança da anterior, possa aproximar-se das 70 mil pessoas, provenientes das mais variadas regiões do País (em particular da região Norte) e da vizinha Espanha. Para além da mostra e venda de fumeiro, as “tasquinhas”, que tanta fama têm dado à Feira Gastronómica do Porco e que são, no fundo, a “alma” deste certame, voltam a ocupar o lugar central, esperando-se que, à hora das refeições, se verifiquem autênticas “enchentes” na Feira Gastronómica do Porco. Os restaurantes

Mais uma vez, todos os preços praticados na Feira Gastronómica do Porco serão devidamente tabelados, quer nas “tasquinhas”, quer nos expositores de venda de fumeiro, naquela que tem sido uma prática corrente ao longo de todas as edições do certame, e não conhecerão alterações em relação ao ano passado.

do Concelho voltam também a associar-se à iniciativa e mesmo aqueles que não estão representados no recinto disponibilizam uma ementa com pratos confecionados à base da carne de porco, com particular destaque para o Cozido à Barrosã. As ementas continuarão a apostar forte na qualidade dos pratos regionais confecionados segundo os costumes tradicionais, que se perdem na memória dos botiquenses. Os visitantes vão poder provar, entre muitas e saborosas especialidades gastronómicas locais, o Cozido à Barrosã, o Arroz de Costelas e Chouriça, o Caldo Barrosão, os Rojões no Pote, as Costelas de Vinho e Alho e a Feijoada Barrosã, para além dos produtos fumados como o salpicão, a chouriça e a alheira, não esquecendo o presunto de Barroso, a bola centeia, a bola e o folar de carne e os vinhos regionais, com particular referência para o inconfundível “Vinho dos Mortos”, tudo a preços convidativos e num ambiente único e incomparável.

dicional e popular do concelho e da região. Uma novidade da XVII Gastronómica do Porco diz respeito à realização, durante os dias do certame, de vários Show’s cooking com a presença de conhecidos e conceituados chefs e críticos gastronómicos portugueses, que darão a conhecer novas receitas e novas pratos confecionados com os produtos tradicionais de Boticas, em particular com carnes e enchidos de porco, sabores associados a diferentes ervas aromáticas que conferem aos pratos paladares únicos e de grande requinte, numa iniciativa que conta com a parceria da empresa transmontana “Ervas Finas”. Entre os chefs convidados conta-se, por exemplo, Luís Portugal, concorrente finalista do programa Masterchef Portugal, transmitido pela TVI, que, sendo de Bragança, ficou conhecido do grande público pela sua boa disposição na cozinha e por procurar incorporar, em todos os seus pratos, produtos tradicionais transmontanos, em particular o fumeiro da região.

12 | PORTUGAL EM DESTAQUE

Animação presente durante toda a Feira Como não poderia deixar de ser, para além da gastronomia, os visitantes vão encontrar muita animação na Feira Gastronómica do Porco durante os três dias, a começar pelas famosas, inigualáveis e tradicionais “chegas de bois”, que tanta gente arrastam até à região do Barroso, tendo como palco o recinto do Campo de Futebol, contíguo ao Pavilhão Multiusos. No exterior do recinto realizar-se-á, em simultâneo com a Feira Gastronómica do Porco, uma “feira à moda antiga”, reunindo variadíssimas iguarias e artefactos relacionados com a tanoaria, olaria, cestaria, peles, escultura em pedra e madeira, instrumentos artesanais, sabonetes artesanais, bebidas espirituosas, frutos secos caramelizados, pão caseiro, chás, etc. No interior do recinto da Feira atuarão os grupos de música tra-


“No Portugal interior há um lugar de mistérios ancestrais, de árvores frondosas e vertentes de luz, caminhos rasgados num paraíso natural. Tabuaço mostra o seu rosto entre socalcos de uma paisagem a perder de vista. Neste lugar o rio Douro estende o seu manto de águas tranquilas. Nas ruas e praças o sagrado dá as mãos ao profano num iluminado foguete. Rostos e corpos que desaguam num carrocel de emoções. Casas de granito, janelas sem trancas, gente de coração aberto, gestos hospitaleiros de quem sabe acolher viajantes”. Autoria: Marco Oliveira e Pedro Azevedo

PORTUGAL EM DESTAQUE | 13


MUNICÍPIO DE TABUAÇO

DEFINIR CAMINHOS COM OS TABUACENSES

Após um ano no cargo de presidente da Câmara Municipal de Tabuaço, qual o balanço que faz deste período? O balanço é claramente positivo. Há um ano atrás quando tomamos posse iniciou-se um período de transição. Que nunca são completamente pacíficos. Como sempre existe um período de adaptação e um primeiro contato com a realidade do município. Acabamos por nos focar, numa primeira fase, em resolver todas as situações pendentes mas sem descurar aquilo que são os principais objetivos que pretendemos levar a cabo porque são esses que têm impato direto na vida de cada um dos nossos munícipes. Consideramos que o resultado tem sido francamente positivo mas existe uma margem de melhoria grande e acreditamos que 2015 será o ano da consolidação e permitir-nos-á, de uma forma mais concreta e aprofundada, a implementação e concretização daquilo a que nos propusemos e que levou a que a população de Tabuaço acreditasse serem a melhor solução para o nosso concelho. Hoje existe uma nova forma de governar, de relacionamento da Câmara Municipal com as pessoas, associações, instituições locais e centrais e demais entidades. Acreditamos que Tabuaço está melhor, mais justo, mais inclusivo, mais aberto e, consequentemente, mais preparado para os enormes desafios que se avizinham.

PAÇOS DO MUNICÍPIO 14 | PORTUGAL EM DESTAQUE

Quais as linhas orientadores que seguiram o seu mandato? Continuamos, tal como há um ano atrás, a defender que as pessoas estão sempre em primeiro lugar. Que a política tem que ter como principal intuito o bem-estar e a melhoria da qualidade de vida de cada um dos indivíduos que compõem o nosso universo territorial. Nessa linha existe uma aposta clara na ação social com o propósito de sinalizar todas as situações de carência e encontrar a resposta adequada para as solucionar. Temos dado alguns passos nesse caminho como a reformulação do regulamento de ação social com particular destaque para os apoios à alimentação e apoio à renda, o desconto de 50% nos transportes públicos para pessoas com mais de 60 anos, o regulamento de atribuição de bolsas a estudantes de ensino superior, a entrega de cheques-bebé aos recém-nascidos do nosso concelho. Outra vertente importante é o constante contato com as juntas de freguesia, porque são elas que têm a sensibilidade de melhor entender o que se passa em cada um dos seus territórios, no sentido de dar resposta às carências e necessidades de cada uma das nossas aldeias.


CARLOS CARVALHO - PRESIDENTE

Temos levado a cabo uma estratégia de promoção do nosso concelho e que tem passado pela presença em vários eventos como a SISAB, a BTL e outras mostras ou exposições que consideremos interessantes. Enquadra-se nesta estratégia ações promocionais da marca Tabuaço, como a que ainda há dois meses fizemos no Aeroporto Sá Carneiro. No próximo ano pretendemos alargar estas ações a outros espaços tais como a baixa de Lisboa ou do Porto, e outras capitais de distrito tendo já o município encetado conversações nesse sentido. Sente que todos os objetivos para este primeiro ano foram devidamente cumpridos? Quais as maiores dificuldades que encontrou? A nossa ambição leva sempre a que consideremos que nunca tudo está totalmente feito ou determinados objetivos concretizados. E nos dias que correm, com a rapidez com que tudo se processa aliada à debilidade financeira do nosso município, somos muitas vezes obrigados a alterar e ajustar o que tínhamos previamente definido como estratégia principal. Nunca conseguimos atingir todos os objetivos a que nos propomos mas os principais, os essenciais, somos de opinião que foram concretizados. Terminar a obra de regeneração Urbana da Vila de Tabuaço, obra que encontramos atrasadíssima e com imensos problemas o que levou a que tivéssemos fases em que tínhamos praticamente metade da nossa vila esventrada com todos os problemas que essa realidade causou aos nossos munícipes e à desde já si fragilizada economia local, era um desses principais objetivos. Um outro, que irá concretizar-se dentro de poucos dias, será a abertura das piscinas municipais cobertas, uma das princi-

EVENTO DE MOSTRA DE TABUAÇO NO AEROPORTO FRANCISCO SÁ CARNEIRO

pais bandeiras da nossa campanha eleitoral. Todas as medidas implementadas a nível da acção social, atrás referidas, são outro dos principais pilares a que nos propusemos. A resolução de situações, de enorme envergadura, que se arrastavam há inúmeros anos e que constituíam um perigo real a quem circulava nas nossas estradas, foi uma realidade A presença constante junto dos presidentes de junta e demais representantes das freguesias no sentido de dar resposta pronta às diversas solicitações tem sido uma das nossas principais preocupações e pensamos que, dentro das nossas limitações financeiras, o temos conseguido levar a bom porto. Desmistificando um pouco o concelho de Tabuaço, quais as potencialidades do município? É difícil ser juiz em causa própria e raramente conseguimos ser imparciais quando falamos das nossas terras mas é essa paixão pelo que é nosso, pelas tradições, por cada recanto, cada viela de cada uma das nossas aldeias que torna Tabuaço tão encantador. O nosso potencial é enorme! Começando pela natureza, onde temos paisagens deslumbrantes que vão desde o coração do Douro até à beleza dos montes e serras beirãs. Os nossos rios, desde os afluentes Tedo, Távora e Torto até ao majestoso Douro. A nossa arquitetura composta pelas quintas vinhateiras e pelo património histórico e religioso. A qualidade da nossa gastronomia, a cereja, a castanha, a baga de sabugueiro, o melhor bolo-rei do país, o azeite, que é do melhor que se faz por essa Europa fora e dos nossos vinhos. Importa neste campo salientar que nos

