Page 1

Recortes nº 159 Índice – 22 de Agosto de 2011 • Porto de Setúbal cresce no terminal multiusos zona 1 e nos contentores • Porto de Setúbal – Terminal Multiusos Zona 1 mantém rota de crescimento no 1º semestre • Porto de Sesimbra – Sessão de apresentação da Ponte Cais nº 3 • APSS adjudica reparação do molhe exterior da Doca de Pesca • Estado recebe da APSS cerca de 3 milhões • Navio movido a vento chega a Viana • Economia do mar e emprego • Álvaro Santos Pereira diz que houve ‘má interpretação’ das suas palavras em Madrid • Alta velocidade ferroviária já acarretou investimentos de 116 milhões • Entrevista a António de Melo Pires, director-geral da Autoeuropa • Turismo de cruzeiros cresce 175% numa década na Europa

1


Público Online – Carga & Transportes – 19 de Agosto de 2011 No primeiro semestre

Porto de Setúbal cresce no terminal multiusos zona 1 e nos contentores Por Paulo Vilarinho O Terminal Multiusos Zona 1 do Porto de Setúbal, concessionado à Tersado, cresceu mais 21,3% no primeiro semestre de 2011, face a igual período de 2010, com 933,5 mil toneladas movimentadas. Ressalta, neste semestre, o movimento da carga geral fraccionada com 597 mil toneladas, valor que significa um crescimento de 44% neste modo de acondicionamento, face ao mesmo período de 2010. Como principais países de origem e destino da carga movimentada no Terminal Multiusos Zona 1, destacam-se, em percentagem do volume de carga, o Brasil com 36%, a Espanha com 15% e a Itália com 8%. Também o movimento de contentores no porto de Setúbal registou um aumento de 50% em TEU (unidade de medida dos contentores) com 31,4 mil no primeiro semestre de 2011 em relação a igual período de 2010, e de 55% em tonelagem, com 313 mil toneladas, reforçando a tendência de crescimento que se vem verificando neste Porto, em especial no Terminal concessionado à Sadoport – Zona 2. Este segmento continua a evidenciar uma grande capacidade exportadora, tendo saído pelo porto de Setúbal, neste semestre, 257 mil toneladas de carga em contentores, que corresponde a 82% do total movimentado e um crescimento de 47%, em relação ao total exportado no período homólogo de 2010. O destaque vai para o papel produzido pela fábrica da Portucel que constituiu a principal mercadoria exportada por contentores no porto, com cerca de 40% do total. Entre os principais países de origem e destino da carga em contentores contam-se, na Europa, o Reino Unido, a Holanda, a Grécia e a Itália; em África, a Argélia, Cabo verde, e a Guiné-Bissau, e na América, o Equador e a Costa Rica. O Porto de Setúbal é escalado regularmente por linhas de contentores da Portline, para África e Europa; da Great White Fleet, para a América; da Seatrade, para a Europa e América; da WEC Lines, para a Europa; da Eurocondor, para África e Europa, da Safmarine, para África e Europa; da Tarros Line, para a Europa, África e Médio Oriente; e da Maersk Lines, para a Europa, Mediterrâneo e África.

2


Newsletter APP – 18 de Agosto de 2011

PORTO DE SETÚBAL

Terminal Multiusos Zona 1 mantém rota de crescimento no 1º semestre O Terminal Multiusos Zona 1 do Porto de Setúbal, concessionado à Tersado, cresceu mais 21,3% no 1º semestre de 2011, face a igual período de 2010, com 933,5 mil toneladas movimentadas. Ressalta, neste semestre, o movimento da carga geral fraccionada com 597 mil toneladas, valor que significa um crescimento de 44% neste modo de acondicionamento, face ao 1ºsemestre de 2010. Como principais países de origem e destino da carga movimentada no Terminal Multiusos Zona 1, destacam-se, em percentagem do volume de carga, o Brasil com 36%, a Espanha com 15% e a Itália com 8%.

