Page 1


2 | PORTUGAL EM DESTAQUE


ÍNDICE

MUNICÍPIO DE GUIMARÃES PAG 4

MUNICÍPIO DO PORTO PAG 37

AÇORES PAG 65

EDITORIAL A DESTACAR UM PAÍS DE MÉRITO Portugal continua a ser motivo de orgulho, até porque é também sinónimo de sucesso, inovação, mestria e empenho. Perante tal, temos como nossa missão continuar a ser trazer até si o que de melhor se faz por cá, aquilo que realmente merece Destaque. De norte a sul de Portugal, desta feita com uma passagem pelo arquipélago dos Açores, esta primeira edição de 2016 da sua revista Portugal em Destaque continua a retratar exemplos de triunfo, que têm vingado no mundo empresarial apesar de todas as contrariedades que, por vezes, têm atravessado. Continuamos a transportar o galardão de excelência em todas as áreas que versamos. Percorra um Portugal através das nossas páginas. Boas leituras. A direção editorial Diana Ferreira

FICHA TÉCNICA | PROPRIEDADE: FRASES CÉLEBRES, LDA | DIRETOR: FERNANDO SILVA DIREÇÃO EDITORIAL: DIANA FERREIRA (DIANA.FERREIRA@PORTUGALEMDESTAQUE.PT) | CORPO REDATORIAL: ANA SILVA, KATHLEEN ARAÚJO, LILIANA CLARO, MARTA TEIXEIRA, SANDRA SILVA, SÍLVIA PINTO CORREIA | DIREÇÃO GRÁFICA: TIAGO RODRIGUES | SECRETARIADO: PAULA ASSUNÇÃO (GERAL@PORTUGALEMDESTAQUE.PT) | DEP. COMERCIAL: JOSÉ VARELA, LUÍS BRANCO, MANUELA NOGUEIRA, MARÍLIA FREIRE, NÉLSON FARIA, PEDRO DUARTE (COMERCIAL@PORTUGALEMDESTAQUE.PT) | REDAÇÃO E PUBLICIDADE: RUA ENGº ADELINO AMARO DA COSTA Nº15, 6ºANDAR, SALA 6.1 4400-134 – MAFAMUDE / +351 223 263 024 | DISTRIBUIÇÃO: DISTRIBUIÇÃO GRATUÍTA COM O JORNAL EXPRESSO / DEC. REGULAMENTAR 8-99/9-6 ARTIGO 12 N.ID | NÚMERO DE REGISTO NA ERC: 126615 | PERIODICIDADE: MENSAL | EDIÇÃO DE JANEIRO ESTATUTO EDITORIAL: A Portugal em Destaque é uma edição mensal que se dedica à publicação de artigos que demonstram a realidade do país | A Portugal em Destaque é uma edição independente, sem qualquer dependência de natureza política, ideológica e económica | A Portugal em Destaque define as suas prioridades informativas por critérios de interesse às empresas nacionais, de relevância e de utilidade da informação | A Portugal em Destaque rege-se por critérios de rigor, isenção, honestidade e idoneidade | A Portugal em Destaque faz distinção entre os seus artigos de opinião, identificando claramente os mesmos e estes não podem confundir-se com a matéria informativa.


GUIMARÃES O BERÇO DE PORTUGAL Guimarães apresenta-se hoje como uma das mais importantes cidades históricas de Portugal, sendo o seu centro histórico considerado Património Cultural da Humanidade, o que a torna decisivamente um dos maiores marcos turísticos da região norte. Note-se que ao entrar nesta cidade, as suas ruas e monumentos respiram história e encantam quem a visita, a aliança entre o seu percurso e consequente manutenção do património com o dinamismo e empreendedorismo, assegura um local de eleição para os demais turistas. Nomeada como a Capital Europeia da Cultura em 2012, fatores que levaram Guimarães a ser eleita pelo New York Times como um dos 41 locais a visitar em 2011 e a considerá-la um dos emergentes pontos culturais da Península Ibérica. Em 2013, foi ainda Cidade Europeia do Desporto (CED). Guimarães é ainda muitas vezes chamada como a “Cidade Berço”, devido ao facto de ali ter sido estabelecido o centro administrativo do Condado Portucalense por D. Henrique e por seu filho D. Afonso Henriques poder ter nascido nesta cidade, e fundamentalmente pela importância histórica que a Batalha de São Mamede, travada na periferia da cidade em 24 de Junho de 1128, teve para a formação da nacionalidade.

4 | PORTUGAL EM DESTAQUE


VILARTEX

MALHAS DE QUALIDADE E INOVAÇÃO CARLOS PINTO

Líder no fabrico de malhas circulares, a Vilartex, localizada em Corvite – Guimarães, faz hoje parte das mil maiores empresas portuguesas, tendo como core business a produção e comercialização de malhas para vestuário.

Foi em 1978 que o fundador Carlos Pinto e um sócio deram vida à empresa que hoje se denomina por Vilartex. Na altura ainda a trabalhar num Banco, o atual administrador conta-nos que abandonou o trabalho para gerir a empresa e no início começou num discreto salão com apenas dois teares. Atualmente com uma área total de 30.000m2, com 82 teares circulares, a empresa tem capacidade para produzir 30 toneladas de malha por dia. Carlos Pinto comanda hoje o ‘barco’ com os seus três filhos, que dão uma alavancagem ao negócio com a sua garra e o seu knowhow. Equipa perfeita na gestão e dinâmica que faz com que a Vilartex se afirme numa posição consolidada no mercado. O percurso desta firma ditou-se promissor, tendo sempre um crescimento gradual, conta presentemente com 115 colaboradores, devidamente especializados, que são uma peça essencial para sucesso da mesma. À medida que os anos foram passando, a Vilartex foi evoluindo no que diz respeito aos equipamentos de produção, nomeadamente os teares, e daí nasceu também a necessidade de criar mais um armazém novo destinado exclusivamente ao armazenamento de fios. E porque o tempo é precioso, esta empresa vimaranense tem PORTUGAL EM DESTAQUE | 5


apostado nos últimos anos nos mercados internacionais, sendo que toda a sua “produção é direcionada diretamente e indiretamente para a exportação” explica o fundador. Ora, se por um lado a Vilartex vende o seu produto a confeções que por sua vez exportam, por outro está cada vez mais a exportar diretamente para países europeus “achamos que isso é importante e fazemos questão de marcar presença em todas as Feiras internacionais do setor têxtil como a London Textile Fair, Munich Fabric Start, Milano Única e Première Vision” revela Carlos Pinto, tendo inclusive criado um departamento específico para dirigir esta área. Numa área onde o rigor é quem mais comanda e que exige ‘tudo para ontem’ é de ressaltar a dimensão, a quantidade e a qualidade da presença portuguesa nas Feiras de renome, onde estão presentes os grandes ‘players’ do mercado o que, por sua vez, traduz a importância que o setor têxtil português tem no panorama mundial. Importa ainda referir que na Vilartex encontramos todo o tipo de malhas, e de acordo com o administrador Carlos Pinto, o segredo está em saber qual a finalidade da mesma, sejam malhas destinadas a vestidos, saias, casacos, camisolas, “vamos às Feiras têxteis mundiais, levamos as nossas melhores coleções e as marcas encomendam a malha que pretendem” clarifica. Neste contexto, torna-se fundamental que a Vilartex se modernize em termos de fios e malhas que vão surgindo no mercado. É a partir daqui que os administradores conseguem ganhar mais escala. Ainda sobre esta matéria, é importante frisar que a Vilartex tem capacidade para produzir todo o tipo de malhas e suas variantes: Jersey, Rib, Interlock, Felpas, Duplas Face, Neoprene, Riscas, Riscadores, Piquet, Jacquard, Rib Jacquard, entre outras. Neste sentido, na área produtiva os teares circulares vão desde o jogo 6 ao jogo 36. Garantia de qualidade Não é por acaso que todos os anos a Vilartex define grandes investimentos para as máquinas de produção, umas inovadoras, outras para substituir antigas, que acabam por garantir mais eficácia em termos de tecnologia e produção. Esta é a forma que Carlos Pinto encontra para manter a empresa sempre na vanguarda “o que é preciso é estarmos sempre atentos aos mercados porque hoje temos uma série de exigências acrescidas” realça o nosso interlocutor. Exigências essas que passam pela obrigatoriedade de certificações no que concerne ao ambiente, à qualidade, à higiene e segurança no trabalho, aos próprios fios, entre outras. Neste aspeto, a Vilartex orgulha-se de ser uma empresa altamente certificada. “Hoje as empresas têm custos adicionais que antigamente não existiam, com uma consequência: as margens são cada vez mais curtas” salienta Carlos Pinto, que sublinha o facto de que os empresários inseridos na confeção têxtil não têm a vida facilitada. Ressalve-se que a Vilartex também detém uma marca registada intitulada de Skin4You – em português literal «uma pele para si». Assim, a Skin4You é a marca que se direciona para as malhas técnicas que conferem performance e mais conforto ao consumidor na prática diária de desporto. Rapidez de trabalho Hoje em dia, é sabido que não há prazos neste ramo de atividade, sendo que quando chega uma encomenda esta tem que estar pronta quase em tempo record. Outro aspeto relevante a mencionar é que a Vilartex funciona muito com amostras, “porque a maior parte dos clientes solicita amostras, e isso exige da nossa parte um esforço redobrado e obriga a uma dinâmica muito forte em termos produtivos” enfatiza Carlos Pinto. 6 | PORTUGAL EM DESTAQUE


Na ótica do nosso entrevistado, quem está à frente de uma empresa têxtil, tem obrigatoriamente de estar constantemente disponível para trabalhar em horários que fogem à regra normal de trabalho. Mas por detrás da qualidade e rapidez no trabalho de produção, está uma equipa de 115 colaboradores que Carlos Pinto descreve como “fabulosa”, estando distribuída nas áreas de venda, planeamento, exportação, laboratório, armazém de fios, armazém de malhas, motoristas, “e que para mim é uma equipa competente e dedicada a 100 por cento, porque aqui as pessoas têm que ser empenhadas” ressalva o fundador. Neste inigualável percurso, os profissionais que vestem a camisola da Vilartex foram adquirindo todo o manancial de conhecimentos e experiências que faz da empresa um referencial no setor onde intervem. A par disso, o investimento na inovação dos produtos, serviços e gestão de negócios pode resultar em ganhos elevados na rentabilidade de uma empresa. O crescimento significativo nos lucros só acontecerá com a apresentação de produtos e serviços novos e interessantes aos clientes. Estes estão sempre abertos a produtos novos, úteis e com boa apresentação estando dispostos a pagar preços mais elevados por estes. Desafios da têxtil Na ótica do administrador criou-se um mito de que as fábricas têxteis são algo assombroso e hoje em dia é muito difícil encontrar costureiras para vir trabalhar “para além disso, considero que há escassez de cursos de formação na área têxtil e isso dificulta ainda mais arranjarmos mão-de-obra” esclarece Carlos Pinto, afirmando que era interessante aliar a formação à prática, ou que se estabelecesse uma espécie de intercâmbio entre universidades e PORTUGAL EM DESTAQUE | 7


empresas. Importa salientar que a indústria Têxtil e de Vestuário é uma das mais importantes indústrias para a economia portuguesa. Hoje representa 10 por cento do total das Exportações portuguesas, 19 por cento do Emprego da Indústria Transformadora, 8 por cento do Volume de Negócios da Indústria Transformadora e 8% da Produção da Indústria Transformadora. Portugal tem cerca de 6 mil sociedades laborando em todos os sub-setores da indústria têxtil e do vestuário, algumas das quais são unidades verticais, embora na sua maioria sejam pequenas e médias empresas, todas bem conhecidas pela sua flexibilidade e resposta rápida, know-how e inovação. Localizam-se maioritariamente no Norte de Portugal (Porto, Braga, Guimarães, Fafe, Barcelos e Famalicão), mas também se encontram algumas em Covilhã (Leste de Portugal) dedicadas aos produtos de lã. Bons ventos para o negócio Neste ramo, de fabrico de malhas, a Vilartex é uma das maiores empresas em volume de vendas. Fazendo um balanço, Carlos Pinto refere que em 2015 as previsões superaram as expectativas não só quanto ao crescimento em termos de vendas, como nos investimentos que incluíram novas instalações, máquinas, viaturas, sistemas informáticos mais eficazes e também na área ambiental, nomeadamente, em painéis solares. Espera-se, nas palavras do administrador, que em 2016 a Vilartex consiga potenciar a sua área de exportação e as Feiras internacionais, “temos uma carteira de bons clientes e para este ano contamos manter o mesmo nível de vendas que o ano passado, que rondou os 27 milhões, e também andamos a planear mais investimento em teares que permitam maior capacidade de resposta” sublinha Carlos Pinto. De resto, afirma que estarão atentos às tendências e às tecnologias inerentes ao setor das malhas.

8 | PORTUGAL EM DESTAQUE


20 ANOS DE EXPERIÊNCIA PARA UM FUTURO SEM LIMITE! DIPE MEDIAÇÃO IMOBILIÁRIA EQUIPA DIPE

Em Guimarães, a DIPE mediação imobiliária nasceu com a missão de prestar um serviço de excelência no mercado imobiliário. Com uma equipa de profissionais altamente qualificados oriundos de diversas áreas, desde a Arquitetura, Design de Interiores, Avaliação, Gestão à Comunicação e Marketing, e com uma profunda experiência de mais de 20 anos no mercado imobiliário. Todo este ‘know-how’ permite prestar um serviço altamente personalizado e transversal acompanhando e orientando o cliente através de cada etapa, desenvolvendo soluções de forma transparente e segura e oferecendo um serviço de consultoria que se prolonga para além da conclusão do negócio. “Temos um profundo conhecimento do mercado imobiliário, e a mais completa informação sobre financiamentos, disponibilizando aos nossos clientes todas as vantagens conseguidas através de parcerias com várias instituições bancárias e financeiras, tendo em carteira imóveis aos melhores preços e com as melhores condições de financiamento sempre com o total acompanhamento e orientação dos nossos profissionais”.

WWW.DIPE.PT Alameda de S.Dâmaso, S.Franciso Cento, Loja 12 4810-286 Guimarães TELEFONE: 253 089 932 E-MAIL: imobiliaria@dipe.pt PORTUGAL EM DESTAQUE | 9


INOVAÇÃO E RIGOR NA VANGUARDA DO SETOR DA CONSTRUÇÃO Eduardo Costa & Irmão, Lda, é uma empresa familiar, criada em 2000 por Eduardo da Silva Costa e João da Silva Costa, dois irmãos, que estiveram emigrados no Mónaco, onde ainda tem família, com ligações ao setor da construção civil. Entretanto, regressaram a Portugal e começaram a fazer algumas pequenas obras, desenvolvendo em simultâneo alguns negócios imobiliários.

EDUARDO COSTA & IRMÃO, LDA

Luís Macedo, engenheiro e sócio da Eduardo Costa & Irmão, Lda, labora nesta empresa desde 2008 e refere que “Não somos só uma empresa, somos um grupo de empresas” e quando apostaram na promoção imobiliária, principalmente de moradias, “o negócio começou a expandir”. Com o crescimento da Eduardo Costa & Irmão, já se desenvolveram também algumas áreas dentro da própria empresa. No começo “era só construção pura e dura e hoje já conseguimos controlar todo o processo, desde a construção, projetos e gestão de todos os processos dentro da própria empresa”. Luís Macedo acrescenta ainda que “este é então o caminho que pretendemos seguir”. A Eduardo Costa & Irmão é a empresa mãe, e o objetivo desta empresa é o desenvolvimento de projetos e a sua construção. Depois dentro deste grupo existe a Imotaipas Sociedade de Construções Lda, JEM Empreendimentos Imobiliários Lda, a Mosaico Urbano Imobiliária Lda, a Sociponte e a Expertdimension, sendo que, “o que muda são as sociedades, pois há sempre sócios em comum”. Estas empresas referem-se todas a promoção imobiliária, compra, venda e também transformação de imóveis. Luís Macedo expôs ainda como é gerido todo o procedimento feito pela Eduardo Costa & Irmão, enunciando que, “como em qualquer outro negócio tentamos sempre que o cliente seja servido da melhor forma, apresentando soluções e acompanhado o processo desde a aquisição de um terreno, até a emissão da licença de utilização e devidas participações às entidades, finanças e registo”. A grande vantagem que a Eduardo Costa & Irmão tem, “é que ao controlarmos todo o processo não podem haver derrapagens, uma vez que todos os erros e omissões de projeto terão que ser assumidos em orçamento e construção, apesar de o processo de construção

10 | PORTUGAL EM DESTAQUE

LUÍS MACEDO

ser longo, (uma moradia leva aproximadamente dois anos), deve ser controlado desde a aquisição do terreno ”, sendo que o que contribui para essa capacidade é o know-how desta empresa referente ao nível de construção, trabalhando sobretudo com uma carteira de clientes da gama média-alta. Moradias unifamiliares e pavilhões para empresas constituem 60 por cento do trabalho desta empresa, sendo que o objetivo principal é o de fidelizar o cliente, “respondendo a todo o tipo de solicitações. Temos equipamento para sermos autónomos e rápidos na resposta”. Luís Macedo refere ainda que: “a promoção imobiliária deu-nos uma abertura para lidarmos com vários gabinetes de arquitetos, porque, enquanto promotores imobiliários somos clientes conhecendo então qual a visão de cada um e fazemos parcerias com eles de acordo com o projeto que o cliente deseja”. O método do Eduardo Costa & Irmão é personalizado em relação às necessidades de cada cliente. Guimarães é a zona de maior concentração de mercado e, para além disso, esta empresa de construção possui investimentos na Póvoa de Varzim, “porque achamos que é um mercado de qualidade e poderá, também, trazer novos clientes”. Quanto ao futuro, Luís Macedo revela que “a empresa pretende otimizar os processos desenvolvidos. Consideramos que a estratégia adotada é a que melhor serve a forma como encaramos este negócio.” A Eduardo Costa e Irmão quer ainda consolidar a estratégia que montou ao longo destes 15 anos de presença no mercado e, a longo prazo, “apesar de algumas ligações com investidores que estão a desenvolver trabalhos noutros mercados, consideramos que a curto prazo a empresa desenvolverá trabalhos no mercados anteriormente referidos, quanto ao futuro, logo analisaremos…”, finaliza Luís Macedo.


SÍMBOLO DA TÊXTIL MUNDIALMENTE A Lemar é uma empresa têxtil portuguesa com quase 80 anos, fundada em 1939 em Guimarães (área têxtil no norte de Portugal) por Leandro Magalhães de Araújo, avô da atual CEO, Manuela Araújo.

LEMAR

Inicialmente, a Lemar dedicava-se à produção de tecido para as ex-colónias portuguesas em África. Três décadas depois, em 1969 e pela mão de Américo Salgado Araújo, pai de Manuela Araújo, a Lemar levou a cabo uma reestruturação, adquirindo os primeiros teares a jato de água no país e focada para a produção de tecidos para vestuário. Hoje é a sua filha Manuela Araújo que por sua vez tem dois filhos – Armindo Araújo e Alfredo Araújo, representando já a quarta geração, que lideram a empresa, com um espírito de inovação e criatividade. Laborando com teares de água e ar, a Lemar garante a sua qualidade usando apenas fios certificados na vasta gama de tecidos que produz, em várias composições: tecidos tingidos e com fios tintos, riscas, estampados, vichys, estruturados, thermo colagens, acabamentos especiais direcionados para variados fins: desporto ativo, banho e casual, tecidos técnicos para polícia, exército, motas, vestuário de trabalho e uniformes, sacos e malas, tecidos especiais para carrinhos e cadeiras de bébé.

A sua capacidade destina-se essencialmente a mercados externos – quase toda a Europa, Norte de África, Extremos Oriente, USA, trabalhando com marcas de renome como: Vilebrequin, Louis Vuitton, Façonnable, Hugo Boss, Lora Piana, La Perla, Benetton, Chicco, Harmont & Blaine, John Lewis, Orlebar Brown, Zara. Para a promoção dos tecidos, a Lemar apresenta as suas coleções primavera/verão e outono/inverno nas seguintes feiras têxteis: Maredimoda (Cannes – França); Premiere Vision Preview New York (EUA); London Textile Fair (Reino Unido); Munich Fabric Start (Alemanha); Milano Unica, (Itália); Premiere Vision Istambul (Turquia), Jitac European Textile Fair (Japão); Intertextile Shanghai Apparel (China); A+A Dusseldorf (Alemanha); Modtissimo (Portugal). A Lemar é certificada com Okotex Standard 100 Class I e II e também para uso de Coolmax, Cordura, Lycra, Tactel e Supplex (by Invista); Meryl (by Nylstar); Breeze, Heat, Bodyfresh, Ecocare, Aquarius (by Nilit).

WWW.LEMAR.PT Rua de Moura - Apart. 3032 4811-909 Pevidem TELEFONE: 253 539 740 E-MAIL: lemar@lemar.pt PORTUGAL EM DESTAQUE | 11


EMPRESA DE SUCESSO NA ÁREA DA FABRICAÇÃO DE TÊXTEIS A Olga, Ferreira & Martins, Lda foi criada em 1998 em Pevidem, uma vila que corresponde territorialmente à freguesia de São Jorge de Selho, no município de Guimarães, meio ano depois destes dois sócios se terem tornado parceiros maritalmente.

OLGA, FERREIRA & MARTINS, LDA

Tanto Olga Ferreira como João Martins já estavam ligados ao ramo dos têxteis lar pois Olga Ferreira “já tinha sido costureira e eu já percebia de confeção de tecidos” indica João Martins. Sendo que os dois elementos da gerência se decidiram aventurar no mercado da fabricação de artigos têxteis enquanto empresários. No primeiro ano de existência da empresa, a Olga, Ferreira & Martins, Lda só utilizava uma “máquina de corta e cose e uma máquina de ponto corrido” e só tinham duas funcionárias a tempo inteiro. A empresa inicialmente tinha somente uma área coberta de 40 m2 e a partir de 1999 “quando a empresa começou a crescer”, a Olga, Ferreira & Martins, Lda “passou para um salão de 90m2 e aí já aumentamos o número de colaboradores para sete funcionários”. Em 2001, ano em que se deu o “boom” para a Olga, Ferreira & Martins, Lda, os dois sócios investiram em novas máquinas e a empresa cresceu para um espaço de 300 m2 com 16 funcionários na integra e mantiveram-se neste espaço até 2011, mas em 2009 decidiram investir num espaço de 1000 m2 já com 30 funcionários e cerca de 90 máquinas, espaço este, que futuramente receberá um aumento entre os 500 a 1000 m2, ampliando consequentemente o número total de funcionários desta casa. Aposta na formação Olga Ferreira e João Martins apostam muito na formação dos seus funcionários, sendo que cada vez que recebem uma máquina nova, Olga Ferreira é a primeira a testar e a “aprender como é que esta funciona para que depois dê a formação aos seus colaboradores”, sendo este um dos fatores que distingue esta empresa, pois os dois empresários colocam-se sempre “na linha da frente” querendo estar sempre a par de todos os processos que compõem o bom funcionamento desta empresa de confeção. João Martins e Olga Ferreira investem também em novas maquinarias para que todos os artigos confecionados nesta empre12 | PORTUGAL EM DESTAQUE

JOÃO MARTINS E OLGA FERREIRA sa tenham cada vez mais qualidade. É de referir também que esta empresa investe nestas tecnologias sempre com capitais próprios, não precisando de usufruir de ajudas do Estado. “Tenho a tecnologia mais avançada que existe a nível de confeção, andamos sempre a par com as novidades da atualidade para estarmos cada vez mais presentes no mercado e sermos sempre mais competitivos”, salienta João Martins. Balanço “extremamente positivo” Segundo João Martins, o balanço que faz destes 17 anos de presença no mercado tem sido “extremamente positivo”, cumprindo sempre estes quatro requisitos: “o profissionalismo, o prazo de entrega, a qualidade e a apresentação de inovação em todos os artigos confecionados”. A gama de têxteis lar confecionada nesta empresa vai desde o “produto mais simples ao mais complexo”, fabricando roupa de banho, roupa de mesa, roupa de cama, colchas e mantas acolchoadas. A Olga, Ferreira & Martins, Lda é muito rigorosa no trabalho que faz e na apresentação do artigo ao cliente final, estando a qualidade das confeções sempre à altura da exigência e satisfação do cliente. Desde que a empresa recebe a encomenda, que é a peça à unidade que já vem cortada de origem, a encomenda sai desta empresa ajustada, confecionada e embalada, ficando já pronta a entrar nos contentores e seguir viagem até ao seu destino final. “As encomendas chegam-nos em rolo, peça a peça, e sai pronta a enviar ao cliente”, referem os sócios Olga Ferreira e João Martins.