últimos vinte anos houve um salto qualitativo no que aos Vinhos DOC diz respeito. A competência e inovação que esta nova geração de Enólogos e Engenheiros Agrícolas, naturais do concelho, trouxe ao setor tem tido um papel importantíssimo neste aumento de qualidade que a nossa produção vitivinícola tem tido. E resulta de todo esta nova realidade é a de que os nossos vinhos, os vinhos de Tabuaço, são hoje sobejamente conhecidos por todo o mundo. E principalmente as nossas gentes! A nossa forma de estar, de receber de conseguir fazer com que quem nos visita se sinta de imediato integrado, perfeitamente à vontade, na sua própria casa como gostamos de dizer. E todos nós sabemos, numa realidade turística em que se procura cada vez mais as sensações e experiências, a importância de que esta forma de estar, viver e acolher se reveste. Tabuaço mais do que uma visita é uma experiência. Possuindo uma gastronomia regional de excelência, quais os pratos típicos e de doçaria a não perder na região? A gastronomia do Concelho de Tabuaço está intimamente ligada ao modo de vida e tradições dos nossos antepassados. Costumamos dizer que aqui tudo é bom! E a nossa cozinha é transversal e tem de tudo um pouco. No entanto temos que realçar a nossa gastronomia de saberes e sabores tradicionais, cujas especialidades, sempre acompanhadas de vinho e azeites de excelente qualidade, são o cabrito recheado com arroz de forno, o javali, o arroz de cabidela, o presunto restante fumeiro e peixinhos do rio em molho de escabeche. São também muito apreciados os doces de castanhas, os folares e o bolo-rei de Tabuaço, conhecido como o melhor bolo-rei do país. PORTUGAL EM DESTAQUE | 15


Não esquecendo a riquíssima herança deixada pelos monges de Cister no que toca a doces conventuais.

desses alunos na banda musical de Sendim, serão também passos importantes nesse caminho.

Relativamente à educação e aos jovens, quais os apoios que o município disponibiliza? Os jovens têm que, necessariamente, ter um papel mais interventivo e ativo na nossa sociedade. Ao longo dos últimos anos temos assistido a um certo desligar das gerações mais jovens daquilo que entendem ser a nossa sociedade civil ou política talvez por sentirem que a sua preponderância ou capacidade de influir nas diversas soluções finais é quase nula. É imperioso inverter esta tendência. A participação deles é fundamental para, principalmente em meios como os nossos, acrescentar massa crítica à nossa capacidade de projetar, gerir e concretizar. Nesse sentido é fundamental integrá-los nas diversas etapas e estruturas que compõem o que pretendemos que seja a nossa realidade no futuro. É nossa intenção a criação do conselho de juventude onde todos estes assuntos e estratégias possam ser discutidos. Relativamente a medidas mais concretas e específicas temos já em curso os prémios Alice Pereira Gomes, para o Ensino Básico, e o prémio Abel Botelho, que premeia os melhores alunos do 2º e 3º ciclo, secundário e 12º ano com valores que vão desde os 500 até 1 500 €, atribuição dos manuais escolares aos alunos do 1º ciclo, ATL de música, férias desportivas de verão e a atribuição das bolsas de estudo ao ensino superior. Fomentamos o desporto através do apoio à AJAB (Associação Juvenil Abel Botelho) que é já um nome de referência no panorama do futsal nacional e que integra a maioria das nossas crianças e adolescentes na prática desta modalidade em todos os escalões em que competimos. A abertura das piscinas cobertas permitirá um acrescento significativo na oferta desportiva que hoje existe. Fundamental é também a criação de uma agenda e oferta cultural de qualidade que permita que se criem determinados hábitos, muitas das vezes, pouco enraizados na nossa região. As nossas associações recreativas e musicais têm tido, pela sua qualidade e perseverança, uma importância enorme neste percurso que nos irá permitir que a cultura, seja ela musical, teatral, folclórica, ou qualquer outra, deixe de ser excepção e passe a ser regra. A abertura da biblioteca municipal no próximo ano e a criação de escola de música para uma class band, que poderá permitir a integração posterior de alguns

Um concelho dinâmico e ativo, quais as ofertas culturais previstas para o próximo ano 2015? Essa é também uma área em temos que estar na vanguarda do que se faz no Douro. Temos definitivamente, que interiorizar que o turismo tem que ser complementado com uma oferta cultural que seja digna da qualidade natural das nossas paisagens e dos nossos produtos. Acreditamos ser capazes de apresentar para os nosso munícipes e para quem nos visita um programa cultural arrojado, de qualidade inegável e que crie e enraíze hábitos culturais na nossa comunidade. Felizmente temos um dos melhores grupos de teatro amador do norte do país, TEATRAÇO, que para além das suas representações nos garante um festival de teatro durante todo o ano com a apresentação de uma peça mensal, por outros grupos amadores. No próximo ano iremos aliar a estes eventos concertos musicais que, intercalados com o teatro, criarão uma dinâmica cultural periódica sendo que esta estratégia passa por descentralizar e levar esta agenda a todas as aldeias do concelho. A ideia de que no interior do nosso país se passa pouco, culturalmente, é cada vez mais um claro engano. Durante todo o Verão todas as nossas aldeias encontram-se em festa o que transmite um ambiente, permanente, de festejos populares e uma alegria contagiante a quem nos visita. O nosso ponto alto são as festas de são joão, em junho, pretendendo o município no decurso do próximo ano criar um evento cujo conceito ainda se encontra a ser delineado mas que passará sempre por um formato que permita a todos os nossos produtores expor aquilo que de melhor eles fazem e que sirva para promover a marca Tabuaço. Pretendemos também este ano levar a cabo pela primeira vez o festival de arte urbana que, para além do evento em si permitirá a requalificação de alguns espaços que hoje em dia constituem pontos negros arquitectónicos no nosso concelho. Iremos dar continuidade à II edição do rally vinho do porto de clássicos bem como receber novamente o campeonato de motonáutica no rio Douro.

16 | PORTUGAL EM DESTAQUE

Como prevê o futuro? Quais os projetos que pretende desenvolver num curto/ médio prazo? Como já referimos anteriormente pretendemos durante o ano de 2015 abrir a biblioteca municipal e inaugurar o novo

posto de GNR. Iremos também no primeiro semestre inaugurar a nova loja interativa de turismo de Tabuaço, a loja social e avançar com o projeto de voluntariado. E este próximo ano é fundamental para a elaboração de projetos e estudos para a sede do nosso concelho e para cada uma das nossas aldeias para que possamos transformá-los em candidaturas mal o quadro comunitário esteja disponível. Dois dos mais importantes são o estudo, em parceria com a UTAD, de uma solução ou soluções para o planalto de Chavães e a requalificação do rio Távora em toda a sua extensão. Em suma apesar de todos os condicionalismos que diariamente surgem, aliados aos que encontramos quando tomamos posse na Câmara Municipal, temos, na maior parte do tempo, uma perspetiva optimista do futuro. O crescente interesse pela nossa região e a crescente vontade comum dos agentes locais de trabalhar em conjunto para nos promovermos enquanto região augura-nos bons ventos. É nosso ponto de honra dar continuidade à estratégia por nós defendida e que mereceu a escolha da maioria do povo de Tabuaço. O importante aqui é olhar para o nosso passado, ver até onde ele nos trouxe e a partir daqui, com a participação de cada um dos Tabuacenses, definir os caminhos que pretendemos trilhar nos próximos anos.

PISCINAS COBERTAS MUNICIPAIS, UMAS DAS PRINCIPAIS BANDEIRAS ELEITORAIS DE CARLOS CARVALHO


UM SONHO A CRESCER A Quinta do Filoco está localizada em Tabuaço, bem no coração da Região Demarcada do Douro, e estende-se ao longo de cerca de 130 hectares de vinha, ao longo das margens do Rio Douro e Távora, formando um cenário natural de enorme beleza.

QUINTA DO FILOCO

Jeremias de Macedo, um homem com experiência, determinação e paixão pela terra onde nasceu, o Douro, foi adquirindo ao longo da sua vida, vários hectares de vinha e edificou uma adega, com o intuito de produzir vinhos do Douro e Porto, concretizando assim um sonho. O mesmo desejo e know-how foi passando de geração em geração, sempre com a preocupação de produzir vinhos de qualidade. Marta Macedo, enóloga, e neta de Jeremias Macedo, é a única da 3ª geração da família a especializar-se na área, dando continuidade ao trabalho iniciado pela família. Com paixão, trabalho e dedicação as vinhas e a adega foram modernizadas com equipamentos e técnicas próprias, sendo atualmente uma das maiores empresas familiares com maior área de vinha na região do Douro, reconhecida com a marca Quinta do Filoco. A marca Quinta do Filoco surgiu no ano

de 2007, um projeto desenvolvido por Marta Macedo, que atualmente tem sido alvo de boas críticas, inclusive medalhas de ouro nos vinhos produzidos. O rosto deste sucesso afirma que sem a sua equipa nada disto era possível de acontecer, valorizando o companheirismo e a lealdade dos seus colaboradores, assumindo que no próximo ano visa aumentar a equipa. Com diferentes castas e qualidades, surgem os vinhos Filoco Brancos de qualidade superior com uma frescura e mineralidade provenientes das vinhas localizadas a maior altitude. Caraterísticas que também beneficiam os Filoco Rosé. Nos vinhos tintos, encontramos o Filoco e Quinta do Filoco Reserva, existindo ainda para gostos mais especiais os Grandes Reservas feitos em anos excecionais como o Touriga Nacional 2009, já medalhado 2 vezes com ouro. Os vinhos marca Quinta do Filoco, po-

dem ser encontrados a nível Nacional no El Corte Inglês, Aveiro, Lisboa e Algarve, parceiros com os quais se têm criado boas parcerias e cujo bom trabalho é valorizado. O maior mercado dos vinhos Filoco é sem dúvida o mercado externo, estando já presentes em diversos países como Angola, Alemanha, Bélgica, Canadá, China, Holanda, Luxemburgo, Suíça, Polónia, Filipinas e EUA. O futuro é promissor e fica a esperança e o desejo de continuar a crescer, alargando o nível de mercados e as vendas. Marta Macedo revela que pretende continuar a fortalecer o mercado dos vinhos Quinta do Filoco, mas tem um desejo muito especial confidenciando que pretende lançar um vinho excecional com a Marca Jeremias em homenagem ao Avô, que será lançado quando a empresa estiver mais forte no mercado.