3


Raio de Luz – 15 de Agosto de 2011 – Pág. 7

4


Raio de Luz – 15 de Agosto de 2011 – Pág. 8

5


Raio de Luz – 15 de Agosto de 2011 – Pág. 8

6


Diário de Notícias – 22 de Agosto de 2011 – Pág. 31

7


Newsletter APP – 21 de Agosto de 2011

A PROFESSORA UNIVERSITÁRIA E INVESTIGADORA SALIENTA A QUALIDADE DOS PORTOS PORTUGUESES

Economia do mar e emprego Devido às suas características geofísicas, os portos portugueses são muito competitivos (vide, por exemplo, o Porto de Sines, o maior porto de águas profundas da Europa) pelo que, estimando-se um potencial de crescimento do comércio marítimo no médio e longo prazo, o crescimento da actividade portuária imporá a construção e a expansão de terminais e de plataformas logísticas associadas. Glória Rebelo é licenciada e mestre em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa e doutorada em Sociologia Económica e das Organizações pelo Instituto Superior de Economia e Gestão da Universidade Técnica de Lisboa (ISEG). É Professora Universitária e Investigadora. É autora de diversos livros e de artigos publicados em revistas científicas e de divulgação. Publicou, na Editora RH, os seguintes livros: A Era da Competência - um novo paradigma para a Gestão de Recursos Humanos e o Direito do Trabalho Teletrabalho e Privacidade Emprego e Contratação Laboral em Portugal

8


Cargo News – 21 de Agosto de 2011

Álvaro Santos Pereira diz que houve “má interpretação" das suas palavras em Madrid Na passada sexta-feira, Álvaro Santos Pereira esteve presente no porto de Sines, onde se reuniu com a administração do porto, e aproveitou a ocasião para responder ao vice-presidente da bancada do PSD, Carlos Abreu Amorim, em relação às suas declarações em Madrid no que respeita ao TGV, atribuindo as palavras do parlamentar a "alguma interpretação diferente" ou "má interpretação". Recorde-se que depois de uma reunião com o ministro espanhol do Fomento, Santos Pereira afirmou que havia comunicado a José Blanco "que a intenção é chegar internamente a uma decisão em setembro, articulando essa decisão com as autoridades espanholas". No dia seguinte, o vice-presidente da bancada social-democrata colocou na sua página pessoal da rede social Facebook: "Não gostei nada das declarações do ministro da Economia acerca do TGV". "O PSD e o CDS garantiram que se tratava de um investimento ruinoso - agora não podem mudar de opinião, de modo mal camuflado, exceto se existirem dados relevantes que a isso obriguem”, acrescentou. As declarações do ministro foram polémicas e levantou-se uma onda de suspense e indefinição face ao possível volte-face do Governo nesta matéria. Mas agora, o ministro Álvaro Santos Pereira desmestificou as suas declarações, referindo que "não há nada de novo nas nossas declarações", pelo que "as críticas, sinceramente, acho que foram um mal-entendido".

9


Cargo News – 21 de Agosto de 2011

Alta velocidade ferroviária já acarretou investimento de 116 milhões Segundo o relatório e contas da RAVE, o investimento total no projeto português de alta velocidade ferroviária cifrou-se nos 116,1 milhões de euros até ao final de 2010. Na linha Lisboa-Madrid foram investidos, no total, cerca de 17,9 milhões de euros, enquanto na ligação Lisboa-Porto o investimento feito até 2010 totalizou cerca de 30 milhões de euros. A linha Porto-Vigo foi alvo de um investimento de cerca de 3,4 milhões de euros, a ligação Aveiro-Salamaca de 734 mil euros e linha Faro-Huelva de 496 mil euros. Já a rede geral mobilizou um investimento total de cerca de 63,4 milhões de euros. Este documento surge numa fase de incertezas quanto à concretização do projeto de alta velocidade ferroviária, depois de não ter saído fumo branco da reunião entre Álvaro Santos Pereira e o seu homólogo espanhol.

10


O Setubalense – 22 de Agosto de 2011 – Pág. 5

11


Jornal de Notícias – 22 de Agosto de 2011 – Pág. 50

12

Recortes Nº159 de 2011  

Porto de Setúbal cresce no terminal multiusos zona 1 e nos contentores, Porto de Setúbal – Terminal Multiusos Zona 1 mantém rota de crescime...

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you