Próximos passos O futuro da Olga, Ferreira & Martins, Lda, perspetiva-se que seja risonho, tendo em linha de conta que irão aumentar as suas instalações e o número de colaboradores. No entanto, Olga Ferreira continua a frisar que “esperam ainda angariar mais clientes” e que a empresa que “ergueram do nada, continue a crescer sempre sustentadamente”, finaliza João Martins.

“Trabalhamos para uma das melhores empresas do mundo têxtil que é a Lameirinho, crescemos muito graças a eles e também possuímos um certificado de cliente da Lameirinho” e maior parte dos artigos confecionados na Olga, Ferreira & Martins, Lda são para essa empresa de renome. Importa ainda referir que a Lameirinho vende nos cinco continentes, fazendo uma aposta intensa no design e na inovação, tendo uma capacidade produtiva de cerca de 12,5 milhões de peças anuais atualmente. Os valores desta empresa assentam na integridade, qualidade, excelência, inovação, design, confiança e confidencialidade.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 13


CRESCEMOS CONSOANTE AS NECESSIDADES DO CLIENTE Direcionada para a área têxtil, a Borpedros marca presença em Guimarães desde 2002, momento em que o seu proprietário, Pedro Teixeira, após longos anos de formação e experiência na área, conseguiu fazer vencer este anseio de criar uma empresa por conta própria. “Após duas tentativas falhadas, surgiu esta terceira em que fiquei com uma antiga empresa com apenas duas máquinas e três funcionários, o bastante para iniciar-me no negócio e para conseguir alguma evolução nos primeiros tempos que são sempre os mais difíceis”.

BORPEDROS

Costuma-se dizer que à terceira é de vez e assim foi. A Borpedros desde 2002 que se aprimorou na área dos bordados, onde tentou sempre dar resposta às diversas necessidades dos seus clientes e que por isso, a pouco e pouco conseguiu colocar ao dispor do cliente toda a diversificação nesta área. De bordado com cordão, passando pela lantejoula até à ponte laser ou laser, nesta empresa vimaranense pode encontrar uma variedade imensa e apenas necessita de deixar a sua encomenda nas mãos destes campeões. Campeões sim, pois estes entendidos já andaram na corrida ao título nos emblemas que os jogadores dos três grandes clubes nacionais carregaram ao peito, e desta feita, tornaram-se na única empresa do ramo licenciada para o fornecimento de bordados. “Trabalhamos o merchandising do FC Porto, Sporting CP e SL Benfica para os quais fazíamos os emblemas e para o clube da Invicta também fomos responsáveis por uma coleção de roupa de bebé, t-shirts de senhora e criança mas como temos uma empresa direcionada para encomendas para trabalhar em série e com números elevados, colocamos esta área um pouco de lado pois eram encomendas de cerca de uma centena e assim certamente não daríamos a melhor resposta a este serviço”, explicou o proprietário da Borpedros. A forte aposta na sublimação, transferes e confeção Há 13 anos não era de prever o enorme sucesso dos dias de hoje, muito menos o avançar da tecnologia no setor que permitia fazer um trabalho mais rigoroso, ágil e célere. Pedro Teixeira, alérgico à estagnação, depois de implementar os mais diversos tipos de bordados passou para os transferes/apliques e atualmente executa trabalhos de aplicação de pedras e transferes nos mais variados tecidos. Os transferes de impressão e corte sistema são muito utilizados na área da publicidade, pois para uma impressão urgente de pequenas quantidades com um número 14 | PORTUGAL EM DESTAQUE

PEDRO TEIXEIRA


elevado de cores, este sistema evita a abertura dos quadros necessários na estamparia tradicional. Nesta empresa também é possível colocar transferes de cristais e tachas que trazem uma mais valia à peça. As novas tecnologias têm sido uma constante e esta é a verdadeira prova de que parar é morrer, pois o proprietário da Borpedros refere que é graças à constante inovação que a empresa “conseguiu manter-se firme nos anos de maior crise”. Desengane-se quem achava que este desafio de estar na linha da frente tinha ficado por aqui. Construir um espaço inteiramente dedicado à confeção foi o passo seguinte e aqui encontram-se todo o tipo de artigos sportswear, homewear, streetwear e fashionwear para homem, senhora e criança. Preparados para as mais diversas construções, composições e matérias primas a Borpedros tem também aqui as mais diversas e avançadas técnicas de acabamentos e disponibiliza apoio e esclarecimento de dúvidas ao seu cliente desde o momento em que existe uma primeira abordagem até o pós venda. Desta feita, a parada subiu e no ano passado, entre um novo pavilhão e maquinaria, o investimento foi de 800 mil euros na área da sublimação. “Começamos a nossa aposta na sublimação há quatro anos, momento em que a concorrência era praticamente nula mas com a minha ida a feiras internacionais percebi quais as necessidades do mercado. Nesse momento adquiri uma máquina que produzia 30 metros quadrados/hora e atualmente estamos a trabalhar com maquinaria que produz 150 metros quadrados/hora, tendo em conta que a concorrência também anda atenta às novas tecnologias e também tem feito apostas nesta área”, explica Pedro Teixeira. Implementada numa área com mais de 1800 metros quadrados, a Borpedros garante que respeita a concorrência e que esta competição também é responsável pelo seus progresso. “A concorrência é interessante. Obriga-nos a andar para a frente, a procurar novos mercados, a incrementar mais qualidade, a sermos céleres na

produção e a tentarmos fazer tudo isto com os custos mais reduzidos”, diz o proprietário. Os clientes estrangeiros representam uma pequena fatia, cerca de 15 por cento, mas os nacionais são todos exportadores, logo a empresa de Guimarães vai além fronteiras e espalha a sua qualidade por países como Espanha, Polonia, França, Alemanha e Inglaterra para marcas bem conhecidas do grande público como é o caso da Inditex ou Mango. Debatendo-se acerca da questão qualidade preço e o que prevalece, Pedro Teixeira, não tem dúvidas que trabalha para um público muito exigente que sobrepõe a qualidade ao preço e clarifica que “em Portugal prevalece a qualidade, a perfeição. Somos testados ao máximo, temos um encargo que são as certificações internas das empresas com as quais trabalhamos. São-nos atribuídas elevadas exigências de qualidade, analisam as substancias tóxicas, o controlo é deveres rigoroso e tudo isto até me faz questionar se a concorrência, por vezes, não será desleal sendo que adquirem outro tipo de materiais de países como é o caso de Marrocos, Turquia, Bangladesh, onde não tenho a certeza se existirá este rigor”. No seguimento da sua política empreendedora, a Borpedros garante que não é fácil estar constantemente a investir mas que estão sempre atentos ao feedback dos que os rodeiam, percebem as necessidades e que “crescemos consoante as necessidades do cliente”. Com 35 funcionários a vestir a camisola da empresa, esta empresa nortenha onde o produto já sai pronto a 80% da maquinaria, não desconsidera a possibilidade de vir a admitir mais colaboradores no futuro se a conjetura assim o permitir e desvenda que já estão em estudo duas novas técnicas nas áreas da impressão ou da estampagem, que tal como todo o historial da empresa, se iniciarão consoante as necessidades do seu público-alvo.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 15


DA FAMÍLIA PARA O MUNDO Abílio Almeida de Sousa, a trabalhar no têxtil desde os 13 anos de idade, foi o responsável pelo nascimento da FORLAR, no concelho de Guimarães há mais de 25 anos, altura em que talvez a força de vontade fosse o maior indicador em como esta empresa iria chegar à idade adulta cheia de saúde.

FORLAR

Nos primeiros anos, começaram a ser produzidos artigos para o lar para exportação, algo típico nesta zona, contudo, sempre atento às necessidades do mercado, no início da década de 90, o proprietário decidiu apostar em especializar-se no segmento têxtil de hotelaria. Há onze anos, Adriana Sousa seguiu as pisadas do seu pai, inicialmente para a realização de um estágio na sua área de estudos - comunicação e marketing, mas acabou por se render e ficar apaixonada por esta empresa que conta com 30 colaboradores e que funciona como uma verdadeira equipa. “Desde sempre admirei a forma como o meu pai se dedicava a este projeto, a esta empresa, e ganhei consciência dos sacrifícios necessários em prol de um trabalho em equipa e do crescimento da empresa. Equipa essa à qual quando é requisitado um esforço maior, estão sempre prontos”, explica Adriana Sousa, orgulhosa dos que têm caminhado ao seu lado rumo ao sucesso desta instituição. Esta têxtil vimaranense produz toda a linha de cama, banho e mesa para hotelaria, restauração e spas, sendo que, têm trabalhado para vários segmentos como lavandarias industriais, bares, discotecas, ginásios, casas de misericórdia e residências seniores. Tem a particularidade de personalizar os artigos com os logotipos dos clientes através de bordados, Jacquard, entre outros. Associada à hotelaria está um tratamento mais intensivo dos artigos, devido a um maior número de lavagens e em condições mais agressivas, consciente da particularidade deste setor, a FORLAR nunca descura dos “imensos cuidados no controle de matéria-prima, nos acabamentos, bem como na confeção dos artigos. Existe uma necessidade de uma qualidade e cuidado especial para os artigos que se destinam ao uso da hotelaria e restauração. O cliente é também um comprador exigente e informado”, explica Adriana Sousa. A fidelizar clientes desde a abertura de portas, quem contacta com a FORLAR não a troca. “Temos clientes que já nos confidenciaram que a concorrência lhes foi bater à porta, e até com preços mais acessíveis, mas que disseram que não nos trocavam”, consciente da concorrência agressiva, e que há sempre quem apresente preços baixos, “apostamos num acompanhamento profissional e personalizado para todos os que nos contactam, conscientes da responsabilidade do produto que estamos a vender e do serviço que 16 | PORTUGAL EM DESTAQUE

EQUIPA FOR

estamos a prestar”. Se acredita que a crise não afetou esta casa, desengane-se. “Tal como qualquer outra empresa, a crise fez-nos frente mas fomos sempre muito cautelosos nas nossas contas, éramos uma empresa saudável, tínhamos bons clientes, não podíamos deixar que um fator externo, um fator da nossa economia acabasse com o nosso projeto”, esclarece Adriana Sousa que acredita que o facto de muitas outras empresas terem fechado também favoreceu a FORLAR. Produção Nacional Com um reconhecimento monstruoso, nomeadamente no mercado nacional, esta empresa nortenha foi pioneira nos têxteis para hotelaria. “Concentramos a nossa confeção dento de portas, certificamo-nos de toda a qualidade dos nossos produtos, somos exímios no que toca ao apoio ao cliente. Ao contrário de alguma concorrência que importa artigos previamente confecionados e que apenas são detentoras de um armazém e de escritórios que tratam do envio dos produtos, nós acarretamos com todos os custos inerentes ao que é ter uma estrutura produtiva e colaboradores permanentes”, frisa a responsável desta empresa que tem uma quantidade residual de reclamações. Preço vs qualidade Fruto do rigor, empenho, audácia e pesquisa acerca daquelas que seriam as grandes necessidades dos clientes, a faturação da FORLAR cresceu em 40 por cento nos últimos dois anos, muito devido à forte aposta no mercado espanhol onde a procura de uma elevada qualidade do produto prevalece. Se em Portugal a crise e a própria mentalidade nacional sugere a que não só os particulares como as empresas, neste caso mais concreto, a hotelaria, busque um preço mais apelativo, e este fator ainda seja predominante no ato da compra, a vizinha


Espanha surpreende e tem hotéis de luxo a encomendar toda uma gama de artigos em linho. A gerência desta empresa que salienta “apostamos muito na criação de uma coleção de linhos, algo ao qual fugíamos no passado, pois os preços saiam do orçamentos dos hotéis nacionais com os quais maioritariamente trabalhávamos. Em Portugal não há mercado para estes produtos com preços tão elevados. Felizmente, em Espanha há uma procura muito elevada e uma grande valorização do linho, bem como de artigos em 100 por cento algodão de elevada qualidade. Especializamo-nos e refinamos as nossas gamas de artigo premium e conseguimos vender produtos com preços superiores com valor acrescentado através de personalizações, o que também acaba por estar associado ao aumento da nossa faturação. Apostando neste segmento e gama alta de artigos, acabamos por destronar alguma concorrência, pois não é fácil trabalhar esta linha apenas importando artigos já acabados provenientes da Ásia”. Estagnar não é opção Desvendamos um pouco daquilo que a FORLAR pretende para os próximos tempos e foi-nos segredado que se planeia a criação de mais um piso na área produtiva, para que seja dada uma resposta ainda mais célere e para que o serviço ainda seja melhor do que o excelente que tem vindo a ser praticado até aos dias de hoje. Da mesma forma, melhorar estruturas socias dos trabalhadores para melhor bem-estar dos mesmos.

RLAR

PORTUGAL EM DESTAQUE | 17


VENHA CONHECER ESTE LOCAL DE SONHO A Quinta Vila Marita está a funcionar há 15 anos, encontrando-se no coração do Minho, entre os concelhos de Braga e Guimarães, mais precisamente na freguesia de Santa Maria do Souto, proporcionando aos seus visitantes uma experiência única, sobretudo, pela bela paisagem. A Revista Portugal em Destaque esteve à conversa com Isabel Marques, responsável pela Quinta Vila Marita.

QUINTA VILA MARITA

A experiência de mais de 30 anos na organização de casamentos, bem como, na área da restauração levaram Isabel Marques a construir o Hotel Vila Marita, um espaço acolhedor onde se realizam vários tipos de eventos. Mais tarde, a nossa entrevistada decidiu adquirir e restaurar todo o espaço circundante. Assim, neste momento, para além da ISABEL MARQUES quinta, fazem parte do grupo Vila Marita, o hotel, com o mesmo nome e ainda um serviço de take-away. O balanço, segundo nos conta Isabel Marques, “é extremamente positivo, pois sempre tive imensa procura”, que se deve, essencialmente, à constante atualização da decoração, reestruturação dos espaços e de todos os pormenores intrínsecos à organização de eventos que, de ano para ano, estão em constante mutação, procurando sempre surpreender quem nos procura. Serviços prestados A Quinta Vila Marita, especializada na organização de matrimónios, conta com uma equipa de colaboradores especializados em hotelaria e resturação. Neste espaço é possível verificar a fusão entre a tradição e a modernidade, proporcionando aos

18 | PORTUGAL EM DESTAQUE

seus clientes e visitantes, um dia agradável, coincidente com as emoções e momentos inesquecíveis vividos e proporcionados por este cenário idílico. Isabel Marques revela que são muitos os eventos organizados na Quinta Vila Marita, “também é possível realizar, neste espaço, festas de batizado, comunhões, congressos, entre outros” e indica que “a equipa, composta por 10 a 30 pessoas, dependendo da época do ano, está preparada para receber os seus clientes com muita simpatia”, refere. Os seus colaboradores estão divididos em áreas distintas, desde a cozinha, decoração, protocolo e serviço de sala. Nos quadros de pessoal conta, igualmente, com um conceituado chef de cozinha, sendo que, todos os eventos realizados na Quinta Vila Marita são preparados e executados por profissionais de excelência, trabalhando ainda em regime de exclusividade com catering próprio, garantindo assim toda a qualidade gastronómica. Ambiente agradável e acolhedor A Quinta Vila Marita conta com um espaço de 50 mil metros quadrados, com uma beleza natural única. O interior é formado por muitos espaços verdes com jardins, cascatas de água, lagos e ainda uma grande diversidade de plantas e flores, onde a tranquilidade está aliada à beleza e comodidade, tudo isto, em perfeita harmonia com o cenário em redor. Graças à sua dimensão, “a Quinta Vila Marita permite receber qualquer tipo de evento, onde o conforto e a simpatia se encontram em perfeita harmonia com a natureza”, tendo ao seu dispor três salões. O salão principal é um espaço amplo que está indicado para receber até cerca de 500 pessoas e os outros dois salões têm capacidade para receber cerca de 70 cada um. Tudo isto conjugado permite que a Quinta Vila Marita seja um espaço de referência “propício à realização de momentos inesquecíveis na vida de quem aqui organiza e usufruiu dos nossos eventos”, destaca a proprietária. No futuro, Isabel Marques deseja continuar a “realizar eventos inesquecíveis, de qualidade, indo de encontro ao que o cliente pretende e idealiza”, conclui.


A VESTIR A SUA MESA DESDE 1911… É Maria José Marques (atual CEO), que juntamente com os seus irmãos traça desde 1996 o rumo da Herdmar. A marca estampada nos talheres atualmente presente às mesas de mais de 65 países, deriva da junção “Herdeiros Marques” e acarreta já um grande património histórico. Nos quadros da empresa laboram já os bisnetos do fundador – Manoel Marques, membros da quarta geração que vê em si depositada confiança para dar continuidade ao projecto iniciado em 1911 “por um homem que não limitava o olhar ao seu campo de visão”. HERDMAR Em retrospetiva, o balanço realizado é muito positivo. A aposta no crescimento é feita de uma forma sustentada “graças sempre também ao esforço dos administradores em todas as gerações”, de investir constantemente em novas tecnologias, em automatismos, não obstante o facto de criar condições que permitam gerar o bem-estar para os 120 colaboradores desta empresa de cutelaria. O seu core business é a produção de talheres de mesa, sendo atualmente a maior empresa a da área com produção na Europa, pois a maioria das marcas europeias optaram por deslocar as suas unidades fabris para os países asiáticos, essencialmente pelo incomparavelmente baixo custo da mão-de-obra. É de forma orgulhosa que Maria José Marques afirma que “a Herdmar é a fábrica de cutelaria mais antiga de Portugal”. Do aço à conceção do talher “Compramos o aço, a matéria-prima dos nossos talheres, na Comunidade Europeia e, compramo-lo em barra redonda para produzir as facas. De seguida a barra é cortada na dimensão necessária a cada modelo, espessura e tamanho, sendo posteriormente estampada usando prensas com mil toneladas para esmagar/prensar o aço para dar a forma da faca, algumas são temperadas para que se possa fazer a lâmina e levar o desenho, depois para finalizar todo este processo, os talheres são polidos”. Os garfos e colheres têm um processo de fabrico idêntico, mas em vez de uma barra redonda, adquirimos uma chapa plana que se compra em bobines com uma tonelada que depois, com tesouras próprias, “cortamos, estampamos e prensamos numa máquina própria que depois lhes dá a forma e o desenho que pretendemos e seguidamente tomamos

Mª JOSÉ MARQUES E A NOVA GERAÇÃO HERDMAR conta dos contornos, como polir e amaciar, cobrimos a superfície e lavamos os talheres”. Sintetizando, para conceber a faca é preciso o dobro das operações que leva para produzir um garfo ou uma colher. “Investimos imenso em inovação” A CEO salienta ainda que “nos últimos anos fomos aumentando a qualidade dos nossos produtos, uma vez que é praticamente impossível competir com os preços asiáticos”, o que por sua vez fez com que a Herdmar repensasse o seu posicionamento, e definisse um novo target, “Apresentando produtos diferenciados para um segmento de qualidade medio-alto a alto”. Refira-se que a Herdmar foi pioneira na produção de talheres com cor, como o preto, cobre ou até mesmo violeta, através da aplicação de uma camada de titânio, bem como na aplicação de cristais Swarovski, opções estas que lhes conferem uma panóplia enorme de opções. Em consonância com um dos valores defendidos, a inovação, estão atualmente a ser ultimados os detalhes de um projecto para apresentar em janeiro de 2016 em Paris, que consiste na produção de talheres com cabo de cortiça, com cabo de POM (resina), e ainda num ‘novo’ acabamento que vem dar um toque ‘vintage’ aos atuais produtos. Este tipo de postura, permite à Herdmar competir com as marcas mais prestigiadas do seu setor, levando o nome de Portugal além-fronteiras sendo mesmo reconhecida “pelo seu espirito arrojado e diferenciação que acrescenta nos mercados onde se insere”. As ideias, essas são essencialmente recolhidas, através do feedback que têm nas feiras em que participam, na observação das tendências do Tableware, na troca de ideias com os retalhistas, distribuidores, clientes, de forma a “tentar superar as expectativas do seu público-alvo e tornar o seu produto num desejo para além da sua óbvia necessidade.” O Futuro A Herdmar “pretende ser cada vez mais uma referência mundial no fabrico de cutelaria, contribuindo fortemente para o desenvolvimento e diferenciação do setor”, refere Maria José Marques. Caracterizados por uma forte absorção cultural, depositam em todo o seu trabalho o know-how adquirido em mais de cem anos de experiência na produção de cutelaria de mesa, sempre focados “na inovação, no design e na qualidade” que são no fundo as linhas orientadoras que unem o passado ao futuro desta bem-sucedida empresa familiar.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 19


SOLUÇÕES PARA A SUA MESA A Jomafe é uma empresa familiar fundada em 1976, por José Maria Ferreira. Curiosamente, Jomafe tem que ver com a junção do nome do fundador, sendo que José Maria Ferreira também dá nome à sociedade S.A. e à própria marca.

JOMAFE

A Jomafe, segundo nos conta o diretor geral e filho do fundador, José Manuel Ferreira, “surgiu no âmbito da distribuição de cutelarias de mesa”, sendo as Caldas das Taipas, o principal centro cuteleiro do país. Entretanto, com a evolução da empresa, dos tempos, com a entrada de novas pessoas na sociedade, e depois com toda uma equipa que suporta o desenvolvimento desta empresa, “fomos diversificando a nossa oferta, não nos ficando só nos talheres de mesa, aumentando o nosso leque de ofertas para soluções integradas de mesa e de cozinha”. Numa primeira fase, a Jomafe começou por trabalhar com soluções de mesa, cutelarias de mesa e ao fim de algum tempo, “começamos a apresentar soluções integradas de mesa e cozinha”. As soluções de mesa apresentadas estão relacionadas com a mesa e com a refeição, incluindo tanto os talheres como, por exemplo, alguns acessórios de servir, suportes de talheres e de guardanapos, passando também pelos saca-rolhas e quebra-nozes “essencialmente em metal, aço e alumínio e, com o decorrer dos tempos, fomos alargando a nossa gama de produtos”, até porque a marca passou a ter uma certa notoriedade e os próprios clientes também foram solicitando outros produtos relacionados com a mesa. Já os produtos de cozinha vão desde panelas, frigideiras, assadeiras, entre outros. Numa primeira fase, a empresa laborou com marcas de produtores europeus, hoje o foco da empresa é essencialmente os produtos de marca Jomafe. Esta empresa familiar realiza o desenvolvimento do produto, a avaliação de mercado, onde são observadas as necessidades do consumidor, fazem a adaptação e desenvolvimento, seguidamente, procedem à produção destes produtos. José Manuel Ferreira refere que “trabalhamos com marca própria, mas também trabalhamos com outras marcas conceituadas que o mercado nos pede, como por exemplo, a Lock & Lock, que são caixas para guardar alimentos”. A Lock & Lock é líder mundial de herméticos para alimentos, é uma empresa sul-coreana e em Portugal ainda não é bastante conhecida como outras marcas mas “para lá caminha”, salienta o diretor geral. A Jomafe realiza uma parceria e faz a distribuição dos produtos da Lock & Lock para o mercado ibérico.

20 | PORTUGAL EM DESTAQUE

JOSÉ MANUEL FERREIRA


“Fazemos o desenvolvimento do produto, identificamos que tipo de produto é que vamos lançar para o mercado, com base na experiência que temos neste setor”, sendo que a Jomafe tem noção do que o mercado procura e das adaptações que são necessárias fazer nos produtos já existentes. José Manuel Ferreira menciona que: “É uma evolução constante e, no fundo, o que aqui está é um trabalho constante de marketing, que consiste em avaliar as necessidades de mercado, avaliar o produto correto que devemos colocar dentro da nossa marca e qual o posicionamento de preço mais indicado para os canais que nós distribuímos.” Dentro deste âmbito, a missão da Jomafe é procurar e desenvolver produtos que satisfaçam as necessidades dos seus consumidores. Os produtos da Jomafe têm a estética, a funcionalidade e têm a qualidade dentro de um preço justo, “value for Money”, “daí que temos tido um crescimento constante de vendas ao nível dos anos, graças à inovação dos nossos produtos, ao produto em si e também graças à equipa que integra a empresa”, expõe José Manuel Ferreira. A Jomafe, como foi dito anteriormente, é uma empresa familiar com uma estrutura muito simples e polivalente, com um departamento administrativo, um comercial, um de design, onde todos os produtos são pensados e onde toda a comunicação é feita internamente, e um outro de logística. “Trabalhamos tanto no mercado nacional como no estrangeiro, sendo que os principais países para os quais exportamos são Espanha, Inglaterra, Marrocos e Brasil, embora a exportação, no nosso caso, não tenha um peso significativo”, revela o diretor geral. A Jomafe pretende primeiro consolidar o mercado nacional, para que, gradualmente, possa conquistar outros mercados além-fronteiras. O público-alvo desta empresa está segmentado para ‘massmarket’ e retalho especializado, sendo que todas as cadeias comer-

ciais a operar em Portugal são clientes da Jomafe. Hoje em dia, as pessoas estão cada vez mais exigentes em relação aos produtos utilizados na cozinha. Na verdade, “o design dos talheres funciona muito por tendências, tal como acontece, por exemplo, com a roupa”, clarifica José Manuel Ferreira. Neste momento, a tendência mais revivalista está em voga, porque os gravados e os tons em dourado estão a voltar aos talheres. José Manuel Ferreira aponta: “apresentamos as coleções conforme a procura de mercado e também coleções, que no nosso entendimento, influenciam o mercado”. Todos os anos são lançados novos produtos e, como tal, a Jomafe tem uma série de coleções já previstas para 2016. Em termos de modelo de negócio, “pretendemos continuar com o modelo até agora utilizado, mas está nos nossos planos uma abordagem ao mercado online”, passando por perceber como é que a empresa pode ter aí uma presença significativa. O que se pretende é um projeto que passará por uma aproximação aos grandes operadores online. Quanto ao seu espaço físico, neste momento, a Jomafe opera em quatro armazéns, “mas queremos centralizá-los num só espaço”, finaliza o diretor geral.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 21


QUALIDADE, CREDIBILIDADE E RIGOR Com três décadas de história e um percurso de sucesso, a Peviconta é uma empresa vocacionada para a prestação de serviços na área da contabilidade e da consultoria fiscal. Credibilidade, competência e dedicação são as grandes chaves do sucesso desta organização empresarial sediada no concelho de Guimarães.