Telefone: 254 780 056 Email: marta.macedo@foztavora.pt www.quintadofiloco.com PORTUGAL EM DESTAQUE | 17


A HARMONIA DOS TACHOS Inspirada na comida tradicional portuguesa, Dona Teresa no ano de 2010 avançou com o que era o sonho da sua vida.

TACHINHO DA TÉ TÉ E A SUA EQUIPA O restaurante “O Tachinho da Té” insere-se no coração da vila de Tabuaço, um espaço acolhedor, dotado de um estilo moderno e intimista, em que toda a decoração foi idealizada com a finalidade de criar uma atmosfera serena e relaxante, mas que simultaneamente retrata a beleza inigualável que rodeia Tabuaço, através das sublimes paisagens da região presentes nas paredes. A paixão pela cozinha, aliada ao gosto de bem receber da restante família, resultou num espaço de excelência, procurado para momentos de lazer e negócios, por famílias e amigos, sempre acompanhados pelos pratos típicos da região. A gastronomia é diversificada, mas a presença de pratos tabuacenses como o apreciado filé grelhado, a açorda de perdiz, o cabrito grelhado e o bolo borrachão, fazem as delícias dos turistas.

Confiantes de que o futuro passará pela promoção do turismo, a família Tachinho da Té iniciou uma série de parcerias com diferentes quintas, com a finalidade de acolher os turistas que chegam a Tabuaço, fazendo um passeio turístico pela região e terminando com uma degustação no seu restaurante. Um restaurante agradável e acolhedor, onde é possível degustar uma gastronomia de sabores tradicionais acompanhados dos melhores vinhos do Douro, sempre com a garantia de um atendimento de excelência. TELEFONE: 254 787 082 / 967 153 937 E-MAIL:RESTAURANTETACHINHODATE@HOTMAIL.COM WWW.OTACHINHODATE.PT

UMA VIAGEM HISTÓRICA ATÉ À FAMÍLIA TÁVORA Uma referência para Tabuaço, a Quinta da Aveleira Turismo Rural, situa-se na localidade de Távora, junto ao rio com o mesmo nome, um dos afluentes do rio Douro. Rodeada por vinhas e toda a envolvente agrícola, a Quinta usufrui de alojamento em ambiente Rural onde pode desfrutar de uma riqueza natural de paisagem e tranquilidade únicas.

QUINTA DA AVELEIRA

Atualmente na gerência as irmãs Marta e Sofia Parente Macedo, a Quinta da Aveleira é um projeto familiar que tem passado de geração em geração sendo que nos últimos anos tem sido alvo de inúmeras intervenções, com o intuito de valorizar e preservar o património histórico construído e dotar a quinta de acomodações modernas e confortáveis para o turismo. Percorrer a Quinta da Aveleira é uma espécie de viagem no tempo à história da família Távora, a quem pertenceu a Quinta, sendo ainda possível encontrar vestígios desse passado e das ligações entre o Marquês de Pombal e a família dos Távora. A quinta possui uma casa com 4 quartos, onde os hóspedes podem desfrutar do conforto e acordar sem pressa com a luz do sol a entrar pela janela da mansarda e usufruir de toda a casa totalmente equipada, digna de uma 18 | PORTUGAL EM DESTAQUE

TELEFONE: 963682154 EMAIL: QUINTADAAVELEIRA@GMAIL.COM WWW.QUINTADAAVELEIRA.COM típica casa tradicional do Douro. Existe ainda duas casas centenárias de uma beleza incomparável, envoltas em cerca de 25 hectares de vinha, onde os turistas que usufruem uns dias do turismo rural da Quinta da Aveleira podem desfrutar ao máximo das potencialidades do espaço envolvente como se estivessem na sua própria casa, desde os passeios pela vinha aos passeios pelos marcos históricos. Num futuro próximo pretende-se alargar a capacidade de alojamento da quinta, sem nunca perder os traços originais e valorizar o conceito familiar com que sempre se distinguiram. Para além disso, prevê-se uma aposta forte na componente de organização de eventos (casamentos, batizados, aniversários, etc.), aproveitando os recursos existentes e apostar num serviço de qualidade num espaço único e idílico.


A CADA MOMENTO, PRAZER! COMPANHIA DOS VINHOS DO DOURO

Como surgiu a Companhia de Vinhos do Douro? Fale-nos um pouco do percurso da empresa até à atualidade. A CVD nasceu de um sonho...Com o FAGOTE 2001, depois o ARROJO, e o OBOÉ...A localização, exposição solar e a altitude média das vinhas, formam um “terroir” para a produção dos vinhos. Pretendemos que sejam vinhos grandiosos, cativantes, distintos, com tradicionalidade, mas modernos e com perfil diferenciador. A consistência dos anos, dão-lhes um caráter muito próprio, cada vez mais apreciado em todo o mundo. Tudo é feito com paixão, e know-how, que a “equipa” foi adquirindo. A nossa aposta na imagem é importante. Todos tem package e imagem muito apelativa, para cativar o interesse e a curiosidade dos mais exigentes. Qual a principal missão da entidade? Produzir um portfólio de vinhos que proporcionem a cada “momento”, prazer! É preciso conhecer os mercados, e depois potenciar a obtenção de um lote diferente. Essa será a nossa “riqueza”.

Com uma vasta gama de produtos. Quais os produtos que comercializam? Branco, rosé e tinto. Produzimos cada lote de forma diferente, para potenciar cada parcela (altitude, idade da vinha, casta), e assim obtemos mais diversidade. Atualmente temos: ARROJO (Branco e Tinto), FAGOTE (Rsv Br, Rsv Tto e Gde Rsv Vinhas Velhas Tto) e OBOE (Rsv br, Vinhas velhas br, Superior tto, 17% álcool e Gde Esc). Para o dia a dia o FAGOTE RSV Br e Tto sao uma boa escolha, no entanto apostamos no FAGOTE GDE RSV VINHAS VELHAS Tto. Os topos de gama (OBOE VINHAS VELHAS br e GDE ESCOLHA Tt), são referências no segmento “premium”. Como define os vinhos da Companhia Vinhos do Douro? Bebemos em diferentes momentos (aperitivo, peixe, carne, lanche, com frio ou calor, etc), e temos um gosto próprio. Uma empresa deve ter diferentes vinhos, que se ajustem a cada ocasião. Ser diferente nao é ter outro preço ou rótulo, ser diferente é “ser mais compatível” com alguém ou com alguma “ocasião”. A imagem e o tamanho da garrafa, também podem ser mais compatíveis a com cada momento. Temos gfs 37,5cl, 75 cl e 150 cl. Uma preocupação nossa é não ter dentro da nossa casa vinhos concorrentes. Deixo isso para os produtos das outras empresas. Qual a produção anual de vinho? Estamos a produzir entre 80/100 mil litros. Como é que a empresa está posicionada relativamente à exportação dos seus vinhos? Sempre com um enorme esforço para conquistar mercados, consolidar merca-

dos e chegar a mais lugares. Definimos um orçamento anual para cada mercado. Depois com esforço, definimos com cada importador/parceiro a estratégia (feiras, jantares, visitas, viagens à quinta). Desta forma criamos ligações que nos vão ajudar a vender. Estamos conscientes que o trabalho é difícil, mas pelo caminho ja percorrido, sabemos que chegaremos lá, mantendo o profissionalismo, o empenho e o espírito de parceria. Quais os mercados em que estão presentes? Portugal, Angola, China, EUA, Macau, Brasil, Alemanha, Finlândia, Polónia e Suíça. Onde é que os nossos leitores podem encontrar os vinhos da Companhia Vinhos do Douro? Em diferentes restaurantes, lojas e on-line. Para mais informações, cvd@cvdvinhosdouro.com ou 22 0160990. Como é que prevê o futuro? Quais os projetos que pretende desenvolver? Consolidar o passado e alcançar mais mercados. Gostava no futuro de estar presente noutras zonas vitícolas, diretamente ou em parceria. Em jeito de conclusão, qual a última mensagem que gostaria de deixar aos nossos leitores. Bebam vinho, e procurem no dia a dia provar novos vinhos. Assim conhecem o potencial e diversidade de vinhos que existem em Portugal. Mas atenção, nem sempre o melhor vinho (mais caro) é o mais adequado a determinado “momento”. Escolham o vinho mais compatível para cada ocasião. Esse é o que maior prazer vos dará!

