Issuu on Google+

Recortes nº 154 Índice – 12 de Agosto de 2011 • Porto de Setúbal reforça liderança nacional no Ro-Ro • Porto de Setúbal reforça liderança nacional no Ro-Ro • Estado recebeu da APSS três milhões de euros • Porto de Sesimbra – Já está em funcionamento a Ponte-Cais nº 3 • Poluição e danos paisagísticos chumbam terminal de contentores de Alcântara • Ministério do Ambiente chumba expensão do terminal dos contentores de Alcântara • Procura de capacidade nos portos vai aumentar nos próximos 5 anos • Transporte marítimo: Governo britânico recusa entrar no comércio de emissões europeu • ‘Guerra’ de pescadores faz cinco feridos na lota • Gaia vai ter marina no Douro por 8,5 milhões

1


Cargo News – 11 de Agosto de 2011

Porto de Setúbal reforça liderança nacional no Ro-Ro O porto de Setúbal reforçou no 1º semestre a liderança nacional roll on-roll off, com a movimentação de quase 100 mil viaturas nos seus terminais. Este volume significa um crescimento de 12,7% em unidades relativamente ao período homólogo de 2010, e de 14,7% em tonelagem, neste segmento de carga. O aumento registado repercutiu-se exclusivamente na vertente da exportação e deveu-se sobretudo à produção da fábrica da Volkswagen Autoeuropa. No porto de Setúbal a movimentação de mercadorias no modo ro-ro é feita em 4 terminais: 3 de serviço público, Terminal Ro-Ro sob gestão da APSS, Terminal Tersado (Zona 1), Terminal Sadoport (Zona 2) e um de uso privativo - Terminal da Volkswagen Autoeuropa.

2


O Setubalense – 12 de Agosto de 2011 – Pág. 6

3


Jornal de Sesimbra – Julho de 2011 – Pág. 16

4


Jornal de Sesimbra – Julho de 2011 – Pág. 2

5


Público – 12 de Agosto de 2011 – Pág. 20

6


Diário Económico – 12 de Agosto de 2011 – Pág. 13

7


Cargo News – 11 de Agosto de 2011

Procura de capacidade nos portos vai aumentar nos próximos 5 anos Nos próximos cinco anos, o crescimento da procura por capacidade nos portos irá ultrapassar a expansão dos terminais. Esta situação levará a um aumento dos níveis de utilização, que podem exceder os 90% até 2016, na maioria dos portos, principalmente no Extremo Oriente e no sudeste da Ásia. Para que este cenário não se verifique é necessário que as entidades portuárias avancem rapidamente com projetos de expansão da sua capacidade instalada, revela a consultora Drewry Maritime Research no seu relatório "Global Container Terminals Operators". Para a América Latina, Oriente Médio e África, a agência prevê que a pressão exercida nos seus portos para ampliarem as suas capacidades será um pouco menor, mas que também se verificará de forma acentuada. Na América do Norte e Norte da Europa, a pressão será relativamente menor porque o crescimento da procura não será tão forte quanto a verificada nos mercados emergentes. Contrariamente, o nível de utilização dos portos no sul da Ásia pode cair até 2016 devido ao elevado número de projetos de expansão que já começaram a ser desenvolvidos na região.

8


Cargo News – 11 de Agosto de 2011

Transporte marítimo: Governo britânico recusa entrar no comércio de emissões europeu “O sistema de comércio de emissões da União Europeia não vai funcionar para o transporte marítimo”, defendeu esta terça feira Mark Brownrigg, diretor-geral da Câmara britânica para o transporte marítimo em declarações ao jornal “The Guardian”. Brownrigg avisou que se os navios vierem a ser incluídos no comércio de emissões as embarcações irão abastecer-se em portos não europeus. Esta situação deve ser discutida à escala mundial e não regional através da Organização Marítima Internacional. “Este é um debate internacional complexo e precisamos da participação de todos", defendeu. O sistema europeu de redução de emissões de gases com efeito de estufa (GEE) foi introduzido primeiro no setor fabril. Posteriormente a aviação foi também sujeita a essa regulamentação, tendo a Comissão Europeia avançado qm 2005 que os navios também serião incluídos no sistema. A Organização Marítima Internacional avançou que o transporte marítimo foi responsável em 2007 apenas por 2,7 por cento as emissões totais de CO2 emitidas, o que corresponde a 870 milhões de toneladas de dióxido de carbono.

9


Jornal de Notícias – 12 de Agosto de 2011 – Pág. 10

10


Diário Económico – 12 de Agosto de 2011 – Pág. 25

11


Recortes Nº154 de 2011