PEVICONTA

LUCIANO BALTAR 22 | PORTUGAL EM DESTAQUE

A Peviconta nasceu em setembro de 1985 pelas mãos de Luciano Baltar, um empresário carismático e dinâmico que tem pautado a sua actividade profissional por uma grande visão estratégica, a par de um grande sentido de responsabilidade e uma grande paixão pela área técnica na qual a sua empresa gravita. Fruto de um vasto know-how e décadas de experiência, Luciano Baltar conseguiu que esta empresa se mantivesse no topo, assumindo-se como uma referência. Valorizando o passado, vivendo o presente e pensando no futuro, a Peviconta adopta uma filosofia vanguardista, tendo como linhas orientadoras para a prossecução dos seus objectivos, a simplificação da criação de conhecimento e a criação e disponibilização de soluções de qualidade. Para que todas as páginas da história da empresa fossem valorizadas, Luciano Baltar evocou o passado e contou à Portugal em Destaque o vasto e rico percurso da empresa que hoje lidera. “A Peviconta nasce em 1985, altura em que se dá a primeira grande reforma fiscal e em que surge o IVA”, conta o empresário, lembrando que, nessa altura, frequentava o 12º ano do curso de Técnico de Contabilidade, por isso cedo percebeu que “esta área teria grande potencial e seria uma grande oportunidade de negócio”, porque muitos pequenos empresários iriam necessitar de recorrer aos serviços de TOC em regime de outsourcing. E se em boa hora o pensou, em boa hora o fez, Luciano Baltar criou o seu próprio gabinete de contabilidade. A evolução registada ultrapassou todas as expectativas, levando a que passados apenas três anos a Peviconta precisou de mudar para um escritório maior, uma vez que o número de clientes foi crescendo substancialmente, revela o empresário. A satisfação plena das necessidades dos seus clientes é o objectivo primordial da Peviconta, para isso, conta com uma estrutura


Um serviço profissional e de qualidade A Peviconta disponibiliza aos seus clientes um vasto leque de serviços, entre os quais, o processamento da contabilidade, IRC e IRS, processamento de salários, e toda a legislação laboral. Na esfera da consultoria fiscal, a empresa tem a seu cargo a verificação de obrigações fiscais e parafiscais, a consultoria específica (controlo interno e procedimentos contabilísticos) e a compilação de informação financeira histórica. A Peviconta presta serviços a inúmeras empresas, a maioria das quais localizadas no concelho de Guimarães, no entanto, a qualidade dos serviços da empresa já são reconhecidos fora de fronteiras, desde o Porto a Lousada, Vila Nova de Famalicão, Peniche, ou Vilamoura. As actividades desenvolvidas pelos clientes da Peviconta são variadas abrangendo a agricultura, a indústria, o comércio e os serviços.

altamente especializada e formada, composta por 21 colaboradores e dois elementos da administração. “Fomos crescendo e as empresas foram aparecendo, porque o passa a palavra ia revelando que o nosso gabinete prestava um serviço exemplar, de muita qualidade, profissionalismo e honestidade”, salienta Luciano Baltar, acrescentando que a qualidade é uma opção estratégica que, desde o início da sua actividade, tem ajudado a consolidar todos os processos e a estrutura organizacional, funcionando como catalisador para que a Peviconta continue a evoluir e a proporcionar satisfação a todos os seus clientes, colaboradores e parceiros. Luciano Baltar destacou a importância da formação, até porque nos últimos anos as alterações no sector têm sido constantes. “Pelo menos, sempre que sai um Orçamento de Estado, há mudanças. É uma área à qual temos que estar sempre atentos. Todos os dias, lemos o Diário da República para percebermos se as alterações se aplicam às entidades nossas clientes”, clarifica o ‘timoneiro’ da Peviconta.

Marca Peviconta A mediação de seguros é outra das áreas de intervenção de Luciano Baltar, que desde cedo se dedicou esta actividade. Com a denominação Peviconta Seguros, a empresa mantém uma postura de contínua preparação dos seus quadros, por forma a corresponder com excelência às expectativas dos seus clientes. Dotada de uma equipa de excelentes profissionais, esta empresa de mediação de seguros procura estar sempre à frente da sua concorrência, demonstrando total disponibilidade para com os seus clientes. Em breve, a marca Peviconta terá uma nova vertente, neste caso a Medicina e Segurança no Trabalho, constituindo a Peviconta Saúde, bem como a Peviconta Jurídica, que terá a seu cargo todas as questões jurídicas. Estes são exemplos notórios da política de expansão e diversificação do leque de serviços prestados pela Peviconta. O grande objectivo de Luciano Baltar é a criação de uma loja empresarial sob a égide da marca Peviconta, na qual os clientes tenham acesso ainda mais a uma panóplia de serviços num mesmo local, bem como a criação de um cartão de cliente Peviconta que permita cada vez mais uma maior fidelização dos seus clientes.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 23


EXCELÊNCIA NORTENHA Ao abrir portas em 1988, o restaurante Pirâmide do Egito apresentou-se com a melhor gastronomia portuguesa. Hoje, a tradição ainda é o que era. Fomos conhecer o proprietário de um dos restaurantes mais afamados do concelho de Guimarães. O Pirâmide do Egito tem conquistado os clientes por se manter fiel à essência da gastronomia portuguesa. O empresário Moisés do Egito abriu as portas do seu restaurante à revista Portugal em Destaque.

PIRÂMIDE DO EGITO

JORGE COM O PAI MOISÉS DO EGITO É na cidade onde nasceu Portugal, Guimarães, que há mais de duas décadas, nasceu um restaurante que prometia ao concelho a melhor cozinha do país. Por detrás do nome escolhido está o gerente, Moisés do Egito, que desde o início se entregou a este estabelecimento. Acredita que o segredo do seu negócio tem por base manter as raízes da gastronomia tradicional. Na cozinha, todos os produtos são confecionados com o intuito de priveligiar o seu sabor natural, “tudo é feito como se fazia antigamente, mantendo a essência e a qualidade”, explica o nosso entrevistado. Quem conhece este restaurante não tem dúvidas em associar a sua ementa ao nosso país, em especial à região minhota. No Pirâmide do Egito é colocado à mesa dos fiéis clientes o melhor da gastronomia portuguesa há 28 anos. Situado em Moreira de Cónegos, está rodeado pela indústria têxtil, e é maioritariamente com empresários desta que Moisés do Egito conta diariamente nas suas mesas. Ao longo dos anos, este estabelecimento viu passar várias crises económicas nesta indústria, o que, por vezes, fez com que se senti-se uma baixa no comércio local. Hoje em dia, o gerente pensa que a fase que a indústria atravessa é positiva, e acredita que vai poder continuar a contar com a presença assídua destes empresários, afirmando que “nunca o concelho de Guimarães esteve tão bem como está agora. Há muitos postos de trabalho disponíveis, as empresas estão a crescer”, refere. Atualmente, esta casa apresenta três salas de refeição com capacidade para cerca de 120 pessoas. Para se adaptar ao crescimento do negócio e ao gosto dos clientes, o estabelecimento foi mudando a sua decoração ao longo dos anos, nunca deixando de parte o seu estilo rústico. É nas fotografias colocadas logo à entrada que percebemos que a qualidade também se mede pelos clientes, desde famosos jogadores de futebol, como Eusébio, políticos, 24 | PORTUGAL EM DESTAQUE


músicos ou apresentadores de televisão, são várias as personalidades que passaram pelo restaurante, nos últimos 28 anos, e que deixam a promessa de voltar. Aqui, podemos encontrar um ambiente quente e acolhedor em cada uma das salas, repleto de histórias espalhadas pelas paredes, e sentir o conforto á medida que nos dirigimos à mesa. Relativamente ao serviço, Moisés do Egito conta atualmente com a colaboração de oito pessoas, dentro e fora das salas, que sabem sempre o que de melhor dar aos seus clientes. Dentro desta equipa, encontra-se Jorge, um dos seus três filhos, que ganhou ao longo do tempo um interesse pela área da restauração, e desde cedo se instruiu na mesma, começando por tirar um curso de Cozinha e Pastelaria e de seguida Gestão Hoteleira, acrescentando assim novidades sem descurar a essência da cozinha tradicional portuguesa. Para dar seguimento aos pratos que apresenta, à disposição dos clientes está a carta de vinhos, onde se encontram 260 referências vínicas a nível nacional. Para além desta, o restaurante conta também com uma carta de gins sempre disponível. Quando interrogado sobre o que desejava para 2016 e para o futuro, Moisés do Egito afirma que “deseja ser melhor”. O Pirâmide do Egito é o exemplo de uma gestão eficiente assente na experiência do empresário Moisés do Egito, que com esta expressão de humildade, apesar de todo o êxito conquistado continua a querer evoluir, deixando assim, este exemplo a quem já segue os seus passos.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 25


VILA NOVA DE FAMALICÃO, SANTO TIRSO E PAÇOS DE FERREIRA CIDADES ALTAMENTE INDUSTRIALIZADAS

26 | PORTUGAL EM DESTAQUE


DA FAMÍLIA PARA O MUNDO! Conhecida há cerca de 38 anos, a têxtil Marjomotex é famalicense e foi criada pelos pais da nossa entrevistada Mónica Afonso, que mais tarde ficou à frente deste negócio com o seu irmão, pessoa que afirma ter sido “um grande responsável pelo sucesso desta empresa” e que após o seu falecimento deu conta do recado, sem nunca baixar os braços, vingou, cresceu e promete não ficar por aqui.

MARJOMOTEX Reconhecida com o prémio PME Líder três vezes (2012, 2014 e 2015), este ano a empresa receberá também o prémio de PME Excelência. Hoje, com quarenta colaboradores, muitos deles com mais de 25 anos de casa e já com os seus descendentes a trabalhar nesta empresa, a Marjomotex II realiza vários tipos de trabalhos, entre eles: na vertical, onde o cliente cede uma fotografia e é realizada a modelagem, são procurados os tecidos mais adequados para fazer face às necessidades dos clientes, estudam-se os melhores acessórios a serem colocados, são realizadas as lavagens bem como todos os acabamentos, e está pronto a ser vendido, ou então, é possível optar apenas pelo corte e confeção das peças, algo que acontece com alguma frequência no mercado luso. A prestar serviços para Portugal e além-fronteiras, Mónica não tem dúvidas que a ligação com fornecedores e clientes, para além de muito profissional, é fantástica devido ao excelente trabalho desde sempre realizado pela Marjomotex. Os prazos são escrupulosamente cumpridos, a qualidade indiscutível, os preços super competitivos e a transparência no negócio é extraordinária. Quem conhece esta empresa famalicense não a troca e não prescinde de espalhar aos bons ventos a qualidade exímia dos seus trabalhos. “O nosso cliente é muito exigente e procura, para além de bons serviços e profissionais, preços muito competitivos. É preciso uma elevada gestão para fazer frente à concorrência mas com rigor tudo se consegue” não hesita Mónica Afonso, a manager da Majomotex. Desengane-se se está a pensar que tudo é um mar de rosas, pois a crise também afetou esta empresa no norte, mas é nos momentos de maior aflição que saem os grandes negócios, e assim prosseguiu esta empresa nortenha, ainda mais forte, mas deixando para trás a marca própria que exigia alguns serviços extra e preocupações alargadas para a parte comercial, de marketing e de estudo do mercado. Está curioso para saber que produtos confeciona esta empresa têxtil? Pois bem, se é um eterno apaixonado por denim, fique sabendo que a ganga é um ex-libris desta companhia onde as calças e os blusões são detentores do reinado. Abertos a qualquer outro tipo de encomendas, a especialização está debruçada sobre as calças em qualquer matéria-prima, o que exigiu uma forte aposta em maquinaria. “A especialização obriga-nos a ter mais espaço,

EQUIPA MARJOMOTEX é inegável que estamos em crescimento. Tivemos de adquirir mais máquinas para podermos produzir calças nos mais diversos tecidos e este nosso ajuste é positivo, pois estando debruçados num só tipo de artigo, conseguimos oferecer ao cliente maior qualidade e uma rapidez incontestável”, explica a manager. Com um mercado que quer tudo para ontem, que só encomenda quando estão a vender, a Marjomotex faz expedições diretamente para as lojas onde os produtos chegam fresquinhos ou … quentinhos às mãos dos clientes, pronto a fazer alguém mais feliz com um novo modelito. Crescer é a palavra que define as perspetivas de futuro desta organização famalicense que pretende mudar para umas instalações maiores onde possam colocar toda a maquinaria na sua melhor disposição e para dar asas a novos sonhos, novos projetos para Portugal e além-fronteiras onde o que é nacional prova ser realmente bom com a crescente procura do mercado luso, após terem sido abandonados por alguns países, mas que agora é visível que a qualidade ainda é imperatriz. Recorrendo a um projeto de internacionalização ao abrigo da medida apoio Portugal 2020, a Marjomotex vai estar presente em algumas das mais conceituadas Feiras Internacionais do setor nos próximos tempos e irá recrutar colaboradores especializados para se juntarem à equipa que atualmente decide, juntamente com a manager, o rumo da empresa.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 27


A ARTE DE SABER ACOLHER A Quinta Vista Alegre (QVA), uma referência em Freamunde, Paços de Ferreira, a 15 minutos do aeroporto Francisco Sá Carneiro, funciona como hotel desde Maio de 1999. Dado o seu relevante valor arquitectónico e a escassez de unidades hoteleiras locais à data, Teles de Menezes considerou uma ótima oportunidade para transformar a habitação da família, numa unidade hoteleira de elevada qualidade, que alia o requinte a um ambiente familiar e acolhedor. A confirmar a excelência desde espaço, foi-lhes atribuída a classificação de Imóvel como monumento de Interesse Municipal a 25 de novembro de 2013.

QUINTA DA VISTA ALEGRE

Adquirida pela família Teles de Meneses há cerca de 60 anos, o arranque e expansão deste espaço tem grande quota de responsabilidade no empenho e dedicação da filha do proprietário – Tabita La Greca Teles de Meneses. Para além dos fantásticos espaços exteriores, os hóspedes desta quinta do norte de Portugal podem ainda contar com piscina exterior de água salgada e aquecida. E mesmo que não fique alojado neste espaço, os seus colaboradores estão sempre de braços abertos, prontos a recebê-lo nem que seja para apenas desfrutar do serviço de bar. Tendo em conta todo o rigor, acolhimento e eficácia dos seus serviços, a Quinta Vista Alegre dedica grande parte dos seus serviços à realização de eventos, nomeadamente casamentos, comunhões, baptizados, eventos empresariais, festas de aniversário bem como outro tipo de comemorações. Para estes momentos a quinta possui duas salas: a D. Maria com 429 m2 e 400 lugares sentados e a sala D. António com 270 m2 e 100 lugares sentados. Como é do conhecimento de todos, o turismo tem-se vindo a tornar numa marca do nosso país, nomeadamente do Porto e arredores. Neste caso específico, o turismo empresarial ou de negócios têm um peso significativo nas reservas que enchem este hotel durante todo o ano. Comerciais ou empresários que viajam em negócios, colocam este espaço como o eleito, e sempre atentos às necessidades de quem faz com que esta quinta continue a crescer, foi criado o Cartão-Empresa que disponibiliza descontos especiais para estes hospedes. Nos últimos tempos, a contrariar a ideia de que os estrangeiros optam sempre por uma estadia nas grandes metrópoles, evidenciou-se um crescimento considerável de clientes de nacionalidade estrangeira, nomeadamente holandeses, alemães, franceses, espanhóis e americanos, clientes que já se fidelizaram e que chegam a pernoitar neste espaço mais do que uma vez por ano. Se ainda não é um dos privilegiados que pode contemplar com uma paisagem inexplicável, um atendimento muito prestável e um conforto impensável tem onze quartos, uma suite, três quartos executivos e sete standart a chamar por si. 28 | PORTUGAL EM DESTAQUE


Os responsáveis por este espaço indicam sempre os restaurantes mais próximos da QVA, e que vão ao encontro das preferências do hóspede. Caso seja preferência do cliente ficar pelo hotel, é possível optar pelos restaurantes com entrega ao domicilio. Sempre com olhos postos no futuro, está a ser criado um hostel de luxo no interior da propriedade, projetado pelo filho do proprietário, Arquiteto António La Greca Teles de Meneses, que estará finalizado em meados de 2016. Assenta na reconstrução de uma antiga habitação localizada na propriedade, preservando o máximo de elementos possíveis, aliando o tradicional dos materiais existentes ao moderno do design e conforto. Ficará igualmente disponível equipamentos de fitness no exterior, bem como um circuito de arvorismo, composto por diferentes tipos de obstáculos, como escadas, pontes suspensas, tirolesas, slides, entre outras, por forma a incentivar o desporto e o lazer. Para finalizar, vai ser criada uma tasca gourmet, por forma a dar a conhecer aos hóspedes as iguarias típicas das tradicionais tascas portuguesas, acompanhadas de bons vinhos e outras bebidas. Um espaço acolhedor, tradicional e com conforto. A médio prazo, este espaço de requinte pretende ainda proceder à construção de um lar de terceira idade de luxo, uma homenagem ao seu avó do proprietário, que como tal, terá o seu nome “Dom Ernesto”.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 29


SP CONSULTING

UM NEGÓCIO, MIL RESPOSTAS Famalicão é detentora de um projeto completamente inovador que pela procura e resultados que tem obtido já justificou a sua necessidade. Espaço de Coworking, Estética, Construção, Gestão de Recursos Humanos, Assessoria Jurídica e Formação de mãos dadas num projeto que juntou profissionais com uma larga experiência nacional e internacional destas três áreas. “Atingimos uma maturidade tal que decidimos que estava na hora de ir para a frente com um projeto nosso que refletisse toda a experiência que obtivemos durante anos e anos de trabalho e onde fosse possível dar, a quem nos procurasse, respostas eficazes e escolhas com critérios”, explicam os líderes da SP Consulting. Com áreas de intervenção altamente diferenciadas, houve desde cedo uma preocupação acrescida: aliá-las. Como? No espaço físico desta empresa instauraram coworking e escritórios virtuais por forma a dinamizarem parceiros. Neste espaço, no coração de Famalicão, encontram-se a trabalhar especialistas das mais diversas áreas de negócio que acabam por realizar Networking para o desenvolvimento de cada negócio. Na área da estética os cuidados são imensos, o tratamento é digno de príncipes e princesas e os produtos de elevada qualidade. De que está à espera para se deixar cuidar por excelentes profissionais, altamente formados que não abrem mão de o mimar do início ao fim dos tratamentos. Quer tratar do rosto ou do corpo? Dos dois? Então este é o local ideal. “Todas as pessoas que nos procuram têm necessidades individuais, específicas e muitas das vezes é necessário entrar um pouco pela psicologia para os conseguirmos conhecer melhor, e desta forma, ir exatamente ao encontro das verdadeiras necessidades dos nossos clientes”, explicam os responsáveis que, de uma forma dedicada e muito personalizada, acompanham os clientes deste espaço desde o momento em que entram até que finalizam os seus tratamentos. Com toda esta experiência indiscutível também é possível encontrar nesta diversidade de negócios bem sucedidos, um espaço inteiramente dedicado à formação. Da estética aos recursos humanos, passando pelo coaching e viajando à engenharia e aos recursos humanso, são imensos os cursos que pode frequentar na SP Consulting de Famalicão. “Sabemos as necessidades de quem está prestes a abrir um negócio, de quem os opera e de quem pouco ou nenhum tempo tem para tratar de imprevistos, de momentos menos recorrentes, e assim, conseguimos oferecer um leque de serviços que visam colmatar as falhas nas mais diversas empresas”, referem os impulsionadores deste negócio que até tem, imagine-se, serviço de motorista profissional se precisar de ir buscar alguém ao aeroporto. E hotel é preciso reservar? Deixe isso a cargo da SP Consulting e livre-se de qualquer tipo de preocupações. As vantagens de alugar um dos espaços físicos desta empresa, para além das irrefutáveis como poder lidar com pessoas de áreas de negócio que podem vir a complementar a sua, de não ter responsabilidades na procura de espaço, não ter de pagar rendas com todas as responsabilidades que lhe vêm acrescidas 30 | PORTUGAL EM DESTAQUE

SILVÍA PINTO E JOSÉ ROSINHA entre outros custos associados se alugasse um outro espaço. Transparência, compromisso, critério e disponibilidade são palavras de ordem aquando existe um aperto de mão e aqui pode ter a certeza que o seu negócio nunca se fecha apenas porque procedeu ao pagamento. Não. Na SP Consulting terá sempre um parceiro para a vida. Questionados pela nossa revista acerca dos projetos futuros os responsáveis não hesitaram em mencionar que os planos passam por “desenvolver esta atividade para que as pessoas percebam o que estamos a criar e oferecer por forma a alavancar e dinamizar negócios em prol do crescimento e rentabilidade empresarial, numa primeira fase a Norte de Portugal, seguindo-se o restante país e Europa.


AMOR E DEDICAÇÃO PELOS AMIGOS DE QUATRO PATAS Tendo como foco fazer mais e melhor pela saúde dos animais de estimação, a Clínica Veterinária do Ave, sediada em Santo Tirso, presta um serviço veterinário de excelência, assim como confere aos donos a informação precisa sobre os cuidados a ter com os seus tão estimados companheiros.

CLÍNICA VETERINÁRIA DO AVE

Relembrando o passado, a atual diretora clínica Elena Moreno, conta à revista Portugal em Destaque que a clínica nasceu em 1998 por dois fundadores. Elena Moreno entrou como colaboradora mas em pouco tempo, dada a sua experiência como veterinária, foi convidada para tomar conta da clínica. O início confessa ter sido desafiante, mas sempre teve como prioridade dar o melhor que podia de si no tratamento dos animais e, consequentemente, satisfazer os seus clientes. Hoje recorda: “Estabeleci algumas parcerias que me pudessem dar apoio nos tratamentos que precisava mas o essencial para o sucesso foi dedicação a 100 por cento”. Passados 15 anos, esta filosofia ditou um crescimento que gerou sustentabilidade até aos dias de hoje. Em julho deste ano foi a altura certa para a administradora recrutar a veterinária Carla Almeida, de forma a conferir o melhor funcionamento da sua clínica. “É sempre bom trocarmos impressões, partilhar conhecimentos com outros profissionais e, desta forma, acabamos por oferecer um serviço mais equilibrado e com maior qualidade” esclarece. Atualmente, a Clínica Veterinária do Ave dispõe de serviços como oftalmologia, ortopedia, ecografia, radiologia, cirurgia de tecidos moles, análises, entre outros. Cães e gatos são os animais domésticos que a clínica trata, com urgências 24horas por dia, prestando também serviço domiciliário quando assim se justifica. “Costumo dizer que para exercer esta atividade é preciso gostar muito do que se faz, porque exige muito de nós”, afirma a diretora clínica.