Telefone: 916 633 241 Email: jm.almeida@cvdvinhosdouro.com www.cvdvinhosdouro.com PORTUGAL EM DESTAQUE | 19


PAIXÃO TIROLESA PELO DOURO O Chefe Thomas Egger nasceu em Tirol em 1975 na Áustria. Apaixonado por Portugal, onde encontrou a sua esposa Maria de Fátima Egger, com quem casou no ano de 2000.

TÁBUA D’AÇO

Detentor de uma vasta experiência por diversas cozinhas internacionais, optou por se estabelecer em Tabuaço, onde em 2003 inaugurou o Restaurante Tabuad’aço. Atualmente chefia a cozinha do Tabuad’aço, juntamente com uma equipa de excelência. A experiência internacional permitiu a criação de ementas diversificadas com a conjugação de várias culturas nos seus pratos. Do seu extenso curriculum podemos destacar as várias participações em programas de televisão como RTP, SIC Internacional e Porto Canal; bem como, na organização da Semana Tirolesa que se realiza todos os anos na última semana de novembro. Em 2013 iniciou um novo projeto, a produção de azeite extra vir-

TEL./FAX: 254 781 711 GERAL@RESTAURANTETABUADACO.COM WWW.RESTAURANTETABUADACO.COM gem e azeite biológico, um produto de excelência, com a marca Chefe Thomas Egger. Em 2014 aventurou-se pelo mundo dos vinhos verdes e lançou o seu primeiro vinho verde com a marca Thomas Egger. O restaurante Tabuad’aço dispõe de uma gastronomia inigualável, com pratos típicos da região, e ainda uma variedade de pratos de origem austríaca, italiana, asiática e espanhola. Saboreie os nossos vinhos da Região Demarcada do Douro, a mais antiga região demarcada do mundo. Boa comida, bons vinhos e boa paisagem são aquilo que de melhor temos para oferecer.

AZEITE COM SABOR A XISTO A Cooperativa Agrícola de Tabuaço foi fundada em 1952 para defesa dos agricultores de Tabuaço. A extração do azeite, foi sendo renovada ao longo dos anos, melhorando a qualidade. JOSÉ AMARAL - PRESIDENTE TELEFONE: +351 254 789 162 E-MAIL: COOPTAB@GMAIL.COM WWW.COOPTAB.NO.SAPO.PT

COOPERATIVA AGRÍCOLA DE TABUAÇO A atual direção da Cooperativa Agrícola de Tabuaço, com o Dr. José Amaral como presidente, para além da aquisição dos equipamentos necessárias ao cumprimento total das modernas exigências ambientais e sanitárias, conseguiu modernizar o processo de extração do azeite e implementar, como meio mais eficiente de laboração, o método da tulha única. Evitou-se assim, o que acontecia há cerca de 16 anos, a apanha tardia da azeitona por parte de alguns produtores. A Cooperativa presta aos seus associados a informação necessária em todo este processo, desde o cultivo e a apanha da azeitona até a transformação da mesma em azeite. A cada produtor 20 | PORTUGAL EM DESTAQUE

é disponibilizado, para a recolha e para entrega da azeitona, os recipientes adequados, de forma a rentabilizar ao máximo a laboração do lagar. Constitui também uma preocupação desta direção a comercialização do azeite, tudo fazendo para que seja considerado como um dos produtos de excelência do concelho de Tabuaço. Para a sua divulgação foram criadas as marcas CAT e Azeite de Tabuaço, procurando assim, no mercado nacional e internacional a adequada distinção. Atualmente a Cooperativa tem vindo a aumentar substancialmente o mercado de exportação, estando já presente no espaço europeu, como a Suíça e a Áustria, países detentores de um forte poder económico e com uma forte valorização dos produtos nacionais, o que para os nossos produtores é um mercado muito atraente. A Cooperativa Agrícola do Azeite de Tabuaço possui neste momento cerca de 700 sócios. O futuro é promissor e os projetos de modernização são muitos. Para a instituição é fundamental continuar a mudar mentalidades e fazer com que os produtores de azeite vejam o associativismo como uma oportunidade de excelência para fabricar um produto de excelência e alta qualidade, a um preço competitivo.


UM BRINDE… COM HERANÇA PRESERVADA! A Quinta da Carregosa nasce no ano de 1890, com a finalidade de produzir os melhores vinhos do Douro. Uma história de família ligada à produção de vinho, que atualmente contabiliza três gerações.

QUINTA DA CARREGOSA MANUEL COSTA E FERNANDO COSTA Ao longo dos anos a família Costa tem exercido a sua atividade com um objetivo final bem definido: preservar a qualidade nas suas produções. Defendendo que é fundamental sublinhar que os investimentos feitos no decorrer da atividade até à atualidade tiveram como base produzir o melhor vinho, com uma qualidade de excelência, possibilitando aos consumidores a oportunidade de provarem o melhor vinho do Douro. Como define o vinho Quinta da Carregosa? O vinho Quinta da Carregosa pode ser definido como sinónimo de qualidade. Consideramos que os nossos vinhos têm terroir próprio da região do Douro, em que a nossa grande preocupação é produzir vinhos de uma qualidade inigualável, pois afirmamos ser essa a nossa imagem de marca. Qual a produção anual da Quinta? Anualmente a nossa produção ronda as 120000 garrafas. Como é que a Quinta está posicionada à exportação dos seus vinhos? A nossa Quinta está posicionada como um

produtor do Douro. Um produtor com história e um vasto know-how nos vinhos. No fundo um produtor que faz vinhos e investe sobretudo na qualidade, bem como na inovação. Quais os mercados em que estão presentes? Neste momento estamos presentes em Portugal, Brasil, Japão, Suíça e EUA. Onde é que os nossos leitores podem encontrar os seus vinhos? Os vinhos da Quinta da Carregosa podem ser encontrados em algumas garrafeiras do nosso país, bem como em restaurantes de extrema qualidade e alguns supermercados e hipermercados através de algumas marcas da quinta, como é o caso de enorme sucesso do vinho Fonte da Loba. Como prevê o futuro? Quais os projetos que pretende desenvolver? Prevemos um futuro com muito otimismo. O Douro está cada vez mais na moda e é uma região com imenso potencial. Internacionalmente o Douro já é visto como uma região do mundo vitivinícola. No nosso caso o futuro passa ainda pela dinamização dos mercados nacionais e in-

ternacionais, privilegiando a aproximação aos agentes distribuidores que detenham um enorme conhecimento sobre vinhos e que possuam qualidade na abordagem aos diferentes canais. Os mercados irão privilegiar empresas que fazem os investimentos muito focados na vinha, nos seus vinhos e nas suas castas, bem como no investimento em qualidade e inovação; nestes casos a Quinta da Carregosa tem alcançado esses mesmos propósitos. Temos ainda projetos de desenvolvimento na área das monocastas e um outro grande projeto de reconhecimento pela história e trabalho dos fundadores da Quinta, através de um vinho de elevadíssima qualidade, que temos a garantia de que será uma bela homenagem. Em jeito de conclusão, qual a última mensagem que gostaria de deixar aos nossos leitores. O desafio que eu gostava de deixar aos leitores é que além das marcas conhecidas do Douro, que experimentem novas marcas, que façam provas e partilhem conhecimento de projetos de qualidade como é o caso dos vinhos da Quinta da Carregosa.

TELEFONE: +351 916 459 007 E-MAIL: VINHOS@QUINTADACARREGOSA.COM WWW.QUINTADACARREGOSA.COM PORTUGAL EM DESTAQUE | 21


ENTRE… A CASA É SUA! A Quinta da Padrela é uma empresa familiar, adquirida pelos atuais proprietários em 1988. O principal objetivo aquando da aquisição da propriedade foi o de comercializar vinhos produzidos na Quinta e de criar infra-estruturas direcionadas para o Enoturismo.

QUINTA DA PADRELA

O turista que visita e/ou fica alojado na Quinta da Padrela poderá usufruir de um ambiente rural acolhedor e com todo o conforto. Um espaço onde pode usufruir da natureza na sua plenitude, fazendo caminhadas pela Quinta e passeios de bicicleta. Na Quinta o turista procura a serenidade e a calma, o contato com a vida rural, que aprecia o chilrear dos pássaros pela manhã, que degusta o pequeno-almoço no jardim ou desfruta da piscina. É ainda ideal para o Enoturista que procura uma experiência diferente, que quer saber mais sobre a produção do vinho, passear pelos vinhedos, ver os trabalhos agrícolas, participar nas vindimas e na vinificação e fazer prova de vinhos O vinho produzido na Quinta da Padrela é de média/alta gama, de altitude que se revestem de caráter frutado e fresco. Gastro-

nómicos devido a toda a envolvência em que estamos inseridos. A produção anual ronda as 30.000 garrafas. Desde o início a exportação foi a prioridade dos proprietários Neste momento exportam 85% da produção para mercados como Macau, Hong-Kong, Inglaterra, Bélgica, Alemanha, EUA e Angola. Num futuro muito próximo os proprietários pretendem reconstruir a antiga casa da Quinta a “casa dos caseiros”, para que os visitantes possam degustar os vinhos juntamente com outros produtos do Concelho de Tabuaço, tendo como cenário as vinhas da Quinta da Padrela. Em Portugal é possível encontrar os vinhos Quinta da Padrela em restaurantes conceituados como o Luzana e o Vila Joya, existindo ainda um distribuidor situado no Algarve. TELEMÓVEL: 914758244 E-MAIL: QUINTADAPADRELA@SAPO.PT WWW.QUINTADAPADRELA.COM

CONHEÇA O UNIVERSO DOS RUI’S A casa dos Rui´s é um imóvel de interesse turístico na categoria de “Casa de Campo” inserida no Turismo Rural do concelho de Tabuaço.

