Issuu on Google+

Recortes nº 15 Índice – 19 de agosto de 2013  Aumenta a carga movimentada em Setúbal  El puerto de Setúbal incremento un 7% sus tráficos entre enero y julio  TCSA cresceu 12,3% no mês de julho  APDL vai remover plataforma fundeada no Douro  Governo procura soluções para resolver problemas financeiros dos portos da Madeira  Portugal regressa ao ano 2000

APSS, SA Praça da República 2904-508 Setúbal Portugal Nº Reg. Comercial e NPC: 502256869

Tel.: +351 265 542000 Fax: +351 265 230992 Sítio Internet: www.portodesetubal.pt Email: geral@portodesetubal.pt


Revista de Marinha, 17 de agosto de 2013

Aumenta a carga movimentada em Setúbal

A

carga

fracionada

movimentada no Porto de Setúbal, em valores acumulados a julho de 2013, registou um aumento de 20%, face ao período homólogo em 2012. Este desempenho,

muito

positivo,

deve-se

essencialmente

ao

aumento

da

movimentação de produtos metalúrgicos, em 44%, e de cimento ensacado, em 12%. Realça-se, em ambas as tipologias, a vertente de exportação, que no caso dos produtos metalúrgicos atingiu um aumento de 24%. Este crescimento teve lugar em ambos os terminais de utilização pública, tendose traduzido num aumento de 23% no Terminal Multiusos 1, concessionado à Tersado, e num aumento de 24%, no Terminal Multiusos 2, concessionado à Sadoport. Recorde-se que o Porto de Setúbal é o líder nacional neste segmento de carga, com 37% de quota de mercado, com a movimentação de 2.181.458 toneladas, segundo valores do ano de 2012. Na carga total movimentada, os terminais de serviço público apresentaram uma variação positiva, de 7%, essencialmente devido ao bom desempenho do Terminal Multiusos 2, com um incremento de 17%, e do Terminal Multiusos 1, que obteve um crescimento de 6% . O Terminal Sapec Líquidos também registou um aumento de cerca de 7%.


El vigia, 16 de agosto de 2013

El puerto de Setúbal incremento un 7% sus tráficos entre enero y julio El puerto de Setúbal registró un incremento del 7% en sus tráficos durante los siete primeros meses del año. Por terminales, la actividad en la Terminal Polivalente 2, concesionada a Sadoport, registró un aumento de sus movimientos del 17%. Por su parte, la Terminal Multipropósito 1, gestionada por Tersado, experimentó un crecimiento del 6% y la terminal de graneles líquidos de Sapec mejoró sus cifras un 7% respecto a los siete primeros meses de 2012. La carga fraccionada en el puerto de Setúbal entre los meses de enero y julio registró un incremento del 20%, respecto al mismo periodo de 2012. Este incremento de la actividad se debió principalmente, tal y como informa el puerto de Setúbal, al crecimiento del 44% experimentado en el movimiento de productos metalúrgicos y al de cemento, que aumentó un 12%. De hecho, las exportaciones de productos metalúrgicos crecieron un 24%.


Transportes em Revista, 13 de agosto de 2013

TCSA cresceu 12,3% no mês de julho O TCSA – Terminal de Contentores de Santa Apolónia, concessionado à Sotagus, do Grupo ETE, registou um crescimento de cerca de 12,3 por cento no número de contentores movimentados e de 8,4 por cento na quantidade de TEU´s, comparativamente com o período homólogo em 2012. Segundo o Porto de Lisboa “este crescimento é o resultado da movimentação de aproximadamente 13 700 contentores, o que dá uma média de 440 unidades por dia, correspondendo a mais de 19 000 TEUs. Em termos acumulados, tanto o Terminal de Contentores de Santa Apolónia como o Terminal de Contentores de Alcântara tiveram valores de tráfego, no que respeita à quantidade de contentores, superiores ao mesmo período em 2012”. De referir também que a dimensão média dos navios porta-contentores que escalaram o Porto de Lisboa entre janeiro e julho tem aumentado, resultando um crescimento acentuado de 7,3% do gross tonnage – GT, que se reflete de forma positiva no GT total, com mais 1,7% comparativamente com igual período de 2012.