CARLA ALMEIDA E ELENA MORENO De acordo com Elena Moreno, o perfil do veterinário é distinto dos demais profissionais ligados à saúde: é ter uma sensibilidade acrescida na capacidade de compreender gratidões mudas, mas sem dúvida, únicas e sinceras. É adivinhar olhares e perceber as emoções dos animais, sendo que “o agradecimento do animal é aquilo que mais me motiva, e depois ao ver a alegria e satisfação do dono sinto-me realizada”, confessa. Relativamente às doenças mais frequentes dos cães e gatos, a doutora indica doenças intestinais, constipações, doenças a nível geriátrico, gastroenterites, e salienta que muitas vezes algumas estão relacionadas com a falta de vacinas. “Infelizmente desde que se instalou a crise, assistimos a um maior número de doenças ligadas à falta de vacina, porque as pessoas facilitam”. Das várias matérias do mundo veterinário, Elena Moreno enfatiza a importância das desparasitações dos cães e gatos e, nesse sentido, alerta e relembra sempre os seus clientes para levarem o seu animal à desparasitação. Outros dos cuidados que referem nas consultas, incidem sobre a higiene oral, a limpeza de ouvidos e os cuidados com o pelo do animal. Sobre a alimentação, as veterinárias revelam que recomendam sempre que os donos deem ração aos seus cães e gatos, isto porque, conforme explicam, a comida caseira não é completa para o animal, sendo crucial que estes tenham uma alimentação equilibrada com as devidas vitaminas, proteínas e hidratos de carbono, e desta forma prevenirem futuras doenças. Relativamente aos valores que definem a clínica, a nossa interlocutora enfatiza: honestidade, trabalho a 100 por cento e qualidade no serviço. Este ano a recente novidade centra-se no investimento de uma máquina laboral que é um digitalizador de raio X, que segundo Elena Moreno tem inúmeras mais-valias: pela maior rapidez e eficácia no resultado, permite uma menor exposição à radiação e “permite que a radiografia saia perfeita, com um diagnóstico muito mais preciso” conclui, completando que se sente otimista quanto ao futuro da sua Clínica.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 31


AQUILO QUE PARECE IMPOSSÍVEL, PARA NÓS É UM DESAFIO É este o lema da Petratex, uma empresa nacional (sediada em Paços de Ferreira) que desenvolve a sua atividade em áreas distintas, com uma gama de produtos que incidem sobre os mercados-alvo da Moda, Desporto e Alta-tecnologia, e que ditam hoje uma posição de liderança na indústria têxtil.

PETRATEX

Em entrevista à revista Portugal em Destaque, o CEO da empresa, Sérgio Neto, explica-nos quais os valores que estiveram na origem do atual sucesso. Hoje torna-se evidente o apurado know-how de gestão que a Petratex possui dentro de portas. A par disso, é notável a impressionante aposta no capital humano, em que os colaboradores são as verdadeiras estrelas aos olhos da direção. Remontando um pouco à história, Sérgio Neto começa por contar como tudo nasceu. A empresa foi fundada em 1989, estando apenas vocacionada para o produto de camisaria e blusas de senhora. Entretanto, já no ano de 2000, o mercado sofreu algumas crises, e grande parte dos clientes da Petratex deslocaram-se para a Ásia. “A partir daí tivemos que reformular a estratégia de produtos e inovar, tentando procurar sempre uma solução para cada dificuldade” explica Sérgio Neto. O plano-chave foi inovar os processos existentes, melhorar em termos de organização, de forma a garantir mais capacidade, bem como dar formações específicas aos trabalhadores e desenvolver produtos completamente diferentes do que o mercado teria. Daí nasceu a necessidade de desenvolver um tipo de construção de costuras que mais ninguém tivesse, o que originou uma grande aposta na vertente técnica “tivemos muita procura nesta área porque era onde tínhamos mais características de funcionalidade das peças” salienta Sérgio Neto. Consequentemente, as marcas de performance de alta competição internacionais contactaram a Petratex para confecionar produtos com essas costuras inovadoras. Prova desse sucesso foi o fabrico dos fatos de banho da Speedo utilizados por Michael Phelps nos Jogos Olímpicos de Pequim, onde o nadador conquistou oito medalhas de ouro. Mas, embora a empresa seja reconhecida pela excelência do seu produto técnico, hoje em dia esta área não representa mais que 20%, o resto centraliza-se na alta-costura e moda. Neste último campo, importa salientar que a Petratex trabalha com marcas internacionais de renome, destinadas a uma classe média-alta. Atualmente mais reconhecida pelo desenvolvimento do que propriamente pela parte produtiva, o administrador assegura “temos clientes que nos procuram para ajuda-los a criar soluções na área do desenvolvimento e, consequentemente, a criar produtos completamente inovadores”. Relativamente à principal estratégia que retrata a Petratex, o nosso interlocutor faz questão de evidenciar que esta se foca em criar e desenvolver o que mais ninguém faz. E para isso, a empresa veste-se de todas as tecnologias existentes no universo têxtil, estando constantemente empenhada em criar novas tecnologias de suporte. Posto isto, a Petratex, para além da vanguarda na indústria têxtil, pretende ser um centro de excelência no desenvolvimento têxtil. Neste contexto, Sérgio Neto destaca: “O nosso foco e a nossa missão é inovar. Atualmente estamos em todos os continentes, exportamos para países com potencial no mundo têxtil e somos reconhecidos pela qualidade e criatividade das nossas peças” esclarece.

32 | PORTUGAL EM DESTAQUE


“O foco da petratex são as pessoas” Atualmente com um total de 657 colaboradores a Petratex sobrevaloriza, mais do que outra coisa, o capital humano “queremos que a empresa seja um objetivo de vida, onde as pessoas possam crescer profissionalmente” reforça Sérgio Neto, completando que motivação é ter vontade, e para ter vontade é preciso que acreditem num projeto que lhes vai trazer retorno. E aqui surge uma importante área que é a Formação, algo essencial aos olhos do administrador que confirma ser crucial para o desenvolvimento dos seus colaboradores. Nesta ótica, Sérgio Neto indica que a valorização, a formação e a evolução são três vertentes que caracterizam a missão da empresa. Um bom exemplo disto é o facto de estar a implementar em cada máquina de costura um IPAD, de forma conferir uma maior comunicação entre as costureiras, permitindo que as mesmas tenham acesso a determinadas informações em tempo real, ao mesmo tempo que também concede uma maior aproximação para com os clientes, permitindo-lhes ter acesso ao ponto de situação das suas encomendas. E nas palavras do administrador através deste sistema pode-se “pegar na distância, reduzi-la e colocar as pessoas numa plataforma onde todos podem comunicar” enfatiza. Para além da valorização social e empresarial, há um outro aspeto, de extrema importância, que incide sobre a área ambiental. “Temos biomassa, painéis solares, e o que pretendemos neste momento é ter dentro da empresa uma linha verde, isto é, conseguir uma produção sem CO2, com base nas energias alternativas” completa. Novidades para 2016 Uma vez que neste momento a Petratex não tem capacidade de resposta às crescentes solicitações que recebe, Sérgio Neto avança que já estão a aumentar as atuais instalações por duas razões: “primeiro porque temos uma carteira de negócio que justifica o investimento e depois porque precisamos de desenvolver mais e dar suporte à nossa área criativa, estabelecendo uma área de apoio que nos tornará mais autónomos”. Para 2016, a inovação será uma constante que para o nosso interlocutor está intimamente ligada aos produtos, processos, e até à própria gestão da empresa.

“É importante termos quadros qualificados e produtos com valor acrescentado”.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 33


O FUTURO PASSA PELA GERIATRIA A RMV - Produtos Hospitalares é uma empresa recente no mercado em Paços de Ferreira. Desde março 2007 que representa conceituadas marcas internacionais de equipamentos médico-hospitalares nas diversas especialidades da área da saúde. Desde a sua fundação, tem vindo a trabalhar no sentido de satisfazer as necessidades dos clientes e pacientes, privilegiando sempre a parceria com o cliente e garantindo assim o seu crescimento no mercado nacional.

RMV - PRODUTOS HOSPITALARES

EQUIPA RMV

A RMV, apoiada por uma equipa de profissionais qualificados, tem-se empenhado na comercialização e serviço de produtos hospitalares no mercado, através da estreita colaboração com conceituados fabricantes internacionais. Manuel Mesquita, fundador da RMV, trabalha na área desde 1995, mas é em 2007, em plena crise no país, que decide criar a sua própria empresa. A estratégia passou por procurar mercados internacionais. “Cabo Verde foi o nosso primeiro mercado, depois fomos para Angola e agora estamos em Moçambique e já com um grande projeto para a Guiné-Bissau. Foram estes países que ajudaram na sustentabilidade e crescimento da empresa”, começa por nos explicar Manuel Mesquita. Por sua vez, em Portugal, a RMV trabalha com os maiores grupos hospitalares do norte onde estão bem implementados e posicionados. Considerando que, em Portugal, o futuro passa pela geriatria, é nesse sentido que a RMV está a caminhar. “Estamos a internacionalizar-nos cada vez mais e estamos a dar início a um grande projeto na área da geriatria, que para mim é o futuro da saúde em Portugal. Estamos a apostar nesta área e estamos a fechar um grande acordo em Espanha dentro desta área, que acredito que será bastante positivo para a empresa no próximo ano”, avança o administrador. A par dos produtos hospitalares e da geriatria, a RMV já está a caminhar e a apostar noutra vertente: a reciclagem de equipamento hospitalares. “Renovamos e recuperamos todo o tipo de estofos de equipamentos hospitalares, geriátricos e administrativos. Também pintamos

34 | PORTUGAL EM DESTAQUE

as devidas estruturas de suporte”, afirma Manuel Mesquita. “Uma das coisas que estamos a fazer nos hospitais é renovar, ou seja, se tiverem cadeiras velhas ou em mau estado, reciclamos. Pegamos no velho, transformamo-lo em novo, conseguindo, assim, ganhos que podem chegar aos 70 por cento, e tornando-se mais barato para a própria instituição. Não há muitos anos, os clientes optavam pelo material descartável, hoje em dia apostam no material reutilizável”, acrescenta. O futuro da RMV Segundo Manuel Mesquita, o sucesso da empresa passa pelos nichos de mercado e pelas grandes parcerias e é esse o caminho que a empresa quer seguir, pois o objetivo da RMV é crescer cada vez mais e ter uma grande expressão a nível internacional. “A empresa, desde 2007, cresceu todos os anos cerca de 10 a 12 por cento e apesar de o mercado africano ter decrescido este ano, nós estamos a crescer no mercado interno onde nos começamos a posicionar melhor e com outras alternativas de mercado, no caso de Espanha que já representa alguma percentagem daquilo que vendemos, já que é um país que está a crescer e se readaptou mais rapidamente do que Portugal. Na área da geriatria queremos crescer ainda mais e acredito que no próximo ano cheguemos aos 20 por cento de faturação a nível de mobiliário geriátrico”, adianta, o administrador da RMV. A representar grandes marcas de produtos hospitalares, a RMV pretende estar na vanguarda do desenvolvimento de novos produtos para os lançar no mercado, bem como abrir a sua própria


loja no Luxemburgo, um local estratégico e bastante avançado no setor da saúde. A importância da relação humana “O trabalho em equipa é o nosso lema, espírito de equipa. O bem-estar dos meus colaboradores é a minha maior preocupação”, afirma Manuel Mesquita. Com 23 trabalhadores, a RMV privilegia o fator humano conseguindo incutir nos seus colaboradores o gosto de vestir a camisola da empresa. Assim, Manuel Mesquita promove, sempre que possível, meetings em diversos locais para proporcionar aos seus funcionários momentos de descontração e de convívio fora do ambiente de trabalho. Promove, igualmente, jantares em que os familiares dos seus colaboradores também participam. “A parte humana é para mim um dos fatores de sucesso mais importante. Nesta empresa não há diferenciação, somos todos iguais, licenciados ou não. O segredo do sucesso da minha empresa são as pessoas, a minha equipa”, realça Manuel Mesquita, que começou com a RMV a trabalhar no piso debaixo da casa da sua sogra, conseguindo mais tarde as suas próprias instalações. A vertente social é outra área que a RMV quer desenvolver e seguir, em parceria com a ação social da Câmara Municipal. Pretende, com a colaboração de todos os seus funcionários, prestar um serviço social através da ajuda na reabilitação ou remodelação de estruturas de casas de famílias carenciadas.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 35


ANODFARBE – REVESTIMENTOS DE SUPERFÍCIES METÁLICAS, LDA.

EMPRESA COLMATA ESCASSEZ NO MERCADO NACIONAL No mercado desde 2011, a Anodfarbe tem vindo a crescer e a consolidar-se no mercado nacional no que diz respeito à prestação de serviços no tratamento e revestimento de superfícies metálicas. A trabalhar para um mercado diverso desde as empresas de mecânica de precisão, bicicletas, motas, automóveis até à indústria da madeira, focam-se no revestimento das peças “que os outros não querem ou não têm meios para o fazer”. O seu trabalho consiste na anodização, um revestimento por imersão em um ‘banho’, das peças de alumínio para evitar a oxidação. A Anodfarbe prima pela diversidade de cores que disponibiliza ao cliente para o acabamento destas peças, ficando com um aspeto muito mais atrativo. Tiago Gonçalves e Carla Almeida são os dois jovens inovadores e empreendedores que estão por detrás da criação da Anodfarbe. Tudo começou quando Tiago Gonçalves viu a empresa onde trabalhava fechar portas e, então, começou a pensar e a preparar-se para criar a sua própria empresa. Inicialmente trabalhava na garagem da casa dos pais para algumas empresas, mas a qualidade do seu trabalho levou ao crescimento do número de clientes e, consequentemente, à necessidade de um espaço maior e com todas as condições necessárias para este tipo de trabalho. Mudou-se, assim, para um pavilhão na zona industrial de Santo Tirso, em 2011, formando-se, então, a empresa Anodfabre. Carla Almeida, esposa e sócia, juntou-se a Tiago Gonçalves nesta aventura devido, igualmente, à precaridade do seu trabalho. Trabalhava na indústria do têxtil, mas cada vez mais o trabalho nessa área estava a diminuir. “Antes de virmos para aqui a minha esposa não tinha um emprego estável e eu necessitava de uma pessoa cá de confiança. Juntámos o útil ao agradável. Eu fiquei encarregue da parte da produção e a minha esposa da parte financeira. É uma área diferente, visto que a minha formação é na área da mecânica e ela na área do têxtil, mas vamos apostar fortemente na nossa empresa.” No primeiro ano dedicaram-se inteiramente à remodelação e equipamento do espaço, sendo 2012 o início oficial da empresa. Passados poucos meses admitem um novo colaborador e no ano

36 | PORTUGAL EM DESTAQUE

CARLA ALMEIDA E TIAGO GONÇALVES seguinte criam um laboratório contratando um engenheiro para os ajudar no processo dos ‘banhos’ das peças e nas análises, com a finalidade de haver um maior controlo de qualidade do produto final. Com uma equipa constituída por quatro pessoas pensam já num quinto elemento para ajudar na área da produção, isto porque de ano para ano o número de clientes e de faturação têm vindo a aumentar. Quanto à estratégia, essa é muito simples: a satisfação do cliente. “O cliente fica sempre satisfeito e tem a garantia que é feito um bom trabalho e isso vai-se sabendo e comunicado a outros clientes que acabam por vir à procura do nosso serviço. Foi assim que conseguimos crescer”, explica-nos, satisfeito, Tiago. Quando começaram a atividade sabiam de antemão que as empresas portuguesas recorriam a outros países para o revestimento e acabamento das peças, pelo que a Anodfarbe veio colmatar essa escassez no mercado nacional. E se, em 2012, trabalhavam só dentro do país, agora trabalham para empresas espanholas, o que representa 20 por cento da faturação, e prevê-se alargar o trabalho para França. Para o futuro, têm como grande objetivo a certificação da empresa, mas para já pretendem consolidar primeiro a empresa e só depois pensar em mais. Apostar em mais equipamentos e meios para aumentar a capacidade de produção já que estão a ficar um pouco limitados devido à solicitação de serviços, não conseguindo, por vezes, corresponder a todos os pedidos. A certeza é uma: investir fortemente na Anodfarbe para que continue a crescer e se imponha no mercado.


MATOSINHOS E PORTO UNIDOS PELO MAR E PELOS SABORES

PORTUGAL EM DESTAQUE | 37


VIAJAR COM A CERTEZA DE QUE, ALI, VAI SER FELIZ! “Liberdade de voar num horizonte qualquer, liberdade de pousar onde o coração quiser”, já dizia a poetisa Cecília Meireles, e é assim mesmo que Cláudia Santos, proprietária da agência de viagens Vintage Tour, caracteriza este universo.

AGÊNCIA VINTAGE TOUR

CLÁUDIA SANTOS

38 | PORTUGAL EM DESTAQUE

Em entrevista à revista Portugal em Destaque a gerente elucida-nos de alguns aspetos que considera cruciais para obter sucesso e crescimento na Vintage Tour, agência que está sediada em Lavra, Matosinhos. Primordialmente, Cláudia Santos faz questão de desmistificar a mentalidade de que só as grandes agências de viagens é que oferecem os melhores preços “é um mito que as pessoas criaram e que dificulta o nosso trabalho, é preciso que saibam que as agências pequenas têm as mesmas ofertas porque é tudo tabelado” realça, acrescentado que na Vintage Tour o cliente que chega não é apenas «mais um», mas sim um cliente que vai ser tratado com a máxima atenção, podendo usufruir de um serviço personalizado que acaba por fazer toda a diferença. Mas a Vintage Tour não é apenas uma agência que trata unicamente de viagens, uma vez que presta também serviços que no que concerne a vistos, excursões, cruzeiros, rent-a-car, e da logística de todos os transportes que o cliente precisar. Com o lema “exemplo de qualidade e garantia… tudo é possível” a Vintage Tour rege-se por planos de viagem completos, com tudo incluído “o cliente quando chega pode ter a certeza que nós trataremos de tudo sem que se precise de preocupar com nada” reforça a nossa interlocutora. Há apenas um ano no mercado, a Vintage Tour já vai bem lançada ao comando da jovem Cláudia Santos, que inicialmente nem tinha experiência em turismo mas que decidiu vestir a camisola,


forma a poder oferecer a viagem dos seus sonhos. “Indicamos os hotéis mais confortáveis, onde se pode comer melhor, onde têm mais lugares para visitar, e tudo o que queiram saber acerca de determinado país ou cidade”. Com uma equipa profissional no mercado, a Vintage Tour trabalha atualmente com os principais operadores Turísticos Nacionais e Internacionais. Para além disso, a melhor qualidade ao melhor preço é um valor que define esta agência que conta com consultores especializados para ajudarem o cliente nos diversos destinos que melhor se enquadrem nas suas preferências. Sobre o tipo de cliente mais frequente, Cláudia Santos indica que as famílias são quem mais procuram viagens, ainda que as empresas são um potencial mercado que a gerente pretende atingir brevemente. Os destinos mais procurados continuam a ser os mais quentes, os chamados “paradísicos”, que estão quase sempre relacionados com ditas “viagens de sonho”. Balanço do ano Segundo Cláudia Santos, 2015 foi um ano de muito investimento em comunicação, publicidade e marketing que se ditou, igualmente, positivo em termos de crescimento. “Tive que alterar toda a imagem da agência de forma a torná-la mais atrativa” afirma, salientando que agora é só preciso conquistar uma posição sólida no mercado. Para o futuro Cláudia Santos garante que pretende continuar a fazer da Vintage Tour uma referência nas agências de viagem e conquistar clientes “a fim de permitir que as pessoas possam, uma vez na vida, fazer aquela viagem que sonhavam” e relembra que o mundo é redondo, e que por vezes é preciso de sair do “quadrado” em que vivemos. Concluindo, proporcionar um bom serviço, satisfazer e superar as expectativas dos seus clientes, é o grande objetivo da jovem gerente Cláudia Santos que espera que as experiências compartilhadas no percurso, sejam a alavanca para alcançar a alegria de chegar ao destino projetado.

estando de momento a terminar a sua formação em Técnica de Turismo. Neste contexto afirma que “o desafio é aliciante, apelativo, e aqui tenho sempre a vontade de querer fazer sempre mais e melhor” confessa, garantindo que com ela trabalha uma equipa profissional e experiente que assegura um serviço de excelência. De acordo com a nossa interlocutora um projeto de uma viagem está sempre aliado ao gosto de cada cliente. Nesse sentido, salienta a importância de perceber as vontades de cada qual, de

“A minha grande missão é dar a conhecer a minha empresa e quebrar o estigma de que as ditas agências pequenas não têm serviços qualidade-preço como as agências de renome, logo queremos contrariar esse facto, estaremos ao vosso inteiro dispor para comprovarem isso mesmo e claro que, para viajar basta existir”

PORTUGAL EM DESTAQUE | 39


O REAL PROJETO DE UMA VIDA SONHADA! E… porque o sonho comanda a vida, Fátima C. Brízio que trabalha na área do turismo há 25 anos, transportava consigo, desde que se conhece, aquilo que sempre foi, somado ao que foi vivenciando, bem como o que a vida lhe proporcionou, um caminhar que consigo leva sem perder a ilusão intrínseca de uma vontade real, do grande estado de amor que nutre pela partilha dos seus conhecimentos, transpondo-se em cada uma das viagens que desenha para todos os que na sua empresa confiam.

FÁTIMA CARDOSO BRÍZIO

Foi no entanto no verão de 2014 que tudo se conjuga/proporciona e o avanço é dado com a vontade de uma vida, “quando senti que tudo tinha para oferecer, que esse era o meu momento, quando senti que só quem luta e acredita de dentro para fora, consegue chegar para além do seu próprio desejo.” Com o apoio incondicional da sua equipa, sempre afável, profissional, tecnicamente qualificada e sobretudo feliz no seu desempenho, algo que se pressente e que envolve todo o ambiente que preenche a esteticamente elegante atmosfera da sua agência de viagens, abraçaram com os clientes que a acompanham desde há longa data, esta viagem por este mundo que tanto ama e a que se dedica. Na bagagem, levava toda a experiência, toda a essência, toda a vontade de um sorrir partilhado e experienciado. “Desde o início, contamos com um movimento crescente de negócios, regular e constante, dedicamo-nos à conquista de uma cidade que abraçamos desde o primeiro momento, Matosinhos. Nesse sentido o nosso principal propósito era conquista-la, assim como ao tecido empresarial mais próximo. Privilegiamos a relação institucional/comercial com algumas associações da região, idealizamos programas para Feiras e outras deslocações, entre as quais missões comerciais/empresariais em conjunto com as empresas que trabalham com mercados externos”. O core business desta agência de viagens é 60 por cento empresarial e 40 por cento lazer, mas Fátima Brízio gostaria de alargar o conceito de diversificação, porque a Fátima Cardoso Brízio Travel Agency é especialista na organização de viagens com valor acrescentado. “Somos uma equipa multifacetada, com

40 | PORTUGAL EM DESTAQUE

FÁTIMA CARDOSO BRÍZIO muitos anos de experiência, emprega quatro colaboradores a tempo inteiro e associa uma equipa suplementar de freelancers, atentos aos mercados”. A Fátima Cardoso Brízio Travel Agency está muito focada na venda dos seus próprios programas, querendo alcançar um público distinto nas preferências/destinos, muitas vezes, “porque lhes damos a conhecer o mundo com uma vertente mais cultural e isso para nós é muito importante”, refere a gerente deste espaço. No verão, esta agência de viagens fez uma divulgação na sua área, através de um panfleto criativo e apelativo, que posteriormente distribuíram e afixaram em locais chave, com o objetivo de levar informação ao público em geral e às famílias. “Tivemos sempre uma grande preocupação para com as Famílias, desde os locais mais sugestivos para viajarem, relação preço/ qualidade e proximidade. Percebemos que apesar de sermos uma empresa recente, tivemos com a nossa postura profissional, uma boa aceitação. Agora, que sabem quem somos e como trabalhamos trazem consigo outras famílias, porque se sentiram numa casa, que era a sua casa. A absoluta satisfação dos nossos clientes, é nossa prioridade”, salienta Fátima Brízio. O que distingue esta agência é o fato de anteciparem as necessidades/desejos dos seus clientes. “São inúmeros os detalhes necessários a ter em conta na realização de cada viagem, idealizamos, planeamos, acompanhamos e concretizamos, com pormenor cada uma”. O seu vasto conhecimento aliando a sólidos parceiros Nacionais e Internacionais nos diversos setores garantem a excelência do serviço. “Com cada uma das viagens que ajudamos a concretizar, realiza-se um sonho”, refere Fátima Brízio e, “porque colocamos o nosso coração em tudo o que fazemos, o sorriso de cada cliente é para nós o maior presente” Vejo o negócio do turismo, como uma oportunidade e experiência única, de se voar com cada um dos passageiros”. Nesta fase, a Fátima Cardoso Brízio Travel Agency, quer sobretudo desenvolver e consolidar o seu negócio em Matosinhos, “temos uma cidade extraordinária, com imensa qualidade de vida, sobretudo Famílias felizes a viver aqui”, relata a agente, “a cada nova conquista, sensibiliza-nos o enorme acolhimento demonstrado”. Para o próximo ano irão também apresentar programas próprios aos seus clientes, já com três ou quatro destinos delineados. Manter o seu ritmo de vendas, continuar com os negócios em Angola, Brasil, Itália, e o Sri Lanka, bem como cativar novos clientes, abraçar novos projetos ligados ao turismo diversificando localizações. Este é o pulsar de um coração aberto ao que o mundo pode oferecer, a cada dia, um novo despertar, para a concretização de mais um sonho.