CASA DOS RUI’S

Nasceu em Janeiro de 2011 para oferecer os seus serviços, pondo à disposição dos seus clientes e amigos, cinco quartos duplos, bem como uma suite, com capacidade para dez pessoas. Todos os quartos estão devidamente decorados, confortáveis e com cariz familiar, de forma a responder às expetativas dos clientes que procuram este tipo de alojamento. Possui ainda uma sala de refeições, com uma zona de estar comum, equipada com televisão e fogão de sala. Todos os aposentos estão equipados com aquecimento e ar condicionado. De forma complementar para além de um buffet de pequeno-almoço, que está incluído no alojamento, oferece aos seus clientes serviço de jantar, aproveitando a cozinha e a sala de jantar do empreendimento. Esse serviço, disponibilizado apenas por encomenda versa essencialmente sobre as receitas da região e os vinhos do concelho de Tabuaço, de forma a valorizar os recursos da região. 22 | PORTUGAL EM DESTAQUE

TELEFONE: 254782027/917527566 GERAL@CASADOSRUIS.COM WWW.CASADOSRUIS.COM A Casa dos Rui’s aconselha aos seus clientes passeios programados, atividades com bicicleta, passeios de Jeep para conhecer os sítios mais inóspitos do concelho, bem como efetuar percursos de Turismo Religioso, visitando monumentos de Tabuaço e de concelhos vizinhos, tais como, Sernancelhe, Tarouca e Lamego. Os turistas procuram sossego, ar puro, boa degustação e principalmente apreciar as boas vistas de que é servido o nosso concelho. No período de Verão, podem também apreciar as belas piscinas descobertas de Tabuaço, e no período de Inverno, aproveitar o óptimo complexo das piscinas cobertas da Vila. Para tal, a casa dos Rui´s estabeleceu um protocolo com o Município de Tabuaço, de forma a proporcionar aos seus clientes o uso destes equipamentos. Se é apreciador de paisagens naturais, aprecia sossego e ar puro, gosta de degustar um bom prato português, beber bons vinhos do Douro e aprecia a arte de bem receber, então o seu destino é Tabuaço.


QUINTA… DE ASSOMBRAR! QUINTA DO CONVENTO

Fale-nos um pouco da história da Quinta do Convento. Há nove séculos que vinhos do Porto de excelente qualidade têm sido produzidos na Quinta do Convento em Távora. O impressionante mosteiro do século XII cisteriano cujas espessas paredes de pedras testemunharam eventos legendários. Ainda estão bem vivas as narrativas de fantasmas a viverem no local, o que dá ares de intrigas a esta bela e inesquecível propriedade de 150 hectares com vista para uma vinha de 25 hectares, onde uvas utilizadas para a produção de vinhos da mais alta qualidade foram cultivadas originalmente por monges cisterianos. Há muito não há monges, mas o legado de produção dos melhores vinhos do Porto continua. Que tipo de oferta o turista pode encontrar no espaço Quinta do Convento? A nossa Quinta é um espaço repleto de história, em que os turistas têm a possibilidade de fazer uma espécie de viagem no tempo, testemunhando toda a fantasia envolvente. Depois possibilitamos ainda a prova dos nossos vinhos. Como define o vinho da Quinta? A Quinta do Convento está localizada na margem sul do Douro, na freguesia de Távora. Os 25 hectares de vinha são plantados com as castas tintas tradicionais da região, principalmente Touriga Nacinal, Tinta Roriz, Touriga Franca e Tinta Barroca. Devido a localização das vinhas, os vinhos produzidos caraterizam-se por uma grande frescura aromática, com muitas notas de frutos pretos e um grande equilibro de boca.

TELEFONE: +351 254 782 070 SECRETARIA@MOSTEIRO.EU WWW.SENHORADOCONVENTO.COM to estamos presentes no Canadá, Estados Unidos, Bélgica, Holanda, França, Reino Unido e na Alemanha. Como prevê o futuro? Quais os projetos que pretende desenvolver? Acreditamos num futuro promissor. Temos alguns projetos a desenvolver, nomeadamente a reconversão de alguma parte da vinha, e na produção de vinho DOC, Douro Monovarietal Touriga Nacional. Em jeito de conclusão, qual a última mensagem que gostaria de deixar aos nossos leitores. Quero dizer a todos os leitores que vale a pena visitar a Quinta do Convento, possuímos uma história mágica e o espaço histórico é deslumbrante. Temos ainda a história de Ardinga e provas de vinhos do Porto de excelência para partilhar.

Qual a produção anual da Quinta do convento? A produção anual da Quinta ronda os 100.000 litros de vinho, sendo que metade é produção de vinho do Porto. Como é que a Quinta está posicionada relativamente à exportação dos seus vinhos? Quase toda a produção é destinada a exportação. Neste momen-

PORTUGAL EM DESTAQUE | 23


ARTE DE BEM REPRESENTAR O TEATRAÇO é uma Escola cujo aprendizado nos torna pessoas mais sensíveis, sensatas, com uma visão diferente da vida e da arte, que nos possibilita comunicar com o mundo e mostrar a nossa cultura e as nossas tradições.

TEATRAÇO TELEFONE: 936 653 012 TEATRACO.TEATROAMADOR@GMAIL.COM WWW.FACEBOOK.COM/TEATRACO.TEATROAMADOR

ENCENAÇÃO DA PEÇA ‘HOTEL DE LIVRE CÂMBIO’ O TEATRAÇO nasceu a partir de uma ideia de Nucha Martins que, consciente da tradição do Teatro no concelho de Tabuaço, desafiou o ator e encenador Beto Coville, atualmente diretor e encenador do TEATRAÇO, a formar um grupo de teatro. No entanto, a ideia não bastou, teve que despertar e tornar-se real a vontade das pessoas assumirem este compromisso, o que felizmente aconteceu no espaço de pouco dias após o primeiro desafio: a associação surgiu e foi fundada em escritura pública em Setembro de 2007. Desde aí o TEATRAÇO tem sido uma aventura de um grupo de pessoas de faixas etárias diversas, com diferentes interesses mas com um gosto comum – O Teatro! A primeira peça – As Preciosas Ridículas, de Molière - foi à cena em Abril de 2008. Seguiram-se imensas atuações e apresentações em todo o país, desde Vila Nova de Gaia ao Sardoal, passando por Abrantes, Vagos, entre outros palcos. Atualmente o TEATRAÇO estuda um novo texto e, sob a direção e encenação de Beto Coville, que estreará em 2015. Até lá, tem agendado várias atuações e presenças em Festivais, Encontros e Mostras de Teatro. TEATRAÇO é sem dúvida o grupo de teatro a nível nacional com mais patrocinadores. Orgulha o apoio que a população de Tabuaço exerce, todos os meses, assistindo aos espetáculos que é levado a Tabuaço através do ETAT – Encontro de Teatro Anual de Tabuaço. Cada pessoa que assiste a estes espetáculos é um patrocinador do TEATRAÇO, pois contribui para a existência do grupo.


TURISMO PORTO E NORTE

PELO DESENVOLVIMENTO E POTENCIALIDADES DO DOURO Como surge a Entidade Regional de Turis-

política de turismo

mo do Porto e Norte de Portugal?

definida

Em traços largos, podemos dizer que a

verno e os planos

Entidade Regional de Turismo Porto e

plurianuais da admi-

Norte de Portugal, a exemplo das restan-

nistração central e

tes Entidades Regionais de Turismo deste

dos municípios que a

País, surge no contexto da modernização

integram.

da Administração Pública, ou seja, na se-

Quanto à visão da

quência de um longo processo que tem

TPNP-ER, podemos

início com o designado PRACE - “Progra-

dizer que para além

ma de Reestruturação da Administração

de integradora em relação ao territó-

Central do Estado” (Resolução do Con-

rio composto pelos sub-destinos Minho,

selho de Ministros nº 124/2005, de 4 de

Porto, Douro e Trás-os-Montes, é natu-

Para a nossa primeira edição, o Douro foi

Agosto) que, no âmbito da Resolução do

ralmente de longo prazo, sujeita a acom-

eleito como a nossa região de destaque

Conselho e Ministros nº 39/2006, de 21

panhar a evolução e o comportamento

para desmistificar. Quais os apoios ao

de Abril, assume a criação de um organis-

dos mercados emissores, face às trans-

turismo e aos produtos do Douro prove-

mo central do turismo único, responsável

formações impostas pela conjuntura da

nientes da entidade Porto e Norte?

pela prossecução da política de turismo

economia mundial Como se sabe, a con-

Porque conheço sobejamente o Douro e

nacional – o Turismo de Portugal, I.P. – e a

juntura económica e política que o mun-

sinto-o de modo muito particular desde

descentralização das 19 regiões de turismo

do atravessa hoje é significativa, embora

tenra idade, estou perfeitamente cons-

então existentes, dando origem às atuais

com consequências que não são iguais

ciente da importância de um território

5 Regiões, correspondentes às NUTS II,

para as diferentes regiões do globo. Daí a

que possui um património, natural, cul-

tendo como objetivo a reorganização das

necessidade de implementar estratégias

tural e humano, com caraterísticas úni-

entidades públicas regionais com respon-

adequadas à realidade do setor e atender

cas e que merece o carinho de todos nós.

sabilidades na área do turismo.