Cargo News, 18 de agosto de 2013

APDL vai remover plataforma fundeada no Douro

A APDL – Administração dos Portos do Douro e Leixões vai proceder à remoção da plataforma onde funcionou o bar Maré Alta, fundeada na frente ribeirinha na zona do Ouro, depois de ter recebido na semana passada uma comunicação do administrador judicial da empresa proprietária da

plataforma

informando

ter

desistido

da

recuperação da empresa e da insuficiência de meios para proceder à remoção do que resta do estabelecimento Maré Alta. Confirmado o abandono pelo seu proprietário, a APDL irá avançar para o desmantelamento de uma instalação que degrada a paisagem do Douro, pelo que vai desenvolver o processo de contratação de uma empresa especializada neste tipo de trabalho de imediato. Relativamente à outra instalação onde funcionou o bar Zoo, o processo encontra-se mais atrasado, estando a APDL a colaborar com a Capitania do Porto do Douro para promover a remoção dos destroços resultantes do afundamento.


Cargo News, 18 de agosto de 2013 Governo procura soluções para resolver problemas financeiros dos portos da Madeira Conceição Estudante, secretária Regional da Cultura, Turismo e Transportes da Madeira referiu que o porto do Funchal se tornou insustentável e defendeu ser preciso encontrar soluções para os problemas financeiros da Administração dos Portos da Madeira. “O Governo [Regional] está a tentar encontrar soluções para resolver os problemas financeiros da Administração dos Portos da Madeira (APRAM) (…) temos que encontrar soluções e estamos a trabalhar nelas”, referiu em entrevista à agência Lusa. Recordando que o porto do Funchal registou, nos primeiros três meses de 2013, uma quebra superior a 20%, em comparação com o mesmo período de 2012, tendo recebido menos 59.842 passageiros, a secretária Regional adiantou que o Governo Regional está a estudar soluções para resolver o problema da insustentabilidade económica da Administração dos Portos da Madeira (APRAM). A APRAM “é insustentável financeiramente com este modelo”, referiu Conceição Estudante, acrescentando que “agora é preciso ver como se vai alimentar financeiramente a APRAM para que ela consiga ir resolvendo as suas questões de capital”. Segundo os dados da APRAM, esta regista receitas anuais na ordem de 11 milhões de euros, estando obrigada a suportar um serviço de dívida à volta de 200 milhões. Mas a responsável insular sublinhou que “tudo tem solução”, referindo que o Governo Regional é sócio da APRAM e que a situação de insustentabilidade financeira é do conhecimento da República, sendo um problema que “não se desenquadra do programa de ajustamento económico e financeiro”. “Nesse âmbito terá que ser encontrada uma solução que não está definida totalmente” neste momento, realçou, defendendo ser necessário “criar condições de estabilidade financeira para a APRAM”. A responsável insular salientou que “a sustentabilidade financeira do serviço da dívida não é possível”, assegurando que “a APRAM consegue receitas para a sua operacionalidade, mas não para fazer face à dívida dos investimentos que vêm de trás”, relacionada com as obras nos portos do Funchal, Caniçal e Porto Santo. Na altura em que assinala o primeiro centenário das obras do porto do Funchal (19 agosto de 1913), depois de ter conseguido nos últimos anos aumentar o número de escalas e passageiros, a APRAM regista quebras superiores a 20 por cento. A secretária regional considera que a infraestrutura “está a sofrer a mesma influência que todos os portos nesta área do Atlântico, que é a deslocalização para a Ásia de navios de cruzeiro, fruto das modas, das influências e do crescimento que aquele lado do globo está a ter”. Segundo a governante madeirense, também “não há produto que, estando no mercado há tantos anos, consiga manter taxas de crescimento sempre em crescendo”. Por isso, para Conceição Estudante, “o porto do Funchal está numa fase de consolidação da sua posição” à semelhança do que acontece com as infraestruturas portuárias das ilhas Canárias. Ainda assim, a governante mantém o otimismo, considerando que, “daqui a dois anos, tudo isto é capaz de retomar um outro ritmo, porque há perspetivas de novas operações para este roteiro Atlântico”.


Expresso Economia, 17 de agosto de 2013, pรกg. 8 e 9

(cont.)



Recortes 158 19 08 2013