A IMOBILIÁRIA FORTEMENTE DIRECIONADA PARA O CLIENTE Paulo Rodrigues, é dono da Imoleça Imobiliária em Leça da Palmeira e diz que é comercial desde que se lembra. O pai era dono de uma empresa de vestuário e, de certa maneira, passou-lhe o desejo de trabalhar na área do comércio e das vendas. Está na área da imobiliária há cerca de dez anos, tendo começado a trabalhar através de um amigo, acabando mais tarde a trabalhar com uma equipa de doze pessoas. No momento em que surgiu a oportunidade de abrir um franchise da marca do amigo, Paulo Rodrigues decidiu mudar de rumo e abrir a sua própria marca, inicialmente na alçada de uma multinacional e agora, desde há um ano e meio, funcionando como independente com a marca Imoleça. C

M

Y

IMOLEÇA

CM

MY

CY

CMY

K

O dono da empresa diz-se auto didata no ramo da imobiliária. Aprendeu a arte à medida que foi trabalhando no ramo complementando tudo o que aprendeu com várias formações, uma delas foi o curso de Avaliação de Imóveis, o que lhe confere o direito de exercer o trabalho de Perito Avaliador, de modo a poder prestar um melhor apoio e serviço aos seus clientes. A Imoleça é uma empresa que trabalha essencialmente o concelho de Matosinhos, mais propriamente o mercado local, como as zonas de Leça da Palmeira, Lavra e Matosinhos e na zona do Porto, na área da baixa da cidade “zona histórica”, onde emprega dez pessoas. Marca mais terrena e presencial, trabalha com uma maior vocação para o cliente. Na empresa preferem trabalhar com aquilo que sabem que será vendável num curto espaço de tempo do que ter um vasto catálogo de imóveis que não serão rentáveis, para isso avaliam sempre os seus imóveis, oferecendo uma avaliação ao cliente proprietário, vindo essa a ser essencial para definir se angariam determinado produto ou não. A empresa presta diversos serviços como a venda e arrendamento de imóveis e ainda a Gestão de Património com a Garantia de Rendas. A Gestão de Património com Garantia de Rendas pretende assegurar os investidores ou donos de imóveis que queiram tornar-se senhorios, com vista a que não haja receios e oscilações

PAULO RODRIGUES na rentabilidade, para isso possuem a Solução de Renda Garantida no caso do incumprimento do pagamento da renda por parte do arrendatário de modo a que o senhorio seja indemnizado até 6 meses de rendas e não seja prejudicado monetariamente. A Imoleça divide a angariação do imóvel em três partes: começa por conhecer o cliente e o imóvel, solicita elementos do imóvel, nomeadamente a caderneta predial para ter acesso às suas características, áreas e passa à avaliação fundamentada do imóvel. Depois do acordo da mediação mobiliária entre o comercial e o cliente, a empresa passa a um plano de marketing minucioso e ajustado a cada cliente e a todo o processo que irá despoletar a venda num espaço de seis meses – tempo em que a empresa considera que um imóvel é vendável. Paulo Rodrigues conta que em 2014/15 a oferta era muito maior que a procura o que impulsionou o trabalho com investidores e com o programa de Gestão de Património e Garantia de Rendas. Comentou também que neste momento comprar casa acaba por ficar menos dispendioso do que alugar e com rápidas contas exemplificou que realmente a compra de imóveis está a crescer neste momento. Planos para o futuro O rácio de faturação de 2015 da Imoleça foi o melhor, de acordo com o proprietário e para o ano de 2016 o objetivo é duplicar as receitas da empresa. Paulo Rodrigues contou também que acredita que “o mercado imobiliário está bom e está para durar” e que pode afirmar com toda a segurança que vai cumprir o seu objetivo para o novo ano. Em 2016 Paulo Rodrigues vai apostar numa sucursal no Porto, a Imoporto, localizada na Avenida dos Aliados. Vai também mudar a localização da Imoleça em fevereiro para uma loja com melhores acessos e condições, para a avenida principal da cidade, Avenida Doutor Fernando Aroso. A Imoleça espera um 2016 bastante favorável e com um grande crescimento para a empresa e para os seus trabalhadores, estando também previsto o aumento da equipa comercial, para melhor servir os seus clientes.

C

M

Y

CM

MY

CY

CMY

K

PORTUGAL EM DESTAQUE | 41


PASTELARIA DE CONFEÇÃO EXÍMIA E NEGÓCIO FAMILIAR A Torta de Noz Casa Mãe abriu a 25 Janeiro de 1969 completando assim este ano o seu quadragésimo sétimo aniversário

TORTA DE NOZ

MARIA TERESA

Localizada em Matosinhos na Avenida Serpa Pinto, esta pastelaria tem uma enorme reputação por toda a zona norte especialmente pelo Grande Porto. Maria Teresa, um dos donos, conta que a ideia de abrir a Torta de Noz surgiu através de uma brincadeira em casa da sogra por causa de um bolo de aniversário. Explicou também que, depois disso, a torta de noz foi ganhando nome numa altura em que as únicas sobremesas que se faziam nos restaurantes no Porto eram o toucinho do céu e o pudim. Os pedidos começaram a surgir e deram aso a abrir a loja de Matosinhos. Atualmente a Torta de Noz é conhecida a nível nacional e internacional. Maria Teresa afirmou que são muitos os emigrantes que ainda visitam a Torta de Noz quando vêm de férias ou mesmo quando estão apenas a visitar. Deu alguns exemplos de clientes regulares que levam sempre os mesmos bolos, tartes e tortas para o estrangeiro quando estão em Portugal. A pastelaria é um negócio de família e já vai na quarta geração. Neste momento empregam vinte pessoas no total e muitos dos seus trabalhadores estão lá desde muito novos. Mantêm-se muito tradicionais e fiéis àquilo pelo que a Torta de

42 | PORTUGAL EM DESTAQUE

Noz é conhecida. Foram aprimorando a receita da tão conhecida massa de pão de ló – a especialidade da casa - mas não fazem grandes alterações ao catálogo de doces preferindo manter-se com aquilo que conhecem e que sabem que os clientes gostam. A Torta de Noz não é uma marca franchisada apesar de ter algumas lojas com o mesmo nome no norte do país. Maria Teresa explicou que por demanda popular acabaram por decidir autorizar a abertura de algumas lojas com o nome da Torta de Noz com uma gerência diferente que teriam como fábrica a da loja de Matosinhos. Neste momento para além da pastelaria de Matosinhos existem pastelarias Torta de Noz no Porto, em Leça da Palmeira e na Póvoa do Varzim. O futuro da Torta de Noz Em relação a 2016, Maria Teresa falou que o principal objetivo é expandir a marca. Tencionam reabrir a loja de Vila Nova de Gaia perto da Piscina Municipal e talvez abrir na cidade de Vila Nova de Famalicão sempre com a mesma qualidade que desde há quase cinquenta anos habituaram os clientes.


REALIZAMOS OS VOSSOS SONHOS Na Bombom Charme é possível saborear o que de melhor se faz no mundo dos doces, mas os salgados também não são esquecidos. Visitámos a Bombom Charme e temos boas sugestões para os nossos leitores.

CONFEITARIA BOMBOM CHARME

É no número 381 da Rua Álvaro Castelões, em Matosinhos, que existe desde o dia 21 de dezembro de 2014 a confeitaria e padaria Bombom Charme. O negócio de família é liderado por duas mulheres, mãe e filha, uma história inspiradora, adocicada e de grande empenho e trabalho. Estivémos à conversa com uma das proprietárias, Ana Patrícia Sousa que revela que o estabelecimento surgiu, porque tanto ela como a mãe, Anabela Sousa, pretendiam “ter fabrico próprio de pastelaria e padaria e decidimos abrir este espaço. Todos os produtos que vendemos são fabricados por nós e são todos de grande qualidade”, revela a nossa entrevistada. Importa destacar o bolo rei, típico da época natalícia, mas para todo o ano há o pão de ló. Logo ao entrar no estabelecimento os olhos perdem-se tal é o bom aspeto de todos os bolos e iguarias apresentadas na montra. Um espaço harmonioso onde a qualidade, o bom gosto e a simpatia andam de mãos dadas, sempre em busca do melhor para o cliente. Questionámos como foi feita a escolha do nome, Ana Patrícia Sousa conta que “queríamos um nome que fosse sonante e diferente, do que há, atualmente, em Matosinhos, gostávamos que as pessoas identificassem logo. Pensámos em começar a construir a marca, o logotipo então eu sugeri Bombom Charme, o nome foi-nos agradando cada vez mais e ficou. Hoje em dia, em Matosinhos, é conhecida como Bombom. Temos apenas um ano e estamos a crescer, isto é, como se fosse um bebé, agora posso dizer que já tem dentes”, revela sorrindo a nossa entrevistada. A Bombom Charme tem 11 funcionários e está aberta das sete às oito da noite, para além dos doces e salgados servem também almoços. Neste momento, fornecem já muitos estabelecimentos de Matosinhos que às “sete da manhã estão à nossa porta. Fazemos serviços de cathering, casamentos, batizados, comunhões, bolos de aniversário. Os clientes podem sonhar que nos realizamos. Por exemplo, temos boas sugestões para o Dia dos Namorados, que se aproxima”, explica a proprietária Ana Patrícia

ANABELA SOUSA E ANA PATRÍCIA SOUSA

Sousa. No que diz respeito aos projetos de futuro, a nossa entrevistada revela que pretendem registar a marca e alguns produtos. Queremos também continuar a criar novos produtos, como aliás vamos fazendo todos os dias”, explica, no dia em que a Portugal em Destaque esteve na Bombom Charme tinha sido criado um bolo só de limão. A Bombom Charme é sinónimo de simpatia e de momentos deliciosos de fazer crescer água na boca.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 43


LEVAR A BAIRRADA ATÉ AO PORTO Prazeres da Bairrada é um restaurante situado em Matosinhos e como o próprio nome indica a sua especialidade é o leitão, que chega todos os dias diretamente da Mealhada. Augusto Sousa, o proprietário, decidiu abrir portas há aproximadamente dez anos.

PRAZERES DA BAIRRADA

Quando começou a frequentar mais regularmente a cidade do Porto, Augusto Sousa apercebeu-se que apesar de existirem vários locais gastronómicos na cidade a oferta deste tipo de prato era escassa. Contando já com um restaurante na Mealhada o negócio pareceu-lhe sustentado e então pôr mãos à obra estava decidido. É na rua Dr. Manuel Rodrigues de Sousa que começa a nascer um espaço pensado em si e com a projeção de crescer cada vez mais. Take-Away é o fundamento deste projeto por se tratar do facto das sandes de leitão se proporcionar a isso mesmo. Além disso, também existe a possibilidade de se ir buscar e levar para casa e de uma forma rápida poder ter uma refeição feita. Dez anos já passaram desde que o leitão se instalou em Matosinhos para deliciar todas as pessoas que agora fazem menos quilómetros para saboreá-lo. Para conseguirem chegar e satisfazer todos os fãs deste prato o restaurante está aberto de terça a domingo com o horário das 10:30 às 15 horas e retomam das 18:30 às 22 horas. Pioneiros em rissóis de leitão, a ideia parece ter pegado moda e expandido rapidamente. Mas o que talvez não se saiba é que nasceu em frente ao mar no Prazeres da Bairrada. “Bom Vinho, Boa Mesa” é um ditado que se aplica devido ao facto de nesta casa se poder oferecer um vinho de excelência, de uma confeção própria, e especialmente pensada para o acompanhamento deste manjar – Quinta da Mata Fidalga. Diariamente para além desta especialidade os clientes podem contar com a variedade de peixe e carne, que assim lhes permite sair satisfeitos mediante as vontades. E por outro lado é uma

44 | PORTUGAL EM DESTAQUE

AUGUSTO SOUSA

forma de se conseguir chegar até aquelas pessoas que eventualmente não são tão adeptas deste prato, mas por diversas razões acompanham os familiares, amigos ou conhecidos. Acreditando que a qualidade do serviço, da comida e o bom ambiente que se cria são o segredo para o sucesso, disto não querem abrir mão. No entanto Augusto Sousa ambiciona poder ver o seu projeto implementado noutros locias. Este salto ainda não se deu porque como refere tem de ser uma decisão muito ponderada porque “... quando se abre um negócio é para ter futuro e não para fechar passado pouco tempo”. Mas apesar de toda a situação do país, que se atravessa neste momento, a vontade de intervir não o consegue deixar sossegado. Com isto passo a passo começa a sonhar cada vez mais com o estabelecimento seguinte. Porto continuará a ser o destino. “Crescidos na melhor tradição, os nossos leitões coloriram-se e vieram até à cidade, para que você possa ter o Prazer de saborear o melhor leitão da Bairrada, em sua casa...AQUI!” este é o lema desta casa e a melhor forma de chegar até si. Assim que lhe seja possível não perca a oportunidade de visitar este espaço que está diariamente à sua espera.


REQUINTE, QUALIDADE E DIVERSIFICAÇÃO Localizado no coração de Matosinhos, o Palato Restaurante nasceu em 2008, na Rua Heróis de França, 487, com vontade de marcar a diferença naquela que é considerada a rua do peixe.

PALATO RESTAURANTE NUNO GOMES

“Não hesitamos em apostar nesta localização porque acreditamos que Matosinhos é a sala de jantar do Porto e um case study ao nível europeu”, refere Nuno Gomes, sócio gerente deste restaurante que também tem Adelaide Miranda, a chef de cozinha, na linha da frente deste projeto que deu os seus primeiros passos apostando num conceito que fugia ao tradicional desta zona - um menu com petiscos tipicamente portugueses. “Ainda não tínhamos condições para fazer frente aos restaurantes especializados em peixe, então apresentamos pratinhos de alheira escangalhada, rojões, pataniscas, moelas, bifanas entre outros que têm vindo a fazer as delícias dos nossos clientes”, refere o sócio deste espaço que era um outsider nesta rua e que tentou ser diferenciador de várias formas, sendo que começou a introduzir paulatinamente diversos pratos de peixe. Em entrevista à revista Portugal em Destaque, Nuno Gomes não escondeu que o percurso deste espaço sofreu altos e baixos, confirmando o panorama nacional, e que apesar da crise ter rebentado em setembro do ano da inauguração do espaço (2008) foram os anos seguintes os mais preocupantes deste local onde baixar os braços nunca foi opção e reorganizar é palavra de ordem. “Pensei em todas as pessoas que sempre nos acompanharam, que sempre estiveram do nosso lado, e também, não podíamos defraudar as expetativas da nossa equipa. Tentamos reinventar, ser criativos e dinamizar. Todas as semanas tentamos mudar algo, nem que seja a posição das mesas”, diz o sócio gerente que não permite que o restaurante caia na monotonia. Detentores de uma atmosfera com uma decoração requintada, cuidada e acolhedora, o Palato Restaurante qualifica-se como um “espaço camaleónico” pois consegue dar resposta às várias necessidades e vontades dos clientes. De almoços executivos a jantares românticos ou de grupo, este restaurante tem uma ex-

trema facilidade em alterar alguns aspetos decorativos a fim de criar alguma privacidade, conforto e à vontade aos seus clientes. Com um olhar atento sob a possível descida do IVA na restauração, o proprietário deste espaço afirma ser como São Tomé “ver para crer” mas refere que se tal acontecer, esse dinheiro extra será para “criar um fundo de maneio, tratar da manutenção, investir na esplanada e nos fogareiros”. A Câmara Municipal de Matosinhos tem andado de mãos dadas com os comerciantes e com esperança que esta aliança entre o turismo, o lazer e a gastronomia seja para continuar, Nuno Gomes bate palmas à iniciativa Matosinhos World’s Best Fish que certamente dará uma grande projeção quer nacional quer internacional. Inquirido acerca das pisadas dadas e do caminho a seguir, Nuno Gomes refere que “as expetativas são boas, infelizmente não alicerçadas ao consumidor português e a grande esperança é que com o terminal de cruzeiros aqui à nossa frente, talvez com as chegadas e partidas dos cruzeiros e com uma abertura do espaço à cidade e à população talvez venhamos a ter um negócio mais pujante”. Na linha da frente deste restaurante, Nuno Gomes não gosta de criar ilusões e salienta que “não sonhamos crescer com mais unidades, pelo menos por agora, mas penso em crescer para os andares de cima. A criação de um pequeno hotel de charme seria um projeto a longo prazo que poderá ser exequível mas para já estamos focados em consolidar o projeto existente”. Em jeito de despedida, todos os membros deste espaço esperam que os seus clientes “continuem a confiar o seu palato ao Palato Restaurante”.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 45


A VARIEDADE DOS NOSSOS PRATOS É O QUE NOS DISTINGUE O Restaurante Milho Rei, situado na Rua Heróis de França em pleno coração da cidade de Matosinhos, surgiu em 1997 pelas mãos de Silvério Sousa, proprietário deste espaço.

RESTAURANTE MILHO-REI

Diversidade de pratos e qualidade no atendimento personalizado As especialidades são diversas e fogem ao inconfundíveis pratos de peixe fresco típicos da gastronomia matosinhense, caracterizando-se por bons pratos da cozinha regional portuguesa. Espaço simples, com ambiente familiar e serviço simpático, é assim que Silvério Sousa começa por definir o seu restaurante. Há cerca de três anos remodelou as instalações do restaurante, estando mais moderno mas mantendo as mesmas características e onde existe uma parede com pinturas da apanha da espiga, o que dá identidade ao espaço. “O Milho Rei abriu portas em 1997. As nossas especialidades são várias mas destaco as tripas à moda do Porto, o bacalhau na brasa, o cabrito, entre outros. Para além disso temos pratos de peixe, como iscas, carapau ou robalo, acompanhados com arroz de tomate ou feijão, que são uma delícia”, refere o empresário. Natural de Mondim de Basto, mudou-se para Matosinhos em 1965, com o objetivo de criar um restaurante diferente dos que já existiam na zona, que maioritariemente serviam pratos de peixe. O balanço que faz é bastante positivo, tendo alguns clientes fiéis que o visitam há vários anos. “Temos trabalhado bem, dia a dia. Temos clientes diariamente, alguns que vêm cá há vários anos e que nos procuram pela variedade dos nossos prtos”, realça Silvério Sousa. No Milho Rei, como o próprio destaca, trabalham nove pessoas sendo que no seu espaço tem capacidade para cerca de 80 pessoas. O nome do restaurante “Milho Rei”, como explica Silvério Sousa, surgiu porque em Mondim de Basto, de onde é natural, existem

46 | PORTUGAL EM DESTAQUE

SILVÉRIO SOUSA

muitas espigas de milho e quando se sediou em Matosinhos queria que o seu restaurante tivesseo nome ligado à minha terra. “Além disso, é um nome que fica”, menciona. Uma nova realidade e perspetivas de futuro Hoje em dia, a oferta a nível da restauração é completamente diferente do que quando abriu portas há quase 20 anos. “Existem muitos mais restaurantes agora do que quando abri o Milho Rei. Hoje, quase porta sim, porta sim, existe um restaurante. Temos aqui o terminal de Matosinhos, os barcos chegam aqui mas o que acontece é que as pessoas que embarcam vão para o Porto, onde também existem bons restaurantes e que começam a aparecer cada vez mais, não ficando na cidade”, explica o proprietário. O futuro, na perspetiva de Silvério Sousa, deverá passar por captar mais pessoas para conhecerem a cidade e a gastronomia de Matosinhos e por manter igualmente a qualidade e diferenciação que marcam o serviço que disponibiliza e os pratos que confeciona no seu espaço. “Queremos continuar o bom trabalho e continuar a receber as pessoas da mesma forma que temos feito até aqui. 2015 foi um bom ano e se 2016 fosse igual, já ficaríamos satisfeitos. Queremos igualmente continuar a diferenciar-nos pela diversidade de pratos que temos e isso é o mais importante”, finaliza o empresário.


A BOA GASTRONOMIA ENCONTRA-SE AQUI! “O Alves”, fundado em 1977, inaugurou-se pelas mãos dos pais e tios do atual proprietário Nuno Brito, que atualmente juntamente com a sua esposa Helena Sousa gerem este emblemático restaurante de Leça da Palmeira.

RESTAURANTE O ALVES

NUNO BRITO E HELENA SOUSA Desde 2005 que estes dois jovens têm-se dedicado de corpo e alma à evolução desta casa realizando para isso algumas transformações. Estando já bem visíveis, tanto no seu exterior como no interior, o toque moderno e o requinte e sofisticação existentes neste restaurante, bem moldado à imagem e espírito inovador de Nuno e Helena. Situado em linha de mar com vista para a praia de Leça da Palmeira, o Restaurante “O Alves” é desde há muito tempo uma referência gastronómica e ponto de passagem obrigatório nesta bonita cidade. Trata-se de um espaço moderno, cómodo e acolhedor onde se pode saborear o melhor da cozinha portuguesa com um toque refinado e especial de sabores de terra e mar. Na extensa carta ainda constam os pratos típicos dos primeiros anos de vida deste restaurante, os famosos filetes de pescada ou de tamboril que podem ser acompanhados com arroz malandro, as lulas à Setubalense e a carne à Alentejana. Actualmente as espetadas de lulas e gambas, a cataplana de tamboril e gambas, a Posta de Vitela e o Rosbife à “Inglesa” são os pratos mais solicitados pela clientela já fidelizada. “Nesta casa primamos sem dúvida alguma pela hospitalidade, pelo prazer de receber, pela atenção a todos os detalhes, pelo diálogo entre o cliente e quem presta o serviço de forma a perceber aquilo que é o fundamental em cada caso particular. Penso que desta forma conseguimos com que o cliente sinta que tudo é feito por ele e para ele”,

refere Nuno Brito. Acrecenta também que “sempre foi imprescindível escolher bem as pessoas que colaboram diariamente comnosco, e que elas interiorizassem a nossa forma de trabalhar, pois são elas que nos ajudam e a quem devemos todo o sucesso ao longo destes anos”. Helena Sousa finaliza “Temos por principal objectivo manter a qualidade e o bom atendimento existentes”.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 47


FRANCISCA RAMIREZ E ISABEL RIBEIRO SILVA

SOCIEDADE DE TRADUÇÕES E TEXTOS, LDA

“É UM MERCADO COMPLEXO MAS DESAFIANTE” Francisca Ramirez e Isabel Ribeiro Silva são duas amigas que, em parceria, decidiram criar a STT – Sociedade de Traduções e Textos, Lda. Trata-se de uma empresa fornecedora de serviços de tradução e interpretação com várias combinações linguísticas, sedeada em Matosinhos.

Depois de se conhecerem e trabalharem juntas numa outra empresa, fundaram a STT a 17 de setembro de 1997 com o objetivo de garantir a satisfação total do cliente e assegurar a qualidade dos trabalhos de tradução e o rigoroso cumprimento dos prazos solicitados. Francisca e Isabel começaram sozinhas nesta atividade da tradução, mas rapidamente constituíram a sua equipa que hoje conta com seis colaboradoras internas, entre as quais tradutoras e gestoras de projetos, e um vasto leque de freelancers especializados que dominam diferentes línguas, permitindo, assim, que esta empresa responda a um maior número de trabalhos de diversos países. Internamente, os trabalhos que predominam são em inglês, francês ou espanhol. Desde o primeiro contacto com o cliente até à entrega do trabalho é assegurada a qualidade do mesmo. Trabalham para o mercado interno e externo, mas é o mercado externo que tem mais peso, representando cerca de 95% da faturação da STT. Lá fora trabalham essencialmente com gabinetes de tradução, enquanto que em Portugal os clientes vão desde sociedades de advogados, passando por empresas de publicidade, companhias de seguros, tribunais até empresas de equipamento médico e eletrodomésticos. “Traduzimos muitos manuais técnicos e documentos jurídicos, de tudo um pouco e de diferentes setores, o que torna o nosso trabal-

48 | PORTUGAL EM DESTAQUE

ho diversificado. Estamos sempre a aprender”, contaram Francisca e Isabel à equipa da Portugal em Destaque. Com um volume de trabalho muito grande, já tentaram expandir o seu trabalho para outros ramos, nomeadamente o ramo da legendagem. Mas contam que é um nicho muito difícil de entrar pelo que para já vão manter o trabalho na base de traduções de textos e algumas legendagens de DVD. Para Francisca e Isabel, atualmente, no estado em que está o país, qualquer empresa enfrenta desafios, pelo que também elas já sentiram dificuldades a nível de faturação. “Raro foi o cliente que não pediu que baixássemos as tarifas e, no início, adotámos essa estratégia para nos adaptarmos ao mercado e conseguirmos crescer. Tivemos de reajustar”. Com um crescimento da empresa equilibrado, consideram ter um balanço positivo da empresa, “fomos crescendo aos poucos e achamos que é o melhor, um passo de cada vez”, explicam as proprietárias da STT. A pensar já em projetos futuros, têm como prioridade a certificação da empresa e a sua consolidação, pois “num mercado em que existem muitas empresas de tradução e muitos freelancers, os passos têm de ser pensados”. Consideram que o setor da tradução não é um trabalho fácil, pois não se trata apenas de traduzir textos, “não é só traduzir, mas sim ver o contexto em que o texto se insere, do que se está a falar. Mesmo quando os nossos clientes nos enviam três frases para traduzir, pedimos que enviem o contexto para não falharmos na tradução. E, em tradução, não há tempo, tem tudo de ser feito para ontem. Não é fácil, implica trabalhar fora de horas, com prazos apertados, e muita exigência por parte dos nossos clientes”, explicam as sócias, que acrescentam “é um mercado complexo, mas desafiante”. Quanto à divulgação do seu trabalho, este passa essencialmente pelo “passa a palavra”, pois apostam fortemente na qualidade dos serviços prestados e na satisfação total dos clientes. “As pessoas, quando gostam de um trabalho e da maneira como são tratadas, mantêm-se. Quando criámos a nossa empresa fizemos imensos contactos, foi um trabalho árduo para angariar clientes. Quem nos respondeu, gostou e ficou até hoje connosco”, concluem satisfeitas Francisca e Isabel.