às previsões e sugestões efetuadas pela

Para além disso, enquanto Presidente da

própria OMT, cuja previsão é francamen-

entidade responsável pela valorização e

Qual a missão e a visão da entidade?

te positiva em relação a 2015, especial-

desenvolvimento turístico de toda a Re-

Como sabe, a Turismo do Porto e Norte de

mente no seio da Europa, que continua a

gião Norte, aquilo que lhe posso dizer é

Portugal, E. R., é a entidade regional de tu-

ser o maior emissor e recetor de turismo

que o Douro, pelo riquíssimo conjunto

rismo gestora da área territorial da NUT

do mundo. Daí que, face ao atual panora-

da sua oferta, tem vindo a ser objeto de

II – Norte, composta por 86 municípios,

ma, mais do que nunca, para uma visão

uma atenção especial e crescente, embora

com Sede em Viana do Castelo, que tem

de longo prazo, é necessário proceder-se

ainda sem atingirmos o patamar que na-

por missão a valorização e o desenvolvi-

a um trabalho técnico profundo e sério,

turalmente gostaríamos, face às muitas

mento das potencialidades turísticas da

identificando as variáveis mais importan-

restrições com que frequentemente nos

respetiva área regional de turismo, a pro-

tes que deverão ser consideradas para o

confrontamos. Porém, quero acreditar

moção interna e o mercado alargado dos

desenvolvimento dos produtos estratégi-

que o diálogo e as parcerias que temos

destinos turísticos regionais, bem como a

cos, de modo a que estes possam ser, cada

vindo a desenvolver com alguns dos mais

gestão integrada dos destinos no quadro

vez mais, reconhecidos e valorizados pe-

importantes agentes instalados no Douro,

do desenvolvimento turístico regional, de

los mercados emissores potencialmente

públicos e privados, resultarão num forte

acordo com as orientações e diretrizes da

interessantes para Portugal, e, muito em

e desejável contributo para que a sua afir-

26 | PORTUGAL EM DESTAQUE

pelo

Go-

WWW.PORTOENORTE.PT especial para o destino Porto e Norte.


mação como destino turístico de eleição

último até ao Peso da Régua um evento de

seja uma realidade.

grande impacto para a questão dos vinhos e do Enoturismo – o “Douro Wine Fest”.

Como caracteriza a relação da Entidade

Este foi de fato um grande evento dedi-

Regional de Turismo do Porto e Norte

cado à “Gastronomia e Vinhos”, levado a

com as autarquias da região do Douro?

cabo por nós, em parceria com a respetiva

Eu diria que é uma relação de absoluta

Câmara Municipal e várias instituições

tranquilidade, sendo cada vez mais evi-

locais e regionais, reunindo em torno da

dentes os sinais de uma boa relação e os

temática, produtores de vinhos da Região

efeitos do trabalho que temos vindo a des-

do Douro, chefes de cozinha, unidades de

envolver em parceria. Basta para o efeito

restauração, entre outros representantes

pensar no fato de em conjunto conseguir-

do tecido empresarial do setor turístico

mos alargar ao Douro o inovador projeto

do destino Douro. Com o objetivo último

da rede de lojas interativas de turismo

de atrair visitantes ao território e poten-

que está a ser desenvolvido no Porto e

ciar o produto Gastronomia e Vinhos,

Norte, com a certeza que esta será uma

o Douro Wine Fest é um exemplo do que

outra

extraordinariamen-

certamente contribuirá para dinamizar a

te significativa para os seus municípios.

economia local e regional, aumentando a

tudo dificuldades de ordem financeira,

Para além disso, estaremos obviamente

notoriedade do destino Norte de Portugal.

na medida em que os meios atualmente

sempre abertos para dialogar e, da nossa

Aliás, a exemplo de outras ações promo-

disponíveis estão ainda muito aquém do

parte, independentemente da diversidade

cionais em que o Douro estará connosco,

valor de um património, natural e cultu-

que carateriza cada um dos municípios do

tal como brevemente acontecerá com a

ral, que urge seja convenientemente di-

Douro, o nosso principal objetivo é con-

nossa participação na FITUR em Madrid,

namizado e promovido. O Porto e Norte

tribuir para a valorização da sua oferta,

ou na BTL em Lisboa.

de Portugal é seguramente um dos desti-

mais-valia

resultando num potencial com caraterís-

MELCHIOR MOREIRA - PRESIDENTE

nos turísticos nacionais com um enorme

ticas muito especiais que é seguramente,

Neste momento como avalia o setor do

potencial e da maior importância para a

também, fruto da complementaridade,

turismo do Douro? Sente que é uma ati-

excelência e a notoriedade da marca Por-

que tão bem carateriza a oferta global do

vidade em crescimento?

tugal. Mas como sabe, porque não é possí-

destino Porto e Norte de Portugal.

Embora ainda com algumas importantes

vel “fazer omeletes sem ovos” a criação de

lacunas a resolver, parte das quais não

incentivos especiais é fundamental, per-

Existem sinergias entre as entidades?

estão dependentes da TPNP-ER, natu-

mitindo o apoio a ações que visem uma

Que tipo de atividades desenvolvem em

ralmente que o turismo é uma atividade

maior notoriedade dos produtos conside-

comum?

muito importante e em desenvolvimento

rados estratégicos para a região.

Claro que sim e outra coisa não seria de

no Douro. Prova-o a crescente procura e

esperar. Tendo em consideração que os

o sucesso que tem sido, não só o trabalho

Como prevê o futuro? Revele-nos alguns

municípios que integram a Entidade Re-

desenvolvido com base na via navegável

dos programas para o ano 2015.

gional de Turismo do Porto e Norte de

do Douro, como o trabalho notável reali-

Na expectativa de conseguirmos interna-

Portugal são para nós parceiros institu-

zado, por exemplo, no âmbito do enotu-

mente criar condições para que o poder

cionais privilegiados, todo o nosso es-

rismo, através do extraordinário trabalho

de compra dos portugueses melhore e a

forço assenta no pressuposto de que criar

que está a ser desenvolvido pelo tecido

acreditar nos dados positivos da própria

o máximo de sinergias é essencial. Para

empresarial. Aliás, seria injusto da minha

OMT para 2015, parece-me estarmos pe-

além disso, não podemos esquecer que o

parte não lhes prestar aqui a minha sin-

rante a possibilidade de ter alguma espe-

setor privado, com especial realce para os

gela, mas muito sincera homenagem, por

rança em relação ao futuro. Da nossa par-

agentes da cadeia de valor do turismo são

tudo o que na área do empreendedorismo

te, tudo faremos para que o Porto e Norte

parceiros fundamentais neste processo.

tem conseguido efetuar, diversificando

de Portugal mereça a necessária atenção,

Aliás, é por isso mesmo que os convida-

e melhorando qualitativamente a oferta

razão pela qual temos programado um

mos para participarem nas nossas ações

turística e as experiências recolhidas no

leque diversificado de ações promocio-

de divulgação e promoção valorizando,

Douro.

nais, tanto no mercado interno, como no

sempre que possível, os produtos que

mercado interno alargado (Espanha), ten-

melhor definem ou identificam o territó-

Quais as maiores dificuldades encontra-

do como objetivo dar ênfase à estratégia

rio, tal como acontece no presente caso,

das na promoção da região Porto e Norte?

dos produtos numa lógica de valorização

por exemplo, em relação à “Gastronomia e

Fundamentalmente, para além de uma

e/ou requalificação da oferta turística,

Vinhos”, ao “Turismo de Natureza”, ou ao

política nacional que em nosso entender

cujo significado é muito importante para

“Touring Cultural”. Dou-lhe como exem-

deverá concentrar na mesma entidade a

a promoção do destino Porto e Norte de

plo, o facto de termos levado em Setembro

promoção interna e externa, são sobre-

Portugal. PORTUGAL EM DESTAQUE | 27


ONDE O GOSTO E O SENTIDO… SOBRESSAEM!

BEST OF WINE TOURISM 2015

TELEFONE: +351 254 331 229 E-MAIL: RESERVAS@QUINTADAPACHECA WWW.QUINTADAPACHECA.COM

QUINTA DA PACHECA

Fale-nos um pouco da história da Quin-

O que procuram os turistas quando che-

ta da Pacheca. Como surgiu, em que ano,

gam à Quinta da Pacheca?

qual a sua finalidade.

Um local descontraído em conjugação

Recentemente reconhecidos como Best

A Quinta da Pacheca é uma das mais em-

com a natureza sobretudo com a vinha,

of Wine Tourism, na categoria de aloja-

blemáticas do Douro, tendo sido proprie-

que lhes proporcione momentos de espe-

mento, o que significou este prémio para

dade da família Serpa Pimentel.

cial deleite gastronómico.

a Quinta da Pacheca?

A Quinta da Pacheca é produtor engarra-

e Garrafeira de Santos.

Significa reconhecimento, de todos os que

fador de vinhos limitados de Douro D.O.C

A Quinta das Pacheca além do turismo

para ele contribuíram, colaboradores e

de excelente qualidade e Vinhos do Porto

de habitação é produtor de vinho. Que

clientes que o tornaram possível. É a re-

de categorias especiais.

tipo de vinhos produzem na quinta?

compensa de toda a dedicação, empenho,

Em 2014 foi adquirido por Maria do Céu

Poderão encontrar toda a gama de vin-

espírito de entrega e paixão pelo Douro

Gonçalves e Paulo Pereira, empresários

hos, Colheitas Branco, Tinto e Rosé, Supe-

em geral, pela Quinta da Pacheca em par-

portugueses radicados em França. A

rior branco e Tinto, Vinhas Velhas Tin-

ticular.

Quinta passou a fazer parte de um grupo

to e Grande Reserva Touriga Nacional.

empresarial moderno, consistente e dinâ-

Além dos vinhos do Douro, poderão tam-

Como prevê o futuro? Quais os projetos

mico, abrindo-se um novo ciclo de desen-

bém encontrar vinhos do Porto, White,

que pretende desenvolver?

volvimento.

Tawny, Reserva, 10, 20 e 30 Anos, Pink,

Um futuro risonho certamente, recheado

Lágrima, LBV e Porto Vintage.

de novos desafios e de adaptação a novas

Que tipo de oferta o turista pode encon-

realidades. Um projeto de expansão do

trar no espaço Quinta da Pacheca?

Como define o seu vinho? Qual a pro-

hotel que implica a construção de mais

A oferta prende-se com visitas guiadas

dução anual da quinta?

12 unidades de alojamento e um conjunto

à propriedade que finalizam com provas

São sobretudo vinhos frescos, jovens,

de instalações de apoio a todo o complexo,

de vinhos de diferentes tipologias. Te-

complexos e modernos adequados à atual

será um conceito altamente inovador e

mos uma wineshop onde para além dos

tendência de consumo. Produção média

diferenciador.

vinhos Pacheca estão disponíveis azeite

em 2014 de 240 mil garrafas. Em jeito de conclusão, qual a última

e compotas. Oferecemos experiências gastronómicas indissociáveis dos nossos

Como é que a Quinta da Pacheca está

mensagem que gostaria de deixar aos

vinhos. Nomeadamente workshops de

posicionada relativamente à exportação

nossos leitores.

gastronomia regional, picnics no meio

dos seus vinhos? Quais os mercados em

Acima de tudo que não deixem de visitar

da vinha e cursos de vinho. Durante

que estão presentes?

e experienciar a Quinta da Pacheca, estou

a época das vindimas proporcionamos

Da produção anual da quinta cerca de

certa que ficarão rendidos. Na impossi-

todo um conjunto de experiências genuí-

70% estão destinados à exportação e os

bilidade de o poderem fazer num futuro

nas relacionadas como o colher as uvas

restantes 30% para importação.

próximo então que provem os nossos vin-

e participar das lagaradas. Temos ainda

Neste momento o principal mercado é

hos, pois mesmo à distância irão perce-

uma unidade hoteleira que proporciona

França e estamos na Suíça, Alemanha,

ber que têm a impressão digital da nossa

aos nossos hóspedes uma estadia única e

Bélgica, Brasil, Canadá, EUA, Angola e

paixão pelo Douro.

aprazível.

China.

Relativamente à receção de turistas, qual

Onde é que os nossos leitores podem en-

a maior incidência: o mercado nacional

contrar os vinhos da quinta?

ou estrangeiro?

Na loja da quinta, poderão ainda encon-

Maioritariamente estrangeiros, estamos

trá-los no El Corte Inglês, Jumbo e nas

em crer que o mercado nacional está num

garrafeiras da especialidade como na Tio

crescendo de procura.

Pepe, Garrafeira Nacional, Quinta da Foz

28 | PORTUGAL EM DESTAQUE


PORTUGAL IN A BOTTLE Foi no ano de 1998, período de grande especulação imobiliária no país, quando um grupo de amigos, em conversa amena se lamentava no tocante a mais uma propriedade, com 3 hectares, no centro da cidade de Vila Nova de Gaia, com árvores centenárias, e um Palacete de início do século XIX, que iria capitular face à agressiva especulação imobiliária que dominava a economia na altura.

QUINTA DA BOEIRA

ALBÍNO JORGE - ADMINISTRADOR

como destino de excelência trazem-nos

primeira vez no nosso país em Maio de

um elevado número de turistas que pro-

2104 com o nome Portugal Wine Trophy.

curam o novo Turismo de Experiência. O é uma Garrafa com 32 metros de compri-

Reconhecimento Best Wine of Tourism 2015

Perante tal situação foi criada uma socie-

mento por 10 metros de diâmetro, sendo

Recentemente foram anunciados os Best

dade com o objetivo de proteger e revita-

o seu interior utilizado como Sala de Pro-

Wine of Tourism 2015, e o projeto Boeira

lizar o referido património natural e his-

vas de Vinhos ou Auditório. A Garrafa é

Portugal in a Bottle foi distinguido com o

tórico. Nasceu assim a sociedade Quinta

um ícone a nível mundial, um monumen-

prémio Best of Wine Tourism 2015 na Ca-

da Boeira – Arte e Cultura com um pla-

to à Vinha e ao Vinho de Portugal sendo

tegoria ‘Experiências Inovadoras de Eno-

neamento a longo prazo subdividido em

uma ideia única e inovadora. No interior

turismo’.

5 fases. A primeira fase do projeto teve

da Garrafa, o vinho é substituído pela pai-

como principal objetivo criar condições

sagem do Rio Douro e pela cidade do Por-

Quinta da Boeira e o futuro

para tornar a propriedade auto-suficiente

to e Gaia em cada uma das suas margens.

Num futuro próximo será desenvolvido o

em termos financeiros relativamente aos

A experiência inicia-se com um filme em

projeto Boeira Oporto Garden Hotel , hotel

seus custos. Foi assim, na altura, planea-

3D sobre as principais regiões vitiviní-

de 5 estrelas com 73 quartos e 29 suites

do transformar as cavalariças e estufas

colas de Portugal terminando com uma

já aprovado pela autarquia e classificado

em dois espaços contíguos, o salão Boei-

Prova de Vinhos. Albino Jorge, adminis-

pelo AICEP como projeto PIN (Projecto de

ra e o auditório. No ano 2003 iniciou-se

trador da Quinta da Boeira, afirma que “

Interesse Nacional) cuja construção está

a segunda fase do investimento com a

o projecto Boeira Portugal in a Bottle tem

prevista para finais do ano 2015-2016.

reconstrução do palacete de finais do

como grande objetivo dar a conhecer ao

O futuro é promissor e o desafio para o

séc. XIX, atualmente classificado como

turista o grande potencial de um país tão

próximo ano centra-se na promoção de

património da cidade, que se encontrava

pequenino como é Portugal. Assim sendo

Portugal através das autarquias. Na visão

já bastante degradado não sendo possí-

no decorrer da nossa visita o turista aper-

de Albino Jorge “a grande surpresa para

vel a sua utilização. O r/chãodo edificio

cebe-se que o nosso país possui produtos

o ano de 2015 passa pela promoção às

foi transformado num restaurante de

de excelência e uma beleza inigualável e

autarquias, sendo que em cada fim-de-se-

referência diariamente aberto ao pú-

variadíssima”.

mana, entre maio e setembro, podemos

blico. As restantes salas do Palacete são

Quem visita pela primeira vez, garante

ter uma autarquia diferente nos nossos

utilizadas para a prestação de serviços a

querer voltar novamente, muito em bre-

stands a promover as suas caraterísticas

instituições de relevância nacional. A ter-

ve. O resultado do projeto tem sido bas-

gastronómicas, culturais e históricas”. Em

ceira fase do investimento centrou-se na

tante positivo, atraindo um público-alvo

suma, o Boeira Portugal in a Bottle é um

aquisição de um armazém contiguo à pro-

que procura produtos exclusivos que não

polo de amostra a nível nacional, um par-

priedade com cerca de 1200 metros qua-

se encontram à venda nas grandes super-

que temático que reúne os mais emblemá-

drados. Está actualmente em curso um

fícies. A Garrafa permitiu ainda, atrair

ticos produtos tradicionais portugueses.

projecto de recuperação do referido ar-

eventos de renome internacional nomea-

O turista que visita a Quinta da Boeira

mazém para eventos e Loja de venda dos

damente o Berlin Wine Trophy, um dos

fica assim a conhecer numa Garrafa toda

produtos de excelência. A penúltima fase

mais importantes Concursos de Vinhos

a essência de Portugal!

do investimento está também direcciona-

acreditados a nível mundial, através da

da para a área do TURISMO. A crescente

Organização Internacional da Vinha e do

notoriedade do Porto e Norte de Portugal

Vinho (OIV). O concurso realizou-se pela

principal ícone de todo o projecto turístico

TELEFONE: +351 223 751 338 E-MAIL: INFO@BOEIRAPORTUGALINABOTTLE.COM WWW.BOEIRAPORTUGALINABOTTLE.COM

PORTUGAL EM DESTAQUE | 29


SANDRA BAYAN - GENERAL MANAGER

OPHTEC

UMA REFERÊNCIA NA INOVAÇÃO E QUALIDADE A marca Ophtec é líder mundial no des-

tec Portugal, reside

envolvimento e fabrico de dispositivos

essencialmente

médicos para oftalmologia. Como surgiu

fato de se preten-

esta marca?

der

A Ophtec BV foi fundada em 1983 em

relacionamento en-

Groningen na Holanda e é uma empresa

tre a empresa e os

privada que desenvolve e fabrica disposi-

cirurgiões

tivos médicos para oftalmologia, nomea-

relações

damente lentes intra-oculares e outros

de parceria, através

dispositivos para as cirurgias de catarata,

de uma oferta mais

refrativa e trauma. A empresa distribui

rápida

os seus produtos através de uma rede

prestada por profis-

internacional de representantes e está

sionais

também presente diretamente em alguns

qualificados e espe-

países através de subsidiárias.

cializados.