QUANDO O SEU ESTÔMAGO DESPERTA! É no coração da cidade do Porto que encontramos o restaurante Big Ben, um restaurante que tem apostado, desde há largos anos, em proporcionar aos seus fiéis clientes, uma experiência singular entre a boa mesa e o convívio entre todos. A revista Portugal em Destaque esteve à conversa com atual proprietário, Carlos Ferreira e com a sua sócia e esposa, Kesia du Vanel, por forma a conhecer melhor o conceito criado para este local.

RESTAURANTE BIG BEN

KESIA DU VANEL E CARLOS FERREIRA

Localizado na Rua Gonçalves Cristóvão, no Porto, o Big Ben é um restaurante que junta os melhores sabores de Portugal e do Brasil. É desta ligação da gastronomia entre “países irmãos” que se constrói o sucesso deste restaurante, que foi reaberto depois do atual proprietário, ter sido funcionário desta casa durante 14 anos, começando a trabalhar no Big Ben desde os seus 12 anos. De referir que o Big Ben era, antes de ser reaberto por Carlos Ferreira, gerido pelo grupo Madureira’s. Carlos Ferreira decidiu pois recuperar a essência por que era conhecido o Big Ben antigamente, sendo que este restaurante se encontra aberto 23 horas por dia. A reabertura do restaurante Big Ben concretizou-se no dia 9 de maio de 2014. Nascido da vontade de divulgar as tradições gastronómicas de Portugal e do Brasil, visto que a esposa de Carlos Ferreira é de nacionalidade brasileira, optou-se por incluir nos seus menus um pouco da boa gastronomia brasiliense. Deste renascimento do Big Ben, resultou um espaço onde se podem degustar os aperitivos, pratos e sobremesas mais representativas destes dois países. O forte é claramente a francesinha, um prato tipicamente portuense e amplamente difundindo em todo o mundo, sendo que desde a reabertura deste restaurante, a francesinha é feita como há 50 anos atrás, visto que Carlos Fe-

rreira recuperou “o molho, o cheiro e o sabor característicos desta casa”, no menu, há também espaço para experimentar a posta à mirandesa e o bacalhau à lagareiro, servindo também ao longo do dia, vários doces e salgados e ainda, as típicas tapas. “A preocupação está mesmo em manter a origem dos pratos, pelo que a seleção foi feita pela própria história dos pratos mais tradicionais”. Para além disso, é de louvar a preocupação para com a qualidade dos produtos usados, que se encontram à mostra nas instalações e à venda também. “O Big Ben, não é só um restaurante, quem vem aqui percebe que esta é uma casa acolhedora, assemelhando-se quase a um clube privado”, salienta Carlos Ferreira. O horário de abertura é de segunda-feira a sábado, das oito da manhã às sete da manhã, estando somente encerrados durante uma hora. O Big Ben possui uma lotação para 90 lugares na sua sala, recebendo no seu restaurante clientes de todas as idades. O sonho de Carlos Ferreira é o de que “o Big Ben continue a crescer, servindo bem o nosso cliente. Pretendemos manter o bom nome deste restaurante e queremos dar continuidade à marca Big Ben, apostando na abertura de novos restaurantes”, finaliza.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 49


MUITO MAIS DO QUE UMA CLÍNICA, UMA CASA Procura um espaço onde a saúde, o bem-estar e a estética andam de mãos dadas? Permita-se descobrir a CROEF, situada em pleno coração do Porto, onde encontra um Centro de Reabilitação Oral e Estética Facial, que desde 1975 tem um trabalho multidisciplinar e dedicado que pretende dar resposta às mais diversas necessidades de quem os procura.

CROEF RUI PULIDO

Rui Pulido, diretor clínico e responsável pelo nascimento deste espaço foi o primeiro médico a trazer implantologia para Portugal, esteve na linha da frente da utilização de plasma rico em factores de crescimento em circuito fechado e em tratamento ambulatório para os mais diversos tratamentos, e continua de olhos postos em tudo o que sejam progressos significativos na medicina para poder oferecer o melhor aos que recorrem à CROEF - que apelida carinhosamente de “o meu bebé”. Muito à custa da audácia de Rui Pulido, que viajou pela Europa e América em busca dos melhores tratamentos e das inovações mais credíveis, esta clínica da invicta utiliza as tecnologias mais recentes e oferece aos seus pacientes um serviço dentário de excelente qualidade com uma taxa de sucesso muito elevada. “Primamos sempre pelo bem estar de quem nos procura, tentamos oferecer as melhores soluções sempre tendo em conta aquilo que o cliente realmente necessita. Nem sempre o que o que ambicionam é o melhor para a saúde, daí que a nossa equipa alerte sempre para as vantagens e desvantagens de cada uma dos tratamentos que temos para lhes apresentar” explica Ana Paula Pulido. Que não hesita em afirmar que o lema desta clínica é “a saúde em primeiro lugar”. Procura implantologia, prostodontia, periodontologia, ortodontia,odontopediatria, dentisteria, endodontia ou estética dentária? Na CROEF encontra todas as especialidades da dentária, e após conseguir o sorriso que tanto ambiciona, é só tratar do seu rosto com pequenos apontamentos que farão com que encare as adversidades do dia a dia com uma imagem com a qual se identifica. Quem evoca os serviços da CROEF, passa desde então por uma avaliação inicial, que pretende perceber exatamente quais são as verdadeiras necessidades dos clientes, mas também, os seus sonhos – algo que nem sempre é uníssono – assim são-lhe expostos os diversos tratamentos disponíveis e aconselhados os mais adequados com a pretensão que o cliente saia dessa aborda50 | PORTUGAL EM DESTAQUE

gem inicial com uma ideia completamente esclarecedora do que serão as próximas fases, tendo em conta que “não se fazem milagres e todos nós somos bonitos à nossa maneira, apenas temos de nos aceitar, tentar mudar algumas características menos positivas e acentuar aquilo que nos favorece”, acrescenta Ana Paula Pulido. Devido a um acne mais acentuado, umas manchas próprias da idade ou uma ruga que insistiu em aparecer, as mulheres são as que mais procuram os tratamentos de estética, e por isso as apostas nesta área são uma constante. No passado mês de Dezembro, esta clínica que opera na sala seis do terceiro andar da Rua São João de Brito, Porto, teve um dia dedicado a várias mulheres de todas as gerações que juntou estética, jóias, conversa, e claro, muitas gargalhadas à mistura, da qual fizeram parte a conhecida relações públicas Cláudia Jacques, Marta Cyrne Carvalho, a blogger do Sabonete Cor-de-Rosa e Sofia Tregueira que teve em exposição vários dos seus artigos de joalharia de autor. Neste encontro, as várias gerações do sexo feminino trocaram impressões, foi possível terem um contacto e fazerem a compra dos diversos artigos de joalharia que fizeram as delícias de todas, e ainda se debateram sobre os tratamentos futuros em que iriam apostar. Para quem está a preparar o seu casamento, não pode deixar de visitar este espaço que tem packs apropriados para cada noiva, que prometem deixá-la com o look com que sempre sonhou e fazer com que se sinta como uma princesa naquele que será certamente um dos dias mais especiais da sua vida. “Desde branqueamentos dentários a mesoterapias, passando por uma simples limpeza de pele, na CROEF as nossas clientes, que acabam por ser nossas amigas, são tratadas com todo o rigor, mimo e dedicação para que os resultados finais se assemelhem o mais possível ao desejado. Este acompanhamento do casamento pode ser ainda mais personalizado pois damos todas as informações e acompanhamento às nossas noivas nas mais diversas áreas, inclusive é possível perso-


nalizar peças antigas que tenham lá em casa, como uma aliança, ou outra que queiram transformar e personalizar para utilizar no dia da boda”, clarifica Ana Paula Pulido sempre a tentar que demonstra ser tal como o seu marido, uma eterna dedicada a dar as melhores soluções a todos os que recorrem aos seus serviços. Questionados acerca dos projetos para o futuro, o voluntariado parece ser a mais forte aposta. “Chegou o momento de nos juntarmos a causas nobres. É inadmissível que num país tão evoluído ainda não haja prevenção suficiente junto das crianças. Temos jovens com cerca de 25 anos que nos aparecem com graves problemas dentários e que acabam por desabafar ter outros problemas gravíssimos de saúde causados por uma má higiene oral enquanto crianças. Posto isto, sem prejudicar os nossos clientes, pretendemos dedicar alguns dias a ir junto das crianças para lhes explicar quais os procedimentos devidos na higiene oral, bem como a importância de uma boa saúde oral” confidenciou-nos Ana Paula Pulido que pretende que este acompanhamento também seja feito junto dos idosos que “tem todo o direito de poder comer sem qualquer constrangimento e que oferecerem-lhes um cheque dentista não é nada tendo em conta que andaram uma vida inteira a descontar para poder ter uma velhice tranquila e onde lhes deveriam ser dedicados os mais diversos cuidados”. A Portugal em Destaque tentou levantar um pouco mais a cortina para tentar perceber quais os projetos que se avizinham e podemos assegurar-lhe que se tem medo de agulhas, encontrarão a solução ideal para si. Aliada a um grupo de investigadores da Universidade de Coimbra, a CROEF vai iniciar a utilização de seringas sem ter de ser picado. Curioso? Aguardamos ansiosos os próximos passos desta clínica de sucesso.

ANA PAULA PULIDO

EQUIPA CROEF

PORTUGAL EM DESTAQUE | 51


VILA DO CONDE E Pテ天OA DE VARZIM A VIDA ENTRE A TERRA E O MAR

52 | PORTUGAL EM DESTAQUE


PORTUGAL EM DESTAQUE | 53


“SEI CONCRETIZAR SONHOS COM CONFIANÇA E ISSO REALIZA-ME!” Conforto, elegância, sofisticação e bom gosto são os pilares das Damas de Xangai, uma empresa de design de interior que já está no mercado há 15 anos, na Póvoa de Varzim. Com um estilo muito próprio, Paula Nobre é o rosto e a alma da empresa. Apesar do improviso ser sua característica, os seus olhos espelham a sua enorme paixão pela decoração. Março de 2016 é o mês previsto para a empresa ressurgir num novo espaço, na mesma cidade.

DAMAS DE XANGAI

Tudo começou por um gosto pessoal que tem pelo interiorismo e, 15 anos passaram. A vontade era rumar a Paris para tirar um curso de estilismo. Incentivada pela mãe a permanecer em Portugal e a prosseguir estudos superiores, aceitou o desafio frequentando o curso de Literatura, mas não se sentia realizada. “Por muito que gostasse de literatura, o gosto pendia para a cor, o tecido, a textura, a criatividade”, revelou. “Resolvi abrir uma empresa, como já ia tendo amigos que me pediam ajuda, passei a ser consultora e a trabalhar no terreno fazendo projectos na sua totalidade ou parciais, consoante as necessidades e a carteira do cliente.” Para Paula Nobre, a ligação que estabelece com o cliente é única e íntima. A exigência é o seu elemento diferenciador da concorrência. “Sou muito exigente comigo própria. Não descansamos enquanto a obra não está concluída e perfeita. Nas montagens vivo muito aquele momento, tem de ser perfeito ao milímetro. Tenho muito respeito pelo património dos meus clientes”, aponta. O volume de trabalho é contínuo durante o ano. Já tem trabalhos agendados para 2016 e está certa que novos trabalhos surgirão. “Tenho bastante estabilidade a nível comercial. Sei concretizar sonhos com confiança e isso realiza-me!” Trabalha com marcas estrangeiras e tem uma forte ligação a França. Hermès é das mais conceituadas. “É uma marca que está nas capitais do mundo inteiro e acreditaram em mim, entregando-me a marca. Trabalho com França, Itália e Portugal, desenhando e mandando fazer às nossas grandes fábricas. Dispomos de costura própria. Somos profissionais em tudo o que fazemos. Em Lisboa, a nossa qualidade/preço é notável. Poucos têm a nossa dedicação e profissionalismo.”

54 | PORTUGAL EM DESTAQUE

As Damas de Xangai destinam-se sobretudo ao mercado nacional, incluindo as ilhas e, a nível externo, ao mercado europeu. Apesar do reconhecido potencial para expansão da internacionalização assegura que não a põe de parte, mas para já, é feliz com “as suas famílias”. Na sua génese, os seus clientes são pessoas que trabalharam muito para possuírem o que têm. Nestes perfis, enquadram-se os clientes que “não têm tempo”, conferindo-lhe total liberdade para criar. As idades variam entre os 30 e os 70 anos. “O que me prende e me faz sentir tão feliz nesta área do interiorismo é o facto de ser moda e isso ser algo inato. Rapidamente concluo um projecto. O mesmo consiste no bom gosto, numa boa noção de proporções e na leitura da personalidade da pessoa que temos à nossa frente, para que haja um equilíbrio que leve à perfeição. Cada obra que termino é um filho que deixo, porque é uma criação minha.” Os laços que cria com os seus clientes mantêm-se ao longo de gerações e a relação comercial nunca se esgota no fim de cada obra. A origem do nome Damas de Xangai deve-se ao gosto pessoal de Paula Nobre pela literatura oriental, onde se destaca o romance de Sherwood King: “A Dama de Shangai”. Curiosamente, quando abriu a empresa adquiriu um quadro com várias Damas de Xangai, do qual se desfez em virtude do pedido de um cliente especial. No entanto, passados 15 anos, considera que as Damas de Xangai são cada mulher que passou pela empresa. “São grandes mulheres”. Com a abertura da nova loja na Póvoa de Varzim abre-se um novo ciclo na empresa. “Serão as Damas de Xangai amadurecidas…”, concluiu.


PORTUGAL EM DESTAQUE | 55


UMA CASA DE PRESTÍGIO NO SETOR DA RESTAURAÇÃO Foi na Póvoa de Varzim que a equipa da revista Portugal em Destaque esteve à conversa com António Nunes, o rosto do grupo Bodegão (empresa que assenta numa estrutura familiar que conta com Paulo Nunes e Alexandra Nunes), para ficar a conhecer a história de sucesso desta empresa que pretende tornar-se numa marca nacional de renome.

RESTAURANTE BODEGÃO

O NOSSO CAFÉ - O PRIMEIRO RESTAURANTE DO GRUPO Empresa competitiva e atual são os conceitos que caracterizam e classificam o grupo Bodegão. Mas as suas origens já remontam a 1992 com a abertura do café cervejaria e snack bar ‘O Nosso Café’, na Póvoa de Varzim. É em 1994, com a criação da sala D. António, no ‘Nosso Café’, que surge o conceito Bodegão com decoração diferente do habitual e que prima pelos seus pratos de comida regional tipicamente portuguesa. Mais tarde, em 2000, nasce o primeiro restaurante Bodegão de raiz na Póvoa de Varzim. António Nunes é a pessoa que está por detrás deste grupo de sucesso que conta hoje já com 17 restaurantes abertos, isto porque correspondendo às tendências do mercado. Em 2003 o grupo lança-se no desafio pioneiro de levar a comida tradicional para os centros comerciais, abrindo assim o primeiro Bodegão em Viana do Castelo, seguindo-se 2006 no Arrábida Shopping, 2007 em São João da Madeira, 2008 no Mar Shopping, 2010 em Braga, 2011 Guimarães, 2013 Norte Shopping, 2014 Lisboa, 2015 Gaia Shopping. Aqui é possível encontrar-se toda uma variedade de pratos tradicionais à velocidade do fast food, apresentados na linha de self-service introduzida pelo grupo, bem como uma lista recheada de deliciosos pratos como o arroz de pato, o arroz de tamboril, a posta à bodegão, entre outros. Com uma ementa tipicamente tradicional o Bodegão disponibiliza diariamente sete pratos diferentes numa linha de self-service. “De 2006 até 2010 conseguimos abrir um restaurante de 8 em 8 meses. Foi um enorme desafio que teve sucesso imediato. Hoje temos 17 lojas, mas já estão mais dois projetos em fase de abertura até abril. Conseguimos consolidar o nosso negócio e o objetivo é tornar o Bodegão numa marca nacional”, afirma o empresário António Nunes. Projetos O grupo Bodegão expandiu-se pelo Norte de Portugal com o 56 | PORTUGAL EM DESTAQUE

BODEGÃO GAIA SHOPPING mesmo conceito, mas sempre com a visão de adaptar-se à comida típica de cada zona, bem como inovando e renovando-se para acompanhar as tendências do mercado. “Orgulho-me de dizer que temos na nossa equipa um chef com estrela Michelin, Chefe Vitor Matos, que dá assessoria à nossa empresa, lidera as nossas ementas e as nossas fichas técnicas”, adianta António Nunes. Depois desta ‘aventura’, da marca estar consolidada e terem um músculo financeiro, dimensão e capacidade para fazer mais, o grupo Bodegão avançou para um novo projeto: uma central de compras sediada na Póvoa de Varzim. “Uma mais-valia para o nosso negócio porque, assim, temos um maior controlo da qualidade dos produtos que vão para as nossas lojas, para além da baixa significativa a nível de preços”, esclarece o empresário.


A empregar cerca de 240 pessoas e a caminhar a passos largos para se tornarem numa marca nacional, António Nunes afirma que sentiram muitas dificuldades ao longo de todo o seu caminho a nível de licenciamentos e legalizações industriais. “Passamos por muitas dificuldades devido a questões burocráticas e financeiras. A lei não nos protege. Aquando do aumento do iva tivemos que reestruturar a nossa equipa (dispensámos cerca de 40 colaboradores) para assegurarmos a sobrevivência da empresa. Foram tempos muito duros e difíceis. Nessa altura foi muito importante o facto da empresa ter uma estrutura familiar”. Por outro lado, António Nunes considera que a restauração em Portugal está bastante profissionalizada e controlada, “temos boa cozinha, grande variedade e a preços acessíveis. As escolas de hotelaria estão a formar bons profissionais, estão a fazer um bom trabalho. Temos pessoas bastantes qualificadas e versáteis”, explica. O futuro Com projetos para 2017 na cidade de Lisboa, o grupo Bodegão quer continuar a apostar na qualidade dos seus produtos e na relação qualidade-preço. Pretende, igualmente, investir em coisas diferentes e destacarem-se dos demais, mantendo a qualidade da sua marca e a confiança dos seus clientes. Com um restaurante já em Lisboa, António Nunes explica que tiveram de reaprender e analisar os gostos dos clientes para se adaptarem e consolidarem o seu conceito lá. “Era um passo natural e necessário. Não faria sentido não estarmos em Lisboa querendo nós ser uma marca nacional”, avança. A par deste objetivos, o grupo Bodegão adquiriu um espaço na Póvoa de Varzim para abrir em fevereiro próximo com um conceito diferente: cozinha de autor.

ANTONELLI - PÓVOA DE VARZIM

BODEGÃO - PÓVOA DE VARZIM PORTUGAL EM DESTAQUE | 57


OS MELHORES PETISCOS À BEIRA MAR Vai fazer seis anos em março de 2016 desde que a Taskinha abriu as suas portas, na rua Tenente Veiga Leal - Póvoa de Varzim. A ideia surgiu do casal Victor Neves e Manuela Neto que, sem qualquer experiência na área da restauração, achou que estava na altura de abrir uma casa destinada única e exclusivamente aos típicos petiscos portugueses. Sem mais demoras, o casal aliou as suas habilidades para dar balanço ao negócio: Manuela Neto tirou proveito da sua aptidão culinária e dos seus saborosos petiscos caseiros que já eram apreciados, e Victor Neves ficou encarregue da gestão do estabelecimento.

A TASKINHA

“A nossa grande aposta foi implementar uma boa ementa de petiscos, que vai desde as pataniscas, ao polvo em molho verde, às moelas, à orelha de porco, ameijoa e todo o tipo de petiscos tradicionalmente portugueses” explica Victor Neves acrescentando que, posteriormente, dado o crescente número de clientes, decidiram também apostar em pratos alternativos aos petiscos. Nesse sentido, foi implementado um prato do dia para que todos os clientes possam também desfrutar de outros sabores da casa. Relativamente ao movimento da Taskinha, Victor Neves não deixa de salientar a importância de estar geograficamente a 100 metros da Marina, algo que atrai muitos clientes estrangeiros, “na maior parte das vezes os estrangeiros que vêm cá pela primeira vez são recomendados por outros turistas que já cá passaram, sendo algo que nos motiva e satisfaz bastante” salienta. E apesar da cidade da Póvoa de Varzim viver muito do verão e do turismo, o nosso interlocutor realça que, ao contrário do que acontece noutros estabelecimentos, A Taskinha vive maioritariamente de clientes portugueses e poveiros, não estando por isso dependente do bom tempo para alavancar o seu negócio.

58 | PORTUGAL EM DESTAQUE

MANUELA NETO, MATILDE (A MASCOTE) E VICTOR NEVES

Uma das características diferenciadoras desta casa incide sobre aquela que foi a ‘culpada’ da sua abertura: Matilde, a filha mais nova do casal, com 6 anos de idade que já é a referência da Taskinha, uma vez que cativa, conversa e anima os clientes, proporcionando um ambiente familiar “as pessoas perguntam por ela e é muito bom porque sentimos que dá vida ao espaço” confessa o pai, afirmando que isso torna o espaço ainda mais especial. Face a todas as dificuldades iniciais, Victor Neves destaca também que foi essencial criar uma “habituação aos petiscos” que, até então, não existia. Hoje em dia, o movimento da casa é bastante interessante, chegando a encher toda a sala com grupos que fazem reservas, principalmente ao fim de semana. Questionado sobre o balanço que faz destes seis anos, Victor Neves afirma que desde que a Taskinha abriu portas, sempre teve um crescimento sustentado, e justifica: “os nossos pratos são sempre feitos na hora e há clientes que dizem que até na batata se sente a frescura”. Deste modo, para além da qualidade alimentar que é fundamental para o sucesso de uma casa ligada à restauração, o casal também se empenha no melhoramento contínuo do espaço e na implementação de algumas sugestões dos clientes. Estando o novo ano ainda a começar, a proprietária da Taskinha, Manuela Neto, espera que este se traduza num cenário ainda melhor, com a certeza de que a qualidade estará em todos os petiscos e pratos que servirem. “Até ao dia de hoje, com a crescente procura que temos tido, só podemos sentir satisfação e bem-estar pelo nosso trabalho, por isso iremos continuar com a mesma filosofia” conclui.


UMA IMAGEM CUIDADA É FUNDAMENTAL A Portugal em Destaque esteve à conversa com Anabela Gomes, gerente das Clínicas AMG - Clínicas de emagrecimento e nutrição que estão especialmente orientadas para tratamentos de medicina estética e desenvolve a sua atividade sempre no sentido de promover a saúde e o bem-estar das pessoas que as procuram.

AMG Como nasce a AMG – Clínica de Emagrecimento & Nutrição? As clinicas AMG apareceram há cerca de 15 anos na Póvoa de Varzim e, há quatro anos abrimos no Porto outra clínica. As Clínicas AMG surgem no culminar da formação obtida nesta vasta área e a necessidade de colocar ao dispor de todas as pessoas que procuram os nossos conhecimentos, assim como a experiência na Estética Médica e tratamentos de obesidade. Fale-nos um pouco de si e da sua formação académica. Desde de criança que queria ser médica, e com o apoio da minha família esse desejo concretizou-se. Obtive a minha formação base na FMUP. A área da medicina estética, obesidade e envelhecimento sempre me fascinou e, entre a Faculdade de Medicina de Coimbra e Faculdade de Palma de Maiorca (Espanha), tenho concretizado a minha formação complementar. Como descreveria a clínica a potenciais pacientes? Qual o lema por que regem a vossa atividade? As Clinicas AMG posicionaram-se no mercado como uma referência na área da medicina estética e emagrecimento, sendo reconhecidas pela excelência nos serviços e pelo seu alto padrão técnico, características fundamentais para ter pacientes satisfeitos. Procuramos ouvir os pacientes para adequar as soluções às suas necessidades, criar vínculos e estabelecer uma relação de confiança longa e duradoura. Não é por uma questão de preço, atendimento, localização ou o que ouviu falar de nós, mas sim todo o conjunto. Quais os serviços que oferecem aos vossos pacientes? As Clínicas AMG são Clínicas de Estética Médica e dedicam-se à prestação dos mais modernos tratamentos de Medicina Estética. Distribuem-se por: consultas de Nutrição Clinica, Obesidade Infantil, tratamentos de rosto e corpo com a mais recente tecno-

ANABELA GOMES logia na área médico-estética, para perda de gordura localizada, flacidez, celulite, assim como estética em geral. Quais os valores que querem transmitir a quem vos visita diariamente? Nas Clinicas AMG queremos construir relações interpessoais em todos os níveis. Qualquer paciente deve sair sentindo-se melhor do que quando entrou. As pacientes que nos procuram, não procuram sessão de tratamentos, elas querem solucionar problemas. Os valores que orientam as nossas clinicas são a ética, o profissionalismo, a inovação, o respeito, o perfecionismo e o equilíbrio. Quais as características físicas do espaço? Somos uma microempresa, que funciona por agendamento, num horário alargado. São instalações com qualidade, conforto e segurança, equipamentos e materiais de última tecnologia proporcionando atendimento personalizado e diferenciado. Sente que hoje, mais do que nunca, a população se preocupa com a sua imagem? Nos dias que correm, ter uma imagem cuidada é fundamental. As pessoas não buscam o corpo perfeito e sim, estarem satisfeitas e com sua auto-estima elevada, isso é bem-estar. O mundo da estética está em constante mutação, hoje, está dominado por técnicas não-invasivas. Os últimos avanços tecnológicos não incidem apenas sobre novos equipamentos e aparelhos, mas melhorar técnicas e sistemas de tratamentos estéticos que já existem é outra das prioridades. De que forma é que esta clínica se distingue de outras clínicas? Nós surpreendemos os nossos pacientes! Somos uma marca viva que respira e inspira pessoas.Nós tratamos as pessoas como pessoas únicas. Estamos um passo a frente no mercado, o nosso trabalho precisa de ser dinâmico, acompanhar as novidades do mercado e trazer novas soluções. A nossa reputação é feita e defendida pelos nossos pacientes, funcionários e parceiros. O que falam das Clinicas AMG é o que vivem nas Clinicas AMG. Por onde passa o futuro das Clinicas AMG? No futuro queremos ser referência no mercado da medicina estética e crescer com ética e transparência.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 59


40 ANOS DE EXPANSÃO E SUCESSO A Fricon foi fundada em 1976 por Artur Azevedo e tem sede em Touguinha, Vila do Conde. A empresa foi pioneira em Portugal no segmento de frios doméstico e comercial. Presente em todo o mundo, atualmente, a empresa tem três unidades fabris, duas em Portugal e uma no Brasil.

FRICON

HÉRCULES ZURITA COM ISABEL AZEVEDO JUNTO À FOTO DO FUNDADOR ARTUR AZEVEDO

O mercado internacional é o principal destino dos equipamentos produzidos pela Frigocon – Indústria de Frio e Congelação S.A - Grupo Fricon. Portugal é importante, na medida em que a história e o sucesso da empresa passaram pela afirmação e pelas parcerias estabelecidas no mercado nacional. Isabel Azevedo, filha do fundador e administradora da empresa revela que “eu e o meu irmão, Rui Azevedo, fomos incorporados nesta sociedade, ainda jovens. Dado que somos uma empresa de cariz familiar e segunda geração de Artur Azevedo integramos a sociedade como accionistas e com participação na gestão, tendo-nos preparado para os desafios do futuro. A Fricon no início começou a fabricar os produtos da linha doméstica – congeladores e desde cedo começou a exportar. Na década de 80 passámos a produzir frigoríficos, o que nos valeu a liderança do mercado nacional durante um bom tempo, depois com a abertura do mercado a nível mundial, redirecionámos o nosso negócio para o frio comercial”. Nesta altura, as parcerias estabelecidas com grandes grupos como a Nestlé, a Unicer, a Jerónimo Martins e a Unilever, “abriram as portas para o crescimento da Fricon 60 | PORTUGAL EM DESTAQUE

e à expansão para mais de 50 países”. Isabel Azevedo explica que “devido a estas parcerias, a partir de 1985, passámos a exportar para mais países onde a Tailândia, na altura, foi um dos nossos principais mercados. Em 1995, abrimos a fábrica no Brasil onde está, desde a fundação, o meu irmão Rui Azevedo. Naquele país, o sucesso reside no mercado das bebidas e gelados. Tudo o que é produzido no Brasil é unicamente para consumo no mercado interno”, revela a administradora da Fricon, Isabel Azevedo. Ao longo dos anos, a empresa procurou responder às necessidades do mercado e, por isso mesmo, foi-se redimensionando e alterando a produção dos equipamentos produzidos. Hércules Zurita, assessor de administração, revela que “começámos com o mercado doméstico, depois houve uma evolução para os gelados e congelados, posteriormente, passámos para as bebidas e consolidámos com um setor chave de atividade, que nós identificámos como nicho de mercado, que é o setor do retalho alimentar. Estes quatro segmentos são trabalhados pela Fricon onde o principal é o retalho alimentar em que empresas como a Jerónimo Martins e outros grandes grupos nacionais e internacionais operam, dando-nos uma grande cobertura de mercado”, frisando que “a exportação representa 85 por cento do nosso volume de negócios. O principal mercado é a Polónia e Colômbia com a Jerónimo Martins e Brasil, sendo os EUA, América Central e Ásia mercados em desenvolvimento”. Atualmente, a Fricon emprega cerca de 200 trabalhadores em Portugal e 700 no Brasil, distinguindo-se das restantes empresas do mercado pela inovação, com a criação de um novo laboratório onde são testados os produtos. A diferenciação da Fricon passa pela “flexibilidade e capacidade em apresentar equipamentos inovadores, antecipando as necessidades do cliente. O recurso às últimas tecnologias, proporcionando assim consumos de energia reduzidos, o respeito pelo meio ambiente, utilizando gases ecológicos e materiais recicláveis, mantendo sempre uma altíssima competitividade e sobretudo a aposta pela qualidade de excelência dos nossos equipamentos”, destaca a nossa entrevis-


tada. Com 40 anos de existência, a Fricon é já considerada uma das empresas mais conceituadas do ramo a nível mundial. O sucesso deve-se também a toda a equipa a quem Isabel Azevedo diz “reconhecer o valor e importância das pessoas que trabalham aqui há muitos anos, sem eles não era possível, os parceiros locais e nacionais também são uma mais-valia, todos juntos conseguimos ultrapassar os obstáculos”, destaca. Hércules Zurita, assessor da administração reforça que a conjugação de um “bom maestro com uma boa orquestra”, acrescentando que “em Touguinha, temos 200 bons guerreiros que travam duras batalhas, com respeito por todos os parceiros que trabalham connosco”. Questionados sobre as perspetivas de futuro os nossos interlocutores revelam que passa pela “preocupação em desenvolver novos produtos, antecipando as necessidades de mercado, através da aposta na inovação. Há uma grande preocupação ecológica, da produção por meios que poupem o ambiente. O futuro passa ainda pela contínua aposta na modernização, pela constante inovação dos nossos produtos, pelo recurso a matérias-primas inovadoras, pela formação continuada dos nossos colaboradores, pela expansão internacional e claro, pela procura contínua da qualidade”, conclui.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 61


CONFIANÇA É A PALAVRA DE ORDEM A Servimotor distingue-se pela competência e pelo seu serviço de qualidade, oferecendo soluções adequadas às necessidades de cada cliente, bem como um aconselhamento individual e profissional, oferecendo um serviço personalizado e próximo dos seus clientes. Os funcionários da Servimotor esforçam-se por dar o seu melhor e satisfazer as necessidades dos seus clientes. Em conversa com a equipa da revista Portugal em Destaque Jorge Carvalho explica o percurso de sucesso desta oficina de reparação e manutenção. SERVIMOTOR

Os primórdios da Servimotor remontam a 1986, fundada pelas mãos de Manuel Joaquim Alves Carvalho, pai de Jorge Carvalho que iniciou a sua atividade numa pequena oficina de automóveis. Como oficina de reparação e manutenção, em 2006 dão um grande passo mudando de instalações e tornando-se numa oficina Bosch Car Service. Esta mudança, que exigiu um grande investimento a nível das

62 | PORTUGAL EM DESTAQUE

instalações e aquisição de equipamentos para conseguirem ter uma capacidade de resposta maior, foi, nas palavras de Jorge Carvalho, uma grande aposta. “É uma marca que nos traz confiança, prestígio e notoriedade. Mas que exigiu de nós uma enorme adaptação e competências para corresponder às exigências do mercado”, avança o dirigente cujo objetivo é estarem sempre na vanguarda e atualizados a nível de produtos e de serviços de acordo com os parâmetros de qualidade Bosch. O Bosch Car Service é um conceito completo de manutenção e reparação automóvel multimarca, assente em três áreas fundamentais de atuação: produto, know-how e orientação para o cliente. Com dois mercados distintos, o mercado dos automóveis ligeiros e o mercado dos veiculos pesados, é no setor dos ligeiros que melhor se encaixa o seu conceito de bosch car service. A par deste serviço, a Servimotor presta, ainda, assistência a máquinas de movimentação de contentores “ É uma área em franca expansão e que tem um interesse muito significativo para nós”, adianta Jorge Carvalho. A conseguir consolidar o seu negócio e a aumentar o seu volume de faturação de ano para ano, o principal objetivo desta oficina é a satisfação dos seus clientes, “ pois o cliente está sempre em primeiro lugar” pelo que todos os seus colaboradores têm formação e conhecimento adequados para prestar um serviço de qualidade aos seus clientes já que esta é a principal prioridade da empresa. Com um número significativo de clientes fidelizados a Servimotor consegue diferenciar-se pela rapidez na prestação dos serviços, pela confiança que os clientes depositam nos colaboradores quando entregam o seu carro e pela relação preço-qualidade. “Prestamos um conjunto de serviços que solucionem qualquer problema, esclarecemos sempre os nossos clientes nas suas dúvidas e questões para irmos ao encontro das suas necessidades, bem como tentamos sempre que os nossos preços sejam justos e adequados. Queremos que eles deixem o seu carro nas nossas mãos com total confiança”, explica o dirigente. Clareza, transparência e ouvir o que o cliente tem para dizer é a filosofia da Servimotor. “Somos criteriosos e seletivos até na escolha dos produtos que usamos nos automóveis”, afirma Jorge Carvalho. A pensar sempre no bem-estar dos seus clientes, a Servimotor tem já em curso um sistema de fidelização que consiste na adesão ao ‘Cartão Cliente’ da oficina que traz inúmeras vantagens, nomeadamente em descontos e promoções. “Queremos consolidar a nossa marca, continuar a trabalhar para servir mais e melhor os nossos clientes”, conclui Jorge Carvalho.


AÇORES UM PARAÍSO A VISITAR

Na última década e meia, os Açores têm-se tornado numa referência no turismo de Natureza e isso só foi possível através da conjugação de esforços entre entidades públicas e entidades privadas, como afirma o titular da pasta do Turismo. Ao longo destes anos foi desenvolvido um trabalho conjunto entre entidades públicas e privadas, de construção dos Açores como um verdadeiro destino turístico. Os Açores já são um destino de referência. A nível internacional esse reconhecimento já é uma realidade e tem-se materializado através dos vários prémios que distinguem os Açores como um destino de excelência. O arquipélago foi considerado como o destino mais sustentável da lista dos 100 destinos mais sustentáveis do mundo e a única região do mundo que ostenta o galardão de Quality Coast platina. A Natureza, no seu estado mais puro, é o principal motivo que leva milhares de pessoas a visitar a região. Os Açores caracterizam-se por um destino diferente, com uma natureza única e por uma matriz de natureza em que a sua mais-valia está nos aspetos diferenciadores que cada ilha tem para oferecer. Entrevista a Vítor Fraga, Secretário Regional do Turismo e Transportes do Governo dos Açores

CENTRAL DE RESERVAS T +351 296 205 340 F +351 296 287 146 INFO@AUTATLANTIS.COM SÃO MIGUEL SEDE | Rua dos Manaias, 53 - 57 (Largo de Sto. André) 9500 - 084 PONTA DELGADA • S. Miguel • Açores Telef. +351 296 205 340 / 6 • Fax +351 296 287 146 FILIAL | Avenida Liberdade • 9680 - 101 VILA FRANCA DO CAMPO Telef. +351 296 581 115 • Fax +351 296 581 116 AEROPORTO | Telef. +351 296 684 632 • Fax +351 296 684 630 PORTAS DO MAR | Telef. +351 296 281 248 STA. MARIA Aeroporto de Santa Maria | 9580 VILA DO PORTO • Telef. +351 296 886 530 TERCEIRA Rua de São Pedro, 71 | 9700 - 187 ANGRA DO HEROÍSMO • Telef. +351 295 218 800 Aeroporto das Lajes | 9760 PRAIA DA VITÓRIA • Telef. +351 295 515 800 SÃO JORGE Rua Dr. Manuel Arriaga, s/n | 9800 - 549 VELAS • Telef. +351 295 432 800 Aeroporto de São Jorge | 9800 QUEIMADA - VELAS• Telef. +351 295 412 800 PICO Rua Carlos Dabney, 20 | 9950 - 327 MADALENA • Telef. +351 292 629 900 Aeroporto do Pico | 9950 - 011 MADALENA • Telef. +351 292 629 800 FLORES Rua do Aeroporto | 9970 SANTA CRUZ DAS FLORES • Telef. +351 292 542 278

w w w. a u t a t l a n t i s . c o m

PORTUGAL EM DESTAQUE | 63


RESTAURAÇÃO DE EXCELÊNCIA NOS AÇORES É na Rua da Corujeira, em Relva, Ponta Delgada que encontramos a Taberna Saca-Rolhas. Ali, deparamo-nos com um espaço acolhedor, com capacidade para cerca de 50 pessoas, comida saborosa de peixe ou carne, bons vinhos de toda a qualidade e um atendimento personalizado durante toda a refeição. As garrafas de vinho e fotografias a preto e branco decoram o espaço, tornando-o bastante simplista e ideal para um bom convívio familiar ou entre amigos. EQUIPA DO SACA-ROLHAS

TABERNA SACA-ROLHAS

Pratos saborosos acompanhados por um bom vinho Marlene Soares é a proprietária deste espaço e o seu pai, Fernando Soares fala-nos um pouco sobre o conceito que sempre quiseram implementar no Saca-Rolhas. “O nosso conceito foi pensado há muito tempo porque a minha filha sempre quis um espaço pequeno e não uma casa maior para além da que temos. Achamos que é muito mais acolhedor e as pessoas gostam”. O nome Saca-Rolhas, como nos revela, foi escolhido pela empresária e por uma pessoa de família, nome peculiar mas que define na perfeição o espaço. A ideia passou sempre por apostar num mercado de cozinha diferente, regional dos Açores e regional portuguesa e os produtos que utilizam na confeção dos pratos são maioritariamente açorianos, apesar de também utilizam alguns produtos do continente. Em termos de carta de vinhos, a oferta é bastante diversificada apostamos sobretudo nos vinhos brancos e nos tintos, desde o Alentejo ao Douro. “Em termos de pratos a nossa aposta recai essencialmente pelo peixe, a carne maturada e o marisco. Temos um prato de peixe muito famoso que é a bacoeira, que é bacalhau com polvo misturado com alho da ilha Graciosa e em termos de carne temos o naco de carne maturada, também muito saboroso”, sugere, Fernando Soares. Questionado sobre a possibilidade de abrir mais espaço com este conceito, mostra-se bastante relutante. “Expandir é difícil com um conceito igual porque são as pessoas que dão identidade à casa e quando temos que estar em mais que uma,

64 | PORTUGAL EM DESTAQUE

perde-se isso. O que nos distingue é o atendimento personalizado e cuidado”. Turismo crescente, uma mais valia para a restauração Com a liberalização do espaço aéreo por parte das companhias low-cost, admite que cada vez mais turistas visitam o Saca-Rolhas, tendo uma média de crescimento de cerca de 70% no último ano. Na sua perspetiva, o turismo de massas que cada vez mais chega aos Açores é sem dúvida uma mais valia para vários setores de atividade da ilha, principalmente para a restauração e hotelaria. “Considero que o turismo é muito importante para o poder económico e turístico dos Açores em termos de hotelaria, restauração, companhias rent-a-ar, por exemplo, porque deram e continuam a dar um grande impulso para o desenvolvimento da ilha”, refere, acrescentando que é fulcral os empresários açorianos se conseguirem adaptar a esta nova realidade. Para além dos novos clientes que visitam o seu espaço, destaca também aqueles que o visitam frequentemente, pessoas da ilha e clientes há vários anos. Futuro Sendo um balanço positivo aquele que faz desde que abriram portas até aos dias de hoje, o futuro passará por continuar o bom trabalho, a apostar num atendimento personalizado e distinto a cada cliente e em promover da melhor forma, através dos seus pratos, os bons produtos do arquipélago dos Açores. “Estamos satisfeitos e o nosso objetivo passa por continuar a receber as pessoas da melhor forma. O crescimento já esta feito, é preciso manter a qualidade e a expetativa do que temos atualmente.”, finaliza.


NA VANGUARDA DE ESPECIALIDADES DISTINTAS A CAL- Clínica do Aparelho Locomotor, sediada em Ponta Delgada, nasceu de um conceito inovador em Portugal. Guilherme Figueiredo, um dos seus fundadores, apresenta-nos esta empresa, referência na região nas áreas em que atua.

CLÍNICA DO APARELHO LOCOMOTOR

O começo A CAL inicialmente começou por reunir três especialidades que não é fácil verem-se reunidas num projeto comum: a Reumatologia, a Ortopedia e a Fisiatria, e por isso é designada como a clínica do aparelho locomotor. “O trajeto tem sido muito gratificante, na medida em que foi uma reunião feliz entre colegas de especialidades diferentes que partilham uma ideia de colaboração, de poder intervir de forma interdisciplinar, integrada, num conjunto de problemas relativamente afins”, explica Guilherme Figueiredo. Partindo de uma estrutura modesta, foi em 1992 que esta sociedade se formou e deu início à sua atividade.

GUILHERME FIGUEIREDO de 160 cortes, que se coloca entre os mais modernos do país e, claramente, o mais avançado da RAA. “Processa todo o trabalho que todos os outros TACs comuns fazem e, sobretudo, faz aquilo que a maior parte dos outros não fazem. E com muito menor radiação aplicada sobre os pacientes. Com este aparelho de TAC, também ele apoiado por fundos da CE (Competir+), queremos sobretudo diferenciar e privilegiar a doença coronária e dos vasos sanguíneos”, frisa. A CAL disponibiliza consultas especializadas de Reumatologia, Ortopedia, Fisiatria e Reabilitação, Cardiologia, M. Interna, C. Vascular, Psicologia e Nutrição, e conta ainda com a prestação de vários médicos de Radiologia, na vertente muito afirmativa e relevante, do diagnóstico por imagem, sendo estas as áreas do seu core business. O futuro “Manter os nossos mais de 30 colaboradores. Reforçar o carácter interdisciplinar das especialidades que nos compõem, com desenvolvimentos futuros nas áreas da reabilitação cardíaca e do tratamento minimamente invasivo da patologia dolorosa do raquis (coluna) e da dor neuropatica”, finaliza Guilherme Figueiredo.

Excelência é o objetivo “Cerca de um ano depois, em 1993, instalámos, no que também fomos pioneiros na região, a técnica, inovadora em Portugal, da Densitometria Óssea Bifotonica a Rx (DEXA), dedicada ao diagnóstico da osteoporose. O 5°aparelho de Portugal, logo depois de Lisboa, Porto e Coimbra”. Posteriormente, no início do novo século, ampliam as instalações da clínica, implementando novos serviços e alargando o âmbito da sua intervenção. “Ampliámos francamente o espaço da fisioterapia, criamos novas técnicas de reabilitação e tratamentos e atraímos mais um sócio - um cardiologista -, porque essa área era extremamente relevante para complementar as que já existiam em duas vertentes fundamentais: uma, preventiva, no âmbito da medicina desportiva e da avaliação do risco cardiovascular global dos indivíduos de meia idade e idoso; a outra, na intervenção clínico-terapêutica da patologia cardiovascular, tão importante e prevalente nos Acores. Desenvolvemos técnicas de eletrofisiologia do esforço e monitorização cardíaca, e a ecografia de alta resolução nas vertentes cardíaca e músculo-esquelética. Com equipamentos de topo”, destaca Guilherme Figueiredo. Há três anos, a CAL um novo projeto apoiado pelo programa SIDER instalaram uma Ressonância Magnética dedicada ao aparelho músculo-esquelético, numa opção convicta e coerente com o conceito e objeto de intervenção da clínica. “É o único aparelho em Portugal, até hoje, que faz ressonância magnética com o paciente em “carga”, ou seja, com as pessoas a poderem ser colocadas para exame, também, de pé. O que tem importância decisiva na avaliação de certas patologias”. Recentemente, adquiriram um aparelho de TAC de 3ª geração, PORTUGAL EM DESTAQUE | 65


O SABOR DOS AÇORES NUMA GARRAFA Surgiu em 1993, mas com experiência acumulada desde 1936, e com apenas 23 anos de existência, hoje é uma das maiores indústrias a nível nacional no fabrico e comercialização de bebidas alcoólicas. Falamos da Fábrica de Licores Eduardo Ferreira & Filhos Lda, empresa com origem na Região Autónoma dos Açores. Marcas como: Ezequiel, Mulher de Capote e Queen of the Islands são algumas das mais conhecidas desta empresa.

EDUARDO FERREIRA & FILHOS

“O nosso trabalho remonta a 1980, data em que regressei dos Estados Unidos da América, onde fui emigrante trabalhador. Trouxe comigo na bagagem novas ideias, sempre com o objetivo de criar produtos de qualidade e inovadores. Assim nasceu, a marca Mulher de Capote. Confesso que uma das razões por termos iniciado com esta marca foi porque a minha avó usava o famoso capote, um traje tradicional dos Açores, e foi sem dúvida uma das principais motivações para o desenvolvimento desta marca que preserva e revive as tradições açorianas.” Começa por nos explicar Eduardo Ferreira, fundador e proprietário desta fábrica de licores. “Na nossa fábrica temos um lema: A aualidade! Só produzimos produtos de qualidade. Aliás, qualidade aliada a um bom preço e a uma boa apresentação, são sem dúvida os pilares da nossa empresa. E, sim é possível!”, explica o empresário. Começando a fabricação dos seus licores do zero, com apenas quatro barris, os seus produtos rapidamente ganharam destaque e a empresa foi crescendo gradualmente, sempre passo-a-passo, pois Eduardo Ferreira refere que só assim conseguiu vingar no mercado. “O nosso método de trabalho é assente na formação, acompanhamento dos nossos colaboradores e inovação. Começamos por produzir aguardente e Licor de Maracujá, hoje temos dezenas de produtos, incluindo o novo Licor de Arroz Doce, que tem sido um enorme sucesso. Somos pioneiros no ramo das bebidas alcoólicas.” Quando o tema é a instabilidade financeira que se instalou no país, o empresário revela que na Fábrica de Licores Eduardo Ferreira & Filhos Lda a crise fica à porta. A estabilidade financeira do negócio está hoje garantida graças a um passado de muito trabalho; face à aposta na modernização de toda a nossa área de produção da fábrica; graças à nossa capacidade de inovar constantemente o e fruto de um aproveitamento sustentado de todos os recursos. Como tal, ao olhar para dentro de portas o gerente fá-lo com orgulho no império que desenvolveu, e por isso não se ressente da verdadeira crise que está instalada no país. “Fomos procurando um pouco mais, mas sempre com os pés na terra. Surgiram apoios comunitários e nós aproveitamo-los, todos eles (apoios) estão investidos nesta fábrica. Estamos numa situação de crise, mas estamos 66 | PORTUGAL EM DESTAQUE

desfrutando de todos os anos de trabalho aqui investidos; hoje temos uma capacidade de resposta muito maior do que há uns anos.” E as distinções são muitas quando o espírito de sacrifício e trabalho árduo são palavras de ordem. “Em 2015, o Governo Regional foi muito generoso connosco e foinos entregue uma medalha de mérito industrial e por parte da Câmara Municipal de Ribeira Grande recebemos igualmente uma medalha de ouro de mérito industrial, entre outras que fomos recebendo ao longo dos anos”. Hoje em dia, investem em tecnologia de ponta apesar de alguns produtos têm que ser desenvolvidos por via artesanal, porque só assim conseguem atingir a qualidade pretendida. Mas, na perspetiva de Eduardo Ferreira a qualidade das máterias-primas açorianas são, sem dúvida, um fator diferenciador nos seus licores. Acrescenta que os produtos açorianos devem e têm que ser mais bem aproveitados. “Nós temos o melhor leite do mundo, que usamos no nosso Licor Queen of The Islands, e é isso que o torna especial. Queremos também incentivar os Ribeiragrandenses a produzir cana-de-açúcar e contamos apenas com o apoio técnico do Governo dos Açores para isso. Toda essa cana será comprada pela Fábrica de Licores e iremos transformá-la em rum, porque temos mercado para isso e conhecimento de gerações passadas em que os Açorianos já foram referências mundiais. Vamos criar um rum de primeira qualidade. Temos um ótimo Governo, que apoia muito a indústria, mas tem que incutir a vontade de inovar, de ir mais além, nas gerações mias novas. O céu é o limite”, frisa o empresário açoriano. Produtos açorianos também no continente Com o objetivo de posicionar a fábrica de licores no mercado


nacional, surge a ideia de abrir lojas em Lisboa para venda de produtos açorianos. “Para nós é bastante interessante e gratificante dizer que os nossos produtos se encontram fora dos Açores, nomeadamente em Lisboa, onde já temos três lojas. São elas o ‘Espaço Açores’, ‘Mercearia Açores’ e’ Loja Açores’, duas na baixa lisboeta e uma outra na zona de Picoas (Saldanha). Entretanto também criamos uma plataforma online em www.merceariadosacores.pt que permite às pessoas comprarem os nossos licores de norte a sul do país. Esta foi a forma que achamos melhor para conseguir abastecer o consumidor final continental”, explica Carolina Ferreira, responsável pelas três lojas e filha de Eduardo Ferreira. Para além dos licores existem também nestes espaços todo o tipo de produtos açorianos, tentando ter o melhor que se produz nos Açores, como licores, queijos, iogurtes, carne, enchidos, vinho, artesanato, entre outros produtos. “As nossas lojas em Lisboa têm sucesso, porque as pessoas são recebidas de forma diferente, com um atendimento personalizado. O saber receber e a humildade é essencial e isso nós temos”, finaliza Eduardo Ferreira.