Nasce assim, com uma forte componen-

As competências exigidas para as funções

te de investigação e desenvolvimento a

que os nossos colaboradores desempen-

qual tem pautado desde sempre as linhas

ham, e que se pretendem excepcionais,

de orientação para o estudo e desenvol-

obrigam-nos a dispor de planos de for-

vimento de produtos premium, utilizando

mação muito rigorosos e com atualizações

tecnologia de última geração para a sua

contínuas.

aprofundar

no o

criando duradoras

e

melhor, altamente

concepção e produção. Todo este trabalho é desenvolvido em parceria com um

A Ophtec aposta em produtos inovado-

leque seleccionado de cirurgiões a nível

res e de primeira linha. Que tipo de pro-

internacional, cada um dos quais referen-

dutos estamos a falar?

ciados como KOL’s (Key opinion Leaders)

As soluções de que dispomos para as ci-

nas suas áreas de especialidade.

rurgias de miopia, astigmatismo e hiper-

A Ophtec Portugal surge na sequência

metropia (cirurgia refrativa) constituem

do processo de internacionalização ini-

a par das nossas soluções para cirurgia

ciado pela Ophtec BV (headquarters em

traumática (lentes para reconstrução de

Groningen na Holanda), em 1996 com a

iris), dois dos segmentos de produtos mais

criação da Ophtec USA. Seguiram-se Es-

inovadores da empresa.

panha (2009), Asia-Pacifico e Africa do

Por exemplo, ao nível da miopia, conse-

Sul (2010), Alemanha (2011), Coreia e Por-

guimos contribuir de forma significativa

tugal em 2012.

para a melhoria da qualidade de vida de

Apesar da atual situação económica do

muitos milhares de pessoas, através da

país não ser a mais favorável ao inves-

disponibilização das lentes Artisan® e

timento estrangeiro, a importância da

Artiflex®, com as quais conseguimos co-

marca Ophtec e o seu potencial, justifica-

rreções de até, pelo menos, 26 Dioptrias

ram a tomada de decisão para a criação

negativas.

de uma subsidiária em Portugal. Assim, a

No caso do segmento de trauma, oferece-

principal razão para a existência da Oph-

mos um conjunto de soluções que podem

30 | PORTUGAL EM DESTAQUE

ser customizadas de acordo com a especificidade dos casos traumáticos, de acordo com as necessidades de cada paciente. Estas próteses possibilitam ao cirurgião e ao paciente obter excelentes resultados quer a nível estético quer a nível funcional. Recentemente, entrámos também no mercado de lentes premium para cirurgia de catarata com as nossas lentes Precizon™ tóricas. Quais as estratégias que têm sido delineadas pela empresa para o sucesso da Ophtec? A estratégia da empresa passa sempre pela demonstração efetiva dos benefícios e caraterísticas distintivas dos produtos que fabrica e distribui. A longa fase de estudos clínicos que antecede o lançamento de um novo produto permite-nos assegurar sempre, que as mais-valias anunciadas correspondem de fato àquilo que os profissionais de saúde vão poder obter com os nossos produtos. É através da divulgação de resultados clínicos que passamos a mensagem aos oftalmologistas, pois esta é a melhor forma


EW • NEW • NEW • NEW • NEW • NEW • NEW • NEW • NEW • NEW • NE de credibilizar os nossos produtos.

plo a diabetes e hipertensão, que podem

permitirão apresentar novos produtos

afetar e influenciar a qualidade da nossa

nos próximos 2 anos.

Qual o balanço que faz do ano 2014, ana-

visão. No entanto, existem muitas outras

Prevê-se já para o próximo ano a am-

lisando as metas que foram devidamente

patologias que podem afetar os olhos,

pliação do portfolio das duas principais

estabelecidas?

sendo também verdade que, por vezes,

famílias de produtos da empresa, Arti-

Foi um ano bastante positivo no que res-

é através de alguma perturbação ocular

lens™ e Precizon™, o que nos permitirá

peita aos objetivos globais que tínhamos

que posteriormente se detetam algumas

ter uma oferta mais alargada para os seg-

determinado. Lançámos, no final do ano

doenças.

Family

mentos de cirurgia refrativa e de catarata. S TABL E P L AT F OR M, P R EMIU M OP T IC S, MIC RO INC ISIO N Assim, os rastreios visuais são a única for- Encontram-se também já em fase de es-

cizon Tórica. A empresa pretendia, com

ma de se poder de forma atempada enca-

tudo, outros produtos que seguem a linha

este novo produto, conquistar também

minhar a criança ou o adulto para a con-

de inovação sempre presente em qual-

uma posição de destaque no mercado das

sulta da especialidade, no caso de deteção

quer projecto por nós desenvolvido. Isto

lentes intra-oculares para cirurgia de ca-

de qualquer anomalia.

significa que nos próximos anos, teremos

EX

PE

CT

ED

passado, um novo produto – a Lio Pre-

sempre algo de inovador a oferecer aos

tarata. Assim, o grande objetivo da Ophtec para 2014, passou pela entrada neste

De modo a alertar as pessoas para a im-

profissionais de saúde da área, que lhes

segmento específico de mercado ao qual

portância desta temática têm sido efe-

permitirá disponibilizar melhores so-

se dá o nome de mercado das lentes in-

tuadas ações de sensibilização? Quais as

luções para os seus pacientes.

traoculares Premium.

campanhas que a Opthec tem neste mo-

Conseguimos cumprir o nosso objetivo,

mento a decorrer?

Como prevê o futuro? Quais os objetivos

pois ao longo deste ano, conquistámos a

Decorrem anualmente uma série de ações

para o ano de 2015?

nossa posição neste segmento de mercado

de sensibilização dirigidas à população no

O objetivo da Ophtec Portugal para os

tão competitivo. Continuaremos a alargar

sentido de efetuarem rastreios na área da

próximos anos é ter um papel de liderança

a nossa quota de mercado através da ofer-

saúde e em particular na área da oftalmo-

na área da cirurgia refrativa, e ser uma

ta de um serviço de qualidade que nos ca-

logia. São louváveis as diversas iniciativas

referência a nível nacional no que respei-

rateriza e do desenvolvimento de relações

levadas a cabo por diversas entidades pú-

ta à qualidade e diversidade dos produtos

de parceria com os profissionais da área.

blicas e privadas. De destacar a Direcção

oferecidos.

Cada vez mais é falado na temática da

nais para a saúde da visão, o Gabinete de

objetivo é tornar-se até 2020, um forne-

saúde e na prevenção da mesma. Como avalia a posição dos portugueses neste segmento? Sente que fazem a devida prevenção no que respeita a saúde ocular de

 PROVEN STABILITY Geral de Saúde, com os programas nacio- A estratégia da Ophtec e o seu principal UNIQUE ASPHERIC TORIC Prevenção Visual e Reabilitação, a Socie- cedor à escalaSURFACE global, de um vasto e comdade Portuguesa MORE de Oftalmologia atraTOLERANT vés dos protocolos que desenvolve com

pleto portfólio de dispositivos OF MISALIGNMENT

médicos

que abarque as principais áreas da Oftal-

outras Sociedades e entidades, também mologia, Cornea, Retina-Vitreo e Glauco 2.2e MM MICRO INCISION uma palavra para as ópticas que através

ma.

tistas, disponibilizam meios para rastreio,

cerias com instituições de referência nes-

ticular da visão, a prevenção primária é a

alguns deles móveis, chegando assim,

ta área, com vista ao desenvolvimento de

medida mais eficaz na redução dos pro-

mais perto da população em geral.

trabalhos científicos e novos produtos.

blemas oftalmológicos devendo basear-se

De uma forma geral, assiste-se a uma

Temos também um papel ativo no com-

na realização de rastreios visuais (infantis

maior preocupação da população com a

plemento da formação dos profissionais

e para adultos).

sua saúde visual, e que se reflete também

desta área, através da realização de ações

A população em geral deve estar sensibili-

na procura ativa de informação, princi-

de formação que contribuam para encon-

zada para os potenciais riscos que podem

palmente através da internet, quer de

trar as melhores soluções cirúrgicas.

pôr em causa a sua saúde e bem-estar.

patologias, quer de profissionais de saúde

A nossa principal missão, e grande motor

A visão é um sentido extremamente im-

e quais as soluções disponíveis para o seu

da nossa motivação é a possibilidade de,

portante para o desenvolvimento físico,

caso específico. Cada vez a população é

através dos produtos que comercializa-

comportamental e cognitivo da criança. O

mais exigente nas escolhas que faz e este

mos, poder contribuir de forma significa-

rastreio oftalmológico infantil é exequível

fato é também uma realidade na área da

tiva para a melhoria da qualidade de vida

nas consultas de vigilância infantil e per-

saúde.

de muitos milhares de pessoas, permitin-

cada um? Prevenção será sempre a palavra de ordem quando se fala de saúde! No caso par-

dos seus profissionais qualificados, Ortop- Estamos na criação de par PREMIUM TORIC empenhados - SET

www.ophtec.com

do-lhes realizar atividades que julgavam

mite detetar situações de presunção de patologia oftálmica, com posterior refe-

Sendo a Ophtec uma empresa ativa na

renciação hospitalar correta e atempada,

inovação e na qualidade, no que respeita

para observação pela especialidade.

à vertente da investigação, quais os no-

Também na idade adulta são importantes

vos produtos em estudo?

os rastreios visuais, pois existem uma sé-

A Ophtec tem em mãos diversos projetos,

rie de doenças sistémicas como por exem-

3 dos quais em fase de finalização, que

impossíveis de executar.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 31


O PH TEC Intraocular Lenses ••• Re f r a c t iv e S u r g e r y

> Unique Iris Fix Concept > Long Clinical Experience ••• C a t a r a c t S u r g e r y

> Micro Incision Surgery > Unique Toric IOL Surfaces ••• Tr a um a S ur g e r y

> Unique Solutions > Patient Design

www.ophtec.com OPHTEC BV Schweitzerlaan 15, 9728 NR Groningen The Netherlands T: +31 50 525 1944 ••• F: +31 50 525 4386 ••• E: info@ophtec.com

Portugal em Destaque - Edição 1  
Portugal em Destaque - Edição 1  
Advertisement