O CHÁ MAIS ANTIGO DA EUROPA A Fábrica de Chá Gorreana funciona ininterruptamente desde 1883 e é um marco de referência incontornável na economia e no turismo do arquipélago dos Açores. Sendo uma das duas únicas e a mais antiga fábrica de chá na Europa, hoje é um ponto de paragem obrigatório para que visita a ilha.

CHÁS GORREANA

130 anos de história “Existimos desde 1863 quando na ilha ainda existia o ciclo da laranja que mais tarde devido a uma doença extingiu-se. Os agricultores da ilha tiveram que pensar numa nova forma de subsistência, numa nova cultura das nossas terras e lembraram-se na plantação de chá. Foram feitas várias experiências, trouxeram dois chineses que lhes ensinaram todos os procedimentos, funcionou e existiam cerca de 16 fábricas de chá em São Miguel”, começa por nos contar Sara Mota, membro da quinta geração da Fábrica Gorreana. Como a plantação de chá acarreta custos muito elevados o seu bisavô construiu uma hidroelétrica, o que reduziu significativamente as despesas da fábrica. “As fábricas que não optaram por este tipo de investimento, fecharam portas. Podemos dizer que este decisão visionária por parte do meu bisavô nos ajudou bastante ao longo destes anos”, acrescenta Madalena Mota, uma das proprietárias do Chá Gorreana. Aposta na qualidade e no turismo Neste momento a fábrica apenas produz chá verde e preto mas Sara Mota revela que existe um projeto para a junção de ambos, sempre com produtos regionais. “Estamos a trabalhar neste projeto, porque temos que estar sempre a evoluir e acompanhar os tempos. A nossa produção é pequena e temos que nos seguir pela nossa qualidade. Sabemos que esse é o nosso ponto forte para nos conseguirmos diferenciar. Nos processos de produção, apenas utilizamos adubo fertilizante porque de resto não utilizamos pesticídas nem herbicídas. Estamos a trabalhar na certificação biológica porque queremos que os nossos chás continuem o mais naturais possível”.

68 | PORTUGAL EM DESTAQUE

SARA E MADALENA MOTA

Considerado um ponto de interesse turístico, aqui os visitantes têm a hipótese de percorrer as diversas secções de transformação das folhas e saboreá-lo numa sala com vista panorâmica. “O meu avô sempre teve o cuidado de ter a nossa fábrica aberta ao público, mesmo quando ainda não se falava em turismo nos Açores. Cada vez mais as pessoas querem ver os nossos métodos de produção, as nossas máquinas antigas e hoje somos um ponto turístico na região”, refere Madalena Mota que acredita que a liberalização do espaço aéreo por parte das companhias low-cost foi decisivo nesta questão. “Anteriormente recebiamos muitos alemães, ingleses e hoje em dia recebemos espanhóis e portugueses, fruto dos preços mais acessíveis pelas companhias low-cost que hoje operam na ilha”, acrescenta. De março a outubro quem visita a Fábrica Gorreana tem a oportunidade de entrar no século XX, na revolução industrial, e ver os nseus métodos de produção tal e qual como na época. “Queremos manter sempre a tradição mas sempre adaptados à realidade do mercado e às exigências dos nossos clientes. Evoluímos nas nossas máquinas, nomeadamente de empacotamento em saquetas, porque a forma como o chá é feito é ortodoxa e é sempre o mesmo processo. É mais caro mas é a nossa forma de estar no mercado”, revela Madalena Mota. O futuro da Fábrica Gorreana na perspetiva as nossas entrevistadas passa pelo aumento das vendas em França e Alemanha, mercados de maior escala em termos de exportação. “O melhor chá do mundo é aquele que nos remete à memória da nossa infância, aquele que bebemos desde sempre e o povo alemão já nos conhece há muitos anos daí quererem muito o nosso produto”, concluem.


ANANÁS DOS AÇORES DESDE SEMPRE COROADO Constituída em 1972 por 35 associados, a Profrutos tem como principal atividade a comercialização de ananás dos Açores e nasceu da necessidade de criar um organismo que estivesse mais próximo do produtor. Rui Pacheco, um dos responsáveis por esta empresa, revela-nos que um dos principais objetivos da Profrutos passa por promover o ananás açoriano nos mercados locais, regionais, nacionais e internacionais e que este seja reconhecido e apreciado pelo consumidor, quer enquanto alimento que contribui para a saúde em geral, quer enquanto produto de referência da Região Autónoma dos Açores.

PROFRUTOS

e inovação. Sendo um produto único, o ananás dos Açores pode desmultiplicar-se em vários produtos, também eles diferenciados, e a Profrutos criou o «mais Ananás», um projeto resultante em novos produtos distintivos. “Não podemos ficar parados e o nosso objetivo é estar sempre em constante evolução. Para isso, a parceria com diversas entidades de referência é essencial. A Santini, marca de gelados conhecida a nível nacional e internacional, produz o seu gelado de ananás com os nossos produtos e já colaboramos com a cadeia MacDonalds, no Sundae Ananás Açores, São Miguel, que foi um enorme sucesso”, descreve Rui Pacheco. Desafios de futuro A perspectiva da Profrutos passa por continuar o bom trabalho realizado até então, regido sempre com valores fortes como a inovação, qualidade e cooperação. “A Profrutos tem cerca de 18 produtores desenvolvendo uma área de cinco hectares de produção certificada como biológica e/ou em modo de conversão. No total a produção deverá rondar as duas mil estufas, ocupando cerca de 50ha, distribuídas por cerca de 260 produtores sendo que a Profrutos ocupa 1100 estufas cultivadas por 140 produtores associados. Queremos continuar a dar a conhecer este produto da melhor forma possível porque é uma referência da nossa ilha pois é impossível dissociar o ananás dos Açores desta Região. Produzimos cerca de quinhentas toneladas de ananás por ano, sendo que 50 por cento se destina para o Natal, e manter a nossa capacidade de produção é essencial”, finaliza Rui Pacheco.

Uma história secular A presença do fruto rei em São Miguel remonta aos séculos XVII e XVIII quando os portugueses descobriram o ananás no Brasil e trouxeram-no para os Açores. Só a partir do século XIX o ananás passa a ser encarado enquanto produto com potencial para a economia açoriana e a necessidade de encontrar um substituto para a laranja, proveniente de pomares de citrinos, afetados pela doença da gomose, foi a causa da procura de um novo produto que preenchesse a lacuna deixada por esse fruto no circuito comercial de exportação. Só em 1864 é construída a primeira estufa de dimensão industrial com capacidade para 800 plantas e é neste ano que se dá a primeira exportação de ananás para Inglaterra. Em 1996, é registada e protegida a Denominação de Origem Ananás dos Açores, São Miguel. 2 anos a crescer O ananás dos Açores/São Miguel é produzido em estufas de vidro, utilizando técnicas de cultivo tradicionais e só ao fim de um período de dois anos, se obtém um ananás com aroma e sabor distintos pela sua qualidade. “Todo o processo, desde a plantação à colheita é complexo e é composto por três fases: fase I consiste no Abrolhamento, que demora de quatro a seis meses, a fase II é a Planta Disposta, entre seis a oito meses e por fim, a fase III, Planta Definitiva , num espaço de tempo entre os 12 a 15 meses”. Para além de ananás, a Profrutos comercializa banana regional, bem como, em menor expressão, maracujá, anona e pera abacate. Inovação Tentando responder às novas exigências e tendências de consumo, a Profrutos tem presente a procura constante pela qualidade PORTUGAL EM DESTAQUE | 69


POÇA DA DONA BEIJA

O PARAÍSO DAS ÁGUAS TERMAIS A Poça da Dona Beija, situada no Vale das Furnas em São Miguel é hoje uma referência de paragem obrigatória para quem visita os Açores. Como surge a ideia de criar este espaço termal associado ao lazer e bem-estar? A Poça da Dona Beija, também conhecida por “Poça da Juventude” ou “Poça do Paraíso”, faz parte de um conjunto de nascentes férreas e quentes, com temperaturas médias de 39ºC, associadas aos fenómenos de vulcanismo secundário bem evidentes na Caldeira do Vulcão das Furnas. O espaço é uma dádiva da natureza dos Açores. As suas características naturais apresentaram-se ideais para desenvolver uma oferta de bem-estar, num ambiente tranquilo e imaculado. Em outubro de 2010, após a obtenção da concessão do espaço termal, no âmbito de um concurso lançado pela Junta de Freguesia de Furnas, foi constituída a empresa Criações Naturais, Lda. com o intuito de explorar a Poça da Dona Beija. Estas piscinas resultam da enorme atividade vulcânica que se verifica no arquipélago açoriano. Em que medida estas águas férreas, que rondam os 39ºC , são uma mais valia em termos de saúde para quem as visita? A Poça da D. Beija é conhecida pelas suas indicações terapêuticas, pois integra piscinas termais, de águas férreas, com temperaturas médias que rondam os 39ºC. Refira-se que o Instituto de Hidrologia de Lisboa classifica águas termais como aquelas cuja temperatura se regista entre os 35º e os 40ºC. O termalismo é praticado especialmente no tratamento de doenças reumáticas e metabólicas, problemas respiratórios, digestivos, músculo-esqueléticos, afeções circulatórias, problemas urinários e de pele. Tudo isto aliado a um espaço envolto por natureza, que favorece uma experiência holística de regeneração física, mental e espiritual. Uma pequena gruta com sete metros de comprimento e três de largura é um dos pontos mais procurados pelos turistas que visitam a região. Desde que iniciaram atividade verificam cada vez mais procura pelo vosso espaço? A nascente natural de água quente encontra-se uma dentro da referida gruta. De salientar que esta fornece três piscinas com temperaturas diferentes, uma zona para molhar os pés ou o corpo e ainda a parte da ribeira, que alberga uma comporta removível, proporcionando uma mistura de água quente e fria. Atualmente, a zona da nascente apresenta uma função exclusivamente didática/pedagógica e explicativa, não sendo possível tomar banho na mesma. No entanto, todos os outros locais encontram-se à disposição dos turistas/clientes, para que possam desfrutar de um excelente banho, numa localização privilegiada. Neste sentido, tendo em conta a significativa evolução do setor do turismo nos últimos anos, tem-se verificado uma interessante e crescente procura pela Poça da Dona Beija, essencialmente, por parte de estrangeiros. 70 | PORTUGAL EM DESTAQUE

A conservação do espaço natural que envolve a Poça da Dona Beija é uma das vossas principais preocupações? Sim, a conservação do espaço natural que envolve a Poça da Dona Beija é uma das principais e constantes preocupações da empresa Criações Naturais, Lda. A empresa garante a manutenção/limpeza e conservação de todo espaço, quer seja das piscinas e infraestruturas complementares, como da natureza envolvente, para que a Poça da Dona Beija seja sempre uma atração de excelência. Em termos de liberalização do espaço aéreo por parte das companhias low-cost, considera que foi uma mais-valia no fluxo de turistas nos Açores? Sem qualquer dúvida, a liberalização do espaço aéreo apresentou-se como uma mais-valia no fluxo de turistas nos Açores. Concretamente, sendo a Poça da Dona Beija uma das maiores atrações turísticas da ilha de São Miguel, com a liberalização do espaço aéreo, verifica-se que a procura pelo espaço termal tem apresentado um crescimento superior ao existente no passado, por inúmeros turistas nacionais e internacionais. Relativamente a perspetivas futuras, quais são os projetos delineados a curto, médio prazo para a vossa empresa? A empresa pretende divulgar ao máximo o projeto implementado, muito recentemente, de requalificação da Poça da Dona Beija, bem como continuar a trabalhar para manter uma elevada satisfação por parte dos turistas/clientes que visitam o espaço termal, proporcionando-lhes uma experiência inesquecível. Assim, este espaço termal pode, certamente, ser considerado como um impulsor do contínuo crescimento pela procura de experiências e sensações únicas que o destino Açores oferece.


70 ANOS DE LIDERANÇA Em entrevista à Revista Portugal em Destaque, Gabriela Silva, apresenta-nos a Avlis, empresa que administra e faz um balanço dos 70 anos de existência e dos desafios de futuro desta empresa que é uma referência no arquipélago dos Açores.

AVLIS

A Avlis, situada em pleno coração de Ponta Delgada, é hoje uma referência no setor em que atua. Como e quando surge esta empresa? A Sociedade de Representações Avlis, Lda. iniciou a sua atividade em 1945 no centro histórico de Ponta Delgada e no ramo da comercialização de produtos alimentares. Estava-se então no rescaldo da Segunda Grande Guerra mundial e a carência de bens alimentares que na altura se fazia sentir entre nós perspetivava uma área de negócios com grande relevância social e económica. A empresa foi fundada inicialmente por três sócios, cujos descendentes de dois deles ainda fazem parte da sociedade, e foi crescendo como empresa de cariz familiar. Em 1952 a Avlis obteve a representação para São Miguel e Santa Maria das Tintas Dyrup produzidas na altura em Portugal pela Fábrica de Tintas Sacavém que agora se encontra integrada na Multinacional PPG Industries. Iniciou-se assim uma nova fase da empresa, desta vez mais vocacionada para a comercialização da distribuição de tintas e acessórios que se tem mantido até aos nossos dias como a sua atividade predominante. Paralelamente, embora com menor expressão temos procurado crescer na área da decoração e utilidades com uma loja vocacionada para este ramo de negócio.

socioeconómicas que tem acontecido ao longo de décadas no país e na Região Autónoma dos Açores. Apesar disso temos aumentado a dimensão da empresa e mantido os padrões de qualidade. Quantos colaboradores tem a empresa e em que áreas geográficas atua? Neste momento somos 22 colaboradores que desenvolvem a sua atividade principal na ilha de São Miguel e ocasionalmente na Ilha de Santa Maria. Muitos deles trabalham na empresa desde longa data. Esta estabilidade laboral garante-nos a qualidade dos nossos serviços. Representam várias marcas de referência deste setor. Considera que este facto é uma mais-valia na hora de decisão por parte do consumidor final? Sem dúvida, porque são marcas de muito prestígio e os clientes procuram-nos justamente por isso, mas também porque temos sabido manter uma relação personalizada e de confiança com os nossos clientes, cumprindo o padrão de bem servir, não só diretamente mas também através do nossos revendedores com os quias mantemos uma relação de proximidade na assistência e distribuição dos nossos produtos. Relativamente a perspetivas futuras, quais são os projetos delineados a curto, medio prazo para a Avlis? O principal desafio da Avlis num futuro próximo é aumentar a sua cota de mercado principalmente no ramo das tintas e similares, através da melhoria dos nossos serviços e infraestruturas. Continuando assim a merecer a fidelização e confianças dos nossos clientes e revendedores.

Quais os produtos e serviços que disponibilizam no vosso espaço? Dispomos atualmente de quatro espaços de venda, três no centro histórico de Ponta Delgada e um nos arredores, mais concretamente na zona comercial dos Valados. Somos representantes das Tintas Dyrup, da Marca Ceys que inclui silicones colas e outros acessórios; da Casa Cesar Santos na comercialização de sementes e bolbos e finalmente da empresa Hevea que comercializa calçado para a indústria e agricultura da marca Dunlop. Um dos espaços no centro histórico é dedicado a artigos de decoração utilidades e desporto. Festejaram este ano 70 anos de existência, qual o balanço que faz desde que a Avlis iniciou a atividade até aos dias de hoje? Nestes 70 anos de história da empresa felizmente temos conseguido resistir e prosperar apesar das muitas adversidades quer do ponto de vista da estrutura da empresa quer pelas convulsões PORTUGAL EM DESTAQUE | 71


POTENCIAR JOVENS PARA A VIDA ATIVA A Associação Seara do Trigo é uma instituição particular de solidariedade social que presta serviços terapêuticos, pedagógicos e assistenciais a cerca de 70 jovens, maiores de 16 anos com deficiência mental do concelho de Ponta Delgada.

ASSOCIAÇÃO SEARA DO TRIGO

Em entrevista à Revista Portugal em Destaque, Mário Jorge Carvalho, presidente da direção, fala-nos sobre as atividades desenvolvidas nesta associação no sentido de potenciar estes jovens para a vida ativa e social e sobre os projetos delineados para o futuro. Potenciar a inclusão social É na Rua do Contador, em Ponta Delgada, que encontramos a Associação Seara do Trigo. Fundada em 2001 na sequência da extinção da antiga Escola de Educação Especial dos Açores, foi criada para satisfazer as necessidades dos jovens que na altura frequentavam essa escola. “Somos um centro de atividade ocupacionais, que acolhe os jovens das 8 às 18 horas. Os objetivos do trabalho que aqui desenvolvemos passam por potencializar, desenvolver e manter o perfil biopsicossocial de cada jovem, no respeito pela sua autodeterminação, individualização e inclusão pessoal e social, mantendo-os ativos, interessados, ocupados e úteis.”, começa por nos contar Mário Jorge Carvalho. Para tal, são desenvolvidas várias atividades, como hortofloricultura, ateliês de reciclagem, de estimulação propriamente dita, natação, educação física, entre outras, oferecendo assim uma vasta gama de atividades de ocupação ao longo do dia. “Estas intervenções têm como objetivo inserir e estimular os jovens socialmente e são muito importantes para o desenvolvimento pessoal de cada um deles. Nesse sentido, realizamos também várias visitas fora do âmbito do nosso espaço físico para que eles tomem contato com a vida quotidiana porque muitos deles não têm essa possibilidade. Temos também uma parceria com a Solidaried’Arte, que permite realizar espetáculos de teatro e música”. Recentemente, conta o líder desta associação, foi inaugurado um lar residencial para os jovens com dificuldades familiares e não só, poderem ter um sítio para residir, depois de terem passado o dia na associação ou em outra qualquer, e que os acolhe o resto da sua vida. Acompanhamento especializado Para um acompanhamento mais cuidado e específico, a Associação Seara do Trigo, possui uma psicóloga, um professor de música, de educação física e de área agrícola, uma especialista em psicomotricidade, uma técnica de serviço social, tendo no total 35 colaboradores. Os jovens são maioritariamente de Ponta Delgada e o mais velho tem 58 anos de idade, como nos indica Mário Jorge Carvalho. O bom trabalho implementado pelos seus colaboradores é para si 72 | PORTUGAL EM DESTAQUE

MÁRIO JORGE CARVALHO um fator determinante para o sucesso destes jovens. “Os colaboradores da nossa associação desenvolvem um trabalho muito importante e gratificante. Às vezes com muitas dificuldades devido à problemática que eles muitas vezes evidenciam, mas tentam sempre dar o melhor de si e os jovens têm de facto evoluído com as atividades desenvolvidas”, revela, orgulhoso. Projetos para o futuro O principal projeto, previsto para 2016, passa por construir novas instalações dentro do perímetro da associação, criando assim um centro de atividades ocupacionais novo, de raíz porque o edifício onde se encontra de momento é antigo e não é apropriado para os jovens e para as suas limitações. “Está previsto para o ano o projeto de um novo edifício para facilitar a deslocação dos jovens nas nossas instalações. Será muito importante pois assim podemos potenciar ainda mais as suas capacidades”, finaliza.


ONDE SABE BEM RESPIRAR… Com cerca de oito mil habitantes, a Freguesia de São Pedro em Ponta Delgada é a segunda maior freguesia em termos populacionais dos Açores e é caracterizada pelo seu elevado desenvolvimento comercial, educacional e turístico.

JUNTA DE FREGUESIA DE S.PEDRO

MARINA Em entrevista à revista Portugal em Destaque, José Leal, presidente da Junta de Freguesia de São Pedro, descreve-nos a sua terra e fala-nos sobre os grandes desafios que se impõem no sentido de potenciar a vários níveis esta freguesia cheia de encantos. Desenvolvimento social e cultural “Possuímos a maior oferta hoteleira do arquipélago açoriano e todos os graus de ensino centram-se em São Pedro, desde o jardim de infância até ao ensino superior pois a Universidade dos Açores está sediada na nossa freguesia. Os cruzeiros com destino à ilha também é aqui que ficam atracados, nas Portas do Mar. Assim, em termos de educação e em termos turísticos, São Pedro é a freguesia principal de Ponta Delgada e uma referência da ilha”, começa por nos contar o autarca quando questionado sobre a evolução significativa que a sua freguesia tem espelhado nos últimos anos. Relativamente aos principais desafios que enfrenta atualmente, é perentório na resposta. “Temos desafios típicos de uma freguesia urbana, na gestão corrente de qualquer freguesia. Essencialmente consistem na mudança de mentalidades, no despertar de uma maior consciência cívica, na resolução de problemas da nossa sociedade pois assim ajudamos quem necessita a todos os níveis como de toxicodependência, educacionais, sociais”. Também a questão da segurança e policiamento é uma das prioridades de José Leal, que acredita que São Pedro é hoje uma freguesia mais segura apesar de ser necessário fazer ainda mais. A cultura, revela o autarca será igualmente uma das grandes apostas de do seu mandato. “Queremos apostar na cultura pois achamos que ainda não esta devidamente implementada na nossa área. Desenvolvemos todos os primeiros domingos de cada mês uma feira de antiguidades que tem sempre bastante adesão por parte de todos e é nesse sentido que que-

remos continuar a trabalhar”. Turismo crescente na região Principalmente no último ano, o turismo tem sido uma das grandes apostas da economia açoriana e neste sentido São Pedro esta na vanguarda em várias áreas e José Leal considera que este é uma mais valia para os Açores, aliado a uma boa gestão da natureza que caracteriza a ilha. “O turismo no arquipélago é sem dúvida uma mais valia para a freguesia e é pena que este desenvolvimento não tenha aparecido mais cedo pois é essencial para a nossa população e economia. Na minha perspetiva, conseguimos perfeitamente conciliar o turismo relativo de massas com a preservação da natureza característica dos Açores pois ainda existe uma certa seletividade no público que nos visita”, frisa. Em termos de pontos turísticos de visita obrigatória na freguesia, o autarca enaltece o Parque Urbano de Ponta Delgada, a Ermida da Mãe de Deus, as Portas do Mar, as Estufas de Ananás, entre outros e destaca também a rede de transportes funcional da freguesia, que muito orgulha José Leal. “Em São Pedro temos o Parque Urbano de Ponta Delgada e em termos de espaço verdes estamos bem servidos mas não podemos estar satisfeitos com o que temos e queremos sempre mais. A nossa rede de transportes também é algo que nos podemos orgulhar, o minibus satisfaz parte da nossa freguesia e cerca de seis mil habitantes são servidos por esta rede, e foi uma conquista nossa juntamente com a Câmara Municipal de Ponta Delgada que deste sempre se mostrou disponível e sensível a esta necessidade”. O futuro desta freguesia passa por continuar a crescer exponencialmente a nível habitacional, turístico, tendo assim uma grande margem de crescimento em diversas áreas.

PORTUGAL EM DESTAQUE | 73


LOJAS OPTICENTER CADA VEZ MAIS PERTO DE SI....


Portugal em Destaque - Edição 5  
Advertisement